Você está na página 1de 61
NR 35 Planejamento do Trabalho - Hierarquia
NR 35
Planejamento do Trabalho - Hierarquia
Prepare-se antes de subir Cuidados a serem tomados para o trabalho em altura:
Prepare-se antes de subir Cuidados a serem tomados para o trabalho em altura:

Prepare-se antes de subir Cuidados a serem tomados para o trabalho em altura:

Prepare-se antes de subir Cuidados a serem tomados para o trabalho em altura:
NR 35 - Introdução Principais causas de acidentes graves e fatais se deve a quedas
NR 35 - Introdução
Principais causas de acidentes graves e fatais se
deve a quedas de trabalhadores
acidentes graves e fatais se deve a quedas de trabalhadores NR – 35 Elaborada pensando na
acidentes graves e fatais se deve a quedas de trabalhadores NR – 35 Elaborada pensando na
acidentes graves e fatais se deve a quedas de trabalhadores NR – 35 Elaborada pensando na
NR – 35 Elaborada pensando na GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (altura com
NR – 35
Elaborada pensando na GESTÃO DE
SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO
(altura com risco de queda)
Para GARANTIR a segurança e a saúde dos trabalhadores ENVOLVIDOS DIRETA OU INDIRETAMENTE com esta
Para GARANTIR a segurança e a saúde
dos trabalhadores ENVOLVIDOS
DIRETA OU INDIRETAMENTE com esta
atividade.
queda) Para GARANTIR a segurança e a saúde dos trabalhadores ENVOLVIDOS DIRETA OU INDIRETAMENTE com esta
queda) Para GARANTIR a segurança e a saúde dos trabalhadores ENVOLVIDOS DIRETA OU INDIRETAMENTE com esta
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35
Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação
NR 35 Objetivo e Campo de Aplicação Toda atividade executada acima de 2,00 m (dois
NR 35
Objetivo e Campo de Aplicação
Toda atividade executada acima de 2,00 m
(dois metros) do nível inferior.
Seja em elevação (escadas, andaimes,
plataformas) ou em profundidade (poços,
escavações, dutos, etc.).
Nota: Todas as atividades com risco para os trabalhadores devem ser precedidas de análise prévia
Nota: Todas as atividades com risco para os trabalhadores devem ser
precedidas de análise prévia e o trabalhador deve ser informado:
- sobre estes riscos;
- sobre as medidas de proteção implantadas pela empresa (EPC e EPI);
NR 35 Porque Prevenir Existem riscos de queda de pessoas e materiais. Trabalhador, a prevenção
NR 35
Porque Prevenir
Existem riscos de queda de pessoas e materiais.
Trabalhador, a prevenção é a melhor forma de evitar acidentes e
garantir sua integridade física.
Empresa, a prevenção representa o cumprimento das leis,
produtividade, economia e principalmente respeito à vida
Empresa, a prevenção representa o cumprimento das leis, produtividade, economia e principalmente respeito à vida
Empresa, a prevenção representa o cumprimento das leis, produtividade, economia e principalmente respeito à vida
Empresa, a prevenção representa o cumprimento das leis, produtividade, economia e principalmente respeito à vida
Empresa, a prevenção representa o cumprimento das leis, produtividade, economia e principalmente respeito à vida
NR 35 Como Prevenir Uso correto de equipamentos de Proteção (EPI e EPC) Treinamento adequado
NR 35
Como Prevenir
Uso correto de equipamentos de Proteção (EPI e EPC)
Treinamento adequado para os trabalhadores
envolvidos
NR 35 Responsabilidade do Empregador a) garantir a implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta
NR 35
Responsabilidade do Empregador
a) garantir a implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;
b) assegurar a realização da Análise de Risco – AR (quando aplicável, a emissão da
Permissão de Trabalho – PT);
c) desenvolver procedimento operacional para as atividades rotineiras de trabalho em
altura;
d) assegurar a realização de avaliação prévia das condições no local do trabalho em
altura, pelo estudo, planejamento e implementação das ações e medidas
complementares de segurança aplicáveis;
g) garantir que qualquer trabalho em altura só se inicie depois de adotadas as
medidas de proteção;
h) assegurar a suspensão dos trabalhos em altura quando verificar situação ou
condição de RISCO não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja
possível;
NR 35 Responsabilidade do Trabalhador a) cumprir as disposições legais e regulamentares sobre trabalho em
NR 35
Responsabilidade do Trabalhador
a) cumprir as disposições legais e regulamentares sobre trabalho em altura,
inclusive os procedimentos expedidos pelo empregador;
b) colaborar com o empregador na implementação das disposições contidas nesta
Norma;
c) interromper suas atividades EXERCENDO O DIREITO DE RECUSA, sempre que
constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de
outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que
diligenciará as medidas cabíveis;
d) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas por
suas ações ou omissões no trabalho.
NR 35 Responsabilidade do Trabalhador Atenção Os autorizados a trabalhar em altura devem ter atenção
NR 35
Responsabilidade do Trabalhador
Atenção
Os autorizados a trabalhar em altura devem ter atenção em suas AÇÕES ou OMISSÕES que
impliquem em negligência, imprudência ou imperícia, zelando tanto pela sua segurança e
saúde como pela de outras pessoas que possam ser afetadas.
ou imperícia, zelando tanto pela sua segurança e saúde como pela de outras pessoas que possam
ou imperícia, zelando tanto pela sua segurança e saúde como pela de outras pessoas que possam
NR 35 Analise de Risco
NR 35
Analise de Risco
NR 35 Analise de Risco A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao
NR 35 Analise de Risco A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao
NR 35 Analise de Risco A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao
NR 35 Analise de Risco
NR 35
Analise de Risco
NR 35 Analise de Risco A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao trabalho
NR 35 Analise de Risco A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao trabalho

