Você está na página 1de 4

Alvorada energética

O investimento da petrolífera norueguesa Statoil em uma usina solar no Ceará sinaliza que a
energia fotovoltaica começa enfim a seguir no Brasil os passos da eólica, responsável nos últimos
meses por mais da metade do abastecimento na região Nordeste

N° Edição: 536 Texto: Mariane Lima 08/01/2018

Usina solar em São Paulo (acima) e complexo eólico no Nordeste (alto): a energia limpa ganha espaço (Fotos: Divulgação /
iStockphoto)

Dono de um território de 8,5 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 92% estão na
zona intertropical do planeta, o Brasil tem obviamente condições privilegiadas para gerar
energia solar. Segundo cálculos da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao
governo federal, o potencial de geração dessa energia a partir de placas fotovoltaicas é de
28.500 gigawatts – mais de 200 vezes maior do que a capacidade instalada da atual matriz
elétrica brasileira, de 143 GW. No entanto, a participação dessa fonte na geração nacional é
inexpressiva: apenas 0,02%, segundo Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Associação
Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

Se as perspectivas são tão favoráveis, o que impede o desenvolvimento dessa fonte


energética por aqui? Os fatores básicos, como se pode imaginar, são a regulação do setor e
os custos envolvidos – os sistemas fotovoltaicos que empregam módulos montados no
Brasil, por exemplo, são aproximadamente 20% mais caros do que os que utilizam módulos
importados. A diferença é justificada por aspectos como carga tributária, mão de obra,
encargos trabalhistas, frete de importação de componentes em vez do módulo acabado e
margem de lucro do fabricante para remunerar o capital investido na linha de montagem no
país.

Embora o custo Brasil castigue o setor, a redução global de preços na tecnologia usada (“Só
no ano passado, a redução nos custos de produção nos Estados Unidos foi de 15%”,
observa Sauaia) e o potencial local para gerar energia solar têm animado o cenário
nacional. Segundo o relatório “Mapeamento da Cadeia de Valor da Energia Solar
Fotovoltaica no Brasil” – preparado pela Clean Energy Latin America (Cela) por encomenda
de Sebrae, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Organização dos Estados
Iberoamericanos (OEI) –, divulgado em junho, existem hoje no país mais de 1.600
empresas no setor. A lista inclui 8 montadoras de módulos, 400 produtores de
componentes e mais de 1,2 mil fornecedores de serviços. Os autores do relatório
contabilizam mais de 10 mil instalações fotovoltaicas e salientam que uma potência de 2,74
GW de usinas solares foi contratada em leilões.

Usina cearense
A expansão da energia solar fotovoltaica no Brasil é mais do que previsível, e uma
sinalização importante nesse sentido surgiu em outubro, quando a petrolífera norueguesa
Statoil anunciou a escolha do país para abrigar seu primeiro investimento em energia solar
no mundo. O empreendimento, em parceria com a também norueguesa Scatec Solar, é a
usina Apodi, no Ceará, cuja construção começou também em outubro. O projeto, de 162
megawatts, vai gerar energia suficiente para abastecer 160 mil residências e envolve
investimentos de US$ 215 milhões.
O poderio econômico da Statoil (que já investiu US$ 2,5 bilhões em energia renovável no
mundo, como diversificação de seu portfólio de petróleo e gás) supera as dificuldades de
financiamento no Brasil, e a empresa e sua parceira estão otimistas em relação à energia
solar por aqui. “Vamos olhar projetos maiores e tem muita oportunidade de
desenvolvimento no Brasil”, ressalta Marcelo Taulois, presidente da Scatec Solar no Brasil.
“(O investimento) vai depender dos projetos, mas a gente tem um apetite grande.”

A decolagem iminente da exploração da energia solar fotovoltaica no país vem na


sequência da consolidação da energia eólica por aqui. “Em maio de 2017, estávamos com
11 gigawatts de produção e mais de 440 parques”, disse a PLANETA o diretor técnico da
Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Sandro Yamamoto. Isso já significa
mais de 7% da energia produzida no Brasil. Nos últimos meses, devido ao quinto ano
seguido de seca nos reservatórios das hidrelétricas do Nordeste, a energia eólica tem
suprido mais de 50% do consumo na região. “O Nordeste tornou-se um espelho do futuro
do Brasil”, afirmou Luiz Augusto Barroso, presidente da EPE, durante o workshop “O Futuro
do Setor Elétrico – segurança e flexibilidade nos contextos de Brasil e Alemanha”, realizado
em outubro no Rio de Janeiro. “O futuro é renovável, e temos de permitir que a
regulamentação não seja obstáculo para que isso ocorra.”
Nervo arti cial na própria pele - Planeta
Capaz de distinguir caracteres em Braille e até mesmo interagir com uma perna de barata, essa
pele robótica pode ter aplicações em membros protéticos
Planeta