Você está na página 1de 418

disponibilização: JUUH

ALVES
Tradução: Mari
Revisão inicial: Curly
Revisão final:Juuh,
Leitura F: Adriele Machado
formatação: DADÁ
DESDE O MOMENTO QUE LEV LEOKOV FLAGRA A JOVEM
MULHER SE ESCONDENDO ATRÁS DE SEU CABELO NO MEIO
DE UM CLUBE DE CAVALHEIROS, ELE NÃO PODE AFASTAR
SEUS OLHOS DELA.

PELA PRIMEIRA VEZ EM SUA VIDA, ELE É AFETADO.


TENDO OUVIDO DURANTE TODA SUA VIDA QUE ELE NÃO
PODE PROCESSAR OU ENTENDER EMOÇÕES, ELE CONSIDERA
ISSO UMA GRANDE COISA.

QUANDO MINA HARRIS É PEGA EM FLAGRANTE COM


UMA CARTEIRA QUE NÃO É DELA, ELA DESMORONA. ELA
ESTÁ CANSADA, SOLITÁRIA E NÃO COME NADA HÁ DIAS.

LEV LHE DÁ UM ULTIMATO… UMA CAMA QUENTINHA,


UMA REFEIÇÃO QUENTE E UM EMPREGO, OU OS POLICIAIS.

MINA ACEITA SUAS CHANCES COM LEV. AFINAL DE


CONTAS, UMA PESSOA QUE NÃO TEM NADA, TAMBÉM NÃO
TEM NADA A PERDER.

*Esse livro entra no mundo estendido da Família Leokov, que é apresentada na série Friend-
Zoned. Entretanto, é uma história não relacionada.
**Livro 01 da Série Shot Callers. Ainda não há informações sobre os próximos livros dessa
série.
Eu estava morrendo. Não tinha certeza de mais nada na minha
vida.
Quando me sentei no beco, olhando para a parede de tijolo sujo
pintadas com substâncias que eu preferia não imaginar, me perguntei
se este seria o lugar que isso iria acontecer.
Meu estômago se queixou com um grunhido alto e, ao invés de
sentir fome, dor me consumia. Meus lábios tremeram e eu me enrolei
em uma bola, abraçando em torno das minhas pernas dobradas,
minha testa descansando sobre os joelhos. Foi então, que escondida
dos olhos curiosos dos espectadores, eu chorei.
O calor das lágrimas que derramei dificilmente eram um conforto
para mim. Eu, entretanto, me consolava em saber que ainda sentia
alguma coisa. Qualquer coisa.
Estava morrendo de fome, literalmente. Fazia dias que eu não
comia nada. Na semana passada, eu havia me tornado tão
desesperada que comi do lixo. Meu desespero se transformou em
arrependimento em uma questão de horas. Vomitei tudo por conta da
comida rançosa, deixando meu estômago mais vazio do que já estava
antes. Não arriscaria novamente, não valia a pena.
Tudo isso me deixou mais do que desesperada, eu não tinha mais
esperança.
Eu não estava pronta para aceitar esse destino, calmamente eu
percebi que eu não seria nada mais do que uma simples estatística se
eu não fizesse nada para mudar essa situação.
O primeiro item na minha lista: encontrar comida.
Era tarde. Os sons das ruas da cidade foram se acalmando e
muitas das lojas a minha vista tinham desligado os seus neons. Eu
precisava me mover rapidamente se eu quisesse ter qualquer chance
de encontrar algo para comer.
Puxei o espelho compacto para fora do meu bolso e limpei as
manchas do rímel de três dias atrás debaixo de meus olhos. Eu não
precisava de um espelho para me mostrar que eu estava pálida e que
minhas bochechas estavam fundas, já me sentia como um esqueleto
ambulante. Parecia um também. Minha clavícula projetava duramente,
meus ombros estavam apontando e minhas bochechas tinham ossos
que pareciam afiados o suficiente para cortar. Eu escondi meu corpo
com o casaco que eu tinha ganhado no abrigo de mulheres, mas não
havia como esconder o meu rosto. Qualquer um poderia dizer que eu
estava muito magra.
Eu passei meus braços em volta de mim, o meu corpo em um
estado constante de frio, e sai do meu beco. Não tive que caminhar
muito antes de avistar um recipiente de isopor em uma mesa do lado
de fora de um restaurante que tinha fechado para a noite. Com meus
olhos sobre o prêmio, meu estômago roncou de emoção quando eu
andei casualmente em direção a ele. Quando cheguei lá senti olhos em
mim, levantei meu rosto para ver um menino jovem, com idade inferior
a dezesseis anos, olhando de volta para mim.
Eu queria chorar assim que eu percebi que ele se parecia muito
comigo... magro, sujo e com fome. Eu sabia o que era a sensação de
estar com fome. Eu tinha estado com fome por anos. Ele me olhou um
longo momento antes de voltar os olhos para o recipiente.
Eu não poderia fazê-lo. Eu não iria levá-lo dele. E eu poderia ter
feito isso, sou uma corredora rápida, mas em vez disso, quando eu
senti o formigamento familiar atrás dos meus olhos e nariz, eu
empurrei meu queixo em direção ao container e sorri.
Ele ficou lá, parecendo cansado e abatido, arranhando seu braço.
Nenhum de nós se moveu e um momento de otimismo passou por
mim. Se ele não estava indo para levá-lo, eu iria. Finalmente, ele deu
um passo adiante e, reconhecendo parte de si mesmo em mim, ele
começou a falar quando ele abriu o recipiente. "Nós podemos dividir."
Olhamos para os nossos resultados e meu coração afundou: algumas
batatas fritas rígidas estavam no fundo da caixa, bem como a massa
endurecida de um sanduíche e algumas folhas murchas de alface
castanho.
O menino, olhando com raiva de si mesmo por oferecer parte da
sua magra refeição, segurou a caixa para mim e eu não pude deixar de
sorrir. Era engraçado como as pessoas que não tinham nada, iriam
oferecer tudo para aqueles que precisam e as pessoas que tinham
pouco conforto ofereciam algo a pessoas que dele necessitavam.
Meu estômago roncou com raiva e eu virei meu sorriso para o
menino mentindo através daquele sorriso. "Não, obrigada. Eu não
estou com fome." A inclinação do seu rosto me disse que ele não
acreditou em mim, mas deu de ombros e foi embora com a caixa,
deixando-me sozinha para lamentar a minha decisão.
Deus, você é estúpida.
Balancei a cabeça lentamente para mim mesma: eu já sabia disso.
Meus pés dormentes me levaram mais três quarteirões antes de
me deparar com um bar-lanchonete que estava fechando. Um homem
com cabelo castanho curto empilhava cadeiras fora da delicatessen e
as trouxe diante da loja antes de mover-se para fechar a porta.
"Espere," eu chamei, correndo. O homem franziu a testa para
mim, seus olhos escuros examinando cada movimento meu.
"O quê? Estamos fechados. "
Baixei os olhos e falei em voz baixa. "Sinto muito incomodá-lo
senhor, só estava me perguntando se você tem qualquer alimento que
estava prestes a jogar fora. "Eu olhei para ele. "Qualquer coisa serve.
Eu não sou exigente. "
"Você está com fome?" Ele fez uma careta para mim franzindo o
lábio. "Arrume um emprego."
A porta ia fechar-se uma segunda vez e me deixou em pânico
colocando o meu pé no caminho. Meus olhos se arregalaram em
choque com o movimento ousado, isso não era como eu geralmente
agia. A porta foi interrompida alguns centímetros antes de fechar e o
homem olhou para o meu pé antes de olhar de volta para mim e ficar
carrancudo. "Eu deveria acabar com você, menina. Tire o seu pé ou eu
vou quebrar a porra da coisa. "
Meus lábios tremeram quando minha visão ficou turva. "Estou
com tanta fome. Por favor" eu implorei. "Por favor."
Sua carranca sumiu um momento para estudar meu rosto, ele
abriu a porta mais um pouco antes de olhar para cima e para baixo da
rua. "Você quer comida?" Eu concordei com entusiasmo. Ele se
inclinou um pouco para trás para olhar para mim. "Chupe meu pau e
você vai ser alimentada."
Eu não acreditava que fosse possível, mas eu empalideci ainda
mais, em seguida, sussurrei: "Eu só quero algo para comer, não tem
que ser muito" gaguejei " Eu não quero fazer isso. Por favor."
Sua carranca voltou, mais do que antes. "Obviamente não está
faminta o suficiente." Ele empurrou o queixo em direção à rua. "Dá o
fora daqui, vadia."
Quando ele fechou a porta, trancando-a, fiquei totalmente em
pânico, enquanto meu estômago revirava violentamente. Atirei-me para
a porta de vidro, batendo os punhos contra ela até que meus dedos
latejavam dolorosamente, minha voz se quebrou enquanto eu chorava
em silêncio, lágrimas de arrependimento deslizando pelo meu rosto,
"Por favor! Me-me desculpe! Eu vou fazer isso! " Mas o homem deixou a
minha visão quando ele entrou de volta na sala, apagando as luzes
atrás dele.
Meus ombros tremiam enquanto eu soluçava em completo
silêncio. Com raiva de mim mesma gritei vacilante "Eu vou fazer isso,
caramba!" E bati o punho contra o vidro, mas a porta permaneceu
fechada. Eu deslizei a porta de vidro para me sentar no cimento gelado
da calçada, chorando fracamente. Minha cabeça latejando, com fome e
humilhada, minhas lágrimas pararam de repente quando eu fechei
meus olhos e percebi que a minha situação era pior do que eu
pensava.
Eu estava oficialmente no ponto mais baixo de todos os tempos.
Mas não por muito tempo. Eu estava desesperada e o desespero
sempre foi um ótimo motivador.
Eu estava perto da porta olhando para meu irmão, enquanto ele
falava com o homem tremendo na cadeira ao lado da mesa de mármore
sólido. Não demorou muito para reconhecer que ele estava com raiva,
esse brilho entediado familiarizado me disse tudo o que eu precisava
saber. Ele não levantou a voz, ele nunca levanta a voz, isso não era o
estilo de Sasha.
"Quanto tempo nós fomos amigos, Paolo?" Ele falou lentamente,
mas com firmeza.
O homem não respondeu. Não havia nenhum ponto em
responder, Sasha não era amigo de ninguém, ele simplesmente
tolerava as pessoas.
Sasha olhou para mim, seus olhos castanho-claros duros.
"Quanto tempo nós fomos amigos de Paolo, Lev?"
Minha mente foi rápida em calcular e respondi imediatamente:
"Três anos, dois meses e quatro dias."
No momento em que eu terminei, Sasha repetiu: "Três anos." Ele
se levantou de sua posição sentada. "Dois meses." Ele se moveu em
torno da mesa e sentou-se na frente do homem baixo, atarracado. "E
quatro dias." Então ele fez uma careta, baixando a voz para um
silêncio. "Isso é um longo tempo, Paolo." Ele fez um show ao tirar as
abotoaduras e arregaçar as mangas. "Então, quando ouço que meus
amigos estão me deixando para trabalhar com Laredo, eu começo a me
perguntar se o meu amigo, era amigo de todos."
Paolo empalideceu antes de se endireitar. "Quem te disse isso?"
Ele tentou zombar, mas saiu um chiado. "Isso é besteira, Sash. Eu
disse que vou tirar algum tempo fora. Minha Vera não gosta das horas
que eu estou gastando, ela não para de dizer que eu não passo tempo
suficiente em casa e estou perdendo o crescimento das crianças e toda
essa merda. "Então ele forçou um sorriso. "Você sabe o que dizem.
Mulher feliz, vida feliz. "
Sasha fechou os olhos, passando a mão decorada com anéis
grossos de prata através de seu cabelo com um suspiro, sua bochecha
tremeu. "Eu não gosto de mentirosos, Paolo. Você sabe disso. Você já
viu o que acontece com mentirosos." Ele fechou os olhos e rolou seu
pescoço de lado a lado, eliminando a tensão. "Por que você está
mentindo para mim?"
Então ele fez algo estúpido, ele mentiu novamente. "Eu não estou
trabalhando com Laredo. Eu juro por Deus, eu não estou."
Eu balancei minha cabeça. O homem era um idiota. Você não
mente para Sasha, você não mente para nenhum Leokov.
Os olhos de Sasha abriram como um flash, ele respirou fundo
antes de colocar para fora. "Houve uma reunião esta manhã no Beijo
de Afrodite." Paolo empalideceu, mas Sasha continuou. "Foi meio
engraçado, na verdade." O olhar no rosto de Sasha disse que não havia
nada engraçado sobre esta situação. "Laredo disse aos meninos que eu
precisava tratar a minha equipe melhor ou então eles seguiriam sua
liderança. Disse que bem-vindo qualquer e todos eles de braços
abertos. "
O homem baixo vociferou, ficando vermelho brilhante. "B-bem, ele
é cheio de merda!"
"Você me envergonha", disse Sasha em um silêncio calmo.
Paolo congelou quando percebeu que tinha acabado. Foi feito, ele
foi pego. "Eu nunca quis isso, Sash. Você forçou minha mão. Eu não
posso continuar a trabalhar assim. Você é tão exigente." Ele ofegava
implorando por compreensão," Eu tive um maldito ataque cardíaco no
mês passado! Eu quase morri. Este trabalho está me matando! "
Sasha acenou com a cabeça, pensativo. O próximo silêncio na
sala parecia denso com os sons suaves de chiado de Paolo. Finalmente,
Sasha estava de pé, e à descrença completa do homem baixo, ele
estendeu a mão. "Boa sorte."
Paolo, não sendo de negar qualquer presente, pegou a mão
estendida e apertou.
"Eu sinto muito, Sash, realmente sinto. "
Sasha apertou sua mão com firmeza antes de deixar ir. "Eu
também." Ele acrescentou: "Nós vamos sentir sua falta por aqui." Ele
voltou atrás de sua mesa. "Eu tenho um par de coisas para terminar.
Vá até o bar e nós vamos tomar uma bebida antes de sair ".
Ficou claro que Paolo não podia acreditar no que ouvia ou a sua
sorte. "Não vá para qualquer encrenca"
Mas ele foi cortado com a resposta firme de Sasha, "Eu insisto."
Paolo sorriu então, o idiota. "OK. Eu estarei lá."
Virou-se e moveu-se para sair, mas eu mantive minha posição,
olhando-o. O homenzinho olhou para mim com medo.
As pessoas não gostam de mim.
Eu não os culpo.
Ficamos ali um momento antes de Sasha falar de novo,
suavemente desta vez. "Deixe o homem passar, Lev. "
Eu ouvi meu irmão, mas eu não queria escutar. Eu não gostava
de Paolo.
Outro momento, então novamente, "Mova-se, Lev."
Eu dei um passo para o lado e deixei o idiota passar. Assim que
ele estava fora da porta, fechei-a atrás dele e disse o que precisava ser
dito. "Ele é um passivo."
Sasha suspirou enquanto se sentava. "Eu sei." Ele pegou o
telefone, e depois de um tempo, ele falou para o receptor. "Eu preciso
de você." Sem outra palavra, ele desligou.
Esperamos em silêncio, e quando a batida soou, eu abri a porta
para o homem alto e magro. Ele usava calça jeans, tênis e uma camisa
polo azul de manga curta. Usava óculos e parecia sofisticado com seu
cabelo loiro com gel para trás, mas nada podia esconder as cicatrizes
em seu rosto.
"E aí?"
Sasha acenou com a cabeça em direção à porta, e eu fechei-a
atrás de nós, bloqueando-o. O homem alto sorriu, brincando. "Eu
deveria estar preocupado? Eu sinto que acabei de ser chamado ao
escritório principal ".
Sasha passou a mão pelo rosto, parando para apertar a ponta de
seu nariz. "Você pode induzir um ataque cardíaco?"
Ele se encostou na parede e suspirou dramaticamente. "Bem,
merda. E hoje foi um bom dia.” Sasha olhou para ele. "Dá para fazer,
Pox?"
Pox sorriu. "Sim dá. Pode levar algum tempo para obter a correta
dosagem. Vai levar um pouco disso, um pouco daquilo, a maior parte
da merda é ilegal ou fora do mercado. Quando você precisa dele por
aqui? "
"Quinze minutos. No máximo. "
Pox endireitou-se e cuspiu. "Você está fora da porra da sua
mente." Ele balançou a cabeça, sério. "De jeito nenhum. Eu não posso
fazer isso. "
Falei: "Eu conheço um homem que lida com produtos
farmacêuticos. O preço será alto, mas ele pode obter tudo o que você
precisa." Eu acrescentei: "Eles entregam. "
Pox se virou para mim lentamente, piscou, e então olhou para
Sasha. "Vocês são uns filhos da mãe assustadores." Sua voz estava
cheia de admiração.
Eu dei-lhe o número de telefone e ouvi como Pox amaldiçoou os
preços absurdos para as coisas que ele precisava. O entregador chegou
em dez minutos. A mistura foi feita, dissolvida e entrou no sexto shot
que Paolo bebeu. Os homens gaguejaram e riram quando Paolo tossiu
antes de corrigir-se. Sasha sorriu da raposa antes de chamar mais
algumas das meninas.
O clube se transformou em caos quando Paolo, em meio a
obtenção de um lap dance, sofreu um ataque cardíaco. Sasha fez CPR
até que a ambulância chegou. Testemunhas disseram à polícia que
Sasha fez tudo que podia para salvar Paolo.
Infelizmente, era mentira.
Eu não tinha muito de um plano.
OK. Então, eu não tinha plano nenhum.
Depois de passar mais uma noite infrutífera no meu beco, meu
corpo estava frio, gelado até aos ossos. Eu só queria ir para algum
lugar que eu estaria quente. Infelizmente, era meia-noite, e não havia
um monte de opções, tanto quanto eu podia ver.
Eu poderia ir para a loja de conveniência por um tempo, mas eles
esperam que eu compre alguma coisa e vendo como eu não tinha
dinheiro e parecia que eu não tinha dinheiro, eles me mandariam
embora antes que eu pudesse dizer Oi.
Havia o restaurante de fast food com o sinal vermelho e amarelo
brilhante, mas eu não acho que eu poderia lidar com ser engolida pelo
cheiro de hambúrgueres e batatas fritas sem começar a chorar de
vontade.
Eu decidi virar e ir na direção oposta, quando notei um grupo de
homens saindo de um edifício. Eles estavam rindo e pareciam bêbados
felizes. Bêbado era bom, as pessoas faziam coisas estranhas quando
eles estavam bebendo.
Meu estômago roncou alto e minha decisão estava feita, eu iria
encontrar um homem no clube e seduzi-lo, quando ele desmaiasse, eu
tomaria sua carteira e estaria no meu caminho feliz. Eu poderia fazer
uma pequena quantidade de dinheiro durar um longo caminho se eu
tivesse que fazer.
Eu precisava comer. Senti-me envergonhada que eu iria recorrer a
um atalho desonesto para fazer isso, mas eu estava cansada de ser eu.
Mina era amigável e honesta. Sendo eu mesma não cheguei a lugar
nenhum, eu estava flutuando para baixo da merda em um mato sem
cachorro.
O sinal branco por cima da porta era Bleeding Hearts em uma
letra simples, elegante. Firmando-me, abri um lado das grandes portas
duplas e entrei.
Um homem alto com um corte de tripulação e um terno impecável
olhou para mim. Ele não estava se divertindo. "Você se perdeu?"
Eu balancei minha cabeça antes de engolir duro e murmurando,
"Apenas procurando um lugar para beber."
Isso mudou sua atitude suficientemente rápido. Ele abriu o
segundo conjunto de portas e sons de música Blues chegaram no
foyer. "Nós não temos um monte de senhoras aqui em baixo. O bar é
para a direita. Tenha uma boa noite."
Eu tinha sido chamada de um monte de coisas na minha vida,
mas nunca uma senhora. De repente, senti arrependimento da minha
razão de estar aqui. Independentemente disso, eu entrei e senti um
calor imediato. Um arrepio de prazer causado na minha pele não mais
arrepiada.
Finalmente!
Eu poderia ter cantado com felicidade, mas eu tinha coisas mais
importantes para pensar. Antes que eu fizesse o meu caminho para o
bar, eu fui atraída para a esquerda.
Duas mulheres com corpos lindos viraram-se provocativamente
em postes, vestidas com nada além de pequenos pedaços de material
que cobrem as suas partes íntimas. A loira tinha pastéis de glitter
preso a seus mamilos e os mamilos da ruiva foram perfurados.
Ah. Eu entendi em seguida. "Nós não temos um monte de senhoras
aqui em baixo." Minhas bochechas ficaram rosa brilhante quando
homens gritaram para as meninas dançando. Meu instinto rolou. O
segurança deve ter pensado que eu era uma pervertida completa.
Eu puxei meu cabelo sobre meu rosto para esconder minhas
bochechas em chamas e encontrei um banco do bar vazio no canto da
sala, escondido da luz. Era o lugar perfeito para procurar o homem que
iria me ajudar a me alimentar. Meus olhos percorreram a sala através
da pouca iluminação do clube. Havia muitos deles, eu teria que me
aproximar.
Eu fiquei na banqueta por um tempo antes de fazer a minha
jogada, meu coração disparou quando a ansiedade tomou conta de
mim, tomei uma respiração profunda e exalei lentamente. Minhas
costas eretas, eu iria encontrar meu salvador aqui, nesta mesma sala.
Eu só não sabia como ele era ainda.

Eu estava atraído por ela imediatamente. A intriga me segurou


cativo.
Minha testa franziu enquanto eu a observava, o que ela estava
fazendo em um lugar como este? Estava claro que ela não pertencia
aqui. Pelo olhar dela, ela não pertencia em qualquer lugar. Ela era tão
pequena e aquele casaco preto era pelo menos três tamanhos maiores
e do jeito que ela cobriu o rosto com seu longo cabelo escuro era tão
infantil que meu peito doeu.
Isso era novo e surpreendeu, eu não tinha certeza se isso era bom
ou ruim, mas isso me fez dar um passo em direção a ela. Eu consegui
detectar seu olho através de seu cabelo, enquanto ela olhava
abertamente para as garotas no palco. Obviamente, ela não tinha
vindo para ver dançarinas e pelo choque em seu rosto, ela não sabia
que Bleeding Hearts era um clube de strip.
Estendendo a mão, ela se mudou para cobrir o rosto com o cabelo
mais uma vez antes de abaixar a cabeça e correr ao longo ao lado
escuro do bar, me agradou que ela escolheu aquele local, era o local
que eu normalmente me sentava. Calor espalhou-se através do meu
torso.
O clube estava quase lotado na capacidade. Quando a notícia da
morte de Paolo, Sasha espalhou a notícia que ele iria abrir o clube para
amigos e familiares, sem couvert, bebidas por conta da casa. Isto,
naturalmente, significava que a minha visão aguçada teria que ser hoje
à noite mais aguçada. Sasha não gostava de problemas e eu impedia
que problemas surjam.
As meninas atrás do bar servindo clientes com sorrisos colados
em seus rostos, mesmo que trabalhassem até os ossos, as gorjetas
valeriam a pena pelo trabalho.
Sasha saiu de trás da porta, seus olhos encontraram os meus
quase que instantaneamente e ele empurrou o queixo para mim em
saudação. Voltei o cumprimento. Quando eu era mais novo, Sasha me
ensinou que era rude ignorar uma saudação. Nunca fui bom em tomar
sugestões de outras pessoas, a conversa era dolorosa, eu não gosto de
falar, a menos que falassem comigo, e mesmo assim, eu raramente
falava a menos que uma pergunta fosse feita.
Meu irmão era um homem duro, mas ele também era paciente e
crescer comigo não foi fácil, eu tinha certeza. Ele nunca levantou a voz
para mim, mesmo quando me disseram que eu não estava sendo
razoável. Ele era gentil e compreensivo e ele explicou as coisas para
mim de uma forma que eu iria entender.
Eu tinha seis anos quando meus pais perceberam que algo estava
errado comigo. Nosso cão da família, Mishka, correu para a rua e foi
atropelado por um carro. Quando meu pai me disse que não tinha
sobrevivido, eu simplesmente assenti com a cabeça, em seguida, corri
para cima para o meu quarto para processar.
Foi lá que fui encontrado, horas depois, coberto de sangue depois
de bater a cabeça na parede do meu quarto, mais e mais. Meu pai me
levou às pressas para a sala de emergência, eu tinha aberto o lado da
minha cabeça até o osso. Eles me costuraram, mas ainda assim, eu
não chorei. Quando o médico perguntou se isso era algo que aconteceu
muitas vezes, meu pai ficou bravo. Ele disse que não havia nada de
errado comigo e que foi um acidente. O médico calmamente explicou
que ele poderia ajudar, mas meu pai me pegou e me levou para casa.
No carro, ele se virou para mim e disse: "Você é meu filho e eu te
amo. Não há nada de errado com você." Mas com o passar dos anos,
tornou-se claro para qualquer um que me conheceu que havia algo de
errado comigo.
Embora eu sorri de vez em quando, eu nunca ri. Eu era capaz de
me lembrar de quase todos os detalhes de todas as conversas que já
tive. Eu era inteligente de forma anormal e poderia calcular grandes
somas em minha mente, mas eu não entendia ou processava emoção
como os outros. Eu não chorava e eu nunca menti.
As pessoas me chamavam de cyborg.
Eu não gosto disso.
Minha irmã, Nastasia, batia a merda fora das crianças que se
atreveram a me provocar. Sasha nunca teve que levantar um dedo,
tudo o que ele teria de fazer era encará-los e eles estariam com medo.
O tempo passou, e Sasha me ajudou enquanto Nastasia me
amava incondicionalmente. Sasha me ensinou a responder às pessoas
de uma forma casual e me ajudou a ler os sinais. Eu ainda não era
bom em entender as pessoas, se você não me dissesse o que você
estava sentindo, as chances eram que eu não saberia.
Nastasia me disse que não havia nada de errado comigo, que não
era minha culpa que eu era mais esperto do que todos os outros. Ela
disse que se o resto do mundo não tem merda na cabeça, em seguida,
eu não seria tão especial, então eu deveria ser grato.
A jovem mudou-se entre a multidão de uma maneira
aparentemente casual, mas eu vi mais na forma como ela assistiu os
homens com um olho de falcão.
Ela estava tramando algo e eu gostaria de saber exatamente o
que.
Era mais difícil do que parecia a escolha de um homem para
seduzir.
Não ajudava que a maioria dos homens no clube estavam em seus
quarenta e cinquenta anos atrasados e cheiravam a suor combinado
com vodka e tinham aquele cheiro de pessoas quando estavam
bebendo demais. Era engraçado que eu senti a necessidade de
reclamar sobre o cheiro, quando eu provavelmente cheirava tão mal
quanto eles. Ficaria muito grata se um desses homens tivesse pena de
mim.
Quando um homem agarrou a minha mão e gritou no meu
ouvido, "Parte do entretenimento?" Eu balancei a cabeça em pânico,
puxei meu braço e corri para longe, de volta para o meu canto.
Mentalmente me xingando, eu voltei ao controle, ele teria sido um bom
candidato. Claro, ele era velho e gordo e careca, mas ele usava anéis
agradáveis e provavelmente tinha uma carteira cheia. Fechando os
olhos, suspirei.
O que eu estou fazendo?
Eu zombei, sacudindo a cabeça, eu não conseguiria dormir com
qualquer um destes homens; não importa quão faminta eu estava, eu
era estúpida por pensar que eu seria capaz de continuar com meu
plano ridículo. Me endireitei e virei para deixar o clube. Assim quando
eu estava passando por um grupo de homens barulhentos, um
atraente homem de meia-idade se inclinou sobre o bar para falar com
um dos bartenders lindos. Eu me acalmei, e tudo o mais se dissipou.
A carteira do homem saia do bolso de trás por meia polegada, não
era muito, mas era o suficiente.
Meus pés me levaram até ele antes de eu sequer ter mentalmente
decidido sobre o que fazer, eu realmente não queria roubar a carteira desse
cara, eu só queria viver outro dia, não era nada pessoal, essa era a vida.
Um pé de distância do homem, eu estava de costas para ele, e com
dedos rápidos levantei a carteira sutilmente, guardei-a em meu casaco e,
com o coração acelerado, olhei em volta até que vi a luz de néon para o
banheiro das senhoras. Eu não parei para pensar, apenas corri.
Fazendo meu caminho pelo corredor estreito empurrei a pesada
porta. Ele estava vazia. Olhei em volta com os olhos arregalados antes
de apressar-me em uma das muitas cabines vagas, sentando-me no
assento do vaso fechado para ver o que eu tinha pego. A carteira era
pesada. Eu abri-a com os dedos trêmulos, minha maldição pairava no
ar, então eu ri de mim mesma quando retirei a pilha de notas de cem
dólares. Eu não contei todas, mas eu tinha certeza que havia perto de
setecentos dólares lá. Deixando cair a carteira no chão, eu empurrei o
dinheiro no bolso e virei-me para destravar o bloqueio. Assim que
meus dedos tocaram o metal frio, minha consciência me encarou. Por
que o homem estava carregando tanto dinheiro? Eu me perguntava.
Talvez a retirada, desse montante específico, era algo importante e eu
estava levando isso dele. Ele provavelmente trabalhou duro por esse
dinheiro, e lá estava eu, roubando-o.
Eu puxei o dinheiro do meu bolso, uma carranca estragando
minha testa. Eu não precisava de todo esse dinheiro, só precisava de o
suficiente para sobreviver por um tempo, então removendo duas das
notas de cem dólares, eu coloquei os outros de volta na carteira, mas
minha consciência ainda não estava feliz. Suspirando, eu peguei mais
cem e coloquei de volta na carteira, deixando-me com apenas cem.
Cem dólares não eram desprezíveis, eu poderia fazer essa centena
percorrer um longo caminho. Ela iria me alimentar por duas semanas,
três no máximo e então eu procuraria outra coisa. Satisfeita com o
meu curso, eu segurei a carteira, abri a porta do box e congelei.
Eu não tinha ouvido a porta aberta, mas o homem alto encostado
na parede tinha claramente estado lá há algum tempo. Seus olhos
castanho-claros sobre mim, os braços cruzados sobre o peito, ele olhou
para a prova em minha mão e disse uma palavra.
"Explique-se."
Apesar de eu não entender as emoções de outras pessoas, eu
entendia as minhas muito bem e neste momento eu estava
desapontado.
"Explique-se" eu pedi.
Seu cabelo ainda cobria a maior parte de seu rosto, mas eu podia
ver um grande olho verde que olhava para mim. Ela parecia assustada.
Não, na verdade, pela maneira como suas mãos tremiam e seu peito
arfava, percebi que ela não estava assustada, ela estava apavorada.
Apontando para a carteira na mão, falei mais suave desta vez.
"Isso pertence a meu irmão."
Seus ombros caíram, ela soltou um tranquilo, mas cheio de
remorsos "Eu sinto muito."
Dando um passo para a frente, eu peguei a carteira da mão dela e
estendi a outra, relutantemente, ela colocou uma nota de cem dólares
nela e se afastou de mim. Abri a carteira de Sasha e me acalmei.
Eu olhei para a garota, ela tinha abaixado o queixo para evitar
olhar para mim. "Há um monte de dinheiro aqui." Ela assentiu com a
cabeça. Eu perguntei: "Por que você não pega tudo isso?"
Quando ela olhou para mim, piscou as lágrimas e sussurrou um
tremor "Eu só queria algo para comer."
Uma onda de emoção correu através de mim, Primeiro raiva,
tristeza, e, em seguida, algo que eu não conseguia explicar. Proteção,
talvez. "Você está com fome." Era uma afirmação, não uma pergunta.
Ela assentiu com a cabeça mais uma vez e tudo mudou.
A menina tinha se tornado inesperadamente minha
responsabilidade.

Dedos suaves sob o meu queixo ergueram meu rosto até que eu
não podia evitá-lo mais. Ele falou em perfeita calma. "Você tem uma
escolha." Eu encarei, confusa, eu não tinha percebido que eu poderia
opinar. "Eu posso chamar a polícia e você ser presa." Eu quase
enruguei meu nariz, mas parei em cima da hora, porém não gostei
dessa escolha. "Ou você pode trabalhar para o clube, fazer um bom
dinheiro, se ajeitar." Ele acrescentou: "Nunca estar sem uma refeição
novamente."
O cara era louco? Minha mente ficou boquiaberta, como se eu
mesma tivesse que pensar sobre qual opção que eu preferia. Então, ele
acrescentou uma terceira opção, tomando a nota de cem dólares que
eu tinha ele segurou-a para o alto. "Ou eu posso lhe dar isso e você
pode sair e desaparecer na noite. "Seus olhos treinados em mim, ele
teorizou," Com cem dólares você irá obter mais do que uma refeição
quente. "
Minha cabeça girava, eu estava certa de que este era um truque.
Cem dólares seria o suficiente para me dar um pouco de tempo, mas
um emprego, um lugar para ficar e comida. Como eu poderia perder
essa? Oh, Deus, a comida era importante para mim.
Engoli em seco. "A segunda opção parece boa."
Ele parecia satisfeito. "Eu também penso assim." Ele estendeu a
mão. "Venha comigo."
Puxando as mangas para baixo sobre minhas mãos, eu me
inclinei para longe dele. "Espera. Que tipo de trabalho? Eu... " Meu
pensamento foi em outra direção e eu corei. "Dançando? Como aquelas
meninas lá fora? "
Uma única sobrancelha levantou-se. "Você acha que eu quero que
você dance?"
Meu rubor transformou em um rosto totalmente vermelho e eu
senti meu pescoço quente. É claro que ele não quer que eu dance, eu
não era exatamente a Jennifer Lopez.
"Eu não quero que você dance e tire a roupa, eu quero que você
fique vestida." Ele parecia enojado por eu ter até mesmo sugerido.
"Totalmente vestida", acrescentou, irritado e mortificação virou meu
estômago. "Você vai cuidar do bar com os outros."
"Eu não sei como."
Seu olhar foi contundente. "Você vai aprender."
Isso não parecia ruim. Na verdade, parecia ótimo. Ele estendeu a
mão mais uma vez e, mantendo a minha mão coberta com minha
manga, eu peguei na dele. Quando sua mão quente abraçou a minha,
eu percebi o quão grande era. Não demorou muito para eu reparar o
resto sobre ele. Alto, cerca de 1,85m, tinha ombros largos, quadris
estreitos, pernas longas e um rosto severo. Ele estava vestido com um
terno preto perfeitamente ajustado. Tinha de ser, ele não se parecia
com um cara que se permitisse comprar de qualquer lugar. Olhei para
o rosto e seus olhos castanhos claros olharam de volta para mim.
Um arrepio passou por mim, seu rosto era severo, suas maçãs do
rosto eram altas, o queixo era forte, seu nariz um pouco torto e ele
tinha lábios generosos, sua pele era levemente bronzeada e sem falhas;
ele não tinha nenhuma marca de riso, era quase como se ele não
sorrisse nunca. De repente me toquei, por que um homem que usava
ternos e falava de maneira tão elegante ajudaria uma menina sem-teto
que ele apanhou roubando?
Eu puxei minha mão da dele. "Se este é um truque ..." Meu cabelo
cobria metade do meu rosto, mas eu podia ver a inclinação repentina
de sua cabeça e sua testa franzida, eu disse a ele honestamente: "Se
você quiser chamar a polícia, chame-os, prometo que vou ficar e dizer-
lhes que eu roubei a carteira." Abaixei meu rosto e acrescentei
pensativamente,"Eles podem até me alimentar." Eu olhei de volta para
ele. "Mas dar esperanças a uma pessoa e depois fazer piadas sobre
coisas como isso para alguém que não tem nada ... é cruel."
Ele olhou para mim por um longo momento antes de tomar minha
mão de novo, sem permissão, eu poderia acrescentar, e dizendo: "Eu
não minto."
Ele disse isso com confiança, de uma forma que me deixou
inclinada a acreditar. Fui levada para fora do banheiro e no corredor
antes que eu pudesse perguntar em voz baixa: "Por que você está me
ajudando?"
Sem olhar para mim, ele me levou para a frente e respondeu:
"Parece que você precisa de ajuda."

Quanto mais tarde fosse, mais vazio o bar estaria. A Memória de


Paolo havia sido celebrada até tarde da noite, e enquanto clientes
chamassem de o dia, o clube estaria aberto até três horas da manhã,
independentemente de estar cheio ou vazio.
Levei a menina de volta para o chão e não pude deixar de notar
quão minúsculas suas mãos eram, gostei da maneira como elas
encaixavam na minha, mas não gostei de como sua pele era fria, teria
que comprar-lhe um casaco mais quente. Olhei para ela. Esquece isso,
eu teria que comprar-lhe uma droga de qualquer casaco do seu
tamanho.
Na entrada do foyer, inclinei-me até a orelha da garota e ordenei:
"Fique aqui", e, em seguida, passei por ela até detectar Anika atrás do
bar, seu rosto se iluminou com a minha visão. Meu lábio torceu, eu
sempre gostei de Anika, ela sempre foi gentil comigo, nós nos
conhecemos desde que éramos crianças, e seu irmão Viktor, foi um
membro da família honorário e podia ser encontrado em nossa casa e
comia a nossa comida.
"Hey, Lev," ela disse enquanto gentilmente jogava o cabelo
ondulado longo, vermelho por cima do ombro, ela soprou uma
respiração, soprando parte de sua franja da testa. "Que noite, hein?"
Eu gostava da maneira que a Anika falava, sempre me acalmou.
Ela tinha uma melodia tão suave em sua voz que eu já cheguei a
pensar que ela era um anjo. "Hey, Ani." Entreguei-lhe a carteira de
Sasha. "Você pode ter certeza que meu irmão pegue isso?"
Ela sorriu docemente. "Claro. Você estará fora essa noite? "
Eu balancei a cabeça. "Tenha um bom dia."
Seu sorriso se dissipou no meu adeus apressado. Ela falou
baixinho: "Você também, bonito."
Caminhando de volta para a garota, eu estava quase surpreso ao
vê-la ainda ali de pé, mastigando nervosamente sua unha, parte de
mim pensou que ela desapareceria enquanto eu estava de costas, mas,
devido ao triste estado dela, eu sabia que ela provavelmente não tinha
para onde ir.
Eu estendi minha mão e ela colocou sua pequena mão na minha
sem hesitar e maldita seja, eu fiquei satisfeito. Imensamente satisfeito.
Nós caminhamos lado a lado até o estacionamento, onde meu
Chevrolet Camaro preto estava à espera. Eu apertei o botão em minhas
chaves e ele cantarolou duas vezes, então eu abri a porta do passageiro
para a menina, ajudando-a dentro. "Se acomode."
Talvez deveria ter me preocupado que ela nem sequer hesitou em
entrar em um carro com um completo estranho, mas era óbvio que
qualquer lugar era melhor do que aqui. Uma vez sentados, eu liguei o
carro e sai do estacionamento. Sem perguntar, eu dirigia pela rua para
a lanchonete 24h e segui pelo drive-thru, quando eu parei no alto-
falante, virei-me para a menina. "Qualquer coisa em particular?"
Ela olhou para o menu, mas balançou a cabeça. Ela lambeu os
lábios. "Eu não sou muito exigente."
Eu pedi a ela a maior refeição de hambúrguer e um cheeseburger
extra, apenas no caso de que ela pudesse comer tudo, mas eu
duvidava que ela conseguiria, ela realmente era minúscula. Uma vez
que a comida chegou, eu entreguei a ela, e ela segurou o saco de papel
perto de seu peito, como se estivesse preocupada que alguém iria tirá-
lo dela.
Então eu esperei. E esperei. E esperei.
Minha testa estava franzida quando estacionei o carro. "Você não
vai comer?"
Seus olhos corriam aqui e ali, ela segurou a língua por um
momento antes de soltar um inquieto:
"Eu não quero estragar seu carro."
O rugido alto de seu estômago era uma objeção que eu pude
ouvir, então estendi a mão, abri a sacola, peguei o hambúrguer,
desembrulhei-o com cuidado e entreguei-o de volta para ela. Ela o
pegou com as mãos trêmulas, fechou os olhos e deu uma grande
mordida, mastigando devagar. Ela comeu silenciosamente. Abri a
janela, liguei o rádio e esperei pacientemente. Eu não pude deixar de
olhar para ela de vez em quando, ela estava tão tranquila. Alguns
minutos se passaram, e eu me virei para trás para ver como ela estava
fazendo, trabalhando em sua comida, e meu peito se apertou.
Seus ombros sacudiam delicadamente enquanto ela chorava em
silêncio, comendo o tempo todo. Ela deve ter sentido meus olhos sobre
ela, porque ela virou-se para a porta do passageiro, de costas para
mim e sua respiração engatou em silêncio enquanto ela chorava. Este
foi um daqueles momentos que fizeram isso para mim, eu estava
oficialmente deprimido. Eu não sabia o que fazer, era ignorante, o que
causou uma irritação dentro de mim.
Tirei o lenço decorativo fora do meu bolso e segurei entre meus
dedos, empurrando a ela gentilmente, ela tomou-o, murmurando um
baixo, "Obrigado", então eu saí do carro para dar-lhe algum tempo
para se recuperar de suas emoções.
Dez minutos se passaram e eu olhei pela janela do carro para ver
a garota sentada em silêncio, com as mãos segurando o saco de papel
apertado. Sentando de volta dentro do carro, peguei o saco, mas ela
agarrou-o para fora do meu alcance. Minhas sobrancelhas subiram.
Seu cabelo estava se tornando um problema para mim. Seu rosto
visível corou quando ela explicou, "Eu não terminei, era um monte de
comida." Ela acrescentou, hesitante: "Eu gostaria de levá-lo comigo se
estiver tudo bem."
Quem era eu para opor? Eu comprei a comida para ela, depois de
tudo. "Não é um problema. Onde posso levá-la? Você tem algum lugar
para ficar? "
Ela fez uma pausa. "Sim, hum, eu estou realmente a apenas
alguns quarteirões de distância, para que eu possa ir a pé daqui."
Eu já estava balançando a cabeça. "Vou levá-la." Ela tentou se
opor uma segunda vez, mas eu adicionei inflexível "eu insisto."
Ela olhou para mim um longo tempo, então assentiu. "OK. Vire à
esquerda e siga até ver Café Alonzo. "
Eu sabia onde era, não estava ciente de qualquer habitação nessa
área, mas eu dirigi de qualquer maneira. Retardando a uma parada, eu
olhei para fora da janela, não convencido que este era o local onde ela
morava. "Tem certeza que este é o lugar onde você mora?"
Ela sorriu levemente. "Positivo". No meu olhar severo, ela
rapidamente acrescentou: "Não é muito, mas é uma casa." Ela se virou
para mim e então fez algo que eu tinha ansiado desde o momento em
que a vi. Colocar a ponta dos dedos em sua bochecha, ela tirou o
cabelo longe de seu rosto, colocando-o suavemente atrás da orelha.
Eu estava hipnotizado. Ela era linda. Absolutamente
deslumbrante.
Seu rosto em forma de coração parecia muito fino, mas sua boca
era pequena, cheia e rosa. Seus olhos verdes eram grandes e
expressivos, enquadrado lindamente com cílios escuros, longos. Ela
estava pálida, sua pele sem mácula. Ela tinha maquiagem preta
manchada debaixo de seus olhos, mas eu podia ver a beleza que ela
tentou esconder do mundo. E que rara beleza que ela era.
Sua expressão suave, ela evitou contato com os olhos e abaixou o
queixo enquanto ela falava. "Eu quero agradecer-lhe por sua gentileza
esta noite. Muitas pessoas não teriam feito o que fez." Sua boca se
curvou em um sorriso estranho. "Devo-lhe. Mais do que você jamais
saberá. "
Sentindo-me levemente desconfortável de seus agradecimentos,
eu desliguei o carro, ignorando sua expressão de repente ansiosa.
"Você é capaz de chegar ao clube amanhã por volta das sete? Se você
não puder, eu vou ter alguém para buscá-la."
Eu iria buscá-la.
Sua testa franziu e ela mordeu o interior de seu lábio inferior,
pensando. "Acho que sim. Eu não tenho um relógio, mas eu vou ter
certeza que eu estou lá, mesmo que eu chegue mais cedo. "
Puxei minha manga da camisa, desfiz o fecho no meu relógio Tag
Heuer e entreguei a ela, ela franziu a testa para mim. "O que ...?"
Quando eu não guardei o relógio, seus olhos se arregalaram. "Eu não
posso aceitar".
Eu lutei para controlar minha raiva, rangendo os dentes, falei
calmamente. "Você pode dar de volta para mim amanhã."
Sua expressão se transformou em pânico. "Sabe o que aconteceria
se alguém me visse com isso? Eu seria assaltada! "
Eu fiz uma carranca, basta deixá-los tentar, porra eu o desafio.
"Então eu vou comprar outro."
A mudança em sua expressão foi tão repentina que eu pisquei.
Ela pegou o relógio cuidadosamente e murmurou: "Deve ser bom ter
muito dinheiro."
Vergonha me deixou enrubescido e minha raiva se mostrou. Eu
respondi, "Você precisa de uma carona ou não?"
"Não." Ela segurou o saco de fast food com força e olhou para
mim antes de fugir do meu olhar inescrutável.
"Meu nome é Mina."
"Mina", eu testei-o para fora, combinava bem na minha língua.
"Eu sou Lev."
Ela abriu a porta e saiu, inclinando-se para o espaço aberto.
"Obrigada, Lev. Por tudo. Eu vou trabalhar duro." Ela deu um sorriso
cansado. "Você não vai se arrepender."
Meu estômago apertou com seu sorriso doce. "Boa noite, Mina."
Ela baixou os cílios. "Boa noite."
Vi-a caminhar para um beco com conexão com a rua atrás,
esperei até que ela estava fora de vista, em seguida, liguei o carro e
dirigi dois quarteirões para baixo. Com um leve suspiro, eu estacionei
meu carro, apaguei as luzes e esperei.
Meu Deus, mas Lev era intenso ou o quê?
O carro foi embora e eu esperei um total de dois minutos antes de
sair do beco e começar a caminhada de três quarteirões até o meu
beco. Eu ventilei o meu rosto pensando nele, Deuses, ele era
simplesmente divino. Olhei para mim mesma, meu rosto queimando, lá
estava eu, pensando no meu anjo da guarda bonito, parecendo um ET
do filme Swamp Thing.
Eu me abracei com força com o braço livre, segurando o relógio na
minha mão, decidi não arriscar perdê-lo e coloquei-o. Infelizmente,
enquanto eu lutava com o trinco, eu percebi um pouco tarde demais
que, mesmo na menor posição, era muito solto, ainda assim, eu
empurrei-o no meu antebraço. Gostaria de devolver este relógio,
caramba, mesmo que fosse a última coisa que eu fizesse.
Com o saco de comida ao meu lado, eu caminhava
apressadamente. Eu não queria arriscar qualquer atenção indesejada
esta noite. Eu precisava ir para casa rapidamente.
Finalmente, cheguei ao meu destino e, movendo-me atrás da
lixeira, eu pesquei o meu saco de lixo variado. Ótimo. Todas as minhas
roupas estavam sujas. Não que eu tivesse muito, mas pelo menos eu
poderia usar meu jeans preto grandes demais e minha camiseta
branca. Eu levantei as vestes, imediatamente vendo a mancha marrom
na camiseta que um dia foi branca. Eu teria que lavar roupas no dia
seguinte. Mas, merda, eu ainda não tinha dinheiro.
Quão embaraçoso. Eu não estaria começando a trabalhar com
roupas sujas medonhas. Gostaria apenas de ter que implorar amanhã
de manhã, rezando que alguém iria me presentear com as moedas
necessárias para uma única lavagem.
A voz atrás de mim me assustou, tanto que eu pulei, guinchei, e
caí de bunda em uma poça de lama com cheiro de mijo.
"Não é muito, mas é uma casa, hein?"
Ofegante, eu me virei para Lev, com falha na voz. "Que diabos
você está fazendo aqui?"
Meu escárnio não o deteve. Eu não estava realmente zangada com
ele, apenas mortificada. Eu não poderia exatamente cumprimentá-lo
com um "Bem-vindo a minha humilde morada. Água mineral?
Whisky?" Tudo o que eu poderia oferecer era o cheiro de lixo e poças
questionáveis.
Ele se aproximou, seus olhos brilhando perigosamente. "Eu tinha
a sensação de que você não estava sendo completamente honesta
comigo. Então, eu a segui." Sim. Sem brincadeira, Sherlock.
Com a bunda na poça, eu segurei meus braços e sorri
ironicamente. "Você gosta disso? Eu só tinha as paredes feitas. Eu
acho que a cor é chamada de merda marrom." Cheirei visivelmente.
"Oh não, espere." O sarcasmo escorria de cada palavra minha. "Isso é
uma merda."
Sua testa se levantou, e eu queria tomar um punhado do meu
mijo da poça e arremessá-lo para ele. Em vez disso, fiquei de pé, o
líquido da poça fria escorrendo nas minhas pernas. Minhas bochechas
estavam coradas. "Eu acho que, depois de ver o lugar, você pode
entender porque eu não queria companhia."
Ele me ignorou. "Você tem uma família em algum lugar?"
Empurrando minhas roupas de volta para o meu saco de merda,
eu balancei minha cabeça.
"Eu tenho certeza que existem abrigos em torno destes lugares.
Por que você não se hospeda em um? "
Eu fechei o saco mais forte do que eu deveria. Ele não iria
entender, mesmo se eu soletrasse letras por letras. "Confie em mim
quando digo que eles não são todos rachados até ser." Eu joguei a
bolsa por cima do meu ombro. "Se você me dá licença, eu preciso
encontrar uma lavanderia e mendigar na frente amanhã de manhã,
então não posso cheirar como uma poça de urina."
Ele se endireitou, as chaves na mão, e virou-se, empurrando o
queixo para mim. "Venha, rato."
Eu suspirei. Por que ele estava sendo tão gentil? "Eu não preciso
de uma carona. Eu posso encontrar uma para mim. "
Ele fez uma pausa no início do beco. "Não estou te levando à
maldita lavanderia. Vou levá-la para casa." Ele inclinou a cabeça
ligeiramente. "Ou seja, a menos que você não quer uma cama quente
para dormir e um lugar para lavar esses trapos."
Eu ignorei o e observei-o caminhar de volta para a rua.
O tempo passou. Eu nem sequer conheço esse cara. Eu não
deveria ter sequer considerado, mas qualquer coisa era melhor do que
a rua. Puxei minha mala maior no meu ombro.
E como o cachorrinho perdido que eu era, eu segui Lev para casa.

"Esta é a casa?" perguntei com espanto quando ele apertou o


botão do controle remoto ligado a pala de sol acima de sua cabeça.
Os enormes portões de ferro se abriram e ele grunhiu sua
resposta afirmativa.
Ainda em êxtase, eu perguntei: "Você se perde aqui?"
Ele fungou, e parecia horrivelmente perto de uma risada, mas eu
duvidava seriamente. "Não se deixe enganar. São, na verdade, três
casas em um complexo. Meu irmão e irmã moram aqui também. "
O que me atraiu para fora da minha admiração
instantaneamente. Um calafrio desceu minha espinha enquanto o
pavor me pegou de surpresa. "Espere, o que? Seu irmão? O mesmo
irmão cuja carteira eu roubei?" Ele balançou a cabeça em silêncio e
com os olhos arregalados de susto, eu gritei: "Eu não posso ficar aqui!"
"Relaxe." Ele disse isso em um tom tão entediado que soava como
se ele levou todo o esforço do mundo para dizer isso. "Está bem. Ele
não está em casa ainda, e minha irmã está fora da cidade no momento.
Temos todo o complexo para nós mesmos. Por agora."
Meu estômago se contraiu em um feixe de nervos, mas eu fiquei
quieta por medo de perder a comida que eu tinha acabado de comer.
Ele dirigiu mais para baixo a longa viagem até que dividido em um
entroncamento. Ele virou para a esquerda, e eu vi uma das três casas.
Ela ainda era enorme em comparação com as casas regulares e
apartamentos que eu estava acostumada a ver. A casa de dois andares
foi projetada a partir do exterior, e tinha um estilo romântico com
terraços curiosos em brancos e amarelos arenosos leves. As luzes
estavam acesas, e de repente eu me perguntava se alguém vivia com
ele. O anel de prata de espessura em seu dedo de casamento sugeriria
assim. "Você é casado?"
"Não."
Meus ombros tensos baixaram um pouco. Bem, isso era bom. Eu
não preciso de uma mulher em torno para acusar-me de todos os tipos
de maldade. As mulheres poderiam ser brutais.
Ele estacionou fora da propriedade, andou ao redor e me ajudou a
sair do carro, tendo o meu saco de merda de mim com uma mão e
estendendo o cotovelo graciosamente. Levei-o quase imediatamente, e
ele me levou para cima nos degraus da frente, destravando a porta. A
porta de vidro gigante foi ligeiramente empurrada, e a casa se revelou.
Meu instinto rolou de forma agressiva. Portanto, eu não pertenço
aqui.
O interior da casa foi preservado com o branco, espumante
mármore e móveis de madeira masculino. A primeira coisa que me
chamou a atenção no foyer gigante foram as escadas à esquerda e à
direita, que levavam até o segundo andar e se reuniam no meio.
Como era chamado quando escadas faziam isso?
"É uma escada imperial. Muitas casas reais na Rússia têm. "
Virei-me para ele, não percebendo que eu tinha feito a pergunta
em voz alta. Então eu me virei de volta para as escadas.
"Isso é um pouco arrogante, você não acha?" Eu olhei para ele.
"Comparando-se com a realeza e tudo."
Seu lábio foi levantado tão ligeiramente que eu poderia ter
imaginado. "Isso é um pouco presunçoso, não é?" Ele me olhou de lado
de volta. "Assumir que eu não faço parte da realeza."
Meus olhos se arregalaram quando eu sussurrei: "Você?"
Ele se virou para mim e eu juro, os olhos sorriram. "Não."
Revirando os olhos, eu balancei a cabeça enquanto caminhava
para o lado esquerdo da escada e comecei a subir. "Siga-me, rato."
Rato? Por que rato? Porque não só me chamar do que eu sou?
Um rato de rua.
No topo das escadas, nos deparamos com dois corredores, um à
esquerdo, e o outro que leva à direita. Ele pareceu hesitar um
momento antes de se virar à esquerda, e me levou até a porta no final
do corredor, colocou a mão na alavanca de bronze extravagante e abriu
a porta, levantando a mão para acender as luzes.
Era um quarto. Definitivamente quarto de um homem. Uma
mulher seria demasiado conservadora para fornecer um quarto em
mobiliário, berrante e, cores fortes reais.
Parecia mais como um apartamento, realmente, pelo menos
quatro vezes o tamanho de um quarto normal. Eu definitivamente não
poderia reclamar sobre o quarto, se isso era para estar onde eu estava
indo dormir. Havia três janelas do chão ao teto, as cortinas foram o
tipo pregueada de fantasia em uma Borgonha escura com guarnição
dorada. No canto direito da sala estava um sofá de camurça marrom
secional grande, que assumiu uma forma de L para se encaixar no
ângulo perfeitamente. A cama foi colocada em frente ao sofá, uma
cama de mogno trenó king-size com pesadas capas vermelhas escuras
e mais travesseiros do que era necessário.
Não havia TV, ou qualquer tipo de entretenimento que não a
estante cheia de parede a parede do lado esquerdo.
Fiquei ali, boca escancarada. "Uau. Isto é tão extravagante. "
Sua próxima frase tinha me confundido. "Este é meu quarto."
"Então por que" Um pensamento me tinha dando um passo para
trás e para longe dele. Minha voz enganosamente calma, eu disse: "Eu
não estou dormindo com você."
Ele me olhou de cima e para baixo, em seguida, zombou. "Eu não
quero fazer sexo com você." Oh, Mina ... novamente com os
pressupostos!
Virei a cabeça para esconder o fato de que meu rosto estava agora
beterraba vermelha. Eu estava me fazendo uma tola maldita para fora
de mim. É claro que ele não queria dormir comigo, não quando ele
tinha um fluxo interminável de mulheres lindas provável ofegante por
ele para baixo em Bleeding Hearts. Eu era uma idiota. "Eu não
entendo."
Lev deu um passo mais para dentro do quarto antes de virar à
esquerda e desaparecendo no que deve ter sido um armário escondido.
Quando ele voltou para mim, ele estava sem o paletó e as mangas
arregaçadas. Ele parou um pé longe de mim, ergueu o telefone, e antes
que eu pudesse dizer uma palavra, o flash disparou.
"Hey," eu reclamei, franzindo o nariz.
Ele deu de ombros, colocando o celular no bolso. "Apenas uma
apólice de seguro, no caso de você decidir sair no meio da noite com
algumas das minhas coisas." Ele olhou para mim. "Não é nada pessoal.
Eu não conheço você. Eu tenho certeza que você não tem certeza sobre
mim. Você não me conhece. Mas enquanto você está na minha casa,
eu e você estaremos dormindo no mesmo quarto ".
Eu abri minha boca para protestar, mas ele levantou a mão e
continuou falando. "O sofá se desdobra em uma cama. É onde eu vou
dormir. Você pode ficar da cama. Você vai me perdoar por não colocar
minha confiança em alguém que eu conheço há menos de três horas.
Especialmente nas circunstâncias em que nos encontramos." Bem ...
quando ele coloca assim, talvez eu estava sendo um pouco de um
moleque protestando.
OK. Eu ia ter que puxar para cima as minhas calcinhas e lidar
com isso.
Falando de calcinha ... "Eu não tenho nenhuma roupa limpa." Eu
levantei minha bolsa. "Existe algum lugar que eu possa lavar estas?"
Ele pegou o saco de mim e eu empalideci. "Não, espere, eu posso
fazer isso!" Eu pulei para ele, mas ele segurou-a fora do meu alcance.
"Devolva!"
"Eu só quero ter certeza que você não tem nada perigoso aqui."
Ele olhou-me bem. "Minha segurança virá sempre antes de seu
orgulho. Entendeu?" Bem, merda.
Levei cinco segundos para desistir. "Ok, mas eu posso por favor,
ser a única a esvaziá-la?" Ele hesitou. Peço gentilmente: "Por favor."
Ele esperou um momento antes de ele me entregar o saco. "Ok,
mas você vai fazer isso aqui. Bem na minha frente ".
Caramba. Eu só tenho que tentar esconder o que eu precisava o
mais discretamente que pude. Um por um, eu levei as coisas fora da
minha mochila. Duas camisetas, uma camisola dos homens ratty, que
me serviu bem no tempo mais frio, uma calça jeans preta com furos na
parte inferior, um par de meias cinzentas, e ...
Envolvendo-as rapidamente, eu tentei deslizá-las em meu bolso,
mas uma mão segurando meu pulso me parou. Ele apertou forte e eu
fui rígida.
"Me mostre."
Orgulho me mantinha em cativeiro. Minhas bochechas
queimadas.
Ele apertou com força suficiente para machucar e eu estremeci.
"Me mostre."
Puxei-os para fora do meu bolso e jogou-as sobre a cama. Afligida,
eu sussurrei, "Calcinhas. Apenas calcinha. "
Ele olhou para as bolas pretas de material sobre a cama antes de
virar minha bolsa de cabeça para baixo e sacudi-la. O pequeno
canivete suíço que tinha encontrado na rua caiu do bolso lateral. Eu
imediatamente defendi a ocultação. "É sem corte."
Analisando com olhos, ele segurou-se para examiná-lo. "Você
ainda pode colocá-lo através de alguém se você precisasse." Ele
colocou-o no bolso. "Você não vai precisar mais disso."
Claro que eu não faria. Como sobre minha alma? Quer isso
também? Não é como se eu precisasse.
Fiquei grata, é claro, mas eu ainda não entendia o motivo desse
cara.
Tomando minha bolsa, ele empurrou as roupas de volta para ela e
jogou em seu ombro. "Venha," ele ordenou, e obediente como eu era,
eu segui. A porta do lado esquerdo da sala, ao lado da estante de
parede a parede, foi aberta, e à vista do banho, ducha, shampoo e
sabonetes, um tremor de prazer percorreu mim.
"Você pode lavar-se aqui. Leve o seu tempo." Ele deu um passo
para trás e acrescentou: "Eu só peço que você não tranque a porta. Eu
não vou entrar a menos que eu preciso. Quando eu chamar, responda,
ou então eu vou acreditar que você está precisando de ajuda. "
Isso soou razoável. Mas ainda assim, eu perguntei: "Você promete
que não vai entrar?"
Seus olhos frios me perfuraram. "Eu não estou procurando uma
emoção barata." No meu olhar sem corte, ele pronunciou: "Eu não vou
entrar. Não, a menos que você me peça isso ".
"Confie em mim, eu não vou pedir para você." Eu entrei e mudei-
me para fechar a porta, mas parou um centímetro antes.
Um olho uísque olhou para dentro de mim. "Tire a roupa e
entregue-as para mim através da porta." Assim como eu estava prestes
a perguntar 'para quê?' No tom com mais escárnio possível, ele
prosseguiu, "Vou colocá-las para lavar com as outras."
A porta se fechou e eu removi minhas roupas, e envolvendo uma
toalha Borgonha macia em torno de mim, eu girei a maçaneta, joguei
as roupas, e gritei: "Obrigada."
Um momento de silêncio, então, "De nada."
Lev me deixou em paz e sossego, enquanto eu enchi a banheira
com água quente e perfumada com cheiro de homem. Olhei para a
banheira antes de olhar para mim mesmo no espelho.
Eu estava suja. Imunda.
Por mais que eu queria deslizar para baixo na banheira, eu decidi
tomar banho primeiro, e desde o momento que a água muito quente
me bateu, despejando pelo meu corpo nu, esquentando o frio de mim,
algo entre uma risada e um soluço escapou de mim. Levantando o meu
rosto para cima no spray, eu me deixei ser consumida pelo sentimento
de êxtase que massageava shampoo pelo meu cabelo. E eu fiz isso
sorrindo, apesar de ter sido um sorriso vacilante.
Retomei lavando quatro meses de sujeira. Dizer que me senti bem
teria sido o eufemismo do século.
Me senti divina.
Regando o mais rápido que pude, eu fiz meu caminho para fora e
mudei-me para a banheira, cuidadosamente pisando na água quase
escaldante e banhando para longe das noites solitárias em um beco
frio.
E fiel à sua palavra, Lev não se intrometeu.
Espelhos não mentem, eles podem impulsionar um ego, mas
poderiam facilmente ser cruel e punitivos também.
O Espelho do banheiro de Lev era uma cadela hedionda.
Ele mostrou as minhas contusões, cada linha, e todos os ossos
salientes de uma forma que me deixou chocada. Mas meu cabelo
estava limpo, e eu poderia cheirar como um homem, mas eu já não
cheirava alguma coisa ofensiva. Esfreguei meu rosto limpo e, embora
meu rosto tinha um bom tom de rosa, eu não tinha a maquiagem de
três dias, congelada e presa a meus cílios, o que era ótimo.
Chegou a hora de sair do banheiro, e eu rapidamente percebi que
não tinha roupas. Abri a porta uma polegada e espiei para fora
deixando o vapor flutuar para fora em torno de mim. "Lev?"
Ele deu um passo para dentro do banheiro e, desconfortável no
meu estado nu, eu bati a porta.
Ele bateu levemente. "Mina?"
"Hey," eu comecei. Olhei para a porta, torcendo meus dedos. "Oi."
Eu revirei os olhos para minha mente confusa e respirei fundo. "Eu só
percebi que eu não tenho nenhuma roupa e eu ..." Engoli em seco,
passou o caroço apreensivo na minha garganta, e terminei baixinho,
"Eu preciso de roupas."
Ele não respondeu por um longo tempo, então ele bateu de novo.
"Eu não tenho roupa de mulheres, mas isso deve servir para a noite."
Abri a porta, escondendo-me por trás dela, e sua mão grande
estalou dentro. Ele estava segurando uma camisa branca.
Agradecendo-lhe, eu peguei, coloquei-a e fechei os botões para cima.
Entristeceu-me a maneira que eu nadava nela. Era uma vez, eu tinha
curvas que teriam enchido esta camisa muito bem, agora parecia mais
uma folha de parvos em mim. Olhei para as minhas pernas e perguntei
o que eu via de errado com o peso extra que eu costumava ter. Era tão
decepcionante ver grandes joelhos ossudos através da pele pálida fina.
Eu me sentia feia.
Quando eu deixei escapar um longo suspiro e me endireitei, eu
quase engoli minha língua. Meus seios pequenos e meus mamilos
eram visíveis através do material fino da camisa.
Oh, infernos não.
Eu olhei para baixo para ver a mancha escura entre as minhas
coxas também aparente.
Um ... duplamente inferno não.
Eu fui na ponta dos pés até a porta e chamei suavemente.
"Desculpe-me, Lev?"
Ele estava lá em um segundo. "Problema?"
"Eu queria saber se você tem uma camisa mais escura que eu
posso usar?"
Ele fez uma pausa, em seguida, perguntou, incrédulo: "Você tem
uma preferência de cor?" Esta noite eu tinha, caramba.
Eu percebi que parecia carente, mas eu não queria que ele me
visse assim. "Sinto muito. Está tudo bem. Vou fazê-lo funcionar. "Eu
adicionei um contrito," Desculpe. "
Segurando minha cabeça em minhas mãos, eu me dei uma
conversa estimulante mental.
Este homem tem sido extremamente gentil com você hoje à noite,
Mina. Em poucas horas miseráveis, ele deu-lhe coisas que você poderia
apenas sonhar. Não seja ingrata.
Uma batida leve na porta, em seguida, foi aberta algumas
polegadas. Sua mão veio através segurando algo escuro. Eu peguei e a
porta fechou.
Era uma camisa preta.
A tensão que eu não percebi que me apertava foi liberada e
substituída por uma sensação de alivio que me fez rir. Gritei:
"Obrigada."
Ele respondeu baixinho: "De nada, rato."
Eu me troquei e segurando a camisa branca em minha mão
caminhei para fora do banheiro. As luzes estavam apagadas, mas Lev
havia ligado duas lâmpadas de altura, um ao lado do sofá, que foi
agora dobrado para fora para fazer uma cama, e uma ao lado da mesa
de cabeceira,e outra ao lado da cama.
Meus olhos se arregalaram quando vi as costas de Lev para mim.
Suas costas nuas.
Oh, meu Deus. Suas costas nuas musculosas.
Ele virou quando dei um suspiro. Mesmo que ele ainda usava
suas calças, ele tirou os sapatos e as meias, deixando seus pés
grandes livres. Abaixando meu rosto em chamas, corri até a cama e me
joguei nela, cobrindo-me até o peito com as cobertas pesadas.
Ele olhou atentamente para mim, procurando o meu rosto. Seus
olhos me desmontaram pouco a pouco e foi enervante. Desconforto me
obrigou a evitar seus olhos. Tranquilo, rodeando-nos, em seguida, ele
declarou em voz baixa: "Você não gosta que pessoas a vejam."
Meus olhos encontraram ele então. "Perdão?"
Seus olhos percorriam meu rosto fresco. "Você não pode se
esconder atrás de maquiagem. Você pode tentar, mas você não terá
sucesso. Não comigo." Ele fez uma pausa e depois disse: "Eu vejo
você."
Não era algo que uma pessoa normal teria dito. Era implacável e
calculado e muito para o ponto, quase como se ele não soubesse do
desconforto que suas palavras agitaram dentro de mim. Quase como se
ele não se importasse.
Mas eu vi que ele se importava. Ele disse as palavras de uma
forma suave para não me assustar. Ele afirmou que viu, e isso era
tudo.
Com as minhas palavras cuidadosamente escolhidas, falei
lentamente, "qualquer máscara na rua é uma boa máscara."
Ele se sentou no sofá-cama, movendo-se para trás até que suas
pernas estavam esticadas para fora na frente dele. Ele cruzou os
braços sobre o peito largo. "Máscaras não combinam em uma pessoa
com o seu rosto."
"Meu rosto?" Eu perguntei com um olhar estreitado. Eu sabia que
não era linda, mas eu não acho que eu era pouco atraente.
Ele esclareceu, e meu coração pulou uma batida. "Um rosto como
o seu faz os homens tropeçarem sobre si mesmos." Ele inclinou a
cabeça para olhar para mim através de um novo ângulo. "Caras como
a sua são esculpidas em estátuas, imortalizadas em pedra para o
mundo ver ao longo dos tempos." Ele deixou uma respiração profunda,
em seguida, exalou lentamente. "Você ... é arte".
Minha pele irrompeu em arrepios quando um calor subiu pelo
meu pescoço. Meus lábios se separaram e minhas orelhas queimaram.
O que diabos ele acabou de dizer?
"Eu gostaria de saber mais sobre você, Mina, mas já é tarde e eu
tenho um compromisso de manhã."
Eu me perguntei se ele iria me deixar sozinha em casa ou se ele
iria me levar com ele.
Ele ficou debaixo das cobertas, em seguida, desligou o abajur. Eu
ouvi um sussurro e percebi que ele esperou até que ele estava coberto
antes de tirar as calças, que caíram no chão com um baque suave. Eu
tinha certeza que era para meu benefício ao invés de seu próprio.
Afinal, ele não tinha problemas removendo sua camisa na minha
frente.
O pequeno gesto me afetou. Um pouco da tensão restante deslizou
para fora de mim. Ele realmente parecia um cara legal. Mas ainda
assim, eu não conhecia este homem, e depois de tudo que ele tinha
feito para mim, minha mente me avisou para estar alerta a ele. Afinal
de contas, ninguém era tão altruísta.
Encontrando o interruptor, eu desliguei a luz ao lado da cama e
me aconcheguei nos cobertores. Era tão quente e aconchegante que eu
poderia ter chorado. Eu não tinha uma cama em meses.
Meus olhos se tornaram pesados e eu pisquei lentamente. Foi
então que as palavras me escaparam sem permissão. "Lev?" Ele
resmungou sonolento em resposta. "Se você tentar esgueirar-se para
esta cama hoje à noite, eu vou gritar assassinato sangrento, e eu grito
alto."
Ele soou divertido quando ele respondeu: "Ah, mas Mina ..." ele
fez uma pausa para o efeito, "Quem poderia estar por perto para ouvi-
la?"

A manhã se levantou e, como a maioria dos dias, eu acordei com o


sol.
Eu não tinha dormido tão bem desde ... bem ... nunca. Senti-me
descansada e revigorada. Eu não conseguia encontrar a força para
deixar as cobertas quentes da cama, mas o banheiro chamou meu
nome de uma forma semi urgente. Eu pensei sobre acordar Lev para
perguntar-lhe onde era o banheiro uma vez que não tinha um na suíte,
mas decidi contra. Eu não queria ser um incomodo.
Removendo as cobertas sem um som, eu escorreguei para fora da
cama e fiz meu caminho na ponta dos pés até a porta. Eu pressionei a
alavanca, mas estava presa. Franzindo a testa, eu olhei para baixo
para ver uma chave dentro da fechadura.
Por que esta porta estava trancada por dentro?
Eu não tive tempo para pensar nisso. Eu gentilmente girei a
chave, ouvi a trava dar um clique e felizmente a porta se abriu sem
barulho e eu escorreguei através sem ser detectada.
Eu caminhei delicadamente pelo corredor, tentando abrir as
enquanto passava. As duas primeiras estavam trancadas, mas tive
sorte na terceira. Era exatamente o que eu precisava e eu levei o meu
tempo, grata por um momento para mim.
Meu tempo nas ruas significava que eu estava acostumada à
minha própria companhia. Parecia estranho estar perto de pessoas, eu
supunha que era algo que eu teria que ficar confortável com rapidez,
vendo como eu estava indo trabalhar servindo bebidas para as
pessoas. Bartenders eram esperados para serem sociáveis e eu jurei
mentalmente para fazer o meu melhor e não parecer estranha.
Apertei a descarga, lavei as mãos, em seguida, abri a porta e
gritei. Alto.
Lev estava ali, vestido apenas com um par de shorts de pugilistas
cinzentos, encostado na parede, piscando seus olhos sonolentos.
Segurando meu peito arfante, eu ofegava, "eu precisava usar o
banheiro."
Sua voz pesada de sono, ele murmurou, "Eu posso ver isso."
Minhas bochechas começaram a queimar. "Você não me mostrou
onde era o banheiro na noite passada."
Ele piscou novamente. "Eu sei disso."
Minhas mãos começaram a suar. Com os olhos arregalados, eu
soltei um ansioso, "eu não estava roubando nada."
Seus olhos percorriam meu corpo vestido com a camisa. "Não, não
parece que você estava."
Eu, então, senti a necessidade de lembrá-lo, "eu deixei o seu
relógio no banheiro, no balcão."
Ele fez um gesto com um puxão do queixo para baixo para seu
pulso ... onde o relógio foi fixado firmemente.
"Ok", eu sussurrei em alivio. Engoli em seco e assentiu uma vez.
"Ok, então."
Empurrando-se fora da parede, ele esticou languidamente de
forma felina. Avistei os músculos de seu abdômen apertar da forma
mais deliciosa. Meus olhos foram atraídos para a pequena linha de
cabelo levando de seu umbigo mais para baixo ainda.
Foi então que eu percebi que estava olhando diretamente para sua
virilha coberta de material. Com um suspiro, virei o rosto para olhar
para cima e olhei para seu peito.
Ele coçou levemente na barba em seu queixo de aço. "Nós
devemos nos vestir para o café da manhã." Sim! Minha mente gritou.
As roupas são boas!
Eu segui-o de volta para o quarto e vi minhas roupas
cuidadosamente dobradas na mesa de cabeceira. Ele deve tê-las levado
para fora do secador no meio da noite.
A pilha era pequena. Eu olhei com minha testa franzida em
confusão. "Onde estão o resto das minhas roupas?"
Uma caminhada no armário, ele respondeu friamente: "Onde elas
pertencem. O lixo."
Inflamada com raiva, mas falei calmamente. "Elas eram tudo que
eu tinha."
"Eu sei."
Com obvia Irritação, eu coloquei meu único par limpo de calcinha
por baixo da camisa longa. Minhas calças jeans pretas logo em
seguida, e com a minha volta para o armário, eu tirei a camisa preta
para substituí-la com a minha camiseta branca. Olhei para baixo e
xinguei em voz baixa.
Meus mamilos tinham saído para dizer olá. "Onde está meu
sutiã?"
Ele saiu do armário, ainda em boxers, e indo sobre seu negócio
sem olhar para mim, ele pronunciou: "Eu disse a você. O lixo."
Levantando a camisa preta para esconder meus seios femininos,
eu fiquei boquiaberta em estado de choque antes da pulverização
catódica, "Era o único que eu tinha!"
"Estava surrado".
"Ele fazia o trabalho," Eu voltei, caindo em histeria.
Ouvindo minha irritação, ele virou o rosto para olhar para mim,
em seguida, olhou para o meu peito antes de levantar uma
sobrancelha. "Você não precisa de um sutiã."
Meu rosto estava inflamado, abracei meus braços em volta de
mim tão apertado como eu poderia sem dobrar para dentro de mim.
Bem, isso foi rude. Ele deveria ter apenas me dito que meus seios
eram pequenos e era necessário puxar para baixo as minhas calças
para se certificar de que eu era, de fato, do sexo feminino.
Cara, esse cara estava fazendo maravilhas para minha
autoestima.
"Eu preciso tomar banho", afirmou. "E você vai esperar aqui."
Minha resposta ranzinza de 'Senhor, sim, senhor' foi interrompida
quando a porta do banheiro se fechou atrás dele.
Ótimo. Simplesmente ótimo.
Esperei obedientemente na beira da cama e silenciosamente me
perguntei se colocando minha fé em um homem que eu não conhecia
era uma terrivelmente boa ideia.
Lev, estava de banho tomado e vestido com um terno de três
peças de cor cinza metálico sobre uma camisa branca, levou-me para
fora da porta dos fundos de sua casa, por um caminho panorâmico
para uma casa ainda maior.
Nós andamos em completo silêncio, mas quando nos
aproximamos da porta da frente, ele ordenou calmamente, "Não fale."
Reposicionando o suéter de caxemira gigante que ele me
emprestou, eu balancei a cabeça, permitindo-lhe me levar pela mão e
me levou para baixo em um hall de entrada idêntico perto de seu
próprio e para a direita, em uma grande sala de jantar. Uma bandeja
de frutas estava no centro da mesa com dois vasos cheios de vegetação
decorativo em ambas extremidades. Um homem sentava-se à mesa
comprida na sala bem iluminada, lendo o jornal, o tornozelo
descansando em seu joelho. Ele também estava vestido em um terno,
mas, ao contrário de Lev, ele era um pouco assustador.
Eu o reconheci imediatamente. Era o homem que eu tinha
roubado a carteira da noite anterior. Este era o irmão de Lev.
"Sasha", Lev disse em jeito de saudação quando entramos no
quarto. Tentei erguer a minha mão da dele, mas ele segurou-a com
força. Tirei mais algumas vezes e, finalmente, ele colocou a mão na
dobra do cotovelo.
O homem, Sasha, não olhou para cima do jornal. "Bom dia." Ele
pegou sua xícara de café e tomou um gole. Ainda lendo o jornal, com a
testa franzida. "Onde você saiu a noite passada? E onde você
encontrou minha carteira? Eu não sabia que eu a deixei cair até Anika
devolver-me." "Você não perdeu", Lev respondeu. "Mina roubou." E
meu coração parou.
Que porra é essa, Lev?
Oh, Deus. Eu estava em apuros.
"Quem diabos é Mina?" Sasha soltou quando ele levantou seu
rosto. Me avistando, ele me olhou de cima abaixo antes de virar para
Lev. "Você tem algum motivo para estamos discutindo isso na frente de
... quem quer que seja?"
Lev esclareceu: "Sim, e esta é Mina."
Minhas mãos começaram a suar. Eu quase desmaiei, mas cravei
minhas unhas no braço de Lev para ancorar-me.
"Ah. Eu vejo." Sasha tomou um gole de seu café novamente antes
zombando de mim. "Sente--se. Por favor."
Seu por favor não soou como um pedido, mais como um comando,
e, no entanto, ele falou baixinho.
Minha testa estava repentinamente úmida. Eu olhei para Lev com
os olhos arregalados e sussurrei: "Esta é uma configuração?"
Olhando para mim, ele deu um tapinha na mão em seu cotovelo,
puxou uma cadeira e me ajudou a sentar.
"Relaxe. Estamos apenas conversando."
Sasha dobrou o jornal e colocou-o na frente dele. "Então, Mina,
roubar carteiras é um hábito seu?"
"Não", eu respondi calmamente através da espessura na minha
garganta.
Lev falou em seguida. "Você tinha sete centenas de dólares em
sua carteira."
Sasha olhou para seu irmão. "Eu estou bem ciente desse fato."
Lev estendeu a mão para o prato de frutas no centro da mesa,
cuidadosamente pegou um punhado de uvas, e jogou um em sua boca.
Mastigando, ele acenou para mim. "Ela tomou uma única de cem." Ele
jogou outra uva em sua boca. "Deixou o resto para trás."
A testa de Sasha levantou-se de forma semelhante aos tempos que
eu tinha visto seu irmão fazê-lo. Ele me olhou com severidade.
"Não é muito boa ladra."
Lev inclinou a cabeça para olhar sobre mim. "Não é uma ladra em
tudo."
"Eu vejo," Sasha murmurou enquanto ele distraidamente coçou o
queixo. "Ok, então por que ela está aqui?" Minha testa foi franzida. Eu
não gostava que falassem de mim como se eu nem estivesse lá.
"Ela vai ficar comigo até que ela esteja de volta em seus pés. Eu a
contratei. Ela é a nova bargirl. E que com o seu contexto, eu estou
esperando que ela seja capaz de detectar problemas antes que comece.
Ela estaria me ajudando." Lev olhou para seu irmão e pôs para fora.
"Mina está desabrigada. Ela pegou o dinheiro, porque ela estava com
fome ".
"Entendo." Mas Sasha parecia que não entendia. Em cima disso,
ele olhou para mim como se eu fosse uma barata que precisava ser
esmagada. Ele falou diretamente com Lev, "Você assume a
responsabilidade por ela. Ela fode, e é a sua bunda, moy brat".
Lev olhou para mim. "Ela não vai estragar. Ela tem muito a
perder."
Eu queria protestar. Eu queria explicar que uma pessoa com
nada, não tinha nada a perder. Mas fiquei quieta. Essa conversa era
sobre mim, não me incluindo. Claramente.
Foi então que Sasha falou diretamente para mim. "Eu acho que
você já entendeu que o meu nome é Sasha. E embora Lev está a cargo
do chão em Bleeding Hearts, eu sou o chefe." Pegando um garfo, ele
apontou para mim. "Não há um 'three strikes(três pancadas) e você vai
embora, pequena. Uma foda, e você vai embora. Sem segundas
chances. "
Eu não respondi, simplesmente porque eu não queria dizer-lhe
para tomar esse garfo e enfiá-lo no rabo.
Mas, no silêncio que continuava, percebi que uma resposta era
necessária. "Eu entendo."
Sasha sorriu então, e eu tive uma ideia de como ele era bonito.
"Estou feliz. Bem-vindo ao time."
Ele e Lev pareciam semelhante, só Lev era um pouco mais alto,
mas Sasha era mais musculoso. Ambos tinham cabelo castanho
escuro, arrumado ordenadamente, ambos tinham os olhos duros e cor
de conhaque, ambos tinham lábios generosos, e ambos usavam um
terno muito bem.
Sasha me ignorou a partir de então. Ele, no entanto, falou com
Lev. "Eu preciso de você hoje. Você pode poupar algum tempo depois
do almoço? "
Lev comeu outra uva e minha boca se encheu de água. "Sim. Você
tem dado mais atenção ao curso de primeiros socorros que eu coloquei
a frente? "
Eu não tinha comido fruta fresca em um longo tempo. Eu queria
provar o suco doce para ver se ele era como eu me lembrava.
Sasha respondeu: "Sim. Vamos ir em frente com isso. Todos os
funcionários de segurança e de barras vão fazê-lo. Com a rotação da
lista, eles podem pegar um dia de folga de sua escolha para participar
e eles vão ser reembolsados por seu tempo." Ele fez uma pausa. "E
Lev? Alimente sua droga de animal de estimação antes que ela suma. "
Olhando para Sasha, eu corri para a defesa de Lev. "Eu não estou
mesmo com fome."
Assim quando eu terminei dizendo isso, meu estômago deu um
rosnado dolorosamente barulhento, E prosseguiu durante o que
pareceu dias.
Virei-me para Lev, com as bochechas aquecendo em
constrangimento. "Eu estou bem, realmente."
Mas ele estava franzindo o cenho para mim, olhando levemente
envergonhado de si mesmo. Ele se inclinou para mim e falou apenas
para os meus ouvidos. "Sinto muito."
Eu sussurrei de volta, "Não se desculpe. Você tem sido tão
generoso, Lev." Estendi a mão para apertar seu braço. "Eu não posso
agradecer o suficiente."
Sua testa baixa, ele murmurou baixinho: "Eu gostaria que você
me dissesse que estava com fome. Eu não sou muito bom em ler as
pessoas, Mina."
Como a situação se inverteu tão rapidamente? Por que eu estava a
passo de sentir como se eu tivesse feito alguma coisa errada?
No estado lastimável dele, eu me desculpei. Ele estava,
obviamente, envergonhado. "Sinto muito. É só que você tem sido tão
bom para mim e eu não queria parecer que eu estava sendo ingrata. A
próxima vez que eu estiver com fome, eu vou te dizer. Eu prometo."
Ele balançou a cabeça quando uma mulher mais velha, gorda, de
cabelos grisalhos com óculos toda vestida de preto entrou na sala
segurando um prato de ovos e bacon com cogumelos salteados.
Cheirava incrível. Ela colocou-o na frente de Sasha, em seguida, sorriu
para Lev. "Bom dia, Sr. Leokov. O que há esta manhã? "
O lábio de Lev inclinou para cima em um lado. "Bom dia, Ada.
Vou ter aveia, por favor. E Mina terá ... "Todos os três olharam para
mim. Lev esperou pacientemente enquanto Ada sorriu
encorajadoramente. Sasha me olhou com um olho de falcão.
"Oh," eu comecei, desconfortável com a atenção. "Eu não sou
muito exigente. Qualquer coisa serve, realmente. "
Ada estalou. "Qualquer coisa não é um alimento, querida." Ela
sorriu. "Eu posso fazer ovos e bacon, panquecas, torradas, waffles,
aveia ou cereais, ou tenho alguns muffins de mirtilo recém assados.
Qual é o seu veneno? "
Eu sorri para a mulher. "Os ovos e bacon parecem ótimo." Eu já
estava salivando com a aparência do prato de Sasha.
"Mexidos?"
Eu balancei a cabeça. "Certo."
Ela piscou. "Volto em um instante."
Eu não ficava chocada com facilidade, mas o que aconteceu em
seguida surpreendeu o discurso para fora de mim. Sasha estava com o
prato, caminhou ao redor da mesa, e colocou-o na minha. Ele
caminhou de volta ao seu lugar, sentou-se novamente, e ele fez isso
tudo sem falar uma palavra.
Eu pisquei para baixo para o prato por um momento antes de
olhar para ele. Ele olhou, seu olhar cortante e me perguntei se este
homem era tão duro quanto ele queria que as pessoas acreditassem
que ele era.
"Obrigada", eu disse suavemente, sinceramente.
Ele quebrou o contato visual, levantou o jornal alto o suficiente
para me impedir de sua visão, e continuou lendo. "Seja bem-vinda."
Eu comi devagar, saboreando cada mordida dos macios ovos
mexidos, o presunto, cogumelos guarnecido com alho e bacon
crocante. Foi perfeito, e eu secretamente queria deixar o meu lugar,
entrar na cozinha, e abraçar Ada quase até a morte.
Lev me viu comer. Ele fez isso tão obviamente, que, mesmo sem
virar a cabeça para pegá-lo no ato, eu senti.
Eu levantei outra garfada de ovos para a minha boca antes de
ouvir uma porta ser aberta. Uma mulher gritou:
"Estou em casa!"
A comida de repente parecia pesada no meu estômago. As
mulheres não gostam de mim. Elas encontraram qualquer problema
que podem comigo, e eu nunca entendi realmente. Eu sempre tentei
ser boa para todos.
Uma morena deslumbrante alta com cabelo ondulado longo, uma
boca larga, e dentes brancos pisou dentro da sala de jantar
empurrando um carrinho com uma menina adorável nela. Ela estava
vestida com jeans, saltos, e um suéter cor de caramelo. Seus olhos
castanhos claros imediatamente acenderam em mim. O sorriso dela
caiu.
"Desculpa. Eu não sabia que nós estaríamos tendo companhia. "
Pisando para a frente, ela se inclinou para beijar a bochecha de
Lev e proferiu: "meu Irmão." Ela se virou e fez o mesmo com Sasha.
Eles aceitaram seus beijos graciosamente. Ela não precisava
mencionar o fato de que Lev e Sasha eram seus irmãos. Qualquer um
podia ver que eles estavam intimamente relacionados.
Ela caminhou até a cadeira mais distante, puxando o carrinho até
perto dela, desafivelando a pequena e levantando-a para fora. "Eu sou
Nastasia," ela soltou distraidamente.
Lev respondeu para mim como eu mastigava. "Esta é a Mina, a
nova bargirl." Então ele fez algo inacreditável.
Ele sorriu.
Era grande e brilhante, e perfeito. Seus dentes eram brancos e
perfeitamente reto. Ele tinha uma única covinha perfeita em sua
bochecha, e seu rosto estava perfeitamente transformado com ele.
Meu Deus.
Meu coração gaguejou quando percebi o quão bonito Lev era.
Quero dizer, ele era atraente antes, mas agora ele estava incrível.
Delicioso.
A mulher, espionando o sorriso de Lev, entregou a menina para
ele, e novamente, fiquei surpresa quando ele a levou sem reclamar,
sentada em seu colo e abraçando-a suavemente antes de beijar o topo
de sua cabeça.
Nastasia olhou para mim, seu sorriso desaparecendo
rapidamente. Ela me olhou muito como Sasha tinha. Ela não tinha
certeza de mim. E eu não ia culpá-la nenhum pouco.
Sua menina era linda embora. Ela tinha olhos castanhos escuros
e o cabelo da família, mas ao contrário do resto das pessoas sentadas à
mesa, seu cabelo estava enrolado em doces cachos saltitantes e em
altas tranças. Era difícil vê-la e não sorrir. Ela era adoravelmente
gordinha, e seus cílios eram tão longos que ela parecia uma boneca de
porcelana.
O olhar de Nastasia tornou-se quase doloroso. Eu precisava fazer
algo e rápido.
De pé, eu me aproximei e parei um pé longe dela. Ela olhou para
mim, e uma única sobrancelha levantou-se. Enfiei a mão para fora.
"Desculpe, eu tinha a boca cheia de ovos. Eu não estava tentando ser
rude. Sou Mina. "
Seus olhos se estreitaram em minha mão e finalmente, ela tomou-
a, sacudindo-a lentamente. "Me chame de Nas. Todo mundo faz."
Ela soltou minha mão e eu voltei ao meu assento, pegando meu
garfo. Olhei para Nas, que assistiu seu irmão e filha com um olhar
terno em seu rosto. Eu não podia deixar de sorrir para a mulher. "Ela é
linda."
"Eu sei." Nas sorriu suavemente. "O mesmo acontece com ela."
Sasha estava de pé, caminhando até Lev. "Dê-me a minha
menina."
Lev entregou-a e Sasha beijou a bochecha dela carinhosamente,
falando suavemente em sua pequena orelha quando ela pegou seu
decorativo lenço e empurrou-o em sua boca. Eu sentei lá, de repente
confusa.
De quem ela era filha?
Ada trouxe outro prato de ovos e, vendo o prato em minha frente,
ela sorriu para Sasha, substituindo o prato que ele tinha me dado.
Quando ela passou por Nas, ela se inclinou e beijou a cabeça antes de
colocar a farinha de aveia na frente de Lev. Ela estava caminhando
para fora da porta antes que ela perguntou a Nas, "Você quer alguma
coisa, querida?"
Nas de repente parecia cansada. "Não, eu comi no avião. Obrigada
de qualquer forma, Ada. "
Lev declarou: "Eu gostaria de perguntar por que você está em casa
cedo, mas eu tenho um sentimento que eu já sei a resposta para essa
pergunta. Como foi o vôo? Lidiya fez muito barulho? "
Foi então a menina começou a balbuciar. "Eeya. Eeya. Eeeeeeeya."
Ela olhou para Sasha e disse:" Asha. Ma Deeya. Deeya." Ela olhou para
Lev e enfiou a mão na boca de Sasha. Fiquei espantada que ele não
ofereceu nenhuma queixa e que ele simplesmente sorriu ao redor dos
dedos minúsculos. "Otet. Papa. Papa. Otet." Nas veio em seguida.
"Azeeya. Azeeya. Ma Tetu. Tetu." Então ela olhou para mim, piscando
antes de virar para Sasha e proferindo um inseguro", Zzzzhena ".
Sasha xingou fora uma risada suave ao redor dos dedos, e Lidiya
sorriu um sorriso cheio de dentes, seus olhos sorridentes assim como
Lev teve.
Virei-me para Lev e sorri. "Ela meio que se parece com você."
Ele virou para mim, os olhos cheios de diversão. "Isso faria
sentido." Ele fez uma pausa antes de acrescentar: "Depois de tudo, ela
é minha filha."
Nastasia dirigiu em silêncio, e eu estava grata pela canção no
rádio para fazer uma situação ridiculamente embaraçosa um pouco
menos estranha.
Depois que Lev me disse que Lidiya era sua filha, deixando-me
oficialmente chocada, a conversa tomou um rumo rápido quando Lev
ficou com a menina, caminhou até sua irmã, beijou-a na bochecha, e
agradeceu-lhe por trazer Lidiya para casa. As próximas palavras que
saíram da boca de Nas estavam em outro idioma. Embora ela falou
baixinho, as palavras soavam duras. Sasha foi adicionado à conversa,
e Lev respondeu facilmente. Eu não podia ter certeza, mas eu pensei
que eles poderiam estar falando sobre mim. Quando os três se viraram
para olhar para mim, ficou claro que eu estava certa.
Muito Rude, rapazes?
Lev beijou a cabeça de sua filha, mas falou comigo. "Você precisa
de algo para vestir esta noite, e eu tenho medo que as roupas que você
tem não são adequadas. Nastasia irá levá-la as compras. Compre o que
você precisa ".
Comprar roupas? Com o que? Amor? "Caso você não tenha
notado, eu não tenho nenhum dinheiro."
Sua sobrancelha subiu. "Eu sei que você não tem. Nastasia tem o
meu cartão de crédito. Você vai comprar o que minha irmã pensar que
você precisa ".
O protesto começou antes mesmo de terminar. "Eu não posso
aceitar isso. Você já fez demais."
Sasha me olhou de perto, procurando o meu rosto por um sinal
de decepção, mas eu quis dizer isso. Os olhos duros de Nastasia
suavizaram, mas apenas ligeiramente. Lev me encarou. "Eu joguei fora
suas roupas com a intenção de substituí-las. No mínimo, você vai
precisar de um par de jeans e um casaco que se encaixa." Ele
suspirou, irritado. "Você nem sequer tem nenhuma roupa interior."
Obrigado por trazer isso na frente de toda a sua família, seu
babaca.
Isso era verdade embora. Ele jogou fora a minha roupa, me
deixando com pouco para se trabalhar. Meus ombros caíram. "Ok,
bem, é sobre nós chamá-lo de um empréstimo? Você pode encaixar o
meu salário até que eu tenha reembolsado você."
Todos os rostos assumiram uma expressão de incredulidade.
Ninguém falou até que Lev soltou um firme "não"
Eu fiquei mais alta, cruzando os braços sobre o peito. "Eu vou
paga-lo de volta, Lev, quer você goste ou não." Após uma breve pausa,
eu admiti baixinho, "Eu não gosto de dever a ninguém".
Nastasia revirou os olhos e gemeu, tomando meu pulso e me
arrastando em direção à porta. "Não se preocupe, menina. Ele não vai
ceder. "
Agora, enquanto nós dirigimos em silêncio, eu deslizei mais longe
na minha cadeira e suspirei. "Qualquer chance de você me emprestar
algumas roupas e informar ao seu irmão que compramos?"
Ela olhou para mim então, e com os olhos cobertos com óculos de
sol que a fez olhar como uma modelo, ela espiou por cima deles. Eu
não perdi a ligeira curva de seu lábio. "Eu sou um pé inteiro mais alta
do que você, e você pesa menos do que eu. Além disso, eu não minto
para meus irmãos ".
"Ótimo," eu murmurei.
Mais alguns minutos de silêncio, em seguida, ela começou: "Ouça,
eu não conheço você, então nenhuma ofensa e tudo, mas se você foder
meu irmão-"
Eu não a deixei terminar. Meus ombros rígidos, eu cortei, "eu não
conheço o seu irmão por mais de doze horas, mas nesse tempo, ele tem
sido extremamente gentil comigo, e eu preferia comer minha própria
língua do que fazer alguma coisa para machucá-lo." Silêncio.
"Não há muitas mulheres que teriam as bolas de me falar tão
claramente, e muito menos me cortar." Seus lábios franziram em
surpresa.
Talvez fosse um elogio, mas eu ainda estava chateada com sua
suposição. "Seu irmão parece ser um homem inteligente. E ele está
sempre um passo à minha frente . Eu gostaria de pensar que ele sabe
o que está fazendo, mesmo que eu não saiba por que ele está fazendo
isso." Eu me mantive real. "Seu irmão não sabe disso, mas ele salvou
minha vida."
Ela voltou para a estrada, indicada à esquerda, e se parou em um
estacionamento do shopping. "Eu vou bater em você se você fizer
qualquer coisa para fazê-lo se arrepender disso."
Colocando meu queixo em meus dedos, eu olhei para fora da
janela do passageiro e resmunguei: "Entendi."
A loja de roupa que Nas levou-me era diferente de tudo que eu já
tinha visto antes. Ao entrar, fomos servidas com champanhe, que bebi
uma vez antes de colocá-lo para baixo, porque tinha um gosto horrível.
O funcionário estava junto, avaliando-me quando Nas disse a ela o que
eu precisava.
Fui empurrada em um vestiário que cheirava a flores silvestres e
era do tamanho de um único quarto, com três peças em mãos. Assim
que eu me despia, Nas abriu a porta e entrou.
Rangendo, eu usei meu braço para cobrir meus seios e assobiei,
"Que porra você está fazendo?"
Ela bufou. "Você não tem nada que eu não tenha visto antes,
kulka." No meu pânico claro, ela revirou os olhos. "Relaxe, Max. Eu só
queria ver como as roupas se encaixam." "Vire-se" eu pedi.
Ela me olhou de perto. "Jesus." Ela finalmente se virou. “ Muito
puritana?"
Alcancei o vestido mais próximo, e joguei na minha cabeça. "Você
pode se virar agora." Eu me olhei no espelho. O vestido era preto,
apertado, e inegavelmente sexy, mas ... "Isso não é comigo."
Nas se aproximou, puxando a roupa, com a sobrancelha franzida.
"Eu acho que é uma espécie de ponto, certo?" Ela deu um passo para
trás, avaliando o vestido em mim. Ela balançou a cabeça. "Não não.
Não está bom. Tente outro."
Ela virou-se antes que eu pudesse pedir a ela e então eu estava
grata. Tirei o vestido preto e tentei por um branco. Era muito o mesmo
estilo, apertado e costurado, mas este tinha um estilo lápis. Eu gostei.
Do jeito que Nas sorriu, ela gostou muito. "Sim. Coloque-o na
pilha, sim." Depois de tentar em todas as outras roupas, ficou claro
que nada mais parecia bom em mim. Nas rachou sob a pressão,
rosnando, "Você é tão magra. Você parece doente."
Dizia-se em raiva, e eu sabia que não deveria ter levado isso a
sério, mas eu fiz. Virando as costas para ela, eu escondi os meus olhos
brilhando, enquanto enxugava as lágrimas de vergonha. Eu sabia o
que parecia. Eu não preciso de lembretes. A maneira que eu parecia
me deixou doente. Eu sei que eu parecia doente. Eu me senti mal. Será
que ela acha que eu tinha uma escolha?
"Hey," ela soltou em voz baixa, em seguida, acrescentou
desajeitadamente, "desculpe." Eu balancei a cabeça, ainda de costas
para ela.
Ela suspirou. "Eu vou ter isso e vamos tentar em outro lugar, ok?"
O trinco da porta se fechou suavemente atrás dela, e eu
rapidamente mudei para meus jeans grandes demais, camiseta branca
desalinhada, e suéter de grandes dimensões de Lev, deslizando sobre
meus chinelos. Do lado de fora da porta, ouvi Nas falar com o
funcionário. "Nós vamos levar um presente. O resto nós vamos pensar
sobre."
"Muito bom", o secretário declarou. "Isso vai ser $ 849,00. Como
você estará pagando hoje, senhorita? "
Antes que Nas pudesse responder, eu voei para fora do vestiário
em um acesso de raiva. "Você está fora de sua mente maldita?"
O secretário cheirou com escárnio enquanto Nas encarou
abertamente para mim. "O inferno é o seu problema?"
"Não!" Eu gritei. Olhando diretamente para o funcionário, eu
cuspi, "Esse vestido não vale tanto dinheiro. Sabe quantos famintas
crianças que você poderia alimentar com $ 800,00?" Com a minha voz
trêmula, eu murmurei," Que vergonha. "
Sem esperar por uma resposta, eu fiz o meu caminho para fora da
boutique tensa, os meus pés correndo para chegar a algum lugar e em
qualquer lugar longe de lá. Eu fiz isso uma curta distância antes de
Nas vir correndo atrás de mim.
"Yo! Espera, pequena louca ".
"Cai fora", eu virei minha cabeça, assobiando.
Ela me alcançou graças às suas ridiculamente longas pernas.
"Então o gatinho tem garras." Ela sorriu.
"Podemos nos dar bem depois de tudo."
Nós caminhamos lado a lado, e pacientemente, ela me deixou
andar fora da raiva. Ela riu e eu olhei para ela. "O quê?"
Parando, ela riu mais forte, apertando a barriga e enxugando as
lágrimas de alegria. Quando ela se chegou sob controle, ela riu: "Você
deveria ter visto o rosto da cadela metida depois que você saiu." Ela
endireitou, colocando uma mão no peito, e imitou o atendente da loja,
"'Bem, eu nunca!'"
Eu não poderia ajudá-la. Eu bufei, ri baixinho, depois mais forte,
até que eu estava vaiando em hilaridade. "Finalmente eu dei-lhe algo
para falar com seus amigos. "
Nós viemos através de um banco e sentei-me, Nas tomando o
lugar ao meu lado. "Então," ela começou, "o que é que vamos fazer
sobre a situação roupas?" Eu abri a minha boca, mas ela segurou a
palma da mão para cima para me impedir. "Antes de sair balançando,
nós vamos ter que nos comprometer."
Mordi o interior do meu lábio, mastigando-o enquanto eu pensava
uma solução adequada. Com um suspiro, eu balancei meu braço para
fora na direção da boutique. "Eu não preciso de coisas assim. Eu não
gastaria muito sozinha. Você sabe quanto tempo eu poderia ter vivido
nas ruas com $ 800,00? "
Seu rosto se suavizou, como fez seu tom. "Há quanto tempo você
viveu nas ruas?"
"Desde que eu tinha dezessete anos." Eu rapidamente calculei.
"Eu tenho vinte e quatro agora, então cerca de sete anos."
Ela assentiu com a cabeça lentamente. "Você nunca pediu ajuda
ou habitação?"
Eu balancei a minha cabeça.
"Por quê?", ela perguntou.
Olhei para ela. "A resposta honesta?"
"Nada além."
"Leva cerca de dezoito meses a dois anos para começar a
colocação. Isso ficou realmente ruim para mim." Um pequeno encolher
de ombros então eu tomei-o profundamente. "Eu acho que eu nunca
esperava viver tanto tempo."
Nas se afastou de mim, em seguida, mantendo os olhos no chão,
contemplando algo que eu não conseguia colocar o dedo sobre. Nós
permanecemos em um silêncio confortável, gostando imensamente,
quando ela falou. "Ok, então onde é que vamos? Precisamos pegar algo
para você vestir esta noite. "
Eu bufei um longo suspiro e depois sorri. "Quaisquer brechós por
aqui?"
Sua sobrancelha subiu. "Eu não seria pega morta em um desses,
e muito menos usar roupas que alguém possuiu." Ela rapidamente
acrescentou: "Sem ofensa."
"Nenhuma tomada." Meu sorriso se transformou em um sorriso.
"Dê-me uma hora. Aposto que eu posso até achar algo para você. "
Ela zombou. "Não é provável."
Meu sorriso foi orgulhoso. "Quer fazer uma aposta?"