A

Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao trabalho em altura,

considerar:

c)

o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem;

e)

a seleção, inspeção, forma de utilização e limitação de uso dos sistemas de proteção

coletiva e individual, atendendo às normas técnicas vigentes, às orientações dos fabricantes e aos princípios da redução do impacto e dos fatores de queda;

k) as situações de emergência e o planejamento do resgate e primeiros socorros, de

forma a reduzir o tempo da suspensão inerte do trabalhador; m) a forma de supervisão.

e primeiros socorros, de forma a reduzir o tempo da suspensão inerte do trabalhador; m) a
NR 35 Analise de Risco – Fator de Queda
NR 35
Analise de Risco – Fator de Queda
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda É e O QUE É
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda É e O QUE É
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda É e O QUE É
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
É
É

e

O QUE É ZONA LIVRE DE QUEDA?

a distância livre entre o ponto de ancoragem

algum ponto de colisão mais provável.

NOTA: Entende-se como zona livre de queda, o somatório das seguintes variáveis:

comprimento do talabarte mais seus conectores, mais a extensão do absorvedor

de energia, mais a distância entre a fixação

do cinturão ao pé do usuário (aproximadamente 1,5 m), mais a distância mínima de imobilização do usuário acima do solo (aproximadamente 1 m).

NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

FATOR DE QUEDA < 1

COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA? FATOR DE QUEDA < 1 Queda menor que o comprimento

Queda menor que o comprimento total do talabarte.

Massa de ensaio = 100 kg Comprimento do talabarte = 1,30 m.

Nesta situação, o deslocamento de queda será inferior ao tamanho do talabarte (1,30 m), gerando assim uma força de impacto supostamente incapaz de abrir o absorvedor de energia, e causar algum tipo de lesão ao trabalhador.

força de impacto supostamente incapaz de abrir o absorvedor de energia, e causar algum tipo de
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

FATOR DE QUEDA < 1

COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA? FATOR DE QUEDA < 1 Para que se possa realizar

Para que se possa realizar uma atividade segura abaixo dos 4,90 m devemos sempre ter a condição de trabalho chamada ideal onde o seu fator de queda é < 1, pois não haverá um deslocamento de queda suficiente para abertura do absorvedor de Energia.

fator de queda é < 1, pois não haverá um deslocamento de queda suficiente para abertura
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
Linha de Vida Horizontal Flexível
FATOR DE QUEDA < 1
FATOR DE QUEDA < 1
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

Nesta situação onde o deslocamento de queda é o tamanho do talabarte (1,30 m), a força de impacto gerada no absorvedor de energia faz com que o mesmo abra

aproximadamente 50% da primeira situação para que esta

energia seja dissipada e o corpo humano sofra o menor impacto possível.

FATOR DE QUEDA = 1

e o corpo humano sofra o menor impacto possível. FATOR DE QUEDA = 1 Seguro é

Seguro é manter a mesma zona livre de queda 4,90 m.

e o corpo humano sofra o menor impacto possível. FATOR DE QUEDA = 1 Seguro é
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
Linha de Vida Horizontal Flexível

FATOR DE QUEDA = 1

NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

COMO CALCULAR ZONA LIVRE DE QUEDA?

Duas vezes o comprimento do talabarte. Massa de ensaio = 100 kg Comprimento do talabarte = 1,30 m.

FATOR DE QUEDA = 2

100 kg Comprimento do talabarte = 1,30 m. FATOR DE QUEDA = 2 Nesta situação onde

Nesta situação onde o deslocamento de queda é o dobro do tamanho do talabarte (2,60 m), a força de impacto gerada no absorvedor de energia faz com que o mesmo abra aproximadamente 1,10 m para que esta energia seja dissipada e o corpo humano sofra o

menor impacto possível.

dissipada e o corpo humano sofra o menor impacto possível. A zona livre de queda é

A zona livre de queda é sempre informada após uma análise feita com a pior condição:

100 kg e fator de queda 2.

NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
Linha de Vida Horizontal Flexível
FATOR DE QUEDA = 2
NR 35 Analise de Risco – Zona Livre de Queda Linha de Vida Horizontal Flexível
NR 35
Analise de Risco – Zona Livre de Queda
Linha de Vida Horizontal Flexível - Resumindo
NR 35 Condições de Realização do Trabalho local em que os serviços serão executados e
NR 35 Condições de Realização do Trabalho local em que os serviços serão executados e
NR 35 Condições de Realização do Trabalho local em que os serviços serão executados e
NR 35 Condições de Realização do Trabalho local em que os serviços serão executados e
NR 35 Condições de Realização do Trabalho
NR 35
Condições de Realização do Trabalho

local em que os serviços serão executados e seu entorno

NR 35 Condições de Realização do Trabalho local em que os serviços serão executados e seu
NR 35 Condições de Realização do Trabalho local em que os serviços serão executados e seu
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o isolamento e a sinalização no entorno da
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o isolamento e a sinalização no entorno da
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o isolamento e a sinalização no entorno da
NR 35 Condições de Realização do Trabalho
NR 35
Condições de Realização do Trabalho
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o isolamento e a sinalização no entorno da área

o isolamento e a sinalização no entorno da área de trabalho

NR 35 Condições de Realização do Trabalho o isolamento e a sinalização no entorno da área
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o isolamento e a sinalização no entorno da área
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem
NR 35 Condições de Realização do Trabalho
NR 35
Condições de Realização do Trabalho
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem
NR 35 Condições de Realização do Trabalho o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem

o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem

NR 35 Condições de Realização do Trabalho o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem
NR 35 Condições de Realização do Trabalho as condições meteorológicas adversas Condições impeditivas são
NR 35 Condições de Realização do Trabalho as condições meteorológicas adversas Condições impeditivas são
NR 35 Condições de Realização do Trabalho as condições meteorológicas adversas Condições impeditivas são
NR 35 Condições de Realização do Trabalho
NR 35
Condições de Realização do Trabalho
NR 35 Condições de Realização do Trabalho as condições meteorológicas adversas Condições impeditivas são
NR 35 Condições de Realização do Trabalho as condições meteorológicas adversas Condições impeditivas são

as condições meteorológicas adversas

do Trabalho as condições meteorológicas adversas Condições impeditivas são aquelas que ultrapassam os

Condições impeditivas são aquelas que ultrapassam os padrões ou limites de cautela e de segurança (ventos, chuvas fortes e descargas

atmosféricas.

NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho (PT) ou Permissão para Trabalho (PPT) permite
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho (PT) ou Permissão para Trabalho (PPT) permite
NR 35 Permissão de Trabalho
NR 35
Permissão de Trabalho
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho (PT) ou Permissão para Trabalho (PPT) permite o

Permissão de Trabalho (PT) ou Permissão para Trabalho (PPT) permite o trabalho em áreas de risco por tempo determinado (Não rotineiro).

Permissão de Trabalho PT: documento escrito contendo conjunto de medidas de controle visando o desenvolvimento de trabalho seguro, além de medidas de

emergência e resgate.

conjunto de medidas de controle visando o desenvolvimento de trabalho seguro, além de medidas de emergência
conjunto de medidas de controle visando o desenvolvimento de trabalho seguro, além de medidas de emergência
conjunto de medidas de controle visando o desenvolvimento de trabalho seguro, além de medidas de emergência
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho deve conter: a) os requisitos mínimos a
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho deve conter: a) os requisitos mínimos a
NR 35 Permissão de Trabalho
NR 35
Permissão de Trabalho
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho deve conter: a) os requisitos mínimos a serem
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho deve conter: a) os requisitos mínimos a serem
NR 35 Permissão de Trabalho Permissão de Trabalho deve conter: a) os requisitos mínimos a serem

Permissão de Trabalho deve conter:

a) os requisitos mínimos a serem atendidos para a execução dos

trabalhos;

b) as disposições e medidas estabelecidas na Análise de Risco;

c) a relação de todos os envolvidos e suas autorizações.

