Você está na página 1de 10

2

Documentário Rádio Cultura AM

Projeto experimental exclusivo para o programa do estudante da rádio Cultura AM.

Programa do Estudante:

É um espaço que a rádio Cultura AM reserva para a veiculação de projetos


experimentais realizados por estudantes de radialismo e jornalismo.
O objetivo do projeto é ser um canal de comunicação dos futuros profissionais da
área de todo o país, para que possam por em prática suas pesquisas de linguagem,
experimentos e idéias na produção de rádio.

Documentário:

Programa do Estudante

Emissora:

CULTURA AM – Ondas Médias – Amplitude Modulada


Freqüência: AM – 1200 kHz

Direção Artística da Emissora:

Cultura AM é composta de um público fiel e participativo, a audiência é adulta, na


faixa etária acima dos quarenta anos com predominância masculina e variações
culturais.
A Cultura Am é uma emissora pública, voltada para a informação educativa,
cultural e jornalística e veicula unicamente música popular brasileira e música
instrumental brasileira.

Título do Documentário:

“Canto do Povo de um Lugar”


3

Duração:

22’00

Tema do Documentário:

“Índios, músicas, costumes e crenças”.

Importância do Tema

Através da manifestação musical está traçada toda a significação da cultura


indígena, como arte e como comportamento.
O objetivo do trabalho é ressaltar a importância da cultura indígena como base de
expressão, sua música e rituais.
A intenção ao abordar este tema é restabelecer uma ligação com esta etnia que
cada vez mais se distancia da nossa realidade cotidiana.

Sinopse

Este documentário conta através do depoimento da pesquisadora e musicista Marlui


Miranda um pouco da cultura indígena seus costumes, músicas, rituais e
cerimônias.
O documentário trafega entre enquetes e colagens musicais, permitindo ao ouvinte
uma viagem pelo tema.
Documentar este universo é realizar um trabalho de memória, e ao fundir nossas
culturas fazemos uma ponte entre dois mundos que nos leva a conhecer uma face
de nossa identidade.
Aportamos na Ilha de Vera Cruz ano de 1.500 e chegamos ao Brasil de 2004 com o
intuito de preservar a identidade desta etnia que apresenta um mundo
lingüisticamente variado e culturalmente expressivo; são histórias, lendas, uma
origem e certos mitos em comum.
A importância de se conhecer, respeitar e preservar a cultura indígena é a
mensagem deste documentário.
4

Direção do Documentário:

O documentário está dividido em quatro assuntos sobre o tema:


- O que é cultura indígena e ritual;
- O contato com o branco;
- As relações humanas na sociedade indígena;

- O que pode ser feito para que futuras gerações não tenham distanciamento
em relação à cultura indígena.
A espinha dorsal do documentário é a entrevista de Marlui Miranda, ela fala da
riqueza da cultura brasileira e nos conta histórias de mitos e rituais indígenas.
Marlui Miranda acredita que a valorização da cultura indígena se dá através da
música, por este motivo aprofundou-se no conhecimento da música indígena, na
necessidade de preservar o repertório musical desse povo.
A seqüência inicial do programa é marcada por uma abertura que foi composta a
partir de colagem musical e oral que possibilita o ouvinte identificar o tema do
documentário.
A abertura dos blocos foi elaborada de maneira que os ouvintes se atentem à
palavras do vocabulário indígena.
A escolha da criança para fazer a leitura das palavras indígenas que abrem os
blocos foi feita coma intenção de ligar o tempo presente com nossos tempos
remotos.
A música “Pindorama” tem como tema à chegada dos portugueses ao Brasil e a
mudança que aconteceu na vida dos índios a partir deste fato.
Na abertura do documentário a música Pindorama é uma referência ao nome dado
para o Brasil pelos índios.
A leitura de trechos da carta de Pero Vaz de Caminha feita com sotaque português
e os sons de ondas e pássaros no “background” é para dar a sensação de estarmos
no mesmo tempo que ele, quase que participando da elaboração da carta.
A forma escolhida para a leitura do conto guarani “O Falar” se fez a partir de um
traço marcante na oralidade do povo indígena que é o ritmo, por este motivo foi
convidada para fazer a leitura uma senhora que não está totalmente alfabetizada,
ela possui um ritmo de leitura em voz alta que muito se assemelha à sonoridade da
oralidade indígena.
Na última parte do programa há uma junção do canto indígena por curumins da
tribo Etenhiritipa com música indígena interpretada pela Orquestra Jazz Sinfônica
do Estado de São Paulo e o Coral Sinfônico do Estado de São Paulo.
5

