Você está na página 1de 77

Como foi

Realmente?
A reconstrução geral da história

por AT Fomenko e GV Nosovskiy

texto traduzido livremente para o italiano por claudi ou rdali

1
C. APITOLO 7:
EU' PERÍODO DE XVII SÉCULO

1. A tentativa de restauração malsucedida e nova agitação.


A ascensão ao poder dos Romanov.

Por algum tempo, a revolta na Rússia da Horda se esgotou. A oprichnina foi destruída e o poder da
Horda foi temporariamente restaurado (por cerca de 25-30 anos) sob o governo do ramo da antiga
dinastia da Horda, que incluía Simeão-Ivan, seguido por Feodor Ivanovich e então Boris “Godunov "

Porém, já era tarde demais. Os protestantes se estabeleceram firmemente na corte real da Rus 'da Horda.
Uma nova revolta em grande escala no início do século 17 logo se seguirá. O partido protestante
recuperou o poder mais uma vez. O trono real foi conquistado pelos Romanov, seus servos declarados. No
entanto, a resistência dos Rus 'da Horda continuou até o final do século XVIII. (A Revolta de Pugachev).

A penúltima tentativa da Horda de retornar ao poder foi a chamada "Revolta de Razin", que foi efetivamente
uma guerra entre dois estados divididos do antigo império. A saber, entre o estado de Moscou, onde os
Romanovs (boiardos rebeldes) já estavam no poder, e o estado de Astrakhan no sul da Rússia, onde os
descendentes da dinastia da Horda ainda permaneciam no comando. Stephan Timofeevich Razin era o
comandante do exército da Horda de Astrakhan. Os Romanov dependiam muito do apoio militar da Europa
Ocidental. Suas tropas mais leais foram os regimentos de Reiter, unidades de fusilier militar, compostas por
mercenários ocidentais [4v1], capítulo 9: 4. A guerra terminou com a derrota do exército da Horda e a
incorporação do Reino de Astrakhan em Moscou. Não obstante, ainda permanecia o vasto reino da Rus 'da
Horda, que abrangia toda a Sibéria, o Extremo Oriente e a parte mais significativa do continente
norte-americano. Era chamada de Tartária de Moscou (ou russa). Foi conquistada pelos Romanov e pelos
Estados Unidos apenas no final do século 18, após a vitória dos Romanov sobre Pugachev [4v1], capítulo
11: 2.

Assim, em 1605, a Rússia iniciou o período das Perturbações. Em 1613, ocorreu uma virada abrupta: a
ascensão ao trono da dinastia Romanov-Zakharyin-Yuriev pró-ocidental.

Os Romanov baniram os cossacos da Horda de Moscou. Este foi o fim da antiga dinastia russa. Os restos
mortais das tropas derrotadas do Velho Império foram expulsos de Moscou. Como resultado, hoje vemos que
as regiões cossacas não ficavam no centro da Rússia, mas distantes. Todas essas regiões cossacas são o
legado da Rus 'da Horda. Por exemplo, o Cazaquistão é simplesmente uma versão de Cossack-Stan, ou seja,
região dos cossacos, site dos cossacos.

2
Figura 77. O colapso da parte ocidental do Império da Horda em áreas separadas onde os novos estados surgiram [7v1], cap. 1

Como resultado da política pró-ocidental dos Romanov e do enfraquecimento da própria Rússia, o


IMP peero "Mongolo" foi dividido em vários sistemas: Rússia, Turquia,
Áustria, Alemanha, Itália, Polônia, Suíça, Dinamarca, França ncciiaa, Espanha, Egito,
Inglaterra, Oriente Médio, Pérsia, China, Japão, Índia, Amerriiccaa e alguns outros países europeus, asiáticos e
africanos, consulte Figura 77.

2. As duas halfas do antigo Império, Rússia dos Rs Roomanov e


llaa Turquia,
T eles se chocam.

No entanto, para a Europa ou O perigo de superar a crise ainda existia no Ocidente


Rússia. O sucesso do rriib bellione da Reforma não foi garantida oe dependia muito
começa a partir do capricho dos Rs Roomanov de Moscou, que embora fossem aliados da Europa
ocidental, hoje a caneta nssavano então, mas amanhã eles teriam p ok para mudar de ideia.
pequeno
Além disso, a Turquia ainda não havia sofrido nenhuma derrota grave.

Europa Ocidental, vou continuar picentro da rebelião, ele fez de seu ou melhor, não
permitir a possibilidade de restaurar o Grande Império. Não ser capaz de fazer isso
em
através da estrada militar, os políticos ocidentais intensificam o operações
3
diplomático. Eles queriam dividir a antiga união da Rússia com o Império Otomano (Atamania) e
colocá-los um contra o outro. Lembramos que até o início do século 17, a Rússia e o Império Otomano
faziam parte do mesmo estado. Em particular, os cossacos zaporozianos se moviam livremente entre a
Rússia e a Turquia; às vezes serviam ao czar e às vezes ao sultão, e esse comportamento deles não era
considerado traição.

Eventualmente, as relações entre a Rússia e a Turquia se deterioraram, mas não por motivos religiosos. Antes dos
Romanov, os muçulmanos não eram perseguidos na Rússia, assim como os ortodoxos russos não eram
perseguidos no Império Otomano. No entanto, assim que o regime de Romanov se fortaleceu, começaram as
guerras com a Turquia que, embora com intervalos, duraram todos os 300 anos de seu reinado. Foi para apoiar
ideologicamente essas guerras que o slogan "discórdia religiosa arquetípica" foi introduzido entre os dois países.

Lembramos que os famosos janízaros turcos, as unidades de infantaria de elite que faziam parte
das tropas do sultão otomano, eram formados principalmente por eslavos balcânicos [4v1]. A crença
popular de que deveriam ser "mantidos em cativeiro como crianças" não é exata, já que na Rússia,
na época, o recrutamento de um décimo da população para o exército cossaco era um "tagma"
legítimo que fazia parte do serviço. regras semelhantes aplicadas nacionalmente e presumivelmente
no Império Otomano. Em todo caso, a "prisão" nada tem a ver com isso.

3. O sucesso diplomático da reforma.

Então, os Romanov chegaram ao poder na Rússia. A tensão da pressão militar russa na Europa Ocidental
foi dissipada. Peter I "abriu uma janela para a Europa" e transformou o estilo de vida russo em um estilo de
vida muito semelhante ao ocidental. A ideia da superioridade ocidental sobre a Rússia (em ciência, cultura,
etc ...) foi incorporada à consciência da população russa. Historiadores alemães do final do século XIX
escreveram: “Pedro até interferiu na família e na vida pública. Proibiu os TEREMS (TORRES CUJOS
LOCAIS FORAM HABITADOS POR MULHERES) e o antigo COSTUME FEMININO DE COBRIR O
ROSTO. Ele pediu que as mulheres não fossem mantidas fechadas a sete chaves como na Ásia, mas que
pudessem andar livremente como na Europa

. . . Ele introduziu os costumes europeus também na vida pública e organizou danças e assembleias
no estilo francês. Além disso, ele ordenou aos boiardos que usassem roupas da Europa Ocidental,
a fim de transformar sua vida privada e social E, ENTÃO MUDAR TODO O ESTILO DE VIDA DA
NAÇÃO como o dos diplomatas britânicos, e tornar seu povo verdadeiramente europeu ou, COMO
ELE DISSE O MESMO Pietro na presença do embaixador dinamarquês Jens Juel em 1710:
"TRANSFORMANDO O GADO EM GENTE" ... em suma, NÃO HAVIA

4
UM COSTUME QUE PEDRO NÃO QUERIA TRANSFORMAR ... para tirar seu povo do estado de
bárbaro o mais rápido possível. " [336], v.5, p.569-570.

A partir do século XVIII, muitos "educadores" continuaram a martelar-nos a dizer: é preciso transformar
o gado em gente. Ao longo do caminho, notaremos que há muitos motivos para acreditar que o
verdadeiro Czar Pedro I foi substituído por um sósia durante sua famosa "viagem ao Ocidente". Dê uma
olhada no nosso livro Ivan o
Terrível e Pedro, o Grande: o falso czar e o falso czar.

Os Romanovs reescreveram a história da Rússia. Especificamente, o exército Rus da Horda foi declarado
uma potência estrangeira maligna que não apenas conquistou a Europa Ocidental (agora é apenas
mencionado de passagem), mas presumivelmente a própria Rússia. Os descendentes dos poderosos = os
"mongóis" = os citas, na Inglaterra eram respeitosamente chamados de escoceses (escoceses = citas), ou
seja, os nobres escoceses [4v2], capítulo 6:11, enquanto na Rússia ocupada os vencedores triunfantes
chamavam ruidosamente gado a população, ou seja, eles falavam para as pessoas que eram bestas sujas.

Ao mesmo tempo, eles tentaram fazer desaparecer os fatos que mostram claramente que na era dos séculos
XIII-XIV a Europa Ocidental ainda era uma terra escassamente povoada e pouco desenvolvida, ver Giovanni
Malalas e Mauro Orbini. Todas essas terras foram colonizadas e povoadas pelos Rus 'da Horda durante a
conquista "Mongol". Só então o artesanato industrial, a ciência, a cultura e a higiene começaram a se
desenvolver; veja [5v1], capítulo 12: 4.4, o capítulo intitulado: "Quando eles começaram a lavar as mãos antes
de comer?" Aqui estão algumas informações avançadas por historiadores sobre este tópico interessante.
Aparentemente, eles começaram a lavar as mãos antes de comer há relativamente pouco tempo, apenas com
a chegada dos "mongóis" [457: 1], p.216-217.

4. Para alterar a história, os cronologistas ocidentais transferiram


eventos desagradáveis para o passado.

Após a retirada da Horda e do Império Otomano da Europa Ocidental, os cronologistas tentaram apagar da
memória histórica todas as memórias que ainda estavam frescas e que, do ponto de vista europeu, eram
desagradáveis. Esses eventos foram empurrados para um passado distante, onde seriam menos dolorosos.

Em última análise, é como se os historiadores nos dissessem que qualquer coisa poderia ter acontecido no passado
e que, desde então, ninguém jamais conquistou a Europa de forma tão bárbara novamente. E sobre os impostos a
pagar, eles disseram que era um costume dos antigos romanos, dos godos ou dos hunos. E valeu a pena lembrar de
qualquer maneira? Tudo mudou desde então. A Europa medieval e moderna tornou-se cultura, progresso e finesse,
enquanto o Oriente permaneceu a mesma horda selvagem de antes.

5
Para que a opinião pública se conformasse com estas “verdades”, durante muitos anos conceberam obras
históricas e epopeias cinematográficas, fazendo-nos compreender e ver de forma convincente que, por
exemplo, “foi só graças à sua ignorância que o bárbaro Átila se atreveu a desafiar os Great Western Rome.
Mas no final, depois de ficar maravilhado com a cultura italiana e intimidado pelo poder romano, voltou atrás
e fugiu vergonhosamente para se esconder nas áridas estepes ”.

De acordo com a versão Romanov da história russa, uma enorme lacuna apareceu no lugar do século 15,
que foi preenchida com duplicatas do século 16. Os historiadores "encheram o buraco" que surgiu durante a
limpeza editorial das notícias. É exatamente por isso que a história da vida de Ivan III, o Terrível, é em
grande parte um reflexo dos acontecimentos ocorridos um século depois, sob o governo de Ivan IV, o
Terrível.

A palavra NAÇÃO provavelmente vem da palavra russa NASHI (que significa NOSSO). Após a
divisão, o Império passou a ser chamado de "nosso", isto é, as pessoas que estavam dentro de um
fragmento do Império e que eram frequentemente hostis ao mundo circundante. Foi exatamente aí
que apareceram os "membros internos" e os "estrangeiros". Anteriormente, no período "Mongol",
não existia tal coisa. Cada um era súdito do império e obedecia a apenas um imperador cã. No
entanto, após o período conturbado, esses termos adquiriram um significado especial. A batalha
pela vasta sucessão imperial começou. Rios de sangue foram derramados. As fronteiras políticas e
religiosas emergiram da divisão das nações. Por exemplo, ainda hoje em inglês existe a palavra
NATION, que é “NASHI”.

5. Os últimos imperadores do Grande Império = os czar


khans russos do início do século XVII.

BORIS GODUNOV.

