Você está na página 1de 2

ESTRATÉGIA – DIREITO CONSTITUCIONAL – ISS/Campo Grande

AULA 00 – TEORIA GERAL DA CONSTITUIÇÃO


0.2 Estrutura das Constituições
0.1 – CONCEITO DE TRIBUTO

0.2 ESTRUTURA DAS CONSTITUIÇÕES


As Constituições ao redor do mundo, de forma geral, dividem-se em 3 partes: preâmbulo, parte dogmática e
disposições transitórias.

0.2.1 Preâmbulo
• É a parte que antecede o texto constitucional propriamente dito.
• Serve para definir as intenções do legislador constituinte, proclamando os princípios da nova constituição e
rompendo com a ordem jurídica anterior.
• Sua função é servir de elemento de integração dos artigos que lhe seguem, bem como orientar a sua
interpretação.
• Serve para sintetizar a ideologia do poder constituinte originário (aquele que cria uma nova constituição),
expondo os valores por ele adotados e os objetivos por ele perseguidos.
• Não possui caráter jurídico.
• Possui conteúdo político.
• Segundo o Supremo Tribunal Federal, ele não é norma constitucional.
• Portanto, não serve de parâmetro para a declaração de inconstitucionalidade e não estabelece limites para
o Poder Constituinte Derivado, seja ele Reformador ou Decorrente.
• Por isso, o STF entende que suas disposições não são de reprodução obrigatória pelas Constituições
Estaduais.
• Porém, os estados podem reproduzir o preâmbulo em suas constituições estaduais.
• Segundo o STF, o Preâmbulo não dispõe de força normativa, não tendo caráter vinculante (ADI 2.076-AC,
Rel. Min. Carlos Velloso, DJU de 23.08.2002)
• No caso do Acre, a constituição estadual não tinha invocado a proteção de deus e chegou uma ação direta
de inconstitucionalidade no STF
• Apesar disso, a doutrina não o considera juridicamente irrelevante, uma vez que deve ser uma das linhas
mestras interpretativas do texto constitucional. (Alexandre de Moraes, Constituição do Brasil Interpretada e
Legislação Constitucional, 9ª edição, 2010, pp. 53-55)
• No caso da CF/88 brasileira, é a parte introdutória que começa com: “Nós, representantes do povo
brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, (...)”

0.2.2 Parte dogmática


• É o texto constitucional propriamente dito, que prevê os direitos e deveres criados pelo poder constituinte.
• Trata-se do corpo permanente da Carta Magna, que, na CF/88, vai do art. 1º ao 250.
• Destaca-se que falamos em “corpo permanente” porque, a princípio, essas normas não têm caráter
transitório, embora possam ser modificadas pelo poder constituinte derivado, mediante emenda
constitucional.
• A emenda constitucional tem o poder de alterar a Constituição Federal.

9
ESTRATÉGIA – DIREITO CONSTITUCIONAL – ISS/Campo Grande
AULA 00 – TEORIA GERAL DA CONSTITUIÇÃO
0.2 Estrutura das Constituições
0.1 – CONCEITO DE TRIBUTO

0.2.3 Parte transitória (ADCT):


Ato das Disposições Constitucionais Transitórias
• Visa integrar a ordem jurídica antiga à nova, quando do advento de uma nova Constituição, garantindo a
segurança jurídica e evitando o colapso entre um ordenamento jurídico e outro.
• Suas normas são apenas formalmente constitucionais, embora, no texto da CF/88, apresente
numeração própria (vejam ADCT – Ato das Disposições Constitucionais Transitórias).
• Pode ser modificada por reforma constitucional.
• Pode servir como paradigma para o controle de constitucionalidade das leis.
• Há a necessidade de aplicar um regime de transição entre o passado e o futuro.

Dois exemplos:
1. Considerando a Constituição de 1967 e a Emenda Constitucional 1/1969 (alguns autores classificam
essa EC como uma verdadeira Constituição brasileira):
• Considerando a CF/67 e a CF/88, houve a necessidade de aplicar um regime de transição entre o
passado e o futuro.
• Quando a CF/88 foi promulgada, ficou acertado no ADCT que dentro de 5 anos ocorreria um plebiscito
para definir qual seria a forma de governo (República ou Monarquia) e o sistema de governo
(Presidencialismo ou Parlamentarismo).

2. Dentro de 5 anos aconteceria uma revisão constitucional de modo a permitir alterações no texto
constitucional de maneira mais simples.

• Algumas normas do ADCT já estão com a eficácia exaurida, as quais não servirão como paradigma para o
controle da constitucionalidade das leis.
• Há normas no ADCT que estão em vigor até hoje, como uma que permite que a Zona Franca de Manaus
usufrua de certos benefícios fiscais dentro de um certo prazo, sendo que estas ainda servirão como
paradigma para o controle da constitucionalidade das leis, afinal, são normas constitucionais.
• São da mesma hierarquia das normas da parte dogmática.

QUESTÕES
8. (DPE-MS – 2014) O preâmbulo da Constituição não constitui norma central, não tendo força normativa e,
consequentemente, não servindo como paradigma para a declaração de inconstitucionalidade.
9. (PGE-AM – 2016) Embora o preâmbulo da CF não tenha força normativa, podem os estados, ao elaborar
as suas próprias leis fundamentais, reproduzi-lo, adaptando os seus termos naquilo que for cabível.
10. (TRT 8º região – 2016) O preâmbulo da CF constitui vetor interpretativo para a compreensão do
significado de suas prescrições normativas, de modo que também tem natureza normativa e obrigatória.
11. (TCE-PI – 2014) O ADCT, ou Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, não tem natureza de
norma constitucional, tratando-se de mera regra de transição, interpretativa e paradigmática.

R (8) - O preâmbulo não tem força normativa e, em razão disso, não serve de paradigma para o controle de
constitucionalidade. Questão correta.
R (9) – Certa.
R (10) – Errada. Preâmbulo não tem natureza normativa e obrigatória.
R (11) – Errada. O ADCT é norma constitucional e tem a mesma hierarquia da parte dogmática.

10