Você está na página 1de 21

ISSN 1984-9354

A RESPONSABILIDADE SOCIAL SOB A PERSPECTIVA DO


SINAES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO
FEDERAL DE ENSINO
Regina Célia Stroligo de Souza
(LATEC/UFF)
Mirian Picinini Méxas
(LATEC/UFF)

Resumo: A Responsabilidade Social (RS) é uma das dez dimensões que compõe o processo de
autoavaliação das Instituições de Ensino Superior (IES) instituída pelo Sistema Nacional de
Avaliação da Educação Superior (SINAES). Devido à importância cada vez maior atribuída a
esta dimensão, a presente pesquisa irá analisar se os indicadores propostos pelo SINAES quanto
à RS estão sendo cumpridos pela Unidade de Ensino Descentralizada de Nova Friburgo (UnED)
que integra o CEFET/RJ, a partir das orientações gerais elaboradas pela Comissão Nacional de
Avaliação da Educação Superior. Para a efetivação deste trabalho foi realizado um
levantamento bibliográfico que contemplou um estudo sistematizado, a partir dos conceitos de
Responsabilidade Social, da função das IES e das normas instituídas pelo SINAES para a
dimensão da RS, assim como de documentos internos do CEFET/RJ. Foi também realizado um
estudo de caso através da aplicação de um questionário fechado, tendo em vista a necessidade de
avaliar o grau de utilização e importância das atividades, ações, relações e políticas sociais
realizadas no âmbito da UnED Nova Friburgo. Como resultado foi possível diagnosticar o
comprometimento da Unidade, no que se refere à dimensão da Responsabilidade Social, assim
como identificar as fragilidades e potencialidades da Instituição, tendo em vista o subsídio de
possíveis decisões futuras em relação a sua gestão.

Palavras-chaves: SINAES. Responsabilidade Social. Autoavaliação


X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

1. Introdução
Nas últimas décadas a educação passou a ser considerada o principal caminho para o
desenvolvimento e a minimização dos problemas sociais. Neste sentido, o papel social das
Instituições de Ensino Superior (IES) vem sendo discutidos cada vez mais, tornando-se um dos
temas centrais em Conferências Mundiais de Educação Superior (CMES) e Órgãos Internacionais.
Neste contexto social, a avaliação instituída pelo Sistema Nacional de Avaliação da
Educação Superior (SINAES) procura assegurar às IES, além da melhoria da qualidade da
Educação Superior, a definição de suas prioridades, a orientação para expansão da sua oferta e a
efetividade acadêmica relacionada à Responsabilidade Social (RS) no contexto onde estão
inseridas, tendo em vista a “sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento
econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do
patrimônio cultural” (BRASIL, 2004).
Sendo assim, o presente trabalho foca a dimensão da Responsabilidade Social, a partir dos
indicadores qualitativos e quantitativos do SINAES no processo de autoavaliação institucional.
Ressalte-se que não se pretende analisar as demais dimensões do SINAES visto que os
fundamentos da RS estão implícitos em todas as outras dimensões, evidenciando a importância
das questões sociais para o Ensino Superior (ES). Ou seja:
A dimensão III do Sinaes com foco na responsabilidade social é fundamental para as IES,
por promover e estimular a participação, o compromisso e o retorno do conhecimento
gerado no âmbito das instituições à sociedade. O estudo sobre o Sinaes revela que seus
fundamentos estão interligados aos aspectos sociais da Educação Superior (BARROS;
FREIRE, 2011).
Desta forma, a presente pesquisa tenta contribuir no processo de autoavaliação
institucional do CEFET/RJ, respondendo às seguintes questões:
 A Unidade de Ensino Descentralizada (UnED) de Nova Friburgo realiza ações que
contemplam a dimensão da RS, de acordo com os indicadores do SINAES?

 Quais as potencialidades e fragilidades da UnED em relação à prática da Responsabilidade


Social?

 Quais estratégias ou adaptações poderão ser adotadas pela Instituição, a fim de obter
qualidade para os serviços prestados à comunidade?

As respostas às questões mencionadas levarão à elucidação da principal questão desta


pesquisa: Quais as problemáticas envolvidas com os aspectos sociais à luz da Responsabilidade
Social definida pelo SINAES?

2
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

Uma breve explicação sobre a pesquisa poderá ser alcançada por meio do Quadro 1:
Contextualização Problema Objetivo Geral Objetivos Específicos
Nas últimas décadas a educação O Estado reduziu Analisar a percepção Avaliar a percepção da
passou a ser considerada o principal seu campo de atuação da atuação da UnED opinião dos docentes,
caminho para o desenvolvimento e nas questões sociais. Nova Friburgo em discentes e técnico-
a minimização dos problemas Necessidade de relação à dimensão da administrativos envolvidos
sociais. Paralelamente, a verificação das Responsabilidade em Programas e Projetos de
implantação do SINAES veio atividades, ações, Social, por meio dos Extensão através do grau de
buscar o aprofundamento dos relações e políticas indicadores do utilização e importância das
compromissos e responsabilidades sociais realizadas no SINAES. atividades, ações, relações e
sociais, tanto que a âmbito da UnED Nova políticas sociais realizadas no
Responsabilidade Social passou a Friburgo. âmbito da UnED Nova
ser uma das dez dimensões a serem Friburgo.
verificadas no processo de
autoavaliação das IES.
Os técnico-administrativos, ao “Desobrigação” da
contrário dos docentes e discentes participação dos
que foram conduzidos diretamente técnico-administrativos
ao processo, não foram “obrigados” no processo de
a participar da autoavaliação autoavaliação da
institucional do CEFET/RJ. De Instituição.
acordo com a RELFINAL (2013), .
somente os técnico-administrativos
das UnEDs Maracanã e Petrópolis
participaram do processo.
No CEFET/RJ, o processo de Dificuldades para
autoavaliação interna requer a apuração dos dados
reunião de muitas informações relativos à
relativas às Unidades de Ensino Responsabilidade
Descentralizadas (UnEDs) que Social, o que pode não
oferecem Ensino Superior, assim demonstrar a realidade
como a utilização de vários da instituição, em
procedimentos metodológicos, função das dificuldades
tendo em vista a coleta de do processo.
informações para a elaboração do
RELFINAL.
A partir do SINAES, é Necessidade de Identificar as fragilidades
fundamental diagnosticar o real definição de novas e potencialidades da
comprometimento da UnED Nova estratégias ou Instituição, no que se refere à
Friburgo em relação aos adaptações, a fim de Responsabilidade Social,
indicadores qualitativos e buscar a excelência dos para subsidiar possíveis
quantitativos propostos pelo serviços prestados pela decisões futuras em relação a
SINAES, tendo em vista a RS. UnED Nova Friburgo. sua gestão.
Quadro 1: Questões da pesquisa
Fonte: Elaborado durante a pesquisa

A seção 2 expõe a revisão da literatura sobre a Responsabilidade Social Corporativa;


Responsabilidade Social das IES; o SINAES e a Responsabilidade Social; e a Função Social das
IES. A seção 3 apresenta a metodologia da pesquisa utilizada; na seção 4 são apresentados os
resultados obtidos; e finalmente na conclusão são discutidos as contribuições e os resultados deste
artigo.

