Você está na página 1de 352

Volume I

Diversidade e Conservação dos Remanescentes Florestais

Editores

Alexander Christian Vibrans

Lucia Sevegnani

André Luís de Gasper

Débora Vanessa Lingner

Blumenau 2012
© Alexander Christian Vibrans, Lucia Sevegnani,
André Luís de Gasper, Débora Vanessa Lingner
(Editores)
UNIVERSIDADE REGIONAL DE
BLUMENAU
Editora da FURB
REITOR
Rua Antônio da Veiga, 140
João Natel Pollonio Machado
89012-900 Blumenau-SC, BRASIL
VICE-REITOR
Fone: (47) 3321-0329
Griseldes Fredel Boos
Correio eletrônico: editora@furb.br
EDITORA DA FURB
Internet: www.furb.br/editora CONSELHO EDITORIAL
Edson Luiz Borges
Elsa Cristine Bevian
Revisão: Roberto Belli
João Francisco Noll
Diagramação: Nenno Silva Jorge Gustavo Barbosa de Oliveira
Distribuição: Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina Roberto Heinzle
Marco Antônio Wanrowsky
Fone: (47) 3221-6047 Maristela Pereira Fritzen
Correio eletrônico: iffsc@furb.br
EDITOR EXECUTIVO
Internet: www.iff.sc.gov.br Maicon Tenfen

Depósito legal na Biblioteca Nacional, conforme Lei nº 10.994 de 14 de dezembro de 2004.


“Impresso no Brasil / Printed in Brazil”

Ficha Catalográfica elaborada pela


Biblioteca Central da FURB

F634f Diversidade e conservação dos remanescentes florestais / editores Alexander


Christian Vibrans ... [et al.]. – Blumenau : Edifurb, 2012.
344 p. : il. (Inventário florístico florestal de Santa Catarina; v.1)
ISBN 978-85-7114-330-2
Inclui bibliografia.

Florestas – Inventários – Santa Catarina. 2. Fitogeografia –


Santa Catarina. I. Vibrans, Alexander Christian. II. Série.

CDD 634.9
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Governo do Estado de Santa Catarina


Governador João Raimundo Colombo
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável
Secretário Paulo Bornhausen
Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina
Presidente Sergio Luiz Gargioni
Serviço Florestal Brasileiro
Diretor-Geral Antônio Carlos Hummel
Universidade Regional de Blumenau
Reitor João Natel Pollonio Machado
Universidade Federal de Santa Catarina
Reitora Roselane Neckel
Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina
Presidente Luiz Hessmann
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

A
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável – SDS faz chegar à
comunidade técnico-científica o presente trabalho, ciente de sua importância para os
estudos da flora catarinense e do Sul do Brasil.

A edição desta obra objetiva, em parte, reconhecer o trabalho desenvolvido ao longo dos últimos
10 anos no planejamento, execução e divulgação dos resultados do Inventário Florístico Florestal do
Estado de Santa Catarina e, em parte, apresentar os resultados dos levantamentos de dados sobre a
diversidade de plantas vasculares, composição florística, estrutura e estado de conservação da cobertura
florestal, a diversidade genética de espécies ameaçadas de extinção e a importância socioeconômica e
cultural dos recursos florestais do Estado.

Os resultados deste projeto servirão de base para fomentar a pesquisa científica relacionada à
biodiversidade catarinense, mas acima de tudo constituem um marco no planejamento, formulação e
desenvolvimento de uma Política Florestal Sustentável para o Estado de Santa Catarina.

Diversas ações do Estado, como o Zoneamento Ecológico Econômico, o Programa de Pagamento


por Serviços Ambientais e as atividades de monitoramento, fiscalização e conservação ambiental do
Estado, possuem agora sólida base para seu desenvolvimento.

A execução deste trabalho esteve a cargo da Universidade Regional de Blumenau (FURB), da


Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão
Rural de Santa Catarina (EPAGRI), incentivado e financiado pela FAPESC, tendo a Diretoria de
Saneamento e Meio Ambiente da SDS reunido as condições para sua publicação.

Paulo Bornhausen
Secretário de Estado do
Desenvolvimento Econômico Sustentável
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

É
com enorme prazer que publicamos os resultados do Inventário Florístico Florestal
de Santa Catarina (IFFSC), conduzido numa parceria entre a Universidade Regional
de Blumenau (FURB), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Empresa de
Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI). Esse estudo recebeu apoio
financeiro do Governo do Estado por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado
de Santa Catarina (FAPESC).

O IFFSC foi conduzido por uma equipe multidisciplinar que percorreu quase a totalidade do
território catarinense, excetuando-se apenas áreas extremamente íngremes e de difícil acesso, com o
intuito de inventariar seus remanescentes florestais e gerar uma sólida base de dados. Estas informações
servem de subsídios para a formação de políticas públicas voltadas à conservação das florestas
catarinenses e para adoção de medidas concretas do uso sustentável dos recursos florestais.

O manejo sustentável de uma floresta permite que ela gere renda sem comprometer sua
biodiversidade ou outros aspectos importantes de seu tipo de cobertura vegetal. Permite, também,
destacar a importância de manter áreas de proteção integral, como a criação de Unidades de Conservação,
a fim de preservar a biodiversidade relevante existente nestas áreas. O IFFSC define áreas prioritárias
a serem recuperadas, sinaliza para ecossistemas degradados que merecem serem recompostos e aponta
para a necessidade premente da elaboração do zoneamento econômico-ecológico das atividades
extrativistas do Estado, conduzindo a mecanismos que permitam pagar pelos serviços ambientais em
Santa Catarina.

O Inventário proporcionou trabalhar na identificação genética de algumas espécies ameaçadas


de extinção e/ou de relevância econômica. Com isto foi possível estudar as espécies e áreas que
apresentavam maior diversidade, bem como identificar as populações que apresentavam alta similaridade
entre si, sendo, por conseguinte, mais ameaçadas de extinção.

Dentro do escopo da proposta do IFFSC, foi dada ênfase à avaliação socioeconômica e cultural
dos recursos florestais – especialmente das espécies ameaçadas de extinção, através de entrevistas
realizadas com as comunidades locais de cada região catarinense.

No total, foram investidos mais de R$ 5,3 milhões de recursos públicos em mais de 5 anos de
pesquisa científica. A divulgação destes resultados à comunidade é de suma importância. Os últimos
dados datavam das décadas de 1950 e 1960, com um nível de detalhamento e cobertura bem mais
carentes.

Esse Inventário utilizou metodologia compatível com a proposta do Inventário Florestal


Nacional, garantindo a integração dos resultados obtidos com os dados de outros Estados da Nação.

Santa Catarina apresenta-se como pioneira neste tipo de estudo, no entanto, se faz necessário
que seja dada a devida importância aos resultados destacados pelo IFFSC e que seja dada continuidade
na melhoria e atualização de seus dados.

Sergio Luiz Gargioni


Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa
e Inovação de Santa Catarana

6
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

O
s recursos florestais ganharam enorme importância nos últimos anos, notadamente após
a Rio92, e, desde então, em decorrência de suas convenções, como a da Diversidade
Biológica e das Mudanças do Clima. A sua importância é hoje reconhecida por uma
gama de bens e serviços que podem gerar, muito além do que apenas a produção de madeira. Os
serviços ambientais decorrentes das florestas, tais como a conservação da biodiversidade e a regulação
do clima, ganharam o mundo e a simpatia da sociedade. No âmbito nacional, as florestas também têm
ganhado enorme espaço nas discussões e atenções da sociedade. A cada dia observa-se uma demanda
maior por políticas públicas que conciliem a necessidade de conservação das florestas com as demandas
da sociedade, seja por seus produtos e serviços, seja pelo espaço que as florestas ocupam, competindo
com outros usos da terra.
A produção de informações e conhecimento sobre os recursos florestais nunca foi tão necessária
para dosar, de forma equilibrada, a formulação de políticas que incidem sobre regiões, biomas e,
muitas vezes, sobre todo o país, influenciando os padrões de uso da terra. No caso do Brasil, a situação
merece ainda maior atenção, uma vez que cerca de 60% de seu extenso território ainda são cobertos por
florestas. No entanto, também é fato conhecido, que, nos últimos anos, maior atenção tem sido dada à
perda de florestas, o desmatamento, pela perda de biodiversidade e pelo aumento de emissões de gases
do efeito estufa que causa. Reduzir a perda de florestas é de fato importante, mas conhecer melhor as
florestas de que ainda dispomos é um pré-requisito fundamental para a sua conservação. Como país,
estamos trabalhando para que o Inventário Florestal Nacional seja realidade e uma política de Estado
consolidada e estruturada para produzir informações sobre as florestas de todo o país a cada cinco anos.
Ao longo dos últimos anos, o caminho para a construção dessa política tem-se mostrado árduo, pois,
de certa forma, é difícil mostrar o seu valor com resultados concretos, antes que estejam disponíveis,
sobretudo para aqueles que tomam decisões estratégicas e precisam crer na sua utilidade.
Santa Catarina iniciou, de forma pioneira, a implementação de seu Inventário Florístico
Florestal para atender a uma demanda da própria sociedade, motivada por proteger espécies ameaçadas
e, além disso, dispor de recursos para a sua gestão, agora e no futuro. Tendo como estrutura básica
a metodologia nacional proposta para o Inventário Florestal Nacional, Santa Catarina concluiu com
êxito essa importante tarefa, produzindo informações ainda mais detalhadas sobre as suas florestas.
Desde a área, a distribuição e as condições de suas florestas até a distribuição da diversidade genética
das espécies consideradas mais importantes, os resultados apresentados nesta publicação são a prova
concreta de até onde se pode chegar com a produção de informações sobre os recursos florestais, para
o uso estratégico e em benefício da sociedade.
Trata-se de um conjunto de dados tão precioso que certamente ainda servirá para a geração
de conhecimento por anos à frente, refinando e proporcionando novas leituras sobre o que se tem
e o que deve ser feito para conservar as florestas do estado. Para o Inventário Florestal Nacional,
ainda em implementação em outros estados, o exemplo de Santa Catarina demonstra aonde podemos
chegar com a produção de informações florestais sobre todo o país. São os resultados concretos que nos
faltavam para avançar e convencer. Estão de parabéns todas as instituições estaduais que trabalharam
nesse projeto, todos os pesquisadores, gestores públicos, funcionários, profissionais e estudantes que
dedicaram o seu tempo e o seu talento para produzir um resultado tão importante para Santa Catarina,
tão importante para o Brasil.
Joberto Veloso de Freitas
Diretor de Pesquisa e Informações do
Serviço Florestal Brasileiro

7
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

A
Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano
(1992), teve como principal tema a discussão sobre o desenvolvimento sustentável
e sobre como reverter o processo de degradação ambiental. Reuniu 117 governantes
de países que buscavam encontrar soluções para diminuir desigualdades sociais e enfrentar a crise
da biodiversidade. A contribuição acadêmica foi extensa e inúmeros documentos foram produzidos,
ressaltando questões e serviços essenciais da biodiversidade, sem os quais a vida na Terra torna-se
comprometida: equilíbrio do clima, qualidade e quantidade de água, produção de alimentos, bem-estar
humano, entre outros.
Após a assinatura da Convenção de Diversidade Biológica (CDB), foram iniciadas discussões
sobre as possíveis alternativas para reverter o quadro crítico da questão ambiental na escala planetária.
Mudanças climáticas, uso sustentável de recursos e a conservação da biodiversidade tornaram-se os
pontos centrais da agenda global. A CDB fomentou a criação de tratados e outros instrumentos que
orientam políticas sobre conhecimento, conservação e uso sustentável da biodiversidade. Para plantas,
um dos principais mecanismos propostos a partir da CDB, foi a Estratégia Global para Conservação
de Plantas (GSPC). Sua versão atualizada (ver http://www.plants2020.net/implementing-the-gspc-
targets/) possui cinco objetivos e 16 metas destinadas a buscar o consenso e facilitar sinergias nos
níveis global, nacional e regional, de forma a impulsionar o conhecimento, a conservação e o uso
sustentável de plantas de 2011 a 2020.
Considerando que o alcance dos objetivos e metas da GSPC, requer a geração de conhecimento
e de informações científicas em bases acessíveis, pode-se afirmar que os resultados alcançados pelo
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina – IFFSC conferem ao estado de Santa Catarina uma
situação privilegiada, não só pela quantidade e qualidade dos dados e informações atualizadas sobre
sua flora, como também por facilitar o alcance das metas da GSPC e das diretrizes estabelecidas
pela Política Nacional de Biodiversidade. O histórico de busca de conhecimento sobre sua flora, que
remonta do Plano de Coleções de R. Reitz (1965), o Inventário Florestal Nacional na década de 1980
e os resultados advindos do IFFSC, permitirão ao estado fundamentar suas políticas públicas com base
em dados científicos, embasando as tomadas de decisões relativas ao uso e à conservação da flora,
permitindo um planejamento territorial adequado, conciliando assim, as políticas de desenvolvimento
social e econômico. Além de ampliar o conhecimento sobre as espécies, permitem avaliar o estado de
conservação das espécies e ecossistemas, assim como as potencialidades de utilização e recuperação de
espécies de valor econômico do estado.
Os dados e as informações da cobertura dos remanescentes florestais, do uso e da diversidade
genética das espécies de valor econômico registrados pelo IFFSC, contribuem de forma efetiva para
que o estado possa avaliar de forma cientifica e consistente, o risco de extinção das espécies e assim,
orientar as ações de conservação, das Metas 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 da GSPC. Com estes exemplos da
importância do IFFSC, o Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina consolida-se como um
exemplo a ser seguido por outros estados brasileiros.

Gustavo Martinelli
Coordenador do Centro Nacional de Conservação da Flora
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Agradecimentos

O Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina não teria sido realizado sem a contribuição
de um grande número de pessoas que, com entusiasmo e perseverança apoiaram a ideia de realizar o
inventário das florestas catarinenses e fizeram com que os inúmeros obstáculos que este empreendimento
enfrentou fossem superados.

Agradecemos aos Governadores do Estado de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira


e João Raimundo Colombo, ao Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável,
Paulo Bornhausen, aos Presidentes da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa
Catarina (FAPESC) Antônio Diomário de Queiroz e Sergio Luiz Gargioni, aos Diretores de Pesquisa
Agropecuária, Zenório Piana e de Pesquisa Científica e Inovação da FAPESC, Mario Vidor, ao Diretor
de Pesquisa e Informações do Serviço Florestal Brasileiro, Joberto Veloso de Freitas; às gerentes de
projetos da FAPESC, Adriana Dias Trevisan e Caroline Heidrich Seibert; aos Gerentes Florestais da
Secretaria de Agricultura e da Pesca de Santa Catarina, Maria Eliza Martorano Bathke (in memoriam)
e Silvio Tadeu de Menezes (in memoriam); à CAPES (PROAP - AUXPE FURB 2466/2010 - Programa
de Pós-Graduação em Engenharia Florestal e Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental)
pelo apoio financeiro para a editoração deste livro.

Um especial agradecimento devemos às equipes de trabalho do IFFSC e aos proprietários


das florestas inventariadas; às primeiras, pelo entusiasmo, pelo incansável empenho e pela seriedade
e responsabilidade com que realizaram o levantamento dos dados em campo, seu processamento e
sua análise, sob condições muitas vezes adversas; aos segundos pela generosidade, compreensão e
confiança com que abriram as portas de suas propriedades para as nossas equipes de trabalho.
Agradecemos à administração da Universidade Regional de Blumenau, da Universidade Federal
de Santa Catarina e da Empresa de Pesquisa e Extensão Agropecuária de Santa Catarina (Epagri) que
sempre atenderam às demandas do projeto e tornaram possível sua realização.

Aos consultores externos agradecemos pela cooperação e pela revisão dos manuscritos, aos
taxonomistas pela valiosa e indispensável colaboração na identificação de mais de 20.000 exsicatas.

Alexander Christian Vibrans


Juarez José Vanni Müller
Mauricio Sedrez dos Reis
Lucia Sevegnani
André Luís de Gasper
Débora Vanessa Lingner
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Sumário

1 Introdução........................................................................................................................................ 17
Equipes............................................................................................................................................ 23
2 Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina.................................................. 31
2.1 Processo e método de Amostragem do IFFSC.......................................................................... 32
2.2 Locação dos pontos amostrais................................................................................................... 32
2.3 Fontes de dados espaciais.......................................................................................................... 32
2.3.1 Base cartográfica................................................................................................................. 32
2.3.2 Mapeamento fitogeográfico................................................................................................ 33
2.3.3 Mapeamento dos remanescentes florestais de Santa Catarina............................................ 33
2.4 Intensidade de amostragem....................................................................................................... 34
2.5 Unidade Amostral...................................................................................................................... 37
2.6 Aspectos operacionais............................................................................................................... 41
2.7 Análise estatística dos dados do IFFSC..................................................................................... 47
2.7.1 Suficiência amostral............................................................................................................ 47
2.7.2 Análise de variabilidade...................................................................................................... 50
2.7.3 Estimativas das variáveis dendrométricas.......................................................................... 53
2.7.4 Ajuste dos modelos hipsométricos e volumétricos............................................................. 54
3 Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina.................................................. 65
3.1 Introdução.................................................................................................................................. 66
3.2 Cobertura original..................................................................................................................... 67
3.3 Estimativas da cobertura florestal atual..................................................................................... 68
3.3.1 Metodologia........................................................................................................................ 68
3.3.2 Resultados........................................................................................................................... 70
3.4 Classes de tamanho dos remanescentes florestais..................................................................... 74
4 Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas............................................................. 79
4.1 Introdução.................................................................................................................................. 80
4.2 Variabilidade de variáveis dendrométricas entre as regiões fitoecológicas............................... 80
4.3 Similaridade florística entre as regiões fitoecológicas.............................................................. 81
4.4 Suficiência amostral por região fitoecológica........................................................................... 82
4.5 Suficiência florística por região fitoecológica........................................................................... 83
4.6 Suficiência amostral por fragmento florestal amostrado........................................................... 85
4.7 Suficiência florística por fragmento florestal amostrado........................................................... 88
4.8 Síntese da análise estatística...................................................................................................... 90
4.9 Estimativas das variáveis dendrométricas................................................................................. 91
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

5 Flora vascular de Santa Catarina...................................................................................................... 99


5.1 Introdução................................................................................................................................ 100
5.2 Metodologia............................................................................................................................ 101
5.3 Resultados e discussão............................................................................................................ 101
6 Fitogeografia de Santa Catarina..................................................................................................... 113
6.1 Introdução................................................................................................................................ 114
6.2 Metodologia............................................................................................................................ 116
6.3 Resultados............................................................................................................................... 117
6.4 Conclusões.............................................................................................................................. 121
7 Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina............................................ 125
7.1 Introdução................................................................................................................................ 126
7.2 Metodologia............................................................................................................................ 126
7.3 Resultados............................................................................................................................... 127
7.4 Discussão................................................................................................................................. 135
7.5 Conclusões.............................................................................................................................. 137
8 Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies Arbóreas em
Remanescentes Florestais de Santa Catarina................................................................................. 143
8.1 Introdução................................................................................................................................ 144
8.2 Espécies Escolhidas e Metodologia........................................................................................ 145
8.2.1 Espécies Escolhidas.......................................................................................................... 145
8.2.2 Populações amostradas..................................................................................................... 146
8.2.3 Eletroforese de Isoenzimas............................................................................................... 148
8.2.4 Análise e interpretação dos resultados.............................................................................. 149
8.3 Resultados e Discussão........................................................................................................... 149
8.3.1 Caracterização genética das espécies da Floresta Ombrófila Mista................................. 149
8.3.2 Caracterização genética das espécies da Floresta Ombrófila Densa................................ 156
8.3.3 Caracterização genética das espécies da Floresta Estacional Decidual............................ 162
8.4 Considerações finais, perspectivas e recomendações para conservação................................. 166
9 Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina.................................................... 173
9.1 Introdução................................................................................................................................ 174
9.2 Metodologia............................................................................................................................ 174
9.3 Resultados............................................................................................................................... 176
9.3.1 Florística........................................................................................................................... 182
9.3.2 Variáveis estruturais por Unidade Amostral..................................................................... 185
9.3.3 Variáveis estruturais por região fitoecológica................................................................... 187
9.3.4 Variáveis dendrométricas das Unidades Amostrais dos reflorestamentos........................ 189
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

10 Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina................................................... 193


10.1 Introdução.............................................................................................................................. 194
10.2 Metodologia.......................................................................................................................... 197
10.3 Resultados e discussão.......................................................................................................... 197
11 Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em
Santa Catarina.............................................................................................................................. 217
11.1 Introdução.............................................................................................................................. 218
11.2 Metodologia........................................................................................................................... 218
11.3 Resultados e discussão.......................................................................................................... 222
12.4 Conclusões e Recomendações............................................................................................... 226
12 Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina........................ 229
12.1 Introdução.............................................................................................................................. 230
12.2 Metodologia.......................................................................................................................... 231
12.2.1 Área de estudo e coleta de solo...................................................................................... 231
12.2.2 Extração dos esporos...................................................................................................... 231
12.2.3 Análise das comunidades................................................................................................ 232
12.3 Resultados............................................................................................................................. 232
12.4 Discussão............................................................................................................................... 238
13 Levantamento Socioambiental..................................................................................................... 243
13.1 Introdução.............................................................................................................................. 244
13.2 Metodologia.......................................................................................................................... 244
13.3 Resultados e discussão.......................................................................................................... 246
13.3.1 Caracterização dos entrevistados.................................................................................... 246
13.3.2 Usos dos recursos florestais nativos pelos moradores próximos às florestas................. 246
13.3.3 Espécies indicadas como de uso potencial..................................................................... 252
13.3.4 As percepções dos entrevistados sobre as florestas nativas, seus recursos e valores
de uso e existência.......................................................................................................... 254
13.4 Considerações finais.............................................................................................................. 258
14 Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC.............................. 263
14.1 Introdução.............................................................................................................................. 264
14.1.1 Portal do IFFSC.............................................................................................................. 264
14.1.2 Sistema de Informatização dos Herbários – Herbária................................................... 266
14.1.3 Sistema do Levantamento Socioambiental – LSA......................................................... 267
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

14.1.4 Sistema Visualizador de Informações Florístico-Florestais – Vinflor............................ 268


14.1.5 Sistema de Mapas para web............................................................................................ 270
14.1.6 Sistema de Gerenciamento de Dados do IFFSC – SINFLOR........................................ 274
14.2 Considerações finais.............................................................................................................. 276
15 Importância das coletas florísticas para o IFFSC......................................................................... 279
15.1 Annonaceae........................................................................................................................... 279
15.2 Araceae.................................................................................................................................. 282
15.3 Asteraceae.............................................................................................................................. 285
15.4 Bromeliaceae......................................................................................................................... 290
15.5 Gesneriaceae.......................................................................................................................... 295
15.6 Orchidaceae........................................................................................................................... 299
15.7 Piperaceae.............................................................................................................................. 303
15.8 Primulaceae........................................................................................................................... 307
15.9 Symplocaceae........................................................................................................................ 310
16 Projetos associados ao IFFSC...................................................................................................... 313
16.1 Iniciação científica................................................................................................................. 313
16.2 Trabalhos de conclusão de curso........................................................................................... 318
16.3 Dissertações de Mestrado...................................................................................................... 321
16.4 Teses de Doutorado............................................................................................................... 330
17 Considerações finais e recomendações........................................................................................ 333
Apêndice I Fichas de campo utilizadas pelo IFFSC......................................................................... 337
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Introdução1

Introduction
Alexander Christian Vibrans, André Luís de Gasper,
Juarez José Vanni Müller, Maurício Sedrez dos Reis

Um inventário florestal tem por finalidade obter dados qualitativos e quantitativos dos recursos
florestais de uma determinada área, fornecendo aos gestores desta área informações básicas para o
planejamento de atividades de manejo e conservação das florestas presentes na mesma. Realizado
em escala regional ou nacional, o inventário subsidia a tomada de decisão num nível mais amplo;
fundamenta o direcionamento de políticas públicas relativas ao uso e à conservação dos recursos
florestais e a adoção de medidas concretas para sua implementação.

Além disso, acordos internacionais como a Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD
1993), o Protocolo de Kyoto (United Nations 1998) do United Nations Framework Convention on
Climate Change (UNFCCC) e levantamentos globais como o Global Forest Resources Assessment
(FAO 2010) da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO), obrigam as nações
signatárias a coletarem e disponibilizarem informações acerca de extensão e estado de conservação
de sua cobertura florestal e, numa ótica multitemporal, acerca das mudanças de uso do solo nos seus
territórios (Tomppo et al. 2010).

Inventários regionais têm necessariamente dois componentes: o mapeamento da extensão


territorial das diversas formações florestais por meio de técnicas de sensoriamento remoto e o
levantamento terrestre, usualmente por meio de amostragem sistemática, de variáveis que caracterizam
composição e estrutura das florestas (Brena 1995).

Os objetivos dos inventários florestais tornaram-se cada vez mais abrangentes: era o estoque
de madeira aproveitável o primeiro objetivo, têm sido agregados, ao longo do tempo e num enfoque
ecossistêmico, outros aspectos que permitem avaliar o conjunto das sinúsias das florestas e de suas
interações: o estrato do sub-bosque, o estrato herbáceo, os componentes de epífitos, lianas, bambus,
necromassa, serapilheira e as propriedades do solo. A estes aspectos biológicos, juntou-se a necessidade de
caracterizar o contexto socioeconômico no qual as florestas inventariadas estão inseridas, indispensável
para o desenvolvimento de políticas para o seu gerenciamento.

Segundo Magurran (2004), inventários florísticos, por sua vez, têm como objetivo identificar
as espécies que ocorrem em uma determinada área geográfica. Ele é realizado através do estudo
taxonômico do material botânico coletado, que é preparado e depositado em herbários. O inventário
representa uma importante etapa no conhecimento de um ecossistema, pois fornece informações básicas
que subsidiarão os estudos biológicos subsequentes. Estudos detalhados que, além da composição
florística, abordam a estrutura e a dinâmica das comunidades vegetais e suas interações com os fatores
abióticos (Felfili et al. 2011), são fundamentais para embasar quaisquer iniciativas de conservação e
uso dos remanescentes florestais.

1
Vibrans, A.C.; Gasper A.L.; Müller, J.J.V., Reis, M.S. 2012. Introdução. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner,
D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau.
Edifurb.

17
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

A construção do projeto do IFFSC

A atualização tanto das informações florísticas como das estruturais e quantitativas das florestas
catarinenses, através de um novo inventário florestal, começou a ser discutida no estado a partir de
2003 e para o Brasil, como um todo, a partir de 2005. Em Santa Catarina, essa discussão foi motivada
pela publicação das Resoluções nº 278/2001 e nº 309/2002 do CONAMA (CONAMA 2001; 2002), que
vincularam autorizações para corte e exploração de espécies ameaçadas de extinção (IBAMA 1992),
em populações naturais no bioma Mata Atlântica em Santa Catarina, à elaboração de “critérios técnicos,
baseados em inventário florestal que garantam a sustentabilidade da exploração e a conservação genética
das populações”.

Em 2003 foi instituída uma comissão estadual, composta por representantes da Secretaria de
Estado da Agricultura e da Pesca, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável,
Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), Universidade Federal de Santa Catarina/Centro
de Ciências Agrárias (UFSC/CCA), Universidade do Contestado (UnC), Fundação do Meio Ambiente
(FATMA), Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI), Federação
das Indústrias (FIESC), Federação da Agricultura e Pecuária (FAESC), Federação dos Trabalhadores
na Agricultura (FETAESC), Associação das Empresas Florestais (ACR) e Associação dos Engenheiros
Florestais (ACEF). Esta comissão começou em 2003 a discutir e delinear, a partir da realização de duas
oficinas, um projeto pautado na necessidade de obter informações atualizadas, detalhadas e confiáveis
sobre extensão e qualidade dos remanescentes florestais no estado. Foi dada ênfase, desde o início
do planejamento deste projeto, à coleta de dados sobre o estado de conservação dos remanescentes
florestais e das populações de espécies ameaçadas. Mais ainda, a revisão e atualização da própria lista
das espécies ameaçadas tornou-se um dos objetivos do projeto.

Este objetivo seria possível de ser alcançado somente através da inclusão de um levantamento
florístico, aliado a um inventário florestal sistemático e com uma densa rede de pontos amostrais em
todas as regiões do estado. Desta forma, esperava-se poder atualizar os dados coletados por Raulino
Reitz e Roberto Miguel Klein nas décadas de 1950 a 1970 que culminaram na publicação da Flora
Ilustrada Catarinense (Reitz 1965), colocando o estado de Santa Catarina numa posição privilegiada
entre os demais estados brasileiros em relação ao conhecimento de sua flora. O único levantamento
sistemático das florestas catarinenses sob ponto de vista quantitativo datava da década de 80, idealizado
no âmbito de um Inventário Florestal Nacional (Netto 1984) e voltado à quantificação dos recursos
madeireiros e de biomassa para fins energéticos.

Após ampla discussão do seu escopo e de sua metodologia, atendendo as prerrogativas citadas,
o objetivo do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC) foi então ampliado, no sentido
de gerar uma sólida base de dados para fundamentar políticas públicas que visem a efetiva proteção das
florestas nativas mediante a adoção de medidas de conservação, recuperação e utilização dos recursos
florestais, além de um planejamento territorial adequado.

O inventário foi realizado pela Universidade Regional de Blumenau (FURB), Universidade


Federal de Santa Catarina (UFSC) e Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa
Catarina (EPAGRI), com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina
(FAPESC) e do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) no período entre 2007 e 2011 e teve como objetivos
específicos:

- Caracterizar a composição florística e estrutura dos remanescentes florestais, além do seu


estado de conservação (ou degradação), por meio de um inventário sistemático e detalhado;

18
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

- Caracterizar a diversidade e estrutura genética de populações de espécies ameaçadas


empregando marcadores alozímicos;

- Realizar um levantamento socioambiental por meio de entrevistas, focado nos usos tradicionais
dos recursos florestais e na percepção da população rural;

- Criar uma estrutura que permite a todas as pessoas o acesso às informações obtidas através do
uso da internet.

O projeto foi desenvolvido em Santa Catarina num cenário sociopolítico caracterizado pela ação
de atores defensores tanto da conservação como da exploração das florestas, além do setor público, das
universidades e de organizações não governamentais. A participação de representantes de um grande
número de setores da sociedade, inclusive do setor produtivo, nas discussões da comissão assegurou a
abrangência do projeto e o seu suporte pelo poder público, inicialmente representado pela Secretaria de
Estado da Agricultura e da Pesca.

O Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC) teve início em 2005, com recursos
estaduais e federais (ICEPA e FNMA/MMA), através de um inventário-piloto da Floresta Ombrófila
Mista usando um processo de amostragem aleatória (Vibrans et al. 2008). A discussão das expectativas
destes grupos de interesse dentro do próprio estado começou a interagir, a partir de 2005, com um
contexto nacional, no qual discutiu-se, simultaneamente, o desenho de um inventário florestal nacional
(CTN-IFN/BR 2007; Freitas et al. 2010). Após uma fase de ajustes metodológicos e conceituais, o
IFFSC teve continuação entre 2007 e 2012, financiado pelo governo estadual, através de sua Fundação
de Amparo à Pesquisa e Inovação (FAPESC) e apoiada pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB).

Desde 2007, o IFFSC está aplicando uma metodologia compatível com a do Inventário
Florestal Nacional (IFN), embora intensificada e com os critérios de inclusão ampliados para atender
às especificidades estaduais (Vibrans et al. 2010). A proposta metodológica do Inventário Florestal
Nacional do Brasil (CTN-IFN/BR 2007) foi elaborada durante os anos de 2006 e 2007 pela Comissão
Técnica (CT-IFN/BR) instituído em 2005 pelo Ministério do Meio Ambiente. Esta metodologia
é baseada num “inventário sistemático de múltiplas ocasiões, repetido a cada cinco/dez anos, para
fornecer informações e monitorar o estado de conservação dos recursos florestais, bem como as
mudanças ocorridas ao longo do tempo” (op.cit. p. 17).

O Volume I desta obra é dedicado à descrição geral do projeto, às metodologias empregadas e


aos resultados gerais para Santa Catarina. No Volume II são apresentados os resultados para a Floresta
Estacional Decidual, no Volume III os da Floresta Ombrófila Mista e no Volume IV os da Floresta
Ombrófila Densa; o Volume V é dedicado às espécies epifíticas, o Volume VI contém um guia de campo
para identificação de epífitos; Volume VII será dedicado às espécies raras e ameaçadas de extinção.

Arranjo Institucional e equipes

A equipe do IFFSC é formada por integrantes das instituições executoras Universidade Regional
de Blumenau (FURB), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Empresa de Pesquisa e
Extensão Agropecuária de Santa Catarina (EPAGRI). O projeto foi financiado de 2007 a 2012 pela
Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação (FAPESC) e de 2010 a 2012 pelo Serviço Florestal
Brasileiro (SFB). O projeto recebeu apoio institucional da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável
(SDS) e da Gerência Florestal da Secretaria da Agricultura e da Pesca (SAR).

19
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

Referências

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Brasil).
1992. Portaria 37-N, de 3 de abril de 1.992. Diário Oficial da União de 6 de abril de 1992.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente (Brasil). 2001. Resolução CONAMA 278,
de 24 de maio de 2001. Diário Oficial da União de 18 de julho de 2001.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente (Brasil). 2002. Resolução CONAMA 309,
de 20 de março de 2002. Diário Oficial da União de 29 de julho de 2002.

Brena, D. A. 1995. Inventário Florestal Nacional: proposta de um sistema para o Brasil.


Tese (Doutorado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

CBD. 1993. The Convention on Biological Diversity. http://www.cbd.int/. Acesso em 3 de


março de 2012.

CTN-IFN/BR. Comissão Técnica Nacional do Inventário Florestal Nacional. 2007. Projeto


Inventário Florestal Nacional. Brasília. SFB/MMA.

FAO. 2010. Global Forest Resources Assessment. FRA. Main Report. FAO Forestry Papers,
163. Roma. FAO.

Felfili, J. M.; Eisenlohr, P.V.; Melo, M.M.; Andrade, L.A.; Meira Neto, J.A.A. 2011.
Fitosssociologia no Brasil. Métodos e estudos de caso. Viçosa. UFV.

Freitas, J.V., Oliveira, Y.M., Rosot, M.A., Gomide, G., Mattos, P. 2010. Brazil. In: Tomppo,
E., Gschwantner, T., Lawrence, M., Mc Roberts, R.E. (eds.). National Forest Inventories. Pathway for
Common Reporting. Heidelberg. Springer.

Magurran, A. E. 2004. Measuring biological diversity. Oxford. Blackwell Publishing.

Netto, S.P. 1984. Inventário Florestal Nacional, florestas nativas: Paraná e Santa Catarina.
Brasília, DF. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal.

Reitz, R. 1965. Flora Ilustrada Catarinense. Plano de coleção. Itajaí. Herbário Barbosa
Rodrigues.

United Nations. 1998. Kyoto Protocol to the United Nations Framework Convention on
Climate Change. 20p. http://www.unfccc.int/. Acesso em 3 de março de 2011.

Tomppo, E., Gschwantner, T., Lawrence, M., Mc Roberts, R.E. 2010. National Forest
Inventories. Pathway for Common Reporting. Heidelberg: Springer.

Vibrans, A. C.; Uhlmann, A.; Sevegnani, L.; Marcolin, M.; Nakajima, N.; Grippa, C. R.; Brogni,
E.; Godoy, M. B. 2008. Ordenação dos dados de estrutura da Floresta Ombrófila Mista partindo de
informações do inventário florístico-florestal de Santa Catarina: resultados de estudo-piloto. Ciência
Florestal 18 (3/4): 511-523.

Vibrans, A. C.; Sevegnani, L.; Lingner, D. V.; Gasper, A. L. de; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos métodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30 (64): 291-302.

20
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

22
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Equipes

Coordenador institucional: Eng.Agron. MSc. Sílvio Tadeu de Menezes (Secretaria de Agricultura


e da Pesca) (in memoriam)

Equipe da Universidade Regional de Blumenau (FURB)


Coordenação
Alexander Christian Vibrans Engenheiro Florestal, Dr., Universidade Regional de Blumenau
Equipe científica
Alexandre Uhlmann Biólogo, Dr., Embrapa Florestas
Annete Bonnet Bióloga, Dra., Embrapa Florestas
Julio Cesar Refosco Engenheiro Florestal, Dr., Universidade Regional de Blumenau
Karin Esemann de Quadros Bióloga, Dra., Universidade Regional de Blumenau
Lauri Amândio Schorn Engenheiro Florestal, Dr., Universidade Regional de Blumenau
Lucia Sevegnani Bióloga, Dra., Universidade Regional de Blumenau
Marcos Eduardo Guerra Sobral Biólogo, Dr., Universidade Federal de São João del Rey
Moacir Marcolin Engenheiro Florestal, MSc., Universidade Regional de Blumenau
Consultores externos
Ary Teixeira de Oliveira Filho Engenheiro Florestal, Dr., Universidade Federal de Minas Gerais
Daniel Piotto Engenheiro Florestal, Dr., Serviço Florestal Brasileiro
Doádi Antônio Brena Engenheiro Florestal, Dr., Universidade Federal de Santa Maria
Ernestino Guarino Engenheiro Florestal, Dr., Embrapa Acre
João André Jarenkow Biólogo, Dr., Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Solon Jonas Longhi Engenheiro Florestal, Dr., Universidade Federal de Santa Maria
Ronald Edward McRoberts Matemático, Dr., U.S. Forest Service, Saint Paul, Minnesota
Vanilde Citadini-Zanette Bióloga, Dra., Universidade do Extremo Sul Catarinense
Yeda Maria Malheiros de Oliveira Engenheira Florestal, Dra., Embrapa Florestas
Equipes de campo
Alexandre Korte Biólogo
Andres Krüger Engenheiro Florestal
André Luís de Gasper Biólogo, MSc.
Anita Stival dos Santos Bióloga
Annete Bonnet Bióloga, Dra. (Epífitas)
Carlos Anastácio Júnior Engenheiro Florestal
Eduardo Brogni Engenheiro Florestal, MSc.
Guilherme Klemz Engenheiro Florestal
Jaison Leandro Engenheiro Florestal
Juliane Luzia Schmitt Bióloga (Epífitos)

23
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

Marcela Braga Godoy Bióloga


Marcio Verdi Biólogo
Ronnie Schmitt Engenheiro Florestal
Susana Dreveck Bióloga
Volnei Rodrigo Pasqualli Engenheiro Florestal
Tiago João Cadorin Biólogo (Epífitos)
César Pedro Lopes de Oliveira Rapelista
Eder Caglioni Rapelista
Raphael Borsoi Saulo Escalador
Renato Schmitz Escalador
Simone Silveira Escaladora
Felipe Borsoi Saulo Escalador
José Francisco Torres Escalador
Ademar Hilton Kniess Auxiliar de campo
Aline Luíza Tomazi Auxiliar de campo
Ary Francisco Mohr Filho Auxiliar de campo
Bruna Grosch Auxiliar de campo
Caroline Cristofolini Auxiliar de campo
Claus Leber Auxiliar de campo
Deunízio Stano Auxiliar de campo
Diego Henrique Klettenberg Auxiliar de campo
Douglas Meyer Auxiliar de campo
Eduardo Francisco Pedro Auxiliar de campo
Emílio Boing Auxiliar de campo
Eusébio Afonso Welter Auxiliar de campo
Evair Legal Auxiliar de campo
Francisco Estevão Carneiro Auxiliar de campo
Francys João Balestreri Auxiliar de campo
Hélio Tomporowski Auxiliar de campo
Herison José de Melo Auxiliar de campo
Jair Ivan Rodrigues da Fonseca Auxiliar de campo
Luís Cláudio Auxiliar de campo
Marcelo Devid Ferreira Silva Auxiliar de campo
Marco Antônio Florêncio Auxiliar de campo
Naiara Maria Bruggemann Auxiliar de campo
Otávio Júnior Jeremias Auxiliar de campo
Pedro Rodrigues dos Santos Auxiliar de campo
Rafaela Tamara Marquardt Auxiliar de campo

24
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Reginaldo José de Carvalho Auxiliar de campo


Ricardo Zimmermann Auxiliar de campo
Robson Carlos Avi Auxiliar de campo
Rony Paolin Hasckel Auxiliar de campo
Sabrina De Moraes Clems Auxiliar de campo
Simone de Andrade Auxiliar de campo
Valdir de Oliveira Auxiliar de campo
Heitor Felipe Uller Bolsista Engenharia Florestal
Jefferson Tachini Bolsista Engenharia Florestal
Paulo Roberto Lessa Bolsista Engenharia Florestal
Regiane Richartz Bolsista Engenharia Florestal
Deise Clarice Melchioretto Bolsista Engenharia Florestal
Diego Marcos Feldhaus Bolsista Engenharia Florestal
Eron Marcus Santos Bolsista Engenharia Florestal
Processamento de dados
Débora Vanessa Lingner Engenheira Florestal, MSc.
Deisi Cristini Sebold Engenheira Florestal
Karine Heil Soares Engenheira Florestal
Shams Sabbagh Engenheiro Florestal
Suélen Schramm Schaadt Engenheira Florestal, MSc.
Vilmar Orsi Analista de Sistemas
Paolo Moser Matemático
Adam Henry Marques Gonçalves Bolsista, Engenharia Florestal
Adilson Luiz Nicoletti Bolsista, Engenharia Florestal
Ary Gustavo Brignoli Wolff Bolsista, Engenharia Florestal
Bruno Burkhardt Bolsista, Engenharia Florestal
Camila Mayara Gessner Bolsista, Engenharia Florestal
Carla Marcolla Bolsista, Engenharia Florestal
Cláudia Mariana Kirchheim da Silva Bolsista, Engenharia Florestal
Débora Cristina da Silva Bolsista, Engenharia Florestal
Diego Knoch Sampaio Bolsista, Engenharia Florestal
Eder de Lima Bolsista, Engenharia Florestal
Gabriel Eduardo Marroquin Choto Bolsista, Engenharia Florestal
Helena Koch Bolsista, Engenharia Florestal
João Paulo de Maçaneiro Bolsista, Engenharia Florestal
Luana Silveira e Silva Bolsista, Engenharia Florestal
Maiara Jade Panca Bolsista, Engenharia Florestal
Morgana dos Santos Neckel Bolsista, Engenharia Florestal

25
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

Murilo Schramm da Silva Bolsista, Engenharia Florestal


Raphaela Noêmia Dutra Bolsista, Engenharia Florestal
Sivonir Ricardo Fuchs Bolsista, Engenharia Florestal
Stefanie Cristina De Souza Bolsista, Engenharia Florestal
Thiago Michael Barth Bolsista, Engenharia Florestal
Alexandre Amilton de Oliveira Bolsista, Engenharia Florestal
Daniel Augusto da Silva Bolsista, Engenharia Florestal
Kathlen Heloise Pfiffer Bolsista, Engenharia Florestal
Herbário
André Luís de Gasper Biólogo, MSc.
Leila Meyer Bióloga
Morilo José Rigon Jr. Biólogo
Alciane Cé Valim Bolsista, Ciências Biológicas
Aline Haverroth Bolsista, Ciências Biológicas
Arthur Vinícius Rodrigues Bolsista, Ciências Biológicas
Camila Bernadete Ptermann Bolsista, Ciências Biológicas
Emily Daiana do Santos Bolsista, Ciências Biológicas
Heitor Felipe Uller Bolsista, Engenharia Florestal
Itamara Kureck Bolsista, Ciências Biológicas
Kamila Vieira Bolsista, Ciências Biológicas
Mariana Sara Custódio Bolsista, Ciências Biológicas
Nayara Lais de Souza Bolsista, Ciências Biológicas
Thiago Alberto Beckhauser Bolsista, Ciências Biológicas
Vanessa Bachmann Bolsista, Ciências Biológicas
Alunos de Pós-graduação
André Luís de Gasper Biologia Vegetal, Universidade Federal de Minas Gerais
Anita Stival dos Santos Botânica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Cláudia Fontana Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau
Débora Vanessa Lingner Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau
Eder Caglioni Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná
Eduardo Brogni Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau
Gisele Müller Amaral Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau
Gustavo Antonio Piazza Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau
Marcelo Bucci Engenharia Florestal, Universidade Regional de Blumenau
Marcio Verdi Botânica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Paolo Moser Engenharia Florestal, Universidade Regional de Blumenau
Suélen Schramm Schaadt Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau

26
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Talita Macedo Maia Engenharia Florestal, Universidade Regional de Blumenau


Administração
Dirce Harnisch Auxiliar administrativo
Maria José Santana Barros Auxiliar administrativo
Regiane Patrícia de Souza Auxiliar administrativo
Solange Maria Krug Auxiliar administrativo
Taysa Cristina Nardes Auxiliar administrativo
Taxonomistas
Adriana Lobão Universidade Federal Fluminense
Alain Chautems Conservatoire et Jardin botanique de la Ville de Genève
Alexandre Quinet Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Alexandre Salino Universidade Federal de Minas Gerais
Alice Calvente Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Ana Cláudia Fernandes Universidade Federal de Minas Gerais
Ana Odete Santos Vieira Universidade Estadual de Londrina
Andrea Costa Museu Nacional do Rio de Janeiro
Ariane Luna Peixoto Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Armando Cervi Universidade Federal do Paraná
Denilson Fernandes Peralta Instituto de Botânica de São Paulo
Eliane de Lima Jacques Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Elsie Guimarães Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Erik Koiti Okiyama Hattori Universidade Federal de Minas Gerais
Fábio de Barros Instituto de Botânica de São Paulo
Gustavo Martinelli Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Hilda Longhi-Wagner Universidade Federal do Rio Grande do Sul
João Aranha Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Mariana
João Renato Stehmann Universidade Federal de Minas Gerais
Leandro Giacomin Universidade Federal de Minas Gerais
Lidyanne Aona Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Lúcia Lohmann Universidade de São Paulo
Luciano Moreira Ceolin Universidade Federal do Paraná
Mara Rejane Ritter Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Marcus Nadruz Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Maria de Fátima Freitas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Maria Leonor Del Rei Universidade Federal de Santa Catarina
Maria Salete Marchioretto Instituto Anchietano de Pesquisas/UNISINOS
María Silvia Ferrucci Instituto de Botánica del Nordeste

27
Alexander Christian Vibrans Lucia Sevegnani André Luís de Gasper Débora Vanessa Lingner
Editores

Massimo Bovini Jardim Botânico do Rio de Janeiro


Mizue Kirizawa Instituto de Botânica
Rafael Trevisan Universidade Federal de Santa Catarina
Rafaela Campostrini Forzza Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Regina Andreata Universidade Federal do Rio de Janeiro
Renato Goldenberg Universidade Federal do Paraná
Rodrigo Augusto Camargo Universidade Estadual de Campinas

Equipe da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Coordenação
Maurício Sedrez dos Reis Engenheiro agr., Dr., Universidade Federal de Santa Catarina
Adelar Mantovani Engenheiro agr., Dr., Universidade do Estado de Santa Catarina
Laboratório
Juliano Zago da Silva Engenheiro agrônomo, Dr.
Ricardo Bittencourt Engenheiro agrônomo, Dr.
Tiago Montagna Engenheiro agrônomo
Alison Nazareno Gonçalves Engenheiro florestal, MSc
Samatha Filippon Bióloga, MSc.
Roberta Duarte Engenheira agrônoma
Ivone de Bem Acadêmica
Beatriz Bez Acadêmica
Equipes de Campo
Felipe Steiner Engenheiro florestal
Alex Zechinni Engenheiro florestal
Giovani Festa Paludo Engenheiro florestal
Andréa Gabriela Mattos Engenheira agrônoma, MSc.
Glauco Schussler Biólogo, MSc.
Lucas Milanesi Biólogo
Caroline Cristofoline Bióloga
Fernando André Loch Santos da
Acadêmico
Silva
Caio Darós Fernandes Acadêmico
Georg Altrak Acadêmico
Douglas Loch Santos da Silva Acadêmico
Luis Guilherme U. Figueiredo Acadêmico

28
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Equipe da Empresa de Pesquisa e Extensão Agropecuária de Santa Catarina (EPAGRI)


Coordenação
Juarez José Vanni Müller Engenheiro agrônomo, MSc., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Equipe científica
Juliane Garcia Knapik Justen Engenheira agrônoma, MSc., Epagri, Gerencia Reg. Rio do Sul
Luiz Toresan Engenheiro agrônomo, Dr., Epagri/Cepa
Equipe de Tecnologia da Informação
Joelma Miszinski Analista de Sistemas, Especialista, Epagri/Ciram
Eduardo Nathan Antunes Analista de Sistemas, Epagri/Ciram
Emanuela Salaum Pereira Pinto Analista de Sistemas, Epagri/Ciram
Equipe Técnica
Airton Rodrigues Salerno Engenheiro agrônomo, MSc, Epagri Estação Experimental Itajaí
Alécio Borinelli Técnico agrícola, Epagri Estação Experimental Itajaí
Alexandre Visconti Engenheiro agrônomo, Dr., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Antônio Amaury Silva Junior Engenheiro agrônomo, MSc., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Fábio Martinho Zambonim Engenheiro agrônomo, Dr., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Horst Kalvelage Engenheiro agrônomo, Dr., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Juarez José Vanni Müller Engenheiro agrônomo, MSc., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Juliane Garcia Knapik Justen Engenheira agrônoma, MSc., Epagri, Gerencia Reg. Rio do Sul
Luiz Toresan Engenheiro agrônomo, Dr., Epagri/Cepa
Márcia Mondardo Engenheira agrônoma, MSc., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Neri Samuel Dalenogari Engenheiro agrônomo, Epagri, Estação Experimental Itajaí
Pedro Nicolau Serpa Engenheiro agrônomo, MSc., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Teresinha Catarina Heck Engenheira agrônoma, MSc., Epagri, Estação Experimental Itajaí
Equipe Técnica de
Geoprocessamento
Juliane Mio de Souza Engenheira cartógrafa, MSc., Epagri/Ciram
Suely Lewenthal Carrião Engenheira agrônoma, MSc., Epagri/Ciram

29
Capítulo 2
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina1

Methodology of Floristic and Forest Inventory of Santa Catarina

Alexander Christian Vibrans, Paolo Moser,


Debora Vanessa Lingner, André Luís de Gasper

Resumo
O Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC), iniciativa do governo estadual, foi concebido
em 2003 para atender exigências da legislação ambiental. Após o inventário-piloto em 2005, a metodologia
foi adequada em 2007 de acordo com a proposta do Inventário Florestal Nacional (IFN-BR), à época, sob
discussão. O IFFSC, em execução desde 2007, abrange todas as regiões fitoecológicas, incluindo levantamento
florístico (coleta de amostras das espécies férteis encontradas no interior e entorno dos fragmentos visitados)
e levantamento de epífitas vasculares por equipes especializadas. A distribuição das unidades amostrais é
sistemática, a partir de uma grade de pontos com distância de 10 x 10 km, cobrindo todo o estado e de 5 x 5 km na
reduzida Floresta Estacional Decidual. O método de amostragem é o de área fixa em conglomerados compostos
por quatro subunidades com área de 1.000 m² (20 x 50 m), perpendiculares a partir de um ponto central. Nelas
todos os indivíduos com mais de 1,5 m e 10 cm de DAP foram medidos, representando o componente arbóreo.
A regeneração na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Decidual foi feita em quatro subparcelas de
5 x 5 m no final de cada subunidade, onde todos os indivíduos com mais de 1,5 m e menos de 10 de DAP foram
mensurados. Na Floresta Ombrófila Densa foram quatro subparcelas em cada subunidade e a medição começou
com 0,5 m. Atenção especial também foi dada aos epífitos na Floresta Ombrófila Densa, onde 34 Unidades
Amostrais com raio de 80 metros de um ponto central foram amostradas. O aumento da intensidade amostral
e a diminuição dos limites de inclusão de diâmetro e altura nos estratos arbóreo e da regeneração, em relação
à proposta do IFN-BR, bem como a realização do levantamento florístico mostraram-se importantes para o
registro da diversidade vegetal das florestas catarinenses, a atenderam as suficiências amostrais.

Abstract
The Floristic and Forest Inventory of Santa Catarina (IFFSC), an initiative of the state government, was designed
in 2003 to meet requirements of environmental legislation. After the pilot inventory in 2005, the methodology
was appropriate in 2007 according to the proposal of the National Forest Inventory (IFN-BR), at the time
under discussion. The IFFSC, running since 2007, covers all phytoecological regions, including floristic survey
(sampling fertile species found in and around the fragments visited) and vascular epiphytes survey by specialist
teams. The distribution of sample plots is systematically from a grid of points with a distance of 10 x 10
km, covering the entire state and a 5 x 5 km in reduced seasonal deciduous forest. The sampling method
is the fixed area in clusters composed of four subunits with an area of 1,000 m² (20 x 50 m) perpendicular from
a central point. Them all individuals with over 1.5 m and 10 cm DBH were measured, representing the tree
component. Regeneration in Mixed Ombrophylous Forest and Seasonal Deciduous Forest was made in four
subplots of 5 mx 5 m at the end of each subunit, where all individuals over 1.5 m and less than 10 DAP were
measured. In Dense Ombrophylous Forest were four subplots in each subunit and the measurement started with
0.5 m. Special attention was also given to epiphytes in the Dense Ombrophylous Forest, where 34 Sampling
Units with a radius of 80 meters from a central point were sampled. Increased sampling intensity and decrease
the limits of inclusion diameter and height in woody and regeneration in relation to the proposal of IFN-BR, as
well as the realization of floristic survey were important for the registration of plant diversity of forests Santa
Catarina, responded fills the sample.

1
Vibrans, A.C.; Moser, P.; Lingner; D.V.; Gasper A.L. de. 2012. Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. In:
Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade
e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

31
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

2.1 Processo e método de Amostragem do IFFSC

Em conformidade com a proposta para o Inventário Florestal Nacional do Brasil (IFN/BR), e


com base nos estudos de Péllico (1979), Brena (1995) e Queiroz (1977), o inventário catarinense foi
estruturado utilizando o processo de amostragem de múltiplas ocasiões com possibilidade de repetição
total da amostragem, com distribuição sistemática das Unidades Amostrais (UA), a partir de uma
rede de pontos sistematizados (grade), cobrindo todo o estado. A seleção das Unidades Amostrais foi
realizada a partir de uma estratificação preliminar em floresta e não floresta, baseada em interpretação
de imagens orbitais. Adotou-se para a definição de “floresta” o conceito da FAO (2009): terras com área
mínima de 0,5 ha, árvores com altura > 5 m e cobertura das copas ≥ 10%. O método de amostragem
foi o de Área Fixa em Conglomerados, compostos por quatro subunidades perpendiculares a partir de
um ponto central. O processo de amostragem com repetição total exige que a estrutura amostral seja
permanente para que as Unidades Amostrais possam ser remedidas; estas foram demarcadas por hastes
de ferro galvanizado enterradas para futura localização com detector de metal.

2.2 Locação dos pontos amostrais

Para a materialização dos pontos amostrais e a implantação das respectivas Unidades Amostrais,
foi definida pela EMBRAPA Florestas uma grade de pontos com equidistância de 324 segundos,
equivalentes a aproximadamente 10 x 10 km, em coordenadas UTM (Universal Transverso de
Mercator), com datum WGS 84. Esta grade foi gerada, com espaçamento de 324 segundos, utilizando
o sistema de coordenadas geográficas não projetadas, de acordo com a metodologia de edição da Base
Cartográfica Integrada Digital do Brasil ao Milionésimo (IBGE 2003). Para inserção num Sistema
de Informações Geográficas, foi feita a definição do referencial geodésico (WGS84), posteriormente
reprojetado para o sistema de coordenadas UTM, de acordo com o fuso correspondente e para o mesmo
referencial WGS84.

Os pontos da referida grade, para os quais os dois mapeamentos da cobertura florestal do estado,
disponíveis na época (SAR 2005; Geoambiente 2008), indicaram a existência de florestas naturais,
constituem os pontos amostrais para a coleta de dados de campo, sendo consideradas as formações
florestais arbóreas e arbustivas remanescentes nas diferentes regiões fitoecológicas do estado. Em
virtude da escala de mapeamento (1:50.000), foi adotada uma tolerância de 500 m de raio no entorno
de cada ponto da grade, considerando-o como ponto amostral efetivo se os mapeamentos indicaram
presença de floresta dentro dessa área. Quando, nestes casos, em campo, o ponto da grade não coincidia
com formações florestais, a equipe deslocou a respectiva Unidade Amostral para o remanescente mais
próximo encontrado num raio de 500 metros, de forma que a extremidade da subunidade fique a 20 m
de distância da borda da floresta.

2.3 Fontes de dados espaciais

2.3.1 Base cartográfica

Como base cartográfica foram utilizadas as cartas topográficas do Mapeamento Sistemático


Brasileiro na escala de 1:50.000 e 1:100.000, em formato digital disponibilizado pela EPAGRI sob
forma de Mapas Digitais de Santa Catarina (www.epagri.sc.gov.br). Este material foi usado na forma
digital em formato shape, para elaboração dos mapas de planejamento e dos mapas de localização dos
pontos amostrais.

32
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

2.3.2 Mapeamento fitogeográfico

Como divisão fitogeográfica da vegetação no estado de Santa Catarina usou-se aquela proposta
por Klein (1978). De acordo com este mapa fitogeográfico, a Floresta Ombrófila Mista (FOM) cobria
originalmente 43% da superfície do estado, a Estepe 14%, a Floresta Ombrófila Densa (FOD) 30%, a
Floresta Estacional Decidual (FED) 8% e outras formações 2% (Figura 2.1 e Tabela 2.1).

Figura 2.1. Mapa fitogeográfico do estado de Santa Catarina, baseado no mapa publicado por Klein (1978).
Figure 2.1. Phytogeographic map of Santa Catarina, according to (Klein 1978).

Tabela 2.1. Extensão original das fitofisionomias em Santa Catarina, de acordo com Klein (1978).
Table 2.1. Original extension of vegetation types in Santa Catarina, according to Klein (1978).

Região Fitoecológica Superfície original em km² Percentual da superfície do Estado


Floresta Ombrófila Densa 29.282,00 30,71
Floresta Ombrófila Mista 42.851,56 44,94
Campos Naturais 13.543,00 14,20
Floresta Estacional Decidual 7.670,57 8,04
Outras (Restinga, Manguezais) 1.999,05 2,10
Total 95.346,18 100

2.3.3 Mapeamento dos remanescentes florestais de Santa Catarina

Em 2003 não existia nenhum trabalho realizado com o fim específico de levantar a extensão
das florestas catarinenses. Os levantamentos fotogramétricos dos anos 1956 e 1978/79, realizados pela
empresa Serviço Aerofotográfico Cruzeiro, nunca foram utilizados para tal fim, embora tivessem tal
potencial. A partir da década de 1990, a Fundação SOS Mata Atlântica começou a realizar levantamentos

33
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

da extensão e dinâmica dos remanescentes florestais em todo o domínio da Mata Atlântica. Os trabalhos
foram realizados em cooperação com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e representam
um marco referencial sobre a temática no Brasil. Os dados referentes aos anos de 1990, 1995, 2000
e 2005 (Fundação SOS Mata Atlântica 1993; 2002; 2008; 2009; 2010) foram extraídos, através de
interpretação visual, de imagens orbitais multiespectrais dos satélites Landsat-5 TM e Landsat-7
ETM+. Seu objetivo foi e ainda é o monitoramento de toda extensão da Mata Atlântica brasileira. A
metodologia empregada é baseada nas imagens Landsat com resolução espacial de 30 metros, o que
permite a detecção de remanescentes maiores que 20 hectares e a geração de mapas temáticos em
escala regional (1:250.000). A metodologia e, com isso, a legenda dos mapas temáticos sofreram várias
alterações ao longo dos anos, principalmente com a detecção de fragmentos florestais menores e com
a separação sucessiva de classes temáticas referentes às formações da sucessão secundária da classe
“floresta”. Estas alterações devem ser levadas em conta na análise multitemporal dos dados, porque
dificultam as comparações. Especialmente para o território catarinense, estas dificuldades, aliadas à
incidência de cobertura de nuvens nas imagens, têm levado a atrasos da publicação dos resultados.
Com base nos dados da Fundação SOS Mata Atlântica (2002), o governo estadual publicou para fins
didáticos, em forma digital, o Atlas dos Remanescentes Florestais (CIASC 2002).

Para apoiar o IFFSC, foram adquiridas imagens Landsat-5 TM e Landsat-7 ETM+ dos anos
de 2003 e 2004 e foi realizado o mapeamento dos remanescentes florestais e do uso do solo através
de interpretação visual das imagens, utilizando a legenda do projeto da SOS Mata Atlântica (SAR
2005). Além destes dados, o IFFSC utilizou o mapeamento temático realizado pelo projeto PPMA-SC/
FATMA, baseado em classificação não supervisionada de imagens multiespectrais dos satélites SPOT-
4 e SPOT-5 do ano de 2005 (Geoambiente 2008). Os resultados destes dois levantamentos, bem como
os do projeto PROBIO/MMA (Vicens & Cruz 2008) e do Atlas 2008 (Fundação SOS Mata Atlântica
2009), foram validados com os dados de campo do IFFSC (Vibrans et al. 2013; Capitulo 4).

2.4 Intensidade de amostragem

Aplicando uma grade de pontos com equidistância de 20 x 20 km, proposta para o Inventário
Florestal Nacional (CTN-IFN/BR 2007), sobre a área coberta por remanescentes florestais com área
maior que 10 hectares, chegou-se a 80 Unidades Amostrais para todo o estado (Figura 2.2), entre
elas três para a Floresta Estacional Decidual 32 para a Floresta Ombrófila Mista e 35 para a Floresta
Ombrófila Densa.
Esta intensidade amostral foi considerada insuficiente para atender os requisitos e objetivos
propostos para o IFFSC, uma vez que a intensidade de amostragem para o levantamento da Floresta
Ombrófila Densa foi inicialmente definida em 214 Unidades Amostrais (SAR 2005). Um inventário-
piloto, realizado em 2005 na Floresta Ombrófila Mista, resultou numa suficiência amostral de
97 Unidades Amostrais para alcançar um erro amostral de 10% para a variável área basal com um
nível de probabilidade de 5%. É importante ressaltar que esta intensidade de amostragem calculada
refere-se, exclusivamente, às variáveis quantitativas, tais como número de indivíduos, área basal e
volume e não ao levantamento e registro da biodiversidade e das espécies ameaçadas das florestas,
que é objetivo do inventário e justifica a medição de um número maior de Unidades Amostrais.
Assim, optou-se pela utilização de uma grade de pontos com distância de 10 x 10 km (Figura 2.3),
resultando em 214 Unidades Amostrais na Floresta Ombrófila Densa e 211 Unidades Amostrais na
Floresta Ombrófila Mista, incluídas as áreas de Campos Naturais do mapa fitogeográfico de Klein
(1978). Estas Unidades Amostrais são frações da grade de 20 x 20 km do Inventário Florestal Nacional,
portanto, em partes, coincidentes com aquelas. Para os remanescentes da Floresta Estacional Decidual,
extremamente reduzida e fragmentada, a amostragem foi adensada para uma grade de 5 x 5 km,
para assegurar um número suficiente de Unidades Amostrais que possibilitasse a documentação da
diversidade dos componentes arbóreo e arbustivo nos remanescentes existentes, incluídas as espécies

34
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

raras e as ameaçadas de extinção e o tratamento estatístico dos dados. Este procedimento resultou num
total de 550 Unidades Amostrais para todo o estado (Tabela 2.2), constituindo um número suficiente
para amostrar de forma adequada todas as regiões fitoecológicas do estado e, ao mesmo tempo, uma
quantidade operacionalmente exequível de Unidades Amostrais.

Figura 2.2. Localização das Unidades Amostrais da grade 20 x 20 km.


Figure 2.2. Localization of Sample Plots at 20 x 20 km grid.

Figura 2.3. Plano amostral para o Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC), com a
Unidades Amostrais das grades de 10 x 10 km e 5 x 5 km (somente na Floresta Estacional Decidual).
Figure 2.3. Sampling plan of Floristic and Forest Inventory of Santa Catarina (IFFSC), with Sample Plots
located at 10 x 10 km grid and 5 x 5 km grid (in Seasonal Deciduous Forests only).

35
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 2.2. Número de Unidades Amostrais do IFFSC para as formações florestais do estado, incluída a cobertura florestal
em área de Campos de Altitude ou Savana, de acordo com mapeamento de Klein (1978) e SAR (2005), para IFN e IFFSC.
Table 2.2. Number of Sample Plots of IFFSC for the forest formations of the state, including forest cover of Campos de
Altitude or Savannah, according to Klein’s phytogeographic map Klein (1978) and SAR (2005), to IFN and IFFSC.
Grade 20 x 20 km Grade 10 x 10 km
Região Fitoecológica
(IFN) (5 x 5 km para FED) > 10 ha (IFFSC)
Floresta Ombrófila Densa 37 214
Floresta Ombrófila Mista 32 181
Campos Naturais 10 30
Floresta Estacional Decidual 3 114
Restinga 5 11
Total 87 550

Além das Unidades Amostrais “regulares”, localizadas nas interseções das grades de 10 x 10
km e 5 x 5 km, respectivamente, foram instaladas Unidades Amostrais “complementares” em florestas
supostamente bem conservadas, tanto em áreas sob domínio público, como em áreas de particulares.
Esperou-se, com este levantamento, poder melhor avaliar o estado de conservação dos remanescentes
amostrados por meio das Unidades Amostrais regulares. Unidades Amostrais, cujos pontos foram
visitados, porém, sem poder instalá-las, são chamadas Unidades Amostrais descartadas.

Para a coleta de dados de recursos florestais “fora-da-floresta”, consideradas todas as formas de


cobertura da terra e classes de uso do solo, nas três regiões fitoecológicas do estado, foi utilizada uma
grade de 20 x 20 km; foi implantada uma Unidade Amostral nos pontos da grade, para os quais os dois
mapeamentos da cobertura florestal do Estado, acima citados, não indicarem a existência de florestas
naturais, mas de outros usos do solo (veja Capítulo 12).

As Unidades Amostrais regulares e complementares, implantadas e descratadas, bem como as


Unidades Amostrais do levantamento das árvores-fora-da-floresta e dos epífitos (Volume V), constam
na Tabela 2.3 e na Figura 2.4.
Tabela 2.3. Unidades Amostrais implantadas e descartadas na Floresta Estacional Decidual (FED), Floresta Ombrófila
Densa (FOD), Floresta Ombrófila Mista (FOM) e Restinga em Santa Catarina.
Table 2.3. Sample Plots installed and cancelled in the Seasonal Deciduous Forest (FED), Dense Ombrophylous Forest
(FOD), Mixed Ombrophilous Forest (FOM) and Restinga in Santa Catarina.

Unidades Amostrais FED FOD FOM* Restinga Total


Regulares 78 197 143 3 421
Complementares 1 5 12 1 19
Subtotal 79 202 155 4 440
Epífitos regulares - 24 1 - 33
Complementares - 9 - -
Subtotal - 32 1 - 33
Fora-da-floresta 27 34 96 - 157
Total implantadas 106 268 252 4 630
Descartadas 34 28 59 8 128

* inclusive Campos Naturais


* including natural grassslands

36
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 2.4. Localização das Unidades Amostrais implantadas do Inventário Florístico Florestal de Santa
Catarina.
Figure 2.4. Localization of installed Sample Plots of Floristic and Forest Inventory of Santa Catarina.

2.5 Unidade Amostral

Cada Unidade Amostral é composta por um conglomerado com área total de 4.000 m2, constituído
por quatro subunidades, com área de 1.000 m2 cada, medindo 20 m de largura e 50 m de comprimento,
orientadas na direção dos quatro pontos cardeais (norte, sul, leste e oeste), mantendo, cada uma, 30 m
de distância do centro do conglomerado, com área de inclusão de 2,56 ha (Figura 2.5).

Figura 2.5. Unidade Amostral do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina


(IFFSC).
Figure 2.5. Sample Plot of Santa Catarina Floristic and Forest Inventory (IFFSC).

37
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Cada subunidade de 20 x 50 m foi constituída por 10 unidades básicas de 10 x 10 m (100


m ), destinadas ao levantamento ao levantamento da diversidade de espécies arbustivas e arbóreas,
2

considerando todos os indivíduos com diâmetro à altura do peito maior ou igual a 10 cm (DAP ≥ 10
cm) (Figura 2.6). Destes indivíduos foram registradas as suas coordenadas x e y dentro da subunidade,
de modo a possibilitar o processamento dos dados com base na unidade básica de 100 m², bem como
facilitar o controle de qualidade do trabalho de campo e futuras remedições. Cada subunidade também
continha uma sub-parcela de 5 x 5 m (na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Decidual),
destinada ao levantamento da regeneração natural, considerando as plantas com altura ≥ 1,50 m e
DAP < 10 cm; nelas estavam incluídas, além de indivíduos jovens de espécies do dossel, também
espécimes exclusivas do sub-bosque (Figura 2.6). Após levantamento da Floresta Ombrófila Mista e
da Floresta Estacional Decidual, considerando ainda o trabalho de Calegari (1999), que resultou numa
área ótima de amostragem da regeneração em 64 m² para a Floresta Ombrófila Mista no Rio Grande do
Sul, decidiu-se intensificar a amostragem deste estrato na Floresta Ombrófila Densa e levantar quatro
subparcelas de 5 x 5 m por subunidade, localizadas nas extremidades delas, avaliando as plantas com
altura ≥ 0,50 m (Figura 2.7).

Figura 2.6. Layout da subunidade e das subparcelas utilizadas na Floresta


Estacional Decidual e na Floresta Ombrófila Mista.
Figure 2.6. Layout of the subunit and subplots applied in Seasonal
Deciduous Forest and Mixed Ombrophylous Forest.

Figura 2.7. Layout da subunidade e das subparcelas utilizadas da Floresta


Ombrófila Densa.
Figure 2.7. Layout of the subunit and subplots applied in Dense
Ombrophylous Forest.

Os limites de inclusão dos indivíduos em cada nível de amostragem para o IFN e o IFFSC estão
especificados na Tabela 2.4. Em função do objetivo específico do IFFSC, que é a detecção e quantificação
da diversidade arbórea existente e das espécies ameaçadas de extinção, a amostragem proposta pelo
IFFSC é mais intensiva do que o IFN, sem deixar de ser compatível com o último. Esperou-se, desta
forma, registrar o máximo da diversidade arbórea existente nos remanescentes florestais amostrados.
Nas subparcelas de 5 x 5 m foram identificadas e/ou coletadas todas as plantas arbóreas da regeneração,
isto é, com DAP menor que 10 cm e altura total maior que 1,50 cm (na Floresta Estacional Decidual

38
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

e na Floresta Ombrófila Mista) e com altura maior que 50 cm na Floresta Ombrófila Densa. Todas as
fichas de campo constam no Apêndice I.
Tabela 2.4. Dimensões das subunidades e subparcelas do conglomerado do IFN e IFFSC.
Table 2.4. Dimensions of the subunits and the subplots of the cluster of IFN and IFFSC.

Dimensão Área IFN IFFSC


Nível
(m) (m2) Limites de Inclusão Limites de Inclusão
h ≥ 1,5 m e DAP < 10 cm
I 5x5 25 h ≥ 1,5 m e DAP < 10 cm
(h ≥ 0,5 m para a Floresta Ombrófila Densa)
II 10 x 10 100 10 cm ≤ DAP < 20 cm DAP ≥ 10 cm
III 20 x 50 1.000 DAP ≥ 20 cm DAP ≥ 10 cm

Os principais equipamentos usados pelas equipes em campo foram: trena a Laser, fita diamétrica,
hipsômetro (marcas Hagloef e Suunto), binóculo, máquina fotográfica digital, trenas, balisas, estilingue,
tesoura de poda com cabo estendido, GPS e radiocomunicador.

Para o levantamento da necromassa lenhosa e a quantificação do carbono estocado neste


compartimento, foram instaladas quatro unidades lineares (transectos) de 5 m de comprimento, a partir
do centro do conglomerado, sendo uma em cada quadrante, totalizando 20 m lineares por conglomerado,
utilizando o método de amostragem de necromassa por transecto (Shiver & Borders 1996) e medindo
a circunferência (≥ 3 cm) de todo material lenhoso morto encontrado na linha do transecto. Duas
amostras de solo foram coletadas com trado no centro do conglomerado, nas profundidades de 0-20 cm
e 30-50 cm, igualmente destinadas à quantificação do carbono estocado no solo.

Para localização dos pontos amostrais foram fornecidas às equipes de campo mapas de
localização na escala de 1:100.000, contendo a base cartográfica das cartas do IBGE, bem como o uso
do solo de acordo com SAR (2005). Para cada ponto amostral foi gerado um mapa detalhado na escala
de 1:50.000. As equipes usaram aparelho GPS marca Garmin, modelo CSx 76 Map para localizar o
ponto amostral. Estes equipamentos foram aferidos no ponto geodésico SAT 91858 IBGE, localizado
no Campus 2 da Universidade Regional de Blumenau, em Blumenau. O erro médio observado foi de
4,09 m, enquanto o fabricante do equipamento indica um erro entre 5 e 25 m em modo autônomo,
mesmo sob dossel fechado da floresta, dependendo do número e da posição dos satélites rastreados e
das condições atmosféricas, entre outros fatores. Em campo, os erros lidos do equipamento variaram
entre 1,1 e 13 m, com uma média de 5,32 m, considerada satisfatória para as exigências de acuracidade
do presente trabalho.

Dados gerais da Unidade Amostral

Para cada Unidade Amostral foram registrados na ficha de campo (em papel) a data da visita,
local e coordenadas de origem (local de hospedagem da equipe) e de acesso à Unidade Amostral, tempo
para chegar ao acesso e à Unidade Amostral, localidade, município, proprietário, aspectos físicos como
exposição, relevo, declividade e as características gerais da vegetação no fragmento e no seu entorno,
de acordo com a proposta do IFN. No caso das Unidades Amostrais descartadas, ainda foi anotado
o motivo do “descarte”. As equipes de campo elaboraram uma detalhada descrição fisionômica da
vegetação observada na Unidade Amostral e no seu entorno, além de fazer o registro fotográfico.
Constam desta descrição os principais aspectos da vegetação (altura da comunidade, fechamento do
dossel, espécies marcantes da fisionomia e os principais fatores antrópicos de perturbação), bem como
a classificação fitoecológica, seus estádios de sucessão e de conservação (assim como percebidos em
campo, portanto não baseados nos dados processados). Estas descrições constam, de forma resumida,
nos Apêndices V dos Volumes II, III e IV.

39
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Variáveis dendrométricas levantadas

As variáveis dendrométricas coletadas e registradas em ficha de campo para cada indivíduo


do componente arbóreo e arbustivo da unidade básica (10 x 10 m) foram: número sequencial; nome
científico; número do fuste (para indivíduos com vários fustes); CAP (circunferência a altura do peito);
altura comercial (estimada visualmente); altura total (estimada visualmente); qualidade do fuste,
sanidade da árvore, posição sociológica; presença de lianas e epífitas. Registrou-se ainda se a planta foi
coletada e qual foi o número do coletor (na listagem sequencial do biólogo da equipe).

A mensuração do CAP foi realizada com fita métrica (seguindo marcação da correta altura de
1,30 m no uniforme dos integrantes da equipe). Em cada subunidade de 20 x 50 m foram medidas, com
hipsômetro, as alturas do fuste e total de até duas árvores, abrangendo todas as classes diamétricas. Estas
medições foram realizadas para poder ajustar modelos hipsométricos por espécie e grupo de espécies e
para aferir as estimativas visuais das alturas das demais árvores realizadas pelo engenheiro da equipe.
Nas subparcelas de 5 x 5 m, os indivíduos incluídos foram identificados (coletados) e registradas as
suas alturas estimadas em campo.

Cubagem de árvores

Para estimativas de volume e biomassa é imprescindível o uso de equações de volume


específicas para as espécies das florestas do Sul do Brasil. As informações necessárias para o ajuste dos
modelos volumétricos foram coletadas através da cubagem de até duas árvores em pé por subunidade,
totalizando oito árvores por Unidade Amostral. Este trabalho foi realizado pelo escalador da equipe, por
vezes em árvores que também foram escaladas para coleta de material botânico, buscando, no entanto,
contemplar diferentes grupos de espécies e classes de diâmetro. De baixo para cima, as medidas das
circunferências em diferentes alturas foram tomadas com fita métrica a 0,3 m (toco); 1,0 m; 1,3 m; 2,0
m; 3,0 m e assim sucessivamente, ao longo do fuste até o início da copa. Foram levantados dados de
cubagem de 635 árvores na Floresta Ombrófila Mista, 285 na Floresta Estacional Decidual e 1.446 na
Floresta Ombrófila Densa.

Coleta de material botânico

De todas as plantas não indubitavelmente identificadas em campo, foram coletadas amostras,


preferencialmente férteis, mas também estéreis, para herborização, posterior identificação conforme
procedimentos usuais e incorporação ao Herbário Dr. Roberto Miguel Klein (FURB). Para coleta do
material botânico foram usados, além de equipamentos de escalada, binóculo (10 x 25), tesoura de
poda com cabo estendido de 5 m e estilingue. Todas as plantas coletadas foram prensadas em jornal
e treliças de madeira, encharcadas em álcool 70% e fechadas em saco plástico. O envio das plantas
para o laboratório foi feito semanalmente, principalmente nos meses de verão, através de despacho por
empresas de ônibus ou por veículo de apoio. Das coletas férteis foram separadas até cinco duplicatas
para permuta; as plantas estéreis foram armazenadas no herbário em separado; destas, um exemplar
foi tombado como testemunha, no caso de não ter sido coletada uma amostra fértil da mesma espécie.

Levantamento florístico

Este levantamento, chamado “florístico”, consistiu na coleta de todo o material fértil de plantas
vasculares dentro da Unidade Amostral, independente do estrato e da subárea, bem como nos arredores
da Unidade Amostral e ao longo do caminho de acesso a ela. Todas as plantas férteis ao alcance das
equipes a partir do solo foram coletadas. A presença de taquaras e bambus foi registrada, porém, não
quantificada, e espécimes férteis foram coletados. A importância destas coletas ficou evidente ao longo
da execução do IFFSC. Observou-se que muitas das espécies desta forma registradas não estavam
presentes nem no estrato arbóreo nem nas subparcelas da regeneração e do sub-bosque. O levantamento

40
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

florístico permitiu, assim, uma caracterização mais detalhada e abrangente da diversidade de cada
fragmento florestal amostrado (Capítulo 4). Em trabalhos futuros, deverão ser planejadas visitas às
Unidades Amostrais em período distinto da primeira, visando a diversificação das coletas.

Epífitos

O levantamento florístico dos epífitos vasculares na Floresta Estacional Decidual e na Floresta


Ombrófila Mista foi realizado em dois forófitos de diferentes classes de diâmetro por subunidade
amostral, escolhidos pela equipe entre os que apresentavam a maior diversidade de plantas do grupo.
Além disso, foram coletadas epífitos férteis ao alcance da mão e da tesoura de poda com cabo estendido
em toda a Unidade Amostral. Este procedimento resultou numa amostragem relativamente pequena das
espécies, principalmente devido à falta de deslocamento sobre as copas das árvores e de observações
mais acuradas do grupo.

Devido à elevada riqueza e densidade de epífitos vasculares na Floresta Ombrófila Densa a


metodologia e o esforço para amostragem destas plantas foram ajustados. O levantamento foi realizado
por duas equipes especializadas, que trabalharam independentemente daquelas do levantamento do
componente arbóreo. Foram selecionadas 25 Unidades Amostrais da grade de 10 x 10 km, bem como
nove complementares em florestas bem conservadas, com maior diversidade aparente de epífitos,
observados os gradientes de altitude, latitude e longitude. Estas Unidades Amostrais foram visitadas,
até três vezes, com intervalo de três meses entre cada visita, para a coleta de indivíduos férteis do maior
número possível de espécies. Na área da Unidade Amostral, definida por um círculo com raio de 80 m
em torno do ponto central, o escalador e o assistente realizavam registro e coleta de plantas epifíticas
férteis no tronco e no alto das copas de oito árvores de grande porte (forófitos), usando técnicas de
arvorismo. Em solo, um biólogo com um auxiliar percorria a área da Unidade Amostral para coletar
espécies epifíticas sobre árvores, arvoretas e galhos caídos, sobre arvoretas, lianas e fetos arborescentes
e para realizar o registro fotográfico. Espécimes estéreis, quando indubitavelmente identificados em
campo, foram registrados, porém não coletados, para auxiliar na análise da distribuição espacial das
espécies em Santa Catarina.

2.6 Aspectos operacionais

O IFFSC foi planejado e gerenciado por um grupo de professores da Universidade Regional


de Blumenau, sendo três engenheiros florestais e uma bióloga. Os trabalhos de campo começaram no
dia 6 de novembro de 2007 e foram concluídos em 24 de fevereiro de 2011. O período de trabalho de
campo foi de outubro a junho de cada ano. Inicialmente trabalharam duas equipes na campanha da
Floresta Ombrófila Mista (2007/2008); na campanha seguinte (2008/2009), três equipes realizaram
os levantamentos na Floresta Estacional Decidual e nas Unidades Amostrais restantes da Floresta
Ombrófila Mista; na campanha de 2009/2010, trabalharam seis equipes, sendo quatro delas nos estratos
arbóreo e da regeneração nas Unidades Amostrais da Floresta Ombrófila Densa e duas equipes nos
levantamentos dos epífitos. Em 2011 foram realizados as medições das 157 Unidades Amostrais dos
recursos fora-da-floresta por uma única equipe.

Composição das equipes de campo

As equipes de campo para os levantamentos do componente arbóreo foram compostas por um


engenheiro florestal (líder de equipe), um auxiliar de medição, um biólogo, um auxiliar de coleta, um
escalador e um auxiliar para abertura de picadas; as primeiras equipes foram treinadas num período
de duas semanas em campo, o escalador por um curso de 40 horas-aula de escalada, ministrado por
profissionais experientes. Os integrantes das demais equipes cumpriram função de auxiliar em equipes

41
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

existentes antes de trabalhar nas suas próprias equipes. As equipes para levantamento de epífitos foram
compostas por um biólogo (líder), um rapelista com experiência em arvorismo e treinado para observar
e coletar epífitos, e dois auxiliares de coleta. Todas as equipes foram treinadas em direção defensiva,
primeiros socorros e foram equipadas com radiocomunicadores e localizadores de emergência.

Localização da Unidade Amostral

Mapas de orientação na escala de 1:100.000 e mapas detalhadas da localização de cada ponto


amostral na escala de 1:20.000 foram elaborados; além disso, recortes de imagens satelitais ortoretificadas
foram impressas, contendo o provável trajeto de acesso à Unidade Amostral, que também foi gravado
na memória do aparelho GPS Garmin 76 CSx Map. Com a crescente disponibilidade de serviços
Google Earth e o aumento da resolução espacial de suas imagens, estas também foram usadas pelas
equipes e consultadas em laptop no local da hospedagem. Diante das dificuldades na localização e no
acesso às Unidades Amostrais encontradas nas primeiras campanhas, foi implementada na campanha
de 2009/2010 uma etapa de reconhecimento prévio das Unidades Amostrais; os engenheiros e biólogos
de cada equipe verificaram em sua área de atuação o acesso a cada Unidade Amostral, contatando
previamente, durante os meses de inverno, os proprietários e os agrônomos extensionistas locais para
planejar o acesso aos pontos amostrais.

Rendimento das equipes de campo

O rendimento das equipes de campo foi influenciado por uma série de fatores, entre condições
meteorológicas e de acesso, topografia do local e densidade da vegetação. O tempo necessário para
levantamento de uma Unidade Amostral foi de 1,5 dia (para a Floresta Ombrófila Mista e a Floresta
Estacional Decidual) e de três dias (para a Floresta Ombrófila Densa). As equipes de epífitos levaram, em
média, três dias para concluir o levantamento de uma Unidade Amostral. Na Tabela 2.5 é apresentado
o tempo gasto por região fitoecológica e tipo de atividade, como deslocamento do hotel ao ponto de
acesso e caminhamento do veículo até a Unidade Amostral e medição. Devido à maior densidade e
diversidade da vegetação e à intensificação da amostragem da regeneração, o tempo de medição na
Floresta Ombrófila Densa foi duas vezes maior que na Floresta Estacional Decidual e na Floresta
Ombrófila Mista.

Deve ser considerado ainda o tempo despendido para processamento das amostras de plantas
coletadas (prensar, registrar em caderno de coleta e embalar), realizado à noite logo ao chegar ao hotel,
devido à fragilidade e efemeridade das flores e frutos, levando em média duas horas.
Tabela 2.5. Tempo médio de acesso e medição, por Unidade Amostral (UA) e por região fitoecológica do IFFSC, em horas/
minutos. Floresta Estacional Decidual (FED); Floresta Ombrófila Mista (FOM); Floresta Ombrófila Densa (FOD).
Table 2.5. Average access time and measurement, by Sample Plot (UA) and phytoecological region of IFFSC in hours/
minutes. Seasonal Deciduous Forests (FED); Mixed Ombrophylous Forests (FOM); Dense Ombrophylous Forests (FOD).
Região Tempo de acesso Tempo de caminhamento
Tempo de medição
fito-ecológica (do hotel ao acesso) (do acesso à UA)
FOM 1 h 21 min 47 min 7 h 50 min
FED 1 h 07 min 42 min 7 h 24 min
FOD 48 min 47 min 15 h 18 min
Média 1 h 05 min 44 min 10 h 31 min

Nos remanescentes da Floresta Ombrófila Mista não foi possível instalar 22,3% das unidades
previstas, na Floresta Estacional Decidual foram descartadas 12,3% da Unidade Amostral, enquanto na
Floresta Ombrófila Densa este percentual foi menor que 5%. Impossibilitaram a realização das mediçoes,
as condições adversas de acesso, ausência ou tamanho reduzido do fragmento florestal (a Unidade

43
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Amostral foi descartada se menos que 60% da superfície dela fosse coberta por florestas), alteração
recente do uso do solo, além de falta de autorização dos proprietários. Além destes descartes decididos
em campo, outras Unidades Amostrais já foram eliminadas no escritório com base na análise de imagens
satelitais mais recentes e com maior resolução espacial (6,2% na Floresta Ombrófila Mista, 17,5% na
Floresta Estacional Decidual e 2,8% na Floresta Ombrófila Densa).Em média, foram registrados na
Floresta Ombrófila Mista 331 fustes, equivalentes a 295 indivíduos (Tabela 2.6); na Floresta Estacional
Decidual, este número foi menor (251 e 219, respectivamente). Na Floresta Ombrófila Densa, o número
de fustes registrados foi 71% maior que na Floresta Ombrófila Mista e 125% maior que na Floresta
Estacional Decidual. O número de plantas medidas no estrato com DAP ≥ 10 cm foi igual na Floresta
Ombrófila Mista e na Floresta Ombrófila Densa, mas foi 32% menor na Floresta Estacional Decidual.

As plantas com DAP < 10 cm foram quase duas vezes mais abundantes na Floresta Ombrófila
Mista do que nas demais formações (considerando a mesma área amostral). A maior área amostral na
Floresta Ombrófila Densa levou ao registro de 278 plantas por Unidade Amostral neste estrato.

As equipes ainda coletaram em média 40 plantas estéreis e 41 plantas férteis por Unidade
Amostral, com diferenças relevantes entre as regiões fitoecológicas.
Tabela 2.6. Número médio de plantas registradas e coletadas por Unidade Amostral, estrato e região fitoecológica. Floresta
Estacional Decidual (FED); Floresta Ombrófila Mista (FOM); Floresta Ombrófila Densa (FOD).
Table 2.6. Average number of plants recorded and collected by Sample Plot, stratum and phytoecological region. Seasonal
Deciduous Forests (FED); Mixed Ombrophylous Forests (FOM); Dense Ombrophylous Forests (FOD).
Plantas Plantas
Região Registros Plantas Plantas
coletadas coletadas
fito-ecológica (fustes) * DAP ≥ 10cm DAP < 10cm
(estéreis) (férteis)#
FOM 331 257 38 31 28
FED 251 176 43 21 18
FOD 567 260 30 (296**) 56 77
Média 380 230 50 40 41

* total de ambos os estratos; ** para área de 400m²


# inclusive levantamento florístico dentro e ao redor da UA
* Total for both strata; ** for 400m ²
# Including floristic survey into and around the UA

Processamento de dados

A equipe de apoio logístico e processamento de dados foi constituída por dois auxiliares
administrativos, dois a três engenheiros florestais e quatro a seis bolsistas de graduação em engenharia
florestal.

Os dados das fichas de campo foram recebidos semanalmente no escritório e primeiramente


digitados em planilhas Microsoft Excel. Posteriormente, os dados foram incorporados ao Sistema de
Gerenciamento de Dados do IFFSC (SINFLOR), desenvolvido pela própria equipe de processamento
de dados, e aos sistemas de visualização de dados, desenvolvidos pela Epagri (Capítulo 17). Softwares
específicos foram utilizados para realizar as análises dos dados e são citados nos respectivos capítulos.

