Você está na página 1de 13

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

MATEMÁTICA

DOUGLAS MARTINS SANTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA
A aprendizagem sob uma perspectiva interdisciplinar

Três Lagoas - MS
2019
DOUGLAS MARTINS SANTOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA
A aprendizagem sob uma perspectiva interdisciplinar

Trabalho de Matemática apresentado à Universidade


Pitágoras Unopar, como requisito parcial para a
obtenção de média bimestral na disciplina de Educação
Financeira, Análise Matemática, Cálculo Numérico,
Seminário da Prática VII e Projeto de ensino. Sob
orientação dos professores: Alessandra Negrini Dalla
Barba; Daiany Cristiny Ramos; Debora Cristiane Barbosa
Kirnev, RibeiroJenai Oliveira Cazetta, Mariana da Silva
Nogueira.

Orientador(a): Prof. Fabricia Cristina Garcia Redmershi

Três Lagoas - MS

2019
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 3
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ............................................................................ 4
3 DESENVOLVIMENTO ......................................................................................... 5
4 CONCLUSÃO .................................................................................................... 11
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 12
3

1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho compõe o grupo das atividades avaliativas do


6°semestre do curso de Licenciatura em Matemática. Nesta produção textual são
abordados conteúdos das disciplinas de Cálculo Numérico, Análise Matemática e
Educação Financeira, de forma a garantir a interdisciplinaridade das atividades
desenvolvidas, tendo como elo principal entre elas a Situação Geradora (SGA) de
Aprendizagem que aborda a situação - problema, empréstimo.
Após expor as taxas de juros e seus respectivos meses de
ocorrência, a realização da primeira tarefa se apresenta como uma proposta de
modelagem matemática em que o modelo matemático é obtido através da
interpolação polinomial usando o método do polinômio interpolador, o modelo
gerado é usado, posteriormente para fazer uma estimativa futura.
Na segunda tarefa são realizados os cálculos de valores de parcelas
e valores finais de acordo com as opções de parcelamento apresentadas na SGA,
estes cálculos e o embasamento teórico inicial são o embasamento necessário para
se elaborar um texto dissertativo, em que se argumenta qual opção de pagamento é
melhor.
A terceira tarefa, consiste na leitura seguida de elaboração de um
texto em que se busca destacar a importância de competência 5, da Base Nacional
Curricular Comum, no cotidiano escolar além de propor medidas para concretizar o
ensino usando tecnologias.
Os objetivos deste trabalho são voltados para a prática autônoma de
atividades de ensino que fortalece os conhecimentos estudados ao longo do
semestre; apresentar ao graduando atividades que exemplificam a elaboração de
atividades interdisciplinares contextualizadas; fortalecer os conhecimentos
adquiridos no semestre; estimular as consultas as diretrizes nacionais para o ensino
para que o graduando se habitue a tê-las como uma referência para prática da
docência.
4

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A educação financeira é iniciada em casa, as ações financeiras dos


