Você está na página 1de 236

 

 
Anais do IX Congresso
Ibérico de Basquetebol

Edição Técnica
Juarez Vieira do Nascimento
Alexandra Folle
Sérgio José Ibañez Godoy
Humberto Carvalho
Michel Milistetd
Carine Collet
Gelcemar Oliveira Farias

Diagramação
Alisson Amorim Siqueira

Todos os resumos neste livro foram reproduzidos de cópias fornecidas pelos autores e o conteúdo
dos textos é de exclusiva responsabilidade dos mesmos. A organização do CIB 2018 não se
responsabiliza por consequências decorrentes do uso de quaisquer dados, afirmações e/ou opiniões
inexatas ou que conduzam a erros publicados neste livro de trabalhos.

Copyright © 2018 - IX Congresso Ibérico de Basquetebol (CIB)


Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida,
em qualquer forma ou por qualquer meio, sem permissão escrita da organização do evento.

 
Período de realização
20 a 24 de Novembro de 2018

Local do evento
Florianópolis-SC

Evento satélites
III Encontro Catarinense dos Professores de Basquetebol das Instituições de Ensino Superior

I Fórum de Treinadores de Basquetebol

Clínicas de Basquetebol

 
 

   

1  
 
 

APRESENTAÇÃO  
 

   

O   Centro   de   Desportos   da   Universidade   Federal   de   Santa   Catarina   (CDS/UFSC)   e   o   Centro   de  


Ciências  da  Saúde  e  Esporte  da  Universidade  do  Estado  de  Santa  Catarina  (CEFID/UDESC),  juntamente  com  
a  Universidad  da  Extremadura  (UEX),  a  Federação  Catarinense  de  Basketball  (FCB)  e  o  Conselho  Regional  
de   Educação   Física   (CREF/SC),   promoveram   o   IX   Congresso   Ibérico   de   Basquetebol   e   o   II   Congreso  
Iberoamericano   del   Baloncesto   (CIB’2018),   no   período   de   20   a   24   de   novembro   de   2018,   cujo   tema   central  
foi   “Ampliando   as   fronteiras   do   conhecimento,   da   formação   e   do   treinamento   no   basquetebol”.  
Paralelamente   ao   CIB’2018,   realizou-­‐se   o   III   Encontro   Catarinense   dos   Professores   de   Basquetebol   das  
Instituições  de  Ensino  Superior,  o  I  Fórum  de  Treinadores  de  Basquetebol  e  Clínicas  de  Basquetebol.  
O   CIB   é   uma   atividade   técnico-­‐científica,   consolidada   no   panorama   internacional   de   eventos   que  
possuem   como   objeto   de   estudo   e   de   divulgação   científica   as   Ciências   do   Esporte.   Este   congresso   é   um  
evento   formativo,   de   caráter   científico,   que   aborda   de   forma   monográfica   e   transversalmente   o   estudo   de  
uma  modalidade  desportiva  tão  enraizada  na  nossa  sociedade  como  é  o  basquetebol.  O  evento  é  um  dos  
poucos  congressos  monográficos  internacionais  sobre  esta  modalidade  e  que  tem  a  periodicidade  bianual.    
A  nona  edição  do  CIB,  organizada  pelo  Núcleo  de  Pesquisa  em  Pedagogia  do  Esporte  (NUPPE/UFSC),  
Grupo   de   Estudos   em   Práticas   Pedagógicas   da   Educação   Física   (GEPRAPEF/UDESC)   e   Grupo   de  
Optimización   del   Entrenamiento   y   Rendimento   Deportivo   (GOERD/UEX),   teve   como   objetivo   disseminar  
conhecimentos  sobre  o  ensino  e  treinamento,  a  alta  competição,  a  análise  da  performance,  a  avaliação  e  o  
controle   do   treinamento   de   basquetebol,   bem   como   oferecer   oportunidades   aos   treinadores,   professores,  
gestores,   estudantes   e   investigadores   para   a   troca   de   experiências,   discussão   e   reflexão   sobre   a  
identificação  e  o  desenvolvimento  de  talentos,  a  expertise  e  a  tomada  de  decisão,  a  gestão  administrativa  
e  esportiva  de  entidades  e  clubes  de  basquetebol.    
A   primeira   vez   do   CIB   no   Continente   Americano   e   no   Brasil   somente   foi   possível   com   o   apoio  
financeiro  da  Coordenadoria  de  Aperfeiçoamento  Pessoal  de  Nível  Superior  (CAPES),  do  Conselho  Nacional  
de   Desenvolvimento   Científico   e   Tecnológico   (CNPq),   da   Federação   Catarinense   de   Basketball   (FCB)   e   do  
Conselho  Regional  de  Educação  Física  de  Santa  Catarina  (CREF/SC).  Os  artigos  dos  trabalhos  apresentados  
nas   comunicações   orais   foram   submetidos   para   publicação   na   Revista   de   Psicologia   del   Deporte,  
Cuadernos   de   Psicologia   del   Deporte,   Brazilian   Journal   of   Kinanthropometry   and   Human   Performance,  
Journal  of  Physical  Education,  E-­‐Balonmano.com:  Revista  de  Ciências  del  Deporte,  Cadernos  de  Educação  
Física  e  Esporte.  
Os   Anais   do   CIB   2018   contemplam   os   resumos   dos   trabalhos   apresentados   nas   21   sessões   de  
comunicações   orais,   os   quais   resultam   de   estudos   realizados   em   diferentes   países   e   distintos   estados  
brasileiros.   A   apresentação   e   a   discussão   de   resultados   de   estudos   originais   foi   um   marco   importante   para  
reflexão   sobre   a   formação   e   o   treinamento   no   basquetebol,   permitindo   o   intercâmbio   e   o   enriquecimento  
científico  dos  participantes.      
 

2  
 
  COMISSÕES  DE  TRABALHO  
 
 
 

COMITÊ  ORGANIZADOR  CENTRAL  


Prof.  Juarez  Vieira  do  Nascimento     NUPPE/UFSC  
Prof.  Alexandra  Folle       GEPRAPEF/UDESC  
Prof.  Sérgio  José  Ibañez  Godoy     GOERD/UEX  
Prof.  Jairo  Luiz  S.  Anello                       FCB/SC  
Prof.  Irineu  Wolney  Furtado     CREF/SC  
 
 

COMITÊ  DE  HONRA  DO  EVENTO  


Prof.  Oscar  José  Orsi  Ascher  -­‐  Presidente  da  Federação  Catarinense  de  Basketball  
Prof.  Irineu  Wolney  Furtado  -­‐  Presidente  do  Conselho  Regional  de  Educação  Física    
Prof.  Juliano  Fernandes  da  Silva  -­‐  Diretor  da  Secretaria  de  Esportes  da  UFSC  
Prof.  Antônio  Renato  Pereira  Moro  -­‐  Diretor  do  Centro  de  Desportos/UFSC  
Prof.  Joris  Pazin    -­‐  Diretor  do  Centro  de  Ciências  da  Saúde  e  do  Esporte  /UDESC  
 
 

COMISSÃO  CIENTÍFICA:  
Coordenadores:  Prof.  Sérgio  José  Ibañez  Godoy  (UEX)  e  Prof.  Humberto  Carvalho  (UFSC)  
Prof.  Dra.  Alexandra  Folle  (UDESC)  –  Brasil   Prof.  Dra.  Larissa  Galatti  (UNICAMP)  –  Brasil  
Prof.  Dr.  Antonio  Paulo  Ferreira  (UTL)  –  Portugal   Prof.  Dra.  Luciane  Cristina  Arantes(UEM)  –  Brasil  
Prof.  Dr.  Amândio  Graça  (UP)  –  Portugal     Prof.  Dra.  Maite  Fuentes  (UPV)  -­‐  Espanha  
Prof.  Dr.  Carlos  Gonçalves  (UC)  –  Portugal   Prof.  Dr.  Manuel  Antônio  Janeira  (UP)  –  Portugal    
Prof.  Dr.  Claudio  Kravchyhcyn  (UEM)  –  Brasil   Prof.  Dr.  Mauro  Sánchez  (UCM)  -­‐  Espanha  
Prof.  Dra.  Concepción  Jimenez  (UPM)  –  Espanha   Prof.  Dr.  Michel  Milistetd  (UFSC)  –  Brasil  
Prof.  Dr.  David  Cardenas  (UGR)  –  Espanha   Prof.  Dr.  Miguel  Ángel  Gómez  Ruano  (UPM)  -­‐  Espanha  
Prof.  Dr.  Enrique  Ortega  (UM)  –  Espanha   Prof.  Dr.  Pedro  Sáenz-­‐López  (UHU)  –  Espanha  
Prof.  Dr.  Fernando  Tavares  (UP)  –  Portugal   Prof.  Dr.  Raul  Mártinez  de  Santos  (UPV)  –  Espanha  
Prof.  Dr.  Heitor  de  Andrade  Rodrigues  (UFG)  –  Brasil   Prof.  Dr.  Rui  Resende  da  Silva  (ISMAI)  -­‐  Portugal  
Prof.  Dr.  Jaime  Sampaio  (UTAD)  –  Portugal   Prof.  Dr.  Roberto  Rodrigues  Paes  (UNICAMP)  –  Brasil  
Prof.  Dr.  Javier  García  (UACH)  –  Chile   Prof.  Dr.  Sebastian  Feu  (UEX)  –  Espanha  
Prof.  Dr.  João  Paulo  Borin  (UNICAMP)  –  Brasil   Prof.  Dr.  Sergio  Jiménez  (UEM)  –  Espanha  
Prof.  Dr.  Jorge  Both  (UEL)  -­‐  Brasil   Prof.  Dr.  Valmor  Ramos  (UDESC)  -­‐  Brasil    
Prof.  Dr.  Júlio  César  Schmitt  Rocha  (UFSC)  -­‐  Brasil  
 
 
3  
 
SECRETARIA:  
Coordenadora:  Prof.  Carine  Collet       Luiza  D.  E.  Kos  
Alexandre  Vinicius  Bobato  Tozetto   Caio  G.  Miguel  
Fabrício  João  Milan   Ahlan  Benezar  Lima  
Ana  Flávia  Backes   William  Marchetti  
Ricardo  Teixeira  Quinaud   Mônica  Cristina  Flach  
Tayná  Iha   Raquel  Krapp  do  Nascimento  
Leandro  Floriano   Vinícius  Plentz  de  Oliveira  
 
 
AVALIAÇÃO:    
Coordenadora:  Prof.  Larissa  Cerignoni  Benites     Raquel  Krapp  do  Nascimento  
Viviane  Preichardt  Duek   Vinícius  Plentz  de  Oliveira  
Mônica  Cristina  Flach  
 
 
ATIVIDADES  SOCIOCULTURAIS:    
Coordenadora:  Prof.  Gelcemar  Oliveira  Farias     Fernanda  Granato  de  Souza  
Jéssica  Cozza   Giovana  Rastelli  
 
 
HOSPEDAGEM:  
Coordenador:  Prof.  Paulo  Marcelo  Soares  de  Macedo   Gabriel  Henrique  de  Lucena  Bussinger  
Ricardo  Teixeira  Quinaud   Eduardo  Leal  Goulart  Nunes  
 
 
ALIMENTAÇÃO:  
Coordenador:  Prof.  Juarez  Vieira  do  Nascimento     Allana  Alexandre  Cardoso  
Felipe  Goedert  Mendes  
 

TRANSPORTE:  
Coordenadora:  Prof.  Alexandra  Folle   Filipy  Kuhn  
Vinicius  Plentz   Luciano  Galvão    
Ciro  Goda  
 
PUBLICAÇÃO:  
Coordenador:  Prof.  Humberto  Carvalho     Felipe  Goedert  Mendes  
André  Luiz  de  Almeida  Soares   William  das  Neves  Salles  
 
 
 
 

4  
 
DIVULGAÇÃO:  
Coordenador:  Prof.  Michel  Milistetd   Jeferson  Rodrigues  de  Souza  
Eduardo  Leal  Goulart  Nunes   Ricardo  Teixeira  Quinaud  
Gabriel  Henrique  de  Lucena  Bussinger   Vitor  Ciampolini  
Fabrício  João  Milan   Felipe  Goedert  Mendes  
Carine  Collet   Anna  Flávia  Backes  
Vinicius  Zeilmann  Brasil   André  Luiz  de  Almeida  Soares  
William  das  Neves  Salles   Giovana  Rastelli  
José  Carlos  Mendes   Tayná  Iha  
Alexandre  Vinicius  Bobato  Tozetto   Giovana  Rastelli  
Filipy  Kuhn  
 
 

CERIMONIAL  :  
Coordenador:  Prof.  DeraldoOppa   Ana  Flávia  Backes  
Ricardo  Teixeira  Quinaud  
 
 
 
COMISSÃO  DE  FINANÇAS  E  TESOURARIA:  
Coordenador:  Prof.  Juarez  Vieira  do  Nascimento   Alexandra  Folle  
Humberto  Carvalho  
 
 
CONFERÊNCIAS,  MESAS  E  COLOQUIOS:    
Coordenadora:  Prof.  Gelcemar  Farias     Jéssica  Cozza  
Carlos  Ewerton  Fernandes  Palheta   Fernanda  Granato  de  Souza  
Ricardo  Teixeira  Quinaud   Giovana  Rastelli  
 
 
COMUNICAÇÕES  ORAIS:  
Coordenadora:  Prof.  Alexandra  Folle   Felipe  Goedert  Mendes  
Vitor  Ciampolini   Filipy  Kuhn  
José  Carlos  Mendes   Larissa  Fernanda  Porto  Maciel  
Alexandre  Vinicius  Bobato  Tozetto   Carlos  Ewerton  Fernandes  Palheta  
Allana  Alexandre  Cardoso   Luciano  Galvão  
André  Luiz  de  Almeida  Soares  
 
 
FÓRUM  DE  TREINADORES:  
Coordenador:  Prof.  Rui  Resende   José  Carlos  Mendes  
Luciane  Arantes  Costa   Larissa  Fernanda  Porto  Maciel  
 

5  
 
CLINICAS  UFSC:    
Coordenadores:  Prof.  Humberto  Carvalho  e  Prof.  Paulo  Marcelo  Soares  de  Macedo  
André  Luiz  de  Almeida  Soares   Alexandre  Vinicius  Bobato  Tozetto  
Ricardo  Teixeira  Quinaud   William  Marchetti  
Ahlan  Benezar  Lima  

 
CLINICAS  UDESC:    
Coordenadores:  Prof.  Alexandra  Folle  e  Prof.  Paulo  Henrique  Xavier  de  Souza  
Larissa  Fernanda  Porto  Maciel   Monica  Flach  
Jessica  Cozza   Vinicius  Plentz  
Fernanda  Granato   Viviane  Dueck  
Raquel  Kraup   Larissa  Benites  
 

ENCONTRO  DE  PROFESSORES  DE  BASQUETEBOL:  


Coordenadores:  Prof.  Paulo  Marcelo  Soares  de  Macedo  e  Prof.  Paulo  H.  Xavier  de  Souza  
Alexandre  Vinicius  Bobato  Tozetto   Vitor  Ciampolini  
Carlos  Ewerton  Fernandes  Palheta   Tayná  Iha  
 
   

2  
 
 

 
 
 
 
 
 
Sumário  de  trabalhos  
 
 
 
 
Título/Autores Página
CARACTERIZAÇÃO DOS ARTIGOS SOBRE O ENSINO DO BASQUETEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: 13
UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
Autores: Anderson Rodrigo da Silva Ferreira; Lucas Morais de Souza Gomes; Ana Luiza Barbosa Vieira; Ricardo Bezerra Torres
Lima
EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A PARTICIPAÇÃO FEMININA NAS AULAS: O CASO DO BASQUETEBOL 15
Autores: Cláudio Delunardo Severino
MOTIVACIÓN Y EMOCIONES EN EL BALONCESTO ESCOLAR. VARIABLES PREDICTIVAS 17
Autores: Verónica Muñoz-arroyave; Pere Lavega-burgués; Miguel Pic; Jorge Serna; Albeiro Echeverri
A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA E AS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO BASQUETEBOL: PERSPECTIVA 19
DOS ACADÊMICOS.
Autores: Gabriel da Silva Santos; Ana Luiza Barboza Vieira; Ricardo Bezerra Torres Lima
DIFERENCIA EN EL APRENDIZAJE DEL BALONCESTO SEGÚN EL GÉNERO Y LA METODOLOGÍA DE 21
ENSEÑANZA
Autores: Sergio González-espinosa; David Mancha-triguero; David García-santos; Sebastián Feu Molina; Sergio José Ibáñez Godoy
PREDICTIVE VARIABLES OF EMOTIONAL INTENSITY AND MOTIVATIONAL ORIENTATION IN THE SPORTS 23
INITIATION OF BASKETBALL
Autores: Miguel Pic Aguilar; Pere Lavega I Burgués; Verónica Muñoz Arroyave; Jaume March Llanes; José Albeiro Echeverri
Ramos
INCIDENCIA DE LOS PARÁMETROS ORGANIZATIVOS EN LA CUANTIFICACIÓN DE CARGA EXTERNA DE LAS 25
TAREAS DISEÑADAS PARA LA ENSEÑANZA DEL BALONCESTO ESCOLAR
Autores: Juan Manuel García Ceberino; María de Gracia Gamero Portillo; Carlos David Gómez Carmona; Antonio Antúnez Medina;
Sergio José Ibáñez Godoy; Sebastián Feu Molina
ESTUDIO DE LAS VARIABLES PEDAGÓGICAS EN TAREAS DE ENSEÑANZA DEL BALONCESTO EN FUNCIÓN 27
DE LA PARTE DE SESIÓN
Autores: María de Gracia Gamero Portillo; Juan Manuel García Ceberino; José Martín Gamonales Puerto; Sergio José Ibañez
Godoy; Luis Gonzalo Córdoba Caro; Sebastián Feu Molina
EXPERIÊNCIA DE ENSINO DO BASQUETEBOL DIANTE DOS PROBLEMAS DO COTIDIANO ESCOLAR: 29
RESULTADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO
Autores: Beatriz Moura da Silva; Crislaine Cintia da Silva; Ana Luiza Barbosa Vieira; Ricardo Bezerra Torres Lima
CORRELAÇÃO ENTRE MOTIVAÇÃO E DIFERENTES CONSTRUCTOS PSICOLÓGICOS EM UMA EQUIPE DE 31
BASQUETEBOL FEMININO
Autores: Luís Antônio de Souza Júnior; Carlos Alexandre Falconi; Marcelo Callegari Zanetti
O BASQUETE DE RUA COMO FACILITADOR DO ENSINO DO BASQUETEBOL NA ESCOLA 33
Autores: Alex Natalino Ribeiro; Douglas Vinicius de Carvalho Brasil; Alcides José Scaglia
O ESPORTE COMO FERRAMENTA DE SUPORTE EDUCACIONAL: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO 35
BASQUETEBOL ALÉM DAS QUADRAS NO MUNICÍPIO DE TOLEDO-PR
Autores: Márcia Franciele Spies; Fernando Yassuo Sato; Lourdes Kappes
CONTEÚDOS DEFENSIVOS ENFATIZADOS POR TREINADORES DE ÂMBITO ESCOLAR 37
Autores: Letícia Missura Ariosi; Rafael Pombo Menezes
O ENSINO DO BASQUETEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A PERSPECTIVA DOS PROFESSORES 39
Autores: Crislaine Cintia da Silva; Gabriel da Silva Santos; Beatriz Moura da Silva; Ana Luíza Barbosa Vieira; Ricardo Bezerra
Torres Lima
ANÁLISE DOS TIMES PARTICIPANTES DO NBB ATRAVÉS DE UMA PERSPECTIVA QUANTITATIVA 41
Autores: Kaio Borges Guerrero; Renan de Melo Souza; Paulo César Montagner

7  
 
COMPARAÇÕES INTERNAS DOS CONSTRUCTOS DE MOTIVAÇÃO E NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS 43
DE ATLETAS INICIANTES NO BASQUETEBOL
Autores: Suelen Vicente Vieira; Lucas Jacob Beuttemmüller; Luciane Arantes da Costa; Jorge Both
O ENSINO DO BASQUETEBOL POR MEIO DE JOGOS: CONSIDERAÇÕES ACERCA DA EDUCAÇÃO INFANTIL 45
Autores: Viviane Preichardt Duek; Mônica Cristina Flach; Alexandra Folle
SABER CONVIVIR: EL MODELO DE UN EQUIPO DE BALONCESTO FEMENINO DE ÉLITE PARA LA EDUCACIÓN 47
EN VALORES EN EL ÁMBITO ESCOLAR
Autores: Carmen Muguruza Dominguez; Maite Fuentes Azpiroz
AS POSSIBILIDADES DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DO BASQUETEBOL E SEU ENSINO NOS CURSOS DE 49
LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA.
Autores: Joao Fabrício Guimara Somariva
RELACIÓN DE LA CARGA EXTERNA DE UN TEST ANERÓBICO Y UN TEST DE AGILIDAD DE JUGADORES DE 51
BALONCESTO.
Autores: David Mancha Triguero; Carlos David Gómez Carmona; José Martín Gamonales Puerto; Javier García Rubio; Sergio José
Ibáñez Godoy
FREQUÊNCIA DO TREINAMENTO TÉCNICO-DESPORTIVO DE JOVENS BASQUETEBOLISTAS DE FORTALEZA- 53
CE
Autores: Livia Campos Vieira; Thais Alcântara Sampaio; Ricardo Hugo Gonzalez
CONCILIAÇÕES ENTRE FORMAÇÃO ESCOLAR E FORMAÇÃO ESPORTIVA DE JOVENS ATLETAS DE 55
BASQUETEBOL SUB 22 NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
Autores: Renan Madureira Ayres; Professora Dra. Luciana Marins Nogueira Peil; Myrema Nunes Suisso
EFEITO DO TREINAMENTO COM PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA SOBRE CAPACIDADES FÍSICAS DE JOVENS 57
BASQUETEBOLISTAS DE UM COLÉGIO MILITAR
Autores: André de Assis Lauria; Francisco Zacaron Werneck; Dilson Borges Ribeiro Junior
CHANGES IN DEVELOPMENTAL ASSETS ACROSS A 4-MONTH COMPETITIVE SEASON AMONG YOUTH 59
BASKETBALL PLAYERS
Autores: Felipe Goedert Mendes; André L.a. Soares; Carlos E. Palheta; Luisa D. Kós; Fabricio João Milan; Carine Collet; Humberto
M. Carvalho
O BASQUETE 3X3 COMO MEIO PARA O DESENVOLVIMENTO POSITIVO DE JOVENS 61
Autores: Douglas Vinicius de Carvalho Brasil; Alex Natalino Ribeiro; Alcides José Scaglia
FONTES DE CONHECIMENTO DOS TREINADORES PARANAENSES DE BASQUETEBOL. 63
Autores: Michel Vasconcelos; Robson Ruiz Olivoto; José Carlos Mendes; Juarez Vieira do Nascimento
ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE ATLETAS DE BASQUETEBOL DE CATEGORIAS DE BASE DA CIDADE DE 65
LONDRINA - PR
Autores: Guilherme Eduardo Guterres Heinemann; Arli Ramos de Oliveira
CONTEÚDOS TÉCNICO-TÁTICOS INDIVIDUAIS DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO DO 67
BASQUETEBOL
Autores: Felipe Canan; Edson Hirata; João Paulo Melleiro Malagutti
EFECTO DE UN PROGRAMA DE BALONCESTO EDUCATIVO SOBRE LA DEPORTIVIDAD 69
Autores: Gema Ortega Vila; José Robles Rodríguez; Manuel Tomás Abad Robles; Javier Durán González; Jorge Franco Martín;
Francisco Javier Giménez Fuentes-guerra; Ana Concepción Jiménez Sánchez
ELEMENTOS DINÂMICOS DA FORMAÇÃO ESPORTIVA: CONSIDERAÇÕES DE TREINADORES DE 71
BASQUETEBOL
Autores: Carine Collet; Alexandre Bobatto Tozetto; Tayná Iha; Juarez Vieira do Nascimento; Humberto Jorge Gonçalves Moreira de
Carvalho; Michel Milistetd
A ESPECIALIZAÇÃO ESPORTIVA PRECOCE NA CONCEPÇÃO DE TREINADORES DE JOVENS DE 73
BASQUETEBOL
Autores: Tayná Iha; Carine Collet; Alexandre Vinicius Bobato Tozetto; Vitor Ciampolini; Juarez Vieira do Nascimento; Michel
Milistetd
VARIATION IN PERCEIVED COLLECTIVE EFFICACY IN ADOLESCENT BASKETBALL PLAYERS ACROSS A 4- 75
MONTH COMPETITIVE SEASON
Autores: André Luiz de Almeida Soares; Felipe Goedert Mendes; Caio Garbo Miguel; Carlos Ewerton Palheta; Luísa Duarte Kós;
Fabrício João Milan; Carine Collet; Humberto Moreira Carvalho
¿SE REDUCEN LAS VIOLACIONES SI SE ENTRENAN LAS REGLAS EN BALONCESTO? 77
Autores: Cristian Carretero; Pedro Sáenz-lópez; José Antonio Rebollo; Celestina Vizcaíno
INFLUENCIA DE UN MODELO ALTERNATIVO DE COMPETICIÓN SOBRE LA ANSIEDAD EN JÓVENES 79
DEPORTISTAS
Autores: Jorge Franco Martín; José Robles Rodríguez; Manuel Tomás Abad Robles; Javier Durán González; Francisco Javier
Giménez Fuentes-guerra; Ana Concepción Jiménez Sánchez; Gema Ortega Vila
ANALISIS COMPARATIVO DE LA PERCEPCIÓN DE ESFUERZO ENTRE JUGADOR Y ENTRENADOR, EN 81
COMPETICIÓN DE MINIBASKET

8  
 
Autores: Maite Fuentes Azpiroz; Sebastian Feu Molina; Julio Calleja Gonzalez; Ana Concepcion Jimenez Sanchez
LOS VALORES PERSONALES Y DEPORTIVOS, LAS ORIENTACIONES DE META Y LAS ACTITUDES EN EL 83
BALONCESTO DE FORMACIÓN
Autores: Francisco L. Adell; Isabel Castillo; Octavio Álvarez; Pedro Sáenz-lópez
TEMPO DE DEDICAÇÃO SEMANAL AO BASQUETEBOL NA INICIAÇÃO ESPORTIVA 85
Autores: Raquel Krapp do Nascimento; Larissa Fernanda Porto Maciel; Mônica Cristina Flach; Fernanda Granato de Souza;
Gelcemar Oliveira Farias; Alexandra Folle
LOS VALORES PERSONALES Y DEPORTIVOS, LAS ORIENTACIONES DE META Y LAS ACTITUDES EN EL 87
BALONCESTO DE FORMACIÓN
Autores: Francisco L. Adell Carrasco; Isabel Castillo Fernández; Octavio Álvarez Solves; Pedro Sáenz-lópez Buñuel
MOTIVAÇÃO NAS CATEGORIAS DE FORMAÇÃO NO BASQUETEBOL 89
Autores: Lucas Jacob Beuttemmüller; Suelen Vicente Vieira; Luciane Arantes da Costa; Jorge Both
ENVOLVIMENTO SEMANAL DE MENINAS E MENINOS NO BASQUETEBOL 91
Autores: Larissa Fernanda Porto Maciel; Vinícius Plentz de Oliveira; Jéssica Cozza; Larissa Cerignoni Benites; Viviane Preichardt
Duek; Alexandra Folle
MAPEAMENTO DAS EQUIPES MASCULINAS DE CATEGORIAS DE BASE DE BASQUETEBOL DO ESTADO DE 93
SÃO PAULO
Autores: Alessandra Melato Mendes; Lucas Donato Giroti; Amanda Paula de Almeida; Milton Shoiti Misuta; Luciano Allegretti
Mercadante
ANÁLISE DESCRITIVA DOS LANCES LIVRES ARREMESSADOS NA TEMPORADA 2015/2016 DO NOVO 95
BASQUETE BRASIL (NBB)
Autores: Herdley Kelvin dos Santos Pinto; Sergio Costa Santos; Carla Souza de Jesus; Marcos Bezerra de Almeida
ANÁLISIS DE LOS ATAQUES POSICIONALES EN LA EUROLIGA 97
Autores: Edgar Solsona; Jorge Serna; Veronica Muñoz; José Albeiro Echeverri
PRIMEIRO TORNEIO DE ENTERRADAS DA LIGA DE BASQUETE FEMININO DO BRASIL: CONCLUSÕES SOBRE 99
A ALTURA DO ARO
Autores: Luciano Allegretti Mercadante; José Francisco Daniel; Alessandra Melato Mendes; Clovis Roberto Rossi Haddad; Cesar
Vieira Marques Filho; Paula Korsakas; Yura Yuka Sato dos Santos ; Larissa Rafaela Galatti
(DES)IGUALDADE DE GÊNERO: ANÁLISE DOS CARGOS DE COMISSÕES TÉCNICAS E DE ARBITRAGEM NA 101
LIGA DE BASQUETE FEMININO (2010-2017)
Autores: Julia Gravena Passero; Julia Barreira; Larissa Rafaela Galatti; Anderson Calderani Junior
ANÁLISIS DECISIONAL DEL JUGADOR DE BALONCESTO 103
Autores: Jorge Serna Bardavío; Verónica Muñoz-arroyave; Pere Lavega Burgués; Albeiro Echeverri
EFECTO DE LA SOBRECARGA EXCÉNTRICA MEDIANTE TECNOLOGÍA ISOINERCIAL EN JUGADORES 105
PROFESIONALES DE BALONCESTO
Autores: Ruben Cabanillas Reig; Jorge Serna Bardavio; Veronica Muñoz Arroyave; Albeiro Echeverry
CARATERÍSTICAS NÃO TREINÁVEIS DE ATLETAS DE BASQUETEBOL CANDIDATOS À NBA 107
Autores: Sérgio Costa Santos; Flávio Vinicius Fonseca Barreto; Marcos Bezerra de Almeida
ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO TÉCNICO DE EQUIPES MADANTES E VISITANTES NO NOVO 109
BASQUETE BRASIL (2016-17)
Autores: Marcelo Kopp Toescher; Eraldo dos Santos Pinheiro
CARACTERIZAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E DA POTÊNCIA MUSCULAR DE ATLETAS DE BASQUETEBOL SUB-17 111
DE DIFERENTES POSIÇÕES
Autores: Leonardo Trevisol Possamai; Fernando de Souza Campos; Pedro Rafael Varoni; Lucinar Jupir Forner Flores; Renan Nunes;
Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo; Tiago Turnes
RELATIONSHIP BETWEEN DRAFT AND CAREER LONGEVITY OF NBA PLAYERS 113
Autores: Caio G Miguel; Fabricio J Milan; André La Soares; Ricardo T Quinaud; Carlos e Palheta; Felipe G Mendes; Juarez V
Nascimento; Humberto M. Carvalho1
ANÁLISIS DE PERFILES DE RENDIMIENTO EN FUNCIÓN DEL PUESTO ESPECÍFICO EN ETAPAS DE 115
FORMACIÓN.
Autores: Javier García Rubio; Javier Courel Ibáñez; Sergio Gónzalez-espinosa; Sebastián Feu; Sergio J. Ibáñez Godoy
ALLOMETRIC SCALING OF AGILITY AND POWER PERFORMANCE IN BASKETBALL PLAYERS 117
Autores: Carlos Ewerton Fernandes Palheta; Fabrício João Milan; André Luis de Almeida Soares; Caio Garbo Miguel; Carine
Collet; Felipe Goedert Mendes; Michel Milistetd; Humberto Moreira Carvalho
NÍVEIS DE JOGO E CONHECIMENTO DECLARATIVO EM JOVENS BASQUETEBOLISTAS CEARENSES 119
Autores: Ítalo Nunes Braga; Ricardo Hugo Gonzalez
AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICO-TÁTICAS NO BASQUETEBOL: DESEMPENHO DE ACORDO COM AS 121
FUNÇÕES ESPECÍFICAS DE JOGO
Autores: Allan Abou Hatem; Alexandra Folle; Larissa Fernanda Porto Maciel; Raquel Krapp Nascimento; William das Neves Salles;
Juarez Vieira do Nascimento
PROPUESTA DE ANALISIS DE LA PRECISIÓN DE SISTEMAS DE POSICIONAMIENTO EN BALONCESTO 123
Autores: Alejandro Bastida Castillo; Carlos David Gómez Carmona; José Pino Ortega; Xavier Reche Royo; Joan Ramon Tarragó
9  
 
Costa
BALONCESTO Y EMOCIONES: UNA REVISIÓN BIBLIOGRÁFICA 125
Autores: Pedro Sáenz-lópez Buñuel; Victor Hugo Duque Ramos; Bartolome Almagro Torres; Cristina Conde García
INFLUÊNCIA DO PADRÃO DE LATERALIDADE ÓCULO-MANUAL NA ORGANIZAÇÃO POSTURAL DO 127
ARREMESSO NO BASQUETEBOL
Autores: Gisele Santos Lima; Felipe de Sousa Brito; Marcos Bezerra de Almeida
ANÁLISE DOS PASSES NOS ATAQUES POSICIONADOS EM JOGOS DE BASQUETEBOL DE ELITE 129
Autores: Renê Augusto Ribeiro; Anderson Calderani Junior; Milton Shoiti Misuta; Luciano Allegretti Mercadante
EFETIVIDADE DO FUNDAMENTO ARREMESSO NO BASQUETEBOL DA EQUIPE CAMPEÃ DOS JOGOS 131
ESCOLARES DA JUVENTUDE 2016
Autores: Paulo Wendelin Boehs Martins; Robson Ruiz Olivoto; José Carlos Mendes
COMPARISON OF THE MOVEMENT CHARACTERISTICS BASED ON POSITION-SPECIFIC BETWEEN U18 AND 133
PROFESSIONAL BASKETBALL PLAYERS
Autores: Juan Trapero; Carlos Sosa; Shaoliang Zhang; Changjing Zhou; Rubén Portes; José Bonal Sánchez; Miguel-angel Gómez;
Alberto Lorenzo
RELACIÓN ENTRE EDAD Y CRITERIOS DE RENDIMIENTO EN BALONCESTO DE ALTO RENDIMIENTO 135
Autores: Enrique Ortega Toro; Javier Bernal-polo; Javier Courel; Miguel Ángel Gomez Ruano; Isidro Verdu Conesa
EFICIÊNCIA OFENSIVA E DEFENSIVA NA TEMPORADA REGULAR DA NBA 2017/2018 137
Autores: Flávio Vinicius Fonseca Barreto; Sérgio Costa Santos; Marcos Bezerra de Almeida
ANÁLISE DAS DEMANDAS FISICAS EM SITUAÇÕES DE ATAQUE COM ARREMESSOS DE DOIS E TRÊS PONTOS 139
EM JOGOS DE BASQUETEBOL DE ALTO RENDIMENTO.
Autores: Anderson Calderani Junior; Rene Augusto Ribeiro; Milton Shoiti Misuta; Luciano Allegretti Mercadante
INFLUENCIA DEL RESULTADO EN LAS DEMANDAS DE CARGA EXTERNA DURANTE LA COMPETICIÓN 141
OFICIAL EN BALONCESTO FORMACIÓN
Autores: Carlos David Gómez Carmona; Alejandro Bastida Castillo; Javier García Rubio; José Pino Ortega; Sergio José Ibáñez
Godoy
DESEMPENHO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE BASQUETEBOL MASCULINO NAS OLIMPÍDAS RIO 2016 143
Autores: Marila Tomiko Yoshizane; Milton Shoiti Misuta; Luciano Allegretti Mercadante
COMPARAÇÃO DE ARQUÉTIPOS ENTRE EQUIPES CLASSIFICADAS NA TEMPORADA 2017/18 DO NOVO 145
BASQUETE BRASIL
Autores: Vitor Bertoli Nascimento; Bruno Giovanini; Rafael Baraldi da Cunha
PICK AND ROLL, PERTURBAÇÃO, E ESTRATÉGIA DEFENSIVA DURANTE O EUROBASKET 2017 147
Autores: Vitor Hugo Ribeiro Sarvas; João Alexandre Peluso Milan; Caio Augusto Goll Frigi; Walter Tenório Schildberg; Alexandre
Moreira
COMPARAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ARREMESSOS DE DOIS E DE TRÊS PONTOS DURANTE OS JOGOS 149
DO NBB 2017/2018
Autores: Vanessa Marques Schmitzhaus; Marcos Bezerra de Almeida
PERFIL DE ACELEROMETRÍA DE LOS ÁRBITROS DE BALONCESTO DURANTE EL EUROBASKET FEMENINO 151
SUB-16.
Autores: David García Santos; María Reina Román; Javier García Rubio; José Pino Ortega; Alejandro Vaquera Jiménez; Sergio José
Ibáñez Godoy
PERFIS DE JOGADORES DA TEMPORADA 2017/18 DO NOVO BASQUETE BRASIL POR MEIO DE ANÁLISE DE 153
ARQUÉTIPOS
Autores: Bruno Giovanini; Vitor Bertoli Nascimento; Rafael Baraldi da Cunha
DISTRIBUIÇÃO ENTRE AS POSIÇÕES DA PONTUAÇÃO DO NOVO BASQUETE BRASIL 155
Autores: Vitor de Magalhães Chaves Reale; Rafael Andreolli Prochnow; Luciano Allegretti Mercadante
MONITORING AND INTERPRETING EXTERNAL LOAD IN BASKETBALL: A REVIEW ARTICLE 157
Autores: Rubén Portes; Rafael M. Navarro; Carlos Sosa; Juan J. Trapero; Sergio J. Jiménez
CREACIÓN DE UN INSTRUMENTO PARA EL ANA? LISIS DEL BLOQUEO INDIRECTO EN BALONCESTO 159
Autores: Lluis Alexandre Leyva López; Jorge Serna Bardavío; Verónica Muñoz-arroyave; Albeiro Echevarría
BUILDING A COACHING PHILOSOPHY: PERSPECTIVES FROM A SPANISH CLUB 161
Autores: Ricardo Teixeira Quinaud; Larissa Rafaela Galatti; Michel Milistetd; Leandro Carlos Mazzei; Antonio Montero Seoane;
Roberto Rodrigues Paes
ANÁLISE DO POTENCIAL MERCANTIL DO NOVO BASQUETE BRASIL (2008-2017) 163
Autores: Edson Hirata; Felipe Canan; João Paulo Melleiros Malaguti
DEZ ANOS DE NOVO BASQUETE BRASIL: UMA ANÁLISE DESCRITIVA SOBRE O EQUILÍBRIO DA LIGA E SUAS 165
EQUIPES PARTICIPANTES
Autores: Clara Modeneis Dalla Costa Ziani; Leonardo Risso Cavalini; Larissa Rafaela Galatti; Leandro Carlos Mazzei
BASQUETEBOL NO SESC: APRENDENDO ALÉM DAS QUATRO LINHAS 167
Autores: Amanda Cristina Madeira Martins

10  
 
ANÁLISE DE PLANOS DE AULAS DE BASQUETEBOL ELABORADOS A PARTIR DE DIFERENTES ABORDAGENS 169
Autores: Renata Jéssica Nunes de Sousa; Mariana Harumi Cruz Tsukamoto
FORMAÇÃO CONTINUADA DE TREINADORES DE BASQUETEBOL: PERCEPÇÕES SOBRE UMA INICIATIVA 171
FEDERATIVA
Autores: Vitor Ciampolini; Michel Milistetd; Jairo Luiz Socoowski de Anello; Juarez Vieira do Nascimento
FATORES DE RENDIMENTO QUE ORIENTAM OS TREINADORES EXPERTS DE BASQUETEBOL EM PORTUGAL. 173
FONTES E CONCEPÇÕES DE TREINO.
Autores: João Carlos Rodrigues Rocha; Amândio Braga dos Santos Graça; João Julio de Matos Serrano; Rui Miguel Duarte Paulo;
Marco Alexandre da Silva Batista; Samuel Alexandre Almeida Honório; Pedro Alexandre Duarte Mendes; João Manuel Patricio
Duarte Petrica
TREINADORES DE BASQUETEBOL: A VISÃO SOBRE OS DESAFIOS DA PRÁTICA NO AMBIENTE DE 175
FORMAÇÃO ESPORTIVA
Autores: Alexandre Vinicius Bobato Tozetto; Michel Milistetd; Carine Collet; Tayná Iha; Jairo Anello; Juarez Vieira do Nascimento
IDENTIDADE PROFISSIONAL DE TREINADORES DE BASQUETEBOL DE SANTA CATARINA: APRENDIZAGEM 177
FORMAL, NÃO-FORMAL E INFORMAL
Autores: Andréia Fernanda Moletta; Felipe Goedert Mendes; Luciana de Angeloni Borges; Larissa Rafaela Galatti
AS CRENÇAS SOBRE O ENSINO DO BASQUETEBOL: UM ESTUDO DE CASO NA FORMAÇÃO INICIAL EM 179
EDUCAÇÃO FÍSICA
Autores: Matheus da Lapa Costa; Jeferson Rodrigues de Souza; Vinícius Zeilmann Brasil; Filipy Kunh; Ana Flávia Backes; Valmor
Ramos
O DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS E DO TREINAMENTO A LONGO PRAZO NO BASQUETEBOL 181
BRASILEIRO
Autores: Sophia Celine Vieira de Souza; Flávia da Cunha Bastos
DEVELOPMENTAL ASSETS IN ADOLESCENT BASKETBALL PLAYERS: INFLUENCE OF AGE, MATURATION, 183
SIZE AND FUNCTIONAL CAPACITIES
Autores: Luisa D. Kos; André L.a. Soares; Felipe G. Mendes; Carine Collet; Juarez V. Nascimento; Carlos E. Gonçalves; Humberto
M. Carvalho
O EFEITO DA IDADE RELATIVA EM INDIVÍDUOS NORMOESTATURAIS E DE ELEVADA ESTATURA NO 185
BASQUETEBOL DE BASE DO BRASIL
Autores: Pedro Henrique Ferreira Lobão; Francisco Zacaron Werneck; Helder Zimmermann de Oliveira; Jeferson Macedo Vianna;
Dilson Borges Ribeiro Junior
PERFIL DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DE BASQUETEBOL MASCULINO DO BRASIL NA TRAJETORIA 187
ESPORTIVA INICIAL
Autores: Leandro de Melo Beneli; Larissa Rafaela Galatti; José Francisco Daniel; Andressa Mella Pinheiro; João Paulo Borin; Paulo
Cesar Montagner
MODELAGEM DO POTENCIAL ESPORTIVO DE JOVENS BASQUETEBOLISTAS: UMA ANÁLISE PRELIMINAR 189
Autores: Dilson Borges Ribeiro Junior; Jeferson Macedo Vianna; André de Assis Lauria; Emerson Filipino Coelho; Francisco
Zacaron Werneck
INFLUENCE OF AGE AND MATURATION ON PERCEIVED COLLECTIVE EFFICACY IN YOUTH BASKETBALL 191
PLAYERS
Autores: William N. Salles; André L. A. Soares; Carlos E. Palheta; Felipe G. Mendes; Luisa Kós; Juarez V. Nascimento; Carine
Collet; Humberto M. Carvalho
FACTORES DETERMINANTES EN EL DESARROLLO DEL TALENTO EN LOS JUGADORES EXPERTOS DE 193
BALONCESTO EN CHINA
Autores: Jose R. Bonal Sánchez; Sergio Lorenzo Jimenez Saiz; Shaoliang Zhang; Alberto Lorenzo Calvo
INFLUÊNCIA DA CIDADE NATAL DOS ATLETAS E SEDES DE EQUIPES DO NOVO BASQUETE BRASIL SOBRE AS 195
OPORTUNIDADES DE ASCENSÃO AO ALTO RENDIMENTO
Autores: Murilo dos Reis Morbi; Weslley Mateus Malachias; Larissa Rafaela Galatti; Renato Francisco Rodrigues Marques
WOMEN BASKETBALL: SPORT CAREER DEVELOPMENT OF WORLD CHAMPIONS AND OLYMPIC MEDALISTS 197
BRAZILIAN ATHLETES
Autores: Larissa Rafaela Galatti; Renato Francisco Marques; Carlos Eduardo Barros Gonçalves; Antonio Seoane Montero; Roberto
Rodrigues Paes
POWER AND AGILITY TESTING WITHIN THE NBA PRE-DRAFT COMBINE 199
Autores: Fabrício João Milan; André Luiz de Almeida Soares; Ricardo Teixeira Quinaud; Luisa Duarte Eschholz Kós; Felipe
Goedert Mendes; Humberto Moreira Carvalho
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO RESSALTO VERTICAL EM JOGADORES DE BASQUETEBOL A PARTIR DE 201
DIFERENTES PARÂMETROS
Autores: Ytalo Mota Soares; Yasmim Kellen Siqueira Luna; Margarida Deuza Cavalcante
POTÊNCIA AERÓBIA EM ATLETAS DE BASQUETEBOL: COMPARAÇÃO ENTRE AS POSIÇÕES 203
Autores: Fernando de Souza Campos; Leonardo Trevisol Possamai; Tiago Turnes; Pedro Rafael Varoni; Lucinar Jupir Forner Flores;
Renan Nunes; Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo
MONITORAMENTO DA CARGA INTERNA DE TREINAMENTO EM JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL 205
Autores: Vinícius Figueirôa da Cunha; Fernanda Martins Brandão; Dilson Borges Ribeiro Junior; Maurício Gattás Bara Filho

11  
 
ACELERAÇÃO MÉDIO / LATERAL: COMPARAÇÃO ENTRE JOGO FORMAL E SITUAÇÕES SIMULADAS 207
Autores: Juarez Alves das Neves Junior; Ricardo Berton; Valmor Alberto Augusto Tricoli; Carlos Ugrinowitsch
CORRELAÇÃO ENTRE TERMOGRAFIA INFRAVERMELHA E VARIÁVEIS BIOQUÍMICAS, APÓS UMA SESSÃO 209
DE TREINO EXTENUANTE
Autores: Mateus Duarte Ribeiro; Eder Jackson Bezerra de Almeida Filho; Valbério Candido de Araújo; Alexandre Sérgio Silva
DIFERENÇAS ENTRE AS CARGAS DE TREINO E JOGO EM JOVENS BASQUETEBOLISTAS 211
Autores: Fernanda Martins Brandão; Dilson Borges Ribeiro Junior; Vinícius Figueirôa da Cunha; Gustavo Bellini Meireles;
Maurício Gattás Bara Filho
COMPARAÇÃO DA POTÊNCIA DE MEMBROS INFERIORES EM PRATICANTES DE BASQUETEBOL DE 213
DIFERENTES POSIÇÕES DE JOGO DA CATEGORIA SUB 13
Autores: Lucinar Jupir Forner Flores; Pedro Varoni; Michelli Demarchi; Fernando de Souza Campos; Renan Nunes; Lilian Barazetti
ANÁLISE DO DESGASTE FISIOLÓGICO EM UMA EQUIPE DE BASQUETE APÓS UM TREINO DE CIRCUITO EM 215
ALTA INTENSIDADE.
Autores: Eder Jackson Bezerra de Almeida Filho; Mateus Duarte Ribeiro; Valbério Cândido Araújo; Alexandre Sérgio Silva
ANÁLISE DAS CAPACIDADES FÍSICAS DOS PRATICANTES DE BASQUETEBOL SOBRE RODAS DA CIDADE DE 217
ERECHIM/RS
Autores: Bruno Felipe Assoni Faleiro; Alessandra Dalla Rosa da Veiga
VARIABILIDAD EN LA CARGA DE LAS SESIONES DE ENTRENAMIENTO Y COMPETICIÓN EN BALONCESTO 219
FEMENINO DE FORMACIÓN.
Autores: María Reina Román; Javier García Rubio; Antonio Antúnez Medina; Javier Courel Ibáñez; Sergio José Ibáñez Godoy
EFEITO DE TRÊS MICROCICLOS DE TREINAMENTO INTERVALADO SOBRE A POTÊNCIA MUSCULAR EM 221
JOGADORAS DE BASQUETEBOL.
Autores: Andressa Mella Pinheiro; Clovis Roberto Rossi Haddad; José Francisco Daniel; Rafael Júlio de Freitas Guina Fachina;
Leandro de Melo Beneli; João Paulo Borin; Paulo Cesar Montagner
APLICAÇÃO DO MODELO DE VELOCIDADE CRITICA EM JOVENS JOGADORES DE BASQUETEBOL: 223
COMPARAÇÃO ENTRE AS POSIÇÕES TÁTICAS
Autores: Ricardo Dantas de Lucas; Lucas Garcia Ferreira; Anderson Santiago Teixeira
CHANGES IN TACTICAL ASSESSMENT AND SEL-EFFICACY AMONG YOUNG FEMALE BASKETBALL PLAYERS 225
ON 4 MONTHS OF TRAINING
Autores: Thiago José Leonardi; Mônica Cristina Starapoli Martins; Carlos Eduardo de Barros Gonçalves; Roberto Rodrigues Paes;
Humberto Jorge Gonçalves Moreira de Carvalho
EFEITOS DE CURTO PRAZO DO TREINAMENTO COMBINADO SOBRE A VELOCIDADE EM ATLETAS DA 227
SELEÇÃO BRASILEIRA DE BASQUETEBOL FEMININO.
Autores: João Paulo Borin; Clovis Roberto Rossi Haddad; José Francisco Daniel; Andressa Mella Pinheiro; Leandro de Melo Beneli;
Rafael J.f.g. Fachina; Paulo Cesar Montagner
BASQUETEBOL SOLIDÁRIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UM PROJETO SOCIAL NO NORDESTE 229
Autores: Thais Alcântara Sampaio; Italo Nunes Braga; Lívia Campos Vieira; Ricardo Hugo Gonzalez
FORMAÇÃO ESPORTIVA NO BASQUETEBOL: EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS DE PARTICIPANTES DE UM 231
PROJETO SOCIAL
Autores: Mônica Cristina Flach; Allan Abou Hatem; Gilberto Vaz; Paulo Henrique Xavier de Souza
PROJETO ESTRELAS DO BASQUETE: ESPORTE E TRANSFORMAÇÃO 233
Autores: Luciana Lopes Giannocoro; Alexandre Floriano dos Santos

 
 
 
 

12  
 
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CARACTERIZAÇÃO DOS ARTIGOS SOBRE O ENSINO DO BASQUETEBOL NAS


AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
Anderson Rodrigo da Silva Ferreira1; Lucas Morais de Souza Gomes1; Ana Luiza Barbosa Vieira1; Ricardo Bezerra
Torres Lima1
Autor para correspondência: ferreiraanderson88@gmail.com
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco

PALAVRAS-CHAVE:Ensino; Basquetebol; Educação Física

INTRODUÇÃO
O ensino do basquetebol na educação física escolar não se justifica apenas pelo contexto disciplinar que a modalidade
oferece. Para Wachholz (2015), o basquetebol pode conceder diversos outros fatores que contribuem com o
desenvolvimento dos alunos, inclusive a satisfação e experiência motora.

Diante disso, este estudo parte da questão da exclusão desportiva nas aulas de educação física, em especial o
basquetebol, pois de acordo com Wachholz (2015) o conteúdo do basquetebol acaba sendo pouco difundido no âmbito
escolar. Segundo Lima (2012) os fatores que impedem a prática do basquetebol estão ligados à falta de uma mínima
infraestrutura e a elementos direcionados a prática docente, como a falta de uma sistematização dos conhecimentos e a
ausência de uma identidade metodológica.

Para superar esta questão, a leitura dos estudos difundidos que tratam da referida modalidade na escola pode
contribuir significativamente na qualificação dos docentes. Por isso, este estudo possui como objetivo geral
caracterizar os artigos originais publicados na última década que tratam do ensino do basquetebol na educação física
escolar que trazem elementos relevantes para auxiliar a prática docente.

MATERIAIS E MÉTODOS
Para cumprir este objetivo, optou-se por uma revisão sistemática, que:

[...] consiste em uma das soluções para auxiliar a utilização de pesquisas, pois esse recurso possibilita a síntese das
pesquisas disponíveis, relativas a um determinado problema, com a finalidade de direcionar a prática fundamentada
em conhecimento científico (GALVÃO; SAWADA; TREVIZAN, 2004, p. 555).

Em uma primeira etapa, dois pesquisadores realizaram de forma independente uma busca na base de dados eletrônica
LILACS utilizando os descritores Ensino ou Pedagogia; Basquetebol; Educação Física; Escola ou Ensino
Fundamental ou Ensino Médio, bem como aplicando os operadores lógicos “AND e OR”. A partir dos artigos
encontrados, a segunda etapa consistiu na aplicação dos seguintes critérios: serem artigos originais; em língua
portuguesa; disponíveis na íntegra; de acesso gratuito; publicados entre 2008 e 2018; apresentando no título, resumo
ou assunto os citados descritores.

Em uma terceira etapa, foi realizada uma busca em periódicos da área de Educação Física qualificados entre A1 e B3
na Plataforma Sucupira já utilizando diretamente os critérios supramencionados. O produto de cada etapa foi
comparado entre os avaliadores através da leitura dos artigos selecionados, com o intuito de verificar a concordância
dos achados, e diante da possibilidade de ocorrerem eventuais divergências foi obtido um consenso entre os
avaliadores.

RESULTADOS
A primeira etapa resultou em 11 artigos. Após a leitura do título e resumo dentro dos critérios citados, a segunda etapa
excluiu todos estes. Na terceira etapa, dois artigos foram elegidos, sendo ambos do mesmo autor.

O primeiro deles (SEVERINO, 2014) teve o objetivo de investigar a visão dos professores quanto ao processo de
ensino e de aprendizagem do basquetebol nas aulas de Educação Física. Como instrumento de coleta de dados,

13
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

utilizou-se de entrevistas, realizadas no município de Volta Redonda no Estado do Rio de Janeiro com docentes que
lecionavam em turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental em instituições públicas e privadas. Constatou-se na
pesquisa a realidade do desenvolvimento do basquetebol como conteúdo escolar, enfatizando a importância do
professor de Educação Física no que concerne ao seu compromisso com a prática pedagógica oferecendo aos
discentes a consciência em relação à prática da modalidade com seu crescimento.

O outro estudo (SEVERINO, 2015) tratou sobre o estereótipo de gênero na prática esportiva. Teve como propósito
investigar a participação feminina nas aulas de Educação Física considerando o basquetebol como conteúdo, seguindo
a visão dos professores. A coleta de dados utilizou-se também de entrevistas realizadas com a mesma amostra descrita
acima. O estudo aponta uma predominância masculina na prática e quanto ao rendimento feminino, aparece a
dificuldade de desenvolver o processo ensino-aprendizagem no basquetebol pela falta de habilidade motora.
Entretanto, considera que a prática do basquetebol em ambiente escolar por meninas pode representar um importante
vínculo com a formação de valores e a quebra da hierarquização em relação à comparação com os
meninos.

Considerando a importância do basquetebol como um conhecimento para as aulas de Educação Física, constatamos
que as publicações em periódicos acerca da modalidade em âmbito escolar são escassas. Isto reduz a possibilidade de
proporcionar através desta via discussões relevantes sobre problemáticas direcionadas ao tema, que pode resultar em
poucos avanços na prática pedagógica envolvendo o basquetebol na Educação Física escolar.

CONCLUSÃO
Diante do exposto, este trabalho mostra que existe um baixo número de estudos disponíveis em periódicos de
qualidade em língua portuguesa versando sobre o ensino do basquetebol na educação física escolar. Com isso,
verifica-se a necessidade se investigar a modalidade na escola, para que os resultados destas pesquisas possam ser
divulgados e contribuir para superar as dificuldades presentes no cotidiano dos professores, proporcionando-lhes mais
uma via para a ampliação do domínio do conteúdo basquetebol objetivando superar a exclusão da modalidade das
aulas.

REFERÊNCIAS
Wachholz, C. (2015). O Ensino Do Basquetebol Na Educação Física Escolar?: O Ensino Do Basquetebol Na
Educação Física Escolar?: Com a Bola , Os Professores .

Lima, R. B. (2012) O esporte da escola: a exclusão do basquetebol da prática pedagógica na disciplina curricular
Educação Física.

Severino, C. D., José, F., Gonçalves, M., & Darido, S. C. (n.d.). A visão dos professores quanto ao processo de ensino
e de aprendizagem do basquetebol nas aulas de Educação Física?: a realidade de Volta Redonda / RJ.

Severino, C. D., José, F., Gonçalves, M., & Darido, S. C. (2015). A visão dos professores quanto ao processo de
ensino e de aprendizagem do basquetebol nas aulas de Educação Física?: a realidade de Volta Redonda / RJ.
Movimento, 20(4), 1283–1304. http://dx.doi.org/1022456/19828918.46071

Severino, C. D., José, F., Gonçalves, M., & Darido, S. C. (2015). A prática do basquetebol por meninas nas aulas de
educação física escolar no município de Volta Redonda: a visão dos professores. / The basketball practice for girls in
school physical education in Volta Redonda: the the view of teachers. Motricidade, 11(2), 36–47.
https://doi.org/10.6063/motricidade.3473

14
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A PARTICIPAÇÃO FEMININA NAS AULAS: O


CASO DO BASQUETEBOL
CLÁUDIO DELUNARDO SEVERINO1
Autor para correspondência: claudiodelunardo@gmail.com
1
Centro Universitário de Volta Redonda

PALAVRAS-CHAVE:Educação Física; Escola; Meninas

INTRODUÇÃO
A questão do gênero aponta para o fato de que, por intermédio de práticas sociais, a sociedade se baseia na distinção
entre homens e mulheres num processo que não pode ser considerado harmônico. A respeito dos programas esportivos
voltados para o desenvolvimento do Basquetebol e a sua prática por meninas, Leite e Sampaio (2012) indicam que,
mesmo que em diversas ocasiões haja a utilização de procedimentos voltados para equipes masculinas, nota-se a
necessidade de uma maior reflexão acerca das especificidades de cada gênero. Durante as aulas de Educação Física,
em diversas ocasiões os jogos são promovidos com o intuito de possibilitar às meninas de jogarem com os alunos
“melhores do que elas”. Neste caso, o professor inconscientemente reproduz o discurso de que o homem nasceu para
praticar determinadas modalidades esportivas, e não a mulher. Ainda a destacar o cenário das aulas de Educação
Física, conforme Bassani et al. (2003), a segregação entre meninas e meninos fundamenta-se principalmente no
discurso de que as discentes representam o paradigma de inferioridade esportiva. Para Fotrousi et al. (2012), as
diferenças relacionadas ao gênero apoiam-se em situações criadas no decorrer das aulas de Educação Física. A
presente pesquisa objetivou abordar a participação feminina nas aulas de Educação Física, com enfoque no
Basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
Para a coleta de dados, utilizou-se uma entrevista semiestruturada contendo três perguntas: a) Caso desenvolva o
Basquetebol como conteúdo das aulas, você nota diferenças em trabalhar este conteúdo com meninas e, caso haja essa
percepção, quais seriam as diferenças? b) Você considera que há diferenças de rendimento de aprendizagem entre
meninas e meninos nas aulas de Educação Física? c) É realizado algum trabalho com o objetivo de incentivar as
meninas a participarem das aulas de Basquetebol? Participaram da pesquisa professores das instituições públicas e
privadas do município de Volta Redonda/RJ em turmas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. Tratou-se de um
estudo quanti-qualitativo com análise de conteúdo e, como procedimento de coleta de dados, foram entrevistados
sessenta docentes que opinaram acerca da questão investigada.

RESULTADOS
Verificou-se a predominância das respostas que apontam a diferença de rendimento entre meninos e meninas no
desenvolvimento do Basquetebol, a considerar que 49 (81.66%) dos professores entrevistados apresentaram essa
percepção. O visível desinteresse por parte das discentes em relação às atividades propostas foi mencionada por 10
(16.66%) participantes da pesquisa, enquanto 5 (8.33%) mencionaram o raro comprometimento das meninas em
relação aos objetivos propostos. Particularidades vinculadas aos sentimentos das discentes foram verificadas. A
vergonha das meninas foi citada por 5 (8.33%) professores, a vaidade por 4 (6.66%) e o medo por apenas 1 (1.66%),
fatores que, segundo os entrevistados, influem no rendimento das meninas no Basquetebol como conteúdo das aulas.
Quando questionados sobre a realização de algum trabalho com o objetivo de incentivar as meninas a participarem das
aulas de Basquetebol, 31 (51.66%) professores revelaram que não fazem uso de qualquer tipo de ação. Nas respostas
concedidas que apontam o emprego de determinados tipos de ações, 9 (15%) participantes declararam que procuram
sempre incentivar oralmente as discentes a participarem das atividades voltadas para o ensino do Basquetebol. Outras
intervenções foram mencionadas, como a utilização por parte de 3 (5%) professores dos procedimentos de avaliação
como forma de incentivo, convites feitos por 5 (8.33%) docentes às meninas que se destacam nas aulas para a
participação em equipes de clubes ou centros de treinamentos e a participação em competições esportivas, citada por 3
(5%) professores. Os resultados demonstraram que ainda é possível observar uma distinção de rendimento entre
meninas e meninos em se tratando do Basquetebol como conteúdo das aulas. Verificou-se que a Educação Física deve

15
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ser representada não somente como um conjunto de práticas de movimentos específicos de alguma modalidade
esportiva , atividade física ou o simples encontro de alunos na quadra em respeito ao horário de aulas estabelecido
pela escola. Trata-se sim, de uma disciplina que pode contribuir, por intermédio do seu repertório de possibilidades,
para a formação integral dos alunos e, no plano pedagógico, o seu papel deve ser o de objetivar a construção de um
indivíduo crítico e emancipado. Mesmo que ainda possa ser notada com frequência a proposta de uma prática
sistematizada de determinada modalidade esportiva nas aulas de Educação Física, preocupando-se unicamente com a
reprodução de seus gestos estereotipados, observa-se a necessidade de que a práxis esportiva deve ser vista também
por uma teoria pedagógica crítica. A realidade da Educação Física em Volta Redonda apresenta, de maneira geral,
características de um modelo que objetiva o ensino dos esportes de acordo com as concepções atreladas ao alto
rendimento.

CONCLUSÃO
Constatou-se que a realidade da Educação Física em Volta Redonda apresenta, de maneira geral, características de um
modelo baseado no ensino dos Esportes de acordo com as concepções subordinadas ao alto rendimento. Este
"rendimento" é compreendido como o êxito alcançado por intermédio da execução de gestos associados ao um
modelo preestabelecido. Dessa forma, há a preocupação com o aprendizado formal do Basquetebol sem a priorização
da sua utilização como um conteúdo que possa contribuir com a formação global dos discentes. A considerar o
Basquetebol como um caminho para a disseminação de ideias voltadas para a discriminação e o preconceito, as aulas
devem ser educativas no sentido de superar estereótipos que simbolizam a desigualdade entre homens e mulheres no
Esporte e na sociedade em geral.

Mesmo com a crescente participação feminina nos Esportes e outras atividades físicas, percebem-se ainda, por parte
dos discentes, inúmeras manifestações adversas não somente à presença das meninas nas aulas de Educação Física,
mas também acerca de autoconceito e valores. A aula de Educação Física em ambiente escolar deve, além da
aquisição de competências associadas à prática de atividades físicas e a melhoria da qualidade de vida, promover a
compreensão do aluno sobre o seu papel social. Neste caso, o professor deve exercer importante função no que tange à
promoção de ações que evitem a reprodução de comportamentos estereotipados da sociedade no ambiente das aulas de
Educação Física.

APOIO
NSA

REFERÊNCIAS
ABREU, N. G. Análise das percepções de docentes e discentes sobre turmas mistas e separadas por sexo nas aulas de
educação física escolar. In: ROMERO, E. (Ed.). Corpo, mulher e sociedade. Campinas: Papirus, 1995. p. 157–176.

BALBINOTTI, M. A. A.; SALDANHA, R. P.; BALBINOTTI, C. A. A. Dimensões motivacionais de


basquetebolistas infanto-juvenis: um estudo segundo o sexo. Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 2, p. 318–319, 2009.

OLIVEIRA, R. C. DE; DAOLIO, O. Educação física, cultura e escola: da diferença como desigualdade à alteridade
como possibilidade. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 149–167, 2010.

16
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

MOTIVACIÓN Y EMOCIONES EN EL BALONCESTO ESCOLAR. VARIABLES


PREDICTIVAS
Verónica Muñoz-Arroyave1; Pere Lavega-Burgués1; Miguel Pic2; Jorge Serna1; Albeiro Echeverri3
Autor para correspondência: v.munoz@inefc.es
1
Institut Nacional d'Educació Física de Catalunya (INEFC), Universidad de Lleida. ; 2Departamento de Didácticas
Específicas, Universidad de La Laguna; 3Instituto Universitario de Educación Física, Universidad de Antioquia

PALAVRAS-CHAVE:Motivación en el baloncesto escolar; Intensidad emocional en el baloncesto; Caracteristicas


del juego (tipo de juego, competición)

INTRODUÇÃO
Apesar de que el baloncesto es un deporte de cooperación-oposición (Parlebas, 2001), a menudo se inician las
sesiones de entrenamiento o de iniciación en educación física (EF) mediante tareas individuales (conducciones,
lanzamientos a canasta) o cooperativas (pases). Aunque se puede mejorar la ejecución de las acciones motrices, una
formación integral debería considerar otros aspectos como las emociones y motivación que experimentan los
protagonistas (Serna et al., 2017). Además, la personalización del entrenamiento pasa por reconocer cómo intervienen
otros rasgos subjetivos como el género o el historial deportivo.

Por ello, este trabajo investigó la fuerza predictiva de las características del juego (individual o cooperativo; ganar o
perder) y de los protagonistas (género, e historial deportivo) para predecir la intensidad de emociones positivas y
negativas, así como la orientación motivacional (hacia el rendimiento o resultado final) de los participantes

MATERIAIS E MÉTODOS
Intervinieron 183 estudiantes de ESO y bachillerato de cuatro regiones españolas (chicos = 43.7 % y chicas = 56.2%),
rango de edades (12 a 17 años).

Tras familiarizarse con los instrumentos, se realizaron 2 sesiones (una por cada tipo de juego), de 60 minutos (15-20’
por juego). La intensidad emocional se valoró al final de la sesión, mediante el cuestionario GES (Lavega et al.,
2013). Los perfiles motivacionales se valoraron con el cuestionario BREQ3 (González-Cutre et al., 2010). Todas las
sedes realizaron el mismo protocolo, en horario lectivo de EF bajo los consentimientos informados y autorizados por
los padres de familia y el comité de ética de la Universidad de Lleida.

Juegos realizados. a) Juego psicomotor: carreras. Cada jugador conducía el balón alternando con ambas manos
recorriendo una distancia establecida (ida y vuelta) en el menor tiempo posible. b) Juego cooperativo: pasa y gana.
Divididos en grupos de 6 jugadores se pasaban 3 pelotas de forma simultánea para ver el equipo que aguantaba más
tiempo sin que cayera ningún balón, obteniendo un punto. Ganaba el equipo que sumaba la mayor cantidad de puntos.

Se empleó la técnica denominada árboles de clasificación CHAID (cf. Lavega et al., 2014), con un sistema validación
cruzada del sistema y se prolongó hasta considerar 50 como número mínimo de casos en los nodos terminales y 100
casos en los nodos padres.

RESULTADOS
La primera variable predictiva de la intensidad emocional fue el tipo de emoción (p < .001; F= 1142.9; df1,
df2=1848). Las emociones positivas (e+) (nodo 1, n = 370, M = 4.23) fueron más intensas que las emociones
negativas (e-) (nodo 2, N=1.468; M = 1.40), en ambos casos la variable que determinó el tipo de emoción (segunda
variable predictiva) fue el resultado de la competición (p <.001). La intensidad de las e+ fue más intensa al ganar
(nodo 4, n = 214; M = 4.83) respecto al perder (nodo 3, n = 156; M = 3.40); además, la intensidad de las e- fue mayor
al perder (nodo 5, N= 624; M = 1.70) respecto al ganar (nodo 6, n = 856; M = 1.24). La tercera variable fue el tipo de
juego (p <.001). Los juegos cooperativos suscitaron mayor intensidad en e+ tanto al perder (nodo 8, N= 77; M = 3.84)
como al ganar (nodo 10, n = 109; M = 5.11) respecto a perder (nodo 7, n = 79; M = 2.96) o ganar (nodo 9, n = 105; M

17
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

= 4.54) en los juegos psicomotores. Igualmente, los jugadores experimentaron mayor intensidad de e- cuando perdían
en juegos cooperativos (nodo 12, n = 308; M = 1.91)

Para predecir los perfiles motivacionales orientados al rendimiento, se observó que el resultado durante la tarea es la
primera variable predictiva (p = .007; F= 7.188; df1, df2=778), especialmente cuando ganan (nodo 6, N=460; M =
24.359) en comparación a cuando pierden (nodo 5, N=320; M = 23.141). La segunda variable predictiva fue el género,
donde los chicos registraron mayores preferencias por ganar (nodo 7, N=315; M = 24.778) que las chicas (nodo 8,
N=145; M = 23.448).

Para predecir los perfiles motivacionales que no estaban orientados al rendimiento, se observó que el género es la
primera variable predictiva (p < .001; F= 38.802; df1, df2=1848), las chicas registraron valores más altos (nodo 2,
N=1035; M = 19.319) que los hombres (nodo 1, N=815; M = 17.571). En ambos casos la segunda variable predictiva
fue el resultado. En los chicos independientemente del resultado, la tercera variable predictiva fue el historial
deportivo; mientras que en las chicas cuando perdían, la tercera variable explicativa fue el tipo de juego

CONCLUSÃO
Los resultados dejan en evidencia el efecto de las características del juego sobre la intensidad emocional de los
participantes, la cual se modifica en función del tipo de juego y los resultados obtenidos (Lavega et al, 2013).

Con relación a los perfiles motivacionales del alumnado en clase de EF, se observa que cuando la motivación está
determinada por el rendimiento de la tarea, parece coherente que el resultado de la competición sea la primera variable
predictiva. Cuando la motivación para la práctica no estuvo ligada al rendimiento durante la misma, hay diferencias
entre hombres y mujeres, además del resultado del juego, el historial deportivo tiene un efecto en la motivación de los
hombres que no se da en las mujeres (Isorna, Rial, & Vaquero-Cristóbal, 2014)

Este hallazgo confirma la necesidad de ir más allá de entrenar únicamente la ejecución motriz al plantear una
formación integral de los participantes (Parlebas, 2001).

APOIO
Instituto Nacional de Educación Física de Cataluña (INEFC-Lleida) a través de los proyectos: PARINEFC2016_005,
2015 PINEF 00002.

REFERÊNCIAS
González-Cutre, D., Sicilia, A., y Fernández, A. (2010). Hacia una mayor comprensión de la motivación en el
ejercicio físico: Medición de la regulación integrada en el contexto español. Psicothema, 22, 841-847.

Isorna, M., Rial, A., & Vaquero-Cristóbal, R. (2014). Motivaciones para la práctica deportiva en escolares federados y
no federados. Retos. Nuevas tendencias en educación física, deporte y recreación, (25).

Lavega, P., Alonso, J. I., Etxebeste, J., Lagardera, F. and March, J. (2014). Relationship between traditional games
and the intensity of emotions Experienced by participants. Research Quarterly for Exercise and Sport, 85(4), 457-467.

Parlebas, P. (2001). Léxico de praxiología motriz. Barcelona: Paidotribo

Serna, J., Muñoz, V., Lavega, P., March-Llanes, J., Sáez de Ocáriz Granja, U. S., & Hileno, R. (2017). Influencia de
las tareas motrices sobre los estados de ánimo en baloncesto. Revista de Psicología del deporte, 26(1), 37-44.

18
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA E AS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO


BASQUETEBOL: PERSPECTIVA DOS ACADÊMICOS.
Gabriel da Silva Santos1; Ana Luiza Barboza Vieira2; Ricardo Bezerra Torres Lima3
Autor para correspondência: gabrielsantos1702@gmail.com
1
Estudante do curso de Licenciatura em Educação Física, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco;
2
Professora adjunta do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal Rural Pernambuco e Vice-
líder do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação Física e Esporte - NEPEFE.; 3Professor adjunto do curso de
Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal Rural de Pernambuco e Líder do Núcleo de Estudos e
Pesquisa em Educação Física e Esporte - NEPEFE.

PALAVRAS-CHAVE:Educação Física ; Basquete na Escola; Formação

INTRODUÇÃO
Segundo Tubino (1999 p.7) “o esporte é considerado um dos fenômenos mais importantes neste final do século XX”.
E num contexto geral em si é extremamente importante pois promove a socialização entre os indivíduos que o
praticam, contudo, o basquetebol é um conteúdo que por muitas das vezes tem sido negado aos alunos no âmbito
escolar, em algumas oportunidades, relacionado ao fato de os professores não terem afinidade com o referido. Para
Leite apud Severino et al (2014) diz que é constatado em certas ocasiões, que o professor de educação física, por não
ter afinidade com um determinado conteúdo, não dá importância às necessidades dos alunos no sentido de propiciar a
estes uma diversificação de experiências motoras.

Ainda sobre a prática docente, Correia e Ferraz (2010 p.281) afirmam que “no âmbito educacional, as mudanças
ocorridas nos últimos anos vêm provocando alterações significativas no contexto escolar que, por conseguinte,
refletem na atuação e no comportamento de seus docentes”. Diante disso, tem-se o seguinte problema de pesquisa:
Qual a perspectiva dos acadêmicos de Educação Física acerca de disciplinas relacionadas ao basquetebol? O objetivo
geral foi analisar a perspectiva dos acadêmicos sobre sua formação inicial para o ensino do basquetebol na escola.
Seus objetivos específicos são: identificar as possíveis causas de não terem conseguido ministrar este conteúdo na
escola durante seu período acadêmico; verificar a visão dos acadêmicos acerca de sua formação acadêmica acerca do
conteúdo basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de uma pesquisa descritiva de abordagem qualitativa. Para Richardson (1999), esta é uma forma adequada
para entender a natureza de um fenômeno social. Isso justificou a opção metodológica deste estudo.

Para a coleta de dados, optou-se pela aplicação de questionário para alunos do oitavo semestre do curso de
Licenciatura em Educação Física de duas universidades públicas. A escolha se deu pelo fato de que nesta fase do
curso, os estudantes já cursaram uma ou mais disciplinas diretamente relacionadas ao basquetebol e tem um acúmulo
de experiências na prática pedagógica da Educação Física na escola, a partir de intervenções e/ou estágios (extra)
curriculares. Ao final, respondeu ao questionário um total de 19 sujeitos, que na seção seguinte terão seus nomes
substituídos por códigos – E1 até E19 – atendendo a critérios éticos de anonimato.

RESULTADOS
Quanto à experiência prévia dos estudantes com o basquetebol, 52,6% destes praticaram a modalidade nas aulas de
educação física. Kanters apud Severino et al. (2014) afirma que, a escola é a principal instituição que promove o
contato dos jovens com o esporte já que se faz presente em praticamente todas as comunidades, a frequência é
obrigatória e, além disso, há quase sempre a assistência de professores especializados.

Com relação ao currículo acadêmico dos estudantes, 94,7% dos alunos tinham cursado apenas uma disciplina
relacionada ao basquete na graduação.

19
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Como dito anteriormente, por mais que no nosso país não seja frequente a prática do basquete, diferente dos Estados
Unidos por exemplo, é direito dos alunos terem aproximação e vivência com ele, talvez assim, com a disseminação
desse conteúdo, não mais seríamos o país do futebol apenas, e daríamos mais valor a todos os esportes. Minha
sugestão é que a disciplina de jogos coletivos, na grade de formação do curso, fosse destrinchada ao menos nos
esportes que são tidos como base para o conteúdo programático da educação básica (E1).

Perguntados sobre se já realizaram algum tipo de intervenção no ambiente escolar, todos os participantes afirmaram
positivamente. Sobre o currículo de formação, 68,4% acham que esta é insuficiente para o trato deste conteúdo na
escola.

No meu caso, a disciplina que trata de Esporte Coletivos deveria abordar mais o basquete (E2).

Acerca da docência, 52,6% destes alunos se acham capazes de ministrar o basquetebol na escola.

Toda prática de esporte é válida na formação dos alunos, porém o trato do basquetebol é importante pelo fato de que
ele não está no cotidiano dos alunos, então pratica-lo e poder dar a oportunidade de pelo menos vivenciar o conteúdo
na escola já é um avanço para a educação física escolar (E3).

Correia e Ferraz (2010) afirmam que a formação docente deve ser entendida como um processo inacabado, em
constante movimento de reconversão, devido à natureza do conhecimento necessário ao trabalho docente na escola.

CONCLUSÃO
Diante do exposto, é importante frisar que este estudo não tem como intenção mostrar que no processo de formação
tenhamos professores especialistas em todas as modalidades esportivas, mas que estes professores que estão saindo da
universidade saibam tratar este conteúdo de forma consistente, levando a compreensão e importância deste conteúdo
para a formação integral dos alunos.

É importante destacar que no processo de formação inicial destes acadêmicos, eles sentem uma carência maior no
trato do basquetebol na universidade. Na perspectiva destes estudantes, enxerga-se a necessidade de trazer questões
práticas e mais contextualizadas sobre este conteúdo, fazendo com que a formação acadêmica se torne mais proveitosa
no sentido de proporcionar ao estudante de graduação um melhor entendimento de como introduzir e ministrar este
conteúdo no ambiente escolar.

REFERÊNCIAS
Correia, R.N.P; Ferraz, O.L. (2010). Competências do Professor de Educação Física e Formação Profissional.(vol.16)
São Paulo: Motriz.

Severino et al (2014). A visão dos professores quanto ao processo de ensino e de aprendizagem do basquetebol nas
aulas de educação física: a realidade de Volta Redonda/RS. Porto Alegre: Movimento.

Richardson, R. J. (1999) Pesquisa Social – Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas.

Tubino, M.J.G. (2001). Dimensões Sociais do Esporte. São Paulo: Brasiliense

20
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

DIFERENCIA EN EL APRENDIZAJE DEL BALONCESTO SEGÚN EL GÉNERO Y LA


METODOLOGÍA DE ENSEÑANZA
Sergio González-Espinosa1,3; David Mancha-Triguero1,3; David García-Santos1,3; Sebastián Feu Molina2,3; Sergio José
Ibáñez Godoy1,3
Autor para correspondência: sgones@unex.es
1
Facultad de Ciencias del Deporte, Universidad de Extremadura.; 2Facultad de Educación, Universidad de
Extremadura; 3Grupo de Optimización del Entrenamiento y el Rendimiento Deportivo

PALAVRAS-CHAVE:baloncesto; contexto escolar; género

INTRODUÇÃO
La Educación Física (EF) sigue evolucionando en las últimas décadas y con ella las diferentes metodologías de
enseñanza-aprendizaje. Las metodologías de enseñanza-aprendizaje suelen dividirse en dos grandes enfoques, las
metodologías centradas en el profesor y las metodologías centradas en los alumnos. La Instrucción Directa (ID) es la
metodología más representativa de las metodologías centradas en el profesor. Esta metodología tiene al profesor en el
centro del aprendizaje, siendo el protagonista del proceso de enseñanza-aprendizaje. El profesor tiene el control de
todo lo que sucede en las tareas por lo que precisa de una preparación previa muy minuciosa: presentación, estructura,
tiempo total, espacio de juego y material (Metzler, 2011). La comunicación del profesor con los alumnos es directiva,
aportando datos descriptivos de la diferencia de ejecución correcta con la del alumno. Por otro lado, se encuentran las
metodologías centradas en el alumno, la mayoría originadas a partir de los Teaching Games for Understandig. Una de
estas metodologías es la metodología Tactical Game Approach (TGA). Esta metodología centra todo el proceso de
enseñanza-aprendizaje en el alumno. En la TGA el profesor diseña diferentes problemas tácticos que nacen de la
naturaleza del juego para que los alumnos traten de resolverlos (Mitchell, Oslin, & Griffin, 1997). El diseño de las
tareas es menos minucioso, pero a la vez el profesor tiene una actividad de análisis mayor en la práctica. De este
análisis el profesor se comunica con los alumnos con feedbacks interrogativos con los que guía hacia el objetivo de la
tarea. Diversos estudios han comparado diferentes metodologías de enseñanza-aprendizaje en el deporte del
baloncesto, pero hay una escasez de estudios que comparen el aprendizaje en función del género de los practicantes.
El objetivo del estudio fue comparar el aprendizaje según el género de dos unidades didácticas, una con el método ID
y otra con el método TGA.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaron un total de 84 alumnos, 41 en niños y 43 niñas, entre los 11 y 12 años. Los alumnos a los que se les
aplicó la unidad didáctica de ID fueron 43 y los alumnos a los que se les aplicó la unidad didáctica TGA fueron 41.
Las variables independientes del estudio fueron los dos programas de intervención, Direct Instruction in Basketball
(DIB) y Tactical Game in Basketball (TGB). Ambos instrumentos fueron previamente validados (González-Espinosa,
Ibánez, Feu, & Galatti, 2017). Las variables dependientes del estudio fueron las recogidas en el Instrumento de
Medida del Aprendizaje y el Rendimiento en Baloncesto (IMARB). De estas variables se calculó la toma de decisión
(TD), ejecución (EJ) y eficacia (EF); obteniendo finalmente el rendimiento total.. Los datos fueron recogidos en el
pre-test y el post-test. Los test consistían en partidos de cinco minutos en la modalidad de 3x3. Entre el pre-test y el
post-test se desarrollaron las 10 sesiones de los programas de intervención DIB y TGB. Los partidos se grabaron para
analizarlos posteriormente con el IMARB.

Para el análisis de datos se realizaron las pruebas de asunción de criterios (normalidad, homogeneidad y aleatoriedad).
Tras el resultado de esta primera prueba se realizaron las pruebas paramétricas para el contraste de hipótesis: prueba t
para muestras independientes para comparar ambos grupos y la prueba t de muestra relacionadas para comparar la
evolución entre el pre-test y el post-test.

RESULTADOS
En primer lugar se analizan las diferencias entre niños y niñas de la misma metodología. Los resultados obtenidos
indican que en la metodología DI hay diferencias significativas en el pre-test en las variables recepción, ocupación de

21
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

espacios, rebote ofensivo, rebote defensivo, defensa del jugador sin balón y ayuda. Estas diferencias se aumentan en
el post-test siendo las variables lanzamiento, pasar y jugar, ocupación de espacios, rebote ofensivo, rebote defensivo,
defensa del jugador con balón, defensa del jugador sin balón y ayuda donde existen diferencias significativas
favorables a los niños.

En la metodología TGA la diferencia entre géneros del pre-test se dan en las variables bote, lanzamiento, recepción,
rebote defensivo y defensa del jugador sin balón. En el post-test las diferencias significativas se dieron en el bote,
lanzamiento, recepción, espacios, defensa del jugador con balón, defensa del jugador sin balón y ayuda. Los
resultados de este primer análisis indican que los niños mejoran su rendimiento frente a las niñas en ambos programas
de intervención. Tanto en el pre-test como en el post-test los niños de ambas metodologías tienen además valores más
alto en TD, EJ, EF y rendimiento total.

Los resultados obtenidos en la comparación de los niños de diferente metodología muestran que en el pre-test no
existen diferencias significativas, mientras que en el post-test hay diferencias en varias variables, siendo las más
destacadas las variables de TD y rendimiento total. En el análisis de las niñas, no se identifican diferencias en el pre-
test. Sin embargo, en el análisis de las variables en el post-test se encuentran diferencias significativas en las variables
pasar y jugar, ocupación de espacios, rebote defensivo, defensa con y sin balón, ayuda, TD, EJ, EF y rendimiento total
a favor de las niñas de la unidad TGB.

El diseño de tareas de cada metodología provoca en el modelo TGA una mayor participación y una mayor
transferencia al juego real hace. Por otro lado, el diseño de tareas en la metodología DI provoca una aplicación pobre
al juego real. Estos resultados son similares a otros estudios anteriores (González-Espinosa, Feu, García-Rubio,
Antúnez, & García-Santos, 2017).

CONCLUSÃO
Tras el análisis de los resultados se puede concluir que en el contexto escolar los niños obtienen un mejor rendimiento
que las niñas en cualquier metodología. La metodologia TGA provoca que los niños y niñas tengan un mejor
rendimiento que sus homólogos de la metodología ID. Se recomienda a los docentes el uso de la metodología TGA en
vez de la DI.

APOIO
Ha sido parcialmente subvencionado por la Ayuda a los Grupos de Investigación (GR15122) de la Junta de
Extremadura con la aportación de la Unión Europea a través de los FEDER.

REFERÊNCIAS
González-Espinosa, S., Feu, S., García-Rubio, J., Antúnez, A., & García-Santos, D. (2017). Diferencias en el
aprendizaje según el método de enseñanza-aprendizaje en el baloncesto Revista de Psicología del Deporte, 26(1),
65-70.

González-Espinosa, S., Ibánez, S. J., Feu, S., & Galatti, L. R. (2017). Intervention programs for sports education in
the school context, PETB and PEAB: Preliminary study. Retos-Nuevas Tendencias En Educacion Fisica Deporte y
Recreacion, 31, 107-113.

Metzler, M. W. (2011). Instructional models for physical education. Scottsdale, Arizona: Holocomb Hathaway.

Mitchell, S. A., Oslin, J. L., & Griffin, L. L. (1997). Teaching sport concepts and skills: A Tactical Game Approach.
Leeds, United Kingdom: Human Kinetics.

22
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PREDICTIVE VARIABLES OF EMOTIONAL INTENSITY AND MOTIVATIONAL


ORIENTATION IN THE SPORTS INITIATION OF BASKETBALL
Miguel Pic Aguilar1; Pere Lavega i Burgués2; Verónica Muñoz Arroyave2; Jaume March Llanes3; José Albeiro
Echeverri Ramos4
Autor para correspondência: pic.aguilar.90@ull.edu.es
1
Departamento de Didácticas Específicas, Universidad de La Laguna; 2Institut Nacional d\'Educació Física de
Catalunya (INEFC), Universidad de Lleida; 3Departamento de Pedagogía y Psicología, Universidad de Lleida;
4
Instituto Universitario de Educación Física, Universidad de Antioquia

PALAVRAS-CHAVE:Emotion; Motivation; Transfer

INTRODUÇÃO
The sports initiation of basketball has made use of exercises and games to improve motor performance, forgetting
aspects of maximum importance such as the emotional experience and motivational orientation of players (Lavega et
al., 2014, Ntoumanis, 2005). Scientific evidence confirms that individualizing training favors the emotional and
motivational well-being transferable to the game action. To promote this individualizing well-being is necessary to
consider the characteristics of the motor tasks and also the traits of the participants. The objective of this research was
to determine the predictive capacity of emotional intensity and the motivational orientation (social orientation or
mastery) of variables associated with the tasks of the game (type of relational task: psychomotor and cooperation-
opposition game, result of the task: win-lose) and other factors related to the participants (types of emotion
experienced: positive or negative); sex (male, female) and sports history (with or without sports background).

MATERIAIS E MÉTODOS
Participants

The study was done with 183 students from public secondary and post-compulsory schools, 103 girls (56.2%) and 80
boys (43.7%). Express approval was obtained from the ethics committee of the University of Lleida to apply the
protocols in different places of the Spanish geography.

Instruments and Procedure

After finishing each game the students completed the validated Games and Emotions Scale questionnaire: GES-II
(Lavega-Burgués, March-Llanes & Moya-Higueras, in press) was applied, together with the motivation questionnaire
(Ntoumanis, 2005). Two sessions were held: a) races bouncing a basketball and, b) by teams, passing between
teammates a ball that had to be launched on the rival team.

Data analysis

Multivariate analyzes were applied, classification trees, specifically the CHAID growth method (Chi-squared
Automatic Interaction Detector, in SPSS v.24), generating different trees by applying: a) Pearson\\\'s Chi square
values, b ) cross-validation, c) range of interactions (n≥100, n ≥ 50) and d) statistical significance (p<.05), for the
establishment of the model and thus predict the variables emotional intensity and motivational profile (orientation
towards mastery and social). The predictive variables were: a) type of emotion (positive, negative), b) type of game
(cooperation-opposition, psychomotor), c) result (win, lose), d) gender (girl or boy), e) sports history (with or without
a history).

RESULTADOS
The first explanatory variable of emotional intensity was the emotion type (p<.001; F = 1178.369; df1, df2 = 1833).
The positive emotions (e+) (n = 367, M = 4.0) were more intense (p<.001) than the negative ones (e-) (n = 1468, mean
1.4). The second predictive variable for both types of emotions was the result: winning recorded more intense values
??of e+ (p<.001) (n = 676, M = 1.5) with respect to losing (n = 792, M = 1.2). In the opposite direction, the e- were

23
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

superior to losing (n = 198; M = 4.5) with respect to winning (n = 169; M = 3.4). In the e+ the third predictive variable
was recorded only in the loss result and corresponded to the type of game. The highest emotional intensity (p<.002)
was generated by the cooperation-opposition (n = 90, M = 3.8) versus the psychomotor games, node 7 (n = 79, M =
2.9). For the e-, the third predictive variable was obtained in the winning result and corresponded to the type of sports
history (SH). The students with SH experienced more intense e- (p<.003) when winning (n = 352, M = 1.3) than the
students without SH (n = 440, M = 1.1).

In parallel, with regard to motivational orientation (social or mastery), three predictive variables were identified. The
first one for both orientations was sports history (SH). Players with SH experienced more intense values (p<.001) than
students without a sports background. Among the SH players, the boys had higher values (p<.001) than the girls. On
the other hand, this result was reversed (p<.001) among students without SH. The third variable for players without
SH, was the result; the girls without SH when losing obtained more intense values (p<.001) of orientation of mastery
and less intense (p<.001) of social orientation. For boys, only when they lost a greater intensity of social orientation
was observed (p<.001).

Discussion

This research scientifically confirms that the game mostly triggers emotional and motivational well-being. Basketball
coaches should know that well-being depends mainly on the characteristics of the intervention on the task (result of
the intervention, and whether it is a collective or individual game). In parallel, the orientation of the motivational
profile towards the pursuit of mastery (perfection in the intervention) or the social relationship depends mainly on
gender, history, and finally whether the participants win or lose.

CONCLUSÃO
The predictive maps of emotional and motivational experience confirm that the characteristics of the tasks and of the
players are two intertwined realities to consider in integral basketball training (Serna et al., 2017). It is advisable to
know in depth the processes that each motor task triggers, from the point of view of motor or decisional responses as
well as emotional and motivational levels. Likewise, it is necessary to recognize the subjective characteristics of the
players to guarantee an individualized training that originates the maximum transfer (Parlebas, 2001) from the
exercises to real game situations.

APOIO
We gratefully acknowledge the support to the National Physical Education Institute of Catalonia (INEFC-Lleida)
through the projects PARINEFC2016_005 and 2015PINEF00002

REFERÊNCIAS
Lavega, P., Alonso, J. I., Etxebeste, J., Lagardera, F. and March, J. (2014). Relationship between traditional games
and the intensity of emotions experienced by participants. Research Quarterly for Exercise and Sport, 85(4), 457-467.