A Permissão de Trabalho deve:

ter validade limitada à duração da atividade; restrita ao turno de trabalho (podendo ser revalidada pelo responsável pela aprovação nas situações em que não ocorram mudanças nas condições estabelecidas ou na equipe de trabalho).

pela aprovação nas situações em que não ocorram mudanças nas condições estabelecidas ou na equipe de
CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e
CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e
CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e

CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO

CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e

Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e aprovado em treinamento, teórico e prático, com carga horária mínima de (08) oito horas

Considera-se trabalhador autorizado para trabalho em altura aquele capacitado, cujo estado de saúde foi avaliado, tendo sido considerado apto para executar essa atividade e que possua anuência formal da empresa.

saúde foi avaliado, tendo sido considerado apto para executar essa atividade e que possua anuência formal
saúde foi avaliado, tendo sido considerado apto para executar essa atividade e que possua anuência formal
O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO - O Programa de Capacitação em altura deve ser
O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO - O Programa de Capacitação em altura deve ser
O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO - O Programa de Capacitação em altura deve ser

O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO

-
-

O Programa de Capacitação em altura deve ser estruturado com treinamentos inicial, periódico e eventual.

inicial deve ser realizado antes dos trabalhadores iniciarem suas

atividades em altura;

-

o periódico deve ser realizado a cada (02) dois anos;

 

-

eventual na ocorrência das seguintes situações abaixo:

 

a)

mudança

nos

procedimentos,

condições

ou

operações

de

trabalho;

b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;

c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a (90)

noventa dias;

d) mudança de empresa.

novo treinamento; c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a (90) noventa dias; d)
PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Fatores Psicossociais - - Exemplos: urgência de maior produtividade, redução
PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Fatores Psicossociais - - Exemplos: urgência de maior produtividade, redução

PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Fatores Psicossociais

- -
-
-

Exemplos:

urgência de maior produtividade,

redução contínua do contingente de trabalhadores;

- pressão do tempo;

- aumento da complexidade das tarefas;

- expectativas irrealizáveis;

- relações de trabalho (tensas e precárias);

- relações de trabalho (tensas e precárias); Os fatores psicossociais relacionados ao trabalho podem ser

Os fatores psicossociais relacionados ao trabalho podem ser definidos como aquelas características do trabalho que funcionam como “estressores”, ou seja, implicam em grandes exigências no trabalho, combinadas com recursos insuficientes para o enfrentamento das

mesmas.

, implicam em grandes exigências no trabalho, combinadas com recursos insuficientes para o enfrentamento das mesmas.
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que é EPI? Todo dispositivo ou produto de uso individual,
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que é EPI? Todo dispositivo ou produto de uso individual,

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que é EPI? Todo dispositivo ou produto de uso individual, utilizado
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que é EPI? Todo dispositivo ou produto de uso individual, utilizado

O que é EPI?

Todo dispositivo ou produto de uso individual, utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho (NR 6, item 6.1).

Quando devemos utilizar o EPI?

Sempre que :

- as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou doenças profissionais e do trabalho

- enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas;

- atender a situações de emergência de acordo com (NR 6, item 6.3.)

Uma vez identificado o risco, devem ser seguidas as seguintes etapas:

ELIMINAR ou ISOLAR o risco; Utilizar PROTEÇÃO COLETIVA; Utilizar EPI.

risco, devem ser seguidas as seguintes etapas: ELIMINAR ou ISOLAR o risco; Utilizar PROTEÇÃO COLETIVA; Utilizar
risco, devem ser seguidas as seguintes etapas: ELIMINAR ou ISOLAR o risco; Utilizar PROTEÇÃO COLETIVA; Utilizar
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Qual deve ser o EPI? Os EPIs devem ser escolhidos adequados
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Qual deve ser o EPI? Os EPIs devem ser escolhidos adequados

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Qual deve ser o EPI? Os EPIs devem ser escolhidos adequados aos
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Qual deve ser o EPI? Os EPIs devem ser escolhidos adequados aos

Qual deve ser o EPI?

Os EPIs devem ser escolhidos adequados aos riscos pré-identificados.

Sua utilização é obrigatória e de extrema importância à saúde e

segurança do trabalhador.

Sua escolha deve se basear no estudo e avaliação de riscos existentes no local de trabalho:

Tempo de exposição ao risco;e avaliação de riscos existentes no local de trabalho: Frequência; Gravidade; Condições do local de trabalho

Frequência;no local de trabalho: Tempo de exposição ao risco; Gravidade; Condições do local de trabalho e

Gravidade;de trabalho: Tempo de exposição ao risco; Frequência; Condições do local de trabalho e seu entorno;

Condições do local de trabalho e seu entorno;Tempo de exposição ao risco; Frequência; Gravidade; Tipos de danos possíveis ao trabalhador; e Estrutura

Tipos de danos possíveis ao trabalhador; eGravidade; Condições do local de trabalho e seu entorno; Estrutura física do trabalhador (ex.: Tam. 1

Estrutura física do trabalhador (ex.: Tam. 1 e 2).e seu entorno; Tipos de danos possíveis ao trabalhador; e São indicados para o uso somente

e Estrutura física do trabalhador (ex.: Tam. 1 e 2). São indicados para o uso somente

São indicados para o uso somente os EPIs que possam assegurar de forma plena a proteção prevista.

