Você está na página 1de 13

Documento 1

Processo

HC 492034 / SP
HABEAS CORPUS
2019/0033977-1

Relator(a)

Ministro FELIX FISCHER (1109)

Órgão Julgador

T5 - QUINTA TURMA

Data do Julgamento

26/03/2019

Data da Publicação/Fonte
DJe 01/04/2019

Ementa

PENAL. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO PRÓPRIO. NÃO CABIMENTO. ESTUPRO DE


VULNERÁVEL TENTADO. DOSIMETRIA. EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA REPRIMENDA. PENDÊNCIA DE
JULGAMENTO DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. COAÇÃO ILEGAL CARACTERIZADA. HABEAS CORPUS
NÃO CONHECIDO. ORDEM CONCEDIDA, DE OFÍCIO. I - A Terceira Seção desta Corte, seguindo
entendimento firmado pela Primeira Turma do col. Pretório Excelso, firmou orientação no sentido de
não admitir a impetração de habeas corpus em substituição ao recurso adequado, situação que implica
o não-conhecimento da impetração, ressalvados casos excepcionais em que, configurada flagrante
ilegalidade apta a gerar constrangimento ilegal, seja possível a concessão da ordem de ofício. II - O e.
Supremo Tribunal Federal, por meio do c. Tribunal Pleno, no julgamento do HC n. 126.292/SP,
assentou o entendimento que: "A execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em
grau de apelação, ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio
constitucional da presunção de inocência afirmado pelo artigo 5º, inciso LVII da Constituição Federal"
(HC nº. 126.292/SP, Tribunal Pleno, Rel. Min. Teori Zavascki, DJe de 17/5/2016). A matéria foi objeto
de novo exame pela c. Corte Suprema, em 5/10/2016, nas ADCs n. 43 e 44, e, posteriormente, no
julgamento do ARE n. 964.246, sob a sistemática da repercussão geral, nos quais foi novamente
afirmada a possibilidade de se executar a pena depois da prolação de acórdão em segundo grau de
jurisdição e antes do trânsito em julgado da condenação, para garantir a efetividade do direito penal e
dos bens jurídicos constitucionais por ele tutelados. III - O vetor hermenêutico atualmente conferido
pela e. Corte Suprema e por esta Corte Superior, repisando a jurisprudência por um lapso temporal
adormecida, direciona-se, novamente, no sentido de que o artigo 283 do CPP não impede
a antecipada execução da reprimenda, pois uma vez encerrada a análise de fatos e provas que
assentam a culpa do condenado, com o exaurimento das instâncias ordinárias, legitimada está
a execuçãoprovisória, independentemente do preenchimento dos pressupostos e requisitos insertos
no artigo 312 do Código de Processo Penal ou mesmo de específico requerimento ministerial, uma vez
que não são dotados os recursos extremos de efeito suspensivo. Nesse painel, a peculiaridade da
situação é que ditará a possibilidade de suspensão dos efeitos do julgado, sem afastar do julgador,
dentro de seu inerente poder geral de cautela, a possibilidade de excepcionalmente atribuir, no
exercício da jurisdição extraordinária, efeito suspensivo ao REsp ou RE e, com isso, obstar o início
da execução provisória da pena. IV - Na hipótese, não se afigura possível a imediata execução da
pena privativa de liberdade, pois, embora já proferido acórdão de apelação, o Tribunal de origem ainda
não encerrou o julgamento da ação penal originária, o que evidencia que o feito ainda não se encontra
sujeito a recurso especial ou extraordinário. Ante o exposto, não conheço do presente habeas corpus.
Contudo, concedo a ordem de ofício, para suspender a ordem de prisão em desfavor do paciente, até o
exaurimento das instâncias ordinárias, mantidos os demais termos da condenação.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, não conhecer do pedido e conceder
"Habeas Corpus" de ofício, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Jorge Mussi,
Reynaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Paciornik votaram com o Sr. Ministro Relator.