BORIS FEDOROVICH “GODUNOV”, 1598-1605 de acordo com [362]. Ele era filho do
anterior czar Fedor Ivanovich. A história de Godunov foi seriamente distorcida pelos
Romanov [4v1]. O czar Boris "Godunov" não era de forma alguma um velho político
experiente. Ele ainda era muito jovem. Suas características, atribuídas a ele pelos Romanov
e tão familiares a nós hoje, não deveriam referir-se a ele, mas a Dmitry Godunov, seu tio por
parte de mãe. De acordo com nossa reconstrução, Dmitry Godunov era irmão de Irina
Godunov, esposa do czar Fedor Ioannovich. Czarina Irina não era irmã de Boris "Godunov",
mas sim SUA MÃE. Então, Boris Fedorovich

6
"Godunov" era o filho e herdeiro legítimo do czar Fedor Ivanovich.

Foi inicialmente um reino pacífico, sem grandes levantes internos. O governo de Boris
Fedorovich tentou vencer a Guerra da Livônia com diplomacia, principalmente graças ao
apoio da Inglaterra.

Depois disso, o Tempo dos Problemas começou. O czar Boris foi envenenado e morreu jovem,
deixando para trás um herdeiro, o filho recém-nascido Fedor Borisovich, sua esposa Maria e sua filha
Ksenia. Os conspiradores contavam com Dmitry Ivanovich, filho do czar Ivan Ivanovich, que foi
afastado do poder em 1572. Dmitry Ivanovich foi forçado a se tornar monge, mas conseguiu fugir para a
Polônia. Ele tentou tomar o poder por meios militares e com a ajuda de mercenários poloneses, mas foi
derrotado pelo exército de Boris Fedorovich. No entanto, os conspiradores envenenaram o czar Boris
Godunov na capital e abriram o caminho para o trono para Dmitry Ivanovich.

FEDOR BORISOVIC.

FEDOR BORISOVICH, 1605. Ainda menino, tornou-se czar após a morte de seu pai, Boris
Fedorovich. Ele logo foi assassinado pelos conspiradores junto com sua mãe.

DMITRY IVANOVIC, O “FALSE DMITRY”.

DMITRY IVANOVICH (THE FALSE DMITRY) AN "IMPOSTOR", "THIEF", 1605-1610. Ele era
filho do czar Ivan Ivanovich, que foi privado de sua autoridade em 1572. Ele foi forçado a fazer
os votos monásticos, mas fugiu para a Polônia e começou sua luta pelo poder. Ele conquistou o
trono após uma conspiração e um golpe no palácio. Um ano depois, em 1606, ele foi deposto
pelos partidários de Vasily Ivanovich Shuisky, também membro da casa real. O reinado de
Dmitry Ivanovich e o reinado simultâneo de Vasily Shuisky marcam uma época na Rússia da
maior revolta dinástica, guerra civil e caos. Na história dos Romanov, Dmitry foi chamado de
"impostor" e "ladrão". Deve-se notar que "impostor" e "ladrão" são apresentados como duas
pessoas distintas. Ele foi assassinado em 1610.

A infame história do impostor Dmitry sempre produziu uma impressão estranha nos
pesquisadores [183], v.2, p.97. Tudo fica claro na Nova Cronologia. Essa pessoa era de fato
um czarevich (um príncipe), e seu nome era de fato Dmitry Ivanovich. Ele era filho do czar
Ivan Ivanovic, que reinou de 1563 a 1572 e mais tarde foi deposto. O czar Ivan Ivanovich foi
criado pela família Zakharyin-Romanov, que governou o estado em seu nome, pois o
próprio Ivan Ivanovic ainda era muito jovem (veja acima). Como podemos ver, o filho de
Ivan Ivanovich, o czarevich Dmitry Ivanovich (o futuro “Falso Dmitry”) também foi criado pela
família Romanov. Para evitar que Dmitry subisse ao trono, eles o forçaram a fazer os votos
monásticos,

7
já que, de acordo com a antiga tradição russa, tornar-se monge significava recusar o direito de ascender ao
trono.

No entanto, alguns leitores podem argumentar que é bem sabido que o Tsarevich Dmitry foi
assassinado em Uglich. Isso significa que havia um impostor sob o nome de Dmitry Ivanovich?
De modo nenhum.

Pensa-se que sob Ivan, o Terrível, havia DOIS príncipes distintos com o mesmo nome:
Dmitry Ivanovich. Ambos eram filhos de Ivan, o Terrível. Um morreu devido à negligência de
uma enfermeira, que afogou a criança em 1563. O segundo foi a infame tragédia Uglich de
1591 [4v].

Em nossa opinião, o czarevich Dmitry Ivanovich morreu UMA VEZ em


1563. No entanto, mais tarde, durante o governo de Vasily Shuisky, uma falsa versão do
assassinato de Tsarevich Dmitry em Uglich em 1591 (a que é geralmente aceita hoje) foi
divulgada. O objetivo desta manufatura é claro. O czar Vasily Shuisky se esforçou para
apresentar seu rival Dmitry Ivanovich como um "IMPOSTORE". Para conseguir isso, foi
declarado que o verdadeiro czarevich Dmitry teria sido morto quando menino em Uglich.
Portanto, o czar que estava lutando contra Shuisky não era nada mais do que um impostor.

Na realidade, o que morreu foi um czaréviche completamente diferente: ele era filho do czar
Ivan Vasilievich e irmão do czar Ivan Ivanovich, pai do "Falso Dmitri". Ele era tio de seu
homônimo Dmitry Ivanovich, o impostor, contra quem Shuisky estava lutando. Usando a
coincidência entre os nomes, a morte de um deles foi atribuída ao outro. Assim, o
verdadeiro czar Dmitry Ivanovich foi declarado "IMPOSTORE".

Toda a história da morte de Tsarevich Dmitry poderia ter sido editada em Moscou. “Há
razões para acreditar que a fonte de Uglich se tornou vítima de uma avaliação retrospectiva
dos eventos” [777], p. 72. Para simplificar, foi uma FALSIFICAÇÃO.

Vamos tentar reconstruí-lo. A falsificação foi baseada em uma SUBSTITUIÇÃO astuta. Os


Shuiskys confundiram deliberadamente (no papel) o Tsarevich Dmitry Ivanovich, que morreu
em 1563, com o Tsarevich Dmitry Ivanovich "Impostor", que não morreu quando criança,
mas, pelo contrário, lutou pelo poder com Vasily Shuisky. A troca foi inteligente. O fato é que
Tsarevich Dmitry, que morreu em 1563, como já mostramos em nosso livro Lá

Expulsão dos czares (Izgnaniye Czarei), no momento da fraude JÁ ERA


CONSAGRADA SANTA E FOI MUITO POPULAR ENTRE O POVO. Os Shuiskys astutamente
usaram os mesmos nomes dos dois príncipes: os mortos e os vivos. Eles atribuíram o nome de
São Dmitry Ivanovich, muito popular entre o povo e que morreu em 1563, ao czarevich
contemporâneo Dmitry Ivanovich. Eles moveram (no papel) a morte do santo czarevich cerca de
30 anos adiante, de 1563 para o alegado 1591. Então, eles se transformaram (novamente

8
no papel) seu rival vivo e bem, Dmitry Ivanovich, no czarevich, que supostamente morreu
na infância. Depois disso, o czarevich vivo Dmitry Ivanovich foi obviamente transformado
em um "impostor" (segundo eles), pois ele provavelmente já deve ter morrido há muito
tempo!

Inicialmente, essa fraude foi necessária para o czar Vasily Shuisky em 1606, mas depois os
Romanov a usaram com muita astúcia. Na verdade, eles participaram diretamente. Foi Feodor
Nikitich Romanov, o futuro Patriarca Filarete, que foi a Uglich para revelar os restos mortais do
Czarevich Dmitry [988: 00], artigo “O Patriarca Russo Filarete”.

Na Catedral do Arcanjo do Kremlin de Moscou, supostamente havia um fragmento da lápide


do czarevich Dmitry Ivanovich. Provavelmente era uma réplica moderna. Convidamos você a
dar uma olhada em nossa teoria sobre o sepultamento do czarevich Dmitry no Egito em
[5v2], capítulo 7: 5. Referimo-nos ao famoso cemitério do faraó Tutancâmon descoberto por
Howard Carter no primeiro quarto do século XX. O jovem Tutancâmon é provavelmente o
mesmo Dmitry que foi enterrado no Cemitério Imperial da Horda no início do século XVII. Foi
um dos últimos enterros dos cãs da Rus 'da Horda no Egito.

VASILY SHUISKY E O ROMANOV.

VASILY IVANOVICH SHUISKY, 1606-1610 de acordo com [362]. Ele subiu ao trono em 1606
como resultado da conspiração e rebelião contra o czar Dmitry Ivanovich. Duas cortes reais foram
formadas no país: a de Vasily Ivanovich em Moscou e a de Dmitry Ivanovich não muito longe de
Moscou, em Tushino. O caos e as lutas dinásticas irromperam. Shuisky fez a tentativa de
estabelecer uma nova dinastia, uma espécie de ramo "antigo" da dinastia Rus da Horda, à qual
pertencia o Shuisky. Essa tentativa falhou.

Portanto, o "Falso Dmitry I" era o verdadeiro czarevich Dmitry, filho do czar Ivan. Desde o
início da luta de Dmitry pelo trono, TODOS OS QUE O VIU PELOS ZAREVICH: a
aristocracia polonesa, o rei polonês, os boiardos russos, a multidão de pessoas em Putyvl e
outras cidades e, finalmente, sua mãe , A czarina Maria Nagaya que na época era a irmã
Marfa [777], [183], v.2.

Mas os historiadores não acreditaram nas inúmeras afirmações de contemporâneos, segundo as


quais Dmitry era o filho real do czar Ivan, e eles proclamam todas as testemunhas oculares como
meros crédulos ou charlatões. A história da Rússia foi concluída sob os Romanov. Eles
propositalmente declararam que Dmitry era um impostor e o chamaram de "Falso Dmitry".
Porque? A resposta é simples. Aparentemente, o Dmitry que se tornou czar e que era de sangue
real, tinha um filho. Os historiadores de Romanov o chamam de "pequeno ladrão". Após a morte
de Dmitry, seu filho deveria sucedê-lo. Os Romanov estavam ansiosos para agarrar o poder com
as mãos. Eles usurparam o trono

9
embora o filho de Dmitry ainda estivesse vivo. Portanto, A ELEIÇÃO DE MIKHAIL
ROMANOV PARA ZAR FOI SIMPLESMENTE UMA AÇÃO ILEGAL, já que o filho do
verdadeiro ex-czar ainda estava vivo. Havia apenas uma saída para os Romanov: declarar
Dmitry como um "impostor", o que eles fizeram imediatamente. No entanto, ainda havia
outro obstáculo - o filho vivo de Dmitry. O problema foi facilmente resolvido. Os Romanovs
enforcaram o menino a sangue frio no Portão Spassky.

Na verdade, foi um ponto complicado na história da Rússia e o momento-chave para a dinastia


Romanov. Os Romanovs precisavam de provas para legitimar sua ascensão ao trono. Eles
resolveram o problema com meios claros e prontamente disponíveis.

Mencionamos anteriormente que o czarevich Dmitry subiu ao trono seguindo a trama dos
boiardos que depuseram o czar Boris. No entanto, os boiardos consideravam o czarevich apenas
como uma figura provisória. O líder da conspiração era Shuisky, que também lutava pelo poder. É
por isso que Tsarevich Dmitry estava apenas no caminho. Pouco depois da coroação de Dmitry,
um golpe de estado ocorreu no palácio. Como resultado, pensou-se que Dmitry foi morto. Vasily
Shuisky subiu ao trono.

Nessa conspiração, os Romanov provavelmente agiram do lado de Shuisky, já que Feodor


Romanov, o futuro Patriarca Filarete trazido do exílio, foi nomeado Patriarca de Moscou.

Nosso ponto de vista: Czar DMITRY NÃO FOI MORTO E NÃO TENTOU ESCAPAR.
Czarina Marfa foi presenteada com corpo de outra pessoa. É por isso que ele foi
desfigurado a fim de tornar a identificação impossível
do pessoa assassinado. além disso para remover
irreversivelmente os vestígios, o corpo foi queimado [436], p. 288.