(ex.: Tam. 1 e 2). São indicados para o uso somente os EPIs que possam assegurar
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definições e composição Um sistema contra queda de altura é composto
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definições e composição Um sistema contra queda de altura é composto

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Definições e composição

DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definições e composição Um sistema contra queda de altura é composto por :
DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definições e composição Um sistema contra queda de altura é composto por :

Um sistema contra queda de altura é composto por:

Um sistema contra queda de altura é composto por : O elo entre o cinturão e

O elo entre o cinturão e a ancoragem se dará por meio de um trava queda ou de um talabarte de segurança, preferencialmente com absorvedor de energia. Vale lembrar que um cinto não protege contra os efeitos da retenção de queda.

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Seleção de EPI acessórios e sistemas de ancoragem devem ser especificados
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Seleção de EPI acessórios e sistemas de ancoragem devem ser especificados
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Seleção de EPI acessórios e sistemas de ancoragem devem ser especificados

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Seleção de EPI

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Seleção de EPI acessórios e sistemas de ancoragem devem ser especificados e

acessórios e

sistemas de ancoragem devem ser especificados e selecionados

Os

Equipamentos

de

Proteção

Individual

(EPI),

considerando-se:

a sua eficiência,

o conforto,

a carga aplicada;

fator de segurança;.

Na seleção dos EPI devem ser considerados, além dos riscos a que o trabalhador está exposto, os riscos adicionais.

Em algumas circunstâncias os EPI devem, além de garantir a eficácia na retenção da queda do trabalhador, garantir que estes sejam adequados aos riscos adicionais que possam existir no local de trabalho.

da queda do trabalhador, garantir que estes sejam adequados aos riscos adicionais que possam existir no
da queda do trabalhador, garantir que estes sejam adequados aos riscos adicionais que possam existir no
da queda do trabalhador, garantir que estes sejam adequados aos riscos adicionais que possam existir no
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão paraquedista em caso de queda e depois durante a suspensão.
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão paraquedista em caso de queda e depois durante a suspensão.

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Cinturão paraquedista

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão paraquedista em caso de queda e depois durante a suspensão. Equipamento
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão paraquedista em caso de queda e depois durante a suspensão. Equipamento
em caso de queda e depois durante a suspensão.
em caso de queda e depois durante a suspensão.

Equipamento de proteção destinado a RETER o trabalhador em caso de queda. O cinturão paraquedista é composto por fitas, fivelas de ajuste, fivelas de engate, pontos de conexão e outros elementos que quando vestido e ajustado de forma adequada, retém uma pessoa

de engate, pontos de conexão e outros elementos que quando vestido e ajustado de forma adequada
de engate, pontos de conexão e outros elementos que quando vestido e ajustado de forma adequada
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão abdominal Equipamento que envolve, no mínimo a cintura do trabalhador
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão abdominal Equipamento que envolve, no mínimo a cintura do trabalhador
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão abdominal Equipamento que envolve, no mínimo a cintura do trabalhador

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cinturão abdominal Equipamento que envolve, no mínimo a cintura do trabalhador é

Cinturão abdominal

Equipamento que envolve, no mínimo a cintura do trabalhador é ajustável e possui elemento(s) de engate aos quais é fixado o talabarte de posicionamento ou restrição. O cinturão abdominal tem a finalidade de posicionar o trabalhador.

fixado o talabarte de posicionamento ou restrição. O cinturão abdominal tem a finalidade de posicionar o
fixado o talabarte de posicionamento ou restrição. O cinturão abdominal tem a finalidade de posicionar o
fixado o talabarte de posicionamento ou restrição. O cinturão abdominal tem a finalidade de posicionar o
fixado o talabarte de posicionamento ou restrição. O cinturão abdominal tem a finalidade de posicionar o
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de segurança anti-queda Elemento de conexão entre o cinturão
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de segurança anti-queda Elemento de conexão entre o cinturão
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de segurança anti-queda Elemento de conexão entre o cinturão

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de segurança anti-queda Elemento de conexão entre o cinturão

Talabarte de segurança anti-queda

Elemento de conexão entre o cinturão paraquedista e o ponto de

ancoragem. O talabarte de segurança poderá ser confeccionado em corda

sintética, cabo de aço, fita sintética ou corrente.