Elementos de Documentário Padrão:

A exploração do tema, buscando todos os ângulos e trabalhando seus


componentes.
A distribuição do tema em aspectos representadas pelas diversas e variadas vozes
das sonoras, participando com suas opiniões, expondo-se independentemente de
qualquer fato.

Elementos de Documentário Desviante:

O documentário apresenta uma suspensão total da locução, com edição das


sonoras, seguida de músicas arranjadas para apresentar o aspecto do tema
tratado.
A pesquisadora de cultura indígena Marlui Miranda foi entrevistada a partir de uma
pauta que explora o tema e de pessoas que emprestam suas vozes e falas
decorrentes de uma enquete sobre o tema.
Há outras estruturas textuais no roteiro: trechos da carta de Pero Vaz de Caminha,
conto guarani sobre o mito da fala e palavras indígenas.

Elementos Cobrem as Noções Gerais do Documentário:

- Abertura
- Vinheta
- Depoimentos
- Músicas
- Locução
- Sonoras
- Outras estruturas textuais

Matérias Utilizados Para Compor o Documentário:

Site da Funai www.funai.org.br.


Pesquisa sobre o trabalho de Marlui Miranda no site www.cafemusic.com.br.

Livros:
Guia dos Curiosos da língua portuguesa de Marcelo Duarte – São Paulo - Editora
Panda - ano 2003.
6

Nascimentos, memória do fogo (1) de Eduardo Galeano – São Paulo - Editora Paz e
Terra – ano 1983.
Livreto - Carta de Pero Vaz de Caminha – edição comemorativa “Brasil 500 anos”
da companhia Susano de Papéis.
Apostila sobre “A música de nossos índios”
Constituição Federal lei nº 6.001 – de 19 de Dezembro de 1973 “O estatuto do
índio”.

Suplemento:
Jornal Folha de São Paulo “O Guia do Redescobrimento”.

Cds:
Etenhiritipa, Menhinaku (message from amazon), O Cantos das Montanhas,
Canções Curiosas, Ihu Todos os Sons, 2 Ihu (Kewere: Rezar), O Poder da Música
Xamã e Lenine – Na Pressão.

Ficha Técnica:

Locução: Lucas Dionísio Dorin


Sérgio Gomes

Pesquisa: Mara Beatriz Dionisio


Tatiana Martins
Simone Bertelli

Roteiro: Mara Beatriz Dionisio

Produção: Luciane Heinzen


Patrícia Mely
Tatiana Martins
Érica Santos

Direção: Mara Beatriz Dionisio

Áudio: Dagoberto Alves

Agradecemos os Depoimentos de: Marlui Miranda e Dª Antônia dos Santos

COORDENAÇÃO: Carmem Lúcia José


Arlete Taboada
Márcia Carvalho

GRAVADO NOS ESTÚDIOS DA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU


ANO 2004
7

REDATOR: DATA: PROGRAMA: MATÉRIA: TEMPO:


MARA BEATRIZ 28/05/2004 CANTO DO POVO DE DOC.DESVIANTE / PROGRAMA 22:00
DIONISIO UM LUGAR DO ESTUDANTE

TEC. VINHETA DE ABERTURA – CD EDIÇÃO FX 35 – 5:25

TEC. BG – CD – “O PODER DA MÚSICA XAMÔ FX 1-1’’ ATÉ 25’’