pais refletem na formação dos hábitos dos filhos, a rotina de exemplos positivos é
fundamental para a estruturação do comportamento financeiro saudável. Os pais
devem ser bons moderadores de gastos, buscar a orientar os filhos quanto ao
consumo dentro das possibilidades da renda familiar, garantir o contato da criança
com o dinheiro desde cedo, para que assim eles desenvolvam a noção de
planejamento financeiro (OLIVEIRA at al., 2014). Os autores afirmam ainda que a
Educação Financeira é uma ação conjunta dos pais e da escola, no ambiente
escolar se processa a formação do conhecimento teórico e em casa a visualização
das ações em prática.
Por outro lado há os entraves sociais que dificultam a participação
dos pais na construção da Educação Financeira, não faz parte da cultura da
população brasileira discutir sobre finanças, pois a busca por propriedade, nos cinco
séculos da historia, era um comportamento da nobreza, então não fazia sentido par
ao resta da população conversar sobre finanças, não tinham escolhas de aplicar o
dinheiro em outras coisas, além das necessidades básicas (CERBASI, 2013 apud
OLIVEIRA at. al., 2014)
A Educação Financeira deve estar presente na vida escolar desde a
infância, a partir do momento em for identificado que ela apresenta capacidade de
entender os conhecimentos financeiros, assim a prática de atividades financeiras
ocorrera gradualmente, neste contexto deve ser oportunizado a pratica da
administração de seu dinheiro, aprender a discernir quando se deve ou não investir,
assim no futuramente elas estarão aptas maneja o dinheiro, conquistando assim a
autonomia financeira (SOUZA e MELO, 2017).
As dificuldades de aprendizagem dos conteúdos matemáticos de
forma geral são decorrentes do uso da metodologia de ensino tradicional, no ensino
da Educação Matemática, a eficácia do ensino também está sujeita a barreiras
metodológicas. As metodologias e práticas pedagógicas devem atender "as
necessidades dos professores e dos alunos para a construção do conhecimento,
diversos métodos, abordagens e recursos tem sido avaliados e implantados; assim
constantemente criando modelos e programas em que estes lados sejam atendidos
(FERRARI, SOUZA; DIAS, 2016. p.72)."
5

3 DESENVOLVIMENTO

Os dados Quadro 1 e Quadro 2 são parte de uma pesquisa realizada


a fim de nortear a contratação de um empréstimo para abrir uma Escola de Aulas de
reforço
Quadro 1: Taxa de juros pesquisados no Banco Bom Negócio, 2018.
MÊS OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO
Taxa (%) 6,67 6,60 6,51
Fonte: Adaptado do manual de produção textual interdisciplinar individual (UNOPAR, 2019).

Quadro 2: Informações do banco bom negócio


BANCO BOM NEGÓCIO
Parcelas semestrais 5 anos
Parcelas anuais 5 anos
Capital R$ 50.000, 00
Fonte: Adaptado do manual de produção textual interdisciplinar individual (UNOPAR, 2019).

TAREFA 1 – FAZER UMA ESTIMATIVA PARA A TAXA DO EMPRÉSTIMO

A) Considere o mês de outubro como mês 1, o mês de novembro como mês 2


e assim sucessivamente.
Aqui pode ser unidas e organizadas as informações do Quadro 1 e
do enunciado, deste item, que são a representação de pares ordenados como
mostrado a seguir:
Outubro (x0, y0) = (1, 6,67)
Novembro (x1, y1) = (2 , 6,60)
Dezembro (x2, y2) = (3, 6,51)

B) Interpolação dos pontos


A interpolação através do método do polinômio interpolador, implica
que dados x0, x1, . . . , xn, pontos distintos, com uma função definida no ponto, então
existe um polinômio P de grau n que os interpola, de forma que:
6

p(x0 )=f(x0 )
g(x1 )=f(x1 )
.
.
{p(xn )=f(xn )

Assim, para os três pontos dados no problema p polinômio


interpolador tem grau 2, e tem fórmula geral P2(x) = a0+a1x+a2x2. Logo:
p2 (x0 )=y0 a0 + a1x0 + a2x0 2 =y0 p2 (1)=y0 a0 + a1 + a2 = 6,67
{p2 (x1 )=y1 → {a0 + a1x1 + a2x1 2 =y1 → p2 (2)=y1 →{a0 + 2a1 + 4a2 = 6,60
p2 (x2 )=y2 a0 + a1x2 + a2x2 2 =y2 p2 (3)=y2 a0 + 3a1 + 9a2 = 6,51

Ao optar pela solução matricial aplicando o método de eliminação de


Gauss, verifica-se a seguir a elaboração de matriz estendida e as respectivas
operações entre linhas:
1 1 1 6,67 1 1 1 6,67 1 1 1 6,67
[1 2 4 6,60]⇒ L’2→L2–L1 ⇒[0 1 3 -0,007]⇒ L’3→ L3–L1 ⇒ [0 1 3 ⎼0,07]
1 3 9 6,51 1 3 9 6,51 0 2 8 ⎼0,16