Conseqüentemente, o czar Dmitry permaneceu vivo após o golpe. Seu retorno ao centro das
atenções deve ser esperado. De fato, na mesma cidade de Putyvl, que antes era o primeiro
quartel-general de Dmitry, O “FALSO DMITRY II” SAIU. A primeira vez que "THE FALSE
DMITRY" foi visto por uma multidão de pessoas. Parece que as mesmas pessoas que viram
o “Fake Dmitry II” O RECONHECERAM MAIS UMA VEZ COMO O Czar DMITRY! "Depois de
reunir o povo em Putyvl, Shakhovskoy apresentou o novo contendor e afirmou que em
Moscou os traidores MATARAM UM ALEMÃO NO LUGAR DE DMITRY, QUE DMITRY
AINDA ESTAVA VIVO e que as pessoas tiveram que se rebelar contra Shuisky" [183], v .2,
p.125.

O “FALSE DMITRY II” É O MESMO ZAR DMITRY, ALIAS O “FALSE DMITRY I”. Logo
depois que Marina Mnishek deu à luz o filho do "Falso Dmitry II", os Romanov se
apressaram em chamá-lo de "pequeno ladrão". O próprio "Falso Dmitry II" foi apelidado de
"Ladrão de Tushinsky", reconhecendo assim que era filho do "Falso Dmitry II". Era só isso

10
criança que mais tarde foi morta pelos Romanov e enforcada no Portão Spassky para
eliminar o legítimo sucessor do czar Dmitry.

O comportamento de Marina Mnishek fica claro. Após a morte do "Falso Dmitry II" ela NÃO
SAIU DA RÚSSIA E FICOU AO LADO DE SEU FILHO E CONTINUOU A LUTA PELO
TRONO RUSSO com a ajuda de tropas leais a ela, lideradas por Zarutsky. Não admira. Ele
sabia com certeza que seu filho era um sucessor legítimo do czar russo Dmitry. Se fosse filho
do "ladrão de Tushinsky", teria feito mais sentido abandonar imediatamente o país tumultuado
em que Mikhail Romanov já havia assumido o poder. Ele poderia ter fugido para sua Polônia
natal. Esta oportunidade lhe ocorreu, mas em vez disso partiu para o Volga, o Don e o Yaik,
PARA JUNTAR-SE ÀS COSACKS [1,83], v.2, p.158. Ela foi uma mulher corajosa que lutou
por seus direitos e pelos de seu filho, o legítimo herdeiro do trono da Horda.

A guerra entre Zarutsky e Marina contra os Romanov começou. Foi uma das partes mais sombrias
da história da Rússia. É muito provável que a descrição atual dessa guerra tenha sido inventada
pelos Romanov que a venceram [436, p. 769-778. Tendo sido descrito por historiadores Romanov,
parece ser a batalha dos legítimos governantes Romanov "contra ladrões".

É possível que o czar Dmitry Ivanovich ainda não tivesse sido morto naquela época. Nesse
caso, ele foi mais tarde executado pelos Romanov. Sua execução foi mais tarde considerada
a execução de Zarutsky. A suspeita aumentou devido ao fato de que, após a execução de
Zarutsky, imediatamente surgiu o segundo Zarutsky, do qual nada se sabia antes. Mais
especificamente, o atamano de entrou em cena Os cossacos de Cherkasy Malorosy, um certo
Zakhar Zarutsky, provavelmente irmão ou parente de Ivan [436], p.

779. Provavelmente havia um chamado Zarutsky e o czar da Horda Dmitry Ivanovich que estava com
Marina Mnishek e a quem os Romanov mais tarde astutamente chamaram de Zarutsky para evitar a
suspeita de regicídio. O exército de Zarutsky (czar Dmitry?) E o exército de Marina Mnishek foram
esmagados pelos Romanov.

6. A cruz e o crescente com a estrela.

O crescente com a estrela é um antigo símbolo do Czar Grad [6v1]. Deve sua origem à explosão da
estrela de Belém e ao eclipse solar que estão associados com a Natividade de Cristo e a crucificação de
Andronicus Cristo. Em nossos dias, o crescente com a estrela é percebido exclusivamente como um
símbolo muçulmano. No entanto, até o final do século XVII, o crescente com a estrela adornava, por
exemplo, a torre da enorme Catedral Cristã de Santo Estêvão em Viena. O crescente foi removido da torre
(e substituído por uma cruz) apenas em 1685 [6v1], cap. 5

11
Uma estrela inscrita no crescente era a forma de uma cruz cristã, veja Figura 13.
A cruz em forma de estrela, por exemplo com 6 ou 8 pontas, era conhecida na iconografia medieval.
Essas imagens de cruzes e estrelas são visíveis nas paredes da famosa Catedral de Santa Sofia em
Kiev. Descobrimos que a cruz com o crescente nas cúpulas das catedrais russas e o crescente turco
com a estrela simbolizando uma cruz são apenas FORMAS DIFERENTES DO MESMO SÍMBOLO
CRISTÃO! O símbolo universal do Grande Império assumiu uma forma ligeiramente diferente na
Rússia e na Turquia. Quando o Império se desintegrou no século 17, a cruz cristã ficou com os
cristãos e o crescente cristão com a estrela, com os muçulmanos. A estrela cristã de seis pontas com
os judeus.

Figura 13.

Existe uma lua crescente no antigo brasão de armas russo? Por exemplo, no brasão das cidades
russas? Muitos leitores provavelmente pensam que não existia tal coisa na Rússia, pois hoje é muito
raro que tal brasão de armas possa ser visto. No entanto, abrimos uma edição fundamental [162]
dedicada aos brasões de armas das cidades russas que entraram no corpus completo das leis do
Império Russo de 1649 a 1900. No livro [162], a data em que foi instituída é indicada para cada
brasão. A maioria das datas se refere aos séculos 17 a 19, no entanto, a maioria dos brasões datam
de uma época anterior. Parece que nos antigos brasões das cidades russas havia o símbolo do
crescente com a cruz = estrela. Deve-se notar que

12
foi expresso de forma muito clara. Por exemplo, os brasões de diferentes cidades da região de
Chernigov consistem em um grande crescente com uma cruz inserida nele. Às vezes, uma estrela era
colocada perto da cruz. Existem alguns exemplos desse tipo: contamos pelo menos 29 brasões [4v1],
cap.10. As cruzes com o crescente, ou seja, o crescente com a estrela = cruz (ver Figura 13, inferior
esquerdo) são encontrados, por exemplo, no alto das cúpulas do Kremlin de Moscou. Agora fica clara
a presença de numerosos crescentes com a cruz (estrela) nas cúpulas das igrejas cristãs.

7. A águia de duas cabeças e o crescente com a estrela - cruz.

Figura 78. Um dos brasões da Ehrenpforte.


O crescente com os raios é representado conforme as asas da águia são levantadas [1067], folha 30.
13
Por que a águia de duas cabeças se tornou o símbolo do Império? Afinal, criaturas de duas cabeças ocorrem
muito raramente na natureza, exceto por uma anomalia. É claro que o símbolo da águia imperial de duas cabeças
foi determinado por alguns motivos muito distantes do estudo da natureza.

Figura 79. Um dos brasões da Ehrenpforte. A águia de duas cabeças é uma forma de crescente com a estrela, ou seja, com

a Cruz. Esta é a forma de uma cruz de 8 ou 6 pontas [1067], folha 30.

Referimo-nos às gravuras excepcionais e fascinantes de Albrecht Dürer, que incluem o famoso


Arco de Maximiliano I, conhecido como Ehrenpforte [1067]. No
Figura 78 um dos brasões da Ehrenpforte de Dürer é apresentado. É perfeitamente claro que um
crescente é representado aqui emanando raios. Ao mesmo tempo, é evidente que essas são as asas
de uma águia apontando para cima. Os raios
14
eles são as penas de um pássaro. Não há cabeça de águia aqui. Portanto, MUITO PROVÁVEL A ÁGUIA
DO BÍCEPS SIMBOLIZA A MEIA LUA COM A ESTRELA OU A CRUZ, QUE ENTÃO É A MESMA COISA,
pois a estrela era frequentemente representada na forma de uma cruz. As duas cabeças da águia olhando
em direções opostas são a forma da cruz em forma de estrela, repousando sobre as asas crescentes da
águia, veja o Figura 79 e a Figura 80. Veja [4v2], cap. 2. A águia de duas cabeças com suas asas
levantadas é uma forma de cruz cristã de 8 ou 6 pontas, também conhecida como o crescente otomano
com a estrela.

Figura 80. A águia = cruz com uma lua crescente no peito é absolutamente clara [1067], folha 31.

15
8. As inscrições árabes na parafernália russa.

Antes do final do século 16, a Rússia, o Império Otomano e a Pérsia faziam parte do único Império
da Horda. É por isso que eles certamente devem ter tradições culturais comuns, particularmente na
produção de armas e nas técnicas ornamentais. Apesar da ruptura religiosa emergente entre o
Cristianismo e o Islã no século 16, o estado e as tradições militares dos séculos 16 e 17 ainda
devem ter sido muito semelhantes.

Figura 81. O "cocar de Jericó" de propriedade do czar russo Alexei Mikhailovich, feito pelo mestre russo
Nikita Davydov. Em torno da ponta do capacete, Davydov aplicou inscrições árabes. 16
Na Rússia, as armas eram decoradas com caracteres árabes até meados do século 17 [187], p. 162
Até meados do século XVII, ou seja, já na era dos Romanov, os ARTESÃOS RUSSA certamente
ainda decoravam as armas, mesmo as reais, com INSCRIÇÕES ÁRABE. Foi apenas na segunda
metade do século 17 que eles provavelmente foram informados de que não podiam mais fazer isso.
Mais tarde, as armas russas com inscrições em árabe desapareceram. No entanto, a parafernália
real russa com inscrições árabes decoradas com ouro, diamantes e outras pedras preciosas
produzidas pelos melhores artesãos da Câmara de Arsenais foi preservada em virtude de seu valor
material, enquanto a maioria das armas "russo-árabes" eles foram transferidos para depósitos,
consulte o Apêndice 5 de [6v3]. Mas hoje, depois que tudo isso foi esquecido, algumas dessas
"armas perigosas" estão expostas em museus. Por exemplo, na Câmara de Arsenais do Kremlin. Figura
81. Porém, para ver a INSCRIÇÃO ÁRABE NELA, deve-se ter muito cuidado, pois as placas
explicativas nada dizem sobre esse tipo de gravura "imprópria" e os achados muitas vezes são
exibidos de forma que as gravuras árabes são quase imperceptíveis [4v2 ], Código postal. 1

As armas com inscrições em árabe não foram forjadas apenas na Turquia. Na Rússia cristã, até
meados do século 17, as armas eram decoradas com inscrições árabes. O sabre do príncipe Mstislav,
comandante de Ivan, o Terrível, foi decorado com aforismos em árabe [187], p.207. Um dos aforismos
diz: “Ele vos oferecerá grande proteção na batalha” [187], p.207. No sabre há também uma inscrição
em russo indicando a identidade do dono [187], p.207.

Então, por que os arsenais russos com inscrições em árabe em nossos dias são sempre atribuídos a uma
origem não russa, geralmente turca ou persa? Nos casos em que é completamente óbvio que se trata de uma
manufatura russa, acredita-se que artesãos russos inexperientes e ignorantes copiaram as maravilhosas
peças orientais e ocidentais, assim como os aprendizes. Supõe-se que eles transferiram "mecanicamente" e
sem entender seu significado algumas "belas imagens" das magníficas armas dos czares e comandantes
russos. Vestiam-se com orgulho e exibiam aqueles aforismos estranhos, incompreensíveis para eles,
acompanhados pelos sorrisos tímidos e incrédulos de árabes cultos e ainda mais cultos europeus.

Isto não é verdade, de forma alguma. Na era do século 16 e mesmo no século 17, parece que um grande
número de armamentos ordianos com gravuras árabes foram produzidos na Rus 'da Horda. Lembramos
que nos séculos 15 a 16, a Rus 'da Horda e o Império Otomano = Ataman eram um. Mais tarde, uma
parte considerável dos armamentos produzidos em Moscou, Tula, os Urais e as armas russas em geral
foram habilmente declarados "Damasco", "Oriental" e "Ocidental". Formou-se a opinião de que naquela
época os russos carregavam principalmente armas estrangeiras, uma vez que, presumivelmente, muito
poucas armas eram feitas em casa e eram de baixa qualidade, embora fosse óbvio que qualquer
potência militar lutava com armas

17
caseiro. Dito isso, esqueceram que a Damasco medieval era TMosca, ou seja, o nome Moscou
com o artigo definido T (indicando respeito).

