Você está na página 1de 7

Texto de Adrienne Mayor, publicado originalmente no site da Universidade de Priceton.

As Amazonas – e suas contrapartes da vida real na antiguidade – são tão diversas quanto
aparecem na Mulher-Maravilha? O filme da Mulher-Maravilha abre com um panorama
deslumbrante de Themiscyra, a ilha de fantasia povoada por mulheres poderosas, um
paraíso magicamente isolado no tempo e espaço do mundo moderno dos homens e suas
guerras implacáveis. É aí que a pequena garota, Diana, criada por um triunvirato de fêmeas
formidáveis: Rainha Hippolyta, General Antiope e sua tia Melanippe.

No filme, Themiscyra é uma sociedade autônoma, única para mulheres, de guerreiras


indomáveis, dedicadas a usar sua experiência mortal para lutar pelo lado de tudo o que é
justo e bom. Vemos como a jovem Diana, idealista, é rigorosamente treinada para o
combate mão-a-mão, aprendendo artes marciais robustas ao lado das mulheres guerreiras
mais duras e corajosas que o mundo já conheceu: Amazonas do mito grego antigo.

As cenas iniciais nos mostram a vida diária em Themiscyra, com toda a cidadania de
mulheres guerreiras envolvidas em exercícios militares. Até onde o olho pode ver, vastos
campos são preenchidos com mulheres soldados exibindo suas habilidades em uma incrível
variedade de habilidades. Quadro após quadro, há mulheres lutando, boxe, luta de espadas;
Mulheres que realizam feitos de ginástica em cavalos galopantes; Mulheres empurrando
punhais e girando eixos de batalha; Arqueiras de olhos agudos a pé e a cavalo; Ninjas
acrobáticas e lançadoras de dardos com mira mortal. E nas cenas seguintes da batalha na
praia contra os soldados alemães desagradáveis - o caleidoscópio vertiginoso se intensifica,
atraindo-nos para um grande turbilhão de lutadoras femininas.
Um elemento crucial no poderoso impacto da cena é a diversidade perfeitamente natural de
tipos de corpo definido e de cores de pele. A magnificência das amazonas de Themiscyra
teria sido impossível de se retratar apenas usando típicas atrizes de Hollywood que
fingissem ser guerreiras ferozes. Foi a brilhante decisão da diretora Patty Jenkins de lançar
atletas e campeãs esportivas da vida real como companheiras da Mulher-Maravilha. E essa
escolha garantiu que as mulheres de Themiscyra exibissem uma variedade de habilidades,
tamanhos corporais, formas, idades e cores da pele. A diversidade é deslumbrante: as
amazonas são altas e baixas, robustas e lindas, jovens e maduras, magras e musculosas,
impassíveis e mercuriais; brancas e negras – e tudo que há no meio.
No mito grego antigo, as amazonas eram mulheres guerreiras venciam batalhas e que
moravam em terras exóticas ao redor do Mar Negro. Agora, graças a evidências da história,
da arte e da arqueologia, sabemos que as amazonas foram modeladas em povos nômades
reais da antiga Scythia, um vasto território que se estendia da planície real de Themiscyran,
no Mar Negro, para a Mongólia. Essas inúmeras tribos tinham suas próprias línguas e eram
etnicamente diversas, mas compartilhavam um estilo de vida centrado em cavalos rápidos,
arcos e flechas, e guerra constante.
Seu estilo de vida igualitário significava que meninas e meninos aprenderam a andar, atirar
flechas e a lutar e as mulheres cavalgaram para guerrear com os homens. Os escitas não
deixaram documentos escritos, mas a arqueologia moderna, a arte antiga e as descrições
históricas dos vizinhos, dos gregos e dos chineses, nos dizem como eram. Os restos
humanos das sepulturas de Scythian mostram traços europeus e asiáticos, características
evidentes nos descendentes de nômades estepes hoje. As mulheres enterradas com armas
variaram entre 10 e 45 anos. Cerca de 2.000 anos atrás, historiadores gregos e romanos
relataram que alguns escitas tinham olhos e cabelos escuros, enquanto outros eram loiros ou
vermelhos com olhos azuis. Notavelmente, as antigas crônicas chinesas confirmam essa
diversidade étnica, descrevendo alguns escoceses da Ásia interna como ruivos com olhos
verdes.

A partir do século VI aC, artistas gregos pintaram milhares de imagens de Amazonas em


vasos. As fotos tomaram detalhes cada vez mais realistas dos nômades escoceses reais à
medida que se tornavam mais familiarizados com os povos estepes. As pinturas de vasos
mostram amazonas altas e pequenas, amazonas ruivas e esguias, muitas vezes juntas na
mesma cena. A maioria tem cabelos escuros, mas há algumas amazonas loiras e ruivas.

Havia contos gregos antigos de Amazonas da África e os etíopes eram aliados das
amazonas na lendária Guerra de Tróia. As pinturas de vasos mostram arquitetas africanas
vestidas como amazonas. A visão de Mulher-Maravilha de todos os tipos de guerreiras
amazonas tornando-se fisicamente fortes – e depois provando seu valor em combate
violento e emergente vitorioso – é sem precedentes na história cinematográfica.

A grandeza das cenas de combate – a pura fisicalidade e diversidade das amazonas –


desperta as emoções de alegria dos espectadores, o empoderamento para mulheres e
meninas, uma revelação para homens e meninos. O fato de que o aspecto multidimensional
do paraíso amazônico da Mulher-Maravilha ser fundamentado na realidade histórica
aumenta a autenticidade gloriosa do filme. Tão de tirar o fôlego é a homenagem a mulheres
fortes e reais no primeiro arco do filme que é natural nos juntarmos ao coro de espectadores
que pedem mais um filme – queremos mais Amazonas!

Adrienne Mayor é pesquisadora em clássicos e história da ciência na Universidade de


Stanford, e autora do The Poison King: The Life and Legend of Mithradates, Deadlyest
Enemy of Rome, finalista do National Book Award e The Amazons: Lives and Legends of
Warrior Women Across the Ancient World.