Você está na página 1de 212

MAKING MODERN LIVING POSSIBLE

Instruções de Instalação
Recomendações e instruções
para o instalador

REFRIGERATION &
aIR CONDITIONING DIVISION Manual
Estas Instruções de Instalação fornecem sugestões práticas sobre os
controles para refrigeração comercial da Danfoss (mecânicos) e sobre
compressores Danfoss.

Caso queira maiores informações sobre a linha de produtos Danfoss entre


em contato com seu revendedor ou seu representante Danfoss local. Você
também pode encontrar informações muito úteis em nosso site na web:
www.danfoss.com

Esperamos que este manual o ajude em seu trabalho diário.

Danfoss A/S
Instruções de instalação

Válvulas de
expansão
Capítulo 1 . ................................... Válvulas de expansão termostática .......................................... página 3

solenóides
Válvulas
Capítulo 2 . ................................... Válvulas solenóides . .......................................................................página 13

Pressostatos
Capítulo 3 . ................................... Pressostatos . ......................................................................................página 19

Termostatos
Capítulo 4 . ................................... Termostatos ........................................................................................página 27

Reguladores de
pressão
Capítulo 5 . ................................... Reguladores de pressão . ..............................................................página 35

Válvulas para
água
Capítulo 6 . ................................... Válvulas para água ..........................................................................página 45

Filtros secadores e
visores de líquido
Capítulo 7 . ................................... Filtros secadores e visores de liquido ....................................página 51

Compressores
Danfoss

Capítulo 8 . ................................... Compressores Danfoss...................................................................página 61


Dicas práticas

Capítulo 9 . ................................... Dicas práticas....................................................................................página 125


Solução de
problemas

Capítulo 10 .................................. Solução de problemas .................................................................página 145

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 1


Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Índice Página
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Válvulas de
expansão
Superaquecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Sub-resfriamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Equalização externa de pressão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Cargas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Carga universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Carga MOP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Carga de ballast MOP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Seleção da válvula de expansão termostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Substituição do conjunto do orifício . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Catálogo de produtos da Danfoss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 3


Observações

4 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Introdução Uma válvula de expansão termostática é


construída ao redor do elemento termostático

Válvulas de
(1), separada do corpo da válvula por um

expansão
diafragma.

Um tubo capilar conecta o elemento a um bulbo


(2) e um corpo de válvula com base da válvula (3)
e uma mola (4).

Uma válvula de expansão termostática


funciona da seguinte maneira:
A função de uma válvula de expansão
termostática é determinada por três pressões
fundamentais:
P1: Pressão do bulbo que atua na superfície
superior do diafragma, no sentido de
abertura da válvula.
P2: Pressão de evaporação que atua sobre a
parte inferior do diafragma, no sentido de
fechamento da válvula.
P3: Pressão da mola que também atua sobre a
parte inferior do diafragma, no sentido de
fechamento da válvula.

Quando a válvula de expansão regula, cria-se um


equilíbrio entre a pressão de bulbo, de um lado
do diafragma, e a pressão de evaporação mais a
força da mola, do outro lado.

A mola é utilizada para ajustar o


superaquecimento.

Ad0-0001

Superaquecimento O superaquecimento é medido no ponto onde


o bulbo está localizado na linha de sucção e é
a diferença entre a temperatura no bulbo e a
pressão/temperatura de evaporação no mesmo
ponto.

O superaquecimento é medido em graus Kelvin


(°K) e é utilizado como um sinal para regular
a injeção de líquido, através da válvula de
expansão.

Ad0-0012

Subresfriamento O sub-resfriamento é definido como a diferença


entre a pressão/temperatura de condensação e a
temperatura do líquido, na passagem de entrada
da válvula de expansão.

O sub-resfriamento é medido em graus Kelvin


(°K).
O sub-resfriamento do refrigerante é necessário
para evitar bolhas de vapor no refrigerante
adiante da válvula de expansão.

As bolhas de vapor no refrigerante reduzem a


capacidade da válvula de expansão e causam
a redução do suprimento de líquido para o Ad0-0015
evaporador.

O sub-resfriamento de 4-5 °K é adequado na


maioria dos casos.
© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 5
Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Equalização de pressão As válvulas de expansão com equalização de


externa pressão externa devem ser utilizadas se houver
distribuidores de líquido instalados.

Tipicamente, a utilização de distribuidores


acarreta uma queda de pressão de 1 bar através
do distribuidor e dos tubos de distribuição.

As válvulas de expansão com equalização de


pressão externa sempre devem ser usadas em
sistemas de refrigeração com evaporadores
pesados ou intercambiadores de placa, onde
Ad0-0016
normalmente a queda de pressão será maior que
a pressão correspondente a 2 °K.

Cargas As válvulas de expansão termostática podem


conter um dos três tipos de carga:
1. Carga universal
2. Carga MOP
3. Carga MOP com ballast, padrão das válvulas de
expansão com MOP da Danfoss.

Carga universal As válvulas de expansão com carga Universal


são utilizadas na maioria dos sistemas de
refrigeração, onde não há nenhuma exigência
de limitação de pressão e onde o bulbo pode ser
colocado mais quente que o elemento ou em
temperatura/pressão de evaporação alta.

Carga Universal significa que há carga de


líquido no bulbo. A quantidade de carga é
tão grande que a carga permanece no bulbo,
independentemente do elemento estar mais frio
ou mais quente que o bulbo.
Ad0-0017

Carga MOP As válvulas de expansão com carga MOP são


utilizadas, tipicamente, em unidades feitas em
fábrica, onde se exige a limitação da pressão de
sucção na partida, p.ex., no lado de transporte e
em sistemas de ar condicionado.

Todas as válvulas de expansão com MOP têm


uma carga muito pequena no bulbo.

Isto significa que a válvula ou o elemento deve


ser colocado mais quente que o bulbo. Se não for,
a carga pode migrar do bulbo para o elemento e
Ad0-0018
evitar que a válvula de expansão funcione.

A carga MOP significa carga limitada do líquido


no bulbo.

“MOP” significa Maximum Operating Pressure


(Pressão Operacional Máxima) e é a pressão/
pressão de evaporação máxima admissível no
evaporador/linha de sucção.

A carga terá evaporado quando a temperatura


atingir o ponto MOP. Gradativamente, à medida
que a pressão de sucção aumenta, a válvula de
expansão começa a fechar, aproximadamente em
0,3/0,4 bar, abaixo do ponto MOP. A válvula fecha
por completo quando a pressão de sucção for a
mesma que a do ponto MOP.

MOP é freqüentemente denominado de “Motor


Overload Protection” (Proteção contra Sobrecarga
do Motor).
6 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Carga de ballast MOP As válvulas de expansão com cargas de ballast


MOP são usadas principalmente em sistemas

Válvulas de
de refrigeração com evaporadores “altamente

expansão
dinâmicos”, p.ex., em sistemas de ar condicionado
e intercambiadores de calor de placa com alta
transferência de calor.
Com carga de ballast MOP, até 2 – 4 °K, pode-se
obter um superaquecimento menor que com
outros tipos de carga.
O bulbo de uma válvula de expansão termostática
contém um material de alta porosidade e grande
área superficial, em relação ao peso.
Ad0-0021
A carga MOP com ballast tem um efeito
amortecedor sobre o controle da válvula de
expansão.
A válvula abre lentamente à medida que a
temperatura do bulbo aumenta e fecha rapidamente
quando a temperatura do bulbo diminui.

Seleção da válvula de A válvula de expansão termostática pode ser


expansão termostática selecionada quando as seguintes informações
forem conhecidas:
Refrigerante Sub-resfriamento
Capacidade do evaporador Queda de pressão através da válvula
Pressão de evaporação Equalização de pressão interna ou externa
Pressão de condensação

Identificação O elemento do termostato é instalado com uma


gravação a laser no topo do diafragma.

O código refere-se ao refrigerante para o qual a


válvula é projetada:
L = R410A
N = R134a
S = R404A/ R507
X = R22
Z = R407C

Esta gravação fornece o tipo de válvula (com


o código de compra), faixa da temperatura de
evaporação, ponto MOP, refrigerante, e a pressão
de trabalho máxima, PS/MWP.

Com o TE 20 e TE 55, a capacidade nominal está


estampada em uma etiqueta de fita presa na
válvula. Ad0-0019

O conjunto do orifício do T2 e TE2 vem com o


tamanho do orifício gravado (p.ex., 06) e com a
semana + último algarismo do ano estampados
(p.ex., 279).
O número do conjunto do orifício também é Ad0-0023
fornecido na tampa do seu contêiner de plástico.
No TE 5 e TE 12, a estampa superior (TE 12) indica
em quais tipos de válvulas o orifício pode ser
usado. A estampa inferior (01) é o tamanho do
orifício.

No TE 20 e TE 55, a estampa inferior (50/35 TRN/B)


indica a capacidade nominal, nas duas faixas
de temperatura de evaporação N e B, e o
refrigerante. (50/35 TR = 175 kW na faixa N e
123kW na faixa B).

A estampa superior (TEX 55) refere-se ao tipo de


válvula na qual o conjunto pode ser utilizado. Ad0-0020

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 7


Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Instalação A válvula de expansão deve ser instalada na


linha de líquido, antes do evaporador, com o seu
bulbo preso à linha de sucção, tão próxima do
evaporador quanto possível.

Se houver equalização da pressão externa, a linha


de equalização deve estar conectada à linha de
sucção, imediatamente após o bulbo.

Ad0-0002

O bulbo fica melhor montado no tubo da linha


de sucção horizontal e em uma posição entre
1hora e 4 horas.

A posição depende do diâmetro externo do tubo.

Observação:
O bulbo nunca deve ficar na parte de baixo da
linha de sucção devido à possibilidade de óleo
acumulado na parte de baixo do tubo originando
sinais falsos.
Ad0-0003

O bulbo deve ser capaz de detectar a


temperatura do vapor de sucção superaquecido
e, portanto, não deve estar localizado em uma
posição que o exponha a calor/frio externo.

Se o bulbo for exposto a uma corrente de ar


quente, é recomendável isolar o bulbo.

A presilha do bulbo da Danfoss permite uma


instalação firme e segura do bulbo ao tubo, com
isso garantindo que o bulbo tenha um contato
térmico máximo com o tubo de sucção. O projeto
da TORX para parafuso facilita ao técnico de
instalação transferir o torque da ferramenta para Ad0-0004
o parafuso, sem ter de pressionar a ferramenta na
fenda do parafuso. Além disso, com o projeto da
fenda da TORX, não há nenhum risco de danificar
a fenda do parafuso.
O bulbo não deve ser instalado, fisicamente,
depois de um intercambiador de calor porque,
nesta posição, ele emitirá sinais falsos para a
válvula de expansão.

Ad0-0005

O bulbo não deve ser instalado próximo de


componentes com massa grande, pois, isto
também origina sinais falsos para a válvula de
expansão.

Ad0-0006

8 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Evacuação (cont.) Como mencionado previamente, o bulbo deve


ser instalado na parte horizontal da linha de

Válvulas de
sucção, imediatamente após o evaporador. Ele

expansão
não deve ser instalado em um tubo coletor ou
um tubo vertical, após uma bolsa de óleo.

Ad0-0007

O bulbo da válvula de expansão sempre deve ser


instalado antes do bloqueio de qualquer líquido.

Ad0-0008

Ajuste A válvula de expansão é fornecida com um ajuste


de fábrica, adequado à maioria das aplicações.

Se necessário, pode-se fazer o reajuste utilizando


o pino de ajuste na válvula.

Girando o pino no sentido horário, aumenta-se


o superaquecimento da válvula de expansão
e, no sentido anti-horário, diminui-se o
superaquecimento.

Para o T / TE 2, uma volta do pino causa uma


mudança de aprox. 4 °K no superaquecimento na
temperatura de evaporação em 0 °C.

Ad0-0009

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 9


Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Ajuste (cont.) Para as T / TE 5, uma volta do pino causa uma


mudança de aprox. 0,5 °K no superaquecimento
na temperatura de evaporação em 0 °C.

Para as TUA e TUB, uma volta do pino causa uma


mudança de aprox. 3 °K no superaquecimento na
temperatura de evaporação em 0 °C.

Ad0-0010

A oscilação alternada no evaporador pode ser


eliminada por meio do seguinte procedimento:
Aumentar o superaquecimento girando o pino
de ajuste da válvula de expansão, todo para a
direita (sentido horário) de modo que a oscilação
alternada pare. Em seguida, girar o pino de
ajuste de alguns passos no sentido anti-horário,
de modo que a oscilação alternada comece
novamente.

A partir desta posição, girar o pino cerca de uma


volta no sentido horário (mas somente 1/4 volta
para as válvulas T/TE 2).
Ad0-0011
Neste ajuste, o sistema de refrigeração não
oscilará alternadamente e o evaporador é
completamente utilizado.
Uma variação de 1 °K no superaquecimento não é
considerada como oscilação alternada.
Se o superaquecimento no evaporador estiver
muito alto, a causa pode ser um suprimento
inadequado de refrigerante líquido.

O superaquecimento pode ser reduzido girando


o pino do ajuste da válvula de expansão no
sentido anti-horário, gradualmente, até que a
oscilação alternada seja observada.

A partir deste ajuste, o pino deve ser girado cerca


de uma volta no sentido horário (mas somente
1/4 volta para a T/TE 2). Este ajuste utiliza
completamente o evaporador.
Uma variação de 1 °K no superaquecimento não é Ad0-0013
considerada como oscilação alternada.

Substituição do conjunto do Se o evaporador continuar a oscilação


orifício alternada, independentemente do ajuste do
superaquecimento, a capacidade de válvula pode
estar muito alta e o conjunto do orifício, ou da
válvula, necessita ser substituído por um menor.

Se o superaquecimento do evaporador
estiver muito alto, a capacidade da válvula for
muito baixa e o conjunto do orifício deve ser
substituído por outro maior.

As válvulas TE, T2, TUA, TCAE são fornecidas com


um orifício intercambiável.

Ad0-0014

10 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvula de expansão termostática

Catálogo de produtos da A Danfoss oferece uma gama abrangente


Danfoss de válvulas de expansão termostática, com

Válvulas de
Válvula de expansão capacidades desde 0,4 a 1083 kW (R134a).

expansão
termostática

As válvulas T/TE 2 têm um compartimento de As válvulas TDE têm um compartimento de latão


latão e conexões rosca/rosca ou solda/rosca. e conexões de solda de cobre.
Capacidade nominal. 0,4 a 10,5 kW (R134a).
Capacidade nominal. 10,5 a 140 kW (R407C).

As válvulas TUA, TUB, TUC têm um As válvulas são fornecidas com um orifício fixo e
compartimento de aço inoxidável e conexões de um superaquecimento ajustável.
aço inoxidável/solda bimetal de cobre.

Capacidade nominal. 0,5 a 12 kW (R134a). As válvulas TE 5 - TE 55 têm um compartimento


de latão.
As válvulas podem ser fornecidas com ou sem As válvulas são fornecidas como parte de
equalização de pressão externa. um programa que é composto por um
A TUA tem um conjunto de orifício compartimento de válvula, orifício e um
intercambiável e superaquecimento ajustável. elemento termostático.
A válvula TUB tem um orifício fixo e O compartimento da válvula está disponível nas
superaquecimento ajustável. versões reta ou em ângulo com solda, conexões
A TUC tem um orifício fixo e um rosca e de flange.
superaquecimento ajustado de fábrica.
Capacidade nominal. 12,9 a 220 kW (R134a).
As válvulas TUB e TUC são principalmente para
clientes OEM. Os valores são fornecidos com equalização de
Todas as válvulas TUB e TUC podem ser pressão externa.
substituídas por válvulas TUA.

As válvulas PHT 85 - 300 são fornecidas como


As válvulas TCAE, TCBE, TCCE têm um parte de um programa que é composto por um
compartimento de aço inoxidável e conexões de compartimento de válvula, flanges, orifício e
aço inoxidável/solda bimetal de cobre. elemento termostático.

Capacidade nominal. 12 a 18 kW (R134a). Capacidade nominal. 55 a 1083 kW (R134a).

As válvulas são projetadas como válvulas TU, mas


com uma capacidade maior. Para informações adicionais consultar a internet
ou o material de catálogo.
As válvulas são fornecidas com equalização de
pressão externa.

As válvulas TRE têm um compartimento de latão


e conexões de aço inoxidável/bimetal de cobre.

Capacidade nominal. 18 a 196 kW (R134a).

As válvulas são fornecidas com um orifício fixo e


um superaquecimento ajustável.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 11


Instruções de instalação Válvulas solenóides

Índice Página
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Precauções com a EVRA 32 e 40 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Durante o teste de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
A bobina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
O produto correto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

solenóides
Válvulas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 13


Observações

14 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvulas solenóides

Instalação Todas as válvulas solenóides dos tipos EVR/EVRA


e EVH somente funcionam quando instaladas
corretamente no sentido de fluxo, ou seja, no
sentido indicado pela seta.

Normalmente as válvulas solenóides instaladas


antes de uma válvula de expansão termostática
devem ficar próximas dessa válvula.

solenóides
Isto evita o efeito do golpe hidráulico quando a

Válvulas
válvula é aberta.

Af0_0001

Garantir que os tubos ao redor da válvula sejam


instalados corretamente de modo que não ocorra
nenhuma rachadura.

Af0_0003

Normalmente a soldagem, ou soldagem com


latão, das válvulas solenóides e das válvulas
EVR/EVRA e EVH não necessita que elas sejam
desmontadas, desde que sejam seguidas as
etapas recomendadas para evitar o aquecimento
da válvula.

Observação! Proteja sempre o tubo da armadura


contra respingos de solda.

Precauções com a EVRA 32 & 40 Após soldar a válvula no tubo, remover o corpo
da válvula para proteger do calor os O-rings e as
juntas. Em instalações com tubo de aço soldado, Af0_0004
recomenda-se montar um filtro do tipo FA ou
similar à antes da válvula solenóide. (Em uma
nova instalação, recomenda-se limpar com jato
de água antes de inicializar o sistema).

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 15


Instruções de instalação Válvulas solenóides

Durante o teste de pressão Todas as válvulas solenóides no sistema devem


estar abertas, ou aplicando uma tensão nas
bobinas ou abrindo as válvulas manualmente
(desde que haja um pino instalado para operação
manual).

Lembrar de rosquear o pino de volta antes de


inicializar, caso contrário a válvula não poderá
fechar.

Af0_0005

Utilizar sempre uma força contraposta ao


apertar finalmente a válvula solenóide nos
tubos, ou seja, com duas chaves fixas do
mesmo lado da válvula, como mostradas
na figura.

Af0_0006

16 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvulas solenóides

A bobina Ao instalar a bobina, é suficiente apenas


pressioná-la para baixo sobre o tubo da
armadura, até ouvir um “clique” ao encaixar. Isto
significa que a bobina foi corretamente instalada.

Observação: Lembrar de instalar o O-ring entre o


corpo da válvula e a bobina.

Certificar-se de que o O-ring está flexível, sem

solenóides
danos e que a superfície está sem pintura ou

Válvulas
qualquer outro material.

Observação: O O-ring deve ser trocado durante


o serviço de manutenção. Af0_0018

A bobina pode ser removida inserindo uma chave


de fenda entre o corpo da válvula e a bobina.
A chave de fenda pode ser utilizada como uma
alavanca para soltar a bobina.

Af0_0019

Tomar cuidado com as passagens de entrada de


cabo. Deve-se impossibilitar a água de escorrer
para a caixa elétricas. Para tanto, o cabo deve
ser posicionado na forma de um loop para
gotejamento.

Af0_0009

A circunferência inteira do cabo deve ser presa


pela passagem de entrada de cabo.

Desse modo, utilizar sempre cabo redondo (que


é o único tipo de cabo que pode ser vedado
efetivamente).

Af0_0010

Prestar atenção às cores dos fios do cabo.

Amarelo/verde é sempre para aterramento.

Fios condutores de uma só cor são ou para fase


ou para neutro.

Af0_0011

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 17


Instruções de instalação Válvulas solenóides

A bobina (cont.) Ao remover uma bobina, pode ser necessário


utilizar ferramentas manuais, p.ex., duas chaves
de fenda.

Af0_0012

O produto correto Assegurar-se de que os dados da bobina (tensão


(O tipo de bobina “antiga”) e freqüência) e a tensão de alimentação são
compatíveis. Se não forem compatíveis, a bobina
pode queimar. Garantir que a válvula e a bobina
são sempre compatíveis.

Ao substituir uma bobina, em uma EVR 20 NC


(NC = normalmente fechada) observar:
- Um corpo de válvula que utilize uma bobina Af0_0013
C.A. tem uma armadura quadrada.
- Um corpo de válvula que utilize uma bobina
C.C. tem uma armadura redonda.

Instalar a bobina errada redundará em um


MOPD menor. Consultar os dados sobre a porca
superior. Sempre que possível, escolher bobinas
com freqüência única. Estas desprendem menos
calor que as bobinas com freqüência dupla.
Utilize válvulas solenóides NC (normalmente Af0_0014
fechadas) para sistemas em que a válvula deve
permanecer fechada (desenergizada), durante a
maior parte da operação.
Utilize válvulas solenóides NO (normalmente
abertas) para sistemas em que a válvula deve
permanecer aberta (desenergizada), durante a
maior parte da operação.
Nunca substitua uma válvula solenóide NO
(normalmente aberta) por uma válvula NC
(normalmente fechada) – ou vice versa.

(A nova bobina tipo “grampear”) São fornecidas duas etiquetas com cada bobina
grampeada (ver ilustração).

A etiqueta adesiva deverá ser fixada na lateral da


bobina, enquanto que a outra etiqueta perfurada
deve ser colocada no tubo da armadura, antes de
a bobina ser encaixada no lugar.

Af0_0015

Af0_0020

18 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Pressostatos

Índice Página
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Colocação do tubo capilar de reserva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Contato de baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Pressostato de alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Exemplo com quatro compressores em paralelo (R404A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Ajustando o LP para local ao ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Indicador de pressões de evaporação (pe) para tipos diferentes de sistemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Teste da função de contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
O pressostato correto para o seu sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

Pressostato

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 �������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980��
19��
Observações

20 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Pressostato

Instalação Montar o pressostato KP em um suporte ou sobre


uma superfície completamente plana.

O pressostato também pode ser montado no


próprio compressor.

Em condições desfavoráveis um suporte curvado


em ângulo pode amplificar uma eventual
vibração no plano onde o sistema está montado.
Por essa razão, utilizar sempre um suporte
para parede em locais onde pode ocorrer uma
vibração forte.

Al0_0001

Pressostato
Se houver risco de gotículas de água ou de
borrifos de água, a chapa da parte superior que
vem junto com o sistema deve ser utilizada. A
placa aumenta a categoria do gabinete metálico
para o IP 44 e é apropriada para todos os
pressostatos KP. Para obter o IP 44, os furos na
placa traseira do controle devem ser cobertos
pela montagem em um suporte curvado em
ângulo (060-105666) ou em uma chapa para
parede (060-105566).

A chapa da parte superior é fornecida junto


para todas as unidades que incorporam o reset
automático. Ela também pode ser adquirida
separadamente (código de compra: para unidade Al0_0007
simples, 060-109766; para unidade dupla,
060-109866).

Se a unidade precisar ser utilizada em locais com


sujeira ou onde ela possa ficar exposta a líquido
pulverizado intenso – por cima ou lateralmente
– a unidade deve ser instalada com uma tampa
protetora. A tampa pode ser usada junto com um
suporte curvado em ângulo ou um suporte para
parede.

Al0_0008

Se a unidade estiver sujeita ao risco de se expor


à influência de água intensa, pode-se adquirir
um gabinete metálico de melhor qualidade, ao
montar o produto em um gabinete metálico
especial IP55.

O gabinete metálico IP55 está disponível tanto


para unidade simples (060-033066) como para a
unidade dupla (060-035066).

Ak0_0020

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 ���������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980����
21
Instruções de instalação Pressostato

Instalação (cont.) A conexão de pressão do pressostato sempre


deve estar encaixada no tubo, de modo que o
líquido não possa se acumular nos foles. Este
risco está presente especialmente quando:
a unidade está instalada em condições
ambientais baixas, p.ex., em uma corrente de
ar, a conexão fica na parte de baixo do tubo.

Esse líquido poderia danificar o pressostato de


alta.

Conseqüentemente a pulsação do compressor


não seria amortecida e poderia causar a
trepidação do contato.
Al0_0009

Colocação do excesso O tubo capilar de reserva pode trincar se ocorrer


de tubo capilar alguma vibração e, possivelmente, perder
completamente a carga do sistema. Portanto, é
muito importante que as seguintes orientações
sejam observadas:
Ao montar o termostato diretamente no
compressor. Prenda o tubo capilar firmemente
de modo que o conjunto compressor/
instalação de controle vibre como um todo. O
tubo capilar de reserva deve estar enrrolado e
preso firmemente.

Observação:
De acordo com os regulamentos EN, não é
permitido utilizar o tubo capilar para conectar
pressostato de segurança. Neste caso, é indicado
um tubo de 1/4 de polegada. Al0_0010

Outros tipos de montagem:


Enrolar o excesso de tubo capilar em forma
de laço solto. Prenda o comprimento do tubo
capilar firmemente entre compressor e o
laço ao compressor. Prenda o comprimento
do tubo capilar firmemente entre o laço e o
pressostato à base onde o pressostato está
montado.

No caso de vibrações muito intensas,


recomendam-se os tubos capilares de aço da
Danfoss, com conexões rosca :
Código de compra para 0,5 m = 060-016666
Código de compra para 1,0 m = 060-016766
Código de compra para 1,5 m = 060-016866
Al0_0011

Ajuste Os pressostatos KP podem ser pré-ajustados


utilizando um cilindro de ar comprimido. Garantir
que os contatos de mudança estão corretamente
conectados para a função requerida.

Ajustar a pressão inicial (CUT IN, Ativação) na


escala do intervalo (A). Em seguida, ajuste o
diferencial na escala do diferencial (B).
Pressão de bloqueio = CUT IN menos DIFF
(Diferencial).
Pressostato de alta Ajustar a pressão de bloqueio (CUTOUT,
Desativação) na escala do intervalo (A). Em
seguida, ajuste o diferencial na escala do
diferencial (B).
Pressão inicial = CUT OUT menos DIFF Al0_0012
(Diferencial).

Lembrar-se de que: As escalas são meramente


indicativas.

22 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Pressostato

Exemplo com quatro Ambiente: Sorvete em –25 °C, Compressor CUT OUT CUT IN
compressores em paralelo t0 ≈ –37 °C,
(R404A) p0 ≈ –0,5 bar, 1 –0,05 bar 0,35 bar
Dp linha de sucção correspondente a 0,1 bar. 2 0,1 bar 0,5 bar
3 0,2 bar 0,6 bar
Cada pressão de controle (p.ex., KP 2) deve ser 4 0,35 bar 0,75 bar
ajustada individualmente, de acordo com a
O pressostato deve ser montado de modo que
tabela a seguir.
o líquido não possa acumular nos foles.

Ajustando o LP para instalação Se o compressor, condensador e tanque de


ao ar livre liquido estiverem instalados ao ar livre, a pressão
baixa do KP deve ser ajustada para um valor
de “CUT IN” (Ativação) menor que a menor
pressão que ocorrer (temperatura ao redor do

Pressostato
compressor) durante a operação de inverno.
Neste caso, após períodos inativos mais longos,
a pressão no tanque de líquido determina a
pressão de sucção.

Exemplo:
Uma temperatura mínima de –20 °C que ocorrer
ao redor do compressor, para o R404A, significa
uma pressão de 1 bar. O CUT IN deve ser
ajustado em –24 °C (que corresponde a 1,6 bar). Al0_0013

Indicador de pressões de Temp. ambiente (tr) Tipo de sistema Diferença Pressão de RH Ajuste do KP2/KP1
evaporação (pe) para tipos entre te e tmedia evaporação(pe) [%] (cut in - cut out)
diferentes de sistemas (ar) D = Pressão operac. cont.
S = Press. segurança cont.
+0, 5°/+2 °C Câmara fria para carne 10K 1,0 – 1,1 bar 85 0,9 – 2,1 bar (D)
resfriada com ventilador (R134a)
+0, 5°/+2 °C Câmara fria p/ carne c/ 12K 0,8 – 0,9 bar 85 0,7 – 2,1 bar (D)
circulação de ar natural (R134a)
–1°/0 °C Balcão de refrigeração de 14K 0,6 bar 85 0,5 – 1,8 bar (D)
carne (aberto) (R134a)
+2°/+6 °C Câmara fria para leite 14K 1,0 bar 85 0,7 – 2,1 bar (D)
(R134a)
0°/+2 °C Câmara fria para frutas 6K 1,3 – 1,5 bar 90 1,2 – 2,1 bar (D)
Resfriador p/ vegetais (R134a)
-24 °C Congelador 10K 1,6 bar 90 0,7 – 2,2 bar (D)
(R404A)
-30 °C Câmara fria intensa 10K 1 bar 90 0,3 – 2,7 bar (D)
ventilada (R404A)
-26 °C Congelador p/ sorvete 10K 1,4 bar 90 0,5 – 2,0 bar (D)
(R404A)

Al0_0015

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 ���������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980����
23
Instruções de instalação Pressostato

Teste da função de contato Quando os fios elétricos são conectados e o


sistema está sob pressão normal de operação,
a função de contato pode ser testada
manualmente.

Dependendo da pressão e ajuste dos foles, o


dispositivo de teste deve ser pressionado para
cima ou para baixo.

Qualquer mecanismo de reset fica inoperante


durante o teste.

Em unidades simples:
Utilizar o dispositivo de teste no lado superior
esquerdo.
Al0_0018
Em unidades duplas:
Utilizar o dispositivo de teste do lado esquerdo
para teste de pressão baixa e o do lado direito
inferior para teste de pressão alta.

Advertência!
A função de contato em um
Pressostato KP nunca deve ser
testado ativando o dispositivo
no lado superior direito. Se esta advertência for
ignorada, o controle pode sair do ajuste. No pior
caso, a função pode ser prejudicada.

Al0_0019

No pressostato duplo KP 15% com reset opcional


automático ou manual, no lado da pressão
baixa e pressão alta, o reset automático deve ser
ajustado durante o serviço de manutenção. O
pressostato poderá dar partida automaticamente.
Lembrar que a função reset original deve ser
ajustada após o serviço de manutenção.

O pressostato pode ser protegido de ser ajustado


no reset automático: Simplesmente, remover a
arruela que controla a função reset!
Se a unidade deve ser protegida contra
adulteração, a arruela pode ser lacrada com
verniz vermelho.

Al0_0020

Pressão baixa Reset manual *) Reset automático Reset automático Reset manual
Pressão alta Reset manual *) Reset manual Reset automático Reset automático

*) Ajuste de fábrica Al0_0021

24 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Pressostato

O pressostato correto para o Pode-se utilizar o KP com conexões de solda em


seu sistema vez de conexões rosca, em sistemas herméticos.

Al0_0006

Pressostato
Em uma planta de amônia, onde os pressostatos
KP são utilizados, eles devem ser do tipo KP-A.
Um conector com M10 × 0.75 – 1/4 - 18 NPT
(código de compra 060- 014166).

Al0_0002

Para sistemas de refrigeração contendo uma


quantidade grande de carga, média e onde
é desejável/requerida uma segurança extra
(sistema de prevenção de falha): Utilizar o KP 7/17
com foles duplos. O sistema irá parar se um dos
foles romper-se – sem perda de carga.

Al0_0003

Para os sistema operando com pressão baixa, no


lado do evaporador, e onde o pressostato deve
regular (não apenas monitorar): Utilizar o
KP 2 com um pequeno diferencial.
Um exemplo onde o pressostato e o termostato
estão em instalados um seguido do outro:

O KP 61 regula a temperatura por meio da


parada/partida do compressor.
O KP 2 pára o compressor quando a pressão de
sucção baixar demais.

KP 61:
CUT IN = 5 °C (2,6 bar)
CUT OUT = 1 °C (2,2 bar)

Pressão baixa do KP 2:
CUT IN = 2,3 bar
CUT OUT = 1,8 bar
Al0_0004

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 ���������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980����
25
Instruções de instalação Pressostato

O pressostato correto para o Para sistemas onde o KP é ativado


seu sistema ocasionalmente (alarme) e sistemas onde o KP é
(cont.) a fonte de sinal para o PLC, etc.: Utilizar o KP com
contatos folheados com ouro; o que permite um
bom contato em tensões baixas.

Al0_0005

26 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Termostatos

Índice Página
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Termostato KP com sensor de ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Termostatos com reset automático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Termostatos com reset máximo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Termostatos com reset mínimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Exemplo de ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Teste da função de contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Termostato duplo KP 98 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
O termostato adequado para o seu sistema de refrigeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Carga do vapor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Carga de absorção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Tensão baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Colocação do tubo capilar de reserva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Termostatos com carga de vapor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Termostatos

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 27


Observações

28 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Termostatos

Instalação Se o risco de gotículas de água ou de borrifos


de água estiver presente, instalar uma placa de
topo. A placa aumenta a categoria do gabinete
metálico para o IP 44 e é apropriado para todos
os termostatos KP. A placa de topo deve ser
adquirida separadamente (Código de compra:
para unidade simples, 060-109766; para unidade
dupla, 060-109866).

Para obter o IP 44, cobrir todos os orifícios da


chapa traseira do termostato.

Aj0_0001

Se a unidade precisar ser utilizada em locais


sujos ou onde ela possa ficar exposta a líquido
pulverizado intenso, a unidade deve ser instalada
com uma tampa de proteção. A tampa pode ser
usada junto com um suporte curvado em ângulo
(060-105666) ou um suporte para parede (060-
105566).

Termostatos
Aj0_0002

Se a unidade estiver sujeita ao risco de se expor


à influência de água intensa, é possível adquirir
um gabinete metálico de melhor qualidade, ao
montar o produto em um gabinete metálico
especial IP55
O gabinete metálico IP55 está disponível tanto
para unidade simples (060-033066) como para a
unidade dupla (060-035066).

Ak0_0020

Termostato KP com sensor de ar Lembrar-se que o diferencial é afetado pela


circulação de ar ao redor do sensor. A circulação
insuficiente de ar pode aumentar o diferencial de
2 a 3 °C.

Posicionar o termostato da sala de modo que o


ar possa fluir livremente ao redor do sensor. Ao
mesmo tempo, garantir que o sensor não está
exposto a correntes de ar vindo das portas ou
radiação da superfície de evaporação.

Nunca posicionar o termostato diretamente


sobre uma parede gelada; isto aumenta o
diferencial. Em vez disso, montar a unidade em
uma placa isolante. Aj0_0003

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 29


Instruções de instalação Termostatos

Termostato KP com sensor de ar Ao posicionar o sensor: Lembrar que o ar deve


(cont.) circular livremente ao redor do sensor. Por
exemplo, com o controle da temperatura
de ar de retorno, o sensor não deve tocar o
evaporador.

Ah0_0006

Termostato KP com sensor cilíndrico Ao utilizar uma bolsa: Use sempre um composto
Há três modos de firmar o sensor: condutor de calor (código de compra 04E0110)
1) No tubo. para garantir bom contato entre o sensor e o
2) Entre as aletas do evaporador. meio.
3) Em uma bolsa.

Ajuste Ajuste sempre a temperatura mais alta na escala


do intervalo. Em seguida, ajuste o diferencial na
Termostato com escala DIFF.
reset automático
O ajuste de temperatura na escala do intervalo
corresponderá à temperatura em que o
compressor de refrigeração dará partida com a
temperatura em elevação. O compressor irá parar
quando a temperatura corresponder ao valor
ajustado na escala DIFF.

Para pré-ajuste de termostatos carregados


com vapor deve-se utilizar as curvas do gráfico Aj0_0004
informado na folha de instruções do cliente.
Se o compressor não parar quando ele estiver
ajustado para temperaturas de parada baixas:
Verificar se o diferencial
foi ajustado em um valor muito alto.

Aj0_0005

Termostato com Ajustar a temperatura mais baixa = temperatura


reset máximo de bloqueio na escala do intervalo.

O ajuste do diferencial é fixo. Quando a


temperatura do sensor do termostato
corresponder ao ajuste do diferencial, pode-se
dar partida novamente no sistema, pressionando
o botão “Reset”.

Termostato com Ajustar a temperatura mais baixa = temperatura


reset mínimo de bloqueio na escala da faixa.
O ajuste do diferencial é fixo.
Quando a temperatura ao redor do sensor
do termostato atingir o ajuste do diferencial,
pode-se dar partida novamente no compressor,
pressionando o botão “Reset”.

Aj0_0006

30 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Termostatos

Exemplo de ajuste A temperatura em uma câmara muito fria


deve ser controlada por um termostato que
feche a válvula solenóide. O sistema é do tipo
descompressão e é bloqueado por meio de um
pressostato de baixa.
Neste momento, o pressostato não deve ser
ajustado para cortar em uma pressão menor que
a necessária. Ao mesmo tempo, ele deve ativar
em uma pressão que corresponda à temperatura
de ativação do termostato.

Exemplo:
Câmara muito fria com R404A
Temperatura da câmara -20°C
Temperatura de
ativação do termostato: –20 °C
Temperatura de corte do termostato: –18 °C
Pressão de ativação do
pressostato: 0,9 bar (–32 °C)
Pressão de corte do
pressostato: 2,2 bar (–18 °C)

Termostatos
Aj0_0007

Teste da função de contato Quando os fios condutores são conectados,


a função de contatopode ser testada
manualmente. Dependendo da temperatura do
sensor e do ajuste do termostato, o dispositivo
de teste deve ser pressionado para cima e
para baixo. Qualquer mecanismo de reset fica
inoperante durante o teste.

