Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CENTRO DE EDUCAÇÃO
CURSO DE PEDAGOGIA

EDUCAÇÃO INFANTIL I
ATIVIDADE INDIVIDUAL – I UNIDADE

Docente:

Jacyene Melo de Oliveira

Discente:

Jéssica Bárbara Valentim


dos S. Delerino

NATAL-RN

2019
Com base na leitura dos textos:

1- Diretrizes Curriculares Nacionais para a EI – DCNEI de 2009


(BRASIL, 2010).
2- BNCC versão Homologada (BRASIL, 2017) – parte referente à
Educação Infantil (que estão no Sigaa em PDF).

Sintetizar e analisar de forma comparativa os referidos


documentos, considerando os aspectos históricos, políticos,
pedagógicos e curriculares da Educação Infantil destacados.

Para a integração da educação infantil à Educação Básica, sua


inclusão na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) foi de extrema
importância. A iniciação escolar pela criança na Educação Infantil é,
na maioria das vezes, o inicio de atividades não vinculadas
exclusivamente aos seus cuidadores, sendo assim de extrema
importância para a sua preparação para seus próximos passos no
processo escolar. Neste momento da vida das crianças, elas ainda
estão aprendendo a conviver em uma sociedade desconhecida até
então, portanto, elas precisam de cuidados específicos para sua idade,
esse processo faz parte do educar, principalmente dos bebês e das
crianças bem pequenas. Faz parte deste procedimento a inserção das
diversas culturas familiares e das sociedades em que vivem as crianças
às propostas pedagógicas de cada escola, aumentando assim seus
interesses, conhecimentos e capacidades de associar as
aprendizagens. Neste sentido, são de extrema importância as trocas
feitas entre família e instituição de Educação Infantil.
Como definem as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação
Infantil (DCNEI), a Educação Básica apresenta as ações e interações
com seus pares e com os adultos, e a brincadeira como eixos
estruturantes das práticas pedagógicas, é a forma de apropriação do
conhecimento adquirido, se desenvolvendo então, por meio da
socialização.
Na Educação Infantil, as crianças estão asseguradas pelos direitos
de aprendizagem e desenvolvimento, estar em condições de aprender
e desempenhar um papel ativo em ambientes e situações onde
vivenciem desafios sendo acendidas a resolver estes, construindo
significados em relação ao seu meio sociocultural.
Conviver com outras crianças e adultos, em pequenos e grandes
grupos, utilizando diferentes linguagens, ampliando o conhecimento de
si e do outro, o respeito em relação à cultura e às diferenças entre as
pessoas; Brincar cotidianamente de diversas formas, em diferentes
espaços e tempos, com diferentes parceiros (crianças e adultos),
ampliando e diversificando seu acesso a produções culturais, seus
conhecimentos, sua imaginação, sua criatividade, suas experiências
emocionais, corporais, sensoriais, expressivas, cognitivas, sociais e
relacionais; Participar ativamente, com adultos e outras crianças, tanto
do planejamento da gestão da escola e das atividades propostas pelo
educador quanto da realização das atividades da vida cotidiana, tais
como a escolha das brincadeiras, dos materiais e dos ambientes,
desenvolvendo diferentes linguagens e elaborando conhecimentos,
decidindo e se posicionando; Explorar movimentos, gestos, sons, formas,
texturas, cores, palavras, emoções, transformações, relacionamentos,
histórias, objetos, elementos da natureza, na escola e fora dela,
ampliando seus saberes sobre a cultura, em suas diversas modalidades:
as artes, a escrita, a ciência e a tecnologia; Expressar, como sujeito
dialógico, criativo e sensível, suas necessidades, emoções, sentimentos,
dúvidas, hipóteses, descobertas, opiniões, questionamentos, por meio
de diferentes linguagens; Conhecer-se e construir sua identidade
pessoal, social e cultural, constituindo uma imagem positiva de si e de
seus grupos de pertencimento, nas diversas experiências de cuidados,
interações, brincadeiras e linguagens vivenciadas na instituição escolar
e em seu contexto familiar e comunitário; estes são direitos de
aprendizagem e desenvolvimento na Educação Infantil. Esses direitos
levam a criança a aprender as relações consigo, com os outros e com
o mundo em que vive.
Essas práticas tem total relação com o trabalho que precisa
ser desempenhado pela instituição de ensino, e principalmente pelo
professor, este deve refletir e planejar práticas para trazer da melhor
forma, essas interações mutuas que fazem parte do cotidiano infantil. O
planejamento deve ser observado e monitorado, para que tome as
rotas e mudanças necessárias ainda no decorrer do processo proposto.
Os campos de experiências, onde são definidos os objetivos de
aprendizagem e desenvolvimento, aos quais está estruturada a
organização curricular da Educação Infantil na BNCC associa de forma
direta as concretas situações, seus saberes e as experiências da vida
cotidiana das crianças ao patrimônio cultural.
Os campos de experiências em que se organiza a BNCC são: O
eu, o outro e o nós – Entre outras descobertas, essas experiências
propiciam o entendimento da criança sobre o outro, sobre o modo de
vida do outro, que é diferente do seu, assim como os tipos de
pensamento e ideias múltiplos que existem. Atuando destas formas, por
meio destas oportunidades de interação com outros grupos sociais,
conviver e interagir (falando, ouvindo,...) por meio de experiências
diversificadas com diferentes culturas, grupos sociais no cotidiano
escolar possibilita a criança as mais diversas formas de expressão.
Cotidiano com diferentes tipos de materiais (traços, sons, cores e
formas) para desenvolvimento de atividades diversas, manifestações
artísticas, uso das diferentes formas de literatura e nas diversas áreas de
conhecimento, possibilitam a criança levantar hipóteses sobre o que
está em seu entorno ampliando seus conhecimentos gerais.
Os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento que estão
relacionados às características do desenvolvimento das crianças e às
possibilidades de aprendizagem, não sendo consideradas as faixas
etárias de forma rígida, considerando as múltiplas diferenças de
desenvolvimento e de ritmo na aprendizagem. São estas as
especificações:

 CRECHE
Bebês (zero a 1 ano e 6 meses)
Crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses)

 PRÉ-ESCOLA
Crianças pequenas (4 anos a 5 anos e 11 meses)

Desde a Constituição de 1988, onde se teve o reconhecimento


da Educação Infantil como dever do Estado com a educação, esta
está em processo ativo de compreensões a este respeito. A Resolução
nº 5, de 17 de dezembro de 2009, fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais
para a Educação Infantil, elas se articulam às Diretrizes Curriculares
Nacionais da Educação Básica fundamentando os processos
deliberados pela Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional
de Educação, para orientar as políticas públicas e a elaboração,
planejamento, execução e avaliação de propostas pedagógicas e
curriculares de Educação Infantil, sendo também necessária a ressalva
da legislação estadual e municipal atinentes ao assunto, bem como as
normas do respectivo sistema. Definições:

 EDUCAÇÃO INFANTIL

Primeira etapa da educação básica, oferecida em creches e pré-


escolas, às quais se caracterizam como espaços institucionais não
domésticos que constituem estabelecimentos educacionais públicos ou
privados que educam e cuidam de crianças de 0 a 5 anos de idade no
período diurno, em jornada integral ou parcial, regulados e
supervisionados por órgão competente do sistema de ensino e
submetidos a controle social. É dever do Estado garantir a oferta de
Educação Infantil pública, gratuita e de qualidade, sem requisito de
seleção.

 CRIANÇA

Sujeito histórico e de direitos que, nas interações, relações e


práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e
coletiva, brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa,
experimenta, narra, questiona e constrói sentidos sobre a natureza e a
sociedade, produzindo cultura.
 CURRÚCULO

Conjunto de práticas que buscam articular as experiências e os


saberes das crianças com os conhecimentos que fazem parte do
patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico e tecnológico, de
modo a promover o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 5 anos
de idade.

 PROPOSTA PEDAGOGICA

Proposta pedagógica ou projeto político pedagógico é o plano


orientador das ações da instituição e define as metas que se pretende
para a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças que nela são
educados e cuidados. É elaborado num processo coletivo, com a
participação da direção, dos professores e da comunidade escolar.

Para crianças que completam 4 ou 5 anos até o dia 31 de março


do ano em que ocorrer a matrícula é obrigatória a matrícula na
Educação Infantil, após esta data as crianças que completam 6 anos
devem ser matriculadas na Educação Infantil. Para a matrícula no
Ensino Fundamental, a frequência na Educação Infantil não se faz
obrigatória.
É obrigatória a oferta de vagas em instituições próximas do local
onde a criança reside. A Educação Infantil de tempo parcial é de no
mínimo 4 horas diárias, já de tempo integral a duração é igual ou
superior a 7 horas diária na instituição. Obedecendo aos seguintes
princípios:

 ÉTICOS

Da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do


respeito ao bem comum, ao meio ambiente e às diferentes culturas,
identidades e singularidades.

 POLÍTICOS

Dos direitos de cidadania, do exercício da criticidade e do


respeito à ordem democrática.

 ESTÉTICOS

Da sensibilidade, da criatividade, da ludicidade e da liberdade


de expressão nas diferentes manifestações artísticas e culturais.
A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil
deve prover função sociopolítica e pedagógica, proporcionando
condições crianças desfrutem seus direitos civis, humanos e sociais;
assumindo a responsabilidade de compartilhar e complementar a
educação e cuidado das crianças com as famílias; possibilitando tanto
a convivência entre crianças e entre adultos e crianças quanto à
ampliação de saberes e conhecimentos de diferentes naturezas;
promovendo a igualdade de oportunidades educacionais entre as
crianças de diferentes classes sociais no que se refere ao acesso a bens
culturais e às possibilidades de vivência da infância; construindo novas
formas de sociabilidade e de subjetividade comprometidas com a
ludicidade, a democracia, a sustentabilidade do planeta e com o
rompimento de relações de dominação etária, socioeconômica, étnico
racial, de gênero, regional, linguística e religiosa. O que torna a
instituição de ideal funcionamento do imposto na BNCC.
As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação cumprem
em forma de normas a BNCC referente à Educação Infantil, quando
implantada pelas instituições, bem como por seus colaboradores na
forma como é determinada, provê a qualidade das diretrizes
apresentadas.