Nossa viagem para a loja de frugalidade durou quase duas horas,


e no final do mesmo, Nas estava convertida. Como prometido, eu
encontrei algo que não podia negar, era incrível. Ela pegou o casaco de
couro italiano, e quando eu o levei para o contador, eu consegui falar o
preço para baixo a trinta dólares. Nas observava com os olhos
arregalados, claramente impressionada. Mais tarde, ela me disse que o
varejo em uma jaqueta como isso teria um custo mínimo de
US$400,00.
Eu tive que admitir que eu fiz bem, dadas as circunstâncias.
Algumas das roupas que eu escolhi ficaram um pouco grandes em
mim, mas eu planejava ganhar e preencher o peso que tinha perdido
durante o ano passado. Eu me estabeleci em algumas camisetas retro,
um par de calças jeans, uma calça jeans preta, uma saia lápis preto
risca de giz, uma blusa branca que cheirava um pouco como armário
de uma avó, mas parecia elegante e feminina, uma camisa preta, uma
camisola quase branca (também muito grande), e um par de pijamas
amarelos brilhantes, que ainda tinham marcas sobre eles.
Depois que saímos com os sacos na mão e Nastasia em um clima
consideravelmente melhor, pedi-lhe para me levar para uma superloja
local, onde eu poderia conseguir roupas íntimas, meias, alguns pares
baratos de saltos, sandálias e tênis, e uma escova de dentes. Nas me
ajudou a escolher sutiãs no meu tamanho, e depois de olhar para o
estado lastimável do meu corpo, ela jurou para colocar um pouco de
carne em meus ossos, atribuindo Ada para me manter alimentada.
Quando estávamos saindo, nós passamos o balcão de cosméticos, e
Nas me disse para escolher o básico, me perguntando se eu sabia
como fazer a minha própria maquiagem.
Sorri para mim mesma. "Havia um shopping a poucos quarteirões
de distância do meu beco. De vez em quando eu ia lá embaixo. Havia
uma senhora doce trabalhando, e ela deve ter sabido que eu não tinha
o dinheiro para gastar, porque ela iria me sentar e me ensinar como
aplicar minha própria maquiagem, me dizendo que eu poderia entrar a
qualquer momento para usar os testes. Então, eventualmente, eu
aprendi."
Escolher a cor adequada de base revelou-se difícil, como eu estava
tão pálida, mas Nas ajudou, escolhendo um blush leve, delineador
preto e rímel, uma paleta de sombras e cores variados de brilho labial.
Eu estava feita.
Enquanto caminhávamos para o carro, eu perguntei, cuidando
para não tripudiar, "Quanto é que passamos juntas?"
Nas tentou olhar para mim, mas seus olhos estavam se
divertindo. "Pouco mais de cento e oitenta dólares, espertalhona."
Cento e oitenta dólares.
Gostaria de pagar tudo de volta, não importa quanto tempo ia me
custar.
Enquanto nos dirigíamos, Nas me pegou bocejando. Ela cutucou
meu ombro. "Ei. Não se atreva a adormecer. Há mais uma parada que
nós precisamos fazer. "
Bocejando, eu resmunguei: "Eu estou tão cansada."
"Você pode ter uma soneca quando você voltar para a casa. Você
provavelmente vai precisar dela. Sua mudança provavelmente irá
terminar em torno de duas horas "
Eu precisaria de um cochilo. Eu não faria isso até duas horas da
tarde sem dormir.
"Onde estamos indo?"
Ela sorriu maliciosamente. "Você vai ver."
O que estava levando tanto tempo?
Eu chequei meu relógio. Ele marcava três e trinta e seis da tarde.
Não surpreendentemente, apenas cinco minutos se passaram desde a
última vez que verifiquei.
Retirando meu celular, eu soquei no número de telefone de
Nastasia e bati justo quando vi o prata Mercedes-Benz E400 Cabriolet
na entrada. O carro foi um presente recente meu para seu trigésimo
aniversário. Do jeito que ela o dirigia, você teria pensado que ela o
odiava.
Minha mão estava na maçaneta da porta antes de qualquer uma
das meninas abrir. Eu hesitei, não querendo entrar a toda e fiquei
pairando. Nastasia abriu a primeira porta, e minhas sobrancelhas
subiram ao som de sua risada. Minha irmã só tinha uma amiga,
Anika. Nastasia não gostava de mulheres. Vê-la então abertamente
rindo com outra mulher me confundiu.
Mina pisou fora, e minha respiração me deixou em um suspiro
rápido. Ela estava linda. Vestida com calça jeans apertadas e uma
blusa branca solta, desabotoando um botão amais, seus pequenos pés
desfilando nas botas pretas, levou a minha mente para agir errático.
Seu cabelo ondulado longo foi recém aparado e se endireitou, os
bloqueios brilhantes em cascata pelas costas. Mascara havia sido
levemente aplicada a seus cílios, enquadrando seus grandes olhos
verdes. Seus lábios brilhavam ao sol e foram fortemente marcados.
Ela ainda era muito magra, mas como eu disse a ela na noite
anterior, ela não podia se esconder de mim.
Eu dei um passo para trás quando a porta se abriu. Nastasia
sorriu. "Ei, mano." Ela se mudou de lado, com os braços em direção
Mina. "Ta ai!" Ela esperou. E esperou. Mas tudo que eu podia fazer era
olhar.
Finalmente, minha irmã cedeu à irritação. "Bem? Você só vai ficar
aí?" Ela deixou escapar um suspiro. "Como é que ela parece, Lev?"
Mina olhou para mim através de cílios abaixados, mordendo o
interior de seu lábio. Ela torceu os dedos juntos e eu me perguntava
como seria a sensação de ter os dedos correndo pelo meu cabelo.
Como ela estava?
"Como a arte", eu respondi com sinceridade.
Mina piscou, liberando o interior de seu lábio. Sua boca estava
ligeiramente aberta. Aqueles lábios cheios me chamando para prová-
los.
Ela deixou escapar: "Nas me levou a um salão de beleza
extravagante. Eles fizeram o meu cabelo e maquiagem." Ela jogou as
mãos para me mostrar as unhas polidas. "Eu tive uma manicure e
pedicure também. Então eu tenho minhas sobrancelhas em forma e
eles enceraram minhas per..." Percebendo que ela estava divagando,
suas bochechas ficaram rosa e ela terminou calmamente com: "Mas
você não quer saber sobre isso." E ainda assim, eu olhava.
Tomando um punhado de sacolas, ela passou por mim, seu braço
escovou meu peito. "Vou levar isso lá em cima." Eu a vi fazer o seu
caminho até as escadas em seus calcanhares.
Ela caminhou como um bezerro recém-nascido.
Nastasia sussurrou: "Nós estamos trabalhando nisso. Dê-lhe
tempo. Isto é tudo tão novo para ela."
" Eu não disse nada. "
Minha irmã riu. "Você não precisa, Lev. Você nunca precisa." Ela
acenou com a mão sobre o meu rosto. "Está tudo escrito lá, pura e
simples, para o mundo ver."
Segui-a até o quarto da família, onde Lidiya brincava com suas
bonecas. "Eu me reuni hoje também."
"Não no início, mas," ela sorriu, "Eu me diverti. Foi divertido. Nós
fomos fazer compras, fazer coisas de menina, paramos para comer
alguma coisa, e então..." Ela fez uma pausa. "Ok, então nós
terminamos o que estávamos fazendo, e eu perguntei a Mina se ela
poderia me mostrar onde morava." Seu rosto estava escurecido. "Eu
não sei como é que alguém poderia ter vivido como ela por sete anos."
Sete anos? Ela viveu assim por sete anos de merda?
Eu soltava fumaça em silêncio, querendo bater até a morte na
pessoa que a colocou nessa posição, e eu gostaria de descobrir quem.
"Estamos passando pela região, e de repente ela grita 'Pare!',
então, naturalmente, eu enlouqueci, fodidamente e encostei. Ela salta
para fora do carro com seu almoço e persegue este pequeno bandido
adolescente. Ele era apenas um garoto, Lev." Ela balançou a cabeça.
"Então, eu estou olhando no retrovisor e, finalmente, o garoto para.
Parece prestes a esmagar cabeças. Mas então, ele reconhece. Eles
conversam. Ela lhe entrega seu sanduíche. Ele sorri para ela. Ela
acena, caminha de volta para o carro, entra, e age como a coisa toda
nunca tivesse acontecido. "
"Entendo." Eu vi desde o início. Esta menina não era ladra. Eu
estava certo sobre ela.
Nastasia me olhou bem nos olhos e proferiu: "Eu gosto dela, Lev.
Ela é gente boa, você sabe?"
" Não. Eu não sei. Ainda não." Mas eu pretendo descobrir.
"Mina?" Ouvi vagamente.
Eu não estava interessada. Em vez disso, eu me enterrei mais
para dentro das cobertas, desesperadamente querendo que elas se
fundissem comigo para que eu nunca tivesse que sair.
"É hora de acordar, rato."
Puxando meu queixo sob a coberta, eu gemi longa e
dolorosamente. "Mais cinco minutos."
"Você deve se lembrar que você disse a mesma coisa nas últimas
três vezes que eu tentei acordá-la." Oh. Está certo.
Tudo voltou para mim.
Lev estava tentando me acordar a bom vinte minutos, mas cada
vez que eu jurei que eu estava acordada e fui deixada para ficar
pronta, eu caí no sono novamente.
Olhei para ele. Ele ficou ao lado da cama, olhando e cheirando a
banho tomado. Sua mandíbula estava escura com restolho, e seu
perfume cheirando comestível. Minha resposta foi abafada pela roupa
de cama. "Ok, eu vou levantar. Dê-me cinco minutos. "
"Eu te deixaria, mas você provou ser bastante propensa a
enganar", ele acusou de ânimo leve.
Eu tentei fazer uma careta, mas meus olhos sonolentos se
mantiveram piscando, arruinando o efeito. Seus olhos, cor do mel
quente, plissados nos cantos quando ele olhou para mim.
Eu sabia que só havia uma coisa a fazer. De uma só vez, as
cobertas voaram fora de mim e eu me sentei, balançando a cabeça
para limpá-la do sono. "Ok", eu disse. "Sim. Fiz isso. Eu estou
acordada." Mas, quando meus olhos começaram a inclinar-se
novamente, eu murmurei, "Eu estou em uma espécie de vigília."
"O que você está vestindo?" perguntou ele, sua repugnância clara.
"Meus novos pijamas," Eu olhei para os pijama amarelo-canário e
fiquei um pouco na defensiva.
Ele me olhou de cima para baixo, e não em um bom caminho.
"Eles são medonhos."
Meu nariz se juntou. "Eu não os escolhi pela forma como parecia.
Eles são confortáveis." Eu não me atrevo a dizer-lhe que eles eram o
preço de pechincha de US $ 4 novo em pacote, eu poderia acrescentar.
Meus olhos se fecharam de novo, meu Deus do céu.
Lev, obviamente, nunca teve um problema, como problemas de
acordar em sua vida, porque a mão grande e quente estava de repente
na minha testa. "Você tem certeza que está tudo bem? Você parece
letárgica."
Levantando minha mão, eu empurrei a sua longe delicadamente, e
soprei. "Estou bem. É esta cama. É mágica. Eu nunca quero deixá-la.
Se eu pudesse, eu teria todas as minhas refeições servidas nesta cama.
Esta cama é mágica. "
Eu sorri sonolenta para ele, mas tudo que eu podia focar era seu
cenho duro. Ele balançou a cabeça. "Não, eu não acho que você está
bem para trabalhar esta noite. Talvez na próxima semana. "
Eu acalmei. "Espere, o quê?" Bem, isso teve o efeito desejado. Eu
atirei para fora da cama. "Eu estou bem. Estou bem. Eu só preciso..."
Meu cérebro ainda tinha que acordar com o meu corpo. "Eu não sei.
Eu preciso de algo."
" Café ", ele forneceu.
Eu poderia tê-lo beijado. "Sim." Este saiu em um longo suspiro.
"Já tem uma xícara pronta. Talvez um chuveiro iria ajudar." Ele
estava certo, é claro.
Abrindo os olhos tão grandes quanto eu pudesse, eu arrastei
meus pés em direção ao banheiro. Ele me chamou, "Eu vou estar lá
embaixo." Quando eu fechei a porta, ele lembrou: "Não tranque a
porta, rato. Eu odiaria você adormecendo e se afogando lá ".
Eu zombei, mas não me preocupei em ser insolente. Pelo
contrário, eu revirei os olhos, meu cabelo recém cortado se endireitou,
e saltei sob o jato quente, com cuidado para não molhar meu rosto.
Uma vez que eu estava acordada, ensaboei, enxaguei e sai.
Esta casa era como um gigante, abraço caloroso.
A cama era confortável. O chuveiro era quentinho. As luzes do
banheiro aqueciam meu corpo nu, me secando quando fiquei lá,
absorvendo-o como a luz solar. Era como um hotel cinco estrelas. Ou
assim eu imaginava como um seria. Eu nunca tinha realmente me
hospedado em um hotel antes, muito menos um que era cinco estrelas.
Enquanto eu estava ali nua, eu pensei sobre Lev e por que ele me
trouxe aqui. Eu ainda tinha que entendê-lo. Ele parecia genuíno em
seu gesto, mas a minha história tinha me dito que você nunca tem algo
por nada em troca.
Eu estava mentalmente pronta para a bola cair.
Tendo colocado as minhas roupas no banheiro naquela tarde
antes do meu cochilo, eu me vesti com o que eu tinha quando eu
retornei de minha expedição de compras com Nas. Tomando o clipe do
meu cabelo, eu escovei-o com cuidado, conforme as instruções do
cabeleireiro; caso contrário, eu estava destinada ao frizz.
Aparentemente. Seja qual for o que isso queria dizer.
Minha maquiagem ainda parecia boa. Fiquei surpresa com o
quanto foi aplicado a minha cara para obter a aparência "natural". Eu
ri para mim mesma. Realmente era bobo.
Quando nós tínhamos deixado o salão de beleza e conseguido
voltar para o carro, Nas me entregou um pequeno saco. Com a minha
testa franzida, eu espreitei para dentro.
Toda a composição cara que tinha sido usado no meu rosto pela
esteticista estava bem empilhados na parte inferior.
"O qu-" Eu fiquei boquiaberta para ela. "Por quê?"
Ela encolheu os ombros. "Fica bem em você, e você não vai ser
capaz de obter o mesmo efeito com o material barato que compramos
mais cedo." Ela viu meu desconforto óbvio e tentou aliviá-lo. "Você não
tem que usá-lo, mas eu não posso devolvê-lo. Eu gostaria que você o
use." Eu ainda não tinha certeza.
Ela tentou outra rota e tentou olhar entediado. "Além disso, o
clube tem uma reputação de alguns dos rostos mais bonitos do país."
Ela me olhou de lado. "Você vai puxar para baixo esse padrão com a
sua maquiagem de merda."
Sorri então. "Obrigado, Nastasia."
Ela devolveu. "Você é bem-vinda, Mina."
Segurando meus saltos na minha mão, eu desci as escadas e
encontrei Lev segurando Lidiya em seu quadril enquanto ele serviu
duas xícaras de café. Ela balbuciou, agarrando sua lapela em seu
pequeno punho, e ele beijou o topo de sua cabeça.
Limpei a garganta na porta, não querendo interromper.
"Desculpa."
"Não se desculpe. Mirella estará aqui em poucos minutos." Ele
respondeu à minha pergunta não feita, "babá de Lidiya. Você vai estar
vendo um monte dela." Ele me entregou um dos copos de café. "Sinto
muito, eu não sei como você toma."
"Preto e puro", eu havia dito, tomando o copo com um sorriso de
agradecimento. Bebi lentamente e foi maravilhoso. Não pude deixar de
observar a gordinha menina de longos cílios. Meu peito se apertou em
reverência.
"Ela é adorável, Lev."
Ele se afastou para olhar para sua filha. Sua resposta suave
quase conseguia me deixar desmaiada. "Ela é minha vida."
O calor me inundou, deixando-me em uma névoa de maravilha. O
que eu tinha feito tão bem em minha vida que eu iria me deparar com
Lev Leokov? Fosse o que fosse, eu estava grata por isso.
A menina virou-se e, finalmente me viu, chamando. "Zhena.
Zhena. Zhena. "
Meu nariz amassou com meu sorriso. "O que ela está falando?"
Lev ficou me olhando de perto. "Ela não sabe o seu nome. Ela está
te chamando de sua versão de 'dama' em russo. "
"Ah, então você é russo, então?" Eu perguntei estupidamente.
Pacientemente, Lev respondeu, e eu o elogiei em não me chamar
de idiota. "Sim, tanto o meu pai e os lados da mãe."
"Oh, legal", eu disse. E o que se seguiu foi um longo e
constrangedor silêncio.
Finalmente, depois do que pareceram horas, Lev perguntou:
"Onde está a sua família, Mina?"
Minha resposta foi sucinta. "Morta. Eu sou órfã. Eu não conheço
o meu pai. Minha mãe morreu quando eu tinha doze anos. Minha avó
não me queria, e então eu fui para um orfanato. Eu fugi quando tinha
dezessete anos ".
Visado por minha súbita mudança de forma, Lev sussurrou:
"Tudo bem", e parecia fora. Quase infantil.
A porta se abriu de repente, e um bando de pessoas vieram
através dela, conversando em voz alta e abertamente.
Nastasia veio em primeiro lugar, rosto vermelho, lábios apertados,
discutindo com o homem por trás dela. "Eu não dou a mínima para
quem ela era, Vik."
O homem, que era fácil de adivinhar ser Viktor, entrou atrás dela,
sorrindo como um gato Cheshire.
"Claro que sim, baby."
Nas virou e seu lábio estava franzido. "Ela era uma espécie de
bonita do tipo ‘eu espero que você não se importa com DSTs’. "
Viktor era alto, musculoso, e usava um par de calças, uma camisa
branca com as mangas arregaçadas para revelar um monte de
tatuagens coloridas, e tinha um palito que furava para fora o lado de
sua boca. Seus olhos azuis apareceram de uma forma que fez você
querer olhar para eles por dias, e ele não estava de todo perturbado
pela ira de Nastasia. "Você me conhece. Sem jimmy, sem lenço. "
Uma linda ruiva entrou atrás de Viktor. Eu imediatamente notei
que ela tinha os mesmos olhos que Viktor. Do jeito que ela sorri, ela só
tinha olhos para Lev, e quando ela olhou para mim, seu sorriso caiu
rápido.
Lev piscou para ela, um olhar terno em seu olho. "Anika."
Meu estômago se agitou violentamente com a forma como Lev
olhou para ela. Eu não entendia isso.
Quero dizer, eu entendi. Ela era bonita de uma forma que eu
simplesmente não poderia competir.
"Bem, hey, princesa." Anika estendeu as mãos, sorrindo mais uma
vez, e Lev entregou Lidiya como se isso fosse uma ocorrência regular.
Meu instinto rolou. Mais uma vez.
Que diabos estava acontecendo aqui? Pare com isso, estômago!
Ela colocou Lidiya em seu quadril, beijando seu rosto. Lidiya não
mostrou sinais de desconforto com a mulher. Ela olhou para mim e
falou baixinho, sua voz melódica. "Oi. Sou Anika. "
Eu abri minha boca para responder, já chegando com minha mão
quando Lev se endireitou. "Esta é a Mina. A nova bargirl. "
Eu sorri para ela. "Sim, o que ele disse."
Em sua explicação, a tensão de Anika visivelmente desbotou e ela
aqueceu em direção a mim. Ela apertou minha mão levemente. "Oh.
Isso é ótimo. Vamos trabalhar juntas. "
Viktor me olhou então, e pareceu surpreso, como se ele tivesse
acabado de notar outra pessoa na sala. "E aí? Eu sou Viktor." Ele me
olhou de cima e para baixo apreciativo antes de virar para Lev e sorrir
maliciosamente. "Onde você encontrou isso?"
Seus olhos em mim, Lev respondeu sem emoção, "Roubando a
carteira de Sasha."
Meu coração gaguejou antes de começar a corrida. Todo mundo
tinha ficado em silêncio para além de Viktor, que piscou para mim
sólido por dez segundos antes de entrar em erupção no riso.
Minhas bochechas foram aquecidas, mas meu corpo esfriou. Senti
os olhares de todos na sala e a tensão tornou-se muito.
Eu assumo isso. Eu roubei a carteira de seu irmão. Foi uma
jogada de merda. Se eu não estivesse desesperada, eu não teria feito
isso. Eu ia ser punida por isso para sempre?
Sob a minha respiração, eu murmurei, "Babaca", antes de deslizar
sobre os calcanhares e correr para fora da porta da cozinha. Eu quase
caí de bunda naqueles saltos malditos, mas Nas me disse que eu
precisava me acostumar a andar neles.
Dez minutos se passaram, e no caminho, avistei uma mulher
madura com cabelos crespos e amáveis olhos escuros chegando em
direção à casa. Ela diminuiu quando ela me viu, então eu sorri. "Você
deve ser Mirella."
"Eu sou", disse ela com cuidado.
Dei um passo para a frente. "Eu sou Mina." Eu apontei de volta
para a casa com o meu polegar. "Eu estou vivendo aqui
temporariamente. Lev me disse que eu estaria vendo você um monte de
vezes".
Seus olhos se arregalaram e seu queixo quase caiu. "Você vai ficar
aqui ...? Na casa ... com o Sr. Lev? "
Meu assentimento foi lento. Ela parecia além de surpresa. Mais
como atônita. O que foi com essa reação?
Saindo do transe, ela tentou sorrir, mas era desconfortável.
"Prazer em conhecê-la, Mina", disse ela, movendo-se em direção à
porta da cozinha.
"Você também," voltei apenas quando ela fechou a porta atrás
dela.
Esperei na brisa fresca por mais alguns minutos antes que a
porta se abrisse e todos, exceto Mirella e Lidiya, vieram para fora. Eu
senti os olhos de Lev em mim, mas eu não lhe dei a satisfação de olhar
para cima.
Nas sorriu simpaticamente enquanto observava-me evitar os olhos
de todo mundo examinando. "Pronto para obter esse bombeamento de
sangue?"
"Claro," Eu suspirei.
Quero dizer, realmente. Quão ruim poderia ser?

"Como ela está?"


Nastasia sorriu bem amplamente, e ela veio mais com uma careta.
"Ela só quebrou quatro copos até agora, então" O som de vidro
esmagando seguido por Mina falando "Ah, merda. Desculpe!" Soou.
Minha irmã balançou a cabeça. "Cinco copos em duas horas. Ela está
tentando definir algum tipo de recorde ou alguma merda?"
"Ela vai pegar o jeito dele." Eu não parecia tão confiante como eu
esperava.
Eu assisti Mina de perto enquanto ela ouvia Anika. Ela estava
muito concentrada, balançando a cabeça de vez em quando. Eu não
conseguia entender por que isso era tão difícil para ela. Seus ombros
pareciam apertados com tensão.
"Ouça," Nas invadiu meus pensamentos. "Tenho que te dizer, Lev,
dizendo a Vik e Ani que você conheceu Mina quando ela estava
roubando a carteira de Sasha ..." Ela estremeceu. "Ouch."
De repente eu estava confuso. "O quê?"
Minha irmã sempre foi paciente comigo, mas esta noite, ela
suspirou. "Não é legal, bro. Você só tem uma chance de fazer uma boa
impressão, e antes de Mina ter a chance de fazer isso, você rasgou-a
debaixo de seus pés ".
"Eu não entendo." Eu realmente não sabia.
Nastasia me nivelou com um olhar duro. "Você apresentou-a a
nossos amigos mais próximos como uma ladra." Oh.
Eu estava começando a compreender o que eu tinha feito.
"Entendo."
"Não, você não faz." Nastasia pegou minha mão na sua e apertou.
"Você é uma pessoa maravilhosa, Lev. Mas você não vê. "
O pânico brotou dentro de mim. Eu abaixei meu olhar, mantendo
meus olhos nos meus pés. O que eu estava fazendo agora? Eu não
sabia como reagir. Eu me senti mal.
Soltando a minha mão, Nas me ajudou com a minha pergunta
não dita. "Quando você tiver a chance, peça desculpas a Mina."
Meu estômago doía. Eu odiava isso, sem querer magoar as
pessoas. Eu balancei a cabeça.
Minha irmã beijou meu rosto e garantiu: "Você é um bom homem,
Lev. Você só precisa de um pouco de ajuda às vezes. Nada demais. "
Mas foi um grande negócio, para mim mais do que a maioria.

"Mina".
Ele era infantil, mas eu ignorei. "Mina, por favor, olhe para mim."
Eu levei um momento de ler o meu pequeno guia útil para
misturadores e virei o rosto para ele, mas meus olhos se desviaram,
com foco em seu queixo. Ele falou baixinho. "Nastasia informou-me
que o que eu disse na frente de Anika e Viktor era inadequado e eu
provavelmente tenho envergonhado você." Minha testa estava franzida
em confusão. Ele falou sobre isso como se ele não soubesse por que eu
ficaria envergonhada com isso. Ele continuou, "Não foi minha intenção
causar-lhe aflição, e agora eu entendo porque você me chamou de
babaca. Peço desculpas."
Pedir desculpas era uma das coisas mais difíceis de dizer a uma
pessoa, e Lev tinha feito isso de uma maneira tão sincera que minha
raiva esvaiu. Principalmente. "Eu suponho que você vai sair por aí
dizendo a todos que eu sou uma ladra sem-teto?"
Ele inclinou a cabeça daquele jeito dele de concentrado,
procurando o meu rosto. "Você tem vergonha de seu passado."
Meus olhos desceram para o livro na minha frente e eu havia dito
em voz baixa: "Há um estigma por trás de vagabundos. Todo mundo
olha para baixo sobre os sem-teto. Claro que eu tenho vergonha do
meu passado. "
"Eu não tenho vergonha de quem você é. E a única vez que eu
olhar para baixo em você é se eu fosse ajudá-la de volta. "
Ele tinha um jeito com as palavras. Eu daria a ele. Eu me
perguntei como ele poderia dizer algo, essencialmente, roubando a
respiração de mim. Ele parecia gostar de fazê-lo. Ele tinha que gostar,
caso contrário, ele não iria fazê-lo tantas vezes.
"Pare de fazer isso", eu sussurrei.
Seus olhos se estreitaram em confusão. "Fazendo o que?"
"Ser tão bom para mim." Eu tinha o suficiente. Batendo o livro
sobre o bar, eu desisti e disse que o eu estava pensando. "Por que
estou aqui, Lev? Por que você me trouxe aqui? Aqui, especificamente?
Por que estou ficando na sua casa, na sua cama?" Fiz uma pausa. "Eu
estou ..." Engoli em seco. "Você trabalha em um clube de cavalheiros,
rodeado de mulheres lindas, eu ..." Minha voz baixa, perguntei,
hesitante: "Será que estou sendo preparada para a prostituição?"
Um silêncio pesado seguiu. Então: “Não."
Meu coração ficou pesado, eu virei meu rosto para olhar em seus
olhos lindos. "Diga-me que posso sair a qualquer momento, Lev."
Seus olhos em mim, eu assisti como eles brilharam. Finalmente,
ele baixou o rosto e murmurou, "Você pode sair a qualquer momento,
Mina." Ele deu um passo para trás e longe de mim. "Embora eu espero
que você escolha ficar."
Seu rosto tornou-se impassível. "Você merece coisa melhor do que
a vida infeliz que você teve."
Eu o vi se afastar de mim e de repente eu estava sobrecarregada.
Meu nariz coçava enquanto meus olhos se encheram de lágrimas.
Pisquei-as de volta, fungando para mim mesma no escuro canto do
bar, grata pela solidão.
Eu não tinha certeza da hora quando eu abri meus olhos na
manhã seguinte, nem o segundo, mas cada vez que eu abri meus
olhos, eu levantei minha cabeça para verificar o sofá-cama. As duas
primeiras vezes, o esboço de Lev era aparente. A terceira vez que
verifiquei, o lençol foi dobrado e descansou na borda do colchão.
Pisquei sonolenta na cama feita, e independentemente de quantas
vezes eu tentei voltar a dormir depois disso, o sono não me levaria.
Bocejando, eu saí da cama, ajeitando as cobertas, e arrastei
cansada no banheiro para lavar o rosto e escovar os dentes com a
minha escova de dentes nova rosa quente. Eu escovei meu cabelo e
puxei-o em um rabo de cavalo baixo. Quando eu me considerei
apresentável, eu fiz o meu caminho lá embaixo, gritando: "Olá? Alguém
em casa? "
Da sala à esquerda veio, "Aqui, Srta Mina."
Assim que entrei na cozinha, eu sorri. Lidiya, estava vestida em
um vestido rosa claro com mangas com babados, os cabelos em um
rabo de cavalo encaracolado perfeitamente no topo de sua cabeça,
sentava-se em uma cadeira alta, colocando o que parecia ser uma
massa em sua boca.
Mirella, estava sentada ao seu lado, sorriu para mim. "Boa tarde,
senhorita Mina."
Minha voz ainda rouca de sono, eu gemi. "Oh, Deus. Por favor.
Você não tem que ser formal comigo. Mina funciona muito bem, uma
vez que tenho a intenção de chamá-la de Mirella. "
A mulher mais velha sorriu. "Eu posso fazer isso." Ela olhou para
zombar Lidiya. "Agora, você, mocinha. Você precisa comer. Mirella
precisa usar o banheiro ".
Olhei para Lidiya, que era a imagem de calma como ela alimentou
a si mesma. "Você pode ir em frente. Eu vou vê-la. "
Ela parecia incerta. "Alguma vez você já cuidou de uma criança de
dois anos antes? Eles podem ser completamente um punhado. "
Eu pisquei. "Você está pensando em passar o dia inteiro no
banheiro?"
A mulher riu. "Não, apenas alguns minutos."
Fui até a máquina de café e enchi uma caneca. "Bem, tudo bem
então." Tomando o assento que ela tinha acabado de desocupar, eu
assegurei-lhe, "Nós vamos ficar bem." Eu sorri para a menina com os
cílios que faria uma mulher adulta chorar em um ataque de ciúmes.
"Tudo bem, garota. Acalme-se. Eu sou nova nisso. "
Lidiya respondeu pegando um pouco de comida na sua pequena
colher e segurando-o para mim, enquanto tagarelava a distância.
Fui tocada por sua oferta. Meu sorriso suavizou. "Não, querida, é
o seu almoço." Eu levantei o meu café. "Este é o café de Mina."
Mas ela insistiu, segurando a colher com mais força do que
anteriormente. Eu balancei a cabeça mais uma vez. "Eu tenho certeza
que é deliciosa, mas realmente, eu não posso."
Ela balbuciou mais difícil e disse algo como, "Yest, Eena. Yest. "
Afastei-me, surpresa. "Você acabou de dizer Mina?"
Ela proferiu, "Eena. Zhena. Eena. Eeeena. Yest. "
Eu irrompi em enorme sorriso. "Você faz dizendo o meu nome, não
é? Espertinha."
Atrás de mim veio. "Ela quer que você coma com ela."
Ofegante em estado de choque, todo o meu corpo estremeceu de
susto e, levantando a mão para o meu peito, eu me virei para ver Lev
encostado na porta que leva para a lavanderia, observando nós duas.
"Você me assustou. Há quanto tempo tem estado ai? "
Ele andou mais para dentro da sala e eu quase engoli minha
língua. Lev em um terno era delicioso, mas Lev vestindo moletom cinza
pendurado baixo em seus quadris, sua camiseta preta apertada caindo
para seu peito largo com o suor, e seu cabelo castanho escuro
deliciosamente despenteado era incrível.
"Tempo suficiente para saber que as crianças a assustam."
Eu estava prestes a negar esse fato quando Nas entrou pela porta
de trás vestindo uma camiseta branca pequenininha que mostrava seu
umbigo, o sutiã preto visível para qualquer pessoa com um par de
olhos, suas calças jeans e sandálias de tiras planas cor de areia.
Tirando os óculos escuros enormes, ela apontou para mim. "Você.
Obtenha a sua bunda acima, no chuveiro e vestida. Nós temos merda
para fazer. "
Eu olhei para ela e para Lev depois de volta. "Nós temos?"
Ela assentiu com a cabeça. " Você e eu, para baixo, no clube,
misturar drinks. Podemos acabar bêbadas demais para trabalhar esta
noite, mas hey", ela jogou um encolher de ombros e sorriu
maliciosamente "É um risco que estou disposta a correr ".
Mordi o interior do meu lábio. "Na verdade, eu queria falar com
vocês sobre isso." Limpei a garganta e comecei: "Eu tenho certeza que
você me viu na noite passada. Eu tentei fazer um bom trabalho. Eu
realmente fiz, mas eu não acho que eu sou certa para ele. "Fiz uma
pausa um momento e depois acrescentei: "Eu quebrei tantos copos que
Anika assumiu a culpa pelo último. Em seguida, fui enviada para o
final do bar para "estudar" o guia de bebidas." Eu bufei uma risada
sem humor. "Eu não sou estúpida. Eu sei que eles estavam tentando
me tirar do bar para que eles pudessem fazer algum trabalho real.
Babá não faz parte do trabalho."
Silêncio, então Nas falou. "Oh, wah wah. Pobre Mina teve um
tempo duro que serve bebidas. Alguém pegue o violino já. "
" Hey, "eu voltei, irritada.
Lev franziu a testa. "Você não gosta do trabalho?"
"Eu não posso fazer o trabalho se eu estou derrubando copos a
esquerda, direita e centro," eu expliquei, minha voz pedindo para ele
entender.
Nas balançou a cabeça, olhando levemente decepcionada. “Eu
nunca te considerei uma daquelas meninas que vagueiam em torno de
si sentindo pena de si mesma."
"Eu não sou!" Eu respondi.
"Então, se reerga, preciosa." Ela soltou em completa calma, "Você
vai cair do cavalo e deixá-lo atropelar você? Ou você vai voltar para
cima e mostrar ao cavalo quem é que manda?" Eu soltava fumaça em
silêncio, e pela expressão presunçosa de Nastasia, ela adorou cada
momento dela. Ela sorriu. "Faça esse cavalo sua cadela, Mina. Faça."
Levantei-me e pisei fora da cozinha, quase derrubando Mirella no
caminho.

O clube parecia diferente durante o dia. Com a música fora e um


fluxo de pessoas reestocando os bares, encerando o chão, e limpando
as mesas e cadeiras, a pressão estava desligada. Meus ombros estavam
soltos e a tensão que eu sentia na noite anterior tinha desaparecido.
Após Nas gritar comigo, que eu notei foi uma espécie de um estilo
dela, eu fui lá em cima, soltei meu cabelo, vesti uma calça jeans preta,
um par branco de chinelos, um regata branca, e minha camisa que
pendia do meu ombro. Depois de ver o que estava vestindo Nas, eu
percebi que era aceitável usar menos durante o dia.
À medida que entramos no interior, eu conheci dois da equipe de
segurança, Brick e Tommy. Brick tinha estado de plantão na porta
quando eu cheguei na primeira noite. Ele foi agradável, mas eu estava
agradecida que ele não me reconheceu. Eu ia perguntar por que eles
chamavam ele de tijolo (Brick), mas era óbvio. Ele era construído como
uma casa de tijolos.
Tommy, por outro lado, passou de feroz a engraçado em uma
fração de segundo. Ele era alto e não tão construído como Brick, mas
quando ele fez uma careta, ele poderia assustar as calças fora de
qualquer um. Ele pegou minha mão e beijou as costas dela,
demorando muito tempo. Tinha sido um tempo desde que eu tinha tido
qualquer atenção masculina. Era bom e eu ri como uma colegial, meu
rosto em chamas em volta do meu sorriso.
Nas riu de mim quando eu ventilei o meu rosto, fazendo o nosso
caminho para o bar. Ela me cutucou. "É melhor você se acostumar
com caras caindo sobre você assim. Especialmente com um rosto como
o seu ".
Eu estava confusa. "O que você quer dizer?"
Ela levantou uma sobrancelha. "Procurando elogios?" Mas quando
eu abaixei meu rosto, minha testa franzida em confusão, ela
murmurou para si mesma: "Querido Deus, ela não sabe." Antes que eu
pudesse dizer outra palavra, ela me puxou para o foyer espelhado.
Felizmente, estava vazio quando ela me colocou bem em frente dele e
ficou atrás de mim. "O que você vê quando olha no espelho?"
Eu odiava meu reflexo. Foi cruel parecer tanto com a pessoa que
eu mais sentia falta no mundo, minha mãe. Eu a amava, até o último
momento de sua doença, e quando ela morreu, meu amor virou-se
para fingida indiferença. Fingi que não doeu perdê-la, minha mãe,
minha melhor amiga, embora era uma agonia. Cada vez que eu
respirava durante o próximo ano foi difícil. Minha vida nunca mais
seria a mesma. Ela era puro sol. A pessoa que cuidou de mim quando
eu estava doente e me fez rir quando eu estava triste. Eu dependia
dela. Ela era tudo para mim. E então ela se foi.
Meus olhos treinados no meu queixo, eu dei de ombros. "Eu não
sei."
"Olhe para você. Quero dizer realmente olhe para si mesma."
Meus olhos encontraram meu reflexo enquanto ela perguntou:" Você
não vê isso? Você pode até compreender quão atraente você é? "
" Eu pareço com minha mãe ", eu sussurrei.
Nas sorriu gentilmente. "Aposto que ela era linda."
Ela era. "Ela era adorável."
"Você pode vê-lo?" Nas sondou suavemente. Eu balancei minha
cabeça. Ela alcançou em torno de mim para colocar os dedos embaixo
do meu queixo, levantando-o, e meu reflexo foi forçado a minha linha
de visão. "Olhe mais atentamente." Ela se moveu para ficar ao meu
lado. "Você tem maçãs do rosto elegantes. Sua pele é impecável e
cremosa, como porcelana. Você tem uma pequena, boca cheia, que eu
aposto que dá aos homens todos os tipos de ideias impertinentes." Meu
rubor foi intenso. "Seu cabelo é liso e brilhante, escuro e sem ser preto.
Seus grandes olhos verdes e cílios longos fazem você parecer exótica e
misteriosa. E eu estou supondo que, quando você receber algum peso
sobre esse pequeno corpo apertado, você vai ter curvas em todos os
lugares certos." Ela colocou as mãos nos meus ombros e apertou com
força suficiente para fazer um ponto. "Você é letal, Mina. E você nem
sequer sabe disso."
Seu discurso me teve realmente olhando para mim mesma. Eu
nunca me vi tão bonita. Eu sempre me vi como aceitável, mas apenas
isso. Mas, quando ela apontou tudo para fora, pouco a pouco, eu
supunha que estava lá. Pela primeira vez, eu poderia vê-lo.
"Eu sou bonita?" eu perguntei cuidadosamente, inspecionando
meu reflexo.
"Agora você está pescando elogios." Ela gemeu quando ela me
empurrou para o lado, fazendo-me tropeçar e rir. "Você merdinha." Ela
riu quando fomos para a área de bar.
Eu estremeci, logo que meus olhos bateram nas fileiras de copos
no balcão. "Você tem certeza de que quer fazer isso? As chances são de
cair um copo, acidentalmente cortar meu pulso, e morrer em você."
Nas inclinou a cabeça em pensamento. "Hmmm. Sim. Isso poderia
ser um problema." Ela encolheu os ombros.
"Mais uma vez, um risco que estou disposta a correr."
Ela reuniu um grupo de diferentes copos e apontou para cada um
que ela os nomeou. "Highball. Tumbler. Sifter. Shot. Cocktail. Martini.
Vinho. Flute."
"Não há copos de cerveja?"
Ela parecia satisfeita que eu tinha notado. "Somos um
estabelecimento de alta classe. Nós servimos cervejas importadas, mas
você vai descobrir que a maioria dos nossos clientes vão pedir
misturas. Caso contrário," ela chegou sob a barra para tirar outro copo
alto de dentro da refrigeradora" copos de cerveja são mantidos
refrigerados e servido com uma fatia de limão, estritamente sem gelo ".
"Gelado. Limão. Sem gelo." Eu assenti. "Entendi."
Para a melhor parte de duas horas, Nas me ensinou como fazer
vários dos pedidos de bebidas padrão. Ela me disse que estava tudo
bem se eu esquecer o que se passou na qual bebida, em seguida,
mostrou-me cartões de receita para todas as bebidas que ela me
ensinou a fazer e muito mais. Com cada bebida adicional, a minha
confiança foi impulsionada, e logo eu estava misturando, confundindo
e agitando bebidas como se eu nasci para fazer isso.
Quando eu terminei de misturar minha última bebida do dia, Nas
inclinou seu quadril na barra, parecendo extremamente satisfeita
consigo mesma, e eu curvei feliz. "Obrigada. Obrigada. Eu vou estar
aqui toda a semana. "
Uma voz acentuada soou atrás de mim. "E com uma vista como
isso, quem poderia resistir." Quando ele disse 'isso', ele saiu como zis.
Virei-me para enfrentar o homem, que estava sorrindo
amplamente sobre a parte superior de minha cabeça para Nastasia.
Ela engasgou, correu, e depois se jogou em seus braços de espera.
Rindo, ela se afastou e beijou-o na boca. Colocando seu rosto mal
barbeado, ela quase gritou: "Philippe Neige, seu filho de uma arma! E
parece quente como sempre, eu vejo." Ele era quente. Como, muito.
O homem sorriu, e as linhas ao redor dos olhos se aprofundaram.
Ele parecia estar em seus quarenta anos, era alto como Sasha, tinha o
cabelo loiro escuro, olhos verdes e sorriso. Imaginei que ele era
francês, não só do seu sotaque, mas também da forma como Nas, disse
o seu nome. Ele usava um par de jeans azul escuro. A camisa branca
foi deixada fora da calça, e ele terminou sua aparência elegante com
um par de sapatos marrons escuros.
Ele beijou a bochecha de Nastasia por um segundo demasiado
longo. "Eu senti sua falta, minha pomba."
De repente, Nas se afastou, sua expressão transformando-se em
ártica. "Ouvi dizer que você está trabalhando para Laredo." Soou como
uma acusação.
O sorriso dele caiu e seu rosto ficou duro. Ele não negou. "Oui."
Ela se afastou dele, com o rosto tão aflito quanto sua voz. "Como
você pôde, Philippe? Depois do que ele fez..." Tornou-se muito falar
sobre isso, e eu estava atordoada pela emoção que ela estava
mostrando. Nastasia parecia dura como pregos. O que quer que esse
cara Laredo fez deve ter sido muito ruim para justificar esse tipo de
reação.
Sasha entrou pela porta atrás do bar. Ele olhou de um Philippe
implacável a uma Nas emocional, para mim, e depois de volta para
Philippe. "Volte, Nas." Ela olhou para ele, seus olhos um fogo furioso.
Sasha falou friamente como sempre. "Philippe veio porque eu precisava
dele. Não o desrespeite. Você vai se arrepender." Embora as palavras
saíram em forma de ameaça, a forma como sua voz mudou,
suavizando levemente, sugeriu que Nas não conhecia todos os fatos.
Ela piscou as lágrimas, em seguida, virou o rosto para baixo
olhando para o chão, aos pés de Philippe. "Eu perdi você, também," ela
sussurrou. E então ela se foi, correndo para fora do bar e pelo corredor
até o banheiro das mulheres. Todos nós assistimos a sua licença.
Houve um longo silêncio.
Sasha soltou um suspiro. "Eu lhe disse para vir direto para mim,
Neige".
Philippe respondeu miseravelmente. "Eu nunca parei de amá-la."
No meu suspiro suave, todos os olhos se voltaram para mim. Eu
corei e gaguejei, "O-oi, eu sou Mina." Sasha me encarou.
Eu olhei de volta, em seguida, segui atrás de Nas. Sentei-me no
banheiro, olhando para a porta fechada que nos separava, esperando
pacientemente para ela parar de chorar.
No estilo Nas, ela abriu a porta, com o rosto manchado e seus
olhos um belo tom de vermelho, e pronunciou com raiva. "Faz sentido
para os homens ter pênis já que eles são todos os paus."
Nossa lição de bartending tinha sido concluída com a chegada de
Philippe Neige. Eu estava curiosa sobre o homem que poderia trazer
uma mulher como Nas às lágrimas. No caminho para casa, eu
perguntei cuidadosamente, "Então, eu estou supondo Philippe é um
ex-namorado?"
Nas tentou me ignorar, mas o silêncio era muito grosso para
ignorar. "Ficamos juntos por um curto período de tempo. Era um
romance. Ele acabou antes mesmo de começar."
"O que aconteceu?" Eu perguntei no meu tom mais simpático.
Ela suspirou, agravada. "Ele fez o que todos os homens fazem
eventualmente." Ela fez uma pausa para acrescentar baixinho: "Ele me
decepcionou."
"Será que você o ama?"
Nas ficou quieta. Ela inspirou lentamente e respondeu em um
suspiro. "Eu só amei um homem. E Philippe não era ele." Mudando
rapidamente o assunto, ela perguntou: "E você, Mina? Alguma vez já
esteve apaixonada?"
"Sim", eu respondi facilmente. Eu olhei-a, ansiosa para detectar a
reação dela. "Eu caí no amor com o meu irmão."
Ela não decepcionou.
"Ewwwww," estava fora de sua boca antes que eu pudesse mesmo
terminar. "Por favor, me diga que você está brincando. Se você não
estiver, eu vou encostar e te jogar, porque isso é do caralho
desagradável. "
Eu me inclinei para trás em minha cadeira, rindo. "Ele era meu
irmão de criação. Nenhuma relação." Eu sorri. "Deus, você é um bom
valor."
Ela sorriu então, com relutância. "Cadela." Ela balançou a cabeça.
"Conte-me sobre o senhor irmão, então."
"Eu tinha doze anos quando eu fui colocada em um orfanato. Eu
fui uma das sortudas. A primeira família que eu fui colocada foi com
quem eu fiquei até eu voltar as ruas." Minha testa franzida. Eu não
tinha pensado sobre Maggie e John Peterson por um longo tempo.
"Maggie era tudo que eu precisava uma vez eu tinha perdido tudo. Ela
foi maravilhosa. John, seu marido, foi tão bom. Ele me incluiu em
tudo, fez como se fôssemos uma família real. Eles tinham um par de
gêmeos, crianças de cinco anos, que me adoravam. Ben e Chris." Eu
sorri. “Eu lhes ensinei como andar de bicicleta." Eu suspirei.
"Uh oh," Nas começou. "Alguma coisa grande está vindo. Eu posso
sentir isso."
"Quando eu tinha dezesseis anos, Maggie entrou no meu quarto.
Ela parecia preocupada. Foi quando ela explicou que seu filho de seu
primeiro casamento estava indo para vir morar conosco depois que seu
pai teve um desentendimento com a lei. Eu não sabia quão grande o
negócio foi. Este era o seu filho. Quero dizer, por que ela estava mesmo
explicando isso para mim? Eu disse a ela que estava tudo bem. Eu até
lhe disse que ele poderia ter o meu quarto se ele precisasse, que eu iria
dormir no sofá." Minha voz ficou suave. "Seu nome era James. Ele
tinha quase dezoito anos, um jogador e estrela de futebol e
absolutamente lindo."
"Boom. E lá está o jogador. "
Eu sorri. "Ele era doce, e engraçado, e um flerte total. Ele também
foi o primeiro cara a ter a coragem de me beijar, mesmo no quintal,
debaixo do nariz de Maggie e John. Eu caí no amor com ele tão
facilmente. "Eu ri com a memória. "Em pouco tempo, estávamos
esgueirando beijos por todo o lugar, e ele iria escorregar em meu
quarto à noite depois que todo mundo tinha adormecido." Eu suspirei,
sonhadora. "Falávamos durante toda a noite até a conversa ficar no
caminho de beijar. E então eu tinha dezessete anos. Uma coisa levou a
outra, e logo estávamos fazendo muito mais do que falar e beijar, se
você sabe o que quero dizer. "
Nas sorriu. "Eu faço. Eu realmente entendo. "
"A história termina com a gente sendo descuidado e pego, Maggie
me culpando pela liderança em seu filho e me chamando de pequena
vagabunda. Me fazendo perceber que não importa o quanto eu amava
Maggie, ela não era minha mãe. E eu tinha ido embora no dia
seguinte."
"Ela chamou-lhe de vagabunda?" Nas proferiu, consternada.
Eu balancei a cabeça. "Uma pequena vagabunda."
"E então você desapareceu sobre eles." Nas pausou e acrescentou,
pensativa: "Eu aposto que ela pensou em você todos os dias desde que
você se foi."
Sua declaração fez meu coração gaguejar. "Você acha?"
"Hum, sim. Ela chamou uma menina de dezessete anos de idade,
de um nome desagradável em raiva e a menina fugiu, para nunca mais
ser vista novamente." Ela bufou. "Eu diria que ela está pagando a cada
dia o que ela fez, apenas pela memória de você. Serve seu direito,
cadela estúpida. "
Eu não queria acreditar que Maggie poderia ter sido vítima de
culpa esse tempo todo. Claro, ela tinha me chamado com um nome
ruim, mas não se compara com o fato de que ela tinha me levado em
sua casa e me fez parte de uma família por cerca de cinco anos. Ela
merecia mais do que viver assim.
Tão logo Nas me deixou em casa, eu procurei na casa por Lev,
encontrando-o no andar de baixo, sentado em uma cadeira de balanço,
embalando uma Lidiya dormindo e falando palavras suaves em seu
cabelo encaracolado.
Eu estava na porta despercebida por um longo tempo, observando
este homem ser um pai para sua filha. Minha garganta engrossada
com emoção. Lev estava provando ser mais do que eu pensava que ele
fosse.
Com um clareio suave da minha garganta, Lev virou-se e chamou
a minha atenção. Eu levantei minha mão em uma onda suave e ele
ergueu a menina, levando-a através do quarto e colocando-a em sua
cama de criança. Ele pegou o monitor do bebê, saiu do quarto e ligou o
dispositivo. Eu me afastei da porta quando ele a fechou com cuidado.
Minha expressão foi suave quando ele se aproximou. Eu tinha
esquecido o meu propósito momentaneamente. Colocando a mão em
seu antebraço, eu apertei suavemente e sussurrei: "Você é um bom
pai, Lev."
Parecendo levemente constrangido, ele ignorou meu elogio, mas
não se afastou da minha proximidade. "Como você fez hoje? Quando
Nastasia está determinada a ver algo acontecer, ela pode ser
cansativa."
Ligando o meu braço no dele, caminhamos pelo corredor juntos.
"Você sabe, sua irmã pode ser uma fodona, mas ela sabe como motivar
uma pessoa." Eu sorri para ele. “Eu não deixei cair um único copo.
Nenhum. E agora eu sei como fazer cerca de dez misturas diferentes.
Então, eu estou pronta para esta noite. Pode vir."
Ele se acalmou, me puxando para uma parada, procurando o meu
rosto. "Você parece estar em melhores espíritos hoje. Estou feliz."
Meu rosto ficou vazio de expressão. "Quatro dias atrás, você me
tirou das ruas, me alimentou, me deu um lugar para dormir e me
ofereceu um emprego." Lentamente, então não havia dúvida das
minhas intenções, dei um passo para frente, deslizei os braços ao
redor de sua cintura, e me pressionei contra ele, apertando
suavemente, descansando minha cabeça entre o peito. "Obrigada não é
o suficiente de uma frase para expressar o quanto sou grata que eu te
conheci, Lev Leokov." Eu respirei o perfume de sândalo que ele usava.
"Você salvou a minha vida."
Ele não me abraçou de volta, mas ele estendeu a mão e acariciou
meu cabelo gentilmente. "Eu faria tudo de novo, rato."
Eu me afastei uma polegada, meus braços ainda em torno dele, a
olhar para o rosto dele. "Isso só pode ficar melhor a partir daqui,
certo?"
Sua expressão sombria, ele segurou meu rosto com uma mão
quente. "Claro."
Foi então que me lembrei da minha razão inicial para interrompê-
lo. Voltando atrás, eu liguei meu braço através dele mais uma vez. "Eu
preciso de sua ajuda."
Ele não perguntou para quê; ele simplesmente respondeu um
determinado: "Qualquer coisa." E eu sabia, eu só sabia que ele nunca
iria me decepcionar.

A partir do momento em que entramos no interior da Bleeding


Hearts, eu sabia que a minha ansiedade voltou como uma vingança.
Eu não tinha certeza do que tinha trazido, mas eu definitivamente
estava sentindo a pressão depois que o quarto copo escorregou da
minha mão e quebrou quando bateu no chão.
Nastasia me puxou de lado. "O que dá, cara? Você estava indo tão
bem hoje! "
Eu estalei com raiva: "Eu não sei! Jesus."
Anika veio, olhando um pouco simpática. "Eu odeio ser a
portadora de más notícias, mas temos uma despedida de solteiro
chegando. Eles estarão aqui em dez e eu sou seu servidor." Ela olhou
para Nas, seus impressionantes olhos azuis em causa. "O que nós
vamos fazer? Eu não acho que eu posso deixar Mina atrás do bar hoje
à noite, não sem alguém para ajudar. "
Bati minhas mãos sobre o meu rosto. "Oh, Deus. Sinto muito,
Nas. Eu não sei o que está acontecendo comigo. "
Anika viu algo pela porta e se endireitou. "Droga", ela sorriu
largamente enquanto ela resmungou entre os dentes. "Eles estão
adiantados. Eu tenho que ir jogar de hostess. Nas, fica com ela, por
favor. "O segundo que Anika tinha deixado, meu estômago diminuiu.
Nas suspirou. "Vamos." Ela me segurou pelos ombros e sacudiu-
me uma vez. "Você consegue fazer isso. Eu sei que você pode. Eu disse
a Lev que eu tinha você. Não me faça uma mentirosa, pirralha. "
As conversas estimulantes de Nas eram levemente ameaçadoras,
mas fez o trabalho. Inclinando a cabeça de um lado para o outro , eu
estralei meu pescoço. "Eu cuido disso."
"Você conseguiu isso", ela repetiu.
"Eu vou fazer este cavalo minha cadela," eu resmunguei.
Ela sorriu. "Foda-se sim, você vai." Ela me empurrou junto,
batendo minha bunda em encorajamento. "Chega lá e sirva bebidas, e
sem pânico não vai cair nada." Eu olhei para ela. Usando seus dedos,
ela desenhou um grande sorriso em seu rosto. "Trabalhe com um
sorriso!"
Olhei em volta e quando eu tinha certeza de que ninguém estava
olhando, eu lancei-lhe o dedo.
Ela riu e senti olhos em mim. Voltando-me para o extremo do
clube, pelo estágio, eu encontrei Lev olhando diretamente para mim,
sem piscar. E seus olhos ... eles estavam cheios de alegria.
Ele tinha visto o que eu tinha feito. Eu fui pega.
Meu rosto aquecido. Eu mal podia ignorá-lo. Ele tinha visto-me
olhar diretamente para ele. Eu levantei minha mão em uma onda de
dois dedos. Ele empurrou o queixo em resposta. Eu sorri e murmurei,
"Desculpe." Eu não tinha certeza, mas parecia que ele falou de volta
"comece a trabalhar."
Eu estabeleci-me por trás do bar, levei pedidos, e servi drinques.
Eu fiz isso sem mais incidentes, e ao longo da hora seguinte, fiz uma
centena de dólares em gorjetas.
Um homem chamado Jeremiah veio a assumir para mim
enquanto eu tomava uma pausa de quinze minutos. Ele não era tão
alto quanto os outros homens que trabalhavam aqui, mas ele
definitivamente foi feito para isso com sua boa aparência. Ele tinha
cabelos castanhos compridos, penteados para trás, uma barba, e
tatuagens correndo para cima em seus braços. Ele usava jeans preto
apertado, uma camiseta preta apertada, e tinha um sorriso fácil. Eu
levei a mão que ele estendeu e fiquei surpresa quando ele a levantou à
boca para pressionar um beijo em meus dedos.
Isso parecia acontecer muito por aqui. Minha reação foi a mesma
de quando Tommy tinha feito isso. Eu ri e cobri meu rosto em chamas
com uma mão. Jeremias enviou-me fora para a minha pausa, mas eu
estava interceptada. Lev ficou na minha frente, mas seus olhos foram
treinados em Jeremiah. E ele parecia irritado.
Não. Não com raiva.
Furioso. Com um F maiúsculo.
"Hey," eu chamei através da música, puxando a manga.
Quando ele olhou para mim, seu rosto se suavizou
dramaticamente. Ele se inclinou e declarou:
"Jeremiah dorme com todas."
"Oh," eu havia dito, sem saber por que eu precisava saber disso.
Lev acenou com a cabeça, um pedaço de seu cabelo se soltando e
drapejando-se para baixo na testa. "Ele gosta de flertar."
Estendendo a mão, eu puxei a jaqueta até que seu rosto era baixo
o suficiente para eu consertar seu cabelo. Eu verifiquei-o, fixando sua
lapela dobrada então alisando o colete antes de puxar o casaco
fechado. "É essa a sua maneira de me avisar sobre os homens
desagradáveis?" Eu olhei para Jeremiah. "Ele é muito bonito, porém,
não é?"
Lev falou com os dentes cerrados. "Eu não sabia que ele era o seu
tipo."
Mudou-se para ir embora, mas eu o parei, agarrando seu pulso.
Minha testa franzida em seu tom ártico. "Eu realmente não tenho um
tipo, Lev. Eu não tive um homem mostrando interesse em mim desde
que eu tinha dezesseis anos de idade." Eu dei de ombros. "É uma
sensação agradável, ser querida." Eu estendi a mão com a mão livre e
toquei seu antebraço, acima do pulso que eu estava segurando. "Mas
obrigada por me avisar. Considere-me avisada."
Seus olhos dourados percorriam meu rosto, relaxando
imensamente. "Eu não quero que você se machuque."
Meu corpo foi aquecido com ternura. Deus, ele era doce. Eu sorri.
"Então nós temos um interesse comum."
Ele pegou a mão em seu antebraço e apertou-a. "Os homens são
cães. Eles vão dizer e fazer qualquer coisa para conseguir uma mulher
para dormir com eles. "
Eu não podia vê-lo sendo um desses homens. Eu havia dito em
voz baixa: "Mas não você. Certo?"
Seus olhos se fecharam e ele fechou-os apertado quando ele
assentiu. Soltando a minha mão, ele pediu: "Tenha cuidado, Mina. Sua
inocência é mais atraente do que você sabe." E então ele se foi.
Tristeza e melancolia, pensei. Em seguida, um pequeno sorriso
inclinando meus lábios.
Tão Lev.
Era sexta-feira, e eu estava oficialmente empregada no Bleeding
Hearts há uma semana e meia. Você não poderia obter o sorriso do
meu rosto, mesmo se você tentasse. Nos últimos cinco dias, eu conheci
cada funcionário, tendo o tempo para descobrir um pouco sobre eles
sem revelar muito sobre mim mesma. Quando perguntada de onde eu
vinha eu disse à maioria das meninas de dança que eu mudei muito
quando criança, sem saber, me ganhando o apelido de Gypsy (Cigana).
Eu entendi que strippers não têm as melhores reputações, mas as
meninas que conheci foram encantadoras. Todas, exceto uma, é claro.
Uma pequena mulher latino-americana com grandes olhos
castanhos, pele lisa da cor do café forte no leite, e as curvas que
fizeram os homens perderem suas mentes sempre amorosos, zombou
de mim. Eles a chamavam ChaCha. Era difícil ser boa para ChaCha
quando ela olha para você como se você cheirasse a merda.
As pessoas ouviram as meninas me chamando pelo meu novo
apelido, e, em seguida, em breve, o pessoal técnico e de segurança,
barmen, e até mesmo alguns clientes estavam me chamando de Gypsy
(Cigana).
Eu não me importava. Isso me deu um sentimento de
pertencimento. Quero dizer, amigos normalmente lhe dão apelidos, não
é?
Isso fez o meu coração sorrir.
Isto é, até que Anika disse-me que os russos não pensam muito
bem de ciganos, e olhando para mim, os olhos baixos com simpatia,
afirmou que ela diria a todos para parar de me chamar assim.
Coloquei sobre mim o meu maior, brilhante sorriso, eu agradeci,
mas disse a ela para não se preocupar, porque eu gostei. Tome isso,
Senhorita Correta e Apropriada.
Quando minha mente aliviou no trabalho, e também a minha
tensão, eu estava me tornando um favorita da multidão. As pessoas
queriam a cigana para atender suas despedidas de solteiro e pagaram
quantias ridículas para me ter servindo-os exclusivamente.
Eu não entendia isso, mas eu tinha certeza que tinha algo a ver
com o que me ensinou Nas quando ela me levou para o almoço ontem.
No momento em que nos sentamos, ela endireitou-se e colocou-o
na linha. "Temos que conversar."
"Sim, sobre o quê?" Meu coração começou a bater mais rápido.
Parte de mim pensava que eu estava sendo demitida e Lev não
teve a coragem de me dizer por ele mesmo. Mas o que ela disse em
seguida me deixou perplexa. "Não tome isso pessoalmente ou nada,
ok? Mas eu pensei que quando você se estabelecesse um pouco que
iria sair naturalmente, e agora que eu posso ver que não vai acontecer,
eu vou ter que te ensinar. "
Tomei um gole no meu limão de água, correndo os dedos sobre a
condensação do lado de fora do vidro. "Ensinar-me o quê?"
Ela tirou os óculos e sorriu. "Como flertar."
Eu pisquei para ela, em seguida, bufei. "Para que? Não é como se
eu estivesse procurando um namorado ou qualquer coisa. "
Ela suspirou, e alcançando-se, esfregou as têmporas como se eu
estivesse tentando a sua paciência. "Mina, você é uma garota de bar
em um clube de cavalheiros." Ela fez uma pausa. "Eu não quero ter
que colocar a pressão sobre, mas você foi reservada para atender uma
festa de despedida na noite de sábado."
Momentaneamente atordoada, eu fiquei boquiaberta. Então eu
gaguejava, "O-o quê? Porque eu? Não é possível Anika fazer? Faça
Anika fazê-lo! "
Nas olhou, falando devagar por entre os dentes. "Eles não querem
Anika. Eles querem a cigana." Ela se inclinou sobre a mesa de café
pequeno para entrar no meu rosto. "E eles estão indo para obter a
cigana, ou eu vou chutar o traseiro da cigana. Você me entendeu?"
Deslizando para baixo em minha cadeira, eu lamentei: "Eu não
quero. Eu vou derramar suas bebidas em cima deles. Eles vão
reclamar com Sasha, e então eu vou ser demitida ".
"Você não deixou cair um copo desde o seu segundo dia. Você
pode equilibrar uma bandeja. Você está recebendo mais encomendas
do que qualquer um de nós espera de você. E você tem os homens
cativados." Ela me prendeu com um olhar sincero. "Você está indo
muito bem. Mesmo Lev pensa assim. "
A Mina que lamentava desapareceu quando a Mina super
intrigada apareceu. "Realmente? Ele disse?"
"Sim, ele disse, justo esta manhã." Ela franziu a testa. "Vocês dois
estão vivendo na mesma casa. O que diabos é que vocês falam? "
Eu dei de ombros. "Não muito." Inclinei a cabeça no pensamento.
"É quase como se toda vez que eu tento iniciar uma conversa, ele fica
todo estranho comigo."
A expressão de Nas mudou. Ela falou em voz baixa, mas
defensivamente "Não é culpa dele, Mina. É apenas a maneira como ele
é. Eu não espero que você entenda, mas confia em mim, ele não pode
alterar." Ela seguiu com esta: "Não julgue-o. Ele não está sendo rude;
ele só não sabe como ser social."
Eu pisquei para seu tom de proteção. "Eu não vou julgá-lo, Nas.
Eu só tenho perguntas. Como, por que ele não fala comigo sobre si
mesmo, e por que diabos ele nos bloqueia em seu quarto à noite? "
Nas recostou-se, a boca aberta. "Você está dormindo com ele?"
"O quê?" Eu corei e quase gritei: "Não!" Eu bufei uma risada
impressionada. "Ele não confia em mim para não o roubar, então ele
me disse que enquanto eu ficar com ele que nós vamos estar dormindo
no mesmo quarto. Eu durmo na cama, e ele dorme no sofá-cama." Ela
não parecia convencida. Tomei um gole em minha água, a minha boca
de repente estava seca. "Eu juro que não estamos transando, Nas. Eu
juro."
Um pequeno sorriso enfeitou seu rosto bonito. "Eu honestamente
não me importo se vocês estivessem; é só que ele não deixa ninguém..."
Ela desapareceu, sacudindo a cabeça, de repente, sorrindo como um
mergulhão. "Você não tem ideia de que grande negócio é, Mina. Mas
nós não temos tempo para isso, então não importa." Ela limpou a
garganta, sentando-se em linha reta. "Certo, então, flertando uma zero
com Nas está iniciado oficialmente." Ela piscou. "Tome nota, pequena
Mina. Mulheres matariam para a informação que eu estou prestes a
dar-lhe. "
Mina lentamente estava de volta. "Eu ainda não entendo por que
eu preciso saber essas coisas."
Então Nas disse as palavras mágicas. "Eu garanto que suas
gorjetas vão triplicar." Bem, isso me chamou a atenção. Ouvi
atentamente.
Ela começou. "Regra número um: Incline-se e diminua a
distância. Você vai querer chegar perto dos homens com quem você
está flertando. Sorria e dê-lhes a sua atenção. Não se esqueça de fazer
contato visual." Ela se inclinou sobre a mesa e, sorrindo timidamente,
bateu os cílios, tocando meu braço. "Toques ligeiros estão bem, apenas
faça parecer que você não podia ouvir sua ordem sobre a música. Se
eles te elogiarem, feche seus cílios e sorria timidamente. Os homens
amam os tipos inocentes."
Parecia simples. "OK. Isso não parece muito difícil de lembrar. "
"Nunca, e quero dizer nunca, de o seu nome na primeira bebida.
Vai mantê-los a voltar para mais e eles vão pedir uma e outra vez só
para ter um minuto de sua atenção." Ela continuou: "Eu aconselho
você a começar a chamar-se Gypsy a partir de agora, como uma
espécie de nome artístico. Tem homens que pensam que você é
selvagem e de espírito livre e toda essa merda." Revirei os olhos e ela
me repreendeu. "Ei, esses homens estão ajudando a pagar o seu
salário."
Oh, ela não precisava me dizer. Eu sabia disso, e eu estava além
de apreciativa, mas parecia que estávamos tratando estes homens
como se fossem estúpidos.
"Se um cara lhe dá uma boa gorjeta, agradeça a ele, dobre o
dinheiro e coloque-o em seu sutiã bem na frente dele. É como fazer um
pequeno show para ele. Se ele está se sentindo generoso e deixa uma
muito boa gorjeta, debruce sobre o balcão, agarre sua camisa em um
punho apertado, puxe-o para perto, e beije seu rosto bem devagar. Os
homens são bananas para essa porcaria." Eu não tinha certeza que eu
faria isso, mas era bom saber. Ouvi atentamente enquanto ela
explicava a arte de flertar. "Palavras de cautela, porém: não ofereça
qualquer coisa que você não está disposta a dar. Você dá-lhes uma
polegada, e eles vão ter uma milha. Nunca beije um patrono nos lábios.
Ele vai levá-lo como um convite e, possivelmente, querer mais." Suas
sobrancelhas subiram. "Isso não vai acabar bem." Eu assenti. Sim, eu
podia ver que terminaria mal.
Nós terminamos quando as nossas refeições chegaram. "E isso
conclui as nossas aulas para o dia." Ela sorriu, olhando meu olho no
minha fettuccini Alfredo com abacate avidamente. "Coma."
Eu comia com entusiasmo, e ela riu enquanto eu gemia durante
toda a minha refeição. Quando terminamos, eu gemia e apertava
minha barriga. "Oh, Deus, estou tão cheia." Então eu ri. "Eu nunca
pensei que eu iria me ouvir dizer isso."
Ela sorriu, empurrando o queixo em direção a mim. "Você está
parecendo muito melhor."
Eu esfreguei minha barriga com orgulho. "Já ganhei um quilo e
oitocentos essa semana." Seus lábios franzidos como se ela estivesse
impressionada. "Um quilo a mais para chegar ao meu peso normal."
Seu sorriso estava aquecido. "Nós vamos chegar lá, Mina."
Ela disse como se fôssemos um time. Como se ela fosse me ver.
Como se estivéssemos mais que associadas. Como se fôssemos amigas.
Isso ondulava como um estrondo bem no centro do meu peito. Eu
valorizava a amizade, especialmente porque eu não tinha tido isso em
um tempo tão longo. Eu percebi que eu não estava mais sozinha, e
ninguém jamais iria entender como humilhante a sensação era. A
maioria iria levá-la para concedido.
Eu nunca faria isso. Do fundo do meu coração, eu jurei.
Sábado chegou e, ciente de que eu estaria atendendo a oito
homens barulhentos, eu me vesti em conformidade.
Eu usava minhas apertadas calças skinni, uma blusa branca
cigana que mostrou uma pequena quantidade de minha barriga, e
sandálias brancas de tiras, de couro liso. A blusa era fina de algodão,
de mangas compridas, e decoradas com flores em azul marinho
bordadas. Nas tinha me dado uma tiara que ela tinha comprado, mas
nunca tinha usado que ela me informou era boho chique.
Eu não sabia o que era boho chique, mas Nas jurou que iria
terminar o meu olhar cigano.
A tiara atravessou o centro da minha testa e sobre a coroa do
meu crânio, foi feita de uma corrente de prata fina, tinha um outro fio
de corrente de fuga no meio da minha parte, segurando-o, e tinha
pequenas moedas ligadas aos lados por minhas sobrancelhas. As
moedas tilintaram levemente, e foi um pouco perturbador, mas quando
eu olhei para mim mesma no espelho, ele não parecia tão ridículo
quanto eu pensei que poderia.
Nas me instruiu a aplicar três camadas de rímel para alongar os
cílios longos e terminar com o batom vermelho brilhante que ela tinha
me dado.
Levou um monte de correção para obter o batom direito, e eu senti
a necessidade de correr minha língua sobre os dentes um pouco. O
pensamento de sorrir brilhantemente com dentes manchados de
vermelho era absolutamente mortificante. Eu verifiquei meus dentes
dez vezes antes que eu fiz o meu caminho lá embaixo, com o casaco na
mão.
Como previsto, Lev estava lá embaixo na cozinha, segurando
Lidiya. Só que desta vez, quando eu entrei e ela segurou as mãozinhas
para mim, eu me aproximei, tirei-a de Lev, e abracei com força. "Hey
lá, docinho," eu murmurei, pressionando minha bochecha para o topo
da sua cabeça, respirando seu perfume doce. Fechei os olhos, levando-
se em seu calor. "Meu Deus, você é uma menina grande."
Lev, que ali estava, não mostrou uma polegada de preocupação
me olhando com sua filha, deu um passo mais perto. "Aqui, eu vou
levá-la. Sei que ela é um pouco pesada. "
Mas eu a abracei. "Pesada? Ela é adoravelmente gordinha, é o que
ela é." Lidiya chupou seu dedo polegar, inclinando a cabeça no meu
ombro. Uma onda de carinho assumiu. "Oh, você está ganhando
pontos principais que estão comigo, pequena miss. Você me tem
enrolada em seu dedo mindinho ".
Todas as manhãs, quando Lev desaparecia para trabalhar fora, eu
me levantei e passei algum tempo com Mirella e Lidiya. Nós tínhamos
ido em caminhadas em torno do complexo juntas, jogado blocos e
bonecos juntos, tivemos chás exclusivos, e na ocasião rara, eu mesma
deixei Lidiya me alimentar.
Mirella sorrindo me disse que eu iria estragá-la se eu continuasse
a tratá-la como uma princesa. Eu respondi que as meninas não devem
ser tratadas como qualquer coisa, mas princesas. Algo me disse que eu
tinha ganhado oficialmente a mulher mais velha com essa observação,
mas isso não importa para mim. Foi como eu realmente me sentia.
A porta traseira se abriu e Viktor veio dentro, seguido por Anika e
Nas. Eu era provavelmente a única pessoa que viu o brilho dos olhos
de Anika. Nós nos cumprimentamos, e os recém-chegados todos
adoravam Lidiya, como de costume.
Quando Anika se adiantou e estendeu os braços para Lidiya, a
menina virou a cabeça no meu pescoço e me segurou. Eu vi a decepção
nos olhos da bela ruiva, e tontura correu através de mim. Mas a
vergonha seguiu.
Ela estava visivelmente chateada, depois de tudo.
Eu tentei fazer uma piada sobre isso. "Ela provavelmente pensa
que estamos em volta da mesma idade, sendo que eu sou o mais
próximo de altura com ela."
Anika piscou, sorrindo para mim. Mas não havia calor naquele
sorriso. Eu tenho a sensação de que ela pensou que eu estava a
ultrapassando em grande forma.
Mirella desceu depois de seu chuveiro e pegou Lidiya de mim, mas
a menina não queria ir. Depois que ela começou a mexer, eu me ofereci
para colocá-la na cama pela segunda vez essa semana. Mirella
evidentemente não queria colocar Lidiya para a cama em um estado de
angústia. Eu não a culpo.
Eu subi as escadas quando Lidiya começou a cochilar. Mirella
silenciosamente estendeu a mão para ela e eu entreguei a princesa
gordinha. Acenei silenciosamente, e Mirella devolveu. Eu desci as
escadas e entrei na cozinha, assim como Anika comentou: "Então Mina
está muito aqui."
Nem Lev nem Nas sentiu a necessidade de explicar, e nem eu,
francamente. Ao invés de dizer a ela que ela estava sendo óbvia de uma
forma hedionda, eu sorri. "Quem está pronto para fazer hoje à noite
sua cadela? Eu estou. Vamos lá."
Jogando como anfitriã foi interessante.
Nas estava certa sobre o flerte. Os meninos não poderiam ter sido
mais generosos. Eu fiz asneira um par de vezes, mas teve a graça de rir
de mim mesma. Minha desculpa para a ordem de estar confusa "Bem,
se vocês não fossem tão bonitos, uma menina poderia trabalhar sem
distração, você sabe?"
Com desculpas comuns como essa, minha encantadora festa
elevou as dicas a um ritmo alarmante, deixando mais para mim do que
o que eles realmente gastaram em bebidas.
Minhas bochechas doíam de tanto sorrir, mas valeu a pena
quando eu soube que eu tinha ganhado um pouco mais de US $ 400
em gorjetas.
Lev ficou de olho em mim, levantando-se para me verificar cada
vez. Fiquei imaginando o que ele realmente faz aqui no clube. Desde a
aparência das coisas, tudo o que ele fez foi assistir ao show todas as
noites.
Depois de um dos meninos tinha agarrado meu pulso e me puxou
para perto, eu entrei em pânico. Mas quando eu me lembrei que eles
tinham tido muito para beber e obter caricias veio com o território, eu
colei outro sorriso largo no rosto, inclinei-me perto, e ouvi a gama de
elogios que o homem quis me dizer. Depois que ele foi ouvido, ele me
soltou e o alívio passou por mim. Eu pisquei para ele através de cílios
abaixados, andei para trás, e soprei ao homem um beijo.
Eu não sei por que eu estava tão contra isso. Este material
flertando era fácil. Eu tinha-o para baixo.
Andando para trás, eu caminhava em linha reta em uma parede.
Olhei para cima para ver que a parede olhando para o homem que
queria me dizer como eu era bela. Virei-me e sorri para ele. "Eu estou
matando-o!"
Mas Lev, olhando perigosamente bonito em seu terno cinza de três
peças, manteve o nível de brilho no homem. "Ele colocou as mãos em
você."
Sinos de alerta foi foram em minha cabeça. Meu sorriso
desapareceu quando eu coloquei a mão em seu peito. "Ei, está tudo
bem. Eles estão apenas tendo um pouco de diversão. "
Seu olhar se desvaneceu quando ele olhou para mim. "Você
parecia assustada." Oh. Se eu tivesse?
Isso significava que ele estava me observando. Eu não podia
sequer pensar nisso agora. Eu tive que acalmar um Lev com olhar
assassino.
Seus olhos caíram no chão quando ele pediu um hesitante, "Você
estava com medo?"
Meu ombro pulou em um pequeno encolher de ombros. "Eu não
estou acostumada com as pessoas me tocando, é tudo. Isso me
assustou por cerca de um segundo breve, mas eu pensei sobre isso e
eu estou bem com isso." Eu senti a necessidade de defender o homem.
"Ele não me machucou, Lev."
"Eu não gosto deles tocarem você."
Essa foi uma declaração ousada se eu nunca ouvi uma. Seus
olhos, em ardência, passou por cima da minha cabeça, de volta para o
homem. Minha mão ainda em seu peito, me virei para ver o grupo de
homens assistindo Lev, todos olhando tensos e inquietos.
Lev fechou suas mãos e deu um passo adiante, na direção dos
homens.
Eu não podia acreditar no que estava vendo. Lev doce ficar todo
irritado sobre alguns caras aleatórios? Eu não entendi. Este não era o
homem que eu tinha visto durante a semana passada. Esta era outra
pessoa. Alguém assustador.
"Hey!", Eu gritei por cima da música, empurrando minha mão
contra o peito dele para impedi-lo de ir até lá. Ele olhou para mim,
seus olhos suavizando, e ele se acalmou, me deu um sorriso
tranquilizador, batendo no peito de sua jaqueta. "Eu estou bem." Eu ri
baixinho. "Está tudo bem, Lev. Eu posso lidar com eles. "
Ele não parecia convencido. "Eu vou ficar de olho em você."
Eu não queria testá-lo. Agora não. Ele olhava como uma bomba
definida para sair ao menor toque.
"Ok", eu disse e voltei para o bar, confusa sobre a reação que
esses homens tinham cravado em Lev.
O resto da noite foi esplendidamente, e meu sutiã estava cheio até
a borda com dinheiro. Minha atuação foi de esquerda até a volta de
duas horas com sorrisos largos, mas eu não iria deixá-los sair sem
chamar táxis para eles primeiro. O futuro noivo beijou a minha mão e
me agradeceu por uma grande noite. Era bom ser apreciada.
Quando os limpadores tinham entrado e todo mundo estava se
preparando para sair, Sasha saiu da porta atrás do bar, e informou
que ele estaria ficando para trás um tempo. Liguei meu braço através
de Lev e acenei adeus a Anika e Viktor.
Anika, olhando para o meu braço enganchado em torno de Lev,
sorriu e ofereceu: "Ei, Mina, eu posso te levar para casa." Oh meu.
Sim. Era óbvio. Ela tinha definido seu boné para Lev. O que era
engraçado era que ela pensou que eu era concorrência. Ela era linda.
Eu não poderia competir com isso.
Lev, parecendo confuso, proferiu: "Isso não faria sentido, Anika,
desde que Mina está vivendo comigo."
A pobre pomba empalideceu alguns tons. Ela engoliu em seco
antes de virar para Nas e acusando.
"Oh. Desculpe. Ninguém me disse. "
Nas olhou para sua amiga duro. Eu estava orgulhosa de sua
resposta. "Bem, Ani, que seria, porque não é da sua maldita conta."
Um arrepio de satisfação passou por mim quando eu fui levada
para o carro por Lev em completo silêncio.
Na manhã seguinte, quando Lev acordou eu encontrei-me
acordando ao mesmo tempo. Eu estava cansada de passar meus dias
na cama. Tinha que haver coisas melhores a fazer do que dormir o dia
inteiro. Mas se houvesse, eu ainda estava para encontrar uma
atividade tão agradável que superasse o sono.
Com a porta do quarto aberta, eu assumi que Lev já havia deixado
o quarto. Eu bocejei, deslizando para fora da cama e caminhando até o
banheiro para lavar o rosto e escovar os dentes. Assim, quando eu abri
a porta, o chuveiro estava ligado e eu fiquei rígida com a visão de Lev
nu de costas.
Suas costas firmes, musculosas por trás e longas e grossas
pernas.
Oh, Jesus.
Meus seios pequenos apertaram e meu estômago mergulhou
violentamente. De repente bem acordada, agarrei a maçaneta da porta
até meus dedos ficarem brancos, e pisquei à visão celestial.
Ele deve ter sentido meus olhos nele, porque, de costas para mim,
ele virou a cabeça, pegando meus olhos abaixo da sua cintura.
Merda. Eu fui pega, olhos grandes como pires e boca aberta. Eu
levantei meu rosto para olhar para o seu.
Lembrei-me de James. Lembrei-me de ser íntima de James. Eu
poderia descrever a você todos os aspectos de seu corpo em detalhe.
Mas a visão do corpo nu de Lev tinha me fazendo esquecer até mesmo
o meu nome.
James era um menino.
Lev era todo homem.
Suas costas largas onduladas, e eu queria esfregar esses ombros
nus,e volumosos. Eu queria correr minhas mãos por todo o corpo,
para ter o privilégio de tocar em qualquer lugar que ele me deixasse.
O ponto sensível entre as minhas pernas pulsava levemente.
Ele me observou observando-o, e sua sobrancelha ergueu-se
lentamente em questão.
Engoli em seco e minha língua parecia que era feita de areia. Meu
corpo estava quente por toda parte. Eu sussurrei. "Eu só queria
escovar meus dentes."
Seus olhos em mim, ele ficou em silêncio por um momento. "Ok",
ele falou quando ele entrou no chuveiro, vapor ondulando em torno de
nós. O vidro fosco em torno do chuveiro não fez nada para manter a
minha imaginação mansa.
Lev era um borrão, mas na minha mente, eu podia ver cada
contorno forte, poderoso de seu corpo como se o vidro nem estivesse lá.
E que visão era. Impressionante, fantasia como era.
Parte de mim queria escancarar a porta do chuveiro e olhar
dentro até que fosse suficiente.
Fiquei imaginando qual seria a reação de Lev a isso. Será que ele
se ofenderia, ou ele estaria lisonjeado? Será que o seu corpo
responderia aos olhares gritantes de apreciação? Colocando minha
mão onde eu mais precisava, eu apertei minhas pernas juntas,
desesperada para encontrar alívio para o latejar maçante. Tudo o que
eu realmente consegui fazer era deixar meus mamilos mais duros.
Fechei os olhos, mordendo o interior do meu lábio, saboreando o fluxo
quente que tomou conta do meu corpo. Talvez ele me puxe para baixo
do spray, tome a minha boca em um beijo profundo e feroz, e leve-me
contra a parede fria do chuveiro.
Okay, certo.
Tirei minha mão entre as minhas pernas, fazendo meu caminho
para o espelho do banheiro. Revirando os olhos com o pensamento
louco, eu limpei o vidro nebuloso e olhei para o meu reflexo. Era óbvio
que eu nunca iria descobrir qual a reação de Lev teria sido. Eu não era
tão aventureira. Ele provavelmente me pediria para sair dessa maneira
educada entediada que só Lev poderia retirar, deixando-me humilhada.
Eu já tinha humilhação suficiente para durar uma vida. Esta era
a minha vez de brilhar, e se eu queria companhia masculina, eu teria
que procurar em outro lugar.
Meu coração pulou dolorosamente. Tornava-se claro que eu sentia
algo por Lev. Passei os últimos dias tentando negar o fato, mas eu não
podia mais mentir para mim mesma. Por que mais minha barriga
torceria em nós quando Anika estava por perto, tocando Lev e
pressionando-se contra ele?
Pensei isso na minha mente. Eu disse-me que talvez eu tinha um
respeito profundo por Lev, porque ele passou a ser a pessoa que me
salvou. Talvez se Sasha fosse a pessoa a ter me ajudado, eu me
sentiria da mesma maneira por ele como eu faço Lev.
Meu nariz franziu. Eu entendi que nossas circunstâncias eram
diferentes do comum, mas de alguma forma, eu duvidava seriamente
que eu sentiria por Sasha da mesma forma como eu me sentia sobre
Lev.
Era mais do que uma aliança, não é bem uma amizade. Ainda
não, de qualquer maneira.
Depois de falar com Nas na semana anterior, eu rapidamente vim
a perceber que a menos que eu fosse a pessoa a fazer o esforço, Lev e
eu iríamos permanecer nesse convívio ocasional. E eu queria mais do
que isso. Eu queria falar com Lev sem sentir que eu estivesse me
intrometendo ou curiosa. Eu queria Lev para se sentir confortável
comigo. Eu queria uma amizade.
E mais do que tudo, eu queria fazê-lo sorrir. Atualmente, Lidiya
era a única pessoa que poderia forçar uma resposta feliz com ele. Eu
queria mudar isso.
Droga. Eu estava ultrapassando. Eu sabia disso. Mas agora era a
minha missão. Eu daria qualquer coisa para ouvi-lo rir. Eu tinha a
sensação de que seria inovador.
Com um suspiro, eu suspirei, peguei minha escova de dentes,
escovei os dentes, lavei com antisséptico bucal, e, em seguida, sai do
banheiro para me sentar na cama e esperar a volta de Lev.
Eu tinha uma proposta para ele.
Deitada de costas na cama, eu não tive que esperar muito tempo
para a porta abrir e ver Lev sair do banheiro, vestindo calças pretas e
uma camiseta branca apertada. A condensação no seu corpo causando
a camisa para ficar colada, e eu poderia facilmente ver seus planos,
mamilos escuros através do material fino.
"Vai treinar fora?" Eu quase resmunguei quando eu me mudei
para sentar-me.
Ele soltou um grunhido afirmativo, sentado na beira do sofá para
colocar suas meias e tênis.
Então ele olhou para mim, seus olhos de mel se estreitaram em
suspeita. "Você acordou cedo."
Meu lábio contraiu. "Você diz isso como se eu tivesse um motivo."
Eu sorri e soltei uma divertida, "Ok, bem, eu meio que tenho."
Essa declaração chamou sua atenção. Os cotovelos sobre os
joelhos, com os braços pendurados para baixo entre as pernas abertas,
ele perguntou com cautela, "O que você precisa?"
Eu precisava de muito mais do que ele tinha para oferecer, de
preferência aqueles lábios carnudos sobre o meu.
"Eu preciso" Fiz uma pausa, fixando os olhos com meu olhar,
"tempo para conhecer você."
Perplexidade atravessou seu rosto. "Eu não entendo."
Isso, eu estava vindo para aprender, era uma de suas frases
favoritas. A outra é 'entendo’.
"Eu vivo aqui há quase duas semanas agora. Nós estivemos sob os
narizes um do outro, trabalhando juntos, comendo juntos, vivendo
junto, e ainda assim, eu não sei uma coisa sobre você, Lev. E eu
gostaria. "
Suas sobrancelhas se baixaram. "Entendo."
E com isso, eu quase explodi em um ataque de riso. Mas em vez
disso, eu mostrei um brilhante sorriso. "Você vai almoçar comigo hoje?
Conversaremos. Vamos conhecer um aos outro um pouco melhor. Ir
mais profundo do que a superfície."
Seu rosto perdeu toda a expressão e, por algum motivo, a
ansiedade irradiava dele.
Eu não podia lidar com isso. Eu fiz meu caminho até ele, pegando
sua mão e sentando ao seu lado. Falei suavemente: "Por que você se
desliga quando eu pergunto sobre você mesmo?"
Sua garganta trabalhava, e sua resposta ia ficar comigo para
sempre. Sua voz igualmente macia, ele murmurou, "Eu não sei como
falar com as pessoas, Mina." Ele apertou minha mão levemente. "Estou
preocupado que eu vou estragar tudo, decepcioná-la."
Minha resposta foi tranquila, mas feroz. "Você pode falar comigo
sobre qualquer coisa. Eu não acho que você poderia me decepcionar,
mesmo se você tentasse. Eu só quero uma conversa honesta. "
Olhando para as nossas mãos, correu o polegar sobre o meu, se
endireitou, e admitiu: "Tudo bem. Sim." Ele fez uma pausa e
acrescentou:" Eu gostaria de almoçar com você, Mina ".
Meus ombros agrupados no tempo com o meu nariz e, levantando
os braços para o alto, eu aplaudia.
"Uhul!"
Ele olhou para mim, e quando ele olhou para mim como se eu
fosse louca, eu derrubei minha cabeça para trás e ri, apenas feliz por
estar compartilhando este momento com ele. Fiquei reunindo algumas
roupas e caminhei até o banheiro. "Uma hora?"
Ele inclinou a cabeça. "Uma hora."
Sentindo quantidades iguais de alívio e alegria, eu fechei a porta
atrás de mim e lavei fora minha longa noite.

