Você está na página 1de 6

Orientações complementares aos SGPs para

operacionalização da Deliberação nº 13, de


26.05.2020 [Gestão da Frequência]
Por Tatiana Junqueira Salles - 12:39

ESCALA DE REVEZAMENTO

Orientações previamente compartilhadas permanecem válidas e todos aqueles empregados


alocados seguem em escala de revezamento até 30 de agosto de 2020.

REGIME DE TELETRABALHO

Orientações previamente compartilhadas permanecem válidas e todos aqueles empregados


alocados seguem em escala de teletrabalho até 13 de setembro de 2020.

Não é necessário assinar novo termo para a prorrogação do teletrabalho.

DISPENSA DO TRABALHO

Empregados dispensados devem comparecer à Unidade da Embrapa de lotação a partir do


dia 15 de junho de 2020, oportunidade na qual retornarão presencialmente ao trabalho e
deverão desenvolver suas atividades em regime de escala de revezamento, conforme
orientações previamente divulgadas.

O empregado que estava dispensado de comparecimento temporário ao local de trabalho e que


necessite permanecer afastado em razão do risco de infecção pela COVID-19, pode requerer à
Empresa a adoção das seguintes medidas: a) antecipação de férias individuais; b) formação de
banco de horas; c) suspensão temporária do contrato de trabalho. d) uso de licença especial.

Atenção: A adoção está condicionada à prévia manifestação de anuência pelo superior


imediato do empregado e ratificação pela Chefia da Unidade

a. antecipação de férias individuais:

PRAZO: Solicitar, até o dia 04 (quatro) de junho, a marcação (ou retificação para antecipação)
do período de férias, desde que o início do gozo seja a partir de 9 (nove) de julho de 2020.

PROCEDIMENTOS:

• O processo de solicitação, acompanhado da manifestação do superior imediato e da Chefia

da Unidade deve ser encaminhada a GGP/SGP, deve informar que o empregado fazia parte

do grupo de empregados dispensados e apresentar formulário de marcação/alteração de

férias, seguindo, assim, o trâmite normal, obedecendo apenas os prazos já citados.

• É necessário o período aquisitivo já adquirido para poder solicitar a antecipação.

• O empregado deve ser informado que para o período de 15/6/2020 a 8/7 /2020 fica

estabelecida a escala de revezamento.

• Cancelamento e prorrogação de férias seguem o trâmite normal do processo de férias,

obedecendo o prazo já divulgado de 90 dias e demais restrições.

b. formação de banco de horas:

Para a análise da adoção do banco de horas cada gestor deve analisar a(as) condição(es) de
trabalho mais adequada(s) para sua equipe e subsidiar as Chefias das Unidades.

PRAZO: Solicitar adoção do regime especial de compensação de jornada, no mínimo, 5 dias


uteis de antecedência da data prevista para fruição e explicitada no processo.

PROCEDIMENTOS:
• O processo de solicitação, acompanhado da manifestação do superior imediato e da Chefia

da Unidade deve ser encaminhada a GGP/SGP e deve informar que o empregado fazia parte

do grupo de empregados dispensados.

• SGP/GGP recebe do gestor a solicitação e providencia (no SEI, tipo de processo: “Pessoal:

Alteração de Contrato de Trabalho (COVID19)”) o preenchimento do formulário SEI “Termo

Aditivo ao Contrato e Trabalho Banco de Horas” para assinatura do empregado e do Chefe

da Unidade/Gerente de Gestão de Pessoas via bloco de assinaturas. Não será necessário

colher presencialmente essas assinaturas.

• Somente após a assinatura desse documento pelo Chefe da Unidade nas UDs e Gerente de

Gestão de Pessoas na Sede, é possível alocar os empregados regime especial de

compensação.

• Firmado o termo aditivo de contrato, é necessário que o SGP/GGP faça o ajuste do VWPonto

alterando o horário desse empregado, retomando após 18 meses do encerramento da

Pandemia, período previsto para compensação.

• SGP solicita por e-mail para a sge.gfun@embrapa.br criação de horário no VWPonto para

que após sua criação o SGP possa alocar devidamente o empregado em horário com banco

de compensação de horas ampliado para 232h (horas derivadas do ACT somadas as horas

derivadas da Deliberação13).

• O SGP/GGP deve informar ao empregado que for alocado em regime especial de

compensação que o saldo ficará ampliado e não poderá exceder o total de 200h (duzentas

horas), o qual somente poderá ser utilizado durante o período da Pandemia.

• A compensação segue o limite de prorrogação de jornada em até 2 (duas) horas,

considerando inclusive a necessidade de realização de atividades. O superior imediato e o

empregado deverão acompanhar a compensação realizada, adequando o volume de

trabalho considerando, inclusive, a redistribuição de tarefas previamente designadas.

• O saldo de banco de horas deverá ser acompanhado pelo superior imediato e pelo

empregado por meio do VWPonto para todos os empregados em regime especial de

compensação.

• Após adesão ao regime especial de compensação e fruição de horas, não cabe desistência,

tendo em vista a compensação prevista para ocorrer pelo período de 18 meses do

encerramento da Pandemia.
c. suspensão temporária do contrato de trabalho:

Para a análise da adoção da suspensão temporária do contrato de cada gestor deve analisar
a(as) condição(es) de trabalho mais adequada(s) para sua equipe e subsidiar as Chefias das
Unidades.

