Você está na página 1de 5

ANEXO  II.

CLASSES DE PALAVRAS, SINTAXE E LEXICOLOGIA

Ficha 6
Funções sintáticas
Funções sintáticas a nível da frase

1.  Sujeito
A função sintática de sujeito é desempenhada pelo constituinte da frase que con-
trola a concordância verbal.
Esta função sintática pode ser desempenhada por um grupo nominal (isto é, um
grupo de palavras cujo constituinte principal é um nome ou um pronome e que funciona
como uma unidade sintática) (a), por uma oração subordinada substantiva relativa (b)
ou por uma oração subordinada substantiva completiva (c).
Exs.: a) A amiga da Maria é muito inteligente.
b) Quem muito fala pouco acerta.
c) É fantástico que tenhas conseguido vencer a corrida.
Quando a função sintática de sujeito é desempenhada por um grupo nominal ou
uma oração subordinada substantiva relativa, é possível identificar este constituinte atra-
vés da sua substituição pela forma nominativa dos pronomes pessoais (eu, tu, ele/ela,
nós, vós, eles/elas).
Exs.: a) A amiga da Maria é muito inteligente. → Ela é muito inteligente.
b) Quem muito fala pouco acerta. → Ele pouco acerta.
Quando a função sintática de sujeito é desempenhada por uma oração subordinada
substantiva completiva, podemos identificar este constituinte através da sua substituição
pelo pronome demonstrativo invariável «isso», que deve ser colocado antes do verbo.
Ex.: É fantástico que tenhas conseguido vencer a corrida. → Isso é fantástico.

Classificação do sujeito
Quando o sujeito está expresso na frase, pode ser classificado como simples
ou composto.
• Sujeito simples — é constituído apenas por um grupo nominal (a) ou por uma
oração (b).
Exs.: a) O João pintou a casa.
b) É essencial que conheças esta obra.
• Sujeito composto — é constituído por grupos nominais coordenados (a) ou por
orações (b) que surgem coordenadas entre si.
Exs.: a) Eu e a Joana jantámos num restaurante ótimo.
A Raquel, o Manuel e o Ricardo também foram juntos ao concerto.
b) Quem leu a obra e quem foi às aulas obteve melhor resultado na prova.
Quando o sujeito não está expresso na frase, estamos perante um sujeito nulo.
O sujeito nulo pode ser subentendido, indeterminado ou expletivo.
• Sujeito nulo subentendido — surge quando é possível identificar o sujeito através
da pessoa e do número da forma verbal.
Ex.: Comprámos um carro novo. (Através da forma verbal «comprámos»,
é possível identificar o sujeito: «nós».)

287

564995 266-324.indd 287 25/05/15 18:39


Ficha 6

• Sujeito nulo indeterminado — neste caso, o verbo encontra-se na terceira pessoa


do singular e é seguido do pronome pessoal «-se» (a) ou encontra-se na terceira
pessoa do plural (b). Este sujeito não designa uma entidade específica, pelo que
pode ser parafraseado por «alguém».
Exs.: a) Conta-se que nesta floresta vivia uma fada.
b) Dizem que as pessoas desta aldeia são muito acolhedoras.
• Sujeito nulo expletivo — ocorre quando o verbo é impessoal, não podendo, por
isso, ter sujeito. São impessoais os verbos meteorológicos (a), o verbo «haver»
(quando o seu significado é «existir») (b) e o verbo «ser» nas expressões que
indicam tempo (c).
Exs.: a) Ontem choveu no norte do País.
Na semana passada, nevou na serra da Estrela.
b) Há livros interessantes na biblioteca.
c) É tarde.

2.  Predicado
A função sintática de predicado é desempenhada pelo grupo verbal da frase (ou
seja, um grupo de palavras que tem como constituinte principal o verbo e que funciona
como uma unidade sintática) (a), do qual fazem parte os complementos (b) e modifica-
dores (c) do verbo.
Exs.: a) O António adormeceu.
b) A Maria telefonou à irmã.
c) O João chegou agora.