Utilizar o dispositivo de teste no lado superior


esquerdo.

Aj0_0009

Advertência!
A função de contato em um
termostato simples KP nunca deve
ser testada ativando o dispositivo do
lado direito. Se esta advertência for ignorada, o
termostato pode sofrer um desajuste. No pior
caso, a função pode ser prejudicada.

Termostato duplo KP 98 Utilizar o dispositivo de teste do lado


esquerdo, para testar a função na subida da
temperatura do óleo e o dispositivo de teste
na parte inferior direita para testar a função na
subida da temperatura do gás pressurizado.

Aj0_0010

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 31


Instruções de instalação Termostatos

O termostato adequado para Um termostato deve conter a carga apropriada,


o seu sistema de refrigeração como descrito a seguir.
Tubo capilar reto
Carga do vapor Temperaturas baixas, foles muito frios, não
60I8012
sensíveis a gabinete metálico.

Carga de vapor
Termostato com laço em contato com o ar: Em
subida e queda gradual da temperatura (menos
Laço remoto em
de 0,2 K/min), p.ex., em câmaras frias grandes, contato c/ ar
sem rotatividade de conteúdo, contendo muitos
60I8032
itens, recomenda-se o KP 62 com carga de vapor.

Carga de absorção Temperaturas altas, sensíveis a gabinete metálico. Laço em contato c/ ar


Foles mais frios ou mais quentes. (integrado no
Termostato com laço em contato com o ar: Em termostato)
mudanças de temperatura rápidas (mais de 0,2 60I8013
K/min), p.ex., em câmaras frias menores, onde
a taxa de rotatividade dos produtos estocados
é alta, recomenda-se o KP 62 com carga de
Bulbo remoto c/
absorção. contato duplo

60I8017

Bulbo cilíndrico

Carga de absroção
remoto

60I8008

Laço em contato c/ ar
(integrado no
termostato)
60I8013

Laço remoto em
contato c/ ar (p/
montagem em duto)
60I8018

Tensão baixa Para sistemas onde o KP é ativado


ocasionalmente (alarme) e sistemas onde o
KP é a fonte de sinal para o PLC, etc. (tensão
baixa): Utilizar o KP com contactos folheados
com ouro, o que permite um bom contato em
tensões baixas.

Aj0_0012

32 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Termostatos

Colocação do tubo Termostato duplo KP 98:


capilar de reserva O tubo capilar de reserva pode trincar se ocorrer
alguma vibração e, possivelmente, a carga
do termostato ser perdida. Portanto, é muito
importante que as seguintes orientações sejam
observadas:
Ao montar o termostato diretamente no
compressor. Fixar firmemente o tubo capilar
de modo que o conjunto compressor/
termostato vibre como um todo. O tubo
capilar de reserva deve estar embobinado
e preso firmemente.
Outros tipos de montagem: Embobinar o tubo
capilar de reserva em forma de laço solto.
Fixar o comprimento do tubo capilar entre o
compressor e o laço ao compressor. Fixar o
comprimento do tubo capilar, entre o laço e
Aj0_0017
o termostato, à base onde o termostato está
montado.

Termostato com Nunca posicionar um termostato KP com carga

Termostatos
carga de vapor de vapor em um ambiente onde a temperatura
está ou pode estar menor que a da câmara fria.

Aj0_0014

Nunca permitir que o tubo capilar de um


termostato KP seja instalado ao longo de uma
linha de sucção por uma passagem através de
parede.

Aj0_0015

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 33


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Índice Página
Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Regulador da pressão de evaporação KVP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Regulador da pressão de condensação KVR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Regulador da pressão de cárter KVL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Regulador de capacidade KVC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Regulador da pressão de tanque de líquido KVD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Soldagem/soldagem com latão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Teste da pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Evacuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Regulador da pressão de evaporação KVP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Regulador da pressão de cárter KVL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Regulador da pressão de condensação KVR + NRD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Regulador da pressão de condensação KVR + KVD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Reguladores de pressão da Danfoss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

Reguladores de
pressão

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 35


Observações

36 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Aplicação Os reguladores de pressão do tipo KV controlarão


os setores de pressão baixa e alta do sistema sob
condições de carga variáveis:

KVP é utilizado como um regulador de pressão


de evaporação.
KVR é usado como um regulador de pressão de
condensação.
KVL é usado como um regulador de pressão do
cárter do compressor.
KVC é usado como um regulador de
capacidade.
NRD é usado como um regulador de pressão
diferencial.
e como um regulador de pressão do Ak0_0031
tanque de líquido.
KVD é usado como um regulador de pressão do
tanque de líquido.
CPCE é usado como um regulador de
capacidade.

Regulador da pressão de O regulador da pressão de evaporação


evaporação KVP está instalado na linha da sucção, depois
do evaporador, para regular a pressão de
evaporação em sistemas de refrigeração com um
ou mais evaporadores e um compressor.

Nesse tipo de sistemas de refrigeração (operando


com pressões de evaporação diferentes), o KVP

Reguladores de
é instalado depois do evaporador com a pressão
de evaporação mais alta.

pressão
Cada evaporador é ativado por uma válvula
solenóide na linha do líquido. O compressor é
controlado por um pressostato, em uma função
de bomba desligada
A pressão máxima no lado da sucção
corresponde à temperatura mais baixa da sala. Ak0_0025

Em sistemas de refrigeração com evaporadores


acoplados em paralelo e compressores comuns,
e onde é requerida a mesma pressão de
evaporação, o KVP deve ser instalado na linha de
sucção comum.

Ak0_0019

O regulador da pressão de evaporação KVP tem


uma conexão com manômetro, para ser utilizado
no ajuste da pressão de evaporação. O KVP
mantém a pressão constante no evaporador.

O KVP abre com a subida da pressão na


passagem de entrada (pressão de evaporação).

Ak0_0023

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 37


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Regulador da pressão de Normalmente, o KVR é instalado entre o


condensação KVR condensador resfriado a ar e o tanquido de
liquido. O KVR mantém a pressão constante em
condensadores resfriados a ar.
O KVR abre com a subida da pressão na
passagem de entrada (pressão de condensação).

O KVR, junto com um KVD ou um NRD, garante


uma pressão de líquido suficientemente alta
no tanque de liquido, durante condições de
operação variáveis.
O regulador da pressão de condensação KVR tem
uma conexão com manômetro, para ser utilizado
Ak0_0026
no ajuste da pressão de condensação.
Em situações onde tanto o condensador resfriado
a ar quanto o tanque de líquido estão localizados
ao ar livre, em ambientes muito frios, pode ser
difícil dar partida no sistema de refrigeração após
um período de inatividade longa.

Nessas condições, o KVR é instalado antes do


condensador resfriado a ar, com um NRD em uma
linha de bypass ao redor do condensador.

O NRV previne o refluxo durante o processo de


partida do sistema.
Ak0_0027
O KVR também é utilizado na recuperação de
calor. Nesta aplicação, o KVR é instalado entre o
trocado de calor e o condensador.

É necessário instalar um NRV entre o


condensador e o tanque de liquido, a fim
de prevenir a evaporação do líquido no
condensador.

Ak0_0028

O KVR pode ser utilizado como uma válvula


de alívio em sistemas de refrigeração com
degelo automático. Nesses sistemas, o KVR é
instalado entre o tubo da passagem de saída do
evaporador e o tanque de liquido.

Observação!
O KVR nunca deve ser utilizado como uma
válvula de segurança.

Ak0_0029

Regulador de pressão do cáter O regulador de pressão do cárter do compressor


do compressor KVL KVL limita a operação do compressor e dá partida
se a pressão da sucção aumentar muito.

Ele é instalado na linha de sucção do sistema de


refrigeração antes do compressor.

O KVL é, freqüentemente, utilizado em sistemas


de refrigeração com compressores herméticos
ou semi-herméticos projetados para faixas de
temperatura baixa.

O KVL abre na queda da pressão da passagem de


saída (pressão de sucção).
Ak0_0024

38 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Regulador de capacidade KVC O KVC é utilizado para o controle da capacidade


em sistemas de refrigeração onde situações
de baixa carga ocorrem e onde é necessário
evitar pressão de sucção baixa e a ”ciclagem do
compressor”.
Uma pressão de sucção muito baixa também
causará vácuo no sistema de refrigeração e, desse
modo, criará o risco da entrada de umidade em
sistemas de refrigeração com compressor aberto.
O KVC normalmente é instalado em uma linha de
bypass, entre o tubo de descarga do compressor
e o tubo de sucção. O KVL abre quando há queda
da pressão da passagem de saída (pressão de
sucção).
Ak0_0030

Um regulador de capacidade CPCE pode ser


utilizado como uma alternativa do KVC, se o
requisito for de maior precisão no controle, baixa
pressão de sucção ou se for entregue uma queda
de pressão maior entre a passagem de saída do
CPCE e a pressão de sucção.

Reguladores de
pressão
Ak0_0002

O KVC também pode ser instalado em uma linha


de bypass do tubo de descarga do compressor,
com a passagem de saída da válvula instalada
em um ponto entre a válvula de expansão e o
evaporador.

Este arranjo pode ser utilizado em um congelador


de líquido com diversos compressores acoplados
em paralelo e onde não é usado nenhum
distribuidor de líquido.

Ak0_0003

Regulador da pressão do tanque O KVD é utilizado para manter a pressão


de líquido KVD do tanque de liquido suficientemente alta
em sistemas de refrigeração, com ou sem
recuperação de calor.

KVD é utilizada junto com o regulador de pressão


de condensação KVR.

O regulador da pressão de condensação KVD tem


uma conexão com manômetro, para ser utilizado
no ajuste da pressão de condensação.

O KVL abre quando há queda da pressão da


passagem de saída (pressão do tanque de
líquido). Ak0_0004

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 39


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Identificação Todos os reguladores de pressão KV portam


uma etiqueta informando a função da válvula e
o tipo, p.ex., Pressão do cárter do compressor).
REGULATOR type KVL (Regulador tipo KVL).

A etiqueta informa também a faixa de operação


da válvula e sua pressão de trabalho máxima
permitida (PS/MWP). PS

Uma seta com duas pontas (+” e -”) está impressa


na parte de baixo da etiqueta. O sentido “+”
(mais) significa pressão mais alta e “–” (menos)
significa pressão mais baixa.
Ak0_0032
Os reguladores de pressão KV podem ser
utilizados com todos os refrigerantes existentes,
exceto amônia (NH3), desde que as faixas de
pressão da válvula sejam respeitadas.

O tamanho da válvula vem estampado no corpo


dela, p.ex., KVP 15, com uma seta indicando o
sentido do fluxo.

Ak0_0005

Instalação Garantir que a tubulação em torno de válvulas


KV esteja limpa e bem presa. Isto protegerá as
válvulas contra vibração.

Todos os reguladores de pressão KV sempre


devem ser instalados de modo que o fluxo esteja
no sentido da seta indicadora.

Por outro lado, os reguladores de pressão KV


podem ser instalados em qualquer posição,
porém eles nunca devem ser causar o bloqueio
do óleo ou líquido.

Ak0_0006

Soldagem/soldagem com Durante a soldagem, é importante enrolar um


latão pano molhado em torno da válvula.

Sempre apontar a chama de gás longe da válvula,


de modo que nunca esteja exposta diretamente
ao calor. Ao soldar, tomar cuidado para não
deixar material de soldagem na válvula pois este
material pode prejudicar o seu funcionamento.

Antes da soldagem de uma válvula KC, garantir


que nenhum inserto do manômetro foi
removido. Utilizar sempre gás inerte ao soldar
válvulas KV.
Ak0_0007

Advertência! É recomendável utilizar óculos de segurança.


Ligas em materiais de soldagem Não é recomendável executar a soldagem
e no fluxo originam fumaça que enquanto houver refrigerante presente no
podem ser perigosos à saúde. Ler as sistema.
instruções dos fornecedores e
seguir as suas recomendações de segurança. É possível que se formem gases agressivos
Manter a cabeça longe da fumaça durante a que podem, por exemplo, danificar os foles
soldagem. Utilizar uma boa ventilação e/ou um em válvulas KV ou outras peças do sistema de
aspirador na chama e não inalar fumaça e gases. refrigeração.
40 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Reguladores de pressão

Teste da pressão Os reguladores de pressão KV podem ter Type Test pressure, bar
a pressão testada após serem instalados,
desde que a pressão de teste não ultrapasse a KVP 12 - 15 - 22 28
pressão máxima admissível nas válvulas. KVP 28 - 35 25
KVL 12 - 15 - 22 28
A pressão de teste máxima para as válvulas KV
é mostrada na tabela. KVL 28 - 35 25
KVR 12 - 15 - 22 31
KVR 28 - 35 31
KVD 12 - 15 31
KVC 12 - 15 - 22 31

Evacuação Durante a evacuação do sistema de refrigeração,


todas as válvulas KV devem ser abertas.

As válvulas KV que vêm ajustadas de fábrica terão


as seguintes posições, ao serem entregues:
KVP, fechada
KVR, fechada
KVL, aberta
KVC, aberta
KVD, aberta

Portanto, é necessário desparafusar o pino de


ajuste da KVP e KVR no sentido anti-horário,
durante a evacuação do sistema.

Reguladores de
Em casos individuais, pode ser necessário evacuar

pressão
tanto no lado da descarga quanto no da pressão
baixa, no sistema de refrigeração.

A evacuação através das conexões do


manômetro da KVP, KVR e KVD não é
aconselhável, porque o orifício nestes
dispositivos é muito pequeno.

Ak0_0009

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 41


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Ajuste Ao ajustar reguladores de pressão KV em Factory


sistemas de refrigeração, é recomendável utilizar Type X mm bar/rev.
setting
o ajuste de fábrica como o ponto inicial. KVP 12 ‑ 15 ‑ 22 2 bar 13 0,45
KVP 28 ‑ 35 2 bar 19 0,30
O ajuste de fábrica dos reguladores de pressão
individuais pode ser encontrado, novamente, KVL 12 - 15 - 22 2 bar 22 0,45
medindo desde o topo da válvula até o topo do KVL 28 ‑ 35 2 bar 32 0,30
parafuso de ajuste. KVR 12 - 15 - 22 10 bar 13 2,5
KVR 28 - 35 10 bar 15 1,5
A tabela mostra o ajuste de fábrica, a distância ”x” KVD 12 - 15 10 bar 21 2,5
e a mudança da pressão por giro do parafuso de
KVC 12 - 15 - 22 2 bar 13 0,45
ajuste, para todos os tipos KV.

Ak0_0010

Regulador da pressão de Os reguladores de pressão de evaporação KVP


evaporação KVP são sempre supridos com um ajuste de fábrica
de 2 bar. Girando o pino de ajuste no sentido
horário, obtém-se pressão mais alta e, no sentido
anti-horário, pressões mais baixas.

Depois que o sistema entrou em operação


normal, faz-se necessário um ajuste fino. Utilize
sempre um manômetro ao fazer ajustes finos.

Se for utilizado o KVP para proteção contra


congelamento, o ajuste fino deve ser feito
quando o sistema estiver operando sob carga
mínima.

Lembrar-se sempre de substituir a tampinha de Ak0_0011


proteção no parafuso de ajuste, após o ajuste
final.

Regulador da pressão da Os reguladores de pressão KVL do cárter do


cárter KVL compressor são sempre supridos com um ajuste
de fábrica de 2 bar.

Girando no sentido horário, obtém-se pressão


mais alta e, no sentido anti-horário, pressões mais
baixas.

O ajuste de fábrica é o ponto no qual a


KVL começa a abrir ou onde ela se fecha
completamente. Uma vez que o compressor
deve ser protegido, o ajuste do KVL é a máxima
pressão de sucção admissível do compressor.

O ajuste deve ser feito utilizando o manômetro Ak0_0012


da sucção do compressor.

Regulador da pressão de Em sistemas de refrigeração com KVR + NRD,


condensação KVR + NRD o ajuste do KVR deve fornecer uma pressão de
tanque de líquido apropriada.

A pressão no condensador, de 1,4 a 3,0 bar


(queda de pressão através da NRD) maior que a
pressão no tanque de liquido, deve ser aceitável.
Se não puder ser aceita, deve-se utilizar uma
combinação com KVR + KVD.

Este ajuste é conseguido da melhor maneira


durante a operação no período de inverno.

Ak0_0013

42 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Reguladores de pressão

Reguladores da pressão de Em sistemas de refrigeração com KVR + KVD,


condensação KVR + KVD primeiramente a pressão de condensação deve
ser ajustada com KVR enquanto a KVD estiver
fechada (girando o parafuso completamente para
trás, no sentido anti-horário).

Em seguida, a KVD deve ser ajustada para uma


pressão no tanque de liquido, p.ex., cerca de 1
bar menor que a pressão de condensação.
Um manômetro deve ser usado para este ajuste,
que é melhor realizado durante a operação no
inverno.

Se a pressão de condensação for ajustada


durante a operação no verão, um dos dois
procedimentos pode ser utilizado:
1) Em um sistema de refrigeração recém instalado
com um ajuste da KVR/KVD de 10 bar, como Ak0_0014
ponto inicial, o sistema pode ser ajustado pela
contagem do número de voltas do parafuso de
ajuste.

2) Em um sistema de refrigeração existente, onde


o ajuste da KVR/KVD não é conhecido, o ponto
inicial deve ser estabelecido, primeiro. Então o
número de voltas do parafuso de ajuste pode
ser contado.

Reguladores de
Reguladores de pressão da Danfoss

pressão
Produto Utilizado como Abre Faixa de pressão
KVP Regulador da pressão de eva- na subida da pressão no lado da passagem de 0 – 5,5 bar
poração entrada

KVR Regulador da pressão de con- na subida da pressão no lado da passagem de 5 – 17,5 bar
densação entrada

KVL Regulador da pressão do cárter na queda da pressão no lado da passagem de 0,2 – 6 bar
do compressor saída

KVC Regulador de capacidade na queda da pressão no lado da passagem de 0,2 – 6 bar


saída

CPCE Regulador de capacidade na queda da pressão no lado da passagem de 0 – 6 bar


saída

NRD Regulador da pressão diferen- Começa a abrir quando a queda de pressão na 3 – 20 bar
cial válvula for de 1,4 bar, e fica totalmente aberta
quando a queda de pressão for 3 bar.

KVD Regulador da pressão do tanque na queda da pressão no lado da passagem de 3 – 20 bar


de liquido saída

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 43


Instruções de instalação Válvulas para água

Índice Página
Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Peças de reposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

Válvulas para
água

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 �������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980��
45��
Observações

46 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvulas para água

Aplicação Válvulas para água operadas a pressão WV são


utilizadas em sistemas de refrigeração com
condensadores resfriados a água, para manter a
pressão de condensação constante sob cargas
variáveis.

As válvulas para água podem ser utilizadas


para refrigerantes comuns desde que a faixa de
operação das válvulas não seja excedida. As WVs
podem ser utilizadas para a R717 (amônia)

Ag0_0001

Identificação A válvula para água tipo WVFM da


Danfoss consiste de um corpo de válvula e
compartimento dos foles. O compartimento dos
foles traz uma etiqueta informando o tipo de
válvula, faixa operacional e pressão de trabalho
máx. admissível.

A etiqueta também indica a pressão de trabalho


máx. admissível no lado da água, dada como
PN10, de acordo com a IEC 534-4.
O sentido em que o pino de ajuste deve ser
girado, para ter-se uma quantidade maior ou
menor de água, está indicado no botão da Ag0_0002
válvula.

O tipo de válvula para água WVFX é composto


por um corpo de válvula, com unidade de ajuste
em um dos lados e o compartimento dos foles do
outro.

Válvulas para
O compartimento dos foles traz uma etiqueta

água
informando o tipo de válvula, faixa operacional e
a pressão de trabalho máx. admissível.

Todas as pressões fornecidas aplicam-se pelo Ag0_0003


lado do condensador. Gravados em um dos
lados do corpo da válvula estão PN 16 (pressão
nominal) e, por exemplo, DN (diâmetro nominal),
junto com o kvs 1.9 (capacidade da válvula em
m3/h, na queda de pressão de 1 bar).

‘RA’ e ‘DA’ estão gravados no lado oposto do


corpo da válvula.

RA significa “atuação inversa” e DA significa


“atuação direta”.

Quando a WVFX é utilizada como uma válvula de


pressão, o compartimento dos foles sempre deve
estar montado mais próximo da marcação DA.

Ag0_0004

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 �������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980��
47
��
Instruções de instalação Válvulas para água

Instalação As válvulas WVFM e WVFX são instaladas na


tubulação d’água, normalmente, localizada antes
do condensador, com fluxo no sentido indicado
pela seta.

É recomendável instalar sempre um filtro FV, na


posição antes da válvula d’água, para evitar a
sujeira nas partes móveis da válvula.

Para evitar que vibrações sejam transmitidas ao


compartimento dos foles, este compartimento
deve estar conectado à tubulação de descarga,
depois do separador de óleo, via um tubo capilar. Ag0_0005

O tubo capilar deve ser conectado no topo da


tubulação de descarga para evitar que haja
inversão do fluxo do óleo e, talvez, alguma
sujeira.

As válvulas WVFM e WVFX 32-40, normalmente,


são instaladas com o compartimento dos foles
voltado para cima.

Ag0_0006

As válvulas para água WVFX 10-25 podem ser


instaladas em qualquer posição.

Ag0_0007

Ajuste As válvulas para água WVFM e WVFX devem


ser ajustadas para obter-se a pressão de
condensação necessária. Girando o pino de
ajuste no sentido horário obtém-se pressões
menores; no sentido anti-horário, obtém-se
pressões maiores.

Pode-se utilizar as marcações 1 – 5 para obter-


se um ajuste grosso. A marcação 1 da escala
corresponde a cerca de 2 bar e a marcação 5
corresponde a 17 bar, aproximadamente.

Observar que a faixa de ajuste da válvula é obtida Ag0_0008


quando a válvula começa a abrir.
A pressão de condensação deve aumentar 3 bar
para abrir completamente a válvula.

48 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Válvulas para água

Manutenção Recomenda-se incluir válvulas d’água nos


serviços de manutenção preventiva porque a
sujeira (resíduo) pode juntar-se ao redor das
partes móveis das válvulas.

A rotina de manutenção pode incluir lavar as


válvulas d’água com jato d’água, em parte para
lavar as impurezas e, por outro lado, para ”sentir”
se a resposta das válvulas ficou mais lenta.

Ag0_0009

A lavagem da válvula WVFM com jato d’água é


muito mais fácil se duas chaves de fenda forem
inseridas sob o parafuso de ajuste.

O parafuso pode, então, ser erguido aumentando


o fluxo d’água.

Ag0_0010

As válvulas WVFX podem ser limpas com jato


d’água de modo semelhante,utilizando duas
chaves de fenda, inseridas nas ranhuras de cada
lado da unidade de ajuste (compartimento da
mola) e sob a tampinha da mola.

Alavancando as chaves de fenda para baixo, no

Válvulas para
sentido da tubulação, aumenta o fluxo d’água.

água
Ag0_0011

Caso surjam algumas irregularidades no


funcionamento de uma válvula d’água ou se
ocorrer um vazamento através da base da
válvula, desmonte-a e limpe-a.

Antes de desmontar a válvula, a pressão sempre


deve ser aliviada do compartimento dos foles, ou
seja, ela deve ser desconectada do condensador
do sistema de refrigeração.

Antes de desmontar, aperte a mola de ajuste


totalmente no sentido horário, para a posição
de pressão mais baixa. O O-ring e as demais
vedações sempre devem ser substituídas, após
uma desmontagem.
Ag0_0012

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 �������������������������������


DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980��
49��
Instruções de instalação Válvulas para água

Peças de reposição As peças sobressalentes para as válvulas d’água


WVFM e WVFX podem ser obtidas da Danfoss:
um compartimento de foles.
um kit de serviço de manutenção (contendo
peças sobressalentes, juntas e graxa para a
extremidade da válvula que fica em contato
com a água).
um conjunto de juntas é também fornecido
como peça sobressalente para o tipo WVFM.

Os códigos de compra das peças sobressalentes e


dos conjuntos de juntas constam do catálogo de
peças sobressalentes*.

Ag0_0013

*) Procurar a documentação sobre peças sobressalentes no site http://www.danfoss.com

50 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Índice Página
Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Seleção do filtro secado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Posição no sistema de refrigeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Soldagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Substituir o filtro secador quando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
DCR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Utilizando juntas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Montando juntas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Disposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Substituição do filtro secador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Filtros especiais da Danfoss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Combinado tanque e filtro (Combidriers do tipo DCC e DMC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Filtro pós queima, tipo 48-DA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Aplicação especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Filtros secadores DCL/DML . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
EPD (Equilibrium Point Dryness, Secura do Ponto de Equilíbrio) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Capacidade de secagem (capacidade d’água) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Capacidade do líquido (ARI 710*) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Capacidade de sistema recomendada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Filtros secadores da Danfoss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

Filtros secadores
e visor de liquido

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 51


Observações

52 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Função Para garantir um funcionamento ótimo, o sistema


de refrigeração deve estar interno limpo e seco.

Antes de dar partida no sistema, a umidade deve


ser removida por evacuação em uma pressão
máx. de 0,05 mbar abs.

Durante a operação, a sujeira e a umidade devem


ser recolhidas e removidas. Isto é feito por um
filtro secador que contém um núcleo sólido que é
composto de:
Peneiras Moleculares
Sílica gel (de eficácia baixa – não é utilizada Ah0_0001
nos filtros secadores da Danfoss)
Óxido de alumínio ativado e uma tela de
poliéster A, inseridos na passagem de saída
do filtro.

DML: 100% Peneiras Moleculares


DCL: 80% Peneiras Moleculares
20% Alumínio ativado

O núcleo sólido pode ser comparado à


propriedade de uma esponja para enxugar água
e retê-la.

Peneiras Moleculares retêm água, ao passo que o


óxido de alumínio ativado retém água e ácidos.

O núcleo sólido B, junto com tela de poliéster


trançado A também serve como um filtro para
sujeira.

O núcleo sólido retém as partículas de sujeira


maiores e a tela de poliéster trançado, as
menores. Ah0_0011

O filtro secador é, portanto, capaz de recolher


todas as partículas maiores que 25 microns.

Filtros secadores
e visor de liquido
Seleção do filtro secador O filtro secador deve ser selecionado de modo
a ajustar-se nas conexões e na capacidade do
sistema de refrigeração.

Se um filtro secador com conexões de solda for


requerido, um filtro secador do tipo DCL/DML
da Danfoss pode ser utilizado para conferir-lhe
uma vantagem. Este filtro secador tem uma
capacidade de secagem bastante elevada,
espaçando mais os intervalos para substituições.

Um colar no conector A indica que a conexão


tem um tamanho de a mm. Se o conector A for
simples, ou seja, sem colar, o conector tem o Ah0_0018
tamanho de uma polegada. O tipo DCL pode ser
utilizado para os refrigerantes CFC/HCFC. O tipo
DML pode ser utilizado em refrigerantes HFC.
Consultar a página 60 para obter mais detalhes.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 53


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Posição no sistema de O filtro secador normalmente é instalado na linha


refrigeração de líquido, onde a sua função principal é proteger
a válvula de expansão.

A velocidade do refrigerante na linha de líquido


é baixa e, em conseqüência, o contatoentre o
refrigerante e o núcleo sólido do filtro secador
é bom. Ao mesmo tempo, a queda de pressão
através do filtro secador é baixa.

Ah0_0019

Um filtro secador também pode ser instalado na


linha de sucção onde a sua função é proteger o
compressor da sujeira e secar o refrigerante.

Os filtros de sucção, denominados filtros “pós


queima” são utilizados para remover ácidos,
depois que o motor foi danificado. Para garantir
a queda de pressão baixa, um filtro de sucção
normalmente deve ser maior que um filtro da
linha de líquido.

Um filtro de sucção deve ser substituído antes


que a queda de pressão exceda os seguintes
valores: Ah0_0020
Sistema de A/C 0,50 bar
Sistemas de refrigeração: 0,25 bar
Sistemas de congelamento: 0,15 bar
Um visor de líquido com indicador de umidade
normalmente é instalado depois do filtro secador,
onde a indicação do visor significa:
Verde: Sem umidade perigosa no refrigerante.
Amarela: Conteúdo muito alto de umidade
no refrigerante à antes da válvula de
expansão.

Bolhas:
1) Queda de pressão muito alta através do filtro
secador.
2) Sem sub-resfriamento.
3) Refrigerante insuficiente no sistema inteiro. Ah0_0032

Se o visor de líquido estiver instalado antes do


filtro secador, a indicação será:
Verde: Sem umidade perigosa no refrigerante.
Amarela: Conteúdo muito alto de umidade em
todo o sistema de refrigeração.
O ponto de mudança de verde para amarela, no
indicador do visor de líquido, é determinado pela
solubilidade do refrigerante.
Observação:
Os pontos de mudança nos visores de líquido da
Danfoss são muito pequenos. Isto garante que
uma mudança para verde no indicador ocorre
somente quando o refrigerante estiver seco. Ah0_0031
Bolhas:
1) Sem sub-resfriamento.
2) Refrigerante insuficiente no equipamento.

OBSERVAÇÃO!
Não complete o refrigerante unicamente por
causa das bolhas no visor de líquido.
Antes, investigue a causa das bolhas!

Ah0_0006

54 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Instalação O filtro secador deve ser instalado com o fluxo no


sentido da seta, na etiqueta do filtro secador.

O filtro secador pode ter qualquer orientação,


mas deve-se lembrar do seguinte:

A montagem vertical com fluxo para baixo


contribui para a evacuação/esvaziamento do
sistema de refrigeração.

Com a montagem vertical e fluxo para cima,


a evacuação/esvaziamento é mais demorada
porque o refrigerante deve ser evaporado para Ah0_0022
fora do filtro secador.

O núcleo do filtro está firmemente fixo no


compartimento do filtro. Conseqüentemente
os filtros secadores da Danfoss são capazes de
resistir a vibrações de até 10g*).

Investigue se a tubulação suportará o filtro


secador e resistirá à vibração. Caso isto não
aconteça, o filtro secador deve ser instalado
utilizando uma braçadeira ou fita semelhante,
presa a uma parte rígida do sistema.

*) 10 g = Dez vezes a força gravitacional da Terra.


Ah0_0028

Para o DCR: Instalar com o conector da passagem


de entrada para cima ou na horizontal.

Isto evita que a sujeira recolhida passe para a


tubulação quando o núcleo for substituído.

Ao instalar um DCR novo, lembrar-se de que


sempre deve haver espaço suficiente para a
substituição do núcleo.

Ah0_0002

Filtros secadores
e visor de liquido
Não desembalar filtros secadores ou núcleos até
o instante imediatamente antes da instalação.
Esta providência protegerá os itens da melhor
maneira possível.

Não há nenhum vácuo nem sobre pressão nos


filtros ou nos seus vasilhames.

Porcas de união para plástico, capsolutes e lata


hermeticamente vedada garantem dessecantes
completamente “frescos” (conservados).
Ah0_0003

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 55


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Soldagem O gás de proteção, N2 p.ex., deve ser usado para


a soldagem do filtro secador.

Garantir que o gás de proteção flua no sentido de


fluxo do filtro. Isto evita que o calor da soldagem
danifique a rede de poliéster do filtro.

Ah0_0004

As ligas de soldagem e o fluxo de solda Utilize ventilação forçada e/ou extração na
libera fumos que podem ser perigosos. chama de modo que não haja risco de se inalar os
Ler as instruções do fornecedor fumos e gases durante a soldagem.
e observar suas orientações de Utilize máscaras de proteção.
segurança. Manter a cabeça longe dos Utilize pano molhado ao redor dos filtros
fumos durante a soldagem. secadores com conexões de cobre puro.

Operação A umidade entra no sistema:


1) Quando o sistema de refrigeração estiver
sendo produzido.
2) Quando o sistema de refrigeração é aberto
para serviço de manutenção.
3) Se ocorrer vazamento na linha de sucção, se
ele estiver sob vácuo.
4) Quando o sistema estiver cheio de óleo ou de
refrigerante contendo umidade.
5) Se ocorrer vazamento em um condensador
resfriado a água.

A umidade no sistema de refrigeração pode


causar:
a) Obstrução do dispositivo de expansão devido
à formação de gelo.
b) Corrosão de peças metálicas.
c) Danos químicos na isolação em compressores
hermético e semi-herméticos.
d) Deterioração do óleo (formação de ácido).

O filtro secador remove a umidade que


permanece após a evacuação ou que,
subseqüentemente, entra no sistema de Ah0_0005
refrigeração.

Advertência!
Nunca utilize “líquidos anti-
congelantes” como o álcool metílico
junto com um filtro secador. Este
líquido pode danificar o filtro,
tornando-se assim imprestável para
absorver água e ácido.

Substituir o filtro secador 1. O visor de líquido indica que o conteúdo de


quando umidade está muito alto (cor amarela)
2. Queda de pressão através do filtro está muito
alta (bolhas no visor de líquido durante a
operação normal).
3. Um componente essencial no sistema de
refrigerante foi substituído, p.ex., o compressor.
4. Cada vez que o sistema de refrigeração é
aberto de um modo diferente, p.ex., se o
conjunto do orifício em uma válvula de
expansão é substituído.

Nunca reutilizar um filtro secador usado. Ele


emitirá umidade se for utilizado em um sistema
de refrigeração com baixo conteúdo de umidade Ah0_0008
ou se ele se aquecer.
56 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

DCR Observar que pode haver sobre pressão no filtro.


Portanto, deve-se ter muito cuidado ao abrir o
filtro.

Nunca reutilizar a junta de flange no filtro DCR.

Instalar uma nova junta e untá-la com um pouco


de óleo do compressor, antes de dar o aperto.

Ah0_0009

Utilizando juntas Utilize somente juntas não danificadas. Utilizar óleo suficiente para lubrificar
As superfícies das flanges que formam a parafusos com e sem porca durante a
vedação, devem estar sem falhas, limpas e montagem.
secas antes da montagem. Não utilizar parafusos com porca que estejam
Não utilizar cola, removedor de ferrugem secos, enferrujados ou defeituosos de
ou produtos químicos similares, durante a nenhuma maneira (os parafusos com porca
montagem e desmontagem. defeituosos podem não dar o aperto correto,
o que redundaria em vazamentos nas junções
de flange).

Montando juntas 1. Umedecer as superfícies das juntas com uma Apertar os parafusos em pelo menos 3-4 passos,
gota de óleo refrigerante. p.ex., como a seguir:

2. Colocar a junta no lugar. Passo 1: até aprox. 10% do torque requerido.


Passo 2: até aprox. 30% do torque requerido.
3. Montar os parafusos e apertá-los ligeiramente Passo 3: até aprox. 60% do torque requerido.
até que façam bom contacto. Passo 4: até aprox. 100% do torque requerido.

4. Apertar bem os parafusos. Finalmente, verificar se o torque está correto na


mesma seqüência em que é utilizado, ao fazer o
aperto.

Disposição Sempre lacre filtros secadores usados. Eles


contêm pequenas quantidades de refrigerante e
resíduo de óleo.

Observar os requisitos legais ao descartar filtros


secadores usados.

Filtros secadores
e visor de liquido
Ah0_0023

Substituição do filtro Fechar a válvula nº 1.


secador Fazer a sucção do filtro vazio.
Fechar a válvula nº 4.
Fechar a válvula nº 2.

O sistema agora funcionará, desviando-se do


filtro.

Substituir o filtro ou o núcleo dele.


Fazer a evacuação do filtro secador, por meio
de uma válvula da Schrader (nº 3). Ah0_0014
Reinicializar o sistema abrindo/fechando as
válvulas na ordem inversa.
Remover quaisquer alavancas/engrenagens
manuais das válvulas.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 57


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Filtros especiais da Danfoss Conjugado do tipo DCC e DMC são utilizados


Combinado tipo DCC e DMC em sistemas menores com válvula de expansão,
onde o condensador não pode conter toda a
quantidade de refrigerante.

O tanque de líquido no combidrier aumenta o


sub-resfriamento do líquido e cria a possibilidade
de degelo automático no esvaziamento.
O tanque de líquido absorve o volume de
refrigerante variante (de temperatura de
condensação variante) e deve ser capaz de conter
a quantidade de todo o refrigerante, durante o
serviço de manutenção e reparo.
Ah0_0012
A favor da segurança, o volume do tanque de
líquido deve ser no mínimo 15% maior que o
volume do refrigerante.

Filtro pós queima, tipo 48-DA O filtro pós queima, tipo 48-DA, deve ser utilizado
depois que um compressor hermético ou semi-
hermético foi danificado.

O dano em compressor que dá origem à


formação de ácido será revelado pelo odor de
óleo e, talvez, pela descoloração. O dano pode
ocorrer devido a:
umidade, sujeira ou ar
Starter defeituoso
falha do refrigerante devido uma carga
refrigerante muito pequena.
temperatura do gás quente acima de 175°C. Ah0_0013

Após substituir o compressor e limpar o


restante do sistema, dois filtros pós queima
são instalados; um na linha de líquido e outro
na linha de sucção

O conteúdo de ácido é verificado


periodicamente e os filtros substituídos,
quando necessário.

