Você está na página 1de 83

SOBRE O GUIAS RÁPIDOS:

Olá, Seja muito bem-vindo a Quem é Você Na Fila


do Pão! Este Ebook faz parte do Projeto Guias Rápidos, o
Portal para quem quer dar o Próximo Passo! Você pode
acessar nosso Portal que é atualizado semanalmente com
temas sobre Empreendedorismo e Desenvolvimento
pessoal por aqui.
Para agradecer a oportunidade de contar com você
como nosso leitor, convidamos você a se cadastrar
AGORA em nossa lista para assim ganhar, gratuitamente,
o GUIA RÁPIDO DA PRODUTIVIDADE.
Assim, logo de cara, você já vai poder levar mais
um Guia Rápido para casa, bastando assim se cadastrar
por aqui: CADASTRE-SE!
É isto! Muito Obrigado mais uma vez, e fique agora
com “Quem é Você Na Fila do Pão!”

INTRODUÇÃO
Lembro que, quando eu era pequeno (tenho 32 anos
hoje), uma banda que fazia bastante sucesso no Brasil era
o Molejo. Sim, o tal do Molejão fazia bastante sucesso
mesmo. Não que eu gostasse (tá, ok, até sabia cantar umas
músicas sim), mas não chegava a gostar, muito menos ser
fã.
Mas tinha uma música deles que ficou na minha
cabeça até hoje. Já se passaram uns 15... 20 anos e ainda
me pego cantando esse trecho aqui:
“Sabe quem perguntou por você?
Sabe quem perguntou por você-ê?
Sabe quem perguntou por você?
NINGUÉM!”
Se você comprou este livro, pode ser que esteja
nessa situação. As pessoas não sabem quem você é, não
sabem que você existe, e, a cada dia que passa, você
percebe que isso está te prejudicando.
Não importa qual seja a sua profissão, seja você
funcionário ou dono de empresa, começando agora ou
milionário, ser reconhecido pelo o que você faz, de
preferência como um EXPERT no assunto, é o que te
diferenciaria dos reles mortais, e faria com que seus
ganhos se multiplicassem várias vezes.
Só que eu sei que não é tão simples assim criar
uma imagem de expert. Não é algo que acontece do dia
para a noite. Talvez, na sua correria do dia-a-dia, você
nem encontre tempo para isso.
É por isso que este é um dos livros mais
importantes que você vai ler na sua vida. Você vai
aprender aqui que, muitas vezes, você está tendo que
correr atrás de clientes SÓ porque não construiu antes
uma imagem diferenciada que fizesse com que eles
corressem atrás de você. Sua empresa ou o seu cargo nela
podem estar ameaçados apenas porque você não fez a sua
lição de casa de se posicionar como uma autoridade no
seu nicho, e daí as pessoas ficam se perguntando se você é
mesmo a pessoa certa para resolver o problema delas.
Então, minha idéia aqui é que você aprenda a
lidar com a sua carreira como um autêntico marketeiro
pessoal. E veja bem, uso a palavra “marketeiro” aqui sem
nenhum problema, porque afirmo com 100% de convicção
que, para você ser bem-sucedido, TEM que saber como se
vender para o mercado.
É claro que a imagem que você vende tem que
condizer com a realidade. Caso contrário, as pessoas só
vão “te comprar” uma vez. Mas para isso, você tem que
dar motivos para elas tomarem essa atitude na primeira
vez. Aí sim, se você entregar o que prometeu, elas vão
comprar você muitas outras vezes.
Se você ainda não sabe bem por quais motivos
deve investir tempo no seu marketing pessoal, vou citar
alguns deles:
- SE TORNA AUTORIDADE NO ASSUNTO
Quando você se torna um expert no seu mercado,
as pessoas passam a ouvir sua opinião de uma maneira
diferente. Qual opinião você levaria mais em conta
quando o assunto é futebol? A do Casagrande (Walter
Casagrande, ex-jogador e atual comentarista da Tv
Globo), ou do Zézinho da Silva, que trabalha como
analista de Redes Sociais? Claro que do Casagrande.
Mas e se você precisasse de uma opinião sobre
redes sociais, e eu te dissesse que o Zézinho da Silva
trabalha há 10 anos no Facebook? Você ia preferir a
opinião dele ou a do Casagrande sobre esse assunto?
Claro que a do Zezinho da Silva. Veja então como o seu
histórico define a sua autoridade. Aquilo que falamos
depois do seu nome, “O que você fez e faz”, é fundamental
para que as pessoas reconheçam seu valor antes mesmo de
te conhecer pessoalmente.
- AUMENTA SEUS PREÇOS
Meu pai sempre me disse, desde quando eu era
pequeno: “Rafael, na vida é assim: faz a fama e deita na
cama”. E o que ele queria dizer é que, uma vez que você
estabelece o seu nome como uma autoridade, tudo fica
mais fácil.
Ja reparou aquelas celebridades de Instagram,
com mais de um milhão de seguidores, que você nunca
ouviu falar mas que cobram milhares de reais por uma
simples postagem ou presença em evento? Sim, eu sei que
dá raiva delas, eu também tenho, mas elas entenderam isso
na veia.
Eles são a prova de que a vida de quem constrói
uma imagem própria é mais fácil. Não é a toa que
profissionais mais famosos cobram mais por palestras,
cobram mais pelos produtos que vendem... Cobram mais
pelo que quiserem cobrar.
O gatilho da autoridade é muito poderoso, e faz
com que as pessoas queiram pagar mais ao saber que algo
é feito ou recomendado por alguém que elas reconheçam e
confiem.
- SAI DA “CORRIDA DE RATOS”
A vida profissional pode ser muito desgastante e
sem resultados se você não planeja-la da maneira correta.
Se você não souber bem quem você é nesse mundo, o que
defende, quais as suas qualidades e suas aspirações, seu
trabalho pode vai ficar bem complicado. Você acaba
aceitando empregos que não gosta, cargos e tarefas que
não quer, e acaba aceitando o que a vida preparou para
você sem a sua autorização.
Ainda, esse trabalho sem um sentido definido fica
mais complicado. Sem saber os motivos certos pelos
quais você trabalha, você não terá a motivação que
precisa, e as pessoas não vão te reconhecer como
autoridade. Logo, será mais difícil vender um produto,
defender uma opinião e ser reconhecido como alguém
excelente no que faz.
Creio então que motivos não faltam para que você
comece a investir agora no seu marketing pessoal. E a
melhor parte é que, não importa quantos anos você tenha,
sempre há tempo de começar a investir na sua imagem.
Pode ser que você esteja na faculdade e queira
construir sua história já. Pode ser que você já esteja há 20
anos no mercado e ainda precise começar a contar sua
históra do zero.
Fique tranquilo que, de qualquer jeito, você não
vai estar começando do zero. O que você vai aprender
aqui é poderoso suficiente pra te dar autoridade a partir
de contarmos a sua história, apenas isso, pois ela é
autêntica e única, e é isso que as pessoas querem ouvir de
você.
Fique comigo então que, a partir do próximo
capítulo, nós entraremos em detalhes nessa jornada para
você começar a praticar com excelência o marketing
pessoal.