Referência Legislativa
LEG:FED CFB:****** ANO:1988
***** CF-1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988
ART:00005 INC:00057

LEG:FED DEL:003689 ANO:1941


***** CPP-41 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
ART:00283 ART:00312

Veja
(EXECUÇÃO PROVISÓRIA DE ACÓRDÃO PENAL CONDENATÓRIO)
STF - HC 126292-SP, ARE 964246-SP(REPERCUSSÃO GERAL),
ADC 43, ADC 44, AgR no HC 137340-SC,
ED no HC 125617-PR, AgR no HC 148954-RS,
HC 68726-DF, HC 68841-SP, HC 70296-DF,
HC 71723-SP, HC 75688-SP
STJ - HC 371240-SP,
AgRg no RE nos EDcl nos EDcl nos EDcl no AgInt no AREsp
988650-SC,
HC 398781-SP, HC 412538-SP,
AgRg no HC 380537-PR, AgRg no REsp 1604256-MG,
AgRg no RHC 88361-PR

Documento 2
Processo

AgRg no REsp 1748069 / MT


AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL
2018/0144857-7

Relator(a)

Ministro NEFI CORDEIRO (1159)

Órgão Julgador

T6 - SEXTA TURMA

Data do Julgamento
21/03/2019

Data da Publicação/Fonte

DJe 03/04/2019

Ementa

AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. EXASPERAÇÃO DA PENA-BASE PELA CONDUTA


SOCIAL. IMPOSSIBILIDADE. ALTERAÇÃO DE ENTENDIMENTO. EXECUÇÃOPROVISÓRIA DA PENA
PRIVATIVA DE LIBERDADE. POSSIBILIDADE. AGRAVO PROVIDO E EXECUÇÃO ANTECIPADA DA PENA
DEFERIDA. 1. Condenações transitadas em julgado não podem servir de fundamento para exasperar a
pena-base pela conduta social. 2. O Superior Tribunal de Justiça firmou o entendimento de que é
possível a execuçãoprovisória da pena privativa de liberdade, após esgotados os recursos nas
instâncias de origem. 3. Agravo regimental provido para, afastada a exasperação da pena-base pela
conduta social, redimensionar a pena, deferindo a execução provisória da pena.

Acórdão
Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a
seguir, por unanimidade, dar provimento ao agravo regimental, e deferir a execução provisória da
pena, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Antonio Saldanha Palheiro, Laurita
Vaz, Sebastião Reis Júnior e Rogerio Schietti Cruz votaram com o Sr. Ministro Relator.

Referência Legislativa
LEG:FED DEL:002848 ANO:1940
***** CP-40 CÓDIGO PENAL
ART:00033 PAR:00002 PAR:00003

LEG:FED DEL:003689 ANO:1941


***** CPP-41 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
ART:00637

LEG:FED LEI:008038 ANO:1990


ART:00027 PAR:00002

LEG:FED RES:000113 ANO:2010


ART:00009 PAR:00002
(CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ)

Veja

(PENA-BASE - CONDENAÇÕES COM TRÂNSITO EM JULGADO - CONDUTA SOCIAL -


VALORAÇÃO NEGATIVA - IMPOSSIBILIDADE)
STJ - REsp 1760972-MG
(SENTENÇA CONDENATÓRIA - CONFIRMAÇÃO EM SEGUNDO GRAU - EXECUÇÃO
PROVISÓRIA - POSSIBILIDADE)
STF - HC 126292-MG
STJ - EDcl no REsp 1484415-DF, EDcl no REsp 1484413-DF

Documento 3
Processo
TP 1468 / RJ
TUTELA PROVISÓRIA
2018/0105771-1

Relator(a)
Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ (1158)

Órgão Julgador

T6 - SEXTA TURMA

Data do Julgamento

26/02/2019

Data da Publicação/Fonte

DJe 12/03/2019

Ementa

PEDIDO DE TUTELA PROVISÓRIA. EFEITO SUSPENSIVO A RECURSO ESPECIAL INADMITIDO.