Lavega-Burgués, P., March-Llanes, J. and Moya-Higueras, G. (In press). Validation of Games and Emotions Scale
(GES-II) to study emotional motor experiences. Journal of Sport Psychology.

Ntoumanis, N. (2005). A prospective study of participation in optional school physical education using a self-
determination theory framework. Journal of Educational Psychology, 97(3), 444-453. doi: 0.1037/0022-
0663.97.3.444

Parlebas, P. (2001). Juegos, deporte y sociedad. Léxico de praxiología motriz. Barcelona: Paidotribo

Serna, J., Muñoz, V., Lavega, P., March-Llanes, J., Sáez de Ocáriz Granja, U. S., & Hileno, R. (2017). Influencia de
las tareas motrices sobre los estados de ánimo en baloncesto. Revista de Psicología del deporte, 26(1), 37-44.

24
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

INCIDENCIA DE LOS PARÁMETROS ORGANIZATIVOS EN LA CUANTIFICACIÓN


DE CARGA EXTERNA DE LAS TAREAS DISEÑADAS PARA LA ENSEÑANZA DEL
BALONCESTO ESCOLAR
Juan Manuel García Ceberino1,3; María de Gracia Gamero Portillo1,3; Carlos David Gómez Carmona2,3; Antonio
Antúnez Medina1,3; Sergio José Ibáñez Godoy2,3; Sebastián Feu Molina1,3
Autor para correspondência: jgarciaxp@alumnos.unex.es
1
Facultad de Educación. Universidad de Extremadura, España; 2Facultad de Ciencias del Deporte. Universidad de
Extremadura, España; 3Grupo de Optimización del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo (GOERD). Universidad
de Extremadura, España

PALAVRAS-CHAVE:Profesor en formación; Unidad didáctica; SIATE

INTRODUÇÃO
Una planificación adecuada de los deportes de invasión en la edad escolar requiere de una óptima selección de las
cargas externas (external Training Load, eTL). Habitualmente, los profesores tienden a planificar la enseñanza
deportiva sobre la base de sus experiencias personales, desconociendo la eTL a la que van a ser sometidos los
estudiantes. Conocer el tipo de esfuerzo y las exigencias que suponen los juegos y ejercicios empleados para la
enseñanza deportiva les permitirá un diseño más riguroso de las tareas, una correcta secuenciación y distribución de
las mismas, así como una mayor aproximación a las demandas del deporte practicado (Barbero, Vera, & Castagna,
2006).

Los profesores pueden manipular la eTL de las tareas por medio de la modificación de los parámetros estructurales y
formales, tales como las reglas del juego, la dimensión del espacio, el número de jugadores, la presencia de portero, la
contabilización de goles, la duración de la tarea y/o el estímulo del profesor. Estas modificaciones favorecen
diferentes respuestas físicas, técnicas y tácticas en los estudiantes (Aguilar, Botelho, Lago, Maçãs, & Sampaio,
2012).El objetivo del estudio fue analizar la eTL de las tareas diseñadas por los profesores en formación para la
enseñanza del baloncesto escolar en función de las partes de sesión y los medios de enseñanza.

MATERIAIS E MÉTODOS
Diseño: Este estudio se encuadra dentro de una estrategia asociativa de tipo comparativo y transversal.

Muestra: Han participado 6 profesores de educación física en formación. Cada profesor elaboró una unidad didáctica
compuesta por 11-12 sesiones sobre el deporte del baloncesto. Las 283 tareas de enseñanza categorizadas a partir de
las unidades didácticas conforman la muestra del estudio.

Variables: Se determinaron dos grupos de variables independientes. El primero lo conforma las partes de sesión
establecidas en EF: animación, parte fundamental y culminación. La parte de vuelta a la calma fue suprimida al
utilizar tareas no destinadas al aprendizaje del baloncesto. El segundo lo constituye los medios de enseñanza: ejercicio
de aplicación simple, ejercicio de aplicación complejo, juego simple inespecífico, juego simple específico, juego
complejo específico, predeporte o deporte adaptado/reducido y deporte (Ibáñez, Feu, & Cañadas, 2016).Las variables
dependientes del estudio son las que determinan la eTL registradas a través del Sistema Integral para el Análisis de las
Tareas de Entrenamiento (SIATE): grado de oposición, densidad de la tarea, porcentaje de ejecutantes simultáneos,
carga competitiva, espacio de juego e implicación cognitiva. Cada variable se estructura como un sistema categórico-
ordinal con una definición de 5 niveles. Estas variables permiten obtener, de manera subjetiva, la variable secundaria:
carga de la tarea, estableciendo cuatro rangos para categorizar su valor: 6-12 (nivel muy bajo), 13-18 (medio-bajo),
19-24 (medio-alto) y 25-30 (muy alto) (Ibáñez et al., 2016).

Instrumento: Se empleó el SIATE para categorizar las tareas de enseñanza y obtener las variables de eTL (Ibáñez et
al., 2016).

Procedimiento: Cada profesor elaboró una unidad didáctica compuesta por 11-12 sesiones sobre el deporte del
baloncesto. Las unidades didácticas fueron categorizadas a través del SIATE por dos evaluadores externos utilizando
la concordancia consensuada.

25
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Análisis estadístico: Se realizó un análisis descriptivo para conocer la frecuencia y el porcentaje, en las categorías de
cada variable de eTL, de las tareas de enseñanza diseñadas para cada parte de sesión y medio de enseñanza. Para
encontrar las diferencias entre las categorías de cada variable de eTL se analizaron los Residuos Tipificados
Corregidos. Posteriormente, se realizó un análisis inferencial a través de la prueba H deKruskal-Wallis para establecer
comparaciones en función de la parte de sesión y el medio de enseñanza. Se calculó el tamaño del efecto mediante la d
de Cohen.

RESULTADOS
Conocer la eTL a la que están sometidos los estudiantes durante una sesión resulta fundamental para la optimización
del aprendizaje. Los resultados indican que los profesores en formación tienden a diseñar tareas de enseñanza, en la
parte de animación (M=16.68) y en la parte fundamental (M=15.70), con una eTL media-baja y, en la parte de
culminación (M=19.17), con una eTL media-alta. La eTL de las tareas para cada parte de sesión coincide con estudios
similares realizados en el balonmano escolar, donde se estudió la eTL de las tareas de enseñanza diseñadas por
profesores en formación (García-Ceberino, Gamero, González-Espinosa, García-Rubio, & Feu, 2018) y por profesores
de servicio (García-Ceberino, Mancha, Ibáñez, & Feu, 2018). En la parte de animación y parte fundamental se
requiere de un nivel mayor de eTL y con intensidades variadas.

Asimismo, los ejercicios de aplicación simples (M=13.48), los ejercicios de aplicación complejos (M=13.62), los
juegos simples inespecíficos (M=17.46) y los juegos simples específicos (M=18.35) provocan una eTL media-baja;
los juegos complejos específicos (M=23.93) una eTL media-alta; el predeporte o deporte adaptado/reducido
(M=25.90) y el deporte (M=27.00) una eTL muy-alta. Este incremento de la eTL se debe al aumentar el nivel de
oposición, la carga competitiva y el número de sujetos involucrados. De manera que el medio de enseñanza influye en
la cuantificación de eTL.Los resultados muestran diferencias estadísticamente significativas de eTL en función de la
parte de sesión (X2=14.283; p=.001; d=.428) y los medios de enseñanza (X2=151.347; p=.000; d=2.088). Estas
diferencias se deben a la modificación de los parámetros estructurales y formales de las tareas, provocando diferentes
exigencias y esfuerzos en los estudiantes (Aguilar et al., 2012).

CONCLUSÃO
El análisis de la eTL de las tareas diseñadas para la enseñanza del baloncesto escolar pone de manifiesto que los
profesores en formación tienden a diseñar tareas con niveles de eTL más bajos de los requeridos en la parte de
animación y parte fundamental al aprovecharse muy poco el grado de oposición, la carga competitiva y la implicación
cognitiva durante la organización de las tareas. Algunos medios de enseñanza (juego complejo específico, predeporte
y deporte) presentan un mayor aprovechamiento de estos elementos, provocando niveles más altos de eTL.

APOIO
Ayuda a los Grupos de Investigación (GR15122) del Gobierno de Extremadura (Consejería de Empleo, Empresa e
Innovación); Aportación de la UE a través de los Fondos Europeos de Desarrollo Regional

REFERÊNCIAS
Aguilar, M., Botelho, G., Lago, C., Maçãs, V., & Sampaio, J. (2012). A Review on the Effects of Soccer Small-Sided
Games. Journal of Human Kinetics, 33, 103-113.

Barbero, J. C., Vera, J. G., & Castagna, C. (2006). Cuantificación de la Carga en Fútbol: Análisis de un Juego en
Espacio Reducido. PubliCE, 0.

García-Ceberino, J. M., Gamero, M. G., González-Espinosa, S., García-Rubio, J., & Feu, S. (2018). Estudio de la
carga externa de las tareas para la enseñanza del balonmano en función del género de los profesores en formación. E-
Balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte, 14(1), 45-54.

García-Ceberino, J. M., Mancha, D., Ibáñez, S. J., & Feu, S. (2018). Planificación de la carga externa de los
profesores de servicio para la enseñanza del balonmano en la edad escolar. En A. J. Pérez, F. Zurita, & J. Chacón
(Eds.), III Congreso Internacional en Investigación y Didáctica de la Educación Física-ADDIJES. Granada, España.

Ibáñez, S. J., Feu, S., & Cañadas, M. (2016). Sistema integral para el análisis de las tareas de entrenamiento, SIATE,
en deportes de invasión. E-Balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte, 12(1), 3-30.

26
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ESTUDIO DE LAS VARIABLES PEDAGÓGICAS EN TAREAS DE ENSEÑANZA DEL


BALONCESTO EN FUNCIÓN DE LA PARTE DE SESIÓN
María de Gracia Gamero Portillo1,2; Juan Manuel García Ceberino1,2; José Martín Gamonales Puerto1,2; Sergio José
Ibañez Godoy1,2; Luis Gonzalo Córdoba Caro1,2; Sebastián Feu Molina1,2
Autor para correspondência: mgamerob@alumnos.unex.es
1
Universidad de Extremadura ; 2GOERD (Grupo de optimización del entrenamiento y el rendimiento deportivo)

PALAVRAS-CHAVE:TAREAS ; BALONCESTO; PROFESORES

INTRODUÇÃO
El estudio de la planificación de las tareas de aprendizaje se ha convertido en una de las líneas de investigación
emergentes dentro del campo de la Pedagogía Deportiva. El deporte es incorporado como un contenido curricular del
área de Educación Física, y como el resto de contenidos curriculares, requiere de una planificación mediante el
desarrollo de unidades didácticas (González-Espinosa, Ibáñez, & Feu, 2017). Dicha planificación es fundamental para
comprender como se desarrolla la enseñanza en los deportes de invasión (Cañadas & Ibáñez, 2010).El objetivo del
estudio fue analizar las variables pedagógicas de las tareas diseñadas por los profesores de pre-servicio para la
enseñanza del baloncesto escolar en función de las partes de sesión.

MATERIAIS E MÉTODOS
Diseño: El diseño de este estudio se encuadra dentro de una estrategia asociativa de tipo comparativo y transversal.

Muestra: Los participantes fueron 6 profesores de educación física en fase de pre-servicio de la Universidad de
Extremadura. La muestra quedó formada por las 283 tareas categorizadas a partir de las unidades didácticas diseñadas
por los profesores.

Variables:La variable independiente del estudio fue estructura de la sesión establecida en una clase de Educación
Física: animación, parte fundamental y culminación. La parte de vuelta a la calma fue suprimida al no utilizar
contenidos propios de esta parte de sesión.Las variables dependientes del estudio fueron las variables pedagógicas que
definen una tarea. Dichas variables se encuentran registradas en el Sistema Integral para el Análisis de las Tareas de
Entrenamiento (SIATE): situación de juego, fase de juego, tipo de contenido, contenido específico, medio de
enseñanza, nivel de oposición, tipo de participación y, Feedback (Ibáñez, Feu & Cañadas, 2016).

Instrumento: Para la categorización de las tareas se ha utilizado el SIATE (Ibáñez et al., 2016). Este sistema permite
registrar y analizar los diferentes factores que inciden en el proceso de enseñanza de los deportes de invasión.

Procedimiento: Cada profesor de pre-servicio elaboró una unidad didáctica sobre el deporte del baloncesto. Una vez
recopiladas, las unidades didácticas fueron categorizadas mediante el SIATE por dos evaluadores externos de forma
consensuada.

Análisis estadístico: En primer lugar, se realizó un análisis descriptivo para conocer las características de la muestra.
Posteriormente, se llevó a cabo un análisis inferencial a través de la prueba Chi-Cuadrado (x2), el coeficiente V de
Cramer (Vc), el coeficiente de contingencia (Cc), empleando los RTC para analizar la relación y el grado de
asociación entre las partes de sesión con el resto de variables pedagógicas estudiadas.

RESULTADOS
Los resultados ponen de manifiesto la existencia de diferencias estadísticamente significativas (p<.05) en el diseño de
las tareas para cada parte de sesión con respecto a las variables pedagógicas.El coeficiente de V de Cramer señala una
fuerza de asociación baja en las variables fase de juego, nivel de oposición y tipo de participación (Vc ≤ .299); una
fuerza de asociación moderada (Vc entre .300 y .499) en las variables situación de juego (Vc= .400), tipo de contenido
I (Vc= .357), tipo de contenido II (Vc= .354), medio de enseñanza (Vc= .374), y feedback (Cc= .413); y una fuerza de
asociación alta en la variable contenido específico (Vc> .500).

27
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

En la parte de animación, los RTC indican más casos de los esperados en: la situación de juego 1vs Gran grupo
(RTC= 3.0), la fase de ataque (RTC= 3.2), las actividades de calentamiento (RTC= 3.2), las conductas táctico-técnicas
individuales de defensa (RTC= 3.0), el juego simple inespecífico (RTC=3.6), las tareas con obstáculos dinámicos
(RTC= 5.4), la participación simultánea (RTC= 4.7) y el feedback motivacional (RTC= 2.4). El contenido específico
con más casos de los esperados es el bote (RTC= 3.3).

En la parte fundamental, los RTC indican más casos de los esperados en: el ejercicio de aplicación simple y complejo
(RTC= 3.4 y 2.4), respectivamente. Las tareas sin oposición (RTC=2.8) y con oposición modulada (RTC= 2.2), la
participación consecutiva (RTC=3.8) y el feedback prescriptivo (RTC= 5.0).

En la parte culminación, los RTC indican más casos de los esperados en: las situaciones de juego 3x3, 4x4 y 6x6
(RTC= 3.1; 3.0 y 4.0), respectivamente, la fase de juego mixta (RTC= 4.0), las conductas táctico-técnicas grupales de
ataque y de defensa (RTC= 3.3 y 2.2) y los partidos de entrenamiento (RTC= 3.4). También existen más casos de los
esperados en las conductas ataque-defensa (RTC= 2.5), el juego complejo específico (RTC= 3.3), pre-deporte (RTC=
3.1), deporte (RTC= 2.9), las tareas con competición (RTC= 2.5), con oposición (RTC= 3.3) y con un feedback
motivacional (RTC= 5.1).

Asimismo, los maestros utilizan con más frecuencia, independientemente de la parte de sesión en la que se
encuentren, las siguientes variables pedagógicas: la situación de juego 1vs0, la fase de ataque, los gestos técnico-
tácticos individuales de ataque, el bote como contenido específico y las tareas sin nivel de oposición. En cuanto al tipo
de participación y los medios de enseñanza más utilizados son la participación simultánea y los ejercicios de
aplicación simple. El feedback más usado en las sesiones es el prescriptivo.

Los resultados coinciden en gran medida con estudios similares sobre el balonmano escolar. En el estudio de Gamero,
Reina, Antúnez, & Feu (2018) también se encuentran diferencias significativas en el diseño de las tareas para cada
parte de sesión en todas las variables pedagógicas y, en el estudio de Gamero, García-Ceberino, González-Espinosa,
Reina, & Antúnez (2017) se coincide en gran medida en el uso que hacen los profesores de las diferentes variables
pedagógicas.

CONCLUSÃO
Los profesores de pre-servicio hacen diferente uso de las distintas variables pedagógicas en función de la parte de
sesión en la que se encuentren, siendo esta diferencia más significativa en la variable de contenido específico.

El uso que los profesores hacen de las variables pedagógicas para el diseño de sus tareas encuadran a sus unidades
didácticas de baloncesto dentro de un modelo de enseñanza tradicional.

APOIO
Junta de Extremadura

REFERÊNCIAS
Cañadas, M., & Ibáñez, S. J. (2010). La planificación de los contenidos de entrenamiento de baloncesto en equipos de
iniciación. E-Balonmano.com: Revista de Ciencas del Deporte, 6(1), 49-65.

Gamero, M. G., García-Ceberino, J. M., González-Espinosa, S., Reina, M., & Antúnez, A. (2017). Análisis de las
variables pedagógicas en las tareas diseñadas para el balonmano en función del género de los docentes. E-
Balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte, 13(3) 217-224.

Gamero, M. G., Reina, M., Antúnez, A. & Feu, S. (2018). Planificación de las variables pedagógicas de los maestros
de servicio para la enseñanza del balonmano en la edad escolar. En A. J. Pérez, F. Zurita, & J. Chacón (Eds.), III
Congreso Internacional en Investigación y Didáctica de la Educación Física-ADDIJES. Granada, España.

González-Espinosa, S., Ibáñez, S. J., & Feu, S. (2017). Diseño de dos programas de enseñanza del baloncesto basados
en dos métodos de enseñanza-aprendizaje diferentes. E-Balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte, 13(2), 131-
152.

Ibáñez, S. J., Feu, S., & Cañadas, M. (2016). Sistema integral para el análisis de las tareas de entrenamiento, SIATE,
en deportes de invasión. E-Balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte, 12(1), 3-30.

28
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EXPERIÊNCIA DE ENSINO DO BASQUETEBOL DIANTE DOS PROBLEMAS DO


COTIDIANO ESCOLAR: RESULTADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO
Beatriz Moura da Silva1; Crislaine Cintia da Silva1; Ana Luiza Barbosa Vieira1; Ricardo Bezerra Torres Lima1
Autor para correspondência: beatrizmoura@outlook.com
1
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Educação Física escolar; Jogo

INTRODUÇÃO
O basquetebol, na cultura escolar, se justifica de diferentes modos, como por exemplo, pelo ensino do sistema
esportivo, por ensinar o respeito às regras, por aprender a conviver com o sentimento de derrota/vitória. Além disso,
justifica-se, principalmente, por ser um patrimônio cultural a ser ensinado aos estudantes (Rodrigues, 2009).
Entretanto, poucos o praticam. As causas para isso são, segundo Lima (2012): a preferência dos alunos por outras
modalidades; a não prioridade do plano de ensino por parte do professor; dificuldades com infraestrutura e o professor
não apresentar o conhecimento técnico suficiente para o ensino dessa modalidade.

Diante disto, surgiu o seguinte problema: como ensinar basquetebol num contexto escolar de dificuldades materiais,
estruturais e conceituais? O objetivo geral desta pesquisa-ação é apresentar as possibilidades do trato com o
basquetebol a partir das dificuldades encontradas na escola, enquanto os objetivos específicos são: conhecer a
experiência prévia de alunos da escola pública com o basquetebol e experimentar uma proposta de ensino da
modalidade através do jogo.

MATERIAIS E MÉTODOS
A partir da disciplina de Metodologia do Basquetebol do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade
Federal Rural de Pernambuco surgiu o desafio de articular ensino-pesquisa-extensão. A proposta era analisar a
realidade da prática da modalidade na escola e a partir da diagnose, ministrar aulas do basquetebol, ou seja, a intenção
de ir à escola apareceu como forma de pôr em prática o que foi aprendido na disciplina.

Na escola selecionada, localizada na cidade de Recife, deparamo-nos com uma infraestrutura inadequada e com a
ausência do ensino da modalidade em questão. Desse modo, optou-se por realizar uma pesquisa-ação, pois[...] é um
tipo de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com urna ação ou com a
resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes representativos da situação ou do
problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo (Thiollent, 1986, p. 14). Este tipo de pesquisa
implica participação efetiva dos/das pesquisadores/as, os/as quais devem apresentar soluções para os problemas
encontrados.

Os planos de aula tinham como conteúdo os fundamentos do basquetebol, e apresentavam ensino desta modalidade a
partir do jogo. Segundo Graça (1995), o ensino através do jogo traz elementos da imprevisibilidade existentes do jogo
formal, desenvolvendo assim habilidades técnicas como passe e drible. Assim, foram feitas três intervenções com
duas turmas (6º e 9º ano). Nestas, iniciamos com o contato com a bola, formas de manejo, chegando à aproximação de
outros fundamentos através dos jogos.

RESULTADOS
Observou-se que o ensino a partir do jogo se mostrou eficaz para a aproximação dos alunos ao conteúdo. Conforme
Sadi (2008, p. 1) “o esporte, como herdeiro do jogo, possui dois pontos relevantes para o ensino/aprendizagem: a
estruturação de jogos e a promoção/substituição das tradicionais modalidades esportivas por atividades em jogos
esportivos”.

O uso dessa proposta proporcionou maior interesse, entusiasmo e participação nas atividades utilizadas porque a
maioria delas se baseava em algum jogo próximo da prática diária dos alunos; alguns afirmaram gostar de ter algo

29
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

diferente, se referindo ao basquete, porque era sempre o mesmo conteúdo nas aulas, enfatizando ainda a questão de
estarem se divertindo ao realizarem os movimentos e atividades.

Apesar de a preferência de parte dos alunos ser pelo futebol, chegando a perguntar se jogariam naquela mesma aula, o
basquete acabou se mostrando uma novidade para crianças que demonstraram vontade de conhecer e praticar. Isto foi
percebido durante as aulas através da euforia destas ao realizarem as atividades e pelo relato das mesmas ao final das
intervenções.

As práticas realizadas nas aulas ministradas indicaram, também, que é possível ensinar o basquetebol mesmo com
uma infraestrutura precária, por meio de adaptações, mesmo que não seja o ideal. A escola, por exemplo, não possuía
tabela e improvisou-se com um arco/bambolê, permitindo que os estudantes experimentassem, dentro dos limites, a
noção de arremesso.

CONCLUSÃO
Diante do que foi exposto, percebemos que o basquetebol na Educação Física escolar é uma modalidade pouco
ensinada, discurso presente nas falas dos próprios alunos. Isto ocorre tanto pela falta de infraestrutura, pelo fato de os
professores não apresentarem conhecimento suficiente sobre o conteúdo e dar preferência ao ensino de outras práticas.

É importante destacar que a vivência da modalidade pelos alunos é imprescindível para que estes aprofundem seus
conhecimentos sobre este esporte, assim como possam apreciar sua prática; ficando perceptível nas aulas ministradas,
nas quais os estudantes participaram demonstrando contentamento. O ensino do basquetebol se deu de maneira
satisfatória mesmo diante das dificuldades encontradas. E é também relevante salientar que no âmbito da escola
pública, que apresenta todas essas limitações, o ensino do esporte a partir do jogo aparece mais direcionado à
realidade das crianças por permitir adaptações das práticas esportivas, com ênfase no presente estudo, para o
basquetebol.

REFERÊNCIAS
Graça, A. (1995). Os comos e os quandos no ensino dos jogos. In: GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. (Org.) O ensino dos
jogos desportivos (pp. 27-34). Porto: Faculdade de Ciências do Desporto e da Educação Física, Universidade do
Porto.

Lima, R. B. T. (2012). O esporte da escola: a exclusão do basquetebol da prática pedagógica na disciplina curricular
Educação Física. (Dissertação de Mestrado em Educação Física, Universidade de Pernambuco). Recuperado de
http://cev.org.br/biblioteca/o-esporte-escola-exclusao-basquetebol-pratica-pedagogica-disciplina-curricular-educacao-
fisica/

Rodrigues, H. A. (2009). Basquetebol na escola: construção, avaliação e aplicabilidade de um livro


didático (Dissertação de Mestrado em Educação Física, Universidade Estadual Paulista). Recuperado de
https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/96030/rodrigues_ha_me_rcla.pdf;jsessionid=9DFA4E70BA675E
ECD777ABB39B99BBD5?sequence=1

Sadi, R. S., Costa, J. C. & Sacco, B. T. (2008). Ensino de Esportes por meio de Jogos: desenvolvimento e
aplicações. Pensar a Prática, v. 11, 1-9. Recuperado dehttps://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/1298/3333

Thiollent, M. (1986). Metodologia da Pesquisa-Ação [Versão digital]. Recuperado em


https://kupdf.net/download/metodologia-da-pesquisa-acao-michel-thiollent_58f7fa18dc0d607d42da97ee_pdf

30
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CORRELAÇÃO ENTRE MOTIVAÇÃO E DIFERENTES CONSTRUCTOS


PSICOLÓGICOS EM UMA EQUIPE DE BASQUETEBOL FEMININO
Luís Antônio de Souza Júnior1,2; Carlos Alexandre Falconi1,3; Marcelo Callegari Zanetti1,2,3
Autor para correspondência: bioaction@bol.com.br
1
Universidade São Judas Tadeu(USJT); 2Universidade Paulista (UNIP); 3Grupo de Estudos em Psicofisiologia do
Esporte e do Exercício (GEPTAEE)

PALAVRAS-CHAVE:Motivação; Suporte Parental; Basquetebol Feminino

INTRODUÇÃO
O Basquetebol, assim como outras modalidades esportivas, apresenta desde a iniciação esportiva até o mais alto
rendimento influência de diferentes aspectos biopsicossociais, o que demanda atenção em relação ao planejamento
dessa prática, principalmente da iniciação, que deverá priorizar a permanência e a satisfação de seus praticantes.
Nesse sentido, a motivação pode ser considerada elemento-chave, já que ela é um importante elo na adesão e
manutenção nesses programas, porém, sua compreensão nem sempre é uma tarefa simples, já que ela está
intimamente ligada a fatores pessoais e ambientais em um processo ativo, intencional e dirigido. Buscando
compreender melhor esse fenômeno esse estudo buscou verificar a correlação entre a motivação autodeterminada e
diferentes constructos psicológicos (comportamento parental, necessidades psicológicas básicas (autonomia,
competência, relação social), clima motivacional, autoestima, satisfação com a vida e resiliência) em atletas de
basquetebol feminino escolar.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foram investigadas 9 atletas de uma equipe de basquetebol feminino da Categoria Infantil, com média de idade
12,1±0,8 anos, de uma escola da rede privada de ensino da cidade de São José do Rio Pardo, Estado de São Paulo,
participante dos Jogos Escolares do Estado de São Paulo. Como instrumentos foram utilizados: 1) Questionário de
Motivação no Esporte (SMS); 2) Questionário de Comportamentos Parentais no Desporto (QCPD), versão para
atletas, versão para o pai e versão para a mãe; 3) Escala de Autonomia Percebida no Esporte; 4) Escala de
Competência Percebida no Esporte; 5) Escala de Necessidade de Relação; 6) Questionário de Clima Motivacional no
Esporte; 7) Escala de Autodescrição (autoestima); 8) Escala de Satisfação com a Vida; 9) Escala Breve de Resiliência
(BRS). Para tratamento dos dados foi utilizado o pacote estatístico SPSS na versão 21.0 para Windows e foi adotada
significância de: p<0,05. Foram realizadas as estatísticas descritivas, média (M) e desvio padrão (DP). A análise da
simetria da distribuição das frequências (normalidade) foi efetuada mediante a utilização do teste de Shapiro-Wilk.
Para conhecer a associação linear (relação) entre diferentes variáveis, foi calculado o coeficiente de correlação de
Pearson para os dados que apresentaram simetria e o coeficiente de correlação de Spearman para os dados que não
apresentaram simetria.

RESULTADOS
Os dados apresentaram correlações significantes entre as variáveis: a) Acompanhamento do Pai com a motivação
extrínseca de introjeção (r=-0,840, p=0,005), e com a autoestima (r=-0,810, p=0,008), b) Apoio esportivo da mãe com
motivação extrínseca de introjeção (r=-0,851, p=0,004); c) Acompanhamento da mãe com a motivação extrínseca de
introjeção (r=-0,931, p=0,000); d) Apoio esportivo do pai com motivação extrínseca de introjeção (r=-0,783,
p=0,013); e) Insatisfação com rendimento desportivo do pai com a motivação intrínseca para atingirem os objetivos
(r=-0,814, p=0,008); f) Insatisfação com rendimento desportivo do pai com a desmotivação (r=-0,699, p=0,036); g)
Competência com a motivação intrínseca para atingirem objetivos (r=-0,701, p=0,035); h) Motivação extrínseca de
regulação externa com a autonomia (r=0,651, p=0,057); i) Motivação extrínseca de introjeção com autoestima
(r=0,686, p= 0,041). Os dados apontam que a motivação está fortemente relacionada com o comportamento parental
por meio do acompanhamento e apoio esportivo do pai e mãe, o que demonstra a importância de uma adequada
conduta dos pais nessa fase esportiva. A motivação também apresentou correlações medianas com as necessidades de
autonomia e competência e com a autoestima. Esses resultados estão de acordo com a literatura e salientam a
importância do apoio à autonomia e de fomento à competência por parte de técnicos e da autoestima por parte desses

31
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

mesmos técnicos e pais em uma fase que requer especial atenção em relação a um ambiente psicológico sadio. Já, a
insatisfação com o rendimento esportivo da filha por parte do pai foi relacionada com a desmotivação da atleta, o que
aponta para a necessidade de cuidado por parte dos pais em relação à exposição exacerbada desse tipo de
comportamento.

CONCLUSÃO
Conclui-se, que de todos os constructos psicológicos investigados, o comportamento parental foi o que apresentou
correlação mais forte com a motivação autodeterminada, principalmente com a motivação extrínseca de introjeção,
que envolve a autoestima e é altamente dependente do desempenho, além do envolvimento do ego no sentido de evitar
fontes externas de desaprovação ou obter aprovação externa, seja por parte do técnico ou dos pais. Especula-se que
por ser uma equipe que se reúne apenas uma vez por semana para treinar, constructos que apresentam alta correlação
com a motivação como o clima motivacional do treinador e o de necessidades psicológicas básicas, que apresentou
correlação mediana apenas nas dimensões autonomia e competência, tenham menor influência que a conduta dos pais
em relação à motivação dos filhos nessa etapa esportiva. Tais resultados também apontam a importância do
desenvolvimento de programas de orientação da conduta de pais no esporte, principalmente na iniciação esportiva.

REFERÊNCIAS
Costa, V. T. da, Albuquerque, M. R., Lopes, M. C., Noce, F., Costa, I. T. da, Ferreira, R. M., & Samulski, D. M.
(2011). Validação da escala de motivação no esporte (SMS) no futebol para a língua portuguesa brasileira. Revista
Brasileira de Educação Física e Esporte, 25(3), 537–546. https://doi.org/10.1590/S1807-55092011000300015

Psicologia, E. De. (2007). UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia. Stress: The International Journal on the
Biology of Stress, 14(3), 1–4.

Uberl, U. F. D. E., Gen, E. M., Soares, C., Orientadora, S., Co-orientador, A. M. B., & Goulart, L. R. (2007). Livros
Grátis. https://doi.org/616.89-008.47:616-

Vieira, L. F., Mizoguchi, M. V., Garcia Junior, E., & Garcia, W. F. (2013). Estilos Parentais E Motivações Em Atletas
Jovens De Futebol De Campo. Pensar a Prática, 16(1), 183–196. https://doi.org/10.5216/rpp.v16i1.16539

Field, A. (2009). Descobrindo a Estatística usando o SPSS. ArtMed.

32
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O BASQUETE DE RUA COMO FACILITADOR DO ENSINO DO BASQUETEBOL NA


ESCOLA
ALEX NATALINO RIBEIRO1; DOUGLAS VINICIUS DE CARVALHO BRASIL1; ALCIDES JOSÉ SCAGLIA2
Autor para correspondência: alex.natalino.ribeiro@gmail.com
1
Faculdade de Educação Física UNICAMP; 2Faculdade de Ciências Aplicadas da UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Esportes; Ensino

INTRODUÇÃO
Autores da Pedagogia do Esporte indicam que o processo de ensino, vivencia e aprendizagem das modalidades
esportivas deve ser balizado em três referenciais: técnico-tático, que como o nome sugere aborda as questões técnica e
táticas; histórico-cultural, que trata da história, desenvolvimento e culturas que dialogam com as práticas esportivas,
etc.; socioeducativo, referente a questões sociais, valores, etc. (GALATTI; MACHADO; PAES, 2014). Nessa
perspectiva, no presente trabalho iremos apresentar uma alternativa de ensino do Basquetebol nas escolas por meio do
Streeball, uma vez que essa prática esportiva pode facilitar a abordagem dos três referenciais, contribuindo para a
formação dos alunos.

MATERIAIS E MÉTODOS
A presente pesquisa foi realizada por meio de pesquisa bibliográfica e documental

RESULTADOS
Streetball (no Brasil o termo foi adaptado para Basquete de Rua) é o nome que a mídia norte-americana deu ao
Basquetebol praticado nas “ruas” dos Estados Unidos da América quando ficou evidente que havia um distanciamento
entre o esporte praticado nesses locais e nos formais. Acredita-se que essa diferenciação ocorreu entre o fim dos anos
1960 e início dos anos 1970 nos guetos norte-americanos, o que justificaria a relação entre o Basquete de Rua e a
cultura Hip-Hop (Garcia; Couliau, 2012). O Basquete de Rua diferencia-se do Basquetebol principalmente no que diz
respeito as regras, nele elas são flexíveis podendo variar de local para outro, sua pratica pode ocorrer em qualquer
local que tenha um “aro” e o número de praticantes pode variar, desde a prática individual a até equipes compostas de
1 a 5 jogadores, etc. (Garcia; Couliau, 2012). Outro ponto de destaque do Basquete de Rua é a existência de
movimentos que transgridem as regras do Basquetebol institucionalizado, os chamados “moves” e “freestyles” e
(Oliveira Filho, 2006), que podem ou não se conectar durante as jogadas. Portanto, se considerarmos que a
diversificação das atividades, contribui para desenvolver a motivação intrínseca, o espírito competitivo e tende a
prolongar a participação esportiva ao longo da vida (Côté et. al., 2017), o Basquete de Rua parece ser um ótimo meio
pelo qual o Basquetebol pode ser ensinado nas escolas, uma vez que essa prática esportiva possui facilitadores no que
se refere a abordagem dos referenciais da Pedagogia do Esporte, permitindo por exemplo: a diversificação as aulas; a
vivencia de diferentes papéis dos alunos durante as aulas – entre eles, alguns correlacionados com a cultura Hip-Hop,
como DJ e MC. O ensino do Basquete de Rua nas escolas também permite e pode facilitar a vivencia e/ou transição
para outras modalidades como o Basquetebol e o Basquete 3x3. A história e/ou a forma como o Basquete de Rua se
desenvolveu ao longo do tempo (Canan; Silva 2013; Garcia; Couliau, 2012), pode contribuir para que os alunos
desenvolvam um pensamento crítico para além do contexto esportivo.

CONCLUSÃO
Nota-se que o Basquetebol e o Basquete 3x3 possuem fundamentos comuns com o Basquete de Rua, o que torna a
abordagem dos aspectos técnicos-táticos dessas modalidades possível de serem abordados por meio dessa prática
esportiva. Ainda no que se refere ao ensino de técnicas e táticas, o Basquete de Rua por possuir regras flexíveis, pode
contribuir para que os alunos exercitem sua criatividade, criando movimentos e combinações destes que não seriam
permitidas no Basquetebol e Basquete 3x3, o que pode ser um fator que gere motivação e engajamento dos alunos nas
aulas. As questões histórico-culturais que envolvem o Basquete de Rua, podem refletir diretamente na abordagem

33
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

socioeducativa, uma vez que ao se trabalhar o desenvolvimento dessa prática esportiva ao longo do tempo, é possível
abordar questões como segregação social e racial, estereótipos, etc., de forma que se estimule a aquisição de valores
positivos em detrimento dos negativos. Por fim, concluímos que o processo de ensino, vivencia e aprendizagem do
Basquetebol por meio do Basquete de Rua nas escolas considerando os referenciais da Pedagogia do Esporte, pode
contribuir positivamente para o desenvolvimento dos alunos, aumentando as chances que esses permaneçam
envolvidos no esporte ao longo da vida, uma vez que as características dessa pratica esportiva permite que esses
reconheçam as diferentes vertentes do Basquetebol e reflitam sobre como e porque surgiram, além é claro de permitir
que os alunos vivenciem diferentes papeis, sejam eles relacionados as modalidades esportivas ou a cultura Hip-Hop.

APOIO
CAPES

REFERÊNCIAS
Canan, F. e.; Silva, R. V. (2013) Considerações histórico-sociológicas acerca do basquete de rua e suas possíveis
relações com a educação física escolar. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11,
n. 1, p. 65-77, jan./jun.

CÔTÉ, J. et al. Quadro teórico para o desenvolvimento de valores pessoais no processo dinâmico de desenvolvimento
pelo esporte. In: Múltiplos Cenários da Prática Esportiva: Pedagogia do Esporte / Organização Larissa Rafaela
Galatti…[et al.]. Campinas, SP. Editora da Unicamp, 2017.

DOIN’ IT IN THE PARK: Pick-Up Basketball, New York City. New York. (2012) Direção de Bobbito Garcia e
Kevin Couliau. Documentário. Disponível em: <http://buy.doinitinthepark.com/>. Acessado em: 06 de abr. de 2015.

GALLATI, L. R.; MACHADO G. V.; PAES R. R. (2014) Pedagogia do esporte e o referencial histórico-cultural:
Interlocução entre teoria e prática. Revista Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 414-430.

Oliveira FILHO, A. (2006) História do Basquete de Rua. Rio de Janeiro, dezembro. Disponível em:
<http://www.lub.org.br/lub/?page_id=13>. Acesso em: 05 de maio de 2014.

34
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O ESPORTE COMO FERRAMENTA DE SUPORTE EDUCACIONAL: A EXPERIÊNCIA


DO PROJETO BASQUETEBOL ALÉM DAS QUADRAS NO MUNICÍPIO DE TOLEDO-
PR
Márcia Franciele Spies1; Fernando Yassuo Sato; Lourdes Kappes
Autor para correspondência: marciaedufi@gmail.com
1
Unioeste

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Esporte; Educação

INTRODUÇÃO
Este estudo teve como objetivo enfatizar a importância do projeto Basquetebol Além das Quadras como uma
ferramenta de inserção na modalidade de basquetebol através do desenvolvimento de atividades esportivas e
cognitivas no contra turno escolar. O esporte, além de favorecer o desenvolvimento integral do ser humano é uma
ferramenta indispensável e necessária para que haja uma clara conscientização sobre a utilização do tempo livre com
atividades prazerosas, espontâneas e organizadas, diminuindo assim o risco de vulnerabilidade social.

O projeto Basquetebol Além das Quadras iniciou em 2017 pela ABATOL, Associação dos Amigos do Basquetebol
Masculino de Toledo, com o objetivo de é aumentar o rendimento dos atleta através de um programa de contra turno
escolar onde além do treinamento, novos atletas são inseridos na modalidade de basquetebol com atividades
que contemplam o rendimento esportivo, o desempenho escolar e social democratizando o acesso à prática e à cultura
do esporte como instrumento educacional transformador de crianças e adolescentes.

A participação das crianças e dos adolescentes em projetos esportivos, possibilitam uma maneira lúdica de se
relacionar com uma diversidade de pessoas e de temas que podem despertar interesse. Como afirmam Freire e Scaglia
(2003, p.21 apud BRASIL, 2004c, p.42) \\\"para o desenvolvimento do jogo, demanda estabelecer acordos,que
pressupõe “reivindicar certos interesses e abrir mão de outros”. Trata-se de um conteúdo que estimula o aprendizado
de “valores de certo e errado, de bem e de mal, e assim por diante”.

Aliando esporte e educação, temos o que Betti (1999), chama de princípio da formação e informação plena, onde o
autor chama a atenção para a formação integral do indivíduo, tendo o cuidado para ter claro, que esta formação
integral não se caracteriza pela soma das partes. Para que o princípio ocorra, procura-se estabelecer uma inter-relação
entre as dimensões corporais, cognitivas e sócio afetivas:

Se o professor quer ensinar basquetebol, é preciso ensinar as habilidades específicas da modalidade, mas que
precisam estar integradas às dimensões afetivas (é preciso aprender a gostar do basquetebol), cognitiva (por exemplo,
compreender as regras como algo que torna o jogo possível, a organização e as possibilidades de acesso ao esporte em
nosso meio) e social (aprender a organizar-se em grupo para jogar o basquetebol) (p.87).

Desta forma, realizar atividades de contra turno escolar através da pratica esportiva aliadas ao trabalho de reforço
escolar, permite aos participantes o seu desenvolvimento integral capacitando os mesmos para a lidar com suas
necessidades, desejos e expectativas, bem como, com as necessidades, expectativas e desejos dos outros, de forma que
o mesmo possa desenvolver as competências técnicas, sociais e comunicativas, essenciais para o seu processo de
desenvolvimento cognitivo, individual e social.

MATERIAIS E MÉTODOS
Para atender aos objetivos propostos, buscou-se trabalhar o paradigma qualitativo, por permitir compreender e
interpretar a importância do Projeto Basquetebol Além das Quadras sob o ponto de vista dos participantes. Utilizou-
se, como instrumento de pesquisa um questionário, que permitiu aos participantes descreverem questões ligadas ao
interesse, e à importância da participação no Projeto. A escolha dos participantes foi realizada aleatoriamente, de
acordo com o número de matricula e idade.

35
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

A amostra concentrou-se em 25 meninos com faixa etária entre 12 e 16 anos que participam do projeto de segunda a
quinta-feira em período de contra turno escolar. Os participantes responderam de maneira voluntária, após autorização
dos pais por meio de um termo de consentimento livre e esclarecido.

O questionário foi estruturado por meio de três perguntas, a seguir apresentadas: 1) qual importância que o Projeto
Basquetebol Além das Quadras tem para você? ;2) Quais os motivos que levaram você a participar do Projeto
Basquetebol além das Quadras?; 3) Se você não estivesse participando do projeto, o que estaria fazendo no período
que não está na escola?

RESULTADOS
O projeto Basquetebol além das Quadras é um projeto de contra turno escolar que funciona de segunda a quinta feira
no contra turno escolar, onde os participantes são inseridos na modalidade de basquetebol e participam de oficinas de
tarefa escolar, capoeira, tênis de mesa, leitura, caligrafia e futsal. São atendidos diariamente 100 meninos de 08 a 16
anos, no período em que não estão na escola.

A leitura atenta das respostas dos questionários dos vinte e cinco participantes da pesquisa levou- nos a identificar o
gosto pela prática do esporte, ainda que expressadas de maneira sucinta e com vocabulário peculiar, característica da
faixa etária.

Quando perguntados sobre a importância do projeto 12 participantes mencionaram que o projeto é uma maneira de
fazer novos amigos, aprender mais sobre o basquete, participar de campeonatos, e ocupar o tempo livre para estudar.
Os demais utilizaram-se de termos com “ ficar longe das drogas” e aprender valores como “ganhar e perder”.

Na pergunta dois que trata dos motivos que levaram os participante a fazer parte do projeto, as respostas apresentadas
foram as seguintes: 17 participantes fizeram menção a possibilidade de aprender a jogar, participar de competições
porque gostam do esporte e melhorar as notas na escola; seis participantes mencionaram que por estarem envolvidos
com o Projeto, não saem para as ruas e dois relataram que os pais fizeram matricula porque trabalham fora e o
projeto é uma maneira de ficarem supervisionados.

Na terceira pergunta que questiona o que os participantes estariam fazendo no tempo livre se não estivessem no
projeto encontramos respostas simplistas como: “dormindo”, “jogando no celular”; “estudando” e “brincando com
meus amigos na rua”.

CONCLUSÃO
O Projeto Basquetebol Além das Quadras tem grande importância no contexto social que está inserido, pois apresenta
uma diversidade de características muito ricas capazes de influenciar na mudança de hábitos, comportamentos e
atitudes dos participantes. Isso não significa ausência de conflitos, mas sim a possibilidade de resolve-los se
apropriando de regras e respeito mútuo.

Ao elegermos o esporte (nesse caso e o basquetebol) como ferramenta para melhorar o rendimento escolar e diminuir
o risco de vulnerabilidade social, temos que garantir aos participantes acesso a essa cultura do movimento como uma
ferramenta pedagógica, propiciando aos mesmos condições de conhecer, agir e transformar sua realidade.

REFERÊNCIAS
BETTI, Mauro. Educação Física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BRASIL – MINISTÉRIO DO ESPORTE. Esporte e Sociedade. Brasília: Universidade de Brasília/CEAD, 2004.

36
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONTEÚDOS DEFENSIVOS ENFATIZADOS POR TREINADORES DE ÂMBITO


ESCOLAR
Letícia Missura Ariosi1; Rafael Pombo Menezes1
Autor para correspondência: leticia.ariosi@usp.br
1
Universidade de São Paulo/Escola de Educação Física e Esporte

PALAVRAS-CHAVE:Conteúdos; Basquetebol; Escolar

INTRODUÇÃO
Os esportes coletivos podem ser considerados sistemas sociais complexos, influenciados por diferentes elementos,
dentre os quais os jogadores (a partir das relações de cooperação e oposição) devem contemplar objetivos específicos
para conseguir anotar os pontos (GARGANTA; OLIVEIRA, 1996). O ingresso de crianças e jovens em programas de
iniciação esportiva, quando bem planejados, proporcionam diferentes benefícios, tanto do ponto de visto motor,
cognitivo e do sócio-afetivo fazendo com os alunos sejam capazes de utilizar de situações criativas para atingir os
propósitos requisitados durante o jogo (MENEZES, MARQUES, NUNOMURA, 2014), independentemente do
contexto no qual tal processo é desenvolvido (contanto que respeite as características dos participantes).

Identificar os conteúdos inerentes a cada faixa etária em diferentes esportes, em especial no basquetebol (objeto de
investigação deste estudo), possibilita traçar estratégias de ensino de acordo com as características dos participantes e
do contexto no qual a aula ou treino é ministrado. Ao mesmo tempo, essa perspectiva pode fornecer indicativos
importantes sobre o conteúdo a ser ensinado em cada faixa etária e em cada contexto de desenvolvimento do
basquetebol, como escolas, clubes e equipes vinculadas às Prefeituras Municipais. O objetivo deste estudo foi mapear
os principais elementos defensivos abordados por treinadores de equipes do contexto escolar, a partir dos discursos
desses.

MATERIAIS E MÉTODOS
Adotou-se a pesquisa qualitativa pela necessidade de maneira detalhada os hábitos, comportamentos e atitudes
(MARCONI; LAKATOS, 2011). Participaram oito treinadores de equipes escolares (de um universo de 11 possíveis,
das categorias sub-14 e sub-17) de um município do interior do Estado de São Paulo, que disputaram competições
escolares quando da realização deste estudo. Os treinadores receberam uma via do Termo de Consentimento Livre e
Esclarecido, aprovado previamente por um Comitê de Ética. Trata-se de um estudo que é parte de um projeto de
pesquisa mais amplo acerca dos aspectos pedagógicos do basquetebol. Optou-se pelo desenvolvimento de um
instrumento de entrevista semi-estruturada, por partir de questionamentos pré-estabelecidos, mas permitindo certa
flexibilidade para a abordagem e aprofundamento na temática de interesse (MARCONI; LAKATOS, 2011). As
perguntas norteadoras foram: a) o que seus defensores devem fazer individualmente para que sua defesa seja eficaz?;
b) o que seus defensores devem fazer coletivamente para que sua defesa seja eficaz?

Os discursos foram tabulados e analisados a partir do método do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), buscando a
expressão do pensamento de uma comunidade a partir da agregação dos trechos dos discursos dos sujeitos, mantendo
a coerência e a constituição das partes que o compõe, sendo esse constituído por três figuras metodológicas: ideias
centrais (IC), expressões-chaves (ECH) e o discurso do sujeito coletivo (DSC) (LEFÈVRE; LEFÈVRE, 2012).

RESULTADOS
Partindo-se do primeiro questionamento, sobre os conteúdos individuais considerados mais importantes, foi possível
identificar que em ambas as categorias os treinadores enfatizam a “postura e posicionamento” (DSC1) e a “visão
periférica” (DSC2). Em relação aos conteúdos coletivos, os treinadores destacaram a “ajuda” (DSC3), a “postura
defensiva” (DSC4), o fato de “saber a função de cada jogador” (DSC5), a “visão periférica” (DSC6) e a
“comunicação” (DSC7). Embora os treinadores tenham mencionados conteúdos semelhantes em ambas as questões
(como a postura e a visão periférica), entende-se que está relacionado a ajustes situacionais, diretamente ligados ao
complexo ambiente no qual as ações dos jogadores desenvolvem-se. Josgrilberg (2008) aponta que no basquetebol

37
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

deve-se ter ênfase em defesa e rebote, para desenvolver princípios defensivos como: pressão nas primeiras opções de
passe, pressão em quem está com a bola, ajuda no lado sem bola e bloqueio de rebote. Também aponta que os
fundamentos da defesa podem ser identificados a partir de movimentos para tentar recuperar a posse de bola, como o
controle do corpo e o rebote. De maneira análoga, verificou-se que os discursos dos treinadores apontaram para
questões além das premissas relacionadas à técnica, o que remete-nos a pensar que o treinamento desses aspectos deva
estar diretamente relacionado ao contexto do jogo.

Entendendo que os conteúdos abordados são semelhantes em ambas as categorias, destaca-se que por se tratar da
compreensão que os jogadores vão construindo ao longo do tempo (possibilitando novas interações e outras possíveis
soluções de situações-problema), tais conteúdos precisam ser constantemente enfatizados.

CONCLUSÃO
A partir dos resultados encontrados neste estudo foi possível identificar aspectos diretamente relacionados com a
percepção do contexto do jogo e com as possibilidades de ação dos jogadores ao longo do tempo. Tais conteúdos
devem ser enfatizados em contexto específico de jogo, uma vez que estão diretamente relacionados às possibilidades
de tomada de decisão dos jogadores (como a visão periférica, a ajuda e a postura) e, ainda, às opções técnico-táticas
dos treinadores.

APOIO
Esse estudo conta com o apoio da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

REFERÊNCIAS
Garganta, J., & Oliveira, J. (1996). Modelação da dimensão tática do jogo de futebol. Estratégia e Tática nos Jogos
Desportivos Coletivos, Universidade do Porto, Porto, 63-82.

Josgrilberg, L. T. (2008). A formação e a prática pedagógica dos treinadores de basquetebol masculino do Rio de
Janeiro: aprendizagem e treinamento dos sistemas defensivos. Fit Perf J(7), 386-392.

Lefévre, F., & Lefévre, A. M. (2012). Pesquisa de representação social: um enfoque qualiquantitativo. Brasília, DF:
Liber Livro.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2011). Metodologia científica. São Paulo, SP: Atlas.

Menezes, R. P., Marques, R. F. R., & Nunomura, M. (2014). Especialização esportiva precoce e o ensino dos jogos
coletivos de invasão. Movimento(20), 351-373.

38
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O ENSINO DO BASQUETEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A


PERSPECTIVA DOS PROFESSORES
Crislaine Cintia da Silva1; Gabriel da Silva Santos1; Beatriz Moura da Silva1; Ana Luíza Barbosa Vieira1; Ricardo
Bezerra Torres Lima1
Autor para correspondência: crislayne_cintia11@outlook.com
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Ensino; Educação Física

INTRODUÇÃO
O basquetebol é um dos esportes mais fascinantes da contemporaneidade e o número de praticantes vem crescendo ao
longo dos anos. Além de dinâmico, a frequente atualização das suas regras o tornam uma prática atraente não só
como competição, mas como forma de lazer, sendo praticado também nas horas vagas (GUARZIRI, 2007).

Como esporte coletivo, ele está inserido na cultura escolar e justifica sua inserção como conhecimento da Educação
Física de diferentes maneiras: pelo ensino do sistema esportivo, do respeito às regras, por ensinar a conviver com o
sentimento de derrota/vitória, etc. Além desses, permite abordar aspectos sociais, situando a historicidade e mudanças
que ocorreram ao longo do tempo, enxergando o basquetebol como manifestação cultural (RODRIGUES, 2009).

Contudo, infelizmente, o basquetebol por vezes é excluído como conteúdo das aulas de Educação Física devido a
vários fatores, incluindo a falta de estrutura e/ou materiais adequados para prática desta modalidade, ponto recorrente
nas falas dos professores (LIMA, 2012). Há mais de 20 anos, Paes (1996) já denunciava que as escolas, notadamente
as públicas, não ofereciam condições estruturais para a adequada prática pedagógica em Educação Física.

Diante disto, surgiu seguinte problema: Como os professores de Educação Física escolar abordam o basquetebol em
suas práticas docentes? O objetivo geral foi investigar como o conteúdo basquetebol está sendo abordado nas aulas de
Educação Física em escolas públicas do município de Recife. Os objetivos específicos são: verificar a relação do
professor no trato com o conteúdo basquetebol; identificar as dificuldades do ensino dessa modalidade.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de uma pesquisa descritiva de abordagem qualitativa, que utilizou questionário como instrumento de coleta
de dados. Segundo Lakatos e Marconi (2003), ele apresenta como vantagens, entre outras, a possibilidade de atingir
maior rapidez e precisão nas respostas. Os questionários foram aplicados a cinco professores que atuam na rede
pública estadual em escolas do Recife, sujeitos estes que preencheram os devidos Termos de Consentimento Livre e
Esclarecido e terão aqui seus nomes substituídos por códigos para obedecer a critérios de sigilo e ética em pesquisa.

As questões foram do tipo abertas, pois segundo Lakatos e Marconi (2003), permitem investigações significativas por
serem mais aprofundadas e precisas. Elas versavam sobre o ensino do conhecimento basquetebol, em temas como
apropriação do conteúdo, metodologia utilizada e dificuldades encontradas no ensino da modalidade.

RESULTADOS
Com base nas respostas obtidas, observou-se que dos cinco professores, dois não abordavam o basquetebol em suas
aulas. Como justificativa, a Professora A citou a falta de afinidade com o conteúdo e a insuficiência da sua formação
acadêmica para apropriação do mesmo. A Professora B mencionou a falta de estrutura como empecilho para ensinar a
modalidade.

Os três professores que abordam o basquetebol nas aulas argumentaram que pela falta de espaço adequado,
encontravam dificuldades, porém, utilizam adaptações/improvisações para o ensino do mesmo. O professor C relatou
que emprega a metodologia do mini-jogo para ensinar o conteúdo.

39
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Dos cinco professores, três disseram que a formação acadêmica foi insuficiente para apropriação do basquetebol.
Ainda assim, dois deles ministram o conteúdo. O Professor D relatou que sua formação foi muito tecnicista, mas
costuma ensinar o conteúdo para o 1º ano do ensino médio através de aulas teóricas e pesquisas na biblioteca,
ministrando aulas práticas.

Quatro dos professores afirmaram que se mantêm atualizados a respeito dos conhecimentos tratados na Educação
Física por meio das capacitações oferecidas pelo Estado, ainda que dois não ministrem o conteúdo pela dificuldade da
estrutura adequada. Vemos que além da barreira da falta de estrutura, temos a questão das limitações da formação
acadêmica no que diz respeito ao basquetebol como mais um problema que prejudica a prática pedagógica do
professor acerca da supracitada modalidade.

CONCLUSÃO
Mesmo não permitindo generalizações, o estudo mostrou algumas regularidades que acontecem nas escolas públicas
da rede estadual de ensino do Recife. O ensino do basquetebol acontece em algumas, porém com dificuldades e de
forma improvisada.

A falta de estrutura foi o principal problema apontado pelos professores como empecilho para prática da modalidade,
o que infelizmente, é uma realidade nas escolas públicas. Tais dificuldades de fato se impõem como um obstáculo
para o ensino adequado do basquetebol e demandam uma luta constante do professor frente a gestores por uma
infraestrutura de qualidade que ofereça condições dignas. Porém, não se pode deixar que tais questões impeçam os
docentes de abordarem este conteúdo, privando os alunos de um conhecimento tão importante. Para isso, é
imprescindível manter-se atualizado e investir em uma formação continuada para que se possa encontrar a melhor
forma de ensinar o basquetebol nas aulas de Educação Física.

REFERÊNCIAS
Guarizi, M. R. (2007). Basquetebol- da iniciação ao jogo. São Paulo: Fontoura.

Lakatos, E. M., Marconi, M. A. (2009). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e
técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas.

Lima, R. B. T. (2012). O esporte da escola: a exclusão do basquetebol da prática pedagógica na disciplina curricular
Educação Física. (Dissertação de Mestrado em Educação Física, Universidade de Pernambuco). Recuperado de
http://cev.org.br/biblioteca/o-esporte-escola-exclusao-basquetebol-pratica-pedagogica-disciplina-curricular-educacao-
fisica/

Paes, R. (1996). Educação Física escolar: o esporte como conteúdo pedagógico do ensino fundamental. (Tese
Doutorado em Educação Física,Unniversidade Estadual de Campinas). Disponível em:
http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252457

Rodrigues, H. A. (2009). Basquetebol na escola: construção, avaliação e aplicabilidade de um livro


didático (Dissertação de Mestrado em Educação Física, Universidade Estadual Paulista). Disponível em:
https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/96030/rodrigues_ha_me_rcla.pdf;jsessionid=9DFA4E70BA675E
ECD777ABB39B99BBD5?sequence=1

40
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DOS TIMES PARTICIPANTES DO NBB ATRAVÉS DE UMA PERSPECTIVA


QUANTITATIVA
Kaio Borges Guerrero1; Renan de Melo Souza1; Paulo César Montagner1
Autor para correspondência: kaiobg@hotmail.com
1
Faculdade de Educação Física - Unicamp

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; NBB; Times participantes

INTRODUÇÃO
O Novo Basquete Brasil, liga oficial da Confederação Brasileira de Basquete, foi criada objetivando o crescimento da
modalidade no âmbito nacional, almejando ser a segunda maior modalidade do país (CBB, 2018; Capinussú &
Apicelo, 2011). A entidade responsável por organizar e gerir o campeonato é a Liga Nacional de Basquete (LNB).
Criada em 2003, é incumbida de 3 campeonatos expressivos; a NBB, a Liga Ouro (campeonato de acesso à NBB) e a
Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB).

Com ajuda da Liga Nacional de Basquete (LNB), o NBB foi planejado um torneio abrangendo 8 estados e o Distrito
Federal englobando, inicialmente, 15 equipes em sua primeira edição em 2008/2009, sendo mais de 18 clubes
associados.

Em proporções nacionais, a liga apresenta as melhores e mais expressivas equipes da modalidade, com atletas e
comissões técnicas de elite do basquetebol no país. O campeonato obteve sua manutenção ao longo dos anos através
de patrocínios e colaboradores vindos de diferentes áreas (governamentais e empresas privadas) e, em 2014 foi
concretizada uma parceria substancial com a National Basketball Association (NBA). Segundo o site da LDB (2014),
a parceria com a liga norte-americana é importante para valorizar ainda mais o campeonato, principalmente na
atmosfera internacional.

Dito isso, o objetivo foi analisar a competição ao longo do tempo em relação à quantidade de equipes participantes e a
frequência delas ao longo das 10 edições da competição.

MATERIAIS E MÉTODOS
No site oficial do Novo Basquete Brasil foi pesquisado, em todas as edições do campeonato (de 2008/2009 até
2018/2019), quais os times e quantas vezes eles participaram da competição.

Através do pacote Office 2013, na ferramenta Excel foi elaborada uma tabela com todos os 31 times encontrados com
média e frequência de participação de cada. Posteriormente foi dividido em 4 grupos a fim de obter a porcentagem de
times por grupo. Os grupos foram: times que participaram de todas as edições, times que participaram de 7, 8 ou 9
edições; times que competiram em 5 ou 6 edições e por fim times que apareceram em 4 ou menos campeonatos.

RESULTADOS
Durante as 10 edições do Novo Basquete Brasil, foram participantes 31 equipes distintas, sendo que apenas 19% delas
participaram de todas as edições, o correspondente à 6 times. Seguido por 3 times participantes em 7, 8 ou 9 edições
(aproximadamente 10%). Dos demais, 16% corresponde às equipes que participaram de 5 ou 6 edições (5 equipes) e
55% das equipes competiram em 4 ou menos edições da NBB (17 times).

A análise mostrou uma mediana de 15 equipes nas 10 edições do Novo Basquete Brasil, sendo que em todas elas
foram acrescidas novas equipes, ou seja, não houveram duas edições com os mesmos times.

A proposta inicial foi, através do site da NBB e de alguns dados fornecidos por ele, discutir as características
presentes ao longo das 10 edições do Novo Basquete Brasil. Na obtenção de dados, foi encontrado um fator
interessante que corrobora com a discussão deste trabalho; o time do Limeira, participante de 6 edições do

41
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

campeonato, saiu dele no auge de sua melhor performance, ocupou o segundo lugar na fase de grupos, na temporada
2014/2015, antes da parceria da Liga com a NBA.

Segundo os resultados, em nenhuma das temporadas, os mesmos times disputaram duas temporadas consecutivas, ou
seja, em toda a década de NBB sempre houve adesão e abandono de algum time de uma temporada para outra. Jean
Marie Brohm (1975) facilita a compreensão do fenômeno mencionado:

A instituição esportiva está inserida nas engrenagens do sistema capitalista. Os clubes esportivos operam como
empresas comerciais que competem entre si no mercado esportivo. Os capitalistas do esporte se apropriam dos
jogadores e atletas que, desta maneira, se tornam seus trabalhadores assalariados. Dentro dos clubes, portanto, uma
forma específica de luta de classes acontece entre aqueles que contribuem com o capital e aqueles que contribuem
com o trabalho. As relações entre líderes e atletas são relações salariais, com tudo o que isso implica... o sistema
esportivo se integra, portanto, em uma vasta rede de circulação monetária que torna ilusória qualquer tentativa de
saneamento financeiro.

A realidade do basquetebol de alto rendimento no Brasil corrobora com as afirmações de Brohm ao definir a
instituição esportiva e seus permeantes. O fato evidenciado com clareza das propriedades mencionadas pode ser o
número elevado de equipes participantes, até o presente momento, 31, refletindo a rotatividade, quase previsível, da
competição.

Um dos objetivos da NBB é a ascensão do basquete no país e, ao longo de 10 temporadas o aumento de adeptos ao
esporte de fato aumentou, comparado com a primeira edição, entretanto ainda não é o suficiente para que um time sem
muita expressividade consiga sobreviver entre os “grandes”, necessitando majoritariamente de patrocínio para
“segurar” os jogadores, ainda mais com a aparição da NBA pois, com a liga ganhando visibilidade, a dificuldade dos
jogadores permanecerem no campeonato se torna maior, além da facilidade de importar novos talentos norte-
americanos elevando o nível da competição gastando mais dinheiro com salários.

Dito isto, manter um time competitivo depende de financiamento provindo de patrocinadores e, sem ele há risco de
extinção. Vale mais uma vez usar de exemplo o time do Limeira, que mesmo após 2 temporadas dignas de olhares (4º
lugar e 2º lugar na fase de grupos) o time acabou. Segundo seus dirigentes, o motivo foi falta de poder monetário de
patrocinadores.

CONCLUSÃO
O NBB vem melhorando seu campeonato de ano após ano, com a obtenção de patrocinadores importantes, como foi o
caso da NBA, entretanto, há uma rotatividade muito grande de equipes ao longo das edições, refletindo inconstância
nos times de basquetebol brasileiros perante o sistema ao qual está inserido, o capitalismo. A análise, mesmo que
superficial conseguiu representar o quão prejudicial para o campeonato a inconstância de times participantes com o
exemplo citado, o Limeira, sugerindo um programa sólido que ajude os clubes na obtenção de patrocinadores, e até
mesmo no gerenciamento desses fundos monetários para que se mantenham na competição.

APOIO
Faculdade de Educação Física - Unicamp

REFERÊNCIAS
BROHM, Jean Marie (1975). 20 teses sobre esporte. In Marie, J., Bourdieu, P. Dunning, E., Hargreaves, J. Todd, T.;
Young Kevin. Materiales de Sociologia del deporte, França.

Capinussú, J., & Apicelo, W. (2011). O retorno dos patrocinadores do novo basquete brasil. Revista Intercontinental
de Gestão Desportiva-Rigd, 1(2), 122-131.

Liga Nacional de Basquete. (2018). Classificação dos times. Acesso em 14 de junho de 2018. Disponível em:
http://lnb.com.br/nbb/classificacao.

______________________. (2018). Sobre a história. Acesso em 14 de junho de 2018. Disponível


em:http://lnb.com.br/institucional/sobre-lnb/

42
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

COMPARAÇÕES INTERNAS DOS CONSTRUCTOS DE MOTIVAÇÃO E


NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS DE ATLETAS INICIANTES NO
BASQUETEBOL
Suelen Vicente Vieira2,3; Lucas Jacob Beuttemmüller1; Luciane Arantes da costa1; Jorge Both2
Autor para correspondência: suelen.vv91@gmail.com
1
Universidade Estadual de Maringá; 2Universidade Estadual de Londrina; 3Centro Universitário de maringá

PALAVRAS-CHAVE:Motivação; Iniciação Esportiva; Basquetebol

INTRODUÇÃO
A Teoria da autodeterminação (TAD) busca estudar relações entre a motivação (intrínseca e extrínseca) e as
necessidades psicológicas básicas do indivíduo. A motivação no esporte, subdividida em: motivação intrínseca,
motivação extrínseca e desmotivação, juntamente com as necessidades psicológicas básicas para o esporte:
autonomia, competência e relacionamento, quando associados a prática de exercícios são elementos imprescindíveis e
que influenciam os atletas no desenvolvimento da carreira esportiva. Na iniciação esportiva, a ação desses fatores
pode provocar: engajamento ou desistência da prática esportiva, melhora na qualidade do desempenho e objetividade
do atleta, entre outras. (SOUZA, 2010). Portanto o presente estudo tem como objetivo comparar as dimensões que
compõem os constructos da motivação no esporte e necessidades psicológicas básicas em atletas que estão na fase de
iniciação esportiva da modalidade basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra foi composta por 53 atletas (7 meninas e 46 meninos) com média de idade de 13,25 anos (Desvio Padrão de
2,54 anos) de Maringá (Paraná) praticantes de basquetebol em instituições que promovem a iniciação esportiva da
modalidade. A coleta aconteceu durante a realização dos Jogos Escolares do Paraná – Fase Municipal. Para a coleta de
dados foram utilizados os instrumentos: Escala de Motivação para o Esporte (BARA et. al., 2011) e o Questionário de
Necessidades Psicológicas Básicas no Exercício (COSTA, MAROCO, VIEIRA, 2017). Após a verificação da
normalidade dos dados por meio do teste de Kolmogorov-Smirnov foi empregado o teste de Friedman. Em todas as
análises adotou-se o nível de significância de 95% (p<0,05).

RESULTADOS
Os resultados demonstraram que tanto o constructo da motivação para o esporte (p<0,001) quanto o constructo que
trata sobre as necessidades psicológicas básicas no exercício (p=0,037) demostraram associações significativas. Em
relação ao modelo teórico da motivação, observou-se que as dimensões referentes à motivação intrínseca
apresentaram maiores escores, onde a dimensão que trata sobre a experimentação apresentou maior índice (Md = 6,00;
Q1 = 4,75 – Q3 = 6,37), seguidos pelas dimensões conhecimento (Md = 5,75 Q1 = 4,12 Q3 = 6,50) e realização (Md
= 5,25; Q1 = 4,25 – Q3 = 6,25). Tais evidências podem estar associadas ao fato que nesta fase da vida do atleta
experimentar o esporte é mais atrativo e, consequentemente, traz motivação ao jovem atleta. Destaca-se que dentre as
dimensões da motivação extrínseca, a identificação (Md = 4,00; Q1 = 3,00 – Q3 = 5,37) e introjeção (Md = 4,00; Q1
= 2,50 – Q3 = 5,37) apresentaram índices similares, e as relações externas (Md = 2,50; Q1 = 2,00 – Q3 = 4,00)
apresentaram o menor índice dentro deste aspecto. Assim, constatou-se que identificar e interiorizar os objetivos
propostos no esporte pode aumentar o nível de motivação nos atletas para a prática da modalidade. Por fim, a
desmotivação apresentou o menor índice (Md 1,50; Q1 = 1,00 – Q3 = 2,37), o que demonstra que no momento da
coleta de dados, a qual ocorreu durante a realização de uma competição, os atletas não estavam desmotivados para a
prática esportiva. Sobre o constructo de necessidades psicológicas básicas a competência é a dimensão que apresentou
maior índice (Md = 4,00; Q1 = 3,12 – Q3 = 4,50) seguidos do relacionamento (Md = 3,75; Q1 = 3,25 – Q3 = 4,25) e
autonomia (Md = 3,25; Q1 = 2,75 – Q3 = 4,00). Esses resultados podem ser explicados pelo fato de que a
competência é um fator que depende mais do próprio indivíduo (frequência nos treinos, determinação, objetividade)
do que as dimensões referentes ao relacionamento e autonomia. Além disso, nesta fase da vida, os atletas ainda não
são autônomos suficientes para escolher a adesão ou continuidade na prática esportiva ou então para tomar decisões
dentro de um jogo.

43
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONCLUSÃO
Por fim, conclui-se que a motivação intrínseca e a competência são as dimensões diferenciais e que mais influenciam
os participantes em seus respectivos constructos. No que se refere especificamente ao construto de necessidades
psicológicas básicas, observou-se que a competência de realizar as atividades voltadas aos esportes com sucesso é
importante para não desenvolver um sentimento de culpa ou vergonha, acarretando na continuidade do atleta na
prática esportiva. Isso porque, o insucesso na conclusão das atividades pode aumentar os níveis de desmotivação.
Destaca-se que o bom relacionamento das pessoas envolvidas na prática esportiva e nos jogos é favorável para que o
atleta mantenha-se praticando a modalidade. Por fim, o baixo índice de autonomia evidenciado no estudo pode estar
associado a idade dos atletas, os quais apresentam grande dependência dos pais e/ou professores nesta faixa etária.

REFERÊNCIAS
SOARES A. T.; REIS C. P.; PERUFO F. M. F. B. Aspectos motivacionais para a prática do basquetebol na iniciação
esportiva de crianças de 9 a 14 anos da cidade de Castro/PR. Educação física em revista - EFR. 2013.

SOUZA V. H. Iniciação esportiva no basquetebol: Uma análise à luz do Modelo Bioecológico do Desenvolvimento
Humano. Dissertação de mestrado. Universidade são judas e Tadeu. 2010.

COSTA, C. A. C.; MAROCO, J.; VIEIRA, L. F., Validation of the Basic Psychological needs in Exercise Scale
(BPNES). Journal of physical Education. 2017.

BARA, F. M.; ANDRADE, D.; MIRANDA, R.; NÚÑEZ, J. L.; MARTÍN-ALBÓ, J.; RIBAS, P. R. Preliminary
validation of a brazilian version of the sport motivation scale. Universitas Psychologica, 10 (2), 557-566. 2011.

44
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O ENSINO DO BASQUETEBOL POR MEIO DE JOGOS: CONSIDERAÇÕES ACERCA


DA EDUCAÇÃO INFANTIL
Viviane Preichardt Duek1; Mônica Cristina Flach1; Alexandra Folle1
Autor para correspondência: vividuek@hotmail.com
1
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC

PALAVRAS-CHAVE:Educação Infantil; Baquetebol; Jogo

INTRODUÇÃO
O esporte, enquanto elemento da cultura deve ser tematizado pela Educação Física desde a Educação Infantil, a fim de
que as crianças possam se aproximar e ampliar seus conhecimentos acerca desta prática corporal. Richter, Gonçalvez
e Vaz (2011), ao refletirem sobre a vivência do esporte na Educação Infantil, afirmam que é papel do professor
apresentar essa produção cultural às crianças, de modo a confrontar com seus valores competitivos. Sobre isso, Kunz
(2006) afirma que existem diversas maneiras de se pensar e experienciar o esporte, indo além da reprodução de gestos
técnicos e considerando a problematização e a transformação desse conteúdo. Autores como Kishimoto (2011),
Brandão & Machado (2016) e Balbino & Paes (2005) compreendem que o ensino dos esportes na escola, notadamente
na Educação Infantil, necessita de uma maior valorização do jogo enquanto estratégia privilegiada para apropriação
dos conhecimentos dado o seu caráter lúdico. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é apresentar o ensino do basquete
por meio de jogos, no contexto de uma instituição de Educação Infantil vinculada à rede municipal de educação de
Florianópolis/SC.

MATERIAIS E MÉTODOS
O estudo, de cunho qualitativo e descritivo, foi realizado no contexto do Estágio Curricular Supervisionado do curso
de Licenciatura em Educação Física de uma universidade pública de Florianópolis/SC. O levantamento de
informações consistiu na análise de documentos, especificamente o plano de trabalho e os planos de aula, bem como
na observação das aulas ministradas pelas professoras-estagiárias, perfazendo um total de 18 intervenções, com um
grupo de 25 crianças entre 05 e 06 anos de idade. Para o registro das informações foi utilizado um diário de campo e
um roteiro de observação semiestruturado.

RESULTADOS
Em relação ao planejamento das aulas, contatou-se que estas eram, em geral, organizadas em três momentos (roda
inicial, desenvolvimento e roda final). As estagiárias iniciaram as intervenções com a introdução aos jogos com bola,
objetivando oportunizar as crianças conhecimentos sobre as características de diferentes tipos de bola (peso, materiais,
texturas, diâmetro, etc.) e os esportes em que eram utilizadas. Foram empregados vídeos, fotos e realizados
questionamentos sobre diversos esportes, além de brincadeiras como boliche, futebol de pano, tiro ao alvo, dentre
outros. Num segundo momento, foi introduzido o mini basquetebol, com o intuito de que as crianças pudessem
vivenciar os seus fundamentos, conhecer seus objetivos e princípios gerais de jogo. Para tanto, foram explorados
espaços e materiais específicos da modalidade, tais como bolas, tabelas e miniquadra, adaptados para a faixa etária.
As crianças eram encorajadas a manipular e explorar as bolas e demais materiais de forma livre, bem como a
interagirem com os colegas, realizando passes, dribles ou arremessos, por meio de jogos e brincadeiras, facilitando,
assim, a compreensão e a apreensão dos conteúdos abordados.

Em relação ao significado do ensino do basquete na Educação Infantil, constatou-se que as intervenções não
focalizaram a perfeita execução dos seus fundamentos, concentrando-se na vivência dessa modalidade esportiva e
favorecendo a desconstrução do esporte nos seus moldes competitivos, possibilitando novas formas de as crianças se
relacionarem com esse elemento da cultura corporal, a exemplo do que propõem Richter, Gonçalvez e Vaz (2011).
Compreende-se que para ensinar os jogos para as crianças não existe a necessidade de ensinar a elas elementos
específicos da modalidade, como aspectos táticos, técnicos ou físicos do jogo, especificamente se tratando do
basquetebol, mas fazer com que a criança conheça e se familiarize com este, tendo em vista que o interesse da criança
está em jogar livremente, experimentar e brincar com as outras crianças (Balbino & Paes, 2005). Jogar, brincar e

45
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

aprender com o basquetebol sem a preocupação com a obtenção de resultados, acarretará em um impacto positivo para
o desenvolvimento psicológico e físico das crianças além da ampliação de suas habilidades (Brandão & Machado,
2016).

De todo modo, o ensino do basquete no contexto da Educação Infantil apresentou alguns desafios, especialmente no
que se refere à ausência de espaços e materiais adequados e suficientes para o ensino desse conteúdo. Isso fez com
que as professoras-estagiárias adquirissem ou realizassem o empréstimo de alguns materiais junto à universidade,
além de terem que transportá-los até a instituição. Acredita-se que contribui para esta realidade, o fato de que
tradicionalmente o esporte não encontra lugar nos currículos de Educação Infantil, além da escassa menção ao ensino
deste conteúdo nos documentos que tratam da educação de crianças pequenas (Richter, Gonçalvez & Vaz, 2011).

CONCLUSÃO
As informações levantadas indicam que o ensino do basquete por meio de jogos nas aulas de Educação Física Infantil
apresenta-se como uma estratégia profícua no ensino desta modalidade junto às crianças pequenas, permitindo que
essas se apropriem desse conteúdo de forma significativa. Além disso, salienta-se que o ensino dos esportes, dentre
eles o basquete, no âmbito da Educação Infantil, não visa a formação de atletas, mas a vivência do esporte
desenvolvendo o gosto por sua prática dentro e fora do ambiente educacional. Por fim, entende-se que o ensino do
basquete demanda a adequação à realidade concreta, considerando as especificidades do público atendido em cada
nível de ensino. Assim sendo, conclui-se que é preciso fazer com que os momentos de Educação Física, muitas vezes
criticados no contexto da Educação Infantil, se mostrem profícuos no sentido de aproximar as crianças do universo
das práticas corporais, como novas e interessantes experiências.

REFERÊNCIAS
Brandão, M. R. F., & Machado, A. A. (2016). Basquetebol (1a ed.). Várzea Paulista: Fontoura.

Kishimoto, T. M. (2011). (Org.). Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação (14a ed.). São Paulo: Cortez.

Kunz, E. (2006). Transformação Didático-Pedagógica do Esporte (7a ed.). Ijuí: Unijuí.

Paes, R. R., Balbino, H. F. (2005). Pedagogia do esporte: contextos e perspectivas. Rio de Janeiro: Guanabara-
Koogan.

Richter, A. C., M. C., Gonçalvez, Vaz, A. F. (2011). Considerações sobre a presença do esporte na educação física
infantil: reflexões e experiências. Educar em Revista, 41 (3), 181-195.

46
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

SABER CONVIVIR: EL MODELO DE UN EQUIPO DE BALONCESTO FEMENINO DE


ÉLITE PARA LA EDUCACIÓN EN VALORES EN EL ÁMBITO ESCOLAR

Carmen Muguruza Dominguez1; Maite Fuentes Azpiroz2


Autor para correspondência: maitefuentesazpiroz@gmail.com
1
Club Deportivo Ibaeta; 2Universidad del Pais Vasco UPV/EHU

PALAVRAS-CHAVE:baloncesto; educación; convivencia

INTRODUÇÃO
¨Saber convivir¨ es un proyecto que tiene como objetivo favorecer la integración y desarrollar la convivencia en el
ámbito escolar a través de la intervención en clases de educación física, utilizando las vivencias y experiencias de un
equipo de élite de baloncesto femenino. Dicho proyecto surge de la colaboración entre la Diputación Provincial de
Gipuzkoa, a través de su programa Etorkizuna Eraikiz, el Club Deportivo Ibaeta (IDK) y el Departamento de
Educación Física y Deportiva de la Universidad del País Vasco (UPV/EHU).

El pluralismo social, cultural, religioso y étnico es un elemento común en cualquier sociedad actual, al igual que
sucede en la composición de muchos equipos equipos deportivos de alto nivel. El conjunto de valores y actitudes que
se trabajan en un equipo de baloncesto femenino, con el objetivo de favorecer la integración, mejorar la convivencia
de todas sus componentes y desarrollar al máximo el potencial de cada persona, puede servir de modelo a utilizar en el
ámbito escolar actual.

La Educación Física y el deporte constituyen un instrumento privilegiado para el desarrollo de los valores individuales
y sociales y debe tener un papel primordial dentro de la escuela, como asignatura que trabaja todas las áreas de la
persona y de la personalidad del alumnado (Martinez y col. 2014). Pero el aprovechamiento de su potencialidad
precisa de una clara intencionalidad educativa por parte de los profesores y del conjunto de la sociedad (Hernandez,
J.L., 2005).

Para que una educación en valores tenga eficacia es preciso que su proceso de enseñanza-aprendizaje sea programado,
controlado y sistematizado, nada debe quedar al azar o a las características personales de los participantes en el
proceso (Brunelle, Danish y Foneris, 2007). Por tanto, habrá que diseñar objetivos, seleccionar contenidos según la
edad y el nivel de desarrollo individual, plantear estrategias y orientaciones metodológicas generales para el desarrollo
de las prácticas, y por supuesto, establecer los criterios de evaluación que nos van a permitir una información clara y
eficaz del momento en que nos encontramos del proceso (Torres, 2005).

El modelo educativo implantado en el País Vasco, Heziberri 2020, establece como finalidad principal de la educación
el pleno desarrollo del ser humano en su dimensión social, pero su proceso de adquisición y de desarrollo varía de
acuerdo con las características del medio natural y sociocultural del contexto particular en el que se ubica el
alumnado. Dicho modelo establece 5 competencias básicas genéricas a trabajar en la etapa de escolarizacion
obligatoria, siendo una de ella la definida como: Saber Convivir.

El objetivo del proyecto es convertir todas las vivencias, experiencias y materiales existentes en el equipo de élite de
baloncesto femenino en material didáctico y talleres para la comunidad educativa, en la formación y desarrollo de la
competencia ¨saber convivir¨.

MATERIAIS E MÉTODOS
De entre los numerosos valores que puede contener la práctica deportiva se seleccionaron los siguientes, atendiendo a
su dimensión social o personal (Gutierrez, 1995):

Sociales: Respeto, Compañerismo, Igualdad, Empatía y Lealtad. Individuales: Autoestima, Esfuerzo, Resiliencia,
Humildad, Alegría

Nuestra intervención se dirige a escolares de 6º de Educación Primaria y 1º ESO (12 y 13 años). Se seleccionaron 5
colegios, en un total de 190 escolares.Se elaboró un cuaderno de valores, para trabajar en grupo; unos murales de
exposición del trabajo realizado y una práctica de baloncesto.

47
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

La actividad en cada centro escolar se desarrolla en 3 sesiones de 120 minutos cada una.

La 1ª sesión, se desarrolla en el aula, con el tutor, el profesor de educación física y el alumnado dividido en 10 grupos.
Cada grupo debe elegir 1 valor a trabajar y desarrolla los contenidos que se especifican en el cuaderno que se les
entrega.

La 2ª sesión se desarrolla en el aula, con el tutor, el profesor de educación física, el alumnado, la responsable del club,
2-4 jugadoras del equipo IDK y la profesora de la universidad. En esta sesión cada grupo de alumnos expone el
trabajo realizado sobre cada valor e interactúan con las jugadoras para compartir ideas y experiencias.

Una vez realizado el proceso de reflexión sobre los valores, el alumnado tiene que elegir 3 acciones a poner en
practica, entre el grupo de clase, teniendo como objeto la mejora de la convivencia.

En la 3ª sesión, se lleva a cabo la práctica de baloncesto en la sesión de educación física, con la presencia del tutor, el
profesor de educación física, la responsable del club, el alumnado, 2-4 jugadoras del IDK y la profesora de la
UPV/EHU. Previamente se han diseñado diversas tareas en las cuales se trabajan los valores seleccionados para el
proyecto. Antes de comenzar cada tarea se incide en los valores que se van a trabajar, y al finalizar la misma se valora
el grado de cumplimiento de los mismos.

RESULTADOS
El alumnado participante decidió llevar a cabo las siguientes acciones para obtener el objetivo propuesto de mejora de
la convivencia en el grupo de clase:Respeto:” No hablar cuando hablen los demás”.Compañerismo: “Apoyarnos entre
todos para mejorar”.Igualdad: “Todos tenemos los mismos derechos”.Empatía: “Ponernos siempre en lugar del otro y
también del profesor o profesora”.Lealtad: “Apoyar a todos los compañeros de clase y a los amigos”.Autoestima:
“Todos somos capaces de conseguir cosas. Esfuerzo: intentar hacer las cosas hasta que nos salgan.Resiliencia: aunque
me cueste hacer las cosas y a veces no nos salgan, volver a intentarlo hasta conseguirlo.Humildad: si alguien consigue
hacer algo que los demás no pueden, no tiene que vanagloriarse.Alegría: Entrar todos los días a clase con una sonrisa.

CONCLUSÃO
Se realizaron entrevistas con los tutores y profesores de educación física para valorar el trabajo realizado y la
incidencia en la convivencia del grupo, destacando los siguientes resultados:Se evidencia una mejora significativa en
las relaciones interpersonales. Se constata que el alumnado ha interiorizado la importancia del cumplimiento de los
valores que se han trabajado.Se aumenta la implicación del alumnado en su propio proceso de aprendizaje, al adquirir
el compromiso personal de trabajo sobre los valores.

APOIO
El proyecto viene motivado por el interés que existe en el C.D. Ibaeta en devolver a la sociedad su apoyo al club.

REFERÊNCIAS
Brunelle, J., Danish, S. J., & Forneris, T. (2007). The impact of a sport-based life skill program on adolescent
prosocial values. Applied Developmental Science, 11(1), 43-55.

Gutiérrez Sanmartín, M. (1995). Valores sociales y deporte. la actividad física y el deporte como transmisores de
valores sociales y personales. Madrid: GYMNOS Editorial,

Hernández Álvarez, J. L. (2005). El deporte en el curriculum de educación física: Justificación curricular y


educaciónen valores. In Ministerio de Educación y Ciencia (Ed.), Valor del deporte en la educación (pp. 127-158)
Secretaría General Técnica.

Martínez, R., Cepero, M., Collado, D., Padial, R., Pérez, A., & Palomares, J. (2014). Adquisición de valores y
actitudes mediante el juego y el deporte en educación física, en educación secundaria acquisition of values and
attitudes across games and sports in physical education, in the secondary. Journal of Sport and Health Research, 6(3),
207-216.

Torres García, D. (2005). Propuesta de programación didáctica coeducativa en educación física en educación
primaria: Un caso de la sierra de madrid. Retos.Nuevas Tendencias En Educación Física, Deporte y Recreación, (8)

48
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

AS POSSIBILIDADES DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DO BASQUETEBOL E SEU


ENSINO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA
Joao Fabrício Guimara Somariva1,2
Autor para correspondência: joao.unibave@gmail.com
1
Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC; 2Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE

PALAVRAS-CHAVE:Formação Docente; Ensino ; Basquetebol

INTRODUÇÃO
Ao longo da última década refletimos sobre as possibilidades didático-metodológicas do basquetebol e seu ensino nos
cursos superiores de licenciatura em Educação Física. A partir de nossas experiências, objetivamos neste trabalho
relatar algumas estratégias e posturas que proporcionaram a ampliação das possibilidades didáticas para o ensino deste
esporte na academia, e consequentemente do seu ensino na escola.

MATERIAIS E MÉTODOS
As proposições que seguem tiveram como base nosso trabalho com a disciplina de basquetebol nos cursos de
Educação Física do Centro Universitário Barriga Verde (UNIBAVE) e Universidade do Extremo Sul Catarinense
(UNESC) desde 2008, e correspondem ao que consideramos o ementário que melhor expressa às necessidades
formativas do licenciado em relação ao ensino do basquetebol escolar.

RESULTADOS
a) O ensino da história do basquetebol: Falar da história do basquetebol deve passar, obrigatoriamente pela origem.
No entanto, devemos tomar o cuidado de não reduzi-la a uma mera sequência cronológica de fatos, é importante
compreendermos que a história do basquetebol nos proporciona entender radicalmente o presente percebendo sua
ligação com o passado e sua projeção no futuro, sendo imprescindível o estudo de sua gênese (Saviani, 2011). Em
nossas incursões com a temática, o trato da história do basquetebol se dá a partir dos fatos históricos de sua criação,
como também avança nas alterações no esporte, buscando estabelecer suas mudanças a partir da influência da ciência,
da técnica da economia e dos meios de comunicação de massa.

b) O Ensino das regras: Por vezes, experienciamos o ensino das regras já nas primeiras aulas da disciplina que
resultaram em uma apropriação tímida de seus artigos. No entanto, observamos em outras oportunidades de ensino do
conteúdo, a partir da metade final da disciplina, que os resultados de entendimento eram consideravelmente efetivos.
Relacionamos tal mudança ao fato de que os acadêmicos chegam à disciplina com pouco ou nenhum contato com a
modalidade, desse modo, as primeiras aulas proporcionam a vivência das regras dentro do contexto prático para que,
posteriormente, os acadêmicos tenham a referência corporal para sua interpretação.

c) O ensino da técnica: Este talvez seja o conteúdo que mais intimida os acadêmicos, pois, dentre os esportes
coletivos hegemônicos da nossa região o basquetebol é o menos praticado. Tal fato por vezes causa certo receio nos
estudantes por acreditarem que para seu ensino existe a necessidade de dominar os fundamentos do jogo. Partimos do
princípio que omitir a técnica é obrigar o sujeito a reinventar a “roda” e excluí-lo do saber científico. Desse modo, a
condução do ensino das técnicas do basquetebol deve ser entendida pelos acadêmicos como instrumento necessário
para o jogo, mas que não é determinante para seu ensino na escola (Soares et al., 2012). Fortalecemos em nossas aulas
que o conhecimento didático pedagógico não necessita vir acompanhado do domínio completo dos gestos técnicos,
mas sim, do domínio didático-pedagógico por parte do professor.

d) O ensino da tática: Similar ao ensino dá técnica, a tática no basquetebol não possui o apreço por boa parte dos
acadêmicos. As dificuldades iniciam com o “colocar-se geograficamente na quadra”, até o entendimento dos sistemas
ofensivos e defensivos. Para seu ensino, entendemos que a explicação a partir da reprodução das situações de jogo (1
x 1; 2 x 2 e 3 x 3) e das movimentações de defesa e ataque, não possui efetividade se conduzida a partir da pura
repetição. Em nossa prática, a vivência das situações de jogo, se dá no primeiro momento, a partir de princípios tático-
estratégicos genéricos. Mais que o ensaio dos movimentos, os acadêmicos precisam ensinar seus alunos a perceber,

49
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

analisar e sintetizar os problemas de jogo com que se deparam. Essa postura possibilita a criação de ações opositivas
criadas intencionalmente para que o pensar taticamente seja assim realizado.

e) O ensino da súmula: O objetivo da súmula é registrar a disputa esportiva. No entanto a reprodução mecânica desse
registro por parte do professor não garantirá sua execução na escola pelos futuros professores, já que a súmula que é
ensinada reproduz o jogo de basquetebol a partir da lógica do alto rendimento. Nossa forma de ensinar a súmula parte
do princípio de que e mesma pode ser recriada a partir das necessidades da escola e de suas turmas. Sua função ganha
o status de “memória do jogo” em que os alunos podem retirar elementos que não fazem parte da realidade de seus
praticantes, como também se abrem possibilidades de inclusão de itens peculiares da turma.

f) Basquete em dias de chuva, estrutura material e número de alunos: Preparamos nossos acadêmicos para o ensino
do basquetebol, muitas vezes cercados por ampla estrutura material e esquecemos que a realidade da escola pública
por vezes não oferece condições para sua prática. Aproximar os estudantes da realidade é fundamental para que
saibam agir frente às adversidades da profissão. Em nossas aulas, momentos de problematizações são realizados e
soluções são buscadas para questões como: Porque quando chove deixo de realizar o basquete? Como trabalhar o
basquete em dias de chuva? Para a questão da estrutura material para a prática do basquete, trazemos exemplos de sua
adaptação, sem afastar-se do princípio do basquete (arremessar em um alvo acima da linha dos olhos). Juntamente
com as alternativas trazidas proporcionamos um debate sobre as condições da escola pública para a prática do
basquetebol e os limites objetivos de intervenção do professor para a sua realização. Outra realidade encontrada e que
discutimos na disciplina é o ensino do basquetebol para o grande número de alunos por turma, principalmente nas
escolas públicas. Para esse tema, trazemos a seguinte problematização: Como possibilitar maior vivência do
basquetebol aos estudantes sem descaracterizar a modalidade?