1. AFINAL, QUEM É VOCÊ?


Nesse momento, você deve estar se perguntando...
Pensando: “Mas Rafael, eu não sou o Steve Jobs, como
que eu vou poder fazer pose de expert se eu nem sei no
que eu sou bom?”. Calma que chegaremos lá.
De início, vamos começar entendendo melhor
quem você é. Recomendo que você pegue papel e caneta,
e vá, junto com a leitura, fazendo as devidas anotações de
acordo com os exercícios propostos.
Vamos lá:
a) AONDE VOCÊ PODE CHEGAR
Cada um é cada um, diria o poeta. Tem gente que
quer ser reconhecido na sua cidade. Tem gente que quer
reconhecimento no seu mercado. Tem gente que quer ser
famoso pro Brasil inteiro, nível celebridade que vai na
Dança dos Famosos. E não existe certo ou errado. O que
muda é que, dependendo de onde você quer chegar, você
terá que fazer um trabalho maior ou menor de marketing
pessoal. Basicamente, quanto melhor a imagem criada,
maior vai ser o seu resultado.
Parte de se criar um marketing pessoal eficiente
está em você se especializar em algo. Criar uma
autoridade tão grande em determinado assunto, que você
passe a ser uma lenda viva daquilo. Pense bem, olhe o
mundo ao seu redor e as pessoas que se destacam nele.
Quantas pessoas bem sucedidas você conhece que são
especialistas em algo e quantas você conhece que fazem
de tudo um pouco? Tenho certeza que a primeira lista é
gigante, e aposto que você não conhece uma única que
faça parte da segunda.
A própria forma como pensamos nossas
profissões tendem a essa especialização. Veja na
medicina, por exemplo: depois de aprender de tudo um
pouco na faculdade, você passa a se especializar em uma
área específica. Conforme vai estudando mais e mais,
suas tarefas vão ficando cada vez mais restritas a uma
área única. De repente, você se tornou expert no assunto.
O mesmo vale para todas as outras profissões. De
um jeito ou de outro, consciente ou inconscientemente,
conforme você vai amadurecendo, você vai definindo a
sua área de trabalho e começa a se especializar nela.
Agora, se dá pra fazer isso de forma consciente, é muito
melhor, certo? Pois assim você consegue guiar sua
carreira através de um planejamento prévio, que é o que
faremos neste livro.
Existem alguns degraus que você deve subir até se
tornar a lenda do seu mercado, que são estes a seguir:
- Generalista: O nível mais baixo de todos. O
generalista normalmente é alguém em início de carreira ou
que nunca conseguiu evoluir em nenhuma área, logo ele
tem conhecimentos superficiais sobre todos os assuntos.
Assim, ele dificilmente é chamado para dar opinião sobre
qualquer coisa, pois ninguém quer saber o que ele tem a
dizer.
- Especialista ou Expert: Por incrível que pareça,
o especialista é só o segundo na escala de 1 a 6, para
você ver como não é fácil ser uma lenda do mercado. O
especialista é aquele que já escolheu um ramo específico
para se dedicar. Ele pode não ser famoso ainda, mas tem
conhecimento para falar a respeito. Então, pense naquele
jantar em família que todos estão discutindo sobre um
crime que apareceu no jornal, e seu primo, um advogado
crimininalista, dá a opinião dele. Por ser um especialista
no assunto, todos vão ouvi-lo com mais atenção do que
seu outro primo que é publicitário, por exemplo.
- Autoridade: Esta é aquela pessoa que também é
uma especialista, mas é reconhecida pelo mercado como
uma autoridade no assunto. Então, seguindo o exemplo
anterior, pense assim: voltemos para a cena do jantar.
Imagine que seu primo dá a opinião dele como advogado
criminalista, só que na mesma mesa está um importante
advogado criminalista que já tem 10 livros publicados
como assunto e dá palestras sobre o tema. Por mais que os
dois sejam especialistas, você, que é leigo, tende a levar
mais em conta a opinião do segundo profissional, já que o
currículo dele mostra que ele tem mais credibilidade.
- Celebridade: Esta é a parte mais curiosa. O
efeito celebridade é tão forte na mente das pessoas, que
muitas vezes ela nem precisa entender do mercado em que
está promovendo algo. Pense por exemplo na Fátima
Bernardes fazendo propaganda da Seara. Ela não entende
nada de carnes, mas ela passa uma imagem confiável para
as pessoas. Se colocássemos uma autoridade nacional em
qualidade de carne e a Fátima Bernardes para disputar a
preferência do público, com certeza confiariam mais na
apresentadora, por isso o fator celebridade pesa tanto.
Mesmo com pessoas que não sejam tão famosas, isso pesa
também. Imagine uma nutricionista que tem 2 milhões de
seguidores no Instagram cuja opinião sobre um assunto
seja diferente da de uma nutricionista que tenha livros
públicados sobre o assunto. Mesmo assim, o fato de ela
ser uma celebridade do mercado, com milhões de
seguidores, faz com que a opinião dela pese mais.
- Celebridade + Autoridade: Misturando
celebridades com autoridades, chegamos no nível 5, o
mais alto do marketing digital para os reles mortais
(explico em seguida). Aqui, você consegue unir o
reconhecimento do seu mercado com uma base gigante de
fãs, juntando assim a parte autoridade com a parte
celebridade numa pessoa só. E assim, de repente, você
consegue ter uma voz tão poderosa, mas tão poderosa, que
consegue ditar o comportamento das pessoas. O que você
tiver para vender, elas vão querer comprar.
- Estrela: Este é um nível apenas para lendas
vivas, aquelas pessoas que conseguem misturar
autoridade, com celebridade, com carisma, com uma
presença única, que fazem daquela pessoa inesquecível. É
o caso daqueles que, mesmo depois que morrem,
continuam sendo reverenciados como se estivessem mais
vivos do que nunca. Como um Ayrton Senna, por exemplo,
ou um John Lennon. Pessoas que, quanto mais o tempo
passa, mais força a imagem deles ganha.
--
Não é fácil subir cada um desses degraus. Isso
requer não só o trabalho de marketing pessoal em cima
mas, acima de tudo, requer que você se entregue o que a
sua imagem promete para as pessoas. Tem uma frase
famosa que diz que, o melhor jeito de você ser um expert
é se tornando um. Ou seja, você não constrói sua
autoridade da noite para o dia. Você tem que construi-la. E
isso requer escolhas, exposição, dedicação e MUITO
trabalho.
Claro que, se você pensar a curto prazo, talvez
tudo isso seja desgastante demais. Talvez você não tenha a
paciência necessária para ver sua autoridade nascer. Mas
se você pensar a médio e longo prazo, verá que valhe a
pena sim. Essa construção de uma autoridade que se inicie
hoje, pode ser a diferença para que daqui a 10 anos você
esteja cobrando R$ 10.000,00 pelos seus honorários, ao
invés de cobrar R$ 1.000,00, com pessoas fazendo fila
para pagar. Pode ser a diferença entre você optar por qual
proposta de emprego aceitar, ao invés de estar
preocupado com os cortes no seu setor. Pode ser a
diferença entre você ser pago R$ 30.000,00 para dar uma
palestra com uma agenda lotada delas, ao invés de fazer
um comentário no facebook que é ignorado por todo
mundo.
Por isso, esta primeira parte do primeiro capítulo
vale como uma reflexão. Espero que tenha ficado claro
para você quais são os degraus do marketing pessoal que
existem. E quero que você pense direitinho qual deles
você está disposto a subir. Quanto mais alto, mais díficil,
com certeza, mas os resultados também serão mais
gratificantes.
b) QUEM É VOCÊ HOJE?
Uma vez que você saiba suas possibilidades, é
hora de entender como chegar lá. Para isso, é preciso
analisar exatamente o que você quer e planejar sua
jornada. É essa clareza de panorama que você precisa ter,
para que suas ações sigam uma linha consistente rumo ao
seu objetivo. Os primeiros itens que você precisa pensar
são:
- Em qual o seu mercado você quer atuar?
Mesmo que você ainda tenha algumas dúvidas,
você já deve ter uma idéia básica de qual é o mercado em
que você deseja ser reconhecido. Por mercado, entenda
algo abrangente, aqui ainda não é hora de ser específico.
Então, como exemplos, podemos ter: Mercado Fitness,
Empreendedorismo, Direito, Marketing Digital,
Gastronomia, Design... E assim por diante. Deu para ter
uma idéia, certo?
- Qual a área de atuação exata?
Dentro desse mercado, existem várias opções
onde você pode se colocar como um especialista,
autoridade, o que for. Dentro do mercado Fitness, por
exemplo, você pode ser atleta, nutricionista, impresa
esportiva... Entendeu? Outro exemplo: se você é um
publicitário, você quer atuar em que área exatamente?
Como redator? Designer? Mídia? Reparou como escolher
apenas o mercado ainda é amplo demais? Então defina sua
área de atuação, pois abaixo vamos restringir isso ainda
mais.
- Qual o seu nicho?
Dentro da área de atuação, dá para ser ainda mais
específico, definindo seu nicho de trabalho. Esta é a hora
em que as pessoas normalmente se perdem, pois “nichar”
não é algo simples. Requer um pouco de coragem pois
você vai estar abrindo mão de falar com boa parte do
mercado, mas você receberá em troca uma autoridade
MUITO melhor, pois as pessoas vão reconhecer você
como uma autoridade mais rápido. Por exemplo, se você
precisasse de um auxílio para fazer anúncios no Google
Adwords, você prestaria mais atenção numa empresa que
faz marketing digital e que tem, entre 10 serviços
diferentes o de anúncios em Adwords, ou numa empresa
que faz SÓ Adwords e e especializada nisso? Com
certeza, a empresa especializada teria mais credibilidade
para falar. Isso serve para você como profissional
também. Então, caso você diga que é especializado em
marketing digital, por exemplo, ok... Mas isso ainda é
muito genérico. As pessoas vão bater o olho no seu nome
e ainda ficarão em dúvida sobre o que você faz. Por isso,
vá mais a fundo, dê um passo a mais na sua
especialização, até que ela se restrinja a algo bem
específico. Quanto mais específico for, mais você
estudará e praticará esse assunto, e mais se tornará um
especialista nele.
- Quem é seu público-alvo?
Quais são as pessoas que você quer ver escutando
a sua mensagem? Em que cidade elas vivem? Qual idade?
Qual perfil delas? Aonde elas costumam pesquisar sobre
o assunto no qual você quer se especializar? Se seu
público passa o dia no Youtube, é lá que você deve estar.
Já se eles preferem ler revistas, vá para as revistas. É
legal aqui fazer o exercício do Avatar, no qual você define
uma pessoa fictícia que representa o seu público-alvo.
Você define o nome dela, profissão, perfil em geral, e isso
vai facilitar muito na hora em que você entrar em contato
com o seu público. Você já vai saber quais as dores deles,
as perguntas mais comuns e o que você deve falar para
conquista-los.
- Como você gostaria de ser reconhecido no
mercado?
Isso diz mais respeito ao seu perfil. Se você
pudesse escolher, quando o seu público pensasse no seu
nome, o que lhes viria a cabeça imediatamente? Que você
é um sábio? Que você é meio louco? Que você é meiga?
Que você é desbocada? Claro que o ideal é que a forma
como você quer ser visto já tenha a ver com a forma como
você é pois, a não ser que você esteja disposto a fazer um
curso de atuação, as pessoas precisam ver que você é
auntêntico. Pense um pouco a respeito de quais traços são
únicos da sua personalidade, e como deixar isso claro
para as pessoas que vão ouvir sua mensagem.
- O que sua mensagem terá de diferente de todas
as outras?
É comum as pessoas saírem por aí querendo
aparecer em seu mercado, só que fazendo vídeos dizendo
as mesmas coisas que todo mundo já fala. Daí, sabe o que
acontece? Ninguém dá bola para aquilo, a pessoa se
desmotiva, pára de fazer conteúdo e diz que esse negócio
de marketing pessoal não funciona.
Quando você for passar a sua mensagem ao
mundo, esteja ciente de que as pessoas vão te analisar
como um produto. Logo, a sua mensagem vai seguir as
mesmas regras de mercado de qualquer outro produto que
tenha por aí: se as pessoas enxergarem valor, elas vão
“comprar” você. Se elas não acharem valor, não vão. Sem
dó nem piedade.
Tente se lembrar da última vez que você
compartilhou um vídeo nas redes sociais, ou dá última vez
que você taggeou um amigo no Facebook dizendo:
“Fulano, veja esse vídeo que ele irá te ajudar”. Você fez
isso alguma vez na vida, certo? Então pense o que te
motivou a compartilhar aquilo, e pense que você deve
causar esse mesmo efeito nas pessoas que ouvirem a sua
mensagem.
Então, a reflexão que fica aqui é: O que sua
mensagem terá de diferente para as pessoas? Tome o
tempo que for por aqui pois, caso você não coloque essa
pitada de personalidade, todo o seu esforço será em vão.
c) COMO É O SEU MERCADO
ATUALMENTE?
Talvez você tenha feito todos os exercícios acima
e não esteja se sentindo preparado para se expor ao
mundo. Vou repetir então uma famosa frase que já citei
uma vez aqui no livro, mas vale citar novamente: “O
melhor jeito de ser visto como expert, é se tornando um”.
Agora que você já sabe dizer ao certo qual é o seu
nicho de mercado, é hora de se especializar nele. Se você
já é um especialista, melhor, mas isso não te impede de
começar hoje, do zero, e ser rapidamente conhecido como
um. Tudo depende da forma como você irá abordar o
assunto.
Antes disso, porém, é preciso entender como
estão as coisas hoje. Você não deve ser a primeira pessoa
a tentar ser reconhecida nesse assunto, e isso não tem
problema nenhum. Vamos então fazer uma breve análise
do seu mercado:
- Quem são, hoje, os experts do assunto?
Se você pudesse olhar alguém hoje e dizer: “Eu
queria estar aonde essa pessoa está e ser reconhecida
como ela é”, de quem você estaria falando? Quem é ela e
como ela chegou aonde chegou? De todos os passos que
ela deu até chegar lá, quais você já deu também? Quais
ainda não deu mas também pode dar?
Caso você não consiga pensar em ninguém que
esteja nessa posição no seu mercado... Bom, primeiro de
tudo, parabéns, pois você conseguiu achar um mercado
“virgem” em 2017, algo bem raro. Mesmo assim, você
pode fazer esse mesmo exercício buscando pessoas que
sejam referências em outros mercados e que você admire,
estudando o que elas fizeram para chegar lá.
- Quais passos você pode dar hoje em direção a
ser visto como especialista?
Existe algum curso, pós-graduação,
especialização que você poderia fazer e que, como esse
diploma, você já teria o “carimbo” que necessita para ser
considerado um expert? Às vezes você demora anos
pensando em como ser reconhecido como especialista,
sendo que em um ano teria feito um curso que te dá esse
reconhecimento.
Porém... Porém... Na minha opinião pessoal, a
útlima coisa que você precisa para ser reconhecido é de
um diploma. Eu odeio quem acha que ter diploma resolve
sua vida, pois acho que, acima de tudo, o que vai definir o
sucesso na sua vida é uma coisa só: RESULTADOS!!!!!!
Então, que fique registrado aqui que ter esses
diplomas podem ser importantes, pois às vezes, até
legalmente falando, eles podem ser necessários para você
se colocar como uma autoridade no assunto. Mas no final,
o que vai contar mesmo, é você mostrar que produz
resultados na sua área.
Então, pense comigo: quais resultados você está
tendo hoje? Eles são dignos de serem mecionados para as
pessoas? Se não, o que está faltando? Se sim, como você
poderia coletar e armazenar esses resultados? Se sim,
aonde você poderia mostrar isso às pessoas? Como você
mostraria isso às pessoas?
Um outro jeito de se começar a se tornar
referência no mercado é ir atrás das pessoas que já são
uma referência e contar a história delas. Você se torna um
interlocutor entre que já chegou lá e quem quer saber
como. Com isso, você é contagiado pelo efeito autoridade
e passa a ser visto como alguém que entende do assunto.
Fique tranquilo que veremos mais sobre isso nos
próximos capítulos. Este capítulo 1 serviu para você
enxergar todas as possibilidades sobre aonde pode
chegar, e fazer este trabalho de auto-conhecimento, para
entender quais armas você tem na mão e aonde elas
poderiam ser usadas. No próximo capítulo, falaremos
mais sobre fazer o seu marketing mesmo, e você
aprenderá a transformar todas essas informações em um
produto único e inesquecível: você!