Quando uma verificação do óleo mostrar


que o sistema não contém mais ácido, o filtro
pós queima da linha de líquido pode ser
substituído por um filtro secador comum.
O núcleo do filtro pós queima da linha de
sucção pode ser removido. Ah0_0010

Aplicação especial O tipo DCL/DML 032s, DCL/DML 032.5s e


filtros secadores DCL/DML DCL/DML 033s são fabricados especialmente
para sistemas com tubo capilar e são, portanto,
utilizados em sistemas de refrigeração onde a
expansão ocorre através do tubo capilar.

Os filtros secadores DCL/DML também podem ser


utilizados para reparar refrigeradores e freezers,
etc. Pode-se economizar tempo e dinheiro
instalando um filtro secador DCL/DML, na linha Ah0_0017
de sucção.

A vantagem disto é melhor ilustrada comparando


o procedimento de reparo normal de um
compressor defeituoso com um método que
utiliza as boas características do filtro DCL/DML
em reter umidade, ácido e sujeira.

OBSERVAÇÃO! O “método DCL/DML“ somente


pode ser utilizado quando
o óleo não estiver sem cor e
quando o filtro secador de cobre
não estiver entupido. Ah0_0015

58 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Aplicação especial As vantagens obtidas ao instalar um filtro DCL/ Procedimento com filtro Procedimento com
filtros secadores DCL/DML DML na linha de sucção são: secador de cobre filtro DCL/DML
(cont.) 1. Reparo mais rápido. Recuperar o refrigerante e Recuperar o refrigerante e
2. Secagem e capacidade de ácido aumentadas. avaliar para reutilização avaliar para reutilização
3. Proteção do compressor contra Impurezas de Remover o compressor+ filtro Remover o compressor
toda espécie. secador de cobre
4. Melhor qualidade de reparo. Remover o resíduo de óleo Nada
no sistema
5. Ambiente de trabalho mais limpo.
Secar o sistema com Nada
O ácido e a umidade impregnados no óleo antigo nitrogênio
será absorvido pelo filtro DCL/DML. Conectar novo compressor Conectar novo compressor
e instalar novo filtro secador e instalar filtro DCL/DML na
Por essa razão não é necessário remover o de cobre linha de sucção
restante do óleo do sistema de refrigeração. Avaliar e trocar o refrigerante Avaliar e trocar o refrigerante

Um DCL/DML na linha de sucção retém Exemplo:


impurezas do condensador, evaporador, Tipo de compressor Tubo de sucção Tipo de filtro
tubulação, etc. e, por isso, prolonga a vida do [mm]
novo compressor. TL Ø6,2 DCL/DML 032s
Pode-se utilizar os filtros DCL/DML que têm as NL 6-7 Ø6,2 DCL/DML 032s
mesmas conexões que o compressor. A gama de
compressores herméticos da Danfoss também
pode ser recomendada.

Dimensionamento Ao selecionar filtros secadores em catálogos, há


diversas expressões que podem formar a base da
seleção.
EPD (Equilibrium Point Dryness, Define o conteúdo de água mínimo possível em
Secura do Ponto de Equilíbrio) um refrigerante, em seu estado líquido, depois
que este esteve em contatocom um filtro secador.
EPD para R22 = 60 ppmW *)
EPD para R410A = 50 ppmW *)
EPD para R134a = 50 ppmW *)
EPD para R404A / R507 / R407C = 50 ppmW *)
Conforme estipulado pela ARI 710, em ppmW
(mgágua/kgrefrigerante)
*) ARI: Instituto de Ar-condicionado e Refrigeração, Virginia,
USA Ah0_0025

Capacidade de secagem A quantidade de água que o filtro secador

Filtros secadores
e visor de liquido
(capacidade d’água) é capaz de absorver em 24°C e 52°C da
temperatura do líquido, conforme estipulado
pela norma ARI 710*.
A capacidade de secagem é dada em gramas
de água, gotas de água ou kg de refrigerante ao
secar.
R22: 1050 ppmW a 60 ppmW
R410A: 1050 ppmW a 50 ppmW
R134a 1050 ppmW a 50 ppmW
R404A/ R507 1020 ppmW a 50 ppmW Ah0_0016
1000 ppmW = 1 g de água em 1 kg de refrigerante; 1 g de água
= 20 gotas.

Capacidade do líquido (ARI Fornece a quantidade de líquido capaz de fluir


710*) através de um filtro com uma queda de pressão
de 0,07 bar na temperatura de tc = +30°C, te =
-15°C.
A capacidade do líquido é determinada em l/min
ou em kW.
Conversão de kW em litros/minuto:
R22 / R410A 1 kW = 0,32 l/min
R134a 1 kW = 0,35 l/min
R404A/ R507 1 kW = 0,52 l/min
*) ARI: Instituto de Ar-condicionado e Refrigeração, Virginia, Ah0_0024
USA

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 59


Instruções de instalação Filtros secadores e visores de líquido

Capacidade de sistema Determinados em kW para sistemas de Condições operacionais:


recomendada refrigeração de tipos diferentes, com base em Refrigeração te = -15°C, tc = +30°C
uma capacidade de líquido de e sistemas de congelamento
∆p = 0,14 bar e condições operacionais típicas. Sistemas de A/C te = -5°C, tc = +45°C
Unidades de A/C te = +5°C, tc = +45°C
te = temperatura de evaporação
tc = temperatura de condensação

Advertência:
Com a mesma capacidade de
sistema em kW para unidades de
A/C e para sistemas de refrigeração/
congelamento, podem ser
instalados filtros secadores menores em unidades
de A/C, devido à temperatura de evaporação
mais alta (te) e no pressuposto de que a fábrica
produziu unidades que contêm menos umidade
que sistemas montados “no próprio local”.

Filtros secadores da Danfoss Tipo de produto Função Refrigerante Núcleo Tipo de óleo
DML: Filtro secador padrão HFC, compatível com 100% Peneiras Molecu- Polioéster (POE)
o R22 lares Polialkil (PAG)
DCL: Filtro secador padrão CFC/HCFC 80% Peneiras Óleo mineral (MO)
Moleculares Alkil benzeno (BE)
20% alumina ativada
DMB Filtro secador fluxo- HFC, compatível com 100% peneiras Polioéster (POE)
bidirecional o R22 moleculares Polialkil (PAG)
DCB Filtro secador fluxo- CFC/HCFC 80% peneiras Óleo mineral (MO)
bidirecional moleculares Alkil benzeno (BE)
20% alumina ativada
DMC Filtro secador Combi HFC, compatível com 100% peneiras Polioéster (POE)
o R22 moleculares Polialkil (PAG)
DCC Filtro secador Combi CFC/HCFC 80% peneiras Óleo mineral (MO)
moleculares Alkil benzeno (BE)
20% alumina ativada
DAS Filtro secador pós R22, R134a, 30% peneiras
queima R404A, R507 moleculares
70% alumina ativada
DCR Filtro secador com Ver descrição abaixo 48-DU/DM, 48-DN DC, -
núcleo cambiável 48-DA, 48-F

48-DU/DM Núcleo cambiável HFC, compatível com 100% peneiras Polioéster (POE)
para o DCR: pelo DCR: Filtro seca- o R22 moleculares Polialkil (PAG)
dor padrão
48-DN/DC Núcleo cambiável CFC/HCFC 80% peneiras Óleo mineral (MO)
para o DCR: pelo DCR: Filtro seca- moleculares Alkil benzeno (BE)
dor padrão 20% alumina ativada
48-DA Núcleo cambiável R22, R134a,
para o DCR: pelo DCR: Filtro seca- R404A, R507
dor padrão
48-F Núcleo cambiável Todos - Todos
para o DCR: pelo DCR com inserto
de filtro cambiável

60 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss

Este capítulo é dividido em quatro seções: Página

Instruções de montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Unidades condensadoras em geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Conserto de sistemas de refrigeração herméticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

Aplicação prática do refrigerante propano R290 em sistemas herméticos pequenos . . . . . . . . . . . . . . . . 115

Compressores
Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 61


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

Conteúdo Página
1.0 Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.0 Compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.1 Nomenclatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.2 Torque de partida Baixo e Alto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
2.3 Protetor do motor e temperatura do enrolamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
2.4 Amortecedores de borracha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
2.5 Temperatura ambiente mínima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.0 Detecção de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.1 Desligamento do protetor do enrolamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.2 Interação entre o PTC e o protetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.3 Verificação do protetor e da resistência do enrolamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
4.0 Abertura do sistema de refrigeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
4.1 Refrigerantes inflamáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.0 Montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.1 Conexões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.2 Movendo as conexões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
5.3 Adaptadores de tubo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
5.4 Soldas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
5.5 Soldagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
5.6 Conexões Lokring . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
5.7 Filtros secadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
5.8 Filtros secadores e refrigerantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
5.9 Tubo capilar do filtro secador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
6.0 Equipamento elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
6.1 Dispositivo de partida LST . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
6.2 Equipamento de partida HST . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
6,3 Equipamento de partida HST CSR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
6.4 Equipamento para compressores duplos SC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
6.5 Unidade eletrônica para compressores de velocidade variável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
7.0 Evacuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
7.1 Bombas a vácuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.0 Carga de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.1 Carga máxima de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.2 Fechamento do tubo de processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
9.0 Teste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Compressores

9.1 Teste do aparelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80


Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 63


Observações

64 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

1.0 Quando o compressor é instalado em aparelhos Pode-se esperar uma vida útil longa para um
Geral novos, normalmente dispõe-se de tempo compressor se o trabalho de manutenção for
suficiente para escolher o tipo de compressor executado da maneira correta, e se a limpeza
correto a partir dos dados técnicos, e para testá- e secagem dos componentes forem levadas
lo suficientemente. em consideração.Ao escolher um compressor,
Na situação contrária, quando um compressor o técnico de manutenção deve observar os
defeituoso precisa ser substituído, muitas vezes seguintes aspectos:
pode ser impossível obter um compressor do Tipo de refrigerante, tensão e freqüência, faixa
mesmo tipo do original. de aplicação, deslocamento/capacidade do
Nesses casos, é necessário comparar os dados de compressor, condições de partida e condições de
catálogo dos compressores em questão. resfriamento.

Se possível, utilizar o mesmo tipo de refrigerante


usado no sistema com defeito.

2.0 O programa de compressores Danfoss é


Compressor composto pelos tipos básicos P, T, N, F, SC e SC
Duplo.

Os compressores Danfoss de 220 V têm uma


etiqueta amarela com informações do tipo de
nomenclatura, tensão e freqüência, condições de
partida, refrigerante, e código numérico.

Os compressores de 115 V têm uma etiqueta


verde.

LST/HST mencionados juntos significa que


as características de partida dependem do
equipamento elétrico. Am0_0024

Se a etiqueta do tipo tiver sido destruída, o tipo


de compressor e seu código numérico podem
ser encontrados estampados na lateral do
compressor. Consulte as primeiras páginas das
folhas de dados técnicos do compressor.

Am0_0025

2.1
Exemplo de nomenclatura de compressor
Nomenclatura
T L E S 4 F K
Projeto básico (P, T, N, F, S)
A = LBP / (MBP) R12 vazio = LST / HST
AT = LBP (tropical) R12 K = Tubo capilar (LST)
Compressores

L, R, C = proteção int. do motor B = LBP / MBP / HBP R12 X = Válvula de


Danfoss

T, F = proteção ext. do motor BM = LBP (240 V) R22 expansão (HST)


LV = velocidade variável C = LBP R502 / (R22)
CL = LBP R404A/ R507
E = otimização de energia CM = LBP R22 / R502
Y = Alta otimização de energia CN = LBP R290
D = HBP R22
S = sucção semidireta
DL = HBP R404A/ R507
Deslocamento nominal em cm3 F = LBP R134a
FT = LBP (tropical) R134a
G = LBP / MBP / HBP R134a
GH = Bombas de aquecimento R134a
GHH = Bombas de aquecimento R134a
(otimizadas)
H = Bombas de aquecimento R12
HH = Bombas de aquecimento R12
(otimizadas)
K = LBP / (MBP) R600a
KT = LBP (tropical) R600a
MF = MBP R134a
ML = MBP R404A/ R507

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 65


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

2.1 A primeira letra da nomenclatura (P, T, N, FouS) de evaporação, normalmente -20°C até 0°C,
Nomenclatura (cont.) indica a série do compressor, enquanto a como em câmaras frias, refrigeradores de leite,
segunda letra indica a posição da proteção do máquinas de fabricação de gelo e refrigeradores
motor. de água.
E, Y e X significam diferentes etapas de HBP (High Back Pressure – Alta Pressão
otimização da energia. S significa sucção de Retorno) indica altas temperaturas de
semidireta V significa compressores de evaporação, normalmente de -5 °C até
velocidade variável. A conexão de sucção +15°C, como nos desumidificadores e alguns
indicada deve ser utilizada com todos esses tipos refrigeradores de líquidos.
mencionados. O uso de uma conexão errada O caractere T adicional indica um compressor
com a conexão de sucção reduz a capacidade e a projetado para uso em regiões tropicais. Isto
eficiência. significa altas temperaturas ambientes e
O número indica a migração em cm3, mas capacidade de funcionamento com fonte de
para os compressores PL esse número indica a alimentação mais instáveis.
capacidade nominal. A letra final na nomenclatura do compressor
A letra após a migração indica qual refrigerante fornece informações sobre o torque de partida.
deve ser utilizado, bem como o campo de Se como regra fundamental o compressor for
aplicação do compressor (ver exemplo). LBP (Low projetado para LST (Low Starting Torque – Torque
Back Pressure – Baixa Pressão de Retorno) indica de Partida Baixo) e HST (High Starting Torque –
a faixa de baixas temperaturas de evaporação, Torque de Partida Alto), a posição é deixada em
normalmente de -10 °C até -35°C, ou mesmo -45 branco. As características de partida dependem
°C, para uso em congeladores e refrigeradores da escolha do equipamento elétrico.
com compartimentos de congelamento K indica LST (tubo capilar e equalização de
(freezers). pressão durante a inatividade) e X indica HST
MBP (Medium Back Pressure – Média Pressão de (válvula de expansão ou nenhuma equalização
Retorno) indica a faixa de médias temperaturas de pressão).

2.2 A descrição dos diferentes equipamentos O dispositivo de partida HST, que fornece um
Torque de partida Baixo e Alto elétricos exibidos pode ser encontrada nas folhas alto torque de partida ao compressor, deve
de dados técnicos dos compressores. Consulte semprepara ser utilizador em sistemas de
também a seção 6.0. refrigeração com válvula de expansão e em
Compressores com torque de partida baixo sistemas com tubo capilar sem equalização total
(LST) devem ser usados somente em sistemas da pressão, antes de cada partida.
de refrigeração que tenham dispositivo de Normalmente os compressores com torque de
aceleração por tubo capilar, no qual a equalização partida alto (HST) utilizam um relé e capacitor de
da pressão é obtida entre as seções de sucção e partida como dispositivo de partida.
de descarga durante cada período de inatividade. Os capacitores de partida são projetados para
O dispositivo de partida PTC (LST) requer um ficar conectado ao circuito durante períodos
tempo de inatividade de no mínimo 5 minutos, curtos.
uma vez que este é o tempo necessário para o “1,7% ED” gravado no capacitor de partida
resfriamento do PTC. significa p.ex. 10 conexãos por hora, cada uma
com a duração de 6 segundos.

2.3 A maioria dos compressores Danfoss vem Na carga máxima a temperatura do enrolamento
Protetor do motor e equipada com o protetor interno do motor não deve exceder 135°C, e em condições estáveis
temperatura do enrolamento (protetor do enrolamento) nos enrolamentos do a temperatura do enrolamento não deve exceder
motor. Consulte também a seção 2.1. 125°C. Informações específicas sobre alguns tipos
especiais podem ser encontradas nas folhas de
dados técnicos.

2.4 Mantenha o compressor na posição vertical sobre


Amortecedores de borracha a placa base até ser instalado. Junta Tuerca M6
Base del compresor Manguitos
Isso reduz o risco do óleo escorrer para dentro
das conexões, causando problemas de brazagem
nas juntas.
9

3327- 2

Posicione o compressor sobre a sua lateral com


as conexões apontadas para cima e em seguida Base del equipo frigorífico Tuerca M6 x 25 Manguitos
instale os amortecedores de borracha e suas
Am0_0026
luvas na placa base do compressor.

Não vire o compressor de cabeça para baixo.

Monte o compressor sobre a placa base do


aparelho.

Am0_0027
66 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

2.5 Para evitar problemas de partida, deixe o


Temperatura ambiente mínima compressor atingir uma temperatura acima de
10 °C antes de dar a partida pela primeira vez.

3.0 Se o compressor não funcionar, isso pode se Para localizar a falha com mais facilidade,
Detecção de falhas dever a diversas razões. Antes de substituir o consulte a seção “Solução de problemas”.
compressor, deve-se ter certeza de que há um
defeito.

3.1 Se o protetor do enrolamento desarmar Se o protetor do enrolamento desarmar


Desligamento do protetor do enquanto o compressor estiver frio, pode levar enquanto o compressor estiver quente (carcaça
enrolamento aproximadamente 5 minutos até o protetor ser do compressor acima de 80°C), o tempo da
reinicializado. reinicialização aumenta. Aproximadamente
45 minutos podem transcorrer até a
reinicialização acontecer.

3.2 A unidade de partida PTC requer um tempo O PTC não será capaz de exercer ação total
Interação entre o PTC e o de resfriamento de 5 minutos, para poder dar durante as primeiras reinicializações do protetor,
protetor novamente a partida no compressor com o porque normalmente elasnão permita também a
torque máximo de partida. equalização da pressão. Desse modo, o protetor
desarma até o tempo de reinicialização ser
Breves cortes na fonte de alimentação, não suficientemente longo.
suficientemente longos para permitir ao PTC
esfriar, podem resultar em falhas na partida Normalmente esta condição pode ser
durante até 1 hora. solucionada desligando o aparelho durante
5 - 10 minutos.

3.3 Na eventualidade de uma falha no compressor,


Verificação do protetor e da é executada uma verificação por meio de
resistência do enrolamento medição da resistência diretamente no fio da
corrente de entrada, para constatar se o defeito M S
é devido a algum dano no motor, ou a um
simples desligamento temporário do protetor do Bobinado principal C Bobinado de arranque
enrolamento.
Protección de bobinado
Se os testes com medições da resistência
revelarem uma conexão através dos
enrolamentos do motor do ponto M ao ponto S Am0_0028
do no fio da corrente de entrada, mas um circuito
aberto entre os pontos M e C, e entre S e C,
isto indica que o protetor do enrolamento foi
desativado. Portanto, aguarde a reinicialização.

4.0 Nunca abra um sistema de refrigeração antes de Instale uma válvula de manutenção no sistema
Abertura do sistema de ter à mão todos os componentes para o conserto. e faça o acúmulo do refrigerante da maneira
refrigeração correta.
O compressor, o filtro secador e os demais Compressores
componentes do sistema devem permanecer Se o refrigerante for inflamável e sua quantidade
selados até que a montagem possa ser executada for muito pequena, ele pode ser liberado para
Danfoss

de forma ininterrupta. fora (ao ar livre) através de uma mangueira.

A abertura de um sistema com defeito deve ser Em seguida, limpe o sistema com nitrogênio
feita de diferentes maneiras, dependendo do seco.
refrigerante utilizado.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 67


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

4.1 O R600a e o R290 são hidrocarbonetos. Estes Conseqüentemente, o R600a e o R290 só


Refrigerantes inflamáveis refrigerantes são inflamáveis e o seu uso somente podem ser utilizados em aparelhos domésticos
é permitido em aparelhos que atendem os projetados para este tipo de refrigerante, e
requisitos descritos na revisão mais recente da que atenderem à norma acima mencionada. O
norma EN/IEC 60335-2-24. (Para cobrir riscos R600a e o R290 são mais pesados que o ar e sua
concentração sempre será maior ao nível do solo.
em potencial originados do uso de refrigerantes Os limites aproximados de inflamabilidade são os
inflamáveis). seguintes:
Refrigerante R600a R290
Limite mínimo 1,5% por vol. (38 g/m3) 2,1% por vol. (39 g/m3)
Limite máximo 8,5% por vol. (203 g/m3) 9,5% por vol. (177 g/m3)
Temperatura de ignição 460 °C 470 °C

Para executar manutenção e conserto dos


sistemas R600a e R290, o pessoal de manutenção
deve ser treinado adequadamente para lidar com
refrigerantes inflamáveis.
Isto inclui o conhecimento de ferramentas,
transporte de compressores e refrigerantes, e
as devidas regulamentações e precauções de
segurança para realizar manutenção e conserto.
Nunca mantenha nenhuma chama acesa ao
trabalhar com os refrigerantes R600a e R290! Am0_0029
Os compressores Danfoss para os refrigerantes
inflamáveis R600a e R290 são equipados com
etiquetas amarelas de advertência, conforme
indicado.
Os compressores R290 menores dos tipos T e N,
são do tipo LST. Com freqüência, eles necessitam
de um temporizador para garantir um tempo
suficiente de equalização da pressão.
Para obter mais informações, consulte a seção
Am0_0030
“Aplicação Prática do Refrigerante Propano R290
em Sistemas Herméticos Pequenos”.

5.0 Problemas de soldagem causados por óleo nas O compressor nunca deve ser colocado de
Montagem conexões podem ser evitados colocando-se o cabeça para baixo. O sistema deve ser fechado
compressor sobre sua placa base algum tempo dentro de 15 minutos para evitar a entrada de
antes de soldá-lo ao sistema. umidade e sujeira.

5.1 As posições das conexões podem ser


Conexões encontradas nos croquis. “C” significa sucção, e
deve sempre estar conectado à linha de sucção.
“E” significa descarga e deve estar conectado
à linha de descarga. “D” significa processo e é
utilizado para processamento do sistema.

C or or
D
D C
E
D C

E TL
D C
E C D
SC E

PL
TLS
D E
D C
C E

NL FR
Am0_0031

68 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

5.1 A maioria dos compressores Danfoss são


Conexões (cont.) equipados com conexões feitas em tubos de aço
de parede grossa e banhadas com cobre, cujas
características de soldagem são semelhantes às
das conexões de cobre convencionais.

As conexões são soldadas à carcaça do


compressor, e as partes soldadas não podem ser
danificadas por superaquecimento durante a
soldagem.

As conexões têm um lacre em tampa de alumínio


(capsolut) que garante a total vedação. O lacre
garante que os compressores não foram abertos
depois que saíram da linha de produção da Am0_0032
Danfoss. Além disso, o lacre elimina a carga de
proteção de nitrogênio.

Os capsoluts são facilmente removíveis com


um alicate comum ou uma ferramenta especial,
como mostrado na figura. O capsolut não pode
ser montado novamente. Quando os lacres das
conexões do compressor são removidos
o compressor deve ser montado no sistema
em 15 minutos para evitar a entrada de umidade
e sujeira.

Os lacres capsolut das conexões nunca devem


ser deixados no sistema montado.

Resfriadores de óleo, se montados (compressores


com deslocamento a partir de 7 cm3), são feitos
de tubos de cobre e as conexões da tubulação
são vedados com plugues de borracha. Um
bobina de resfriamento de óleo deve estar
conectada à parte central do circuito do
condensador.

Compressores SC Duplos devem ter uma


válvula de retenção na linha de descarga para o
compressor nº 2. Se uma alteração na seqüência
de partida entre os compressores nº 1 e nº 2
for desejada, deve-se instalar uma válvula de
retenção em ambas as linhas de descarga.
Am0_0033

Para obter-se condições ótimas de soldagem e


minimizar o consumo de material de solda, todos
Compressores

as conexões de tubulação dos compressores


Danfoss

Danfoss têm rebarbas, conforme mostrado na


figura.

Am0_0034

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 69


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

5.2 É possível mover as conexões com diâmetros


Movendo as conexões internos de 6,2 mm a 6,5 mm, que acomodam
tubos de 1⁄4” (6,35 mm), mas não aconselhamos
mover as conexões em mais de 0,3 mm.

Durante a movimentação é necessário aplicar


uma força contrária equivalente às conexões,
para que estas não se quebrem.

Uma outra solução para este problema seria


diminuir o diâmetro na extremidade do tubo da
conexão com um alicate especial.

Am0_0035

5.3 Em vez de mover as conexões ou reduzir o


Tubos adaptadores diâmetro do tubo de conexão, pode-se utilizar
tubos adaptadores de cobre para esse fim.
Um tubo adaptador de 6/6,5 mm pode ser
utilizado para conectar um compressor com
conexões em milímetros (6,2 mm) a um sistema
de refrigeração com tubos de 1⁄4” (6,35 mm).

Um tubo adaptador de 5/6,5 mm pode ser


utilizado para conectar um compressor com
conexões de descarga de 5 mm a um tubo de
1⁄4” (6,35 mm).

Am0_0036

ø 6. 5± 0. 09
ø 5± 0. 1

ø 3± 0. 1

19

Am0_0037

5.4 Varetas de solda com baixo conteúdo de prata,


Soldas de até 2%, podem ser utilizadas para soldar as
conexões e tubos de cobre. Isto significa que as
chamadas varetas de solda de fósforo também
podem ser usadas quando os tubos de conexão
forem feitos de cobre.

Se o tubo de conexão for de aço, é necessária


uma vareta de solda com alto conteúdo de
prata, que não contenha fósforo, e que tenha
uma temperatura de liquefação abaixo de 740 °C
Para esta finalidade, a pasta de solda também é
necessária.

70 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

5.4 A seguir temos as orientações para a soldagem O superaquecimento causa danos à superfície,
Soldagem de conexões de aço, que é diferente da diminuindo assim as possibilidades de uma boa
soldagem de conexões de cobre. soldagem.

Durante o aquecimento, a temperatura deve ser


mantida o mais perto possível do ponto de fusão
da solda.

Utilize o fogo “brando” no maçarico ao aquecer a


junção.

Distribua a chama de modo que pelo menos 90%


do calor se concentre em torno da conexão , e
aprox. 10% em torno do tubo de conexão.

Am0_0038

Quando a conexão estiver bem avermelhada


(aprox. 600°C), aplique a chama ao tubo de
conexão durante alguns segundos.

Am0_0039

Continue aquecendo a junção com a chama


“branda” e aplique a solda.

Compressores
Danfoss

Am0_0040

Puxe a solda em direção à fenda, movendo


lentamente a chama em direção ao compressor, e
em seguida, afaste completamente a chama.

Am0_0041

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 71


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

5.6 Sistemas que contenham os refrigerantes Sistemas carregados nunca devem ser abertos
Conexões Lokring inflamáveis R600a ou R290 nunca devem ser com maçarico. Os compressores de sistemas com
soldados. Nesses casos, pode-se usar uma refrigerante inflamável devem ser evacuados
conexão Lokring, como mostrado na figura. para remover os resíduos de refrigerante do
lubrificante.
Sistemas novos podem ser soldados
normalmente, desde que eles não tenham sido
carregados com refrigerante inflamável.

Garras para montagem Tubo LOKRING LOKRING Junção

Cavilha

Antes da Depois da
montagem montagem

Tubo LOKRING Junção LOKRING Tubo

Ferramenta

Junção LOKRING

Am0_0042

5.7 Os compressores Danfoss são utilizados em


Filtros secadores sistemas de refrigeração bem dimensionados,
incluindo um filtro secador que contenha um
dessecante de boa qualidade, na quantidade e
do tipo adequados.

Espera- se que os sistemas de refrigeração


tenham uma secagem correspondente a 10 ppm.
Como limite máximo, 20 ppm é aceitável.

O filtro secador deve ser colocado de maneira a


garantir que o sentido do retorno do refrigerante
siga a gravidade.

Desse modo impede-se que as esferas do MS se


movimentem entre si, causando assim poeira e a
possível obstrução na entrada do tubo capilar. Em
sistemas com tubo capilar, isto também garante
um tempo mínimo de equalização da pressão.

Em especial, filtros secadores de cobre devem


ser escolhidos cuidadosamente para garantir a
qualidade apropriada. Em sistemas portáteis, Am0_0043
deve-se utilizar somente os filtros secadores
aprovados para aplicações móveis.

Sempre instale um filtro secador novo quando o


sistema de refrigeração for aberto.

72 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

5.8 A água tem um tamanho molecular de PMs com um tamanho de poro de 3 Ångströms
Filtros secadores e refrigerantes 2,8 Ångströms. Assim, Peneiras Moleculares (PM) podem ser fornecidas pelos seguintes,
com tamanho de poro de 3 Ångströms serão
apropriadas para os refrigerantes normalmente
utilizados.
UOP Molecular Sieve Division (antiga Union Carbide)
25 East Algonquin Road, Des Plaines
Illinois 60017-5017, USA 4A-XH6 4A-XH7 4A-XH9
R12, R22, R502 × × ×
R134a × ×
Misturas de HFC/HCFC ×
R290, R600a × ×

Grace Davison Chemical


W.R.Grace & Co, P.O.Box 2117, Baltimore
Maryland 212203 USA “574” ”594”
R12, R22, R502 × ×
R134a × ×
Misturas de HFC/HCFC ×
R290, R600a ×

CECA S.A
La Defense 2, Cedex 54, 92062 Paris-La Defense
França NL30R Siliporite H3R
R12, R22, R502 × ×
R134a × ×
Misturas de HFC/HCFC ×
R290, R600a ×

Recomendam-se filtros secadores com as Em sistemas comerciais, utilizam-se


seguintes quantidades de dessecante. freqüentemente filtros secadores de grande
porte com núcleo sólido. Estes filtros secadores
Compressor Filtro secador
devem ser utilizados com os refrigerantes de
PL e TL 6 gramas ou mais
acordo com as instruções dos fabricantes.
FR e NL 10 gramas ou mais Caso seja necessário substituir um filtro usado,
SC 15 gramas ou mais entre em contato com o fornecedor para obter
informações detalhadas.

5.9 Deve-se tomar cuidado especial ao soldar o tubo


Tubo capilar do filtro secador capilar. Na montagem do tubo capilar, não se
deve empurrá-lo demais no filtro secador até
encostar no disco do filtro ou de vistoria, pois isso
causaria bloqueio ou restrição. Por outro lado,
se o tubo for inserido apenas parcialmente no
filtro secador, pode ocorrer obstrução durante a
soldagem.

Este problema pode ser evitado criando um


Compressores

“ressalto” no tubo capilar com um alicate especial,


Danfoss

como mostrado na figura.

Am0_0044

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 73


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

6.0 Para obter informações sobre os dispositivos Nunca tente dar a partida no compressor sem o
Equipamento elétrico de partida corretos, consulte as folhas de dados equipamento de partida completo. Por razões
técnicos do compressor. de segurança o compressor deve estar sempre
Nunca utilize um dispositivo de partida de um aterrado, caso contrário deve ter proteção
compressor antigo, pois ele pode causar falhas adicional. Mantenha materiais inflamáveis longe
no compressor. de equipamentos elétricos.

Nunca dê a partida no compressor sob vácuo.

6.1 Compressores com protetor interno do motor. Em alguns compressores com otimização de
Dispositivo de partida LST Os desenhos abaixo mostram três tipos de energia, um capacitor de foncionamento é
dispositivos de partida com PTC. conectado aos terminais N e S para diminuir o
consumo de energia.
Monte o dispositivo de partida no fio da corrente
de entrada do compressor. A pressão deve ser aplicada no centro do
dispositivo de partida durante a desmontagem,
A pressão deve ser aplicada no centro do de modo que as braçadeiras não deformem.
dispositivo de partida, de modo que as
braçadeiras não deformem. Coloque a tampa sobre o dispositivo de partida e
parafuse-a ao suporte.
Monte o passador de cabo no suporte sob o
dispositivo de partida.

c
g

a1
a2
d
d
Bobinado principal a1 Bobinado de arranque

N
c
10 11

N L 12 13
C
14

Protección de bobinado Bobinado principal Bobinado de arranque


Protección de bobinado

Am0_0045 Am0_0046

a1

Bobinado de arranque a1 Bobinado principal


N

N L
C

Protección de bobinado

Am0_0047 Am0_0048

74 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

6.1 Compressores com protetor externo do motor. A montagem do relé é também feita aplicando-se
Dispositivo de partida LST Os desenhos abaixo mostram o equipamento pressão no centro do relé.
(cont.) com relé e protetor de motor. A tampa é fixada com uma braçadeira.

1 7

L 10 11
2 8 12 13
3
10 11
N
12 13
4 14
5
M 14

6
M
Am0_0049 Am0_0050

O desenho abaixo mostra o equipamento com A tampa é fixada com uma braçadeira. Não há
PTC e protetor externo. nenhum passador de cabo disponível para este
equipamento.
O protetor está instalado no pino inferior do
terminal e o PTC no 2º pino superior.

1
2
4
3

Compressores
Danfoss

Am0_0051

6.2 Os desenhos a seguir mostram cinco tipos de Monte o passador de cabo no suporte sob o relé
Equipamento de partida HST dispositivos com relés e capacitor de partida. de partida. (Somente as Fig. A e B).

Monte o relé de partida no fio da corrente de Coloque a tampa sobre o relé de partida e
entrada do compressor. Aplique pressão no parafuse-a no suporte, ou fixe-a na posição
centro do relé de partida para evitar deformar as com a braçadeira de travamento ou os ganchos
braçadeiras. embutidos.
Fixe o capacitor de partida no suporte do
compressor.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 75


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

6.2
Equipamento de partida HST A B
(cont.)

10 11

10 11
12 13
14
12 13
14

Am0_0052 Am0_0053

C D

1 7 10 11
L 12 13

2 8
3
10 11 14
N
12 13
4
5
M 14
M
6

Am0_0054 Am0_0055

E F

5 2

10 11
4 1
12 13

1 1
2 2
14 N N
L L

M M

Am0_0056 Am0_0057

76 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

6.3 Monte a caixa elétricas no fio da corrente de Montar o passador de cabo no suporte sob a
Equipamento de partida entrada. Observe que as pontas devem estar para caixa elétricas. Coloque a tampa. (Vide fig. F).
HST CSR cima.

6.4 Recomenda-se a utilização de um relé de retardo


Equipamento para (p. ex., Danfoss 117N0001) para dar partida na
compressores duplos SC segunda seção (retardo de 15 segundos).

Se o relé de retardo for utilizado, a conexão entre


L e 1 na placa elétricas deve ser removida da
caixa de conexões nº 2 do compressor.

Se o termostato do controle de capacidade for


utilizado, a conexão entre 1 e 2 na placa elétricas
deve ser removida.

Am0_0058

10 11 10 11
12 13 12 13

14 F 14

1 1 1 1
2 2 2 2
N N N N
L L L L

2 1 3
C
D
E M

A B
1 2
Am0_0059

5 2 5 2 Compressores
Danfoss

4 1 4 1

F
1 1 1 1
2 2 2 2
N N N N
L L L L

2 1 3
C
D
A: Controle de segurança da pressão M
B: Relé de retardo E
C: Azul
D: Preto
E: Marrom
F: Remova fio L-1 se o relé de retardo
A B
for usado 1
Remova os fios 1-2 se o termostato Am0_0060
2 for usado

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 77


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

6.5 A unidade eletrônica fornece um torque de sido ativada, a unidade eletrônica dará partida
Unidade eletrônica para partida alto (HST) aos compressores TLV e NLV, no compressor automaticamente, após um certo
compressores de velocidade o que significa que não há necessidade de tempo
variável equalizar a pressão do sistema antes de cada Os compressores são equipados com rotores de
partida. magneto permanente (motor de PM – Permanent
O motor de velocidade variável do compressor Magnet, Magneto Permanente) e 3 enrolamentos
é controlado eletronicamente. A unidade idênticos no estator. A unidade eletrônica é
eletrônica tem uma proteção interna contra montada diretamente no compressor, e controla
sobrecarga, bem como uma proteção térmica. o motor PM.
No caso de ativação da proteção, a unidade Uma ligação direta feita por engano do motor na
eletrônica protegerá o motor do compressor e rede elétrica de CA danifica os magnetos e reduz
também a si mesma. Quando a proteção tiver drasticamente a eficiência.

Conector

Suministro alimentación
Conector ventilador

Conector
termostato

Conector luces

Entrada de señal

Am0_0061

7.0 Após a brazagem a evacuação do sistema de Naturalmente estes procedimentos requerem


Evacuação refrigeração é iniciada. uma boa qualidade de uniformidade (secagem)
Quando um vácuo abaixo de 1 mbar for atingido, dos componentes utilizados.
a pressão do sistema é equalizada antes da O desenho abaixo mostra o curso normal da
evacuação final e da carga do refrigerante. evacuação unilateral da tubulação de processo
Se um teste de pressão tiver sido executado do compressor. Ele mostra também a diferença
imediatamente antes da evacuação, o processo de pressão medida no condensador. Isto pode
de esvaziamento deve ser iniciado aos poucos, ser corrigido aumentando-se o número de
com baixo volume de bombeamento, para evitar equalizações de pressão.
perda de lubrificante do compressor. A linha pontilhada mostra o procedimento
Há diversas opiniões a respeito da melhor forma pelo qual ambos os lados são evacuados
de executar a evacuação. simultaneamente.
Dependendo das condições do volume da sucção Quando o tempo for limitado, o vácuo final a ser
e o lado da descarga no sistema de refrigeração, atingido dependerá apenas da capacidade
pode ser necessário escolher um dos seguintes da bomba de vácuo, e do conteúdo dos
procedimentos de evacuação. elementos não condensáveis ou dos resíduos de
Evacuação lateral simples com evacuação refrigerantes na carga de lubrificante.
contínua até que seja obtida uma pressão A vantagem da evacuação por ambos os
suficientemente baixa no condensador. É lados é que é possível obter-se uma pressão
necessário realizar um ou mais ciclos curtos de consideravelmente mais baixa no sistema em um
evacuação, com equalização de pressão entre os tempo de processo razoável.
ciclos. Isto permite realizar uma verificação de
Evacuação de ambos os lados, com evacuação vazamentos no processo, a fim de identificar
contínua até que seja obtida uma pressão vazamentos antes de carregar o refrigerante.
suficientemente baixa.

lado de descarga
Presión en mbar

lado de aspiración

vaciado por 2 lados

Tiempo de vaciado en min.