CONCLUSÃO
Acreditamos que as possibilidades pedagógicas que expomos, retratam a metodologia que hoje consideramos efetiva
para que o “Ensinar a ensinar” do basquetebol proporcione segurança aos acadêmicos, instrumentalizando-os para a
promoção efetiva desta modalidade esportiva na escola.

REFERÊNCIAS
SAVIANI, D. (2011). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados.

SOARES, C. L., Taffarel, C. N. Z., Varjal, E., Castellani Filho, L., Escobar, M. O., & Bracht, V. (2012). Metodologia
do ensino de Educação Física. Santo André, São Paulo: Cortez.

50
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RELACIÓN DE LA CARGA EXTERNA DE UN TEST ANERÓBICO Y UN TEST DE


AGILIDAD DE JUGADORES DE BALONCESTO.
David Mancha Triguero1,2; Carlos David Gómez Carmona1,2; José Martín Gamonales Puerto1,2; Javier García Rubio1,2;
Sergio José Ibáñez Godoy1,2
Autor para correspondência: dmanchat@alumnos.unex.es
1
Grupo de Optimización del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo (GOERD); 2Facultad de Ciencias del Deporte.
Universidad de Extremadura. España

PALAVRAS-CHAVE:carga externa; condición física; test

INTRODUÇÃO
El baloncesto es un deporte de equipo, dinámico, formado por desplazamientos rápidos y cortos con cambios en la
dirección del movimiento y que, en ocasiones, se le acompañan saltos como parte integral del mismo (Zari?, Dopsaj,
& Markovi?, 2018). Para la mejora del rendimiento, se debe de tomar como referencia la propia competición, pues
describe las demandas de la modalidad deportiva. Estas demandas deben tenerse en cuenta para incluirlas en el
proceso de entrenamiento, provocando adaptaciones en los deportistas (Sarmento et al., 2014). El rendimiento
deportivo está influido por los aspectos técnicos, tácticos, psicológicos y fisiológicos. Aunque se desconoce la
importancia de cada aspecto de manera individual, está demostrado que el conjunto de ellos conforma el rendimiento
final en el jugador y que, por consiguiente, afecta al equipo. Existen datos que demuestran una correlación entre las
capacidades físicas del deporte y las estadísticas de juego, aunque existen diferencias en función del tipo de test que se
emplean. A menudo, durante los entrenamientos, se realizan tareas de condición física de las cuales se desconoce
tanto los requerimientos como la propia asimilación que tiene el jugador a ese esfuerzo. Por todo ello, el objetivo de
este trabajo fue conocer la la carga externa del jugador de baloncesto entre un test anaeróbico láctico y un test de
agilidad y comparar los requerimientos de las variables analizadas cuando los valores son relativizados por minuto.

MATERIAIS E MÉTODOS
Muestra

La muestra está conformada por 2 equipos de 12 jugadores de categorías sub-14 y sub-16 (n=24) de máximo nivel
autonómico que participan en el campeonato nacional.

Instrumentos y Material Cada jugador fue equipado con un dispositivo inercial WimuR y analizado con el software
SPro de la empresa RealTrack (Almería, España). Los test seleccionados fueron: i) Test Anaeróbico SIG/ANA
(Ibáñez, Sáenz-López, Gutiérrez; 1995b); ii) T Test (de manera general); iii) T Test (de manera específica con bote de
balón). Variables Las variables seleccionadas para la investigación fueron el Player Load y los Impactos en todas las
pruebas, así como el número de circuitos en el test anaeróbico y el tiempo empleado en el test de agilidad. Las
variables se relativizaron por minuto para la equidad de los datos. Procedimiento Cada jugador realizó el test de
agilidad T Test (de manera general y específica) y posteriormente, el Test Anaeróbico SIG/ANA el mismo día. El
orden de los test fue: i) T Test sin balón, ii) T Test con bote de balón, iii) Test Anaeróbico SIG/ANA. La elección del
orden se debe a una organización del tiempo de duración y la vía de obtención de energía así como, el posible residuo
que puede generar el propio test y el tiempo necesario para la recuperación. Análisis de datos En primer lugar, se
realizó un análisis descriptivo de las variables cuantitativas (Media y Desviación Típica). En segundo lugar, se realizó
una correlación para identificar las relaciones entre variables. El software utilizado fue SPSS 21.0 y nivel de
significación de las variables (p<.05).

RESULTADOS
Los resultados mostraron una relación significativa entre la variable Player Load del Test Anaeróbico SIG/ANA y del
T Test general y con balón (p<.05). Igualmente, la variable Impactos de los T Test y el Test Anaeróbico SIG/ANA
relacionan entre ellas con el resto de las variables (p<.05), pudiendo afirmar existe correlación de manera triangular
(Test Anaeróbico – T Test general – T Test con balón). A su vez, el tiempo empleado en la realización del T Test (sin

51
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

balón) relaciona con el número de circuitos del test anaeróbico (p<.05) con un valor negativo afirmando que, a menor
tiempo en realizar el T Test, mayor número de circuitos en el Test Anaeróbico SIG/ANA realiza.

El objetivo fue analizar si existían relaciones entre las variables de carga externa de los test analizados y conocer si los
requerimientos son similares entre una prueba de capacidad anaeróbica láctica y una prueba de agilidad cuando las
variables se relativizan por minuto. Los resultados muestran que existen relación entre las variables de carga externa y
que los requerimientos son similares entre pruebas. El baloncesto es un deporte que alterna periodos aeróbicos y
anaeróbicos durante la competición. Por este motivo, es importante realizar actividades de carácter interválicas que
doten al jugador de una mejor capacidad aeróbica y anaeróbica reflejando las acciones explosivas, que son las que
marcan la diferencia entre equipos ganadores y perdedores (Ibáñez, Sampaio, Feu, Lorenzo, Gómez, & Ortega,
2008).

CONCLUSÃO
Se ha demostrado que existe correlación entre variables de carga externa y cinemáticas en las pruebas realizadas,
siendo los requerimientos similares cuando las variables son relativizadas por minuto. Esto facilita la labor y el tiempo
de evaluación de test de condición física. Realizando pruebas de menor requerimiento (carga externa y cinemática) se
podrían conocer los resultados del deportista en una prueba de capacidad ahorrándole de enfrentarse ante una
situación de esfuerzo máxima, una posible lesión y economizando el tiempo de entrenamiento.

APOIO
Trabajo desarrollado dentro del Grupo de Optimizacio?n del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo (G.O.E.R.D.)
de la Facultad de Ciencias del Deporte de la Universidad de Extremadura.

REFERÊNCIAS
Ibáñez, S.J., Sampaio, J., Feu, S., Lorenzo, A., Gómez, M.A., & Ortega, E. (2008). Basketball game-related statistics
that discriminate between teams’ season-long success. European Journal of Sport Science, 8(6), 369-372.

Ibáñez, S.J., Sáenz-López, P., & Gutiérrez, A. (1992). Test SIG/ANA, anaeróbico específico sobre el terreno, para
jugadores de baloncesto. In Unisport (Eds.), Actas del Congreso Científico Olímpico 1992. Bioquímica, Fisiología del
Ejercicio y Medicina del Deporte (Vol. IV, pp. 209-216). Málaga: Instituto Andaluz del Deporte.

Sarmento, H., Marcelino, R., Anguera, M.T., Campaniço, J., Matos, N., & Leitão, J.C. (2014). Match analysis in
football: a systematic review. Journal of Sports Sciences, 32(20), 1831–1843.

Sekulic, D., Pehar, M., Krolo, A., Spasic, M., Uljevic, O., Calleja-González, J., & Sattler, T. (2017). Evaluation of
Basketball-Specific Agility: Applicability of Preplanned and Nonplanned Agility Performances for Differentiating
Playing Positions and Playing Levels. The Journal of Strength & Conditioning Research, 31(8), 2278-2288.

Zari, I., Dopsaj, M., & Markovi?, M. (2018). Match performance in young female basketball players: relationship
with laboratory and field tests. International Journal of Performance Analysis in Sport, 18(1), 90-103

52
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

FREQUÊNCIA DO TREINAMENTO TÉCNICO-DESPORTIVO DE JOVENS


BASQUETEBOLISTAS DE FORTALEZA-CE
Livia Campos Vieira1; Thais Alcântara Sampaio1; Ricardo Hugo Gonzalez1
Autor para correspondência: livinhahand.lc@gmail.com
1
Universidade Federal do Ceará

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Treinamento Técnico-Desportivo ; Fundamentos

INTRODUÇÃO
Atualmente o basquetebol é compreendido como um jogo coletivo, dinâmico e complexo, por exigir de seus
praticantes habilidades motoras diversas. Segundo Paes, Montagner & Ferreira (2009) as habilidades técnico-tática
podem ser divididas em fundamentos e ações táticas, alguns deles são: passe/recepção, drible, arremesso, rebote,
corta-luz e marcação. Estes fundamentos chamam-se técnica e, segundo Oliveira (2013), podem ser resumidos em
“como fazer”, dependem de uma série de capacidades físicas e das habilidades motoras gerais e específicas que o
praticante tem desenvolvidas, além de aspectos cognitivos, fundamentais, para o entendimento da modalidade. Para
uma boa performance durante a prática desportiva, a técnica deve ser ensinada-aprendida e treinada. O objetivo
central foi verificar a frequência do treinamento dos fundamentos técnico-desportivos do basquetebol, em jovens de
idade entre 11 a 16 anos.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal. A amostra foi composta por 39 jovens atletas de ambos os sexos
com prevalência de 56,4% do sexo feminino e 43,5% do sexo masculino, onde a média de idade era de 13,2 anos.
Escolhidos de forma não aleatória segundo disponibilidade. Os alunos/ atletas participam de competições municipais,
regionais e/ou estaduais. Foi utilizado o Inventário de Treinamento Técnico-Desportivo do Basquetebol (ITTB-50)
(Gonzalez, 2007), para avaliar a frequência de treinamento dos cinco principais fundamentos técnico-desportivos do
basquetebol: Drible, passe, arremesso, rebote e marcação. O ITTB-50 trata-se de 50 itens reunidos em 10 blocos de
cinco, distribuídos da seguinte maneira: O primeiro tópico de cada bloco é representado pelo fundamento do drible, o
segundo ao passe, o terceiro ao arremesso, o quarto ao rebote e no quinto tópico ao fundamento da marcação. Dessa
forma, compondo os 50 itens. As respostas foram dispostas numa escala Likert em 5 pontos: 1- treino pouquíssimo, 2-
treino pouco, 3- treino mais ou menos, 4- treino muito e 5- treino muitíssimo. Além disso, o ITTB-50 também
questiona o nível competitivo dos atletas. Para a análise dos dados foi realizado uma análise descritiva (média e
desvio padrão). A coleta foi realizada em dois momentos: durante alguns jogos da 3º edição da Superliga de Basquete
Escolar do Ceara (SLBE) e no ambiente de treinamento das equipes. Inicialmente os técnicos das equipes foram
contatados, já que no momento eles eram os responsáveis pelos atletas, para autorização da aplicação do inventário.
Logo em seguida, foi explicado à relevância e o objetivo do estudo, para que assim os basquetebolistas pudessem de
forma opcional responde-lo.

RESULTADOS
Os jovens participavam de competições municipais (100%), a nível regional 46,1% e já os participantes de nível
estadual somaram 15,3%. O drible é o fundamento mais treinado entre os basquetebolistas, apresentando uma média
de 4,0 que se refere ao “Treino muito” (DP±1,2). Em seguida os fundamentos passe e arremesso mostraram a mesma
média e desvio padrão (3,8 ± 1,2) compreendidos entre “Treino mais ou menos” e “Treino muito”. Marcação obteve
uma média de 3,6 (DP ± 1,3) e o fundamento menos treinado é o rebote (3,1 ± 1,3). : Os fundamentos ofensivos foram
os mais treinados em detrimento dos fundamentos defensivos. Estes resultados são similares aos resultados achados
em Gonzalez (2008). Nestas categorias de formação, os fundamentos técnicos táticos das modalidades esportivas
coletivas, neste caso, o basquetebol, devem ser treinados na mesma porcentagem ou frequência. O treinamento
específico em uma das fases do jogo determina um treinamento unilateral em uma determinada modalidade esportiva.
Sendo assim, muitos jovens se especializam numa função dentro do jogo, como por exemplo, armadores treinando
muito drible, passe e arremesso em detrimento do rebote e marcação que são muito treinados em pivôs. A literatura
especializada em jovens atletas sugere um treinamento multilateral, onde os fundamentos técnicos-táticos e as

53
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

capacidades condicionantes devem ser treinados de maneira homogênea. Desta maneira são formados atletas
polifuncionais que podem atuar em inúmeras posições ou funções especificas no jogo. Esta abordagem metodológica
leva em conta que estes jovens atletas ainda continuam na fase de maturação biológica, o que levaria a um erro
colocar os atletas em uma determinada função, considerando o biótipo atual. Considerando que a amostra não foi
significativa, não foi possível identificar as diferenças entre grupos de meninos e meninas ou entre uma categoria
sobre outra.

CONCLUSÃO
O treino técnico-desportivo dos atletas infantis e infanto-juvenis de Fortaleza, Ceará não é realizado de maneira
multilateral, proporcional nas fases ofensivas e defensiva. Existem alguns fundamentos técnico-desportivos treinados
com uma maior frequência em comparação com outros. O treino, da forma como está sendo conduzido, poderá levar o
atleta a especialização técnico-tática precoce. Isso implica na formação de um atleta que no futuro não terá os recursos
técnicos necessários para desenvolver todas as suas capacidades a fim de aprimorar a performance no alto rendimento.
São necessários novos estudos com um maior número de atletas/alunos, onde possam ser associadas outras variáveis,
principalmente no estado do Ceará, para que o treinamento não seja realizado de forma errônea e assim os atuais
jovens basquetebolistas se tornem um apreciador do jogo e um cidadão ativo na sociedade. Espera-se que esse estudo
possa contribuir para melhoria dos métodos de ensino e treinamento técnico-tático de jovens atletas de basquetebol.

APOIO
Instituto de Educação Fisica e Esportes - Universidade Federal do Ceará

REFERÊNCIAS
Gonzalez, R.H (2008). O treino dos fundamentos técnico-desportivos dos atletas de basquetebol infantil e infanto-
juvenil: um estudo descritivo exploratório. Dissertação de mestrado, Escola de Educação Física da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Paes, R.R., Montagner, P.C. & Ferreira, H.B. (2009) Pedagogia do esporte: Iniciação e treinamento em basquetebol.
(Cap. 2, pp. 19-53) Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Oliveira, J. E. C. de. (2013). Os fundamentos técnicos do basquetebol. Efdeportes.com, 18. Recuperado em 20 de


maio, 2018, de http://www.efdeportes.com/efd183/os-fundamentos-tecnicos-do basquetebol.htm

54
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONCILIAÇÕES ENTRE FORMAÇÃO ESCOLAR E FORMAÇÃO ESPORTIVA DE


JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL SUB 22 NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
Renan Madureira Ayres; Luciana Marins Nogueira Peil1; Myrema Nunes Suisso
Autor para correspondência: renanayres@yahoo.com
1
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Educação Física e Desportos

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; conciliação; escola

INTRODUÇÃO
O esporte é manifestação cultural de grande aderência do ponto de vista da prática e do gosto, ocupando um lugar de
destaque entre os fenômenos sociais. Várias camadas da população veem o esporte como garantia para uma vida
melhor. Atualmente o Basquetebol é um dos esportes de referência em relação à ascensão social e econômica. A liga
profissional norte-americana de Basquetebol (NBA), cada vez mais absorve jogadores estrangeiros e muitos são
brasileiros. O sonho de melhorar de vida através do esporte parece ter seu ápice na chegada a esta liga e se não for
possível, conseguir então um bom contrato com uma equipe nacional de renome. O meio do caminho para um
possível sucesso na vida profissional esportiva passa por um treinamento que demanda grande carga de tempo
semanal para a preparação do atleta. Paoli (2007), Melo (2010) e Azevedo (2014) trazem em seus estudos que este
sonho profissional de atuação no alto nível não é concretizado para a maioria dos jovens que se propõem buscá-lo.
Estes estudos também demonstram a concorrência entre as formações escolar e esportiva, já que acontecem em
momento concomitante e demandam grande dedicação e tempo. Dados internacionais mostram a dificuldade dos
estudantes/atletas se profissionalizarem e se inserir no mercado de trabalho posteriormente a carreira esportiva. Este
mercado exige outras habilitações que muitas vezes não estão ligadas a anterior carreira esportiva. Hickey e Kelly
(2008) e Parker (2000). Assim, apresentamos a seguinte questão de estudo: como atletas conciliam a rotina de estudo
com a rotina de treinamento de Basquetebol nos clubes? Tivemos por objetivo levantar dados a respeito de
escolaridade dos atletas de Basquetebol masculino categoria sub 22 na cidade do Rio de Janeiro e como eles se
encontram no cenário acadêmico atual; levantar as rotinas de estudo e de treinamento destes atletas; perceber as
estratégias de conciliação entre estudo e treino dos mesmos; perceber as expectativas futuras em relação à vida
profissional e a importância da vida acadêmica para os mesmos. A escolha desta faixa etária deve-se ao fato que na
mesma os atletas em tese já concluíram o Ensino Médio, podendo estar no Ensino Superior e ao mesmo tempo estão
no meio do caminho à profissionalização. A escolha do gênero masculino decorreu de que o Rio de Janeiro não possui
equipes femininas nesta categoria. Esta é uma pesquisa qualitativa

MATERIAIS E MÉTODOS
A pesquisa bibliográfica e documental traz fundamentação à questão apresentada. Utilizamos a entrevista
semiestruturada com perguntas abertas. Assim, discutimos os pressupostos da Educação. Apresentamos dados sobre a
Educação brasileira, sobre o tempo de permanência universitária e a desvalorização do processo acadêmico.
Abordamos a conciliação entre escola e esporte de alto rendimento; escolarização e esporte; conflitos entre
treinamento/escola/evasão e permanência acadêmicas de jovens atletas. O alvo desta pesquisa são 8 jovens do sexo
masculino com idades entre 20 e 23 anos, pertencentes a dois clubes da categoria sub 22 da Federação de Basquetebol
do Estado do Rio de Janeiro. As entrevistas foram realizadas no período entre Setembro e Outubro de 2016. Buscando
responder a questão de estudo, foi confeccionado um roteiro de perguntas a partir da problematização do tema. Assim,
foi feita uma classificação das respostas dos depoentes que se divide em três tópicos: 1-Escolaridade dos atletas, 2-
Estratégias de conciliação entre estudo e treino e 3-Expectativas futuras em relação em relação à vida profissional.

RESULTADOS
Os 8 depoentes tem Ensino Médio Completo. Dois atletas tem ensino superior incompleto e 3 atletas não ingressaram
na universidade. As rotinas de treinamento do clube A são diferentes do clube B. O clube A treina em apenas um
turno, o clube B tem dois turnos de treinamento. Dos 8 atletas entrevistados, apenas 3 estão estudando, todos
integrantes do Clube A. Estes estudam na parte da manhã no contra turno de seus treinos, frequentando o ensino
superior.Por parte do clube A não há nenhum planejamento que oriente os atletas a serem mais atuantes nos estudos,

55
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

apenas oferecem uma bolsa de estudos na universidade particular conveniada ao clube.Os depoimentos demonstram
que o estudo é uma espécie de plano B, mesmo para os atletas que se mantêm na vida acadêmica, em caso de não
sucesso na vida esportiva profissional. Em relação aos atletas que se mantêm estudando, os resultados obtidos
apontam que estes atletas não tem estratégia definida de conciliação entre estudo e treino. Eles frequentam a
universidade nos horários pré-determinados pela mesma e estudam nas horas livres de treino, mas não há nenhum
planejamento para os mesmos se dedicarem aos estudos como se dedicam aos treinos.

CONCLUSÃO
A carga horária massiva dos treinamentos e dos compromissos com jogos e viagens foi fator preponderante nos
depoimentos tanto daqueles que conseguem conciliar estudo e treino, tanto como motivo para a desistência do estudo
para os demais. Os jovens atletas manifestaram em seus depoimentos dar importância para os estudos, demonstrando
noção de que a carreira de atleta não é algo perene, mas de fato acabam priorizando o Basquetebol por conta de ser
sua fonte de renda atual e sonho de futuro profissional. Assim, diante desta espécie de dilema, podemos apontar que se
de fato se quer a conciliação entre estudo e treino, devemos eleger objetivos, planejar e organizar. O estudante/atleta
deve compreender que precisa ter em mente suas prioridades e agir estrategicamente buscando a conciliação entre os
polos, os quais talvez não possa abrir mão para sua vida atual e posterior.

REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Márcio Faria de. Conciliações entre formação esportiva e formação escolar: um estudo das seleções
brasileiras masculinas de basquetebol de base. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Programa de Pós-
graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2014.

MELO, Leonardo Bernardes Silva. Formação e escolarização de jogadores de futebol no Estado do Rio de
Janeiro. Rio de Janeiro, 2010. 72 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Programa de Pós Graduação em
Educação Física da Universidade Gama Filho. 2010.

HICKEY, C.; KELLY, P. Preparingtonotbe a footballer: highereducationand professional sport. Sport,


EducationandSociety, v. 13, n. 4, p. 477-494, 2008.

PAOLI, P. B. Os estilos de futebol e os processos de seleção e detecção de talentos. Tese (Doutorado em Educação
Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2007.

PARKER, A. Training for “glory”, schooling for “failure”?: English Professional football, traineeship and educational
provisio. Journal of Education and Work, v. 13, n.1, p. 61-76, 2000.

56
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EFEITO DO TREINAMENTO COM PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA SOBRE


CAPACIDADES FÍSICAS DE JOVENS BASQUETEBOLISTAS DE UM COLÉGIO
MILITAR
André de Assis Lauria1; Francisco Zacaron Werneck2; Dilson Borges Ribeiro Junior3
Autor para correspondência: lauria_aa@hotmail.com
1
Colégio Militar de Juiz de Fora; 2Universidade Federal de Ouro Preto; 3Faculdade de Educação Física e Desportos /
Universidade Federal de Juiz de Fora

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; periodização; jovem atleta

INTRODUÇÃO
O Basquetebol é uma modalidade que impõe cargas fisiológicas importantes aos jogadores durante a competição (1).
Consequentemente, o condicionamento físico é considerado um pré-requisito importante para a prática competitiva do
basquetebol moderno. Alguns estudos (2,3,4) têm salientado a importância de variar os estímulos diários de
treinamento para atingir o desempenho ideal. É sabido (2,4) que uma boa condição aeróbica, associada a níveis de
força explosiva de membros inferiores, são priomordiais para o desempenho de atletas nesta modalidade. Diante disso,
treinadores periodizam intervenções de treinamento para atingir as metas de desempenho estabelecidas. Equipes
compostas por atletas de nível escolar, devido à concorrência com atividades escolares e compromissos particulares,
encontram dificuldades para ofertar estímulos diários de treinamento para obtenção da melhora das capacidades
inerentes ao desempenho na modalidade. Diante da problemática que afeta a preparação de atletas de nível escolar,
surge a necessidade de investigar se um planejamento composto por sessões de treinamento menos frequentes,
promoveria respostas positivas nas capacidades físicas e no desempenho desses atletas. O objetivo do estudo foi
verificar o efeito do treinamento com periodização ondulatória, subsidiado por 2 sessões de treinamento semanais, nas
capacidades físicas de atletas de basquetebol de um colégio militar.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foram avaliados 16 atletas da equipe de basquetebol do Colégio Militar de Juiz de Fora (CMJF), todos regularmente
matriculados no Colégio. Os atletas foram submetidos a um período de treinamento de 4 meses, compreendendo 16
semanas, com uma frequência de treinamento de 2 vezes por semana. Foi elaborado um macrociclo de treinamento
estruturado em 3 períodos: 1. Período básico - composto por 6 microciclos de treinamento; 2. Período específico -
composto por 8 microciclos de treinamento; e 3. Período Competitivo - composto por 2 semanas de competições. As
sessões de treinamento foram realizadas com componentes de demanda física (exercícios circuitados com estímulos
de força, potência e resistência anaeróbica), técnica e tática. Cada sessão de treinamento teve uma duração de até 120
minutos, caracterizando o volume da sessão, e intensidade do esforço condizente com a periodização ondulatória
elaborada. Foi feito o registro de frequência dos atletas em cada sessão de treinamento. As medidas antropométricas
(massa corporal, estatura e envergadura) foram mensuradas para caracterização do grupo. Foram avaliadas as
capacidades de força explosiva de membros inferiores, através do salto vertical com contramovimento, utilizando o
ergo-jump da marca MultiSprint; resistência aeróbia, através do teste de corrida (Léger) vai-e-vem de 20m; Teste de
força máxima de membros superiores: teste de 10 RM no supino reto; e avaliação da frequência cardíaca de repouso
(FCrep). Os testes foram aplicados nos momentos PRÉ (início do treinamento) e PÓS (após o período de treinamento).
A carga interna de treinamento foi monitorada pelo método proposto por Carl Foster, em cada sessão de treinamento.
O cálculo da carga interna de treinamento, a partir do método da Percepção Subjetiva de Esforço (PSE) da sessão,
consiste na multiplicação do escore da PSE pela duração total da sessão expressa em minutos (incluindo o
aquecimento, a volta à calma e as pausas entre esforços, no caso do treinamento intermitente). O produto da PSE
(intensidade) pela duração da sessão (volume) foi expresso em unidades arbitrárias (UA). Foi feita uma média
aritmética dos valores de UA de cada semana, para configurar a carga de treino semanal.

RESULTADOS
O grupo de atletas da equipe de basquetebol do CMJF apresentou as seguintes características: Idade de 15,5 (±1,5)
anos; Massa Corporal de 72,3 (±12,8) kg; Estatura de 1,80 (± 0,08) m; Envergadura de 1,84 (± 0,10) m; e IMC de
22,21 (±3,45) kg/m2. Os resultados dos testes foram comparados nas condições PRÉ e PÓS período de treinamento.

57
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Foram observadas diferenças estatisticamente significantes no VO2 máx de 50,5 (±4,9) vs. 54,0 (±6,1) (ml/kg/min)
(p<0,001), na impulsão vertical de 39,1 (±5,9) cm vs. 44,7 (±5,9) cm (p<0,001), no 10 RM no supino reto 40,4 (±9,4)
vs. 48,0 (±8,9) kg (p<0,001) e na FCrep 66 (±4) vs. 60 (±5) bpm (p<0,001). Os atletas tiveram uma média de
frequência de 87% nos treinamentos em todo o macrociclo. A carga interna de treinamento média foi de 751(±249)
UA, tendo como valor mínimo 300 UA e máximo 1080 UA. Os resultados encontrados corroboram a literatura na
medida em que tem sido demonstrado que o treinamento físico promove melhorias nos indicadores fisicomotores de
jovens atletas (5).

CONCLUSÃO
Com base nos achados, concluímos que atletas escolares de basquetebol submetidos a um macrociclo de treinamento
com periodização ondulatória de 4 meses, com frequência de 2 treinos semanais, melhoram as capacidades de força de
membros inferiores e superiores, apresentando também adaptações positivas no condicionamento aeróbico. Existe a
necessidade de novas investigações avaliando outras capacidades específicas, acompanhamento com períodos maiores
de intervenção, além da utilização de grupo controle e a medida do efeito dos processos de crescimento e maturação
biológica sobre o ganho das capacidades adquiridas.

APOIO
Colégio Militar de Juiz de Fora e Universidade Federal de Ouro Preto.

REFERÊNCIAS
McInnes, SE; Carlson, JS; Jones, CJ; McKenna, MJ. The physiological load imposed upon basketball players during
competition. J Sports Sci 13: 387–397, 1995.

Apostolidis, N; Nassis, GP; Bolatoglou, T; Geladas, ND. Physiological and technical characteristics of elite young
basketball players. J Sports Med Phys Fitness 44: 157–163, 2004.

Ben Abdelkrim, N; El Fazaa; S; El Ati, J. Time–motion analysis and physiological data of elite under- 19 Basketball
players during competition. Br J Sports Med 41: 69–75, 2006.

Sallet, P; Perrier, D; Ferret, JM; Vitelli, V; Baverel, G. Physiological differences in professional basketball players as
a function of playing position and level of play. J Sports Med Phys Fitness 45: 291–294, 2005.

Malina, RM; Bouchard, C; Bar-Or, O. Crescimento, maturação e atividade física. 2nd ed. São Paulo: Phorte; 2009.

58
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CHANGES IN DEVELOPMENTAL ASSETS ACROSS A 4-MONTH COMPETITIVE


SEASON AMONG YOUTH BASKETBALL PLAYERS
Felipe Goedert Mendes1; André L.A. Soares1; Carlos E. Palheta1; Luisa D. Kós1; Fabricio João Milan1; Carine Collet1;
Humberto M. Carvalho1
Autor para correspondência: felipe_goedert@hotmail.com
1
Federal University of Santa Catarina - Florianopolis, SC

PALAVRAS-CHAVE:basketball; developmental assets; multilevel modeling

INTRODUÇÃO
The potential of sport to influence positive development of youth athletes is implicitly assumed by societies nowadays
(Santos, Carvalho & Gonçalves, 2018). This influence can be considerate as assets that are the ‘building blocks’ for
human development, promoting thriving, resilience and reduced risk behaviors. Assets need to be understood as the
outcome of youth interactions inside their communities (Benson, 2002). In general, the developmental assets can be
divided in two dimensions: internal and external (Benson, 2002; Search Institute, 2005). The internal dimension
combines learning commitment, positive values, social competencies and positive identity. The external dimension
includes support, empowerment, boundaries, expectations, and the constructive use of time. Considering youth
basketball, Brazilian in particular, there is limited information available considering developmental assets among
young players. In this study we examined the changes in developmental assets among young basketball players during
a 4-month competitive period, accounting for variation by age group.

MATERIAIS E MÉTODOS
Sixty-five adolescent basketball players were considered in this study, Players´ age ranged between 9.5 to 17.3 years
(mean = 13.7 years at the first observation). The players were measured for a second time 4-months after baseline
observation. The players were engaged in a basketball youth training program from a club from S. Paulo (Brazil)
metropolitan region, competing at state level under supervision of the Federação Paulista de Basketball (S. Paulo
Basketball Federation). Chronological age was calculated considering the difference between date of birth and date of
baseline observation. We used the Portuguese version of the Developmental Assets Profile questionnaire (Santos &
Gonçalves, 2012). The questionnaire is composed by 58 items, rated on a Likert type scale, ‘Not at all or rarely’ (1),
‘Somewhat or Sometimes’ (2), ‘Very Often’ (3) and ‘Extremely or almost always’ (4). DAP estimates external and
internal factors from a personal perspective, such as, support (4 items), boundaries and expectations (5 items),
learning commitment (4 items), positive values (3 items), positive identity (5 items) and Social competence (2 items).
We used multilevel modeling to estimate the magnitude of changes on developmental assets between measures at
baseline and after a 4-month competitive season. Since players participated in yearly age group teams, we considered
measurements (level 1) to be nested by players (level-2), that were nested by age group (level-3). Differences
between players´ scores (level 2) and grouped by age-group (level-3) were allowed to vary at baseline and in the rate
of change between measures at baseline and post 4-month competitive season.

RESULTADOS
Positive values scores were higher after the 4-month competitive sample. The rate of change of similar to all players,
as no variation was observed between players (level-2). For all the DAP scores there was no change after exposure to
the 4-month competitive season. For positive identity, boundaries and expectations, positive values and learning
compromise there was substantial variation between players categorized by age group. Discussion: In this study, we
examined the changes in developmental assets among young basketball players during a 4-month competitive period.
Assets score, on average, were lower compared to available data in youth sports (Santos, Carvalho & Gonçalves,
2018). This likely reflects the influence of contextual and cultural environments of practice. Developmental assets do
not appear to be influenced by exposure to organized training and competition among adolescent basketball players
aged 10 to 17 years. These observations are consistent with reports in youth soccer (Santos, Carvalho & Gonçalves,
2018). Assets focus on the development of personal life skills transferable to other areas of life. This is of particularly
interest for positive values, which refer to school engagement or equality and social justice and qualities that are not

59
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

sport-specific but assume a key and importance position in sport participation to claim for a positive role in youth
development. Substantial between age group variation was observed for positive identity, boundaries and
expectations, positive values and learning compromise. Thus younger and older players differ in DAP scores, but
scores did not change in response to exposure to a period in organized basketball. Previous studies observed a
decrease in development assets scores as the athletes become older (Search Institute, 2005). Larger longitudinal
periods of observation should be considered in further analysis about the influence of exposure of organized youth
basketball training programs among adolescent players. In particular, we did not account for maturity status variation
between players, as available methods may not be sensitive to appropriately describe differences in growth rates
between players in the wide age range of adolescent players.

CONCLUSÃO
Developmental assets among adolescent basketball players appear to be a stable psychological construct, independent
of exposure to training and competition. However, the trend of low scores observed suggests the need to further
examination of the influence of the practice environment. The present study provides valuable information for the
implementation of youth basketball programs, showing that chronological age can be influences on assets and
attitudes. Our results have pedagogical implications. Coaches should consider the potential their intervention the
environment they create for the athletes´ positive development

APOIO
This study was partially supported by the Federação Catarinense de Basketball. The second author was supported by
a grant of the Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

REFERÊNCIAS
Carvalho, H. M., Gonçalves, C. E., Collins, D., & Paes, R. R. (2018). Growth, functional capacities and motivation
for achievement and competitiveness in youth basketball: an interdisciplinary approach. Journal of Sports Sciences,
36(7), 742-748. doi:10.1080/02640414.2017.1340654

Santos, A. J., & Gonc¸alves, C. E. (2012). Translation of the sources of enjoyment in youth sport questionnaire
(SEYSQ) and developmental assets profile (DAP) to youth Portuguese athletes. Annals of Research in Sport and
Physical Activity, 3, 11–38.

Santos, A. J., Carvalho, H. M., & Gonçalves, C. E. (2018). Personal and ecological factors in school sport: a
multilevel approach. South African Journal for Research in Sport, Physical Education and Recreation, 40(1), 125-140.

Search Institute (2005). Developmental assets profile user manual. Minneapolis, MN: Search Institute.

60
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O BASQUETE 3X3 COMO MEIO PARA O DESENVOLVIMENTO POSITIVO DE


JOVENS
Douglas Vinicius de Carvalho Brasil1; Alex Natalino Ribeiro1; Alcides José Scaglia2
Autor para correspondência: brasildvc@gmail.com
1
Faculdade de Educação Física - UNICAMP; 2Faculdade de Ciências Aplicadas - UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Esportes; Ensino

INTRODUÇÃO
O Basquete 3x3 é um esporte relativamente novo que tem se destacado no cenário mundial, o que contribui para sua
inclusão nos Jogos Olímpicos de Toquio-2020. Com isso, é de se esperar que cada vez mais crianças e jovens se
interessem em praticar a modalidade, principalmente se considerarmos que um fator que pode determinar o
direcionamento esportivo é a influência de familiares, de amigos ou de outros indivíduos (atletas, celebridades, etc.)
que possuam relação com o esporte (Brasil et al. (2015), o que pode ser facilitado se levarmos em conta que devido as
características desse esporte, é possível que mesmo em locais de pouca tradição no Basquetebol existam ou surjam
equipes de 3x3 e que estas tenham contato com a comunidade, aumentando as chances de que crianças e jovens sejam
influenciados por esses indivíduos de alguma forma, de modo que venham a se interessar por essa prática
esportiva. Sendo assim, no sentido de contribuir com a formação dos sujeitos que venham a trabalhar com o
ensino/treinamento da modalidade em categorias de formação, no presente trabalho buscamos indicar uma
possibilidade de ensino, vivencia e aprendizagem que contribua não apenas com a formação esportiva de seu
alunos/atletas, mas também com o desenvolvimento positivo destes, uma vez que a pesquisas tem mostrado que esse é
um importante fator que pode contribuir com a aproximação ou distanciamento do esporte ao longo da vida.(Côté et.
al., 2017).

MATERIAIS E MÉTODOS
A presente pesquisa foi realizada por meio de pesquisa e revisão bibliográfica e documental.

RESULTADOS
O significado e qualidade das experiências vivenciadas por jovens no esporte podem contribuir para que esses
permaneçam ou se afastem do esporte (Côté et. al., 2017). Quando se trata do ensino/treinamento do esporte,
pesquisadores tem indicado que é importante buscar contribuir com desenvolvimento positivo de jovens, para isso é
necessário recorrer a estratégias que contribuam para a proteção e promoção dos valores positivos, bem como
prevenção de hábitos e comportamentos negativos (FRASER-THOMAS; CÔTE; DEAKIN, 2005). Nesse processo, o
professor/treinador deve considerar três elementos dinâmicos: o engajamento nas atividades (o que); a qualidade dos
relacionamentos (quem); ambiente apropriado (onde). O que ao longo do tempo influenciam o desenvolvimento da
confiança, competência, conexão e caráter (4C’s) em seus alunos/atletas (Côté et. al., 2017; Côté, Turnnidge e Evans,
2014). Logo, um trabalho bem estruturado e que ofereça um ambiente positivo de ensino, vivencia e aprendizagem
terá maiores chances de provocar mudanças pessoais positivas em detrimento as negativas nos sujeitos. Ainda no que
se refere ao desenvolvimento positivo de jovens Côté e Hancock (2014) e Côté; Turnnidge e Evans, (2014), indicam
que programas esportivos onde há equilíbrio entre desempenho e participação e que focam na diversificação das
atividades, contribui para desenvolver a motivação intrínseca, o espírito competitivo e tende a prolongar a
participação esportiva ao longo da vida. Considerando o que apresentamos sobre o desenvolvimento positivo de
jovens por meio do esporte, o treinamento/ensino do 3x3 nas categorias de formação nos parece possuir alguns
facilitadores como: similaridade com outros esportes; espaço de jogo e número de jogadores relativamente menor em
relação à por exemplo, o Basquetebol; fundamentos comuns e similares a de outras modalidades; etc. Fatores que
podem contribuir para que: a modalidade seja ensinada em diferentes contextos (escolas, clubes, etc.) e locais
(parques, praças, ginásios, etc.); o ensino seja pautado nos referenciais técnico-tático, socioeducativo e histórico-
cultural da Pedagogia do Esporte; tanto professores/treinadores, quanto alunos/atletas sintam-se motivados e
engajados nas atividades; alunos/atletas vivenciem diferentes funções e/ou transitem entre modalidades similares,
como o Basquetebol.

61
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONCLUSÃO
Considerando os estudos que tratam do desenvolvimento positivo de jovens por meio do esporte, nota-se que o
professor/treinador tem um papel fundamental nesse processo, uma vez que jovens alunos/atletas podem enxergar nele
um exemplo a ser seguido, incorporando e/ou reproduzindo valores por ele transmitidos, o que pode refletir inclusive
em diferentes contextos da vida do aluno/atleta. Sendo assim, ao reconhecer isso, é imprescindível que o
professor/treinador que venha a trabalhar nas categorias de formação do 3x3, busque proporcionar um ambiente de
ensino que valorize as relações sociais, incentive o engajamento nas atividades e estimule a aquisição de valores
positivos em detrimento dos negativos. Nesse sentido, não nos parece que pautar o processo de ensino, vivencia e
aprendizagem do esporte apenas nos aspectos técnicos-táticos da modalidade seja a maneira mais eficaz de se
contribuir com o desenvolvimento positivo dos jovens alunos/atletas e/ou aumentar as chances que esses permaneçam
envolvidos com o esporte ao longo da vida. Uma alternativa que nos parece mais interessante é se pautar nos três
referenciais da Pedagogia do Esporte, já que permitem refletir e ensinar o esporte de forma ampla. Sendo assim,
concluímos que ao trabalhar nas categorias de formação do 3x3 considerando os referenciais técnico-tático,
socioeducativo e histórico-cultural, o professor/treinador poderá ter resultados positivos no que se refere a contribuir
com o desenvolvimento positivo de jovens, uma vez que essa abordagem somada as características dessa modalidade
esportiva podem proporcionar: que os alunos/atletas vivenciem diferentes papeis/funções dentro da modalidade e
também experimentem outros esportes similares; maior proximidade entre pais, alunos/atletas e
professores/treinadores, aumentando as chances de que se estabeleçam relações de amizade e respeito entre eles;
maior proximidade e contato com outros praticantes locais, nacionais e estrangeiros, seja pessoalmente ou pelas redes
sociais; que os envolvidos se engajem na modalidade; desenvolvimento e manutenção de valores positivos, bem como
o combate aos negativos. Fatores que podem contribuir para que alunos/atletas permaneçam no esporte por mais
tempo, aumentando as chances de chegarem ao alto rendimento e/ou atuem profissionalmente no 3x3 ou em outro
esporte.

APOIO
CAPES

REFERÊNCIAS
BRASIL, V. Z. et al. (2015) A trajetória de vida do treinador esportivo: as situações de aprendizagem em contexto
informal. Movimento (UFRGS. Impresso), v. 21, p. 815-829.

CÔTÉ, J.; TURNNIDGE, J.; VIERIMAA, M.; EVANS, B.; GALATTI, L. R. (2017). Quadro teórico para o
desenvolvimento de valores pessoais no processo dinâmico de desenvolvimento pelo esporte. In: Múltiplos
Cenários da Prática Esportiva: Pedagogia do Esporte / Organização Larissa Rafaela Galatti…[et al.]. Campinas, SP.
Editora da Unicamp.

CÔTÉ, J.; HANCOCK, D. J. (2014). Evidence-based policies for youth sport programmes. International Journal of
Sport Policy and Politics (online), v. 8, p. 51-65.

CÔTÉ, J.; TURNNIDGE, J.; EVANS, M.B. (2014). The dynamic process of development through sport/dinamicni
proces razvoja prek sporta. Kinesiologia Slovenica, v. 20 (3), p. 14 -26.

FRASER-THOMAS, J. L.; CÔTE, J.; DEAKIN, J. (2015). Youth sport programs: an avenue to foster positive youth
development. Physical Educatuion and Sport Pedagogy, v.10 (1), p.19-40

62
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

FONTES DE CONHECIMENTO DOS TREINADORES PARANAENSES DE


BASQUETEBOL
Michel Vasconcelos1; Robson Ruiz Olivoto1; José Carlos Mendes1,2; Juarez Vieira do Nascimento2
Autor para correspondência: michel.estudo@gmail.com
1
UNIOESTE (GEPEPE) ; 2UFSC (NUPPE)

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; conhecimento; treinadores

INTRODUÇÃO
O treino no basquetebol, em função da série de elementos envolvidos (físico, tático, técnico, psicológico, social, entre
outros) e,em especial, na prática competitiva de alto nível,compreende um processo de alta complexidade, no qual o
treinador assume a responsabilidade central (Cunha, Estriga, & Batista, 2014). Para que seja possível a construção
deste processo, os treinadoresutilizam-se de conhecimentos adquiridosem fontes diretamente relacionadas às
convicções pessoais, formadas a partir do conjunto de características e vivencias nas mais diversas situações de
aprendizado(Cunha et al., 2014). Em virtude da grande complexidade no processo de construção e reconstrução do
conhecimento, o treinador escolhe determinadas fontes de conhecimento em detrimento de outras, apresentando
diferenças em relação ao nível competitivo, tempo de experiencia e a titulação acadêmica (Cunha et al., 2014; Feu,
Ibáñez, Lorenzo, &Giménez, 2012; González-Rivera, Campos-Izquierdo, Villalba, & Hall, 2017).Objetivo:Identificar
as fontes de conhecimentos priorizadas pelos treinadores paranaenses de basquetebol naestruturação dos processos de
treino, considerando a titulação acadêmica, o nível competitivo e o tempo de experiência profissional

MATERIAIS E MÉTODOS
Realizou-se um estudo descritivo com 20 treinadores de basquetebol do estado do Paraná, com média de idade de 38,8
± 9,9 anos. Embora três treinadores não possuíam formação acadêmica, 17 são graduados em Educação Física, sendo
cinco pós-graduados em distintas áreas da Educação Física. Na coleta de dados utilizou-se o instrumento proposto por
Feu et al (2012) para analisar as procedências das fontes de conhecimento dos treinadores em três
dimensões: Formação Acadêmica (FC), Experiência de Atleta e a Experiência Profissional (EP). Os treinadores
foram convidados durante as competições realizadas no estado Paraná na temporada esportiva de 2017. Aos
treinadores que aceitaram participar do estudo, os questionários foram enviados via correio eletrônico com duas
opções de preenchimento (documento do Word do Office 2003 ou via formulário do Google Docs.). Acoleta de dados
foi realizada após a aprovação do projeto de pesquisa pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do
Oeste do Paraná (UNIOESTE) (Parecer 1835025).Na análise dos dados utilizou-se os recursos da estatística
inferencial (média, desvio padrão e correlação de Pearson), com auxílio do software SPSS 23.0 e nível de
significância de p≤ 0,05

RESULTADOS
A maioria dos treinadores investigados adota as fontes de conhecimentos procedentes da formação acadêmica
(8.34±1.25) e experiência profissional (7.63±1.87) na construção do processo de treino. Enquanto que os treinadores
sem formação valorizam mais as fontes de conhecimento adquiridas na sua experiência de atleta, os treinadores
graduados e pós-graduados apoiam-se nas fontes de conhecimento procedentes da formação acadêmica para a
construção do processo de treino.Além disso, quanto maior a titulação acadêmica do treinador, menor é a utilização de
conhecimentos procedentes da experiência profissional (-.528 para p=.017) e da experiência enquanto atleta (- .503
para p=.024).A principal base de conhecimento dos treinadores de equipes participantes de campeonatos
municipais/regionaisé a experiência enquanto atleta, já os treinadores que participavam de campeonatos estaduais e
internacionais valorizama formação acadêmica e os treinadores que participaram de campeonatos nacionais é a
experiência profissional.Independentemente do tempo de atuação profissional, os treinadores investigados
valorizavam mais as fontes de conhecimento procedentes da formação acadêmica. No entanto, os treinadores com 4 a
7 anos de atuação profissional, valorizavam igualmente as fontes de conhecimentos procedentes da formação
acadêmica e de sua experiência profissional.

63
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Os resultadosencontrados sugerem uma alta valorização das fontes de conhecimentos procedentes da formação
acadêmica, cuja aprendizagem profissional ocorre em programas formais de ensino. Contudo, tais programas são
considerados na atualidade, insuficientes para educar satisfatoriamente os treinadores esportivos, principalmente pela
predominância de estratégias pedagógicas prescritivas que caracterizam este modelo de formação, bem como uma
oferta menor que um quinto da carga horária dos cursos focados no conhecimento da atividade do treinador
esportivo(Milistetd et al., 2016). Por outro lado, observa-se em estudos internacionais que os treinadores valorizam
com maior frequência as fontes de conhecimentos procedentes da experiência profissional, especialmente os
momentos de troca de conhecimentos com outros profissionais, assim como a experiência atlética anterior e a
observação de outros treinadores(Feu et al., 2012; González-Rivera et al., 2017; Stoszkowski & Collins, 2016).Abaixa
valorização das fontes de conhecimento procedentes da experiência como atleta pode estar associada a um
determinado contexto de prática da modalidade, sendo que treinadores com menor experiência como atletas podem ter
necessidade de recorrer a fontes de conhecimento procedentes da formação acadêmica, como forma de suprir a
ausência de vivências em contextos de elevada riqueza competitiva(Cunha et al., 2014)

CONCLUSÃO
Apesar das limitações do estudo, as evidências encontradas permitem concluir que as fontes de conhecimentos
procedentes da formação acadêmica são as mais privilegiadas para o exercício profissional dos treinadores de
basquetebol do Paraná. Além disso, as fontes de conhecimentos procedentes da experiência profissional e da
experiência de atleta são menos privilegiadas, especialmente pelos treinadores com maior titulação acadêmica.

REFERÊNCIAS
Cunha, A. F. V. P., Estriga, M. L. D., & Batista, P. M. F. (2014). Fontes de conhecimento percebidas pelos
treinadores: estudo com treinadores de andebol da 1ª divisão de seniores masculinos em Portugal. Movimento, 20(3),
917.

Feu, S., Ibáñez, S. J., Lorenzo, A., & Giménez, S. (2012). El conocimiento profesional adquirido por el entrenador de
balonmano: experiencias y formación. Revista de psicología del deporte, 21(1), 107-115.

González-Rivera, M. D., Campos-Izquierdo, A., Villalba, A. I., & Hall, N. D. (2017). Sources of knowledge used by
Spanish coaches: A study according to competition level, gender and professional experience. International Journal of
Sports Science & Coaching, 12(2), 162-174. doi:10.1177/1747954117694733

Milistetd, M., Ciampolini, V., Salles, W. N., Ramos, V., Galatti, L. R., & Nascimento, J. (2016). Coaches’
development in Brazil: structure of sports organizational programmes. Sports Coaching Review, 5(2), 138-152.
doi:10.1080/21640629.2016.1201356

Stoszkowski, J., & Collins, D. (2016). Sources, topics and use of knowledge by coaches. J Sports Sci, 34(9), 794-802.
doi:10.1080/02640414.2015.1072279

64
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE ATLETAS DE BASQUETEBOL DE


CATEGORIAS DE BASE DA CIDADE DE LONDRINA – PR
Guilherme Eduardo Guterres Heinemann1; Arli Ramos de Oliveira1
Autor para correspondência: guilherme_gh03@hotmail.com
1
Universidade Estadual de Londrina

PALAVRAS-CHAVE:Qualidade de vida; Saúde; Basquetebol

INTRODUÇÃO
A World Health Organization for Qualityof Life - WHOQOL GROUP (1994) define qualidade de vida (QV) como a
percepção do indivíduo sobre a sua posição na vida, dentro do contexto cultural e de valores nos quais está inserido e
em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações.

Níveis satisfatórios de QV podem exercer papel fundamental na prevenção das doenças da modernidade, como as
hipocinéticas, as de ordem nutricional e, consequentemente, as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT´s).
Informações relacionadas aos indicadores de QV no contexto esportivo ainda são escassas e possibilitam identificar
grupos de risco, monitorar os níveis de QV dos atletas e subsidiar o desenvolvimento de programas direcionados à
manutenção e melhoria do bem estar dessa população. Além disso, essas informações podem auxiliar na otimização
do treinamento esportivo, contribuindo na identificação e correção de possíveis déficits nas diferentes dimensões da
QV, proporcionando, assim, melhores condições de saúde e desempenho atlético. Diante disso, o objetivo deste estudo
foi analisar a QV de atletas de Basquetebol de categorias de base na cidade de Londrina, Paraná, comparando os
valores obtidos entre diferentes níveis socioeconômicos.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra foi constituída por 28 atletas da equipe masculina de Basquetebol do Londrina Esporte Clube/APVE/FEL,
sendo 13 indivíduos da Categoria Sub-14 e 15 atletas da Categoria Sub-13.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos da Universidade Estadual de
Londrina, e todos os participantes, junto com seus responsáveis legais, assinaram o Termo de Consentimento Livre e
Esclarecido.

Para avaliar a QV foi utilizado o questionário Kidscreen-52 (Guedes & Guedes, 2011), constituído de 52 questões
divididas em 10 dimensões: Saúde e Atividade Física; Bem-estar Psicológico; Estado de Humor Geral;
Autopercepção; Autonomia; Vida Familiar; Recursos Financeiros; Amigos e Apoio Social; Meio Escolar; e Rejeição
Social. Para avaliação de indicadores socioeconômicos foi aplicado o Questionário de Classificação Econômica da
Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP, 2012).

Os dados foram apresentados através de estatística descritiva (média e desvio padrão). Ao testar a homogeneidade de
variância dos dados utilizou-se o Teste de Levene. Para a comparação da QV e suas dimensões entre as diferentes
condições socioeconômicas foi utilizada Análise de Variância (ANOVA) One-Way. A significância adotada foi de P<
0,05.

RESULTADOS
Foram avaliados 28 atletas, sendo a maior parte pertencente à Categoria Sub-13 (53,6%). Em relação à condição
socioeconômica, 20 atletas (71,4%) encontravam-se no nível socioeconômico A, 6 atletas (21,4%) no nível
socioeconômico B, e 2 atletas (7,1%) no nível socioeconômico C.

Os atletas apresentaram escores superiores a 60,0 em todas as dimensões da QV, sendo que o valor médio obtido para
o construto QV foi de 79,79 (±9,27). Quanto às dimensões que compõem a QV, os escores mais altos foram
encontrados nas dimensões “Rejeição Social” (91,39±12,39) e “Bem-estar Psicológico” (85,14±9,70). Estes resultados
sugerem que os atletas geralmente não sofrem provocações e bullying por parte de outros jovens, e que apresentam

65
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

altas prevalências de satisfação com a vida, de diversão e alegria. Já com os menores escores, encontra-se a dimensão
“Saúde e Atividade Física” (72,86±9,06), apontando que os atletas possuem percepções menos positivas face à própria
saúde, forma física, disposição e prática de atividade física. Na sequência encontra-se a dimensão “Meio escolar”
(74,25±12,79), sugerindo insatisfação com a escola, professores, desempenho escolar e capacidade de prestar atenção
nas aulas.

Quando as análises foram feitas entre os diferentes níveis socioeconômicos, foram observados valores superiores a
60,0 em todas as dimensões da QV, exceto na dimensão “Meio Escolar” (58,00±7,07) quando avaliada no nível
socioeconômico C. Os valores médios obtidos para o construto QV foram de 80,75 (±8,69) para o nível
socioeconômico A, 77,83 (±12,76) para o nível socioeconômico B e 76 (±0,00) para o nível socioeconômico C. Não
foram encontradas diferenças significativas ao comparar os valores obtidos para QV e suas dimensões entre os
diferentes níveis socioeconômicos avaliados.

De maneira geral, os atletas demonstraram escores superiores a 60,0 para a QV e suas dimensões, mesmo quando
distribuídos de acordo com a condição socioeconômica. Portanto, a QV dos indivíduos pesquisados pode ser
considerada boa. Contudo, vale ressaltar que no presente estudo verificou-se a presença de alguns fatores limitantes
que podem ter influenciado os resultados. Dentre esses fatores, merece destaque o tamanho reduzido da amostra.
Além disso, os indivíduos que participaram do estudo apresentaram similaridades no que diz respeito à condição
socioeconômica, já que a maioria dos atletas encontravam-se no nível socioeconômico A, havendo apenas 6
indivíduos no nível socioeconômico B, e 2 no nível socioeconômico C.

CONCLUSÃO
Diante dos resultados apresentados no presente estudo, conclui-se que os atletas apresentaram valores elevados para
QV e suas dimensões. Além disso, constata-se que não foram encontradas diferenças significativas nos valores
obtidos pelos diferentes níveis socioeconômicos.

Para futuros estudos nessa temática, sugere-se um número maior de participantes e a inclusão de atletas de ambos os
sexos em diversas faixas etárias, bem como analisar outras modalidades esportivas. Além disso, é importante que a
QV seja explorada em amostras com diferentes condições socioeconômicas, culturais e étnicas.

APOIO
Universidade Estadual de Londrina

REFERÊNCIAS
Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (2012). Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo:
ABEP.

Guedes, D. P., & Guedes, J. E. R. P. (2011, Setembro).Tradução, adaptação transcultural e propriedades psicométricas
do KIDSCREEN-52 para a população brasileira. Revista Paulista de Pediatria, 29(3), 364-371.

The WHOQOL Group (1994). Development of the WHOQOL: Rationale and Current Status. International Journal of
Mental Health, 23(3), 24-56.

66
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONTEÚDOS TÉCNICO-TÁTICOS INDIVIDUAIS DE ENSINO-APRENDIZAGEM-


TREINAMENTO DO BASQUETEBOL
Felipe Canan1,3; Edson Hirata2,3; João Paulo Melleiro Malagutti3
Autor para correspondência: felipe.canan@gmail.com
1
Universidade Estadual do Oeste do Paraná; 2Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 3Universidade Estadual de
Maringá

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Tática; Técnica

INTRODUÇÃO
Os conteúdos de ensino-aprendizagem-treinamento (EAT) do basquetebol abrangem ações técnicas e táticas,
individuais, grupais e coletivas (Ortega Toro, 2010; Salado Tarodo, Bazaco Belmonte, Ortega Toro, & Gómez Ruano,
2011). Contudo, não existe um consenso na literatura sobre quais seriam exatamente estes conteúdos e suas
peculiaridades, e tampouco em que momento ensiná-los/treiná-los. Na perspectiva de contribuir para definições a
respeito, foram criados os materiais (“Planos de Estudos”) da “Plataforma de Educação para Treinadores” da
Associação Mundial de Treinadores de Basquetebol (PET-WABC) (WABC, 2016). A construção e alcance
internacional de tais materiais os projetam como importantes ferramentas de apoio a treinadores e pesquisadores.
Nesta senda, objetivou-se identificar o perfil geral dos conteúdos técnico-táticos individuais na PET-WABC.

MATERIAIS E MÉTODOS
Tratou-se de uma pesquisa descritiva documental, pautada em um levantamento quantitativo, em termos de frequência
absoluta e relativa, dos conteúdos elencados nos subitens “habilidades de defesa” e “habilidades de ataque” do item
“jogador” (conteúdos técnico-táticos individuais) dos Planos de estudos para treinadores de nível 1, 2 e 3 da PET-
WABC (WABC, 2016). O tempo destinado ao EAT de cada conteúdo não foi levado em conta, até porque não é
estipulado ou sugerido pela PET-WABC (WABC, 2016).

RESULTADOS
A Plataforma apresenta, para cada nível de treinador, uma série de conteúdos gerais e específicos, além de alguns
exemplos de atividade e dicas de correção. A progressão dos níveis de treinador corresponde, em alguma medida, à
progressão de etapas etárias de formação no basquetebol.

Ao todo foram identificados 18 (100%) conteúdos gerais e 62 (100%) específicos, além de 3 indicações de atividades
e 4 de correções. Dos conteúdos gerais, 3 (16,67%) são defensivos e 15 (83,33%) ofensivos. Dentre os conteúdos
específicos, 10 (16,13%) são defensivos e 52 (83,87%) ofensivos. Cañandas Alonso e Ibáñez Godoy (2010), em
análise a tarefas de treinamento de uma equipe de iniciação identificaram um quadro semelhante, de predomínio de
conteúdos ofensivos individuais.

No que diz respeito aos níveis de treinador, identificou-se, no nível 1: 10 (55,56%) conteúdos gerais e 37 (59,68%)
específicos; no nível 2: 7 (38, 89%) conteúdos gerais e 24 (38,71%) específicos; e no nível 3: 1 (5,56%) conteúdo
geral e 1 (1,61%). Cañandas Alonso e Ibáñez Godoy (2010) identificaram também uma substituição gradativa de
conteúdos individuais por grupais e coletivos, à medida que as temporadas passavam. Ortega Toro (2010) verificou
que treinadores acreditam que os conteúdos coletivos devem ser progressivamente incrementados à medida que
aumentam as faixas etárias.

Tomando como base os totais de cada nível, tem-se:

- nível 1: 2 (20%) conteúdos gerais defensivos (jogo de pés; movimentos e posições individuais) e 8 (80%) ofensivos
(habilidades básicas de movimento; desmarcação; recepção; posse de bola; passe; drible; arremesso; movimentos), e 6
(16,22%) conteúdos específicos defensivos (jogo básico de pés; ajuste ao atacante; defesa do jogador com bola; defesa
do jogador sem bola no perímetro; defesa do jogador sem bola no poste baixo; bloqueio de rebote) e 31 (83,78%)
ofensivos (postura básica; equilíbrio; jogo de pés; corrida; velocidade; mudança de direção; paradas; pivoteamento;

67
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

fundamentos e habilidades de desmarcação; recepção básica; proteção de bola; tríplice ameaça; passes básicos; drible
básico; introdução ao arremesso; jogo de pés para bandeja; posição de equilíbrio para o arremesso; forma de segurar
da bola; altura da soltura da bola; arremesso depois do drible e com salto; primeiro passo; posição de poste; passo de
queda e contramovimento; princípios básicos de ataque do perímetro; fintas de infiltração e arremesso; recepção
seguida de arremesso; infiltração depois do drible);

- nível 2: 1 (14,29%) conteúdo geral defensivo (movimentos e posições individuais) e 6 (80%) ofensivos
(desmarcação; recepção; passe; drible; arremesso; movimentos), e 4 (16,67%%) conteúdos específicos defensivos
(técnica avançada de ajuste ao atacante; defesa sem bola à frente do poste; dobra; pressão/antecipação) e 20 (83,33%)
ofensivos (cortes laterais e com giro; recepção pelo arremessador e pelo poste; passe curvado com uma mão, de
beisebol e de lado a lado; drible com giro, em zigue-zague, para baixo, lateral e para frente; movimento de pé para trás
ao deixar de driblar; técnica avançada e arremesso de bandeja; jogo avançado de pés para arremessar; arremesso da
zona interior; jogo de costas e giro do poste à frente; vencer os rivais);

- nível 3: nenhum conteúdo geral ou específico defensivo e 1 (100%) geral ofensivo (passe) e 1 (100%) específico
ofensivo (passes criativos).

Os conteúdos remetem a uma concepção, ainda que não exclusiva, de integralidade, na qual busca-se abranger
nuances não somente dos movimentos técnicos, mas, sobretudo, de sua adaptação aos contextos táticos (ajuste ao
atacante, defesa de perímetro, desmarcação, infiltração, etc.). Este tipo de perspectiva vem sendo defendido por
abordagens de concepção e EAT estruturalistas, compreensivas e/ou integradas (Lópes-Ros & Avelar-Rosa, 2015).

CONCLUSÃO
Verificou-se um predomínio de conteúdos individuais ofensivos em relação aos defensivos e, à medida que aumenta o
nível de formação do treinador, diminuem os conteúdos individuais, sendo substituídos, sobretudo, por conteúdos
grupais, coletivos e estratégicos. Encontrou-se também uma tendência a integralização entre técnica e tática. Aponta-
se como limitação a ausência de uma análise qualitativa de cada conteúdo específico.

REFERÊNCIAS
Cañandas Alonso, M., Ibáñez Godoy, S. J. (2010) La planificación de los contenidos de entrenamiento de baloncesto
en equipos de iniciación. e-balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte, 6(1), 49-65. Retrieved
from http://www.e-balonmano.com/ojs/index.php/revista/article/view/48 .

Lópes-Ros, V., Avelar-Rosa, B. (2015). Revisão do Modelo Integrado Técnico Tático de Ensino Compreensivo do
Desporto - Uma proposta teórica. Journal of Sport Pedagogy and Research, 1(8), 22-29. Retrieved
from https://www.researchgate.net/publication/289128496_Revisao_do_Modelo_Integrado_Tecnico-
Tatico_de_Ensino_Compreensivo_do_Desporto_-_Uma_proposta_teorica .

Ortega Toro, E. (2010). Medios técnico-tácticos colectivos en baloncesto en categorías de formación. Revista
Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el Deporte, 10 (38), 234-244. Retrieved
from http://cdeporte.rediris.es/revista/revista38/artBC153.htm .

Salado Tarodo, J., Bazaco Belmonte, M. J., Ortega Toro, E., Gómez Ruano, M. A. (2011). Opinión de los
entrenadores sobre distribución de contenidos técnico-tácticos y pedagógicos en distintas categorías de baloncesto de
formación. Cuadernos de Psicología del Deporte, 11(2), 51-62. Retrieved
from http://revistas.um.es/cpd/article/viewFile/132931/122931 .

World Association of Basketball Coaches. (2016). Plataforma de Educación para Entrenadores. Retrieved 12 maio
2018, from http://www.fiba.basketball/wabc .

68
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EFECTO DE UN PROGRAMA DE BALONCESTO EDUCATIVO SOBRE LA


DEPORTIVIDAD
Gema Ortega Vila1; José Robles Rodríguez2; Manuel Tomás Abad Robles2; Javier Durán González3; Jorge Franco
Martín1; Francisco Javier Giménez Fuentes-Guerra2; Ana Concepción Jiménez Sánchez3
Autor para correspondência: gortega.fundacion@ext.realmadrid.es
1
Fundación Real Madrid; 2Universidad de Huelva; 3Universidad Politécnica de Madrid

PALAVRAS-CHAVE:Baloncesto; Valores; Competición

INTRODUÇÃO
Una de las principales funciones que tiene el deporte durante la etapa infantil y adolescente es la de transmitir valores
positivos, hábitos y comportamientos que contribuyan a la formación integral de la persona (Gómez-Mármol y
Valero, 2013). La práctica deportiva, en sí misma, no asegura la adquisición de dichos aspectos (García-Calvo,
Sánchez-Oliva, Sánchez-Miguel, Leo, y Amado, 2012). Por ello, para contribuir al fomento de actitudes deportivas
positivas será necesario huir de modelos deportivos tradicionales, en donde se prima la competición, el resultado, o la
especialización temprana (Durán, 2013; Pinheiro, Camerino, y Sequeira, 2013).

Diversos estudios se hacen eco de una crisis de valores en el deporte (Gómez-Mármol, Sánchez-Alcaraz, De la Cruz-
Sánchez, y Valero-Valenzuela, 2015), aspecto que ha contribuido a que la deportividad sea objeto de estudio en
diferentes contextos (Gutiérrez, 2007; Iturbide-Luquin y Elosua-Oliden, 2017; Sáenz, Aguado, y Lanchas, 2013;
Sáenz, Gimeno, Gutiérrez, Lacambra, Arroyo del Bosque, y Marcén, 2014). Esta situación ha dado lugar a nuevas
alternativas de práctica en las cuales el fomento de valores resulta un pilar fundamental (Ortega, et al., 2012).

El objetivo del presente estudio fue conocer cómo influye el modelo deportivo de la Fundación Real Madrid (FRM)
en los factores personales y sociales de la deportividad.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participantes: En el presente estudio se encuestaron a 320 jugadores y jugadoras pertenecientes a las Escuelas
Sociodeportivas de Baloncesto de la FRM, el 69.4% (n=222) fueron chicos y el 30.6% (n=98) chicas.

Instrumento: Se utilizó la Escala Multidimensional de Orientaciones hacia la Deportividad adaptada al fútbol base
(MSOS-F) (Lamoneda, Huertas, Córdobay García, 2014), adaptada y validada de la Multidimensional
Sportspersonship Orientations Scale (MSOS) diseñada por Vallerand et al. (1997). La Escala, con la muestra del
presente estudio, obtuvo una fiabilidad (Alfa de Crombach) de 0.771.

Procedimiento: Para una mejor compresión del instrumento, se sustituyeron las palabras específicas de fútbol por sus
correspondientes en baloncesto. La investigación se llevó a cabo atendiendo a lo establecido en la Ley Orgánica
15/1999 de 13 de diciembre, de Protección de Datos y bajo los criterios de la junta de revisión de ética de FRM. El
cuestionario fue aplicado durante la temporada 2016/17.

Análisis estadístico: Se llevó a cabo un análisis descriptivo y prueba de normalidad. Como prueba de contraste para
variables independientes, se utilizó la U de Mann-Whitney, y para las comparaciones intergrupales, la prueba de
contraste Kruskal-Wallis, con ajuste de Bonferroni. Se calculó el tamaño del efecto (Field, 2009). Las correlaciones se
realizaron mediante el coeficiente de correlación de Spearman. El programa estadístico utilizado fue el SPSS en su
versión 21.0.

RESULTADOS
Valoración en función del género: Se detectaron valores superiores en los factores personales (M=4.315±0.378), que
en los factores sociales (M=4.183±0.464). Según Mann-Whitney, los factores personales muestran diferencias
significativas atendiendo al sexo, tamaño del efecto bajo (Z=-2.261, p<0.024, r=0.126), mostrando las chicas valores
más elevados.

69
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Diferencias según la participación en las jornadas competitivas de la FRM: Se observan diferencias significativas en
ambas dimensiones al tener en cuenta la participación o no participación en las competiciones. Los chicos/as que
participan en las competiciones deportivas muestran actitudes más deportivas: factores personales (Z=-2.705,
p<0.007, r=0.154), factores sociales (Z=-2.813, p<0.005, r=0.160), aunque nuevamente el tamaño del efecto es bajo.

Diferencias según las distintas categorías: Atendiendo a los distintos grupos en función de las categorías, según la
prueba de contraste Kruskal-Wallis, aparecen diferencias significativas en ambas dimensiones: factores personales
(X2=24.332, p<0.001), y factores sociales (X2=22.119, p<0.001), existiendo un descenso de ambos factores entre el
paso de las categorías de minibasket y baloncesto.

Correlaciones entre las distintas dimensiones:En relación con el grado de asociación entre ambas dimensiones se
observó que había una relación directamente proporcional y significativamente alta, entre las dimensiones factores
personales y sociales (rs=0.542,p>0.001).

Los resultados muestran valores superiores en los factores personales, especialmente en las chicas, aspecto que
coincide con los estudios de Pelegrín (2002), y Gutiérrez y Pilsa (2006). No se aprecian diferencias significativas,
según sexo, en los factores sociales, datos que se contradicen con los obtenidos por Fernández-Río, Méndez-Giménez,
Cecchini, y González de Mesa (2012).

Los chicos/as que participan en las competiciones valoran más las actitudes deportivas, frente a los que no participan
en competiciones, aspecto que también señaló Gutiérrez y Pilsa (2006). En este sentido, según Fernández-Río et al.
(2012), los individuos que tenían mayor orientación hacia metas de rendimiento, solían presentar actitudes más
antideportivas. En la misma línea, Kavusanu, y Spray (2006) afirmaron que se ha demostrado que la competición
contribuye a que se den comportamientos antideportivos, por lo que es fundamental incluir programas formativos que
disminuyan dichas actitudes, datos que corroboran la necesidad de nuevos planteamientos pedagógicos-deportivos
como el de la FRM (Ortega et al., 2012).

Los deportistas pertenecientes a las categorías más pequeñas muestran mayor orientación hacia la deportividad, datos
que coinciden con lo expuesto por Gutiérrez y Pilsa (2006), y Gómez-Mármol et al., (2015). Además, existe una
correlación directa entre los factores personales y sociales, aspecto que también señalaron otros estudios relacionados
con la deportividad (Iturbide-Luquin y Elosua-Oliden, 2017; Lamoneda, Huertas, Córdobay García, 2014).

CONCLUSÃO
Se ha detectado valores superiores en los factores personales que en los factores sociales. Las chicas muestran valores
más elevados en los factores personales. Los deportistas que participan en las competiciones internas de la FRM
presentan actitudes más deportivas. Aparece un descenso de ambos factores entre el paso de las categorías de
minibasket y baloncesto. Finalmente, se observa correlación positiva entre las ambas dimensiones.

APOIO
Fundación Real Madrid

REFERÊNCIAS
Fernández-Río, J., Méndez-Giménez, A., Cecchini, J. A., y González de Mesa, C. (2012). Achievement Goals and
Social Goals’ Influence on Physical Education Students’ Fair Play.Revista de Psicodidáctica, 17(1), 73-91.

Iturbide-Luquin, L.M. y Elosua-Oliden, P. (2017). Los valores asociados al deporte: análisis y evaluación de la
deportividad. Revista de Psicodidáctica, 22(1), 29–36.

Kavussanu, M., y Spray, C. (2006). Contextual influences on moral functioning of male youth footballers. The Sport
Psychologist, 20, 1-23.

Lamoneda, J., Huertas, F. J, Córdoba, L J. y García A.V. (2014). Adaptación de la Escala Multidimensional de
Orientaciones hacia la Deportividad al contexto del fútbol alevín. Cuadernos de Psicología del Deporte, 14(2), 71-80.

Pinheiro, V., Camerino, O., y Sequeira, P. (2013). Recursos para potenciar el fair play en la iniciación deportiva.
RETOS. Nuevas Tendencias en Educación Física, Deporte y Recreación, 24, 97-99.

70
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ELEMENTOS DINÂMICOS DA FORMAÇÃO ESPORTIVA: CONSIDERAÇÕES DE


TREINADORES DE BASQUETEBOL
Carine Collet1; Alexandre Bobatto Tozetto1; Tayná Iha1; Juarez Vieira do Nascimento1; Humberto Jorge Gonçalves
Moreira de Carvalho1; Michel Milistetd1
Autor para correspondência: ca_collet@hotmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:Desenvolvimento esportivo; Categorias de formação; Basquetebol

INTRODUÇÃO
Os elementos dinâmicos do desenvolvimento esportivo, que correspondem ao envolvimento pessoal nas atividades, a
qualidade das relações e aos cenários apropriados (Côté, Turnnidge, & Vierimaa, 2016), devem interagir
constantemente e serem adequadamente combinados ao projeto esportivo para aumentar a qualidade dos programas
esportivos para jovens. Os treinadores esportivos são os agentes diretamente responsáveis pela condução desse
processo, os quais devem reconhecer as interferências e a importância desse conjunto de elementos para a formação
esportiva dos jogadores. Os treinadores possuem ainda um papel crucial na condução do desenvolvimento de
programas esportivos apropriados, que se concentram na valorização dos pontos fortes e dos recursos pessoais dos
atletas (Côté & Gilbert, 2009), além de serem os responsáveis por proporcionar a busca pelo desenvolvimento físico,
psicológico e social dos jovens durante o envolvimento com o esporte (Strachan, Côté, & Deakin, 2011). Diante disso,
o objetivo do presente estudo foi verificar a percepção dos treinadores catarinenses de basquetebol acerca das
atividades, relações interpessoais e contextos de prática no processo de formação esportiva de jovens jogadores de
basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
O estudo foi realizado por meio de entrevistas semiestruturadas e contou com a participação de 11 treinadores de
basquetebol do estado de Santa Catarina (denominados de T1 a T11), cinco do sexo feminino e seis do sexo
masculino, com média de idade de 35+10,88 anos. Os temas abordados na entrevista buscavam, inicialmente, a
descrição das características dos treinadores e, na sequência, questionava sobre a importância de cada um dos
elementos dinâmicos da formação esportiva (Côté et al., 2016). A interpretação dos dados foi realizada a partir da
análise temática indutiva, com o estabelecimento de subcategorias que emergiram das falas dos treinadores.

RESULTADOS
Os resultados indicaram que todos os treinadores reconhecem a importância da participação diversificada em
atividades físicas e esportivas, no sentido de experimentar diferentes modalidades (T1, T5, T8, T10, T11),
desenvolver habilidades básicas (T2, T3, T4, T5, T9) e o gosto pelo esporte (T2, T4, T10). O início do basquetebol
pode ocorrer a partir dos 9 anos (T1, T3, T5, T8), porém de forma lúdica e sem cobranças exageradas. O aumento da
exigência deve ser gradativo e de acordo com o perfil da equipe (T5, T8), sendo que a partir dos 13 anos (T1, T4, T6)
ou 15 anos (T2, T3, T5, T7) é possível especializar nas funções em quadra. Apesar de relatarem a importância do jogo
e do desenvolvimento tático, os treinadores relataram ter seu foco principalmente no que se relaciona com o
desenvolvimento de habilidades técnicas específicas para o basquetebol (T3, T4, T5, T9, T10).

No que se refere às relações interpessoais, os treinadores reconhecem a importância do envolvimento e incentivo dos
pais e familiares, principalmente de pais que já foram atletas (T5, T8, T10, T11), mas também destacam que os pais
podem ser responsáveis pelo abandono dos treinos por parte dos jogadores (T3, T4, T5, T7, T9), pelo excesso de
cobranças ou pela impossibilidade de levar até os ambientes de treino. Os treinadores se reconhecem como
responsáveis pelo processo de formação esportiva, porém muito próximos aos atletas, servindo de exemplo (T3) e
assumindo figura de pai/mãe (T1, T5, T7, T9, T10, T11) ou amigo (T4, T6, T10), inclusive com interações fora do
ambiente de treino, como grupos em redes sociais (T1, T2, T5). A influência dos pares também foi destacada, sendo
que os mais velhos servem de exemplos e assumem a função de auxiliar os mais novos (T3, T5, T8, T11) e que o

71
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

capitão deve ter características como liderança, responsabilidade, pontualidade e experiência (T1, T2, T3, T4, T5, T6,
T9, T11).

Além disso, os treinadores destacaram a importância dos ambientes de treinamento, a partir da necessidade de
ambientes estruturados e com materiais específicos para o desenvolvimento do basquetebol. Alguns treinadores
relataram ter à sua disposição grande número de materiais e estruturada qualificada (T4, T6, T10), tendo em vista que
atuam em escolas ou clubes particulares. Em contrapartida, a maioria dos treinadores relatou necessidade de melhores
materiais e estrutura mais adequada para o desenvolvimento de seu trabalho (T1, T2, T3, T5, T8, T11). Os treinadores
também destacaram o papel da escola como ambiente propício para desenvolver habilidades motoras gerais que
auxiliarão no posterior desenvolvimento do basquetebol, já que são poucos os espaços de prática espontânea (T9, T11)
e que a prática nos clubes depende de boas condições financeiras (T4, T8, T11).

Os resultados encontrados no presente estudo corroboram com estudos que abordam a formação esportiva de atletas a
partir da diversificação de atividades com aumento progressivo das exigências específicas no decorrer das categorias
(Côté et al., 2016). Além disso, o envolvimento com atividades lúdicas e que desenvolvam habilidades gerais como
importantes para a base do desenvolvimento esportivo para a posterior evolução do atleta em uma modalidade
específica (Milistetd, Mesquita, Nascimento, & Souza Sobrinho, 2010). Os pais, familiares e os pares são elementos
importantes para o auxílio no desenvolvimento esportivo, porém os treinadores são os principais condutores da
formação esportiva, inclusive assumindo diferentes papéis nesse processo (Côté & Gilbert, 2009). A qualidade da
estrutura do ambiente esportivo envolve manutenção e segurança dos equipamentos, local claro e seguro, boa
estrutura de treinamento, expectativas comportamentais e de treinamento adequadamente estabelecidas (Strachan et
al., 2011). Os contextos diversificados de prática também são importantes, principalmente a escola e entidades que
visam a formação esportiva, tendo em vista que podem promover o desenvolvimento cognitivo e benefícios esportivos
e educacionais imediatos e em longo prazo (Bradley, Keane, & Crawford, 2013).

CONCLUSÃO
Os treinadores de basquetebol do estado de Santa Catarina reconhecem a importância dos elementos dinâmicos da
formação esportiva, porém tais fatores devem ser adaptados à cultura de cada local e ao perfil dos atletas envolvidos.
Além disso, identifica-se uma tendência a sobrevalorização de ambientes estruturados para o desenvolvimento das
atividades esportivas, em virtude da importância dos treinadores na condução do processo e da influência dos pais e
dos pares no processo de formação esportiva.

REFERÊNCIAS
Bradley, J., Keane, F., & Crawford, S. (2013). School sport and academic achievement. Journal of School Health,
83(1), 8-13.

Côté, J., & Gilbert, W. (2009). An integrative definition of coaching effectiveness and expertise. International Journal
of Sports Science & Coaching, 4(3), 307-323.

Côté, J., Turnnidge, J., & Vierimaa, M. (2016). A personal assets approach to youth sport. In K. Green & A. Smith
(Eds.), Routledge Handbook os Youth Sport (pp. 243-255). New York: Routledge.

Milistetd, M., Mesquita, I., Nascimento, J. V., & Souza Sobrinho, A. E. P. (2010). Concepções de treinadores
“experts” brasileiros sobre o processo de formação desportiva do jogador de voleibol. Revista Brasileira de Educação
Física e Esporte, 24(1), 79-93.

Strachan, L., Côté, J., & Deakin, J. (2011). A new view: exploring positive youth development in elite sport contexts.
Qualitative Research in Sport, Exercise and Health, 3(1), 9-32.

72
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

A ESPECIALIZAÇÃO ESPORTIVA PRECOCE NA CONCEPÇÃO DE TREINADORES


DE JOVENS DE BASQUETEBOL
Tayná Iha1; Carine Collet1; Alexandre Vinicius Bobato Tozetto1; Vitor Ciampolini1; Juarez Vieira do Nascimento1;
Michel Milistetd1
Autor para correspondência: taynaiha@gmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:pedagogia do esporte; coaching esportivo; criança

INTRODUÇÃO
A especialização esportiva precoce (EEP) é um tema recorrente entre treinadores de diferentes modalidades
esportivas, sejam elas individuais ou coletivas (Bridge & Toms, 2013; Gullich & Emrich, 2014). Tal tema é entendido
como a especialização de uma criança em determinado esporte em idade inferior a apropriada, geralmente antes da
puberdade, em que há o envolvimento em treinamentos regulares com o intuito de performance e participação em
competições (Kunz, 1994).

No Brasil, em regiões que oferecem competições infantis organizadas por federações, parece haver uma tendência de
especializar precocemente crianças e jovens em função da busca pelos melhores resultados (Milistetd, Nascimento,
Silveira, & Fuverski ,2014). Muitas vezes o mesmo treinador de atletas em formação também trabalha com crianças e
jovens em fases iniciais de envolvimento esportivo, o que aponta-se pela importância de compreender a perspectiva
destes profissionais a respeito do processo de EEP. Assim, o presente estudo tem como objetivo apresentar a
concepção de treinadores de basquetebol de Santa Catarina a respeito da especialização esportiva precoce.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 11 treinadores de categorias de base de basquetebol de Santa
Catarina (denominados de T1 a T11) de sete cidades, sendo seis do sexo masculino e cinco do sexo feminino, com
idade média de 35 ± 10,88 anos. Os resultados foram analisados por meio de análise temática indutiva (Braun &
Clarke, 2006).

RESULTADOS
A EEP foi apresentada pelos treinadores em três diferentes temas centrais. O primeiro expõe características da
especialização, denominado por “Definição da EEP”; o segundo apresenta o que a EEP pode causar, sendo
denominado como “Consequências da EPP”; e o terceiro apresenta alguns contrapontos a paradigmas do tema,
intitulado “Contrapondo Paradigmas”.

Os treinadores apresentaram no primeiro tema quatro características centrais para definir a EEP, sendo elas: a) não
desenvolvimento do atleta (T2, T3, T4, T6, T7, T10, T11), b) cobrança excessiva (T1, T4, T6, T10, T11), c) ausência
da diversificação esportiva (T2, T3, T6, T11) e d) busca exacerbada por resultados (T4, T7).

Na primeira categoria (não desenvolvimento do atleta) foi relatado que a EEP correspondente a não favorecer o
desenvolvimento do atleta, ou seja, não respeitar a faixa etária em que ele se encontra, não desenvolvê-lo de forma
geral até a maturação, especializá-lo cedo em uma posição para alcançar resultados imediatos e não otimizar o
treinamento para que ele chegue ao seu potencial. No estudo de Bridge e Toms (2013) é apresentado que aqueles
atletas que atingiram o seu potencial e competiram no nível nacional, durante os 13 a 15 anos participaram de outras
modalidades esportivas além da sua principal, o que sugere que a diversificação contribui para o desenvolvimento do
atleta.

Na segunda categoria (cobrança excessiva) foi relatado que a EEP diz respeito a assemelhar a criança a um adulto, em
que se cobra dela coisas que não são compatíveis a sua faixa etária, entre elas as obrigações e compromissos
demandados pelo esporte em que se está especializando, bem como cobranças por desempenho e, consequentemente,
por resultados. Isso pode ser reflexo da iniciação de crianças muito novas no esporte e pelas poucas mudanças

73
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

estruturais e funcionais que algumas modalidades providenciam para elas, o que pode favorecer a semelhança com
competições adultas, incluindo suas cobranças (Milistetd et al., 2014).

Além disso, os treinadores abordados relataram que a EEP corresponde à não diversificação (terceira categoria), em
que a criança participa apenas da modalidade específica e não se envolve com outras atividades, assim ela não
desenvolve diferentes habilidades ou segmentos corporais. Bridge e Toms (2013) apresentaram em seu estudo que
atletas de 16 a 18 anos que estavam competindo em nível nacional não praticavam o seu esporte principal aos 7 ou 9
anos de idade, o que contribui no entendimento de que a especialização cedo em um único esporte não prediz o
sucesso no mesmo.

Por fim, também foi relatado que a busca exacerbada por resultados (quarta categoria) é uma das características da
EEP, em que se coloca a vitória acima de tudo.

No segundo tema apresentado pelos treinadores tem-se a consequência da EPP, sendo a desistência do esporte (T1,
T2, T8, T9, T10) a mais referida. A desistência foi relatada como resultado do cansaço do atleta com a modalidade,
pelo modo como ele é tratado, pelo volume excessivo de treinamento, pelas lesões recorrentes, pelo estresse
psicológico e até mesmo pelas frustrações causadas. Tais resultados corroboram com os achados de Milistetd et al.
(2014), em que apresenta que a demanda exigida pela participação prematura em competições pode gerar cargas
excessivas sobre a criança de tal modo que pode levá-la ao abandono do esporte.

Por fim, no terceiro tema foram apresentados alguns contrapontos de treinadores à paradigmas já existentes. O
primeiro (T11) relatou que a iniciação a um esporte específico cedo não deve ser visto como um problema, desde que
dentro desse esporte a criança seja exposta a diferentes estímulos; o segundo treinador (T8) trouxe que a vitória não
deve ser vista como um problema, pelo contrário, ela é um motivador da prática, entretanto as crianças devem ser
preparadas também para a derrota para que isso não seja um agente desmotivador; por fim o terceiro treinador (T5)
defendeu que não é o tipo de atividade fornecida pelo treinador que define se há EEP ou não, mas a forma com que
esta atividade é conduzida no contexto.

CONCLUSÃO
Os treinadores entrevistados estão conscientizados sobre o que é a especialização esportiva precoce, bem como suas
consequências. Além disso trazem contrapontos a paradigmas existentes, o que sugere que os treinadores têm refletido
criticamente sobre o tema, o que se acredita recair em uma prática profissional consciente.

APOIO
Federação Catarinense de Basketball

REFERÊNCIAS
Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-
101.

Bridge, M. W., & Toms, M. R. (2013). The specialising or sampling debate: a retrospective analysis of adolescent
sports participation in the UK. Journal of Sports Sciences, 31(1), 87-96.

Güllich, A., & Emrich, E. (2014). Considering long-term sustainability in the development of world class
success. European Journal of Sport Science, 14(sup1), S383-S397.

Kunz, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 1994.

Milistetd, M., do Nascimento, J. V., Silveira, J., & Fusverki, D. (2014). Análise da organização competitiva de
crianças e jovens: adaptações estruturais e funcionais. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(3), 671-678.

74
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

VARIATION IN PERCEIVED COLLECTIVE EFFICACY IN ADOLESCENT


BASKETBALL PLAYERS ACROSS A 4-MONTH COMPETITIVE SEASON
André Luiz de Almeida Soares1; Felipe Goedert Mendes1; Caio Garbo Miguel1; Carlos Ewerton Palheta1; Luísa
Duarte Kós1; Fabrício João Milan1; Carine Collet1; Humberto Moreira Carvalho1
Autor para correspondência: asoares_fef012@hotmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:basketball; youth sports; perceived collective efficacy

INTRODUÇÃO
Basketball performance demands, besides individual performance, interaction with teammates and coaches to achieve
optimal performance. Perceived collective efficacy reflects a group’s shared belief in its capacity to organize and
execute some actions to achieve those goals (Bandura, 1997). In particular, perception of collectivity, teamwork and
cooperation consist in the participation of athletes of the same group to achieve common goals. Athletes’ perception
about their own and their colleagues’ competences and capacities may influence in their development and
achievement of higher levels. Age-related changes influence directly in youth players’ physical and physiological
functions. Also, it is likely that psychological and behavioral characteristics will also develop during adolescence.

The Collective Efficacy Questionnaire for Sports (CEQS) (Short et al., 2005) was developed and validated to examine
the individuals´ perception of collective efficacy levels. CEQS is composed by a 5-factor, 20-item structure; these
factors include Ability, Effort, Preparation, Persistence and Unity. To our best knowledge, data with young basketball
players’ perceptions of collective efficacy is scarce. Thus, the aim of this study was to assess the changes of perceived
collective efficacy among young basketball players across a 4-month competitive season.

MATERIAIS E MÉTODOS
We used a pre-post design. Athletes were measured in August 2017 (baseline) and four months later (follow-up).
Sixty-five adolescent male basketball players aged 13.7 (9.5 to 17.3) years at baseline were considered. Players were
engaged in a structured basketball training program within a club in metropolitan region of São Paulo. Players were
grouped by competitive age categories, which participated in state level competition supervised by the official
basketball body in São Paulo, Brazil (Federação Paulista de Basketball). Perceived collective efficacy was measured
using the Portuguese version of the Collective Efficacy Questionnaire for Sports (CEQS) (Paes, 2014). We used
multilevel modeling to examine variation of perceived collective across the 4-month competitive season. Since
players were grouped by age categories (under-11, under-13, under-15 and under-17), we assumed a hierarchical
structure, where measurements (level-1) were nested within players (level-2), that were nested within age group teams
(level-3). We allowed for CEQS scores to vary at baseline (intercept) and between measurements (slope describing
changes across the 4-month competitive season).

RESULTADOS
All factors had great values for all sample data. For Ability we observed a substantial decrease (-0.29; CI95% -0.58,
0.00) considering athletes’ age, after four months of training and competition compared to baseline for all sample.
Variability between age groups has showed considerable values for all factors – Ability (0.78); Effort (0.71);
Persistence (0.69); Preparation (0.54); Unity (0.88) comparing baseline to last observation. In Preparation (-0.13;
CI95% -0.23,-0.01) factor scores for older age groups were lower than youngers. It was also possible to verify a high
variability between subjects in Persistence (0.35) and Unity (0.32) factors.

In this study, we have examined differences between male adolescent basketball players engaged in a structured
training and competitive program. High levels of perceived collective efficacy were evident in all age groups, what
could infer that all players, even with different levels of competition and experience, showed their perception about
basketball were great.

75
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Differences between subjects and between competition age groups were analyzed. In all sample data, we have found
some negative influence of chronological age only in Ability factor. In general, there was a tendency in perceived
collective efficacy to be lower in older age groups. It seems that main influences in scores were not related by
chronological age but to the group they participated. Therefore, it may also be related to other factors we did not
consider in this study related to training and learning environment (e.g. years of practice, competition level, number of
games, coach, family support).