Na Rússia, armas com inscrições LATIN foram feitas, ou pelo menos letras latinas foram usadas.
Como, por exemplo, o precioso sabre de aço de Damasco feito pelo artesão russo Ilya Prosvit em
1618 [187], pp. 56-157.

Figura 82. Capacete russo. Acima está uma amazona com um sabre.

As amazonas eram anteriormente chamadas de cossacos da Horda Russa [4v2], cap. 1

18
Figura 82a. Amazon em um capacete russo. Museu Alexandrovskaya Sloboda.

Os historiadores nos asseguram que as inscrições árabes estão presentes em antigas armas russas
apenas porque foram apresentadas como presentes aos czares e guerreiros russos, por alguns
estrangeiros que escreveram em árabe. Esta explicação está incorreta. Além disso, parece que foram
os czares russos que se apresentaram aos estrangeiros, dando-lhes armamentos decorados com
inscrições árabes [4v2], cap. 1

19
Tudo o que foi dito sobre as inscrições em árabe nas armas russas não se refere apenas à Câmara de
Arsenais do Kremlin. Por exemplo, no museu de Alexandrovskaya Sloboda (a moderna cidade de
Alexandrov) na torre do sino da igreja Raspyatskaya (a crucificação), a armadura de um guerreiro russo é
exibida: cota de malha, escudo, capacete, veja o Figura 82. A placa do museu informa que se trata de uma
armadura russa. Na verdade, todo o capacete é coberto com representações de animais exóticos, cavaleiros
e pássaros feitos em estilo russo, que lembram as famosas esculturas nas paredes das catedrais de pedra
branca de Vladimir e Suzdal Rus '. A proteção nasal do capacete termina acima com uma cruz de 4 pontas.
Tudo isso indica de forma inequívoca a origem russa do capacete. Ao mesmo tempo, há uma escrita ampla
e clara em árabe em torno dele. Ao lado do capacete está o escudo. Novamente, há uma grande inscrição
em árabe ao longo da borda do escudo [4v2], cap. 1. E este é um escudo russo!

O mesmo tipo de coisa pode ser encontrado no museu da reserva de Moscou Kolomenskoe. Dois antigos
capacetes militares russos [4v2], cap. 1. Ambos têm inscrições em árabe e somente em árabe! E assim por
diante.

Assim, as inscrições sobreviveram em armas medievais russas que hoje são percebidas como
árabes. Se você prestar atenção a eles pelo menos uma vez, começará imediatamente a se deparar
com tais exemplos. Esse fato surpreendente não se encaixa na versão tradicional da história de
Romanov. Este fato por si só é suficiente para entender que a história da Rússia na era
pré-Romanov era completamente diferente de como é apresentada a nós hoje.

9. Mesmo no século 17, os textos russos às vezes eram


escritos com letras árabes.

Na Rússia do século 17, uma variedade de alfabetos ainda era usada para escrever textos. O exemplo
perfeito são as notas de viagem “escritas por Paulo de Aleppo” (Paulo, o arquidiácono de Aleppo), o
talentoso escritor eclesiástico de meados do século 17 que acompanhou seu pai, o Patriarca Macário III
de Antioquia em todos os lugares. Em 1656 o patriarca visitou a Rússia pela primeira vez e foi a Moscou
... A convite do czar Alexey Mikhailovich, o primaz da igreja de Antioquia visitou o mosteiro
Savvino-Storozhevsky [422], p.94.

Ao acompanhar o patriarca, Paolo d'Aleppo fazia anotações muito detalhadas, uma espécie de
diário de viagem. Pode ser que essas fossem as regras do Patriarcado da época. Suas notas
sobreviveram até os dias de hoje e são consideradas evidências extraordinariamente valiosas da
época de Alexey Mikhailovich [422].

A questão é: em que idioma o texto foi escrito? Para nossos contemporâneos que cresceram na
história de Scaliger e dos Romanov, a resposta parece óbvia. Devo
20
suponha que o cristão ortodoxo Paulo de Aleppo, filho do patriarca cristão ortodoxo de Antioquia
que chegou à Rússia cristã ortodoxa para visitar o czar cristão ortodoxo Alexey Mikhailovich,
escreveu sua história em russo ou grego. Pelo menos em latim, o que certamente soaria muito
estranho. Seja como for, parece que as HISTÓRIAS FORAM ESCRITAS NO ÁRABE [422],

p.95.

Seguindo em frente, torna-se ainda mais intrigante. O autor ortodoxo do século XVII alternava
livremente entre o árabe e o russo, enquanto escrevia um TEXTO RUSSO COM LETRAS ÁRABES
[422], p.98-99. Portanto, torna-se inesperadamente claro que na época de Alexey Mikhailovich UM
TEXTO PODIA FACILMENTE SER ESCRITO EM RUSSO, NO ENTANTO USANDO AS LETRAS
ÁRABE.

O próprio fato de os relatos de Paulo sobre Aleppo, escritos em árabe e russo e usando letras árabes,
terem sobrevivido, significa que foram cuidadosamente preservados como um importante documento
oficial.

Hoje, entretanto, temos a certeza de que a redação desses documentos em árabe certamente indica
sua origem muçulmana. Ao mesmo tempo, o Patriarcado de Antioquia era considerado um dos
centros mais importantes da Igreja Ortodoxa. Podemos ver que no século XVII a imagem era
diferente da forma como nos é apresentada hoje [4v2], cap. 1

Outro exemplo é a famosa escrita A viagem pelos três mares (Khozheniye za tri
morya) por Afanasy Nikitin. O texto foi escrito por um cristão ortodoxo e foi escrito principalmente em
russo. No entanto, de vez em quando, Afanasy Nikitin muda livre e fluentemente o idioma para turco
e até árabe. Então, sempre sem problemas, ele retorna ao idioma russo [4v2], cap. 1. É óbvio que
ele e seus leitores conhecem várias línguas. Mas isso não é o principal. O principal é que Afanasy
Nikitin usa a língua turca e árabe para as ORAÇÕES CRISTAS ORTODOXAS DA RÚSSIA! Ou, se
você preferir, para orações Cristãs Ortodoxas Islâmicas, por mais estranha que esta combinação de
palavras possa soar hoje.

10. Moedas russas bilíngues.

Aparentemente, na "cabeça" (das moedas russas do século 14 - o autor) havia SEMPRE UMA CÓPIA DE
UMA MOEDA DE TATARA ... Enquanto no verso havia SEMPRE uma inscrição com o "selo do Grande
Príncipe "Ou" o selo do Príncipe "e a imagem da própria cera de lacre. Talvez, logo depois eles
começaram a adicionar o nome do Grande Príncipe ... Portanto, é necessário concluir que TODAS AS
PRIMEIRAS MOEDAS RUSSA TIVERAM ACIMA DE DOIS NOMES [309], P.33.

21
Os historiadores da numismática chamam essas moedas de "nome duplo". Ou seja, de um lado havia o nome
de um cã tártaro e, do outro, o de um príncipe russo. No entanto, é verdade que, presumivelmente devido ao
seu analfabetismo, os coiners russos costumavam escrever o nome de um cã errado [309], p.33.

Nossa explicação é simples. Essas moedas não têm nome duplo, mas são bilíngues. Isso significa
que a moeda estava estampada com o nome de um governante, que era ao mesmo tempo cã e
grande príncipe, e que esse nome estava escrito em duas línguas: russo e tártaro.

11. O colapso do Império da Horda.

O conflito de 1610-1613 durou três anos. A mudança de dinastia ocorreu. Mikhail Romanov ascendeu
ao trono de 1613-1645. O próprio nome da nova dinastia, Romanov, provavelmente naquela ocasião
significava NOVA ROMA. É provável que os novos governantes tentassem enfatizar a diferença da
VELHA ROMA, ou seja, o Império da Rus 'da Horda dos séculos XIV-XVI.

Na Europa Ocidental, os ex-governantes "mongóis" que se separaram da metrópole travaram uma


batalha feroz por terras e dominação. As guerras que hoje são conhecidas como "guerras da
Reforma" começaram. Durante esta época, em vez do ponto de vista anterior: "Todas as terras de
um império pertencem ao czar-khan e só ele pode dividi-las", nasceu a nova ideologia da divisão:
"Este é o nosso território, aqui somos os senhores e não recebemos ordens de ninguém "; “Somos
melhores que os outros”; “Nós vivemos aqui antes de você, então nos devolva essas terras”;
"Nossos sucessos são melhores que os seus (nossos navios são melhores que os seus, nossa
ciência é melhor que a sua ...)"; “Somos intelectuais, vocês são ignorantes”, etc ... Principe atribuído
a Maquiavel. A frenética e louca divisão dos territórios que pertenceram ao Grande Império durou
décadas. Rios de sangue foram derramados. Hoje, o verdadeiro motivo do conflito e da divisão foi
esquecido. Os historiadores minimizaram toda a questão, apresentando-a como alegados
desacordos religiosos.

A rede de fortificações "mongóis", que por muito tempo proporcionou estabilidade e ordem ao Império, foi
destruída. Em primeiro lugar, os reformadores desferiram o golpe nos castelos cátaros = citas da Europa
Ocidental e nas fortificações dos cruzados do Oriente Médio: na Síria, etc ... Eles preferiram destruir as
poderosas fortificações militares nas províncias imperiais fervilhando de revolta, temendo que em poucos
dias eles podem cair nas mãos dos inimigos. Os poderosos castelos da Horda foram explodidos com
pólvora.

22
12. A aniquilação dos cátaros citas.

A luta da Reforma do século 16 ao 17 com os fragmentos do Império da Horda é bem ilustrada pela
aniquilação dos cátaros na França. A história dos cátaros é um dos capítulos mais deslumbrantes e
misteriosos da Idade Média. Supõe-se que nos séculos 10 a 11, um novo movimento cristão surgiu na
Europa Ocidental e especialmente na França, cujos partidários ficaram conhecidos como os cátaros e os
albigenses (ou albigeois). Pensa-se que a religião dos cátaros era cristã [6.2], cap. 1. No entanto, diferia do
Cristianismo Ortodoxo e do Catolicismo de hoje em detalhes. Ela foi declarada herege.

É amplamente aceito que a heresia cátara se espalhou amplamente e encontrou oposição da Igreja
Católica. Na primeira metade do suposto século 13, as cruzadas contra os cátaros foram organizadas.
Eles lutaram com dentes e garras, mas foram derrotados e suas poderosas fortalezas foram
destruídas. Presume-se que saíram de cena a partir do século XIV. No entanto, ainda hoje o sul da
França é chamado de "Terra dos Cátaros". Embora muito pouco tenha sobrado, o que resta é muito
impressionante. Primeiro, as poderosas fortalezas-castelos nas cidades, no alto das montanhas e nas
falésias, para controlar o comércio e as rotas militares. Essas magníficas fortificações receberam o
nome de "Castelli Catari".

Como mostramos em [6v2], cap. 1, os cátaros são os citas do rio Volga que chegaram à França no
século 14 vindos da Rus 'da Horda durante a conquista "Mongol". Eles se estabeleceram aqui e,
como colonizadores, criaram a classe dominante. Sua religião era cristã.

Na era do século 14 ao 16, após terem se misturado parcialmente à população local, os cátaros = citas
criaram uma cultura única, construíram cidades, catedrais e fortalezas, algumas das quais ainda são
chamadas cátaras. No final do século 16 e no início do século 17, durante o levante da Reforma na Europa
Ocidental, os cátaros-citas foram derrotados após uma guerra extenuante.

Posteriormente, sua história foi "transportada" do século XIV-XVI para o século XI-XIII. Além disso, foi
declarado que as catedrais cátaras = góticas citas do século 13, ou seja, desde o início de sua
construção, eram "puramente católicas", no sentido reformista da palavra. Isso foi uma falsificação. A
religião cristã ortodoxa búlgara = do Volga dos cátaros = citas, foi proclamada "herege".

Os eventos dramáticos na história dos cátaros = citas também apareceram nas páginas da Bíblia. Por
exemplo, a história do conde Simon (Osman) de Montfort, (conde de Leicester, também conhecido como "o
velho" Pirro) sob o nome de ABIMELECH, é brevemente descrita no Livro dos Juízes do Antigo Testamento,
cap. 9. Os vários autores "antigos" do século 16 ao 17 também falaram disso, como Plutarco = Petrarca [6v2],
cap.1.