Am0_0062

78 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

7.0 O desenho abaixo é um exemplo de processo de


Evacuação (cont.) pré-evacuação com teste de vazamento incluído.
O nível de vácuo obtido depende do processo
escolhido. Recomenda-se a evacuação por ambos
os lados.

Am0_0062

7.1 Uma bomba de vácuo com dispositivo de Pode-se utilizar a mesma bomba de vácuo para
Bombas de vácuo segurança contra explosão deve ser utilizada todos os refrigerantes, se ele estiver carregado
para sistemas com os refrigerantes inflamáveis com lubrificante Éster.
R600a e R290.

8.0 Sempre carregue o sistema com o refrigerante A carga pode ser feita por volume ou por peso.
Carga do refrigerante do tipo e na quantidade recomendados pelo Utilize um vasilhame de vidro apropriado para
fabricante. Na maioria dos casos, a carga do carregar o refrigerante por volume. Refrigerantes
refrigerante é indicada na etiqueta de tipo do inflamáveis devem ser carregados por peso.
aparelho.

8.1 Se a carga máxima de refrigerante for excedida, o demais para o sistema de refrigeração. Deve-se
Carga máxima de refrigerante lubrificante do compressor pode formar espuma carregar somente a quantidade de refrigerante
depois de uma partida a frio, e as placas de necessária para o funcionamento do sistema.
válvulas do compressor podem ser danificadas
A carga do refrigerante nunca deve ser grande

Compressor Carga máxima de refrigerante


R134a R600a R290 R404A
P 300 g 150 g
T 400 g* 150 g 150 g 400 g
N 400 g* 150 g 150 g 400 g
F 900 g 150 g 850 g
SC 1.300 g 150 g 1.300 g
SC-Duplo 2.200 g
*) Tipos individuais com limites maiores disponíveis, consultar as folhas de dados técnicos.
Compressores
Danfoss

8.2 Para os refrigerantes R600a e R290, o fechamento


Fechamento do tubo de da tubulação de processo pode ser feito por meio
processo de uma conexão Lokring.

Não é permitida a soldagem em sistemas com


refrigerantes inflamáveis.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 79


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Instruções de Montagem

9.0 Sistemas de refrigeração herméticos devem ser O evaporador, a linha de sucção e o compressor
Teste impermeáveis. Para um aparelho doméstico devem ser testados durante a inatividade e com
funcionar durante um tempo razoável de sua vida pressão equalizada.
útil, são necessárias taxas de vazamento abaixo
de 1 grama por ano. Assim, é necessário utilizar Se for utilizado o refrigerante R600a deve-se
um equipamento de alta qualidade para o teste executar o teste de vazamento por meios
de vazamentos. que não o próprio refrigerante, p. ex. gás
hélio, enquanto a pressão estiver baixa,
O teste de vazamentos deve ser feito em todas as freqüentemente abaixo da pressão atmosférica
conexões com um equipamento específico para ambiente. Deste modo, vazamentos não seriam
isso. Isto pode ser feito com um equipamento detectáveis.
eletrônico para teste de vazamentos.

O lado de descarga do sistema (da conexão de


descarga ao condensador e até o filtro secador)
deve ser testado com o compressor funcionando.

9.1 Antes de liberar o sistema, certifique-se de que


Teste do aparelho o resfriamento do evaporador esteja ocorrendo
conforme o previsto, e que o compressor esteja
funcionando satisfatoriamente com o termostato.

Para sistemas dotados de tubo capilar como


válvula de acelaração, é importante certificar-se
de que o sistema é capaz de equalizar a pressão
durante os períodos de inatividade, e que o
compressor de baixo torque de partida é capaz
de dar partida no sistema sem causar desarmes
no protetor do motor.

80 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Conteúdo Página
Informações gerais sobre a operação de unidades condensadoras Danfoss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Configuração do equipamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Fonte de alimentação e equipamentos elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Compressores herméticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Condensadores e ventiladores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Válvulas de serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Tanque de líquido Ordenação do centêiner de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Caixa elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Pressostatos de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Carenagem à prova de intempéries . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Cuidados na instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Contaminação e partículas estranhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Instalando a tubulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Leiaute da tubulação das unidades condensadoras com compressores de 1 cilindro
(tipos TL, FR, NL,SC e SC-DUPLO). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Leiaute da tubulação das unidades condensadoras com compressores Maneurop ®
herméticos com pistões alternados, de 1 -2-4 cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Verificação de vazamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Soldagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Gás de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Evacuação e carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Excedendo a capacidade máxima permitida de carga operacional, e preparando o ambiente externo . . . . 91
Informações gerais: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
“Recolhimento de líquido” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Temperaturas máximas permitidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

Compressores
Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 81


Observações

82 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Informações gerais sobre A seguir, informações gerais e dicas práticas Programa:


a operação de unidades para utilização das unidades condensadoras
condensadoras Danfoss Danfoss. As unidades condensadoras Danfoss
representam uma gama integrada de unidades
com compressores Danfoss de pistões
alternados. As versões e configurações desta
série atendem às exigências do mercado. Para
dar uma visão geral do programa, geralmente
as subseções individuais são divididas pelos
diversos compressores herméticos montados em
unidades condensadoras.
Unidades condensadoras com compressores
de 1 cilindro (tipos TL, FR, NL, SC e SC-DUPLO).
Unidades condensadoras com compressores
Maneurop® de pistões alternados com
1, 2 e 4 cilindros, MTZ, NTZ e MPZ.
Am0_0000

Configuração do As unidades condensadoras Danfoss são plugues de 3-pinos com terra.elétrico. Consulte
equipamento entregues com um compressor e condensador a documentação correspondente da Danfoss ou
montados em trilhos ou sobre uma placa base. a lista de preços atual para obter detalhes e os
Caixas elétricas já vêm com fiação pronta. Além códigos de pedido. A representante de vendas da
disso, fazem parte do conjunto válvulas de Danfoss responsável pela sua área terá satisfação
serviço, adaptadores de solda, coletores, chaves em ajudá-lo a selecionar o seu equipamento.
duplas de pressão e cabos de energia com

Fonte de alimentação e Unidades condensadoras com compressores Unidades condensadoras com compressores
equipamentos elétricos de 1-cilindro (tipos TL, FR, NL,SC e SC-DUPLO). MTZ e NTZ Maneurop ® herméticos com
Estas unidades condensadoras são equipadas pistões alternados de 1, 2 e 4 cilindros.
com compressores herméticos e ventiladores Estas unidades condensadoras são equipadas
para fontes de energia de 230 V 1-,50 Hz. com compressores herméticos e ventilador(es)
Os compressores são equipados com um para fontes de tensão diferentes:
dispositivo de partida HST composto de um
relé de partida e um capacitor de partida. Os 400 V-3ph-50 Hz para compressores e
componentes também podem ser entregues ventilador(es).
como peças sobressalentes. 400 V-3fases-50 Hz para compressores
O capacitor de partida é projetado para ciclos e 230 V-1fase-50 Hz para ventilador(es)
de ativação curtos (1,7 % ED). Na prática, (o(s) capacitor(es) dos ventiladores estão
isto significa que os compressores podem incluídos na caixa elétrica).
executar até 10 partidas por hora, com uma 230 V-3fases-50 Hz para compressores
duração de ativação de 6 segundos. e 230 V-1fase-50 Hz para ventilador(es)
(o(s) capacitor(es) dos ventiladores estão
incluídos na caixa elétrica).
230 V-1fase-50 Hz para compressores
(o dispositivo de partida (capacitores, relé)
está incluído na caixa elétrica) e
230 V-1fase-50 Hz para ventilador(es). Compressores
Danfoss

Am0_0001

A corrente de partida do compressor trifásico Para obter detalhes sobre a partida suave
Maneurop® pode ser reduzida por meio de da partida CI-tronicTM MCI-C, contate o seu
um acionador de partida suave. O acionador representante local da Danfoss.
de partida suave tipo MCI-C da CI-tronicTM O número de partidas do compressor em
é recomendado para uso com este tipo de condições normais é limitado a 12 por hora.
compressor. A corrente de partida pode ser Recomenda-se a equalização da pressão quando
reduzida em até 40%, dependendo do modelo o MCI-C for utilizado.
do compressor e do modelo de partida suave
utilizado. A carga mecânica que ocorre na partida
também é reduzida, o que aumenta a vida útil
dos componentes internos.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 83


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Compressores herméticos Compressores hermeticamente selados


dos tipos TL, FR, NL, SC e SC Duplo têm o
protetor interno do enrolamento. Quando o
protetor é ativado, pode ocorrer um tempo
de desligamento de até 45 minutos em
conseqüência do calor retido no motor.

Os compressores monofásicos MTZ e NTZ


Maneurop® são protegidos interno por o
protetor com sensor de temperatura/corrente
bimetálico, que detecta as correntes principal
e do enrolamento de partida, e também a
temperatura do enrolamento.
Am0_0002
Os compressores trifásicos MTZ e NTA com
pistões alternados da Maneurop® são equipados Se o motor não funcionar, pode-se determinar
com proteção interna contra excesso de corrente por meio da medição da resistência se a causa
e superaquecimento. A proteção do motor está é uma chave de proteção do enrolamento
localizada no ponto estrela dos enrolamentos e desligada ou um possível enrolamento
abre todas as 3 fases simultaneamente por meio interrompido.
de um disco bimetálico. Quando o compressor é
desligado pelo disco bimetálico, sua reativação
pode levar até 3 horas.

Condensadores e Os condensadores altamente eficazes permitem


ventiladores uma faixa de utilização ampla a temperaturas
ambientes mais elevadas. São utilizadas uma
ou dois ventiladores a motor por unidade
condensadora, dependendo da válvula de saída.
Além disso, os ventiladores podem ser equipadas
p. ex. com uns ventiladores de velocidade de
ventilador Saginomiya tipo RGE da Danfoss.
Isto permite um bom controle da pressão
de condensação e reduz o nível de ruído. Os
ventiladores são equipadas com rolamentos
autolubrificantes, que garantem muitos anos de Am0_0003
operação livre de manutenção.

Válvulas de serviço As unidades condensadoras são fornecidas com


válvulas de serviço nas tubulações de sucção e do
líquido.

As válvulas de serviço das unidades


condensadoras com compressores de 1
cilindro (tipos TL, FR, NL, SC e SC DUPLO) são
fechadas girando-se o pino no sentido horário na
direção da peça soldada. Isto abre o fluxo entre
a conexão do manômetro e a conexão rosca .
Se o pino for girado no sentido anti-horário até
o batente traseiro, a conexão do manômetro
é fechada. O fluxo entre a conexão soldada e a
rosca fica liberada. Na posição central, o fluxo
através das três conexões corre livremente. Os
adaptadores soldados ajudam a evitar conexões
rosca e a tornar o sistema hermético.

As válvulas de serviço das unidades


condensadoras com compressores MTZ e
NTZ Maneurop® de pistões alternados são
encaixadas diretamente nas portas rotalock da
válvula de sucção e descarga do compressor
e do tanque de líquido. A válvula de sucção é
fornecida com tubos retos e compridos, de modo
Am0_0004
que a solda das conexões possa ser feita sem
desmontar a válvula Rotalock.

84 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Tanque de líquido O tanque de líquido de líquido é padrão nas


unidades condensadoras Danfoss, para uso com
válvulas expansão.

A válvula de expansão regula o nível do buffer do


tanque de líquido (a diminuição ou aumento do
retorno do refrigerante). Os tanques de líquido
com volume interno de 3 litros ou mais são
equipados com válvulas Rotalock.

Am0_0005

Caixa de terminals As unidades de condendação Danfoss já vêm As conexões elétricas de cada componente
equipadas com fiação elétrica e uma caixa (compressor, ventilador(es), PTC, pressostato)
elétricas. Assim, a fonte de alimentação e a fiação estão centralizadas nesta caixa. Um diagrama da
adicional podem ser instaladas com facilidade. fiação está disponível na tampa da caixa elétrica.
A caixa elétricas das unidades condensadoras Estas caixas elétricas estão protegidas até o nível
com compressores Maneurop® é equipada do IP 54.
com blocos elétricas do tipo parafusado,
tanto para a energia quanto para e controles.

Pressostatos de segurança As unidades condensadoras Danfoss podem ser


encomendadas com pressostatos de segurança
KP 17 (W, B...). As unidades condensadoras LP A B
que não vierem equipadas de fábrica com
pressostatos devem ser equipadas com um Start

pressostato pelo menos no lado de alta, em Diff.

sistemas com válvulas termostáticas de expansão, Stop

de acordo com a norma EN378.


HP A B
Stop

Diff.

Start

Am0_0006
As seguintes configurações são recomendadas:
Refrigerante Lado de pressão baixa Lado de alta
Conectar (bar) Desconectar (bar) Conectar (bar) Desconectar (bar)
R407 2 1 21 25
R404A/ R507 1.2 0.5 24 28
R404A/R507 LBP 1 0.1 24 28
R134a 1.2 0.4 14 18
Compressores

Instalação As unidades condensadoras Danfoss devem ser O motor do ventilador é conectado de tal modo
Danfoss

instaladas em um local bem arejado. que o ar passa pelo condensador em direção ao


compressor.
Deve-se garantir que haja ar fresco suficiente
para o condensador na extremidade da entrada Para o funcionamento ótimo da unidade
de ar. condensadora, o condensador deve ser limpo
Além disso, deve-se assegurar que não ocorra periodicamente.
fluxo cruzado entre o ar fresco e o ar da exaustão.

Am0_0007

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 85


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Carenagem à As unidades condensadoras Danfoss instaladas


prova de intempéries ao ar livre devem ser equipadas com uma
cobertura de proteção ou um compartimento de
proteção à prova de intempéries. A entrega inclui
opcionais como carenagens de
alta qualidade à prova de intempéries. É possível
encontrar os códigos de pedido na lista de preços
atual, ou contate o representante Danfoss mais
próximo.

Am0_0008

Cuidados na Instalação Cada vez mais sistemas comerciais de são feitas com relação à qualidade da instalação
resfriamento e de ar condicionado são instalados e alinhamento desse tipo de sistema de
com unidades condensadoras equipadas com resfriamento.
compressores herméticos. Exigências rigorosas

Contaminação e partículas Contaminação e partículas estranhas estão


estranhas entre as causas mais freqüentes que impactam
negativamente a confiabilidade e a vida útil dos
sistemas de resfriamento.
Durante a instalação, os seguintes tipos de
contaminação podem entrar no sistema:
Escórias durante a soldagem (oxidações)
Resíduos de solda resultantes da soldagem
Umidade e gases externos
Raspas e resíduos de cobre provenientes da
limagem do tubo.

Por este motivo, a Danfoss recomenda as


seguintes precauções:
Utilizar somente tubulação de cobre limpa e Ac0_0010
seca e componentes que atendam a norma
DIN 8964.
A Danfoss oferece uma gama integral e
abrangente de produtos necessários para a
automação do resfriamento. Entre em contato
com seu representante Danfoss para obter
informações detalhadas.

Executando o trabalho de Ao projetar o leiaute da tubulação, deve-se o lubrificante pode se acumular devem ser
tubulação traçar uma rede de tubos mais curta e compacta evitadas.
possível. Áreas rebaixadas (sifões de óleo) onde
Leiaute da tubulação das 1. A unidade condensadora e o evaporador
unidades condensadoras com estão localizados no mesmo nível.
compressores de 1 cilindro (tipos A linha de sucção deve ser posicionada
TL, FR, NL,SC e SC-DUPLO) ligeiramente abaixo do compressor. A
distância máxima permitida entre a unidade
condensadora e a posição do evaporador é de
30 m. Evaporador Condensador
Compresor

Am0_0010

Linha de sucção Linha de líquido


Diâmetro do tubo de cobre [mm]
TL 8 6
FR 10 6
NL 10 6
SC 10 8
SC-Duplo 16 10

86 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Leiaute da tubulação das Para garantir o retorno do óleo, os seguintes


unidades condensadoras com leiautes de tubulação são recomendados para as
compressores de 1 cilindro linhas de captação e do líquido:
(tipos TL, FR, NL,SC e SC-DUPLO)
(cont.) 2. A unidade condensadora é posicionada
acima do evaporador.
A diferença de altura ideal entre a unidade
condensadora e a posição do evaporador
é de no máximo 5 m. O comprimento do
tubo entre a unidade condensadora e
o evaporador não deve exceder 30 m. As
linhas de sucção devem ser dispostas em
sifões no formato de sifões
de óleo, em cima e em baixo. Isto é feito
utilizando um sifão no formato de U na
extremidade inferior, e um um sifão no
formato de P na extremidade superior do Am0_0011
tubo vertical. A distância máxima entre os
sifões é de 1 a 1,5 m. Para garantir o retorno
do óleo, os seguintes diâmetros de tubo são
recomendados para as linhas de sucção e do
líquido:

Linha de sucção Linha de líquido


Diâmetro do tubo de cobre [mm]
TL 8 6
FR 10 6
NL 10 6
SC 12/15 10 8
Todos os demais SCs 12 8
SC-DUPLO 16 10

3. A unidade condensadora está posicionada


sob o evaporador.
A diferença de altura ideal entre a unidade
condensadora e o evaporador é de no Evaporator

máximo 5 m. O comprimento do tubo entre


a unidade condensadora e o evaporador
não deve exceder 30 m. As linhas de sucção
devem ser dispostas em sifões no
formato de sifões de óleo, em cima e em Condenser
baixo. Isto pode ser feito utilizando sifões no
formato de U na extremidade inferior, e sifões
Compressor
no formato de P na extremidade superior do
tubo vertical. A distância máxima entre os Am0_0012
sifões é de 1 a 1,5 m. Para garantir o retorno
do lubrificante, os seguintes diâmetros de
tubo são recomendados, para as linhas de
sucção e do líquido:
Compressores
Linha de Sucção Linha de líquido
Danfoss

Diâmetro do tubo de cobre [mm]


TL 8 6
FR 10 6
NL 10 6
SC 12 8
SC-DUPLO 16 10

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 87


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Leiaute da tubulação das Os tubos devem ser dispostos de modo a serem


unidades condensadoras flexíveis (passíveis de dispersão em três planos, Al condensador
com compressores Maneurop® ou com “flexível”). Ao projetar o leiaute da
herméticos com pistões tubulação, deve-se traçar a mais curta e mais
alternados, de 1 -2-4 cilindros compacta malha de tubos possível.

Compresor

Lo más corto posible


Evaporador

Am0_0013

Áreas rebaixadas (sifões de óleo), onde


o lubrificante pode se acumular, devem ser Al condensador
Caída 0,5,
evitadas. As linhas horizontais devem ser 4 m/s ó más.
dispostas ligeiramente inclinadas para baixo, na
direção do compressor. Para garantir o retorno
do lubrificante, a velocidade de sucção nos tubos
verticais deve ser de 8-12 m/s no mínimo. max. 4 m
Arco en U
Para as linhas horizontais, a velocidade de sucção
não deve cair abaixo de 4 m/s. As linhas de
sucção verticais devem ser dispostas em sifões, Arco en U lo más corto posible

na forma de sifões de óleo em cima 8 a 12 m/s


e em baixo. Isto pode ser feito utilizando sifões
max. 4 m
em forma de U na extremidade inferior, e em Caída 0,5, 4 m/s
Evaporador
forma de P na extremidade superior da tubulação ó más.

vertical. A altura máxima do tubo vertical é 4 m, a


menos que um segundo sifão em forma de U seja Arco en U lo más corto posible
anexado.
Am0_0014

Se o evaporador estiver montado acima da


unidade condensadora, deve-se garantir que Al compresor
nenhum líquido refrigerante entre no compressor
durante a fase de parada de funcionamento.
Para evitar a formação de gotas de condensação
e prevenir um aumento indesejado do 8 a 12 m/s, a
capacidad más baja
superaquecimento do gás aspirado, geralmente
a linha de sucção deve ser isolada. O ajuste
do superaquecimento do gás aspirado é feito
8 a 12 m/s, a
individualmente para cada uso. É possível capacidad más alta
encontrar informações mais detalhadas nas
seguintes seções, sob o título “temperaturas máx. Del evaporador
permitidas.”

Arco en U lo más corto posible

Am0_0015

Verificação de vazamentos Na fábrica são verificados vazamentos nas


unidades condensadoras Danfoss utilizando
gás hélio. As unidades também são carregadas
com um gás de proteção, que portanto deve
ser evacuado do sistema. Além disso, deve-se
verificar a existência de vazamentos no circuito
refrigerante adicionado utilizando nitrogênio.
As válvulas de sucção e de líquido da unidade
condensadora permanecem fechadas durante
este procedimento. O uso de agentes coloridos
na verificação de vazamentos anulam a garantia.

Ac0_0030

88 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Soldagem As soldas mais comuns são ligas de 15%


de prata com cobre, zinco e estanho, ou
seja, “solda prateada”. O ponto de fusão fica
aproximadamente entre 655°C e 755°C.
A solda com cobertura de prata já contém a
pasta necessária para a soldagem. Ela deve ser
removida após a soldagem.

A solda de prata pode ser utilizada para soldar


vários materiais, p. ex. aço/cobre. A solda de prata
a 15% é suficiente para soldar cobre com cobre.

Ac0_0021

Gás de proteção Em temperaturas de soldagem elevadas e


sob a inuência do ar ambiente, formam-se
subprodutos da oxidação (escórias).

Conseqüentemente, deve haver um gás de


proteção uindo através do sistema durante a
soldagem. Sopre um jato fraco de gás seco e
inerte através dos tubos.

Comece a soldagem somente quando


não houver presença de ar atmosférico no
componente afetado. Inicie o procedimento de
trabalho com um jato forte do gás de proteção,
que poderá ser reduzido ao mínimo ao iniciar a
soldagem.

Este fluxo fraco do gás de proteção deve ser


mantido durante todo o processo de soldagem.
A soldagem deve ser feita utilizando nitrogênio
e gás, com uma chama suave. Adicione a solda
somente ao atingir a temperatura de fusão.

Ac0_0019

Maçarico
com garfo:
Compressores
Danfoss

Am0_0018

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 89


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Evacuação e carga A bomba de vácuo deve ser capaz de sugar


a pressão do sistema até aprox. 0,67 mbar, se
possível em dois estágios.

A umidade, o ar ambiente e o gás de proteção


devem ser removidos. Se possível, fazer uma
evacuação nas duas extremidades, pelos lados da
sucção e do líquido da unidade condensadora.

Utilize as conexões nas válvulas de sucção e de


descarga das unidades condensadoras.

Ac0_0023

Para a carga do sistema, um indicador do


nível de carga, cilindro de carga e/ou balança
são utilizados com unidades condensadoras
menores. O refrigerante pode ser carregado na
linha de líquido na forma de líquido se houver
uma válvula de carga instalada.

Caso contrário, o refrigerante deve ser carregado


no sistema na forma gasosa através da válvula de
serviço de sucção enquanto o compressor estiver
funcionando (cortar o vácuo de antemão).

Observe que os refrigerantes R404A, R507 e


R407C são misturas.

Os fabricantes de refrigerantes recomendam


a carga do R507 na forma de líquido ou gás,
enquanto que o R404A e especialmente o R407C
devem ser carregados na forma líquida. Portanto,
devemos recomendar que a carga do R404A,
R507 e R407C seja feita conforme a descrição,
utilizando uma válvula de carga.

Se a quantidade de refrigerante a ser carregada


for desconhecida, continue a carregar até que
não haja bolhas visíveis no visor de inspeção.
Durante este processo, é necessário monitorar
constantemente a temperatura de condensação Ac0_0028
e de sucção do gás, a fim de garantir
temperaturas operacionais normais.

Observe os seguintes procedimentos A garrafa de refrigerante é conectada na conexão


para evacuação e carga das unidades central da bateria de manutenção 3, e a peça de
condensadoras Danfoss com compressores de carga é aberta brevemente.
1 cilindro dos tipos TL, FR, NL, SC e SC DUPLO.
Para a evacuação, ambas as mangueiras externas A válvula correspondente da bateria de
são conectadas a uma bateria de manutenção, manutenção 4 é aberta e o sistema é carregado
e a unidade condensadora é evacuada com através da conexão do manômetro da válvula
as válvulas de serviço 1 e 2 abertas (pino na de serviço da sucção, com a carga máxima de
posição central). refrigerante permitida para um compressor que
esteja em funcionamento.
Após a evacuação, as duas válvulas (4 e 5) são
conectadas à bateria de manutenção. Só então a
bomba de vácuo é desligada.

90 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Evacuação e carga (cont.) Observe a seguinte recomendação para


evacuação e carga das unidades
condensadoras Danfoss com compressores
herméticos MTZ e NTZ da Maneurop® de
pistões alternados.

Presión (10-3 mm QS)


Recomendamos que a evacuação seja executada
conforme a descrição a seguir:

1. As válvulas de manutenção da unidade


condensadora deve estar fechada.

2. Após o teste de vazamento, se possível,


deve-se executar uma evacuação pelas duas Tiempo (en minutos)
extremidades, utilizando uma bomba de
vácuo de 0,67 mbar (abs.). Am0_0019

Recomenda-se utilizar mangueiras de


alta capacidade, conectadas às válvulas de
manutenção.

3. Uma vez atingido um vácuo de 0,67, o sistema


é separado da bomba de vácuo. Durante os
próximos 30 minutos, o sistema não deve
subir. Se a pressão subir rapidamente, há um
vazamento.

Um novo teste de vazamento e evacuação


(depois de 1) deve ser executado. Se a pressão
subir lentamente, é sinal de que há umidade
presente. Se este for o caso, execute uma nova
evacuação (depois de 3).

4. Abra as válvulas de manutenção da unidade


condensadora e interrompa o vácuo com
nitrogênio. Repita os procedimentos 2 e 3.

Informações gerais:
O compressor só deve ser ligado se o vácuo tiver
sido interrompido.

Ao operar o compressor com vácuo no


compartimento do compressor, corre-se o risco
de causar faíscas no enrolamento do motor.

Excedendo a capacidade Se o refrigerante for carregado além da Uma solução rápida e fácil para evitar
máxima permitida de carga capacidade operacional máxima permitida, ou na deslocamentos do refrigerante durante as fases
operacional, e preparando o instalação em ambiente externo, deve-se tomar de desligamento é o uso de uma resistência de
Compressores
ambiente externo precauções de proteção. cárter.
Danfoss

A capacidade operacional máxima permitida


pode ser encontrada nas informações técnicas
e/ou nas instruções de instalação dos
compressores Danfoss. Se houver muitas
questões, a sua revendedora Danfoss local terá
satisfação em prestar-lhe assistência.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 91


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Excedendo a capacidade Para unidades condensadoras Danfoss


operacional máxima equipadas com compressores de 1 cilindro
permitida e instalando em dos tipos TL, FR, NL, SC e SC DUPLO,pode-se
ambientes externos (cont.) utilizar os seguintes tamanhos de resistências de
cárter:
Resistência de cárter para TL/FR/NL 35 W,
código de pedido nº 192H2096
Resistência de cárter para SC e SC-DUPLO 55
W, código de pedido nº 192H2095
As resistências de cárter do tipo fita devem
ser montadas diretamente sobre a junta
soldada. Para compressores DUPLOS, ambos
os compressores devem ter uma resistência de
cárter. A conexão elétrica pode ser feita
da seguinte maneira: Am0_0020

Para interruptores principais ativados, o contato


alternado do termostato regulador (p. ex., KP 61)
assume a função de interrupção, ou seja, desliga
o compressor – liga a resistência e vice-versa.
A resistência de compartimento também deve
ser ligado aprox. 2-3 horas antes da partida do
compressor, caso o sistema de refrigeração tenha
ficado desligado durante um longo tempo.
Para instalar as unidades condensadoras em
ambientes externos, geralmente recomenda-se
utilizar resistências de cárter.
Observar as seguintes recomendações sobre
fiação.

As unidades condensadoras Danfoss, A resistência deve ser montada o mais próximo


com compressores herméticos MTZ e NTZ possível do reservatório de óleo, a fim de garantir
Maneurop® de pistões alternados com 1, 2 ou uma transferência eficiente do calor para o óleo.
4 cilindros vêm equipadas de fábrica com uma As resistências de cárter de tipo sinta não são
resistência de cárter auto regulável PTC 35 W. auto-reguláveis.

A resistência PTC auto regulável protege Deve-se obter a regulagem ligando a resistência
o compressor contra a migração do quando o compressor é parado, e desligando-a
refrigerante durante a fase de desligamento. quando o compressor estiver funcionando.
Entretanto, uma proteção confiável somente é
possível quando a temperatura do óleo estiver Estas providências impedem a condensação do
10 K acima da temperatura de saturação do refrigerante no compressor. Deve-se certificar
refrigerante. que a resistência de cárter seja ligada pelo
menos 12 horas antes da partida do compressor,
É aconselhável verificar, por meio de testes, se sempre que as unidades condensadoras
uma temperatura de óleo adequada foi atingida estiverem sendo religadas após um longo tempo
tanto para temperaturas ambientes baixas de parada.
quanto altas.

Para unidades condensadoras instaladas ao ar


livre e expostas a baixas temperaturas ambientes,
ou para aplicações com grandes quantidades
derefrigerante, é necessário mais uma resistência
de cárter do tipo fita.

92 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

“Chaveamento de Se não for possível manter a temperatura do


Termostato
desligamento da bomba” óleo 10 K acima da temperatura de saturação do
refrigerante utilizando-se a resistência de cárter Válvula de solenoide Válvula de expansión
durante o período em que o compressor está
desligado ou quando o líquido refrigerante reflui,
deve-se utilizar o processo de recolhimento
de líquido na extremidade de pressão baixa,
para evitar a possibilidade de migração do do Evaporador
refrigerante durante as fases de desligamento.
Visor de líquido
A válvula solenóide na linha do líquido é
controlada por um termostato. Se a válvula Filtro secador
solenóide fechar, o compressor fornece
sucção na extremidade de pressão baixa até
que o pressostato de baixa desligue
o compressor no ponto de interrupção
estabelecido.

Com o “chaveamento de desligamento da Am0_0021


bomba”, o ponto de ativação do pressostato de
baixa deve ser estabelecido em um nível inferior
ao da pressão de saturação do refrigerante na
temperatura ambiente mais baixa da unidade
condensadora e do evaporador.

Um separador de líquidos fornece proteção


contra a migração de refrigerante na
partida, durante a operação ou após o processo
de degelo por gás quente.

O separador de líquidos fornece proteção contra


a migração de refrigerante durante o
período de desligamento, enquanto o volume
interno livre na extremidade de sucção do
sistema aumenta.

O separador de líquido deve ser disposto de


acordo com as recomendações do fabricante.
Como regra, a Danfoss recomenda que a
capacidade do separador de líquidos não seja
menor que 50% da capacidade total de carga do
sistema.

Um separador de líquido não deve ser utilizado Am0_0022


em sistemas com refrigerantes zeotrópicos como
o R407C, por exemplo.
Compressores
Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 93


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Unidades condensadoras em geral

Temperaturas máximas Para as unidades condensadoras Danfoss,


permitidas com compressores de 1 cilindro (tipos TL,
FR, NL, SC e SC DUPLO), o superaquecimento
do evaporador (medido no sensor da válvula
de expansão, significando a temperatura no
manômetro) deve estar entre 5 e 12 K.

A temperatura máxima do gás de retorno é


medida na sucção do compressor 45°C.
O superaquecimento do gás aspirado causa
inevitavelmente uma alta na temperatura
de descarga.

Esta temperatura não deve exceder 135 °C para


o compressor SC, e 130 °C para os compressores
TL, NL e FR.
Am0_0023
A temperatura do tubo de pressão é medida a
50 mm da conexão de pressão do compressor.

Para as unidades condensadoras com


compressores herméticos MTZ e NTZ
Maneurop® de pistões alternados, o
superaquecimento do evaporador (sensor da
válvula E) deve ficar entre 5 e 12 K.

A temperatura máxima do gás de retorno medida


na conexão de sucção do compressor é 30°C.

O superaquecimento do gás de aspiração causa


inevitavelmente uma alta na temperatura
do gás de pressão, cujo valor máximo não deve
ser excedido (130°C).

Para aplicações especiais (sistemas


multievaporador), recomenda-se o uso de um
separador de óleo na linha de descarga

94 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

Conteúdo Página
1.0 Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
1.1 Detecção de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
1.2 Substituição do termostato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
1.3 Substituição do equipamento elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
1.4 Substituição do compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
1.5 Substituição do refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
2.0 Regras para fazer reparos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
2.1 Abertura do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
2.2 Brazagem sob gás inerte de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
2.3 Filtro secador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
2.4 Entrada de umidade durante o reparo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2.5 Preparação do compressor e do equipamento elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
2,6 Soldagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.7 Evacuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
2.8 Bomba de vácuo e medidor de vácuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
3.0 Manuseio de refrigerantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.1 Carga de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.2 Carga máxima de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.3 Teste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.4 Teste de vazamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
4.0 Substituição de compressor defeituoso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.1 Preparação dos componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.2 Remoção da carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.3 Remoção do compressor defeituoso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.4 Remoção de resíduos de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.5 Remoção do filtro secador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
4.6 Limpeza das junções de solda e remontagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
5.0 Do R12 para outros refrigerantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.1 Do R12 para outros refrigerantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.2 Do R12 para o R134a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.3 Do R134a para o R12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.4 Do R502 para o R404A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
6.0 Sistemas contaminados com umidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
6.1 Baixo grau de contaminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
6.2 Alto grau de contaminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
Compressores

6.3 Secagem do compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111


Danfoss

6.4 Carga de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111


7.0 Perda de carga de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
8.0 Motor do compressor queimado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
8.1 Acidez do óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
8.2 Sistema queimado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 95


Observações

96 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

1.0 Consertos de refrigeradores e freezers exigem Fig. 2: Sistema de refrigeração hermético com válvula de
Geral técnicos capacitados que devem executar este expansão
serviço em diversos tipos de refrigeradores.
Anteriormente os serviços de manutenção
e de reparo não eram tão rigorosamente
regulamentados como atualmente, e isto se deve
aos novos refrigerantes, alguns dos quais são
inflamáveis.
Fig. 1: Sistema de refrigeração hermético com tubos
capilares

Am0_0108

Serviços de reparo e manutenção são mais


difíceis que uma nova montagem, uma vez que as
condições de trabalho “em campo” normalmente
são piores que nas instalações de produção ou em
uma oficina.
Uma condição para que o serviço de manutenção
seja satisfatório é que os técnicos tenham as
Am0_0107 qualificações adequadas, ou seja, boa capacidade
técnica, conhecimento profundo do produto,
A Fig. 1 mostra um sistema de refrigeração precisão e intuição.
hermético com tubo capilar utilizado como
dispositivo de expansão. Este tipo de sistema é A finalidade deste guia é aumentar o nível de
utilizado na maioria dos refrigeradores domésticos conhecimento do serviço de reparo, repassando
e em pequenos refrigeradores comerciais, as regras básicas. O assunto em questão é tratar da
freezers de sorvete e resfriadores de garrafas. referência ao conserto de sistemas de refrigeração
A Fig. 2. mostra um sistema de refrigeração que para refrigeradores domésticos “no campo”, mas
utiliza uma válvula de expansão termostática. muitos dos procedimentos podem também ser
Este tipo de sistema é usado principalmente em aplicados a instalações comerciais herméticas de
sistemas de refrigeração comerciais. refrigeração.
1.1 Antes de executar quaisquer operações em Em muitos casos, pode-se concluir a partir das
Detecção de falhas um sistema de refrigeração, deve-se planejar declarações do usuário, quais falhas podem ser
a progressão do reparo, ou seja, todos os possíveis, e para a maioria das falhas pode ser
componentes para substituição e todos os feito um diagnóstico relativamente preciso. No
recursos necessários devem estar disponíveis. entanto, uma precondição é que o técnico de
Para que este planejamento seja possível, a falha manutenção tenha o conhecimento necessário
no sistema já deve ser conhecida. As ferramentas do funcionamento do produto e que os recursos
para detecção de falhas devem estar disponíveis adequados estejam disponíveis. Um procedimento
conforme ilustrado na fig. 3. Manômetros de de detecção de falhas muito elaborado não
sucção e descarga, válvulas de manutenção, caberia aqui, entretanto as falhas mais comuns,
multímetros (para tensão, corrente e resistência) como um compressor que não dá partida ou não
e um testador de vazamento. funciona, são mencionadas a seguir.

Fig. 3: Manômetros, válvulas de manutenção, multímetro e testador de vazamento

Compressores
Danfoss

Am0_0109 Am0_0110 Am0_0111 Am0_0112 Am0_0113

Interruptor principal desligado bloqueado mecanicamente.