A constante interação entre as equipes de processamento de dados e do herbário permitiu


estabelecer um contínuo fluxo de dados entre os setores, imprescindível para o correto processamento
das informações de mais de 150.000 plantas registradas em campo. Aproximadamente 30% das plantas
registradas pelas equipes de campo passaram pelo herbário, como espécimes estéreis ou férteis. Isto
significou um volume de 93.936 plantas processadas.

44
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Herbário

A existência de um herbário com rotinas de trabalho bem estabelecidas e a integração das


atividades do herbário com as da equipe de processamento de dados mostrou-se fundamental para o
andamento do trabalho. A grande quantidade de material a ser processado (Tabela 2.7) exigiu espaço
físico adequado, equipamentos como freezeres, prensas e estufas com capacidade suficiente e pessoal
treinado. Investimentos significativos foram realizados para adequação da estrutura do herbário FURB,
que ao final do primeiro ciclo do IFFSC alcançou o número de 38.000 espécimes tombados e alcançou
o posto do segundo maior herbário no estado. A sua estrutura atualmente é composta por duas salas
climatizadas de armazenamento de exsicatas, com armários e latas específicos para tal função, além
de equipamentos como freezeres, máquina e estúdio fotográfico para digitalização das exsicatas.
Seu acervo digitalizado está disponível na rede INCT Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (http://
inct.splink.org.br/) e pode ser consultado na íntegra. As imagens de todas as espécies estão sendo
disponibilizadas ao longo de 2012. Toda a informação é de livre acesso.

Na identificação das plantas coletadas pelo IFFSC trabalharam Marcos Sobral (UFSJ) e demais
taxonomistas especializados de instituições brasileiras e estrangeiras. São estes: Adriana Lobão
(Annonaceae), Alain Chautems (Gesneriaceae), Alexandre Quinet, (Lauraceae), Alexandre Salino
(Pteridófitas), Alice Calvente (Cactaceae), Ana Claudia Fernandes (Asteraceae), Ana Odete Santos
Vieira (Onagraceae), Andrea Costa (Bromeliaceae), Ariane Luna Peixoto (Monimiaceae), Armando
Cervi (Passifloraceae), Denilson F. Peralta (Briófitas), Eliane de Lima Jacques (Begoniaceae), Elsie
Guimarães (Piperaceae), Erik Koiti Okiyama Hattori (Asteraceae), Fábio de Barros (Orchidaceae),
Gustavo Martinelli (Bromeliaceae), Hilda Longhi-Wagner (Poaceae), João Aranha (Symplocaceae),
João Renato Stehmann (Solanaceae), Leandro F. Giacomin (Solanaceae), Lidyanne Aona
(Commelinaceae), Lucia Lohmann (Bignoniaceae), Luciano Moreira Ceolin (Orchidaceae), Mara
Rejane Ritter (Asteraceae), Marcus Nadruz (Araceae), Maria de Fátima Freitas (Primulaceae), Maria
Leonor Del Rei (Melastomaceae), Maria Salete Marchioretto (Amaranthaceae), María Silvia Ferrucci
(Rubiaceae), Massimo Bovini (Malvaceae), Mizue Kirizawa (Dioscoreaceae), Rafael Trevisan
(Cyperaceae), Rafaela Campostrini Forzza (Bromeliaceae), Regina Andreata (Smilaceae), Renato
Goldenberg (Melastomataceae) e Rodrigo Augusto Camargo (Fabaceae).
Tabela 2.7. Quantidade de plantas férteis (F) e estéreis (E) processadas no herbário FURB entre 2007 e junho de 2010,
por forma de vida e região fitoecológica. Floresta Estacional Decidual (FED); Floresta Ombrófila Mista (FOM); Floresta
Ombrófila Densa (FOD).
Table 2.7. Number of fertile (F) and sterile (E) plants processed in the herbarium FURB between 2007 and June 2010, by
life form and phytoecological region. Seasonal Deciduous Forests (FED); Mixed Ombrophylous Forests (FOM); Dense
Ombrophylous Forests (FOD).
Total de plantas Arbóreas e Herbáceas
Epífitos Pteridó-fitas
Região processadas arbustivas terrícolas
fito-ecológica
F* E F* E F* E F* E F*

FOM 16.360 5.756 7.450 5.269 4.130 338 4.220 153 4.160

FED 5.600 1.646 2.800 1.530 1.470 119 680 0 940

FOD 71976 12.614 21848 12.312 14720 5 32+480 77 18372

Total 93.936 19.016 30.100 18.327 15.800 462 20.700 230 18.500

* incluídas três duplicatas, em média


* included three doubles, on average

46
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

2.7 Análise estatística dos dados do IFFSC

As análises estatísticas dos dados levantados pelo IFFSC têm por objetivo verificar a
representatividade dos resultados e gerar estimativas baseadas na teoria das probabilidades. Estas
análises contemplaram a suficiência amostral e florística, a variabilidade dos dados dentro e entre as
Unidades Amostrais, as estimativas das variáveis dendrométricas por unidade de área, todas para o estrato
arbóreo/arbustivo (plantas com DAP ≥ 10 cm), e o ajuste de modelos hipsométricos e volumétricos.

2.7.1 Suficiência amostral

Os resultados de inventários em florestas nativas devem permitir estimativas confiáveis de


variáveis dendrométricas, bem como representar suficientemente a composição de espécies das
comunidades vegetais amostradas. O cumprimento destas duas exigências é examinado por meio da
avaliação da suficiência amostral, baseada na variância das variáveis dendrométricas de interesse e, por
outro lado, por meio do cálculo da suficiência florística, baseada na relação entre área e/ou indivíduos
amostrados e o número de espécies encontradas.

Suficiência amostral das variáveis quantitativas

O cálculo da suficiência amostral leva em conta fatores como a finitude da população e a


classificação da amostragem como aleatória ou sistemática. No IFFSC, a adoção do método de parcelas
com área fixa, distribuídas de forma equidistante, cobrindo todo o território do estado, caracterizou
o processo de amostragem como sistemático. Entretanto, de acordo com Péllico & Brena (1997),
uma amostra sistemática constituída de unidades equidistantes entre si pode ser considerada como
uma amostra aleatória simples. Isto implica que os cálculos de intensidade e erro de amostragem são
realizados da mesma forma para as duas classificações (satisfeita a condição). Entretanto, ressalta-se
que, desta forma, o erro calculado estima o erro máximo provável, o qual pode superestimar o erro real.

Quanto à população, esta pode ser classificada como finita ou infinita. O indicador que permite
a
realizar esta classificação é a fração de amostragem, dada por f = , onde f é a fração de amostragem
A
propriamente dita, a é a área inventariada e A é a área total populacional. Considera-se infinita uma
população na qual menos do que 2% da área total tenha sido amostrada (Péllico & Brena 1997). Nas
três regiões fitoecológicas de Santa Catarina amostradas pelo IFFSC, este critério foi cumprido.

Sintetizando as informações, os pressupostos de amostragem aleatória simples e de população


infinita são satisfeitos. Para esta situação, a intensidade (suficiência) amostral, em função da variabilidade
t 2 .sx2
de uma determinada variável x , é dada por n = , onde n é o número mínimo de Unidades
E2
Amostrais a serem amostradas, sx2 é a variância da variável em questão, t é o valor crítico da destruição
t de Student, ao nível de significância α (neste caso, α = 0.05 ), com n − 1 graus de liberdade e E
é erro de amostragem admitido. O valor de E 2 é fixado a partir de um limite percentual da média
estimada ( LE ) , ou seja, E 2 = ( LE.x ) 2 , visto que E = LE.x , onde x é a média da variável analisada.
No presente caso, adotou-se = LE 10% = 0,1 .

No IFFSC, as Unidades Amostrais tem dimensões e área nominalmente iguais, no entanto,


as suas áreas efetivamente implantadas podem variar em função do tamanho do remanescente
florestal amostrado, mudança do tipo de uso do solo dentro dos limites da Unidade Amostral ou por
impedimentos físicos que não permitiram a sua implantação na íntegra. Neste caso, é recomendada a
estimativa por razão para a avaliação da suficiência amostral (Péllico & Brena 1997). Utiliza-se, para
tanto, o indicador r , dado pela razão entre o somatório da variável de interesse ( X i ) e o somatório das

47
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

∑X i
áreas das Unidades Amostrais ( Yi ), ou seja, r = i =1 . A variância, por sua vez, passa a ser dada por
n

 n 2 n n
 ∑ Yi
r 2 ∑
X i ∑ Yi 2
2∑ X i .Yi  i =1

= 2
sr =
 +
i 1 =i 1 =i 1
−  . Logo, o número de Unidades Amostrais a serem implantadas,
n −1  x 2 y2 x.y 
 
t 2 .sr2
é modificado para n = 2
, com dado E 2 por E 2 = ( LE.r ) 2 .
E
A suficiência amostral foi determinada para as seguintes variáveis: número de indivíduos, área
basal, volume do fuste e peso seco (da biomassa total aérea das árvores com DAP ≥ 10 cm), para cada
região fitoecológica. Da mesma forma, a suficiência amostral, considerando as variáveis de número
de indivíduos e área basal, foi determinada para cada remanescente florestal amostrado, a partir da
variância destas variáveis encontrada nas 40 subparcelas (de 100 m²) de cada Unidade Amostral. Os
resultados destas análises encontram-se nos Volumes II a IV.

Curva espécie-área

A curva espécie-área é uma ferramenta que permite detectar a área mínima amostral para que se
atinja a suficiência florística. Esta área só é possível determinar para comunidades homogêneas e não
fragmentadas, em termos de cobertura florestal. Para determinação desta curva, estabelecem-se áreas
amostrais sucessivamente maiores, computando-se o número de espécies presentes em cada uma delas.

A análise de uma curva espécie-área é realizada levando-se em conta sua aproximação à assíntota
horizontal (teoricamente, neste ponto a curva passa a admitir a característica de uma função constante,
apresentando evidências de suficiência florística).

Para fins práticos, Cain & Castro (1959) propuseram que a hipótese de suficiência pode ser
corroborada quando o aumento de 10% na área amostral corresponda a um aumento de, no máximo,
10% no número total de espécies. Para as análises do IFFSC, adotou-se este critério “10/10%” para
determinar o ponto de estabilidade da curva espécie-área. Foram adotados dois métodos para a geração
da curva espécie-área: a curva de acumulação de espécies (também denominada curva-do-coletor) e a
curva de rarefação, descritas a seguir.

Curva de acumulação de espécies (curva-do-coletor)

A curva-do-coletor é obtida calculando-se o número total de espécies a cada nova Unidade


Amostral levantada. Atinge-se a estabilidade quando existe tendência à estabilização da linha gerada
pela conexão destes pares ( x, y ) , onde x = número de Unidades Amostrais e y = total acumulado de
espécies (riqueza de espécies). Este fenômeno indica que a adição de novas Unidades Amostrais não
altera significativamente o número total de espécies observadas.

No IFFSC, foram geradas curvas de acumulação de espécies para cada uma das regiões
fitoecológicas e para cada Unidade Amostral, baseado nas suas 40 subparcelas de 100 m². Para o
conjunto das Unidades Amostrais de cada região fitoecológica, foi gerada uma “curva de acumulação
média”. Em seguida, foi possível determinar quantas Unidades Amostrais mostraram curvas distintas
desta curva média, por meio do teste Kolmogorov-Smirnov. Não foi possível a geração de uma “curva
de acumulação média” das curvas espécie-indivíduo, pois o número de indivíduos é variável em cada
Unidade Amostral, impossibilitando a geração de média.

48
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Curva de rarefação

A representatividade da curva-do-coletor tem limitações, principalmente por conta da


subjetividade inata à ordem de entrada das Unidades Amostrais na construção da curva (Colwell &
Coddington 1994). Esta pode gerar, para um mesmo conjunto de dados, curvas de acumulação distintas,
dependendo da ordem de entrada das Unidades Amostrais. Assim, a tendência à estabilização da curva
pode ser diferente para cada permutação realizada pelo analista. Para solucionar este problema, foi
proposta a geração da curva de rarefação como um método alternativo de construção de curvas de
riqueza de espécies. A curva de rarefação é gerada com base na média de “k” permutações aleatorizadas,
com o respectivo cômputo do número acumulado de espécies e de seu desvio padrão.

No IFFSC, as curvas de rarefação foram geradas com ajuda do software Past versão 2.14.,
utilizando o método Mao Tau (Colwell et al. 2004), descrito a seguir. Denota-se por H o número de
amostra e Sobs o número total de espécies observadas. Si é o número de espécies encontradas em i
amostras (sendo S1 o número de espécies encontradas na amostra, S2 o da segunda amostra e, assim,
sucessivamente). Entende-se como “amostra” uma Unidade Amostral (para o caso da rarefação da
curva espécie-área) ou indivíduo (para o caso da rarefação da curva espécie-indivíduo). Com base
H
j ) Sobs − ∑ α ij .si ,
nestas definições, o número total de espécies esperado em j amostras é dado por: T (=
i =1
onde α ij são coeficientes combinatórios (responsáveis pelas permutações inerentes ao método). Estes

 ( H − i )!( H − j )!
 , para i + j ≤ H
coeficientes são dados por α ij =  ( H − i − j )! H ! .
 0, para i + j > H

A variância, utilizada para gerar os intervalos de confiança, é estimada pela fórmula
H
T 2( j )
σ =∑ (1 − α ij ) si −
2 2
, onde S = estimador para a riqueza total de espécies (desconhecida), a saber,
i =1 S
( H − 1) s12
S Sobs +
= .
2 Hs2
Ao final, é possível gerar a curva espécie-área e a curva espécie-indivíduo realizando a regressão
dos pontos ( x, y ) , onde x = número de Unidades Amostrais / indivíduos amostrados e y = número de
espécies esperados. As curvas de desvio padrão podem ser construídas da mesma maneira, regredindo
os valores ( x, y ) e ( x, − y ) , onde x = número de Unidades Amostrais / indivíduos amostrados e y =
desvio padrão calculado para cada ponto “x”.

A curva espécie-indivíduo normalmente é mais íngreme (acentuada) que a curva espécie-


área, pois a última considera indivíduos agregados no espaço. Assim, quando um grupo de Unidades
Amostrais é amostrado, menos espécies estarão representadas por esses indivíduos do que por igual
número de indivíduos aleatoriamente selecionados (Gotelli & Cowell 2001). As curvas de rarefação
foram geradas para as três regiões fitoecológicas.

Curvas de estabilidade

Curvas de estabilidade são utilizadas para procurar delimitações de associações florísticas em


comunidades vegetais, a partir de suas espécies mais representativas, baseada, portanto, não na área
amostrada, mas no número de indivíduos amostrados. As curvas são figuras geométricas que indicam
a estabilidade de uma variável dependente de interesse, pela sua tendência após vários incrementos na
variável independente. No IFFSC, foram gerados dois tipos de curvas de estabilidade para avaliação da
suficiência florística de cada remanescente amostrado: a curva da média corrente de espécies e a curva
da variância média de espécies, descritas a seguir.

49
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Curva de média corrente de espécies

Sendo “média corrente” o número médio de espécies em um grupo de subparcelas, foram


geradas, para cada Unidade Amostral do IFFSC, 40 médias correntes, iniciando-se com a primeira
subparcela (quando a média é igual à sua própria riqueza de espécies), seguida da média das duas
primeiras subparcelas agrupadas e terminando com a média do número de espécies encontradas nas 40
subparcelas.

A curva da média corrente das espécies é gerada a partir da plotagem dos pontos ( x, y ) , onde x
= número de subparcelas levantadas (num total de 40 para cada Unidade Amostral) e y = média corrente
do número de espécies encontradas em cada grupo de subparcelas subsequentes.

No início, com poucas unidades, a média flutua amplamente, mas, com o aumento do número
de subparcelas analisadas, a média tende a estabilidade. A partir da última média (n = 40), delimita-se
uma faixa de 5% (2,5% acima e 2,5% traçados acima e abaixo da mesma). Para inferências sobre a
estabilidade da curva, recomenda-se que aproximadamente 10% das Unidades Amostrais encontrem-se
dentro desta faixa de estabilidade (Kersten & Galvão 2011).

No IFFSC, foi gerada uma curva de média corrente de espécies para cada Unidade Amostral,
além de uma “curva de média corrente média” das Unidades Amostrais de cada região fitofisionomia-
ecológica. Por meio do teste Kolmogorov-Smirnov foi determinado, quais Unidades Amostrais
mostraram curvas idênticas com esta curva média.

Curva de variância do número de espécies

Esta curva, proposta pelos autores deste trabalho, tem sua construção similar à curva de média
corrente das espécies, diferindo no fato de que a curva de variância é gerada a partir da plotagem dos
pontos ( x, y ) , onde x = número de subparcelas levantadas (num total de 40 para cada Unidade Amostral)
e y = variância do número de espécies encontradas em cada grupo de subparcelas subsequentes.

Assim como a curva de médias corrente, a curva de variância do número de espécies também
se caracteriza, normalmente, por uma alta instabilidade nos primeiros agrupamentos de subparcelas,
pois, obviamente, neste ponto do levantamento, o aparecimento de novas espécies é substancialmente
maior do que nas últimas parcelas levantadas, gerando grandes diferenças nas variâncias. Com a adição
de novas subparcelas, a curva de variância tende a uma estabilização próxima ao valor 1, indicando
que, mesmo com a adição de novas subparcelas, não existe expectativa para diferenças significativas
na quantidade de informação (número de espécies) obtida.

No IFFSC, foram geradas curvas de variância de espécies para cada Unidade Amostral, além
de “curva de variância média” das Unidades Amostrais de cada região fitofisionomia-ecológica, para
efeito de comparação mediante o teste Kolmogorov-Smirnov.

2.7.2 Análise de variabilidade

Variabilidade dentro e entre as Unidades Amostrais

Cada Unidade Amostral do IFFSC é dividida em quatro subunidades, orientadas na direção


dos quatro pontos cardeais (Norte, Sul, Leste e Oeste) (Figura 2.4). As subunidades contém, cada
uma, 10 subparcelas de 10 m x 10 m (numeradas da esquerda para a direita no sentido horário) para
levantamento das árvores com DAP ≥ 10 cm (Figura 2.5).

50
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

As variáveis observadas, com o intuito de comparação, foram:


• Número de indivíduos em cada subparcelas
• Soma da área basal de cada subparcelas.
• Número de espécies encontradas em cada subparcelas.
• Altura dominante média de cada subparcelas.
A altura dominante é definida como a média das alturas do grupo das árvores de cada subparcelas,
que apresentam altura maior que a média + 1 desvio padrão.
De acordo com os métodos descritos a seguir, compararam-se as médias destas quatro variáveis
entre as subunidades de cada Unidade Amostral, com o objetivo de detectar diferenças significativas
entre elas.

Comparando três ou mais amostras: ANOVA

Este teste foi utilizado para avaliar a variabilidade entre as subunidades de cada Unidade
Amostral, bem como a variabilidade entre as Unidades Amostrais de cada grupo florístico, faixa de
altitude, bacia hidrográfica e região fitoecológica.
A ANOVA (analysis of variance), de acordo com Martins (2002), é um método estatístico
desenvolvido por Fisher para determinar, se as médias de vários grupos de dados são estatisticamente
diferentes. O procedimento consiste em dividir a variabilidade de valores da variável de interesse, em
variabilidade Entre Amostras e variabilidade Dentro das Amostras, comparando as duas. Quanto maior
for a primeira em relação à segunda, maior é a evidência de que existe variabilidade entre grupos, ou
seja, médias diferentes. O teste estatístico envolvido é o valor Fcalc , que segue a distribuição de Fisher-
Snedecor.
O valor de Fcalc é dado pela razão entre a variância entre amostra e a variância dentro das
Variância entre amostras
amostras:Fcalc = . Os valores máximos admitidos pela estatística Fcalc
Variância dentro das amostras
estão contidos na tabela F de Fisher-Snedecor. Comparam-se Fcalc e Ftab , utilizando k − 1 graus de
liberdade para o numerador ( v1 ) – onde k = número de amostras (no caso do IFFSC, 4, pois há 4
subunidades em cada Unidade Amostral) - e k (n − 1) graus de liberdade no denominador ( v2 ) – onde n
= tamanho das amostras (no caso, 10, pois há 10 subparcelas em cada subunidade). Em todos os testes,
adotou-se 1% de incerteza, logo, α = 0, 01 . Se Fcalc < Ftab , as médias das amostras são estatisticamente
iguais.

Comparando diferenças pareadas: Teste de Tukey-Kramer


Quando o procedimento ANOVA apresenta evidências de diferença entre as médias das
amostras analisadas, ainda assim, não se sabe ao certo quais são as amostras que diferem entre si.
Para identificar estas diferenças, aplica-se um procedimento a posteriori (ou post hoc), uma vez que
as hipóteses de interesse são formuladas depois que os dados foram inspecionados. Utilizou-se o teste
de Tukey-Kramer, que permite também a comparação de grupos com tamanhos distintos de amostras
(Unidades Amostrais ou subparcelas).
Este teste permite comparar, simultaneamente, todos os pares de grupos (Levine 1998). Seja k
o número de grupos e N o número total de observações. Como os grupos sempre serão comparados par
k (k − 1)
a par, temos pares de médias. O intervalo crítico (Tukey Significant Difference) para o teste é
2
Qα ( k , N − k ) 1 1
obtido do seguinte
= modo: TSD . SQM r .  +  , onde:
2  ni n j 
 
Qα ( k , N − k ) = valor crítico (tabelado) do intervalo da cauda superior do intervalo de Student, ao

51
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

nível de significância , com k graus de liberdade no numerador e N − k no denominador.


SQM r = Soma dos quadrados médios dentro dos grupos (obtido da tabela da ANOVA)
ni = tamanho da amostra para o grupo i .
n j = tamanho da amostra para o grupo j .
Calcula-se a diferença absoluta X i − X J , onde X i e X j são as médias dos grupos a serem
comparados. O par em análise tem média significativamente diferente se a diferença absoluta da média
das amostras ( X i − X J ) exceder o intervalo crítico TSD . Nota-se que, se o tamanho das amostras for
diferente, o intervalo crítico é diferente para cada par de médias comparado.

Este teste foi utilizado para comparar, de forma pareada, os agrupamentos por faixa de altitude,
bacia hidrográfica e região fitoecológica, quando a ANOVA apresentou evidências de diferença de
médias.

Comparando duas amostras: Teste F para variâncias

Este teste utiliza-se da distribuição F para testar se duas amostras foram extraídas de
s12
populações com variâncias iguais. A estatística Fcalc é calculada da seguinte maneira: Fcalc = 2 , onde
s2
2 2
s1 é a maior das variâncias e s2 , obviamente, a menor delas (Triola 1999). Na realidade, esta distinção
é desnecessária, mas sua adoção facilita a interpretação do valor obtido. Agindo desta forma, tanto para
o teste unicaudal, quanto para o teste bicaudal, basta apenas encontrar o valor Ftab à direita, de maneira
semelhante ao procedimento utilizado na ANOVA. Este valor Ftab é encontrado utilizando-se n1 − 1
graus de liberdade no denominador e n2 − 1 graus de liberdade no denominador, onde n1 e n2 são os
números de indivíduos da amostra com maior e menor variância, respectivamente.

Como o objetivo da realização deste teste no IFFSC foi o de identificar (ou não) diferença entre
as variâncias de dois grupos, o teste realizado foi o teste bicaudal. Para tanto, compararam-se o valor
de Fcalc com o valor Ftab , com α = 0, 01 . Assim, se Fcalc < Ftab , conclui-se que as variâncias dos dois
grupos (ou amostras) são estatisticamente iguais. Este teste foi utilizado para escolha do teste t correto
para amostras independentes, utilizado para testar as diferenças das médias das variáveis somente na
Floresta Estacional Decidual, relativas às áreas Oeste e Leste.

Comparando duas amostras independentes: Teste t para duas amostras presumindo variâncias
equivalentes

Uma vez que o teste F não apresente evidências para rejeitar-se a hipótese de igualdade de
variâncias dos dois grupos, o teste de igualdade de médias adequado, quando pelo menos uma das
amostras for pequena ( n < 30 ) é o teste t , para duas amostras presumindo variâncias equivalentes
(Triola 1999).

Este teste, baseado na distribuição t de Student, utiliza-se de uma estimativa combinada de


variância comum a ambas as populações. Esta estimativa combinada é uma média ponderada de s12
e s22 , onde estas são as variâncias dos dois grupos, respectivamente. A estatística t , para este teste,
x1 − x 2
é calculada da seguinte maneira: t calc = , onde x1 e x 2 são as médias das amostras 1 e 2
s 2p s 2p
+
n1 n2
respectivamente, n1 e n2 são os tamanhos das amostras e s p é a estimativa combinada das variâncias.
(n1 − 1) s12 + (n2 − 1) s 22
Esta estimativa é calculada por s 2p = . O valor tcalc é comparado ao ttab bicaudal,
(n1 − 1) + (n2 − 1)

52
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

ao nível de significância α e com graus de liberdade (n1 + n2 ) − 2 . Se tcalc < ttab , então as médias dos
dois grupos não apresentam diferença estatística.
Este teste foi utilizado para testar as diferenças das médias das variáveis da Floresta Estacional
Decidual, relativas às áreas Oeste e Leste, visto que o teste F (aplicado anteriormente) não apresentou
evidências para rejeição da hipótese de igualdade das variâncias.

Comparando duas amostras dependentes: teste t pareado

Quando se tem duas amostras com o mesmo número de indivíduos e estas amostras estão
correlacionadas por algum fator, diz-se que os grupos são dependentes. Sejam xi e x j os elementos da
primeira e da segunda amostra, respectivamente. Ao aplicar-se o teste t pareado, pretende-se saber se os
valores de xi são, em média, iguais aos valores de x j , ou seja, o objetivo do teste é verificar se a média
das diferenças entre os pares difere significativamente, ou não, de zero (Triola 1999).

Como a maioria dos testes de hipóteses, existem dois tipos de teste t pareado:
• Bicaudal (ou bilateral): Utilizado quando interessam os resultados de ambos os lados da curva
(deseja-se saber apenas se a média das diferenças entre os pares difere significativamente
ou não de zero).

• Unicaudal (ou unilateral): usado quando são importantes os resultados de apenas um lado da
curva (no caso da média das diferenças ser estatisticamente diferente de 0, este teste informa
se esta diferença é positiva ou negativa).

Para o IFFSC, o teste bicaudal é o mais adequado.

Seja Di a diferença entre cada par das amostras 1 e 2, ou seja, D= i x1i − x2i e D a média destas
D
diferenças. A estatística tcalc é dada por: tcalc = , onde σ D é o desvio padrão das diferenças e n
 σD 
 
 n
o número de indivíduos da amostra.

Feito isto, compara-se tcalc e ttab , obtido em uma tabela da distribuição t bicaudal, utilizando
n − 1 graus de liberdade a um nível de significância α . Se tcalc ≤ ttab , a média dos desvios entre as
amostras pareadas é estatisticamente igual a zero.

Este teste foi utilizado para comparar a variabilidade entre as subunidades das Unidades
Amostrais, quando foram encontradas apenas duas subunidades com cobertura florestal.

2.7.3 Estimativas das variáveis dendrométricas

As seguintes variáveis dendrométricas foram estimadas com base nos dados levantados pelo
IFFSC: diâmetro à altura do peito, altura do fuste, altura total, número de indivíduos por hectare,
número de espécies por hectare, área basal por hectare, volume do fuste por hectare, peso seco e estoque
de carbono por hectare, além da necromassa florestal por hectare.
Em consequência dos resultados das análises do capítulo 4.6, que mostraram a inexistência de
diferenças significativas entre as subunidades para as variáveis a) número de espécies, b) número de
indivíduos e c) área basal em 80% das Unidades Amostrais, o conglomerado com suas subunidades é

53
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

tratado como uma única Unidade Amostral para realização das estimativas das variáveis dendrométricas
por região fitoecológica. A influência da variancia dos dados dentro das Unidades Amostrais pode ser
considerada insignificante em amostras grandes (com mais que 50 Unidades Amostrais) para o cálculo
da variância das estimativas gerais, entre as Unidades Amostrais, de acordo com Péllico & Brena
(1997) e Queiroz (2012).

Todas as estimativas, com exceção da necromassa, foram calculadas para as árvores vivas e,
em separado, para as árvores mortas em pé das Unidades Amostrais regulares das grades de 10 x 10
km (Floresta Ombrófila Mista e Floresta Ombrófila Densa) e 5 x 5 km (Floresta Estacional Decidual).
Unidades Amostrais complementares não foram incluídas na análise.

Cada variável dendrométrica foi expressa na forma de seu valor médio e do respectivo intervalo
de confiança, com α = 0, 05 . Este intervalo foi construído a partir do desvio padrão e do número de
amostras do respectivo grupo analisado e é dado por x − E < µ < x + E , onde x = média amostral, µ =
σ
estimativa da média populacional e E = margem de erro. No caso, tem-se E = t(α ; n −1) . , onde t =
n
valor crítico bicaudal da distribuição t de student, ao nível de significância α , com n − 1 graus de
liberdade, n = número de amostras e σ = o desvio padrão da amostra. Vale lembrar que, se a amostra for
grande ( n > 30 ), o calor de t limita-se ao valor z , obtido da tabela de distribuição normal padronizada
(no caso, para α = 0, 05 , z = 1, 96 ).

2.7.4 Ajuste dos modelos hipsométricos e volumétricos


Os modelos hipsométricos foram ajustados a partir de duas bases de dados, uma contendo as
alturas das árvores medidas com o hipsômetro e outra contendo as alturas estimadas em campo pelo
engenheiro da equipe. Já os modelos volumétricos foram ajustados a partir dos dados obtidos pela
cubagem rigorosa do fuste (DAP, Hf e volume do fuste com casca).
Com os dados separados por região fitoecológica, realizou-se uma estratificação das árvores por
espécie. O critério para criação de um novo estrato foi a existência de ao menos 30 indivíduos. Quando
houve um número muito grande de indivíduos em um estrato, foi realizada uma amostragem do mesmo,
a fim de facilitar a manipulação dos dados. Os “outliers” (pontos discrepantes) foram extraídos das
amostras para evitar tendenciosidades nos modelos de regressão. As espécies que permitiram ajuste de
modelos hipsométricos individuais, por terem no mínimo 30 indivíduos medidos, foram:
Floresta Estacional Decidual: Nectandra megapotamica (canela-imbuia), Ocotea puberula
(canela-guaicá);
Floresta Ombrófila Mista: Ocotea puberula;
Floresta Ombrófila Densa: Cedrela fissilis (cedro), Clethra scabra (caujuva), Hieronyma
alchorneoides (aricurana), Miconia cinnamomifolia (jacatirão), Nectandra oppositifolia (canela-
amarela), Ocotea puberula, Pera glabrata (coração-de-bugre), Tapirira guianensis (peito-de-pomba).
Modelos volumétricos, por sua vez, puderam ser justados para as seguintes espécies:
Floresta Estacional Decidual: Nectandra megapotamica, Ocotea puberula;
Floresta Ombrófila Mista: Cedrela fissilis, Clethra scabra, Matayba elaeagnoides (camboatá),
Ocotea puberula, Prunus myrtifolia (pessegueiro-do-mato);
Floresta Ombrófila Densa: Alchornea triplinervia (tanheiro), Cedrela fissilis, Hieronyma
alchorneoides, Miconia cinnamomifolia, Nectandra oppositifolia, Ocotea puberula, Piptocarpha
angustifolia (vassourão-branco), Tapirira guianensis, Virola bicuhyba (candeia-de-cabloco).

54
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Além destes, foram justados modelos para o grupo das “Demais espécies” e “Todas as espécies”
das três regiões fitoecológicas.

Cada modelo ajustado passou por uma análise residual, na qual foram realizados testes sobre
os resíduos da regressão, a fim de detectar normalidade, aleatoriedade e homocedacidade, necessários
para a validação de um modelo de regressão. Os modelos foram ranqueados de acordo com a qualidade
dos seus descritores estatísticos, para obtenção dos melhores modelos (“best fit”). Por fim, realizou-se
um teste de médias entre os modelos ajustados para ambas as bases de dados (medidos e estimados),
com o objetivo de verificar se os modelos convergem para os mesmo resultados. Os procedimentos
utilizados neste processo estão descritos a seguir. Todos os testes de hipóteses foram realizados com
nível de significância α = 0, 01 .

Coleta de dados

Para o ajuste das equações hipsométricas e volumétricas, foram mensuradas em cada Unidade
Amostral as seguintes variáveis das árvores: diâmetro à altura do peito, altura total e altura do fuste, entre
várias outras variáveis não utilizadas nesta análise. Em cada Unidade Amostral foram selecionadas até
oito árvores, destinadas à cubagem rigorosa do fuste em pé. Os valores das circunferências com casca
ao longo do fuste da árvore foram obtidos por um escalador, com auxílio de fita métrica, considerando
segmentos de um metro de comprimento. O volume do fuste com casca foi obtido pelo método de
Smalian, descrito por Finger (1992). Os modelos hipsométricos e volumétricos testados constam nos
respectivos capítulos dos Volumes II a IV.

Detecção de Outliers

Para a detecção de pontos discrepantes na amostra foram, inicialmente, utilizados dois índices:
Altura
1. Este índice é elevado quando o valor de altura for discrepante (muito elevado), em
Diâmetro
relação ao valor do diâmetro e serve para detectar outliers relativos à altura.
Diâmetro
2. Altura
Este
índice é elevado quando o valor de diâmetro for discrepante (muito elevado) em
relação ao valor da altura e é utilizado para detectar outliers relativos ao diâmetro.

Em seguida, calculou-se o Escore Padronizado ( Z i ) com relação aos dois índices acima. Esta
x −x
estatística é dada por: Z i = i , onde Z i é o escore padronizado, xi é o i-ésimo índice, x é a média
s
dos índices e S é o desvio padrão dos índices.
Consideram-se outliers os valores cujo Escore Padronizado absoluto (em módulo) for maior do
que 3.
A justificativa para este procedimento reside no fato de que os escores padronizados dos índices
Altura
Diâmetro
e Diâmetro
Altura
têm distribuição normal, com média 0 e desvio padrão 1. Logo, escores maiores ou
menores que 3 representam dados que estão além do terceiro desvio padrão da amostra; estes valores
são considerados atípicos, pois, de acordo com a distribuição normal, 99% dos dados estão entre ±3
desvios padrão (Martins 2002).

Aderência dos dados à distribuição normal: teste Kolmogorov-Smirnov

A maioria dos testes de hipóteses utilizados na análise de regressão são testes paramétricos, ou
seja, para serem eficazes, exigem que os dados tenham distribuição normal.

Um método analítico para testar a aderência à distribuição normal é o teste de Kolmogorov-


Smirnov de acordo com Siegel & Castellan (2006). Este teste observa a máxima diferença absoluta

55
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

entre a função de distribuição acumulada assumida para os dados, no caso a Normal, e a função de
por Dn sup F ( x) − Fn ( x) , onde F ( x)
distribuição empírica dos dados. Então, esta estatística é dada=
é a função de distribuição acumulada, assumida para os dados e Fn ( x) é a função de distribuição
acumulada empírica dos dados.

Para realizar este teste, seguem-se os seguintes passos:

1. Ordenam-se os dados em ordem crescente.


i
Fn ( xi ) é calculada através de uma função escada, que corresponde a Fn ( xi ) = , onde i é a
2. n
posição da variável xi e n é o total de elementos amostrais.
xi − x
3. Normalizam-se os dados ( xi ), através da transformação Z i = , onde x é a média
amostral e S é o desvio padrão da amostra. s

4.
F ( xi ) é calculada através de Z i , onde Z i é o dado normalizado em (3). Este valor é
encontrado na tabela da distribuição normal padrão.

5. Calcula-se F ( xi ) − Fn ( xi ) e F ( xi ) − Fn ( xi −1 )
6. Encontram-se os maiores valores de F ( xi ) − Fn ( xi ) e F ( xi ) − Fn ( xi −1 )

7. A estatística Dn é o máximo entre os dois valores encontrados em (5).

8. Compara-se Dn com Dtab (um valor crítico tabelado), para amostra de n elementos e nível
de significância α . Se Dn < Dtab , os dados têm distribuição normal.

Amostragem dos dados estimados pelos observadores

Para facilitar a manipulação dos dados de altura total estimados pelos engenheiros em campo,
foi realizada uma amostragem aleatória dos mesmos, com o objetivo de reduzir o número de dados,
mantendo, entretanto, a significância estatística da amostra. Para os dados medidos pelo hipsômetro,
não foi necessário tal procedimento, face ao relativamente baixo número de dados.

O procedimento de amostragem baseia-se na teoria da estimação intervalar utilizada para


os intervalos de confiança. A diferença é que na determinação do tamanho mínimo da amostra a
semiamplitude do intervalo é fornecida sob a forma de erro limitante tolerado.

Considerando p o tamanho da proporção populacional de onde se deseja retirar a amostra,


baseado na teoria dos intervalos de confiança, tem-se que o tamanho mínimo de uma amostra ( n0 ), é
zα2 . p (1 − p )
dado por n0 = 2 , onde zα é o z crítico bicaudal ao nível de significância α , p é o tamanho
E2 2
da proporção/população e E é o erro limitante tolerado (valor percentual). Dificilmente conhece-se o
valor de p . Nestes casos, deve-se calcular n0 na pior situação. Como esta expressão é uma parábola
côncava para baixo, com máximo em p = 0,5 , uma equação que sempre forneça um valor confiável,
zα2 .0, 25
independente do valor de p é dada por n0 = 2 2 (Martins 2002).
E
Nas amostragens realizadas no tratamento dos dados do IFFSC, utilizou-se α = 0, 05 , ou seja,
1
=z 1,96 ≅ 2 , o que simplifica a equação para n0 = 2 . No caso de populações finitas de tamanho N
E
(que é o caso do inventário), utiliza-se a correção n = n0 .N . Assim, n é o tamanho da amostra,
n0 + N

56
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

ao nível de significância α , com erro limitante tolerado E . Em todas as amostragens, utilizou-se


E = 0, 05 .

Descritores dos modelos hipsométricos e volumétricos

Para todos os modelos testados foram calculados:

i. coeficiente de correlação produto-momento de Pearson, também chamado de coeficiente de


correlação linear (r) mede o grau de relacionamento linear entre os valores emparelhados x
e y em uma amostra.
ii. o coeficiente de determinação ajustado (R²)
iii. Erro padrão (Sxy)
Para testar a significância dos modelos, foram executados os testes t e F.

Teste t: existência da correlação entre as variáveis:

O coeficiente de correlação é, muitas vezes, interpretado de forma subjetiva, deixando de levar


em consideração fatores relevantes, como o número de observações, por exemplo. Para solucionar este
problema, existem testes de hipóteses que permitem, analiticamente, determinar se o coeficiente é ou
não significativo para certo conjunto de dados. Um destes testes é o teste t para existência de correlação.
r n−2
A estatística tcalc para este teste é dada por tcalc = , onde n é o número de observações
2
e r é o coeficiente de correlação de Pearson. 1 − r

O valor tcalc é comparado ao ttab bicaudal, ao nível de significância α e com grau de liberdade
n − 2 . Se tcalc > ttab , então a correlação é significativa (Triola 1999).

Teste F: existência de Regressão

Para toda regressão, é possível realizar um teste (através da ANOVA) que permite identificar se
os coeficientes β 0 , β1 ,  , β n são estatisticamente iguais a 0. Neste caso, logicamente, não há evidências
para a existência de regressão entre as variáveis analisadas (Martins 2002).

Este teste segue a distribuição de Fisher-Snedecor com 1 e n − 2 graus de liberdade (onde n


= número de elementos da amostra). O valor de Fcalc é dado pela razão entre a média quadrática da
n ∧
∑ ( y − y)
i =1
i
2

MQr 1
Fcalc =
regressão e a média quadrada dos erros (resíduos), ou seja, = n
, onde yi =
MQe ∧
∑(y − y )
i =1
i i
2

∧ n−2
i-ésimo valor observado, y i = i-ésimo valor estimado pelo modelo, n = número de dados e y = média
dos valores calculados.

Comparam-se, então Fcalc e Ftab , valor este encontrado na tabela de distribuição F , utilizando
1 grau de liberdade para o numerador e n − 2 graus de liberdade no denominador, a um nível de
significância α . Se Fcalc > Ftab , rejeita-se a hipótese nula de nulidade dos coeficientes, ou seja, ao
menos um coeficiente β i é diferente de 0, logo, a regressão existe.

57
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Escolhendo o melhor modelo

Foi realizada uma ordenação (ranking) dos modelos testados. Segundo Bartoszeck (2000), o
objetivo de realizar uma ordenação é saber qual modelo teve o melhor desempenho. Considerando
os descritores de cada modelo, foi atribuída nota 1 ao modelo que apresentou o melhor desempenho
quanto ao r2, nota 2 aquele que apresentou o segundo melhor e, assim, sucessivamente. O mesmo
procedimento foi adotado com relação ao valor do r2aj, da estatística F e do S xy % . O modelo com
menor valor de pontuação do conjunto dos descritores é considerado o modelo de melhor desempenho.
Para este modelo, realizou-se a análise dos resíduos, como forma de validá-lo.

Análise residual

Ao realizar uma regressão, são gerados “resíduos” (salvo quando r = 1 , chamada de correlação
perfeita, o que raramente acontece). Os resíduos podem ser definidos com a distância vertical entre os
pontos que representam os dados originais e a reta da regressão. Matematicamente, o resíduo Ri é dado
por R=i ( yi − yˆi ) onde yi = i-ésima observação amostral e yˆi = i-ésimo valor previsto com base na
equação de regressão.

Para padronizar as operações com os resíduos, optou-se por normalizar os mesmos através da
R −R
geração de resíduos-padrão. Estes resíduos são obtidos pela fórmula Ri padrão = i , onde Ri = i-ésimo
resíduo, R = média dos resíduos e σ = desvio padrão residual. σ

Os resíduos são indicadores em potencial da qualidade de uma regressão. Eles permitem


identificar se há tendenciosidade ou não na estimativa da variável dependente, se há independência
entre os dados e se existe homogeneidade da variância.

A análise gráfica dos resíduos é um processo visual, sendo inerente ao procedimento a


carga subjetiva do analista. Para tanto, foram empregados alguns testes de hipóteses para validar,
analiticamente, a normalidade, independência e homocedacidade residual (variância constante).

Normalidade residual: teste Kolmogorov-Smirnov

Visto que serão realizados testes de hipóteses paramétricos sobre os resíduos padronizados é
importante ter-se certeza de que os mesmos obedeçam à distribuição normal. Se aceita a hipótese de
normalidade, aproximadamente 68% dos resíduos situam-se entre os valores -1 e +1, 95% entre +2 e
-2 e 99% entre +3 e -3. O teste de aderência à distribuição normal é o teste de Kolmogorov-Smirnov,
já descrito em seção anterior.

Aleatoriedade/Independência residual: Teste das Sequências (Runs Test)

Dizer que os resíduos são aleatórios ou independentes é afirmar que a magnitude de um resíduo
não influencia a magnitude do resíduo seguinte, não gerando nenhuma espécie de padrão. Um teste
eficaz para averiguar a existência de aleatoriedade é o teste das sequências, considerando que os dados
apresentem distribuição normal (Levine 1998).

Este teste consiste em comparar os valores dos resíduos padronizados com a sua mediana (em
outras palavras, verifica-se se cada resíduo padrão xi é maior ou menor do que a mediana dos resíduos-
padrão). Os resíduos devem ser analisados na ordem gerada pela regressão, sem ordenação. Uma
“sequência” é uma repetição de dados com as mesmas características (neste caso, ser maior ou menor
do que a mediana). O número de sequências ( R ) tem distribuição aproximadamente normal, com
2n1n2 (2n1n2 )(2n1n2 − n1 − n2 )
média µ R e desvio-padrão σ R dados a seguir: = µR +1 e σ R = , onde
n1 + n2 (n1 + n2 ) 2 (n1 + n2 − 1)

58
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

n1 é o número de sequências abaixo da mediana e n2 é o número de sequências acima da mediana.


R − µR
Com base nestes valores, é possível calcular a estatística do teste: zcalc = , onde R =
número total de sequências (matematicamente, R= n + n ). σR
1 2

Uma vez calculada a estatística zcalc , este valor é comparado com o valor crítico ztab , a um nível
de significância α . Se zcalc ≤ ztab , aceita-se a hipótese de que os resíduos são aleatórios.

O teste de Brown-Forsythe para homocedacidade

A homocedacidade residual refere-se à homogeneidade da variância dos resíduos. Se


homocedásticos, os dados regredidos encontram-se mais homogeneamente e menos dispersos
(concentrados) em torno da reta de regressão do modelo. Existem vários testes para verificar a
homogeneidade de um conjunto de dados. O teste de Brown-Forsythe é um deles.

Para realizar este teste, primeiramente dividem-se os resíduos em 2 grupos de tamanhos iguais
(Neter et al. 1996). O critério para esta divisão é o valor da variável independente (1 grupo com os
menores valores e um grupo com os maiores valores).

Para os dois grupos, calcula-se sua respectiva mediana. Para cada resíduo Ri , é calculada sua
diferença absoluta para com a mediana do grupo residual, ou seja, Ri − Rmed . A média de cada grupo é
R − Rmed
dada por d = i , (onde n = número de elementos do grupo em questão).
n n
O próximo passo consiste em calcular o somatório ∑ ( Ri − Rmed − d ) 2 para cada grupo. Calcular
i =1
n1 n2

2
i1 med 1 1 ∑( R −R − d ) + ∑ ( Ri 2 − Rmed 2 − d 2 ) 2
2

s 2 para o teste, dado por: s =


= i 1 =i 1
. Em seguida, é realizado
n−2
d1 − d 2
o cálculo do estatístico t : tbf = , onde d 1 e d 2 são as médias das amostras, s = raiz de s 2 e
1 1
s +
n1 n2
n1 e n2 são os números de elementos de cada grupo, respectivamente.
O valor tbf é comparado ao ttab bicaudal, ao nível de significância α e com grau de liberdade
n − 2 . Se tbf ≤ ttab , os resíduos têm variância constante (são homocedásticos).

Comparação de modelos de regressão

Para todas as espécies selecionadas, foram ajustados modelos hipsométricos com base nas
alturas medidas com hipsômetro e com base nas alturas estimadas em campo pelos engenheiros. Para
comparar os modelos de regressão ajustados, utilizou-se o teste z para médias e o teste F para linhas de
regressões coincidentes. Para tanto, foram gerados 80 valores de DAP aleatórios, entre 10 e 80 cm, e
estimados as alturas para cada valor com base nos dois modelos. Estes valores foram submetidos aos
testes z e F, para verificar se os modelos convergem para um resultado semelhante ( α = 0, 01 ).

Comparando amostras grandes e independentes: teste z

Uma vez que os testes t são particularmente válidos para amostras pequenas ( n < 30 ), precisou-
se de um teste de médias para duas amostras grandes (teste z).

59
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

O teste z é baseado na distribuição normal e assume que as duas amostras sejam independentes
( x1 − x2 )
e grandes ( n > 30 ). A estatística do teste é dada por zcalc = , onde x1 e x 2 são as médias das
σ 12 σ 22
+
n1 n2
amostras 1 e 2 respectivamente, n1 e n2 são os tamanhos das amostras e σ 12 e σ 22 são as variâncias das
populações 1 e 2. Quando não se conhece σ 12 e σ 22 (o que normalmente acontece em situações práticas),
utilizam-se as variâncias amostrais como estimadores destes parâmetros, visto que as amostras são
grandes (Triola 1999).

Uma vez calculada a estatística zcalc , este valor é comparado com o valor crítico (tabelado),
a um nível de significância α . Se zcalc ≤ ztab , aceita-se a hipótese de igualdade entre as médias das
amostras 1 e 2. Este teste foi utilizado para comparação dos resultados dos modelos hipsométricos
ajustados a partir das alturas medidas e das alturas estimadas.

Testando linhas de regressões coincidentes: o Teste F

Muitas vezes é necessário comparar duas regressões para verificar se as mesmas são idênticas.
Existem, na literatura, vários testes com este fim, sobre o nome de “identidade de modelos”, ou “teste
para regressões coincidentes”. Para as análises estatísticas do IFFSC, adotou-se um teste baseado na
estatística F , proposto por Bates & Watts (1988), por tratar-se de um teste relativamente simples com
eficiência comprovada em trabalhos acadêmicos (Regazzi & Silva 2004).

Primeiramente, ajustam-se regressões para os dois conjuntos de dados a serem comparados.


Para execução deste teste, elegem-se modelos com a mesma estrutura, para fins comparativos; esta
escolha é feita com base no ranking das estatísticas de cada modelo. Sejam n1 e n2 os números de
indivíduos em cada conjunto de dados e p o número de coeficientes utilizados no modelo. Definem-se
por S1 e S 2 as somas quadráticas residuais dos modelos ajustados para os conjuntos de dados 1 e 2
(com n1 − p e n2 − p graus de liberdade), respectivamente. Seja S mod= S1 + S 2 .
Em seguida, agrupam-se todos os dados em um conjunto com cardinalidade ntotal= n1 + n2 .
Ajusta-se o mesmo modelo para este conjunto de dados combinado e obtém-se a sua soma quadrática
residual; seja Stotal esta soma, com grau de liberdade n1 + n2 − p .
A seguir, define-se por Sdif a diferença entre Stotal e Smod , ou seja, S=
dif Stotal − S mod . Assim, a
 S dif 
 
 p 
F
estatística calc é dada por: Fcalc = .
 S mod 
 
 n1 + n2 − 2 p 
Compara-se, então, Fcalc com o Ftab , valor este encontrado na tabela de distribuição F ,
utilizando 1 grau de liberdade para o numerador e n − 2 graus de liberdade no denominador, a um
nível de significância α . Se Fcalc > Ftab , rejeita-se a hipótese nula de que os modelos de regressão são
idênticos.

Este teste foi utilizado para comparar as regressões dos modelos hipsométricos das bases de
dados medidos e estimados em campo, no intuito de averiguar se as mesmas são, estatisticamente,
iguais.

60
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Referências

Bartoszeck, A.C.P.S. 2000. Evolução da relação hipsométrica e da distribuição diamétrica


em função dos fatores idade, sítio e densidade inicial em bracatingais da região metropolitana de
Curitiba. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

Brena, D.A. 1995. Inventário Florestal Nacional: proposta de um sistema para o Brasil.
Tese (Doutorado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

Bates, D.M.; Watts, D. G. 1998. Nonlinear regression analysis and its applications. New
York. John Wiley.

Cain, S.A.; Castro, G. M. O. 1959. Manual of vegetation analysis. New York. Harper &
Brothers.

Calegari, J. 1999. Tamanho ótimo da unidade amostral para estudo da regeneração natural
de uma Floresta Ombrófila Mista. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria.
Santa Maria.

CIASC. Centro de Informática e Automação de Santa Catarina. 2002. Mapa interativo dos
remanescentes florestais de Santa Catarina. Florianópolis. CIASC. CD-ROM.

Colwell, R.K., Coddington, J. A. 1994. Estimating terrestrial biodiversity through


extrapolation. Philosophical Transactions of the Royal Society (Series B) 345:101-118.

Colwell, R.K., Mao, C.X. & Chang, J.. 2004. Interpolating, extrapolating, and comparing
incidence-based species accumulation curves. Ecology 85: 2717-2727.

Cruz, C.B.M.; Vicens, R.S. 2007. Levantamento da Cobertura Vegetal Nativa do Bioma
Mata Atlântica. Relatório Final. Rio de Janeiro. IESB/IGEO/UFRJ/UFF.

CTN-IFN/BR. Comissão Técnica Nacional do Inventário Florestal Nacional. Projeto Inventário


Florestal Nacional. Brasília: SFB/MMA. 2007. 148p.

FAO. 2009. National Forest Monitoring and Assessment – Manual for integrated field data
collection. NFMA Paper37/N. Roma. FAO.

Finger, C.A.G. 1992. Fundamentos de biometria florestal. Santa Maria: UFSM/CEPEF/


FATEC.

Fundação S.O.S Mata Atlântica. 1993. Evolução dos remanescentes florestais e ecossistemas
associados do domínio Mata Atlântica no período 1985-1990. Relatório. São Paulo. Fundação S.O.S.
Mata Atlântica.

Fundação S.O.S Mata Atlântica. 2002. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica,
período 1995-2000. Relatório Final. São Paulo. Fundação S.O.S. Mata Atlântica / Instituto Nacional
de Pesquisas Espaciais.

Fundação S.O.S Mata Atlântica. 2008. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica,
período 2000-2005. Relatório Final. São Paulo. Fundação S.O.S. Mata Atlântica / Instituto Nacional
de Pesquisas Espaciais.

Fundação S.O.S Mata Atlântica. 2009. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica,
período 2005-2008. Relatório Final. São Paulo. Fundação S.O.S. Mata Atlântica / Instituto Nacional
de Pesquisas Espaciais.

61
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Fundação S.O.S Mata Atlântica. 2010. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica,
período 2008-2010. Relatório Final. São Paulo. Fundação S.O.S. Mata Atlântica / Instituto Nacional
de Pesquisas Espaciais.

Geoambiente Sensoriamento Remoto Ltda. 2008. Projeto de Proteção da Mata Atlântica em


Santa Catarina (PPMA/SC). Relatório Técnico do Mapeamento Temático Geral do Estado de Santa
Catarina. São José dos Campos. Geoambiente.

Gotelli, N.J.; Colwell, R.K. 2001. Quantifying biodiversity: procedures and pitfalls in the
measurement and comparison of species richness. Ecology Letters 4: 379-391.

IBGE, Base Cartográfica Integrada Digital do Brasil ao Milionésimo - Versão 1.0 para ArcGis
Desktop/ArcView. Rio de Janeiro, 2003.

Kersten, R.A.; Galvão, F. 2011. Suficiência Amostral em Inventário Florísticos e Fitossociológicos.


In: Felfili, J.M.; Eisenlohr, P.V.; Melo, M.M.R.F.; Andrade, L.A.; Neto, J.A.A.M. Fitossociologia no
Brasil: Métodos e estudos de casos. Viçosa. UFV. v. 1. p. 156-173.

Klein, R.M. 1978. Flora Ilustrada Catarinense: Mapa fitogeográfico do Estado de Santa
Catarina. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

Levine, D.M. 1998. Estatística: Teoria e Aplicações – Usando Microsoft Excel em Português.
Rio de Janeiro. Editora LTC.

Martins, G. 2002. Estatística Geral e Aplicada. 2nd. São Paulo. Atlas.

Matteucci, S.D.; Colma, A. 1982. Metodologia para el estudio de la vegetacion. Washington:


Secretaría Geral de la Organización de los Estados Americanos - Programa Regional de desarrollo
Científico y Tecnológico.
Neter, J.; Kutner, M.H.; Nachtsheim, C.J. & Wassermann, W. 1996. Applied Linear Statistical
Models. Boston. McGraw-Hill.

Péllico N.S. 1979. Die Forstinventuren in Brasilien - Neue Entwicklungen und ihr Beitrag
für eine geregelte Forstwirtschaft. Tese (Doutorado). Universität Freiburg. Freiburg.

Péllico, N.S.; Brena, D. A. 1997. Inventario florestal. Curitiba. Edição dos autores.

Pillar, V.D. 2004. Suficiência amostral. In: Bicudo, C.E; Bicudo, D.C. (Eds). Amostragem em
Limnologia. São Carlos: Rima, p.25-43.

Queiroz, W. 1977. Efeitos da Variação Estrutural em Unidades Amostrais na Aplicação do


Processo de Amostragem em Conglomerados nas Florestas do Planalto do Tapajós. Dissertação
(Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

Queiroz, W.T. 2012. Amostragem em inventário florestal. Belém. UFRA. 

Regazzi, A.J.; Silva, C.H.O. 2004. Teste para verificar a igualdade de parâmetros e a identidade
de modelos de regressão não-linear. I. dados no delineamento inteiramente casualizado. Revista de
Matemática e Estatística, 22: 33-45. 

SAR. Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de Santa Catarina. 2005. Inventário


Florístico Florestal de Santa Catarina. Relatório do Projeto Piloto. Florianópolis. SAR (mimeo).

Shiver, B.D.; Borders, B. E. 1996. Sampling Technique for Forest Resource Inventory. New
York. John Wiley & Sons.

62
2 | Metodologia do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Siegel S. & Castellan, J. 2006. Estatística Não-Paramétrica Para Ciências do Comportamento.


2nd. Porto Alegre. Artmed/Bookman.

Triola, M.F. 1999. Introdução à Estatística. 7th. Rio de Janeiro. Editora LTC.

Vibrans, A.C.; McRoberts, R.E.; Moser, P.; Nicoletti, A. 2013. Using satellite image-based
maps and ground inventory data to estimate the remaining Atlantic forest in the Brazilian state of Santa
Catarina. Remote Sensing of Environment 130: 87-95.

63
Capítulo 3
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina1

Original and present forest cover in Santa Catarina

Alexander Christian Vibrans, Ronald Edward McRoberts, Débora Vanessa Lingner,


Adilson Luiz Nicoletti, Paolo Moser

Resumo
A taxa de cobertura florestal é um importante indicador da qualidade ambiental e é fundamental para o
planejamento territorial. Por disponibilizar dados de campo coletados de forma independente, representativa
e abrangente, o IFFSC proporcionou oportunidade para validar os dados obtidos por meio de sensoriamento
remoto. De acordo com o mapa fitogeográfico de Klein, a Floresta Estacional Decidual originalmente cobria
8% do território catarinense, a Floresta Ombrófila Mista 45%, a Floresta Ombrófila Densa 31%, enquanto os
campos cobriam 14% e outras formações 2%. A cobertura florestal atual foi estimada com base na avaliação da
acuracidade de quatro recentes mapeamentos e nos dados de campo do IFFSC. Estes mapas foram elaborados
entre 2005 e 2009, a partir da interpretação de imagens orbitais multiespectrais de resolução espacial média. Os
seus resultados mostram grandes discrepâncias, com estimativas de cobertura florestal de Santa Catarina que
variam entre 22,4 e 41,5%. Considerando vários parâmetros estatísticos, um estimador baseado na amostragem
aleatória simples e outro assistido por modelagem ajustando os vieses dos mapas com os dados do IFFSC,
chegou-se a uma estimativa de 27.555,0 km² (equivalentes a 28,9 % de sua área original) para a cobertura atual,
com um IC de ± 1.897 km² para um nível de probabilidade de 95% (equivalentes a uma cobertura florestal entre
27,0 e 30,9%). A cobertura para a Floresta Estacional Decidual foi estimada em 16,1%, da Floresta Ombrófila
Mista em 24,4% e da Floresta Ombrófila Densa em 40,5%. Constatou-se, no entanto, que a cobertura florestal
está altamente fragmentada, com mais de 80% dos remanescentes na classe de tamanho até 50 ha. Estas pequenas
áreas representam cerca de 14% dos remanescentes florestais; aproximadamente 60% da área de florestas são
constituídos por fragmentos maiores que 1.000 ha, com ênfase na Floresta Ombrófila Densa que apresenta os
maiores maciços florestais no estado.

Abstract
The forest cover rate is an important indicator for environmental quality and is essential for territorial planning.
By providing field data collected independently, representatively and comprehensively, the realization of
IFFSC afforded opportunity to validate data obtained through remote sensing techniques. According to Klein’s
phytogeographic map of Santa Catarina, Seasonal Deciduous Forests originally covered 8% of the state’s
territory, Mixed Ombrophylous Forests covered nearly 45%, Dense Ombrophylous Forests 31%, while Savanas
covered 14% and other formations 2%. The present forest cover was estimated based on an accuracy assessment
of four recent cover maps using IFFSC ground data. The maps were executed between 2005 and 2009, based
on classification of medium resolution imagery. Large discrepancies of forest cover of Dense Ombrophylous
Forests were observed, ranging from 22,4 to 41,5%. Considering different statistic parameters of plot-based,
simple random sampling and bias adjusting model-assisted estimates, the present forest area is estimated in
27,555.0 km² (equivalent to 28.9 % of it’s original extension), with a 95% CI of ±1.897 km² (27.0 to 30.9%).
Forest cover of Seasonal Deciduous Forests was estimated as 16.1%, of Mixed Ombrophylous Forests as 24.4%
and of Dense Ombrophylous Forests as 40.5%. That forest cover, however, is highly fragmented, more than 80%
of remnants belonging to size classes less than 50 ha. These small areas represent about 14% of total forest cover,
while approximately 60% of forest area belong to fragments larger than 1,000 ha, with an emphasis on Dense
Ombrophylous Forests that have the largest continuous forest areas in the state.

1
Vibrans, A.C.; McRoberts, R.E.; Lingner; D.V. Nicoletti, A.L.; Moser, P. 2012. Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa
Catarina. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I,
Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

65
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

3.1 Introdução

A quantificação da cobertura florestal e das taxas de mudanças desta cobertura por meio de
técnicas de sensoriamento remoto, ainda constitui, nas regiões tropicais, um desafio técnico-científico
muito perseguido e longe de ser resolvido (Mayaux et al. 1998; Defries & Townshend 1999; Defries
& Belward 2000). As razões são múltiplas e residem na diversidade das definições de “floresta”, no
grande número de formas de uso do solo e de vegetação antropizada nas regiões tropicais (Steininger
2000) e, em muitas regiões, na baixa densidade de dados de sensoriamento remoto e na falta de um
cadastro rural. Além disso, durante muitos anos, o mapeamento da cobertura florestal foi dominada
pela questão da detecção do desmatamento de florestas primárias (Tucker & Townshend 2000), em
detrimento de pesquisas sobre formações secundárias, florestas primárias exploradas e mosaicos de
diversas formas de uso do solo. Tanto do ponto de vista silvicultural, como ecológico, as florestas
secundárias têm atraído atenção bem menor dos pesquisadores do que as primárias (Corlett 1995;
Finnegan 1996; Guariguata et al. 1997; Guariguata 1999; Kammesheidt 2002). A importância das
florestas secundárias, entretanto, tem sido destacada no contexto das mudanças climáticas (Fehse et al.
2002, Olschewskia & Benítez 2005). Embora tenha-se chegado a consensos e uma certa coerência para
efeitos de levantamentos globais em virtude da demanda por dados estratégicos (FAO, IPCCC), dados
que compõem estes levantamentos globais (FAO 2010) não satisfazem exigências para que possam
servir de subsídio para o planejamento em escala nacional ou regional, em virtude de seu nível de
generalização, relacionadas à sua escala e abrangência.

A confiabilidade de classificações de florestas tropicais secundárias baseadas em técnicas de


sensoriamento remoto é limitada por dois fatores, pela complexidade da vegetação e pelo processamento
digital automatizado das imagens. Há consenso que na Mata Atlântica brasileira as formações florestais
secundárias, perturbadas e estruturalmente simplificadas, constituem a vasta maioria dos remanescentes
(Oliveira-Filho 2000; Liebsch et al. 2008). Além disso, as diferenças entre florestas maduras bem
conservadas, no sentido de Veloso et al. (1991), e outras formações compostas por espécies arbóreas
e arbustivas, muitas vezes com mais de um tipo de uso do solo (silvipastoril, agrosilvicultural),
intercaladas com culturas permanentes como erva-mate, café, chá, palmáceas e musáceas, são contínuas
e não categóricas. Como as formações antropizadas da vegetação natural, de acordo com as estimativas
de todos os autores, formam a grande maioria dos remanescentes, os problemas metodológicos citados
incidem sobre a quase totalidade do objeto a ser examinado. Os fenômenos acima citados dificultam
a aplicação de muitas das usuais técnicas de sensoriamento remoto, ainda mais quando se trata de
mapeamentos envolvendo dezenas ou centenas de milhares de quilômetros quadrados, uma grande
quantidade de cenas de imagens, formações florestais, condições ambientais (edafo-geoclimáticas),
diferentes características das próprias imagens e uma gama de técnicas de processamento digital, entre
paramétricas, não paramétricas e de segmentação (Carvalho & Scolforo 2008; Oliveira et al. 2010). O
resultado destas interações são muitas vezes resultados substancialmente conflitantes entre mapas de
uma mesma região.

Ribeiro et al. (2009) revisaram os levantamentos existentes na Mata Atlântica brasileira e


corrigiram as estimativas da cobertura florestal para toda a área do bioma recentemente de 7 a 8% para
11,6 a 16%, responsabilizando pelo aumento do índice a inclusão nos levantamentos mais recentes
das formações secundárias e de fragmentos com menos de 100 hectares, que correspondem a 32% a
40% do total, de acordo com as respectivas fontes citadas. Os autores apresentam resultados por região
fitogeográfica (Silva & Casteleti 2003), no lugar de divisões políticas. A conclusão geral deste trabalho
é a constatação da urgência de prover dados e métodos que permitem a estatisticamente rigorosa
comparação de mapeamentos da cobertura florestal.

Na região do bioma Mata Atlântica a Fundação SOS Mata Atlântica realiza desde 1985, em
cooperação com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e em intervalos de cinco anos, o
mapeamento dos remanescentes florestais e ecossistemas associados da Mata Atlântica. Ao longo do

66
3 | Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina

tempo, os métodos de interpretação visual de imagens multiespectrais Landsat, com resolução espacial
de 30 m e 20 m, têm sido aperfeiçoados; a principal dificuldade, no entanto, continua existindo e de certa
forma, prejudicando a validade dos dados levantados: não há uma metodologia que permita identificar,
em grandes espaços territoriais, e com confiabilidade definida, as formações florestais perturbadas,
simplificadas estruturalmente e as das fases iniciais da sucessão.

Dados da cobertura florestal, coletadas por via terrestre, de forma independente e representativa,
com densidade adequada e em grandes extensões geográficas, poderiam contribuir sobremaneira à
validação de dados oriundos de sensores remotos, mas raramente estão disponíveis.

A realização do IFFSC proporcionou a disponibilidade de informações a respeito da composição,


estrutura e estado de conservação da cobertura florestal de Santa Catarina, geradas a partir de dados
coletados durante os levantamentos terrestres, que satisfazem três importantes exigências para a
validação de dados de sensoriamento remoto, por serem independentes, representativas e por terem
sido coletadas com densidade adequada e em grandes extensões geográficas, o que raramente ocorre em
outras situações e regiões do país. Desta forma, o conjunto de dados levantados pelo IFFSC representa
uma oportunidade única para poder validar e aferir a acuracidade de informações extraídas de dados
colhidas por meio de sensoriamento remoto.

A partir da contextualização acima detalhada foram definidos os objetivos específicos do


presente trabalho: a) realizar a análise comparativa dos resultados de quatro mapeamentos temáticos
da cobertura e do uso do solo realizados no estado de Santa Catarina e b) aferir a acuracidade destes
mapeamentos, validando-os com os dados terrestres do IFFSC, coletados entre 2007 e 2010.

3.2 Cobertura original

O Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina utiliza como divisão fitogeográfica do estado
aquela proposta por Klein (1978). De acordo com seu mapa fitogeográfico (Figura 2.1), a região
fitoecológica da Floresta Ombrófila Densa (FOD) cobria originalmente uma área de aproximadamente
29.282,00 km², equivalentes a 31% da superfície do Estado, enquanto a Floresta Ombrófila Mista
(FOM) cobria 45%, a Floresta Estacional Decidual (FED) 8%, os Campos Naturais 14% e demais
regiões 2%. (Tabela 3.1). Há evidências de que antes do começo da colonização do interior do estado
pelos imigrantes europeus, no século 18, todo o território catarinense, com exceção dos campos naturais,
possa ser considerado como sendo coberto por densas florestas (Maack 1981; Behling & Pillar 2007;
Behling & Bauermann 2009).

A ação das populações indígenas limitava-se às queimadas dos campos e ao extrativismo nas
florestas de araucária, não levando, ao que tudo indica, ao desmatamento propriamente dito (Santos
1987).

Tabela 3.1. Extensão original das regiões fitoecológicas em Santa Catarina, de acordo com Klein (1978).
Table 3.1. Original extension of vegetation types in Santa Catarina, according to Klein (1978).
Região Fitoecológica Superfície original em km² Percentual da superfície do Estado
Floresta Ombrófila Densa 29.282,00 30,71
Floresta Ombrófila Mista 42.851,56 44,94
Campos Naturais 13.543,00 14,20
Floresta Estacional Decidual 7.670,57 8,04
Outras (Restinga, Manguezais) 1.999,05 2,10
Total 95.346,18 100

67
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

3.3 Estimativas da cobertura florestal atual

3.3.1 Metodologia
Base de dados

São quatro os mapeamentos temáticos da cobertura florestal do território catarinense realizados


na década passada (Tabela 3.2): a) o Levantamento da Cobertura Florestal Remanescente de Santa
Catarina, denominado neste trabalho de LCF/SAR (SAR 2005); b) o Levantamento da Cobertura
Vegetal Nativa do Bioma Mata Atlântica, denominado PROBIO (Cruz & Vicens 2007); c) o Atlas dos
Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, denominado Atlas 2008 (Fundação SOS Mata Atlântica
2009) e d) o Mapeamento Temático Geral do Estado de Santa Catarina, realizado no âmbito do Projeto
de Proteção da Mata Atlântica, denominado PPMA/FATMA (Geoambiente 2008).
Tabela 3.2. Características dos levantamentos da cobertura florestal e do uso do solo realizadas em Santa Catarina.
Table 3.2. Characteristics of the land use and forest cover maps for Santa Catarina.

Mapeamento
Map attribute
LCF/SAR (2005) PROBIO (2007) Atlas 2008 (2009) PPMA (2010)
Secretaria de
Fundação de Meio
Agricultura e Ministério do Meio
Executor SOS Mata Atlântica Ambiente de Santa
Abastecimento de Ambiente
Catarina (FATMA)
Santa Catarina
Satélite e sensor Landsat-5 Landat-7 ETM+ CBERS-2 CCD (2005)
Ano de captura das TM, Landsat-7 (2001-2003), SRTM Landsat-5 TM (2005- SPOT-4 2005
imagens ETM+(2003/2004) (2000) 2008)
Escala de
1: 50.000/ 1:250.000/ 1:50.000/ 1:50.000/
classificação e
1: 50.000 1:250.000 1:50.000 1:50.000
apresentação
20 x 20 m
Resolução espacial 30 x 30 m 30 x 30 m 30 x 30 m
(10 x 10 m pan)
Área mínima
10 ha 40 ha 5 (3) ha 2,5 ha
mapeada (nominal)
Método de Classificação
Classificação
interpretação/ Visual Visual não-supervisionada
baseada em objetos
classificação (ISOSEG)
Número de pontos
de controle em Não informado 8.000 Não informado Não informado
campo

Acuracidade média Não informado 86 % Não informado 90 %

Florestas em estádio
Florestas (FOD, Formações florestais
médio ou avançado
Floresta (exceto FOM, FED e primárias e secundárias
Definição de floresta e/ou primárias
mangue e restinga) ecótonos) (exceto (exceto mangue e
(exceto estádio
mangue e restinga) restinga)
inicial)

Os resultados destes quatro levantamentos foram validados com os dados de campo do IFFSC
(Capítulos 2, 5 e 8) por Vibrans et al. (2013), com base em metodologia proposta por McRoberts (2010;
2011) e McRoberts & Walters (2012).
Para validação dos mapeamentos temáticos foi utilizado o conjunto de dados de 1074 pontos
amostrais locados de forma sistemática em todo o território do estado, nas interseções de uma grade
com equidistância de 10 km, dos quais 444 coincidentes com remanescentes florestais nos mapas LCR/
SAR (SAR 2005) que acusou 354 pontos com floresta e/ou PPMA (Geoambiente 2008) que indicou 356

68
3 | Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina

pontos com floresta. Em 298 pontos foi encontrada cobertura florestal; em 260 pontos foram instaladas
unidades amostrais e levantadas as variáveis da vegetação permitindo a sua caracterização florística,
estrutural e quantitativa; nos 38 pontos amostrais restantes não foi possível instalar uma unidade de
medição, devido a dificuldades ou falta de permissão de acesso ou de levantamento (paredão rochoso,
banhado, fragmento muito pequeno ou estreito). Nestes pontos foi documentado, quando possível, o
atual uso do solo, por meio de descrição e registro fotográfico. Em outros 146 pontos, não foi encontrada
cobertura florestal em campo; em 98 deles foram instaladas Unidades Amostrais após deslocamento
de até 500 m do ponto da grade, de acordo com o manual do campo do IFFSC. Por esta razão, essas
98 Unidades Amostrais não foram consideradas neste estudo para validação dos mapeamentos. Nos
48 pontos restantes, o fragmento mais próximo estava localizado em distancia maior de 500 m e a
Unidade Amostral não foi implantada. Não há elementos para confirmar qualquer pressuposto de não
aleatoriedade de localização, composição de espécies e estrutura das Unidades Amostrais não utilizadas
na validação dos mapeamentos.
A grade de pontos com a localização das Unidades Amostrais do IFFSC foi carregada
separadamente sobre cada um dos mapas temáticos vetoriais de base contínua, georreferenciados e
registrados com o Datum WGS 84. Foi extraída do respectivo mapa a classe de uso do solo correspondente
ao local de cada ponto/Unidade Amostral. Inicialmente foram mantidas as denominações originais das
classes das legendas de cada levantamento; para o processamento dos dados as classes foram reduzidas
a apenas duas (floresta e não floresta). Não foram consideradas floresta as classes “florestas em estágio
inicial” (PPMA/FATMA) e “capoeira” (LRF/SAR), ambas ocupando menos que 0,05% da área e
com definição incerta nos respectivos relatórios. Devido às dificuldades metodológicas na definição e
reconhecimento em imagens (de restinga herbácea, arbustiva e arbórea), as formações pioneiras com
influência marinha, fluviomarinha e fluvial e/ou lacustre, mapeadas pelo PROBIO e LRF/SAR, também
foram excluídas da classe floresta. Desta forma tentou-se eliminar possíveis fontes de superestimação
da cobertura florestal.

Procedimentos analíticos

Inicialmente a área da cobertura florestal de Santa Catarina foi estimada usando os dados de
campo do IFFSC, assumindo uma amostragem aleatória simples (SRS) dos mesmos e multiplicando
a área total do território catarinense pela proporção de pontos com cobertura florestal verificada em
campo p̂ SRS , segundo equação (1).

1 n
p̂SRS = ∑ yi
n i =1 (1)
onde n = número total de pontos amostrais , i indica a amostra e

0 quando nao - floresta é observada


yi =  (2)
1 quando floresta é observada

O estimador SRS é intuitivo e não viesado, mas tem como desvantagem uma variância eventualmente
grande. A variância de p̂SRS é estimada por,

1 n p̂ SRS (1 − p̂ SRS )
Vâr (p̂ SRS ) =
∑ (y i − p̂ SRS ) =
2
, (3)
n i =1 n
e um 95% intervalo de confiança pode ser construído com,

69
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

, (4)

t α α
onde 1− é o 1−
percentil da distribuição t de Student e SE significa o erro padrão, calculado
2 2
conforme . Quando uma amostragem sistemática é usada, como no presente
caso, a variância pode ser levemente superestimada em relação a estimativas baseadas em amostragem
aleatória simples (Särndal et al. 1992).
Para avaliar a acuracidade dos quatro mapeamentos foram elaboradas matrizes de erro, com
base nas observações de campo do IFFSC. Foram calculadas a acuracidade geral (OA), definida como a
proporção de todas as observações classificadas corretamente; a acuracidade do usuário (UA), definida
como a razão entre predições corretas e o total de predições para uma classe de uso do solo; a acuracidade
do produtor (PA), que é a razão entre o total de predições e o total de observações de uma determinada
classe; o erro de omissão que é a proporção de predições incorretas e o total de predições para uma
classe; o erro de comissão que é a razão entre predições incorretas e número total de observações de
cada classe (Richards 1993; Chuvieco 1996).
Inferências estatísticas, na forma do viés e de intervalos de confiança para as estimativas de
cobertura dos quatro mapeamentos temáticos, foram construídas usando o estimador assistido por
modelagem ( p̂ MAR ) (Särndal et al. 1992; McRoberts & Walters 2012). Este método permite produzir
para cada mapa estimativas com um intervalo de confiança, ajustadas em função de sua respectiva
matriz de erro gerada por meio da comparação com os dados de campo. Quando há boa concordância
entre os dados de campo e as predições dos mapas, a variância do estimador MAR tende ser menor que
a do estimador p̂ SRS , baseado na simples proporção entre o número de pontos com florestas e o total de
observações de campo. As estimativas dos mapas e do campo foram submetidas ao teste t para detectar
diferenças significativas (α=0,05), conforme
pˆ SRS − pˆ MAR
t=
Vaˆr ( pˆ SRS ) − 2 ⋅ Côv( pˆ SRS , pˆ MAR ) + Vaˆr ( pˆ MAR )
(5)

Diferenças entre o desempenhos dos quatro mapeamentos ajustados foram investigados


mediante teste equivalente, segundo
pˆ MAR−1 − pˆ MAR−2
t=
Vaˆr ( pˆ MAR−1 ) − 2 ⋅ Côv( pˆ MAR−1 , pˆ MAR−2 ) + Vaˆr ( pˆ MAR−2 )
. (6)

3.3.2 Resultados

Pelo método da proporção, baseado no percentual dos pontos amostrais da classe floresta
observados em campo, assumindo uma amostragem aleatória simples (SRS), obteve-se uma cobertura
florestal remanescente de 26.337,8 km² (IC ± 2.594 km²), equivalente a 27,8% do território.
Os resultados das matrizes de erro elaboradas são representados nos gráficos da Figura 3.1,
mostrando acuracidade geral, erro geral e, fazendo parte do último, os erros de comissão e omissão
de cada mapa. Eles evidenciam que os mapas Atlas 2008 e PROBIO/MMA subestimaram a extensão
dos remanescentes (tendo omitido mais pontos com florestas, do que erroneamente atribuída à classe
floresta áreas sem cobertura florestal). O contrário foi constatado para os mapas LCF/SAR e PPMA,
com erros de comissão (atribuição errônea da classe floresta) superando a taxa dos erros de omissão, o
que leva, por consequência, à superestimação da cobertura florestal remanescente.

70
3 | Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina

Figura 3.1. Acuracidade dos quatro mapas avaliados com dados de campo do IFFSC, obtida das matrizes de erro; p.a. =
pontos amostrais.
Figure 3.1. Accuracies from error matrices for the four forest cover maps evaluated with IFFSC ground data; p.a.= sample
points.

O teste t mostrou que as estimativas do mapa Atlas 2008 não diferem significativamente (α=0,05)
da estimativa por proporção, baseada nas informações de campo do IFFSC, enquanto que os outros três
mapas são significativamente diferentes.

O ajuste dos valores de cobertura por meio do estimador p̂ MAR , permite corrigir os erros (viés)
dos mapas e aproximar suas estimativas iniciais (nominais) das estimativas baseadas na proporção dos
pontos amostrais com floresta verificados em campo. Este ajuste resulta na diminuição dos valores
superestimados (mapas LCF/SAR e PPMA) e no aumento dos valores subestimados (mapas Atlas 2008
e PROBIO). Na Tabela 3.3 e nas Figuras 3.2 e 3.3 constam os respectivos valores nominais e ajustados
com seus intervalos de confiança (α=0,05) para Santa Catarina e por região fitoecológica.

Considerando um conjunto de parâmetros estatísticos, como acuracidade geral, taxas de


omissão e comissão, igualdade das estimativas (teste t), grandeza do viés e da variância e do intervalo
de confiança das estimativas ajustadas, é possível afirmar que as estimativas ajustadas do mapeamento
Atlas 2008 (Fundação SOS Mata Atlântica 2009), mostram desempenho melhor, tendo menor viés e
variância, além de não serem significativamente diferentes das estimativas por proporção, ao contrário
dos demais mapeamentos.

Estas estimativas (do mapa Atlas 2008) indicam uma cobertura florestal remanescente em Santa
Catarina de 27.555,0 km² (equivalentes a 28,9 % de sua área original), com um intervalo de confiança
entre 25.658,39 e 29.451,66 km² (equivalente a uma cobertura florestal entre 27,0 e 30,9%, valores em
negrito na Tabela 3.3) para um nível de probabilidade de 95% (Vibrans et al. 2013). Seguindo o mesmo
raciocínio, a cobertura para a Floresta Estacional Decidual é estimada em 16,1%, da Floresta Ombrófila
Mista em 24,4% e da Floresta Ombrófila Densa em 40,5%. Nota-se que o intervalo de confiança é
relativamente maior para as estimativas na Floresta Estacional Decidual, devido ao reduzido número
de pontos amostrais nesta região.

71
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 3.3. Remanescentes florestais em Santa Catarina e por região fitoecológica. p̂ SRS = Área e percentual de cobertura
florestal equivalente à proporção da amostragem aleatória simples; p̂ MAR = Área e percentual de cobertura florestal ajustada
a partir de matriz de erro considerando os dados de campo do IFFSC, de acordo com Vibrans et al. (2013).
Table 3.3. Forest cover of Santa Catarina and by phytoecological region. p̂ SRS = estimation of forest cover using simple
random sampling (SRS), p̂ MAR = Model assisted forest cover estimation based on IFFSC ground data, according to Vibrans
et al. (2013).
Floresta Floresta Floresta
Base de dados Santa Catarina Ombrófila Ombrófila Estacional
e ano de Estimador Densa Mista Decidual
referência Área Área Área Área
% % % %
(km2) (km2) (km2) (km2)
IFFSC p̂ SRS 26.337, 8 27,8 12,632.7 40,4 12.317,2 22,0 1.250,6 16,3
(2008/10)
p̂ SRS 35.498,7 37,2 16,726.1 53,4 17.023,2 30,3 1.749,3 22,8
LCF/SAR
(2003/04)
p̂ MAR 31.326,2 32,9 14,747.0 47,1 14.662,6 26,1 1.921,4 25,0

p̂ SRS 25.680,3 26,9 12,558.7 40,6 12.384,3 21,9 737,2 9,6


PROBIO
(2000)
p̂ MAR 30.563,0 32,1 13,493.2 43,6 15.491,9 27,4 1.600,1 20,9

p̂ SRS 21.340,7 22,4 11,079.5 35,6 9.462,9 16,8 798,3 10,4


Atlas 2008
(2008)
p̂ MAR 27.555,0 28,9 12,618.5 40,5 13.741,3 24,4 1.231,3 16,1

p̂ SRS 39.531,2 41,5 16,723.6 52,7 20.919,8 36,9 1.887,8 24,6


PPMA (2005)
p̂ MAR 35.092,3 36,8 14,018.9 44,1 19.267,6 34,0 1.813,2 23,6

Figura 3.2. Estimativas da cobertura florestal de Santa Catarina baseadas no estimador p̂ SRS ,
usando os dados de campo do IFFSC, nos valores nominais dos mapas e nos valores ajustados pelo
estimador assistido por modelagem ( p̂ MAR ); as barras verticais indicam o intervalo de confiança
para α=0,05.
Figure 3.2. Estimates of forest cover for Santa Catarina based on simple random sampling
estimation ( p̂ SRS ) with IFFSC ground data, nominal map estimates and model-assisted adjusted
estimation ( p̂ MAR ) using map classifications; vertical bars denote 95% confidence intervals.

72
3 | Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina

Figura 3.3. Estimativas da cobertura florestal das três regiões fitoecológicas em


Santa Catarina, baseadas no estimador SRS usando os dados de campo do IFFSC,
nos valores nominais dos mapas e nos valores ajustados pelo estimador assistido
por modelagem (MAR); as barras verticais indicam o intervalo de confiança para
α=0,05.
Figure 3.3. Estimates of forest cover for for three phytoecological regions in
Santa Catarina based on simple random sampling estimation (SRS) with IFFSC
ground data, nominal map estimates and model-assisted adjusted estimation
(MAR) using map classifications; vertical bars denote 95% confidence intervals.

73
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

As razões das discrepâncias entre os mapas podem ser causadas por uma série de fatores.
Diferentes características das imagens utilizadas, como resolução espacial e data de captura, bem como
do seu processamento somente explicam parte das divergências encontradas. Composição de espécies,
estado de conservação, história e intensidade de uso, grau de abertura do dossel, entre outras variáveis
estruturais dos remanescentes, na maioria em processo de sucessão secundária, são muito diversos,
como o IFFSC mostrou. Esta diversidade certamente dificulta a sua correta identificação em imagens
orbitais, ainda mais quando os remanescentes fazem parte de um mosaico de vários tipos de uso do solo
(Groeneveld et al. 2009) e sua resposta espectral é heterogênea nas imagens captadas. Estas áreas podem
ter sido facilmente mal interpretadas, levando a superestimação (LCF/SAR e PPMA) ou subestimação
(Atlas 2008 e PROBIO) dos remanescentes florestais. Além disso, esta diversidade de condições nas
quais se encontra a vegetação, leva a questão crucial que é a falta de uma clara definição a priori do
objeto a ser mapeado, da floresta. Ribeiro et al. (2009) observaram, que de fato é uma definição a
posteriori: apenas vegetação lenhosa com altura do dossel >10 m e idade mínima de 15 anos é realmente
detectável com razoável acuracidade em imagens de média resolução espacial. Estimativas envolvendo
as demais formas de vegetação, principalmente os estádios iniciais da sucessão, são acompanhadas de
muitas incertezas. De fato, 97,9% dos remanescentes florestais amostrados pelo IFFSC, apresentam
altura do dossel superior a dez metros; considera-se, portanto, que as estimativas da cobertura florestal
contidas neste trabalho, referem-se especialmente a este tipo de vegetação.

3.4 Classes de tamanho dos remanescentes florestais

Analisando a frequência dos fragmentos florestais por classe de tamanho em Santa Catarina
(Tabela 3.4), percebe-se que a cobertura florestal está altamente fragmentada. Todos os mapeamentos,
independentemente de sua área nominal mínima de mapeamento, indicam que mais que 80% dos
remanescentes encontram-se na classe de tamanho até 50 ha (LCF/SAR 87%; PPMA 90%; Atlas 2008
81%, PROBIO 85%). Estes pequenos fragmentos florestais representam aproximadamente 10 a 14%
da área florestal total (de acordo com LCF/SAR 11,5%, PPMA 13,1%; Atlas 2008 14,4%; PROBIO
10,4%) (Figura 3.4). Os dados mostram, por outro lado, aproximadamente 60% da área de florestas
distribuídos em fragmentos maiores que 1.000 ha, com ênfase na Floresta Ombrófila Densa que
apresenta os maiores maciços florestais no estado. Vale destacar que, em muitos casos, remanescentes
extensos são delimitados pelos mapeamentos que, de fato, são compostos por vários menores, unidos
por estreitas faixas de vegetação, por exemplo, ao longo dos cursos d’água. Desta forma é indicada, em
muitos casos, a existência de extensas áreas continuas de florestas que, na realidade, não possuem as
características funcionais que sua área nominal possa fazer acreditar.
Tabela 3.4. Número de fragmentos florestais mapeados em Santa Catarina e percentual do total de fragmentos, de acordo
com os quatro mapeamentos avaliados.
Table 3.4. Number of forest fragments in Santa Catarina and percentage of total number, as mapped by four thematic maps.
Classe (ha) LCF/SAR % PPMA % ATLAS 2008 % PROBIO %
<5 9.055 23,8 20.179 35,5 2.616 11,6 12.883 41,4
5 a 10 9.764 25,7 14.523 25,5 3.409 15,1 4.521 14,5
10 a 20 7.827 20,6 9.581 16,9 6.190 27,5 4.395 14,1
20 a 50 6.375 16,8 6.962 12,2 5.972 26,5 4.615 14,8
50 a 100 2.532 6,7 2.781 4,9 2.197 9,8 2.147 6,9
100 a 200 1.285 3,4 1.461 2,6 1.065 4,7 1.264 4,1
200 a 500 695 1,8 863 1,5 620 2,8 768 2,5
500 a 1.000 220 0,6 254 0,4 214 1,0 256 0,8
> 1.000 224 0,6 256 0,5 222 1,0 298 1,0
Total 37.977 56.860 22.505 31.147

74
3 | Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina

Figura 3.4. Número de fragmentos da Floresta Ombrófila Densa e área dos fragmentos em percentual da área acumulada
de florestas, por classe de tamanho (ha), para Santa Catarina, de acordo com os quatro mapas.
Figure 3.4. Number of forest fragments of Dense Ombrophylous Forests and percentage of total forest area, by size class
(ha) for Santa Catarina, according to four forest cover maps.

Referências

Behling, H.; Pillar, V. 2007. Late Quaternary vegetation, biodiversity and fire dynamics on
the southern Brazilian highland and their implication for conservation and management of modern
Araucaria forest and grassland ecosystems. Philosophical Transactions of the Royal Society of
London Series B Biological Sciences 362: 243-251.

Behling, H.; Bauermann, S. G. 2009. Dinâmica Paleovegetacional da Floresta com Araucaria


no Neógeno das regiões Sul e Sudeste do Brasil. In: Fonseca, C.R.; Souza, A.F.; Leal-Zanchet, A.M.;
Dutra, T.L.; Backes, A.; Ganade, G. (eds.). Floresta com Araucária: ecologia, conservação e
desenvolvimento sustentável. Ribeirão Preto: Editora Holos.

Chuvieco, E. 1996. Fundamentos de teledetección espacial. Madrid. Ediciones RIALP SA.

Cruz, C.B.M.; Vicens, R.S. 2007. Levantamento da Cobertura Vegetal Nativa do Bioma
Mata Atlântica. Relatório Final. Rio de Janeiro. IESB/IGEO/UFRJ/UFF.