3
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

2. FUNDAMENTACAO TEÓRICA
2.1 Responsabilidade Social Corporativa

O conceito de Responsabilidade Social passou a ser discutido pelas organizações, desde o


final da década de 80. Naquele contexto, não era mais aceitável produzir bens e serviços que
visassem apenas ao consumo. Era necessário a implementação de relações saudáveis com o meio
no qual se estava inserido. A partir de então surgem diversas discussões sobre o papel das
empresas e dos agentes sociais envolvidos no contexto administrativo. Nesta quebra de
paradigmas, disseminou-se uma nova mentalidade alinhada à cidadania e à sustentabilidade,
implementando-se modelos de gestão preocupados em explorar “a inter-relação entre
responsabilidade social e impactos econômico, ambiental e social das atividades de uma
organização” (AMORIM, 2009).
O Instituto Ethos também disseminou amplamente no Brasil o conceito de
Responsabilidade Social Empresarial, fomentando relações éticas e transparentes entre as
empresas e o público com a qual se relacionava. Além disso, ajudou a estabelecer metas que
impulsionavam o desenvolvimento sustentável da sociedade, levando-se em consideração: a
preservação dos recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, o respeito pela
diversidade e a redução das desigualdades sociais (INSTITUTO ETHOS, 2006).
De acordo com Porter e Kramer (2002), as empresas perceberam que respeitar o meio
ambiente, além de valorizar o homem e sua cultura poderia gerar vantagens. Desta forma, a RS
tornou-se um diferencial para as empresas, aumentando sua capacidade competitiva. Os lucros
deixaram de ser o único propósito das organizações, fazendo com que as relações e a interação
com as comunidades onde estavam inseridas, se tornassem também importantes.
No que se refere ao desenvolvimento sustentável, para Mascarenhas e Silva (2013), o
Triple Bottom Line (TBL) analisa a sustentabilidade empresarial a partir das dimensões
econômica, ambiental e social. Nesta perspectiva, a aplicação do TBL às IES poderá contribuir
com a redução de problemas econômicos e sociais das comunidades onde estão inseridas. Ou seja,
por meio da pesquisa e da extensão as IES poderão interferir no desenvolvimento regional
(CARBONARI; PEREIRA, 2007).

4
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

2.2 A Responsabilidade Social das IES

De acordo com Calderón, Pedro e Vargas (2011), o termo Responsabilidade Social das IES
surgiu quando as Instituições Privadas passaram a incorporar, em suas estratégias de marketing, o
discurso da RS, amplamente difundido pelo Instituto Ethos. Porém, ao ser incluído como tópico
essencial para ser analisado pelo SINAES é que o mesmo tornou-se uma obrigação institucional.
A extensão universitária passou a ser vista como um referencial de avaliação, dando ênfase a sua
contribuição para a solução das demandas sociais, por meio da intervenção social.
Neste sentido, é importante que as IES busquem o diálogo com as comunidades,
fomentando parcerias entre o público e o privado, bem como com Organizações Não-
Governamentais (ONGs) e voluntariado. No contexto atual, é fundamental repensar pesquisa e
extensão, já que se oportuniza uma relação transformadora, onde IES e sociedade obtêm ganhos
através da democratização do conhecimento acadêmico. Assim, evidencia-se o compromisso
social do Ensino Superior em relação à Responsabilidade Social (CARBONARI; PEREIRA,
2007).

2.3 O SINAES e a Responsabilidade Social

Para Ristoff e Giollo (2006) o SINAES significou a retomada de experiências de avaliação


da educação superior brasileira. Seu compromisso gira em torno da globalidade; da integração
entre autoavaliação e avaliação externa; da participação ativa da comunidade acadêmica; bem
como do respeito à identidade institucional e reconhecimento da diversidade educacional superior
brasileira. Além disso, passou a exigir a publicidade dos dados e resultados, estabelecendo a
transparência do processo.
Segundo Andriola e Souza (2010 apud ANDRIOLA; LIMA, 2013),

a avaliação da educação superior brasileira foi motivada pela expansão das Instituições de
Ensino Superior (IES), dos cursos e do incremento da demanda por essa modalidade de
ensino. Atualmente, há que se ressaltar que a pressão por aumento da escolaridade é uma
característica do mundo globalizado, que passou a vincular a educação ao
desenvolvimento das pessoas, das cidades e dos países.

Destaque-se que os principais objetivos a serem alcançados pelas IES, a partir do processo
de avaliação institucional, são os seguintes:
a melhoria da qualidade da educação superior; a orientação da expansão da sua oferta; o
aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social e,
especialmente, a promoção do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades

5
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

sociais das instituições de educação superior, por meio da valorização de sua missão
pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade,
da afirmação da autonomia e da identidade institucional (BRASIL, 2004).