A manhã se arrastava, principalmente porque Mirella tinha


tomado Lidiya em uma excursão de dia e eu não consegui ver a
queridinha antes de sair. Nas veio por volta das onze, e sem proferir
uma única sílaba, ela sentou-se à mesa da cozinha de Lev, seus óculos
de sol cobrindo os olhos, e jogou um saco de papel sobre a mesa.
Eu bufei uma risada e perguntei em um sussurro, "não dormiu
bem?"
Ela tirou os óculos, estremecendo quando a luz solar tocou seus
olhos vermelhos, mas ela sorriu astuciosamente,
"Eu não dormi nada."
Levei um segundo para obtê-lo. E quando o fiz, eu me inclinei
sobre a mesa e empurrei-a. "Você sua cadela. Era alguém que eu
conheço? "
Ela encolheu os ombros. "Provavelmente."
Olhei para ela. "E você não está dizendo?" Ela balançou a cabeça,
um sorriso de Mona Lisa aparecendo em seus lábios. "Tudo bem", eu
disse. "Pelo menos me diga se ele era bom."
"Mmmm", ela cantarolou, fechando os olhos lentamente. "Era
exatamente o que eu precisava. Ele foi incrível. Um Deus."
Meus lábios franzidos em um bico. "Eu quero alguém incrível. Eu
quero um deus. "Eu pisquei para ela. "O que está errado comigo?"
Nas riu. "Pelo olhar, você está com sede, kukla."
"Huh?"
"Você precisa de um copo de água."
Eu estava começando a ficar com dor de cabeça. Esfreguei minhas
têmporas. "Inglês, Nas. Por favor."
Ela bufou um suspiro irritado e me atirou com os olhos. "Você
está com tesão."
"Não, eu não estou", objetei um pouco rápido demais.
"É totalmente natural querer o D, Mina. Nada para se
envergonhar. Tem sido um longo tempo. Você apenas tem sua vida de
volta." Ela assegurou:" Você tem vinte e quatro anos de idade. Não há
problema em querer sexo."
Pisquei à mesa, pensando muito. "Você sabe, provavelmente você
está certa. Mas eu acho que não é o que eu quero em tudo. É apenas a
ideia de que é poderoso atraente." Eu ri. "Conhecendo minha sorte, eu
vou ficar com um cara que não sabe como levar uma mulher lá. Então,
é claro, eu fingiria que ele o fez para não se sentir mal, e acabando
sentindo duas vezes mais tesão, indo para casa e passando
rapidamente o feijão." Eu fiz uma careta.
"Não é o ideal."
Nas ficou de boca aberta para mim, seus olhos se estreitaram e
seu lábio enrolado. Finalmente, ela teorizou: "Você está louca porra."
"Eu sei", eu suspirei.
Eu abri a bolsa em cima da mesa para encontrar um lote de seus
muffins de mirtilo que Ada tinha feito. Mesmo que eu queria mantê-los
todos para mim, eu relutantemente ofereci um para Nas, que riu da
minha oferta, obviamente forçada. Ela levou um de qualquer maneira.
Nós conversamos sobre uma xícara de café e percebi que o tempo voou
quando a porta se abriu.
Ambos Nas e eu nos viramos para ver Lev caminhar dentro. Ele
olhou para sua irmã e seus olhos duros ficaram quente. "Bom dia,
Nastasia. Você está se juntando a nós para o almoço? "
"Almoço?" Ela se animou. Virei-me e fiz uma careta para ela. Suas
sobrancelhas subiram em surpresa. "Acho que não."
"Da próxima vez", ele murmurou antes de se virar para mim. "Eu
preciso tomar banho. Vamos sair em dez minutos. "
" Ok," eu respirei, olhando diretamente para o peito largo coberto.
Quando ele subiu as escadas, Nas beliscou-me e sussurrou, "Você
tem uma coisa por Lev! "
"Ow, que dor!" Gritei, esfregando o meu braço. "Eu finalmente
tenho a coragem de pedir-lhe para o almoço. Nós vamos nos conhecer
um aos outro.“ Eu prometi: "Eu não vou deixá-lo me evitar mais. Nós
vamos ser amigos."
Nas advertiu, "Lev não faz amizade."
Olhei para a porta que ele saiu e declarei resolutamente: "Bem, eu
vou mudar isso."
Nas saiu antes de Lev ter acabado o banho, dando-me um
momento para aplicar um creme hidratante colorido, rímel, e claro lip-
gloss. Eu escovei meus cabelos e deixei-o para baixo. Não era mais
reto, mas em cascata nas minhas costas em ondas soltas.
Eu mudei para o vestido de verão azul marinho que tinha
comprado dois dias antes, depois de convencer Nas em me levar para
outro brechó, jogando um blazer branco estilo anos 80 por cima e
escorreguei nos meus brancos mary janes de salto baixo. Nas agiu
irritada que eu fiz ela vir, mas ela saiu com uma impressionante bolsa
Glomesh vintage dos anos setenta.
Eu sorri para ela. Ela cuspiu hipersensível, "Hey, estes estão de
volta na moda!"
Quando estávamos saindo, Mirella parou na calçada. Ela trouxe
Lidiya para fora, e no momento ela viu o pai dela, seus braços saíram
em direção a ele e ela começou a balbuciar, "Otet! Otet! Otet! "
Ele olhou para mim, em seguida, de volta para ela, e eu sabia que
estava perdendo ele. Não havia concorrência quando se tratava de
Lidiya. Eu entendi isso. E para ser honesta, eu respeitava isso.
Em vez de perder a minha hora de almoço, eu coloquei minha
mão em seu braço e sugeri: "Talvez Mirella poderia ter uma tarde de
folga." Em seu olhar confuso, eu sugeri, "Vamos levar Lidiya conosco.
Nós vamos trazer uma manta de piquenique, alguns de seus
brinquedos, almoçar, e comer no parque. "
Ele olhou de mim para Lidiya, em seguida, de volta para mim.
"Você tem certeza? Ela é exigente quando se trata de minha atenção".
Eu não a culpo. Ele era muito maravilhoso. Sorrindo, eu assegurei
a ele: "Eu quero Lidiya para vir. Eu a amo. "
"Ok", afirmou com um aceno de cabeça firme. E quando ele foi até
sua filha, ele sorriu, levando a gordinha em seus braços, e eu sabia
que tinha feito a coisa certa.
Lev dirigiu por três parques antes de encontrar um que ele
considerava adequado. Quando eu apontei os dois primeiros, ele
baixou os óculos de sol, olhou para fora da minha janela, balançou a
cabeça e murmurou: "Muito cheio".
Quando ele fazia coisas como esta, eu me lembrava que, embora
parecia estranho para mim, eu não conhecia este homem, daí a
finalidade de hoje. Gostaria de sentar e deixá-lo fazer as coisas à sua
maneira. Eu tinha todo o tempo do mundo para Lev e suas
excentricidades.
Eu ajudei Lidiya para fora do carro, peguei a mãozinha, e esperei
por Lev para recuperar o cobertor e cesta de piquenique e liderar o
caminho. Ele nos acompanhou um curto caminho do carro para um
pequeno bosque de árvores na periferia da vegetação. Quando Lidiya
puxou minha mão, eu a peguei e abracei-a, dando a Lev o tempo para
esticar o cobertor de lã grosso e colocar a cesta.
Lidiya se contorceu para ser solta e, com relutância, eu deixei-a ir.
O momento em que ela escapou da minha mão, suas pernas gordinhas
a levaram para longe de nós a uma velocidade surpreendente para
alguém com tais pés minúsculos. Um suspiro escapou de mim, e eu fui
ir atrás dela, mas Lev me parou com uma mão no meu braço. "Ela está
bem. Ela nunca vai longe.
Ele era o pai dela. Ele a conhecia melhor do que eu, mas ainda
assim, eu me preocupava.
"Tem certeza?" perguntei, hesitante enquanto eu mantive um olho
afiado sobre ela. Ela tinha encontrado uma folha que era de seu
agrado. Eu sabia disso porque ela estava ali extasiada, sorrindo para
ela como se fosse um rubi brilhando ao sol. Ela segurou-a
delicadamente em sua mão desajeitada e virou, correndo de volta para
nós com sua mão levantada acima de sua cabeça para nos mostrar os
seus despojos.
Meu coração acelerou retardado. Eu olhei para Lev, que sorriu
para a menina. "Obrigado, Lidi. É adorável."
Ela fugiu uma segunda vez, mas eu vi que ela parou na mesma
distância que ela tinha antes, como se ela conscientemente soubesse
que ir mais longe estava indo longe demais.
Uma mão quente se fechou ao meu redor e eu virei. Lev fez sinal
para o cobertor. "Sente."
Eu estava prestes a dizer-lhe que não precisava de ajuda, mas
quando eu percebi que eu estava usando um vestido, eu decidi contra
ela. Eu não queria mostrar a Lev nenhuma marca da minha calcinha
branca. Não hoje, de qualquer maneira.
Com a sua ajuda, eu me sentei tão graciosamente quanto possível
sem mostrar minha calcinha, e ele sentou-se tão perto de mim quanto
podia sem realmente me tocar. Foi um dia lindo, e com as árvores na
qualidade de sombra, foi positivamente delicioso. Nós dois viramos a
cabeça para assistir Lidi quando ela interpretava uma distância segura
e ficava. Lev abriu a cesta de piquenique, começou a remover itens, e
entregou-os para mim.
Quando Lev disse a Mirella que tínhamos planejado roubar sua
ala para a tarde, ela insistiu em colocar uma cesta de piquenique para
nós em vez de ter-nos comprando alguma coisa para comer. Eu estava
bem com isso. Quero dizer, Mirella tinha feito brindes para mim de vez
em quando, e ela era muito boa nisso. Eu tinha certeza que ela poderia
fazer sanduíches com facilidade. Dentro de dez minutos, tivemos uma
cesta de piquenique relativamente completa, uma boneca e bola para
Lidiya jogar se ela se cansasse, seu cobertor no caso de ela se sentir
sonolenta, e garrafas de água para saborear.
Quando Lev me entregou itens, coloquei na nossa frente. Mirella
tinha feito bem a embalagem de batatas fritas, sacos cheios de maçãs
cortadas, morangos, palitos de cenoura, tiras de pepino, pedaços de
queijo e biscoitos wafer-fino, sanduíches, alguns dos muffins de mirtilo
de Ada, e, por último, pedaços de brownie. Ele tirou garrafas de água e
me entregou uma. Abri, saboreando lentamente, olhando-o com o
canto do meu olho.
Ele tirou o paletó, colocando-o sobre a cesta por isso não iria tocar
o chão, em seguida, tirou as abotoaduras e arregaçou as mangas de
sua camisa para os cotovelos.
"Eu tenho a minha primeira pergunta." Eu sorri para mim
mesma. "Você sempre usa um terno?"
Ele inclinou a cabeça. "Sim, na maior parte." Eu esperei por mais
de uma explicação.
Eu não consegui nada.
Meus olhos se estreitaram, fiz um gesto com as mãos para ele me
contar mais.
Ele arqueou as sobrancelhas. "É isso aí. Não há mais. "
Eu zombei. "Oh, nós vamos ter que fazer melhor do que isso. Por
que você usa ternos o tempo todo? Você possui nada além de disso
para vestir? Como cerca de um par de jeans? "
Ele olhou para sua filha, que tinha recolhido um monte de folhas,
e respondeu: "Eu não sei por que usar ternos todos os tempos. É
hábito, suponho. E sim, eu possuo outros itens de vestuário, incluindo
um par de jeans." Oh meu.
O que eu daria para ver essa bunda em um par de jeans bem
ajustados. Gah!
"Ok." Eu estava satisfeita com essas respostas. Eu abri um saco,
peguei um pedaço de queijo, e joguei-o em minha boca. "Agora você faz
uma pergunta."
Ele não respondeu por um longo tempo, e por um momento, eu
não achei que ele faria, mas, em seguida, ele abriu a boca e falou,
clinicamente. "Você amou sua mãe?" Minha testa franziu.
Que tipo de pergunta é esta?
Eu respondi com facilidade. " Claro que eu amava minha mãe. Ela
era a melhor. O nome dela era Clara, e eu pareço com ela. "
"Ela era linda, então," Lev pronunciou, quase para si mesmo, e eu
estava revertida para o velho eu, virando a cabeça para me esconder
atrás de meu cabelo.
"Ela era linda, mas você sabe o que a fez deslumbrante?"
"O que?"
Eu me virei para encará-lo. "O sorriso dela." Eu sorri. "Ele era
contagiante. E quando ela ria, todo o seu corpo tremia em um alegre
movimento, coreografado. Era como se ela dançasse com sua risada.
Ela sorria o tempo todo, mesmo quando era difícil reunir, e ela riu
muito também." Minha garganta se engrossando quanto mais eu falava
dela, terminei em um sussurro, "Ela era pura luz do sol." "E depois ela
morreu." Foi tão mórbido e, portanto, rabugento que eu estremeci.
"E então ela morreu", eu confirmei com um aceno de cabeça.
"Tudo aconteceu tão rapidamente. Ela foi para os médicos com
dores de estômago e inchaço, e foi mal diagnosticada no início. Nós
descobrimos que ela tinha câncer de intestino, e já era tarde demais.
Eles nos disseram que ela tinha três meses. E u fiz uma careta com a
memória. "Ela quase não conseguiu dois."
"Me desculpe."
Dei de ombros então Lidiya voltou com outro punhado de folhas
para adicionar à coleção pequena que ela tinha reunido. Desta vez, ela
sentou-se, à direita no meu colo, e pegou o saco de fatias de maçã.
Abri para ela e entreguei-lhe uma fatia, colocando um braço em torno
de sua barriga e descansando minha bochecha em sua cabeça. "E seus
pais, Lev? Você não os mencionou. "
" Eles estão mortos ", afirmou, sem emoção.
Virei-me a pergunta de costas para ele. "Será que você os amou?"
Ele pegou uma folha de grama, com a testa junta. "Eu não
entendo o amor", ele começou. "O amor é apenas uma palavra."
Minhas sobrancelhas subiram em surpresa. Eu podia ver que ele
amava Lidiya, amava com tudo o que tinha dentro dele. Eu podia ver
que ele amava Nas, e até mesmo Sasha em sua própria maneira. Eu
não entendia como uma pessoa cercada por pessoas que o amavam
não entendia o amor. "Mas você ama Lidiya. Você ama Nas e Sasha. "
"Eu?" Ele questionou. "Eu me colocaria em perigo para vê-los
felizes. Eu daria a minha vida para vê-los seguros. Eu gostaria. Isso é
amor? Talvez." Sua cabeça inclinada para o lado. "Talvez seja mais".
Lidiya comeu, balbuciando calmamente, entregando-me coisas
que achei fascinante, como a tampa para minha garrafa de água. Eu
ponderei suas palavras em silêncio e quando eu pensei que eu entendi,
eu falei suavemente.
"Você acredita em amor do verbo. Não o amor da palavra." Seu
rosto girou e ele olhou para mim como se ele ficasse chocado que eu
entendi. Eu acrescentei, "O amor, a ação. Não o amor, a emoção
aguada. "
" Sim ", ele proferiu, boquiaberto.
Eu poderia te amar, Lev Leokov.
O pensamento me pegou de surpresa. E me animava e me
aterrorizava, ao mesmo tempo.
Mordi o interior do meu lábio. "Entendi."
Meu foco foi atraído para a menina, comendo seu peso em fatias
de maçã, mas eu senti seus olhos em mim.
Girando os dedos pelos doces cachos de Lidiya, eu a abracei,
usando-a como uma distração.
A Intensidade de seu pai estava me matando.
"Antes, quando você tinha uma casa, você estava pensando em
faculdade?" A pergunta dele me surpreendeu.
"Sim", eu sorri. "Eu estava indo para ser uma fotógrafa. Gastar
todo o meu dinheiro em uma câmera e tirar fotos disto e daquilo. "Eu
sorri. "Vendendo minhas fotografias por milhares de dólares e sendo a
pessoa a quem procurar quando as pessoas na Vogue precisassem de
inspiração." Eu ri para mim mesma. "Esse era o sonho de qualquer
maneira."
"Do que você tira fotos?"
Lidiya tinha colocado o dedo em sua boca, pegou o cobertor, e
estabeleceu-se no meu peito, descansando a cabeça no meu ombro. Eu
beijei sua testa. "Eu queria tirar. Fotos de pessoas e situações que
fizeram as pessoas dar um olhar duas vezes. Eu queria ser imprudente
e irresponsável, e trazer a consciência para assuntos que eram muitas
vezes esquecidos." Eu dei de ombros, sacudindo acidentalmente Lidiya.
"Oh, desculpe, querida," eu sussurrei. "Eu queria fazer a diferença."
Lidiya, ficou doente da minha vibração e movimento, escolheu-se
a si mesma e se arrastou até seu pai, que já estava com os braços
abertos para ela. Dobrou-os ao redor dela, abraçando-a, e no momento
ela enfiou o nariz no lado do pescoço, ela fechou os olhos e suspirou,
cochilando quase imediatamente.
Sorri para o par, mas a visão desencadeou minha próxima
pergunta. "Onde está a mãe de Lidiya?" Eu perguntei cautelosamente.
"Eu sei que ela mora com ela, mas ninguém a menciona."
Sem pensar, ele respondeu através de um rosnado, "a mãe de
Lidiya é uma pobre desculpa para um ser humano, e assim que a
oportunidade se apresentar, Lidi viverá comigo para sempre."
Eu estava momentaneamente atordoada. Isto foi mais emoção que
eu já tinha visto dele. Eu não conseguia entender o que a mulher tinha
feito para ele que a odiava tanto. Eu tive que perguntar: "O que ela
fez?"
Seus lábios franziram e suas narinas mexeram, como se ele
estivesse tendo dificuldade em controlar a si mesmo. "Irina pensou que
poderia extorquir dinheiro de mim por ficar grávida. Ela tinha
adulterado preservativos, e eu nunca pensei em questioná-la. Eu
nunca tive que questionar uma mulher antes. Ela me ensinou quão
cheia de astúcia uma mulher poderia ser." Ele balançou a cabeça. "O
olhar de choque no rosto dela quando eu lhe disse que queria o bebê
era divertido. Depois disso, ela exigiu dinheiro para não interromper a
gravidez." Ele beijou a cabeça de Lidiya dormindo. "Ela nunca quis
Lidiya. Ela despreza-a. Mirella não é apenas a babá de Lidiya. "Ele me
lançou um olhar feroz. "Ela é sua guarda-costas."
"Oh, meu Deus", eu sussurrei, meu rosto pálido. "Será que ela a
machuca?"
"Não, ela não ousaria. Não com Mirella ao redor." Ele reajustou a
menina, abraçando-a. "É a razão pela qual eu a contratei. Mirella é
uma fuzileiro naval aposentado. Expliquei a nossa necessidade de
alguém que poderia agir sob pressão. Ela não permite Lidiya fora de
sua vista. Nunca."
Meus ombros despencaram de alívio. "Eu espero nunca conhecer
esta mulher. Eu gostaria de dar-lhe um pedaço da minha mente. "
"Você vai ter que entrar na fila", ele pronunciou, e a confusão
passou por mim, porque soava como se ele fez uma piada.
Ele nunca brincava.
Eu trabalhei desembrulhando um sanduíche e metade foi
entregue a ele. Ele tomou sem uma palavra e nós comemos em silêncio
um tempo antes de eu pensar em outra pergunta. "Espero que isso não
soe rude, mas eu estive pensando." Eu sorri através de uma careta,
sabendo que soaria rude. "O que exatamente você faz no clube?"
Seus olhos se fixaram nos meus, e eles sorriram. "À noite, eu
mantenho um olho sobre os patronos. Olho para fora para o problema.
Certifico se as pessoas estão tendo um bom tempo. Durante o dia, eu
cuido dos livros, transações e tal."
"Guarda-livros." Eu bufei levemente. "Quem teria pensado?
Quando eu penso sobre guarda-livros, vejo uma calvície em um
homem de meia-idade com uma barriga saliente, não alguém como
você. "
" Como eu?" Ele perguntou, sua perplexidade evidente.
Revirei os olhos em sua tentativa de modéstia. "Vamos, Lev. Você
deve saber que você é lindo. Se seus olhos não podiam hipnotizar
mulheres, o resto de você faria com certeza. "
Ele arqueou as sobrancelhas. "Você acha que eu sou bonito?"
Eu teria enfeitado ele, se não fosse a menina doce atualmente
usando-o como um colchão.
Em vez disso, eu peguei minha garrafa de água e bebi, mantendo
meu olho nele. Ele parecia sincero em sua descrença de que eu iria
encontrá-lo atraente.
A vida tinha um jeito de aprontar com você. Você tinha acabado
de estar sentada ali, perdido em um momento, quando, de repente,
uma sensação de frio varreu sua barriga e você perguntou a si mesma
se nunca viveu um dia em sua vida.
Estar vivo era fácil. Estar, por outro lado ... bem, isso era um
pouco mais difícil. Coragem subiu de dentro de mim, e meu coração
batia forte. Eu não tenho uma coisa a perder, então eu fui para ele.
"Você é o homem mais bonito que eu já vi, Lev. Mãos para baixo."
Ele piscou para mim por um longo momento, e então virou a
cabeça, olhando para a vegetação aberta. Seu rosto estava preso em
uma carranca. Em seguida, ele murmurou: "Tudo bem."
Saiu de uma forma que quase soou como se ele estivesse
assegurando-se, e doeu meu coração. Esperei um tempo, mas parecia
que ele tinha terminado de me questionar. Eu aproveitei. "Conte-me
sobre sua família."
Ele deu um longo suspiro e começou a falar quando ele exalou.
"Sasha é um idiota. Isso é tudo o que ele quer que as pessoas saibam
sobre ele. Ele tinha vinte e um anos quando meu pai morreu, e
assumiu elevando-nos. Ele perdeu muito de sua juventude tão de
repente que eu acho que ele nunca se recuperou da perda. Minha mãe
fugiu quando eu tinha oito anos. Nós nunca mais a vimos, o que
atingiu Nastasia relativamente duro. Ela era a favorita da mamãe." Um
pulsar maçante trabalhou no meu peito. Eu ansiava por esta família.
"Nastasia pode ser grossa, mas ela é uma das pessoas mais generosas
que conheço. Quando ela ama, ela ama tanto que dói. E eu sou grato
por isso. "
Eu sorri por ouvi-lo falar sobre sua irmã. "Por que ela não tem
namorado?"
"Como eu disse, ela ama tanto que dói. E Nastasia amou Viktor a
partir do momento em que éramos crianças. "
Sentei-me nesse ponto, a boca escancarada. "O quê? Vik Viktor?
Que Viktor? "
"O próprio." Ele estava gostando do meu espanto. Eu poderia
dizer.
Fiquei espantada com esta informação. Eu gaguejava, "Mas eles
nem sequer gostam um do outro!"
"Pelo contrário," Lev revelou. "Viktor ama muito Nastasia. Na
verdade, ele passa todas as noites em sua cama."
Eu ofegava em descrença. "De jeito nenhum!"
Ele deu de ombros, os olhos brilhando de alegria. "Ela acha que
ninguém sabe, mas muitas vezes, quando eu não consigo dormir, eu
ando em torno do complexo e seu carro está estacionado em frente de
sua casa. Cada única noite."
Meu Deus. Isso era com quem ela estava na noite anterior. O deus
que mantinha acordada com as suas competências em língua era Vik.
Mas então…
"Mas Nas diz como ele é um mulherengo." Eu estava perplexa.
Lev assentiu. "Ele é."
Minha cabeça estava começando a doer. "Eu não entendo. Por que
ela iria colocar-se com isso? Eu não faria isso. Ele estaria fora em sua
bunda. "
"Amor", ele aconselhou suavemente "é uma palavra. E às vezes as
pessoas que menos merecem são os que mais necessitam."
Ele estava certo, é claro. Esta conversa que estávamos tendo era
fácil. Quase demasiado fácil. Eu estava vindo a reconhecer que Lev
Leokov era um livro aberto. Eu só precisava descobrir o idioma em que
suas páginas foram escritas.
O piquenique improvisado chegou ao fim logo após Lidiya
adormecer. A coitada começou a suar no calor ameno, por isso, a
levamos para casa para terminar seu cochilo no conforto da sua
própria cama.
Deixei Lev fazer o que fosse que ele fazia durante as tardes e subi
para tomar banho e trocar para o trabalho. Eu decidi sobre o conforto
à classe e usava uma camiseta preta lisa sobre minhas calças jeans,
terminando com as botas pretas que iam claramente ser a minha
morte, isto é, se eu não pudesse aprender a andar nelas.
Era como andar sobre palafitas, pelo amor de Deus!
Eu arrumei meu cabelo longo, ondulado, levando-o em minhas
mãos e amassando-o enquanto eu levemente pulverizava com spray de
cabelo, e então eu lavei o rosto e reapliquei a maquiagem, engrossando
o delineador um pouco para efeito de olhos de gato dramático. Eu
levemente encobri com algo que era rosa e tinha cheiro de bolo, e o
perfume era tão delicioso que eu queria comê-lo.
Não se preocupe. Eu não fiz. Lamber meus lábios não contava.
Em meus pés descalços, eu pulei as escadas de dois em dois,
sendo tão calma quanto eu poderia, quando eu fiz o meu caminho para
a cozinha. Eu estava com fome e lembrei-me que havia pedaços de
brownie que tinham ficado de nosso almoço. Eu abri a geladeira,
segurei a porta e olhei para dentro, inclinando-me para obter um olhar
mais atento.
Os brownies tinham desaparecido.
Hmmm.
Olhei mais atentamente.
Então tinham as fatias de maçã, o queijo, e muffins de Ada.
Minha testa franziu. Eu não estava ficando louca. Eu sei que eu
os coloquei lá quando voltamos para a casa. Eu mesmo escondi os
brownies por trás do suco para ninguém os tocar.
Eu chequei novamente, olhando mais profundamente na geladeira
do que era necessário.
Não. Eles tinham ido embora.
A fruteira estava no balcão da cozinha, e embora tivesse bananas
maduras, maçãs e pêras brilhantes nela, eu queria esses malditos
brownies. Então eu comecei a procurá-los.
Enquanto eu estava lá embaixo, eu fui para verificar Lidiya, e
sorri quando vi Mirella sentada na cadeira ao lado da cama, lendo. Ela
me viu e levantou a mão em uma onda. Devolvi, meus olhos varrendo a
pequena princesa dormindo profundamente em sua cama de criança.
Isso deixou um só lugar.
Eu fiz meu caminho de volta até as escadas, mas virei à direita e
caminhei o comprimento do corredor em direção ao escritório de Lev.
Ele me disse que ia lá para trabalhar, mas eu tinha a suspeita de que
ele também pode ter outro motivo para ir lá em cima.
A porta estava aberta em uma fresta, menos de uma polegada, e
eu espreitei para dentro.
Eu sabia!
Eu abri a porta e soltei um vitorioso, "Peguei você." Lev fez uma
pausa, um brownie mordido a meio caminho de sua boca.
Meus pés me levaram até sua mesa, onde seu laptop estava
aberto. Peguei o brownie de sua mão, joguei-o em minha boca, gemi de
prazer quando a doçura amarga bateu minha língua, e depois me
endireitei e ilegível, "Oh, eu sinto muito. Você estava indo para comer
os brownie estrategicamente escondidos? "
Seus lábios franziram e ele olhou para mim. "Sim, eu estava."
Eu tive que cobrir minha boca e rir pela forma como ele soou. "Me
desculpe. Eu sei melhor do que levar comida de alguém. Nas ruas, esse
tipo de coisa poderia ter uma pessoa morta. "
Sua expressão tornou-se sombria com a menção de meu tempo
sem um lar. "Está tudo bem."
Sem esperar por um convite, principalmente porque eu não acho
que eu ia receber um, eu puxei a cadeira de hóspedes e sentei na
frente dele. Eu sei que tinha sido apenas alguns dias desde que eu lhe
perguntei, mas eu queria saber se algum progresso tinha sido feito.
"Qualquer sorte em encontrar os Petersons?"
Sua mandíbula trincou, ele puxou seu laptop perto e começou a
digitar. "Não."
Eu balancei a cabeça lentamente. "Ok."
De repente, ele fechou a tampa do laptop e perguntou: "Por que
você quer encontrá-los? Nastasia me disse o que eles fizeram, que eles
são a razão que você era sem-teto." Ele fez uma pausa. "Eles não são
boas pessoas, Mina."
Bem, alguém estava um pouco julgador hoje. "Você nem mesmo
os conhece, Lev. Levaram-me quando eu tinha doze anos, odiando o
mundo, e eles me deram uma casa.“ Eu salientei,"Um erro não desfaz
todo o bem que fizeram. E, a propósito, eles não me forçaram para a
rua. Eu fiz isso por minha conta. "
Ele se inclinou sobre a mesa, seus olhos dourados duros. "Porque
eles fizeram você se sentir insegura."
É verdade, mas eu não estava prestes a admitir isso. Dei de
ombros, sentindo-me impotente. "Se você não quer me ajudar a
encontrá-los, tudo bem. Eu vou encontrar alguém para ajudar." Eu
estava de pé, voltando-se para a porta.
Sua voz tinha me parando a meio-passo. "Eu não posso controlar
o relatório, Mina. Pode não ser uma boa notícia. Você entende isso? "
Segurando o batente da porta, eu fiquei de costas para ele e
reiterei: "Eu só quero que eles saibam que eu estou bem."
Eu não ouvi uma resposta. Meus pés me levaram de volta para o
nosso quarto, onde passei o resto da tarde deitada de costas na cama
gigante que eu tinha caído no amor.

A noite começou bem. Ao saber que o meu turno atrás do bar


seria compartilhado com a alta, Beleza Africana-Americana com a bela
afro, Birdie, em vez de Anika, me fez torcer mentalmente e fazer
piruetas.
Eu não me importava com Anika, mas não tínhamos um interesse
comum ... para além de Lev, é claro. E eu tinha um sentimento que
nós não estaríamos nos vendo olho no olho nessa matéria.
Homens correram para o bar para serem servidos, e, embora
estivesse cheio, Birdie e eu mantivemos sob controle. Durante a noite,
eu tinha visto Birdie mandando para baixo os shots. Ela tinha feito
isso várias vezes, e eu me perguntava como ela não estava tropeçando
em seus pés. A menina poderia manter suas bebidas.
Assim, quando um grupo de homens comprou uma rodada de
shots e acrescentou um extra para mim, eu olhei para Birdie. Ela
sorriu e acenou com a cabeça. Então eu fui para ela.
Peguei o copo, levantei-o para minha boca, e inclinei-o de volta,
ouvindo os homens buzinando e alegres quando eu cuspi e tossi.
Puta merda, aquilo queimou.
Tossindo um pulmão, eu levantei minhas mãos e fiz uma careta
através de um sorriso, mostrando-lhes que eu estava bem. Eles
gritaram e aplaudiram um pouco mais e, felizmente, ficaram perto do
meu lado do bar.
Eu sabia que as gorjetas seriam fora das cartas esta noite. Os
homens tinham dinheiro para queimar e, a cada rodada, ficava uma
boa soma pura para mim mesma.
Meu corpo começou a se sentir todo morno e minha cabeça girou
levemente. E este foi apenas após o primeiro shot.
Após o quinto, eu mal podia ficar de pé sem balançar de um para
outro.
O sexto shot tinha feito isso.
Rindo para mim, eu segurei a barra, porque o chão estava girando
em círculos. Ele estava me sugando.
Devo dizer a Lev sobre isso. Isso é uma questão de saúde e
segurança no trabalho, se eu já vi um.
Birdie estava ao meu lado antes que eu sabia que eu estava
deitada no chão atrás do bar. "Mina, bebê, o que há de errado?"
Eu ri alto. "Oh, Deus, Birdie. O piso não vai parar de se mover.
Faça parar. Meu estômago dói."
"Merda," Birdie soltou quando ela se afastou de mim.
Um minuto, ou que poderia ter sido uma hora mais tarde, ela
voltou com Nas que se ajoelhou ao meu lado, tomando meu braço e me
ajudando a ficar de pé. Ela me levou para fora da porta atrás do bar e
na sala dos fundos. Ela me ajudou a sentar-me e suspirou, "Jesus,
Mina, que porra é essa? Você não deve beber quando você está de
uniforme. Você está em uma tonelada de problemas se Sasha
descobre. "
O quê?
Eu pisquei para as luzes brancas desonestas atacando minha
visão. "Mas, eu vi Birdie fazer isso. Quando eu olhei para ela para o
seu aval, ela balançou a cabeça. Eu pensei que estava tudo bem. "
"Espere, o quê?" Em seguida, ela riu. "Oh, meu Deus." Seu riso se
intensificou. "Por favor me diga que Anika lhe disse sobre as garrafas
marcadas que nós mantemos atrás do bar? "
Nesse ponto, Anika entrou no quarto dos fundos. "Ei, é Mina ok?
Eu pensei que eu a vi desmaiar. "
Nas estava de pé, mantendo o riso. "Você disse a Mina sobre a
nossa mistura especial?"
Anika franziu a testa. "Não, eu pensei que você fez quando a
trouxe para a sua lição." Nastasia não poderia prendê-lo. Ela inclinou a
cabeça para trás e deu uma gargalhada.
Enquanto eu comecei a chorar. "Eu estou demitida?"
Anika falou baixinho para si mesma. "Oh, Deus, ela não sabia."
Então, ela cobriu a boca com a mão e deu uma risadinha. "Ela não
sabia!"
Elas riram em voz alta, gritando e se dobrando. E lá estava eu,
uivando enquanto as lágrimas desciam minhas bochechas. "Eu estou
demitida?"
"Não," Nas pronunciou através de uma risada. "Não, Mina. O erro
foi meu. Vou levar a reponsabilidade por isso. Você não está demitida,
eu prometo. "
Eu não acreditava nela. Eu joguei minha cabeça para trás e gemi:
"Mas Sasha não vai se importar." Eu tomei uma respiração profunda e
gagueira deixou escapar: "Porque ele é um idiota!"
Atrás de mim veio uma calma: "Por favor, Mina. Não se segure.
Diga-me como você sente realmente. "
Eu me virei para ver Sasha de cara feia para mim da porta e fez a
única coisa que eu podia fazer. Eu joguei minha bunda bêbada no
chão e chorei um pouco mais.
Nastasia bufou. "Eu esqueci de contar a ela sobre a mistura
especial. Este é por minha conta. "
Sasha balançou a cabeça. "Isso é ruim para os negócios. Ela
precisa ir. "
O rosto de Nas virou drasticamente. Ela zombou de seu irmão.
"Por um erro? Um que não foi culpa dela mesmo? "
"Não é problema meu, Nas," ele murmurou, e eu gritei mais alto.
"Oh, Deus," Sentando-me, eu ofegava. "Por favor, não me demita.
Eu farei qualquer coisa. Por favor."
Anika falou em seguida, e eu estava atordoada por seu apoio.
"Sash. Não faça isso. Ela precisa desse trabalho ". Ela fez uma pausa
antes de murmurar. "Tenha um coração".
Sasha olhou para Anika um longo tempo antes de se virar para
sair. "Esta é a primeira e única chance que ela recebe. Não mais. Da
próxima vez, ela se vai. "
Meu rosto manchado voltado para cima para pousar em Anika.
Pisquei um segundo antes de sussurrar, "Obrigada."
Para minha surpresa ainda mais, ela me ajudou a sair do chão e
me sentou no sofá de couro. Nas me trouxe um copo de água e um par
de aspirina. "Nós ainda temos uma noite inteira pela frente. Você pode
muito bem deitar e dormir fora, boozerella. "
Minha cabeça estava girando, e não precisava ser dito uma
segunda vez. Eu coloquei minha cabeça para baixo, assim como o meu
estômago deu uma pitada afiada de desaprovação à escolha da minha
noite de bebidas. Eu gemia, "Eu nunca mais estou bebendo outra vez."
"Isso é o que todos dizem," ela murmurou, ambas se moveram em
direção à porta, transformando a luz apagada e deixando-me para
dormir à noite que nunca deveria ter acontecido.

Não demorou muito para eu perceber que Mina não estava mais
trabalhando no bar. Nas havia assumido para ela.
Esperei. E esperei. E quanto mais tempo eu fiz, uma sensação fria
passou ao longo da minha espinha.
Um protecionismo irracional passou por mim.
De pé, eu atravessei o chão, movendo-me em torno de mesas e
patronos para chegar ao bar. Nas me viu quando eu me inclinei por
cima da barra. Eu não queria, mas eu rosnei, "Onde ela está?"
Ela colocou as mãos em um gesto apaziguador. "Você não saia por
ela também. Não era culpa dela, ok? Eu esqueci de contar a ela sobre a
mistura da casa." Ela cheirou uma risada. "Ela teve um par de aspirina
e está dormindo fora do local".
Já tinha sido perto de meia hora desde que eu notei o seu
desaparecimento. Meus olhos imediatamente foram para o lado do
palco.
"Merda,” Eu lati. De olho em Nas, perguntei em tom acusador:
"Quanto tempo Jeremiah tem estado longe de sua estação?"
Seu rosto empalideceu.
Eu balancei a cabeça em desapontamento, mudei-me atrás do
bar, através da porta, e fiz meu caminho pelo longo corredor,
encontrando-me atrás da porta fechada para os bastidores.
Levantando minha mão, eu tentei girar o botão, mas senti resistência.
"Abra a porta,” Eu zombei.
"Ocupado", ele ligou de volta em aborrecimento.
Meu peito começou a arfar. Eu respirava com dificuldade através
das minhas narinas, a minha ira ardente, borbulhando como um rio
de lava derretida nas minhas entranhas. "Abra a porta," eu havia dito
através dos dentes cerrados.
"Porra! Cai fora! "Jeremiah chamou de volta.
Isso foi quando aconteceu.
Tudo desligado. Meu pulso desacelerou. As luzes se apagaram em
torno de mim. Os sons ficaram maçantes em meus ouvidos até que
não havia nada.
O silêncio tomou conta.
Eu sempre tinha temido que iria surgir novamente. Eu controlava
tão bem. Ele não tinha me atingido nos últimos anos. Assim não.
Mas eu não estava com medo desta vez. Abracei-o e deixe-me
capacitar.
Minhas mãos fechadas em punhos, eu dei um passo para trás
antes de apressar a porta com meu ombro.
Eu senti que rachou sob o meu peso, mas não quebrou.
Minhas pernas me levaram de volta e eu joguei meu ombro para a
porta novamente.
Outro rangido se lamentando, e a madeira preparada para ceder
sob a menor quantidade de pressão.
Nas gritou atrás de mim. "Lev, o que você está fazendo?" Jeremiah
chamou, incrédulo: "Você está louco porra!"
Afastei-me, levantei minha perna, e chutei tão duro quanto eu
podia.
A porta se desfez de seu bloqueio e atirei para dentro. Meus olhos
percorreram a sala e eu encontrei-o em pé ao lado do sofá de couro,
colocando sua camisa em suas calças.
Eu vi vermelho.
Nada poderia ter me impedido de chegar a ele então.
Nenhuma coisa.
Mina gemeu baixinho e se contorceu fracamente no sofá,
desmaiando, e Nas correu para ajoelhar-se ao lado dela.
"O que você fez?" Eu perguntei ao homem assustado, agarrando
sua camisa na minha mão.
Jeremiah se manteve firme. "Nada", disse ele por trás de sua
barba. "Nós não fizemos nada."
"Lev," Nas falou em voz baixa. Eu virei para ela, observando-a
passar os dedos sobre o lado do pescoço de Mina. "Ela tem um
chupão."
Justo quando eu coloquei meus braços para trás para bater a vida
fora de Jeremiah, braços se enroscaram no meu estômago e meu peito.
Eu me virei para olhar furioso para a pessoa, mas encontrei Viktor ali
de pé, olhando-me nos olhos.
"Calma, bro. Está tudo bem."
Meu coração batia forte. Eu precisava de alívio da raiva. Sem
alívio, ela só iria piorar, e então eu iria ferir alguém que me
preocupava.
Como da última vez.
"Não está tudo bem", eu ofegava. "Não está tudo bem."
Sasha apareceu ao meu lado. "Vai ficar tudo bem, Lev. Entendido.
Nós vamos cuidar disso." Então ele falou com alguém atrás dele.
"Desligue isso. A festa acabou. Todos para fora. "
Anika franziu a testa enquanto ela se inclinou para Mina. "Isso
não faz sentido. Ela não estava tão ruim antes."
Ela olhou para Viktor. "Eu acho que ele poderia ter dado alguma
coisa a ela."
Um rugido alto me escapou. Afastei-me do homem, sabendo muito
bem que eu iria matá-lo se eu tivesse as minhas mãos nele. Minhas
mãos vieram até minha cabeça e bati na minha testa.
Sasha pegou minhas mãos, baixando-as, me impedindo de me
machucar.
Vendo o vermelho, minhas narinas enquanto eu tentava pegar
minha respiração sob controle. Jeremiah não parecia tão confiante
agora. Ele parecia aterrorizado.
Eu estava contente. Ele deveria estar.
Sasha xingou sob sua respiração. "Nas, leva Mina de volta para
casa de Lev. Chame Pox; chame-o lá para olhá-la de novo." Ele se virou
para Jeremias, mas falou calmamente. "O que você deu a ela?"
"Nada", ele disse defensivamente. "Ela está bêbada."
Sasha saiu do meu lado e caminhou até o sofá. Ele levantou a
mão de Mina alta e deixou-a cair. Ela não se mexeu uma polegada. Ele
colocou uma mão suave na testa e franziu a testa antes de se mover
em direção a Jeremiah. "Eu vou perguntar a você uma última vez, J. O
que você deu a ela?" Ele abriu a boca para responder, mas Sasha
cortou, "Eu tenho um médico em estado de espera. Ele pode cuidar
dela de maneira discreta. Se nós a levarmos ao hospital, e nós
poderíamos, e eles encontrarem algo dentro dela que não deveria estar
lá, você vai para a cadeia por assalto, no mínimo. Pior ainda, se eles
cobram com bebida adulterada. Se você me diz o que você deu a ela,
você vai sair daqui como um homem livre ... depois que você tiver sua
bunda entregue a você, é claro. "Ele olhou Jeremiah. "Um menino
bonito como você na cadeia ..." Ele intitulou a cabeça. "Você ficaria
muito popular."
Jeremiah ficou vermelho; suas pupilas estavam dilatadas. Ele era
alto. Ele estava suando. "GHB." Ele engoliu em seco. "Eu dei-lhe GHB."
Os braços de Vik afrouxaram em mim. Eu podia ouvir o rugido
vindo de baixo em sua garganta. Sasha zombou ele, seus olhos baixos
em desgosto. "Nas, leve-a para casa. Ani, ela vai precisar de sua
ajuda." Sangue rugiu por meus ouvidos quando eu bati para fora, "E
não é para remover suas roupas, Nas." Foi uma advertência e
conhecendo Pox, ele não ousaria ir contra mim.
As mulheres ajudaram Mina com facilidade, devido ao fato de ela
ser tão pequena. Eu observava impotente como sua cabeça pendeu
para o lado, com os olhos parcialmente abertos, mas claramente não
vendo uma coisa. Um brilho de suor tinha frisado em sua testa, e ela
tinha um grande chupão no lado de seu pescoço.
Meu sangue ferveu.
Este homem achava que ele tinha o direito de tocar o rato?
Ninguém tinha o direito de tocar o meu rato.
Eu a encontrei, e eu estava mantendo ela.
O pensamento me surpreendeu. Eu não sabia té este momento,
até que eu pensei que ela estava em perigo real.
Eu queria Mina.
Eu queria mais do que qualquer coisa, mas ela era tão frágil
agora. Eu iria esperar até o momento certo.
Ela seria minha.
Gostaria de mostrar a ela que a vida comigo poderia ser boa.
Gostaria de fazê-la ver como passado a parte danificada de mim para o
pouco de bom que eu tinha dentro. Eu não poderia dar-lhe romance,
ou oferecer casamento. Eu não poderia dar-lhe mais do que eu tinha
para dar. Mas eu daria para ela, lhe daria tudo que ela precisava. Ela
iria rir e sorrir como a mãe que amava, e ela ficaria feliz comigo. Jurei
ali mesmo.
Nós três estávamos sozinho com Jeremiah, eu flexionei minhas
mãos, quebrando meus dedos.
Vik tirou algo do bolso e entregou-me. "Divirta-se, vocês dois."
Ele acenou para Sasha e, relutantemente, ele seguiu atrás de
Viktor, deixando o destino de Jeremiah em minhas mãos.
Jeremiah olhou para mim de seu lugar contra a parede, com os
olhos arregalados. "Me desculpe."
"Não, você não está desculpado", eu respondi quando eu
escorreguei a junta de bronze sobre os dedos de minha mão direita.
"Quando eu estiver feito com você, você vai estar."
Levou uma hora sólida para aliviar-me da fúria. Com cada grito e
gemido retirado da desculpa repugnante de um homem, minha raiva
diminuiu.
Quando a minha calma foi desenterrada, Jeremias encontrou
medo.
E com cada soco, chute, e cabeçada, Jeremias descobriu o que
senti como desculpa.
Dirigi para casa sem sentir minhas mãos. Fazer muito esforço
fazia isso algumas vezes. Eu estava entorpecido, e enquanto era
puxado até a minha casa, eu olhei para fora da janela do meu carro,
sem saber se ou não, eu queria entrar na minha própria casa.
Eu estava ansioso. Eu não gostava disso.
Lambendo meus lábios secos, saí do meu carro e fiz meu caminho
até a porta da frente. Eu a abri e tentei ouvir para quaisquer sinais de
vida.
Não ouvi nada.
Meu coração pulou uma batida.
As luzes estavam desligadas. O único local que tinha iluminação
era a cozinha. Fui direto para ele, e encontrei Nas sentada na mesa da
cozinha, uma caneca de café em suas mãos. Ela sentou-se ali, de olhos
fechados, uma carranca gravada em seu rosto bonito, obviamente, não
ouviu a minha entrada. Limpei a garganta.
Seus olhos se abriram e ela se virou.
Ela sorriu tristemente. "Como correu? Ele ainda está vivo? "
Eu suspirei, flexionando os dedos doloridos. "Vivo o suficiente
para sentir minhas mãos nele por um longo tempo."
Suas sobrancelhas subiram. "Você parou?" Ela deixou escapar um
suspiro. "Eu não achei que você seria capaz de fazer."
"Eu quase não fui", eu confessei baixinho.
Sua testa franzida. "Por que você fez?"
"Mina".
A testa da minha irmã suavizou, um olhar quente tomando conta.
"Ela é alguma coisa, hein?"
"Ela é um desastre", eu disse a ela. "O problema segue-a em todos
os lugares. Ela me importuna quando eu não desejo falar. Ela sorri e ri
de coisas que não são engraçadas. Ela rouba comida da minha mão."
Eu balancei minha cabeça. "Tudo o que a torna perfeita." Nastasia
olhou como se ela quisesse chorar. Limpei a garganta e perguntei: "Pox
ainda está aqui?"
Ela piscou rapidamente, engolindo em seco. "Uh, não. Ele diz que
parece que Jeremiah não usou muito do que quer que ele lhe deu,
provavelmente porque ela estava tão bêbada. Ele disse que ela ia
dormir durante a noite e talvez algumas horas de amanhã. Você vai
precisar acordar a cada hora e ver como ela está." Ela baixou os olhos.
"Certifique-se de que ela está respirando."
"O quê?" Eu não achei que seria tão grave.
Nas encolheu os ombros e limpou a garganta, a voz embargada.
"Pox não tinha certeza se Jeremiah deu-lhe o que ele disse que fez.
Sem saber exatamente o que ele lhe deu, é difícil dizer qual os efeitos
secundários podem ser. Porque ela é tão pequena, você sabe? Temos
sorte de que tudo que ela tem são chupões." O rosto dela desmoronou
e ela mergulhou o queixo para esconder as lágrimas. "É minha culpa",
ela sussurrou, e balançou os ombros. "Eu deveria ter mantido um olho
nela."
Fazia anos desde que eu vi minha irmã chorar e doeu assistir
tanto hoje como naquela época.
Eu fiz meu caminho até ela, agarrei-a pelo braço e puxei-a para
fora de sua cadeira. Ela não precisava ser persuadida. Ela se sentou
em mim, empurrando a cabeça no meu peito e chorando em silêncio.
Enrolei um braço em volta dos ombros e usei a outra para acariciar o
cabelo. "Está tudo bem." Ela balançou a cabeça.
Eu beijei a sua cabeça. "Ela vai ficar bem. Ela sobreviveu por
tanto tempo sem nós. Mina é forte."
Nas concordou com a cabeça, em seguida, levantou o rosto
coberto de lágrimas e murmurou, "Eu me sinto responsável."
"Não", eu havia dito, e apertei-lhe para reiterar o meu ponto. "Você
não fez isso. Isso não foi culpa sua. "
Ela revirou os olhos, mas sorriu. "Não minta para mim, Lev."
"Eu não minto," eu prometi.
Ela assentiu e respondeu calmamente: "Eu sei." Nós nos
separamos e ela pegou sua bolsa. "Ela está dormindo no sofá na sala
de estar." Quando eu levantei uma sobrancelha, ela me deu um olhar
de ousadia. "Ei, eu sou forte e tudo, mas não forte o suficiente para
arrastar até aquelas escadas sem quebrar os nossos pescoços." Eu
levantei minhas mãos e lhe dei um olhar que dizia que eu não disse
uma palavra.
Eu andei até ela, abracei-a mais uma vez, e fechei a porta atrás
dela. Eu fiz o meu caminho para a sala, parando para acender a luz do
corredor para que eu pudesse ver o que eu estava fazendo. Eu estava
na frente do sofá, olhando para a mulher pequena.
Mesmo em seu estado inconsciente, ela era linda.
Inclinando-me para baixo, eu peguei-a sem esforço, e nos levei
escadas acima, no corredor, e no meu quarto. Eu acendi a luz e parei.
Anika estava sentada na beira da minha cama, esperando por
mim.
Ela olhou para mim, em seguida, para baixo, para Mina. Ela
franziu a testa em confusão. Ela olhou ao redor do quarto, piscando, e
começou a perceber as coisas de Mina em torno do lugar. Ela ficou de
pé. "Eu não entendo", ela começou.
"O que você não consegue entender, Ani?"
"Ela pode ficar em seu quarto, uma pessoa que você conhece há
um segundo, e eu, uma pessoa que você conhece toda a sua vida, é
enviada para dormir no outro quarto?" Ela parecia ferida.
Mudei Mina em meus braços, em seguida, mudei-me em torno de
Anika para retirar as cobertas do outro lado da cama e deitei-a
gentilmente. "Eu preciso ficar de olho nela," é tudo o que eu disse.
Eu não ouvi Anika sair. Eu estava ocupado sobre Mina,
removendo suas roupas, deixando-a em seu top e calcinha. Eu puxei
as cobertas até o queixo. Sua testa estava quente ao toque, mas ela
estava tremendo.
Fazendo meu caminho até a porta, tranquei-a por dentro,
sacudindo o punho para me certificar de que ninguém iria entrar, e
depois apaguei a luz. Quando eu estava satisfeito, eu tirei minhas
roupas, indo para o sofá, e deitei-me, um lençol caído sobre mim.
Na escuridão, eu ouvi sua tremedeira de dentes.
Meu queixo endureceu.
Não era uma boa ideia. Eu não deveria ter feito isso. Mas eu fiz.
Puxando o lençol, eu andei até a cama, puxei as cobertas, e deitei-
me, estendendo a mão para Mina. Uma vez que seu pequeno corpo
estava em meus braços, eu puxei para mais perto, segurando-a com
força. Talvez com muita força. Mas logo, seus dentes pararam de bater
e ela se estabeleceu em mim, enterrando o nariz na curva entre o
pescoço e o ombro.
Ela dormiu nessa posição durante toda a noite.
Eu dormi muito. Melhor do que eu dormi em anos.

Oh Deus.
Minha cabeça latejava como uma filha da mãe.
Inferno em uma cesta de mão.
Toda vez que eu me mudei para levantá-la fora do travesseiro,
palavrões seguiram.
Nunca mais. Nunca mais.
Mas, em seguida, o travesseiro mudou e flexionou bem debaixo da
minha cabeça. Forçando os olhos abertos, eu olhei para fora, piscando
afastado do sono, uma carranca no meu rosto, e me encontrei com
olhos uísque quentes.
Tentei falar, mas tudo o que saiu foi um longo gemido.
Braços apertados em volta de mim e me puxaram para perto. Eu
fui de bom grado. Meu corpo estava todo dolorido e de repente eu tinha
a minha própria garrafa de água quente na forma de Lev.
Quem era eu para reclamar?
"Como está se sentindo?" Ele resmungou sonolento.
Meu nariz em sua garganta, eu murmurei, "Eu nunca vou beber
novamente. Estou de ressaca."
"Você provavelmente está, mas é mais do que isso, Mina", explicou
suavemente. "Nós precisamos conversar sobre o que aconteceu na
noite passada."
Eu empurrei meu nariz mais fundo dentro dele. "Será que isto
explica por que estamos juntos na cama?"
"Sim."
Eu balancei a cabeça lentamente. "Ok. Conversa. Mas faça
suavemente. "
Seu braço forte apertava em volta de mim, segurando-me
firmemente, e eu não queria pensar sobre o quão bom me sentia. Eu
deveria ter estado muito distraída com minha dor de cabeça para
perceber. O outro braço deslizou do meu quadril, lentamente arrastou
a minha volta, até a base do meu pescoço, onde ele me segurou.
"O clube estava ocupado. Eu tirei os meus olhos de você um
tempo, então notei que eu não tinha visto você por um longo tempo.
Eu fui para o bar, onde Nas me disse que você tinha bebido e estava
dormindo fora." A mão no meu pescoço me agarrou levemente, como se
ele estivesse preocupado com a minha reação, preocupado comigo
fugindo. "Foi quando eu percebi que eu também não tinha visto
Jeremiah por um longo tempo." Eu pisquei.
Jeremiah? O que isso tem a ver com ele?
Ele virou o rosto e seus lábios foram para a minha testa "Ele
drogou você, Mina." Ele acrescentou: "Eu sinto muito. Eu deveria ter
estado observando você. "
Eu me afastei para olhar para ele e sussurrei: "O que ele fez?"
Lev procurou meu rosto. "Nada, eu acho. Nas notei o chupão no
pescoço de imediato, mas eu tenho certeza que interrompi antes que
pudesse fazer qualquer dano real. Agora que você está acordada, talvez
você possa me dizer se você está dolorida. "
"Estou ferida em todos os lugares. Meu corpo dói. "
Ele balançou a cabeça. "Não, Mina. Você pode me dizer se você
senti dor em qualquer lugar que você não deveria sentir?" Ele me deu
um olhar aguçado. "Áreas íntimas."
Eu estava chocada demais para corar. Eu ainda estava presa na
tentativa de Jeremiah me usar como uma boneca sexual da vida real.
Concentrando-me na área que ele mencionou, eu balancei minha
cabeça. "Não, eu não penso assim." Então eu fiquei com raiva. "Onde
está o idiota? Onde está Jeremiah?"
Ele ergueu a mão e jogou para trás o cabelo que tinha caído sobre
a minha testa. "Ele não vai machucar ninguém. Confie em mim."
Eu confiava nele. Eu confiei nele com cada pedaço de minha alma
quebrada.
Se houvesse alguém cuidando de mim, eu quero que seja Lev. Eu
confiei nele para me proteger e me manter segura e para ser honesto
comigo.
Então eu olhei para baixo entre nós, e minhas sobrancelhas
subiram. "Quem me despiu?"
Sem hesitação. "Eu fiz."
"Entendo", murmurei, e rapidamente percebi que talvez eu estava
saindo com Lev muito tempo quando eu tinha respostas como essa.
Meus olhos passaram em suas calças de pugilistas e minha
sobrancelha subiu mais alto. "Quer explicar isso?"
Ele franziu a testa e se contorceu. "Eu pensei que era
autoexplicativo." Então eu corei. "Você estava pressionado contra mim
a noite toda. Disseram-me para verificar você toda hora e eu fiz. Eu só
fiz o que o médico receitou ".
Meu ego diminuiu dez tamanhos inteiros. "Então você só estava
fazendo o seu dever."
Com a testa franzida, e ele me enviou um breve aceno de cabeça.
E o resto do meu ego apareceu como um balão e passou zunindo pelo
ar antes de voar para fora da janela.
Então ele suspirou como se ele precisasse obter algo fora de seu
peito. "É difícil segurar uma mulher bonita a noite toda e não ser
afetado. Me desculpe se ofende você, mas eu nem sempre tenho o
controle do meu corpo e suas reações. "
Meu ego voou para trás pela janela e passou zunindo em torno do
ar antes que ele voltasse para mim, inflando mais seis tamanhos.
Era hora de dizer algo, de preferência algo inteligente. "Preciso
urinar."
Lev parecia frustrado. "Mina, eu só lhe disse que você foi atacada
por um homem que provavelmente teria estuprado você, e você ainda
tem que reagir."
Olhei Lev nos olhos e disse-lhe honestamente, "Não seria a
primeira vez." Eu não esperei por sua reação. Saí da cama, segurei
minha cabeça batendo, e me arrastei para o banheiro, fechando a
porta atrás de mim, fazendo um esforço para bloqueá-lo o mais alto
possível.
As lágrimas me pegaram no chuveiro. Parecia um lugar
apropriado para deixá-las cair.
Claro, eu agia como se não me incomodasse, mas enquanto eu me
despia e vi os chupões cobrindo meus seios, meu orgulho caiu rápido e
me bateu quão grave a situação poderia ter sido.
Eu levantei minhas mãos para corrê-las sobre as profundas
marcas vermelhas e assobiei quando meus dedos tocaram meus
mamilos tenros. Sua boca tinha estado lá, e tinha sido duro. Eu não
gostava disso. E o pior era que eu não poderia me lembrar de nada.
Não era um borrão. Não era uma memória difusa. Ele só não
estava lá. E isso não me fazia bem. Era confuso, e terrível, e isso me
fez sentir suja, independentemente de eu ser ou não um participante
voluntária.
Tomei banho em silêncio e raciocinei comigo mesma. Ninguém iria
ver os outros chupões. Gostaria de alistar Nas para me ajudar a cobrir
do meu pescoço da melhor forma que podia. Tudo seria esquecido em
breve, um incidente que eu iria empurrar de lado e soldar no passado.
Assim como eu fiz com as outras coisas ruins na minha vida.
Quando eu estava pronta, vestida de pijama amarelo porque eu
pretendia voltar para a cama, voltei para o quarto. As cortinas tinham
sido abertas, emitindo luz solar em inundações. Meus olhos ardiam,
mas eu estava muito ocupada com foco no homem furioso, andando ao
lado da cama. Dei um passo mais perto. "Lev?" Ele continuou
andando.
Outro único passo mais perto. "Lev? O que está errado?"
Ele se virou para mim, os olhos brilhando. "Quem te machucou?"
Minha testa franziu e eu encolhi os ombros levemente, indicando
que eu não sabia o que ele estava falando.
Ele parafraseou: "Não seria a primeira vez." Seu estômago nu
apertou enquanto ele cerrou os dentes e rosnou: "Quem te machucou?
Diga-me. Diga-me e eu vou matá-los." O que estava errado comigo para
estar ligada por esta cena?
Algo me disse que era altamente inapropriado. De alguma forma,
isso não impediu que o fluxo de calor passasse por mim, ou a sensação
semelhante a ganhar algo grande, como a loteria.
E Lev era uma loteria a ser vencida.
Mas então eu olhei mais perto, e esse sentimento recuou. Ele
estava angustiado. Ele também parecia que não sabia como lidar com
isso. Eu podia sentir a raiva e a frustração pulsando fora dele.
Sabendo que a raiva não era dirigida a mim me teve ao seu lado
em um segundo. Peguei a mão dele e levei-o para o sofá, sentando-me
e puxando-o para baixo ao meu lado. Eu coloquei a mão no meu colo e
cobri-a com a minha. "Eu estava na rua por um longo tempo, Lev."
Inclinei a cabeça e dei-lhe um olhar arrependido. "Merdas acontecem".
"Não", ele proferiu, balançando a cabeça. "Não, isso não acontece.
Pessoas fazem essas coisas acontecer, e eles precisam ser punidos.
Eles precisam sofrer as consequências." Ele declarou: "Há sempre um
preço a pagar."
"Você quer procurar nas ruas para encontrar um grupo de jovens
bandidos que tentaram forçar sexo comigo anos atrás? Será que isso
soa como uma coisa normal para fazer? "
Lev abaixou a cabeça e revelou: "Eu não sou normal."
Eu não estava disposta a mentir para ele. "Não, você não é." Então
eu admiti baixinho: "Mas às vezes eu acho que você é melhor do que a
pessoa normal. Extraordinário. Único. Elite. Galante." Ele não olhou
para mim. Eu não gostava quando ele tentava se esconder de mim. Eu
apertei sua mão. "Ei. Eles não tiveram sucesso, você sabe. Essa faca
que você tirou de mim quando eu cheguei aqui... ela fez o seu
trabalho."
Quando eu corri meu polegar sobre seus dedos, ele fez uma
careta. Minha testa ficou tensa quando eu levantei a mão para
examiná-lo.
Meu coração parou.
O dedo médio da mão esquerda estava inchado, roxo, e muito
obviamente dobrado em uma direção que ele não deveria ter estado.
"Lev, querido," Eu falei com calma. "Eu acho que o seu dedo está
quebrado." Ele balançou a cabeça como se isso não era novidade para
ele.
"Ele vai ficar bem."
"Jeremiah?" Perguntei.
Ele grunhiu afirmativamente.
Eu suspirei. "Eu suponho que você vai me dizer que não faz mal."
"Não." Ele balançou a cabeça levemente. "Dói muito." Ele se virou
para mim, olhando-me nos olhos. "Mas a razão por trás valeu a pena
cada dor." Eu estou me apaixonando por você, Lev Leokov.
Desta vez, o pensamento repentino não me surpreendeu. Eu acho
que eu sabia isso por um tempo agora.
Outra semana se passou, e como eu fui forçada a ficar uma
semana fora do trabalho (ordens médicas), passei cada momento
acordada com Mirella e Lidiya, aprendendo tanto quanto eu poderia
sobre gostos da garotinha e desgostos.
Acontece que, Lidiya amava apenas uma de suas bonecas. Ela era
extremamente ligada à Cabbage Patch Kid chamada Ivy Gail.
Eu não sabia disso. Eu pensei que ela gostava Cabbage Patch
Kids em todos os sentidos, forma ou formulário. Então, no início da
semana, quando Nas e eu fomos ao shopping, eu comprei uma novo
Cabbage Patch Kid para Lidiya, chamada Annabel Cherish, com algum
do meu dinheiro de gorjeta. Eu tinha essa, porque ela parecia um
pouco com o querubim gordinho. Eu também comprei um pequeno
carrinho de boneca então Lidiya poderia andar em torno com sua nova
amiga.
Quando trouxemos para casa, eu mostrei para Mirella que,
através de uma careta, me disse que, embora fosse muito doce da
minha parte, Lidiya provavelmente não gostaria dele e que ela era
muito particular.
Eu estava um pouco devastada. Eu murchei.
Por que ela não gostava da minha boneca? Comprei-a apenas para
ela. Ela gostaria da minha boneca maldita! Eu gastei cinquenta dólares
nesta maldita boneca e carrinho estúpido.
Mas quando Lidiya acordou de sua soneca, eu lhe entreguei a
boneca, e chorei todo o caminho lá em cima sem ter que esperar para
ver sua reação negativa. Atirei-me sob as cobertas e fui rudemente
interrompida do meu beicinho quando Mirella chamou por mim.
Lançando as cobertas para baixo do meu rosto, eu chamei. "Sim?"
Eu podia ouvi-la sorrindo. "Lidiya está pedindo por você."
Meus pés estavam embaralhados por todo o caminho para baixo,
mas quando entrei na sala de estar, a minha atitude mudou.
Lidiya sentou-se no meio do chão com Annabel Cherish,
abraçando-a para o lado dela e murmurando, "Eena, pagar. Mina."
Então ela me viu e sorriu. "Eena. Olhe isto."
Ela se levantou e correu para mim em suas pequenas pernas, me
mostrando sua nova boneca. Eu sorri, "Você gostou?" Ela empurrou a
boneca para mim e eu dei-lhe um pequeno aperto. "O nome dela é
Annabel Cherish".
Lidiya tomou a boneca, abraçando em volta do pescoço. "Eena."
Eu balancei minha cabeça. "Não, anjo" eu corrigi. "Annabel."
"Eena", ela murmurou enquanto ela caminhava com a boneca
mais para satisfazer seus parentes, Ivy Gail.
Mirella riu. "Eu não acredito nisso. Ela teve outras bonecas
Cabbage Patch. Ela nunca tomou a elas. Apenas Ivy. "
Eu sorri para a mulher. "Agora ela tem Annabel."
Mirella balançou a cabeça levemente. "Não", ela observou. "Agora
ela tem Mina." E foi assim que Mina veio a ser.
Lev viria para baixo de vez em quando e, sem pensar,
interromperia o meu tempo com sua filha, muitas vezes esgueirando
para almoço ou lanches com a gente.
Um bom homem com um rosto cheio de marcas e óculos que os
caras chamavam de Pox desceu a cada dia da semana para ver como
eu estava. Quando eu perguntei se ele era um médico, todos pareciam
evitar a questão.
Ele me disse que não parecia como que haveria nenhum efeito
duradouro de ser drogada. Fiquei feliz em ouvir isso, não que eu estava
preocupada. Tomei Lev pela mão ilesa e sentei-me, forçando Pox a
olhar para o seu dedo. Lev tentou argumentar, mas eu não estava
ouvindo.
Todos pareciam atordoados que Lev estava permitindo que o
homem olhasse sobre ele, incluindo Sasha. Mas ele se sentou em
silêncio, com a minha mão em seu ombro e deixou o doutor colocar
remédio e fita nos dedos, deixando-me satisfeita.
Eu pedi um momento de privacidade com o médico e,
relutantemente, Lev assistiu me levá-lo até o carro. Assim que estavam
fora da distância de audição, eu limpei minha garganta. "Eu quero
agradecer-lhe por me verificar aquela noite."
Ele sorriu levemente. "Seja bem-vinda. Mas eu tenho um
sentimento que você não me chamou aqui para me agradecer ".
"Não." Eu ri nervosamente. "Eu acho que não."
Ele viu meu desconforto e tentou acalmá-lo. "Mina, tudo o que
você me disser será mantido em sigilo. Lev poderia bater a merda fora
de mim e eu nunca diria. "
Eu ri de verdade então. "Soa como algo que ele faria."
Seu sorriso caiu. "Mina, quando Jeremiah ..." Ele se interrompeu
e falou baixinho: "Ele machucou você?"
"Não!" Eu engasguei, colocando a mão no meu peito. "Não dessa
forma, não. Mas isso é uma espécie do que se trata realmente.“ Eu
arranhei meu braço, envergonhada. "Eu não tive meu período em
meses."
Ele recostou-se contra o seu carro. "Qualquer possibilidade de que
você poderia estar grávida?"
"Não", eu murmurei. "Mas e se Jeremiah me fez mal? Eu poderia
ter ficado grávida?"
Pox fez um som hmmm. "Bem, eu estou supondo que você parou
de menstruar, porque você estava magra por bastante tempo. Mas, às
vezes, na ocasião rara, as mulheres que não tenham tido menstruação
em tudo podem engravidar, por isso, embora eu não estou inclinado a
dar um sim definitivo, eu não daria um definitivo não também. "
Foi bater o suficiente em torno do arbusto. "Eu não estou no
controle da natalidade."
"Ah." Ele sorriu. "Isso é o que se trata." Ele se levantou. "Há um
punhado de opções. No entanto, se você está umas algumas noites
desmioladas ou trabalhar em um clube de cavalheiros e iria esquecer
de tomar a pílula ", ele piscou para mim "eu recomendo um implante.
Há um pequeno objeto que é injetado no braço depois de ter sido
anestesiada, e isso é bom para cerca de três anos. É extremamente
popular entre as mulheres jovens." No meu olhar esperançoso, ele
balançou a cabeça. "Eu não recomendaria até que você tenha a chance
de ganhar mais algum peso." Eu imediatamente argumentei: "Eu já
ganhei 5 kg!" Bem, quase. Quatro quilos ponto três, para ser precisa.”
Ele sorriu gentilmente. "Eu gostaria de ver você adicionar outros
dez para isso." No meu olhar, ele cedeu, "mais seis, no mínimo."
Ele me entregou seu cartão e me disse para chamar quando eu
estivesse pronta. Eu levei o cartão de visita ansiosamente, colocando-o
em meu sutiã.
Mais tarde, naquela semana, eu estava me despindo para o
chuveiro quando Lev caminhou para mim.
Ao olhar de choque em seu rosto, eu duvidava que era deliberado.
Eu não julguei o olhar em seu rosto. Eu também fiquei chocada. Ser
pega em nada mais do que sua calcinha branca lisa faz isso com você.
Eu abri minha boca para gritar: "Saia!", Mas apenas um grito
saiu. Quando seus olhos castanhos frescos percorriam meu corpo, eu
levantei meus braços para cobrir meus seios nus, tendo esquecido
momentaneamente sobre os chupões vermelho escuro sobre eles.
Eu estava envergonhada. Minhas bochechas inflamadas. Meus
seios eram diminutos. Eu parecia um menino jovem, ao invés de uma
jovem mulher.
Eu nunca –nunca- seria uma daquelas mulheres que estavam
confortáveis em seus corpos. Eu sempre tive problemas de
autoconfiança. Eles não tinham melhorado com a idade.
Ele falou em seguida, e foi mortalmente tranquilo. "Ele te
machucou." Soou como uma acusação. Voltado para mim.
Alcançando a toalha, eu a coloquei sobre mim mesma. "Não é
nada." Eu não soei convincente.
Ele levantou ambas as mãos, fechou os olhos, e passou as mãos
sobre o rosto, voltando-se para massagear as têmporas.
Ele parecia prestes a perdê-la.
"Eu vou matá-lo", ele murmurou. Então ele jogou as mãos para
baixo, perfurou a porta com a mão boa, e rosnou, "Eu vou matar ele!"
"Lev", eu sussurrei com medo. Quando ele saiu do banheiro,
segurando a toalha, eu fui em perseguição. "Lev!" Minhas pernas
tremiam com o medo que senti então, mas eu fiz isso no final do
corredor no andar de cima e peguei ele. Eu estava em seu caminho.
"Lev, pare!"
Ele tentou se mover em torno de mim, mas eu segurei a mão que
não estava segurando a toalha. "Por favor, pare com isso." Ele rosnou
em voz alta e eu me encolhi, minha voz calma agitando tão forte
quanto a minha mão. "Lev, você está me assustando."
Isso pareceu bater em casa. Seus olhos recuperaram o foco e,
ofegante, ele olhou para os meus olhos arregalados e corpo tremendo.
Seus punhos soltos e seu rosto tornou-se com dor. "Eu sinto muito."
Ele estava de volta.
Meu Lev estava de volta.
Meu coração disparou e eu corri para ele, envolvendo meu braço
em torno de sua cintura, colocando minha cabeça em seu peito
arfante. Eu fechei os olhos e abracei-o apertado. "Eu não preciso de
você para bater em cada pessoa que faz algo de merda para mim, Lev."
Minha mão, por trás das costas, agarrou sua camisa, puxando-o ainda
mais perto. "Eu só preciso de você para ser Lev, ok?" Eu falei em seu
peito: "Quando as pessoas fazem coisas de merda para mim, isso
ajuda." Eu olhei para ele, meus olhos brilhando. "Você ajuda. Só você."
Ele olhou para mim, a confusão estragando seu belo rosto. "Eu
não vou deixar ninguém fazer as coisas de merda para você, Mina."
"Não." Eu balancei minha cabeça. "Você não pode impedir as
pessoas de fazerem o que eles vão fazer, querido." Engoli em seco.
"Mas, depois, se você pudesse segurar a minha mão, isso seria bom."
Ele não se demorou.
Inclinando-se, ele tirou meu braço em torno dele, me levou de
volta para o quarto, deitou na cama de frente para mim, e segurou a
minha mão pela melhor parte de uma hora.
E algo me disse que Lev precisava disso mais do que eu.
Eu estava ficando entediada em casa. Fazia cinco dias desde que
eu tinha estado no clube, e depois de horas de implorar
incessantemente, Lev me concedeu uma benção, me deixar vir a
trabalhar com a condição de que eu me sentasse com ele a noite toda.
Isso foi melhor do que nada. Eu nem sequer tinha que pensar
sobre isso. Eu agarrei a chance de sair de casa. Eu estava ficando
louca.
Vestindo calça jeans preta e camiseta branca com o elefante
dourado impresso na frente, eu escorreguei em minhas sandálias de
tiras planas, peguei meu casaco e encontrei com ele na cozinha.
Anika e Vik já estavam lá, à espera de Lev. Vik veio ao redor e me
envolveu em um abraço de urso, seu enorme corpo me deixando em
um casulo. A partir do olhar dele, você nunca iria adivinhar que Viktor
parecia ser o cara carente do grupo, com todas as suas tatuagens. Seu
corpo era seu próprio quadro para decorar.
Anika, no entanto, me olhou como se eu estivesse pronta para
quebrar a qualquer momento. "Você está trabalhando hoje à noite?",
ela perguntou ansiosamente depois acrescentou em um tom cauteloso,
mas paternalista, "Tem certeza que você está pronta?" Eu queria bater
nela.
Em vez disso, eu sorri. "Não, eu não estou trabalhando hoje à
noite. Eu estou apenas começando a ficar louca sendo trancado em
casa. Eu estarei apenas observando esta noite." Eu adicionei para o
benefício de Anika," Não se preocupe. Lev vai cuidar de mim. "
Vik sorriu. "Eu vou cuidar de você, Mina." Ele piscou. "Segurar
sua mão e tudo mais."
Inclinei a cabeça para o lado, fiz beicinho com meus lábios,
segurei sua bochecha, e murmurei, "Aw, Vik. Agora, por que eu quero
que você faça isso?" Eu pisquei. "Quem sabe onde essa mão tem
estado?"
Nas caminhou pela porta dos fundos naquele momento. E por
alguma razão, eu me senti pega. Ela me fez sentir apanhada. Como
uma criança a fazer algo impertinente que eu não deveria estar
fazendo. Especialmente quando seus olhos brilharam na minha mão
sobre Vik.
Ela se cobriu rapidamente, zombando de Vik na forma como ela
fazia normalmente. "Ewww. Não toque nisso, Mina. Você não sabe
onde ele foi. "
Mas Vik claramente não estava com disposição para Nastasia. Eu
sabia disso, porque ele me agarrou pela cintura, me puxando de volta
para ele, fazendo um show de sua mão estar baixo no meu quadril. Ele
olhou diretamente para ela, em seguida, baixou a boca do meu ouvido
e zombou sussurrando: "Não dê ouvidos a ela. Vamos fugir juntos,
foder em cada praia em todos os países, e ter filhos lindos juntos. "
Anika amordaçou em desgosto. "Jesus Cristo, Vik. Assista a
merda que você está falando." Minha boca estava aberta e tudo.
Nas, no entanto, parecia magoada. Eu não entendia o porquê. Ela
meio que tinha que esperar por isso pela maneira como ela falou com
ele.
Mas Nas era minha amiga, e isso significava tomar seu lado,
mesmo quando ela estava errada. Eu poderia cortar uma cadela sem
uma multidão, mas na frente das pessoas, eu tinha suas costas.
Batendo minha bunda em suas coxas, eu zombei. "Eu já passei
por lixo, Vik. Eu não sou exigente quando se trata de comida." Eu virei
para ele e proferi: "E eu ainda não iria comer o seu pau."
Ouvi Anika latir uma risada e Nas bufar com isso, e Vik sorriu
orgulhosamente para mim. "Isso é o que vocês chamam de uma
queimadura."
A única coisa lamentável é que quando Vik abaixou-se para beijar
a minha testa, Lev entrou. Houve um momento de tensão na sala
enquanto os olhos de Lev brilharam nas mãos de Vik em mim. Ele
tinha aquele olhar em seus olhos, o que eu tinha conhecido alguns
dias antes, e eu sabia que teria que intervir. Caso contrário, Lev
rasgaria seu amigo de infância em um novo idiota. Ele era protetor
comigo. Deixa comigo. Eu entendi isso. Isso era o que os amigos fazem.
Tomei um momento para reunir meus pensamentos, me removi de
Vik e silenciosamente fiz meu caminho para Lev, levantando minha
mão com a palma para fora, e me comuniquei com ele em completo
silêncio.
Ele olhou para a minha mão, em seguida, até meus olhos. As
arestas de seu rosto suavizaram e ele aceitou sem uma palavra,
segurando-o com força. O gesto disse muito mais do que palavras
poderiam. Eu seria sua rocha quando sua razão flutuasse para longe.
E ele seria a pessoa que eu precisava para me lembrar que eu não
estava mais sozinha no mundo. Uma amizade perfeitamente imperfeita
de alguma forma formada, e perder Lev não era uma opção.
Ele me encontrou e se ele sabia ou não, que eu era sua, de uma
forma.
Você sabe o que dizem ... Achados.
O clube não estava muito ocupado para uma noite de sexta-feira.
Não era comum desde que sexta-feira tinha sido uma grande
máquina de fazer dinheiro no passado, de acordo com Lev. Os homens
que terminaram com a semana de trabalho vieram a Bleeding Hearts
para relaxar, beber em boa companhia, e ter uma dança privada ou
quatro.
Lev e eu nos sentamos no canto do lado esquerdo do palco. Era o
lugar perfeito para ver o salão com vista de tudo e de todos.
Eu assisti com curiosidade quando Lev tirou algo do bolso e
mostrou-me um fone de ouvido antes de colocá-lo. Ele falou para ele:
"Cam, você está pronto?"
Do lado direito do palco, um jovem em um terno levantou a mão
para mostrar a Lev que ele podia ouvi-lo.
Lev recostou-se, virou-se para mim e disse: "Hoje à noite vai ser
uma boa noite."
Ele estava tentando me tranquilizar? Eu estava convencida de que
o lugar mais seguro da casa era sentar ao lado do cara quente no
terno, dando ordens sobre um fone de ouvido. Eu não precisava de
reafirmação.
As meninas subiram ao palco. Em primeiro lugar, Lana, fazendo
uma rotina de pole, em seguida, ChaCha com seu lento striptease, em
seguida, Birdie veio com um copo de refrigerante e um abraço para
mim, me dizendo que ela tinha estado tão preocupada comigo.
A sensação de calor floresceu dentro de mim. Sim, eu estava
sentada em um clube de cavalheiros, observando as mulheres tirarem
suas roupas em troca de dinheiro, sabendo que o homem ao meu lado
faria mal a quem me olhasse engraçado, mas eu nunca tinha me
sentido mais em casa em um lugar além da minha casa de família,
quando eu morava com minha mãe.
Lev viu um homem sentado sozinho, olhando desamparado. Ele
falou no fone de ouvido. "Cam. Mesa doze. Enviar-lhe um uísque puro
da casa."
Minha testa se levantou. "Ele parece muito mal. Você tem certeza
que quer dar um pouco mais de bebida a ele?"
Lev manteve seu olho no chão, mas inclinou a cabeça para mim.
"Qualquer coisa gratuita faz as pessoas felizes. Assista."
Com certeza, o homem viu como Anika sorriu sedutoramente,
colocando a bebida em sua mesa e inclinando-se para sussurrar algo
em seu ouvido. O homem solitário sorriu imediatamente.
Impressionada, eu perguntei, "O que ela está dizendo a ele?"
"Que nós apreciamos seu negócio e lealdade."
Eu balancei a cabeça. "Certo. OK. Você sabe claramente sua
merda. Eu me curvo a você, oh grande. "
Seus olhos sorriram dessa forma que eu amava, e eu quase
escorreguei na frente da minha cadeira, suspirando sonhadora.
Eu perguntei se ele queria sua bebida recheada. Ele disse que
não. Eu não acho que ele percebeu que eu queria ir visitar Nas atrás
do bar. Eu ficava insinuando, dizendo como eu estava com sede. Ele
manteve franzindo a testa, me dizendo para sinalizar a Anika.
Não havia opção de ser discreto com Lev. Era tudo ou nada. Eu
finalmente deixei escapar: "Eu realmente quero falar com Nas."
Sua testa franzida. "Por que você não só diz?"
"Porque eu estou de castigo", eu murmurei e cai mais baixo em
minha cadeira.
Ele fungou, e eu gostava de acreditar que era a versão de Lev de
uma risada. Ele acenou para o bar. "Eu ainda posso vê-la de lá.
Mantenha-se em vista. "
Eu me animei, inclinando-me sobre a minha cadeira e mostrando
o meu entusiasmo. "Realmente, estouro? Sem brincadeira? "
" Vá", ele murmurou de forma tediosa, mas seus olhos estavam
rindo.
"Puro-o!" Eu aplaudi quando eu corri para o bar. Eu queria
brincar com Nas. Eu estava planejando isso há dias. O episódio de hoje
com Vik se encaixava perfeitamente com o meu plano diabólico.
Passeando até o bar, eu me sentei no canto escondido e esperei.
Quando ela se aproximou, ela murmurou: "Que merda de noite. Nem
sequer vale a pena ter a equipe completa para esta multidão
desprezível ".
"Sim, eu sei." Eu fui direito a isso. "Então, o que você pode me
dizer sobre Vik?"
Ela se virou para mim, seus olhos se estreitaram. "Por que você
quer saber sobre Vik?"
"Eu não sei." Eu propositalmente agi indiferente. "Ele é quente,
sem dúvida." Então eu plantei a bomba. "E havia essa coisa esta noite.
Eu não sei, mas eu acho que nós temos um pouco de química
acontecendo." Eu me inclinei para a frente e sorri. "Acho que ele está a
fim de mim."
Eu queria cair na gargalhada com a forma como rosto de Nas
ficou vermelho. Ela rangeu os dentes e falou através deles. "Ele não é
tudo o que parece ser, Mina."
Eu dei de ombros. "Quem sou eu para julgar?" Eu apontei para
mim mesma. "Menina sem teto ... Olá!"
Suas narinas se moveram. "Ele não é o seu tipo."
"Quem vai dizer o que é o meu tipo? Além disso, nós não
precisamos ser o tipo do outro para coçar a coceira." Eu usei meu
cotovelo para cutucá-la e terminei com uma piscadela lasciva. "Sabe o
que eu quero dizer?" Essa foi a palha que quebrou o camelo para trás.
Nas colocou as palmas das mãos no bar, se inclinou para frente, e
retrucou: "Você fique longe de Viktor!"
Minha missão completa, eu rapidamente saí fora do personagem,
joguei minha cabeça para trás, e piei com o riso. Nas olhou para mim,
confusa por um segundo antes que ela entendesse.
Parecendo levemente chateada com ela mesma, ela balançou a
cabeça lentamente. "Quem te contou?"
Eu sorri vitoriosamente. "Não importa quem me disse. A questão
é, por que você não me contou? "
O rosto dela caiu. Ela parecia triste. "É complicado, Mina."
"Complicado como o-cara-que-eu-amo-dorme-com-outras-
mulheres? Ou complicado como o-cara-que-eu-amo-tem-problemas-
com-compromisso? "
"Nenhum", ela silenciou, com os olhos brilhando. "Do tipo o-cara-
que-eu-amo-não-me-corresponde."
Meu sorriso caiu. Que merda.
"Isso é péssimo", eu disse a ela, meu desgosto aparente.
Ela sorriu tristemente. "A vida é assim, minha querida."
Sábado de manhã trouxe um choque para todos nós.
Lidiya foi convocada de volta para sua mãe, Irina. O que foi
surpreendente sobre isso foi que Lev deixou-a ir.
Eu não queria que ela saísse. O pensamento dela ficar com uma
mulher horrível que nem sequer queria ela, me deixou louca. E
rapidamente bateu-me que se esta era a maneira que eu, uma
estranha, estava sentindo, Lev já devia ter cruzado a fronteira de
loucura. Ele escondeu sua tristeza tão bem, mas eu não perdi o jeito
que ele se virou para Sasha quando seu irmão sugeriu mover Irina
para mais perto então Lidiya estaria, pelo menos, vivendo no mesmo
estado.
A mulher terrível já havia reservado voos para Mirella e Lidiya
partindo apenas após o meio-dia, e sua advertência tinha sido que, se
as duas não estivessem no terminal de desembarque na hora
designada, ela iria pegar o próximo voo para baixo e levantar o inferno
no clube.
Francamente, eu pensei que a mulher estava cheia de merda, e eu
compartilhei esse ponto de vista. Nas me mandou um olhar
aconselhando-me que sua ameaça provavelmente seria vista através.
Eu estava atordoada. Quem era esta mulher que tinha a família Leokov
transformando os homens em capachos?
Enquanto eu estava sentada de pernas cruzadas no chão da sala
de estar, Lidiya fez uma casa no meu colo, brincando com a pequena
Mina, sem saber que ela estava prestes a ser empurrada para longe de
nós de uma forma muito rude. Meu braço que a segurava apertou ao
redor dela. Eu encontrei-me em poderosa proteção deste pequeno
amendoim.
Eu assisti em silêncio, enquanto o rosto de Mirella caiu um grau.
Ela cobriu-o rapidamente, de pé e indo para o quarto de Lidiya para
embalar suas coisas.
"Não", eu murmurei com raiva. Virei-me para Lev, abraçando
Lidiya com tudo que eu tinha. "Você está indo só para se sentar e
deixar que a cadela a tire de nós?"
Ele parecia como se tivesse envelhecido dez anos em dez minutos.
Ele parecia abatido e desgastado. Ele falou calmamente: "O que você
quer que eu faça, Mina?"
Eu pisquei para ele. Esta atitude não estava indo para nos levar
em qualquer lugar. "Lute por ela, Lev. Diga a Irina que ela não pode tê-
la. Deixe que ela venha aqui. O que ela vai fazer? Mostre a todos como
ferrada da cabeça ela realmente é? "
"Eu vou perder a custódia parcial que tenho e ser acusado de
sequestrar minha própria filha." Ele olhou para mim, prendendo-me
para baixo com um único olhar. "Isso soa como um bom plano para
você?" Bem, não. Não parecia. Mas tinha que haver algo que
poderíamos fazer.
Meu coração começou a correr quando percebi que ninguém
estaria lutando nisto. "Nas," Eu chamei.
Ela parecia miserável. "Escolha suas batalhas, pirralha. Você não
vai ganhar essa. "
Meu último recurso. "Sasha", eu sussurrei, assustadoramente
perto das lágrimas. "Faça alguma coisa."
Ele já estava balançando a cabeça, em seguida, ele se levantou de
repente, me encarando. "A vida não é justa, menina." Ele olhou para
mim. “Você de todas as pessoas deveria entender isso." Eu estava fora
no limbo, por conta própria.
"Lev," Eu implorei. "Por favor. Não deixe ela vencer. Ela é apenas
uma mulher. Quanto mais ela pode ter?" Eu não estava preparada
para o que aconteceu em seguida.
Lev ficou de pé. Então ele gritou.
Comigo.
"O que diabos você quer que eu diga, Mina? Que eu caio sobre
meus pés para agradar a mãe da minha filha?" Ele ofegava, "Sim! Eu
faço." Ele se afastou. "Eu tenho minhas razões, e eu não devo uma
explicação a ninguém, certamente não a você."
Ele disse 'você' como se eu fosse algo nojento. Como se eu fosse
um incômodo. Como se eu não fosse digna da explicação que até eu
sabia que eu não merecia ouvir.
Ele me trouxe volta para a realidade.
Eu não era nada para Lev Leokov.
E, no entanto, ele permaneceu meu tudo.
Algum tempo depois do meio-dia, depois que Lidiya e Mirella
foram embora, eu fiz meu caminho lá em cima com o rabo entre as
pernas. Eu deveria ter reconhecido que este era um momento difícil
para Lev, e eu empurrei-o sobre a borda. Eu tinha certeza de que ele
teve um monte para fazer isso, e eu estava me sentindo um lixo sobre
ele.
De pé ao lado da porta aberta, eu olhei para dentro. Lev, vestido
com seu uniforme habitual de terno de três peças, estava deitado no
lado esquerdo da cama, seu antebraço cobrindo os olhos. Era de partir
o coração vê-lo tão perdido.
Eu fiz meu caminho até ele, ajoelhando-me ao lado dele e falando
do lado da cama. "Hey," eu comecei, suavemente. Estendendo a mão,
eu puxei a mão cobrindo os olhos. Ele permitiu que ela caísse, virando
a cabeça para o lado para olhar para mim. Seus olhos estavam cheios
de mel morno de tristeza. Eu apertei sua mão. "Oh, querido," Eu
abafei. "Eu sinto muito. Eu sou uma idiota. Eu não pensei. "
Ele piscou para mim um momento. E quando ele falou, eu sabia
que estava perdoada por meu comentário descuidado em uma situação
que não pedia por isso.
"Você vai segurar minha mão?"
Eu não precisava ser perguntada duas vezes. Ao invés de me
mudar para o outro lado da cama, levantei-me e escalei, colocando
metade caída sobre o seu lado direito, minha perna direita enganchada
sobre seu quadril, e tendo a mão esquerda na minha, entrelaçadas,
palma-a palma da mão.
Sua mão direita veio ao meu redor, me segurando perto, e sua
mão acariciou minhas costas. Um suspiro escapou de mim quando eu
descansei minha cabeça em seu ombro, meus olhos se fechando de
satisfação. Eu nunca tinha estado mais confortável em toda a minha
vida. E isso seria a razão de eu adormecer dobrada em Lev Leokov.
Depois da minha sesta, levantei-me e tomei banho, me
preparando para a noite à frente. Quando voltei, meu jogo de
maquiagem forte e meu cabelo recém endireitado, fluindo pelas minhas
costas, vestida com esmero e pronta para o clube, Lev balançou a
cabeça. Parecia que ele não me queria no clube hoje à noite.
Eu não pedi. Eu não iria implorar. Não era a maneira que eu fazia
as coisas, não normalmente.
Em vez disso, eu tentei honestidade. Andando até ele, juntei meus
dedos nos bolsos da frente e olhei para seu rosto. "Você teve um dia
difícil. Deixe-me estar lá para você hoje à noite. Se você sente que você
quer rachar cabeças, tudo que você precisa fazer é estender a mão e
pegar minha mão." Eu balancei um pouco. "Você já esteve lá por mim.
Você vai me deixar estar lá para você?" Ele pensou sobre isso.
Sua resposta foi tranquila. "Ok."
Eu gostava da resposta. Mostrei-lhe então, chegando-me e
pegando seu rosto, puxando-o para que eu pudesse beijar sua testa.
Chegamos ao clube um pouco depois das sete. A multidão sempre
levou um tempo para recuperar-se. Quanto mais tarde, mais lotado.
Hoje à noite, no entanto, a multidão avançou justo como tinha
acontecido na noite anterior.
Lev, percebendo o que eu tinha visto, comentou: "Algo está
acontecendo."
Eu fiz uma careta, balançando a cabeça em completo acordo. Algo
era de fato diferente. Eu nunca tinha visto o clube tão vazio desde que
cheguei aqui. Em comparação com o dia em que roubei a carteira de
Sasha, esta multidão era embaraçosa. Foi quando Birdie se
aproximou, olhando levemente ansiosa. "Posso ter uma palavra?"
"Claro", respondeu Lev.
Seu nervosismo aumentou quando ela apertou as mãos. "Eu acho
que você deve ligar para Sasha. Nas está a caminho. Eu preciso que
todos possam ouvir isso. "
Lev fez o que ela pediu, pegando seu celular e chamando seu
irmão fora de seu escritório. Nas chegou e se sentou no braço da
minha cadeira. Quando Sasha chegou, ele falou ao gentilmente à
Birdie. "Birdie, por que você está tão preocupada?"
Ela enfiou a mão no bolso do jeans, puxou um pedaço de papel, e
entregou-a Sasha. "Eu achei essa mensagem em meu carro quando eu
saí para a minha pausa. Fui em todos os pára-brisas. Eu colecionei
tudo o que pude, mas..." Ela encolheu os ombros. "Algumas pessoas
foram obrigadas a levá-los antes que eu pudesse removê-los." Sasha
desdobrou o papel, leu em silêncio, e então xingou em voz baixa.
Sua mandíbula apertada, ele entregou a nota para Lev. "Eu acho
que nós acabamos de descobrir onde os nossos clientes têm ido."
Nas e eu nos inclinamos sobre o assento para ler com Lev.
Aphrodite’s Kiss. Novo show. Novas meninas. Completamente
remodelado. Rostos que vão parar seu coração. Bebida gratuita com
flyer.
"Isso não é tudo." Birdie fez uma careta. "Um dos capangas de
Laredo se aproximou de mim quando eu estava vindo do meu
intervalo." Seus olhos se desculparam, ela olhou diretamente para
Sasha. "Ele está recrutando bem debaixo do seu nariz, baby."
"Filho da puta," Sasha sussurrou. "Isso explicaria por que ChaCha
saiu na quarta-feira."
Meu queixo caiu. "Ele não pode fazer isso!"
Os lábios de Lev franziram. "Ele pode; ele simplesmente não
deveria. É uma regra não escrita. É considerado de má forma ".
Sentei-me na minha cadeira, sentindo-me mal-humorada. Eu me
virei para olhar para Sasha. "Por que ele te odeia tanto?"
Pela primeira vez, Sasha não me encarou. Ele falou baixinho, "Eu
marquei o rosto de seu filho quando ele tentou me tirar fira. O menino
bonito não é tão bonito mais." Ele suspirou. "Laredo não dá uma
merda que seu filho trouxe essa merda na minha propriedade. Ele vê
essas cicatrizes e ele quer acabar comigo. "
"O que aconteceu?"
Nas explicou em um tom curto, "Sasha dormia com a mulher de
Alessio."
Sasha soltou um defensivo, "Ela disse que eles tinham acabado."
Ele passou a mão pelo seu cabelo escuro. "Como eu ia saber que ela
estava usando meu pau como uma arma contra ele?" Ele sorriu para a
memória dela. "Eu gostaria de dizer que ela não valia a pena, mas ela
era uma gata selvagem maldita."
"Bem, não é culpa de Sasha que a mulher é uma vagabunda", eu
murmurei.
Sasha pareceu surpreso com o meu apoio. Mas, ainda assim, seu
olhar retornou. "O novo show? O que ele tem que nós não sabemos? "A
frustração tomou conta. "Eu não posso nem enviar alguém até lá para
ver o que está acontecendo. Não confio em ninguém. Ele conhece todos
os que trabalham para nós. Conhece os nossos rostos." Olhei para
todos eles, com cara de pensamento sobre enfrenta-lo.
Eu era a única que tinha a solução para este problema?
"Ele não me conhece." Eu ofereci com um encolher de ombros
suave, "Eu irei."
Lev latiu, "Não", ao mesmo tempo que Sasha sorriu tortuosamente
e assobiou, "Sim." Eles olharam um para o outro.
Sasha falou baixinho: "Você quer que este navio afunde, moy
brat?"
"Net", Lev respondeu sem entusiasmo.
"Eu não me importo. É o mínimo que posso fazer ", eu havia dito
sinceramente.
Sasha sorriu para mim enquanto Lev franziu a testa, infeliz. Nas
apertou meu ombro em apoio silencioso.
E assim, um plano foi idealizado.