In this study, we had different levels of teams; some were fighting for the best championship positions while others
were fighting to not be disqualified before finals. These special aspects like pressure to beat their opponents; stressful
to deal with family, teammates and coaches in a such hard and complex moment; and high levels of resilience
demanded in competition may influence in athletes’ perceptions about themselves and their peers in front of these
challenges.

CONCLUSÃO
Collective efficacy influences in team’s motivational commitment in practice to complete their tasks and consequently
achieve higher levels, overcoming their impediments (Bandura, 1997). It is important for coaches and practitioners to
consider it as an important aspect in player development and progression in basketball career.

Environment and context may influence in youth athletes’ collective efficacy perception. Our data showed those who
were younger had higher scores than older; it could be caused by different characteristics to develop in sports
program. In this sample, those who were younger seemed to have better conditions to persist practicing basketball due
to family involvement, number of coaches and available gyms to practice and to play games. As much as they become
older, their perceptions were negatively affected. It should be a reflection of social context due to city situation,
instability in social conditions and hard access for good education programs. As much as players get older, their
perception may be influenced by the difficult they face in higher levels of competition, training and complexity in
basketball game.

Limitation:

We assume the limitation of our study is that we did not compute number of games, years of practice and coach
influence in each age group. Further research should consider some of these aspects to examine youth collective
efficacy perception.

APOIO
First author had financial support by Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).
Authors recognize contributions from Federação Catarinense de Basketball (FCB).

REFERÊNCIAS
Bandura, A. (1997). Self-efficacy: the exercise of control. New York: W. H. Freeman and Company.

Carvalho, H. M., Gonçalves, C. E., Collins, D., & Paes, R. R. (2018). Growth, functional capacities and motivation
for achievement and competitiveness in youth basketball: an interdisciplinary approach. Journal of Sports Sciences,
36(7), 742-748. doi:10.1080/02640414.2017.1340654

Mirwald, R. L., Baxter-Jones, A. D. G., Bailey, D. A., & Beunen, G. P. (2002). An assessment of maturity from
anthropometric measurements. Medicine & Science in Sports & Exercise, 34(4), 689-694. doi:10.1097/00005768-
200204000-00020

Paes, M. J. (2014). Validação do Collective Efficacy Questionnaire for Sports (CEQS) para atletas brasileiros.
(Mestrado em Educação Física, Dissertação), Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Short, S. E., Sullivan, P., & Feltz, D. L. (2005). Development and preliminary validation of the Collective Efficacy
Questionnaire for Sports. Measurement in Physical Education and Exercise Science, 9(3), 181-202.
doi:10.1207/s15327841mpee0903_3

76
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

¿SE REDUCEN LAS VIOLACIONES SI SE ENTRENAN LAS REGLAS EN


BALONCESTO?
Cristian Carretero1; Pedro Sáenz-López1; José Antonio Rebollo1; Celestina Vizcaíno1,2
Autor para correspondência: criistiancr96@gmail.com
1
Universidad de Huelva, España; 2CEIP José Oliva, España

PALAVRAS-CHAVE:Violaciones; Reglas; Baloncesto

INTRODUÇÃO
En el conjunto de deportes colectivos y en el que nos ocupa, el baloncesto, el reglamento constituye un elemento
estructural y diferenciador del juego. En este sentido, determina las condiciones en las que los jugadores se relacionan
con el balón, el espacio, el tiempo, los compañeros y los adversarios (Lagardera y Lavega, 2003). En este sentido, el
baloncesto es un juego de resolución de problemas e incidiendo en este aspecto autores como Morcillo, Cervara y
Coba (2012) manifiestan que, para aprender los contenidos técnicos- tácticos, hay que priorizar en los
comportamientos vivenciados de los jugadores, partiendo de una metodología que parta de la inestabilidad emotivo-
conductual que provoca el entorno del juego. Wrigh (2014) recoge la necesidad de abrir y debatir en torno a líneas de
investigación relacionadas con las reglas y su implementación en el deporte.

En base a estas necesidades, en el presente estudio, se pretendió analizar la influencia de una intervención específica
sobre el aprendizaje de las reglas durante los entrenamientos en la disminución de violaciones y faltas durante la
competición.

MATERIAIS E MÉTODOS
La muestra de estudio estuvo compuesta por 38 jugadoras, con edades comprendidas entre 12 y 14 años, todos
pertenecientes a la misma categoría. Esta categoría estaba compuesta por 6 equipos de baloncesto de diferentes clubes.
De estos equipos se escogió uno de ellos para llevar acabo la intervención. Este grupo experimental (GE) estaba
compuesto por 11 jugadoras y un grupo control compuesto por 27 jugadoras de tres equipos distintos.

Para el estudio se usó un diseño cuasi-experimental de mediciones sucesivas (Sampieri, Fernández, y Lucio, 2006). En
este diseño los individuos no fueron asignados al azar a los grupos. Los grupos ya estaban formados antes del
experimento. Las variables dependientes en este trabajo fueron las derivadas de las infracciones del juego (faltas
personales y violaciones del reglamento). La variable independiente ha sido el entrenamiento basado en la enseñanza
de las reglas consideradas más importantes y de mayor violación durante los partidos.

Los datos fueron recogidos a través de la observación de los 6 partidos grabado en video íntegramente. Estos se re-
arbitraban por parte del equipo investigador y en caso de desacuerdo, prevalecía la decisión que el árbitro había
tomado.

RESULTADOS
El programa de entrenamiento duró 3 semanas y se dividió en una parte teórica y una práctica. Cada entrenamiento se
dedicaba al aprendizaje de una regla (pasos, dobles, faltas, reglas de tiempo, reglas de espacio). A las jugadoras se les
enviaba previamente por WhatsApp un resumen de la regla en cuestión y en el entrenamiento se les daba una
fotocopia con lo esencial de esa regla. Al comienzo se explicaba y se preguntaban dudas. Paralelamente se hacían un
par de actividades específicas y durante el entrenamiento los feedback se focalizaban en la regla en cuestión. Para ello
se contaba con un árbitro, el entrenador y un ayudante. Asimismo, los datos de los partidos de ida (pretest) fueron
facilitados a las jugadoras para su análisis individual.

Los resultados indican que en el grupo control (GC) las violaciones se mantienen (26-26), mientras en el grupo
experimental (GE), hay un descenso considerable de 27 a 20.

77
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Con relación a las faltas, se observa una disminución en ambos grupos, de 72 a 45 en el GC, y más acentuada en el
GE, de 98 faltas a 53. En las faltas se observa un descenso significativo en el uso ilegal de las manos (31-1) y contacto
sobre la mano de 19 a 13, como aspectos más significativos.

En esta investigación se estudiaron los efectos en las violaciones y faltas en competición de un programa de
entrenamiento específico en el aprendizaje de las reglas. Se ha demostrado que dedicar atención a las reglas en los
entrenamientos suele tener efectos positivos en la competición a pesar de las escasas investigaciones realizadas
(Fernández, Vizcaíno, Sáenz-López, Rebollo, 2015). Se hace necesario, por tanto, elaborar y evaluar programas de
intervención en este aspecto relevante del aprendizaje del juego (Wrigh, 2014). Además, la colaboración de un árbitro
en los entrenamientos abre una puerta de colaboración entre federaciones y clubes de especial importancia en las
categorías de formación.

CONCLUSÃO
Se concluye afirmando que dedicar tiempo en los entrenamientos al aprendizaje reflexivo y específico de las reglas,
tienen una influencia directa en la disminución de violaciones y faltas en los partidos

APOIO
Universidad de Huelva y Conquero

REFERÊNCIAS
Fernández, E.J.; Vizcaino, C.; Sáenz-López, P. & Rebollo, J. A. (2015). Influencia de enseñar minibasket desde las
reglas en la disminución de las infracciones reglamentarias. Cuadernos de Psicología del Deporte, 15(3), 275-284.

Lagardera, F. & Lavega, P. (2003). Introducción a la praxiología motriz. Barcelona: Paidotribo.

Morcillo, J. A., Cervera, F. J. & Coba, R.M. (2012). Neuropsicología aplicada a las teorías de la complejidad y el
aprendizaje. Revista de Ciencias de la Actividad Física y el Deporte, 39, 49- 61.

Sampieri, R. H., Fernández, C. C., & Lucio, P. B. (2006). Metodología de la investigación. México: McGraw Hill.

Wright, M. (2014). OR analysis of sporting rules – a survey. European Journal of Operation Research, 1(8), 232,
259.

78
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

INFLUENCIA DE UN MODELO ALTERNATIVO DE COMPETICIÓN SOBRE LA


ANSIEDAD EN JÓVENES DEPORTISTAS
Jorge Franco Martín1; José Robles Rodríguez2; Manuel Tomás Abad Robles2; Javier Durán González3; Francisco
Javier Giménez Fuentes-Guerra2; Ana Concepción Jiménez Sánchez3; Gema Ortega Vila1
Autor para correspondência: jfranco.fundacion@ext.realmadrid.es
1
Fundación Real Madrid; 2Universidad de Huelva; 3Universidad Politécnica de Madrid

PALAVRAS-CHAVE:Baloncesto; Competición; Ansiedad

INTRODUÇÃO
La competición es un elemento imprescindible de la práctica deportiva que debe ayudar al desarrollo integral de los
jóvenes deportistas (Reverte-Macías, Mayolas, Adell y Plaza, 2009). Pero, en ocasiones, la competición puede llevar a
los practicantes a situaciones mentales de ansiedad y estrés, debido a su inadecuada utilización (Ries, Castañeda,
Campos y Del Castillo, 2012; Urra, 2014). Desde el punto de vista educativo y formativo, es primordial que la
ansiedad durante las primeras etapas de formación se reduzca al máximo (López, Pineda y Tomás, 2015). En este
periodo será necesario huir de una práctica excesivamente competitiva, y centrarse en las características educativas
que puede tener el deporte de base, baloncesto en nuestro caso, cuando está bien orientado y planificado (Contreras,
De la Torre y Velázquez, 2001). En los últimos tiempos están apareciendo nuevos modelos deportivos que
contribuyen al fomento de valores (Ortega, et al., 2012) que facilitan la disminución de ansiedad competitiva (García-
Mas, et al., 2011; Veroz, Yague y Tabernero, 2015). De esta forma, el objetivo del presente estudio fue conocer cómo
influye el modelo de competición de la Fundación Real Madrid (FRM) en la ansiedad competitiva de los deportistas.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participantes: En el estudio tomaron parte 320 jugadores y jugadoras pertenecientes a las Escuelas Sociodeportivas
de Baloncesto de la FRM, de los que el 69.4% (n=222) fueron chicos y el 30.6% (n=98) chicas.

Instrumento: Se utilizó la Sport Anxiety Scale-2 (SAS-2) de Smith, Smoll, Cumming, & Grossbard (2006), adaptada
y validada al español por Ramis, Torregrosa, Viladrich, y Cruz (2010).

Las propiedades psicométricas del cuestionario con la muestra del presente estudio, obtuvo una fiabilidad α=0.78.

Procedimiento: La investigación se llevó atendiendo a lo establecido en la Ley Orgánica 15/1999 de 13 de diciembre,


de Protección de Datos y bajo los criterios de la junta de revisión de ética de FRM. El cuestionario fue aplicado
durante la temporada 2016/17.

Análisis estadístico: Se llevó a cabo un análisis descriptivo y prueba de normalidad. Como prueba de contraste para
variables independiente, se utilizó la U de Mann-Whitney, y para las comparaciones intergrupales, la prueba de
contraste Kruskal-Wallis, con ajuste de Bonferroni. Se calculó el tamaño del efecto (Field, 2009). Las correlaciones se
realizaron mediante el coeficiente de correlación de Spearman. El programa estadístico utilizado fue el SPSS 21.0.

RESULTADOS
Valoración en función del género

La dimensión preocupación es la que obtuvo valores más elevados (M=2.432±0.766), respecto al resto de
dimensiones, ansiedad somática (M=1.400±0.486) y preocupación (M=1.657±0.540). Atendiendo a las diferencias en
cuanto al género, no se detectaron diferencias significativas.

Diferencias según la participación en las jornadas competitivas de la FRM

Al analizar los datos diferenciando chicos y chicas que participaban en las jornadas competitivas y los que no, se
observaron diferencias significativas en las tres dimensiones analizadas. Los deportistas que participaban en las
competiciones deportivas presentaron menos ansiedad competitiva: ansiedad somática (Z=-1.961, p<0.05, r =0.112),
preocupación (Z=-1.989, p<0.047, r=0.113) y desconcentración (Z=-2.179, p<0.029, r =0.124), siendo el tamaño del
efecto bajo.

79
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Diferencias según las distintas categorías

Atendiendo a las categorías, y según la prueba de contraste Kruskal-Wallis, no existieron diferencias significativas
entre ellas.

Correlaciones entre las distintas dimensiones

La correlación de Spearman mostró una relación lineal directamente proporcional entre las diferentes dimensiones. La
ansiedad somática apareció correlacionada positivamente con la dimensión preocupación (rs=0.199, p>0.001), y con
la dimensión desconcentración (rs=0.320, p>0.001). Igualmente, la dimensión preocupación presentó correlación con
la dimensión desconcentración (rs=0.288, p>0.001).

La ansiedad competitiva durante la etapa de formación deportiva es una preocupación palpable en nuestra sociedad.
Tradicionalmente, ésta ha sido analizada buscando su relación con el rendimiento deportivo (Montero et al., 2012), sin
embargo, determinados modelos pedagógico-deportivos que tienen como eje fundamental el desarrollo integral del
individuo, anteponiendo el desarrollo de valores personales y sociales al éxito deportivo (Ortega, et al., 2012), tratan
de relacionar la ausencia de ansiedad con una práctica deportiva integradora, educativa y divertida. En este sentido, el
estudio realizado muestra que los chicos y chicas de las Escuelas Sociodeportivas de Baloncesto de la FRM no
presentan diferencias significativas en relación con la ansiedad percibida ante la competición, aspecto que coinciden
con los obtenidos por Guillény Álvarez-Malé (2010), mientras que se contraponen a los obtenidos por Arbinaga,
2013; Patel, Omar,y Terry (2010); Ponseti, García, Cantallops, y Vidal (2017).

Respecto a la ansiedad percibida en función de la participación o no en las competiciones internas de la FRM, se


percibe que los deportistas que sí compiten presentan menores niveles de ansiedad, lo que coincide con los estudios de
Pinto y Vázquez (2013), Chamberlain y Hale (2007).

En función de las categorías, no se contemplaron diferencias significativas en relación con la ansiedad percibida, datos
que no coinciden otros estudios similares en los que se observó un aumento significativo entre las categorías infantil y
cadete (Pons, Ramis, García-Mas, López de la Llave, y Pérez-Llantada, 2016; Rodríguez, Sánchez, Mena, Fuentes,
Castaño, y Pérez, 2017). En este sentido, cabe destacar que la literatura no se ha mostrado unánime respectoa la idea
de que la ansiedad se relacione con la edad del jugador (Modroño y Guillen, 2011). Finalmente, los datos mostraron
una correlación directa entre las tres subescalas, aspecto que también señalan el estudio de Pons, et al. (2016).

CONCLUSÃO
No se contemplan diferencias en función del género respecto a la ansiedad competitiva. Los deportistas que participan
en las competiciones internas de la FRM muestran menos ansiedad que los que no participan. Tampoco se han
encontrado diferencias entre las categorías. Finalmente, se observa correlación positiva entre las diferentes subescalas.

APOIO
Fundación Real Madrid

REFERÊNCIAS
Modroño, C.; y Guillen, F. (2011). Anxietycharacteristics of competitivewindsurfers: Relationshipswithage, gender,
and performance outcomes. Journal of Sport Behavior,34, 281–294.

Patel, D. R.; Omar, H.; Terry, M. (2010). Sport-related performance anxiety in young female athletes. Journal of
Pediatric and Adolescent Gynecology, 23(6), 325-335.

Pons, J.; Ramis, Y.; García-Mas, A.; López de la Llave, A.; Pérez-Llantada, M.C.(2016). Percepción de la Ansiedad
Competitiva en relación al Nivel de Cooperación y Compromiso Deportivo en Jugadores de Baloncesto de
Formación. Cuadernos de Psicología del Deporte, 16(3), 45-54.

Ponseti, F. X.; Garcia, A.; Cantallops J.; Vidal, J. (2017). Diferencias de sexo respecto de la ansiedad asociada a la
competición deportiva. Retos: nuevas tendencias en educación física, deporte y recreación, 31, 193-196.

Urra, B. (2014). Evaluación de la efectividad del entrenamiento de estrategias de afrontamiento en el nivel de


ansiedad precompetitiva en tenimesistas. Revista de psicología del deporte, 23(1), 67-74.

80
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANALISIS COMPARATIVO DE LA PERCEPCIÓN DE ESFUERZO ENTRE JUGADOR


Y ENTRENADOR, EN COMPETICIÓN DE MINIBASKET
Maite Fuentes Azpiroz1; Sebastian Feu Molina2; Julio Calleja Gonzalez1; Ana Concepcion Jimenez Sanchez3
Autor para correspondência: maite.fuentes@ehu.eus
1
Universidad del Pais Vasco UPV/EHU; 2Universidad de Extremadura; 3Universidad Politécnica de Madrid

PALAVRAS-CHAVE:Percepción de Esfuerzo; Jugador Y Entrenador; Minibasket

INTRODUÇÃO
En los estudios revisados sobre la percepción subjetiva de esfuerzo (RPE) en deportes, se analiza la importancia de
conocer la RPE por parte del entrenador y de los jugadores, con el objeto de que los entrenadores puedan tener una
visión general del control de la carga de la competición. En este sentido Del Campo (2004), observa diferencias
significativas entre la valoración del entrenador y la percepción de la intensidad de los entrenamientos de los
jugadores de baloncesto. En otro análisis posterior, Peres & Del Campo (2011), no encuentran diferencias
significativas respecto a la RPE expresada por los jugadores, entrenadores y preparadores físicos en baloncesto
masculino. Dicha divergencia y ante la escasez de trabajos y con resultados contradictorios, evidencian el
desconocimiento de esta herramienta no sólo en deportes de equipo, sino en baloncesto, en donde no hay realizadas
investigaciones para poder comprobar su eficacia. Por tanto, el objeto de nuestro estudio es conocer la RPE percibida
por los entrenadores y jugadores en Minibasket.

MATERIAIS E MÉTODOS
Se diseñó un estudio transversal, descriptivo y ex post facto, para el análisis de la RPE de los deportistas, utilizando
una encuesta para recabar información sobre las condiciones del entrenamiento. Participaron 150 deportistas (67 niños
y 83 niñas), con una edad media de 11.34 ± 0.48 años, y 25 entrenadores (19 hombres y 6 mujeres). Se realizaron 230
registros de RPE utilizando la escala pictórica de Eston & Parfitt (2007) analizados a través de un descriptivo,
inferencial y correlacional, empleándose pruebas no paramétricas al no cumplirse la distribución normal de los datos.

RESULTADOS
Los entrenadores valoraron la RPE en sus jugadores como moderada (M= 4.66±1.82). No se encontraron diferencias
significativas en la RPE indicada por los entrenadores en función del sexo de los/as deportistas (U= 5060.00; p=.060),
fase del campeonato (X2=.535; p=.765) y grado de equilibrio del partido (X2= 5.532; p=.063). Sin embargo, si se
encontraron diferencias significativas en la percepción del entrenador en función de la victoria (M= 3.91±1.46) o
derrota (M= 4.98±1.59) en el partido (U= 5265.00; p<.05; d=.34). Los resultados de los análisis estadísticos muestran
que existe una correlación significativa de la RPE media de los jugadores y del entrenador en los cuatro periodos
(rs=.374; p<.01) predominando una RPE de intensidad moderada. Investigaciones realizadas en natación evidencian
diferencias significativas entre la RPE de atletas y entrenadores (p < .003) en entrenamiento de baja (RPE ≤ 2) y alta
intensidad (RPE ≥ 5), indicando como causa de esta diferencia la falta de comunicación entre los nadadores y
entrenadores y un pobre control de las variables de entrenamiento (Wallace et al., 2008). En esta misma línea, datos
obtenidos en atletismo indican que existen diferencias significativas (p < .05) entre la RPE expresada por los
entrenadores y los atletas en sesiones de baja intensidad (RPEentre. = 1.8 ± 0.5 vs. RPEjug. = 2.4 ± 1.4; p < .05), y de alta
intensidad (RPEentre. = 7.1 ± 1.2 vs. RPEjug. = 6.2 ± 2.5). No observándose diferencias significativas para sesiones de
intensidad intermedia. Sin embargo, en baloncesto o en otros deportes de equipo, no existen muchas referencias
previas con las que poder cotejar nuestros datos. Al haber expresado que la RPE (4,41±1,61) de la competición de
Minibasket (Fuentes et al. 2017), se sitúa en un rango de actividad de intensidad moderada, observamos que los datos
expresados por los entrenadores correlacionan significativamente (rs = .347; p < .01) con los que reflejan los
jugadores y, por tanto, no estarían en desacuerdo con los estudios anteriormente citados. En baloncesto, en
entrenamientos, se encuentran diferencias significativas (p < .05) entre la valoración del entrenador y la percepción de
los jugadores; sin embargo, no se observan dichas diferencias en las sesiones específicas de preparación física (Del
Campo, 2004). Por el contrario, en entrenamientos técnicos de baloncesto, se han obtenido resultados en los cuales la
RPE de los jugadores coincide con la del entrenador (RPEentren. = 12.37 y RPEjug. = 12.71), (Peres & Del Campo,

81
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

2011). En este punto, es necesario recordar que existen dos métodos para medir la RPE: producción y estimación. En
nuestro trabajo, se recurrió al método de estimación, en el cual el sujeto expresa su RPE para indicar el nivel de
dureza de la actividad en cada momento (Eston & Parfitt, 2007). Consideramos que esto puede ser una limitación
importante, ya que los estudios que confirman las relaciones existentes entre variables fisiológicas, cuando el esfuerzo
se presenta fundamentalmente de forma incremental, han utilizado el paradigma de estimación (Lamb et al. 2008).

Por ello, consideramos que la RPE, utilizando un paradigma de estimación, es un método de aproximación para
expresar la intensidad de la competición de Minibasket, existiendo una correlación significativa entre la percepción de
los jugadores y la del entrenador en competición siendo un dato novedoso que aún no podemos contrastar, dado que
no existen otros estudios para cotejar los datos, observando la carencia de información existente en este campo.

CONCLUSÃO
La RPE expresada por el entrenador coincide con la RPEmedia de los participantes de la competición, lo que nos indica
que la utilización de este índice puede ser válida para el entrenador con el fin de conocer la intensidad del esfuerzo del
partido.

REFERÊNCIAS
Del Campo, J. (2004). La intensidad del entrenamiento en jugadores de baloncesto medida a través de la percepción
del esfuerzo y la fatiga. No Publicada. UPM, Escuela Técnica Superior de Arquitectura, Madrid.

Eston, R. G., & Parfitt, G. (2007). Effort perception. In N. Armstrong (Ed.), Paediatric exercise physiology (pp. 275-
297). London: Elsevier.

Fuentes, M.; Jimenez, A.C.; Feu, S., & Calleja, J. (2017). Percepción de esfuerzo en minibasket en función de la
cineantropometía y género. Revista de Psicología del Deporte, 26(1),125-134.

Peres, D., & Del Campo, J. (2011). Evaluación de la intensidad del entrenamiento de baloncesto a través del salto
vertical y RPE. Efdeporte, 15(152), Recuperado el 15 de Enero de 2011, de http://www.efdeportes.com/efd152/la-
intensidad-del-entrenamiento-de-baloncesto.htm

Wallace, L., Coutts, A. J., Gordon, J. B., Simpson, N., & Slattery, K. (2008). Using session-RPE to monitor training
load in swimmers. The Journal of Strength and Conditional Research, 30(6), 72-76.

82
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

LOS VALORES PERSONALES Y DEPORTIVOS, LAS ORIENTACIONES DE META Y


LAS ACTITUDES EN EL BALONCESTO DE FORMACIÓN
Francisco L. Adell1; Isabel Castillo1; Octavio Álvarez1; Pedro Sáenz-López2
Autor para correspondência: francisco.l.adell@uv.es
1
Universitat de València (España); 2Universidad de Huelva (España)

PALAVRAS-CHAVE:Valores; Motivación; Actitudes

INTRODUÇÃO
A pesar de la extendida consideración del baloncesto como herramienta transmisora de valores, en el área de la
Psicología del deporte son escasos los trabajos que han planteado el estudio de los valores humanos en el deporte
teniendo en cuenta un marco teórico relevante que sustente la relación entre las variables que se analizan (Adell y
Castillo, 2016).

Una de las teorías más relevantes del ámbito de los valores es la Teoría de los Valores Humanos de Schwartz (1992)
que defiende la existencia de diez tipos de valores (logro, poder, seguridad, tradición, conformidad, benevolencia,
universalismo, autodirección, estimulación y hedonismo) que son diferentes motivacionalmente, y que forman una
estructura circular, donde los valores se relacionan entre si de forma dinámica, de forma que los valores que se
encuentran más cerca entre si se complementan, mientras que los más alejados se contradicen.

Teniendo en cuenta esta perspectiva motivacional de los valores, y en un intento de integrar los valores y la
motivación en el deporte, Lee (1995) diseñó un modelo de interacción individuo – ambiente, donde hipotetiza que
desde un punto de vista individual los valores personales del deportista se relacionan con las actitudes hacia el deporte
y con las orientaciones de meta, y desde un punto de vista ambiental los valores de los otros significativos
(entrenador, padre, iguales, etc.) interactúan tanto con el sistema de valores de la institución (club, equipo, etc.) como
con el clima motivacional que se genera durante la práctica. Ambos planos, individual y ambiental, interaccionan
entre sí generando consecuencias de tipo cognitivo (p.e., self), afectivo (p.e., diversión) o comportamental (p.e.,
participación en el deporte), que afectan a la experiencia del niño o niña cuando practica deporte. Lee y su equipo han
desarrollado evidencia científica suficiente sobre la validez de su modelo a lo largo de estos años (Whitehead, Telfer,
y Lambert, 2013) estudiando qué valores humanos son los más importantes cuando los jóvenes practican deporte y
diferenciando entre valores morales, valores de competencia y valores de status en el deporte juvenil (Lee, Whitehead
y Balchin, 2000).

Basándonos en la Teoría de los Valores Humanos de Schwartz (1992) y en el plano individual del Modelo
Interaccionista para el desarrollo de la investigación en valores de Lee (1995), la presente investigación examina la
relación existente entre los valores humanos que guían la vida de los jugadores de baloncesto y sus actitudes
prosociales y antisociales cuando practican baloncesto, explorando cómo media en dicha relación tanto los valores
personales hacia la práctica deportiva como las orientaciones de meta, y analizando el papel modulador que la
competencia percibida puede tener en la relación entre las orientaciones de meta y las actitudes del jugador de
baloncesto.

MATERIAIS E MÉTODOS
Los participantes fueron 746 jugadores de baloncesto (60.2 % hombres) con edades entre los 12 y los 18 años (M =
14.63, DT = 1.4), los cuales completaron un cuestionario con las variables de interés para el estudio. Estos jugadores
pertenecientes a 84 clubes de baloncesto de la Comunidad Valenciana (España), compiten en categoría infantil
(48.4%), cadete (38.5%) y junior (13.1%). Los jugadores dedican al entrenamiento entre 2 y 5 días a la semana (M =
3.09, DT = 0.56).

Se realizaron análisis descriptivos y correlacionales entre las variables del estudio utilizando el SPSS 20. Asimismo,
se puso a prueba un modelo de ecuaciones estructurales utilizando el LISREL 8.80.

83
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
Los resultados indicaron que cuanta más alta es la puntuación en valores de autotrascendencia (p.e., universalismo y
benevolencia) y conservación (p.e., tradición y seguridad) es más probable que el jugador tenga actitudes prosociales.
Del mismo modo, una puntuación baja en valores de autopromoción (p.e., logro y poder) se asoció con actitudes
prosociales durante el desarrollo del juego. Por el contrario, las conductas antisociales se asociaron con puntuaciones
altas en valores de autopromoción y puntuaciones bajas en valores de autotrascendencia y de conservación.

Los valores morales en el deporte y la orientación motivacional a la tarea mediaron la relación entre los valores de
autotrascendencia y las actitudes prosociales optimizando dicha relación, mientras que los valores de status mediaron
la relación entre los valores de autopromoción y las actitudes antisociales en el deporte.

Finalmente, la competencia percibida no moduló la relación entre las orientaciones de meta y las actitudes de los
deportistas en el desarrollo del juego, de modo que los jugadores orientados a la tarea informaron de mayores
actitudes prosociales en el deporte, mientras que los jugadores orientados al ego informaron de mayores actitudes
antisociales en el deporte, independientemente de cuán competentes se perciban a nivel deportivo.

Estos resultados confirman que los valores personales traspasan al ámbito del deporte observándose una asociación
significativa entre dichos valores, los valores en el deporte, las orientaciones motivacionales y las actitudes del
jugador de baloncesto. Al igual que en resultados previos encontrados con entrenadores de baloncesto, los valores de
autotranscendencia (trascender los intereses personales priorizando los intereses del colectivo) se asocia con patrones
motivacionales y personales más adaptativos, mientras que los valores de autopromoción (priorizar los intereses
propios) se asocia con patrones psicosociales menos adaptativos (Castillo, Adell, y Álvarez, 2018).

CONCLUSÃO
Estos resultados confirman la relevancia de los valores personales en el ámbito del deporte y apuntan hacia la
importancia de inculcar valores humanos de autotranscendencia (transcender lo personal en función del colectivo),
transmitir valores de competencia y morales en el deporte, y promover una orientación hacia la tarea en el deportista,
si queremos fomentar las actitudes prosociales y disminuir las actitudes antideportivas durante la práctica del
baloncesto.

REFERÊNCIAS
Adell, F. L., y Castillo, I. (2016). Los valores en el ámbito del baloncesto: una revisión bibliográfica. Trabajo
presentado en el VIII Congreso Iberoamericano de Baloncesto. Huelva, España, 20-22 Octubre.

Lee, M. J. (1995). Relationships between values and motives in sport. Paper presented at the 9th European Congress
in Sport Psychology. Brussels, Belgium, 4-9 July.

Lee, M. J., Whitehead, J., y Balchin, N. (2000). The measurement of values in youth sport: Development of the Youth
Sport Values Questionnaire. Journal of Sport and Exercise Psychology, 22, 307-326.

Schwartz, S. H. (1992). Universals in the content and structure of values: Theoretical advances and empirical tests in
20 countries. In M. P. Zanna (ed.), Advances in Experimental Social Psychology, 25, 1-65. London: Academic Press.

Whitehead, J., Telfer, H., y Lambert, J. (Eds.). (2013). Values in youth sport and physical education. London:
Routledge.

84
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

TEMPO DE DEDICAÇÃO SEMANAL AO BASQUETEBOL NA INICIAÇÃO


ESPORTIVA
Raquel Krapp do Nascimento1; Larissa Fernanda Porto Maciel1; Mônica Cristina Flach1; Fernanda Granato de Souza1;
Gelcemar Oliveira Farias1; Alexandra Folle1
Autor para correspondência: quelkrapp@gmail.com
1
Universidade do Estado de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Esportes; Tempo.

INTRODUÇÃO
As escolinhas e os centros de treinamento esportivo são frequentemente procurados por crianças e adolescentes em
busca da simples adesão a valores educacionais do esporte até a formação de equipes competitivas (Peserico,
Krachychyn & Oliveira, 2015). Ao evoluir nesse contexto, o envolvimento do jovem atleta fica cada vez mais intenso,
pois neste período os treinos se tornam mais exigentes e sistemáticos, demandando maior dedicação e dispêndio de
tempo semanal ao esporte (Soares, Antunes& Aguiar, 2015). No entanto, o tipo de experiência a que os jovens
necessitam ser submetidos precisa ser pautada nos seus estágios de desenvolvimento, ou seja, deve-se levar em
consideração a idade de cada indivíduo (Côté, Baker& Abernethy, 2004). Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi
associar o tempo semanal (frequência e horas) de treinamento com a idade de atletas de escolinhas de formação e
participantes de competições de categorias de base do basquetebol (Florianópolis/SC/Brasil).

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram do estudo 80 praticantes de basquetebol de um projeto de iniciação esportiva desenvolvido na cidade de
Florianópolis (SC), dos quais 25 (31,3%) eram do sexo feminino e 55 (68,8%) do sexo masculino, além de que 44
(55%) possuíam até 11 anos de idade e 36 (45%) tinham de 12 a 13 anos. Na coleta das informações foi utilizado um
questionário, construído especialmente para o estudo, composto por 16 questões fechadas, referentes às características
pessoais (sexo, idade), escolares (tempo dedicado aos estudos fora da sala de aula, estratégias de estudo) e esportivas
(tempo de prática esportiva, frequência de treinos) dos jovens atletas. Na análise dos dados empregou-se o teste qui-
quadrado para associação entre as variáveis estudadas (frequência de treinamento, horas de treinamento, idade),
adotando-se nível de significância de 95% (p<0,05) e utilizando-se o software SPSS, versão 21.

RESULTADOS
Os resultados obtidos não comprovaram diferença estatisticamente significativa entre a idade dos praticantes de
basquetebol e a frequência de treinamento semanal (p=0,27). Por sua vez, identificou-se que o maior número de
praticantes com até 11 anos de idade treinava até duas vezes por semana, enquanto aqueles que tinham de 12 a 13
anos apresentaram uma maior frequência de treinamento (três vezes ou mais) na semana.

Tais informações evidenciam que o regime de treinos no ambiente pesquisado não parece rigoroso em relação à
frequência semanal de treinamentos, no que tange principalmente aos jovens com até 11 anos de idade. Fato este que
pode estar relacionado ao estágio de desenvolvimento (anos de experimentação) em que o jovem atleta se encontra.
Pode-se destacar que os anos de experimentação são caracterizados pela diversão, pelas regras adaptadas e pela
adesão à prática esportiva em diferentes modalidades (Côté, Baker& Abernethy, 2004). No caso da vivência de
diversificação esportiva (experimentação), os atletas começam a se especializar, em seu esporte principal, em torno
dos 13 anos de idade (Côté, Lidor, & Hackfort, 2009).

No que se refere à associação entre as horas de treinamento e a idade dos praticantes de basquetebol, evidenciou-se
diferença estatisticamente significativa (p=0,04), observando-se que a maioria dos atletas com 12 e 13 anos de idade
têm se dedicado mais de três horas semanais (80,6%) aos treinamentos de basquetebol, enquanto que no caso dos
atletas até 11 anos, observa-se certa similaridade no tempo que estes têm se dedicado aos treinamentos semanais, de
forma que 40,5% têm disponibilizado até duas horas, enquanto que 59,5% têm se dedicado três horas ou mais aos
treinamentos desta modalidade. Esta constatação pode estar refletindo a realidade do contexto esportivo catarinense, o

85
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

qual proporciona por meio de organização e financiamento às equipes pela Federação Catarinense de Basketball
(FCB), a participação dos jovens em competições esportivas, a partir da categoria sub12. Este incentivo à participação
em competições estaduais federadas pode estar ocasionando o aumento do número de horas semanais de treinamento,
visando um melhor rendimento nos torneios disputados pelo clube.

Reflete-se, ainda, que dos 13 aos 15 anos de idade, os jovens frequentemente se encontram no estágio de
especialização esportiva, momento marcado pelo aumento na dedicação e no tempo de treinamento, simultaneamente
a sua participação mais intensa em competições esportivas (Côté, Baker& Abernethy, 2004). Neste cenário, observa-
se que as características marcantes da transição entre a experimentação e a especialização incluem redução no número
de atividades esportivas (prática de diferentes modalidades), com consequente aumento de horas de prática e de
intensidade da prática em uma única modalidade, com maior ênfase na competição e no sucesso esportivo (Côté,
Lidor, & Hackfort, 2009).

CONCLUSÃO
Em conclusão, o estudo não evidenciou associação significativa entre a frequência de treinamento semanal e a idade
de jovens atletas catarinenses de escolinhas de formação do basquetebol. Todavia, constatou-se que, os praticantes
com maior idade dedicam mais horas ao treinamento de basquetebol, quando comparados aos atletas com menor
idade.

APOIO
Universidade do Estado de Santa Catarina

REFERÊNCIAS
Côte, J., Baker, J., & Abernethy, B. (2003). From play to practice: A developmental framework for the acquisition of
expertise in team sport. Champaign, IL: Human Kinetics.

Côte, J., Lidor, R., Hackfort, D. (2009). To sample or to specialize? Seven postulates about youth sport activities that
lead to continued participation and elite performance. Internactional Journal of Sport and Exercise Psychology,
9(7):7-17.

Peserico, C. S., Kracjychyn, C., & Oliveira, A. A. B. (2015). Análise da relação entre esporte e desempenho escolar:
um estudo de caso. Pensar a Prática, 18(2): 260-277.

Soares, J. A. P., Antunes, H. R. L., & Aguiar, C. F. S.(2015). Prática desportiva e sucesso escolar de moças e rapazes
no ensino secundário. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 37(1):20-28.

86
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

LOS VALORES PERSONALES Y DEPORTIVOS, LAS ORIENTACIONES DE META Y


LAS ACTITUDES EN EL BALONCESTO DE FORMACIÓN
Francisco L. Adell Carrasco1; Isabel Castillo Fernández1; Octavio Álvarez Solves1; Pedro Sáenz-López Buñuel2
Autor para correspondência: francisco.l.adell@uv.es
1
Universitat de València; 2Universidad de Huelva

PALAVRAS-CHAVE:Valores; Motivación; Actitudes

INTRODUÇÃO
A pesar de la extendida consideración del baloncesto como herramienta transmisora de valores, en el área de la
Psicología del deporte son escasos los trabajos que han planteado el estudio de los valroes humanos en el deporte
teniendo en cuenta un marco teórico relevante que sustente la relación entre las variables que se analizan (Adell y
Castillo, 2016).

Una de las teorías más relevantes del ámbito de los valores es la Teoría de los Valores Humanos de Schwartz (1992)
que defiende la existencia de diez tipos de valores (logro, poder, seguridad, tradición, conformidad, benevolencia,
universalismo, autodirección, estimulación y hedonismo) que son diferentes motivacionalmente, y que forman una
estructura circular, donde los valores se relacionan entre si de forma dinámica, de forma que los valores que se
encuentran más cerca entre si se complementan, mientras que los más alejados se contradicen.

Teniendo en cuenta esta perspectiva motivacional de los valores, y en un intento de integrar los valores y la
motivación en el deporte, Lee (1995) diseñó un modelo de interacción individuo – ambiente, donde hipotetiza que
desde un punto de vista individual los valores personales del deportista se relacionan con las actitudes hacia el deporte
y con las orientaciones de meta, y desde un punto de vista ambiental los valores de los otros significativos
(entrenador, padre, iguales, etc.) interactúan tanto con el sistema de valores de la institución (club, equipo, etc.) como
con el clima motivacional que se genera durante la práctica. Ambos planos, individual y ambiental, interaccionan
entre sí generando consecuencias de tipo cognitivo (p.e. self), afectivo (p.e. sensación de diversión) o comportamental
(p.e. participación en el deporte), que afectan la experiencia del niño o niña cuando practica deporte. Lee y su equipo
han desarrollado evidencia científica suficiente sobre la validez de su modelo a lo largo de estos años (Whitehead,
Telfer y Lambert, 2013) estudiando qué valores humanos son los más importantes cuando los jóvenes practican
deporte y diferenciando entre valores morales, valores de competencia y valores de status en el deporte juvenil (Lee,
Whitehead y Balchin, 2000).

Basándonos en la Teoría de los Valores Humanos de Schwartz (1992) y en el plano individual del Modelo
Interaccionista para el desarrollo de la investigación en valores de Lee (1995), la presente investigación se centra en la
relación existente entre los valores humanos que guían la vida de los jugadores de baloncesto y sus actitudes
prosociales y antisociales cuando practican baloncesto, explorando cómo media en dicha relación tanto los valores
personales hacia la práctica deportiva como las orientaciones de meta, y analizando el papel modulador que la
competencia percibida puede tener en la relación entre las orientaciones de meta y las actitudes del jugador de
baloncesto.

MATERIAIS E MÉTODOS
Los participantes fueron 746 jugadores de baloncesto (60.2 % hombres) con edades entre los 12 y los 18 años (M =
14.63, DT = 1.4), los cuales completaron un cuestionario con las variables de interés para el estudio. Estos jugadores
pertenecientes a 84 clubes de baloncesto de la Comunidad Valenciana (España), compiten en categoría infantil
(48.4%), cadete (38.5%) y junior (13.1%). Los jugadores dedican al entrenamiento entre 2 y 5 días a la semana (M =
3.09, DT = 0.56).

RESULTADOS
Los resultados indicaron que cuanta más alta es la puntuación en valores de autotrascendencia (p.e., universalismo y
benevolencia) y conservación (p.e., tradición y seguridad) es más probable que el jugador tenga actitudes prosociales.

87
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Del mismo modo, una puntuación baja en valores de autopromoción (p.e., logro y poder) se asoció con actitudes
prosociales durante el desarrollo del juego. Por el contrario, las conductas antisociales se asociaron con puntuaciones
altas en valores de autopromoción y puntuaciones bajas en valores de autotrascendencia y de conservación.

Los valores morales en el deporte y la orientación motivacional a la tarea mediaron la relación entre los valores de
autotrascendencia y las actitudes prosociales optimizando dicha relación, mientras que los valores de status mediaron
la relación entre los valores de autopromoción y las actitudes antisociales en el deporte.

Finalmente, la competencia percibida no moduló la relación entre las orientaciones de meta y las actitudes de los
deportistas en el desarrollo del juego, de modo que los jugadores orientados a la tarea informaron de mayores
actitudes prosociales en el deporte, mientras que los jugadores orientados al ego informaron de mayores actitudes
antisociales en el deporte, independientemente de cuán competentes se perciban a nivel deportivo.

CONCLUSÃO
Estos resultados apuntan hacia la importancia de inculcar los valores de competencia y morales en el deporte y
fomentar una orientación hacia la tarea en el deportista, si queremos aumentar las actitudes prosociales y disminuir las
actitudes antideportivas durante la práctica del baloncesto.

APOIO
Hablar con Isabel para ver cómo se justifican las palabras que faltan. Importante saber qué es apoio. Se traduce por
apoyo en castellano pero no le veo sentido alguno. Llamar

REFERÊNCIAS
Adell, F. L., & Castillo, I. (2016). Los valores en el ámbito del baloncesto: una revisión bibliográfica. Trabajo
presentado en el VIII Congreso Iberoamericano de Baloncesto. Huelva, España, 20-22 Octubre.

Lee, M. J. (1995). Relationships between values and motives in sport. Paper presented at the 9th European Congress
in Sport Psychology. Brussels, Belgium, 4-9 July.

Lee, M. J., Whitehead, J., & Balchin, N. (2000). The measurement of values in youth sport: Development of the
Youth Sport Values Questionnaire. Journal of Sport and Exercise Psychology, 22, 307-326.

Schwartz, S. H. (1992). Universals in the content and structure of values: Theoretical advances and empirical tests in
20 countries. In M. P. Zanna (ed.), Advances in Experimental Social Psychology, 25, 1-65. London: Academic Press.

Whitehead, J., Telfer, H., & Lambert, J. (Eds.). (2013). Values in youth sport and physical education. London:
Routledge.

88
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

MOTIVAÇÃO NAS CATEGORIAS DE FORMAÇÃO NO BASQUETEBOL


Lucas Jacob Beuttemmüller1; Suelen Vicente Vieira2,3; Luciane Arantes da Costa1; Jorge Both2
Autor para correspondência: lucasjbedf@gmail.com
1
Universidade Estadual de Maringá - UEM; 2Universidade Estadual de Londrina - UEL; 3Centro universitário de
maringá - Unicesumar

PALAVRAS-CHAVE:Motivação; Iniciação esportiva; Basquete

INTRODUÇÃO
A motivação é considerada um fator importante para o sucesso na prática de qualquer esporte. A Teoria da Auto
Determinação (TAD), parte do princípio que fornecer aos alunos boas escolhas, estimular os relacionamentos entre os
alunos durante as atividades propostas e proporcionar tarefas que estimulem a percepção de competência podem
favorecer a motivação durante as aulas (COSTA, MAROCO, VIEIRA, 2017). Na iniciação esportiva, a motivação
pode instigar fatores como aumento da adesão na prática do esporte, provocar desistências pela falta de motivação
para a prática da modalidade, interferir na seleção da atividade esportiva, além de influenciar a qualidade do
desempenho do atleta no esporte (SOARES, REIS, PERUFO, 2013). Segundo a TAD as formas de motivação estão
dispostas ao longo de um contínuo de autonomia refletindo o grau ao que representam regulação do comportamento.
A amotivação é totalmente desprovida de autonomia; a motivação intrínseca é autônoma, e os outros tipos de
motivação extrínseca (regulação integrada, regulação introjetada, e regulação identificada) estão organizadas entre
amotivação e motivação intrínseca (RYAN;DECI, 2009). Outro aspecto importante da motivação para a prática
esportiva são as necessidades psicológicas básicas, considerada uma das mini-teorias da TAD, que se classificam em:
autonomia, competência e relacionamento, as quais se configuram como componentes da motivação necessários à
iniciação e continuidade no esporte. O entendimento destes constructos apresentam relevância para compreender a
iniciação esportiva e diversos fatores motivacionais que a influenciam, e assim auxiliar a diminuir os elementos que
ocasionam aspectos negativos nos atletas que podem provocar a desistência da prática da modalidade esportiva.
Portanto o objetivo do presente estudo é correlacionar as dimensões apresentadas no âmbito do questionário de
motivação para o esporte com as dimensões do questionário de necessidades psicológicas básicas.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram da pesquisa 53 atletas (7 meninas e 46 meninos) de basquete da cidade de Maringá-Paraná com idade
média de 13,25±2,54 anos. A coleta dos dados aconteceu durante os Jogos Escolares do Paraná – Fase Municipal. Os
instrumentos utilizados na investigação foram: Escala de Motivação para o Esporte (BARA et al., 2011) e
Questionário de Necessidades Psicológicas Básicas no Exercício (COSTA, MAROCO, VIEIRA, 2017). Na análise de
dados, foi avaliada a distribuição dos dados com o teste de Kolmogorov-Smirnov. Como os dados não apresentaram
distribuição normal, empregou-se o teste de Spearman para correlacionar os escores das dimensões dos constructos.
Destaca-se que nas análises de correlação adotou-se nível de significância de 95% (p<0,05). Os índices de correlação
foram categorizados conforme os pontos de corte: 0,00 a 0,19, muito fraca correlação; 0,20 a 0,39, fraca correlação;
0,40 a 0,59, moderada correlação; 0,60, a 0,79, forte correlação; 0,80 a 1,00, muito forte correlação (MITRA e
LANKFORD, 1999).

RESULTADOS
Os resultados evidenciaram que a dimensão de competência apresentou forte correlação com a dimensão de
motivação extrínseca introjetar (r 0,643), as razões para tal podem estar influenciadas por pressões que os atletas
podem estar colocando sobre si mesmos, ou ainda de constrangimentos pelos erros e falhas que pode estar
acontecendo em sua prática. Entretanto a dimensão competência evidenciou moderada correlação com as dimensões
que reportam sobre a experimentação (r 0,416) e as relações externas (r 0,513) e fracas correlações nas dimensões que
remetem as motivações de conhecimento (r 0,281) e identificar (r 0,344). Nesse sentido, destaca-que a competência
possui relação com a motivação vinculada ao processo de experimentação de situações do jogo, bem como, os
relacionamentos estabelelecidos por meio da prática esportiva. Assim, quanto maior a competência, maior será a
capacidade de: assimilar os objetivos, se relacionar e experimentar as atividades do jogo. Corroborando com esse

89
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

resultado, a importância da competência vem sendo elucidada na literatura com população e amostra semelhantes ao
do presente estudo, onde a competência apresenta grande relevância para atletas iniciantes a prática esportiva do
basquetebol (SOARES, REIS, PERUFO, 2013). Contudo, as relações da competência esportiva com o conhecimento
e identificação das ações possuem pouca associação, o que pode ser explicado pela faixa etária dos atletas. Em relação
a dimensão de autonomia, observou-se correlações moderadas em todas as dimensões que tratam sobre as motivações
intrínsecas e extrínsecas (entre r 0,401 e r 0,584). Tais evidências descrevem que a escolha do praticante da
modalidade esportiva está relacionada ao nível de motivação do sujeito, ou que pode não estar ocorrendo durante o
processo de iniciação esportiva, onde as decisões na maioria das vezes, cabem aos professores e técnicos desportivos.
Portanto, adolescentes mais autônomos possuem maior motivação extrínseca e intrínseca. Por outro lado, o contrário é
verdadeiro, onde atletas menos motivados podem ter menos autonomia na escolha das ações voltadas ao esporte. Ao
avaliar a dimensão relacionamentos evidenciou moderada correlação com a motivação extrínseca de identificar (r
0,411) e fracas correlações com as dimensões motivação introjetada (r 0,296) e relação externa (r 0,323). Portanto,
quanto melhor for o relacionamento do jovem atleta com técnicos, colegas de equipe e familiares, mais motivado
extrinsecamente com os aspectos associados a identificação, introjeção e relacionamentos externos vinculados a
modalidade esporte. Contudo, ressalta-se que a dimensão desmotivação não apresentou correlação significativa com
todas as dimensões do constructo das necessidades psicológicas básicas voltadas para o esporte, o que demonstra que
tal aspecto não apresenta ligação com as necessidades psicológicas básicas para este grupo avaliado.

CONCLUSÃO
Conclui-se que as dimensões das necessidades psicológicas básicas não apresentam uniformidade na correlação com
as dimensões de motivação. A maior correlação encontrada entre competência e introjeção demonstra que as pressões
internas do próprio atleta, o medo do constrangimento ou da vergonha de falhar fazem com que o praticante
desenvolva maior competência para realizar as atividades propostas. Além disso, o componente relacionamentos
apresentou vinculo apenas com os aspectos ligados a motivação extrínseca, onde os bons relacionamentos favorecem
o conhecer, experimentar e buscar prazer na modalidades esportiva. A autonomia demonstrou homogeneidade de
relação com as motivações intrínsecas e extrínseca, assim quanto mais autônomo mais motivado intrínseca e
extrinsecamente o atleta será. Por fim, a competência evidenciou ser a dimensão balizadora na motivação, onde foram
demonstrados diferentes níveis de correlação com o constructo da motivação.

REFERÊNCIAS
RYAN, R. M.; DECI, E. L. Promoting Self-Determined School Engagement: Motivation, Learning, and Well-Being.
In: WENTZEL, K. R. WIGFIELD, A. Handbook of motivation at school. p. 171-196, 2009.

SOARES, A. T.; REIS, C. P.; PERUFO, F. M. F. B. Aspectos motivacionais para a prática do basquetebol na
iniciação esportiva de crianças de 9 a 14 anos da cidade de Castro/PR. Educação física em revista - EFR. 2013.

COSTA, C. A. C.; MAROCO, J.; VIEIRA, L. F., Validation of the Basic Psychological needs in Exercise Scale
(BPNES). Journal of physical Education. 2017.

BARA, F. M.; ANDRADE, D.; MIRANDA, R.; NÚÑEZ, J. L.; MARTÍN-ALBÓ, J.; RIBAS, P. R. Preliminary
validation of a brazilian version of the sport motivation scale. Universitas Psychologica, 10 (2), 557-566. 2011.

MITRA, A.; LANKFORD, S. Research methods in park, recreation and leisure services. Champaign: Sagamore
Publishing, 1999.

90
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ENVOLVIMENTO SEMANAL DE MENINAS E MENINOS NO BASQUETEBOL


Larissa Fernanda Porto Maciel1; Vinícius Plentz de Oliveira1; Jéssica Cozza1; Larissa Cerignoni Benites1; Viviane
Preichardt Duek1; Alexandra Folle1
Autor para correspondência: larissa.maciel10@edu.udesc.br
1
Universidade do Estado de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:Esportes; Aprendizagem; Sexo

INTRODUÇÃO
No contexto do esporte, especificamente no âmbito da iniciação esportiva, em que as crianças têm iniciado cada vez
mais cedo seu envolvimento com a prática sistematizada, a preocupação deve ser direcionada aos propósitos
equivalentes ao seu nível de experiência (Bettega, Prestes, Lopes & Galatti, 2015), permitindo que estas tenham a
oportunidade de vivenciar o divertimento, as adaptações e o gosto pela prática esportiva em diferentes esportes (Côté,
Baker & Abernethy, 2003). Assim, o que se espera é que a iniciação esportiva seja entendida como uma fase de
experiências positivas, para além da aprendizagem do esporte, respeitando os atributos da infância por meio de
processos formativos adaptados ao desenvolvimento físico, mental, emocional e social dos jovens (Bettega, Prestes,
Lopes & Galatti, 2015). Além disso, destaca-se que a condução da formação esportiva acaba por assumir maior
regularidade, intensidade e especificidade quando da evolução das crianças nos estágios de desenvolvimento
esportivo, acarretando aumento no tempo de dedicação aos treinamentos semanais e na participação em competições
regulares (Soares; Antunes & Aguiar, 2015).

Entretanto, para além das implicações dos estágios de desenvolvimento no envolvimento esportivo, considera-se
relevante a análise da participação de meninos e meninas no ambiente esportivo, visando-se identificar se o sexo dos
atletas possui relação com o tempo destinado aos treinamentos esportivos. Para tanto, o presente estudo teve como
objetivo analisar a dedicação semanal (frequência e horas) de treinamento, considerando o sexo dos atletas
participantes de escolinhas de iniciação esportiva e de equipes competitivas de basquetebol de um clube da cidade de
Florianópolis/SC/Brasil.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de uma pesquisa quantitativa e descritiva, aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres
Humanos (parecer 1.580.434), na qual os participantes assinaram o Termo de Assentimento e seus pais e/ou
responsáveis assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Participaram do estudo 80 crianças e adolescentes com idade até 13 anos vinculados a um clube de basquetebol da
cidade de Florianópolis/SC. Destes, 55 (68,8%) eram meninos e 25 (31,3%) eram meninas. Os participantes
frequentavam tanto as escolinhas de iniciação esportiva quanto as equipes de base que disputavam os campeonatos
estaduais sub12 e sub13, promovidos pela Federação Catarinense de Basketball (FCB).

Na coleta de dados, os atletas responderam a um questionário composto por 16 questões fechadas que levantaram,
dentre outros aspectos, as características pessoais (sexo, idade) e esportivas (frequência semanal e horas de
treinamento) dos atletas. O instrumento foi construído especificamente para o estudo. A coleta de dados foi realizada
no início das sessões de treinamento, em dia e horário previamente agendados com os treinadores, sendo que os atletas
responderam ao instrumento individualmente. A análise dos dados foi realizada por meio do teste qui-quadrado, com
auxílio do software IBM SPSS statistics versão 20, para verificar a associação do sexo com a frequência semanal e as
horas semanais de treinamento de basquetebol, adotando-se o nível de significância de 95% (p<0,05).

RESULTADOS
Na análise dos resultados não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas, tanto no que se refere ao
sexo dos atletas e a frequência semanal de treinos (0,177), quanto ao sexo e as horas dedicadas aos treinamentos
(0,145). Deste modo, compreende-se que o sexo não difere significamente na frequência e nas horas dedicadas aos
treinamentos de basquetebol. No entanto, observou-se que os meninos têm se dedicado com maior frequência até duas

91
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

vezes na semana (52,7%) e por um tempo superior a três horas (66,0%), enquanto as meninas se dedicam
frequentemente mais de três vezes (52,0%) semanalmente aos treinamentos e por mais de três horas semanais
(76,0%).

Os resultados, apesar de demonstrarem similaridade no que tange às horas de treinamento entre os sexos, revelaram
que as meninas têm se envolvido mais vezes na semana do que os meninos. Tais informações se diferenciam das
divulgadas por Molon (2017), em estudo com crianças participantes de escolas esportivas de Caxias do Sul/RS. O
autor constatou que as práticas de esportes são menos frequentes e regulares no caso das meninas, em comparação aos
meninos. Além disso, o autor considera que esta constatação resulta das oportunidades reduzidas de prática e de
aprendizagem esportiva fornecidas ao grupo de meninas.

Destaca-se ainda o reduzido número de meninas vinculadas ao clube de basquetebol, em comparação aos meninos.
Estes dados se assemelham a constatação de Santos (2007), ao investigar crianças e jovens participantes das
atividades esportivas do Programa Segundo Tempo em Belo Horizonte/MG. Todavia, a autor constatou uma diferença
expressivamente maior entre os grupos, sendo que os meninos representavam 91,36% dos participantes e as meninas
apenas 8,64%.

CONCLUSÃO
As informações apresentadas permitem concluir que há um menor número de meninas frequentando as escolinhas e as
equipes esportivas do clube investigado, assim como que meninos e meninas demonstraram similaridade no que tange
às horas de treinamento. Todavia, apesar de não ser encontrada associação significativa, as meninas têm se envolvido
mais vezes na semana aos treinamentos do que os meninos.

APOIO
Universidade do Estado de Santa Catarina.

REFERÊNCIAS
Bettega, O., B., Prestes, M., F., Lopes, C., R., & Galatti, L., G. (2015). Pedagogia do esporte: o jogo como balizador
na iniciação ao futsal. Pensar a Prática, 18 (2), 487-501.

Côté, J., Baker, J., & Abernethy, B. (2003). From play to practice: A developmental framework for the acquisition of
expertise in team sport. Champaign, IL: Human Kinetics.

Molon, R. (2017). Iniciação esportiva e gênero: uma análise sobre a participação de meninos e meninas em escolas
esportivas. Anais do Congresso Internacional de Motricidade da Serra Gaúcha, Caxias do Sul, RS, Brasil.

Santos, D. I. (2007). Meninas e meninos no Programa Esporte Esperança/Segundo Tempo em Belo Horizonte.
Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Soares, J. A. P., Antunes, H. R. L., & Aguiar, C. F. S. (2015). Prática desportiva e sucesso escolar de moças e rapazes
no ensino secundário. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 37(1): 20-28.

92
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

MAPEAMENTO DAS EQUIPES MASCULINAS DE CATEGORIAS DE BASE DE


BASQUETEBOL DO ESTADO DE SÃO PAULO
Alessandra Melato Mendes1; Lucas Donato Giroti1; Amanda Paula de Almeida1; Milton Shoiti Misuta1; Luciano
Allegretti Mercadante1
Autor para correspondência: prof.alessandramelato@gmail.com
1
Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; categorias de base; mapeamento

INTRODUÇÃO
O basquetebol é considerado o segundo esporte coletivo mais popular do mundo e o esporte coletivo mais visto nos
Jogos Olímpicos. Atualmente, o basquetebol brasileiro masculino ocupa a décima primeira posição no Ranking
Mundial e terceira posição no Ranking Continental da Federação Internacional de Basketball. As seleções masculinas
brasileiras de basquetebol que participaram dos Jogos Olímpicos de 2012, Campeonato Mundial de 2014,
Campeonato Panamericano de 2015 e Jogos Olímpicos de 2016, tiveram em sua composição cinco, seis, nove e cinco
jogadores, respectivamente, que estavam atuando no Novo Basquete Brasil (NBB), o que corresponde a 53% dos
convocados (Cunha, Fraiha, Darido, Pérez, & Galatti, 2017). Com relação aos participantes do NBB, temporada
2014/2015, Cunha et al. (2017) constataram que parte desses atletas iniciou a carreira em equipes de categorias de
base do estado de São Paulo, confirmando uma tradição das equipes do interior paulistas na formação. Segundo
Tozetto et al. (2017), entre os medalhistas de diferentes modalidades dos Jogos Olímpicos de 2000 a 2016, a maioria
era do gênero masculino, da região sudeste e participantes de esportes coletivos. Alguns estudos relatam que o sucesso
no esporte pode estar diretamente relacionado ao local de nascimento e o tamanho de suas comunidades, considerando
que os atletas tiveram seus primeiros contatos com o esporte ainda na infância (Cotè, Macdonald, Baker, &
Abernethy, 2006).

Entidades federativas sem fins lucrativos organizam, supervisionam e desenvolvem o basquetebol no país e no
mundo. Neste sistema, a maior autoridade é a International Basketball Federation (FIBA) e no Brasil é a
Confederação Brasileira de Basketball (CBB), reconhecida pela FIBA. No Estado de São Paulo é a Federação Paulista
de Basketball (FPB), reconhecida pela CBB, que conta também com cinco Ligas Regionais que possuem sua
chancela. A FIBA, através de um Manual para Federações Nacionais, destaca a importância e a obrigação de
promover campeonatos nas categorias de base, a fim de preparar jogadores para o futuro e educar pelo esporte. Divide
as categorias do basquetebol em minibasquetebol (Sub-12), Sub-15, Sub-16, Sub-17, Sub-18, Sub-19 e Adulto.
Entretanto, a FPB divide as categorias de base em Sub-12, Sub-13, Sub-14, Sub-15, Sub-16, Sub-17 e Sub-19. A FPB
uniu forças com as Ligas Regionais pela primeira vez em 1999, sendo elas, a Associação Regional de Basketball com
sede em Iracemápolis, a Associação Regional de Basketball com sede em Ribeirão Preto, a Liga de Basquetebol do
Oeste Paulista, Liga de Basquetebol do Vale do Paraíba e Litoral Norte e Liga de Basketball Riopretense (Diniz,
2000). Dessas cinco, apenas as três primeiras entidades continuam a exercer suas atividades atualmente, ponderando
que a Associação de Ribeirão Preto responde como Liga Regional de Basquete de Ribeirão Preto e Liga de
Basquetebol do Oeste Paulista responde como Liga de Basquete do Centro Oeste Paulista.

Considerando as recomendações da FIBA citadas anteriormente e o fenômeno regional indicando o Estado do São
Paulo e o interior paulista como principais formadores de atletas, torna-se necessário conhecer a quantidade de
equipes masculinas de categorias de base que atualmente participam das competições vinculadas a FPB, a distribuição
das mesmas nas diferentes Ligas Regionais e comparar com o mapeamento das equipes em 1999, realizado por Diniz
(2000). Sendo assim, o objetivo deste trabalho é mapear as equipes masculinas de categorias de base de basquetebol
do Estado de São Paulo, vinculadas a FPB, e analisar a distribuição das equipes do interior paulista.

MATERIAIS E MÉTODOS
Para obtenção das informações das equipes masculinas de categorias de base de basquetebol do Sub-12 ao Sub-19, foi
realizada uma Pesquisa Documental, método caracterizado como procedimento que incide na coleta de dados de
documentos que ainda não receberam tratamento analítico. Foram utilizadas bases de dados públicas das entidades
reconhecidas como organizadoras de basquetebol no Estado de São Paulo: FPB e as cinco Ligas Regionais: Liga

93
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Paulista de Basketball (LPB), Liga Regional de Basquete de Ribeirão Preto (LRB), Associação Regional de
Basquetebol (ARB), Liga de Basquete do Centro Oeste Paulista (LBC) e Liga Desportiva Paulista (LDP). Todas elas
promovem anualmente campeonatos regulares em diversas categorias de base.

RESULTADOS
Considerando o calendário competitivo de 2018, foi possível localizar 102 entidades diferentes distribuídas em todo o
Estado de São Paulo. Foram excluídas 33 entidades (32%) que pertencem a Grande São Paulo e Litoral Paulista,
resultando em 69 entidades (68%) do interior, sendo 15 na FPB, 4 na LPB, 17 na LRB, 19 na ARB, 16 na LBC e 8 na
LDP, considerando que oito entidades participam de campeonatos em duas ligas e uma em três. Foram identificadas
162 equipes de categoria de base diferentes. A ARB é a entidade com maior número de equipes (34%), seguida da
FPB (22%), LBC (19%), LRB (17%), LDP (6%) e LPB (2%). Com relação aos dados referentes a 1999, o
mapeamento realizado foi das categorias Sub-12, Sub-13 e Sub-14, a ARB e LRB tinham um total de 41 e 24 equipes
inscritas, respectivamente, enquanto em 2018 temos 29 e 10 equipes inscritas, respectivamente, mostrando uma
diminuição de 26 equipes. Já a LBC tinha 14 equipes inscritas e em 2018 tem 18 equipes, tendo um aumento de
quatro equipes. Estes números mostram uma diminuição de pelo menos 220 atletas de 1999 para 2018, equivalente a
28%, considerando que o regulamento obriga as equipes a terem no mínimo dez atletas. No mesmo período, houve o
aumento populacional masculino, no Estado de São Paulo, de 16% entre 2000 e 2018, segundo o Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística (IBGE) (2018).

CONCLUSÃO
O interior paulista no contexto de formador de atleta responde com 68% das entidades. Verifica-se a continuidade do
trabalho nas categorias de base que é um fator fundamental no processo de formação no período de 1999 a 2018. No
entanto, no mesmo período houve uma queda no número de equipes e no número de atletas masculinos das categorias
de base do interior do Estado de São Paulo.

APOIO
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES

Federação Paulista de Basketball – FPB

Departamento Técnico da Liga Paulista de Basketball - LPB

REFERÊNCIAS
Cotè, J., Macdonald, D. J., Baker, J., & Abernethy, B. (2006). When “where” is more important that “when”:
Birthplace and birthdate effects on the achievement of sporting expertise. Journal of Sports Science, 24(10), 1065-
1073. Recuperado de: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02640410500432490 . doi:
10.1080/02640410500432490

Cunha, L. D., Fraiha, A. L. G., Darido, S. C., Pérez, B. L., & Galatti, L. R. (2017). Trayectoria de los jugadores de
baloncesto del nuevo baloncesto Brasil. Cuadernos de Psicología del Desporte, 17(3), 119-128. Recuperado de:
http://revistas.um.es/cpd/article/viewFile/313891/220911

Diniz, A. (2000). O basquetebol paulista: Análise critico-pedagógica sobre sua iniciação (Dissertação de Mestrado).
Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Projeção da População do Brasil e das Unidades da
Federação. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Tozetto, A. V. B., Rosa, R. S., Mendes, F. G., Galatti, L. R., Souza, E. R., Collet, C., Moura, B. M., & Silva, W. R.
(2017). Birthplace and birthdate of Brazilian Olympic medalist. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 17(3),
364-373. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v19n3/1415-8426-rbcdh-19-3-0364.pdf . doi: 10.5007/1980-
0037.2017v19n3p364

94
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DESCRITIVA DOS LANCES LIVRES ARREMESSADOS NA TEMPORADA


2015/2016 DO NOVO BASQUETE BRASIL (NBB)
Herdley Kelvin dos Santos Pinto1; Sergio Costa Santos1; Carla Souza de Jesus1; Marcos Bezerra de Almeida1
Autor para correspondência: herdleykelvin@gmail.com
1
Universidade Federal de Sergipe

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; Análise de jogo; lance livre

INTRODUÇÃO
No basquetebol, o lance livre (LL) é o único arremesso sem interferência dos oponentes, logo seu aproveitamento nos
jogos é o maior entre todos os tipos de arremesso (Meneses, Gois & Almeida, 2016).Embora não haja um consenso
sobre sua influência no resultado final da partida (Navarro, Lorenzo, Gómez&Sampaio, 2009; López-Gutiérrez
&Jiménez-Torres, 2013),sabe-se que representa 25% do total de pontos da equipe (Cárdenas &Rojas, 1997).

Padulo et al. (2015) verificaram que quanto maior a FC, menor o aproveitamentoem10 LL
consecutivos.Contudo,pelas regras atuais, um jogador precisaria sofrer uma falta no ato de um arremesso de três
pontos não convertido, seguido da marcação de sete faltas técnicas(FT) em integrantes da equipe adversáriano mesmo
lance para ter direito a cobrar 10 LL consecutivos.

Sendo assim, este estudo analisoudescritivamenteos LL cobrados ao longo de uma temporada de basquetebol
profissional, considerando a fase da competição, equipe mandante e visitante, o vencedor da partida e a diferença do
placar.

MATERIAIS E MÉTODOS
A análise foi feita a partir das súmulas oficiais dos jogos da temporada 2015/2016 do Novo Basquete Brasil,
disponibilizadas no site da Liga Nacional de Basquete (http://lnb.com.br/campeonato/nbb/). Foram disputadas 255
partidas, entretanto, 10 súmulas não estavam disponíveis para consulta, totalizando245jogos analisados.A análise dos
dados categorizou as variáveis em fase da competição (regular ou playoff), a equipe (mandante ou visitante), o
vencedor da partida (mandante ou visitante) e a diferença no placar. Para comparação das equipes considerou-se
adicionalmente a diferença entre faltas e entre LL cobrados pelas equipes a cada partida. A diferença no placar foi
estratificada arbitrariamente em quatro níveis: jogos muito equilibrados (até 5 pontos), equilibrados (de 6 a 15
pontos), desequilibrados (de 16 a 25 pontos) e muito desequilibrados (acima de 25 pontos). Além da estatística
descritiva, foi aplicado o teste t de Student em todas as comparações, exceto para a diferença do placar (ANOVA
oneway). O software GraphPadPrism 5.01 (GraphPad Software, inc.) foi utilizado para todos os cálculos (alfa < 5%).

RESULTADOS
Ao longo das 245 partidas analisadas, de um total de 10194 faltas marcadas, 5466 (53,6%) geraram cobranças de LL.
As cobranças de LL por falta foram: 1 LL – 1222 (22,4%), 2 LL – 4179 (76,5%), e 3 LL – 65 (1,2%). Desta forma,
foram cobrados 9775 LL, com média de 39,9 ± 11,1 LL por partida. Em 152 partidas (62%) houve uma ou nenhuma
FT marcada, sendo determinada a média foi de 1,4 ± 1,4 FT, e destacando-se que em apenas um jogo foram marcadas
sete FT. Esses resultados mostram que a marcação de FT é um evento relativamente raro nas partidas.

O acréscimo no número de LL cobrados da fase regular para os playoffs (39,2 ± 11,1 LL vs 43,1 ± 10,9 LL; p =
0,036; IC95% = -7,6 a -0,3 LL0não tem representação prática (cerca de 2 LL para cada equipe). Também não houve
diferença entre as FT (1,4 ± 1,4 FT vs 1,4 ± 1,7 FT; p = 0,841; IC95% = -0,5 a 0,4 FT). Apesar da expectativa de
jogos mais acirrados nos playoffs, isso não se traduziu em aumento dos LL cobrados ou FT marcadas.

Equipes mandantes e visitantes cobraram número semelhante de LL nas partidas (20,4 ± 7,0 vs 19,5 ± 6,7 LL; p =
0,127; IC95% = -0,3 a 2,2 LL). Em quatro jogos o visitante marcou pelo menos 10 faltas a mais que o time mandante,
ao passo em que isso só ocorreu para o time mandante uma única vez, o que representa discrepância nas faltas
marcadas em apenas 2% do total de jogos.Por outro lado, quando contabilizados os LL cobrados, em 61 partidas

95
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

(24,9%) houve pelo menos 10 LL a mais para uma das equipes, sendo 36 vezes (14,7%) para o time mandante e 25
(10,2%) para o visitante.Em adendo, não houve diferença estatística (p = 0,790; IC95% = -3,2 a 2,4 LL) no número de
LL cobrados na partida quando o vencedor foi o time mandante (39,7 ± 11,4 LL) ou visitante (40,1 ± 10,6 LL). Esses
dados desmistificam a ideia popular de que as equipes mandantes seriam beneficiadas pela maior frequência de faltas
marcadas sobre o adversário.

Por fim, não houve diferença (p = 0,243) no número de LL cobrados entre os jogos finalizados com placares muito
equilibrados (42,2 ± 13,7 LL), equilibrados (39,2 ± 9,9 LL), desequilibrados (38,4 ± 9,4 LL) e muito desequilibrados
(39,2 ± 10,1 LL). Interessante observar que o desempenho apresentado no confronto entre as equipes não parece ser
relacionado ao número de faltas marcadas ou LL cobrados.

CONCLUSÃO
A maior prevalência foi observada nas faltas que resultavam em cobrança de 2 LL, com raras FT sendo marcadas. O
número de LL cobrados nas partidas foi independente das fases da competição, de equipes mandantes ou visitantes, do
vencedor da partida, ou mesmo da magnitude da diferença no placar.

REFERÊNCIAS
Cárdenas, D.,Rojas, J.. (1997).Determinacion de laincidenciadel tiro libre enelresultado finala través delanálisis
estadístico.Revista Motricidad, 3, 177-186.

Lopes-Gutiérrez, C.J.,Jiménez-Torres, M.G..(2013). The free shot in basketball: successes in every minute of game.
Revista Internacional de Medicina y Ciencias de laActividad Física y el Deporte,13(50), 307-327.

Meneses, L. R., Gois Jr, L. E. M., Almeida, M. B..(2016). Análise do desempenho do basquetebol brasileiroao longo
de três temporadas do Novo BasqueteBrasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 38(1), 93-100.

Navarro, R.M, Lorenzo, A., Gómez, M.A., Sampaio, J..(2009). Analysis of critical moments in the League ACB
2007-08. Revista de Psicologíadel Deporte, 18, 391-395.

Padulo J., Attene, G., Migliaccio, G. M., Cuzzolin, F., Vando S., Ardigó, L. P..(2015). Metabolic optimisation of the
basketball free throw. Journal of Sports Sciences. 33(14), 1454-1458.

96
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISIS DE LOS ATAQUES POSICIONALES EN LA EUROLIGA


Edgar Solsona1; Jorge Serna1; Veronica Muñoz1; José Albeiro Echeverri2
Autor para correspondência: esolsona88@hotmail.com
1
INEFC Lleida; 2Universidad de Antioquia

PALAVRAS-CHAVE:baloncesto; bloqueo directo; uno contra uno

INTRODUÇÃO
El éxito en el baloncesto depende de la eficacia en una decisión de carácter individual como es el lanzamiento. Es por
ello que la organización colectiva está al servicio de la eficacia individual (Serna, 2014). En consecuencia, los
entrenadores, en el juego posicional, crean sistemas de juego que permiten encontrar situaciones favorables de
lanzamiento (sin oposición) en función de las virtudes individuales de los jugadores (Serna et al., 2017). Estos
sistemas estan basados en la elección y organización espacio-temporal de diferentes fundamentos que permiten
obtener ventajas sobre el equipo rival como son los bloqueos directos (BD), los bloqueos indirectos y los unos contra
unos (1x1) (Nunes et al., 2016).

El objetivo de la presente investigación fue analizar la influencia del bloqueo directo y el 1x1 en la eficacia de los
lanzamientos en la Euroliga de baloncesto.

MATERIAIS E MÉTODOS
Se analizaron los cuatro partidos de la Final Four de la Euroliga de baloncesto del año 2017 (dos semifinales, final y
tercer y cuarto puesto). Los equipos analizados fueron Fenerbahce (Turquía), Real Madrid (España), CSKA (Rusia) y
Olympiacos (Grecia).

El instrumento de observación utilizado fue el SOCCB (Muñoz y Serna, 2015). Los criterios analizados fueron:
concepto de juego (bloqueo directo, 1x1 exterior, 1x1 interior), posición del jugador con balón (exterior, interior),
zona inicial (7 zonas iniciales), zona final (7 zonas finales) y finalización (pase, lanzamiento exitoso con o sin ventaja,
lanzamiento no exitoso con o sin ventaja). Las secuencias se registraron en el software Lince v. 1.3. Con el objetivo de
centrar la observación en el objeto de estudio solo se analizó al jugador con balón en las 5 situaciones previas al
lanzamiento.

Utilizó la estadística descriptiva para analizar frecuencias (n) y porcentajes (%) de la muestra. El coeficiente de
contingencia (cc) para medir la fuerza de asociación entre los criterios y el chi cuadrado (x2) para comprobar la
relación entre estos. En los criterios donde no se cumplía la condición para realizar este tipo de prueba (casos de
frecuencia inferior a 5) se empleó el test de razón de verosimilitudes (L). Para el análisis de los datos se utilizó el
programa estadístico IBM SPSS statitistics versión 20 para Windows.

RESULTADOS
El BD fue el concepto más utilizado (63.7%), seguido del 1x1 exterior (21.5%) y el 1x1 interior (14.8%) con el
consiguiente mayor protagonismo con el balón de los jugadores exteriores y la escasa aparición del balón interior. En
otras investigaciones (Muñoz et al., 2015) se había obtenido una mayor participación del 1x1 interior con respecto al
1x1 exterior, pero siempre el BD había sido el predominante (Muñoz et al., 2015; Serna et al., 2017). Con relación a
las finalizaciones, se observó que un 58% de los BD finalizaron en pase, un 22.3% fueron lanzamientos sin ventaja
(4,8% exitosos) y un 19.3% con ventaja (12,3% exitosos), coincidiendo con otras investigaciones realizadas donde el
BD predominaba sobre los demás conceptos, así como el nivel de participación del jugador exterior (Muñoz et al.,
2015; Serna et al., 2017) .

Se encontró una relación significativa entre los fundamentos analizados (BD y 1x1) y la finalización de la acción (L =
43.28, cc = .311, p < .001). Se observó que la principal consecuencia de realizar el BD fue pasar el balón (68.2%);
posteriormente, lanzar sin ventaja (11.8% fallando y 4.3% anotando); y finalmente, lanzar con ventaja (6.3 % fallando
y 9.4 % anotando). Estos datos confirman las aportaciones en anteriores investigaciones en las cuales se confirmó que

97
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

el BD fue un fundamento orientado más para generar ventajas para los compañeros que con intención de finalización
(Serna et al., 2017). En cambio, al jugar 1x1 exterior, se finalizó un 32% pasando el balón, un 33.7% lanzando sin
ventaja (27.9% fallando y 5.8% anotando) y un 32.5% lanzando con ventaja ofensiva (11.6% fallando y 20.9%
anotando); se observa que el 1x1 exterior tiene una mayor intención de finalización (Serna et al., 2017). Finalmente, al
realizar el 1x1 interior, se acabó pasando el balón un 50.8%, un 32.2% lanzando sin ventaja (27.1% fallando y 5.1%
anotando) y un 17% lanzando con ventaja (5.1% fallando y 11.9% anotando, observándose una mayor tendencia al
pase.

Además, se obtuvo una mayor eficacia ya que el 1x1 exterior fue el medio más eficaz para anotación con un 26.7% de
éxito en los lanzamientos, más que el 17% del 1x1 interior y el 13.7% del BD. En cuanto a la calidad de esos
lanzamientos (nivel de oposición defensiva) también el 1x1 exterior fue el concepto que generó mayor proporción de
lanzamientos con ventaja (32.5%), por encima del 1x1 interior (17%) y el BD (15.7%).

CONCLUSÃO
Se confirman los resultados obtenidos en la Liga ACB donde el BD y el 1x1 interior fueron acciones generadoras de
ventajas y el 1x1 exterior una acción con mayor tendencia a la finalización. Además, el mayor protagonismo con el
balón lo asumen los jugadores exteriores ya que los jugadores interiores actualmente parece que tienden a un perfil de
bloqueadores y finalizadores. Se observa una elevada competencia individual de los jugadores exteriores en las
situaciones de 1x1 exterior ya que es la situación que genera lanzamientos en mejores condiciones y además, con más
éxito.

REFERÊNCIAS
Muñoz, V., et al. (2015). Influencia del bloqueo directo y el uno contra uno en el éxito del lanzamiento en
baloncesto. Apunts. Educación física y deportes, 1(119), 80-86.

Nunes, H., et al. (2016). Influencia del pick and roll en el juego de ataque en baloncesto de alto nivel. Cuadernos de
Psicología del Deporte, 16(1), 129-142.

Serna, J. (2014). Inteligencia motriz e inteligencia emocional en el baloncesto. Tesis doctoral. Universidad de Lleida.

Serna, J., et al. (2017). Patrones temporales iniciados con bloqueo directo o uno contra uno en baloncesto. Revista de
Psicología del Deporte, 26(1), 81-86.

98
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PRIMEIRO TORNEIO DE ENTERRADAS DA LIGA DE BASQUETE FEMININO DO


BRASIL: CONCLUSÕES SOBRE A ALTURA DO ARO
Luciano Allegretti Mercadante1; José Francisco Daniel2; Alessandra Melato Mendes1; Clovis Roberto Rossi
Haddad4,5; Cesar Vieira Marques Filho1,3; Paula Korsakas1,3; Yura Yuka Sato dos Santos 1,3; Larissa Rafaela Galatti 1,3
Autor para correspondência: luciano.mercadante@fca.unicamp.br
1
Faculdade de Ciências Aplicadas, FCA, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP; 2Pontifícia Universidade
Católica de Campinas, PUC Campinas; 3Faculdade Educação Física, FEF, Universidade Estadual de Campinas,
UNICAMP; 4Liga de Basquete Feminino, LBF; 5Confederação Brasileira de Basketball, CBB

PALAVRAS-CHAVE:Mulher; Desempenho; Impulsão

INTRODUÇÃO
A variabilidade e beleza das ações técnicas individuais do basquetebol ocorrem em decorrência das necessidades
táticas e fazem parte do espetáculo, pois impactam positivamente os espectadores. São ações como fintas
desconcertantes, arremessos em condições desfavoráveis ou muito distantes da cesta e em especial as enterradas, que
tendem a ter destaque junto ao público com recorrente presença em eventos festivos, como os All Star Games.

Alguns fatores como estatura e impulsão dos atletas fazem com que as enterradas sejam frequentes em jogos
masculinos de alto nível, enquanto no feminino ocorrem em raras oportunidades, além de que a altura do aro é a
mesma para ambos os sexos, a 3,05m do solo. Em uma série de modalidades esportivas existem diferenças entre os
sexos nas regras, em elementos estruturais e em implementos, o que possibilita diferentes dinâmicas no jogo ou em
uma prova. Por exemplo, no voleibol a altura da rede masculina é 2,43m e da feminina 2,24m. No atletismo, a altura
das barreiras na prova dos 400m é de 0,914m para o masculino e de 0,762m para o feminino; nas provas do arremesso
do peso e do lançamento do martelo, os implementos pesam 7,260kg no masculino e 4,0kg no feminino, no
lançamento do disco, 2kg no masculino e 1kg no feminino, no lançamento do dardo, 800g no masculino e 600g no
feminino. No basquetebol, a única diferença existente na regra FIBA é que a bola adulta masculina tem 74,9 cm de
circunferência e 623g, enquanto a feminina têm 72,3 cm e 566g.

Na edição de 2018 da Liga de Basquete Feminino (LBF2018), foi proposto um torneio de enterradas no Jogo das
Estrelas, realizado em 8 de abril. No entanto, não há registros de enterradas em torneios de basquetebol feminino no
Brasil. Assim, qual seria a altura do aro adequada para garantir a realização do torneio de enterradas na LBF2018?
O objetivo do trabalho foi descrever o processo de determinação da altura do aro para o Torneio de Enterradas do
Jogo das Estrelas LBF 2018.

MATERIAIS E MÉTODOS
Este estudo faz parte do Convênio de pesquisa entre a Liga de Basquete Feminino e a Faculdade de Ciências
Aplicadas da UNICAMP, intitulado “Dinâmica do jogo de basquetebol feminino no Brasil”. Entre as demandas
acordadas, uma delas foi o estabelecimento da altura do aro mais adequada para o torneio de enterradas da LBF 2018,
a partir de evidências científicas.

Foi realizada uma reunião entre os pesquisadores e as comissões técnicas das equipes (preparador físico e/ou
treinador) para apresentação dos projetos do Convênio e dos procedimentos metodológicos de testes. Os preparadores
físicos das equipes receberam uma apostila com os procedimentos e foram orientados quanto ao protocolo dos testes.
As coletas foram realizadas nos locais de treino das equipes, em período de pré e início de temporada. Todas as nove
equipes participantes enviaram os dados solicitados, totalizando 91 atletas. Dados inconsistentes de 11 atletas foram
descartados, ficando a amostra final composta por 80 atletas adultas integrantes das equipes da LBF na temporada
2018.

Foram aplicados testes de impulsão vertical para determinação da altura alcançada sem auxílio dos membros
superiores (AASAMS) (Gimenes, Donatto, Miranda, Urtado, Brandão & Leite, 2014), com auxílio dos membros
superiores (AACAMS) (Galazoulas, 2017) e em progressão (AAEP) (Andrade, Amadio, Serrão, Kiss & Moreira,
2012), realizando um movimento similar à bandeja. Foram calculadas as medidas descritivas (médias, desvios padrão

99
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

e quartis). Os projetos de pesquisa estabelecidos no Convênio foram aprovados pelo Comitê de Ética e Pesquisa da
UNICAMP (CAE: 80613217.0.0000.5404).

RESULTADOS
As médias das alturas alcançadas pelas atletas foram: AASAMS 2,68m (±0,14m), AACAMS 2,74m (±0,14m); e
AAEP 2,83m (±0,16m). Os valores de AAEP obtidos foram: mínimo = 2,38m, p25 = 2,73m, p50 = 2,87m, p75 =
2,95m e o valor máximo = 3,06m. Consideramos que, para conseguir enterrar, é necessário que a altura do aro seja
20cm abaixo da AAEP da atleta, para que a bola possa passar do aro, uma vez que seu diâmetro é aproximadamente
23cm, e que cerca de 25% dos atletas enterram em jogos masculinos de elite, utilizamos a medida de AAEP
correspondente ao percentil 75 da amostra, menos 20 cm da bola. Isto posto, foi estabelecida a altura do aro de 2,75m
para o Torneio das Enterradas do Jogo das Estrelas da LBF 2018.

Estes dados foram compartilhados com os gestores da LBF e com os preparadores físicos de cada clube 23 dias antes
do Torneio de Enterradas. Oito atletas participaram do evento, quatro Brasileiras e quatro Argentinas, sendo que as
atletas argentinas tiveram conhecimento da altura do aro e do torneio apenas um dia antes. Dentre as brasileiras, todas
as atletas foram capazes de enterrar, dentre as argentinas duas atletas atingiram esse objetivo. Três atletas brasileiras e
uma argentina chegaram às semifinais, o que pode estar associado a um maior tempo de adaptação à altura do aro do
primeiro grupo. Os resultados dos testes indicam que, em média, as atletas não são capazes de tocar o aro em sua
altura oficial, sendo de fato necessárias alterações no caso de imediata intenção de realizar um torneio de enterradas
com sucesso.

CONCLUSÃO
A altura do aro a 2,75m do solo mostrou-se adequada para os índices de impulsão de atletas brasileiras de basquetebol
feminino, viabilizando a realização de enterradas fora de situação de jogo. Há necessidade de outras investigações
quanto ao efeito dessa altura nos arremessos e na dinâmica geral do jogo feminino.

APOIO
Liga de Basquete Feminino, LBF, atletas, comissões técnicas e dirigentes;

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES;

Fundação de Desenvolvimento da UNICAMP, FUNCAMP.

REFERÊNCIAS
Andrade, R. M., Amadio, C. A., Serrão, J. C., Kiss, M. A. P. D. & Moreira, A. (2012). Contribuição dos parâmetros
biomecânicos para o desempenho de saltos verticais de jogadoras de basquetebol. Revista brasileira de Educação
Física e Esporte, São Paulo, 26, 2, 181-92.

Galazoulas, C. (2017). Acute effects of static and dynamic stretching on the sprint and countermovement jump of
basketball players. Journal of Physical Education and Sport, 17, 1, Art 33, 219–223.

Gimenes, H. H., Donatto, F. F., Miranda, J. M. Q., Urtado, C. B., Brandão, M. R. F. & Leite, G. F. (2014). Aplicação
de um treinamento pliométrico para melhoria do salto vertical em jogadores de basquetebol de 13 e 14 anos. Revista
Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, 8, 48, 599-608.

100
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

(DES)IGUALDADE DE GÊNERO: ANÁLISE DOS CARGOS DE COMISSÕES


TÉCNICAS E DE ARBITRAGEM NA LIGA DE BASQUETE FEMININO (2010-2017)
Julia Gravena Passero1; Julia Barreira2; Larissa Rafaela Galatti1; Anderson Calderani Junior2
Autor para correspondência: juliapassero@gmail.com
1
Universidade Estadual de Campinas - Faculdade de Ciências Aplicadas; 2Universidade Estadual de Campinas -
Faculdade de Educação Física

PALAVRAS-CHAVE:Comissão técnica; Arbitragem; Basquetebol Feminino

INTRODUÇÃO
São poucas as propostas apresentadas na literatura que analisaram a participação das mulheres como profissionais da
comissão técnica e de arbitragem no esporte, sendo essa lacuna ainda maior na modalidade de basquete. Estudos
internacionais mostraram que participação de mulheres como treinadoras é menor do que a de homens no basquete
feminino Norte-Americano e discutiram os preconceitos e dificuldades enfrentados na carreira dessas profissionais
(BURKE e HALLINAN, 2006; CUNNINGHAM e SAGAS, 2002; LIRGG, DIBREZZO e SMITH, 1994). Apesar do
conhecimento sobre o cenário internacional, desconhecemos a frequência de mulheres que atuam como treinadoras
em equipes brasileiras e nos demais cargos de comissão técnica e de arbitragem. Portanto, temos como objetivo geral
analisar o gênero dos profissionais em cargos de comissão técnica e de arbitragem na Liga de Basquete Feminino.
Temos como objetivo específico analisar se a participação feminina em cada cargo vem aumentando, diminuindo ou
se permanece estável ao longo dos anos.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foram coletados dados das súmulas oficiais dos jogos da Liga de Basquete Feminino (LBF), disponíveis na sede da
LBF. A Liga Brasileira de Basquete Feminino foi criada em 2010, ano utilizado com limite inferior para a nossa
coleta de dados. Todos os dados foram coletados em maio de 2018, estabelecendo a edição de 2017 como limite
superior para a coleta. Devido à rotatividade de profissionais da comissão técnica ao longo de cada campeonato,
coletamos informações sobre todos os jogos de cada edição. De cada partida foram coletados os gêneros dos árbitros
e profissionais da comissão técnica de ambas as equipes. O gênero foi definido pelos pesquisadores a partir dos nomes
dos profissionais. As informações foram coletadas sobre o treinador e auxiliar técnico (comissão técnica) e sobre o
árbitro, fiscal 1, fiscal 2, apontador, cronometrista, operador 24 (comissão de arbitragem). No caso de dúvidas em
relação ao gênero dos profissionais, informações sobre os individuos foram buscadas em redes sociais. Para a análise,
os dados foram resumidos em frequência relativa e absoluta. O coeficiente de correlação de Pearson foi utilizado para
analisar a frequência de participação das mulheres ao longo de todas as edições do campeonato.

RESULTADOS
Ao todo foram coletadas informações de 501 partidas das quais participaram 4825 profissionais nos cargos de
comissão técnica e arbitragem. As mulheres representam aproximadamente 24% dos treinadores da modalidade e sua
representatividade permaneceu estável ao longo de todas as edições analisadas. Em contrapartida, encontramos uma
diminuição de 88% (2010/2011) para 34% (2016/2017) de mulheres atuando com auxiliar técnica ao longo das
edições. Em relação aos cargos de árbitro de quadra vemos um aumento na participação feminina ao longo dos anos.
Entretanto, os dados da última edição mostram que a participação das mulheres como árbitras (26%), fiscal 1 (39%) e
fiscal 2 (30%) ainda é inferior à masculina. Em relação aos árbitros de mesa, verificamos uma maior participação das
mulheres do que de homens de forma geral. As mulheres representam aproximadamente 73% dos apontadores, 61%
dos cronometristas e 59% dos operadores 24.

