Você está na página 1de 7

Avaliação Bimestral de Português– 1º bimestre 14/06/2019

Turma: 8º ano Professora: Mani


Valor: 8,0
Pontos Obtidos: _______

Nome:______________________________________________________

Leia o texto a seguir para responder às questões de 1 a 12:

ANARQUISTAS GRAÇAS A DEUS

Naqueles tempos, a vida em São Paulo era tranquila. Poderia ser ainda mais, não fosse a invasão cada vez
maior dos automóveis importados, circulando pelas ruas da cidade; grossos tubos, situados nas laterais
externas dos carros, desprendiam, em violentas explosões, gases e fumaça escura. Estridentes fonfons de
buzinas, assustando os distraídos, abriam passagem para alguns deslumbrados motoristas que, em suas
desabaladas carreiras, infringiam as regras de trânsito, muitas vezes chegando ao abuso de alcançar mais de
20 quilômetros à hora, velocidade permitida somente nas estradas. Fora esse detalhe, o do trânsito, a
cidade crescia mansamente. Não havia surgido ainda a febre dos edifícios altos; nem mesmo o “Prédio
Martinelli” – arranha-céu pioneiro em São Paulo, se não me engano do Brasil – fora ainda construído. Não
existia rádio, e televisão, nem em sonhos. Não se curtia som em aparelhos de alta fidelidade. Ouvia-se
música em gramofones de tromba e manivela. Havia tempo para tudo, ninguém se afobava, ninguém andava
depressa. Não se abreviavam com siglas os nomes completos das pessoas e das coisas em geral. Para que
isso? Por que o uso de siglas? Podia-se dizer e ler tranquilamente tudo, por mais longo que fosse o nome por
extenso – sem criar equívocos – e ainda sobrava tempo para ênfase, se necessário fosse.

Os divertimentos, existentes então, acessíveis a uma família de poucos recursos como a nossa, eram poucos.
Os valores daqueles idos, comparados aos de hoje, no entanto, eram outros; as mais mínimas coisas, os
menores acontecimentos, tomavam corpo, adquiriam enorme importância. Nossa vida simples era rica,
alegre e sadia. A imaginação voando solta, transformando tudo em festa, nenhuma barreira a impedir meus
sonhos, o riso aberto e franco. Os divertimentos, como já disse, eram poucos, porém suficientes para
encher o nosso mundo.

GATTAI, Zélia. Anarquistas graças a Deus. Rio de Janeiro: Record, 1986. p. 23.

1. No relato de memória extraído do livro Anarquistas Graças a Deus, a autora faz algumas comparações
entre o passado e o presente. Retire do texto 2 exemplos que justifiquem essa afirmativa. (0,4)

_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
2. Para que o leitor construa uma imagem do passado rememorado pela autora, ela usa termos que
qualificam e caracterizam algumas passagens de suas memórias. Retire um exemplo disso: (0,1)

____________________________________________________________________________________________

3. Assinale o trecho no qual a presença da voz do narrador, interrompendo o relato, expressa um recurso
de interação entre autor e leitor: (0,3)

a) “Não havia surgido a febre dos edifícios altos; nem mesmo o “Prédio Martinelli”.
b) “Para que isso? Para que o uso de siglas?”
c) “Os divertimentos, existentes então, acessíveis a uma família de poucos recursos como a nossa, eram
poucos.”
d) “Nossa vida simples era rica, alegre e sadia.”
e) “Não se curtia som em aparelhos de alta fidelidade.”
4. Retire do texto 2 marcadores temporais: (0,2)

_________________________________________________________________________________________

5. Cite 3 características que comprovem que o texto lido pertence ao gênero Relato de Memória. (0,3)
_____________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
6. Justifique o uso de travessões isolando o período “– arranha-céu pioneiro em São Paulo, se não me
engano do Brasil –”. (0,2)
_____________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
7. Retire do texto 4 verbos que estejam no pretérito imperfeito e explique por que esse é o tempo verbal
predominante neste trecho. (0,3)
_____________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________

8- Defina e explique as figuras de linguagem presentes nos trechos a seguir: (0,2)


a) “Os divertimentos, como já disse, eram poucos, porém suficientes para encher o nosso mundo”.

_________________________________________________________________________________________

b) “Fora esse detalhe, o do trânsito, a cidade crescia mansamente”.

_________________________________________________________________________________________

9- De modo geral, prevalece no texto a linguagem culta, porém há alguns trechos em que se utiliza
linguagem coloquial. Retire do texto um exemplo do uso de linguagem coloquial. (0,1)

_____________________________________________________________________________________________

10- Preencha a tabela abaixo, caracterizando, em relação ao trecho lido: (0,4)


O foco narrativo O Espaço (onde) O Tempo (quando) Tipo de memória relatada

11- Nas orações abaixo, indique e classifique os sujeitos e os predicados: (0,8)


a) A vida em São Paulo era tranquila.

