Você está na página 1de 2

1) Localização da Soberania e os limites da vida política moderna nas Relações

Internacionais:
a) O problema do Poder (Interno/Externo) e
 Ética, estética e seus sujeitos: a impressão da Soberania no
sistemas de espaço, o Estado e o Sistema Internacional
representação. – delimitação das alternativas para a vida
 Construção do Sujeito política na narrativa das Relações
nas Relações Internacionais.
Internacionais. b) Problemas e reflexos da espacialidade nas
 Produção de regimes de possibilidades da vida política e o cinismo
inclusão/exclusão – do “rigor científico”: a miragem da
delimitadores dos polarização entre Realismo e
horizontes e limites do Institucionalismo, o cinismo histórico e a
“aceitável”. reprodução discursiva da violência como
alternativa única aos horizontes da vida
política internacional. Uma guinada teórica
ao niilismo?

c) O “Fim da História” que nunca existiu: a  Polarização dos


apropriação pela ciência política ocidental da horizontes e
experiência soviética no “plano das indução da inércia.
diferenças” – a falsa dicotomia no debate  Relação
“Capitalismo” x “Comunismo”. Poder/Saber.
d) Conformação dos “limites aceitáveis”: o  Problema da
caráter reformador de conceitos e o “historicidade
delineamento efetivo das Relações linear” e
Internacionais. perpetuidade.

2) A economia política planetária, pós-modernidade e colapso institucional das


Relações Internacionais:

a) A nova marcha da globalização (1970-2009):


a. Queda do Muro de Berlim
 Niilismo global – (1989);
desnutrição do b. Guerra civil da Iugoslávia
welfare em benefício (1991-2001);
do law/workfare c. Movimentos
state. transnacionais contra
 Darwinismo Organizações
planetário. Internacionais –
 Absurdo e Revolta. altermundialismos e
 Irracionalidade e anarquismos, a OMC, o G-
negacionismo no 20 e o FMI (1998-2005);
terreno político. d. Ataques ao WTC, no 11
de Setembro (2001);
e. A crise planetária dos Subprimes e a quebra do mercado
imobiliário nos Estados Unidos (2007-2009);
b) A “não-localização” da Soberania e os novos debates sobre o
Poder: o problema dos dispositivos de segurança mundial e da
securitização local das democracias – processos de securitização e
governamentalidade.