"Se eu pensar por um segundo que você está em perigo de ser


pega, eu estou chegando lá", Lev murmurou enquanto dirigia. Vik
permaneceu em silêncio no banco de trás.
Sorri para mim mesma com o tom de proteção em sua voz.
"Entendi."
"Certifique-se de ter o seu celular com você em todos os
momentos", ele insistiu.
Bati a mão sobre meu bolso da calça jeans pela sexta vez desde
que começamos nossa jornada. "Ainda aqui", eu disse a ele.
Lev me surpreendeu esta manhã com um novo telefone celular.
Era um daqueles com a tela grande que você poderia usar a Internet, e
baixar aplicativos e, provavelmente, controlar quando você estava
prestes a ir ao banheiro.
Era extravagante.
Passou a manhã me mostrando como usá-lo. Até o fim de tudo, eu
sabia a maioria dos princípios. Eu ainda não entendia o que as coisas
app eram, mas ele disse que iria chegar a esse outro dia.
Chamar, responder, e mensagens de texto era bastante fácil de
lembrar. Eu pratiquei enviando mensagens à NAS.

Eu: O que você ganha quando você cruza uma lagarta com um
papagaio?
Nas: Quem é?
Eu: A Walkie Talkie !!!!!
Nas: Quem é?
Eu: Ei, isso foi engraçado. Você poderia, pelo menos, por cortesia,
dar uma risada.
Nas: Quem diabos é?

Lev também conseguiu obter-me um cartão de identificação do


estado, que explicou por que tinha Nas havia obtido algumas
fotografias de 3x4 minhas a última vez que estivemos no shopping. Eu
não deveria ter estado surpreendida que ele tinha todos os meus
detalhes precisos, mas eu estava. Eu sorri. "Como você conseguiu isso,
seu ganso sorrateiro?"
Ele sentou-se à mesa da cozinha, parecendo satisfeito com a
reação. "Conheço pessoas." Isso estava claro. Ele parecia ter conexões
em todos os setores. "Eu também tenho uma cópia de sua certidão de
nascimento, o seu cartão de segurança social, e seu passaporte." Eu
olhei para o cartão de identificação.
Mina Clarabelle Harris.
O endereço listado era ... Lev.
Eu não me incomodei questionando o porquê. Eu tinha certeza
que ele fez isso porque ele tinha que fornecer algum endereço que foi
parcialmente válido, e eu tinha vivido aqui durante as últimas a quatro
semanas e meia.
Estacionamos um quarteirão de distância, Vik trabalhou
rapidamente, colocando a câmera de vigilância disfarçada como um
grande botão na lapela do meu casaco preto, debaixo do meu casaco. O
botão preto grande adequadamente lia "eu estou julgando-o
silenciosamente”.
Vik explicou: "Este não é uma câmera ao vivo. Eu não vou ser
capaz de verificar a filmagem até que você saia de lá e nós voltemos
para o clube. Se você acha que alguém está em você, não pense;
apenas corra." No meu aceno nervoso, ele sorriu. "Basta sentar, pedir
uma bebida, e assistir ao show, como você faria com a gente. Nada
demais." Ele acrescentou: "E provavelmente iria ajudar se você
perdesse a expressão eu-estou-fora-da-minha-zona-de-conforto. "
"Cale a boca, Vik." Eu empurrei o braço dele e ele riu.
Eu estava pronta para ir. Inclinando-me sobre o assento, agarrei a
camisa de Lev e puxei-o para mim. "Ei, não se preocupe. Estarei de
volta em uma hora, ok?" Ele resmungou, não olhando para mim. Então
eu forcei sua atenção. Chegando mais perto, eu pressionei meus lábios
em seu rosto suavemente. "Estarei de volta antes que você perceba."
Afrodite’s Kiss me chocou. A forma como os rapazes falaram sobre
isso, eu esperava um buraco de um estabelecimento, mas era lindo.
O tema grego significava grandes colunas brancas
estrategicamente colocadas com flores delicadas e vegetação pintados
sobre eles, grandes mesas de cabine de madeira primorosamente
concebidos e aparadas com o ouro, as almofadas decoradas com o
padrão de meandros típico grego (em ouro, é claro), e no palco … Uau.
Era como se tivesse sido desenhado em um estilo dramático de 1900,
com pesada cortina de veludo vermelho.
Fiquei impressionada.
Fiz o que Vik me disse para fazer. Eu pedi uma bebida, tomei um
assento, e encarei o palco. Meia hora depois, o show começou. As luzes
se apagaram e holofotes brilharam no palco; as cortinas se abriram e
eu fiquei boquiaberta.
Quatro homens, lindos e musculosos, usando material branco
drapeado sobre suas coxas, mostrando os topos de suas bundas,
segurando uma mulher envolvida sedutoramente em um pequeno sofá
anexado a uma plataforma. Cada homem levou um canto da
plataforma e levou-a sem esforço.
Foi um show.
A mulher, que tinha um leque de penas cobrindo o rosto, baixou-a
quando os homens colocaram o sofá no chão.
"Foda-se puta", eu sussurrei.
Era ChaCha. Ela estava vestida como uma deusa grega. Ela, é
claro, se apresentou como Afrodite.
Eu assisti sua performance. Era uma sátira das sortes, uma cruz
de decapagem, drama e humor. Eu não queria admitir, mas ela era
uma boa atriz. Ela tinha os homens comendo fora de suas mãos e
olhando para seu peito com glitter. Ele terminou quando ChaCha foi
até seu ChoCha.
Os homens aplaudiram quando as cortinas caíram. A música foi
aumentada, e duas outras mulheres subiram ao palco para executar
uma rotina muito média de pole. Eu tinha visto melhor em Bleeding
Hearts. Meia hora mais tarde, um outro esquete ocorreu.
Eu estava começando a ver por que os homens estavam se
reunindo aqui. Era diferente. O riso dos esquetes fornecidos era
contagiante e melhorou a atmosfera geral no clube. Não era decadente,
e isso fez o ambiente mais fácil, menos desprezível.
Infelizmente, eu estava começando a ver por que eles tiveram um
vencedor.
Eu já tinha visto o suficiente. De pé, mudei-me para sair, mas fui
quase atropelada por um homem. Gritei, me firmando antes de eu cair.
O homem se virou. "Merda, eu sinto muito." Ele sorriu desculpando-se.
Oh, meu Deus.
Meu coração se afundou tão profundo que terminou em meu
estômago.
Olhos do cara do bar do sanduíche se estreitaram para mim. "Ei,
eu sei quem você é." Ele me olhou por cima. "Você é a garota sem-teto."
Eu balancei a cabeça, tentando olhar irritada em ser chamada de
sem-teto. "Não, eu acho que você tem a pessoa errada. Desculpa."
Mudei-me para ir embora, mas ele pegou meu braço, me puxando
para trás. Era óbvio que ele tinha bebido algumas. Ele riu alto. "Oh,
vamos lá, eu sei quem é você, menina. Nenhum homem se esquece de
um rosto assim. "Ele olhou de soslaio para mim. "Você está parecendo
muito melhor."
"Tire as mãos de mim", zombei.
Ele estalou a língua. "Pena que você não está mais com fome." Ele
balançou a cabeça em arrependimento. "Porra, você é bonita." Ele se
inclinou para falar diretamente em meu ouvido. "Estou arrependido de
não levar sua oferta naquela noite. Meu pau anseia por sua boca,
baby." Ele acrescentou: "O que seria necessário para que a oferta seja
reintegrada? "
"O inferno congelar sobre você idiota sujo." Eu o empurrei tão
duro quanto eu podia. Ele perdeu o equilíbrio, caiu para trás, e toda a
atenção caiu sobre mim.
Centenas de olhos se voltaram para mim. Eu corei, olhando para
os guardas de segurança que tinham acabado de se adiantou para
intervir. Eu bati para eles e falei impetuosamente: "Será que os
homens em seu clube podem tratar as mulheres assim?"
Então eu fiz um erro enorme.
Afastei-me, chamando de volta em voz alta: "Não, obrigada. Eu
vou tomar o meu negócio para Bleeding Hearts".
Minha boca se abriu em choque. Eu assisti a mulher saindo, meu
coração batendo rápido.
Alessio veio para o meu lado. "O que devo fazer, pai?"
Meus olhos se voltaram para focar o homem que ela tinha
discutido. "Bani-lo."
Meu filho se acalmou e eu senti o choque de Alessio. "O quê? Por
quê? Eles tinham palavras, isso é tudo. Nada demais."
Eu balancei minha cabeça. "Este é um ambiente seguro, figlio. Ele
trouxe essa merda no meu clube e matou o humor. Eu não vou tolerar
isso." Minha cabeça feita, eu me repeti, "Bane-o."
Alessio saiu para fazer o meu lance, mas eu ainda estava voltado
para a saída. Eu tinha certeza que eu tinha visto um fantasma.
"Clara", eu sussurrei para mim mesmo. Eu precisava vê-la de
novo, vê-la de perto, com os meus próprios olhos.
E eu sabia exatamente onde eu iria encontrá-la.
Voltamos para Bleeding Hearts em silêncio. Vik pegou o olhar de
pânico em meus olhos e me levou para o carro. Lev estava dirigindo
antes de a porta do passageiro estar mesmo fechada.
"O que aconteceu?" Perguntou Vik quando Lev manteve os olhos
na estrada.
Eu tirei a câmera disfarçada de botão e entreguei-a de volta para
ele. "Nenhuma coisa."
Foi estúpido mentir. Vik iria ver o que aconteceu quando ele
assistisse a filmagem. Acho que parte de mim estava esperando que ele
não o visse até o fim.
Não. A esperança era uma palavra muito fraca. Rezei para que ele
não fosse vê-lo até o fim.
Se eu soubesse que sanduíche ia estar no Afrodite’s Kiss, eu
nunca teria oferecido para jogar de espiã. O homem tinha me
humilhado agora em duas ocasiões. Ele iria dormir esta noite sem me
dar um segundo pensamento, e ele iria me assombrar por um tempo.
Eu sabia que estava lhe dando poder ao fazer isso, mas porcaria, era
difícil parar.
Quando chegamos de volta ao clube, Lev me ajudou a sair do
carro e, sem querer, eu me liguei a ele, envolvendo meu braço em volta
de sua cintura e olhando para ele, um olhar suplicante nos meus
olhos, pedindo permissão silenciosa.
Ele não me desapontou. Ele me deu o que eu precisava, seu braço
apertando em torno de mim, me puxando para o seu lado.
Um suave suspiro me escapou. Quando Lev me segurou, me senti
como se nada pudesse me tocar. Ele desempenhou o papel protetor
bem, e embora eu lutasse contra o fato de que eu precisava, isso me
fez sentir valer alguma coisa, e isso era mais do que eu tive em anos.
Nós caminhamos no interior e pelo longo corredor até o escritório
de Sasha. Vik abriu a porta e Sasha fez uma pausa. Ele olhou para
cima de seu estado pensativo, e quando seus olhos pousaram em mim,
seu lábio enrolou.
Eu estava ficando muito cansada da sua merda. Eu não
conseguia descobrir o que era que ele tinha contra mim. No início, eu
pensei que era toda o problema da carteira, mas como o tempo passou,
eu vi que era mais. Eu simplesmente não conseguia colocar o dedo
sobre o que.
Sasha olhou de mim, para o braço de Lev, que estava preso em
meus ombros, depois para Vik, que ele perguntou educadamente:
"Pegaram?"
Vik ergueu a câmera botão, agitando-o levemente antes de se
mover em torno da mesa de Sasha para ligá-lo em seu laptop. Ele
trabalhou rapidamente, trazendo à tona o arquivo. Antes que ele
apertou o play no media player, Vik olhou para mim. "Eu acho que Nas
vai querer ver isso." Esta vai ser uma visualização em grupo?
Meu coração se afundou, mas entendi o recado e encontrei Nas
sentada no canto escuro do bar, bebendo um whisky azedo. Assim que
ela me viu, seu rosto se iluminou. Ela se levantou, andou até mim e
pegou meu braço. "Finalmente", ela murmurou. "Enquanto você esteve
fora jogando de Maxwell Smart, eu estava morrendo de tédio. Por que
você começa a ter toda a diversão? "
"Quem diabos é Maxwell Smart?" Eu perguntei e ela bufou uma
risada, ignorando a minha pergunta.
Um simples olhar ao redor do chão e eu sabia o que ela queria
dizer. Nós quase não tínhamos clientes em tudo.
Eu andei com Nas pelo longo corredor, mas antes de segui-la
dentro, fiz uma pausa, puxando para trás. Meus nervos chiaram. "Eu
só vou deixá-la com eles."
"O quê?", perguntou ela, uma carranca distorcendo sua cara
bonita. "Sente-se comigo." Não era um pedido. Nas não perguntou.
Ela ordenou.
Hesitação me segurou até que, finalmente, engoli em seco, entrei
no escritório e fechei a porta atrás de mim. Lev sentou-se na cadeira de
convidado, em frente Sasha. Vik se levantou, enquanto Nas sentou no
braço da poltrona de Lev.
Encolhi-me de volta para o canto perto da porta, sensação de frio
me abraçando.
A filmagem foi desnatada sobre até que o show começou. No
segunda em que ChaCha foi revelada, Nas cuspiu uma série de
ultrajantes e inteligentes palavrões. Sasha parecia prestes a atirar em
alguém. Ou seja, ChaCha.
Vinte e cinco minutos de filmagem, eu saltei do meu canto. "É
isso", eu disse. "Eu me levanto para sair em um minuto."
Vik voltou-se para Sasha. "É um show", ele pronunciou com um
encolher de ombros pequenos, como se ele não soubesse o que o
grande negócio foi.
Nas conseguiu embora. "Sim, é um show", ela começou. "Mas você
viu a maneira como os homens reagiram a ela. Era positivo e leve. Não
sórdido. E a maneira como eles fizeram até o local. "Ela olhou para
Sasha. "Parece legal."
Sasha assentiu com a cabeça como se estivesse respondendo a
uma pergunta não formulada. "Temos de melhorar o nosso show,
melhorar a nossa imagem. Nós vamos perder mais negócios se não
lhes der algo para falar. "
Como esta conversa estava acontecendo, eu estava assistindo o
media player, ainda jogando o arquivo, com o meu corpo frio com a
ansiedade. Na tela, eu tinha apenas ficado da minha mesa no
Afrodite’s Kiss e estava indo embora quando ...
"Ei, eu sei quem você é", foi ouvido alto e claro. "Você é a garota
sem-teto." Todas as conversas pararam. Todos os olhos se voltaram
para a tela.
"Por favor, desligue-o," eu implorei em um sussurro, minha voz
tremendo.
Mas ninguém ouviu. Eles estavam muito encantados na briga
acontecendo na tela.
"Pena que você não está mais com fome." Eu mordi o interior do
meu lábio, meu coração acelerado. "Porra, você é bonita." Minha
garganta fechou e os meus braços apertados ao redor do meu corpo.
"Estou arrependido de não levar sua oferta naquela noite. Meu pau
anseia sua boca, baby. "Lágrimas encheram meus olhos e eu fechei-los
apertado, não lhe dando a satisfação de chorar sobre suas ações mais
uma vez. "O que seria necessário para que a oferta seja reintegrada?"
"O inferno congelar sobre você idiota sujo."
Eu ouvi o baixo gemido de alguém de pé de uma cadeira. Eu sabia
que ele estava em frente de mim antes mesmo de abrir meus olhos. Em
vez disso, apertei-os fechados apertado. "Sinto muito", eu disse a ele.
Eu mesmo ouvi no laptop. "É assim que você deixar os homens em
seu clube tratar as mulheres?" Eu me encolhi, batendo minhas mãos
sobre o meu rosto, sabendo o que estava por vir. "Não, obrigado. Eu
vou tomar o meu negócio para Bleeding Hearts".
Falando por meio de minhas mãos, eu soltei um abafado, "Oh,
Deus."
Ouvi alguém rir baixinho. Nas cuspiu, "Não é engraçado!"
Fechando-os antes que eles pudessem me humilhar mais.
Sasha falou. "Eu sei que não é engraçado. Eu não estou rindo de
humor." Sua voz tinha uma nota chave de escárnio. "Não só ela faz
uma cena, mas sua bunda louca anunciou que ela estaria vindo para
cá."
Ele zombou. "Sim. Lá vai o resto de nossos clientes ".
"Cale a boca, Sash," Nas assobiou. Sua voz suavizou muito
quando ela perguntou, "Mina, você conhece aquele cara?"
Eu balancei minha cabeça.
Quando Lev falou, senti sua fúria. "Você disse que não aconteceu
nada. Isso não era nada. "
Foi então que eu abri meus olhos e, triste como eram, eles se
estabeleceram em Lev. "Eu não queria que você ouvisse o que ele
disse."
"Por quê?" Ele perguntou, na fronteira com irado.
Mordi o interior do meu lábio e falei através da espessura na
minha garganta. "Porque o que ele disse ..." Oh, Deus, eu estava tão
envergonhada. "É verdade." Eu funguei, a primeira de muitas lágrimas
escorrendo pelo meu rosto vermelho flamejante. "Ele é dono de uma
lanchonete. Perguntei-lhe por comida. Ele me disse para chupar o pau
dele. No início, eu me recusei, mas," uma respiração irregular me
escapou, "mas eu estava com tanta fome, Lev. Com tanta fome, “Eu
salientei. "E quando eu finalmente concordei, ele me disse que era
tarde demais e me deixou chorando no meio da rua." Eu olhei para o
chão. "Ele não conseguiu o seu boquete. E eu não recebi nada para
comer." Minha voz se voltou para um sussurro. "Esse foi o dia antes de
te conhecer. Foi por isso que eu roubei a carteira de Sasha. "Eu olhei
para cima através dos meus olhos embaçados para bloquear os olhos
com Sasha. Meu sussurro rouco. "Eu estava desesperada."
Ninguém falou por um tempo. Eu não queria que ninguém
falasse. Eu não queria olhares de pena. Eu não queria simpatia. Eu
queria ir para casa.
"Tudo bem", murmurou Lev dessa forma suave sua, e era quase
como se tivesse lido minha mente, porque ele virou-se para as outras
pessoas na sala e disse: "Eu estou levando Mina para casa."
Mesmo que ele não estivesse pedindo permissão, Sasha deu no
único jeito que eu imaginava que podia. "Sim, qualquer coisa. Não é
como se nós tivessemos clientes para servir ".
Nós dirigimos em silêncio por muito tempo, confortável, de mãos
dadas através do painel central.
Quando chegamos em casa, nós fomos nos preparar para a cama.
Lev despiu tudo e ficou em suas boxers, não tendo mais medo de
precipitar a minha sensibilidade leve, e eu vestida de pijamas amarelos
"horríveis". Lev trancou a porta do quarto, tirou o sofá, subiu, e
desligou o abajur. Minha lâmpada seguiu enquanto eu subia na cama
king-size extremamente grande.
Fiquei ali um longo tempo, incapaz de me sentir confortável ou
encontrar o sono.
Demorou muito, em uma conversa mental, mas eu fiz a minha
decisão.
Deslizando para fora da cama, eu arrastei-me para o sofá-cama,
subi no colchão, e não foi um pouco surpreso que Lev tinha previsto a
minha jogada, levantando as cobertas para me deixar para baixo. Ele
me abraçou, envolvendo um braço em volta da minha cintura e me
puxando de volta em seu corpo quente e forte.
Seu perfume era quente e viril. Ele estava quentinho, e seu corpo
duro ao redor do meu. Ele me acalmou. Conforto bateu-me
imediatamente e eu bocejei.
Eu senti os lábios de Lev pressionar levemente na base do meu
pescoço. "Boa noite, Mina." "Noite, querido." Meus olhos se voltaram
pesados e, em breve, eu estava perdida para dormir.
Dormimos assim até amanhecer.
Na manhã seguinte, enquanto eu caminhava para fora do
banheiro vestida com minhas calças de yoga preta e regata branca, eu
fui trazida a uma parada por Lev sentado na beira da cama, esperando
por mim.
Escovando meu cabelo molhado, eu sorri suavemente para vê-lo
em seu moletom e camiseta.
"Dia."
Uma ruga na testa, ele se levantou e veio para a frente, uma caixa
de turquesa pequena em sua mão. Ele caminhou para frente, com um
brilho decisivo em seus olhos, e quando ele parou uma polegada na
frente de mim, eu sabia o que estava por vir.
Lev inclinou-se em baixo, perto, e respirando em seu quente,
perfume viril, eu fechei os olhos, esperando o beijo que eu estava
esperando por toda minha vida.
Fiquei na ponta dos pés, com o rosto virado para cima, pronto
para recebê-lo.
Esse beijo seria o beijo que eu julguei por todos os outros. Eu
senti-o profundamente em meus ossos. Esse beijo seria inovador. Esse
beijo me empurraria sobre a borda e finalmente cairia para Lev Leokov.
Esse beijo…
Nunca aconteceu.
Suas mãos trabalharam rapidamente, prendendo algo por trás do
meu pescoço.
Eu olhei para baixo.
Uma âncora de prata em uma longa corrente de prata delicada
sentou-se um pouco acima do vale dos meus seios. A decepção do meu
não beijo desbotado, mas apenas marginalmente.
"Não é meu aniversário", eu disse a ele.
Acontece que, eu não preciso de um beijo inovador para me
apaixonar por Lev Leokov. Eu sabia disso, porque o que ele disse em
seguida, resolveu a questão. "Isto é para todos os aniversários que você
perdeu." Ele estendeu a mão para escovar o pingente de âncora, o dedo
varrendo toda a parte superior do meu peito acidentalmente. "Para os
aniversários que nunca foram reconhecidos quando deveriam ter sido."
Meus olhos começaram a arder.
Ugh! De novo não.
Eu estava virando uma bagunça chorosa. Eu não queria chorar,
mas o momento foi mais do que eu esperava nesta vida, e a entrega
sincera de Lev me levou sobre a borda.
O homem não tinha ideia de como ele era sonhador, e provou isso
quando ele me puxou para perto, envolvendo-me e falando
suavemente, "Por favor, não chore, Mina. Me desculpe. Eu não sou
bom com as palavras. "
Eu ri através das minhas lágrimas do absurdo de sua declaração.
Pegando suas bochechas, eu puxei para baixo, pressionando um beijo
suave persistente na boca. Puxando para trás, notei seu olhar de
choque, mas optei por ignorá-lo. Eu peguei o pingente e sorri, "Eu
adoro ele, Lev. Obrigada. Eu nunca vou tirá-lo. "
Mais tarde naquela noite, depois de outra noite no clube com
apenas um punhado de clientes fiéis, Lev e eu saímos um pouco depois
das duas horas
Eu notei um padrão acontecendo.
Durante a carona do carro, ficamos de mãos dadas através da
consola central, e uma vez em casa, nos despimos e fomos para nossas
camas separadas. Nós desligamos nossas lâmpadas e nos
estabelecemos.
Quinze minutos se passaram e o sono não tinha me encontrado.
Mordi o interior do meu lábio antes de chamar para a escuridão ",
Lev?"
Seu grunhido imediato de resposta me disse que ele ainda não
tinha adormecido.
Eu fui para ele. "Você sabe, há muito espaço nesta cama para nós
dois." Houve um longo silêncio, e eu queria dar um tapa na minha
testa.
Eu empurrei muito difícil.
Assim quando eu abri minha boca para deixar escapar um boa
noite estranho, eu ouvi as cobertas farfalhar. Eu vi o contorno dele se
aproximar da cama. Ele deu a volta para o lado esquerdo e deslizou
sob as cobertas. Meu alívio evidente, eu virei em direção a ele, antes de
provar a mim mesma no seu lado, minha cabeça em seu peito e meu
braço descansando em seu abdômen.
"Está tudo bem?" perguntei, sabendo muito bem que era perfeito.
Seu braço forte veio em torno de mim e ele suspirou, "Perfeito."
Eu sorri para o peito nu de Lev, respirando o cheiro quente dele, e
adormeci esperando que eu fosse encontrar-me sorrindo com minha
maneira de dormir com mais frequência.
Encontrar um momento a sós não foi difícil de fazer entre as dez e
doze horas. Essas foram as horas que Lev desaparecia para treino. Ele
sempre saía às dez e ele estava sempre de volta as doze horas, se não
as doze em ponto. Eu não sabia o que ele fazia durante seu treino. Eu
sei, qualquer que seja a atividade, ele voltava pingando de suor.
Eu me fiz clara em mais de uma ocasião que eu achava Lev
atraente. Ele foi, de longe, o homem mais bonito que eu já tinha visto.
Com seus olhos dourados, ângulos duros de seu rosto, cabelo escuro
estilo desgastado, e sua altura, estrutura construída, encontrei-me
perguntando como seria estar nua sob esse corpo, nu e suando de um
tipo diferente de treino.
Sempre que Lev chegou em casa, sua calça de moletom e camiseta
úmida estava aderindo a ele, a minha língua iria inchar e eu mal tinha
de conter minha respiração ofegante.
Lev era sexy, pura e simples.
Como o nosso arranjo para dormir mudou agora se tornando uma
coisa permanente, ele não escapou do meu conhecimento que eu
acordei com uma ereção longa, grossa pressionada contra a minha
bunda, ou coxa, ou onde quer que ele passou a ser pressionado no
período da manhã.
Nós dois jogamos legal, não chamando a atenção para isso, mas
nós dois sabíamos que estava lá. Era óbvio, tão dolorosamente.
Esta manhã foi um pouco diferente, no entanto. Tendo mal
acordado com esse pau duro pressionado para a minha bunda para o
terceiro dia consecutivo, eu agia inconscientemente no meu estado
sonolento, arqueando as costas e deixando escapar um suspiro de
êxtase quando me esfreguei no comprimento sólido em um caminho
delicioso.
Por um momento, pensei que Lev era um sonho.
E estava (obviamente) errada.
Meu corpo, na qualidade de seu próprio acordo, foi de volta para
ele mais uma maravilhosa vez, e Lev soltou um suave grunhido de
aprovação. A fenda escondida entre as minhas pernas pulsava
suavemente e de repente eu estava quente por toda parte. Eu queria
espalhar através de mim, e antes que eu percebesse, a procura tinha
aumentado a uma necessidade desesperada.
Eu precisava de mais. Eu estava desesperada para contato. Eu
queria o pau duro dentro de mim, me enchendo, me esticando.
Esse foi o momento que Lev extraiu-se suavemente e um segundo
depois, ouvi a porta do banheiro logo atrás dele. O chuveiro começou e
foi quando eu acordei totalmente, percebendo o que tinha acontecido.
Meu pescoço coçava com calor e meu rosto inflamado.
Eu tive Lev no meu sono.
Isso não era muito educado, Mina.
Eu pensei em pedir desculpas, mas sabia que seria tão estranho
como a própria situação. Então eu fiz a próxima melhor coisa, a coisa
que Lev e eu fizemos bem.
Fingindo dormir, eu fingi que nada aconteceu, respirando tão
fortemente e de forma uniforme quanto possível,
Lev saiu do banheiro.
O arrastar de roupas soou, a porta do quarto estava aberta, e eu
encontrei-me sozinha em uma cama construída para dois.
Virei-me para deitar de costas e suspirei. Minha mão parou no
meu peito sobre meu pijama, deslizou por cima do meu estômago, e os
meus dedos deslizaram sob o elástico da minha calcinha para onde eu
precisava deles mais. Fechei os olhos e pensei em longos dedos de Lev,
seus lábios carnudos, e seu bumbum tenso como eu me trouxe para
liberar. Mas era oco.
A satisfação que eu desejava nunca mais veio à tona.
Esperei que o som da porta de trás para fechar antes de me
levantar. Tomei banho rapidamente, abri as cortinas do quarto e
sentei-me no centro da cama desarrumada, as pernas cruzadas. O
meu telefone na minha frente, eu olhava para o cartão de visita e
pensei muito sobre como fazer a chamada.
Meu estômago virou quando peguei meu telefone e disquei. Ele
tocou duas vezes antes de responder com um Olá rápido.
"É Mina," eu comecei. Mordi o interior do meu lábio e disse a ele o
que eu precisava. "Você sabe o contato que você tem? Eu estou pronto
para vê-los. "
Silêncio se seguiu, então ele me disse onde eu precisava ir.
"Ok." Eu queria sorrir, mas não podia porque meu coração estava
preso na minha garganta. "Obrigado, Pox ".
Sem um momento de hesitação, eu liguei para Nas e pedi-lhe um
favor.
Eu precisava de uma carona.
A clínica era pequena, mas limpa, e uma pequena mulher vestida
de uniforme me levou para uma sala vazia. Eu não queria ir sozinha.
Nas sentou em uma das cadeiras, passando por seu telefone.
Engoli em seco. "Hey," eu chamei, minha língua foi para o telhado
da minha boca seca. "Você está vindo?"
Ela piscou para mim, procurando o meu rosto por um momento
antes de ver o medo em meus olhos. Ela se levantou, e eu dei um
suspiro de alívio quando ela me seguiu para a sala de exame.
Esperamos em completo silêncio. Poucos minutos depois, uma
mulher esbelta com um coque rosa desarrumado entrou, sorrindo.
"Mina?" Ela olhou para mim de Nas, sem saber que a mulher era sua
paciente.
"Eu sou Mina", eu disse, sentando-me ereta e levantando minha
mão como uma colegial.
O sorriso dela se arregalara enquanto ela estava sentada. "Oi,
Mina. Eu sou a Dra. Henley. Meu irmão chamou à frente. Me disse que
precisava de um DIU." Ela fez uma pausa, em seguida, perguntou:
"Posso perguntar por que você escolheu o DIU sobre o implante? "
Espere ... Pox era seu irmão?
Eles não tinham nada parecidos.
Torci minhas mãos juntas em nervosismo e disse a ela, "dura
mais tempo."
Ela assentiu com a cabeça em compreensão, em seguida,
começou a digitar na tela do computador aberta. "Nós não temos na
mão, é claro." Meu rosto caiu, mas ela continuou. "Eu não me
preocuparia com isso. Vou entregar-lhe um script e enviar-lhe ao lado.
O farmacêutico tem sempre uma tonelada deles." Ela suspirou
levemente. "Eu tenho que te dizer, Mina. Eu não gosto de fazer esses
trabalhos urgentes. Em um cenário normal, nós faríamos um exame
interno, um exame de Papanicolaou, e teste de DSTs antes de inserir
um DIU." Ela olhou para mim e perguntou gentilmente:" Eu não acho
que você iria voltar em uma semana? "
Minha voz fraca, falou calmamente. "Eu prefiro não. Os médicos
me deixam nervosa. "
Ela assentiu com a cabeça em simpatia. "Ok, então." Seu rosto
compassivo, ela falou suavemente quando ela me disse. "Eu não posso
fazer muito sem fazer um primeiro exame interno."
Eu sabia que o estava por vir. É claro que ela tem que olhar lá em
baixo. Era onde o danado estava indo.
Dra. Henley levou-me atrás de uma área de cortinas, instruindo-
me a remover meu jeans e a calcinha antes de puxar o lençol sobre
minha metade inferior. Eu fiz como pedido e achei que era mais fácil
sabendo que Nas estava apenas a um gritar distância.
O exame foi curto e relativamente indolor e, satisfeita com os
resultados, Dra. Henley deixou-me vestir, deixando um copo de água e
dois analgésicos na mesa de bandeja. Eu engoli-os para baixo, sai, e
ela rabiscou em um pedaço de papel antes de entregá-lo para mim. "Vá
em frente ao lado e peça a Marianne. Ela vai ter a ordem preenchida
em poucos minutos. "
Marianne era uma mulher corpulenta que parecia que não sorria
um lote inteiro. Como a Dra. Henley aconselhou, meu pedido foi
preenchido em poucos minutos, e logo depois disso, eu estava de volta
na mesa de exame, a minha metade inferior nua e coberta com um
lençol.
Nas ficando no outro lado da cortina. Dra. Henley e eu logo fomos
acompanhados por Jane, a enfermeira que inicialmente mostrou-me a
sala de exame. Jane segurou minha mão apertada e me disse para
respirar profundamente enquanto eu estava aberta com um espéculo
plástico lubrificado. Dra. Henley me avisou quando meu colo do útero
cerrava por conta própria, fazendo com que meu estômago desse uma
cãibra dolorosa. Ela era honesta e aberta, e parecia que ela sabia o que
estava falando. A dor não durou muito tempo. Na verdade, o
dispositivo de controle de nascimento foi inserido em menos de cinco
minutos, e, logo que o espéculo foi removido, a dor diminuiu para
nada.
"É isso?" Perguntei, surpresa com o quão bom eu me senti depois
de ter algo inserido em meu útero.
Dra. Henley puxou o lençol para me cobrir. "É isso", afirmou. "Não
se deixe enganar. Você vai ter algumas cãibras perversas, mais tarde,
enquanto o dispositivo se instala. Eu aconselho você deve tomar
ibuprofeno a cada quatro horas, mesmo se você acha que você não vai
precisar dele. Ele vai ajudar a inflamação. "
Ela e Jane me deixaram me vestir, dando-me um absorvente para
usar. Vesti-me rapidamente e sai para se juntar aos outros.
Nas olhou para cima. "Vocês está adequada, luz do sol? Você sabe
o que dizem. Nenhuma luva, nenhum amor." Eu olhei para ela. "Cale a
boca, Nas."
Ela sorriu. "Oh, cale agora. Você me ama."
Eu amava Nas. Ela estava se tornando rapidamente a minha
melhor amiga. Não importava que ela era minha única amiga. Ela era
solidária e engraçada e me escutou. Eu estava grata por sua amizade.
Dra. Henley advertiu: "Você tem a proteção, mas nenhum amor
por uma semana, porém, está bem? Não sem um preservativo. "
Meu rosto ficou vermelho beterraba. "Eu nem mesmo tenho um
namorado. Não haverá amor." Eu me virei para Nas.
"Não haverá amor."
Dra. Henley sorriu. "Eu vou ter os resultados do exame de
Papanicolaou e teste DST na segunda-feira. Vou ter Jane chamando.
Além disso, eu vou ter você reservada para um acompanhamento em
cinco semanas. Eu espero que você mantenha um diário em que o
tempo de quantas vezes você está manchando." Eu abri minha boca
para protestar, mas ela deve ter visto isso chegando, porque ela
levantou a mão e me cortou. "É padrão. Eu tenho que ter certeza de
que o dispositivo tenha resolvido também." Ela jogou uma tática de
medo lá fora. "Se ele não resolver bem, ele pode se tornar incorporado
em seu útero e você terá que obtê-lo cortado. Venha para o checkup,
Mina." Sua tática de medo funcionou. Eu concordei com a nomeação.
A partir do momento em que Nas e eu saímos da clínica, me senti
melhor do que eu tive em muito tempo, e algo me disse que as coisas
só iriam ficar melhor.
Eu deveria ter escutado a Dra. Henley, mas sendo a boazona que
eu era, eu não fiz.
Seu conselho não seguido voltou para assombrar-me quando eu
quase me dobrei de dor, uma sensação de esfaqueamento afiado
pulsando ao longo da minha barriga. Eu pensei que eu ia ficar doente
com a dor sozinha.
Segurando o corrimão da escada, eu fiz o meu caminho para baixo
lentamente, um degrau de cada vez. Eu encontrei Lev na cozinha. No
segundo que ele me viu, ele deixou cair o jornal que estava lendo e
atirou-se de sua cadeira. "Mina, o que há de errado?"
Eu gemi, apertando meu estômago. "Eu preciso de analgésicos.
Ibuprofeno. "
Ele me ajudou a sentar-me antes de pesquisar através do armário
de remédios. "Eu só tenho acetaminofeno," ele disse quando ele trouxe-
o com um copo de água.
Eu balancei minha cabeça. "Não. Ibuprofeno. Ele precisa ser anti-
inflamatório. "
" O que há de errado? " Ele perguntou de novo, mas eu o ignorei.
"Chame Nas." Eu fiz uma careta quando outra cãibra tomou
conta, fazendo-me cerrar os dentes.
Ele fez, e ela chegou logo após a realização de uma caixa branca
de comprimidos em suas mãos. Ela balançou a cabeça para mim. "Não
ouviu a doutora, hein?"
"A doutora?", Perguntou Lev.
Eu gemia em agonia, minha testa começando a encher de suor,
dobrando. "Você tem os remédios ou não?"
Ela suspirou. "Sim sim. Eu tenho-os aqui." Ela colocou a caixa no
chão. Abri-o com as mãos trêmulas e joguei dois em minha boca,
engolindo-os secos. Nas estalou a língua para mim. "Olhe para você?
Você não ouviu e agora você é inútil. Você não está trabalhando hoje à
noite. Vai para a cama."
Mas Lev estava preso nisso. "A doutora?"
Nas teve pena de mim e mentiu para seu irmão. "É hora do mês
de Mina. Eu a levei para uma clínica para ver se eles poderiam fazer
qualquer coisa sobre a cólica. "
Eu estava esperando que ele se calasse como a maioria dos
homens. Eu não gosto de mentir para ele. Em vez disso, ele se ajoelhou
ao meu lado e colocou uma mão no meu joelho. "Por que você não
disse logo?"
"É embaraçoso." Eu resmunguei, massageando minhas têmporas
em um movimento circular lento, firme como a minha mãe utilizava
sempre que eu tinha uma dor de cabeça. Nunca senti o mesmo depois
que ela tinha ido. Eu só me sentia melhor quando alguém fazia isso
para mim.
Ele balançou a cabeça, franzindo a testa para mim. "Não, não é.
Você é uma mulher, Mina. Você não pode deixar de menstruar. É o que
as mulheres fazem." Então ele me chocou ainda mais. "Você precisa de
mim para ir até a loja para você?"
Ele estava disposto a ir até a loja e comprar produtos de higiene
feminina como se não fosse grande coisa.
Lev Leokov era a definição da palavra homem. Ele mereceu. Ele
certamente agiu como um. Não é como aqueles meninos bichanos que
fugiam da palavra período.
A coisa era, eu tinha usado o único absorvente que tinha sido
dado e eu precisava de mais, como a mancha tinha sido bastante
pesada. Olhei para Nas. "Você tem absorventes?"
Ela balançou a cabeça. "Desculpe, boneca. Eu sou uma menina
tampão. "
Miserável, eu me virei para Lev e assenti. "Eu preciso de
absorventes."
Seus olhos se suavizaram. "Ok." Se eu não soubesse melhor, ele
parecia satisfeito que eu deixei-o ser de alguma ajuda para mim. "Diga-
me o que você precisa."
Eu tagarelei fora o único item que eu precisava e Lev me ajudou a
cama antes de sair. Ele voltou meia hora depois com a caixa. Ele não
parecia reticente com a situação. Em vez disso, sabendo o que eu precisava,
ele se deitou ao meu lado, segurando minha mão até que eu adormeci.
Mais tarde naquela noite, eu acordei por um único momento,
tempo suficiente para sentir o corpo quente de Lev ao meu lado. Ele
trabalhou com cuidado para me puxar para perto e me enfiar dentro
do espaço que foi feito para mim. Ele apoiou o queixo em cima de
minha cabeça e suspirou baixinho.
Já não estava com dor, e no lugar que eu me senti mais em casa,
encontrei meu sorriso antes de dormir mais uma vez.
Acordei sozinha, mas revigorada e bem descansada, eu vesti-me
rapidamente e corri escada abaixo para tomar café da manhã com Lev.
Só quando cheguei à cozinha, não havia ninguém lá, o jornal
cuidadosamente dobrado no centro da mesa.
Silêncio nesta casa não significava sempre que estava vazia, mas
hoje, parecia que era.
Isso me deixou triste. Eu queria acordar todas as manhãs
cumprimentando Lev, colocando meus braços ao redor dele, e tendo o
calor dele como seu corpo gigante me envolvendo.
O tempo no forno mostrava oito e vinte e três. É muito cedo para
Lev ter ido para o seu treino.
Onde ele está?
Eu não seria aquela garota.
Eu não mandaria uma mensagem a ele. Não senhor.
Gostaria de ir tomar café da manhã com Nas, e tentar pescar
informações dela.
Era um bom dia. A caminhada me fez bem, agora que eu não
estava tendo dores de parto fantasmas. O ar estava frio e o sol estava
quente. Eu sorri para o céu.
Fazendo meu caminho até as escadas, toquei a campainha e
esperei.
E esperei.
E esperei um pouco mais.
Levantando minha mão, eu bati. "Vamos lá, Nas. Levante-se!"
Ela abriu a porta, piscando longe o sono, com o rosto e cabelo
agrupados em todo o lugar, vestindo uma camisola frágil. "Que porra é
essa, cara?"
Eu sorri para ela, e não esperando por um convite, eu deslizei por
ela. "Eu estou com fome e eu preciso de café."
Sua expressão umedecida. Eu virei para ela e olhei, começando
lentamente, "Eu realmente vim aqui para descobrir onde ele tinha ido."
Ela encolheu os ombros, bocejando. "Eu não sei. Eu não sou seu
guardião. "
Mordi o interior do meu lábio, meu nariz deformado. "Sim", eu
murmurei, parecendo desapontada. "Eu também."
Nas revirou os olhos. "Tanto faz. Vá esperar na cozinha. Deixe-me
desculpar-me com a minha companhia. "
Quando ela caminhou de volta até as escadas, eu chamei um
pouco alto demais. "Bom dia, Vik!"
Eu liguei a cafeteira e servi duas canecas cheias quando Nas
voltou para a cozinha, o cabelo preso em um rabo de cavalo alto. Ela
tinha vestido calças e um suéter solto, com maquiagem de ontem à
noite ainda manchada debaixo de seus olhos.
Entregando-lhe uma caneca, eu sorri maliciosamente. "Divertiu-se
com a sua companhia na noite passada?"
Ela olhou para mim por cima da borda de sua caneca antes de
levantar o nariz. "Ele ronca".
Só então, uma voz baixa e rouca veio da porta aberta. "Ela mente.
E sim, nós nos divertimos. Nós sempre nos divertimos. Jogando
Yahtzee até pouco depois do amanhecer." Vik sorriu, suas pálpebras
baixas do sono. Ele usava suas calças e nada mais. Eu estava muito
divertida para verificar o seu corpo tatuado tenso e lindo.
Eu bufei, quase engasgando com o meu café. "É isso o que as
crianças estão chamando esses dias?" Ele piscou para mim antes de
fazer algo que me surpreendeu.
Ele fez o seu caminho atrás da cadeira de Nas, colocou as mãos
em seus ombros, inclinou-se e apertou os lábios para o espaço logo
abaixo da orelha. Ela fechou os olhos e sorriu, feliz. Ele sussurrou algo
no ouvido de Nastasia e seu rosto ficou mole. Ela levantou a mão para
o copo seu rosto com ternura antes de virar o rosto para um beijo
suave em seus lábios.
Estas não foram as ações de duas pessoas que apenas dormem
juntos. Estas foram as ações de duas pessoas muito apaixonadas.
Minha mente voltou para o momento Nas me disse que Viktor não a
amava de volta. Ela era doida? Era claro como cristal, escrito por todo
o rosto. Em seu sorriso. O jeito que ele olhou para ela. Viktor Nikulin
era cabeça-sobre-saltos para Nastasia Leokov. E ele a amava de uma
forma que a maioria das mulheres sonhou.
Meu coração sorriu para os dois. Eles tinham algo especial.
Mesmo Nas não sabendo ainda.
Vik derramou uma xícara de café, em seguida, mudou-se em
torno da mesa, parando para beijar minha cabeça antes de sentar-se à
cabeceira da mesa. "Está se sentindo melhor, querida?"
Sorri para o seu apelido para mim. Ele foi claramente projetado
para tornar Nas ciumenta, e da forma como o nariz franziu, ele estava
trabalhando. "Estou me sentindo muito melhor, obrigada. Maldito
vírus, "eu menti.
A testa de Vik aumentou. "Eu pensei que era a dor do período?"
Pisquei para ele antes de virar para Nas. "E nenhum homem nesta
família tem escrúpulos?" Eu vibrei meus cílios em Vik. "Eu estava
tentando proteger suas sensibilidades delicadas."
Ele tomou um gole de café. "Isso são grandes palavras para
manhã, Mina."
"Então," eu cavei. "Onde está Lev?"
Vik piscou para mim, olhando-me com curiosidade. "O que é isso
para você?" Minhas bochechas aquecidas. "Nada", eu havia dito,
mergulhando meu queixo.
Vik sorriu, o agitador de merda. "Ok, então se é nada para você,
ele foi para o café com Anika.
"O que?" Minha cabeça disparou, os olhos brilhando, sem saber
se ele estava mentindo para obter um lugar fora de mim.
"Oh," Nas murmurou, lembrando de repente. "Sim, ele está." Ela
balançou a cabeça, em seguida, se encolheu,
"Desculpa. Esqueci."
Por que ele estava tomando café da manhã com Anika? Por que
ele não estava tomando café da manhã comigo? Mais importante
ainda, por que ele não me contou?
Porque isso não é da sua maldita conta!
A declaração de minha mente doeu, porque era verdade. Eu
queria que Lev fosse o meu negócio. Eu queria que ele pensasse em
mim quando ele tomasse decisões, como ter café da manhã com um
homem alto, ruivo lindo que queria ele claramente para si mesma.
Eu encolhi para baixo em minha cadeira e o sorriso de Vik caiu.
"Você está chateada."
"Eu não estou chateada," Eu menti descaradamente, meu tom frio
me dando. "Lev pode fazer o que ele quiser. Ele não me deve
explicações. "
Nas inclinou a cabeça. "O que está acontecendo com você e meu
irmão?"
Dei de ombros, sem saber como responder. "Eu não sei. Um
segundo, ele é todos os colares de proteção e carinho e no próximo, ele
está fora escondido dentro de si mesmo. Pensei que tínhamos uma
coisa, mas é como se ele estivesse com medo de falar comigo. "
Vik esticou. "Ele tem medo de falar com você. Bem, não você, mas
as pessoas em geral. "
Nas silenciou-o, mas eu estendi a mão para toda a informação que
eu poderia receber. "O que você quer dizer? Ele é tão confiante no
clube." Eu estava confusa. "Por que ele estaria com medo de falar
comigo?"
Vik levemente cutucou o braço de Nastasia. "Você vai falar com
sua garota? Ela acha que é o problema. Dê-lhe uma pausa, Nas."
Ela olhou para a mesa e murmurou um baixo, "Nós não falamos
sobre isso."
Vik balançou a cabeça antes de se inclinar sobre a mesa para
mim e perguntar: "Você já se perguntou por que Lev tranca a porta de
seu quarto durante a noite?"
Eu concordei com entusiasmo. "O tempo todo."
Nas falou em voz baixa: "Chega."
Vik ignorou. "Ele faz isso para se proteger. Ele não se sente seguro
à noite, no escuro." Ele balançou a cabeça em desgosto. "Ele era
apenas um menino."
"Eu não entendo."
Nas levantou-se e caminhou até a pia da cozinha, tentando fugir
da conversa.
"Ela costumava bater nele à noite, depois que todos fossem
dormir", explicou Vik.
Meu coração se partiu, correu, e chorou, tudo ao mesmo tempo
por Lev, o garotinho. Parte de mim queria saber, mas a outra parte
queria que fingir que era mentira. "Quem bateu nele?"
Nas, olhando para fora da janela da cozinha, sussurrou um
morto, "Minha mãe. Ela o odiava ".
Vik zombou. "Foda-se, eu odiava aquela vadia. Sempre soube que
aqueles sorrisos eram falsos
"Como ela pôde?" Eu falei calmamente através da minha garganta
grossa. "Como poderia?" Eu me virei para Nas.
"Por quê?"
Nas baixou a cabeça, sacudindo-a. Ela não podia falar. Ela
parecia prestes a perdê-lo.
Vik contou a história. "Ninguém sabe quanto tempo ela estava
fazendo isso. A única razão que nós descobrimos foi porque Lev parou
de falar." Ele me prendeu com um olhar. "Apenas parou de falar,
durante um ano inteiro. Ele tinha nove anos." Ele suspirou em
frustração. "Agora, se isso fosse qualquer outro garoto, você pensaria
que era estranho, certo?"
"Sim", eu concordei imediatamente.
"Não com Lev. Seu pai, Anton, era um bom homem. Ele amava
todos os seus filhos igualmente. Foi um dos mocinhos. Casou-se em
uma boa família, e a mãe de Lev, Talya, era uma mulher agradável. Até
Lev nascer. "
"Por que ter Lev mudou isso?" Inquiriu.
Vik sorriu ao pensar em seu amigo. "Lev é diferente." Isso ele era.
"Qualquer um com metade de um cérebro pode ver que ele não
pensava como uma criança. É quase como se ele nascesse com a
mente de um adulto. Ele era tão grave." Quase riu. "Ele era esperto
como um chicote. Não tinha amigos, além de Anika e eu. Você poderia
ter batido nele com um martelo, e ele não iria mostrar a dor. Algo em
sua mente não funciona da maneira que a sua e minha fazem. Ele não
mostra emoção, muitas vezes, e quando o faz, é principalmente a raiva
que é construída até passado o ponto de ruptura."
Vik engoliu em seco. "Houve um incidente. Cão de Lev foi
atropelado. Ele não entendia por que o cachorro tinha ido embora.
Quero dizer, ele sabia que ela estava morta, mas o emocional era
demais para ele." Vik colocou sobre mim, duro. "Eles o encontraram
em seu quarto, balançando para frente e para trás, batendo a cabeça
contra a parede. A parede estava coberta de sangue. Ele estava coberto
de sangue. Tivemos de ir para a sala de emergência para obter a sua
cabeça costurada. "
"Oh, meu Deus." Eu cobri minha boca com as mãos, meu
estômago revirando em revolta.
"Foi depois desse incidente que Talya ficou estranha. Ela enrolava
seu lábio quando Anton abraçou Lev ou mostrou-lhe toda a atenção.
Ela ignorou Lev quando ele falou. Tomou toda sua atenção sobre Nas,
esquecendo seus filhos. E Lev começou a se afastar. Ele parou de olhar
as pessoas nos olhos. Parou de falar com as pessoas. Não saia de seu
quarto. Aquele tipo de coisa. A única pessoa que estava destinado para
amá-lo tratando como se ele fosse invisível, então ele tornou-se
invisível." Vik voltou-se para Nas. "O que ninguém sabia era que Lev
iria falar com Nas. Ele não disse muito, mas ela era a única pessoa que
ele falava nesse momento.
"Ele falou com você?" Isso foi um grande negócio. "O que ele
disse?", Perguntei a Nas suavemente.
Ela soltou um suspiro longo e trêmulo. "Que ele tinha medo do
escuro. Então eu escapei em seu quarto uma noite e dormia ao lado
dele, segurando-o. Ele balançou tão ruim, Mina. Eu pensei que ele
estava tendo um ataque. Finalmente, ele adormeceu e o tremor parou.
Adormeci também."
Oh Deus. Meu estômago virou novamente. Eu sabia o que estava
por vir.
Nas virou para mim, com os olhos brilhando. "Um segundo, estou
dormindo. O próximo, as cobertas estão sendo arrancadas e ela está
me arrastando para fora da cama por meu tornozelo." Ela levantou a
mão e tocou um ponto na parte de trás de sua cabeça. "Minha cabeça
bateu no chão duro. Tudo aconteceu tão rápido que eu não conseguia
pensar ... não podia gritar. Tudo o que eu podia fazer era levantar as
mãos e mantê-los fora quando ela batia a merda fora de mim com os
punhos nus. "
Uma lágrima caiu pelo seu rosto e ela bateu fora. "Eu só me
lembro de estar tão assustada, e pela primeira vez na minha vida, eu
acreditava em monstros que vivem sob sua cama." Ela cheirou
lindamente. "O monstro era minha mãe, é claro, e ela só parou quando
ela me ouviu chorar. Lev não chorava, nunca. Quando Lev acendeu a
luz, minha mãe olhou para mim, o choque no rosto. Ela se virou para
Lev, apontou um dedo, e gritou para ele, que ele fez isso. "
Meus olhos se fechando, eu dobrei, meu rosto pálido. "Jesus,
Nas."
"Sim." Ela assentiu com a cabeça suavemente. "Eu não tinha
aperfeiçoado a posição fetal que Lev tinha, por isso, tomei mais danos
do que ele nunca fez. Sasha deve ter ouvido falar de mim chorando,
porque ele entrou no quarto de Lev e viu-a de pé em cima de mim. Eu
estava tremendo e chorando. Eu tinha cinco anos. Sasha voltou para
seu quarto, calmo como sempre, e ele voltou alguns segundos depois,
apontando uma 9 milímetros carregada na cabeça de nossa mãe. Ele
tinha doze anos.
"Seus lábios se curvaram e ele disse: ‘Toque neles de novo e eu
vou explodir a porra dos seus cérebro para fora, cadela.'" Nas riu sem
graça. "Sasha não fez rodeios. Ele chamou por meu pai, foi até Lev, e
ficou na frente dele. Ele acenou para mim e eu corri para ele. Ele me
segurou firme enquanto eu chorava. E Lev ... ele não fez nada, porque
ele não poderia funcionar." Ela começou a chorar, cobrindo o rosto,
com a voz embargada. "E eu finalmente entendi por que meu irmão era
o jeito que ele era."
Eu fiquei em pé tão rápido que minha cadeira chiou. Eu passei
meus braços em torno dela e ela aceitou o que eu estava oferecendo.
Seus braços magros vieram em torno de mim e ela falou baixinho.
"Meu pai removeu a camisa de Lev e olhou para ele. Ele estava todo
machucado." Sua respiração gaguejou. "Lev falou novamente, e suas
primeiras palavras ao meu pai em um ano inteiro eram 'Sinto muito'.
Pai limpou-me, me abraçou apertado, e em seguida, colocou Sasha e
eu de volta para a cama. Lev dormia ao lado do Pai, e nunca viu nossa
mãe novamente ".
Deus, ela estava sofrendo. "Eu sinto muito, Nas. Eu sinto muito."
Ela se afastou e olhou para mim, abatida e com lágrimas nos
olhos. "Não. Eu tive uma noite dele. Lev provavelmente suportou anos
dela. Eu estou triste, que isso não aconteceu mais cedo. "
Tristeza me envolveu. "Por que ela odeia tanto?"
Nas explicou, "Ele era inferior, em sua opinião. Ela não podia
acreditar que ela, uma mulher de classe alta, poderia produzir algo tão
imperfeito. Ela odiava que ele não era normal. Foi tão longe para obter
um teste de DNA para provar que não era dela, que eles tinham feito
um interruptor no hospital. Quando os resultados voltaram que ele era
realmente dela, ela o odiava ainda mais. Ele foi a pior coisa que
aconteceu com ela." Nas franziu a testa. "Mas ela nem conhecia ele.
Ela não queria conhecê-lo. Ele era tão doce e gentil. E ela quebrou-o."
Não. Não, isso não era certo.
"Ele não está quebrado, Nas," eu disse a ela. "Ele está lá. Eu vejo-
o. Ele está apenas ... preso."
"Sim", ela concordou então suspirou longa e lenta. "Não desista
dele, Mina. Ele não confia facilmente, mas quando você está com ele...
você está dentro. Coloque no esforço e você será recompensada." Ela
acrescentou: "Basta falar com ele e ser paciente se ele fizer você fazer
tudo e falar. Ele pode não responder um lote inteiro, mas ele está
ouvindo cada palavra. Ele vai falar se ele achar que alguma coisa vale
a pena dizer."
Eu saí logo depois, caminhando para casa e à espera de Lev.
Eu não entendia tudo dele, mas o que eu sabia dele, compreendi
muito melhor.
Um pedaço do meu coração que eu tinha escondido há muito
tempo abriu logo em seguida.
Lev foi um tilintar na minha armadura, uma rachadura na parede
e eu sabia que se ele realmente tentasse eu me abriria para ele
completamente na esperança de que ele iria fazer o mesmo.
Eu faria isso por ele.
Eu faria isso, porque ele era digno.
O som de vibração unilateral foi ao ar assim que a porta da frente
foi aberta. Ouvi da cozinha quando eu fui sobre meu negócio, fazendo
torradas e me servindo um copo de suco de laranja.
"Lev, tudo o que eu estou dizendo é que ela provavelmente se
sente estranha aqui", disse a voz melódica familiar.
Eu acalmei o derrame no meu estômago cozido com raiva lava
líquida quente.
Ela estava inclinando-se a um ponto baixo de todos os tempos. Se
Anika tinha um problema comigo, ela devia ter a coragem de me dizer
na minha cara, não pelas minhas costas e tentar remover-me da
imagem.
Lev suspirou. "Isso não é da sua conta, Ani." Ele parecia cansado.
"Ok", ela murmurou em derrota. "Não diga que eu não disse
quando ela for embora."
Lev entrou na cozinha, e assim que seus olhos pousaram em mim,
as linhas na testa se suavizaram. Isso foi o suficiente para mim. Meu
ciúme sobre ser deixada de manhã me deixou em uma corrida.
"Bom dia, querido", eu disse através de um sorriso quando eu fiz o
meu caminho até ele. Enrolei um braço em torno de sua cintura e deu-
lhe um aperto. Voltou o meu abraço, inclinando-se para beijar o meu
cabelo.
"Bom dia, Mina."
Nós nos separamos, e Anika entrou na cozinha vestindo um
sorriso fácil, mas falso. "Bom dia, Mina." Ela me olhou de cima e para
baixo. "Você parece ... confortável." Olhei para mim mesma.
Confusão passou por mim. O que a ofendeu? Minha camisa preta,
ou meus excessivamente longos moletons cinza? Talvez fosse o fato de
que eu não estava usando sutiã.
Quando olhei para trás para ela e encontrei-a olhando para os
pequenos travessões que meus mamilos estavam fazendo no material,
eu quase sorri. Eu queria dizer a ela que estava tudo bem, porque Lev
já tinha visto ao vivo. Mas não o fiz. Em vez disso, dei de ombros.
"Claro, eu acho que sim." Eu sorri, dentes brilhando. "Então, como foi
o café da manhã?"
Anika franziu a testa. "Como você sabia que estávamos no café da
manhã? Nós não sabíamos que estaríamos fora no café da manhã. "
Mordi minha torrada, lutando contra o desejo de jogar meu suco
na cara dela, mastigando lentamente depois dei de ombros. "Vik me
disse."
Anika se endireitou, seu rosto empalidecendo ligeiramente.
"Quando você viu Vik?"
Lev se serviu de um copo de suco de laranja. Sua testa franzida.
"Sim, quando você viu Viktor?
Oh meu.
É ciúme que eu cheiro, Lev Leokov?
Ele certamente parecia ciumento. Eu decidi experimentar com
isso. Baixei os cílios. "Esta manhã. Fizemos café." Eu sorri
secretamente, mordendo o interior do meu lábio. "Foi legal."
"Será que Nas sabe?" Anika falou.
Sim, eu queria gritar. Porque eu nunca faria isso com minha amiga,
você traidora!
Pelo contrário, eu balancei a cabeça lentamente. "Claro que sim."
Eu me virei para Lev, mordiscando meu lábio. "Em outra nota… Lev,
como eu poderia pedir a um cara para sair? "
Ele engoliu em seco, na hora errada, engasgando com seu suco de
laranja. Tossindo, seu rosto ficou vermelho e ele engasgou, incrédulo:
"Você quer namorar?"
Minha cabeça inclinada no pensamento. "Eu faço. Eu realmente
quero. Mas como eu ia chamar a atenção dele?"
Minha intenção era fazer Lev ciumento, mas o que ele disse em
seguida teve Anika encolhendo dentro de si mesma.
Ele suspirou, passando a mão pelo cabelo. "Mina, se o homem
não tem notado você, no entanto, ele não é digno de você."
A luz se levantou, me aquecendo a partir do interior. Meu rubor
era muito real. Engoli em seco. "Como que eu iria deixá-lo saber que
eu gosto dele? Que eu queria ir a um encontro com ele? "
Ele encostou-se na geladeira, olhando levemente decepcionado.
Ele falou de maneira uniforme. "Eu suponho que dizendo-lhe seria a
maneira mais simples." Ele cruzou os braços sobre o peito, seu
discurso se transformando em um rosnado enquanto falava com os
dentes cerrados. "Pergunte a ele para jantar." Ele endireitou-se e saiu
da cozinha, proferindo, "Ele não vai recusar-lhe, Mina. Ele não seria
tão estúpido." Oh, meu Senhor.
Ele estava com ciúmes.
Aleluia!
Meus olhos sobre a porta aberta, ouvi simpatia sacarina de Anika.
"Mina ... Vik não vai namorar você, querida."
Eu coloquei um olhar sobre ela antes de levantar minha
sobrancelha. "Quem falou em Vik?"
Segui Lev no andar de cima, permitindo Anika para encontrar a
porta sozinha como tinha feito muitas vezes antes, e encontrei-me do
lado de fora do banheiro no nosso quarto. Eu levantei minha mão,
batendo levemente. "Lev?"
"Um momento", ele rosnou de volta.
Eu lutei contra o meu sorriso, mas meu sorriso ganhou. Ele abriu
a porta e eu pulei para trás com a força dele. Parecia que ele tinha
acabado de jogar água no rosto, gotas do orvalho ainda permanecia em
sua mandíbula, e eu queria lambe-las fora.
"O que é isso, Mina? Eu preciso ficar pronto para minha corrida ",
ele murmurou sem entusiasmo.
Eu dei um passo para a frente, estendendo a minha mão. Lev
tirou a mão oferecida, seus ombros caindo em relevo, e ele agarrou
para ele como uma tábua de salvação.
Eu fiz isso com ele.
Eu fiz isso para ele.
Não Anika.
Eu.
Sorrindo, eu corri meu polegar sobre o dele, olhei em seus olhos
frios de uísque, e perguntei: "Você gostaria de jantar comigo esta noite,
Lev? "
Por um momento, ele parecia confuso. "Nós comemos o jantar
juntos todas as noites."
Eu balancei a cabeça. "Eu sei. Eu estava esperando que
pudéssemos sair para comer. Juntos, só nós dois. Em algum lugar
agradável." Eu continuei, porque ele não pareceu entender, só ficava
olhando para mim, com a testa baixa. "Eu vou vestir algo bonito. Você
vai usar algo fino. " Meu sorriso se transformou em uma risada suave e
eu balancei a cabeça em consternação. "Você não está facilitando as
coisas para mim, querido. Você não consegue ver que eu estou pedindo
você para um encontro? "
Ele arqueou as sobrancelhas. Ele não falava há algum tempo,
mas, em seguida, ele confirmou: "Você está me perguntando, não a
Viktor."
Eu pisquei inocentemente. "Por que eu iria pedir Vik? Eu não me
sinto atraída por Vik."
"Você está atraída por mim", ele pronunciou, quase para si
mesmo, como se ele precisasse da reafirmação.
Eu não me incomodei com uma resposta. Eu já lhe disse que ele
era o homem mais bonito que eu conhecia. Eu não lhe disse que ele
era sexy como o inferno e que eu tinha masturbado à memória de seu
corpo nu quando ele entrou no chuveiro, mas eu tinha certeza que eu
iria, eventualmente.
"Sim", ele respondeu calmamente. "Eu ficaria honrado em jantar
com você, Mina."
Eu levei nossas mãos entrelaçadas à parte e segurei sua mão
aberta na minha bochecha. Meu sorriso cresceu mais amplo quando
eu pedi deliberadamente ", Lev," Baixei os cílios. "Você vai me beijar
hoje à noite?"
Ele correu o polegar sobre meus lábios. Seus olhos sobre o
prêmio, ele perguntou com voz rouca: "Você me quer?"
Eu consegui um leve beijinho à ponta do polegar e apertei
delicadamente no meu beijo quando eu sussurrei com voz rouca: "Sim.
Muito."
"Eu também", ele admitiu. "E sim, eu acho que vou."
Era demais. Eu queria gritar de emoção, mas tive a súbita
sensação de que eu estaria doente, então eu joguei legal. Tomando a
mão do meu rosto, eu dei um beijo suave, demorando-me para o centro
da palma da mão. "Mal posso esperar. Que horas?"
Pela primeira vez desde que eu o conheci, Lev parecia perdido
para palavras. "Hum ..."
"Seis?" eu solicitei.
"Sim. Seis."
"Ótimo." Eu sorri e mudei-me para sair do quarto, parando na
porta aberta e virada.
"Lev?"
Ele levantou a cabeça para se concentrar em mim.
Encostei-me no batente da porta e admiti: "Eu estive imaginando
como você seria em um par de jeans." Eu ajeitei e pisquei. "Quem
sabe? Talvez você vá usar um par esta noite." Eu olhei para as pernas
compridas. "Para mim."
Sem hesitações. "Ok."
Meu sorriso largo, eu entreguei-lhe um beijo da porta, corri
escada abaixo, e corri todo o caminho para Nastasia.
Qual era o processo antes de um encontro?
Eu não tinha a menor ideia, mas eu sabia que Nas saberia o que
fazer.
Nas me vestiu em um vestido preto com saia lápis nos joelhos e
uma gola alta que não mostrava nada de meu decote inexistente.
Embora eu estava perto de meu peso ideal, eu não estava lá ainda,
mas meus joelhos não estavam mais magros e eu tinha carne, onde a
carne deveria estar. Meus seios ainda tinham que apanhar com o resto
do meu corpo. Minha bunda, no entanto, estava indo bem.
Sabendo como eu andava em saltos, Nas me arrumou com um par
de sandálias de tiras de couro preto e eu usava o meu blazer branco
por cima. Meu cabelo ficou ondulado mas domado, descendo pelas
minhas costas. Nas me emprestou uma bolsa branca para colocar meu
telefone e brilho labial, e eu estava pronta para ir.
Esperei até cinco cinquenta e cinco antes de andar de volta para a
casa. Usando a chave que Lev tinha me dado eu abri a porta da frente
e entrei justo quando Lev estava fazendo o seu caminho descendo as
escadas.
Minha respiração me deixou em um suspiro. Eu tive sorte que eu
segurei a maçaneta da porta, ou então eu me encontraria esparramada
no chão, desmaiada.
Lev tinha encontrado seu jeans.
Oh, ele realmente encontrou.
Jesus Cristo, eles se encaixam como uma luva. Seu cabelo estilo
arrumado, como sempre, ele não tinha feito a barba, deixando uma
agradável sombra de cinco horas jogando em sua mandíbula. O suéter
cinza que ele usava, empurrado até os cotovelos, estava elegante e os
jeans pretos ... Oh, Deus. Ele parecia incrível.
Meu coração batia mais rápido e minha língua começou a inchar.
Ficou quente aqui. Eu lutei contra o impulso de abanar meu
rosto.
Eu sorri timidamente. "Oi."
Seus olhos sorriram de volta. "Olá." Em um segundo, seus olhos
percorreram meu corpo. "Você está deslumbrante, Mina."
"E você ..." Meu pensamento foi abafado aqui. "Em jeans." Meus
olhos se arregalaram quando eu sorri e respirei
"Uau."
Suas bochechas assumiram uma coloração rosa. Ele limpou a
garganta e perguntou: "Eu não estou malvestido, estou?"
Cupcakes doces, se ele mudou para os jeans, eu iria chorar
durante todo o jantar, derramando lágrimas em minha refeição, e
consumindo, porque eu estava com fome e não muito exigente.
Eu dei um passo para frente e corri para fora, "Não, não está.
Você parece..." Sexy como bolo. "...Muito bonito, Lev." Eu continuei,
"Não mude." Eu estava um pouco envergonhada quando eu disse: "Eu
gosto de você em jeans."
Ele me encontrou na porta, segurando sua mão para fora. Eu a
peguei, entrelaçando nossos dedos. Ele olhou para mim. "Pronta?"
Lev me levou para fora da casa e desceu as escadas da frente.
Deixei escapar um suspiro inquieto. "Pronta como nunca vou estar."
O jantar foi tranquilo. Lev nos trouxe para um pequeno lugar
russo em um beco na cidade.
Fiquei tocada. Parecia que ele tinha feito um esforço, querendo me
deixar experimentar uma parte dele, por menor que fosse.
Demos as mãos até depois de nos sentarmos. Lev perguntou sobre
mim, e eu respondi cada uma de suas perguntas com entusiasmo,
apenas a pedir-lhe o mais básico de perguntas. Eu não queria assustá-
lo. Eu aprendi que tanto o pai e a mãe eram imigrantes russos, que
Lev gostava de praticar esportes, mas não vê-los, que preferia geléia de
amora sobre todos os outros, que ele tinha primos em Nova York que
ele adorava, que gostava de ler em vez de ver televisão e que ele tinha
um diploma duplo em negócios e matemática, que ele completou na
idade madura de vinte e um anos.
Nós pedimos alguns pratos diferentes e partilhamos. Lev insistiu
em termos o estrogonofe, que era leve e cremoso, e a carne foi cozida
até perfeitamente tenra. Em seguida, ordenou os blini, que eram finos
crepes recheados com uma variedade de recheios, de salmão defumado
e cream cheese, de creme azedo e caviar. Por último, tivemos o
pelmeni, e eles eram deliciosos bolinhos recheados com carne de
cabrito picada, alho e ervas.
Nós limpamos todos os pratos, embora nós pedimos para seis
pessoas. E, Lev caramba, mas até mesmo a maneira como ele comia
era sexy!
Lev alcançou a última pelmeni, mas deve ter visto o olhar triste no
meu rosto. Ele balançou a cabeça, seu lábio poderia ter se contraído
(ou talvez eu imaginava), e ele colocou o último bolinho de massa no
meu prato.
Eu comi-o com nada mais do que um sorriso, e Lev continuou a
me olhar, um olhar suave no rosto. Uma vez que os nossos pratos
foram limpos, ele estendeu a mão por cima da mesa pequena, e com
um sorriso tímido, eu coloquei minhas mãos na sua.
Ele se mantinha em silêncio, acariciando seus polegares sobre a
minha mão.
Oh garoto. Eu estava pronta para aquele beijo.
Ele olhou para o relógio. "Vamos embora? Começamos a trabalhar
em quarenta e cinco minutos ".
Levantei rapidamente. "Sim, eu estou pronta."
Pronta para você beijar a merda fora de mim!
Lev fechou a conta, pegou minha mão na sua, e, em seguida, nos
levou até o carro. "Nosso encontro... foi bom."
"Sim", eu murmurei de acordo. "Devemos fazê-lo novamente." Ele
soltou a minha mão, me ajudando a entrar no carro.
Hmmm.
Nenhum beijo.
Ele dirigiu em silêncio, meus dedos brincando com o seu outro
lado do console central. Em pouco tempo, estávamos no clube e saindo
do carro.
Era isso. Eu podia sentir isso.
Esperei por ele para abrir minha porta, saindo graciosamente. Eu
sorri para ele e seus olhos devolveram o sentimento. Ele colocou o
braço em volta dos meus ombros, me puxando para o seu lado.
"Vamos. Temos trabalho a fazer. "
Eu entendi isso. Eu não sonhava em ser profissional, não quando
eu tinha esta oportunidade entregue quando eu literalmente não tinha
nada. E ainda, como nós passamos para o clube, a decepção me
encheu, e um pensamento circulou minha mente.
Onde está o meu beijo condenado, Leokov?
O serviço estava lento esta noite. Mesmo com apenas quatro das
mesas menores vazias, todos nós estávamos sentindo a tensão. Será
que os clientes que tínhamos perdido para Afrodite’s Kiss estavam
perdidos para nós para sempre?
O pensamento assustou-me muito, porque isso significava que eu
estaria fora do emprego. Eu não podia me dar ao luxo de estar fora de
um emprego. Eu tinha um assunto muito delicado para falar com Lev.
Esse assunto estava me deixando inquieta.
Eu secretamente tinha ido para Nastasia de manhã na casa de
caça. Havia algumas boas opções, mas eu não tinha o suficiente salvo
em pouco mais de seis semanas para me garantir e pagar tudo de uma
só vez. Eu precisava de pelo menos mais duas ou três semanas para
entrar em uma posição confortável. Eu não queria implorar a Lev. Ele
não tinha feito nada, além de me apoiar desde que ele me encontrou e
eu estava começando a pensar que eu estava me tornando um
incômodo.
Foda-se Anika e seus comentários de hoje de manhã!
Eles estavam tocando em mim.
Quando Lev e eu entramos no bar e nos separamos para nossas
áreas designadas, Nas me parou antes de eu ir atrás do bar. "O que
você fez com o meu irmão?" Era uma acusação se eu já ouvi uma.
Minha testa estava franzida. "O que você quer dizer?"
Ela se virou, jogando os braços para fora em sua direção. Então
ela se inclinou para mim e sussurrou: "Ele está vestindo calça jeans!"
Ela balançou a cabeça, os olhos arregalados. "Que porra é essa?"
Oh, aquilo. Revirei os olhos. "Pedi-lhe para usá-las. Eu nunca
tinha visto ele em jeans. Ele parece ótimo neles, você não acha? Muito
mais acessível." Eu me virei para olhar para ele no mesmo momento
em que ele se virou para olhar para mim. Eu sorri e levantei uma mão
em uma onda tímida. "Que burrice, apesar de tudo. Grrr ".
Lev piscou para mim.
Ele realmente piscou para mim.
E meu estômago virou.
"Ewww," Nas murmurou, em seguida, sua voz suavizou. "Eu não
posso acreditar que ele está vestindo jeans. Eu não sei o que está
fazendo com ele, mas continue fazendo isso. Ele se soltou um lote
inteiro desde que você chegou aqui, kukla."
Eu estava muito triste para registrar que ela tinha me dado um
grande elogio. Em vez disso, eu fiz beicinho. "Ele disse que ia me beijar
hoje à noite." Eu me virei para olhar para ela. "Ele não me beijou
ainda. Eu quero ele tão ruim que dói. "
Os olhos de Nas arregalaram. "Eu vou fingir que não estamos
falando sobre o meu irmão aqui por um segundo e dizer-lhe que, se
você quer algo, você vai ter que lutar por isso." Ela se inclinou contra o
bar. "Essas são as regras."
Minha boca se abriu em choque enquanto eu olhava para ela.
"Existem regras? Por que eu não sabia disso? "
Ela encolheu os ombros. "Você era sem-teto. Eu não acho que as
pessoas sem-teto sabem sobre as regras. "
Eu tirei ai minha língua e mordi meu dedão. "Droga ser sem-teto."
Nas me cutucou com uma risada. Eu gostava quando
brincávamos assim. Era reconfortante. Parecia tão normal ter uma
amiga para brincar e, ainda assim, era tão estranho para mim.
Me juntei a Birdie atrás do bar e, com um rápido abraço em
saudação, começamos a trabalhar. Não demorou muito após o começo
do meu turno antes de Brick me dizer que Sasha queria me ver em seu
escritório.
Sasha me deixava nervosa. Ele sempre parecia como se tivesse
um motivo oculto. Talvez ele estivesse escondendo de forma geral, mas
eu conhecia muitas pessoas assim nas ruas e poderia identificá-las a
um quilometro de distância.
Bati antes de pisar dentro. "Você queria me ver?"
Ele ficou de pé ao lado de sua mesa, indo sobre algum
documento. Ele estava vestido com um terno preto e camisa branca.
Sasha era alto e eu tinha certeza de que o que ele estava escondendo
sob seu terno estava perto da perfeição que eu tinha visto em Lev. Seu
cabelo castanho escuro cortado curto, os olhos castanhos gelados
olharam para mim. "Feche a porta atrás de você." Ele seria tão bonito
se ele sorrisse.
Eu não poderia ajudá-lo. O sarcasmo era a língua que eu falava
com Sasha. "Sim senhor. Capitão, senhor. "Eu fechei a porta e sentei-
me na cadeira de convidado.
Sasha se mudou em torno da mesa e sentou-se atrás da mesa,
olhando-me nos olhos. "Já se passaram seis semanas."
Eu balancei a cabeça. "Sim, se passaram."
Ele inclinou a cabeça um pouco e esperei. Quando ele percebeu
que eu não estava indo para acrescentar alguma coisa, ele ergueu as
mãos. "Você não acha que era hora de você ir?"
Meu coração encolheu três tamanhos. Minha garganta foi
apreendida em pânico. Eu não conseguia falar por um longo tempo.
Finalmente, encontrei a minha voz, trêmula como era. "Eu não estava
ciente de que minha posição aqui era temporária."
"Não é", disse ele em completa calma. "Mas entre você e eu,
sempre foi." Seus olhos perfuraram em mim. "Você sabia disso." Ele
procurou meu rosto, e tudo o que encontrou ali, ele não estava feliz
com isso. Ele suspirou, irritado. "Você não sabia disso." Eu balancei a
minha cabeça.
Sasha se inclinou para trás em sua cadeira que rangeu sob o seu
peso. "Lev gosta de meninas bonitas." Meus olhos se arregalaram.
"Pontos extras se elas estão danificadas." Seus lábios se curvaram.
"Como você."
"Eu não sou danificada", eu sussurrei.
Ele sorriu, mas era duro, cruel. "Você é uma menina bonita, Mina.
Mas as escolhas de Lev em mulheres não mentem. Você pode não estar
danificada, mas você tem bens danificados. "
Ele estava sendo desnecessariamente insensível. Isso era tudo que
eu sabia de Sasha. Olhares desagradáveis e provocações cruéis. Foi me
derrubando emocionalmente. E isso fede, porque eu estava finalmente
em um bom lugar comigo mesma. "Por que você está sendo tão mau
para mim?"
Ao ouvir minha pergunta, a testa franzida em confusão. "Você me
entendeu mal, Mina. Eu não estou sendo cruel. Eu estou sendo
honesto. Às vezes a verdade dói. "
Minha autoestima tinha tomado um grande golpe. Eu estava
prestes a explodir em lágrimas na humilhação. "Então, eu estou
demitida?"
"Não", ele proferiu sinceramente. "Não. Não demitida. Mas você
está indo nos deixar. Sair. Você está indo para longe e deixando o meu
irmão em paz”. Não, eu não o faria.
"Não. Eu não vou. "
Sasha exalou, longo e lento. "Eu sei que vocês têm algum pequeno
flerte acontecendo. É fofo. Mas você é algo que ele não precisa agora. "
"Quem é você para dizer isso? Talvez você devesse perguntar a ele
o que ele precisa. "
Ele fez uma careta para mim. "Escute-me. Irina vai rasgar você,
menina. Ela não quer Lev, mas ela não quer que ninguém o tenha. Seu
objetivo na vida é fazê-lo infeliz. Enquanto você está na foto, ele nunca
vai conseguir Lidiya de volta. É do seu jeito ou de jeito nenhum. "
"Eu não acredito em você ", eu disse a ele, embora parte de mim
fez.
Ele balançou a cabeça para mim. "Eu não queria ofendê-la. Você
parece ser o tipo de mulher que seria insultada por uma oferta, mas
aqui."Ele me entregou um cheque. "Cem mil. Dois anos de salários.
Você será capaz de definir-se a partir do zero, encontrar um novo
emprego e um apartamento longe, muito longe. "
Ele sabia que estava chegando. Como não podia? Eu peguei o
cheque entre meus dedos e rasguei-o em linha reta no meio.
Furiosa, eu me levantei e caminhei em direção à porta, parando
quando abri. "Como se sente, Sasha? Qual é a sensação de que a
garota sem-teto, a mulher que não tem nada, não iria ter o seu
dinheiro?" Eu olhei para ele e para baixo, balançando a cabeça em
repulsa. "Seu irmão é dez vezes o homem que você jamais vai ser, e se
você quiser que eu vá embora, você vai ter que me levar para longe em
um saco de corpo".
Ele sorriu, divertindo-se com minha reação súbita. "Acalme-se,
víbora. Isso não será necessário. "
Eu levantei meu nariz. "Isso é tudo, sr. Leokov?"
Ele me dispensou. "Isso é tudo."