1 1 1 6,67 1 1 1 6,67
L3
⇒ L’3→L3 – 2L2 [0 1 3 ⎼0,07] ⇒ L’3→ ⇒ [0 1 3 ⎼0,07]
2
0 0 2 ⎼0,02 0 0 1 ⎼0,01
Na ultima linha da quinta matriz verifica-se que a2 = -0,01
Ainda na quinta matriz, na linha dois substituindo o valor de a 2 ,
determina-se a1.
a1 + 3a2 = -0,07
a1 + 3.(-0,01) = -0,07
a1 = –0,07 + 0,03
a1 = -0,04
Por fim, a substituição de a1 e a2 na primeira linha, da quita matriz,
fornece o valor de a0.
a0 + a1 + a2 = 6,67
a0 + (-0,04) + (-0,01)= 6,67
a0 = 6,67 + 0,04 + 0,01
a0=6,72
A substituição coeficientes no polinômio geral resulta no modelo
matemático:
7

P2(x) = 0,01x2 – 0,04x + 6,72.

C) Aplicando o modelo para estimar a taxa de juros para fevereiro 2019.


O sequenciamento dos dados, propostos no item (a), permite
constatar que o mês de fevereiro representa o 5° mês, na contagem, assim:
P2(x) = -0,01x2 – 0,04x + 6,72
P2(5) = -0,01(5)2 – 0,04(5) + 6,72
P2(5) = -0,25 – 0,2 + 6,72
P2(5) = 6,27
Taxa de juros para fevereiro corresponde á 6.27%

TAREFA 2 - DETERMINAR OS VALORES DAS PARCELAS E DOS VALORES FUTUROS


DO EMPRÉSTIMO
A taxa estimada anteriormente nesta tarefa será um valor referente
ao período de um ano, 6.27% a.a.
A) Os valores das parcelas em cada forma de parcelamento

A equação que determina o valor das parcelas está destacada na


janela abaixo.
1-(1+i)-n VP=Valor presente, capital, valor a vista
VP= parc [ ]
i
parc = parcela, prestações iguais
n= número total de parcelas, prestações iguais e periódicas
I= taxas de juros compostos, taxa efetiva

1° opção: parcelamento semestral


Para um período de seis meses será feito o cálculo de taxa
equivalente. A equação que determina o valor da taxa equivalente esta destacada
na janela abaixo
Ip= (1 + ia)(p/a) - 1 a= período apresentado
p=período pedido, ou desejado

Usando os dados conhecidos para este problema:


Ia = 6,27%= 0,0627 p = 6 meses a = 12 meses
8

Então:

Ip= (1+0,0627)6/12 -1 ➡ Ip = 1,0309 – 1 ➡ Ip= 0,0309= 3,09% a.s

Aplicando a equação para o cálculo do valor futuro, tem-se que:


PV = R$ 50.000,00 i = 3,09% = 0,0309 n = 10 semestres
1-(1+0,0309)-10 1-(1,0309)-10
50000 = parc x [ ] ➡ 50000 = parc x [ ] →
0,0309 0,0309

50000
50000 = parc x 8,4919 ➡ parc = =5887,96
8,4919

Parcela semestral: R$ 5887,96

2° opção: parcelamento anual


Aplicando a equação para o cálculo do valor futuro, tem-se que:
PV = R$ 50.000,00 n = 5 anos i = 6,27% = 0, 0627
1-(1+0,0627)-5 1-(1,0627)-5
50000 = parc x [ ] ➡ 50000 = parc x [ ]→
0,0627 0,0627

50000
50000 = parc x 4,1818 ➡ parc = 4,1818 = 11.956,57

Parcela anual: R$11.956,57

B) Os valores futuros das duas opções apresentadas pelo banco Bom


Negócio.