Os resultados da autoavaliação fornecem ao gestor universitário subsídios para promoção


da melhoria do desempenho da Instituição e da qualidade do ensino, pois promove reflexões
acerca desta livre da pressão governamental que, por vezes, promove a avaliação como forma
controladora e para um sistema de ranqueamento, que tem por objetivo o credenciamento de
cursos ou a provisão orçamentária (REIS; SILVEIRA; FERREIRA, 2010).
Para Dias Sobrinho (2010) a avaliação é uma ferramenta que possibilita a organização
implementar reformas educacionais, já que produz mudanças nos currículos, nas metodologias de
ensino, nos conceitos e práticas de formação, na gestão, nas estruturas de poder, nos modelos
institucionais, nas configurações do sistema educativo, nas políticas e prioridades da pesquisa, nas
noções de pertinência e na responsabilidade social. Enfim, permite transformações não somente
para a educação superior, mas também para a sociedade.
Desta forma, a educação passa a buscar uma formação mais humana, ética e dialógica, a
partir dos currículos, metodologias, práticas de formação, pesquisas, gestão e políticas que tenham
como prioridade o conceito de RS.
No que se refere aos agentes envolvidos no processo de Responsabilidade Social da
universidade, ou seja, docentes, discentes e técnico-administrativos, Pinto (2012) destaca que é
importante que cada um entenda sua participação nesse processo, para que se possa compreender
o papel da Universidade para com seu entorno e na construção do conhecimento útil, gerando
atitudes críticas, reflexivas e transformadoras da realidade social que a cerca.

2.4 A função Social das IES

Para Todorov (2005), a globalização e o desenvolvimento tecnológico impuseram


desafios a todos os setores econômicos e sociais, reforçando a importância da educação como
instrumento estratégico principal de qualquer país. Neste sentido, o sistema universitário tem
papel-chave na geração do conhecimento e no compromisso com a qualidade, pensando a
sociedade como uma utopia em processo.
Conforme Cavalcanti, Lima e Pereira Neto (2005), o conhecimento produtivo pode ser
considerado o principal fator de produção e geração de riquezas, quando tem a capacidade de
provocar a inovação de produtos, serviços e mercados. Desta forma, a gestão do conhecimento

6
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

pode ser aplicada por meio da interação universidades-indústrias-governos, promovendo o


desenvolvimento social e econômico das sociedades, por meio de trocas de informação,
conhecimento e valores intangíveis.
Segundo Furlani (2005), o desafio atual é inserir a universidade nos programas de
desenvolvimento regional, sem substituir o Estado ou qualquer outro segmento da sociedade.
Desse modo, as entidades educacionais podem e devem se aproximar da sociedade, oferecendo
soluções inovadoras para os diversos problemas enfrentados e envolvendo-se em programas de
desenvolvimento local, responsáveis pelo crescimento sustentável.
Garcia e Targino (2008) entendem que o conhecimento advindo da pesquisa realizada
pelas IES não pertence ao pesquisador, mas à sociedade. Sendo assim, os resultados do trabalho
devem ser partilhados, sem privilégios de segmentos ou pessoas, para que se possa usufruir dos
saberes recém-produzidos. Desta forma, a produção intelectual e cultural deve permear entre a
ética e a Responsabilidade Social, pois a divulgação científica traz repercussões sociopolíticas, já
que é absorvida e transmutada num ciclo contínuo e inesgotável.
Freitas e Araújo (2010) esclarecem que
ao meditarmos sobre o conhecimento e sua produção, não podemos deixar de reconhecer
que ele implica um posicionamento de compromisso com a verdade, mesmo que ela seja
desafiadora ou constrangedora; com a libertação do dogmatismo, ativa o interesse pela
reflexão, o que traz como consequência a busca de soluções.
O desenvolvimento da sociedade está mais baseado na aquisição do conhecimento, desta
forma as empresas mudam suas características e o mercado de trabalho torna-se mais intenso,
gerando demandas por um novo tipo de profissional. Ao mesmo tempo, a sociedade espera que as
Universidades contribuam mais para o processo de desenvolvimento econômico e social. Neste
contexto, o crescimento das demandas da sociedade gera um desequilíbrio em relação à
capacidade de resposta, fazendo emergir o conceito de Universidade Empreendedora, que busca a
flexibilidade e a capacidade de se adaptar às mudanças e desafios (FREITAS; ARAÚJO, 2010).
Enfim, é preciso que a Universidade, no que se refere a sua função social, repense seu
papel enquanto Instituição de Ensino (UFSM, 2000):
1. num contexto de transformação, modernização, avanços tecnológicos e desigualdades, as
relações sociais vêm se tornando cada vez mais complexas, exigindo dos atores sociais um
comprometimento coletivo, através de projetos que auxiliem na superação dos problemas
econômicos e socioambientais.
2. a Universidade pode cumprir a sua função social por meio da disseminação do
conhecimento, propondo visões que não sejam unívocas ou unilaterais. Ademais, o

7
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

fomento de posturas éticas e responsáveis podem proporcionar perspectivas diferentes,


renovação de ideias e reflexões acerca da realidade contundente.
3. enfatize-se que a Universidade não deve ser encarada, somente como uma prestadora de
serviços produtora de egressos, que sejam capazes de contribuir no mercado de trabalho.
Sua intervenção vai mais além, relacionando-se às demandas coletivas e desigualdades
sociais, no que tange às ações que tragam benefícios comunitários, valorizem as questões
éticas e à promoção da cidadania.
É iminente que as IES sejam capazes de formar egressos que se sensibilizem com as
questões sociais, promovendo mudanças no contexto que os cerca.
Neste sentido, a formação acadêmica passa a ter como foco a formação de cidadãos
conscientes e atuantes junto à sociedade, rechaçando o enfoque individualista que reitera posturas
violentas e antissociais. Idear uma formação puramente técnica, sem levar em conta esses
elementos, é contribuir para a conservação de estruturas sociais injustas e autoritárias
historicamente impostas (UFSM, 2000).

3. Procedimentos Metodológicos
Quanto aos fins, esta pesquisa pode ser considerada descritiva, pois, segundo Gil (1999),
tem o intuito de apresentar características de determinada população, fenômenos, ou o
estabelecimento de relações entre variáveis. Assim como, aplicada, já que tem finalidade prática
sendo motivada pela necessidade de resolver problemas concretos, de solução imediata ou não
(VERGARA, 2011).
Quanto aos meios, ainda segundo Vergara (2011), este trabalho configura-se como
bibliográfico e documental, pois contempla um estudo sistematizado desenvolvido a partir de
material publicado em livros, revistas especializadas, jornais, redes eletrônicas, teses e
dissertações, bem como documentos internos do CEFET/RJ, a saber: Relatório Final de
Autoavaliação (2013) e o Plano de Desenvolvimento Institucional (2010-2014).
Para Yin (2009), o estudo de caso investiga novos conceitos, assim como verifica na
prática de que maneira são aplicados e utilizados os elementos de uma teoria.
Neste sentido, foi realizado um estudo de caso único, que pode ser apropriado por revelar
uma situação real, ou seja: “o caso será visto em si mesmo, provavelmente, como uma descoberta
e oferecerá uma oportunidade para realizar um estudo de caso exemplar” (YIN, p. 181, 2010).
Assim como, oportuniza a descrição de um fenômeno em profundidade MERRIAN (2002).