PRAZO: Solicitar adoção da suspensão temporária do contrato de trabalho, no mínimo, 5 dias


uteis de antecedência da data prevista para fruição e explicitada no processo.

PROCEDIMENTOS:

• O processo de solicitação, acompanhado da manifestação do superior imediato e da Chefia

da Unidade deve ser encaminhada a GGP/SGP e deve informar que o empregado fazia parte

do grupo de empregados dispensados.

• SGP/GGP recebe do gestor a solicitação e providencia (no SEI, tipo de processo: “Pessoal:

Alteração de Contrato de Trabalho (COVID19)”) o preenchimento do formulário SEI “Termo

Aditivo ao Contrato e Trabalho Suspensão” para assinatura do empregado e do Chefe da

Unidade/Gerente de Gestão de Pessoas via bloco de assinaturas. Não será necessário

colher presencialmente essas assinaturas.

• Somente após a assinatura desse documento pelo Chefe da Unidade nas UDs e Gerente de

Gestão de Pessoas na Sede, é possível suspender o contrato dos empregados.

• A suspensão temporária do contrato de trabalho dos empregados, se dará pelo prazo

máximo de 60 (sessenta) dias, que poderá ser fracionado em até dois períodos de 30 (trinta)

dias.

• Firmado o termo aditivo de contrato, é necessário que o SGP/GGP faça o lançamento no

SIRH e ajuste do VWPonto.

• O SGP/GGP deve informar ao empregado o período da suspensão e a correspondente

percepção de ajuda compensatória mensal no valor de 30% (trinta por cento) do valor do

salário-base do empregado, durante o período da suspensão temporária de trabalho

pactuado, observado o disposto no caput do artigo 8º e no artigo 9º da Medida Provisória nº

936, de 2020.

• Após estabelecimento da suspensão temporária do contrato de trabalho e início da fruição

do período, não cabe desistência, tendo em vista o caráter temporário de vigência do Termo

Aditivo.
d. uso de licença especial:

Para a análise do gozo da licença especial cada gestor deve analisar a(as) condição(es) de
trabalho mais adequada(s) para sua equipe.

Aplicável apenas aos empregados admitidos até 29 de abril de 1998 e observará as condições
estabelecidas pelo Plano de Carreiras da Embrapa vigente e demais atos normativos
complementares.

PRAZO e PROCEDIMENTOS:

• O processo de solicitação de gozo de licença especial, acompanhado da manifestação do

superior imediato ou da Chefia da Unidade deve informar que o empregado fazia parte do

grupo de empregados dispensados e ser encaminhado a GGP/SGP, seguindo, assim, o

trâmite normal desse processo.

• É necessário saldo positivo de período completo para poder solicitar o uso de licença

especial.

De: "Rosana Hoffman Câmara" <rosana.camara@embrapa.br>


Para: sgp-l@embrapa.br
Enviadas: Quinta-feira, 28 de maio de 2020 16:29:36
Assunto: [Sgp-l] COVID-19 – BENEFÍCIOS DURANTE A SUSPENSÃO DE
CONTRATO

Prezados Supervisores de Gestão de Pessoas,

A deliberação Nº 13, DE 26 DE MAIO DE 2020, estabelece a prorrogação


do período de aplicabilidade dos regimes de escala de revezamento e de
teletrabalho, bem como determina a possibilidade da Embrapa e empregados
acordarem a suspensão temporária do contrato de trabalho, pelo prazo máximo
de 60 (sessenta) dias, que poderá ser fracionado em até dois períodos de 30
(trinta) dias, entre outras ações.

Ao empregado que optar pela suspensão temporária do contrato devido


a necessidade de permanecer afastado tendo em vista o risco de infecção pela COVID-19,
será assegurada a manutenção de todos os benefícios disponibilizados aos demais
empregados, conforme previsto pela Medida Provisória Nº 936, de 1º de abril de
2020, a qual estabelece:
[...]

Seção IV
Da suspensão temporária do contrato de trabalho

Art. 8º Durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregador
poderá acordar a suspensão temporária do contrato de trabalho de seus empregados, pelo prazo
máximo de sessenta dias, que poderá ser fracionado em até dois períodos de trinta dias.

§ 1º A suspensão temporária do contrato de trabalho será pactuada por acordo individual


escrito entre empregador e empregado, que será encaminhado ao empregado com antecedência
de, no mínimo, dois dias corridos.

§ 2º Durante o período de suspensão temporária do contrato, o empregado:

I - fará jus a todos os benefícios concedidos pelo empregador aos seus empregados;
e

[...]

Permanecemos à disposição para outros esclarecimentos.

Grata,

--
Rosana Hoffman Câmara
Supervisora da área de Bem-estar (BES).
Secretaria Geral (SGE) - Gerência de Gestão de Pessoas (GGP)

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)


Brasília/DF

rosana.camara@embrapa.br

Telefone: +55 (61) 3448-4393 | Fax: +55 (61) 3448-1958


www.embrapa.br | fb.com/embrapa | twitter.com/embrapa