A equação que determina o valor futuro está destacada na janela


abaixo.
I= taxa de juros;
M= C.(1 + i)n C= Valor presente, capital, valor a vista;
n=prazo da operação financeira;
M= montante, valor futuro.

1° opção: valor futuro (parcelamento semestral)


Usando os dados conhecidos para este problema:
PV = 50000 n= 10 sem. i = 3,087%= 3,09 %
Aplicando a equação para o cálculo do valor futuro, tem-se que:

M= 50000 . (1 + 0,03087)10 ➡ M= 50000 . (1,03087)10= 67.767,80


9

Valor futuro: M= R$ 67.767,80

2° opção: valor futuro (parcelamento anual)


Usando os dados conhecidos para este problema:
PV= 50000 n = 5 anos i = 6,27% = 0, 0627
Aplicando a equação para o cálculo do valor futuro, tem-se que:

M = 50000 . (1 + 0,0627)5 ➡ M= 50000 . (1,0627)5= 67.767,80

Valor futuro: R$ 67.767,80

C) Análise de melhor opção para o melhor pagamento do empréstimo


A melhor opção de pagamento par o empréstimo é o pagamento
anual.
Este esta escolha se justifica por não haver uma diferença entre os
valores finais. São julgadas como uma boa opção de pagamento aquelas em que o
acréscimo gerado pelos juros sejam mínimas. Aqui está perspectiva não é útil, pois
no problema foi feito o uso da equivalência de taxas de juros, isso implica que duas
formas de parcelamentos, como tempo de pagamento igual a cinco anos e com o
mesmo capital, tem o mesmo acréscimo devido aos juros.
Cabe ainda ressaltar que para escolher a melhor opção para
pagamento do empréstimo deve levar em consideração qual o tempo de retorno de
capital é previsto para o investimento, como este dado não foi informado no
problema, optou-se por dizer que um maior período é mais recomendado, pois
assim o cliente tem tempo suficiente para poupar um valor equivalente a parcela,
sem gerar uma possível descapitalização ou endividamento.

TAREFA 3 - ANÁLISE DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)

A importância de se usar as tecnologias no Ensino Médio pode ser


associada à perspectiva de preparar os alunos para um mercado de trabalho regido
por tecnologias e pela preocupação de reduzir a preceptiva de que os conteúdos
matemática são abstratos. As pesquisas voltadas para o ensino apresentam um
diagnóstico de que as principais dificuldades de se aprender matemática estão
10

relacionadas a abstração dos conteúdos e o ensino de forma descontextualizada,


empregando metodologias ultrapassadas. Em contrapartida, a um aumento nas
pesquisas e publicações, que mostram que a tecnologia é vantajosa para dinamizar
as aulas e materializar os conteúdos. A computação gráfica são as principais
apostas para auxiliar a aprendizagem matemática, os softwares educacionais, por
exemplo, usam dos recursos visuais para estimular a aprendizagem de funções,
geometria plana e espacial, e quaisquer outros conteúdos que se possa ilustrar. Em
um campo de aprendizagem mais descontraído e generalizado se pode apostar no
uso de jogos matemáticos de, operações, lógica, estratégia, noção espacial, entre
outra ações que promovem ou auxiliam a aprendizagem.
Os professores são diante das tecnologias os principais
responsáveis por moderar e ponderar, como, quando, onde e quais recursos
tecnológicos têm o potencial transformador no processo de aprendizagem. A
receptividade de um recurso tecnológico tem influencia direta do que o aluno usa e
presencia no dia a dia, como o professor tem um conhecimento deste cotidiano, ele
é o mais recomendo par decidir qual recurso se adéqua melhor a aprendizagem.
No desenvolvimento dos conhecimentos básicos que precedem o
estudo, do cálculo diferencial, e o calculo integral, as dificuldades mais comuns são
expressas pela falta de conhecimento elementar, no ensino superior a análise
matemática, se consolidada nas disciplinas de cálculo, ela se torna uma bela
edificação de bases estáveis. Como as propriedades elementares do cálculo são
consideradas abstratas, os softwares podem significar uma metodologia que
melhora a formação destes conceitos.
Como o uso das tecnologias visa aproximar o ensino da matemática
á realidade, as atividades financeiras são ótimas opção de abordagem. No ensino
médio o aluno já tem responsabilidades financeiras, muitos tentam administrar suas
mesadas, ou regular os gastos com pequenas compras, vão a bancos, pagam
contas, ou exercem alguma atividade remunerada e já observam as atividade
financeiras realizadas pelos pais e pessoas próximas, todas estas situações
envolvem algum conhecimento sobre cálculos financeiros, são opção de situações a
serem exploradas. Mostrar a eles como usar caixas eletrônicos, fazer pagamentos
via aplicativos, usar aplicativos para planejamento e controle de gastos, usar
calculadoras de juros online, etc., são exemplos como se trabalhar com a educação
financeira e de se estimular uma educação financeira.
11

