Você está na página 1de 15

OBJECTIVIDADE

CIENTÍFICA E
RACIONALIDADE
CIENTÍFICA

Escola E.B. 2,3/s de Mora


2009/2010
Perspectivas de Popper e Kuhn

11º ano
A RACIONALIDADE CIENTÍFICA
E A QUESTÃO DA
OBJECTIVIDADE

 Karl Popper – defende que o conhecimento

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
científico é objectivo e que a sua evolução é
racional.
racional

 Thomas Kuhn – apresenta uma perspectiva da

11º ano
ciência que rejeita a objectividade e a
racionalidade desta.
A EVOLUÇÃO DA CIÊNCIA SEGUNDO
POPPER

 Segundo Popper, nunca podemos saber que uma


teoria científica é literalmente verdadeira; tudo o
que podemos saber é que, até um certo momento,

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
não se mostrou que é FALSA.
FALSA

 Racionalidade crítica – adoptar atitude


critica – sujeitar as teorias a testes que possam

11º ano
resultar na sua refutação, ou seja, tentar
detectar os erros das teorias.
  Evolução da
ciência
APROXIMAÇÃO À VERDADE
 A verdade é a meta da ciência.

 E uma teoria é VERDADEIRA se, e só se,

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
corresponde aos factos, ou seja, se descreve
correctamente aquilo que se passa no Mundo.

 Popper – ciência é objectiva

11º ano
Valor de verdade de uma teoria é independente de
crenças ou opiniões, pois o que lhe confere valor de
verdade é o que se passa na REALIDADE.
CIÊNCIA E PROGRESSO

 Ciência progride em direcção à verdade, embora a

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
verdade última seja inalcançável.

 De um modo geral, uma teoria é mais verosímil


do que outra quando implica mais verdades ou

11º ano
menos falsidades.
OS PARADIGMA SEGUNDO KUHN

 Paradigma – baseia-se numa teoria de grande


poder explicativo, que serve de modelo aos

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
investigadores e que determina os problemas em
que a investigação incidirá.

 Sem um paradigma, não existe ciência. Os

11º ano
paradigmas fundam a ciência e organizam o
trabalho dos cientistas.
ELEMENTOS DOS PARADIGMAS

 Paradigma inclui:

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
 Leis e pressupostos teóricos fundamentais
 Regras para aplicar as leis à realidade
 Regras para usar instrumentos científicos
 Princípios metafísicos e filosóficos

11º ano
Kuhn, pensa que um paradigma define e regula todo o
trabalho científico numa certa área de investigação.
investigação
RACIONALIDADE E PARADIGMAS

 Características desejáveis de uma boa teoria para


fundar um paradigma:

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
 Precisão
 Consistência
 Abrangência
Simplicidade

11º ano

 Fecundidade

Uma teoria que não seja avaliada consoante estes


critérios poderá ser considerada irracional.
A CIÊNCIA NORMAL

 Depois da instituição de um paradigma inicia-se


um período de ciência normal.

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
 A ciência normal caracteriza-se pelas
tentativas de desenvolver o paradigma, tornando-
o mais pormenorizado e completo.

11º ano
ANOMALIAS E CRISE

 A ciência normal nem sempre é bem sucedida: há


enigmas que ficam por resolver e que resistem às

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
tentativas de resolução (anomalia).

 A acumulação de anomalias abala a confiança no


paradigma, gerando uma crise.

11º ano
(Crise – período de insegurança durante o qual a
confiança no paradigma é abalada.)
A INCOMENSURABILIDADE DOS
PARADIGMAS
 Holística : todos os aspectos que constituem um
paradigma mudam em conjunto, como um todo e

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
não de forma isolada.

 Incomensurabilidade – impossibilidade de
comparar os paradigmas objectivamente de

11º ano
maneira a concluir que um é superior ao outro.
CRITÉRIOS OBJECTIVOS E
FACTORES SUBJECTIVOS

 Para Kuhn a evolução da ciência não é um

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
processo absolutamente racional de eliminação
de teorias falsas à luz de critérios objectivos, mas
uma sucessão de paradigmas escolhidos por
uma combinação de critérios objectivos e

11º ano
factores subjectivos.
DISCUSSÃO

 Se não podemos afirmar com tanta certeza


que as teorias cientificas que aceitamos hoje
são verdadeiras, por que razão devemos de

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
confiar nelas?

 Para confiarmos numa teoria, não é preciso termos a


certeza de que é verdadeira. Basta que seja uma teoria

11º ano
que, entre as teorias disponíveis, tenha resistido aos
melhores testes empíricos. Assim, será razoável
acreditarmos que é verdadeira.
DISCUSSÃO

 «Dado que tanto a racionalidade científica


como a filosofia se caracterizam pela

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
atitude critica, segue-se que não há
qualquer diferença entre a ciência e a
filosofia.» Concorda? Justifique.

11º ano
 Não. Embora a ciência e a filosofia decorram de uma
atitude critica, só na ciência a investigação se
desenvolve de forma empírica.
DISCUSSÃO
 «O facto de as escolhas dos cientistas serem
influenciadas por factores subjectivos mostra
que a ciência não é objectiva.» Concorda?

2009/2010
Escola E.B. 2,3/s de Mora
Porquê?

 Não. Os cientistas são influenciados por factores


subjectivos, mas a existência de crítica aberta na

11º ano
comunidade científica permite filtrar os preconceitos
individuais. A objectividade da ciência não resulta do
«espírito imparcial» dos cientistas, considerados
individualmente. Resulta da possibilidade de se realizarem
testes empíricos às teorias – testes passíveis de reprodução.