Uma falha possível pode ser um fusível Motivos freqüentes para a capacidade de
defeituoso e o motivo pode ser uma falha nos refrigeração reduzida são a crosta ou a
enrolamentos do motor ou no protetor do motor, galvanização de cobre, devidas à presença de
um curto-circuito ou um fio da corrente de umidade ou gases não condensáveis no sistema.
entrada no compressor queimado. Estas falhas Juntas estouradas ou placas de válvula
requerem a substituição do compressor. quebradas acontecem devido a pressões
Compressor de pico altas demais e de curta duração em
Dispositivo de partida e motor do compressor conseqüência do efeito de calço hidráulico no
podem ser a escolha errada. Motor do compressor, que pode ser devido a uma carga
compressor ou protetor de enrolamento pode excessiva de refrigerante no sistema ou ao tubo
estar com defeito e o compressor pode estar capilar obstruído.
© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 97
Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

1.1 A tensão pode estar muito baixa ou a pressão alta O desligamento pode ser também devido a uma
Detecção de falhas (cont.) demais para o compressor. falha mecânica, ajuste errado do diferencial,
A pressão não equalizada força o protetor ajuste errado da pressão de desligamento ou
do motor a desligar após cada partida, irregularidades na pressão.
e eventualmente causará a queima do
enrolamento do motor. Termostato
Um ventilador defeituoso também afeta a carga Um termostato defeituoso ou ajustado
do compressor e pode fazer o protetor do motor incorretamente pode ter desligado o compressor.
desligar ou danificar as juntas. Se o termostato perder carga do sensor ou
Se não for possível dar a partida o compressor se o ajuste da temperatura for muito alto, o
estiver frio, pode levar até 15 minutos para o compressor não dá partida. A falha também pode
protetor do enrolamento desligar o compressor. ser causada por uma conexão elétrica errada.
Se o protetor do enrolamento desligar quando Um diferencial baixo demais (diferença entre a
o compressor estiver quente, pode levar até temperatura de ligar e desligar) causará períodos
45 minutos para o protetor ligar o compressor muito curtos de inatividade do compressor e
novamente.
Antes de começar uma detecção de falhas no caso de um compressor LST (baixo torque de
sistemática,convém desligar a tensão de partida), isto pode causar problemas de partida.
alimentação do compressor durante 5 minutos. Consultar também o item 1.2 “Substituição do
Isto garante que o dispositivo de partida PTC, se termostato”.
houver, esfrie suficientemente para dar a partida Para mais detalhes, consulte “Detecção e
no compressor novamente. prevenção de falhas em circuitos de refrigeração
Caso ocorra uma breve falha de energia com compressores herméticos”.
durante os primeiros minutos de um processo
de refrigeração, pode ocorrer uma situação Uma identificação cuidadosa da falha
conflitante (travamento) entre o protetor e o PTC. é necessária antes de abrir o sistema, e
Um compressor com um dispositivo de partida especialmente antes de remover o compressor
PTC não pode dar a partida em um sistema com do sistema. Os reparos necessários para a
pressão não equalizada, e o PTC não pode esfriar operação de um sistema de refrigeração são
tão rapidamente. Em alguns casos, pode levar até muito onerosos. Assim sendo, antes de abrir
1 hora até que o refrigerador volte a funcionar sistemas de refrigeração antigos, convém
normalmente. certificar-se de que o compressor não esteja
Pressostatos de alta e de baixa prestes a quebrar, embora ainda esteja
O desligamento da válvula de alívio alta pode funcionando.
ser devido à pressão de condensação muito alta, Uma avaliação pode ser feita verificando a carga
provavelmente causada por uma deficiência no
ventilador. de óleo do compressor. Drene um pouco de óleo
O desligamento da válvula de alívio baixa pode para um recipiente limpo de vidro e
ser devido à carga de refrigerante insuficiente, compare-o com uma amostra de óleo novo.
vazamento, formação de gelo no evaporador ou Se o óleo drenado estiver escuro, opaco e com
bloqueio parcial do dispositivo de expansão. impurezas, o compressor deve ser substituído.
1.2
Substituição do termostato
Antes de substituir o compressor, é recomendável um tipo de refrigerador e aplicação, o serviço de
verificar o termostato. manutenção pode ser feito em quase todos os
Um teste simples pode ser feito causando um refrigeradores comuns. Ver fig. 4.
curto-circuito no termostato de modo que o A área de aplicação de cada termostato cobre
compressor receba energia diretamente. Se o uma ampla gama de tipos de termostatos.
compressor puder funcionar desta maneira, o Além disso, os termostatos têm um diferencial
termostato deve ser substituído. de temperatura entre o acionamento e o corte
Para substituí-lo, é essencial encontrar um do suficiente para garantir a equalização satisfatória
mesmo tipo, o que pode ser uma tarefa difícil da pressão nos períodos de pausa do sistema.
com tantos tipos de termostatos no mercado. A fim de cumprir a devida função, o sensor do
Para facilitar a escolha diversos fabricantes, termostato (os últimos 100 mm do tubo capilar)
incluindo a Danfoss, designaram o assim deve estar sempre em contato direto com o
chamado “termostatos de serviço”, fornecido em evaporador.
embalagens com todos os acessórios necessários. Ao substituir um termostato é importante
Com oito embalagens, cada uma abrangendo verificar se o compressor funciona
satisfatoriamente, tanto na posição quente
Fig. 4: Pacote para manutenção de termostato quanto fria, e se o período de pausa é suficiente
para a equalização da pressão do sistema, no
caso de se usar um compressor LST.
Com a maioria dos termostatos é possível
obter um diferencial de temperatura mais alto
ajustando o parafuso do diferencial. Antes disso,
recomenda-se obter nas folhas de dados técnicos
de termostatos, orientação sobre para qual lado o
parafuso deve ser girado.
Uma outra maneira de conseguir um diferencial
maior é colocar um pedaço de plástico entre o
sensor e o evaporador, uma vez que 1 mm de
plástico corresponde a um diferencial de aprox.
Am0_0114 1°C a mais.
98 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

1.3 A causa de falhas também pode ser encontrada Se for encontrada uma falha no protetor de
Substituição do no equipamento elétrico do compressor, onde é enrolamento instalado em vários compressores
equipamento elétrico possível substituir o relé de partida/dispositivo herméticos, o compressor inteiro deve ser
de partida PTC, protetor do motor, capacitor de substituído.
partida ou de funcionamento. Ao substituir um compressor, o equipamento
Um capacitor de partida pode ter sido danificado elétrico também deve ser substituído, uma vez
pelo ajuste muito baixo do diferencial do que um equipamento antigo utilizado com
termostato, pois o capacitor de partida deve ligar um compressor novo pode causar pane no
10 vezes/hora no máximo. compressor mais tarde.

1.4 Se a falha for devida a um compressor defeituoso, dos deslocamentos do compressor será aplicável.
Substituição do compressor o técnico de manutenção deve selecionar um Seria aconselhável selecionar um compressor
compressor com a característica correta para o ligeiramente maior que o defeituoso.
aparelho. Para um sistema de tubo capilar com equalização
Se um compressor correspondente ao defeituoso de pressão, durante os períodos de inatividade
estiver disponível, e se ele for destinado a um um compressor LST (baixo torque de partida)
refrigerante não regulamentado, não haverá pode ser utilizado, e para um sistema com válvula
nenhum problema posterior. Entretanto, em de expansão ou sem equalização de pressão,
muitos casos é impossível conseguir o mesmo deve-se escolher um compressor HST (alto torque
tipo de compressor, e nestes casos o técnico de de partida).
manutenção deve estar ciente de alguns fatores. Naturalmente, um compressor HST também
Se for o caso de trocar de uma marca de pode ser utilizado em um sistema de tubo capilar.
compressor para outra, pode ser difícil selecionar Finalmente, as condições de resfriamento do
o compressor correto, e portanto diferentes compressor também devem ser consideradas.
parâmetros deverão ser considerados. Se o sistema tiver um esquema de resfriamento
A tensão e a freqüência do compressor devem de óleo, deve-se escolher um compressor com
corresponder à tensão e freqüência do local. resfriador de óleo.
Em seguida, a área de aplicação deve ser Em uma situação de manutenção, não há
considerada (temperaturas de evaporação baixa, problema em usar um compressor com
média ou alta). resfriador de óleo ao invés de um compressor
A capacidade de resfriamento deve corresponder sem resfriador, desde que a espiral possa ser
àquela do compressor anterior, porém, se a completamente ignorada quando não for
capacidade for desconhecida, uma comparação necessária.

1.5 A melhor solução para um reparo é selecionar o Os refrigerantes inflamáveis devem ser
Substituição do refrigerante mesmo refrigerante utilizado no sistema atual. utilizados somente em sistemas de refrigeração
Os compressores Danfoss são fornecidos ou eram que atendam os requisitos da norma EN/IEC
fornecidos nas versões para os refrigerantes R12, 60335-2-24 ou -2-89, incluindo as demandas
R22, R502, R134a, R404A/R507/R407C e para os de refrigerantes inflamáveis, e o pessoal de
refrigerantes inflamáveis R290 e R600a. manutenção deve ser especialmente treinado
Os refrigerantes R12 E R502, que têm a cobertura para o manuseio. Isto implica no conhecimento
das normas do Protocolo de Montreal, só podem das ferramentas, transporte de compressores
ser utilizados em poucos países, e a produção e refrigerantes, e também de todas as regras e
destes refrigerantes será eventualmente regulamentações de segurança importantes.
descontinuada. Se chamas ou ferramentas elétricas forem
Para sistemas de bombas de aquecimento, utilizadas perto dos refrigerantes R600a e R290,
utiliza-se atualmente o refrigerante R407C no isso deve ocorrer de acordo com as normas
lugar do R22 e R502. vigentes.
Compressores

O refrigerante R134a, ambientalmente mais Os sistemas de refrigeração devem sempre ser


Danfoss

aceito, foi substituído pelo R12 e em muitas abertos com um cortador de tubos.
aplicações os refrigerantes R404A e R507 foram
substituídos pelo R22 e R502. A troca do refrigerante R12 ou R134a pelo R6001
não é permitida, pois o uso de refrigerantes
Os refrigerantes inflamáveis R290 e R600a inflamáveis não é aprovado para refrigeradores, e
A carga máxima destes refrigerantes no sistema é a segurança elétrica não foi testada de acordo com
de 150 g de acordo com os padrões atuais, e eles as normas vigentes. O mesmo se aplica à troca dos
devem ser aplicados somente em refrigeradores refrigerantes R22, R502 ou R123a pelo R290.
pequenos.

Refrigerantes combinados
Refrigerante Marca Composição Substituindo Área de aplicação Óleos aplicáveis
R401A Suva MP39 R22, R152a, R124 R12 L-M Alkylbenzeno
R401B Suva MP66 R22, R152a, R124 R12 L Alkylbenzeno
Polyolester
R402A Suva HP80 R12, R22, R290 R502 L
Alkylbenzeno
Polyolester
R402B Suva HP81 R12, R22, R290 R502 L-M
Alkylbenzeno

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 99


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

1.5 Misturas de refrigerantes Substituição do óleo


Substituição do refrigerante Ao mesmo tempo em que novos refrigerantes Este termo significa que durante a manutenção
(cont.) ambientalmente aceitáveis (R134a e R404A) de um sistema de refrigeração, mais de 90% do
foram lançados no mercado, algumas misturas óleo mineral original é retirado e substituído
de refrigerantes também foram lançadas para por óleo sintético, e um novo filtro secador é
fins de manutenção. Eles foram melhor aceitos instalado. Além disso, o sistema é carregado com
ambientalmente que os refrigerantes de CFC (R12 um outro refrigerante compatível (mistura).
e R502) utilizados anteriormente.
Em muitos países as misturas de refrigerantes Substituição de carga
foram permitidas apenas por um curto período, O termo substituição de carga refere-se à
significando que elas não foram amplamente manutenção em sistemas de refrigeração com
usadas em sistemas de refrigeração herméticos a substituição do refrigerante CFC por um
pequenos. refrigerante HFC ambientalmente aceitável.
O uso destes refrigerantes não pode ser O sistema de refrigeração é esvaziado e o
recomendado para produção em série, mas em compressor é substituído por um compressor
muitos casos eles podem ser utilizados para HFC. Alternativamente, o óleo do compressor é
reparos – consulte a tabela na página anterior. substituído por um óleo Éster apropriado.
O óleo deve ser trocado diversas vezes após
Completar curtos períodos de funcionamento, e o filtro
Esta denominação é usada quando um secador deve ser substituído.
sistema de refrigeração é completado com um
refrigerante diferente do utilizado originalmente. No caso de substituição do óleo, é necessário
Este é especialmente o caso quando surgem obter uma declaração do fabricante do
problemas que devem ser solucionados com compressor sobre a compatibilidade do material.
operações tão pequenas quanto possível.
Correspondentemente, sistemas R22 foram
completados com uma pequena quantidade
de R12, a fim de melhorar o retorno do óleo de
retorno ao compressor.
Em diversos países não é permitido completar
sistemas CFC (R12, R502,...).

100 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

2.0 Para que um sistema de refrigeração hermético em um sistema de refrigeração com freqüência
Regras para fazer reparos funcione como planejado e atinja uma vida útil dão início a processos químicos desvantajosos,
razoável, o conteúdo de impurezas, umidade e e ao abrir um sistema de refrigeração, criam-se
gases não condensáveis deve ser mantido em possibilidades de contaminação.
níveis baixos. Para executar um trabalho de reparo com um
Ao montar um sistema novo, estes requisitos bom resultado, uma série de medidas preventivas
são relativamente fáceis de atender, mas no devem ser tomadas. Antes de detalhar o trabalho
reparo de um sistema de refrigeração defeituoso de reparo, algumas regras e condições de caráter
a tarefa é mais complicada. Entre outras coisas, geral devem ser explicadas.
esta complicação se deve ao fato de que as falhas

2.1 Fig. 5: Sistema de refrigeração hermético com tubo Fig. 8 Unidade de recuperação de refrigerantes
Abertura do sistema capilar

Am0_0115 Am0_0116

Se o sistema de refrigeração contém um Antes de cortar tubos do sistema de refrigeração,


refrigerante inflamável como p. ex. o R600a é recomendável lixá-los nas áreas a serem
ou R290, este aparecerá na etiqueta de tipo. cortadas. Desse modo, os tubos já ficam
Os compressores Danfoss são fornecidos com preparados para a soldagem subseqüente e
etiquetas como a mostrada na fig. 6. evita-se que partículas de sujeira penetrem no
sistema.
Fig. 6: Etiqueta no compressor para o R600a
Utilize somente cortador de tubo, nunca uma
serra para cortar metal, para cortar a tubulação
de um sistema de refrigeração.
Uma pequena lasca deixada no sistema pode
causar uma pane subseqüente no compressor.
Todos os refrigerantes devem ser coletados
conforme as instruções.

Quando um tubo capilar é cortado, é importante


Am0_0117 não causar lascas ou deformações no tubo.
O tubo capilar pode ser cortado com alicate
A manutenção e reparo desses sistemas especial (ver fig. 9) ou riscado com uma lima para
exige pessoal especializado. Isto implica no então ser partido.
conhecimento de ferramentas, transporte de
compressores e refrigerante, bem como de todas Fig. 9: Alicate de corte especial para tubos capilares
as orientações e regulamentações de segurança
importantes.
Ao lidar com os refrigerantes R600a e R290,
Compressores

chamas acesas somente podem ser utilizadas


Danfoss

conforme a descrição fornecida nas orientações


existentes.
A fig. 7 mostra uma válvula de perfuração para
montagem no tubo de processo, permitindo
assim uma abertura no sistema para drenagem e
acúmulo do refrigerante, conforme as instruções
aplicáveis.
Fig. 7: Válvula de perfuração Am0_0118

Am0_0111

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 101


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

2.2 Um sistema carregado com refrigerante nunca Se o compressor estiver com defeito, seria
Brazagem sob gás deve ser aquecido ou soldado, principalmente recomendável cortar os tubos de sucção e
inerte de proteção quando o refrigerante for inflamável. de pressão do lado de fora das conexões do
A soldagem em um sistema que contém compressor, evitando abrir o tubo de processo.
refrigerante causará a formação de subprodutos Se no entanto o compressor estiver funcionando,
da decomposição do refrigerante. é recomendável cortar o tubo de processo. O
Quando o refrigerante é drenado, um gás inerte sopro forçado deve ser feito primeiro através
de proteção deve ser injetado no sistema. Isto do evaporador, e em seguida através do
pode ser feito por meio de um sopro forçado condensador. Uma pressão na entrada de
com nitrogênio seco. Antes do sopro forçado, o aprox. 5 bar e um sopro forçado durante aprox.
sistema deve ser aberto em outro ponto. 1-2 minutos seriam suficientes em aparelhos
domésticos.

2.3 O filtro secador está adsorvendo as pequenas Desse modo previne-se que as esferas da Peneira
Filtro secador quantidades de água liberadas ao longo da vida Molecular (MS-Molecular Sieve) se desgastem
útil do sistema. por atrito e gerem poeira, o que poderia obstruir
Além disso, o filtro secador atua como um filtro a entrada do tubo capilar. Esta posição vertical
de captura e evita a obstrução da entrada do também garante uma equalização mais rápida da
tubo capilar e problemas com sujeira na válvula pressão em sistemas com tubo capilar.
de expansão. Vide fig. 10.
Quando o sistema de refrigeração é aberto o
filtro secador deve sempre ser substituído para Fig. 10: Posição correta do filtro secador
garantir suficiente ausência de umidade no
sistema reparado.
A substituição do filtro secador deve sempre
ser feita sem o uso da tocha. Ao esquentar o
filtro secador há o risco de transferir a umidade
adsorvida para o sistema, e a possibilidade de um
refrigerante inflamável estar presente também
deve ser considerada.
No caso de um refrigerante não inflamável, no
entanto, a chama do bico de solda pode ser
utilizada, mas o tubo capilar deve ser quebrado
para soprar nitrogênio seco através do filtro em
direção ao ar livre enquanto o filtro secador é
retirado.
Normalmente, um filtro secador pode absorver Am0_0119
um volume de água de cerca de 10% do peso
do dessecante. Na maioria dos sistemas essa Visto que o tamanho da molécula da água é
capacidade não é utilizada, mas em caso de de 2,8 Ångstrøm, filtros de peneira molecular
dúvida sobre o tamanho do filtro, é melhor usar com um tamanho de poro de 3 Ångstrøm são
um filtro superdimensionado do que um de apropriados para os refrigerantes normalmente
capacidade menor. utilizados, pois as moléculas da água são
O novo filtro secador deve estar seco. adsorvidas nos poros do dessecante, enquanto o
Normalmente isto não constitui um problema, refrigerante passa livremente através do filtro.
porém deve-se sempre garantir que o lacre
do filtro secador esteja intacto para evitar o
acúmulo de umidade durante a armazenagem e Compressor s
transporte. PeT 6 gramas ou mais
O filtro secador deve ser montado de modo FeN 10 gramas ou mais
que o sentido do fluxo e a gravidade atuem no SC 15 gramas ou mais
mesmo sentido.
UOP Molecular Sieve Division, USA
4A-XH6 4A-XH7 4A-XH9
(antiga Union Carbide)
R12 x x x
R22, R502 x x
R134a, R404A x x
Misturas de HFC/HCFC x
R290, R600a x x
Grace Davision Chemical, USA 574 594
R12, R22, R502 x x
R134a x
Misturas de HFC/HCFC x
R290, R600a x
CECA S.A., France NL30R Siliporita H3R
R12, R22, R502 x x
R134a x
Misturas de HFC/HCFC x
R290, R600a x

Filtros secadores com tamanho de poro de 3 Se for exigido um filtro sem óxido de alumínio,
Ångstrøm em relação ao refrigerante. recomendam-se os filtros pós queima Danfoss
Com relação ao serviço de manutenção em tipo DCC ou DAS para os refrigerantes R134a e
sistemas de refrigeração comercial, recomendam- R404A. Para o R600a e o R290, pode-se utilizar o
se os filtros DML da Danfoss. tipo DCLE032.
102 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

2.4 Um reparo sempre deve ser feito rapidamente, Se for impossível completar o reparo
Entrada de umidade e nenhum sistema de refrigeração deve ficar continuamente, o sistema aberto deve ser
durante o reparo aberto para a atmosfera por mais de 15 minutos cuidadosamente lacrado e carregado com um
para evitar a entrada de umidade. Assim sendo, ligeiro excesso de pressão do nitrogênio seco
é uma boa prática que as peças de reposição para evitar a penetração de umidade.
de todos os componentes a serem substituídos
estejam à mão antes do sistema ser aberto.

2.5 Os amortecedores de borracha devem ser Fig. 11: Diagrama da fiação com PTC e protetor de
Preparação do compressor e montados na placa base do compressor enrolamento
do equipamento elétrico enquanto o compressor estiver de pé sobre ela.
Se o compressor estiver posicionado de cabeça
para baixo haverá acumulo de óleo nas conexões,
o que causará problemas na soldagem.
Nunca utilize os amortecedores de borracha de
um compressor defeituoso pois com o tempo
eles se ressecam – prefira sempre os novos.
Remova a tampa (Capsolute) da conexão de
processo do novo compressor e solde um tubo
de processo à conexão. Deixe o compressor
fechado até o instante de soldá-lo no sistema.
Além disso, recomenda-se plugar todas as
conexões do compressor, do filtro secador e
do sistema se por alguma razão o reparo tiver de
ser adiado.

As tampas de alumínio das conexões não devem


ser deixadas no sistema recém-montado.

As tampas servem apenas para proteger


o compressor durante a armazenagem e
transporte, e não para garantir estanqueidade
em um sistema sob pressão. As tampas garantem
que o compressor não foi aberto depois que saiu
da Danfoss. Se as tampas estiverem ausentes ou
danificadas, o compressor não deve ser utilizado Am0_0120
até ter sido secado e seu óleo substituído.
A Fig. 12 mostra um diagrama de fiação com relé
Nunca reutilize equipamento elétrico usado. de partida e capacitor de partida, e o protetor do
motor montado na parte externa do compressor.
É sempre recomendável utilizar equipamento
elétrico novo com um compressor novo, pois usar
Fig. 12: Diagrama da fiação com relé de partida e capacitor
um equipamento elétrico antigo com compressor
de partida
novo pode fazer com que o compressor logo
venha a apresentar defeitos.
Nunca dê a partida no compressor sem um
dispositivo de partida completo.
Uma vez que parte da resistência do circuito de
partida fica no dispositivo de partida, a partida
sem este dispositivo completo não fornece um
Compressores
bom torque de partida, e pode resultar em um
aquecimento muito rápido do enrolamento de
Danfoss

partida do compressor, danificando-o.

Nunca dê a partida no compressor sob vácuo.

A partida do compressor sob vácuo pode causar


uma pane interna entre os pinos do fio da
corrente de entrada, pois a propriedade isolante
do ar é reduzida a baixa pressão.

A fig. 11 mostra um diagrama de fiação com


o dispositivo de partida PTC e o protetor do
enrolamento. Um capacitor de funcionamento
conectado aos terminais N e S reduz o consumo
de energia no compressor.

Am0_0121

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 103


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

2.5 A fig. 13 mostra um diagrama de fiação de


Preparação do compressor compressores SC de grande porte com motor
e do equipamento elétrico CSR.
(cont.)
Fig. 13: Diagrama da fiação do motor CSR

Am0_0122

2.6 A criação do encaixe de soldagem correto é


Soldagem importante

Espaço de folga recomendado para a soldagem


das junções metalizadas
Material Material
Solda metálica de prata Tubos de cobre Tubos de aço
Easy-flo 0,05 – 0,15 mm 0,04 – 0,15 mm
Argo-flo 0,05 – 0,25 mm 0,04 – 0,2 mm
Sil-fos 0,04 – 0,2 mm Impróprio

As conexões da maioria dos compressores


Danfoss são tubos de aço banhados em cobre
soldados nos compartimentos do compressor, e
as conexões soldadas não podem ser danificadas
pelo superaquecimento durante a soldagem.

Consulte a seção ”Instruções de montagem” para


obter mais detalhes sobre a soldagem.

104 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

2.7 Quando um sistema de refrigeração é montado, nas tubulações de sucção e descarga do sistema.
Evacuação ele deve ser cuidadosamente evacuado (remover Se o evaporador e o compressor tiverem um
o ar do sistema) antes de ser carregado com volume grande, pode-se utilizar o processo
refrigerante. Esta operação é necessária para se de evacuação lateral simples, caso contrário
obter bons resultados no reparo. recomenda-se usar o processo de evacuação
A principal finalidade da evacuação é reduzir a lateral dupla. A evacuação simples é feita através
quantidade de gases não condensáveis (NCG) no do tubo de processo do compressor, porém este
sistema, e em seguida uma secagem limitada é método resulta em um vácuo ligeiramente pior
feita. e em um conteúdo de NCG (Non Condensable
A umidade no sistema pode causar obstrução Gases, Gases Incondensáveis) ligeiramente
por gelo, reação química com o refrigerante, maior. O ar deve ser removido do lado da
envelhecimento do lubrificante, aceleração descarga do sistema de refrigeração através do
dos processos de oxidação e hidrólise com os tubo capilar, o que resulta em uma restrição
materiais isolantes. substancial. O resultado será uma pressão maior
Evacuação de sistemas de refrigeração. no lado da descarga em relação ao lado da
A presença de gases não condensáveis (NCG) sucção. O principal fator para o conteúdo de
em um sistema de refrigeração pode significar NCG após a evacuação é a pressão equalizada
aumento na pressão de condensação, e em no sistema, que é determinada pela distribuição
conseqüência, um risco maior de haver processos de volumes. Normalmente o volume no lado
de cobreamento e maior consumo de energia. da descarga constitui 10-20% do volume total,
O conteúdo de NCG deve ser mantido abaixo do econseqüentemente a pressão alta final influi
vol. de 1%. menos na pressão equalizada neste lado do que
A evacuação pode ser realizada de diferentes o volume grande e pressão baixa no lado da
maneiras, dependendo das condições do volume sucção.
Fig. 14: Processo de evacuação

Lado de descarga
Presión en mbar

Lado de aspiración

Vaciado por 2 lados

Tiempo de vaciado en min.


Am0_0133

2.8 Deve-se ter à disposição uma boa bomba de Pode-se utilizar a mesma bomba de vácuo para
Bomba de vácuo e vácuo a fim de se conseguir uma evacuação todos os tipos de refrigerantes, desde que esteja
medidor de vácuo suficiente. Ver fig. 15. carregada com lubrificante Éster.
Deve-se utilizar uma bomba à prova de fogo
Fig. 15: Bomba de vácuo em sistemas de refrigeração que contenham os
refrigerantes inflamáveis R600a e R290.

Não há nenhuma vantagem em ter disponível a


bomba de vácuo apropriada se o vácuo obtido
não puder ser medido. Portanto, recomenda-se
enfaticamente utilizar um medidor de vácuo
robusto e apropriado (fig. 16), capaz de medir
Compressores

pressões abaixo de 1 mbar.


Danfoss

Am0_0135
Fig. 16: Medidor de vácuo

Para uso estacionário, pode-se recomendar o


uso de uma bomba de vácuo de dois estágios de
20 m3/h, mas para manutenção, uma bomba de
vácuo menor de 10 m3/h de dois estágios é mais
adequada por ser mais leve.
Um compressor de refrigeração hermético não é
indicado para essa finalidade, porque não é capaz
de produzir uma pressão suficientemente baixa,
e também porque um compressor utilizado como
bomba de vácuo sofreria superaquecimento e Am0_0136 Am0_0137
danos.
A resistência ao isolamento do ar diminui com a
queda de pressão e isso pode causar uma rápida
uma elétrica no fio de entrada da corrente ou no
motor do compressor hermético.
© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 105
Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

3.0 Para garantir uma vida útil razoável ao sistema de Não utilize chamas acesas perto dos refrigerantes
Manuseio de refrigeração, o refrigerante deve ter um conteúdo R600a e R290.
refrigerantes máximo de umidade de 20 ppm. (20 mg/kg). Os sistemas de refrigeração sempre devem ser
Não abasteça o refrigerante a partir de abertos com um cortador de tubo.
um contêiner grande para uma garrafa de
abastecimento ou usando contêineres de A troca do refrigerante R12 ou R134a pelo R600a
tamanhos diferentes, uma vez que a cada não é permitida, pois os refrigeradores não
drenagem a quantidade de água no refrigerante estão certificados para operar com refrigerantes
aumenta consideravelmente. inflamáveis, e a segurança elétrica também não
Os refrigerantes inflamáveis R290 e R600a foi testada de acordo com as normas vigentes.
O R600a deve ser armazenado e transportado O mesmo se aplica à troca dos refrigerantes R22,
somente em contêineres aprovados e deve R502 ou R123a pelo R290.
ser manuseado de acordo com as orientações
existentes.

3.1 Normalmente a carga do refrigerante não refrigerantes da série 400 devem sempre ser
Carga de refrigerante apresenta problema, desde que a carga carregados como líquido.
seja adequada e a carga atual presente no Se a quantidade de carga não for conhecida,
equipamento do sistema de refrigeração seja a carga deve ser feita gradualmente até que
conhecida. Veja a fig. 17. a distribuição de temperatura acima do
evaporador esteja correta. Entretanto, na maioria
Fig. 17: Tabela de carga para refrigerantes
das vezes será mais apropriado sobrecarregar
o sistema e então drenar gradualmente o
refrigerante, até que a carga correta seja obtida.
A carga de refrigerante deve ser feita com o
compressor funcionando, o refrigerador sem
carga e com a porta fechada.
A carga correta caracteriza-se pela temperatura
mantendo-se constante, desde a entrada até a
saída do evaporador.
Na conexão de sucção do compressor, a
temperatura deve estar perto da temperatura
ambiente. Desse modo, evita-se a transferência
de umidade para o isolamento do refrigerador.
Am0_0138 Veja a fig. 18.

Sempre carregue a quantidade e o tipo Fig. 18: Temperaturas do evaporador


de refrigerante declarado pelo fabricante
do refrigerador. Na maioria dos casos, esta
informação consta da etiqueta de dados
do refrigerador. As diferentes marcas de
refrigeradores contêm quantidades de óleo
diferentes, de modo que ao mudar de marca
pode ser aconselhável corrigir a quantidade de
refrigerante.
A carga de refrigerante pode ser feita por peso
ou por volume. Refrigerantes inflamáveis como
Am0_0139
o R600a e o R290 devem sempre ser carregados
por peso. Sistemas com válvula de expansão devem ser
A carga por volume deve ser feita utilizando um carregados com refrigerante até que não haja
cilindro de carga apropriado. bolhas no visor, que deve estar posicionado o
O refrigerante R404A e todos os demais mais perto possível da válvula de expansão.

3.2 Se o limite permitido para a carga de refrigerante A carga de refrigerante nunca deve exceder a
Carga máxima de indicado nas folhas de dados técnicos do quantidade que pode ser acomodada no lado do
refrigerante compressor for excedido, o óleo vai espumar condensador do sistema.
no compressor após uma partida a frio, e isso
pode causar danos ao sistema de válvulas do Consulte também as folhas de dados técnicos do
compressor. compressor, pois nos tipos simples pode haver
desvios na carga máxima atual do refrigerante
Tipo de com relação às informações do formulário.
Carga máx. de refrigerante
Compressor A carga máxima de 150 g de R600a e R290 é
R134a R600a R290 R404A um limite máximo de segurança das normas
P 300 g 120 g para aparelhos, enquanto que os outros pesos
T 400 g 150 g 150 g 600 g são estabelecidos para evitar o efeito do calço
TL….G 600 g 150 g 150 g hidráulico.
N 400 g 150 g 150 g
F 900 g 150 g 850 g
SC 1.300 g 150 g 1.300 g
SC-Duplo 2.200 g

106 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

3.3 Antes de encerrar um reparo, deve-se testar o o diferencial do termostato permite períodos
Teste refrigerador por completo a fim de garantir que de inatividade suficientes para a equalização da
o resultado esperado foi alcançado. Deve-se pressão de modo que um compressor LST (baixo
garantir que o evaporador pode ser resfriado, e torque de partida), se houver, possa dar partida e
assim permitir que as temperaturas requeridas operar sem desarmar o protetor do motor.
sejam atingidas. Em regiões onde pode ocorrer queda de tensão
Para sistemas com tubo capilar como dispositivos é importante testar as condições de operação
de aceleração, é importante verificar se o a 85% da tensão nominal, desde que tanto o
compressor funciona satisfatoriamente com o torque de partida quanto o de estol do motor
termostato. Posteriormente, deve-se verificar se caiam junto com a tensão.

3.4 Um sistema de refrigeração hermético deve Se nenhum detector eletrônico (fig. 19) estiver
Teste de vazamento ser estanque, e para que um refrigerador tenha disponível, as junções podem ser examinadas
uma vida útil razoável é necessário manter os com bolhas de sabão ou com spray, mas
vazamentos abaixo de 1 grama de refrigerante naturalmente os pequenos vazamentos não
por ano. podem ser detectados com estes métodos.
Muitos sistemas de refrigeração com
refrigerantes inflamáveis R600a e R290 têm Fig. 19: Detector de vazamento
quantidades de carga abaixo de 50 g, e nestes
casos os vazamentos devem ficar abaixo de 0,5 g
de refrigerante por ano.
Isto exige um equipamento eletrônico de teste
de alta qualidade que possa medir taxas de
vazamento tão pequenas.
É importante testar todas as junções soldadas do
sistema, inclusive nos locais onde nenhum reparo
foi feito.
As junções do lado de descarga do sistema
(desde a conexão de descarga do compressor até
o condensador e o filtro s) devem ser examinadas Am0_0113
durante a operação do compressor, que ocorre
nas mais altas pressões.
O evaporador, o tubo de sucção e o compressor
devem ser examinados enquanto o compressor
não estiver em operação e a pressão do sistema
estiver equalizada, uma vez que isto resulta nas
pressões mais altas. Veja a fig. 19.

Compressores
Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 107


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

4,0 A seguir temos as regras básicas do Durante a detecção da falha, o compressor


Substituição de procedimento de substituição de um compressor apresenta algum defeito. Caso se conclua
compressor defeituoso defeituoso em um sistema de refrigeração que o motor queimou, causando uma forte
hermético. contaminação do sistema, é necessário utilizar
Uma condição prévia é que haja uma alta pressão um outro procedimento.
do refrigerante no sistema, e que este não esteja
contaminado com umidade. O refrigerante deve
corresponder ao refrigerante original.

4.1 Ter à mão as peças de reposição dos Assim, a conexão posterior do tubo de sucção
Preparação dos componentes a serem substituídos evita atrasos com o compressor pode ser feita distante do
componentes posteriores quando o sistema estiver aberto, e compressor, se o espaço de montagem no
desse modo evita-se também o risco da entrada compartimento da máquina for pequeno.
de umidade e impurezas. Quando o compressor estiver pronto, a válvula
Monte um tubo de processo com a válvula e as conexões de processo devem ser fechadas.
de processo na conexão de processo do novo Além disso, o tipo correto de filtro secador deve
compressor. estar pronto, mas a tampa deve permanecer
Em alguns casos pode convir montar uma peça intacta.
do tubo de conexão na conexão de sucção do
compressor.

4.2 Coloque uma válvula de perfuração conectada


Remoção da carga a uma unidade de recuperação no tubo de
processo do compressor. Perfure o tubo e retire o
refrigerante conforme as orientações.
Siga as regras descritas anteriormente.

4.3 Corte os tubos de sucção e descarga do Para facilitar a análise ou garantir reparo
Remoção do compressor com um cortador de tubo a aprox. posterior, o compressor deve ser entregue
compressor defeituoso 25-30 mm das conexões em questão, mas com a causa da falha e a data de fabricação do
antes os locais a serem cortados devem ter sido refrigerador. Os compressores para R600a e R290
desbastados com lixa como preparação para a devem sempre ser evacuados e lacrados antes de
soldagem. serem devolvidos ao fabricante ou revendedor
Se o compressor precisar ser testado do refrigerador.
posteriormente, as extremidades dos tubos
devem ser tampadas com plugues de borracha.

4.4 A fim de evitar a decomposição de quaisquer Isto é feito conectando-se o tubo de conexão
Remoção de resíduos de resíduos de refrigerantes no sistema, durante as da garrafa de nitrogênio seco primeiro ao tubo
refrigerante operações subseqüentes de soldagem o sistema de sucção cortado, e em seguida ao tubo de
deve passar por uma completa operação de descarga cortado.
sopro forçado com nitrogênio seco.

4.5 O filtro secador deve ser cortado com um Passe um fluxo de nitrogênio seco através
Remoção do filtro secador cortador de tubo na saída do condensador, mas do tubo de descarga para o condensador
pode-se também utilizar outro método. e mantenha este fluxo enquanto o filtro é
cuidadosamente removido com o maçarico. Evite
aquecer o invólucro do filtro.

