Você está na página 1de 29

1

Orientações – projetos de pesquisa

São Paulo, 6 de agosto de 2019

Mauricio Guimarães Bergerman

Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo - EPUSP


Orientações – projetos de pesquisa
2

❑ Objetivo: apresentar os pontos que devem ser observados


ao longo do desenvolvimento de um projeto de pesquisa
Orientações – projetos de pesquisa
3
❑ Iniciando a pesquisa:
❑ Ler atentamente o edital da bolsa / programa de pós-graduação e as demais
normas / regimentos relacionadas(os)
❑ Relatórios parciais e finais;
❑ Preciso receber com no mínimo 21 dias para revisão e comentários no caso de IC e 14 dias
no caso de mestrado / doutorado.
❑ Matricula de acompanhamento;
❑ Qualificação e defesa;
❑ Preciso receber com no mínimo 60 dias no caso de mestrado / doutorado;
❑ Atentar ao procedimento de aprovação da banca, que precisa da aprovação da CCP –
prazo reuniões antes da data limite de inscrição.
❑ Necessidade de publicação de trabalhos em congressos e artigos em revista;
❑ Congressos: ABM, ENTMME, IMPC, Mei conferences, SME
❑ Revistas: REM, ABM (TMM e JMR&T), IJMP, ME, Holos, Revistas comerciais. Ideal B2 ou melhor
(Capes qualis).
❑ Apresentação de pôster nos casos dos projetos de IC;
❑ SIICUSP
Orientações – projetos de pesquisa
4

❑ Iniciando a pesquisa:
❑ Agora você é um pesquisador...divulgue seu trabalho!
❑ Currículo Lattes – atualizar ao menos semestralmente;
❑ Linkedin – interessante colocar artigos e publicações relevantes;
❑ Google Acadêmico;
❑ Research ID / web of Science;
❑ Orcid / End note;
❑ Academia
❑ Research Gate

❑ Ler sites e livros sobre escrita e desenvolvimento de projetos


científicos / cursar disciplina de metodologia científica.
❑ Ler outros TCC/dissertações e teses;
❑ Assistir defesas do PMI e outras unidades e Departamentos
Orientações – projetos de pesquisa
5
❑ Iniciando a pesquisa:
❑ Existe a necessidade de apoio financeiro?
❑ SAS (moradia, alimentação, transporte, etc);
❑ Bolsas (Capes, CNPq, Fapesp, agências internacionais, empresas, etc)
❑ Bolsistas: participar de eventos Departamento / USP.

❑ Cadastrar-se como usuário do LTM:


❑ Assinar regimento interno
❑ Outras oportunidades USP:
❑ PAE;
❑ Disciplinas em outros Deptos: DPG-5001 - Atividades de Cultura e Extensão Universitária na Pós-Graduação
❑ CEPUSP;
❑ Museus, cinema, grupos de extensão, etc - Entreartes
❑ Redes de contatos: AEP, Alumni, Ifriends, CMR, Mining Games, Cavernas Geologia ...
❑ SOS Poli - https://www.facebook.com/events/271313186777429/?active_tab=about
❑ Saúde mental - https://sites.usp.br/esm/prevencao/
❑ Queixa escolar: http://www.ip.usp.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4409%3A2013-
07-04-18-50-24&catid=430%3A2013-07-04-18-51-19&Itemid=64&lang=pt
❑ Estatística: NEA – ICMC
❑ https://www.poli.usp.br/noticias/12940-viver-a-poli-transcende-a-vida-academica.html
Orientações – projetos de pesquisa
6

❑ Iniciando a pesquisa:
❑ Disciplinas de pós:
❑ Introdução à Pós-Graduação da Universidade de São Paulo -
https://edisciplinas.usp.br/acessar/
❑ Disciplinas de outros departamentos;
❑ Disciplinas de metodologia científica.