O talabarte de segurança poderá ser confeccionado em corda sintética, cabo de aço, fita sintética ou
O talabarte de segurança poderá ser confeccionado em corda sintética, cabo de aço, fita sintética ou
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de posicionamento Elemento de conexão entre um cinturão abdominal a
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de posicionamento Elemento de conexão entre um cinturão abdominal a
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de posicionamento Elemento de conexão entre um cinturão abdominal a

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de posicionamento Elemento de conexão entre um cinturão abdominal a um

Talabarte de posicionamento

Elemento de conexão entre um cinturão abdominal a um ponto de ancoragem, de maneira a constituir um suporte para posicionamento ou

restringir movimentação evitando assim que um indivíduo alcance

zonas onde exista o perigo de queda de altura. Quando houver o risco de queda, o talabarte de posicionamento deve sempre ser utilizado em um sistema onde exista um cinturão paraquedista e um talabarte de segurança anti-queda

deve sempre ser utilizado em um sistema onde exista um cinturão paraquedista e um talabarte de
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O Trava-queda para uso em linha rígida ou linha flexível equipamento
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O Trava-queda para uso em linha rígida ou linha flexível equipamento
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O Trava-queda para uso em linha rígida ou linha flexível equipamento

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

O
O

Trava-queda para uso em linha rígida ou linha flexível

equipamento acompanha o trabalhador durante a subida e descida, sem

a necessidade de ação manual. Possui função de bloqueio automático

em caso de queda. É destinado a deslizar sobre linha de vida apropriada

e flexível confeccionada em corda sintética ou cabo de aço, tendo sua ancoragem fixa em um ponto acima do sistema de segurança

confeccionada em corda sintética ou cabo de aço, tendo sua ancoragem fixa em um ponto acima
confeccionada em corda sintética ou cabo de aço, tendo sua ancoragem fixa em um ponto acima
confeccionada em corda sintética ou cabo de aço, tendo sua ancoragem fixa em um ponto acima
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida flexível
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida flexível

Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida flexível

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida flexível
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida flexível
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida rígida
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida rígida

Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida rígida

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida rígida
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda com trava-queda sobre linha de vida rígida
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Absorvedor de energia Através de sua deformação controlada, este equipamento
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Absorvedor de energia Através de sua deformação controlada, este equipamento
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Absorvedor de energia Através de sua deformação controlada, este equipamento

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Absorvedor de energia Através de sua deformação controlada, este equipamento

Absorvedor de energia

Através de sua deformação controlada, este equipamento absorve uma parte importante da energia de queda. Sem ele, esta energia de impacto

será transmitida diretamente ao corpo do trabalhador.

importante da energia de queda. Sem ele, esta energia de impacto será transmitida diretamente ao corpo
importante da energia de queda. Sem ele, esta energia de impacto será transmitida diretamente ao corpo
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Conector Dispositivo que abre e fecha, desenvolvido para unir diferentes componentes
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Conector Dispositivo que abre e fecha, desenvolvido para unir diferentes componentes
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Conector Dispositivo que abre e fecha, desenvolvido para unir diferentes componentes

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Conector Dispositivo que abre e fecha, desenvolvido para unir diferentes componentes

Conector

Dispositivo que abre e fecha, desenvolvido para unir diferentes componentes de um sistema de proteção contra queda. Possui versões

com fechamento automático, com trava manual e com trava automática.

sistema de proteção contra queda. Possui versões com fechamento automático, com trava manual e com trava
sistema de proteção contra queda. Possui versões com fechamento automático, com trava manual e com trava
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Trava-queda retrátil Equipamento desenvolvido com um elemento de amarração
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Trava-queda retrátil Equipamento desenvolvido com um elemento de amarração
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Trava-queda retrátil Equipamento desenvolvido com um elemento de amarração

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Trava-queda retrátil Equipamento desenvolvido com um elemento de amarração
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Trava-queda retrátil Equipamento desenvolvido com um elemento de amarração

Trava-queda retrátil

Equipamento desenvolvido com um

elemento de amarração retrátil, confeccionado em cabo de aço, fita sintética ou corda sintética. Possui função de liberação e retrocesso

automático e de bloqueio em caso

de queda.

sintética ou corda sintética. Possui função de liberação e retrocesso automático e de bloqueio em caso
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda para deslocamentos com talabarte de segurança
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda para deslocamentos com talabarte de segurança

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda para deslocamentos com talabarte de segurança
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Sistema de proteção contra queda para deslocamentos com talabarte de segurança

Sistema de proteção contra queda para deslocamentos com talabarte de segurança

Esse sistema funciona apenas com talabartes duplos em "Y", garantindo

que o trabalhador esteja sempre conectado por pelo menos um ponto com a estrutura, durante

o seu deslocamento.

garantindo que o trabalhador esteja sempre conectado por pelo menos um ponto com a estrutura, durante
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Ações preventivas Para fornecer uma proteção eficaz contra riscos,
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Ações preventivas Para fornecer uma proteção eficaz contra riscos,

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Ações preventivas

DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Ações preventivas Para fornecer uma proteção eficaz contra riscos, o EPI

Para fornecer uma proteção eficaz contra riscos, o EPI para trabalho em altura deve se manter útil, durável e resistente de forma que sua função de proteção seja garantida durante toda sua vida útil.