4.6 A prata da soldagem deve ser removida da saída Tome cuidado durante a soldagem do tubo
Limpeza das junções de do condensador. A melhor maneira de fazer isso capilar para evitar queimaduras.
solda e remontagem é com jato de ar enquanto a prata de soldagem
ainda estiver no estado líquido. Monte o compressor, que já deve estar com os
As demais extremidades de tubos devem ser amortecedores de borracha instalados durante a
preparadas para soldagem, caso ainda não fase preparatória.
tenham sido. Ao desbastar as junções soldadas, Monte o equipamento elétrico e conecte os fios.
cuidado para evitar que sujeira e partículas de A evacuação e a carga devem ser feitas conforme
metal entrem no sistema. descrito nos parágrafos 2.7 e 3.1.
Se necessário, jateie com nitrogênio seco durante O teste deve ser executado conforme descrito
o desbaste. nos parágrafos 3.3 e 3.4.
O novo filtro secador deve ser montado na saída Quando o tubo de processo é pressionado e
do condensador, e o filtro deve ser mantido soldado, a válvula de processo deve ser removida.
coberto até que o instante da sua montagem.
Evite aquecer o invólucro do filtro com a chama.
Antes de soldar o tubo capilar no filtro, faça
uma ligeira parada no tubo como descrito
anteriormente para garantir que a extremidade
do tubo esteja na posição correta no filtro para
evitar obstruções.
108 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007
Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

5.1 Enquanto houver refrigerante R12 novo ou Raramente é vantajoso fazer o reparo de sistemas
Do R12 para outros reciclado disponível, ele deve ser usado. Se for de refrigeração pequenos se for preciso substituir
refrigerantes impossível obter o R12 ou se for ilegal usá-lo, o compressor.
deve-se considerar se convém fazer o reparo. Uma outra consideração é utilizar um refrigerante
alternativo em vez do R12.

5.1 Como substitutos do R12 tem-se utilizado Se o R12 não estiver disponível ou se não for
Do R12 para um refrigerante o R401A para temperaturas de evaporação permitido o seu uso, recomenda-se o R134a.
alternativo baixas e médias, e o R401B para temperaturas Consulte também o parágrafo 1.5.
de evaporação baixas, no entanto o uso
destas misturas de refrigerantes não pode ser
recomendado.

5.3 Uma mudança do R12 para o R134a envolve Remova o compressor e o filtro secador do
Do R12 para o R134a um risco considerável de possíveis resíduos de sistema.
refrigerante decomposto, especialmente íons Limpe com jato de nitrogênio seco todos os
de cloro ou de refrigerante intacto, e resíduos componentes do sistema.
de óleo mineral ou benzenos alcalinos que
permaneceram no sistema. Portanto deve-se Execute o reparo.
implementar um procedimento para eliminar Monte o novo compressor com R134a, com a
estas substâncias indesejáveis até um nível que capacidade de resfriamento correspondente.
não cause problemas no sistema de refrigeração Monte um novo filtro secador com dessecante
reparado. 4AXH7, 4AXH9 ou equivalente.
Antes de dar início à conversão para o R134a, Evacue e carregar o sistema com R134a.
esteja seguro de que o motor do compressor
original não “queimou”. Se este for o caso o Para sistemas LBP, a carga ótima de R134a será
compressor não deve ser substituído, pois o risco menor que a carga do R12 original. Recomenda-
de contaminação é muito grande. se começar carregando 75% da carga original, e
A mudança do R134a sempre requer a então aumentar gradualmente a carga até que o
substituição do compressor, porque um sistema esteja balanceado.
compressor R134a original deve ser montado
mesmo que o compressor R12 esteja intacto. Lacre o tubo de processo.
Verifique se há vazamentos.
O procedimento a seguir deve ser executado Coloque o sistema em funcionamento.
continuamente. Caso ocorram interrupções,
todos os tubos abertos e conexões de tubo Terminado o reparo, deve-se registrar o
devem ser tampadas com plugues. Pressupõe-se refrigerante e o tipo de óleo de compressor
que o sistema esteja limpo e que haja um circuito que o sistema contém.
de evaporação simples. Após a remontagem o sistema pode ser posto
Se o sistema tiver perdido a carga, o em funcionamento, mas pequenos resíduos
vazamento deve ser identificado. de óleo do sistema R12 poderão circular, o
que pode ocasionalmente afetar a injeção no
Monte uma válvula de manutenção no tubo evaporador especialmente em sistemas de
de processo do compressor. tubo capilar. Dependendo da quantidade de
Colete o refrigerante que restou. óleo residual, isto pode ser vital para o uso do
Equalize até a pressão atmosférica com sistema de refrigeração.
nitrogênio seco.
Compressores

5.3 Um procedimento correspondente ao descrito Observe que a carga do R12 será maior que a
Danfoss

Do R134a para o R12 no parágrafo 5.2 pode ser utilizado. Utilize um carga do R134a original, e que na maioria dos
compressor R12 original, refrigerante R12 e um países o uso do R12 não é permitido, porém
filtro secador do tipo 4A-XH6, 4A-XH7 ou em alguns casos especiais ele pode ser uma
4A-XH9. alternativa.

5.4 Supõe-se que o compressor esteja defeituoso e Se o sistema estiver muito contaminado, ele deve
Do R502 para o R404A deva ser substituído por um compressor R404A ser completamente limpo com jato de nitrogênio
original, porém o novo compressor deve ser seco.
carregado com óleo Poliéster. Em casos excepcionais, o óleo do compressor
O filtro secador deve ser substituído por um pode ser substituído.
novo filtro com um dessecante do tipo 4A-XH9. O procedimento subseqüente é descrito no
Os resíduos de óleo do compressor original, parágrafo 5.2.
seja mineral ou benzeno alcalino, devem ser
removidos dos componentes do sistema.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 109


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

6.0 Para sistemas contaminados com umidade, o Sistemas com um baixo grau de contaminação
Sistemas contaminados grau de contaminação pode ser muito variado, e permanecem intactos e mantêm a alta pressão
com umidade o escopo do reparo pode variar. do refrigerante.
Sistemas com umidade podem ser divididos Sistemas com alto grau de contaminação, no
em duas categorias, sistemas com baixo grau entanto, são caracterizados pelo contato com
de contaminação e sistemas com alto grau de a atmosfera, ou com o aumento direto da
contaminação. umidade. Os dois tipos de defeito serão tratados
separadamente.

6,1 Este defeito normalmente ocorre quando o água quente, para que o refrigerante possa
Baixo grau de resfriamento é interrompido devido à obstrução circular.
contaminação por gelo no tubo capilar ou na válvula de A temperatura de evaporação no sistema
expansão. Com o calor a obstrução do gelo é também pode ser aumentada aquecendo o
removida gradualmente, porém se o refrigerante evaporador. Não use uma chama viva para o
continuar a circular a obstrução se forma aquecimento.
novamente.
Este defeito pode ser devido às seguintes causas: b) Depois do acúmulo do refrigerante, o sistema
O sistema não foi montado com o devido deve ser limpo com jato de nitrogênio seco.
cuidado. A injeção de nitrogênio deve ser feita
Os componentes utilizados podem ter absorvido através do tubo de processo do compressor
umidade. e, primeiramente no lado de sucção, e em
Um refrigerante com um conteúdo de umidade seguida o lado da descarga deve ser jateado,
muito alto pode ter sido utilizado. direcionando o fluxo de nitrogênio primeiro
Em geral o sistema é novo ou recém-reparado. a partir do compressor através do tubo de
Normalmente a quantidade de umidade é sucção e evaporador, e saindo pelo tubo
pequena, e conseqüentemente o defeito pode capilar; em seguida através do compressor e
ser sanado pela substituição do refrigerante condensador, até o filtro secador na saída do
ou do filtro secador. O procedimento é o condensador.
seguinte. Convém jatear com alta pressão, de
modo que o óleo nos componentes seja
a) Abra o sistema na altura do tubo de processo completamente removido.
e retire o refrigerante.
Primeiro, convém deixar o compressor c) Substitua o filtro secador e o tubo de
funcionar até que esteja quente. Deste modo, processo conforme descrito anteriormente.
a umidade e a quantidade de refrigerante Convém utilizar um filtro secador
deixada no motor ou no óleo é reduzida. superdimensionado.
Quando o gelo estiver obstruindo o tubo
capilar ou a válvula de expansão, é possível d) Quando o sistema estiver novamente
operar o compressor a quente, mas o sistema montado, a evacuação deve ser executada
não funcionará. Se o tubo capilar ou a válvula com muito cuidado.
de expansão estiverem acessíveis, o local da Faça a carga e o teste de acordo com as
obstrução pode ser mantido quente com uma orientações mencionadas anteriormente.
lâmpada de aquecimento ou um pano com

6.2 Se houver uma ruptura no sistema de b) Quebre o tubo capilar na saída do


Alto grau de contaminação refrigeração e o excesso de pressão do condensador e force um jato de nitrogênio
refrigerante escapar, a contaminação por seco através do condensador como gás de
umidade ocorrerá. Quanto mais tempo o proteção.
sistema ficar exposto à atmosfera, maior será o Remova o filtro secador.
grau de contaminação. Se o compressor estiver
funcionando ao mesmo tempo, as condições Repita a operação do jato de nitrogênio
serão ainda piores. A quantidade de umidade que com pressão maior para remover o óleo do
penetrou no sistema se espalha pelo compressor, condensador, se houver. Tampe a entrada e a
filtro secador e outros componentes, saída do condensador.
dependendo da capacidade do sistema de reter
a umidade. c) Aplique o mesmo tratamento no
No compressor, é a carga de óleo que absorve intercambiador de calor da linha de sucção
a água. No evaporador, condensador e tubos a e no evaporador. A eficiência da limpeza
contaminação será determinada principalmente com o jato de gás aumenta se o tubo capilar
pelas quantidades de óleo ali presentes.
Naturalmente, as maiores quantidades de água for partido na entrada do evaporador. A
se localizarão no compressor e no filtro secador. limpeza com jato de gás nitrogênio ocorre em
Há também alto risco do cobreamento da duas etapas; primeiro, o tubo de sucção e o
válvula ter ocorrido, danificando o compressor. evaporador; em seguida, os tubos capilares.
Neste caso o compressor e o filtro secador Se a razão para fazer o reparo for um tubo
devem ser substituídos durante o procedimento capilar quebrado, deve-se substituir o
de reparo normal. intercambiador de calor inteiro.

a) Remova o compressor do sistema com um d) Monte o sistema novamente com um novo


cortador de tubos. compressor e um novo filtro secador do
tamanho certo.

110 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

6.2 A evacuação deve ser feita com cuidado g) Monte um novo filtro secador
Alto grau de especial, e em seguida faça a carga e o superdimensionado na saída do condensador.
contaminação (cont.) teste de acordo com as regras normais. Este Conecte o tubo capilar ao filtro secador.
procedimento destina-se a sistemas de
refrigeração simples. h) Quando o sistema, exceto o compressor,
Se o sistema for de difícil acesso e o projeto estiver intacto execute a secagem novamente.
for complexo, o procedimento a seguir pode Isto é feito conectando ao mesmo tempo os
ser mais apropriado. tubos de sucção e de descarga a uma bomba
de vácuo, e fazendo a evacuação até obter
e) Remova o compressor do sistema e proceda uma pressão menor que 10 mbar.
conforme o item a) acima. Equalize a pressão com nitrogênio seco.
Repita a evacuação e a equalização de
f ) Quebre o tubo capilar na saída do pressão.
condensador.
Jateie com nitrogênio através dos tubos de i) Monte o novo compressor.
sucção e de descarga. Em seguida, execute a evacuação, a carga e o
teste.

6.3 Em alguns mercados pode ser necessário reparar Aqueça o compressor até a temperatura de
Secagem do compressor um compressor com umidade em uma oficina, e 115 °C a 130 °C antes de começar a evacuação.
então é preciso dar um jeito de alguma maneira. Em seguida comece a evacuação, o que deve
O processo de secagem descrito aqui pode dar o baixar a pressão no compressor até 0,2 mbar ou
resultado desejado, desde que seja seguido à risca. menos.
Drene a carga de óleo do compressor. As junções no sistema de vácuo devem ser
Em seguida limpe o interior do compressor com apertadas para se conseguir o vácuo necessário.
1½ litro de refrigerante ou solvente não inflamável A quantidade de umidade no compressor
e de baixa pressão. também influirá no tempo para se atingir o nível
Sele o compressor com o solvente dentro e agite-o de vácuo necessário.
bem em todas as direções para que o refrigerante Se o compressor estiver altamente contaminado,
entre em contato com todas as superfícies algumas equalizações da pressão até a pressão
internas. atmosférica feitas com nitrogênio seco podem
Retire o solvente conforme o estipulado. melhorar o processo.
Repita a operação uma ou duas vezes para garantir Feche a conexão com o instrumento de vácuo
que nenhum resíduo significativo de óleo tenha durante a equalização da pressão.
permanecido no compressor. A temperatura e o vácuo devem ser mantidos
Jateie o compressor com nitrogênio seco. durante aproximadamente 4 horas.
Conecte o compressor conforme o esquema Ao terminar o processo de secagem, a pressão no
mostrado na fig. 20. compressor deve ser equalizada com a pressão
atmosférica utilizando nitrogênio seco, e as
Plugue a conexão de descarga. conexões devem ser vedadas.
As conexões para a conexão de sucção do Carregue o compressor com o tipo e a
compressor devem ser estanques. Isto pode ser quantidade de óleo especificados, e monte o
conseguido por meio de junções soldadas ou compressor no sistema de refrigeração.
usando uma mangueira de vácuo apropriada.
Fig. 20: Secagem do compressor

Compressores
Danfoss

Am0_0140

6.4 Em alguns casos pode ser necessário reabastecer É absolutamente essencial utilizar o óleo
Carga de óleo um compressor com óleo, caso tenha perdido um aprovado para o compressor em questão. Se
pouco da carga. a carga de óleo de um compressor for perdida
Em alguns compressores Danfoss a quantidade e tiver de ser substituída, geralmente deve-se
de óleo consta da etiqueta de identificação do presumir que aproximadamente 50 cm³ da carga
tipo, porém nem todos os compressores a têm, permanecerá no compressor quando ele for
de modo que o tipo de óleo atual e a respectiva evacuado por completo ao drenar o óleo por
quantidade devem ser encontrados nas folhas de meio de uma conexão.
dados técnicos do compressor.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 111


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

7,0 O termo “perda de carga” inclui as situações As principais etapas do procedimento de reparo
Perda de carga de onde a função de resfriamento desejada não é são descritas a seguir (somente para refrigerantes
refrigerante conseguida porque não há quantidade suficiente não inflamáveis).
de refrigerante no sistema.
O procedimento de reparo implica em causar a) Monte uma válvula de serviço no tubo de
alta pressão do refrigerante nos sistema, de processo do compressor.
modo que os problemas de contaminação Monte um manômetro e use-o para a
causados pela entrada de umidade possam ser identificação da falhas.
desconsiderados.
A “perda de carga” ocorre quando o resfriamento b) Aumente a pressão do refrigerante no sistema
pretendido não é atingido. O tempo de para 5 bar.
funcionamento é longo e o compressor pode
funcionar continuamente. A formação de gelo c) Examine todas as junções e verifique se há
no evaporador é apenas parcial, podendo algum óleo gotejando.
ocorrer apenas em torno do local de injeção. Execute uma busca completa com o
O compressor funcionará em pressões de equipamento de teste de vazamentos até o
evaporação baixas, e isto significa baixo consumo vazamento ser encontrado.
de energia e corrente. O compressor terá uma
temperatura maior que a normal em virtude da d) Libere o excesso de pressão do sistema.
redução no transporte do refrigerante. Quebre o tubo capilar na saída do
A diferença entre a “perda de carga” e o condensador.
“tubo capilar obstruído” consiste na pressão Limpe o compressor com jato de nitrogênio
predominante do condensador, no entanto após seco.
algum tempo a pressão será a mesma em ambos
os casos. e) Substitua o filtro secador conforme descrito
“Tubo capilar obstruído” resulta no anteriormente.
bombeamento do refrigerante para o Substitua o tubo de processo e repare o
condensador com aumento de pressão. Mas vazamento.
como o evaporador é bombeado vazio, o
condensador esfria. f ) Evacue o sistema e carregue-o com
Se a obstrução for completa, nenhuma refrigerante.
equalização ocorrerá durante o período de Em seguida execute um novo teste de
inatividade. Com a “perda de carga”, contudo, vazamento para testar o sistema.
a pressão no condensador será menor que a Após o teste de pressão do sistema com
normal. alta pressão, execute uma evacuação inicial
Uma parte considerável do procedimento de lentamente com uma bomba de vácuo
reparo consiste em encontrar a causa do defeito. grande, caso contrário, o óleo pode ser
Se isto não for feito, será somente uma questão bombeado para fora do sistema.
de tempo até o defeito acontecer novamente.
Normalmente no caso de obstrução do
tubo capilar em sistemas pequenos eles são
descartados, mas no caso de sistemas grandes de
alto custo, a substituição do intercambiador de
calor da linha de sucção é mais adequada.

112 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss - Conserto de sistemas de refrigeração herméticos

8.0 Um motor queimado destruiu o isolamento Entretanto, em baixas temperaturas de


Motor do compressor dos fios - motores queimados são aqueles cujo evaporação a diferença de temperatura entre
queimado isolamento da fiação foi destruído. o motor e o compartimento do compressor
aumenta devido à má transmissão de calor.
A verdadeira queima ocorre quando o isolamento Protetores de enrolamento colocados
da fiação do motor foi exposto a temperaturas diretamente na maioria dos motores fornecem
críticas durante um longo tempo. uma proteção melhor nestes casos, uma vez
Se as condições de temperatura de um que eles são ativados principalmente pela
compressor forem alteradas de modo que temperatura do enrolamento do motor.
o material isolante seja submetido a altas Se o isolamento do fio estiver deteriorado pode
temperaturas durante muito tempo, ele será haver curto-circuito, causando temperaturas
queimado. muito altas nos fios. Isto pode decompor
Tais condições críticas podem surgir quando as ainda mais o refrigerante e o óleo. Durante
condições de ventilação são reduzidas (p. ex. o funcionamento do compressor o processo
devido a um defeito no ventilador), quando o todo pode causar a circulação de produtos
condensador estiver sujo ou em condições de decompostos, conseqüentemente contaminando
tensão anormais. o sistema.
A falha de “perda de carga” pode ter o mesmo Quando determinados refrigerantes se
efeito. Parte do resfriamento do motor é feita por decompõem, pode haver geração de ácidos. Se
meio do refrigerante em circulação. Quando o nenhuma limpeza for feita na substituição do
sistema de refrigeração perde carga, a pressão compressor, o próximo defeito logo vai ocorrer.
de evaporação torna-se anormalmente baixa, a Defeitos no motor de compressores herméticos
velocidade de circulação do refrigerante diminui em refrigeradores domésticos são relativamente
e o resfriamento é reduzido. raros.
Em muitos casos o protetor de motor montado Normalmente as falhas no enrolamento de
no equipamento elétrico não pode proteger partida não causam contaminação do sistema,
contra tais condições. O protetor do motor é porém um curto-circuito no enrolamento
ativado pela corrente e pela temperatura. Se o principal pode muito bem resultar em
consumo de corrente for baixo, uma temperatura contaminação.
alta é necessária ao redor do protetor para fazê-lo
desligar o motor.

8.1 Como um motor queimado pode resultar na Uma avaliação simples pode ser feita com uma
Acidez do óleo contaminação do sistema com produtos ácidos, amostra de óleo em um vidro de teste limpo. Se
a acidez pode ser utilizada como critério para o óleo estiver escuro, granulado e contaminado
verificar se o sistema requer uma limpeza com partículas decompostas do isolamento do
completa. motor, e se apresentar cheiro de acidez, há algo
O próprio compressor, e o lado de descarga do errado.
sistema até o filtro secador, serão as partes mais
contaminadas do sistema. Uma vez removido o
refrigerante do sistema, o óleo do compressor
exibirá contaminação ou acidez.

8.2 Não é recomendável fazer o reparo de c) Evacue e carregue o sistema.


Sistema queimado um sistema queimado e com produtos de Em seguida, deixe o sistema funcionar
decomposição, e se um reparo tiver de ser feito continuamente durante pelo menos 6 horas.
é absolutamente necessário remover estes
produtos de decomposição do sistema para d) Verifique a acidez do óleo.
evitar a contaminação e portanto, defeitos no Se o óleo estiver ok, nenhuma limpeza
Compressores
compressor novo. adicional é necessária.
O procedimento a seguir deve ser utilizado. Remova o filtro da linha de sucção.
Danfoss

Limpe bem o tubo capilar com jato de ar.


a) Remova o compressor defeituoso. Monte um novo filtro secador na saída, por
Limpe os tubos com jatos de ar para remover exemplo o DML da Danfoss.
o óleo antigo. Evacue o sistema e carregue-o com
refrigerante.
b) Monte um novo compressor e um filtro DAS e) Se o óleo estiver ácido conforme o item d,
para linha de sucção da Danfoss no tubo de substitua o filtro na linha de sucção e deixe
sucção na frente do compressor para o sistema funcionar durante mais 48 horas, e
protegê-lo contra os produtos da então verifique novamente o óleo.
contaminação. Se o óleo estiver ok, prossiga conforme o
Substitua o filtro secador no condensador item d.
por um filtro DAS.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 113


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

Conteúdo Página
1.0 Refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
1.1 Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
1.2 Capacidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
1.3 Carga de refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
1.4 Pureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
2.0 Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
2.1 Filtros secadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
3.0 Inflamabilidade e segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
3.1 Aparelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
3.2 Fábrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
4.0 Projeto do sistema de refrigeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
4.1 Intercambiadores de calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
4.2 Tubo capilar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
4.3 Evacuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
4.4 Limpeza dos componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
5.0 Serviço de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

Compressores
Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 115


Observações

116 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

O refrigerante R290, ou propano, é um substituto algumas instalações industriais. Em bombas de


possível para outros refrigerantes que têm calor e aparelhos de ar condicionado domésticos
alto impacto no meio ambiente, em pequenos o R290 foi utilizado na Alemanha, durante
sistemas herméticos, como os refrigeradores alguns anos, no entanto, com níveis de sucesso
e freezers comerciais industrializados. Ele tem diferentes. Em virtude da disponibilidade de
potencial zero de depleção de ozônio e um propano no mundo inteiro, ele foi amplamente
potencial de aquecimento global desprezível. discutido como possível substituto do CFC.
Ademais, é uma substância que faz parte dos
gases de petróleo de fontes naturais. O propano R290 é um refrigerante possível para
esta aplicação, com boa eficiência energética,
O refrigerante R290 foi utilizado em instalações porém deve-se tomar cuidado especial com a
de refrigeração no passado, e ainda é usado em inflamabilidade do propano.

1.0 As propriedades do R290 diferem das de


Refrigerante outros refrigerantes comumente utilizados em
pequenos sistemas herméticos, como mostrado
na tabela 1. Em muitos casos isto leva a diferentes
projetos dos detalhes.

Tabela 1: Comparação de dados dos refrigerantes


Refrigerante R290 R134a R404A R22 R600a
Nome Propano 1,1,1,2- Mistura de Cloro- Isobutano
Tetra- R125 difluor-
fluor- R143a metano
etano R134a
Fórmula C3H8 CF3 -CH2F 44/ 52/4 CHF2 CI (CH3) 3 CH
Temperature crítica em °C 96,7 101 72,5 96,1 135
Peso molecular em kg/kmol 44,1 102 97,6 86,5 58,1
Ponto de ebulição normal em °C –42,1 –26,5 –45,8 –40,8 –11,6
Pressão a –25 °C em bar (absoluto) 2,03 1,07 2,50 2,01 0,58
Densidade do líquido a –25 °C em kg/l 0,56 1,37 1,24 1,36 0,60
Densidade do vapor a to –25/+32 °C 3,6 4,4 10,0 7,0 1,3
em kg/m³
Capacidade volumétrica a –25/55/32 °C em 1164 658 1334 1244 373
kJ/m³
Entalpia de vaporização a –25 °C em kJ/kg 406 216 186 223 376
Pressão a +20 °C em bar (absoluto) 8,4 5,7 11,0 9,1 3,0

1.1 Há diferença entre o R290 e o R134a ao nível de Fig. 1: Pressão de vapor versus temperatura de
Pressão pressão, que é mais próxima do R22 e R404A, refrigerantes diferentes
p. ex., na evaporação a -25 °C a pressão está
25
aproximadamente a 190% no R134a, 81% no
R404A, e 350% no R600a – quase exatamente a R 290
mesma do R22. Portanto, o ponto de ebulição
20 R 134a
normal também é quase igual ao do R22. Os
evaporadores portanto terão que ter projetos R 404A
semelhantes para o R22 e o R404A. R2 2
Presión de vapor en bar

15 R 600a
Compressores
O nível de pressão e a temperatura crítica
Danfoss

são quase iguais aos do R22. Entretanto, a


temperatura de descarga é muito menor. Esta 10
é a oportunidade de trabalhar com relações de
pressão mais altas, a temperaturas de evaporação
mais baixas, ou a temperaturas mais altas do gás
de sucção. 5

0
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 60
Temperatura en °C
Am0_0141

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 117


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

1.2 O R290 contém aproximadamente 90% da Fig. 2: Capacidade volumétrica de R290, R134a, R404A
Capacidade capacidade volumétrica do R22 ou 150% do e R600a em relação ao R22, em temperatura
R134a, à temperatura de condensação de 45, de evaporação, a 45 °C de condensação e 32
como visto na fig. 2. °C de temperatura do gás de sucção, sem sub-
resfriamento
Em virtude deste fato, o volume de fluidez
necessária do compressor também está próximo 1, 1
da do R22, e é de 10% a 20% maior que a do
R404A. 1, 0

Capacidad volumétrica en rel. a R22


A capacidade volumétrica é aproximadamente 0, 9
R 290
2,5 a 3 vezes a do R600a. Assim, a escolha do
R290 ou R600a causará diferenças no projeto 0, 8 R 134a
do sistema devido aos diferentes volumes de R 404A
fluxo necessários para a mesma necessidade de 0, 7 R2 2
refrigerante. R 600a
0, 6
A capacidade volumétrica de resfriamento é um
valor calculado a partir da densidade do gás de 0, 5
sucção e da diferença de entalpia da evaporação.
0, 4

0, 3
-40 -30 -20 -10 0
Temperatura de evaporación en °C

Am0_0142

1.3 Se o R290 fosse carregado em um sistema de dados da tabela 1, que também corresponde a
Carga de refrigerante refrigeração inalterado, a quantidade de carga valores empíricos.
pesada em
gramas seria muito menor. Entretanto, calculada A carga máxima de acordo com as
em cm³, a carga ocuparia aproximadamente regulamentações de segurança é de 150 g para
o mesmo volume líquido no sistema. Isto resulta refrigeradores domésticos e aplicações similares,
em cargas de aproximadamente 40% da carga do o que corresponde a aproximadamente 360 g de
R22 ou do R404A em gramas, de acordo com os R22 ou de R404A.

1.4 A especificação do refrigerante R290 não se pouco menos de restrição para refrigerantes e
Pureza consta das normas internacionais. Alguns dados combinações de impurezas específicos, após uma
estão incluídos na norma DIN 8960 alemã de avaliação abrangente.
1998, que é uma versão estendida da ISO 916.
A pureza do refrigerante deve ser avaliada No momento não há nenhum refrigerante de
do ponto de vista químico e da estabilidade, qualidade disponível no mercado, de acordo com
para a vida útil do compressor e do sistema, e uma norma oficial.
também do aspecto termodinâmico com relação As especificações de qualidades aceitáveis devem
ao comportamento e controle do sistema de ser verificadas em detalhe junto ao fornecedor.
refrigeração. O gás liquefeito de petróleo, GLP, para aplicações
como combustível ou grau técnico de 95% de
A especificação na norma DIN 8960 é uma pureza, não é suficiente para a refrigeração
especificação geral segura para refrigerantes hermética. O conteúdo de água, enxofre e
de hidrocarbonetos, adotada a partir de outros compostos reagentes devem estar em um nível
critérios do catálogo de refrigerantes e abrange inferior ao garantido para estes produtos. O grau
o propano, isobutano, butano normal e outros. técnico de 99,5%, também denominado 2.5, é
Alguns aspectos podem ser aceitos com um utilizado amplamente.

Tabela 2: Especificação do R290 de acordo com a DIN 8960 - 1998


1) Este conteúdo não é
Especificação Unidade de medida
explícitamente declarado na DIN
8960. Somente as impurezas são Conteúdo de refrigerante 1) ≥ 99,5 % por massa
listadas e limitadas. O conteúdo Impurezas orgânicas 2) ≤ 99,5 % por massa
principal é o restante até 100 %.
1.3-Butadoeme 3) ≤ 5 ppm por massa
2) Do ponto de vista do compressor,
um conteúdo de butano até Hezano Normal ≤ 50 ppm por massa
aproximadamente 1% é aceitável Benzeno 4) ≤ 1 ppm por substância
no R290. Enxofre ≤ 2 ppm por massa
3) Este é o valor máximo para
Gradação de temperatura de evapor. ≤ 0,5 K (de 5 a 97 % destil.)
cada substância simples dos
hidrocarbonetos insaturados Gases não condensáveis ≤ 1,5 % vol. da fase de vapor
múltiplos. Água 5) ≤ 25 ppm por massa
4) Este é o valor máximo para cada Conteúdo de ácido ≤ 0,02 mg KOH/g Neutralização
composto aromático simples. Resíduo da evaporação ≤ 50 ppm por massa
5) Este é um valor preliminar,a ser
revisado conforme a experiência Partículas/sólidas não Verificação visual
aumenta.

118 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

2.0 O refrigerante R290 é utilizado com o óleo de A compatibilidade direta do material é menos
Materiais polioléster em compressores Danfoss, de modo problemática. Em algumas borrachas, plásticos
que a compatibilidade do material é e especialmente plásticos clorados, no entanto
quase idêntica à situação do R134a ou foram observados problemas, mas estes materiais
R404a sob o ponto de vista do óleo. O R290 normalmente não estão presentes em sistemas
é quimicamente inerte em circuitos de herméticos pequenos. Alguns materiais, sobre os
refrigeração, assim nenhum problema específico quais foram relatados problemas por testadores
deve ocorrer. A solubilidade em óleo éster é boa. diferentes, são listados na tabela 3. Materiais
críticos requerem testes para o uso específico.
Tabela 3: Compatibilidade do material
Material compatível
Borracha butílica não
Borracha natural não
Polietileno Depende das condições
PP não
PVC não
PVDF não
EPDM não
CSM não

2.1 Para refrigeradores domésticos, o dessecante Se forem utilizados filtros secadores com
Filtros secadores comum é uma peneira molecular, uma zeólita. núcleo maciço, consulte o fabricante sobre a
Para o R290, recomenda-se um material com compatibilidade com o R290.
poros de 3 Å, assim como para o R134a, p. ex. Os filtros secadores do tipo DCL da Danfoss
UOP XH 7, XH 9 ou o XH 11, Grace 594, CECA podem ser utilizados.
Siliporita H3R. filtros secadores de cobre para o
R134a podem ser utilizados com o R290, se forem
testados de acordo com as exigências da pressão
de ruptura da IEC / EN 60 335.

3.0 A principal desvantagem discutida com


Inflamabilidade e segurança relação ao uso do R290 é o risco devido à sua
inflamabilidade. O que requer extremo cuidado
no manuseio e precauções de segurança.

Tabela 4: Inflamabilidade do proprano


Limite mínimo de explosão ( LEL ) 2,1% aprox. 39 g/m³
Limite máximo de explosão ( UEL) 9,5% aprox. 177 g/m³
Temperatura mínima de ignição 470 °C

Devido à inflamabilidade do propano em uma


Fig. 3: Etiqueta amarela de advertência
ampla faixa de concentração, são necessárias
precauções de segurança no próprio aparelho e
na fábrica que o produz. As avaliações de risco
nestas duas situações são bastante diferentes.
O principal ponto de partida comum é que
os acidentes requerem duas precondições
Compressores

essenciais. Uma delas é a mistura inflamável de


Danfoss

gás e ar, e a outra é a fonte de ignição de um


determinado nível de energia ou temperatura.

As duas têm de estar presentes juntas para haver


combustão, assim a evitação desta combinação
tem de ser comprovada.

Os Compressores Danfoss para o R290 são


equipados com protetores internos e partidas
do PTC ou relés especiais, ambos impedem que
fagulhas sejam lançadas próximo do compressor,
pois não é possível garantir que o ar em volta do
compressor seja mantido abaixo do LEL (Lower
Explosion Limit, Limite Mínimo de Explosão) no Am0_0030
caso de vazamentos próximos do compressor. Os
compressores são equipados com uma etiqueta
amarela de advertência para gases inflamáveis,
como mostra a fig. 3.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 119


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

3.1 Para teste da segurança de refrigeradores iluminação, interruptores liga/desliga e


Aparelho domésticos e aplicações semelhantes, outras chaves, como supercongelamento,
estabeleceu-se uma norma na Europa, o Folheto relés de compressores, klixon externos,
Técnico TS 95006 do IEC. Transferiu-se também temporizadores de degelo e assim por diante.
uma emenda à IEC / EN 60 335-2-24, que é a Todos os refrigerantes que contêm
norma de segurança elétrica padrão. componentes são considerados fontes
possíveis de refrigerante através de
As aprovações de refrigerantes que utilizam vazamentos. Isto inclui os evaporadores,
hidrocarbonetos como refrigerante são feitas de condensadores, aquecedores de porta,
acordo com os procedimentos da TS na Europa tubulações e o compressor.
desde 1994. A carga de refrigerante máxima é definida
como sendo 150 g. Mantendo a carga a no
A metodologia da TS e das emendas derivadas máximo 25% do nível mínimo de explosão
dela constituem a base da curta descrição a LEL, que é de aproximadamente 8 g/m³,
seguir. para uma cozinha padrão, o risco de ignição
é muito baixo mesmo se a distribuição do
Outras aplicações devem considerar outras refrigerante em caso de vazamento for
normas e legislação nacionais, p. ex. a EM 378, irregular durante algum tempo.
DIN 7003, BS 4344, SN 253 130, que podem ter O principal objetivo das precauções de
exigências diferentes. segurança é separar os compartimentos
Todos os elementos dos interruptores elétricos que contém refrigerante e componentes,
durante a operação normal são considerados dos compartimentos com elementos de
possíveis fontes de ignição. Entre eles estão chaveamento.
o termostato, os contatos da porta para

Fig. 4: Variações de projeto do aparelho

Termostato/
Interruptor
de puerta

Evaporador

Am0_0067

A fig. 4 mostra três possibilidades. A opção Alguns refrigeradores têm os evaporadores


1 tem ambos o evaporador e o conjunto ocultos atrás do revestimento, na espuma, não
termostato/chave da porta localizados dentro se encontrando no espaço do gabinete onde
do espaço do sistema. Esta alternativa é crítica os termostatos e outros componentes são
para os refrigerantes inflamáveis e não deve permitidos, neste caso.
ser usada. A opção 2 tem o evaporador dentro A situação crítica ocorre sempre que não for
e o conjunto termostato/chave de porta do possível evitar a presença do evaporador, do
lado de fora, no topo. Normalmente esta termostato ou
alternativa é uma solução segura. A opção 3 dos interruptores no gabinete. Neste caso há
tem o conjunto termostato/chave de porta duas possibilidades.
internos, mas a espuma do evaporador fica atrás
do revestimento. Esta é uma solução possível, Os termostatos e interruptores devem ser
utilizada em muitos casos. A opção selecionada trocados por versões seladas, isolando-os dos
deve ser projetada e verificada com testes de gases que podem afetar os contatos elétricos.
vazamento, de acordo com as exigências da TS A Danfoss oferece termostatos eletrônicos
95006 e da IEC / EN 60335. apropriados para este tipo de aplicação.
Os ventiladores dentro do compartimento
Em muitos projetos de refrigerador e freezer, esta refrigerado têm de ser seguras e livres de
separação já é a situação existente. fagulhas, mesmo se obstruídas.
Grandes refrigeradores de garrafas e freezers As conexões elétricas e os suportes de
na posição vertical têm chaves elétricas no lâmpadas devem ser testadas de acordo com
painel superior. determinadas especificações.

120 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

3.1 Todo tipo de aparelho com R290 deve ser testado Os relés devem atender a IEC 60079-15,
Aparelho (continuação) e aprovado de acordo com os procedimentos ou serem colocados onde um eventual
da TS / IEC / EN por um instituto independente, vazamento não possa produzir uma mistura
mesmo que todos os critérios mencionados com o ar que seja inflamável, p. ex. em uma
acima estejam incluídos no projeto. Consulte as caixa lacrada ou em altitudes elevadas. O
normas para obter detalhes. acessório de partida dos compressores SC da
Danfoss é entregue com um cabo comprido
As instruções de uso devem conter algumas para ser colocado em uma caixa de instalação
informações e advertências sobre o manuseio elétrica separada.
cuidadoso, como p. ex. não descongelar os
compartimentos do freezer com facas, instalar Normalmente o projeto do sistema que contém
em uma sala com pelo menos 1 m³ de espaço o refrigerante e do sistema de segurança deve
para cada 8 g de carga, devendo este último ser aprovado e controlado periodicamente
dado constar da etiqueta do tipo. pelas autoridades locais. A seguir, os princípios
para o projeto de instalações na Alemanha.
Os sistemas que utilizam relés ou outros Em muitos aspectos eles são baseados nos
componentes elétricos próximos ao compressor regulamentos para instalações de gás liquefeito.
devem atender às especificações. Estas incluem: As especialidades são encontradas em torno das
Os ventiladores no condensador ou estações de carga, onde as conexões de gás são
compressor devem ser livres de faísca, mesmo manuseadas freqüentemente e onde ocorre a
quando obstruídos ou sobrecarregados. Ou carga dos aparelhos.
devem ser projetados sem a necessidade de
um interruptor térmico, ou este deve atender
a IEC 60079-15.