3.  Modificador (da frase)


A função sintática de modificador é desempenhada por um constituinte que não é
selecionado pelos elementos do grupo sintático de que faz parte. Uma vez que não é
exigido por estes, em geral pode ser omitido, sem que isso ponha em causa a gramati-
calidade da frase.
Esta função sintática pode ser desempenhada por um grupo adverbial (isto é, um
grupo de palavras cujo principal constituinte é um advérbio e que funciona como uma
unidade sintática) (a), uma oração subordinada adverbial condicional (b) ou uma oração
subordinada adverbial concessiva (c). Este constituinte não se inclui no predicado.
Exs.: a) Felizmente, eles conseguiram chegar a tempo à reunião.
b) Se estiver sol, iremos passear.
c) Ainda que o percurso seja difícil, vale a pena realizá-lo.

4.  Vocativo
A função sintática de vocativo é desempenhada pelo constituinte utilizado para
interpelar o interlocutor. O vocativo ocorre, em geral, em frases do tipo interrogativo,
exclamativo e imperativo.
Ex.: Tomás, podes trazer-me aquele livro, por favor?

288

564995 266-324.indd 288 25/05/15 18:39


ANEXO  II. CLASSES DE PALAVRAS, SINTAXE E LEXICOLOGIA

Funções sintáticas internas ao grupo verbal

1.  Complemento direto


O complemento direto é selecionado pelo verbo. Esta função sintática pode ser
desempenhada por um grupo nominal (a) ou por uma oração subordinada substantiva (b).
Exs.: a) Ele desvendou o mistério.
b) O João garantiu que terminaria o trabalho hoje.
Eles perguntaram se queríamos ir passear.
O grupo nominal com a função sintática de complemento direto pode ser substi-
tuído pela forma acusativa do pronome pessoal — «o/a» ou «os/as» (a). Quando esta
função é desempenhada por uma oração subordinada substantiva completiva, este
constituinte pode ser substituído pelo pronome demonstrativo «o» (b).
Exs.: a) Ele desvendou o mistério. → Ele desvendou-o.
b) O João garantiu que terminaria o trabalho hoje. → O João garantiu-o.

2.  Complemento indireto


O complemento indireto é selecionado pelo verbo. Esta função sintática é desem-
penhada por um grupo preposicional, ou seja, um grupo cujo constituinte principal é
uma preposição (frequentemente «a») e que funciona como uma unidade sintática (a).
O grupo preposicional com a função sintática de complemento indireto pode ser
substituído pelo pronome pessoal «lhe/lhes» (b).
Exs.: a) Ela telefonou à irmã.
b) Ela telefonou à irmã. → Ela telefonou-lhe.

3.  Complemento oblíquo


O complemento oblíquo é selecionado pelo verbo. Esta função sintática pode ser
desempenhada por um grupo preposicional — que, ao contrário do que sucede com o
complemento indireto, não pode ser substituído pelo pronome «lhe/lhes» (a) —, por um
grupo adverbial, isto é, um grupo que tem um advérbio como principal constituinte e
que funciona como uma unidade sintática (b), ou pelos dois elementos, coordenados
entre si (c).
Exs.: a) O Manuel faltou à aula. → *O Manuel faltou-lhe.
b) Eles moram aqui.
c) Vives aqui ou em Lisboa?

4.  Complemento agente da passiva


A função sintática de complemento agente da passiva é desempenhada por um
grupo preposicional nas frases passivas, correspondendo ao constituinte que desempe-
nha a função sintática de sujeito na frase equivalente na voz ativa.
Ex.: O exercício foi elaborado pelos alunos. (frase passiva)
Os alunos elaboraram o exercício. (frase ativa)

5.  Predicativo do sujeito


A função sintática de predicativo do sujeito é desempenhada pelo constituinte
que surge em frases com verbos copulativos (ser, estar, ficar, parecer, permanecer,
continuar, tornar-se) e que predica algo sobre o sujeito.

289

564995 266-324.indd 289 25/05/15 18:39


Ficha 6

O constituinte com esta função sintática pode ser um grupo nominal (a), um grupo
adjetival — grupo de palavras cujo constituinte principal é um adjetivo e que funciona
como uma unidade sintática (b) —, um grupo preposicional (c) ou um grupo adverbial
— grupo de palavras que tem como principal constituinte um advérbio e que funciona
como uma unidade sintática (d).
Exs.: a) Eles são cientistas.
b) Elas ficaram felizes.
c) A Maria ficou na escola.
d) Os livros continuam aí.