LOC1. A FEIÇÃO DELES É SEREM PARDOS, UM TANTO AVERMELHADOS,


DE BONS ROSTOS E BONS NARIZES, BEM FEITOS, ANDAM NUS,
SEM COBERTURA ALGUMA.
UMA DAQUELAS MOÇAS ERA TÃO BEM FEITA E TÃO REDONDA
E SUA VERGONHA TÃO GRACIOSA, QUE A MUITAS MULHERES
DE NOSSA TERRA VENDO TAIS FEIÇÕES FIZERA VERGONHA
POR NÃO TEREM A SUA COMO ELA.
TODOS ANDAM RAPADOS ATÉ POR CIMA DAS ORELHAS
ASSIM MESMO DE SOBRANCELHAS E PESTANAS.
TRAZEM TODOS AS TESTAS DE FONTE A FONTE TINTAS DE
TINTURA PRETA QUE PARECE UMA FITA PRETA DA LARGIRA DE
DOIS DEDOS.
DESTE PORTO SEGURO, DA VOSSA ILHA DE VERA CRUZ
HOJE SEXTA-FEIRA, PRIMEIRO DIA DE MAIO DE MIL E QUINHETOS
PERO VAZ DE CAMINHA.
TEC.
BG – CD – “ETENHIRITIPA” – FX 1 DE 1’’ ATÉ 25’’
LOC2.
CANTO DO POVO DE UM LUGAR
TEC.
TRILHA – CD “IHU TODOS OS SONS” FX 1 – 03’’39’
LOC3
ARARAQUARA, JABAQUARA, IBIRAPUERA
LOC4.
EU PUDE VISLUMBRAR ESSE POTENCIAL ESSA RIQUEZA ENORME
QUE EXISTE NA CULTURA BRASILEIRA E QUE É DESCONHECIDA
A CULTURA BRASILEIRA É UMA COISA AMPLA, ENORMEA GENTE
MAL CONSEGUE CONHECER O QUE EXISTE DE FOLCLORE ETUDO.
AGORA A MÚSICA INDÍGENA, QUE NÃO É FOLCLORE, É UMA PARTE
ATÉ HOJE MUITO DESCONHECIDA DA GENTE.NÃO EXISTE UMA
SEPARAÇÃO ENTRE O CAMPO DA LÍNGUA E DO MÚSICAL ASSIM
COMO NÃO EXISTE ENTRE O CAMPO DO MUNDO CONCRETO E DO
MUNDO SOBRENATURAL PARA OS POVOS INDÍGENAS É TUDO
UMA COISA SÓ
8

TEC TRILHA CD – “O CANTO DAS MONTANHAS” FX 1 – 3’’ –BG

DEPOIMENTO1 O QUE É ÍNDIO PRÁ MIM? PRÁ MIM É UM DOS POVOS QUE
HABITAVAM O BRASIL E TOMARAM AS TERRAS DELES.

DEPOIMENTO2 NÃO TENHO IDÉIA QUE É O ÍNDIO


PRÁ MIM O INDIO É O QUE VIVE NO MEIO DO MATO LÁ.

DEPOIMENTO3 AH, UM SER HUMANO QUE NEM A GENTE


AH, EU ACHO BONITO ELES LÁ PESCANDO
FAZENDO OS AFAZERES DELES, MUITO BOM.

TEC. TRILHA CD – “IHU TODOS OS SONS” FX 3 -1’44’’

LOC3. TATUÍ, TAMANDUATEÍ, JACUÍ.

LOC4 NÓS PERDEMOS TOTALMENTE A NOSSA RELAÇÃO COM A


NATUREZA.
PARECE UMA COISA BOBA DE FALAR E ÓBVIA, MAS ISSO GANHA
SENTIDO QUANDO VOCÊ PARTICIPA DE UM RITUAL.
ENTÃO A VIDA DO INDIO É MUITO MAIS REGULADA E NORMAL POR
QUE O PASSAR DO TEMPO AS FUNÇÕES , AS SITUAÇÕES DA VIDA
FICAM CLARAS , NINGUÉM PERDE O PÉ, DE “ONDE EU TÔ”.
AH ESTOU ANGUSTIADO, ESTOU COM PROBLEMA, POR QUE SERÁ
ISSO?
PORQUE OS RITUAIS SÃO PARTES FUNDAMENTAIS DA EXISTÊNCIA
HUMANA, ENTÃO A GENTE PERCEBE ISSO QUANDO ESTAMOS
TEC. JUNTO AOS ÍNDIOS.QUE É UMA COISA QUE FAZ FALTA PRÁ GENTE.

LOC5. TRILHA CD – “NA PRESSÃO” FX 04 – DE 1’20 ATÉ 1’30.