se manter útil, durável e resistente de forma que sua função de proteção seja garantida durante
se manter útil, durável e resistente de forma que sua função de proteção seja garantida durante
se manter útil, durável e resistente de forma que sua função de proteção seja garantida durante
se manter útil, durável e resistente de forma que sua função de proteção seja garantida durante
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Indicações práticas
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Manutenção   Algumas recomendações para a manutenção correta
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Manutenção   Algumas recomendações para a manutenção correta

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Manutenção

DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Manutenção   Algumas recomendações para a manutenção correta
DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Cuidados - Manutenção   Algumas recomendações para a manutenção correta

Algumas recomendações para a manutenção correta do EPI são:

Inspeção visual periódica; Armazenamento em local seco e arejado, longe de fontes de calor

e protegido de luz solar;

Manter protegido de substâncias químicas;

Proteger o EPI durante o transporte;

Atender as recomendações do fabricante com relação à lavagem;

Mesmo que não sejam utilizadas, as fibras sintéticas sofrem

envelhecimento.

fabricante com relação à lavagem;  Mesmo que não sejam utilizadas, as fibras sintéticas sofrem envelhecimento
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Inspeção Rotineira Antes do início dos trabalhos deve ser efetuada inspeção
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Inspeção Rotineira Antes do início dos trabalhos deve ser efetuada inspeção
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Inspeção Rotineira Antes do início dos trabalhos deve ser efetuada inspeção

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Inspeção Rotineira

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Inspeção Rotineira Antes do início dos trabalhos deve ser efetuada inspeção

Antes do início dos trabalhos deve ser efetuada inspeção rotineira de todos os EPI, acessórios e sistemas de ancoragem.

Estas inspeções devem fazer parte da rotina de toda

a atividade realizada em altura. Deve ser realizada pelo próprio trabalhador e quando possível também pelo supervisor.

a atividade realizada em altura. Deve ser realizada pelo próprio trabalhador e quando possível também pelo
NR 35 Resgate e Salvamento
NR 35
Resgate e Salvamento
NR 35 Resgate e Salvamento
NR 35 Resgate e Salvamento
NR 35 Riscos Após Queda SUSPENSÃO INERTE Um trabalhador pode cair ao perder a consciência
NR 35 Riscos Após Queda SUSPENSÃO INERTE Um trabalhador pode cair ao perder a consciência
NR 35 Riscos Após Queda SUSPENSÃO INERTE Um trabalhador pode cair ao perder a consciência
NR 35 Riscos Após Queda SUSPENSÃO INERTE Um trabalhador pode cair ao perder a consciência
NR 35 Riscos Após Queda
NR 35
Riscos Após Queda
NR 35 Riscos Após Queda SUSPENSÃO INERTE Um trabalhador pode cair ao perder a consciência ou

SUSPENSÃO INERTE Um trabalhador pode cair ao perder a consciência ou perdê-la ao cair, em ambos os casos, estando ele equipado com sistema de proteção contra quedas, ficará suspenso pelo cinturão ate o momento do socorro. Este período que o trabalhador fica suspenso sem consciência, chamamos de suspensão inerte.

RISCO Estudos científicos recentes provam que a suspensão

inerte, mesmo que por períodos curtos de tempo,

pode desencadear transtornos fisiológicos graves em função da compressão das artérias e consequentemente problemas da circulação sanguínea.

e consequentemente problemas da circulação sanguínea. Suspensão prolongada pode causar a intolerância

Suspensão prolongada pode causar a intolerância ortostática que, por sua vez, pode resultar em perda de consciência seguida por morte em menos de 30 minutos.

ACIDENTES DO TRABALHO EM ALTURA Causas de Acidentes ( Organização Internacional do Trabalho) Imprudência de
ACIDENTES DO TRABALHO EM ALTURA Causas de Acidentes ( Organização Internacional do Trabalho) Imprudência de

ACIDENTES DO TRABALHO EM ALTURA Causas de Acidentes (Organização Internacional do Trabalho)

de Acidentes ( Organização Internacional do Trabalho) Imprudência de trabalhadores em áreas de risco; Manuseio
de Acidentes ( Organização Internacional do Trabalho) Imprudência de trabalhadores em áreas de risco; Manuseio
de Acidentes ( Organização Internacional do Trabalho) Imprudência de trabalhadores em áreas de risco; Manuseio

Imprudência de trabalhadores em áreas de risco;de Acidentes ( Organização Internacional do Trabalho) Manuseio de cargas com peso acima do permitido;

Manuseio de cargas com peso acima do permitido;Trabalho) Imprudência de trabalhadores em áreas de risco; Deslocamento, balanço e colapso de estruturas; Más

Deslocamento, balanço e colapso de estruturas;de risco; Manuseio de cargas com peso acima do permitido; Más condições das estruturas; Quedas de