Ao analisar o gênero dos profissionais que atuam no basquetebol feminino de elite no Brasil verificamos uma grande
participação das mulheres apenas em cargos de menor responsabilidade e visibilidade, como apontador, cronometrista
e operador de 24. Em contrapartida, a participação de mulheres como treinadoras, auxiliar técnica e árbitra permanece
estável ou vem até diminuindo ao longo dos últimos anos. Podemos explicar esses achados com o fenômeno
denominado de “teto de vidro”. A expressão é utilizada para retratar uma barreira invisível que impede as mulheres de

101
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ocuparem os cargos de liderança. As mulheres visualizam os cargos acima delas, mas não conseguem alcançar devido
à barreira invisível existente. Esse fenômeno pode explicar a menor presença de mulheres nos cargos de treinadoras
do que auxiliares técnicas, assim como de árbitras principais comparadas às árbitras de mesa. Apesar do aumento de
mulheres no campo esportivo, os resultados desse estudo e de estudo anteriores mostram que a participação feminina
ainda é restrita a base da pirâmide hierárquica esportiva (ROCHA, 2006).

Para Romariz (2008) não só o preconceito de gênero explica a predominância de homens nos cargos de comissão
técnica, mas também a inexistência de incentivos por meio de políticas para uma maior inserção de mulheres nos
cargos de comando esportivo. Nesse sentido, reforçamos que, além dos debates sobre gênero realizados no contexto
esportivo, é fundamental que federações e confederações brasileiras criem oportunidades para mulheres se
qualificarem como treinadoras, auxiliares técnicas e árbitras, a começar pelas ligas femininas.

CONCLUSÃO
Embora a participação feminina no esporte, e especificamente no basquetebol brasileiro de elite, venha aumentando
nas últimas décadas, verificamos que essa ocupação ainda é restrita a cargos de menor visibilidade. Os cargos de
liderança, como treinador e árbitro, ainda são majoritariamente ocupados por homens. Os resultados são referentes à
Liga Feminino, se realizado na Liga Masculina, certamente esses números seriam ainda mais discrepantes. Esta
pesquisa evidencia a necessidade de debate e proposição de políticas de fomento à participação feminino nos
diferentes cargos de direção na modalidade basquetebol.

APOIO
Liga de Basquete Feminino - LBF (forneceu as súmulas para coleta de dados)

REFERÊNCIAS
Burke, M., Halliman, C. (2006). Women\\\'s leadership in junior girls\\\' basketball in Victoria: Foucault, feminism
and disciplining women coaches. Sport in Society, v. 9, n. 1, p. 19-31. Recuperado de:
https://doi.org/10.1080/17430430500355758 . DOI: 10.1080/17430430500355758

George B. Cunningham & Michael Sagas (2002). The Differential Effects of Human Capital for Male and Female
Division I Basketball Coaches, Research Quarterly for Exercise and Sport, 73:4, 489-
495, DOI: 10.1080/02701367.2002.10609051

Lirgg, C. D., Dibrezzo, R., Smith, A. N. (1994). Influence of gender of coach on perceptions of basketball and
coaching self-efficacy and aspirations of high school female basketball players. Women in Sport and Physical Activity
Journal, v. 3, n. 1, p. 1-14. DOI: 10.1123/wspaj.3.1.1

Romariz, S. B. (2008). As representações de gênero nas quadras de voleibol de alto rendimento. Anais: Fazendo
Gênero, 8. Recuperado de: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST43/Sandra_Bellas_de_Romariz_43.pdf

Rocha, C. (2006). Gênero em ação: rompendo o teto de vidro (Tese de Doutorado). Pós graduação em Ciências
Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

102
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISIS DECISIONAL DEL JUGADOR DE BALONCESTO


Jorge Serna Bardavío1; Verónica Muñoz-Arroyave1; Pere Lavega Burgués1; Albeiro Echeverri2
Autor para correspondência: jserna@inefc.es
1
Instituto Nacional de Educación Física de Cataluña (INEFC); 2Universidad de Antioquia

PALAVRAS-CHAVE:Conducta motriz decisional ; Metodología observacional en baloncesto; Lógica estratégica

INTRODUÇÃO
El baloncesto es un deporte de elevada semiotricidad en el cual los jugadores se introducen en un auténtico laboratorio
de relaciones motrices, en el que deben tomar decisiones constantemente activando toda su conducta motriz y más
concretamente sus conductas motrices decisionales (CMD) (Serna, 2014). Estas CMD están condicionadas por la
Lógica Estratégica que implementa el entrenador mediante sus sistemas de juego, tanto cuando tienen el balón, como
cuando no lo tienen, para coordinar de una manera armónica la actuación de los jugadores en beneficio del equipo; se
puede distinguir CMD ajustadas (corresponde al sistema de juego propuesto por el entrenador) o desajustadas (que no
corresponden con la propuesta del entrenador). Las situaciones que el entrenador tiene que organizar tanto cuando
tiene el balón como cuando no lo tiene son fundamentalmente el sistema individual, el zonal, el mixto y el
indeterminados o desorganizado (Serna, 2014). El objetivo de la estrategia del equipo con balón es, obviamente, la
anotación, mientras que cuando no se dispone del mismo, el objetivo es la recuperación, el rebote o, al menos,
molestar el lanzamiento (puntear).

El objetivo de esta investigación fue analizar la toma de decisiones motrices de los jugadores cuando tienen la pelota y
cuando se oponen al jugador del equipo contrario que tiene la pelota

MATERIAIS E MÉTODOS
La muestra del estudio estuvo compuesta por los 13 jugadores de un equipo de Liga EBA de la temporada 2010-2011,
con un rango de edad entre 18 y 28años, (N=13; Medad=22.3 años, DT= 3.12). Se disputaron cuatro partidos no
oficiales (dos partidos amistosos y dos de entrenamiento) que se filmaron y posteriormente se analizaron. Se
evaluaron las decisiones que toman los jugadores en la pista de baloncesto en función del sistema de juego del
entrenador utilizando el instrumento denominado SOBD (Serna et al, 2013), compuesto por 6 criterios y 49
categorías.

Para el análisis de los datos, Se utilizó la estadística descriptiva y los árboles de clasificación CHAID (detector de
interacción automática de Chi-cuadrado) como técnica para analizar el efecto de la variable independiente sobre la
dependiente. Se empleó el módulo de Answer-Tree® SPSS Árboles de Clasificación ™ 13.0

RESULTADOS
Se encontraron diferencias estadísticamente significativas (p < .001) entre los diferentes sistemas de juego del equipo
sin balón y la evaluación de las CMD, concretamente entre las CMD en situaciones indeterminadas y las que se
producían en individual (p < .001). Las CMD ajustadas tuvieron mayor presencia que las desajustadas al combatir un
sistema de juego indeterminado. En cambio, esa tendencia se invirtió en el sistema de juego individual.

Al examinar las CMD del JCB en función del sistema de juego del equipo sin balón (ESB), se observó un claro
predominio (próximo al 90%) de las CMD ajustadas cuando el JCB se enfrentó a cualquier sistema de juego del
equipo sin balón. En cambio, al estudiar las CMD del RJCB, se observó una presencia parecida de CMD ajustadas y
desajustadas. Se observó que en todos los sistemas de juego fueron ligeramente superiores las CMD ajustadas,
excepto en el sistema de juego individual en las que las CMD desajustadas (55,9%) superaron a las ajustadas (44,1%).
Estos datos confirman la dificultad de mantener una continuidad en la ejecución correcta de las decisiones cuando se
defiende al JCB

Al estudiar la finalización del JCB, se identificó la primera variable a tener en cuenta para interpretar las
finalizaciones del JCB (p < .001) fue la evaluación de las CMD del JCB, ajustadas (65,6%) y desajustadas (34,4%).

103
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Cuando las CMD fueron ajustadas el porcentaje de éxito fue superior (61,2%) al de fracaso (38,8%), mientras que en
las CMD desajustadas esta tendencia se invirtió ya que esas finalizaciones desajustadas fracasaron en la mayoría de
las veces (83,9%) y tuvieron éxito en un porcentaje mucho menor (16,1%).

Al estudiar el comportamiento de los jugadores cuando se oponían (defendían) al JCB en el momento de la


finalización, se identificó que la primera variable a tener en cuenta fue el tipo de CMD del rival del jugador con balón.
La segunda variable a tener en cuenta fueron los diferentes tipos de subroles que protagoniza el RJCB. El primer dato
a destacar es el predominio de las acciones de finalización con éxito (66,9 %) respecto a las de fracaso (33,1%). Al
estudiar el tipo de CMD del RJCB, como primera variable predictiva, se observó un predominio (p < .001) de las
CMD ajustadas (69,3%) sobre las CMD desajustadas (30,7%). Cuando las CMD fueron ajustadas el porcentaje de
éxito fue superior (74,7%) al de fracaso (25,3%), mientras que en las CMD desajustadas esas finalizaciones tuvieron
unos resultados parecidos de fracaso (50,8%) y de éxito (49,2%). El subrol taponador se comportó diferente (cuando
fue ajustado) al resto de subroles mostrando un porcentaje de éxito del 68,4%. Es decir, al tener la intención de
taponar siguiendo el plan del entrenador el porcentaje de conseguir éxito es casi de un 70%. Un dato a destacar es que
a pesar de que las CMD fuesen desajustadas había un 49,2% de probabilidades de recuperar el balón de manera
exitosa, lo que exige la necesidad del JCB de mejorar el acierto en los lanzamientos para castigar los errores del
RJCB, que siguen siendo elevados.

CONCLUSÃO
Esta investigación aborda una línea innovadora de investigación sobre la toma de decisiones en el baloncesto con el
objetivo de ayudar a los entrenadores a conocer mejor la intervención de sus jugadores, y de este modo poder
optimizar su proceso de entrenamiento

REFERÊNCIAS
Gómez, M. A., Lorenzo, A., Ibáñez, S. J., & Sampaio, J. (2013). Ball possession effectiveness in men’s and women’s
elite basketball according to situational variables in different game periods. Journal of sports sciences, 31(14), 1578-
1587. doi:10.1080/02640414.2013.792942

Parlebas, P. (2001). Juegos, deportes y sociedades: Léxico de praxiología motriz. Barcelona: Paidotribo.

Serna, J. (2014). Inteligencia motriz e inteligencia emocional en el baloncesto. (Doctoral dissertation, Tesis doctoral
no publicada, INEFC-Universidad de Lleida, Lleida).

Serna, J., et al. (2013). Observational tool to evaluate decision making in basketball players. Trabajo presentado en el
ECSS CONGRESS, Barcelona.

104
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EFECTO DE LA SOBRECARGA EXCÉNTRICA MEDIANTE TECNOLOGÍA


ISOINERCIAL EN JUGADORES PROFESIONALES DE BALONCESTO
Ruben Cabanillas Reig1; Jorge Serna Bardavio1; Veronica Muñoz Arroyave1; Albeiro Echeverry2
Autor para correspondência: rubencabanillas@hotmail.es
1
INEFC Lleida; 2Universidad de Antioquia

PALAVRAS-CHAVE:Inercia; Rendimiento; Yoyo

INTRODUÇÃO
La evolución atlética de los jugadores de baloncesto ha experimentado un importante crecimiento debido,
probablemente, a las necesidades de fuerza vinculadas a acciones como el salto, la lucha y las diferentes formas de
desplazarse, teniendo siempre en cuenta el vector de producción de fuerza en dichas acciones: horizontal y vertical
(Gonzalo-Skok et al., 2017).

Tradicionalmente, el entrenamiento de fuerza se ha realizado con autocargas, pesos libres o máquinas guiadas, pero en
los últimos tiempos la tecnología isoinercial ha empezado a tener protagonsimo en el deporte de alto nivel, debido a
las mejoras en el rendimiento, en la prevención y en la recuperación de lesiones (eg. Askling et al., 2003).

El entrenamiento con sobrecarga excéntrica es un sistema de entramiento que provoca la mejora de la coordinación
intramuscular, el aumento de la fuerza en todo el ROM, menor estrés cardiovascular que las contracciones
concéntricas intensas y mayor potencia y rendimiento muscular (Douglas et al. 2017).

Los estudios previos donde se utiliza esta metodología de trabajo en deportes de equipo concluyen que hay mejoras
relacionadas en el rendimiento, tales como el cambio de dirección (COD), sprint lineal y el salto vertical (Gonzalo-
Skok et al., 2017).

El objetivo de la investigación fue comparar el efecto sobre la altura de vuelo (salto con contramovimiento) y el sprint
lineal de 30 metros al realizar dos tipos de ejercicio diferentes: a) media sentadilla con la máquina ProSquat de
Proinertial®, focalizando en la sobrecarga excéntrica; y, b) media sentadilla tradicional con peso libre.

MATERIAIS E MÉTODOS
Muestra

La muestra estuvo compuesta por jugadores profesionales de baloncesto (N=8; M= 21.3 años, DT= 3.45 ) asignados
aleatoriamente a un programa de media sentadilla con sobrecarga excéntrica (n=4) y otro de media sentadilla
tradicional (n=4).

Procedimiento e Instrumentos

El instrumento utillizado para la valoración del salto vertical con contramovimiento (CMJ) fue la plataforma de saltos
software 1.8.0 (CHRONOJUMP®, Software, Barcelona, Spain). Para la valoración del sprint lineal de 30 metros se
utilizó la aplicación MySprintApp (Jiménez Reyes et al., 2016).

El entrenamiento con sobrecarga excéntrica se realizó con la máquina ProSquat, Proinertial® (Proinertial®,
Barcelona, Spain) mediante series de medias sentadillas, mientras que el grupo que entrenó de manera tradicional
realizó el mismo ejercicio pero con barra y discos.

Los programas tuvieron una duración de 8 semanas: 2 de familiarización y 6 semanas de entrenamiento. Los
jugadores entrenaron una vez por semana y tuvieron una recuperación pasiva de 3 minutos entre series. La carga de la
semana 1 y 2 fue de 4 series de 10 repeticiones, la semana 3 y 4, de 5 series de 10 repeticiones y la semana 5 y 6, de 6
series de 10 repeticiones. La aplicación de carga en el ejercicio tradicional se realizó mediante el carácter del esfuerzo
(González Badillo et al., 2017) utilizando 10 repeticiones sobre 14 posibles a la máxima velocidad de intención. En
cuanto a la aplicación de carga en el ejercicio con sobrecarga excéntrica se utilizó la mitad de la carga posible que

105
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

permite el aparato (IM: 0,0332 kg*m2), con la fase concéntrica lo más rápida posible y focalizando la frenada en el
último tercio del movimiento.

Análisis de los datos

Se utilizó estadística descriptiva para analizar el porcentaje de mejora individual en CMJ y sprint en 30 metros.
Además, se aplicó una ANOVA para muestras repetidas para determinar las diferencias significativas entre el pre-test
y el post-test en ambas pruebas según el tipo de entrenamiento realizado.

RESULTADOS
Según el tipo de entrenamiento realizado, en el post-test se observaron mejoras significativas en la prueba de CMJ F
(1, 6) = 8.62; p =.026, y en el sprint en 30 metros F (1, 6) = 11.12; p =.016, en comparación con el pre-test. En ambas
pruebas, el grupo que obtuvo un mayor rendimiento fue aquel que utilizó la sobrecarga excéntrica: a) CMJ: (peso
libre: M = 38.05, ST = 2.89; yo yo: M = 43.27, ST = 1.65); b) Sprint en 30 metros (peso libre: M = 4.38, ST = .22; yo
yo: M = 4.17, ST = .24).

En este estudio, en el que se compararon ejercicios única y exclusivamente en el vector vertical (media sentadilla con
peso libre y media sentadilla con sobrecarga excéntrica), se obtuvieron efectos positivos utilizando ambos programas
sobre las variables dependientes (CMJ y Sprint lineal), con mejores resultados utilizando la sobrecarga excéntrica.
Estos se dieron tanto en el vector horizontal como en el vertical, incluso con mayores diferencias en el vector
horizontal, en contraposición a otras investigaciones (Gonzalo-Skok, O., et al., 2016).

CONCLUSÃO
El entrenamiento de fuerza para el desarrollo de acciones específicas vinculadas a la fuerza de desplazamiento (sprint
lineal) y a la fuerza de salto (CMJ) son fundamentales para el jugador de baloncesto moderno. Los especialistas
disponen de diferentes programas de entrenamiento ( entrenamiento tradicional y el uso de tecnología isoinercial) que
provocan la optimización de los deportistas. Además, se ha de destacar que el entrenamiento de la media sentadilla
puede generar efectos positivos transversales a diferentes acciones específicas en el baloncesto.

REFERÊNCIAS
Askling, C., et al. (2003). Hamstring injury occurrence in elite soccer players after preseason strength training with
eccentric overload. Scandinavian journal of medicine & science in sports, 13(4), 244-250.

Douglas, J, et al. (2017). Chronic adaptations to eccentric training: a systematic review. Sports Medicine, 47(5), 917-
941.

González Badillo, J. J., et al. (2017). La velocidad de ejecución como referencia para la programación, control y
evaluación del entrenamiento de fuerza. Ergotech.

Gonzalo-Skok, O., et al. (2017). Eccentric-Overload Training in Team-Sport Functional Performance: Constant
Bilateral Vertical Versus Variable Unilateral Multidirectional Movements. International journal of sports physiology
and performance, 12(7), 951-958.

Jiménez-Reyes, P. et al. (2016). Sprint perfomance and mechanical outputs computed with an iPhone app:
Comparision with existing reference methods. European Journal of Sport Medicine, 17(4), 386-392.

106
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CARATERÍSTICAS NÃO TREINÁVEIS DE ATLETAS DE BASQUETEBOL


CANDIDATOS À NBA
Sérgio Costa Santos1; Flávio Vinicius Fonseca Barreto1; Marcos Bezerra de Almeida1
Autor para correspondência: ss_costa@outlook.com
1
Universidade Federal de Sergipe

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol ; Estatura ; Envergadura

INTRODUÇÃO
Por se tratar de um esporte coletivo de invasão, no basquetebol são esperadas constantes situações de interação entre
bola, companheiros e oponentes, o que tende a tornar o jogo essencialmente tático, embora dependente das
capacidades físicas e atléticas. Esse dinamismo do jogo pode ser observado pelo fato dos atletas realizarem cerca de
1000 ações técnico-táticas ao longo de uma partida (McInnes, Carlson, Jones & McKenna, 1995), com cada ação
dessas ocorrendo a um intervalo médio de 3 s (Ben Abdelkrim, El Fazaa & El Ati, 2007).

Cormery, Marcil & Bouvard (2008) fizeram um interessante estudo durante o qual identificaram que as mudanças de
regras adotadas a partir dos anos 2000 propiciaram um aumento expressivo da dinâmica e da intensidade do
basquetebol. Entre as alterações de regras, podemos destacar a redução do tempo de posse de bola de 30 s para 24 s, e
mais a frente, a redução para 14 s após o rebote ofensivo, o afastamento da linha de três pontos (de 6,25 m para 6,75
m), o aumento das dimensões da área restritiva (do formato trapezoide para o retangular), e a criação da área onde não
deve ser marcada falta de ataque (semicírculo), por exemplo.

As reduções de tempo resultaram em um aumento no número de posses de bola de cada equipe, tornando o jogo mais
intenso, tanto do ponto de vista das demandas fisiológicas como das demandas cognitivas, as quais determinam a
seleção (tomada de decisão) e a execução das ações técnico-táticas. Vale a pena destacar que em decorrência das
restrições de tempo, cada posse de bola precisou ser mais objetiva. As demais alterações citadas ampliaram a zona de
jogo efetivo, fazendo com que os jogadores se deslocassem mais e por espaços mais extensos na quadra.

Nessa perspectiva, Narazaki, Berg, Stergiou & Chen (2009) demonstraram que atletas universitários passam 34% do
tempo executando corridas e saltos durante as partidas. No basquetebol, os saltos são utilizados mormente para
arremessos, rebotes e bloqueios de arremesso (tocos), os quais estão associados entre si. Sem os arremessos, não
haverá necessidade de saltar para os bloqueios e nem para os rebotes. Contudo, talvez não seja suficiente um atleta ter
excelente impulsão vertical, se a estatura e a envergadura não forem compatíveis com o alcance necessário para
executar com eficiência essas ações dependentes do salto. O problema é que esses são atributos não treináveis, o que
pode representar uma limitação parcial na performance do atleta.

Zhang et al. (2018) ressaltam que o desenvolvimento de perfis de performance dos atletas precisa considerar suas
características antropométricas. No entanto, os estudos disponíveis apenas apresentam valores de estatura como
média±DP, além de raramente mencionar a envergadura, o que limita sua utilização como referência para apoiar o
processo de recrutamento de atletas para a modalidade. Uma caracterização mais ampla desses perfis em atletas de
elite ou subelite pode servir de base para uma avaliação mais abrangente. Sendo assim, o objetivo desse estudo foi
determinar a distribuição em percentis da estatura e envergadura de atletas candidatos à entrada na National
Basketball Association (NBA).

MATERIAIS E MÉTODOS
Em desenho transversal e descritivo, foram observados os dados antropométricos de atletas de basquetebol de várias
nacionalidades participantes do NBA Draft Combine, uma bateria de avaliações que anualmente antecede à seleção de
novos atletas para as equipes da NBA. Foram considerados todos atletas participantes do evento ao longo de 24 anos
(entre 1991 e 2015). Houve 4987 atletas avaliados, contudo estavam disponíveis apenas os dados de estatura e
envergadura de 3631 deles. Os dados foram obtidos partir da planilha Excel® disponibilizada pelo site
http://www.draftexpress.com/#ixzz3sR4F3BgS. Dados foram analisados descritivamente e por percentis (P95, P85,
P75, P60, P50, P40, P25, P15 e P5).

107
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
Os valores de média±DP (mínimo a máximo) e CV foram 199,1±8,9 cm (160 a 225 cm), CV=4,5% para estatura, e
206,7±10,7 cm (166,4 a 246,4 cm), CV=5,2% para envergadura. Os percentis (respectivamente P95, P85, P75, P60,
P50, P40, P25, P15 e P5) para a estatura foram definidos como 212,4; 208,3; 205,7; 202,6; 200,0; 197,0; 193,0; 189,2;
e 184,2 cm, e para a envergadura foram 223,5; 218,4; 214,6; 210,8; 207,0; 204,5; 198,8; 195,6; e 188,6 cm. Ambos os
índices apresentaram homogeneidade. Todos os valores de referência da envergadura foram maiores que os de
estatura.

É interessante frisar que entre 1991 e 1995 havia apenas 27 equipes na NBA, 29 em 1995, e 30 a partir de 2004, o que
aumentou as vagas de 54 para 58, e então, 60. Isso significa que ao longo destes 24 anos, 4987 atletas disputaram
1398 vagas (3,6 atletas/vaga). Como a concorrência é grande e bastante especializada, os critérios de seleção precisam
ser abrangentes e minuciosos. Por isso, a criação de valores de referência se mostra uma ferramenta bastante útil para
a avaliação comparativa do perfil do atleta.

CONCLUSÃO
Os percentis de estatura e envergadura dos atletas de elite e subelite representam referência para futuras análises de
perfil antropométrico de atletas de basquetebol.

REFERÊNCIAS
Ben Abdelkrim, N., El Fazaa, S., & El Ati, J.. Time-motion analysis and physiological data of elite under-19-year-old
basketball players during competition. (2007). British Journal of Sports Medicine.41(2), 69-75.

Cormery, B., Marcil, M., & Bouvard, M.. Rule change incidence on physiological characteristics of elite basketball
players: a 10-year-period investigation. (2008). British Journal of Sports Medicine. 42(1), 25-30.

McInnes, S. E., Carlson, J. S., Jones, C. J., & McKenna, M. J.. The physiological load imposed on basketball players
during competition. (1995). Journal of Sports Sciences.13, 387-397.

Narazaki, K., Berg, K., Stergiou, N., & Chen, B.. Physiological demands of competitive basketball. (2009).
Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports. 19(3), 425-32.

Zhang, S., Lorenzo, A., Gómez, M. A., Mateus, N., Gonçalves, B., & Sampaio, J.. Clustering performances in the
NBA according to players\\\\\\\' anthropometric attributes and playing experience. (2018) Journal of Sports Sciences.
Epub 20 de abril de 2018. doi: 10.1080/02640414.2018.1466493.

108
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO TÉCNICO DE EQUIPES MANDANTES


E VISITANTES NO NOVO BASQUETE BRASIL (2016-17)
Marcelo Kopp Toescher1; Eraldo dos Santos Pinheiro1
Autor para correspondência: marcelotoescher@gmail.com
1
Universidade Federal de Pelotas

PALAVRAS-CHAVE:Esporte; Análise de jogo; Alto rendimento

INTRODUÇÃO
O basquete é uma modalidade esportiva coletiva de invasão com alto nível de exigência física, técnica e tática. Além
desses três fatores, a parte psicológica também se mostra presente durante uma partida. Uma das situações em que
esse fator psicológico pode se mostrar mais presente, é em jogos na casa do adversário, principalmente em alto nível,
por se tratar de jogos que possam atrair grande público, o que pode causar uma situação desconfortável para o time
visitante. Alguns atletas e equipes podem sentir esse fator local com maior intensidade do que outros, e isso pode
afetar diversas variáveis técnicas durante uma partida. Baseado nisso, o objetivo desse trabalho foi comparar o
desempenho técnico de equipes mandantes e visitantes, e verificar se houve influência do fator local durante as
partidas da fase classificatória da temporada 2016-17 do Novo basquete Brasil (NBB).

MATERIAIS E MÉTODOS
Os dados das partidas estavam disponíveis publicamente no site da Liga Nacional de Basquete. Foram analisados 186
jogos da fase de classificação da temporada 2016-17 do Novo Basquete Brasil. Foram selecionados todos os jogos da
fase classificatória, disponíveis no site da Liga Nacional, mas não foi possível o acesso a todos os jogos por erros no
site, e pela falta dos dados de 24 jogos. Foram coletados os dados referentes as seguintes variáveis: pontuação geral,
arremessos de dois pontos, arremessos de três pontos, lances livres, rebotes defensivos e ofensivos, turnovers e faltas
cometidas. Esses dados foram tabulados e analisados com o software IBM SPSS Statistics. Para comparação das
médias foi utilizada a Anova one way.

RESULTADOS
Dos 186 jogos analisados, 108 foram vencidos pelo clube da casa, contra 78 vitórias do clube visitante, apresentando
diferença estatisticamente significativa em favor dos clubes da casa (p = 0,002). Dentre as demais variáveis
analisadas, houve diferença estatisticamente significativa em pontuação geral (mandante = 79,4 ± 10,4 e visitante =
76,7 ± 11,1) (p = 0,017), arremessos de dois pontos convertidos (mandante = 19,3 ± 4,5 e visitante = 18,2 ± 3,9) (p =
0,011) e turnovers (mandante = 13,9 ± 3,5 e visitante = 14,7 ± 3,6) (p = 0,030). As variáveis arremessos de dois
pontos errados (mandante = 18,2 ± 4,7 e visitante = 18,5 ± 5,0), arremessos de dois pontos totais (mandante = 37,6 ±
6,5 e visitante = 36,7 ± 6,2), arremessos de três pontos convertidos (mandante = 8,3 ± 3,0 e visitante = 8,5 ± 3,4),
arremessos de três pontos errados (mandante = 16,5 ± 4,5 e visitante = 16,4 ± 4,5), arremessos de três pontos totais
(mandante = 24,9 ± 5,4 e visitante = 25,0 ± 5,8) lances livres convertidos (mandante = 15,5 ± 5,8 e visitante = 15,2 ±
5,9), lances livres errados (mandante = 5,5 ± 2,9 e visitante = 5,5 ± 3,1), lances livres totais (mandante = 21,0 ± 7,3 e
visitante = 20,7 ± 7,7), faltas cometidas (mandante = 21,1 ± 4,2 e visitante = 21,1 ± 4,3) e rebotes (mandante = 36,6 ±
6,4 e visitante = 36,0 ± 6,6), não apresentaram diferença estatisticamente significativa entre as equipes mandantes e
visitantes.

Os resultados encontrados nos mostram que entre as variáveis analisadas, as equipes mandantes apresentaram melhor
desempenho que os visitantes nas variáveis pontuação, cestas de dois pontos convertidas e turnovers enquanto as
equipes visitantes não apresentaram melhor desempenho em nenhuma das variáveis analisadas. O fato de não haver
diferença estatisticamente significativa entre as outras variáveis analisadas (arremessos de dois pontos errados e totais,
arremessos de três pontos convertidos, errados e totais, lances livres convertidos, errados e totais, rebotes defensivos,
ofensivos e totais e faltas cometidas), nos remete à inferir que a forte marcação para provocar turnovers e a eficiência
nas bolas simples de dois pontos podem ser indicativos de que o fator local é determinante em jogos equilibrados.

109
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Os arremessos de três pontos, por se tratarem das cestas que mais valem pontos, se forem bem exploradas podem ser
decisivas, no entanto, no presente estudo não apresentaram diferença significativa. Ademais, os lances livres, que
quando convertidos em maior número costumam indicar vitórias (Dias Neto, 2007), também não apresentaram
diferença estatisticamente significativa, mesmo os times da casa tendo vencido um número maior que partidas. Os
rebotes são indicados por experts como variáveis importantes no jogo, por se tratarem disputas que oportunizam a
próxima pontuação, ou seja, ter uma nova chance de pontuar (rebote ofensivo), ou impedir que o time adversário
tenha essa chance extra (rebote defensivo). O desempenho nos rebotes das equipes mandantes e visitantes não
apresentou diferenças significativas, tanto em rebotes totais quanto em rebotes ofensivos ou defensivos. As faltas
cometidas, assim como os turnovers, são variáveis que quanto maior a quantidade mais chance o adversário tem de
pontuar. Para Dias Neto (2007) as equipes que sofrem mais faltas tendem a vencer as partidas. No entanto, essa
diferença não ocorreu no presente estudo.

CONCLUSÃO
Com base nas análises realizadas e nos resultados encontrados, é possível concluir que as equipes mandantes têm um
melhor desempenho que as visitantes em arremessos de dois pontos convertidos e turnovers, enquanto as equipes
visitantes não têm um melhor desempenho que as equipes mandantes em nenhuma das variáveis analisadas.

REFERÊNCIAS
DIAS NETO, J. M. M. (2007). A importância dos indicadores estatísticos para a obtenção da vitória no Campeonato
Mundial de Basquetebol adulto masculino 2006. Fitness Performance Journal. doi: 10.3900/fpj.6.1.57.p

110
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CARACTERIZAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E DA POTÊNCIA MUSCULAR DE


ATLETAS DE BASQUETEBOL SUB-17 DE DIFERENTES POSIÇÕES
Leonardo Trevisol Possamai1; Fernando de Souza Campos1; Pedro Rafael Varoni2; Lucinar Jupir Forner Flores2;
Renan Nunes1; Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo1; Tiago Turnes1
Autor para correspondência: leonardotrevisol@outlook.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina; 2Universidade Estadual do Oeste do Paraná

PALAVRAS-CHAVE:Desempenho no Esporte; Antropometria; Potência Muscular

INTRODUÇÃO
O estudo das variáveis fisiológicas e biomecânicas é componente fundamental para o treinamento esportivo (Paiva
Neto & César, 2005). Nesse contexto, esportes que envolvem saltos, arrancadas e acelerações, como no basquetebol, a
potência tem papel essencial no desempenho do jogador (Tricoli, Barbanti, & Shinzato, 1994). Os parâmetros
determinantes da potência têm sido relacionados ao desempenho no Counter Movement Jump (CMJ) e no Squat Jump
(SJ), no primeiro, ocorre um movimento excêntrico seguido de um concêntrico, no qual o desempenho é atribuído ao
aproveitamento da energia elástica, já no segundo, há apenas a fase concêntrica, sendo o desempenho relacionado ao
recrutamento neural. Portanto, os parâmetros de força são solicitados de forma diferenciada e a avaliação das
características dos atletas pode auxiliar na prescrição e controle do treinamento (Dal Pupo, Detanico, & Giovana dos
Santos, 2012; Paiva Neto & César, 2005). Sendo assim, o objetivo deste estudo foi verificar e comparar a potência
muscular no CMJ e SJ e as variáveis antropométricas de atletas de basquetebol sub-17 de diferentes posições.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram voluntariamente da pesquisa 12 atletas de basquetebol do sexo masculino, com idade de 15 a 17 anos. Os
atletas faziam parte de uma equipe escolar campeã do campeonato brasileiro de 2017, participantes no mundial da
categoria no mesmo ano. Os atletas foram divididos conforme a posição de jogo sendo 4 alas, 4 armadores e 4 pivôs.
Após avaliação antropométrica, foram realizados os CMJ e SJ. Para a medida de massa corporal, utilizou-se uma
balança digital e para estatura, um estadiômetro portátil (Seca, Brasil). Para execução do CMJ, o atleta partiu de uma
posição estática em pé, executando o salto precedido por um contra-movimento, sendo controlado visualmente pelo
avaliador. No SJ, o atleta realizou o salto a partir de uma posição estática com o ângulo do joelho em
aproximadamente 90º. Em ambos os testes foram realizadas 3 repetições com intervalo de 30 segundos entre cada
execução, utilizando-se o maior valor dos saltos. Os testes foram precedidos por um aquecimento específico e
realizados em tapete de salto a partir do tempo de voo para estimativa da altura do salto (System Jump Test, Hidrofit,
Brasil). Para análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, ANOVA one-way para comparação de todas as
variáveis entre as posições e o teste T de Student para comparação do CMJ com SJ do grupo todo. Foi adotado um p <
0,05.

RESULTADOS
A massa corporal (P = 0,904) e estatura (P = 0,181) não foram diferentes entre alas (78,3 ± 17,6 kg e 186,5 ± 6,6 cm),
armadores (79,3 ± 6,9 kg e 185,0 ± 8,5 cm) e pivôs (82,1 ± 9,7 kg e 193,0 ± 5,9 cm). O presente estudo não corrobora
com Paiva Neto & César (2005), que avaliaram adultos profissionais de nível nacional, no qual a média de estatura
dos pivôs foram as mais altas e diferentes de todo o grupo. Segundo os autores, quanto mais o jogador tem
características e funções próximas da tabela, mais alto ele é, enquanto armadores, que foram os mais baixos, jogam
mais afastados da tabela, com a principal função de organizar as ações ofensivas e conduzir a bola, tarefa esta que
requer maior velocidade. Ainda, os pivôs necessitam maior peso para realização dos bloqueios e para ocupação do
espaço próximo da tabela.

Com relação ao CMJ (alas: 33,1 ± 6,1 cm; armadores: 35,5 ± 4,5 cm; e pivôs: 32,7 ± 7,2 cm; P = 0,844) e SJ (alas:
32,4 ± 5,0 cm; armadores: 35,7 ± 4,8 cm; e pivôs: 32,2 ± 8,2 cm; P = 0,677), não foram verificadas diferenças
significativas entre as posições. Além disso, para o grupo todo não houve diferença significativa entre CMJ (34,1 ±
5,6 cm) e SJ (33,9 ± 5,8 cm) (P = 0,647). Por outro lado, Häkkinen (1991) avaliou atletas profissionais de elite

111
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

reportando melhores valores no SJ (43,9 cm) comparado ao CMJ (41,5 cm), pois, os saltos realizados durante uma
partida são na grande maioria, com bola ou em contato com o adversário, dificultando a execução de um contra-
movimento prévio e do balanço dos braços, os quais são vistos como eficientes meios para aumentar a altura do salto.
Hoare (2000) avaliou as características de atletas juniores e identificou que os armadores possuem comprimentos de
membros inferiores maiores, o que apresenta uma vantagem mecânica para o salto, identificando também, diferença
entre as posições para estatura e massa corporal. A limitação quanto ao pequeno tamanho da amostra do presente
estudo pode ser um dos fatores responsáveis pelos resultados obtidos.

CONCLUSÃO
Pode-se concluir que não houve diferença na massa corporal e estatura entre as posições, assim como no CMJ e SJ
entre as posições e no grupo todo em uma equipe de basquetebol sub-17.

APOIO
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

REFERÊNCIAS
Dal Pupo, J., Detanico, D., & Giovana dos Santos, S. (2012). Parâmetros cinéticos determinantes do desempenho nos
saltos verticais. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 14(1), 41-51.

Häkkinen, K. (1991). Force production characteristics of leg extensor, trunk flexor, and extensor muscles in male and
female basketball players. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, 31(3), 325-331.

Hoare, D. G. (2000). Predicting success in junior elite basketball players--the contribution of anihropometric and
physiological attributes. Journal of Science and Medicine in Sport, 3(4), 391-405.

Paiva Neto, A., & César, M. C. (2005). Avaliação da composição corporal de atletas de basquetebol do sexo
masculino participantes da liga nacional 2003. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 7(1),
35-44.

Tricoli, V. A. A., Barbanti, V. J., & Shinzato, G. T. (1994). Potência muscular em jogadores de basquetebol e
voleibol: relação entre dinamometria isocinética e salto vertical. Revista Paulista de Educação Física, 8(2), 14-27.

112
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RELATIONSHIP BETWEEN DRAFT AND CAREER LONGEVITY OF NBA PLAYERS


Caio G Miguel1; Fabricio J Milan1; André LA Soares1; Ricardo T Quinaud1; Carlos E Palheta1; Felipe G Mendes1;
Juarez V Nascimento1; Humberto M. Carvalho11
Autor para correspondência: caiofifa1@gmail.com
1
Department of Physical Education, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil

PALAVRAS-CHAVE:Selection; expertise Testing performance; NBA

INTRODUÇÃO
The draft is a process used by all major sports in North America (NBA, NFL, NHL and MLB) to distribute players
among a pool of eligible teams. It is an annual event that disposes the teams in order, usually based on their last year
standings position, i.e. worse team have likely better chance to have a higher draft position for player selection. The
decision on picking one player instead of other depends on a multitude of factors, including current team roster
strengths and/or weakness, talent available on the draft, or the team strategies and game plan, among others. Each
team makes their decision based on information, like individual players´ statistics, technical abilities, data about
physical tests and other analyses (SULLIVAN et al., 2018). Thus, the team with the highest pick has the highest
chance of choosing the player that best suits the team, showing the importance of the draft for a franchise, either to
strengthen or rejuvenate the team. Drafting process has considerable economic implications as rules constrain players
contracts differently across players draft position. Player drafted earlier are expected to be more successful and bring
more market value to their team than players drafted later. Long-term successful team in the NBA is related the ability
to choose appropriately during the draft and may be considered in terms of players´ career longevity. In this study we
examined the distribution of players´ career years by position in the NBA draft between 1978 and 1998.

MATERIAIS E MÉTODOS
Data from 1091 players selected in the NBA draft, from 1978 to 1998 was considered. Players in the NBA draft
between 1978 and 1998 were aged between 17.2 to 27.3 years. Individual players´ years playing in the NBA were
retained. The data is available online at http://stats.nba.com/draft/history/, https://www.basketball-reference.com/ and
http://www.draftexpress.com/. Given the changes in the number of teams and available draft picks for each team, we
only considered players up to pick # 50 for analysis. The athletes were separated in four different groups, based on
their career playing years in the NBA; players with 0 to 4 years; 5 to 9 years;10 to 14 years; more than 15 years
playing in the NBA. We explored the conditional probability of players´ career being related to draft pick using
Bayesian method, assuming a prior uniform probability of players´ longevity be the same across the range of
observations (50 draft picks).

RESULTADOS
The data showed that until to pick #16 all players had the opportunity to play for at least one year in the NBA. From
pick #17 there is a slight decrease on the probability of the athletes to play at least one season in the NBA, becoming
more evident from the pick #28 a substantial reduction in the probability to play at least one year. The results showed
players selected in the first five draft positions had a higher probability to have a longer career, and likely to play 15
years or more in the NBA. Players selected between pick 6 to pick 19 had higher probability to play 10 to 14 years.
Players selected from position 20 to 24 were more likely to have a career spanning 5 to 9 years. Subsequent selections,
# 25 to # 50, were more likely to play up to 4 years in the NBA.

In this study, we examined the probability of NBA draft associated with players´ career longevity. It was apparent that
players selected in the first picks were more likely to have longer league careers. These observations concur with
preceding observation in basketball and other professional team sports (Sullivan et al. 2018). Players selected in the
latter positions in the draft were likely to have a shorter career in the NBA, and some did not even were able to play in
the league. It has been suggested that as a result athletes tend not to renew their contracts, thus ending their career
early in the NBA league. This can be explained by the fact that the player who is selected in the first picks will,
theoretically go to a team with worst performance in the previous season to the draft, thus likely having more
opportunities to play. In contrast, those selected latter in the draft are likely chosen by better teams, where level of the

113
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

players composing the teams´ rooster is more competitive and may be more difficult to have playing opportunities.
Also, economical constrains may limit latter pick players´ probability to have longer careers.

CONCLUSÃO
The present exploratory study highlights the higher probability of an early draft NBA choice to have a longer career,
and potentially impact the teams´ future success. However, care should be taken generalizing the present observation,
since we did not account for variation across seasons. Future analysis should consider both the constrains of each
season or period of the NBA (including rule changes, increase of teams, CBA disputes and shorter seasons), as well as
individual players´ information, including pre-draft information and NBA career quantitative information.

REFERÊNCIAS
SULLIVAN, Courtney et al. Factors associated with early career progression in professional Australian Football
players. Journal Of Sports Sciences, [s.l.], p.1-6, 27 fev. 2018. Informa UK Limited.
http://dx.doi.org/10.1080/02640414.2018.1444277.

114
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISIS DE PERFILES DE RENDIMIENTO EN FUNCIÓN DEL PUESTO


ESPECÍFICO EN ETAPAS DE FORMACIÓN.
Javier García Rubio1,2; Javier Courel Ibáñez4; Sergio Gónzalez-Espinosa1,2; Sebastián Feu1,3; Sergio J. Ibáñez
Godoy1,2
Autor para correspondência: jagaru@unex.es
1
Grupo de Optimización del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo (GOERD); 2Facultad de Ciencias del Deporte.
Universidad de Extremadura. España; 3Facultad de Educación. Universidad de Extremadura. España; 4Facultad de
Ciencias del Deporte. Universidad de Murcia. España

PALAVRAS-CHAVE:Baloncesto; Puesto específico; rendimiento

INTRODUÇÃO
El estudio de los indicadores de rendimiento en el deporte es una línea de investigación que genera información
objetiva y útil para los entrenadores y deportistas. En baloncesto se ha puesto de manifiesto la importancia de
determinar perfiles de rendimiento para cada puesto específico de juego: bases, aleros y pívots (Sampaio, Ibáñez,
Gómez, Lorenzo, & Ortega, 2008). Los puestos específicos determinan las necesidades de cada jugador para la
competición. De hecho, las necesidades de cada puesto específico dependen del tipo de competición. Por ejemplo, en
la NBA existe una mayor especialización de la competición con roles de juego mucho más definidos que en la liga
ACB. Respecto a los perfiles de juego, en la liga portuguesa los bases y los pívots tienen necesidades más defensivas
(i.e., más rebotes defensivos y más tapones), mientras que en la liga ACB realizan más asistencias y lanzamientos de 3
puntos, y en la NBA se caracterizan por los rebotes ofensivos (Sampaio, Janeira, Ibáñez, & Lorenzo, 2006).

A pesar de la enorme utilidad de esta información para la mejora de los procesos de entrenamiento y competición, son
escasos los estudios que analicen las diferencias entre puestos específicos en categorías de formación. Por lo tanto, el
objetivo de este trabajo fue determinar los perfiles de juego a través de los indicadores de rendimiento en función del
puesto específico en el Adidas Next Generation Tournament de la Euroliga (ANGT).

MATERIAIS E MÉTODOS
Muestra

La muestra estuvo compuesta por todos los jugadores que participaron en el ANGT en las temporadas 2013-14 y
2014-15 y que perteneciesen a la categoría junior (u´18) (N=623). Todos los jugadores fueron clasificados de acuerdo
a su puesto específico: bases, aleros y pívots. Todos los datos se obtuvieron de la página oficial de la competición
(http://www.adidasngt.com/u18).

Variables

Las variables analizadas fueron el puesto específico de cada jugador, los minutos jugados y los indicadores de
rendimiento técnico-tácticos. Los indicadores de rendimiento se recogieron por los técnicos de la competición. No
obstante, se realizó un análisis de validez de los registros a través de la observación de cuatro partidos aleatorios
durante las dos temporadas por un observador independiente obteniendo valores excelentes (k > 0.91) para todas las
variables excepto para las asistencias (k > 0.89).

Análisis de datos

Todas las variables de rendimiento fueron normalizadas al minuto, permitiendo la comparación entre todos los
jugadores. Los outliers fueron detectados y eliminados (Hoaglin & Iglewicz, 1987) y la distribución de los datos
analizada a través del test de Kolmogorov-Smirnov. A continuación, se realizó un análisis descriptivo a través de
medias y desviación estándar. Se utilizó un ANOVA de un factor para identificar las diferencias entre puestos
específicos, con la corrección de Bonferroni para el análisis por pares. Los tamaños del efecto se calcularon a través
de la d de Cohen para el estadístico F, asumiendo valores menores de 0.2 como pequeños, de 0.2 a 0.8 medianos y
mayores de 0.8 grandes (Thalheimer & Cook, 2002). Finalmente, se realizó un análisis discriminante para identificar
los indicadores de rendimiento que caracterizan a cada puesto específico a través del estudio de los coeficientes

115
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

estandarizados (SCs >|0.30|). Todos los análisis se realizaron utilizando el software SPSS v.21 (Inc, Chicago, IL,
USA).

RESULTADOS
Los resultados pusieron de manifiesto diferencias en todos los indicadores de rendimiento excepto en los puntos
anotados y los tiros libres anotados y lanzados en función del puesto específico. Los tamaños del efecto mostraron las
diferencias más importantes entre los bases y los pívots en los lanzamientos de 2 y 3 puntos anotados, rebotes
defensivos y ofensivos, asistencias y tapones a favor; entre los bases y los aleros en las asistencias; y entre los aleros y
los pívots en los lanzamientos de 3 intentados. El análisis discriminante mostró la existencia de dos funciones
estadísticamente significativas que clasifican correctamente el 68.7% de la muestra. La primera función identificó a
los lanzamientos de 3 puntos anotados y lanzados y las asistencias a favor de los bases, mientas que los tapones a
favor, rebotes ofensivos y totales y los lanzamientos de dos puntos a favor de los pívots. La segunda función identificó
la importancia de las asistencias, las faltas cometidas, tapones recibidos y los lanzamientos de dos puntos lanzados
con los pívots y bases en contraposición a los aleros.

El objetivo del presente trabajo fue identificar las diferencias entre puestos específicos en baloncesto de formación.
Los resultados del trabajo muestran diferencias en los indicadores de rendimiento entre puestos específicos (Sampaio
et al., 2008; Sampaio et al., 2006). En esta competición se diferencian claramente a los bases de los pívots, con los
aleros ocupando una posición intermedia entre ellos. Los resultados sugieren que los pívots se caracterizan por
habilidades condicionales, como fuerza y potencia, que les permitan taponar y rebotear, mientras que los bases se
caracterizan por habilidades coordinativas, para pasar y anotar desde larga distancia. Los aleros se caracterizan por ser
una mezcla de las posiciones anteriores, ayudando en el rebote y siendo buenos lanzadores. Estos resultados parecen
contrastar con la mayor versatilidad observada en competiciones como la NBA, con jugadores exteriores cada vez
más físicos, potentes y reboteadores, y jugadores interiores con mejor habilidad de pase y más eficaces en el juego
exterior (Mateus et al., 2015).

CONCLUSÃO
Los resultados van a permitir un conocimiento más profundo de la competición en baloncesto de formación, ayudando
a los entrenadores a mejorar sus programas de entrenamiento, ajustándolos a cada perfil de jugador.

APOIO
Ayuda a los Grupos de Investigacio?n (GR15122) de la Junta de Extremadura (Consejeri?a de Empleo e
Infraestructuras); con la aportacion de la Union Europea a traves de los Fondos Europeos de Desarrollo Regional
(FEDER)

REFERÊNCIAS
Hoaglin, D. C., & Iglewicz, B. (1987). Fine-tuning some resistant rules for outlier labeling. Journal of the American
Statistical Association, 82(400), 1147-1149.

Mateus, N., Gonçalves, B., Abade, E., Liu, H., Torres-Ronda, L., Leite, N., & Sampaio, J. (2015). Game-to-game
variability of technical and physical performance in NBA players. International Journal of Performance Analysis in
Sport, 15(3), 764-776.

Sampaio, J., Ibáñez, S. J., Gómez, M. A., Lorenzo, A., & Ortga, E. (2008). Game location influences basketball
players\' performance across playing positions. International Journal of Sport Psychology, 39(3), 205-216.

Sampaio, J., Janeira, M., Ibáñez, S., & Lorenzo, A. (2006). Discriminant analysis of game-related statistics between
basketball guards, forwards and centres in three professional leagues. European journal Journal of sport Sport
scienceScience, 6(3), 173-178.

Thalheimer, W., & Cook, S. (2002). How to calculate effect sizes from published research: A simplified methodology.
Work-Learning Research, 1-9.

116
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ALLOMETRIC SCALING OF AGILITY AND POWER PERFORMANCE IN


BASKETBALL PLAYERS
Carlos Ewerton Fernandes Palheta1; Fabrício João Milan1; André Luis de Almeida Soares1; Caio Garbo Miguel1;
Carine Collet1; Felipe Goedert Mendes1; Michel Milistetd1; Humberto Moreira Carvalho1
Autor para correspondência: carlospalheta26@gmail.com
1
Department of Physical Education, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil

PALAVRAS-CHAVE:Testing performance; NBA; Basketball

INTRODUÇÃO
Basketball performance has been shown to be influenced by anthropometric measures. Particularly, body mass and
stature are among the important anthropometric measures in basketball. Therefore, there is large variability is body
size among basketball players, even at a highly selected expert levels such as NBA players. The NBA Draft Combine
is an event where prospects (i.e., candidate players to be chosen by a NBA team) are assessed and future performance
predictions are projected. The combine is composed by batteries of anthropometrical measures, physical ability tests
(agility, speed and jump) and basketball-specific performance assessment. Usually ratio standards are used to partition
body size influence on physiological measures. However, the limitations of ratio standards have been known for a
long time (Tanner, 1949). On the other hand, allometric scaling provides an appropriate approach to partition body
size influence on performance (Nevill, Ramsbottom, & Williams, 1992). Nevertheless, inspection and validation of
the models is required to examine whether spurious correlations remain after scaling performance, which may occur
in short running and jumping efforts (Jaric, Radosavljevic-Jaric, & Johansson, 2002). Given, that physiological
performance is influenced by body size, and the large variability between basketball players, we examined the
influence of body dimensions the NBA’s Draft Combine testing battery and the validity of ratio standards or
allometric scaling to partition body size influence.

MATERIAIS E MÉTODOS
The performance of 405 athletes preforming on the pre-draft assessment of the NBA from 2010 to 2017 was
considered in this study. Players were aged 17.8 to 28.0 years (21.5 ± 1.46 years). Data is available at the official
NBA’s Draft Combine website (https://stats.nba.com/draft/combine/). The NBA’s Draft Combine testing battery is
composed by: (i) lane agility drill, which is based on a regular three second area within the NBA court, the athlete
sprints forward for 5.8m, then proceed with defensive shuffle movement across the free-throw line, followed by a
backpedaling until the baseline (5.8m) and defensive shuffle to the starting point. To complete the test players perform
completed by the inverse path; (ii) shuttle run, this is a test of speed, body control and the ability to change direction
(agility), as well as reaction time that uses the marking of the standard NBA basketball court (9,76m). The player
starts by straddling the middle line. When indicated by the measuring system, the player runs either to the right or left
direction, and places his foot on or over the sideline of the key. He then runs 16 yards back to the opposite line, then
finally turns and finishes by running back through the start/finish line. The score is the best time of three trials; (iii)
sprint test, the aim of this test is to determine running speed over 3/4 court distance (75 feet, 22.86 meters), using
marked basketball court with 4 cones, the athlete performs a maximum sprint in 3/4 of a basketball from the baseline
until the final line marking; (iv) jump test (standing vertical leap), is a countermovement jump executed from a
stationary position with arm swing to propel the body upwards generating additional propulsion; (v) jump test (max
vertical leap) the athlete stands away from the instrument, and leaps vertically as high as possible using both arms and
legs to assist in projecting the body upwards. Initially we examined the correlation between performance indicators
and body size descriptors (stature, body mass). Both ratio standard and power functions, derived via log transformed
linear regression of both dependent and independent variables, were derived. Validity of the models were inspected by
visual inspection of residual plots against body size descriptors and correlations between scaled performance with
body size. Non-zero correlations indicate spurious correlation, hence the models were not able to correctly partition
size influence.

117
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
There were substantially large correlations between performances and body dimensions. The allometric exponents
resulting from the application of equation between power tests and body dimensions variables were as follows: body
mass as independent variable 0.19 (0.01) for lane agility, 0.09 (0.03) for shuttle run, 0.14 (0.01) for three quarter
sprint, -0.26 (0.04) for standing vertical leap, -0.41 (0.04) for max vertical leap; Stature as independent variable 0.48
(0.05) for lane agility, 0.23 (0.08) for shuttle run, 0.38 (0.04) for three quarter sprint, -0.61 (0.12) standing vertical
leap, -1.04 (0.11) for max vertical leap. The correlations between power tests and body mass using ratio standards
ranged from very large to nearly perfect (-0.92 to -0.80). The correlations between ratio standard scaled performance
and stature ranged from moderate to large (-0.68 to -0.43). Allometric scaled performance showed no spurious
correlations with body size indicators, with exception of allometric scaled shuttle run performance by stature (r=0.11,
95% CI 0.01 to 0.23). In the NBA Draft Combine the tests reflect results related to muscle strength (agility, speed, and
jump). Under these conditions comparisons of the absolute result allow the effect of body dimensions such as height
and body mass (Jaric et al., 2002). Usually, the ratio standards and the allometric scaled, are the methods considered
to remove the effect of these dimensions. The use of allometric exponents obtained from the linear relationship with
logarithmic data was shown to be more efficient in removing the effects of body dimensions in the NBA Draft
Combine tests. this method has been called the principle of geometric or biological similarity (McMahon, 1984). Even
though the discussion on the ideal method for adjusting the effect of body dimensions on tests that reflect muscle
strength (Jaric et al., 2002), the use of the allometric scale proves to be the most adequate to highlight more reliable
results.

CONCLUSÃO
Anthropometric characteristics such as body mass and height influence the results achieved by players in the NBA\'s
Draft Combine testing battery. Therefore, choosing players in the NBA Draft based solely on test scores may not be
paying attention to teams making their choices. The use of an equation using the allometric exponents proved to be
efficient to nullify the effect of the anthropometric dimensions on the result of the tests.

REFERÊNCIAS
Jaric, S., Radosavljevic-Jaric, S., & Johansson, H. (2002). Muscle force and muscle torque in humans require different
methods when adjusting for differences in body size. European Journal of Applied Physiology, 87(3), 304–307.
https://doi.org/10.1007/s00421-002-0638-9

McMahon, T. A. (1984). Muscles , Reff exes , and Locomotion. Princeton: Princeton Univesrsity Press.

Nevill, A. M., Ramsbottom, R., & Williams, C. (1992). Scaling physiological measurements for individuals of
different body size. European Journal of Applied Physiology and Occupational Physiology, 65(2), 110–117.
https://doi.org/10.1007/BF00705066

Tanner, J. M. (1949). Fallacy of Per-Weight and Per-Surface Area Standards, and Their Relation to Spurious
Correlation. Journal of Applied Physiology, 2(1), 215–220.

118
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

NÍVEIS DE JOGO E CONHECIMENTO DECLARATIVO EM JOVENS


BASQUETEBOLISTAS CEARENSES
Ítalo Nunes Braga1; Ricardo Hugo Gonzalez1
Autor para correspondência: italobraga22@hotmail.com
1
Universidade Federal do Ceará

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Abordagem Alternativa; Esporte Escolar

INTRODUÇÃO
O basquetebol é um dos esportes com mais praticantes no estado do Ceará, no ambiente escolar. O método tradicional
é o mais utilizado entre professores e técnicos. Esta abordagem não possibilita a adesão de novos praticantes à prática
regular da modalidade. O objetivo central foi verificar o nível de entendimento de jogo no basquetebol de jovens de
12 a 16 anos a partir de uma abordagem alternativa para o ensino-aprendizagem-treinamento dos esportes.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de um estudo de corte transversal. A amostra foi composta por 16 alunos entre 12 e 16 anos de idade, com no
mínimo 1 ano de prática, do projeto de extensão Basquete Solidário, da Universidade Federal do Ceará. Escolhidos
segundo disponibilidade. Foi utilizado o GPAI (Game Performance Assessment Instrument). O instrumento tem como
função avaliar os comportamentos da performance no jogo. A primeira parte da avaliação foi realizada a partir de um
jogo de basquetebol 2x2, apenas com meia quadra disponível. Nesta primeira parte, foram avaliadas ações com bola
(passe, arremesso, drible) e sem bola (criação de linha de passe, apoio ofensivo, apoio defensivo). A segunda parte da
avaliação foi realizada a partir de um jogo formal de basquetebol (5x5). Também foram avaliadas ações com e sem a
bola, de forma que fosse contemplado todos os aspectos propostos na avaliação, proporcionando uma representação
mais apurada das habilidades dos jogadores, bem como suas ações técnico/táticas. As informações foram analisadas a
partir da observação dos vídeos gravados pelos bolsistas do projeto de extensão Basquete Solidário, e em seguida
observados pelo pesquisador para que pudesse ser realizada uma análise dos aspectos avaliativos mencionados
anteriormente. Em um primeiro momento, a análise dos dados foi feita a partir dos aspectos específicos da
modalidade, onde foram avaliados 4 pontos, que são: Deslizamento defensivo, drible, chute e passe. No segundo
momento, a análise dos dados foi feita a partir dos aspectos básicos do desempenho, também tendo 4 pontos
avaliativos, que são: Escolha acerca do que fazer com a bola, eficácia da habilidade selecionada, movimento sem bola
no ataque e ações de defesa. Os níveis de desempenho foram avaliados a partir do estudo de Memmert e Harvey
(2008) sobre o GPAI, sendo configurado como: Muito efetivo, efetivo, moderado, fraco e muito fraco.

RESULTADOS
Em um primeiro momento, os alunos foram avaliados a partir de sua ação coletiva, através de um jogo de basquetebol
formal, sem exclusão ou adaptação de regras. O jogo foi realizado entre o time A x time B, com os dois times jogando
no sistema de jogo de 1.2.2, por ser um sistema que permite ocupação equilibrada do espaço, distribuição homogênea
dos jogadores nos dois lados do campo, jogadores jogam sempre de frente para a cesta e por garantir um espaço de
invasão amplo, permitindo ao jogador penetrar em drible ou cortar para receber. Nesse jogo o time A possuiu uma
maior posse de bola, tendo ações coletivas efetivas. O time sempre fazia a transição ofensiva trocando diversos passes,
respeitando o limite de tempo no ataque e em nenhum momento concentrou suas jogadas em um único jogador,
mostrando que coletivamente eles foram bastante efetivos. Já o time B possuiu uma menor posse de bola, tendo ações
coletivas menores que as do time A, pelo estilo de jogo que eles se propuseram a jogar, que foi na base do contra-
ataque, graças às características do time A e principalmente pelas características de seus próprios jogadores, que
possuíam bastante habilidade e frequentemente se apropriavam de dribles. O time fazia a transição ofensiva variando
entre troca de passes e jogadas individuais, foi nítido que não se importavam com o tempo limite de posse de bola no
ataque, pois eles tentavam concluir as jogadas em cesta o mais rápido possível. As jogadas foram em sua maioria
concentradas nos alas e principalmente no armador, os pivôs mantinham basicamente um papel mais defensivo. O
conhecimento tático do basquetebol, acordo com a classificação dos experts, cinco obtiveram resultados fracos, seis
obtiveram resultados moderados e cinco obtiveram resultados efetivos, demonstrando que a amostra é bastante

119
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

heterogênea. Os alunos se encontram em diferentes níveis de jogo, da fase anárquica, até alunos na fase elaborada do
jogo. No que diz respeito a esta diversidade de níveis de jogo, é o fato de que alguns destes alunos já possuíam
experiências anteriores com o basquetebol. Fato que contribui para aprimorar a leitura do jogo. As vivências nos
esportes coletivos contribuem para aumentar a seleção da resposta, as tomadas de decisões e o conhecimento tático.

CONCLUSÃO
É possível utilizar outras abordagens para o ensino do basquetebol, deixando de lado os métodos tradicionais e
partindo para os métodos alternativos. Com estratégias como jogos condicionados, aumentando assim o conhecimento
tático/técnico dos alunos. O instrumento GPAI deve ser utilizado para avaliar a performance de jogo dos praticantes
para que sejam selecionadas as melhores estratégias de ensino para o grupo ou equipe a ser treinada. Novos estudos
devem ser realizados utilizando outras variáveis e com amostras maiores, principalmente no estado do Ceará, para que
o basquetebol possa se desenvolver cada vez mais, tanto no ambiente escolar quanto no ambiente de desempenho,
para que se possa formar atletas e cidadãos através do esporte.

APOIO
Universidade Federal do Ceará. NEPE-UFC (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Esportes). PROEXT-UFC (Pró-
reitoria de Extensão)

REFERÊNCIAS
Ferreira, H.B.; Galatti, L.R. & Paes, R.R. Pedagogia do esporte: considerações pedagógicas e metodológicas no
processo de ensino -aprendizagem do basquetebol. In: Paes, R.R. & Balbino, H.F. Pedagogia do Esporte: Contextos e
Perspectivas. Rio de Janeiro; Guanabara Koogan, 2005. p.123-136.

Garganta, J. Para uma Teoria dos Jogos Desportivos Coletivos. In: Graça, A. & Oliveira, J. (ed.). O Ensino dos Jogos
Desportivos coletivos. Universidade do Porto, 1998.

Graça, A. & Oliveira, J. O ensino dos jogos desportivos. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física.
Universidade do Porto. 2005.

Memmert, D. & Harvey, S. The Game Performance Assessment Instrument (GPAI): Some concerns and solutions for
further development. Journal of Teaching in Physical Education, 2008, 27, 220-240. Human Kinetics, Inc. 2008.

Oslin, J. L., Mitchell, S. A., & Griffin, L. L. The Game Performance Assessment Instrument (GPAI): Development
and preliminary validation.Journal of Teaching in Physical Education, 1998, 17, 231-243.

120
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICO-TÁTICAS NO BASQUETEBOL: DESEMPENHO


DE ACORDO COM AS FUNÇÕES ESPECÍFICAS DE JOGO
Allan Abou Hatem1; Alexandra Folle1; Larissa Fernanda Porto Maciel1; Raquel Krapp Nascimento1; William das
Neves Salles2; Juarez Vieira do Nascimento2
Autor para correspondência: allanhatem@hotmail.com
1
Universidade do Estado de Santa Catarina; 2Universidade Federal de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:Desempenho no esporte; Basquetebol; Posições específicas

INTRODUÇÃO
A análise do desempenho esportivo de atletas de modalidades coletivas tem recebido destaque no cenário
investigativo, em especial no que tange às dimensões técnica - estatística de jogo (García, Ibáñez, Ruano, & Sampaio,
2014) e tática - conhecimento tático-processual (Praça et al., 2016). Na realidade brasileira (Folle, Salles, Quinaud, &
Nascimento, 2017), identifica-se que esforços têm sido conduzidos com intuito de ampliar esta análise para além da
estatística de jogo ou do conhecimento tático-processual, apesar de ainda não contemplar a relação do desempenho
com a especificidade das funções desempenhadas pelos atletas nas partidas. Neste sentido, este estudo objetivou
analisar o nível de desempenho técnico-tático (adaptação, tomada de decisão e eficácia) de atletas de categorias de
base do basquetebol feminino, considerando suas ações de jogo e funções específicas.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram 26 atletas de um clube de basquetebol de Santa Catarina (Brasil), o qual consagrou-se campeão invicto
das categorias sub-16 (14 atletas) e sub-18 (12 atletas) nos campeonatos estaduais de 2011, promovidos pela
Federação Catarinense de Basketball. Realizou-se observação estruturada por meio da gravação de seis jogos oficiais
(duas partidas iniciais, intermediárias e finais) que cada categoria disputou.

Os dados foram transcritos em ficha sistemática de observação, com base no Instrumento de Avaliação do
Desempenho Técnico-Tático Individual no Basquetebol (Folle et al., 2014). Avaliaram-se 14.872 ações nos 12 jogos
observados, sendo 3.084 passes, 3.083 recepções, 2.079 dribles, 1.102 arremessos, 579 desmarcações, 132 corta-luzes,
739 bloqueios de rebote, 3.366 marcações e 708 rebotes. A análise estatística contemplou aspectos descritivos
(frequência absoluta e relativa) e inferenciais (teste Qui-quadrado), adotando o nível de significância de 95% para a
interpretação das associações.

RESULTADOS
Os resultados evidenciaram associação entre as funções específicas exercidas pelas atletas e o desempenho geral nas
ações recepção (p=0,003), drible (p<0,001), arremesso (p=0,037) e bloqueio de rebote (p=0,025). Observou-se que as
armadoras apresentaram desempenho mais adequado nos fundamentos recepção e drible, as alas no arremesso e as
pivôs no bloqueio de rebote.

Embora não tenha sido encontrada associação entre as ações de jogo no componente adaptação e as funções
específicas das atletas, constatou-se que a maioria destas, independentemente da função exercida no jogo, apresentou
predominância de adaptação adequada na ação de corta-luz e de adaptação inadequada no bloqueio de rebote.

Quando considerado o componente tomada de decisão, evidenciou-se associação significativa das funções exercidas
no jogo com as ações drible (p<0,001), arremesso (p=0,013) e marcação (p<0,001). Enquanto as armadoras
apresentaram desempenho mais adequado nas ações de drible e de marcação, as alas apresentaram níveis mais
adequados de arremesso.

No componente eficácia, encontrou-se associação nas ações de recepção (p=0,003), drible (p=0,001), arremesso
(p=0,051) e bloqueio de rebote (p=0,015). Espeficicamente, verificou-se que as armadoras e as alas apresentaram
desempenho mais adequado nas ações de recepção e drible. Além disso, encontraram-se percentuais mais elevados de

121
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

bloqueios de rebote adequados nas pivôs, de arremessos adequados nas alas e de arremessos inadequados nas
armadoras.

Estes resultados corroboram a afirmação de que o desempenho nas ações de jogo relaciona-se com as características
das funções específicas exercidas pelos jogadores durante uma partida de basquetebol. Especificamente, aos
armadores cabe o discernimento pelas ações de passe, drible, infiltração, assistências e roubadas de bola, ou seja, são
responsáveis pela organização e criação do jogo (Ruano, Calvo, Toro, & Zafra, 2007). Tais características podem ter
refletido nos níveis mais elevados de desempenho geral nas ações de recepção e drible; de tomada de decisão nas
ações drible e marcação; e de eficácia nas ações recepção e drible. Aos alas se atribui a responsabilidade dos
arremessos de média e longa distância, sobretudo os de três pontos, enquanto aos pivôs está destinada a tarefa de
capturar rebotes e de arremessar a curta distância (Ruano, Calvo, Toro, & Zafra, 2007). Tais afirmações aproximam-
se dos resultados encontrados neste estudo, em que as alas apresentaram maior nível de desempenho de arremesso e as
pivôs se sobressaíram nas ações de bloqueio de rebote.

CONCLUSÃO
As evidências encontradas neste estudo reforçam a importância da análise de jogo para o diagnóstico de
potencialidades e limitações dos atletas nas partidas de basquetebol, ao mesmo tempo que podem auxiliar treinadores
desta modalidade a organizar sessões de treinamento alinhadas às especificidades e às exigências das diferentes
funções técnico-táticas.

Apesar de apresentar evidências a respeito da associação entre o desempenho e as funções de jogo no basquetebol,
destaca-se que este estudo investigou somente alguns jogos de uma competição específica. Neste sentido, para
aumentar a confiabilidade e a abrangência das conclusões, sugere-se a ampliação das investigações sobre a análise de
desempenho no Basquetebol para contemplar a totalidade de uma temporada esportiva.

APOIO
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

REFERÊNCIAS
Folle, A., Quinaud, R. T., Barroso, M. L. C., Rocha, J. C. S., Ramos, V., & Nascimento, J. V. (2014). Construção e
validação preliminar de instrumento de avaliação do desempenho técnico-tático individual no basquetebol. Journal of
Physical Education, 25(3):405-418.

García, J., Ibáñez, S. J., Ruano, M. A. G., & Sampaio, J. (2014). Basketball Game-related statistics discriminating
ACB league teams according to game location, game outcome and final score differences. International Journal of
Performance Analysis in Sport; 14(2):443-452.

Praça, G. M., Costa, C. L. A., Costa, F. F., Andrade, A. G. P., Chagas, M. H., & Greco, P. J. (2016). Comportamento
tático em pequenos jogos no futebol: influência do conhecimento tático e da superioridade numérica. Journal of
Physical Education; 27(1):2-13.

Folle, A., Salles, W. N., Quinaud, R. T., & Nascimento, J. V. (2017). Fatores associados à eficácia no desempenho
esportivo de equipes campeãs de basquetebol em categorias de formação. Revista de Psicologia del Deporte;
26(1):75-79.

Ruano, M. A. G., Calvo, A. L., Toro, E. O., & Zafra A. O. (2007). Diferencias de los indicadores de rendimiento en
baloncesto femenino entre ganadores y perdedores en función de jugar como local o como visitante. Revista de
Psicologia del Deporte;16(1):41-54.

122
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PROPUESTA DE ANALISIS DE LA PRECISIÓN DE SISTEMAS DE


POSICIONAMIENTO EN BALONCESTO
Alejandro Bastida Castillo1; Carlos David Gómez Carmona1,2; José Pino Ortega1; Xavier Reche Royo3; Joan Ramon
Tarragó Costa3
Autor para correspondência: alejandro.bastida@um.es
1
Grupo de investigación BioVetMed & SportSci. Facultad de Ciencias del Deporte. Universidad de Murcia, San
Javier, Murcia (España).; 2Grupo de Optimización del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo (GOERD). Facultad
de Ciencias del Deporte. Universidad de Extremadura, Cáceres (España).; 3Departamento de Rendimiento Deportivo y
Tecnología. FC Barcelona, Barcelona (España).

PALAVRAS-CHAVE:tecnología; posicionamiento; indoor

INTRODUÇÃO
El uso de dispositivos inerciales (IMU) para la cuantificación y monitorización del ejercicio es hoy en día una
preocupación básica para los entrenadores y preparadores físicos (Balsalobre-Fernández et al., 2017). En particular, en
el baloncesto, los sistemas de posicionamiento se utilizan actualmente para examinar el movimiento en el tiempo y el
análisis táctico (Leser, Baca, & Ogris, 2011), por lo que estos sistemas requieren de una precisión mínima
determinada.

La problemática reside en que las condiciones del entorno en el que se ubica el sistema (distancia de la cancha a las
paredes, elementos que obstaculizan la señal de radiofrecuencia, etc.) pueden causar diferencias significativas en el
sesgo de precisión que estos reportan (Bastida-Castillo, Gómez-Carmona, Hernandez, & Pino-Ortega, 2018). Así, un
mismo sistema puede presentar diferentes índices de error de estimación del posicionamiento de jugadores en función
del espacio interior en el que se encuentre, por lo que parece evidente la necesidad de utilizar un protocolo
estandarizado para determinar esa precisión, independiente del lugar en el que se realice el registro. Por tanto, el
objetivo de la presente investigación es la descripción de un protocolo específico para la evaluación de la precisión en
la detección del posicionamiento espacial en condiciones de interior en baloncesto.

MATERIAIS E MÉTODOS
1er paso

El protocolo consiste en la realización de 3 desplazamientos diferentes en el área de juego, repitiendo cada uno de
ellos en 5 ocasiones. Durante la realización de los desplazamientos, se portan dos dispositivos de seguimientos fijados
mediante un peto específico en la zona alta de la espalda (línea interescapular). Los recorridos representan
movimientos de diferentes direcciones, distancias y velocidades, bajo la consideración que el ejecutante debe alcanzar
los 15km/h en algún momento del recorrido, con el objetivo de simular las exigencias reales de competición. Los
recorridos diseñados para la evaluación de la precisión del posicionamiento son: (a) perímetro del campo, (b) línea de
medio campo, (c) línea de 6,75 m.

2do paso

Una vez registrados los datos en bruto de los recorridos, se utiliza el software específico del sistema S
PROTM(RealTrack Systems, Almería, España) para plasmar en este los recorridos bajo las medidas reales (a=
28mx15m; b=15m; c= 6,75m), y establece un sistema de referencia en la aplicación para incorporar las medidas de la
posición “x” e “y” registradas en el paso 1. El software realiza una comprobación de la diferencia entre la posición en
coordenadas “x” e “y” registradas por el ejecutante en el paso 1y el sistema de referencia con medidas reales creado
por el software cada 0,5 segundos. Los datos, expresados en diferencias en cm, son exportados en Excel.

3er paso

Los datos obtenidos a través del análisis mediante el software S PROTM, son introducidos en una plantilla específica
que realiza los siguientes cálculos matemáticos para comprobar la validez del sistema mediante la diferencia de

123
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

medias en cada coordenada y tipo de recorrido, así como la fiabilidad inter-dispositivo a través del índice de
correlación intraclase (ICC) y el porcentaje de error sistemático (%TEM).

RESULTADOS
El protocolo se ha diseñado en la presente investigación utiliza únicamente los medios propios de un mismo sistema
de seguimiento (dispositivo inercial WIMU PROTMy software S PROTM). En la literatura actual, el método de
validación de referencia consiste en un análisis de validez concurrente mediante video análisis (Ogris et al., 2012). La
problemática que presenta el análisis con respecto al “gold standard”es en primer lugar el alto coste económico y en
segundo lugar la dificultad de instalación y uso del sistema, por lo que su utilización en este sentido no parece
adecuada. Por todo ello, aquí se presenta un protocolo estandarizado, con un menor coste y un uso más asequible para
reportar el sesgo de estimación. El sesgo de estimación de la medida optimo se ha discutido que debe ser menor que el
error de la posición natural del centro de gravedad del cuerpo (15-20 cm) en un momento observado (Leser et al.,
2015).

CONCLUSÃO
Un protocolo estandarizado para evaluar el posicionamiento en baloncesto en condiciones de interior proporcionará a
los profesionales de las ciencias del deporte una herramienta útil para analizar la precisión y fiabilidad de cualquier
sistema de seguimiento, siendo los resultados comparables tanto intra como inter-instalación.

REFERÊNCIAS
Balsalobre-Fernández, C., Marchante, D., Baz-Valle, E., Alonso-Molero, I., Jiménez, S. L., & Muñóz-López, M.
(2017). Analysis of Wearable and Smartphone-Based Technologies for the Measurement of Barbell Velocity in
Different Resistance Training Exercises. Frontiers in Physiology, 8. https://doi.org/10.3389/fphys.2017.00649

Bastida-Castillo, A., Gómez-Carmona, C. D., Hernandez, A., & Pino-Ortega, P. (2018). Validez y fiabilidad de un
dispositivo inercial (WIMU PROTM) para el análisis del posicionamiento en balonmano. E-Balonmano. com: Revista
de Ciencias del Deporte, 14(1), 8.

Leser, R., Baca, A., & Ogris, G. (2011). Local Positioning Systems in (Game) Sports. Sensors, 11(12), 9778-9797.
https://doi.org/10.3390/s111009778

Leser, R., Moser, B., Hoch, T., Stoegerer, J., Kellermayr, G., Reinsch, S., & Baca, A. (2015). Expert-oriented
modelling of a 1vs1-situation in football. International Journal of Performance Analysis in Sport, 15(3), 949-966.

Ogris, G., Leser, R., Horsak, B., Kornfeind, P., Heller, M., & Baca, A. (2012). Accuracy of the LPM tracking system
considering dynamic position changes. Journal of Sports Sciences, 30(14), 1503-1511.
https://doi.org/10.1080/02640414.2012.712712

124
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

BALONCESTO Y EMOCIONES: UNA REVISIÓN BIBLIOGRÁFICA


Pedro Sáenz-López Buñuel1; Victor Hugo Duque Ramos2; Bartolome Almagro Torres1; Cristina Conde García1
Autor para correspondência: psaenz@uhu.es
1
Universidad de Huelva, España; 2Universidad Antioquia, Colombia

PALAVRAS-CHAVE:Baloncesto; Emociones; Revisión

INTRODUÇÃO
La interacción con personas nos genera emociones (Bisquerra, 2007). Si añadimos un contexto de competición y
cooperación como el baloncesto, la variedad e intensidad emocional aumenta (Lavega, March, & Filella, 2013).

En el presente estudio, se realizó una revisión de los artículos de investigación que relacionaron baloncesto y
emociones con los objetivos de describir los tópicos publicados en esta línea, analizar la importancia de las emociones
en este deporte y proponer líneas de investigación en esta temática.

MATERIAIS E MÉTODOS
La búsqueda se realizó en la base de datos Web of Science desde enero de 2008 hasta diciembre de 2017. Los términos
de búsqueda fueron “basketball” y “emotion” y el resultado fue de 52 artículos. Tras ser analizados uno a uno
aplicando los siguientes criterios de inclusión: a) artículos de investigación, b) muestra de jugadores/as y/o
entrenadoras/es de baloncesto, c) estudio de alguna variable emocional, quedaron 22 artículos (ver Tabla 1).

De cada artículo se extrajo la información sobre autores, año, título, revista, resumen, palabras clave y principales
resultados/conclusiones. Esta información fue analizada de forma independiente por 4 investigadores para clasificar
las aportaciones de cada artículo en busca de los objetivos propuestos en el estudio. Los resultados de este análisis
cualitativo fueron comparados consensuándose las diferencias.

RESULTADOS
Los resultados indicaron que la mayoría de los estudios revisados se centran en el jugador (21), analizan
competiciones (15) y se centran en el rendimiento (18). Las variables emocionales encontradas superan la docena,
siendo las que más se repiten el liderazgo (4), el estado emocional (3) y la autorregulación (2). En la mayoría de los
artículos se muestra la influencia de variables emocionales (estrés, comportamientos sociales, confianza, liderazgo,
estado de ánimo, ira, etc.) en el rendimiento. En varios estudios, se comprueba la eficacia de entrenar competencias
emocionales como la regulación, autoeficacia o control de pensamientos.

Los resultados ponen de manifiesto la escasez de estudios publicados a este nivel en los últimos 10 años sobre esta
temática. Este dato contrasta con la importancia de las emociones en el baloncesto mostrada por la mayoría de las
investigaciones (Altfeld, Langenkamp, Beckmann, & Kellmann, 2017).

Analizando los tópicos encontrados en la revisión de los artículos (jugadores, competición y rendimiento), se observa
la escasa atención recibida por las emociones de los entrenadores a pesar de la influencia que éste ejerce en el clima
(Conde, Sáenz-López & Moreno-Murcia, 2013). Asimismo, las categorías de formación y los entrenamientos han
protagonizado pocos estudios.

CONCLUSÃO
Los estudios encontrados se centran en los jugadores esencialmente y muestran la importancia de las emociones en el
baloncesto. Se hace necesario abordar estudios con intervenciones en entrenamientos en categorías de formación con
el objetivo de mejorar variables emocionales. En este sentido, sería recomendable abordar el estudio de las
competencias emocionales como las propuestas por Bisquerra y Pérez (2007) en baloncesto (conciencia emocional,
regulación emocional, autonomía emocional, competencia social, habilidades de vida para el bienestar).

125
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

APOIO
Universidad de Huelva, España

REFERÊNCIAS
Altfeld, S., Langenkamp, H., Beckmann, J. & Kellmann, M. (2017). Measuring the effectiveness of psychologically
oriented basketball drills in team practice to improve self-regulation. International Journal of Sports Science and
Coaching, 12(6), 725-736.

Bisquerra, R. & Pérez, N. (2007). Las competencias emocionales. Educación XX1, 10, 61-82.

Conde García, C.; Sáenz-López Buñuel, P. y Moreno-Murcia, J.A. (2013) Un estudio de casos sobre la transmisión de
un clima tarea en el deporte / A case study on the transmission of a task climate in sport. Revista Internacional de
Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el Deporte vol. 13 (50) pp. 329-344.

Lavega, P., March, J., & Filella, G. (2013). Juegos deportivos y emociones. Propiedades psicométricas de la escala
GES para ser aplicada en la Educación Física y el Deporte. Revista de Investigación Educativa (RIE), 31(1), 151-165.

126
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

INFLUÊNCIA DO PADRÃO DE LATERALIDADE ÓCULO-MANUAL NA


ORGANIZAÇÃO POSTURAL DO ARREMESSO NO BASQUETEBOL
Gisele Santos Lima1; Felipe de Sousa Brito1; Marcos Bezerra de Almeida1
Autor para correspondência: limagigi0923@gmail.com
1
Universidade Federal de Sergipe

PALAVRAS-CHAVE:Arremesso ; Lateralidade; Óculo-manual

INTRODUÇÃO
A dominância ocular tem sido relacionada com o desempenho em alguns esportes (Dalton, Guillon & Naroo, 2015;
Laborde, Dosseville, Leconte, & Margas, 2009), mas não tem recebido tanta atenção no caso do basquetebol. A
dominância ocular pode ser associada à dominância manual formando o chamado padrão de lateralidade óculo-manual
(PLOM) (Laborde et al., 2009), o qual pode ser unilateral (dominância lateral de membro e olho do mesmo lado) ou
contralateral (dominâncias em lados opostos). Consequentemente, isso poderia influenciar a organização do
arremesso, visto que o foco do atleta durante o arremesso provavelmente dependerá do campo visual, o qual não deve
ser obstruído durante a execução do movimento.

Notadamente, duas técnicas de execução do arremesso podem ser identificadas na literatura. Segundo Marcus (1991),
a bola deve ser mantida acima ou na altura do peito, seguindo a linha média do corpo até o final do arremesso. Esse
alinhamento é importante porque o indivíduo olha para a cesta essencialmente a partir da linha média do corpo. Por
outro lado, McCormick (2009) recomenda que ambos os olhos do arremessador estejam com o campo visual livre
para poder estabelecer o correto foco durante o arremesso. Para isso, a bola deveria ser posicionada ao lado da cabeça.
Não obstante, até então, a literatura não dá suporte para se identificar em que medida o PLOM pode determinar a
técnica adotada no arremesso.

Diante do exposto, o objetivo deste estudo é descobrir se há diferença na organização postural do arremesso em
função do PLOM de cada atleta.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram do estudo 23 indivíduos do sexo masculino praticantes de basquetebol, com média de idade de 23,5 anos
(DP= 2,8 anos), que tinham participado nos últimos dois anos de pelo menos uma competição oficial organizada por
entidade filiada à Confederação Brasileira de Basquetebol (CBB), que tivessem sua dominância ocular confirmada por
dois testes independentes e que não fossem ambidestros.

No processo de coleta dos dados os indivíduos foram filmados a partir de uma posição frontal enquanto executavam
um arremesso de lance livre. Antes da filmagem cada um teve direito a cinco arremessos desta mesma posição para
familiarização. A bola era escolhida pelo próprio indivíduo de acordo com sua preferência, sendo que todas as bolas
utilizadas tinham o tamanho apropriado ao naipe masculino. Para captura das imagens foi utilizada uma câmera digital
(Samsung ES60, 12.2MP), que foi posicionada de frente para o arremessador, a uma distância de 5,80 m. Os dados
obtidos foram armazenados num computador (Philco Slimbook, 14I-B744W8) e analisados com auxílio do programa
Windows Movie Maker®. A partir desta análise pôde-se determinar a organização postural do arremesso de cada
indivíduo (centralizado ou lateralizado).

Para determinação da dominância ocular, foram utilizados dois procedimentos: o Hole in the Card Test e o Miles Test
adaptado, sendo que apenas a concordância entre os resultados dos dois procedimentos confirmaria o participante
como sujeito da amostra. No Hole in the card test, o avaliado segura com os cotovelos estendidos um cartão com um
furo de 3 cm², através do qual deve visualizar um objeto a 6 m de distância, mantendo os dois olhos abertos. Após
focalizar a imagem, o cartão é aproximado ao rosto com cuidado para não perder o objeto de vista e o olho ao qual o
furo se aproxima é considerado o dominante.

No Miles test adaptado, o procedimento consiste em posicionar uma das mãos sobre a outra deixando um espaço livre
entre os polegares. Em seguida, o avaliado deve focalizar um objeto a 6 m de distância mantendo os cotovelos

127
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

estendidos, após focalizar o objeto ele deve fechar um olho de cada vez. O olho que continua vendo o objeto é
considerado o dominante.

Para determinação da dominância manual, cada indivíduo foi questionado sobre a mão que utilizava
preferencialmente para executar os fundamentos do basquetebol. A partir da relação entre o olho dominante e a mão
dominante, o PLOM foi determinado.

Considerando-se que os dados pertenciam a uma escala nominal, foram executados os testes não paramétricos Exato
de Fisher e a Correlação de Spearman-rank. Os cálculos foram efetuados pelo software BioEstat 5.0 (UFPA, Brasil),
sendo aceito um nível de significância de 5%.

RESULTADOS
Foram registrados 16 (70%) atletas com PLOM unilateral, sendo que desses oito apresentaram organização postural
do arremesso centralizado e oito lateralizado. Apenas sete atletas (30%) foram identificados com PLOM contralateral,
sendo quatro classificados com organização postural do arremesso centralizado e três com lateralizado. O teste Exato
de Fisher não apresentou diferença estatística entre a distribuição de indivíduos com PLOM uni e contralateral entre
os grupos de arremesso centralizado e lateralizado (p = 0,555). A correlação Spearman-rank obteve um coeficiente de
correlação fraco (r = -0,066) e não significativo (p = 0,765).

O fato de o indivíduo possuir um PLOM uni ou contralateral não pareceu determinar a maneira como o atleta organiza
o seu arremesso. Contudo, deve ser levado em conta que no presente estudo não foram analisados os aproveitamentos
dos arremessos. Desta forma, seria precoce sugerir que a o PLOM não possa determinar ou ao menos sugerir qual a
melhor organização postural para a realização do arremesso de forma mais eficiente.

CONCLUSÃO
Os resultados demonstraram uma fraca correlação entre a organização do arremesso e o padrão de lateralidade óculo-
manual. Tais achados refutam a hipótese de influência do PLOM sobre a técnica preferencialmente utilizada por cada
jogador para execução do arremesso.

REFERÊNCIAS
Dalton, K., Guillon,, M., Naroo, S.A. (2015). Ocular Dominance and Handedness in Golf Putting. Optometry and
Vision Science. 92(10), 968-975.

Laborde, S., Dosseville, F. E., Leconte, P., Margas, N.. (2009). Interaction of hand preference with eye dominance on
accuracy in archery. Perceptual and Motor Skills. 108(2), 558-564.

Marcus, H. Basketball Basics: Drills, techniques, and strategies. (1991). Chicago: Contemporary books.

McCormick, B. 180 Shooter. (2009). Raleigh: Lulu.

128
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DOS PASSES NOS ATAQUES POSICIONADOS EM JOGOS DE


BASQUETEBOL DE ELITE
Renê Augusto Ribeiro1; Anderson Calderani Junior1; Milton Shoiti Misuta1; Luciano Allegretti Mercadante1
Autor para correspondência: ribeiro.renea@gmail.com
1
Universidade Estadual de Campinas

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; ataque posicionado ; passes

INTRODUÇÃO
No Basquetebol é possível representar os sucessos e os fracassos dos times e as suas eficiências nas ações coletivas e
individuais realizadas no jogo, pelas variáveis provenientes das ações e fundamentos técnicos, os chamados
indicadores técnicos de jogo, como lances livres, arremessos de dois e três pontos, rebotes, tocos, faltas, passes, entre
outros.

Um dos indicadores importantes no sucesso do jogo é o passe, sendo a assistência um passe efetivo na marcação dos
pontos, além de representar a efetividade do trabalho coletivo da equipe (Courel, Suárez, Ortega, Piñar, & Cárdenas,
2013). Assim, podemos caracterizar os passes pelo número de ocorrências, pelas velocidades e distâncias percorridas
pela bola nos passes, considerando que estas variáveis podem modificar a dinâmica do jogo (Sampaio, Feu, Lorenzo,
Iba & Go, 2008)

Com isso, é relevante compreender se existem diferenças quanto as distâncias percorridas pela bola e o número de
passes nas situações de ataque posicionado (5x5) com relação ao aproveitamentos dos arremessos de três e dois
pontos, assim podendo melhorar a compreensão da dinâmica do jogo para poder potencializar os treinos.

O objetivo do trabalho foi verificar a importância dos passes na eficiência dos ataques 5x5, pelo número de
ocorrência, velocidades e distância percorrida pela bola.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foram analisados seis jogos oficiais do campeonato do Novo Basquete Brasil (NBB) na temporada 2011/12, a partir
de filmagens autorizadas por convênio e aprovadas pelo Comitê de Ética. Os procedimentos de calibração e
sincronização das quatro câmeras utilizadas, de medição e reconstrução das posições dos jogadores em quadra, o
número de passes, domínios, arremessos de três e dois pontos certos e errados, foram realizados no Sistema DVideo
(Figueroa, Leite, & Barros, 2003), e o tratamento dos dados em ambiente Matlab®. As distâncias percorridas e as
velocidades da bola durante os passes foram obtidas a partir da posição em função do tempo dos jogadores envolvidos
na ação. O ataque posicionado 5x5 foi definido automaticamente pela posição dos jogadores na quadra, quando todos
os defensores estivessem entre a cesta defensiva e o jogador atacante com a pose da bola, na quadra ofensiva.

Os ataques 5x5 foram divididos em oito classes pelo número de passes que foram realizados (de zero a sete passes),
onde foram realizadas os teste Kolmogorov-Smirrnov para a verificação da normalidade dos dados e o teste de Mann-
Whitney para amostras independentes para verificar diferenças significativas entre as classes, quanto os acertos e
erros.

RESULTADOS
Nos seis jogos analisados, foram realizados 510 ataques 5x5 com arremessos a cesta e, dentre esses ataques, 71 foram
sem passes e 439 foram com a utilização de passes; em 222 houve pontuação por arremessos de dois e três pontos e
288 sem pontuação.