EXCEPCIONALIDADE. GRANDE CHANCE DE ÊXITO. PERICULUM IN MORA. PEDIDO DEFERIDO. 1.
Admite-se, excepcionalmente, a atribuição de efeito suspensivo a recurso especial inadmitido na
origem quando exsurge, ictu oculi, a manifesta ilegalidade do aresto impugnado e o risco de
irremediável lesão à parte. 2. Questões complexas, sem suporte na jurisprudência deste Superior
Tribunal, não podem ser elucidadas de forma antecipada no pedido de tutela provisória. 3. No que diz
respeito à condenação do requerente por dezesseis crimes de falsidade de documento particular, é
grande a chance de reconhecimento da tese de violação do art. 71 do CP, a alterar de forma
substancial a individualização da pena, pois, ao menos do que se infere da leitura do aresto
condenatório, a publicação de todos os exemplares falsos de jornal fazia parte de projeto criminoso
único. 4. Avaliada a plausibilidade do recurso especial, ainda que de forma parcial, e o perigo de dano
grave ao direito de locomoção do réu, haja vista a possibilidade de alterar sua pena no regime inicial
fechado para penas restritivas de direitos, é de rigor a concessão da tutela provisória, a fim de obstar
a execução imediata do acórdão de segundo grau. 5. Pedido deferido para, confirmada a liminar,
assegurar ao requerente o direito de aguardar em liberdade o julgamento do recurso inadmitido na
origem.

Acórdão
Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Sexta
Turma, por unanimidade, deferir o pedido de tutela provisória, nos termos do voto do Sr. Ministro
Relator. Os Srs. Ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro, Laurita Vaz e Sebastião Reis Júnior
votaram com o Sr. Ministro Relator.

Referência Legislativa
LEG:FED RGI:****** ANO:1989
***** RISTJ-89 REGIMENTO INTERNO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA
ART:00288 PAR:00002

LEG:FED DEL:002848 ANO:1940


***** CP-40 CÓDIGO PENAL
ART:00069 ART:00071
Veja
(RECURSO ESPECIAL INADMITIDO NA ORIGEM - ATRIBUIÇÃO DE EFEITO
SUSPENSIVO - POSSIBILIDADE)
STJ - AgRg na MC 18457-SP

Documento 4
Processo

AgRg no AgRg no HC 466474 / PR


AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO REGIMENTAL NO HABEAS CORPUS
2018/0220436-4

Relator(a)

Ministro FELIX FISCHER (1109)

Órgão Julgador
T5 - QUINTA TURMA

Data do Julgamento
16/10/2018

Data da Publicação/Fonte

DJe 22/10/2018

Ementa

PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL DA DECISÃO QUE NÃO CONHECEU DO HABEAS