8
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

Como definição da amostra desta pesquisa utilizou-se o teorema de limite central, que
segundo Martins (2010), trata-se de um número na ordem de 30 (trinta) respondentes. Neste
sentido, percebe-se que esta se compõe de forma não-paramétrica, pois entende-se que os
respondentes estão relacionados com a acessibilidade do pesquisador.
Desta forma, a amostra foi escolhida considerando o envolvimento dos docentes e
discentes envolvidos em Projetos de Bolsas de Extensão (PBEXT/2013), assim como dos técnico-
administrativos diretamente ligados à área acadêmica, ficando definida com doze (12) docentes,
dez (10) discentes; dez (10) técnico-administrativos; totalizando assim trinta e dois (32)
respondentes.
Para a coleta dos dados, foi aplicado um questionário fechado que utilizou o método
LIKERT, numa escala de um a cinco pontos, no qual o respondente manifestou sua percepção em
relação às atividades, ações, relações, políticas e contribuições realizadas no âmbito da UnED
Nova Friburgo. Conforme Richardson (1999), essa escala é elaborada através de técnicas de
análise de itens, na qual cada um deles se classifica ao longo de um contínuo de cinco pontos.
Logo, as questões a serem avaliadas foram baseadas nos indicadores quantitativos e
qualitativos referentes à dimensão da RS, previstos nas Orientações Gerais para o Roteiro de
Autoavaliação das Instituições de Ensino Superior, elaborado pela CONAES (2004). Tal
documento tem por foco a avaliação das IES, em suas etapas de autoavaliação e avaliação externa
propostas pelo SINAES, oferecendo um roteiro para a implementação de tais processos
avaliativos. Assim como, no RELFINAL (2013) do CEFET/RJ, que através de Comissão Própria
de Avaliação (CPA) realizou a Autoavaliação Institucional.
Cumpre ressaltar que antes de ser enviado, o mesmo foi validado por meio de um pré-teste.
Foram escolhidos cinco especialistas representativos da população que avaliaram as questões e as
opções de respostas, permitindo a formatação final do instrumento de pesquisa (VERGARA,
2011). Saliente-se que mediante a aplicação do pré-teste foi sugerido apenas o acréscimo de
observações para as perguntas, com o intuito de levar os respondentes a escreverem considerações
acerca destas, sendo mantidas as questões propostas.
O questionário final totalizou dezoito perguntas: as três primeiras correspondem à
PARTE I, que identifica o perfil profissional do respondente. A PARTE II possui apenas uma
questão que sinaliza se o mesmo desenvolve ou participa de alguma atividade relacionada à RS e a
PARTE III, perfaz um total de quatorze perguntas que se referem à participação e análise das
ações, relações, atividades, políticas e contribuições da UnED Nova Friburgo em relação à RS.

9
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

As quatorze questões do questionário também foram baseadas em conceitos abordados por


diferentes autores, conforme explicitado no Quadro 2 a seguir:
Questão Referencial Teórico
1. Ações acadêmicas desenvolvidas no âmbito da instituição - Brasil (2004); PDI (2010); Rodrigues, Ribeiro
visando ao desenvolvimento regional. e Silva (2006); Barros e Freire (2011);
Carbonari e Pereira (2007); Pinto (2008)
2. Relações mantidas com os setores público e produtivo do - Brasil (2004); PDI (2010); Caixeta e Sousa
município, bem como com instituições sociais, culturais e (2013); Bolan e Motta (2007); Pinto (2008)
educativas de todos os níveis. Carbonari e Pereira (2007)
3. Ações voltadas para o desenvolvimento da democracia, PDI (2010); Barros e Freire (2011); Caixeta e
promoção da cidadania e de atenção aos setores sociais Sousa (2013); Bolan e Motta (2007)
excluídos.
4. Ações promovidas pela instituição relacionadas à PDI (2010); Caixeta e Sousa (2013); Silva
ampliação do acesso aos portadores de necessidades (2008); Antonello (2006)
especiais (instalações).
5. Estratégias pedagógicas/didáticas utilizadas junto aos PDI (2010); Caixeta e Sousa (2013); Silva
portadores de necessidades especiais (discentes, docentes ou (2008); Antonello (2006)
técnico-administrativos)
6. Atividades institucionais em interação com o meio social: PDI (2010); Rodrigues, Ribeiro e Silva (2006);
Pinto ; Caixeta e Sousa (2013); Carbonari e
Pereira (2007)
7. Atividades vinculadas às cooperativas, ONGs, corais, PDI (2010); Bolan e Motta (2007); Ashley,
centros de saúde, escolas, sindicatos ou outras. Ferreira e Reis (2006); Carbonari e Pereira
(2007)
8. Políticas institucionais de inclusão de estudantes em PDI (2010); Barros e Freire (2011); Caixeta e
situação econômica desfavorecida. Sousa (2013); Carbonari e Pereira (2007)
9. Ações desenvolvidas pela instituição, tendo em vista a PDI (2010); Bolan e Motta (2007); Ashley,
promoção de iniciativas de incubadoras de empresas, Ferreira e Reis (2006)
empresas juniores e captação de recursos.
10. Políticas de formação de pesquisadores. PDI (2010); Barros e Freire (2011); Bolan e
Motta (2007); Pinto (2008)
11. Contribuição da instituição para a criação de PDI (2010); Barros e Freire (2011); Bolan e
conhecimentos voltados ao desenvolvimento científico, Motta (2007); Pinto (2008)
técnico ou cultural do município.
12. Realização de avaliação conjunta (corpo docente, PDI (2010); Barros e Freire (2011); Andriolla e
discente e técnico-administrativo) das atividades Lima (2013); Reis, Silveira e Ferreira ( 2010)
desenvolvidas pela instituição (ensino – pesquisa –
extensão).
13. Viabilização realizada pela instituição para a entrada dos PDI (2010); Ristoff e Giolo (2006); Rodrigues,
egressos no mercado de trabalho. Ribeiro e Silva (2006); Caixeta e Sousa (2013)
14. Acompanhamento realizado pela instituição, tendo em PDI (2010); Ristoff e Giolo (2006); Rodrigues,
vista a inclusão dos egressos no mercado de trabalho. Ribeiro e Silva (2006); Caixeta e Sousa (2013)
Quadro 2 – Referencial teórico das questões utilizadas na pesquisa
Fonte: Elaborado durante a pesquisa
Na 3ª Parte do Questionário foi pedido que os respondentes avaliassem cada questão, de
acordo com os Graus de Utilização e Importância. Os Graus de Utilização foram formulados a
partir da análise da Dimensão 3 – Responsabilidade Social – apresentada no RELFINAL (2013).
No que tange aos Graus de Importância, vale observar que foram baseados na escala utilizada na
pesquisa desenvolvida por Vieira Neto (2008). Cumpre ressaltar que os Graus de Utilização e