Geoambiente Sensoriamento Remoto Ltda. 2008. Projeto de Proteção da Mata Atlântica em


Santa Catarina (PPMA/SC). Relatório Técnico do Mapeamento Temático Geral do Estado de Santa
Catarina. São José dos Campos. Geoambiente.

Groeneveld, J., Alvesc, L.F., Bernacci, L.C., Catharino, E.L.M., Knogge, C., Metzger, J.P.,
Pütza, S., & Hutha, A. 2009. The impact of fragmentation and density regulation on forest succession
in the Atlantic rain forest. Ecological Modelling, 220: 2450-2459.

Klein, R.M. 1978. Flora Ilustrada Catarinense: Mapa fitogeográfico do Estado de Santa
Catarina. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

Liebsch, D., Marques, M.C.M., & Goldenberg, R. 2008. How long does the Atlantic Rain Forest
take to recover after a disturbance? Changes in species composition and ecological features during

75
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

secondary succession. Biological Conservation, 141: 1717-1725.

Maack, R. 1981. Geografia física do Paraná. Rio de Janeiro. José Olympio.

McRoberts, R.E. 2010. Probability and model-based approaches to inference for proportion
forest using satellite imagery as ancillary data. Remote Sensing of Environment 114: 1015-1025.

McRoberts, R.E. 2011. Satellite image-based maps: scientific inference or pretty pictures?
Remote Sensing of Environment 115: 715-724.

McRoberts, R.E., & Walters, B.F. 2012. Statistical inference for remote sensing-based estimates
of net deforestation. Remote Sensing of Environment 124: 394-401.

Netto, S.P. 1984. Inventário Florestal Nacional, florestas nativas: Paraná e Santa Catarina.
Brasília, DF. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal.

Ribeiro, M.C., Metzger, J.P., Martensen, A.C., Ponzoni, F.J. & Hirota, M.M. 2009. The
Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications
for conservation. Biological Conservation 142: 1141-1153.

Richards, J.A. 1993. Remote sensing digital image analysis: an introduction. 2. ed. Berlin.
Springer Verlag.

Santos, S.C. dos. 1987. Índios e brancos no Sul do Brasil; a dramática experiência dos
Xokleng. Porto Alegre. Movimento.

SAR. Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de Santa Catarina. 2005. Inventário


Florístico Florestal de Santa Catarina. Relatório do Projeto Piloto. Florianópolis. SAR (mimeo).

Fundação S.O.S Mata Atlântica. 2009. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica,
período 2005-2008. Relatório Final. São Paulo: Fundação S.O.S. Mata Atlântica / Instituto Nacional
de Pesquisas Espaciais.

Vibrans, A.C.; McRoberts, R.E.; Moser, P.; Nicoletti, A. 2013. Using satellite image-based
maps and ground inventory data to estimate the remaining Atlantic forest in the Brazilian state of Santa
Catarina. Remote Sensing of Environment 130: 87-95.

76
Capítulo 4
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas1

Statistical analysis of IFFSC and dendrometric estimates

Alexander Christian Vibrans, Paolo Moser,


Débora Vanessa Lingner, João Paulo de Maçaneiro

Resumo

A análise estatística dos dados do IFFSC foi realizada para investigar a representatividade dos dados
levantados, bem como avaliar a confiabilidade das informações e estimativas geradas a partir destes
por região fitoecológica e fragmento florestal. Foram utilizadas a ANOVA e o teste Tukey-Kramer para
comparação de médias das variáveis dendrométricas, além de curvas de rarefação baseadas na área
amostral e no número de indivíduos e espécies, curvas da média corrente de espécies e da variância
de espécies. As análises realizadas permitem afirmar que a suficiência amostral para o nível de região
fitoecológica foi plenamente atingida (α=0,05, LE=10%), para as variáveis número de indivíduos,
área basal, volume do fuste com casca e peso seco total; que a suficiência florística para o nível de
região fitoecológica foi igualmente alcançado pelos levantamentos realizados, com a estabilização
das respectivas curvas espécie-área e espécie-indivíduo. Constatou-se também que os 418 fragmentos
florestais escolhidos foram adequadamente amostrados por meio das Unidades Amostrais instaladas em
forma de conglomerado, no que se refere à sua composição florística e às variáveis dendrométricas. Desta
forma, o IFFSC retrata de forma detalhada, atualizada e precisa a situação das florestas remanescentes
de Santa Catarina, permitindo estimativas confiáveis de suas características estruturais e florísticas,
gerando uma base sólida para outras investigações científicas e para a elaboração de políticas públicas
visando sua proteção, uso e manejo.
Abstract

This statistical analysis was performed to assess the representativeness of the data collected by IFFSC,
as well as evaluate the reliability of information and estimates generated from these data for each
phytoecological region and forest fragment. We used ANOVA and Tukey-Kramer test to compare
averages of dendrometric variables, besides sufficiency test and rarefacted species-area, species-
individual, current mean and variance of species number curves. The analysis revealed that the sample
sufficiency for the region level was fully achieved (α = 0.05, Error bound = 10%), for the variables tree
density, basal area, stem volume with bark and total dry weight; floristic sufficiency on region level was
also reached by the applied sampling, as the stabilization of species-area and species-individual curves
showed. It was also found that 418 forest fragments were appropriately sampled through clusters, with
regard to its species composition and dendrometric variables. Thus, IFFSC portrays a detailed, updated
and accurate situation of the remaining forests of Santa Catarina and allows reliable estimates of its
structural and floristic characteristics, creating a solid foundation for further scientific investigations
and for public policies aimed at their protection and use.

1
Vibrans, A.C.; Moser, P.; Lingner; D.V.; Maçaneiro, J.P. de. 2012. Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas. In:
Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade
e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

79
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

4.1 Introdução

A análise estatística dos dados do IFFSC teve como objetivo investigar a representatividade
dos dados do estrato arbóreo/arbustivo (plantas com DAP ≥ 10 cm) levantados, bem como avaliar a
confiabilidade das informações e estimativas geradas a partir destes por região fitoecológica, fragmento
florestal e unidade de área. Todas as análises contemplem apenas as Unidades Amostrais regulares
e as árvores vivas. Os seus resultados foram gerados em dois níveis, por região fitoecológica e por
fragmento florestal amostrado, e são apresentados na seguinte ordem:

1. análise da variabilidade dos dados das variáveis dendrométricas entre as três regiões
fitoecológicas;

2. análise de similaridade florística entre as três regiões fitoecológicas;

3. cálculo da suficiência amostral por região fitoecológica;

4. cálculo da suficiência florística por região fitoecológica através da geração de curvas espécie-
área e espécie-indivíduo;

5. cálculo da suficiência amostral para cada fragmento florestal amostrado;

6. cálculo da suficiência florística através da geração das curvas espécie-área e espécie-


indivíduo para cada fragmento florestal amostrado;

7. síntese.

Neste Capítulo, os resultados são apresentados de forma sintetizada; nos Volumes 2 a 4 constam
os resultados detalhados para cada região fitoecológica.

4.2 Variabilidade de variáveis dendrométricas entre as regiões fitoecológicas

Utilizou-se a ANOVA (analysis of variance) para comparar os conjuntos das Unidades Amostrais
das três regiões fitoecológicas, Floresta Estacional Decidual (FED, com 78 Unidades Amostrais),
Floresta Ombrófila Mista (FOM, com 143 Unidades Amostrais) e Floresta Ombrófila Densa (FOD,
com 197 Unidades Amostrais), esta última sem considerar as três Unidades Amostrais da restinga
(Tabela 4.1). Os resultados mostram que para as médias das quatro variáveis analisadas, a hipótese de
igualdade foi rejeitada para o conjunto das três regiões fitoecológicas.
Tabela 4.1. Resumo das variáveis dendrométricas analisadas no teste ANOVA aplicado às regiões fitoecológicas. (α=0,01)
Table 4.1. Results of ANOVA test for dendrometric variables in each phytoecological region. (α=0,01)
Variável Hipótese de igualdade
Número de indivíduos Rejeitada
Área basal Rejeitada
Número de espécies Rejeitada
Altura dominante média Rejeitada

As diferenças singulares, no entanto, são encontradas por meio de um teste post-hoc


de comparações múltiplas (Tukey-Kramer). Os resultados destas comparações entre as regiões
fitoecológicas estão sintetizados na Tabela 4.2, levando a rejeitar ou aceitar a hipótese de igualdade
entre as médias das variáveis, sempre comparando pares de grupos (regiões fitoecológicas).

80
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Tabela 4.2. Resultados da aplicação do teste Tukey-Kramer para os pares de regiões fitoecológicas (α=0,01).
Table 4.2. Results of Tukey-Kramer test applied to paired phytoecological regions (α=0,01).

Hipótese de igualdade
Variável
FED/FOM FED/FOD FOD/FOM

Nº de indivíduos Rejeitada Rejeitada Rejeitada

Área basal Rejeitada Aceita Aceita

Nº de espécies Aceita Rejeitada Rejeitada

Altura dominante média Rejeitada Aceita Rejeitada

Os resultados obtidos evidenciam que, na maioria dos casos, é rejeitada a hipótese de igualdade
das médias nas variáveis, o que significa que as três regiões fitoecológicas, efetivamente, mostram
diferenças significativas nas variáveis dendrométricas examinadas.

4.3 Similaridade florística entre as regiões fitoecológicas

Com base nas listas de espécies arbóreas e arbustivas das três regiões fitoecológicas, foi calculado
o índice de similaridade de Sørensen considerando as espécies comuns e exclusivas de cada região. Os
resultados são apresentados na Tabela 4.3, para as espécies do componente arbóreo/arbustivo, como
também para todas as espécies encontradas, incluindo aquelas exclusivas da regeneração e do sub-
bosque. Os resultados mostram que as três regiões fitoecológicas, além de terem espécies comuns,
apresentam um número considerável de espécies exclusivas (Figura 4.1). A menor similaridade foi
encontrada entre os conjuntos das espécies da Floresta Estacional Decidual e da Floresta Ombrófila
Densa e uma maior similaridade entre as demais regiões fitoecológicas.
Tabela 4.3. Índice de similaridade de Sørensen entre as regiões fitoecológicas de Santa Catarina, considerando as espécies
do componente arbóreo/arbustivo e todas as espécies encontradas, inclusive as da regeneração natural (entre parênteses),
baseado em 418 Unidades Amostrais.
Table 4.3. Sørensen similarity index of three phytoecological regions in Santa Catarina, considering species of the tree/
shrub component and all species, including regeneration species (in parenthesis), based on 418 Sample Plots.

Floresta Estacional Floresta Ombrófila Floresta


Decidual Densa Ombrófila Mista
Floresta Ombrófila Densa 0,42 (0,40) - -

Floresta Ombrófila Mista 0,58 (0,56) 0,62 (0,62) -

81
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 4.1. Diagrama de Venn, mostrando as espécies comuns e exclusivas da


FED = Floresta Estacional Decidual; FOM = Floresta Ombrófila Mista; FOD
= Floresta Ombrófila Densa; considerando as espécies do componente arbóreo/
arbustivo, bem com as da regeneração natural.
Figure 4.1. Venn diagram, with common and exclusive species of FED =
Seasonal Deciduous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest and FOD =
Dense Ombrophylous Forest, considering species of tree/shrub component and
natural regeneration.

Os resultados, tanto dos testes de ANOVA e Tukey-Kramer, como da avaliação da similaridade,


justificam que as três regiões fitoecológicas sejam tratadas, daqui em diante, em separado, por
representarem características florísticas e estruturais significativamente diferentes entre si, hipótese
corroborada pelos resultados da análise multivariada apresentada no Capítulo 6 que segregou as
Unidades Amostrais das três regiões, baseado na densidade das espécies.

4.4 Suficiência amostral por região fitoecológica

Em seguida, são apresentados os resultados da avaliação da confiabilidade das estimativas


das variáveis dendrométricas, bem como da suficiência na representação da diversidade de espécies
arbóreas/arbustivas, nas três regiões fitoecológicas de Santa Catarina.

A primeira foi avaliada pelo teste da suficiência amostral, baseado na variabilidade dos dados
das variáveis dendrométricas, por meio do método de estimativa por razão (Péllico & Brena 1997), a
segunda por meio do cálculo da suficiência florística, baseada na relação entre a área ou os indivíduos
amostrados e o número de espécies encontradas, conforme mencionado no Capítulo 2.

Uma vez que foram implantadas 78 Unidades Amostrais na Floresta Estacional Decidual, 143
na Floresta Ombrófila Mista e 197 na Floresta Ombrófila Densa, a análise corroborou a hipótese de
suficiência amostral nas três regiões fitoecológicas para as quatro variáveis dendrométricas testadas
(Tabela 4.4).

82
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Tabela 4.4. Número de Unidades Amostrais necessárias para a suficiência amostral em função da variabilidade dos dados
nas três regiões fitoecológicas de Santa Catarina, para α=0,05 e limite de erro de 10%. FED = Floresta Estacional Decidual;
FOM = Floresta Ombrófila Mista; FOD = Floresta Ombrófila Densa.
Table 4.4. Number of Sample Plots necessary to fulfill accuracy requirements (α=0,05), with 10% error bound in three
phytoecological regions in Santa Catarina. FED = Seasonal Deciduous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FOD
= Dense Ombrophylous Forest.

Unidades a serem inventariadas


Variável
FED FOM FOD

Número de indivíduos 30 71 24

Área basal total 42 139 20

Volume do fuste total 56 48 120

Peso seco total 73 91 67

4.5 Suficiência florística por região fitoecológica

As curvas de rarefação (Colwell & Coddington 1994) baseadas no número de espécies e


número de indivíduos para cara região fitoecológica estão apresentadas na Figura 4.1. Estas curvas
apresentaram resultados positivos quanto à suficiência, sendo relatados na Tabela 4.5 os percentuais
do número total de espécies encontradas com metade do esforço amostral. Estes são superiores a 80%
em todos os casos, atestando que a amostragem foi adequada para abranger a diversidade de espécies
arbóreas/arbustivas existentes.
Tabela 4.5. Percentual de espécies encontradas com metade do esforço amostral para as três regiões fitoecológicas de Santa
Catarina.
Table 4.5. Species richness (%) found with half sampling effort in each phytoecological region in Santa Catarina.
Curva de rarefação (%)
Região Fitoecológica
Espécie-parcela Espécie-indivíduo

FED 83,18 89,52

FOM 82,88 89,79

FOD 84,90 90,09

A diferença entre a riqueza de espécies nas três regiões fitoecológicas torna-se evidente, quando
as curvas de rarefação são plotadas sobre o mesmo plano cartesiano. É possível perceber que a riqueza
de espécies obedece à ordem crescente: Floresta Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista e
Floresta Ombrófila Densa (Figura 4.2).

83
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 4.2. Curvas de rarefação baseadas no número de unidades amostrais (a) e no número de indivíduos (b) para as três
regiões fitoecológicas de Santa Catarina. FED = Floresta Estacional Decidual; FOM = Floresta Ombrófila Mista; FOD =
Floresta Ombrófila Densa.
Figure 4.2. Rarefaction curves based on number of Sample Plots (a) and tree density (b) for each phytoecological region
in Santa Catarina. FED = Seasonal Deciduous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FOD = Dense Ombrophylous
Forest.

84
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

4.6 Suficiência amostral por fragmento florestal amostrado

Para validar os resultados do IFFSC, é necessário avaliar também se cada um dos remanescentes
florestais amostrados foi adequadamente examinado, permitindo a geração de informações confiáveis,
tanto em relação às suas variáveis dendrométricas, quanto à sua composição de espécies. Para tanto,
foram realizados procedimentos estatísticos para avaliar a suficiência amostral de cada remanescente
florestal amostrado, considerando as suas 40 subparcelas, com 100 m² cada. Estes procedimentos
consistiram no cálculo da suficiência amostral, baseado na variabilidade dos dados de duas variáveis
dendrométricas examinadas (número de indivíduos e área basal), para todas as 418 Unidades
Amostrais regulares implantadas, pelo método de estimativa por razão (Capítulo 2). Na Tabela 4.6, são
apresentados os resultados do cálculo da suficiência amostral, de forma resumida e para cada região
fitoecológica, em valores absolutos e relativos. Constatou-se que, em relação ao número de indivíduos,
a amostragem foi suficiente, para α=0,01 e uma expectância de erro de 20%, em mais de 85% dos
remanescentes amostrados; considerando, no entanto, a área basal como o critério de avaliação, o
percentual de fragmentos suficientemente amostrados foi menor (23% na Floresta Estacional Decidual,
43% na Floresta Ombrófila Mista e 53% na Floresta Ombrófila Densa). Este resultado evidencia
uma maior heterogeneidade dos dados da área basal nas 40 subparcelas de cada Unidade Amostral,
e, por consequência, do volume e do peso seco, possivelmente causado pela exploração madeireira
desordenada e por outras intervenções como roçada e pastoreio. Árvores remanescentes maiores,
de espécies não comerciais, muitas vezes foram encontradas, no meio de florestas em processo de
regeneração (Capítulo 7). Os resultados detalhados, por Unidade Amostral de cada região fitoecológica,
constam nos Volumes 2 a 4.
Tabela 4.6. Resultados resumidos da investigação da suficiência amostral detalhada para número de indivíduos e área basal
das Unidades Amostrais de cada região fitoecológica de Santa Catarina. S = Número de Unidades Amostrais suficientes; S
= Número de Unidades Amostrais suficientes; I = Número de Unidades Amostrais insuficientes; FED = Floresta Estacional
Decidual; FOM = Floresta Ombrófila Mista; FOD = Floresta Ombrófila Densa.
Table 4.6. Results of sufficiency investigation for tree density and basal area in Sample Plots of each phytoecological
region in Santa Catarina. S = Number of Sample Plots with sufficient number of subplots; I = Number of Sample Plots with
insufficient number of subplots; FED = Seasonal Deciduous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FOD = Dense
Ombrophylous Forest.

Número de Unidades Amostrais

Variável FED FOM FOD

S % I % S % I % S % I %

Nº de indivíduos (N.ha-1) 67 85,9 11 14,1 127 88,8 16 11,2 179 90,9 18 9,1

Área basal (m².ha-1) 18 23,1 60 76,9 62 43,4 81 56,6 104 52,8 93 47,2

Os valores dos erros amostrais relativos de cada uma das 418 Unidades Amostrais foram
agrupados em classes de frequência por região fitoecológica (Figura 4.3). Observou-se que a distribuição
dos erros foi aproximadamente normal; para o número de indivíduos, as maiores frequências foram
encontradas nas classes de 12% a 20%, para a área basal nas classes de 16% a 28%.

85
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 4.3. Histograma da distribuição das frequências por classe de erro amostral elativo para a variável densidade das
árvores com DAP ≥ 10 cm (ind.ha-1) (a) e para a variável área basal (m².ha-1) (b) nas 418 Unidades Amostrais analisadas
em Santa Catarina.
Figure 4.3. Frequency distribution histogram of relative sample error considering (a) tree number with DBH ≥ 10 cm (ind.
ha-1) and (b) basal area (m².ha-1) in 418 analyzed Sample Plots in Santa Catarina.

Além do cálculo da suficiência amostral, as médias de quatro variáveis dendrométricas (número


de indivíduos, área basal, número de espécies e altura total média) das quatro subunidades de 1.000
m² de cada Unidade Amostral, foram comparadas mediante a ANOVA. Na Tabela 4.7 podem ser
observados os resultados resumidos obtidos nas Unidades Amostrais das três regiões fitoecológicas.

86
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Tabela 4.7. Resumo das variáveis dendrométricas analisadas no teste de ANOVA entre as subunidades das 418 Unidades
Amostrais (UA) nas três regiões fitoecológicas em Santa Catarina (α=0,01).
Table 4.7. Results of ANOVA for dendrometric variables among the subplots of 418 Sample Plots (UA) in the three
phytoecological regions in Santa Catarina (α=0,01).

FED FOM FOD


Número de indivíduos
N° UA % N° UA % N° UA %

Médias diferentes 15 19,23 39 27,27 57 28,93

Médias iguais 63 80,77 104 72,73 140 71,07

Total 78 100,00 143 100,00 197 100,00

Área basal

Médias diferentes 10 12,82 17 11,89 36 18,27

Médias iguais 68 87,18 126 88,11 161 81,73

Total 78 100,00 143 100,00 197 100,00

Número de espécies

Médias diferentes 16 20,51 33 23,08 55 27,92

Médias iguais 62 79,49 110 76,92 142 72,08

Total 78 100,00 143 100,00 197 100,00

Altura média

Médias diferentes 29 37,18 44 30,77 64 32,49

Médias iguais 49 62,82 99 69,23 133 67,51

Total 78 100,00 143 100,00 197 100,00

Nota-se que a altura média foi a variável que mostrou maior variabilidade nas subunidades das
Unidades Amostrais, tendo valores diferentes (α=0,01) em 37,2% das Unidades Amostrais da Floresta
Estacional Decidual, 30,8% da Floresta Ombrófila Mista e 32,5% da Floresta Ombrófila Densa. A área
basal, por sua vez, apresentou-se como a variável mais homogênea, com valores diferentes entre as
quatro subunidades em apenas 12,8% das Unidades Amostrais da Floresta Estacional Decidual, 11,9%
da Floresta Ombrófila Mista e 18,3% na Floresta Ombrófila Densa. A síntese dos resultados da ANOVA
das 418 Unidades Amostrais é apresentada na Tabela 4.8.

Em média, 75% das 418 Unidades Amostrais não mostraram evidências para rejeição da hipótese
de igualdade das médias das quatro variáveis, significando que as suas médias são estatisticamente
iguais para α=0,01; portanto existe uma significativa homogeneidade dos dados destas variáveis nos
fragmentos florestais amostrados, o que permite:

a) afirmar que metodologia de levantamento e amostragem, adotada pelo IFFSC, é adequada,


uma vez que a maior parte das Unidades Amostrais implantadas apresenta médias

87
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

homogêneas das variáveis dendrométricas e permite estimativas confiáveis sobre o


fragmento no qual está inserido.
b) considerar o conglomerado, na sua integridade e com suas quatro subunidades, como
Unidade Amostral, propriamente dito, para fins de estimativas por região fitoecológica.
Tabela 4.8. Síntese dos resultados do teste ANOVA entre as subunidades nas 418 Unidades Amostrais do IFFSC.
Table 4.8. Results of intra-plot ANOVA test among the subplots of 418 Sample Plots from IFFSC.

Valores médios por Unidade Amostral


Variável
Iguais % Diferentes % Total

Nº de indivíduos 307 73,44 111 26,56 418

Área basal 355 84,93 63 15,07 418

Nº de espécies 314 75,12 104 24,88 418

Altura dominante média 281 67,22 137 32,78 418

4.7 Suficiência florística por fragmento florestal amostrado

Para avaliar se a diversidade de espécies arbóreas de cada fragmento amostrado foi adequadamente
representada pela amostragem realizada, geraram-se, de forma análoga às curvas gerais de rarefação
das regiões fitoecológicas, as curvas médias de espécie-área, média corrente e de variância, a partir das
médias do número de espécies das 40 subparcelas das Unidades Amostrais por região fitoecológica
(Figura 4.4). Os resultados foram satisfatórios no sentido de cumprir a exigência de estabilização das
três curvas ao longo do processo de amostragem realizado, além de refletir as já citadas diferenças da
riqueza das três regiões fitoecológicas em Santa Catarina. Na Tabela 4.9 é apresentada a média do
percentual de espécies encontradas com metade do esforço amostral nas 418 Unidades Amostrais, por
região fitoecológica.

88
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Figura 4.4. Curvas médias do número acumulado de subparcelas (a); da média corrente de espécies (b) e da
variância do número de espécies (c) para as três regiões fitoecológicas de Santa Catarina.
Figure 4.4. Average species area curves (a); average curve of current mean of species number (b) and average
species number variance curve (c) for three phytoecological regions in Santa Catarina.

Tabela 4.9. Percentual médio de espécies encontradas com metade do esforço amostral nas Unidades Amostrais de cada
região fitoecológica de Santa Catarina.
Table 4.9. Species richness (%) found with half sampling effort in each phytoecological region in Santa Catarina.

Curva de acumulação
Região Fitoecológica
Espécie-parcela Espécie-indivíduo

FED 68,00 75,33

FOM 71,50 77,55

FOD 67,83 75,12

89
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

4.8 Síntese da análise estatística

Na Tabela 4.10 constam os resultados da análise de suficiência amostral (para α=0,05 e uma
expectância de erro - LE de 20%) e florística das Unidades Amostrais, de forma sintética, por região
fitoecológica.
Tabela 4.10. Resultados resumidos da investigação de suficiência amostral detalhada das Unidades Amostrais de cada
região fitoecológica de Santa Catarina. S = Número de Unidades Amostrais suficientes; I = Número de Unidades Amostrais
insuficientes; % = representatividade da região fitoecológica; FED = Floresta Estacional Decidual; FOM = Floresta
Ombrófila Mista; FOD = Floresta Ombrófila Densa.
Table 4.10. Results of detailed sufficiency investigation in Sample Plots of each phytoecological region in Santa Catarina.
S = Number of Sample Plots with sufficient number of subplots; I = Number of Sample Plots with insufficient number of
subplots; FED = Seasonal Deciduous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FOD = Dense Ombrophylous Forest.

Número de Unidades Amostrais

Variável FED FOM FOD

S % I % S % I % S % I %

Curva espécie-área 72 92,3 6 7,7 134 93,7 9 6,3 173 87,8 24 12,2

Curva da média corrente 74 94,9 4 5,1 141 98,6 2 1,4 185 93,9 12 6,1

Curva de variância 76 97,4 2 2,6 134 93,7 9 6,3 157 79,7 40 20,3

Nº de indivíduos (ind.ha-1) 67 85,9 11 14,1 127 88,8 16 11,2 179 90,9 18 9,1

Área basal (m².ha-1) 18 23,1 60 76,9 62 43,4 81 56,6 104 52,8 93 47,2

Resumindo a análise do esforço amostral empreendido pelo IFFSC, é possível constatar que:

a) existem elementos suficientes para justificar a consideração de cada conglomerado


(Unidade Amostral) como unidade básica para as estimativas por região fitoecológica;
b) a suficiência amostral para o nível da região fitoecológica foi plenamente atingida (α=0,05
e LE = 10%), considerando as variáveis número de indivíduos, área basal, volume do fuste
com casca e peso seco total como critérios;
c) a suficiência florística para a o nível de região fitoecológica foi igualmente alcançado
pelos levantamentos realizados, com a estabilização das respectivas curvas espécies-área
e espécie-indivíduo;
d) considerando os dados de cada remanescente florestal inventariado, percebe-se que as
variáveis dendrométricas mostram valores homogêneos em 75% das respectivas Unidades
Amostrais; para a área basal, no entanto, não foi alcançada a suficiência amostral num
considerável número de Unidades Amostrais, o que pode ser causado pelo estado degradado
e, portanto, pouco homogêneo destes fragmentos;
e) a diversidade das espécies arbóreas foi representada adequadamente em mais de 90% dos
fragmentos analisados
f) desta forma, o IFFSC retrata de forma detalhada, atualizada e precisa a situação das florestas
remanescentes de Santa Catarina, permite estimativas confiáveis de suas características
estruturais e florísticas, gerando uma base sólida para as demais investigações científicas e
para a elaboração de políticas públicas visando sua proteção, uso e manejo.

90
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

4.9 Estimativas das variáveis dendrométricas

A seguir são descritas e comparadas as estimativas das variáveis dendrométricas calculadas


para cada região fitoecológica. O detalhamento destas estimativas, com valores por Unidade Amostral
e por espécie, além das equações hipsométricas e volumétricas ajustadas, bem como as equações de
peso seco utilizadas, encontram-se pormenorizadas para cada região fitoecológica nos Volumes II a IV.
As variáveis contempladas neste capítulo foram:

1. Diâmetro à altura do peito (cm)

2. Altura do fuste (m)

3. Altura total (m)

4. Número de indivíduos (ind.ha-1)


5. Área basal total (m².ha-1)

6. Volume total (m³.ha-1)

7. Peso seco total (Mg.ha-1)

8. Estoque de carbono total (Mg.ha-1)

Os valores médios das variáveis dendrométricas, com seus respectivos intervalos de


confiança (α=0,05), considerando todas as 418 Unidades Amostrais regulares (as Unidades Amostrais
complementares não foram incluídas na análise), constam nas Tabelas 4.11 e 4.12, separados por região
fitoecológica. Estes dados foram calculados a partir do valor médio de cada Unidade Amostral, tanto
para as árvores vivas quanto para as árvores mortas.
Tabela 4.11. Estimativa das variáveis dendrométricas para as árvores vivas em cada região fitoecológica de Santa Catarina.
FED = Floresta Estacional Decidual; FOM = Floresta Ombrófila Mista; FOD = Floresta Ombrófila Densa.
Table 4.11. Estimates of dendrometric variables of living trees in each phytoecological region in Santa Catarina. FED =
Seasonal Deciduous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FOD = Dense Ombrophylous Forest.

Região fitoecológica
Variável
FED FOM FOD

DAP (cm) 19,55 ± 0,74 20,42 ± 0,60 18,13 ± 0,32


Altura do fuste (m) 4,97 ± 0,20 4,98 ± 0,21 5,57 ± 0,15
Altura total (m) 10,00 ± 0,46 9,08 ± 0,40 10,6 ± 0,22
Nº de indivíduos (ind.ha )-1
422,37 ± 31,57 559,87 ± 42,39 629,44 ± 27,12
Área basal total (m².ha-1) 18,30 ± 1,58 24,76 ± 2,17 21,72 ± 1,13
Nº de espécies 38,37 ± 2,02 36,62 ± 1,86 59,12 ± 2,07
Volume do fuste c/ casca (m³.ha ) -1
77,75 ± 10,11 97,13 ± 8,66 92,78 ± 7,60
Peso seco (Mg.ha-1) 125,66 ± 13,47 131,05 ± 10,71 127,00 ± 8,52
Estoque de carbono (Mg.ha-1) 62,83 ± 6,73 65,53 ± 5,35 63,50 ± 4,26

91
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 4.12. Estimativa das variáveis dendrométricas para as árvores mortas em cada região fitoecológica de Santa Catarina.
Table 4.12. Estimates of dendrometric variables of dead standing trees in each phytoecological region in Santa Catarina.

Região fitoecológica
Variável
FED FOM FOD

DAP (cm) 21,79 ± 1,31 21,15 ± 0,95 18,74 ± 0,53


Altura do fuste (m) 4,80 ± 0,43 4,73 ± 0,31 5,82 ± 0,35
Altura total (m) 6,84 ± 0,45 6,57 ± 0,34 6,5 ± 0,22
Nº de indivíduos (ind.ha-1) 27,64 ± 3,51 32,96 ± 3,45 38,38 ± 3,26
Área basal total (m².ha-1) 1,35 ± 0,22 1,42 ± 0,18 1,30 ± 0,13
Volume do fuste c/ casca (m³.ha-1) 3,63 ± 1,21 4,05 ± 1,22 2,47 ± 0,44
Peso seco (Mg.ha ) -1
9,32 ± 1,72 6,98 ± 0,91 4,95 ± 0,55
Estoque de carbono (Mg.ha-1) 4,66 ± 0,86 3,49 ± 0,46 2,48 ± 0,27

A comparação das médias entre as três regiões foi realizada através da aplicação do teste
ANOVA, combinada ao teste post-hoc de Tukey-Kramer.

Para as árvores vivas, as variáveis que não apresentaram diferença significativa, segundo a
ANOVA, foram o volume do fuste, peso seco e estoque de carbono. Para as demais variáveis, apresentam-
se na Tabela 4.13 os resultados das comparações múltiplas post-hoc.
Tabela 4.13. Teste de Tukey-Kramer para a hipótese de diferença de variáveis dendrométricas das árvores vivas, para as três
regiões fitoecológicas de Santa Catarina (α=0,01).
Table 4.13. Tukey-Kramer test for difference hypothesis of dendrometric variables of living trees, for the three phytoecological
regions in Santa Catarina. (α=0,01).

Hipótese de igualdade
Variável
FED/FOM FED/FOD FOM/FOD
DAP (cm) Aceita Rejeitada Rejeitada
Altura do fuste (m) Aceita Rejeitada Rejeitada
Altura total (m) Rejeitada Aceita Rejeitada
Nº de indivíduos (ind.ha-1) Rejeitada Rejeitada Rejeitada
Área basal total (m².ha-1) Rejeitada Rejeitada Rejeitada
Nº de espécies Aceita Rejeitada Rejeitada

Já para as árvores mortas, as variáveis altura total, área basal, e volume do fuste não apresentaram
diferenças significativas, segundo a ANOVA. Na Tabela 4.14 constam os resultados das comparações
múltiplas post-hoc para as demais variáveis.

92
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Tabela 4.14. Teste de Tukey-Kramer para a hipótese de diferença de variáveis dendrométricas das árvores mortas, para as
três regiões fitoecológicas de Santa Catarina (α = 0,01).
Table 4.14. Tukey-Kramer test for difference hypothesis of dendrometric variables of dead standing trees, for the three
phytoecological regions in Santa Catarina. (α = 0,01).

Hipótese de igualdade
Variável
FED/FOM FED/FOD FOM/FOD

DAP (cm) Aceita Rejeitada Rejeitada

Altura do fuste (m) Aceita Rejeitada Rejeitada

Nº de indivíduos (ind.ha-1) Aceita Rejeitada Aceita

Peso seco (Mg.ha-1) Rejeitada Rejeitada Rejeitada

Estoque Carbono (Mg.ha-1) Rejeitada Rejeitada Rejeitada

Com o objetivo de permitir a comparação visual dos valores médios (testados analiticamente
no teste Tukey Kramer), são apresentados na Figura 4.5 os gráficos destes valores para cada variável,
juntamente com o seu intervalo de confiança, para cada região fitoecológica (considerando as árvores
vivas).

Apesar da média ser um bom descritor estatístico para variáveis quantitativas, a interpretação
da mesma é comprometida se forem omitidas as informações relativas à variabilidade dos dados.
Estes dados foram apresentados nas Tabelas 4.11 e 4.12 (desvio padrão e coeficiente de variação).
Nos gráficos da Figura 4.6, são plotados, para todas as variáveis dendrométricas das árvores vivas
analisadas, os valores médios de cada Unidade Amostral, para as três regiões fitoecológicas, de forma
a permitir a visualização da variabilidade destes valores em torno de seu valor médio.

Referências

Colwell, R.K., Coddington, J.A. 1994. Estimating terrestrial biodiversity through extrapolation.
Philosophical Transactions of the Royal Society (Series B) 345:101-118.

Péllico, N.S.; Brena, D.A. 1997. Inventario florestal. Curitiba. Edição dos autores.

93
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 4.5. Comparação entre as estimativas das medias das variáveis dendrométricas (intervalo de
confiança) das árvores vivas para as três regiões fitoecológicas de Santa Catarina. a) número de indivíduos;
b) DAP; c) altura do fuste; d) altura total; e) área basal total; f) número de espécies; g) volume do fuste; h)
peso seco total e; i) estoque de carbono.
Figure 4.5. Comparison between estimates of dendrometric variables of living trees (with confidence
interval) for the three phytoecological regions in Santa Catarina. a) number of trees; b) DBH; c) stem
height; d) total tree height; e) total basal area; f) number os species; g) stem volume with bark; h) total dry
weight; i) total carbon stock.

94
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Figura 4.6. Comparação entre as estimativas das variáveis dendrométricas das árvores vivas nas três regiões
fitoecológicas de Santa Catarina. a) número de indivíduos; b) DAP; c) altura do fuste; d) altura total; e) área
basal total; f) número de espécies; g) volume do fuste; h) peso seco total e; i) estoque de carbono.
Figure 4.6. Comparison between estimates of dendrometric variables of living trees for the three
phytoecological regions in Santa Catarina. a) number of trees; b) DBH; c) stem height; d) total tree height;
e) total basal area; f) number os species; g) stem volume with bark; h) total dry weight; i) total carbon stock.

95
Capítulo 5
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Flora vascular de Santa Catarina1

Vascular flora of Santa Catarina State

André Luís de Gasper, Leila Meyer, Lucia Sevegnani,


Marcos Eduardo Guerra Sobral, Annete Bonnet

Resumo

O IFFSC realizou 24.636 coletas de plantas nativas, que resultaram no registro de 2.341 espécies de
plantas vasculares, reunidas em quatro divisões: 26 licopódios, 306 samambaias, 2.006 angiospermas
e três gimnospermas. Este projeto coletou aproximadamente 50% de toda a flora citada para Santa
Catarina, num prazo menor de cinco anos de amostragem. Estas 2.341 espécies representam 183
famílias e 839 gêneros. Dentre as famílias amostradas pode-se citar: Orchidaceae (225 espécies),
Asteraceae (164), Myrtaceae (159) e Fabaceae (113). Dentre os gêneros estão: Solanum (55 espécies),
Eugenia (54), Peperomia (41), Baccharis (36) e Myrcia (34). De modo geral, a Floresta Ombrófila
Densa apresentou o maior número total e de espécies exclusivas em cada família e em cada gênero,
enquanto que a Floresta Estacional Decidual, os menores números. Apenas para a família Asteraceae e
para o gênero Baccharis a Floresta Ombrófila Mista é superior a Floresta Ombrófila Densa em número
de espécies total e exclusivas. Foram registradas ainda 12 espécies ameaçadas de extinção. A divisão
de Santa Catarina em áreas de 20 km x 20 km possibilitou identificar as áreas com maior intensidade
amostral e maior número de espécies. Do total, 22 áreas apontam número de espécies superior a 300.
Abstract

The IFFSC made 24,636 collections of native plants, which resulted in registration of 2,341 vascular
plant species, grouped into four divisions: 26 lycopods, 306 ferns, 2,006 angiosperms and three
gymnosperms. This project has collected approximately 50% of the entire flora cited for Santa Catarina,
within less than five years of sampling. These 2,341 species representing 183 families and 839 genera.
Among the sampled families can be mentioned: Orchidaceae (225 species), Asteraceae (164), Myrtaceae
(159) and Fabaceae (113). Among the genera are: Solanum (55 species), Eugenia (54), Peperomia (41),
Baccharis (36) and Myrcia (34). In general, the Dense Ombrophylous Forest had the highest total
number of species and unique in every family and in every genus, while the Seasonal Deciduous Forest,
the smaller number. Only for the family Asteraceae and the genus Baccharis the Mixed Ombrophylous
Forest is biggest in total number of species. We recorded 12 species still endangered. The division
of Santa Catarina in areas 20 km x 20 km possible to identify areas where there is greater sampling
intensity and a greater number of species. Of the total, 22 areas indicate number of species exceeding
300.

1
Gasper A.L. de.; Meyer, L.; Sevegnani, L.; Sobral, M.E.G.; Bonnet, A. 2012. Flora vascular de Santa Catarina. In: Vibrans, A.C.;
Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade e conservação
dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

99
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

5.1 Introdução

Inventários florísticos constituem uma base de conhecimento sobre a flora, a partir da qual se
pode caracterizar a vegetação nos seus mais variados aspectos. Eles costumam ser desenvolvidos em
pequenas áreas, geralmente Unidades de Conservação, onde a vegetação normalmente se encontra mais
similar à condição original (Rochelle et al. 2011; Carpinetti et al. 2009; Citadini-Zanette et al. 2011;
Cervi et al. 2007; Klauberg et al. 2010; Zipparro et al. 2005; Figueiredo & Salino 2005; Kozera et al.
2006; Schwartsburd & Labiak 2007; Gasper & Sevegnani 2010). O componente arbóreo tem sido, ao
longo do tempo, o foco principal dos inventários (Rode 2008; Tabarelli & Mantovani 1999; Ríos et al.
2010; Souza et al. 2003; Nascimento et al. 2001), em estudos que abordam também os dados estruturais
das florestas, cumprindo os mais diversos objetivos para a sociedade. Outros inventários têm foco em
grupos específicos, como epífitos (Rogalski & Zanin 2003; Dittrich et al. 1999; Borgo & Silva 2003),
plantas herbáceas e/ou arbustivas (Kozera et al. 2009; Inácio & Jarenkow 2008; Citadini-Zanette et al.
2011), gerando informações importantes sobre a flora de um país com tamanha extensão.

Santa Catarina é um estado pioneiro nos estudos da sua flora, tanto que vários naturalistas
passaram pelo estado e estudaram, cada um com sua ênfase e tempo, a vegetação (Reitz 1960; 1965).
Destacam-se August de Saint Hilaire, que passou pelo estado em 1820 (Hilaire 1936) e o grande
naturalista Fritz Müller, que residiu em Blumenau e Desterro (Florianópolis) de 1852 a 1897 e foi
amigo e colaborador de Charles Darwin (Zillig 1997). Graças a estes e outros esforços científicos, a
flora e vegetação de Santa Catarina passaram a ser conhecidas no mundo e compor as coleções dos
mais renomados Herbários, Jardins Botânicos e Museus da Europa e dos Estados Unidos. Este também
é o motivo de muitos typus das espécies catarinenses estarem depositadas nos herbários europeus,
merecendo atualmente um grande esforço do governo brasileiro para sua repatriação.

Contribuíram com o conhecimento da vegetação do estado, dois grandes botânicos, Roberto


Miguel Klein e Raulino Reitz, que em meados do século XX e ao longo de quase quatro décadas,
empreenderam importante trabalho de levantamento, identificação, classificação e descrição da flora de
Santa Catarina, além de formar o Herbário Barbosa Rodrigues e publicar a Flora Ilustrada Catarinense.

Atualmente, este conhecimento vem sendo ampliado com importantes obras bibliográficas,
como a Flora do Cone Sul (Zuloaga et al. 2008), Plantas da Mata Atlântica (Stehmann et al. 2009)
e a Flora do Brasil (Forzza et al. 2010). No entanto, os dados de coleta apresentam-se concentrados
próximo às Universidades (Gasper 2012), o conhecido efeito museu (Hopkins 2007; Schatz 2002;
Sobral & Stehmann 2009). Além disso, as informações obtidas em campo, por vezes, ficam retidas em
herbários e em publicações acessadas apenas pela comunidade científica. Neste sentido, o Inventário
Florístico Florestal de Santa Catarina (Vibrans et al. 2010; 2012) vem atender a uma demanda importante,
revelando à sociedade a condição atual em que se encontra a vegetação no Estado, como resultado de
um grande esforço, ao longo de cinco anos, de uma equipe que reuniu professores, pesquisadores,
bolsistas de graduação e profissionais que apoiaram os trabalhos nas mais diversas etapas.

É apresentada aqui uma síntese das coletas botânicas efetuadas ao longo do Inventário
Florístico Florestal de Santa Catarina, durante os anos de 2007 a 2011, em todo o estado de Santa
Catarina. Informações detalhadas de cada região fitoecológica podem ser obtidas nos Volumes II, III e
IV, além do Volume V, que aborda os epífitos vasculares. Com base nestes dados, este capítulo também
tem como objetivo discutir a necessidade de registros botânicos precisos em função da perda crescente
de biodiversidade.

100
5 | Flora vascular de Santa Catarina

5.2 Metodologia

Foram compiladas, para este estudo, as informações contidas em três listas de espécies apresentadas
no quarto capítulo dos Volumes II, III e IV, que contemplam as três regiões fitoecológicas florestais
estudadas em Santa Catarina, respectivamente, Floresta Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista
e Floresta Ombrófila Densa, com seus ecótonos e formações associadas. Foram elaborados diagramas
de Venn para o conjunto de espécies amostradas nos levantamentos fitossociológicos (para famílias e
gêneros) e nas coletas de material fértil no interior e entorno das Unidades Amostrais das três regiões
fitoecológicas (conjunto de formas de vida). Nestes diagramas, as Unidades Amostrais de epífitos foram
removidas para evitar grandes distorções, uma vez que apenas na Floresta Ombrófila Densa estes foram
sistematicamente levantadas.

O estado de Santa Catarina é considerada por Nimer (1990) como zona temperada, mesotérmica..
O mesmo autor considera a região privilegiada pelas suas altitudes e pelo regime de precipitação, cujo
total anual varia de 1.250 a 2.000 mm, diminuindo a possibilidade de excesso ou carência de água, sem
estação seca. Duas estações são bem distintas: o inverno frio e verão moderadamente quente (Klein
1984). Todo o estado pode ser considerada como de clima superúmido (Nimer 1971).

O material botânico coletado em campo foi devidamente prensado conforme as metodologias


vigentes (Fidalgo & Bononi 1984) e as exsicatas foram tombadas no herbário FURB, com duplicatas
enviadas aos herbários BHCB, MBM e RB. A identificação deu-se com consulta a especialistas e
bibliografia pertinente.

As coletas de material botânico foram efetuadas dentro das Unidades Amostrais do IFFSC,
bem como em seu entorno, o que era feito durante os deslocamentos das equipes de campo (Capítulo
2; Vibrans et al. 2010). A Floresta Estacional Decidual foi estudada principalmente nos anos de 2008 a
2009, a Floresta Ombrófila Mista nos anos de 2008 a 2011 e, finalmente, a Floresta Ombrófila Densa
nos anos de 2009 a 2011, resultando numa listagem atual e muito completa da vegetação catarinense.

Foram desconsiderados as identificações em nível genérico no caso de haver identificação de


alguma espécie do mesmo gênero; caso contrário, este foi mantido, evitando assim superestimativas.
Para as angiospermas, a circunscrição das famílias adotada foi o APG III (2009), para monilófitas
(samambaias e xaxins), a classificação de Smith et al. (2006), para as licófitas (licopódios), a de Kramer
& Green (1990) e para as gimnospermas adaptado de Christenhusz et al. (2011).

5.3 Resultados e discussão

Foram feitas 24.636 coletas de plantas nativas, que resultaram no registro de 2.341 espécies de
plantas vasculares, reunidas em quatro divisões: 26 licopódios, 306 samambaias, 2.006 angiospermas e
três gimnospermas. Deste total, 89% já foram identificadas plenamente. A Flora do Brasil (2012) registra
para Santa Catarina 4.290 espécies de angiospermas, além de três gimnospermas e 432 samambaias e
licopódios. Este projeto coletou aproximadamente 50% de toda a flora citada para Santa Catarina, num
prazo menor de cinco anos de amostragem.

Estas 2.341 espécies representam 183 famílias (Figura 5.1) e 839 gêneros (Figura 5.2). Dentre
as famílias amostradas com mais de 50 espécies pode-se citar: Orchidaceae (225 espécies), Asteraceae
(164), Myrtaceae (159), Fabaceae (113), Melastomataceae (94), Solanaceae (86), Rubiaceae (75),
Piperaceae (74), Bromeliaceae (73) e Lauraceae (57). Dentre os gêneros com 30 ou mais espécies
estão: Solanum (55 espécies), Eugenia (54), Peperomia (41), Baccharis (36), Myrcia (34), Leandra
(33), Piper (32) e Vriesea (30).

101
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 5.1. Número de espécies das principais famílias encontradas em Santa Catarina.
Figure 5.1. Number of species by main families found in Santa Catarina.

Figura 5.2. Número de espécies dos principais gêneros encontrados em Santa Catarina.
Figure 5.2. Number of species by main genera found in Santa Catarina.

Para as famílias e gêneros que se destacaram pela riqueza específica, excluindo-se epífitos
vasculares e que compreendem majoritariamente espécies arbóreas e arbustivas, foram elaborados
diagramas de Venn (Figura 5.3 e 5.4). De modo geral, pode-se observar que a Floresta Ombrófila
Densa apresentou o maior número total e de espécies exclusivas em cada família e gênero, enquanto
que a Floresta Estacional Decidual, os menores números. Apenas para a família Asteraceae e o gênero
Baccharis a Floresta Ombrófila Mista revelou-se superior à Floresta Ombrófila Densa em número de
espécies total e exclusivas.

102
5 | Flora vascular de Santa Catarina

Todas as espécies de gimnospermas nativas citadas para Santa Catarina (Souza 2012) foram
amostradas: Araucaria angustifolia (pinheiro-brasileiro), Podocarpus lambertii (pinheiro-bravo) e
Podocarpus sellowii (pinheiro-bravo).

Uma espécie nova já foi descrita Vriesea rubens (Gomes-da-Silva & Costa 2011), Bromeliaceae,
com base nas coletas do IFFSC. Outras espécies estão sendo estudadas por especialistas, indicando
grandes possibilidades de novas descrições.

Figura 5.3. Diagrama de Venn representando o número de espécies comuns e exclusivas das famílias mais
importantes nas três regiões fitoecológicas e suas interseções.
Figure 5.3. Venn diagram showing the number of common and exclusive species of the most important
families by phytogeographic region.

103
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 5.4. Diagrama de Venn representando o número de espécies dos gêneros mais importantes nas três
regiões fitoecológicas e suas interseções em Santa Catarina.
Figure 5.4. Venn diagram showing the number of common and exclusive species of most import genera by
phytogeographic region in Santa Catarina.

Foram registradas as seguintes espécies ameaçadas de extinção (MMA 2008) no grupo das
angiospermas Anthurium luschnathianum, Butia eriospatha (butia), Euterpe edulis (palmiteiro),
Aechmea blumenavii (gravatá), Billbergia alfonsijoannis, Heliconia farinosa (caeté), Ocotea
catharinensis (canela-preta), Ocotea odorifera (canela-sassáfras), Ocotea porosa (imbúia). Para as
samambaias foram registradas Blechnum mochaenum var. squamipes, Dicksonia sellowiana (xaxim-
bugio), Finalmente, para as gimnospermas apenas Araucaria angustifolia consta como ameaçada.
De acordo com a mesma lista (MMA 2008), as seguintes espécies angiospermas são consideradas
como deficientes em dados: Butia eriospata (butiá), Dendrophorbium catharinense, Noticastrum
malmei, Symphyopappus casarettoi (vassoura), Symphyopappus lymansmithii, Aechmea calyculata
(gravatá), Vriesea recurvata (gravatá), Rhipsalis crispata, Cinnamomum hatschbachii, Cedrela lilloi
(cedro), Brosimum glaziovii (leiteiro), Myrceugenia foveolata (guamirim), Petunia bonjardinensis
e Symplocos corymboclados; e para as samambaias: Hymenophyllum magellanicum, Botrychium
virginianum e Plagiogyria fialhoi.
O registro destas 29 espécies pelo IFFSC, entre ameaçadas de extinção e com dados deficientes,
auxiliará em trabalhos de estrutura populacional e genética , uma vez que todas constam no Herbário
FURB, inclusive com coordenadas geográficas precisas de coleta. Os dados também se encontram
disponíveis no INCT Herbário Virtual da Flora e dos Fungos (http://inct.splink.org.br/).
Na lista de espécies ameaçadas de extinção (MMA 2008) são citadas 21 espécies que não
foram registradas nos levantamentos do IFFSC (Tabela 5.1). Em geral, estas espécies apresentam-

104
5 | Flora vascular de Santa Catarina

se como raras, segundo descrições na Flora Ilustrada Catarinense (Reitz 1965), o que dificulta sua
observação. Algumas delas ocorrem em ambientes que tiveram a amostragem desfavorecida pela
metodologia adotada, como é o caso de Dalechampia riparia (popular), Dyckia distachya (gravatá),
Dyckia ibiramensis (gravatá), Raulinoa echinata (cutia-de-espinho) e Thrasyopsis jurgensii (popular),
que ocorrem às margens rochosas de rios e ilhas, bem como, Dyckia cabrerae (gravatá-de-cabrera)
característica de campos rochosos e litólicos e, Aechmea kleinii (gravatá) que é encontrada na matinha
nebular da Serra Geral (Cowan & Smith 1973; Smith et al. 1982; Reitz 1983; Smith et al. 1988).
Tabela 5.1. Espécies ameaçadas de extinção (MMA 2008) não registradas pelo Inventário Florístico Florestal de Santa
Catarina. *Sem informação.
Table 5.1. Endangered species (MMA 2008) not found by IFFSC. * without information.

Espécies Ocorrência segundo Reitz (1965)

Aechmea apocalyptica Reitz Rara em capões da Floresta Ombrófila Mista

Aechmea kleinii Reitz Rara de matinha nebular da Serra Geral


Rara no interior da Floresta Ombrófila Densa (Alto
Aechmea pimenti-velosoi Reitz
Vale do Itajaí) e na restinga
Aeschynomene fructipendula Abruzzi de Oliveira *

Calyptraemalva catharinensis Krapov. *

Dalechampia riparia L.B.Sm. & Downs Rara de beira de rio da Floresta Ombrófila Densa

Dorstenia tenuis Bonpl. ex Bureau *

Dyckia cabrerae L.B.Sm. & Reitz Rara em campos rochosos ou litólicos

Dyckia distachya Hassl. Margens rochosas de rio e ilhas

Dyckia ibiramensis Reitz Margens rochosas de rio e ilhas

Erythroxylum catharinense Amaral Rara do alto de encostas da Floresta Ombrófila Densa

Hysterionica pinnatisecta Matzenb. & Sobral *

Mimosa catharinensis Burkart *

Myriocoleopsis fluviatilis (Steph.) E.Reiner & Gradst. Hepática

Petunia reitzii L.B.Sm. & Downs Rara no planalto catarinense

Petunia saxicola L.B.Sm. & Downs Rara no planalto catarinense

Piptochaetium palustre Muj.-Sall. & Longhi-Wagner *

Raulinoa echinata R.S.Cowan Margens rochosas de rio no planalto catarinense

Thrasyopsis jurgensii (Hack.) Soderstr. & A.G.Burm. Rara em margens rochosas de rio e ilhas

Vriesea biguassuensis Reitz Rara no interior da Floresta Ombrófila Densa

Vriesea triangularis Reitz Rara, epífita coletada apenas em uma pastagem

De modo geral, inventários florísticos, como o IFFSC, ajudam a reduzir a falta de informação
sobre muitas espécies, desde que as coletas sejam tombadas em coleções de livre acesso. Isto se faz
necessário, pois muitas vezes há coletas em diversas regiões geográficas, mas estes dados não estão
disponíveis para os pesquisadores. Esta falta de informação, ou de acesso a ela, é tão severa para as
espécies quanto a perda de habitat (Wilcove et al. 1998) que tem sido documentada nos últimos anos

105
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

(Willis & Moat 2003; Collen et al. 2010). Santa Catarina tem aparecido como um dos estados que
mais perde sua cobertura da vegetação nativa (Fundação SOS Mata Atlântica & INPE 2009), o que
certamente afeta de forma muito negativa a sobrevivência dos táxons.

Por isso, a intensificação de coleta precisa ser feita para todos os grupos, principalmente os
não arbóreos que são costumeiramente negligenciados em levantamentos fitossociológicos (Gentry &
Dodson 1987).

Para a Floresta Ombrófila Densa foram registradas 1.900 espécies, para a Floresta Ombrófila
Mista 1.107 e para a Floresta Estacional Decidual 408 (Figura 5.5). Como já mencionado nos demais
volumes, a Floresta Estacional Decidual é a mais pobre em relação ao número de espécies, seguida
pela Floresta Ombrófila Mista, que apesar de ocupar quase 50% do território catarinense, possui menos
espécies que a Floresta Ombrófila Densa, com 31% de cobertura. Registradas exclusivamente na
Floresta Ombrófila Densa foram 1.117 espécies (81,1%), na Floresta Ombrófila Mista 324 espécies
(47,2%) e na Floresta Estacional 67 espécies (17,4%).

Quando consideradas apenas as espécies amostradas nos levantamentos fitossociológicos e as


coletas férteis no interior e entorno das Unidades Amostrais, desconsiderando as espécies encontradas
nas Unidades Amostrais destinadas ao levantamento dos epífitos, tem-se um total de 2.200 espécies,
sendo a maioria (1.801 espécies) da Floresta Ombrófila Densa, seguida da Floresta Ombrófila Mista
(1.068) e Floresta Estacional Decidual (468) (Figura 5.5). Estes valores podem variar das demais
publicações por conta da constante atualização das identificações que são efetuadas, seja pela visita de
especialistas ou pela identificação de duplicatas. Quando comparado as com as demais formas de vida,
a Floresta Ombrófila Mista e a Floresta Ombrófila Densa compartilham mais espécies.

Figura 5.5. Diagrama de Venn representando o número de espécies amostradas


no estado de Santa Catarina e em cada região fitoecológica.
Figure 5.5. Venn diagram showing the number of common and exclusive species
by phytogeographic region in Santa Catarina.

106
5 | Flora vascular de Santa Catarina

Na forma de árvores e arbustos foram registradas 860 espécies, 560 de epífitos, 707 de ervas
terrícolas, 270 de lianas e escandentes; entre estas, muitas espécies foram registradas em mais de um
hábito.

A divisão de Santa Catarina em áreas de 20 km x 20 km possibilitou identificar as áreas onde há


maior intensidade amostral e maior número de espécies. Do total, 22 áreas apontam número de espécies
superior a 300 (Figura 5.6). Observa-se que houve maior intensidade amostral na região da Floresta
Ombrófila Densa, área com maior cobertura floresta de Santa Catarina (conforme Capítulo 2).

De modo geral, os dados sobre a biodiversidade são escassos, tendenciosos (coletas não
padronizadas) e muitas vezes de baixa qualidade (Hortal et al. 2007). Mesmo em Santa Catarina, onde
grande esforço amostral foi efetuado ao longo dos anos 60-80 por coletores como Klein, Reitz, Smith
e Sehnem, constata-se a concentração de coletas próximo aos centros de pesquisa (Gasper 2012). Este
projeto, com base em uma grade sistemática de pontos bem distribuídos, vem ajudando na redução do
viés das coletas, sendo crucial o conhecimento gerado sobre a distribuição espacial das espécies para
exploração, uso e conservação das espécies (Mutke & Barthlott 2005).

Figura 5.6. Intensidade amostral e riqueza de espécies vasculares para áreas de 20 x 20 km em Santa
Catarina.
Figure 5.6. Sampling intensity and vascular species richness for areas of 20 x 20 km in Santa Catarina.

A perda da biodiversidade pode alterar a performance dos ecossistemas (Naeem et al. 1994),
por isso existe a necessidade urgente de aumentar o conhecimento sobre a diversidade de plantas,
possibilitando a correta tomada de decisões sobre o status de conservação destas (Rivers et al. 2010).
Por este motivo, trabalhos como este podem reavaliar o status de alguns táxons. Given (1993) sugere
alguns itens que devem ser incluídos nas agendas globais de discussão sobre proteção da biodiversidade
para pteridófitas, entre elas a adequada documentação sobre taxonomia, distribuição e abundância das
espécies. Contudo, é frequente que cerca de 20% das espécies tenha informações limitadas a poucos
materiais ou dados muito antigos. Colocar estas espécies como Dados Deficientes pode subestimar a
real ameaça destas espécies e reduzir e efetividade de listas de espécies ameaçadas (Callmander et al.
2005).

107
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Por fim, o registro de 2.341 espécies para Santa Catarina, durante esforço amostral de
aproximadamente cinco anos demonstra a riqueza da flora estadual, bem como auxiliará em futuros
trabalhos de campo, onde áreas e locais até então não amostrados (ou pouco amostrados) poderão
ser focados. Novas coletas devem ser feitas nas mesmas Unidades Amostrais, em período diferente
daquele já visitado pelas equipes, pois isso possibilitará uma maior coleta de material fértil.

Referências

APG. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and
families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.

Borgo, M.; Silva, S.M. 2003. Epífitos vasculares em fragmentos de Floresta Ombrófila Mista,
Curitiba, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 26: 391-401.

Callmander, M.W.; Schatz, G.E.; Lowry II, P.P. 2005. IUCN Red List assessment and the Global
Strategy for Plant Conservation: taxonomists must act now. Taxon 54: 1047–1050.

Carpinetti, B.; Garciarena, M.; Almirón, M. 2009. Parque Nacional Iguazú - Conservación
y desarrollo en la Selva Paranaense de Argentina. Buenos Aires: Administración de Parques
Nacionales. 300 p.

Cervi, A.C./ von Linsingen, L./Hatschbach, G.; Ribas, O.S. 2007. A Vegetação do Parque
Estadual de Vila Velha, Município de Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Boletim do Museu Botânico
Municipal de Curitiba: 69: 1-52.

Christenhusz, M.J.M., Reveal, J.L., Farjon, A., Gardner, M.F., Mill, R.R.; Chase, M.W. 2011. A
new classification and linear sequence of extant gymnosperms. Phytotaxa 19: 55 - 70.

Citadini-Zanette, V.; Pereira, J.L.; Jarenkow, J.A.; Klein, A.S.; Santos, R. 2011. Estrutura da
sinúsia herbácea em Floresta Ombrófila Mista no Parque Nacional de Aparados da Serra, sul do Brasil.
Revista Brasileira de Biociências 9: 56-63.

Collen, B.; Ram, M.; Zamin, T.; McRae, L. 2010. The tropical biodiversity data gap: addressing
disparity in global monitoring. Tropical Conservation Science 1: 75–88.

Dittrich, V.A.O.; Kozera, C.; Menezes-Silva, S. 1999. Levantamentos florítico dos epífitos
vasculares do Parque Barigüi, Curitiba, Paraná, Brasil. Iheringia, Sér. Bot 52: 11-21.

Fidalgo, O. & Bononi, V.L.R. 1984. Técnicas de coleta, preservação e herborização de


material botânico. Instituto de Botânica, São Paulo. 62 p.

Figueiredo, J.B.; Salino, A. 2005. Pteridófitas de quatro Reservas Particulares do Patrimônio


Natural ao Sul da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Lundiana 6: 83-94.

Forzza, R.C.; Leitman, P.M.; Costa, A.F.; Carvalho Jr., A.A.; Peixoto, A.L.; Walter, B.M.T.;
Bicudo, C.; Zappi, D.C.; Costa, D.P.; Lleras, E.; Martinelli, G.; Lima, H.C.; Prado, J.; Stehmann, J.R.;
Baumgratz, J.F.A.; Pirani, J.R.; Sylvestre, L.S.; Maia, L.C.; Lohmann, L.G.; Queiroz, L.P.; Silveira,
M.; Coelho, M.N.; Mamede, M.C.H.; Bastos, M.N.C.; Morim, M.P.; Barbosa, M.R.; Menezes, M.;
Hopkins, M.; Secco, R.; Cavalcanti, T.B.; Souza, V.C. 2010 Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil.
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Fundação SOS Mata Atlântica & Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 2009. Atlas Dos
Remanescentes Florestais Da Mata Atlântica Período 2005-2008. São Paulo.

108
5 | Flora vascular de Santa Catarina

Gasper, A.L. de; Sevegnani, L. 2010. Lycophyta e samambaias do Parque Nacional da Serra do
Itajaí, Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Hoehnea 37: 755-767.

Gentry, A.H.; Dodson, C. 1987. Contribution of nontrees to species richness of a tropical rain
forest. Biotropica 19: 149–156.

Given, D.R. 1993. Changing aspects of endemism and endangerment in pteridophyta. Journal
of Biogeography 20: 293-302.

Gomes-da-Silva, J.; Costa, A.F. 2011 A taxonomic revision of Vriesea corcovadensis Group
(Bromeliaceae: Tillandsioideae) with description of two new species. Systematic Botany 36: 291-309.

Hilaire, A.S. 1936. Viagem à Província de Santa Catarina (1820). São Paulo, Biblioteca
Pedagógica Brasileira. http://www.brasiliana.com.br/obras/viagem-a-provincia-de-santa-
catarina-1820/pos-obra/1/texto. (acesso em: 24/07/2012).

Hopkins, M.J.G. 2007. Modelling the known and unknown plant biodiversity of the Amazon
Basin. Journal of Biogeography 34: 1400-1411.

Hortal, J., Lobo, J.M. & Jiménez-Valverde, A. 2007. Limitations of biodiversity databases: case
study on seed-plant diversity in Tenerife, Canary Islands. Conservation Biology 21: 853-63.

Inácio, C.D. & Jarenkow, J.A. 2008. Relações entre a estrutura da sinúsia herbácea terrícola e a
cobertura do dossel em floresta estacional no Sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica 31: 41-51.

Klauberg, C., Paludo, G.F., Bortoluzzi, R.L.C.; Mantovani, A. 2010. Florística e estrutura de um
fragmento de Floresta Ombrófla Mista no Planalto Catarinense. Biotemas 23: 35-47.

Klein, R.M. 1984. Aspectos dinâmicos da vegetação do Sul do Brasil. Sellowia 36: 5-54.

Kozera, C., Dittrich, V.A.O.; Silva, S.M. 2006. Composição florística da floresta ombrófila
mista montana do Parque Municipal do Barigüi, Curitiba, PR. Floresta 36: 45-58.

Kozera, C., Rodrigues, R.R.; Dittrich, V.A.O. 2009. Composição florística do sub-bosque de
uma Floresta Ombrófila Densa Montana, Morretes, PR, Brasil. Floresta 39: 323-334.
Kramer, K.U.; Green, P.S. 1990. The families and genera of vascular plants - Pteridophytes
and Gymnosperms. K. Kubitzki (ed). Springer-Verlag Wien.

MMA. 2008. Ministério do Meio Ambiente. Instrução normativa n° 6, de 23 de setembro de


2008. http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/MMA_IN_N_6.pdf (acesso em: 07/02/2012).

Mutke, J.; Barthlott, W. 2005. Patterns of vascular plant diversity at continental to global scales.
Biologiske Skrifter 55: 521–531.

Naeem, S.; Thompson, L.J.; Lawler, S.P.; Lawton, J.H.; Woodfin, R.M. 1994. Declining
biodiversity can alter the performance of ecosystems. Nature 368: 734–737.

Nascimento, A.R.T.; Longhi, S.J.; Brena, D.A. 2001. Estrutura e padrões de distribuição
espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência
Florestal 11: 105-119.

Nimer, E. Clima. 1990. In: Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. v.2.
p.151-87.

Reitz, P.R. 1965. Plano de coleção. In: Reitz, R. Flora Ilustrada Catarinense. Herbário Barbosa
Rodrigues. Itajaí.

109
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Reitz, R. 1960. Homens ilustres e lugares catarinenses celebrados em nomes botânicos. Sellowia
12: 147-157.

Ríos, R.C.; Galvão, F.; Curcio, G.R. 2010. Estructura de las principales especies arbóreas en el
Parque Cruce Caballero y su similitud floristica con areas de Argentina y de Brasil. Ciência Florestal
20: 193-206.

Rivers, M.C.; Bachman, S.P.; Meagher, T.R.; Nic Lughadha, E.; Brummitt, N.A. 2010.
Subpopulations, locations and fragmentation: applying IUCN red list criteria to herbarium specimen
data. Biodiversity and Conservation 19: 2071-2085.

Rochelle, A.L.C.; Cielo-Filho, R.; Martins, F.R. 2011. Florística e estrutura de um trecho de
Floresta Ombrófila Densa Atlântica Submontana no Parque Estadual da Serra do Mar, em Ubatuba/SP,
Brasil. Biota Neotropica 11: 337-346.

Rode, R. 2008. Avaliação florística e estrutural de uma Floresta Ombrófila Mista e de


uma vegetação arbórea estabelecida sob um povoamento de Araucaria angustifolia de 60 anos.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná.

Rogalski, J.M.; Zanin, E.M. 2003. Composição florística de epífitos vasculares no estreito
de Augusto César, Floresta Estacional Decidual do Rio Uruguai, RS, Brasil. Revista Brasileira de
Botânica 26: 551–556.

Schatz, G.E. 2002. Taxonomy and Herbaria in Service of Plant Conservation: Lessons from
Madagascar’s Endemic Families. Annals of the Missouri Botanical Garden 89: 145-152.

Schwartsburd, P.B.; Labiak, P.H. 2007. Pteridófitas do Parque Estadual de Vila Velha, Ponta
Grossa, Paraná, Brasil. Hoehnea 34: 159-209.

Smith, A.R.; Pryer, K.M.; Schuettpelz, E.; Korall, P.; Schneider, H.; Wolf, P.G. 2006. A
classification for extant ferns. Taxon 55:705-731.

Sobral, M.; Stehmann, J.R. 2009. An analysis of new angiosperm species discoveries in Brazil
(1990-2006). Taxon 58: 227-232.

Souza, J.S.; Espírito-Santo, F.D.B.; Fontes, M.A.L.; Oliveira-Filho, A.T.; Botezelli, L. 2003.
Análise das variações florísticas e estruturais da comunidade arbórea de um fragmento de floresta
semidecídua às margens do rio Capivari, Lavras-MG. Revista Árvore 27: 185-206.

Stehmann, J.R.; Forzza, R.C.; Salino, A.; Sobral, M.; Costa, D.P.; Kamino, L.H.Y. 2009. Plantas
da Floresta Atlântica. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Tabarelli, M.; Mantovani, W. 1999. A riqueza de espécies arbóreas na floresta atlântica de


encosta no estado de São Paulo (Brasil). Revista Brasileira de Botânica 22: 217-223.

Vibrans, A.C.; Gasper, A.L. de; Müller, J.J.V. 2012. Para que inventariar florestas? reflexões
sobre a finalidade do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Revista de Estudos Ambientais
14: 6-13.

Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Lingner, D.V.; Gasper, A.L. de; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30: 291-302.

Wilcove, D.S.; Rothstein, D.; Dubow, J.; Phillips, A. 1998. Quantifying threats to imperiled
species in the United States. BioScience 48: 607-615.

110
5 | Flora vascular de Santa Catarina

Willis, F.; Moat, J. 2003. Defining a role for herbarium data in Red List assessments: a case
study of Plectranthus from eastern and southern tropical Africa. Biodiversity and Conservation 6939:
1537-1552.

Zillig, C. 1997. Dear Mr. Darwin: a intimidade da correspondência entre Fritz Müller e Charles
Darwin. Blumenau, 43 Grafica e Ed.

Zipparro, V.B.; Guilherme, F.A.G.; Almeida-Scabbia, R.J.; Morellato, L.P.C. 2005. Levantamento
florístico de Floresta Atlântica no sul do Estado de São Paulo, Parque Estadual Intervales, Base
Saibadela. Biota Neotropica 5: 1-24.

Zuloaga, F.O.; Morrone, O.; Belgrano, M.J.; Marticorena, C.; Marchesi., E. 2008. Catálogo
de las plantas vasculares del Cono Sur : (Argentina, Sur de Brasil, Chile, Paraguay y Uruguay),
Missouri Botanical Garden Press, St. Louis, Mo.

111
Capítulo 6
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Fitogeografia de Santa Catarina1

Phytogeography of Santa Catarina

Alexandre Uhlmann, André Luís de Gasper, Lucia Sevegnani, Alexander Christian Vibrans,
Leila Meyer, Débora Vanessa Lingner

Resumo

Três regiões fitoecológicas podem ser encontradas em Santa Catarina, a Floresta Estacional Decidual,
a Florestal Ombrófila Mista e a Floresta Ombrófila Densa, que ainda possui a ela associada as restingas
e os manguezais na faixa litorânea. Para corroborar a ocorrência destas três regiões, análises multiva-
riadas (DCA e CCA) foram executadas. Estas levaram em consideração as 421 Unidades Amostrais
instaladas pelo Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Matrizes de presença e ausência e den-
sidade foram empregadas, além de uma matriz de variáveis climáticas. Tanto a DCA, que foi executada
com base numa matriz de 237 espécies e suas densidades nas 421 Unidades Amostrais, quanto a CCA,
que foi executada com a mesma matriz de espécie, mas dados de presença e ausência e uma segunda
matriz de dados climáticos apontam para uma clara segregação entre as três regiões fitoecológicas de
Santa Catarina. Observou-se uma clara relação entre a estacionalidade do clima e altitude, indicando
que a Floresta Estacional Decidual e a Floresta Ombrófila Densa constituem os opostos de um gradien-
te condicionado pela distribuição de chuvas, ao mesmo tempo em que ambas contrastam com a Floresta
Ombrófila Mista, esta última vinculada aos climas mais frios de altitude.
Abstract

Three phytoecological regions can be found in Santa Catarina, Seasonal Deciduous Forest, the Mixed
Ombrophylous Forest and Dense Ombrophylous Forest, to which belong the associated sandbanks and
mangroves in the coastal strip. To corroborate the occurrence of these three regions multivariate analy-
sis (DCA and CCA) were performed. These have taken into account the 421 Sample Plots installed by
Forest Floristic Inventory of Santa Catarina. Matrices of presence and absence and density were used,
plus a matrix of climatic variables. Both the DCA, which was performed based on a matrix of 237
species and their densities in 421 Sample Plots, as the CCA, which was executed with the same array
of species, but the presence and absence data and a second array of climatic data pointed for a clear
segregation between the three phytoecological regions of Santa Catarina. There was a clear relationship
between seasonal climate and altitude, indicating that the seasonal deciduous forest and Dense Ombro-
phylous Forest are the opposite of a gradient conditioned by rainfall distribution, while both contrast
with the Mixed Ombrophylous Forest, this last linked to colder climates in higher altitudes.

1
Uhlmann, A.; Gasper A.L.; Sevegnani, L.; Vibrans, A.C.; Meyer, L.; Lingner, D.V. de. 2012. Fitogeografia de Santa Catarina. In:
Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade
e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

113
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

6.1 Introdução

O clima, como a representação de um conjunto de fatores ecológicos, é elemento indispensável


a qualquer discussão no âmbito da distribuição das formas de vegetação, isto porque muitas de suas
características são derivadas das imposições da distribuição de chuvas, da ocorrência de geadas e
das temperaturas médias (Walter 1979). Em última análise, a fisionomia da vegetação, expressão do
predomínio de determinadas sinúsias e do espectro biológico de uma região, é o resultado de aspectos
intimamente relacionados às características ambientais, muitas delas determinadas ou influenciadas
pelo clima (Martins & Batalha 2011).

O território catarinense situa-se na região Sul do Brasil sob domínio climático essencialmente
subtropical (Wrege et al. 2011), com bom volume de chuvas (1.250 a 2.000 mm anuais médios) e
boa uniformidade em sua distribuição, não havendo lugar caracterizado por carência de chuva (Nimer
1990).

Há o predomínio dos tipos climáticos Cfa, na vertente atlântica e no extremo oeste, nas áreas
mais baixas e dissecadas da bacia do rio Uruguai, e Cfb, nas zonas elevadas e frias dos planaltos (Leite
1994). Além disso, na planície litorânea norte, nas proximidades de São Francisco do Sul, há uma
pequena zona de clima Af (tropical quente) que se estende para norte, ao longo da planície litorânea
do estado do Paraná. Coincidem com esta zona, elevados índices de precipitação média anual (2.000
a 2.400 mm) e os maiores volumes médios anuais de evapotranspiração potencial (950 a 1.000 mm).
Além disso, esta região está inserida em uma das zonas do estado onde se registram as maiores médias
de temperatura anual, a qual se distribui por toda a planície litorânea catarinense (Wrege et al. 2011).

Estas condições climáticas são derivadas de inúmeros aspectos, cujo elenco se inicia com
os grandes centros de ação atmosférica que motivam, por exemplo, a entrada de ventos oceânicos
carregados de umidade e o ingresso frequente de massas de ar polar pelo sul do continente, e que afetam
gravemente as condições climáticas durante o inverno na região (Bigarella et al. 1994, Leite 1994;
Wrege et al. 2011). É notável que, na medida em que ocorre o distanciamento em relação à margem
oceânica, os tipos climáticos vão se tornando caracteristicamente mais estacionais (Hijmans et al. 2005;
EPAGRI 2008), de tal sorte que há uma tendência de que a manifestação anual das chuvas se dê de
modo menos regular no oeste catarinense. Contudo, sob nenhuma hipótese, pode-se circunscrever tal
região a alguma zona de estacionalidade climática (Leite 2004).

Os acidentes geográficos constituem elementos igualmente importantes para a compreensão da


distribuição da vegetação. Isso porque a altitude e o resfriamento adiabático por este fator condicionado
(Nimer 1990, Blum 2006) provocam maior incidência de geadas e queda das temperaturas médias
anuais. Além disso, as cuestas e serras, principalmente aquelas posicionadas a barlavento dos ventos
carreadores de umidade, condicionam a formação de chuvas orográficas, que determinam a manutenção
de umidade quase permanente nestes locais, modificando assim as suas condições ambientais (Maack
1968; Klein 1978; Nimer 1990; Scheer et al. 2011).

Por isso, para iniciar qualquer apontamento sobre a distribuição das formas de vegetação,
torna-se muito importante considerar o arcabouço geológico sobre o qual o relevo é moldado. Neste
sentido, Santa Catarina configura-se de acordo com o predomínio de uma ampla e dissecada cobertura
fanerozoica (a Bacia do Paraná) bordejada a leste por zonas de dobramento formadas durante o ciclo
brasiliano e crátons pré-brasilianos, além de uma estreita faixa de planície formada por depósitos
quaternários (Leite 1994).

Observando estas características estruturais do território catarinense, Maack (1947) segmentou


o estado em três zonas de paisagens: o litoral, a zona de escarpa marginal e o plano de declive do
planalto interior.

114
7 | Fitogeografia de Santa Catarina

A primeira região inclui os terrenos entre a costa oceânica e a margem oriental da Bacia do Paraná,
embora o autor inclua também neste domínio, os sedimentos paleozoicos aflorantes no sul catarinense.
É, fundamentalmente, a porção meridional da Província Mantiqueira (Orógeno Dom Feliciano), o
qual inclui o Complexo Granulítico de Santa Catarina, bacias sedimentares tardi-orogênicas (Itajaí)
sequências de margens passivas neoproterozoicas (Grupo Brusque) e extensos segmentos de arcos
magmáticos (Florianópolis) (Heilbron et al. 2004). Para oeste, a Bacia do Paraná abrange todas as
superfícies constituídas por rochas sedimentares gondwânicas (zona de escarpa marginal) e rochas
eruptivas formadas durante os derrames do Mesozoico (plano de declive do planalto interior).

A zona de escarpa marginal inclui não só a zona de escarpa da Serra do Mar, no norte do
estado, mas também toda a região que antecede a escarpa mesozóica da Serra Geral e que inclui toda
a sedimentação paleozoica do Gondwana (Maack 1947). A última zona de paisagem de Maack se
inicia no reverso da escarpa da Serra Geral e inclui os terrenos suavemente inclinados para sudoeste
formados a partir do vulcanismo mesozoico do derrame do Trapp. A região do litoral é caracterizada por
grupos bastante diversificados de rochas, tanto no que diz respeito às suas cronologias, quanto aos seus
processos de formação. Importante ressaltar que o resultado disso é a formação de extensas planícies
de origem marinha ou fluvial, as quais são delimitadas por serras costeiras de altitude considerável (e.g.
Serra Dona Francisca, ao norte, Serra do Itajaí e Serra das Bateias, no Vale do Itajaí, Serra do Tabuleiro,
no centro-sul do estado). Contudo, o mais destacado acidente geográfico do estado é representado pelas
escarpas da Serra Geral, iniciadas no limite estadual extremo sul e seguindo em direção NNO rumo à
região de Porto União, no limite com o estado do Paraná (Maack 1947).

Estes conjuntos de antigas orogenias, arcos magmáticos e planaltos soerguidos formam anteparos
físicos eficientes que barram a umidade oriunda dos oceanos e constituem elementos importantes na
concentração local de chuvas, bem como na sua distribuição em todo o estado. Observada a estruturação
deste cenário físico, torna-se possível imaginar um quadro em que o clima em Santa Catarina, por
se caracterizar pelo bom volume e boa distribuição de chuvas, permite abrigar predominantemente
formações florestais (Tricart 1972, Klein 1978), tornando fácil a compreensão das razões que levam
à imersão completa do território do estado no cenário do Bioma Mata Atlântica (Morellato & Haddad
2000).

Contudo, apesar do comando preponderante dos fatores macroclimáticos e da variação altimétrica,


deve-se admitir a influência de outros, principalmente em uma escala mais refinada. Assim, localmente,
a dissecação do relevo provocada pela ação dos rios pode transformar a declividade dos taludes,
provocando o rejuvenescimento dos perfis de solos e a captura e condução da drenagem, resultando
em mudança nas condições microclimáticas (Cole 1986). Deste fato, decorre a formação de corredores
nos quais se manifesta a invasão de elementos florestais oriundos de tipologias predominantes em áreas
mais quentes e úmidas, concorrendo para uma gradual e lenta substituição de formas de vegetação
(Spichiger et al. 2004; Klein 1978; Maack 1947; 1968; Rambo 1951). Disto decorre a expectativa de
que formas de vegetação mais aproximadas dos ambientes tropicais úmidos, que tão bem caracterizam
a Floresta Ombrófila Densa e formações a ela associadas (Veloso et al. 1991), sejam encontradas em
toda a superfície oriental, formada por serras de altitude variável, conjuntos de morros de pequena
altitude e planícies vinculadas aos sistemas hidrográficos.

Na medida em que as elevações alcançam níveis altimétricos bastante elevados, a queda


das temperaturas torna-se um evidente fator de restrição à manifestação de determinadas formas de
vegetação e espécies. Deste fato, decorrem as variações estruturais da vegetação, que na cumeeira das
grandes elevações, resulta na instalação de formações altomontanas. Embora menos expressivas em
se tratando de área ocupada no estado, as florestas altomontanas, ou “matinhas nebulares” (Veloso et
al. 1991; Klein 1978; Falkenberg 2003; Scheer et al. 2011), ocupam tipicamente espaço nas cumeeiras
de serras e nas zonas de cuestas associadas a grandes altitudes. Também nestas regiões as áreas de
formações campestres têm destaque, quase sempre associadas aos capões de composição e estrutura

115
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

vinculada àquela da Floresta Ombrófila Mista (Klein 1984), estando esta associação relacionada com
expansões e contrações ocorridas no passado recente (Behling 1997).

A isoterma de 16°C médios anuais está relacionada com altimetrias entre 750 a 1.000 m em
Santa Catarina, identificando o início da zona de ocorrência dos pinhais ou da Floresta Ombrófila Mista
(Leite 1994; Veloso et al. 1991). É, portanto, a partir das zonas de maior altitude, grande parte situada
no Planalto Norte catarinense e toda a região para oeste da escarpa da Serra Geral, que as condições
gerais permitem o estabelecimento da Floresta Ombrófila Mista tão bem caracterizada pela presença de
Araucaria angustifolia (pinheiro-brasileiro).

Em decorrência da intensa dissecação provocada pelo sistema hidrográfico do rio Uruguai,


as cotas altimétricas são tipicamente mais baixas rumo a sudoeste. Além disso, certa tendência à
concentração das chuvas é possível de ser constatada (Hijmans et al. 2005) e, consequentemente, a
Floresta Ombrófila Mista cede espaço à Floresta Estacional Decidual, principalmente a partir da cota
600 m s.n.m. (Klein 1978; Gasper et al. no prelo).

Em se tratando da flora de cada uma das tipologias florestais, Klein (1978) ofereceu uma descrição
desta através da publicação de seu mapa fitogeográfico e que é referência obrigatória para os estudos
atuais. Na obra, o autor faz referência a muitas espécies relacionadas a cada um dos subtipos florestais
identificados e suas zonas de ocorrência. No entanto, Oliveira-Filho & Fontes (2000) argumentam
que a flora das florestas estacionais representa uma fração florística das ricas florestas ombrófilas,
selecionada em função de sua maior habilidade em resistir à estacionalidade climática. Diante disso, os
mesmos autores sustentam que a flora das florestas estacionais e das florestas ombrófilas presentes na
Floresta Atlântica são muito similares entre si, e que suas diferentes estruturas representam gradientes
fortemente delimitados pela distribuição anual das chuvas. Estes argumentos parecem encontrar suporte
nos resultados de Scudeller et al. (2001) que indicam haver forte influência da altitude, bem como, do
distanciamento em relação ao oceano na determinação da distribuição da vegetação.

É certo haver claras diferenças entre as tipologias florestais presentes no estado. É igualmente
esperado que estas diferenças sejam o resultado da ação de uma gama bastante diversificada de fatores
ambientais, dentre os quais, aqueles relacionados com o clima, devem ser os mais influentes. Os
objetivos deste trabalho incluem testar as diferenças estruturais entre três tipologias florestais presentes
no estado de Santa Catarina (Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional
Decidual), além de identificar fatores ambientais que influenciam as supostas divergências.

6.2 Metodologia

Foram analisadas as 421 Unidades Amostrais implementadas em Santa Catarina, durante o


Inventário Florístico Florestal (IFFSC), conforme descrito por Vibrans et al. (2010). Foram avaliadas
neste trabalho 78 Unidades Amostrais na Floresta Estacional Decidual, 143 na Floresta Ombrófila
Mista, 197 na Floresta Ombrófila Densa e três na Formação Pioneira de Influência Marinha (restinga).

Os dados do componente arbóreo/arbustivo das Unidades Amostrais foram utilizados na


construção de duas matrizes de dados, onde as linhas representaram as espécies, e as colunas representam
as Unidades Amostrais. As espécies com menos de 0,4 ind.ha-1 foram consideradas raras e eliminadas
da matriz, pois estas podem diminuir o poder de ordenação dos dados (Gauch-Junior 1982). Com
isso, a matriz constituía-se de 237 espécies (linhas) e 421 Unidades Amostrais (colunas), sendo as
células correspondentes ao número estimado de indivíduos por hectare. Após esta seleção, a matriz foi
convertida em uma matriz binária de presença/ausência.

As Unidades Amostrais foram ainda categorizadas conforme a região fitoecológica em


Floresta Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Ombrófila Densa e restinga. Outra

116
7 | Fitogeografia de Santa Catarina

categorização, por grupo florístico, foi desenvolvida nos Capitulos 5 dos Volumes II, III e IV para cada
uma das regiões fitoecológicas.

Esta matriz foi submetida à Análise de Correspondência Corrigida (Detrended Correspondence


Analisys - DCA) e utilizados os autovalores como uma medida da extração da variância pelos seus
respectivos autovetores. Os escores de cada autovetor foram utilizados para a montagem de um diagrama
bidimensional no qual foram representados os resultados da ordenação das Unidades Amostrais e
espécies.

Uma segunda matriz de dados climáticos foi elaborada. Para isso, foram extraídos do WorldClim
(Hijmans et al. 2005) as variáveis climáticas disponíveis, além de AET (evapotranspiração real mensal
e anual), AI (aridez média anual) e PET (potencial de evapotranspiração mensal e anual) (Zomer et al.
2006; Zomer et al. 2008). Foram somados a estes conjuntos os dados disponibilizados pela EPAGRI
(2008) de insolação, dias de geada e umidade relativa do ar. O parâmetro bio15 (Hijmans et al. 2005),
relacionado com a sazonalidade da precipitação, foi removido por apresentar erro para o estado de
Santa Catarina. A fim de suprimir a redundância dos dados climáticos (multicolineariedade), a matriz
de dados climáticos foi submetida à Análise de Componentes Principais (PCA), que possibilitou a
construção de uma matriz de carregamentos, através da qual foram selecionados os parâmetros a
serem utilizados no próximo passo da análise. Com isso, foram selecionadas seis variáveis climáticas:
precipitação do quadrimestre mais úmido (PQU), amplitude térmica diária (ATD), dias de geadas (FG),
umidade relativa do ar (Um), temperatura média anual (Tm) e precipitação média anual (Pm).

As duas matrizes construídas (a matriz binária de espécies e a de parâmetros climático) forma


utilizadas na condução de uma Análise de Correspondência Canônica (CCA – Canonical Correspondence
Analysis). Aleatorizações Monte Carlo (n = 999) foram utilizadas para a geração de um modelo nulo, a
fim de testar a significância do coeficiente de correlação entre as variáveis climáticas e a ordenação das
espécies e Unidades Amostrais.

A Análise de Correspondência Corrigida, bem como a Análise de Correspondência Canônica,


foi conduzida no programa PC-ORD 6.0 (McCune & Mefford 2011). O processamento dos dados e
as análises foram feitas com auxílio dos softwares Mata Nativa 2 (CIENTEC 2002), Microsoft Office
Excel (2007).

6.3 Resultados

Os resultados da aplicação da análise de correspondência corrigida (DCA) à matriz de


densidade das espécies em cada parcela estão sumarizados na Figura 6.1. Os três primeiros eixos da
ordenação capturaram cerca de 19% da variação original dos dados (DCA1 = 9,8%; DCA2 = 6,6 % e
DCA3 = 2,4%). Nesta, é evidenciada clara segmentação das Unidades Amostrais entre as três regiões
fitoecológicas Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual e a
restinga, segundo os critérios de Klein (1978) e Veloso et al. (1991).

O primeiro eixo é responsável pela distinção entre as formações de leste (na parte esquerda
do diagrama estão a Floresta Ombrófila Densa e restinga) e aquelas, de oeste (na parte direita do
diagrama estão a Floresta Ombrófila Mista e a Floresta Estacional Decidual). Esta ordenação parece
evidenciar o gradiente entre as formações situadas próximas à linha de costa e aquelas mais interiores,
as quais dominam o cenário das paisagens planaltinas, para além das linhas escarpadas da Serra Geral
e do planalto norte catarinense. Mais do que isso, exibe as possíveis relações entre a distribuição da
vegetação e clima, fortemente influenciado pela proximidade com o oceano. Este padrão de proximidade
do oceano foi observado por Oliveira-Filho & Fontes (2000).