Algumas províncias do Império resistiram à divisão e tentaram restaurar a unidade anterior. A


Sibéria, o Extremo Oriente e parte da América do Norte foram governados pela Horda até meados
do século XVIII. No Ocidente, o clima imperial

23
o conservador era particularmente forte na Espanha e na Inglaterra. No leste e no sul, onde não
houve rebelião, as antigas regiões imperiais assumiram uma posição antagônica em relação ao
Ocidente e aos Romanov pró-Ocidente. Queremos dizer Sibéria, Extremo Oriente, América, China,
Japão, Turquia, Egito, Irã e Hindustão.

13. Os rebeldes tentaram impedir a ressurreição do império.

Com o objetivo de estabelecer seus direitos sobre o território que conquistaram e dividiram entre si, os
rebeldes usurpadores na Europa e os Romanov na Rússia reescreveram a história. O Grande Império foi
varrido das páginas das crônicas. A cronologia alterada de Scaliger foi criada tornando artificialmente
mais antigas as datas de um grande número de eventos. Giuseppe Scaligero (1540-1609) e Dionigi
Petavio (1583-1652) são considerados seus criadores, embora não seja muito claro se foram realmente
os autores das obras que lhes foram atribuídas ou se seus nomes foram astutamente usados. Ao criar
uma versão ad hoc da história, as novas autoridades tentaram provar suas alegadas "origens antigas" e
seus alegados direitos hereditários ao trono. Sobre as cinzas do Império, no século 17 na França,
Alemanha, Itália, Inglaterra, etc ... numerosas novas coroas foram nomeadas, que foram declaradas
"independentes desde tempos imemoriais". Eles estavam em conflito há muito tempo.

A teoria das línguas indo-europeias originárias da distante Índia ocupa um lugar importante na história
scaligeriana. A Índia foi percebida em um sentido moderno, como o país localizado na península do
Hindustão (o subcontinente indiano). Acredita-se que as protolínguas se originaram aqui e se espalharam
por muitos países. Não vemos razão para objetar, exceto uma. Onde estava realmente localizada a "Índia
antiga" de onde vieram as línguas indo-europeias? E em que período? De acordo com nossos resultados,
é a Rus 'da Horda do século XIV-XVI.

Os reformistas inventaram e introduziram rápida e vigorosamente as novas línguas baseadas no antigo


eslavo eclesiástico do estado imperial e nos dialetos locais, nas províncias que conquistaram sua
independência. Por exemplo, francês, alemão, espanhol, inglês e também latim "antigo" e grego "antigo".
Isso permitiu que os rebeldes construíssem barreiras linguísticas entre as populações dos estados
recém-formados. Seu propósito era claro: destruir a unidade entre as nações do Império. Diante das novas
barreiras religiosas e linguísticas, antigos laços começaram a se desfazer. Na Bíblia, tudo é descrito como
"a confusão de línguas" seguida pelo "pandemônio de Babel". A invenção das novas linguagens permitiu
aos reformistas acelerar o processo de lançar no esquecimento a memória do Grande Império para evitar
sua restauração. Mas como essas novas línguas inevitavelmente incorporaram uma camada significativa
da antiga língua eslava do estado imperial, numerosos vestígios de suas origens ainda podem ser
encontrados hoje [7v2].

24
O processo de dissimilação das línguas também foi estimulado pelas atividades do Estado. Os governadores
imperiais recém-instalados começaram a introduzir alfabetos em seus territórios, mudando a gramática,
inventando novos caracteres e sinais vocálicos e novas regras de leitura. Por exemplo, em alguns lugares foi
introduzida a forma de ler as palavras "diferente de como foram escritas". Um ótimo exemplo é o francês.
Digamos que se escreva Foix, o nome de uma cidade cátara não muito longe de Toulouse: pronuncia-se Fuà.
Eles tentaram se distanciar da língua e da escrita eslavas o mais rápido possível.

Nas escolas, eles introduziram o estudo de línguas recém-inventadas; então, em uma ou duas gerações, a
antiga linguagem e a velha escrita foram esquecidas pela maioria da população. Os livros antigos escritos
na língua eslava com os personagens antigos tornaram-se incompreensíveis. Como eles não foram mais
reimpressos, eles se tornaram gradualmente obsoletos. No Ocidente, as coisas aconteceram de maneira
particularmente rápida, pois esse processo foi levado ao nível do programa nacional. o Índice de livros
proibidos. A história, os livros e os escritos do passado foram lançados no fogo junto com os "hereges".

Do final do século 16 ao início do século 17, o cristianismo previamente unido começou a se dividir em vários ramos, inclusive por
meio dos esforços dos reformistas. Com o tempo, religiões separadas foram formadas: Cristianismo Ortodoxo, Catolicismo,
Protestantismo, Islamismo, Judaísmo, Budismo, etc ... A unidade anterior foi esquecida e em alguns casos deu lugar a rixas. Foi
uma prática bastante conveniente para os usurpadores que chegaram ao poder. Para manter os tronos locais recém-criados e ainda
instáveis, eles tentaram dividir a população do império anteriormente unido em grupos antagônicos. Os súditos enganavam-se
apontando para os povos vizinhos e dizendo que: "Sempre fomos diferentes", "Sempre falamos línguas diferentes", "Sempre
tivemos uma fé diferente", "Nunca nos casamos com os gentios", "Nunca tomamos como esposa alguém que pertencesse a uma
religião diferente." Isso tudo era falso. Nos séculos XVII-XVIII, em lugar da antiga ideia imperial do mundo unido sob um poder
supremo e com poder limitado nas províncias (um poder local), um novo princípio foi introduzido: em meu estado eu governo como
quero. Em contraste, no tempo do Império sempre havia a possibilidade de que o supremo czar-khan chegasse e que os
governantes tivessem que responder por seus atos. Isso impediu as ações arbitrárias das autoridades locais nas províncias que não
estavam muito familiarizadas com alguns funcionários imperiais. Assim foram criadas as razões para a Reforma. Nos séculos
XVII-XVIII, em lugar da antiga ideia imperial do mundo unido sob um poder supremo e com poder limitado nas províncias (um poder
local), um novo princípio foi introduzido: em meu estado eu governo como quero. Em contraste, na época do Império sempre havia a
possibilidade de que o supremo czar-cã chegasse e que os governadores tivessem que responder por seus atos. Isso travou as
ações arbitrárias das autoridades locais nas províncias que não estavam muito familiarizadas com alguns funcionários imperiais.
Assim foram criadas as razões para a Reforma. Nos séculos XVII-XVIII, em lugar da antiga ideia imperial do mundo unido sob um
poder supremo e com poder limitado nas províncias (um poder local), um novo princípio foi introduzido: em meu estado eu governo
como quero. Em contraste, na época do Império sempre havia a possibilidade de que o supremo czar-cã chegasse e que os governadores tivessem que

14. Como os Romanovs destruíram a história da Horda?

A Catedral do Arcanjo no Kremlin de Moscou poderia ter nos contado muito sobre a velha história
russa, já que foi declarada a cripta oficial dos Grandes Príncipes e Czares Russos, incluindo os
primeiros Romanov. Hoje existem cerca de 50 tumbas
25
na catedral. Pensa-se que todos os Grão-Duques de Moscou foram enterrados aqui, começando por Ivan Kalita.

No entanto, as tumbas que podem ser vistas hoje na catedral são as lápides de tijolo feitas no século XVII
sob os primeiros Romanovs [552], p.24, ou seja, na época em que os afrescos antigos foram removidos das
paredes e abóbadas da catedral, e os novos foram pintados para substituí-los. Pensa-se que os
“sepultamentos foram feitos em sarcófagos de pedra branca, que foram baixados do chão ao subsolo. Na
primeira metade do século 17, lápides de tijolo com lajes de pedra branca adornadas com inscrições eslavas
foram erguidas nos locais de sepultamento. No início do século XX as lápides eram colocadas em caixas de
bronze polido ”[552], pp. 25-26.

Portanto, as velhas lápides sob as quais deveria estar o baú do falecido foram cobertas por tijolos!
Ao mesmo tempo, eles nos asseguram que as inscrições nas lajes antigas foram reproduzidas no
mesmo nível das lápides de tijolo feitas pelos Romanov. Infelizmente, isso é muito difícil de
verificar. Para isso, seria necessário desmontar as enormes construções modernas. É natural
questionar a autenticidade desses “túmulos reais”, depois dos fatos que aprendemos sobre a
destruição bárbara dos afrescos da catedral pelos Romanov [4v2], cap. 2

Hoje, sob a Catedral do Arcanjo, estão também os sarcófagos das rainhas russas (as czarinas) que foram
transferidas para cá no século 20 do cemitério do Kremlin, que foi destruído para construir edifícios
modernos. No entanto, como mostramos em [4v2] ch. 2, em meados do século XVII, os Romanovs
usavam os túmulos anônimos das freiras ou removiam os nomes de alguns outros túmulos e depois os
passavam pelos "túmulos dos czarinos russos". Eles queriam estabelecer algumas "evidências materiais"
para apoiar sua falsa versão da história. Os verdadeiros cemitérios das rainhas da Rus 'da Horda
provavelmente foram destruídos. Como se os túmulos estivessem localizados no território de Moscou e
não no cemitério real do Egito. No entanto, os Romanovs tiveram que produzir algo para "provar" como
prova de quadro da história russa que pintaram. E foi no século 17 que historiadores e arqueólogos
Romanov ficaram "felizes em descobrir" as tumbas supostamente autênticas de Yaroslav, o Sábio
(Mudry), São Vladimir (Svyatoy) etc ... Além disso, naquela época, seus colegas de Moscou eles estavam
trabalhando duro na criação de uma “necrópole real dos séculos 11 a 16” a ser apresentada na Catedral
do Arcanjo do Kremlin de Moscou.

Mais especificamente, depois de receber a ordem de cima, eles rapidamente começaram a produzir os
"antigos túmulos reais". Deve ser dito, eles fizeram isso de forma bastante desajeitada. Parece que eles
simplesmente foram ao cemitério do mosteiro e decidiram fazer dele o suposto cemitério das "rainhas
pré-Romanov". As lápides com os nomes das freiras foram jogadas fora e as novas com os "nomes
apropriados" foram colocadas em seu lugar. Em seguida, eles enterraram um velho caixão sob cada
lápide. Mas como os caixões foram enterrados, os oficiais encarregados que realizavam essa tarefa não
se preocuparam muito em escrever os nomes. Valeu a pena o esforço se tudo fosse imediatamente
enterrado no subsolo ?! Em alguns casos sim

26
eles se esqueceram completamente de escrever qualquer coisa no túmulo. Em dois casos, talvez por
descuido, eles deixaram os nomes das freiras riscados com um prego nos velhos caixões. Portanto, essa foi a
ousadia com a qual a falsa "necrópole da rainha" foi criada no Kremlin de Moscou. Repetimos que não havia
necrópole em Moscou na era pré-Romanov. Os czares e czarinos da Horda Rus 'do século 14 ao 16 foram
transportados para o Egito para serem enterrados no cemitério imperial.

Os menos ilustres foram enterrados na Rússia. No entanto, após chegar ao poder, os Romanovs fizeram
o possível para destruir todos os antigos sarcófagos que poderiam ter revelado a verdadeira história da
Horda Rus 'pré-Romanov. O que somos hoje apresentados como "antiguidades" são as réplicas
modernas dos Romanov ou os caixões pobres das pessoas comuns, apresentados pelos historiadores
Romanov como os "cemitérios reais".

Além disso, os Romanov começaram a usar as antigas tumbas russas de pedra branca como materiais
de construção [62], p.297; [4v2], cap. 2. Esta foi uma manifestação clara da atitude dos Romanov em
relação à história russa. No dia a dia, é difícil para os construtores irem a um cemitério em busca de
materiais de construção e retirar as lápides com o objetivo de usá-las para construir um prédio de
apartamentos. Você moraria em um prédio assim? Essas ações sempre foram consideradas um insulto à
memória do falecido. Às vezes aconteceu, mas com precisão e clareza por falta de respeito para com
aqueles que foram enterrados sob aquelas lápides. Isso é o que as ações dos Romanov demonstram
amplamente.