10
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

Importância empregados nesta pesquisa sofreram adequações, conforme apresentado no Quadro


3:
Graus de Utilização Graus de Importância
1. Insuficiente 1. Nenhuma Importância
2. Suficiente 2. Baixa Importância
3. Regular 3. Média Importância
4. Bom 4. Alta Importância
5. Ótimo 5. Altíssima Importância
Quadro 3 – Graus de Utilização e Importância
Fonte: Elaborado durante a pesquisa

Os dados obtidos foram tratados por meio da Estatística Descritiva, que utilizou para
sintetização a moda, que representa o valor da amostra que ocorre com maior frequência. Tais
resultados também foram demonstrados por meio de gráficos de setores e de barras, que podem
ser considerados um sumário gráfico de dados ou uma representação desses numa distribuição de
frequência (ANDERSON, SWEENEY e WILLIAMS, 2009). Assim foi possível a identificação
das fragilidades e potencialidades da UnED no que se refere à sua RS.

4. Resultados

Na 1ª parte do questionário buscou-se identificar o perfil, o tempo de CEFET/RJ e a


titulação dos respondentes.
Como já mencionado anteriormente, dos 32 (trinta e dois) respondentes, 31% são discentes
e técnico-administrativos, perfazendo 62% do total. Já os docentes somaram 38% do total de
participantes. Com relação ao tempo de CEFET, 94% dos respondentes têm de 1 a 5 anos de
CEFET/RJ, o que demonstra que estes fizeram concurso público para a UnED Nova Friburgo, que
completou em dezembro de 2013, cinco anos de sua inauguração. Os demais representam 3% de 6
a 10 anos, bem como 3% com 20 anos ou mais. Quanto à titulação dos respondentes, observa-se
que 12% possuem doutorado, 22% mestrado, 25% especialização e 41% nível superior completo.
A 2ª parte do questionário possui apenas uma questão que sinaliza quais participantes
desenvolvem ou participam de atividades relacionadas à Responsabilidade Social, ou seja, 44%
assumiram desenvolver ou participar de atividades dentro desta perspectiva, enquanto 56% não
fizeram qualquer relação à dimensão.

11
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

A 3ª parte do questionário foi composta por um total de quatorze perguntas que se


referem à participação e análise das ações, relações, atividades, políticas e contribuições da UnED
Nova Friburgo em relação à RS.
De acordo com as análises de Silva (2011), a Extensão vem sendo encarada por muitos
Gestores de Universidades Públicas como uma “missão”. Tal fato empobrece as ações de
Responsabilidade Social, já que não existe uma análise profunda sobre seu real significado social,
fazendo com que sejam encaradas como uma obrigação. Desta forma, nas universidades públicas,
as atividades acadêmicas (ensino – pesquisa – extensão) acabam sendo desarticuladas e sem
perspectiva integradora.
Com relação às atividades/ações que possam proporcionar o desenvolvimento local ou
regional (Questão 1), percebeu-se que todos os respondentes consideraram que elas são de
“altíssima importância”, mas têm sido “insuficientes”. Tal fato pode demonstrar a necessidade da
realização de pesquisas que diagnostiquem as reais demandas da comunidade interna e externa e
que contribuam para o desenvolvimento e a melhoria de qualidade de vida da população.
No que se refere às relações e atividades institucionais mantidas com os setores público e
produtivo do município, assim como instituições sociais, culturais e educativas (Questão 2 e 7),
observou-se divergências em relação às respostas, conforme a Figura 1. Enquanto discentes, as
consideraram “regulares”, docentes e técnicos “insuficientes”. Em relação à importância também
houve discordâncias. Docentes e técnicos as qualificaram como sendo de “alta” ou “média
importância”; já os discentes como de “altíssima importância”.

Figura 1 – Relações mantidas com os setores público e produtivo do município, bem como com instituições sociais,
culturais e educativas de todos os níveis
Fonte: Elaborado durante a pesquisa

As atividades institucionais em interação com o meio social, que possam promover a


democracia, a cidadania e a atenção aos setores sociais excluídos da comunidade interna e externa
da UnED Nova Friburgo (Questões 3 e 6) foram consideradas pela maioria dos respondentes