117
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

O segundo eixo distingue as subformações de cada uma destas florestas de acordo com
a altitude. Pode-se observar, novamente no diagrama da Figura 6.1, que os pontos mais elevados,
correspondentes aos patamares acima de 1.200 m s.n.m., e que estão circunscritos à Floresta Ombrófila
Mista, encontram-se aglutinados na porção superior direita, enquanto as Unidades Amostrais situadas
em menor altitude, amostradas principalmente na Floresta Ombrófila Densa e na Floresta Estacional
Decidual, estão alojadas em porções aproximadamente opostas deste quadrante. Isso significa que os
fatores mais importantes na determinação da ordenação dos dados parecem ser a distância do oceano e
a altitude e, obviamente, suas interações com os climas locais.

Figura 6.1. Diagrama representando os resultados da aplicação de análise de correspondência corrigida (DCA)
sobre os dados de densidade das 237 espécies (DA > 0,4 ind.ha-1) amostradas nas 421 Unidades Amostrais do
levantamento. As Unidades Amostrais foram classificadas em campo de acordo com Klein et al. (1978): =
Floresta Estacional Decidual; = Floresta Ombrófila Mista; = Floresta Ombrófila Densa; = Restinga. Pontos
de cores diferentes e que apresentam o mesmo ícone denotam classificações para a Floresta Estacional Decidual
(Capítulo 5 do Volume II), Floresta Ombrófila Mista (Capítulo 5 do Volume III) e Floresta Ombrófila Densa
(Capítulo 5 do Volume IV).
Figure 6.1. Diagram representing the results of the application of correspondence analysis corrected (DCA) on
density data from 237 species (DA > 0.4 ind.ha-1) sampled in 421 Sample Plots. Sampling Plots were classified
in the field according to Klein (1978): = Seasonal Deciduous Forest; = Mixed Ombrophylous Forest; =
Dense Ombrophylous Forest; = Restinga. Dots of different colors and they have the same icon to denote ratings
Seasonal Deciduous Forest (Chapter 5 of Volume II), Mixed Ombrophylous Forest (Chapter 5 of Volume III) and
Dense Ombrophylous Forest (Chapter 5 of Volume IV).

Mesmo a definição em subtipologias propostas no Capítulo 5 dos Volumes II, III para a Floresta
Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Ombrófila Densa, respectivamente, parece
encontrar paralelo com a variação altitudinal, resultado esperado em vista de os autores explicitarem,
em suas proposições, a forte influência da altitude na ordenação de seus dados. Da extremidade
esquerda para a direita do diagrama da Figura 6.1, as Unidades Amostrais da Floresta Ombrófila Densa
expressam um claro gradiente altitudinal. É também evidente o contato entre as Unidades Amostrais
da Floresta Ombrófila Densa dos patamares mais elevados (acima de 500 m s.n.m.) e aquelas Unidades
Amostrais da Floresta Ombrófila Mista, que estão abaixo de 1.000 m de altitude. A ordenação não
caracteriza interdigitações entre a Floresta Ombrófila Densa e a Floresta Estacional Decidual, como

118
7 | Fitogeografia de Santa Catarina

seria esperado tendo em vista a organização espacial destas tipologias no estado. Contudo é clara a
sobreposição entre as Unidades Amostrais das bacias de leste da Floresta Estacional Decidual (situadas
em patamares mais elevados) e as Unidades Amostrais da Floresta Ombrófila Mista situadas abaixo
de 1.000 m s.n.m. Estas sobreposições parecem evidenciar os contatos ecotonais Floresta Ombrófila
Densa/Floresta Ombrófila Mista, que se estabelecem, de acordo com o Capítulo 5 do Volume IV, a
partir de 800 m, e Floresta Ombrófila Mista/Floresta Estacional Decidual, de acordo com o Capítulo 5
do Volume II, a partir dos 600 m s.n.m.

Somente as Unidades Amostrais levantadas no âmbito da Floresta Ombrófila Mista estão acima
do patamar de 1.200 m s.n.m. e todas estão ordenadas, no diagrama da Figura 6.1, na extremidade
superior direita.

Para reforçar a interpretação dos resultados gerados pela DCA, a Figura 6.2 e a Tabela 6.1
representam os produtos da Análise de Correspondência Canônica (CCA). Os resultados numéricos
da CCA são apresentados nas Tabelas 6.1 e 6.2. Os resultados apresentados na Tabela 6.1 indicam
que os três primeiros eixos da CCA capturaram aproximadamente 13% da variância total extraída, um
percentual relativamente baixo. No entanto, os coeficientes de correlação entre as variáveis climáticas
e a matriz de dados da vegetação foram elevados (0,894; 0,853 e 0,675) e o primeiro coeficiente
significativo, segundo as permutações Monte Carlo (p < 0,01).
Tabela 6.1. Autovalores e percentual de variância associados aos três primeiros eixos extraídos através da análise de
correspondência canônica (CCA) e coeficiente de correlação de Pearson entre as variáveis climáticas e a ordenação da
matriz de dados da vegetação.
Table 6.1. Eigenvalues ​​and percentage of variance associated with the first three axes extracted by canonical correspondence
analysis (CCA) and the Pearson correlation coefficient between climatic variables and the ordination of vegetation data
matrix

Eixos 1 2 3
Autovalor 0,425 0,262 0,053
Percentual da variância explicada (%) 7,7 4,7 1,0
Percentual acumulado da variância explicada (%) 7,7 12,4 13,4
Coeficiente de correlação (Pearson) 0,894* 0,853 0,675

Variância total do conjunto de dados = 5,543.


*Aleatorização de Monte Carlo atestam a significância do coeficiente de correlação (p < 0,01)

A Tabela 6.2 resume os coeficientes de correlação entre os eixos e as variáveis ambientais


selecionadas para a análise. A amplitude térmica diária e a umidade relativa do ar média anual, segundo
estes dados, são polos opostos ao longo do eixo 1, enquanto a frequência de geadas e a temperatura
média anual assumem polos opostos ao longo do eixo 2. O eixo 3 associa-se mais fortemente ao
parâmetro que indica as precipitações do quadrimestre mais úmido.
Tabela 6.2. Correlação entre os eixos extraídos através da análise de correspondência canônica (CCA) e as variáveis
ambientais selecionadas para análise: frequência de geadas (FG), precipitação média anual (Pm), amplitude térmica diária
(ATD), umidade relativa do ar média anual (Um), temperatura média anual (Tm) e precipitação do quadrimestre mais úmido
(PQU).
Table 6.2. Correlation between the axes extracted by canonical correspondence analysis (CCA) and environmental variables
selected for analysis: frequency of frosts (FG), mean annual precipitation (Pm), daily temperature range (ATD), relative
humidity annual average (a), mean annual temperature (Tm) and precipitation of wettest quarter (PQU).

Eixos FG Pm ATD Um Tm PQU


1 -0,488 -0,502 -0,769 0,840 0,387 0,341
2 0,639 -0,336 -0,049 0,203 -0,743 -0,300
3 -0,092 -0,473 0,157 -0,023 0,064 -0,567

119
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Por fim, os números apresentados em ambas as tabelas podem ser sinoticamente observados
através do diagrama apresentado na Figura 6.2. Neste, é possível observar que as Unidades Amostrais
vinculadas à Floresta Ombrófila Densa são posicionados à direita, enquanto aquelas associadas à Floresta
Ombrófila Mista e à Floresta Estacional Decidual posicionam-se à esquerda do plano de ordenação.
Devido à forte associação do primeiro eixo da ordenação com a amplitude térmica diária e a umidade
relativa do ar média anual, é possível interpretar a ordenação como uma derivação dos contrastes entre
os climas continentais e oceânicos.

Por outro lado, a correlação entre a frequência de geadas e a temperatura média anual com o
segundo eixo de ordenação indica que as posições assumidas pelas Unidades Amostrais da Floresta
Ombrófila Mista, na porção superior do plano de ordenação, e do conjunto de Unidades Amostrais da
Floresta Estacional Decidual/Floresta Ombrófila Densa, na área inferior do mesmo plano, relacionam-
se com as médias altitudinais mais elevadas daquelas, implicando em climas mais frios e com maior
incidência de geadas, características contrárias àquelas verificadas nas áreas de ocorrência da Floresta
Estacional Decidual e da Floresta Ombrófila Densa.

Figura 6.2. Diagrama representando os resultados da aplicação de análise de correspondência canônica (CCA)
sobre os dados de presença e ausência das 237 espécies (DA > 0,4 ind.ha-1) amostradas nas 421 Unidades
Amostrais do levantamento. As Unidades Amostrais foram classificadas em campo de acordo com Klein (1978):
= Floresta Estacional Decidual; = Floresta Ombrófila Mista; = Floresta Ombrófila Densa; + = Restinga.
Pontos de cores diferentes e que apresentam o mesmo ícone denotam classificações para a Floresta Estacional
Decidual (Capítulo 5 do Volume II), Floresta Ombrófila Mista (Capítulo 5 do Volume III) e Floresta Ombrófila
Densa (Capítulo 5 do Volume IV).
Figure 6.2. Diagram representing the results of the application of canonical correspondence analysis (CCA) on
presence and absence data from 237 species (DA> 0.4 ind / ha) sampled in 421 Sampled Plots. Sampling Plots
were classified in the field according to Klein (1978): = Seasonal Deciduous Forest; = Mixed Ombrophylous
Forest; = Dense Ombrophylous Forest; + = Restinga. Dots of different colors and they have the same icon to
denote ratings Seasonal Deciduous Forest (Chapter 5 of Volume II), Mixed Ombrophylous Forest (Chapter 5 of
Volume III) and Dense Ombrophylous Forest (Chapter 5 of Volume IV).

120
7 | Fitogeografia de Santa Catarina

Até mesmo as divisões para a Floresta Estacional Decidual, a Floresta Ombrófila Mista e a
Floresta Ombrófila Densa (propostas nos Capítulos 5 dos Volumes II, III e IV) são concordantes com
a ordenação resultante da CCA. Comparados os resultados destes autores com aqueles do presente
trabalho, nota-se que, enquanto naqueles o principal fator de definição das diferenças é altitude que
condiciona climas mais frios, neste a definição inicial dos grupos se dá por diferenças climáticas
relacionadas com o afastamento do oceano. A associação do primeiro eixo com a umidade relativa
do ar (maior nas proximidades do oceano) e amplitude térmica diária (maior nos ambientes distantes
dos oceanos) está associada a isso. Este dado tem sustentação em análises similares empregadas
por Oliveira-Filho & Fontes (2000) e Scudeller et al. (2001). O primeiro grupo de autores aponta a
estacionalidade climática como o principal fator determinante da ordenação dos dados em seu estudo.
O segundo grupo de autores, trabalhando em uma área muito mais restrita, indica haver uma clara
segregação entre os sítios localizados nas planícies e nas escarpas da Serra do Mar no estado de São
Paulo, em relação a um segundo grupo, localizado no reverso das escarpas da mesma Serra. Ambos os
conjuntos de autores chegaram às mesmas conclusões, relacionando os gradientes da flora primeiro à
distância do oceano e segundo a climas mais frios, determinados pela altitude. Conclusões similares
foram registradas por Bergamin (2010) que relacionou os padrões de ordenação dos seus dados de
vegetação do sul catarinense e nordeste gaúcho com a altitude e a pluviometria.

Diante dos dados apresentados aqui, torna-se particularmente evidente a segregação de


tipologias florestais que muito coincidem com os padrões de distribuição em regiões fitoecológicas
obedecendo aos critérios de Veloso et al. (1991). Não obstante, é possível perceber que estas divisões
não são claramente delimitáveis em cartografia simples. Isso porque são claras as interfaces entre as
Unidades Amostrais distribuídas em torno de limites altitudinais transitivos entre unidades. Embora
neste capítulo a ordenação das espécies e sua distribuição não tenham sido usadas para reforçar estes
argumentos, Scudeller et al. (2001) concluíram que muitas das espécies da Floresta Ombrófila Densa
atlântica possuem distribuição restrita resultando em grande heterogeneidade florística de local para
local e gerando grande dificuldade na definição de limites para esta formação.

Isso faz com que seja possível aceitar os argumentos de Oliveira-Filho & Fontes (2000) que
sustentam a alegação de que a Floresta Atlântica e sua flora representam um gradiente de distribuição
de espécies fortemente controlado pela estacionalidade do clima. Os dados, de fato, parecem apontar
para tal condição, tendo em vista a formação de claros limites de transição mencionados por diversos
autores (Maack 1968; Torezan 2002; Blum 2006; Gasper et al. 2012; Uhlmann et al. 2012; Lingner et
al. 2012). Esta parece ser uma conclusão aceitável diante das relações aqui estabelecidas.

6.4 Conclusões

Os resultados da ordenação apontaram clara distinção das Unidades Amostrais respeitando


a distinção feita anteriormente à análise e que observou os critérios estabelecidos pelo sistema de
classificação de Veloso et al. (1991). Ao mesmo tempo em que estas distinções foram observadas,
mostrou-se clara a relação entre a estacionalidade do clima e altitude na distinção destes padrões,
indicando que a Floresta Estacional Decidual e a Floresta Ombrófila Densa constituem os opostos de um
gradiente condicionado pela distribuição de chuvas, ao mesmo tempo em que ambas contrastam com a
Floresta Ombrófila Mista, esta última vinculada aos climas mais frios de altitude. Apesar de haverem
contrastes evidentes entre estas regiões fitoecológicas, é importante pensar que estas diferenças na
estrutura da vegetação devem ser vista como o resultado de gradientes climáticos.

121
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Referências

Behling, H. 1997. Late Quaternary vegetation, climate and fire history of the Araucaria forest
and campos region from Serra Campos Gerais, Paraná State (South Brazil). Review of Palaeobotany
and Palynology 97: 109-121.

Bigarella, J.J., Becker, R.D.; Friedenreich-Santos, G. 1994. Estrutura e origem das paisagens
tropicais e subtropicais. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.. 424 p.

Blum, C.T. 2006. Floresta Ombrófila Densa na Serra da Prata, Parque Nacional Saint-
Hilaire/Lange, PR – Caracterização Florística, Fitossociológica e Ambiental de um Gradiente
Altitudinal. 195 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal do Paraná,
Curitiba..

Cole, M.M. 1986. The Savannas: Biogeography and geobotany. London: Academic Press. 438 p.

Falkenberg, D.B. 2003. Matinhas nebulares e vegetação rupícola dos Aparados da Serra
Geral (SC/RS), sul do Brasil. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Gasper, A.L., Uhlmann, A., Vibrans, A.C., Sevegnani, L. (no prelo). Variação da estrutura da
Floresta Estacional Decidual no Estado de Santa Catarina e sua relação com a altitude e clima. Ciencia
Florestal.

Heilbron, M.; Pedrosa-Soares, A.C.; Campos-Neto, M.C.; Silva, L.C.; Trouw, R.A.J.; Janasi,
V.A. 2004. Província Mantiqueira. In: Geologia do Continente Sul-Americano. p. 203-234.

Hijmans, R.J., S.E. Cameron, J.L. Parra, P.G. Jones;A. Jarvis, 2005. Very high resolution
interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology 25: 1965-
1978.

Klein, R.M. 1978. Mapa Fitogeográfico do Estado de Santa Catarina. In: Reitz, R. (ed.) Flora
Ilustrada Catarinense, V Parte - Mapa Fitogeográfico. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 24 p.

Leite, P.F. 1994. As diferentes unidades fitoecológicas da região sul do Brasil, proposta
de classificação. Curitiba. 160 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Setor de Ciências
Agrárias, Universidade Federal do Paraná.

Maack, R. 1947. Breves notícias sobre a Geologia dos estados do Paraná e Santa Catarina.
Arquivos de Biologia e Tecnologia 2: 63-154

Maack, R. 1968. Geografia física do Estado do Paraná. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio
Editora, Curitiba: Secretaria da Cultura e do Esporte do Governo do Estado do Paraná, 350 p.

Martins, F.R.; Batalha, M.A. 2011. Formas de vida, espectro biológico de Raunkiaer e fisionomia
da vegetação. In: Felfili, J. M. Eisenlohr, P.V., Melo, M.M.R.F., Andrade, L.A. e Meira-Neto, J.A.A.
Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de casos. Vol. 1. Viçosa: Editora da UFV. p 44-85.

McCune, B.J. & Mefford, M.J. 2011. PC-ORD. Multivariate analysis of Ecological Data.
Version 6.0.

Morellato, L.P.C.; Haddad, C.F.B. 2000. Introduction: The Brazilian Atlantic Forest. Blotropica
32(4b): 786-792.

Nimer, E. Clima. 1990. In: Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. v.2.
p.151-87.

122
7 | Fitogeografia de Santa Catarina

Oliveira-Filho, A.T.; M A L Fontes. 2000. Patterns of floristic differentiation among Atlantic


forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica 32(4B):793-810.

Rambo, B.A. 1951. Imigração da selva higrófila no Rio Grande do Sul. Anais Botânicos3: 55-91.

Scheer, M.B., Mocochinski, A.Y.; Roderjan, C.V. 2011. Estrutura arbórea da Floresta Ombrófila
Densa Altomontana de serras do Sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica 25(4): 735-750.

Spichiger, R., Calenge, C.; Bise, B. 2004. Geographical zonation in the Neotropics of tree
species characteristics of the Paraguay-Paraná Basin. Journal of Biogeography31:1489-1501.

Torezan, J.M. 2002. Nota sobre a vegetação da bacia do rio Tibagi. In: Medri, M. et al., (eds.) A
bacia do rio Tibagi. Londrina, p. 103-124.

Walter, H. 1979. Vegetation of the Earth and ecological systems of the geo-biosphere. 2nd
edition. New York: Springer-Verlag. 274 p.

Wrege, M.S.; Steinmetz, S.; Reisser-Junior, C.; Almeida, I.R. (ed.) 2011. Atlas Climático
da Região Sul do Brasil: estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Embrapa Clima
Temperado/Embrapa Florestas: Pelotas/Colombo. 336 p.

123
Capítulo 7
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina1

Synthesis of the structure of forest remnants in Santa Catarina

Lauri Amândio Schorn, André Luís de Gasper,


Leila Meyer, Alexander Christian Vibrans

Resumo
Caracterizou-se a composição e a estrutura dos componentes arbóreo/arbustivo e da regeneração natural das
três regiões fitoecológicas no Estado de Santa Catarina: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e
Floresta Estacional Decidual. Foram utilizados dados de 418 unidades amostrais, com área prevista de 4.000 m2
cada, perfazendo um total de 167,20 ha, com inclusão de todos os indivíduos com DAP ≥ 10 cm no componente
arbóreo/arbustivo. Na regeneração foram incluídos todos os indivíduos com DAP < 10 cm e altura ≥ 0,50 m em
área de 400 m2 na Floresta Ombrófila Densa e, altura ≥ 1,50 m e área de 100 m2 nas demais regiões fitoecológicas.
Foram determinados os parâmetros fitossociológicos para o componente arbóreo/arbustivo e para a regeneração
natural, para cada região fitoecológica. Na Floresta Estacional Decidual as espécies que apresentaram os maiores
valores para os parâmetros fitossociológicos foram: Ocotea puberula, Nectandra megapotamica, Luehea
divaricata e Nectandra lanceolata; na Floresta Ombrófila Mista: Dicksonia sellowiana, Araucaria angustifolia,
Clethra scabra e Lithrea brasiliensis; e na Floresta Ombrófila Densa: Alchornea triplinervia, Alsophila setosa,
Hieronyma alchorneoides, Psychotria vellosiana e Cyathea phalerata. A análise fitossociológica evidenciou que
as pioneiras e as secundárias agregam o maior número de espécies e de indivíduos na Floresta Estacional Decidual
e na Floresta Ombrófila Mista, enquanto na Floresta Ombrófila Densa as secundárias são mais expressivas nesses
parâmetros. Os parâmetros analisados mostram que a Floresta Estacional Decidual e a Floresta Ombrófila Mista
encontram-se com a estrutura mais alterada em relação à Floresta Ombrófila Densa.

Abstract
Characterized the composition and structure components of the tree/shrub and natural regeneration of the three
range phytoecological the State of Santa Catarina: Dense Ombrophylous Forest, Mixed Ombrophylous Forest
and Seasonal Deciduous Forest. Data from 418 sampling units, with planned area of 4,000 m2 each, a total
of 167,20 has sampled, with inclusion of all individuals with DBH≥ 10 cm in the component tree/shrub. In
the regeneration component included all individuals with DBH < 10 cm and height ≥ 0.50 m in the Dense
Ombrophylous Forest and height ≥ 1.50 m in other regions. Phytosociological parameters were determined for
the component tree/shrub and natural regeneration, for each training phytoecological. In Seasonal Deciduous
Forest species that showed the highest values ​​for phytosociological parameters were Ocotea puberula, Nectandra
megapotamica, Luehea divaricata and Nectandra lanceolata, were in the Mixed Ombrophylous Forest, Dicksonia
sellowiana, Araucaria angustifolia, Clethra scabra and Lithrea brasiliensis, and in the Ombrophylous Forest
Dense Alchornea triplinervia, Alsophila setosa, Hieronyma alchorneoides, Psychotria vellosiana and Cyathea
phalerata. The phytosociological analysis showed that the pioneers and secondary aggregate the largest number
of species and individuals in the Seasonal Deciduous Forest and Mixed Ombrophylous Forest, while in the
Dense Ombrophylous Forest the secondary are more expressive in these parameters. The parameters analyzed
show that the Seasonal Deciduous Forest and Mixed Ombrophylous Forest are more changes to the structure in
relation to the Dense Ombrophylous Forest.

1
Schorn, L.A.; Gasper A.L. de.; Meyer, L.; Vibrans, A.C. 2012. Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina. In:
Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade
e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

125
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

7.1 Introdução

Em Santa Catarina, a vegetação florestal é formada por remanescentes distribuídos em três


grandes regiões fitoecológicas: Floresta Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista e Floresta
Ombrófila Densa (Klein 1978; IBGE 1992). São remanescentes que, em geral, sofreram alterações em
sua estrutura original e que atualmente apresentam características fitossociológicas diferentes daquelas
descritas em estudos realizados em décadas passadas.

Na Floresta Estacional Decidual de Santa Catarina, que se distribui pela bacia hidrográfica do rio
Uruguai, sobretudo ao longo do seu rio principal e nas porções média e baixa de seus afluentes (Klein
1972; IBGE 1992), levantamentos florísticos e seu mapeamento fitogeográfico, foram publicados por
Klein (1972; 1978) e Reitz et al. (1979) e, mais recentemente, de modo pontual, a avaliação da estrutura
efetuada por Ruschel et al. (2003; 2005; 2009). Trabalhos relacionados à regeneração natural não
foram encontrados nesta região fitoecológicas para o Estado, apesar da importância deste componente
no entendimento da manutenção da diversidade das florestas ao longo do tempo, sobretudo quando
comparada ao componente arbóreo, como sugerido por Felfili (1991).

A Floresta Ombrófila Mista cobria, originalmente e aproximadamente, dois terços do território


catarinense, desde a divisa com a Argentina até os platôs da Serra Geral (Klein 1978; Leite & Klein
1990). Nesta região fitoecológica foram efetuados os estudos florísticos históricos por Klein (1960;
1978) e Reitz & Klein (1966) e, mais recente são encontrados os trabalhos de Formento et al. (2004),
Eskuche (2007), Lingner et al. (2007), Brogni (2009), Klauberg et al. (2010) e Vibrans et al. (2011),
que tratam da estrutura do componente arbóreo, enquanto que para regeneração natural pode ser citado
apenas Cadalto et al. (1996), que estudou a regeneração natural, o banco e chuva de sementes na
Reserva Genética Florestal de Caçador.

Para a Floresta Ombrófila Densa, região fitoecológica de maior diversidade florística no Estado
em decorrência de suas variações altitudinais e latitudinais, elevadas taxas pluviométricas e temperaturas
praticamente constantes durante do ano (Leite & Klein 1990; Veloso et al. 1991; IBGE 1992). Extensos
estudos foram realizados por Veloso & Klein 1959; 1961; 1963; 1968a; 1968b) e por Klein (1979; 1980)
e, mais recentemente, podem ser citados os trabalhos de Carvalho (2003), Sevegnani (2003), Ghoddosi
(2005), Schorn (2005), Negrelle (2006), Silva (2006), et al. (2009) e Schorn & Galvão (2009), os
quais abordaram a estrutura do componente arbóreo. Ressalta-se que os trabalhos de Schorn (2005) e
Negrelle (2006) também consideram a regeneração natural em suas análises e, nos estudos de Veloso &
Klein (op.cit.) e Klein (op.cit.), são apontadas as espécies conspícuas do estrato das arvoretas, arbustos
e ervas, os quais compõem o sub-bosque da floresta e são comumente incluídos na amostragem da
regeneração natural.

Nos Volumes II, III e IV foram tratados os componentes arbóreo/arbustivos e regeneração


natural de cada região fitoecológica do Estado separadamente e, cabe a este capítulo, uma síntese geral
da estrutura da vegetação de Santa Catarina.

7.2 Metodologia

O Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina levantou 78 Unidades Amostrais na região


fitoecológica da Floresta Estacional Decidual, 143 na Floresta Ombrófila Mista e 197 na Floresta
Ombrófila Densa. A partir destas informações foi possível elaborar uma síntese da estrutura dos
remanescentes florestais do estado.

Em cada Unidade Amostral foi amostrado: 1) Componente arbóreo/arbustivo, que


compreendeu todos os indivíduos com diâmetro a altura do peito (DAP) ≥ 10 cm, em área de 4.000 m2;

126
Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina

2) Regeneração natural, que na Floresta Estacional Decidual e na Floresta Ombrófila Mista incluiu
todos os indivíduos com altura ≥ 1,50 m e DAP < 10 cm em área de 100 m2 e, na Floresta Ombrófila
Densa os indivíduos com altura ≥ 0,5 m e DAP < 10 cm em área de 400 m2 (Vibrans et al. 2010;
Capítulo 2). Em algumas Unidades Amostrais não foi levantada regeneração natural, pois esta se
encontrava muito reduzida ou inexistente.

Para cada região fitoecológica foram calculados as variáveis fitossociológicas de densidade,


frequência e dominância para o componente arbóreo/arbustivo e, densidade e frequência para a
regeneração natural, conforme Müller-Dombois & Ellenberg (1974). Os valores são meras extrapolações
por hectare, portanto não são estimativas populacionais.

7.3 Resultados

Foram mensurados em todo o estado de Santa Catarina 92.754 indivíduos no componente


arbóreo/arbustivo, 64.570 na regeneração natural (Tabela 7.1). Estes indivíduos estão distribuídos em
668 espécies do componente arbóreo/arbustivo e 748 na regeneração, totalizando 840 espécies.

Os paramentos de área basal variaram entre 20 e 23,8 m2.ha-1 e o DAP médio de 18,7 a 21,1 cm
(Tabela 7.1). A seguir serão apresentados os dados para cada região fitoecológica.
Tabela 7.1. Descritores quantitativos de cada região fitoecológica e componente. UA = número de Unidades Amostrais;
N = número de indivíduos; S = número de espécies; DA = densidade absoluta (ind.ha-1); AB = área basal (m2.ha-1); DAP =
diâmetro a altura do peito.
Table 7.1. Quantitative descriptors of each region phytoecological and component. UA = number of Sampled Plots; N =
number of individuals; S = number of species; DA = absolute density (ind.ha-1); AB = basal area (m2.ha-1); DAP = diameter
at breast height .

Região Fitoecológica UA N S DA AB DAP med. DAP max.


Componente arbóreo/arbustivo
Floresta Estacional Decidual 78 12.899 210 460,6 20,0 20,4 162,3
Floresta Ombrófila Mista 143 31.784 369 575,6 25,5 21,1 380,7
Floresta Ombrófila Densa 197 48.071 580 684,9 23,8 18,7 171,9
Regeneração natural
Floresta Estacional Decidual 77 3.325 165 4918,6 - - -
Floresta Ombrófila Mista 137 5.990 344 4081,8 - - -
Floresta Ombrófila Densa 195 55.255 645 8407,0 - - -

Floresta Estacional Decidual

No componente arbóreo/arbustivo foram amostrados 78 Unidades Amostrais, 12.899 indivíduos


e 210 espécies que apresentaram densidade absoluta de 460,6 ind.ha-1 e área basal de 20,0 m2.ha-1
(Tabela 7.1). O diâmetro a altura do peito (DAP) médio foi de 20,4 cm e o DAP máximo de 162,3 cm
de um exemplar de Ficus luschnathiana (figueira). As espécies que apresentaram os maiores valores
para os parâmetros fitossociológicos foram Ocotea puberula (canela-guaicá), Nectandra megapotamica
(canela-imbuia), Luehea divaricata (açoita-cavalo) e Nectandra lanceolata (canela-amarela). Essas
quatro espécies agregaram 68% do valor de importância (VI) na Floresta Estacional Decidual em Santa
Catarina. Destacaram-se também: Nectandra lanceolata pela densidade e dominância, Cupania vernalis
(cubantã) pela densidade e frequência e Syagrus romanzoffiana (gerivá) pela frequência (Tabela 7.2).

127
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Um fato marcante na análise da estrutura da Floresta Estacional Decidual é que entre as 20


espécies mais importantes, apenas uma é caracterizada como climácica, Cordia americana (guaraiuva),
enquanto outras seis são pioneiras e 13 são secundárias (Tabela 7.2).
Tabela 7.2. Espécies com maior valor de importância no componente arbóreo/arbustivo da Floresta Estacional Decidual.
N = número de indivíduos; U = número de Unidades Amostrais nas quais a espécie ocorre; AB = área basal (m2); DA =
densidade absoluta (ind.ha-1); DR = densidade relativa (%); FA = frequência absoluta (%); FR = frequência relativa (%);
DoA = dominância absoluta (m2.ha-1); DoR = dominância relativa (%); VI = valor de importância; DAP med. = diâmetro na
altura do peito médio (cm); GE = grupo ecológico; P = pioneira; SE = secundária; C = climácica.
Table 7.2. Species with the highest importance value in tree/shrub component of Seasonal Deciduous Forest. N = number of
individuals; U = number of Sample Plots where species occurs; AB = area basal (m2); DA = absolute density (ind.ha-1); DR
= relative density (%); FA = absolute frequency (%); FR = relative frequency (%); DoA = absolute dominance (m2.ha-1); DR
= relative dominance (%); VI = value of importance; DAP med. = average diameter at breast height (cm); GE = ecological
group; P = Pioneer; SE = Secondary; C = Climax.

Espécie N U AB DA DR FA FR DoA DoR VI DAP med. GE


Ocotea puberula 985 65 53,9 35,2 7,6 83,3 2,2 1,9 9,6 19,5 23,9 P
Nectandra megapotamica 918 72 55,0 32,8 7,1 92,3 2,5 2,0 9,8 19,4 24,7 P
Luehea divaricata 781 68 43,8 27,9 6,1 87,2 2,3 1,6 7,8 16,2 22,5 SE
Nectandra lanceolata 544 58 38,2 19,4 4,2 74,4 2,0 1,4 6,8 13,0 26,3 SE
Cupania vernalis 562 64 12,5 20,1 4,4 82,1 2,2 0,4 2,2 8,8 15,8 P
Machaerium stipitatum 447 59 12,7 16,0 3,5 75,6 2,0 0,5 2,3 7,8 17,4 SE
Syagrus romanzoffiana 363 64 11,8 13,0 2,8 82,1 2,2 0,4 2,1 7,1 19,7 P
Cedrela fissilis 306 60 12,4 10,9 2,4 76,9 2,1 0,4 2,2 6,6 20,1 SE
Casearia sylvestris 334 52 7,8 11,9 2,6 66,7 1,8 0,3 1,4 5,8 16,1 SE
Parapiptadenia rigida 177 41 16,6 6,3 1,4 52,6 1,4 0,6 3,0 5,7 28,1 SE
Hovenia dulcis 337 34 10,2 12,0 2,6 43,6 1,2 0,4 1,8 5,6 18,0 P
Myrocarpus frondosus 190 48 8,7 6,8 1,5 61,5 1,7 0,3 1,6 4,7 20,7 SE
Chrysophyllum marginatum 176 41 10,6 6,3 1,4 52,6 1,4 0,4 1,9 4,7 23,6 P
Matayba elaeagnoides 255 38 7,3 9,1 2,0 48,7 1,3 0,3 1,3 4,6 17,3 SE
Cabralea canjerana 178 43 9,1 6,4 1,4 55,1 1,5 0,3 1,6 4,5 21,5 SE
Lonchocarpus campestris 183 51 7,3 6,5 1,4 65,4 1,8 0,3 1,3 4,5 20,1 SE
Trichilia clausseni 238 42 5,4 8,5 1,9 53,9 1,4 0,2 1,0 4,3 15,9 SE
Cordia americana 106 39 11,1 3,8 0,8 50,0 1,3 0,4 2,0 4,1 29,1 C
Prunus myrtifolia 154 40 8,4 5,5 1,2 51,3 1,4 0,3 1,5 4,1 23,1 SE
Allophylus edulis 191 47 4,9 6,8 1,5 60,3 1,6 0,2 0,9 4,0 16,8 SE
Demais espécies (190) 5.474 - 213,3 195,5 42,6 2.422,9 64,6 7,6 38,0 145,3 - -
Total 12.899 78 561,0 460,6 100 3.738,5 100 20,0 100 300 20,4 -

Na regeneração natural foram levantadas 77 Unidades Amostrais, 3.325 indivíduos e 165


espécies perfazendo densidade absoluta de 4.918,6 ind.ha-1 (Tabela 7.1). As espécies que tiveram
maiores valores de densidade e frequência foram: Actinostemon concolor (laranjeira-do-mato), C.
vernalis e Trichilia elegans (catiguá), bem como Lonchocarpus campestris (rabo-de-macaco) pela
densidade e N. megapotamica pela frequência (Tabela 7.3). Entre as 20 espécies mais importantes na
regeneração, apenas duas, A. concolor e Pilocarpus pennatifolius (cutia-branca) pertencem ao grupo

128
Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina

ecológico das climácicas; outras cinco espécies são pioneiras, enquanto as demais são classificadas
como secundárias.
Tabela 7.3. Espécies com maior valor de importância na regeneração natural da Floresta Estacional Decidual. N = número
de indivíduos; U = número de Unidades Amostrais nas quais a espécie ocorre; DA = densidade absoluta (ind.ha-1); DR =
densidade relativa (%); FA = frequência absoluta (%); FR = frequência relativa (%); VI = valor de importância; GE = grupo
ecológico; P = pioneira; SE = secundária; C = climácica.
Table 7.3. Species with the highest importance value in regeneration of the Seasonal Deciduous Forest. N = number of
individuals; U = the number of Sample Plots where species occurs; DA = absolute density (ind.ha-1); DR = the relative
density (%); FA = absolute frequency (%); FR = relative frequency (%); VI = importance value; GE = ecological group; P
= Pioneer; SE = Secondary; C = Climax.

Espécie N U DA DR FA FR VI GE
Actinostemon concolor 272 43 402,4 8,2 55,8 3,7 11,9 C
Cupania vernalis 158 45 233,7 4,8 58,4 3,9 8,6 P
Trichilia elegans 149 40 220,4 4,5 52,0 3,4 7,9 SE
Lonchocarpus campestris 161 30 238,2 4,8 39,0 2,6 7,4 SE
Nectandra megapotamica 90 38 133,1 2,7 49,4 3,3 6,0 P
Pilocarpus pennatifolius 126 25 186,4 3,8 32,5 2,1 5,9 C
Machaerium stipitatum 93 23 137,6 2,8 29,9 2,0 4,8 SE
Casearia sylvestris 81 24 119,8 2,4 31,2 2,1 4,5 SE
Sorocea bonplandii 73 25 108,0 2,2 32,5 2,1 4,3 SE
Myrsine umbellata 78 21 115,4 2,4 27,3 1,8 4,1 SE
Urera baccifera 61 26 90,2 1,8 33,8 2,2 4,1 SE
Trichilia clausseni 54 26 79,9 1,6 33,8 2,2 3,9 SE
Allophylus edulis 62 21 91,7 1,9 27,3 1,8 3,7 SE
Myrcia oblongata 110 2 162,7 3,3 2,6 0,2 3,5 P
Luehea divaricata 52 21 76,9 1,6 27,3 1,8 3,4 SE
Sebastiania brasiliensis 46 22 68,0 1,4 28,6 1,9 3,3 P
Helietta apiculata 67 11 99,1 2,0 14,3 0,9 3,0 SE
Justicia brasiliana 42 19 62,1 1,3 24,7 1,6 2,9 SE
Parapiptadenia rigida 59 10 87,3 1,8 13,0 0,9 2,6 SE
Bauhinia forficata 31 19 45,9 0,9 24,7 1,6 2,6 P
Demais espécies (145) 1.460 - 2.159,8 43,8 878,02 58,15 101,9 -
Total 3.325 77 4.919,4 100 15,16,6 100 300 -

Nove espécies foram registradas entre as mais importantes, tanto no componente arbóreo/
arbustivo quanto na regeneração: Actinostemon concolor, Cupania vernalis, Lonchocarpus campestres,
Nectandra megapotamica, Machaerium stipitatum (farinha-seca), Casearia sylvestris (chá-de-bugre),
Trichilia clausseni (catiguá-vermelho), Allophylus edulis (vacum), Luehea divaricata e Parapiptadenia
rigida (angico-do-banhado).

129
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Floresta Ombrófila Mista

No componente arbóreo/arbustivo foram incluídas 143 Unidades Amostrais com 31.784


indivíduos e 369 espécies representando densidade absoluta de 575,6 ind.ha-1 e área basal de 25,5
m2.ha-1 (Tabela 7.1). O DAP médio foi de 21,1 cm, o DAP máximo de 380,7 cm de uma árvore de
Lamanonia ternata (guaperê). Apresentaram elevados valores para os parâmetros fitossociológicos:
Dicksonia sellowiana (xaxim-bugio), Araucaria angustifolia (pinheiro-brasileiro) e Clethra scabra
(caujuva), bem como Vernonanthura discolor (vassourão-preto) para densidade, O. puberula para
frequência e Lithrea brasiliensis (aroeira-brava), Matayba elaeagnoides (camboatá) e Ocotea porosa
(imbuia) para dominância (Tabela 7.4). Destaca-se que somente Dicksonia sellowiana e Araucaria
angustifolia agregam 50% da importância na Floresta Ombrófila Mista em Santa Catarina, as quais
caracterizam amplamente a fitofisionomia desta região fitoecológica no Estado.
Tabela 7.4. Espécies com maior valor de importância no componente arbóreo/arbustivo da Floresta Ombrófila Mista. N
= número de indivíduos; U = número de unidade amostral que a espécie ocorre; AB = área basal (m2); DA = densidade
absoluta (ind.ha-1); DR = densidade relativa (%); FA = frequência absoluta (%); FR = frequência relativa (%); DoA =
dominância absoluta (m2.ha-1); DoR = dominância relativa (%); VI = valor de importância; DAP med. = diâmetro na altura
do peito médio (cm); GE = grupo ecológico; P = pioneira, SE = secundária; C = climácica.
Table 7.4. Species with the highest importance value in the tree/shrub component of Mixed Ombrophylous Forest. N =
number of individuals; U = number of Sample Plots where species occurs; AB = basal area (m2); DA = absolute density (ind.
ha-1); DR = relative density (%); FA = absolute frequency (%); FR= relative frequency (%); DoA = absolute dominance (m2.
ha-1); DoR= relative dominance (%); VI = value of importance; DAP med. = average diameter at breast height (cm); GE =
ecological group; P = Pioneer; SE = Secondary; C = Climax.
DAP
Espécie N U AB DA DR FA FR DoA DoR VI GE
med.
Dicksonia sellowiana 5.249 89 259,8 95,1 16,5 62,2 1,8 4,7 18,5 36,7 23,9 C
Araucaria angustifolia 1.373 92 97,3 24,9 4,3 64,3 1,8 1,8 6,9 13,1 26,5 P
Clethra scabra 1.124 93 42,1 20,4 3,5 65,0 1,9 0,8 3,0 8,4 20,2 SE
Matayba elaeagnoides 1.049 85 44,7 19,0 3,3 59,4 1,7 0,8 3,2 8,2 20,8 SE
Lithrea brasiliensis 918 53 42,5 16,6 2,9 37,1 1,1 0,8 3,0 7,0 21,7 SE
Ocotea porosa 492 47 53,2 8,9 1,6 32,9 0,9 1,0 3,8 6,3 30,3 C
Ocotea puberula 577 89 35,1 10,4 1,8 62,2 1,8 0,6 2,5 6,1 25,1 P
Prunus myrtifolia 595 112 26,7 10,8 1,9 78,3 2,2 0,5 1,9 6,0 21,7 SE
Ocotea pulchella 499 81 38,6 9,0 1,6 56,6 1,6 0,7 2,8 5,9 27,1 P
Vernonanthura discolor 603 96 27,0 10,9 1,9 67,1 1,9 0,5 1,9 5,7 22,4 SE
Lamanonia ternata 393 65 38,8 7,1 1,2 45,5 1,3 0,7 2,8 5,3 26,8 SE
Ilex paraguariensis 580 81 16,3 10,5 1,8 56,6 1,6 0,3 1,2 4,6 17,4 C
Nectandra megapotamica 507 61 25,2 9,2 1,6 42,7 1,2 0,5 1,8 4,6 22,9 P
Cupania vernalis 562 55 15,5 10,2 1,8 38,5 1,1 0,3 1,1 4,0 17,5 P
Sebastiania commersoniana 523 55 17,1 9,5 1,7 38,5 1,1 0,3 1,2 3,9 18,9 P
Myrsine coriacea 426 81 13,9 7,7 1,3 56,6 1,6 0,3 1,0 3,9 19,0 P
Sapium glandulosum 393 82 14,3 7,1 1,2 57,3 1,6 0,3 1,0 3,9 19,9 P
Cedrela fissilis 316 67 20,4 5,7 1,0 46,9 1,3 0,4 1,5 3,8 25,0 SE
Cinnamomum amoenum 286 62 23,4 5,2 0,9 43,4 1,2 0,4 1,7 3,8 28,3 SE
Mimosa scabrella 400 53 19,6 7,2 1,3 37,1 1,1 0,4 1,4 3,7 23,0 P
Demais espécies (349) 14.919 - 535,4 270,2 47,0 2476,5 70,6 9,7 37,9 155,3 - -
Total 31.784 143 1.406,9 575,6 100 3.524,5 100 25,5 100 300 21,1 -

Na regeneração natural, com 137 Unidades Amostrais, foram registrados 5.990 indivíduos e
344 espécies com densidade absoluta de 4.081,8 ind.ha-1. Sobressaíram pela densidade e frequência:
Cupania vernalis, Casearia decandra (cambroé) e Matayba elaeagnoides, pela densidade Myrcia
oblongata (guamirim-do-campo) e Sebastiania brasiliensis (leiteiro-de-folha-fina) e, pela frequência

130
Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina

Allophylus edulis, Ilex paraguariensis e Sebastiania commersoniana (branquilho) (Tabela 7.5). De


forma semelhante ao verificado no componente arbóreo/arbustivo, somente duas espécies entre as vinte
mais importantes são climácicas, Allophylus guaraniticus (vacum-mirim) e Dicksonia sellowiana. As
demais espécies dividem-se igualmente entre pioneiras e secundárias.
Tabela 7.5. Espécies com maior valor de importância na regeneração da Floresta Ombrófila Mista. N = número de indivíduos;
U = número de Unidades Amostrais nas quais a espécie ocorre; DA = densidade absoluta (ind.ha-1); DR = densidade relativa
(%); FA = frequência absoluta (%); FR = frequência relativa (%); VI = valor de importância; GE = grupo ecológico; P =
pioneira; SE = secundária; C = climácica.
Table 7.5. Species with the highest importance value in regeneration of Mixed Ombrophylous Forest. N = number of
individuals; U = the number of Sample Plots where species occurs; DA = absolute density (ind.ha-1); DR = relative density
(%); FA = frequency absolute (%); FR = relative frequency (%); VI = importance value; GE = ecological group; P = Pioneer;
SE = Secondary; C = Climax.

Espécie N U DA DR FA FR VI GE
Cupania vernalis 171 40 116,53 2,85 29,20 2,07 4,92 P
Myrcia oblongata 215 15 146,51 3,59 10,95 0,77 4,36 P
Casearia decandra 116 37 79,05 1,94 27,01 1,91 3,85 SE
Matayba elaeagnoides 115 32 78,37 1,92 23,36 1,65 3,57 SE
Sebastiania brasiliensis 130 19 88,59 2,17 13,87 0,98 3,15 P
Sebastiania commersoniana 90 29 61,33 1,50 21,17 1,50 3,00 P
Ilex paraguariensis 77 30 52,47 1,29 21,90 1,55 2,83 P
Allophylus edulis 61 28 41,57 1,02 20,44 1,45 2,46 SE
Vernonanthura discolor 82 21 55,88 1,37 15,33 1,08 2,45 SE
Dicksonia sellowiana 102 12 69,51 1,70 8,76 0,62 2,32 C
Araucaria angustifolia 66 23 44,97 1,10 16,79 1,19 2,29 P
Solanum sanctaecatharinae 92 14 62,69 1,54 10,22 0,72 2,26 P
Styrax leprosus 56 25 38,16 0,93 18,25 1,29 2,23 SE
Drimys angustifolia 108 8 73,60 1,80 5,84 0,41 2,22 P
Clethra scabra 54 24 36,80 0,90 17,52 1,24 2,14 SE
Allophylus guaraniticus 63 20 42,93 1,05 14,60 1,03 2,08 C
Zanthoxylum rhoifolium 46 25 31,35 0,77 18,25 1,29 2,06 SE
Myrsine coriacea 54 22 36,80 0,90 16,06 1,14 2,04 P
Nectandra megapotamica 56 21 38,16 0,93 15,33 1,08 2,02 P
Myrceugenia pilotantha 92 7 62,69 1,54 5,11 0,36 1,90 SE
Demais espécies (324) 4.144 - 2.823,8 69,25 1.084,1 76,19 145,82 -
Total 5.990 137 4.081,8 100 1.413,9 100 300 -

Dez espécies foram registradas entre as mais importantes, tanto no componente arbóreo/arbustivo
quanto na regeneração: Cupania vernalis, Matayba elaeagnoides, Sebastiana commersoniana, Ilex
paraguariensis, Vernonanthura discolor, Dicksonia sellowiana, Araucaria angustifolia, Solanum
sanctaecatharinae (joá-manso), Clethra scabra, Myrsine coriacea (capororoca) e Nectandra
megapotamica.

131
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Floresta Ombrófila Densa


No componente arbóreo/arbustivo foram amostradas 197 Unidades Amostrais, 48.071 indivíduos
e 580 espécies perfazendo uma densidade absoluta de 684,9 ind.ha-1 e área basal de 23,8 m2.ha-1 (Tabela
7.1). O DAP médio foi de 18,7 cm eo DAP máximo de 171,9 cm de uma árvore de Sloanea guianensis
(laranjeira-do-mato). Destacaram-se as espécies: Alchornea triplinervia (tanheiro) pela frequência e
dominância, Alsophila setosa (xaxim-setoso), Cyathea phalerata (xaxim-brilhante) e Euterpe edulis
pela densidade, Psychotria vellosiana (caixeta), Cabralea canjerana (canjerana), Casearia sylvestris
e Cedrela fissilis (cedro) pela frequência e, Hieronyma alchorneoides pela dominância (Tabela 7.6).
Esse grupo de espécies agregou 39,5 % do valor de importância na Floresta Ombrófila Densa em Santa
Catarina.
Tabela 7.6. Espécies com maior valor de importância para o componente arbóreo/arbustivo da Floresta Ombrófila Densa.
N = número de indivíduos; U = número de Unidades Amostrais nas quais a espécie ocorre; AB = área basal (m2); DA =
densidade absoluta (ind.ha-1); DR = densidade relativa (%); FA = frequência absoluta (%); FR = frequência relativa (%);
DoA = dominância absoluta (m2.ha-1); DoR = dominância relativa (%); VI = valor de importância; DAP med. = diâmetro na
altura do peito médio (cm); GE = grupo ecológico; P = pioneira; SE = secundária; C = climácica.
Table 7.6. Species with the highest importance value in the tree/shrub component of Dense Ombrophylous Forest. N =
number of individuals; U = number of Sample Plots where species occurs; AB = basal area (m2); DA = absolute density (ind.
ha-1); DR = relative density (%); FA = absolute frequency (%); FR = relative frequency (%); DoA = absolute dominance (m2.
ha-1); DoR = relative dominance (%); VI = value of importance; DAP med. = average diameter at breast height (cm); GE =
ecological group; P = Pioneer; SE = Secondary; C = Climax.
DAP
Espécie N U AB DA DR FA FR DoA DoR VI GE
med.
Alchornea triplinervia 1.481 150 87,8 21,1 3,1 76,1 1,3 1,3 5,3 9,7 23,7 SE
Alsophila setosa 2.726 106 31,0 38,8 5,7 53,8 0,9 0,4 1,9 8,5 11,8 C
Hieronyma alchorneoides 1.081 98 52,3 15,4 2,3 49,8 0,9 0,7 3,1 6,2 22,4 SE
Psychotria vellosiana 1.181 125 34,1 16,8 2,5 63,5 1,1 0,5 2,0 5,6 18,0 SE
Cyathea phalerata 1.509 94 21,1 21,5 3,1 47,7 0,8 0,3 1,3 5,2 13,1 C
Euterpe edulis 1.511 108 18,4 21,5 3,1 54,8 1,0 0,3 1,1 5,2 12,3 C
Cabralea canjerana 638 145 30,7 9,1 1,3 73,6 1,3 0,4 1,8 4,4 21,2 SE
Syagrus romanzoffiana 769 82 29,4 11,0 1,6 41,6 0,7 0,4 1,8 4,1 21,1 P
Miconia cinnamomifolia 744 68 30,7 10,6 1,6 34,5 0,6 0,4 1,8 4,0 21,2 P
Casearia sylvestris 743 137 17,8 10,6 1,6 69,5 1,2 0,3 1,1 3,8 16,4 SE
Tapirira guianensis 598 45 34,6 8,5 1,2 22,8 0,4 0,5 2,1 3,7 24,6 SE
Nectandra oppositifolia 478 117 28,1 6,8 1,0 59,4 1,0 0,4 1,7 3,7 24,5 SE
Guapira opposita 684 103 18,3 9,7 1,4 52,3 0,9 0,3 1,1 3,4 17,2 P
Cedrela fissilis 393 127 22,2 5,6 0,8 64,5 1,1 0,3 1,3 3,3 24,0 SE
Matayba intermedia 482 124 19,5 6,9 1,0 62,9 1,1 0,3 1,2 3,3 20,3 SE
Ocotea catharinensis 411 73 29,2 5,9 0,9 37,1 0,6 0,4 1,8 3,2 26,1 C
Clethra scabra 719 71 18,5 10,2 1,5 36,0 0,6 0,3 1,1 3,2 16,9 SE
Guatteria australis 554 107 17,3 7,9 1,2 54,3 0,9 0,2 1,0 3,1 18,3 P
Cryptocarya mandioccana 392 84 25,6 5,6 0,8 42,6 0,7 0,4 1,5 3,1 25,8 -
Sloanea guianensis 486 73 23,8 6,9 1,0 37,1 0,6 0,3 1,4 3,1 21,0 C
Demais espécies 30.491 - 1.079,8 434,4 63,2 4.755,4 82,7 15,4 64,4 210,2 - -
Total 48.071 197 1.670,3 684,9 100 5.788,8 100 23,8 100 300 18,7 -

132
Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina

Na regeneração natural foram englobadas 195 unidades amostrais, 55.255 indivíduos e 645
espécies com densidade absoluta de 8.407,9 ind.ha-1 (Tabela 7.1). Sobressaíram-se pela densidade e
frequência Euterpe edulis e Psychotria suterella (grandiuva-d’anta), pela densidade Piper aduncum
(paripaioba ) e Cupania vernalis e, pela frequência Cabralea canjerana e Guapira opposita (maria-
mole) (Tabela 7.7). Entre as vinte espécies mais importantes nos dois componentes, somente cinco
delas encontram-se simultaneamente no estrato arbóreo/arbustivo e na regeneração natural: Euterpe
edulis, Guapira opposita, Cabralea canjerana, Psychotria vellosiana e Alsophila setosa.
Tabela 7.7. Espécies com maior valor de importância na regeneração da Floresta Ombrófila Densa. N = número de indivíduos;
U = número de Unidades Amostrais nas quais a espécie ocorre; AB = área basal (m2); DA = densidade absoluta (ind.ha-1);
DR = densidade relativa (%); FA = frequência absoluta (%); FR = frequência relativa (%); VI = valor de importância; GE =
grupo ecológico; P = pioneira; SE = secundária; C = climácica.
Table 7.7. Species with the highest importance value in regeneration of Dense Ombrophylous Forest. N = number of
individuals; U = number of Sample Plots where species occurs; AB = basal area (m2); DA = absolute density (ind.ha-1); DR =
relative density (%); FA = absolute frequency (%); FR = relative frequency (%); VI = value of importance; GE = ecological
group; P = Pioneer; SE = Secondary; C = Climax.

Espécie N U DA DR FA FR VI GE
Euterpe edulis 2.845 131 432,9 5,2 67,2 1,2 6,3 C
Psychotria suterella 2.032 129 309,2 3,7 66,2 1,2 4,8 C
Piper aduncum 1.394 87 212,1 2,5 44,6 0,8 3,3 SE
Guapira opposita 1.029 135 156,6 1,9 69,2 1,2 3,1 P
Cupania vernalis 1.139 100 173,3 2,1 51,3 0,9 3,0 P
Cabralea canjerana 797 148 121,3 1,4 75,9 1,3 2,8 SE
Sorocea bonplandii 902 122 137,2 1,6 62,6 1,1 2,7 SE
Rudgea jasminoides 897 121 136,5 1,6 62,1 1,1 2,7 C
Mollinedia schottiana 774 118 117,8 1,4 60,5 1,1 2,5 C
Psychotria vellosiana 869 97 132,2 1,6 49,7 0,9 2,4 SE
Endlicheria paniculata 626 138 95,2 1,1 70,8 1,2 2,4 SE
Trichilia pallens 916 69 139,4 1,7 35,4 0,6 2,3 C
Guarea macrophylla 686 109 104,4 1,2 55,9 1,0 2,2 SE
Myrcia splendens 701 99 106,7 1,3 50,8 0,9 2,2 SE
Ouratea parviflora 649 105 98,7 1,2 53,9 0,9 2,1 C
Actinostemon concolor 813 63 123,7 1,5 32,3 0,6 2,0 C
Piper gaudichaudianum 946 38 143,9 1,7 19,5 0,3 2,1 SE
Alsophila setosa 647 90 98,4 1,2 46,2 0,8 2,0 C
Esenbeckia grandiflora 602 97 91,6 1,1 49,7 0,9 2,0 SE
Geonoma schottiana 686 78 104,4 1,2 40,0 0,7 1,9 SE
Demais espécies (625) 35.305 - 5.371,6 63,8 4.665,5 81,7 145,4 -
Total 55.255 195 8.407,0 100 5.729,2 100 300 -

Na Floresta Ombrófila Densa as climácicas, em geral, agregaram maior porcentagem de espécies


e densidade quando comparadas às demais regiões fitoecológicas, no entanto, as secundárias continuam
com maior representatividade (Figura 7.1 e 7.2).

133
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

As espécies pioneiras e secundárias agregam a maioria das espécies, tanto no componente


arbóreo/arbustivo nas três regiões fitoecológicas (Figura 7.1). No componente arbóreo/arbustivo
os dois grupos ecológicos agregam 84,7% das espécies, enquanto na regeneração natural, 88,6%. A
distribuição da densidade absoluta entre os grupos ecológicos seguiu a mesma tendência (Figura 7.2),
com as espécies secundárias e pioneiras no componente arbóreo/arbustivo agregando 95,4% do número
de indivíduos e, na regeneração, 83,4%.

Figura 7.1. Percentagem de espécies por grupo ecológico, componente e região fitoecológica em Santa Catarina.
FOD = Floresta Ombrófila Densa; FOM = Floresta Ombrófila Mista; FED = Floresta Estacional Decidual; ARB
= componente arbóreo/arbustivo; REG = regeneração natural.
Figure 7.1. Percentage of species by ecological group, component and phytoecological region in Santa Catarina.
FOD = Dense Ombrophylous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FED = Seasonal Deciduous Forest;
ARB = component tree/shrub; REG = natural regeneration.

Figura 7.2. Percentagem da densidade absoluta por grupo ecológico, componente e região fitoecológica em
Santa Catarina. FOD = Floresta Ombrófila Densa; FOM = Floresta Ombrófila Mista; FED = Floresta Estacional
Decidual; ARB = componente arbóreo/arbustivo; REG = regeneração natural.
Figure 7.2. Percentage of absolute density by ecological group, component and region phytoecological in Santa
Catarina. FOD = Dense Ombrophylous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; FED = Seasonal Deciduous
Forest; ARB = tree/shrub component; REG = natural regeneration.

134
Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina

7.4 Discussão

Floresta Estacional Decidual


O conjunto de espécies mais importantes evidencia que a maior parte das áreas amostradas
na Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina encontra-se alterada, pois são praticamente todas
espécies de crescimento rápido, colonizadoras de áreas perturbadas, ciclo de vida curto até médio. A
regeneração de espécies pioneiras corrobora que esta região fitoecológica, de forma geral, encontra-se
com sua estrutura alterada e permitindo o ingresso de níveis elevados de luminosidade. Este tipo de
padrão favorece o crescimento de lianas (DeWalt et al. 2010), típicas da Floresta Estacional Decidual.
A classificação das espécies em grupos ecológicos, tanto na regeneração natural quanto no
componente arbóreo/arbustivo mostrou uma tendência semelhante, com mais da metade das espécies
sendo secundárias, seguida pelas pioneiras e climácicas.
Os resultados mostraram que parcela considerável das espécies importantes no componente
arbóreo/arbustivo também apresentou regeneração natural mais intensa (Tabela 7.2 e 7.3). Verifica-se
assim uma tendência de manutenção das espécies que atualmente possuem maior valor de importância
no componente arbóreo/arbustivo. Esta repetição da composição florística e da dominância de algumas
espécies certamente está relacionada aos fatores de perturbação da floresta, naturais ou antropogênicos,
como a exploração seletiva de madeira.
O caráter atual da Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina também pode ser avaliado
pela ausência ou baixa frequência de espécies consideradas emergentes. Estudos realizados em décadas
passadas por Klein (1972; 1978) apontaram as espécies arbóreas, emergentes e decíduas que eram
responsáveis pela fisionomia da Floresta Estacional do Estado, como Apuleia leiocarpa (grápia),
Balfourodendron riedelianum (guatambu), Cabralea canjerana, Cedrela fissilis, Cordia americana,
Cordia trichotoma (louro-pardo), Myrocarpus frondosus (cabreúva) e Parapiptadenia rigida.
No presente estudo somente Cedrela fissilis e Parapiptadenia rigida destacaram-se pelo valor de
importância dentre o grupo de espécies citadas por Klein (1972; 1978) como emergentes nesta região
fitoecológica. Este resultado evidencia novamente o caráter atual da Floresta Estacional Decidual no
Estado, com sua estrutura alterada e aberta, pois as espécies características das florestas primárias
encontram-se em baixas densidades e com pequenos tamanhos ou mesmo substituídas por espécies
secundárias ou pioneiras.
Outros estudos realizados nesta região fitoecológica mostraram resultados convergentes com os
resultados do IFFSC, onde as espécies do grupo de emergentes citado por Klein (1972; 1978), apresenta
atualmente baixa importância na floresta em função da baixa densidade e frequência (Longhi et al.
2000; Ruschel et al. 2009; Floss 2011).

Floresta Ombrófila Mista

As espécies mais importantes na Floresta Ombrófila Mista em Santa Catarina foram Dicksonia
sellowiana e Araucaria angustifolia. Conforme estudos realizados em décadas passadas por Klein
(1960; 1978) e Reitz e Klein (1966) essa espécie marca fisionomicamente a Floresta Ombrófila Mista,
formando agrupamentos densos. Os resultados obtidos neste estudo sugerem que a araucária não
imprime mais essa fitofisionomia destacada à Floresta Ombrófila Mista, consequência da exploração
a que a mesma foi submetida durante muitas décadas. Nos remanescentes florestais nesta região
fitoecológica, em geral, não há um dossel fechado ou a presença da araucária no dossel não é contínua.
Por outro lado, a classificação obtida pela Araucaria angustifolia como a segunda espécie mais
importante na floresta estudada revela que, possivelmente, nos fragmentos ainda remanescentes, a
espécie encontra ambiente para a sua regeneração natural, o que é reforçado pelo caráter de floresta
alterada na maior parte desses remanescentes.

135
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Analisando-se os estudos realizados nesta região fitoecológica em décadas passadas (Klein


1966; Leite & Klein 1990) percebe-se que espécies como Ocotea porosa e Podocarpus lambertii
(pinheiro-bravo), que anteriormente caracterizavam fisionomicamente esta região, juntamente com
Araucaria angustifolia, atualmente apresentam baixos valores nos descritores fitossociológicos. Isso
denota que alguns fatores relacionados ao tamanho das populações remanescentes e ao isolamento
dessas populações podem estar limitando a sua regeneração, necessitando de estratégias adequadas de
reintrodução e conservação dessas espécies.

Nota-se que os grupos das secundárias e pioneiras representaram 80,0% das espécies e 75,0%
da densidade, o que reflete em parte o histórico de ocupação desta região fitoecológica, primeiramente
com intensa exploração madeireira e, posterior uso das áreas desmatadas para agricultura, pecuária ou
silvicultura (Mähler & Larocca 2009).

Floresta Ombrófila Densa

A Floresta Ombrófila Densa encontra-se fragmentada e em processo de sucessão ecológica.


A presença de espécies pioneiras e secundárias entre as mais importantes no componente arbóreo/
arbustivo, como Alchornea triplinervia, Hieronyma alchorneoides, Miconia cinnamomifolia e Caseria
sylvestris, é uma das evidências do estado de alteração pela qual a floresta se encontra. A remoção
seletiva das espécies nobres no passado ocasionou o estabelecimento de clareiras com a abertura do
dossel, favorecendo o desenvolvimento destas espécies. No entanto, a composição da regeneração
natural mostra que a Floresta Ombrófila Densa encontra-se em processo de sucessão e espécies não
pioneiras apresentam tendência de aumentar sua importância no futuro.

Em outros trabalhos realizados na Floresta Ombrófila Densa (Melo 2000; Lacerda 2001; Moreno
et al. 2003; Blum 2006; Negrelle 2006), a área basal encontrada foi superior aos valores obtidos no
IFFSC. Este resultado poderia estar sendo influenciado pelo limite de inclusão. Por outro lado, os
outros trabalhos foram normalmente conduzidos em florestas melhor conservadas, como em Blum
(2006) e Negrelle (2006).

Dentre as espécies que apresentaram os maiores valores de importância destacou-se Alchornea


triplinervia, indicando que sua distribuição geográfica é bastante ampla (Carvalho 2006), mas que a
perturbação da floresta tem promovido ainda mais sua expansão. Schorn (2005) registra a ocorrência
de espécies típicas de ambientes secundários em florestas primárias, relacionando esta situação com
a abertura de clareiras, como também à proximidade de remanescentes bem conservados com as
formações secundárias iniciais.

Importante destacar as espécies Alsophila setosa, Cyathea phalerata e Euterpe edulis, entre as
mais importantes nesta região fitoecológica. São espécies climácicas, mas de ocorrência predominante
no subdossel e que apresentaram frequências absolutas próximas de 50%. Blum & Roderjan (2007)
ressaltam que as espécies de maior valor fitossociológico normalmente se adaptam melhor a uma gama
mais ampla de situações ambientais. Neste caso, acredita-se que contribuiu também para a destacada
importância dessas espécies a não utilização e exploração de Alsophila setosa e Cyathea phalerata e a
estratégia reprodutiva de Euterpe edulis, produzindo periodicamente elevada quantidade de propágulos.
A regeneração natural de Euterpe edulis também sustenta essa hipótese, pois foi a primeira espécie em
importância neste componente, embora os valores encontrados estejam aquém do que seria esperado
para essa espécie. Já os valores encontrados para Alsophila setosa e Cyathea phalerata na regeneração
natural não foram igualmente expressivos, fato que pode estar relacionado ao método de amostragem
utilizado para essas espécies.

De forma semelhante, Ocotea catharinensis está incluída entre as vinte espécies mais
importantes na Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina, apesar da intensa exploração a que foi
submetida em função do elevado valor de sua madeira. No entanto, a frequência dessa espécie situou-

136
Síntese da estrutura dos remanescentes florestais em Santa Catarina

se em 37%, indicando que em mais da metade dos fragmentos amostrados ela não está presente. Além
disso, a regeneração natural dessa espécie não foi expressiva, evidenciando que o tamanho reduzido
das populações remanescentes, aliado ao seu isolamento, pode estar contribuindo para limitar a sua
propagação. Este fato evidencia a necessidade de estratégias de conservação e reintrodução de Ocotea
catharinensis nas áreas remanescentes da Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina, pois de acordo
com Klein (1980) esta espécie ocupava de 30 a 60% da cobertura basal e de 20 a 40% do volume em
madeira das florestas, especialmente aquelas situadas entre 350 a 600 metros de altitude.

Outras espécies citadas por Klein (1980) como bastante expressivas na composição da floresta,
especialmente no Vale do Itajaí, e intensivamente exploradas no passado, como é o caso de Ocotea
odorifera, Copaifera trapezifolia (pau-óleo), Aspidosperma australe (peroba-branca) foram pouco
expressivas, tanto no componente arbóreo/arbustivo quanto na regeneração natural. Isso denota
que alguns fatores relacionados ao tamanho das populações remanescentes e ao isolamento dessas
populações podem limitar a sua regeneração, necessitando igualmente de estratégias adequadas de
reintrodução e conservação das mesmas.

Algumas espécies apresentaram elevada importância no componente arbóreo/arbustivo, mas


tiveram pouca expressão na regeneração natural, como é o caso de Hieronyma alchorneoides, Syagrus
romanzoffiana, Miconia cinnamomifolia e Casearia sylvestris. São espécies pertencentes aos grupos
ecológicos das pioneiras e secundárias e que podem ter sua regeneração limitada pelo ambiente interno
dos remanescentes florestais, que diminui gradativamente a disponibilidade de luz à medida que a
ocupação e fechamento das clareiras vão ocorrendo após cessar as intervenções antrópicas. Essa é
uma tendência mostrada pelos resultados, de forma geral, e evidenciada pelo fato de que no grupo
das espécies mais importantes (Tabelas 7.6 e 7.7) observa-se um decréscimo de espécies pioneiras e
acréscimo de espécies climácicas, do componente arbóreo/arbustivo para o componente da regeneração.

Destacou-se também Cabralea canjerana, tanto no componente arbóreo/arbustivo quanto na


regeneração natural. Trata-se de espécie secundária, mas que não apresenta elevada produção periódica
de propágulos. Desta forma, o desempenho desta espécie no ranking de importância pode estar
relacionado ao fato de a mesma não ter sofrido exploração, pois não apresenta utilização econômica,
além de encontrar as condições adequadas ao seu estabelecimento e regeneração na floresta.

7.5 Conclusões

Analisando-se os resultados das três regiões fitoecológicas observa-se que, para o número de
espécies e densidade no componente arbóreo, há um gradiente crescente da Floresta Estacional Decidual
para a Floresta Ombrófila Densa. Entre outros fatores, este resultado está relacionado à extensão das
três regiões fitoecológicas no Estado, bem como ao gradiente ambiental em cada região. A região da
Floresta Ombrófila Densa, além de apresentar maior extensão, agrega maiores amplitudes de altitude,
latitude, médias climáticas mais amplas e classes pedológicas nitidamente mais distintas em relação às
outras duas regiões (IBGE 1992).

Para a regeneração observou-se a mesma tendência quanto ao número de espécies (Tabela 7.1),
apesar da diferença metodológica utilizada quanto ao limite de inclusão, entre as três regiões.

Os descritores analisados permitem concluir que a Floresta Estacional Decidual e a Floresta


Ombrófila Mista em Santa Catarina encontram-se em estado de conservação mais crítico, com a estrutura
alterada e dominada por espécies secundárias e pioneiras. A Floresta Ombrófila Densa, mesmo sob a
pressão de fatores de degradação, mantém ainda uma parcela de remanescentes melhor conservados,
boa parte disto, devido ao relevo, que impediu a colonização de muitas áreas. Sua estrutura em geral,
dominada por espécies secundárias, atesta da mesma forma a ação da exploração e regeneração de seus
fragmentos.

137
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Referências

Blum, C.T. 2006. A Floresta Ombrófila Densa na Serra da Prata, Parque Nacional Saint-
Hilaire/Lange, PR – Caracterização florística, fitossociológica e ambiental de um gradiente
altitudinal. Dissertação (Mestrado).Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

Blum, C.T.; Roderjan, C.V. 2007. Espécies indicadoras em um gradiente da Floresta Ombrófila
Densa na Serra da Prata, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Biociências 5(2): 873-875.

Brogni, E. 2009. Avaliação do estado de conservação da Floresta Ombrófila Mista na


região hidrográfica Planalto de Canoinhas, Santa Catarina. Dissertação (Mestrado). Universidade
Regional de Blumenau. Blumenau.

Cadalto, S.L.; Floss, P.A.; Croce, D.M.; Longhi, S.J. 1996. Estudo da regeneração natural, banco
de sementes e chuva de sementes na Reserva Genética Florestal de Caçador, SC. Ciência Florestal 6(1):
27-38.

Carvalho, A.R. 2003. Fitossociologia e modelo de distribuição de espécies em floresta ombrófila


densa degradada por mineração, Joinville/ SC. Revista Saúde e Ambiente 4: 42-51.
Carvalho, P.E.R.  2006. Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília: Embrapa Informação
Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas.

DeWalt, S.J.; Schnitzer, S.A.; Chave, J.; Bongers, F.; Burnham, R.J.; Cai, Z.; Chuyong, G.;
Clark, D.B.; Ewango, C.E.N.; Gerwing, J.J.; Gortaire, E.; Hart, T.; Ibarra-Manríquez, G.; Ickes, K.;
Kenfack, D.; Macía, M.J.; Makana, J.-R.; Martínez-Ramos, M.; Mascaro, J.; Moses, S.; Muller-Landau,
H.C.; Parren, M.P.E.; Parthasarathy, N.; Pérez-Salicrup, D.R.; Putz, F.E.; Romero-Saltos, H.; Thomas,
D. 2010. Annual Rainfall and Seasonality Predict Pan-tropical Patterns of Liana Density and Basal
Area. Biotropica 42(3): 309-317.
Eskuche, U. 2007. El bosque de Araucaria con Podocarpus y los campos de Bom Jardim da
Serra, Santa Catarina (Brasil meridional). Boletín de la Sociedad Argentina de Botánica 42: 295-308.

Felfili, J.M. 1991. Dynamics of the natural regeneration in the Gama gallery forest in central
Brazil. Forest Ecology and Management 91: 235-245.

Floss, P.A. 2011. Aspectos ecológicos e fitossociológicos no entorno de nascentes em


formações florestais do Oeste de Santa Catarina. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa
Maria. Santa Maria.

Formento, S.; Schorn, L.A.; Ramos, R.A.B. 2004. Dinâmica estrutural arbórea de uma floresta
ombrófila mista em Campo Belo do Sul, SC. Cerne 10: 196-212.

Ghoddosi, S.M. 2005. Dinâmica do componente arbóreo (1999-2004) de um trecho de


Floresta Ombrófila Densa em Blumenau, SC. Dissertação (Mestrado). Universidade Regional de
Blumenau. Blumenau.

IBGE. 1992. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro.

Klauberg, C.; Paludo, G.F.; Bortoluzzi, R.L. da C.; Mantovani, A. 2010. Florística e estrutura de
um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Planalto Catarinense. Biotemas 23(1): 35-47.

Klein, R.M. 1960. O aspecto dinâmico do Pinheiro Brasileiro. Sellowia 12: 17-44.

Klein, R.M. 1972. Árvores nativas da Floresta Subtropical do Alto Uruguai. Sellowia 24: 9-62.

138
4 | Análise estatística do IFFSC e estimativas dendrométricas

Klein, R.M. 1978. Mapa fitogeográfico de Santa Catarina. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada
Catarinense. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

Klein, R.M. 1979. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia 31: 1-164.

Klein, R. M. 1980. Ecologia da Flora e Vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia 32: 240-275

Lacerda, M.S. 2001. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea num


gradiente altitudinal da Mata Atlântica. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas.
Campinas.  

Leite, P.F.; Klein, R.M. 1990. Geografia do Brasil – Região Sul. Rio de Janeiro. IBGE.

Lingner, D.V.; Oliveira, Y.M.M. de; Rosot, N.C.; Dlugosz, F.L. 2007. Caracterização da estrutura
e da dinâmica de um remanescente de Floresta com Araucária no Planalto Catarinense. Pesquisa
Florestal Brasileira 55: 55-66.

Longhi, S.J.; Araujo, M.M.; Kelling, M.B.; Hoppe, J.M.; Müller, I.; Borsoi, G.A. 2000. Aspectos
fitossociológicos de fragmento de Floresta Estacional Decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal
10(2): 59-74.

Mähler Junior, J.K.F.; Larocca, J.F. 2009. Fitofisionomias, desmatamento e fragmentação


da Floresta com Araucária. In: Fonseca, C.R.; Souza, A.F.; Leal-Zanchet, A.M.; Dutra, T.L.; Backes,
A.; Ganade, G. (eds.). Floresta com Araucária: ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável.
Ribeirão Preto. Editora Holos.

Melo, M.M.R.F. 2000. Demografia de árvores em floresta pluvial tropical atlântica, Ilha do
Cardoso, SP, Brasil. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo.

Moreno, M.R.; Nascimento, M.T.; Kurtz, B. C. 2003. Estrutura e composição florística do


estrato arbóreo em duas zonas altitudinais na Mata Atlântica de encosta da Região do Imbé, RJ. Acta
Botanica Brasílica 17 (3): 371-386.

Mueller-Dombois, D.; Ellenberg, H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. Wiley.
New York.

Negrelle, R.R.B. 2002. The Atlantic forest in the Volta Velha Reserve: a tropical rain forest site
outside the tropics. Biodiversity and Conservation 11: 887-919.

Negrelle, R.R.B. 2006. Composição florística e estrutura vertical de um trecho de Floresta


Ombrófila Densa de Planície Quaternária. Hoehnea 33(1): 261-289.

Reitz, R.; Klein, R.M. 1966. Araucariáceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense.
Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

Reitz, R.; Klein, R. M.; Reis, A. 1979. Projeto Madeira – Santa Catarina. Florianópolis.
Lunardelli.

Ruschel, A.R.; Nodari, E.S.; Guerra, M.P.; Nodari, R.O. 2003. Evolução do uso e valorização
das espécies madeiráveis da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC. Ciência Florestal
13(1):153-166.

Ruschel, A.R.; Guerra, M.; Moerschbacher, B.; Nodari, R.O. 2005. Valuation and characterization
of the timber species in remnants of the Alto Uruguay River ecosystem, southern Brazil. Forest Ecology
and Management 217(1): 103-116.

139
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Ruschel, A.R.; Guerra, M.P. & Nodari, R.O. 2009. Estrutura e composição florística de dois
fragmentos da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC. Ciência Florestal 19(2): 225-236.

Schorn, L.A. 2005. Estrutura e dinâmica de estágios sucessionais de uma floresta ombrófila
densa em Blumenau, Santa Catarina. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

Schorn, L.A.; Galvão, F. 2006. Dinâmica da regeneração natural em três estágios sucessionais
de uma floresta ombrófila densa em Blumenau, SC. Revista Floresta 36(1): 59-74.

Sevegnani, L. 2003. Dinâmica de população de Virola bicuhyba (Schott) Warb.


(Myristicaceae) e estrutura fitossociológica de floresta pluvial atlântica, sob clima temperado
úmido de verão quente, Blumenau, SC. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo.

Silva, R.T. 2006. Florística e estrutura da sinúsia arbórea de um fragmento urbano de


Floresta Ombrófila Densa no município de Criciúma, Santa Catarina. Dissertação (Mestrado).
Universidade do Extremo Sul Catarinense. Criciúma.

Veloso, H.P.; Klein, R.M. 1959. As comunidades e associações vegetais da mata pluvial do sul
do Brasil. II – Dinamismo e fidelidade das espécies em associações do Município de Brusque, Estado
de Santa Catarina. Sellowia 10: 9-124.

Veloso, H.P.; Klein, R.M. 1961. As comunidades e a associações vegetais da mata pluvial do sul
do Brasil: As associações das planícies costeiras do quaternário, situadas entre o rio Itapocu (Estado de
Santa Catarina) e a bacia do Paranaguá (Estado do Paraná). Sellowia 13: 205-260.

Veloso, H.P.; Klein, R.M. 1963. As comunidades e associações vegetais da mata pluvial do sul
do Brasil. IV – As associações situadas entre o rio Tubarão e a lagoa dos Barros. Sellowia 15: 57-114.

Veloso, H.P.; Klein, R.M. 1968a. As comunidades e associações vegetais da mata pluvial do sul
do Brasil. V – Agrupamentos arbóreos da encosta catarinense situados em sua parte note. Sellowia 20:
53-126.

Veloso, H.P.; Klein, R.M. 1968b. As comunidades e associações vegetais da mata pluvial do
sul do Brasil. VI – Agrupamentos arbóreos dos contra-fortes da Serra Geral situados aos sul da costa
catarinense e ao norte da costa sul-riograndense. Sellowia 20: 127-180.

Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Lingner, D.V.; Gasper, A.L.; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30(64): 291-302.

Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Uhlmann, A.; Schorn, L.A.; Sobral, M.G.; Gasper, A.L. de;
Lingner, D.V.; Brogni, E.; Klemz, G.; Godoy, M.B.; Verdi, M. 2011a. Structure of mixed ombrophyllous
forests with Araucaria angustifolia (Araucariaceae) under external stress in Southern Brazil. Revista
de Biologia Tropical 59(3): 1371-1387.

140
Diversidade e Conservação
dos Remanescentes Florestais
Capítulo 8

Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies


Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina1

Distribution of Genetic Diversity and Tree Species Conservation


in Santa Catarina Forests Remnants

Maurício Sedrez dos Reis, Adelar Mantovani, Juliano Zago da Silva, Alexandre Mariot,
Ricardo Bittencourt, Alison Gonçalves Nazareno, Diogo Klock Ferreira, Felipe Steiner,
Tiago Montagna, Fernando André Loch Santos da Silva, Caio Darós Fernandes,
Georg Altrak, Luiz Guilherme Ugioni Figueredo

Resumo
O presente estudo avaliou a diversidade genética, com marcadores alozímicos, para 13 espécies em Santa Catarina, visando
fundamentar estratégias efetivas de conservação. Para tanto, foram estudadas populações das seguintes espécies: a) Floresta
Ombrófila Densa – Ocotea catharinensis (canela-preta), Ocotea odorifera (canela-sassafrás), Euterpe edulis (palmiteiro),
Calophyllum brasiliensis (olandi) e Butia catharinensis (butiá-da-praia); b) Floresta Ombrófila Mista – Araucaria angustifolia
(araucária), Dicksonia sellowiana (xaxim), Ocotea porosa (imbuia), Butia eriospatha (butiá-da-serra) e Podocarpus lambertii
(pinho-bravo); c) Floresta Estacional Decidual – Cedrela fissilis (cedro), Apuleia leiocarpa (grápia), Myrocarpus frondosus
(cabreúva). A variação genética foi caracterizada a partir das estimativas das frequências alélicas e dos principais índices de
estrutura e diversidade genética. De uma maneira geral os resultados indicam grande variação de diversidade genética potencial
em cada uma das espécies e, principalmente entre as populações das mesmas. Contudo, os índices de fixação foram, na sua
maioria, elevados, refletindo os efeitos da redução dos tamanhos populacionais nas populações estudadas em decorrência do
processo histórico de superexploração. Na maioria dos casos, a divergência entre as populações foi elevada. Os índices de fixação
por microrregião foram, em geral, superiores à média das respectivas populações, refletindo os efeitos da fragmentação florestal
existente. A situação de fragmentação das florestas e de redução do tamanho populacional leva a uma perspectiva de perdas
ainda maiores de diversidade (elevados índices de fixação de alelos) para várias espécies. O conjunto de resultados reforça as
possibilidades de perda de adaptabilidade e dinamismo populacional, o que traz como consequência, com o passar do tempo
(gerações), grande aumento no risco de extinção local. Os resultados obtidos até o momento apontam para a necessidade de
políticas públicas que favoreçam a ampliação da conectividade entre fragmentos como principal fator de reversão da situação de
fragilidade em que se encontram as espécies e remanescentes florestais. O emprego de algumas espécies, como a araucária e o
palmiteiro (p. ex.), para restauração e ampliação de fragmentos e mesmo para plantios florestais pode favorecer estes processos. Os
resultados indicam também que, apesar das fragilidades, há populações e regiões com reservas de diversidade potencial elevada,
revelando maior adequação para produção de sementes ou implantação de Unidades de Conservação.

Abstract
This study evaluated the genetic diversity, with allozyme markers for 13 species in Santa Catarina, in order to support effective
conservation strategies. Thus, we studied populations of the following species: a) Dense Ombrophylous Forest – Ocotea
catharinensis (canela-preta), Ocotea odorifera (canela-sassafrás), Euterpe edulis (palmiteiro), Calophyllum brasiliensis (olandi) e
Butia catharinensis (butiá-da-praia); b) Mixed Ombrophylous Forest – Araucaria angustifolia (araucária), Dicksonia sellowiana
(xaxim), Ocotea porosa (imbuia), Butia eriospatha (butiá-da-serra) e Podocarpus lambertii (pinho-bravo); c) Seasonal Deciduous
Forest – Cedrela fissilis (cedro), Apuleia leiocarpa (grápia), Myrocarpus frondosus (cabreúva). Genetic variation was characterized
based on estimates of allele frequencies and the main indices of structure and genetic diversity. Overall these results indicate wide
range of genetic diversity in potential of each species, and especially among populations of the same. However, the fixation indexes
were mostly higher, reflecting the effects of reduced population sizes in the populations studied due to the historical process
of over exploitation. In most cases, the divergence between populations was high. The fixation indexes by microregion were
generally higher than average for their populations, reflecting the effects of forest fragmentation. The situation of fragmentation of
forests and reduction in population size leads to a perspective of greater losses of diversity (allele fixation rates high) for various
species. The result set increases the chances of loss of population adaptability and dynamic, which brings as a consequence,
over time (generations), a large increase in the risk of local extinction. The results obtained so far point to the need for public
policies that favor the expansion of connectivity between fragments as the main factor to reverse the fragile situation in which the
species and forest remnants are. The use of some species such as ‘araucária’ and the ‘palmiteiro’, for restoration and expansion of
fragments and even forest plantations can facilitate these processes. The results also indicate that, despite the weaknesses, there are
populations and regions with high reserves of potential diversity, revealing more adequation for seed production and establishment
of protected areas.

1
Reis, M.S.; Mantovani, A.; Silva, J.Z.; Mariot, A.; Bittencourt, R.; Nazareno, A.G.; Ferreira, D.K.; Steiner, F.; Montagna, T.; Silva,
F.A.L.S.; Fernandes, C.D.; Altrak, G.; Figueredo, G.U. 2012. Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies Arbóreas
em Remanescentes Florestais de Santa Catarina. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário
Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

143
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

8.1 Introdução

O estado de Santa Catarina está inserido no bioma Mata Atlântica e apresenta três regiões
fitoecológicas, a Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Densa e a Floresta Estacional Decidual,
e uma formação campestre, os Campos Naturais. De acordo com Klein (1978), tais formações cobriam
44,9%, 30,7%, 8% e 14,2% da superfície do estado, respectivamente.

Durante décadas as formações vegetacionais catarinenses foram exploradas observando-se


apenas critérios econômicos, especialmente no século passado. Conforme Reitz et al. (1979), o auge
da exploração florestal no estado se deu entre as décadas de 1950 e 1970, e como resultado desta
exploração, as formações vegetacionais catarinenses apresentam hoje uma significativa redução e
fragmentação (Capítulo 3).

Os efeitos da ação antrópica não produziram apenas uma redução da área de cobertura florestal
em todas as regiões do estado, mas também uma redução no tamanho populacional (número de
indivíduos) das espécies presentes nestes remanescentes, principalmente as de valor madeireiro, devido
à exploração madeireira ao longo do século XX. Assim, além da redução da cobertura e fragmentação,
a exploração madeireira levou a um empobrecimento em termos populacionais e de riqueza de espécies
nos remanescentes (Capítulos 5 e 7).

A percepção da situação sintetizada nos parágrafos anteriores (ainda que sem quantificação
adequada antes desta publicação) levou à estruturação de legislações/regulamentações cada vez mais
restritivas em relação ao uso e conservação das espécies da Mata Atlântica em Santa Catarina, bem
como a indicação de espécies ameaçadas em listas cada vez maiores (IBAMA 1992; MMA 2008; II
Workshop sobre espécies vegetais ameaçadas de extinção em Santa Catarina 2011).

Os efeitos de redução de tamanho populacional atuam diretamente na redução da variabilidade


genética das populações remanescentes, levando a perdas da capacidade adaptativa e declínio
populacional, como discutido em Templeton et al. (1990), Bawa & Krugman (1990), Murawsky &
Hamrick (1992) e Murawsky (1995), por exemplo.

A redução da variabilidade genética ocorre não apenas por perda de diversidade, mas também
pela redução das trocas alélicas decorrente da ausência de vetores efetivos do fluxo gênico ou de
dificuldades na efetivação das trocas alélicas em decorrência da fragmentação. Direta ou indiretamente,
a redução do número de indivíduos de uma dada espécie nos remanescentes e a fragmentação florestal
afetam a fauna polinizadora e dispersora de sementes, bem como os mecanismos de movimentação dos
alelos entre e dentro de populações, aumentando e retroalimentando os riscos de perda de diversidade
genética e de declínio populacional. Os mecanismos envolvidos neste processo são muitas vezes
complexos e podem envolver efeitos negativos de deriva genética, cruzamento entre aparentados,
depressão por endogamia, expressão de alelos deletérios, redução da adaptabilidade, entre outros
(Crow & Kimura 1970; Allard 1971; Mettler & Gregg 1973; Falconer 1981; Bawa & Krugman 1990;
Murawsky & Hamrick 1992; Ellstrand & Elam 1993).

A manutenção de elevados índices de diversidade, bem como dos mecanismos associados à


manutenção desta diversidade, para uma dada espécie, garante as gerações futuras à possibilidade de
formarem novos recombinantes, garantindo assim a capacidade de adaptação a novos ambientes e a
própria manutenção da dinâmica populacional, conforme discute Reis (1996).

O estudo da estrutura e da diversidade genética permite o conhecimento da organização e


distribuição da variabilidade genética entre e dentro de populações naturais. Esse entendimento é
imprescindível à escolha de estratégias visando à conservação e a exploração das populações em seu
habitat, com a perspectiva de manutenção da diversidade e garantia de sustentabilidade (Oyama 1993;
Reis 1996).

144
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Desta forma, a caracterização de aspectos da diversidade genética em populações naturais


de espécies endêmicas e ou ameaçadas, além de identificar com eficiência a situação, em termos de
diversidade e erosão genética (perda da diversidade genética ao longo das gerações, normalmente
acompanhada de redução da capacidade adaptativa) nas populações destas espécies, traz fundamentos
importantes para a definição de estratégias no sentido da proteção destas populações e reversão do
quadro de risco de extinção. Exemplos para o Estado de Santa Catarina podem ser vistos em Auler et
al. (2002), Conte et al. (2003; 2006; 2008), Mantovani et al. (2006), Tarazi et al. (2010), Hmeljevski et
al. (2011), Ferreira et al. (2012), Bitencourt et al. (a, b, submetidos), Montagna et al. (a, b, submetidos),
entre outros.

A diversidade genética é uma medida da quantidade de variação existente em uma dada população
(local) de uma espécie, obtida por meio de um conjunto de indicadores/índices a partir de marcadores
genéticos. A caracterização da diversidade genética permite estabelecer se uma dada população de
uma espécie possui muita ou pouca variação que pode ser transmitida aos seus descendentes, permite
avaliar se já ocorreu muita perda desta variação em função do processo de exploração feito no passado
ou da fragmentação florestal. Com a avaliação de várias populações de uma dada espécie é possível
estabelecer qual a situação para a espécie numa dada abrangência geográfica, o Estado de Santa Catarina
ou uma região do Estado, por exemplo.

Assim, é possível verificar em que regiões do Estado existe maior ou menor diversidade genética
e o que pode ser feito para favorecer a conservação de uma dada espécie. Por exemplo, restabelecer
ligações (conectividade) entre populações para facilitar o aumento da diversidade genética nas
populações que apresentam baixa diversidade, via possibilidade de cruzamentos entre as populações
(fluxo gênico).

Portanto, um dos objetivos do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC) foi
avaliar como a diversidade genética de algumas espécies da flora nativa ameaçadas, ou potencialmente
ameaçadas, de extinção está distribuída no estado, visando fundamentar estratégias efetivas de
conservação. Desta forma, o presente capítulo tem por finalidade apresentar os principais resultados
associados a este objetivo.