Aparentemente, entre 1632 e 1636 NA RÚSSIA ALTERAÇÕES REALIZADAS NO MÉTODO DE


ENTERRO, pelo menos no que diz respeito aos sepultamentos reais. Antes de 1632, os primeiros
Romanov ainda enterravam suas rainhas de acordo com a antiga tradição da Rus 'da Horda. Mas então,
como mostramos em [4v2] cap. 2, os Romanov mudaram o tipo de sepultamento. A partir de 1636, eles
começaram a enterrar de uma maneira diferente. Então, inesperadamente nos deparamos com um
assunto sério. A mudança no tipo de sepultamento é uma importante reforma religioso-social. Significa o
ponto de viragem fundamental na vida da sociedade russa em meados do século XVII.
Surpreendentemente, nada é dito sobre este grande acontecimento na história da Rússia.

Assim, ainda nos deparamos com a mesma fronteira: o século XVII que separa a história falsificada
da mais ou menos exata. É extremamente difícil superar a barreira do século XVII: pouquíssimas
evidências arqueológicas e documentos escritos anteriores ao século XVII sobreviveram. Nas
colônias do Grande Império e na Europa Ocidental, até mesmo catedrais e edifícios imperiais foram
totalmente destruídos. No entanto, os reformadores ocidentais que chegaram ao poder decidiram
preservar o estilo arquitetônico gótico dos templos "mongóis" para seus novos edifícios, obviamente
depois de declará-lo antigo, exclusivamente eles e tipicamente europeu ocidental [4v2], cap. 2: 47.
A onda chocante de reconstruções históricas com a total "eliminação de todos os vestígios" varreu
o todo

27
Rússia ocupada no século XVII. Não só mudou o estilo arquitetônico, mas também a própria natureza dos
túmulos.

15. Por que o nome “Novgorod” foi tirado de Yaroslavl e movido para o
noroeste em direção ao Lago Ilmen?

Como já dissemos, o Veliky Novgorod das crônicas é o Yaroslavl do Volga. Para ser mais preciso,
era o nome de toda a região, incluindo várias cidades, principalmente Rostov e Suzdal. No entanto,
no século 17 o nome "Novgorod" foi removido de Yaroslavl e dado a uma pequena cidade, um antigo
distrito da cidade, um pequeno forte no noroeste da Rússia perto do Lago Ilmen, na foz do rio
chamado VOLKHOV. Por que foi para aqui que o famoso nome Novgorod foi movido, junto com o
nome VOLGA, em papel e em mapas? É absolutamente óbvio que VOLKHOV é uma versão
ligeiramente distorcida do nome VOLGA.

As respostas podem ser diferentes. No entanto, há um que parece digno de consideração séria.
Voltemos aos antigos mapas de Moscou desenhados por cartógrafos e viajantes ocidentais dos
séculos 16 a 17. Surge um fato curioso. O norte do rio Dvina e seus arredores foram descritos com
precisão nos mapas [TsRIM], cap. 1. É claro que os cartógrafos ocidentais conheciam aquelas
regiões, onde os mercadores e navios mercantes ocidentais chegavam muito facilmente pela rota
marítima do norte. Eles subiram o rio Dvina e outros rios daquela região e, por fim, chegaram a
Yaroslavl, o principal centro daquela época.

No entanto, os cartógrafos ocidentais tinham consideravelmente menos conhecimento de Vladimir e Suzdal


Rus ', os subúrbios de Moscou e os territórios ao sul e a oeste de Yaroslavl. Eles até tiveram dificuldades
com Moscou, a capital da Rússia no século 16! Por exemplo, naquele mesmo mapa de S. Herberstein do
alegado 1546, a cidade de Moscou não foi indicada de forma alguma. Apenas o nome da terra foi escrito,
MOSCOWIA [TsRIM], cap. 1. Uma cidade foi desenhada perto do rio Moscou, mas sem um nome. No
entanto, as outras cidades foram indicadas e nomeadas.

Isso mostra que os cartógrafos ocidentais do século 16 estavam confusos sobre a localização de
Moscou, a capital da Rússia. Eles sabiam aproximadamente que estava localizado "em algum lugar lá,
muito longe", mas tiveram dificuldade em dizer exatamente onde. É por isso que escreveram o nome
"Moscowia" em todo o país. Nesse território, eles tentaram representar uma cidade, embora não
soubessem exatamente onde ela estava. A mesma história aconteceu com Vladimir, outra antiga
capital da Rus 'da Horda.

Muito provavelmente, no século 14-16, as autoridades da Rus 'da Horda não permitiram que
estrangeiros entrassem no país além de Yaroslavl e das cidades
28
navios mercantes ao longo do rio Volga. A Horda agiu de maneira compreensível. Você está convidado a vir
e negociar, mas a entrada na terra onde o quartel-general do czar está localizado é proibida e severamente
restrita, pois as regiões ao sul e oeste de Yaroslavl faziam parte de Vladimir Rus e Suzdal, o metrópole do
Império. Essas terras eram rigorosamente guardadas.

É por isso que os cartógrafos ocidentais só podiam usar algumas histórias vagas sobre quais cidades, rios e
lagos estavam localizados na vasta metrópole do Império inacessível a eles. Obviamente, desenhar um
mapa com base em apenas algumas conversas não foi fácil. Assim, nos mapas de S. Herberstein e outros
cartógrafos, a Rus 'de Vladimir e Suzdal foi provavelmente desenhada na tranquilidade de algum escritório
europeu, com base apenas em recortes e informações aleatórias.

Figura 83. O rio Mologa desenhado incorretamente no mapa Herberstein [754: 0], mapa 17.

Voltemos ao “problema de Novgorod”. Vamos olhar o mapa de S. Herberstein, ver o Figura 83. Podemos
ver que o Rio Mologa é mostrado ERRADO. Em vez de ser "circular", os europeus ocidentais
retrataram o rio como praticamente uma linha reta começando não muito longe do lago Ilmen e
fluindo direto para o rio Volga. Este é um grande erro. Na realidade, o Mologa forma um círculo que
começa na Rus 'de Vladimir e Suzdal e deságua no rio Volga um pouco acima de Yaroslavl
[TsRIM], cap. 1. Ao mesmo tempo, S. Herberstein afirmou corretamente que O RIO MOLOGA
“FLUIU NAS TERRAS DE VELIKIJ NOVGOROD” [161], p.153.

É por isso que os mercadores e viajantes ocidentais que chegavam ao Volga, na foz do Mologa, perto
de Kholopij Gorod (a Cidade dos Servos), perceberam que subindo o rio Mologa logo se encontrariam
nos bairros do czar de Veliky Novgorod. Novgorod não era apenas outra cidade, mas toda uma região
cheia de cidades. É por isso que se você subisse o rio Mologa, inicialmente teria que se mover em
direção
29
NOROESTE. Porém, mais tarde, depois de ter subido ainda mais o Mologa, foi necessário virar para o sul ou
mesmo para o leste, e consequentemente o navio voltou para Yaroslavl, ou seja, nas terras de Novgorod.

Conseqüentemente, os ocidentais informaram CORRETAMENTE seus cartógrafos, dizendo que o


quartel-general do czar em Veliky Novgorod estava localizado a montante do rio Mologa. A única
coisa que faltou fazer era desenhar este rio no mapa. Foi aqui que os cartógrafos encontraram
dificuldades. Eles sabiam com certeza que subindo o Mologa do Volga, o navio iria inicialmente
para o NORTE-OESTE, mas eles não tinham ideia de como o rio se comportaria depois. Eles não
poderiam ir tão longe. Assim, os cartógrafos simplesmente decidiram CONTINUAR A LINHA DO
RIO RETO NOROESTE, exatamente como está desenhado no mapa de Herberstein. Depois de
cometer esse grande erro, os cartógrafos "estenderam" o rio Mologa até o lago Ilmen e
erroneamente decidiram que a fonte do Mologa estava lá. Depois disso, O VELIKIJ NOVGOROD
do czar, “na nascente do rio Mologa”, DESENHADO COM CONFIANÇA NESTE PONTO. Assim, o
verdadeiro Novgorod das crônicas foi "jogado" bem para o noroeste.

A dinastia Romanov não era pró-ocidental apenas por causa de seu sangue, mas também por causa de seu
espírito original. É por isso que as crônicas e mapas ocidentais, que substituíram os destruídos ou
modificados do Império "Mongol", forneceram a base para a geografia e a história dos Romanov. Como
podemos ver nos mapas ocidentais, Veliky Novgorod foi desenhado por engano perto do Lago Ilmen. Para os
historiadores dos Romanov, não havia mais nada a fazer a não ser colocar aqui "no território" os nomes
geográficos contendo a palavra Novgorod que eles liam nas crônicas russas. Em particular, com "Veliky
Novgorod", eles chamaram um bairro decadente com uma prisão. Era um lugar isolado, com um pântano
desolado, cheio de lobos, sapos, cobras e mosquitos. Uma vez firmemente estabelecido, o o erro adquiriu um
aspecto autoritário e cresceu com as outras distorções. No século 20, arqueólogos de Moscou chegaram aqui
para "confirmar ainda melhor as crônicas". Para ver o resultado dessas “atividades”, consulte [4v1], capítulo
2: 11-12.

16. Os brasões de armas do Império da Horda de Rus


do século XVI.

O brasão do Império Russo mudou com o tempo. É interessante ver como era nos séculos
XVI-XVII, na época do Império da Horda e imediatamente após sua divisão no século XVII. De
acordo com [162], quatro antigas representações do emblema imperial do século 16 ao 17
sobreviveram. [4v2], cap. 2. A saber:

30
1) O selo estadual do Czar Ivan, o Terrível (Ioann Grozny). Ao redor da águia de duas cabeças
na frente do selo estão 12 brasões [162], p. VIII e [568], p.161. Veja o Figura 84 e a Figura
85.

2) A representação do brasão de armas no trono de Mikhail Fedorovich.

3) O brasão na bandeja de prata do czar Aleksey Mikhailovich.

4) A representação do brasão do Império do diário Korb (Joanne Georgij Korb DNEVNIK


PUTESHESTVIYA V MOSKOVIYU - O diário da viagem a Moscou [ Rússia] -1698 e 1699) que em
1698-1699 acompanhou o embaixador austríaco dos Habsburgos enviado a Moscou. Os 32
brasões do reinado do czar já estão representados aqui, excluindo o brasão de Moscou, veja Figura
86.

Figura 84. O Grande Selo do Czar Russo do Século XVI [568], p.160; [162], pág. VIII, fig.23.

31
Figura 85. O reverso do selo do czar russo, o Terrível [568], p.163.

Vamos dar uma olhada no brasão de armas nacional do Império da Horda do século 16, veja o Figura 84. É
considerado o primeiro dos quatro mencionados anteriormente. Os 12 reinos-regiões que circundam a águia de
duas cabeças no brasão são muito intrigantes. Eles estão listados na inscrição [161], p. VIII:

“O Grande Czar e Grande Príncipe de toda a Rússia Ivan Vasilyevich, Czar de Vladimir, Grande
Príncipe de Moscou e Novgorod; o czar de Kazan; o czar de Astrakhan; o governante de Pskov; o
Grande Príncipe de Smolensk; o Grande Príncipe de Tver; o Grande Príncipe de Ugra, o Grande
Príncipe de Perm, o Grande Príncipe de Viatka, o Grande Príncipe da Bulgária e outros territórios, o
Soberano e Grande Príncipe de Novai Gorod (a Cidade Nova) de Nizovsky Zemli (as Terras de
Nizovsky) ; o Soberano e Grande Príncipe de Chernigov ”.

Descobrimos que todo o império era formado por 12 reinos-regiões, que se refletiam na Bíblia
como as 12 tribos de Israel [6]. Foram as 12 tribos israelitas que

32
eles partiram para conquistar a "Terra Prometida". Como mostramos em [6v1], cap. 5, ocorreu no
século XV. Essas 12 tribos eram originárias da Rússia e do Império Otomano e se estabeleceram
em todo o mundo, ou seja, no sul e oeste da Europa, África, Ásia e América.

Figura 86. O brasão de armas do Império Russo no final do século 17 [162], p. XI, VI-VII.

33
Entre os 12 reinos-regiões também estavam os indígenas da Rus 'da Horda. Por exemplo, Veliky Novgorod,
que no brasão de armas está corretamente associado a Moscou e Vladimir. Ou o reino de Kazan, o reino de
Astrakhan, o grão-ducado de Smolensk, etc ...