CORPUS. EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE. EXAURIMENTO. INSTÂNCIAS
ORDINÁRIAS. SUSPENSÃO. EFEITOS. JULGADOS. PODER GERAL DE CAUTELAR. REFORMATIO IN
PEJUS. PRESUNÇÃO. PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO. I - O agravo
regimental deve trazer novos argumentos capazes de alterar o entendimento anteriormente firmado,
sob pena de ser mantida a r. decisão vergastada por seus próprios fundamentos. II -
"A execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau de apelação, ainda que
sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio constitucional da presunção
de inocência afirmado pelo artigo 5º, inciso LVII da Constituição Federal" (HC n. 126.292/SP, Tribunal
Pleno, Rel. Min. Teori Zavascki, DJe de 17/5/2016). III - O vetor hermenêutico atualmente conferido
pela e. Corte Suprema e por esta Corte Superior, repisando a jurisprudência por um lapso temporal
adormecida, direciona-se, novamente, no sentido de que o artigo 283 do CPP não impede
a antecipada execução da reprimenda, pois uma vez encerrada a análise de fatos e provas que
assentam a culpa do condenado, com o exaurimento das instâncias ordinárias, legitimada está
a execução provisória, independentemente do preenchimento dos pressupostos e requisitos insertos
no artigo 312 do Código de Processo Penal ou mesmo de específico requerimento ministerial, uma vez
que não são dotados os recursos extremos de efeito suspensivo. IV - A peculiaridade da situação é que
ditará a possibilidade de suspensão dos efeitos do julgado, sem afastar do julgador, dentro de seu
inerente poder geral de cautela, a possibilidade de excepcionalmente atribuir, no exercício da jurisdição
extraordinária, efeito suspensivo ao REsp ou RE e, com isso, obstar o início da execuçãoprovisória da
pena. V - A execução provisória da pena passa a ser um consectário lógico do julgamento
condenatório proferido pelo segundo grau de jurisdição. Não há que se falar, portanto, na esteira da
firme jurisprudência dos Tribunais Superiores, em ofensa ao princípio da presunção de inocência e
tampouco em reformatio in pejus, quando tão logo exaurida a instância ordinária. VI - A existência de
entendimentos divergentes entre os Ministros do Supremo Tribunal Federal, por si só, não tem o
condão de alterar a decisão do Colegiado, proferida no HC n. 126.292/SP, razão pela qual não se
presta a afastar o entendimento ali consolidado. VII - O Tribunal não está obrigado a se manifestar
sobre todos os pontos alegados pela defesa, desde que se pronuncie quanto aos relevantes para a
análise de eventual constrangimento ilegal, o que efetivamente ocorreu no presente caso. Agravo
regimental desprovido.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao agravo
regimental. Os Srs. Ministros Jorge Mussi, Reynaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan
Paciornik votaram com o Sr. Ministro Relator.

Referência Legislativa

LEG:FED DEL:003689 ANO:1941


***** CPP-41 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
ART:00619

Veja

(IMEDIATA EXECUÇÃO DA PENA)


STF - HC 126292-MG, ARE 964246, ADC 43, ADC 44,
AgR no HC 137340-SC, ED no HC 125617-PR,
AgR no HC 148954-RS, HC 68726-DF, HC
68841-SP,
HC 70296-DF, HC 71723-SP, HC 75688-SP,
HC 137908-SP
STJ - HC 371240-SP,
AgRg no RE nos EDcl nos EDcl nos EDcl no AgInt no AREsp
988650-SC,
HC 398781-SP, HC 412538-SP,
AgRg no HC 380537-PR, AgRg no REsp 1604256-MG,
AgRg no RHC 88361-PR
(OMISSÃO - INOCORRÊNCIA - RESPOSTA A TODAS AS QUESTÕES POSTAS)
STJ - AgRg no REsp 1714916-SP, AgRg no AREsp 463300-PR

Sucessivos

AgRg no HC 458356 PR 2018/0168487-9 Decisão:16/10/2018 DJe DATA:22/10/2018

Documento 5
Processo

AgRg na Rcl 35747 / RS


AGRAVO REGIMENTAL NA RECLAMAÇÃO
2018/0082472-2

Relator(a)

Ministro ANTONIO SALDANHA PALHEIRO (1182)

Órgão Julgador
S3 - TERCEIRA SEÇÃO

Data do Julgamento

09/05/2018

Data da Publicação/Fonte
DJe 21/05/2018

Ementa

PROCESSUAL PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NA RECLAMAÇÃO. TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES.