3.2 Os princípios básicos de segurança são: Estações de carga projetadas para


Fábrica Ventilação forçada para evitar acúmulo de gás refrigerantes inflamáveis e ligados a sistemas
no local. de segurança.
Equipamento elétrico padrão exceto pelos O projeto de sistema de segurança pode ter o
ventiladores e sistemas de segurança. apoio dos fornecedores de estações de carga e de
Sensores de gás monitorando continuamente equipamentos como sensores de gases, em
prováveis áreas de vazamento ao redor de muitos casos.
estações de carga, com alarme e duplicação Para o uso do R290 em contêineres pequenos,
da ventilação de 15% a 20% do LEL e com os regulamentos são menos restritos em alguns
o desligamento de todos os dispositivos países.
que não são à prova de explosão na área
monitorada, de 30% a 35% do LEL, permitindo
que os ventiladores funcionem a toda
velocidade.
Teste de vazamento nos aparelhos antes da
carga para evitar a carga em sistemas que
apresentem vazamento.

4.0 Em muitos casos de transição de refrigerantes 87 bar de excesso de pressão no lado de Alta
Projeto do sistema de não inflamáveis para o R290, o gabinete do Pressão
refrigeração aparelho 36,8 bar de excesso de pressão no lado de
tem de ser modificado por motivos de segurança, Baixa Pressão
conforme listado na seção 3.1. Mas outras
Compressores

alterações podem ser necessárias por outros As normas nacionais podem apresentar
Danfoss

motivos. especificações diferentes, dependendo da


aplicação.
Refrigerantes contendo componentes de sistema
têm, de acordo com a IEC / EN 60335, de
resistir a uma pressão específica sem vazar. O
lado de alta tem de resistir a um excesso da
pressão de saturação de
70 °C vezes 3,5; o lado de pressão baixa tem de
suportar um excesso da pressão de saturação
de 20 °C vezes 5. Isto resulta no seguinte para o
R290:

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 121


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

4.1 Normalmente a eficiência do sistema de Evaporadores metálicos em serpentina fixa


Intercambiadores de calor refrigeração não gera a necessidade de mudar o (rollbond) provavelmente não podem ser
tamanho do evaporador ou do condensador, o utilizadas devido às altas exigências da pressão
que significa que a superfície externa pode ser a de ruptura. Deve-se tomar um cuidado especial
mesma, como acontece com o R22 ou R404A. ao projetar o acumulador no sistema. Ao utilizar
o R22 ou o R134a, o refrigerante é mais pesado
Provavelmente o projeto interno do evaporador que o óleo usado, enquanto que com o R290
necessite de algumas modificações, porque o o refrigerante é menos pesado, como pode ser
retorno do volume de refrigerante é diferente, observado na tabela de dados 1.
de acordo com o volume deslocado pelo
compressor. Para manter a velocidade do retorno Isto pode causar acúmulo de óleo se o
do refrigerante dentro do intervalo recomendado acumulador for muito grande, especialmente
de 3 a 5 m/s, pode ser necessário adotar as seções muito alto, e que tenha um trajeto de fluxo que
transversais do fluxo. não garanta um esvaziamento suficiente durante
a fase de partida do sistema.

4.2 A experiência com o R290 demonstra a Fig. 5: Aumento teórico do COP de refrigerantes
Tubo capilar necessidade de uma velocidade de fluxo capilar diferentes versus temperatura de sucção com
quase semelhante à do R404A. No mínimo este é compressão adiabática, troca de calor interno, em
um bom ponto de partida para otimização. evaporação a -25 °C, condensação a 45 °C, sem
subresfriamento antes do intercambiador de calor
Assim como no R134a, R404A e R600a, o interno
intercambiador de calor da linha de sucção é
muito importante para a eficiência energética 3, 0
R 290
do sistema com R290, o que não acontece com o
R22, vide fig. 5. Esta figura mostra o aumento do R 134a
COP com superaquecimento de alguns K até +32 2, 8 R 404A
°C da temperatura do gás de retorno, onde um R2 2
intervalo de +20 °C até aproximadamente +32 °C R 600a
é comum para sistemas herméticos pequenos. 2, 6
COP Isotrópico

Este grande aumento no COP para o R290 é


causado pela alta capacidade de aquecimento 2, 4
do vapor. Junto com a necessidade de manter a
carga do refrigerante perto do máximo possível
no sistema, não causando assim nenhum
2, 2
superaquecimento na saída do evaporador,
o intercambiador de calor da linha de sucção
tem de ser muito eficiente para prevenir a
2, 0
condensação da umidade do ar no tubo de
sucção. Em muitos casos um alongamento da -25 0 25
linha de sucção e do capilar resulta em melhor Temperatura de gas de aspiración en °C
eficiência. Am0_0143

O próprio capilar deve ter um bom contato de


troca de calor com a linha de sucção na maior
parte possível do comprimento total.

Em superaquecimento alto, com boa troca de


calor interna, o COP teórico do R290, R600a
e do R134a é maior que o do R22. Em
superaquecimento muito baixo, o COP do R290,
R600a e do R134a é menor que o do R22. O
comportamento do R290 é semelhante ao do
R134a com relação à troca de calor interno.

4.3 Geralmente, as regras para a evacuação e Um nível muito alto de gases não condensáveis
Evacuação processamento válidas são as mesmas aplicadas aumenta o consumo de energia devido às
aos sistemas com R22, R134a ou R404A. O temperaturas de condensação mais altas e
conteúdo máximo permitido de gases não porque uma parcela do gás transportado fica
condensáveis é de 1%. inativa. Ele pode adicionalmente aumentar o
ruído do retorno.

122 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Compressores Danfoss – Aplicação prática do refrigerante propano R290
em sistemas herméticos pequenos

4.4 As especificações de limpeza geralmente são Especifica o conteúdo máximo de resíduos


Limpeza dos componentes comparáveis às do R22 ou R134a. A única norma solúveis, insolúveis e outros resíduos. Os métodos
oficial em uso sobre limpeza de componentes para determinar o conteúdo solúvel e insolúvel
de refrigeração é a DIN 8964, que também é devem sofrer modificações para o refrigerante
utilizada em vários países fora da Alemanha. R290, mas em princípio os limites existentes
podem ser usados.

5.0 O serviço de manutenção e reparo de sistemas O equipamento do técnico de manutenção deve


Serviço de Manutenção R290 pode ser feito por técnicos bem treinados atender os requisitos do R290 em termos de
e especializados. Consulte a nota CN.73.C para qualidade da evacuação e precisão da carga
obter detalhes. de refrigerante. Uma balança eletrônica é
recomendável para
As leis e regulamentos locais também devem controlar a carga de refrigerante, mantendo-a
ser obedecidos. É necessário muito cuidado no dentro da precisão exigida.
manuseio devido à inflamabilidade do gás, que
constitui um perigo em potencial durante a A Danfoss não recomenda a conversão de um
execução do trabalho no sistema de refrigeração. sistema R22, R502 ou R134a para R290, porque
estes sistemas não são aprovados para uso com
É necessária uma boa ventilação da sala e a refrigerantes inflamáveis, assim a segurança
descarga da bomba de vácuo deve ser lançada elétrica não está em conformidade com as
ao ar livre. normas exigidas.

Referências TS 95006 Refrigeradores, freezers para alimentos e máquinas de gelo que utilizam
refrigerantes inflamáveis,
Requisitos de Segurança, Emendas à IEC 60 335-2-24, CENELEC, Julho de 1995

CN.86.A Filtros secadores e Dessecantes de Peneira Molecular

CN.82.A Evaporadores para Refrigeradores

CN.73.C Serviço de Manutenção em Refrigeradores Domésticos e Freezers com


Refrigerantes Novos

CN.60.E Aplicação Prática do Refrigerante Isobutano R600a em Sistemas


de Refrigeradores Domésticos

EN 60335-2-24 Segurança de aparelhos domésticos e similares Parte 2: Requisitos


particulares para refrigeradores, freezers para alimentos e máquinas de gelo

Compressores
Danfoss

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 123


Instruções de instalação Dicas práticas

Este capítulo está dividido em quatro seções: Página

Requisitos de instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

O processo de instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

Dicas práticas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 125


Instruções de instalação Dicas práticas – requisitos de instalação

Índice Página
Requisitos de instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
A tubulação deve ser mantida limpa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Impurezas particularmente prejudiciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Problemas causados pela umidade no sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Problemas causados pelo ar atmosférico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Problemas causados pelo óleo e deterioração do refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Problemas causados por outras impurezas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Requisitos de componente e de material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
Impurezas e umidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Tubulação de cobre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Requisitos do refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Requisitos do óleo do compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132

Dicas práticas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 127


Observações

128 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas práticas – requisitos de instalação

Requisitos de instalação Cada vez mais os sistemas de refrigeração


comercial e instalações de ar condicionado de
capacidade semelhante estão sendo construídos
com base em compressores herméticos
e semi-herméticos. Estes compressores,
quando comparados com o tipo aberto, são
normalmente mais vulneráveis a impurezas no
sistema de refrigerante e a condições incorretas
de operação.

Portanto, em sistemas de refrigeração modernos,


há exigências especiais sobre a qualidade do
serviço de instalação e colocação desses sistemas
em operação. Ac0_0003

A tubulação deve ser mantida Um sistema de refrigerante bem dimensionado,


limpa corretamente instalado e corretamente colocado
em funcionamento é fundamental para o
funcionamento de um sistema de refrigeração
confiável com longa vida útil.
Um requisito absoluto do sistema de refrigerante
é que ele deve permanecer completamente
isento de corpos estranhos (impurezas).
Portanto o serviço de instalação deve ser
executado com um alto grau de limpeza. Isto se
aplica especialmente a sistemas que contêm os
novos refrigerantes.

Ac0_0010

Impurezas particularmente Umidade


prejudiciais Ar atmosférico
Fluxo de soldagem
Ferrugem, óxido de cobre, escória
Cavaco metálico
Óleos instáveis
Determinadas soluções fluoradas (p.ex. R11 ou
tetracloreto de carbono)
Sujeira ou pó de qualquer tipo.

Ac0_0037

Problemas causados pela Separação de água e formação de gelo


umidade no sistema (obstrução) na válvula de expansão
Formação de ácido
Envelhecimento e deterioração do óleo
Corrosão
Precipitação de cobre (cobre dissolvido da
tubulação, depositado nas peças de aço
brilhantes no compressor)
Danos no verniz de isolação nos enrolamentos
do motor.
Dicas práticas

Ac0_0027

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 129


Instruções de instalação Dicas práticas – requisitos de instalação

Problemas causados pelo ar Aeração


atmosférico Reação química entre o refrigerante e o óleo
Pressão de condensação elevada

Ac0_0038

Problemas causados pelo óleo Formação de ácidos orgânicos e inorgânicos


e pela deterioração do Corrosão
refrigerante
Lubrificação deficiente
Desgaste anormal
Descoloração do óleo (escurecimento)
Formação de sedimentos
Válvulas de descarga vazando devido aos
depósitos de carbono do óleo
Temperatura aumentada do gás de descarga
Dano no compressor
Queima do motor
Ac0_0046

Problemas causados por outras As demais impurezas mencionadas podem


impurezas causar:
Processos químicos acelerados (deterioração)
Falhas mecânicas ou elétricas

A temperatura alta acelera os processos de


deterioração; em conseqüência deve-se evitar
temperaturas de condensação anormalmente
altas e, especialmente, temperaturas do tubo de
descarga anormalmente altas.

Pelos motivos mencionados, certos requisitos


devem ser satisfeitos. Alguns deles estão Ac0_0047
descritos no capítulo a seguir.

Requisitos de componente e Os compressores para sistemas de refrigeração


de material e de bombas de aquecimento são submetidos
a um processo de limpeza abrangente pelo
Componentes fabricante de modo que praticamente todos os
vestígios de umidade e de outras impurezas são
removidos.

Todos os demais componentes do sistema devem


estar no mesmo padrão.

Todos os componentes devem satisfazer as


exigências de limpeza. Em caso de dúvida, os
componentes devem ser verificados.
Ac0_0048

130 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas práticas – requisitos de instalação

Impurezas e umidade Impurezas que podem surgir caso os fabricantes


dos componentes sejam menos cuidadosos do
que o necessário:
Ferrugem e escória (solta ou incrustada)
Óleo antigo
Fluxo
Cavaco metálico
Umidade

Ac0_0001

Pequenas quantidades de umidade nos


componentes podem ser removidas aquecendo
e, simultaneamente, soprando com jato de
nitrogênio seco (N2).

É quase que inútil tentar remover outras


impurezas. Os componentes que contêm essas
impurezas não devem ser utilizados em sistemas
com refrigerantes halogênios.

Ac0_0005

Tubulação de cobre Em sistemas de refrigerante deve-se utilizar


tubulação de cobre especial, completamente
limpa e seca. Além disso, as extremidades dos
tubos devem ser hermeticamente lacradas.
Em sistemas de refrigerante não deve ser
utilizado outro tipo de tubulação que não seja o
descrito aqui, a menos que satisfaça as mesmas
exigências de limpeza.

Todos os componentes devem permanecer


rigorosamente vedados até o instante em que
serão instalados no sistema.

Ac0_0049

Requisitos do refrigerante Os refrigerantes devem ser adquiridos somente


de distribuidores credenciados.
Os refrigerantes para sistemas herméticos não
devem conter mais que:
10 ppm = 0,001% de água
100 ppm = 0,01% refrigerante com alto ponto
de ebulição
0 ppm = 0% de ácido
15.000 ppm = 1,5% gases incondensáveis
Portanto, deve-se tomar cuidado ao utilizar
refrigerante regenerado.
Dicas práticas

Ac0_0006

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 131


Instruções de instalação Dicas práticas – requisitos de instalação

Requisitos do óleo do O óleo do compressor deve ser aprovado pelo


compressor fabricante do compressor e não deve conter mais
de 25 ppm (0,0025%) de água e 0% de ácido.

Ac0_0007

132 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Índice Página
Processo de instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Planejamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Posição dos principais componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Instalação de sistema de refrigeração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Instalação da tubulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
Posição dos demais componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
Instalação de compressores em paralelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
Processos de instalação importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
Armazenamento de componentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
Corte do tubo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
Limpeza do tubo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
Soldagem de prata (soldagem com latão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
Solda contendo fósforo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Uso de gás inerte na soldagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Soldagem econômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Cuidado com a temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Conexões rosca (tubulação de cobre) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Evacuação, sopro com jato e carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Equipamento necessário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Bomba de vácuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Mangueiras para vácuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Primeira evacuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Teste do vácuo do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Sopro com jato e teste de vazamento provisório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Segunda evacuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Configuração provisória de equipamento de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Verificação das partes elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Carga do refrigerante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Pressão de condensação muito alta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Configuração e teste de equipamento de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Condições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Configuração e teste de equipamento de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Procedimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Configuração do pressostato de alta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Configuração do pressostato de baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Dicas práticas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 133


Observações

134 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Processo de instalação Processo:


Planejamento da posição do componente e
leiaute da tubulação
Configuração dos principais componentes
Instalação da tubulação e dos componentes
Evacuação
Sopro com jato
Teste da pressão
Teste de vazamento
Carga
Configuração do equipamento de segurança
Teste do equipamento de segurança
Configuração dos controles
Teste do sistema completo e reajuste dos
controles, etc.

Intercambiador Ac0_0061

Planejamento A instalação deve ser planejada de modo que


danos causados ao prédio, incluindo a
isolação da câmara fria, sejam mínimos.
Os componentes estejam posicionados de
maneira funcional e correta (p.ex. retorno de
ar adequado para o compressor, condensador,
evaporador).
Os trajetos de tubos sejam tão curtos quanto
for praticamente possível.

Ac0_0008

Posição dos principais Os principais componentes (compressor,


componentes condensador, evaporador, etc.) devem ser
montados firmemente na posição, utilizando
os respectivos suportes e de acordo com as
instruções do fabricante.

O compressor deve estar sempre firmemente


fixado sobre uma base horizontal. Se forem
fornecidos amortecedores de vibração, eles
também devem ser instalados.

Ac0_0009

Instalação de sistema de A instalação deve ser tão rápida quanto possível


refrigeração de modo que volumes mais significativos de
umidade, ar ou outras impurezas tenham poucas
Dicas práticas

possibilidades de entrar no sistema.

Portanto os compressores e os filtros secadores


devem ser instalados por último, imediatamente
antes da evacuação e carga do sistema.

Todas as aberturas no sistema frigorífico – sem


absolutamente nenhuma exceção – devem ser
completamente lacradas contra entrada de ar e
vapor d’água, durante o período de quaisquer
Ac0_0004
interrupções que venham a ocorrer no trabalho
de instalação.
© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 135
Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Instalação da tubulação Tanto quanto possível, a tubulação deve ficar em


posição horizontal ou vertical. As exceções são:
Linhas de sucção, as quais podem ter uma
ligeira queda em direção ao compressor.
Linhas de descarga, as quais podem ter uma
ligeira queda afastando-se do compressor.

Os suportes, grampos, braçadeiras, etc., para a


fixação dos tubos devem estar armados de modo
a acomodar o diâmetro do tubo e da carga dos
componentes, montados nas tubulações.

Se houver amortecedores de vibração instalados


no compressor, os eliminadores de vibração
Ac0_0002
apropriados devem ser instalados na tubulação
da sucção e descarga.

Bloqueios de óleo devem ser montados nas


linhas de sucção verticais, com uma inclinação
longitudinal de 1,5 a 5 m, dependendo do
tempo de escoamento por ciclo. Em sistemas
com variações de carga muito grandes, pode
ser necessário introduzir sifões duplos

Linhas de sucção também devem ser


instaladas para atender o óleo de retorno para
o compressor.

Em sistemas com cargas variáveis, as


exigências são particularmente críticas em
cargas baixas.
Ac0_0011

Posição dos demais Todos os componentes devem estar instalados


componentes de modo a facilitar o acesso aos serviços de
manutenção e de reparo.

Os controles e o equipamento de segurança


devem estar posicionados de modo que o teste
e o ajuste podem ser facilmente executados,
utilizando ferramentas comuns.

Ac0_0012

136 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Instalação de compressores em Os compressores em paralelo devem ser


paralelo instalados com equalização do óleo entre os
cárteres dos compressores; caso contrário, o(s)
compressor(es) que funcionar(em) mais tempo,
“roubarão” óleo de outro(s) compressor(es). A
equalização do óleo pode ser inserida no sistema
instalando-se um tubo de equalização entre os
reservatórios de óleo. Em sistemas com um tubo
de equalização, o tubo deve ser instalado entre
os reservatórios de óleo dos compressores e deve
ter um diâmetro tal que tanto o óleo quanto o
vapor de refrigerante possam fluir sem obstrução.

Com dois tubos de equalização (fig. 1)


Um dos tubos deve ser instalado entre os
reservatórios de óleo dos compressores e o outro
entre os cárteres dos compressores
(cárters do compressor). Ao instalar a
equalização de óleo em uma das maneiras
descritas, os compressores devem ser montados
alinhados exatamente no mesmo plano
horizontal.

Controles do nível de óleo (fig. 2)


Também é possível fazer a equalização do óleo
utilizando reguladores de nível.
Caso reguladores de nível sejam utilizados, os
compressores podem ser instalados em níveis
diferentes. Entretanto, os controles de nível são
muito mais caros que os tubos de equalização.
Os seguintes componentes são necessários com
o controle de nível do óleo:
Separador de óleo (1)
Válvula de equalização da pressão (2)
Reservatório de óleo (3)
Filtro de óleo (4)
Regulador de nível do óleo (5)

Lembrar-se que cada compressor deve ser


protegido com um pressostato de alta,
como o KP7.

Ac0_0036
Processos de instalação Os processos que podem contribuir
importantes para contaminação de sistemas de
refrigerante são:

Armazenamento de componentes
Corte do tubo
Limpeza das extremidades do tubo
Soldagem
Conexões rosca

Armazenamento de Todos os componentes devem ter uma


componentes temperatura que não seja menor do que a do
ambiente onde se encontram, antes de serem
Dicas práticas

abertos. Esta providência impede a ocorrência de


condensação nos componentes.

Por exemplo, os componentes NÃO devem ser


instalados imediatamente após serem trazidos de
um veículo de serviço de manutenção frio, para
uma sala quente.

Ac0_0013

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 137


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Corte do tubo A tubulação deve ser cortada com um cortador


de tubo ou serra. Nunca utilize qualquer espécie
de lubrificante ou resfriante.

Remover rebarbas internas ou externas com uma


ferramenta especial para desbaste.

Evitar que cavacos de cobre entrem no tubo.


Utilizar ferramentas de calibração para garantir
que o diâmetro e a redondeza do tubo estejam
corretos.

Ac0_0014

Limpeza do tubo Sopre com jato de nitrogênio ou ar comprimido


secos através do tubo.

Nunca utilize ar comprimido comum, pois


contém excesso de umidade. Nunca sopre
através da tubulação com a boca.

A tubulação que foi preparada para uso posterior


deve ser deixada pronta para uso, com as
extremidades lacradas, junto com os demais
componentes.

Ac0_0015

Soldagem de prata (soldagem A solda de prata é composta de 30% de prata,


com latão) cobre, zinco e estanho. O intervalo de fusão vai
desde 655 °C até 755 °C, aproximadamente.

A solda de prata adere somente em superfícies


metálicas limpas e não oxidadas.

Limpar as extremidades do tubo com uma escova


especial e aplicar o fluxo para soldagem de uma
só vez, imediatamente antes da soldagem.

O fluxo para soldagem de prata deve estar


suspenso em solução alcoólica, nunca em água.

Ac0_0016

Untar com uma camada fina de fluxo em torno


do ponto de soldagem assim que as peças a
serem soldadas forem encaixadas.

Então a solda de prata pode ser utilizada para


unir permanentemente materiais diferentes, tais
como latão/cobre e ferro/cobre.

Ac0_0017

138 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Solda contendo fósforo A solda com fósforo é composta de 2-15% de


prata com cobre e fósforo. O intervalo de fusão
vai desde cerca de 640°C a 740°C.

Não se deve usar fluxo ao fazer conexões de solda


com fósforo.

A solda com fósforo somente pode ser usada


para unir cobre com cobre.

Ac0_0018

Uso de gás inerte na soldagem Nas altas temperaturas utilizadas na soldagem


imediatamente formam-se produtos de oxidação
(escória) caso o tubo entre em contato com o ar
atmosférico durante a soldagem.

Portanto um gás inerte deve ser soprado através


do sistema durante a soldagem. Injetar um ligeiro
fluxo de nitrogênio seco ou um outro tipo de gás
inerte através da tubulação.

Não começar a soldagem enquanto houver ar


nos componentes em questão.

Começar a operação com um fluxo intenso de


gás inerte.

Garantir que nenhum fluxo de ar ingresse no


tubo junto com o fluxo de gás inerte.

Reduzir o fluxo a um mínimo quando a soldagem


começar.

Manter este ligeiro fluxo de gás de proteção


durante todo o processo de soldagem.

A soldagem deve ser executada com oxigênio e Ac0_0019


gás, com uma ligeira deficiência de oxigênio e
um jato queimador relativamente grande.

A solda não deve ser aplicada até que a


temperatura de fusão seja atingida nas partes
que estão sendo conectadas.

Soldagem econômica Nunca utilizar mais solda que a necessária, caso


contrário há um risco de obstruir parcial ou
completamente o tubo .

Fazer a soldagem rapidamente de modo que a


propriedade de absorção de oxigênio do fluxo de
soldagem não seja prejudicada, ou seja, não mais
que 15 segundos.
Dicas práticas

Ac0_0020

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 139


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Cuidado com a temperatura A temperatura não deve ser maior que a


necessária.

Por isso afaste a chama lentamente quando a


temperatura de fusão for atingida.

O resíduo de fluxo no lado externo deve ser


removido escovando com água quente.

Ligas contendo estanho ou chumbo não são


recomendadas como soldas para sistemas de
refrigerante.

Ac0_0021

Conexões flange Utilizar somente tubulação de cobre aprovada


(tubulação de cobre) para refrigeração.

Cortar as extremidades em ângulo reto,


perpendicularmente à tubulação.

Remover todas as rebarbas internas e externas.

Faça a flange no tamanho certo, nem


muito pequena nem muito grande.

Não aperte a flange tão forte que ela endureça.

Deixar em suspenso o aperto final até o


momento da instalação real. Ac0_0022

Evacuação, sopro com jato Passos a serem seguidos:


e carga Ao completar o trabalho de instalação, os passos
seguintes são:
Evacuação e carga do refrigerante
Teste de vazamento
Energização e ajuste.

As falhas que ocorrem após o sistema ser


energizado podem necessitar de:
Reparo do sistema.

Equipamento necessário Bomba de vácuo


Medidor de vácuo
Garrafa de carga (ou cilindro de serviço
contendo refrigerante)
(Bomba de vácuo, medidor de vácuo e garrafa
de carga podem ser obtidos montados como
uma prancheta de evacuação e carga).
Mangueiras de carga
Detector de vazamento

Remover a umidade, ar atmosférico e o gás inerte


do sistema durante a evacuação.
Ac0_0023

140 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Bomba de vácuo A bomba de vácuo deve ser capaz de


rapidamente esvaziar a pressão do sistema até
cerca de 0,05 mbar.

Capacidade da bomba, p.ex., 20 l/minuto. A


evacuação eficaz requer diâmetros de tubo
grandes.

Portanto, a evacuação através de válvulas


“Schraeder” não é aconselhável. Utilizar uma
“conexão Rápida” para compressores com tubo
de processo ou usar as conexões de processo na
sucção do compressor e, talvez, da válvula de
serviço de descarga.
Ac0_0024
O pino da válvula deve estar a meio curso.

Mangueiras para vácuo As mangueiras e tubos para vácuo devem


ser o mais curtos possível e o diâmetro
suficientemente grande.

Normalmente pode-se utilizar uma mangueira


para carga de ¼ pol., com 1 m de comprimento,
no máximo.

Fazer a evacuação em dois estágios limpando


com jato de refrigerante entre os estágios.

O processo de evacuação, limpeza com jato e


carga está descrito a seguir.
Ac0_0025

Verificação da bomba de vácuo e das


mangueiras
a) Montar as mangueiras para carga entre a
prancheta de carga e o compressor. Fechar as
conexões entre as mangueiras para carga e o
compressor.
b) Dar partida na bomba e permitir que ela sugue
até atingir o nível de vácuo desejado
c) Isolar a bomba do restante do sistema.
d) Parar a bomba.
e) Ler e registrar a pressão no medidor de vácuo.
A pressão não deve ser maior que 0,05 mbar.
f ) Verificar, para garantir que o vácuo pode
ser sustentado. Caso não seja, substituir as
mangueiras para carga e/ou as válvulas de
vazamento e/ou o óleo na bomba de vácuo.
Dicas práticas

Ac0_0026

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 141


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Primeira evacuação Evacuação pelo lado de sucção do compressor e,


provavelmente, também do lado de descarga.
Mangueira(s) de carga montada(s) entre a
prancheta de carga e o compressor.
Todas as válvulas abertas, inclusive válvulas
solenóides.
Válvulas de controle automática com abertura
máxima.
Evacuar o sistema, se possível até a pressão
baixa registrada previamente no medidor de
vácuo.

Teste do vácuo do sistema A ser executada conforme descrito no tópico


“Verificação da bomba de vácuo e das
mangueiras”.
Se for detectado qualquer vazamento:
Localizar a área aproximada do vazamento
fechando as seções do sistema.
Reapertar as conexões rosca e/ou flanges.
Repetir a evacuação.
Repetir o teste até que o vácuo seja mantido
ou continuar com o passo seguinte.

Ac0_0028

Sopro com jato e teste de Aplicar pressão do refrigerante no sistema


vazamento provisório (aprox. 2 bar de sobrepressão).
Executar o teste de vazamento em todas as
conexões.

Se for detectado qualquer vazamento:


Utilize uma unidade de reciclagem e bomba
de vácuo para remover o refrigerante do
sistema.
Reparar o vazamento.
Repetir o processo até que não haja mais
nenhum vazamento.

Ac0_0030

Segunda evacuação Se a sobrepressão continuar no sistema,


utilize a unidade de reciclagem para esvaziá-la
removendo o refrigerante.
Em seguida, faça uma nova evacuação, como
descrito no tópico “Primeira evacuação”.

Isso removerá qualquer ar e umidade


remanescente no sistema de refrigerante.

Ac0_0029

142 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Configuração provisória de Verificar e configurar o pressostato de alta e


equipamento de segurança qualquer outro equipamento de segurança,
inclusive o protetor do motor (configurado de
acordo com valores de escala).

Ac0_0031

Verificando as partes elétricas Verificar toda a fiação.


Testar o sistema de controle com o motor do
compressor desconectado.
Verificar o sentido de rotação do motor.
Inverter duas das fases, se necessário.

Ac0_0032

Carga do refrigerante Após a evacuação final, o sistema pode ser


carregado com refrigerante.

Uma prancheta de carga pode ser utilizada para


essa finalidade e dosará a quantidade correta
de refrigerante para o sistema, com precisão
suficiente. É necessária alta precisão em sistemas
que não tenham tanque de líquido.

Se o sistema tiver uma válvula para carga, o


refrigerante pode ser fornecido no estado líquido
para a linha de líquido. Alternativamente, o
refrigerante pode ser fornecido no estado de
vapor, através da válvula de serviço de sucção Ac0_0033
para o compressor, com o compressor em
funcionamento.

Cuidado:
Um superaquecimento muito fraco durante o
processo de carga pode causar um efeito de
golpe hidráulico no compressor.

A carga deve ser contínua, até que não apareça


nenhuma formação de vapor no visor de líquido
– a menos que a formação de vapor seja devida
a outras falhas; consultar a seção “Solução de
problemas – Detecção de falha”.
Se a quantidade de refrigerante necessária não
Dicas práticas

for conhecida, utilize o método descrito por Ac0_0034


último.

Entretanto, neste ponto, é necessário verificar o


tempo todo que a pressão de condensação e a
pressão de sucção permanecem normais, e que
o superaquecimento da válvula de expansão
termostática não está muito baixo.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 143


Instruções de instalação Dicas Práticas – O processo de instalação

Pressão de condensação muito Durante o processo de carga, uma pressão de


alta. condensação muito alta pode significar que o
sistema foi sobrecarregado com refrigerante e
deve ser parcialmente drenado.

Se for necessário drenar o refrigerante utilize


sempre a unidade de reciclagem.

Ac0_0035

Configuração e teste de A configuração final e o teste do equipamento


equipamento de segurança de segurança devem ser executados com todo
o equipamento mecânico e elétrico instalado e
Condições com o sistema em funcionamento.

As funções devem ser verificadas com


instrumentos de precisão. Consultar também
o capítulo “Solução de Problemas”, seção
“Instrumentos de Medição”, com referência às
instruções relacionadas ao equipamento em
questão.

Ac0_0039

Configuração e teste de Se houver uma válvula de pressão constante


equipamento de controle instalada, fazer uma configuração aproximada.
Configure o superaquecimento da válvula de
Procedimento expansão.
Com um manômetro, ajustar a válvula de
pressão constante.
Ajustar o regulador de capacidade, se
instalado.
Ajustar os termostatos (utilizando um
termômetro).

Ac0_0062

Configuração do pressostato Aumentar a pressão de condensação até


de alta o máximo admissível e utilizar um manômetro
para ajustar o pressostato de alta.

Configuração do pressostato de Diminuir a pressão de sucção até


baixa mínimo admissível e utilizar um manômetro
para ajustar o s baixa.

Atenção:
Ao fazer as configurações acima,
verificar continuamente se o sistema
está funcionando normalmente
Ac0_0045
(pressão, etc.).

Finalmente – garantir que as etiquetas de


identificação do refrigerante estão afixadas no
sistema, para garantir manutenção correta no
futuro.

144 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas

Este capítulo é dividido em quatro seções: Página

Instrumentos de medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

Solução de problemas (controles de refrigeração comercial da Danfoss) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

Detecção de falhas em circuitos de refrigeração com compressores herméticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

Visão geral sobre detecção de falhas (Compressores da Danfoss) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

Solução de
problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 145


Instruções de instalação Solução de problemas – Instrumentos de medição

Conteúdo Página
Instrumentos de Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Instrumentos para detecção de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Classificação de instrumentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
a. Imprecisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
b. Resolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
c. Repetibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
d. Estabilidade de longo prazo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
e. Estabilidade térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Instrumentos eletrônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Verificação e ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Ajuste e calibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Medidores de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Medidores de pressão para assistência técnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Medidores de vácuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Termômetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
Higrômetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

Solução de
problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 147


Observações

148 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Instrumentos de medição

Instrumentos de Medição Os equipamentos de medição utilizados com


maior freqüência, para detectar falhas em 90
Instrumentos para detecção de sistemas de refrigeração, são os seguintes:
falhas 1. Medidores de pressão
2. Termômetro
3. Higrômetro
4. Detector de vazamento
5.Medidores de vácuo
6. Amperímetro tipo alicate
7. Megôhmetro
8. Detector de pólo magnético

Ae0_0045

Classificação de Os instrumentos para detecção de falhas e


instrumentos para manutenção, em sistemas de refrigeração,
devem satisfazer determinados requisitos de
confiabilidade.
Alguns destes requisitos podem ser CLASS N 1
categorizados da seguinte maneira:
a. Imprecisão
b. Resolução
c. Repetibilidade
d. Estabilidade de longo prazo
e. Estabilidade térmica
Os mais importantes são a, b e e.

Ae0_0046

a. Imprecisão A imprecisão (precisão) de um instrumento é a


precisão com que este é capaz de fornecer o valor
da variável que está sendo medida.

A imprecisão é freqüentemente expressa em %


(±) ou do: Valor de fundo de escala (FE) ou do
valor medido. Um exemplo de imprecisão de um
instrumento particular é ± 2% do valor medido,
ou seja, menos imprecisão (mais precisão) que se
a imprecisão for ± 2% do valor de FE.

Ae0_0047

b. Resolução A resolução de um instrumento é a menor


unidade de medição que pode ser lida nele.

Por exemplo, um termômetro digital que exibe


0,1 °C como o último dígito na leitura tem uma
resolução de 0,1(uma casa decimal) °C .

Resolução não é uma expressão de precisão.


Mesmo com uma resolução de 0,1°C, não é
incomum obter-se uma precisão tão deficiente
quanto 2 K.

Portanto, é muito importante distinguir entre os Ah0_0006


dois conceitos.
Solução de
problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 149


Instruções de instalação Solução de problemas – Instrumentos de medição

c. Repetibilidade A repetibilidade de um instrumento é a sua


habilidade em, repetidamente, exibir o mesmo
resultado para um valor constante medido.

A repetibilidade é expressa em % (±).

d. Estabilidade de longo prazo Estabilidade de longo prazo é uma expressão que


revela quanto a precisão absoluta do instrumento
se altera em, por exemplo, um ano.

A estabilidade de longo prazo é expressa em %


por ano.

Ae0_0003

e. Estabilidade térmica A estabilidade térmica de um instrumento


refere-se ao grau de alteração da precisão
absoluta do aparelho, para cada °C de variação na
temperatura à qual ele está exposto.

A estabilidade térmica é expressa em % por °C.

A informação da estabilidade térmica do


instrumento é naturalmente importante, se ele
for levado a uma câmara fria ou a uma câmara
frigorífica.

Ae0_0004

Instrumentos eletrônicos Os instrumentos eletrônicos podem ser afetados


pela umidade.

Alguns podem ser danificados pela condensação


se forem operados imediatamente após terem
sido transferidos de um ambiente frio para outro
mais quente.

Eles não devem ser utilizados até que tenham


tido tempo suficiente para entrar em equilíbrio
com a temperatura desse ambiente.

Nunca utilize um equipamento eletrônico


imediatamente após ser levado de um veículo de
atendimento técnico frio para um ambiente mais
quente. Ae0_0005

Verificação e ajuste As leituras feitas em instrumentos normais e,


talvez algumas de suas características, alteram-se
ao longo do tempo.

Portanto, quase todos os instrumentos devem


ser verificados regularmente e ajustados, se
necessário.

Algumas verificações simples que podem ser


feitas estão descritas a seguir, embora elas
não possam substituir o tipo de inspeção
mencionado acima.

Ae0_0006

150 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Instrumentos de medição

Verificação e ajuste (cont.) A inspeção final apropriada e o ajuste dos


instrumentos podem ser executadas por
instituições de teste credenciadas.

Ae0_0007

Ajuste e calibração Os medidores de pressão para detecção de falha


e de manutenção são geralmente do tipo tubo
Bourdon. Normalmente os medidores de pressão
em sistemas também são deste tipo.

Medidores de pressão Na prática, a pressão é quase sempre medida


como sobrepressão.
O ponto zero da escala de pressão é igual à
leitura do barômetro normal.

Desse modo, os medidores de pressão têm


uma escala de –1 bar (–100 kPa) maior que 0
até +leitura máxima. Os medidores de pressão
Ae0_0008
com uma escala em pressão absoluta exibem
aproximadamente 1 bar, quando em pressão
atmoférica.

Medidores de pressão para Como regra prática, medidores de pressão


assistência técnica utilizados em manutenção têm uma ou mais
escalas de temperatura, para a temperatura de
saturação de refrigerantes comuns.