Era difícil me concentrar depois da intervenção de Sasha no meu


relacionamento com seu irmão. Por que era da sua conta de qualquer
maneira? O que acontecia entre Lev e eu deveria ficar entre nós dois.
Não era sua preocupação.
À medida que a noite chegou ao fim, Birdie e eu terminamos de
carregar os copos sujos em bandejas e levá-los para a área de volta
para carregar a máquina de lavar louça industrial. Nós varremos
embaixo das bancadas e mesas e levantamos os tapetes
antiderrapantes para os produtos de limpeza, que viriam depois que
tivéssemos saído. Nós conversamos entre nós e esperamos que os
outros terminassem o que tinha a ser feito para que pudéssemos sair
como um grupo.
Anika tinha desaparecido a meio caminho através do serviço e eu
não a vi novamente. Meu palpite era que ela tinha adoecido.
Birdie e eu conversávamos. Eu ri de algo que ela disse quando eu
ouvi, "Mina?"
Lev ficou atrás de mim. Eu sorri de volta para ele. "Só um
segundo, querido." Birdie continuou sua história e eu ouvia
atentamente.
"Mina?"
Eu me virei e franzi meu nariz. "Espere, Lev. A história está quase
no fim. "
Birdie me levou para o crescendo de seu conto e ambos caímos na
gargalhada. Então de repente eu rangi quando fui levantada do chão e
minha bunda bateu no balcão do bar.
Eu estava vindo rapidamente a perceber que, se Lev queria sua
atenção, ele lutaria por ela. Pisquei, cara-a-cara com Lev, com as mãos
em ambos os lados das minhas coxas. "Oi."
Ele fez uma careta. "Olá."
Foi então que eu notei que ele estava com dor e meu coração
golpeou. "O que está errado?"
Ele balançou a cabeça, mas falou com os dentes cerrados. "Dor de
cabeça. Eu gostaria de sair agora. "
"Ok." Eu levantei minhas mãos e toquei o pescoço levemente
enquanto corria a outra sobre a testa. Ele estava um pouco quente.
"Mas, primeiro, eu posso tentar algo?" Corri minhas mãos pelo seu
cabelo, usando delicadamente meus polegares fazendo círculos ao
longo de suas têmporas. Ele gemeu em voz alta. Quando eu pensei que
ele podia suportar mais a pressão, eu pressionei com mais força. Seus
olhos se fecharam e seus lábios se separaram quando eu massageei as
têmporas.
Sem aviso, ele se aproximou, o cenho franzido a testa,
encaixando-se no espaço entre os joelhos, serpenteando seus braços
em volta da minha cintura e descansando sua testa no centro do meu
peito, gemendo quando eu fui sobre minhas ministrações.
Ele avidamente agarrou a minha atenção, e eu amei cada
momento dele. Eu adorava que ele tomasse o que ele precisava de
mim.
Eu coloquei beijos suaves no alto da cabeça e segurei ele, minhas
pernas em volta de sua cintura. Após cinco minutos de massagem, eu
liberei as têmporas e passei meus braços ao redor de seus ombros,
tentando não pensar sobre sua virilha estar tão perto da minha.
Ficamos naquele abraço por um longo tempo depois, apenas
saboreando o brilho quente que tínhamos criado um no outro.
Depois de um minuto, Lev levantou a cabeça, os braços ainda me
segurando. Seus olhos sonolentos e seu cabelo bagunçado, eu não
podia esperar mais. Não haveria outro momento tão perfeito quanto
agora. "Melhor?" Ele resmungou enquanto balançava.
Eu sorri, pegando suas bochechas. "Bom." Então eu puxei seu
rosto em minha direção, encontrei-o no meio do caminho e pressionei
meus lábios contra os dele em um beijo suave, mas profundo.
Os braços em volta de mim me apertaram e puxaram para mais
perto. Nosso desejo encontrou pleno vigor.
Eu gemia, deslizando meus braços em volta do seu pescoço e me
pressionando contra ele, precisando mais dele. Minha cabeça estava
nadando. Este foi o beijo que eu estava esperando e muito mais. Era
Lev em sua forma mais pura.
Sua mão se aproximou e ele segurou meu queixo entre o polegar e
o indicador, levantando o meu rosto para tirar mais de meus lábios.
Sua língua, quente e doce, mergulhando em minha boca e
encontraram os meus lábios em uma deliciosa saudação.
Foi quando o uivo de lobo soou, seguido por um bando bagunceiro
de vaias e risadas.
Nós nos separamos, olhando à nossa volta, encontrando quase
todo mundo olhando para nós ao redor da sala, rindo de nosso show
particular. Incluindo Anika. E ela parecia prestes a explodir em
lágrimas.
Minhas bochechas estavam inflamadas e, enterrando meu rosto
no pescoço de Lev, eu gemi em derrota.O peito de Lev balançou no que
eu não acredito ser uma risada silenciosa enquanto corria suas
grandes mãos suavemente nas minhas costas. Afinal de contas, Lev
não ria.
Inferno, ele mal sorria.
"Podemos ir para casa ainda?" Eu disse abafada em sua camisa.
Mãos fortes na minha cintura me levantaram para o chão, e eu
envolvi um braço em volta da cintura de Lev, ainda envergonhada.
Fizemos o nosso caminho para o carro, dizendo adeus para as pessoas
ao nosso redor, quando alguém saiu das sombras.
Lev me empurrou para trás de uma forma dura e isso me
assustou. "Laredo", ele rosnou.
Sasha correu para a frente, enfiando a mão no bolso para
recuperar uma pistola. Meus olhos se arregalaram. Sasha latia, "Você
tem algum nervo, velho."
Vik veio correndo, sempre o defensor da paz, lançando seu braço
na frente de Sasha. "Guarde isso. Você vai matar alguém. "
Nas chegou mais perto para ficar ao meu lado. Ela levantou o
nariz para o homem que estava na frente do carro de Lev. "Tio Laredo."
O homem mais velho sorriu para ela. "Você não me chamou assim
em um longo tempo, Nastasia." Ele parecia triste. "Eu senti sua falta."
Ele olhou em volta para Sasha e Lev. "Todos vocês."
Olhei ao redor de Lev para o homem chamado Laredo, e do jeito
que ele olhou para mim, ele era tão curioso sobre mim enquanto eu
estava sobre ele. Quando seus olhos encontraram os meus, eu puxei
de volta para esconder atrás das costas largas de Lev antes de silvar
para Nas, "Laredo é seu tio?"
"Pelo casamento", ela explicou. "Laredo casou com a irmã de meu
pai, minha tia Alina. Ela morreu jovem." Ela sorriu, mas era dura.
"Então ele teve um caso com a minha mãe."
Olhei ao redor de Lev, engasguei, e falei com o próprio homem.
"Você fez? Isso não é legal! "
Ele deu de ombros fracamente. "Nós dois estávamos sós." Ele
olhou para Nas. "E se você se lembra, eu era o único que terminou e
trouxe o assunto para o seu pai." Ele balançou a cabeça. "Eu nunca
quis machucar ninguém. Talya estava lá para mim no momento mais
triste da minha vida. Nós dois aproveitamos a atenção, e ambos nos
arrependemos dolorosamente. Sua mãe, especialmente. "
Sai de trás de Lev e fiquei ao seu lado. "Ela era uma mulher
terrível."
Laredo olhou para Lev e assentiu com compaixão. "Sim. Ela
estava profundamente perturbada."
Sasha tinha abaixado a arma, mas ainda segurava na mão. "Oh,
foda-se isso. É sua reunião de família regular." Ele zombou. "O que
você quer?"
Ele ergueu a mão e apontou para mim. "Vê-la."
Merda. Ele sabia. Estendi a mão e segurei a mão de Lev. "Me
desculpe. Eu não vou fazer isso de novo. "
Lev, pensando a mesma coisa que eu estava, apertou minha mão
forte. "Não foi ideia dela. Você está roubando nossos clientes.
Precisávamos saber o que estávamos enfrentando. Se você tiver um
problema, resolva comigo. "
Laredo riu então. "Entendo. Isso é o que você estava fazendo no
Afrodite. "Ele deu um passo mais perto, mas Lev me afastou dele.
Laredo balançou a cabeça, mas sorriu. "Me desculpe. Isto é um pouco
surreal." Ele falou diretamente para mim. "Você se parece com alguém
que eu costumava conhecer."
"Eu não te conheço."
Ele suspirou melancolicamente. "Não, acho que não." Ele olhou
para mim, então, realmente olhou para mim, e sussurrou: "É como
olhar para o rosto de um fantasma." Eu não estava preparada para
quando seus olhos assumiram um distante olhar quando ele
pronunciou um silenciado ", Clara." Meus pulmões foram apreendidos.
Minha mãe.
Ele conhecia minha mãe.
Nas estava tão chocada quanto eu. "Mina, não era o nome da sua
mãe?"
Eu balancei a cabeça, olhando para o rosto espantado, mas
esperançosa de Laredo. "Sim. Clara era a minha mãe. "
Laredo adiantou-se sob a luz da rua, e eu tive a oportunidade de
olhar para ele. Era de altura média. Não muito atraente, mas seu
sorriso era encantador. Ele tinha olhos castanhos médios com o cabelo
castanho liso bem cortado. Ele usava um belo terno, e tinha um dente
de ouro no lado inferior direito do seu sorriso.
Ele me olhou nos olhos e disse genuinamente, "Eu amava muito
sua mãe. Ela era o meu mundo. Nós estávamos indo para nos casar
alguns anos depois da minha Alina falecer, mas..." Ele balançou a
cabeça.
Lev perguntou a pergunta que eu queria fazer desde que minha
mãe foi mencionada. "Você está dizendo que você é o pai de Mina?
Sasha murmurou um irritado, "Figuras".
Laredo riu, mas balançou a cabeça. "Não." Ele me olhou nos olhos
e ele parecia triste. "Mas eu queria ser. Eu teria dado qualquer coisa
para ser seu pai. "
Minha garganta estava seca. Eu estava ressecada. Lambi meus
lábios e gaguejei, "V-você sabe quem é meu pai?"
Ele sorriu, e parecia algo que um colegial travesso iria retirar.
"Não mais." Ele enfiou a mão no bolso e tirou um cartão de visita. "Não
mais. Não até que você concorde em jantar comigo. "
Lev rosnou, me puxando para o seu lado.
A testa de Laredo aumentou quando ele me entregou o cartão. Eu
estendi a mão e levei-o ansiosamente. Ele afirmou através de um
sorriso, "Você escolheu o irmão certo, Mina. Lev é um bom menino.
Sasha..." Ele deu de ombros. "Eu não conheço Sasha. Eu pensei que
eu fazia, mas..." Ele olhou para o irmão com raiva. "Não, eu não faço.
Não mais."
Ele caminhou para ficar na frente de Nastasia e sorriu para ela
com graça paternal. "Eu perdi minha bella boo. Posso ter um abraço? "
Parecia que ela teria dado seu braço direito para lançar-se em seu
abraço, mas sendo a mauzona que ela era, ela baixou o rosto e
balançou a cabeça.
"Não?" Ele parecia desapontado, mas sorriu através dele. "Talvez
da próxima vez, então."
Laredo pegou minha mão livre e beijou as costas dela antes de
fazer seu caminho para a rua. No meio do caminho, ele se virou,
estalando os dedos. "Espere, eu esqueci." Todos nós esperamos para
ouvir o que ele tinha a dizer, sem saber que iria mudar minha vida
para sempre. Ele sorriu feliz. "Há alguém que você precisa conhecer.
Eu espero que você mude de ideia e venha nos ver."
Eu estava confusa. "Ver quem?"
O sorriso dele se suavizou. "Seu irmão, é claro."
Satisfeito com o meu silêncio atordoado, ele se virou e seguiu o
seu caminho alegre, sem saber que o meu mundo tinha acabado de
implodir em torno de mim, me chupando em um vórtice de ruído
branco.
"Um irmão, Lev," eu respirei enquanto eu escorreguei do meu
vestido. "Um irmão." De pé no meio da sala, usando calcinha e um
sutiã sem alças, eu não podia esconder o meu prazer. "Eu tenho um
irmão."
Lev saiu do armário, vestindo apenas cueca cinza escura. "Irmãos
não são sempre uma coisa boa."
Eu suspirei, sabendo muito bem que ele estava falando da
experiência com seu próprio irmão.
Ele chegou a um impasse, olhando descaradamente para o meu
corpo nu. Eu estava muito feliz com a descoberta do meu irmão
perdido há muito tempo para perceber. "Uma hora atrás, eu estava
sozinha no mundo."
"Você me tinha uma hora atrás", Lev interrompeu, soando um
pouco descontente.
Deus, ele era doce. Ele estava me matando com o doce.
Eu não podia negar isso se eu tentasse. Eu estava tão apaixonada
por Lev Leokov.
Eu fiz meu caminho até ele e segurei suas mãos. "Eu sei, querido.
E eu amo isso. Mas..." Eu dei de ombros. "Esta é a família. Eu tenho
família." Eu podia ver que ele não tinha certeza de como reagir a esta
notícia. Eu disse a ele: "Estou animada com isso. Podemos ir e ver
Laredo juntos, por favor?" Eu precisava de Lev para saber que meus
planos incluíam ele. "Eu não vou entrar se você não vem comigo." Eu
apertei suas mãos. "Você é importante para mim, Lev. Quero
compartilhar isso com você. Só você."
Ele exalou pelo nariz. "Claro que eu vou com você." Ele trouxe a
minha mão até a boca e deu um beijo suave em meus dedos.
Eu sorri. "Então, nós estamos namorando, certo?"
Ele assentiu. "Eu acho que sim."
"E eu posso te chamar de meu namorado?" Um sorriso pateta se
espalhou pelo meu rosto.
Sua sobrancelha subiu, mas seus olhos sorriram. "Estou longe de
ser um menino." Oh, querido, não sei.
"E eu não tenho que usar meu pijama para a cama mais?" Eu
perguntei inocentemente.
Ele se acalmou, fingindo desinteresse. "Não, se você não quer."
Eu suspirei de alívio. "Graças a Deus." Fui até o armário, tirei
uma camiseta regata branca, deslizei sobre a minha cabeça, e depois
fui sobre como remover meu sutiã, puxando-o pelas minhas cavas.
Quão grande foi a sensação de tirar meu sutiã?" Ugh. Liberdade."
Lev trancou a porta do quarto e deslizou na cama, deixando a
lâmpada do meu lado da cama acesa. Eu me virei para olhar para ele,
descansando minha cabeça em minha mão. "Como está sua cabeça?"
Ele se sentou na cama, suas costas largas contra a cabeceira.
"Melhor. A massagem tomou a mordida fora dela. Obrigado."
"Minha mãe costumava fazer isso para mim sempre que eu tinha
uma dor de cabeça. Sempre funcionou." Eu sorri, movendo-me a
ajoelhar-me em cima da cama, arrastando mais perto dele. "E agora
que você está melhor..." Eu levantei minha perna e me manobrei para
escarranchar em suas coxas. Suas mãos agarraram meus quadris com
força. "Eu gostaria de um outro primeiro beijo, se você puder por
favor", pedi, minhas mãos descansando em seus ombros largos como
eu abaixei o meu rosto para o dele.
Ele beijou meu sorriso até que derreteu e tudo o que restava era a
fome crua. Eu gemia baixo em minha garganta quando as mãos em
meus quadris me persuadiram a sentar-me em sua grossa ereção. Sua
barba por fazer arranhou levemente enquanto seus lábios cheios
acalmou a queimadura com beijos que abalaram a fundação do meu
mundo.
Inconscientemente, meus quadris começaram uma dança por
conta própria, moagem no meu sexo coberto de calcinha sobre seu
comprimento rígido. Ele gemeu em minha boca e eu respirei na sua.
Não demorou muito antes que ele usou as mãos para me guiar em um
ritmo lento, que tinha as minhas calcinhas em um nó.
Eu queria jogar.
Eu respirei em sua boca. "Tire suas boxers."
As mãos em meus quadris se acalmaram e ele se afastou para
olhar para mim. "Espere."
"Não!" Eu estava sexualmente frustrada. Eu precisava de seu
pênis dentro de mim agora! "Não, eu estou cansada de esperar. Eu
queria isso por semanas." Beijei-o, empurrando meu peito no seu. "Eu
não estou esperando mais, Lev. Agora."
Ele me beijou de volta com tudo o que tinha, em seguida, bicou
meus lábios. "Eu sinto muito por colocar uma torção em seus planos,
mas ..." Sua sobrancelha subiu. "Você não tem o seu período?"
"Oh." Bem, isso maldita droga. Eu enterrei meu rosto no espaço
onde se reúne pescoço e ombro
Eu zombei com um soluçou. "Não."
Ele passou as mãos pelas minhas costas com ternura. "Nós
podemos esperar."
Eu levantei meu rosto e lancei lhe um olhar de descrença. "Por
uma semana? Uma semana inteira? "
Ele beijou meu nariz. "Eu esperaria dez anos, se você me pedisse,
Mina." Seus olhos se suavizaram. "Eu sinto que eu tenho esperado
toda a minha vida por você. Uma semana não é nada em comparação."
Merda.
Eu ia chorar. Sério.
Minha garganta grossa, eu sussurrei: "Merda".
A expressão dele ficou apavorada com a visão de meus cílios
molhados. "Me desculpe. Eu lhe disse que eu não sou bom com
palavras."
Passando os braços em volta do pescoço, eu pressionei meus
lábios nos dele e falei contra eles. "Você é perfeito, Lev. Suas palavras
são honestas e coloridas belamente. Você me faz sentir coisas que eu
pensei estavam perdidas para mim. E eu estou em perigo de perder
meu coração para você."
Eu não adicionei os "e que assusta a alma fora de mim '.
Ele apertou meus quadris com as mãos grandes. "Um dia de cada
vez." Eu assenti. Ele estava certo. Um dia de cada vez.
Alcançando outro lado da cama, eu desliguei a luz e deitei-me no
centro da cama, esperando por Lev para tomar seu lugar atrás de mim.
Coube meu corpo ao dele, me segurando docemente, mas a ereção no
centro das minhas costas era quente e incomoda. Eu podia sentir sua
raiva.
No escuro, eu sussurrei, "Quer que eu cuide desse menino mal
para você?"
O braço que ele tinha em torno de mim apertou ele repetiu suas
palavras anteriores, "Uma semana, Mina."
Uma semana, na verdade. Uma semana de inferno.
"Ok", eu disse em voz baixa. "Noite, Lev."
Ele moveu meu cabelo e beijou a base do meu pescoço. "Boa
noite, rato."
Eu precisava de um copo de água. Minha boca estava mais seca
do que o Sahara.
Em noites como esta, eu poderia andar todo o caminho até a
cozinha no meio da noite, ou eu poderia ir para o banheiro privado,
abrir a torneira e colocar minha boca sob ela.
Eu escolhi a opção mais fácil, obviamente.
Arremessando as cobertas, eu deslizei para fora da cama,
arrastei-me para o banheiro e notei um pouco tarde demais que a luz
interna estava acesa.
Abri a porta descuidadamente, sem saber que eu estava prestes a
entrar em algo privado. Muito particular.
Meus olhos se arregalaram e sonolentos meus lábios se
separaram quando eu tomei em Lev, inclinando-se contra a pia, boxers
fora, sua cabeça jogada para trás em êxtase quando ele puxou seu pau
grosso com uma mão firme.
E que pau era.
Um pequeno guincho me escapou.
Os olhos de Lev estalaram para mim, mas eu não conseguia tirar
os olhos de sua ereção furiosa. Ele era longo e grosso e parecia que Lev
tinha tirado os pelos. Eu era pequena. Fiquei ali um momento
perguntando como na terra ele estava indo para caber dentro de mim.
Claramente, nós teríamos que levá-lo lentamente.
"Isso parece doloroso", eu murmurei, sonolenta, minha mão ainda
na maçaneta. Levou um momento antes de eu perceber que isso não
era um sonho, independentemente de quão quente era. Engoli em
seco, cobrindo meu rosto com uma mão. "Pô, me desculpe! Eu não
sabia que havia alguém aqui. Eu vou ..." Eu escorreguei de volta para
fora e fechei a porta atrás de mim. "Vou deixar você com isso."
Corri de volta para a cama, mas meu corpo estava quente e
incomodado. Eu não poderia me cobrir.
Mais ou menos cinco minutos se passaram, e, finalmente, Lev
saiu do banheiro. Ele deslizou para a cama e nós ficamos em um longo
silêncio.
Minhas bochechas inflamadas. Isso não pode ser evitado.
Precisávamos falar sobre ou se tornaria "o incidente estranho que
jamais será nomeado '. "Eu sinto muito." Ele estendeu a mão e pegou a
minha mão na sua. "Está tudo bem."
"Será que ..." Não pergunte. Não pergunte. Não pergunte! "Você
terminou?"
Ele correu o polegar sobre a palma da mão, a hesitação clara. "Uh,
não." Meu estômago enrolado em perigo.
Ele não terminou, e foi tudo culpa minha. Eu dei-lhe o medo do
palco. Eu era a razão pela qual ele não podia cuidar dos negócios.
Sentei-me e me arrastei até ele. Sentindo ao redor eu encontrei o
queixo e segurei seu rosto entre as mãos, baixando meu rosto para
pressionar lentos, beijos molhados em sua boca.
Ele resmungou. "Mina, isso não é realmente ajudar, baby." Baby.
Meu coração suspirou sonhadora.
Ele me chamou de baby.
Eu silenciei-o e beijei-o mais profundo. "Deixe-me ajudá-lo." Sem
esperar sua opinião sobre o assunto, eu me virei para enfrentar seus
pés e montei nele, sentada em seu estômago, minhas pernas abertas e
fora de cada lado da sua.
Sua voz rouca, ele resmungou: "Você não precisa. Está tudo bem"
Deus, ele queria tanto. Eu podia ouvi-lo em seu tom. Ele estava
apenas jogando de legal. Eu entendi a necessidade. Falei com voz
rouca, "Eu estive morrendo de vontade de tocá-lo, Lev, e agora que eu
vi isso, eu não acho que eu posso manter minhas mãos longe de você."
Essa era a verdade.
Passando minhas mãos para baixo em suas coxas, eu trouxe-as
de volta lentamente em uma leve massagem. Eu fiz isso uma e outra
vez, até que ouvi Lev suspirar de prazer. Eu deslizei minhas mãos para
ambos os lados de seu comprimento, com cuidado delicado, meus
dedos roçaram o elástico da cueca antes de deslizar vagarosamente
dentro. No momento em que entrou em contato com sua ferramenta
quente, dura, Lev soltou um gemido longo, e eu passei os dedos de
ambas as mãos em torno dele. Não me surpreende que os dedos de
ambas as mãos não foram capazes de cumprir. Minhas mãos eram
pequenas, e ele era grande.
Eu deixei-o ir por um segundo para deslizar meus dedos sob o cós
de suas boxers e, felizmente, ele entendeu o recado, levantando seus
quadris, permitindo-me a empurrá-los até os joelhos. Eu rapidamente
levei-o em minhas mãos mais uma vez, ele trabalhou lentamente em
um movimento de cima para baixo, e perguntei: "Loção?"
"Não tenho qualquer", ele murmurou.
Eu deslizei para trás de modo que a minha garupa estava no
centro de seu peito e se inclinou na cintura, acariciando-o todo o
caminho. Eu queria colocar minha boca sobre ele. Eu testei as águas
lambendo delicadamente em torno da cabeça de seu eixo e fui
recompensada quando Lev convulsionou de uma forma que quase me
jogou fora.
Ofegante, ele agarrou meus quadris e enfiou-se em minhas mãos.
"Sim, querida. Isso é bom. Tão bom."
Eu tive que concordar. Ele tinha um toque de sabor, e cada vez
que minha língua passou sobre sua fenda, tive o prazer de ouvir os
sons de seu prazer.
Abri minha boca, segurei-o diretamente e gradualmente tomei a
cabeça dele em minha boca, sugando levemente, sentindo-me mais
ousada e corajosa a cada segundo.
Abaixando em cima dele, eu consegui tomar a metade de seu
comprimento em minha boca antes de me julgar em risco de engasgos.
Meus lábios em torno dele, eu comecei um movimento de cima para
baixo novamente e chupei-o o mais profundamente que pude. Seus
gemidos e respiração ofegante baixas me dirigia.
Ele provou tão bom que eu gemi com ele. Eu queria dizer a ele que
eu estava gostando disso tanto quanto ele. "Você tem um gosto tão
bom, baby."
Que parecia levá-lo ao longo da borda. Seus quadris começaram a
empurrar irregularmente, deixando-o mais para dentro da minha boca.
Um grunhido escapou de sua garganta e ele puxou minha boca longe
dele. Eu sabia o que estava por vir, em trocadilhos.
Minhas mãos trabalharam ele em cursos longos, duros até que,
finalmente, seu estômago se apertou, seu corpo ficou rígido debaixo de
mim, e ele gritou sua liberação. Senti-me tudo. Seu pênis pulsava
furiosamente, enviando jatos quentes do tiro fora em minhas mãos.
Eu segurei seu pau amolecido, à espera de seu corpo recuperar o
atraso com a bem-aventurança que sua mente estava experimentando.
Eu estava com tesão como o inferno, e embora eu poderia muito bem
me esfregar em êxtase idêntico, eu não quis. Eu me senti poderosa do
que eu tinha acabado de fazer. Eu estava no alto da sensação. Isso foi
o suficiente para mim.
No momento em que senti o corpo de Lev derreter na cama, eu
afastei-me dele e fiz meu caminho para o banheiro para lavar as mãos
e o rosto. Antes de lavá-lo, examinei a gosma branca pegajosa em
minhas mãos. Eu toquei um dedo e esfreguei-o entre o polegar e o
dedo. Assim como Lev entrou no banheiro totalmente nu eu toquei o
dedo na minha língua, encontrando seu olho no espelho.
Não tinha gosto ruim. Era diferente. Um pouco amargo e salgado,
mas não era algo que eu odiaria ter na minha boca.
Ele me olhou com cuidado, e ele forçou um sorriso de mim
quando eu lavei minhas mãos e boca. "Não tem gosto tão ruim, você
sabe." Eu lhe disse: "Talvez da próxima vez você não vai ter que puxar
para fora."
E ainda, ele me observava, seu pênis mole maior do que qualquer
que eu já vi. Dei um passo em direção a ele, estendi a mão, e segurei
seu rosto. "Melhor?"
Ele piscou sonolento. "Muito. Obrigado."
Ele era tão educado, mesmo em situações que não exigem isso.
Ele era tão bobo. Isso me fez sorrir. Eu puxei o rosto para baixo para o
meu para que eu pudesse beijar seus lábios. "De nada docinho. O
prazer foi todo meu." Sua sobrancelha subiu. Revirei os olhos. "Ok,
bem, talvez não todo meu, mas com certeza foi divertido."
Depois de Lev ter se lavado, ele veio para a cama nu como no dia
em que nasceu e me puxou para o seu lado, suspirando contente.
Um encontro do jantar, e tantas coisas tinham mudado. Eu
deveria ter estado assustada, mas eu não estava. Eu sentia como uma
progressão natural. Pode ter parecido rápido, mas não me senti
apressada. Me senti esperançosa.
Adormeci dizendo a mim mesma que as coisas só iriam ficar
melhor a partir daqui.
Oh, como eu estava errada.
Era óbvio para qualquer um com olhos e metade de uma mente
que Lev e eu estávamos juntos. Se as demonstrações de afeto não
tinham dado uma dica a eles, a maneira como Lev rosnava a qualquer
homem que me tocasse teria.
Era bom por ser querida, ser o objeto de afeto de um homem. É
claro que era diferente com Lev. Quando ele dava a sua atenção, ele
dava tudo. Quando ele te ouvia falar, ele ouvia atentamente, não
importa quão mundano o assunto. Quando ele falava, ele pensava
cuidadosamente sobre o que ele deveria dizer, como se suas palavras
fossem um dom precioso que ele só dava para alguns. E eu fui uma
das sortudas.
Quando ele me segurou, me senti como se o mundo poderia
apenas flutuar para longe, deixando nós dois trancados em um abraço
que poderia ignorar tudo e qualquer coisa.
Eu o amava mais do que eu pensava ser possível.
E assim, cinco dias passaram com bastante facilidade. Lev e eu
tínhamos ido ao banco para configurar uma conta de poupança para
mim. Eu pedi que eu já não fosse pago em dinheiro, e Lev concordou
que era importante que eu tivesse registro de onde estava ficando
minha renda.
Cinco noites de trabalho terminou com cinco noites de
apaixonadas sessões antes de dormir, com apenas uma daquelas
noites concluindo com Lev recebendo um final feliz. Durante o curso
dessas sessões, eu descobri quão erótico era despir um homem, o
quanto eu amava passar as minhas mãos sobre o corpo nu de Lev, e
quão sério era essa coisa entre nós. Este não era um tipo de paixão
apenas de uma noite para tirar alguém do seu sistema. Isto foi mais,
muito mais.
Embora carícias à luz tinha sido o tema principal, eu nunca perdi
a minha roupa antes, não completamente de qualquer maneira, até
ontem à noite. Minha regata foi puxada sobre a minha cabeça em um
frenesi alimentado por luxúria. Meus seios pequenos foram espremidos
por mãos grandes. Meus mamilos estavam enrolados entre os dedos
ágeis. E, quando a boca quente se fechou sobre um pico duro e sugou,
minhas costas tinham dobrado de uma forma que parecia que eu
estava sendo eletrocutada, e isso meio que me fez sentir como eu era,
de certa forma.
Lev foi sempre o único a parar a diversão, sabendo que eu era
muito irresponsável para ser confiável para a tarefa.
Sexo nunca me pareceu assim quando era adolescente. Era
desajeitado e desajeitado e deselegante. Mesmo não sexo com Lev era
fluido e fluindo e gracioso. Se eram assim carícias leves, eu mal podia
esperar para o evento principal.
As coisas não poderiam ter sido melhores... até aquela noite.
Multidão do clube não tinha conseguido estar muito melhor, mas
alguns de nossos clientes fiéis retornaram depois que tiveram seu
preenchimento do Afrodite’s Kiss. Nós estamos gratos. Como não
poderia ser? Nós tratamos os clientes como se fossem reis entre os
homens, mostrando-lhes sorrisos, regando-os com atenção, e flertar a
uma distância segura.
Eu não tinha certeza de que horas eram quando Anika veio atrás
de mim, se inclinou para frente, e falou em meu ouvido, mas a noite
estava chegando ao fim. "Sasha quer você em seu escritório. Eu vou
assumir para você. "
Desde Lev e eu tínhamos feito saber que éramos um casal, Anika
tinha sido surpreendentemente agradável de estar ao redor. Agradeci-
lhe e caminhei pelo corredor para o escritório. Eu coloquei minha mão
na maçaneta da porta, virou-a e entrei.
"Você queria ver m-"
Minhas palavras foram cortadas quando vi a cena se
desenrolando diante dos meus olhos.
Sasha estava sentado atrás de sua mesa, olhando com mais raiva
do que um touro no cio sem vacas. Vik ficou ao lado da estante antiga,
inclinando o quadril contra ela, olhando para baixo na cadeira de
convidado. O homem sentado ali estava gemendo baixo em sua
garganta, na fronteira com a inconsciência, com o rosto
ensanguentado e inchado, com as mãos amarradas atrás das costas,
enquanto Lev...
Ele segurou o punho para cima, a manopla de bronze montado
através de seus dedos, o rosto se contorcendo, peito arfante. Eu
engasguei levemente, minha mão voando para a minha boca. Foi
quando ele me viu.
O sangue saiu do meu rosto, deixando-me sentindo frio e confusa.
Meus lábios entreabertos em estado de choque, e meu coração
começou a correr.
As ruas não foram gentis comigo. Eu tinha visto coisas que fariam
a pessoa normal perder seu almoço e isso não era nada comparado a
isso. O que me chocou foi Lev.
Seguro, protetor, ‘nunca machucaria uma mosca’ Lev.
Em seguida, os três homens estavam olhando para mim.
A testa de Lev franzida e, abaixando a punho fechado, ele se
mudou para o passo em minha direção. "Mina-"
Eu não podia olhar para ele. Baixando o olhar para o chão, eu
havia dito. "Eu sinto muito", e eu me vi fora fechando a porta com uma
batida leve. Eu me virei para ir embora, mas pulei quando vi Anika ali
de pé, sua emoção na face. Lambi meus lábios secos. "Sasha não
queria me ver, não é?" Ela ergueu o nariz em desafio e cruzou os
braços sobre o peito. Minha mente estava uma confusão caótica de
perplexidade.
"Por quê? Porque você fez isso?"
"Você quer uma vida com Lev? Esta é a vida com Lev. "Ela olhou
presunçosa e eu odiava naquele momento. "Você quer. Você precisava
saber." Seu corpo alto endireitou e ela falava em cima de mim, me
julgando para julgá-los. "Esta vida não é tão bonita agora, não é,
Mina?"
Meu coração se apertou. "Por que você me odeia?"
Seu rosto suavizou então, mas apenas marginalmente. "Eu não
odeio você. Eu só não acho que você pode estar lá para Lev da maneira
que eu posso. "Levantando sua mão, ela jogou fora a porta do
escritório de Sasha. "Você pode lidar com isso?" Eu honestamente não
sabia se eu puderia. Ela afirmou com confiança, "Porque eu posso. E
isso não muda o que sinto por ele ".
Corri atrás dela, jogando meu ombro em seu braço, e quando eu
fiz, ela gritou: "Você vai me agradecer por isso um dia!"
Não. Não, eu não faria.
Lev tentou se aproximar meia hora mais tarde, mas eu não
poderia trazer-me a responder ao seu chamado. Eu o ignorei até que
ele fisicamente foi para trás do bar, me pegou pela mão e me puxou
para o canto escuro, vazio do bar. "Mina?" E ainda, evitei seu olhar.
"Mina, fale comigo." Suas mãos foram até minhas bochechas e ele tirou
um fio de cabelo longe dos meus lábios. "Por favor."
Minha voz rouca, eu respondi: "Podemos falar sobre isso mais
tarde?"
Ele correu os polegares levemente em toda as maçãs do meu
rosto. "Ok." Então ele trouxe seus lábios nos meus e me beijou no que
eu acreditava que era uma tentativa de me fazer esquecer sobre o que
eu tinha acabado de ver, mas a memória jogava em um laço. Virei a
cabeça para o lado, desconectando nossos lábios, o coração partido.
Quem era essa versão do Lev no escritório de Sasha?
Certamente não é o homem que eu amo.
Eu não conhecia o homem e me petrificou que nosso
relacionamento pode ter sido construído em suposições e mentiras.
Perguntei-me se eu conhecia Lev em tudo.
Eu iria descobrir mais tarde naquela noite.
Nós dirigimos para casa em silêncio. Lev puxou meu braço sobre o
console central e segurou a minha mão, mas a minha espera
permaneceu solta.
O caminho parecia mais longo do que noites anteriores, onde eu
cantava junto com o rádio, nem mesmo levemente me preocupando
com o meu tom de surdez porque eu estava muito feliz com a minha
maldita vida atual para dar a mínima. Eu tinha Lev, e isso era tudo
que eu precisava.
Mas depois de hoje à noite, eu me perguntava que Lev eu tinha?
Havia dois deles, eu tinha descoberto.
Era necessária uma explicação.
O silêncio era pesado e mais grosso que crescia a cada segundo.
Fizemos o nosso caminho no andar de cima, despimos, e pela
primeira vez em uma semana, eu vesti pijama amarelo. Lev havia
notado. O olhar de mau gosto em seus olhos quando ele olhou para o
conjunto hediondo disse isso. Sentei-me no meio da cama, minhas
pernas cruzadas.
Em pé na frente da cama vestida com nada mais do que suas
boxers preta, ele soltou um suspiro suave, incapaz de encontrar meus
olhos. "Eu entendo que você está confusa."
Minha testa se levantou e eu deixei escapar um resmungo suave
de acordo.
A mão dele subiu e ele coçou o queixo. "Há coisas que você não
sabe sobre mim, Mina. "
Eu ri sem graça. "Eu posso ver isso."
"Ele deve dinheiro à Sasha." Meu sangue começou a ferver.
Lev continuou, "Assim é como o negócio é tratado quando você é
um Leokov." Engoli em seco, causando raiva no meu estômago.
"O homem que viu esta noite deve à Sasha cem mil dólares."
Era isso. Eu tinha ouvido o suficiente. Com a minha boca aberta,
raiva me lançou à frente e algo que eu não tinha planejado dizer saiu.
"Quem se importa se o cara lhe deve dinheiro? Ele me ofereceu a
mesma quantia para deixá-lo, caramba! "Fiz uma careta. "O dinheiro é
claramente um objeto para Sasha." Eu rosnei o seu nome.
No momento em que eu percebi que eu tinha apenas dito a Lev,
meu rosto empalideceu.
A mandíbula de Lev endureceu e sua bochecha ficou marcada.
Suas mãos se fecharam em punhos e seu estômago se apertou. Sua
voz era baixa, perigosa. "O que você disse?"
Não, não, não, não, não, não, nãooooooo.
O que eu tinha acabado de fazer? O sangue rugia nos meus
ouvidos e ouvi meu pulso alto e claro. Minha boca seca, tentei trazer
um pouco de umidade para os meus lábios, lambendo-os. Eu puxei um
travesseiro sobre meu colo e abracei-o apertado. "Eu não aceitei,
obviamente." Minha voz era pequena. Minúscula.
Seus olhos se estreitaram, e ele voltou a falar com os dentes
cerrados. "Ele o quê?" Merda em uma vara. Agora você fez isso!
O olhar em seu rosto me disse que ele estava prestes a fazer algo
ousado. Então eu fiz a única coisa que eu conseguia pensar.
Estando tão rápido quanto eu podia, eu levei os dois passos para
a beira da cama e me joguei fora apressadamente. Antes que Lev
pudesse pensar no que estava acontecendo, meu corpo colidiu com o
ar e ele passou os braços em volta de mim, me segurando, quase com
muita força. Meus braços foram ao redor de seu pescoço e minhas
pernas embrulhadas altas em torno de sua cintura. Apertei-o com
força. Ele ainda estava louco.
"Mina, me solte. Por favor. "
" Nunca ", eu sussurrei.
Deve ter sido a coisa certa a dizer na época, porque seus fortes
braços relaxaram em volta de mim, me segurando levemente, e ele
virou a cabeça para descansar seus lábios no meu rosto, uma mão se
movendo lentamente para a bochecha esquerda da minha bunda.
Eu não podia acreditar no que eu estava prestes a dizer. "Seu
irmão te ama, Lev. Ele pode ter uma forma de merda de mostrá-lo, mas
ele faz. Caso contrário, ele não se preocuparia em fazer o que ele fez."
Fiz uma pausa antes de acrescentar em um aperto, "eu mataria para
ter uma família que me ama. Não fique zangado com ele, querido. Ele
está apenas olhando por você. "
Isso acalmou o animal enfurecido. Ele me levou até a cama e, sem
me extrair dele, deitou-se de costas, levando-me com ele. Ele olhou
para o teto alto e respirou fundo, soltando em uma expiração. "Sinto
muito sobre o que viu."
Descansando meu queixo no peito, eu falei baixinho: "Você está
feliz fazendo coisas como essa?"
Ele pensou por um momento, sua voz austera quando ele
respondeu: "Eu não sinto quando eu faço coisas desse tipo."
Foi uma resposta triste e meu coração doeu por ele. Virando a
cabeça para o lado, eu sussurrei. "Você me assustou hoje à noite."
"Me desculpe."
Tantas desculpas deste homem. Eu me perguntei se ele estava
arrependido ou se era apenas algo a dizer para preencher o vazio.
Eu levantei meu rosto uma vez mais procurando o rosto e
ponderei em voz alta: "Você acha que você teria dito a mim se eu não
descobrisse da maneira que eu fiz?"
Seus olhos aquecidos evitando-me, ele balançou a cabeça. Pelo
menos ele foi honesto.
"Porque você não pode olhar para mim, querido?"
Outro aceno de cabeça. Seus braços se apertaram em torno de
minhas costas. O que ele disse em seguida quebrou meu coração.
Sua voz baixa, ele declarou honestamente, "Eu não sei o que eu
faria se eu visse desapontamento lá."
Meus olhos fechados e eu apertei-os forte, segurando as lágrimas
que eu tanto queria lançar. Meus lábios foram para seu peito e eu o
beijei lá, justo sobre seu coração.
Eu não estava indo para obter as respostas que eu precisava. Não
esta noite e não de Lev.
Eu teria que ir para outro lugar.
Acordei de manhã com uma boca quente em meu peito, rosnando
na carne macia, sugando duro, era realmente uma boa maneira de ser
despertada.
Meu bom dia saiu algo como: "Deus, sim, querido. Sugue mais
forte", meus braços apertaram a parte de trás de sua cabeça, puxando-
o para mais perto.
Onde meu pijama estava?
Ele removeu sua boca, moendo sua ereção no meu quadril, e
perguntou: "Acabou?" Eu fiquei em branco. já acabou?
Bem, isso foi rápido.
Cara triste.
Eu não podia ajudar, mas senti uma pontada de decepção. Mas
então ele perguntou de novo, desta vez mais claro, "O seu período,
baby. Acabou? " Oh!
Você é um babaca.
Eu quase bufei, mas eu estava muito ocupada ofegante e correndo
os dedos pelo cabelo de Lev.
"Sim, acabou."
A mancha leve tinha terminado há três dias, graças a Deus.
Seus polegares engancharam na cintura da minha calcinha de
seda branca. Eles foram para baixo com um puxão duro e eu ajudei
chutando-os fora de meus tornozelos. Ajoelhou-se acima de mim. A luz
do sol luz que vinha através das fendas entre as cortinas me ajudou a
ver o pênis de Lev projetando acima e para fora do cós de suas boxers.
Ele estava tão pronto quanto eu.
Ele olhou para mim, tendo diante dos olhos o meu corpo nu pela
primeira vez. Fiquei contente que Nas tinha me falado para fazer outra
depilação de biquíni na semana anterior. Embora eu mantive-me bem
aparada, eu me recusei a ficar sem pelos. Eu só não gostava. E, agora,
eu estava grata por isso. Ele me impediu de sentir-me excessivamente
exposta quando os olhos de Lev arrastavam lentamente cada polegada
de mim.
Ele estava me deixando ansiosa. Eu precisava de contato.
Estendendo a mão, eu corri com cuidado minhas mãos para baixo dos
seus braços, e quando as nossas mãos se encontraram, ele entrelaçou
os dedos, trazendo minhas mãos aos lábios, pressionando beijos lentos
e precisos em meus dedos.
Suas mãos soltaram as minhas e, em seguida, ele estava em cima
de mim. Fomos pegos em um abraço, e nós estávamos nos beijando.
Esses beijos não eram selvagens ou apaixonados ou lascivos. Eles
foram suaves, tipo preguiçoso quente. O tipo perigoso. O tipo que me
fez perguntar por que não poderia fazer isso para sempre. Ser assim
para sempre. Ser um do outro para sempre.
Eu tinha esperança de que era possível.
Seus lábios se arrastaram no meu queixo, para o meu pescoço,
parou para saudar o vale entre meus seios, e depois no meu estômago,
parando logo abaixo do meu umbigo para respirar calorosamente na
carne trêmula lá.
A ponta do nariz marcou a jornada mais para baixo ainda, e, em
seguida, suas mãos estavam em meus quadris, apertando quando ele
enterrou o nariz no cabelo macio do meu sexo.
Engoli em seco. Meus olhos estavam bem abertos. As maçãs do
meu rosto ardentes. Eu ofegava levemente.
Ele não ia lá ... iria?
Isso foi tudo tão repentino. Eu não tive tempo para representar
uma pose mais sexy. Eu nem sabia se eu estava pronta para isso. Ele
era muito mais íntimo do que a relação sexual. Não havia nenhum
esconderijo quando você tinha um rosto aparecendo na sua região
mais íntima.
Então suas mãos estavam em meus joelhos e ele estava me
espalhando bem aberta, olhando para o meu lugar mais íntimo. Parte
de mim queria ver a reação dele, mas minha mente autoconsciente não
me deixou. Meus olhos se fecharam e as minhas mãos subiram para
cobrir meu rosto.
Deixei escapar um gemido envergonhado. Esse gemido
envergonhado rapidamente se transformou em um gemido apaixonado,
minhas mãos caindo longe do meu rosto quando a língua de Lev saiu
para me lamber firmemente no clitóris.
Lento e preciso.
Profundo e adorando.
Úmido e quente.
Sua língua era uma arma e ele estava me matando em seu ataque
preguiçoso.
Ele colocou a boca sobre meu botão pulsante e chupou-o
levemente, puxando para trás como ele fez. Minhas mãos
emaranhadas nos lençóis quando um suspiro irregular foi arrancado
de minha garganta. Lev sabia como dar prazer a uma mulher. Não
houve falsidade na minha reação. Era cru e verdadeiro e tão feliz que
beirava o doloroso.
As pontas dos dedos jogaram na minha entrada, esfregando e
amassando, mas nunca indo mergulhar dentro de onde eu mais
precisava, deixando-me desolada. E apenas quando eu pensei que eu
ia ficar louca da doce tortura, ele me deu o que eu precisava. Um dedo
deslizou para dentro com uma lentidão excruciante.
E meu corpo iluminou como um 4 de julho com fogos de artifício.
Já não estava em controle de mim mesma, minhas coxas se
apertaram ao redor da cabeça de Lev quando eu choraminguei em
necessidade. Eu estava tão perto.
Ele colocou beijos de boca aberta em minha buceta, lambendo-
me, comendo-me. Agora e, em seguida, sua língua iria endurecer e
fazer o mergulho em mim. Não houve tempo perdido ao redor. Ele fez
exatamente como o ato foi denominado. Ele estava fazendo sexo oral.
Bem não. Não é bem assim.
Ele fodeu minha boceta com a língua.
O pensamento me deixou selvagem. O ato fez-me sem sentido.
Combinados, eu estava perdida.
Minhas coxas apertando ambos os lados de sua cabeça, minhas
mãos em punhos em seu cabelo, a cabeça jogada para trás em êxtase
incontrolável, não foi muito antes de eu me mexer em sua boca
inteligente. Suas mãos deslizaram sob meu corpo, levantando meus
quadris para fora da cama.
Ele me puxou para ele, gemendo, a vibração fazendo coisas
maravilhosas para mim até que eu não estava totalmente certa de que
éramos entidades separadas.
Meu corpo torcido apertado, rígido em todos os sentidos. Meus
olhos fechados por vontade própria, luzes dançando atrás de minhas
pálpebras fechadas. Sua boca enviou ondas de prazer pela minha
espinha ao ponto de não retorno.
Eu estava perdida para ele. E ele sabia disso.
"Venha para mim, Mina. Venha na minha boca, baby. Dê-me o
mel", ele rosnou em minha coxa.
Ah Merda.
Uma explosão de luz descarregada através de mim. Meu coração
disparou. Eu estava entorpecida.
Então, nada mais que bem-aventurança.
Minha boceta tremeu e apertou, dando-lhe exatamente o que ele
pediu. Meus dentes agarrados juntos, trincou apertado, e um longo
gemido baixo, foi puxado de mim sem a minha permissão enquanto
meu corpo lutava pelo controle através da liberação.
Santo inferno. Doce Jesus. Doce Bebê Jesus.
Eu era um macarrão flácido.
Ofegando suavemente, Lev beijou seu caminho de volta até o meu
corpo, recolhendo-me e me segurando apertado. Meus braços flácidos
seguravam-no o melhor que podiam, mas meus olhos não abriam. Eu
segurei meu rosto em seu pescoço. "Uau", eu resmunguei. "Isso foi ...
puta merda."
Seu corpo tremia levemente, mas ele permaneceu em silêncio.
Quando ele falou em seguida, ele falou francamente. "Eu nunca provei
nada como você. Você é apetitosa. Ambrosia."
Eu sorri em sua clavícula, sonolenta. "E tudo seu, baby."
Ele beijou minha testa, seus lábios persistentes. Sua mão desceu
para amassar minha bunda. "Toda minha, baby."
Exaustão me levou logo depois. Lembro-me vagamente de estar
sendo limpa e instalada. Quando acordei, estava completamente
sozinha, mas saciada e sorrindo.
A mola no meu passo foi um sinal claro de que, embora eu tivesse
uma noite comum e um tanto alarmante, eu tinha tido um bom dia.
Um muito bom dia.
Quando eu fui até Nastasia cerca de dez horas, eu estava 90 por
cento certa de que ela estaria acordada. Se não, eu só tenho que
começar minha batida na porta. Quando eu cheguei na porta da casa
dela, eu levantei a minha mão para bater, mas pensei melhor. Em vez
disso, eu puxei meu celular do meu bolso e lhe enviei um texto.
Eu: Você está acordada? Eu tenho brownies.
A porta foi aberta, um minuto depois. Nas piscou para mim,
acordada, vestida e alerta. Ela sorriu, mas quando ela olhou para as
minhas mãos vazias, ela fez uma careta.
"Não há brownies, certo?"
Eu empurrei o meu caminho dentro e soltei uma risada. "Não.
Isso era tudo parte do meu esquema covarde para você me deixar
entrar ".
Ela parecia insultada. "Nada legal, pirralha. Não é legal." Ela me
viu subir as escadas.
"Ei. Onde você vai?"
"Eu estou indo para dizer bom dia para o meu marido." Eu sorri
para mim mesma. "Você se importa?"
Eu abri a porta do quarto de Nastasia e entrei. As cortinas tinham
sido tiradas e roupas foram arremessados ao redor da sala. Vik estava
sentado na cama, um lençol puxado até a cintura, os braços cruzados
atrás da cabeça, assistindo ao noticiário da manhã na TV que Nas
tinha na parede. No momento em que ele me viu, ele sorriu. "Porra,
esposa. Você parece bem hoje. Você é tudo brilhante e merda." Ele
sorriu descaradamente. "Você teve sorte, não é?"
Eu amei Vik. Eu realmente tive um tempo difícil em acreditar que
ele e Anika foram feitos a partir do mesmo espermatozoide e óvulo, que
compartilhavam DNA. Às vezes eu queria dar-lhe as minhas
condolências no fato de que sua irmã era uma idiota gigante.
Hoje, eu sorri para ele. "Eu chegaria aí e te abraçaria se eu não
tivesse tanta certeza que você está totalmente nu sob essa coberta."
Ele deu seus quadris um impulso de para me mostrar que ele
estava de fato nua sob lá, e eu segurei a mão sobre os olhos, gemendo.
Ele era um porco. Um porco adorável.
Nas entrou no quarto com uma bandeja de café e eu levei uma
dela, dando-lhe um aperto de cintura. Ela me conhecia muito bem. Ela
piscou para mim, e eu tomei um assento na borda mais distante da
cama, enquanto Nas sentava de pernas cruzadas ao lado de Vik. Ela
entregou-lhe um café, e ele se inclinou e deu um beijo suave na
bochecha. E, Deus, isso me fez sorrir.
Eu amei o quanto ele a amava.
"Então", Vik começou. "Como está se sentindo sobre o que você
viu na noite passada?"
A testa de Nas franziu quando ela colocou o olho em mim. "O que
você viu na noite passada?"
Vik deu de ombros. "Negócios. Lidando com a picada Moretti." Vik
me lançou um olhar simpático.
"Mina viu Lev fazer sua coisa."
O ombro de Nas caiu e ela suspirou. "Oh, Mina. Eu sinto muito.
Eu não sabia."
Eles agiam como se fosse um simples mal-entendido. Era o tipo de
reação que eu teria esperado se eles tivessem feito um compromisso
comigo e eles tiveram que quebrar, como se fosse tão fácil compreender
e perdoar, e ainda assim eu ainda estava tão confusa. Eu segurei as
duas mãos em volta da minha caneca de café, aquecendo-as.
"Eu não sei como me sinto sobre isso. Lev exatamente não disse
muito quando chegamos em casa na noite passada. Eu só estou
realmente confusa. E é por isso que estou aqui."
Nas alcançou através da cama para colocar uma mão no meu
joelho. "Eu desejo que eu poderia tê-la avisado." Ela pareceu
desapontada consigo mesma. "Eu tive vontade por semanas, mas
segurei. Então, quando você começou a namorar Lev, eu pensei que ele
ia dizer-lhe sobre isso." Ela revirou os olhos. "Sim, como se ele faria,
certo?"
Eu não consegui. "Por que ele não me contou?"
Nas olhou para Vik e ele respondeu por ela. "Você sabe, Lev não é
estranho para companhia feminina, Mina." Por que eu preciso ouvir
isso? Fiz uma careta para ele. Ele sorriu e continuou rapidamente:
"Mas essas mulheres estavam lá por uma razão, e ele fez certo de que
ele soletrou para fora para elas. Algo sobre você tem ele a tratá-la de
forma diferente. Ele nunca deixaria uma mulher dormir em seu quarto
antes. Nunca."
Nas sorriu para mim. "Não até você."
Meu coração bateu e minha barriga vibrou, mas eu mantive a
minha cara de jogo.
Vik acrescentou: "Você é a única pessoa que ele está trancado em
um quarto com ele desde que ele tinha dez anos. Eu não sei por que,
mas ele está incluíndo você em seu pequeno círculo de proteção. Você
é parte do seu santuário. "
"Ok", eu murmurei, eufórica pela informação, mas ainda confusa.
"O que isso significa?"
Nas falou suavemente. "Ele não disse a você, porque ele está com
medo de perder você, boneca."
Tomei um gole de café, quase sem prová-lo. "Certo, certo. Isso
ainda não explica o que eu vi ontem à noite." Eu olhei de Nas para Vik.
"Qualquer um de vocês querem esclarecer-me?"
Nas levantou o braço esquerdo de Vik e apontou para uma
tatuagem lá. Uma grande, tatuagem ousada que lia XAOC. "Tudo
começa aqui, com o Chaos."
"O que é isso? Como uma gangue ou algo assim? "Eu perguntei
cuidadosamente.
Vik riu. "Whoa lá, pequenas coisas. Você chama isso de uma
gangue e você vai levar um tiro." Ele explicou: "Eles chamam a si
mesmos de uma empresa. Nós éramos uma empresa. "
Nas endireitou-se. "Vamos retroceder vinte e um anos atrás." Ela
limpou a garganta. "Bratva eram a máfia russa, a fraternidade. Eles
ainda estão por aí, mas não está anunciando, você sabe. Eles são um
grupo privado remoto. A única maneira de entrar é ser o filho de um
membro ou ter dois de seus membros testemunhando para você. Isso
não acontece muitas vezes. Eles não querem que as pessoas, policiais,
em seus negócios, então eles começaram empresas em todo o mundo
para jogar fora o perfume de suas transações comerciais. Tanto quanto
os policiais sabiam, as empresas não estavam envolvidas com Bratva.
"Ela fez uma pausa. "Meu pai, Anton, e seu irmão, Ilia. Ambos os
homens eram membros de Bratva, como seu pai e seu avô antes deles,
mas quando eles se mudaram para os EUA da Rússia, eles foram
convidados a iniciar uma empresa, recrutar alguns dos melhores
criminosos russo-americanos conhecidas pelo homem e fazer o que as
empresas fizeram."
Eu quase não quero perguntar. "O que as empresas fazem?"
Vik franziu os lábios. "O usual. Tráfico de droga, extorsão, tráfico
de armas, fraude, contrabando." Ele deu de ombros como se não fosse
grande coisa. "Você sabe."
Nas continuou. "Então o pai torna-se presidente da empresa. Tio
Ilia se tornou vice-presidente. O pai de Vik, Yuri, era contador. A
empresa foi apertada. O armazém onde eles correram as coisas era
quase impenetrável. Então chegou a hora de os filhos serem iniciados."
Ok, eu estava recebendo respostas, mas eu tinha tantas
perguntas mais. "O que isso significa? Por que eles precisam ser
iniciados? "
Vik sorriu. "Você diz isso como se fosse uma coisa ruim, mas para
nós, para os filhos, foi uma honra. Éramos aplicadores. Eu, Sasha,
seus primos, Nik e Max, e seu irmão adotivo, Asher. Nós todos nos
juntamos ao mesmo tempo." Ele sorriu maliciosamente. "Nós
estávamos fora de controle. Era porra maníaco, baby. Tivemos armas.
Tivemos mulheres. Tivemos dinheiro. Melhores anos da minha vida." E
sobre Lev?
Eu tive que perguntar. "E sobre Lev? Você não mencionou ele. "
Nas parecia triste. “Os homens na empresa se decidiram contra
Lev. Eles votaram não. Disse que ele era muito imprevisível. Disseram
que não podia confiar nele." Ela acrescentou rapidamente: "O que era
uma carga total de merda. Eles nem sequer lhe deram uma chance."
Soou asneira se sentir mal por Lev não ser permitido em um
grupo de bandidos, mas meu coração apertou dolorosamente. Ele
sempre foi o impar para fora. Eu odiava isso.
Nas continuou: "Então os meninos estavam fora para ter suas
tatuagens Chaos, deixando um cara, Maxim, para aplicar em seu
próprio para a noite. Nenhum dos meninos sabia que merda estava
prestes a bater no ventilador. Ninguém além de Lev." Ela tomou um
gole de café. "O estúdio de tatuagem que pertencia a Chaos teve sua
porta derrubada. Uma empresa rival dos italianos tinha estado em
nossas costas para entrar em seu território. Um de seus homens
decidiram enviar uma mensagem. Vieram, armas levantadas, prontos
para disparar quem entrasse em seu caminho. "
Meu coração começou a bater mais rápido. "O que aconteceu?"
Vik respondeu: "Lev aconteceu. Ele veio por trás, fora das
sombras, jogou o filho da puta para baixo e deixou seus punhos
falarem." Vik sorriu. "Estamos falando de um homem adulto burro com
não uma, mas duas malditas armas, sendo dominado por um rapaz de
quinze anos, desarmado, e sendo espancado de tal maneira que ele
precisava de uma cirurgia para corrigir sua cara feia." Whoa.
Nas inclinou a cabeça para o lado. "O italiano caiu em desgraça.
Eles eram motivo de piada depois disso. Chaos estava satisfeito. Bem,
você pode imaginar o que aconteceu depois disso."
Deixe-me adivinhar. "Eles queriam Lev na empresa."
"Sim", ela confirmou, em seguida, sorriu. "Mas ele não quis
entrar. Disse que iria proteger seus irmãos, mas ele nunca seria o
Chaos. Meu pai estava decepcionado. Ele queria Lev como um irmão
em todos os sentidos, mas ele concordou que Lev devia ter uma
escolha. Ele respeitava isso. "
"O que aconteceu, então, se ele não participa?"
Vik esclareceu: "Éramos a ‘polícia’, mas Lev teve nossas costas.
Ele era o nosso músculo. Nós fizemos a coleta. Ele fez toda a luta." Ele
hesitou antes de dizer-me: "É como se ele nascesse para a batalha,
Mina. Vem tão naturalmente para ele. Ele pode se perder aqui." Ele
bateu na têmpora. "Você está ajudando-o a encontrar seu caminho
para fora dessa prisão."
Eu havia dito: "Mas ele está aplicando agora, certo? Como isso
aconteceu?"
Nas falou. "Meu pai foi ficando mais velho, como meu tio. Ambos
tiveram famílias. Eles queriam se estabelecer, mas você simplesmente
não deixa uma empresa. É para a vida. Quando meu tio Ilia morreu
repentinamente de um ataque cardíaco, o meu pai levou-o duramente.
Eles estavam perto. A saúde do meu pai se recusou e ele retirou suas
responsabilidades a partir de Chaos. Bratva concordou que ele não
estava em condições de liderar." Ela balançou a cabeça levemente.
"Para encurtar a história, Bratva não estavam satisfeitos com a forma
como as coisas estavam sendo atropeladas aqui sem o meu pai a
bordo. Os homens estavam lutando entre si, lutando pelo poder. As
pessoas tomaram lados. As lealdades fugiram. Eventualmente, Bratva
forçou a empresa a debandar. Todos seguiram caminhos separados. "
Vik demorou, "Você pode tirar o garoto da capa, mas você não
pode tirar o capuz para fora do menino. Você me entende?" Eu não fiz.
Ele deve ter visto isso, porque ele explicou: "A maioria dos membros
debandados formaram suas próprias empresas ilícitas. Nós não
fizemos isso. Optamos por ficar neutro, iniciar um negócio, ir limpo no
reto e estreito."
Minha testa se levantou. "Não parece para mim."
Nas levantou a mão. "Ouça, os meninos, eles não estão fazendo
nada de muito louco aqui. Sasha é um corretor. Ele empresta grandes
somas de dinheiro para pessoas de alto interesse. Quando eles não
entregam nas condições estabelecidas..." Ela tentou sorrir, mas saiu
um estremecimento.
Falei para ela. "Eles recebem a merda batida fora delas. Por Lev. "
Vik zombou. "Bem, é claro que soa ruim quando você fala assim."
Ah, Vik. Eu não pude deixar de sorrir para ele.
Eu falei baixinho: "Bem, isso explica coisas. Eu ainda não sei
como me sinto sobre isso, mas agora eu sei." Nas me olhou.
"Deixe-me perguntar uma coisa, Mina. Será que Lev fazendo isso
afeta a forma como ele trata você? " Não. Isso não aconteceu.
Eu balancei minha cabeça.
Ela tinha uma outra questão. "Você realmente quer saber cada
vez que ele bater em alguém? Eu não. Vik e eu, nós não falamos sobre
isso. Ou você está ferida que você descobriu por acidente?" Eu estava
dolorida sobre como eu descobri. Era tudo culpa de Anika.
Nas acrescentou: "Sim, ele bate esses perdedores, mas aqueles
idiotas sabem exatamente no que estão se metendo quando eles fazem
um acordo com Sasha. Eles não são tão inocentes, você sabe. Há uma
razão eles não podem ir através dos canais legais para conseguir o
dinheiro.
Eu entendi isso. Não tornou nada melhor embora.
Eu dei de ombros.
Sua mão desceu sobre a minha e apertou. "Faça um favor.
Coloque fora de sua cabeça. Vai causar problemas onde eles não
existem." Ela ressaltou, "É um trabalho, Mina. Apenas um trabalho.
Pense nisso como cobrança de dívidas."
Vik concordou com a cabeça, em seguida, soltou: "Você pode
julgar Mina, mas lembre-se," seus olhos se suavizaram, "Lev não a
julgou quando ele encontrou você roubando a carteira de seu irmão.
Ele deu-lhe um emprego, um lugar para viver, alimentos e roupas
quando você não tinha nada."
Essa declaração doeu tanto porque era verdade. Lev não me
julgou. Claro, ele não confiava em mim no início, mas ele não me
julgava. Ele estava lá para mim quando eu estava sozinha, sem um
amigo no mundo. E aqui eu estava questionando-o.
Meu coração afundou. Eu era uma pessoa terrível.
Vik continuou suavemente, "Esta é a vida que fomos ensinados. É
tudo o que sabemos. Nós não poderíamos ir à igreja, homens tementes
a Deus, mas não somos pessoas ruins, querida." Ele estava certo.
Quem era eu para julgar o que era normal?
Eu estava com raiva de mim mesma. Lev era um homem doce. Ele
foi gentil comigo em um momento em que eu não merecia isso. Com a
mente no lugar, eu fui contra o que eu tinha sido ensinada sobre tudo
o que havia de bom no mundo. Tanto quanto eu estava preocupada, eu
nunca vi o que Anika havia planejado para eu ver.
Não era importante.
Foi há muito esquecido.
"Domingo de festa?" Eu agrupei meu nariz com um pequeno
sorriso. "Eu ainda quero perguntar?"
Nas riu enquanto caminhávamos para o shopping, Vik correndo
atrás de nós e colocando um braço protetor em torno de ambas as
nossas cinturas. Ele sorriu, mordendo a ponta da língua. "É realmente
apenas uma desculpa para que possamos ver nossas mulheres em
trajes de banho."
Estava quente e tudo, mas não era tempo de praia. "E onde está
festa será realizada?"
Nas atirou-me um sorriso de desculpas. "Sasha. Ele tem uma
piscina aquecida. "
Ah, foda-se. Eu não estava interessada. "Bem, você tem todo o
divertimento em seu domingo então."
Nas gemeu, extraindo-se do braço de Vik para caminhar ao meu
lado. Colocando a cabeça no meu ombro, ela reclamou, "Mina. Vamos.
Eu sei que vocês têm questões e tudo..."
Eu bufei. "Ele tentou me subornar para ficar longe de Lev!"
As sobrancelhas dela se levantaram e ela beliscou meu braço
levemente. "Em uma tentativa de esquivar um escavadora de ouro,
que, por sinal, não funcionou, então você é tudo de bom. Você passou
no teste!" Ela acenou com uma bandeira imaginária e soltou uma
tentativa fraca e pobre em um elogio. "Hooray".
Eu parei de andar e me virei, encarando-a para baixo. Ela
enrugou sob o meu olhar firme.
Ela tinha sorte que eu a amava.
Vik empurrou para o meio de nós, envolvendo os braços em torno
de nós. "Senhoras, senhoras. Vocês não precisam lutar por mim. Há o
suficiente Vik para ir ao redor. Agora," ele falou o assunto com
naturalidade", esses trajes de banho não estão indo para serem
provados sozinhos ".
Olhei dele para Nas. "Por que ele está aqui?"
Ela revirou os olhos. "Ele ouviu 'trajes de banho" e insistiu em
vir", ela fez citações de ar, "nos protejer.'"
"Entendo." Eu olhei para Vik, olhando-o de cima a baixo.
Ele sorriu duro, me soprando um beijo. Virei a cabeça para o lado
e mordi o peito. Ele pulou para trás, segurando o mamilo e olhando
para mim. "Ow. Isso dói. Atos de violência física estão prejudicando o
amor que tenho por você." Ele se moveu para levantar sua camisa
sobre seu mamilo e se aproximou de mim.
"Agora beije-o para ficar melhor."
Eu caí na risada e corri para longe dele, me escondendo atrás de
Nas. Ela revirou os olhos para nós dois, mas ela o fez sorrindo. Meus
amigos eram impressionantes.
Liguei meu braço através dela. "Ok, eu vou, mas se Sasha me
olhar com desgosto estou indo embora."
"Que seja," Nas murmurou baixinho. "Vocês vão ter que superar
isso. Ambos. Sasha ama Lev. Você ama Lev. Vocês precisam se
acalmar e se dar bem."
Eu estava imediatamente na defensiva. "Não é culpa minha. Eu
poderia facilmente superar isso e eu o faria, por Lev, mas Sasha não
vai me deixar. Cada oportunidade que ele tem, ele diz algo
desagradável ou me dá esse maldito olhar, como se eu fosse mais baixa
do que ele, como se eu fosse escória. Por alguma razão, eu não acho
que você ia deixar voar se fosse você, Nas."
Ela concordou: "Não, eu não faria. Eu chamaria para fora nele. "
"Ah, sim. Ele me amaria por isso", eu murmurei.
"Não, ele não iria", ela fez uma pausa, "mas ele pode respeitá-la
por isso. Somos um povo engraçado, Mina."
Nós caminhamos para uma loja de lingerie e fui direto para roupa
de banho. Enquanto nós estávamos andando, Vik gritou para nós,
segurando um cabide. "Eu acho que você parecerá ótima neste, Mina."
Eu pisquei para baixo no cabide.
"Não há nada nele."
Ele sorriu. "Eu sei."
Nas gemeu dolorosamente com a piada estúpida. Quando eu
peguei uma toalha dobrada e joguei em cima dele, ele caiu na
gargalhada. Nas balançou a cabeça. "Eu nem sei por que eu perco meu
tempo com você."
Vik passeou com ela lentamente, como se estivesse à espreita.
"Porque eu sou o melhor que você já teve." Ele baixou a cabeça para
beijar os lábios, mordendo-os suavemente. Ele falou mais calmo, "E
porque você me ama."
Nas fechou os olhos e caiu dentro dele, beijando-o de volta com
tudo o que tinha. A exibição foi tão impetuosa, tão quente, que eu
tinha que virar para esconder o meu rubor. Eles pareciam bem juntos.
Eu olhei para alguns dos biquínis quando, por trás de mim, veio:
"Eu acho que você ficaria melhor em uma peça, querida." Eu me virei
para ver uma jovem mulher em torno da minha altura, talvez um
centímetro mais alta, com longos cabelos loiros e lábios cor de rosa
brilhantes, sorrindo para mim.
Ela não trabalhava na loja. Ela parecia estar apenas navegando.
Eu levantei uma sobrancelha. "Você pensa?"
Seus olhos azuis apareceram. "Oh eu sei. Olha, nós, mulheres
curtas precisamos ficar juntas, e eu estou sendo honesta aqui ... nós
parecemos como crianças quando usamos biquínis." Ela era o tipo
engraçado. Eu ri. "Sim, acho que sim."
Sem permissão, ela pegou meu braço e me levou para o rack de
trás. "Está aqui é a seção para pequenas. Há algumas peças sexy que
você pode tentar, ou mesmo um fundo de combinação top/biquíni.
Talvez um sarong ou kaftan." Ela balançou a cabeça. "Me desculpe. Eu
fiquei tão presa." Ela colocou a mão para fora. "Sou Cora."
"Mina", eu disse quando peguei a mão dela. "Prazer em conhecê-
la." Eu admiti, "Eu sou grata pela ajuda. Eu não sou muito
fashionista."
Nas aproximou por trás. "Aqueles são quentes", ela disse,
mantendo um olhar atento sobre a minha nova amiga.
Eu fiz as apresentações. "Nas, esta é Cora."
Nas olhou fixamente, sem piscar para a moça, e falou
mortalmente calma. "Eu sei quem ela é."
Cora não era mais doce, não para Nas de qualquer maneira, e seu
lábio enrolou indelicadamente. "Apenas ajudando."
"Corinna". Nas avançou. "Você não está a seguir-nos, está?" Ela
olhou para baixo do nariz para a mulher. "Você sabe que eu não tenho
problemas em bater o seu rabo no chão. E nessa nota:" Nas sorriu
cruelmente, "Eu vejo o seu nariz bem curado."
Uh oh.
O que estava acontecendo aqui?
Cora deu de ombros. "Ok, então talvez eu ouvi sobre a cigana e
queria vê-la por mim." Ela olhou para mim e seus lábios franzidos no
pensamento. "Ela é bonita."
Eu não vi a abordagem de Vik, mas eu definitivamente ouvi-o
quando ele rosnou, "Você está fora da porra da sua mente, Corinna? O
que você não entende sobre ficar porra longe de nós? Você sabe o que
Lev vai fazer se ele descobrir que você sequer olhou para Mina?"
Ela cruzou os braços sobre o peito e sorriu, olhando cheia de si.
"O que? Não é como se eu não tenho jogado muito bem." Cora ... ou
Corinna ... ou quem quer que o ela era, falou diretamente para mim e
silenciosamente. "Sem ressentimentos, aconteça o que acontecer." Ela
levantou um maiô fora do rack e entregou para mim. "Experimente
este." Ela sorriu gentilmente. "Ele vai ficar bem em você." Então ela se
afastou e saiu da loja.
Ainda observando o local que ela saiu, perguntei: "Quem era?"
Vik murmurou, "Corinna Alkaev."
"Sim", eu comecei. "Eu não sei quem é, gente."
"A irmã de Irina", afirmou Nas depois acrescentou relutantemente,
"Cora era minha melhor amiga." Oh meu.
Drama, drama em toda parte.
Nossa viagem de compras chegou a um fim inesperado e eu
comprei o maiô que Cora tinha escolhido para mim. Fomos para casa,
e foi-me dito para não sair de casa até Lev chegar lá. Isso foi tudo bem
comigo. Eu não estava pensando em sair.
Era hora de descobrir exatamente quem a família Alkaev era.