12
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

como “insuficientes”, mas de “alta importância”. Pelas respostas, há necessidade que a unidade
viabilize tais ações, sem esquecer do meio ambiente e da cultura (áreas que igualmente foram
mencionadas pelos respondentes). É preciso assumir um compromisso maior com as demandas do
entorno e do município, por meio de um debate aberto com a comunidade interna e externa, para
que o projeto educativo do CEFET/RJ, enunciado em seus objetivos e missão institucional, seja
igualmente efetivado nesta Unidade de Ensino Descentralizada.
Cumpre ressaltar que através do Colegiado de Línguas foi instituído o Centro de Línguas
(CELI), que oferece cursos básicos de inglês e espanhol, para a comunidade interna e externa da
UnED Nova Friburgo. Esta atividade vem atendendo não só a comunidade interna, assim como a
externa.
As ações promovidas pelo CEFET/RJ referentes à ampliação do acesso (instalações)
(Questão 4), bem como às estratégias pedagógicas/didáticas utilizadas junto aos portadores de
necessidades especiais (Questão 5) foram avaliadas, por todos os respondentes como
“insuficientes”, mas sendo consideradas pela maioria como de “alta importância”.
O CEFET/RJ tem se esforçado para atender aos portadores de necessidades especiais
através do Núcleo de Apoio a Pessoas com Necessidades Específicas (NAPNE). A UnED Nova
Friburgo já implantou o Núcleo, porém suas ações ainda não são visíveis. Há um curso de
extensão de Libras, com carga horária de 30 horas, sendo oferecido à comunidade (interna e
externa), assim como a mesma disciplina nos cursos de graduação. Porém, falta articular ações de
ensino, pesquisa e extensão às áreas das necessidades educacionais especiais, visando atender à
comunidade e seu entorno.
Todos os respondentes avaliaram as ações desenvolvidas pela UnED Nova Friburgo, tendo
em vista a promoção de iniciativas de incubadoras de empresas e empresas juniores (Questão 9)
como “insuficientes”, apesar da maioria considerá-las como de “alta importância”.
De acordo com algumas observações descritas no questionário, a maior parte dos
respondentes desconhece a existência de tais ações. Vale lembrar que estas poderiam ser
primordiais para inserção dos discentes no mundo laborativo.
As políticas de formação de pesquisadores (Questão 10), assim como a contribuição da
instituição para a criação de conhecimentos voltados ao desenvolvimento científico, técnico ou
cultural do município (Questão 11) foram apontadas como “suficientes” e de “altíssima
importância”. Conforme o RELFINAL (2013) é importante formar e consolidar grupos de
pesquisa, por meio da implantação, desenvolvimento e modernização da infraestrutura da UnED

13
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

Nova Friburgo. Além de apoiar financeiramente a compra de material ou equipamento para os


pesquisadores em fase inicial de trabalho.
De modo geral, as políticas institucionais de inclusão de estudantes em situação econômica
desfavorecida (Questão 8), realizadas na UnED Nova Friburgo, foram avaliadas como sendo
“boas” e de “alta importância”. Contudo, alguns respondentes fizeram observações em relação aos
critérios adotados nos editais para a concessão de Bolsas de Alimentação e Extensão, assim como
à quantidade disponibilizada para a unidade.
Segundo informações da Divisão de Apoio Pedagógico (DIAPE), muitos alunos não têm
como custear as despesas de passagem e alimentação, o que provoca um alto índice de evasão nos
cursos oferecidos pela unidade.
Grande parte dos respondentes julgou como sendo “insuficientes” as avaliações conjuntas
das atividades desenvolvidas pela UnED Nova Friburgo (Questão 12). Por sua vez, no que se
refere à importância, foram consideradas de “alta importância”. Alguns respondentes
mencionaram em suas observações, que poucos assuntos e decisões são debatidos entre os
docentes, discentes e técnicos. Falta comunicação.
A viabilização e o acompanhamento realizado pela instituição (Questões 13 e 14), no que
tange à inclusão dos egressos no mercado de trabalho foram julgados, de modo geral, como sendo
de “regular a insuficiente”. Quanto à importância foram avaliados como de “alta importância”.
A viabilização para inclusão dos discentes no mercado de trabalho é realizada pela a
Divisão de Integração Empresarial (DIEMP), por meio da Coordenadoria de Estágio e Emprego
(COEMP) e dos coordenadores dos Cursos, durante o oferecimento da disciplina estágio.
No que tange ao acompanhamento, não há nenhuma ação específica ou mecanismo de
controle dos discentes egressos na UnED Nova Friburgo.
É importante esclarecer que não se pretendeu, através deste trabalho, mensurar as ações de
RS na Unidade, mas realizar uma pesquisa sobre esta dimensão, diagnosticando efetivamente o
real comprometimento da UnED em relação aos indicadores do SINAES.
Importa ressaltar, em relação ao questionário, que não houve quantificação de resultados,
mas uma análise qualitativa.
Objetivou-se também aprofundar a ideia de RS, por meio da construção de um processo
com participação da comunidade acadêmica e não um instrumento de checagem ou cobrança
individual.

14
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

5. CONCLUSÃO

As avaliações previstas no SINAES possibilitam a construção de um projeto institucional


sustentado por princípios relacionados à gestão democrática e a autonomia, considerando a
materialização da responsabilidade social e o compromisso científico-cultural das IES.
Através deste estudo de caso, verificou-se que as ações de RS precisam ser amplamente
discutidas no meio acadêmico da UnED Nova Friburgo e divulgadas como tais, para que a
instituição possa manter uma imagem positiva perante a sociedade e proporcionar uma educação
de qualidade, que transcenda a formação técnico-científica, por meio da incorporação das questões
éticas, de inclusão social e cidadania.
Em relação ao SINAES, cumpre ressaltar que:
 os processos avaliativos internos e externos propostos pela legislação são fundamentais
para a formulação de diretrizes para a gestão das IES;

 a avaliação institucional promove a qualidade acadêmica nas atividades de ensino,


pesquisa e extensão, ou seja, contribui para a construção de uma sociedade mais justa,
solidária, democrática e menos excludente;

 a participação da comunidade acadêmica é uma exigência ética do SINAES.

No que tange às fragilidades da UnED Nova Friburgo, é possível apontar, a partir dos
dados coletados que:
 são desenvolvidas poucas atividades/ações extensionistas que possam proporcionar o
desenvolvimento local ou regional;

 é necessário que a instituição busque convênios com outras instituições (educacionais ou


não), sejam elas públicas ou privadas;

 há necessidade de maior interação com instituições sociais, assim como com seu entorno,
visando proporcionar a inclusão social daqueles que se encontram em processo de
exclusão;

 é preciso promover ações voltadas para a promoção da cidadania, democracia, meio


ambiente e cultura;

15
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

 as questões de acessibilidade e inclusão de pessoas com necessidades educacionais


especiais merecem atenção especial. O NAPNE poderia realizar mais ações específicas
neste sentido;

 a participação da comunidade acadêmica está restrita às reuniões de colegiados ou à


discussão de assuntos específicos. Neste sentido, é preciso ampliá-la, visando gerar nos
membros da comunidade acadêmica a autoconsciência de suas ações, a percepção de
omissões e desafios, assim como a valorização de suas potencialidades;

 é importante aprimorar a comunicação entre a gestão da UnED e a comunidade acadêmica;

 assim como descrito no RELFINAL (2013), é necessário que se viabilize e acompanhe a


inclusão dos egressos no mercado de trabalho, através de um método oficial.