8.2 Espécies Escolhidas e Metodologia

8.2.1 Espécies Escolhidas

No IFFSC a avaliação da diversidade genética foi realizada priorizando espécies que se


encontravam na lista de espécies ameaçadas de extinção (IBAMA 1992; MMA 2008) e que apresentam
grande demanda econômica e/ou social. Além disso, foi empregado como critério a amostragem
de espécies nas três regiões fitoecológicas do estado, Floresta Ombrófila Densa (FOD), Floresta
Ombrófila Mista (FOM) e Floresta Estacional Decidual (FED), de forma a buscar representatividade
de ocorrência. Assim, algumas espécies não incluídas nas listas foram também avaliadas visando uma
maior representatividade regional.

Entre as espécies que aparecem na Lista das Espécies Ameaçadas desde 1992, ocorrem em Santa
Catarina e possuem grande demanda econômica e social, portanto, pressão de uso, estão: Araucaria
angustifolia (araucária), Ocotea porosa (imbuia) e Dicksonia sellowiana (xaxim) na Floresta Ombrófila
Mista, Ocotea catharinensis (canela-preta) e Ocotea odorifera (canela-sassafrás) na Floresta Ombrófila
Densa. Mais recentemente também aparecem na Lista das Espécies Ameaçadas (MMA 2008) e possuem
grande demanda sócio econômica: Euterpe edulis (palmiteiro) (Floresta Ombrófila Densa) e Butia
eriospatha (butiá-da-serra) (Floresta Ombrófila Mista).

145
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Além das espécies mencionadas no parágrafo anterior, foram escolhidas outras seis espécies, de
modo a dar uma abrangência geográfica para as principais formações florestais do estado e, ao mesmo
tempo, permitir a obtenção de resultados que possam ser estendidos para outras situações no estado.
Assim, foram também definidas para a caracterização da diversidade genética no âmbito do IFFSC
as seguintes espécies: Cedrela fissilis (cedro), Apuleia leiocarpa (grápia) e Myrocarpus frondosus
(cabreúva) na Floresta Estacional Decidual, Podocarpus lambertii (pinho-bravo) na Floresta Ombrófila
Mista, Calophyllum brasiliensis (olandi), nas planícies quaternárias da Floresta Ombrófila Densa e
Butia cathariensis (butiá-da-praia), na restinga.

8.2.2 Populações amostradas

Também foi considerada a importância de uma abordagem com abrangência e representatividade


regional no estado e uma perspectiva maior de integração das diferentes abordagens, para a estruturação
do produto final através de um portal (SIG). Assim, decidiu-se por uma amostragem que permitisse
representatividade por microrregião, buscando-se amostrar ao menos três populações por microrregião,
conforme a área de ocorrência de cada espécie. Deste modo, o número de populações amostradas variou
conforme a área de abrangência/ocorrência da espécie no Estado, bem como a existência de populações
que permitissem uma amostragem consistente. O número de populações amostradas por espécie variou
de nove para 31 (Figuras 8.1, 8.2 e 8.3).

Figura 8.1. Locais de coleta das cinco espécies avaliadas na Floresta Ombrófila Mista.
Figure 8.1. Collection sites of the five species evaluated in the Mixed Ombrophylous Forest.

146
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Figura 8.2. Locais de coleta das cinco espécies avaliadas na Floresta Ombrófila Densa.
Figure 8.2. Collection sites of the five species evaluated in the Dense Ombrophylous Forest.

147
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 8.3. Locais de coleta das cinco espécies avaliadas na Floresta Estacional Decidual.
Figure 8.3. Collection sites of the five species evaluated in the Seasonal Deciduous Forest.

Além disso, em cada população a amostragem foi de, ao menos, 50 indivíduos adultos, visando
dar consistência aos resultados. O número de plantas amostradas em cada população define a capacidade
do método na detecção de alelos mais raros, portanto com maior probabilidade de serem afetados (ter
sua frequência alterada, ou até serem eliminados ou fixados) em processos de perda de diversidade.
Uma amostra de 50 plantas é capaz de detectar com igual probabilidade desde alelos de alta frequência
até alelos com frequência próxima a 1% (Calili-Garcia et al. 2001; 2006).
A coleta das amostras foliares foi realizada sempre procurando abranger toda a área do
fragmento florestal, respeitando uma distância mínima entre indivíduos coletados de 50 m. A coleta de
material vegetal foi efetuada com auxílio de estilingue e pedras, devido à altura das árvores adultas,
procurando coletar folhas e ramos intactos e sadios. Estas amostras foram acondicionadas (sacos
plásticos identificados por indivíduo, colocadas em recipientes térmicos com gelo), transportadas para
o Laboratório de Fisiologia do Desenvolvimento e Genética Vegetal da Universidade Federal de Santa
Catarina (LFDGV-UFSC) e armazenadas a aproximadamente 5 C°.

O procedimento amostral priorizou, ainda, fragmentos em melhor estado de conservação,


preferindo áreas mais extensas, com árvores de maior porte e florestas com melhor estrutura de dossel
e sub-bosque.

8.2.3 Eletroforese de Isoenzimas

A extração de enzimas foi realizada com auxílio do macerador automático Precellys® 24, e em
cada tubo de maceração (modelo Hard Tissue Grinding MK28), foram acondicionados: aproximadamente
50 mg de material foliar, cinco a seis esferas de aço inoxidável, três gotas de solução de extração n° 1
(Alfenas et al. 1998) e cerca de 10 mg de polivinilpolipirrolidona (PVPP).

148
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

A eletroforese de isoenzimas foi realizada em gel de penetrose 30 a 13%, submetido à corrente


elétrica com sistema tampão-eletrodo e sistemas isoenzimáticos específicos para cada espécie, a partir
das recomendações básicas descritas em Alfenas et al. (1998) e Kephart (1990).

8.2.4 Análise e interpretação dos resultados

A variação genética foi caracterizada a partir das estimativas das frequências alélicas e
dos índices de diversidade (porcentagem de locos polimórficos (P99%), número total de alelos,
número médio de alelos por loco (Â), heterozigosidade observada (Ĥo) e esperada (Ĥe), e índice
de fixação ( fˆ ), empregando-se o programa Fstat (Goudet 2001) e GDA (Lewis & Zaykin 2001).
Foram também avaliados o número de alelos raros e de alelos exclusivos encontrados em cada
população com auxílio do Microsoft Excel.

As estatísticas F de Wright (Wright 1951) ( F̂ is, F̂ it, F̂ st) foram estimadas com auxílio do
programa Fstat (Goudet 2001), que utiliza o método descrito por Weir & Cockerham (1984) para
estimar as estatísticas.

8.3 Resultados e Discussão

8.3.1 Caracterização genética das espécies da Floresta Ombrófila Mista

Os resultados obtidos para as cinco espécies escolhidas estão apresentados nas Tabelas 8.1 a
8.5. Em termos gerais, os resultados indicaram comportamentos com uma tendência semelhante em
termos de alta perda de diversidade nas populações (índice de fixação elevado). Estes resultados podem
ser relacionados aos processos históricos de uso, como a superexploração, expansão das fronteiras
agrícolas com redução da área de cobertura florestal e fragmentação dos remanescentes. Tais processos
produzem redução dos tamanhos populacionais e redução do fluxo gênico entre populações, causando
isolamento e perda de diversidade em nível local. Por outro lado, a exceção de Podocarpus lambertii,
todas as demais espécies apresentam populações com diversidade alta, individualmente ou em conjunto,
indicando um grande potencial para conservação e recomposição das populações remanescentes.

Para Araucaria angustifolia (Tabela 8.1), o conjunto de populações apresentou um total de 37


alelos nos 13 locos avaliados (Â = 1,77 ± 0,15; valor médio por população e respectivo desvio padrão).
As populações apresentaram em média diversidade genética moderada (P99% = 0,45 ± 0,10; Ĥo = 0,094
± 0,023; Ĥe = 0,124 ± 0,026). O índice de fixação foi elevado ( fˆ = 0,245 ± 0,129), sendo superior a 0,2
em 17 (54,8%) das 31 populações avaliadas, fato que indica um possível histórico de cruzamentos entre
aparentados, uma vez que a espécie é dioica, bem como reflexo dos reduzidos tamanhos populacionais
em que se encontram as populações da mesma. Aspecto já ressaltado em Auler et al. (2002). Pode-se
observar também (Tabela 8.1) uma grande quantidade de alelos raros e alelos exclusivos em quatro
populações, reforçando a evidência de tamanhos populacionais reduzidos.

A divergência genética entre as populações de A. angustifolia também foi relativamente alta


( F̂ st = 0,129) e significativa, indicando diferenças importantes entre as populações, reforçando a
necessidade de conservação de grande número de remanescentes. Os principais índices de diversidade
se mostraram também variáveis entre as populações, refletindo a fragilidade em que se encontram a
maior parte das populações, mas também indicando que há populações em situação de menor fragilidade
(p. ex., cinco populações com valores de fˆ não diferente de zero e seis populações com Ĥe superior a
0,15, Tabela 8.1). Estas últimas apresentam grande potencial como fonte de diversidade e áreas para
coleta de sementes.

149
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Em relação às microrregiões, observa-se também uma variação expressiva para os principais


índices de diversidade (Tabela 8.1). Por exemplo, Chapecó e Curitibanos são as duas microrregiões
com maior diversidade genética, mas também com grandes diferenças entre as populações amostradas.
Estes resultados indicam, novamente, uma grande heterogeneidade, agora entre as microrregiões. Além
disso, chama a atenção os valores elevados dos índices de fixação para cada uma das microrregiões,
geralmente superiores à média dos valores das populações na respectiva região. Este resultado reflete a
existência de diferenças expressivas entre as populações dentro de cada região, possivelmente decorrente
de processos históricos (e/ou pré-históricos) que ocorreram nesta escala e reforçam a importância de
medidas de conservação em escala regional: criação de Unidades de Conservação associadas a políticas/
ações para ampliação de conectividade entre remanescentes.
Tabela 8.1. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 31 populações de
Araucaria angustifolia em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (13
loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p<
0,05); AR = nº alelos raros (freq. <0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.1. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 31 populations of Araucaria
angustifolia in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (13 loc.); Â = alleles
per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p< 0,05); AR = nº rare alleles
(freq. <0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


São Cristóvão – 453 52 53,8 1,92 0,149 0,176 0,153* 6 1
Curitibanos – 369 55 53,8 1,69 0,089 0,133 0,329* 5
Curitibanos Camp. Novos – 321 55 69,2 2,00 0,088 0,162 0,454* 8 1
Curitibanos – 562 51 61,5 1,92 0,081 0,181 0,549* 7
Microrregião 212 61,5 2,23 0,100 0,173 0,422* 7 2
Chapecó – 597 54 53,8 1,92 0,125 0,170 0,263* 7
Chapecó – 537 52 46,2 1,69 0,099 0,107 0,077 5
Chapecó
Campo Erê – 919 58 69,2 1,92 0,058 0,135 0,569* 8
Microrregião 164 61,5 2,23 0,094 0,158 0,403* 7 0
Dionís. Cerq. – 1001 55 53,8 1,69 0,099 0,109 0,086 4

São Miguel do Palma Sola – 6001 54 61,5 1,85 0,107 0,148 0,277* 7
Oeste Palma Sola – 6003 54 53,8 1,85 0,106 0,125 0,153* 5
Microrregião 163 46,2 2,08 0,104 0,130 0,202* 7 0
Cp. B. do Sul – 727 52 46,2 1,77 0,087 0,125 0,303* 5
São Joaquim – 92 52 30,8 1,46 0,087 0,104 0,157* 2
Urubici – 140 52 38,5 1,62 0,078 0,106 0,262* 4
Painel – 211 51 46,2 1,69 0,091 0,111 0,178* 5
Campos de
Urupema – 186 51 38,5 1,62 0,08 0,101 0,211* 4
Lages
Urubici – 167 52 30,8 1,38 0,09 0,107 0,160* 1
Anita Garib. – 5000 54 53,8 1,77 0,098 0,146 0,329* 5
Urubici – 192 50 53,8 1,69 0,094 0,138 0,317* 5
Microrregião 413 53,8 2,08 0,086 0,124 0,306* 10 0

150
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Três Barras – 1038 50 46,2 1,77 0,074 0,110 0,326* 5
Itaiópolis – 984 51 46,2 1,69 0,102 0,112 0,089 5
Canoinhas/São Canoinhas – 1055 50 53,8 2 0,083 0,097 0,142* 8
Bento do Sul Itaiópolis – 901 55 53,8 1,77 0,088 0,095 0,079 5
Mafra – 1061 56 53,8 1,92 0,069 0,100 0,312* 7 1
Microrregião 263 53,8 2,31 0,083 0,104 0,201* 14 2
Ponte Serrada – 718 49 61,5 1,85 0,130 0,153 0,152* 5
Ponte Serrada – 720 53 53,8 1,69 0,103 0,131 0,215* 4
Passos Maia – 832 52 46,2 1,69 0,108 0,129 0,162* 5
Xanxerê
São Doming. – 926 51 53,8 1,77 0,077 0,116 0,339* 6
Fax. Guedes – 714 56 53,8 2 0,073 0,110 0,337* 6 1
Microrregião 260 53,8 2,31 0,097 0,141 0,313* 11 1
Lebon Régis – 789 56 61,5 1,92 0,165 0,166 0,005 7
Joaçaba – 1980 52 38,5 1,62 0,071 0,089 0,201* 3
Joaçaba
Caçador – 729 54 46,2 1,69 0,084 0,101 0,171* 5
Microrregião 162 61,5 2,08 0,108 0,143 0,249* 8 0
Estado Média 53 45,0 1,77 0,094 0,124 0,245 - -

Para a Ocotea porosa (Tabela 8.2), foram encontrados 51 alelos nos 15 locos avaliados (Â =
2,25 ± 0,19). A diversidade genética média encontrada para o conjunto de populações foi alta (P99% =
0,76 ± 0,08; Ĥo = 0,221 ± 0,058; Ĥe = 0,271 ± 0,045), entretanto o índice de fixação médio também
foi alto( fˆ = 0,188 ± 0,158), sendo maior que 0,2 para sete (53,8%) das 13 populações avaliadas, fato
que pode estar associado à fragmentação e ao reduzido tamanho das populações. Nessas condições, os
efeitos de deriva genética são favorecidos, demonstrando uma fragilidade das populações da espécie.

A divergência genética entre as populações foi alta ( F̂ st = 0,191) e significativa, reflexo de um


aparente reduzido fluxo gênico da espécie (Bittencourt et al. submetido a). Também foram identificados
alelos exclusivos em duas populações. Estes resultados refletem a fragilidade em que se encontram a
maior parte das populações, mas também indicam que há populações em situação favorável em termos
de conservação (p. ex. três populações com alta diversidade e índice de fixação não diferente de zero,
Tabela 8.2). Estas últimas apresentam grande potencial como fonte de diversidade para restauração e
áreas de coleta de sementes.

Em relação às microrregiões, observam-se diferenças importantes entre a microrregião de


Xanxerê e as demais, especialmente em relação ao índice de fixação. Tal resultado está, em grande
parte, associado ao fato de duas das três populações amostradas nesta região apresentarem índice
de fixação não diferente de zero; ambas estão em Unidades de Conservação (Parque Nacional das
Araucárias). Nas demais microrregiões, os resultados obtidos indicam um padrão semelhante ao da
araucária, valendo as mesmas considerações.

151
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 8.2. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 13 populações de
Ocotea porosa em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (15 loc.);
 = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p< 0,05);
AR = nº alelos raros (freq. <0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.2. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 13 populations of Ocotea porosa in
their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (15 loc.); Â = alleles per loci; Ĥo =
observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p< 0,05); AR = nº rare alleles (freq. <0,05);
AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Caçador – 728 51 80,0 1,87 0,203 0,236 0,137* 3 1
Caçador – 729 45 73,3 2,07 0,334 0,315 -0,059 3
Joaçaba Rio das Antas – 673 46 78,6 2,43 0,243 0,299 0,188* 6
Macieira – 724 53 86,7 2,40 0,156 0,260 0,398* 6
Microrregião 192 86,7 3,00 0,226 0,327 0,310* 13 2
Mafra – 1040 55 86,7 2,13 0,167 0,219 0,238* 5
Itaiópolis – 901 53 91,7 2,75 0,252 0,314 0,199* 6 2
Mafra – 1061 49 85,7 2,50 0,195 0,312 0,375* 8
Canoinhas
Itaiópolis – 984 50 84,6 2,23 0,240 0,357 0,326* 3
Canoinhas – 1055 49 73,3 2,47 0,249 0,319 0,219* 7
Microrregião 232 100,0 3,20 0,206 0,323 0,365* 16 3
Concórdia Irani – 605 53 86,7 2,27 0,142 0,204 0,301* 5 -
Ponte Serrada – 720 62 80,0 2,07 0,263 0,250 -0,053 4
Passos Maia – 717 55 85,7 2,20 0,302 0,288 -0,049 7
Xanxerê
Passos Maia – 832 51 78,6 2,33 0,188 0,266 0,295* 4
Microrregião 168 86,7 2,60 0,255 0,296 0,141* 7 1
Estado Média 50 76,0 2,25 0,221 0,271 0,188 - -

O conjunto de populações do Butia eriospatha (Tabela 8.3) apresentou 30 alelos no total,


considerando os 13 locos avaliados (Â = 1,53 ± 0,20), contudo, apenas nove locos foram polimórficos.
A diversidade genética encontrada apresentou um valor intermediário (P99% = 0,37 ± 0,13; Ĥo = 0,102
± 0,044; Ĥe = 0,111 ± 0,044) e o índice de fixação foi estimado em 0,083 ± 0,132. Chama atenção a
grande variação do índice de fixação: cinco populações apresentam excesso de heterozigotos, enquanto
outras três populações tiveram índices de fixação maiores que 0,2. A espécie mostrou também poucos
locos polimórficos indicando fixação de alelos em muitas populações.

A divergência entre populações foi elevada ( F̂ st = 0,363) e significativa, indicando existirem


diferenças importantes entre as populações ao longo do Estado. Em grande parte, estes resultados
podem ser explicados pela forma como as populações estão estruturadas, formando agrupamentos,
mas relativamente isolados. Além disso, a espécie está sob forte pressão de uso (ornamental) e suas
populações praticamente não apresentam indivíduos jovens, devido à presença de gado bovino. Estes
resultados refletem o grau de ameaça em que se encontram a maior parte das populações da espécie
e a relevância de se considerar várias populações em ações para a conservação. Ademais, o fato de o
ambiente de ocorrência da espécie não estar protegido no Estado, reforça a ameaça, já ressaltada em
Nazareno et al. (submetido). Apesar da predominância de baixo polimorfismo, há populações com
percentual de polimorfismos superior a 50% e diversidade genética (Ĥe) superior a 0,15 (Tabela 8.3),
indicando potencial de restauração e estabelecimento de áreas de coleta de sementes.

152
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Tabela 8.3. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 14 populações de
Butia eriospatha em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (13 loc.);
 = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p < 0,05);
AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.3. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 14 populations of Butia eriospatha
in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (13 loc.); Â = alleles per loci;
Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles (freq. <
0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Fraiburgo - 615 56 53,8 1,77 0,110 0,131 0,161* 5
Matos Costa - 933 56 38,5 1,62 0,154 0,187 0,176* 1
Joaçaba
Lebon Régis - 619 56 38,5 1,62 0,143 0,149 0,040 2 1
Microrregião 168 53,8 2,00 0,136 0,190 0,288* 5 2
Santa Cecília - 623 42 38,5 1,54 0,115 0,113 -0,023 3
Curitibanos - 450 49 23,1 1,39 0,064 0,057 -0,116 2
Curitibanos - 409 52 38,5 1,54 0,081 0,096 0,155* 2
Curitibanos
Curitibanos - 562 51 30,8 1,46 0,091 0,079 -0,154* 2
Monte Carlo - 497 50 53,8 1,69 0,074 0,099 0,255* 4
Microrregião 243 46,5 1,85 0,088 0,107 0,182* 6 1
Otacílio Costa - 301 55 30,8 1,39 0,048 0,060 0,212*
Campos de São J. do Cerrito - 328 54 7,7 1,23 0,037 0,042 0,111 2
Lages São J. do Cerrito - 297 55 30,8 1,31 0,106 0,104 -0,018
Microrregião 164 38,5 1,54 0,063 0,079 0,198* 4 0
Alto Bela Vista - 1536 47 61,5 2,00 0,172 0,186 0,077 5 2
Irani - 605 52 38,5 1,39 0,134 0,127 -0,057
Concórdia
Irani - 547 52 38,5 1,46 0,093 0,120 0,230*
Microrregião 151 54,0 2,08 0,130 0,176 0,260* 7 2
Estado Média 52 37,0 1,53 0,102 0,111 0,083 - -

Em termos de microrregiões, observa-se, como nas espécies já discutidas, uma predominância


de valores de índice de fixação, por microrregião, superiores às médias das respectivas populações, este
resultado indica a existência de diferenças importantes entre as populações dentro das microrregiões.
Este resultado decorre, possivelmente, da forma como estão distribuídas as populações, como já
mencionado, e reflete o isolamento das populações em escala de microrregião, reforçando a ideia de
forte ameaça, mencionada no parágrafo anterior.

Para o Podocarbus lamberti (Tabela 8.4), os 10 sistemas enzimáticos analisados permitiram a


avaliação de 12 locos, sendo 10 polimórficos. Foram encontrados 32 alelos no conjunto das populações
estudadas (Â = 1,80 ± 0,15). O conjunto de populações apresentou baixa diversidade genética (P99%
= 0,48 ± 0,08; Ĥo = 0,049 ± 0,022; Ĥe = 0,078 ± 0,021). As frequências genotípicas das populações
apresentaram desvios significativos das frequências esperadas em panmixia, evidenciando um alto
índice de fixação médio ( fˆ = 0,372). Foram também encontrados alelos raros em todas as populações,
além de dois alelos exclusivos. Estes resultados refletem a situação preocupante na qual se encontram
a maior parte das populações.

153
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 8.4. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 12 populações de
Podocarpus lambertii em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (12
loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p <
0,05); AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.4. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 12 populations of Podocarpus
lambertii in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (12 loc.); Â = alleles
per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles
(freq. < 0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


São Cristóvão – 453 52 64,6 1,82 0,059 0,097 0,388* 6
Curitibanos – 561 70 54,5 1,91 0,091 0,096 0,052 8
Curitibanos
Curitibanos – 409 51 54,5 1,82 0,053 0,071 0,247* 6
Microrregião 173 63,6 2,46 0,070 0,131 0,467* 13 0
Lebon Régis – 619 56 63,6 1,82 0,050 0,093 0,457* 6
Lebon Régis – 789 55 54,5 1,55 0,024 0,059 0,597* 4
Joaçaba
Caçador – 784 61 45,5 1,73 0,039 0,039 0,015 6
Microrregião 172 63,6 2,27 0,038 0,067 0,442* 12 0
Painel – 211 55 45,5 1,55 0,052 0,092 0,436* 3
São J. Cerrito – 297 53 45,5 1,73 0,016 0,064 0,744* 6 1
Campos de Lages
Capão Alto – 208 50 60,0 2,20 0,042 0,062 0,320* 10
Microrregião 158 63,6 2,27 0,036 0,070 0,493* 12 2
Mafra – 1042 53 54,5 1,82 0,045 0,078 0,431* 6
Canoinhas/São Bela V. Toldo – 1010 58 45,5 1,73 0,036 0,084 0,571* 7
Bento do Sul Campo Aleg. – 1063 52 45,5 1,91 0,085 0,110 0,224* 7 1
Microrregião 164 63,6 2,18 0,054 0,092 0,413* 8 1
Estado Média 56 48,0 1,80 0,049 0,078 0,372 - -

A divergência entre populações amostradas de P. lambertii foi elevada ( F̂ st = 0,216) e


significativa, indicando existirem diferenças importantes entre as populações do Estado e, portanto,
a relevância de se considerar várias populações em ações para a conservação. A baixa diversidade
encontrada é um forte indicativo da necessidade de ações urgentes de conservação, como discutido em
Bittencourt et al. (submetido b), inclusive ex-situ.

Em relação às microrregiões, observa-se um comportamento semelhante ao mencionado para as


espécies já descritas. Contudo, a baixa diversidade populacional também se reflete nas microrregiões
(Tabela 8.4), reforçando a situação de ameaça desta espécie em todo o Estado.

Para Dicksonia sellowiana (Tabela 8.5), os sete sistemas utilizados revelaram oito locos
passíveis de interpretação, todos polimórficos. Foram encontrados 26 alelos para o conjunto das 30
populações (Â = 2,10 ± 0,28). Em todas as populações foram encontrados alelos raros. As populações
apresentaram diversidade genética intermediária (P99% = 0,65 ± 0,14; Ĥo = 0,117 ± 0,058; Ĥe = 0,144
± 0,049) e um índice de fixação bastante variável de 0,184 ± 0,185, entretanto 17 (56,7%) das 30
populações amostradas apresentaram índice de fixação maior que 0,2, fato que pode ser reflexo da
fragmentação do ambiente natural da espécie. Por outro lado, seis populações apresentaram índice de
fixação negativo e/ou não diferente de zero e nove populações apresentaram Ĥe superior a 0,15. Estes
últimos resultados indicam a existência de uma diversidade potencial expressiva e possibilidade de
alteração da situação de vulnerabilidade em que se encontra a espécie.

154
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Observou-se também uma elevada e significativa divergência genética interpopulacional


( F̂ st = 0,439), evidenciando um baixo fluxo gênico aparente entre as populações. O valor elevado
da divergência entre populações indica existirem diferenças importantes entre as populações ao
longo do Estado. Esta divergência pode ser explicada, em parte, pela especificidade de ambiente
ocupado pela espécie, que pode restringir o seu fluxo gênico. O xaxim apresenta crescimento
lento e está muito associado às áreas ciliares, este aspecto demonstra a importância da preservação
destas áreas para o estabelecimento de ações de conservação para a espécie.

Em termos de microrregiões, os valores de diversidade (Ĥe) média são elevados (> 0,2) em quatro
microrregiões (Tabela 8.5), contudo, os resultados indicam também a existência de fortes divergências
entre as populações dentro de cada região. Tais resultados reforçam a importância de medidas de
conservação em escala regional: criação de Unidades de Conservação associadas à políticas/ações para
ampliação de conectividade entre remanescentes.
Tabela 8.5. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 30 populações de
Dicksonia sellowiana em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (8
loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p <
0,05); AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.5. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 30 populations of Dicksonia
sellowiana in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (8 loc.); Â = alleles
per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p< 0,05); AR = nº rare alleles
(freq. <0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


São Cristóvão – 453 52 88,9 2,2 0,136 0,185 0,266* 4
Curitibanos – 369 47 62,5 2,0 0,069 0,092 0,252* 5
Camp. Novos – 321 44 75,0 2,4 0,079 0,110 0,280* 4
Curitibanos Curitibanos – 562 45 50,0 2,1 0,063 0,098 0,364* 5
Santa Cecília – 623 53 88,9 2,3 0,145 0,230 0,372* 4
Ponte Alta – 413 56 77,8 2,2 0,101 0,130 0,224* 4
Microrregião 317 87,5 3,25 0,099 0,229 0,567* 11 0
Chapecó – 537 52 55,6 1,8 0,096 0,125 0,234* 2
Campo Erê – 919 55 50,0 1,9 0,100 0,121 0,171* 4
Chapecó
São L. D’oeste – 877 53 62,5 2,0 0,062 0,132 0,534* 4
Microrregião 159 75,0 2,38 0,086 0,134 0,357* 6 0
D. Cerqueira - 1001 56 77,8 1,9 0,110 0,125 0,119* 3
São Miguel do Palma Sola – 6003 45 75,0 2,5 0,104 0,134 0,228* 5
Oeste Palma Sola – 6001 52 88,9 2,2 0,124 0,134 0,079 4
Microrregião 152 87,5 3,00 0,111 0,134 0,173* 13 0
Campo B. do Sul – 727 52 88,9 2,0 0,130 0,131 0,011 3
São Joaquim –92 61 88,9 2,2 0,103 0,168 0,390* 4
Urubici – 140 51 88,9 2,1 0,165 0,217 0,241* 4
Campos de Painel – 211 53 66,7 1,7 0,055 0,089 0,383*
Lages Urubici – 167 60 77,8 2,1 0,176 0,210 0,161* 3
Anita Garib.– 5000 49 100 3,0 0,087 0,117 0,259* 8
Urubici – 192 51 75,0 2,3 0,149 0,182 0,183* 4
Microrregião 383 87,5 3,25 0,123 0,272 0,546* 9 0

155
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Major Vieira – 895 53 77,8 2,1 0,073 0,144 0,499* 3
Canoinhas/São Mafra – 1061 48 66,7 2,1 0,168 0,151 -0,118* 5
Bento do Sul Itaiópolis – 901 50 66,7 2,0 0,157 0,133 -0,186* 4
Microrregião 149 75,0 2,38 0,125 0,138 0,098* 8 0
Passos Maia – 832 52 77,8 2,1 0,139 0,183 0,239* 4
São Domingos – 926 53 44,4 1,8 0,113 0,101 -0,121* 2
Ponte Serrada – 720 55 66,7 1,9 0,044 0,069 0,366* 2
Xanxerê
Ponte Serrada – 718 51 66,7 1,9 0,068 0,078 0,127* 2
Fax. Guedes – 714 53 77,8 2,4 0,131 0,148 0,117* 5
Microrregião 259 75,0 2,75 0,095 0,311 0,695* 6 0
Macieira – 724 52 66,7 2,0 0,091 0,133 0,318* 5
Joaçaba – 1980 52 77,8 2,1 0,123 0,142 0,135* 4
Joaçaba
Caçador – 729 96 88,9 2,2 0,358 0,295 -0,214* 5
Microrregião 200 87,5 2,75 0,225 0,248 0,092* 8 0
Estado Média 54 65,2 2,1 0,117 0,144 0,184 - -

8.3.2 Caracterização genética das espécies da Floresta Ombrófila Densa

Os resultados médios para as cinco espécies escolhidas estão apresentados nas Tabelas 8.6
a 8.10. Os resultados evidenciam comportamentos semelhantes entre as espécies, especialmente em
termos de alta perda de diversidade nas populações (índice de fixação elevado), situação similar à
observada na Floresta Ombrófila Mista.
Para o Euterpe edulis (Tabela 8.6), foram interpretados 14 locos, sendo 12 polimórficos. O
número total de alelos encontrado para o conjunto das populações foi de 42 (Â = 2,18 ± 0,11). O
conjunto das populações apresentou diversidade genética elevada (P99% = 0,62 ± 0,06; Ĥo = 0,205 ±
0,036; Ĥe = 0,236 ± 0,026), o que demonstra o potencial da espécie em manter a variação genética em
longo prazo. Contudo, apresentou um índice de fixação médio com valor intermediário ( fˆ = 0,130 ±
0,107) e valores bastante variáveis entre as populações; seis populações apresentaram um valor não
diferente de zero para o índice de fixação e quatro populações apresentaram fˆ maior que 0,2.
Estes resultados refletem que parte das populações apresenta fragilidades, mas também indicam
que há populações em situação favorável em termos de conservação. Chama a atenção o fato de que 18
(90%) das 20 populações avaliadas apresentaram Ĥe superior a 0,2 (Tabela 8.6). Tal aspecto indica uma
grande potencialidade em termos de restauração das populações e estabelecimento de áreas de coleta
de sementes.
O valor intermediário obtido para a divergência genética entre as populações ( F̂ st = 0,113)
juntamente com o aparecimento de alelos exclusivos em quatro populações são indicativos de que o
fluxo gênico foi e/ou está limitado, aspecto possivelmente decorrente de processos de fragmentação
florestal. Este resultado também é indicativo da existência de diferenças importantes entre as populações
do Estado e, portanto, a relevância de se considerar várias populações em ações para a conservação. A
espécie apresenta um grande potencial para ações de conservação pelo uso.
As diferenças entre o valor do índice de fixação para cada microrregião (Tabela 8.6) e a média
dos valores de fˆ das respectivas populações indicam a existência de diferenças importantes entre cada
microrregião, evidenciando a fragmentação florestal existente na área de ocorrência da espécie. Estes

156
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

resultados ressaltam a importância de medidas de conservação em escala regional, evidenciando a


necessidade e importância de políticas que favoreçam a ampliação de conectividade, além da criação
de Unidades de Conservação. Ações que estimulem a conservação pelo uso, estruturadas em escala
regional, apresentam grande potencial para recompor a conectividade entre os remanescentes florestais
na área de ocorrência da espécie.
Tabela 8.6. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 20 populações de
Euterpe edulis em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (14 loc.);
 = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p < 0,05);
AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.6. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 20 populations of Euterpe edulis in
their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (14 loc.); Â = alleles per loci; Ĥo =
observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles (freq. < 0,05);
AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Garuva – 1072 53 64,3 2,36 0,247 0,237 -0,043 9  
Joinville – 996 52 57,1 2,07 0,227 0,255 0,114* 5
Joinville
Joinville – 1027 51 57,1 2,14 0,227 0,238 0,047 5
Microrregião 156 64,3 2,50 0,233 0,247 0,055* 10 0
Itajaí – 640 50 64,3 2,21 0,121 0,166 0,274* 7 1
Ilhota – 751 52 71,4 2,36 0,241 0,263 0,083* 6
Itajaí/ Blumenau
Apiúna – 516 59 64,3 2,21 0,185 0,216 0,145* 5
Microrregião 161 71,4 2,57 0,184 0,239 0,232* 7 1
Morro Grande – 30 47 64,3 2,29 0,239 0,269 0,113* 7 1
Treviso – 58 49 57,1 2,29 0,194 0,236 0,179* 7
Criciúma/
Morro da Fumaça – 51 50 71,4 2,21 0,177 0,264 0,331* 3
Araranguá
Praia Grande – 4 53 64,3 2,14 0,251 0,252 0,001 5
Microrregião 199 71,4 2,57 0,215 0,267 0,194* 8 1
Taió – 625 55 64,3 2,21 0,236 0,266 0,111* 7
Ibirama – 689 65 50,0 1,86 0,164 0,189 0,129* 2
Rio do Sul
Pres. Nereu – 464 55 57,1 2,21 0,177 0,241 0,268* 5
Microrregião 176 64,3 2,36 0,217 0,291 0,256* 6 0
Grão Pará – 143 51 57,1 2,14 0,203 0,226 0,103* 5 1
Orleans – 118 52 64,3 2,21 0,242 0,255 0,052 5
Tubarão
Stª Rosa de Lima – 170 53 64,3 2,14 0,187 0,223 0,166* 5
Microrregião 156 71,4 2,43 0,210 0,259 0,190* 6 1
Stº Amaro da I. – 254 46 71,4 2,21 0,144 0,227 0,368* 5 2
Tijucas – 523 51 57,1 2,14 0,227 0,241 0,059 3
Florianópolis/
São J. Batista – 470 53 57,1 2,14 0,199 0,210 0,056 6
Tijucas
São José – 352 51 57,1 2,00 0,217 0,239 0,091* 3
Microrregião 201 64,3 2,43 0,198 0,237 0,166* 8 2
Estado Média 52 61,8 2,18 0,205 0,236 0,130  - - 

157
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Para a Ocotea catharinensis (Tabela 8.7), foram interpretados 12 locos, sendo 10 polimórficos.
O número total de alelos encontrado para o conjunto das populações foi de 26 (Â = 1,80 ± 0,14). O
conjunto das populações apresentou diversidade genética intermediária (P99% = 0,61 ± 0,08; Ĥo = 0,159
± 0,032; Ĥe = 0,196 ± 0,035) e um índice de fixação médio com valor elevado ( fˆ = 0,190 ± 0,128),
contudo bastante variável entre as populações. Sete populações (41,2%) apresentam índice de fixação
superior a 0,2; contudo, cinco populações (29,4%) apresentaram um índice de fixação não diferente
de zero. Estes resultados demonstram que há diversidade potencial para ser aproveitada em termos de
conservação, mas também indicam que boa parte das populações está em situação vulnerável.
Tabela 8.7. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para 17 populações de
Ocotea catharinensis em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (12
loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p <
0,05); AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.7. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for 17 populations of Ocotea catharinensis
in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (12 loc.); Â = alleles per loci;
Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles (freq. <
0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE

Corupá – 951 50 58,3 1,67 0,144 0,159 0,097 2


Joinville – 1027 47 66,7 2,00 0,117 0,167 0,301* 5
Joinville
Joinville – 1026 47 63,6 2,00 0,214 0,273 0,217* 1
Microrregião 140 66,7 2,08 0,154 0,243 0,367* 4 1
Ilhota – 751 47 66,7 1,92 0,206 0,237 0,133* 1
Blumenau – 578 50 58,3 1,67 0,135 0,186 0,276* 0
Itajaí/Blumenau
Apiúna – 516 59 58,3 1,92 0,174 0,186 0,068 3
Microrregião 156 75,0 2,00 0,169 0,230 0,265* 1 1
Atalanta – 378 49 50,0 1,60 0,089 0,198 0,554* 1

Ituporanga/ Agrolândia – 377 51 40,0 1,50 0,132 0,169 0,223* 1


Tabuleiro Ituporanga – 421 49 66,7 1,92 0,165 0,195 0,155* 4
Microrregião 131 58,3 1,92 0,158 0,219 0,281* 2 0
Stª Rosa de Lima – 194 49 58,3 1,75 0,158 0,174 0,093 3
Stª Rosa de Lima – 170 46 63,6 1,82 0,196 0,237 0,177* 0
Tubarão
Grão Pará – 119 47 75,0 1,83 0,172 0,236 0,274* 1
Microrregião 138 66,7 2,00 0,169 0,218 0,229* 3 0
Taió – 625 54 66,7 1,75 0,153 0,185 0,176* 0
Ibirama – 689 51 58,3 1,75 0,170 0,180 0,056 4
Rio do Sul
Pres. Nereu – 464 56 58,3 1,75 0,136 0,142 0,045 2
Microrregião 161 66,7 1,83 0,153 0,174 0,117* 3 0

Florianópolis/ Santo Amaro – 254 48 66,7 1,92 0,165 0,173 0,045 4


Tijucas Angelina – 386 48 66,7 1,83 0,174 0,229 0,243* 2
Estado Média 50 61,3 1,80 0,159 0,196 0,190 - -

158
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

A divergência entre populações foi intermediária ( F̂ st = 0,133) e significativa, além disso, foram
encontrados alelos raros e exclusivos (Tabela 8.7), indicando existirem diferenças importantes entre as
populações ao longo do Estado e, portanto, a relevância de se considerar várias populações em ações
para a conservação.

Em termos de microrregiões, observa-se, como em outras espécies já discutidas, uma


predominância de valores de índice de fixação, por microrregião, superiores às médias das respectivas
populações, este resultado indica a existência de diferenças importantes entre as populações dentro das
microrregiões. Tais resultados reforçam a importância de medidas de conservação em escala regional:
criação de Unidades de Conservação associadas à políticas/ações para ampliação de conectividade
entre remanescentes.

Para Ocotea odorifera (Tabela 8.8) os índices de diversidade, em termos médios, apresentaram
valores intermediários (P99% = 0,66 ± 0,16; Ĥo = 0,139 ± 0,050; Ĥe = 0,163 ± 0,042). Foram interpretados
10 locos, sendo oito polimórficos e o número total de alelos encontrado para o conjunto das populações
foi de 24 (Â = 1,92 ± 0,23). O índice de fixação médio apresentou também um valor intermediário ( fˆ =
0,153 ± 0,145), contudo bastante variável entre as populações; quatro populações apresentaram valores
de fˆ superior a 0,2; contudo, outras três, entre as nove amostradas, apresentaram valores não diferentes
de zero. Estes resultados refletem a fragilidade em que se encontram a maior parte das populações, mas
também indicam que há populações em situação de menor fragilidade.

A divergência entre populações foi também intermediária ( F̂ st = 0,089), indicando existirem


diferenças importantes entre as populações do Estado e, portanto, a relevância de se considerar várias
populações em ações para a conservação.

Em termos de microrregiões, os resultados foram semelhantes àqueles encontrados para


a canela-preta. Contudo, cabe ressaltar que a área de ocorrência da canela-sassafrás apresenta uma
abrangência geográfica menor.

159
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 8.8. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para nove populações de
Ocotea odorifera em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (10 loc.);
 = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p < 0,05);
AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.8. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for nine populations of Ocotea odorifera
in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (10 loc.); Â = alleles per loci;
Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles (freq. <
0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Ituporanga - 421 50 60,0 1,90 0,086 0,109 0,212* 5
Agrolândia - 377 50 40,0 1,60 0,080 0,144 0,449* 2
Ituporanga/Tabuleiro
Atalanta - 378 64 40,0 1,50 0,150 0,166 0,094 1
Microrregião 164 50,0 2,00 0,107 0,144 0,258* 6 0
Taió - 625 56 70,0 2,00 0,160 0,200 0,205* 3
Mirim Doce - 507 51 80,0 2,10 0,193 0,217 0,112* 3
Rio do Sul Ibirama - 689 59 80,0 2,00 0,103 0,143 0,281* 3
P. Nereu - 464 59 70,0 1,90 0,112 0,129 0,133* 5
Microrregião 224 80,0 2,30 0,139 0,178 0,215* 6 3
Florianópolis/Tijucas Angelina - 348 49 80,0 2,10 0,228 0,228 0,002 3 1
Itajaí/Blumenau Apiúna - 516 51 70,0 2,20 0,135 0,133 -0,019 8 -
Estado Média 54 65,6 1,92 0,139 0,163 0,153 - -

Para o Calophyllum brasiliense (Tabela 8.9), foram encontrados 30 alelos, em 14 locos (10
polimórficos) avaliados (Â = 1,65 ± 0,12). A diversidade genética encontrada para o conjunto de
populações foi intermediária (P99% = 44,2 ± 9,2; Ĥo = 0,100 ± 0,020; Ĥe = 0,135 ± 0,023), entretanto
o índice de fixação foi alto ( fˆ = 0,259 ± 0,093), sendo maior que 0,2 para seis das nove populações.
A espécie mostrou também poucos locos polimórficos indicando perda de alelos de baixa
frequência; a ocorrência de alelos raros e principalmente exclusivos evidencia este aspecto. Estes
resultados refletem a fragilidade em que se encontram muitas populações da espécie e podem estar
associados, em grande parte, à fragmentação florestal e também ao reduzido tamanho das populações.
Nessas condições, os efeitos de deriva genética são favorecidos, demonstrando uma fragilidade das
populações naturais da espécie.
A divergência genética encontrada entre as populações de olandi foi intermediária ( F̂ st = 0,140),
mas significativa, indicando existirem diferenças importantes entre as populações do Estado. A espécie
ocorre em ambientes de planícies quaternárias no Estado, ambientes atualmente sobre alta pressão para
desmatamento, o que representa uma grande ameaça para a mesma.
Para as microrregiões, os resultados, em termos gerais, são semelhantes aos encontrados para as
demais espécies da Floresta Ombrófila Densa. Contudo, ressalta-se que ao menos em duas microrregiões
a diversidade média encontrada foi superior a 0,15 (Tabela 8.9), indicando a possibilidade da reversão
da situação de risco da espécie.
No conjunto das populações, existe ainda diversidade adequada, em termos de conservação,
para a restauração das populações da espécie. No entanto, a presença de alelos exclusivos nas três
microrregiões estudadas indica a necessidade de políticas e ações com abrangência regional para a
efetiva conservação da espécie. Ademais, é urgente a criação de Unidades de Conservação que protejam
ambientes de planícies quaternárias no Estado.

160
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Tabela 8.9. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para nove populações de
Calophyllum brasiliense em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos
(14 loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação *
(p < 0,05); AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.9. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for nine populations of Calophyllum
brasiliense in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (14 loc.); Â = alleles
per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles
(freq. < 0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Florianópolis – 391 52 57,1 1,71 0,102 0,134 0,238* 5
Gov. C. Ramos – 430 52 57,1 1,86 0,136 0,175 0,225* 3 2
Florianópolis/Tijucas
Tijucas – 523 52 57,1 1,71 0,112 0,149 0,246* 5
Microrregião 155 64,3 2,07 0,116 0,154 0,243 3 5
Itajaí – 642 51 33,3 1,58 0,072 0,127 0,438* 1
B. Camboriú – 640 54 35,7 1,64 0,08 0,132 0,392* 3 1
Itajaí/Blumenau
Penha – 811 51 42,9 1,43 0,091 0,119 0,233* 1
Microrregião 147 50,0 1,86 0,080 0,134 0,406 1 5
Araquari – 913 48 42,9 1,71 0,123 0,153 0,197* 4
S. Franc.do Sul –
51 42,9 1,64 0,105 0,130 0,193* 4
Joinville 1031
Itapoá – 1074 51 42,9 1,57 0,079 0,095 0,168* 3
Microrregião 150 50,0 1,79 0,101 0,155 0,350 0 3
Estado Média 51 44,2 1,65 0,100 0,137 0,259 - -

No caso do Butia catharinensis (Tabela 8.10), os 10 sistemas utilizados revelaram 12 locos


passíveis de interpretação, todos polimórficos. Foram encontrados 36 alelos para o conjunto das nove
populações (Â = 2,20 ± 0,22) e em todas as populações foram encontrados alelos raros. A diversidade
genética média foi elevada (P99% = 0,76 ± 0,09; Ĥo = 0,184 ± 0,036; Ĥe = 0,211 ± 0,029) e o índice
de fixação médio estimado foi de 0,127 ± 0,080, semelhante ao coeficiente de endogamia de meios
irmãos, evidenciando um déficit de heterozigotos, e refletindo a condição de fragmentação e tamanhos
populacionais reduzidos na qual a espécie se encontra. Estes resultados refletem que parte das populações
apresenta fragilidades. Por outro lado, apenas uma população apresenta um valor de fˆ superior a 0,2
e três populações apresentam um índice de fixação não diferente de zero, indicando que há populações
em situação favorável em termos de conservação e com potencial para coleta de sementes e restauração
da diversidade.

161
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 8.10. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para nove populações de
Butia catharinensis em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (12
loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p <
0,05); AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.10. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for nine populations of Butia
catharinensis in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (12 loc.); Â =
alleles per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare
alleles (freq. < 0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Florianópolis – 319 50 58,3 1,83 0,121 0,141 0,138* 10 1
Palhoça – 228 50 66,7 1,92 0,187 0,215 0,131* 5
Florianópolis/Tijucas
Garopaba – 175 50 75,0 2,17 0,182 0,227 0,199* 8
Microrregião 149 91,7 2,33 0,162 0,214 0,242* 7 1
Imbituba – 174 53 75,0 2,17 0,239 0,236 -0,012 2 1
Laguna – 82 53 83,3 2,25 0,166 0,200 0,175* 5 1
Tubarão
Jaguaruna – 62 52 83,3 2,42 0,218 0,239 0,087 3
Microrregião 157 83,3 2,83 0,208 0,235 0,116* 9 2
Içara – 35 54 75,0 2,50 0,180 0,214 0,158* 1
Araranguá – 19 53 83,3 2,42 0,154 0,206 0,253* 8
Criciúma/Araranguá
Passo de Torres – 2 52 83,3 2,17 0,211 0,222 0,049 4
Microrregião 158 83,3 2,67 0,181 0,219 0,173* 11 1
Estado Média 52 75,9 2,20 0,184 0,211 0,127 - -

Observou-se também uma divergência genética entre populações com valor intermediário
( F̂ st = 0,076) e o aparecimento de alelos exclusivos em três populações, indicando existirem
diferenças entre as populações do Estado e, portanto, a relevância de se considerar várias
populações de butiá da praia em ações para a conservação. A espécie ocorre em ambiente de
restinga, o que representa atualmente uma grande ameaça (pressão imobiliária).

Em termos de microrregiões, os resultados se assemelham àqueles encontrados para o palmiteiro,


permitindo considerações semelhantes. A possibilidade de múltiplos usos pode favorecer a conservação
por meio de ações de conservação pelo uso. Cumpre ressaltar, contudo, a necessidade e urgência de
ações e políticas de conservação para os ambientes de restinga no Estado.

8.3.3 Caracterização genética das espécies da Floresta Estacional Decidual

Os resultados médios para as três espécies escolhidas estão apresentados nas Tabelas 8.11, 8.12 e
8.13. Os resultados indicaram comportamentos com uma tendência semelhante em termos de alta perda
de diversidade nas populações (índice de fixação elevado). A situação de elevado grau de fragmentação
em que se encontram os remanescentes da Floresta Estacional Decidual, aliado ao grande número de
hidroelétricas existentes ou previstas, reforça a urgência de ações de conservação para a região.

Para a Apuleia leiocarpa (grápia) (Tabela 8.11), foram avaliados 12 locos, todos polimórficos,
a partir dos 11 sistemas isoenzimáticos utilizados. Foram encontrados 37 alelos para o conjunto das
populações (Â = 2,44 ± 0,23). A espécie apresentou uma alta diversidade genética (P99% = 0,75 ± 0,10;
Ĥo = 0,255 ± 0,032; Ĥe = 0,325 ± 0,035), o que demonstra o potencial destas espécies em manter

162
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

a variação genética a longo prazo. Contudo, o índice de fixação também foi elevado ( fˆ = 0,218 ±
0,108) evidenciando déficit de heterozigotos, possivelmente reflexo de um histórico de cruzamentos
entre aparentados e de reduzidos tamanhos populacionais, decorrentes da exploração madeireira. O
valor elevado do índice de fixação para a maioria das populações, aliado à inexistência de políticas
de conservação para os remanescentes da Floresta Estacional Decidual, indica uma grande fragilidade
para as populações da espécie.
Apesar da divergência genética entre as populações de grápia avaliadas ter sido relativamente
baixa ( F̂ st = 0,064), comparada às demais espécies, duas populações apresentaram alelos exclusivos e
todas apresentaram alelos raros, reforçando a idéia de que a fragmentação e a redução dos tamanhos
populacionais vêm influenciando a estrutura e diversidade genética.
Em relação às microrregiões, os resultados indicam alta diversidade em cada uma delas, contudo,
índices de fixação com valores superiores àqueles das médias das respectivas populações (Tabela
8.11). Estes resultados reforçam a constatação de fortes efeitos de fragmentação florestal na região e
ressaltam a importância de políticas para a conservação que possam ir além da criação de Unidades
de Conservação na Floresta Estacional Decidual, aspectos de grande relevância. Ações que possam
favorecer a ampliação da conectividade entre os remanescentes florestais, como criação de áreas de
coleta de sementes e incentivos à restauração florestal, podem trazer resultados de grande efetividade.
Tabela 8.11. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para nove populações de
Apuleia leiocarpa em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (12 loc.);
 = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p < 0,05);
AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.11. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for nine populations of Apuleia
leiocarpa in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (12 loc.); Â = alleles
per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles
(freq. < 0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


S.J. do Oeste - 2056 48 66,7 2,25 0,291 0,338 0,142* 2
Palma Sola - 6003 48 75,0 2,42 0,219 0,305 0,282* 4
São Miguel do Oeste
Itapiranga - 2051 31 75,0 2,25 0,240 0,374 0,361* 2
Microrregião 127 83,3 2,58 0,252 0,354 0,289* 4 0
Palmitos - 2179 43 66,7 2,25 0,239 0,279 0,146* 2
Caibi - 2406 52 91,7 2,42 0,262 0,327 0,200* 3 1
Chapecó
Quilombo - 3097 55 91,7 3,00 0,230 0,358 0,361* 10 2
Microrregião 150 83,3 3,08 0,243 0,334 0,275* 11 5
Itá - 1861 34 66,7 2,42 0,221 0,278 0,208* 4
Seara - 1864 44 75,0 2,50 0,292 0,357 0,183* 2
Concórdia
Alto B. Vista - 1536 50 66,7 2,42 0,298 0,307 0,029 4
Microrregião 127 75,0 2,50 0,275 0,317 0,134* 2 0
Estado Média 45 75,0 2,44 0,255 0,325 0,218

Para a Myrocarpus frondosus (Tabela 8.12), os 12 sistemas enzimáticos analisados revelaram 14


locos e 41 alelos (2,27 ± 0,22). As populações de M. frondosus apresentaram alta diversidade genética
(P99% = 0,80 ± 0,06; Ĥo = 0,259 ± 0,061; Ĥe = 0,296 ± 0,05). O índice de fixação apresentou um valor
intermediário, evidenciando déficit de heterozigotos ( fˆ = 0,128), mostrando-se, contudo, bastante
variável entre populações (s = 0,148), com valores significativos desde -0,191 até 0,285 (Tabela 8.12).

163
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

A presença de alelos exclusivos em três das populações e uma elevada diferenciação genética
interpopulacional ( F̂ st = 0,195), refletem a intensa fragmentação existente na Floresta Estacional
Decidual e um provável isolamento entre as populações.

A avaliação dos resultados por microrregião aponta para considerações semelhantes àquelas
realizadas para a grápia. Os resultados indicam a necessidade de políticas e ações efetivas para a
conservação in situ das populações remanescentes da Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina.
Tabela 8.12. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para nove populações de
Myrocarpus frondosus em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (14
loc.); Â = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p <
0,05); AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.12. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for nine populations of Myrocarpus
frondosus in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (14 loc.); Â = alleles
per loci; Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles
(freq. < 0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


S. J. Oeste - 2056 42 85,70 2,36 0,295 0,329 0,105* 6 1
Itapiranga - 2051 55 71,40 2,21 0,265 0,274 0,029 6 1
São Miguel do Oeste
Tunápolis - 2512 55 85,70 2,14 0,259 0,301 0,142* 3
Microrregião 152 85,70 2,57 0,273 0,305 0,104* 10 2
N. Itaber. - 2414 45 78,60 2,07 0,179 0,250 0,285* 2
Caibi - 2406 54 78,60 2,36 0,351 0,296 -0,191* 7
Chapecó
Chapecó - 597 53 85,70 2,50 0,270 0,373 0,277* 4
Microrregião 153 85,70 2,57 0,274 0,368 0,256* 4 0
Seara - 2077 48 78,60 2,21 0,198 0,252 0,218* 5
Itá - 1861 42 71,40 1,93 0,184 0,232 0,206* 2
Concórdia
Concórdia - 1970 51 85,70 2,64 0,326 0,361 0,098* 7 2
Microrregião 142 85,70 2,71 0,251 0,331 0,243* 7 1
Estado Média 49 80,20 2,27 0,259 0,296 0,128 - -

No caso do Cedrela fissilis (Tabela 8.13), foram encontrados 39 alelos, distribuídos em 12 locos
polimórficos (Â = 2,63 ± 0,25). A diversidade genética média encontrada para o conjunto de populações
foi alta (P99% = 0,82 ± 0,10; Ĥo = 0,190 ± 0,040; Ĥe = 0,241 ± 0,036), entretanto o índice de fixação
também foi alto ( fˆ = 0,215 ± 0,098) e maior que 0,2 para cinco das nove populações, fato que pode ser
associado à fragmentação e ao reduzido tamanho das populações.

A divergência genética entre as populações foi relativamente baixa ( F̂ st = 0,035), indicando


pouca diferenciação entre as mesmas. A análise por microrregião indica um comportamento similar
entre e dentro das microrregiões, refletindo esta menor diferenciação. Tais resultados podem ser
decorrentes de aspectos específicos da biologia reprodutiva e maior capacidade de colonização da
espécie em relação às demais, reduzindo a diferenciação.

No caso das espécies estudadas na Floresta Estacional Decidual, alguns aspectos importantes
merecem destaque, pois as três apresentam dispersão de sementes do tipo anemocórica, portanto,
independente de animais. Neste sentido, menores valores para os índices de fixação eram esperados,
principalmente pelo fato de que segundo Mori (2003), espécies que apresentam sementes com dispersão
do tipo anemocórica atingem grandes distâncias com seus propágulos e possuem maior variabilidade

164
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

genética dentro de populações, uma vez que o extenso fluxo gênico pode impossibilitar uma ampla
diferenciação entre as populações.
Tabela 8.13. Índices de diversidade intrapopulacional, índice de fixação, alelos raros e exclusivos para nove populações de
Cedrela fissilis em suas respectivas microrregiões de ocorrência. n = nº indivíduos; P99% = % locos polimórficos (12 loc.);
 = alelos por loco; Ĥo = heterozigosidade observada; Ĥe = heterozigosidade esperada; fˆ = índice de fixação * (p < 0,05);
AR = nº alelos raros (freq. < 0,05); AE = nº alelos exclusivos.
Table 8.13. Intrapopulation diversity indexes, fixation index, rare and private alleles for nine populations of Cedrela fissilis
in their respective occurrence microregions. n = nº individuals; P99% = % polymorphic loci (12 loc.); Â = alleles per loci;
Ĥo = observed heterozygosity; Ĥe = expected heterozygosity; fˆ = fixation index * (p < 0,05); AR = nº rare alleles (freq. <
0,05); AE = nº private alleles.

Microrregião População n P99% Â Ĥo Ĥe AR AE


Itapiranga - 2051 53 83,3 2,58 0,186 0,221 0,163* 11
Palma Sola - 6003 55 83,3 2,67 0,242 0,257 0,058 6
São Miguel do Oeste
Palma Sola - 6001 56 91,7 2,92 0,271 0,309 0,124* 10 1
Microrregião 164 100,0 3,25 0,234 0,268 0,128* 15 1
Palmitos - 2179 45 75,0 2,67 0,173 0,243 0,290* 7
Quilombo - 3097 45 75,0 2,50 0,172 0,232 0,259* 8
Chapecó
Caibi - 2406 50 100,0 3,00 0,176 0,245 0,282* 12
Microrregião 140 91,7 3,00 0,173 0,246 0,297* 13 0
Seara - 1864 51 83,3 2,75 0,168 0,217 0,226* 10
Seara - 2081 50 83,3 2,42 0,166 0,265 0,376* 7
Concórdia
Concórdia - 1869 48 66,7 2,17 0,152 0,181 0,164* 4
Microrregião 149 91,7 3,00 0,162 0,229 0,295* 13 0
Estado Média 50 82,4 2,63 0,190 0,241 0,215 - - 

Outro fator importante é que as espécies estudadas classificam-se como pioneiras ou secundárias,
portanto, menos exigentes quanto ao estado de conservação da cobertura florestal. Neste sentido, estas
estariam menos expostas a fragmentação florestal e a reduções no número de indivíduos, já que áreas
abertas facilitariam a sua regeneração natural e tenderiam ao aumento populacional.

Desta forma, os elevados valores de fixação e eventual estruturação interna das populações não
seriam esperados, e têm como causa a redução do número de plantas nas populações, possivelmente,
produto do corte seletivo de madeira ocorrido no passado (já que ambas as espécies em questão têm
elevado valor madeireiro), bem como a redução da fauna polinizadora e o isolamento ocasionado pela
fragmentação florestal.

165
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

8.4 Considerações finais, perspectivas e recomendações para conservação

Os resultados obtidos, de maneira geral, ressaltam a importância de medidas de conservação


em escala regional, evidenciando a necessidade e importância de políticas que favoreçam a ampliação
de conectividade entre fragmentos florestais, além da criação de Unidades de Conservação. Ações que
estimulem a conservação pelo uso, estruturadas em escala regional, apresentam grande potencial para
recompor a conectividade entre os remanescentes florestais na área de ocorrência da espécie.

Embora tenham sido observados, para todas as espécies, valores elevados dos índices de fixação,
bem como alelos exclusivos em algumas populações, que são fortes evidências de estruturação e de
limitações de fluxo gênico e, portanto, de redução da performance adaptativa, produtiva e reprodutiva
das espécies em questão, os valores observados de diversidade genética indicam que, para o conjunto
das populações de quase todas as espécies estudadas, existe grande diversidade passível de ser resgatada.
Neste sentido, ações voltadas ao aumento do fluxo gênico/conectividade, como a criação de corredores
ecológicos, áreas de coleta e produção de sementes, proteção à fauna e o enriquecimento de áreas que
apresentam baixa diversidade e/ou alta fixação com sementes originadas em fragmentos próximos com
maior diversidade genética, devem ser incentivadas.

A identificação de áreas com grande diversidade genética para a criação de áreas públicas de
conservação, como Parques e Florestas Nacionais, ou para identificação de áreas privadas com potencial
para formação de áreas de coletas de sementes é de fundamental importância. A criação de áreas de
coleta de sementes em Unidades de Conservação parece ser atualmente uma ação de grande efetividade
para a conservação. Sobretudo pelo fato de que, nestas áreas, informações genéticas que norteiam a
captura da maior diversidade genética possível poderiam ser geradas e estarem disponíveis e acessíveis
aos coletores de sementes, que serão os principais agentes, além da fauna, a recomporem a diversidade
genética que vem continuamente sendo perdida. Por exemplo, a distância entre plantas, dada pela
coancestria, para evitar a coleta em uma mesma deme ou, ainda, a incorporação do tamanho efetivo,
para diminuir os efeitos da endogamia. Índices que apresentam processos simples de obtenção, porém
caros e muito variáveis entre áreas, mas que poderiam estar disponíveis em áreas públicas destinadas
a conservação.

Os trabalhos de Montagna et al. (submetido a;b) são exemplos onde os autores comparam a
diversidade genética de araucária e xaxim encontrada dentro e fora de Unidades de Conservação. Estes
trabalhos revelam que as Unidades de Conservação estudadas capturam de maneira efetiva, para estas
espécies, a maioria da diversidade genética presente em Santa Catarina. O cálculo das distâncias de
coleta entre matrizes e a correção dos tamanhos efetivos poderiam ser gerados para cada área e ações
voltadas à recuperação de outros fragmentos ou mesmo a fundação de novas populações apresentariam
maior garantia de efetividade, sobretudo pelo fato de que a maioria das espécies amostradas pelo IFFSC
tem caracterizado populações com elevados valores de índice de fixação, logo, coletas de sementes
realizadas ao acaso ou sem critérios genéticos apresentam riscos de agravarem ainda mais o declínio
populacional local.

Entre as espécies estudadas, Podocarpus lambertii, Calophylum brasiliensis e Butia eriospatha


estão em pior situação em termos de reduzida diversidade atual e risco futuro de ampliação de perdas.
Ainda que P. lambertii tenha apresentado os menores índices, os ambientes de ocorrência de C.
brasiliensis e de B. eriospatha apresentam atualmente grande pressão de uso, aumentando os riscos de
perda de populações inteiras para estas duas espécies.

Por outro lado, ainda que com riscos e em situações diferentes, Euterpe edulis e Araucaria
angustifolia apresentam abrangência e reserva de diversidade, bem como valor de uso como recursos
não madeireiros (frutos e sementes – pinhões) para serem empregadas em programas de restauração
e ampliação de conectividade entre fragmentos. Ademais, ambas as espécies já são empregadas
em sistemas agroflorestais importantes para a agricultura familiar no Estado. No caso da araucária,

166
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

sistemas tradicionais como caívas e faxinais já representam um avanço efetivo no sentido da ampliação
de conectividade entre fragmentos e aumento da cobertura florestal, além da conservação da espécie,
como discutido em Reis et al. (2010). No caso do palmiteiro, os quintais florestais também cumprem
função similar (Milanesi 2012).

Assim, as informações obtidas sobre diversidade genética, dão suporte a políticas públicas de
estímulo a:

a) formação de áreas de coleta de sementes de espécies nativas, estruturadas com base genética;

b) plantios de restauração ou comerciais com espécies nativas;

c) definição de áreas prioritárias para o estabelecimento de ações de conservação e uso;

d) definição de ações prioritárias de conservação.

Referências

Alfenas, A.C. (Ed.). 1998. Eletroforese de isoenzimas e proteínas afins: fundamentos e


aplicações em plantas e microorganismos. Viçosa: Editora Universidade Federal de Viçosa.

Allard, R.W. 1971. Princípios do melhoramento genético das plantas. São Paulo, Edgard
Blucher.

Auler, N.M.F.; Reis, M.S.; Guerra, M.P.; Nodari, R.O. 2002. The genetic and conservation
of Araucaria angustifolia I. Genetic structure and diversity of natural populations by means of non-
adaptative variation in the state of Santa Catarina, Brazil. Genetics and Molecular Biology 25 (3):
323-327.
Bawa, K.S.; Krugman, S.L. 1990. Reprodutive biology and benetics of tropical trees in relation
to conservation and manegement. In: Gomes-Pompa, A.; Whitmore, T.C.; Hadley, M. Rain forest
regeneration and management. Paris; UNESCO.

Bittencourt, R.; Mariot, A.; Mantovani, A.; Ferreira, D.K.; Silva, J.Z. Reis, M.S. (Submetido
a). Genetic diversity in natural populations of Imbuia (Ocotea porosa - Lauraceae) in the Atlantic Rain
Forest. Journal of Heredity.

Bittencourt, R.; Steiner, F.; Sant’Anna, C.S.; Montagna, T.; Fernandes, C.D.; Loch, F.A. S.S.;
Reis, M.S. (Submetido b). Diversidade e estrutura genética de populações de Podocarpus lambertii
Klotzsch ex Endl. na floresta ombrófila mista de Santa Catarina. Ciência Florestal.

Carlini-Garcia, L.A.; Vencovsky, R.; Coelho, A.S. 2006. Factorial analysis of bootstrap variances
of population genetic parameter estimates. Genet. Mol. Biol. 29(2): 308-313.

Carlini-Garcia, L.A.; Vencovsky, R.; Coelho, A.S. 2001. Métodos booststrap aplicados em
níveis de reamostragem na estimação de parâmetros genéticos populacionais. Scientia Agricola 58(4):
785-793.

Conte, R.; Reis, M.S.; Vencovsky, R. 2006. Effects of management on the genetic structure of
Euterpe edulis Mart. populations based on microsatellites. Scientia Forestalis 72: 81-88.

Conte, R.; Nodari, R.O.; Vencovsky R.; Reis, M.S. 2003. Genetic diversity and recruitment
of the tropical palm, Euterpe edulis Mart., in a natural population from the Brazilian Atlantic Forest.
Heredity 91:401–406.

167
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Conte, R.; Reis M.S.; Mantovani, A.; Vencovsky, R. 2008. Genetic structure and mating system
of Euterpe edulis Mart. populations: a comparative analysis using microsatellite and allozyme markers.
J Hered. 99(5):476–482.

Crow, J.F.; Kimura, M.A. 1970. An Introduction to population genetics theory. New York;
Harper and Row.

Ellstrand, N.; Elam, D.R. 1993. Population genetic consequences of small population size:
implications for plant conservation. Annual review on ecological systems 24: 217 -242.

Falconer, D.S. 1981. Introduction to Quantitative Genetics, Ed. 2. Longmans Green, London/


New York.

Ferreira, D.K.; Nazareno, A.G.; Mantovani, A.; Bittencourt, R.; Sebbenn, A.M.; Reis, M.S.;
2012. Genetic analysis of 50-year old Brazilian pine (Araucaria angustifolia) plantations: implications
for conservation planning. Conservation Genetics 13: 435 – 442.

Goudet, J. 2001. Fstat, a program to estimate and test gene diversities and fixation indices.
(version 2.9.3).

Hmeljevski, K.V.; Reis, A.; Montagna, T.; Reis, M.S. 2011. Genetic diversity, genetic drift and
mixed mating system in small subpopulations of Dyckia ibiramensis, a rare endemic bromeliad from
Southern Brazil. Conservation genetics 12: 761 – 769.
IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Lista
Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Portaria 006/92-N de 15 de janeiro de
1992. Diário Oficial.

Kephart, S.R. 1990. Starch gel electrophoresis of plant isozymes: a comparative analysis of
techniques. Amer. J. Bot 77(5): 693-712.

Lewis, P.O; Zaykin, D. 2001. Genetic Data Analysis (GDA): Computer program for the
analysis of allelic data. Versão 1.0.

Mantovani, A.; Morellato, L.P.C.; Reis, M.S. 2006. Internal genetic structure and outcrossing
rate in a natural population of Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze. J Hered 97:466–472.

Mettler, L.E.; Gregg, T.G. 1973. Genética de populações e evolução. São Paulo: Polígono /
EDUSP.

Milanesi, L. 2012. Dinâmica de uso da paisagem e sua influência nas populações de Euterpe
edulis M. 2012. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais
– Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

MMA (Ministério do Meio Ambiente). Instrução Normativa n° 6, de 23 de setembro de 2008.


Lista oficial das espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil, Brasília, Df, 24 set. 2008. Seção 1, p. 75-83.

Montagna, T.; Ferreira, D.K.; Steiner, F.; Fernandes, C.D.; Bittencourt, R.; Silva, J.Z.;
Mantovani, A.; Reis, M.S. (Submetido a). A importância das unidades de conservação na manutenção
da diversidade genética de xaxim (Dicksonia sellowiana) no estado de Santa Catarina. Biodiversidade
brasileira.

Montagna, T.; Ferreira, D.K.; Steiner, F.; Loch, F.A. S.S.; Bittencourt, R.; Silva, J.Z.; Mantovani,
A.; Reis, M.S. (Submetido b). A importância das unidades de conservação na manutenção da diversidade
genética de araucária (Araucaria angustifolia) no estado de Santa Catarina. Biodiversidade brasileira.

168
8 | Distribuição da Diversidade Genética e Conservação de Espécies
Arbóreas em Remanescentes Florestais de Santa Catarina

Mori, E.S. 1993. Variabilidade genética isoenzimática em uma população de Eucaliptus


grandis Hill ex Maiden submetidas a diferentes intensidades de seleção. Tese (Doutorado). Programa
de Pós-Graduação em Genética e Melhoramenteo de PLantas – Universdiade de São Paulo. Piracicaba.

Murawsky, D.A. 1995. Reproductive biology and genetics of tropical trees from canopy
perspective. In: Lowman, M.D.; Nadkarni, N.M.; ed. Forest canopies. New York:Academic Press.

Murawsky, D.A.; Hamrick, J.L. 1992. Mating system and phenology of Ceiba pentandra
(Bombacaceae) in Central Panama. Journal of heredity 83: 401-404.

Nazareno, A.G.; Reis M.S.; (submetido). Linking phenology to mating system: exploring the
reproductive biology of the threatened palm species Butia eriospatha. Journal of Heredity.

Oyama, K. 1993. Conservation Biology of Tropical Trees: Demographic and Genetic


Considerations. Enviroment Update 1:17-32.

Reis, M.S.; Peroni, N.; Mariot, A.; Steenbock, W.; Filippon, S.; Vieira da Silva, C.; Mantovani,
A. 2010. Uso sustentável e domesticação de espécies da Floresta Ombrófila Mista. In: Ming, L.C.;
Amorozo, M.C.M.; Kffuri, C.W. (Org.). Agrobiodiversidade no Brasil: experiências e caminhos da
pesquisa. Recife: NUPEEA, v. 1, p. 183-214.

Reis, M.S. Dinâmica da movimentação dos alelos: subsídios para a conservação e manejo de
populações naturais de plantas. 1996. Brazilian Journal of Genetics 19(4): 37-47.

Reitz, R.; Klein, R.M.; Reis, A. 1979. Projeto Madeira – Santa Catarina. Florianópolis:
Lunardelli.

Tarazi, R.; Mantovani, A.; Reis, M.S. 2010. Fine-scale spatial genetic structure and allozymic
diversity in natural populations of Ocotea catharinensis Mez. (Lauraceae). Conserv. Genet. 11:965–
976.
Templeton, A.R.; Shaw, K.; Routman, E.; Davis, S.K. 1990. The genetics consequences of
habitat fragmentation. Annual of Missouri Botanical Gardens 77: 13-27.
Weir, B.S.; Cockerham, C.C. 1984. Estimating F-statistics for the analysis of population
structure. Evolution 38:1358–1370.

Wright, S. 1951. The genetical structure of populations. Annals of Eugenics 15: 395-420.

169
171
Capítulo 9
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina1

Survey of “trees outside forests” in Santa Catarina

Alexander Christian Vibrans, Suélen Schramm Schaadt, Leila Meyer,


André Luís de Gasper, Débora Vanessa Lingner, Andres Krüger, Alexandre Korte

Resumo
O levantamento de árvores “fora da floresta” foi realizado em pontos amostrais de uma grade de 20 x 20 km
para os quais os mapeamentos da cobertura florestal não indicaram a presença de florestas. Foram implantadas
157 Unidades Amostrais, das quais 82 circulares, com área de 7.854 m² cada uma. Os limites de inclusão e
procedimentos da coleta de dados são idênticos com os dos levantamentos na classe floresta. Entre as classes
de uso do solo, pastagens e culturas agrícolas tiveram maior representatividade no conjunto das 157 Unidades
Amostrais, seguidas da vegetação nativa e das plantações florestais. Verificou-se que 20,8% de todas as Unidades
Amostrais classificadas como não floresta possuem algum tipo de cobertura de vegetação nativa, das quais
11,8% em estádio inicial e 9,6% em estádio médio de sucessão. Além disso, foram encontradas árvores esparsas
em pastagens em 22,2% das Unidades Amostrais implantadas, representando recursos e provendo serviços até
então pouco considerados. No total foram amostradas 647 espécies, sendo três Lycophyta, 93 Monilophyta, duas
gimnospermas e 549 angiospermas, distribuídas em 371 gêneros e 120 famílias. No levantamento fitossociológico
do componente arbóreo/arbustivo foram registradas 266 espécies, sendo 154 exclusivas deste, na regeneração
natural foram 101 com 16 exclusivas, e no levantamento florístico foram 426 com 354 espécies exclusivas.
Os resultados mostram que a vegetação pioneira, em estádios inicial e médio de regeneração, é relevante para
manutenção da diversidade florística e exerce, apesar de suas limitações quando comparada com florestas
maduras, importantes funções ecológicas. Foram instaladas 40 Unidades Amostrais em plantações florestais, a
maioria delas nos plantios de Pinus sp. no planalto catarinense.

Abstract
The survey of “trees outside forests” was performed on sample points located at a 20 x 20 km grid where
forest cover maps indicated non-forest land use classes. 157 sample plots were implanted, 82 of them circular,
with an area of ​​7,854m² each. Inclusion criteria and data collection proceedings were the same as in the forest
class. Among the classes of land use, pasture crops had greater representation in the set of 157 Sample Plots,
followed by native vegetation and forest plantations. About 20.8% of all Sample Plots showed some kind of
native vegetation, 11.8% of them in initial and 9.6% in intermediate succession stage. Moreover, scattered trees
in natural grasslands were found in 22.2% of all Sample Plots, providing resources providing services so far
little recognized. At all, 647 species were sampled, among three Lycophyta, 93 Monilophyta, two gynmosperms
and 549 angiosperms, distributed in 371 genera and 120 families. In the phytosociological survey, 266 tree and
shrub species were recorded, 154 of them exclusive, 101 within natural regeneration, 16 of them exclusive; the
floristic survey recorded 426 species, with 354 of them exclusive to this stratum. The results showed that pioneer
vegetation and early and intermediate stages of regeneration are important for maintenance of floristic diversity
and also exercise, despite its limitations when compared to mature forests, important ecological functions. Forty
Sampling Units were installed in forest plantations, mostly in Pinus sp. in the highlands of Santa Catarina.

1
Vibrans, A.C., Schaadt, S.S.; Meyer, L.; Gasper A.L. de.; Lingner, D.V.; Krüger, A.; Korte, A. 2012. Levantamento de árvores “fora da
floresta”. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I,
Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

173
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

9.1 Introdução

O levantamento dos recursos florestais “fora da floresta” faz parte de uma estratégia desenvolvida
pelo Inventário Florestal Nacional (IFN) de levantar dados sobre o uso do solo em todos os pontos
amostrais da grade de 20 x 20 km no território nacional, sejam estes cobertos ou não por florestas
(CTN-IFN/BR 2007). Esta estratégia é baseada em dois conjuntos de argumentos. Em primeiro lugar,
mostrou-se que, apesar dos enormes avanços tecnológicos e metodológicos, técnicas de sensoriamento
remoto ainda têm limitações quanto ao reconhecimento dos limites entre classes de uso claramente
caracterizadas como florestas e outras classes, nas quais se mistura uma cobertura mais ou menos aberta
de árvores e arbustos, com outras formas de uso, tanto agrícola, pastoril ou periurbano. Soma-se a esta
dificuldade a diversidade de definições de “floresta” existentes na literatura nacional e internacional.
Desta forma, um inventário florestal restrito a áreas de “florestas” indicadas pelos mapeamentos baseados
em técnicas de sensoriamento remoto pode omitir informações importantes e deixar de registrar a
existência de vegetação pioneira e em estádio inicial de regeneração, composta por espécies lenhosas
(arbustivas e arbóreas de pequeno porte), como também de árvores esparsas em meio a pastagens e
culturas agrícolas.
A outra linha de argumentação é baseada no recente reconhecimento, pela comunidade
científica internacional, da importância dos produtos madeireiros e não madeireiros oriundos de árvores
localizadas fora da floresta. Estes recursos dos “Trees out of forests” (TOF) totalizam em alguns países
mais da metade do total dos recursos florestais consumidos pela população (FAO 2009), sem que haja
informações confiáveis sobre existência, estoque e demais características desta vegetação. Além disso,
estas árvores podem ter importantes funções, tanto ecológicas, agindo como corredores ecológicos,
redutores de erosão hídrica e eólica, quebra-ventos e sombreadores, como econômicas, na produção
agrícola e pastoril.
Por meio do levantamento de todos os pontos amostrais da grade sistemática de 20 x 20 km,
tanto do IFN como do IFFSC, foi possível criar uma linha base com informações sobre uso e ocupação
do solo, com ênfase nos recursos florestais, independente dos dados gerados por sensoriamento remoto,
e que poderá complementar e aperfeiçoar os mapeamentos realizados a partir de dados de sensores
remotos.
Em Santa Catarina, aproximadamente 29% do território ainda é ocupado por remanescentes
florestais, mas estes se encontram geralmente em fragmentos de tamanho reduzido, com vegetação
secundária em diversos estádios de sucessão e intercalados com outros usos do solo (Capitulo 3).
Neste capítulo serão apresentados os resultados obtidos pelo levantamento das árvores “fora
da floresta”, executado em 2011. Trata-se de informações sobre uso do solo, variáveis florísticas,
dendrométricas e estruturais coletadas em 157 Unidades Amostrais instaladas no território catarinense.

9.2 Metodologia

Para a amostragem das árvores fora-da-floresta foi aplicada uma distribuição sistemática das
Unidades Amostrais, a partir de uma rede de pontos (grade) de 20 x 20 km, cobrindo todo o estado.
Constituíram pontos amostrais para a coleta de dados de campo sobre árvores fora-da-floresta, os pontos
da grade 20 x 20 km, para os quais os mapeamentos da cobertura florestal do estado, realizados em 2005
(SAR 2005) e 2008 (PPMA 2008), não indicaram a existência de florestas naturais, mas outras classes
de uso do solo. Assim foram implantadas 157 Unidades Amostrais para o levantamento das plantas
lenhosas, além das herbáceas férteis existentes, nas três regiões fitoecológicas do estado (Figura 9.1),
inclusive em plantações florestais (Pinus sp. ou Eucalyptus sp.). Estes dados complementam os dados
levantados pela amostragem nas 418 Unidades Amostrais da classe “Floresta” da grade de 10 x 10 km
(Capítulo 2).
Nas 82 Unidades Amostrais em que a vegetação encontrada era muito escassa e não seria
registrada, de forma representativa, dentro das quatro subunidades de 20 x 50 m, mas estava presente ao

174
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

redor do centro da Unidade Amostral, a equipe de campo optou pela instalação de uma unidade circular
com 50 m de raio e 7.854 m² de área amostral, apenas para o levantamento do estrato arbóreo/arbustivo,
com DAP >10 cm. As variáveis levantadas e os limites de inclusão foram os mesmos aplicados nas
Unidades Amostrais da classe “floresta” (Capítulo 2). Também foram efetuadas coletas de espécimes
férteis no interior, entorno e caminho às Unidades Amostrais, compreendendo o levantamento florístico.
Os procedimentos de coleta de material botânico, medição de necromassa e coleta de amostras de solo
também foram realizados da mesma forma como nas demais Unidades Amostrais.

Figura 9.1. Localização das 162 Unidades Amostrais do levantamento das árvores “fora
da floresta” no estado de Santa Catarina.
Figure 9.1. Localization of 162 Sample Plots of the “trees out of forests” survey in
Santa Catarina.

O uso do solo e a vegetação encontrada foram classificados de acordo com as classes de uso
do solo LUCC (Land use cover class), descritas no manual de coleta integrada de dados de campo do
programa “National Forest Monitoring and Assessment” da FAO (FAO 2009). As classes utilizadas e
as suas respectivas abreviações constam da Tabela 9.1.
Tabela 9.1. Classes de uso e cobertura do solo (FAO 2009) encontradas pelo Inventário Florístico Florestal de Santa
Catarina.
Table 9.1. Land use/cover classes (FAO 2009) found by Forest and Floristic Inventory of Santa Catarina.
Sigla Classe de uso do solo
FDY Vegetação nativa decídua em estádio inicial de regeneração
FDM Vegetação nativa decídua em estádio médio de regeneração
FEY Vegetação nativa sempre verde em estádio inicial de regeneração
FEM Vegetação nativa sempre verde em estádio médio de regeneração
FPB Reflorestamento de Eucalyptus sp.
FPC Reflorestamento de Pinus sp.
OB Áreas com construções
OCA Culturas agrícolas anuais
OG Campo natural
WG Campo natural/pastagem com árvores esparsas
XO Oceano
Observação: Todas as classes podem ocorrer com ou sem árvores nativas esparsas.

175
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Para elaborar a lista florística foram consideradas todas as espécies e famílias encontradas
em campo. Para contagem de espécies consideraram-se as identificadas até seu epíteto específico
e até gênero, quando este estava representado por apenas uma espécie. As espécies exóticas foram
incluídas na contagem. As espécies foram classificadas quanto ao hábito em arbusto, árvore, arvoreta,
epífito, erva, feto arborescente (grupo das samambaias), hidrófita, lianescente, palmeira, parasita ou
rupícola, conforme as observações das equipes do IFFSC em campo. Foram avaliados os parâmetros
fitossociológicos (Müller-Dombois & Ellenberg 1974), tanto para o componente arbóreo/arbustivo
quanto para a regeneração natural, para cada Unidade Amostral, quando disponíveis, e para o conjunto
de Unidades Amostrais de cada região fitoecológica.

9.3 Resultados

Das 162 Unidades Amostrais estabelecidas inicialmente, cinco foram descartadas por motivos
de difícil acesso ou por acesso negado pelo proprietário (Tabela 9.2). Foram alocadas 27 Unidades
Amostrais na Floresta Estacional Decidual, 96 na Floresta Ombrófila Mista e 34 na Floresta Ombrófila
Densa que são listadas na Tabela 9.3 com sua classe de uso do solo predominante.
Tabela 9.2. Unidades Amostrais descartadas no levantamento das árvores “fora da floresta”.
Table 9.2. Sample Plots discarded in the “trees out of forests” survey.

Coordenadas em UTM
Unidade Amostral Município Data Motivo
W S
220 Bom Retiro 665347 6912741 20/07/2011 Difícil acesso
282 Rancho Queimado 683369 6932429 14/07/2011 Difícil acesso
749 Pomerode 684853 7032147 28/02/2011 Acesso negado
833 Água Doce 416394 7053162 04/12/2011 Acesso negado
920 Campo Erê 290634 7071662 28/02/2011 Acesso negado

Tabela 9.3. Unidades Amostrais do levantamento das árvores “fora da floresta” por região fitoecológica em Santa Catarina.
Table 9.3. Sample Plots of “trees out of forests” survey by phytoecological region in Santa Catarina.