2. CRIANDO O PRODUTO
“VOCÊ”
No capítulo inicial, fizemos um trabalho de coleta
de informações a seu respeito. Tudo que você escreveu ali
se refere a fatos: aonde atuar, quem você é, seu histórico,
seus resultados.
Agora, porém, a gente entra no universo do
marketing. Não sei até que ponto você é familiar com esse
assunto, mas, dentre várias definições possíveis, fazer
marketing significa transformar fatos em uma mensagem
poderosa e impactante.
Caso você tenha dificuldades de se vender, temos
um problema, já que para seu marketing pessoal funcionar,
as pessoas precisam te “comprar”, mesmo que por
comprar entenda-se apenas concordar com a sua opinião.
Falando francamente, se até os dias de hoje você ainda
tem problemas para se vender, isso aconteceu porque
você nunca parou para entender o que faz no mundo e qual
sua mensagem para passar para as pessoas. Uma vez que
você defina isso, vender-se como profissional vai ser
muito mais simples, pois agora você realmente acreditará
na mudança que é capaz de fazer no mundo.
Vamos então construir a sua mensagem através de
4 etapas:
a) QUAL A SUA MISSÃO AQUI NA
TERRA?
Por mais pragmático que você seja, você não faz
o que faz apenas para botar dinheiro no bolso. Talvez seja
essa a sua resposta quando alguém te pergunta a respeito,
mas você sabe que no fundo não é verdade. Alguma coisa
fez você escolher seguir sua profissão, de modo que,
quando você a exerce, existe uma satisfação extra ali. E é
atrás dessa sensação que estamos agora.
(Pode ser que você chegue aqui e me diga: “Não, Rafael,
eu odeio o que faço.” Ou “Não sei porque escolhi essa
profissão”, ou “estou aqui pra pagar as contas”, ou “meus
pais me obrigaram a fazer essa faculdade...” Se esse é seu
caso, espero que você esteja lendo esse livro porque está
preparando uma mudança drástica na sua carreira, em
direção aos seus desejos reais de satisfação no trabalho.
Porque, caso você continue para sempre fazendo o que
não gosta, pode parar de ler esse livro agora, pois você
NUNCA vai atingir a excelência, e NUNCA vai ser
reconhecido como alguém de destaque. Para se tornar uma
lenda no que faz, você precisa AMAR o que faz. Nada
menos que isso interessa.)
Voltando então para aqueles que amam de fato sua
profissão, vamos em busca desse algo a mais que a sua
profissão te oferece. Para entender um pouco melhor sua
missão, podemos fazer o exercício de trás para frente: lá
no futuro, quando você já for velhinho, como você vai
querer ser lembrado pelas pessoas? Como você impactou
a vida delas através do seu trabalho? Cada vez que você
vendia algo (mesmo que você não seja um vendedor, você
fornece o seu serviço para alguém), que diferença você
fazia na vida das pessoas impactadas?
Procure buscar essas informações no seu íntimo.
As pessoas precisam saber o que está por trás de você,
porque você faz o que faz. Descobrir sua missão pessoal
vai te ajudar a:
- Dar mais sentido às tarefas do seu dia-a-dia,
pois todas serão parte do processo de cumprir sua missão
maior.
- Dar mais motivação a você no dia-a-dia.
Acredite, quem entra numa jornada dessas apenas pelo
dinheiro, fica pelo caminho, pois os obstáculos são muitos
e o dinheiro demora para vir.
- Dar mais legimitidade ao seu trabalho. As
pessoas vão acreditar muito mais em você quando
souberem que existe um motivo maior no que você faz.
- Dar mais veracidade ao seu discurso. Por mais
simples que seja, dar uma causa maior ao seu trabalho faz
toda a diferença. Me responda: você daria mais atenção a
uma pessoa que diz que “vende ventiladores” ou uma que
diga “eu refresco o mundo”. Repare que as duas fazem a
mesma coisa, mas o segundo chama muito mais atenção
que o primeiro.
Para te ajudar a pensar na sua missão, pense no
que ou quem é o inimigo número 1 que você luta contra.
Todo protagonista precisa ter um antagonista, de
preferência bem forte e que atrapalhe a vida de muitas
pessoas.
Por exemplo, se você vende computadores, você
está lutando contra a exclusão digital, pois sabe que
pessoas conectadas tem mais acesso à informação.
Se você vende emagrecimento, você está lutando
contra a obesidade.
Se vende produtividade, está lutando contra a
procrastinação que torna a vida das pessoas medíocres.
Veja como, quanto melhor você conhecer o público-alvo,
mais fácil será para enxergar quais são os inimigos deles
e assim esculpir a sua missão (considerando, obviamente,
que você esteja 100% alinhado com ela).
É capaz que, conforme for a sua missão, você
ganhe desafetos, pois este algo contra o que você está
lutando terá as pessoas que o defendam também. Mas isso
faz parte do jogo. Ao tomar uma posição na vida, você
deve saber que existirão os que são a favor e os que são
contra. Com o tempo, você vai aprender a só se importar
em trabalhar pelos que são a favor, pois são eles que
farão a sua imagem ter cada vez mais reconhecimento e
credibilidade.
Dito tudo isso, é hora de pensar e definir: Qual é
a sua missão? Como você irá salvar as pessoas por quem
trabalha? Contra o que ou quem você está lutando?
b) QUAL A SUA HISTÓRIA?
Pessoas amam histórias. É por isso que todo
mundo vai no cinema, é por isso que todo mundo é fã de
super-heróis, é por isso que, sempre que alguém se
destaca, todo mundo vai atrás de saber QUAL A
HISTÓRIA DAQUELA PESSOA. Porque são as histórias
que a gente guarda na memória.
Quando bem contadas então, aí elas ficam
impossíveis de serem superadas. Dá para dizer que, nos
negócios, uma boa história faz o produto se vender
sozinho. Gosto muito do exemplo da marca Toms, uma
grande fabricante de tênis nos Estados Unidos. O dono,
em 2006, estava na Argentina a turismo, visitou um
vilarejo muito pobre, no qual as crianças tinham muito
dificuldade de comprar sapatos. Por causa disso, resolveu
voltar para casa e criar uma marca que, a cada tênis
vendido, doa outro para crianças carentes. Veja, essa é
uma história que faz com que, ao ver esse tênis na loja,
você tenha uma imagem positiva sobre ele
automaticamente. Na dúvida, você optará por um tênis
Toms.
No caso do seu marketing pessoal, o que
precisamos é criar a sua história. Algumas das vantagens
de você ter uma história para contar são:
- A sua história será o que fará as pessoas
lembrarem de você, pois histórias geram memórias.
- Histórias motivam pessoas a agir, pois elas
inspiram os outros a sentir aquela emoção por conta
própria.
- Histórias aproximam as pessoas e estreitam
relacionamentos
- Histórias tornam um fato chato ou morno em
algo interessante e excitante.
E talvez, a vantagem mais importante para o seu
marketing pessoal:
- Histórias mostram a sua jornada desde o início
até a sua transformação em um expert. Com isso, dão
muito mais legitimade para a sua figura.
As pessoas precisam saber que você passou por
uma transformação para ser quem você é hoje. Só assim
para você se tornar um herói para elas. Pense em como
funciona um roteiro de filme: todo protagonista sempre
começa a história de um jeito e termina de outro,
TRANSFORMADO, depois de vencer um antagonista.
Para facilitar sua vida na hora de criar a sua
história, vamos ensinar para você 6 tipos de histórias que
você pode usar para contar a sua.
Talvez você esteja se perguntando: “Mas e se eu não
tiver história? Posso inventar uma?” Essa é uma dúvida
muito comum, para a qual eu tenho duas coisas a dizer:
- Com certeza você tem uma história. Todos temos.
A sua vida é única, diferente da minha, diferente de todas
as outras. O que acontece é que a gente costuma
desmerecer o que acontece na nossa vida e romantizar o
que acontece na vida dos outros. Aquela coisa da grama
do vizinho ser mais verde, sabe? Sempre pense na forma
como você chegou até aqui, nos motivos que levaram você
a escolher essa profissão, em como você enfrentou
barreiras no seu trabalho. Você SEMPRE terá uma história
para contar.
- Caso, de jeito nenhum você consiga pensar numa
história interessante sobre você, temos um modo de você
conseguir outras histórias para falar sobre si mesmo.
Veremos a seguir. Nunca, em hipótese alguma, conte
mentiras, pois uma hora alguém vai descobrir, e daí sua
credibilidade nunca mais será recuperada.
Vamos então ver quais são os tipos de história nas
quais você pode encaixar a sua:
- JORNADA DO HERÓI: Tipo mais comum que
existe, e que pode se enquadrar em qualquer filme de
Holywood. Você levava uma vida normal (Ex: Trabalho
sem Graça), até que descobriu por acidente um negócio
novo (Ex: Negócio Online), você decide ir atrás disso,
passa por diversos desafios (ex: Aprender o Novo
Negócio, conciliar o trabalho formal com esse, arrumar
tempo para família), as coisas quase dão muito errado
(Ex: Você quase perde a família e o emprego), mas você
se supera e consegue triunfar (Ex: Você consegue se dar
bem no mercado online e larga o emprego formal, agora
tem tempo e dinheiro), então resolve ajudar as outras
pessoas a passarem por essa transição.
- INIMIGO PÚBLICO COMUM: Você sofria de um
grande mal (Ex: Fumava Demais), só que não percebia
como aquilo te prejudicava, até que teve uma grande
descoberta (Ex: A indústria esconde todos os malefícios
do cigarro), por isso conseguiu lutar para se livrar
daquele mal (Ex: Consegiu parar de fumar), e agora quer
ensinar as outras pessoas a se livrarem também (Ex: Vai
ensiná-las como parar de fumar)
- JORNADA DO IDIOTA: Você passou por poucas e
boas. Gastou muito dinheiro e nunca conseguiu resultados
(Ex: Dietas Furadas). Estava cansado de ser
ridicularizado e se sentir rídiculo (Ex: Olhava no Espelho
e se sentia Gordo). Até que você conheceu um método
incrível que mudou sua vida (Ex: Dieta XYZ). Agora,
você quer ensinar isso para as pessoas para que elas não
passem pelo que você passou.
- DO FRACASSO À FAMA: Você fazia as coisas
de um jeito que não funcionava (Ex: sua empresa não
vendia nada). Quando as coisas já estavam quase perdidas
(Ex: Você estava falindo), você descobriu um método que
revolucionou tudo (Ex: As vendas começaram a
acontecer). Agora, você quer mostrar isso aos outros que
passavam pelo mesmo problema (Ex: Ensinar aos outros
que método de vendas é esse).
- HERÓI POR ACIDENTE: Você tinha um
problema e aprendeu como resolve-lo sozinho (Ex: Você
não sabia planejar suas contas pessoais mas aprendeu a se
virar). Você mostrou essa solução para as pessoas mais
próximas, e todas adoraram e começaram a usar (Ex: Toda
família e amigos gostaram do seu modo de fazer
planejamento financeiro). Motivado por todos, você
decidiu mostrar essa solução para o mundo inteiro apra
ajudar o maior número de pessoas possíveis.
- NÓS SOMOS PARECIDOS: Eu tinha um
problema (Ex: Não sabia como investir dinheiro). De
tanto sofrer por isso, consegui encontrar uma solução (Ex:
Criei um método de se investir dinheiro). Agora, quero
compartilhar isso com as pessoas que sofrem tanto quanto
eu.
--
Repare como todas as histórias envolvem os
momentos inicias de fracasso e falta de soluções, e é aí
que está a magia. Ninguém gosta de pessoas perfeitas,
enquanto que todos amam grandes histórias de superação.
Na hora de imaginar a sua história, não tenha medo de
contar como as coisas eram quando davam errado. Sabe
porque? Porque tem grandes chances da pessoa que ouvir
a sua história estar passando exatamente por um desses
momentos ruins que você citou. Quando ela perceber que
você sabe explicar o momento dela melhor que ela mesmo
saberia, ela vai passar a confiar que você tem uma
solução.
Existem ainda, dois métodos de se contar histórias
no caso de você não ter alguma história própria para
contar. Veja:
- HISTÓRIA REAL DE PESSOAS OU EMPRESAS
CONHECIDAS: Se no início você tiver dificuldade para
criar a sua história, você pode pegar carona em empresas
famosas ou pessoas famosas como um jeito de pegar
credibilidade. Por exemplo, imagine que você seja
nutricionista e consiga um paciente famoso. Com a
autorização dele, claro, você pode vender o seu serviço
dizendo: “O método que fez a atriz Joaquina da Silva
perder 7kg em 2 meses”. O fato de você citar a atriz
famosa fará com que as pessoas se interessem pelo o que
você tem para contar.
No caso de empresas, vamos pegar um exemplo de
um profissional de finanças. Ele pode se vender dizendo:
“O método que eu utilizei para cortar em 35% os custos
do departamento de Vendas da Microsoft”. Lógico, ele
precisa de autorização da própria empresa para falar isso,
mas veja como você já olharia esse cara com outros olhos
do que se ele só dissesse: “Sou bom em corte de custos”.
Em casos mais extremos, quando a pessoa não tem
nem cliente famoso nem trabalhou em empresa conhecida,
ele pode tentar se vender utilizando credibilidade da
ferramenta que ele é especialista. Por exemplo, um
profissional de Facebook Ads, pode se vender dizendo:
“Sou especializado na ferramenta que movimenta Bilhões
de Reais por Ano em Publicidade”. Viu, ele conseguiu
colocar números na mesa, impressionando as pessoas,
sendo que ele não falou nada dele, e sim do Facebook
Ads.
- HISTÓRIAS FICTÍCIAS: Um bom jeito de explicar
este item é lembrando da nossa infância, das fábulas que
nos contavam. Por exemplo, quando eu lembro dos Três
Porquinhos, eu lembro da importância do trabalho, pois o
porquinho que se dedicou e construiu a casa dele acabou
ajudando aos outros que não se esforçaram igual. Ou seja,
sendo criativo, você pode usar essa história para mostrar
a importância de trabalhar duro, e isso pode estar
relacionado ao seu know-how. Se não quiser pensar numa
história conhecida, você pode contar uma história que nem
cite nome das pessoas, algo como: “Dois amigos
estudavam juntos no colégio, tinham a mesma renda
familiar e as mesmas condições sociais. Hoje, adultos, um
deles está falido, e o outro está bilionário. Aprenda
comigo o que eles fizeram de diferente”. Pronto, você
criou curiosidade e autoridade.
--
Creio que você tenha visto muita coisa nesse item
de Storytelling. Agora é o momento de parar um
pouquinho e pensar em como você vai contar a sua
história. Lembre-se que você pode usar mais de uma
delas. É apenas interessante que uma delas seja a
principal, mas você sempre pode utilizar as outras ao
contar pequenas histórias para as pessoas, como na hora
de vender seu produto (Ex: Conte para o cliente a história
de clientes que tinham o mesmo problema que ele).
Acredito que tenha ficado claro como histórias
são importantes para sua vida. Garanto a você: sem uma
boa história, o seu marketing pessoal fica capenga.