RECLAMAÇÃO QUE PRETENDIA A SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO ANTECIPADA DA PENA ATÉ O
JULGAMENTO DO RECURSO ESPECIAL. APELO NOBRE JULGADO. RECLAMAÇÃO PREJUDICADA.
CONDENAÇÃO CONFIRMADA EM SEGUNDA INSTÂNCIA. POSSIBILIDADE
DE EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA. ADOÇÃO DA NOVA ORIENTAÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL
FEDERAL. 1. O pedido apresentado na reclamação em comento foi de que se determinasse a
suspensão da execução provisória da pena até a apreciação do Recurso Especial n. 1.475.640/RS.
Assim, o julgamento do apelo nobre anteriormente à análise da reclamação prejudica esta última. 2. A
nova orientação consolidada pelo Supremo Tribunal Federal, trilhada por esta Corte, é no sentido de
possibilitar a execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau de apelação,
ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário (HC n. 126.292/SP, relator o Ministro Teori
Zavascki, DJe 17/5/2016). 3. No caso, trata-se de condenação de réu reincidente - confirmada
em segunda instância -, pela prática do crime do art. 33 da Lei n. 11.343/2006, à pena de 5 anos e
6 meses de reclusão, em regime fechado, hipótese em que foi possibilitada a execução provisória da
pena. 4. Agravo regimental desprovido.

Acórdão
Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao agravo
regimental nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Joel Ilan Paciornik, Felix
Fischer, Maria Thereza de Assis Moura, Jorge Mussi, Sebastião Reis Júnior, Nefi Cordeiro e Ribeiro
Dantas votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Reynaldo Soares
da Fonseca. Presidiu o julgamento o Sr. Ministro Rogerio Schietti Cruz.

Veja
STF - HC 126292-SP, ARE 964246 - (REPERCUSSÃO GERAL)
ADC 43,ADC 44
STJ - HC 354441-PE, HC 311433-ES
HC 350518-SP, QO na APn 675-GO

Documento 6
Processo

EDcl no HC 414685 / SC
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO HABEAS CORPUS
2017/0222392-5

Relator(a)

Ministro REYNALDO SOARES DA FONSECA (1170)


Órgão Julgador

T5 - QUINTA TURMA

Data do Julgamento
15/03/2018

Data da Publicação/Fonte

DJe 23/03/2018

Ementa

PENAL E PROCESSO PENAL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO HABEAS CORPUS. 1. ALEGADA


CONTRADIÇÃO. ANÁLISE DO MÉRITO E NÃO CONHECIMENTO DO MANDAMUS. AUSÊNCIA DOS VÍCIOS
DO ART. 619 DO CPP. 2. INSURGÊNCIA QUANTO AO MÉRITO. AUSÊNCIA DE AMBIGUIDADE, OMISSÃO,
CONTRADIÇÃO OU OBSCURIDADE. MERA IRRESIGNAÇÃO. NÃO CABIMENTO DE ACLARATÓRIOS. 3.
OMISSÃO QUANTO À POSSIBILIDADE DE EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA. OCORRÊNCIA. VÍCIO
SANADO PARA RECONHECER A AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE. HC 126.292/STF. 4. EMBARGOS
ACOLHIDOS EM PARTE, SEM EFEITOS INFRINGENTES. 1. Diante da utilização crescente e sucessiva do
habeas corpus, passaram a restringir sua admissibilidade quando o ato ilegal for passível de
impugnação pela via recursal própria, sem olvidar a possibilidade de concessão da ordem, de ofício,
nos casos de flagrante ilegalidade. Portanto, não verificada ilegalidade apta a ensejar a concessão da
ordem de ofício, o habeas corpus não deve ser conhecido, não havendo se falar em contradição. 2. De
igual forma, quanto à contradição quanto à impossibilidade de interrupção da prescrição, por
considerar que o aditamento da denúncia não trouxe alteração substancial da inicial acusatória,
observo que a matéria foi devidamente analisada, não apresentando nenhum dos vícios do art. 619 do
Código de Processo Penal. Dessarte, trata-se de mera irresignação, cuja sede própria para exame não
é por meio dos embargos de declaração. 3. No que concerne ao pedido consistente em se impedir
a execução antecipada da pena, observo que, de fato, embora tenha sido analisado na decisão
liminar, houve omissão no voto, motivo pelo qual, passo ao seu exame, para consignar a ausência de
ilegalidade. Com efeito, a determinação do Tribunal de origem se encontra em consonância com o
atual entendimento do Supremo Tribunal Federal, acompanhado pelo Superior Tribunal de Justiça, no
sentido de que é possível iniciar a execução provisória da pena, após a confirmação da condenação
em segundo grau,conforme decidido no HC 126.292/STF. 4. Embargos de declaração acolhidos, em
parte, sem efeitos modificativos, apenas para suprir a omissão com relação à possibilidade
de execução provisória da pena.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, acolher parcialmente os embargos,
nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Ribeiro Dantas, Joel Ilan Paciornik, Felix
Fischer e Jorge Mussi votaram com o Sr. Ministro Relator.