Unidade Coordenadas em UTM Área Data de Classe de uso do


Município Altitude
Amostral W S (m2) levantamento solo (FAO 2009)

Floresta Estacional Decidual


258 Celso Ramos 470427 6933778 730 7854 18/07/2011 FDY
393 Concórdia 399122 6973278 389 7854 14/04/2011 WG/ FDY
397 Capinzal 434727 6973518 585 2000 18/04/2011 FDM
474 Itapiranga 238436 6990874 185 7854 22/03/2011 OCA
475 Palmitos 274116 6991574 250 7854 24/03/2011 FDY
477 Caxambu do Sul 309790 6992172 362 7854 24/03/2011 OCA
479 Chapecó 327626 6992432 423 4000 30/03/2011 FPB
483 Seara 363294 6992876 385 1000 14/04/2011 FDM/ OCA
485 Arabutã 381127 6993059 651 7854 30/03/2011 WG
586 Tunápolis 238017 7010823 287 7854 22/03/2011 WG

176
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

Unidade Coordenadas em UTM Área Data de Classe de uso do


Município Altitude
Amostral W S (m2) levantamento solo (FAO 2009)

Floresta Estacional Decidual


588 Iporã do Oeste 255886 7011185 352 1000 22/03/2011 FDM/ OCA
590 Caibi 273754 7011520 280 7854 24/03/2011 WG
592 Cunhataí 291620 7011831 339 7854 25/03/2011 OCA
594 Águas de Chapecó 309486 7012115 330 7854 24/03/2011 OCA
598 Xaxim 345213 7012608 613 7854 28/03/2011 OCA
699 Belmonte 237601 7030772 446 7854 22/03/2011 WG
701 Descanso 255498 7031132 448 1000 23/03/2011 FDY
705 Saudades 291289 7031775 448 1000 25/03/2011 FDY
707 Pinhalzinho 309183 7032058 401 7854 25/03/2011 WG
709 Quilombo 327076 7032316 327 7854 28/03/2011 OCA
711 Marema 344967 7032549 545 7854 28/03/2011 OCA
813 Paraíso 237187 7050721 520 7854 23/03/2011 FDY
815 Barra Bonita 255113 7051079 369 7854 23/03/2011 OCA
821 Irati 308882 7052001 558 7854 26/03/2011 WG
823 Santiago do Sul 326803 7052258 702 7854 26/03/2011 FPB
916 São José do Cedro 254730 7071025 543 7854 23/03/2011 WG
924 Jupiá 326532 7072199 536 7854 31/03/2011 FDM
Floresta Ombrófila Mista
68 São Joaquim 591016 6853677 1166 7854 10/06/2011 FPC
72 Bom Jardim da Serra 629261 6853346 1351 7854 20/06/2011 WG/ FEY
105 Capão Alto 541196 6873924 777 - 08/06/2011 OG
107 Lages 558852 6873850 1064 7854 03/05/2011 OCA
109 São Joaquim 576508 6873749 1085 7854 10/06/2011 OG
111 São Joaquim 594165 6873622 1216 7854 22/06/2011 WG
115 Bom Jardim da Serra 629479 6873289 1392 7854 20/06/2011 OG
152 Capão Alto 523580 6893912 940 7854 06/06/2011 FPC
154 Capão Alto 541265 6893864 1034 7854 03/05/2011 OCA
156 Lages 558950 6893790 1108 7854 03/05/2011 OG
158 Lages 576636 6893690 1172 7854 02/06/2011 OG
160 Urupema 594322 6893564 1096 7854 02/05/2011 OG
162 Urupema 612009 6893411 1170 7854 21/06/2011 WG
164 Urubici 629696 6893232 1402 7854 21/06/2011 FEY
202 Cerro Negro 505905 6913874 933 - 08/06/2011 WG

177
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Unidade Coordenadas em UTM Área Data de Classe de uso do


Município Altitude
Amostral W S (m2) levantamento solo (FAO 2009)

Floresta Ombrófila Mista


204 Campo Belo do Sul 523619 6913852 1003 - 08/06/2011 OB
210 Lages 576764 6913631 1078 7854 27/04/2011 FPC
212 Painel 594479 6913505 1203 7854 02/05/2011 WG
216 Rio Rufino 629912 6913175 913 7854 26/04/2011 WG
264 Campo Belo do Sul 523658 6933791 812 7854 08/06/2011 FEM
266 Lages 541402 6933743 774 2000 02/06/2011 FPC
268 Correia Pinto 559146 6933670 984 2000 31/05/2011 FPC
270 Lages 576890 6933571 903 7854 26/04/2011 FPC
272 Lages 594635 6933445 890 4000 25/04/2011 FEY
274 Bocaina do Sul 612380 6933294 897 4000 26/04/2011 FPC
276 Bom Retiro 630126 6933117 880 4000 16/03/2011 FPC/ FEM
278 Bom Retiro 647873 6932914 872 7854 13/07/2011 FEM
280 Alfredo Wagner 665620 6932684 623 7854 17/03/2011 FEM
323 Campos Novos 470379 6953717 838 - 19/04/2011 OCA
325 Abdon Batista 488152 6953747 885 7854 19/04/2011 WG
327 Vargem 505924 6953751 761 7854 01/06/2011 WG
329 São José do Cerrito 523697 6953730 865 7854 01/06/2011 FEY
331 São José do Cerrito 541470 6953682 898 7854 01/06/2011 FPC
333 Correia Pinto 559243 6953609 884 7854 31/05/2011 FPC
335 Palmeira 577016 6953510 878 4000 09/06/2011 FPC
339 Otacílio Costa 612564 6953235 863 7854 09/06/2011 WG
399 Capinzal 452529 6973599 786 4000 18/04/2011 FPC/ FEM
401 Campos Novos 470331 6973655 851 4000 18/04/2011 OB
403 Campos Novos 488132 6973685 950 2000 16/04/2011 FEM/ OCA
405 Brunópolis 505934 6973689 921 4000 18/04/2011 FEM
407 Brunópolis 523735 6973668 802 7854 30/05/2011 WG
411 São Cristovão do Sul 559339 6973548 968 7854 30/05/2011 WG
489 Concórdia 416791 6993349 802 7854 14/04/2011 OCA
491 Jaborá 434622 6993456 784 2000 15/04/2011 FEM/ WG
493 Herval d’Oeste 452452 6993537 694 7854 15/04/2011 WG
499 Monte Carlo 505943 6993626 994 4000 24/04/2011 FPC
501 Frei Rogério 523774 6993605 878 7854 24/04/2011 OCA
505 Ponte Alta do Norte 559435 6993486 1110 3000 31/05/2011 FPC

178
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

Unidade Coordenadas em UTM Área Data de Classe de uso do


Município Altitude
Amostral W S (m2) levantamento solo (FAO 2009)

Floresta Ombrófila Mista


509 Mirim Doce 595097 6993264 403 7854 15/03/2011 FPB
596 Chapecó 327350 7012374 759 2000 28/03/2011 FPB
604 Lindóia do Sul 398797 7013156 984 7854 11/04/2011 FPB
606 Vargem Bonita 416657 7013287 891 3000 11/04/2011 OCA
608 Catanduvas 434517 7013394 921 2000 16/04/2011 FEM/ OCA
610 Treze Tílias 452376 7013474 803 2000 15/04/2011 FEM/ WG
614 Videira 488094 7013559 848 - 25/04/2011 OB
616 Fraiburgo 505953 7013563 1109 4000 23/04/2011 FPC/ FEM
618 Lebon Régis 523812 7013542 881 7854 24/04/2011 FEM
620 Santa Cecília 541671 7013495 970 7854 26/04/2011 FPC
622 Santa Cecília 559530 7013423 1129 2000 26/04/2011 FPC
713 Xanxerê 362858 7032756 730 7854 30/03/2011 OCA
715 Faxinal dos Guedes 380748 7032938 817 7854 13/04/2011 FEY
719 Ponte Serrada 416525 7033225 1080 7854 13/04/2011 FPC
727 Caçador 488075 7033496 1018 7854 25/05/2011 WG
731 Lebon Régis 523849 7033479 1245 4000 25/05/2011 FPC
735 Santa Cecília 559624 7033360 1228 7854 26/05/2011 FEY
825 São Domingos 344723 7052489 577 7854 31/03/2011 OCA
827 Abelardo Luz 362642 7052695 801 7854 31/03/2011 OCA
829 Abelardo Luz 380560 7052876 895 7854 31/03/2011 WG
831 Passos Maia 398477 7053032 1086 7854 12/04/2011 WG
835 Água Doce 434310 7053267 1256 2000 13/04/2011 FPC
849 Monte Castelo 577634 7053200 833 - 27/06/2011 OCA
851 Santa Terezinha 595551 7053078 659 - 27/06/2011 OCA
855 Rio Negrinho 631386 7052758 956 2000 28/02/2011 FPC
São Lourenço do
922 308584 7071943 760 7854 26/03/2011 OCA
Oeste
928 Abelardo Luz 362427 7072634 888 7854 30/03/2011 OCA
930 Abelardo Luz 380373 7072814 982 2000 12/04/2011 FEM
932 Matos Costa 488038 7073367 1219 - 19/05/2011 FPC
936 Irineópolis 523924 7073350 948 - 28/06/2011 FEM
938 Canoinhas 541868 7073304 1098 2000 28/06/2011 FEM
940 Major Vieira 559811 7073233 809 7854 18/05/2011 FEY
948 Rio Negrinho 631591 7072697 943 7854 27/06/2011 FPC

179
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Unidade Coordenadas em UTM Área Data de Classe de uso do


Município Altitude
Amostral W S (m2) levantamento solo (FAO 2009)

Floresta Ombrófila Mista


950 Rio Negrinho 649537 7072500 902 2000 28/02/2011 FPC/ FEY
1004 Porto União 488019 7093302 966 7854 19/05/2011 FEY
1007 Irineópolis 523961 7093285 765 7854 19/05/2011 OCA
1009 Canoinhas 541933 7093239 793 7854 19/05/2011 WG
1011 Canoinhas 559904 7093168 837 7854 18/05/2011 OCA
1015 Itaiópolis 595848 7092952 839 - 14/06/2011 OCA
1017 Itaiópolis 613821 7092806 834 - 13/06/2011 WG
1021 Rio Negrinho 649769 7092439 870 4000 17/02/2011 FEM/ OCA/ WG
1023 São Bento do Sul 667745 7092218 835 4000 16/02/2011 FPC
1054 Canoinhas 541997 7113174 790 7854 18/05/2011 OCA
1056 Canoinhas 559996 7113104 835 4000 17/05/2011 FEM
1058 Três Barras 577996 7113008 808 - 18/05/2011 FPB
1060 Mafra 595996 7112888 884 - 14/06/2011 OCA
1062 Mafra 613996 7112743 798 2000 10/06/2011 FPC
1064 Campo Alegre 686007 7111913 920 7854 16/02/2011 WG
Floresta Ombrófila Densa
5 Praia Grande 610868 6773750 13 7854 10/05/2011 OCA
7 Santa Rosa do Sul 628375 6773567 0 - 10/05/2011 WG
17 Ermo 628599 6793512 17 7854 10/05/2011 OCA
32 Forquilhinha 646389 6813249 18 7854 10/05/2011 WG
34 Içara 663959 6813014 7 7854 11/05/2011 OCA
48 Siderópolis 646640 6833194 117 7854 10/05/2011 OCA
52 Sangão 681840 6832700 137 7854 11/05/2011 FPB/ WG
54 Jaguaruna 699441 6832413 2 7854 11/05/2011 WG
76 Urussanga 664519 6852906 231 7854 12/05/2011 OCA
78 Pedras Grandes 682149 6852647 327 7854 11/05/2011 FPB
80 Capivari de Baixo 699781 6852361 10 7854 11/05/2011 OB
121 Braço do Norte 682457 6872593 123 7854 12/05/2011 WG
125 Imaruí 717780 6871997 7 1000 12/05/2011 FEM/ WG
168 Grão Pará 665073 6892796 427 7854 11/07/2011 FEY
222 Anitápolis 683067 6912484 575 7854 14/07/2011 FEM
224 São Bonifácio 700787 6912202 575 7854 17/03/2011 WG
343 Chapadão do Lageado 648115 6952856 474 7854 15/03/2011 OCA

180
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

Unidade Coordenadas em UTM Área Data de Classe de uso do


Município Altitude
Amostral W S (m2) levantamento solo (FAO 2009)

Floresta Ombrófila Densa


417 Trombudo Central 612747 6973175 408 2000 10/03/2011 FEY
Governador Celso
431 737394 6971405 5 7854 24/02/2011 WG
Ramos
511 Rio do Oeste 612929 6993115 338 7854 15/03/2011 OCA
515 Lontras 648595 6992739 345 7854 03/02/2011 WG
521 Brusque 702101 6991984 160 4000 09/03/2011 FPB
525 Porto Belo 737777 6991352 25 7854 24/02/2011 WG
626 Salete 595249 7013202 438 7854 14/03/2011 FEY
628 Dona Emma 613110 7013054 634 7854 03/03/2011 OCA
630 Dona Emma 630971 7012880 360 2000 03/03/2011 FEY/ FPB
632 Ibirama 648833 7012680 29 2000 10/03/2011 FEY
859 Rio dos Cedros 667223 7052338 583 4000 01/03/2011 FPC
861 Jaraguá do Sul 685144 7052089 325 7854 01/03/2011 WG
863 Massaranduba 703065 7051816 331 4000 07/03/2011 FPB
956 Guaramirim 703383 7071759 17 7854 18/02/2011 OCA
958 Araquari 721334 7071461 7 7854 18/02/2011 WG
960 Balneário Barra do Sul 739286 7071139 3 - 15/02/2011 OB
1070 Itapoá 740026 7111029 1 - 15/02/2011 XO

Entre as classes de uso do solo, pastagens e culturas agrícolas tiveram maior representatividade
no conjunto das 157 Unidades Amostrais (entre 55% e 63%, nas três regiões fitoecológicas), seguidas da
vegetação nativa (entre 18 e 30%) e das plantações florestais (entre 7% e 31%) (Figura 9.2). Verificou-
se que 20,8% de todas as Unidades Amostrais classificadas como não floresta pelos mapeamentos
temáticos do estado (SAR 2005; Geoambiente 2008) possuem algum tipo de cobertura de vegetação
nativa, das quais 11,8% em estádio inicial e 9,6% em estádio médio de sucessão. Neste percentual não
está incluída a vegetação herbácea nativa dos campos naturais, que não foi objeto do IFFSC. Além
disso, foram encontradas árvores esparsas (em pastagens) em 22,2% das 157 Unidades Amostrais,
representando recursos e provendo serviços até então pouco considerados. Esse resultado confirma a
hipótese de que, apesar dos avanços tecnológicos e metodológicos, as técnicas de sensoriamento remoto
ainda possuem limitações quanto ao reconhecimento do uso do solo, principalmente na vegetação
pioneira e em estádio inicial de regeneração, em fragmentos muito pequenos e entremeada com uso
pastoril, agrícola ou em ambiente periurbano.

181
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 9.2. Percentual das classes de uso do solo predominante nas Unidades Amostrais por região fitoecológica
em Santa Catarina.
Figure 9.2. Frequency of main land use classes in Sample Plots by phytoecological region in Santa Catarina.

9.3.1 Florística

Foram amostradas 647 espécies, sendo três licófitas, 93 samambaias, duas gimnospermas e
549 angiospermas, distribuídas em 371 gêneros e 120 famílias. No levantamento fitossociológico
do componente arbóreo/arbustivo foram registradas 266 espécies, sendo 154 exclusivas deste, na
regeneração natural foram 101 com 16 exclusivas, e no levantamento florístico foram 426 com 354
espécies exclusivas. Estes valores denotam que mesmo os remanescentes florestais em estádios inicial
e médio de sucessão são relevantes para manutenção da diversidade florística, e estes, apesar de suas
limitações quando comparados aos remanescentes florestais mais bem conservados, exercem funções
ecológicas servindo de corredores ecológicos e redutores de erosão hídrica e eólica.
Dentre as famílias que se destacaram pela riqueza estão: Asteraceae (74 espécies; 50 gêneros),
Myrtaceae (47; 12), Fabaceae (45; 30), Solanaceae (28; 10) e Lauraceae (24; 6) (Figura 9.3). Oliveira-
Filho & Fontes (2000) apontam Myrtaceae, Fabaceae e Lauraceae entre as principais famílias com
maior número de espécies para o bioma Mata Atlântica. Já o elevado número de espécies e espécimes
de Asteraceae e Solanaceae é indicativo do caráter pioneiro da vegetação encontrada nestas Unidades
Amostrais, pois estas famílias ocorrem preferencialmente em ambientes abertos e borda de fragmento
(Smith & Downs 1966; Barroso & Bueno 2002; Souza & Lorenzi 2008).

Figura 9.3. Número de espécies (barras em verde escuro) e gêneros (barras em verde
claro) das principais famílias registradas.
Figure 9.3. Number of species (dark green bars) and genera (light green bars) of the
major families registered.

182
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

No levantamento foram registradas 28 espécies nativas e exóticas exclusivas, ou seja, que ainda
não tinham sido encontradas nos demais remanescentes florestais (Tabela 9.4). Destas, 22 espécies
foram coletadas no levantamento florístico, cinco no levantamento fitossociológico do componente
arbóreo/arbustivo e uma na regeneração natural.

Foram amostradas doze espécies exóticas: Citrus x limon (limão), Eriobotrya japonica (ameixa-
amarela), Hovenia dulcis (uva-do-japão), Melia azedarach (cinamomo), Morus nigra (amora-preta),
Psidium guajava (goiaba), Eucalyptus dunnii (eucaliptos), Eucalyptus grandis (eucaliptos), Eucalyptus
saligna (eucaliptos), Eucalyptus urograndis (eucaliptos), Pinus elliottii (pinus) e Pinus taeda (pinus).
Destas espécies, M. azedarach foi encontrada somente no levantamento das árvores “fora da floresta”.

Classificando as espécies quanto ao hábito, as árvores (29,5%), ervas (26,0%), arbustos (21,9%),
arvoretas (7,8%), epífitos (6,8%) e lianas (5,4%) tiveram maior representatividade.

Figura 9.4. Porcentagem de espécies em cada hábito. A = árvore; Arb = arbusto; Aro = feto arborescente;
Arv = arvoreta; E = erva; Epf = epífito; H = hidrófita; L = lianescente; P = palmeira; Par = parasita; R
= rupícola.
Figure 9.4. Percentage of species in each habit. A = tree; Arb = shrub; Aro = arborescent fern; Arv
= small tree; E = herb; Epf = epiphyte; H = hydrophyte, L = vine; P = palm; Par = parasite; R =
rupicolous.

183
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 9.4. Lista florística das espécies exclusivas do levantamento das árvores “fora da floresta” por componente de
amostragem e hábito. ARB = componente arbóreo/arbustivo; REG = regeneração natural; A = árvore; Arb = arbusto; E =
erva; Epf = epífito; H = hidrófita; L = lianescente; R = rupícola.
Table 9.4. Floristic list of the exclusive species of “trees out of forests”, by sample compartment and habit. ARB = shrub/
tree component; REG = natural regeneration; A = tree; Arb = shrub; E = herb; Epf = epiphyte; H = hydrophyte, L = vine; R
= rupicolous.

Fitossociologia
Familia Espécie Florística Hábito
ARB REG
Dryopteridaceae Polystichum platyphyllum x Epf
Pteridaceae Adiantopsis perfasciculata x E
Cheilanthes micropteris x R
Salviniaceae Salvinia auriculata x H
Thelypteridaceae Thelypteris sanctae-catharinae x E
Acanthaceae Graptophyllum pictum x Arb
Asteraceae Grazielia gaudichaudiana x Arb
Hypochaeris chilensis x E
Noticastrum malmei x E
Pluchea sagittalis x E
Smallanthus araucariophilus x Arb
Convolvulaceae Ipomoea grandifolia x L
Ipomoea hederifolia x L
Ebenaceae Diospyros kaki x A
Erythroxylaceae Erythroxylum argentinum x A
Fabaceae Bauhinia forficata subsp. pruinosa x A
Melastomataceae Leandra dubia x Arb
Ossaea flaccida x E
Oleaceae Ligustrum lucidum x A
Onagraceae Ludwigia leptocarpa x E
Ludwigia octovalvis x Arb
Platanaceae Platanus acerifolia x A
Poaceae Coix lacryma-jobi x E
Ranunculaceae Clematis campestris x L
Rubiaceae Guettarda uruguensis x A
Sapindaceae Serjania meridionalis x L
Solanaceae Brugmansia suaveolens x Arb
  Datura suaveolens     x Arb

184
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

9.3.2 Variáveis estruturais por Unidade Amostral

Em doze das 27 Unidades Amostrais da Floresta Estacional Decidual foi possível mensurar o
componente arbóreo/arbustivo e em quatro, a regeneração natural; nas demais, a classe de uso do solo
era agricultura, pastagem ou edificações. Das 96 Unidades Amostrais da Floresta Ombrófila Mista, em
38 foi amostrado o componente arbóreo/arbustivo e em 13 a regeneração natural; na Floresta Ombrófila
Densa com um total de 34 Unidades Amostrais, em 10 foi levantado o componente arbóreo/arbustivo
e em quatro a regeneração natural (Tabela 9.5). Nos valores das variáveis estruturais trata-se de meras
extrapolações por hectare e não de estimativas populacionais.

No componente arbóreo/arbustivo da Floresta Ombrófila Densa foram registrados os menores


valores médios para densidade e dominância absolutas, diâmetro, altura e volume do fuste, enquanto os
valores destas variáveis foram maiores na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Decidual.
No entanto, na Floresta Ombrófila Densa foram encontrados os maiores valores médios de número de
espécies e índices de diversidade e equabilidade, enquanto que os menores valores foram da Floresta
Estacional Decidual. Na regeneração natural a Floresta Ombrófila Densa teve os menores valores médios
para as variáveis avaliadas, já os maiores valores foram da Floresta Estacional Decidual (Tabela 9.5).

Ressalta-se que os valores registrados para todas as variáveis foram baixos, quando considerados
os valores comumente registrados nestas regiões fitoecológicas (Capítulo 7 e Volumes II, III e IV).
Baixos valores eram esperados, tendo em vista que os fragmentos florestais apresentam vegetação
em estádio pioneiro e inicial até médio de sucessão. No entanto, estes fragmentos florestais têm sua
importância ecológica, possibilitando a manutenção de muitas espécies, além de acumular biomassa e
carbono.
Tabela 9.5. Variáveis estruturais por Unidade Amostral do levantamento das árvores “fora da floresta”. AB = área basal
(m2.ha-1); DA = densidade absoluta (ind.ha-1); DAP = diâmetro a altura do peito médio (cm); H’ = índice de diversidade de
Shannon (nats.ind-1); Ht = altura média (m); J = índice de equabilidade; S = número de espécies; Vf = volume do fuste (m3.
ha-1).
Table 9.5. Structural variables by Sample Plot of “trees out of forests” sample. AB = basal area (m2.ha-1); DA = absolute
density (ind.ha-1); DAP = mean diameter breast height (cm); H’ = Shannon diversity index (nats.ind-1); Ht = mean height
(m); J = equability index; S = number of species; Vf = stem volume (m3.ha-1).

Unidade Componente arbóreo/arbustivo Regeneração natural


Município
Amostral DA AB DAP Ht Vf S H’ J DA S H’ J
Floresta Estacional Decidual
258 Celso Ramos 47,1 1,3 16,0 6,8 1,9 11 2,1 0,9 - - - -
393 Concórdia 109,5 6,1 20,0 9,5 4,9 24 2,7 0,8 - - - -
397 Capinzal 600,0 28,1 19,1 13,0 106,3 26 2,9 0,9 2800 14 2,1 0,9
474 Itapiranga 67,5 2,2 17,6 8,0 3,4 12 2,0 0,8 - - - -
475 Palmitos 36,9 0,6 14,0 8,6 0,7 8 1,4 0,7 - - - -
477 Caxambu do Sul 44,6 1,6 17,0 8,4 2,3 9 1,2 0,6 - - - -
483 Seara 770,0 21,8 17,0 14,1 111,2 9 1,7 0,8 - - - -
588 Iporã do Oeste 800,0 14,2 14,1 10,4 58,3 12 1,3 0,5 5600 14 1,9 0,9
701 Descanso 310,0 11,5 19,1 10,4 35,9 20 2,7 0,9 3600 9 1,5 0,9
705 Saudades 420,0 15,8 17,3 11,3 54,2 12 2,2 0,9 2400 6 1,8 1,0
813 Paraíso 59,8 3,2 18,0 9,2 4,1 19 2,7 0,9 - - - -
924 Jupiá 104,4 4,2 18,6 10,4 5,7 19 2,7 0,9 - - - -

185
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Unidade Componente arbóreo/arbustivo Regeneração natural


Município
Amostral DA AB DAP Ht Vf S H’ J DA S H’ J
Floresta Estacional Decidual
Média 280,8 9,2 17,3 10,0 32,4 15 2,1 0,8 3600 11 1,8 0,9
Desvio padrão 294,8 9,1 1,9 2,1 41,3 6 0,6 0,1 1424 4 0,3 0,0
Floresta Ombrófila Mista
68 São Joaquim 153,9 6,0 19,0 8,5 18,7 13 1,8 0,7 - - - -
72 Bom Jardim da Serra 44,6 3,1 22,8 6,7 13,7 8 1,6 0,8 - - - -
111 São Joaquim 104,4 9,0 24,4 8,4 62,8 9 1,2 0,6 - - - -
158 Lages 78,9 1,7 15,0 4,5 1,9 9 1,0 0,5 - - - -
162 Urupema 44,6 2,9 23,2 7,8 15,8 9 1,3 0,6 - - - -
164 Urubici 33,1 2,2 24,8 7,4 10,2 5 0,8 0,5 - - - -
216 Rio Rufino 39,5 2,8 23,0 9,0 19,7 12 1,8 0,7 - - - -
264 Campo Belo do Sul 56,0 1,8 16,8 6,6 1,8 15 2,3 0,9 - - - -
272 Lages 320,0 9,3 17,1 8,7 26,6 32 3,0 0,9 1900 8 1,8 0,9
274 Bocaina do Sul 390,0 13,4 18,2 12,9 70,1 12 1,6 0,6 1800 5 1,4 0,9
276 Bom Retiro 442,9 10,5 16,0 7,5 38,7 14 2,0 0,7 3600 10 2,1 0,9
278 Bom Retiro 137,5 6,1 21,2 11,5 23,3 35 3,2 0,9 - - - -
280 Alfredo Wagner 76,4 2,5 17,1 8,3 10,2 24 2,7 0,9 - - - -
327 Vargem 42,0 2,6 22,3 7,6 4,3 13 2,4 0,9 - - - -
339 Otacílio Costa 87,9 2,8 18,5 7,7 7,7 13 2,1 0,8 - - - -
399 Capinzal 320,0 10,3 16,6 8,8 5,5 11 2,2 0,9 3600 6 1,7 0,9
403 Campos Novos 605,0 26,7 18,8 14,2 111,8 30 2,9 0,9 6200 13 2,4 0,9
405 Brunópolis 375,0 16,7 20,6 10,7 62,2 24 2,9 0,9 1800 7 1,9 1,0
407 Brunópolis 54,8 1,9 14,7 5,5 4,6 8 1,4 0,7 - - - -
491 Jaborá 943,8 45,1 20,7 15,1 207,2 24 2,7 0,9 - - - -
608 Catanduvas 378,6 6,3 13,0 8,5 3,1 15 2,3 0,9 2400 3 1,0 0,9
610 Treze Tílias 638,5 15,1 15,6 13,0 56,9 14 1,8 0,7 4000 6 1,7 1,0
616 Fraiburgo 620,0 32,0 21,4 15,1 315,6 8 1,3 0,6 1600 3 1,0 1,0
618 Lebon Régis 122,2 4,9 19,6 9,0 15,2 34 3,2 0,9 - - - -
727 Caçador 98,0 6,7 25,4 9,3 9,6 23 2,7 0,9 - - - -
735 Santa Cecília 145,2 3,3 15,7 6,9 7,9 22 2,3 0,7 - - - -
827 Abelardo Luz 68,8 1,5 13,5 5,1 0,3 8 1,0 0,5 - - - -
829 Abelardo Luz 61,1 3,2 20,6 9,9 9,8 8 1,1 0,5 - - - -
831 Passos Maia 44,6 1,3 16,2 5,9 3,8 5 1,3 0,8 - - - -
São Lourenço do
922 34,4 1,2 17,8 7,9 0,8 14 2,4 0,9 - - - -
Oeste

186
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

Unidade Componente arbóreo/arbustivo Regeneração natural


Município
Amostral DA AB DAP Ht Vf S H’ J DA S H’ J
Floresta Ombrófila Mista
930 Abelardo Luz 680,0 31,0 21,1 11,1 111,6 31 3,1 0,9 3200 5 1,6 1,0
938 Canoinhas 627,8 21,8 19,2 9,9 79,0 31 2,8 0,8 5200 7 1,8 0,9
940 Major Vieira 123,5 5,2 19,7 9,7 23,4 24 2,6 0,8 - - - -
1004 Porto União 207,5 8,5 18,7 8,7 23,2 30 2,6 0,8 - - - -
1009 Canoinhas 50,9 2,3 20,4 5,2 11,9 5 0,7 0,5 - - - -
1021 Rio Negrinho 424,5 16,9 19,7 11,0 91,6 39 3,4 0,9 3600 11 2,2 0,9
1056 Canoinhas 730,0 25,2 17,2 11,4 85,7 53 3,2 0,8 2667 12 2,4 1,0
1064 Campo Alegre 34,4 1,4 18,9 6,0 6,1 8 1,8 0,9 - - - -
Média 248,4 9,6 19,1 9,0 41,4 18 2,1 0,8 3197 7 1,8 0,9
Desvio padrão 250,3 10,5 3,1 2,7 62,9 11 0,8 0,1 1391 3 0,4 0,0
Floresta Ombrófila Densa
125 Imaruí 210,0 7,7 14,8 7,4 - 1 - - 1600 3 1,0 1,0
168 Grão Pará 66,2 1,2 14,0 5,3 0,6 10 1,9 0,8 - - - -
222 Anitápolis 154,1 3,6 15,8 9,4 8,4 42 3,4 0,9 - - - -
417 Trombudo Central 358,8 9,5 16,3 8,4 36,7 24 2,9 0,9 - - - -
511 Rio do Oeste 33,1 1,1 14,6 6,6 2,1 10 2,0 0,9 - - - -
525 Porto Belo 22,9 0,9 16,6 6,2 1,5 11 2,3 1,0 - - - -
626 Salete 31,8 2,0 20,7 9,4 7,9 15 2,6 1,0 - - - -
630 Dona Emma 317,9 7,4 13,9 7,0 20,9 20 1,8 0,6 1733 8 2,0 0,9
632 Ibirama 330,2 25,4 20,4 8,8 46,3 20 2,8 1,0 4800 4 1,2 0,9
863 Massaranduba 682,5 24,2 20,7 10,0 117,7 53 2,9 0,7 3200 17 2,6 0,9
Média 220,7 8,3 16,8 7,9 26,9 21 2,5 0,9 2833 8 1,7 0,9
Desvio padrão 208,7 9,2 2,8 1,6 37,8 16 0,5 0,1 1498 6 0,7 0,0

9.3.3 Variáveis estruturais por região fitoecológica

Na Floresta Estacional Decidual, nas doze Unidades Amostrais do componente arbóreo/


arbustivo, foram levantados 719 indivíduos, totalizando uma densidade de 117,9 ind.ha-1 e área basal
de 4,4 m2.ha-1; na regeneração natural foram registrados em quatro Unidades Amostrais 43 indivíduos,
representando uma densidade de 3.440 ind.ha-1 (Tabela 9.6). As dez espécies com maior valor de
importância de ambos os componentes são espécies pioneiras ou secundárias, o que evidencia o
estádio pouco desenvolvido dos fragmentos avaliados. Hovenia dulcis foi a espécie mais importante no
componente arbóreo/arbustivo. Devido ao seu caráter pioneiro, esta espécie consegue-se estabelecer e
desenvolver muito bem em áreas abertas, atingindo densidades significativas (Soares 1972; Carvalho
1994).

187
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 9.6. Variáveis estruturais das 10 espécies mais importantes da Floresta Estacional Decidual. DA = densidade absoluta
(ind.ha-1); DoA = dominância absoluta (m2.ha-1); FA = frequência absoluta (%); N = número de indivíduos; VI = valor de
importância (%).
Table 9.6. Structural variables of the main species in Seasonal Deciduous Forest. DA = absolute density (ind.ha-1); DoA =
absolute dominance (m2.ha-1); FA = absolute frequency (%); N = number of individuals; VI = importance value (%).
Componente arbóreo/arbustivo Regeneração natural
Espécie N DA FA DoA VI Espécie N DA FA VI
Hovenia dulcis 113 18,5 50 0,5 10,5 Lonchocarpus campestris 6 480 75 8,1
Ocotea puberula 50 8,2 83,3 0,5 7,9 Casearia sylvestris 6 480 50 7
Luehea divaricata 51 8,4 58,3 0,4 7 Nectandra megapotamica 4 320 75 6,6
Nectandra megapotamica 39 6,4 41,7 0,2 4,4 Myrsine umbellata 4 320 25 4,3
Syagrus romanzoffiana 25 4,1 50 0,2 3,6 Allophylus edulis 2 160 50 3,9
Matayba elaeagnoides 22 3,6 41,7 0,2 3,2 Annona sp. 3 240 25 3,5
Lonchocarpus campestris 19 3,1 41,7 0,1 2,8 Apuleia leiocarpa 2 160 25 2,7
Albizia edwallii 19 3,1 41,7 0,1 2,4 Campomanesia xanthocarpa 1 80 25 1,9
Nectandra lanceolata 17 2,8 33,3 0,1 2,1 Chrysophyllum marginatum 1 80 25 1,9
Parapiptadenia rigida 10 1,6 25 0,1 2,1 Citronella paniculata 1 80 25 1,9
Total 719 117,9 1.508,3 4,4 100 Total 43 3.440 725 100

Na Floresta Ombrófila Mista, nas 38 Unidades Amostrais do componente arbóreo/arbustivo,


foram amostrados 2.966 indivíduos, tendo uma densidade de 138,4 ind.ha-1 e área basal de 5,6 m2.ha-1;
na regeneração natural foram encontrados 174 indivíduos e uma densidade de 3.026,1 ind.ha-1 em 13
Unidades Amostrais (Tabela 9.7). Novamente, as dez espécies mais importantes foram pioneiras e
secundárias. A acentuada presença de Araucaria angustifolia no componente arbóreo/arbustivo deve-
se ao grande número de indivíduos esparsos e isolados encontrados em áreas abertas e de pastagem,
bem como nos fragmentos em estádio inicial. Pinus sp. também se destacou no componente arbóreo/
arbustivo, reflexo de algumas Unidade Amostrais localizadas em meio a reflorestamentos.
Tabela 9.7. Variáveis estruturais das dez espécies mais importantes da Floresta Ombrófila Mista. DA = densidade absoluta
(ind.ha-1); DoA = dominância absoluta (m2.ha-1); FA = frequência absoluta (%); N = número de indivíduos; VI = valor de
importância (%).
Table 9.7. Structural variables of main species in Mixed Ombrophylous Forest. DA = absolute density (ind.ha-1); DoA =
absolute dominance (m2.ha-1); FA = absolute frequency (%); N = number of individuals; VI = importance value (%).
Componente arbóreo/arbustivo Regeneração natural
Espécie N DA FA DoA VI Espécie N DA FA VI
Araucaria angustifolia 325 15,2 68,4 1,1 11,4 Cupania vernalis 9 1.56,5 30,8 3,1
Pinus sp. 183 8,5 26,3 0,4 5,0 Prunus myrtifolia 7 1.21,7 30,8 2,7
Ocotea puberula 112 5,2 52,6 0,4 4,3 Casearia decandra 6 1.04,3 30,8 2,5
Mimosa scabrella 169 7,9 34,2 0,2 3,8 Matayba elaeagnoides 7 1.21,7 23,1 2,4
Matayba elaeagnoides 142 6,6 42,1 0,2 3,8 Clethra scabra 4 69,6 30,8 2,2
Ilex paraguariensis 127 5,9 36,8 0,1 2,8 Dicksonia sellowiana 7 1.21,7 15,4 2,0
Sebastiania commerso-
98 4,6 29,0 0,1 2,4 Myrsine coriacea 6 1.04,3 15,4 1,8
niana
Sapium glandulosum 77 3,6 26,3 0,2 2,3 Annona emarginata 7 1.21,7 7,7 1,7
Campomanesia xan-
Lithrea brasiliensis 74 3,5 36,8 0,1 2,3 5 87,0 15,4 1,7
thocarpa
Prunus myrtifolia 45 2,1 36,8 0,1 1,6 Ocotea pulchella 4 69,6 15,4 1,5
Total 2.966 138,4 1.821,1 5,6 100,0 Total 174 3.026,1 738,5 100,0

188
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

Na Floresta Ombrófila Densa, nas 34 Unidades Amostrais do componente arbóreo/arbustivo


foram registrados 721 indivíduos, com densidade de 144,7 ind.ha-1 e área basal de 4,7 m2.ha-1. Em
dez Unidades Amostrais foram levantados na regeneração natural 61 indivíduos, representando uma
densidade de 2.711,1 ind.ha-1 (Tabela 9.8). Nesta região fitoecológica as dez espécies mais importantes
também foram pioneiras e secundárias. A presença de indivíduos do gênero Eucalyptus reflete o grande
número de Unidades Amostrais em vegetação nativa localizada entremeada com plantações florestais.
Tabela 9.8. Parâmetros fitossociológicos das 10 espécies mais importantes da Floresta Ombrófila Densa. DA = densidade
absoluta (ind.ha-1); DoA = dominância absoluta (m2.ha-1); FA = frequência absoluta (%); N = número de indivíduos; VI =
valor de importância (%).
Table 9.8. Phytosociological parameters of the main species in Dense Ombrophylous Forest. DA = absolute density (ind.
ha-1); DoA = absolute dominance (m2.ha-1); FA = absolute frequency (%); N = number of individuals; VI = importance value
(%).

Componente arbóreo/arbustivo Regeneração natural


Espécie N DA FA DoA VI Espécie N DA FA VI
Eucalyptus saligna 81 16,3 10,0 0,5 7,4 Myrsine coriacea 6 2.66,7 50,0 5,4
Eucalyptus sp. 47 9,4 20,0 0,4 5,4 Piper aduncum 6 2.66,7 25,0 4,3
Eucalyptus grandis 51 10,2 10,0 0,3 4,5 Solanum pseudoquina 5 2.22,2 25,0 3,8
Vernonanthura puberula 24 4,8 10,0 0,2 2,9 Citharexylum myrianthum 4 1.77,8 25,0 3,2
Ficus cestrifolia 1 0,2 10,0 0,3 2,6 Clethra scabra 3 1.33,3 25,0 2,7
Cecropia glaziovii 22 4,4 30,0 0,1 2,4 Inga marginata 3 1.33,3 25,0 2,7
Mimosa bimucronata 21 4,2 10,0 0,2 2,2 Piptocarpha axillaris 3 1.33,3 25,0 2,7
Clethra scabra 22 4,4 40,0 0,1 2,2 Bauhinia forficata 2 88,9 25,0 2,1
Piptocarpha axillaris 16 3,2 50,0 0,1 2,2 Cedrela fissilis 2 88,9 25,0 2,1
Vernonanthura discolor 14 2,8 40,0 0,1 1,9 Bathysa australis 2 88,9 25,0 2,1
Total 721 144,7 2.060,0 4,8 100,0 Total 61 2.711,1 800,0 100,0

9.3.4 Variáveis dendrométricas das Unidades Amostrais dos reflorestamentos

Foram instaladas, ao menos parcialmente, 40 Unidades Amostrais em áreas de reflorestamentos,


sendo 28 em plantios de Pinus sp. e 12 de Eucalyptus sp.

Na Floresta Estacional Decidual foram instaladas duas Unidades Amostrais, em povoamentos de


Eucalyptus sp. Na Floresta Ombrófila Mista foram instaladas 27 Unidades Amostrais em povoamentos
de Pinus sp. e quatro em povoamentos de Eucalyptus sp., totalizando 31 Unidades Amostrais. Na
Floresta Ombrófila Densa foram implantadas seis Unidades Amostrais em povoamentos de Eucalyptus
sp. e uma em um povoamento de Pinus sp. As variáveis dendrométricas foram levantadas apenas em
plantios com idade aproximada superior a três anos.

Na Tabela 9.9 constam as variáveis dendrométricas dos reflorestamentos por Unidade Amostral.
O volume total dos indivíduos foi calculado utilizando um fator de forma de 0,45. O número reduzido
de Unidades Amostrais dos reflorestamentos permite fazer apenas uma caracterização geral dessas
plantações, sem possibilidade de apresentar estimativas populacionais e outras inferências estatísticas
sobre os reflorestamentos existentes em Santa Catarina que devem ser futuramente objeto de um
inventário específico.

189
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 9.9. Variáveis dendrométricas dos reflorestamentos por Unidade Amostral (UA). AB = área basal (m2.ha-1); DA
= densidade absoluta (ind.ha-1); DAP = diâmetro na altura do peito médio (cm); Ht = altura total média (m); RF = região
fitoecológica; UA = Unidade Amostral; Vt = Volume total (m3.ha-1).
Table 9.9. Quantitative and qualitative variables of forest plantation Sample Plots: AB = basal area (m2.ha-1); DA = absolute
density (ind.ha-1); DAP = mean diameter at breast height (cm); Ht = mean total tree height (m); RF = phytoecological region;
UA = Sample Plot; Vt = total volume (m3.ha-1).
UA RF Espécie Uso do solo Idade DA AB DAP Ht Vt
479 FED Eucalyptus sp. FPB 7 855,00 20,04 16,74 23,10 215,98
823 FED Eucalyptus sp. FPB Várias 87,85 1,47 14,22 10,64 7,69
68 FOM Pinus sp. FPC
152 FOM Pinus sp. FPC 29
210 FOM Pinus sp. FPC 1,5
266 FOM Pinus sp. FPC 11 1.180,00 34,02 18,52 12,12 194,60
268 FOM Pinus sp. FPC 11 830,00 33,96 22,40 12,94 201,54
270 FOM Pinus sp. FPC 1 e 3 anos
274 FOM Pinus sp. FPC 11 1.077,78 24,27 23,96 16,59 394,84
276 FOM Pinus sp. FPC/ FEM 1.040,00 19,58 19,24 10,46 168,45
329 FOM Pinus sp. FEY/ FPC Várias 154,06 8,63 25,63 13,17 53,81
331 FOM Pinus sp. FPC 3,5
333 FOM Pinus sp. FPC 3
335 FOM Pinus sp. FPC 11 650,00 30,46 24,20 14,93 205,90
399 FOM Pinus sp. FPC/ FEM 3,5 1.150,00 16,58 15,43 10,12 103,91
499 FOM Pinus sp. FPC 13 494,74 25,91 25,56 19,89 232,95
505 FOM Pinus sp. FPC 696,67 27,36 21,95 12,50 158,04
509 FOM Eucalyptus sp. FPB
596 FOM Eucalyptus sp. FPB 655,00 13,90 15,99 15,35 100,63
604 FOM Eucalyptus sp. FPB 3 870,00 12,77 13,14 13,80 80,61
616 FOM Pinus sp. FPC/ FEM 256,67 15,97 31,86 21,42 211,23
620 FOM Pinus sp. FPC 10,19 1,31 39,43 18,63 11,13
622 FOM Pinus sp. FPC 440,00 36,36 32,12 15,95 263,68
719 FOM Pinus sp. FPC 1
731 FOM Pinus sp. FPC 9 1.312,50 44,08 20,38 12,93 251,60
835 FOM Pinus sp. FPC 7 1.575,00 49,61 19,80 12,36 279,23
855 FOM Pinus sp. FPC 970,00 13,00 12,99 5,06 29,94
932 FOM Pinus sp. FPC 3
948 FOM Pinus sp. FPC 1
950 FOM Pinus sp. FPC/ FEY 740,00 21,63 19,01 8,84 89,05
1023 FOM Pinus sp. FPC 461,73 24,34 25,45 18,52 208,22
1058 FOM Eucalyptus sp. FPB 2
1062 FOM Pinus sp. FPC 11 710,00 23,42 20,06 15,15 164,38
52 FOD Eucalyptus sp. FPB/ WG Várias 45,84 0,74 14,08 9,36 3,26
78 FOD Eucalyptus sp. FPB Várias 45,84 1,58 18,18 11,72 10,44
515 FOD Eucalyptus sp. WG/ FPB/ OCA 56,02 3,43 25,65 19,02 37,74
521 FOD Eucalyptus sp. FPB 1.247,50 27,44 16,12 20,37 286,33
630 FOD Eucalyptus sp. FEY/ FPB 182,14 4,99 18,12 14,75 35,06
859 FOD Pinus sp. FPC 738,89 22,50 19,11 16,24 184,96
863 FOD Eucalyptus sp. FPB/ FEM   337,50 11,01 19,17 19,55 120,89
Média 650,72 19,67 20,98 14,67 148,49

190
9 | Levantamento de árvores “fora da floresta” em Santa Catarina

O levantamento das árvores “fora da floresta” do IFFSC é uma iniciativa pioneira no Brasil. Os
resultados obtidos mostram a presença de árvores nativas em 40% das Unidades Amostrais localizadas
“fora da floresta”, seja na forma de vegetação pioneira, em estádio inicial e médio de regeneração, seja
na forma de árvores esparsas, em meio a pastagens. A importância destes recursos “florestais” e dos
serviços econômicos e ambientais por eles fornecidos precisa ser considerada no desenvolvimento de
políticas públicas, o que necessariamente passa também pelo seu monitoramento em futuras ocasiões.

Referências

Barroso, G.M.; Bueno, O.L. 2002. Compostas. 5. Subtribo: Baccharidinae. Itajaí: Herbário
Barbosa Rodrigues.

Carvalho, P.E.R. 1994. Ecologia, silvicultura e usos da uva-do-Japão (Hovenia dulcis


Thunberg). Colombo – PR. EMBRAPA-CNP Florestas.

CIENTEC. 2002. Mata Nativa: Sistema para análise fitossociológica e elaboração de planos
de manejo de florestas nativas. São Paulo.

CTN-IFN/BR. Comissão Técnica Nacional do Inventário Florestal Nacional. 2007. Projeto


Inventário Florestal Nacional. Brasília. SFB/MMA.

FAO. National Forest Monitoring and Assessment. 2009. Manual for integrated field data
collection. Version 2.3. National Forest Monitoring and Assessment Working Paper NFMA 37/E.
Rome.

Mueller-Dombois, D.; Ellenberg, H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. Wiley.
New York.

Oliveira-Filho, A.T.; Fontes, M. A. L. 2000. Patterns of floristic differentiations among Atlantic


Forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica 32:793-810.

Siminski, A.; Mantovani, M.; Reis, M.S. dos. 2004. Sucessão florestal secundária no município
de São Pedro de Alcântara, litoral de Santa Catarina: estrutura e diversidade. Ciência Florestal 14(1):
21-33.

Siminski, A.; Fantini, A.C. 2010. A Mata Atlântica cede lugar a outros usos da terra em Santa
Catarina, Brasil. Biotemas 23(2): 51-59.

Smith, L.B.; Downs, R.J. 1966. Solanáceas. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues.

Soares, M.A.F. 1972. Ramnáceas. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues.

SOS Mata Atlântica & IMPE. 2011. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica:
período 2008-2010. São Paulo.

Souza, V.C.; Lorenzi, H. 2008. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das
famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2.ed. Nova Odessa:
Instituto Plantarum.

Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Lingner, D.V.; Gasper, A.L.; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30(64): 291-302.

191
Capítulo 10
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina1

Alien species sampled in the forests of Santa Catarina

Leila Meyer, Alexander Christian Vibrans, André Luís de Gasper,


Débora Vanessa Lingner, Diego Knoch Sampaio

Resumo
Durante as expedições de campo do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, inúmeras espécies
exóticas foram registradas tanto nos levantamentos fitossociológicos quanto nas coletas de espécimes
em estágio reprodutivo nas proximidades das Unidades Amostrais. Assim, foi possível verificar
quais foram as espécies exóticas encontradas nas florestas e entornos, bem como, fazer uma breve
discussão das espécies amostradas durante os levantamentos fitossociológicos. As espécies exóticas
foram classificadas quanto ao hábito e uso. Para as espécies amostradas durante os levantamentos
fitossociológicos, no interior das Unidades Amostrais, foram calculados os parâmetros fitossociológicos
e confeccionados mapas de distribuição. Foram amostradas 102 espécies de espermatófitas, distribuídas
em 96 gêneros e 47 famílias. As famílias que apresentaram maior riqueza foram Asteraceae, Fabaceae,
Poaceae e Apocynaceae. A maioria das espécies são herbáceas (44,7%) e utilizadas para fins ornamentais
(52,0%). Dentre as 12 espécies registradas no interior das Unidades Amostrais nos levantamentos
fitossociológicos, apenas Hovenia dulcis apresentou valores relativamente elevados para os parâmetros
fitossociológicos calculados e, as demais, não foram expressivas. Apesar dos fragmentos florestais
sofrerem constantes perturbações antrópicas, a quantidade de espécies e sua densidade não parecem ser
preocupantes.
Abstract
In Forest and Floristic Inventory of Santa Catarina State many alien species were found into the Sample
Plots, as well as sporadic collections of species in reproductive stage near the Sample Plots. Thus, it
was possible to compile a species list and brief discussion about the species sampled into the Sample
Plots. Alien species were classified according to habit and usage. Phytosociological parameters were
calculated and maps were made for the species sampled into the Sample Plots. The number of species
sampled was 102, distributed into 96 genera and 47 families. The families with the greatest number
of species were Asteraceae, Fabaceae, Poaceae and Apocynaceae. Herb species were more common
representing 44.7% of the species. Ornamental use was more frequent corresponding 52.0% of the cases.
The alien tree species Hovenia dulcis had relatively high values for the phytosociological parameters.
Besides strong human impacts on forest remnants, the number and density of alien species sampled in
the fragments seem not be threatening biodiversity and forest structure.

1
Meyer, L., Vibrans, A.C.; Gasper A.L. de.; Lingner, D.V.; Sampaio, D.K. 2012. Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa
Catarina. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I,
Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

193
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

10.1 Introdução

As ações humanas sobre o planeta têm gerado diversas consequências e, dentre elas, a
disseminação de espécies além de seus limites naturais de distribuição, ultrapassando barreiras
geográficas, climáticas e biológicas, o que não ocorreria por seus próprios meios (Mack et al. 2000; Zalba
et al. 2009). As primeiras translocações de espécies visavam o suprimento de necessidades agrícolas,
reflexo das necessidades alimentícias e, posteriormente para fins de produção madeireira, insumos
industriais, controle de erosão, experimentação científica, usos ornamental, medicinal e religioso, bem
como, pelo desejo de povos emigrantes em recriar a paisagem de origem (Binggeli 2001; Denslow
& DeWalt 2008; Zalba et al. 2009). Atualmente, o crescente comércio internacional e as facilidades
de transporte ao redor do mundo têm contribuído com a disseminação de espécies, tanto intencional
quanto inadvertida (Mooney & Cleland 2001; Lopes et al. 2009; Zalba et al. 2009).

Estas espécies que ultrapassam seus limites naturais de distribuição, resultado da atividade
humana intencional ou acidental, são denominadas como espécies exóticas ou alóctones, bem como,
aquelas espécies que chegaram a um novo local, mesmo que sem interferência humana, a partir da
dispersão de uma área onde já ocorriam como exóticas (Pysek et al. 2004). Segundo os mesmos autores,
são designadas como espécies nativas ou autóctones aquelas que chegaram a uma nova área sem
interferência intencional ou acidental do homem a partir de uma área onde já ocorriam como nativas.

Questões relacionadas às espécies exóticas vêm recebendo atenção no cenário mundial,


especialmente após a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento –
ECO-92, ocorrida no Rio de Janeiro em 1992, na qual foi assinada pelos diversos países presentes, a
Convenção sobre Diversidade Biológica – CDB. Uma das determinações desta Convenção expressa no
seu Artigo 8 (h): “Impedir que se introduzam, controlar ou erradicar espécies exóticas que ameacem
os ecossistemas, habitats ou espécies” (MMA 2000). No Brasil, que ratificou o que foi estabelecido
na CDB, diversas reuniões vêm sendo realizadas sobre a temática, sobretudo após o ano de 2001
(Lopes 2009). Estas discussões têm sido levantadas, sobretudo, pela preocupação com os efeitos que
as espécies exóticas podem causar sobre a biodiversidade (UNEP/CDB 2004). Apesar da indicação
das espécies exóticas como um dos principais fatores que ameaça a biodiversidade do planeta, para as
florestas tropicais elas apresentam uma importância secundária na alteração da diversidade biológica
quando comparadas às alterações resultantes do uso do solo (Sala et al. 2000).

Uma das razões para o sucesso das espécies exóticas em um novo ambiente sugerida por Keane
& Crawley (2002) é a hipótese de liberação de inimigos naturais. Conforme esta hipótese, uma espécie
exótica chega a um novo ambiente livre de seus inimigos naturais, como patógenos e herbívoros
especialistas, que controlam o crescimento de suas populações em sua área natural de distribuição.
Sem estes fatores de regulação, as espécies exóticas podem investir os recursos que seriam dispendidos
em defesa para crescimento e reprodução (Keane & Crawley 2002). Outras características que podem
favorecer a capacidade de estabelecimento e dispersão das espécies exóticas são: maturação precoce,
reprodução rápida tanto por sementes como vegetativamente, períodos de floração e frutificação longos,
produção de grande quantidade de sementes e de tamanho reduzido, formação de banco de sementes no
solo, dormência que garante a germinação em períodos em que as condições são favoráveis, dispersão
zoocórica, alelopatia, estruturas físicas que possam repelir animais, capacidade de parasitismo e altas
taxas fotossintéticas (Binggeli et al. 1998; Westbrooks 1998). Estas características podem favorecer de
forma muito acentuada o estabelecimento e reprodução das espécies exóticas a ponto de se tornarem
espécies exóticas invasoras.

São compreendidas sob a denominação de espécies exóticas invasoras aquelas espécies exóticas
que em um novo ambiente passam a se reproduzir e gerar elevado número de descendentes, e apresentam
potencial de se distribuir em grandes extensões e em alta densidade a ponto de ocupar o espaço de
espécies nativas e causar alterações nos processos ecológicos naturais e na diversidade biológica (Ziller
2000; Pyšek et al. 2004; Delnatte & Meyer 2012).

194
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

A fragmentação e isolamento dos ecossistemas, resultado de ações antrópicas sobre este,


também têm contribuído no estabelecimento de espécies exóticas (Kane & Crawley 2002; Denslow
& DeWalt 2008; Delnatte & Meyer 2012). Conforme Denslow & DeWalt (2008), florestas tropicais
fragmentadas ou perturbadas, bem como, as situadas em áreas manejadas para produção madeireira ou
agrícola e em ilhas, apresentam maior quantidade de espécies exóticas quando comparadas a florestas
bem conservadas. Segundo estes mesmos autores, florestas bem conservadas possuem maior resistência
à invasão de espécies exóticas em decorrência de quatro fatores: a alta diversidade de espécies e de
grupos funcionais que geram maior complexidade; altas taxas de exclusão competitiva, onde as taxas
de crescimento e dispersão e a utilização dos recursos pelas espécies nativas são maiores e mais
rápidas em relação às exóticas; menor exposição a propágulos vindos de áreas urbanas e agrícolas e,
consequentemente, menor disponibilidade de propágulos de espécies exóticas; elevada quantidade e
diversidade de herbívoros e patógenos que detém o estabelecimento e dispersão de espécies exóticas.
Este último fator é conflitante com a hipótese de liberação de inimigo natural, no entanto ambas são
suportadas com exemplos reais (Mitchell & Power 2003; Denslow & DeWalt 2008).

Em Santa Catarina, o atual estado de degradação das três regiões fitoecológicas – Floresta
Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Ombrófila Densa, as quais se encontram
intensamente fragmentadas, sobretudo a primeira (Capítulo 9, Volumes II, III e IV), pode favorecer
o estabelecimento e dispersão das espécies exóticas. Siminski & Fantini (2010) analisaram todos os
pedidos de supressão de vegetação nativa a Fundação de Meio Ambiente de Santa Catarina (FATMA)
entre os anos de 1995 e 2007 e verificaram que 65% dos pedidos em área rural foram para substituição
de floresta por monocultura de espécies exóticas, o que pode aumentar a dispersão destas espécies para
fragmentos florestais próximos aos plantios.

Apesar de grande número de trabalhos sobre a temática, para Santa Catarina ainda há uma
deficiência de estudos como pode ser verificado na Tabela 10.1, na qual estão elencados alguns
trabalhos e seus objetivos.

Com as informações sobre as espécies exóticas advindas das expedições de campo do Inventário
Florístico Florestal de Santa Catarina, tornou-se possível avaliar quais as espécies, seus parâmetros
fitossociológicos e distribuição no âmbito da Floresta Estacional Decidual, Floresta Ombrófila Mista e
Floresta Ombrófila Densa do Estado, bem como, seu impacto atual sobre os ecossistemas.

195
Tabela 10.1. Trabalhos abordando espécies exóticas e espécies exóticas invasoras de plantas no Brasil, bem como localidade e objetivos.
Table 10.1. Exotic species and invasive exotic species studies in Brazil, as well as locality and objectives.

Autores Local Fitofisionomia Objetivo

Avaliar a re-infestação de Pinus elliottii Engelm var. elliottii um ano após


Bourscheid & Reis (2010) Parque Florestal do Rio Vermelho – SC Restinga
a derrubada
Ponta Grossa, Palmeira, Balsa Nova e Descrever o processo de degradação ambiente decorrente da dispersão de
Ziller & Galvão (2002) Estepe Gramíneo-Lenhosa
Campo Largo – PR Pinus

Rodolfo et al. (2008a) Parque Nacional do Iguaçu – PR Floresta Estacional Levantamento de espécies exóticas nas trilhas de ecoturismo

Discutir a ocorrência e consequências da invasão de Citrus aurantium L.


Rodolfo et al. (2008b) Parque Nacional do Iguaçu – PR Floresta Estacional
e Hovenia dulcis Thunb. nas trilhas de ecoturismo
Relação e discussão de espécies exóticas invasoras nesta região
Zalba et al. (2009) - Floresta Ombrófila Mista
fitoecológica

Falleiros et al. (2011) Parque Estadual do Pico Paraná – PR Campos de Altitude Avaliação do processo de invasão e manejo de Pinus taeda L.

196
Reportar a invasão de Archontophoenix cunninghamiana H. Wendl. &
Reserva Florestal da Cidade Universitária
Dislich et al. (2002) Floresta Ombrófila Densa Drude pelo estudo padrões espaciais, estrutura de tamanhos e dinâmica
Armando de Salles Oliveira – SP
populacional
Reserva Florestal da Cidade Universitária
Christianini (2006) Floresta Ombrófila Densa Fenologia, produção e dispersão de sementes de A. cunninghamiana
Armando de Salles Oliveira – SP
Levantamento populacional e manejo da exótica invasora Dracaena fra-
Ribeiro & Zaú (2007) Parque Nacional da Tijuca – RJ Floresta Ombrófila Densa
grans (L.) Ker-Gawl
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Avaliar a ocorrência e a estrutura populacional de Calotropis procera


Rangel & Nascimento (2011) Campos dos Goytacazes – RJ Restinga
(Ait.) R. Br.
Levantar as espécies exóticas e seus impactos à flora nativa em áreas
Santana & Encinas (2008) Brasília – DF e Goiânia – GO Cerrado
adjacentes a depósitos de resíduos domiciliares

Zenni & Ziller (2011)  -  - Revisão sobre plantas exóticas invasoras no Brasil
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

10.2 Metodologia

O conjunto de espécies exóticas encontrado nos levantamentos do IFFSC foi obtido de três
formas: 1) Fitossociologia: sobre o estado de Santa Catarina foi estabelecida uma grade de pontos com
distância entre si de 10 km nas regiões fitoecológicas Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila
Mista e, distância de 5 km na Floresta Estacional Decidual. Nestes pontos, nos quais havia floresta,
conforme interpretação de imagens de satélite, foram designadas equipes de campo do IFFSC para
instalação da Unidade Amostral e amostragem do componente arbóreo/arbustivo em quatro subunidades
de 100 m2 cada com inclusão de todos os indivíduos com diâmetro a altura do peito (DAP) ≥ 10 cm e,
da regeneração natural em quatro subparcelas de 25 m2 cada com inclusão de todos os indivíduos com
DAP < 10 cm e com altura ≥ 1,5 m na Floresta Estacional Decidual e na Floresta Ombrófila Mista.
Na Floresta Ombrófila Densa a amostragem da regeneração foi ampliada, perfazendo oito subparcelas
de 25 m2 cada e inclusão de todos os indivíduos com DAP < 10 cm e altura ≥ 0,5 m; 2) Florístico
Extra: compreendeu as coletas esporádicas de espécimes em estágio reprodutivo nas proximidades
das Unidades Amostrais; 3) Levantamento das árvores “Fora da Floresta”: foi estabelecida uma
grade de pontos com distância entre si de 20 km e em cada ponto foi instalada uma Unidade Amostral,
independente da existência ou não de floresta. Para as Unidades Amostrais que apresentaram floresta
ou plantio de monocultura (Pinus spp. ou Eucalyptus spp.) foram adotados os mesmo critérios de
amostragem usados na Fitossociologia para os componentes arbóreo/arbustivo e regeneração natural.
As Unidades Amostrais em que a vegetação encontrada era muito escassa e não seria registrada de
forma representativa dentro das quatro subunidades e subparcelas, mas estava presente ao redor do
centro da Unidade Amostral, a equipe de campo optou pela instalação de uma unidade circular com
50 m de raio, apenas para levantamento do componente arbóreo/arbustivo, com DAP ≥ 10 cm. Para
as Unidades Amostrais com uso do solo por pastagem, agricultura ou edificação foi apenas registrada
a ocorrência destas atividades (Capítulos 2 e 9; Vibrans et al. 2010). Dentre as espécies registradas
a partir destas três metodologias foram selecionadas para análise apenas as espécies exóticas de
gimnospermas e angiospermas. As Unidades Amostrais do levantamento das árvores “Fora da Floresta”
que apresentaram plantio de monoculturas foram descartas para não gerar discrepâncias nos dados.

As espécies exóticas foram classificadas quanto ao hábito em arbusto, árvore, arvoreta, erva,
epífito e liana, conforme descrito nos fascículos da Flora Ilustrada Catarinense, por Lorenzi & Souza
(1999) e Lorenzi (2000). Para cada espécie também foram descritos seus usos conforme apontado
por Lorenzi & Souza (1999) e Lorenzi (2000; 2003). As espécies levantadas no componente arbóreo/
arbustivo e na regeneração natural, tanto da Fitossociologia quanto do levantamento das árvores “Fora
da Floresta”, tiveram os parâmetros fitossociológicos calculados de acordo com Müller-Dombois
& Ellenberg (1974) por meio do software Mata Nativa 2 (CIENTEC 2002), e sua abundância nas
Unidades Amostrais representada por mapas de distribuição confeccionados com ajuda do software
ArcGis versão 10 (ESRI 2011).

10.3 Resultados e discussão

Nos levantamentos do IFFSC foram amostradas 102 espécies de espermatófitas (gimnospermas


e angiospermas), correspondendo a 96 gêneros e 47 famílias (Tabela 10.2). Destas, 93 espécies
foram amostradas no Florístico Extra, sendo 89 exclusivas deste componente, 12 encontradas na
Fitossociologia, sendo cinco exclusivas deste, sete registradas no levantamento das árvores “Fora da
Floresta” e uma exclusiva deste e, três espécies comuns aos três componentes (Tabela 10.3). Ressalta-
se que as metodologias são distintas, por isso a diferença nos dados apresentados. Apesar do número
considerável de espécies exóticas amostradas, apenas as espécies registradas na Fitossociologia e no
levantamento das árvores “Fora da Floresta” foram encontradas seguramente no interior das Unidades
Amostrais e, portanto, na floresta. As espécies registradas no Florístico Extra podem ter sido coletadas

197
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

no entorno ou caminho percorrido até chegar às Unidades Amostrais, não compondo obrigatoriamente
os fragmentos florestais.

A Floresta Ombrófila Densa foi a região fitoecológica com maior número de espécies exóticas
amostradas, sendo 59 espécies, das quais 13 foram encontradas na Fitossociologia ou levantamento
das árvores “Fora da Floresta”, seguida da Floresta Ombrófila Mista com 43 espécies e Floresta
Estacional Decidual com 28 espécies, esta duas últimas com seis e cinco espécies exóticas amostradas
na Fitossociologia ou no levantamento das árvores “Fora da Floresta”, respectivamente (Tabela 10.3).

Comparações dos valores encontrados neste trabalho com outros estudos são complicadas, pois
os critérios de amostragem e área de amostrada são muito diferentes. Na compilação de uma lista de
espécies de plantas exóticas da Guiana Francesa, Delnatte & Meyer (2012) encontraram 490 espécies
vasculares. Foram apontadas 108 espécies de plantas exóticas invasoras que afetam o ambiente terrestre
no Brasil conforme MMA (2006), Zeni & Ziller (2011) elencaram 117 espécies de plantas exóticas
reconhecidas como estabelecidas e com potencial invasor ou invasoras no Brasil, enquanto que Zalba
et al. (2009) registraram 33 espécies exóticas para Floresta Ombrófila Mista do Brasil e, em uma trilha
de 9 km no Parque Nacional do Iguaçu, Rodolfo et al. (2008a) levantaram 15 espécies exóticas.

198
Tabela 10.2. Espécies exóticas encontradas nos levantamentos do IFFSC, com nome popular, hábito, uso e registro no componente Florístico Extra e respectiva região fitoecológica,
na Fitossociologia e no levantamento das árvores “Fora da Floresta”. A = árvore; Aa = alimentício para animais domésticos; Al = alimentício; Arb = arbusto; Arv = arvoreta; E =
erva; Epf = epífito; FED = Floresta Estacional Decidual; FOD = Floresta Ombrófila Densa; FOM = Floresta Ombrófila Mista; L = liana; M = madeireiro; Md = medicinal caseiro; O
= ornamental.
Table 10.2. Exotic species sampled by IFFSC with popular name, habit, use and records in Extra Floristic, Phytosociology component or “trees out of forests”. A = tree; Aa = domestic
animals food; Al = food; Arb = scrub; Arv = small tree; FED = Seasonal Deciduous Forest; FOD = Dense Ombrophylous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous Forest; E = herb; Epf
= epiphyte; L = vine; M = timber; Md = medicinal; O = ornamental.
Florístico Extra
Família Espécie Nome popular HA Uso Fito Fora da Floresta
FOD FOM FED
Acanthaceae Pachystachys lutea Nees camarão-amarelo Arb O x
Thunbergia alata Bojer ex Sims olho-preto L O x
Amaryllidaceae Allium cepa L. cebola E Al x
Allium sativum L. alho E Al x
Anacardiaceae Mangifera indica Wall. manga A Al x
Apiaceae Foeniculum vulgare Mill. erva-doce A Md x
Torilis arvensis (Huds.) Link salsinha E Al x
Apocynaceae Condylocarpon isthmicum (Vell.) A.DC. tênia L - x

199
Gomphocarpus fruticosus (L.) Aiton paina-de-seda E O x
Gomphocarpus physocarpus E.Mey. paina-de-seda E O x x
Nerium oleander L. espirradeira Arb O x
Peltastes peltatus (Vell.) Woodson cipó-bênção L O x x x
Araliaceae Tetrapanax papyrifer (Hook.) K.Koch planta-do-papel-arroz Arb O x
Asparagaceae Asparagus densiflorus (Kunth) Jessop aspargo-rabo-de-gato L O x
Asteraceae Arctium minus (Hill) Bernh. bardana E Md x
Bidens pilosa L. carrapicho E Md x
Calyptocarpus biaristatus (DC.) H.Rob. erva-palha E - x x
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Chrysanthemum sp. crisântemo E O x x


Cirsium vulgare (Savi) Ten. cardo-roxo E O x x x
Elephantopus mollis Kunth erva-grossa E O x x x
Galinsoga parviflora Cav. picão-branco E Md x
Lactuca serriola L. auface-brava E - x
Lactuca virosa L. alface-brava-maior E - x
Symphyotrichum squamatum (Spreng.) G.L.Nesom assa-peixe E - x
Florístico Extra
Família Espécie Nome popular HA Uso Fito Fora da Floresta
FOD FOM FED
Tagetes minuta L. cravo-de-defunto E O x x
Xanthium strumarium L. carrapicho-de-carneiro E O x x
Bignoniaceae Campsis grandiflora (Thunb.) K.Schum. trombeta-chinesa L O x
Spathodea campanulata P.Beauv. espatódia A O x
Tecoma stans (L.) Juss. ex Kunth amarelinho Arb O x
Boraginaceae Echium plantagineum L. lingua-de-vaca E O x x
Brassicaceae Cardamine bonariensis Pers. agrião E Al x
Raphanus sativus L. nabo E Al x
Caprifoliaceae Lonicera caprifolia L. madressilva L Md x x
Lonicera japonica Thunb. ex Murray madressilva-do-japão L Md x
Caryophylla-
Arenaria lanuginosa (Michx.) Rohrb. - E - x
ceae
M;
Casuarinaceae Casuarina equisetifolia L. casuaria A x
O
Combretaceae Terminalia catappa L. amendoeira-da-praia A O x

200
Convolvulaceae Ipomoea batatas (L.) Lam. batata-doce E Al x
Euphorbiaceae Aleurites moluccanus (L.) Willd. nogueira-de-guapé A O x
Ricinus communis L. mamona Arb - x x
Fabaceae Bauhinia variegata L. pata-de-vaca A O x
Cajanus cajan (L.) Huth feijão guandu Arb Al x
Clitoria fairchildiana R.A.Howard faveira A O x
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Clitoria mariana L. faveira E - x


Crotalaria retusa L. guiso-de-cascavel E O x
Delonix regia (Bojer ex Hook.) Raf. flamboyant A O x
Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit leucena Arb Aa x
Lotus sp. flor-de-lotus E O x
Medicago sp. alfafa E Md x
Phaseolus vulgaris L. feijão E Al x
Tipuana tipu (Benth.) Kuntze tipuana A O x
Florístico Extra
Família Espécie Nome popular HA Uso Fito Fora da Floresta
FOD FOM FED
Ulex europaeus L. tojo Arb O x
Iridaceae Crocosmia crocosmiiflora (Lemoine ex E.Morren) N.E.Br. estrela-de-fogo E O x x
Gladiolus sp. palma-de-santa-rita E O x
Juglandaceae Carya illinoinensis (Wangenh.) K.Koch nogueira-pecan A Al x
Lamiaceae Holmskioldia sp. chapéu-chines L O x
Leonurus japonicus Houtt. chá-de-frade E Md x x x
Prunella vulgaris L. erva-férrea E Md x x
Lauraceae Persea americana Mill. abacateiro A Al x
Liliaceae Lilium regale L. lírio-real E O x x x
M;
Magnoliacee Magnolia champaca (L.) Baill. ex Pierre champaca A x
O
Malpighiaceae Bunchosia armeniaca (Cav.) DC. cafezinho Arv Al x
Malvaceae Abutilon striatum Dicks. ex Lindl. lanterna-chinesa L O x
Pachira glabra Pasq. monguba A O x

201
Marantaceae Maranta arundinacea L. araruta-comum E Al x
Meliaceae Melia azedarach L. cinamomum A O x
Moraceae Ficus elastica Roxb. figueira A O x
Al;
Morus nigra L. amora preta Arb x x
Md
Myrtaceae Eucalyptus spp. eucalipto A M x x x x
Al;
Psidium guajava L. goiaba Arv x x
Md
Al;
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Syzygium jambos (L.) Alston jambo-amarelo A x


O
Orchidaceae Dendrobium sp. orquídea Epf O x
Eulophia alta (L.) Fawc. & Rendle orquidea E O x x
Oeceoclades maculata (Lindl.) Lindl. orquídea E O x
Oxalidaceae Averrhoa carambola L. carambola Arv Al x
Passifloraceae Passiflora jilekii Wawra maracujá-de-cobra L - x
Paulowniaceae Paulownia tomentosa (Thunb.) Steud. árvore-imperatriz A O x x x
Florístico Extra
Família Espécie Nome popular HA Uso Fito Fora da Floresta
FOD FOM FED
Phytolaccaceae Petiveria alliacea L. guiné E Md x
Pinaceae Pinus spp. pinus A M x x
Platanaceae Platanus acerifolia (Aiton) Willd. plátano A O x
Poaceae Coix lacryma-jobi L. capim-de-lágrima E Aa x
Digitaria fuscescens (J.Presl) Henrard capim-colchão E Aa x
Eragrostis pilosa (L.) P.Beauv. capim-panasco E Aa x
Holcus lanatus L. capim-veludo E Aa x
Melinis repens (Willd.) Zizka capim E Aa x
Pennisetum latifolium Spreng. capim E Aa x x
Primulaceae Ardisia crenata Sims ardísia Arb O x
M;
Rhamnaceae Hovenia dulcis Thunb. uva-do-japão A x x x x
O
Al;
Rosaceae Eriobotrya japonica (Thunb.) Lindl. ameixa-amarela A x x
O
Potentilla indica (Andr.) Th.Wolf falso-morango E - x

202
Pyrus communisi L. pera A Al x
Rubiaceae Coffea arabica L. café Arv Al x
Gardenia jasminoides J.Ellis gardênia Arb O x
Rutaceae Citrus reticulata Blanco tangeria Arb Al x
Citrus x limon (L.) Osbeck limão Arb Al x x x
Citrus spp. - Arb Al x x
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Sapotaceae Labramia bojeri A.DC. abricó-da-praia A O x


Scrophularia-
Verbascum virgatum Stokes blatária-maior E O x
ceae
Solanaceae Brugmansia suaveolens (Willd.) Bercht. & J.Presl trombeteiro Arb O x
Nicandra physalodes (L.) Gaertn. joá-de-capote Arb O x
Physalis peruviana L. tomate-inglês Arb - x
Zingiberaceae Alpinia sp. - E - x
  Hedychium coronarium J.Koenig lírio-do-brejo E O x        
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Tabela 10.3. Síntese das espécies exóticas amostradas nos levantamentos do Inventário Florístico Florestal de Santa
Catarina.
Table 10.3. Summary of exotic species sampled in Forest and Floristic Inventory of Santa Catarina State.

Categoria Número

Espécies 102

Gêneros 96

Famílias 47

Amostradas no Florístico Extra 93

Amostradas exclusivamente no Florístico Extra 89

Amostradas na Fitossociologia 12

Amostradas exclusivamente na Fitossociologia 5

Amostradas no levantamento das árvores “Fora da Floresta” 7

Amostradas exclusivamente no levantamento das árvores “Fora da Floresta” 1

Comum entre os três componentes 3

Amostradas na Floresta Ombrófila Densa 59

Amostradas na Floresta Ombrófila Densa na Fitossociologia ou no levantamento das árvores “Fora


13
da Floresta”

Amostradas na Floresta Ombrófila Mista 43

Amostradas na Floresta Ombrófila Mista na Fitossociologia ou no levantamento das árvores “Fora


6
da Floresta”

Amostradas na Floresta Estacional Decidual 28

Amostradas na Floresta Estacional Decidual na Fitossociologia ou no levantamento das árvores


5
“Fora da Floresta”

Muitas espécies exóticas amostradas nos levantamentos do IFFSC, possivelmente, foram


introduzidas de maneira intencional para suprir necessidades alimentícias e de produção, mas também
com fins estéticos, como é o caso das plantas com uso ornamental que corresponderam à metade
(52,0%) das espécies exóticas amostradas. Na sequência aparece o uso alimentício (23,5%), medicinal
caseiro (12,2), alimentício para animais domésticos (7,1) e madeireiro (5,1) (Figura 10.1a). Para
a Floresta Ombrófila Mista do Brasil, Zalba et al. (2009) também registraram maior ocorrência de
espécies exóticas invasoras empregadas para fins ornamentais.

As espécies exóticas amostradas na Fitossociologia e no levantamento das árvores “Fora da


Floresta” apresentaram majoritariamente uso alimentício e para produção de madeira (Tabela 10.2).
A maior representatividade de espécies com uso ornamental está relacionada com a amostragem do
componente Florístico Extra, que permitiu a coleta de espécies na beira de estradas e entorno dos
fragmentos florestais, locais que apresentam maior frequência de espécies exóticas proveniente, muitas
vezes, dos quintais das propriedades próximas.

203
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

É importante salientar que a população catarinense, sobretudo as comunidades rurais, tem a


tradição de cultivar quintais (pomares, hortas e jardins) em suas propriedades, os quais abrigam um
grande número de espécies exóticas de uso ornamental, alimentício e medicinal e, também preservar
o hábito de troca de plantas, facilitando a dispersão das espécies exóticas. Os quintais são importantes
fontes de biodiversidade de plantas cultivadas e com alto valor na economia e na saúde das famílias.
Nos estudos de Zeni & Bosio (2006; 2011), Silva et al. (2009) e Pereira et al. (2011), verifica-se que o
uso de plantas para fins medicinais no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí – SC está pautado
principalmente sobre as espécies exóticas.
Classificando as espécies quanto à forma de vida tem-se uma predominância das espécies
herbáceas (44,7%), seguida das árvores (24,3), arbustos (16,5), lianas (9,7), arvoretas (3,9) e epífitas
(1,0) (Figura 10.1b). A maior representatividade das espécies herbáceas e arbóreas está relacionada às
necessidades alimentícias ou de uso ornamental e para produção de madeiras, respectivamente.

Figura 10.1. a) Distribuição (%) das espécies exóticas quanto à finalidade de uso. Al = alimentício; Aa = alimentício para
animais domésticos; M = madeireiro; Md = medicinal caseiro; O = ornamental. b) Distribuição (%) das espécies exóticas
quanto ao hábito. A = árvore; Arb = arbusto; Arv = arvoreta; E = erva; Epf = epífito; L = liana.
Figure 10.1. a) Distribution (%) of exotic species as the use. Al = food; Aa = domestic animals food; M = timber; Md =
medicinal; O = ornamental. b) Percentage of: A = tree; Arb = scrub; Arv = small tree; E = herb; Epf = epiphyte; L = vine.

As famílias que se destacaram pelo número de espécies exóticas foram: Fabaceae e Asteraceae
com 12 espécies cada, Poaceae (seis) e Apocynaceae (cinco). Foram registradas seis famílias com três
espécies, 12 com duas espécies e 24 com uma única espécie (Figura 10.2). Dentre os gêneros, seis
deles apresentaram duas espécies, sendo Allium, Citrus, Clitoria, Gomphocarpus, Lactuca e Lonicera
e 90 gêneros apresentaram apenas uma espécie.

Figura 10.2. Distribuição do número de espécies exóticas entre as famílias com mais de três espécies cada, encontradas nos
levantamentos do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina.
Figure 10.2. Distribution of species among families with more than three species each, sampled in Forest and Floristic
Inventory of Santa Catarina State.

204
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Foi registrado um grande número de espécies exóticas no componente Florístico Extra, no


entanto, discussões mais aprofundadas sobre densidade e frequência destas espécies se tornam difíceis,
tendo em vista que o objetivo destas coletas era apenas o registro da espécie no herbário. Porém,
as espécies exóticas encontradas no interior das Unidades Amostrais, as quais foram incluídas na
Fitossociologia no levantamento das árvores “Fora da Floresta”, informações de densidade e dominância
estão disponíveis e permitem uma breve análise.

Como pode ser verificado na Tabela 10.4 e 10.5, as espécies amostradas na Fitossociologia
e no levantamento das árvores “Fora da Floresta” apresentaram valores de densidade e dominância
relativamente baixos, com exceção de Hovenia dulcis que atingiu valores consideráveis, sobretudo no
componente arbóreo/arbustivo da Floresta Estacional Decidual. Esta espécie teve maior número de
indivíduos no componente arbóreo/arbustivo das Unidades Amostrais: 2172 no município de Mondaí
(106 indivíduos), 2079 em Seara (57), 1536 em Alto Bela Vista (41) e 457 em Pouso Redondo (26)
levantadas na Fitossociologia, e nas Unidades Amostrais, 483 em Celso Ramos (32 indivíduos) e 588 em
Iporã do Oeste (55) no levantamento das árvores “Fora da Floresta”. Nas demais Unidades Amostrais,
tanto do componente arbóreo/arbustivo quanto da regeneração natural, a espécie não ultrapassou 20
indivíduos (Figura 10.3 e 10.4). Ressalta-se que na Unidade Amostral 2172 o elevado número de
indivíduos deve-se a um plantio homogêneo de H. dulcis, enquanto as demais Unidades Amostrais
possivelmente refletem o sucesso de estabelecimento desta espécie, especialmente as Unidades 483
e 588 localizadas em fragmentos com vegetação em estádio inicial ou médio de regeneração, o que
favorece seu desenvolvimento.

Figura 10.3. Distribuição do número de indivíduos de Hovenia dulcis pelas Unidades Amostrais do componente arbóreo/
arbustivo no estado de Santa Catarina.
Figure 10.3. Distribution of number of individuals of Hovenia dulcis in the Sample Plots of the tree/shrub component in
Santa Catarina.

205
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 10.4. Distribuição do número de indivíduos de Hovenia dulcis pelas Unidades Amostrais da regeneração natural no
estado de Santa Catarina.
Figure 10.4. Distribution of number of individuals of Hovenia dulcis in the Sample Plots of the natural regeneration in
Santa Catarina.

Hovenia dulcis, conhecida popularmente como uva-do-japão, é uma árvore de 3 a 15 m de


altura, originaria da China e do Japão e, atualmente muito difundida no Sul do Brasil para obtenção de
madeira e lenha, e plantada no entorno de galpões com criação de frangos, bem como, cultivada para
ornamentação de praças, pomares e ruas (Soares 1972; Carvalho 1994; Lorenzi et al. 2003). De acordo
com os mesmos autores, esta espécie produz pequenas flores brancas reunidas em inflorescências e
polinizadas por abelhas, frutos tipo cápsula globosa contendo sementes achatadas e de tamanho reduzido
e, os pedicelos da inflorescência intumescidos tornando-se suculentos e comestíveis, favorecendo a
dispersão dos frutos, principalmente por aves e, quando caídos no chão, por mamíferos, inclusive vacas.
Esta espécie, frequentemente, tem se dispersado além das áreas de cultivo, chegando e se estabelecendo
em bordas, trilhas e clareiras de fragmentos florestais, bem como em capoeiras, capoeirões e florestas
que passaram por perturbações, o que foi observado em campo nos levantamentos do IFFSC.

O sucesso no estabelecimento e desenvolvimento da espécie se deve às características


ecológicas desta, tais como: dispersão zoocórica, o que aumenta a distância que os propágulos podem
alcançar; fonte de alimento para fauna, como foi constato por Rocha et al. (2008), que registram uma
representatividade de 30% de H. dulcis entre os frutos consumidos pelo Cerdocyon thous (Linnaeus,
1766) (cachorro-do-mato) no Sul do Brasil; seu caráter heliófito desenvolvendo-se bem em área abertas
com alta incidência de luz (Soares 1972; Carvalho 1994; Lorenzi et al. 2003). A alelopatia também pode
ser um fator a ser considerado no sucesso da espécie, conforme o estudo de Wandscheer et al. (2011),
que encontram efeito alelopático das folhas secas e pseudofrutos de H. dulcis sobre a germinação e
crescimento de sementes de alface.

As espécies de Pinus foram registradas no componente arbóreo/arbustivo da Floresta Ombrófila


Mista com 88 indivíduos no levantamento das árvores “Fora da Floresta” e, na Floresta Ombrófila Densa

206
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

com 71 indivíduos na Fitossociologia (Tabela 10.4 e 10.5, Figura 10.5 e 10.6). O gênero é nativo da
América do Norte, foi introduzido no Brasil no final do século XIX para fins ornamentais e produção
de madeira, mas foi a partir de 1960 que se intensificaram os plantios, sobretudo de Pinus elliottii L. e
Pinus taeda L. nas regiões Sul e Sudeste para suprimir a demanda do mercado madeireiro e de papel e
celulose (Shimizu 2008). Conforme Ziller & Galvão (2002), o gênero é composto principalmente por
espécies heliófitas, o que tem proporcionado sucesso no seu estabelecimento em ambientes abertos, tanto
degradados quanto naturalmente ocupados por vegetação herbáceo-arbustiva e, por vezes, tornam-se
invasoras. No entanto, os autores ressaltam que o gênero não se caracteriza como invasor de formações
florestais, o que corrobora com o presente trabalho em que não foram registrados valores elevados dos
parâmetros fitossociológicos para o gênero nos remanescentes florestais avaliados.

Amostrado no componente arbóreo/arbustivo da Floresta Ombrófila Densa e da Floresta


Ombrófila Mista, e também na regeneração natural da primeira (Figura 10.5 e 10.6), as espécies de
Eucalyptus são originárias da Austrália e foram introduzidas no Brasil na metade do século XIX, mas
seu cultivo tornou-se mais expressivo no século XX, sobretudo após a década de 1960 para suprir
necessidades do mercado madeireiro e lenha (Mora & Garcia 2000). Eucalyptus spp. apresentou baixos
valores nos parâmetros fitossociológicos (Tabela 10.4 e 10.5), em geral, se dispersa a partir dos plantios
próximo aos fragmentos florestais, o mesmo acontece com Pinus spp.

Figura 10.5. Distribuição do número de indivíduos de Eucalyptus spp. e Pinus spp. pelas Unidades Amostrais do componente
arbóreo/arbustivo no estado de Santa Catarina.
Figure 10.5. Distribution of number of individuals of Eucalyptus spp. and Pinus spp. in the Sample Plots of the tree/shrub
component in Santa Catarina.

207
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 10.6. Distribuição do número de indivíduos de Eucalyptus spp. e Pinus spp. pelas Unidades Amostrais da regeneração
natural no estado de Santa Catarina.
Figure 10.6. Distribution of number of individuals of Eucalyptus spp. and Pinus spp. in the Sample Plots of the natural
regeneration in Santa Catarina.

Originária da Ásia tropical, Magnolia champaca é árvore que atinge 15 m de altura, conhecida
popularmente como champaca, amplamente cultivada para arborização de ruas, praças e jardins no Sul
e Sudeste do país, bem como para obtenção de madeira (Trinta & Santos 1996; Lorenzi et al. 2003). De
acordo com Trinta & Santos (1996), a espécie possui um arilo nas sementes muito apreciado por aves,
o que tem levado sua dispersão além das áreas de cultivo e, por vez alcançando fragmentos florestais
como é o caso dos indivíduos amostrados na Fitossociologia na Floresta Ombrófila Densa (Tabela
10.4, Figura 10.7 e 10.8).

Dentre as espécies exóticas arbóreas que são cultivadas para obtenção de frutos e foram
amostradas somente na Fitossociologia, estão: Eriobotrya japonica, que também foi coletada no
Florístico Extra, é conhecida popularmente como ameixa ou nêspera, originária da China e atinge 8 m
de altura; Syzygium jambos chamado de jambo-amarelo, natural da Índia e Malásia e alcança altura de
15 m; Persea americana o abacateiro, natural da América Central e México e chega a 20 m de altura.
As duas primeiras espécies também são empregadas na arborização de ruas e jardins (Legrand & Klein
1978; Reitz 1996; Silva & Lemos 2002; Lorenzi et al. 2003). As três espécies apresentaram baixos
valores de densidade, frequência e dominância e, S. jambos foi encontrada apenas na regeneração
natural da Floresta Ombrófila Densa (Tabela 10.4, Figura 10.7 e 10.8). Entre as exóticas arbóreas
foi registrada somente no levantamento das árvores “Fora da Floresta” Melia azedarach, conhecida
popularmente como cinamomo, cultivada no Sul e Sudeste do país para fins ornamentais, sobretudo
para arborização urbana (Klein 1984; Lorenzi & Souza 2003).

São cultivadas também pelos frutos que fornecem: Coffea arabica, conhecida popularmente
como café, é uma arvoreta que atinge 7 m de altura, originária da Etiópia, foi introduzida no Brasil

208
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

no século XVIII e passou a ser intensamente cultivada, sobretudo no sudeste do país; Morus nigra a
amora-preta, é arvoreta que chega a 5 m de altura, originária da Ásia e produz frutos que são utilizados
para produção de geleias, bem como muito apreciados pela avifauna; Psidium guajava é a goiaba,
uma arvoreta que atinge até 6 m de altura, amplamente cultivada no Sul do Brasil e principalmente na
Floresta Ombrófila Densa, por ser uma espécie heliófita é frequentemente encontrada em capoeiras e
beira de estradas fora dos locais de cultivo. As duas últimas espécies também são utilizadas para fins
medicinais (Legrad & Klein 1977; Lorenzi & Matos 2002; Silva & Lemos 2002; Lorenzi et al. 2003;
Delprete et al. 2004). Coffea arabica e P. guajava foram amostradas somente na Floresta Ombrófila
Densa, sendo a primeira encontrada apenas na regeneração natural e, Morus nigra, esteve presente
nas três regiões fitoecológicas do estado, as três espécies com baixos valores para os parâmetros
fitossociológicos (Tabela 10.4 e 10.5, Figuras 10.7 e 10.8).

Citrus reticulata, que é popularmente conhecida como tangerina e Citrus x limon, como
limão são dois arbustos originários da Ásia e amplamente cultivados no estado, sobretudo na Floresta
Ombrófila Densa, bem como, na Floresta Estacional Decidual em áreas que as geadas não são tão
intensas (Cowan & Smith 1973). Nos levantamentos do IFFSC, estas foram as regiões fitoecológicas
com registro das espécies, com exceção de Citrus x limon que foi encontrada também na regeneração
natural da Floresta Ombrófila Mista (Tabela 10.4 e 10.5, Figuras 10.7 e 10.8).

Figura 10.7. Distribuição do número de indivíduos das espécies exóticas pelas Unidades Amostrais do componente arbóreo/
arbustivo no estado de Santa Catarina.
Figure 10.7. Distribution of number of individuals of alien species in the Sample Plots of the tree/shrub component in Santa
Catarina.

209
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 10.8. Distribuição do número de indivíduos das espécies exóticas pelas Unidades Amostrais da regeneração natural
no estado de Santa Catarina.
Figure 10.8. Distribution of number of individuals of alien species in the Sample Plots of the natural regeneration in Santa
Catarina.

Tabela 10.4. Parâmetros fitossociológicos das espécies exóticas amostradas no componente arbóreo/arbustivo e regeneração
natural na Fitossociologia em cada região fitoecológica. FOD = Floresta Ombrófila Densa; FOM = Floresta Ombrófila
Mista;FED = Floresta Estacional Decidual. N = número de indivíduos; DA = densidade absoluta (ind.ha-1); DoA =
dominância absoluta (m2.ha-1).
Table 10.4. Phytosociological parameters of exotic species sampled in tree/scrub component and natural regeneration in
phytosociology survey in each phytoecological region. FOD = Dense Ombrophylous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous
Forest; FED = Seasonal Deciduous Forest . N = number of individuals; DA = absolute density (ind.ha-1); DoA = absolute
dominance (m2.ha-1).
Componente arbóreo/arbustivo Regeneração Natural
Espécie FOD FOM FED FOD FOM FED
N DA DoA N DA DoA N DA DoA N DA N DA N DA
Citrus reticulata 2 < 0,1 < 0,1   - - 1 < 0,1 < 0,1 6 0,9   -   -
Citrus x limon 8 0,1 < 0,1   - - 3 0,1 < 0,1 11 1,7 1 0,7 2 3,0
Citrus spp. 2 < 0,1 < 0,1   - -   - - 5 0,8   -   -
Coffea arabica - -   - -   - - 25 3,8   -   -
Eriobotrya japonica 3 < 0,1 < 0,1 1 < 0,1 < 0,1   - - 2 0,3   -   -
Eucalyptus spp. 25 0,4 < 0,1   - -   - - 7 1,1   -   -
Hovenia dulcis 103 1,5 0,1 14 0,3 0,01 337 12,0 0,4 10 1,5 2 1,4 10 14,8
Magnolia champaca 3 < 0,1 < 0,1   - -   - - 1 0,2   -   -
Morus nigra 2 < 0,1 < 0,1 1 < 0,1 < 0,1 2 0,1 < 0,1 3 0,5   -   -
Persea americana 1 < 0,1 < 0,1   - - 19 0,7 < 0,1   -   - 1 1,5
Pinus spp. 71 1,0 0,1 6 0,1 < 0,1   - -   -   -   -
Psidium guajava 2 < 0,1 < 0,1   - -   - - 6 0,9   -   -
Syzygium jambos   - -   - -   - - 6 0,9   -   -

210
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Tabela 10.5. Parâmetros fitossociológicos das espécies exóticas amostradas no componente arbóreo/arbustivo e regeneração
natural no levantamento das árvores “Fora da Floresta” em cada região fitoecológica. FOD = Floresta Ombrófila Densa;FOM
= Floresta Ombrófila Mista FED = Floresta Estacional Decidual . N = número de indivíduos; DA = densidade absoluta (ind.
ha-1); DoA = dominância absoluta (m2.ha-1).
Table 10.5. Phytosociological parameters of exotic species sampled in tree/scrub component and natural regeneration in
“trees out of forests” in each phytoecological region. FOD = Dense Ombrophylous Forest; FOM = Mixed Ombrophylous
Forest; FED = Seasonal Deciduous Forest. N = number of individuals; DA = absolute density (ind.ha-1); DoA = absolute
dominance (m2.ha-1).
Componente arbóreo/arbustivo Regeneração Natural
Espécie FOD FOM FED FOD FOM FED
N DA DoA N DA DoA N DA DoA N DA N DA N DA
Citrus x limon - - - - - - - - - - - - - 1 80,0
Citrus spp. - - - 2 0,2 < 0,1 - - - - - - - - -
Eucalyptus spp. 7 2,6 0,1 3 0,3 < 0,1 - - - - - - - - -
Hovenia dulcis 5 1,8 0,1 1 0,1 < 0,1 109 29,1 0,8 - - - - 1 80,0
Melia azedarach 2 0,7 < 0,1 - - - - - - - - - - - -
Morus nigra - - - - - - 2 0,5 < 0,1 - - - - - -
Pinus spp. 3 1,1 < 0,1 88 10,2 0,5 - - - 1 200,0 1 22,2 - -
Psidium guajava 1 0,4 < 0,1 - - - - - - - - - - - -

Dentre as espécies registradas no conjunto denominado Fitossociologia e no levantamento das


árvores “Fora da Floresta”, H. dulcis foi amostrada em considerável abundância, sobretudo na Floresta
Estacional Decidual e merece maiores investigações e acompanhamento do processo de colonização
de novas áreas, bem como de medidas que promovam o desenvolvimento da floresta e minimizem tal
processo principalmente nos remanescentes florestais. As demais espécies apresentaram baixos valores
para os parâmetros fitossociológicos e, representam espécies que se dispersaram além de suas áreas
de cultivo original, tanto pela ação de animais ou pelo vento quanto por ação humana que por vezes
descartam propágulos nas proximidades ou interior de remanescentes florestais. Algumas das Unidades
Amostrais em que foram encontradas espécies exóticas pode ser antigas áreas de cultivo, como pomares
ou monoculturas e, atualmente, foram ocupadas pela floresta.