Ao analisarmos os passes nos ataques 5x5, tivemos uma média de 2.0±1.4 passes para ataques sem pontuações e de
2.2±1.4 passes para ataques com pontuações, não apresentando diferença significativa. Nos 71 ataques sem passes, a
eficiência dos arremessos de dois e três pontos foi de 28%, sendo a eficiência mais baixa de todas as classes,
sugerindo que os ataques individuais no NBB não são interessantes. Foram 132 ataques com um passe e eficiência de

129
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

47%; 111 ataques com dois passes e eficiência de 45%; 110 ataques com três passes e eficiência de 41%; 54 ataques
com quatro passes e eficiência de 46%; 28 ataques com cinco passes e eficiência de 64%; e três e um ataques com seis
e sete passes, respectivamente, todos ineficientes. Os ataques com cinco passes foram os mais eficientes, sugerindo
que um ataque trabalhado coletivamente pelo número de passes é mais interessante que os ataques individuais e com
menos passes.

Em relação as distâncias percorridas e as velocidades da bola durante os passes nas oito classes de ataques 5x5, não
tiveram diferenças significativas, encontrando um padrão nestas variáveis.

CONCLUSÃO
A análise dos passes nos ataques 5x5, verificamos que existe maior eficiência dos arremessos quando os jogadores
realizam ataques com trocas de passes do que ataque individual, sendo a troca de cinco passes a mais efetiva para um
ataque, possivelmente devido ao um maior trabalho coletivo. Já quanto as distâncias percorridas e as velocidades das
bolas durante os passes, não foram encontradas diferenças significativas, pois não existe variabilidade nas situações de
ataques 5x5 nestes fatores.

APOIO
Capes

REFERÊNCIAS
Courel, J., Suárez, E., Ortega, E., Piñar, M., & Cárdenas, D. (2013). Is the inside pass a performance indicator??
Observational analysis of elite basketball teams, 22, 191–194.

Figueroa, P. J., Leite, N. J., & Barros, R. M. L. (2003). A flexible software for tracking of markers used in human
motion analysis, 72, 155–165.

Sampaio, J., Feu, S., Lorenzo, A., Iba, S. J., & Go, M. A. (2008). Basketball game-related statistics that discriminate
between teams ’ season-long success, 8(6). https://doi.org/10.1080/17461390802261470

130
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EFETIVIDADE DO FUNDAMENTO ARREMESSO NO BASQUETEBOL DA EQUIPE


CAMPEÃ DOS JOGOS ESCOLARES DA JUVENTUDE 2016
Paulo Wendelin Boehs Martins1; Robson Ruiz Olivoto1; José Carlos Mendes1
Autor para correspondência: paux_wendelinbm@hotmail.com
1
Universidade Estadual do Oeste do Paraná

PALAVRAS-CHAVE:Arremesso; Campograma; Eficiência

INTRODUÇÃO
O basquetebol é um dos mais emocionantes esportes e com crescente número de participantes (Guarizi & Shigunov,
2002). Está grande popularidade, em muito deve-se as constantes atualizações em suas regras (Guarizi & Shigunov,
2002) bem como a grande variedade de habilidades necessárias aos praticantes (Oliveira, 2012). É uma modalidade
esportiva caracterizada por habilidades específicas, definidas como fundamentos, que podem ser subdivididas como
sendo contínuas ou intermitentes, que quando associados as características de equipe, adversários, limite de tempo e
espaço, conferem, ao basquetebol, uma característica de imprevisibilidade, tornando-o o esporte mais dinâmico e
variado (Oliveira, 2012). As habilidades especificas do basquetebol envolvem os fundamentos necessários para
situações de ataque e defesa. O controle motor para ser o mais fundamental quando se trata de situações de defesa, por
estar relacionado o domínio do corpo por parte dos praticantes (Sousa & Venditti Júnior, 2009). De forma geral, os
fundamentos do basquetebol são manejo da bola, passe, drible, rebote e arremesso (Oliveira, 2012; Sousa & Venditti
Júnior, 2009). O fundamento arremesso é caracterizado como uma ação de ataque realizada com o objetivo de se
conseguir a cesta. Pode ser realizada de qualquer espaço da quadra de jogo dependendo da habilidade técnica do atleta
(Sousa & Venditti Júnior, 2009). Neste sentido por ser dividido em arremessos de curta distância, próximos ao
garrafão; arremessos de média distância, realizados mais afastados do aro; e arremessos de longa distância, realizados
na zona de três pontos, e por fim o arremesso na forma de lance livre (Oliveira, 2012). Do ponto de vista técnico
desportivo, o fundamento arremesso parece ser o ponto que culmina ou determina o resultado da partida, desta forma,
sua efetividade ou eficiência parece ser um ponto importante a ser analisado, neste sentido nosso objetivo de
investigação foi determinar o percentual de efetividade do fundamento arremesso da equipe campeã, na modalidade
basquetebol, dos Jogos Escolares da Juventude de 2016.

MATERIAIS E MÉTODOS
Este estudo é de caráter qualitativo, configura-se como um estudo descritivo, de acordo com Amaral e Melo (2012)
visto que têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou,
então, o estabelecimento de relações entre variáveis. Uma de suas características mais significativas está na utilização
de técnicas padronizadas de coleta de dados, tais como filmagens, scouts e a observação sistemática. Como população
e a amostra foi delimitada a equipe masculina sub-17 do Colégio Luterano Rui Barbosa/ Prefeitura de Marechal
Cândido Rondon, que contava com nove atletas de 15 a 17 anos e o técnico Guilherme Prates Roma, que foi campeã
dos Jogos Escolares da Juventude de 2016, em João Pessoa, Paraíba. O instrumento utilizado para a análise estatística
dos fundamentos do basquetebol foi um scout contendo os nomes dos jogadores e todos os fundamentos, esse scout
foi utilizado no Microsoft Office Excel, para obter a porcentagem de arremessos certos e errados, e as médias de todos
os fundamentos já citados, tanto individualmente quanto coletivamente. Para a filmagem dos jogos foi utilizado uma
filmadora Câmera Filmadora Handycam Sony Hdr-cx405 Full Hd - Zoom Clear Image 60 X - Lcd De 6.7 Cm e um
Tripé Amador Greika WT3750 – WF. Outro instrumento utilizado foi o campograma de Ibáñez, Lozano, e Martínez
(2001), para assim identificar em quais regiões da quadra se obteve o maior aproveitamento em arremessos
convertidos, a análise de arremessos utilizando o campograma foi realizada através da visualização das filmagens, e a
cada arremesso tentado por qualquer jogador da equipe, realizou-se uma marcação em qual região da quadra foi
tentado esse arremesso e se o mesmo foi convertido ou não. Nesse estudo foi utilizada a estatística descritiva,
obtendo-se uma média e desvios padrões de todos os arremessos analisados no scout.

131
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
O aproveitamento da equipe nos Jogos Escolares, foi determinado através do instrumento “campograma” que divide o
campo de ataque em espaços numerados de 1 a 16, em função da distância da cesta. Durante a competição a equipe
realizou 327 arremessos, convertendo 36% destes (118). Deste total de arremessos, 198 foram realizados de curta
distância (zonas 1 a 5) correspondendo a 60% do total e eficiência de 45%. De média distância (zonas de 6 a 10)
foram realizados 28 arremessos, 9% do total, com eficiência de 14%. Já de longa distância (zonas de 11 a 16) foram
realizados 101 arremessos, 31% do total, com eficiência de 25%.

CONCLUSÃO
O conjunto dos dados indicam que a equipe campeã dos Jogos Escolares da Juventude de 2016, apresenta tendência
tática para jogar através do jogo concentrado próximo ao garrafão, através do pivô ou por infiltração, uma vez que o
maior percentual de arremessos e eficiência foi de curta distância. Quando tal alternativa não parecia ser possível, a
escolha tática, parece ter sido, os arremessos de longa distância, priorizando a zona de três pontos. Os resultados
estatísticos sugerem que a equipe campeã dos Jogos Escolares da Juventude de 2016 tem como caraterística principal,
o jogo individual, privilegiando a técnica individual do jogador, ou seja, sua destreza motora individual para as fintas
e aproximação ou a disputa por espaço na zona do garrafão, bem como sua habilidade técnica individual para
arremessos de longa distância.

REFERÊNCIAS
Guarizi, M. R., & Shigunov, V. (2002). Basquetebol: novos procedimentos metodológicos para a iniciação-uma
proposta de ensino. Motrivivência(18), 103-110.

Ibáñez, S., Lozano, A., & Martínez, B. (2001). Análisis del tiro a canasta en función del tipo y valor de los
lanzamientos, género y nivel de los jugadores. F. Tavares, M. Janeira, Graça, A., Pinto, D,. & Brandao, E.(Ed.),
Tendências actuais investigação em basquetebol, 159-172.

Oliveira, J. E. C. d. (2012). Basquetebol. Aspectos históricos e funcionais. EFDeportes.com, Revista Digital, 14(174).

Sousa, M. A., & Venditti Júnior, R. (2009). Iniciação esportiva no Programa Segundo Tempo: perspectivas teóricas,
reflexões e proposta metodológica para os fundamentos do Basquetebol. Movimento & Percepção, 10(14).

132
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

COMPARISON OF THE MOVEMENT CHARACTERISTICS BASED ON POSITION-


SPECIFIC BETWEEN U18 AND PROFESSIONAL BASKETBALL PLAYERS
Juan Trapero2; Carlos Sosa1; Shaoliang Zhang1; Changjing Zhou1; Rubén Portes2; José Bonal Sánchez2; Miguel-Angel
Gómez1; Alberto Lorenzo1
Autor para correspondência: jthnut@yahoo.es
1
Faculty of Sport Sciences, European University of Madrid, Madrid, Spain; 2Faculty of Physical Activity and Sport
Sciences (INEF), Polytechnic University of Madrid, Madrid, Spain

PALAVRAS-CHAVE:movement characteristics; Physical performances; Playing position

INTRODUÇÃO
The use of smart sensor devices in basketball may provide important information about the physical and physiological
demands during practice and competition (Fox, Scanlan, & Stanton, 2017). The assessment of acceleration and
deceleration efforts is crucial in quantifying the repeated intermittent efforts performed by players (Vigh-Larsen,
Dalgas, & Andersen, 2017). To date, the performance profiles of accelerations and decelerations of basketball players
have been documented in the studies (Schelling and Torres, 2016; Svilar, Castellano, & Juki?, 2018; Svilar,
Castellano, Jukic, & Casamichana, 2018), but little is known regarding the difference of the movement characteristics
between young and professional basketball players according to playing position. Consequently, the aim of this study
was to compare the movement characteristics according to specific playing position between U18 and professional
basketball players.

MATERIAIS E MÉTODOS
24 basketball players were used. 12 of them played in a U18 team (Guards=5; Forwards=5; Centres=2) (age: 17.6 ±
0.4 years), and were qualified as “semi-elite players” (Swann, Moran, & Piggott, 2015). Semi-elite athletes are those
whose highest level of participation is below the top standard possible in their sport (e.g., in talent development
programs). These players competed at the highest national level and in some international competitions.

In addition, 12 professional basketball players (Guards=5; Forwards = 4; Centres= 3) (age: 28 ± 3.9 years), who were
identified as “world – class elite players” (Swann, et al., 2015), which means that the players have experienced
sustained success at the highest level, with repeated wins over a prolonged period of time.

A total of 120 drills of 5x5 full court were recorded (65 of the U18 team and 55 of the professional team). The
acceleration/min, deceleration/min, max acceleration, max deceleration, g-force accelerations and deceleration of both
groups, was measured using an inertial measurement unit (WIMU, Realtrack Systems, Almeria, Spain). The
accelerometer was attached to the player using an elastic shirt tight on the back. The reliability and validity of WIMU
Realtrack Systems were identified to reach an acceptable level (Muyor, Granero-Gil, & Pino-Ortega, 2017). The
project was approved by the local Scientific and Ethics Committee and all procedures complied with the Declaration
of Helsinki.

Data were tested for normality using a Shapiro–Wilk test, with all data shown to be normally distributed (p > 0.05).
The differences between U18 and professional basketball players considering specific-position were tested by
independent sample t-test. Mean differences between two groups, 95% confidence intervals (CI) and Cohen’s d effect
sizes (ES) were calculated for all differences. Effects were classified as trivial (0.0–0.2), small (0.2–0.5), moderate
(0.5–0.8), and large (>0.8). Statistical analyses were conducted in IBM SPSS Version 22.0 (IBM Corporation,
Somers, New York, USA).

RESULTADOS
Our results show that U18 basketball players, from all position, made more movement of acceleration and
deceleration per average minutes than their counterpart professional basketball players.

133
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

According to the position-specific, U18 guards have better performance in g-force acceleration (ES=0.88) and g-force
deceleration (ES=0.98) than professional guards. The same results for U18 centres (g-force acceleration, ES=0.44;
and g-force deceleration, ES=0.53).

Conversely, professional forwards have better performance in max acceleration (ES=0.42) and deceleration (ES=0.42)
than U18 forwards.

CONCLUSÃO
The aim of this study was to compare the movement characteristics according to specific playing position between
professional and U18 basketball players. It is worth noting that U18 basketball players from all position made more
movement of the accelerations and decelerations per average minutes than professional basketball players. This result
is supported by Zhang et al. (2017) who pointed out that professional performers make more informed decisions on
when and where to run in offence and defence; therefore, those players possibly covered shorter distances at lower
average velocities to reach their destinations.

Additionally, U18 guards and centres have better performance in g-force acceleration and g-force deceleration than
professional guards and centres, whereas professional forwards have better performance in max acceleration and
deceleration than U18 forwards. These results are supported by the study of Scanlan, Dascombe, & Reaburn (2011);
Svilar, Castellano, Jukic, et al. (2018) who suggested that there are differences in terms of the activity profiles of
accelerations and decelerations among position-specific as well as between game categories.

APOIO
The third author was supported by the China Scholarship Council (CSC) from the Ministry of Education of P.R.
China under Grant [(2015) 3022]

REFERÊNCIAS
Fox, J. L., Scanlan, A. T., & Stanton, R. (2017). A review of player monitoring approaches in basketball: Current
trends and future directions. The Journal of Strength & Conditioning Research, 31(7), pp. 2021-2029.

Muyor, J. M., Granero-Gil, P., & Pino-Ortega, J. (2017). Reliability and validity of a new accelerometer (Wimu®)
system for measuring velocity during resistance exercises. Proceedings of the Institution of Mechanical Engineers,
Part P: Journal of Sports Engineering and Technology, p 1754337117731700.

Scanlan, A., Dascombe, B., & Reaburn, P. (2011). A comparison of the activity demands of elite and sub-elite
Australian men\\\'s basketball competition. J Sports Sci, 29(11), pp. 1153-1160. doi:10.1080/02640414.2011.582509
Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21777151

Schelling, X., & Torres, L. (2016). Accelerometer load profiles for basketball-specific drills in elite players. Journal
of sports science & medicine, 15(4), p 585.

Svilar, L., Castellano, J., & Juki?, I. (2018). LOAD MONITORING SYSTEM IN TOP-LEVEL BASKETBALL
TEAM: RELATIONSHIP BETWEEN EXTERNAL AND INTERNAL TRAINING LOAD. Kinesiology, 50(1)

Svilar, L., Castellano, J., Jukic, I., & Casamichana, D. (2018). Positional Differences in Elite Basketball: Selecting
Appropriate Training-Load Measures. International Journal of Sports Physiology and Performance, pp. 1-24.

Swann, C., Moran, A., & Piggott, D. (2015). Defining elite athletes: Issues in the study of expert performance in sport
psychology. Psychology of Sport and Exercise, 16, pp. 3-14.

Vigh-Larsen, J. F., Dalgas, U., & Andersen, T. B. (2017). Position specific acceleration and deceleration profiles in
elite youth and senior soccer players. Journal of Strength and Conditioning Research

Zhang, S., Lorenzo, A., Gómez, M.-A., Liu, H., Gonçalves, B., & Sampaio, J. (2017). Players’ technical and physical
performance profiles and game-to-game variation in NBA. International Journal of Performance Analysis in Sport,
17(4), pp. 466-483. doi:10.1080/24748668.2017.1352432 Retrieved from
https://doi.org/10.1080/24748668.2017.1352432

134
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RELACIÓN ENTRE EDAD Y CRITERIOS DE RENDIMIENTO EN BALONCESTO DE


ALTO RENDIMIENTO
Enrique Ortega Toro1; Javier Bernal-Polo1; Javier Courel1; Miguel Ángel Gomez Ruano2; Isidro Verdu Conesa1
Autor para correspondência: eortega@um.es
1
University of Murcia. Campus Mare Nostrum; 2University Polytechnic Madrid

PALAVRAS-CHAVE:planificacion; participación; notational analysis

INTRODUÇÃO
El proceso que realiza un jugador desde que empieza en un deporte hasta llegar a su máximo rendimiento es largo,
complejo y multidimensional (e.g.,Tucker y Collins, 2012). Tradicionalmente una de las teorías que mayor validez
han tenido es la de la práctica deliberada que establece la regla de los 10 años o 10.000 horas de práctica para llegar a
la excelencia en el deporte (e.g., Ericsson, 2014).

Y este proceso, ¿a qué edad debería empezar? Para algunos autores, la edad de inicio se suele dar sobre los 6-7 años
(e.g., Côté, Lidor y Hackfort, 2009). Otros autores como Capranica y Millard-Stafford (2011) sostienen que sería
cualquier edad menor a 12 años. En cualquiera de ambos casos, si a estas edades se le suman los 10 de la nombrada
teoría, el alto rendimiento se alcanzaría a los 16-22 años, dato que en la actualidad se ve improbable. Otros autores
como Leite y Sampaio (2012) defienden que es entre los 10-16 donde se produce el mayor desarrollo físico, cognitivo
y emocional, y por tanto, donde los efectos del entrenamiento pueden ser maximizados. Este hipotético dato está en
consonancia con lo mostrado por Berthelot et al. (2012) tras investigar a deportistas de 25 deportes olímpicos. Los
autores defienden que las capacidades físicas e intelectuales están íntimamente relacionadas con el rendimiento
deportivo y van en aumento con la edad hasta los 26,1 años aproximadamente. Por otro lado, Alfonso, Ortega y Palao
(2009) afirman que el máximo rendimiento en baloncesto masculino se obtiene entre los 25 y 30 años, tras su estudio
con jugadores que participaron en los Juegos Olímpicos.

Todos estos estudios analizan la edad de máximo rendimiento utilizando como muestra una competición específica, en
una solo temporada deportiva. Sin embargo, no se aprecia ningún trabajo de investigación que analice la edad de
máximo rendimiento deportivo, utilizando más de una temporada deportiva. Por ello, el objetivo del presente estudio
es conocer la edad a la que los jugadores de baloncesto de alto rendimiento de la máxima categoría española obtienen
los mejores valores de participación y de rendimiento en los encuentros disputados a lo largo de un periodo de 10
temporadas deportivas.

MATERIAIS E MÉTODOS
Se analizó una muestra total de 2232 jugadores de baloncesto participantes en la liga regular de la liga ACB, en un
total de nueve temporadas. Se dividieron los 2232 jugadores en 4 grandes grupos de edades: a) el primero en el que se
encuentran los jugadores de hasta 25 años (n=698); b) un segundo que contiene a los jugadores desde 25.1 hasta 28
años (n=580); c) un tercer grupo desde 28.1 hasta 31 años (n=524); y d) un cuarto y último grupos de mayores a 31
años (n=430). De cada uno de los jugadores en cada una de las temporadas, se registraron los datos estadísticos
tomados de la página oficial de esta competición ACB (www.acb.com). En concreto de cada jugador se registraron las
siguientes variables: a) Variables relacionadas con la participación del jugador en competición: partidos jugados,
minutos jugados, y número de ocasiones en las que el jugador salió al partido en el quinteto inicial; b) Variables
relacionadas con el rendimiento en la competición: puntos anotados, lanzamientos de 1, 2 y 3 puntos, rebotes
asistencias, balones perdidos y recuperados, faltas personales cometidas y recibidas, y por último, la valoración total
que aporta la ACB.

RESULTADOS
Al analizar los valores de las variables relacionadas con la participación del jugador (partidos jugados, partidos como
titular y minutos jugados), el grupo de edad entre 28,1 hasta 31 años es el que presentan mayores valores. El menor
índice de participación hallado es para los jugadores más jóvenes (hasta 25 años). Se puede pensar que es debido a la

135
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

poca confianza de los entrenadores en estos, o a que el jugador no ha alcanzado su máximo rendimiento (Berthelot, et
al., 2012; Alfonso, Ortega y Palao, 2009). Por ello, tendría una importancia alta que los clubes de ACB dispongan de
uno o más equipos de cantera localizados en diferentes niveles competitivos inferiores a la máxima competición. Esto
ayudaría a que el joven jugador tras acabar las categorías de formación, disponga de unos mayores niveles de
participación en una competición adecuada a su nivel.

Al analizar los puntos anotados, los mayores valores se encuentran en el grupo de 25,1 a 28 años, valor que desciende
conforme avanza la edad. Los que mejores valores obtienen son el grupo de edad de 28,1 hasta 31 años en el
lanzamiento de 3 puntos y el de 25,1 hasta 28 en el de 2 puntos. Asimismo, el porcentaje de acierto en el lanzamiento
va aumentando conforme la edad avanza, fruto de la interiorización y afianzamiento de este gesto técnico mecánico
(Ibáñez et al., 2009).

En los rebotes ofensivos destacan los grupos más jóvenes, manteniéndose la idea de una superioridad física (Erculj et
al., 2010), aunque en los defensivos destacan los rangos de edad mayores, quizá por la experiencia en habilidades
como la colocación (Moreno, et al, 2010).

En cuanto a las asistencias, se observa un aumento conforme a la edad, esto podría explicarse por un aumento del
conocimiento procedimental y experiencia del jugador (Moreno, et al, 2010), ya que el menor dato se encuentra en el
grupo de los más jóvenes. En el balance de robos-pérdidas se obtienen los valores más positivos en el grupo de edad
de entre los 28 y 31 años aunque escasamente diferenciado con el grupo de 26 y 27 años. El balance de faltas
cometidas y recibidas es para ambos grupos igual, siendo los grupos que mayores valores obtienen, no obstante, las
diferencias son escasas. Estos datos son de suponer ya que estos grupos son los que más tiempo están en pista.

CONCLUSÃO
Todos estos datos, pueden ser utilizados a la hora de formar a un jugador para realizar una planificación con la
correcta secuenciación de objetivos y establecer la edad de inicio de especialización deportiva.

APOIO
Grupo de Investigacion HUMSE

REFERÊNCIAS
Alfonso, J. D., Ortega, E. & Palao, J. M. (2009). Edad, tiempo de participación y rendimiento de los jugadores de
baloncesto de los juegos olímpicos. Cuadernos de Psicología del Deporte,9(Supple), 72.

136
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

EFICIÊNCIA OFENSIVA E DEFENSIVA NA TEMPORADA REGULAR DA NBA


2017/2018
Flávio Vinicius Fonseca Barreto1; Sérgio Costa Santos1; Marcos Bezerra de Almeida1
Autor para correspondência: flavinhosergipe@msn.com
1
Universidade Federal de Sergipe

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; NBA; Análise de desempenho

INTRODUÇÃO
O basquetebol é um esporte que se caracteriza como um jogo coletivo de invasão, no qual ataque e defesa interagem o
tempo inteiro em um mesmo espaço de jogo. Os modelos de jogo adotados tanto no sistema defensivo como no
ofensivo em cada equipe são dependentes da percepção do técnico e seus auxiliares quanto ao que se espera de
aumento da chance de vitória em uma dada partida (Lamas, Santana, Heiner, Ugrinowitsch, & Fellingham, 2015). A
elaboração dessas estratégias é, portanto, decorrente das informações disponíveis para esse fim.

Uma das formas mais comuns de se analisar jogadores e equipes é por intermédio das estatísticas de jogo, as quais são
categorizadas em estatísticas básicas e estatísticas avançadas. As estatísticas básicas são aquelas de análise direta e
observadas durante a partida. São registrados pontos, rebotes e assistências, entre outros. Já as estatísticas avançadas
são, muitas vezes, dependentes de cálculos e observações mais sofisticadas e apoiadas em softwares específicos, além
de várias delas serem tratadas de forma a normalizar os dados para fins de comparação mais eficiente (Oliver, 2004).
Isso ocorre por conta do número de posses de bola não ser fixo para cada equipe em cada jogo, assim como outros
fatores intervenientes dessas comparações, a destaque do tempo de jogo diferenciado para cada jogador e até o
número de vezes que ele obtém o controle da bola.

Na NBA, Liga Profissional de Basquetebol dos EUA, índices de desempenho como eficiência ofensiva (Offensive
Rating – ORtg) e defensiva (Defensive Rating – DRtg) são calculados a partir dos pontos marcados e sofridos
(respectivamente) pela equipe ao longo da temporada, assim como a diferença entre ambas (saldo de pontos ou Net
Rating – NRtg), todos normalizados para 100 posses de bola (National Basketball Association [NBA], 2018). Ou seja,
em decorrência dessa normalização, o valor apresentado por esses índices viabiliza a comparação entre diferentes
equipes, mas não representa a simples média de pontos por partida. Nesse sentido, é possível que as equipes que
tenham liderado a competição em pontos por partida não sejam as mesmas a liderar os índices de eficiência ofensivo.
O mesmo vale em relação à defesa.

Em face disso, por não ser clara qual a relação entre esses índices de desempenho e a classificação final das equipes
na competição, os objetivos desse estudo foram verificar a associação entre os índices de desempenho (ORtg, DRtg e
NRtg) e a classificação das equipes durante a temporada regular da NBA 2017/2018.

MATERIAIS E MÉTODOS
Essa pesquisa tem um caráter descritivo transversal. Foram utilizadas as estatísticas avançadas oficiais dos jogos na
temporada regular 2017/2018 da NBA (http://stats.nba.com/teams/advanced/?sort=W&dir=-1), considerando os dados
das eficiências ofensiva (offensive rating - ORtg) e defensiva (defensive rating – DRtg) que representam a quantidade
de pontos que cada equipe marca e sofre, respectivamente, normalizados para cada 100 posses de bola. E por fim, a
relação entre ORtg e DRtg, que representa o saldo de pontos marcados-sofridos, denominado net rating (NRtg). Esses
dados foram dicotomizados a partir da mediana de cada variável, sendo indicados pelo sinal “+” (acima da mediana)
ou “-“ (abaixo da mediana).

As equipes foram ranqueadas em função do número de vitórias obtidas durante a fase regular (82 partidas) e
posteriormente categorizadas em três níveis. No Nível 1 (N1) foram agrupadas as 11 equipes de melhor campanha
(houve um empate do 8º ao 11º colocado); no Nível 2 (N2) as nove equipes com performance mediana; e no Nível 3
(N3), as equipes com piores resultados (menor número de vitórias).

137
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

A análise estatística contemplou uma exploração descritiva dos dados e o teste Qui-quadrado de Pearson para observar
a associação entre os dois grupos de variáveis (eficiências x níveis). Para todas as análises foi considerado um nível de
significância de 5%, usando-se o pacote estatístico SPSS 22.0 (IBM, EUA).

RESULTADOS
Houve associação entre a ORtg e a classificação final das equipes (x²[2,30]=15,455, r=0,72, p≤0,001), indicando que
60% das equipes com ORtg+ estão presentes no N1, enquanto nenhuma equipe do N3 aparece no estrato superior da
eficiência. É importante destacar que nove das 11 equipes pertencentes ao N1 e sete das nove do N2 se classificaram
para a fase de playoffs (pós-temporada). No entanto, nenhuma equipe do N3 tinha chance de acesso. Esse resultado
ratifica o poder discriminatório desse índice.

Houve associação entre DRtg e a classificação final (x²[2,30]=16,875, r=0,68, p≤0,001), com 66,7% das equipes com
DRtg+ no N1, e apenas 6,7% no N3. Em contrapartida, 60% das equipes com DRtg- são encontradas no N3. Com a
relação à distribuição das equipes, passaram à pós-temporada 10 das 11 equipes do N1, quatro das nove do N2, e duas
das 10 do N3.

Por fim, o NRtg também apresentou associação com classificação final (x²[2,30]=21,964, r=0,86, p≤0,001). Das
equipes com NRtg+, 78,6% são do N1 e nenhuma no N3, enquanto que das equipes com NRtg-, 62,5% foram
estratificadas no N3 e nenhuma no N1. Esse foi o índice de maior aproximação com a classificação final, com as 16
equipes de playoff ranqueadas nas 17 primeiras posições. A análise do NRtg denota o equilíbrio na performance de
ataque e defesa de cada equipe ao longo dos jogos. Deve-se levar em conta que a classificação final é determinada
pelo número de vitórias, independentemente da diferença de placar em cada partida. Contudo, parece claro que
equipes que demonstraram balanço positivo nesse índice obtiveram melhor resultado geral que as demais.

CONCLUSÃO
Houve associação entre os índices de desempenho e a classificação final das equipes na competição, revelando que
essas ferramentas de análise são suficientemente acuradas para categorizar equipes de melhor e pior performance na
temporada.

REFERÊNCIAS
Lamas, L., Santana, F., Heiner, M., Ugrinowitsch, C., Fellingham, G.. (2015). Modeling the Offensive-Defensive
Interaction and Resulting Outcomes in Basketball. PLoS One.10(12), e0144435.

NBA. (2018, junho 16). NBA Advanced Stats. Stats Home/Help/Glossary. Recuperado de
https://stats.nba.com/help/glossary/.

Oliver D. (2004). Basketball on paper. Dulles: Potomac Books.

138
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DAS DEMANDAS FISICAS EM SITUAÇÕES DE ATAQUE COM


ARREMESSOS DE DOIS E TRÊS PONTOS EM JOGOS DE BASQUETEBOL DE
ALTO RENDIMENTO.
Anderson Calderani Junior1; Rene Augusto Ribeiro1; Milton Shoiti Misuta1; Luciano Allegretti Mercadante1
Autor para correspondência: andersoncalderanijunior@yahoo.com.br
1
Universidade Estadual de Campinas

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Análise de desempenho; Ataques

INTRODUÇÃO
Estudos de análise notacional têm como proposta principal auxiliar técnicos e preparadores físicos na análise objetiva
de dados extraídos de situações reais de competição de suas equipes, seguida do fornecimento de informações
objetivas sobre o rendimento de seus atletas. Uns dos principais focos de observação de informações são referentes a
ações técnicas. Dentre as ações técnicas estudadas, o arremesso tem maior destaque, sendo uma das ações de jogo
mais estudadas na literatura, pois é a partir dela que se obtém o êxito esportivo (Ibáñez, García, Feu, Parejo, &
Cañadas, 2009). O enfoque dado para a análise do arremesso tem como propósito estabelecer relações que esta tem
com a importância do jogo, além de outras informações precedentes à efetiva execução do fundamento (Ibáñez et al.,
2009). Dado o grande interesse em analisar as demandas físicas durante o jogo de basquetebol sob diferentes
perspectivas e aspectos (Conte et al., 2015; Scanlan et al., 2015), é possível afirmar que tais demandas têm também
um papel fundamental construção do ataque sendo, portanto, mais um fator que pode influenciar a eficiência do
arremesso. Considerando a importância das demandas físicas no jogo e sua influência nas ações que precedem a
execução do arremesso, a análise destas demandas pode fornecer informações que auxiliam no entendimento dos
aspectos envolvidos na execução deste fundamento. Portanto, o objetivo do presente estudo foi caracterizar as
demandas físicas de ataques e contra-ataques e verificar diferenças nas demandas físicas da equipe durante ataques
que terminaram em arremessos de dois e três pontos, certos e errados.

MATERIAIS E MÉTODOS
O estudo propõe análises observacionais de seis jogos da liga masculina de basquetebol, de nível nacional. Foram
medidas a posição em função do tempo a partir de vídeos dos jogos e reconstrução 2D, realizada no software Dvideo.
Através de algoritmos desenvolvidos em software MatLab®, foram realizados o tratamento e a quantificação de
parâmetros físicos e técnicos de performance dos jogos observados. Como parâmetros físicos, foram calculados a
velocidade e a distância percorrida dos jogadores da equipe atacante. Os parâmetros técnicos quantificados em cada
ataque foram o arremesso de dois e três pontos e bandeja (certos e errados). Os ataques foram separados em ataques
posicionados e contra-ataques. O inicio dos ataques posicionados foi determinado a partir de um critério previamente
estabelecido, que consiste em todos os jogadores defensores estarem a frente da linha da bola no instante em que o
jogador com a posse de bola estiver posicionado na frente da linha de meia quadra. Os contra-ataques foram separados
a partir dos ataques terminados em arremessos (dois e três pontos) e bandejas. Dados de velocidade e distância
percorrida dos cinco jogadores foram somadas para cada ataque, gerando a distância percorrida e velocidade total da
equipe. Foram usados testes de Kolmogorov-Smirnov para a verificação da normalidade dos dados e de Mann-
Whitney para a verificação de diferenças entre os ataques bem-sucedidos e malsucedidos, nas categorias de dois e três
pontos, como também para verificar diferenças entre ataques de dois e três pontos bem-sucedidos.

RESULTADOS
Dos ataques analisados, 90% foram posicionados (onde 61,1% com arremesso a cesta) e 10% contra-ataques (com
29% de arremesso a cesta). Dentre os ataques com arremesso, 43,3% foram de dois pontos com eficiência de 46,7%.
Para os ataques de três pontos (36,2% das tentativas à cesta), a eficiência foi de 34,4% e para bandejas (20,5% das
tentativas) foi de 57,2%. Houve diferença significativa quanto a distância percorrida entre ataques com bandeja certas
e erradas (68,1 ± 24,4m e 77,9 ± 36,5m respectivamente). Nos ataques posicionados e contra-ataques terminados em
dois pontos e em ações de bandeja, tanto as variáveis distancias percorridas (77,2 ± 31,6m e 139,5 ± 68m) quanto as
velocidades das equipes (8,3 ± 2m/s e 9,6 ± 3m/s) foram significantemente diferentes. Os ataques terminados em

139
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

bandejas, ataques posicionados e contra-ataques também apresentaram diferença significativa para a distância
percorrida (73,8 ± 32,2m e 150,2 ± 80,6m) e velocidade (8,7 ± 1,9m e 12,5 ± 4,5m). A semelhança das médias nos
ataques de dois e três pontos pode indicar que as movimentações ofensivas da equipe tendem a ter as mesmas
demandas físicas independentemente da eficácia do arremesso. Entretanto, na comparação entre ataques de dois e três
pontos certos não houve diferença significativa nas distâncias e velocidades analisadas, assim como entre ataques
certos e errados de dois pontos e entre os ataques certos e errados de três pontos. Esperava-se que as movimentações
dos jogadores entre os ataques certos e errados fossem diferentes, para os dois tipos de arremessos, estando associada
ao melhor desenvolvimento do ataque com maior movimentação e, portanto, maiores níveis de distância percorrida,
pois o melhor desenvolvimento de um ataque permite um melhor processo de decisão (Angel Gomez, Lorenzo,
Sampaio, Ibanez, & Ortega, 2008). O fato do nível das movimentações serem parecidos mas a eficácia ser diferente,
pode depender da marcação dos adversários, pois existe uma relação entre a eficácia dos arremessos e a pressão
defensiva (Ibáñez et al., 2009). Assim, a marcação adversaria pode ter sido o fator influenciador para o arremesso ser
bem ou malsucedido. A diferença nas demandas físicas entre os dois tipos de ataques analisados mostra que os contra-
ataques demandam maiores volumes e intensidades de movimentos da equipe como um todo, pela necessidade de
atravessar para o outro lado da quadra em alta velocidade, o que exige altas demandas de intensidade de esforço.

CONCLUSÃO
Contra-ataques são mais exigentes em termos físicos do que ataques posicionados. Ataques com arremessos de dois e
três pontos apresentaram demandas físicas similares, independentemente da eficácia dos arremessos realizados. O
presente estudo também mostra que analisar a contribuição do nível de marcação permite entender melhor a influência
das movimentações na eficácia dos arremessos. Possivelmente, a análise individual das demandas físicas nas
movimentações ofensivas pode ser um caminho a ser explorado para determinar melhor a relação com a eficácia dos
arremessos

APOIO
CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

LNB - Liga Nacional de Basquete

REFERÊNCIAS
Angel Gomez, M., Lorenzo, A., Sampaio, J., Ibanez, S. J., & Ortega, E. (2008). Game-related statistics that
discriminated winning and losing teams from the Spanish men’s professional basketball teams. Collegium
Antropologicum, 32(2), 451–456.

Conte, D., Favero, T. G., Lupo, C., Francioni, F. M., Capranica, L., Tessitore, A., … Essitore, A. N. T. (2015). Time-
motion analysis of Italian elite women’s basketball games: Individual and team analyses. Journal of Strength and
Conditioning Research, 29(1), 144–150. http://doi.org/10.1519/JSC.0000000000000633

Ibáñez, S. J., García, J., Feu, S., Parejo, I., & Cañadas, M. (2009). Shot efficacy in the NBA: A multifactorial analysis.
Cultura, Ciencia y Deporte, 4(10), 39–47. http://doi.org/10.12800/ccd 4.10

Scanlan, A. T., Tucker, P. S., Dascombe, B. J., Berkelmans, D. M., Hiskens, M. I., & Dalbo, V. J. (2015).
Fluctuations in Activity Demands Across Game Quarters in Professional and Semiprofessional Male Basketball.
Journal of Strength and Conditioning Research / National Strength & Conditioning Association, 29(11), 3006–3015.
http://doi.org/10.1519/JSC.0000000000000967

140
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

INFLUENCIA DEL RESULTADO EN LAS DEMANDAS DE CARGA EXTERNA


DURANTE LA COMPETICIÓN OFICIAL EN BALONCESTO FORMACIÓN
Carlos David Gómez Carmona1,2; Alejandro Bastida Castillo2; Javier García Rubio1; José Pino Ortega2; Sergio José
Ibáñez Godoy1
Autor para correspondência: cgomezcu@alumnos.unex.es
1
Grupo de Optimización del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo (GOERD). Facultad de Ciencias del Deporte.
Universidad de Extremadura, Cáceres (España).; 2Grupo de Investigación BioVetMed & SportSci. Facultad de
Ciencias del Deporte. Universidad de Murcia, San Javier, Murcia (España).

PALAVRAS-CHAVE:baloncesto; resultado; carga

INTRODUÇÃO
El baloncesto, que se enmarca dentro de los deportes colectivos de invasión, presenta una gran cantidad de acciones
intermitentes de alta intensidad que resultan relevantes y determinan el éxito durante la competición. El registro y
posterior análisis de la carga que soportan los jugadores durante la competición oficial nos aportan una información
muy importante para comprender las demandas energéticas, cinemáticas y técnicas de los jugadores, con el objetivo
de diseñar entrenamientos que optimicen el rendimiento en la competición (Montgomery, Pyne y Minahan, 2010).

Durante la competición, uno de los aspectos que influye en el rendimiento es el marcador. En una investigación
reciente, Lorenzo, Gómez, Ortega, Ibáñez y Sampaio (2010) encuentran diferencias significativas en variables
técnicas como rebotes, asistencias, eficacia en tiros de 2 puntos y rebotes defensivos entre partidos con marcador
ajustado (diferencia menor de 10 puntos) y partidos no equilibrados (diferencia superior a 10 puntos).

La problemática actual es debido a que existe un amplio estudio de la relación entre el marcador final o parcial en
cada uno de los cuartos y la eficacia en las acciones técnicas, pero no se ha estudiado su influencia en la carga externa
que soportan los jugadores durante la competición oficial. Por tanto, el presente estudio tiene como objetivo analizar
la influencia del marcador parcial en cada uno de los cuartos en las demandas de carga externa que presentan los
jugadores de baloncesto u-18 durante la fase final del Adidas Next Generation Tournament (ANGT) en la temporada
2016-2017.

MATERIAIS E MÉTODOS
El presente estudio empleó un diseño transversal con grupos naturales (Ato, López & Benavente, 2013), para conocer
las demandas de carga externa en función del resultado parcial en cada uno de los cuartos durante la fase final del
ANGT 16-17, celebrado en Estambul.

La muestra estuvo compuesta por ocho equipos formados por un total de 12 jugadores cada equipo. El torneo se
estructuraba en dos grupos de cuatro equipos donde se disputaba un partido contra cada equipo a una vuelta, siendo el
mejor equipo de cada grupo el que disputaba la final del campeonato, analizando en total 13 partidos. Todos los
jugadores y cuerpo técnico fueron informados del protocolo experimental y sus posibles riesgos y beneficios, por lo
que firmaron un consentimiento informado antes de comenzar la investigación. Todos los procedimientos fueron
aprobados por el comité ético de la Institución, según la Declaración de Helsinki (2013). La empresa Euroleague
Properties S.A. autorizó todos los protocolos de actuación.

Se determinaron como variables independientesla diferencia de tanteador en cada uno de los cuartos disputados,
clasificándose en partido disputado (diferencia menor de 10 puntos) y partido desequilibrado (diferencia mayor de 10
puntos) (Lorenzo, Gómez, Ortega, Ibáñez y Sampaio, 2010). Así mismo, las variables dependientesregistradas
cuantificaban la carga externa realizada por el jugador, analizando las siguientes: (a) Distancia total, (b) HIA
(Distancia total recorrida a una velocidad superior a 16 km/h), (c) Aceleraciones, (d) Deceleraciones, (e) Impactos en
diferentes rangos (3-5G, 5-8G y >8 G), (f) Pasos, (g) Saltos, (h) PlayerLoad (Carga acumulada resultante de la
aceleración en los 3 ejes) y (i) Power Metabolic (Gasto metábolico).

Para el registro de los datos, se emplearon dispositivos inerciales WIMUPROTM(Realtrack System, Almería, España).
Estos dispositivos presentan diferentes sensores (acelerómetros, giroscopio, magnetómetro, GNSS, UWB, entre

141
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

otros). Para el registro del posicionamiento espacial en condiciones indoor se realizó mediante tecnología Ultra-Wide
Band (UWB), para lo que se instaló un sistema de referencia compuesto por seis antenas. La frecuencia de muestreo
del chip UWB que permite el registro del posicionamiento espacial de los jugadores en deportes indoores de 18 Hz.
Los dispositivos se colocaron en la línea interescapular de los participantes mediante un peto específico
anatómicamente ajustado. El análisis de los datos se realizó utilizando el software S-PROTM(RealTrack Systems,
Almería, España).

Inicialmente se realizaron las pruebas de asunción de criterios para establecer la normalidad de la muestra (Field,
2009). Posteriormente, se calcularon los estadísticos descriptivos (media y desviación típica) y se llevó a cabo la
prueba estadística T-Student de muestras independientes para conocer las diferencias en las variables de carga externa
en función del tanteador parcial por cuartos del partido. Para el análisis de la magnitud de las diferencias se empleó el
estadístico d de Cohen.Todas las pruebas estadísticas fueron realizadas mediante el software SPSS versión 24(SPSS
Inc., Chicago IL, EEUU). El nivel de significatividad establecido ha sido p<.05.

RESULTADOS
Se encuentran diferencias estadísticamente significativas en las variables de carga externa analizadas en función del
resultado parcial de los cuartos. Los partidos con un marcador desigualado producen una mayor carga externa con un
moderado tamaño del efecto (p>0.01; t= 2.59-3.31; d= 0.48-0.62) con respecto a los partidos donde el marcador del
cuarto es igualado (diferencia menor de 10 puntos).

El marcador es un factor que influye en las demandas técnicas, y, además, en las variables de carga externa
encontrando mayores exigencias cuando los partidos tienen un tanteador desigualado. Las diferentes situaciones
durante la competición producen demandas heterogéneas a nivel físico-técnico-táctico que deben de ser analizadas y
posteriormente reproducidas durante las sesiones de entrenamiento para conseguir una adaptación óptima del jugador
ante estos estímulos. Esta investigación pone de manifiesto que en el análisis de la competición se debe tener un
enfoque global debido a que no solamente los factores técnicos, tácticos y las decisiones que toman los árbitros
durante la competición son determinantes (García, Ibáñez, Gómez y Sampaio, 2014), sino también la adaptación física
del jugador a los diferentes escenarios que se producen durante los partidos.

CONCLUSÃO
El marcador es un elemento determinante en la carga externa que soportan los jugadores durante los partidos oficiales.
Por tanto, es necesario reproducir estas situaciones durante los entrenamientos para someter a los jugadores a
estímulos semejantes a los que se producen en la competición y, de esta forma, conseguir el mayor rendimiento
deportivo.

REFERÊNCIAS
Ato, M., López, J. J., & Benavente, A. (2013). A classification system for research designs in psychology. Anales de
Psicología, 29(3), 1038-1059. doi: 10.6018/analesps.29.3.178511

Field, A. (2009). Discovering statistics using SPSS. Third Edition.Londres: SAGE

García, J., Ibáñez, J. S., Gómez, A. M., & Sampaio, J. (2014). Basketball Game-related statistics discriminating ACB
league teams according to game location, game outcome and final score differences. International Journal of
Performance Analysis in Sport, 14(2), 443-452.

Lorenzo, A., Gómez, M. Á., Ortega, E., Ibáñez, S. J., & Sampaio, J. (2010). Game related statistics which
discriminate between winning and losing under-16 male basketball games. Journal of sports science & medicine, 9(4),
664.

Montgomery, P. G., Pyne, D. B., & Minahan, C. L. (2010). The physical and physiological demands of basketball
training and competition. International journal of sports physiology and performance, 5(1), 75-86.

142
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

DESEMPENHO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE BASQUETEBOL MASCULINO NAS


OLIMPÍDAS RIO 2016
Marila Tomiko Yoshizane1; Milton Shoiti Misuta1; Luciano Allegretti Mercadante1
Autor para correspondência: marilayoshizane7@gmail.com
1
Faculdade de Ciências Aplicadas - FCA/UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Alto rendimento; scout; indicadores técnicos

INTRODUÇÃO
A busca por informações mais precisas sobre as características das equipes nos jogos a partir dos indicadores técnicos,
objetivando colaborar para a melhoria nas performances coletivas e individuais, tem se tornado cada vez mais
explorada. Dentre as análises realizadas acerca das performances das equipes no basquetebol, autores buscaram
determinar, separar, propor definições e criar modelos para os diferentes momentos do jogo, classificando-os como
momentos críticos, levando em conta a percepção do jogo por treinadores (Ferreira, Volossovitch, & Sampaio, 2017),
efeito do início do placar, localização do jogo e qualidade da oposição na pontuação final do jogo (Sampaio, Lago,
Casais, & Leite, 2010), jogos equilibrados e desequilibrados (Gómez, Lorenzo, Sampaio, Ibáñez, & Ortega, 2008).

Contudo, os registros das ações do jogo (Santos, Monezi, Misuta, & Mercadante, 2018) têm sido realizados apenas de
acordo com sua frequência, sendo contabilizados e analisados de forma geral, gerando dados discretos, o que não
favorece a identificação dos indicadores técnicos que se mostraram decisivos na construção da diferença no placar.
Analisar os indicadores técnicos em função do tempo de jogo e da diferença no placar, a partir dos períodos positivos
e negativos (Santos, Monezi, Misuta, & Mercadante, 2018), mostrou-se uma ferramenta importante para relacionar os
indicadores técnicos e o andamento do jogo. Os períodos positivos são definidos quando uma das equipes marca
quatro ou mais pontos seguidos, sem a equipe adversária pontuar. Um período positivo para uma equipe corresponde a
um período negativo para a outra. Dessa forma, a mudança do comando no placar e da diferença de pontos entre as
equipes se dá por um aumento ou diminuição dessa diferença de pontos em determinados períodos do jogo. A autora
justifica que uma diferença de até três pontos no placar pode ser revertida em um único ataque, salvo determinadas
bonificações como lances livres e/ou faltas técnicas seguidas. Portanto, o objetivo do presente estudo foi caracterizar o
desempenho técnico da equipe brasileira masculina de basquetebol nas Olímpiadas 2016, durante os períodos
positivos/negativos, comparando os jogos vencedores e perdedores.

MATERIAIS E MÉTODOS
Nos cinco jogos realizados, duas vitórias e três derrotas, foram quantificados os acertos, erros e/ou incidência dos
indicadores técnicos em função do tempo de jogo, Os indicadores analisados foram: Arremessos de dois e três pontos,
bandejas, lances livres, reposição de bola, drible, passe, domínio, recuperação da posse de bola, violação, toco, falta
técnica, tempo técnico, rebote e falta. A medição dos indicadores técnicos foi realizada de forma manual, por meio do
Módulo Skout do Sistema DVideo, desenvolvido na UNICAMP. Esse módulo viabiliza o registro de cada indicador
técnico em função do tempo, obtido a partir do frame marcado na ação. Para análise dos dados, foi utilizada a
estatística descritiva para apresentar os indicadores técnicos obtidos nos períodos positivos e negativos dos jogos, nas
condições vencedor e perdedor, apresentados pelas médias.

RESULTADOS
Nos dois jogos que o Brasil venceu, a equipe obteve 17 períodos positivos com média de 5,7 pontos por período e
seus adversários 13 períodos positivos obtiveram média de 5,3 pontos. Por outro lado, nos três jogos que o Brasil
perdeu, obteve média de 5,5 pontos em 29 períodos positivos e seus adversários tiveram médias 6,3 pontos em 25
períodos positivos. Quanto às virtudes do Brasil vencedor nesses períodos positivos, destacamos as bandejas (36
pontos) e os adversários perdedores apresentaram muitos turnovers (11 nos períodos negativos). As deficiências do
Brasil perdedor foram permitir, dos adversários vencedores, os arremessos de três pontos (75 pontos em períodos
negativos), as bandejas (38 pontos em períodos negativos) e errar muitos arremessos em geral (29 erros).

143
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONCLUSÃO
O Brasil vencedor construiu seus períodos positivos pelos contra ataques, infiltrações e defesa agressiva,
possivelmente atacando em velocidade. O Brasil perdedor permitiu muitos arremessos de três pontos, bandejas e não
finaliza com eficiência, sugerindo que os adversários trabalharam bem a bola no ataque para finalizar com eficiência.
A análise permitiu compreender melhor a performance da equipe brasileira nos Jogos Olímpicos 2016. As
informações obtidas fornecem informações quanto ao desempenho da equipe brasileira de acordo com o tempo de
jogo, permitindo que eles identifiquem os períodos positivos e negativos, e os indicadores que se destacaram nestes
períodos, tornando-se um facilitador para os treinadores poderem tomar decisões e escolher as melhores soluções para
impulsionar o desenvolvimento da equipe.

REFERÊNCIAS
Ferreira, A. P., Volossovitch, A., & Sampaio, J. (2017). Towards the game critical moments in basketball?: a
grounded theory approach Towards the game critical moments in basketball?: a grounded theory approach, 8668.
https://doi.org/10.1080/24748668.2014.11868732

Gómez, M. Á., Lorenzo, A., Sampaio, J., Ibáñez, S. J., & Ortega, E. (2008). Game-Related Statistics that
Discriminated Winning and Losing Teams from the Spanish Men ’ s Professional Basketball Teams, 32, 451–456.

Misuta, M. S., & Mercadante, L. A. (2018). Rev Bras Cineantropom Hum Technical Indicators registered as a
function of, 172–181. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2018v20n2p172

Sampaio, J., Lago, C., Casais, L., & Leite, N. (2010). Effects of starting score-line , game location , and quality of
opposition in basketball quarter score, 1391. https://doi.org/10.1080/17461391003699104

144
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

COMPARAÇÃO DE ARQUÉTIPOS ENTRE EQUIPES CLASSIFICADAS NA


TEMPORADA 2017/18 DO NOVO BASQUETE BRASIL
Vitor Bertoli Nascimento1,2; Bruno Giovanini1,3; Rafael Baraldi da Cunha1,2
Autor para correspondência: vitorbertolinascimento@yahoo.com.br
1
Universidade Estadual de Londrina; 2Neurociências Motoras (NEMO) - Universidade Estadual de Londrina; 3PET
Educação Física (PET-EF/UEL) - Universidade Estadual de Londrina

PALAVRAS-CHAVE:Arquétipos; desempenho; basquetebol

INTRODUÇÃO
O uso de análises estatísticas sobre os indicadores de desempenho no basquetebol tem sido explorado na literatura
para determinar quais variáveis do jogo fazem com que uma equipe tenha ou não sucesso, dentre estas variáveis
destacam-se rebotes defensivos, assistências, roubos, cestas de 2 pontos e 3 pontos.(Carvalho, Leicht, Nakamura,
Okuno, & Okazaki, 2017; Ibáñez et al., 2008).

A Análise de Arquétipos (AA) é um método utilizado na identificação de perfis de jogadores baseado nos indicadores
de desempenho que apresentaram ao longo de uma ou mais temporadas (Eugster, 2012). Entre as funções da AA, está
a identificação dos jogadores que caracterizam cada um dos arquétipos criados com características multivariadas,
além de quantificar quanto cada atleta está próximo destes arquétipos.

Porém ainda que sejam verificados quais os indicadores de desempenho determinantes para o sucesso da equipe, é
necessário verificar quais os jogadores têm o perfil para execução desses indicadores. Isso pode auxiliar as equipes em
processo de composição, que vislumbrarão seleções ou negociações que envolvam os jogadores necessários para
cumprir com os indicadores que contribuem para o sucesso da equipe.

Desta forma, o objetivo do presente estudo foi identificar e comparar os arquétipos de jogadores presentes nas equipes
melhores e piores classificadas na temporada 2017/2018 do Novo Basquete Brasil.

MATERIAIS E MÉTODOS
Para determinar os arquétipos, foram utilizadas estatísticas de 220 jogadores de 15 equipes durante a fase de
classificação da temporada 2017/2018 no NBB (disponível em: http://lnb.com.br/nbb/estatisticas). Os jogadores com
menos de 200 minutos jogados na temporada foram retirados da amostra, restando 149 jogadores incluídos na análise.
Para fins deste estudo, foram analisados os dados de 60 jogadores pertencentes às melhores e piores equipes
classificadas (Melhores: Flamengo (FLA); Paulistano (CAP); Sesi Franca (FRA) e Mogi (MOG)); Piores: Botafogo
(BOT); Joinville (JLE); Campo Mourão (CMO) e Liga Sorocabana (LSB)).

A AA utilizou doze indicadores de desempenho, sendo os valores totais de: jogos (JGS), minutos jogados (MIN),
pontos (PTS), cestas de dois pontos convertidas (2PC), cestas de três pontos convertidas (3PC), assistências (AST),
rebotes ofensivos (RBO), rebotes defensivos (RBD), roubos de bola (RB), bloqueios (BLQ), faltas cometidas (FC) e
erros e violações (ERR).

Os arquétipos foram identificados como descreve a literatura (Eugster, 2012; Eugster & Leisch, 2009), onde o
“critério de cotovelo” é aplicado sobre a soma dos quadrados de resíduos para determinar o número de arquétipos para
um conjunto de dados.

Os valores de coeficientes alfa (α = 0 a 1) foram apresentados para representar o quanto os jogadores de cada equipe
se aproximam de cada arquétipo. Para determinar o perfil das equipes, foi apresentado o valor médio de α dos
jogadores das melhores e piores equipes classificadas.

Para comparação dos alfas dos jogadores de cada equipes foi utilizado Modelo de Lineares Generalizadas, adotando-
se a significância de 5% (p < 0,05). A análise de arquétipos foi realizada com o uso do pacote Archetypes. Todas
análises foram realizadas com uso do software R 3.4.0 (R Development Core Team, 2017).

145
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
Foram identificados quatro arquétipos entre os jogadores. Nestes destacam-se valores de indicadores de desempenho
com percentil acima 80% sendo: arquétipo 1 (A1), caracterizado por valores de 3PC, JOG e PTS; arquétipo 2 (A2),
caracterizado por valores de RB, AST, PTS, MIN, 2PC e ERR; arquétipo 3 (A3), caracterizado por baixos valores em
todos os indicadores e arquétipo 4 (A4), caracterizado por valores de RBO, BLQ, RBD, FC e 2PC.

Os valores médios dos valores de α dos jogadores para cada arquétipo de cada equipe foram encontrados nas melhores
classificadas (FLA: α1=0,35; α2=0,09; α3=0,34; α4=0,22; PAU: α1=0,44; α2=0,08; α3=0,21; α4=0,27; FRA:
α1=0,14; α2=0,10; α3=,61; α4=0,15; MOG: α1=0,31; α2=0,21; α3=0,21; α4=0,27) e comparados com os valores das
piores classificadas (BOT: α1=0,17; α2=0,12; α3=0,49; α4=0,22; JLE: α1=0,14; α2=0,15; α3=0,68; α4=0,08; CMO:
α1=0,13; α2=0,10; α3=0,63; α4=0,14; LSB: α1=0,10; α2=0,15; α3=0,57; α4=0,18).

Em relação ao A1, as equipes FLA e CAP apresentaram diferenças em relação às equipes BOT, CMO e LSB. Para
A2, não foram verificadas diferenças entre as melhores e piores equipes. Em relação ao A3, as equipes FLA e MOG
apresentaram diferenças em relação apenas às equipes JLE e CMO, enquanto a equipe CAP apresentou diferenças em
relação à todas piores classificadas. Para A4, a equipe MOG foi diferente de JLE, enquanto a equipe CAP apresentou
diferenças em relação às equipes BOT, JLE e LSB.

De modo geral, as principais diferenças entre as melhores e piores classificadas estão relacionadas à presença de
pontuadores de longa distância (A1) e jogadores pouco eficientes (A3). Ainda, para as equipes MOG e CAP, foi
possível observar a maior presença de jogadores de segurança, com altos valores de RBD, FC e 2PC em relação à
maioria das piores classificadas.

As diferenças encontradas no presente estudo residem em indicadores de desempenho que têm sido verificados como
determinantes para o sucesso de uma equipe na mesma liga (Carvalho et al., 2017).

CONCLUSÃO
O presente estudo pôde diferenciar as equipes melhores classificadas das piores utilizando a técnica de AA. Equipes
melhores classificadas tiveram mais jogadores capazes de pontuar de longa distância, de assegurar rebotes defensivos
e pontuar de curta distância e menos jogadores pouco eficientes. Essas diferenças estão relacionadas à indicadores de
desempenho determinantes para o sucesso de equipes no Novo Basquete Brasil.

REFERÊNCIAS
Carvalho, E. M. O., Leicht, A. S., Nakamura, F. Y., Okuno, N. M., & Okazaki, V. H. A. (2017). Team Statistical
Determinants of Victory in Brazilian Basketball. MOJ Sports Medicine, 1(4), 70–75.

Eugster, M. J. A. (2012). Performance Profiles based on Archetypal Athletes. International Journal of Performance
Analysis in Sport, 12(1), 166–187.

Eugster, M. J. A., & Leisch, F. (2009). From Spider-Man to Hero - Archetypal Analysis in R. Journal of Statistical
Software, 30(8). https://doi.org/10.18637/jss.v030.i08

Ibáñez, S. J., Sampaio, J., Feu, S., Lorenzo, A., Gómez, M. A., & Ortega, E. (2008). Basketball game-related statistics
that discriminate between teams’ season-long success. European Journal of Sport Science, 8(6), 369–372.

146
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PICK AND ROLL, PERTURBAÇÃO, E ESTRATÉGIA DEFENSIVA DURANTE O


EUROBASKET 2017
Vitor Hugo Ribeiro Sarvas1; João Alexandre Peluso Milan1; Caio Augusto Goll Frigi1; Walter Tenório Schildberg1;
Alexandre Moreira1
Autor para correspondência: vitor.sarvas@usp.br
1
Departamento de Esporte, Escola de Educação Física e Esporte, Universidade de São Paulo

PALAVRAS-CHAVE:basquetebol; pick and roll; perturbação

INTRODUÇÃO
A natureza não determinística do jogo de basquetebol pode ser compreendida como um sistema dinâmico
neurobiológico e social (Glazier, 2010). Uma mudança no fluxo e no ritmo “normal” do jogo (um padrão de
coordenação estável entre ataque e defesa), pode gerar uma oportunidade de finalização; essa ação que modifica o
fluxo do sistema, tem sido denominada como uma “perturbação” (Hughes & Franks, 2005). Entre as ações táticas
mais utilizadas para criar perturbações no jogo, destaca-se o bloqueio direto ou pick (Lamas et al., 2011). O pick
ocorre quando o jogador com a posse de bola recebe o bloqueio de um jogador sem bola; é uma ação tática utilizada
na tentativa de criar uma vantagem para o atacante em relação ao marcador durante um breve período de tempo. A
eficácia da perturbação causada pelo pick, pode ser influenciada pelas estratégias defensivas. Apesar da crença de
treinadores e profissionais do basquetebol de que essas estratégias defensivas se modificam durante a fase da
competição (classificação e playoffs), ainda se carece de dados empíricos que sustentam essa afirmação. Assim, o
objetivo deste estudo foi descrever e comparar as estratégias defensivas utilizadas sobre o pick (pick and roll; jogador
com a posse de bola recebe o bloqueio de um jogador sem bola, o qual segue em direção a cesta) durante o
EuroBasket 2017, nas fases de classificação e de playoffs.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foram analisados 6 jogos do EuroBasket 2017; 3 da fase de classificação e 3 na fase de playoffs, escolhidos aleatoria.
Foi utilizado o programa Dartfish 9 TeamPro software (Fribourg, Switzerland) para codificar as sequências de ações
analisadas. Foram retidas para análise, somente as sequências de ações decorrentes de pick and roll (PR) que
resultaram em arremessos (finalizações) de 2 pontos e 3 pontos (certo ou errado) ou turnover; seja com passe interno,
externo ou indo direto para cesta. Os passes para finalização foram definidos como passes resultantes da ação de PR
seguidos de uma mudança de fluxo; o PR, por sua vez, foi identificado como uma ação tática de perturbação no fluxo
do jogo; o passe interno foi identificado como o passe para o garrafão; e o passe externo, para fora garrafão. Para
analisar as estratégias defensivas para o PR foram consideradas as ações dos dois jogadores envolvidos - defensor da
bola e defensor do bloqueador - e ações conjuntas dos dois:

Defensor do bloqueador

• Under: o defensor se posiciona internamente entre o bloqueio e a cesta;

• Step: o defensor se posiciona paralelamente ao bloqueio tentando obstruir a trajetória do portador da bola;

• Show: o defensor se posiciona perpendicularmente ao bloqueio tentando obstruir a trajetória do portador da


bola;

Defensor do portador da bola

• Junto: o defensor não se separa do portador da bola, passando entre o bloqueio e seu atacante ou seguindo o
portador;

• Baixo: o defensor passa por baixo do bloqueio, entre o bloqueio e a cesta;

• Negando bloqueio: o defensor se antecipa ao bloqueio, tentando obstruir a trajetória do portador da bola;

147
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Defesa Combinada

• Troca: os defensores trocam os atacantes que estão marcando;

• Dobra: o defensor do portador da bola e o defensor do bloqueio marcam o portador da bola.

A forma empregada para medir a eficiência da defesa do PR foi o cálculo de aproveitamento de ataque (AP). O AP é
determinado considerando a quantidade de ações de PR que ocorreram com um determinado tipo de defesa,
subtraindo-se a quantidade de turnovers, e multiplicando-se pelo número de cestas convertidas.

RESULTADOS
Foram registradas 108 ações de PR que acarretaram em uma situação clara de perturbação durante a fase de grupos do
EuroBasket; enquanto durante os playoffs foram observados um total de 126 ações. A combinação defensiva mais
frequente durante as duas fases da competição foi a que o defensor da bola passava “Junto” e o defensor do
bloqueador realizava o “Under”; na fase de grupos essa combinação ocorreu em 35,19% das situações de PR e, nos
playoffs, em 42% das situações. Quando a estratégia de defesa adotada foi a “Troca”, o AP foi de 29% na fase de
grupo e de 60% na fase de playoffs. Além disso, quando a combinação da defesa foi “Junto” e “Step”, o AP na fase de
grupo foi de 20% e na fase de playoffs de 83%.

A ação tática de PR pode ser considerada como uma perturbação, induzindo uma transição de fase, modificando a
regularidade do sistema, e possibilitando a oportunidade de arremesso para o ataque. As combinações defensivas de
PR têm como objetivo, suavizar a perturbação, restabelecendo o estado do sistema, e minimizar a chance de
arremesso. Os resultados do presente estudo sugerem não haver diferenças entre as fases da competição para a
utilização de combinações defensivas; a combinação mais frequente em ambas as fases foi a que o defensor da bola
passava “Junto” e o defensor do bloqueador realizava o “Under”. Entretanto, quando a estratégia defensiva foi
"Troca”, o aproveitamento percentual de ataque foi menor na fase de grupo, comparado a fase de playoffs. Um menor
aproveitamento também foi observado na fase de grupos quando a combinação de defesa adotada foi “Junto” e “Step”.

CONCLUSÃO
O PR é umas das ações mais usadas na tentativa de perturbação do sistema; conhecer as estratégias utilizadas para
suavizar a perturbação do PR em diferentes fases da competição, é imperativo para o avanço do conhecimento nessa
temática. Os resultados desse estudo sugerem não haver diferenças entre as fases para a estratégia mais adotada pela
defesa. A combinação \\\"Junto\\\" e \\\"Under\\\" foi a mais utilizada nas duas fases do torneio; porém, o
aproveitamento do ataque foi menor na fase de grupos; esse resultado sugere que um possível nível técnico superior
na fase de playoffs pode minimizar o efeito da tentativa de suavização da perturbação por parte da defesa.

REFERÊNCIAS
Glazier, P. S. (2010). Game, set and match? Substantive issues and future directions in performance analysis. Sports
Medicine, 40(8), 625-634.

Hughes, M., & Franks, I. (2005). Analysis of passing sequences, shots and goals in soccer. Journal of sports sciences,
23(5), 509-514.

Lamas, L., Junior, D. D. R., Santana, F., Rostaiser, E., Negretti, L., & Ugrinowitsch, C. (2011). Space creation
dynamics in basketball offence: validation and evaluation of elite teams. International Journal of Performance
Analysis in Sport, 11(1), 71-84.

148
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

COMPARAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ARREMESSOS DE DOIS E DE TRÊS


PONTOS DURANTE OS JOGOS DO NBB 2017/2018
Vanessa Marques Schmitzhaus1; Marcos Bezerra de Almeida1
Autor para correspondência: vanessams@academico.ufs.br
1
Universidade Federal de Sergipe

PALAVRAS-CHAVE:Análise de desempenho; Aproveitamento de arremessos ; Performance

INTRODUÇÃO
O Houston Rockets foi a equipe de melhor campanha da NBA 2017/2018 (65 vitórias em 82 jogos). Apesar do
sucesso, o modelo adotado pela equipe causou estranheza em alguns analistas e alimentou debates entre especialistas
por toda a temporada. No cerne da questão, as dúvidas quanto à utilização do arremesso de três pontos (3PT) como a
primeira opção ofensiva. Além disso, durante a última partida de final de cada Conferência da NBA, ambas as equipes
perdedoras arremessaram um elevado volume de bolas de 3PT em suas partidas (44 e 39 arremessos) com baixo
percentual de aproveitamento (16% e 18%). Em adendo, uma dessas equipes teve uma impressionante sequência de
28 arremessos de 3PT não convertidos em 55 posses de bola e ao longo de um intervalo de tempo de 24 min e 15 s (da
marca de 6 min e 43 s do 2º período a de 6 min e 28 s do 4º período de jogo). Nesse mesmo intervalo, os jogadores
acertaram 15 de 21 arremessos de dois pontos (2PT), num aproveitamento de 71% (National Basketball Association
[NBA], 2018).

Giannini (2009) sugere que um jogador deve acertar ≥40% das tentativas de 3PT (3PT≥40%). Isso corresponde ao
percentil 75 da performance nos jogos do Novo Basquete Brasil (NBB) (Meneses, Gois & Almeida, 2016). Por outro
lado, para um mesmo número de tentativas, acertar 60% dos arremessos de 2PT (2PT≥60%) gera a mesma quantidade
de pontos do que os 3PT≥40%. Interessantemente, o aproveitamento de 2PT≥60% também corresponde ao percentil 75 no
basquetebol brasileiro (Meneses, Gois & Almeida, 2016). Desta forma, esses valores poderiam ser adotados como
referência para balizar a performance de atletas e equipes e favorecer a tomada de decisão dos técnicos quanto aos
ajustes que se mostrem urgentes no modelo de jogo. Contudo, não é claro qual nível de performance é mais viável de
correr ao longo de uma temporada.

Neste sentido, os objetivos deste estudo foram comparar a prevalência de 3PT≥40% e de 2PT≥60% durante os jogos de
equipes profissionais do basquetebol brasileiro, a fim de esclarecer qual performance é a mais prevalente,
considerando os períodos de partida, equipes vencedoras e perdedoras, e fases da competição, e ainda determinar a
média de pontos obtidos por cada tipo de arremesso.

MATERIAIS E MÉTODOS
Em um desenho transversal e descritivo, foram consultados os dados estatísticos de todos os jogos do NBB temporada
2017/2018 (http://lnb.com.br/nbb/tabela-de-jogos), exceto um jogo cujos dados não estavam disponíveis na
plataforma. Fizeram parte da amostra 252 jogos que representam 504 participações das equipes. Foram registrados os
arremessos de 2PT e de 3PT tentados e convertidos, e seus percentuais de aproveitamento referentes ao jogo completo
e estratificado por período. Os dados foram analisados de forma descritiva e pelo teste de qui-quadrado para
comparação entre os períodos através do software GraphPad Prism 5.01(alfa<5%).

RESULTADOS
Houve mais jogos com as equipes acertando 3PT≥40% do que 2PT≥60%: 111 jogos (22%) vs 84 jogos (16,7%), sendo
que em nenhuma das partidas as equipes conseguiram alcançar simultaneamente os percentuais testados em ambos os
arremessos. A análise dos percentis indicou que a mediana foi de 32% para 3PT≥40% e de 50% para 2PT≥60%. Os
aproveitamentos de 40% e 60% representavam, respectivamente, os percentis 80 nos 3PT e 84 nos 2PT. Houve
diferença estatística (Χ2=8,386; p=0,039) entre os arremessos ao longo dos períodos da partida: 205 jogos
(40,7%),182 jogos (36,1%), 208 jogos (41,3%) e 159 jogos (31,5%) com 3PT≥40%; e 153 jogos (30,4%), 163 (32,3%),
145 jogos (28,8%) e 166 jogos (32,9%) com 2PT≥60%, do primeiro para o quarto período. As equipes vencedoras

149
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

atingiram a meta de aproveitamento mais vezes que as perdedoras em ambos os arremessos: 87 jogos (34,5%) nos
3PT≥40% e 67 jogos (26,6%) nos 2PT≥60% para vencedores, e 24 jogos (9,5%) nos 3PT≥40% e 17 jogos (6,7%) nos
2PT≥60% para perdedores. As médias de aproveitamento são mantidas da fase regular para os playoffs (32,5% a 33%
nos 3PT; 49,4% a 50,4% nos 2PT). Contudo, a prevalência de jogos com os aproveitamentos testados mostra uma
queda substancial: 96 jogos (40,3%) nos 3PT≥40% e 69 jogos (29%) nos 2PT≥60% para fase regular (n=238), e 15 jogos
(17,4%) nos 3PT≥40% e 15 jogos (17,4%) nos 2PT≥60% para fase de playoff (n=86). Por fim, as equipes tentaram em
média 25 arremessos de 3PT e 37 de 2PT por partida, com médias de pontos por arremesso de 25,2 e 36,8,
respectivamente, o que equivale a cerca de um ponto para cada arremesso tentado, independentemente do tipo de
arremesso. Esse resultado denota certo equilíbrio na produção ofensiva a partir de cada tipo de finalização à cesta.

CONCLUSÃO
Apesar da meta de 3PT≥40% ter sido alcançada mais vezes do que a de 2PT≥60%, parece claro que esse é um nível de
performance difícil de se obter ou de se manter ao logo da partida. A performance nos 3PT≥40% é melhor nos quartos
que iniciam cada metade da partida (primeiro e terceiro), mas mostram queda expressiva de desempenho nos períodos
subsequentes. As equipes vencedoras atingem a meta de performance em quase quatro vezes mais partidas do que as
perdedoras. Os jogos de playoff notadamente comprometem os aproveitamentos em comparação com a fase regular.
A relação custo/benefício não parece ser desfavorável ao uso dos arremessos de 3PT, ainda que seja precoce advogar
em prol de seu uso como primeira opção ofensiva no plano de jogo.

REFERÊNCIAS
Giannini J. (2009). Court Sense: winning basketball’s mental game. Champaign: Human Kinetics.

Meneses, L. R., Gois Jr, L. E. M., Almeida, M. B.. (2016). Análise do desempenho do basquetebol brasileiro ao longo
de três temporadas do Novo Basquete Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 38(1), 93-100

NBA. (2018, maio 28). Golden State Warriors vs. Houston Rockets. Final de Conferência. Recuperado de
https://watch.nba.com/game/20180528/GSWHOU.

150
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PERFIL DE ACELEROMETRÍA DE LOS ÁRBITROS DE BALONCESTO DURANTE EL


EUROBASKET FEMENINO SUB-16.
David García Santos1,2; María Reina Román1,2; Javier García Rubio1,2; José Pino Ortega3; Alejandro Vaquera
Jiménez4; Sergio José Ibáñez Godoy1,2
Autor para correspondência: dgarcianu@alumnos.unex.es
1
Grupo de Optimización del Entrenamiento y Rendimiento Deportivo.; 2Facultad de Ciencias del Deporte.
Univerisdad de Extremadura (España); 3Facultad de Ciencias del Deporte. Universidad de Murcia (España).;
4
Facultad de Ciencias del Deporte. Universidad de León (España).

PALAVRAS-CHAVE:Acelerometría; Árbitro de Baloncesto; Rendimiento

INTRODUÇÃO
El Baloncesto es un deporte de colaboración-oposición donde existen acciones intermitentes de alta intensidad que
resultan relevantes y determinan el éxito durante la competición (Delaney, Cummins, Thornton & Duthie, 2017). Un
conocimiento y análisis de estas acciones permite establecer el perfil de rendimiento de los deportistas (Russell et al,
2016).Estudios recientes analizan estas demandas en jugadores, pero son escasos o inexistentes en árbitros. Es
necesario conocer estos parámetros para aportar valores concretos de las necesidades de los árbitros durante la
competición (García-Santos, Gamonales, León & Muñoz, 2017). Por este motivo, el objetivo del presente estudio fue
establecer el perfil de aceleración de árbitros de baloncesto durante la competición.

MATERIAIS E MÉTODOS
Diseño: Se empleó un diseño transversal con grupos naturales (Ato, López & Benavente, 2013), para conocer el perfil
de aceleración de árbitros internacionales durante el Eurobasket Femenino sub-16, celebrado en Gibraltar en 2017.

Participantes: La muestra estuvo compuesta por nueve árbitros (6 hombres y 3 mujeres). Estos oficializaron un total
de 15 partidos durante el campeonato. Todos los árbitros fueron informados del protocolo experimental y sus posibles
beneficios, firmando un consentimiento informado al inicio de la investigación. Todos los procedimientos fueron
aprobados por el comité ético de la Institución, según la Declaración de Helsinki (2013). La Federación Internacional
de Baloncesto (FIBA) autorizó los protocolos de actuación.

Variables: La variable independiente fue el periodo de juego. Las variables dependientes fueron las aceleraciones y
deceleraciones. Para su análisis se establecieron tres categorías diferentes en función de la intensidad del movimiento,
realizándose una adaptación de la clasificación propuesta por Gómez-Carmona & Pino-Ortega (2016) en árbitros de
fútbol. Las categorías de la aceleración y desaceleración fueron: baja (1-2.5 m/s2/-1- -2.5 m/s2), media (2.5-4 m/s2/-
2.5- -4 m/s2) y alta (> 4 m/s2/> - 4 m/s2). De cada aceleración/desaceleración se analizó la velocidad de inicio (km/h),
la duración (ms) y el pico de aceleración (m/s2).

Materiales: Para el registro de datos, se emplearon dispositivos inerciales WimuproTM (Realtrack System, Almería,
España), equipados con diferentes sensores y antenas que permiten la recogida de datos indoor (mediante un chip
Ultra Wide-Band (UWB). Los dispositivos se colocaron entre las zonas escapulares de los árbitros dentro de un arnés
anatómico específico. El análisis de los datos se realizó utilizando el software S-PROTM.

Análisis estadístico: Se realizaron las pruebas de asunción de criterios para establecer la normalidad de la muestra.
Posteriormente, se calcularon los estadísticos descriptivos (media y desviación típica) y se llevó a cabo la prueba
estadística Anova de un factor para conocer las diferencias entre periodos. El nivel de significación establecido fue
p<.05.

RESULTADOS
Los resultados muestran que la media de aceleraciones por partido fue de 4585, con una duración media de 2178 ms,
siendo el primer periodo el que presenta un número mayor de aceleraciones (1272). La aceleración media de ejecución
es de 1, 44 m/s2. El rango de intensidad baja ha sido el más empleado con un 59,6% del tiempo. El rango medio

151
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

presenta un 37,1% y el rango de alta intensidad un 3,2%. Además, se observa que no existen diferencias significativas
entre periodos en relación a la velocidad de inicio, el pico de aceleración y los rangos de actuación. Pero si aparecen
diferencias en la duración de las aceleraciones entre el primer y el cuarto periodo, siendo este último el que presenta
un tiempo menor.En relación a las desaceleraciones, se observa que la media durante los partidos fue de 3879, con una
duración de 2074 ms. La media de ejecución gira en torno a -1,41 m/s2. Por lo que el rango más utilizado es el que
oscila entre (-1- -2.5 m/s2), con un 62,3% del tiempo de juego. El rango intermedio obtiene un porcentaje de 33,9%,
mientras que el de alta intensidad un 3,7%. Los resultados inferenciales muestran que existen diferencias
significativas entre el segundo y cuarto periodo en la duración de las deceleraciones y en el valor del rango. Así
mismo, se encuentran diferencias entre el primer y cuarto periodo y entre el tercero y cuarto en la velocidad de inicio
de la aceleración, siendo en todos los casos inferior en el último periodo.

El objetivo del estudio fue conocer el perfil de aceleración de los árbitros internacionales de baloncesto. Los
resultados muestran un perfil de aceleraciones y desaceleraciones por periodos de juego, mostrando las diferencias
existentes entre los mismos. El perfil de acelerometría del deportista presenta una gran importancia en deportes
intermitentes, determinando el rendimiento de la competición (Delaney et al., 2017). Estas acciones pueden influir en
la toma de decisiones de los árbitros durante el juego.

Se identifican diferencias respecto al estudio en árbitros de fútbol (Gómez-Carmona & Pino-Ortega, 2016). Se
producen un tercio más de aceleraciones y desaceleraciones durante un encuentro en los árbitros de baloncesto, a
pesar de que la duración del partido es menor. Este hecho, puede deberse a que los movimientos son más cortos e
intensos, pues las dimensiones del terreno de juego son diferentes. El porcentaje de aceleraciones y desaceleraciones
en función de la intensidad varía entre deportes. Se encuentra en torno al 61,5% en árbitros de baloncesto frente al
91% en fútbol en intensidades bajas. Se identifica un rango de intensidad media en baloncesto del 35% frente al 8%
en fútbol. En acciones de alta intensidad es del 3,5% en árbitros de baloncesto frente al 0,5% en fútbol.

Son escasas la evidencias en cuanto al perfil de aceleración en árbitros de deportes indoor. En árbitros de balonmano
pitando fases regionales finales en categoría sub-16 se encontró que realizaban 2838 aceleraciones y 2630
desaceleraciones por partido (García-Santos et al., 2017). Estos valores son inferiores a los obtenidos en el presente
estudio. Esta diferencia podría asociarse al nivel de la competición.

CONCLUSÃO
Los hallazgos encontrados, muestran la importancia de elaborar un perfil de acelerometría en árbitros de baloncesto,
que permita instaurar programas de entrenamientos acordes a las exigencias de la competición, pues estas acciones
influyen en su rendimiento.

REFERÊNCIAS
Ato, M., López, J. J., & Benavente, A. (2013). A classification system for research designs in psychology. Anales de
Psicología, 29(3), 1038-1059.

Delaney, J. A., Cummins, C. J., Thornton, H. R., & Duthie, G. M. (2017). Importance, reliability and usefulness of
acceleration measures in team sports. Journal of Strength and Conditioning Research.
doi:10.1519/JSC.0000000000001849.

García-Santos, D., Gamonales, J. M., León, K., & Muñoz, J. (2017). A case study: characterization of physiological,
cinematic and neuromuscular demands of handball referee during competition. E-Balonmano: Revista de Ciencias del
Deporte, 13(3), 207-216.

Gómez-Carmona, C., & Pino-Ortega, J. (2016). Kinematic and physiological analysis of the performance of the
referee football and its relationship with decision making. Journal of Human Sport and Exercise, 11(4), 397-414.

Russell, M., Sparkes, W., Northeast, J., Cook, C. J., Love, T. D., Bracken, R. M., & Kilduff, L. P. (2016). Changes in
acceleration and deceleration capacity throughout professional soccer match-play. The Journal of Strength &
Conditioning Research, 30(10), 2839-2844.

152
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PERFIS DE JOGADORES DA TEMPORADA 2017/18 DO NOVO BASQUETE BRASIL


POR MEIO DE ANÁLISE DE ARQUÉTIPOS
Bruno Giovanini1; Vitor Bertoli Nascimento1; Rafael Baraldi da Cunha1
Autor para correspondência: brunogiovanini@outlook.com
1
Universidade Estadual de Londrina

PALAVRAS-CHAVE:arquétipos; análise esportiva; basquetebol

INTRODUÇÃO
Métodos de agrupamento por classes como Análise de Componentes Principais e Análise de Cluster são muito
frequentes nas análises esportivas e se baseiam principalmente em indicadores de desempenho (Kubatko, Oliver,
Pelton, & Rosenbaum, 2007). Esses valores são normalmente explorados na literatura por meio de dados normativos,
que descrevem as médias e inferem os indicadores mais frequentes entre os atletas e/ou equipes (Eugster, 2012).

A Análise de Arquétipos (AA), diferente dos métodos citados, considera os valores extremos e características
multivariadas de um grande conjunto de variáveis (Cutler & Breiman, 1994). Nesse sentido, os indicadores de
desempenho de um jogador ao longo da partida ou temporada podem compor o conjunto de dados necessários para a
AA. Baseando-se nos valores extremos e multivariados desse conjunto de dados, a AA é capaz de agrupar os
jogadores em dois ou mais perfis (ou arquétipos) que os definem total ou parcialmente segundo seus indicadores de
desempenho (Eugster, 2012).

Particularmente, a AA não encapsula os jogadores em grupos não-intercambiáveis, podendo um mesmo jogador ter
características de diferentes arquétipos, embora comumente apresente um arquétipo marcante (Eugster, 2012). Esse
tipo de abordagem permite identificações mais precisas, sendo úteis para comissões técnicas durante o recrutamento
de jogadores e composição de equipes, bem como nas tomadas de decisão em situações de jogo, considerando os
perfis dos oponentes. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi identificar e descrever os arquétipos de jogador
presentes no Novo Basquete Brasil (NBB) na temporada 2017/2018.

MATERIAIS E MÉTODOS
Para este estudo, foram utilizadas estatísticas de 220 jogadores de 15 equipes durante a fase de classificação da
temporada 2017/2018 do NBB (disponível em: http://lnb.com.br/nbb/estatisticas). Os jogadores com menos de 200
minutos jogados na temporada foram retirados da amostra, restando 149 jogadores incluídos na análise.

Foram utilizados doze indicadores de desempenho para a AA, correspondendo aos valores totais de: jogos (JGS),
minutos jogados (MIN), pontos (PTS), cestas de dois pontos convertidas (2PC), cestas de três pontos convertidas
(3PC), assistências (AST), rebotes ofensivos (RBO), rebotes defensivos (RBD), roubos de bola (RB), bloqueios
(BLQ), faltas cometidas (FC) e erros e violações (ERR).

Os arquétipos foram identificados como descreve a literatura (Eugster, 2012; Eugster & Leisch, 2009), onde o
“critério de cotovelo” é aplicado sobre a soma dos quadrados de resíduos para determinar o número de arquétipos para
um conjunto de dados.

Para identificação dos atletas em cada arquétipo, foram apresentados os valores de coeficiente alfa (α = 0 a 1), que
representam quanto cada jogador se aproxima de cada arquétipo. Ou seja, a soma dos coeficientes dos arquétipos será
1, verificando-se a distribuição dos valores de α para inferir qual arquétipo o jogador melhor representa.

Jogadores que obtiveram α ≥ 0,6 em um arquétipo foram considerados representativos do mesmo. A frequência das
posições dos jogadores representativos de cada arquétipo também foi verificada e expressa por meio de porcentagem.

As análises foram realizadas com uso do software R 3.4.0 (R Development Core Team, 2017) com o uso do pacote
Archetypes (disponível em: http://cran.r-project.org/package=archetypes).

153
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
Foram identificados quatro arquétipos na análise: arquétipo 1 (A1), sendo atletas pontuadores de longa distância, com
destaque em 3PC, JOG e PTS; arquétipo 2 (A2), sendo atletas que dividem muito a bola, mas que pontuam de curta
distância e são eficientes defensivamente, com destaque em RB, AST, PTS, MIN, 2PC e ERR; arquétipo 3 (A3),
sendo atletas pouco eficientes com baixos valores em todos indicadores e arquétipo 4 (A4), sendo atletas de
segurança, eficientes defensivamente e que pontuam de curta distância, com destaque em RBO, BLQ, RBD, FC e
2PC.

Quanto aos jogadores representativos de cada arquétipo (α ≥ 0,6), para A1 houveram dezessete jogadores: armadores
(35,2%), ala-armadores (41,2%) e alas (23,3%). Para A2, seis jogadores: todos da posição armador. Para A3, quarenta
e oito jogadores: armadores (18,7%), ala-armadores (10,5%), alas (25,0%), alas-pivô (22,9%) e pivôs (22,9%). Para
A4, quatorze jogadores: alas-pivô (35,7%) e pivôs (64,3%).

Os arquétipos identificados assemelham-se aos encontrados por (Eugster, 2012), havendo três arquétipos “bons” (A1,
A2 e A4) e um “ruim” (A3). Os atletas mais próximos de cada arquétipo foram: Deryk, ala-armador do Paulistano
para A1 (α=0,94); Stocks, armador do Joinville/AABJ para A2 (α=1); Andrézão, pivô do Liga Sorocabana para A3
(α=1) e Leonardo, pivô do Basquete Cearense para A4 (α=1). Com base apenas nos arquétipos “bons”, Deryk, Stocks
e Leonardo podem ser considerados os melhores jogadores da temporada 2017/2018 levando em conta as
características de seus respectivos arquétipos.

Foi possível observar que as posições dos jogadores são associadas às características de cada arquétipo.

O A1 (pontuador de longa distância) é representado por jogadores do perímetro, sendo ala-armadores em maioria. O
A2 (jogador que dá mais assistências, mas que consegue pontuar e roubar bolas) é representado apenas por armadores.
Os jogadores desse arquétipo têm a maior frequência de ERR, isso pode ser devido ao fato do elevado número de
dribles e passes que executam em sua posição durante o jogo. O A3 (jogadores pouco eficientes) é representado por
jogadores de todas as posições. Os jogadores desse arquétipo não apresentam valores de indicadores de desempenho
muito altos para o tempo que jogam. O A4 (jogadores “reboteiros” e eficientes defensivamente) é representado por
jogadores que jogam próximo à cesta, sendo pivôs em maioria.

CONCLUSÃO
Através da AA, foi possível identificar quatro arquétipos entre os jogadores da temporada 2017/2018 do NBB. A
posição dos jogadores foi associada às características dos arquétipos “bons”. Os ala-armadores, em maioria,
representam o A1. Os armadores representam o A2. Os pivôs, em maioria, representam o A4. A partir dessa análise,
foi possível entender as características dos jogadores da temporada 2017/2018 do NBB e, ainda, identificar os
arquétipos mais marcantes para cada jogador. Portanto, a técnica de AA se apresenta eficiente para comissões técnicas
a utilizarem no processo de composição de equipes e até mesmo na elaboração de estratégias pré- e intra-jogo.

REFERÊNCIAS
Cutler, A., & Breiman, L. (1994). Archetypal analysis. Technometrics, 36(4), 338–347.

Eugster, M. J. A. (2012). Performance Profiles based on Archetypal Athletes. International Journal of Performance
Analysis in Sport, 12(1), 166–187.

Eugster, M. J. A., & Leisch, F. (2009). From Spider-Man to Hero - Archetypal Analysis in R. Journal of Statistical
Software, 30(8).

Kubatko, J., Oliver, D., Pelton, K., & Rosenbaum, D. T. (2007). A Starting Point for Analyzing Basketball Statistics.
Journal of Quantitative Analysis in Sports, 3(3), Article 1.

154
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

DISTRIBUIÇÃO ENTRE AS POSIÇÕES DA PONTUAÇÃO DO NOVO BASQUETE


BRASIL
Vitor de Magalhães Chaves Reale1; Rafael Andreolli Prochnow1; Luciano Allegretti Mercadante1
Autor para correspondência: vitorm.chaves@hotmail.com
1
Faculdade de Ciências Aplicadas -FCA/UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Alto rendimento; scout; indicadores técnicos

INTRODUÇÃO
Com o aumento da demanda de excelência nos esportes coletivos, ficam cada vez mais nítidas as contribuições das
pesquisas na busca de análises de aspectos dos jogos. Para descrever as ações técnicas como lances livres, arremessos
de dois e três pontos, rebotes defensivos e ofensivos, tocos, faltas cometidas, entre outros, são realizados scouts destes
chamados indicadores técnicos. No basquetebol masculino adulto brasileiro, o Novo Basquete Brasil (NBB) é o
campeonato é o mais importante, organizado pela Liga Nacional de Basquetebol (LNB), e disponibiliza os scouts de
todos os jogos.

Há estudos com os indicadores técnicos que caracterizam três posições específicas no basquetebol, (Ferreira & De
Rose Junior, 2003). A primeira posição, os chamados armadores, caracterizados pelas ações técnicas como passes,
dribles e arremessos de longas e médias distâncias. A segunda posição são os laterais ou alas, caracterizados pelos
arremessos de longa e média distância e por contribuírem no contra ataques. A terceira são os pivôs, caracterizados
por atuarem próximos à cesta, pelo bom aproveitamento de arremessos de curta distância e pela grande participação
nos rebotes.

Sampaio 2006 examina a diferença estatística entre as posições armador, ala e pivô NBA (National Basketball
Association), ACB (Associacion de Clubs de Baloncesto) e LCB (Liga de Clubes de Basquetebol), mas não explica o
porquê de usar apenas três posições para representar a função de cada jogador em quadra. Lutz 2012 descreve uma
nova concepção de posição no basquetebol, em função das diferentes ações realizadas, caracterizadas principalmente
pelos indicadores técnicos.