No que se refere às potencialidades, de modo geral, pode-se indicar:


 as atividades de extensão realizadas na UnED Nova Friburgo estão relacionadas ao curso
de formação dos discentes;

 as políticas de formação de pesquisadores, já que o CEFET/RJ tem investido em


infraestrutura (equipamentos e laboratórios) na unidade, o que se torna um incentivo;

 as políticas institucionais de inclusão de estudantes em situação econômica desfavorecida,


apesar da comunidade acadêmica considerar que a concessão de bolsas disponibilizadas
para a unidade poderia ser maior.

Diante do exposto, conclui-se que na UnED Nova Friburgo, não há um planejamento de


ações voltadas à RS, fazendo com que as atividades desenvolvidas sejam fragmentadas, por vezes,
isoladas.
Em relação aos indicadores qualitativos e quantitativos previsto no SINAES avaliados na
pesquisa, muitos não estão sendo operacionalizados na unidade, visto que em relação à utilização,
grande parte das questões foram avaliadas como “insuficientes” pelos respondentes.
Destaque-se ainda que, com base na visão da maioria dos participantes da pesquisa, os
indicadores da dimensão RS foram considerados de “alta” ou “altíssima importância”, retratando a
relevância de uma formação ética e cidadã.
Desta forma, urge que se faça um trabalho de caráter analítico/reflexivo e sensibilizador
sobre a RS, junto à comunidade acadêmica, assim como um diagnóstico, ao menos no entorno da

16
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

UnED, das principais demandas relacionadas à dimensão focada, visando a efetividade social da
instituição.
Ressalte-se ainda, a necessidade do planejamento de ações de curto, médio e longo prazo,
que sejam capazes de contribuir para a inclusão social, o desenvolvimento socioeconômico, a
defesa do meio ambiente, assim como da preservação da memória e do patrimônio cultural de
Nova Friburgo.
Estas contribuições contemplarão o compromisso social da instituição, pensando a
Educação Superior como um bem público, expressão de uma sociedade democrática e
pluricultural, que respeita as diferenças e pratica a solidariedade.
Almeja-se que os resultados obtidos neste estudo de caso possam ser considerados em
futuras análises da dimensão da Responsabilidade Social do CEFET/RJ e que possam subsidiar
possíveis decisões futuras em relação à gestão da UnED Nova Friburgo.
Futuros trabalhos desenvolvidos no âmbito do CEFET/RJ poderão analisar como a
participação em Programas e Projetos de Extensão influenciam a formação discente, assim como
que tipo de retorno as práticas de RS trazem para o entorno das UnEDs.
Faz-se necessário lembrar aos gestores do CEFET/RJ, a importância da participação da
comunidade acadêmica das UnEDs no processo de autoavaliação institucional. Logo, é importante
criar instrumentos e estratégias que possibilitem tal processo.
Espera-se também que este trabalho ajude a gerar na comunidade interna do CEFET/RJ a
consciência da importância da RS e seu engajamento na construção de novas alternativas e
práticas.
Enfim, que este trabalho possa alertar sobre a importância das relações entre a sociedade e
as IES, fortalecendo a relevância do papel do CEFET/RJ, no que se refere à sua Responsabilidade
Social.

17
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

Referências Bibliográficas

AMORIM, Tânia Nobre Gonçalves Ferreira. Responsabilidade Social Corporativa. In: Gestão
ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações. José de Lima
Albuquerque (Organizador). São Paulo: Atlas, 2009. 130-151.

ANDERSON, D. R.; SWEENEY, D. J.; WILLIAMS, T. A. Estatística aplicada à


administração e economia. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2009.

ANDRIOLA, Wagner Bandeira; LIMA, Cláudia Ibiapina. O Papel dos Coordenadores das
Comissões Próprias de Avaliação (CPA) na Autoavaliação das Instituições de Ensino Superior
(IES). Meta: Avaliação. Rio de Janeiro, v. 5, n. 13, p. 46-68, jan./abr. 2013.

______, Wagner Bandeira; SOUZA, Laura Alves de. Representações sociais dos gestores e dos
técnicos das Unidades Acadêmicas da Universidade Federal do Ceará (UFC) acerca da
Autoavaliação Institucional. Avaliação, Sorocaba, v. 15, n. 2, p. 45-72, 2010.

ANTONELLO, Otávio Borsa. Sistema de Avaliação Institucional da Faculdade São Francisco de


Assis: uma abordagem com base no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior –
SINAES – Lei 10.861/04. 2006. 96 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Faculdade de
Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2006

ASHLEY, Patrícia Almeida; FERREIRA, Roberto do Nascimento; REIS, Helvécio Luiz. Sistema
Nacional de Avaliação da Educação Superior: oportunidades para a responsabilidade social na
gestão estratégica de instituições de ensino superior. Revista Gerenciais, São Paulo, v. 5, n. 1, p.
23-35, jan./jun. 2006.

BARROS, Conceição de Maria Pinheiro; FREIRE, José Célio. A responsabilidade social


universitária na perspectiva do Sinaes: um estudo de caso no Curso de Medicina da Universidade
Federal do Ceará – Campus de Sobral. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 73,
p. 891-920, out./dez. 2011.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema


Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Diário Oficial
da União, Brasília, DF, n.72, 15 abr. 2004. Seção 1, p.3-4. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm>. Acesso em: 22 set.
2011.

BOLAN, Valmor; MOTTA, Márcia Vieira da. Responsabilidade Social no Ensino Superior.
SARE. Sistema Anhanguera de Revistas Eletrônicas. v.10, n.10, 2007. Disponível em:
<http://www.sare.anhanguera.com/index.php/reduc/article/viewArticle/229>. Acesso em: 12 ago.
2013.

CALDERÓN, Adolfo Ignácio; PEDRO, Rodrigo Fornalski.; VARGAS, Maria Caroline. Social
Responsibility of Higher Education: the metamorphosis of Unesco discourse in focus. Interface
- Comunic., Saude, Educ., v.15, n.39, p.1185-98, out./dez. 2011.

18
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

CAIXETA, Juliana Eugênia; SOUSA, Maria do Amparo de. Responsabilidade social na educação
superior: contribuições da psicologia escolar.. Psicol. Esc. Educ. vol.17 no.1 Maringá jun. 2013

CARBONARI, Maria Elisa Ehrhard; PEREIRA, Adriana Camargo. A extensão universitária no


Brasil, do assistencialismo à sustentabilidade. SARE: Sistema Anhanguera de Revistas
Eletrônicas. Revista de Educação. v. 10, n. 10; 2007
Disponível em: <http://sare.anhanguera.com/index.php/reduc/article/view/207>. Acesso em: 18
abr. 2013.