Medidores de pressão devem ter um parafuso


de ajuste acessível para ajuste do ponto zero, ou
seja, um tubo Bourdon indica se o instrumento
foi exposto a uma pressão alta durante algum
tempo.

Medidores de pressão devem ser verificados


regularmente, comparando-o com um
Ae0_0009
instrumento de precisão (padrão). Deve-se
fazer uma verificação diária para garantir que
o medidor de pressão exibe 0 bar na pressão
atmosférica.

Medidores de vácuo Medidores de vácuo são utilizados em


refrigeração para medir a pressão em tubulação,
durante e após um processo de esvaziamento.

Os medidores de vácuo sempre exibem a pressão


absoluta (o ponto zero corresponde ao vácuo
absoluto).

Medidores de vácuo não devem ser expostos a


locais reconhecidamente de elevada pressão e
devem, portanto, ser instalados com uma válvula
de segurança ajustada para uma pressão máxima
Solução de
problemas

limite aceitável pelo medidor de vácuo.


Ae0_0010

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 151


Instruções de instalação Solução de problemas – Instrumentos de medição

Termômetro Termômetros eletrônicos de leitura digital são


de uso comum em serviços de manutenção.
Exemplos de tipos de sensor são os sensores de
superfície, sensores de câmara e sensores de
inserção.

A imprecisão em termômetros não deve ser


superior a 0,1 K e a resolução deve ser de 0,1 °C.

Um termômetro indicador com bulbo carregado


com vapor e tubo capilar é, comumente,
recomendado para ajustar válvulas de expansão
termostáticas.
Ae0_0011
Em geral, é mais fácil acompanhar variações de
temperatura com este tipo de termômetro.

Os termômetros podem ser verificados com


relativa facilidade, em 0 °C, uma vez que o bulbo
pode ser inserido 150 a 200 mm na garrafa
térmica que contém uma mistura de gelo moído
(de água destilada) com água destilada. O gelo
moído deve preencher totalmente a garrafa.

Se o bulbo suportar água fervendo, ele pode ser


mantido na superfície da água fervente, por meio
de um recipiente com tampa. Estas são duas
verificações razoáveis de serem realizada em 0 °C
e 100 °C.
Ae0_0013
Uma verificação adequada pode ser executada
por uma instituição de teste credenciada.

Higrômetro Há tipos diferentes de higrômetros para


medir a umidade em câmaras frias e em salas
climatizadas ou dutos de ar condicionado:
Higrômetro capilar
Psicrômetro
Higrômetros eletrônicos distintos

Um higrômetro capilar precisa ser ajustado cada


vez que for utilizado, para se conservar uma
precisão razoável. Um psicrômetro (úmido e
termômetro seco) não requer ajuste se os seus
termômetros forem de alta qualidade.
Ae0_0014

Em temperatura baixa e umidade elevada o


diferencial de temperatura entre os termômetro
úmido e seco será pequeno.

Assim, sob tais condições, com os psicrômetros


a imprecisão é alta, e um higrômetro capilar
ou um dos higrômetros eletrônicos será mais
apropriado.

Ae0_0015

152 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Instrumentos de medição

Higrômetro (continuação) Um higrômetro capilar pode ser ajustado,


enrolando um pedaço de tecido úmido, limpo e
colocando-o em um recipiente impermeável ao
ar, com água na parte inferior (não permitir que a
água entre no higrômetro ou entrar em contato
com o seu bulbo).

O recipiente com o higrômetro deve, então,


permanecer pelo menos duas horas na mesma
temperatura do local onde as medições serão
realizadas.
Ae0_0049
O higrômetro agora deve exibir 100%. Caso não
exiba, ajustar com o parafuso de ajuste.

Solução de
problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 153


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Conteúdo Página
Falhas em sistema de refrigeração, geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
Detecção de falhas sem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
o uso de instrumentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
Categorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
Requer o conhecimento do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
É necessário o conhecimento teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Falhas visíveis e o efeito na operação do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Falhas visíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Condensador refrigerado a ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Condensador refrigerado a água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Tanque de líquido com visor de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Válvula de serviço do tanque de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Linha de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Filtro secador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Visor de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Válvula de expansão termostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
Resfriador de ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
Resfriador de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
Linha de sucção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Reguladores na linha de sucção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Câmara fria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Falhas que podem ser sentidas, ouvidas ou percebidas pelo cheiro, e o seu efeito na operação do
sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Falhas que podem ser sentidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Válvula solenóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Filtro secador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Falhas que podem ser ouvidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Reguladores na linha de sucção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Câmara fria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Falhas que podem ser percebidas pelo cheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Câmara fria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Sistema de refrigeração com resfriador de ar e condensador resfriado a ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Sistema de refrigeração com dois resfriadores de ar e condensador resfriado a ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
Sistema de refrigeração com resfriador de líquido e condensador resfriado a água . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Orientação para detecção de falha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Detecção de falha do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
Detecção de falha na válvula de expansão termostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
Detecção de falha na válvula solenóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Detecção de falha no controle da pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
Detecção de falha no termostato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Detecção de falha na válvula d’água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Detecção de falha no filtro ou no visor de líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
Solução de
problemas

Detecção de falha no regulador de pressão KV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 155


Observações

156 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Falhas em sistema de Este livreto trata de falhas comuns em sistemas


refrigeração, geral de refrigeração relativamente simples.

As falhas, causas das falhas, ações corretivas e


efeitos sobre a operação do sistema aplicam-se
também a sistemas maiores e mais complicados.

Entretanto podem ocorrer outros tipos de falhas


nesses sistemas. Essas falhas e as falhas em
controladores eletrônicos não são tratadas aqui.

Ae0_0001

Detecção de falhas sem Depois de ganhar alguma experiência, muitas


o uso de instrumentos falhas comuns em um sistema de refrigeração
podem ser detectadas visualmente, pela audição,
pelo tato e, algumas vezes, pelo olfato. Outras
falhas somente podem ser detectadas com o
auxílio de instrumentos.

Ae0_0012

Categorização Este livreto está dividido em duas seções: A


primeira seção trata exclusivamente de falhas
que podem ser observadas diretamente com
uso dos sentidos. Nesta seção, são fornecidos
sintomas, causas prováveis e o efeito na
operação.

A segunda seção trata de falhas que podem ser


observadas diretamente com o uso dos sentidos
e aquelas que somente podem ser detectadas
por meio de instrumentos. São fornecidos os
sintomas e causas possíveis, juntamente com
instruções sobre ações corretivas.
Ae0_0028

Requer o conhecimento do Um elemento importante no procedimento


sistema de detecção de falha é a familiaridade com a
arquitetura do sistema, e sua função e controle,
tanto mecânico quanto elétrico.

A falta de familiaridade com o sistema deve ser


compensada pelo exame cuidadoso dos leiautes
da tubulação e outros diagramas chave e tomar
conhecimento da forma do sistema (tubulação,
instalação de componentes e qualquer sistema
conectado, por ex., torres de resfriamento e
sistemas com água salgada).
Ae0_0029
Solução de
problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 157


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

É necessário o conhecimento É necessário ter um conhecimento teórico


teórico razoável a fim de detectar e corrigir falhas e
operações incorretas.

A detecção de todos os tipos de falhas em


sistemas de refrigeração relativamente simples
depende de um conhecimento completo de
fatores tais como:
A construção de todos os componentes, seus
modos de operação e características.
Equipamento de medição necessário e
técnicas de medição.
Todos os processos de refrigeração no sistema.
A influência do ambiente sobre a operação do
sistema.
A função e ajuste de controles e
equipamentos de segurança.
Legislação sobre a segurança de sistemas de Ae0_0033
refrigeração e sua inspeção.

Antes de analisar falhas em sistemas de


refrigeração, pode ser benéfico examinar
brevemente os instrumentos mais importantes
utilizados na detecção de falhas.

Ae0_0034

A seguir, na descrição de falhas em sistemas de


refrigeração, nas seções 1 e 2, considerar como
pontos de partida os diagramas de tubulação,
fig. 1, 2 e 3.

Os sistemas são tratados de acordo com o sentido


seguido pelo circuito. Os sintomas de falha que
podem ocorrer estão descritos na ordem de
seqüência do circuito. A descrição começa depois
do lado de descarga do compressor e prossegue
no sentido das setas.

Ae0_0016

158 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Falhas visíveis e o efeito na operação do sistema Texto entre [ ] indica a causa da falha

Falhas visíveis Efeito na operação do sistema


Condensador refrigerado a ar
a) Sujeira, p.ex., graxa ou pó, serragem, folhas secas. Falhas em a), b), c), d), e) criam:
[Falta de manutenção] - Pressão de condensação alta.
- Capacidade de refrigeração reduzida
b) Ventilador parado.
- Aumento do consumo de energia.
[Defeito do motor] Para um condensador refrigerado a água, a diferença entre as
[Corte do protetor do motor] temperatura da água e de condensação deve permanecer entre
c) Ventilador girando no sentido errado. 10 K e 20 K, preferencialmente na faixa mais baixa.
[Erro de instalação]
d) Lâminas do ventilador danificadas.
e) Aletas deformadas
[Falta de manutenção]
Tanque de líquido com visor de líquido Para um condensador refrigerado a água, a diferença entre as
com visor: Consulte “Tanque de líquido”. temperatura da água e de condensação deve permanecer entre
10 K e 20 K, de preferência no extremo mais baixo.
Tanque de líquido com visor de nível
Nível de líquido muito baixo.
[Refrigerante insuficiente no sistema] Vapor/bolhas de vapor na linha de líquido.
[Evaporador inundado] Pressão de sucção baixa ou compressor em processo cíclico.
[Condensador sobrecarregado durante período de Pressão de sucção baixa ou compressor em processo cíclico.
resfriamento]
Nível de líquido muito alto.
[Sistema sobrecarregado] Possível pressão excessiva de condensação.
Válvula de serviço do tanque de líquido
a) Válvula fechada. Sistema parado pelo do pressostato de baixa.
b) Válvula parcialmente fechada. Bolhas de vapor na linha de líquido.
Pressão de sucção baixa ou compressor em processo cíclico.
Linha de líquido
a) Pequeno demais As falhas dos itens a), b) e c) causam:
[Erro de dimensionamento] Queda grande de pressão na linha de líquido.
Vapor na linha de líquido.
b) Comprido demais
[Erro de dimensionamento]
c) Curvas agudas e/ou deformadas
[Erro de instalação]
Filtro secador
Orvalho ou formação de gelo sobre a superfície. Vapor na linha de líquido.
[Filtro parcialmente bloqueado com sujeira na entrada]
Visor de líquido Apresenta risco de:
a) Amarelo Formação de ácido, corrosão, queima do motor, água congelando
[Umidade no sistema] na válvula de expansão termostática.
b) Marrom Risco de desgaste das peças móveis e obstrução em válvulas e
[Partículas de sujeira no sistema] filtros.
c) Vapor puro no visor de líquido. Imobilização por meio do pressão baixa baixa ou compressor em
[Líquido insuficiente no sistema] processo cíclico.
[Válvula fechada na linha de líquido] Imobilização por meio do pressão baixa baixa.
[Obstrução total, p.ex., do filtro secador] Imobilização por meio do pressão baixa baixa.
d) Líquido e bolhas de vapor no visor de líquido. Todas as falhas do item d):
[Líquido insuficiente no sistema] Compressor em processo cíclico ou funcionando com baixa
pressão de sucção.
[Válvula parcialmente fechada na linha de líquido]
[Obstrução parcial, p.ex., do filtro secador]
[Sem sub-resfriamento]
Solução de
problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 159


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Falhas visíveis e o efeito na operação do sistema Texto entre [ ] indica a causa da falha

Falhas visíveis Efeito na operação do sistema


Válvula de expansão termostática
a) Válvula de expansão termostática severamente congelada, Falhas no item a) causam operação em baixa pressão de sucção ou
congelamento no evaporador somente próximo da válvula. compressor em processo cíclico através do pressostato de baixa.
[Elemento de filtragem parcialmente obstruído]
[Carga do bulbo parcialmente perdida]
[Falhas previamente descritas causando bolhas de
vapor na linha de líquido]
b) Válvula de expansão termostática sem equalização externa As falhas nos itens b) e c) causam operação em baixa pressão de
de pressão, evaporador com distribuidor de líquido. sucção ou de compressor em processo cíclico através do controle
[Erro de dimensionamento ou de instalação] de pressão baixa, ou de compressor em processo cíclico através do
pressostato de baixa.
c) Válvula de expansão termostática com equalização externa
de pressão, tubo de equalização não instalado.
[Erro de instalação]
d) Bulbo fixado sem firmeza. As falhas nos itens d), e) e f ), redundam em evaporador
[Erro de instalação] inundado com risco de retorno de líquido para o compressor
e danos no compressor.
e) Extensão total do bulbo sem contato com o tubo.
[Erro de instalação]
f ) Bulbo posicionado na corrente de ar.
[Erro de instalação]
Resfriador de ar
a) Evaporador congelado somente pelo lado da entrada, válvula As falhas no item a) causam:
de expansão termostática severamente congelada. Superaquecimento na saída do evaporador e operação em pressão
[Falha da válvula de expansão termostática] de sucção baixa na maioria das vezes.
[Todas as falhas descritas anteriormente causam
formação de vapor na linha de líquido]
b) Lado frontal obstruído por gelo. Falhas em a), b), c), d), e) criam:
[Implementação incompleta, incorreta ou errada do - Operação com pressão de sucção baixa na maioria das vezes.
procedimento de degelo] - Capacidade de refrigeração reduzida
- Aumento do consumo de energia.
c) Ventilador não funciona.
Para evaporadores controlados por válvula de expansão
[Defeito do motor ou o disjuntor protetor do motor] termostática:
d) Lâminas do ventilador defeituosas. A diferença entre as temperaturas da entrada de ar e de
e) Aletas deformadas. evaporação deve permanecer entre 6 K e 15 K, preferencialmente
na faixa inferior.
[Falta de manutenção]
Para evaporadores controlados por nível:
A diferença entre a as temperaturas da entrada de ar e de
evaporação deve permanecer entre 2 K e 8 K, preferencialmente
na faixa inferior.
Resfriador de líquido
a) Bulbo da válvula de expansão termostática fixado sem Causa sobrecarga no evaporador com risco de retorno de líquido
firmeza. compressor e danos ao compressor.
[Erro de instalação]
b) Válvula de expansão termostática sem equalização externa As falhas nos itens b), c) causam:
de pressão do resfriador de líquido, com queda de pressão - Operação com pressão de sucção baixa na maioria das vezes.
elevada, p.ex., evaporador coaxial. - Capacidade de refrigeração reduzida
[Erro de dimensionamento ou de instalação] - Aumento do consumo de energia.
c) Válvula de expansão termostática com equalização externa
Para evaporadores controlados por válvula de expansão
de pressão, tubo de equalização não instalado.
termostática:
[Erro de instalação] A diferença entre a as temperaturas da entrada de ar e de
evaporação deve permanecer entre 6 K e 15 K, preferencialmente
na faixa inferior.

Para evaporadores controlados por nível:


A diferença entre a as temperaturas da entrada de ar e de
evaporação deve permanecer entre 2 K e 8 K, preferencialmente
na faixa inferior.

160 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Falhas visíveis e o efeito na operação do sistema Texto entre [ ] indica a causa da falha

Falhas visíveis Efeito na operação do sistema


Linha de sucção
a) Gelo incomumente intenso Risco de retorno de líquido para o compressor e danificar o
compressor.
[Válvula termoestática de superaquecimento muito
baixa]
b) Curvas agudas e/ou deformadas Pressão de sucção baixa ou compressor em processo cíclico.
[Erro de instalação]
Reguladores na linha de sucção
Condensação/gelo depois do regulador, sem condensação/gelo à Risco de retorno de líquido para o compressor e danificar o
frente do regulador. compressor.
[Válvula termoestática de superaquecimento muito
baixa]
Compressor
a) Orvalho ou gelo no lado de entrada do compressor. Retorno de líquido para o compressor apresentando risco de
danificar
o compressor.
Superaquecimento na saída do evaporador muito
baixo]
b) Nível de lubrificante muito baixo no cárter.
[Lubrificante insuficiente no sistema] Parada do sistema através do pressostato diferencial (se instalado).
[Acumulo de lubrificante no evaporador]. Causa desgaste das peças móveis.
c) Nível de lubrificante muito alto no cárter.
[transbordamento de lubrificante] Golpe hidráulico em cilindros, risco de causar danos
[Refrigerante misturado com lubrificante em um nocompressor:
compressor muito frio] - Danos nas válvulas em funcionamento.
- Danos em outras peças móveis.
[Refrigerante misturado com lubrificante devido ao
- Sobrecarga mecânica.
superaquecimento muito baixo na saída do evaporador]
d) Lubrificante ferve no cárter durante a partida.
[Refrigerante misturado com lubrificante em um Golpe hidráulico , danos como no item c)
compressor muito frio]
e) Lubrificante ferve no cárter do compressor durante a
operação.
[Refrigerante misturado com lubrificante devido ao Golpe hidráulico , danos como no item c)
superaquecimento muito baixo na saída do evaporador]
Câmara fria
a) Superfície seca em carnes, verduras amolecidas.
[Umidade do ar muito baixa – evaporador Redunda em qualidade deficiente do alimento e/ou em
provavelmente muito pequeno] desperdício.
b) Porta não fecha hermeticamente ou está defeituosa. Pode causar ferimento pessoal.
c) Sinal de alarme defeituoso ou ausente. Pode causar ferimento pessoal.
d) Sinal de saída defeituoso ou ausente. Pode causar ferimento pessoal.
Para os itens b), c), d):
[Falta de manutenção ou erro de dimensionamento]
e) Nenhum sistema de alarme.
[Erro de dimensionamento] Pode causar ferimento pessoal.
Geral
a) Gotas de lubrificante sob as junções e/ou manchas de
lubrificante no chão.
[Possível vazamento nas junções] Vazamento de lubrificante ou de refrigerante.
b) Fusíveis queimados.
[Sobrecarga no sistema ou curto-circuito] Sistema parado.
c) Corte do protetor do motor.
Solução de
problemas

[Sobrecarga no sistema ou curto-circuito] Sistema parado.


d) Interrupção dos pressostato ou termostato, etc.
[Erro de ajuste] Sistema parado.
[Defeito de equipamento] Sistema parado.
© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 161
Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Falhas que podem ser sentidas, ouvidas ou percebidas pelo cheiro, e o seu efeito na operação do sistema
Texto entre [ ] indica a causa da falha

Falhas que podem ser sentidas Efeito na operação do sistema


Válvula solenóide
Mais fria que a tubulação à antes da válvula solenóide.
[Válvula solenóide emperra, parcialmente aberta] Vapor na linha de líquido.
Mesma temperatura da tubulação à antes da válvula solenóide.
[Válvula solenóide fechada] Sistema parado pelo do pressostato de baixa.
Filtro secador
Filtro mais frio que a tubulação à frente do filtro.
[Filtro parcialmente bloqueado com sujeira na entrada] Vapor na linha de líquido.
Falhas que podem ser ouvidas Efeito na operação do sistema
Reguladores na linha de sucção
Chiado no regulador de pressão de evaporação ou de outro
regulador.
[Regulador muito grande (erro de dimensionamento)] Operação instável.
Compressor
a) Som de pancada durante a partida.
[Lubrificante fervendo] Golpe hidráulico .
b) Som de pancada durante a operação Risco de causar dano no compressor.
[Lubrificante fervendo] Golpe hidráulico .
[Desgaste das peças móveis] Risco de causar dano no compressor.
Câmara fria
Sistema de alarme com defeito.
[Falta de manutenção] Pode causar ferimento pessoal.
Falhas que podem ser percebidas pelo cheiro Efeito na operação do sistema
Câmara fria
Cheiro desagradável em frigoríficos de carne.
[Umidade do ar muito alta devido a evaporador muito Causa baixa qualidade do alimento e/ou desperdício.
grande ou carga muito baixa]

162 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Obstrução por congelamento
Degelo incompleto Pressão de sucção alta Pressão de condensação alta
Gelo somente na válvula Pressão de sucção baixa KP 15/17 Pressão de condensação baixa
Instruções de instalação

térmica e na entrada do evaporador Pressão de sucção com variação


periódica

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Temperatura de sucção do
gás muito alta
Temperatura de sucção do
gás muito baixa
TE Temperatura alta na tubulação de descarga

Superaquecimento alto Compressor em processo


Superaquecimento baixo cíclico
Variação periódica Golpe
Ligar/desligar periódico Nível alto de lubrificante
Constantemente fechado Nível baixo de lubrificante
Lubrificante fervendo
Lubrificante sem coloração

DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980
Compressor frio
Temperatura ambiente muito baixa Compressor quente
Temperatura ambiente muito alta
Umidade do ar muito alta
Sistema de refrigeração com resfriador de ar e condensador resfriado a ar

Umidade do ar muito baixa

KP 62

SGI/SGN
Líquido
Vapor/líquido
Vapor Temperatura baixa
verde
Cor amarela
Marron/preta
DCL/DML Nível de líquido alto
SGI/SGN Nível de líquido baixo
EVR
Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Ae0_0019_08 Fig. 1

163
problemas
Solução de
Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Sistema de refrigeração com dois resfriadores de ar e condensador resfriado a ar

Fig. 2
Ae0_0030

164 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Sistema de refrigeração com resfriador de líquido e condensador resfriado a água

Fig. 3
KP 17

Solução de
Ae0_0035_02

problemas

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 165


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Orientação para detecção Siga as setas no diagrama, figs. 1 e 3, p. 10/12.


de falha Comece depois do compressor
Página

Pressão de condensação alta............................................................................................................................................ 167


Pressão de condensação baixa ....................................................................................................................................... 167
Pressão de condensação com variação periódica . .................................................................................................. 167
Temperatura alta na tubulação de descarga . ............................................................................................................ 168
Temperatura baixa na tubulação de descarga........................................................................................................... 168
Nível baixo do líquido no tanque de líquido ............................................................................................................. 168
Nível alto do líquido no tanque de líquido.................................................................................................................. 168
Saída de refrigeração muito pequena........................................................................................................................... 168
Temperatura baixa no Filtro secador.............................................................................................................................. 168
Indicador de umidade do visor de líquido - sem coloração, amarelo................................................................ 168
Indicador de umidade do visor de líquido – marrom ou preto............................................................................ 168
Bolhas de vapor no visor de líquido à antes da válvula de expansão termostática...................................... 169
Evaporador obstruído pelo gelo .................................................................................................................................... 169
Evaporador com gelo somente na tubulação próxima da válvula de expansão termostática................. 169
Umidade do ar muito alta no cárter fria ...................................................................................................................... 170
Umidade do ar muito baixa no cárter fria ................................................................................................................... 170
Temperatura do ar no cárter muito alta........................................................................................................................ 170
Temperatura do ar no cárter muito baixa.................................................................................................................... 170
Pressão de sucção alta......................................................................................................................................................... 170
Pressão de sucção baixa..................................................................................................................................................... 171
Pressão de sucção com variação periódica.................................................................................................................. 171
Temperatura do gás de sucção alta................................................................................................................................ 171
Temperatura do gás de sucção baixa............................................................................................................................. 171
Processo de cíclico do compressor................................................................................................................................. 171
Temperatura do tubo de descarga muito alta............................................................................................................ 172
Compressor muito frio........................................................................................................................................................ 172
Compressor muito quente................................................................................................................................................. 172
Ruído anormal do compressor......................................................................................................................................... 172
Nível de lubrificante do compressor alto..................................................................................................................... 172
Nível de lubrificante do compressor baixo.................................................................................................................. 172
Lubrificante do compressor ferve................................................................................................................................... 173
Lubrificante do compressor sem coloração................................................................................................................ 173
Compressor não dará partida........................................................................................................................................... 173
Compressor funciona constantemente ....................................................................................................................... 174

166 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Detecção de falha do sistema


Sintoma Causa provável Ação
Pressão de condensação a) Ar ou outros gases não condensáveis em Faça a purgação do condensador, utilizando sistema
muito alta sistemas de refrigeração de recuperação, dê partida e faça o sistema funcionar
Condensadores até atingir a temperatura de operação. Repita a
purgação, se necessário.
refrigerados a Ar e água.
b) Superfície do condensador muito pequena. Substitua o condensador por um maior.
c) Excesso de fluido refrigerante no sistema. Recuperar refrigerante até a pressão de condensação
ficar normal. O visor de líquido deve permanecer
cheio.
d) Controle da pressão de condensação Estabeleça a pressão correta.
estabelecida para pressão muito alta.
Pressão de condensação a) Sujeira na superfície do condensador. Limpar o condensador.
muito alta b) Motor ou lâmina do ventilador defeituoso Substituir o motor ou lâmina do ventilador ou ambos.
Condensadores ou muito pequeno.
refrigerados a ar c) Retorno de ar para o condensador restrita. Remover a obstrução na entrada de ar ou mover o
condensador.
d) Temperatura ambiente muito alta. Criar entrada de ar fresco ou mover condensador.
e) Sentido incorreto do fluxo de ar através do Alterar o sentido de rotação do motor do ventilador.
condensador. Em unidades condensadoras, o ar deve fluir através do
f) Curto-circuito entre a pressão do lado condensador e, daí, para o compressor.
do ar do ventilador do condensador e as Instalar um duto conveniente, possivelmente, no ar do
laterais de sucção. lado de fora.
Pressão de condensação a) Temperatura da água de resfriamento Garantir temperatura da água mais baixa.
muito alta muito alta.
Condensadores b) Muito pouca água. Aumentar a quantidade de água, possivelmente,
refrigerados a água utilizando válvula automática para água.
c) Depósitos no interior dos canos de água Limpe os canos d’água do condensador, normalmente,
(crostas, etc.). reduzindo a acidez.
d) Bomba da água de resfriamento Investigar a causa, substituir ou consertar a bomba da
defeituosa ou parada. água de resfriamento, se instalada.
Pressão de condensação a) Superfície do condensador muito grande. Ajustar o pressostato ou substituir o
muito baixa condensador.
Condensadores b) Carga baixa no evaporador. Ajustar o controle da pressão de condensação.
refrigerados a ar e a água. c) Pressão de sucção muito baixa, p.ex., Localizar falhar na tubulação entre o condensador e a
líquido insuficiente no evaporador. válvula de expansão termostática (consultar “Pressão
de sucção muito baixa”).
d) A sucção do compressor e as válvulas de Substituir a placa da válvula do compressor.
descarga devem estar com vazamento.
e) Regulador da pressão de condensação Ajustar o regulador da pressão de condensação para a
estabelecido para pressão muito baixa. pressão correta.
f) Tanque de líquido sem isolação colocado Mover o tanque de líquido ou cobri-lo com capa
muito frio em relação ao condensador isolante
(o tanque de líquido atua como apropriada.
condensador).
Pressão de condensação a) Temperatura do ar refrigerado muito baixa. Ajustar o controle da pressão de condensação.
muito baixa b) Quantidade de ar para o condensador Substituir ventilador por unidade menor ou ajustar o
Condensadores refrigerados muito alta. controle da velocidade do motor.
a ar
Pressão de condensação a) Quantidade excessiva de água. Instalar válvula automática WVFX para água ou ajustar
muito baixa a válvula existente.
Condensadores b) Temperatura da água muito baixa Reduzir a quantidade de água utilizando uma válvula
refrigerados a água automática WVFX para água, p.ex.
Variações periódicas da a) Diferencial excessivo no controle da Ajustar o diferencial para valores menores ou utilizar
pressão de condensação partida/parada da pressão do ventilador controle por válvula (KVD + KVR) ou usar o controle
do condensador. Pode causar a formação de velocidade do motor do ventilador.
de vapor na linha de líquido por algum
tempo, depois da partida do ventilador do
condensador, devido à acúmulo do
líquido no condensador.
b) Variação periódica da válvula de expansão Ajuste a válvula de expansão termostática para
termostática. superaquecimento maior ou substituir o orifício com
tamanho menor.
c) Falha nas válvulas KVR/KVD para controle Substituir as válvulas com tamanho de orifício menor.
da pressão de condensação (orifício muito
grande).
Solução de
problemas

d) Conseqüência da variação periódica da Consultar “Variações periódicas da pressão de sucção”.


pressão de sucção.
e) Dimensionado erroneamente ou válvula Verificar dimensionamento. Monte a válvula de
de verificação detectada na tubulação do verificação abaixo do condensador e perto da entrada
condensador. do tanque de líquido.

© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 167


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Detecção de falha do sistema (cont.)


Sintoma Causa provável Ação
Temperatura muito alta na a) Pressão de sucção muito baixa devido a:
tubulação de descarga 1) Líquido insuficiente no evaporador. Detectar falha na tubulação a partir do tanque
de líquido até o tubo de sucção (consultar
“Pressão de sucção muito baixa” ).
2) Carga do evaporador baixa. Idem.
3) Vazamento na sucção ou válvulas de descarga. Substituir a placa da válvula do compressor.
4) Superaquecimento excessivo no Desprezar a troca de calor ou, possivelmente,
intercambiador de calor interno ou acumulador selecionar um intercambiador de calor menor.
de sucção na linha de sucção.
b) Pressão de condensação muito alta. Consultar “Pressão de condensação muito alta”.
Temperatura muito baixa a) retorno de líquido para o compressor (ajuste Ver páginas 175 e 176.
na tubulação de descarga do superaquecimento da válvula termostática
muito baixo ou localização incorreta do bulbo).
b) Pressão de condensação muito baixa. Consultar “Pressão de condensação muito baixa”.

Nível do líquido no tanque a) Refrigerante insuficiente no sistema. Investigar a causa (vazamento, sobrecarga no
de líquido muito baixo b) Evaporador inundado. evaporador), consertar a falhar e carregar o
sistema, se necessário.
1) Carga baixa, redundando em acúmulo do Ver páginas 175 e 176.
refrigerante no evaporador.
2) Falha da válvula de expansão termostática Ver páginas 175 e 176.
(p.ex., ajuste muito baixo do superaquecimento,
posicionamento incorreto do bulbo).
c) Acúmulo do refrigerante no condensador devido Condensadores refrigerados a ar: Ajustar
a pressão de condensação ser muito baixa. o controle da pressão de condensação por
meio do controle da velocidade do motor do
ventilador, p.ex., tipo RGE.
Nível do líquido no tanque Carga muito grande do refrigerante no sistema. Recuperar uma quantidade apropriada do
de líquido muito alto refrigerante, mas a pressão de condensação deve
capacidade de refrigeração permanecer normal e o visor de líquido isento
normal. de vapor.
Nível do líquido no tanque a) Obstrução parcial de um componente na linha Procure o componente e limpe ou substitua-o.
de líquido muito alto de líquido.
capacidade de refrigeração b) Falha da válvula de expansão termostática (p.ex., Ver páginas 175 e 176.
muito baixa (provável superaquecimento excessivo, orifício muito
processo cíclico do pequeno, carga perdida, obstrução parcial).
compressor).
Filtro secador frio, úmido a) Obstrução parcial da tela filtrante por sujeira no Verificar se há impurezas no sistema, limpar
ou provável congelamento. filtro secador onde for necessário, substituir o filtro secador.

b) Filtro secador totalmente ou parcialmente Verificar se há umidade ou ácido no sistema,


saturado com água ou ácido. limpar onde for necessário e substituir o filtro
secador (filtro pós queima) diversas vezes, se
necessário. Se a contaminação por ácido for
severa, substituir o refrigerante e a carga de
lubrificante, instalar um filtro secador DCR
com núcleo intercambiável na linha de sucção.
Indicador de umidade sem Umidade no sistema. Verificar vazamentos no sistema. Consertar, se
coloração necessário. Verificar ácidos no sistema. Substituir
Amarelo o filtro secador diversas vezes, se necessário.
Nos casos críticos, pode ser necessário trocar o
refrigerante e o lubrificante.
Marrom ou preto. Impurezas, tais como pequenas partículas no Limpar o sistema, se necessário.
sistema. Substituir o visor de líquido SGI/SGN e o filtro
secador.

168 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 © Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007


Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Detecção de falha do sistema (cont.)


Sintoma Causa provável Ação
Bolhas de vapor no visor de a) Sub-refrigeração insuficiente do líquido por
líquido antes da válvula de grande queda de pressão na linha de líquido,
expansão termostática devido a:
1) Linha de líquido muito comprida em relação Substituir a linha de líquido por um tubo com
ao diâmetro. diâmetro apropriado.
2) Diâmetro da linha de líquido muito pequeno. Substituir a linha de líquido por um tubo com
diâmetro apropriado.
3) Curvas agudas, etc. na linha de líquido. Substituir as curvas agudas e os componentes
que causam a queda brusca da pressão.
4) Obstrução parcial do filtro secador. Verificar impurezas, limpar se necessário,
substituir o filtro secador.
5) Defeito da válvula solenóide. Consultar o capítulo “Válvulas solenóides”.
b) Sub-resfriamento insuficiente do líquido devido Reduzir a temperatura ambiente ou instalar
a penetração do calor da linha de líquido, um intercambiador de calor entre as linhas de
provavelmente da alta temperatura em torno da líquido e da sucção ou isolar a linha de líquido,
linha de líquido. provavelmente junto com a linha de sucção.
c) Condensadores refrigerados a água: Sub- Permute a entrada com a saída da água de
resfriamento insuficiente devido ao sentido resfriamento. (O fluxo da água e do refrigerante
incorreto do fluxo da água de resfriamento. devem ser opostos).
d) Pressão de condensação muito alta. Consultar “Pressão de condensação muito baixa”.
e) Válvula de serviço do tanque de líquido muito Substituir a válvula ou abri-la completamente.
pequena
ou não totalmente aberta.
f ) Queda muito grande de pressão hidrostática Instalar intercambiador de calor entre as linhas
na linha de líquido (diferença de altura muito de líquido e de sucção, à frente da elevação da
grande entre a válvula de expansão termostática linha de líquido.
e o tanque de líquido).
g) Controle da pressão de condensação mal ou Substituir ou resetar o regulador KVR no valor
incorretamente ajustada, redundando em correto.
acúmulo
do líquido no condensador.
h) Controle da pressão do condensador, pela Se necessário, substituir o sistema de controle
partida/parada do ventilador do condensador, de condensação.
pode causar a formação de vapor na linha de
líquido, durante algum tempo após a partida do
ventilador.
i) Líquido insuficiente no sistema. Recarregar o sistema; garantir primeiramente
que nenhuma das falhas descritas nos itens
a), b), c), d), e), f ), g) e h) estejam presentes,
caso contrário há um risco do sistema ficar
sobrecarregado.
Resfriadores de ar a) Procedimento de degelo inexistente Instalar sistema de degelo ou ajustar
Evaporador obstruído pelo ou deficiente. o procedimento de degelo
gelo. b) Umidade do ar no cárter fria muito elevada,
devido à carga de umidade de:
1) Itens desembalados. Recomendar a embalagem de itens ou ajustar o
procedimento de degelo
2) Entrada de ar no cárter através de rachaduras Consertar as rachaduras. Recomendar que a
ou da porta aberta. porta seja mantida fechada.
Resfriadores de ar Suprimento muito pequeno de refrigerante para o
Evaporador congelado evaporador, devido a:
somente na tubulação a) Defeito na válvula de expansão termostática, Ver páginas 175 e 176.
perto da válvula de p.ex.,
expansão termostática, 1) Orifício muito pequeno.
crítico na válvula de 2) Superaquecimento excessivo.
expansão termostática. 3) Perda parcial da carga do bulbo.
4) Tela de filtragem suja parcialmente obstruída.
5) Orifício parcialmente obstruído pelo gelo.
Solução de
problemas

b) Falha conforme descrita em “Bolhas de vapor no Consultar “Bolhas de vapor no visor de líquido”.
visor de líquido”.
Resfriadores de ar Aletas deformadas. Endireitar as aletas utilizando um pente para
Evaporador danificado. aletas.
© Danfoss A/S (RA Marketing/MWA), 06 - 2007 DKRCC.PF.000.G1.28 / 520H1980 169
Instruções de instalação Solução de problemas – Detecção de falhas (controles de refrigeração comercial da Danfoss)

Detecção de falha do sistema (cont.)


Sintoma Causa provável Ação
Umidade do ar elevada no a) Superfície do evaporador muito grande. Causa Substituir por evaporador menor.
cárter fria, temperatura operação em temperatura de evaporação
normal no cárter excessiva, durante períodos curtos de
funcionamento.
Carga muito baixa no cárter, p.ex., durante o Ajustar o controle da umidade com higrômetro,
inverno (desumidificação insuficiente devido ao elementos de aquecimento e termostato de
tempo de funcionamento muito curto, a cada 24 segurança KP62).
horas).
Umidade do ar muito baixa a) Câmara fria com isolação deficiente. Recomendar melhoria da isolação.
no cárter b) Excesso de carga térmica devido a equipamentos Recomendar dedução na carga térmica
equipamentos p.ex., iluminação e ventiladores. provenientes de equipamentos
c) Superfície do evaporador muito pequena, Substituir o evaporador por um maior.
causa funcionamento por tempo longo, em
temperaturas de evaporação baixa, na maior
parte do tempo.
Temperatura do ar muito a) Defeito no termostato da câmara. Consultar o capítulo “Termostatos:”
alta no cárter fria. b) Capacidade do compressor muito pequena. Consulte “Compressor”.
c) Carga muito alta no cárter devido a:
1) Carga de itens não resfriados. Recomendar a colocação de cargas menores ou
capacidade do sistema aumentada.
2) Consumo alto de energia, p.ex., na iluminação Recomendar a diminuição do consumo de