Más condições das estruturas;permitido; Deslocamento, balanço e colapso de estruturas; Quedas de cargas, materiais e equipamentos; Más condições

Quedas de cargas, materiais e equipamentos;e colapso de estruturas; Más condições das estruturas; Más condições ergonômicas; Danos fisiológicos por

Más condições ergonômicas;das estruturas; Quedas de cargas, materiais e equipamentos; Danos fisiológicos por exposição ao tempo Danos

Danos fisiológicos por exposição ao tempomateriais e equipamentos; Más condições ergonômicas; Danos psicológicos pelos riscos do trabalho em altura;

Danos psicológicos pelos riscos do trabalho em altura;ergonômicas; Danos fisiológicos por exposição ao tempo Stress causado pelo ambiente de trabalho (ruído, calor,

Stress causado pelo ambiente de trabalho (ruído, calor, ventilaçãoDanos psicológicos pelos riscos do trabalho em altura; deficiente, produtos químicos, gases nocivos). Excesso de

deficiente, produtos químicos, gases nocivos).

Excesso de Confiança;ventilação deficiente, produtos químicos, gases nocivos). Não Uso ou Uso incorreto do EPI; Descumprimento ou

Não Uso ou Uso incorreto do EPI;produtos químicos, gases nocivos). Excesso de Confiança; Descumprimento ou Desconhecimento de procedimentos

Descumprimento ou Desconhecimento de procedimentos operacionais,Analise Preliminar de Risco e Permissão de Trabalho.ventilação deficiente, produtos químicos, gases nocivos). Excesso de Confiança; Não Uso ou Uso incorreto do EPI;

EPI; Descumprimento ou Desconhecimento de procedimentos operacionais,Analise Preliminar de Risco e Permissão de Trabalho.
NR 35 Resgate e Salvamento O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em caso de
NR 35 Resgate e Salvamento O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em caso de
NR 35 Resgate e Salvamento
NR 35
Resgate e Salvamento
NR 35 Resgate e Salvamento O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em caso de emergências

O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em caso de emergências para trabalho em altura.

A equipe

pode

ser

própria, externa

ou

composta

pelos

próprios trabalhadores que executam o trabalho em altura,

em

função das características das atividades.

As

ações de respostas às emergências que envolvam o trabalho

em altura devem constar no plano de emergência da

empresa.

As pessoas responsáveis pela execução das medidas de salvamento devem estar capacitadas para executar o resgate, prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade a desempenhar.

o resgate , prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade
o resgate , prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade
o resgate , prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade
Obrigado
Obrigado
Obrigado
Obrigado
Obrigado
Obrigado
PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Aptidão do Trabalhador Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde
PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Aptidão do Trabalhador Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde
PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Aptidão do Trabalhador Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde

PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Aptidão do Trabalhador

ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO Aptidão do Trabalhador Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde dos

Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde dos trabalhadores que exercem atividades em altura, garantindo que:

os exames e a sistemática de avaliação sejam partes integrantes do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO);

Sob o ponto de viste médico os exames médicos deverão

compreender, além dos principais fatores que causam as quedas

de planos elevados como:

- condições físicas;

- psíquicas;

- clínicas;

- demais fatores da tarefa (exigência de esforço físico, acuidade visual, restrição de movimentos, etc);

- clínicas; - demais fatores da tarefa (exigência de esforço físico, acuidade visual, restrição de movimentos,
ACIDENTES DO TRABALHO EM ALTURA Os riscos relacionados em atividades em altura Queda de materiais:
ACIDENTES DO TRABALHO EM ALTURA Os riscos relacionados em atividades em altura Queda de materiais:

ACIDENTES DO TRABALHO EM ALTURA Os riscos relacionados em atividades em altura

EM ALTURA Os riscos relacionados em atividades em altura Queda de materiais: as áreas próximas aos
EM ALTURA Os riscos relacionados em atividades em altura Queda de materiais: as áreas próximas aos

Queda de materiais: as áreas próximas aos trabalhos em altura devem ser sinalizadas e isoladas. Equipamentos e ferramentas utilizados devem possuir dispositivos que evitem a queda do mesmos;EM ALTURA Os riscos relacionados em atividades em altura Aberturas em áreas de passagem: locais de

Aberturas em áreas de passagem: locais de trabalho elevados devem ser protegidos por guarda-corpos e rodapés que cumpram as leis e regulamentos nacionais.devem possuir dispositivos que evitem a queda do mesmos; Uso inadequado de escadas: mais de metade

Uso inadequado de escadas: mais de metade dos acidentes de escada são causados pelo deslizamento na base ou no topo da mesma.de trabalho elevados devem ser protegidos por guarda-corpos e rodapés que cumpram as leis e regulamentos

inadequado de escadas: mais de metade dos acidentes de escada são causados pelo deslizamento na base