C) QUAL O SEU POSICIONAMENTO DE


MERCADO?

Você já tem uma missão. Você já tem uma boa


história para contar como chegou até aqui. Agora, você
precisa se posicionar. Isso significa que você precisa
escolher a forma como você vai se portar e,
principalmente, as pessoas que você quer atingir
especificamente.
Explico: se você pensar no Audi TT e no Fiat
Uno, percebe que os dois fazem a mesma coisa (são meios
de locomoção), mas o apelo de um e do outro são
completamente diferentes, desde o design, passando pela
performance até o preço. Se você quer se vender como um
Audi TT, sua mensagem tem que ser uma. Se quiser se
vender como um Fiat uno, sua mensagem deve ser outra.
MUITO IMPORTANTE: Em nenhum momento
você vai ler aqui que é melhor ser uma coisa ou ser outra.
De imediato, talvez você pense que é melhor ser um Audi.
Talvez, mas não necessariamente. Ao focar num público
premium, você tem a vantagem deles não serem sensíveis
a preço, porém sua entrega tem que ser ultraqualificada
(Audi). Já focando num público médio, você precisa
cobrar menos, mas ao mesmo tempo consegue abranger
mais gente com um conteúdo mais genérico. Tudo depende
de como você enxerga o seu know-how, da linguagem que
gosta de utilizar e das pessoas com quem gosta mais de
lidar.
Por exemplo, se você é um profissional de
marketing especializado em SEO, você pode tanto se
tornar uma autoridade para pequenas empresas que nem
sabem o que é isso, quanto se especializar em grandes
empresas que utilizam os recursos mais avançados do
assunto. Como sempre, uma questão de escolha.
Defina então qual tipo de público você quer
atingir que, a seguir, vamos ver comportamentos para
você começar a tomar a partir de agora que ajudarão em
seu posicionamento:
- Defina um slogan para si mesmo: Do mesmo
jeito que marcas tem slogan, você deve criar o seu
também. Este slogan é uma frase que resume você como
um produto, como o especialista que é. Exemplo besta:
“Fulano de tal, o exterminador do mau-humor”. Caberia
bem para um humorista.
Minha esposa promove eventos de moda nacional
em São Paulo. O Slogan pessoal dela é: “a maior
curadora de eventos de moda independente do Brasil”.
Viu, não é a coisa mais díficil do mundo.
- Pense de acordo com o seu posicionamento:
Agora que você se olha no espelho e se enxerga nesse
slogan, que define toda a sua missão pessoal em uma
frase, passe a pensar de acordo. Quando você “veste a
camisa” do seu novo papel no mundo, isso afeta a forma
como você conversa, como prospecta, a qualidade do seu
trabalho, e tudo o mais que você faça.
- Aja de acordo com o seu posicionamento: Se
posicionar altera muito a forma como você age. Ao invés
de encarar o mundo pensando “O que as pessoas podem
fazer por mim”, você passa a pensar “O que eu posso
fazer pelas pessoas”.
- Vista-se de acordo com o seu posicionamento:
Se você quer falar com um público de elite, precisa se
vestir para tal. Se quer falar com o povão, tem que mudar
tudo, e ser bem mais informal nas roupas. Sempre pense
em espelhar a forma como o seu público se veste.
- Fale de acordo com o seu posicionamento: Se
você quer ser visto como autoridade, seu discurso precisa
amadurecer. A partir de agora, você é um porta-voz de si
mesmo, e tem que sempre pensar que, ao falar qualquer
coisa sobre qualquer assunto, as pessoas sempre estarão
pensando em você como um produto.
- Foque pensando em reforçar o seu
posicionamento: A partir de agora, as suas prioridades
estão definidas. Você deve sempre optar por tarefas e
ações que estejam alinhadas com seu posicionamento e
reforcem sua imagem perante ao se público.
- Prepare o seu discurso de vendas: Esteja
preparado para, a qualquer momento, se apresentar para
as pessoas e dizer o que faz em poucas palavras. Prepare
o seu “Pitch de Elevador”. “Pitch’ significa mensagem de
venda, e a idéia do Pitch de Elevador é criar uma
mensagem curta e poderosa que impressione uma pessoa
no intervalo de uma viagem de elevador. Ou seja, poucos
segundos.
- Prepare-se para e aprenda com as objeções:
Conforme você começar a se vender por aí, vai escutar
muitas objeções, que são as dúvidas que as pessoas tem
em relação a você. É importante que você anote todas e
faça duas coisas com elas. A primeira é adaptar sua
mensagem para eliminar parte das objeções. A segunda é
ter uma resposta na ponta da língua para as objeções que
não podem ser eliminadas.
- Contagie as pessoas com o seu pitch de vendas:
Não basta seu discurso ser bonito. Você tem que lembrar
que ele representa a sua imagem e a sua causa. Por isso,
sempre inunde o ambiente de entusiasmo ao falar do que
você defende, pois essa empolgação contagia, e deixa
mais fácil as pessoas acreditarem em você.

--
Ao seguir esses passos a risca, fica díficil alguém
não notar você como um expert no que está falando. No
capítulo 3, falaremos mais especificamente sobre como
divulgar a sua mensagem ao mundo, com muitas
ferramentas para tal.
Antes, porém, falta mais um passo importante para
você se posicionar no seu mercado como um expert.
d) COMO PROVAR QUE VOCÊ É BOM NO
QUE FAZ?
Por enquanto, o seu discurso está muito bom, mas
ainda não está perfeito. Uma grande missão, uma grande
história e um grande posicionamento resolvem
praticamente todas as objeções das pessoas, menos uma:
elas precisam de uma confirmação de que tudo que você
está falando é verdade.
No capítulo passado, já demos uma pequena
introdução sobre o assunto, e aqui vamos nos aprofundar
um pouco mais.
Então, para começo de conversa, fique tranquilo
que, mesmo se você nunca se preocupou com este assunto,
dá sim para criar uma credibilidade com fatos sobre seu
histórico profissional, ou então começarmos hoje a coletar
essas informações para aos poucos você já ter os seus
carimbos de credibilidade.
Primeiro de tudo, você deve saber que a sua
credibilidade só vai ser aceita caso você apresente uma
coisa para as pessoas: RESULTADOS. O que pode variar
é a forma como apresentar esses resultados, mas todas
serão um modo de provar que você sabe do que está
falando. Vamos mostrar então essas diferentes formas:
- RESULTADOS ANTERIORES
A primeira forma de você demonstrar que sabe o
que faz é coletando resultados do seu trabalho atual. Se
você é um analista financeiro, deve ser capaz de mostrar o
resultado do seu trabalho em um ano de empresa. Se você
vende serviços de Marketing digital, precisa ter cases nos
quais mostra os ganhos que os clientes tiveram com o seu
serviço. Um cabelereiro pode ter um case de trabalho a
cada cabelo que corta, fazendo aquele famoso Antes e
Depois. Uma nutricionista então... Fácil: você deve ter
cases de clientes que emagreceram com você. Até porque,
caso você não tenha nenhum caso de cliente que
emagreceu, algo está bem errado.
Repare então que, a partir do momento que você
está trabalhando, que está na ativa, diríamos assim,
espera-se que você esteja diariamente produzindo cases
que comprovam a sua competência.
E é aí que você tem que botar o seu marketing
para funcionar. Eu, pessoalmente, não gosto de ser
apelativo demais nas chamadas, mas isso não quer dizer
que você não tenha que colocar palavras certas nos
lugares certos para chamar a atenção das pessoas.
Calma que eu explico. Vamos pegar um dos
exemplos citados acima, do profissional de marketing
digital. Imagine que ele tenha feito um trabalho com uma
empresa que vendia R$ 1.000,00 por mês na Internet e,
após 3 meses do serviço dele, a empresa passou a vender
R$ 10.000,00. Veja bem... a mensagem que ele tem que
deixar claro é que ele fez um faturamento da empresa
crescer 10X em um trimestre.
Então imagine que, na próxima vez que ele fosse
abordar um cliente, ele dissesse: “Oi, você gostaria de
conhecer um método que fez um cliente meu aumentar 10x
o faturamento dele em apenas 3 meses”. Cara, isso chama
atenção! É muito mais poderoso do que você dizer: “Oi,
eu faço serviços de marketing digital, você tem um
minuto?” Neste segundo caso, você tem uma mensagem
chata, entendiante, que não dá um mínimo de curiosidade
nas pessoas.
Então, olhe a sua volta. Grandes chances de que
você esteja trabalhando hoje com aquilo no qual quer ser
reconhecido. Comece a pesquisar, coletar e se esforçar
para obter mais resultados que comprovem o seu talento,
pois esse vai ser o carimbo definitivo do seu trabalho.

- DEPOIMENTOS

Ok, existe algo ainda mais poderoso do que


histórico de resultados: é histórico de resultados COM
depoimentos das pessoas que foram beneficiadas. Sempre
tem aquelas pessoas que desconfiam de tudo o que vê. Se
você começar a dizer que fez maravilhas com todos seus
últimos clientes, pode ser que acenda uma luz de dúvida
na cabeça deles. Eles podem pensar: “Isso é bom demais
para ser verdade. Será que é mentira?”
É uma dúvida genuína que mesmo os clientes
menos suspeitos também podem ter. Por isso, para o seu
discurso ser matador mesmo, você precisa coletar o
depoimentos de pessoas que receberam o seu serviço e
gostaram.
Aqui, quanto mais depoimentos melhor. Se for por
vídeo, melhor ainda. As pessoas gostam de ver gente
comum falando, pois se identificam com elas. Caso seja
por texto, tudo bem, não é o melhor dos cenários, mas
procure humanizar o relato, colocando foto da pessoa e
colocando detalhes completos: nome, sobrenome, email
de contato. Sim, deixe o contato ali, pois é sua forma de
mostrar que o depoimentos é autêntico. E não... Em
hipóteses nenhuma, invente depoimentos. Cedo ou tarde,
alguém vai descobrir sua mentira. Mais importante:
quando você mente, você mesmo passa a suspeitar do que
está vendendo, pois, no inconsciente, sabe que teve que
mostrar um case falso para provar o que está falando.
Nada substitui um case de verdade, com um cliente feliz
de verdade.
Para conseguir depoimentos, existe uma técnica
muito simples: peça por eles. É... Não tem segredo.
Convenhamos, se o seu serviço encantou o cliente, ele não
pensará duas vezes antes de retribuir o favor fazendo um
depoimento para você.