Enquanto espera por Lev para voltar para casa, sentei-me na sala
de estar e assisti a uma reprise de Oprah. O episódio foi sobre as
mulheres que atacavam os homens que já estavam em
relacionamentos. Ele fez o meu lábio mexer de desgosto. Como as
mulheres poderiam fazer isso estava além de mim. Quero dizer, eu
entendi que ele levou duas para dançar o tango, mas tentando
ativamente um homem, sabendo que ele estava com alguém ... sim.
Não.
Parecia que o destino tinha me forçado a assistir esse episódio,
porque quando eu ouvi a porta da frente aberta e eu corri para fora no
foyer para cumprimentar o meu homem bonito, fui abordada por uma
outra visão.
Anika caminhou ao lado de Lev, seu cotovelo atado através do seu
e sua outra mão descansando em seu peito, inclinando a cabeça em
seu ombro.
Anika parecia que estava no céu.
Lev parecia indiferente, como sempre.
Palavrões estavam na beirada da minha língua, lançando-lhe o
pensamento, mas quando Lev se virou para mim e seus olhos sorriam
dessa forma que me fez quase desmaiar, meu coração me lembrou que
Lev era meu. Felizmente o bastante, minha mente estava acordada.
Eu sorri para ele. "Ei você. Eu estava me perguntando quando
você chegaria em casa."Eu olhei para Anika, minha sobrancelha
levantada. "Eu não sabia que você tinha planos."
Ele deu um passo em minha direção, forçando Anika para
desalojar-se dele. Quando as pontas dos dedos das mão tocaram os
meus, ele me envolveu em um abraço quente, seguro, chegando a
acariciar meus cabelos. "Eu não tenho planos." Ele beijou minha testa
e minha pele queimou do contato. "Anika se trancou fora de seu
apartamento. Ela me chamou para buscá-la. Nas tem uma chave
reserva e ela estava a caminho."
"Oh," eu murmurei, olhando para a atriz sobre o ombro de Lev.
"Não é apenas ..." Conveniente. "… a sorte."
Nas abriu a porta da frente e cantarolou, "Toc, toc." Ela deu um
sorriso à Anika. "É a segunda vez este mês, Ani. Sorte para você que eu
estava em casa dessa vez. "
Anika parecia um pouco cabisbaixa. "Sim. Sorte." Ela estava
cavando-se em um buraco. "Eu pensei que vocês estavam no
shopping."
Soou como uma acusação, e felizmente para mim, eu não era a
única que pegou isso.
Os olhos de Nas estreitaram para a amiga. "Nós estávamos. Algo
aconteceu. Nós chegamos em casa. " Seu tom implícito que ela não
gostava de explicar a si mesma, não especialmente para a amiga.
Lev afastou para olhar para mim. "O que aconteceu?" No meu
encolher de ombros ele olhou para Nas, olhos piscando. "O que
aconteceu?"
Nas apoiou contra a parede, cruzando as pernas. "Corinna queria
conhecer Mina."
"O quê?" Ele sussurrou, seus braços apertando ao meu redor, a
ponto de dor, então ele fez algo estúpido. Ele apontou sua raiva com a
situação à Nas. "Onde você estava?"
Isso não soou como uma pergunta apenas. Essa foi uma
acusação, pura e simples.
O ar na sala cresceu tenso em torno de nós.
"Hey,” eu acalmei, colocando a mão em seu peito.
Nas se endireitou, olhando furiosa, em seguida, falou sobre um
silêncio. "Eu sei que você está chateado porque eu estou também,
então eu vou deixar o jeito que você falou para mim agora voar. Mas
faça novamente, Lev, e veja o que acontece." Ela falou com os dentes
cerrados. "Você não é o único que se preocupa com Mina." Fiquei
surpresa com o que aconteceu em seguida.
Lev me soltou e foi para sua irmã. Ele ficou na frente dela e,
parecendo perdido, aguardava seu próximo passo. Quando ela olhou
em seus olhos, sua raiva desapareceu tão rapidamente como veio. Ela
colocou a mão em seu braço e falou em voz baixa, não uma
repreensão, mas um lembrete. "Preste atenção a seu temperamento,
moy brat ".
Ele balançou a cabeça, parecendo aliviado que ela não está mais
virada para ele e puxou-a para um rápido abraço de um braço. Lev
realmente amava sua irmã. Ela era a única pessoa que ele queria
sinceramente ao seu lado. Eu não o culpo. Nas era uma boa pessoa
para ter ao seu lado.
Ele baixou a cabeça e falou diretamente em seu ouvido. Eu não
ouvi o que ele disse, mas em sua resposta de "Está tudo bem", eu
imaginei que ele havia pedido desculpas.
Anika decidiu então que era o melhor momento para falar. "Bem,
é melhor eu ir agora." Ela olhou para Lev, os olhos arregalados. "Você
pode me levar para casa?"
Lev olhou de Anika para mim, decidindo onde estabelecer suas
prioridades, e eu gostava que ele não lhe deu um sim sem considerar.
Mas Nas foi para Anika. "Vik está tomando banho na minha casa. Ele
pode levá-la para casa. "
Mas Anika olhou para seu relógio para esconder a mancha rosa
de suas bochechas. "Oh, bem, eu realmente tenho coisas para fazer.
Eu gostaria de voltar agora. Lev?"
Nas não foi tê-la. Seu tom de voz calmo, mas firme, ela lhe disse:
"Você pode esperar." Então Nas inclinou-se e pronunciou, "Ani, você é
minha amiga e eu te amo, mas eu sei o que você está fazendo e eu não
gosto disto."
Ela fez uma pausa, em seguida, advertiu, "Pare. Você vai se
machucar. "
O rosto de Anika liberou o mais brilhante vermelho. Seus lábios
finos, ela olhou para Nas e falou com os dentes cerrados, "acho que
vou esperar pelo Vik então."
Sem esperar por uma resposta, ela correu para fora da porta e fez
seu caminho para a casa de Nastasia.
Eu xinguei fora uma respiração longa. "Ok, então não era só eu,
certo?"
Nas suspirou, passando a mão pelo rosto. "Não. Definitivamente
não é só você."
Lev, sem noção do que aconteceu, perguntou: "O que vocês estão
falando?"
Nas zombou em voz alta e eu revirei os olhos. Eu disse
calmamente, "Anika está apaixonada por você, querido." "Não, ela não
está", ele imediatamente negou a minha frase.
Nas assentiu. "Sim, ela está, Lev. Sempre foi. "
Sua testa agrupou em confusão. "O quê?" Em seguida, ele
balançou a cabeça. "Não. Nós somos amigos. Apenas amigos."
Eu não estava pronta para o que diria Nas em seguinte. Ela
parecia chateada. "Oh sim? Então por que você tirou sua virgindade? "
Minha respiração me deixou em um suspiro súbito. "Com licença?
Você dormiu com Anika?" Minha cabeça girava com esta nova
informação.
"Sim", respondeu calmamente Lev então virou um olhar sobre sua
irmã. "Eu não sabia que ela era virgem."
Nas caminhou até ele, levantando a mão e cutucando-o no peito
com o dedo. "Não se faça de idiota. Ela salvou-se para você. Planejou
toda a porra da sua vida juntos até a hora em que vocês envelhecesem
juntos e têm correspondentes lápides lado a lado. Então você transou
com ela e lhe deu nada. Ela está sonhando acordada sobre você desde
então." Ela olhou com raiva para o rosto dele. "Você fodeu. Você
corrige. Estou tão feita com esta merda. "
O rosto de Lev perdeu toda a expressão. Ele piscou, aturdido. "Ela
me ama?"
Eu estava preocupada com a maneira como ele disse, como se não
pudesse acreditar que Anika poderia sentir algo por ele. Meu coração
começou a correr. Doeu reconhecer os fatos. No geral, ela era a melhor
opção. Ela era russa. Ela era mais bonita do que eu. A família dela
tinha sido uma parte do Chaos. Ela já tinha me dito que ela poderia
estar lá para ele de uma maneira que eu não podia e ela provavelmente
estava certa.
O que isso significava para mim? Para nós?
Lento como pode ser, uma rachadura começou a se formar
através do centro do meu coração. Isso poderia ser ele. Eu poderia
perdê-lo. E logo depois eu finalmente consegui.
Seus lindos olhos de mel encontraram os meus. "Espere. Ela tem
vindo a fazer você se sentir desconfortável? "
Medo e raiva tinham me cuspindo, "Só o tempo todo maldito."
Pânico tinha me feito revelar tudo. "Ela flerta com você. Ela toca você.
Ela fez com que eu visse você bater naquele Moretti idiota." Se acabou,
acabou. Meus ombros caíram. "Ela te ama, Lev." Eu sussurrei isso de
uma maneira que disse Se você quiser ela, agora é sua chance. "E ela
vai fazer qualquer coisa para ter você."
Lev estendeu a mão, esperando. Eu pisquei um longo momento,
então suspirei de alívio, colocando minha mão na sua. Entrelacei os
dedos nos meus e me senti em casa.
Ele me repreendeu suavemente, "Eu disse que eu não lia bem as
pessoas. Por que você não me disse, mouse? "
Meu coração desacelerou seu ritmo. A sensação de sua pele
quente na minha me acalmou. "Por que eu deveria? Ela teria causado
problemas. O que você pode fazer? Não importa."
“Seus sentimentos me importam muito." Sua mão livre subiu para
beliscar suavemente meu queixo. Ele ergueu o rosto para olhar para o
seu olhar feroz. "Eu teria dito a ela que minhas afeições pertenciam a
outra, que eu era mais feliz com o meu mouse. Que tudo que eu
poderia oferecer a ela era amizade." Ele balançou meu queixo
levemente. "Mas você não me deu a chance de fazer isso. E agora você
está fazendo beicinho. "
Meus olhos se estreitaram e os lábios franzidos. "Eu não estou."
"Você está", ele me disse. Então seus olhos se suavizaram e ele
beijou meus lábios no beicinho duro. "Agora pare com isso ou eu vou
beijá-los forte."
Ele soltou meu queixo e pisou até as escadas, deixando-me
sozinha com Nas no foyer. Depois de um momento, eu fui para subir
as escadas "Agora, era uma ameaça? Ou uma promessa?" O som de
engasgos de Nastasia tinha-me rindo baixinho.
"Nós precisamos conversar", eu falei para o receptor, logo que ele
respondeu.
Igor Alkaev era um homem duro. Felizmente para ele, eu entendia
homens como ele.
Seu sotaque russo duro, eu ouvi seu desdém através do telefone.
"A menos que você está me chamando para organizar a iniciação em
Zakon, eu não quero ouvir isso, Leokov." Uma pequena pausa. "O que
você quer?"
"Eu acredito que fiz as coisas claras para você. Sua família não
teria qualquer contato com a minha. Sem desculpas. "
Igor parecia cansado quando ele começou com: "Se isto é sobre
Lidiya ..."
Pela primeira vez, não se tratava de Lidiya. Eu cortei com
"Corinna se aproximou de minha mulher hoje."
Eu ouvi-o respirar, mas ele não falou por um longo tempo. "Então
é verdade, então?" Ele suspirou. "Eu esperava que você e Irina iriam
passar seus problemas e unir-se em casamento."
Meu lábio enrolado. "Eu sei que isso é o que você queria, mas eu
lhe disse repetidas vezes que Irina e eu nunca iriamos nos casar."
Ele falou em voz baixa, mas a raiva não era difícil de perder.
"Quem é ela, a menina?"
Minha mão desceu sobre a minha mesa, o tapa duro reverberando
através da sala. Levantei-me e rosnei para dentro da célula. "Não é da
sua preocupação."
Igor gostou da minha súbita explosão e tentou alimentá-lo.
"Alguns dos meus homens dizem que ela parece um anjo. Que sua
beleza é incomparável. Talvez eu vou ter que atender a essa mulher."
Rosnei, mas ele continuou, "Você tem certeza que não iria preferir se
casar com Irina?" Ele veio entediado. "Você faria bem em lembrar da
minha promessa, Lev. Seria uma vergonha para Lidiya desaparecer
com a mãe. Você sabe como Irina pode ser. Então volúvel. Tudo o que
ela teria que fazer é ir a bordo de um avião com sua filha e- "
Meu furor se levantou e eu o cortei com uma mensagem: "Minha
filha. Lidiya é minha filha. Irina não era nada mais do que um navio."
Minha voz tremia de raiva. "Irina não está apta a chamar-se de mãe, e
eu vou esperar meu tempo até dia Lidiya retornar para sua casa, aqui
comigo."
Igor estalou a língua. "Essa animosidade." Então ele suspirou, "Eu
entendo a sua preocupação, Leokov, mas Irina não é o monstro que
você faz ela ser. Ela pode não ser muito maternal, ela ama Lidiya. Nós
todos amamos Lidiya."
Meus olhos se fecharam e eu engoli em seco. Eu tinha que me
lembrar que Irina era uma boa atriz e poderia mentir tão bem que até
Sasha ficou chocado com a mudança repentina em sua personagem.
Igor não conhecia sua própria filha.
Se ele soubesse.
Ele saberia em breve. Todos eles fariam. Mirella era boa em seu
trabalho. Eu não queria apressar a situação. Quando você apressa,
você torna-se desleixado, e se Irina pensasse por um momento que eu
tinha um plano, ela iria desaparecer na noite com meu bebê.
Eu não podia deixar isso acontecer. Lidiya era o meu mundo, e se
ela fosse tirada de mim, eu não sei o que eu faria.
Esta conversa estava me dando dor de cabeça. "Diga a Corinna
para ficar longe." Igor respondeu com um desinteressado, "Eu vou falar
com ela." Então ele desligou.
Meu coração batia forte em meu peito. Todos os dias longe da
minha menina era uma morte dolorosa, por si própria. Eu precisava
dela. Ela era a única coisa que eu tinha feito direito em toda a minha
vida. Ela era a prova de que mesmo a pessoa mais danificada poderia
produzir algo especial.
Aguarde. Só espere.
Fechei os olhos e balancei a cabeça. Não. Eu estava feito com
espera.
É muito cedo.
Se eu sentisse que tinha a força para esperar mais, eu o faria,
mas muito tempo já tinha passado. Eu precisava da minha filha.
Eu disquei o número e segurei o telefone na minha orelha. Mirella
respondeu com um feliz, "Olá, Sr. Lev. O que posso fazer para você?"
"Eu preciso de você para acelerar as coisas."
No meu tom, ela falou baixinho: "Quanto tempo eu tenho?"
"Uma semana", respondi. Eu não podia esperar muito mais
tempo.
Ela disse, confiante: "Eu vou fazê-lo, Sr. Lev."
"Dê em Lidi um beijo para mim, ok?"
Ela sussurrou sua resposta. "Em uma semana, você pode dar a
ela por si mesmo."
Era a terceira noite seguida que Lev e eu seriamos enviados para
casa mais cedo por falta de clientes. Era preocupante. Se as coisas
continuassem no caminho que estavam metade da equipe de Bleeding
Hearts estaria sem um trabalho.
Era tão terrível que a única coisa em minha mente era sexo?
Lev e eu tínhamos nos tornado completamente familiarizados com
os corpos um do outro. Não havia um lugar em sua altura, quadro
forte que meus lábios não tinham pastado, um lugar que eu não tinha
sugado, lambido ou suspirou de prazer. Mas o ato principal ... ele
ainda tinha que acontecer. A partir dos olhares intensos Lev tinha me
dado durante a noite, eu tinha a sensação de que esta noite seria a
noite.
Como se viu, eu não estava errada.
Viva!
À medida que a gente se despiu para a cama, eu assistia com
admiração quando Lev tirou tudo, seu corpo musculoso nu, passeando
até onde eu estava em nada além de um par de calcinhas brancas e
sutiã. Seus olhos encapuzados, ele subiu em cima de mim, sentando-
se, descendo para soltar o gancho dianteiro do meu sutiã.
O material caiu e meus seios pequenos reagiram a seu olhar
adorando, meus mamilos tensos com a excitação. Suas mãos olharam
na minha cintura para cima, em seguida, passando as minhas costelas
até que ele me deu o contato que eu tanto precisava, correndo os dedos
sobre os botões tensos.
No meu pequeno suspiro, seu pau duro empurrou levemente em
resposta, o líquido na cabeça implorando para ser lambido. Ele elevou-
se sobre mim e eu adorei, a sensação de estar tão pequena sob ele, a
sensação de que ele poderia me dominar, mas sabendo que ele nunca
faria isso.
Era uma coisa poderosa causar um desejo tão forte na pessoa que
você amava.
Sua cabeça cruzou e tomou um mamilo sensível em sua boca. Era
algo que ele fez muitas vezes. Eu não tinha certeza se era porque ele
sabia o quão molhada eu ficava quando ele faz isso, ou se era só
porque ele gostava dos meus mamilos em sua boca. De qualquer
maneira, funcionou para nós dois.
Ele foi se movendo, em seguida, beliscando lambendo os picos dos
meus seios, e fazendo uma e outra vez até que eu estava
choramingando de necessidade. Meu corpo estava oco e implorou para
ser preenchido.
Seus dedos hábeis trabalharam rapidamente para remover minha
calcinha. Um puxão rápido e eles foram história, nada mais que um
pedaço de cetim em nosso chão do quarto.
"Dobre as pernas. Joelhos para cima, baby ", ele ordenou e eu
obedeci, dobrando os joelhos e permitindo-lhe uma vista panorâmica
do meu núcleo molhado.
O olhar de Lev brilhou com calor. Ele correu suas mãos grandes
para baixo dos meus joelhos e alisou-os em toda a minha parte interna
das coxas até as pontas dos dedos levemente roçando meus lábios.
Seu dedo médio brincou comigo, correndo suavemente sobre
minha entrada necessitada, revestindo-se de minha excitação. Minhas
bochechas coradas de rosa quanto meu coração bateu mais forte, mais
rápido. Eu precisava disso. "Por favor", eu sussurrei.
Ele concedeu meu desejo, a ponta do seu dedo escorregou dentro
de mim em um ritmo deliberadamente lento. Pouco a pouco, ele
trabalhou-se dentro de mim. Um gemido escapou de mim quando eu
agarrei os lençóis, torcendo-os em minhas mãos. Minha buceta
apertou avidamente, sugando-o para entrar, implorando por mais.
Seu rosnado baixo causou arrepios pelo meu corpo. "Você é tão
pequena, baby. Tão apertada.
Quando senti a ponta de um segundo dedo ao tentar ingressar no
primeiro, eu gemia baixinho e meus joelhos caíram para fora,
permitindo mais espaço para o trabalho. Ele removeu o primeiro dedo
do meu corpo e eu gemia, pedindo-o de volta.
Seus olhos brilhantes, ele falou baixinho, "Mais?"
"Mais", eu havia dito com firmeza.
Dois dedos jogaram em minhas dobras, trabalhando para cima e
para baixo através de minha umidade, preparando-se para entrar em
mim. Prendi a respiração quando pararam ali mesmo. Eles foram
empurrados para dentro de mim lentamente até que eu estava cheia.
Isso foi perfeito. Eu estava tão ligada. Eu queria mais, mas não
tinha certeza de que eu poderia levá-lo.
Lev declarou: "Eu sou maior do que isso, baby. Eu preciso tentar
três, ok? Eu não quero te machucar. "
Três dedos soaram demasiados, mas ele estava certo. Ele era
grande, e que grande pênis poderia fazer dano, se eu não estava
preparada bem o suficiente. Minha voz suave, dei-lhe permissão. "Ok."
Os dedos puxados para fora e vieram com um terceiro. Desta vez,
eu estava grata pelo ritmo lento que ele gostava de usar para me
provocar. Três dedos grossos dentro de mim se tornou doloroso. Eu
estremeci e gemi em voz alta, e não de uma forma sexy.
Lev removeu os dígitos e esfregou o polegar sobre meu clitóris.
Meu corpo reagiu imediatamente. "Tudo bem", disse ele. "Podemos
esperar, mouse. Sem pressa." Ele estava pirando e brincando comigo?
Minha cabeça atirou para fora da cama. "Não! Estou cansada de
esperar. Eu quero você dentro de mim, Lev. Por favor." Eu sussurrei,
meus olhos implorando:" Querido, por favor. "
Ele balançou sua cabeça. "Você é tão pequena. Eu vou te
machucar. "
Eu não me importava por esse ponto. Eu queria que nós
estivéssemos juntos em todos os sentidos da palavra. Não há mais
espera.
"Lev, eu sou uma menina grande. Eu posso lidar com..." Meu
protesto foi cortado quando a cabeça desceu entre minha perna, sua
boca chupando meu clitóris. Seus dedos voltaram para onde eu
precisava deles, dois dedos empurrando para dentro, em seguida,
puxando um pouco para fora.
Ele ia me foder com o dedo enquanto sua boca fez coisas
deliciosas para mim, e eu estava no céu.
Minha cabeça caiu para o colchão, os meus olhos rolaram para
trás, e um longo gemido foi forçado a sair de mim.
Eu estava mais úmida do que nunca. Alguém iria dormir em uma
mancha úmida está noite. E no assalto incrível que eu estava
resistindo, eu não reclamaria se fosse comigo.
Eu não estava preparada para o terceiro dedo participar, mas
quando foi empurrado para dentro de mim, Lev mordiscou meu
clitóris. E eu quase perdi a minha mente com o desejo.
Não doeu tanto neste momento, e com toda vez que ele se retirou
em seguida, empurrou para dentro, eu podia sentir-me aceitar o que
foi dado. Meu corpo estava grato.
Do nada, isso começou.
Minhas mãos começaram a suar. Minhas pernas ficaram rígidas.
Meus olhos se arregalaram, e os meus lábios se separaram em um
gemido silencioso. Eu sussurrei, "Oh, Deus. Sim. Mais."
Lev não precisa me perguntar. Seu dedo fodeu-me com mais
força, tentando desesperadamente trabalhar-se passando metade do
caminho de seus dedos. Sua língua saiu para jogar, me sacudindo
onde eu mais precisava, então sugando meu latejante botão.
Meu estômago se apertou. Eu respirei duramente e choraminguei
um abafado, "Merda. Ah Merda. Estou chegando, baby. "
No momento em que ele me bateu, minhas costas se curvaram
para fora da cama, meu corpo convulsionando em uma exibição rígida
de prazer. Era uma sobrecarga. Os dedos de Lev não me deixaram,
lutaram para ficar dentro do meu canal pulsante, sua mão segurando
minha coxa com força, me puxando para baixo.
Minha respiração engatou enquanto eu continuava a ofegar. Um
último tremor e meu corpo irrompeu em arrepios. Eu levantei minha
cabeça para olhar nos olhos de Lev. "Eu preciso de você."
Algo sobre a maneira que eu disse deve ter dito Lev que eu quis
dizer isso, porque seus dedos retraíram lentamente e, em seguida, ele
estava em cima de mim, seus lábios adorando o meu em um beijo
profundo molhado que eu sentia nos meus dedos do pé. Ele estendeu a
mão para agarrar-se e guiou a cabeça de seu pênis no meu inchado
núcleo quente. No momento em que a ponta dele beijou minha fenda,
ele se afastou para olhar para mim. Alcançando o outro lado da cama,
ele abriu a gaveta para tirar um preservativo.
Lambi meus lábios. "Podemos ir sem?"
Ele se afastou, piscando para mim. "Eu não sei. Nós podemos?"
Eu balancei a cabeça. "Nós podemos."
Ele hesitou. Eu acalmei sua dúvida. "Você se lembra quando eu
tinha essas cólicas menstruais ruins?" Ele balançou a cabeça. Eu me
senti envergonhada expondo minha mentira. "Não eram cólicas
menstruais. Eu tive dor porque Nas me levou para ver a irmã de Pox.
Eu tenho um dispositivo de controle de natalidade colocado dentro de
mim." Eu sorri suavemente, chegando a passar os dedos sobre os
lábios. "Estou limpa. Nenhum bebê para mim. Podemos ir sem.“ Eu
rapidamente acrescentei: "Se você quiser, eu quero dizer."
Isso foi o que eu disse. O que eu quis dizer foi: Se você confiar em
mim, isto é.
O pacote de preservativo foi arremessado do outro lado da sala e
Lev sorriu para mim.
Ele sorriu para mim porra.
Isso me bateu com tanta força que eu esqueci que eu precisava de
oxigênio para viver. Eu respirei um instável, "Oh meu. O seu sorriso."
Fiquei muito emocionada.
Ele sorriu. E foi destinado a mim.
Era tudo para mim.
O sorriso dele desceu sobre mim e senti seu sorriso em meus
lábios quando ele me beijou. Era tudo que eu sempre quis, e agora que
eu tinha, me fez perceber que eu faria qualquer coisa para mantê-lo.
Ele ajustou-se no meu âmago, levantou-se nos cotovelos para
olhar para mim, e empurrou. A cabeça dele entrou sem problemas,
mas logo eu estava sendo esticada e foi difícil para me impedir de
vacilar. Eu cerrei os dentes e fechei os olhos, respirando
profundamente. Lev vacilou, imóvel por um momento, mas eu sorri
para ele, balançando a cabeça. "Lev, eu quero isso".
Suas mãos deslizaram sob o meu corpo para envolver em torno de
minha parte inferior das costas. Ele me olhou nos olhos. "Devagar e
sempre, baby."
Eu preparei. "Devagar e sempre."
Ele empurrou levemente e meu corpo lutava para aceitá-lo. Eu
estava molhada, mas seu pênis estava grosso e longo e me perguntei se
isso estava indo do jeito que eu tinha planejado na minha cabeça.
Fechei os olhos e respirei através das investidas iniciais. Quanto
mais ele me trabalhava, mais fácil se tornou. Meu corpo já não lutou e
o atrito de Lev me enviava faíscas pela minha espinha. Eu abri meus
olhos para olhar para ele e seus quadris se sacudiram irregularmente.
Ele falou com os dentes cerrados. "Você se sente incrível, mouse.
Só um pouco mais."
Minhas mãos agarraram seus braços, minhas unhas cavando em
como ele mergulhou em mim, sem mais medo de me machucar. Ele
manteve seu ritmo por um longo tempo antes de eu estender a mão e
colocar em sua bochecha áspera, puxando-o para baixo por um longo
beijo.
Eu me senti quente e esticada e seu toque quente enviou-me em
um frenesi. "Eu estou pronta." As palavras feias sentaram-se na ponta
da minha língua até que eu finalmente respirei contra seus lábios,
"Foda me, Lev."
Tornou-se claro que Lev não seria capaz de obter todo o
comprimento dele em mim. Não esta noite, de qualquer maneira. Meu
palpite era que levaria várias sessões de amor para chegar lá.
Felizmente para ele, eu estava pronta para o desafio.
Agarrando meus quadris, ele dirigia em mim, empurrando tão
duro e profundo como ele poderia ir sem me machucar. Meu peito
arfava com respirações instáveis. Ele estava me deixando louca. Minha
boceta latejava em torno dele e ele inclinou a cabeça para trás,
gemendo.
Seus braços ficaram rígidos, as veias deles de fora, com o cenho
franzido, enquanto ele tentava ganhar o controle sobre si mesmo, mas
eu não queria Lev controlado. Eu queria que ele se sentisse tão
indefeso como eu. Eu queria que ele se perdesse em mim como eu fiz
nele. Eu queria Lev em todas as maneiras que eu poderia levá-lo.
Eu queria ele de uma forma que nenhum outro tinha.
Meu núcleo convulsionado mais uma vez e Lev soltou um grito,
seus quadris empurrando loucamente. "Mina".
Vendo Lev ligado desta forma teve luzes dançando na frente dos
meus olhos. Minha boceta apertada. Minhas unhas encontraram uma
casa nos ombros de Lev. Eu respirei duramente até que um grito suave
voou para fora de mim, enviando meu corpo voando como meu sexo
pulsava descontroladamente em torno dele.
Impulsos de Lev viraram erráticos. Ele abaixou a cabeça, o nariz
pressionado para o lado do meu pescoço e ele soltou um longo
grunhido animalesco. Meus braços em volta dele, segurando-o perto
enquanto ele se aproximava de sua crista. Ele se acalmou, seu corpo
transformando e seu pau empurrou para dentro de mim, me banhando
no calor molhado. Sua libertação foi dura e prolongada. Ele beliscou o
meu pescoço quando ele ganhou o controle de seu corpo rígido. Seu
hálito quente no meu pescoço, ele me beijou lá e eu sorri.
Lev era meu agora em todos os sentidos.
Eu queria que ele soubesse que eu era sua em todos os sentidos,
também.
Corri minhas mãos pelo seu úmido cabelo quando sua ereção
suavizou dentro de mim. Virando meu rosto, eu dei um beijo suave na
testa e falei baixinho, "Eu te amo, Lev. Muito."
Ele parou de respirar por um momento. Sua resposta veio na
forma dos braços fortes dando um aperto em torno de mim, me
puxando mais para ele. Eu sorri, meus olhos fechando contente.
Eu não esperava que ele me dissesse que me amava de volta. Eu
não tinha certeza se ele fazia. Eu simplesmente precisava dele para
saber como ele me fez sentir e que eu precisava dele.
Eu estava olhando para o longo prazo, e, meu Lev ... ele me daria
a longo prazo.
Meu coração pertencia a ele.
Senhor ajude a pessoa que tentar nos separar.
Minha cabeça apoiada no peito de Lev, eu ouvia os batimentos
cardíacos. Eram quase quatro da manhã, quando eu sussurrei,
"Conte-me sobre Irina."
A mão de Lev, entrelaçada com a minha sobre seu peitoral,
endureceu. O polegar acariciando a minha mão parou. "Eu não gosto
de falar sobre ela."
Eu sabia isso. Eu já tinha visto suas reações a seu nome ser
mencionado. Mas isso era importante.
Eu tive que dizer a ele de uma forma que ele entenderia. "Eu estou
por perto, Lev. Eu sou obrigada a conhecê-la um dia. É o seu dever,
como meu homem, informar-me o que me espera." Eu deixo acalmar.
"Eu te amo. Eu amo Lidiya. Eu sou uma parte de sua vida agora e eu
sei que é difícil para você, mas me de alguma coisa, querido. Qualquer
coisa."
Ele permaneceu em silêncio um longo tempo, mas eu ouvi a
batida do seu coração aumentando. Ele deixou escapar um longo
suspiro.
"Ela era bonita."
Ouch. Não é um grande começo.
Ele continuou. "Ela também era intocável. Foi amplamente
conhecido que as meninas Alkaev estavam fora dos limites até o
momento em que seu pai escolheu que elas iriam se casar. Então,
quando Irina se aproximou de mim, eu estava cauteloso. Formamos
uma amizade. Eu gostava de ouvir sua conversa. Um mês se passou e
ela me beijou. Eu disse a ela que eu não estava à procura de um
relacionamento; ela me disse que não era qualquer um e que o que nós
fizemos juntos permaneceria privado para que seu pai não soubesse."
Nada muito sórdido até agora. Eu escutei por diante.
"Imagine minha surpresa quando nós fizemos isso no quarto e eu
descobri que Irina estava bem familiarizada com o sexo. Isso me
surpreendeu. Ela sabia coisas que eu ainda não conhecia. Deveria ter
derrubado-me de que algo estava errado, mas eu disse a mim mesmo
que Irina era minha amiga. Tivemos relações sexuais várias vezes ao
longo de três meses, sempre usando proteção." Ele parecia abatido.
"Ela insistiu em proteção. Eu nunca assumi que estava em risco. Eu
nunca pensei que ela iria ser a única a mexer com os preservativos. "
Um pequeno suspiro veio de mim. "Você está dizendo que ela
enganou você e ficou grávida?"
"Sim e não", disse ele calmamente. "Seu pai forçou a situação
dela. Ele planejou tudo do início ao fim. Tudo saiu após a gravidez ser
confirmada. Sua família inteira se reuniu com Sasha, Nastasia e eu na
casa de Sasha. Seu pai, o filho da mãe presunçoso, me disse que eu
iria casar com Irina e ir trabalhar para ele, com a sua empresa,
Zakon." Ele balançou a cabeça. "Ele não me conhece bem o suficiente
para adivinhar que a minha resposta seria não. Irina foi certamente
surpreendida. Ela me disse que ela nunca se casaria com um
retardado como eu de qualquer maneira. "
Um suspiro alto me escapou. "Ela não fez!" Rosnei. "A cadela!"
Ele beijou minha testa. "Ela fez, mas eu não acho que ela quis
dizer isso. Foi só depois que ela descobriu que eu não queria casar com
ela que ela ficou desagradável. Acho que ela esperava que teríamos
Lidiya juntos, criá-la juntos e ficar amigos. Quando eu disse a Irina
que eu queria o bebê, mas não o casamento, seu pai foi para o plano
B. Disse-nos que Irina teria que interromper a gravidez se ela
permanecesse sem marido. Eu disse-lhes que faria isso sobre o meu
cadáver." Ele deixou escapar um suspiro áspero. "Eu paguei-lhes um
monte de dinheiro para evitar Irina de fazer um aborto. Mudei-me com
ela aqui, contratado Mirella para cuidar dela e para se certificar de que
ela não iria prejudicar a criança. Enquanto o dinheiro continuou
chegando, o pai de Irina, Igor, manteve-se feliz com a situação."
"Por quê?" Perguntei. "Por que ele quer você em sua empresa? Ele
não sabia que você recusou a empresa de seu próprio pai? "
Ele assentiu. "Sim, ele sabia. Igor Alkaev era uma parte do Chaos.
Ele trabalhou sob o meu pai. Ele sabia muito bem que eu não iria
entrar. Ele tentou forçar a minha mão, porque ele sabia o quão bem a
minha família tinha se beneficiado de meu conhecimento do mercado
de ações como a palma da minha mão ".
Minhas sobrancelhas subiram. "Você tem ações?" Em seguida,
elas franziram. "Aguarde. Apenas o quão rico é você? "
Seu corpo tremia em silêncio. "Rico o suficiente para fornecer para
a minha filha. Ela nunca vai precisar de nada. "
"Ok, então ele queria você, porque eles estão atrás de dinheiro."
Ele deu de ombros. "Até onde eu sei, eles estão extremamente
bem."
Bastardos. "Apenas ganancioso, então."
"Sim, eu tenho medo que sim. É como o rico fica rico, mouse. "
Algumas pessoas estavam podres desde o núcleo. "E agora?"
"Eu pago-lhes o dinheiro que não precisam e Irina não desaparece
com a minha filha." A voz dele saiu um rosnado. "Isso me deixa tão
irritado. Ela se mudou para outro estado só para me irritar. Apenas
para tornar as coisas difíceis, então eu não podia ver minha Lidiya."
Ele falou baixinho, "Eu odeio ela. "
Eu não o culpo. Ele tinha razão para odiá-la. Ele contou a história
de uma menina que foi vítima de cruéis palhaçadas do pai. Eu não
comprei. Ela foi junto com ele sabendo muito bem o que estava
fazendo. Irina Alkaev era uma idiota.
"Eu sinto falta dela", eu disse, percebendo muito bem que eu não
estava ajudando. "Eu sinto falta de Lidiya." Lev não disse uma palavra,
apenas passou a mão quente pelo meu braço e de volta. "Ela tem uma
casa aqui, Lev. Ela pertence aqui. "
Ele beliscou levemente o queixo, forçando-o a olhá-lo nos olhos.
"Você confia em mim?" "Sim", eu sussurrei imediatamente, porque eu
confiava nele.
Ele deu um beijo suave nos meus lábios, falando contra eles:
"Então confie em mim." Suas palavras causaram um arrepio a
percorrer a minha espinha.
Parecia que ele tinha um plano. Soou como uma promessa.
"Mina", eu sussurrei na escuridão.
De costas para minha frente, ela se encaixava perfeitamente.
Ninguém tinha me fascinado como esta pequena criatura.
Minha Mina. Meu mouse.
Ela disse que me amava. Ela parecia sincera. Eu queria acreditar
nela.
Eu acreditava nela.
Seu grunhido me disse que ela estava dormindo. Meus braços ao
redor da cintura dela apertou um pouco. Eu nunca quis deixar ir. "Eu
não sei o que é amor," Eu comecei baixinho. "Mas se eu pudesse amar
alguém...” Eu dei um beijo suave atrás da orelha, puxando-a para
perto. "Eu te amaria. Muito."
Eu não sabia como ser o que Mina precisava, mas eu prometi
tentar o meu melhor para ser um homem que seria motivo de orgulho.
O pensamento de desapontá-la me deixou ansioso.
Ela teve fé em mim. Ela acreditou em mim.
Decepcionar Mina não era uma opção.
Meus olhos se abriram e eu fui cumprimentado pelo rosto bonito
de Lev. Eu sorri, esticando. "Você nunca dorme?"
Seu lábio tremeu. "De vez em quando." Ele sorriu suavemente e
me deu calafrios. Eu nunca iria ser insensível ao lindo sorriso de Lev.
"Você é linda." Então ele franziu a testa para o seu elogio. "Eu tenho
certeza que você já ouviu isso um monte."
Eu coloquei minha mão em sua bochecha áspera. "Não da
maneira como você diz isso." Eu corri meu polegar sobre seus lábios.
"Nunca a maneira como você diz isso."
Ele estendeu a mão para segurar a minha mão, mordendo a ponta
do meu polegar. "Você é importante para mim, Mina."
Eu pisquei. Isto foi um pouco profundo para primeira coisa. "E
você é importante para mim, querido."
"Eu quero ir com você para conhecer o seu irmão." Tudo parou.
Eu tinha tentado durante uma semana inteira para fazer Lev falar
comigo sobre o meu irmão. Toda vez que eu trouxe para cima, eu
estava desligada antes que a conversa mesmo começou. Eu estava
desesperada para encontrar meu irmão, mas eu precisava de Lev para
ficar bem com ele também. Eu dei-lhe tempo e espaço de distância do
assunto. E parecia que a minha paciência tinha sido paga. "Sério?"
"Realmente." Ele acariciou meu ombro, arrastando para baixo o
meu braço. "Nós vamos organizar um jantar com Laredo. Não é como
se Sasha vai perder-nos por uma noite, não com a forma que vai o
clube." Foi duro, mas é verdade.
"Ok. Vou ligar hoje." Eu sorri.
"Não." Ele balançou a cabeça. "Vou ligar hoje. Eu não quero você
com Laredo sem mim." No meu olhar desafiador, acrescentou um
apaziguador, "Não é por causa de você, mouse. Ele pode ser bastante
manipulativo."
Será que eu ainda me importo? Hum, não. Agora não era o
momento de me indignar.
Eu estava indo me encontrar com o meu irmão.
Eu sorri. "Organize."
Eu deitei minha cabeça de volta no banco do passageiro do
Camaro, ouvindo o rádio enquanto Lev dirigia. Eu tentei não
hiperventilar, mas era difícil de respirar independentemente. Eu estava
a caminho de conhecer o meu irmão pela primeira vez.
Eu tinha tantas perguntas sobre minha mãe, do meu pai. Eu
estava em dívida com Laredo. Eu tinha certeza de que era uma
situação que muitas pessoas não queriam encontrar-se.
Nós dirigimos por um longo tempo antes de Lev puxar até uma
casa grande o suficiente para rivalizar com o complexo Leokov. Com
gigantes portões de ferro forjado, primorosamente concebidos para
olhar como se videiras pretas e folhas de ouro cobriam, eu endireitei-
me como o meu coração pulou uma batida.
Filhote ... não recue agora.
Nas ajudou-me a vestir para a ocasião. Nós resolvemos para algo
discreto, com calça preta de cintura alta e uma camisa branca solta
escondida. Eu queria usar saltos altos, mas Nas objetou.
Ela disse que não adiantava usar saltos quando seu rosto estaria
firmemente plantado no chão.
A cadela.
Eu encontrei minhas sapatilhas pretas e deslizei-as enquanto Nas
ajeitou meu cabelo antes de colocar minha maquiagem. Meus cílios
longos tinham quatro camadas de rímel, e com meus lábios com gloss,
julguei que era suficiente. Eu não queria parecer que eu estava indo
para um clube. Eu queria parecer que eu estava fazendo meu caminho
para um jantar de família casual.
Eu consegui fazer Lev ir vestindo seus jeans-iupe! -com uma
camisa branca sob o preto suéter de cashmere. Ele revirou as mangas
em seus antebraços e eu estava pronta para chamar a noite de folga,
quase preferindo a despi-lo lentamente e devorar seu corpo com a
minha boca. Mas meu cérebro me lembrou que haveria tempo para se
divertir mais tarde.
Lev apertou um botão e sua janela desceu. Ele se inclinou para
fora e apertou o botão na caixa de som pequena. Um zumbido alto
soou antes de um homem falar por meio do alto-falante: "Sim?"
"Mina Harris e Lev Leokov."
O alto-falante tocou novamente. "Claro senhor. Venha para
dentro. "
Os portões sacudiram antes que eles se separaram no meio e
lentamente abriram amplos, permitindo-nos a entrada. Engoli em seco.
"Quanto Laredo é rico?"
Lev estalou a língua antes de me lançar um olhar. "Mais rico do
que eu." Bem, isso foi ótimo. Agora eu nunca iria me sentir confortável
aqui.
Demorou cinco minutos para chegar em casa. Eu me perguntava
se nós jamais chegaríamos lá. Parecia que Laredo possuía o bloco
inteiro. Eu me senti fraca. A casa era enorme. Isso me fez pensar como
uma pessoa poderia viver em algo tão grande. Minha testa franzida.
"Será que Laredo vive sozinho?"
Lev inclinou a cabeça para o lado. "Não tenho certeza. Quando
éramos crianças, ele sempre teve pessoas que ficam com ele. Quando
um se foi, veio outro. Mas ele não tem nada significativo, não. "
Lev ajudou-me a sair do carro, e quando nós caminhamos, a porta
da frente se abriu e saiu um Laredo sorrindo. Ele foi seguido por
outros cinco homens. E quatro desses cinco homens sorriam para
mim. O outro não sorriu, e ele tinha cicatrizes em toda a metade
direita de seu rosto.
Eu soube imediatamente quem era aquele homem. Aquele homem
tinha de ser Alessio, o filho de Laredo. O homem que perdeu a esposa
para a cama de Sasha, em seguida, foi obrigado a suportar as
cicatrizes para toda a vida, tudo por amar uma mulher.
Com seu cabelo quase preto e suaves olhos verdes, as maçãs do
rosto altas e uma boca cheia, não demorou muito para ver que Alessio
tinha sido um homem atraente. Talvez, mesmo deslumbrante. Mas
tudo tinha mudado.
Meu coração estava ferido por ele. Eu não levei pessoalmente que
ele não queria sorrir em saudação. Por que? Eu fazia parte do lado do
inimigo. Uma coisa era evidente. Ele assustou tudo fora de mim.
Quanto mais perto chegávamos, maior o sorriso de Laredo. Nós
caminhamos até as escadas e Laredo estendeu a mão para Lev. Ele
hesitou apenas um momento antes que ele a tomou, sacudindo-a.
"Laredo".
"Lev", ele suspirou. "Eu tinha dúvidas. Imaginei que esta reunião
nunca iria acontecer." Ele olhou para mim, lançando mão de Lev e
tendo a minha as suas. "Estou feliz que você mudou de ideia, Mina
querida."
Eu sorri suavemente. "Eu," então eu olhei para Lev, "nós só
precisávamos de tempo para tudo isso acalmar. Obrigado por ter-nos
recebido."
Seu sorriso caiu enquanto ele segurou minhas mãos com força.
"Você parece tanto com ela. Ainda me dá calafrios." Ele segurou meus
olhos um pouco antes de pegar minha mão e colocou-a na dobra do
cotovelo. "Venha conhecer os meus meninos." Ele baixou a voz. “Eles
insistiram em estar aqui esta noite.
" Seus meninos?
Mais como seus homens quentes.
Todos eles eram tão alto quanto o outro. As paredes sólidas de
seu corpo tinham-me rindo mentalmente. Não, eles não eram
definitivamente meninos. Aqueles homens sorridentes fizeram meu
estômago mergulhar de uma forma ruim, ruim. Eu estava meio feliz de
Lev não ler os sinais muito bem ou ele pode ter visto o meu súbito
rubor.
O primeiro homem, de cabelo loiro e vestido com um terno cinza
claro, a camisa aberta no colarinho, eu já tinha conhecido, mas Laredo
nos apresentou de qualquer maneira. "Eu acredito que você conheceu
Philippe Neige".
Philippe pegou minha mão livre, dando um beijo rápido para
meus dedos. Seu sotaque francês foi delicioso. "'Olá, Mina. É bom ver
você de novo. "
O próximo homem tinha cabelo castanho claro e olhos castanhos
e um sorriso que surpreendeu. Era ampla e clara, e quando falou, seu
tom áspero tinha me engolindo em seco. "Howzit, liefie?" Se seu
sotaque não foi suficiente para chocar as palavras de dentro de mim, o
fato de que eu não tinha entendido uma palavra do que ele disse
certeza teria. Ele usava jeans escuros, uma camiseta branca com
decote em V, e um blazer preto. Ele sorriu mais difícil. "Essa foi a
minha língua nativa, Africâner. Eu apenas disse 'como você está,
adorável?' "
"Oh," eu havia dito, corando. "Eu estou muito bem, obrigado."
Ele apertou minha mão como um homem faria outro homem.
"Nicolas Van Eden."
"Prazer em conhecê-lo, Nicolas." Ele parecia divertido.
"O prazer é todo meu, Bokkie." Ele se inclinou e me disse: "Isso
significa fêmea. E com os olhos como seus, eu acho que vou estar
chamando você de Bokkie, pequena. "
Levou tudo que eu tinha para não cair na gargalhada. Ele era
engraçado sem querer ser e super doce. Gostei muito de Nicolas Van
Eden.
O terceiro homem empurrou seu amigo fora do caminho. "É a
minha vez." Ele tinha cabelo escuro curto e olhos sorridentes verdes e
ele pegou minha mão, apertando levemente.
"Mina, nós ouvimos muito sobre você." Ele era lindo em seu terno
preto sob medida. Ele só tinha um ligeiro sotaque, mas era difícil de
perder.
" Roman Vlasic, ao seu serviço."
"Olá", eu disse gentilmente enquanto eu apertei sua mão.
O quarto homem ficou pacientemente esperando a nossa chegada.
Ele tinha a pele um tom verde-oliva da pele, cabelo escuro longo o
suficiente para enrolar atrás das orelhas e olhos verdes emoldurados
com cílios escuros. O terno cinza metal ele usava cabia-lhe bem. Ele
parecia como se tivesse feito um esforço para uma boa aparência. Seu
sorriso era secreto. Laredo levou-me a ele e ele estendeu as duas mãos
para levar as duas minhas. "Mina", foi tudo o que disse. E ele disse
isso baixinho, quase docemente.
Este homem, eu me sentia, poderia ter sido o meu irmão.
Laredo fez as apresentações. "Davi Lobo. Mina Harris. "
Davi levantou ambas as mãos e segurou-os à boca, pressionando
o mais suave dos beijos para eles. Ele soltou minhas mãos, sorriu para
mim, e fez um gesto para a pessoa que está atrás de mim.
Lev pegou minha mão, entrelaçando os dedos.
Oh, isso é certo.
Meu namorado estava aqui, e embora este bando de homens teve
minha mente em polvorosa, o toque de Lev acalmou a tensão de dentro
de mim da maneira que só ele podia.
Alessio estava na porta, seus olhos me procurando de uma forma
que me senti intrusivo. Eu não acho que ele quis dizer isso. Eu nem
acho que ele sabia que ele estava fazendo isso. Laredo olhou para seu
filho e fez as apresentações de longe. "Alessio Scarfo. Meu filho."
"Oi" eu respirei, tentando o meu melhor para não me esconder
atrás de Lev.
Alessio empurrou o queixo para mim com indiferença.
Eu me virei para olhar para Davi, que piscou para mim. Eu sorri
de volta. Oh sim. Eu tinha um forte sentimento sobre Davi. Ele era o
único que eu me senti mais familiarizada. Era uma espécie de
estranho.
Laredo bateu palmas. "Venha. O jantar será servido em meia
hora. Temos algum tempo para conversar e conhecer uns aos outros. "
Seguimos Laredo no hall de entrada e dois membros da equipe
esperou para nós nos aproximarmos. O segundo que estávamos perto
o suficiente, eles abriram a porta dupla em simultâneo e os manteve
aberta com rostos sem emoção. Laredo varreu o braço para fora para
permitir que Lev e eu fossemos primeiro. Lev me ajudou a sentar à
esquerda da cabeceira da mesa, onde se sentou Laredo, e tomou um
lugar ao meu lado.
Davi sentou perto de mim e eu sorri como uma colegial. Eu estava
tão perto de meu irmão. Tudo que eu precisava era de Laredo para
confirmar a minha suspeita. Eu queria perguntar direto esta segunda,
mas me disse para ser paciente. Todos seriam revelados no devido
tempo.
Durante vinte e quatro anos eu não sabia que eu tinha um irmão.
O que foi mais uma hora de espera em relação ao trimestre da sua
vida?
O resto dos homens sentaram-se ao redor da mesa e Lev falou
primeiro, dirigindo Alessio, que se sentou no final da mesa, longe do
resto de nós. "Será que vamos ter um problema?"
Alessio sorriu cruelmente ao meu homem, o rosto distorcer com
suas cicatrizes puxando e esticado com o movimento. "Eu não sei,
Leokov. Nós vamos?"
As sobrancelhas de Lev estreitaram. "Não faça isso. Não me
segure responsável por algo que meu irmão fez ".
Laredo levantou a mão. "Agora, rapazes. Este não é o momento
nem o lugar. "
Lev balançou a cabeça. "Não. Você está certo. Estou aqui para
Mina. Nós vamos ser civilizados. Mas precisamos tirar isso do caminho
antes de o seu filho decidir atacar o irmão errado. "
Alessio se inclinou para frente e rosnou, "Civilizados?" Ele
levantou-se e assobiou. "Olhe para a porra do meu rosto. Isso parece
civilizado para você?“ Seus olhos duros pousaram em mim. "Sua
mulher não pode sequer olhar para mim. Ela está com medo de mim."
Meus olhos se viraram para baixo a olhar para a mesa, meu rosto
pálido. Então ele percebeu hein? Porcaria.
Laredo levantou-se lentamente. "Sente-se, Alessio."
Alessio rosnou "Eu não estou feito ainda, velho."
Laredo falou em voz baixa, mas com firmeza: "Sim, você está."
Seus olhos me olharam com simpatia antes de ligar seu filho. "Seu
rosto não assusta Mina. É o seu temperamento que a perturba." Em
seguida, ele terminou cansado. "Sente-se, Alessio. Está assustando a
sua irmã."
O que agora?
Alessio era o meu irmão?
Caramba.
Eu não vi que isso estava vindo.
Meu corpo estremeceu na minha cadeira, fazendo com que meus
joelhos batessem na mesa e meus talheres mexeram com barulho. A
mão de Lev cobriu minha em apoio tranquilo, gentilmente ignorando a
forma como tremia. Minha boca ficou seca. Obriguei-me a respirar
profundamente.
Ninguém falou.
Eu não olhei para Alessio quando eu perguntei baixinho: "Você
disse que você não era meu pai." Eu estava confusa.
Laredo soltou um suspiro suave. "Alessio não é meu filho
biológico. Ele era o filho de meu irmão. Sendo seu…"
Minha testa franziu. "Tio."
Ele sorriu. "Minha querida sobrinha. Eu não posso te dizer o
quanto sou grato que você apareceu no meu caminho. Agradeço-lhe
por me dar esta noite. Eu amei muito sua mãe. "
Meu Deus. Minha cabeça começou a latejar. Estendi a mão para
esfregar minhas têmporas. "Talvez devêssemos começar do início."
Laredo riu. "Clara costumava fazer a mesma coisa quando ela
tinha dor de cabeça."
Meus dedos se acalmaram. Eu abri meus olhos para olhar para
ele. "Sim. Ela fazia."
"Não fique tão surpresa, Mina. Eu sabia tudo sobre ela. "
Eu duvidava disso. Eu conhecia minha mãe melhor do que
ninguém, muito obrigada. Alessio manteve o silêncio. Eu era grata. Eu
precisava de tempo para me ajustar.
"Ok", eu havia dito. "Seu irmão é o meu pai. O pai de Alessio.
Onde ele está?"
"Morto", Alessio zombou. "Confie em mim, você tem sorte que você
nunca o conheceu. Ele gostava de chutar a minha bunda sempre que
diabos lhe convinha. Foda saber o que ele teria feito para você."
Para minha surpresa, Laredo concordou. "Sim. Enzo não era um
homem amável. Então, quando eu persegui sua mãe, era natural que
ele fez uma competição." Ele deu de ombros. "Clara dançava como um
sonho. Ela era um anjo. Depois que minha mulher morreu, eu pensei
que nunca iria sentir o amor de novo até que ela apareceu. "
Mas eu estava presa em algo que ele disse. "Minha mãe era uma
garçonete. Não é uma dançarina."
Laredo pareceu surpreso, como se ele não sabia como me dizer
algo importante. "Mina", ele começou. "Clara trabalhou no meu
primeiro clube, Sweet Blood. Ela era uma dançarina, minha querida.
Uma das melhores." No meu olhar piscando, ele acrescentou," Você
nunca se perguntou como uma garçonete poderia pagar a casa que
você teve? Será que você nunca notou que ela só trabalhava à noite?"
Merda. Ele estava certo. A nossa casa era maior que a média e eu
nunca fiquei sem nada. Nós nunca tivemos problemas de dinheiro.
Nossas contas foram pagas a tempo. Eu tinha o melhor de tudo. Toda
noite, ela me colocou para dormir e foi trabalhar. Ela voltava para casa
pouco antes de eu acordar para ficar pronta para a escola, com cheiro
de cerveja velha e...
"Oh, meu Deus", eu respirei. "Minha mãe era uma stripper."
Lev virou para mim e disse: "Não há nada de errado com isso. As
pessoas precisam trabalhar, Mina ".
"Eu não vou julgá-la", eu menti. "Eu só estou querendo saber
como eu nunca vi isso."
Laredo sorriu. "Ela era sua mãe. Ela era seu mundo. Você era
uma criança. Como você poderia saber?"
Nicolas Van Eden falou em seguida, "Minha mãe era uma senhora
de rua. Ela vendeu seu corpo para todos os homens em nossa
vizinhança. Alguns dos meus amigos boykie mesmo, tiveram ela. "Ele
deu de ombros e sorriu largamente, "Ainda amo a minha mãe, que
Deus a tenha." Deus, ele era adorável.
Roman Vlasic adicionou à conversa: "Minha mãe era médica."
Seus olhos esmaecidos. "Ela era uma pessoa terrível. Fria e amarga."
Ele olhou-me bem. "Só porque minha mãe tinha uma posição
respeitável, não a faz uma boa pessoa, lutkica."
Davi Lobo falou rápido em uma língua que eu não conseguia
entender. Laredo ouviu atentamente, acenando com a cabeça antes de
se virar para mim. "Davi entende um pouco de Inglês, mas só fala
Português." Bem, isso explicaria por que ele estava olhando para mim
tão fixamente. Ele provavelmente não tem a menor ideia do que eu
estava dizendo. "Ela me disse que às vezes as pessoas fazem coisas
para fornecer para aqueles que amam."
Um leve sorriso enfeitou meus lábios e eu segurei a mão de Lev
apertado, executando o meu polegar sobre os dedos. Falei suavemente
para Davi. "Sim. Acho que às vezes elas fazem. "
Philippe tomou um gole de sua taça de cristal de água. "Eu não
tenho uma mãe." Ele sorriu tristemente. "Considere-se afortunada por
ter tido uma, não menos uma mãe que você amou."
Eles estavam certos. Minha mãe foi maravilhosa. Suponho que
apenas feriu sabendo que talvez eu não a conhecia tão bem como eu
pensava. Mas todas as coisas importantes ... Eu sabia. Memórias dela
me levaram de volta à minha juventude.
Eu não sei porque, mas eu senti que eu precisava compartilhar.
"Minha mãe, Clara, era uma mulher doce. Ela sorria o tempo todo, e
ria muito. Ela era como um raio de sol, bonito como pode ser, e ela
sempre tinha tempo para mim." Eu sorri para mim mesma. Foi bom
falar sobre ela. "Ela cantou para mim antes de dormir. Nós sempre
tivemos a sobremesa. Ela me ajudou com meu dever de casa." Eu me
virei para Lev. "Ela era inteligente."
Ele apertou minha mão, sorrindo suavemente para mim, e eu
continuei. "Sempre que eu estava de mau humor, ela iria me levar até
a loja e dizer-me para encher o carrinho de compras com qualquer
coisa que eu queria. Então nós teríamos um coma de alimentos." Eu ri.
"Ela sempre contava piadas apenas pra me fazer sorrir. Ela estava no
PTA. Fez meus trajes de Halloween do zero. Me levou para a praia nos
dias mais frios apenas para se sentar na areia e tomar o ar. Ela era
uma ótima mãe." Meu coração bateu com culpa. Virei-me para
enfrentar Alessio. "E eu sinto muito que você perdeu isso."
A expressão de Alessio permaneceu duro, mas quando ele se virou
para desviar os olhos dos meus, eu podia ver que ele foi afetado.
Por que Alessio não viveu com a gente? Por que ele foi deixado
para um pai que não queria ele? Eu não entendi.
Eu enfrentei Laredo. "Por que fomos separados?"
Laredo passou a língua sobre os dentes. "Porque doeu em Clara, e
meu irmão gostava de puni-la." Ele franziu a testa, quase perdido em
pensamentos. "Meu irmão era casado. Ele não teve filhos com sua
esposa. Clara era nada mais do que um brinquedo. Eu tentei fazê-la
ver a razão tantas vezes, mas," ele suspirou, "ela amava Enzo." Oh,
Jesus.
Meu coração afundou. Ela era a outra mulher? Quem era essa
pessoa?
"Enzo era bom para ela por um tempo. A tratava bem. Ela adorava
a atenção, é claro." Ele ergueu a sobrancelha quando ele fez o seu
ponto. "Ele era o irmão mais bonito." Eu vejo.
"Clara ficou grávida apenas um mês depois de dormir com Enzo.
Todo o clube sabia quem era o pai. Clara pediu-lhe para deixar a
esposa. Ele recusou. Ela lhe disse que iria deixá-lo. Simplesmente
desaparecer. Disse-lhe seu bebê precisava de um pai." Oh, Deus. Ela
parecia um pouco como Irina. Meu estômago caiu. Eu estava tão
envergonhada. "Ele lhe disse que depois que ela teve o bebê que iria
deixar a esposa. Mas eu sabia que ele mentia." Ele deu de ombros.
"Não foi nenhuma surpresa para mim que depois ela teve Alessio que
ele ficou com sua esposa. Clara estava de coração partido. Ela
planejava sair da cidade. Enzo lhe chamou a embalar suas coisas. Ele
foi balístico."
Laredo olhou para Alessio antes de voltar para mim. "Ele bateu a
merda fora dela. Disse que se ela tentasse deixá-lo novamente, ele
mataria o garoto. Eu não tinha dúvida de que ele faria. Ela não era
estúpida o suficiente para tentar novamente. Pelo menos ela foi
autorizada a ver seu filho. "
"Ele bateu nela?" Minha voz tremeu. "Ela era a pessoa mais doce
do mundo todo, e ele bateu nela?"
Laredo me nivelou com um olhar. "Enzo usava todos os meios
para mantê-la ao seu lado. Quando Clara percebeu que ela escolheu o
cara errado, ela virou suas afeições sobre mim." Ele sorriu. "Eu era
bom para ela. Eu amei ela. Eu queria ser o pai de seus filhos. Não era
justo que Enzo teve. Ele não merecia qualquer pedaço dela. Ela
descobriu um pouco tarde demais. Mas eu cuidava dela tanto quanto
ela deixou."
Meu ponto de vista da minha mãe estava escurecendo rápido.
"Sim, ela soou como um verdadeiro pêssego."
"Nós fomos descuidados," Laredo ignorou meu comentário
malicioso e continuou. "Não demorou muito para Enzo suspeitar. Ele
foi sobre nós uma noite e eu fui pego com a mão no pote de biscoitos.
Eu lutei contra o meu irmão com dente e unha. Lutei tanto que eu
quebrei seus ossos, assim como o meu. Mas Clara... ela tinha tido o
suficiente de nós. Ela saiu, deixando Alessio para trás." Pobre Alessio.
Minha garganta engrossou na dura realidade.
Como ela poderia?
"Meu irmão tentou tirar a vida de Alessio uma semana depois. Ele
tentou afogá-lo na banheira. Mas ele não podia vê-lo passar." Ele se
virou para olhar para Alessio. "Ele não queria amar o rapaz, mas ele
fez. Um mês depois, Enzo foi encontrado em seu escritório em casa de
pedra fria morta. Ele morreu de uma overdose acidental de drogas que
eu presumo que não foi tão acidental. A esposa de Enzo não queria
Alessio. Ela sabia que ele era o produto de um caso, então eu o adotei.
Ele deveria ter sido meu filho em primeiro lugar. Eu o amo muito.
Tentei encontrar Clara, mas ela se escondeu bem, curiosamente, bem
debaixo dos nossos narizes. Eu nem sabia que ela faleceu até dois
anos atrás." Ele me olhou. "Eu não sabia que ela tinha uma filha."
Esperando em algum lugar profundo dentro de mim. "Como você
pode ter tanta certeza de que você não é meu pai? Você disse que você
era íntimo..."
Mas ele já estava balançando a cabeça. "Não. Sinto muito, Mina.
Eu não sou seu pai. Nunca levou nosso caso tão longe. Não é apenas
possível que você é minha." Ele deixou escapar um suspiro. "Mas eu
teria matado para ser seu pai, doce menina. Saiba disso."
Lágrima arrepiou meus olhos enquanto eu assenti solenemente.
Alessio tinha ouvido o suficiente. Ele zombou de mim do outro
lado da mesa. "Enquanto você estava fora colhendo flores com sua
mãe, eu estava escondendo os machucados de meus amigos."
"Sinto muito", eu sussurrei, meus olhos brilhando.
"De que é que está arrependida? Você teve uma boa infância. Eu
fui esquecido. Assim é a vida." Quando olhei para baixo na mesa, ele
falou no silêncio. "O que? Você não quer um irmão mais?" Meu coração
se partiu. Ele bufou uma risada. "Sim, eu não penso assim. Não é bom
o suficiente para você, é? Assim como a mãe."
Lev apertou minha mão com tanta força que doía. "Cale a boca."
Ele disse isso ao mesmo tempo que Laredo gritou: "Não fale com
raiva, meu filho. É melhor você ficar quieto, Alessio. "
"Não", Alessio continuou. "Que tal contar a ela sobre o tempo que
meu pai me chutou tão forte no peito que eu parei de respirar? Ou
sobre o momento em que ele chegou em casa do clube, puxando para
baixo suas calças, e mijou em cima de mim enquanto eu dormia. "
Lágrimas estavam arrastando minhas bochechas agora. Meu peito
doía a cada batida do meu coração. Lutei desesperadamente não
chorar em voz alta.
Lev rosnou, "Eu estou advertindo-o, Alessio."
"Enquanto ela teve sol e pirulitos", Alessio começou a gritar: "Eu
tinha queimaduras de cigarro em toda a porra dos meus braços."
Os homens ao meu redor começaram a objetar com raiva para a
explosão de Alessio. Tudo que eu podia fazer era piscar através das
minhas lágrimas e falar em voz baixa. "Eu não sabia."
Alessio falava. "Como você poderia saber? Viver a porra da sua
vida perfeita em sua maldita casa perfeita com sua puta maldita de
uma mãe." Ele apontou para mim duro. "Você tem a vida que eu
deveria ter tido." Ele bateu devagar, humilhantemente. "Parabéns,
Mina." Seus lábios se curvaram quando ele sussurrou: "Você entendeu
tudo."
Por este ponto, Lev teve o suficiente. Ele jogou a cadeira para trás
tão rapidamente que ele voou para o chão. Ele foi rápido, mas eu
antecipei o ataque antes de começar. Alessio riu maldosamente, os
braços, acolhendo o ataque iminente. Os homens de pé, Nicolas e
Roman correndo para puxar Alessio enquanto Davi e Philippe mudou-
se para ver o que Lev faria.
Meus braços em volta de sua cintura e eu agarrei-o com força,
cravando meus pés em quando ele me arrastou. "Eu gostaria de ir
agora, querido." Alguma coisa no modo tranquilo como eu falei deve ter
avisado Lev contra essa luta, porque, com o peito arfando, rangendo os
dentes em fúria, ele desacelerou para uma parada, voltando-se para
embrulhar seu braço protetor ao meu redor.
Lev virou-se para o meu irmão e sussurrou em mortalmente
calma. "Você vai se arrepender de suas palavras." Ele ofegava. "Eu vou
me certificar disso."
Alessio piou alto. "Oooh. Estou com tanto medo. "
Não havia nenhuma maneira de adoçá-lo. Meu irmão era um
idiota. Um, empurrão desagradável cruel. Eu não queria conhecê-lo.
Eu queria fingir que essa noite nunca aconteceu.
Virando-se para Laredo, eu mantive meus olhos no chão, quando
eu disse, "Esta foi uma má ideia. Sinto muito. "
Ele parecia miserável. "Mina, por favor não vá."
"Aproveite o seu jantar", eu respondi quando Lev me acompanhou
até a porta dupla. Antes, que fizemos a nossa saída, Lev parou e virou-
se para enfrentar Alessio uma última vez. O que ele disse me fez chorar
mais uma vez.
"Mina poderia ter tido uma infância decente, mas ela tem sido
tratada a sua parte de dificuldades. Ela está sem casa por sete anos.
Ela passou esse tempo nas ruas, dormindo em becos, comendo lixo
para permanecer viva. Onde você estava dormindo há dois meses,
Alessio?" Ele falou baixinho, "Eu encontrei Mina dormindo ao lado de
uma poça de mijo, assim magra, ela estava à beira da morte por não
ter comido em dias ".
"Mina", Laredo murmurou, sacudindo a cabeça com tristeza.
"Amada."
Lev olhou para o meu irmão, que ergueu o queixo em desafio.
"Não assuma conhecê-la. Você não sabe nada sobre ela, você é um
saco de merda."
Eu chorei na manga de Lev, cansada de pessoas vendo minhas
lágrimas. Lev esfregou meu braço quando nos saímos apra fora.
Quando ele abriu a porta da frente para nos deixar sair, ouvi Nicolas
Van Eden falar, seu sotaque espesso e duro.
"Essa menina é sua irmã. Ela era doce. E você ... você é um idiota
do caralho, boykie."
Para que Alessio que respondeu em um abafado, "Cale a boca,
Eden."
Iniciei sexo com Lev como uma distração. Foi uma coisa de merda
para fazer, mas eu senti que eu precisava. Eu precisava dele. Na
primeira vez, ele lutou comigo, tentando domar meus beijos luxuriosos
para os doces que eu via como perigoso. Eu escalei ele, beliscando a
pele esticada em seu pescoço, chupei sua língua, e, triturando-me em
seu comprimento endurecimento até que minha calcinha estava
encharcada. Eu disse isso antes, apenas fingindo minha reação a Lev.
Eu puxei minha calcinha para o lado e deslizei para baixo sobre ele,
espetando-me em seu pênis grosso, tanto quanto eu podia. Ele perdeu
nesta rodada e, com isso, seu controle. De costas para a cabeceira da
cama, ele sentou-se mais alto, empurrando-se dentro de mim, seus
braços fortes em volta de mim, me segurando com firmeza, e o sexo já
não era uma distração, em vez de um lugar de refúgio para mim.
As mãos de Lev no meu corpo me acalmavam como uma oração.
Ele tinha provado uma e outra vez que ele era tudo que eu precisava.
Deus ... eu o amava.
Meu corpo implorou para a liberação. Eu queria tanto não me
sentir dormente. Eu queria senti-lo liberar dentro de mim. Nada me
satisfez como esse sentimento.
A mão dele em volta de mim, agarrou meu pulso, e, em seguida,
trouxe-o para baixo entre nossos corpos unidos. "Esfregue o seu
clitóris, baby. Agradável e lento." Em seguida, a cabeça mergulhada
para tirar meu mamilo em sua boca quente. Fiz o que ele mandou e ele
me sugou. Dentro de um minuto, meu corpo ficou rígido, minha
cabeça atirando de volta quando minha boceta apertou ao redor dele, e
eu choramingava através do meu orgasmo. Levou menos de dez
segundos para Lev seguir. Ele soltou meu mamilo com um barulho e
soltou um longo gemido quando seus braços se apertaram em torno de
mim, me segurando no lugar. Seu pênis pulsava dentro de mim e eu
senti o maravilhoso calor que gotejava molhado para baixo, fora do
meu núcleo.
Eu me senti melhor, e eu pisquei sonolenta para ele, colocando
seu rosto e tomando sua boca em um beijo carinhoso. "Deus, eu
precisava disso."
"Eu sei que você fez", ele disse calmamente enquanto ele
acariciava minhas costas. "Como está se sentindo?" Ele perguntou,
mantendo-nos unidos em nossos lugares mais íntimos.
Eu inclinei minha testa em seu ombro, aceitando seu abraço. "Eu
não tive um irmão antes. Eu vou ficar bem sem um agora."
"Mina", ele começou. "Você deve estar ferida."
Fiquei magoada, mas eu não ia deixar isso me afetar. "Eu vou
ficar bem, querido. Eu prometo." Mas meu coração doeu por Alessio.
"Eu estou apenas triste que ele sofreu pelas mãos de seu pai -nosso.
Eu gostaria que ele estivesse lá com a gente. Desejo que minha mãe o
tivesse levado com ela. "
"Você é muito gentil", ele xingou fora. "Ele era rude e obsceno. Ele
era um idiota. Você não deve se preocupar com ele em tudo. Ele
certamente não se preocupa com você. "
"Sim", eu murmurei quando me virei meu pescoço para respira-
lo." Ainda assim, eu não o culpo por ser amargo. Os pecados do nosso
pai e toda essa baboseira."
Seus lábios pousaram no meu rosto. Ele me beijou lá e sussurrou:
"Não há problema em se sentir ferida, mouse. Está tudo bem."
O primeiro soluço escapou-me tão dolorosamente que eu senti
como se meu peito estivesse rasgado e meu coração estava caindo
pedaço por pedaço. Mais lágrimas seguidas, e como eu soltei a minha
tristeza por ter perdido o irmão que eu nunca tive, Lev manteve seus
braços em volta de mim e seus lábios no meu rosto, segurando-me até
que não havia mais lágrimas para chorar.
A verdade era que eu queria um irmão, e agora que eu sabia que
tinha um e ele me rejeitou, doía pior do que a agonia que eu senti
quando minha mãe faleceu.
Meu irmão me odiava.
Ele não me conhecia, mas ele me odiava.
A vida simplesmente não era justa.
Dois dias se passaram, e embora tenha sido um curto período de
tempo, foi o tempo suficiente para quase todos em Bleeding Hearts
descobrir que tinha um irmão, mais chocante que foi Alessio 'Scar
Face' Scarfo. Sasha achou particularmente engraçado. E eu o odiava
por isso.
Ele encontrou todas as desculpas para dizer às pessoas sobre o
irmão que não queria uma irmã, e regozijou-se enquanto eu me
encolhi.
Surpreendeu-me que Anika me chamou de lado e, com um olhar
de simpatia no olho, ela me abraçou apertado enquanto ela acariciava
meu cabelo, me dizendo que ela estava arrependida. Eu desprezava por
isso também. Eu nunca poderia descobrir se éramos amigos ou não.
Ela fez difícil odiá-la quando eu tão desesperadamente precisava do
conforto.
Nas me perguntou sobre Laredo, fingindo desinteresse, mas eu
podia ver que ela queria saber sobre ele.
Eu sorri para ela. "Você quer vir comigo na próxima vez que eu o
ver? Ele é o nosso tio, depois de tudo."
Ela piscou para caneca de café e acenou com a cabeça. "Sim, isso
pode ser bom." Ela rapidamente acrescentou: "Quero dizer, eu não iria
deixá-lo ir sozinho de qualquer maneira. Não depois de Alessio tirar
essa merda." Ela me cutucou de leve. "Eu tenho suas costas, kukla."
"Eu sei que ele teve um caso com sua mãe, mas não há problema
em admitir que você sente falta dele", eu murmurei suavemente.
"Eu não", disse ela tudo muito rapidamente. No meu olhar imóvel,
ela encolheu os ombros e gritou: "Eu não!" Eu deixe-a ir. Ela não
queria admitir isso, mas eu sabia a verdade.
Sábado de manhã chegou, e Lev e eu ficamos na cama, fazendo
amor com dolorosa lentidão, não tem pressa para deixar a nossa bolha
de amor quando a campainha tocou. Lev saiu da cama, em toda a sua
glória nua, foi para a parede, e pegou o fone. "Sim?"
Eu assisti de toda a sala como seus ombros endureceu e ele
sussurrou: "Você tem algum nervo, idiota", então ele desligou. Quando
ele se virou, sua mandíbula estava tensa e ele olhou para mim.
Uma carranca marcava minha testa. "O que é isso?"
Ele abriu a boca para falar, quando a campainha tocou
novamente. Ele pegou o telefone mais uma vez e segurou-o ao ouvido.
Ele segurou lá um longo tempo e fechou os olhos. "Você tem cinco
minutos. Nem um segundo mais." Com um suspiro, ele desligou o
telefone e me disse: "Você pode querer tomar banho. Você tem um
convidado."
"Quem é ele?"
Ele se encostou na parede e falou em voz baixa: "O seu irmão."
Eu puxei as cobertas mais acima do meu corpo, meus ombros em
enrijecimento. "Eu não quero vê-lo."
Lev ficou me olhando de perto. "Você tem certeza?" Eu não
respondi rapidamente o suficiente, então ele jogou em um par de
calças de pijama. "Ok. Vou mandá-lo embora, mouse.
Assim como ele destrancou a porta do quarto a partir do interior,
eu gritei: "Espere." Se eu não o ouvir, eu sempre me perguntarei o que
ele tinha vindo me dizer. "Ok, eu vou vê-lo. Me dê um minuto."
Eu corri em toda o quarto no banheiro e tive o banho mais rápido
da minha vida. Eu não me incomodei com a maquiagem, apenas
escovei meu cabelo molhado, joguei em um par de calças jeans e uma
camisa branca solta, e um par de chinelos antes de fazer meu caminho
lá embaixo.
Lev ficou ali em suas calças de pijama, com os braços cruzados
sobre o peito, olhando para Alessio em completo silêncio. No momento
em que ele ouviu meus passos, ele falou com meu irmão, que estava a
poucos passos de distância, com as mãos atrás das costas. "Você tem
cinco minutos. Faça o tempo que você tem valer a pena, porque você
nunca vai ter outra chance. "
Ele beijou a minha cabeça quando passei por ele, e eu o assisti
entrar na cozinha. Parei um longo caminho de meu irmão. Ele estava
vestido com um par de calças cáqui marrom, uma camiseta branca e
uma jaqueta preta. Ele também parecia extremamente nervoso.
"Olá", eu murmurei.
Ele levantou a mão em saudação e suspirou quando ele falou,
"Hey." Ele se adiantou e estendeu a outra mão. Ele fez isso tão
rapidamente que eu voltei com um estremecimento. O rosto de Alessio
torcido como ele estendeu o ramo de tulipas cor de rosa, a mão caindo
ligeiramente. "Merda. Eu não vou te machucar, Mina. "
Abracei-me, a minha voz plana. "Você já fez."
Suas mãos encontraram os quadris, o alisando. Ele baixou o
queixo, apontando para o chão. "Sim", ele admitiu. Quando ele
levantou a cabeça, ele falou sinceramente, "Eu não deveria ter dito o
que disse. Eu pensei sobre algumas das coisas que eu disse a você
mais tarde, e eu..." molhando seus lábios. "Eu não deveria ter dito
essas coisas. Não foi sua culpa que ele era um bastardo e eu quero
dizer quando digo que estou feliz por eu ter toda essa merda de Enzo
para você nunca ter. Então, "- ele deu de ombros e falou sem jeito " me
desculpe."
Ele parecia genuinamente arrependido, ou pelo menos ele agiu.
"Ok", eu murmurei sob a minha respiração.
Eu não sei mais o que dizer, então eu não disse nada.
Alessio, parecendo mais e mais desconfortável a cada segundo,
engoliu em seco. Mudou-se para colocar o grupo das tulipas na mesa
da sala pela porta e deu um passo atrás. "Ok, bem, isso é tudo que eu
queria dizer, então eu acho que eu vou ver você por perto." Ele pensou,
em seguida, suspirou, "Ou não."
Ele estava sendo civilizado, e algo me disse que era um grande
negócio para Alessio Scarfo.
Alessio mudou-se para sair quando eu chamei. "Você gostaria de
um café?"
Ele se acalmou, girou em torno de volta, em seguida, estendeu a
mão para esfregar a parte de trás do seu pescoço. Ele balançou a
cabeça, inquieto. "Certo. Café seria ótimo. "
Nós levamos o nosso café na sala de estar onde poderíamos falar a
sós, mas onde eu não estaria longe de Lev. Eu não tinha certeza de
como isso iria acabar. Parecia que Alessio poderia ser imprevisível
quando provocado.
Eu mantive a minha primeira pergunta simples. "Quantos anos
você tem?"
"Eu vou fazer trinta este ano", ele me disse enquanto segurava
sua caneca de café mais apertado do que devia. "E quanto a você?"
"Eu tenho vinte e quatro."
Houve um longo silêncio.
"E você era sem-teto", acrescentou ele em voz baixa.
"Sim." Eu balancei a cabeça lentamente. "Eu realmente não gosto
de falar sobre isso."
"Certo. Tudo bem ", disse ele. "E você está trabalhando em
Bleeding Hearts?"
"Sim. Sou bartender. "
"Como você está indo?" Ele perguntou educadamente.
Eu sorri para baixo em minha caneca. "Eu vou muito bem." Oh,
Deus, essa conversa foi assim super dolorosa.
Era como comer giz. Barato e sem sentido.
Eu suspirei, correndo a mão pelo meu cabelo úmido. "Você não
tem que ser tão educado, sabe? Você pode me fazer perguntas reais.
Eu prometo que não vai me assustar ".
Ele balançou a cabeça, mas sua hesitação era clara. "Clara..." Ele
limpou a garganta. "Ela era boa, hein?"
"Ela era", eu disse realmente.
Ele mordeu o interior de seu lábio. Assim como eu fiz quando eu
estava nervosa. E o ato me fez sorrir. "Você tem alguma foto dela?"
"Não", eu disse a ele com profundo pesar. "Eu deixei meu álbum
de fotos com meus pais adotivos quando fugi. Eu tinha dezessete anos
e era estúpida. Eu nem sequer pensei." Eu xinguei fora uma respiração
longa. "Eu faria qualquer coisa para obtê-lo de volta."
Ele deve ter realmente querido ver esse álbum, porque a próxima
coisa que ele disse foi: "Eu sou bom em encontrar pessoas. Se você me
der seus nomes e qualquer outra informação que você puder, eu vou
ver o que posso fazer. "
Eu sorri para ele, em seguida, e eu sorri de largura. "Lev já está
olhando para eles."
Alessio deu de ombros. "Mas é possível ter duas pessoas olhando."
Seu lábio tremeu. "Muitas mãos fazem trabalho leve, sabe?"
A conversa foi ficando mais fácil. Meu coração aquecido.
Mas meu sorriso caiu. "Você nunca viu uma imagem de mamãe?"
"Sim, eu tenho, mas aqueles que estavam no clube. Laredo tem
uma pilha delas. Ela estava toda arrumada para o palco. Eu acho que
eu queria ver como ela parecia na vida real, você sabe?" Seus lábios
tremeram e ele chamou minha atenção. "Essas fotos no clube ... Eu vi
os peitos de nossa mãe."
A risada saiu de mim com tanta força que eu tinha que cobrir
minha boca. "Oh, homem. Ewww."
Seu corpo tremia com risada silenciosa e as cicatrizes em torno de
sua boca ficou esticada. "Sim, não é legal."
Seu sorriso se estendia até onde podia, e ele estremeceu,
chegando a esfregar a cicatriz mais grossa em seu lábio.
Percebi.
Ele notou que eu notei, e seu sorriso fugiu.
Ele ergueu a mão e ele correu na frente de seu rosto cheio de
cicatrizes. "Eu gostaria de poder mudar isso." Ele fez uma pausa antes
de acrescentar: "Eu nem sempre fui dessa forma."
Eu tentei sorrir. "Eu não tenho sempre sido assim também."
Alessio me prendeu com um olhar. "Você é linda embora." Ele
balançou a cabeça. "Você não assusta as crianças com a sua cara
feia."
Suas palavras doeram e doeu ouvi-las, mas ele era meu irmão e se
ele queria falar sobre isso, gostaria de ouvir atentamente, porque ele
precisava de mim.
"Eu sei o que aconteceu. Eu sei sobre sua esposa e Sasha.
"Estendi a mão para colocar a minha mão sobre a dele, a mão que
repousava sobre seu joelho. "Eu sinto muito."
Ele balançou sua cabeça. "Não sinta. Ela era a porra de uma
lunática. Nós nos casamos em Las Vegas depois de uma noite de
bebedeira. Nós nos encontramos algumas horas antes. Eu nem
conhecia ela. Eu certo como diabos que não a amava. Ela era linda
embora." Ele deu de ombros. "A minha própria culpa por pensar com
meu pau."
Tirei minha mão, ruborizando na sua admissão bruto. "Entendo."
Ele vislumbrou para baixo em seu relógio de pulso. "Merda. É isso
o tempo todo? Eu ... " Ele olhou para mim, vestindo um olhar hesitante
no rosto. "Eu tenho que ir."
Decepção me encheu. "Oh." Levantei-me e ele seguiu o exemplo.
Forcei um sorriso. "Bem, foi bom falar com você, Alessio." Eu não tinha
certeza de como o meu próximo pedido iria. "Eu sei que pode parecer
loucura, mas se você tiver quaisquer fotos de Enzo, eu realmente
gostaria de vê-los. Eu sei que não posso chamá-lo de meu pai, mas fui
feita a partir de uma parte dele. Eu gostaria de ver como ele era."
Seu rosto se iluminou. "Sim, eu tenho algumas. Eu posso trazê-
las um dia."
Um suspiro de alívio me deixou. "Isso seria bom."
Alessio sorriu então. "Eu vou trazê-las se você me diexar
encontrar seus pais adotivos."
Apertei os olhos para ele, mas fê-lo sorrir. "Você realmente quer
ver esse álbum."
O sorriso dele se suavizou. "Eu sei que eu não posso chamar
Clara minha mãe, mas eu era feito de parte dela."
Sem permissão, eu estendi a mão e peguei a mão dele, apertando.
Eu liberei-o rapidamente e entrei na sala para uma caneta e um
pedaço de papel. Voltei com os detalhes por escrito e entreguei a ele.
"Aqui. Estes são os nomes de todos os membros da família e onde eles
viviam. Não me lembro de muito mais do que isso." Eu indiquei o
número de telefone no canto da página. "Esse é o meu número."
Alessio olhou para os detalhes antes de dobrar para cima e
deslizando-a no bolso. "Este é um bom começo. Eu vou deixar você
saber se eu encontrar alguma coisa." Ele olhou para mim. "Eu vou
ligar."
Eu estendi minha mão e ele tomou-a, não a sacudiu, só a
segurou. E meu coração doeu. Hoje tinha ido bem. Eu não quero que
ele vá. Eu queria saber mais sobre ele. Eu queria falar desde o
anoitecer até o amanhecer até não sobrar nada para dizer.
Meus olhos brilhantes, perguntei em um sussurro: "Posso abraçá-
lo?"
Ele piscou para mim. Sua resposta veio na forma dele puxando a
mão que segurava, puxando-me a ele até que seus braços estavam
volta de mim, e seu calor me cobriu. Estendendo a mão, agarrei os
lados de seu corpo e descansei minha cabeça em seu peito, fechando
os olhos, apenas tomando neste momento especial.
Ele era alto e quente, e me senti bem. Eu me senti segura com o
meu irmão mais velho, assim como eu deveria estar.
Sua voz grossa, ele falou em voz baixa. "Eu sinto muito, Mina."
"Está tudo bem, Alessio," eu tranquilizei. "Já acabou. Esquecido.
Estamos bem."
Ele me abraçou apertado até que alguém limpou a garganta. Nós
puxamos para trás para encontrar Lev parado na porta aberta, com
uma expressão estoica. "Hora de ir, Alessio."
Eu olhei para Lev antes de virar para Alessio e suavizando meu
rosto. "Me mande mensagem, então eu tenho o seu número, está
bem?"
Ainda assim, ele segurou minha mão, quase relutante em liberá-
la. "Sim, tudo bem."
Finalmente, ele a soltou, e eu caminhei até a porta. Eu peguei as
flores que tinham sido deixadas lá esquecida, e sorri. Acenei para meu
irmão e fiquei ali, observando-o sair.
Braços fortes vieram ao redor da minha cintura, me abraçando
apertado. Eu levantei a mão e coloquei-o no antebraço de Lev quando
ele perguntou: "Como foi?"
Meu sorriso era brilhante. "Bom. Muito bom."
Ele suspirou baixinho. "Eu suponho que nós vamos estar vendo
mais ele então." Eu me virei em seus braços para olhá-lo. No meu
olhar confuso, ele declarou: "Eu não gosto do jeito que ele falou com
você naquela noite. Eu gostaria de quebrar o seu nariz. "
Eu dei um tapinha no peito. "Ele se desculpou. Eu acho que o
encontro me dominou. Eu não acho que ele estava pronto para ele."
Ele resmungou e eu sorri lentamente. "De repente, estou muito
cansada." Sua sobrancelha subiu. Eu havia dito: "Eu acho que nós
deveríamos voltar para a cama."
Ele piscou e sorriu. E meu coração pulou.
Gritei quando ele me levantou sobre seu ombro e tomou as
escadas de dois em dois. A tarde tivemos o quarto preenchido com os
sons dos meus gemidos e suspiros de Lev de prazer.
Realmente ... a melhor forma de passar um sábado?
Sábado à noite no Bleeding Hearts, muito escasso de homens,
tinha me feito oferecer conselhos a uma pessoa que não o queria.
Talvez a minha opinião era desnecessária. Injustificada. Mas Lev tinha
investido neste clube e vê-lo falhar iria me matar.
Tinha que haver uma alternativa.
Sasha estava sentado em sua mesa olhando para mim. Eu estava
começando a pensar que ele não tinha outra maneira de olhar para
mim. "Burlesque", ele repetiu, e eu assenti.
"Sim. Quero dizer, você não teria que mudar muito. As meninas já
sabem dançar. A única diferença seria que iria manter algumas de
suas roupas, mas ter um pouco de flerte com os clientes, provocá-los.
Elas querem manter os seus postos de trabalho, por isso mesmo
aqueles que não podem estar a bordo virá por aí ... eu acho."
Seu olhar tinha evaporado. Eu não sabia o que era o problema
dele. Era claro que as coisas não estavam indo bem.
Eu pensei que era uma boa ideia.
Eu dei um passo para a frente. "Escute, eu fui online. Burlesque é
assim agora. E não é apenas os homens que amam ele. Os homens
acham sexy, e as mulheres não o acham decadente. Descobri que
muitas mulheres não vão entrar em um clube de cavalheiros, mas o
fariam em um burlesque." Fiz uma pausa para deixar assentar. "Você
pode dobrar seu público."
"Mina, somos um clube de um cavalheiro", ele começou com isso
eu sei mais do que você.
Eu o interrompi calmamente disse, "um clube de cavalheiros que
está falhando." Sua mandíbula estava marcada. Eu acrescentei
calmamente, "Nós podemos mudar isso. Nós não temos que deixar
Bleeding Hearts cair."
Sasha pegou uma caneta, batendo-o contra sua mesa de madeira.
"Por que você se importa se nós falirmos?"
Eu não preciso explicar nada para ele. Ele estava me atraindo. Ele
sabia por que eu estava investida. Eu amava seu irmão mais que a
própria vida. Eu simplesmente declarei: "eu me importo."
Meu batimento cardíaco aumentou e eu esperei pacientemente
para ser dito para ir embora. Você poderia dizer que eu quase me
caguei quando Sasha abriu a gaveta da mesa e lançou um cartão de
crédito sobre a mesa para mim. "Você tem um mês para me mostrar se
isso poderia funcionar. Caso contrário, eu vou estar fazendo isso do
meu jeito. "
" Qual é o meu orçamento? " Eu perguntei quando eu tomei o
cartão de crédito preto brilhante.
"Não há nenhum orçamento", ele murmurou, mas acrescentou em
um sorriso, "mas sei que o que quer que você compra então não se
acostume a sai do seu salário. Então, gaste com sabedoria. "
Será que ele sabia quem ele estava falando? Eu era a rainha dos
gastos parcimonioso! Eu tive isso no saco. O fracasso não era uma
opção.
Depois que o clube estava fechado naquela noite, Sasha chamou
todos para o bar para dizer-lhes que haveria algumas mudanças sendo
feitas. As meninas de dança vieram para a frente. Eu não tinha
certeza, mas era meio óbvio que eles pensaram que o clube estava
fechando.
Sasha falou. "Eu acho que é hora de falarmos sobre o local onde
este clube está dirigindo."
Um dos ombros das meninas caíram. Ela parecia prestes a
chorar.
Sasha continuou. "As coisas não estão funcionando da maneira
que eles estão indo. Afrodite’s Kiss roubou nossos clientes. Eles
levaram uma chance e que valeu a pena." Ele fez uma pausa antes de
acrescentar: "É hora de fazermos o mesmo."
Ele encostou-se no bar e perguntou: "O que você sabe sobre o
burlesque?"
Birdie entrou na conversa: "Eu sei sobre burlesque. Dancei
burlesque antes de me mudar para cá. Tentei encontrar um ato para
me juntar quando vim pela primeira vez para baixo, mas eu não
consegui encontrar nada." Ela olhou para as meninas. "Foi popular em
Chicago. É mais um show do que um conjunto de strip."
"Certo", Sasha concordou com a cabeça. Ele olhou para suas
dançarinas. "Vocês querem manter os seus postos de trabalho?"
Um murmúrio coletivo deu a volta. Que pergunta estúpida. É
claro que elas queriam manter seus empregos.
Sasha assentiu. "Nós fechamos de segunda a quinta desta
semana. Eu preciso de alguma merda sendo feita. Quando voltar na
sexta-feira, eu quero ver o que você pode fazer."
Meu rosto caiu, junto com meu coração. "Sasha, isso não é tempo
suficiente."
Ele virou o olhar duro para mim e repetiu, "sexta-feira. Eu espero
você aqui mais cedo. O mais tardar cinco horas. Mostre-me o que você
tem."
Meu estômago mergulhou. Não era tempo suficiente. Eu senti os
olhos de Lev em mim. Virei-me para a minha esquerda e olhei em seus
olhos de mel quentes. "Não é tempo suficiente", eu murmurei.
Ele procurou meu rosto antes de chamar para fora, "Birdie", e
quando ela se aproximou, ele declarou: "Você quer ganhar algumas
horas extras?"
Birdie sorriu. "Claro que sim, baby. Tenho duas pequenas bocas
para alimentar em casa. "
Seus olhos suavizaram com seu entusiasmo. "Mina vai precisar da
sua ajuda com as meninas. Você pode mostrar-lhes como é feito, como
dançar?"
Ela colocou as mãos nos quadris e estufou um longo suspiro.
"Meu palpite é que a maioria dessas meninas começaram fazendo
algum tipo de dança." Ela deu um passo para a frente e gritou, "Yo,
chicas. Quem aqui tem um fundo em dança?"
Para minha surpresa, quase todas as meninas levantaram as
mãos. Birdie sorriu. "Bem, tudo bem. Vamos precisar de ir para baixo
e chegar a alguma coreografia antes de sexta-feira. Quem está
comigo?"
Os sorrisos nos rostos das meninas foram inestimáveis. Eles
estavam excitadas, que por sua vez me animou, domando as
borboletas esvoaçantes em minha barriga. Virei-me para Anika e Nas.
"Eu vou precisar de ajuda com folhetos e publicidade." Olhei por cima
do meu ombro para Sasha. "Bebida grátis com panfleto?"
Ele assentiu. "Ok." Em seguida, ele franziu a testa, em seguida,
acrescentou: "Um por cliente embora. É melhor escrever essa merda. "
A mão de Lev fechou em torno de mim e eu sorri. "Eu irei. Eu
prometo."
Uma mão apertou meu ombro. Birdie falou em voz baixa, "Mina,
eu não sei se isso pode ser feito, mas vou tentar o meu melhor. "
Eu dei um passo para frente e passei meus braços em torno dela,
abraçando-a apertado. "Muito obrigado por sua ajuda." Eu me afastei,
olhando cansado. "Você precisa me dizer o que as meninas vão
precisar." A testa de Birdie levantou-se em seus pensamentos. "Você
tem tempo para ir ao shopping na segunda-feira?"
Eu dei de ombros. "Certo. O que estamos comprando?"
"A parte mais importante." Ela sorriu. "Fantasias, baby." Oh meu.
Onde diabos eu tinha me metido?
O Domingo de festa havia chegado ao complexo Leokov.
Isso significava que eu não só tinha uma chance de usar o meu
novo maiô, mas me daria uma oportunidade de ver Lev em roupa de
banho.
Quero dizer, eu sei. Qual é o problema? Eu o vi nu. Certo?
Errado!
Era terrivelmente sexy ver um homem em roupas que lhe cabem
bem e com o corpo que Lev tinha, eu não tinha certeza de como tudo
poderia caber-lhe errado. Eu estava morrendo de vontade de vê-lo em
um par de calções de banho.
Quando eu saí do banheiro depois de vestir minha uber sexy de
uma peça nova, agradeci mentalmente Cora por sua assistência. Era
bonito, com pequenas fendas de material cortado em apenas os pontos
certos, através das costelas, no centro dos meus seios, e acima das
coxas. Ele estava revelando sem parecer vulgar. Eu amei.
Com a minha mão na maçaneta da porta, fiz uma pausa,
piscando com a visão de bunda nua de Lev quando ele puxou seu
calção de banho, se você poderia chamá-los assim.
Ele virou-se e eu engasguei com a minha língua.
Eles eram diferentes. Não como calções. Não como boxers. Eles
eram mais apertados, como cuecas boxer.
Muito europeia.
Eu gostei.
Mas então me lembrei que Anika estaria lá. "Você está usando
isso?"
Em algum lugar ao longo das linhas, eu, sem saber, me
transformei em um macho alfa.
Lev franziu a testa, olhando para os azuis marinhos shorts curtos.
Ele virou o rosto, as sobrancelhas levantadas.
"Sim."
Cruzei os braços sobre o peito, lábios finos. "Eles são minúsculas,
Lev. Você pode ver tudo." Eu dobrei na cintura e sussurrei. "E eu quero
dizer tudo. "
"Eles são os únicos que tenho, mouse. Eles vão ter que servir."
Meus lábios fizeram beicinho quando eu pisquei para sua
impressionante imagem. Eu murmurei, "Oh, eu aposto que Anika vai
amar isso."
Ele ficou de pé, com as pernas afastadas, e sorriu
astuciosamente. "Isso ciúme, mouse?"
"Não", eu menti rapidamente. "Não é." Fingi tédio com um
encolher de ombros legal. "Eu só queria que você soubesse que toda a
gente vai ver Frank e seus feijões."
Então ele fez algo milagroso.
Ele inclinou a cabeça para trás e soltou o riso. E foi lindo.
Eu assisti-o rir, e minha mente foi frita pelas cascas ásperas de
alegria vindo dele. Soou libertador e eu estava sobrecarregada. Eu não
sabia como reagir.
Seria necessário explodir em lágrimas de alegria quando ouviu o
seu homem rir? Eu achei que não. Então fiquei quieta, observando de
perto, cometer este momento ao meu banco de memória. Gostaria de
mantê-lo lá para um dia chuvoso, quando eu mais precisava.
" Frank e seus feijões?" ele murmurou, de forma demasiado
divertido, enxugando as lágrimas de alegria. Em seguida, ele se
endireitou, estendendo a mão. "Mina, venha aqui."
Eu fiz beicinho todo o caminho. Sua mão envolveu minha e ele
inclinou-se para olhar para o meu rosto enquanto ele sorriu
suavemente. "Eu estou perigosamente perto de me apaixonar por
você", ele inclinou a cabeça no pensamento antes de acrescentar: "Se
já não estiver lá." Oh, meu Deus.
Ele acabou de dizer isso? Será que ele realmente disse isso?
Oh Deus.
Ele ergueu a mão para executar o polegar na minha bochecha.
"Você acha que eu me importo com o que pensa Anika?" Ele colocou
suas mãos sobre meus ombros e me puxou, beijando meus lábios com
um tapa. "Ela não é você." Ele bicou meus lábios mais uma vez. "Ela
nunca será você." Meu coração batia rápido e duro no meu peito.
Estendi a mão para envolver meus braços em volta do pescoço.
Seus braços vieram ao meu redor e ele se endireitou, levantando-me
direito fora da terra. Ele me segurou como eu pesava nada.
"Quem dorme na minha cama à noite, mouse?"
Eu enterrei meu nariz em seu pescoço e murmurou, "eu faço".
"Você", ele confirmou. "E quem me faz sorrir?"
Eu sorri contra a barba em sua garganta. "Eu."
"Exatamente." Ele se virou para beijar minha bochecha. "Ninguém
mais. É você, Mina. Sempre foi você." Ele falou baixinho, "Eu só
precisava encontrá-la. Agora que eu tenho você, eu não vou estar
deixando você ir. Ok?"
"Tudo bem ", eu sussurrei, sentindo meu ciúme à distância.
Ele me deixou para baixo, jogou sua toalha e escorregou em seus
chinelos de couro antes de deslizar sobre os óculos aviadores. Eu
rapidamente parei de jogar em um vestido branco antes de deslizar os
meus pés em um par barato de chinelos rosa. Em seguida, fizemos o
nosso caminho para Sasha.
No momento em que entramos em volta da casa para a casa da
piscina coberta os outros já estavam lá em sua moda praia,
conversando, comendo e bebendo cocktails. Parei junto à porta, meus
olhos arregalados olhando em volta.
Esta casa da piscina era incrível.
Foi construído em torno da gigante, piscina circular. Com pedras
de pavimentação em torno do exterior da piscina e floresta tropical
colocadas estrategicamente ao redor do perímetro, parecia que
estávamos ao ar livre. Meu coração quase explodiu de emoção quando
vi o escorregador. Você precisava andar um lance de escadas para
chegar lá em cima, mas eu precisava levantar-me sobre essa coisa. Eu
me senti como uma criança de cinco anos de idade em um parque
aquático.
Um olhar para a minha esquerda vi um homem olhar severo em
uma camisa polo preta, de pé atrás do bar, misturando bebidas.
Ok, talvez não uma definição para uma criança de cinco anos de
idade, mas ainda incrível.
Esta casa da piscina era mais do que uma mansão piscina, com
sofás, uma configuração de sala de jantar e a maior TV que eu já vi na
minha vida na parede, uma casa de banho totalmente funcional e um
chuveiro ao ar livre. Eu teria felizmente vivido aqui para sempre.
"Whoa," eu murmurei sob a minha respiração.
Nas estava na piscina já, vestindo um biquíni preto. Anika
reclinando numa cadeira de praia em um biquíni estilo 1950 com
estampa de leopardo com um fundo de cintura alta, os olhos fechados
em relaxamento. Sasha e Vik estavam junto ao bar, à espera do
homem no bar para terminar de misturar bebidas. Ambos usavam
calções negros que vieram acima do joelho.
Eu iria nomear esta casa piscina como The House of Sexy. (A casa
sexy)
Nas nos detectou primeiro, sorrindo duro. "Bruxa. Você
conseguiu. Eu pensei que nunca iria deixar sua cama." Eu botei para
fora.
" Legal, Nas. Realmente legal".
Ela fingiu completa inocência quando eu ouvi um suave, "Hey" de
Anika.
Virei-me para sorrir para ela, mas perdi meu sorriso falso
enquanto seus olhos pousaram em Lev assim quando ele estava
retirando seu roupão. Eu queria parecer discreta, por isso antes de sua
grande revelação de Frank e os feijões gêmeos, eu pisei na frente dele,
de pé direito em sua frente. Então eu levantei minha cabeça e sorri.
"Oi, Anika. Como vai você?"
Ela observou Lev perto quando ela respondeu: "Eu estou bem,
obrigado."
"Venha," Nas chamou. "Eu juro a água é ótima. Como um banho
quente. "
Eu queria guardar delicada sensibilidade do meu homem, mas
não pude resistir a piscina chamando meu nome. Com um sorriso, eu
joguei meu vestido de verão fora sobre a minha cabeça, corri o mais
rápido que pude, e depois pulei, caindo na água morna um pouco alto.
Uma vez cheguei à superfície, eu levemente e nadei ao lado de Nas.
"Oh, Deus, isso é incrível."
Lev tomou a cadeira de praia ao lado de Anika, tirou os óculos
escuros e deitou-se. Ela o olhou com um olho afiado, virando de lado
para encará-lo. Ela sorriu e falou em voz baixa. Ele não se virou para
ela quando ele respondeu, colocando as mãos atrás da cabeça e
fechando os olhos. Ela falou um pouco mais e eu não pude deixar de
notar como ela estava se segurando. Por seu lado como ela era, seu
seio estava perigosamente perto de cair para fora do biquíni.
Eu estava prestes a abrir a boca, quando eu ouvi Sasha dizer:
"Ani. Você é está prestes a dizer oi para mim." Eu me virei para olhar
para ele. Seus olhos ferozes, ele entregou-lhe um coquetel e disse:
"Você precisa de algo para cobrir-se?"
Ela piscou para ele, parecendo confusa. "Não. Estou bem.
Obrigado."
Eu tive que virar a sorrir para Nas. Ela sorriu de volta, revirando
os olhos. Parecia que eu não era a única que tinha visto a paquera de
Anika.
Eu odiaria fazer uma cena hoje, mas totalmente faria se eu
precisasse. Ela precisava assistir-se ao meu redor. Eu poderia ser
pequena, mas eu poderia ser cruel quando provocada.
Vik sentou-se na borda da piscina, entregando tanto a Nas e a
mim um cocktail de frutas cada. Sorri em agradecimento quando ele
levantou sua cerveja para nós. Nós levantamos nossas bebidas em
comprimento e tomamos um gole no ambiente relaxante.
Eu estava começando a pensar que eu era uma grande babaca
por não querer vir aqui hoje. Sasha até mesmo veio civilizado. Fiquei
contente de estar aqui.
Nas virou para mim. "Então," ela começou. "Você fala com Alessio
ainda?"
Eu sorri. "Sim. Ele me enviou mensagens ontem então eu tenho o
número dele, e nós temos mandado mensagens desde então." Meu
sorriso suavizou. "Na verdade, ele não é um cara mau."
Sasha bufou quando ele deslizou para dentro da piscina. "Sim,
bem, você nunca o viu ir em sua garganta com uma lâmina porra do
tamanho de King Kong."
Virei-me para cara feia para ele. "Você fodeu sua esposa."
Sasha tomou um gole de cerveja e deu de ombros. "Ele deveria ter
mantido sua esposa em uma coleira mais perto."
Eu gemi. "Deus, você é um porco."
Ele sorriu dessa forma viscosa que eu odiava. "Você sabe que sim,
Mina."
"Eu seriamente tenho pena da menina que acabar com você", eu
murmurei enquanto eu balancei a cabeça em solidariedade para com a
pobre moça sem saber quem se casaria com Sasha.
Seu rosto caiu, mas ele continuou. "Então, Scar Face Scarfo é seu
irmão. Ele está gritando essa merda de cima dos telhados." Ele me
olhou. "Como você convenceu-o a reivindicar você? Disse que não
queria nenhuma irmã. Agora ele faz. Estou curioso. O que você tem a
fazer?" Ele queria que eu mordesse a isca. Ele queria uma luta.
Ele não iria obter uma.
Tomei um gole de cocktail e dei de ombros. "Ele se arrependeu de
me tratar do jeito que ele fez. Ele pediu desculpas e eu estou bem
sobre ele. Eu não estou discutindo detalhes particulares com você,
Sash. Tudo que você precisa saber é que meu irmão e eu estamos
trabalhando para reparar nosso relacionamento."
Ele intitulou a cabeça ligeiramente. "Disse-lhe alguma merda
sobre o clube?"
Meu rosto corou. Eu tinha-lhe alguns, mas nada importante. “Na
verdade, não. Ele perguntou por que nós estamos fechando. Eu disse a
ele que algo grande está vindo." Eu sorri. "Eu poderia ter lhe dito para
esperar que sua competição iria voltar com um estrondo."
Os olhos de Sasha me procurou. "Oh sim? O que ele tem a dizer
sobre isso?"
Eu o imobilizei com um olhar. "Ele nos deseja boa sorte. E ele quis
dizer isso."
Nas canalizou. "Isso é legal da parte dele." Ela murmurou
sinceramente: "Isso é muito legal, Mina." Eu sorri. Meu irmão era
realmente um cara decente. Ele fez o meu coração quente.
Vik falou o assunto com naturalidade: "Sim, mas não é como se
ele ainda não queira cortar o fígado de Sasha."
Eu estava em pleno acordo. "Nós não falamos muito sobre isso,
mas eu tenho certeza que ele faz." Eu olhei para Sasha antes de virar
meus olhos, querendo fazer o meu ponto em perfeita calma. "O que
Sasha fez para o rosto dele mudou. Ele é um escudo da pessoa que ele
costumava ser." Eu dei de ombros. "Eu realmente não o culpo por
querer vingança, para ser honesto." Um arrepio passou por mim. "Você
pode imaginar como isso deve se sentir? Para ter sua esposa traindo
você com não apenas um outro homem, mas um rival, em seguida, ter
que usar aquelas cicatrizes para sempre, lembrança diária de algo que
você prefere não lembrar?" Silêncio no grupo. "Ele não pode esquecê-lo,
não importa o quanto ele tente." Eu falei baixinho: "O que Sasha fez
não vai deixá-lo."
O silêncio abrangeu o grupo por um tempo curto, pois estamos
tomando nossas bebidas em zona calma. Mas logo, Vik tinha-nos rindo
sobre algo estúpido, e quando Lev se juntou a mim na piscina, me
carregando nas costas, fui rapidamente lembrada este grupo
improvável de pessoas significava algo para mim. Eu poderia não ter
uma família completa, mas eu era um Scarfo pelo sangue e um Leokov
no meu coração.
Eu me senti segura no conhecimento que eu tinha mais família do
que aquilo que eu comecei no início.
E Lev era mais do que isso.
Ele era casa.
Ela estava junto ao bar, de cabeça para baixo, escondendo à vista
de todos. Seu cabelo castanho ondulado arrastando pelas costas em
ondas suaves. Seu corpo cheio de curvas de uma fantasia viva. Uma
que fez minha vida um inferno absoluto.
Ela era bonita. Requintada. Não é como as outras garotas que eu
tive na minha cama.
Anika Nikulin era elegante.
Anika Nikulin era impressionante.
Ela era graciosa.
Eu fiz um acordo com Viktor quando éramos adolescentes ...
minha irmã pela dele. Ele ainda tinha que fazer a sua jogada com
Nastasia, mas eu estava cansado de esperar por Anika.
Fazendo meu caminho para o bar, eu pisei em estreito. Muito
perto. Seu corpo nu perto de escovar a minha frente. E, no entanto, eu
me inclinei para mais perto, querendo sentir o calor cheio de costas
contra o meu peito.
Ela se virou, os olhos arregalados, olhando para o meu corpo. "O
que você está fazendo, Sash?"
Eu não poderia me ajudar. Minhas mãos vieram para descansar
em ambos os lados de sua cintura pequena. "Eu posso fazer você
esquecer ele," eu murmurei. Meu polegar atropelou o elástico de seus
fundos de biquíni. "Eu posso fazer você esquecer que ele já existia,
Ani."
E eu quis dizer isso também. Lev não queria ela. Ele tinha Mina.
Seu tempo para fazer um movimento tinha acabado. Lev estava feliz
agora. Ela ficou de fora.
Ela olhou para mim através de cílios abaixados. Sua suave voz
melódica, ela soltou um arrependido, "Você nunca foi concorrência,
Sasha. Não ao lado dele." Ela olhou por cima do meu ombro e da forma
em que seus olhos se voltaram quente, eu porra sabia que ela estava
olhando para ele.
Ciúme gritou por mim. Eu odiava que ela o amava.
Ela olhou de volta para mim, chegando a apertar meu braço
quando ela murmurou, "Você nunca sequer chegou perto."
Quando ela pegou sua bebida e caminhou de volta para a cadeira
de praia, ela se deitou, os olhos observando discretamente meu irmão.
E lá estava ela. A mulher que eu amava carregava uma tocha
para o meu irmão. Sempre.
Ele não importa embora. Gostaria de usar todas as armas do meu
arsenal para tê-la. Anika seria minha.
Porra eu jurei isso.
As Compras com Birdie em uma loja de fantasias tinha sido ...
bem ... interessante, para dizer o mínimo. A meio da nossa expedição
de compras, eu estava com os olhos arregalados e atordoados com as
coisas que se poderia encontrar se olhar duro o suficiente.
Quem sabia que pastéis para mamilo estavam disponíveis em
lojas de lingerie? Ou que minúsculos trajes de marinheiro e meia
arrastão seriam tão facilmente obtidos?
Birdie era quem sabia.
Saímos do shopping com dois carrinhos de compras cheios de
acessórios, e Birdie tinha chamado as meninas para nos encontrar no
clube depois de eu ter perguntado a Sasha se tínhamos permissão
para nos encontrar lá. Lev estava ocupado trabalhando os livros, mas
me disse que ia me encontrar lá no final do dia.
Chegamos em Bleeding Hearts logo após duas horas a maioria
das meninas de dança tinha vindo, mas duas delas enviou mensagens
através das outras que elas não foram capazes de fazê-lo. Birdie estava
meio chateada com isso. Ela me avisou que Sofia e Martina tiveram um
tipo de folga. Ela alertou as duas meninas que, se elas não pudessem
executar as novas rotinas, elas provavelmente iriam sair. Ambas as
meninas trataram a ameaça com uma indiferença que me
surpreendeu.
Será que elas não percebem que estavam em risco de perder o
emprego? Fiquei chocada que elas não pareciam se importar.
Sasha assistiu do lado de fora quando nós revelamos a primeira
caixa de adereços. Para fora veio leques de penas, os leques de seda
vintage, ligas, casacos de penas, chapéus altos, máscaras de cetim,
uma grande caixa de pastéis de mamilo, luvas de cetim, sombrinhas
brancas retro malha, penas de avestruz de todas as cores, chicotes de
couro e bengalas finas, e as meninas foram à loucura.
Uma pequena mulher chamada Lilah veio para a frente, tocando
as penas com um sorriso no rosto.
"Uau. Eles são tão suaves. "
Uma menina de olhos verdes chamado Petra sorriu enquanto
pegava uma liga de renda. "E tão feminina."
Uma mulher Africano-Americano de altura eu sabia como Shonda
envolvido um boá de penas no pescoço. "Será que você olha para essas
coisas? Mmmm hmmm. Estou gostando disso. "
O resto das meninas veio ao redor para ver os itens que tínhamos
puxado para fora, e eu contei oito mulheres. Eu suspirei mentalmente.
Pode ser o suficiente para a noite de abertura, mas algumas dessas
meninas trabalhavam a tempo parcial. Se Sofia e Martina não
aparecer, estávamos indo para estar em apuros.
Birdie chamou. "Venha aqui, senhoras. Eu tenho algumas coisas
para vocês que vocês vão adorar. Obrigado por mandar-me seus
tamanhos; isso ajudou muito." Ela lutou com a segunda caixa e eu
corri para ajudá-la. Ela sorriu para mim e virou-se para as meninas.
"Quem quer ver o figurino legal que temos?"
Um elogio deu a volta e Lilah gritou para fora, "Estou tão
animada!"
Birdie tirou cada traje fora da caixa um por um, entregando-os
para as meninas que eles se encaixam. Cada menina recebeu uma
peça corset diferente com meia arrastão coxa elevadas, e um traje
adicional. Eles não eram todos iguais. Algumas meninas tem um
equipamento de marinheiro muito pequeno, enquanto algumas foram
feitas para ser coelhos. Outras foram criadas francesas, policiais,
gatos, e tivemos até uma Chapeuzinho Vermelho.
A forma como as meninas conversavam animadamente me tinha
mordendo o lábio para esmagar para baixo o meu sorriso. Eu estava
feliz que elas estavam felizes.
Quando Lilah ergueu um pastie e perguntou: "Como é que vamos
colocar isso?" Birdie assistiu, dizendo a Lilah para tirar sua camiseta e
sutiã. Lilah sorriu enquanto se despia, e as outras senhoras
observavam cuidadosamente quando Birdie mostrou-lhes como aplicar
os pastéis usando a cola sobre os seios nus de Lilah.
Meu celular vibrou no meu bolso e eu sorri para baixo no display.
"Ei, eu não ouvi de você em poucos dias", eu respondi
alegremente.
Alessio parecia um pouco tímido. "Sim, bem, eu estou tomando o
suficiente de seu tempo. Eu não queria incomodá-la ".
Eu sorri. "Para o que eu devo este prazer?"
Ele fez um grunhido luz. "Não tenho certeza se eu deveria ter
ligado ou não, mas depois que eu falei para o meu pai, ele me disse
que eu deveria." Ele estava hesitando.
Meu sorriso caiu. "O que foi isso?"
Alessio suspirou. "Só tinha duas de suas meninas aqui pedindo
trabalho."
Fechei os olhos. "Deixe-me adivinhar: Sofia e Martina, certo?"
"Sim." Ele continuou. "Dissemos a elas que não precisamos
delas."
Minha testa franzida. "Por que você faria isso? Você tinha pessoas
se aproximando do clube para roubar nossos trabalhadoras longe de
nós ".
Ele estalou a língua em aborrecimento. "Sim, bem, a merda
mudou. Nós não estamos fazendo isso mais." Ele afirmou: "Diga as
suas meninas que não são bem-vindas aqui, tudo bem?"
Um pequeno sorriso enfeitou meu rosto. "É este o seu modo de me
dizer que você não está indo foder com o meu trabalho?"
Ele ficou em silêncio por um momento antes de dizer: "Isso é
exatamente o que eu estou dizendo a você."
"Obrigado, Alessio", respondi calmamente.
Sua resposta foi tão tranquila. "Você é bem-vinda, Mina."
Eu imediatamente fiz o meu caminho para o bar e me aproximei
de Sasha. "Então, eu só tive um telefonema interessante do meu
irmão."
As sobrancelhas de Sasha levantou-se. "Por que diabos você está
me dizendo?"
Eu agrupei meu nariz para ele e levantando minha mão, eu
coloquei-o no peito. "Você sabe, você poderia ser melhor para mim. Eu
tenho informação importante para lhe dizer. "
Ele suspirou. "Tanto faz. Atire. "
"Alessio me disse que Sofia e Martina estavam no Afrodite’s Kiss
apenas agora buscando um trabalho."
A mandíbula de Sasha assinalou, mas como sempre, ele falou de
maneira uniforme, "cadelas do caralho. Elas estão demitidas. Assim
que entrar, diga-lhes para vir me ver no meu escritório.
Eu balancei a cabeça, perfeitamente feliz com o despedimento de
ambas as meninas. "Você sabe que não pode trabalhar com apenas
nove meninas. Nós vamos precisar de mais, pelo menos, três a nível de
tempo integral. "
Ele me encarou. "Como diabos você sabe disso?"
Mordi a língua, mas eu realmente queria dizer a ele para comer
mil pilhas. "Eu fiz minha pesquisa; é assim." Eu deixei escapar um
suspiro. "Escute, eu provavelmente não teria sido capaz de fazer nada
disso sem Birdie. Eu acho que você deve colocá-la responsável pela
contratação das próximas meninas. "
Pela primeira vez, ele não discordou, olhando para a mulher. "Ela
me surpreendeu com toda essa merda. Eu não sabia que ela era prima
de Management. Eu poderia ter usado seu conhecimento alguns meses
atrás." Ele balançou a cabeça. "Eu vou falar com ela."
Agradeço ao Senhor por pequenas vitórias!
Enquanto eu estava em um rolo, eu decidi empurrar a minha
sorte. "Não iria acontecer de você ter uma câmera profissional por aí,
não é?"
Seu olhar monótono me disse que não, ele não fazia. Suas
sobrancelhas franzidas. "O que você precisa de uma câmera?"
"Eu sempre tive uma coisa para a fotografia e..." meu rosto corado
"e eu era boa nisso. Eu pensei que se você tivesse uma câmera, eu
poderia tirar fotos das meninas para os folhetos. Eu tenho algo em
mente, mas eu só preciso as ferramentas para fazê-lo. "Acenei minhas
mãos na demissão da ideia. "Não importa. Eu vou fazer sem ele."
Quando eu fui embora, eu me virei e comecei a andar para trás,
enquanto eu disse Sasha um agradecimento genuíno.
"Ei, obrigado."
Ele franziu a testa. "Para quê?"
Dei de ombros. "Para dar a chance a minha ideia. Isso significa
muito. Então, obrigado. "
Voltei para as meninas e ouvi como elas projetaram as suas ideias
para rotinas de dança e performances solo. Nós trabalhamos para que
cada ato teria de ser entre três e cinco minutos por peça, com dois
intervalos durante a noite. Fiquei impressionada com essas mulheres.
Elas estavam levando tudo na esportiva e contribuindo. Eu estava
orgulhosa delas.
Uma hora depois, a entrega chegou ao clube e foi dirigida a mim.
Eu assinei para ele com confusão estampada em meu rosto. Quando
eu abri o pacote, eu me engasguei.
Dentro havia uma nova câmera digital profissional da marca
Pentax. Meus lábios começaram a tremer. Eu sabia quem tinha feito
isso.
Atrás de mim veio uma popa, "Você quebra, você compra."
Eu gentilmente coloquei a caixa para baixo no bar antes de virar e
perguntar: "Por quê? Por que você iria dar isso para mim? "
Sasha olhou para o chão, claramente desconfortável. Sua resposta
foi sucinta. "Eu não o comprei para você." Sua voz se suavizou. "Eu fiz
isso para o clube. Comprei-o para o clube. "
Um pequeno sorriso surgiu em meus lábios, e logo eu estava
radiante. "Eu vou tirar as melhores fotos que você já viu."
Ele arqueou as sobrancelhas à convicção no meu tom. "As
melhores fotos que eu já vi?"
Eu sorri. "As melhores fotos malditas que você já viu."
Ele sorriu, mas foi pequeno. Ele suspirou para si mesmo. "Para o
seu bem, espero que você esteja certa." Sasha Leokov não sabia com
quem ele estava trabalhando.
Ele não sabia quem Mina Harris realmente era. Eu precisava
mostrar a ele, e eu tinha toda a intenção de fazer exatamente isso.
Gostaria de conquistá-lo.
Eu iria.
Lev chamou pouco antes de cinco para me dizer que ele não
estaria vindo para o clube como o planejado. Ele foi pego nesses
números dele e totalmente perdeu a na noção do tempo. Felizmente
para ele, eu tinha tido um bom dia; caso contrário, eu poderia não ter
sido tão boa aceitando.
Depois de ver algumas das fotos destinadas a colocar nos
panfletos, Sasha ficou impressionado. Ele não mostrou, mas eu sabia
que ele estava. Por que mais ele teria se oferecido para me dar uma
carona de volta para casa?
Sasha e eu estávamos agora os BFFs regulares. Bem, na verdade
não. Mas ele iria sucumbir ao meu charme. Eventualmente. Eu tinha
certeza disso.
Sasha dirigiu-se na unidade de Lev tempo suficiente para
murmurar, "Foda-me."
Ergui a cabeça para ver o que havia trazido a maldição para
encontrar o carro do meu irmão já na unidade. E ele estava sentado no
interior.
"Obrigada pelo passeio. Eu te vejo mais tarde, "eu murmurei
distraidamente antes de sair, caminhando até o carro de Alessio e
batendo de leve na janela.
Ele estava de cara amarrada para baixo em um pedaço de papel
em seu colo, mas assim que ele levantou a cabeça para olhar para
mim, seu rosto se suavizou. Eu abri a porta do passageiro e sentei-me
dentro, sorrindo, inclinando-me sobre o assento para dar-lhe um
aperto. "Ei. Eu não estava esperando você. O que você está fazendo
aqui? E o que você está fazendo aqui fora? "
Seu braço saiu em torno de mim para me abraçar de volta, e ele
pronunciou: "Eu preciso falar com você. Sozinho." Merda.
Eu me afastei. "Isso parece sério."
Ele balançou sua cabeça. "Eu não sei. Pode não ser nada, mas",
ele me passou o pedaço de papel, "Aqui, olhe por si mesmo."
Meus dedos trabalharam rapidamente para desdobrar o papel.
Quando eu li o que estava sobre ele, meu peito apertou. "Você
encontrou-os", eu sussurrei. "Você encontrou os Petersons. Já?" Eu
sorri e ri. "Você fez um trabalho rápido."
"Mina, que é a coisa", ele começou cautelosamente. "Há quanto
tempo você perguntou a Lev para encontrá-los?"
Quão mais? Eu pensei de volta. "Cerca de seis semanas atrás. Por
quê?"
Ele xingou, passando a mão pelo rosto. "Eu não quero causar
nenhum problema, você ouve, mas eu acho que você precisa saber que
alguém contatou os Petersons algumas semanas atrás, pedindo a
todos os tipos de perguntas sobre você." Eu fiz uma careta. Isso não
poderia estar certo. Ele acrescentou baixinho: "E eu acho que foi Lev."
"O quê?" Eu ri sem graça. "Não. Isso não pode ser."
Alessio ergueu as mãos em um gesto de impotência. "Eu não sei
ao certo. Eu não sei. Talvez você deve conversar com ele sobre isso. Se
não fosse ele, eu não sei quem poderia ter estado perguntando sobre
você. É uma coincidência assustadora embora." Ele continuou:" E eu
não acredito em coincidências." Meu coração torceu.
Lev não faria isso para mim.
Ele não faria isso.
Pisquei dos meus pensamentos, segui em frente. "Você falou com
eles, então? Com os Petersons?" Ele balançou a cabeça lentamente. De
repente eu estava nervosa. "O que eles disseram?"
Alessio falou calmamente. "Eu falei com Maggie. Eu lhe disse que
era seu irmão. Isso e que nós não sabemos sobre o outro até
recentemente e que você estava procurando por eles. "
Minha garganta apertada. Perguntei a um abafado, "O que ela
disse?"
Seus olhos se arregalaram comicamente. "Bem, primeiro ela porra
chorou como um bebê." Minha mão subiu para cobrir a minha boca
enquanto meu rosto amassado. Alessio pôs a mão no meu joelho,
acariciando-o e passou. "Então, ela queria saber como você estava e
onde estavam hospedada. Ela perguntou se podia vê-la. Eu não lhe
disse onde estava, mas eu disse que ia tirar os detalhes e que, se você
quisesse vê-la, você chamaria. "
Minha voz tremeu. "Como estão eles? Como está James? "
Alessio sorriu. "Eles estão bem. Eles vivem muito perto de onde
eles estavam. Eu não sei sobre James. Ela não mencionou ele. "
"Uau", eu murmurei, olhando para o papel no meu colo. Engoli
em seco, em seguida, deixou escapar um longo suspiro. "Obrigado." Eu
me virei para ele. "Muito obrigado." Então ele disse algo maravilhoso.
Ele deu de ombros. "Você é minha irmã. Eu vou ajudar sempre
que puder. "
Antes eu comecei a chorar, eu me joguei em cima do assento,
passando os braços em volta do pescoço e puxando-o para perto. "O
mesmo vale para você ... irmão." Eu liberei ele, sorrindo. "É melhor eu
ir."
Olhou para o relógio de pulso e acenei com a cabeça. "Sim eu
também. Tenho que me preparar para o trabalho." Seu rosto mudou,
em seguida, e ele estalou os dedos. "Espere, antes que eu esqueça." Ele
enfiou a mão no bolso e tirou uma fotografia antiga, em seguida,
entregou-o para mim. "Conheça Enzo Scarfo."
O rosto que olhou para mim era bonito. Muito bonito. Com maçãs
do rosto salientes, um nariz afilado e baixas sobrancelhas, ele parecia
perigoso. Ele não sorriu na foto, com os olhos quase negros olhando
para mim. Um arrepio percorreu-me. "Ele era muito bonito."
Alessio zombou. "Ele era um bastardo cruel."
Se as coisas Alessio tinha mencionados foram tudo para fora, eu
concordei plenamente.
Então, quando eu tomei a fotografia e segurei firmemente entre os
dedos, rasguei pelo meio, eu murmurei. "Eu o vi agora. Minha
curiosidade foi saciada. E eu espero que ele esteja queimando no
inferno pelo que ele fez com você." Eu rasguei a foto em pedaços,
segurando firmemente em minha mão para que eu pudesse jogar tudo
no lixo.
Inclinando-se para beijar o rosto de meu irmão, eu me despedi.
"Vamos nos ver esta semana. Vamos almoçar. "
Ele não hesitou em sua resposta rápida. "Sim, tudo bem. Vou
ligar. "
" Obrigado novamente. "Eu sorri.
Ele piscou. "A qualquer hora."
O momento em que entrei no interior da casa, eu sabia que algo
estava errado. Eu encontrei Lev sentado no degrau, com a cabeça entre
as mãos.
Larguei tudo e corri para ele, envolvendo-o nos meus braços.
"Lev? Querido, o que aconteceu? Perguntei em pânico.
Ele levantou a cabeça para olhar nos meus olhos. " Irina está
morta."
Fora de todas as coisas que eu esperava ouvir, essa não era um
deles.
Meu coração batia forte. "Meu Deus."
Ele passou a mão pelo rosto e falou em perigo: "Por que ela não
podia simplesmente desistir? Por que ela tem que porra empurrar do
jeito que ela fez? "Ele olhou para mim com angústia. "Eu só queria a
minha filha."
Confusão me passou. "O que você está falando, Lev?"
"É minha culpa que ela está morta", ele falou asperamente.
Suspirei. Claro que ele sentiu que era sua culpa. Ele queria que
sua filha tão mal que ele provavelmente pensou que ele era a causa.
"Não, querido." Eu segurei suas mãos e falei baixinho. "Isso não foi
culpa sua." Ele balançou a cabeça com firmeza.
"Sim, foi."
Falei com firmeza, "Não, não foi."
"Foi." Seu rosto ficou triste. "Eu tive Mirella plantando cocaína em
sua casa." Ele fechou os olhos, angustiado. "Ela morreu de uma
overdose." Oh, merda.
Nós estávamos em apuros.
Foi um dia triste na casa Leokov. Depois que Lev tinha confessado
sua participação na morte de Irina, embora meu coração estava
doendo, eu calmamente pedi-lhe para me contar a história toda.
Lev explicou que ele estava planejando algo grande por meses.
Mirella estava esperando o momento certo para plantar as drogas, de
preferência após Irina estar fora em um bender toda a noite, o que
passou a ser apenas na noite anterior. Mirella tinha chamado a polícia
à casa apenas depois das sete horas da manhã, e quando chegaram à
casa, Mirella os tinha escoltado pela casa até a sala, onde Irina dormia
no sofá.
Quando Mirella tentou acordá-la, ela sabia que algo estava errado.
Seu corpo estava rígido. Irina já estava fria.
Lev me disse que nunca teve a intenção de que isso acontecesse.
Ele odiava Irina, mas ele não queria que ela morresse. Ele só queria os
serviços da criança para remover Lidiya de cuidados de Irina para que
ela pudesse voltar para casa.
Igor Alkaev chamou Lev logo depois de dizer a ele que Irina tinha
falecido. Igor estava devastado. Lev estava genuinamente chocado.
Isso não fazia parte do plano.
A polícia contatou Lev e ele lhes disse que estaria lá o mais rápido
possível para coletar Lidiya. Ele pediu que Mirella ficasse com a
criança até que ele foi capaz de voar para baixo para que Lidiya não
estivesse estressada pela situação.
Quando Lev pediu para falar com Mirella, ele foi avisado de que
ela estava sendo entrevistada e que Lidiya atualmente estava
brincando com um oficial de serviços da criança.
Lev entrou em pânico.
Ele ia perder a filha.
Lev me pediu para ir com ele para obter Lidiya, e eu lhe disse que,
mesmo que ele não quisesse que eu fosse, eu teria. Quatro horas mais
tarde, estávamos voando para fora para trazer Lidiya para casa. Ou
isso, ou para Lev ser preso.
Meu peito apertou todo o caminho. Eu sabia no meu coração que,
se Lev foi a causa da morte de Irina que isso era acidental. Você
simplesmente não podia fingir o choque que Lev tinha no rosto tenso.
Eu planejei para estar lá ao seu lado todo o caminho. Eu escolhi
acreditar que Lev não tinha nada a ver com a morte de Irina. Pensar de
outra forma era também extremamente doloroso. E até o momento em
que a polícia tinha evidências que sugerisse que ele fez, eu estaria lá,
segurando sua mão.
Ele não falou todo o caminho até lá, apenas segurou-me como
uma tábua de salvação. Quando chegamos à delegacia, ele foi próximo
a três horas Lev foi solicitada a identificação e, uma vez que sua
identidade foi confirmada, um policial escoltando-nos para passar. "Eu
sinto muito pela sua perda, Sr. Leokov."
Lev respondeu calmamente, "Senhorita Alkaev e eu não éramos
próximos. A única coisa que tinham em comum era nossa filha, mas
obrigado. "
O policial assentiu em entendimento. "Ainda assim, é muito
angustiante quando alguém toma a vida deles."
Apertei a mão de Lev forte e perguntou, com os olhos arregalados,
"Eu sinto muito. O que você disse?"
O policial piscou os olhos, surpreso. "Peço desculpas. Pensei que
já tinha sido informado sobre a situação. "
Lev balançou a cabeça. "Me disseram que ela morreu de uma
overdose."
O homem assentiu. "Sim, nós acreditamos que sim. Encontramos
três recipientes vazios de pílulas perto do corpo, bem como uma nota.
Acreditamos que este foi um suicídio causado por overdose intencional
de medicação por prescrição. Mas a família solicitou uma autópsia.
Relatórios de toxicologia normalmente levam de quatro a seis semanas,
mas a causa da morte foi listada como suicídio. "Eu olhei para Lev. Ele
olhou para mim.
Tivemos uma conversa silenciosa usando apenas os olhos.
Oh senhor.
Oh, obrigado, Deus.
Ele não tinha nada a ver com isso.
Lev era inocente.
Fomos levados para uma pequena sala onde nos disseram para
esperar. Esperamos em completo silêncio, e quando a porta se abriu,
veio Mirella segurando Lidiya dormindo, seguida por uma mulher em
um terno. Mirella tentou sorrir, mas ela parecia cansada. Ela entregou
Lidiya para Lev e ele segurou sua filha apertado.
A mulher, que se apresentou como Detetive Maria Palmer, pediu a
Lev para lhe dizer um pouco sobre sua relação com Irina. Lev disse a
ela que ele não tinha um relacionamento com Irina Alkaev.
Ela assentiu com a cabeça em compreensão. Quando ela
perguntou se ele sabia que Irina tinha sido submetido a
aconselhamento para depressão, Lev respondeu que não.
Detetive Maria Palmer tinha-nos dito que a morte de Irina não
seria tratada como suspeita, que tinha razões para acreditar que Irina
vinha planejando isso por um tempo. Quando a polícia tinha
procurado computador de Irina, eles encontraram um motor de busca
aberta intitulada 'maneiras mais fáceis de se matar'.
Ela olhou para Lidiya e balançou a cabeça tristemente. "Minhas
profundas condolências a todos vocês. Você é livre para levar a sua
filha para casa. Nós não queremos causar nenhum estresse. Se tiver
alguma dúvida, nós vamos chamar. "
Lev pensou em pegar o próximo voo para casa, mas eu o
aconselhei contra isso. Em vez disso, temos um quarto de hotel no
aeroporto, e uma vez dentro da suíte, ele colocou Lidiya para baixo em
uma das camas de casal, cobrindo-a. Lev, em seguida, virou-se para
Mirella e perguntou baixinho: "Você fez isso?"
Mirella balançou a cabeça cansada. "Não."
"Como isso aconteceu?" Ele questionou.
"Eu não sei", respondeu ela. "Irina deve ter planejando isso há
algum tempo. Ela estava claramente mal. "
"Então o que aconteceu com as drogas que você plantou?"
"Confiscado, juntamente com todas as outras." Mirella olhou para
ele. "O saco estava intacto, Sr. Lev. Eu juro."
Sentou-se na cama com um suspiro. "Merda. Então eu não a
matei? Ela realmente matou a si mesma? "
Mirella falou baixinho: "Sim, eu acredito que ela fez."
Sentei-me na cama ao lado dele, descansando minha cabeça em
seu braço antes de virar para beijar seu ombro. "O que agora?"
Ele olhou de Mirella para Lidiya, em seguida, de volta para mim.