_________________________________________________________________________________________
b) A cidade crescia mansamente.

___________________________________________________________________________________________

c) Nossa vida simples era rica, alegre e sadia.

________________________________________________________________________________________

d) As mais mínimas coisas adquiriam enorme importância.

________________________________________________________________________________________
12- Utilizando as orações acima, classifique sintaticamente os termos: (0,6)
Era
Tranquila
Crescia
Rica, alegre e sadia
Adquiriam
Enorme importância

Leia a entrevista abaixo para responder às questões de 13 a 19.


Entrevista: Cacique Aritana Yawalapiti
O cacique Aritana, 51 anos, é hoje a mais respeitada liderança do Alto Xingu.
Desde quando assumiu a chefia dos Yawalapiti, há cerca de 20 anos, ele luta pela
preservação da cultura e dos hábitos dos índios xinguanos. “É muito difícil mostrar
aos jovens a importância de manter nossos costumes, mas com conversa eles estão
vendo que é melhor sermos o que a gente é: índio”, explica o cacique.
Preparado desde cedo para ser cacique, Aritana conheceu os irmãos Orlando e
Cláudio Villas Bôas ainda criança, no final da década de 1950. “Aprendi muito com
eles sobre a importância de se preservar os hábitos antigos”, conta o chefe. Sob estas
influências, ele se tornou um grande líder da causa indígena dentro e fora do Xingu.

Grupo – A educação indígena, desde a época que os Villas Bôas estavam no parque,
era uma questão polêmica. Eles defendiam que o índio deveria ter o mínimo
possível de contato com a cultura do branco. Como está isso hoje?
Aritana – É triste, mas eu acho que alguns projetos de educação estão acabando com a cultura do Alto
Xingu. Já vejo que os jovens não gostam mais tanto de falar sua língua, preferem usar roupa e estão mais
interessados nas coisas do branco. O problema é que os professores ensinam os valores dos brancos e os
jovens param de respeitar as tradições. O Kuarup, por exemplo, é uma festa muito séria e importante pra
gente. É a festa dos mortos. E no último Kuarup eu percebi que alguns jovens achavam que isso é
brincadeira. Na época do Orlando (Villas Bôas), por exemplo, havia preocupação em manter a cultura e a
educação do jeito do índio. Eu era pequeno e ficava chateado, perguntando por que o Orlando não dava
chinelo e bicicleta. Depois é que eu fui entender que era pra gente manter a força na perna. Se a criança
anda de chinelo o dia todo ela não consegue mais subir em árvore.
Grupo – Existem propostas de geração de renda para as aldeias, principalmente por meio do turismo. Como
você vê essa situação?
Aritana – Estão sempre procurando a gente para fazer projetos. Nossa aldeia aqui é o primeiro lugar em que
eles passam, mas eu sempre digo que não. A primeira proposta que recebi era pra colocar lanchas de luxo e
um avião trazendo gente de uma fazenda perto do parque para a aldeia. Recebemos propostas quase todo
dia. Recusamos porque não queremos nem precisamos do dinheiro de branco para viver bem aqui.
Outras tribos já aceitaram porque querem dinheiro. O problema aqui é que as tribos que aceitam visitas de
turistas deviam reunir as lideranças do Xingu para conversar sobre a questão, mas isso não acontece.
Tivemos uma reunião em Brasília para discutir o problema, e foi uma discussão brava, mas nós não abrimos
mão da nossa posição contra turismo aqui. Tem que ser firme. No final, todo mundo que aceita turista se
arrepende.
Grupo – E você acha que o índio está bem representado politicamente pela Funai e pelas ONGs que
trabalham por aqui?
Aritana – Não queremos mais o branco mandando e defendendo a gente. A gente quer que os próprios índios
se relacionem direto com o governo e mandem documentos falando dos problemas. A saúde é o branco que
está mandando. A mesma coisa com a educação. Mas eu quero que o índio contrate o médico, o professor e
mande pra cá. É só assim que a gente vai poder cuidar bem de verdade dos nossos interesses.
Grupo – E no futuro, quando os novos estiverem no comando das aldeias, como vai ser?
Aritana – Nós ensinamos aos jovens que é bom aprender a língua do branco para não ser enganado. O que
tem que acontecer é aprender o que o branco tem de bom, mas não perder nossa cultura. Hoje a gente já
usa barco a motor para as viagens longas e tem televisão na aldeia pra saber das notícias, mas eu não deixo
as crianças verem televisão muito tempo.
Os índios aqui do Alto (Xingu) são mais preservados, mas os do Baixo tiveram mais contato com os brancos,
então eles ficaram dependentes das coisas de branco. Os Caiabis, por exemplo, vieram da região de Rio
Peixoto, que foi estragada por seringueiros e garimpeiros. Eles gostam muito daqui do Xingu, mas ainda
precisam muito das coisas do branco, como roupa, sabonete e sal. Aqui a gente tem tudo que precisa.
Fonte: http://tudosobreavidaindigena.blogspot.com.br