Surge uma questão interessante. Não deveriam os territórios da Europa Ocidental e do Sul, e
aqueles de Constantinopla conquistados pelos Otomanos, também ser incluídos no Império
"Mongol"? Ou seja, Ásia Menor, Egito e outros países vizinhos. Onde eles estão na crista do
Império Horda Rus do século 16? Será que nos deparamos com uma contradição? Não, sem
medo. Tudo está bem.

17. Os doze reinos tribais no brasão de armas russo do século XVI


no mapa da Europa.

Em [4v2], cap. 2, pudemos determinar quais territórios do Império correspondiam aos emblemas
indicados no selo estadual do século XVI. Marcamos no mapa da Europa os locais onde se
localizavam as capitais dos 12 reinos-regiões indicados na frente do selo, veja o Figura 87. Os
pontos e as figuras em negrito representam os 12 reinos tribais posicionados ao redor da águia de
duas cabeças.

1) Veliky Novgorod, incluindo Vladimir e Moscou, a saber Vladimir Rus 'e Suzdal.

2) O reino de Kazan
3) O reinado de Astrakhan.
4) A república de Pskov = Prússia, centro e norte da Alemanha.
5) O grande principado de Smolensk.
6) O principado do Grande Perm = o principado de Tibério com sua capital no Czar Grad no
Bósforo.
7) O grande principado de Ugra = Hungria
8) O Principado do Grande Perm = Alemanha - Áustria.
9) O grande principado de Viatka = Espanha - Vaticano.
10) O grande principado da Bulgária.
11) O grande principado de Nizovye = o principado de Nizhegorodskoye.
12) O grande principado de Chernigov.

No Figura 87 você pode ver que esses reinos tribais bíblicos são organizados em grupos, com exceção das duas
últimas tribos adicionadas ao brasão após as palavras "e os outros territórios".

1º grupo: são os reinos ao longo do rio Volga: Veliky Novgorod, Kazan, Astrakhan.

34
O segundo grupo é a Rússia Ocidental: Pskov ou Pleskov = Prússia, Smolensk = Rússia Branca (Belya Rus) ou
Rússia Azul (Rus Azul).

3.º grupo, é a Europa Ocidental e do Sul: Zar-Grad, Hungria, Áustria, Espanha, Itália, Bulgária.

4º grupo, dois outros principados russos: Nizhny Novgorod e Chernigov.

Figura 87. As capitais dos 12 reinos listados no selo estadual da Horda Rus do século 16.
Todos eles faziam parte do Império [4v2], cap. 2

Portanto, uma parte significativa do Império é representada no brasão de armas da Rus 'da Horda do
século XVI. Mas não tudo. Algumas províncias do norte (Suécia, por exemplo), as terras do extremo
oriente (Japão, por exemplo) e os territórios do extremo oeste (Inglaterra, por exemplo) não foram
incluídas. As colônias ultramarinas na América [6v2], capítulo 6, também não foram incluídas. No entanto,
a Inglaterra e a Suécia foram incluídas nos outros emblemas russos.

No Figura 86 vemos o emblema russo da era Romanov do final do século 17 [162], p. XI. Nas asas da
águia, da esquerda para a direita, estão os brasões de: Kiev, Novgorod, Astrakhan, Moscou, Sibéria,
Kazan, Vladimir. Dentro do oval no sentido horário visto de cima estão os brasões de: Pskov, Tver,
Podol, Perm, Bulgária, Chernigov, Polot, Jaroslavl, Udor, Kondij, Mstislavl, Iver, Kabardin, dos Territórios
de Chersky e Gorsky , Sve Cartinsky, Svey, Vitebsky, Obdor, Belozer, Rostov, Ryazan, Novgorod -
Nizov, Viatka, Yugor, Volyn, Smolensk.

35
Aqui, o número de brasões é significativamente maior do que no emblema "mongol" do século XVI.
Reinos misteriosos aparecem, como Udor, Kondij e Obdor. Além disso, os principados de Iver e
Cartalin são nomeados. Um deles, o reinado de Cartalin, pode ser a Geórgia. Nesse caso, o reino de
Iver seria a Espanha. Não queremos dizer que no final do século 17 a Espanha ainda pertencia ao
Império Russo. Simplificando, os Romanov pegaram o antigo brasão da Horda, onde, entre outros,
os reinos distantes que faziam parte da Rus 'da Horda nos séculos 15-16 também foram nomeados.
Este emblema "mongol" era mais detalhado do que aquele de que falamos anteriormente.

É por isso que podemos ver o famoso reino de Svey, ou seja, a Suécia. É seguido pelo de Iver, ou
Espanha. Depois, há o reino de Yugor, ou seja, a Hungria, depois o búlgaro. E finalmente há Perm,
ou reino austríaco.

Voltemos aos três novos nomes à primeira vista não claros no emblema “Mongol”: os principados de Udor,
Kondij e Obdor. Como mostramos em [4v2], cap. 2, a resposta é a seguinte:

O misterioso principado de Udor é o país "mongol" na fronteira entre a Alemanha e a Polônia, onde
corre o rio Oder.

As Ilhas Britânicas = Inglaterra, ou a ilha de Creta, no brasão de armas da Rus 'da Horda são chamadas
de Ilhas Kontiisky.

A misteriosa Obdora era uma cidade e pode até ter sido um território inteiro na Espanha ou na
Trácia. Também pode ter sido na França, já que THRACE e FRANCE são apenas duas versões do
mesmo nome. A letra latina C pode ser lida como TS e K.

18. A história da Inglaterra.

Como mostramos em [4v2], as "antigas" crônicas que existem hoje descrevem o reinado do Czar Grad dos
séculos 12 a 15 e o Império da Horda dos séculos 14 a 16. Os historiadores erroneamente remontam
essas crônicas à "antiguidade" profunda, antes do século XII. Em outras palavras, as "antigas" crônicas
inglesas são as crônicas romanas e "mongóis" que se mudaram para a Inglaterra durante sua conquista
pela Horda, e depois se entrelaçaram com a história da ilha.

A verdadeira história escrita da Inglaterra, que fornece relatos de eventos ESPECÍFICOS DA ILHA,
começa apenas no século XI. Poucos fragmentos dos séculos 11 a 13 sobreviveram. Em seguida, a
camada de eventos falando sobre o Czar Grad e o Grande Império foi aplicada por cima. A partir da
combinação da camada insular inglesa com a camada romana- "mongol", foi obtido o livro de história
moderna da Inglaterra dos séculos XI-XVI.

36
A história da Inglaterra cco como o conhecemos hoje, aquele que verdadeiramente reflete
eventos dos nativos ingleses da ilha, começa apenas com o seco XVI-XVII olloou, nomeadamente com o
eventos não relacionados com o czar Grraad e os "mongóis". Simplificando, ap a partir do XVI-XVII
século, a versão scaligeriana da história da Inglaterra é mais om menos correto, veja
Figura 88.

Figura 8888. Nossa reconstrução da história inglesa [4v2], cca ap. 5

No século XIII, as ondas das Cruzadas devastaram a Romea ,, ddo onde então o
estados cruzados. População um local e os cruzados se misturaram em
em juntos. Começou a florescer
vida cultural e veio ou escreveu as crônicas.

No início do século XIV ocorreu a conquista "Mongol". Q Então, em 1453, abaixo


o ataque dos otomanos cch ele veio da Rússia da Horda, C. Coostantinopla caiu.
Bizâncio foi destruída: em muitos
margem não deixaram o país. Muitos ricos, intelectuais e
aristocratas partiram para a Europa, incluindo a ilha da Inglaterra. Esses fugitivos dos séculos 14 e 15
carregaram ou
não n memória do real
com eles as crônicas do Czar Grad, iin
história da Romea e do O Horda. No século 14, o gigante Império da Horda nasceu.
Na ilha da Inglaterra com mpparecia uma de suas províncias com governantes subordinados
para a Rússia e o Império O Otomano. As crônicas que foram escritas durante este
período na ilha, os eventos locais não refletiram muito, quuaan na vida de tudo
o Império e a metrópole da Horda.

Com o passar do tempo eles começaram a escrever SUA história na ilha da Inglaterra e
nos séculos 16 e 17 foi criada a "nova" história da "antiga" Inglaterra. Isso fazia parte do “Riforrm
mas ”global. As velhas crônicas venn neerro também reescrito em
Inglaterra. Muito da verdadeira história do século 14 ao 16 foi diim mentiu. Historiadores
Inglês do século 16 ao 17 olloou declarou que o velho cronach hee românico e ordiano-
Otomanos modificados por eles, foram os documentos do suposto sstto Oria insular inglesa.
Eles fizeram deles o baassee da "antiga" história das Ilhas Britaan nicho. As grandes peças
nos

37
da história romana e do império "mongol" que se desenrolou nos vastos territórios da Eurásia, foram
transferidos no papel para as relativamente pequenas ilhas britânicas e seus arredores. Muitos eventos
importantes tornaram-se inevitavelmente menores, como se tivessem diminuído de tamanho. Sob a pena dos
editores ingleses, os czares ordianos do império tornaram-se os governantes locais da ilha. O Grande Império
desapareceu das páginas retocadas das crônicas e os relatos que eles não conseguiram destruir foram
transferidos para o passado com a ajuda de uma falsa cronologia, que os transformou em "mitos antigos".

Consequentemente, nos séculos 16 a 17, as crônicas inglesas surgiram no estilo das Crônicas
Anglo-Saxônicas, tipo A história dos bretões de Nennius, etc ... Logo esta nova versão da "velha" história
inglesa tornou-se sólida como um monumento. No século 19 ao 20 foi ligeiramente clarificado e
envernizado. No entanto, hoje, depois de descobrir com a ajuda de métodos matemáticos as
surpreendentes duplicatas no "livro de história inglês", começamos a entender que a verdadeira história da
Inglaterra é consideravelmente mais curta [4v2].

É possível que os reformistas tenham transferido o tesouro roubado do Império para a Inglaterra. Eles
não queriam correr o risco de mantê-lo na Europa, temerosos da restauração da Rus 'da Horda. Eles
inicialmente tentaram criar uma nova metrópole em Viena, Áustria, colocando seus bonecos lá sob o
pomposo nome de "Habsburgos". Não deu em nada. Este "império" durou pouco. É por isso que o
dinheiro da Horda foi levado o mais longe possível para as remotas ilhas inglesas (onde sob Ivan, o
Terrível, Elena Voloshanka = Esther = Maria Stuarda foi exilada e executada). Após tirar os imensos
tesouros da Horda, os rebeldes ingleses ganharam influência e criaram o "Império Inglês" que durou
algum tempo.

19. Como os europeus ocidentais começaram


descrever os ordianos?

Nos séculos 16 a 17, eles começaram a reescrever a história. A atitude em relação aos "tártaros mongóis"
também mudou. Agora eles foram pintados exclusivamente em tons escuros. No Figura 89 uma ilustração
de Chronica Majora por Matteo Paris do suposto século XIII. Representa um agradável jantar dos "Tártaros
Mongóis". Abaixo da imagem, a legenda diz: “Os tártaros comendo carne humana. Eles estão assando um
corpo humano no espeto. Próximo a ele estão algumas cabeças e braços humanos decepados. " Eles
queriam indicar que esses eram os costumes "mongóis". Selvagens, canibais. O grito distante dos
iluminados e sensíveis europeus ocidentais [4v2], cap.6.

Quase o mesmo foi dito sobre os "tártaros mongóis" que eram chamados de citas. Por exemplo, Solino
Gaius Julius afirmou com segurança: “Os citas das regiões do interior

38
eles levam um estilo de vida difícil, eles vivem em cavernas ... Eles amam batalhas. Eles bebem o sangue das
feridas dos cadáveres. A glória deles cresce com o número de assassinatos e não matar ninguém é uma pena ”.
Citado em [953], p.219.

Figura 89. Miniatura antiga da Chronica Majora de Matteo Paris. Nos séculos XVII-XVIII, os europeus ocidentais incutiram
uma atitude negativa em relação aos "tártaros mongóis" [1268], p.14.