"Agora vamos levar Lidiya para casa e dar-lhe a vida que ela deveria
ter." Ele olhou para Mirella. "Você está vindo?"
Mirella sorri fracamente para baixo na menina que dorme na
cama. "Onde Lidiya for, eu sigo." Na manhã seguinte, voamos casa.
Lidiya segurou o pai dela todo o caminho.
Nas e Sasha cumprimentou-nos à porta, na esperança de obter
um pouco de amor de Lidiya, mas, infelizmente, ela tinha adormecido
no carro.
Mirella levou-a para o seu quarto para tirar uma soneca em paz, e
Sasha abraçou seu irmão, batendo-lhe nas costas com força. "Tudo
certo?"
Lev suspirou. "Sim. Eu acho que sim."
Nas gentilmente perguntou, "O que aconteceu?"
Lev olhou para mim antes de virar para seu irmão e irmã. "Irina
engoliu um monte de pílulas." Ele deixou escapar um suspiro. "Deixou
um bilhete dizendo que sentia muito."
Nas engasgou suavemente com a testa franzida de Sasha. "Ela se
matou?"
Lev assentiu. "Sim, os policiais não estão tratando a morte como
suspeita, então eu acho, sim, que ela fez."
Sasha desceu ao ponto principal. "E Lidiya?"
Lev suspirou cansado. "Ela está em casa para o bem."
Nas sorriu tristemente para isso. "Eu sei que você queria ela em
casa, mas eu tenho certeza que você não queria que ela voltasse para
casa desta maneira." Ela colocou os braços ao redor da cintura de Lev.
"Eu sinto muito, Lev."
Ele deu-lhe um aperto. "Obrigado."
Quando Nas soltou, Sasha apertou seu ombro. "Nós estamos com
você. Se você precisar de alguma coisa, você deixe-nos saber. "
Com sua gentil oferta, eles sairam, e tendo Lev pela mão, eu o
levei para o quarto no andar de cima, fechando a porta atrás de nós.
Puxei Lev para a cama e ele entendeu o recado, deitou-se. Eu me
enrolei no seu lado e esperei.
Ele acariciou meu lado um longo tempo antes dele sussurrar. "Eu
pensei que eu a matei."
Eu beijei seu peito coberto e falei baixinho: "Você não fez,
querido."
"Eu sei", ele desenhou uma respiração instável, "mas eu pensei
que eu fiz."
Eu não respondi. Ele torturou-se bastante ao longo das passados
vinte e quatro horas. Ele estava assombrado que ele poderia ter sido a
causa da morte de Irina. Ele precisava de tempo para se acalmar com o
fato de que ele não fez nada de errado.
E eu estaria lá, mesmo em silêncio, se isso era o que ele
precisava.
Uma semana se passou muito rapidamente.
Sob as circunstâncias imprevistas, Sasha decidiu encerrar o clube
até a quinta-feira seguinte, com a reabertura na próxima sexta-feira,
dando-nos todo o tempo com nossa pequena ursa Lidi.
Ela tinha se ajustado bem, se os risos estridentes foram qualquer
coisa perto. Todos nós lutamos por sua atenção, mas o lugar que ela
parecia mais confortável estava nos braços de Lev, apenas observando
o mundo de maneira acima.
A mudança de Lev foi incrível.
Ele estava sorrindo mais, rindo mais, e nem mesmo apenas com
Lidiya, para todo mundo. Meu doce homem estava se esforçando para
ser o pai que Lidiya merecia, mas Lev era Lev. Ele era especial a sua
maneira, e um dia, eu sabia Lidiya iria vê-lo pelo homem que ele era.
Os cachos de flores começaram a chegar na casa. Cartas de
condolências seguido. Igor Alkaev educadamente pediu a Lev para
assistir ao funeral de Irina, mas Lev respeitosamente declinou. Ele
disse ao homem. "Eu sinto muito pela sua perda, Igor, mas não vamos
fingir aqui. Irina fez minha vida um inferno de qualquer maneira que
podia. Sinto muito que ela está morta, mas eu não vou estar chegando
ao seu funeral. Nem Lidiya." Foi um momento triste, mas eu estava
orgulhoso dele.
Igor pediu a Lev se ele e sua esposa seria capaz de ver Lidiya na
ocasião, e Lev disse que ele teria que pensar sobre isso. Falamos sobre
isso longamente, e Lev chamou Igor de volta para dizer-lhe que, se eles
queriam ver Lidiya, eles teriam que vir para a casa e fazê-lo sob a
supervisão de Lev. O velho estava ofendido com a oferta.
Duas horas mais tarde, sua esposa ligou de volta e aceitou a
oferta.
Nós entendemos que eles estavam de luto, mas depois de toda a
merda que eles puxaram, elas tiveram sorte Lev estava oferecendo até
mesmo isso. Igor Alkaev não merecia ver Lidiya, mas ambos
entenderam que genuinamente amavam Lidiya, e ela não deve ser
punida porque suas famílias não se dão bem. O fato de Lev ir dando-
lhes a oportunidade de vê-la foi um milagre, na minha opinião.
Eu entrei na sala, sorrindo largamente ao som da risada de Lidiya
selvagem. Encontrei-a no chão, chutando através de seu riso, com
Sasha ruidosamente fingindo comer sua barriga. "Pare, Asha!" Ela
gritou por sua alegria. "Não mo! Não mo! "
Foi hilário ver um homem em um terno reduzido a isso.
Sasha levantou a cabeça. "Não mais? Você tem certeza? Porque eu
ainda estou com fome ".
Outro estrondo de risos. "Não mo. No. Asha pagar uma mim?" Ela
perguntou quando ela se levantou e correu até o lugar, onde montou
seu jogo de chá.
Sasha olhou o relógio. "Baby, eu adoraria jogar com você, mas eu
preciso ir." Ele andou até ela. "Venha aqui."
Lidiya já estava segurando os braços para cima. Eu assisti a
partir da porta quando Sasha levantou-a e abraçou apertado,
segurando uma mão na parte de trás de sua cabeça com ternura. "Eu
amo você", ele disse a ela calmamente.
Ela se afastou, franzindo os lábios carnudos. "Beijo?"
Sasha sorriu, batendo um sonoro beijo em seus lábios antes de
colocá-la para baixo. "Tchau, princesa. Seja boa."
Ela se sentou no tapete, acenando dessa forma com quase três
anos abaixando de cima a baixo e super flexível. Eu sorri para Sasha
enquanto passava. Ele empurrou o queixo para mim e saiu.
Fui orientado para a sala e sentei-me perto de Mirella. "Como você
está fazendo?" perguntei em voz baixa.
Ela deixou escapar um longo suspiro. "Eu estou bem." Ela estava
claramente mentindo.
"Você precisa de uma pausa," eu disse a ela honestamente. "Você
está exausta."
Ela balançou a cabeça, mas a boca traiu ao bocejar. "Estou bem."
Eu estava de pé, puxando-a pelo braço. "Vá. Shoo. Durma um
pouco. E não se atreva a vir até amanhã de manhã. Você está de folga."
Ela sorriu, piscando, cansada. "Se você tem certeza ..."
"Eu tenho certeza", eu havia dito, delicadamente empurrando
para fora da porta. "Agora fuja."
Mirella foi pelo corredor até seu quarto e fechou a porta atrás
dela. Foi bom tê-la por perto, mas a pobre mulher precisava de uma
pausa de vez em quando. Era natural que ela estava fadada a
sucumbir à fadiga.
Lidiya puxou minha mão e sorrindo, me abaixei para pegar o meu
urso gordinho. "Ei, você", eu disse, batendo um beijo na bochecha
gorda. "Você quer brincar comigo?"
"Pagar um me, Eena." Ela chutou suas pequenas pernas,
tentando descer. Eu ri e deixei que seus pés tocassem o chão. Ela
correu para o jogo de chá e eu segui. Ela serviu chá e fingi que
comemos cookies, e ela disse a mesma coisa que ela tinha vindo a dizer
durante uma semana inteira.
"Mama domindo."
Quebrou meu coração cada vez maldita. Minha expressão triste,
eu repeti gentilmente: "Sim, querida. Mama está dormindo. "
Como é que você explica para uma criança de dois anos de idade
que sua mãe estava morta?
Você não fazia. Foi angustiante o suficiente como foi que ela iria
estar permanentemente separada de Irina, e independentemente de
quantas vezes eu tinha dito que Irina foi uma mãe ruim, eu tinha
certeza que Lidiya não a via dessa forma. Eu gostava de acreditar que
Lidiya amava sua mãe. As crianças eram engraçadas assim. Quando
davam uma emoção, elas devam tudo. Eu queria acreditar que, mesmo
Irina não era imune ao amor de sua filha.
Lidiya logo ficou doente de jogar e agarrou seu cobertor, jogando o
dedo em sua boca. Ela se aproximou de mim como se não fosse grande
coisa para vir mais e enroscar-se no meu colo, as pernas balançando e
sua cabeça apoiada no meu peito.
Eu adorava esses momentos, onde era só eu e Lidi, onde ela dava
esse amor tão livremente, quase como se ela soubesse que eu
precisava. Eu sabia que ela não era minha filha pelo sangue, mas ela
era a filha do meu coração.
Dez minutos se passaram e o anjinho estava definitivamente
dormindo com todos os membros largados. Eu beijei a testa dela e
segurei-a firmemente. Eu não precisava mais do que isso.
Eu sussurrei em seu cabelo, "eu teria dado qualquer coisa para
ter uma filha como você, minha Lidi. Estou feliz que você está em
casa."
Atrás de mim, na soleira da porta, veio, "Você quer ter filhos?"
Virando a cabeça, vi Lev ali de pé, com uma expressão suave ao
ver suas duas meninas favoritas. Eu sorri. "Eu amo crianças." Eu
adicionei rapidamente, "Eu pensei que você estava destinado a estar
trabalhando, senhor."
Ele se inclinou seu corpo alto contra a parede. "Eu estou
distraído."
Eu entendi. A tentativa de Lev para enterrar-se em livros do
Bleeding Hearts não estava funcionando.
"Venha aqui", eu disse a ele.
Ele não hesitou. Eu sabia o que ele precisava.
Uma vez que ele estava sentado ao meu lado no sofá, eu
gentilmente passei Lidiya até ele. A menina gordinha foi sem esforço no
colo de Lev. Ela fungou em seu sono, mas rapidamente ficou
confortável em seu pai. Ele deu um suspiro de alívio e pressionou
beijos suaves em seu cabelo.
Ele a amava pra caramba. Eu encontrei-me engasgada sobre ele.
Descansando sua bochecha em sua pequena cabeça, ele se virou
para mim. "Eu faço um bom garoto, se você estiver interessada", ele
terminou com um sorriso.
Eu ri e balancei a cabeça para sua terrível piada. Meu sorriso
vacilou, como eu sabia que era hora de trazer algo que eu estava
temendo. Eu estava segurando isso por uma semana inteira. Era
barato trazer isso depois que Irina tinha morrido.
"Lev, querido," eu comecei, "Eu preciso te perguntar uma coisa, e
eu preciso de você para não ficar com raiva de mim sobre isso, ok?"
Ele franziu a testa, balançando Lidiya. "Ok."
Minha boca seca, eu tentei explicar a maneira rápida. "Alessio
encontrou os Petersons para mim." Pela maneira como seu corpo ficou
rígido, eu tive a minha resposta. Mas eu tinha que perguntar. "Eu
preciso saber se você encontrou-os em primeiro lugar. Eu preciso
saber se você mentiu para mim. "
Decepção me inundou quando ele respondeu calmamente: "Eu
não estava pronto para que você possa vê-los." Ele continuou: "Eu não
estava pronto para você me deixar."
Meus olhos se fecharam, eu soltei um suave, "Eu te amo, Lev,
mas isso ... isso não era sobre você." Meus olhos pularam por trás de
minhas pálpebras fechadas. "Eu implorei para você encontrá-los. Você
me disse que faria. Sabendo que eu poderia tê-los visto mais de um
mês atrás ... dói. "
"Sinto muito", disse ele naquele tom robótico seu.
Meus olhos se abriram. "Eu não acho que você sente." Eu balancei
minha cabeça. "Eu acho que você está arrependido por que você foi
pego." Levantei-me e falou suavemente, "Eu vou vê-los esta semana, e
eu estou tendo Alessio comigo. Não tente me impedir." Fiz uma pausa
por um momento. "Eu estou chateada com você, baby." Não houve
calor no que eu disse, apenas desapontamento.
Ele piscou para mim, quase como se minha declaração
tranquilamente falada o chocasse. Ele repetiu com mais sentimento,
"Sinto muito, Mina."
Minha voz plana, eu saí da sala, murmurando. "Eu também"
Ele me encontrou deitada na nossa cama uma hora mais tarde,
olhando para o teto.
Minha frustração estava lá, clara, mas eu não estava indo para
fazer Lev se afogar nela. Isso não era meu estilo. Forcei um sorriso. "Ei.
Onde está a princesa? "
Seus olhos não encontraram o meu. "Nas roubou-a para longe."
Eu verifiquei o tempo no meu telefone. "Ela vai estar com fome em
breve."
"Sim. Nas vai mantê-la para o jantar. Ada fez espaguete. "Ele
suspirou, entrando no quarto. "Eu preciso que você entenda algo sobre
mim." Eu esperei com cuidado. Ele abriu os braços e disse: "Eu sou
egoísta."
Minha testa se juntou. "Não, você não é. Você não é egoísta em
tudo. "
Sua mandíbula ficou apertada, ele se sentou na beirada da cama
e acenou com a cabeça. "Eu sou. E eu sou cruel. Quando eu quero
algo, eu vou fazer o que puder para obtê-lo ".
Isso não soa como o Lev que eu conhecia. "Você está sendo
dramático."
Seus olhos encontraram os meus quentes. "Eu não quero que
você veja os Petersons por duas razões." Ele levantou um dedo. "Eu
queria punir Maggie Peterson no conhecimento que você a estava
procurando, mas ela não poderia encontrá-la. Eu queria que as
palavras que ela falou para você no dia em que fugiu apodrecesse em
sua boca como vermes. Ela te machucou. Eu queria que ela sofresse as
consequências de suas ações naquele dia. "
Uau. Que era uma espécie de implacável. Limpei a garganta e
perguntei: "E a segunda razão?"
Ele baixou o rosto e moeu fora. "O filho, James, está divorciado
recentemente."
Eu não entendi. "O que isso significa?"
Sua expressão feroz, ele declarou: "Eu não ia perdê-la para um
homem que você amou uma vez. Isso não ia acontecer. "
Minha irritação provocou a isso. "Você não confia em mim?"
Ele me prendeu com um olhar compreensivo. "Quando Anika está
por perto, sou eu que você não confia, ou é ela?"
"Ela", eu gritei em descrença de que ele mesmo me perguntasse
isso. Então eu percebi que ele tinha feito um ponto. "Ok," eu comecei,
"Eu entendo suas razões estúpidas por não querer me deixar vê-0los,
no entanto elas são inválidas. Mas," Eu suspirei, "as coisas mudaram.
Eu mudei. Acho que já deixei claro que eu te amo. Você. Não James. "
Lev chegou a desabotoar o colarinho de sua camisa. "Você não
sabe que se vê-lo não iria trazer à tona sentimentos de idade."
"Isso é verdade," eu admiti. "Mas esses sentimentos que você está
falando de que eram de uma menina de dezesseis anos de idade, que
estava chocada que um cara iria realmente notá-la, não uma mulher
de vinte e quatro anos de idade." Estendi a mão para embrulhar minha
mão em volta da sua. "Eu não desmaio em cada cara que me lança um
olhar apreciativo, não é?"
Ele suspirou, lutando para afrouxar a gravata com a mão livre,
empurrando-o com força. "Você o amava." Ele não estava errado. Eu
amei James. Mas isso foi uma época atrás.
Esse amor tinha se desvanecido e abriu espaço para um amor
maior. Um amor maduro. Um amor real.
Tomando sua mão, coloquei-o em seu colo enquanto eu
trabalhava em afrouxar a gravata suavemente. Falei baixinho, "Eu te
amo." Eu desfiz o laço de seda, drapeado sobre os ombros. "Eu quero
você." Puxando em ambos os lados da seda, eu tirei perto e em seu
rosto. "Você me entende?"
Sua mão veio para descansar no topo da minha cintura e ele
xingou fora uma respiração longa. "Eu não posso te perder."
Eu me inclinei para a frente apenas o suficiente para capturar os
lábios em um beijo quente, amoroso. "Você confia em mim?"
Não houve hesitação em sua resposta áspera. "Sim."
Eu coloquei a mão contra sua bochecha em seguida, joguei as
suas palavras de volta para ele. "Então confie em mim."
Passamos a tarde na cama, abraçados e se beijando como um
casal de adolescentes de dezesseis anos.
Era manso e exatamente o que precisávamos.
Qualquer dia passado com Lev era perfeito.
Simplesmente perfeito.
Quando Nas queria algo, ela jogava duro para consegui-lo.
Por volta das seis, Lev caminhou até sua casa para buscar Lidiya,
mas voltou de mãos vazias com uma carranca no rosto.
Eu lutei contra o meu sorriso. "O que aconteceu?"
Ele fechou a porta com mais força do que o necessário,
grunhindo. "Festa do pijama. Nenhum menino permitido,
aparentemente. "
Eu ri, em seguida, fiz o meu caminho até ele e envolvendo meus
braços em torno dele. "Você não é o único que sentia falta dela, sabe?"
Ele franziu a testa para mim. "Eu só quero ela aqui comigo." Seu
rosto se suavizou. "Conosco."
"Foi apenas uma semana, querido. Elas estão animadas. Vai levar
tempo para elas obter fora de seus sistemas. Eles a amam até a
morte."
Ele ergueu as mãos para desabotoar a camisa. "Eles vão ser a
minha morte."
Meu cérebro sorriu. Eu tive a distração perfeita. Eu apertei sua
cintura. "Hey, eu posso obter a sua opinião sobre algo? Eu preciso de
você para ser honesto embora. "
Ele parecia cansado, mas era sempre prestativo. "Claro, mouse."
Eu estava indo para remediar essa exaustão. Eu sorri
inocentemente. "Ótimo. Você sente-se confortável, e eu vou estar de
volta em apenas um segundo." Corri para o baheiro privado, pegando o
saco de roupa preta no caminho. Fechei a porta bem a tempo de ver
Lev atirar-se de costas na cama, descansando um braço sobre os
olhos.
Levou menos de cinco minutos para me vestir, e quando eu abri a
porta, Lev estava na mesma posição que o deixei. Eu andava devagar,
com cuidado nos calcanhares, para não me envergonhar por cair de
cara. Quando eu estava alguns pés da cama, eu limpei minha
garganta.
Lev levantou a cabeça com um suspiro, e quando seus olhos
pousaram em mim, eles se arregalaram comicamente.
Inconscientemente, ele manteve os olhos em mim, mas estendeu a mão
para o pau dele, agarrando-o firmemente em sua mão.
Eu estava alta, as pernas afastadas, pura expressão. "Opinião
honesta, querido." Eu me virei para ele lentamente, e pedi num
sensual: "Isto é mais quente do que peitos e bundas?"
Seus olhos arrastaram no azul marinho muito pequeno
equipamento de marinheiro branco. A saia de babadinhos lindamente
e acrescentando nenhuma cobertura em tudo, revelando minha
calcinha de cetim e renda marinheira. A camisa branca que vem
apenas sob meus seios, eu usava aberta, mas empatada em meu
decote. Meu chapéu bonito do marinheiro preso no alto do lado
esquerdo da minha cabeça, eu assisti enquanto seus olhos se
arrastaram em minhas pernas e as meias arrastão na coxa que as
cobriam, em seguida, mais para baixo aos meus brancos saltos peep-
toe.
Sorrindo, eu espalhei o leque emplumado e acenei na frente do
meu rosto. "Querido eu preciso de sua opinião sincera."
Lábios cheios de Lev se separaram levemente e ele apertou-se
forte. Ele murmurou distraidamente. "Muito mais quente do que peitos
e bundas."
"Então, essa coisa burlesque poderia trabalhar?"
Ele balançou a cabeça lentamente antes de se levantar e perseguir
lentamente em direção a mim. Engoli em seco e dei um passo
cambaleante para trás em meus calcanhares. "Lev?"
Eu rangia quando ele pulou sobre mim, me enfrentando no chão.
Eu gemia quando ele me virou de joelhos, puxou para baixo o pedaço
de cetim cobrindo minha buceta, e dirigiu em mim por trás. Eu
suspirei quando nos lançamos depois de momentos separados. Eu
sorri sonolenta quando ele me levou para a cama, me deitando com
facilidade suave, envolvendo os braços em volta de mim.
Oh sim.
Essa coisa burlesque poderia realmente funcionar.
"Devagar!" Eu gritei, ligeiramente ofegante.
Nós estávamos indo para chegar lá muito cedo. Eu não queria ir
mais cedo. Que tipo de perdedor se mostrava cedo?
Eu. Que é quem.
Lev estendeu a mão para apertar a minha mão. "Nós estamos indo
abaixo do limite de velocidade, mouse. Nós não estamos indo chegar
cedo."
Nós estávamos em nosso caminho para cumprir os Petersons. Era
uns quarenta e cinco minutos de carro de onde atualmente morava, e
com Lidiya no banco de trás, cantando para si mesma, fiz cada
desculpa que havia para encostar.
O primeiro tinha sido que eu pensei que Lidiya estava com frio,
mas quando Lev verificou pelo retrovisor e viu Lidiya sorrindo de volta,
acenando com a onda vacilante e dizendo que seu doce "Hewwo, Papa!"
Ele se virou para mim, as sobrancelhas levantadas. Eu encolhi para
dentro de mim.
Eu não ia admitir que estava nervosa. De jeito nenhum, não
como.
O segundo tempo, eu tentei dizer a Lev que eu precisava fazer xixi.
Ele me disse que eu não precisava. Eu gritei que eu precisava.
Então, ele sorriu para mim.
O imbecil.
Na terceira vez, eu disse a ele que eu pensei que tivesse visto as
datas misturadas e deveria ir para casa para verificar. Por esse ponto,
Lev estava ignorando meu estado histérico e assobiando junto com o
rádio, enquanto Lidiya observava o pai dela de perto antes de colocar
os lábios como se ela estava indo para assobiar, mas fazendo um
barulho estridente horrível através do pequeno furo que a boca estava
fazendo.
Eu não queria rir. Por que ela estava me fazendo rir? Deveria ter
sido ilegal ser bonita. Sério.
Meu rosto estava quente e eu respirei fundo através do nó no
estômago. Vesti-me bem, querendo impressionar, mas não muito.
Então, eu usava calça jeans preta e uma blusa branca com o meu
blazer branco por cima. Vesti minhas sapatilhas pretas, aplicando um
pouco de maquiagem, e em seguida, amarrado meu cabelo em um rabo
de cavalo alto.
E agora? Agora eu tinha certeza que eu ia explodir em pedaços
por todo estofado do Camaro.
Chegamos lá pouco depois das duas da tarde, e enquanto Lev
tirou Lidi para fora do carro, eu esperei dentro, recolhendo meus
pensamentos. Depois de um minuto para mim mesma, Lev abriu a
porta do passageiro, parecendo lindo em sua calça jeans, camiseta e
jaqueta, segurando um Lidi adorável em seu vestido bonito rosa e
casaco de lã branco, seus cachos uma confusão caótica no topo de sua
cabeça.
Com estes dois ao meu lado, eu estava pronta como eu jamais
estaria.
Eu peguei a mão de Lev e sai do carro. Ele trancou-a, colocou o
braço em volta de mim, e me levou para a casa de aparência modesta.
Então, de repente, o nó no estômago desapareceu em um beliscão. Um
segundo depois, ele se foi completamente. Outro momento e eu não
estava mais com medo. Eu tinha uma vez amado essas pessoas. Não
havia nenhuma razão para ter medo.
Nós nos aproximamos da porta da frente juntos, e o braço de Lev
apertou ao redor dos meus ombros. Eu dei um passo à frente para
pressionar a campainha.
Um carrilhão alto soou, e nem dez segundos depois, a porta se
abriu.
A mulher que estava ali parecia diferente, mas em todas as linhas
em seu rosto e cabelo listado, descobri Maggie Peterson.
As sobrancelhas dela se baixaram e ela colocou a mão trêmula à
boca em incredulidade. "Mina é você, querida?"
No meu sorriso, um suspiro escapou dela e ela não pediu
permissão. Ela colocou os braços em volta de mim e me puxou para
um apertado, caloroso abraço, seu corpo tremendo o tempo todo. Eu
levantei meus braços para abraçá-la de volta e ouviu seus sussurros
de trêmulas, "Oh, Mina," e "Minha pequena garota."
Engoli em seco através da espessura na minha garganta e apertei-
a com força. Quando ela se afastou, seus olhos estavam úmidos, mas
ela estava sorrindo. "Onde estão as minhas maneiras?" Ela fez sinal
para todos nós. "Por favor, entrem. John e James estão de volta."
Eu furtei a lágrima perdida. Eu não sabia que tinha caído e
seguiu para dentro, com Lev e Lidi arrastando atrás de mim. Enquanto
caminhávamos pelo corredor, vi imagens de novos membros da família
de todas as raças e origens. Eu sorri e perguntei: "Mais filhos e filhas?"
Ela sorriu fracamente e deu de ombros. "Nós só fazemos
promoção temporária agora. Não mais do que seis meses de cada vez ".
Ela não falou muito sobre isso, mas eu tinha a sensação de que a
culpa foi minha.
Maggie segurou a minha mão quando entramos no quintal. "John.
James. Olha quem está aqui."
Um homem com a aparência do John que eu lembrava levantou
do seu lugar na mesa. Ele sorriu largo e não perdeu tempo; ele veio
para a frente e me envolveu em um abraço de urso. "Oh, Mina, Mina. O
que eu vou fazer com você?"
Nós nos separamos e eu sorri gentilmente. "Você parece bem,
John."
Ele riu e deu um tapinha no seu ventre. "Sim, com certeza. Estou
surpreso que você não perguntou quando eu estou devido." Ele riu
bem-humorado.
Mas o homem que estava junto à sua cadeira, olhando para mim
como se eu o tivesse traído da pior maneira possível, me chamou a
atenção. "James", eu respirei.
Ele ainda era bonito como sempre dessa maneira Americana. Seu
cabelo castanho arenoso cortado ordenadamente, seus olhos azuis
claros, ele parecia mais bonito do que eu me lembrava. Não houve
sorrisos poupados para mim naquela tarde. Ele proferiu, "Mina. É bom
te ver."
A maneira como ele disse isso indicava que sua declaração era
uma mentira. Um grande um, de merda.
"Sim." Minha voz era pequena. Eu distraidamente esfreguei meu
antebraço. "Você também. Onde estão os gêmeos? "
John revirou os olhos, mas ele fez isso sorrindo. "Em uma casa de
amigos. Os adolescentes. "Houve um momento de silêncio antes de
espessura que John pigarreou. "Bem, você vai nos apresentar a este
bacana ou vamos ter que adivinhar?" Ele sorriu mais amplo. "Porque
se eu tivesse que adivinhar, eu daria a ele o nome de Thor."
Meu sorriso voltou com força total. John não tinha mudado nada.
Eu dei um passo para trás, permitindo que Lev colocasse o braço
em volta de mim. Eu olhei em seus olhos quentes cor conhaque
anunciado. "Este é o meu ... o meu ..." Meu sorriso suavizou. "Este é o
meu Lev." Seu braço apertou em torno de mim. Ele abaixou-se para
beijar a minha testa. Inclinei-me para ele e acrescentei: "E a pequena
princesa no quadril de Lev é sua filha, Lidiya."
Maggie se aproximou, deu uma olhada para Lidiya, e sorriu. "Oi,
princesa. Gostaria de uma boneca para brincar? "Ela olhou para Lev e
explicou:" Eu tenho toneladas de brinquedos se ela quiser brincar com
alguma coisa. "
Lev olhou para Maggie um longo momento antes de colocar Lidiya
no chão. Meu coração bombeava duro antes que desacelerasse de
alívio quando Lidi pegou a mão de Maggie e piscou para ela. "Eu pego
uma boneca?"
Maggie olhou para a fofura que era Lidiya antes de anunciar:
"Claro que você pode brincar com uma boneca".
Essa era a única coisa boa sobre Maggie. Ela falava fluente bebê.
Quando Maggie desapareceu dentro com Lidi, John gesticulou
para a mesa e nós nos sentamos. "O que você quer tomar, Mina? E
Lev,você? O que posso levá-lo a beber? "Eu sorri.
"Eu vou ter um copo de suco."
"O mesmo", respondeu Lev.
John bateu palmas. "Isso vai ser feito. Me dê um segundo."
Ele nos deixou com James e, a como a covarde que eu era, eu me
recusei a olhá-lo nos olhos quando eu perguntei: "Como você está,
James?"
Senti seus olhos em mim. Eu senti a raiva em minha conversa
fiada. A verdade era que eu não estava pronta para discutir o que
aconteceu. Ainda não.
Após uma longa pausa, ele respondeu um baixo, "Apenas bem,
obrigado."
Eu balancei a cabeça. Ele não perguntou sobre mim. Meu palpite
era que ele queria me jogar fora de casa e alegremente nunca me ver
novamente.
Suponho que eu esperava que as coisas fossem um pouco
estranhas, mas ele estava com raiva de mim. Furioso, mesmo. E eu
não entendia por que.
Estávamos ambos culpados pelo que aconteceu. O sexo não
acontece por acaso. Eu não o seduzi. Estávamos juntos nisso. Nós nos
amávamos. Eu estaria ferrada se eu levasse toda a culpa pelo que
fomos pegos fazendo.
Maggie abriu a porta de trás e voltou com Lidiya, segurando uma
boneca Barbie no mesmo tempo em que John voltou com nossas
bebidas. Ele colocou três copos de suco para baixo para Lev, Maggie, e
eu, enquanto ele e James deram um gole na cerveja.
Bem ... isso ia ser divertido.
Sobre ser tão divertido como arracar os dentes, pensei.
"Então," Maggie começou levantando os ombros em um encolher
de ombros. Ela segurou um sorriso firme, mas as sobrancelhas foram
puxadas para baixo em um aspirante a carranca. Ela perguntou em
voz baixa: "Onde você estava, querida?"
Eu abri minha boca para responder, mas nada saiu. Escancarado
dei uma boa olhada em mim. Em vez disso, Lev respondeu
calmamente, "Até três meses atrás, Mina viveu nas ruas." Silêncio.
Duro como concreto.
"O que aconteceu há três meses?" Perguntou James friamente.
Lev soltou: "Eu a encontrei." Sua mensagem foi implícita. Eu era
sua. Sua mão desceu na minha coxa, apertando levemente.
John supôs " você escolheu ser sem-teto sobre viver com a gente?"
Ele parecia magoado.
Os olhos de Maggie brilhava. "Gostaríamos de ter tomado conta de
você, querida. Você era a nossa menina. "
Era engraçado que sete anos poderia fazer a uma pessoa. Ao ouvir
toda essa besteira, eu encontrei-me amarga. Eu zombei, "Oh sim? Eu
pensei que não era nada, mas um pouco prostituta, era isso Maggie?
Não é disso que você me chamou? Oh espere, não. Isso não está certo.
Aparentemente, eu era um pouco vagabunda." Maggie recuou, sua
expressão de dor, mas não estava feita.
"Você estava com raiva de mim." Eu me virei para um sombrio
John. "Vocês dois." Eu olhei para James. Sua mandíbula apertada. "E
você ..." Eu balancei minha cabeça. "Você não disse nada." Meu
coração se apertou. "Você disse que me amava, mas quando fomos
apanhados, onde você estava? Escondendo com o rabo entre as
pernas, que é onde." Eu balancei minha cabeça. "Não me diga que eu
tinha um lugar aqui. Eu os considerei os meus pais até aquele dia. "Eu
olhei para James. "Eu não era a única culpada."
John falou baixinho. "Eu acho que todos nós mal tratamos a
situação."
Maggie sacudiu a cabeça. "Não. Eu lidei com a situação mal. "Ela
piscou as lágrimas. "Eu sei que não significa muito agora, mas me
arrependi dizendo essas coisas para você no segundo que elas estavam
fora da minha boca." Ela tentou forçar uma risada, mas saiu um
gemido. "Eu nem sei por que eu disse isso. Mas eu me arrependi por
sete anos. "Sua emoção me bateu duro.
Eu me senti como um idiota. "Não foi só você, Maggie. Toda a
situação estava fora de controle." Eu suspirei. "Não havia nenhuma
maneira que você teria deixado James e eu estar juntos. Mesmo que de
alguma forma você estava bem com ele, que você não fosse, os serviços
de criança teriam me colocado em uma casa diferente quando eles
descobrissem. Eu tinha dezessete anos. Eu não queria ir para outra
casa." Minha respiração ficou presa como eu soltei quebrada. "Esta foi
a minha casa. "
Na minha súbita aflição, Maggie quebrou. Ela colocou a mão
sobre o rosto e chorou silenciosamente. O clima na mesa tinha
umedecido um entalhe e meio. John sentou-se calmamente, enquanto
James franziu a testa para baixo em suas mãos.
Isso era algo que eu causei. Eu precisava fazer alguma coisa, dizer
alguma coisa. "Para o que vale a pena, vocês foram os melhores. Eu
amei você, e eu nunca pensei mal de você depois do que aconteceu. Eu
só precisava ir. Seja por mim mesma. Eu estava cansada de ser fardo
de outra pessoa."
Com isso, James levantou de repente. "Eu estou fora." Ele não
olhou para mim. "Que bom que você não está morta, Mina."
Antes que alguém pudesse responder, ele se foi. Eu estava antes
de perceber o que eu estava fazendo e o seguiu. Ele não ia me fazer se
sentir culpada, caramba.
Quando eu saí pela porta da frente, ele já estava destrancando o
carro dele. "Qual é o seu problema, James? "
Ele abriu a porta do carro. "Volte para dentro, Mina."
Ele tentou sentar e fechar a porta para mim, mas eu peguei ela
antes que ela fechasse, abrindo-a. "Não. Nós vamos ter que resolver.
Qual é o seu problema? "
James zombou. "Volte para o seu homem, Mina. Esqueceu-se
sobre nós. Novamente." Oooh. Estávamos finalmente chegando ao
ponto das coisas.
"Por que está tão bravo comigo?"
Sua expressão se tornou viciosa. Ele saiu do carro e ficou um pé
longe de mim. "Por que eu estou bravo?" Ele olhou com raiva. "Por que
eu estou louco?" Ele piscou um momento antes de jogar os braços e
gritando: "Você me deixou!"
Uh ... o quê?
Sua mandíbula marcada. "Você nem sequer disse adeus, apenas
arrumou as malas e saiu correndo. Você me deixou. Você nos deixou",
ele ofegava. "Eu amei você."
Meu coração afundou. "Eu amei você, também. Mas quando o
impulso veio, você não se mostrou na época que eu mais precisava.
Sua mãe disse algumas coisas ruins, para mim e você não disse nada."
Ele baixou o queixo, balançando a cabeça. "Eu era um garoto,
Mina. Você era a minha menina. Ela era a minha mãe. Nós dois
sabíamos que o que estávamos fazendo era errado. Por que mais
tínhamos nos mantido oculto? Sabíamos que não deveria ter feito isso,
mas nós amamos um ao outro. Nada mais importava." Ele suspirou.
"Se você tivesse lhe dado algum tempo para esfriar a cabeça ... Ela
ficou chocada."
Eu cerrei os dentes. "Eu tinha dezessete anos de idade. Ela me
chamou de vagabunda. Ela tinha ódio em seus olhos. E você ... você
não foi sequer olhar por mim." Eu disse a ele a verdade honesta. "Você
foi um covarde."
Suas mãos subiram para descansar em seus quadris. Ele
balançou a cabeça lentamente. "Sim, talvez eu fosse. Mas eu teria
desistido de tudo por você. Eu te amei tanto. Eu deixei cair tudo.
Minha bolsa de futebol, minha família, nada disso importava. Se você
apenas me pedisse para arrumar uma mala, eu teria vindo com você.
Nós poderíamos ter estado juntos ", ele terminou em um sussurro.
"Você não sabe o que você está dizendo," eu disse a ele. "Eu nunca
desejaria a vida que eu vivi em cima de alguém que eu amava. Eu nem
sequer queria isso sobre alguém que eu odeio." Debrucei-me contra o
carro dele e olhei para a rua. "Eu estava morrendo de fome, James.
Literalmente morrendo de fome antes de Lev me prender por roubar a
carteira de seu irmão. Eu não estava pronta para morrer. Eu só queria
conseguir algo para comer. Roubar a carteira acabou sendo a melhor
coisa que me aconteceu. Ele mudou a minha vida. "
James deixou escapar um suspiro, apoiando-se no carro no
espaço ao meu lado. "Eu teria sempre fornecido para você. Você nunca
teria tido fome se tivéssemos feito isso juntos. Mas você não me deu a
oportunidade. "
Mudei de assunto. "Eu ouvi que vocês se divorciaram." Eu me
virei para ele. "O que aconteceu?"
Ele olhou para mim, os olhos azuis bebê cheio de tristeza. "Eu
ainda estava apaixonado por outra mulher. Minha esposa se ressentia
disso, por isso ela me deixou." Ele piscou lentamente, estendendo a
mão para pegar a minha mão. "E só foi você para mim, Mina. Só você."
Sua mão estava quente na minha e uma súbita onda de emoção
me bateu. Apertei sua mão e falei baixinho: "Você precisa seguir em
frente, James."
"Como você seguiu?" Ele pronunciou com firmeza quando ele
soltou a minha mão.
Eu balancei a cabeça. "Eu segui em frente, há sete anos."
Ele soprou um longo suspiro. "Isso é péssimo."
Não, ele não entendeu. Foi maravilhoso. Eu tinha Lev, e ele me
deu coisas que nenhum outro homem poderia, nem mesmo James.
Não havia nada mais a dizer. Eu estendi minha mão. "Eu espero
que você encontre o que você está procurando, James. "
Ele pegou a minha mão, apertando levemente. "Eu já tenho, mas
ela não me quer mais." Ele deu de ombros. "É a vida, eu acho." Era a
vida, infelizmente.
Só quando me mudei para deixar ir, James me puxou para a
frente tão rapidamente que eu fui jogada em seu corpo. Seus braços
vieram ao redor de mim e seus lábios desceram no meu.
De olhos arregalados e meu corpo rígido, minha boca permaneceu
em folga enquanto ele gemia em meus lábios.
Bem, isso certamente trouxe uma nova definição para o dizer
'roubar um beijo'.
O resto da tarde passou sem contratempos. Maggie e John
pediram desculpas pela saída abrupta de James. Eles justificaram
ainda mais para o que aconteceu naquela noite, há sete anos. Eu disse
a eles que estava esquecido há muito tempo e que eu lhes desejava o
bem. E o melhor de tudo, Maggie nos deixou por um momento e voltou
com o álbum de fotos com capa de couro que eu tinha deixado para
trás. Folheando, pude ver que estava intocável para além de algumas
novas adições no final, onde Maggie tinha acrescentado algumas fotos
de nós como uma família. Eu não podia esperar para mostrar as fotos
para Alessio. Saímos perto de cinco horas, e Maggie perguntou se
poderíamos estar juntos algum dia para o almoço. Eu a abracei
apertado e disse a ela que eu adoraria, embora eu estivesse um pouco
certa de que não ia acontecer.
Enquanto nos dirigíamos para casa, Lidi adormeceu, o que me
deu a oportunidade perfeita para falar com Lev, sem distração. "O que
você pensa sobre Maggie e John?"
Ele pensou sobre isso. "Eu acho que eles se arrependem de ter lhe
causando dor. Eles parecem ser pessoas muito agradáveis. "
" E James? "
Sua mandíbula ficou tensa. "Ele era um idiota."
Eu concordei em um sentido, mas agora eu tive que dizer a ele a
parte estranha.
"Ele me beijou hoje." Eu me virei para olhar para ele. Suas mãos
se apertaram ao redor do volante com tanta força que os nós dos dedos
ficaram brancos. "Depois que eu o segui. Ele estava com raiva de mim
por sair. Ele me disse que ele ainda estava apaixonado por mim. Que
era por isso que eles se divorciaram." Fiz uma pausa antes de aterrar o
maior golpe. "Ele me disse para deixá-lo hoje e me pediu para casar
com ele."
Na última parte, Lev virou-se para mim, o rosto duro. Ele reuniu-
se antes de limpar a garganta e perguntando: "E o que você acha
disso?"
Eu fingi indiferença: "Bem, depois que eu lhe dei um tapa pelo
rude beijo que ele plantou em mim, eu disse a ele que ele precisava se
ajeitar. Eu expliquei que eu só queria me casar com um homem, e eu
já estava com aquele homem." Eu deixei escapar um suspiro de
frustração. "Você disse, bebê. Eu estava errado. Ele definitivamente
queria uma fatia de torta de Mina. "
Lev soltou uma irritada, "Eu não tenho certeza se para encontrá-
lo e bater a merda fora dele, ou apenas sentar aqui e ser grato em
saber que você deseja casar comigo um dia."
Eu sorri. "Que tal um beijo de gratidão?"
Ele olhou para mim e seu rosto duro amolecida, um pequeno
sorriso enfeitando seus lábios. Ele se inclinou e me afastei. "Não em
meus lábios."
Ele parecia confuso. "Então onde?"
Eu sorri, virando-me para olhar pela janela. "Eu vou te mostrar
quando chegarmos em casa."
Seus rosnado baixo causou arrepios na trilha até meus braços. E
quando chegamos em casa, ele me beijou muito bem.
Na verdade, ele me beijou toda.
Era a noite antes de o clube reabrir e Sasha convocou uma
reunião de jantar antes do grande evento. Foi realizado na casa
principal. Ada tinha preparado um banquete em uma comemoração
maravilhosa e eu estava salivando ante o olhar de tudo.
Nós comemos. Nos falamos. Nós rimos.
Tudo estava indo bem. Quase muito bem, se você sabe o que
quero dizer. Então, quando Anika virou-se para mim e disse que ela
fez, foi uma surpresa. Esperava-se. "Então, Mina, que está
acontecendo? Você está procurando o seu próprio lugar ainda? "A
mesa inteira ficou em silêncio.
"Ani". Nas olhou para ela. "Querida, não."
Anika tinha bebido desde que chegamos. Ela estava atualmente
em sua quarta taça de vinho e ela parecia bastante elevada. Ela
acenou a Nas e piscou lentamente. "O que? Somos todos amigos aqui."
Nós somos?
Eu não tinha tanta certeza disso.
Limpei a garganta e respondi: "Bem, na verdade, eu tenho
procurado on-line por apartamentos."
Nas parecia surpresa. "O quê?" Enquanto Lev declarou
rapidamente, "Não." E Sasha ... Oh, Sasha. Tudo o que ele disse foi:
"Bom." Eles fizeram isso ao mesmo tempo, parando para olhar um
para o outro depois de terem ouvido a resposta dos outros.
Lev pigarreou, colocando o guardanapo. "Não que seja o seu
negócio, Anika, mas não haveria nenhum ponto em Mina se mudar."
Ele ergueu sua taça de vinho e tomou um gole. "Mina me pediu em
casamento há dois dias." A mesa ficou em silêncio. Ele colocou o copo
na mesa. "E eu aceitei." O quê?
O quê o quê o quê?
Onde diabos eu estava quando esta proposta foi feita?
Fiquei surpresa que as calças de Lev não pegaram fogo, porque ele
era claramente um mentiroso.
"Um ..." Eu comecei quando todos se viraram para olhar para
mim.
Mas Lev me ajudou. "Lembra-se? No carro. Você me disse que
planejava se casar com um homem, e que o homem seria eu. Eu
concordo com você. Acho que você deveria se casar comigo. "
Eu me inclinei para a frente, forçando uma risada leve, e, em
seguida, sussurrei: "Isso não era uma proposta, querido." Eu disse
querido como se fosse pegajoso e precisasse de mim, tipo, agora.
"Claro que era", ele pronunciou em tom de conversa. "E eu
aceitei." Ele olhou ao redor da mesa. "Nós vamos nos casar."
Nastasia riu e se transformou em uma risada. Viktor sorriu, e
logo, ele estava rindo também. Sasha olhou para Anika, e Anika
parecia que seu mundo estava terminando. Eu odiava isso, para ela,
mas ela precisava entender que Lev e eu estávamos juntos. Nos
amávamos. E que eu não ia a lugar nenhum.
Virei-me para ele, um sorriso se espalhando por todo o meu lábio,
mas eu fiz isso balançando a cabeça.
Ele piscou para mim.
Eu escostei o rosto em seu ombro, descansando meus lábios lá.
"Você sabe, nós provavelmente deveríamos ter feito isso em particular."
Ele beijou a ponta do meu nariz. "Bobagem. Como Anika disse,
somos todos amigos aqui. "
Eu sorri. "Então, nós vamos nos casar?" Ele balançou a cabeça,
sorrindo para mim, sua expressão terna suavizando seu rosto duro. Eu
perguntei com uma risada surpresa: "E quando vai acontecer esse
casamento?"
Ele deu de ombros levemente, olhando tudo muito satisfeito
consigo mesmo. "Vou deixar isso para você, mouse. Um dia a partir de
agora, uma semana a partir de agora, um ano a partir de agora, eu não
me importo. Contanto que você use meu anel e a promessa de um dia
ser minha esposa, eu serei um homem feliz. "
Seus lábios desceram para beijar os meus em um beijo quente
lento. Quando nos separamos, eu olhei ao redor da mesa e anunciei
com um sorriso e um encolher de ombros. "Parece que vamos nos
casar." Eu terminei, colocando uma mão sobre minha boca e rindo
alto, minha descrença evidente.
Foi surreal.
Três meses atrás, eu estava vivendo em um beco, meu beco, e
lutando para me manter viva. Hoje eu estava prestes a me casar com o
pensativo, tipo de homem mais bonito no mundo. Um homem que
salvou minha vida. Um homem que eu amava com cada batida do meu
coração dolorido.
Estava finalmente acontecendo para mim.
A vida estava acontecendo.
E eu adorei. Cada momento, tentando, exigindo cada segundo
dele.
Agora, a vida era boa. E, embora eu não quisesse mais sair dela,
eu não precisava disso. Minha felicidade foi restaurada pela fé de um
homem.
Um homem imperfeito perfeito.
Meu sorriso estava querendo mostrando-se, mas eu tinha me dito
que eu precisava ser legal. "Birdie?" Eu liguei. Quando ela se virou, fiz
um gesto com os dedos para que ela viesse para mim. Ela parecia
preocupada quando eu disse a ela. "Sasha quer vê-la em seu
escritório."
"Está tudo bem?" Ela perguntou lentamente, com cuidado.
Forcei um suspiro e dei-lhe um olhar sério. “Na verdade, não.
Vamos. Nós vamos falar sobre isso. "
No final do corredor, ela fez uma pausa antes de irmos para o
escritório. "Será que fiz alguma coisa?"
Eu joguei-lhe um sorriso triste, abrindo a porta e ela entrou. Eu
segui e fechei a porta atrás de nós. Enquanto Birdie se moveu para se
sentar em frente Sasha, eu fiquei perto da porta, escondendo a minha
vertigem. Sasha se recostou na cadeira. "Como você está fazendo,
pássaro bonito?"
Birdie fez uma careta. "B-bem, eu acho."
"Bom." Ele se sentou em frente. "Eu notei que você trabalha com
as meninas. E depois do ensaio de hoje, eu tenho que te dizer ... "Ele
fez uma pausa para o efeito. "... eu estou querendo saber por que você
nunca me deu a oportunidade de dar-lhe uma posição de gestão.
Porque eu tenho que dizer, passarinho ... eu preciso de você. "
"O que ...?" Ela se virou para olhar para mim antes de enfrentar
Sasha. "O que é isto?"
Sasha sorriu então. "Isso é você conseguindo uma promoção. Uma
promoção bem merecida, se você quiser isto."
Os olhos dela se arregalaram. "Você está brincando, baby? Porque
isso não é engraçado. Eu tenho dois bebês para alimentar e eu preciso
do dinheiro. Então se…"
Sasha deslizou sobre um pedaço de papel. Birdie o pegou com as
mãos trêmulas e ela sussurrou:
"O que é isso?"
Sasha sorriu suavemente. "Esse é o seu salário base. Debaixo
disso é o bônus que você estará recebendo por horas extras da semana
passada. "
Birdie gaguejou, "Mas ..., mas ..., mas ..." Então, murmurou. "Mas
isso é o dobro do que eu estou recebendo agora."
Ele estreitou os olhos para ela. "Está dizendo que você não vale
isso? Porque eu posso ajustá-lo para- "
Ela o interrompeu com uma carranca, "Não se atreva! Você calou
agora. "
E Sasha riu. "Isso significa que você vai aceitar a minha oferta?"
Ela levantou uma sobrancelha. "Devagar, docinho. Você ainda não
me disse o que é que eu vou estar fazendo. Que tal começar com isso?"
Eu dei um passo para a frente, movendo-se para ficar na mesa de
Sasha. Eu sorri para a minha amiga e lhe disse: "Sasha estava esperando
que você seja o gerente de palco. Que coloca você no comando das meninas,
ordenando novas roupas, ajudando a coreografar suas rotinas de dança, a
criação de listas noturnas ... esse tipo de coisa. "
Sasha concordou com a cabeça. "Isso também significa que você
terá que trabalhar mais horas. Não são muitas, mas, pelo menos, mais
cinco horas por semana. "
Birdie teve um pensamento sobre isso por um longo momento,
então sorriu para Sasha. "Eu vou fazer o trabalho." Ela ergueu o papel
que Sasha tinha anotado seus salários em gestão e acenou-o ao redor.
"Por isto, vou fazê-lo funcionar, baby. Você tem uma gerente de palco ".
Ela guinchou animadamente enquanto ela se levantou e abraçou
nós, deixando Sasha e eu por um momento a sós. Eu sorri atrás dela,
batendo palmas junto com a sensação que você tem de ver alguém que
você se preocupava com sucesso em uma maneira que nunca
imaginou ser possível.
Sentei-me na cadeira que Birdie haviam desocupado e suspirei
levemente, "Isso foi incrível." Os olhos de Sasha se estreitaram para
mim.
Meus olhos se arregalaram. "O que?"
Ele procurou meu rosto antes de murmurar: "Quem diabos é você,
Mina Harris?"
Revirei os olhos para ele e seus dramas malditos. "Você sabe
quem eu sou, Sasha." Eu murmurei. "Eu sou apenas uma garota."
Ele balançou sua cabeça. "Não. Você não é."
Eu não tinha certeza do que ele quis dizer com isso, mas ele disse
que suavemente, e havia menos ácido em sua declaração como eu
nunca tinha ouvido falar de Sasha. Minhas sobrancelhas se juntaram.
"Ei. Você está bem?"
Ele passou a mão pelo rosto. "Não. Não realmente. "Eu não estava
preparada para a admissão, nem quando, de repente, parecendo
cansado, confessou:" Se isso não funcionar, nós vamos ter que fechar.
Estamos perdendo muito dinheiro. "
Eu sabia disso. Não tinha sido dito, mas todos nós sabíamos
disso. Foi uma das razões pelo que as meninas estavam trabalhando
tão duro quanto elas estavam e quando Sasha surpreendeu a todos
nós com um interior totalmente novo, o nosso entusiasmo para a noite
de abertura dobrou.
O clube parecia com mais classe do que nunca. Enquanto o
estágio permaneceu o mesmo, novo piso tinha sido colocado para
baixo, e foram-se as cortinas de veludo vermelho, substituídas com
cortinas pretas pesadas que pareciam elegante e modernas. A maioria
das mesas foram substituídas por cabines com bancos de couro pretas
e brancas. Os bancos de bar foram trocados por cadeiras de encosto
alto. As paredes tinham sido pintadas de preto, e Sasha tinha pago um
homem uma quantia exorbitante de dinheiro para ter as fotografias
que eu tirei das meninas em posições lúdicas e provocativas
pulverizado e-pintado a cada poucos pés.
Os nossos folhetos foram um sucesso. Lev, Vik, Nas, Anika, e eu
fizemos o nosso caminho todo, afixando cartazes nas paredes de
moradias populares e distribuindo panfletos. Tinha sido longo dias,
mas a campanha publicitária estava se mostrando. Nossa página na
mídia social foi ideia de Nas, Deus a abençoe-dispararam durante a
noite, com pessoas chamando seus amigos aos montes. Mulheres que
queriam dançar para o clube tinha nos contatado por e-mail e
expressando como emocionante era ter um ato burlesco local.
A reação atual era positiva. Agora, tivemos que esperar e ver se o
nosso trabalho duro seria reconhecido.
"Está tudo certo", eu disse a ele, a minha confiança queima.
Ele estendeu a mão para apertar a ponta do nariz, fechando os
olhos com força. "Se isso não acontecer, estamos fodidos. Investimos
tudo neste lugar ".
Eu estava de pé, caminhando para fora da porta. "Ugh. Sem
pensamento negativo permitido." Eu liguei novamente, "Nós estamos
indo para fazê-lo funcionar, caramba. "
Como Deus era a minha testemunha, nós estávamos indo para
fazê-lo funcionar.
Quando cheguei em casa naquela noite, eu disse a Lev que eu iria
para a cama em um minuto, querendo um momento a sós antes que
eu pegasse meu celular e discasse o número.
Eu estava chamando por um favor.
Sentei-me no sofá, minhas pernas enroscadas debaixo de mim,
tomando meu café enquanto assistia Lidi dançar para uma das muitas
canções cativantes de Wiggles que estava brincando na TV. Ela colocou
as mãos no ar, aplaudindo quando solicitada, pisou seus pezinhos
gordinhos, e cantou junto, embora eu não estivesse realmente certa
sobre o idioma de Lidi. Parecia que ela estava indo com Swahili.
Lev entrou, com a caneca de café na mão, olhou para a
garotinha, e sorriu, balançando a cabeça. Eu sorri, e meus ombros
tremeram na risada silenciosa. Ele estava no meio de se preparar para
seu exercício, verificando o seu relógio, andando em calças de suor e
nenhuma camisa, e meu intestino apertou com a visão de seu torso
nu.
Esses ombros largos só faziam isso para mim. E quando tivemos
nosso tempo sozinho, eu os segurava, pendurando sobre para ter um
passeio como ninguém.
A marca vermelha fraca no ombro esquerdo tinha me ruborizando
duro. Eu poderia ter usado esse ombro para mim depois do meu
orgasmo por morder ele e agarrando-me a ele, minhas unhas
embutidas em seus braços enquanto eu gemia por minha libertação.
A porta da frente se abriu em silêncio e Sasha deixou-se, ainda
olhando em seus jeans e camisa preta despenteado de sono, fazendo o
seu caminho certo para a dança da menina na frente da televisão. Ele
não se incomodou com ela. Ele arrebatou Lidiya e ela gritou
animadamente, "Asha, Pulla para baixo. Pulla para baixo. "
Com a sua voz rouca, ele disse a ela "Ada fez panquecas. Você
quer panquecas, princesa? "Ela parou de lutar e colocou os braços em
volta de seu pescoço. Ele inclinou a alta no quadril e, com um
movimento de seu queixo, caminhou para fora da porta.
Isso não aconteceu com mais frequência. Eu estava errada
quando eu sugeri que Sasha e Nastasia lutando pela atenção de Lidiya
era apenas uma fase. A verdade era que eles trataram Lidi como se ela
fosse a filha deles e que a amava em pedaços.
Lev olhou para o relógio de novo, e eu sabia que era hora dele ir.
Assim que acordou, eu fiz-lhe o seu mingau de aveia e ele comeu em
silêncio. Quero dizer, como mais você comer mingau de aveia que
possivelmente parecia como cartão? Não houve 'mmmm' de ser tido.
Sejamos honestos. Ele parecia como lixo. Eu não tinha certeza de como
ele tinha estômago para isso.
Correção. Eu tinha comido lixo que provava melhor do que aveia
sem açúcar.
Corei.
Ele veio para a frente, os olhos suaves, e erguia seu corpo grande
em cima de mim, descendo para segurar meu queixo quando ele
plantou, beijos suaves quentes para os meus lábios. "Eu tenho que ir."
Ele foi para mover para trás, mas eu roubei ele, meus dedos
mergulhando na cintura de suas calças. "Você pode jogar hooky.
Podemos voltar para a cama e jogar bolo patty. "Eu mordi o interior da
minha bochecha. "Temos pelo menos meia hora antes de Sasha trazer
Lidi casa."
"Mas eu sempre trabalho para fora entre dez e doze horas."
Eu balancei a cabeça. "Eu sei. Mas um dia de folga não vai matar
você, certo? "
Ele parecia confuso. "Mas eu sempre trabalho para fora entre dez
e doze horas."
Meus olhos rolaram um pouco, mas eu me endireitei rapidamente
com um sorriso. "Eu sei, mas-"
Ele me cortou, sua voz calma, quase ansiosa. "Eu sempre
trabalho para fora entre dez e doze horas."
Este foi um desses momentos. Um daqueles momentos em que
sua cabeça lhe diz para não empurrar, mas você não tem certeza se
você segura. Eu vim a perceber muito rapidamente que mexer com a
rotina do Lev era um grande não-não. Nada fazia meu homem mais
irritado do que alguém se enroscando com sua agenda.
Eu entendi as questões subjacentes. Ele ansiava por uma
aparência de normalidade em um mundo onde ele se sentia diferente.
Sua infância tinha feito coisas para ele que fez ele do jeito que ele era
hoje.
Ia me frustrar? Às vezes, sim.
Lev não poderia estar combinado. E eu não queria reparar a parte
quebrada dele. Ele estava perfeitamente imperfeito, e eu era o seu
coração e alma.
Mais importante, ele era meu. E foi um grande negócio. Lev não
dar a si mesmo para as pessoas. Limitando-se a seu tempo
emprestado. E lá estava eu, com a atenção dada totalmente a uma
pessoa que provavelmente não merecia isso. Fiquei grata, porém, e
muitas vezes eu me lembrei que tinha comprometido um monte de si
mesmo por mim e eu precisava fazer o mesmo.
Soltar o elástico em suas calças, cheguei até a dedo o pingente
balançando em âncora que ele tinha me comprado e eu sorri
suavemente, sabendo que eu teria que escolher minhas batalhas.
"Certo, docinho. Divirta-se."
Seus ombros caíram no imenso alívio que eu imaginei que ele
sentia em meu olhar rápido. Suas mãos se aproximaram e colocou no
meu rosto em sinal de gratidão. Quando os lábios dele desceram,
encontrei-me inclinando , para ele, precisando de seus lábios em mim.
Ele beijou-me suavemente uma vez, duas, três vezes, em seguida,
sussurrou contra meus lábios, "Eu te amo, Mina."
Foi a primeira vez que ele tinha dito as palavras. Senti seu amor,
mas ao ouvir as palavras ... wow. Foi deslumbrante. Eu vim a
perceber que o ditado era verdade. A paciência era uma virtude.
Beijei-o novamente. E de novo. E antes que eu pudesse arrastá-lo
para baixo no sofá comigo, eu o empurrei suavemente. "Vá. Agora. Ou
eu vou lidar com você no chão. "
Seus olhos sorriram e ele riu levemente. Ele me jogou uma
piscadela antes de sair, e eu me joguei para trás no sofá e soltei um
longo suspiro. "Tem misericórdia." Meu homem era um caso grave de
sexy.
A porta da frente se abriu novamente, e assim como a minha
emoção queimava com o pensamento de Lev desconsiderando sua
rotina e passando a manhã na cama comigo, Nas enfiou a cabeça pela
fresta e gritou: "Panquecas no Sasha. Mova a sua bunda, kukla. Estou
morrendo de fome. "
Levantei-me do sofá com um suspiro. "Sim sim. Estou chegando."
Eu prefiro ter vindo a fazer um tipo diferente de coisa, mas
panquecas eram ainda bastante impressionante.
Nas e eu caminhamos lado a lado, tendo o sol da manhã. Eu não
podia deixar de perguntar: "Onde está Vik? "
Nas escorregou em seus óculos de sol gigantes e deu de ombros.
"Eu não sei. Não é como se nós gastamos todo momento um com o
outro. "
Eu fiz uma careta. "Uh, sim você faz."
Ela zombou. "Não. Nós não. "
Parecia que havia problemas no paraíso.
Nós andamos em um tempo, e ela perguntou em voz baixa: "Se
Lev não estivesse comprometido com você, mas você o amasse, o que
você faria?"
Meus quadris pararam. "Gostaria de dizer-lhe gentilmente para
foder um pato." Ela suspirou baixinho e eu parei em meu lugar. "O que
está acontecendo, Nas? O que aconteceu?"
Ela fez uma pausa antes dela jogar os braços para cima e correr
para fora, "Eu não sei. Você e Lev vão se casar." Eu joguei-lhe um
olhar que dizia 'sim, então?", E ela balançou a cabeça suavemente. "Eu
quero isso. E eu não vou conseguir isso com Vik. "
Minha testa franzida. "Quem disse? Ele te ama, Nas. Qualquer um
pode ver isso. Ele te ama."
Seu lábio tremeu. "Não. Ele não faz." Ela respirou fundo e soltou
um longo suspiro. "Ele dorme ao redor, você sabe." Meu rosto deve ter
transportado que eu não sabia disso, porque seus olhos se
arregalaram e ela balançou a cabeça. "Sim. E então ele vem para mim
as duas, às vezes três da manhã, e dorme na minha cama. Porque eu
deixei. "Ela soltou uma risada sem humor. "Ele não me ama, Mina. Ele
adora que eu sou um sexo pronto quando ele quiser, que eu sou uma
coisa certa. Isso é tudo que eu sempre farei com ele.
"Seus olhos regados e ela sussurrou roucamente," Eu não posso
mais fazer isso. Dói muito. "
"Ok, então ele tem problemas de compromisso", eu comecei, mas
ela balançou a cabeça.
"Não dê desculpas para ele, Mina. Por favor", ela implorou, em
seguida, implorou:" Eu preciso de você do meu lado para isso. Eu
preciso de uma amiga que entende. Ok?"
Ela parecia abatida e desesperada. Eu encontrei-me a oferecer-lhe
o que ela precisava. "Ok, Nas," eu disse a ela. "Entendi."
Seu rosto estava abatido, ela balançou a cabeça levemente.
"Obrigado, vamos devagar."
Eu sorri. "A qualquer hora." Então eu conectei meu braço com os
dela e a puxei junto. "Vamos lá. É muito cedo para essa porcaria. Eu
preciso de panquecas. "
Nós chegamos a Sasha nem um minuto depois e assassinamos
essas panquecas parvas.
A noite de abertura chegou mais rápido do que qualquer um de
nós esperava, e eu olhei ao redor do salão, vendo as novas paisagens e
me familiarizando com o novo layout. Tudo era diferente. Era
emocionante.
Birdie ajudou as meninas a se prepararem, deu instruções de
última hora e ajudando com o seu figurino, cabelo e maquiagem. Eu
estava um pouco surpresa quando Sasha instruiu Nas, Anika e eu a
nos mudar quando chegamos lá. Aparentemente, tinha sido decidido
que a equipe do bar poderia se vestir como os dançarinos, mas a um
nível moderado. Quando eu alertei Sasha para o fato de que os saltos e
eu não éramos amigos, ele me disse que Birdie tinha tomado conta
dele. Fiquei agradavelmente surpreendida com os peep-toes de salto
baixo que ela tinha para mim.
Se alterar nossos novos uniformes que consistiam em shorts
cintura alta, ligas, pretas e vermelha presas, corset e saias micro. Uma
das meninas me emprestou um longo par de luvas de cetim sem
dedos, e elas eram apenas exuberante. Eu pensei que iria parecer
estranho. Ele não o fez. Sentia-me sexy. Eu me senti sexy e eu estava
morrendo de vontade de ver o que Lev pensava
Uma vez vestidas, Anika, Nas, e eu fizemos o nosso caminho para
fora da área do palco, apenas para ser assobiadas. Eu cobri o rosto
com as mãos, corando furiosamente, mas ri duro. Antes mesmo de eu
ter tempo para me recuperar, eu senti um acidente de corpo quente,
difícil no meu. Eu passei meus braços em torno dele com uma potência
e pisquei para ele. "Lev? O que há de errado, querido? "
Ele olhou para os meus peitos altos. "Que diabos você está
vestindo?"
Um sorriso se formou. "Você não recebeu o memorando?" Eu
acenei meu braço de volta para Anika e Nas. "Estes são os novos
uniformes."
Ele balançou a cabeça profusamente e fez pequenos ruídos
grunhindo que disseram "não", em seguida, um rosnado escapou dele
que disse 'oh, o inferno não ".
Eu coloquei a mão sobre o estômago tenso e fundamentado com
ele. "Isso tudo é parte integrante de mudar as coisas. Queremos que a
experiência seja genuína. Você entende?"
Sua mandíbula estava apertada, ele rosnou, "Eu não gosto disso."
Ele fungou um irritado, "Todo mundo pode ver seus presentes."
Eu sorri para ele. "E só você começa a me desembrulhar mais
tarde." Eu fui para cima na ponta dos pés para beliscar seu queixo.
"Isso não é apenas mau?"
Eu ouvi as meninas ir embora e eu estava feliz por isso. Quando
Lev estendeu a mão para a minha bunda através do meu novo traje,
ele levou minha orelha em sua boca e chupou então sussurrou em
meu ouvido: "Você é impertinente. E as meninas impertinentes são
punidas. "
Meus olhos rolaram para trás, a sensação de sua língua na minha
orelha, mas quando se registrou o que ele disse, eu puxei para trás, de
olhos arregalados. "Punidas como?"
Oh, Deus, minha voz estava rouca. Como, de uma fumante rouca.
Seu lábio tremeu. "O que eu vou fazer com você, mouse?"
"Eu tenho algumas ideias", eu murmurei enquanto meus olhos
fecharam e eu pressionei meus lábios nos dele, amando o jeito que sua
língua mergulhou na minha.
E então ele se foi. Nas, revirou os olhos, me puxando para longe e
gritou: "Nossa. Separem-se. Nós temos merda à fazer. Você pode se
foder com os olhos mutuamente em todo o piso, capisce? "
Assumi meu lugar no bar. O DJ Sasha tinha contratado colocou
RnB lenta durante todo o momento no clube até que as coisas
começaram. Sasha fez o seu caminho para o bar, sorrindo para si
mesmo, e veio direto para mim. Ele parecia animado quando ele
declarou: "A fila já está a três quadras para baixo." Ele riu, balançando
a cabeça em descrença. "Três malditos quarteirões para baixo." Ele
apontou um dedo para mim, sorrindo quando ele inclinou a cabeça, e
depois se afastou.
Eu não tinha certeza do que isso significava.
Sasha era estranho.
Meia hora mais tarde, e todos nós levamos nossos lugares, a porta
se abriu e o clube começou a encher. Uma vez que alcançou a
capacidade, a porta se fechou mais uma vez e Nas, Anika e eu fomos
executar os nossos pés com folhetos para bebidas gratuitas à entrada.
Nós não tínhamos mais pessoas servindo em mesas ou cabines. Se
você queria um drinque, você precisava vir até nós.
As luzes se apagaram. O DJ recusou a música, e então ele falou:
"Boa noite, senhoras e senhores, bem-vindos para a grande
inauguração do Bleeding Hearts Burlesque".
A multidão aplaudiu e fiquei surpresa com a quantidade de
mulheres no meio da multidão. O DJ esperou o elogio morrendo para
baixo antes que ele continuasse, "Nós esperamos que você aproveite o
que temos para oferecer. Nossas meninas estão morrendo de vontade
de conhecê-los ".
Os holofotes acenderam frente e no centro, e esperamos com a
respiração suspensa.
A voz do DJ aprofundou voz rouca quando ele anunciou:
"Senhoras e senhores, eu vou dar-lhe ..." Ele fez uma pausa para o
efeito. As cortinas começaram a abrir. "... A Dozen Diamond!"
As doze meninas no palco pareciam bonecas sentadas em
cadeiras de madeira. Cada vestido com uma cor diferente do mesmo
traje, os mesmos trajes das meninas do bar estavam vestindo. O baixo
retumbou como "The Hills" veio à vida. Era uma música lenta, sexy
que permitiu que as meninas mostrasse os seus movimentos. Era
uma canção sobre um caso tórrido que uma mulher estava tendo com
um viciado. As meninas se mudaram em sincronia, trabalhando com a
cadeira, girando contra eles, e assobios vieram de todo lado.
Vi mulheres vê-los, hipnotizadas, e os homens olhar
adoravelmente para as nossas meninas. Quando Birdie contratou três
novas meninas apenas a dias atrás, eu me perguntava se elas estariam
prontas a tempo, mas eu estava errada e de bom grado a isso.
Quando a música terminou, as meninas caíram no chão, olhos
abertos, como bonecas que haviam sido hipnotizadas em vida pela
música e que caiu quando ela terminou.
Os holofotes foram desligados e as cortinas fechadas.
Então ... silêncio.
Minha respiração ficou presa na minha garganta.
Ah não. Porcaria, não. Eles tinham odiado!
Minhas bochechas coraram um momento antes de a multidão ir à
loucura, de pé e aplaudindo no topo de seus pulmões. Assobios e
rugidos ansiosos sairam através do ar em torno de nós, e meu coração
cresceu no meu peito. Eu poderia dizer com segurança que foi o
momento mais assustador da minha vida.
Nas me puxou para ela, gritando no meu ouvido e me balançando
lado-a-lado. Uma risada ficou presa na minha garganta, e então eu ri
duro, agarrando-se a ela. Então algo aconteceu, e eu senti lágrimas
nos meus olhos.
Minha garganta ficou apertada, eu as pisquei fora.
Tudo ia ficar bem agora. Eu senti isso dentro de mim.
Bleeding Hearts viveria até uma idade madura.
Quandoas pessoas deixaram, outros tomaram seus lugares. O
clube permaneceu em plena capacidade durante toda a noite, e algum
tempo depois das onze, recebi os hóspedes. Assim que os vi, eu fiz o
meu caminho ao redor do bar, correndo para o meu irmão e
abraçando-o em volta da cintura, antes de colocar um beijo na
bochecha de Tio Laredo. "Você veio!"
Laredo sorriu, passando o braço em volta de mim, me puxando
para o seu lado. "Eu não poderia faltar na grande noite da minha
sobrinha".
Estendi a mão para a mão de Alessio e apertei. "Estou tão feliz por
você estar aqui."
Alessio olhou para mim, orgulho evidente em seus olhos. "Você fez
isso?"
Eu zombei: "Não!" Então eu olhei em volta. "Nós todos fizemos
isso. Foi um esforço de grupo. Todos nós fizemos. Todos tinham um
emprego e eles totalmente acertaram em cheio. "
"Você fez bem, garota", murmurou Alessio, olhando no novo
estabelecimento.
Foi quando Sasha veio atrás de mim. "O que diabos você pensa
que está fazendo aqui?"
Meus olhos ficaram arregalados, eu falei, mas me engasguei com
as minhas palavras. “Eu os convidei."
Sasha olhou para mim. "Que porra? Eles precisam ir embora. "
Eu ficava entre meu tio e irmão, encarando Sasha. "Não, eles não
vão a lugar algum."
A mandíbula de Sasha assinalou antes que ele assumisse uma
expressão razoável. "Ouça, rapazes. Você tem o seu próprio clube para
ser executado. Vocês precisam ir."
Alessio envolveu um braço em volta de mim. "Não, nós não. Nós
estamos fechados para a noite. "
Sasha olhou de Alessio e para Laredo. "É sexta-feira à noite. Uma
das noites mais movimentados da semana. Por que diabos você está
fechado? "
Minha voz ficou presa na minha garganta enquanto meu coração
se afundou. Aqui vai. "Porque eu lhes pedi."
O olhar confuso de Sasha não vacilou.
Dei de ombros e me expliquei. "Precisávamos de pessoas para
entrar nas portas hoje à noite. Era importante, Sash. Eu não quero
perder este lugar. Nenhum de nós quer. Então eu pedi-lhes para fechar
para a noite ", engoli em seco, "para nos dar uma chance de lutar."
A expressão de Sasha desmarou. Ele franziu o cenho antes de
olhar para Laredo, sua voz baixa.
"Por que você faria isso? Você não nos deve nada. "
Laredo assentiu. "Eu sei. Mas quando Mina me contou sobre o
que você tinha planejado, eu encontrei-me curioso." Ele deu de
ombros. "Ganhar não é divertido quando não há quaisquer
concorrentes dignos ao redor."
Alessio concordou com menos de um sorriso amigável atirado na
direção de Sasha. "Sim. Não é divertido pegar merda de um homem
que não tem nada." Ele acrescentou:" Eu estou esperando por você
para chegar tão alto que você vai quebrar alguma coisa quando cair.
Você me pega, Leokov?"
Sasha olhou fixamente, sem piscar antes dele soltar uma risada
áspera. "Foda-se, picar." Então ele fez algo corajoso.
Ele estendeu a mão para Alessio.
E meu coração pulou uma batida.
Alessio olhou para aquela mão um longo tempo antes de chegar
lentamente, tomando a mão de Sasha e sacudindo com firmeza. "Bom
lugar que você chegou aqui."
Sasha sorriu. "Eu sei."
Alessio sorriu e mostrou as cicatrizes apertadas. "Deus, você é um
babaca."
Sasha sorriu mais difícil. "Eu sei."
Oh, minhas estrelas. Tinha minhas ações egoístas apenas
remendando a brecha causada por anos de ódio?
Eu assisti Sasha lançar mão de Alessio e manter a mesma mão
para Laredo. O homem mais velho sorriu gentilmente enquanto ele
tomou a sua e balançou levemente.
Hum, sim. Meu pequeno sorriso se alargou. Eu acho que eles
fizeram.
Foi uma semana após a noite de abertura, e notícia do novo ato
burlesco na cidade que estavam falando . Nossa página de mídia social
teve bem mais de dez mil seguidores nessa única semana, e embora
nos entristecesse tudo, Sasha tinha sabiamente tomado a decisão de
não mais abrir todas as noites. Agora, Bleeding Hearts era um
estabelecimento estritamente de fim de semana, abrindo as noites de
sexta, sábado e domingo.
Isto deu o tempo para a prática das meninas durante a semana e
aprender novas rotinas sem a pressão de ensaiar e trabalhar no
mesmo dia.
Rumores da beleza das meninas se espalhou rapidamente, e logo
a dúzia de diamantes eram que eram as garotas mais quentes da
cidade. Todo mundo queria ter um vislumbre. Nosso público tinha de
fato dobrado, triplicou mesmo.
Sasha revelou que, em nosso fim de semana de abertura, tinha
ganhado mais do que aquilo que normalmente tinha em uma semana
inteira, e que foi incluindo todas as bebidas gratuitas que tinha dado
com folhetos.
O alívio na sala era palpável. Ombros caídos e as pessoas
suspiraram em voz alta, outros rindo alegremente. Lev me puxou para
o seu lado e eu agarrei sua camisa apertada, sorrindo em seu peito.
Tudo estava funcionando. Foi inacreditável. Milagroso, mesmo.
A segunda-feira seguinte veio rapidamente, e quando o sino do
portão da frente saiu quando passei a cozinha, eu olhava para o
pequeno CCTV, observando a janela aberta do carro. Ela baixou os
óculos de sol, olhando diretamente para a câmera, e sem pensar duas
vezes, zumbindo para entrar.
Eu esperei inquieta para a campainha badalar e assim que o fez,
eu joguei aberto.
A loira petite no maxi-vestido tirou os óculos, em seguida, sorriu
gentilmente. "Hey, Mina."
"Cora", eu cumprimentei suavemente. "O que você está fazendo
aqui?"
Ela mergulhou o queixo, suspirando baixinho. Então ela piscou
para mim um longo momento. "Posso entrar?"
Eu pensei sobre isso. Eu provavelmente não deveria tê-la deixado,
mas algo sobre essa garota gritou 'seguro'. Eu balancei a cabeça,
movendo-se para trás para permitir que passasse. Ela entrou em cena
e sorriu mais uma vez, mas ele estava cansada. "Obrigado."
Ela mudou-se para a sala e esperou por mim para entrar antes
que ela se sentasse no sofá ao meu lado.
" Lev está em casa?"
Eu verifiquei o relógio na parede. Ele ainda estava trabalhando.
"Ele deve estar em casa a qualquer minuto."
"Ok." Ela engoliu em seco. "Você se importa se eu esperar até que
ele chegue aqui?"
"Nem um pouco." Eu estava de pé. "O que você está tomando?
Café? Suco?"
Ela sorriu então suspirou. "O café seria ótimo, obrigado."
Eu estava de pé, fui até a cozinha, e, em seguida, voltei com duas
canecas de café, tanto preto. "Eu não sei como você toma," eu disse a
ela quando eu entreguei-lhe a caneca.
"O preto é perfeito." Ela tomou um gole de café, em seguida,
perguntou: "Como estão as coisas?"
Meu lábio se contraiu em sua tentativa de conversa fiada. "As
coisas estão bem." Meu sorriso desapareceu. "Como você está
fazendo?" Estendi a mão para colocar a minha mão em seu joelho. "Eu
sinto muito sobre Irina."
Cora deu de ombros. "Obrigado. Eu estou chegando lá, sabe?
Mamãe me chamou. Ela me pediu para voar para fora e arrumar a
casa de Irina, então ... sim ... que foi ..." Sua respiração engatou. "...
Doloroso." Ela olhou em seu café, batendo uma unha na cerâmica da
caneca. "Irina não era como eu. Ela deixou meu pai ditar sua vida. Eu
nunca fiz. Eu disse a meus pais que não devia nada a eles. Foi por isso
que eu me mudei quando tinha dezoito anos ".
Ela sorriu. "Eu não sei se você sabe disso, mas eu vivia com
Nastasia por dois anos antes de tudo azedar, que foi totalmente minha
culpa. Mas Irina era a filha de ouro, sabe? Eu era a ovelha negra. "Ela
franziu a testa e murmurou, "E olhe onde ele pegou. "Seus olhos
fechados e ela admitiu em um sussurro, "Eu odeio o meu pai. Eu o
odeio tanto, Mina."
Eu não sabia mais o que dizer além de: "Eu sinto muito."
Quando ela colocou sua mão sobre a minha e apertou, meu
coração doeu por ela. "Obrigado por me deixar vir hoje."
Eu olhei o relógio novamente. "Lev estará em casa a qualquer
minuto."
Ela sorriu, mas foi forçado. "Eu só espero que ele não me chute
para fora."
Eu não iria deixá-lo. Corinna Alkaev pode ter dito coisas que ela
não diria para velhos amigos, mas ela não merecia ser punida por eles
para sempre. Gostaria de fazer Lev ouvir. Eu não sei como, mas eu o
faria.
Fizemos uma educada conversa fiada pelos próximos cinco
minutos antes de a porta se abrir, e Cora endurecer. Lev entrou na
sala de estar e deu uma olhada na nossa convidada antes que ele se
acalmasse. Ele olhou para mim, uma expressão questionadora sobre o
seu rosto, e eu sorri encorajadoramente. Ele piscou para mim, e depois
se recuperou rapidamente, fazendo o seu caminho para a sala.
"Corinna", ele proferiu.
Ela sorriu para ele, mas ele balançou. "Hey, Lev."
Ele estava suado e com o rosto vermelho, mas ele se sentou por
mim com seu equipamento de treino e perguntou calmamente: "A que
devo o prazer? Seus pais lhe enviaram? Porque eu já lhe disse...- "
Ela balançou a cabeça e falou, interrompendo-o. "Não, eles não
me enviaram." Ela quase revirou os olhos. "Desde quando eu faço o
seu lance de qualquer maneira?" Ela acalmou sua voz. "Eu não tenho
falado com eles uma vez após Irina ter morrido e não planejo falar com
eles novamente até que eles possam admitir que erraram."
Lev parecia levemente atordoado com o que ela tinha dito. "Então
por que você está aqui?"
Ela tomou uma respiração profunda, estremecendo antes que ela
risse levemente e encolheu os ombros, colocando as mãos no colo. Ela
sussurrou uma dor, "eu perdi a minha sobrinha."
Dessa maneira Lev ficou rígido ao meu lado, eu sabia que ele não
gostava dessa declaração. Foi tão aberto. Ele não gostava de não saber
exatamente o que uma pessoa queria dizer. Eu precisava intervir.
"Você quer um tempo com Lidi então?" Eu perguntei a ela
suavemente.
"Eu só quero vê-la novamente. Eu não me importo como. Você
nomeia o tempo e lugar. Eu só- Ela olhou para Lev, implorando: "Eu
sei que você odiava Irina, mas ela não foi sempre uma má pessoa. E
Lidiya é tudo que me resta da minha irmã. "A mandíbula de Lev
assinalou. Ela suspirou, mergulhando o queixo. "Eu sei que você não
confia em mim, e isso é justo, mas eu vou fazer o que quiser. Eu só
quero algum tempo com Lidi. "
A porta da frente se abriu, e Nas entrou. "Yo, baixinha!"
"Aqui," eu chamei, de repente ansiosa sobre a presença de Cora.
Nas foi a pé até a sala e ficou aquém a um passo, olhando
diretamente para sua ex-melhor amiga. Cora se levantou e engoliu em
seco. "Ei."
Nas olhou a mulher de cima e para baixo antes de entrar na sala e
ir falando devagar. "Ei, você mesmo."
O lábio inferior de Cora começou a tremer e seus olhos se
encheram de lágrimas. Quando ela mergulhou o queixo, as lágrimas
caindo no chão, Nas mudou, e ela me surpreendeu. Ela colocou os
braços ao redor de Cora apenas quando um soluço escapou dela. Nas
segurou-a firmemente, sussurrando: "Eu sinto muito."
Cora se agarrou a ela como uma tábua de salvação e soltou um
gemido quebrado, "Não, eu sinto muito. As coisas que eu disse a você..."
Nas balançou a cabeça, apertando suavemente. "Esqueça".
As duas mulheres se abraçaram por um tempo, e quando elas se
separaram, Nas sentou ao lado de Cora, pegando sua mão e
segurando-o na dela. Algo me dizia que não importa o quão forte
Corinna Alkaev achava que ela era, ela chegou a ponto de ruptura.
Nas olhou para mim. "Então, o que estamos falando?"
Lev respondeu: "Corinna quer ver Lidiya." Ele fez uma pausa
antes de dizer: "E eu estou considerando isso."
A expressão de alívio no rosto de Cora era evidente, mas ela
mascarou com entusiasmo. "Sério? Porque eu não me importo mesmo
se ficarmos aqui o tempo todo. Eu poderia fazer um piquenique com
ela no jardim da frente e ficar ali fora mexendo em seu cabelo. Prometo
não entrar em seu caminho ou qualquer coisa. "
Lev olhou para a mão de Nastasia, que ainda segurava Cora.
"Você era como uma família, uma vez Corinna. "
Seus lábios tremeram novamente e ela proferiu baixinho, "Eu sei
que eu fodi isso. E eu sinto muito.
Lev ficou de pé. "Eu não vejo nenhuma razão para que você não
possa ver Lidi agora e cada vez." Ele olhou para a pequena mulher e
lhe disse: "Ela não tem sua mãe. Eu gostaria que ela tivesse acesso a
alguém que conhecia Irina quando ela era uma criança. Alguém que
pode mostrar-lhe o lado bom de Irina. "
O rosto de Cora ficou triste, ela respondeu calmamente: "Eu posso
fazer isso. Eu posso ser essa pessoa. "
Lev assentiu. "Eu sei que você pode." Ele olhou para o relógio e
murmurou, "Mirella a levou para o parque. Eles vão estar em casa em
breve. Você é bem-vinda para esperar. "
Ele não disse mais uma palavra, apenas virou e foi embora.
Meu coração se aqueceu e esse calor se espalhou por todo meu
corpo.
Deus, eu amava Lev. Ele era um bom homem.
Eu fiquei, olhando muito para uma Cora atordoada. "Eu estou
supondo que tem sido um tempo." Eu me virei para Nas e sorri. "Eu
vou dar a vocês tempo para se recuperar."
Meus pés tomou as escadas de dois em dois - não é pouca coisa
para uma menina pequena - até que eu fiz o meu caminho para o
nosso quarto, abrindo a porta para encontrar Lev em um estado de
nudez. Ele olhou para mim, em seguida, jogou a cueca, deixando-o nu.
Com a minha voz suave, eu disse a ele: "Você é um bom homem,
Lev Leokov." Então eu comecei a despir-me.
Seus olhos pousaram no meu estômago nu e ele assistiu quando eu
desfiz meu sutiã. Sua voz saiu rouca. "Eu preciso tomar banho, mouse."
"Não", eu disse a ele, enganchando meus polegares em minha
calcinha e baixando. Elas caíram aos meus tornozelos. "Você precisa
ficar sujo." Eu saí da minha calcinha e mudei-me para ele. Quando
cheguei perto dele, eu olhei para o rosto dele, a imagem de inocência.
"E então nós vamos ficar limpo juntos. Ok?"
Suas mãos subiram para descansar em meus quadris e ele
apertou levemente, seus olhos encapuzados com a luxúria. "Quem sou
eu para discutir com a minha noiva?"
Eu sorri enquanto seus lábios desciam. "Chupe a minha bunda."
Nós passamos muito tempo no chuveiro.
E quando estávamos terminando, eu estava longe de estar limpa.
Eu estava deliciosamente despenteada.
Eu assisti com espanto tranquilo quando a família estendida de
Leokov atendia abraços e beijos e conversando como o riso explodindo
pelas pessoas à esquerda, direita e centro. Normalmente, em situações
como esta, eu teria que me sentido fora do lugar, mas de alguma forma
este grupo incrível de pessoas me incluiu como se não fosse grande
coisa.
Eu não me importava com o que eles pensavam.
Foi um grande negócio para mim.
Tínhamos feito um encontro de meia hora para assistir ao
casamento pequeno que Lev explicou seria realizado no clube de seu
primo, The White Rabbit. Eu nunca tinha ouvido falar do lugar, mas
quando chegamos lá, eu entendi imediatamente o apelo.
Deixa comigo. Eu fiz.
Ele estava pirando quente.
Quem não gostaria de ser casada por uma Alice in Wonderland
temático clube? Desde o gato Cheshire bronzeado gigante, para a
pintura artística lunática nas paredes, meu peito pesou com pesar de
não trazer a boa câmera que Sasha tinha comprado para Bleeding
Hearts. Não importava, peguei meu telefone e bati afastado feliz em
quase tudo à vista.
Lev me disse que eu precisaria vestir-me para a noite, e quando
ele me mandou para comprar um vestido de noite adequado com Nas,
nós dois voltamos a discutir. Eu ainda não podia justificar gastar
centenas de dólares em algo que eu só tinha visto uma ou duas vezes.
Nós combinamos no final, dele me comprar um vestido preto
impressionante que custou cento e cinquenta dólares. Era um vestido
de estilo cocktail e, embora não o que eu saísse para comprar, eu
podia me ver vestindo este número pequeno de novo e de novo,
pensando totalmente no valor do meu dinheiro. Quando eu cheguei em
casa e desfilei para Lev, ele concordou que era adorável.
Vestiu-se em um terno preto, uma camisa de linho branco e uma
gravata preta. Mirella vestiu Lidiya em um vestido rosa pálido, uma
faixa pastel rosa segurando seus cachos juntos. Sentei-me no banco de
trás com meu pequeno anjo gordinho, e não foi de todo surpresa
quando ela adormeceu durante o caminho. Foi tão relaxante ser um
passageiro que eu senti que eu poderia ter me juntado a ela.
Pode ter parecido estranho realizar um casamento em uma noite
de quarta-feira, mas depois que Lev explicou que era apenas para ser
um pequeno momento e que o clube provavelmente estaria aberto ao
público no fim de semana, meio que fez sentido.
Chegamos ao clube, estacionamos, e fizemos o nosso caminho
para fora. Lev me puxou para o seu lado e segurou a mão de uma
Lidiya sonolenta quando entramos na festa.
Eu estava nervoso, atendendo mais da família. Mas eu não
deveria ter sido.
O primo de Lev, Nik, cumprimentou-nos à porta, agarrando Lev e
levantando-o em um longo abraço antes de puxar para trás e beijar
ambas as bochechas. Quando Nik olhou Lidiya, seu rosto mudou.
Parecia que o cara era um otário para crianças. Ele ficou de joelhos,
sorriu e estendeu os braços para Lidi. Lidi, sabia o que era uma coisa
boa quando ela via uma, não hesitou em abraçar o homem, e ele a
levantou, beijando seu rosto. Quando Lev nos apresentou, eu poderia
ter desmaiado.
Por que você pergunta?
Porque foi algo como isto.
"Esta é a Mina. Ela era sem-teto. Encontrei-a. Eu estou
mantendo-a. Ela me ama. Então vamos nos casar. "
E eu morri. Constrangimento escoou para fora de mim como se
tivesse escorrendo lodo. Meu lindo noivo tinha, sem saber, me feito
soar como um garimpeiro parvo.
Eu sufoquei uma risada. "Ele não quer dizer isso" Eu disse a Nik,
meu rosto em chamas.
Nik sorriu, e sua única covinha saiu para dizer Olá. Lidi cutucou-
o com um dedo pequeno, e Nik mordeu-o com cuidado.
Oh meu Deus. Estes homens Leokov eram deslumbrantes, cada
um deles.
Lev franziu a testa para mim. "Isso é exatamente o que quero
dizer, mouse."
Eu olhei para ele, fiquei na ponta dos pés, e sussurrei-sussurrei:
"Talvez ixnay no omelesshay, querida. Ok? Obrigado."
Seu rosto se suavizou um grau. "Eu não tenho vergonha de você,
Mina."
Nik tossiu uma risada antes de vir e envolvendo o braço livre em
volta dos meus ombros, levando-nos. "Seja como for, Mina. Eu não
estou julgando, querida. Venha conhecer a família.
Avistei Nas e Sasha conversando com outro homem que parecia
com Nik, e quando nos aproximamos, o homem me viu, se separou, e
veio para mim como um touro indo em um palhaço de rodeio, única
alegremente. Ele chegou até nós, se inclinou um pouco, passou os
braços em volta de mim, e me levantou em um abraço de urso gigante.
Eu rangi quando ele me balançou como uma boneca de um momento,
me pôs sobre os meus pés, e puxou de volta, radiante. "Mulher de Lev!
Eu sou Max, seu noivo, é um cara legal, meu primo." Eu não pude
deixar de sorrir. Esse cara era louco.
Olhei-o de cima a baixo. Ele usava um sofisticado terno de três
peças com mandris brancas, e ainda parecia celestial. Quando meus
olhos atingiram seu rosto e caiu sobre o seu sorriso, outra covinha
Leokov saiu para jogar e meu estômago virou. Max colocou o braço em
volta de mim e me puxou para o seu lado, me fazendo tremer um
pouco. "Não seja tímida, baixinha." Ele sorriu, e eu juro que seus
dentes brilharam. "Nós somos uma família."
Foi quando Lev se aproximou e Max se afastou, abrindo os braços.
Lev sorriu, caminhando em seus braços. Mais abraços e beijos foram
trocadas, de repente, um bando de mulheres bonitas apareceu, junto
com outros dois homens que estavam ao mesmo tempo sexy como o
inferno, você mente.
O que diabos eles estavam colocando na água aqui em cima?
Uma morena com um sorriso e olhos verdes arregalados adiantou-
se e olhou para a nossa pequena princesa linda, que agora estava
descansando a cabeça no ombro de Nik e chupando o dedo. Menina
esperta. A mulher sorriu gentilmente. "Olá, querida. E quem é você?"
"Este anjo pequeno é Lidiya." Nik empurrou o queixo para Lev.
"Lev, esta é minha esposa, Tina. Tina, baby. Lev, meu primo. "
Seu rosto se iluminou e sua excitação era completamente
verdadeira. Ela veio para a frente e abraçou um Lev rígido, esfregando
uma mão para cima e para baixo suas costas. "Oh, uau. Oi!"
Ela se afastou e sem uma introdução, ela veio para a frente e
colocou os braços em volta de mim.
"Eu sou Tina!"
Eu escondi minha surpresa o melhor que pude e abracei de volta.
"Mina".
Ela riu suavemente. "Não. Tina. Com um T. "
Eu sorri para ela. Ela era atraente. "Eu sei. Eu quis dizer o meu
nome é Mina ".
Ela engasgou. "Mina!" Ela apontou para si mesma. "E Tina!" Ela
olhou para o marido com os olhos arregalados e falou lentamente.
"Mina e Tina. Isso é tão legal."
Nik riu baixinho e depois riu, sacudindo a cabeça. Tina passou o
braço em torno de mim. "Nós estávamos indo para trazer as nossas
meninas com a gente, mas," ela se encolheu, "nós não temos muito
tempo sozinhas. Quando a mãe de Nik ofereceu para tomar conta de
todos os pequeninos ", ela bufou uma risada,” Eu quase joguei-os para
ela." Seu sorrizo desapareceu, ela parou no meio-passo, e seu rosto
ficou triste. "Isso soou terrível." Seus lábios franzidos. "Eu sou uma
mãe horrível."
Eu ri. Ela era adorável. "Não, isso soa razoável, na verdade."
"Sério?" Ela perguntou, genuinamente preocupada.
Eu balancei a cabeça. "Você precisa de tempo para si mesma
também."
Ela sorriu para mim antes de virar para Nik, que estava olhando
para seu irmão e relutantemente entregando Lidi sobre a Max. Ela foi
de boa vontade, e Max fingiu comer suas bochechas rechonchudas.
Deus, esses homens estavam destruindo meus ovários, um ato doce de
cada vez. Ela sorriu e riu através da sucção do polegar. Tina me disse:
"Meu Deus, ela é linda, Mina."
Eu sorri, empurrando para baixo o fato de que eu não tinha o
direito de sentir orgulhoso de Lidi. "Eu sei. E eu acho que ela faz
também. "
Tina revirou os olhos. "Oh eu sei. As meninas sabem como jogar
com seus papais. E isso só piora à medida que envelhecem, confie em
mim." Eu tomei nota mentalmente.
Tina me trouxe para as outras mulheres,e todas sorriam para
mim. "Esta é a Mina. Ela é esposa do primo de Nik. "
Outra morena falou, mas seu cabelo tinha um tom de vermelho
nele, e seus olhos verdes eram mais brilhantes do que eu já tinha
visto. "Que primo?"
"Lev," eu disse a ela, então eu adicionei, "E nós não somos
casados. Ainda não de qualquer maneira."
O rosto de Tina ficou frouxo. "Oh, me desculpe. Eu apenas
assumi. "
Acenei com um sorriso. "Está bem. Sério. Lidiya é filha de Lev."
Um homem de pele morena soltou: "Eu sou Trick." Ele puxou uma
mulher com cabelo curto castanho chocolate e grandes olhos
castanhos para o seu lado. "E esta é a minha Lola."
A morena marrom-avermelhada sorriu. "Eu sou Nat." Ela apontou
para o homem alto e loiro cinza-balançando uma sexy sombra de
barba de cinco horas. "E esse é o meu marido, Asher." Ela levantou a
mão e apontou para a mulher loira ártica linda ao lado dela. "Este é
Mimi." Ela se inclinou para frente e sussurrou: "Ela é nossa residente."
Engasguei com uma risada enquanto Mimi piscou para mim. "Oi.
Prazer em conhecer todos vocês." Esta era uma recepção de
casamento, não era? Eu perguntei cautelosamente, "Onde está a
noiva?"
Nat revirou os olhos. "Helena, minha irmã. Max engravidou. Ela
tem apenas alguns meses ao longo assim, você sabe." Só que eu não
sabia. Minha expressão confusa deve ter me afastado, porque suas
sobrancelhas se levantaram e sorriu antes de explicar: "Ela está no
banheiro."
Tina sorriu feliz depois deu de ombros. "Acontece com a melhor de
nós, certo?"
Max se aproximou com Lidi, e todas as meninas fizeram ruídos
bonitinhos enquanto ele falava. "Diga a Helena que eu vou deixá-la."
Ele colocou seu rosto na cabeça de Lidiya, e a menina sorriu ao redor
do polegar que ela estava chupando. Max suspirou depois sorriu: "Não
há outra mulher na minha vida."
Mimi piscou para a menina. "Será que você olha para esses
cílios?"
Nat sorriu. "E esse cabelo crespo?"
Lola se adiantou e passou os dedos pelo rosto de Lidi. "Oh, meu
Deus, ela está enlouquecendo adorável." Ela olhou para mim com um
franzir. "Estou apaixonada."
Mas Lidi piscou difícil olhando Asher, sorrindo duro. Nat estalou a
língua. "É claro que ela escolhe a gostar do pior no grupo."
Provavelmente a faz lembrar de seu pai, pensei.
Lidi se inclinou para frente, segurando os braços para Asher. Ele
sorriu então e seu rosto transformado. Ele estava bonito. Ele veio para
a frente e levou-a dos braços de Max. Ele se afastou para olhar para
ela enquanto ela descansou a cabeça em seu ombro. Sua voz era baixa
e áspera. "É porque ela tem bom gosto."
Apertei os olhos para ela. "Não escapou meu conhecimento que
ela vai apenas para os homens." Eu me virei para Tina. "Só fica pior à
medida que envelhecem?" Tina assentiu solenemente. Eu deixei
escapar um suspiro.
"Merda. Eu vou ter que assistir isto com um olho de falcão ".
As meninas riram, enquanto os homens sorriram, e então alguém
estava envolvendo seus braços em volta de mim. Eu não tenho que
olhar. Eu afundei de volta para ele e sorri, colocando a mão na minha
cintura. Tina alegremente anunciou: "Esta é primo Lev."
"Olá", ele murmurou atrás de mim.
Alguns acenos foram trocados antes Tina suspirou contente, seu
rosto ficando mole. "Vocês ficam bem juntos."
Lev falou um divertido. "Eu também penso assim. Obrigado."
Uma jovem com cabelos longos castanhos e verdes olhos escuros
saiu do nada. Ela usava um vestido de casamento elegante e equipada
e quase branco que exibiu sua pequena barriga de bebê. "Ugh,
desculpe, pessoal." Ela suspirou cansada, mas parecia ridiculamente
feliz. "Estúpido Max e seu poderoso esperma."
Tina riu. "Helena, este é Lev e Mina. Lev é primo de Max. "
A noiva virou-se para nós. "Woa, hey. Não sabemos muitos do
outro lado da família. É bom que você pode estar aqui. "Ela sorriu
gentilmente quando Max colocou os braços em volta dela e beijou sua
cabeça.
"Muito obrigado por terem vindo."
Max explicou: "O meu pai e o pai de Lev eram irmãos." Ele sorriu
para Lev. "Lembre-se a merda que usamos para chegar?"
Lev balançou a cabeça. "Não. Mas lembro-me a merda que você
usou para chegar até e por a culpa em mim."
O grupo de pessoas caíram na gargalhada e Max deu de ombros.
"Isso é porque você era um fácil alvo, mano."
Nik balançou a cabeça. "Nah. Você era apenas um idiota."
"Sim." Max estufou o peito. "Estupidamente incrível." Eu ri para
mim mesma. Esses caras eram uma piada.
Depois de toda a confusão, eu não iria admitir isso, mas eu estava
feliz que vim. Foi bom ouvir sobre Lev entre a família que obviamente o
amava.
Sasha e Nas passeou e Nas entregou-me uma bebida. Levei com
gratidão e Max empurrou o queixo para Sasha. "Lev sendo casado. Nas
tem Viktor enrolado em seu dedo mindinho." Eu tinha certeza de que
eu era a única pessoa que notou a expressão de Nas azedar, mas Max
continuou." Quando você vai sossegar, sash?"
Sasha sorriu maliciosamente. "Quem sabe, homem?" Ele fez uma
pausa antes de adicionar um tanto enigmático: "Você nunca sabe o
que está escrito nas estrelas."
Nik cutucou Sasha. "Sim. Quem sabe?" Ele sorriu para seu primo.
"Mesmo Sasha pode encontrar uma mulher para colocar-se em sua
bunda."
Tina zombou. "Desculpe-me, senhor, mas eu me lembro de
conhecê-lo, e se você for o filho de uma arma que eu já conheci." Ela
olhou para nós e deu um sincero. "Eu quase me molhei. Ele era tão
frio. Ele me assustou. "
Nik puxou sua esposa para ele e apertou-a com força. "Sim, bem,
demorou conhecê-la para me descongelar, baby."
Nawww.
Eles eram estupidamente bonitos. Eu meio que amava.
Nastasia limpou a garganta e forçou um sorriso. "Eu não sei sobre
o casamento. É tão ... final. "Ela tentou se encolher, mas eu vi a
tristeza abatido no rosto.
Merda Vik. O que ele estava fazendo com ela? Eu estava indo para
torcer o pescoço maldito dele.
Nat suspirou. "Uau. Você soa como eu. "Ela puxou Nas e enfiou o
braço no dela, sorrindo o tempo todo. "Venha aqui. Você só se tornou a
minha nova melhor amiga. "
A conversa fluiu sem esforço durante toda a noite, e meu rosto
começou a doer de quanto eu estava sorrindo e rindo. Eu me senti à
vontade com essas pessoas. Eles foram um bom tipo, as mulheres que
tinham cumprido as suas partidas com os homens que tinham
aprendido a amar.
Eu segurei Lev e imaginei onde eu estaria se eu não o tivesse
encontrado. Um tremor duro desceu pela minha espinha e meu
estômago deu um nó desconfortável.
O pensamento era doloroso demais para considerar.
Chegamos em casa a partir do casamento apenas passado umas
horas, e a coisa engraçada sobre isso era que eu não queria sair no
final. Eu tive uma explosão de sair com as meninas, e Tina tinha me
convidado para baixo a sua boutique para fazer algumas compras de
vestido. Ela prometeu que noventa por cento de suas vestes estavam
com preços razoáveis, com os outros 10 por cento sendo exorbitante
puramente porque eles foram enviados da Itália.
As meninas foram adoráveis e eu não conseguia me lembrar da
última vez que eu falei com um grupo de pessoas tão rapidamente
como eu tinha. Eu prometi que viria para baixo com Nas e iria conferir
a Boutique de Safira.
Amanhã era cedo demais?
Eles dizem que todas as coisas boas devem chegar a um fim, e eu
estava com medo que nossa coisa boa estava perto de violar a barreira
de segurança.
Isso aconteceu três dias depois, quando eu tinha acabado de
entrar na casa para ouvir Lev soltar um rugido animalesco da cozinha.
Meu coração batia forte e eu corri até ele.
Eu encontrei ele curvado sobre a mesa da cozinha em seus suores
e camiseta, parecendo prestes a quebrar a mesa na metade.
"Querido." Eu perguntei cautelosamente. "O que está errado?"
Foi então que eu notei um pedaço de papel amassado na palma
da mão. Ele respirava com tanta força que seu peito arfava. Dei mais
um passo cuidadoso para a frente, colocando a mão em suas costas.
"Baby?"
Seus olhos se fecharam e ele retumbou, "Igor Alkaev quer a
guarda de Lidiya." Ele soltou um longo suspiro. "Ele está me levando
para o tribunal."
Minha testa franziu. "Com que fundamentos?"
Lev latiu. "Eu não sei porra, Mina. Merda. Quando eles vão me
deixar sozinho? "
Tentei não tomar a sua ira pessoalmente. Eu sabia que ele não
estava com raiva de mim, depois de tudo. "Você ligou para seu
advogado?"
Ele fechou os olhos e murmurou um resfriado. "Não. Eu quero
falar com Igor. "
" Eu vou com você", eu disse a ele, e eu não estava perguntando.
Lev balançou a cabeça. "Não. Eu estou indo sozinho. "
Eu não quero ser a voz da razão, mas se eu não tomar esse papel,
quem o faria? "Querido, você sabe como você começa quando você está
com raiva. Você pode ir um pouco rude ", eu havia dito em voz baixa.
"Deixe-me ir. Eu não vou dizer uma palavra. Apenas deixe-me estar lá
para você."
Sim, está bem, vamos ser honestos. Eu estava preocupada que
Lev pudesse matar o imbecil.
Eu vim por trás dele e coloquei minhas mãos em seus quadris,
inclinando-se para pressionar o meu corpo ao dele, beijando o centro
de sua coluna vertebral. "Deixe-me ir, baby. Por favor. Vou ficar fora do
caminho. Eu prometo."
Ele virou-se em meus braços e olhou para mim. "Eu não quero
você fora do caminho. Eu quero você segura, aqui com Lidiya."
Pisquei para ele. "E se fosse eu, você me deixaria ir sozinha?"
Sua testa franziu. "Claro que não."
"E é por isso que eu vou com você", eu disse.
Embora Lev não gostasse, ele admitiu, e fizemos uma parada
rápida para Nastasia de onde Lev chamou Sasha, e então nós
estávamos em nosso caminho para a residência Alkaev.
Eu tinha pena do tolo.
Igor Alkaev atendeu a porta, e eu tive que admitir que ele não
parecia como eu imaginei. Eu imaginava um homem baixo e
rechonchudo com uma barriga saliente, cabelos escuros, e talvez uma
barba. O que eu consegui foi um homem alto e magro com cabelos
grisalhos loiro, nariz afilado, frios olhos escuros e uma expressão
constante de desgosto.
Igor levou-nos para dentro sem uma palavra e disse à esposa
aparentemente sem voz, Vera, para trazer um pouco de café. Ela saiu
sem dizer uma palavra e Igor sorriu. "Então, você tem a carta, eu vejo."
Lev foi demasiado firmemente amarrado a sentar-se. Em vez
disso, ele ficou ao meu lado enquanto eu estava sentada no sala de
couro. "Eu fiz. Eu quero saber o que diabos você está pensando, Igor,
porque você não está recebendo a minha filha. Eu tive dois longos anos
sem ela, e eu serei amaldiçoado se eu desistir dela agora. "
Igor assistiu Lev de perto. "Você mudou", afirmou. "Algo está
diferente sobre você. Eu não posso colocar o dedo sobre isso. Você é "-
Suas sobrancelhas moveram" algo equilibrado ou ".
Lev resmungou. "Diga-me o que quer."
Eu assisti os dois homens com cuidado. Eu tinha spray de
pimenta na minha bolsa e eu não tinha medo de usá-lo. Eu não era
uma violeta encolhendo quando os meus entes queridos estavam
envolvidos.
Igor cheirou. "Você não tem nada que eu quero, Leokov." Seu
rosto fechado. "Não mais."
Lev rangeu os dentes. "Você não está recebendo um centavo de
mim, nunca mais."
O rosto do homem mais velho brilhou vermelho brilhante. "Minha
filha está morta, seu imbecil. Você engravidou em seguida, decidiu que
não queria ela. Ela amava você. É claro que ela se tornou deprimida.
Ela lidou com a sua crueldade durante anos antes que ela tirou a vida
dela." Ele respirou fundo e soltou um ártico," E é tudo culpa sua. "Ele
sentou-se em linha reta, adaptando a sua gravata que não precisa de
ajuste. "Você é tóxico. Lidiya está em melhor situação com a gente. Nós
a amamos."
Lev engoliu em seco, sua mandíbula apertada. "Pense no que você
está fazendo. Pode ser o último pensamento que você já teve. "
Igor sorriu então, e foi de limo. "Isso é uma ameaça, Leokov?"
Lev respondeu calmamente: "Nenhuma ameaça. Acidentes
acontecem."
Igor ficou apenas como sua esposa voltando com café para todos
nós. "Parece que não temos mais nada para discutir. Por favor saia."
Levantei-me e peguei a mão de Lev como ele disse. "Vejo você no
tribunal."
Viramos e a mão de Lev agarrou-me apertado o suficiente para
machucar. Assim como nós mudamos para abrir a porta, ela se abriu e
Corinna estava ali. Ela olhou como se ela estivesse em uma missão e
não tinha tempo para parar e dizer oi. Ela caminhou como se fosse a
dona do lugar, e com um sorriso sarcástico, murmurou: "Mãe." Ela
olhou para seu pai e não podia esconder o olhar de desgosto. "Doador
de esperma inconsequente."
E lá estava ela, o nosso pequenino, minúsculo anjo da vingança.
Dizem que as melhores coisas vêm em pacotes pequenos. Estávamos
prestes a perceber o quão verdade estava dizendo.
Igor ficou rígido. "Eu lhe disse para nunca mais voltar aqui."
Cora zombou. "Como eu faria de bom grado. Obtenha um indício,
velho. "Ela sorriu maliciosamente. "Eu estou aqui para Lev."
Igor empurrou o queixo em direção Lev." Leve-o, então. Estamos
terminados."
Eu assisti na perplexidade quando Cora riu levemente. "Uau, você
é realmente uma ferramenta." Ela caminhou até a sala se couro e se
sentou. "Você não quer Lidiya. Você só está chateado que sua filha
dourada ter desaparecido. E eu entendo isso. Eu sinto falta dela
também, mas o que você está fazendo é nojento." Ela endireitou-se e
olhou Igor morto no olho. "Você quer jogar duro, papai?" Ela sorriu um
sorriso de Mona Lisa. "Talvez você devesse verificar o seu local seguro;
encontrar a sua razão." O rosto de Igor ficou frouxo.
O sorriso de Cora desapareceu e foi substituído por preocupação.
"Sua busca provavelmente será inútil embora." Ela balançou a cabeça
em inquietação. Tantos ladrões fora estes dias. É uma pena,
realmente. "
O rosto de Igor empalideceu quando ele sussurrou, "O que você
fez, Corinna?"
Cora disse. "Eu vou te dizer o que eu fiz. Eu fiz quatro cópias
desse livro-razão. "Ela fez uma pausa momentânea. "Você pode ter a
volta original, mas se você quiser ir em frente com esta batalha de
custódia mesquinha por uma criança que você não quer", sua voz
baixou um pouco, "vai ao ar toda sua roupa suja, toda a parte. Cada
rede de notícias vai saber os prós e contras de Zakon. "
Seu pai deu um passo adiante e parecia que ele estava pronto
para atacar, mas se conteve. "Eu vou ser morto."
Ela encolheu os ombros. "Então você vai ser um mártir da causa."
Eu não tinha certeza que eu estava vendo direito, mas a testa de
Igor começou a brilhar com suor quando ele engasgou. "Você vai ser
morta."
Cora cruzou os braços sobre o peito. "Sim, eu pensei sobre isso já.
Veja, se alguma coisa me acontecer, eu dei instruções estritas para
liberar uma cópia do livro razão com o FBI. As outras três cópias ...
"Ela parecia tão satisfeita consigo mesma como ela suspirou, "Quem
sabe onde elas vão? "Igor parecia pronto para rugir.
Cora se inclinou para frente e sussurrou, "A propósito, Mama
sabe você era a pessoa fornecendo meth a Irina?" No suspiro de dor de
sua mãe, Cora se virou para nós, encolhendo-se. "Merda." Ela falou
através do lado de sua boca: "Isso é estranho."
Um silêncio espesso envolto nós. Ficamos ali, absorvendo o que
Corinna Alkaev tinha apenas abordada em seu pai, quando,
finalmente, ela bateu palmas e disse, "Ok, então vamos embora agora,
e você não vai ver-nos novamente. Nunca. Se você mesmo tentar olhar
o caminho de Lidi, vou esmagá-lo como a porra do inseto que você é,
você triste, homem amargo. "Sua expressão dura vacilou um momento
para revelar uma profunda tristeza. "Eu te amei uma vez." Ela se virou
para sua mãe. "Você precisa deixá-lo, Ma. Ele é louco. "Ela avisou a
mãe dela," Saia enquanto ainda pode. "
Os punhos de Igor se fecharam e ele pronunciou com os dentes
cerrados, "Você puta desrespeitosa."
Cora o ignorou, ainda olhando para sua mãe. "Chame-me se
precisar de mim. Eu vou apoiá-la em tudo o que escolher." Ela sorriu
para a tranquila mulher mais velha que agora tinha lágrimas em seus
olhos. "Eu te amo mamãe. Sempre amei. Sempre irei."
Ela virou-se e acenou para nós para sair. "Vamos. Vamos. "Cora
nos acompanhou para o carro e murmurou." Vamos. Eu vou encontrá-
lo na Nastasia." Lev não parou para fazer perguntas.
Nós entramos no carro e fomos.
Cora e Nas estavam esperando por nós que saímos do carro. Eu
estendi meus braços. "Que diabos foi isso?"
Nas virou-se para Cora e cutucou seu ombro. "Isso é o que vocês
chamam de ter jogo."
Lev abordou com cautela. "Por favor, diga-me que não era um
blefe."
Cora sorriu para ele. "Não. Nas tem uma cópia, e assim faz Sasha.
Meu advogado tem um, e o último livro razão está em um local secreto.
"Ela suspirou. "Papai será regiamente fodido se ele mexer com você de
novo."
"Por quê?" Perguntou. "Por que você está me ajudando?"
Cora olhou para o chão antes de falar em voz baixa. "Você disse
que eu era como uma família uma vez. E as famílias cuidam uma dos
outras, tem as costas umas dos outras." Ela fez uma pausa. "Eu
sempre me senti mais em casa aqui do que eu já fiz por lá."
Então Lev fez algo estranho.
Ele deu um passo para a frente, colocou os braços ao redor de
Corinna, e abraçou-a. E isso não foi um curto abraço. Durou um
minuto inteiro, no mínimo. Cora caiu contra ele, atingindo-se e
agarrando sua jaqueta com força enquanto ela aceitou a rara
demonstração de afeto de um homem que raramente dava.
E eu estava junto, sorrindo como grande.
Ele se afastou e segurou seu rosto. "Obrigado, Corinna. Estou em
dívida com você. "
Mas ela balançou a cabeça. "Você não me deve nada. Eu só quero
que Lidiya seja feliz, e ela está feliz aqui ".
Que ela era, a pequena abóbora.
Um pensamento me atravessou. "Estamos seguros que Igor vai
acatar o aviso? Ele é tão arrogante. O que não parece ser do tipo que
se preocupa com uma ameaça."
A testa de Cora subiu. "Oh, ele vai ouvir." Ela riu. “Eu lhes envie
de volta uma cópia dos documentos só assim ele sabe que eu não
estou brincando."
"Whoa," eu disse em reverência. "Você é uma filha da puta fodona,
Cora." Sorri em agradecimento. "Eu gosto disso. É uma boa olhada em
você. "
Nas cortou em seguida. "Cora vai ficar aqui por um tempo, apenas
até que ela receba de volta em seus pés."
Cora empalideceu. "A menos que você não queira que eu fique."
Lev respondeu com sinceridade: "Fique o tempo que você quiser.
Temos muito espaço. "
Nas cutucou Cora e sussurrou: "Pergunte a ele."
As sobrancelhas de Cora se agrupou, e ela balançou a cabeça
discretamente.
Nas revirou os olhos. "Basta perguntar a ele."
"Pergunte-me o que?" Lev perguntou.
Cora balançou a cabeça, parecendo levemente embaraçado. "Não é
importante."
Nas suspirou alto. "Você percebe que ela está cortada oficialmente
fora agora, certo?" Lev assentiu, mas deu de ombros.
Nas murmurou desconfortavelmente, "Ela meio que precisa de um
emprego, você sabe, para viver." Lev olhou para Cora. "Você pode servir
bebidas?"
"Eu não sei. Eu nunca tentei ", ela respondeu.
Ooh! Ooh!
Eu levantei minha mão como um aluno do primeiro ano, nem se
preocupando em disfarçar minha emoção. "Eu posso ensiná-la." Eu
olhei para Cora com um sorriso. "Eu posso te ensinar." Eu dei de
ombros. "Se eu posso aprender, você também pode. E eu era terrível
quando eu comecei. "
Nas inclinou a cabeça no pensamento, meio rindo da memória.
"Você realmente era." Na minha indignado. "Hey!", Ela então se virou
para Cora e deu de ombros. "Ela realmente era."
Lev assentiu. "Ok, então está resolvido. Você vai trabalhar no
clube. "
Os ombros de Cora despencaram de alívio e ela deixou escapar
um sincero: "Obrigado."
Lev simplesmente respondeu: "Nós somos uma família. Nós
cuidamos uns dos outros." Esta noite Oh, homem, ele estava tendo
sorte.
A primeira noite de Cora saiu sem um engate. Ela era natural, e
graças a nós duas sendo do mesmo tamanho, ela foi capaz de vestir a
roupa Red Riding Hood que Birdie tinha comprado para mim. Eu disse
a Birdie para colocar em outra ordem para trajes do meu tamanho,
mas diferente para os que eu tinha. Birdie me disse que levaria um par
de dias, e que estava bem. Eu não me importava em estar
compartilhando com Cora até então.
Quando eu fui para contar a ela sobre o flerte sutil para dar as
dicas, eu notei que ela já tinha feito isso.
Quando eu pensei em mencionar as garrafas House Blend cheios
de chá gelado, Cora já tinha descoberto. E quando eu a vi inclinar-se
sobre o bar para colocar um beijo na bochecha de um grande gastador,
eu estava um pouco ofendida. Ficou claro que não era necessário.
As meninas estavam dançando no palco para fora uma rotina
para Rihanna "cadela melhor ter meu dinheiro", e eu estava
hipnotizada. Eles balançavam seus quadris delicadamente, seus seios
escondidos atrás de pastéis( adesivos de seios) cintilantes, e suas
expressões eram sensual. Elas realmente eram umas belezas, nossa
Dozen Diamond.
No meio da noite, virei-me para encontrar meu irmão sentado no
bar bem a minha frente, vestindo um sorriso leve. Eu guinchei de
surpresa, então me joguei por cima da barra envolvendo os meus
braços em torno dele. Eu ri em seu ouvido: "Quanto tempo você estava
me olhando nesse espaço?"
Ele me abraçou de volta, em seguida, beijou meu rosto. "Só um
minuto." Ele se afastou e começou, "Eu preciso " Mas ele parou no
meio da frase, perdendo o foco quando seu olhar pousou em Cora. Sua
testa franziu."Quem é aquela?"
Virei-me para piscar em Cora, em seguida, virei-me para ele.
"Corinna Alkaev. Ela é nova. Começou hoje à noite. Ela é uma amiga
da família. "
Mas Alessio estava perdido por ela, e eu escondi meu sorriso. Ele
balançou a cabeça levemente antes de começar novamente.
"Posso falar com você por um minuto?"
Olhei ao redor do bar. Havia um monte de pessoas à espera, e
com Nas, Cora, Anika e eu todos trabalhando nossas caudas, eu fiz
uma careta. "Qualquer chance que você poderia esperar cinco minutos,
só até eu ajudar com esta multidão?"
Alessio sorriu para mim, e eu podia jurar que vi o orgulho lá. "Não
tenha pressa. Isto pode esperar."
Ele esperou 10 minutos sem pestanejar um chicote e, finalmente,
quando a multidão deu um intervalo e desacelerou, acenei para Nas
que eu estava saindo. Ela piscou para mim e eu andei em torno do bar,
ligada meu braço através de Alessio, e fiz o nosso caminho para o
único espaço livre no clube pelas paredes do banheiro.
"E aí?"
Ele hesitou, e quando ele começou a falar, ele foi cauteloso.
"Então, você tem que saber que Enzo era carregado, certo?"
Eu pensei sobre isso, então deu de ombros. "Eu não sabia disso,
não." O que isso tem a ver comigo?
Alessio assentiu. "Ele era. E eu tenho a sua herança. "
Eu olhei para ele. "E assim que você deve ter."
Ele balançou sua cabeça. "Mas eu não sou seu único filho. Você é
filha dele também. E eu quero compartilhar com você. "
Oh. Eu entendi. Ele sentiu uma obrigação por mim.
Meu coração inchou e eu fiquei aquecida com felicidade. Eu sorri
para ele, pegando seu rosto cheio de cicatrizes. "Você é doce, Alessio,
mas não. Eu não quero isso. "
Ele pegou a minha mão de seu rosto e apertou-a. "Tarde demais,
Mina. Ele já está em sua conta bancária. "
Afastei-me, minha testa franziu. "O que?"
Alessio segurou minha mão, recusando-se a deixar ir. "Eu falei
com Lev na semana passada. Ele concordou que você poderia usar o
dinheiro, e a liberdade que este tipo de dinheiro traz. Ele quer você
definida, a assim fazer . "Seu aperto na minha mão suavizou. "Ele era
um pai de merda, Mina. O dinheiro não é tudo, mas ele nos devia pelo
menos isso. "
Ok. Ele queria que eu tivesse o dinheiro. Ele foi inflexível sobre
isso.
"Quanto dinheiro estamos falando aqui?" Perguntei em voz baixa.
Gesticulando com os dedos, eu trouxe a minha cabeça perto dele
e ele sussurrou a figura em meu ouvido. Meus olhos se arregalaram e
eu puxei de volta com um suspiro, empurrando-o no peito. "Saia!"
Minha boca aberta, minha cabeça nadou. "Meu Deus. Cale-se!"
E o corpo de Alessio sacudiu com o riso silencioso. "Sim."
Minha mente estava uma bagunça. Isso era mais dinheiro do que
uma pessoa poderia precisar na vida. Eu não conseguia pensar. Eu era
uma bagunça.
Então, de repente, eu deixei escapar: "E se eu quiser doá-lo a
instituições de caridade?"
As sobrancelhas de Alessio aumentaram. Ele claramente não
estava esperando essa resposta. Ele pensou por um momento antes de
responder, "É o seu dinheiro, Mina. Você pode fazer o que quiser com
ele. Se você quiser doá-lo, em seguida, vá para ele. "
"Hey, Mina?" alguém falou por trás de mim. Eu me virei para ver
Cora olhando pacientemente em cima Alessio, seus olhos pastando
sobre a metade de seu rosto cheio de cicatrizes. Ela não olhou para
mim quando ela falou de novo, mas manteve-se fixa no homem alto e
taciturno. "Lev está olhando para você."
"Cora, esse é meu irmão Alessio. Alessio, este é Cora, a nossa
nova garota do bar. "
Isso quebrou Cora para fora de seu estado. As sobrancelhas dela
se levantaram e ela sorriu. "Você tem um irmão?" Então, de repente,
era como se as cicatrizes de Alessio tivessem desaparecido e ela só
tinha olhos para o homem por trás delas. Ela se adiantou e estendeu a
mão. "Você é um cara de sorte ter uma irmã como Mina," ela terminou
com uma piscadela.
Alessio olhou para o foguete que era Cora depois, lentamente, com
cuidado, ele pegou a mão dela, sacudindo-o levemente. "Eu sei."
Ela ajuntado seu nariz adoravelmente. "Tenho certeza que você
não é tão ruim mesmo embora."
Eu adicionei em uma risada. "Ele não é." Eu sorri suavemente
para cima em Alessio. "Ele é tipo impressionante."
Alessio soltou a mão de Cora e ela colocou a mão em seu braço.
"Gostaria de uma bebida? Eu posso trazê-lo. "
Oh meu.
Cora estava dando toda sua atenção para Alessio e ele parecia
como se ele não tinha certeza de como lidar com isso.
Ele baixou os olhos e balançou a cabeça. "Estou bem. Obrigado."
Eu tinha certeza de que tinha sido um longo tempo desde que
Alessio obteve o tipo de atenção que ele costumava fazer, e da forma
como Cora estava olhando para ele, ele tinha apenas ganhado uma
admiradora improvável.
Eu não queria que sua conversa unilateral chegasse ao fim, então
eu fiz algo que eu provavelmente não deveria ter. "Hey, Cora, você fez
muito bem esta noite. Eu não quero empurrá-la muito difícil. Você está
fora para o resto da noite. "
A testa de Cora franziu. "Oh, ok. Então, o que eu faço agora? "
" Sente-se. Tome uma bebida. Aproveite o show, "Eu disse a ela.
"Por mim mesmo?" Ela perguntou, parecendo um pouco
desconfortável.
"Não", eu disse, então pisquei inocentemente para o meu irmão.
"Com Alessio." Os dois ficaram em silêncio.
Eu tinha feito minha jogada; que era hora deles se conectarem..
Alessio falou primeiro, e ele olhou para mim ao fazê-lo. "Eu deveria ir."
Eu soprei-lhe um beijo de provocação. Mas então Cora olhou para
ele com os olhos arregalados. A pesar que o olha que ela usava era
genuíno. "Você precisa ir?"
O pescoço de Alessio foi liberado. "Eu não preciso ir, mas eu
deveria."
Cora parecia levemente arrasada, mas ela jogou friamente. "Oh,
ok. Claro. "Ela riu baixinho, e soltou graciosamente:" Você tem coisas
melhores a fazer do que ser babá ".
Alessio olhou para ela e piscou os olhos, franzindo as
sobrancelhas em confusão, e ele perguntou lentamente, "A menos que
... você queira que eu fique?"
Seus ombros caíram em relevo e um verdadeiro sorriso apareceu.
"Poderia?"
Sem hesitações. "Foda-se, sim."
E foi assim que isso foi feito, para as pessoas.
Cora sorriu, caminhando no sentido de vincular o braço de
Alessio, e eu os assisti ir embora para encontrar uma mesa.
Eu os assisti pelo resto da noite, e quando questionada por Nas
onde ela estava eu apontei para o chão, e ambas os vimos rindo juntos,
sentados coxa a coxa.
Alessio virou o rosto para falar diretamente no ouvido de Cora,
mas ela se virou para ele ao mesmo tempo. Eles olharam nos olhos um
do outro um segundo antes de Cora fechar e ela inclinou-se um pouco.
Seus lábios se conectaram com Alessio e depois de seu momento de
incredulidade, ele fechou os olhos e deixou que isso acontecesse. Eles
se beijaram tão docemente, tão docilmente, que meu coração pulou
uma batida.
Nas usava um olhar de choque e eu apoiei essa expressão.
Bem, isso foi rápido.
Cora alcançou as mãos nas bochechas copo de Alessio, e Alessio
puxou para trás como se tivesse sido eletricamente chocado. Ele
baixou o rosto e disse alguma coisa antes de pé e deixando Cora
sentada lá por conta própria.
Ela caiu em sua cadeira e balançando a cabeça, parecendo
miserável. Alessio era um homem orgulhoso. Ela precisava dar-lhe
tempo. Suas cicatrizes eram uma praga para ele.
Olhei para Nas, e ela retribuiu meu olhar triste. Eu esperava
Alessio desse a Cora uma chance.
Depois de tudo, o tempo de todas as feridas havia cicatrizado. Ou
então elas ainda exitiam.
Eu estava perto da janela olhando para a lua, perdida em
pensamentos. Vestida com o quimono preto e vermelho que Vik tinha
me comprado, meu intestino apertado de nervos.
Já era tempo.
Virei-me para onde ele estava deitado na minha cama, nu como
no dia em que nasceu, e estendi a mão para agarrar a cruz de ouro
pendurada no meu pescoço, outro presente de Vik- antes engoli em
seco e falei baixinho: "Vik ... mel ... Eu preciso que você faça algo para
mim, ok? Sem perguntas. Eu só preciso de você para fazer isso. "
Seu rosto virou-se para olhar para mim e ele franziu a testa.
"Para você baby? Qualquer coisa. "E ele quis dizer isso também.
Maldição.
Meus lábios tremeram. Eu tomei uma respiração profunda antes
de expirar lentamente. "Eu preciso que você vá para a casa." A
primeira das minhas lágrimas caiu e eu inalei entrecortada. "Eu
preciso que você para vá para casa e não volte aqui, está bem?" Meu
queixo mergulhou e meus braços se apertaram em torno de mim. "E
precisa ser você. Você tem que sair. Porque eu vou continuar fazendo
isso. "Eu desviei meus olhos quando eu olhei para cima novamente.
"Porque eu vou continuar te amando, e eu não posso mais fazer isso."
Engoli em seco, limpando as lágrimas no meu rosto, e tentei retirar a
calma. "Então você precisa ir." Quando ele não fez nenhum movimento
para sair, meu rosto se desintegrou e eu implorei através de um
sussurro: "Por favor."
Lá estava, a céu aberto, e eu estava chocada pela forma como me
senti péssima. Não havia nenhum alívio, nenhum peso saindo dos
meus ombros. Se qualquer coisa, o peso triplicou.
Eu estava me perdendo.
Ele piscou para mim um longo momento antes que ele se
sentasse. "O que você está falando, baby?" Ele estendeu os braços e
meu coração clamou a ser embrulhado neles. "Volte para a cama", ele
proferiu.
Eu balancei a minha cabeça. "Não." Minha voz era mais áspera do
que eu queria que fosse.
Fui até a cama, sentei com minha coxa na dele. Olhei-o nos olhos
e proferi as palavras que eu temia dizer. "Diga-me que me ama, Vik."
Minha mão disparou para agarrar a dele e eu quase implorei. "Só me
diga que você me ama."
Seu polegar roçou os meus por um longo momento antes dele
murmurar., "O que é tudo isso?"
No meu silêncio, ele perguntou: "De verdade, baby? Você vai me
deixar ir? Só isso? "Ele franziu o cenho em confusão.
Eu entendi a confusão. Eu nunca tinha feito isso antes. Eu não
era uma rainha do drama, e eu nunca exigi nada de Viktor Nikulin.
Ele era o meu coração e alma, e eu o amava com tudo que eu
tinha, mas eu era usada oficialmente pelo nosso não relacionamento.
Eu queria mais. Eu precisava de mais.
Era tudo ou nada.
Com meu rosto impassível, eu disse: "Eu não posso mais fazer
isso, Vik. Eu não posso ser a mulher que você chamar 3 da manhã.
para um sexo noturno. Eu mereço mais, como um homem que não tem
medo de amar uma mulher. "Eu balancei a minha cabeça. "Eu não
entendo você. Um minuto, você está quente e no próximo, você está
com frio. "Minha voz tremeu. "Estou quase com trinta anos de idade.
Eu não posso esperar para sempre. "
Seus braços vieram ao meu redor. Ele me puxou para perto e eu o
deixei. Ele levantou-me para o seu colo, me envolveu apertado e me
segurou perto, quando ele declarou: "Eu quero que você pense sobre
isso, ok? Não faça quaisquer decisões precipitadas. Só ... só pense
nisso. E se é isso que você realmente quer na parte da manhã, eu vou.
Eu vou deixá-la sozinha. Tudo bem? "Mais uma noite.
Agarrada a ele, eu assenti contra seu peito.
Meu coração se partiu naquele momento.
Vindo a manhã, nós dois sabíamos qual a minha decisão seria.
"Você já decidiu?" Eu perguntei quando me aproximei de meu
mouse por trás, observando-a sem descanso através de sites de
caridade.
Com seu punho sob seu queixo, ela resmungou: "Não." Então ela
suspirou. "Há muitos deles. Eu não tenho nenhuma ideia de como
decidir qual é digno o suficiente para doar." Eu pensei sobre isso.
Seria uma decisão difícil de fazer. Eu dei um passo para a frente,
puxei a cadeira e levantei-a. Sentei-me no lugar dela e baixei-a para
baixo para o meu colo. "Mesmo que você só dar metade de sua
herança, há um monte de dinheiro lá. Por que não divide em quatro ou
seis e doar para causas múltiplas. "
Mina se derreteu em mim, descansando a cabeça no meu peito,
enrolando-se no meu colo como um gato. "Isso não é uma má ideia. Eu
poderia fazer isso." Ela soltou um suspiro de frustração. "Mas isso não
deve tomar a decisão mais fácil."
"Você sempre pode atraí-los fora de um chapéu", eu havia dito,
apenas apreciando a sensação desta criaturinha em meus braços, não
é grave, no mínimo.
Eu segurei ela e o mundo escapuliu. Ela acalmou minha mente e
minha alma levantada quando perto dela. Mina Harris era a melhor
parte de mim, e eu gostaria de mantê-la feliz para o resto da minha
vida.
Ela se acalmou no meu colo e olhou para mim com os olhos
arregalados, com uma expressão que dizia "Agora, por que eu não
pensei nisso antes?"
"Essa é uma ótima ideia", ela sussurrou. Um pequeno sorriso
enfeitou seu belo rosto e ela se inclinou para me beijar. Eu levei seus
lábios suavemente, mergulhando em prová-la e ela suspirou baixinho.
"Eu te amo, Lev."
Era hora de explicar algo para Mina, algo sobre quem eu era. "Eu
nunca pertenci a ninguém, Mina," eu comecei. "Eu sempre tive um
sentimento de solidão dentro de mim, e eu nunca entendi isso, não
quando eu estou constantemente rodeado de pessoas. Eu, no entanto,
entendo que diferem das massas. Em um constante estado de
confusão, incompreensão me atormenta. "Minha testa franziu. "Eu
estou sempre pensando, 'O que eu disse para deixar Nastasia louca?'
Ou 'Por que Sasha olha para mim desse jeito? 'Porque é que o cérebro
funciona da maneira que deveria? "
Parei por um momento, e Mina ouviu atentamente. "Eu teria dado
qualquer coisa para ser normal. E em torno de você, eu me sinto
normal."Eu coloquei minha mão contra sua bochecha e corri o polegar
sobre seu queixo. "Eu nunca fui comum. Você me deu isso. Estou
pensando em pagar o que eu devo a você pelo resto da minha vida. "
Ela se inclinou na minha mão e fechou os olhos. "Nós salvamos
um ao outro." Ela abriu os olhos e olhou para mim com amor.
"Acho que podemos chamá-lo do mesmo, querido."
Talvez ela esteja certa. Talvez nós estávamos destinados a
encontrar-se mutuamente. De qualquer maneira, eu faria tudo ao meu
alcance para me certificar de que Mina teve uma vida plena e feliz.
Assim como ela tinha dado para mim.
Meu celular vibrou e eu puxei-o para fora do meu bolso para ler a
mensagem.