De acordo com Denslow & DeWalt (2008), florestas bem conservadas apresentam maior
resistência à invasão de espécies exóticas. No estado de Santa Catarina, a maioria dos fragmentos
florestais avaliados encontra-se em estádio médio ou avançado de sucessão e, geralmente sofrendo
algum tipo de perturbação antrópica (Capítulo 9, Volumes II, III e IV). Porém, estes fragmentos florestais
e suas interações complexas parecem ser resilientes em sua estrutura, tanto que a frequente chegada de
propágulos de espécies exóticas não tem se caracterizado como uma ameaça ao desenvolvimento da
floresta e manutenção de sua biodiversidade, mas avaliações de longo prazo são necessárias. No entanto,
a fragmentação e isolamento dos remanescentes florestais têm aumentado a chance do estabelecimento
de espécies exóticas, conforme apontado por Kane & Crawley (2002), Denslow & DeWalt (2008) e
Delnatte & Meyer (2012). Portanto, políticas que visem à conservação e manutenção dos remanescentes
florestais por vezes são mais importantes e mais eficientes para o controle de espécies exóticas, do que
medidas focadas diretamente sobre estas espécies, que podem perturbar ainda mais os ecossistemas
facilitando a reinfestação.

211
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Referências

Binggeli, P.; Hall, J.B.; Healey, J.R. 1998. An overview of invasive woody plants in the
tropics. School of Agricultural and Forest Sciences Publ. Bangor. University of Wales.

Binggeli, P. 2001. The human dimensions of invasive woody plants. In: McNeely J.A. (ed.).
The Great Reshuffling: Human Dimensions of Invasive Alien Species. Gland. IUCN.

Bourscheid, K.; Reis, A. 2010. Dinâmica da invasão de Pinus elliottii Engelm. em restinga sob
processo de restauração ambiental no Parque Florestal do Rio Vermelho, Florianópolis, SC. Biotemas
23(2): 23-30.

Carvalho, P.E.R. 1994. Ecologia, silvicultura e usos da uva-do-Japão (Hovenia dulcis


Thunberg). Colombo. EMBRAPA-CNPFlorestas.

Christianini, A. 2006. Fecundidade, dispersão e predação de sementes de Archontophoenix


cunninghamiana H. Wendl. & Drude, uma palmeira invasora da Mata Atlântica. Revista Brasileira de
Botânica 29(4): 587-594.

CIENTEC. 2002. Mata Nativa: Sistema para análise fitossociológica e elaboração de planos de
manejo de florestas nativas. São Paulo.

Cowan, R.S.; Smith, L.B. 1973. Rutáceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí.
Herbário Barbosa Rodrigues.

Delnatte, C.; Meyer, J.Y.; 2012. Plant introduction, naturalization, and invasion in French.na
(South America). Biological Invasions 14: 915-927.

Delprete, P.G.; Smith, L.B.; Klein, R.M. 2004. Rubiáceas – Volume I – Gêneros de A-G:
1. Alseis até 19. Galium. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí. Herbário Barbosa
Rodrigues.

Denslow, J.S.; DeWalt, S.J. 2008. Exotic plant invasions in tropical forests: Patterns and
hypotheses. In: Carson, W.P.; Schnitzer, S.A. (eds.). Tropical forest community ecology. University of
Chicago.

Dislich, R.; Kisser, N.; Pivello, V.R. 2002. A invasão de um fragmento florestal em São Paulo
(SP) ela palmeira australiana Archontophoenix cunninghamiana H. Wendl. & Drude. Revista Brasileira
de Botânica 25(1): 55-64.

ESRI. 2011. ArcGIS Desktop: Release 10. Redlands. Environmental Systems Research
Institute.

Falleiros, R.M.; Zenni, R.D.; Ziller, S.R. 2011. Invasão e manejo de Pinus taeda em campos de
altitude do Parque Estadual do Pico Paraná, Paraná, Brasil. Revista Floresta 41(1): 123-134.

Keane, R.M.; Crawley, M.J. 2002. Exotic plant invasions and the enemy release hypothesis.
Trends in Ecology and Evolution 17: 164-170.

Klein, R.M. 1984. Meliáceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí. Herbário
Barbosa Rodrigues.

Legrand, C.D.; Klein, R.M. 1977. Mirtáceas. 8. Campomanesia, 9. Feijoa, 10. Britoa, 11.
Myrrhinium, 12. Hexachlamys, 13. Siphoneugena, 14. Myrcianthes, 15. Neomitranthes, 16. Psidium.
In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

212
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Legrand, C.D.; Klein, R.M. 1978. Mirtáceas. 17. Myrciaria, 18. Pseudocaryophyluus, 19.
Blepharocalyx, 20. Espécies suplementares, 21. Espécies cultivadas, 22. Generalidades: chave
dos gêneros. Literatura. Conspecto geral das Mirtáceas. Índice. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada
Catarinense. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

Lopes, R.M. 2009. Informe sobre as espécies exóticas invasoras marinhas no Brasil. Brasília.
MMA/SBF.

Lopes, R.M.; Villac, M.C.; Schaeffer-Novelli, Y. 2009. Introdução. In: Lopes, R.M. (ed.).
Informe sobre as espécies exóticas invasoras marinhas no Brasil. Brasília. MMA/SBF.

Lorenzi, H.; Souza, H.M. 1999. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e
trepadeiras. 2. ed. Nova Odessa. Instituto Plantarum.

Lorenzi, H. 2000. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3.


ed. Nova Odessa. Instituto Pantarum.

Lorenzi, H.; Matos, F.J.A. 2002. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova
Odessa. Plantarum.

Lorenzi, H. 2003. Árvores exóticas do Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova


Odessa. Plantarum.

Mack, R.N.; Simberloff, D.; Lonsdale, W.M.; Evans, H.; Clout, M.; Bazzaz, F. 2000. Biotic
invasions: causes, epidemiology, global consequences and control. Ecological Society of America.
Issues in Ecology.

Mitchell, C.E.; Power, A.G. 2003. Release of invasive plants from fungal and viral pathogens.
Nature 421: 625-627.
MMA. 2000. Ministério do Meio Ambiente. A Convenção sobre Diversidade Biológica –
CDB. http://www.mma.gov.br/estruturas/chm/_arquivos/cdbport.pdf (acesso: 14/06/2012).

MMA. 2006. Ministério do Meio Ambiente. 2006. Espécies exóticas invasoras: situação
brasileira. Brasília. Ministério do Meio Ambiente.

Mooney, H.A.; Cleland, E.E. 2001. The evolutionary impact of invasive species. Colloquium
98(10): 5446-5451.

Mora, A.L.; Garcia, C.H.A. 2000. A cultura do eucalipto no Brasil. São Paulo. Sociedade
Brasileira de Silvicultura.

Müeller-Dombois, D.; Ellenberg, H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. Wiley.
New York.

Pereira, A.J.; Zeni, A.L.B.; Esemann-Quadros, K. 2011. Estudo etnobotânico de espécies


medicinais em Gaspar Alto Central, SC. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal
18(1): 35-52.

Pyšek, P.; Richardson, D.M.; Rejmánek, M.; Webster, G.L.; Williamson, M.; Kirschner, J.
2004. Alien plants in checklists and floras: towards better communication between taxonomists and
ecologists. Taxon 53(1): 131-143.

Rangel, E.S.; Nascimento, M.T. 2011. Ocorrência de Calotropis procera (Ait.) R.Br.
(Apocynaceae) como espécie invasora de restinga. Acta Botanica Brasilica 25(3): 657-663.

213
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Reitz, R. 1996. Rosáceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí. Herbário
Barbosa Rodrigues.
Ribeiro, M.O.; Zaú, A.S. 2007. Levantamento populacional e manejo da exótica invasora
Dracaena fragrans (L.) Ker-Gawl (Angiospermae – Liliaceae), em um trecho de Floresta Atlântica sob
efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Revista Brasileira de Biociências
5(1): 21-23.
Rocha, V.J.; Aguiar, R.L.; Silva-Pereira, J.E.; Moro-Rios, R.F.; Passos, F.C. 2008. Feeding
habits of the crab-eating fox, Cerdocyon thous (Carnivora: Canidae), in a mosaic area with native and
exotic vegetation in Southern Brazil. Revista Brasileira de Zoologia 25(4): 594-600.
Rodolfo, A.M.; Temponi, L.G.; Cândido Jr., J.F. 2008a. Levantamento de plantas exóticas na
trilha do Poço Preto, Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Biociências
6(1): 22-24.
Rodolfo, A.M.; Cândido Jr., J.F.; Temponi, L.G.; Gregorini, M.Z. 2008b. Citrus aurantium L.
(laranja-apepu) e Hovenia dulcis Thunb. (uva-do-japão): espécies exóticas invasoras da trilha do Poço
Preto no Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Biociências 6(1): 16-18.
Sala, O.E.; Chapin, F.S.; Armesto, J.J.; Berlow, E.; Bloomfield, J.; Dirzo, R.; Huber-Sanwald,
E.; Huenneke, L.F.; Jackson, R.B.; Kinzig, A.; Leemans, R.; Lodge, D.M.; Mooney, H.A.; Oesterheld,
M.; Poff, N.L.; Sykes, M.T.; Walker, B.H.; Walker, M.; Wall, D.H. 2000. Global biodiversity scenarios
for the year 2100. Science 287: 1770-1774.
Santana, O.A.; Encinas, J.I. 2008. Levantamento das espécies exóticas arbóreas e seu impacto
nas espécies nativas em áreas adjacentes a depósitos de resíduos domiciliares. Biotemas 21(4): 29-38.
Shimizu, J.Y. 2008. Pinus na silvicultura brasileira. Colombo. Embrapa Florestas.
Silva, D.B.; Lemos, B.S. 2002. Plantas da área verde da Super Quadra Norte 416 - Brasília,
DF. Brasília. Embrapa.
Silva, M.D.; Dreveck, S.; Zeni, A.L.B. 2009. Estudo etnobotânico de plantas medicinais
utilizadas pela população rural no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí – Indaial. Revista
Saúde e Ambiente 10(2): 54-64.
Siminski, A.; Fantini, A.C. 2010. A Mata Atlântica cede lugar a outros usos da terra em Santa
Catarina, Brasil. Biotemas 23(2): 51-59.
Soares, M.A.F. 1972. Ramnáceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí.
Herbário Barbosa Rodrigues.
Trinta, E.F.; Santos, E. 1996. Magnoliáceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense.
Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.
UNEP/CBD. 2004. Indicators for assessing progress towards the 2010 target: numbers and
cost of lien invasions. Note by the Executive Secretary. Subsidiary body on scientific, technical and
technological advice. http://www.cbd.int/sbstta/ (acesso: 13/06/2012).
Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Lingner, D.V.; Gasper, A.L.; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30(64): 291-302.
Wandscheer, A.C.D.; Borella, J.; Bonatti, L.C.; Pastorini, L.H. 2011. Atividade alelopática de
folhas e pseudofrutos de Hovenia dulcis Thunb. (Rhamnaceae) sobre a germinação de Lactuca sativa
L. (Asteraceae). Acta Botanica Brasilica 25(1): 25-30.

214
10 | Espécies exóticas encontradas nas florestas de Santa Catarina

Westbrooks, R. 1998. Invasive plants: changing the landscape of America: Fact book.
Washington. Federal Interagency Committee for the Management of Noxious and Exotic Weeds.

Zalba, S.M.; Mondin, C.A.; Ziller, S.R. 2009. Plantas invasoras na Floresta com Araucária:
novas espécies, novos impactos, novos desafios. In: Fonseca, C.R.; Souza, A.F.; Leal-Zanchet,
A.M.; Dutra, T.; Backes, A.; Ganado, G. (eds.). Floresta com Araucária: ecologia, conservação e
desenvolvimento sustentável. Editora Holos. Ribeirão Preto.

Zeni, A.L.B.; Bosio, F. 2006. Medicinal plants used in the Nova Russia, Brazilian Atlantic Rain
Forest. Revista Brasileira de Plantas Medicinais 8: 167-171.

Zeni, A.L.B.; Bosio, F. 2011. O uso de plantas medicinais em uma comunidade rural de Mata
Atlântica – Nova Rússia, SC. Neotropical Biology and Conservation 6(1): 55-63.

Zenni, R.D.; Ziller, S.R. 2011. An overview of invasive plants in Brazil. Revista Brasileira de
Botânica 34(3): 431-446.

Ziller, S.R. 2000. A estepe gramíneo-lenhosa no segundo planalto do Paraná: diagnóstico


ambiental com enfoque à contaminação biológica. Tese (Doutorado). Universidade Federal do
Paraná. Curitiba.

Ziller, S.R.; Galvão, F. 2002. A degradação da Estepe Gramíneo-Lenhosa no Paraná por


contaminação de Pinus elliottii e P. taeda. Revista Floresta 32(1): 41-47.

215
Capítulo 11
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Inventário da necromassa florestal caída no chão nos


remanescentes florestais em Santa Catarina1

Inventory of coarse woody debris in forest remnants in Santa Catarina

Denise Jeton Cardoso2, Alexander Christian Vibrans, Débora Vanessa Lingner

Resumo

A quantificação da necromassa, que é o material lenhoso encontrado sobre o chão das florestas, faz
parte do conjunto de resultados do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Com o objetivo
de quantificar este material e chegar à estimativa de carbono da necromassa nas diferentes regiões
fitoecológicas, adotou-se o método dos transectos, que consiste na medição do diâmetro de todos
os galhos e troncos que interceptam uma linha amostral. Foram medidos 781 transectos de 10 m de
comprimento, nas Unidades Amostrais. A região fitoecológica com maior volume de necromassa é a
Floresta Ombrófila Mista, com 29,3 m3.ha-1, seguida da Floresta Estacional Decidual, com 23,7 m3.ha-1,
da Floresta Ombrófila Densa com 22,1 m3.ha-1 e da Restinga com 9,2 m3.ha-1. Deste volume, em média,
56,3% é composto por material na classe de decomposição avançada. O maior peso seco de necromassa
é encontrado na Floresta Ombrófila Mista, com 12,2 Mg.ha-1, seguida da Floresta Ombrófila Densa, com
9,3 Mg.ha-1 , da Floresta Estacional Decidual, com 8,2 Mg.ha-1 e da Restinga, com 3,3 Mg.ha-1. Estes
valores representam entre 5,7 e 8,1% do peso seco de biomassa aérea nas três regiões fitoecológicas em
Santa Catarina. A necromassa é, portanto, uma variável importante a ser considerada em inventários
florestais e de carbono. O teor de carbono na necromassa variou entre 3,9 Mg.ha-1 e 5,8 Mg.ha-1 nas três
regiões fitoecológicas e foi de 1,6 Mg.ha-1 na Restinga.
Abstract

Quantification of coarse woody debris (CWD) - the deadwood found on the forest floor - is among the
results obtained from the Floristic Forest Inventory of Santa Catarina. In order to quantify the CWD
and carbon in the three different phytoecological regions, we analysed 781 transects of 10 meter long.
The Mixed Ombrophylous Forest is the forest type with the highest volume of CWD (29.3 m3.ha-1),
followed by the Seasonal Deciduous Forest (23.7 m3.ha-1), the Dense Ombrophylous Forest (22.1
m3.ha-1), and the Restinga, - coastal sandy soils vegetation - (9.2 m3.ha-1). In terms of the decomposition
stage, on average 56.3% of the total volume is composed by material in the advanced decomposition
class. The CWD dry weight was higher in the Mixed Ombrophylous Forest (12.2 Mg.ha-1), followed
by the Dense Ombrophylous Forest (9.3 Mg.ha-1), the Seasonal Deciduous Forest (8.2 Mg.ha-1) and
the Restinga (3.3 Mg.ha-1). These values represent between 5.7 and 8.1% of the dry weight biomass
produced in the phytoecological regions in Santa Catarina, demonstrating the importance of CWD to be
considered in carbon and forest inventories. The carbon content in the CWD ranged from 3.9 Mg.ha-1
to 5.8 Mg.ha-1 in the three forest types cited and was 1.6 Mg.ha-1 for Restinga.

1
Cardoso, D.J.; Vibrans, A.C.; Lingner, D.V. 2012. Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em
Santa Catarina. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina,
Vol. I, Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.
2
Engenheira Florestal, Dra., Embrapa Florestas

217
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

11.1 Introdução

O termo necromassa refere-se ao material lenhoso que pode ser encontrado sobre o chão
das florestas, incluindo troncos, gravetos, galhos, fragmentos (frações disformes) de madeira, bem
como árvores mortas em pé (Woldendorp et al. 2004). Apesar de ser um componente significativo dos
ecossistemas florestais, sua quantificação geralmente é ignorada em muitos inventários florestais que
visam à avaliação de estoque de carbono (Brown 2002).

A configuração da necromassa é o resultado de quatro processos principais: regeneração,


crescimento das árvores, mortalidade das árvores e decomposição dos resíduos. Estes processos
têm diferentes taxas sob diferentes condições, portanto o perfil da necromassa não é estático, muda
gradualmente com o decorrer do tempo (Stokland 2001).

Stokland (2001) considera ainda que o total de necromassa caída no chão de uma floresta
representa um arquivo histórico que permite inferências sobre a vida de uma floresta. Em locais com
crescimento lento, de baixa produtividade e de condições desfavoráveis de decomposição (com clima
seco e em altitude elevada) a necromassa pode representar um intervalo de tempo de até 600 anos. Os
padrões de necromassa, que podem ocorrer em todos os estágios de desenvolvimento de uma floresta
são indicadores importantes da diversidade de espécies de fungos de madeira. Portanto, a informação
da quantidade deste material, em diferentes classes de decomposição, se analisada em conjunto com
informações da biomassa vegetal arbórea, pode ser importante para o conhecimento das inter-relações
entre os componentes de uma floresta.

No Brasil, a quantificação da necromassa depositada sobre o chão da floresta em cada bioma


e em cada região fitoecológica faz parte do conjunto de informações a ser produzido pelo Inventário
Florestal Nacional (http://ifn.florestal.gov.br), com o objetivo de subsidiar a tomada de decisões
estratégicas sobre o manejo de recursos naturais, para a conservação da biodiversidade e dos estoques
de carbono.

Especificamente em Santa Catarina, a quantificação de necromassa também faz parte Inventário


Florístico Florestal, e o seu resultado constitui a primeira tentativa de obter este tipo de informação em
um estado brasileiro. As medições ocorreram no período de 2008 a 2011 e serão analisadas por região
fitoecológica.

11.2 Metodologia

A amostragem por transectos foi adotada para a quantificação de necromassa caída no chão.
Em cada Unidade Amostral procedeu-se a instalação de dois transectos de 10 metros de comprimento,
dispostos em forma de cruz no ponto central da mesma (Figuras 11.1 e 11.2).

218
11 | Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em Santa Catarina

Figura 11.1. Disposição dos transectos na Unidade Amostral do


Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina.
Figure 11.1. Arrangement of transects in Sample Plots of the
Floristic and Forest Inventory of Santa Catarina.

Figura 11.2. Levantamento de necromassa caída no chão em Santa Catarina.


Figure 11.2. Sampling of coarse woody debris in Santa Catarina.

Variáveis consideradas

Durante o caminhamento na linha amostral que é, de fato, um plano vertical, foram medidos
os diâmetros dos galhos e troncos de madeira ou outro material lenhoso que foram encontrados em
interseção ao plano, com diâmetro mínimo de 1 cm ou circunferência de 3 cm (Vibrans et al. 2010).
Van Wagner (1982) explicou que, na realidade, estes diâmetros são elipses de vários tamanhos (exceto
quando a interseção é exatamente em ângulo 0o ao plano), mas convencionou-se que um fator derivado
da teoria da probabilidade permite que sejam somadas como círculos.

Outra informação coletada foi o código da classe de decomposição, conforme prescrito na


metodologia do Inventário Florestal Nacional – IFN (SFB 2012):

1. material novo, presença de ramos e textura de madeira intacta;

2. material em decomposição inicial, resquícios de casca, sem ramos e madeira firme e;

3. material em decomposição avançada, sem casca, sem ramos e madeira em estado de


decomposição com textura esfarelenta.

219
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Equações

A equação básica para a estimativa do volume é dada por Van Wagner (1968):

em que:

V = volume para o transecto, por unidade de área;

d = diâmetro de um fragmento de necromassa;

L = comprimento do transecto;

n = número de fragmentos ou toras encontrados no transecto.

A estimativa do volume dos fragmentos (V) em m3.ha-1, para o comprimento do transecto (L),
em metros e o diâmetro do fragmento (d) em centímetros, foi obtida por Van Wagner (1982):

A estimativa da necromassa (W) em Mg.ha-1 foi obtida com a multiplicação do volume pela
densidade básica do material (D) em Mg.m-3:

Densidade básica de necromassa

A densidade básica de necromassa foi obtida de Keller et al. (2004) e adaptada para o presente
estudo, conforme as classes de decomposição (Tabela 11.1). Esses autores obtiveram valores de
densidade por classe de decomposição para o material com diâmetro superior a 10 cm e por classe
de diâmetro para o material com diâmetro inferior a 10 cm. Nestes valores já foram aplicados fatores
para descontar os espaços vazios existentes no material inventariado, que variam significativamente
conforme a classe de decomposição, sendo mínimo na classe 1 e aumentando progressivamente nas
demais classes.

Quantificação de carbono

Os tecidos das plantas em geral contêm cerca de 45 a 50 % de carbono (Schlesinger, 1997), assim,
assumiu-se no presente estudo, a multiplicação da biomassa morta por 0,475, conforme recomendação
de Magnussen e Reed (2004).

220
11 | Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em Santa Catarina

Tabela 11.1. Densidade de necromassa por classe de diâmetro e por classe de decomposição, de acordo com Keller et
al. (2004). Classes de decomposição: 1 = material novo, presença de ramos e textura de madeira intacta; 2 = material em
decomposição inicial, resquícios de casca, sem ramos e madeira firme; 3 = material em decomposição avançada, sem casca,
sem ramos e madeira em estado de decomposição com textura esfarelenta.
Table 11.1. Density of coarse woody debris by diameter class and by class of decomposition, according to Keller et al.
(2004). Decomposition classes: 1 = new material, presence of branches and wood texture intact; 2 = decaying material
initial, traces of bark, without branches and solid wood; 3 = decomposing material advanced, shelled, without branches and
wood decaying crumbly texture.

Classe de diâmetro (cm) Classe de decomposição Densidade (Mg.m-3)


<5 - 0,36
5 a 10 - 0,45
1 0,70
> 10 2 0,58
3 0,28

Número de transectos medidos

O conjunto de dados constou de 781 transectos medidos em 395 Unidades Amostrais, distribuídas
nas diferentes regiões fitoecológicas (Tabela 11.2), Floresta Estacional Decidual, Floresta Ombrófila
Mista e Floresta Ombrófila Densa. Em nove das Unidades Amostrais analisadas, apenas um transecto
de 10 m continha necromassa. Nestes casos foi considerado um transecto “vazio” ou “sem necromassa”
e assumiu-se a média de duas linhas de 10 m, como nas demais Unidades Amostrais.
Tabela 11.2. Número de Unidades Amostrais com transectos medidos por região fitoecológica em Santa Catarina.
Table 11.2. Number of Sample Plots with transects measured by phytoecological region in Santa Catarina State.

Região fitoecológica Nº de Unidades Amostrais Nº de Transectos


Floresta Estacional Decidual 75 (total 78) 150
Floresta Ombrófila Mista 131 (total 143) 254
Floresta Ombrófila Densa 186 (total 197) 371
Restinga 3 6
Total 395 (total 421) 781

Precisão das estimativas

A precisão da amostragem foi avaliada com o erro amostral, como é feito para qualquer outro
método de amostragem, e considerou-se um nível de probabilidade de 95%. A fórmula do erro amostral
é dada por:

onde:

= erro padrão da média, s = desvio padrão e n = número de unidades amostrais;

= volume médio de necromassa das Unidades Amostrais;

t = valor de t da Tabela de Student para (n-1) graus de liberdade e nível de probabilidade de 95% (α =
0,05).

221
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Normalmente, o valor desejável é de até 10% para o erro amostral, no entanto, assumiu-se que
para estimativa de necromassa poderia ser admissível até 15%, devido à maior heterogeneidade da
variável analisada.

11.3 Resultados e discussão

Volume de necromassa

Os resultados das medições dos transectos indicam que, em média, existem entre 22,13
m .ha e 29,3 m3.ha-1 de necromassa, na Floresta Ombrófila Densa e na Floresta Ombrófila Mista,
3 -1

respectivamente. Não há, no entanto, diferença significativa entre as médias dos valores nas três regiões
fitoecológicas para α=0,05 (ANOVA). Apenas a média do volume da necromassa na restinga (9,15
m3.ha-1) é significativamente diferente das demais. O erro amostral em percentagem destas médias
ficou acima do desejável, que seria em torno de 15%, devido à ocorrência esparsa de material com
diâmetro superior a 20 cm. Dos 395 conglomerados instalados, somente em 38 foi encontrado material
com diâmetro superior a 20 cm. Assim, visando apresentar estimativas mais precisas dos galhos e
fragmentos de menor diâmetro, calculou-se também o erro amostral referente, apenas, ao material
com diâmetro menor que 20 cm, que variou entre 13,1% e 21,6%, exceto na Restinga, onde as quatro
Unidades Amostrais instaladas apresentaram erro amostral muito alto (130,3%), fato normalmente
observado para poucas Unidades Amostrais (Tabela 11.3).

A composição do volume de necromassa por classe de decomposição (Tabela 11.4) indica que
em todas as regiões fitoecológicas, mais de 50% correspondem a material em decomposição avançada,
especialmente na Floresta Estacional Decidual com 70,8% (Figura 11.3). Cerca de 40% do volume, em
média, refere-se ao material em decomposição inicial e valores entre 3,3% e 5,7% referem-se a material
novo.
Tabela 11.3. Média de volume de necromassa, erro amostral e coeficiente de variação por região fitoecológica.
Table 11.3. Average volume of coarse woody debris, sampling error and coefficient of variation by phytoecological region.
Volume (m3.ha-1) Erro amostral Coef. variação
Região N° por classe de diâmetro (cm) (%) (%)
fito-ecológica de UA < 20 < 20
Total <5 5 a 10 10 a 20 ≥ 20 Total Total
cm cm
FED 75 23,71 7,15 3,16 4,12 9,28 52,47 21,62 228,63 94,18

FOM 131 29,31 5,31 5,27 7,56 11,17 25,76 16,36 149,06 94,65

FOD 186 22,13 7,01 4,89 5,65 4,57 17,17 13,12 118,90 90,87

Restinga 3 9,15 9,15 0 0 0 130,34 130,34 52,46 52,46

222
11 | Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em Santa Catarina

Tabela 11.4. Volume de necromassa por classe de decomposição. Classes de decomposição: 1 = material novo, presença
de ramos e textura de madeira intacta; 2 = material em decomposição inicial, resquícios de casca, sem ramos e madeira
firme e; 3 = material em decomposição avançada, sem casca, sem ramos e madeira em estado de decomposição com textura
esfarelenta.
Table 11.4. Volume of coarse woody debris by class of decomposition. Decomposition classes: 1 = new material, presence
of branches and wood texture intact, 2 = decaying material initial, traces of bark, without branches and solid wood and 3 =
decomposing material advanced, shelled, without branches and wood decaying crumbly texture.

Volume (m3.ha-1)

Classe de decomposição
Total
Região fitoecológica 1 2 3

Floresta Estacional Decidual 23,71 0,79 6,13 16,79


Floresta Ombrófila Mista 29,31 1,41 13,96 13,94
Floresta Ombrófila Densa 22,13 1,28 9,29 11,36
Restinga 9,15 0,00 4,04 5,11

Figura 11.3. Composição do volume de necromassa por classe de decomposição.


Figure 11.3. Composition of the volume of coarse woody debris by class of
decomposition.

Peso de necromassa

O peso seco de necromassa foi estimado em 8,2 Mg.ha-1 na Floresta Estacional Decidual, 12,2
Mg.ha na Floresta Ombrófila Mista, 9,3 Mg.ha-1 na Floresta Ombrófila Densa, e 3,3 Mg.ha-1 na Restinga
-1

(Tabela 11.5). Não há diferença significativa entre as médias dos valores nas três regiões fitoecológicas
para α=0,05 (ANOVA). Apenas a média do peso seco da necromassa na restinga é significativamente
diferente das demais. Não foi encontrada correlação (α=0,05) entre o peso da necromassa e o peso da
biomassa em pé, encontradas nos remanescentes amostrados, tampouco entre o peso da necromassa
e variáveis geoclimáticas (latitude, longitude, altitude, temperatura média anual) ou estruturais da
vegetação (número de árvores e área basal, número de espécies arbóreas, altura do dossel).

Do total do peso da necromassa, na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Decidual


mais de 30% estão concentrados na classe de diâmetro superior a 20 cm enquanto na Floresta Ombrófila
Densa, a distribuição é homogênea, com pouco mais de 20% de peso seco de necromassa em cada
classe de diâmetro (Figura 11.4).

223
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Tabela 11.5. Peso de Necromassa caída por classe de diâmetro e por região fitoecológica.
Table 11.5. Weight of coarse woody debris by diameter class and phytoecological region.

Necromassa (Mg.ha-1)

Região fitoecológica Classes de diâmetro (cm)


Total
<5 5 a 10 10 a 20 ≥ 20

Floresta Estacional Decidual 8,2 2,6 1,4 1,4 2,9

Floresta Ombrófila Mista 12,2 1,9 2,4 3,2 4,7

Floresta Ombrófila Densa 9,3 2,5 2,2 2,4 2,2

Restinga 3,3 3,3 0,0 0,0 0,0

Figura 11.4. Composição do peso de necromassa por classe de diâmetro.


Figure 11.4. Composition of coarse woody debris weight by diameter class.

A maioria das avaliações de necromassa, apresentadas em estudos de ciclagem de nutrientes,


não considera o acúmulo de material com diâmetro superior a 10 cm (Britez et al. 2006), o que no
presente estudo representou, em média, 87% do peso total de necromassa caída. Por isso, torna-se
inconsistente fazer comparativos com informações já publicadas, que mencionam resultados de
serapilheira acumulada de 3,2 a 6,6 Mg.ha-1.ano-1 em Floresta Ombrófila Densa ou 5,6 a 8,6 Mg.ha-1.ano-
1
em Floresta Estacional Semidecidual, ou 18,7 Mg.ha-1.ano-1 em Floresta Ombrófila Mista, conforme
resumo de resultados apresentado por Britez et al. (2006). Para ilustrar esta constatação, observam-se
na Figura 11.5 material lenhoso fino e troncos de árvores com diâmetro maior que 10 cm.

224
11 | Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em Santa Catarina

Figura 11.5. Exemplos de material medido na amostragem por transecto.


Figure 11.5. Examples of material measured in the sampling transect.

Estudos que consideram as árvores mortas e resíduos de material lenhoso caído no chão em
levantamentos de biomassa ainda são raros. Como exemplo pode ser citado, embora seja de um estudo
na Amazônia, o trabalho de Nascimento & Laurance (2006) que obtiveram valores de necromassa com
diâmetro superior a 10 cm entre 25,5 e 41,5 Mg.ha-1, e com diâmetro entre 2,5 e 9,9 cm, de 2,9 a 4,2
Mg.ha-1, em fragmentos de floresta e em floresta contínua em diferentes distâncias da borda. Nestas
áreas, o peso de biomassa de árvores vivas com diâmetro maior que 10 cm foi estimado de 311 a 327
Mg.ha-1 e para árvores com diâmetro menor que 10 cm, em 20,7 e 25,9 Mg.ha-1, entre as categorias de
tamanho de fragmento e floresta contínua.

A necromassa caída no chão representa entre 5,7% e 8,1% de toda biomassa produzida nas três
regiões fitoecológicas em Santa Catarina. Não foi constatada diferença significativa entre as médias dos
valores da relação entre necromassa e biomassa nas três regiões fitoecológicas para α=0,05 (ANOVA).
Ao incluir o percentual atribuído às árvores mortas em pé, a participação da biomassa morta passa a ser
de 10,1 a 12,8% sobre o total de biomassa (Tabela 11.6). Estes valores estão em conformidade com os
percentuais indicados por Brown (2002), que são entre 10 a 20% de toda a biomassa aérea em florestas
maduras, constituindo um importante componente dos ecossistemas florestais.

Nascimento & Laurance (2006) comentaram que as diferenças nas proporções de necromassa
caída com mais de 10 cm de diâmetro (responsável pelo maior percentual de material encontrado
neste estudo), e árvores mortas em pé entre locais, podem ser explicadas pelas diferenças na forma
predominante de mortalidade, que por sua vez pode estar relacionada às diferenças na topografia e
intensidades de vento.
Tabela 11.6. Percentual da necromassa caída no chão e de árvores mortas do total de biomassa em cada região fitoecológica.
Table 11.6. Percentage of coarse woody debris and dead trees in total biomass in each phytoecological region.
Proporção sobre a biomassa aérea
Região fitoecológica total por hectare (%)
Árvores mortas Necromassa caída Total
Floresta Estacional Decidual 6,5 5,7 12,2
Floresta Ombrófila Mista 4,6 8,1 12,8
Floresta Ombrófila Densa 3,5 6,6 10,1

225
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Carbono

O teor de carbono estimado para a necromassa caída no chão variou entre 1,6 Mg.ha-1 (Restinga)
e entre 3,9 e 5,8 Mg.ha-1 nas três regiões fitoecológicas (Tabela 11.7).
As referências disponíveis para um comparativo com os resultados obtidos neste trabalho
referem-se a levantamentos de serapilheira, que consideram o material fino depositado no chão da
floresta, que inclui além de material lenhoso fino, também folhas, em grande quantidade, flores e
sementes. Nesta miscelânea, não se incluem galhos com diâmetro maior que 10 cm nem árvores caídas.

Portanto, serapilheira e necromassa constituem abordagens diferentes com pouca coincidência


de materiais, mas ainda assim para efeito de referência: Caldeira et al. (2007) obtiveram 7,8 Mg.ha-1
de carbono de serapilheira para Floresta Ombrófila Mista Montana, no Paraná; Cunha et al. (2009)
obtiveram 8,5 e 8,8 Mg.ha-1 para Floresta Ombrófila Densa Montana, em duas áreas, no Rio de Janeiro.
Tabela 11.7. Quantidade de carbono na necromassa caída no chão e percentual estoque total de carbono na biomassa aérea
por região fitoecológica.
Table 11.7. Amount of carbon in coarse woody debris and percentage of total carbon stock by phytoecological region.
Carbono na Proporção sobre o estoque de carbono total por
Região fitoecológica Necromassa caída hectare (%)
(Mg.ha-1) Total
Árvores mortas Necromassa caída
Floresta Estacional Decidual 3,9 6,5 5,5 12,0
Floresta Ombrófila Mista 5,8 4,7 7,8 12,4
Floresta Ombrófila Densa 4,4 3,5 6,3 9,8
Restinga 1,6 - - -

12.4 Conclusões e Recomendações

A metodologia para quantificação da necromassa florestal requer pesquisas que permitam adotá-
la com maior segurança. Neste sentido, é recomendável a realização de pesquisas para a definição da
densidade básica da madeira por classe de decomposição, em cada região fitoecológica.

A necromassa caída no chão das florestas representa um percentual importante da biomassa


aérea (5,7 a 8,1%), devendo sempre ser considerada em inventários de carbono.

Neste estudo não foram identificados fatores que possam influenciar a quantidade de necromassa,
pois não foi encontrada nenhuma correlação significativa entre o peso da necromassa e variáveis
geoclimáticas ou estruturais da vegetação. Variáveis edáficas devem ser incluídas em futuros estudos
para elucidar os fatores que determinam a sua quantidade e para poder considerá-la na modelagem dos
estoques de biomassa e carbono em ecossistemas florestais. Por outro lado, é possível que a necromassa
de estoques de biomassa e de carbono caída no chão, como resultado de processos estocásticos, com
origem em eventos aleatórios, não foi adequadamente representada pela amostragem realizada no
presente estudo.

Agradecimento
Os autores agradecem à Dra. Rosana Clara Victoria Higa por sua importante contribuição nos
esclarecimentos sobre as diferenças de terminologia e de material considerado, entre necromassa e
serapilheira.

226
11 | Inventário da necromassa florestal caída no chão nos remanescentes florestais em Santa Catarina

Referências

Britez, R.M. de; Borgo, M.; Tiepolo, G.; Ferrettii, A.; Calmon, M.; Higa, R. 2006. Estoque e
incremento de carbono em florestas e povoamentos de espécies arbóreas com ênfase na Floresta
Atlântica do Sul do Brasil. Colombo. Embrapa Florestas.

Brown, S. 2002. Measuring carbon in forests: current status and future challenges. Environmental
Pollution 116: 363-372.

Caldeira, M.V.W.; Marques, R.; Soares, R.V.; Balbinot, R. 2007. Quantificação de Serapilheira
e de Nutrientes - Floresta Ombrófila Mista Montana - Paraná. Revista Acadêmica 5(2): 101-116.

Cunha, G. de M.; Gama-Rodrigues, A.C.; Gama-Rodrigues, E.F.; Velloso, A.C.X. 2009.


Biomassa e estoque de carbono e nutrientes em Florestas Montanas da Mata Atlântica na região norte
do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciência do Solo 33: 1175-1185.

Keller, M.; Palace, M; Asner, G.P.; Pereira Jr., R.; Silva, J.N.M. 2004. Coarse woody debris in
undisturbed and logged forests in the eastern Brazilian Amazon. Global Change Biology 10: 784–795.

Magnussen, S.; Reed, D. 2004. Carbon Content Estimation. In: Modeling for estimation and
monitoring. Knowledge Reference for National Forest Assessments. Rome: FAO – IUFRO. http://
www.fao.org/forestry/8758/(acesso em 19/9/2012).

Nascimento, H.M.; Laurance, W.F. 2006. Efeitos de área e de borda sobre a estrutura florestal
em fragmentos de floresta de terra-firme após 13-17 anos de isolamento. Acta Amazonica 36(2): 183-
192.

Schlesinger, W.H. 1997. Biogeochemistry: an analysis of global change. Amsterdam.


Academic Press.

SFB. 2012. Serviço Florestal Brasileiro. http://ifn.florestal.gov.br/images/stories/Link_


Documentos/f_5.pdf. (acesso: 25/06/2012).

Stokland, J.N. 2001. The coarse woody debris profile: an archive of recent forest history and an
important biodiversity indicator. Ecological Bulletins 49: 71-84.

Van Wagner, C.E. 1968. The line intersect method in forest fuel sampling. Forest Science 14:
20-26.

Van Wagner, C.E. 1982. Practical aspects of the line intersect method. Information Report
PI-X-12. Chalk River, Ontario, Canada: Canadian Forestry Service, 18 p.

Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Lingner, D.V.; Gasper, A.L. de; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30(64):291-302.

Woldendorp, G; Keenan, R.J.; Barry, S.; Spencer, R.D. 2004. Analysis of sampling methods for
coarse woody debris. Forest Ecology and Management 198: 133-148.

227
Diversidade e Conservação
dos Remanescentes Florestais
Capítulo 12

Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares


(Filo Glomeromycota) na Floresta Ombrófila Mista e Floresta
Estacional Decidual em Santa Catarina1

Species richness and frequency of arbuscular mycorrhizal fungi (Phylum Glomeromycota) in


Mixed Ombrophylous Forests and Seasonal Deciduous Forests in Santa Catarina

Karl Kemmelmeier2, Sidney Luiz Stürmer3

Resumo
Os ecossistemas florestais em Santa Catarina têm sido pouco estudados em relação à diversidade dos fungos
micorrízicos arbusculares (FMAs). O objetivo deste estudo foi determinar a riqueza específica e a frequência
de ocorrência destes fungos em áreas de Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional Decidual e região de
ecótono entre estas duas regiões fitoecológicas, dentro do âmbito do IFFSC. Amostras de solo (n = 103) foram
coletadas e os esporos extraídos via peneiragem úmida e gradiente de sacarose. Após montagem em lâmina, os
esporos foram identificados em nível de gênero e espécie. Um total de 55 espécies de FMAs, pertencentes a oito
famílias e 10 gêneros, foi registrado neste estudo. Para Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual,
41 e 30 espécies foram registradas, respectivamente, enquanto que 28 espécies foram registradas para o ecótono.
Glomus sp.1 e Glomus cf. ambisporum foram as espécies dominantes com frequência de ocorrência >50% em
toda a área de estudo. As famílias Glomeraceae e Acaulosporaceae foram as que apresentaram o maior número
de espécies e foram as mais frequentes nas áreas estudadas. Este estudo registrou pela primeira vez no Brasil
as espécies Pacispora franciscana e Pacispora cf. coralloidea e representa o primeiro estudo de ocorrência de
FMAs em Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina. Alguns morfotipos identificados apenas em nível de
gênero representam possíveis espécies novas para a ciência. A alta diversidade de espécies fúngicas encontrada
neste estudo reforça a importância dos ecossistemas florestais em Santa Catarina na preservação das espécies de
FMAs.

Abstract
Forest ecosystems in Santa Catarina have been scarcely surveyed for the diversity of arbuscular mycorrhizal
fungi (AMF). The aim of this study was to determine AMF species richness and frequency of occurrence in
areas occupied by Mixed Ombrophylous Forest and Seasonal Decidual Forest and a region of ecotone between
these two forests, within the scope of the IFFSC project. Soil samples (n = 103) were collected and AMF spores
recovered by wet sieving and sucrose gradient centrifugation. Spores were mounted in slides and identified at
the genus and species level. A total of 55 AMF species, belonging to 8 families and 10 genera were registered
in this study. For Floresta Ombrófila Mista and Seasonal Decidual Forest, 41 and 30 species were recovered,
respectively, while 28 species were registered for the ecotone. Glomus sp.1 and Glomus cf. ambisporum were
dominant species with frequency of occurrence >50% in all three forest areas. Families Glomeraceae and
Acaulosporaceae were represented by the higher number of species and were the most frequently recovered in
all areas. This study represents the first record in Brazil for Pacispora franciscana and Pacispora cf. coralloide;
it also representes the first study of AMF occurrence in Floresta Estacional Decidual in Santa Catarina. Some
morphotypes were identified only at the genus level and represent putatively new species for science. The high
diversity of fungal species found in this study strengthens the importance of forest ecosystem in Santa Catarina
for the conservation of AMF species.

1
Kemmelmeier, K.; Stürmer, S.L. 2012. Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota) na
Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner,
D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau.
Edifurb.
2
Acadêmico de Ciências Biológicas, Universidade Regional de Blumenau
3
Biólogo, Dr., Universidade Regional de Blumenau

229
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

12.1 Introdução

As espécies de plantas, nos mais variados ecossistemas que ocupam, estabelecem uma série
de associações simbióticas com fungos que podem variar de uma relação patogênica até uma relação
mutualista. Entre estas simbioses, destaca-se a associação micorrízica arbuscular, estabelecida por
cerca de 90% das plantas vasculares e determinado grupo de fungos do solo conhecidos como fungos
micorrízicos arbusculares (FMAs). Estes fungos pertencem ao Filo Glomeromycota (Schüßler et al.
2001) e até o presente momento, 232 espécies de FMAs têm sido descritas na literatura, pertencentes
a 18 gêneros e 11 famílias. Como exemplo de alguns gêneros, podemos citar Glomus, Rhizophagus,
Gigaspora, Scutellospora, Acaulospora, Paraglomus e Archaeospora.

O corpo vegetativo desses fungos se diferencia em arbúsculos, vesículas, células auxiliares,


hifas intra e extrarradiculares e esporos. Os arbúsculos são estruturas ramificadas que, estando em
contato com a membrana plasmática da célula vegetal, funciona na troca de nutrientes entre a planta
hospedeira e a célula fúngica (Smith & Read 2008). As vesículas são estruturas globosas que servem
como reservatórios de nutrientes para o fungo. As hifas fúngicas são importantes na aquisição e
translocação de nutrientes do solo para a planta, servindo também como propágulo para iniciar nova
colonização micorrízica. Os esporos assexuais - isolados ou em esporocarpos - servem para dispersão
e sobrevivência a curto prazo dos organismos e contêm a maioria da diversidade morfológica para a
classificação das espécies (Morton 1990).

Os FMAs são simbiontes obrigatórios, ou seja, eles completam seu ciclo de vida apenas quando
em associação com a raiz de uma planta hospedeira (Smith & Read 2008). A colonização da raiz
inicia com o crescimento de uma hifa originada da germinação de um esporo, de um pedaço de raiz
colonizada ou do micélio no solo, que penetra a epiderme radicular e se desenvolve no córtex da raiz,
onde diferenciam as vesículas, hifas intrarradiculares e arbúsculos. Uma vez colonizada a raiz, as hifas
crescem no solo rizosférico produzindo o micélio extrarradicular e os esporos (Smith & Read 2008).

Os FMAS beneficiam as plantas por aumentarem o crescimento vegetativo e o potencial


reprodutivo, além de aumentar a tolerância das plantas a estresses bióticos e abióticos (Smith & Read
2008). Esses benefícios são atribuídos principalmente ao aumento da absorção de fósforo pelas hifas
fúngicas além da zona de depleção de fósforo que ocorre na rizosfera. O aumento da absorção de
fósforo pelas plantas micorrizadas se deve à exploração de um volume maior de solo pelo micélio
fúngico e ao movimento mais rápido do fósforo dentro da hifa fúngica (Smith & Read 2008). Os
FMAS possuem um papel importante na agregação do substrato, facilitando assim o estabelecimento
da vegetação (Purin & Rillig 2007). A estabilização do substrato pelos FMASs ocorre pela ação física
agregadora do micélio, e pela secreção da proteína glomalina pelas hifas que funciona como um agente
agregador (Wright & Upadhyaya 1998). A essa simbiose também se tem atribuido um papel importante
na sobrevivência e reprodução das plantas (Koide et al. 1994), na sucessão em comunidades vegetais
(Allen & Allen 1988) e na manutenção da diversidade vegetal (Bever et al. 1996).

Alguns estudos têm caracterizado a diversidade e a ocorrência de FMAs em ecossistemas de


Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em condições naturais. Estudos de diversidade
de FMAs em Floresta Ombrófila Mista realizados em São Paulo por Moreira et al. (2003), Moreira et
al. (2006), Moreira et al. (2007a) e Moreira et al. (2007b) evidenciaram um total de 28 taxa de FMAs
identificados a nível de espécie, distribuídos em quatro famílias e seis gêneros. No Rio Grande do
Sul, ao compararem uma área de Floresta Ombrófila Mista com uma área de campo, Breuninger et al.
(1999) obtiveram na floresta uma riqueza de 13 espécies de FMAs distribuídas em quatro gêneros e três
famílias, comparativamente ao campo onde apenas seis espécies de FMAs distribuídas em dois gêneros
e duas famílias foram registradas. Zandavalli et al. (2008) encontraram 16 taxa de FMAs distribuídos
em cinco gêneros em área de reflorestamento de Araucaria e oito taxa distribuídos em dois gêneros

230
14 | Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina

para áreas de floresta de Araucaria nativa. Dos Santos & Carrenho (2011) e Carrenho & Gomes-
da-Costa (2011) avaliaram a diversidade de FMAs em remanescente florestal urbano pertencente à
Floresta Estacional Semidecidual no estado do Paraná. Dos Santos & Carrenho (2011) identificaram
50 espécies de FMAs em um remanescente florestal impactado, das quais 31 pertenceram ao gênero
Glomus. Neste estudo, a espécie Glomus macrocarpum foi a única espécie dominante com frequência
de 58,5%. Carrenho & Gomes-da-Costa (2011) registraram 18 espécies de FMAs em quatro gêneros
(Glomus, Acaulospora, Entrophospora, Scutellospora).

O objetivo deste estudo foi de avaliar a ocorrência de espécies de FMAs em áreas de Floresta
Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina, no âmbito do projeto do Inventário
Florístico Florestal de Santa Catarina.

12.2 Metodologia

12.2.1 Área de estudo e coleta de solo

Para o presente estudo foram coletadas amostras de solo provenientes de 103 Unidades
Amostrais do IFFSC, das quais 31 estão sob domínio da região fitoecológica Floresta Estacional
Decidual, 61 sob o domínio da Floresta Ombrófila Mista e 11 encontram-se em áreas de transição entre a
Floresta Estacional Decidual e Floresta Ombrófila Mista. Cada Unidade Amostral corresponde a quatro
subunidades de 1.000 m2 (20 m x 50 m) orientadas na direção dos quatro pontos cardeais (Norte, Sul,
Leste e Oeste) e distantes 30 m de um ponto central georreferenciado (Capítulo 2; Vibrans et al. 2010).
Para a análise da diversidade de FMAs, quatro subamostras de solo foram coletadas com um trado
(0-10 cm de profundidade) em cada Unidade Amostral, correspondendo a uma subamostra em cada
subunidade. As amostras de solos foram armazenadas em sacos plásticos devidamente identificados e
encaminhadas para o Laboratório de Micorrizas da Universidade Regional de Blumenau (FURB), onde
foram mantidas refrigeradas (4º C) até o processamento.

12.2.2 Extração dos esporos

De cada amostra de solo, uma alíquota de 100 ml foi utilizada para a extração dos esporos via
peneiragem úmida (Gerdemann & Nicolson 1963) seguida por centrifugação em gradiente de sacarose
(20% e 60%). Brevemente, os 100 ml de solo foram colocados em balde plástico com capacidade para
5 l e adicionado água de torneira. O solo foi agitado com bastão de vidro para trazer os esporos em
suspensão e esta passada sob duas peneiras sobrepostas com aberturas de 710 µm e 45 µm. O material
retido na peneira de 710 µm foi colocado em placa de Petri e inspecionado numa lupa. O material retido
na peneira de 45 µm foi colocada em tubos Falcon contendo o gradiente de sacarose e centrifugados
a 2000 rpm por 1 minuto. Após, o sobrenadante foi disposto novamente na peneira de 45 µm, lavados
em água corrente e depositado em placas de Petri. Os esporos foram coletados e fixados em lâminas
semipermanentes usando-se os reagentes PVLG (álcool polivinilico, ácido láctico e glicerol) e reagente
de Melzer (iodo, hidrato de cloral, iodeto de potássio e água). A identificação das espécies de FMA
foi baseada no tamanho, cor e forma dos esporos determinados sob microscópio estereoscópio e pela
análise das estruturas subcelulares dos esporos sob microscópio de luz, bem como por comparação
com o manual de Schenck & Perez (1990) e com a descrição das espécies nas páginas da International
Culture Collection of Arbuscular and Vesicular-Arbuscular Mycorrhizal Fungi (INVAM) (http://invam.
caf.wvu.edu) e Department of Plant Pathology, University of Agriculture em Szczecin, Polônia (http://
www.agro.ar.szczecin.pl/~jblaszkowski/).

231
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

12.2.3 Análise das comunidades

As comunidades de FMAs foram avaliadas quanto à riqueza de espécies e frequência de


ocorrência. A dominância das espécies, dos gêneros e das famílias fungicas foi dividida em quatro
classes de acordo com a frequência de ocorrência (F%) dos esporos, adotando parâmetros propostos
por Zhang et al. (2003). As espécies, gêneros e famílias de FMAs foram considerados dominante (F%
> 50%), muito comum (30% < F% ≤ 50%), comum (10% < F% ≤ 30%) e rara (F% ≤ 10%).

12.3 Resultados

Um total de 55 espécies de FMAs foi recuperado em todas as regiões fitoecológicas florestais


avaliadas, distribuídas em oito famílias e 10 gêneros, das quais 26 puderam ser identificadas em nível
de gênero apenas. Para a Floresta Ombrófila Mista foi registrada 41 espécies de FMAs, distribuídas em
sete gêneros, enquanto que para a Floresta Estacional Decidual foi recuperado um total de 30 espécies
de FMAs distribuídas em nove gêneros (Tabela 12.1). Na região de ecótono foram encontradas 28
espécies de FMAs distribuídas em seis gêneros (Tabela 12.1).

Para a Floresta Estacional Decidual, cinco espécies de fungos foram dominantes (frequência de
ocorrência > 50%), quais sejam, Glomus sp1, Glomus cf. ambisporum, Glomus, Acaulospora mellea
Spain & Schenck e Acaulospora scrobiculata, enquanto que para a Floresta Ombrófila Mista apenas
Glomus sp1 e Glomus cf. ambisporum foram dominantes (Tabela 12.1, Figuras 12.1 a 12.3). Na região
de ecótono, apenas três espécies foram dominantes, duas pertencentes a Glomus e duas a Acaulospora
(Tabela 12.1). Para Floresta Estacional Decidual apenas Glomus microcarpum e Glomus sp.4 foram
espécies muito comuns, com frequência de ocorrência de 48,4 e 38,3%, respectivamente. Glomus
microcarpum, Glomus sp.3, Acaulospora morrowiae, Acaulospora mellea, Acaulospora scrobiculata,
Acaulospora spinosa e Scutellospora sp.5 foram muito comuns nas áreas de transição entre as duas
regiões fitoecológicas, e Acaulospora sp.1 foi muito comum em Floresta Ombrófila Mista (Tabela
12.1, Figuras 12.1 a 12.3). A maioria das espécies na Floresta Estacional Decidual e na Floresta
Ombrófila Mista foi considerada rara com frequência de ocorrência < 10%. A família Glomeraceae
apresentou a maior riqueza específica em todas as formações florestais amostradas, seguida pela família
Acaulosporaceae e Gigasporaceae; as demais famílias foram representadas por uma ou duas espécies
em cada região fitoecológica.

As famílias Glomeraceae, Entrophosporaceae, Acaulosporaceae e Gigasporaceae foram


registradas em todas as regiões fitoecológicas florestais avaliadas (Tabelas 12.2). Pacisporaceae
e Ambisporaceae foram encontradas apenas em Floresta Estacional Decidual e região ecótono,
respectivamente. Glomeraceae e Acaulosporaceae foram dominantes em todas as regiões fitoecológicas
florestais, com frequência de ocorrência superior a 85%, enquanto que Gigasporaceae foi dominante na
Floresta Ombrófila Mista e muito comum nas demais regiões fitoecológicas florestais (Tabela 12.2).
A família Archaeosporaceae foi comum em Floresta Estacional Decidual, rara em Floresta Ombrófila
Mista e ausente na região de transição. As demais famílias apresentaram frequência de ocorrência
inferior a 10% para todas as formações avaliadas e foram consideradas raras (Tabela 12.2).

232
14 | Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina

Tabela 12.1. Frequência de ocorrência das espécies de fungos micorrízicos arbusculares em FED = Floresta Estacional
Decidual, FOM = Floresta Ombrófila Mista e ecótono FED/FOM em Santa Catarina.
Table 12.1. Frequency of occurrence of arbuscular mycorrhizal fungi species in FED = Seasonal Decidual Forest, FOM =
Mixed Ombrophylous Forest and FED/FOM ecotons in Santa Catarina.

Região Fietoecológica
Família / Espécie 
FED FED/FOM FOM
Paraglomeraceae
Paraglomus occultum (Walker) Morton & Redecker 6,5 9,1 -
Ambisporaceae
Ambispora leptoticha (Schenck & Smith) Morton & Redecker - 9,1 -
Archaeosporaceae
Archaeospora trappei (Ames & Linderman) 12,9 - 1,6
Glomeraceae
Funneliformis mosseae (Nicolson & Gerd.) Walker & Schuessler - - 3,3
Glomus cf. aggregatum Schenck & Smith 29,0 27,3 -
Glomus cf. ambisporum Smith & Schenck 54,8 81,8 72,1
Glomus coremioides (Berk. & Broome) Redecker & Morton 19,4 9,1 1,6
Glomus fasciculatum (Thaxt) Gerdemann &Trappe 3,2 27,3 8,2
Glomus fuegianum (Speg.) Trappe & Gerd - - 3,3
Glomus microcarpum Tulasne & Tulasne 48,4 36,4 1,6
Glomus sinuosum (Gerd. & Bakshi) Almeida & Schenck 54,8 18,2 -
Glomus spinuliferum Sieverd. & Oehl 9,7 - -
Glomus taiwanensis (Wu & Chen) Almeida & Schenck 16,1 27,3 -
Glomus sp.1 83,9 90,9 86,9
Glomus sp.2 - 9,1 -
Glomus sp.3 22,6 36,4 19,7
Glomus sp.4 32,3 9,1 22,9
Glomus sp.5 3,2 9,1 -
Glomus sp.6 9,7 - -
Glomus sp.7 - 9,1 4,9
Glomus sp.8 - 9,1 -
Glomus sp.9 - - 4,9
Glomus sp.10 - - 4,9
Glomus sp.11 - - 1,6
Glomus sp.12 - - 1,6
Glomus sp.13 - - 3,3
Glomus sp.14 - - 1,6
Glomus sp.15 - - 1,6

233
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Região Fietoecológica
Família / Espécie 
FED FED/FOM FOM
Glomus sp.16 - - 1,6
Entrophosporaceae
Entrophospora infrequens (Hall) Ames & Schneider 6,5 9,1 4,9
Acaulosporaceae
Acaulospora cavernata Błaszkowski - - 3,3
Acaulospora foveata Trappe & Janos - - 3,3
Acaulospora laevis Gerdemann &Trappe 6,5 18,2 8,2
Acaulospora mellea Spain & Schenck 51,6 54,6 27,9
Acaulospora morrowiae Spain & Schenck 25,8 36,4 9,8
Acaulospora paulinae Blaszkowski 6,5 36,4 27,9
Acaulospora scrobiculata Trappe 58,1 36,4 9,8
Acaulospora spinosa Walker &Trappe 32,3 45,5 6,6
Acaulospora tuberculata Janos & Trappe - 9,1 6,6
Acaulospora sp.1 19,4 9,1 49,2
Acaulospora sp.2 - - 8,2
Acaulospora sp.3 - - 3,3
Acaulospora sp.4 - - 11,5
Pacisporaceae
Pacispora cf. coralloidea Oehl & Sieverding 3,2 - -
Pacispora franciscana Oehl & Sieverd 3,2 - -
Gigasporaceae
Gigaspora cf. albida Schenck & Smith 12,9 - 6,6
Gigaspora cf. decipiens Hall & Abbott 25,8 - 8,2
Racocetra verrucosa (Koske & Walker) Oehl et al. - - 6,6
Scutellospora pelucida (Nicol. & Schenck) Walker & Sanders 6,5 - 3,3
Scutellospora sp.1 - - 13,1
Scutellospora sp.2 3,2 - -
Scutellospora sp.3 - - 1,6
Scutellospora sp.4 - 18,2 27,9
Scutellospora sp.5 3,2 36,4 14,8
Scutellospora sp.6 - 9,1 -

234
14 | Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina

Tabela 12.2. Frequência de ocorrência das famílias e gêneros de fungos micorrízicos arbusculares em FED = Floresta
Estacional Decidual, FOM = Floresta Ombrófila Mista e ecótono FED/FOM em Santa Catarina.
Table 12.2. Frequency of occurrence of families and genera of arbuscular mycorrhizal fungi in FED = Seasonal Decidual
Forest, FOM = Mixed Ombrophylous Forest and FED/FOM ecotons in Santa Catarina.

Região fitoecológica
Ordem/Família/Gênero
FED FED/FOM FOM
Paraglomerales
Paraglomeraceae 6,5 9,1 -
Paraglomus 6,5 9,1 -
Archaeosporales
Ambisporaceae - 9,1 -
Ambispora - 9,1 -
Archaeosporaceae 12,9 - 1,6
Archaeospora 12,9 - 1,6
Glomerales
Glomeraceae 100,0 100,0 98,4
Funneliformis - - 3,3
Glomus 100,0 100,0 98,4
Diversisporales
Entrophosporaceae 6,5 9,1 4,9
Entrophospora 6,5 9,1 4,9
Acaulosporaceae 90,3 90,9 86,9
Acaulospora 90,3 90,9 86,9
Pacisporaceae 6,5 - -
Pacispora 6,5 - -
Gigasporaceae 45,2 45,5 52,5
Gigaspora 38,7 - 14,8
Racocetra - - 6,6
Scutellospora 12,9 45,5 40,9

235
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 12.1. Esporos das espécies de FMAs encontradas nas áreas de Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional
Decidual e ecótono Floresta Ombrófila Mista/Floresta Estacional Decidual. a) Glomus sp1; b) Glomus cf. ambisporum; c)
Glomus spinuliferum; d) Glomus sp4; e) Glomus microcarpum; f) Glomus fuegianum.
Figure 12.1. Spores of AMF species recovered in areas of Mixed Ombrophylous Forest, Seasonal Deciduous Forest, and
ecotone of Mixed Ombrophylous Forest/Seasonal Deciduous Forest. a) Glomus sp1; b) Glomus cf. ambisporum; c) Glomus
spinuliferum; d) Glomus sp4; e) Glomus microcarpum; f) Glomus fuegianum.

236
14 | Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina

Figura 12.2. Esporos das espécies de FMAs encontradas nas áreas de Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional
Decidual e ecótono Floresta Ombrófila Mista/Floresta Estacional Decidual. a) Glomus coremioides; b) Glomus taiwanensis;
c) Acaulospora mellea; d) Acaulospora scrobiculata; e) Acaulospora spinosa; f) Acaulospora morrowiae.
Figure 12.2. Spores of AMF species recovered in areas of Mixed Ombrophylous Forest, Seasonal Deciduous Forest, and
ecotone of Mixed Ombrophylous Forest/Seasonal Deciduous Forest. a) Glomus coremioides; b) Glomus taiwanensis; c)
Acaulospora mellea; d) Acaulospora scrobiculata; e) Acaulospora spinosa; f) Acaulospora morrowiae.

237
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 12.3. Esporos das espécies de FMAs encontradas nas áreas de Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional
Decidual e ecótono Floresta Ombrófila Mista/Floresta Estacional Decidual. a) Acaulospora sp.1; b) Pacispora franciscana;
c) Pacispora coralloidea; d) Detalhe da ornamentação de Pacispora coralloidea; e) Scutellospora sp.5; f) Gigaspora albida.
Figure 12.3. Spores of AMF species recovered in areas of Mixed Ombrophylous Forest, Seasonal Deciduous Forest, and
ecotone of Mixed Ombrophylous Forest/Seasonal Deciduous Forest. a) Acaulospora sp.1; b) Pacispora franciscana; c)
Pacispora coralloidea; d) Detalhe da ornamentação de Pacispora coralloidea; e) Scutellospora sp.5; f) Gigaspora albida.

12.4 Discussão

Este estudo representa o primeiro registro de ocorrência de FMAs para a região fitoecológica
ocupada pela Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina. A riqueza específica de FMAs encontrada
neste estudo (55 espécies), das quais 30 ocorreram na Floresta Estacional Decidual, 28 em Floresta
Estacional Decidual/Floresta Ombrófila Mista e 41 em Floresta Ombrófila Mista, foi semelhante à
encontrada em outros estudos realizados no bioma Mata Atlântica. Estudos realizados em ecossistemas
florestais sob domínio da Floresta Ombrófila Mista, a riqueza específica de FMAs variou de 23
(Zandavalli et al. 2008) a 27 espécies (Moreira et al. 2007a), e em estudos realizados sob domínio da
Floresta Estacional Semidecidual, a riqueza variou de 18 (Carrenho & Gomes-da-Costa 2011) a 50
espécies (dos Santos & Carrenho 2011).

238
14 | Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina

Em alguns estudos realizados em Floresta Estacional Semidecidual, a família Glomeraceae


tem apresentado maior riqueza específica, seguida por Acaulosporaceae e Gigasporaceae (Carrenho
& Gomes-da-Costa 2011; dos Santos & Carrenho 2011), enquanto que em Floresta Ombrófila Mista a
maior riqueza geralmente é associada à Acaulosporaceae, seguida de Gigasporaceae ou Glomeraceae
(Breuninger et al. 2000; Moreira et al. 2007a; Moreira et al. 2007b; Moreira-Souza et al. 2003; Zandavalli
et al. 2008). Outros estudos realizados em ecossistemas florestais tropicais têm demonstrado que estas
famílias geralmente são mais ricas em espécies (Aidar et al. 2004; Carrenho et al. 2001; Picone 2000;
Silva et al. 2006; Stürmer & Siqueira 2011; Zhang et al. 2003). Neste estudo este padrão foi confirmado
visto que na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual e no ecótono destas as famílias
Glomeraceae e Acaulosporaceae foram as mais representativas em termos de número de espécies.

Dentre as espécies dominantes em todas as formações florestais amostradas, Glomus sp.1 não
pode ser identificada em nível de espécie, impossibilitando a comparação de sua ocorrência com outros
estudos na literatura. Os esporos desta espécie têm uma estrutura de parede do esporo relativamente
simples, formada por uma camada externa evanescente e uma camada interna laminada, com esporos
de forma globosa a bastonete. Outra espécie dominante neste estudo, Glomus cf. ambisporum, teve
ocorrência registrada na da Floresta Ombrófila Mista no Rio Grande do Sul (Zandavalli et al. 2008),
em remanescente de Floresta Estacional Decidual no Paraná (dos Santos & Carrenho 2011) e em dois
ecossistemas do Bioma Amazônia, como espécie rara em um sistema de cultivo e espécie comum em
uma floresta secundária jovem (Stürmer & Siqueira 2011).

Dentre todas as espécies de fungos micorrízicos arbusculares identificadas em nível de espécie


neste estudo, apenas Pacispora franciscana e Pacispora cf. coralloidea não tiveram ocorrência
registrada em ecossistemas pertencentes ao bioma Mata Atlântica e representa o primeiro registro destas
espécies para o Brasil. Pacispora franciscana foi registrada na Itália e Suíça e Pacispora cf. coralloidea
registrada na Suíça (Oehl & Sieverding 2004). Importante salientar que estas duas espécies foram
encontradas somente em amostras da Floresta Estacional Decidual neste estudo, região fitoecológica
que em Santa Catarina está reduzida a 16% da cobertura original (Vibrans et al. 2013; Capítulo 3). Das
55 espécies de FMAs identificadas na presente comunidade, 26 não puderam ser identificadas a nível
específico, corroborando com a urgente necessidade de realização do levantamento de comunidades de
FMAs em ecossistemas ameaçados como o da Mata Atlântica, devido a este abrigar espécies de FMAs
ainda não descritas para a ciência.

Agradecimentos

Karl Kemmelmeier agradece pela bolsa de Iniciação Científica do programa PIBIC/CNPq


e Sidney L. Stürmer agradece ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico
(CNPq) pela bolsa de Produtividade em Pesquisa (PQ Processo 302667/2009-1).

239
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Referências

Aidar, M.P.M.; Carrenho, R.; Joly, C.A. 2004. Aspects of arbuscular mycorrhizal fungi in an
Atlantic Forest chronosequence in Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR), SP. Biota
Neotropica 4: 1-15.

Allen, E.B.; M.F. Allen. 1988. Facilitation of sucession by the nonmycotrophic coloniser Salsola
kali (Chenopodiaceae) on a harsh site: effects of mycorrhizal fungi. American Journal of Botany 75:
257-266.

Bever, J.D.; Morton, J.B.; Antonovics, J.; Schultz, P.A. 1996. Host-dependent sporulation and
species diversity of arbuscular mycorrhizal fungi in a mown grassland. Journal of Ecology 84: 71-82.

Breuninger, M.; Eining, W.; Magel, E.; Cardoso, E.; Hampp, R. 2000. Mycorriha of Brazil Pine
(Araucaria angustifolia [Bert. O. Ktze.]). Plant Biology 2: 4-10.

Carrenho, R.; Trufem, S.F.B.; Bononi, V.L.R. 2001. Fungos micorrízicos arbusculares em
rizosfera de três espécies de fitobiontes instaladas em áreas de Mata Ciliar revegetada. Acta Botanica
Brasilica 15(1): 115-124.

Carrenho. R.; Gomes-da-Costa, S.M. 2011. Environmental degradation impact on native


communities of arbuscular mycorrhizal fungi in an urban fragment of semideciduous plateau forest.
Acta Botanica Brasilica 25(2): 373-379.

Gerdemann, J.W.; Nicolson, T.H. 1963. Spores of mycorrhizal Endogone species extracted
from soil by wet sieving and decanting. Transactions of the British Mycological Society 46: 235-244.

Koide, R.; Shumway, D.L.; Mabon, S.A. 1994. Mycorrhizal fungi and reproduction of field
populations of Abutilon theophrasti Medic. (Malvaceae). New Phytologist 126: 123-130.

Moreira, M.; Baretta, D.; Tsai, S.M.; Cardoso, E.J.B.N. 2006. Spore density and root colonization
by arbuscular mycorrhizal fungi in preserved or disturbed Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze.
ecosystems. Scientia Agricola 63: 380-385.

Moreira, M.; Baretta, D.; Tsai, S.M; Gomes-da-Costa, S.M.; Cardoso, E.J.B.N. 2007a.
Biodiversity and distribuition of arbuscular mycorrhizal fungi in Araucaria angustifolia (Bert) O. Ktze.
forest ecossystems. Scientia Agricola 64: 393-399.

Moreira, M.; Nogueira, M.A.; Tsai, S.M.; Gomes-da-Costa, S.M.; Cardoso, E.J.B.N. 2007b.
Sporulation and diversity of arbuscular mycorrizal fungi associated with Brazil Pine in the field and in
the greenhouse. Mycorrhiza 17: 519-526.

Moreira-Souza, M.; Trufem, S.F.B.; Gomes-da-Costa, S.M.; Cardoso, E.J.B.N. 2003. Arbuscular
Mycorrhizal fungi associated with Araucaria angustifolia (Bert) O. Ktze. Mycorrhiza 13: 211-215.

Morton, J.B. 1990. Evolutionary relationships among arbuscular mycorrhizal fungi in the
Endogonaceae. Mycologia 82:192-207.

Oehl F., Sieverding, E. 2004. Pacispora, a new vesicular arbuscular mycorrhizal fungal genus
in the Glomeromycetes. Journal of Applied Botany 78: 72-82.

Picone, C. 2000. Diversity and Abundance of Arbuscular-Mycorrhizal Fungus Spores in


Tropical Forest and Pasture. Biotropica 32: 734-750.

Purin, S.; Rillig, M. 2007. The arbuscular mycorrhizal fungal protein glomalin: limitations,
progress, and a new hypothesis for its function. Pedobiologia 51: 123-130

240
14 | Riqueza específica e frequência de fungos micorrízicos arbusculares (Filo Glomeromycota)
na Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina

Santos, F.E.F.; Carrenho. R. 2011. Diversidade de fungos micorrízicos arbusculares em


remanescente florestal impactado (Parque Cinqüentenário - Maringá, Paraná, Brasil). Acta Botanica
Brasilica 25(2): 508-516.

Schenck N.C; Perez Y. 1990. Manual for identification of VA mycorrhizal fungi. Gainsville.
Synergistic Publications.

Schüßler, A.; Schwarzott, D.; Walker, C. 2001 A new fungal phylum, the Glomeromycota:
phylogeny and evolution. Mycological Research 105: 1413-1421

Silva, C.F.; Pereira, M.G.; Silva, E.M.R.; Correia, M.E.F; Saggin-Júnior, O.J. 2006. Fungos
micorrízicos arbusculares em áreas no entorno do Parque Estadual da Serra do Mar em Ubatuba (SP).
Caatinga 19(1): 1-10.

Smith, S.E.; Read, D.J. 2008. Mycorrhizal Symbiosis. London. Academic Press.

Stürmer, S.L.; Siqueira, J.O. 2011. Species richness and spore abundance of arbuscular
mycorrhizal fungi across distinct land uses in Western Brazilian Amazon. Mycorrhiza 21: 255-267.

Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Lingner, D.V.; Gasper, A.L.; Sabbagh, S. 2010. Inventário
florístico florestal de Santa Catarina (IFFSC): aspectos metodológicos e operacionais. Pesquisa
Florestal Brasileira 30: 291-302.

Vibrans, A.C.; McRoberts, R.E.; Moser, P.; Nicoletti, A. (2013). Using satellite image-based
maps and ground inventory data to estimate the remaining Atlantic forest in the Brazilian state of Santa
Catarina. Remote Sensing of Environment 130: 87-95.

Wright, S.F; Upadhyaya, A. 1998. A survey of soils for aggregate stability and glomalin, a
glycoprotein produced by hyphae of arbuscular mycorrhizal fungi. Plant and Soil 198: 97-107.
Zandavalli, R.B.; Stürmer, S.L; Dillenburg, L.R. 2008. Species richness of arbuscular
mycorrhizal fungi in forests with Araucaria in Southern Brazil. Hoehnea 35: 63-68.

Zhang, Y.; Guo, L-D; Liu, R-J. 2003. Survey of arbuscular mycorrhizal in deforested and natural
Forest land in the subtropical region of Dujiangyan, southwest China. Plant and Soil 261: 257-263.

241
Capítulo 13
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Levantamento Socioambiental1

Social Environmental Assessment

Juliane Garcia Knapik Justen, Juarez José Vanni Muller, Luiz Toresan

Resumo
O Levantamento Socioambiental (LSA), um componente do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina
(IFFSC) teve como objetivo identificar as espécies de plantas nativas mais utilizadas de Santa Catarina, sua
importância e as percepções e valores que as pessoas atribuem em relação às nossas florestas. Para a pesquisa,
foi adotada a entrevista semiestruturada, orientada por um questionário aplicado individualmente junto a 777
proprietários de florestas nativas, agricultores e outros moradores que vivem nas comunidades próximas e no
entorno de pontos pré-selecionados através de um processo de amostragem sistemática, que cobriu todo Estado
de Santa Catarina. Também foram realizadas 130 entrevistas com pesquisadores, técnicos, empresários e pessoas
que detinham conhecimento sobre os usos das florestas catarinenses. No levantamento, foram identificadas 176
espécies nativas com uso madeireiro e 274 com uso não madeireiro, pertencentes a 96 famílias botânicas. A
principal categoria lembrada foi a de produtos alimentícios com o maior número de citações, já a de plantas
medicinais teve um maior número de espécies diferentes mencionadas, e a de energia maior porcentual de
usuários. Embora seja grande o número de espécies em uso pela população, o aproveitamento dos recursos
florestais nativos é restrito a apenas parte dos detentores de florestas e a importância econômica do recurso é
limitada. A maioria dos entrevistados teve facilidade em associar palavras aos termos “floresta” e “produtos da
floresta”, com um menor nível de familiaridade com os temas “manejo da floresta”, “serviços ambientais” e
“sequestro de carbono”. As populações que vivem no entorno dos fragmentos florestais reconhecem a importância
das florestas no fornecimento de serviços ambientais e são conscientes quanto à necessidade de preservar as
funções básicas da cobertura florestal.
Abstract
The Social Environmental Assessment (LSA), a component in the Santa Catarina’s Floristic and Forest Inventory
(IFFSC), was designed to identify the native plant species that are most commonly used, their importance,
as well as people’s perception on forests value. A semi-structured interview linked to a questionnaire was
administered individually to 777 native forest land owners, farmers and other residents living in communities
close or around pre-selected sampling locations which covered the whole state area. Additionally, 130 interviews
were ministered to researchers, technicians, business men and forestry experts. Through SEA we identified 176
wood-producing and 274 non wood-producing native species in use in Santa Catarina, belonging to 96 different
botanic families. Among the responses, the forest related food products group presented the highest number of
citations. The group of medicinal plants, in its turn, had the largest number of species mentioned, while the group
of energy related species had the highest percentage of users. Among LSA respondents, the vast majority easily
associated words related to the terms “forest” and “forest products”, but showed a rather low level of familiarity
with terms like “forest management”, “environmental services” and “carbon sequestration”. Nevertheless, LSA
results indicate that populations living on the skirts of the forest remnants are aware of the importance of the
environmental services linked to forests and the necessity to keep forests preserved to maintain its functions for
society.

1
Justen, J.G.K.; Müller, J.J.V.; Toresan, L. 2012. Levantamento Socioambiental. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de;
Lingner, D.V. (eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade e conservação dos remanescentes florestais.
Blumenau. Edifurb.

243
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

13.1 Introdução

Muitos povos retiram produtos das florestas tanto para o consumo familiar quanto para a venda.
Em muitos casos, este é o único recurso disponível que determinada população rural tem ao seu alcance.
Na região Sul do Brasil, os agricultores familiares dependeram em grande medida das florestas nativas
em suas trajetórias de vida, tendo comercializado diversos produtos como Ilex paraguariensis (erva-
mate), Araucaria angustifolia (pinheiro-brasileiro), Euterpe edulis (palmiteiro) e, principalmente,
muitas madeiras (Reis 2006).

O conhecimento tradicional sobre o uso das plantas é vasto. Reis (2006) e Zuchiwschi et al.
(2010) mostraram que nas unidades agrícolas de produção familiar persiste o autoconsumo de espécies
florestais nativas para obtenção de lenha, para construção de residências e outras benfeitorias, pelo uso
alimentar de frutas nativas e pelo uso medicinal de diversas espécies. Contudo, em diversas comunidades
rurais ou suburbanas o uso de plantas silvestres está sofrendo um processo de abandono (Kinupp 2007).

Segundo Rapoport & Ladio (1999), diversos fatores socioecológicos contribuem para o
esquecimento dos recursos naturais. Dentre eles, destaca-se o fato de os hábitos em sociedades
tradicionais, antes transmitidos através de gerações, atualmente serem fortemente influenciados pelas
propagandas veiculadas na mídia, principalmente televisão, que transmitem a ideia de os produtos de
origem silvestre serem “coisas do passado” e de pessoas carentes. Para Grossman (1998), a melhoria
da renda das pessoas também tem modificado a intensidade de uso de recursos silvestres, devido à
facilidade de aquisição nos mercados de substitutos industrializados.

Fantini & Siminski (2007) também elencaram razões deste distanciamento e desinteresse dos
agricultores em usar e manter remanescentes florestais em suas propriedades, dentre elas destacam-se:
as legislações restritivas ao uso de recursos florestais nativos, a falta de alternativas ecologicamente
aceitas e o não reconhecimento dos serviços ambientais proporcionados pelos agricultores familiares,
por intermédio de suas florestas.

O Levantamento Socioambiental (LSA), uma das metas do Inventário Florístico Florestal de


Santa Catarina (IFFSC), teve por objetivo gerar informações sobre o uso dos recursos florestais nativos,
bem como conhecer a percepção das populações rurais em relação à existência, uso e conservação das
florestas. Segundo Barrera (1979), este tipo de estudo vai além da investigação botânica, uma vez que
seu foco se concentra em torno de um ponto fundamental que é o significado ou o valor cultural dos
elementos da flora, em determinada comunidade humana.

Este capítulo apresenta uma síntese deste levantamento, seus principais resultados, bem como
os aspectos socioculturais relevantes que podem ajudar na formulação de estratégias apropriadas para
a preservação, a conservação e o uso dos remanescentes florestais de Santa Catarina.

13.2 Metodologia

Para a caracterização socioambiental e cultural do uso dos recursos florestais nativos de Santa
Catarina, foi realizada uma pesquisa junto a proprietários de florestas nativas, agricultores e outros
moradores que vivem nas comunidades próximas e no entorno de fragmentos florestais.

Buscando abranger e representar todas as regiões do Estado de Santa Catarina, foi empregado
um processo de amostragem sistemática para definir os fragmentos florestais de cujo entorno os
moradores seriam alvo das entrevistas. Foi tomada por base a rede de pontos amostrais definida para
compor a amostra do levantamento de campo do IFFSC. Todo o ponto pertencente a uma grade de
20 x 20 km, que contasse com um remanescente florestal com área superior a 0,5 ha, foi selecionado
para que os moradores de seu entorno fossem entrevistados.

244
13 | Levantamento Socioambiental

Na região Oeste do Estado, pela pouca cobertura florestal remanescente, na ocorrência de um


fragmento florestal com área superior a 0,5 ha, localizado a uma distância de até 500 m da coordenada
correspondente à interseção das linhas que compõem a grade de 20 km x 20 km, este ponto foi incluído
como unidade amostral. A Figura 13.1 mostra, por mesorregião geográfica, a localização dos 123
pontos amostrais selecionados para o levantamento e o número de questionários aplicados.

Figura 13.1. Pontos amostrais e número de questionários aplicados no Levantamento Socioambiental (LSA) por
mesorregião em Santa Catarina.
Figure 13.1. Sample points and number of questionnaires by mesoregion applied by Social Environmental
Assessment in Santa Catarina.

A seleção das pessoas para responderem aos formulários com as questões da pesquisa foi
realizada por uma amostra intencional. No entorno de cada um dos pontos amostrais, num raio de até
três quilômetros a partir do ponto, foram entrevistadas de cinco a dez moradores, os mais próximos
do ponto, um por domicílio e somente se residiam na área rural. Para a seleção do entrevistado no
domicílio, procurou-se a mesma representatividade de gênero (50% de homens e 50% de mulheres).
O instrumento de pesquisa utilizado foi a entrevista semiestruturada, orientada por um
questionário aplicado individualmente aos moradores. As questões buscaram coletar informações
sobre as características dos entrevistados e de seus domicílios, o uso dos recursos florestais e as suas
percepções sobre a floresta e seus recursos.
Para facilitar a identificação das espécies citadas durante as entrevistas, com o emprego de
nomes populares de uso local, os entrevistadores utilizaram um guia contendo fotos de várias espécies
citadas na literatura de uso em Santa Catarina, as quais eram apresentadas para serem associadas ao
nome citado, sempre que dúvidas surgissem. Se persistissem dúvidas sobre a identificação de uma dada
espécie citada, material botânico desta foi coletado para posterior identificação botânica, com auxílio
da bibliografia disponível ou de especialistas. Foram excluídas das anotações as espécies consideradas
exóticas e/ou subespontâneas, que por ventura eram citadas.
Em complementação ao LSA, foram realizadas 130 entrevistas com um grupo de pessoas
denominadas “especialistas”, constituído por pesquisadores, técnicos e coletores de espécies vegetais
nativas, estabelecidos em todo território de Santa Catarina. Ao todo, foram entrevistados 99 homens e
31 mulheres.

245
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Para iniciar as entrevistas, partiu-se de uma lista de nomes de pessoas de Santa Catarina que
contribuíram com a pesquisa “Plantas para o Futuro” (Coradin et al. 2011), promovida pelo Ministério
do Meio Ambiente em 2004 e 2005. Com este grupo de pessoas, iniciou-se as entrevistas e, para
estender a lista de nomes de pessoas indicadas para falar sobre o tema e ampliar o conhecimento
disponível sobre o uso socioeconômico e cultural atual e potencial da flora nativa de SC, foi utilizado o
procedimento conhecido como método “bola de neve”. Ou seja, em cada uma das entrevistas realizadas
foi solicitado que o entrevistado indicasse novos nomes e contatos de pessoas que pudessem contribuir
com a pesquisa, na condição de entrevistados.
As entrevistas foram realizadas abordando questões que indicassem, na percepção dos
entrevistados, as espécies que possuíssem maior demanda e uso pela população da região em foco, os
tipos de ameaça/pressão a que as espécies estão sendo submetidas, bem como o potencial de uso as
tendências futuras para as espécies.

13.3 Resultados e discussão

13.3.1 Caracterização dos entrevistados


Foram entrevistadas 777 pessoas, dentre proprietários de florestas nativas, agricultores e outros
moradores que vivem nas comunidades próximas e no entorno dos 123 pontos amostrais selecionados.
Os informantes foram 513 homens e 264 mulheres, com idades entre 15 e 91 anos, prevalecendo as
faixas etárias acima de 40 anos, com mais de 70% das pessoas. A maioria dos entrevistados (58,7%)
cursou somente o ensino primário, sendo que 30% deles não chegaram a finalizar o Ensino Fundamental.
As famílias são compostas, em média, por 3,6 pessoas morando na unidade familiar e a maioria
expressiva delas possui renda mensal entre 500 e 2.000 reais, tendo em média 2,5 pessoas que recebem
remuneração. Apenas 8,4% dos entrevistados declararam gerar renda pela venda de recursos da floresta,
sendo que para 60% dessas pessoas esse recurso não chega a representar 10% da renda anual da família.
As vendas de pinhão e de erva-mate foram indicadas como as principais fontes de renda com produtos
florestais nativos.
A grande maioria dos entrevistados (87,6%) possui áreas de floresta sob sua responsabilidade,
sendo quase sempre proprietários das terras. As informações ambientais são acessadas principalmente
por intermédio da televisão e do rádio, e a internet é o recurso menos utilizado pelos entrevistados.
A quase totalidade dos domicílios (99,4%) tem água encanada proveniente sobretudo de nascentes
(69,6%). Poucos entrevistados declararam possuir cisternas em suas propriedades e praticamente não é
feito uso da energia solar para aquecimento de água nos domicílios.

13.3.2 Usos dos recursos florestais nativos pelos moradores próximos às florestas

A pesquisa contabilizou um total de 328 espécies da flora nativa de Santa Catarina em uso
pela população. Além deste conjunto de espécies, foram mencionadas mais 15 plantas identificadas
apenas em nível de gênero, 11 unicamente pela família e 25 apenas pelo nome popular. As espécies
identificadas pertencem a 96 famílias botânicas, com destaque para Fabaceae (37 espécies), seguida de
Myrtaceae (33 espécies) e Lauraceae (24 espécies). Do total de espécies identificadas, 176 possuem
uso madeireiro e 274 uso não-madeireiro. Apenas 22,6% das espécies foram citadas tanto para uso
madeireiro quanto não-madeireiro.
Do total de entrevistados, apenas 15% declararam não fazer uso nem esporádico de plantas e
produtos da flora nativa. Os que utilizam, mencionaram, em média, 4,3 espécies em uso e mais de 20%
dos entrevistados apontaram o uso de mais de dez espécies pela família. Em uma entrevista realizada
no município de Concórdia, 33 espécies foram mencionadas, sendo, a maioria, para aproveitamento da

246
13 | Levantamento Socioambiental

madeira. Na literatura, há relatos de casos de até 150 citações de uso por um só informante (Ming &
Amaral Junior 1995).
Dentre as trinta espécies mais citadas, quinze foram para uso alimentício, oito para uso medicinal
e sete para uso madeireiro (para construção e/ou fins energéticos). A araucária foi a espécie mais citada,
lembrada por 27,7% das pessoas entrevistadas, com diversos tipos de usos: madeireiro, energético,
medicinal e, principalmente, alimentício com o pinhão. Outras espécies também foram citadas como
sendo aproveitas para mais de uma finalidade, com destaque para a guabiroba, a pitanga, o angico e o
tarumã. Na Tabela 13.1, são apresentadas as trinta espécies que obtiveram o maior número de citações
com seus respectivos usos.
Tabela 13.1. Espécies nativas mais utilizadas pelos moradores do entorno de florestas de Santa Catarina, seus nomes
populares, número de citações e tipos de uso. Mad.Ser. = madeira serrada, Mad.Rol. = madeira roliça, Ene. = energia, Med.
= medicinal, Ali. = alimentação, Orn. = ornamental.
Table 13.1. Santa Catarina’s native species most used, their popular names, number of citations and types of use according
to the interviewed forest surrounding land residents. Mad.Ser. = sawnwood, Mad.Rol. = roundwood, Ene. = energy, Med. =
medical, Ali. = food, Orn. = ornamental.
Nome Científico Etnoespécie Citações Usos / Citações por uso
Araucaria angustifolia araucária 215 Ali.(207), Ene.(31), Mad.Ser.(14), Mad.Rol.(3), Med.(1), Orn.(1)
Campomanesia xanthocarpa guabiroba 205 Ali.(190), Ene.(25), Med.(19), Mad.Rol.(3), Mad.Ser.(2), Orn.(1)
Aristolochia triangularis cipó-mil-homens 189 Med.(189)
Eugenia uniflora pitanga 170 Ali.(165), Med.(25), Ene.(2), Orn.(2), Mad.Rol.(1)
Mimosa scabrella bracatinga 150 Ene.(150), Mad.Rol.(12), Mad.Ser.(4)
Maytenus sp. espinheira-santa 128 Med.(128)
Eugenia involucrata cereja 124 Ali.(123), Ene.(3), Med.(3), Orn.(1)
Annona sp. araticum 115 Ali.(115), Med.(2), Ene.(1)
Parapiptadenia rigida angico 107 Ene.(72), Mad.Rol.(43), Med.(31), Mad.Ser.(1)
Ilex paraguariensis erva-mate 84 Ali.(84), Med.(7), Ene.(1)
Plinia trunciflora jabuticaba 78 Ali.(77), Med.(2)
Ocotea sp. canela 74 Ene.(60), Mad.Rol.(17), Mad.Ser.(5), Med.(1)
Inga sp. ingá 68 Ali.(60), Ene.(9), Mad. Rol.(2), Med.(1)
Garcinia gardnerian bacupari 67 Ali.(63), Med.(10), Ene.(1)
Acca sellowiana goiaba-serrana 66 Ali.(64), Med.(16), Ene.(1)
Eugenia pyriformis uvaia 63 Ali.(62), Ene.(1), Med.(1), Orn.(1)
Euterpe edulis palmiteiro 58 Ali.(56), Ene.(1), Orn(1)
Myrcianthes pungens guabiju 57 Ali.(55), Orn.(3), Ene.(2), Med.(2)
Rubus brasiliensis amora-preta 56 Ali.(47), Med.(9)
Vitex megapotamica tarumã 53 Mad.Rol.(29), Med.(20), Ene.(6), Ali.(6), Mad.Ser.(1)
Ocotea porosa imbuia 48 Mad.Rol.(43), Ene.(12), Mad.Ser.(2)
Picrasma crenata pau-amargo 47 Med.(47), Mad.Rol.(1), Ene.(1)
Achyrocline satureioides marcela-do-campo 44 Med.(44)
Piptocarpha angustifolia vassourão-branco 43 Ene.(41), Mad.Rol.(5), Mad.Ser.(1)
Baccharis sp. carqueja 40 Med.(40)
Psidium cattleianum araçá 38 Ali.(31), Med.(5), Ene.(4), Orn.(1)
Bauhinia forficata pata-de-vaca 37 Med.(37)
Cupania vernalis camboatá 37 Ene.(28), Med.(9), Mad.Rol.(2)
Miconia cinnamomifolia jacatirão 36 Ene.(32), Mad.Rol.(15), Mad.Ser.(1)
Campomanesia guazumifolia sete-capotes 36 Ali.(26), Med.(15), Ene.(2)

247
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Considerando as diversas categorias de uso das espécies, destacam-se o aproveitamento


alimentício, com um total de 1.748 citações, o uso medicinal, pelo maior número de espécies diferentes
mencionadas, e o uso para energia, com o maior percentual de entrevistados que declararam utilizar
espécies nativas para este fim (Figura 13.2).