Referência Legislativa

LEG:FED DEL:003689 ANO:1941


***** CPP-41 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
ART:00619

Veja

(EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - VÍCIOS)


STJ - EDcl nos EDcl no AgRg no AREsp 575787-DF,
EDcl no AgRg no AREsp 1150285-SP
(SENTENÇA PENAL CONDENATÓRIA CONFIRMADA POR TRIBUNAL DE SEGUNDO GRAU
DE JURISDIÇÃO - EXECUÇÃO PROVISÓRIA - POSSIBILIDADE)
STF - HC 126292-MG

Documento 7
Processo

HC 391812 / SP
HABEAS CORPUS
2017/0053704-9

Relator(a)
Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (1148)

Órgão Julgador

T6 - SEXTA TURMA

Data do Julgamento

06/03/2018

Data da Publicação/Fonte

DJe 14/03/2018

Ementa

PENAL E PROCESSO PENAL. HABEAS CORPUS. TRÁFICO DE DROGAS. EXECUÇÃO ANTECIPADA DA


PENA E DETRAÇÃO PENAL. ESGOTAMENTO DAS INSTÂNCIAS ORDINÁRIAS. POSSIBILIDADE.
DETRAÇÃO PENAL. DETERMINAÇÃO DA VERIFICAÇÃO DA DETRAÇÃO PENAL AO JUÍZO
DA EXECUÇÃO PENAL. REGIME INICIAL DE CUMPRIMENTO DA REPRIMENDA IMPOSTA DEFINIDO NO
HC N. 391.255/SP. CONSTRANGIMENTO ILEGAL. AUSÊNCIA. 1. O Superior Tribunal de Justiça, na linha
do entendimento firmado no âmbito do Supremo Tribunal Federal, na ocasião do julgamento das ADC
MC/DF n. 43 e ADC MC/DF n. 44, tem admitido a execução provisória da pena, após o esgotamento
do segundo grau de jurisdição. Precedente. 2. Esta Corte de Justiça entende que, noticiado o trânsito
em julgado da condenação, cabe ao Juízo das execuções verificar a possibilidade de fixação de
regime de cumprimento da pena em regime mais brando, consoante os termos do art. 387, § 2º, do
CPP (HC n. 395.325/SP, Ministro Ribeiro Dantas, Quinta Turma, DJe 25/5/2017). 3. Ademais, constata-
se a existência de decisão no HC n. 391.255/SP acerca do regime inicial de cumprimento da
reprimenda. 4. Ordem denegada com ressalva do entendimento pessoal do Relator.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, denegar a ordem nos termos do voto
do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro e Maria Thereza de
Assis Moura votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Rogerio
Schietti Cruz. Sustentou oralmente o Dr. José Silvestre da Silva pelo paciente, Thafarel Domingos
Cullen da Silva.