- DIPLOMAS, CERTIFICADOS, CURRÍCULO


Bom, creio que já ficou claro aqui que
RESULTADO é a coisa mais importante de todas, certo?
Ainda assim, nós não podemos ignorar a
importância de você ter “carimbos” no seu currículo que
comprovem o seu conhecimento sobre o assunto. Isso
pode variar de área para área, claro. Em algumas delas
um diploma é obrigatório para você querer “ser alguém”.
Por exemplo, imagine que você queira ser uma autoridade
em Direito Trabalhista mas você não tem diploma de
advogado? Impossível né? Em outros casos, como ramo
fitness também, costuma dar muito problema pessoas que
querem se tornar autoridade dando dicas de exercício ou
alimentação, sendo que não tem nenhuma formação para
tal... Tem que se tomar muito cuidado com isso, pois por
questões legais mesmo, você pode ser processado por
isso.
Tanto nesses casos em que o diploma é obrigação,
como em outras áreas mais flexíveis, como marketing, por
exemplo, o diploma ainda tem sim uma importância em
termos de imagem para você, pois ele vai mostrar para o
seu cliente que você tem anos de estudo sobre o assunto.
Conforme você vai se especializando numa
determinada área, espera-se também que você tenha no
seu histórico cursos complementares correspondentes.
Neste caso, pós-graduações, cursos complementares,
especializações, etc... Cada coisinha dessa vai contando
como uma estrelinha no seu currículo na imagem do seu
cliente.
Caso você não tenha um diploma forte ou
especialização forte, uma outra forma de mostrar sua
competência (e que não deixa de ser um jeito de mostrar
que você entrega resultados), é usando o nome das
empresas para as quais trabalhou. Você já deve ter ouvido
por aí nas redes sociais, gente dizendo: “Depois de
trabalhar 10 anos na Empresa XYZ, e atender clientes
como Blá blá blá, eu posso te dizer o que funciona e o que
não funciona”. Pronto, a pessoa deu um jeito de colocar
“estrelinhas” no currículo dele sem entrar no mérito de
faculdade, pós, etc...
Ter currículo é bom? Sim.
Só ter currículo é suficiente? Pode até ser se o
cliente não for tão exigente.
É melhor ter currículo ou resultado? Resultado,
sempre.
Você já ouviu falar no Flávio Augusto da Silva?
Bilionário brasileiro, que começou pobre, sem nada, na
periferia do Rio, e que hoje, 20 anos depois, já vendeu
uma rede de escolas de inglês que começou do zero
(depois comprou de novo), e é dono de um time de futebol
nos Estados Unidos?
Ele tem um negócio online no qual dá aulas de
empreendedorismo, com um detalhe: ele nunca cursou
administração nunca fez uma pós... Pior, ele nunca fez uma
faculdade... NENHUMA.
Agora me pergunte: eu, Rafael, se quisesse
aprender a montar uma empresa, eu preferiria aprender
com o Flávio Augusto, que nunca estudou o assunto, ou
fazer um curso com um professor da FGV que fez
administração de empresas, tem 5 pós-graduações na
área?
Com certeza o Flávio Augusto, pois ele tem um
histórico muito poderoso e uma experiência prática única.
- PEGANDO CURRÍCULOS “EMPRESTADO”

Caso você queira se tornar um expert de uma área


completamente alheia a sua e não conheça absolutamente
nada do mercado, minha recomendação é que você traga
mais alguém para o time, e passe a ter uma pessoa da área
“assinando” as suas opiniões.
De novo: em algumas áreas mais rigorosas, esse
“carimbo” de alguém da área não só é bom para o
marketing como também é necessário legalmente. Em
todos os casos, porém, ele vai ser fundamental para você
começar com uma autoridade inicial. Aos poucos, as
pessoas vão começar a reconhecer seu nome como um
especialista da área, e você vai conseguir transferir a
credibilidade da pessoa da área para você.

--

Essas foram então 4 formas de você conseguir


colocar carimbos de credibilidade e confiabilidade no
que você fala.
Como pôde ver, existem diversas formas como
comprovar que você sabe o que está falando. E eu espero
que você tenha aprendido com isso que o seu dia-a-dia no
trabalho deve estar sempre alinhado com esse objetivo: o
de criar mais cases de sucesso para o produto “Você”.
A seguir, entraremos no terceiro capítulo, aonde
veremos que não basta saber quem você é, nem saberm
como criar uma imagem positiva a seu respeito.
Você precisa também se expor MUITO e falar
tudo que pensa ao seu Mercado.

3. CONTANDO AO MUNDO
SOBRE QUEM VOCÊ É
Talvez essa seja a parte mais complicada de
todas, pois aqui, como dizia meu avô, é a hora em que a
onça bebe água. Tem muita gente que sonha em criar uma
marca pessoal, que quer ser reconhecido pelo que faz...
MAS MORRE DE MEDO DE SE EXPOR.
Isso não faz sentido, não é mesmo? A sua marca
pessoal não vai ser construída por um milagre divino e
ninguém vai saber que você existe se ninguém sabe quem
você é e o que pensa. Então, se você é desses a espera
desse milagre, vou usar mais uma expressão do meu avô:
pode tirar o cavalinho da chuva.
Você vai ter que se expor.
Você vai ter que se posicionar.
Você vai ter que se destacar.
Espero que, até o momento, você já tenha criado
uma grande história e uma grande mensagem para passar
ao mundo, pois ela precisa ser poderosa. O mundo lá fora
é cruel. Sabe o que fazem com pessoas e conteúdos que
não são únicos e originais? Elas ignoram.
Nesse capítulo, nós vamos abordar as etapas da
divulgação da sua mensagem: o que fazer, por onde fazer,
o que esperar. A intenção é que você se planeje para
inciar a criação da sua nova imagem e se preparar para os
próximos passos.