Figura 13.2. Número de citações, número de espécies nativas declaradas em uso pelos 777 entrevistados e porcentagem de
usuários de acordo com as categorias de uso.
Figure 13.2. Number of citations, number of native species acknowledged in use by the 777 interviews and user’s percentages
according to the use categories considered.

Das 87 espécies citadas para uso alimentício, as mais frequentemente utilizadas são a araucária
pelo uso do pinhão por 26,6% dos entrevistados, a guabiroba e a pitanga, com 24,5% e 21,2% das
pessoas entrevistadas, respectivamente, declarantes de fazerem uso de seus frutos.

Na região Serrana Catarinense, onde 48,2% dos entrevistados declararam utilizar o pinhão, a
semente da araucária tem significativa importância alimentar e econômica. Nesta região, a colheita
do pinhão é realizada, principalmente, por catadores familiares dos empregados das fazendas em
áreas liberadas para coleta. O produto é geralmente repassado para intermediários, que revendem para
atacadistas e varejistas da região e de outras regiões do estado. O pinhão é um produto de consumo
importante também para as populações das regiões Oeste Catarinense e Norte Catarinense.

Também estão entre as plantas fornecedoras de alimentos mais consumidos pelos entrevistados
a cereja (15,8%), o araticum (14,8%), a erva-mate (10,8%), a jabuticaba (9,9%), a goiaba-serrana
(8,2%), o bacupari (8,1%) e a uvaia (8,0%), cujo número de citações pode ser conferido na Figura 13.3.

248
13 | Levantamento Socioambiental

Figura 13.3. Espécies fornecedoras de produtos alimentícios mais citadas no Levantamento


Socioambiental.
Figure 13.3. Forest related food products most cited in the Social Environment Assessment.

O uso medicinal de espécies vegetais nativas de Santa Catarina foi indicado por 53% dos
entrevistados, com citação de muitas espécies, embora 106 espécies tenham sido mencionadas apenas
uma vez, dentre elas doze sem identificação. As cinco plantas medicinais mais citadas foram o cipó-
mil-homens (24,3%), a espinheira-santa (16,5%), o pau-amargo (6,0%), a macela-do-campo (5,7%)
e a carqueja (5,1%). O uso largamente disseminado do cipó-mil-homens, em Santa Catarina, para
fins medicinais é motivo de preocupação, tendo em vista que a planta contém o ácido aristolóchico,
considerado tumorogênico, além de a planta ser abortiva (Mengue et al. 2001).

O aproveitamento das espécies florestais nativas para produção de energia é prática de 73,5% das
famílias entrevistadas, tendo sido citadas 170 espécies utilizadas para este fim. A bracatinga e o angico
foram as espécies mais citadas como de uso energético (19,3% e 11,7% dos entrevistados do Estado,
respectivamente). Na região Serrana, 44% dos entrevistados utilizam regularmente lenha de bracatinga
no cotidiano doméstico e, na região Oeste Catarinense, 24,4% utilizam como fonte energética o angico.
O relato de venda de lenha ou de carvão foi baixíssimo, pois apenas 0,5% dos entrevistados afirmam
realizar venda de lenha.

O uso de espécies nativas para aproveitamento não energético da madeira quase se limita à
produção de palanques para construção e reparos de cercas no interior nas propriedades agrícolas. As
espécies mais comumente utilizadas para palanques são o angico (5,5%), a imbuia (5,5%) e o tarumã
(3,7%). Apenas 4% dos entrevistados utilizam as espécies nativas como madeira serrada ou roliça para
edificações. Para este fim, é mais frequente o uso da araucária, do cedro-rosa e canelas em geral.

Para uso ornamental e produção de artesanatos, as espécies nativas mais citadas foram o xaxim
com 27 citações, as orquídeas em geral com 22 citações, Butia sp. (butiá) citado 18 vezes, as bromélias
em geral e a Cyathea corcovadensis (samambaia-açu) com 16 citações cada.

A Tabela 13.2 mostra as trinta espécies mais citadas nas entrevistas pelos especialistas como de
uso corrente pela população de Santa Catarina ou com potencial de utilização, a frequência de citações
e seus principais usos. Destas trinta espécies mais lembradas, doze foram para uso madeireiro, 8 de uso
alimentício, 7 de uso medicinal e 3 de uso ornamental. Os especialistas mostraram uma tendência na

249
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

percepção do uso mais frequente de espécies madeireiras do que de fato foi constatado na pesquisa com
os moradores do entorno das áreas florestadas. Possivelmente, em vários casos, estavam se referindo
mais ao uso potencial da espécie madeireira do que de fato ocorre atualmente.
Tabela 13.2. Espécies nativas mais citadas pelos especialistas como de uso atual ou potencial em Santa Catarina, seus
nomes populares, número de citações e tipo de uso. Mad. = madeira, Ene. = energia, Med. = medicinal, Ali. = alimentação,
Orn. = ornamental, Fib. = fibra, Art. = artesanal, Aro. = aromática, Api. = apícola.
Table 13.2. Santa Catarina’s native species most cited by forest management experts as with current or potential use, their
popular names, number of citations and use type categories. Mad. = wood, Ene. = energy, Med. = medical, Ali. = food, Orn.
= ornamental, Fib. = fiber, Art. = handcraft, Aro. = aromatic, Api. = honey.
Nome Científico Etnoespécie Citações Usos / Citações por uso
Araucaria angustifolia araucária 48 Mad.(39), Ali.(38), Ene.(7), Orn.(2), Med.(1)
Euterpe edulis palmiteiro 44 Ali.(41), Orn.(5), Med.(3), Mad.(2)
Cedrela fissilis cedro-rosa 33 Mad.(33), Ene.(3), Med.(2), Orn.(2)
Mimosa scabrella bracatinga 33 Mad.(25), Api.(18), Med.(1), Orn.(1),
Ilex paraguariensis erva-mate 27 Ali.(26), Med.(5)
Maytenus sp. espinheira-santa 26 Med.(26)
Syagrus romanzoffiana jerivá 17 Orn.(14), Ali.(6), Med.(1)
Casearia sylvestris guaçatonga 15 Med.(15)
Ocotea porosa imbuia 15 Mad.(15), Ene. (2)
Miconia cinnamomifolia jacatirão 15 Mad.(11), Ene. (9)
Aristolochia triangularis cipó-mil-homens 15 Med.(14)
Campomanesia xanthocarpa guabiroba 13 Ali.(10), Ene.(5), Mad.(3), Med.(1), Api.(1)
Hieronyma alchorneoides licurana 13 Mad.(10), Ene.(8)
Aspidosperma parvifolium peroba 13 Mad.(13), Ene.(1), Orn.(1)
Cordia trichotoma louro-pardo 12 Mad.(12),
Dicksonia sellowiana xaxim 12 Orn.(12), Med.(1)
Ocotea odorifera sassafrás 12 Mad.(11), Aro.(6), Med.(1)
Ocotea catharinensis canela-preta 11 Mad.(10), Ene.(1)
Drimys brasiliensis cataia 10 Med.(9), Aro.(2), Orn.(1)
Eugenia uniflora pitanga 10 Ali.(9), Med.(4), Aro.(2), Orn.(1)
Baccharis crispa carqueja-amarga 10 Med.(10), Ali.(1)
Eugenia pyriformis uvaia 9 Ali.(9)
Nectandra lanceolata canela-amarela 9 Mad.(7), Ene.(4)
Piptocarpha angustifolia vassourão-branco 9 Mad.(8), Ene.(3)
Ocotea puberula canela-guaicá 8 Mad.(8)
Coutarea hexandra quina 8 Med.(8), Ali.(1)
Plinia trunciflora jabuticaba 8 Ali.(8), Med.(2), Orn.(1)
Handroanthus heptaphyllus ipé-roxo 8 Med.(7), Orn.(1)
Butia eriospatha butiá-da-serra 8 Orn.(8), Ali.(4), Fib.(1)
Acca sellowiana goiaba-serrana 7 Ali. (6), Orn. (4), Med. (2), Ene.(1), Art.(1)

250
13 | Levantamento Socioambiental

Diversas espécies foram citadas como sendo aproveitas para mais de uma finalidade, com
destaque para a araucária, o palmiteiro, a bracatinga e a guabiroba, indicadas para uso múltiplo por um
grande número de entrevistados.

A araucária foi a espécie mais citada, tendo sido lembrada por 37% dos entrevistados no grupo
dos especialistas. Seu uso é mencionado tanto para madeira quanto pelo aproveitamento comestível de
sua semente, o pinhão. Também teve especialista que destacou seu potencial como planta ornamental e
uso medicinal, mais especificamente para fabricação de cosméticos.

A segunda espécie mais citada foi o palmiteiro, lembrada por mais de uma terça parte dos
especialistas, indicando especialmente seu uso como alimento. Também foi bastante lembrada para uso
alimentício a erva-mate e a guabiroba.

Para uso madeireiro foram citadas com bastante frequência as espécies cedro-rosa, bracatinga,
imbuia e jacatirão.

Para uso medicinal as espécies mais citadas foram a espinheira-santa, a guaçatonga e o cipó-
mil-homens, enquanto o jerivá e o xaxim foram as mais lembradas como sendo usadas pela população
catarinense para fins ornamentais.

O cotejamento entre a relação das espécies mais utilizadas com base na pesquisa junto aos
moradores do entorno das parcelas e a relação formada com base nas entrevistas com especialistas mostra
uma grande similaridade: vinte espécies dentre as trinta espécies mais citadas pelos moradores constam
da lista das mais citadas pelos especialistas. Isto denota, de um modo geral, um bom conhecimento por
parte dos especialistas entrevistados quanto às espécies nativas que estão sendo usadas pela população
catarinense.

Entre estas duas fontes de informações pesquisadas, observam-se pequenas diferenças nas listas
das espécies indicadas como de uso mais comum pela população. Enquanto no grupo das espécies
de uso madeireiro os especialistas indicaram o cedro-rosa, a imbuia e a peroba como espécie de uso
comum, os moradores do entorno pouco citaram estas espécies como sendo usadas, mas indicaram
o angico e o tarumã como espécies madeireiras usadas com maior frequência pelos moradores em
suas áreas de ocorrência, especialmente como palanques de cerca. A pequena população existente de
imbuias, cedros-rosas e de perobas, certamente tem limitado o uso atual destas espécies. O relato de uso
destas espécies pode estar voltado muito mais á utilização de material caído na natureza bem como ao
reaproveitamento de madeira de casas e palanques antigos.

Também foi objetivo das entrevistas com especialistas, identificar as principais fontes e causas
de pressão sobre as plantas citadas, que poderiam comprometer o futuro das espécies. Nas respostas,
a sobre-exploração da espécie foi apontada por muitos entrevistados como fator de pressão sobre a
araucária, o palmiteiro, o cedro-rosa, a imbuia e a canela-preta. Para esse grupo de espécies e para a
bracatinga, também foram indicadas como fontes de ameaça ao futuro destas espécies o desmatamento
e a perda de seus hábitats naturais.

A legislação inapropriada foi indicada como prejudicial ao futuro da araucária e da bracatinga.


Em estudo anterior de Siminski & Fantini (2007), também foi constatado que os agricultores consideram
a legislação atual desfavorável a eles e suprimiriam as formações florestais de suas propriedades se
tivessem possibilidade de fazê-lo. Para o cedro-rosa, a erva-mate e a araucária, o manejo inadequado
utilizado atualmente foi citado como fonte de comprometimento das condições de sustentação do uso
destas espécies. Desse modo, constatou-se que para a araucária são apontadas diversas fontes de pressão
sobre a espécie que ameaçam seu futuro.

Esta pesquisa revelou que há um grande número de espécies mencionadas como em uso pelos
moradores, no entorno dos fragmentos florestais nativos, a exemplo do que foi destacado por Siminski

251
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

et al. (2011) que, em estudo realizado com 68 agricultores familiares em seis municípios, das três
regiões fitoecológicas de Santa Catarina, identificaram 85 espécies nativas de uso madeireiro, 69
medicinais, 28 alimentícias e 18 ornamentais. No entanto, de uma maneira geral, o uso dos recursos
florestais nativos de Santa Catarina está restrito a apenas uma parcela da população rural e a poucos
usos fortemente associados ao consumo doméstico das famílias.

13.3.3 Espécies indicadas como de uso potencial

Nas entrevistas com especialistas, buscou-se identificar as espécies com maior potencial de
uso futuro, segundo o conhecimento das pessoas entrevistadas e as perspectivas que vislumbravam
para as espécies citadas. A Tabela 13.3 contém as dez espécies elencadas pelos entrevistados como
promissoras para serem mais bem aproveitadas no futuro.
Tabela 13.3. Espécies nativas com potencial de uso futuro mais citadas pelos especialistas, seus nomes populares, número
de citações e tipo de potencial.
Table 13.3. Santa Catarina’s native species most cited by forest management experts as with future potential use, their
popular names, number of citations and type of potential.

Nome Científico Etnoespécie Citações Uso potencial / Citações por potencial

processamento da polpa do fruto (13), ampliação


da cadeia produtiva do palmito (6), plantios
Euterpe edulis palmiteiro 24
visando palmito (6), ornamentação (2), extração
de óleo essencial (1)
plantios visando madeira (8), desenvolver produtos
diferenciados a base de pinhão (7), aumentar
Araucaria angustifolia araucária 20 cadeia produtiva do pinhão (3), manejo de áreas
naturais visando madeira (2), expandir mercado
(2), indústria de cosméticos (1), ornamentação (1)
manejo de áreas naturais visando madeira (13),
Cedrela fissilis cedro-rosa 16 plantios em consórcio visando madeira (4),
melhoramento (2)
uso energético (7), uso múltiplo (6), processamento
Mimosa scabrella bracatinga 13 mecânico (3), plantios em consórcios (3), uso
apícola (2), confecção de pelets/MDF (1)
plantios visando madeira (10), plantios em
Cordia trichotoma louro-pardo 10
consórcio visando madeira (1)
ornamentação (7), processamento da polpa do
Syagrus romanzoffiana jerivá 7
fruto (1)
processamento da polpa do fruto (4), ornamentação
Acca sellowiana goiaba-serrana 5
(2), fitoterápicos (1), melhoramento (1)
plantios visando madeira (4), melhoramento (1),
Miconia cinnamomifolia jacatirão 5
uso energético (1)
aumentar cadeia produtiva da erva-mate (2), uso
Ilex paraguariensis erva-mate 5
múltiplo (2), fitoterápicos (1)

Varronia curassavica baliera 5 extração óleo essencial (3), cultivo (2)

O palmiteiro foi citado como espécie promissora para melhor aproveitamento econômico futuro
por 24% dos especialistas entrevistados. Os potenciais de aproveitamento mais lembrados foram o
processamento da polpa do fruto e, em menor grau, a produção do palmito, sendo fortemente indicada
para a possibilidade de plantio comercial da espécie.

252
13 | Levantamento Socioambiental

Outra espécie bastante destacada como promissora foi a araucária, com indicações para o plantio
comercial visando à produção de madeira e também à possibilidade de ampliação da cadeia produtiva
do pinhão e de desenvolvimento de produtos diferenciados, utilizando a semente como matéria-prima.
Também como fonte de produção de madeira, foram evidenciados os potenciais do cedro-rosa,
da bracatinga, do louro-pardo e do jacatirão. Para estas espécies, além da indicação do manejo em
áreas naturais, foram realçados os potenciais de plantios para produção de madeira serrada ou de uso
múltiplo, no caso da bracatinga. O plantio em consórcio foi bastante destacado.
O jerivá (ornamental), a goiaba-serrana (alimentícia), a erva-mate (uso múltiplo) e a balieira
(bioativa) complementam a lista das dez espécies da flora nativa catarinense mais citadas pelos seus
potencial de uso futuro.
A Tabela 13.4 contém uma relação de espécies citadas pelo seu uso atual, no levantamento
junto à população do entorno dos fragmentos florestais nativos de Santa Catarina e que foram indicadas
como espécies com potencial de uso pelos especialistas entrevistados, e também foram citados por
Coradin et al. (2011).
Tabela 13.4. Espécies nativas de Santa Catarina citadas como em uso no Levantamento Socioambiental e indicadas como de
uso potencial futuro pelos especialistas e constantes do trabalho de Coradin et al. (2011), seus nomes populares e indicações
de uso. Mad. = madeira; Med. = medicinal; Ali. = alimentício; Orn. = ornamental; Aro. = aromática; Fib. = fibra.
Table 13.4. Santa Catarina’s native species cited as in use in the Social Environment Assessment and tagged as with future
potential by forest management experts as well as cited by Coradin et al. (2011), their popular names, number of citations
and use type categories. Mad. = wood; Med. = medical; Ali. = food; Orn. = ornamental; Aro. = aromatic; Fib. = fiber.
Nome Científico Etnoespécie Uso Atual* Potencial** Plantas do Futuro***
Acca sellowiana goiaba-serrana Ali., Mad., Med. Ali., Med., Orn. Ali.
Butia eriospatha butiá-da-serra Ali. Ali., Orn. Ali.
Campomanesia xanthocarpa guabiroba Ali., Mad., Med., Orn. Ali. Ali.
Eugenia involucrata cereja Ali., Mad., Med., Orn. Ali., Orn. Ali.
Eugenia pyriformis uvaia Ali., Mad., Med., Orn. Ali. Ali.
Euterpe edulis palmiteiro Ali., Mad., Orn. Ali., Orn. Ali.
Psidium cattleianum araçá Ali., Mad., Med., Orn. Ali. Ali.
Butia catharinensis butiá-da-praia Ali., Mad. Ali., Orn. Ali., Fib.
Araucaria angustifolia araucária Ali., Mad., Med., Orn. Ali., Bio., Mad., Orn. Ali., Mad.
Eugenia uniflora pitanga Ali., Mad., Med., Orn. Ali., Aro. Ali., Med.
Schinus terebinthifolius aroeira-vermelha Aro., Mad., Med. Aro. Aro.
Apuleia leiocarpa grápia Mad. Mad. Mad.
Ateleia glazioveana timbó Mad. Mad. Mad.
Balfourodendron riedelianum pau-marfim Mad. Mad. Mad.
Cabralea canjerana canjerana Mad., Med. Mad. Mad.
Cedrela fissilis cedro-rosa Mad., Med., Orn. Mad. Mad.
Colubrina glandulosa sucurujuva Mad. Mad. Mad.
Cordia trichotoma louro-pardo Mad. Mad. Mad.
Handroanthus heptaphyllus ipé-roxo Med., Orn. Med. Mad.
Hieronyma alchorneoides licurana Mad. Mad. Mad.
Miconia cinnamomifolia jacatirão Mad. Mad. Mad.
Nectandra lanceolata canela-amarela Mad., Med. Mad. Mad.
Ocotea puberula canela-guaicá Mad. Mad. Mad.
Parapiptadenia rigida angico Mad., Med. Mad. Mad.
Peltophorum dubium canafístula Mad., Med. Mad. Mad.
Piptocarpha angustifolia vassourão-branco Mad. Mad. Mad.

253
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Nome Científico Etnoespécie Uso Atual* Potencial** Plantas do Futuro***


Schizolobium parahyba guarapuvú Mad. Orn. Mad.
Virola bicuhyba bicuíba Mad., Med. Mad. Mad.
Mimosa scabrella bracatinga Mad. Api., Mad. Mad., Med.
Achyrocline satureioides marcela-do-campo Med. Med. Med.
Bauhinia forficata pata-de-vaca Med. Med. Med.
Bromelia antiacantha gravatá Orn. Orn. Med.
Casearia sylvestris guaçatonga Mad., Med. Med. Med.
Croton celtidifolius sangue-de-drago Med. Med. Med.
Drimys brasiliensis cataia Ali., Mad., Med. Aro., Med., Orn. Med.
Echinodorus grandiflorus chapéu-de-couro Med. Med. Med.
Ilex paraguariensis erva-mate Ali., Mad., Med. Ali., Med. Med.
Mikania glomerata guaco-de-botica Med. Med. Med.
Sambucus australis sabugueiro Med. Med. Med.
Varronia curassavica baliera Med. Med. Med.
Calliandra foliolosa cabelo-de-anjo Orn. Orn. Orn.
Jacaranda puberula carobinha Med. Med., Orn. Orn.
Pyrostegia venusta cipó-são-joão Fib., Med., Orn. Orn. Orn.
Syagrus romanzoffiana jerivá Ali., Med., Orn. Ali., Orn. Orn.
* uso atual segundo entrevistados do entorno das Unidades Amostrais.
** uso potencial segundo os especialistas
*** uso potencial segundo plantas para o futuro

São quarenta e quatro espécies, usadas atualmente pela população e apontadas como
promissoras para utilização econômica futura, tanto pelos especialistas entrevistados no Levantamento
Socioambiental, como apontadas por Coradin et al. (2011). Partindo do uso relacionado nesta
publicação, a maior parte delas (dezoito espécies) foi indicada com potencial para uso madeireiro.
Para uso medicinal, foram relacionadas onze espécie potenciais e dez espécies foram indicadas pelo
potencial de aproveitamento alimentar.

13.3.4 As percepções dos entrevistados sobre as florestas nativas, seus recursos e valores de uso e
existência
Para investigar o entendimento das pessoas que habitam o entorno das unidades amostrais do
IFFSC sobre alguns conceitos ligados às florestas, identificar o grau de consciência ambiental, bem como
as percepções acerca da importância das florestas, seus valores e usos, o questionário de levantamento
continha um conjunto de questões relacionadas a estes temas.

Os entrevistados foram convidados a expressar livremente, com até duas expressões ou palavras,
o que lhes vinha à mente quando mencionados os termos: “floresta”, “produtos da floresta”, “serviços
ambientais”, “manejo da floresta” e “sequestro de carbono”.

A maioria das respostas associou à palavra “floresta” termos que expressam o reconhecimento
de sua importância no fornecimento de serviços ambientais (Tabela 13.5). Cerca de uma terça parte
dos entrevistados utilizou termos ou expressões que transmitem a ideia de preservação e manutenção da
vida e da biodiversidade, sendo as palavras “preservação” e “natureza” as mais utilizadas. A associação
da floresta com água, ar, saúde e bem estar teve uma frequência bastante grande nas respostas.
Palavras que associaram a floresta com fornecimento de produtos foi menos de 10% das respostas,
um índice bastante baixo se for considerado o histórico aproveitamento madeireiro das matas nativas,
especialmente pelos agricultores.

254
13 | Levantamento Socioambiental

Tabela 13.5. Expressões indicadas pelos entrevistados para expressar a ideia que possuem do termo “Floresta”.
Table 13.5. Expressions indicated by the interviewed as to express what their understanding is regarding the word “Forest”.
Tema Subtema Citações Expressões mais utilizadas / Frequencia
Preservação da biodiversidade 443 “Preservação” (87), “Natureza” (69)
Saúde, conforto, lazer e bem estar 130 “Sombra” (12), “Saúde” (11)
Serviços Ambientais 64% Relacionado a água 150 “Água” (41),“Proteção da água” (37)
Relacionado ao ar 122 “Ar puro” (32), “Qualidade do ar” (19)
Outros 41 “Controla temperatura” (9), “Protege o solo” (8)
Madeira 66 “Madeira” (36), “Lenha” (13)
Fornecimento de Produtos 9% Alimentos 39 “Frutas” (15), “Alimento” (6)
Outros 21 “Remédios” (3), “Folhas” (2)
Benéficas para preservação 41 “Cuidar” (7), “Não desmatar” (7)
Ações Antrópicas 5%
Prejudiciais 29 “Desmatamento” (4), “Queimada” (4)
Beleza cênica 57 “Bonito” (32), “Beleza” (11)
Outros 22% Percepções Positivas Genéricas 116 “Bom” (16),“Importante” (11)
Termos Gerais/Difusos 124 “Mato” (10), “Terra perdida” (3)

A madeira (produtos madeiráveis e energia da biomassa florestal) e produtos alimentícios


compuseram 75% das palavras lembradas pelos entrevistados ao ser mencionada a expressão “produtos
da floresta”. Os produtos mais citados foram madeira, lenha, frutas, pinhão e palmito. Os produtos
medicinais e outros bioativos formaram 7,9% das respostas, com destaque para a palavra “chás”. As
respostas com termos expressando serviços ambientais compuseram 6,6% do total.

A expressão “Serviços ambientais” foi associada a palavras e termos que, de fato, indicam os
serviços ambientais prestados pelas florestas, compondo 76% das respostas dadas pelos entrevistados.
As maiores frequências de respostas estavam associadas ao fornecimento de oxigênio e melhoria da
qualidade do ar (24,9%) e à proteção e fornecimento de água (22,9%), dois dos serviços fundamentais
fornecidos pelas florestas.

Um número bastante significativo de termos utilizados pelos entrevistados, embora não


expresse diretamente algum tipo de serviço ambiental das florestas, continha ideias genéricas positivas
em relação à expressão proposta aos entrevistados: os serviços ambientais. De forma diversa aos temas
“floresta” e “produtos da floresta”, em que poucos deixaram de fazer alguma manifestação, 16% dos
entrevistados não se sentiram à vontade em expor a ideia que possuíam em relação ao tema “serviços
ambientais”, o que demonstra um menor nível de familiaridade com este tema.

A expressão “manejo florestal” se revelou desconhecida por cerca de um terço dos entrevistados
que não manifestaram qualquer palavra diante de sua citação. Das 703 palavras e expressões declaradas,
apenas 34% indicavam claramente a ideia de manejo florestal, destacando vocábulos como “extração
seletiva”, “desbaste”, “sustentabilidade” e “uso controlado”. A associação de manejo florestal à ideia
de conservação e preservação da floresta ocorreu em 17% das respostas e, com certa frequência, foram
declarados termos que lembravam o plantio florestal.

O termo “sequestro de carbono”, como era esperado, foi pouco compreendido pelo grupo de
entrevistados, com 57% das entrevistas sem manifestação ou declaração de palavras associadas. Das
423 declarações feitas, 25% delas declaravam explicitamente desconhecer a expressão. Foram apenas
107 declarações, utilizando termos que dessem alguma conotação semelhante ao significado do termo
“sequestro de carbono”. Foram utilizadas expressões como “purificação do ar”, “absorção de carbono”
e “oxigênio”.

Na pesquisa também foi solicitado aos entrevistados que indicassem livremente ações ou
atitudes que poderiam realizar visando à proteção das florestas existentes em seu entorno. A Figura 13.4

255
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

mostra um agrupamento das respostas obtidas quanto às principais atitudes citadas para proteção dos
fragmentos de florestas existentes próximo à moradia dos entrevistados. A intocabilidade, ou seja, o ato
dele mesmo não desmatar/caçar ou sugerir que não se desmate como medida para preservar essas matas
foi lembrança de 41,1% dos entrevistados. “Não cortar” foi o termo utilizado por 11% das pessoas.
Com importante frequência de respostas, aparecem as atitudes que demandam um maior esforço,
como o plantio de árvores procurando uma ampliação das áreas de matas (15,3%) e o isolamento das
áreas com cercas e a retirada de animais domésticos dos fragmentos, exemplos de atitudes genéricas de
preservação (14,8%).
A ampliação da fiscalização e a educação ambiental é a indicação de 12,7% dos entrevistados
para proteger as florestas. O uso dos recursos florestais através de manejos sustentáveis foi mencionado
por 6% dos entrevistados, enquanto estratégia de valorização dos remanescentes. Parcela semelhante
de entrevistados aponta para o uso de incentivos e a compensação dos proprietários como formas de
proteção das florestas existentes.
Apenas uma minoria (4,2%) revelou discordância com a necessidade de preservação dos
fragmentos florestais, através de respostas negativas, como descontentamento com a legislação em
vigor, a fiscalização que restringe seu corte, referenciando que ainda há muita área com floresta nativa.

Figura 13.4. Atitudes indicadas pelos entrevistados para proteção das florestas próximas de suas moradias.
Figure 13.4. Attitudes indicated by the interviewed to protect the forests close to their dwellings.

Nestas respostas, pode-se constatar que a maioria das pessoas reconhece a necessidade de
preservar os remanescentes florestais e indicam soluções para que isto aconteça. Prevalece a clássica
ideia de que a melhor forma de preservar as florestas é simplesmente evitar o desmatamento. Porém,
uma parcela importante das pessoas atribui ao Poder Público a responsabilidade por implementar
estratégias e atitudes para a conservação e proteção das florestas.

Nas entrevistas, foram abordados diversos aspectos e temas buscando compreender as percepções
e as relações das pessoas com as florestas, seus recursos e valores. Para isso, foram feitas 28 afirmativas
em que ao entrevistado era solicitado que se posicionasse dentro de uma escala com cinco níveis de
concordância em relação ao que estava sendo afirmado: “discorda totalmente”, “discorda em parte”,
“não discorda nem concorda”, “concorda em parte”, “concorda totalmente”.

Com relação à disponibilidade de florestas prevalece a percepção de estar havendo uma


diminuição das florestas no Brasil (82% dos entrevistados), enquanto que na região do estudo apenas
38% das pessoas percebem uma tendência à diminuição das áreas florestadas. Esta percepção parece
estar fortemente influenciada pelos veículos de comunicação, especialmente a televisão, que, com
frequência, tem mostrado situações de desmatamento nas regiões Centro-Oeste e Amazônica do País.

256
13 | Levantamento Socioambiental

Sobre o tema desmatamento, as mulheres concordam em maior grau que os homens de que
as florestas estão diminuindo na região, enquanto os homens discordam em maior proporção. Do
mesmo modo, nos grupos mais jovens há uma concordância maior quanto à tendência de redução das
matas nas regiões de Santa Catarina, enquanto nas faixas etárias superiores a 50 anos, há uma forte
discordância de que as áreas de florestas estejam diminuindo. Esta divergência entre grupos etários
se deve, provavelmente, ao fato de que os mais jovens não vivenciaram o período de baixa cobertura
florestal em Santa Catarina, ocorrido nas décadas de oitenta e noventa do século passado, tendo mais
dificuldade em estabelecer comparações daquele período com o momento atual.

Quanto ao uso sustentável das florestas, a maioria dos entrevistados concorda com a ideia de
que é possível utilizá-las sem acabar com as mesmas (89%), mas os homens têm uma visão mais
utilitarista da floresta e concordam em maior grau que as mulheres. A importância das florestas no
fornecimento de produtos é reconhecida pela quase totalidade dos entrevistados. A existência de plantas
nas florestas, que poderão ajudar na cura de doenças, é uma ideia que 97% das pessoas concordam,
assim como 92% consideram que a coleta de produtos das matas contribui para economizar dinheiro
das famílias envolvidas.

A importância das florestas na manutenção da biodiversidade é reconhecida pela maioria dos


entrevistados. Os riscos do desmatamento para a perda de espécies e a importância das florestas para a
proteção dos animais, bem como a importância dos animais silvestres para a conservação das florestas
é reconhecido por mais de 80% das pessoas.

Há uma percepção, por parte da maioria dos entrevistados (69%), de ter havido um aumento
da população de animais silvestres nos últimos anos, especialmente da população de aves. Esta
compreensão é mais frequente por parte dos homens e dos mais idosos, possivelmente por possuírem
um contato mais direto com as matas e melhor capacidade de comparação da situação de tempos atrás
em relação à atual.

A importância das florestas no fornecimento de serviços ambientais é reconhecida pela ampla


maioria dos entrevistados. As maiores concordâncias estão nas afirmativas que atribuem grande
importância das matas na proteção do solo e na qualidade da água. São mais de 90% as repostas de
concordância de que, em áreas florestadas, não há erosão do solo e as águas têm qualidade assegurada.

A quase totalidade das pessoas entrevistadas demonstrou ter consciência ambiental ao concordar
com a ideia de que o plantio e a conservação das florestas são de responsabilidade de todos (99% das
respostas) e de que os proprietários de terra devem proteger as matas ciliares e manter florestas em suas
propriedades para a proteção dos animais e das plantas (98% das respostas).

Muito embora 90% das pessoas entrevistadas concordem com a necessidade de proteção das
matas ciliares, não são muitos os proprietários rurais que respeitam as Áreas de Preservação Permanente
e mantêm Reserva Legal em suas áreas. A pouca disponibilidade de terras para o plantio agrícola é a
razão comumente alegada pela não manutenção das áreas de matas em conformidade aos requisitos
legais.

Quanto às crenças e valores relacionados às florestas, constatou-se forte concordância dos


entrevistados com afirmativas que colocam a floresta como um lugar sagrado e a ser respeitado (94%),
pertencente a toda a população (94%), fazendo parte da vida das pessoas (90%) e trazendo sentimentos
de paz e tranquilidade (99%). Diferentemente de algumas regiões do País, em Santa Catarina, as matas
não são percebidas, no geral, como portadoras de perigo às pessoas. Pelas manifestações, observou-se
que quando há manifestação da percepção de perigo, ela está mais relacionada aos riscos de contato
com animais peçonhentos do que a crenças e misticismos, como ocorre em outras regiões brasileiras.

257
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

13.4 Considerações finais

Os resultados do Levantamento Socioambiental permitem destacar alguns aspectos relacionados


ao uso dos recursos florestais nativos pela população rural de Santa Catarina e às suas relações e
percepções sobre as florestas.

Embora seja grande o número de espécies de plantas nativas em uso pela população catarinense,
o aproveitamento destes recursos está restrito a apenas uma parcela da população rural, e a poucos usos,
e fortemente associado ao consumo doméstico das famílias. O uso mais frequente é o da lenha para
cozimento dos alimentos e aquecimento das residências rurais. O consumo alimentar de frutas silvestres
e o uso de plantas medicinais, embora sejam citadas muitas espécies em uso, são de importância restrita
e ocorrem de forma esporádica pela população rural.

O aproveitamento econômico dos produtos florestais é bastante limitado. São poucos os relatos
de extração de madeira para comercialização, limitando-se a algumas situações de venda de lenha e de
carvão vegetal. Dentre os produtos não madeireiros, apenas as sementes de pinhão e as folhas da erva-
mate são comercializados regularmente e possuem expressão econômica e importância social para as
pessoas que coletam e extraem estes produtos das florestas.

Alguns fatores podem estar contribuindo para a perda de importância socioeconômica dos
recursos florestais nativos. Em primeiro lugar, a baixa cobertura florestal de algumas regiões de Santa
Catarina, restrita a poucos e pequenos fragmentos, faz com que a capacidade de retirada de produtos
seja limitada, devido ao reduzido estoque de recursos disponíveis.

O desmatamento, a perda de seus hábitats naturais e a histórica sobre-exploração de plantas,


como a araucária, o palmiteiro, o cedro-rosa, a imbuia e a canela-preta, são fontes de pressão elencadas
pelos entrevistados e poderão comprometer o futuro destas espécies.

A ampliação das restrições legais ao consumo de produtos florestais nativos, estabelecida ao


longo do tempo, tem inibido sua retirada e, muitas vezes, os proprietários destes recursos possuem
pouco conhecimento das possibilidades legais de seu uso, o que tem restringido ainda mais eventuais
iniciativas de aproveitamento. Como exemplo, a legislação inapropriada é indicada como prejudicial
ao futuro da araucária e da bracatinga.

Consequentemente, observa-se uma crescente perda de costume das populações rurais de


realizarem coleta e extração de produtos das florestas nativas, com consequente erosão dos conhecimentos
etnobotânicos e crescente distanciamento dos agricultores em relação às florestas existentes em suas
propriedades.

Quanto às percepções, a população rural, de um modo geral, tem facilidade em associar palavras
aos termos “floresta” e “produtos da floresta”, mas tem menor familiaridade com os temas “manejo da
floresta”, “serviços ambientais” e “sequestro de carbono”. As populações que vivem no entorno dos
fragmentos florestais reconhecem a importância das florestas no fornecimento de serviços ambientais e
são conscientes quanto à necessidade de preservar as funções básicas da cobertura florestal. No entanto,
para muitos agricultores o desejo de ampliar as atividades agropecuárias pressiona os remanescentes
florestais, considerados de pouca utilidade econômica.

Os resultados e constatações desta pesquisa mostram a necessidade urgente de que sejam


formuladas políticas públicas mais apropriadas à conservação da cobertura florestal nativa de Santa
Catarina, que possibilitem revalorizar os remanescentes florestais existentes, estabelecendo novas
bases e formas mais sustentáveis de relacionamento entre os proprietários rurais e suas florestas.

258
13 | Levantamento Socioambiental

Referências

Barrera, A. 1979. La Etnobotânica. In: Barrera, A. La Etnobotânica: três puntos de vista e uma
perspectiva. Xalapa. Instituto de Investigacion sobre Recursos Bióticos.

Coradin, L.; Siminski, A.; Reis, A. 2011. Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor
Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Sul. Brasília. Ministério do Meio
Ambiente.

Fantini, A.C.; Siminski, A. 2007. De agricultor a “agricultor silvicultor”: um novo paradigma


para a conservação e uso de recursos florestais no Sul do Brasil. Agropecuária Catarinense 20: 16-18.

Grossman, L. 1998. Diet, income, and agriculture in an eastern Caribbean village, New York.
Human Ecology 26(1): 21-42.

Kinupp, V.F. 2007. Plantas alimentícias não-convencionais da região metropolitana de


Porto Alegre, RS. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Mengue, S.S.; Mentz, L.A.; Schenkel, E.P. 2001. Uso de plantas medicinais na gravidez. Revista
Brasileira de Farmacognosia11(1): 21-35.

Ming, L.C.; Amaral Junior, A. 1995. Aspectos etnobotânicos de plantas medicinais na Reserva
Extrativista “Chico Mendes”. The New York Botanical Garden. http://www.nybg.org/bsci/acre/
www1/medicinal.html (acesso: 31/05/2012).

Rapoport, E.H.; Ladio, A. 1999. Los bosques andino-patagónicos como fuentes de alimento.
Bosque 20(2): 55-64.

Reis, M.S. 2006. Extrativismo no Sul e Sudeste do Brasil: Caminhos para a sustentabilidade
socioambiental. In: Kubo, R.R; Bassi, J.B.; Souza, G.C.; Alencar, N.L.; Medeiros, P.M.; Albuquerque,
U.P. (org.). Atualidades em Etnobiologia e Etnoecologia. São Paulo. NUPEEA/SBEE.

Siminski, A.; Fantini, A.C. 2007. Roça-de-toco: uso de recursos florestais e dinâmica da
paisagem rural no litoral de Santa Catarina. Ciência Rural 37: 1-10.

Siminski, A.; Santos, K.L.; Fantini, A.C.; Reis, M.S. 2011. Recursos florestais nativos e a
agricultura familiar em Santa Catarina – Brasil. Bonplandia 20(2): 371-389.

Zuchiwschi, E.; Fantini, A.C., Alves, A.C.; Peroni, N. 2010. Limitações ao uso de espécies
florestais nativas pode contribuir com a erosão do conhecimento ecológico tradicional e local de
agricultores familiares. Acta Botanica Brasilica 24(1): 270-282.

259
Capítulo 14
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Sistemas de Informações Florístico-Florestais


de Santa Catarina – SIFFSC1

Forest and Floristic Information Systems - SIFFSC

Joelma Miszinski, Juliana Mio de Souza, Suely Lewenthal Carrião,


Eduardo Nathan Antunes, Fernanda Maraschin,
Emanuela Salaum Pereira Pinto, Vilmar Orsi

Resumo
Este capítulo trata da modelagem e implementação (conceitos e métodos) dos Sistemas de Informações
Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC. O principal objetivo destes sistemas consiste em integrar
os dados às ferramentas de visualização web/local, permitindo o acesso direto e a geração de informações. Os
dados provenientes das metas do projeto foram estruturados em bancos de dados relacionais com componentes
alfanuméricos e geográficos. Os sistemas desenvolvidos foram: o Portal, com o objetivo de disponibilizar
informações do projeto do IFFSC; o Vinflor – Sistema Visualizador de Informações Florestais (acesso restrito),
baseado em Business Intelligence – BI e desenvolvido na ferramenta QlikView, que possibilita consultas de forma
cruzada aos dados, no formato de gráficos e tabelas; o Sistema de Mapas para Web (acesso livre), integrando os
dados alfanuméricos e geográficos, programado em Flex sobre a plataforma GisServer, que permite consultas do
tipo, ocorrência de espécies, índices florestais/genotipagem, fotos, gráficos e relatórios e considera referências
espaciais como unidade amostral, mesorregião, microrregião, bacia hidrográfica, região fitoecológica .; o Sinflor
– Sistema de Gerenciamento de Dados do IFFSC, desenvolvido para o cadastro e disponibilização dos dados
de campo do inventário terrestre dos remanescentes, desenvolvido em PHP e com Banco de Dados MySQL.
Discute-se também o desenvolvimento de outros dois sistemas de apoio que operam localmente: o sistema
Herbária utilizado pelos herbários catarinenses para armazenamento das exsicatas e o sistema LSA para digitação
e validação dos dados dos questionários do levantamento socioambiental.

Abstract
This chapter discusses the modeling and implementation (concepts and methods) of Forest and Floristic
Information Systems - SIFFSC. The main objective of these systems is to integrate data and visualization tools
for both web and local aplicattions, allowing direct access and the generation of information. Data from the
project’s goals were structured in relational databases with alphanumeric and geographic components. The
systems developed were: The Portal with the aim of providing information from IFFSC project; the Vinflor -
System for Forestry Information Display (restricted access), based on Business Intelligence - BI and developed
with the tool QlikView, which allows to cross-query the data from different surveys in the form of graphs and
tables; the Web Map System (Free acess) that integrates spatial and alphanumeric data, programmed in Flex
GisServer on the platform, which allows queries such as: species occurrence, forest / genotyping indexes, photos,
graphics, reports and considers spatial references as sampling unit, mesoregions, microregions, watershed and
phytoecological region, the SINFLOR, providing access to all field data collected in forest remnants. It is also
discussed the development of two other support systems that operate locally: The system, used by the Santa
Catarina Herbária, called Herbária for the storage of herbarium data (“exsicatas”) and the LSA system for typing
and validation of social-environmental survey questionnaires.

1 Miszinski, J.; Souza, J.M. de; Carrião, S.L.; Antunes, E.N.; Maraschin, F.; Pinto, E.S.P.; Orsi, V. 2012. Sistemas de Informações
Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC. In: Vibrans, A.C.; Sevegnani, L.; Gasper, A.L. de; Lingner, D.V. (eds.). Inventário
Florístico Florestal de Santa Catarina, Vol. I, Diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau. Edifurb.

263
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

14.1 Introdução

O projeto Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina – IFFSC foi desenvolvido com a
participação de diversas instituições do Estado, sendo que cada uma delas (Epagri, FURB e UFSC/
CCA) foi responsável pela execução de uma meta do projeto.

Cada meta de trabalho gerou um grande volume de dados, os quais necessitavam de


armazenamento adequado em banco de dados para garantir a integração e possibilitar diferentes
análises, inclusive de forma combinada entre os dados dos levantamentos realizados pelas metas.

Os Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC são o resultado


da meta sob responsabilidade da Epagri/Ciram e tiveram como objetivos organizar, armazenar, integrar,
recuperar e disponibilizar os dados levantados no projeto do IFFSC.

Os SIFFSC reúnem um conjunto de sistemas, a saber: o Portal, acessado pelo endereço


www.iff.sc.gov.br, onde todas as informações referentes ao projeto estão disponíveis; dois sistemas
de visualização de informações: o Sistema Visualizador de Informações Florestais – Vinflor, que é
uma ferramenta de uso restrito aos pesquisadores do projeto (especialistas), oferecendo a esses
usuários, possibilidades de executarem buscas, filtragem e cruzamento dos dados e o Sistema de
Mapas para Web de uso público, no qual a informação é apresentada por meio de mapas; o Sistema
de Gerenciamento de dados do IFFSC – SINFLOR, para cadastro, guarda e disponibilização de dados
de campo do inventário dos remanescentes florestais. Também compõem os SIFFSC dois sistemas
de apoio: Sistema de Armazenamento de Dados dos Herbários – Herbária, para o enquadramento
taxonômico das espécies e suas características associadas ao seu manejo e o Sistema de Digitação
dos Questionários do Levantamento Socioambiental – LSA, para digitação, conferência e limpeza dos
dados dos questionários.

14.1.1 Portal do IFFSC

Portal é um sistema via Internet que permite organizar, compartilhar e disponibilizar informações
para público interno e externo.

Para projetar um portal, segundo Rosenfeld & Morville (2002), a arquitetura de informação
busca compreender e atender a três dimensões de variáveis: a primeira dimensão são os usuários, suas
necessidades, hábitos e comportamentos; a segunda dimensão, as características do conteúdo (volume,
formato, estrutura, dinamismo, etc.); por fim, a terceira dimensão, que são as especificidades do contexto
de uso do sistema de informação (objetivo do portal, restrições tecnológicas, localização, etc.).

Esse foi o modelo que orientou a análise do conteúdo a ser disponibilizado e a escolha da
ferramenta de gestão de conteúdo do portal. Foram realizadas reuniões técnicas para levantar as
necessidades e a forma de apresentação das informações de modo a criar um ambiente por onde os
usuários pudessem navegar e encontrar as informações que precisam de forma organizada. Assim,
a partir dessas reuniões, foram definidos: o layout do portal, menus e submenus e seus respectivos
conteúdos, definição de imagens e logotipos, entre outros requisitos.

Para criar e gerenciar o conteúdo do portal, foi necessário adotar uma ferramenta de gestão
de conteúdo que tivesse a função de edição, inserção e workflow de conteúdo de forma dinâmica,
dispensando a necessidade de programação de código. A ferramenta utilizada foi o Joomla!, que é
um Sistema de Administração de Conteúdos (CMS – Content Management System) e que permite a
publicação online de informações em sites na Internet. É composto pela interação entre vários módulos
que gerenciam funções específicas na construção de uma página da web. Esses recursos provêm um
framework para criação, gerenciamento e publicação de conteúdos da web; um ambiente seguro através

264
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

do gerenciamento de papéis de usuários e podem ser complementados com extensões para ampliar suas
funcionalidades, através de customização (Austin & Harris 2008).

O acesso ao portal do IFFSC pode ser efetuado através do endereço http://www.iff.sc.gov.br


(Figura 14.1).

Figura 14.1. Portal do IFFSC.


Figure 14.1. Homepage IFFSC.

No portal, encontram-se menus com informações e documentos sobre o projeto, notícias, galeria
de fotos, links relacionados, consultas aos resultados das metas em forma de mapas, cartilha, folhetos,
banners e workshops, publicações; acesso aos sistemas Vinflor (restrito) e ao sistema de mapas da web
(público).

O conteúdo do portal é frequentemente atualizado com informações enviadas pelos integrantes


do projeto em forma de notícias, fotos, relatórios e informações gerais.

265
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

14.1.2 Sistema de Informatização dos Herbários – Herbária

O sistema foi desenvolvido em Microsoft® Access, pois essa ferramenta permite o


desenvolvimento rápido de aplicações que envolvem tanto a modelagem e estrutura de dados como
também a interface a ser utilizada pelos usuários. Para armazenamento dos dados, foi utilizado o banco
de dados próprio do Access com estrutura baseada no Darwin Core 2.0, que se refere à especificação
de conceitos dados e estrutura destinada a apoiar a recuperação e integração dos dados em coleções
biológicas com o objetivo de facilitar o compartilhamento e a integração de dados em outras instituições.

Os requisitos do sistema contemplam cadastro geral e de exsicatas, relatórios e impressão de


fichas. Os cadastros gerais são dos filos com seus respectivos reinos, nome científico com sua respectiva
família e autor, os coletores e determinadores, os tipos de habitat e hábitos da planta, a cor da flor e fruto
bem como demais observações. O sistema possui um pré-cadastro de todas estas opções, com o intuito
de evitar erros e facilitar a padronização. Possibilita de forma rápida o lançamento das permutas e o
controle do material emprestado a outras instituições. Pode-se ainda, anexar imagens das plantas, tendo
assim, uma identificação visual das exsicatas.

É uma ferramenta criada para informatizar os herbários com o objetivo de definir um padrão de
armazenamento digital das espécies vegetais já existentes nos herbários e as coletadas e identificadas
no projeto do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Além de ser fundamental para gerenciar
os dados de um determinado herbário, caracterizam importante passo para a troca e integração de
informações entre os herbários.

O Sistema denominado Herbária (Figura 14.2) é específico para o cadastro de exsicatas, e


permite armazenar informações sobre a sua distribuição geográfica, seu enquadramento taxonômico
bem como informações detalhadas levantadas pelo coletor durante a coleta em campo.

Figura 14.2. Menu do sistema Herbária.


Figure 14.2. Menu of Herbária system.

Com a padronização da base de dados foi possível a integração dos Herbários de Santa Catarina
à Rede SpeciesLink – sistema de distribuição de informações que integra em tempo real dados primários
de coleções científicas. Esta rede pertence ao CRIA – Centro de Referência em Informação Ambiental,

266
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

que é uma associação civil, sem fins lucrativos, que pretende disseminar o conhecimento científico
e tecnológico e promover a educação, visando a conservação e a utilização sustentável dos recursos
naturais e a formação da cidadania.

Assim, é possível acessar no endereço http://splink.cria.org.br informações armazenadas nos


herbários integrados.

Durante a execução do IFFSC entre 2007 e 2011, foram realizadas mais de 25.000 coletas que
resultaram num aumento significativo do acervo de exsicatas do herbário FURB. O banco de dados do
herbário conta atualmente com mais de 38.000 exsicatas armazenadas.

14.1.3 Sistema do Levantamento Socioambiental - LSA

O sistema denominado “Questionário do Levantamento Socioambiental – LSA” é uma


ferramenta para digitação e consultas dos dados dos questionários do Levantamento Socioambiental,
realizado com moradores do entorno das unidades amostrais e questionários das entrevistas com
pesquisadores, técnicos, e usuários de recursos florestais.
Ele foi modelado e implementado, na ferramenta Microsoft® Access, com um banco de dados
alfanumérico.

A partir das informações documentadas em papel durante as entrevistas foi construído um


modelo de entidades e relacionamento, adequado às necessidades levantadas, com várias tabelas para
armazenar das informações, formando assim o “Banco de Dados Socioambiental”.

Este sistema é composto por dois módulos (Figura 14.3):

Modelo 1 – Questionários: utilizado para a digitação e consultas dos dados de questionários


aplicados individualmente a moradores do entorno dos pontos amostrais.

Modulo 2 – Especialistas: utilizado para digitação e consultas dos dados das entrevistas aplicadas
a pesquisadores, técnicos e coletores de espécies (especialistas).

Figura 14.3. Tela do menu do sistema LSA.


Figure 14.3. Screen of menu system LSA.

267
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Além das telas de entrada de dados dos questionários (moradores do entorno e especialistas),
foram desenvolvidas telas de pré-cadastros, para: Família, Espécie, Fatos Observados, Fatos Avaliados,
Serviços Florestais, Entrevistadores e Unidades Amostrais. Os pré-cadastros têm o objetivo de otimizar
o processo de cadastramento dos questionários, evitando que um mesmo dado seja digitado repetidas
vezes.

A tela de campos para digitação dos questionários aplicados a moradores foi separada em abas,
como mostra a Figura 14.4, seguindo os tópicos do próprio questionário, de forma a facilitar a digitação
e a busca por algum item específico.

Figura 14.4. Tela de entrada de dados a partir dos questionários aplicados no entorno da Unidade Amostral.
Figure 14.4. Data entry from questionnaires surrounding the Sampled Plots.

Após a etapa de digitação, foram realizadas a conferência e limpeza dos dados digitados. A
partir da base de dados consolidada, essa foi exportada para a base de dados integrada (Oracle) do
IFFSC.

14.1.4 Sistema Visualizador de Informações Florístico-Florestais – Vinflor

Os bancos de dados são projetados para administrar grande volume de informações. O


gerenciamento de dados envolve a definição de estruturas para armazenamento da informação e a
provisão de mecanismos para manipulação dessas informações. Além disso, o sistema de banco de
dados dever prover a segurança da informação armazenada (Korth & Silberschatz 1995).

Atualmente, o banco de dados alfanumérico do IFFSC armazena aproximadamente 162.000


plantas medidas nas 440 Unidades Amostrais (UA), 25.000 plantas coletadas e armazenadas no herbário

268
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

da FURB, 777 questionários socioambientais e resultados da análise de 19 sistemas isoenzimáticos de


13 espécies consideradas, a priori, como ameaçadas de extinção.

A modelagem de dados é uma técnica usada para a especificação das regras de negócio
e as estruturas de dados visando à consistência e à não redundância.Esta atividade compreendeu o
planejamento do modelo conceitual, após interação com os pesquisadores de cada meta do IFFSC,
passando pelo modelo lógico e terminando na implementação do modelo físico pelo projetista do banco
de dados.

Em seguida, o modelo conceitual foi traduzido no modelo lógico apresentado, sob a forma de
diagrama de entidade-relacionamento, tabelas de armazenamento dos dados e seus relacionamentos.
O diagrama de entidade-relacionamento é um modelo baseado na percepção do mundo real, que
consiste num conjunto de objetos básicos chamados de entidades e nos relacionamentos entre esses
objetos (Chen 1990). Uma vez o modelo lógico definido e aprovado, foi implementado o modelo físico,
utilizando o Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados – SGDB Oracle 11g, que oferece serviços
de armazenamento, consulta e atualização de bancos de dados (Korth & Silberschatz 1995). Através do
SGBD foram criados as tabelas e seus relacionamentos, e para cada tabela os atributos que recebem os
dados do projeto. A Figura 14.5 apresenta o fluxo de atividades envolvidas e descritas acima.

Figura 14.5. Etapas da Modelagem de Dados e Banco de Dados.


Figure 14.5. Steps of data base modelling.

Para desenvolver o sistema de informação que possa divulgar os resultados do projeto, de acesso
restrito via web, e com acesso dinâmico ao banco de dados e geração de produtos de fácil análise, foi
adquirido o software QlikView, que é uma plataforma de business intelligence associativa in-memory, que
combina e integra os dados rapidamente, possibilitando pesquisas associativas, apresentando respostas
rápidas na forma de tabelas, quadros e gráficos. A metodologia do desenvolvimento compreendeu o
“Start Project”, que contemplou a fase de extração e transformação dos dados armazenados no Oracle,

269
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

resultando num modelo de dados associativo. A fase seguinte foi o desenvolvimento da aplicação
(front-end) para validação dos dados e definição de layout. Como layout foi definido uma tela chamada
Dashboard, ou seja, a tela inicial, onde são apresentadas informações gerais e integradas, em forma de
tabela, gráficos e mapas, resultantes dos dados coletados nos levantamentos. A partir desta tela, pode-se
navegar através de botões, pelas informações específicas de cada uma das respectivas metas. No topo
das telas, foram implementados filtros de consultas por unidade espacial, família botânica e espécie.
Para filtrar as informações apresentadas, basta selecionar um ou mais campos nas listas de opções dos
filtros.

Assim, o Vinflor é uma ferramenta de uso restrito aos pesquisadores do IFFSC e usuários
qualificados de órgãos públicos, oferecendo a esses usuários possibilidades de executarem buscas,
filtragem e cruzamento dos dados fornecidos pelas entidades participantes do projeto (Figura 14.6)

Figura 14.6. Tela do sistema Vinflor.


Figure 14.6. Screen of Vinflor system.

14.1.5 Sistema de Mapas para web

Para a implementação do sistema de mapas para web, foi utilizada uma base de dados
geográficos – composta pelos pontos referentes às grades de pontos amostrais, Unidades Amostrais
(UA) implantadas para o levantamento dos remanescentes florestais, da caracterização genética e do
levantamento socioambiental e pela base cartográfica. As informações extraídas da base de dados
alfanumérica (tabelas) e utilizadas para compor os relacionamentos geometria-tabela são: variáveis
estruturais do estrato arbóreo e da regeneração, espécies registradas no estrato arbóreo e regeneração,
espécies raras, as 10 espécies com maior valor de importância (IVI) e estrutura genética. Para integração
e cruzamento dos dados do projeto, foram utilizados códigos únicos na identificação da unidade amostral
(herdados das grades amostrais) e os códigos existentes para os mapas.
Para armazenamento e gerenciamento dos dados geográficos, foi utilizado o Sistema Gerenciador
de Banco de Dados (SGDB) Oracle 11g e para edição dos dados, elaboração dos serviços de mapas e
desenvolvimento da aplicação web, um pacote de solução da ESRI (Environmental Systems Research

270
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

Institute), Gis Server Standard, ArcGis Desktop (versão 10) e Flash Builder – framework de código
aberto que possibilita tanto o desenvolvimento de aplicações mobile para diferentes dispositivos, quanto
o desenvolvimento de aplicações web e aplicações desktop (Adobe 2012).

A modelagem dos dados e implementação do sistema foram baseados em conceitos como SIG
(Sistema de Informação Geográfica), Cartografia Multimídia e WebGis.

Sistemas de Informação Geográfica são sistemas que realizam o tratamento computacional


de dados geográficos sobre a qual atuam uma série de operadores espaciais (Teixeira et al. 1992).
A cartografia multimídia além de ter a apresentação como finalidade oferece ao usuário diversos
caminhos para obter a informação, objetivando a percepção da informação, a geração do conhecimento
e o propósito da comunicação (Loch 2006). Os sistemas de mapas para web (WebGis) oferecem, além
das funcionalidades básicas de exploração, exibição de layers, navegação e pesquisa de atributos, uma
série de operações específicas de um sistema de informação geográfica. O acesso às informações, nesses
tipos de sistemas, torna-se muito maior e mais complexo com o uso de recursos como os hiperlinks
(Kraak & Brown 2001). Os hiperlinks guardam o endereço de armazenamento das informações a serem
disponibilizadas.

Dessa forma, a base de dados geográficos (geometria) e tabelas (geradas a partir do banco de
dados alfanumérico do IFFSC), foram armazenadas no SGDB, em ambiente SIG e as fotografias e
documentos armazenados em diretórios específicos no servidor. Para integrar o dado geográfico com
sua respectiva tabela de atributos foram criados os relacionamentos por meio dos códigos (campo
numérico), presentes tanto nas geometrias quanto nas tabelas. Para as fotografias e documentos serem
acessados no sistema de mapas, foram criados nas geometrias campos de hiperlinks.

Uma vez criado e publicado todos os serviços de mapas com os relacionamentos, simbologia e
hiperlinks, as funcionalidades da aplicação web foram customizadas.

O sistema possui funcionalidades que permitem ao usuário realizar consultas SQL (Structured
Query Language) ao banco de dados utilizando operadores lógicos e de comparação (selecionar por
atributo); acessar informações, tabelas, fotografias e documentos (múltipla função), exportar as tabelas,
imprimir o mapa, definir transparências para cada mapa, legenda dinâmica, marcador, localizar por
coordenadas, desenhar e medir, definir lista de camadas, acessar ajuda, além daquelas consideradas
mais básicas para navegação, como aplicar zoom mais, zoom menos, pan, visão geral e escala.

A Figura 14.7 apresenta a tela inicial do sistema de mapas. No canto superior esquerdo, estão as
funcionalidades básicas de navegação (zoom, pan, refresh, navegação à direita, à esquerda, para cima e
para baixo) e, no inferior, a escala gráfica, no canto inferior direito, a visão geral e, no superior, o acesso
aos índices que são as camadas (mapas) e os mapas de base: arruamento, imagem e topografia.

271
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 14.7. Tela inicial do sistema de mapas para web.


Figure 14.7. Home screen of map system for web.

Na barra inferior, encontram-se os links para as instituições participantes do projeto. Na barra


superior, encontram-se as funcionalidades consideradas de maior interatividade: pesquisar, selecionar
por atributo, imprimir, marcador, desenhar e medir, localizar por coordenadas, lista de camadas, legenda
dinâmica e transparência do mapa. O cursor sobre os ícones das funcionalidades apresenta uma caixa
de diálogo explicativa.

A funcionalidade chamada múltipla função é a que se utiliza de hiperlinks construídos na


modelagem para acessar fotografias e documentos. Ao clicar no mapa, o usuário tem acesso a informações
que descrevem aquela unidade espacial, fotografias, aproximação (Figura 14.8a) e também acesso às
informações relacionadas através das tabelas (Figura 14.8b) e dos documentos disponíveis (Figura
14.8c).

Figura 14.8a. Múltipla função: fotografias.


Figure 14.8a. Multiple function: photos.

272
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

Com as setas à direita e esquerda, as fotografias são apresentadas.

Figura 14.8b. Múltipla função: relacionamento com as tabelas.


Figure 14.8b. Multiple function: relationship with the tables.

Como exemplo, na Figura 14.8b, foi selecionada a tabela das variáveis florestais por espécie
na bacia hidrográfica rio do Peixe. A ordem dos campos pode ser alterada, definindo apresentação
ascendente ou descendente dos dados dos campos e ainda escolhendo o formato para exportar as
tabelas: csv, txt ou xls.

Figura 14.8c. Múltipla função: acesso aos documentos.


Figure 14.8c. Multiple function: access to documents.

A setinha indica que há um documento disponível (hiperlink) e o cursor sobre a seta indica qual
documento está disponível.

Na funcionalidade “selecionar por atributo” (Figura 14.9), representado por um ícone de


planilha na barra superior da aplicação, é possível realizar consulta por atributo espacial (em Camadas)

273
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

e consultas nas tabelas relacionadas (Tabelas). Esse tipo de consulta é realizado diretamente no banco
de dados geográfico, onde o usuário define sua busca. No exemplo da Figura 14.9, foi realizada uma
consulta para saber onde é encontrada a espécie “alecrim-do-campo” na Floresta Estacional Decidual.

Figura 14.9. Selecionar por atributo.


Figure 14.9. Select by attribute.

14.1.6 Sistema de Gerenciamento de Dados do IFFSC – SINFLOR

O SINFLOR foi desenvolvido para cadastro de todos os dados coletados durante os trabalhos
de campo nas Unidades Amostrais do inventário dos remanescentes florestais. A demanda por este
sistema surgiu com a necessidade de digitalizar as 16 variáveis de cada árvore levantada nas Unidades
Amostrais, além dos 90 metadados (entre variáveis alfa-numéricas e descritivas) coletados em cada
Unidade Amostral, bem como dos dados das respectivas equipes de trabalho, do seu equipamento,
deslocamento, permanência na floresta, hospedagem e despesas realizadas.

Uma vez que se tornou inviável gerenciar estes dados em planilhas eletrônicas, decidiu-se por
gerar um ambiente de cadastro, guarda e integração destes dados, permitindo sua fácil visualização e a
sua transformação em informações através da geração de relatórios.

274
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

Figura 14.10. Página inicial do SINFLOR.


Figure 14.10. SINFLOR initial homepage.

Este sistema web foi desenvolvido utilizando-se a Linguagem de Programação PHP e o Sistema
Gerenciador de Banco de Dados MySQL e registrado sob o domínio www.furb.br/sinflor. O Sinflor
possui controle de acesso, com as áreas de cadastro e de relatórios disponíveis para usuários cadastrados,
e também dispõe de controle de permissões, o que pode permite criar diferentes perfis para usuários
de um mesmo grupo. Os usuários cadastrados no Sinflor estão categorizados em servidores, que, de
acordo com as permissões que lhe forem concedidas, podem acessar as áreas cadastrais do sistema,
bem como a área dos relatórios; e colaboradores que somente podem acessar a área dos relatórios.
Informações definidas como públicas ficam visíveis a usuários não cadastrados.

Todas as funcionalidades são acessíveis através do menu principal, na parte superior da interface,
e do menu lateral (Figura 14.11). Os itens de menu apresentados podem ser diferenciados de um
usuário para outro, de acordo com as permissões que o mesmo possui.

275
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Figura 14.11. Opções de Menu superior e lateral.


Figure 14.11. Menu options.

Inicialmente focado para o conjunto de dados levantados em Santa Catarina, o SINFLOR teve
seu projeto alterado, ainda durante seu processo de construção, para poder gerenciar os dados de outras
Unidades Federativas do país, os quais ficam associados às instituições responsáveis pelo levantamento
das respectivas informações. As informações cadastradas por uma instituição, responsável por um
determinado estado, não podem ser editadas ou excluídas por usuários vinculados à outra região,
objetivando dar garantia à consistência dos dados.

Assim como é focado a diferentes regiões geográficas, o SINFLOR também gerencia suas
informações separadas por fases operacionais e orçamentárias e ciclos do projeto, o que permite a
inclusão de dados de futuras remedições das Unidades Amostrais e a geração de relatórios que possuem
alterações em diferentes momentos das medições e coletas de dados. Todos os relatórios podem ser
exportados em formato txt ou xls.

14.2 Considerações finais

Considerando as características e especificidades dos sistemas aqui apresentados é importante


ressaltar que a estrutura implementada prevê o armazenamento de dados e divulgação de informações
de novos levantamentos florístico-florestais no estado. Ajustes e melhorias vêm sendo realizadas para
melhor atender aos usuários dos dados florestais em Santa Catarina.

O portal do IFFSC (www.iff.sc.gov.br) também está em constante atualização com notícias,


fotos, vídeos, áudios, relatórios, publicações, eventos e outras informações produzidas pelos integrantes
do projeto.

276
14 | Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina – SIFFSC

Referências

Adobe. 2012. Free, open-source framework Adobe Flex. Online. http://www.adobe.com/br/


products/flex.html (acesso: 21/06/2012).

Austin, A.; Harris, C. 2008. Drupal in Libraries. Library Technology Reports. v.4. n. 4.

Chen, P. 1990. Modelagem de dados: a abordagem entidade-relacionamento para projeto


lógico. São Paulo. Mcgraw Hill.

Korth, H.; Silberschatz, A. 1995. Sistema de Banco de Dados. São Paulo. Makron Books.

Kraak, M.J.; Brown, A. 2001. Web Cartography. New York. Taylor & Francis.

Loch, R.E.N. 2006. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados


espaciais. Florianópolis. Editora UFSC.

Rosenfeld, L.; Morville, P. 2002. Information Architecture for the Word Wide Web.
Sebastopol – O’Reilly.

SIFFSC. 2012. Sistemas de Informações Florístico-Florestais de Santa Catarina. http://


www.iff.sc.gov.br (acesso: 21/06/2012).

Teixeira, A.L.; Moreti, E.; Cristofoletti, A. 1992. Introdução aos sistemas de informação
geográfica. Rio Claro. Edição do Autor.

277
Capítulo 15
Diversidade e Conservação dos
Remanescentes Florestais

Importância das coletas florísticas do IFFSC

Importance of plant collecting at IFFSC

Aqui serão apresentados textos a respeito de algumas famílias botânicas coletadas durante as
etapas de campo do IFFSC. Especialistas das diversas famílias foram convidados para discorrer sobre o
estado da arte destas e sobre a contribuição do inventário florístico para o conhecimento de nossa flora.

As famílias são apresentadas em ordem alfabética e os autores de cada subcapítulo são


apresentados junto ao texto de suas respectivas obras. São comentadas as famílias Annonaceae, Araceae,
Asteraceae, Bromeliaceae, Gesneriaceae, Orchidaceae, Piperaceae, Primulaceae e Symplocaceae.

Todos os textos referem-se ao material coletado pelo IFFSC, portanto ao material de Santa
Catarina. Foram incorporados, quando possível, os dados fitossociológicos, como apresentados nos
Capítulos 6 e 7 dos Volumes 2, 3 e 4.

15.1 Annonaceae

Adriana Quintella Lobão

Instituto de Biologia, Departamento de Biologia


Geral, Universidade Federal Fluminense

A família Annonaceae é conhecida principalmente por seus frutos comestíveis, tais como a fruta
do conde ou ata (Annona squamosa L.) e a graviola (A. muricata L.). São caracterizadas por serem
arvoretas ou árvores, folhas simples e alternas, dísticas, flor trímera, estames e carpelos numerosos e
fruto apocárpico, pseudossincárpico ou sincárpico (Lobão et al. 2005)

A família está inserida na ordem Magnoliales (APG III 2009) e é uma das maiores entre as
Angiospermas, com cerca de 112 gêneros e 2.440 espécies (Couvreur et al. 2011). Sua distribuição
geográfica é pantropical, sendo que no neotrópico está representada por aproximadamente 40 gêneros
e 900 espécies (Chatrou et al. 2004). No Brasil Annonaceae possui 29 gêneros com 385 espécies e
na Floresta Atlântica, 15 gêneros e 90 espécies (Maas et al. 2012). Apresenta alta riqueza de espécies
principalmente na região amazônica (280 espécies) (Maas et al. 2012).

Na região sul Annonaceae está representada por sete gêneros e 27 espécies, sendo o estado do
Paraná o mais representativo com 24 espécies e sete gêneros seguido de Santa Catarina com 10 espécies
e quatro gêneros e Rio Grande do Sul com 10 espécies e três gêneros (Maas et al. 2012). Segundo Maas
et al. (2012), as espécies que ocorrem em Santa Catarina são Annona cacans, A. glabra, A. maritima
(aqui considerada sinônimo de Annona emarginata), A. neosalicifolia, A. neosericea, A. rugulosa, A.
sylvatica, Guatteria australis, Porcelia macrocarpa (Warm.) R.E.Fr. e Xylopia brasiliensis Spreng.
Dessas, somente P. macrocarpa não foi registrada pelo Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina
(IFFSC), provavelmente porque é bastante rara no Estado. O número de coletas de P. macrocarpa em
Santa Catarina é reduzido, sendo registrada ocorrendo em pequenas populações somente nos municípios
de Florianópolis, Itajaí, Itapema, Rio do Sul e Tijucas.

279
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Das espécies amostradas, G. australis pode ser considerada frequente no estado de Santa
Catarina, assim como ocorre na Floresta Atlântica e por isso classificada como em baixo risco de
extinção (Lobão et al. 2011). No IFFSC foram registrados 331 indivíduos de G. australis, sendo o
maior número de indivíduos registrados para a família Annonaceae no Estado. Essa espécie é seguida
de X. brasiliensis com 179 indivíduos e A. emarginata com 117. Por outro lado, A. dolabripetala,
A. cacans e A. neosericea foram as espécies com menores número de indivíduos, respectivamente
cinco, 16 e 16, sendo consideradas raras localmente. A presença de espécies raras em uma localidade
é importante critério para a área ser considerada prioritária para conservação. Nesse sentido o IFFSC
foi extremamente importante, pois levantou dados quantitativos das famílias inventariadas. As espécies
A. dolabripetala, A. cacans e A. neosericea podem, nessa visão, ser consideradas espécies de elevado
valor conservacionista na área inventariada.

Nenhuma espécie da família Annonaceae é endêmica do Estado, entretanto das 10 espécies


levantadas, sete são endêmicas do Domínio Floresta Atlântica (Fundação SOS Mata Atlântica/INPE
2001) sendo essas, A. cacans, A. dolabripetala, A. neosericea, A. sylvatica, G. australis e X. brasiliensis.
Somente A. emarginata, A. glabra, e D. lanceolata possuem distribuição em outros domínios (Maas et
al. 2012, Lobão et al. 2009).

Dentre as espécies listadas para o estado de Santa Catarina, oito estão ameaçadas de extinção
no estado do Rio Grande do Sul (Decreto Estadual 42.099 de 31 de dezembro de 2002), são essas,
A. cacans e A. maritma (sinônimo de A. emarginata na Flora do Brasil) classificadas como EM (Em
Perigo); A. glabra, A. neosericea, D. lanceolata, G. australis e X. brasiliensis como CR (Criticamente
em Perigo) e A. emarginata considerada VU (vulnerável). Para Santa Catarina ainda não existe uma
lista das espécies ameaçadas, entretanto as espécies de Annonaceae que ocorrem neste estado são
basicamente as mesmas que estão presentes no Rio Grande do Sul e o cenário em Santa Catarina pode
ser similar.

Quanto ao habitat de ocorrência, a maioria das espécies ocorre na Floresta Ombrófila Densa,
entretanto A. emarginata é frequente nas restingas e pode ser encontrada na Floresta Estacional
Decidual, assim como, A. sylvatica que também ocorre nessa última região fitoecológica e A. glabra
pode ser encontrada em áreas de mangues.

Quanto ao comportamento ambiental das espécies inventariadas, isto é, sua ocorrência e/ou
predomínio nos diferentes estágios da sucessão ecológica de uma floresta as Annonaceae de Santa
Catarina podem ser pioneiras, secundárias e clímax (classificação segundo Budowiski 1965). De
acordo com Lorenzi (2002; 2009), das espécies encontradas, A. cacans é considerada secundária por
predominar em uma fase intermediária da sucessão da floresta e, D. lanceolata e X. brasiliensis espécies
clímax por só crescerem e reproduzirem mais tardiamente na floresta mais madura ou primária.

Essas informações que foram geradas pelo IFFSC sobre as Annonaceae de Santa Catarina são
peças chaves, pois constituem informações primordiais para se trabalhar com conservação em nível
regional. Santa Catarina é um estado cuja biodiversidade é riquissima e como toda área inserida na
Floresta Atlântica vem sofrendo fortes pressões antrópicas. Conservar e futuramente restaurar é urgente
e esse é um ótimo caminho.

280
15 | Importância das coletas florísticas para o IFFSC

Referências

APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogenetic Group classification for the orders
and families of flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.

Budowiski, G. 1965 Distribution of tropical American rain forest species in the light of
successional processes. Turrialba 15(1): 40-42.

Chatrou, L.W.; Rainer, H.; Maas, P.J.M. 2004. Annonaceae (Soursop Family). In: Smith, N.;
Mori, S.A.; Henderson, A.; Stevenson, D.W.; Heald, S.V. (eds.). Flowering Plants of the Neotropics.
New York. New York Botanical Garden.

Couvreur, T.L.P.; Pirie, M.D.; Chatrou, L.W.; Saunders, R.M.K.; Erkens, R. 2011. Early
evolutionary history of the flowering plant family Annonaceae: steady diversification and boreotropical
geodispersal. Journal of Biogeography 38: 664-680.

Fundação SOS Mata Atlântica. 2001. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica e
ecossistemas associados no período de 1995-2000. São Paulo. Fundação SOS Mata Atlântica/ INPE.
http://www.sosmatatlantica.org.br/ (acesso: 04/2012).
Lobão, A.Q.; Araujo, D.S.D.; Kurtz, B.C. 2006. Annonaceae das Restingas do Estado do Rio de
Janeiro, Brasil. Rodriguésia 56(87): 85-96.

Lobão, A.Q.; Maas, P.J.M.; Mello-Silva, R. 2009. Annonaceae In: Stehmann, J.; Forzza, R.C.;
Salino, A.; Sobral, M.; Costa, D.P.; Kamino, L.H.Y. (orgs.). Plantas da Floresta Atlântica. Rio de
Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Lobão, A.Q.; Mello-Silva, R.; Maas, P.J.M.; Forzza, R.C. 2011. Taxonomic and nomenclatural
notes on Guatteria australis Saint-Hilaire (Annonaceae). Phytotaxa 20: 33-46.
Lorenzi, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do
Brasil. Nova Odessa. Instituto Plantarum.

Lorenzi, H. 2009. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do


Brasil. Nova Odessa. Instituto Plantarum.

Maas, P.J.M.; Rainer, H.; Lobão, A.Q. 2012. Annonaceae. In: Lista de Espécies da Flora do
Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB110219 (acesso:
09/04/2012).

281
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

15.2 Araceae

Marcus Aberto Nadruz Coelho


Diretoria de Pesquisas,
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

A família Araceae está representada por 117 gêneros e, aproximadamente, 4.000 espécies
(CATE Araceae 2011), entre herbáceas terrestres, trepadeiras hemiepífitas, epífitas e aquáticas. Possui
ampla distribuição e é predominantemente tropical, cerca de 10% dos gêneros estendem-se às zonas
temperadas do norte.
No Brasil a família está distribuída em 35 gêneros e, cerca de 470 espécies, sendo os gêneros
Anthurium e Philodendron os mais numerosos (Coelho 2011). Distribui-se por todos os ecossistemas,
sendo mais abundante nas regiões de Floresta Ombrófila Densa.
Na região sul, as espécies de Araceae estão representadas por 19 gêneros e 70 espécies, sendo
o estado do Paraná mais representativo com 16 gêneros e 48 espécies, seguido por Santa Catarina com
11 gêneros e 34 espécies e Rio Grande do Sul com oito gêneros e 13 espécies. Esses dados corroboram
o estudo fitogeográfico de Coelho (2004) com a subseção Flavescentiviridia do gênero Anthurium,
onde o clima tropical, que domina a área compreendida entre o eixo Rio de Janeiro-São Paulo, foi o
fator fundamental para o grande número de espécies concentradas nessa região. Em contrapartida o
clima mais frio em direção ao sul e mais seco e quente para o norte, contribuindo também com áreas
desmatadas, principalmente nos estados da região Nordeste e, em menor grau, com escassez de coletas,
mostrou um número menor de táxons.
Na região da faixa latitudinal 25 a 27 graus Sul, composta por grandes áreas de florestas nativas,
possuindo diversas unidades de conservação, a justificativa mais coerente pelo número reduzido de
espécies é o clima frio, onde as temperaturas médias não ultrapassam 19 oC.
A Flora Ilustrada Catarinense, para a família Araceae, foi publicada por Raulino Reitz em 1957,
totalizando 24 táxons, sendo quatro novas para a ciência na época. Os gêneros mais representativos
foram Anthurium (oito táxons) e Philodendron (10 táxons).
No Paraná, Angely (1965) contabilizou 28 táxons, sendo os gêneros Philodendron (12) e
Anthurium (oito) os mais numerosos. E para o Rio Grande do Sul, Rambo (1950) relacionou nove
táxons, com Philodendron (três) e Anthurium e Spathicarpa (duas), os gêneros mais numerosos.
Considerando a soma de todos os táxons para o Sul do Brasil, até meados da década de 1960,
totalizavam-se 32.
Segundo a rede SpeciesLink, o estado de Santa Catarina conta com nove gêneros e 39 táxons de
Araceae, número muito próximo da Lista de Espécies da Flora do Brasil (Coelho 2011), cujo total de
gêneros e espécies de Araceae para Santa Catarina é de 11 e 34, respectivamente.
O IFFSC teve um papel fundamental na incrementação do conhecimento da família Araceae
no estado, aumentando o número de espécies, até então conhecidas da Lista de Espécies da Flora
do Brasil, para 43 espécies, sendo que destas sete são novas ocorrências para o estado (Anthurium
luschnathianum, Asterostigma lividum, Heteropsis oblongifolia, H. rigidifolia, Monstera praetermissa,
Philodendron hastatum e P. roseopetiolatum), e duas estão sendo consideradas novas para a ciência
(Anthurium sp. nov. 1 e Anthurium sp. nov. 2).
As espécies Philodendron roseopetiolatum e Anthurium luschnathianum são consideradas raras
para o estado de Santa Catarina.
Algumas espécies de Araceae são importantes como indicadores de biodiversidade, tais
como: Anthurium acutum, A. luschnathianum, A. pilonense, Monstera praetermissa, Philodendron
appendiculatum, P. martianum, P. roseopetiolatum, Spathicarpa hastifolia e S. lanceolata, que se

282
15 | Importância das coletas florísticas para o IFFSC

desenvolvem, principalmente, em áreas remanescentes, não tolerando áreas degradadas. Ao contrário


destas, as espécies Anthurium pentaphyllum, Heteropsis rigidifolia, Monstera adansonii, Philodendron
bipinnatifidum, P. cordatum, P. crassinervium e P. propinquum podem ser encontrados em áreas em
regeneração, descampadas ou beiras de estradas, mostrando pouca exigência a locais florestados ou
preservados.
As espécies Anthurium pilonense e A. renauxii são endêmicas de Santa Catarina e são conhecidas
somente do município de Palhoça. A continuação dos trabalhos de coleta do IFFSC será de grande
contribuição na localização de novas ocorrências das espécies citadas.
A família se distribui, praticamente, em todas as formações vegetais do estado de Santa Catarina,
sendo mais abundante na Floresta Ombrófila Densa. A formação Restinga é a menos representativa. O
hábito epifítico é o mais encontrado nas espécies, seguido por hemiepifítico e terrestre.
As Araceae estão representadas no estado de Santa Catarina com 12 gêneros, com um total de
44 espécies, sendo os mais representativos Anthurium com 14 espécies e Philodendron com 13 (Tabela
15.1).
A importância de revisar as determinações dos registros para Santa Catarina, nos principais
herbários com representação da família no estado, é necessária, objetivando a atualização e correção
dos nomes, visando um resultado real para as espécies catarinenses de Araceae.
Tabela 15.1. Relação das espécies de Araceae, ocorrentes no estado de Santa Catarina, numa compilação dos nomes
relacionados na Lista de Espécies da Flora do Brasil, no SpeciesLink/CRIA e do IFFSC.
Table 15.1. Species list of Araceae occurring in Santa Catarina, according to Lista de Espécies da Flora do Brasil,
SpeciesLink/CRIA and IFFSC.
Espécies de Arecaceae em Santa Catarina
Anthurium acutum N.E.Br. Lemna valdiviana Phil.
Anthurium coriaceum G.Don Monstera adansonii var. klotzschiana (Schott) Madison
Anthurium gaudichaudinaum Kunth Monstera praetermissa E.G.Gonç. & Temponi
Anthurium loefgrenii Engl. Philodendron appendiculatum Nadruz & Mayo
Anthurium luschnathianum Kunth Philodendron bipinnatifidum Schott
Anthurium aff. microphyllum (Raf.) G.Don Philodendron corcovadense Kunth
Anthurium pentaphyllum (Aubl.) G.Don Philodendron cordatum Kunth ex Schott
Anthurium pilonense Reitz Philodendron crassinervium Lindl.
Anthurium scandens (Aubl.) Engl. Philodendron hastatum K.Koch & Sello
Anthurium sellowianum Kunth Philodendron loefgrenii Engl.
Anthurium aff. undatum Schott Philodendron martianum Engl.
Anthurium urvilleanum Schott Philodendron missionum (Hauman) Hauman
Anthurium sp.1 Philodendron ochrostemon Schott
Anthurium sp.2 Philodendron propinquum Schott
Asterostigma lividum (Lodd.) Engl. Philodendron renauxii Reitz
Asterostigma lombardii E.G.Gonç. Philodendron roseopetiolatum Nadruz & Mayo
Asterostigma reticulatum E.G.Gonç. Pistia stratiotes L.
Asterostigma tweedianum Schott Spathicarpa hastifolia Hook.
Caladium bicolor (Aiton) Vent. Spathicarpa lanceolata Engl.
Heteropsis oblongifolia Kunth Spirodela intermedia W.Koch
Heteropsis rigidifolia Engl. Taccarum peregrinum (Schott) Engl.
Lemna aequinoctialis Welw. Wolffiellaoblonga (Phil.) Hegelm.
Lemna minuta Kunth  

283
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

Referências

Angely, J. 1965. Flora Analítica do Paraná: Araceae. Phyton: 193-196.

CATE Araceae. 2011. Creatingtaxonomic e-science: Araceae. http://www.cate-araceae.org.

Coelho, M.A.N. 2004. Taxonomia das Espécies de Anthurium (Araceae) seção Urospadix
subseção Flavescentiviridia. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto
Alegre.

Coelho, M.A.N.; Soares, M.L.; Sakuragui, C.M.; Mayo, S.; Andrade, I.M. de; Temponi, L.G.
2011. Araceae. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânicodo Rio de Janeiro. http://
floradobrasil.jbrj.gov.br/2011/FB000051

Rambo, B. 1950. Aráceas Riograndensis. Anais Botânicos do Herbário Barbosa Rodrigues


2(2): 119-123.

Reitz, P.R. 1957. Aráceas Catarinensis. Sellowia 8(9): 20-70.

284
15 | Importância das coletas florísticas para o IFFSC

15.3 Asteraceae

Ana Claudia Fernandes


Departamento de Botânica, Instituto de Ciências Biológicas,
Universidade Federal de Minas Gerais

Eric Koiti Okiyama Hattori


Departamento de Botânica, Instituto de Ciências Biológicas,
Universidade Federal de Minas Gerais

Asteraceae possui entre 1.600 e 1.700 gêneros e, aproximadamente, 24.000 espécies (Funk
et al. 2009). Os caracteres distintivos desta família são as inflorescências do tipo capítulo, com um
mecanismo especializado de apresentação dos grãos de pólen, e um conjunto de compostos químicos
que funcionam como defesa contra a herbivoria (Cronquist 1981). Quanto à distribuição geográfica, são
cosmopolitas, não ocorrendo apenas na Antártica (Funk et al. 2005). São distribuídas, principalmente,
em regiões onde predominam os tipos de vegetação árida, semiárida e montanhosa, estando ausentes
ou em baixo número na floresta tropical úmida (Hind 1993).

Os primeiros trabalhos sobre as Asteraceae brasileiras foram feitos por Baker, para a Flora
Brasiliensis, entre os anos de 1873 e 1884. Desde então, os esforços foram direcionados para revisões
de tribos, subtribos e gêneros (Barroso 1950; 1951; 1959; 1976; Matzenbacher 1979; 1998; Semir
1991; Matzenbacher & Mafioleti 1994; Roque 1999; Esteves 2001; Santos 2001; Ritter & Miotto
2005; Magenta 2006; Hind & Miranda 2008; Teles 2008; Moraes & Semir 2009; Roque et al. 2012) e
flórulas da família (Nakajima 2000; Moraes & Monteiro 2006; Heiden et al. 2007; Beretta et al. 2008;
Fernandes & Ritter 2009; Hattori & Nakajima 2011). Apenas em 2010, com a elaboração do Catálogo
de Plantas e Fungos do Brasil, uma lista incluindo todas as Asteraceae brasileiras foi feita, com um total
de 271 gêneros e cerca de 2.000 espécies compiladas (Nakajima et al. 2012). Não obstante, ainda há
muitas lacunas de conhecimento, em diversos grupos e áreas do país.

O estado de Santa Catarina representa um caso excepcional. Com a elaboração de sua Flora
Ilustrada, há um conhecimento mais aprofundado sobre as Asteraceae deste Estado. Há monografias
para as tribos Eupatorieae, Inuleae, Mutisieae, Senecioneae, Vernonieae e para a subtribo Baccharidinae,
de Astereae (Cabrera & Klein 1973; 1975; 1980; 1989; Barroso 2002; Freire et al. 2011). Faltam os
trabalhos, nesta série, para as tribos Cardueae, Helenieae, Heliantheae, Lactuceae e demais Astereae, as
quais possuem quantidade significativa de espécies nativas no Estado.

Os gêneros e espécies encontrados durante a realização do IFFSC representam 69% (79 de 114)
e 42% (206 de 486), respectivamente, do total listado para o Estado, por Nakajima et al. (2012). Ainda
que o IFFSC não tenha sido focado em coletas em áreas campestres, onde ocorre o maior número de
espécies de Asteraceae, este valor é bastante representativo da flórula da família para Santa Catarina.
Os gêneros mais expressivos foram Baccharis L. (38 espécies), Mikania Willd. (19), Senecio L. (11),
Vernonanthura H. Rob. (10) e Piptocarpha R. Br. (oito). O sul e o sudeste brasileiro compõem um dos
centros de diversidade de Baccharis e Mikania, o que pode explicar a riqueza destes gêneros para Santa
Catarina (Ritter & Waechter 2004; Müller 2006).

Foi encontrado um total de 110 espécies herbáceas ou subarbustivas, o que reflete o tipo
mais comum de hábito encontrado na família. As demais se distribuem entre os hábitos arbustivo
(56 espécies), trepador (29) e arbóreo (11), conforme classificação de Viana & Lombardi (2007). As
trepadeiras possuem expressiva representatividade devido à ocorrência de várias espécies de Mikania e
Piptocarpha, gêneros em que tal hábito é predominante. O hábito arbóreo é representado por espécies

285
Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina

de Dasyphyllum Kunth, Piptocarpha e Vernonanthura, reconhecidos representantes do componente