Referência Legislativa
LEG:FED DEL:003689 ANO:1941
***** CPP-41 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
ART:00387 PAR:00002

Veja

(IMEDIATA EXECUÇÃO DA PENA)


STF - HC 126292-MG, ADC 43, ADC 44
(DETRAÇÃO PENAL)
STJ - HC 395325-SP

Documento 8
Processo

HC 398767 / SP
HABEAS CORPUS
2017/0103860-9

Relator(a)

Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (1148)

Órgão Julgador
T6 - SEXTA TURMA

Data do Julgamento

19/10/2017

Data da Publicação/Fonte

DJe 27/10/2017

Ementa

PENAL E PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. TRÁFICO DE DROGAS. ESGOTAMENTO DAS


INSTÂNCIAS ORDINÁRIAS. EXECUÇÃO ANTECIPADA DA PENA. POSSIBILIDADE.
CONSTRANGIMENTO ILEGAL. AUSÊNCIA. 1. O Superior Tribunal de Justiça, na linha do entendimento
firmado no âmbito do Supremo Tribunal Federal, na ocasião do julgamento das ADC MC/DF n. 43 e
ADC MC/DF n. 44, tem admitido a execução provisória da pena, após o esgotamento do segundo
grau de jurisdição. Precedente. 2. O Plenário Virtual do Supremo Tribunal Federal, no julgamento do
ARE n. 964.246, com repercussão geral reconhecida, reafirmou a jurisprudência no sentido de que é
possível a execução provisória do acórdão penal condenatório proferido em grau recursal, mesmo que
estejam pendentes recursos aos Tribunais Superiores. 3. No caso, evidenciado que ocorreu o
esgotamento das instâncias ordinárias, possível o início da execução antecipada da pena. 4. Ordem
denegada, cassando-se a liminar anteriormente concedida.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, denegar a ordem, cassada a liminar
nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Rogerio Schietti Cruz, Nefi Cordeiro,
Antonio Saldanha Palheiro e Maria Thereza de Assis Moura votaram com o Sr. Ministro Relator.

Veja
(EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA - POSSIBILIDADE)
STF - ARE 964246 (REPERCUSSÃO GERAL)

Documento 9
Processo

HC 411321 / SP
HABEAS CORPUS
2017/0196307-4

Relator(a)

Ministro REYNALDO SOARES DA FONSECA (1170)

Órgão Julgador

T5 - QUINTA TURMA

Data do Julgamento
19/09/2017

Data da Publicação/Fonte

DJe 26/09/2017

Ementa

HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO PRÓPRIO. ART. 99 DA LEI N. 10.741/2003


.EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA. LEGALIDADE. RECENTE ENTENDIMENTO DO SUPREMO TRIBUNAL
FEDERAL. AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA. AUSÊNCIA DE
EXAURIMENTO DAS INSTÂNCIAS ORDINÁRIAS. CONSTRANGIMENTO ILEGAL CONFIGURADO. ORDEM
CONCEDIDA, DE OFÍCIO. 1. O Superior Tribunal de Justiça, seguindo entendimento firmado pelo
Supremo Tribunal Federal, passou a não admitir o conhecimento de habeas corpus substitutivo de
recurso previsto para a espécie. No entanto, deve-se analisar o pedido formulado na inicial, tendo em
vista a possibilidade de se conceder a ordem de ofício, em razão da existência de eventual coação
ilegal. 2. O Plenário do Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, entendeu que a possibilidade
de início da execução da pena condenatória após a confirmação da sentença em segundo grau não
ofende o princípio constitucional da presunção da inocência (HC n. 126.292/SP, julgado no dia 17 de
fevereiro de 2016). Posteriormente, o Plenário da Corte Suprema, quando do julgamento do ARE
964.246/SP, cuja repercussão geral foi admitida, reafirmou a tese, não havendo como superar o
entendimento perfilhado. 3. No caso, entretanto, a jurisdição perante as instâncias ordinárias não se
encontra ainda encerrada, uma vez que foram opostos embargos de declaração, pendentes de
julgamento. Assim, a execução antecipada da pena configura constrangimento ilegal. Parecer
ministerial pela concessão da ordem. 4. Writ não conhecido. Acolhido o parecer ministerial. Ordem
concedida, de ofício, para que os pacientes possam aguardar em liberdade o esgotamento do
julgamento perante as instâncias ordinárias, se por outro motivo não estiverem presos.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, não conhecer do pedido e conceder
"Habeas Corpus" de ofício, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Ribeiro Dantas,
Joel Ilan Paciornik, Felix Fischer e Jorge Mussi votaram com o Sr. Ministro Relator.
Referência Legislativa