4 CONCLUSÃO

Concluo que a realização desta atividade interdisciplinar foi uma


oportunidade de absorver de forma efetiva os conteúdos e conceitos da matemática
financeira, bem como compreender como uma boa gestão destes conteúdos no
Ensino Médio, apoia as mudanças de hábitos financeiros, que podem conceder ao
indivíduo a chance de atingir suas autonomia financeira e capacidade repassar este
aprendizado.
As realizações das atividades propostas permitiram ainda praticar
conteúdos estudados nas disciplinas de Análise Matemática, Cálculo numérico e
Educação financeira sob uma prospectiva crítica, devido a contextualização do
problema numa Situação Geradora de Aprendizagem, que aproxima a lida diária,
com dinheiro, dos cálculos e análises financeiras. A realização das tarefas e o
estudo da competência, que trato do uso das tecnologias no ensino, permitiu a
criação de um processo de reflexão de como unir os conteúdos e tecnologias em
sala de aula.
12

REFERÊNCIAS

ANDRETTA, Marina. 2012. Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange.


Disponível em:<
http://conteudo.icmc.usp.br/pessoas/andretta/ensino/aulas/sme0500-1-
12/iplagrange.pdf>. Acesso em: 11 de abril de 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/Secretária de Educação


Básica, 2018.

FERRARI, D. V. J.; SOUZA, L. V. J.; DIAS, C. L. A importância de novas


metodologias de ensino-aprendizagem em cursos universitários na área da
saúde. Colloquium Humanarum, vol. 13, n. Especial, Jul–Dez, 2016, p. 71-75. ISSN:
1809-8207. DOI: 10.5747/ch.2016.v13.nesp.000814.

OLIVEIRA, A. E. ; MACHADO, F. F. S.; MARTINS J. C.; SPOSITO, R R. A


importância da educação financeira no contexto escolar e familiar: uma
amostra do projeto implantado na UNESPAR. Paraná-PA, 2014. Disponível em: <
http://www.fecea.br/ecopar/uploads/21-31-14-
Artigo_Ecopar__A_importancia_da_Educacao_Financeira_no_contexto_escolar_e_f
amiliar.pdf> Acesso em: 28 abril 2019.

PILLING, S. Cálculo numérico. [201-?]. Universidade do Vale da Paraíba.


Disponível em: < https://www1.univap.br/spilling/CN/CN_Capt4.pdf>Acesso em: 29
abr.2019.
SANTOS, J. C. Matemática Financeira. Londrina: Editora e Distribuidora
Educacional S.A, 2016. 216p. Disponível em: < https://s3.amazonaws.com/cm-kls-
content/201601/INTERATIVAS_2_0/MATEMATICA_FINANCEIRA/U1/LIVRO_UNIC
O.pdf> Acesso em: 27 de abril 2019.

SOUZA, G. A. P. de; MELO, M. T.. A educação infantil e seus impactos na


sociedade. 2017. Disponível em:
<https://even3storage.blob.core.windows.net/anais/73506.pdf>. Acesso em: 26 de
abril de 2019.