❑ Outros cursos:
❑ Writing in the Sciences - coursera
Orientações – projetos de pesquisa
7

❑ Desenvolvendo a pesquisa:
❑ Definir claramente os objetivos do projeto e estrutura do trabalho;
❑ Entender a mineralogia / geologia do material estudado.
❑ Realizar uma revisão bibliográfica inicial:
❑ Importante ter boa diversidade de fontes: livros, eventos, artigos de revistas
científicas, revistas comerciais, sites, manuais de fornecedores, etc;
❑ Cadastrar-se para receber alertas de publicações importantes;
❑ Conversar com pessoas que desenvolveram estudos em áreas correlatas;
❑ Entender o estado da arte: não se deve apenas descrever as técnicas que
serão usadas (isto pode ser até dispensável em muitos casos). O mais
importante é entender o que já foi feito no passado e o que o seu estudo pode
contribuir para aquela área;
❑ Quem é referencia na área? Estudos feitos na USP/PMI.
❑ Muito cuidado com as referências para não se perder;
❑ Extremo cuidado com plágio!!!
Orientações – projetos de pesquisa
8
❑ Desenvolvendo a pesquisa:
❑ Planejar detalhadamente a etapa experimental;
❑ Caderno para registro das atividades laboratoriais
❑ Que materiais irei precisar? Lembre-se do prazo para aquisição;
❑ Onde irei realizar os experimentos?
❑ Será necessário algum recurso financeiro?
❑ Tenho lugar para armazenar as amostras de minério?
❑ Será necessário solicitar algum reagente/material?
❑ Que aspectos de segurança devem ser observados?
❑ Materiais radioativos / tóxicos?
❑ E quanto a organização do laboratório?
❑ Nunca deixar amostras por muito tempo nas estufas e sobre as bancadas
❑ Como irei descartar eventuais resíduos tóxicos?;
❑ Existem procedimentos padrões para os ensaios? Quem irá me treinar?
❑ O que irei fazer com as amostras e materiais após a realização dos ensaios?
❑ Planejar de modo que tudo seja feito com calma, qualidade, segurança e com mínimo impacto
ambiental.
Orientações – projetos de pesquisa
9

❑ Desenvolvendo a pesquisa:
❑ Salvar em diferentes locais e com diferentes nomes!
❑ Aprofundar a revisão bibliográfica;

❑ Realizar a etapa experimental;

❑ Analisar e discutir os resultados obtidos – nova etapa experimental?

❑ Fechar o relatório final e publicações:


❑ Utilizar modelo de relatório fornecido pelo Professor;
❑ Ler outros relatórios / TCCs / dissertações / teses e artigos;
❑ Seguir normas de formatação/citações;
❑ Sugestão: utilizar Mendeley ou end note;
❑ Ler o manual de padronização de dissertações e teses da Poli;
❑ Verificar formatação, listas de tabelas, figuras, siglas, etc.
❑ Softwares de apoio para gráficos: Origin
❑ Extremo cuidado com plágio.
Orientações – projetos de pesquisa
10

❑ Fechamento:
❑ Lembrar de todos os que ajudaram de forma significativa e colocar
nos agradecimentos do relatório/dissertação/tese e artigos:
❑ Secretária(o), bibliotecária(o), etc;
❑ Técnicos e colegas que ajudaram nos experimentos, revisão, etc;
❑ Professores e colegas que contribuíram com sugestões e infraestrutura laboratorial;
❑ Fornecedores de reagentes que doaram amostras;
❑ Mineradores que doaram minério;
❑ Apoiadores – CNPq, Capes, Fapesp, etc – mesmo que indireto!
❑ "O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível
Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001
❑ "This study was financed in part by the Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior -
Brasil (CAPES) - Finance Code 001"