O PAI PRIMEIRO DOS GUARANIS ERGUEU-SE NA ESCURIDÃO,


ILUMINADO PELOS REFLEXOS DE SEU PRÓPRIO CORAÇÃO,
E CRIOU AS CHAMAS E A TÊNUE NEBLINA.
CRIOU O AMOR E NÃO TINHA A QUEM DÁ-LO
CRIOU A FALA, MAS NÃO HAVIA QUE O ESCUTASSE.
ENTÃO ENCOMENDOU ÀS DIVINDADES QUE CONSTRUÍSSEM O
MUNDO E QUE SE ENCARREGASSEM DO FOGO, DA NÉVOA, DA
CHUVA E DO VENTO.
E ENTREGOU-LHES A MÚSICA E AS PALAVRAS DO HINO SAGRADO
PARA QUE DESSEM A VIDA AS MULHERES E OS HOMENS.
ASSIM O AMOR FEZ-SE COMUNHÃO E A FALA GANHOU VIDA E O PAI
PRIMEIRO REDIMIU SUA SOLIDÃO.
ELE ACOMPANHA OS HOMENS E AS MULHERES QUE CAMINHAM E
TEC. CANTAM.

LOC4. TRILHA CD – O CANTO DAS MONTANHAS – FX 05 - BG


9

OS PAJÉS SENTAM-SE NO ANARAÍ E COMEÇAM A CHAMAR OS


ESPÍRITOS.
PRA AJUDAR OS ESPÍRITOS A BAIXAREM, OS ESPÍRITOS DE CURA
GERALMENTE OS JOVENS FAZEM UM CÍRCULO ATRÁS DO PAJÉ
E O CÍRCULO FICA GIRANDO COMPAÇADAMENTE E OS JOVENS
ASSOVIAM, TODOS.
TEC. O ASSOVIO É PRÁ CANALIZAR COM O ESPÍRITO.

LOC4. TRILHA – CD EDICÃO – FX 5 “ASSOVIO” 25’’

QUANDO ELE SE LEVANTA ELE NÃO É MAIS ELE.


TEC. ELE JÁ É O ESPÍRITO DO PÁSSARO, O ESPÍRITO DE ALGUMA
ENTIDADE.
LOC4.
BG – CD – IHU TODOS OS SONS – FX 06 – 03’11’’

ENTÃO ELE PASSA AQUELA FUMAÇA, ELE BENZE O DOENTE


E ASSIM FICA A NOITE INTEIRA E ESSE CÍRCULO NÃO PARA DE
GIRAR ELE FICA GIRANDO NOITE E DIA.
DEPOIS ELE SE TORNA NUM CÍRCULO ONDE CASAIS VÃO SENDO
SUBSTITUÍDOS, ELE NÃO PARA DE GIRAR.
EU ENTREI NO CÍRCULO PORQUE O CÍRCULO NÃO PODIA PARAR DE
GIRAR E ENTÃO A SENSAÇÃO QUE VOCÊ TEM COM ESSE CÍRCULO
GIRANDO PASSANDO, PASSA PELA PORTA DE UMA MALOCA, PASSA
PELA PALHA, VAI GIRANDO GIRANDO PELO TERRERO, VOCÊ VÊ
UMA PESSOA DEPOIS VOLTA, VOLTA PRA MESMA PESSOA
VOCÊ OLHA PRO CÉU E VÊ O CÉU GIRANDO E DE REPENTE VOCÊ
FICA HORAS E HORAS E HORAS E HORAS ALI GIRANDO VOCÊ NÃO
TEC. SABE SE É VOCÊ QUE GIRA OU SE É TUDO QUE TÁ EM TORNO DE
VOCÊ QUE ESTÁ GIRANDO.
LOC3.
TRILHA – IHU TODOS OS SONS – FX 06 – 03’11’’
LOC4.
TATUAPÉ, JAGUARÉ, TAUBATÉ

QUANDO ELES FORAM CONTATADOS, NÃO SEI SE VOCÊS SABEM


TEC. O QUE ATRAIU ELES, A FUNAI COLOCA UMA ARAME COM ESPELHO,
COM PANELA, TESOURA, ESSAS COISAS QUE ATRAEM OS ÍNDIOS
LOC4
CD ETENHIRITIPA – FX 2 – MIXAR CD- 2 IHU – FX 1

A COISA QUE FOI MAIS IMPORTANTE, QUE FOI CONHECER A


MÚSICA
TEC. SABER INTERPRETAR A MÚSICA.
NA HORA QUE EU APARECI NUM GRUPO INDÍGENA SABENDO
LOC4. CANTAR A MÚSICA DELES EU FUI TOTALMENTE ACEITA.