Nas: Vem cá. Nós precisamos conversar. PRIVADO.

Eu me virei para olhar sobre a Mina e Lidi, que estava sentadas


no chão assistindo a um filme infantil na televisão. Elas estavam
separados, mas de mãos dadas.
Minha garganta se contraiu.
Eu não queria sair, mas Nastasia era minha irmã. Ela era
importante para mim e quando ela me chamou, eu estava lá.
De pé, eu acalmei quando Mina se virou para olhar para mim.
"Volto em breve. Nas precisa de mim. "
Mina me mandou um beijo e eu levei-o comigo quando eu saí pela
porta da frente e fiz a curta viagem para a casa de minha irmã.
Ela estava me esperando na porta da frente, mantendo-a aberta.
Com um aceno de seu braço, ela disse:
"Entre aqui."
Parecia grave. Nas raramente era curta comigo e agora, ela
parecia irritada. Eu fiz meu caminho até os passos e quando eu cruzei
o limiar de sua casa, eu disse. "Algo está errado."
Ela soprou um longo suspiro, andando através de sua sala de
jantar e tomou um assento. "Sim, algo está errado, Lev." Ela empurrou
o queixo, fazendo sinal para que eu tome um assento, então eu fiz.
"O que é isso?",perguntei com cuidado.
Nas recostou-se na cadeira e soltou suavemente, "Você ama
Mina?" Meu rosto ficou duro. Que pergunta idiota. "Claro que eu amo
Mina." O que foi isso?
Meu coração batia forte. Quando as coisas chegaram a Mina, eu
não sabia mexer. "O que está acontecendo, Nas?"
Então ela disse algo que eu não estava esperando. Aqui, com os
olhos tristes, ela murmurou, "Eu estou um pouco decepcionada com
você."
As batidas no meu peito aumentaram. "Por quê?"
Minha irmã balançou a cabeça. "A proposta pública foi bonita,
Lev." Ela balançou a cabeça. "Mas eu estava esperando que você
pisasse fora de sua caixa, descesse em um joelho e pedisse Mina de
uma forma que iria fazê-la se sentir especial."
Abaixei meu rosto, momentaneamente perdido em seus
pensamentos e quando eu levantei a cabeça para olhar para ela de
novo,
Eu perguntei: "Você acha que Mina gostaria? Uma proposta?"
Nas sorriu suavemente e me disse: "Toda mulher quer uma
proposta que ela poderia dizer a seus filhos." Crianças? Com Mina?
Eu gostei da ideia.
Sim. Uma proposta.
Eu poderia fazer isto.
Com a mente no lugar, eu me inclinei para a frente um pouco e
perguntei: "O que eu preciso fazer?"
Nas sorriu então. "Eu pensei que você nunca pediria."
Alguma coisa estava acontecendo.
Eu não tinha certeza do que exatamente, mas Lev estava agindo
distraído e tipo fora, até mesmo para ele.
Quando lhe perguntei o que estava errado, ele balançou a cabeça
e murmurou algo sobre ter muito em sua mente. Eu disse que ele
poderia falar comigo e quando ele se virou para mim e sorriu, ele
afirmou que ele iria falar quando fosse necessário.
Eu confiei Lev com cada pedaço de mim e se ele me disse para
não me preocupar, eu iria tentar o meu melhor para não. Mas eu o
amava, o que significava que eu iria em frente e me preocuparia de
qualquer maneira.
Era domingo e depois de ter uma noite previsivelmente de sábado
no clube, Lev acordou para obter o seu treino e, embora parte de mim
queria ser o início da coisa, a outra parte de mim não daria uma volta.
Eu estava cansada e por causa disso, eu dormi meu caminho até
11h30, e Lev estaria chegando de volta de sua corrida a qualquer
momento agora.
Andando minha bunda sonolenta descendo as escadas, eu fui
para a cozinha para me servir de uma xícara de café. Eu tinha tomado
o primeiro gole quando Lidiya entrou na cozinha, um copo vazio
pendurado em sua mão enquanto o outro esfregava os olhos um pouco
cansado e ela lamentou. "Não cochilo. Sem soneca." Em seguida, ela
pisou um pouco em seu pé.
Mirella seguiu. "Lidi, querida, você está cansada. E quando você
está cansada, você precisa de uma soneca." Mirella revirou os olhos
ligeiramente e sorriu de uma forma que lia as crianças, hein?
Lidi já estava ao meu lado, segurando os braços para cima e sem
hesitação, fui buscá-la, balançando-a de lado a lado e beijando sua
testa carinhosamente. Seus olhos já estavam começando a fechar
quando Lev entrou pela porta dos fundos. E quando ele me viu,
segurando Lidi, balançando-a auto mal-humorada para dormir, seus
olhos foram quentes.
Ele fez o seu caminho para a frente e beijou sua bochecha
gordinha antes de virar para mim e me beijar os lábios, macio. Lidiya
agora dormindo deixou cair o copo com canudinho para o chão da
cozinha com um barulho e batendo palmas e ela se sacudiu, mas não
acordou.
Lev puxou-a para fora dos meus braços, abraçou-a e levou-a até o
quarto dela, onde ela poderia tirar uma soneca no conforto. Segui-o
para cima para que eu pudesse vê-lo despir-se e, quando cheguei de
volta ao nosso quarto, ele já tinha a sua camisa fora.
"Temos a noite de folga", ele jogou fora no silêncio.
Meu nariz ajuntado. "O que? Por quê?"
Lev olhou para mim, com as mãos na cintura de suas calças.
"Porque você merece." Eu gostava do clube. Era de longe a minha
casa. Eu gostava de lá.
Com um encolher de ombros , eu soltei um sincero, "Tudo bem.
Eu não preciso de uma noite. Eu amo noites do clube, além,que é
apenas três dias por semana. "
Ele piscou para mim, parecendo surpreso que eu não iria querer
uma noite para mim mesma. "Eu pensei que nós poderíamos ir para o
jantar. Para o lugar russo que você gosta. "Ooh.
Blini e Pelmeni. Eu não acho que eu poderia perder essa, mas era
uma noite de trabalho. Nós poderíamos ir a qualquer momento.
E ele acrescentou algo que teria tirado a minha luta. "Como no
nosso primeiro encontro."
Meu sorriso era lento para formar e felino. "Você quer ter uma
noite de encontro?"
Ele assentiu. "Sim. Apenas nós dois. "Merda, que era doce.
Como posso dizer não a isso?
"Ok." Eu sorri mais. "Mas, só assim você sabe, para você, eu sou
uma coisa certa, baby. Sempre."
Seu lábio se contraiu e ele jogou sua roupa suada, deixando-o nu.
Deixei escapar um assobio baixo de apreço e seu corpo tremia na
risada silenciosa. Então eu o segui até o banheiro para vê-lo tomar
banho porquê ... bem ... eu podia.
Chegando ao nosso destino de jantar, Lev conversou com a
mulher no balcão, falando em rápido russo, ficando cada vez mais
frustrado com cada palavra adicional, ele bateu com a mão no balcão e
se virou para mim, seu rosto duro, seus lábios finos. “Ele está
reservado para eventos particulares."
Não me incomodou que a curta viagem foi desperdiçada. Eu
estava apenas feliz por estar lá com Lev. "Tudo bem, querido. Vamos
comer em outro lugar. "
Ele olhou para mim, sua voz clínica. "Não, tinha que ser aqui."
Eu pisquei para sua birra improvável. "Bem, aqui não está
disponível. Então, nós vamos ir para outro lugar. "Peguei a mão dele e
levei para fora do restaurante, correndo o polegar ao longo de seus
dedos. "Não é grande coisa, Lev. Vamos voltar outra hora."
Sua mandíbula estava apertada, ele acenou com a cabeça, mas eu
poderia dizer que ele estava chateado, e eu não entendo o porquê. Eu
não podia acreditar que eu estava dizendo isso, mas, era apenas
comida.
Quando chegamos no carro e Lev me perguntou onde devemos
jantar, eu estava brutalmente honesta com ele. "Querido, tudo que eu
quero fazer é ir para casa, assistir filmes e comer pizza com você.
Seguindo com a obtenção de estar nua para brincar e esse seria o
melhor encontro da noite. "
Ele olhou para mim um longo momento antes que ele pegasse a
minha mão, levantou-a à boca, deu um beijo suave na parte de trás
dela e suspirou. "Se é isso que você deseja, mouse."
Nós chegamos em casa, para uma casa vazia e eu chutei meus
sapatos, segurando-os e caminhei até as escadas. No meio do
caminho, eu rangi quando Lev levantou-me em seus braços e me
acompanhou o resto do caminho para o quarto.
Alguém tinha limpado a bagunça que eu tinha deixado na forma
de uma pilha de roupas ao lado do sofá, a cama foi feita
impecavelmente e no banheiro a luz estava acesa, um cheiro
maravilhosamente doce vinha do interior.
Lev pegou as minhas mãos e olhou para mim, seus olhos quentes.
"Eu queria que esta noite fosse especial. Até agora, não foi, mas eu
vou fazer isso para você." Ele me levou até o banheiro, abrindo a porta
todo o caminho, revelando que o cheiro doce tinha sido.
Um banho de espuma tinha sido executado, com cheiro de
baunilha com pétalas de rosa espalhadas por todo lugar.
Minha respiração ficou presa. "Oh, querido. É lindo."
Suas mãos desceram sobre os meus ombros por trás e ele apoiou
o queixo na minha cabeça. "Por que você não fica de molho por um
tempo? Vou ligar para pizza e quando estiver pronto, podemos
encontrar um filme para assistir. "
Eu me virei, forçando os braços para desalojar. Eu olhei para ele e
afirmei ferozmente. "Esta é a melhor noite. Eu sei que isso e está em
um mal começou, mas eu sei disso." Eu estendi a mão para apertar a
mão dele. "Isso é especial."
Seus olhos se suavizaram ainda mais e ele estendeu a mão para a
maçaneta da porta do banheiro. "Vá. Mergulhe. Relaxe ", expressou,
fechando a porta atrás de si.
Eu fiz como me foi dito e, despindo e escorregando na banheira,
eu embebi em água morna na banheira por um longo tempo, até que a
água começou a assumir um frio leve nela.
Onde todo o romance foi?
Soou como se Lev estava sentindo a necessidade de provar a si
mesmo ou algo parecido. Eu precisaria corrigi-lo. Eu não precisava de
romance, não como este. Eu só precisava de Lev ser ele mesmo e eu
seria feliz para sempre.
Eu deixei a água para fora, limpei-me para baixo, em seguida, me
vesti com meu roupão branco. Quando eu fiz meu caminho para fora
do banheiro para dizer a Lev para cortar isso para fora, minha
respiração me deixou em um movimento.
Por quê você pergunta?
Porque em pé no meio do quarto estava Lev, com as luzes
apagadas, centenas de velas acendidas todo o quarto brilhante na
iluminação suave. A cama se transformara, ele engoliu em seco, tendo
em minha expressão de choque quando o meu olhar foi para o outro
lado da sala. Ainda vestido com suas roupas, Lev mudou seu peso em
seus pés e estendeu a mão.
Eu hesitei apenas um momento antes de eu vir para ele,
estendendo a mão para colocar a minha mão na sua. "O que é isso?"
Perguntei em voz baixa, boquiaberta.
Ele deu um passo para trás, longe de mim e enfiou a mão no
bolso do peito. Quando ele se afastou, ele olhou para o que ele está
apenas tirando do bolso e quando meus olhos pousaram sobre os
cartões de sugestão que ele detinha a minha testa aumentou.
Lev limpou a garganta, uma, duas, uma terceira vez. "Mina", ele
leu. "A forma como nós nos conhecemos foi altamente incomum e eu
admito que eu estava mais revivido quando eu descobri que você não
era uma ladra." Minhas sobrancelhas subiram mais alto, mas ele não
viu, então ele continuou.
"E eu", ele olhou ao redor do quarto em cima da cama, sobre o
sofá antes que ele se distraisse e disse- "Eu esqueci as flores. Aguente."
Ele passou zunindo por mim e fora da sala, deixando-me no meio
do quarto, boca escancarada. Ele voltou em menos de um minuto e me
dando um belo buquê de flores na mão. Limpando a garganta de novo,
ele continuou. "E eu sou grato por ter conhecido você." Ele estendeu as
flores e leu roboticamente. "Aqui neste buquê você vai encontrar
vinhas de Ivy, Lilac e Camillia".
Ele mudou para outra placa de sinalização e seguiu em frente.
"Ivy simboliza a fidelidade. Lilac simboliza primeiro amor. E Camellia
simboliza a gratidão e apreço." Ele empurrou as flores para fora mais
para dentro de mim e eu as levei. Ele parecia aliviado quando seus
ombros caídos. À luz das velas, vi um brilho de suor em sua testa.
Estendendo a mão para afrouxar a gravata, ele engoliu em seco e leu.
"Com este ramalhete, dou-lhe uma promessa. Uma promessa que eu
sempre serei fiel a você, te adoro e nunca vou leva-la por concedido. "
Acenando as placas de sinalização em seu rosto, ele levantou o
olhar para mim e perguntou: "Está muito quente aqui?"
Dei de ombros, segurando minhas flores, mas ele não viu. Ele
estava no modo de apresentação. Trocando cartões de sugestão, ele
falou clinicamente, mas sua voz resmungou: "Dizem que os pinguins
são companheiro para a vida." Ele estendeu a mão novamente e
empurrou duro em sua gravata. "E eu quero ser o seu pinguim." Ele
empurrou o empate mais difícil até que veio desfeito, pendurado em
seu pescoço. Ele rapidamente desfez o botão de cima da camisa e
olhou através do quarto, olhando para a mesa de cabeceira e
murmurando, "A vela Droga saiu." Espere? Ele queria ser meu
pinguim?
Huh?
Mudou-se para reacender a vela, mas eu o interrompi.
Era óbvio. Ele estava angustiado.
Segurando em seu braço, eu puxei-o de volta na minha frente e
perguntei: "Querido, o que é tudo isso?"
Lev fechou os olhos e fechou-os fortes. Sentado na beira da cama,
ele deixou escapar um longo suspiro, usando seu antebraço para
enxugar o suor da testa e enfiou a mão no bolso da calça.
Ele puxou uma caixa de veludo preto e configurou em seu joelho.
Respirando profundamente, ele abriu a caixa, trouxe os olhos
para mim e balançou a cabeça, "Você não pode ver que eu estou
tentando arruinar uma proposta aqui?"
Olhei para baixo e pisquei para o anel colocado dentro de sua bela
caixa. "Mas já estamos noivos. Meio que."
Ele segurou a caixa, passando a mão pelo rosto e ele soltou um
silencioso, "Eu só queria que isso fosse romântico."
Ficando de joelhos na frente dele, eu rastejei entre as pernas
abertas e olhei para ele com ternura. "Oh, querido. Eu não preciso de
romance, "eu disse a ele. "Eu só preciso de você exatamente como você
é."
Sua mandíbula ficou apertada, ele não podia sequer olhar para
mim. Isso significava algo para ele. Então, eu tentei algo mais.
Falei baixinho, "Lev, é só eu e você agora. Apesar de sua
apresentação ser muito informativa, eu nunca fui de palavras floridas.
Basta dar-me palavras do coração, baby. "
Ele olhou para mim, uma carranca triste gravada em suas feições.
Ele respirou fundo e quando ele abriu a boca a beleza saiu. Ele
começou com um suspiro sussurrou: "Você é tudo para mim." Meus
olhos já estavam molhando.
"Eu daria a minha vida, em vez de decepcioná-la e eu faria mal a
alguém que tentasse removê-la do meu lado. Eu nunca conheci uma
mulher mais gentil. Você é maravilhosa com Lidiya. Quero ter filhos
com você, como muitos quando você permitir, para que possamos
experimentar a paternidade e maternidades juntos. "
Mordi o lábio, mas não impedi as lágrimas de vir. Elas turvaram
meus olhos e arrastaram meu rosto.
"Eu vou ser um bom pai para eles. Eu rezo para que nossos bebês
sejam como você, mas se eles forem como eu, eu não quero que você se
preocupe, porque eu vou guiá-los e mostrar-lhes que são amados,
mesmo se eles não entenderem o que isso significa. Vou ensiná-los ".
Meus olhos se fecharam quando soluços quebrados me escapou.
Eu segurei o joelho de Lev para o apoio.
"Eu vou passar minha vida amando você e você vai gastar a sua
vida feliz fazendo- me uma pessoa melhor, como você já tem, a partir
de sua simples presença." Ele estendeu a caixa e sussurrou um
nervoso. "Eu vou ser o homem que você merece. Eu não estou
completamente lá, mouse, mas eu estou trabalhando nisso. Casar e
meu único objetivo na vida será a tomar todas as medidas para que
você nunca se arrependa. "Ele pegou a minha mão e com dedos
trêmulos, colocou o anel no lugar. Ele se encaixa perfeitamente. "Quer
se casar comigo, Mina?"
Olhei para o anel, reluzindo à luz, enquanto enxugava as lágrimas
com uma risada quebrada me escapou.
"Sim." Eu ri novamente, chegando a jogar meus braços em torno
do pescoço de Lev, beijando seu rosto mal barbeado.
"Mil vezes sim".
E Lev voltou a respirar, o peito arfando, com os braços em espiral
em torno de mim com força. Sua única resposta para isso era um
sussurro: "Oh, graças a Deus."
Nós rimos juntos, fazendo amor na noite e eu não conseguia
lembrar de um tempo em que eu fui mais feliz.
O aniversário de Lidiya veio na semana seguinte e Lev não tinha
certeza se era apropriado fazer qualquer coisa para ela. Eu, no
entanto, discordei. Enquanto eu entendi que sua mãe tinha morrido
recentemente, Lidiya era uma criança. Ela não entendia isso. Expliquei
a Lev que por ter uma festa para ela, estávamos dando a ela o nosso
amor e mostrando o nosso apoio.
Ela merecia uma festa.
Com Nas, Anika, e Cora do meu lado, Sasha e Vik foram
conquistados logo depois, e, finalmente, Lev deu a volta para a ideia de
fazer algo para tornar sua filha feliz.
Honestamente, eu acho que ser um pai veio naturalmente para
Lev, mas sendo um pai era uma coisa totalmente nova para ele. Ele
não estava acostumado a necessidade de oferecer algo mais do que
apoio monetário para Lidiya e agora que o papel tinha liberado, ele foi
em direção a ela como um sonho, gostando imensamente.
Quando Lidiya tinha um dodói, ela correu para Lev. Quando Lidi
necessitava de beijos, ela franziu os lábios em cima de Lev. E quando
ela precisava ir ao banheiro, embora Mirella estava por perto, ela
queria Lev para ficar ao lado da porta para que ela pudesse cantar
para ele.
Homem esperto que Lev era, ele rapidamente se acostumou a
colocar Lidiya para a cama à noite, cantando suas músicas e lendo
suas histórias, e eu me perguntava se era mesmo necessário Mirella
como uma cuidadora em tempo integral. Parte de mim estava certo de
que ela foi mantida em torno como uma figura de avó. Ela era a
família, depois de tudo. E ela disse que ela mesma iria onde Lidi fosse,
assim ela fez.
Aconteceu que eu tropecei em Lev cantando para Lidi dormir
naquela noite. E quando eu digo tropeço, eu quero dizer que eu me
assustei como uma invasora maldita para obter um vislumbre de como
ele lidava com ela. Sua versão de " Brilha Brilha Estrelinha " foi algo
como isto:

Brilha Brilha Estrelinha,


Queima o gás que você é,
Bem acima da Terra,
Você vai queimar gás até que você morra,
Brilha Brilha Estrelinha,
Queima o gás que você é.

Com minha cabeça em pensamento, fiquei impressionada. E


ligada.
Quem sabia que rimas infantis poderia ser tão informativa? E
sexy?
Enviei convites para o terceiro aniversário de Lidiya. Eu estava
quase cruel o suficiente para fazer uma festa a fantasia, mas decidi ser
gentil com os nossos convidados e desfiz-me da ideia. Embora, vendo
Lev vestido como um cowboy e vestindo um chapéu Stetson, era quase
suficiente para mudar a minha mente.
Quando chegou o dia, a nossa casa foi invadida por pessoas. Nós
raramente tínhamos mais de um convidado por dia normalmente e que
normalmente era familiar, mas vendo a casa cheia de rostos
sorridentes, balões cor de rosa, roxo e flâmulas foi emocionante.
Lidi, vestida como uma princesa em um vestido rosa brilhante
com uma tiara de prata disposta em torno de seus cachos, estava
sobrecarregada com alegria. Cada vez que uma pessoa chegava, ela
sorria, tomava o seu lado, e levava-os para dentro, murmurando, "Sea
bem vinda."
Seu 'obrigada por terem vindo ‘ foi um pouco fora, mas ela era tão
adorável que mesmo Alessio foi conquistado por ela. Ela estendeu os
braços para ele e, hesitante, ele a ergueu sobre seu quadril. Ela
cutucou o rosto cheio de cicatrizes com dedos suaves e olhou para o
rosto dele com seus olhos de corça. "Owie?"
Ele virou para mim, desesperado por uma tradução. Eu sorri em
sua 'me ajude' expressão. "Ela quer saber se dói."
Alessio balançou a cabeça. "Não owie", ele pronunciou, tendo sua
pequena mão gordinha e colocando-a contra a carne enrugada lá. "Não
faz mal, meu anjo. Não mais."
Do canto do meu olho, eu vi Cora de pé contra a parede,
segurando um copo, e ela olhou para Alessio como se ele fosse o
homem mais sexy do mundo. Seus olhos cheios de luxúria foram
dando-lhe longe, e quando ela me pegou olhando, eu sorri.
Cora franziu seu nariz e virou-se discretamente.
Isso ia acontecer – marque as minhas palavras. Eu faria o que eu
tinha que fazer para uni-los. Ela queria ele. Ele queria ela. Por que isso
era tão difícil de entender?
Deus, as pessoas eram idiotas.
Nas olhou para Vik do outro lado da sala e quando ele sentiu seus
olhos nele e levantou a cabeça, ela baixou o olhar. Não era a primeira
vez nas últimas duas semanas que eu os vi fazer isso. E também não
escapou a Lev que Viktor parou de vir ao redor. Eles não estavam se
falando naquele momento.
Alguma coisa tinha acontecido entre eles e Nas não estava se
abrindo, provavelmente porque ainda era doloroso demais para falar.
Tudo o que eu sabia era que Nas estava miserável e Vik tinha
desenvolvido o temperamento de um T-Rex com bolas com coceira.
AS relações estavam desmoronando em torno de nós, mas Lev e
eu estávamos indo mais forte do que nunca.
Eu sorri para mim e olhava para o meu anel de noivado de ouro
branco espumante. Era chique com apenas três pequenos diamantes,
mas eu amei-o mais do que qualquer coisa que eu já possuí em toda a
minha vida. E o que era melhor... Lev tinha escolhido.
A coisa mais difícil que já tive que fazer era dizer a Lev que me
decidi por um longo noivado. Eu não deveria ter me preocupado. Ele
simplesmente respondeu com um: "Tudo bem", acrescentou em
seguida: "Mas nós ainda estamos nos casando, certo?"
Eu enfaticamente assegurei-lhe que o faria, mas eu simplesmente
não estava pronta para isso agora. Havia tanta coisa acontecendo,
primeiro com o clube, então com a minha herança recém-descoberta e
finalmente, com o curso de fotografia que eu estava fazendo. Quando
eu estivesse pronta para me casar, eu queria ser egoísta e ser tudo
sobre nós como um casal e eu não quero apressar isso, porque nós
merecemos mais do que um casamento pressurizado cheio de stress.
Mas isso iria acontecer. Eventualmente.
Olhei ao redor da sala apenas a tempo de testemunhar Anika
levantando a mão, puxando-a pra trás e dando um tapa no rosto de
Sasha tão forte que ecoou pela sala. A ruiva alta ficou ali por um
momento, peito arfando, os olhos brilhando antes que ela olhou ao
redor da sala nos inquirindo com os olhos, corou furiosamente, e
sussurrou um rouco: "Desculpe-me."
Ela saiu da sala e Sasha, olhando afetado com uma marca
vermelha em chamas no rosto, virou-se para as pessoas assistindo e
olhou com raiva, "O quê? Você nunca viu uma mulher dar um tapa em
um cara antes? "Ele olhou para mim e murmurou," Eu acho que é
hora do bolo. "
Olhei para o tempo. "Não, não é.” Na carranca feroz de Sasha,
minhas sobrancelhas se levantaram e gritei:
"Hum, eu quero dizer, é hora do bolo pessoal!"
Lidiya, que agora estava sendo levada pelo tio Laredo, foi trazida
para a mesa onde Ada tinha colocado o bolo de camada dupla-rosa
polvilhada com borboletas de chocolate branco em torno dele. Um coro
de "Parabéns a você" começou e Lidi sentou no colo de Lev, sorrindo,
batendo palmas e cantando, mesmo que ela não conhecesse as
palavras.
Quando era hora de soprar as velas, ela se inclinou para frente e
soprou com toda sua força, seus pequenos punhos cerrados de esforço.
As velas foram extintas e um elogio saiu em torno de nós.
Eu estava sorrindo tão duro que doía.
Mais aplausos foram ouvidos depois que Lidi tinha enganado Lev
para acender as velas de novo e de novo, só para que ela pudesse
apaga-las.
Nas chamadas para fotos a serem tomadas, e levantando Lidiya
fora de Lev, eu me sentei no colo dele e coloquei-a sobre o meu.
Abracei Lidi com força, e Lev passou os braços em volta da minha
cintura. Lidi apontou para a câmera pouco antes de a foto ser tirada e
uma risada me escapou. A foto foi tirada dessa forma, Lev olhando
para mim com amor quando eu fechei os olhos e ri e Lidi com sorriso
largo, apontando para a câmera.
Esta imagem seria a primeira de muitos. Foi ampliada em quadro
e Lev pendurou na sala de estar para que todos possam ver. Qualquer
um com um par de olhos poderia ver o que nós éramos.
Éramos uma família.
Vindo do clube logo após as três horas da manhã, Lev e eu fomos
sobre a nossa rotina noturna, mudando fora de nossa roupa
desgastada do trabalho, para tomar banho e nos preparando para
dormir. Quando passei por um Lev muito nu, ele bateu para fora como
uma cobra e pegou a minha mão, me puxando para ele.
Eu estava esperando por isso. Ele fez isso todas as noites.
Fui com um riso leve, amando o jeito que ele se abaixou, os lábios
conquistando o meu com nada mais do que uma simples ligação. Eu
era sua em todos os sentidos e Lev era meu. Matemática que se dane
... Lev mais Mina se igualou a um.
Um coração. Uma alma compartilhada.
Um amor.
Quando ele me soltou, eu fui para a cama e deslizei sob as
cobertas. Quando Lev se aproximou da porta do quarto, ele fez uma
pausa, olhando para a chave que permaneceu dentro da fechadura.
Ele olhou para aquela chave por um longo tempo e estendendo a mão,
eu assisti como seus dedos se fecharam em torno dela.
Meu coração pulou uma batida quando ele a tirou, segurando-a
em suas mãos.
Engoli em seco, olhando como ele fez o seu caminho para a cama,
com achave na mão e ele se sentou. Ele abriu a primeira gaveta da
mesa de cabeceira e deixou cair a chave dentro. Quando ele fechou
aquela gaveta, ele fez isso lentamente, com determinação e finalidade.
Orgulho correu através de mim e sem outro pensamento, eu
arrastei-me para ele, passei meus braços em volta do pescoço e
coloquei minha bochecha contra suas costas por trás, virando a
cabeça para beijar lá. Ele se inclinou para o meu beijo, tendo tudo o
que eu estava oferecendo junto com ele.
Nossa porta do quarto permaneceu desbloqueada a próxima noite,
a noite depois disso, e todas as noites depois.
E, finalmente, Lev se sentia como eu.
Seguro.
Como fiz muitas noites desde que eu conheci Lev Leokov,
adormeci sorrindo.

Fim
Uma nota de Belle:

Olá,

Muito obrigado por ter tempo para ler LEV. Eu espero que
você amou Mina e Lev e todo o resto da tripulação, tanto
quanto eu amo. Seria de grande ajuda se você, por favor,
tomasse o tempo para deixar um comentário :)

Obrigado novamente,

Belle x