❑ Enviar cópia dos trabalhos publicados a todos os co-autores e


pessoas que ajudaram.
Orientações – projetos de pesquisa
11

❑ Cuidados no texto:
❑ Termos técnicos
❑ Taxa vs. vazão;
❑ Planta vs. Usina;
❑ Metodologia (estudo do método) vs. materiais e metodos
❑ mineral grosseiro (mal educado) vs. Grosso;
❑ Através (atravessou algo) – por meio de;
❑ Estudo vs. Análise;
❑ Onde (lugar) vs. Aonde (movimento – junto com verbos como ir, chegar, dirigir...);
❑ Não simulamos equipamentos, simulamos o processo
❑ 5% a 30%
❑ Não dividir número e unidade – espaço duro
❑ Et al. não é itálico
❑ Mesh Tyler
❑ Passante acumulado (%)
❑ Massa (g)
❑ Mineral vs. Elemento químico
❑ Revisão de gramática
❑ Figura e Tabela citadas no texto
❑ Performance vs desempenho
❑ Capacity (capacidade do equipamento) vs throughput (quanto processo em um dado momento)
Orientações – projetos de pesquisa
12

❑ Cuidados no texto:
❑ Tenacidade
❑ Britlle – quebradiço / frágil
❑ Shear – cisalhamento
❑ Estático vs. Regime estacionário
❑ Linhas automáticas dos gráficos do excel – avaliar deixar só pontos
Orientações – projetos de pesquisa
13

❑ Fechamento:
❑ Prazos de revisão:
❑ Enviar produtos intermediários: estrutura, capítulos, etc
❑ Revisão final de português e inglês, formatação, etc
❑ Ideal é ter o documento pronto 2 meses antes do prazo final

❑ Submissão de artigos:
❑ Política de Fapesp de acesso aberto: http://www.fapesp.br/12592
Orientações – projetos de pesquisa
14

❑ Fechamento:
❑ Bancas de qualificação e defesa:
❑ Escolhernomes que possam efetivamente contribuir;
❑ Entender a diferença e requisitos da qualificação e da defesa;
❑ Caprichar na apresentação para que os comentários se foquem nos
aspectos técnicos;
❑ 20 min de apresentação na qualificação;
❑ 30 a 40 min na defesa (40 min máximo).

❑ No caso de TCCs, assistir todos os trabalhos do dia / período.


Orientações – projetos de pesquisa
15

 Material da disciplina do PMI de metodologia científica (enviado


por email)

 Informações da USP sobre pesquisa:


 http://www.sibi.usp.br/apoio-pesquisador/indicadores-

pesquisa/
 http://prp.usp.br/iniciacao-cientifica/

 Manual de padronização de teses e dissertações:


 http://www.teses.usp.br/index.php?option=com_content&view=a

rticle&id=52&Itemid=67
Orientações – projetos de pesquisa
16

 Sites de apoio:
 www.conflab.com.br
Orientações – projetos de pesquisa
17

 Periódicos: ver revistas citadas no slide 3


 http://www.periodicos.capes.gov.br

 Associações:
 http://www.abmbrasil.com.br/

 http://www.cim.org

 http://www.smenet.org/ link onemine

 http://www.ausimm.com.au/

 www.apemi.org.br

 Sites de programas de pós graduação no Brasil e no mundo:


 http://www.teses.usp.br/

 https://circle.ubc.ca/
Orientações – projetos de pesquisa
18

 Revistas comerciais:
 Brasil Mineral
 In the Mine
 Minerios & Minerales
 Mineração & Sustentabilidade
 Areia e Brita
 International Mining
 Engineering & Mining Journal
 Mining magazine;
 SME;
 CIM;
 AUISMM;
 SAUIMM, ...
Orientações – projetos de pesquisa
19

 Eventos:
 Congresso Brasileiro de Mineração - http://www.exposibram.org.br/

 Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa –


www.entmme.org / http://searchentmme.yang.art.br/

 Congressos da ABM – www.abmbrasil.com.br

 Eventos internacionais: IMPC, Mei conferences, SME, CIM, AUSIMM, SAIMM,


Gecamin, Infomine, etc.

 Semanas de Estudos Mínero-Metalúrgicas de diferentes Universidades


Orientações – projetos de pesquisa
20
 Entidades governamentais:
 www.cetem.gov.br
 www.cprm.gov.br
 www.dnpm.gov.br

 Sebos:
 www.estantevirtual.com.br

 Outros:
 www.infomine.com
 www.noticiasdemineracao.com
 www.mining.com
 http://sites.poli.usp.br/geologiaemetalurgia/
 www.sejaumengenheirodeminas.weebly.com
 www.academia.edu
 https://www.researchgate.net/
 www.mendeley.com
 https://medium.com/@m.a.ponti
Livros – Tratamento de Minérios
21

 Gaudin, A.M. Principles of mineral dressing. McGraw-Hill Book Company, 1938.