Entre os indicadores técnicos, os arremessos estão ligados a produção de pontos do jogo e ganham grande visibilidade
e importância. Sendo assim, o objetivo desse trabalho foi caracterizar as cinco posições em relação distribuição da
pontuação em jogos de basquetebol masculino de elite.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra inclui todos os jogos das temporadas 2008/2009 até 2015/2016, totalizando 2169 jogos, com participação
de 635 jogadores, que foram divididos nas cinco posições armador, ala-armador, ala, ala-pivô e pivô, declaradas no
site da LBB. Foram excluídos os jogadores que não apresentaram sua posição declarada e analisados 482 jogadores.
Os indicadores utilizados foram: arremessos de dois e três pontos certos e tentados, e lances livres certos e tentados.
Foi realizada a somatória dos pontos convertidos e das tentativas dos arremessos de três pontos, dois pontos e lances
livres, para cada uma das cinco posições e apresentadas as porcentagens dessa distribuição.

RESULTADOS
Nas temporadas 2008/2009 até 2015/2016 foram convertidos 336.911 pontos, sendo 29,8% de arremessos de três
pontos, 50,7% de dois pontos e 19,6% de lances livres. Quanto ao número de tentativas foram 40,8% de arremessos de
três pontos, 46,6% de dois pontos e 13,0% de lances livres. Arremessos de dois pontos foram os indicadores que mais
pontuam e os mais tentados, caracterizando o jogo mais próximo ao garrafão, porém, incluem as bandejas que
apresentam alta eficiência. Já a pontuação dos lances livres, por ser um indicador técnico que depende das faltas
pessoais no ato do arremesso, além do limite por quarto, técnicas e antidesportivas, apresenta menor contribuição nos
pontos convertidos, porém, alta eficiência.

155
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

A distribuição percentual entre as posições dos pontos convertidos e das tentativas de arremessos de três e dois pontos
e nos lances livres apresentaram valores similares, mostrando que as eficiências das diferentes posições nestes
indicadores técnicos são muito próximas. As posições que se destacam foram os alas e os pivôs. A maior pontuação
total é dos alas com 28,2%, bem como a maior porcentagem de arremessos de três pontos convertidos com 35,7%, de
lances livres convertidos com 28,0%, e a segunda maior pontuação nos arremessos de dois pontos convertidos com
23,8%, mostrando a versatilidade da posição, com ações técnicas dentro e fora da linha de três pontos. Os pivôs são os
segundos maiores pontuadores com 22,2%, caracterizados principalmente pela maior pontuação nos arremessos de
dois pontos com 32,3% e o segundo maior pontuador nos lances livres com 23,3%, mas apresentam índices muito
baixos de pontuação de três com 6,5% que sugerem maiores contribuições próximos ao garrafão.

Os armadores e alas-pivôs contribuíram com 17,8% e 17,2% no total de pontos convertidos e os alas-armadores
apresentaram a menos contribuição, com 14,0%. Os armadores converteram 22,6% dos arremessos de três pontos,
valor apenas inferior aos alas, e 19,3% nos lances livres convertidos, valor inferior aos alas e pivôs. Os alas-pivôs
apresentaram sua maior participação nos arremessos de dois pontos convertidos, com 18,1%, já nos alas-armadores a
maior participação foi nos arremessos de três pontos convertidos com 18,6%.

CONCLUSÃO
Foram encontradas especificidades das cinco posições em relação à pontuação, indicando que todas devem ser
consideradas nos estudos sobre o basquetebol masculino de elite. Dessa maneira, os papéis atribuídos às posições
envolvem técnicas diferentes em relação à realização de pontos. Serem os alas e armadores foram os maiores
pontuadores nos arremessos de três pontos, deve ser considerados para fins de treinamento, poe exemplo.

APOIO
Agradeço aoConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) pela possibilidade de bolsa de
pequisa para desenvolvimento do trabalho.

REFERÊNCIAS
Lutz, Dwight. (2012). “A Cluster Analysis of NBA Players.” Retrieved (http://www.sloansportsconference.com/wp-
content/uploads/2012/02/44 Lutz_cluster_analysis_NBA.pdf).

FERREIRA, A. E. X., De ROSE JR, D.(2003). Basquetebol: técnicas e táticas: uma abordagem didático pedagógica.
São Paulo: EPU/EDUSP.

SAMPAIO J.; JANEIRA M; IBANEZ S.; LORENZO A.(2006). Discriminant analysis of game-related statistics
between basketball guards, forwards and centres in three professional leagues. European Journal of Sport Science,
September; 6(3): 173178.

156
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

MONITORING AND INTERPRETING EXTERNAL LOAD IN BASKETBALL: A REVIEW


ARTICLE
Rubén Portes1; Rafael M. Navarro1; Carlos Sosa1; Juan J. Trapero1; Sergio J. Jiménez1
Autor para correspondência: rubenportes@yahoo.es
1
European University of Madrid

PALAVRAS-CHAVE:external load; basketball; training monitoring

INTRODUÇÃO
External training loads are objective measures of the work performed by the athlete during training or competition and
are assessed independently of internal workloads. Common measures of external load include power output, speed,
acceleration, time–motion analysis, global positioning system (GPS) parameters, and accelerometer- derived
parameters (Bourdon et al.,2017). The interpretation of the external load data brings valuable information to coaches
and practitioners to assist them in the decision-making process of injury prevention and performance enhancement.
The goal of this study is to review investigations involving external load monitoring, and extract conclusions from the
variables and technology used in the process to gather valuable information regarding this important duty of training
professionals.

MATERIAIS E MÉTODOS
Articles containing external load monitoring data were reviewed and information regarding measuring variables,
outcomes and technology were extracted to write a narrative review.

RESULTADOS
Findings of the studies included indicate different things regarding the three different goals observed, the performance
enhancement studies confirm that both, external and internal load, should be monitored in order to obtain complete
information of the training process and that competition imposes the highest load on players (Reina, Mancha, Feu &
Ibáñez, 2017). This studies also observe higher amount of load on exterior players compared to the interior ones and
recommend that training loads should be imposed having this into account, The difference of size and mass between
players should be taken in consideration when applying load on them, as the guards or smaller players in general
complete a higher number of accelerations during game time probably explained by the fact that the smaller the
player, the easier to accelerate with less applied force (Schelling & Torres, 2016). To perform at a high level in the
sport of basketball, ability to repeat sprints and high intensity actions seems crucial, and this should be taken in
consideration when starting conditioning programs for players of any level.

External load monitoring is also applied to the injury rehabilitation and prevention process, it may assist practitioners
in the returning process of a player from an injury, and it can also help to determine the optimal load to prevent
overreaching injuries. On this matter, it has been observed that While increasing practice and competition time is
related to greater team performance, it also increases the number of injuries, However, higher injury rates were not
associated with worse overall team performance (Caparrós et al., 2016).

Comparison between gender demands indicate, that in a similar way than male players of a similar standard, female
basketball match-play involves extensive intermittent activity and comparable activity demands. In consequence,
female conditioning programs may be able to incorporate similar intermittent training to male programs when
matched for playing standard (Scanlan, Dascombe, Reaburn & Dalbo, 2012)

Technology used for the extraction of the data that leads to these conclusions are the microtechnology (GPS and
Accelerometry) usually placed on the scapuar or thoracic area of the athlete, time motion analysis that measures
movements through cameras placed on different positions around the court and time of exposure to practices and
games.

157
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONCLUSÃO
The most relevant information extracted in this review includes the following findings:

a) Microtechnology and TMA are the two main technologies being used in the EL monitoring process in basketbalL
according to the articles reviewed.

b) Injury prevention and rehabilitation process is positively affected by the external load monitoring, as it mainly
allows training professionals to impose right levels of work to prevent overload injuries, and raise load, if necessary,
to prepare players for the demands of competition.

c) IL and EL, should be monitored to obtain overall understanding of the training process.

d) Competition imposes the highest load on players.

e) Training loads should be imposed having into account the difference of size and mass between players.

f) Guards or smaller players in general complete a higher number of accelerations during game time probably
explained by the fact that the smaller the player, the easier to accelerate with less applied force.

REFERÊNCIAS
Bourdon, P. C., Cardinale, M., Murray, A., Gastin, P., Kellmann, M., Varley, M. C., … Cable, N. T. (2017).
Monitoring athlete training loads: Consensus statement. International Journal of Sports Physiology and Performance,
12, 161–170. https://doi.org/10.1123/IJSPP.2017-0208

Caparrós, T., Alentorn-Geli, E., Myer, G. D., Capdevila, L., Samuelsson, K., Hamilton, B., & Rodas, G. (2016). The
relationship of practice exposure and injury rate on game performance and season success in professional male
basketball. Journal of Sports Science and Medicine, 15(3), 397–402.

Reina, M., Mancha, D., Feu, S., & Ibáñez, J. (2017). Is training carried out the same as competition? Analysis of load
in women’s basketball. Revista de Psicología Del Deporte, 26(1), 9–13.

Scanlan, A. T., Dascombe, B. J., Reaburn, P., & Dalbo, V. J. (2012). The physiological and activity demands
experienced by Australian female basketball players during competition. Journal of Science and Medicine in Sport,
15(4), 341–347. https://doi.org/10.1016/j.jsams.2011.12.008

Schelling, X., & Torres, L. (2016). Accelerometer Load Profiles for Basketball-Specific Drills in Elite Players.
Journal of Sports Science & Medicine, 15(4), 585–591. Retrieved from
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27928203

158
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CREACIÓN DE UN INSTRUMENTO PARA EL ANALISIS DEL BLOQUEO INDIRECTO


EN BALONCESTO
Lluis Alexandre Leyva López1; Jorge Serna Bardavío1; Verónica Muñoz-Arroyave1; Albeiro Echevarría2
Autor para correspondência: asiramx@gmail.com
1
INEFC Lleida; 2Universidad de Antioquia

PALAVRAS-CHAVE:bloqueo indirecto; estrategia; análisis observacional

INTRODUÇÃO
La evolución del baloncesto en los últimos temporadas, desde el punto de vista defensivo, está siendo tan elevada que
cada vez es más difícil anotar en juego posicional (Gómez et al., 2010). Es por ello que los entrenadores de planes
estratégicos muy elaborados con el objetivo de encontrar lanzamientos en posiciones favorables, estos planes se basan
fundamentalmente en la organización de fundamentos como los bloqueos directos, los bloqueos indirectos (BI) y los
1x1 (Serna et al. 2017). En esta investigación se ha querido profundizar en el bloqueo indirecto ya que se trata de una
acción muy utilizada por los mediadores en el baloncesto actual (Uxía Romarís, 2016).

El objetivo de esta investigación es: a) un instrumento de observatorio fiable denominado Sistema de Observaciones
de los Bloqueos Indirectos en Baloncesto (SOBIB); yb) estudiar el uso de los BI en la Copa del Rey de baloncesto de
la temporada 2015-2016.

MATERIAIS E MÉTODOS
Se utiliza la metodología observacional para la consulta del instrumento denominado Sistema de Observación de
Bloqueos Indirectos en Baloncesto (Anguera et al., 2011).

La muestra está compuesta por los siete partidos de la Copa del Rey de la liga Endesa de la temporada 2015-2016
celebrada en La Coruña. En total se observaron 7 partidos, 4 equipos y se registraron 695 bloqueos indirectos. Para
ello, se utilizó el software especializado Lince v. 1.3.

Para el cálculo de la fiabilidad inter observadores y para la prueba de homogeneidad del instrumento se aplicó la
Teoría de la Generalizabilidad (Blanco-Villaseñor, 1991) al 30% de la muestra, el análisis de los coeficientes de
generalizabilidad indicaron una alta fiabilidad de precisión de generalización de los resultados.

Para el análisis de la muestra total, se utilizó la estadística descriptiva con el objetivo de analizar frecuencias (n) y
porcentajes (%) utilizando el programa estadístico IBM SPSS versión 20 para Windows.

RESULTADOS
Los resultados obtenidos muestran que el 39.9% de los BI no obtuvieron recepión. De acuerdo que obtuvieron
recepción, el 85.5% fueron para recepciones exteriores confirmando el poco uso delito interior en el baloncesto actual
(Serna et al., 2017). La mayoría de las ocasiones son bloqueos que pretenden dar continuidad al juego (31.2% sirven
para pasar el complejo y el 9.8% para jugar un bloqueo directo); sólo un 8% fue utilizado para lanzar tras la recepción
y un 10.10% para jugar un 1x1.

En cuanto a la defensa de los BI, la defensa más utilizada fue perseguir (57.7%), seguida de atravesar (23.9%),
anticipar el bloqueo (12.1%) y cambiar (5.6%). En el caso de que se produzca un aumento de la tasa de crecimiento de
la población, se debe tener en cuenta que, En el caso de que se produzca un aumento de los precios de las materias
primas, se debe tener en cuenta que, En el caso de que se produzca un aumento de los precios de las materias primas,
se debe tener en cuenta que, en el caso de que se produzca un cambio en la calidad del producto, Al defender
cambiando, se impidió la recepción del encuentro (56.4%), se produjo el crecimiento (10.3%), si el jugo 1x1 (15. 4%)
y bloqueo directo (0%) permitiendo un 18% de lanzamientos. Estos datos confirman el papel fundamental que juega el
entrenador en la estrategia estratégica con el objetivo de impedir que el equipo rival consiga anotar (Gómez et al.,
2010).

159
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

De los 56 lanzamientos realizados tras el BI, el 21.4% fueron de 2 puntos: a) 66.6% exitosos, de los cuales el 50%
fueron con oposición (defendidos) y el otro 50% sin oposición (liberados); y b) el 33.4% no exitosos, todos ellos sin
oposición. El 78.6% de fueron lanzamientos de 3 puntos: a) 34% exitosos, de los cuales el 53.3% fueron con
oposición y el 46.7% sin oposición; y b, el 66% no exitosos, de los cuales el 41.37% fueron con oposición y el
58.62% sin oposición. Estos datos confirman la dificultad de encontrar lanzamientos en buenas condiciones debido,
probablemente, por la calidad de las defensas, que no permiten que el equipo atacante obtenga ventajas secillas
(Gómez et al., 2010).

CONCLUSÃO
Esta investigación confirma el elevado uso de BI que se produce en los sistemas posicionales de los equipos
profesionales. Además, se confirma que el BI no es un recurso exclusivamente orientado a la finalización. De hecho,
un gran número de BI que se produce no permite la recepción del complejo y, en las que lo permite, sirven en
numerosas ocasiones para dar continuidad a la circulación del turismo mediante pases los bloqueos directos. En las
que el BI termina en el nivel de ruido de dicho es alto. La causa de estos hechos puede ser el gran nivel defensivo de
los jugadores que impiden que los jugadores que quieren sacar ventaja de los BI lo consigan.

REFERÊNCIAS
Anguera et al. (2011). Diseños observacionales: ajuste y planteamiento en psicología del deporte. Cuadernos de
psicología del deporte, 11 (2), 63-76.

Blanco-Villaseñor, A. (1991). La teoría de la generalizabilidad aplicada a diseños observacionales. Revista Mexicana


de Análisis de la Conducta, 17 (3), 23-63.

Gomez, MA, et al. (2010). Un análisis de las defensas de la lucha utilizadas por los medios de comunicación y los
equipos de distancia. Perceptual y Motor S mata, 110 (1), 159-166.

Y en el caso de las mujeres. (2017). Patrones temporales iniciados con bloqueo directo el uno contra uno en
baloncesto. Revista de Psicología del Deporte, 26 (1), 81-86.

Uxía Romrís, I. (2016). Acciones tácticas más relevantes en el resultado de las posesiones en baloncesto en función
del sistema de juego en ataque y en defensa. Universidad de Coruña.

160
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

BUILDING A COACHING PHILOSOPHY: PERSPECTIVES FROM A SPANISH CLUB


Ricardo Teixeira Quinaud1; Larissa Rafaela Galatti2; Michel Milistetd1; Leandro Carlos Mazzei2; Antonio Montero
Seoane3; Roberto Rodrigues Paes2
Autor para correspondência: ricardoquinaud@gmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina; 2Universidade de Campinas; 3Universidade da Coruña

PALAVRAS-CHAVE:Coach; Management; Sport organization

INTRODUÇÃO
Coaching philosophy (related to personal values and beliefs) is an important assumption for a coaching practice
(Wilcox & Trudel, 1998). On the other hand, sport organizations used to have an evident organizational culture that is
desirable to share. Considering the role of sports organizations on the development of coaches’ philosophy, the aim of
this study was to describe the philosophy and guiding principles of a highly successful Spanish basketball club and
how the club transmits these to its coaches at varied levels of play.

MATERIAIS E MÉTODOS
A descriptive case study was used to report the strategies used in a basketball club to develop a coaching philosophy.
The researcher, who acted as a participant observer, was integrated in to the club as an assistant coach of an U13 team
for one complete season. The insertion of the researcher at the club took place with the permission of the sports
manager, who understood the research in development and authorized the researcher’s participation; no other coach or
club employee knew about the research in development. Before start the data collection with the sports club manager,
the vice-president, and the club’s president about the strategies to develop the club’s coaching philosophy, an
interview script was established and applied as a pilot survey with the former president, vice president and two sports
managers from the past administrations. After that, a semi-structured interview script was assumed for this study by
three main aspects: (1) Club policies (2) Sports Program (3) Strategies for coaches’ development. The thematic
analysis was the methodology used to analyze the data which follow five phases: familiarizing yourself with the data;
generation initial codes; searching for themes; reviewing themes; defining and naming themes; producing the report
(Braun & Clarke, 2006). To compose the information of this study, official documents of the club and documents
from the regional Federation of Basketball to determine the number of coaches and athletes registered were analyzed.
Furthermore, the researcher used a field diary to record information about the club’s daily routine, according to the
implementation action of the sports program in the training routine, in the coaches’ pedagogical meetings with the
coordinators, in the official initial and adult category games, and in the club’s other activities, such as the sports
camps. In addition, these themes were triangulated with the interviews results, field diary, and available documents.

RESULTADOS
As the results, related to the sports club’s program, it is structure in professional adult team, youth teams, and
activities considered complementary and articulated in support of the club. For the manager, the activities and youth
teams complement each other and these are strategies that reinforce a positive club’s image. About the club’s
principles, the focus is to provide an educational service through sports and, if possible, to help in the player social
formation. In addition to technical and tactical goals, the club is concerned to strengthen its philosophy together with
young athletes. Moreover, coaches are encouraged to comply with the básquets system, a club educational program
aimed at strengthening a set of values for healthy habits, positive attitudes, frequency, interaction with the team,
punctuality, respect, and good grades. The strategies for coaches’ development are based on: courses (lecture to new
coaches to make sure they know the organization); working meeting (encourage the athletes’ pro-activity and values,
as well as to show the club’s philosophy for the parents); mentoring (new coaches appoint a coach with more
experience to help them with the club’s obligations; coach’s portfolio (document imposed by the club that should be
completed with weekly training and description of each exercise and its goal). Based on the findings of this study, it is
possible to realize a club organization that aims towards achieving its philosophy. The club principles and values are
related to provide access to basketball and to increase the number of players linked to the club that provides for a
quality supply and search results associated with an educational program. Following this philosophy there is a concern

161
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

to prepare competent coaches to lead several basketball teams. The club uses innovative approaches in basketball to
reach the local community in order to achieve long-term sustainability and integration between the club’s offered
services and community interests. According to Garvin, Edmondson and Gino (2008), when the organization’s leaders
recognize the need for a change, they also need to consider that the effectiveness of their system depends on how open
the people in the organization are and how much they want to share their experiences with others. Therefore, the
development process should be shared among all professionals involved in the organization, promoting reflection
about the specific condition of how the work is developed, which leads to the improvement of its routines and work
processes. In mentoring case, the coaches share experiences and knowledge with freedom and creativity, encouraging
new approaches to the solution of the practical problems, regulating his/her own practices in accordance with conduct
and proficiency standards, consenting for his/her group (Culver & Trudel, 2008). Thus, to develop theoretical
concepts that support the practice of coaches at the club, managers demonstrate concern about the formation of a
knowledge that could be shared to all coaches in an attempt to align their professional work (Rodrigue, He, & Trudel,
2016).

CONCLUSÃO
In conclusion, we identified that coaches were the key element in sharing a sport program’s main points that there are
practical actions that can strengthen the coaches’ integration of working philosophy in a sports organization, such as
the Básquets and basics program, coach portfolio, registration, reflection, internal coaches’ development, support for
participation in courses and mentoring program.

APOIO
Santander Universidades

REFERÊNCIAS
Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-
101.

Culver, D., & Trudel, P. (2008). Clarifying the concept of communities of practice in sport. International journal of
sports science and coaching, 3(1), 1-10.

Garvin, D. A., Edmondson, A. C., & Gino, F. (2008). If yours a learning organization? Harvard Business Review,
86(3), 109.

Rodrigue, F., He, C., & Trudel, P. (2016). Concept mapping: its use for high performance sport coach development.
In: Davis, P. (Ed.), The Psychology of Effective Coaching and Management (1-15). Nova Publishers.

Wilcox, S., &Trudel, P. (1998) Constructing the coaching principles and beliefs of a youth ice hockey coach. Avante,
4(3), 39?66.

162
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DO POTENCIAL MERCANTIL DO NOVO BASQUETE BRASIL (2008-2017)


Edson Hirata1; Felipe Canan2; João Paulo Melleiros Malaguti3
Autor para correspondência: chinahirata@gmail.com
1
Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Campo Mourão; 2Universidade Estadual do Oeste do Paraná -
Campus Marechal Rondon; 3Universidade Estadual de Maringá - Campus Ivaiporã

PALAVRAS-CHAVE:esporte; basquete; gestão

INTRODUÇÃO
A trajetória percorrida pelo basquete brasileiro é similar a boa parte das outras modalidades, ou seja, inicialmente com
viés amador e ligado à camadas sociais mais elevadas, depois sendo usado como instrumento político, sendo praticada
sob a camuflagem do amadorismo marrom para burlar o olimpismo e por fim, mais recentemente, vendo suas
estruturas sendo profissionalizadas, mercantilizadas e buscando a espetacularização. No final do século XX e início do
XXI, a modalidade se reconfigura, sobretudo pela crescente aproximação das empresas e pelo desentendimento entre
clubes e Confederação Brasileira de Basketball.

A fundação da Liga Nacional de Basquete (LNB) em 2008, e por consequência, a apropriação por esta entidade da
responsabilidade de organizar uma competição equivalente ao campeonato nacional da modalidade, o Novo Basquete
Brasil (NBB), foi um marco importante para a mercantilização deste esporte. Todavia, pouco tem sido
academicamente escrito sobre a trajetória e a forma como a LNB e o NBB estão influenciando o basquete brasileiro.
Nesta perspectiva, o objetivo do presente trabalho foi verificar o potencial de mercantilização do NBB.

MATERIAIS E MÉTODOS
A pesquisa caracteriza-se como qualitativa e tem cunho exploratório. Utilizou-se de fontes documentais, sobretudo
reportagens do site especializado em negócios do esporte e marketing esportivo “Máquina do Esporte”, no período de
2008 a 2018, que abordaram o NBB, as quais foram submetidas à análise de conteúdo e interpretadas sob a luz do
modelo de análise do potencial de mercantilização dos esportes proposto por Giovanni, Gebara e Proni (1995).
Inicialmente, utilizou-se a ferramenta de busca do site Máquina do Esporte, com a palavra “basquete”. Foram
encontradas 421 reportagens e mediante uma análise de conteúdo, selecionou-se as que tinham relação com as
categorias: “grau de profissionalização da modalidade”, “grau de exposição na mídia” e “grau de competitividade
internacional”.

O modelo analítico adotado requer um conceito (baixo, médio, alto) para cada uma das categorias, o qual é subjetivo e
embasado na experiência do autor, portanto passível de entendimento distinto por outros pesquisadores. Ressalta-se
também o caráter dinâmico desta análise, que pode ter resultados diversos em épocas diferentes.

RESULTADOS
Os dados empíricos encontrados nas reportagens que tem relação com o parâmetro “grau de profissionalização da
modalidade” indicam que o NBB ao longo de suas 10 temporadas foi crescentemente se profissionalizando, seja com
os patrocínios firmados com grandes empresas como a Caixa Econômica Federal, Nike, Sky e Avianca ou ainda com
as parcerias comerciais com a Rede Globo e NBA. A criação de competições como a Liga de Desenvolvimento de
Basquete (LDB) para atletas até 21 anos com o intento de qualificar os possíveis futuros atletas do NBB e a Liga
Ouro, elaborada para ser a divisão de acesso ao NBB, mostram a expansão da atuação da LNB e seu elevado grau de
profissionalização. Na análise realizada por Giovanni, Gebara e Proni (1995), o basquetebol, diferentemente,
apresentava à época apenas um grau médio de profissionalização.

O segundo parâmetro “grau de exposição na mídia” também podemos considerar como elevado, haja vista a crescente
visibilidade do NBB na TV aberta, inicialmente com a Rede Globo transmitindo apenas a partida final e
posteriormente com a transmissão de jogos da temporada regular e playoffs pela Rede TV e depois com a Band. O
progressivo crescimento da audiência e as transmissões via streaming também corroboram o elevado grau de
exposição midiática. Giovanni, Gebara e Proni (1995) também haviam identificado um grau elevado neste quesito.

163
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Por fim, considerando que o modelo dos autores foi elaborado pensando em analisar uma modalidade e não uma
competição, optamos em adaptar a forma de análise do parâmetro “grau de competitividade internacional”, levando
em consideração não apenas os feitos do selecionado nacional. Para tanto, buscamos compreender também se a NBA
contribuiu para a mercantilização do NBB, uma vez que o site Máquina do Esporte não tem o escopo de divulgar
resultados esportivos. Neste quesito, a NBA demonstra crescimento de sua audiência e volume de venda no país,
auxiliado especialmente pela presença de jogadores brasileiros em suas franquias. Embora não seja evidente o quanto
essa exposição transfere-se positivamente para a mercantilização do NBB, para o basquete é inegável que a
competitividade da NBA mostra um alto grau de competitividade internacional. Isto difere do encontrado por
Giovanni, Gebara e Proni (1995), que identificaram um médio grau de competitividade internacional do basquetebol
brasileiro, mas com uma análise voltada para os resultados esportivos internacionais da seleção brasileira.

CONCLUSÃO
Apesar do modelo de análise proposto por Di Giovanni, Gebara e Proni (1985) ter sido concebido para verificar o
potencial de mercantilização das modalidades esportivas foi possível adaptá-lo para compreender competições
esportivas específicas. Entretanto é necessário apontar como limite o fato do escopo financeiro/econômico das
reportagens da Máquina do Esporte limitarem as análises relacionadas com a competitividade internacional.

O modelo apontou que o NBB é uma competição com elevado potencial mercantil, haja vista o alto grau de
profissionalização das instituições ligadas à mesma e também de exposição midiática. O parâmetro “grau de
competitividade internacional” com as adaptações sugeridas e limites apontados, também pode ser considerado
elevado.

Diante disso, entende-se que os parâmetros aferidos para o NBB permite sua plena mercantilização. Todavia,
salientamos que essa condição não pode ser totalmente transferida para os clubes participantes, vez que os mesmos
podem apresentar níveis distintos de profissionalização de suas estruturas e por isso merecem um estudo suplementar.

APOIO
Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Campo Mourão

REFERÊNCIAS
GIOVANNI, G; GEBARA, A; PRONI, M. W. Dimensões econômicas do esporte no Brasil. Campinas: UNICAMP,
1995. (mimeo)

HIRATA, E. A organização administrativa de uma equipe profissional de basquetebol: O caso de Londrina


(1997-2004). Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas) UEPG, Ponta Grossa, 2005.

PRONI, M. Esporte-Espetáculo e Futebol-Empresa. Tese (Doutorado em Educação Física), Universidade Estadual


de Campinas, Campinas, 1998.

164
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

DEZ ANOS DE NOVO BASQUETE BRASIL: UMA ANÁLISE DESCRITIVA SOBRE O


EQUILÍBRIO DA LIGA E SUAS EQUIPES PARTICIPANTES
Clara Modeneis Dalla Costa Ziani1,3,4; Leonardo Risso Cavalini1,3,4; Larissa Rafaela Galatti2,3,4; Leandro Carlos
Mazzei1,2,3,4
Autor para correspondência: zianiclara@gmail.com
1
Sport.MaP: Grupo de Pesquisa em Gestão e Políticas do Esporte da FCA-UNICAMP; 2Laboratório de Estudos em
Pedagogia do Esporte da FCA-UNICAMP; 3Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp; 4Universidade Estadual de
Campinas

PALAVRAS-CHAVE:LNB-NBB; Desenvolvimento; Gestão

INTRODUÇÃO
Desenvolver o nível técnico e competitivo é uma das responsabilidades da gestão esportiva de federações e outras
organizações esportivas que regulam uma modalidade, principalmente quando se trata da manifestação relacionada ao
rendimento esportivo (De Bosscher et al., 2015). Uma estrutura nacional de competições com concorrência, equilíbrio
e bom nível técnico pode proporcionar que os atletas (jovens talentos e adultos) desenvolvam suas habilidades e
experiências, facilitando inclusive sua adaptação e bom desempenho em competições internacionais (De Bosscher et
al., 2015). Na temporada 2017-2018 a competição esportiva conhecida como Novo Basquete Brasil (NBB) chegou à
sua décima edição. Organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), tanto o NBB quanto a própria LNB surgiram a
partir da união das principais lideranças e os mais representativos clubes do basquete brasileiro com o objetivo de
reconduzir o esporte ao posto de segundo mais popular do Brasil (LNB, 2016). Com provável inspiração na National
Basketball Association (NBA), a entidade que organiza o NBB declara em seu site que se baseia no que há mais de
mais moderno e bem-sucedido no conceito de gestão esportiva no mundo. Seguindo o estatuto da LNB (LNB, 2016,
p. 4), identifica-se alguns objetivos relacionados ao fomento do basquetebol e inclusive à formação de profissionais
ligados à este esporte, principalmente treinadores. Considerando que o NBB é a principal competição nacional de
basquetebol no país, os objetivos deste trabalho são apresentar os diagnósticos sobre o equilíbrio competitivo do NBB
e sobre as equipes que participaram desta competição nesses 10 anos. Espera-se que este trabalho proporcione
informações preliminares sobre a gestão e o desenvolvimento do basquetebol brasileiro e estimule a reflexão por parte
dos interessados no tema, sejam eles pesquisadores ou gestores.

MATERIAIS E MÉTODOS
esse estudo possui um enquadramento descritivo através de análise documental. A pesquisa descritiva envolve a
caracterização de um tema de estudo sem o objetivo direto de explicá-lo, mas ao mesmo tempo podem estabelecer
correlações servindo como base para possíveis explicações (Malhotra, 2011). Já a análise documental é a realizada a
partir da análise em informações contidas em documentos ou dados disponíveis em veículos oficiais das organizações,
podendo a análise desses dados ser através de análise de conteúdo ou estatística descritiva (Malhotra, 2011). Foram
coletados dados a partir do estatuto da LNB e dos sites oficiais da LNB/NBB, além das páginas oficiais das equipes de
basquetebol. As informações apuradas foram: característica estatutária e competitiva da LNB/NBB; número total de
equipes participantes; região geográfica das equipes; característica institucional das equipes; números de equipes
semifinalistas e equipes campeãs. A análise foi através de estatística descritiva e especificamente quanto ao estatuto,
procedeu-se análise de conteúdo com foco no equilíbrio econômico e técnico da competição.

RESULTADOS
Nestes 10 anos de existência da NBB foi identificado um total de 32 equipes que já participaram pelo menos uma vez
da competição: Araraquara, Assis, Basquete Cearense, Bauru, Bira, Botafogo, Brasília, Campo Mourão, Caxias do
Sul, Espírito Santo, Flamengo, Franca, Goiânia, Joinville/AABJ, Joinville, Liga Sorocabana, Limeira, Londrina,
Macaé, Minas Tênis, Mogi das Cruzes, Palmeiras, Paulistano, Pinheiros, Rio Claro, Saldanha da Gama, São José,
Suzano, Tijuca, Uberlândia, Vasco da Gama e Vitória. Sobre essas 32 equipes, 10 (31%) delas participaram de sete a
dez edições da competição, 7 (22%) equipes de quatro a seis participações e 15 (47%) equipes participaram de uma a
três edições da NBB. Sobre a região geográfica identificou-se que nenhuma era da região Norte, 02 (6%) da região

165
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Nordeste, 02 (6%) da região Centro-Oeste, 06 (19%) da região Sul e 22 (69%) da região Sudeste. Sobre a
característica institucional, 09 (28%) são equipes de clubes multiesportivos tradicionais do contexto brasileiro e as 23
(72%) agremiações que foram classificadas neste trabalho como associações esportivas que gerenciam ou gerenciaram
as equipes de basquetebol no NBB. Das 32 equipes, 11 (34%) delas chegaram a disputar uma semifinal da
competição. Apesar da predominância de associações esportivas de basquetebol, 60% dos títulos nesses 10 anos foram
conquistados por clubes multiesportivos tradicionais que disputam o NBB. Além disso, das 10 equipes que mais
participaram do NBB, 04 delas são clubes tradicionais, sendo que estes já chegaram pelo menos uma vez à semifinal
da competição. É possível confirmar que as informações nos sites dos clubes (estatuto, demonstrativo financeiro e
outras informações relacionadas à gestão) são praticamente inexistentes, apontando um indício de pouca transparência
e/ou pouco profissionalismo. A concentração de equipes no Sul e Sudeste brasileiro deixa dúvidas sobre o
desenvolvimento e fomento do basquetebol por todo território nacional por parte da LNB e respectivamente o NBB.
Com relação ao equilíbrio econômico esportivo das equipes, sabe-se que esse é um dos principais pontos fortes nas
ligas norte-americanas, seja através da distribuição quase que igualitária entre as franquias de valores arrecadados e
negociados pelas ligas, ou através do processo do ‘draft’ de jogadores (Masteralexis, 2015). No Brasil, alguns poucos
clubes (geralmente centenários) são privilegiados economicamente e possuem papel importante no sistema esportivo
nacional (Mazzei et al., 2015). Esses clubes são representativos no contexto do esporte olímpico e estão localizados
em grandes centros econômicos do país. Como são poucos clubes com essas características, o modelo de
desenvolvimento da maioria das modalidades esportivas no Brasil acaba por ser no mínimo limitado. A partir das
análises sobre o conteúdo do estatuto da LNB e respectivamente ao NBB, pode-se afirmar que não há uma
preocupação direta com o equilíbrio das equipes, seja ele técnico ou econômico, o que mantém o desenvolvimento do
basquetebol masculino no Brasil de forma limitada, assim como permanece acontece com outras modalidades
esportivas no país.

CONCLUSÃO
A partir do diagnóstico realizado, é possível concluir que a LNB, poderia ‘empreender’ ainda mais para o
desenvolvimento do basquetebol masculino no Brasil, seja através do NBB ou até de suas outras competições. Os
empreendimentos poderiam ser no sentido de um maior equilíbrio entre as equipes que disputam o NBB, seja
econômico ou técnico, mais abrangência de equipes em território nacional e melhor gestão e transparência das equipes
que participam de suas competições.

REFERÊNCIAS
De Bosscher, V., Shibli, S., Westerbeek, H., & Van Bottenburg, M. (2015). Successful Elite Sport Policies: An
international comparison of the SportsPolicy factors Leading to International Sporting Success (SPLISS 2.0) in 15
nations. Aachen: Meyer & Meyer Verlag.

LNB. (2016). Estatuto LNB – Categorias – Liga Nacional de Basquete. Retrieved June 17, 2018, from
http://lnb.com.br/institucional/documentos-oficiais/categoria/estatuto-lnb/

Malhotra, N. K. (2011). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada (6a). Porto Alegre: Bookman.

Masteralexis, L. P. (2015). A Indústria de Esporte Profissional nos EUA. In P. de S. Vance, V. M. J. Nassif, & L. P.
Masteralexis (Eds.), Gestão do Esporte: casos brasileiros e internacionais (pp. 267–289). Rio de Janeiro: LTC -
Grupo Gen.

Mazzei, L. C., Meira, T. B., Bastos, F. C., Böhme, M. T. S., & De Bosscher, V. (2015). High performance sport in
Brazil: structure and policies comparison with the international context. Gestión Y Política Pública,
Temático(Políticas Públicas del Deporte), 83–111.

166
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

BASQUETEBOL NO SESC: APRENDENDO ALÉM DAS QUATRO LINHAS


Amanda Cristina Madeira Martins1
Autor para correspondência: acmmartins89@hotmail.com
1
Sesc/SP (Serviço Social do Comércio)

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Modelo de Educação Desportiva; Autonomia

INTRODUÇÃO
O Sesc (Serviço Social do Comércio) é uma instituição privada e sem fins lucrativos que contribui para o bem-estar
social do público através das áreas de Educação, Saúde, Lazer, Cultura e Assistência. São desenvolvidos diversos
programas sociais na instituição, dentre eles o Programa Sesc de Esportes (PSE) que possibilita a prática sistematizada
de modalidades esportivas com procedimentos pedagógicos que potencializem as possibilidades educacionais de
ensino e vivência do esporte através de atividades lúdicas, jogos, festivais internos e encontros amistosos entre turmas
de unidades do Sesc. No presente relato, o processo de ensino-aprendizagem apresentado está ancorado em uma
adaptação do Modelo de Educação Desportiva (MED) criado por Daryl Sidentop (1987). Conforme afirma Mesquita
et al. (2014), o modelo busca promover o ensino do esporte pelo próprio jogo através da democratização e
humanização do desporto, evitando o elitismo da modalidade e a trapaça colocando o aluno como parte central do
processo de ensino por meio de equipes com identidades próprias, contendo as funções: Atleta, Capitão/Treinador,
Árbitro, Mesário, Repórter, Estatístico. O MED preconiza três eixos relevantes: competência motora, onde o aluno
deve ser desenvolto nas habilidades técnicas e táticas; cultura esportiva, compreendendo valores e tradições do esporte
e ser entusiasta esportivamente para se manter atraído e coeso na prática esportiva, prezando pelos valores do espirito
esportivo (PEREIRA, 2012). Justificou-se realizar o trabalho pois, no entendimento do professor, o ensino tradicional
busca, através da instrução direta, uma aprendizagem onde os alunos não possuem participação ativa no processo.
Além de apresentar escassez de informações sobre cultura e tradições do contexto esportivo e visão global do esporte.
O objetivo do trabalho foi proporcionar aos alunos conhecimento amplo da modalidade além da ótica do atleta,
abrangendo não apenas aprender a jogar, mas também a valorizar a inclusão e autonomia, além de particularidades
mais complexas do jogo como: regras e suas interpretações, aspectos estratégicos e táticos, liderança entre o grupo,
tornando-os capazes de respeitar relações intrapessoais e interpessoais.

MATERIAIS E MÉTODOS
O trabalho consistiu em uma adaptação do MED durante a prática do basquetebol no segundo semestre de 2017 no
Sesc Bauru com 15 alunos do PSE com idade de 13 a 15 anos. Todas as equipes revezavam as funções: o
Atleta/Jogador se preocupava em jogar dentro das regras e valores do basquetebol levando sempre em consideração o
fair play; o Técnico/Capitão com características de liderança perante os colegas e professor, responsável pela
organização da sua equipe dentro e fora de quadra; o Mesário, responsável por anotar informações do jogo na súmula,
além de apontar as faltas pessoais e coletivas usando as placas e a seta de posse de bola; o Árbitro desempenhava seu
papel dentro do seu entendimento das regras. A partir das funções, os alunos foram avaliados pelo olhar observador do
professor, de acordo com os critérios estabelecidos, sendo: comportamento no período anterior ao jogo, organização
durante o jogo, a postura tanto dentro quanto fora de quadra e comentários dos alunos a respeito das funções que os
mesmos estabeleciam. A partir do estudo e apresentação das regras oficiais do Basquetebol, usando como referência a
FIBA (Federação Internacional de Basquetebol) e CBB (Confederação Brasileira de Basquetebol), partiu-se para a
prática onde os alunos começaram a vivenciar as funções do MED. Cada aluno foi responsável por escolher a sua, de
acordo com a identificação e preferência. Ao final de cada aula, ocorria uma roda de conversa com o professor para
discutir os conteúdos desenvolvidos e possíveis questionamentos, com o intuito de proporcionar um feedback diário.
No decorrer das aulas também foram feitas análises de vídeos de jogos com temas pontuais para a discussão de
interpretações das regras e situações de jogo. Foram realizadas visitas em jogos da equipe Bauru Basket pela Liga
Nacional de Basquetebol, com intuito de colocarem em prática aprendizados dos aspectos do esporte. Dentre os
pontos de observação, destacavam-se: leitura das variações das marcações das equipes; movimentações de ataques e
saídas de contra-ataque; faltas pessoais, coletivas, técnicas, antidesportivas e desqualificantes; além de analisar a
postura dos atletas, técnicos e torcidas perante acontecimentos decorrentes ao longo dos jogos.

167
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

RESULTADOS
Com isso, somando-se todo o conteúdo ensinado, alguns questionamentos de origem tática, técnica e cultural, por
exemplo, foram surgindo no decorrer das aulas e, lá mesmo, eram sanadas pelos próprios alunos. Nesse caso o
professor tinha o cuidado de deixá-los à vontade para discussões e debates, fazendo com que eles desenvolvessem
também aspectos críticos, como respeito ao ponto de vista e a opinião de cada um. Durante a apresentação inicial do
projeto, os alunos se mostraram receosos devido à quantidade de informações que seriam passadas, todavia foi
importante a postura do professor em procurar esclarecer e simplificar o projeto para que os alunos se mantivessem
motivados e curiosos. Devido à divisão das funções os alunos foram se tornando mais unidos, solidários e
responsáveis nas atividades das aulas, mostrando-se mais curiosos para aprender cada vez mais sobre aspectos
propostos.

CONCLUSÃO
Concluiu-se, a partir dos comentários dos alunos, da mudança de comportamento antes, durante e depois dos jogos e,
de acordo com o olhar observador do professor, que os alunos foram capazes de interpretar questões mais complexas
do basquetebol. Questões essas de ordem técnica, tática e organizacional como, por exemplo, preencher súmula de
jogo, desenvolver leitura de jogo e interpretar sinais de arbitragem. Adquirir entendimento mais amplo da modalidade
levando em consideração a cultura esportiva, obtenção de lideranças, cultivo do “espírito de jogo” e respeito das
diferenças sociais e pessoais de cada indivíduo foram as principais conquistas alcançadas com o auxílio do MED. Ao
final do ano, os alunos apresentaram comportamento mais maduro, perspicaz e autônomo perante o basquetebol.

APOIO
Sesc Bauru

REFERÊNCIAS
Ribeiro Mesquita, I. M., de Assunção Bessa Pereira, C. H., Flores Araújo, R. M., Guerreiro Farias, C. F., Santos, D.
F., & Rolim Marques, R. J. (2014). MODELO DE EDUCAÇÃO ESPORTIVA: DA APRENDIZAGEM À
APLICAÇÃO. Revista da Educação Física/UEM, 25(1).

Pereira, C. H. A. (2012) Modelo de Educação Desportiva: da aprendizagem à aplicação (Dissertação de mestrado).


Faculdade de Desporto Universidade do Porto – U. Porto, Porto, Portugal.

168
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ANÁLISE DE PLANOS DE AULAS DE BASQUETEBOL ELABORADOS A PARTIR DE


DIFERENTES ABORDAGENS
Renata Jéssica Nunes de Sousa1; Mariana Harumi Cruz Tsukamoto1
Autor para correspondência: renata.jessica.sousa@usp.br
1
Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São Paulo

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Formação Inicial; Plano de aula

INTRODUÇÃO
O ensino de modalidades esportivas coletivas (MEC) nos cursos de formação inicial em Educação Física, de maneira
geral, segue a tradição observada no ensino do esporte. De acordo com Coutinho e Silva (2009), que realizaram uma
investigação sobre o conhecimento e a intervenção de professores universitários com relação a abordagens das MEC,
os enfoques tradicionais e tecnicistas ainda predominam neste contexto. Tais modelos trazem consigo como elementos
essenciais para o ensino desse grupo de modalidades, os elementos técnicos e táticos de maneira separada, e
comumente atribuem importância primordial aos elementos técnicos. Por outro lado, Nascimento e seus colaboradores
(2009) apontam que existe um movimento entre os cursos de formação inicial em Educação Física no Brasil, que
caminha para o oferecimento de disciplinas mais abrangentes e que buscam abordar as MEC de forma mais sistêmica.
Um exemplo é o que ocorre no curso de Bacharelado em Educação Física e Saúde da Escola de Artes, Ciências e
Humanidades da Universidade de São Paulo, no qual as MEC são abordadas em uma única disciplina (Esportes
Coletivos) e na qual o conteúdo das modalidades dialoga com diferentes formas de ensino e modelos pedagógicos.
Dentre as abordagens estudadas está o Teaching Games for Understanding (TGfU), que trata-se de um modelo para o
ensino de modalidades esportivas coletivas centrada no praticante e no jogo em si, implementada em seis passos
(Griffin & Patton, 2005; Clemente, 2012): introdução do jogo, apreciação do jogo, consciência tática, tomada de
decisão, execução das habilidades e performance.

O presente trabalho, tem como objetivo analisar os planos de aula da modalidade basquetebol elaborados por um
grupo de estudantes em dois momentos distintos da disciplina como parte do processo de ensino e aprendizagem,
buscando identificar se houve alguma alteração após o estudo da abordagem TGfU.

MATERIAIS E MÉTODOS
Os planos (P) foram elaborados e implementados em dois momentos da disciplina a saber: P1, preparado no momento
inicial da disciplina, a partir de vivências anteriores dos estudantes e de um levantamento bibliográfico considerando
os principais elementos da modalidade que o grupo julgava importantes; e P2, elaborado após o estudo teórico (leitura
e discussão de textos) e prático (vivência de uma aula) do TGfU. Os planos resgatados foram analisados de acordo
com os seguintes critérios: os objetivos propostos, estrutura das aulas e atividades escolhidas para o ensino do
basquete.

RESULTADOS
Os objetivos propostos nos dois planos foram bastante distintos. No P1 observamos maior preocupação com questões
técnicas ("ensinar posição de defesa, drible e passe"), enquanto que P2 o grupo revelou maior preocupação com o jogo
como um todo. A estrutura das aulas elaboradas mudou consideravelmente, pois no P1 a estrutura da aula
contemplava partes (posição de defesa, drible e passe) que eram somadas em uma atividade final. Já no P2, o grupo
inicia a aula com um jogo que guarda semelhanças com o basquetebol, e ao longo das etapas seguintes busca
problematizar elementos essenciais para o jogo. No que diz respeito às atividades escolhidas, foi possível perceber
tanto no P1 quanto no P2 uma preocupação do grupo em elencar atividades lúdicas. No entanto, apesar de serem jogos
e brincadeiras, seus objetivos eram bastante distintos: no P1 o foco era nas habilidades ("pega-pega minhoca” a fim de
trabalhar a posição de defesa; “pique-pega” com a bola, para treinar o passe e o pé de pivô; o terceiro foi o “drible da
amizade” para ensinar os diferentes modos de driblar a bola). Por outro lado, no P2, apesar de continuar a utilizar o
elemento lúdico, os objetivos das atividades eram diferentes, como por exemplo estimular a ocupação dos espaços

169
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

vazios. É importante assinalar também que os planos individualmente apresentaram coerência interna, no que diz
respeito aos elementos analisados (objetivos, estrutura e atividades).

CONCLUSÃO
No final da análise dos planos de aula elaborados para o ensino do basquetebol, dos modelos de ensino das MEC,
percebeu-se na elaboração do primeiro plano que as atividades, sem exceção, foram tecnicistas, de tal maneira que
participantes das atividades não chegaram a vivenciar o jogo propriamente dito. Isso, provavelmente, se deu como
consequência da bagagem curricular dos estudantes que faziam parta daquele grupo, os quais possivelmente traziam
consigo referências tradicionais de ensino, ou seja, mais voltadas à técnica. Tal constatação vai de encontro com o que
dizem Marcon e colaboradores (2014), quando discorrem sobre a aprendizagem sobre a prática docente enquanto
discente. Desse modo, crenças e costumes enraizados às experiências dos indivíduos tendem a se sobressaírem no
momento da intervenção. Já no segundo modelo, após a vivência do TGfU, a elaboração do plano, foi um tanto quanto
diferente. O grupo demonstrou maior preocupação em privilegiar e abordar os elementos que caracterizam o jogo de
basquetebol, buscando promover e valorizando as questões táticas à técnica. É importante destacar que temos a
dimensão de que as atividades aqui relatadas compreendem em exercícios e que, provavelmente um maior tempo de
experiência permitiria aos estudantes maior desenvoltura no trato com o TGfU. A partir da análise realizada, é
possível vislumbrar a possibilidade de mudanças de paradigmas no ensino do basquetebol e das MEC de um modo
geral, a partir da apresentação de novas possibilidades na formação inicial.

REFERÊNCIAS
Clemente, F. M. (2012). Princípios Pedagógicos do Teaching Games for Understanding e da Pedagogia Não-Linear
no ensino da Educação Física. Movimento 18 (2): 315-335.

Coutinho, N. F. & Silva, S. A. P. S. (2009). Conhecimento e aplicação de métodos de ensino ara os jogos esportivos
coletivos na formação profissional em Educação Física. Movimento 15 (1): 117-144.

Griffin, L. L. & Patton, K. (2005). Two decades of Teaching Games for Understanding: looking at the past, presente
and future. In: Griffin, L. L. & Butler, J.L. (ed.) Teaching Games for Understanding: theory, research and practice.
Champaing: Human Kinetics, 1-18.

Marcon, D., Graça, A. & Nascimento, J. V. (2011). Considerações teóricas sobre o conhecimento pedagógico do
conteúdo na formação inicial em Educação Física. Rev Port Cien Desp, 11 (3): 127-139.

Nascimento, J.V., Ramos, V., Marcon, D., Saad, M.A. & Collet, C. (2009). Formação acadêmica e intervenção
pedagógica nos esportes. Mortiz, 15 (2): 358-366.

170
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

FORMAÇÃO CONTINUADA DE TREINADORES DE BASQUETEBOL: PERCEPÇÕES


SOBRE UMA INICIATIVA FEDERATIVA
Vitor Ciampolini1; Michel Milistetd1; Jairo Luiz Socoowski de Anello2; Juarez Vieira do Nascimento1
Autor para correspondência: vciampolin@gmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina; 2Universidade da Região de Joinville

PALAVRAS-CHAVE:Coaching esportivo; Curso; Estrutura curricular

INTRODUÇÃO
A formação inicial em Educação Física é um período destinado ao desenvolvimento de competências gerais para a
atuação profissional. Posteriormente a esta etapa, a formação continuada é o período de qualificação específica do
profissional e importante meio para aprimoramento da atuação a partir da reavaliação das ações cotidianas e
concepções prévias. Contudo, as oportunidades de formação continuada para treinadores esportivos brasileiros são
restritas, especialmente no que tange os programas oferecidos pelas confederações esportivas. Em 2016, apenas 12 das
30 entidades que representam esportes olímpicos ofereciam tais iniciativas (Milistetd et al., 2016).

No caso específico do basquetebol, a Confederação Brasileira de Basquetebol (CBB) passa por um processo de
reformulação do próprio programa de formação, desde o cancelamento dos cursos da antiga ‘Escola Nacional de
Treinadores de Basquetebol’ (ENTB). Desta maneira, coube às federações estaduais organizar e oferecer iniciativas
específicas para a qualificação de treinadores. Apesar de a literatura nacional compreender a responsabilidade destas
entidades na formação continuada de treinadores brasileiros, aponta-se pela lacuna investigativa no que tange a
maneira em que os cursos são estruturados e ministrados, bem como as percepções dos treinadores participantes.
Portanto, este estudo selecionou uma federação estadual de basquetebol para analisar a estrutura curricular e
estratégias de ensino adotadas, assim como a percepção dos treinadores participantes da proposta formativa.

MATERIAIS E MÉTODOS
Esse estudo caracteriza-se como descritivo exploratório. Com relação à abordagem do problema, optou-se pela adoção
de métodos quanti-qualitativos por meio do delineamento convergente paralelo, visto que ambos os métodos foram
aplicados concomitantemente para a coleta de dados (Creswell & Plano Clark, 2011). Participaram do estudo 68
treinadores de basquetebol (47 homens e 21 mulheres) com idade média de 33 anos (mínima 19 e máxima 72).

Ao término dos cursos, os treinadores responderam a um questionário online de questões abertas e fechadas acerca da
satisfação com a iniciativa e percepções gerais sobre as temáticas, conteúdos e atividades ministradas. As questões
fechadas se apresentavam em escala likert de 1 a 5 com as seguintes categorias: (1) péssima; (2) ruim; (3) regular; (4)
boa; (5) ótima.

A análise dos dados quantitativos foi realizada por meio do software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS
– versão 23). Para os dados relacionados à idade aplicou-se estatística descritiva para obter a média, escore mínimo e
máximo. Já para as análises dos dados qualitativos utilizou-se o software NVivo (versão 11) para organização dos
relatos. Neste processo, adotou-se os procedimentos da técnica de análise de conteúdo com categorias estabelecidas à
posteriori. De modo a garantir a reprodutibilidade da categorização, os pesquisadores discutiram o alinhamento
conceitual dos temas gerais (homogeneidade interna) e a distinção dos temas específicos (heterogeneidade externa).

RESULTADOS
A estrutura curricular da iniciativa formativa foi organizada em três cursos, realizados no ano de 2017: dois cursos de
nível 1 (meses de Abril e Junho, respectivamente), os quais foram ministrados separadamente para atender, em cada,
uma porção do grande grupo de treinadores do estado; e um curso de nível 2 (mês de Agosto), no qual se reuniu todos
os treinadores. No total, quatro instrutores ministraram sete temáticas ao longo dos cursos: relação entre treinador-
árbitro-atleta; desenvolvimento profissional de treinadores; gestão técnica, administrativa e pedagógica; formação de
atletas a longo prazo; abordagens de ensino do basquetebol; formação de jovens atletas de basquetebol; e
planejamento esportivo. Além da apresentação e explanação das temáticas e da observação de um treino de

171
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

basquetebol, estratégias de ensino ativas foram observadas, tais como discussões e trabalhos em pequeno e grande
grupo. As temáticas ministradas nos cursos indicam a preocupação pelo desenvolvimento de competências gerais do
treinador em detrimento de conteúdos específicos relacionados a aspectos técnicos-táticos e competitivos do
basquetebol, os quais são normalmente observados em formações desta natureza (Nelson, Cushion, & Potrac, 2006).

Os resultados dos dados quantitativos acerca da percepção geral dos treinadores de basquetebol participantes da
iniciativa formativa revelaram a percepção positiva de 93% dos indivíduos. Estes dados representam 51% das
percepções como “boa” e 42% das percepções como “ótima”. 7% dos treinadores perceberam-na de modo regular. A
percepção positiva apresentada pelos treinadores, de maneira geral, corrobora estudos internacionais acerca do
potencial formativo das iniciativas de federações esportivas (Paquette, Hussain, Trudel, & Camiré, 2014).

No que se refere à análise dos dados qualitativos, dois temas gerais foram identificados: aspectos positivos (f = 86) e
aspectos negativos (f = 29). Os aspectos positivos compreenderam as estratégias de ensino adotadas [f = 43; interação
(f = 21) e reflexão (f = 13)], as temáticas abordadas [f = 35; aprendizagem do treinador (f = 13), desenvolvimento de
atletas (f = 10), desenvolvimento de valores (f = 9) e embasamento científico (f = 6)] e os ministrantes dos cursos (f =
8). No que tange os aspectos negativos, também foram mencionadas as temáticas abordadas [f = 12; arbitragem (f =
9)], poucas sessões práticas (f = 11) e o cronograma da iniciativa (f = 6). O relato positivo dos treinadores acerca da
adoção de estratégias de ensino ativas, interativas e reflexivas demonstra a busca dos instrutores pela participação e
envolvimento do treinador no processo formativo, fato que já é observado em programas internacionais de destaque
(Paquette et al., 2014).

CONCLUSÃO
Destaca-se, primeiramente, a iniciativa da federação investigada ao ofertar uma oportunidade de formação continuada
a treinadores de basquetebol, tendo em vista a falta de um programa nacional a ser oferecido pela CBB. A estrutura
curricular e as estratégias de ensino verificadas sugerem a busca dos instrutores por proporcionar aos treinadores de
basquetebol um papel ativo no processo de aprendizagem, de modo a facilitar a própria aprendizagem e a contribuir
no desenvolvimento dos pares. As percepções positivas dos treinadores são um importante indício da contribuição da
formação investigada no aprimoramento de competências para atuação profissional. Por fim, aponta-se a importância
de consolidar parcerias entre federações esportivas brasileiras e instituições de ensino superior, de modo a oferecer
suporte teórico-científico para as iniciativas e possibilitar um campo de investigação para a condução de estudos
científicos.

APOIO
CAPES

REFERÊNCIAS
Creswell, J. W., & Plano Clark, V. L. (2011). Choosing a mixed methods design Designing and conducting mixed
methods research (2 ed., pp. 53-106). Thousand Oaks: SAGE.

Milistetd, M., Ciampolini, V., Salles, W. D. N., Ramos, V., Galatti, L. R., & Nascimento, J. V. (2016). Coaches’
development in Brazil: Structure of sports organizational programmes. Sports Coaching Review, 5(2), 138-152.

Nelson, L. J., Cushion, C. J., & Potrac, P. (2006). Formal, Nonformal and Informal Coach Learning: A Holistic
Conceptualisation. International Journal of Sports Science & Coaching, 1(3), 247-259. doi:
10.1260/174795406778604627

Paquette, K. J., Hussain, A., Trudel, P., & Camiré, M. (2014). A sport federation’s attempt to restructure a coach
education program using constructivist principles. International Sport Coaching Journal, 1(2), 75-85. doi:
http://dx.doi.org/10.1123/iscj.2013-0006

172
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

FATORES DE RENDIMENTO QUE ORIENTAM OS TREINADORES EXPERTS DE


BASQUETEBOL EM PORTUGAL. FONTES E CONCEPÇÕES DE TREINO.
João Carlos Rodrigues Rocha1,2; Amândio Braga dos Santos Graça3; João Julio de Matos Serrano1,2; Rui Miguel
Duarte Paulo1,2; Marco Alexandre da Silva Batista1,2; Samuel Alexandre Almeida Honório1,2; Pedro Alexandre Duarte
Mendes1,2; João Manuel Patricio Duarte Petrica1,2
Autor para correspondência: joaorocha@ipcb.pt
1
ESE Instituto Politécnico de Castelo Branco; 2Sport, Health & Exercise Research Unit (SHERU); 3FADE
Universidade do Porto

PALAVRAS-CHAVE:Rendimento; Treinadores; Portugal

INTRODUÇÃO
O presente estudo foi projectado para contribuir no sentido de aumentar o conhecimento sobre a modalidade de
Basquetebol, dar resposta aos factores de rendimento que orientam os experts na conquista dos seus sucessos. Fontes e
concepções de treino dos treinadores Experts de Basquetebol em Portugal.

MATERIAIS E MÉTODOS
Recorremos a uma abordagem metodológica do tipo qualitativo, uma metodologia utilizada actualmente devido á sua
forte validade científica, capaz de fazer imergir os importantes e refinados conhecimentos, e que tem vindo ao longo
do tempo a substituir os métodos quantitativos em alguns estudos. A técnica de recolha de dados foi a entrevista semi-
estruturada, realizada a quatro treinadores de renome em Portugal: Alberto Babo, Jorge Araújo, Luís Magalhães e
Mário Palma. Segundo Ericsson (2006) são considerados Experts, aqueles que possuem curso de treinadores, uma
larga experiência de sucesso e prolongado na área, uma carreira acima de 20 anos de experiência, como também
fruírem de um comprometimento profissional e serem reconhecidos entre os pares. No período de 20 anos entre 1985
e 2005, estes treinadores ganharam todos os campeonatos nacionais em Portugal, e ainda participaram em
competições europeias e foram selecionadores de Portugal e de Angola participando nos Campeonatos da Europa, de
Africa e nos jogos Olímpicos de Verão.

RESULTADOS
Depois de realizada a entrevista, deu-se processo de codificação consistiu na interpretação dos dados fornecidos pelas
experiências dos expertos, através da análise indutiva de conteúdo (Patton, 1990), dividindo o texto partes de
informação, as unidades de significado. Desta forma foi construída e organizada um sistema de categorias que pode
explicar o processo orientador dos treinadores experto em basquetebol, utilizamos para o desenvolvimento de tal
processo o programa informático “En vivo”, realizando categorias, sub categorias de acordo com as suas propriedades
e limites. De entre as centenas de unidades de significado identificadas (163), focamo-nos nas categoria “factores de
rendimento”, que foram divididas pelas seguintes sub categorias: Dimensão no Treino (22); Métodos de Trabalho dos
TEs (42); Conteúdos Técnicos e Tácticos dos TEs (23); Preparação para o Jogo (21); Organização Desportiva (13);
Dimensão Psicológica (50); Dimensão Sociológica (92).

CONCLUSÃO
De acordo com os dados apresentados anteriormente, os nossos resultados expõem um grande conjunto áreas que os
expertos consideram contribuir para o sucesso da sua actividade profissional:

I. A totalidade dos Experts, valorizam os métodos de trabalho, também Bompa (2005), refere que os treinadores
acreditam que as suas ideias para o treino passam por conceitos, e aperfeiçoamento técnico-táctico, realizar o maior
numero de jogos, motivação, intensidade o tempo todo e alto volume de treino. Os experts:

a) Realçam a qualidade, a intensidade e o carácter competitivo dos exercícios no treino, durante toda a época, assim
como a simplicidade do treino, quer no seu planeamento, quer na sua execução.

173
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

b) Nos aspectos técnicos, a prática diária é importante, com a sua transferencia objectiva para a competição e o
aumento da performance.

c) Nos aspectos tácticos, têm como princípio o número reduzido de sistemas, e a sua execução levada à perfeição.

d) As capacidades físicas, realçam distintos conceitos: observam que os picos de forma não se aplicarem aos desportos
colectivos; o nível da forma física elevado é mantido todo o ano desportivo, elevados níveis de intensidade e de
volume de treino.

e) O trabalho da resistência específica é muito valorizado. O seu desenvolvimento é realizado com diversos exercícios
próprios do basquetebol e em simultâneo com a utilização da bola.

II. O Scouting, as sessões de vídeo e a preparação dos jogos foram referenciados pelos Experts como factores
importantes para o sucesso. Também Jones e Mckenzie (2004) realçam as operações de preparação da competição
realizadas pelo treinador, que envolvem a análise dos valores individuais e colectivos do adversário e posteriormente a
síntese da informação a fornecer aos seus jogadores. Para os experts:

a) A realização do Scouting é facilitada com o acesso à mais recente tecnologia.

b) O scouting realizado com antecedência de vários dias em relação à competição, com o intuito de antecipar os
problemas, e procurar conhecer os pontos fortes e fracos do adversário.

c) A apresentação do scouting aos jogadores, realizada em sessões curtas, com informação concisa e directa.

d) Diferentes filosofias dividem os Experts no tipo de preparação: Por um lado, deve ser tão minucioso quanto
possível nos detalhes da equipa adversária, por outro, maior preocupação ao que a própria equipa tem que fazer e aos
aspectos mais influentes do adversário.

III. No âmbito da sociologia, a organização e a gestão são fundamentais no funcionamento da equipa e no seu
rendimento desportivo. Turman (2003) assume como preponderante para a obtenção de sucesso, a construção da
equipa.

REFERÊNCIAS
Bompa, T. (2005). Treinando Atletas de Desporto Colectivo. São Paulo, Brasil: Phorte Editora.

Ericsson, K. A. (2006). The influence of experience and deliberate practice on the development of superior expert
performance. In The Cambridge handbook of expertise and expert performance, 683-703. Acessível em
www.skillteam.se/wp-content/uploads/2011/12/Ericsson_delib_pract.pdf

Jones, R.; Mckenzie, A. (2004). Lois Muir. In Jones, R., Armour, K. & Potrac, P. Sports Coaching Cultures: From
Practice to Theory (pp.85-93). New york; Routledge.

Patton, M. (1990). Qualitative Evaluation and Research Methods (2nd ed.). Thousand Oaks: Sage Publications, Inc.

Turman, P. (2003). Coaches and Cohesion: The Impact of Coaching Techniques on Team Cohesion in the Small
Group Sport Setting. Journal of Sport Behavior, pp. 26

174
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

TREINADORES DE BASQUETEBOL: A VISÃO SOBRE OS DESAFIOS DA PRÁTICA


NO AMBIENTE DE FORMAÇÃO ESPORTIVA
Alexandre Vinicius Bobato Tozetto1; Michel Milistetd2; Carine Collet2; Tayná Iha2; Jairo Anello3; Juarez Vieira do
Nascimento2
Autor para correspondência: alexandrebobato@hotmail.com
1
Universidade do Estado de Santa Catarina; 2Universidade Federal de Santa Catarina; 3Federação Catarinense de
Basketball

PALAVRAS-CHAVE:Treinador; Coaching; Esporte

INTRODUÇÃO
O coaching esportivo é considerado um processo dinâmico e complexo e para que o treinador seja eficaz, é necessária
a aplicação consistente e integrada de conhecimentos profissionais, interpessoais e intrapessoais ao seu contexto de
prática (Côté & Gilbert, 2009). No seu processo de aprendizagem profissional, treinadores atribuem maior valor às
experiências práticas do coaching do que as experiências em ambientes formais de preparação (Cushion, Armour, &
Jones, 2003; Tozetto, Galatti, Scaglia, Duarte, & Milistetd, 2017). O impacto reduzido da educação de treinadores é
conferido pela racionalidade técnocrática na qual orienta o design dos programas de formação, desconsiderando as
reais necessidades de treinadores esportivos e sustentadas, sobretudo, por conteúdos abstratos e distantes da realidade
complexa da sua intervenção (Jacobs, Diekstra, Knoppers, & Sklad, 2015). Portanto, o entendimento das necessidades
contextuais de treinadores, que atuam em diferentes ambientes de prática, pode oferecer caminhos para que os cursos
formais se tornem significativos (Stoszkowski & Collins, 2016). Nesse sentido, o objetivo do estudo foi investigar os
desafios enfrentados por treinadores de jovens de basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram do estudo 11 treinadores (T1, T2, T3, T4, T5, T6, T7, T8, T9, T10, T11) de crianças e jovens no
basquetebol de Santa Catarina, sendo cinco do sexo feminino e seis do sexo masculino, com idade média de 35±10,88
anos. Foi utilizado um roteiro de entrevista semiestruturado. Após os treinadores aceitarem participar do estudo, foi
agendado o melhor horário para as entrevistas que ocorreram individualmente via plataforma digital. A interpretação
dos dados ocorreu por meio da análise temática indutiva.

RESULTADOS
Nos resultados são descritos os desafios que os treinadores enfrentam na sua prática, dentre eles: Desafios para Gerir a
Prática; Desafios com os Atletas; Desafios na Evolução da Carreira.

Sobre os desafios para gerir a prática, foram destacados a falta de recursos (T1, T2, T5, T7, T8, T11), principalmente
relacionado ao incentivo externo, como exemplifica o relato de T8: “[...] a gente perdeu a oportunidade ano passado
de trazer mais meninas, mas como vamos fazer isso se não tem verba?”. Para T1 essa falta de incentivo financeiro
implica em alguns pontos negativos: “Na prefeitura tem dinheiro para tudo, menos para o esporte. Material é difícil de
conseguir, [...] uniforme, essas coisas que a gente precisa, nunca tem para o esporte” (T1). Outro desafio abordado
pelos treinadores foi sobre a gestão do esporte (T2, T7, T11) e para reverter esse quadro da falta de verba, T11
descreve que “gerar o próprio recurso também é um caminho que a gente tem que aprender a trilhar” para tornar o
“esporte sustentável”. Porém, a falta de tempo para executar tantas tarefas foi narrada por três treinadores (T5, T8,
T9), sendo que T9 acredita precisar “[...] arrumar tempo durante o dia a dia para estar mais presente [...] com os atletas
[...].” (T9).

Com relação aos desafios com os atletas, a motivação dos jovens foi apresentada como mais um desafio por três
treinadores (T1, T4, T10). Para T10 “[...] o maior desafio hoje é a motivação das crianças, hoje em dia tem muita
tecnologia [...]. Então o desafio maior é conseguir com que elas se apaixonem pelo basquete e se dediquem”. Outro
aspecto destacado por dois treinadores (T3, T10), foi a preocupação sobre formar não apenas atletas, mas formar

175
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

cidadãos por meio do esporte. Assim, as ações para esses treinadores precisam estar pautadas em princípios e valores
que possam educar as crianças e jovens para o futuro.

“[...] tem atletas que começaram comigo com 7, 8 anos e hoje já estão com 14, 15 e são super educadas, tiram boas
notas e com certeza eu tive uma influência muito positiva. Então é isso que me motiva hoje, não é só o ganhar
campeonato, isso é consequência, mas poder ajudar elas de alguma forma, ser pessoas corretas, com valores, que foi o
que me ajudou muito no esporte [...]”. (T10)

Acerca dos desafios na evolução da carreira, T8 chegou a abandonar um tempo por não ver um futuro na sua atuação.
Enquanto isso, T11 demonstrou ter como objetivo e grande desafio, chegar no adulto, mas a sua preocupação é de
“não ter a oportunidade de estar onde as pessoas estão hoje na elite”.

Os achados reportam a preocupação dos treinadores de basquetebol que atuam com jovens e temas que não se referem
apenas aos conhecimentos aplicados nos seus treinamentos, mas com temáticas que circundam todo o ambiente de
prática e também consigo mesmo no desenvolvimento de sua carreira profissional. Essas evidências confirmam a
natureza complexa do coaching esportivo, no qual os treinadores assumem diferentes papéis na sua prática, nesse
caso, de gestores, educadores, e mesmo de aprendizes ao longo da vida (Cushion et al., 2003; Côté & Gilbert, 2009).
Os conhecimentos requeridos para essas funções (interpessoais e intrapessoais) são determinantes para a eficácia dos
treinadores em sua intervenção, e, geralmente não são abordados em programas formais nacionais ou internacionais
(Jacobs et al., 2015; Tozetto et al., 2017) os quais são sustentados geralmente por conhecimentos profissionais
fragmentados (Stoszkowski & Collins, 2016).

CONCLUSÃO
A atuação efetiva de treinadores parece necessitar de uma formação global que atenda os desafios nos campos do
treinamento, gestão, relações pessoais, entre outras áreas do esporte. Além disso, é importante destacar a necessidade
dos treinadores de contar com um suporte multiprofissional no próprio ambiente profissional, para que possam manter
o foco constante na melhoria da qualidade de sua intervenção no campo esportivo.

APOIO
Federação Catarinense de Basketball

REFERÊNCIAS
Côté, J., & Gilbert, W. (2009). An integrative definition of coaching effectiveness and expertise. International Journal
of Sports Science & Coaching, 4(3), 307-323.

Cushion, C., Armour, K., & Jones, R. (2003). Coach education and continuing professional development: Experience
and learning to coach. Quest, 55, 215–230.

Jacobs, F., Diekstra, R., Knoppers, A., & Sklad, M. (2015). Developing a coach education course: A bottom-up
approach. International Sport Coaching Journal,2(2),178-86.

Stoszkowski, J., & Collins, D. (2016). Sources, topics and use of knowledge by coaches. Journal of Sports Sciences,
34(9), 794-802.

Tozetto, A. B., Galatti, L. R., Scaglia, A. J., Duarte, T., & Milistetd, M. (2017). Football coaches’ development in
Brazil: a focus on the content of learning. Motriz. Journal of Physical Education, 23(3), 1-9.

176
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

IDENTIDADE PROFISSIONAL DE TREINADORES DE BASQUETEBOL DE SANTA


CATARINA: APRENDIZAGEM FORMAL, NÃO-FORMAL E INFORMAL
Andréia Fernanda Moletta1; Felipe Goedert Mendes2; Luciana de Angeloni Borges1; Larissa Rafaela Galatti3
Autor para correspondência: andreia.moletta@hotmail.com
1
Faculdade IELUSC; 2Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; 3Universidade Estadual de Campinas -
UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Identidade Profissional; Treinador; Basquetebol

INTRODUÇÃO
A identidade profissional tem como sua base a identidade pessoal, mas é construída e reconstruída ao longo de
carreira, pois precisa-se de tempo e espaço próprio, caracterizando-se como contínua e sempre em movimento,
tornando-se fruto dos diferentes processos de socialização (Dubar, 2005). Sendo estes ocorrendo, constantemente, na
aprendizagem formal - programas formais de aprendizagem, modelos institucionalizados, apresentando um currículo e
uma certificação; não formal - programas educacionais que ocorrem em ambientes não-formais (cursos de curta
duração; seminários; oficinas etc.); e informal - acontece aprendizagem e adquire os conhecimentos a partir das
experiências, diálogos com outros treinadores etc. (Nelson, Cushion & Potrac, 2006). Em virtude disso, o objetivo
desse estudo foi identificar o desenvolvimento da aprendizagem formal, não-formal e informal que contribuíram para
construção da identidade profissional dos treinadores de basquetebol de Santa Catarina.

MATERIAIS E MÉTODOS
Este estudo faz parte de um estudo guarda-chuva no qual buscou investigar a identidade pessoal e profissional desses
treinadores, utilizando-se de um questionário com perguntas abertas e fechadas (devidamente validado). E para a
presente investigação foram utilizadas as questões referentes formação formal: formação acadêmica (formação inicial
e pós-graduação); não-formal: fontes de conhecimento (participação em eventos; formação continuada); informal:
experiências profissionais (como assistente técnico; treinador; principais vivências laborais) e fontes de conhecimento
(troca de conhecimento com os pares e outros profissionais). Para seleção dos treinadores de basquetebol foram
utilizados os seguintes critérios de inclusão: a) obter formação em Educação Física Plena ou Bacharelado e/ou
Ciências do Esporte; b) participação no Campeonato Estadual 2016; c) estar frente a equipe há pelo menos 1 ano; d)
não ter se afastado da equipe por qualquer motivo: tipo atestado médico, e treinadores aposentados. Assim obteve-se
19 treinadores participantes (oito homens e 11 mulheres) representantes de 14 cidades do estado de Santa Catarina,
onde todas as regiões do estado foram representadas. A pesquisa foi aprovada junto ao Comitê de Ética em Pesquisa
Com Seres Humanos - CEP do BOM JESUS/IELUSC norteado pela Resolução CNS 466/2012 (nº 1.980.774),
seguindo todas as normas éticas. Após essa aprovação, entrou-se em contato com os treinadores via telefone e e-mail
para realizar o convite para participar da pesquisa, após aceite foi enviado via e-mail o questionário pelo sistema do
Google Formulário ou entregue versão impressa na Clínica para Técnicos do projeto “Basquete para o amanhã” da
Federação Catarinense de Basquetebol; Para análise das informações utilizou-se a análise de conteúdo fundamentado
em Bardin (2011) e para auxiliar na compreensão utilizou-se a frequência de treinadores conforme cada categoria
encontrada.

RESULTADOS
A aprendizagem formal dos treinadores permeou pela formação inicial e pós-graduação (lato sensu e stricto sensu),
sendo a primeira em Educação Física com habilitação: em licenciatura plena (n=13); e após a reformulação foram
identificadas a formação em licenciatura (n=3), graduação (bacharelado - n=1), licenciatura e graduação (n=2),
ocorridas no período de 2012-2016. Além disso, percebeu que esse tipo de formação aconteceu em instituições de
Ensino Superior de caráter público (n=9) e privado (n=10). Somente quatro desses treinadores não possuem pós-
graduação, assim identificando 13 treinadores apontaram obtê-la em nível lato sensu e dois em lato sensu estricto
sensu. Além disso, foram categorizadas conforme a área formativa: lato sensu - a) treinamento (preparação física de
alto desempenho; Educação Física com aprofundamento em basquetebol; e treinamento desportivo); b) motricidade
(psicomotricidade e motricidade desportiva escolar); c) teoria e prática pedagógica escolar (práticas pedagógicas

177
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

interdisciplinares, psicopedagogia, interdisciplinaridade e Educação Especial e Educação Física escolar); d) Gestão e


Política pública (gestão de marketing e negócios e politicas públicas para esporte); e) Atividade Física e Saúde
(personal training e atividade física e saúde). E stricto sensu - mestrado (educação e desenvolvimento regional) e
doutorado (ciência de la cultura física). Os treinadores utilizaram-se como fonte de conhecimento as atividades de
aprendizagem não-formal como participação em congressos, simpósios, palestras e workshop, além das participações
em capacitações presenciais e online. Entretanto, foram verificadas outras fontes, as quais estão associadas à
aprendizagem informal que nesse estudo, foi mais marcado pela troca de conhecimento com demais treinadores e
outros profissionais; leituras de livros e artigos; e as experiências profissionais. Sabe-se que os treinadores adquirem
seus conhecimentos teóricos e práticos a partir dessas formações. Conforme Mesquita (2016) a identidade profissional
dos estudantes a treinadores aprimora-se com o passar dos anos de formação inicial, mas inicialmente estava
relacionada às experiências enquanto atletas; depois associou-se mais as práticas pedagógicas desenvolvidas pelos
professores do curso, seminários e os espaços informais; seguindo pelo estágio, assim evidenciando o seu
desenvolvimento. No entanto, a formação formal ainda se distancia dos saberes práticos, mas também reconhece que
não é uma problemática restrita à formação de treinadores, mas nessa profissão tais saberes se sobressaem a partir de
suas experiências profissionais ou até mesmo como atleta (Molina, Godoy, Calvo, Saiz & Alonso, 2012). Então, nesta
pesquisa, também foi analisada as experiências dos treinadores enquanto atleta, assistente de outro profissional e
demais atribuições laborais como aprendizagem informal. Apenas um treinador não possui vivência enquanto atleta e
dois como assistente (entre três a 10 anos). As demais experiências foram categorizadas como: a) Docência na
Educação Física (Educação Básica e Ensino Superior); b) Demais áreas da Educação Física (preparador físico,
dirigente esportivo, organizador de eventos, coordenador de projetos sociais; instrutor de academia e ginástica
laboral); c) Outras (bancário, vendedor, auxiliar de mecânico, comerciante e entregador).

CONCLUSÃO
As aprendizagens formal, não-formal e informal dos treinadores apresentaram elementos que compõe sua identidade
profissional, associadas às diferentes formas de socialização. Assim possibilitando compreender a identidade dos
treinadores de basquetebol atuantes do estado de Santa Catarina, apesar das especificidades, ainda mostraram
semelhança em todos os tipos de aprendizagem, principalmente na informal quanto as trocas de conhecimento com
demais treinadores, leituras e experiências enquanto assistente técnico. Portanto, estes resultados permitirão aos
treinadores, assim como as entidades que atuam no com a modalidade, na formação e desenvolvimento dos
profissionais de futuros treinadores.

REFERÊNCIAS
Dubar, C. (2005). A socialização: construção de identidades sociais e profissionais. Portugal: Porto Editora.

Mesquita, I. (2016). Investigação na formação de treinadores: identidade profissional e aprendizagem. Porto: Editora
FADEUP.

Molina, S. F., Godoy, S. J. I., Calvo, A.L, Saiz, S. J. & Alonsom M. C. (2012). El conocimiento profesional adquirido
por el entrenador de balonmano: experiencias y formación. Revista de Psicología del Deporte, 21 (1), 107-115.

Nelson, L. J., Cushion, C. J., Potrac, P. (2006) Formal, Nonformal and Informal Coach Learning: A Holistic
Conceptualisation. International Journal of Sports Science & Coaching, 1 (3), 247-259.

178
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

AS CRENÇAS SOBRE O ENSINO DO BASQUETEBOL: UM ESTUDO DE CASO NA


FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA
Matheus da Lapa Costa1; Jeferson Rodrigues de Souza2; Vinícius Zeilmann Brasil2; Filipy Kunh2; Ana Flávia
Backes2; Valmor Ramos1
Autor para correspondência: matheusdalapacosta@gmail.com
1
Universidade do Estado de Santa Catarina; 2Universidade Federal de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:crenças; treinadores; basquetebol

INTRODUÇÃO
As crenças são construções mentais, obtidas a partir de experiências sociais e educacionais com impactos sobre os
padrões de pensamento do indivíduo. Elas são um entendimento tácito ou tipo de verdades profissionais que
determinam parte das decisões e ações de ensino (Mansour, 2009). As pesquisas na formação inicial de professores
evidenciam que experiências obtidas antes do ingresso na universidade direcionam a trajetória formativa
(Tsangaridou, 2008). As memórias das experiências esportivas influenciam na definição dos objetivos de ensino,
estratégias, conteúdos e, como lidam com a aprendizagem dos alunos (Randall & Maeda, 2010).

O reconhecimento do impacto das experiências na construção do conhecimento de futuros treinadores; na adequação


do currículo à formação inicial eficaz, sugere o estudo de caso das crenças sobre os conteúdos e tarefas de ensino do
basquetebol, de uma graduanda em Educação Física em duas fases da formação universitária.

MATERIAIS E MÉTODOS
Realizou-se um estudo de caso descritivo e interpretativo, de uma graduanda de uma universidade pública do sul do
Brasil, que no início da pesquisa possuía 19 anos. As crenças foram analisadas em dois momentos distintos: No
primeiro ano do curso de bacharelado e no último ano do curso. Para a participação, a universitária atendeu aos
seguintes critérios de inclusão: a) estar matriculada e cursando, o primeiro ano do curso; b) estar frequentando uma
disciplina voltada ao processo pedagógico de iniciação esportiva; c) não possuir experiência prévia de atuação no
ensino, como professor ou treinador esportivo; d) expressar motivação e disponibilidade. Para a participação na
segunda etapa da pesquisa os critérios atendidos foram: a) Ter participado da primeira etapa da pesquisa; b) estar
cursando o último ano do curso; c) expressar motivação e disponibilidade.

Os dados no início do curso foram obtidos sequencialmente, pela combinação dos procedimentos: a) planejamento de
uma aula sobre basquetebol, realizado individualmente pela universitária, a partir de suas próprias crenças, sem
orientação ou auxilio de recurso externo, para ser aplicada aos seus pares de turma; b) aplicação da aula aos pares; c)
gravação da aula, através da gravação de áudio e vídeo, com uma câmera digital posicionada sem interferência na
realização da aula; d) estimulação de memória, que consistiu na exibição da aula para a graduanda, questionando
sobre suas justificativas dos procedimentos metodológicos e conteúdos ensinados. Ao final do curso, realizaram-se
novamente os procedimentos de estimulação de memória, referente a mesma aula ministrada no início do curso, para
verificar as justificativas e, a manutenção ou alteração das crenças iniciais.

A técnica de Análise de Conteúdo foi utilizada e os dados (conteúdos e tarefas de ensino) classificados conforme
Ticó-Camí (2002), nomeadamente, tarefas analíticas, sintéticas e globais. Os procedimentos de checagem pelos
participantes confirmaram a exatidão dos dados e a checagem inter pesquisador, não identificaram discrepâncias entre
as interpretações. O projeto foi aprovado por comitê de ética em pesquisa de uma universidade pública brasileira
(parecer nº 83238/2012).

RESULTADOS
Verificou-se que ao início do curso a universitária enfatizou os conteúdos técnicos em sua aula, justificado pela
necessidade do conhecimento do próprio corpo, a facilidade de aprendizagem da técnica diante de outros conteúdos e,
por se sentir mais segura devido a sua experiência prévia de prática no esporte: “Eu acho que a técnica, é uma aula

179
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

mais tranquila de se dar, o manejo de bola, a questão de controle de corpo. Eu acho que é mais fácil de ensinar... por
eu jogar eu já me sinto um pouco mais segura”.

Ao final do curso, a universitária foi questionada novamente sobre a aula gravada no primeiro ano. Durante a
observação da gravação, a universitária reafirmou a prioridade dos conteúdos técnicos no ensino do basquetebol,
acrescentando a importância do desenvolvimento das habilidades motoras básicas de “saltar”, “correr”, “pular”,
“mudar de direção” de forma combinada, para fundamentar a aprendizagem da técnica. “Os fundamentos eu
trabalharia igual, só mudaria a dinâmica”.

Sobre as tarefas de aprendizagem, ao inicio do curso, a universitária utilizou tarefas analíticas, enfatizando a
exercitação de habilidades isoladas e a combinação de duas ou mais habilidades, por acreditar que essas tarefas são as
mais úteis ao ensino da técnica, criando as situações mais elementares de exercitação: “Então, a questão técnica,
aquela toda parte trabalha realmente a habilidade do esporte e, tático, eu vejo como uma parte de jogada, de realmente
o jogo em si. De vivenciar o jogo como um todo, que você aplica toda a parte técnica”.

Na etapa final da pesquisa e a partir das experiências de ensino na universidade, ela acredita que alteraria sua forma de
ensinar, acrescentando as tarefas sintéticas ao seu repertório. Em parte, porque são formas de exercitação que
simplificam a aprendizagem das situações (táticas) contidas no jogo formal, conforme o trecho a seguir: “É uma
sequência, até chegar ao jogo ou, é que a gente vai evoluindo, primeiro coloca um contra uma, depois dois contra dois,
coloca três contra três”.

Constatou-se que algumas experiências prévias se mantiveram estáveis ao longo do curso e contribuíram para as
escolhas de aprendizagem na universidade. Pesquisas evidenciam que os universitários ingressam em cursos de
formação de professores com um conjunto de crenças centrais, difíceis de serem alteradas, as quais condicionam
grande parte da aprendizagem profissional (Tsangaridou, 2008; Randall & Maeda, 2010; Souza, Brasil, Kuhn, Barros,
& Ramos, 2017). Acredita-se que as crenças iniciais a respeito do ensino de habilidades técnicas do basquetebol,
obtidas através da prática esportiva foram centrais para a assimilação de outros conteúdos, como por exemplo, a
necessidade de introduzir as habilidades motoras básicas para fundamentar o ensino da técnica. Ainda, as experiências
prévias no basquetebol motivaram a universitária a buscar experiências de ensino neste esporte durante a formação
inicial.

CONCLUSÃO
Parte das crenças da graduanda ao início do curso se mantiveram estáveis ao final curso e condicionaram experiências
de aprendizagem. Ao final do curso, as crenças sobre o ensino da técnica se mantiveram. O uso de tarefas sintéticas
para o ensino da tática, foi acrescentado a forma de ensinar. Destaca-se o potencial das experiências prévias pessoais
para a obtenção de aprendizagens mais significativas na formação de professores e treinadores.

REFERÊNCIAS
Mansour, N. (2009). Science teachers’ beliefs and practices: issues, implications and research agenda. International
Journal of Environmental & Science Education, 4(1), 25-48.

Randall, L., & Maeda, J. K. (2010). Pre-service elementary generalist teachers’ past experiences in elementary
Physical Education and influence of these experiences on current beliefs. Brock University, 19(2), 20-35.

Ticó-camí, J. (2002). Tareas deportivas en los deportes colectivos: una aplicación al baloncesto. In S. Ibañez., & M.
García (Eds.), Novos horizontes para o treino do basquetebol. (pp. 87-110). Cruz Quebrada: Edições FMH-UTL.

Tsangaridou, N. (2008). Trainee primary teachers’ beliefs and practices about physical education during student
training. Physical Education and Sport Pedagogy, 13(2), 131-52.

180
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS E DO TREINAMENTO A LONGO PRAZO NO


BASQUETEBOL BRASILEIRO
Sophia Celine Vieira de Souza1; Flávia da Cunha Bastos1
Autor para correspondência: sophia.souza@usp.br
1
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo

PALAVRAS-CHAVE:talentos; treinamento; longo prazo

INTRODUÇÃO
Atletas de alto rendimento almejam competir e se destacar nas maiores ligas e competições mundiais, contudo há um
extenso trabalho e dedicação para o desenvolvimento e sucesso destes atletas. A seleção, detecção e desenvolvimento
do talento e o treinamento a longo prazo são objetos de estudo e produção de conhecimento científico, diretrizes e
manuais para o desenvolvimento de atletas profissionais de excelência internacional em órgãos, universidades e
entidades esportivas em diversos países do mundo (BÖHME; LUGHETTI, 2011; DE ROSE JUNIOR et al., 2017). Os
Estados Unidos da América se destacam internacionalmente no basquetebol e a NBA – National Basketball
Association – e a liga feminina, a WNBA – Women’s National Basketball Association determinam processos de
ingresso, permanência e sucesso nessas ligas e nas seleções nacionais de basquetebol, ligados ao rendimento,
habilidades e competências dos atletas, que se destacam frente aos demais atletas da modalidade. Portanto, o
desenvolvimento destes atletas ao longo de sua trajetória esportiva, bem como a seleção e detecção precoce do talento
para melhor desenvolvê-lo, é tema recorrente de estudos nos países que buscam notoriedade internacional na
modalidade. No Brasil, a organização da modalidade responsável pelas seleções brasileiras de todas as categorias, pela
representação dos atletas brasileiros e pela organização de eventos na modalidade é a Confederação Brasileira de
Basquetebol (CBB), filiada ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e à FIBA (International Basketball Federation). Na
última década se estabeleceu uma reorganização das competições nacionais da modalidade, com a criação da LNB –
Liga Nacional de Basquete, e mais tarde da Liga de Basquetebol Feminino – LBF. A profissionalização da gestão nas
ligas nacionais já mostra alguns resultados e maior expressividade do esporte a nível nacional e a temática da seleção,
detecção e desenvolvimento do talento e o treinamento a longo prazo tem estado presente nas discussões nacionais,
contudo não se identifica produção acadêmica sobre o tema no país. Dessa forma, o objetivo desse estudo é descrever
e analisar os processos de seleção, detecção e desenvolvimento de talento e de treinamento a longo prazo no
basquetebol no Brasil, no sentido de apontar possibilidades para seu aperfeiçoamento.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de pesquisa exploratória e descritiva, de abordagem qualitativa, realizada a partir de fontes documentais. Foi
realizado levantamento de programas e ações em sites institucionais de entidades de administração do esporte
nacional e internacionais (FIBA, CBB, Estados Unidos, Canadá, Espanha, Irlanda, Lituânia e Sérvia).