13) Qual é o suporte dessa entrevista? (0,1)

_____________________________________________________________________________________________

14) De que forma é identificado o entrevistador? Levante uma hipótese que justifique esse tipo de
identificação. (0,3)

_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
15) Quem é o entrevistado? Qual sua importância perante a comunidade em que vive? (0,3)
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
16) Como é composto o título da entrevista? (0,2)
_____________________________________________________________________________________________
17) Antes das perguntas, há uma breve introdução. Qual é a finalidade deste trecho? (0,3)
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________

18) O tema que melhor sintetiza o que foi tratado na entrevista é: (0,3)
a) A relação do cacique Aritana com os irmãos Villas Bôas.
b) A relação entre os indígenas do Alto e do Baixo Xingu.
c) A relação dos indígenas com a cultura dos brancos.
d) A relação do cacique Aritana com os demais índios da aldeia.
e) A relação dos Yawalapiti com os Caiabis

19) Qual é o registrado de linguagem utilizado nas respostas? Comprove com 2 exemplos retirados da
entrevista. (0,2)

_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________

Leia a tirinha abaixo e responda às questões de 20 a 23.

*Sarcástico: diz-se daquele que age com zombaria, desprezo ou desdém.


20) A tirinha reproduz um tipo de entrevista muito comum em nossa sociedade. Que tipo de entrevista é
essa? Cite dois elementos do texto que comprovem sua resposta. (0,2)

_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
21) Com base nas informações do contexto, explique por que o entrevistado foi aceito após a resposta
dada. (0,2)

_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
22) Sobre o período da primeira fala, é correto afirmar que: (0,3)
a) O termo “Sr.Smith” é um vocativo, por isso está no início da fala.
b) O termo “Sr.Smith” é um aposto, por isso está separado por vírgula.
c) O termo “Sr.Smith” é um vocativo, por isso está separado por vírgula.
d) O termo “Sr.Smith” é um vocativo, por isso não deveria estar separado por vírgula.
e) O termo “Sr.Smith” é um aposto, por isso não deveria estar separado por vírgula.

23) Reescreva a fala do primeiro quadrinho, mudando a ordem das palavras, empregando a pontuação
adequada e mantendo o mesmo sentido. (0,1)

_____________________________________________________________________________________________

Leia o texto abaixo para responder às questões de 24 a 28.

Nós somos infinitos


por Bruno Carmelo
Com uma porção de adaptações de livros infanto-juvenis chegando aos
cinemas – muitas delas pouco impressionantes -, A Culpa é das
Estrelas gerava apreensão. Primeiro, por lidar com um tema
espinhoso como o câncer na adolescência, e segundo, por escolher
duas estrelas em ascensão (Shailene Woodley e Ansel Elgort), algo que
poderia ocorrer mais para atrair o público jovem do que realmente
pela adequação dos dois ao projeto. Felizmente, o filme supera estes
preconceitos e revela-se uma ótima surpresa.
Por ser um melodrama, é esperado que o romance apele para as
emoções do público, partindo da identificação com os personagens. Mas ao contrário dos típicos “filmes
para chorar”, que inventam sucessivos conflitos para tornar a história mais lacrimosa, este projeto anuncia
desde o começo o único (e imenso) problema dos protagonistas: o câncer. Por isso, o projeto parece
bastante honesto, e menos manipulador do que a grande maioria das obras do gênero.

O tom do filme é permeado pela autoparódia como mecanismo de defesa. Hazel (Shailene Woodley) e Gus
(Ansel Elgort) brincam com frequência com o fato de ter perdido uma perna, no caso dele, e de ter uma
fraca capacidade pulmonar, no caso dela. Hazel e Gus são dois personagens fortes, maduros para a idade
que têm, e repletos de perguntas profundas sobre a morte, a vida e o legado que deixarão para seus
próximos. Não é nada fácil abordar esses temas com leveza, mas esta obra consegue.

Como adaptação, o filme também merece aplausos. Vale lembrar que esta resenha foi escrita sem leitura
prévia do livro de John Green. Mesmo assim, A Culpa é das Estrelas é uma das raras produções adaptadas
de uma obra literária que não parece corrida demais, sedenta para incluir o máximo de reviravoltas
possível. O ritmo da narrativa é fluido, graças igualmente a uma edição discreta e eficiente.