6.  Predicativo do complemento direto


A função sintática de predicativo do complemento direto é desempenhada por um
constituinte selecionado por um verbo transitivo predicativo — verbo que seleciona um
sujeito, um complemento direto e um predicativo do complemento direto (achar, cha-
mar, considerar, julgar, tratar, eleger, nomear). Este constituinte predica algo sobre o
complemento direto e pode ser um grupo nominal (a), um grupo adjetival (b) ou um
grupo preposicional (c).
Exs.: a) Ela considera a Maria uma amiga fantástica.
b) Eles achavam-no tímido.
c) Os colegas tratavam-no por Zé.

7.  Modificador (do grupo verbal)


Tal como o complemento oblíquo, o modificador do grupo verbal pode também ser
um grupo preposicional (a) ou adverbial (b). No entanto, distingue-se daquele consti-
tuinte por não ser selecionado pelo verbo. O modificador que se inclui no grupo verbal
pode também ser uma oração subordinada adverbial causal (c), temporal (d) ou final (e).
Exs.: a) Ela leu um livro interessantíssimo na biblioteca.
b) Ela entrou em casa silenciosamente.
c) Ela não conseguiu nadar no rio, porque a água estava gelada.
d) Enquanto nós líamos, eles ouviam música.
e) Ele esforçou-se muito para que todos os convidados se sentissem bem.

Teste para distinguir complementos oblíquos de modificadores (do grupo verbal)


Pergunta: O
 que é que + sujeito + verbo «fazer» + constituinte a testar?
(ou) O que é que aconteceu a + sujeito + constituinte a testar?
Resposta: Verbo (+ restantes complementos e/ou modificadores).
Quando o resultado é gramatical, estamos perante um modificador
(do grupo verbal). Caso seja agramatical, o constituinte é um
complemento oblíquo.
Exs.:  a)  O Mário viu o filme em casa.
O que é que o Mário fez em casa?
Viu o filme. → O resultado é gramatical, pelo que
«em casa» é um modificador do grupo verbal.
b)  O João morou em Évora.
*O que é que aconteceu ao João em Évora?
*Morou. → O resultado é agramatical, pelo que
«em Évora» é um complemento oblíquo.

290

564995 266-324.indd 290 25/05/15 18:39


ANEXO  II. CLASSES DE PALAVRAS, SINTAXE E LEXICOLOGIA

FUNÇÕES SINTÁTICAS INTERNAS AO GRUPO NOMINAL

1.  Complemento do nome


A função sintática de complemento do nome é desempenhada por um constituinte
selecionado pelo nome. Pode ser um grupo preposicional (a) — que pode surgir sob a
forma de uma oração (b) — ou, embora com menos frequência, um grupo adjetival (c).
Exs.: a) O acesso à educação é um direito fundamental do Homem.
b) A ideia de que eles não apreciariam esta homenagem é absurda.
c) Registou-se um considerável avanço tecnológico a partir de meados
do século xx.

2.  Modificador restritivo (do nome)


A função sintática de modificador restritivo é desempenhada por um constituinte
que não é selecionado pelo nome. Pode ser um grupo adjetival (a), um grupo preposi-
cional (b) ou uma oração subordinada relativa restritiva (c). Como o seu nome indica,
este modificador restringe a referência do nome, não podendo ser separado dele por
vírgula.
Exs.: a) Comprei um casaco azul.
b) A menina de tranças é a minha filha.
c) Os alunos que participaram na viagem divertiram-se muito.

3.  Modificador apositivo (do nome)


Tal como o modificador restritivo, o constituinte com a função sintática de modi-
ficador apositivo não é selecionado pelo nome. No entanto, ao contrário do anterior, o
modificador apositivo não restringe a referência do nome, sendo possível separá-lo dele
por vírgula. Em geral, é um grupo nominal (a) ou uma oração subordinada adjetiva rela-
tiva explicativa (b).
Exs.: a) D. Sebastião, o Desejado, sonhava regressar à guerra de cruzada.
b) Os meninos, que não esperavam a chegada dos colegas,
ficaram agradavelmente surpreendidos.

FUNÇÃO SINTÁTICA INTERNA AO GRUPO ADJETIVAL

1.  Complemento do adjetivo


A função sintática de complemento do adjetivo é desempenhada por um consti-
tuinte selecionado pelo adjetivo, sendo um grupo preposicional (a), que ocorre, por
vezes, sob a forma de oração (b).
Exs.: a) Ele está convicto da inocência do seu cliente.
b) Ela está entusiasmada por poder participar na competição.

291

564995 266-324.indd 291 25/05/15 18:39