RESULTADOS
Os resultados obtidos apontam a existência de programas e orientações da FIBA, como o “FIBA National Federations
Manual”, que aborda o tema detecção, seleção e desenvolvimento de jovens atletas, indicando que cada Federação
deve ter um programa sistemático, gradual e científico de desenvolvimento de jogadores e talentos, com exames
contínuos e constantes e monitoramento de todos seus jogadores e que estes devem participar de camps para
preparação comum (FIBA, 2017). Nos Estados Unidos da América, a USA Basketball disponibiliza o USA Basketball
Youth Development Guidebook, guia criado para orientar jogadores, treinadores, pais e administradores do esporte. O
modelo norte-americano é baseado no modelo de Balyi; Hamilton (2004), colocando o “Basketball for Life” e
dividindo o programa conforme os estágios preconizados pelo autor. O programa de TLP do Canadá, o Canadian
Basketball Athlete Development Model, segue o mesmo modelo de Balyi; Hamilton (2004), acrescido de um estágio
(Aprendendo a/para ganhar) e explorando o tema em torno de atletas com deficiência. Também elenca fatores críticos
para o sucesso da abordagem. A Federação Espanhola de Basquetebol (FEB) não disponibiliza nenhum manual,
contudo tem um programa para a busca do talento: Operación Talento. A Irlanda disponibiliza um manual destinado
aos treinadores para a elaboração de um programa de TLP: Green Shoots Basketball – Coaches Manual, baseado no

181
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

modelo canadense. Outras Federações, como a da Lituânia e da Sérvia também disponibilizam materiais em suas
línguas, o que dificulta o entendimento, porém pode-se afirmar que possuem alguma linha de TLP. No Brasil, não
identificamos um programa estruturado, mas há registro da existência do Programa Basquete do Futuro Eletrobrás
(2005), em parceria com a Eletrobrás, antiga patrocinadora da seleção nacional, projeto social de iniciação ao
basquetebol com abrangência nacional. Em 2010, o programa estava presente em todas as regiões do Brasil, com 55
núcleos, atendendo cerca de 3.780 crianças e adolescentes em comunidades carentes distribuídas nas 27 federações. Já
os cursos de capacitação atenderam cerca de 694 professores e alunos de educação física. Com o fim da parceria,
encerrou-se as atividades do projeto. Em 2017, houve a perspectiva da CBB para a publicação e implantação do
Projeto Basquete em Rede, porém não identificamos material que confirme que ele foi implementado e/ou publicado.
Ainda em 2017, a CBB lançou um programa para o Basquete 3x3, que se tornou modalidade olímpica para o Jogos
Olímpicos Tóquio 2020: “Caça Talento 3x3”, de médio a longo prazo, que deverá identificar, treinar e desenvolver
futuros atletas para seleções nacionais. Não há informação disponível do site da CBB, porém o que se encontra é que
dentre os objetivos e especializar e massificar a modalidade, criando-se cadastro de jogadores, aplicando-se testes
físicos, aferindo-se medidas antropométrica e habilidades técnicas, oferecendo-se cursos para treinadores e árbitros,
criando-se um calendário e treinamentos periódicos e realizando-se torneios homologados pela FIBA 3x3. As ações
desenvolvidas no país não se configuram como um programa nacional, pois não revelam um norteamento, seja em
termos de manuais ou através de um programa estruturado como observado na FIBA e em federações nacionais dos
países estudados.

CONCLUSÃO
Conclui-se que não há um programa nacional que vise a promoção e desenvolvimento do talento e do atleta de
basquetebol a longo prazo no país. Considera-se que cabe aos clubes, escolas e instituições desenvolver o esporte no
país, e aos profissionais técnicos do basquetebol, a formulação, busca do corpo de conhecimento e estruturação de
suas atividades a curto, médio e longo prazos para o treinamento e evolução de seus atletas e equipes.

APOIO
Agradecimentos ao GEPAE/ USP

REFERÊNCIAS
Balyi, I, Hamilton A. (2004) Long-Term Athlete Development: Trainability in Childhood and Adolescence. Windows
of Opportunity. Optimal Trainability. Victoria: National Coaching Institute British Columbia & Advanced Training
and Performance Ltd.

Böhme, M. T. S., & Lughetti, C. N. (2011). Treinamento a Longo Prazo. In Böhme, M. T. S. (Ed.), Esporte
Infantojuvenil: Treinamento a Longo Prazo e Talento Esportivo (pp. 256–290). São Paulo: Phorte.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BASKETBALL (CBB). Portal da Confederação Brasileira de Basketball -


Sobre o Basquete Futuro. Retrieved May 15, 2017, from http://www.cbb.com.br/BasqueteFuturo/Sobre

De Rose Junior, D., & Tricoli, V. (2017). Basquetebol: do treino ao jogo (2nd ed.). Barueri: Manole.

INTERNATIONAL BASKETBALL FEDERATION (FIBA). Portal FIBA Online Academy. Retrieved June 20,
2017, from https://www.fiba-academy.org

182
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

DEVELOPMENTAL ASSETS IN ADOLESCENT BASKETBALL PLAYERS:


INFLUENCE OF AGE, MATURATION, SIZE AND FUNCTIONAL CAPACITIES
Luisa D. Kos1; André L.A. Soares1; Felipe G. Mendes1; Carine Collet1; Juarez V. Nascimento1; Carlos E. Gonçalves2;
Humberto M. Carvalho1
Autor para correspondência: luisadkos@gmail.com
1
Department of Physical Education, Sports Center, Federal University of Santa Catarina ; 2Faculty of Sport Sciences
and Physical Education, University of Coimbra

PALAVRAS-CHAVE:Youth basketball; psychological characteristics; talent and development

INTRODUÇÃO
Developmental assets encompass relationships, opportunities provided by adults and peers, values, skills, abilities,
and a positive self-perception developed over time (Strachan, Côté, & Deakin, 2009). It relates a person’s internal and
external factors with positive youth development, including personal characteristics such as commitment to learning
and positive identity and contextual characteristics such as family support, school attendance, and having available
community resources. Participation in sport plays an important role in the developmental process, extending from
personal and immediate outcomes such as enjoyment, positive expectations, and personal assets and skills to more
long-term and distant positive effects (Holt et al., 2013).

Youth sport programs are often highly selective and performance-oriented, where focus is on talent selection and
development. In basketball, size and functional performance are frequently overvalued by coaches, albeit the
important maturity associated variation among adolescent players and its substantial variation on players´
characteristics (Carvalho et al., 2018). To our best knowledge, there is limited information considering the influence
of age and maturity status on developmental assets in young athletes exposed to basketball training programs. Hence,
in this study we explored the influence of age, maturity status and functional capacities on developmental assets
factors, including support, boundaries and expectations autonomy, commitment to learning, positive values, and
positive identity among Brazilian adolescent basketball players.

MATERIAIS E MÉTODOS
Forty-five adolescent basketball players aged 13.6±1.5 years were included. Participants were engaged in a club
structured training program and competed at state level competition under the supervision of the Federação Paulista
de Basketball. Chronological age was calculated by the difference between data collection and each athlete’s birth
date. Anthropometry (stature, body mass and sitting height) was assed aby a single experienced observer. Maturity
status was used to estimate age peak at height velocity. The Portuguese version of the Developmental Assets Profile
(DAP) questionnaire was used to assess players’ development assets within the sport; interactions between each
subject\'s characteristics and its effects on development assets were studied. The questionnaire is composed by 58
items considering external and internal factors from a personal perspective, such as, support (4 items), boundaries and
expectations (5 items), commitment to learning (4 items), positive values (3 items), positive identity (5 items).
Statements in the DAP were rated as ‘Not at all or rarely’ (1), ‘Somewhat or Sometimes’ (2), ‘Very Often’ (3) and
‘Extremely or almost always’ (4). Functional capacities were evaluated by Line Drill, for basketball specific short-
term maximal effort, and YoYo Intermittent Recovery test level 1, as a measure of intermittent aerobic endurance. Both
are tests are sensitive for physiological characteristics of basketball demands. Given the sample size, we derived a
performance score, which is the sum of the z-scores of the two functional performance test (Line drill test
performance was inverted as a lower time indicates a better performance). We used multilevel linear regression
models to analyze between player variation by age group all variables. Then, we explored the influence of maturity
status, body dimensions and performance score on developmental assets between-player variation.

RESULTADOS
As expected, variation between players was substantial for all variables. Hence, we explored age group aggregation
initially as it represents the ecological context of players training and competition. There was no substantial

183
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

aggregation by age group for the DAP indicators. Also considering variation accounted to maturity status within each
age group, no variation on DAP was, except for “boundaries and expectations”. When considering the influence of
body dimensions and performance score on DAP scores, no substantial influence was found. This implies that
developmental assets vary between players regardless of their size or performance level.

This study examined whether athletes’ characteristics could influence in developmental assets profile. In basketball,
such as other sports, positive youth development has been considered as a main consequence of youth sports programs
participation. Knowing how athletes’ personal development and perceptions about their sport experience may help
coaches and practitioners to make decisions during their practices intervention. Noteworthy, we considered basketball
players engaged in a formal structured training program from Mauá city (São Paulo – Brazil) and participated in the
state level championship of São Paulo – Brazil yearly grouped from under-12 to under-17 categories, that were in
vulnerable social conditions.

Overall, the results showed that DAP variability between players was not substantially related with chronological age.
These results are consistent with observations with young athletes from other team sports. A small influence of
maturity status for boundaries and expectations. However, caution is warranted when interpreting the maturity offset
estimates, as the protocol may be insensitive. Body size, which is valued by coaches when selecting in youth
basketball, did not influence in developmental assets. For functional capacities, we considered the general
performance score, and also did not show substantial influence. These results allow us to infer that playing advantages
in youth basketball, whether by size or physiological performance advantages, do not influence directly in personal
development. Players´ perceptions and development profile may be more related other external factors than biological
determinants. These likely include time of experience in sports, training context, socioeconomic context and
relationship with coaches, parents and peers.

CONCLUSÃO
Our results are consistent with the argument to also consider the importance to consider learning environment and
context in youth sports program, rather than only individual differences, in order to support a positive youth
development through sports training.

Years of experience in structured training could influence in athletes´ participation or dropping-out from
practices. Also, coaches likely influence directly in behavioral aspects in athletes. These two external factors may be
related to athletes’ development profile besides socioeconomic differences and it is desirable to be considered in
further studies.

REFERÊNCIAS
Carvalho, H. M., Goncalves, C. E., Collins, D., & Paes, R. R. (2018). Growth, functional capacities and motivation
for achievement and competitiveness in youth basketball: an interdisciplinary approach. J Sports Sci, 36(7), 742-748.
doi: 10.1080/02640414.2017.1340654

Holt, N. L., McHugh, T.-L. F., Tink, L. N., Kingsley, B. C., Coppola, A. M., Neely, K. C., & McDonald, R. (2013).
Developing sport-based after-school programmes using a participatory action research approach. Qualitative Research
in Sport, Exercise and Health, 5(3), 332-355. doi: 10.1080/2159676x.2013.809377

Strachan, L., Côté, J., & Deakin, J. (2009). An Evaluation of Personal and Contextual Factors in Competitive Youth
Sport. Journal of Applied Sport Psychology, 21(3), 340-355. doi: 10.1080/10413200903018667

184
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

O EFEITO DA IDADE RELATIVA EM INDIVÍDUOS NORMOESTATURAIS E DE


ELEVADA ESTATURA NO BASQUETEBOL DE BASE DO BRASIL
Pedro Henrique Ferreira Lobão1; Francisco Zacaron Werneck2; Helder Zimmermann de Oliveira3; Jeferson Macedo
Vianna1; Dilson Borges Ribeiro Junior1
Autor para correspondência: lobaoph@gmail.com
1
FAEFID - Universidade Federal de Juiz de Fora; 2CEDUFOP - Universidade Federal de Ouro Preto; 3Faculdade de
Desporto - Universidade do Porto

PALAVRAS-CHAVE:Elevada estatura; Idade Relativa; Jovens Atletas

INTRODUÇÃO
A idade relativa consiste na diferença entre a idade cronológica de atletas na mesma categoria etária. Quando existe
uma maior presença de atletas nascidos nos primeiros meses em comparação aos últimos meses do ano de seleção,
observa-se um fenômeno denominado efeito da idade relativa (EIR). O EIR é encontrado principalmente em
modalidades em que a força, o tamanho corporal e a potência são fatores determinantes para o sucesso
competitivo (Delorme & Raspaud, 2009). Em geral, o EIR está associado a uma maturação biológica mais adiantada
em relação aos seus pares de nascimento mais tardio. Isso tem implicações no processo de seleção e formação de
atletas, de modo que jovens mais altos, mais fortes e mais habilidosos, tenham vantagens relacionadas a oportunidades
de prática e desenvolvimento (Penna, Ferreira, Costa, Santos, & Moraes, 2012). Paralelamente a isso, alguns estudos
demonstraram o EIR em jovens basquetebolistas brasileiros (Oliveira, Ribeiro Júnior, Vianna, & Werneck, 2017;
Oliveira, Ribeiro Júnior, Werneck, & Tavares, 2017; Werneck et al., 2016). No basquetebol, existe uma tendência por
privilegiar a seleção de jovens atletas de maior estatura, uma vez que esta característica é determinante para o
desempenho na modalidade.Porém, nesse contexto não existe estudos que associem o EIR com a estatura dos atletas.
Assim, essa pesquisa teve como objetivo, investigar o EIR em atletas normoestaturais e de elevada estatura em
diferentes categorias do basquetebol masculino do Brasil.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra consistiu de 1015 atletas de basquetebol do sexo masculino participantes dos Campeonatos Brasileiro de
Clubes, organizados pela Confederação Brasileira de Basquetebol (CBB) e o Comitê Brasileiro de Clubes (CBC), nas
categorias Sub12 (n=139), Sub13 (n=207), sub14 (n=286), sub16 (n=287) e sub18 (n=98) realizados no ano de 2017.
Os clubes participantes são clubes filiados ao CBC e representam todas as regiões do país. As informações dos atletas
(data de nascimento, estatura (E) e massa corporal (MC) foram fornecidas pelo departamento técnico da CBB. Todos
os dados foram informados pelos representantes das equipes. Para analisar os dados, o mês de nascimento de cada
jogador foi categorizado em quartis, sendo o 1°quartil (Q1) composto pelos atletas nascidos entre 1º de janeiro e 30 de
março; o 2ºquartil (Q2), pelos atletas nascidos entre 1º de abril e 31 de junho; o 3º quartil (Q3), pelos atletas nascidos
entre 1º de julho e 30 de setembro; e o 4ºquartil (Q4), pelos atletas nascidos entre 1º de outubro e 31 dezembro. Os
dados da população de referência foram obtidos do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC), extraído
do DATASUS (http://datasus.saude.gov.br/). Para análise e classificação dos atletas em normoestatura e elevada
estatura, foram utilizados os critérios de classificação do Center for Disease Control and Prevention(CDC) dos EUA,
sendo considerados indivíduos de elevada estatura aqueles que ultrapassassem o percentil 97. Para investigar o EIR,
utilizou-se o teste Qui-Quadrado (X2).

RESULTADOS
O grupo de atletas avaliado apresentou as seguintes características por categoria e por classificação de estatura: Sub12
normoestatura (Idade (I) = 12,1±0,7; E = 155,5±5,3 e MC= 47,5±7,42), Sub12 Elevada estatura ( I = 12,8±0,6; E =
170,2±7,2 e MC= 60,1±13,2), Sub13 normoestatura (I = 13,2±0,5; E = 162,6±7,7 e MC= 54,9±8,4), Sub13 Elevada
estatura (Idade (I= 13,3±0,5; E = 179,1±7,3 e MC= 70,4±12,1), Sub14 normoestatura (Idade (I = 14,3±0,4; E =
171,3±5,9 e MC= 62,1±9,3), Sub14 Elevada estatura (Idade (I = 14,3±0,4; E = 184,9±5,4 e MC= 74,7±10,4), Sub16
normoestatura (Idade (I = 15,9±0,6; E = 177,9±5,2 e MC= 71,9±7,61), Sub16 Elevada estatura (Idade (I = 15,9±0,6; E
= 192,3±5,6 e MC= 84,2±10,5) e Sub18 normoestatura (Idade (I = 16,3±0,4; E = 180,8±4,9 e MC= 76,1±8,1), Sub18

185
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Elevada estatura (Idade (I = 17,3±0,9; E = 189,9±8,2 e MC= 82,9±10,8). Observa-se um crescimento linear na
estatura e na massa corporal de acordo com a categorias, o que caracteriza bastante o perfil dos atletas participantes.
Para analisar a relação do EIR entre os atletas normoestaturais e os de elevada estatura, foi encontrado EIR nos
sujeitos de elevada estatura na categoria Sub12 (X2=14,31; p=0,00), Sub13 (X2=18,43; p=0,00) e Sub16 (X2=17,45;
p=0,00). Na categoria Sub14 foi encontrado o EIR em ambas as classificações (normoestaturais X2=8,23; p=0,04 e
elevada estatura (X2=12,55; p=0,01). Na categoria sub18 não foi encontrado EIR em ambos os grupos. Em
concordância com os resultados da pesquisa realizada por Delorme e Raspaud (2009),com jovens basquetebolistas
franceses, existe uma relação direta entre o quartil de nascimento e a estatura dos atletas da modalidade, de modo que
os atletas nascidos nos primeiros meses do ano são mais altos do que os nascidos nos últimos meses do ano. O
resultado encontrado corrobora com os achados em jovens futebolistas (Penna et al., 2012), podendo inferir que o EIR
influência na estatura (aspecto maturacional).

CONCLUSÃO
Através dos resultados do presente estudo é possível concluir que existe uma associação entre o EIR e a estatura de
jovens basquetebolistas brasileiros, onde se observa o EIR predominantemente nos atletas de elevada estatura.
Também foi possível verificar que o EIR nos indivíduos de elevada estatura tende a diminuir com o passar dos anos,
não sendo mais observado na categoria sub18. Especula-se que o EIR tenha implicação direta na seleção dos atletas
nas idades menores, sendo necessários estudos de acompanhamento que observem este fenômeno associado a
variáveis de desempenho, maturação biológica, características fisicomotoras e abandono da modalidade, para uma
melhor compreensão destes resultados.

REFERÊNCIAS
Delorme, N., & Raspaud, M. (2009). The relative age effect in young French basketball players: a study on the whole
population.Scandinavian journal of medicine & science in sports, 19(2), 235-242.

Oliveira, H. Z., Ribeiro Júnior, D. B., Vianna, J. M., & Werneck, F. W. (2017). Relative age effect in Brazilian
Basketball Championship: Under 15 players. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano,
17(5), 526-534.

Oliveira, H. Z., Ribeiro Júnior, D. B., Werneck, F. W., & Tavares, F. (2017). Efeito da idade relativa nos jogadores do
campeonato brasileiro de basquete da categoria sub17. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, S1, 99-105.

Penna, E. M., Ferreira, R. M., Costa, V. T., Santos, B. S., & Moraes, L. C. C. A. (2012). Relação entre mês de
nascimento e estatura de atletas do mundial de futebol sub 17. Revista brasileira de cineantropometria e desempenho
humano, 14(5), 571-581.

Werneck, F. Z., Coelho, E. F., Oliveira, H. Z., Ribeiro Júnior, D. B., Almas, S. P., Lima, J. R. P., . . . Figueiredo, A. J.
B. (2016). Relative age effect in olympic basketball athletes. Science & Sports, 31(3), 158-161.

186
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

PERFIL DOS ATLETAS PROFISSIONAIS DE BASQUETEBOL MASCULINO DO


BRASIL NA TRAJETORIA ESPORTIVA INICIAL
Leandro de Melo Beneli1; Larissa Rafaela Galatti2; José Francisco Daniel3; Andressa Mella Pinheiro4; João Paulo
Borin4; Paulo Cesar Montagner4
Autor para correspondência: leandro.beneli@gmail.com
1
Universidade Paulista; 2Faculdade Ciências Aplicadas - UNICAMP; 3PUCCAMPINAS; 4Faculdade de Educação
Física - UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Carreira Esportiva; Atletas Brasil; Talento Esportivo

INTRODUÇÃO
O processo de formação do atleta possui caráter multidimensional influenciado por diferentes fatores. O desafio reside
na complexidade de relacionar variáveis ou determinar o grau de valorização de uma em detrimento da outra para
alcance da expertise esportiva1. Existe uma escassez de estudos que analisaram diferentes variáveis durante a
formação esportiva dos atletas no contexto sul americano. Nesse sentido, características de atletas que alcançaram
determinado nível, podem auxiliar na compreensão da formação esportiva em uma etapa inicial. O objetivo deste
estudo foi identificar o perfil dos atletas profissionais de basquetebol masculino no Brasil na etapa inicial da sua
trajetória esportiva.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram 96 atletas de basquetebol masculino brasileiro com idades 27,7±6,16 anos que disputaram a temporada
2016/2017 da Liga Nacional de Basquete (LNB). Aplicamos um questionário estruturado com 25 perguntas, incluindo
questões de múltipla escolha e perguntas de fato como a idade em que determinado fato ocorreu2. A adaptação do
conteúdo do questionário foi validada com base no método de peritagem com participação de cinco pesquisadores
experts, com mais de 10 anos de experiência em pesquisa deste tipo e mais de 20 anos de experiência no basquetebol.
O questionário foi dividido em três eixos: a) Início da trajetória esportiva (idades de início e o local da prática do
basquetebol, prática de outras modalidades e o local, idades de início e o local da competição no basquetebol,
quantidade e tempo de treinamento, competição em outras modalidades e motivos de evasão de companheiros de
equipe); b) Resultados esportivos (conquistas de campeonatos, remuneração e convocação para seleção brasileira de
base); c) Outros aspectos da trajetória esportiva dos atletas (escolaridade, tipo de escola, mudança de equipe/cidade e
motivo, participação de parente no esporte e grau de apoio familiar). Para análise dos dados utilizamos o teste qui-
quadrado e a estatística descritiva por meio da média, desvio padrão e valores percentuais. O nível de significância de
0,05 foi utilizado nos testes estatísticos. Todas as análises foram realizadas através do programa GraphPad Prism.

RESULTADOS
Início da Trajetória Esportiva

Os atletas começaram a prática do basquetebol aos 11,4±2,9, sendo que 15% praticaram somente dessa modalidade, e
34% praticaram mais de duas modalidades. O clube privado foi o local de início de 46% dos sujeitos. O inicio da
competição para 56% também ocorreu em clubes privados, com idades de 12,5±2,5, e o volume de treinamento foi de
3 sessões por semana, durante 90 minutos, por 10 meses no ano. Para 59% da amostra a dificuldade de conciliar os
estudos, foi o principal motivo para abandono dos colegas de equipe. Estudo de Cunha etal.3 com 102 atletas
masculinos que participaram da temporada 2014/2015 da LNB demonstraram resultados semelhantes, com início dos
atletas brasileiros aos 11,19 anos, porém analisando a idade inicial da prática dos atletas estrangeiros a média foi de
7,56 anos. Os resultados apresentados não corroboram com estudos de atletas de elite que sugerem o envolvimento
esportivo e a prática diversificada já a partir dos seis ou sete anos. Os volumes de treinamento apresentados
corroboram com estudo de Leite, Baker, Sampaio1. Outros estudos demonstram idades posteriores para o inicio da
competição, a partir da comparação entre atletas de elite e near-elite4

187
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Resultados Esportivos Iniciais

Os dados demonstram que 92,7% conquistaram da 1ª, 2ª ou 3ª colocação em torneios oficiais, 93,7% receberam
remuneração, 77,1% foram convocados para seleções estaduais, 47,1% foram convocados para seleção brasileira de
base e 42,7% já foram convocados para a seleção adulta. A primeira conquista de torneio ocorreu com 14,0±2,2 anos,
os atletas receberam seus primeiros benefícios financeiros com 16,0±1,2 anos e foram convocados para seleção
brasileira de base aos 16,1±1,1 anos. Os resultados esportivos foram obtidos em idades semelhantes aos estudos de
Cafruni, Marques, Gaia5 com atletas brasileiros em diversas modalidades. Em relação às convocações Cunha et al.3
demonstraram que 50% dos atletas masculinos pesquisados participaram de alguma seleção nas categorias de base
durante sua carreira.

Outros aspectos da trajetória esportiva dos atletas

Atletas brasileiros de basquetebol apresentam nível médio de escolaridade, 37% estudaram somente em escolas
públicas e ainda 50% estudaram durante algum período em escolas particulares através de bolsa de estudos. Até os 18
anos, 64% dos atletas apontaram que mudaram de cidade para jogar em outras equipes devido a melhor estrutura
oferecida. Ainda 63% dos atletas masculinos não possuíam parentes que participavam do esporte profissional (atleta,
técnico, preparador físico, dirigente, entre outros), e 18% possuíam pai, mãe ou irmã(o) atuando profissionalmente no
esporte. O apoio da família foi um aspecto característico e fundamental para a continuidade no esporte corroborando
com a literatura.

CONCLUSÃO
Os atletas profissionais de basquetebol masculino brasileiros apresentam idades tardias para o início no esporte,
apresentam volume de treinamento adequado de acordo com a literatura, conquistaram resultados já no início da sua
trajetória esportiva, e esse aspecto parece ser determinante para a continuidade no esporte, possuem nível de
escolaridade média, em escolas públicas, tiveram que mudar de cidade para competir em outras equipes, devido a
melhor estrutura oferecida, não possuem parentes no esporte e obtiveram apoio familiar durante a trajetória esportiva
inicial.

APOIO
CAPES

REFERÊNCIAS
Leite N, Baker, J. & Sampaio, J. (2009). Paths to Expertise in Portuguese National Team Players. Journal ofSports
Science and Medicine, 8, 560-566.

Lakatos E M & Marconi M A Fundamentos de metodologia científica. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2016.

Cunha L D; Fraiha A L; Darido S C; Pérez B L & Galatti L R Trajectória de lós jugadores de baloncesto del nuevo
baloncesto Brasil. Cuadernos de Psicología del Deporte v17, n3, p.119-128, 2017.

Jayanthi N, Pinkham C, Dugas L, Patrick B, & Labella C. (2013). Sports specialization in young athletes: Evidence
based recommendations. Sports Health: A Mutli-disciplinary Approach, (5), 251-257.

Cafruni, C.; Marques, A. & Gaya, A. (2006). Análise da carreira desportiva de atletas das regiões sul e sudeste do
Brasil. Estudo dos resultados desportivos nas etapas de formação. Rev Port Cien Desp 6(1) 55–64.

188
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

MODELAGEM DO POTENCIAL ESPORTIVO DE JOVENS BASQUETEBOLISTAS:


UMA ANÁLISE PRELIMINAR
Dilson Borges Ribeiro Junior1; Jeferson Macedo Vianna1; André de Assis Lauria2; Emerson Filipino Coelho;
Francisco Zacaron Werneck3
Autor para correspondência: dilsonborges@hotmail.com
1
Universidade Federal de Juiz de Fora - FAEFID; 2Colégio Militar de Juiz de Fora ; 3Universidade Federal de Ouro
Preto - CEDUFOP

PALAVRAS-CHAVE:Talento esportivo ; Basquetebol ; Modelagem

INTRODUÇÃO
A modelagem estatística aplicada ao esporte tem sido um importante campo de investigação científica com a
finalidade de identificar potenciais talentos esportivos (Papi?, Rogulj & Pleština, 2009). A avaliação dos indicadores
de desempenho, por meio de baterias de testes, constitui um dos pilares para a descoberta de novos talentos (Issurin,
2017). No basquetebol, o tamanho corporal e a aptidão física, por exemplo, podem contribuir para os processos de
seleção de jovens atletas (Hoare, 2000), mas a capacidade preditiva destes indicadores isoladamente é baixa. O
entendimento atual é de que aavaliação do potencial esportivo de jovens basquetebolistas deve utilizar uma
abordagem multidimensional e dinâmica (Carvalho et al., 2017), mensurando os diversos determinantes do
desempenho, ponderando adequadamente a maturação biológica e a experiência esportiva, de modo sistemático e ao
longo do tempo. Além disso, é preciso que a informação objetiva mensurada pelos testes seja conjugada com
a percepção subjetiva dos treinadores acerca do potencial esportivo de seus atletas. Considerando a carência de um
modelo de identificação de talentos esportivos no basquetebol brasileiro, os objetivos deste estudo preliminar foram:
1) Avaliar o potencial esportivo de jovens basquetebolistas, adotando uma abordagem multidimensional; 2) Identificar
variáveis que discriminam o potencial esportivo avaliado pelos treinadores; 3) Verificar a relação entre a classificação
do perfil multidimensional dos atletas e a classificação do potencial esportivo feita pelos treinadores.

MATERIAIS E MÉTODOS
Participaram do estudo 62 jovens basquetebolistas brasileiros do sexo masculino, com 15,6±1,1 anos de idade, das
categorias sub15 (n=24) e sub17 (n=38), com ao menos 12 meses de prática sistemática em clubes da cidade de Juiz
de Fora, Minas Gerais, inseridos em competições de nível regional e estadual. O estudo foi aprovado por comitê de
ética em pesquisa (CAAE:32959814.4.1001.5150) e todos os participantes e seus responsáveis deram o
consentimento. Foi aplicada uma bateria de testes para avaliação dos indicadores de desempenho: 1)Antropométricos:
massa corporal, estatura, altura sentado, comprimento de membros inferiores, envergadura e dobras cutâneas;
2)Fisicomotores: velocidade 10m e 20m, força de preensão manual e arremesso de medicine ball, CMJ, Line Drill
Teste sentar-e-alcançar; 3)Psicológicos: habilidades de coping (ACSI28-BR), motivação tarefa-ego (TEOSQ),
orientação esportiva (SOQ) e competência percebida (percepção do atleta em relação ao seu desempenho atual e
comparado aos outros); 4)Habilidades: drible e habilidades táticas (TACSIS, traduzido e validado por Ribeiro Junior e
colaboradores (2014); 5)Socioambientais: apoio familiar e tempo de prática;6)Maturacionais: percentual alcançado da
estatura adulta prevista (%EAP), método Khamis e Roche (1994), eidade prevista do pico de velocidade de
crescimento em estatura (PVC), calculada pelo maturity offset, através do método de Mirwald e colaboradores (2002).
O treinador classificou a expectativa de sucesso que deposita nos atletas, sendo: 1=Fraco; 2=Razoável; 3=Bom;
4=Muito Bom; 5=Excelente. Os dados foram descritos como média ± desvio-padrão. Foi realizada a análise de cluster
pelo método não hierárquico K-médias, classificando em 3 grupos: alto potencial, mediano e baixo potencial.
Utilizou-se o teste t de Student na comparação entre os atletas avaliados pelo treinador como Excelente e os demais e
o teste Qui-Quadrado para testar a relação entre as classificações do potencial esportivo, adotando significância
estatística de 5%.

RESULTADOS
Para a classificação dos grupos a partir da análise de cluster, levou-se em conta que o melhor era aquele que
apresentava os melhores resultados nos indicadores de desempenho, sendo classificados 7 atletas com baixo potencial,

189
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

27 medianos e 16 com alto potencial esportivo. Com base no centróide dos grupos e análise de variância, observou-se
que no grupo de alto potencial, os atletas eram mais velhos cronologicamente, com maior %EAP e maior estatura
adulta prevista, orientação esportiva competitiva e determinada, maior tamanho corporal, menor somatório de dobras
cutâneas e maior desempenho fisicomotor. Não foram observadas diferenças entre os grupos no tempo de prática e
apoio familiar, competência percebida, estágio maturacional, habilidades técnicas e táticas e nas demais variáveis
psicológicas. Já os treinadores classificaram 19 atletas como baixo potencial (fraco e razoável), 20 medianos (bom e
muito bom) e 8 com alto potencial (excelente). Na comparação com os demais atletas, os basquetebolistas de alto
potencial (n=8) apresentaram maior estatura (183,2±9,8vs.175,8±9,2cm; p=0,04), maior
envergadura(190,6±12,2 vs.179,4±10,7cm; p=0,01), maior comprimento de membros inferiores
(91,0±5,4 vs.85,1±5,2cm; p=0,005), maior estatura adulta prevista (187,1±7,2 vs.180,2±7,4cm; p=0,02) e maior escore
Z do %EAP (1,14±0,31 vs.0,75±0,45; p=0,02).Além disso, foi observada associação estatisticamente significante
entre a classificação feita pelos treinadores e o estágio maturacional dos atletas (X2=4,933; p=0,04), onde 35,7% dos
atletas avançados maturacionalmente foram classificados como alto potencial esportivo em comparação com 9,1%
entre os normomaturos. Não houve relação entre a classificação feita pelos treinadores e a do perfil multidimensional
(X2=0,952; p=0,91). A concordância percentual geral foi de 39%. Uma possível explicação para este resultado é que
os testes medem o fenótipo presente (desempenho atual) enquanto que os treinadores tentam de alguma forma estimar
o fenótipo futuro (potencial de sucesso). O pequeno tamanho amostral configura a principal limitação deste estudo,
exigindo cautela na interpretação dos resultados. Outras técnicas estatísticas multivariadas e análises separadas por
categoria etária devem ser exploradas, para uma melhor compreensão do potencial esportivo dos jovens atletas.

CONCLUSÃO
Conclui-se que a abordagem multidimensional mostrou-se útil para a avaliação do potencial esportivo de jovens
basquetebolistas, sendo necessária a mensuração dos diferentes indicadores de sucesso na modalidade, por meio de
bateria de testes, conjugada com a opinião dos treinadores em relação ao potencial de seus atletas. Os treinadores
devem evitar julgamentos precipitados na avaliação de seus atletas, especialmente porque tendem a dar mais valor aos
atletas de maior tamanho corporal e biologicamente mais avançados. Por fim, cabe avaliar a dinâmica do potencial
esportivo, ou seja, como evolui ao longo do processo de treinamento.

APOIO
Gostaríamos de agradecer a Universidade Federal de Juiz de Fora, ao Colégio Militar de Juiz de Fora e a Universidade
Federal de Ouro Preto.

REFERÊNCIAS
Papi, V.; Rogulj N.; Pleština V. (2009). Identification of sport talents using a web-oriented expert system with a fuzzy
module. Expert Systems Applications, 36(5):8830-8838.

Hoare D.G. (2000). Predicting success in junior elite basketball players - the contribution of anthropometric and
physiological attributes. Journal of Science and Medicine in Sport, 3(4):391-405.

Carvalho H.M.; Gonçalves C.E.; Collins D.; Paes R.R. (2017). Growth, functional capacities and motivation for
achievement and competitiveness in youth basketball: an interdisciplinary approach. Journal of Sports Sciences.
https://doi.org/10.1080/02640414.2017.1340654

Issurin V. B. (2017). Evidence-based prerequisites and precursors of athletic talent: a review. Sports Medicine,
47(10):1993-2010.

Ribeiro Junior D.B., Elferink Genser M.T, Valente Dos Anjos J., Figueiredo A.J., Furtado G.E, Coelho E Silva M.J.
(2014). Tactical skills inventory for sports in youth basketball: Portuguese version and extraction of the 4-factors
structure. 19º Annual Congress of European College of Sports Science. 438.

190
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

INFLUENCE OF AGE AND MATURATION ON PERCEIVED COLLECTIVE EFFICACY


IN YOUTH BASKETBALL PLAYERS
William N. Salles1; André L. A. Soares1; Carlos E. Palheta1; Felipe G. Mendes1; Luisa Kós1; Juarez V. Nascimento1;
Carine Collet1; Humberto M. Carvalho1
Autor para correspondência: williamdnsalles@gmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

PALAVRAS-CHAVE:Youth athletes; Basketball; Maturation

INTRODUÇÃO
Growth and maturation impact the development of young athletes’ physique, function, and behavior. Growth-related
changes are commonly considered when interpreting functional performance. It is likely that psychological and
behavioral characteristics will also be impacted by maturity status. However, information about the influence of
maturation on behavioral characteristics among adolescent athletes is limited. For instance, even if some young
players have certain physical or anthropometric qualities that place them at an early stature advantage in basketball,
they must also have the desire and motivation to train at high levels (Carvalho, Gonçalves, Collins, & Paes, 2018). In
particular, perceived collective efficacy reflects a group’s shared belief in its capacity to organize and execute some
actions to achieve the goals (Bandura, 1997). In team sports, such as basketball, the cohesion of actions that lead to
high performance and success are influenced by individual factors (Short, Sullivan, & Feltz, 2005). The Collective
Efficacy Questionnaire for Sports (Short et al., 2005) was developed and validated to examine the perception of
collective efficacy levels. The questionnaire considers specifically the dimensions of ability, effort, persistence,
preparation, and unity. To our knowledge, the available information considering young basketball players’ perceptions
of collective efficacy is scarse. Hence, we examined variation between young basketball players accounting for the
influence of chronological age and biological maturity status.

MATERIAIS E MÉTODOS
The study was approved by the Research Ethics Committee of the University of Campinas. Fifty-seven adolescent
basketball players aged 9.5 to 15.5 years were considered. Participants were informed about the nature of the study,
that participation was voluntary and that they could withdraw from the study at any time. Also, players and their
parents or legal guardians agreed to participate in the study by reading and signing a written consent term. The players
were engaged in a basketball youth training program from a club from S. Paulo (Brazil) metropolitan region and
competed in state level supervised by the S. Paulo State Basketball Federation. Variables analyzed included
chronological age (calculated to the nearest 0.1 year by subtracting birth date from date of testing), estimated age at
peak height velocity (PHV) estimated with the maturity offset protocol (Mirwald, Baxter-Jones, Bailey, & Beunen,
2002) and the Portuguese version of the Collective Efficacy Questionnaire for Sports (Paes, 2014). Players were
grouped by somatic maturity status: pre-PHV (PHV ≤ – 1.00 year; n = 25), circum-PHV (−1.00 < PHV < +1.00 year;
n = 18), and post-PHV (PHV ≥ + 1.00; n = 15). A series of Bayesian multilevel linear regression models were used to
estimate were fitted to explore the players’ perceived collective efficacy dimensions by maturity status, as well as
examining the influence of age.

RESULTADOS
Overall, the adolescent basketball players’ scores of collective efficacy were high for all dimensions: ability, M =
8.77, SD = 1.15; effort, M = 9.20, SD = 1.03; persistence, M = 8.87, SD = 1.18; preparation, M = 8.96, SD = 1.08;
and unity, M = 8.88, SD = 1.22. Variance partition coefficients were consistently higher than 0.05 when considering
nesting by maturity status (range bewteen 0.11 to 0.33). However, the variability estimates were very large,
suggesting that the influence of maturity status may be, at best, residual. Also, there was no substantial relation
between chronological age with the scores of collective efficacy, although the results suggest that perceived collective
efficacy was independent of chronological variation and between players variation in maturity status.

191
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

The collective efficacy scores were high for all dimensions in the present sample. Comparable data is not available, to
our best knowldegde, in adolescent athletes. Considering data with adult athletes, our results showed substantially
higher scores for for the present adolescent basketball players. There is substantial variation in body size and function
among adolescent basketball players, particularly within a youth basketball team (Carvalho et al., 2018). However, in
the present study there was no substantial variation associated to somatic maturity status, even when considering the
within-group variablility in chronological age. Of interest, the results suggest that players had a positive perception of
theirs and team’s efficacy, regardless chronological age and maturity status (and its growth-related characteristics,
i.e., size and function).

CONCLUSÃO
Hence, further study examining the relations of growth, functional performance development, and perceived collective
efficacy would be relevant for the holistic understanding of young basketball players’ development. Given that
collective efficacy can increase the teams’ motivational investment in their tasks and the resilience to overcome
impediments (Bandura, 1997), it is important that coaches keep working to increase the overall team’s confidence in
order to develop ability, effort, persistence, preparation, and unity to foster the preparation of confident and winning
basketball teams. At the same time, coaches must accompany how variables such as age and maturational status
interfere in the development of collective efficacy in their teams, in a way that the planned interventions respect the
athletes’ stage of development and contribute to their balanced physical and psychological development.

APOIO
Second author was supported by a grant from the Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
[PNPD/CAPES/2013]. We acknowledge the cooperation of the athletes, coaches, and parents.

REFERÊNCIAS
Bandura, A. (1997). Self-efficacy: the exercise of control. New York: W. H. Freeman and Company.

Carvalho, H. M., Gonçalves, C. E., Collins, D., & Paes, R. R. (2018). Growth, functional capacities and motivation
for achievement and competitiveness in youth basketball: an interdisciplinary approach. Journal of Sports Sciences,
36(7), 742-748. doi:10.1080/02640414.2017.1340654

Mirwald, R. L., Baxter-Jones, A. D. G., Bailey, D. A., & Beunen, G. P. (2002). An assessment of maturity from
anthropometric measurements. Medicine & Science in Sports & Exercise, 34(4), 689-694. doi:10.1097/00005768-
200204000-00020

Paes, M. J. (2014). Validação do Collective Efficacy Questionnaire for Sports (CEQS) para atletas brasileiros.
(Mestrado em Educação Física, Dissertação), Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Short, S. E., Sullivan, P., & Feltz, D. L. (2005). Development and preliminary validation of the Collective Efficacy
Questionnaire for Sports. Measurement in Physical Education and Exercise Science, 9(3), 181-202.
doi:10.1207/s15327841mpee0903_3

192
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

FACTORES DETERMINANTES EN EL DESARROLLO DEL TALENTO EN LOS


JUGADORES EXPERTOS DE BALONCESTO EN CHINA
Jose R. Bonal Sánchez1; Sergio Lorenzo Jimenez Saiz1; Shaoliang Zhang2; Alberto Lorenzo Calvo2
Autor para correspondência: bonal263@hotmail.com
1
Universidad Europea de Madrid; 2Universidad Politecnica de Madrid

PALAVRAS-CHAVE:talent development; china; expertise

INTRODUÇÃO
Con motivo de los Juegos Olímpicos de Beijing 2008, China ha construido un sistema de identificación y desarrollo
de talento en forma piramidal compuesto de cuatro niveles, muy enfocado a la detección del talento, llegando a
reclutar a niños de hasta 6 años para sus centros de entrenamiento (Hong, Wu & Xiong, 2005). La esencia de este
programa y otros similares usados en diversas provincias del país se basa principalmente en el uso de diversas baterías
de test para la detección de los mayores talentos naturales (Liu & Li, 2005; Li, Martindale, Wu & Si, 2017). Salvo
contadas excepciones (Ran, 2007), son escasos los estudios realizados por científicos en China continental sobre el
contexto que rodea al deportista y su camino hasta la élite, Así, el objeto de estudio es analizar cuáles son los factores
influyentes en el desarrollo de la pericia en jugadores profesionales de baloncesto chino.

MATERIAIS E MÉTODOS
El estudio se realizó siguiendo una metodología cualitativa, en la que se utilizó la entrevista semiestructurada como
instrumento de investigación (Patton, 2002). Se analizaron los itinerarios vitales de tres jugadores de élite chinos.

Para lograr una mayor aproximación a los objetivos del estudio se aplicaron diferentes criterios de exclusión e
inclusión del ¨caso típico ideal¨ (Robinson, 2014). Los criterios de inclusión se eligieron en base al estudio
recopilatorio que define a los jugadores élite (Swann, Moran y Piggott 2015), según el cual afirma que la muestra para
nuestro estudio cualifica para la denominación ¨world-class élite¨, el más alto en el ranking para la correcta
denominación de deportistas élite.

En cuanto a la estructura y diseño del guion de la entrevista, se estructuró siguiendo la propuesta de García Martín,
Antúnez e Ibañez (2016), en la cual se diferencian 8 dimensiones: Contexto Social, Contexto Deportivo, Factores
Intra-Individuales, Factores Inter-individuales, Capacidad Técnica, Capacidad Táctica, Capacidades Físicas y
Antropometría

RESULTADOS
Tras la codificación se obtuvieron 270 unidades de significado y en base al volumen de unidades de significado
obtenido tras el análisis de las entrevistas, se establece que las dimensiones Contexto Social (90), Contexto Deportivo
(64), Habilidades Intra-Personales (27), Factores Tácticos (35) y Factores Antropométricos (24) fueron las más
importantes para los entrevistados.

Contexto Social

La familia y en especial la influencia de la tradición familiar se presenta como un factor primordial durante la carrera
de los jugadores, así como a la hora de elegir el baloncesto como deporte a practicar y futura dedicación profesional.
Coincidiendo con (Bloom 1985; Côté, 1999; Gulbin et al., 2010). Dentro de esta categoría, se destaca también por
todos los entrevistados la importancia de continuar con los estudios y no abandonar el sistema académico a una
temprana edad, como es habitual en China. No pudiendo aprovechar todos los beneficios cognitivos que aporta el
sistema educativo (Garcia-Naveira y Jerez, 2012).

Contexto Deportivo

193
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

En la categoría de Contexto Deportivo destaca entre los resultados la atención de todos los sujetos hacia la influencia
positiva de los entrenadores. (Fraser-Thomas y Côté, 2009; Miller et al., 2002; Sanchez, Lorenzo, Jimenez y Lorenzo,
2017). Sin embargo, a pesar de resaltar el efecto positivo de los entrenadores en lo personal, todos los sujetos hicieron
referencia a una mala gestión y estructuración del entrenamiento durante su formación.

Habilidades Intra Individuales

En este apartado, se aprecian resultados que hacen referencia a la motivación, tanto de forma positiva (tradición
familiar) como de forma negativa (sobre-entrenamiento).

Factores Tácticos

Del análisis de esta categoría podemos resaltar la mención e importancia que todos los entrevistados atribuyen a jugar
torneos internacionales importantes, y como esto contribuyó en su desarrollo táctico (competiciones tanto a nivel de
clubes como de selecciones internacionales). Este aspecto muestra una cierta relación con otros estudios (Berry,
Abernathy & Côté, 2008; Memmert & Roth, 2007) que hablan de como percibir y actuar en diferentes situaciones del
juego tiene influencias positivas en la mejora de la capacidad táctica

Factores Antropométricos

En esta categoría los entrevistados coinciden en la importancia de la altura, como componente facilitador importante
para llegar a la élite (aunque no imprescindible). Esto concuerda con el modelo multifactorial del talento y el ¨efecto
de la compensación¨ descrito por Simonton (1999).

CONCLUSÃO
1) La ¨tradición familiar¨ (altamente valorada y fuertemente arraigada en la cultura china) es un elemento muy
influyente para el jugador, a la hora de tomar la decisión de jugar al baloncesto como principal motivación.

2) Los jugadores de élite chinos valoran negativamente el abandono de los estudios para la dedicación exclusiva al
baloncesto profesional.

3) En lo referente al contexto deportivo, los participantes percibieron a su entrenador como figura positiva, pero
también una mala estructuración del entrenamiento, principalmente debido al alto volumen de horas de trabajo.

4) Los jugadores de élite chinos consideraron que jugar competiciones internacionales y competir frente a jugadores
foráneos supuso un enriquecimiento de su capacidad táctica, influyendo positivamente en el desarrollo de su talento.

Se deben considerar los factores culturales y su influencia transversal en todas las dimensiones del desarrollo del
talento, pues en el caso del baloncesto en China tienen un peso específico importante.

REFERÊNCIAS
Baker, J., & Horton, S. (2004). A review of primary and secondary influences on sport expertise. High Ability Studies,
15(2), 211-228.

Baker, J., Horton, S., Robertson-Wilson, J., & Wall, M. (2003). Nurturing sport expertise: Factors influencing the
development of elite athlete. Journal of Sports Science & Medicine, 2(1), 1-9

Stambulova, N. B., & Alfermann, D. (2009). Putting culture into context: Cultural and cross ?cultural perspectives in
career development and transition research and practice. International Journal of Sport and Exercise Psychology,
7(3), 292-308.

Navarro, R., Saiz, S., Calvo, J., Lorenzo Calvo, A., & Ruano, M. (2017). Qualitative analysis of critical moments in
basketball, the viewpoint of the player. Revista de Psicología del Deporte, 26, 109-112

Swann, C., Moran, A., & Piggott, D. (2015). Defining elite athletes: Issues in the studyof expert performance in sport
psychology. Psychology of Sport and Exercise, 16, 3-14.

194
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

INFLUÊNCIA DA CIDADE NATAL DOS ATLETAS E SEDES DE EQUIPES DO NOVO


BASQUETE BRASIL SOBRE AS OPORTUNIDADES DE ASCENSÃO AO ALTO
RENDIMENTO

Murilo dos Reis Morbi1; Weslley Mateus Malachias1; Larissa Rafaela Galatti2; Renato Francisco Rodrigues Marques1
Autor para correspondência: murilo.morbi@usp.br
1
Universidade de São Paulo - USP; 2Universidade de Campinas - UNICAMP

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Local de Nascimento; alto rendimento

INTRODUÇÃO
Processos de participação e aprendizagem esportiva de crianças e jovens são multifatoriais, sofrendo influência de
aspectos físicos, maturacionais, socioambientais e efeitos psicossociais. Tais componentes estruturam as ofertas de
oportunidades de acesso e engajamento de praticantes no esporte (Morbi & Marques, 2017). Como exemplo, o efeito
do local de nascimento (ELN) sugere a interferência de aspectos socioeconômicos e socioculturais da cidade natal do
praticante sobre as formas de participação esportiva (Côté et al., 2006). Há uma maior frequência de nascimentos de
atletas brasileiros de basquetebol masculino de elite em cidades médias (20 a 500 mil habitantes), com índice de
desenvolvimento humano (IDH) médios (entre 0,501 e 0,800) (Morbi e Marques, 2017).

Com o desenvolvimento do basquetebol brasileiro e a crescente preocupação sobre processos de desenvolvimento de


atletas (Benelli, 2018), uma questão relevante e carente de investigações é: Quais são as regiões do Brasil que
oferecem melhores oportunidades de acesso ao alto rendimento no basquetebol masculino?” Este estudo objetivou
analisar a distribuição dos locais de nascimento e de atuação dos atletas do Novo Basquete Brasil (NBB) (principal
liga de basquetebol no Brasil). Especificamente, objetivou-se: analisar a incidência de nascimentos de atletas do NBB
entre as regiões e estados do país; identificar e comparar as sedes das equipes com o local de nascimento dos atletas.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra integrou 144 atletas brasileiros, homens, que disputaram o NBB na temporada 2014-2015. Os dados de
local de nascimento de cada jogador foram coletados no site oficial da Liga Nacional de Basquete (http://lnb.com.br).
Os dados relativos à concentração populacional das regiões e estados brasileiros foram obtidos no “Atlas do
Desenvolvimento Humano no Brasil” (Brasil, 2016), ambos relativos a um período próximo à época de suas infâncias
(Censo do IBGE de 1991). A análise foi baseada na comparação da distribuição dos nascimentos dos atletas com a
distribuição populacional brasileira em relação a regiões e estados. Foi utilizada estatística descritiva e o teste Qui-
quadrado para análise de comparação de frequências entre os dados dos atletas e da população das regiões. Assumiu-
se como referência de significância α<0,05.

RESULTADOS
O NBB possui atletas nascidos nas 5 regiões - Sudeste (n=110); Sul (n=21); Centro-oeste (n=8); Nordeste (n=4);
Norte (n=1) - e 16 estados - São Paulo (n=77); Rio de Janeiro (n=17); Minas Gerais e Rio Grande do Sul (n=15 cada);
Distrito Federal (n=5); Santa Catarina (n=4); Paraná e Bahia (n=2 cada); Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso,
Mato Grosso do Sul, Paraíba e Rondônia (n=1 cada). As equipes localizam-se em 6 estados: São Paulo (n=9); Minas
Gerais e Rio de Janeiro (n=2 cada) Rio Grande do Sul, Ceará e Distrito Federal (n=1 cada).

Foram feitas comparações entre os índices de nascimentos de atletas e a população de crianças e jovens nas diferentes
regiões e estados do Brasil. Destaca-se diferença estaticamente significativa em 3 regiões (p<0,001) – Norte (n=1,
0,69%) e Nordeste (n=4, 2,77%) com as menores incidências, e Sudeste (n=110, 76,38%), com maior incidência de
nascimentos. Em relação aos estados, somente Bahia (n=2, 1,38%) e São Paulo (n=77, 53,47%), este último com
maior incidência de nascimentos, apresentaram diferença estatisticamente significativa (p<0,001).

195
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

São Paulo (SP) foi o estado que apresentou maiores índices de nascimento de atletas, sugerindo melhores condições
socioambientais e maiores possibilidades de ascensão dos atletas à elite do basquetebol brasileiro. Apresentou
prevalência de equipes participantes do NBB, sendo 9 em um total de 16 (56,25%). Em nível regional, 13 equipes
(81,25%) eram sediadas no Sudeste, 1 sediada no Nordeste, 1 na região Sul e 1 no Centro-oeste (6,25% cada). Tais
achados corroboram a literatura sobre ELN e local de iniciação dos atletas do NBB, que sugerem o desenvolvimento
deste esporte principalmente na região sudeste, especificamente em SP (Cunha et al., 2017; Benelli, 2018).

Os atletas do NBB da temporada 2014-2015 (Cunha et al., 2017) e 2016-2017 (Benelli, 2018) iniciaram, em sua
maioria, a prática em SP. Tais dados complementam os achados da presente pesquisa, reforçando que as
oportunidades de prática em SP parecem ser favoráveis para a ascensão ao alto rendimento do basquetebol brasileiro.
Isso pode estar relacionado ao fato de reunir cidades com IDH maior comparada a outras regiões do Brasil (Morbi e
Marques, 2017), além de maior concentração de equipes de alto rendimento.

Locais com estruturas distintas possibilitam diferentes formas de interações sociais e vivências que podem ser
determinantes sobre a participação esportiva (Côté et al., 2006). Logo, aspectos socioambientais devem ser
considerados por políticas de organização e desenvolvimento do basquetebol masculino no Brasil, de modo a
propiciar oportunidades mais amplas e bem estruturadas aos praticantes de diferentes regiões do país.

CONCLUSÃO
A maior parte dos atletas do NBB nasceu em SP e a maioria das equipes do campeonato era sediada, na temporada
2014-2015, neste mesmo estado. Este ambiente parece reunir condições socioambientais mais favoráveis à ascensão à
elite do basquetebol brasileiro, que podem estar relacionadas a melhores condições socioeconômicas (IDH) e
socioculturais (maior oferta de prática e consumo de basquetebol) em relação a outros estados.

APOIO
Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto / USP-RP

REFERÊNCIAS
Brasil. (2016). Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2013/.

Beneli, L. M. 2018. Trajetória esportiva de atletas de alto rendimento no basquetebol masculino e feminino no
Brasil: estudo retrospectivo. Tese (Doutorado em Educação Física). Faculdade de Educação Física. Universidade
Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Côté, J et al. (2006). When “where” is more important than “when”: Birthplace and birthdate effects on the
achievement of sporting expertise. Journal of sports sciences, 24(10), 1065-1073.

Cunha, L et al. (2017). Career of basketball players in the new basketball of Brazil. Cuadernos de Psicología del
Deporte, 17(3), 119-127.

Morbi, M. R., Marques, R. R. F. (2017). Análise do local de nascimento como fator de influência na ascensão de
atletas ao basquetebol masculino brasileiro. Anais do 6°Congresso Internacional de Jogos Desportivos, Porto,
Portugal, 30.

196
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

WOMEN BASKETBALL: SPORT CAREER DEVELOPMENT OF WORLD CHAMPIONS


AND OLYMPIC MEDALISTS BRAZILIAN ATHLETES
Larissa Rafaela Galatti1,2; Renato Francisco Marques3; Carlos Eduardo Barros Gonçalves4; Antonio Seoane Montero5;
Roberto Rodrigues Paes2
Autor para correspondência: larissa.galatti@fca.unicamp.br
1
Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas, Brasil; 2Faculdade de Educação Física da
Universidade Estadual de Campinas, Brasil; 3Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo,
Brasil; 4Universidade de Coimbra, Portugal; 5Universidade da Coruña, Espanha

PALAVRAS-CHAVE:Sport Career Transition; Talent Development; Sport Excellence

INTRODUÇÃO
There is a gap in studies of higher level athlete’s careers, especially with world champions and Olympic medalists.
Research on (women) elite South American athletes is particularly lacking (Beneli, Galatti & Montagner, 2017). In
1994, surprising Brazil and worldwide, the women national Basketball team has won the world championship and
nine of those athletes won Olympic medals (1996 and/or 2000). Interestingly, it has never happened before or after in
Brazil, within decreasing results in the last two decades (Galatti, Paes, Gonçalves, Machado & Montero, 2015). In the
pathway for sporting excellence, several non-linear and dynamic factors play important roles. Considering that, in the
last decades, ecological approaches have considered temporality of change and integration of multiple levels of
organizational systems, focusing on the integration of the developing person in Athlete´s. Côté, Turnnidge and Evans
(2014) proposed the Personal Assets Framework (PAF) to describe personal, relational and environmental factors
integration over time to describe development in sport and through sport. PAF considers three dynamic elements that
combine though time, nurturing the assets that foster individual development in sport in different levels, including
high performance sport: (1) personal factors, (2) relational factors and (3) environmental factors. We assume those
three elements and PAF as the framework to analyses and understand the Excellence basketball women player’s
generation pathway in Brazil. From this, this study aimed to identify, in Brazilian women basketball World champions
and Olympic medalists, individual´s multiple factors (i.e. personal, relational and environmental) that conducted them
in their pathway to excellence.

MATERIAIS E MÉTODOS
This is an empirical research on excellence athletic performance, with qualitative analyses, which analyzed the
personal histories of athletes using interviews. Two mandatory performance criteria with Brazilian National Team
guided the selection of participants: (i) being a FIBA World Champion and (ii) having one Olympic Medal. 9
Brazilians were in this level and 7 of them accepted to be part of this investigation. We conducted a semi-structured
retrospective interview guide based on the following themes: (a) childhood; (b) school and initiation into sport; (c)
sport specialization and professionalization in clubs; (d) experience with the Brazilian national team; (e) facilities and
training structure; (f) relationships (coaches, teammates, family). All interviews were conducted individually,
recorded in audio and video and transcribed verbatim for analysis. Interviews lasted 88.28 minutes on average, in a
total of 618 minutes, resulting on 166 pages (Times New Roman 12, simple space). For data analysis, we conducted a
theoretical thematic analysis (Braun & Clarke, 2006), when the analysis has a more explicitly analyst-driven, looking
for a detailed analysis of a more specific issue of the data (in this case, personal, relational and environmental factors
throw athletes ‘carrier). The data was organized to show patterns in semantic content and advanced to interpretation,
where it was theorized in its broader meanings and implications in relation to previous literature. All interviewees
provided written informed consent, and the study was approved by the Ethics Committee of the School of Medical
Sciences of the University.

RESULTADOS
Literature usually offer three or four different carrier stages. From interview data, we organized Brazilian Excellence
Basketball players career in four stages: (i) “Introduction to sport”: characterized by diversified and highly funny sport
experiences; we included here the first formal experiences with sport, and competition in other sports than basketball;

197
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

(ii) “Becoming a basketball player”: it was the transition from sampling to specialized experiences, with prevalence of
deliberate practice just in basketball and expectations for good sportive results; in this study, this stage was shorter
than in studies conducted in other contexts; (iii) “Feeling themselves as elite athlete”: when they access high level of
basketball performance, with increasing in training requirement; (iv) “Being excellent”: it is the stage that just few
athletes are able to achieve, being and maintaining in excellence level (Baker et. al, 2015). From this, our results show
that the Brazilian Excellence Basketball athletes had a physically active childhood, with high level of deliberate play,
especially in open access public spaces. The access to structured sport was more difficult and dependent from tax free
activities promoted by local government, which was facilitated in smaller cities and influenced by relatives. From
multiple sport practice to becoming a basketball player, it was decisive the financial support from clubs, government
or even coaches; still young, some had to move from their cities and went to important basketball clubs, were was
highlighted the predominance of traditional pedagogy and a sense of belonging to a group. The feeling of being an
athlete is related to sponsorship and being part of the national team, training with older athletes, contact with their
idols, training in technical skills and the recognition that their sporting careers were important and worthwhile. The
excellence level was achieved between 8 and 21 years of career and is associated with a deep desire of being part of
sport history; this phase was characterized by a high level of dedication, large volume of training hours, commitment
to the group of athletes and coaching staff, and as a result of previous positive and negative experiences.

CONCLUSÃO
We suggest that diversified practice was essential for players\' development during the early years of their sport
careers, as well as financial support during the specializing years. During the investment and maintenance years,
intrapersonal skills have become more important, training charge has increased and there was a disregard with social
living; historically significant achievements and financial recognition provided a sense of reward and worth. It is
evidenced that the path to excellence in women\'s basketball has given rise to multiple factors, which have been
changing over time. Such results can help supporting the career management of young and senior athletes, as well as
in proposing policies for talent´s development in Brazil.

REFERÊNCIAS
Baker, J., & Farrow, D. (2015). Routledge handbook of sport expertise. Routledge.

Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-
101.

Galatti, L. R., Paes, R. R., Machado, G. V., Gonçalves, C. B., & Seoane, A. M. (2015). Determinantes de excelência
no basquetebol feminino: as conquistas da seleção Brasileira na perspectiva das atletas. Journal of Physical
Education, 26(4), 621-632..

Beneli, L., Galatti, L. R., & Montagner, P. C. (2017). Analysis of social-sportive characteristics of Brazil women’s
national basketball team players. Revista de psicología del deporte, 26(1), 133-137.

Côté, J., Turnnidge, J., & Evans, M. B. (2014). The Dinamic Process of Development Through Sport. Kinesiologia
Slovenica, 20(3), 14.

198
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

POWER AND AGILITY TESTING WITHIN THE NBA PRE-DRAFT COMBINE


Fabrício João Milan1; André Luiz de Almeida Soares1; Ricardo Teixeira Quinaud1; Luisa Duarte Eschholz Kós1;
Felipe Goedert Mendes1; Humberto Moreira Carvalho1
Autor para correspondência: fabricio.milan@posgrad.ufsc.br
1
Universidade Federal de Santa Catarina

PALAVRAS-CHAVE:Testing performance; NBA; Basketball

INTRODUÇÃO
Agility is considered a prerequisite for basketball given the multiple changes of direction within the game actions. Its
relevance to performance is recognized at the highest level of competition in the sport, as the use of several agility
tests have been used during the pre-draft assessment of the National Basketball Association (NBA). NBA has been
using a test battery including agility and power testing athletes invited for the pre-draft combine since 2010.
Apparently there may be an overlap of testing procedures that may be redundant. Therefore, we examined the
associations between pre-draft athletes´ performance scores in NBA draft combine testing protocol.

MATERIAIS E MÉTODOS
The performance of 480 athletes invited pre-draft assessment of the NBA from 2010 to 2017 was considered in this
study. Players were aged between 17.8 to 28.0 years (21.5 ± 1.46 years). Data is available at the official NBA’s Draft
Combine website (https://stats.nba.com/draft/combine/). The NBA’s Draft Combine testing battery is composed by:
(i) lane agility drill, which is based on a regular three second area within the NBA court, the athlete sprints forward
for 5.8m, then proceed with defensive shuffle movement across the free-throw line, followed by a backpedaling until
the baseline (5.8m) and defensive shuffle to the starting point. To complete the test players perform completed by the
inverse path; (ii) shuttle run, this is a test of speed, body control and the ability to change direction (agility), as well as
reaction time that uses the marking of the standard NBA basketball court (9,76m). The player starts by straddling the
middle line. When indicated by the measuring system, the player runs either to the right or left direction, and places
his foot on or over the sideline of the key. He then runs 16 yards back to the opposite line, then finally turns and
finishes by running back through the start/finish line. The score is the best time of three trials; (iii) sprint test, the aim
of this test is to determine running speed over 3/4 court distance (75 feet, 22.86 meters), using marked basketball court
with 4 cones, the athlete performs a maximum sprint in 3/4 of a basketball from the baseline until the final line
marking; (iv) jump tests (standing vertical leap), is a countermovement jump executed from a stationary position with
arm swing to propel the body upwards generating additional propulsion. The athlete stands away from the instrument,
and leaps vertically as high as possible using both arms and legs to assist in projecting the body upwards. Statistical
analysis correlated performance in each functional capacity tests. Zero order correlations were calculated to examine
the relation between tests. Correlations were considered as trivial (r < 0.1), small (0.1 < r < 0.3), moderate (0.3 < r <
0.5), large (0.5 < r < 0.7), very large (0.7 < r < 0.9), and nearly perfect (r < 0.9) (Hopkins, WG. A scale of magnitudes
for effect statistics, 2002. http://www.sportsci.org/resource/stats/index.html).

RESULTADOS
Correlation between two used jump tests was very large, thus we considered the score of the standing vertical leap to
describe jump performance in the analysis. Among running testing, the association between Shuttle Run Test and Lane
Agility Test was .45 (.34 to .56). Correlation between Sprint Test and Lane Agility Test was .45 (.37 to .54), and
between Sprint Test and Shuttle Run Test was .27 (.16 to .38). Correlation between Jump Test and speed tests ranged
from -.51 to -.19 [Lane Agility Test = -.33 (-.42 to -.24); Shuttle Run = -.19 (-.31 to -.07); Sprint = -.51 (-.59 to -.43)].
Correlations between tests were moderate or large correlation. Testing players and trying to predict potential careers
of success is an investment for the league and its teams to make decisions about hiring, dismissing or trading players
to achieve higher levels of success during the competition. Basketball demands require intermittent maximal efforts,
including sprints, change of directions or jumps. Players need combination of high levels of strength, velocity and
power. Thus, assessment of player performance needs to consider these performance characteristics. Overall. the
present data showed a moderate to large correlation between performance in the tests of the NBA Draft Combine,

199
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

suggesting that the tests may measure in part similar basketball specifics performance properties. Likely, sprint,
change of direction and lower body muscle power are determinants of performance in all testing procedures.
However, substantial part of variability remains unexplained. Despite similar basketball specific movements (sprint,
defensive shuffle, jump) in the testing procedures, the tests maintain an independent characteristic that may add
valuable interpretations derived from the NBA Draft Combine Tests.

CONCLUSÃO
Moderate to large correlations between the tests performance of the NBA Draft Combine, indicated that the overall
procedures may provide in part overlapping information about basketball maximal short term performance. Future
research should explore the validity of the NBA Draft Combine.

REFERÊNCIAS
Wen, N., Dalbo, V. J., Burgos, B., Pyne, D. B., & Scanlan, A. T. (2018). Power Testing in Basketball: Current
Practice and Future Recommendations. Journal of strength and conditioning research.

200
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO RESSALTO VERTICAL EM JOGADORES DE


BASQUETEBOL A PARTIR DE DIFERENTES PARÂMETROS
Ytalo Mota Soares1,2; Yasmim Kellen Siqueira Luna1,2; Margarida Deuza Cavalcante1,2
Autor para correspondência: ytalomota@yahoo.com.br
1
Universidade Federal da Paraíba - UFPB; 2Grupo de Estudos em Treinamento e Rendimento Esportivo -
GETRE/UFPB

PALAVRAS-CHAVE:Ressalto vertical; basquetebol; desempenho

INTRODUÇÃO
O treinamento pliométrico (TP) é um método de treinamento utilizado para o desenvolvimento das capacidades físicas
que se expressam em ações motoras executadas em alta velocidade, a exemplo da força explosiva (Vilarreal; Requena
& Cronin, 2012). O TP é muito utilizado no basquetebol por causa das características decisivas do jogo, que utilizam a
capacidade física citada.

Nesse contexto está o Salto em Profundidade (SP), amplamente utilizado como meio de treinamento e como teste para
mensurar o desempenho. O SP é executado a partir de um plano superior (como um caixote), onde o sujeito em pé,
com os joelhos estendidos, o tronco ereto, avança um dos pés, deixa o seu corpo cair em queda livre e, logo após a
queda, minimiza o contato no solo e realiza um ressalto vertical.

O SP utilizado como teste tem como parâmetros de desempenho mais investigados a altura máxima de voo do ressalto
e, recentemente, o índice de força reativa (IFR) que consiste na razão da altura de voo no ressalto pelo tempo de
contato no solo. Um aspecto influenciador do SP é a determinação da altura de queda.

O presente estudo objetiva comparar o desempenho de basquetebolistas no ressalto vertical a partir de três alturas de
queda e de dois parâmetros de desempenho.

MATERIAIS E MÉTODOS
O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Centro de Ciências Médicas da Universidade Federal da
Paraíba, parecer 2.188.167. Amostra: equipe de Basquetebol, João Pessoa-PB-Brasil, 10 homens (idade 19,6 ±2,05
anos, estatura 182,7 ±6,35 centímetros, massa corporal 75,7 ±6,88 quilogramas, tempo de prática 6,2 ±2,03 anos),
experientes em competições regionais e nacionais. A coleta de dados foi realizada em 3 dias não consecutivos (dois
dias na primeira semana) e em duas semanas consecutivas. Nos dois primeiros dias, foram realizadas sessões de
familiarização, que consistiam na explicação e demonstração detalhada do SP e os sujeitos tinham que executar 12
ressaltos com a técnica correta de execução, a partir de uma altura de queda de 40 cm. No terceiro dia, ocorreu o teste
de SP, com o registro dos valores de IFR e altura máxima de voo para cada altura de queda (30,50 e 70 cm). Na
execução do SP os sujeitos foram alertados a iniciarem o salto dando um passo à frente com o pé dominante deixando
o corpo cair, utilizando o terço anterior do pé no contato com o solo, saltando verticalmente o mais alto e rápido
possível, além de manterem as mãos nos quadris (região supra-ilíaca) durante todo o teste e joelhos estendidos durante
a fase de voo do ressalto. Foram realizados três ressaltos para cada uma das três alturas de queda, e registrado o maior
valor de IFR e a maior altura de voo. O valor máximo determinado para o tempo de contato no solo foi 200
millissegundos. Para obtenção das variáveis de estudo foi utilizado o tapete de contato multisprint, Hidrofit®. A
normalidade e homogeneidade dos dados foi testada por meio do teste Shapiro Wilk e Levene, respectivamente. Foi
utilizada a ANOVA de um fator, software SPSS versão 22.0 e nível de significância p ≤ 0,05.

RESULTADOS
Foram encontrados para as diferentes alturas de queda os seguintes valores respectivos de média da altura máxima de
voo e desvio padrão: altura de queda 30 cm (32,4 ±8,96 cm); 50 cm (32, 2 ±8,93 cm); 70 cm (30,9 ±7,26 cm). A
Anova One Way encontrou os seguintes resultados: F= 0,752 e valor de p= 0,481. Dessa forma, não houve diferença
estatística.

201
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Quanto aos valores de IFR para as diferentes alturas de queda, os resultados foram: 30 cm (1,82 ±0,48); 50 cm (1,72
±0,44); 70 cm (1,52 ±0,41), quando as médias de IFR foram comparadas pela Anova One Way foi encontrado o valor
de F= 1,190 e p= 0,320. Dessa forma, não houve diferença com significado estatístico.

Quando observa-se os sujeitos individualmente a partir do maior valor de IFR como parâmetro de desempenho, 4
sujeitos tiveram a altura de queda 30 cm; 5 sujeitos tiveram a altura de queda de 50 cm como a mais adequada e
apenas 1 sujeito atingiu a altura de queda de 70 cm como a melhor.

Quando observa-se os sujeitos individualmente a partir da maior altura de voo do ressalto vertical como parâmetro
escolhido para o melhor desempenho: 3 sujeitos tiveram a altura de queda de 30 cm como a melhor; 7 sujeitos a de 50
cm e nenhum sujeito teve o melhor desempenho na altura de queda de 70 cm.

Os dados individuais encontrados reforçam a importância de se observar mais de um parâmetro para o desempenho
nos ressaltos verticais, como descreve o estudo prévio de Jarvis; Smith & Comfort (2016).

Os achados do presente estudo também apontam diferentes alturas de queda para diferentes sujeitos, fato que sustenta
a relevância da individualização da altura de queda (Lesinski et al., 2017).

É importante destacar que, ainda que o individuo mantenha um tempo de contato no limite do que foi determinado,
nem sempre as maiores alturas de queda são as mais adequadas, no presente estudo apenas em um caso a altura de 70
cm evidenciou o melhor desempenho. Byrne et al. (2017) alertam que se apenas a altura de queda for monitorada no
SP, os atletas podem ter um excesso no tempo de contato no solo podendo, com isso, prejudicar o desenvolvimento da
força e, consequentemente, a própria altura do ressalto.

CONCLUSÃO
Conforme a comparação do desempenho em basquetebolistas a partir de três diferentes alturas de queda e de dois
diferentes parâmetros. Foram encontradas diferentes alturas de queda para os sujeitos relacionadas ao melhor
desempenho, a maior altura de queda escolhida neste estudo não se destacou em relação ao desempenho nos dois
parâmetros investigados.

Assim, é importante que os treinadores ao utilizar o Salto em Profundidade determinem a altura de queda para os seus
atletas se aproximando da individualização e fiquem atentos as maiores alturas de queda que, geralmente, provocam
os maiores impactos, mas nem sempre os melhores desempenhos.

REFERÊNCIAS
Byrne, D.J., Browne D.T., Byrne, P.J., & Richardson, N. J (2017). The Inter-Day Reliability of Reactive Strenght
Index and optimal drop height. Journal of Strength and Conditioning Research., 31(3), 721-726

Jarvis, M.M.A, Smith, P.G., & COMFORT, P. (2016). Methodological Approach to Quantifying Plyometric Intensity.
Journal of Strength and Conditioning Research, 30(9), 2522-2532.

Lesinski, M, Prieske, O, Beurskens, R, Behm, DG, & Granacher, U.(2017). Effects of drop
height and surface instability on neuromuscular activation during drop jumps Scand J Med Sci Sports, 27(10),1090-
1098.

Vilarreal, E.S., Requena, B.; Cronin, J.B. The Effects of Plyometric on Sprint Performance: A Meta-Analysis (2012).
Journal Strength Conditioning Research, 26(2), 575- 584.

202
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

POTÊNCIA AERÓBIA EM ATLETAS DE BASQUETEBOL: COMPARAÇÃO ENTRE


AS POSIÇÕES
Fernando de Souza Campos1; Leonardo Trevisol Possamai1,2; Tiago Turnes1; Pedro Rafael Varoni2; Lucinar Jupir
Forner Flores2; Renan Nunes1; Luiz Guilherme Antonacci Guglielmo1
Autor para correspondência: campos.mn@hotmail.com
1
Universidade Federal de Santa Catarina/Florianópolis-SC; 2Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Marechal C.
Rondon-PR

PALAVRAS-CHAVE:Basquetebol; Potência Aeróbia; posições táticas

INTRODUÇÃO
O Basquetebol apresenta em suas características de jogo corridas intermitentes, com acelerações, desacelerações,
mudanças de direção constantes, atividades de curta duração, alta intensidade, intercalados com curtos períodos de
recuperação. Apesar da modalidade apresentar característica metabólica mista (aeróbio e anaeróbio), níveis elevados
de potência aeróbia torna-se relevante durante o decorrer do período total da partida, principalmente para uma melhor
recuperação de energia entre sprints únicos e repetidos, devido a uma melhora na remoção de lactato e da recuperação
dos estoques de fosfocreatina (Carminatti, Da-Silva e De-Oliveira, 2004). Portanto, avaliar a potência aeróbia de
atletas de basquetebol e classifica-las nas suas respectivas posições de jogo se faz necessário para ter parâmetros de
desempenho individuais e de grupo para melhor estruturar o treinamento esportivo. Com isso, o objetivo do presente
estudo foi comparar o pico de velocidade (PV) obtido em teste específico de campo (TCAR) em atletas de
basquetebol que desempenham diferentes funções táticas.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra do estudo foi composta por 14 atletas de basquetebol masculino (15,9±0,62 anos, 78,3±12,02 kg,
185,5±10,16 cm) que participavam da fase preparatória para competições estaduais e nacionais ao longo da
temporada. O protocolo utilizado para avaliação da potência aeróbia foi o teste de Carminatti (T-CAR), o qual possui
multi-estágios de 90 segundos de duração, constituído de 5 repetições de 12 segundos de corrida, intercaladas por 6
segundos de caminhada. A velocidade inicial do teste é de 9,0 km.h (distância inicial de 15 m) com incrementos de
0,6 km.h a cada estágio junto com o aumento de 1 metro de distância, até a exaustão voluntária (Carminatti, Da-Silva
e De-Oliveira, 2004). Para a apresentação dos dados foi utilizada estatística descritiva (média e desvio padrão). Foi
realizado o teste de ShapiroWilk para verificar a normalidade dos dados. A comparação do PV entre os atletas com
diferentes funções táticas foi realizada por meio de análise de variância (ANOVA) one-way de medidas repetidas,
seguida de uma análise post-hoc de Tukey. O nível de significância adotado foi fixado em p ≤ 0,05.

RESULTADOS
Os resultados do presente estudo demonstraram que não houve diferenças significantes nas médias dos valores obtidos
por meio do PVTCAR entre os alas ([n=5]; 13,3 ± 1,14 km/h), armadores ([n=5]; 14,2 ± 1,02 km/h) e pivôs ([n=4];
13,2 ± 1,61 km/h) (p<0,05). Esses achados corroboram aos reportados por Turnes et al., (2011) no qual não
encontraram diferenças entre as diferentes posições (alas: 14,3 ± 2,5 km/h; armadores: 14 ± 2,2 km/h; pivôs: 13,3 ±
1,6 km/h), respectivamente. Com este resultado, considera-se que as características de treinamento entre atletas de
categorias juvenis durante a temporada são semelhantes, não apresentando diferenças na potência aeróbia entre as
posições de jogo, no entanto, quando se aproximam a categoria adulta, cargas de treinamento tendem a serem maiores
e individualizadas, assim como desenvolvimento dos aspectos físicos necessárias para cada posição tática. Deste
modo, os achados do estudo de Sallet et al., (2005) com atletas profissionais encontrou PV significantemente menor
para os pivôs entre as demais posições, assim como Feriolli et al., (2018) reportou diferença para armadores em
relação as demais posições. Diante estes resultados, deve-se levar em consideração alguns aspectos em relação as
discussões, como nível de treinabilidade das equipes, desenvolvimento maturacional e, principalmente, o momento da
avaliação durante a temporada. Alguns cuidados devem ser tomados para interpretação dos dados, considerando
principalmente o tamanho reduzido da amostra.

203
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

CONCLUSÃO
Podemos afirmar que se faz necessário avaliar a potência aeróbia de atletas de basquetebol durante a temporada para
melhor interpretar as características físicas de desempenho de cada atleta. Por fim, é esperado que atletas juvenis de
diferentes posições táticas apresentem características semelhanças na potência aeróbia durante o processo de
desenvolvimento, assim como na pré-temporada.

APOIO
Agradecimento ao CNPq

REFERÊNCIAS
Carminatti, L. J., Lima-Silva, A. E., & De-Oliveira, F. R. (2004). Aptidão aeróbia em esportes intermitentes -
evidências de validade de constructo e resultados em teste progressivo com pausas. Revista Brasileira de Fisiologia
do Exercício, 3(1), 120-120.

Ferioli, D., Rampinini, E., Bosio, A., La Torre, A., Azzolini, M., & Coutts, A.J. (2018). The physical profile of adult
male basketball players: Differences between competitive levels and playing positions. Journal Sports Science 26(1),
1-8.

Machado, G., Flores, L. F., Mendes, J. C., Olivoto, R., Guglielmo, L. G., & Nunes, R. H. (2017). Comparação da
potência aeróbia e anaeróbia máxima entre atletas juvenis de basquetebol e handebol. Revista Kinesis,35(2), 61- 74.

Sallet, P., Perrier, D., Ferret, J. M., Vitelli, V., & Baverel G. (2005). Physiological differences in professional
basketball players as a function of playing position and level of play. Journal Sports Medicine Physiological Fitness,
45(3), 291-294.

Turnes, T., Aguiar, R. A., Cruz, R. S. O., Kammers Junior, N., Salvador, A. F., & Santos, R. P. (2011). Potência
aeróbia máxima de atletas adultos de basquetebol de Florianópolis. Revista Digital EFDeportes, 15(153), 1-6.

204
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

MONITORAMENTO DA CARGA INTERNA DE TREINAMENTO EM JOVENS


ATLETAS DE BASQUETEBOL
Vinícius Figueirôa da Cunha1; Fernanda Martins Brandão1; Dilson Borges Ribeiro Junior1; Maurício Gattás Bara
Filho1
Autor para correspondência: viniciusfigueiroa@hotmail.com
1
Universidade Federal de Juiz de Fora

PALAVRAS-CHAVE:Treinamento; Jovens atletas; Controle da carga

INTRODUÇÃO
De forma geral, altos volumes de treinamento e especialização precoce fazem parte do esporte infanto-juvenil, porém
os treinadores devem ter como principal objetivo otimizar o desempenho dos atletas ao passo que atuem no
desenvolvimento físico-técnico, na prevenção de lesões e na maximização dos futuros talentos esportivos (5). Neste
sentido, o monitoramento das cargas de treinamento torna-se essencial. As cargas de treinamento podem ser
caracterizadas em internas (CIT), referente a resposta psicofisiológica imposta aos atletas em resposta ao estímulo do
treinamento, e externas (CET), que está associada ao trabalho realizado pelos atletas, relacionados ao volume e
intensidade do treino. É importante destacar que embora as medidas de CET possam ser mais fáceis de coletar, elas
não são capazes de refletir o real estresse do treinamento, já que fornecem apenas informações limitadas sobre as
implicações da dose de treinamento para o atleta (3).

As equipes de base sofrem com o baixo investimento, fazendo com que os profissionais que atuem nessa área
busquem métodos de baixo custo para lhes auxiliarem durante o processo de monitoramento das cargas de
treinamento. Neste sentido, destacamos o método de Percepção Subjetiva do esforço da sessão proposto por Foster et
al. (2001). Este método é simples, de baixo custo e válido para quantificar a CIT, já que fornece a intensidade global
do exercício.

No basquete, o método de PSE da sessão foi validado a partir do TRIMP de Edwards, baseado na frequência cardíaca,
em jogadores de basquete da primeira divisão italiana, relatando relações individuais significativas (4). Outros
pesquisadorses encontraram uma relação forte entre PSE da sessão e TRIMP de Edwards em jogadores de basquete
sub-17, confirmando a confiabilidade do método de PSE da sessão para monitorar a CIT em jovens atletas de
basquetebol, independente da escolha dos exercícios dentro de uma sessão de treinamento e do tempo de duração (3).
Portanto, o objetivo do presente estudo foi monitorar e analisar, através do método de PSE da sessão, 12 semanas de
treinamento de uma equipe infanto-juvenil de basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra foi composta por 12 atletas do sexo masculino de uma equipe de basquetebol infanto-juvenil (idade de 16,5
± 0,6 anos; estatura 178,1 ± 6,1 cm; massa corporal 71,2 ± 9,3 kg e percentual de gordura 10,6 ± 3,3 %). Os atletas e
os seus responsáveis foram informados sobre os objetivos do estudo e consentiram com sua participação voluntária. O
estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em pesquisa da UFJF sob o parecer nº 2.315.176. Como critério de inclusão
os atletas tiveram que participar de no mínimo 75% das sessões monitoradas.

Foram investigadas 12 semanas de treinamento, sendo estas divididas em 3 mesociclos de 4 semanas cada. O primeiro
mesociclo era de adaptação, o segundo e o terceiro de desenvolvimento, sendo previsto PSE para todas as sessões do
mesociclo 1 de 5 a 6, do mesociclo 2 e 3 de 7 a 8 (sendo cada semana composta por 3 sessões de treinamento com
intervalo entre 48 e 72 horas para cada sessão. As sessões eram dividas entre 30% físico/técnico e 70% técnico/tático,
para todas as sessões de treinamento, sendo utilizado o método cognitivo situacional como base para o trabalho
técnico/táctico). A organização e execução do treinamento foram feitas exclusivamente pelo treinador da equipe
investigada.

Para monitorar a CIT foi utilizado o método de PSE da sessão. Este método consiste na multiplicação do escore da
PSE pela duração total da sessão, em minutos, resultando em um valor expresso em unidades arbitrárias. Neste
sentido, para calcular a PSE da sessão, foi utilizado a duração média das sessões de treinamento, ou seja, 70 minutos.

205
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

Assim, trinta minutos após o término de cada sessão os atletas responderam a escala de Foster sobre a percepção do
esforço deles em relação à carga de treino (1). Os atletas foram familiarizados com a escala 2 semanas antes do início
do presente estudo. A carga de treinamento semanal total (CTST) foi calculada pelo somatório das CT diárias e foram
calculados ainda os índices de monotonia e strain (1). A monotonia indica a variabilidade da carga entre as sessões de
treinamento, sendo obtida a partir da razão entre a média e desvio padrão das CT durante uma semana, já o strain está
associado ao nível de adaptação ao treinamento, e foi calculado a partir da multiplicação entre a CTST e monotonia.

Os dados são expressos em forma de média ± desvio padrão. Os pressupostos de normalidade e homogeneidade foram
avaliados, a partir disso foi utilizado a ANOVA seguido do Post-Hoc de Tukey. Foi utilizado o software estatístico
SPSS versão 20.0, sendo adotado nível de significância de 5%.

RESULTADOS
A médias das CTST foram 1168±130; 926±203 e 1096±167, para os mesociclos 1,2 e 3, respectivamente. Já a média
do índice monotonia foi de 0,85±0,0; 0,67±0,9 e 0,80±0,1. E a média do índice strain foi 1000±120; 643±245 e
897±242. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas ao comparar as médias das CTST
(p=0,165) e strain (p=0,09), porém o índice monotonia apresentou diferença estatisticamente significativa ao
comparar os mesociclos 1 e 2 (p=0,04). Apesar disso, os valores de monotonia estão de acordo com o sugerido
adequado pela literatura, já que somente os índices maiores que 2 podem contribuir para adaptações negativas do
treinamento.

Neste sentido, foram observados baixos valores de monotonia e de strain durante o período de treinamento
investigado, fato que pode ser atribuído pela frequência semanal do treinamento (3x/semana).

Foi observado um padrão na distribuição da intensidade ao comparar os três mesociclos, que pode ser justificado por
se tratar de treinamento com atletas infanto-juvenis, não sendo possível a realização de uma periodização ondulatória,
já que o treinamento acontece somente três vezes por semana.

CONCLUSÃO
A partir disso, os treinadores devem considerar dentro do processo de preparação dos jovens atletas a utilização da
PSE da sessão como um método válido para mensurar as CT no esporte infanto-juvenil.

APOIO
Agradecemos aos atletas do projeto de extensão “Basquetebol da base para a ponta” e a Faculdade de Educação Física
e Desportos da UFJF.

REFERÊNCIAS
Foster, C., Florhaug, J. A., Franklin, J., Gottschall, L., Hrovatin, L. A., Parker, S., … Dodge, C. (2001). A new
approach to monitoring exercise training. Journal of Strength and Conditioning Research, 15(1), 109–115. Retrieved
from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11708692

Impellizzeri, F. M., Rampinini, E., Coutts, A. J., Sassi, A., & Marcora, S. M. (2004). Use of RPE-based training load
in soccer. Medicine and Science in Sports and Exercise, 36(6), 1042–1047. Retrieved from
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15179175

Lupo, C., Tessitore, A., Gasperi, L., & Gomez, M. A. R. (2017). Session-RPE for quantifying the load of different
youth basketball training sessions. Biology of Sport, 34(1), 11–17. https://doi.org/10.5114/biolsport.2017.63381

Manzi, V., D?Ottavio, S., Impellizzeri, F. M., Chaouachi, A., Chamari, K., & Castagna, C. (2010). Profile of Weekly
Training Load in Elite Male Professional Basketball Players. Journal of Strength and Conditioning Research, 24(5),
1399–1406. https://doi.org/10.1519/JSC.0b013e3181d7552a

Murray, A. (2017). Managing the Training Load in Adolescent Athletes Athlete Development: A Modern
Phenomenon? Developing Athletes With Sound Scientific Principles. International Journal of Sports Physiology and
Performance, 12, 2–42. https://doi.org/10.1123/ijspp.2016-0334

206
Anais do IX Congresso Ibérico de Basquetebol

ACELERAÇÃO MÉDIO / LATERAL: COMPARAÇÃO ENTRE JOGO FORMAL E


SITUAÇÕES SIMULADAS
Juarez Alves das Neves Junior1,2; Ricardo Berton1; Valmor Alberto Augusto Tricoli1; Carlos Ugrinowitsch1
Autor para correspondência: juarez.alves@ifro.edu.br
1
Escola de Educação Física e Esportes da Universidade de São Paulo - USP; 2Instituto Federal de Rondônia

PALAVRAS-CHAVE:Basquete; simulação de jogo; aceleração

INTRODUÇÃO
Visando melhorar os aspectos estratégico/táticos de suas equipes, técnicos têm comumente incluído em seus
programas de treinamento, situações simuladas de jogo. As situações simuladas se assemelham às situações de jogo
mas possuem algumas restrições como: variações das regras do jogo, o tamanho do espaço de jogo (ex. meia-quadra),
e o número de atletas envolvidos na atividade.Tais simulações são utilizadas para aprendizagem de jogadas nas quais
os atletas objetivam quebrar o equilíbrio defensivo e assim, causar uma vantagem ofensiva momentânea para o
arremesso. Um aspecto relevante para ações de quebra de equilíbrio defensivo no basquetebol é a constante mudança
de direção. As mudanças de direção são caracterizadas por acelerações e desacelerações em altas intensidades,
produzidas em um ou mais dos três eixos (eixo médio / lateral ou x, antero / posterior ou z e superior / inferior ou y) e
tem sido eficientemente mesuradas através dos acelerômetros triaxiais. Este equipamento é capaz de captar as
acelerações, desacelerações e mudanças de direção dos atletas durante os treinamentos e jogos. Dessa forma, embora
as situações simuladas de jogo sejam muito utilizadas em treinamentos de basquetebol, não se sabe até o presente
momento se as acelerações no eixo médio / lateral, durante as situações simuladas, são similares às acelerações que
ocorrem no jogo formal. O presente estudo teve como objetivo comparar as acelerações produzidas no movimento de
mudança de direção do eixo “x” (médio / lateral) em situações de ataque simuladas, sem marcação (2X0) e com
marcação sombra ou jogo reduzido (2X2), com as acelerações produzidas em situações de ataque em um jogo formal
de basquetebol.

MATERIAIS E MÉTODOS
A amostra deste estudo foi composta por cinco atletas universitários titulares da equipe universitária masculina de
basquetebol da Escola de Educação Física e Esportes - EEFEUSP (23 ± 3 anos e 184,4 ± 4,9 cm). Os atletas da
amostra foram filmados durante a execução de quatro procedimentos experimentais contra marcação individual: a) um
jogo formal de basquete (jogo final do campeonato universitário); b) situação simulada contra cones (2x0); c) situação
simulada contra marcação “sombra” (2x2); e um jogo reduzido (2x2). Durante o jogo formal e nas situações
simuladas, os atletas foram rastreados por acelerômetros triaxiais de 100 Hz de frequência modelo ActiGraph GT9X
Link da marca “ActiGraph” e seus dados sincronizados com a filmagem dos procedimentos experimentais. Para
realizar a análise de jogo foi utilizada a metodologia conhecida como Dinâmicas de Criação de Espaço (DCE’s),
validada por Lamas et al (2010). DCE’s são caracterizadas pela análise da recorrência das ações de ruptura da defesa
pelo ataque. As DCE’s foram classificadas em seis classes ofensivas, sendo três selecionadas para a pesquisa, a saber:
bloqueio direto (BD); corte para o post (CEA); e isolamento no perímetro (Iper). Na execução dos procedimentos
experimentais foi selecionado o movimento de mudança de direção, que é um movimento comum às três DCE’s,
sendo registrada apenas a aceleração do eixo médio / lateral (x). Assim, na situação jogo formal (jogo que segue as
regras oficiais da modalidade basquetebol) foram analisadas as situações de ataque contra defesa individual quando
esta estava posicionada, excluindo-se as ações de contra-ataque e os momentos nos quais a defesa realizou marcação
por zona. Na situação simulada contra cones (2x0), estes foram