LEG:FED DEL:002848 ANO:1940


***** CP-40 CÓDIGO PENAL
ART:00005 INC:00057

LEG:FED DEL:003689 ANO:1941


***** CPP-41 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
ART:00283 ART:00312

Veja

(EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA CONDENAÇÃO PENAL - PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE


INOCÊNCIA)
STF - HC 126292-SP, ADC 43-DF, ADC 44-DF,
ARE 964246-SP (REPERCUSSÃO GERAL)
STJ - HC 371240-SP
(EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA - NÃO ESGOTAMENTO DAS INSTÂNCIAS
ORDINÁRIAS)
STJ - HC 364858-SP, HC 364982-SP

Sucessivos

HC 481695 SC 2018/0320355-1 Decisão:05/02/2019 DJe DATA:15/02/2019

HC 448208 SP 2018/0102081-3 Decisão:26/06/2018 DJe DATA:01/08/2018

HC 433107 SP 2018/0007082-6 Decisão:22/03/2018 DJe DATA:02/04/2018

Este acórdão possui 6 sucessivos.

Documento 10
Processo

AgRg no HC 396347 / PE
AGRAVO REGIMENTAL NO HABEAS CORPUS
2017/0086381-9

Relator(a)

Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (1148)

Órgão Julgador

T6 - SEXTA TURMA

Data do Julgamento

27/06/2017

Data da Publicação/Fonte
DJe 01/08/2017

Ementa

AGRAVO REGIMENTAL EM HABEAS CORPUS. EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA RELATIVA A


CONDENAÇÃO CONFIRMADA EM SEGUNDA INSTÂNCIA. AGRAVO REGIMENTAL AJUIZADO NA CORTE
DE ORIGEM CONTRA DECISÃO QUE INADMITIU INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO DE
JURISPRUDÊNCIA. AUSÊNCIA DE EFEITO SUSPENSIVO AO RECURSO PENDENTE DE APRECIAÇÃO.
INEVIDÊNCIA DE CONSTRANGIMENTO ILEGAL. 1. Segundo a atual jurisprudência dos Tribunais
Superiores é possível a execução provisória da pena quando pendente recurso sem efeito suspensivo.
2. Na hipótese, o fato de o Tribunal a quo ter julgado o recurso de apelação e os embargos de
declaração opostos, evidencia que já houve o esgotamento das instâncias ordinárias. 3. A interposição
de agravo contra a decisão que não admitiu o incidente de uniformização de jurisprudência, pendente
de análise, por si só, não suspende a execução antecipada da pena. O sobrestamento dos processos
em andamento é previsto somente para os casos em que admitido o mencionado incidente. 4. Agravo
regimental improvido.

Acórdão

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da
Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental
nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Rogerio Schietti Cruz, Nefi Cordeiro,
Antonio Saldanha Palheiro e Maria Thereza de Assis Moura votaram com o Sr. Ministro Relator.

Referência Legislativa

LEG:FED LEI:013105 ANO:2015


***** CPC-15 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2015
ART:00982

Veja
(RECURSO PENDENTE DE APRECIAÇÃO - AUSÊNCIA DE EFEITO SUSPENSIVO)
STJ - AgRg nos EDcl no AREsp 836595-DF,
EDcl no AgRg no Ag 1230268-AL
(RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL PENDENTE DE APRECIAÇÃO - AUSÊNCIA
DE EFEITO SUSPENSIVO - EXECUÇÃO PROVISÓRIA DA PENA - POSSIBILIDADE)
STF - HC 126292
STJ - AgRg no RE nos EDcl no AgRg nos EAREsp 359207-MG

Sucessivos

AgRg no HC 418002 RO 2017/0248834-0 Decisão:10/10/2017 DJe DATA:16/10/2017