CAVALCANTI, Marcos; LIMA, Rosa; PEREIRA NETO, André; Gestão do Conhecimento em


Arranjos Produtivos Locais: o caso de Nova Friburgo. Produto e Produção, vol.8, p.35-44, out.
2005.

CONAES. Comissão Nacional de Avaliação da educação Superior. Orientações Gerais para o


Roteiro da Autoavaliação das Instituições. 2004. Disponível em:
<http://www.uesc.br/cpa/orientacoes.pdf>. Acesso em: 12 ago. de 2013.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação e Transformações da Educação Superior Brasileira (1995-


2009): do provão ao SINAES. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 15, n. 1, p. 195-224, mar.
2010.

FURLANI, Lúcia Maria. O conceito de Responsabilidade Social nos Estabelecimentos de Ensino


Superior. Estudos. ano 23. n. 34. Abr. 2005.

FREITAS, Ernani Cesar de. ARAÚJO, Margarete Panerai. Universidades e empresas: agentes de
inovação e conhecimento para práticas da responsabilidade social. Revista Brasileira de Gestão e
Desenvolvimento Regional. G&DR. v. 6, n. 1, p. 73-96, jan-abr/2010, Taubaté, SP, Brasil.

GARCIA, Joana Coeli Ribeiro. TARGINO, Maria das Graças. Responsabilidade ética e social na
produção de periódicos científicos. Perspectivas em Ciência da Informação. v. 13, n.1, p 33-54,
jan./abr. 2008.

GIL, A C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1999.

INSTITUTO ETHOS. Conferência Internacional Ethos 2012. Disponível em:


<http://www1.ethos.org.br/EthosWeb/pt/29/o_que_e_rse/o_que_e_rse.aspx>. Acesso em: 26 mar.
2013.

MARTINS, G. A. Estatística Geral e Aplicada. 3ª edição. Editora Atlas. 2010

MASCARENHAS, Mariana Pessoa.; SILVA, Wendel Alex Castro. Triple Bottom Line da
Sustentabilidade: Uma Análise em Empresas Nacionais Produtoras de Óleos e Gorduras.
REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade Vol.3, n. 1, jan./abr.,
p. 62-79, 2013.

MERRIAM, Sharan B. Qualitative Research in Practice: examples for discussion and analysis.
San Francisco: Jossey-Bass, 2002.

19
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

PDI. Plano de Desenvolvimento Institucional, 2010-2014. Diretoria de Gestão Estratégica


(DIGES). Rio de Janeiro. 2010. Disponível em:<http://cefet-rj.br/desenvolvimento-
institucional/pdi/pdi-2010-2014.html>. Acesso em: 15 mar. 2013.

PINTO, Maira Meira. Responsabilidade Social Universitária como indicador de qualidade


para o ensino superior. Santa Cruz do Sul: 2008. Disponível em:
http://www.pucpr.edu.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/186_345.pdf. Acesso em: 22 fev
2013.

______, Maira Meira. Responsabilidade social universitária: o caso da Universidade de Santa


Cruz do Sul. – Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2012. Disponível em:
<http://www.unisc.br/portal/upload/com_editora_livro/ebook_031.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2013.

PORTER, Michael; KRAMER, Mark R. The competitive advantage of corporate philanthropy.


Harvard Business Ethics, v. 80, nº12, p 56-58, dec. 2002.

REIS, Cisne Zélia Teixeira. SILVEIRA, Suely de Fátima Ramos. FERREIRA, Marco Aurélio
Marques. Autoavaliação em uma Instituição Federal de Ensino Superior: resultados e implicações.
Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 15, n. 3, p. 109-129, nov. 2010.

RELFINAL. Relatório Final de Autoavaliação. Autoavaliação Institucional, 2011. Rio de Janeiro:


CEFET/RJ, 2013. Disponível em: <http://noticias.cefet-rj.br/wp-
content/uploads/2013/06/RELFINAL-CPA-11.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2013.

RICHARDSON, Robert Jarry et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo:
Atlas,1999.

RISTOFF, Dilvo; GIOLO, Jaime. O Sinaes como Sistema. R B P G, Brasília, v. 3, n. 6, p. 193-


213, dez. 2006.

RODRIGUES, Cláudia Medianeira Cruz. Proposta de avaliação integrada ao planejamento


anual: um modelo para as UCGs. 2003. 341 f. Tese. (Doutorado em Engenharia de Produção).
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio Grande do
Sul, Porto Alegre, 2003.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23 ed. São Paulo: Cortez,
2007.

SILVA, Carmem Luiza da. Responsabilidade Social nas Universidades brasileiras: autonomia
ou adequação. 2008. 109 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Tuiuti do Paraná,
Curitiba. 2008

SILVA, Sonia Maria de Carvalho. Ações de Responsabilidade Social Desenvolvidas na


Extensão Universitária: estudo de caso em uma Instituição Federal de Ensino Superior. 2011.
163 f. Dissertação (Mestrado em Sistema de Gestão)- Departamento de Engenharia de Produção,
Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

TODOROV, João Cláudio. O conceito de Responsabilidade Social nos Estabelecimentos de


Ensino Superior. Estudos. ano 23, n. 34, abr. 2005.

20
X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO
08 e 09 de agosto de 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - RS. Projeto Político Pedagógico. 2000.


Disponível em: <http://w3.ufsm.br/prograd/not.php?id=20>. Acesso em: 13 fev. 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) - RS. Projeto Político Pedagógico.


2000. Disponível em: <http://w3.ufsm.br/prograd/not.php?id=20>. Acesso em: 13 fev. 2013.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13 ed. São


Paulo: Atlas, 2011.

VIEIRA NETO, Júlio. Uma proposta de Modelo de Gestão para as pequenas e médias
empresas (PMEs): um estudo de caso múltiplo do setor químico no Estado do Rio de Janeiro.
2008. 175 f. Dissertação (Mestrado em Sistema de Gestão)- Departamento de Engenharia de
Produção, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.

YIN, Robert K. Case study research, design and methods: applied social research methods.
Thousand Oaks. California: Sage Publications, 2009.

______, Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookmann, 2010.

21