 Taggart, A. F. Elements of ore dressing. John Willey & Sons, 1951.
 Prior, E.J. Mineral Processing. Elsevier, 1965.
 Fundação Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco, Tratamento de minérios e hidrometalurgia: In memorian
Professor Paulo Abib Andery. 1980.
 WEISS, N.L. SME mineral processing handbook. New York: SME, 1985
 Kelly, E, G.; Spottiswood, D. J. Introduction to mineral processing. John Willey & Sons, 1983.
 SAMPAIO, J.A.; LUZ, A.B.; LINS, F.F. Usinas de beneficiamento de minérios no Brasil. Rio de Janeiro: CETEM/MCT,
2001
 FUERSTENAU, M.C.; HAN, K.N. Principles of mineral processing. Littleton: Society for Mining, Metallurgy, and
Exploration of SME, 2003. 573 p.
 GUPTA, A.; YAN, D. Mineral processing design and operation: an introduction. Amsterdam: Elsevier, 2006. 693 p.
 Sampaio, J.A.; França, S.C.A.; Braga, P.F.A. Tratamento de Minérios: Práticas laboratoriais. CETEM/MCT, 2007
 BRUNE, J. Extracting the Science: A Century of Mining Research. Littleton: SME, 2010.
 LUZ, A. B.; SAMPAIO, J. A.; FRANÇA, C.A. Tratamento de minérios. 5 edição. Rio de Janeiro: CETEM, 2010.
 SBÁRBARO, D.; DEL VILLAR, R. Advanced Control and Supervision of Mineral Processing Plants. London: Springer,
2010, 312 p.
Livros – Tratamento de Minérios
22

 KING, R. P. Modeling and Simulation of Mineral Processing Systems. SME, Littleton, 2012. 492 p.
 RANKIN, W. J. 2013. Australasian Mining and Metallurgical Operating Practices - Third Edition. AUSIMM.
 Anderson, C.; Dunne, R.; Uhrie, J. Mineral Processing & Extractive Metallurgy: 100 years of innovation. Littleton:
SME, 2014.
 WILLS, B.A.; FINCH, J. Wills’s mineral processing technology: an introduction to the practical aspects of ore
treatment and mineral recovery. 8th ed. Oxford: Elsevier, 2016.
 CHAVES, A. P. Teoria e prática do tratamento de minérios volumes 1 a 6. São Paulo: Signus editora.
Livros - Cominuição
23