TRILHA – CD EDIÇÃO FX 13 – “MARLUI MIRANDA”

E EU PERCEBI COMO SÃO AS RELAÇÕES, AS RELAÇÕES HUMANAS


10

QUE NÃO SÃO MUITO DIFERENTES DAQUI.


QUANDO A GENTE AS VEZES ABANDONA OS VELHOS, DEIXA OS
VELHOS DE LADO E LÁ OS VELHOS FICAM SOZINHOS MAIS EXISTE
SEMPRE UM JEITO QUE AS PESSOAS DÃO, OS VELHOS TEM AS
FESTAS, COMPARECEM NAS FESTAS.
E EU PUDE FAZER UM PARALELO ASSIM NÉ?
PELO MENOS LÁ OS VELHOS TEM UMA AJUDA, TEM UM RESPEITO
ELES SÃO REVERENCIADOS, SÃO INCRIVELMENTE
REVERENCIADOS.
MAS NA VIDA PRÁTICA NO COTIDIANO, SE NÃO TIVER NINGUÉM
PRA PLANTAR A ROÇA PRÁ ELE, ELE FICA NUMA SITUAÇÃO MUITO
DIFÍCIL PRÁ COMER NÉ?
TEC. ENTÃO É INTERESSANTE PODER VER ISSO E COMPARAR OS DOIS
MUNDOS NÉ?
LOC3. PORQUE O QUE POSSIBILITA A GENTE A TER O ACESSO AO MUNDO
INDÍGENA É PODER VER EM NÓS O QUE NÓS SOMOS.
LOC4.
TRILHA – CD – MÔNICA SALMASSO – CARA DE ÍNDIO – 1’ 30” –
MIXAR – CD – DJAVAN COLETÂNEA – FX 8 – 20”

MINGAU, ITAU, PAISSANDU

EU ACHO QUE EXISTE UMA AUSÊNCIA NAS ESCOLAS.


EU ACHO QUE AS ESCOLAS BRASILEIRAS, OS CURSOS DEVERIAM
TER ALGUMA COISA ESPECÍFICA SOBRE A CULTURA INDÍGENA
TEC. EU ACHO QUE É UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO, É FUNDAMENTAL
ASSIM, VOCÊ TER ALGUMA COISA MAIS VOLTADA À CULTURA
TEC. INDÍGENA DO QUE AQUELE EVENTO DE ABRIL, SEMANA DO ÍNDIO
AÍ OS MENINOS SE PINTAM DE ÍNDIO APACHE QUE NÃO É ÍNDIO
LOC5. BRASILEIRO , A MAIORIA FAZ O BARULHINHO DE ÍNDIO.

TRILHA – CD CANÇÕES CURIOSAS- FX 1 PINDORAMA – 0:40 - CORTA

TRILHA – CD – O PODER DA MÚSICA XAMÃ – FX 1 – 3” - BG

FICHA TÉCNICA

LOCUÇÃO: LUCAS DIONISIO DORIN


SÉRGIO GOMES

PESQUISA: BEATRIZ DIONISIO


TATIANA MARTINS E SIMONE BERTELLI

ROTEIRO: BEATRIZ DIONISIO

PRODUÇÃO: LUCIANE HEINZEN


PATRÍCIA MELY
TATIANA MARTINS
E ÉRICA SANTOS
11

DIREÇÃO: BEATRIZ DIONISIO

ÁUDIO: DAGOBERTO ALVES

AGRADECEMOS OS DEPOIMENTOS DE: MARLUI MIRANDA


Dª ANTÔNIA DO SANTOS

COORDENAÇÃO: CARMEM LÚCIA JOSÉ


ARLETE TABOADA E MÁRCIA CARVALHO

GRAVADO NOS ESTÚDIOS DA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU


ANO 2004