a) QUAL A SUA META DE


DIVULGAÇÃO?
Antes de dar início a qualquer tipo de divulgação,
você TEM que definir qual o propósito disso. Senão,
caímos naquele velho ditado de que “Para quem não sabe
para onde ir, qualquer lugar serve”.
Acredito que você tenha comprado esse livro por
um motivo. Algo já estava na sua mente quando você
decidiu conhecer mais sobre marketing pessoal. Então,
aqui é hora de você colocar isso como meta. Defina:
“Porque vou começar a investir em minha marca
pessoal?”
Você quer um aumento? De quanto? Você quer
conseguir mais clientes para sua empresa atual? Quantos
novos clientes? Que aumentarão em quanto o seu
faturamento? Você quer criar uma base de fãs na Internet?
Para que exatamente? Você quer criar um produto online?
Qual? Para vender por quanto?
Todas essas perguntas são muito importantes de
serem respondidas e planejadas agora, pois elas definirão
como, quando e de que forma abordar as pessoas. Além
disso, você deve sempre pensar no seu marketing pessoal
com objetivos. Caso contrário, ele perderá o sentido e
você vai parar de fazer.
b) QUE TIPO DE MENSAGEM
PRODUZIR
Conteúdo é a palavra-chave. Você precisa
produzir mensagens que falem direto com o seu público e
que sejam relevantes para ele. Mais que isso, o conteúdo
precisa ser memorável.
Não existe formato ideal de mensagem. Tem gente
que produz vídeos, tem gente que faz textos, tem gente que
cria um Fan Page ou Página de Instagram para
compartilhar mensagens menores.
O que vai definir o sucesso das suas postagens é o
quanto você consegue impactar diretamente o seu público.
c) ESCOLHENDO O CAMINHO CERTO E
FOCANDO NELE
Seja qual for o caminho que você escolha, minha
sugestão é que você foque apenas nele e dedique-se a
fazer aquele canal dar certo. Exemplo: ao optar por criar
um canal no Youtube, não se desespere criando ao mesmo
tempo Fan Page, Instagram, Snapchat, Twitter, Blog,
playlist no Spotify... Blá, Blá, Blá! Não. Não é porque
aquela pessoa que você usa de referência está presente em
todos os canais possíveis que você tem que fazer o
mesmo. Nunca compare o degrau 10 de uma pessoa com o
seu degrau 1.
Se hoje ela consegue ser multi-plataforma,
parabéns para ela, provável até que ele já tenha uma
equipe trabalhando para ele nisso. Mas você está no
estágio inicial, sozinho, então é hora de focar. Escolha
uma plataforma e concentre todos os esforços nela.
d) CONSISTÊNCIA É A CHAVE
Crie um cronograma de Postagens. Isso evitará
duas coisas:
- Que você não caia na armadilha do
empolgamento inicial, quando sai fazendo várias
postagens uma atrás da outra, depois o ritmo desacelera e
as postagens desaparecem.
- Que você fique refém da divulgação, todo dia
perdido sobre o que postar e fazendo divulgações às
pressas só para dizer que postou algo.
Não existe frequência certa. O que você deve
pensar é quanto tempo você precisa para fazer conteúdos
de qualidade que auxiliem o seu público, e que seja num
ritmo que você consiga enxaixar na sua agenda.
Se esse ritmo for uma postagem por semana, que
assim seja. Se for todo dia, ou quinzenal, também. O
segredo é você ter uma agenda, na qual consiga programar
com antecedência os temas e assim cumpri-la de forma
precisa.
e) DIVULGUE!!!
Existe uma regra na Internet que diz que você
deve investir na divulgação do seu post o mesmo tempo
ou mais do que investiu na criação do conteúdo.
Isso vai evitar o maior problema que pessoas que
se aventuram no marketing pessoal costumam relatar: elas
começam a produzir conteúdos, mas não os divulgam.
Logo, o alcance é tão baixo e o resultado tão
insignificante, que elas acabam desistindo.
A Internet, local onde as pessoas costumam
divulgar suas mensagens, costuma ser ingrata com novos
conteúdos. Pense nela como uma grande oceano, e você
como um peixinho minúsculo. Se você colocar um post
num blog ou um vídeo no Youtube, e esperar que um dia
os mecanismos de busca façam essa mensagem chegar nas
pessoas certas, espere sentado, pois isso levará meses ou
anos, se é que um dia vai chegar em alguém. A chance
dessa mensagem ficar esquecida lá com meia-dúzia de
views é de 99,9%.
Como não deixar isso acontecer? Segue abaixo
idéias de como promovê-lo:
- Cite pessoas de referência no seu conteúdo, e
envie-os para elas pedindo opinião sobre o que você
produziu. Se elas gostarem, vão compartilhar para a rede
delas, viralizando a mensagem.
- Faça uma lista de outras 10 a 15 pessoas que
sejam referência do seu mercado e envie para elas
também, convidando-as a opinar.
- Envie o conteúdo para portais do seu setor. A
maioria dos sites trabalha com guest-posts e pode se
interessar em compartilhar sua mensagem.
- Divulgue nas suas Redes Sociais (Facebook e
Linkedin, principalmente)
- Divulgue para sua lista de emails.
- Pesquise Grupos no Facebook que falem sobre
os mesmos tema (talvez você já faça parte de alguns) e
publique seu conteúdo lá.
- Caso você esteja disposto a investir dinheiro,
mesmo que bem pouquinho, recomendo que você utilize o
Facebook Ads para promover seu post. Você pode
começar na sua conta pessoal mesmo e, caso o feedback
seja bom, migrar depois para uma fan page. Caso tenha
criado um canal no Youtube, pode utilizar diretamente o
Youtube Ads também. Nos dois casos, é possível investir
verbas bem pequenas, de R$ 5,00 por dia.
- Sempre utilize os chamados “Call-to-Action”,
que são chamadas no final da mensagem convidando as
pessoas a tomarem uma ação. Esta ação vai depender das
suas intenções. Você pode convida-las a entrar numa lista
de emails, a compartilhar o seu conteúdo para outras
pessoas, a entrar em contato para mais informações...
Depende do que você quiser. Minha recomendação é:
f) CRIE SUA LISTA DE EMAILS
Na Internet tudo pode mudar a qualquer instante.
O Facebook pode restringir o seu alcance de um dia para
o outro. O Youtube pode mudar o algoritmo de busca, ou
podem surgir outros canais que do nada roubem o seu
engajamento. Agora, uma coisa que vai estar sempre na
sua mão, é a sua lista de emails. As pessoas que aceitarem
fazer parte dela estarão sempre ao seu alcance, e você
poderá criar uma conversa mais informal e íntima com
elas.
Existem formas de convidar as pessoas a fazerem
parte da sua lista de emails, como oferecendo uma
recompensa digital, que pode ser um pequeno Ebook (3 a
5 páginas), por exemplo. Ou então acesso a um vídeo mais
completo sobre o assunto que você está abordando.
Depende muito de cada um. Como sistema de email
marketing para armazenar sua lista, eu recomendo
GetResponse ou Mailchimp, são bem práticos.
Com uma lista nas mãos, qualquer que seja a sua
meta vai ficar mais fácil de ser atingida. Seja vender um
produto online, seja criar uma reputação como autoridade.
Apenas lembre de, toda vez que mandar um email, enviar
algo útil para elas, e não algo que entupa o Inbox delas
com Spam.
g) ESTEJA PREPARADO PARA FAZER
AJUSTES NA SUA MENSAGEM
Tudo que você criou a respeito da sua imagem no
segundo capítulo é só o ponto de partida para criação da
sua marca. No papel, as coisas parecem de um jeito, mas
só quando você colocar a cara no mundo e ouvir o
feedback das pessoas é que entenderá o que funciona ou
não.
Você terá que ter a sensibilidade de escutar o que
as pessoas estão dizendo sobre o seu conteúdo, e filtrar os
feedbacks positivos, assim como listar as maiores
objeções, e fazer os devidos ajustes em tudo. Não se
preocupe se precisar mudar muita coisa, isso é um ótimo
sinal. Se as pessoas estão dando feedback, mesmo que
negativo, é sinal de que o material gerou nelas vontade de
comentar. A pior resposta que você pode ter a uma
divulgação é ela ser ignorada. Aí sim você deve se
preocupar, pois significa que você está cometendo algum
erro grande, como conteúdo errado, ou público errado, ou
os dois.
Posso dizer por experiência própria que demora
alguns meses, de postagens constantes, para você fazer
todos os ajustes até ter uma mensagem matadora! Então,
paciência e resiliência são chaves.
h) “DON´T FEED THE HATERS”
Ou, “Não alimente os haters”, sendo que haters