 Mineral crushing and grinding circuits : their simulation, optimisation, design, and control / [editor and chief
author] A. J. Lynch, with contributions by P. D. Bush ... [et al.] ; and case studies by staff members of ASARCO, Inc.,
Silver Bell Unit, Arizona ... [et al.]. 1977.
 Process engineering of size reduction : ball milling / by L.G. Austin, R.R. Klimpel, P.T. Luckie, 1984.
 Prasher, C.L. Crushing and grinding process handbook. John Willey & Sons, 1987.
 Sanchez, I. C.; Matsushita, K.; Pons, F.C. Moagem & Moinhos, 198X.
 NAPIER-MUNN, T.J. et al. Mineral comminution circuits: their operation and optimization. Indoorroopilly: Julius
Kruttschnitt Mineral Research Centre/University of Queensland, 1999. 413 p. (JKMRC Monograph Series in Mining
and Mineral Processing).
 Metso. Manual de Britagem. 2005.
 Lynch, A.J.; Rowland, C.A. The history of grinding. SME, 2005.
 KAWATRA, K. Advances in comminution. Colorado: SME. 2006.
Livros - Flotação
24
 GAUDIN, A.M. Flotation. McGraw-Hill Book Company, 1957.
 FUERSTENAU, D.W. Froth flotation: 50th Anniversary Volume. New York: The American Institute of Mining,
Metallurgical, and Petroleum Engineers, 1962.
 FUERSTENAU, M.C. Flotation: A.M. Gaudin Memorial Volume. New York: American Institute of Mining, Metallurgical,
and Petroleum Engineers, 1976.
 JONES, M.J. Complex sulphide ores. England: The Institution of Mining and Metallurgy, 1980.
 KING, R. P. Principles of flotation. Johannesburg: South African Institute of Mining and Metallurgy, 1982.
 LEJA, J. Surface chemistry of froth flotation. Plenum press, 1982.
 FORSSBERG, K.S.E. Flotation of sulphide minerals. Amsterdam: Elsevier, 1985.
 FLORES, S. H. C.; MOISAN, J. A. Froth flotation: Proceedings of the 2nd Latin-American Congress on Froth Flotation.
Amsterdam: Elsevier, 1988.
 CROZIER, R.D. Flotation: theory, reagentes, and ore testing. Oxford: Pergamon, 1992.
 PAREKH, B.K.; MILLER, J.D. Advances in flotation technology. Littleton: Society for Mining, Metallurgy and
Exploration, 1999.
Livros - Flotação
25
 RAO, S. R. Surface chemistry of froth flotation. Volume 1: Fundamentals. Nova Iorque: Kluwer Academic, 2004.
 RAO, S. R. Surface chemistry of froth flotation. Volume 2: Reagents and mechanisms. Nova Iorque: Kluwer
Academic, 2004.
 FUERSTENAU, M.C. Froth Flotation: A Century of Innovation. Littleton: SME, 2007.
 BALTAR, C. A. M. Flotação no tratamento de minérios. Recife: UFPE, 2008.
 Lynch, A.J.; Harbort, G.J.; Nelson, M.G. History of flotation. AUSIMM, 2010.
 Greet, C.J. Flotation plant optimisation: A metallurgical guide to identifying and solving problems in flotation plants.
Ausimm, 2010
 CYTEC. Mining chemicals handbook. 2010.
 CHAVES, A. P. Teoria e prática do tratamento de minérios volume 4 – flotação: o estado da arte no Brasil. 3 ed.
São Paulo: Signus editora, 2013.
Livros - Projeto
26

 Mular, A. L.; Parkinson, E.A. Mineral Processing Equipment Costs and


Preliminary Capital Cost Estimation, 1972.
 Shoemaker, R.S.; McQuinston Jr., F.W. Primary Crushing Plant Design. SME,
1978.
 Mular, A.L.; Bhappu, R.B. Mineral Processing Plant Design. SME, 1980.
 Mular, A.L.; Jersengen, G.V. Design and installation of comminution circuits.
SME, 1982.
 Mintek, Handbook on the Estimation of Metallurgical Process Costs, 1991.
 Mular, A.A.; Halbe, D.N.; Barratt, D.J. Mineral Processing Plant Design, Practice
and Control. SME, 2002.
 Malhotra, D.; Taylor, P.R.; Spiller, E.; LeVier, M. Recent Advances in Mineral
Processing Plant Design. SME, 2009.
 AUSIMM, Cost estimation handbook. Second edition. Monograph 27. The
Australian Institute of Mining and Metallurgy. 2012.
Livros - Projeto
27

 Rudeno, V. The mining valuation handbook: mining and energy valuation for
investors and management. 2012.
 Boom, R.; Twigge-Molecey, C.; Wheeler, F.; Young, J. Melallurgical plant design.
Quebec: Canadiam Institute of Mining, Metallurgy and Petroleum. 2015.
 Cost calculator – Infomine - http://calc2015.costs.infomine.com/welcome.aspx
 Fornecedores
Outros
28

 SAMPAIO, C. H.; TAVARES, L. M. M. Beneficiamento gravimétrico: uma introdução


aos processos de concentração mineral e reciclagem de materiais por densidade.
Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.

 Morrison, R.D. An Introduction to metal balancing and reconciliation. JKMRC, 2008.


29

OBRIGADO!
29

DÚVIDAS?

Maurício Bergerman
mbergerman@usp.br
11 94631-5541 (só assuntos urgentes!)