Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


Estudos de Sociologia da Educação - HUM 04817
Professor Dr. Alexandre Silva Virginio

Acadêmica: Camila Silva Cabrera

1
Karl Mannheim - Introdução à Sociologia da Educação

PRIMEIRA PARTE:

​I – Introdução Geral

a reflexão filosófica é mais necessária em nossa época


quando vamos ensinar, absorvemos conhecimento sobre o assunto, examinamos
os métodos de ensinar e tentamos contextualizar. Fazendo tudo isso de forma
fatual e não reflexiva. Legitimando e autenticando os métodos de manutenção da
ordem e preservação da disciplina, das técnicas de ensino e metas herdadas da
educação.
No passado, para muitos professores, a ênfase no ensino e na aprendizagem
deu-se através do conhecimento/domínio sobre o assunto. Para outros, sobre o
conhecimento do desenvolvimento da criança, como ela aprende e como ensiná-la
tal conhecimento.
▪ Entretanto, a sociedade cresceu e sua complexidade também. E quanto
mais aumentou, mas compreendemos que o ensino sem imaginação e
rotineiro, ajuda a criar “desajustados”.
Emergência do nazismo na Alemanha - “Com efeito, enquanto toda gente
reconhece que o problema internacional mais premente talvez seja o da pobreza
no meio da fartura, cumpre acrescentar que se pode ter a barbárie no meio da
fartura educacional. Não basta proporcionar oportunidades educacionais, é
igualmente importante compreendermos o tipo de efeito que estão surtindo essas

1
MANNHEIM, K.; STEWART, W.A.C. ​Introdução à Sociologia da Educação.​ São Paulo: Cultrix., p.
25-72 e 168-180.
oportunidades”. (MANNHEIM, p. 29) “Os nazistas e soviéticos sabiam o que
podiam esperar da educação e nós temos sido extremamente vagos sobre o que
realmente desejamos alcançar através dela” (p.30).
A reflexão filosófica, a Psicologia e a Sociologia são fundamentais para, juntos,
fornecerem conhecimentos capazes de compreensão e ampliação de perspectivas
da educação como um todo.

II – Treinamento, Instrução, Ensino e Educação

Treinamento (p.35) – implica repetição, aprimoramento e propósito. Associado a


truques de ofício. Acentua a dependência do homem, o ser ensinado por outro, o
aprender dentro da estrutura de um programa conhecido.
▪ O treinamento está ligado a preparação vocacional, e a educação está
ligada à preparação liberal.
Instrução – representa transmissão de conhecimento, com destaque para o quê se
comunica e não ao instrutor nem ao aluno. “Aqui está um material ordenado para
ser apresentado a vocês. Absorvam-no e façam o que quiserem.”
Ensino – pressupõe um interesse pelo processo de aprendizagem dos alunos e a
interação das mentes do professor e dos discípulos. Com destaque ora ao
professor e ora ao aluno.
Educação – uma personalidade age sobre outra para com intuito de modificar-lhe o
desenvolvimento. Não só é um processo consciente quanto deliberado, pois o
educador tem a intenção clara de modelar e modificar o desenvolvimento do aluno.
Geração mais velha VS Geração mais nova.

III – A definição mais lata de educação

(p.41) “O principal agente educativo é a comunidade, o grupo de pessoas em que


vive a criança e os objetos que essas pessoas criaram, suas relações, sua cultura,
e suas conexões com uma sociedade ainda mais ampla além dela.” POIS… “Como
pertencemos a grupos que diferem entre si, sejam eles a família, a escola, a aldeia,
o bairro, a cidade, a nação, somos educados em nome de padrões e ideias que
prevalecem no interior da comunidade.
(p.42) “Como chegamos a ampliar nosso conceito de educação dessa maneira? Há
três razões principais: a expansão da democracia, o maior domínio do meio social
e a importância da comunidade, bem como do lar como organismo educacional.

IV – O Caráter Histórico das Metas Educacionais

Tenta mostrar que um resíduo de atitudes, princípios e formas de comportamento


passam de uma geração a outra e misturam-se. Sendo uma tarefa difícil
desenredar as diversas formas no tipo de pessoa ideal que tem-se em mente como
melhor exemplo a ser seguido atualmente.
Não basta dizer qual o melhor sistema, teoria ou política educacional são bons.
Antes precisa-se perguntar: para quê são bons? Quais metas históricas
representam? E se é esse resultado educacional que almeja-se…
Ter uma finalidade e um propósito é escolher entre valores e persistir na escolha.
As finalidades são influenciadas pelo contexto da época histórica, e na sociedade
democrática há uma fluidez das finalidades, pois há interesses de diversos grupos.

V – O individualismo e o enfoque sociológico da educação

Perspectiva individualista
Perspectiva coletivista
Terceira perspectiva que integra as duas perspectivas:
◦ o indivíduo desenvolve-se como individualidade social, suas possibilidades de
contribuição são descobertas e empregadas de forma a satisfazer a
comunidade.

SEGUNDA PARTE:

XIV – A sociologia para o educador e a sociologia da educação


Que deseja conhecer da sociedade o candidato da escola de preparação de
professores e, para alcançar seu objetivo, que lhe é preciso saber sobre
Sociologia?
◦ É preciso entender os instrumentos de análise sociológica, processos sociais
elementares, conceitos básicos para análise racional de fenômenos sociais.
◦ O futuro professor entende que o sociólogo pode ajudá-lo a compreender
algumas das causas da crise social, econômica e espiritual, a crise da
democracia, etc.

I.​ ​A sociologia para o educador

(a). A natureza humana e a ordem social


Quando hábitos ou modos de pensar se acham em transição é
normal encontrarmos casos de confusão e perturbação.
◦ Ex.: Reforma Protestante, Primeira Guerra Mundial, relação entre
coeficiente de suicídios e grau de integração do grupo (Durkheim
– ​anomia​).
Várias formas de controle: costumes e convenções, leis, instituições
em geral.

(b). O impacto dos grupos sociais sobre o indivíduo. Por que se


formam os grupos e quais são as suas características?

(c). Estrutura social


Cumpre que o educador se torne sensível, pelo estudo da Sociologia, à estrutura
da ordem social em que vive, ao impacto óbvio ou disfarçado dos grupos sociais e
à relação entre as pessoas e a ordem social em que elas se acham colocadas.

II. A sociologia da educação


Parte da responsabilidade da escola será permitir ao alunos descobrirem cada vez
mais as influências informais que esvoaçam, incessante mas rapidamente, pelo
campo de sua percepção.

III. A sociologia do ensino

IV. Conclusão
Para Mannheim, tudo depende da reputação que o professor terá na sociedade. Numa
sociedade democraticamente planejada, os professores terão de representar um dos
papéis mais nobres. E só conseguirão se considerarem seu trabalho como tentativa séria
para compreender a vida da comunidade e contribuir para ela.