Os atores também são impressionantes. Se alguém ainda duvidava do talento de Woodley após Os
Descendentes e Divergente, neste projeto ela mostra do que é capaz apenas com o olhar e com poucos
gestos. Elgort também está à vontade com as tiradas sarcásticas, compondo um personagem interessante,
preso entre a aparência forte e as inseguranças que esconde. Com a sintonia entre os atores, as cenas mais
belas do filme acontecem em silêncio, quando os dois se comunicam muito claramente com o olhar – como
no primeiro encontro no grupo de apoio. Por isso, o diretor Josh Boone opta por colar a câmera no rosto dos
dois sempre que possível, evitando qualquer imagem que possa explorar a doença de ambos. Ou seja, Gus
raramente é visto caminhando e mostrando sua perna mecânica, enquanto Hazel não revela os tubos que
drenam líquidos de seu pulmão. Completando o bom elenco, Laura Dern tem um papel pequeno, mas
afetuoso, e Willem Dafoe faz uma aparição amarga e potente na trama.

Se alguém merece ressalvas neste conjunto, é o próprio diretor Josh Boone. Os diálogos e a narração
certamente mereciam algo melhor do que os planos simplíssimos criados pelo cineasta. Boone tem uma
maneira bastante cafona de filmar algumas cenas, como o jantar no restaurante holandês (com direito a
planos próximos do brinde e de cada prato) e o momento de intimidade entre Hazel e Gus, filmado com a
câmera deslizando pelo corpo dos dois, a partir dos pés. O cineasta tem pouca imaginação, adotando um
padrão televisivo e publicitário – principalmente no segmento na Holanda, que adquire um inegável aspecto
turístico.

Mesmo assim, A Culpa das Estrelas acaba sendo um projeto muito acima da média em comparação com os
dramas normalmente oferecidos ao público adolescente. Os personagens têm complexidade, conseguem
alternar entre dúvidas típicas da juventude e questões mais profundas sobre o amor e a morte. Dentro do
gênero “melodrama romântico”, Hollywood raramente consegue fazer algo melhor. Sem dúvida, o
palavreado simples e direto de John Green para abordar o câncer contribui para atmosfera naturalista e
comovente. http://www.adorocinema.com/

24- Sobre a resenha lida, preencha a tabela: (0,5)


Autoria

Local de publicação

Obra resenhada

Opinião do autor

Finalidade da
resenha

25- A resenha lida é crítica, ou seja emite opinião. Comprove isso, retirando do texto 3 argumentos do
autor que explicitem sua opinião. (0,3)
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________

26- Sobre as formas verbais na resenha lida, é correto afirmar. (0,3)


a) Predominam, de forma geral, verbos no infinitivo, pois trata-se de um texto que dá orientações.
b) Nos trechos em que se fala sobre o filme utiliza-se, principalmente, a 3ª pessoa do presente do
indicativo, e, nos trechos em que se dá a opinião, utiliza-se a 1ª pessoa do subjuntivo.
c) Nos trechos em que se fala sobre o filme utiliza-se, principalmente, a 1ª pessoa do presente do
indicativo, e, nos trechos em que se dá a opinião, utiliza-se a 3ª pessoa do indicativo.
d) Nos trechos em que se fala sobre o filme utiliza-se, principalmente, a 3ª pessoa do presente do
indicativo, e, nos trechos em que se dá a opinião, utiliza-se a 1ª pessoa do indicativo.
e) Todo o texto é escrito em 3ª pessoa, de forma impessoal, tanto os trechos em que se resume o filme
quanto as opiniões do autor.
27- De acordo com a resenha, de que outros filmes a protagonista de “A Culpa é das Estrelas” também
participou? (0,2)

__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________

28- Sobre a resenha lida, considere as afirmativas. (0,3)


I- Apesar da opinião favorável do resenhista sobre o filme, ele deixa claro que o diretor falhou na forma
como conduziu a filmagem de algumas cenas.
II- De acordo com o resenhista, o filme é superior ao livro do qual foi adaptado, pois a linguagem do livro
é muito simplificada.
III- O autor da resenha deixa claro, no penúltimo parágrafo, que Josh Boone foi essencial ao sucesso do
filme.
IV- Na opinião do resenhista, a escolha dos atores foi um ponto positivo ao sucesso da obra.

É correto o que se afirma em:

a) I e IV
b) II, III e IV
c) II e III
d) III e IV
e) I, II, III e IV

Autoavaliação – para ser preenchida após correção da avaliação.


Redija um pequeno texto (mínimo 5 linhas) analisando seu desempenho nesta avaliação.
Considere:
- Você estudou o suficiente e de forma eficiente?
- Participou construtivamente das aulas, sanando suas dúvidas?
- Teve dificuldade de compreender o conteúdo ou alguma questão da avaliação?
- Suas respostas estavam completas e com ideias claras e bem redigidas?
- Seu desempenho foi suficiente? Se não, o que pode ser feito para melhorar?

_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________