são aquelas pessoas que vão fazer comentários muito
ruins. Não é apenas um feedback negativo. Não, eles vão
te xingar, te chamar de desqualificado pra baixo, dizer que
o que você está postando é uma MERDA.
Quanto mais personalidade tiver o seu texto,
quanto mais você defender uma posição, maiores as
chances de você receber esse tipo de visita desagradável
na sua postagem.
Para esse povo, só há um caminho: ignorar.
Existem pessoas na Internet que só querem
criticar. Elas passam o dia todo procurando coisas para
xingar. É gente que tem vários problemas internos e que
acha na Internet uma forma de descarregar todas as
angústias delas em terceiros. Para esse tipo de gente, o
recomendável é um analista.
Não perca tempo com elas.
i) ALIMENTE OS FÃS
Do outro lado, estarão os fãs, aquelas pessoas que
vão amar o que você posta. Para eles sim, você deve dar
toda atenção do mundo. Responder comentários, Inbox,
Emails. São essas pessoas, os seus primeiros seguidores,
que viralizarão suas mensagens na Internet.
Eles também são ótimas fontes de pesquisa, para
você descobrir temas para próximas postagens, produtos
que eles precisam, e como você pode ajuda-los mais.
j) PREOCUPE-SE COM A SUA IMAGEM
Uma das principais dúvidas das pessoas que
começam a vender o nome como um produto é como
diferenciar a pessoa física, o ser humano, da pessoa
jurídica, a marca “Você”, na Internet.
Ou seja, vamos supor que você tenha uma página
de Facebook “João da Silva”, na qual você compartilha
tanto postagens pessoais como o almoço de domingo com
a família regado a cerveja, como um texto do seu blog na
segunda-feira.
Isso é bom para o “Você-Profissional”? Na minha
opinião, não.
A partir do momento que você começa a divular
seu nome e vender sua imagem como um profissional, seu
cuidado com assuntos pessoais deve ser mais que
redobrado. Não cabe bem você ser um especialista em
Finanças Pessoais na sexta, e no sábado aparecer numa
foto bêbado no churrasco com a turma.
Suas redes sociais devem se tornar um retrato do
que você é como profissional também. Se você, como
especialista, prega uma vida saudável, não pode, nas
redes sociais, tirar uma foto se entupindo no McDonalds
(Claro, em alguns casos, você pode criar um contexto para
tal, mas, em via de regra, isso não faria sentido). Ou na
sexta-feira você, especialista em Finanças, faz um vídeo
dizendo que é importante saber poupar dinheiro e não
gastar com besteira, e no sábado posta uma foto
comprando um sapato de R$ 10.000,00
Reparou como agora, como especialista, você tem
uma imagem e uma coerência a zelar? Pode reparar, as
redes sociais de quem você segue costumam refeltir
exatamente quem a pessoa é, seja como pessoa ou
profissional.
Minha recomendação para você que quer
construir uma imagem profissional com seu nome, sem
abrir mão da sua vida pessoal, é:
- Já comece desde o início divulgando suas idéias
através de um Fan Page, e concentre todo o conteúdo
profissional lá. Explicando para quem não entende muito
bom, você pode ter uma página pessoal no Facebook com
seu nome: “João da Silva”, e uma Fan Page: “João da
Silva – Empreendedor Digital”, por exemplo. As pessoas
que buscarem pelo seu nome atrás de conteúdo, clicarão
direto na Fan Page. Isso não vai impedir, claro, que elas
pesquisem seu perfil pessoal também, mas pelo vai acabar
com potenciais conflitos de imagem na mesma página de
Facebook.
O ideal mesmo é que, mesmo que você tenha
perfil pessoal e página profissional, que as duas “falem a
mesma língua”, ou seja, contribuam para o fortalecimento
da sua marca pessoal.
k) Outras idéias “Fora da Caixa”
Odeio dizer “Fora da Caixa”, mas eu diria que
todo o passo-a-passo anterior é quase que um roteiro
obrigatório para quem quer construir uma imagem pessoal
forte. De algum jeito, você vai ter que produzir uma
mensagem interessante e compartilha-la com as pessoas.
Mas existem modos infinitos de se fazer isso. Por
isso, separei por último algumas outras idéias de como se
divulgar sua mensagem ou fortalecer sua marca pessoal,
que podem lhe ajudar muito:
- Crie seu Próprio Grupo no Facebook
É um ótimo jeito de se tornar referência sem ter
nenhum material, diploma, nem nada. Imagine que você
crie um grupo de um assunto do seu interesse e este grupo
comece a juntar mil, duas mil, 5 mil pessoas... De repente,
todas elas tratarão você como “o dono do grupo”, e
começarão a trata-lo como expert automaticamente.
- Torne-se colunista em Portais do Setor
Um passo avançado dos chamados Guest Posts é
você ser um colunista fixo de um portal que fale do
assunto que você quer ser expert. Isso pode acontecer de
algumas formas diferentes: você pode mandar tantos posts
bons que acabam te convidando, ou você pode se oferecer
mesmo, na cara dura. Acredite, muitos destes portais que
você julga serem gigantes em estrutura, não são. Blogs
com milhões de views, às vezes tem uma ou duas pessoas
por trás, e por isso estão desesperados por pessoas que os
ajudem com conteúdo. Uma vez que você se torne
colunista oficial desse portal, é mais um carimbo para
provar sua autoridade
- Crie seu Próprio Portal
Seguindo a mesma lógica, se você não achar
nenhum portal que seja do jeito que você acha bom, crie o
seu. É relativamente barato, vai te custar algumas centenas
de reais para preparar tudo, e daí você poderá construir
uma imagem do seu portal e da sua figura pessoal ao
mesmo tempo. Você pode dizer: “Oi, eu sou o João da
Silva, editor do portal Revolução das Vendas”. Pronto,
mesmo que seu site ainda não esteja bombando, você
consegue criar uma autoridade com isso. Daí, aos poucos,
o nome pessoal vai pegando a credibilidade do site, e
vice-versa.
- Comente em outros Blogs, Grupos, Fan Pages,
etc...
Você pode colocar sua mensagem no mundo
através de territórios dos outros. Tem aquela piada das
redes socias na qual a pessoa diz: “Vim aqui só pelos
comentários”. E é verdade. Muita gente entra em
postagens das redes sociais para ver o que as pessoas
estão comentando. Então, você pode aproveitar esse
espaço para dar as caras. Lógico que, se você
simplesmente colocar lá: “Oi, visitem meu site”, pode
pegar bem mal. Mas você pode deixar um comentário
relevante para as pessoas, que faça elas se interessarem
pelo que tem a dizer, e assim cliquem no seu nome para te
conhecer melhor.
- Aprenda o Básico sobre Palavras-Chave, Seo,
etc...
Este assunto parece complicado, mas, no nível
básico, não é. E, para quem está começando, o básico é
suficiente. Procure dar uma pesquisada nesse assunto para
aprender o que é esoclher uma palavra-chave boa. Mais
importante do que aprender a técnica aqui, o que seria
impossível já que o assunto é extenso, é que você entenda
a lógica por trás. Escrever de acordo com palavras-
chaves significa que você deve sempre se preocupar em
pensar o que as pessoas estão buscando no Google,
principalmente, quando pesquisam sobre o assunto que
você é especialista. Ao saber o termo exato, você pode o
colocar algumas vezes no seu texto, que assim aumentam
as chances de o Google dar destaque a ele.
Claro que é muito mais complexo do que isso,
mas aqui estou dando só uma idéia geral.
- Use a Criatividade
Sabe, tenho um conhecido que é uma celebridade
online, com mais de 100 mil seguidores no Facebook.
Certa vez, quando expliquei para ele o que eram palavras-
chave, ele me deu uma bela invertida, dizendo:
“Não vou usar palavras-chaves. O Google que me
encontre”
Meio arrogante, ok. Mas ele é um exemplo de
alguém muito bem sucedido no marketing pessoal que não
seguiu essa regra e consegue muito engajamento. O
segredo dele? Conteúdo com muito posicionamento, muita
personalidade, que gera muitos fãs e muitos haters. Para
ele, essa receita dá certo.
Ele costuma também fazer hangouts semanais, que
são conversas ao vivo com o público pelo Facebook ou
pelo Google, que costumam bombar também.
E conto um pouco da história dele para te dizer
que há sim um be-a-bá para você seguir, mas você pode
testar muitas coisas e sempre checar se deram certo ou
não. Não se prenda ao roteiro. O importante é o que dá
resultados.

4. E SE NÃO CONSEGUIR
LIDAR COM A EXPOSIÇÃO?
Dentre todas as dificuldades que você deve ter
encontrado nos capítulos passados, acredito que a que
mais te preocupe seja... A exposição da sua pessoa, que
agora se tornaria alguém pública.
Primeiro de tudo, é normal que seja assim. Saiba
que, numa recente pesquisa feita nos Estados Unidos,
perguntaram às pessoas sobre qual seria o maior medo
delas na vida. A opção “Falar em Público” ganhou da
opção “Morrer”. Isso mesmo, as pessoas tem mais medo
de segurar um microfone na frente de uma platéia do que...
Morrer.
Dito isso, é perfeitamente compreensível que
você tenha medo de se expor, e é mais normal ainda você
ter medo de vender, pois também não somos treinados
desde cedo a fazer isso. Para piorar, no caso do marketing
pessoal, o seu objetivo é vender a si mesmo... O que
dificulta tudo mais ainda.
Sei que não é simples, sei que tudo isso pode te
dar uma bela brecada e fazer você desistir de tudo, mas
calma. Vamos analisar esse receio tratando de dois itens
importantes:
a) VOCÊ NUNCA VAI AGRADAR A
TODO MUNDO.
Não existe nada nem ninguém no mundo que é
unanimidade. Mas nada mesmo. Se você está pensando
que vai sair por aí dando sua opinião e que todo mundo
vai gostar, azar o seu. Muita gente não vai gostar mesmo.
O que você precisa entender, é que você não
precisa que todo mundo goste de você. Aliás, você nem
precisa que a maioria das pessoas gostem de você. Pense
no caso de uma eleição presidencial, um político pode ter
51% dos votos, ou seja, 49% das pessoas não queriam
que ele fosse presidente... E mesmo assim ele vai ser.
No seu caso, a situação é mais confortável ainda.
Fazendo uma conta bem besta, só como exemplo... Talvez
você precisa agradar apenas 0,00000001% da população
brasileira, e isso já seria o suficiente para você ser
MUITO bem sucedido na sua área. Entendeu então que
você não precisa se preocupar com as pessoas que não
gostam das suas opiniões?
b) VOCÊ TEM QUE ACREDITAR NO
QUE ESTÁ VENDENDO: VOCÊ MESMO!
Quando uma pessoa diz que não gosta de vender,
não é exatamente isso que ela quer dizer. Não é que ele
não goste do ato de vender. Ela simplesmente não confia
no que está vendendo e não acha que aquilo vá mudar a
vida da pessoa para quem ela está vendendo.
Assim, ela não confia no próprio discurso, se
desmotiva, e a pessoa do outro lado do balcão reparar e
vai embora sem comprar.
Como resolver essa situação?
Criando tanto valor no que você entrega para
essas pessoas, que você vai quase que se sentir obrigado
a fazer elas comprarem para que elas passem pela
transformação que você está propondo.
É simples assim, você tem que ter (ou ser) um
produto tão bom, que faça tão bem às pessoas, que vender
vira quase que uma diversão, tanto para você que está
vendendo quanto para quem está comprando.
Por isso que é tão importante você não se
preocupar só com a mensagem e com a história que conta,
mas também se preocupar MUITO com o que está
entregando.
Tem que ser algo sensacional, que te dê a
confiança para querer vender, e que de fato transforme a
vida das pessoas com quem você está lidando.
Dessa forma, vender vai ser bem mais suave do
que você imagine.

5. PREPARE-SE PARA ESTA


JORNADA
Durante os 4 capítulos anteriores, demos um
apanhado geral de como criar o seu marketing pessoal do
zero. Espero que este conteúdo tenha sido muito rico para
que você comece já a construir a sua imagem como
profissional. É bom, porém, prepararmos você para todos
os percalços que haverão no caminho. E haverão vários.
Se você acha que colocará o seu time em campo e
daqui a 3 meses será a nova lenda do universo, é porque
não entendeu aonde está se metendo.
Seja qual for o seu background, você estará
criando uma empresa de si mesmo, e para isso terá que ter
um approach empreendedor para a coisa. O que isso
significa? Acima de tudo, ter muita pró-atividade e
resiliência.
A Pró-Atividade será importante na hora de sentar
a bunda na cadeira e planejar, e depois tirar a bunda da
cadeira e executar. Ninguém vai criar o negócio da sua
marca se não for você mesmo. Ao contrário de um
emprego em que as tarefas chegam por email ou telefone,
aqui você terá que criar as próprias tarefas, e você será o
seu próprio patrão, analisando a qualidade do que foi
feito. Só essa disciplina diária de fazer o que tem que ser
feito é que fará com que você coloque as coisas para
rodar.
O outro aspecto muito importante, fundamental
mesmo, é a questão da resiliência. Conforme você colocar
as coisas em prática, tudo pode acontecer. Vai ter dias em
que tudo dá certo, dias em que tudo dá errado, e você vai
ter que encarar tudo isso com a mesma serenidade, sem se
empolgar demais nos dias bons, nem se martirizar nos
dias ruins.
Resiliência, por definição, é a capacidade de
voltar ao estado normal após acontecimentos ou
mudanças. Ou seja, em bom português, é sua capacidade
de aguentar paulada sem se deixar abalada.
Isso só vai acontecer se você estiver muito seguro
da sua causa, do seu projeto pessoal, e das metas que
você colocou para si mesmo.
De antemão, eu já adianto para você: vai demorar
mais do que você imagina para se estabelecer como uma
autoridade. Vai ser mais doloroso do que você imagina
lidar com haters e criticismo. Vai ser mais chato do que
você imagina lidar com a exposição da sua pessoa.
Mas, se você estiver fazendo tudo isso por um
motivo maior, vai sempre achar uma motivação extra no
caminho que te faça seguir em frente.
E aí, quando você menos esperar, você será
reconhecido exatamente do jeito que sonhava ser.
Vou então me despedindo por aqui, deixando uma
frase muito bonita, que tem tudo a ver com a jornada que
você está prestes a começar:
“Pedras no caminho? Guardo Todas. Um dia vou
construir esse castelo.”*
*Na internet, essa frase é assinada por vários autores diferente. Por
isso, preferi não colocar nenhum e deixar como autor desconhecido.

AGRADECIMENTOS
Encerramos esta jornada por aqui, com o desejo
de que ela tenha sido muito proveitosa para você e que te
ajude a realizar seu sonho de se tornar seu nome uma
grande marca.
Recomendamos que, conforme você coloque os
aprendizados deste livro em prática, continue sempre
estudando novas formas de se capacitar, pois, a cada novo
ensinamento, seu produto e sua mensagem se tornarão
cada vez mais poderosos.
Nós, do Guias Rápidos, tomamos a liberdade de
incluir aqui 3 sugestões de leitura, todos da nossa série de
Ebooks para desenvolvimento pessoal:
O Tímido Vendedor
O Guia Rápido das Metas – Aprenda em uma
Hora a criar e cumprir metas para todas as áreas da sua
vida
Copo Sempre Cheio – O Guia Rápido do
Pensamento Positivo
Pedimos por gentileza que você deixe seu
comentário na Amazon sobre este ebook, adoraríamos
ouvir o seu Feedback e, se possível, um testemunhal de
como este livro já ajudou você na sua saga do marketing
pessoal.
É isso,
Ficamos por aqui, e espero um dia contar com
você em mais algum livro da série Guias Rápidos.
Um abraço,
Rafael Soares