Todos esses panfletos provocativos foram produto da propaganda da Europa Ocidental durante a
era da Reforma. Junto com essas "histórias de terror" também foi criada a figura do malvado urso
russo que intimida a Europa. Em relação ao nome URSUS com o qual o urso era retratado nos
mapas antigos, os historiadores nos informam: "O Mappa Mundi de Hereford poderia muito
provavelmente lançar luz sobre a origem do estereótipo inglês do" urso russo ", que foi difundido
durante o Era elisabetana ... Foram feitas tentativas para elevar este estereótipo elisabetano ao
simbolismo da tradição cristã primitiva, ONDE AMBOS O NORTE E O URSO ESTÃO ASSOCIADOS
À IDEIA DO MAL ... Finalmente, ambos os animais imundos (o urso e o macaco - o autor) faziam
parte da dieta dos TURCOMANS DESCENDING FROM GOG AND MAGOG ”[953], p.230. O nome
do urso em si, URSUS, é apenas uma versão de como a palavra RUSSO é pronunciada, Rússia.

20. Quando as próximas obras foram criadas


atribuído a Dürer?

Em [5v1], capítulo 14: 3, mostramos que as obras atribuídas ao suposto artista do século XVII
Albrecht Dürer foram criadas um século depois, no século XVII. Parece que EXATAMENTE NO
SÉCULO XVII ACONTECEU O AUMENTO DAS DESCOBERTAS TANTO DAS OBRAS
ORIGINAIS DE DÜRER E DAS NÚMERAS “CÓPIAS” E “IMITAÇÕES”. Diz: “Não muito antes de
1600, o
39
A demanda pelas gravuras de Dürer (suas águas-fortes - o autor) tornou-se tão grande que o
mercado foi inundado com gravuras e muitas imitações. Essa cópia continuou quase inabalável até o
século XVIII ”[1117], p.130. Acontece que a primeira lista das artes gráficas de Dürer só apareceu no
século 18 (!) Por Heinrich Hüsgen, 1745-1847.

Os reformadores do século 17 não estavam apenas destruindo as estruturas do estado do Império


da Horda, mas também suas manifestações na arte, escultura, literatura e ciência. Um duro golpe
também foi desferido no legado do artista imperial A. Dürer e algo semelhante foi infligido ao
cartógrafo Gerardo Mercatore [7v1], cap. 7

Mais tarde, o fogo do golpe diminuiu e as emoções acalmaram. Após o sucesso da Reforma, na nova
Alemanha do século XVII foi necessário criar a "grande história alemã", presumivelmente independente
da anterior, a "Mongol". Eles também decidiram criar uma nova história da arte, literatura e arquitetura.
Uma vez libertos da tradição "prejudicial" do Império Horda, eles se lembraram de A. Dürer e com base
em seu nome glorioso, mas já esquecido, eles decidiram criar o "novo Dürer da Reforma". Suas
pinturas anteriores desapareceram. Eles foram queimados no fogo da Reforma. Bem, os reformadores
disseram, basicamente estávamos errados para o bem de todos. Vamos pintar os novos, os corretos.
O "segundo nascimento de Dürer" foi obviamente apagado das memórias do Império "Mongol".
Conforme previsto pelos Reformadores, Durer se tornaria o "europeu típico" no significado
"progressista" do século XVII. Portanto, Dürer foi declarado um "grande apoiador da Reforma" [1117],
p.104. Eles continuam repetindo isso até hoje. Mas é verdade? Dürer, o artista do Império do século
16, nunca teria sustentado um golpe antigovernamental e dirigido principalmente contra aquele Império
ao qual ele serviu fielmente durante toda sua vida [5v1], capítulo 14: 3.

21. O Almagesto de Cláudio Ptolomeu.

Claro, como já dissemos, um resultado importante da Nova Cronologia é o seguinte. O famoso


catálogo de estrelas de Almagest de Ptolomeu foi criado no intervalo entre 600 e 1300, portanto
nunca, nunca no segundo século [3v1].

O método de datação que sugerimos foi testado com sucesso em vários catálogos astrais famosos,
mais notavelmente os de Ulugh Beg, Al Sufi, Tycho Brahe e Johannes Hevelius. Em todos os casos, a
tradicionalmente conhecida datação dos antigos catálogos, com exceção do Almagest, foram
confirmados pelo nosso método. O catálogo Almagest acabou sendo a única exceção. Isso significa
que a datação tradicional da vida de Ptolomeu contém um erro de várias centenas de anos, ou mesmo
um milênio.

40
EU' Almagest é uma enciclopédia onde algumas centenas de anos de observações astronômicas
foram coletadas. O primeiro data de uma época não anterior ao século X. No Almagest as
observações feitas até o século 16 foram incluídas. Esta enciclopédia reflete o estado atual e mutante
da ciência astronômica. A versão final foi publicada no século XVI.

Supondo que existissem, as edições de Almagest antes do século 16 eles não chegaram até nós. No
século 17, durante a falsificação da história, o Almagest era importante para a cronologia e foi
significativamente retrabalhado. Foi publicado post factum, listando datas incorretas. Incluía
"observações antigas" inventadas, que na realidade eram o resultado de CÁLCULOS TEÓRICOS DE
ACORDO COM A TEORIA ASTRONÔMICA MEDIEVAL DO SÉCULO XVII apresentada em Almagest. Foi
assim que se criou uma das pedras angulares da cronologia scaligeriana.

As coordenadas dos planetas, a posição do Sol, da Lua e assim por diante foram calculadas no
passado. Depois disso, o fenômeno astronômico calculado foi declarado derivar de uma "observação" e
foi incluído no Almagesto: “O tal astrônomo, neste ou naquele ano (calculado na mesa!) Observava isto e
aquilo”. Mas como a teoria astronômica do século 17 não era tão precisa como é hoje, avaliações feitas
de acordo com fórmulas modernas revelaram a fraude que foi descoberta pelo conhecido astrofísico
Robert Newton [3v1].

Portanto, o ALMAGESTO COMO SABEMOS HOJE FOI CRIADO NO SÉCULO XVII. Os criadores
apresentaram este livro como "antigo" para torná-lo um fundamento da cronologia scaligeriana que
então estava em processo de ser criada. ESTA É A RAZÃO PELA QUAL OS FENÔMENOS
ASTRONÔMICOS QUE FORAM CALCULADOS NO PASSADO SEGUNDO UMA TEORIA DO
SÉCULO XVII, FORAM DATADOS NO ALMAGESTO JÁ DE ACORDO COM A CRONOLOGIA DE
SCALIGERO. Obviamente, com a precisão que conseguiram com a teoria astronômica imperfeita
do século XVII.

É por isso que, quando você deseja usá-los para fins de histórico, você precisa consultar os dados do Almagest
com grande cautela. Somente dados que não poderiam ter sido calculados no século 17 devem ser
usados. Por exemplo, os eclipses solares, as fases precisas dos eclipses lunares, as posições das
estrelas. No entanto, os falsificadores do século XVII obviamente deram o seu melhor e não nos
deixaram dados factíveis. Por exemplo, "por algum motivo" no Almagest eclipses solares não são
mencionados.

Continue. O famoso astrônomo "clássico" Hipparchus, que provavelmente viveu no século II aC [797] p.307,
é em grande parte um reflexo fantasma do famoso astrônomo Tycho Brahe, que viveu no século XVI. No
início do século 17, quando a "antiguidade distante" estava repleta de duplicatas fantasmas de eventos
medievais, os historiadores também "dividiram" Tycho Brahe em dois. Uma das versões de sua biografia foi
lançada ao passado, onde foi criado o "grande astrônomo Hiparco". Além disso, em [IVA],

41
parte 1, cap. 1. Mostramos que a descrição da vida de Hiparco também inclui informações antigas sobre
o astrônomo do século 11.

EU' Almagest de Ptolomeu foi finalmente modificado e concluído apenas APÓS Tycho Brahe, no tempo de
John Kepler (1571-1630). Isso significa que o Almagest, incluindo seu catálogo de estrelas, foi modificado
novamente no início do século XVII. Como resultado, a seguinte imagem é formada.

• Um catálogo relativamente pequeno de Tycho Brahe surgiu pela primeira vez, o mais antigo dos
catálogos estelares sobrevivendo até os dias atuais.

• Seguido por um catálogo “antigo” ainda mais completo de Claudius Ptolomeu; para ser mais
preciso, sua versão sobrevivente.

• Daí o catálogo ainda mais completo de Johann Hevelius.

• E finalmente o catálogo ainda mais completo de John Flamsteed.

O catálogo de Tycho Brahe parece ser o primeiro e, portanto, o mais escasso do ponto de vista da quantidade de
estrelas mencionada acima. Mais tarde, Ptolomeu ou os editores de seu catálogo aumentaram o número de
estrelas observadas. Só mais tarde um número ainda maior de estrelas apareceu nos catálogos de Hevelius e
Flamsteed.

Podemos namorar o Almagest com base nas descrições de Ptolomeu de 21 eclipses lunares? Supõe-se
que eles foram observados por astrônomos ao longo de um período de 850 anos. Uma análise séria
desses eclipses lunares foi conduzida por Robert Newton [3v1], que descobriu muitas evidências para
apoiar o fato de que a maioria deles era falsa. Portanto, não podemos considerar os eclipses lunares do Almagest

como um material confiável para datação astronômica. Muito provavelmente, esta falsa "lista
antiga" foi feita no século 16-17, a fim de considerar o Almagest uma obra "antiga".

CONCLUSÕES. A versão sobrevivente do Almagest não foi criado por um único autor-observador,
mas é um "livro de astronomia" coletivo. É uma coleção de muitas observações individuais, várias
teorias, cálculos e exercícios de cronologia, pertencentes a vários astrônomos dos séculos 11 a 17.
O catálogo astral pode ter sido compilado por um observador no século X-XIII, mas o texto final do Almagest
é de outros autores do século XVI-XVII.

22. O florescimento, estagnação e re-florescimento da astronomia.

A história de Scaliger afirma que a astronomia "antiga" teve um crescimento sem precedentes. Porém, um pouco
mais tarde, “durante os três séculos que se seguiram à morte de Hiparco, foi como se a história da astronomia
estivesse envolta em trevas” [65], p.63. Eles argumentam que uma época de grande estagnação começou.
Basicamente, a única saída

42
durante os 300 anos de escuridão da astronomia grega, é dito ser o Almagest de Ptolomeu. Hoje é
considerada como "a última nota harmoniosa da astronomia antiga". NA HISTÓRIA DA
ASTRONOMIA ESCALIGERIANA, FOI SEGUIDO POR UM PERÍODO DE SILÊNCIO E
ESCURIDÃO PROFUNDO.

Eles escreveram: “A CULTURA CLÁSSICA ESTAVA EM declínio. Após a ascensão de tirar o fôlego da
cultura clássica, iniciou-se no continente europeu um PROLONGADO PERÍODO DE ESTAGNAÇÃO E,
EM ALGUNS CASOS, DE REGRESSÃO.
- com um intervalo de tempo de mais de 1000 anos, comumente referido como a Idade Média ...
DURANTE OS 1000 ANOS, NENHUMA DESCOBERTA ASTRONÔMICA SIGNIFICATIVA FOI
FEITA "[395], P.73.

Nossa opinião é simples. Essas "idades das trevas", "mergulhos", "séculos de silêncio completo", "catástrofes
globais", aparecem apenas porque os historiadores da ciência usam uma cronologia errada em que os "antigos"
reflexos, miragens e "idades das trevas" existem entre a "Antiguidade Clássica" e a "Renascença". A nova
cronologia remove essas "lacunas" e esses "sinusóides" no desenvolvimento da ciência e da cultura.

Portanto, na história da astronomia scaligeriana ocorre um fenômeno estranho: o magnífico


florescimento da astronomia “clássica antiga”, seguido por uma profunda regressão milenar, seguida
por um reinício a partir do século XIII.

Temos a certeza de que praticamente todas as principais descobertas da astronomia nos séculos 14 a
16 "já foram descobertas" mais de 1000 anos antes na "Antiguidade Clássica" e que mais tarde foram
esquecidas por algum motivo misterioso. Listamos as idéias fundamentais supostamente descobertas há
muito tempo pelos astrônomos "clássicos antigos".

Coordenadas eclípticas e equatoriais e métodos de cálculo. A determinação dos principais elementos do


movimento relativo entre os planetas do sistema solar. Heliocentrismo, essencialmente a teoria
heliocêntrica do sistema planetário. O cálculo das distâncias relativas no sistema solar: da Terra, da Lua,
dos planetas e das estrelas. A previsão de eclipses lunares. A compilação dos catálogos astrais. A forma
dos globos celestes. A descoberta da precessão. Instrumentos astronômicos profissionais: o astrolábio,
etc ... O cálculo da duração do ano sideral e do ano tropical. A atribuição das constelações astrais e o
desenho da sua "imagem". A questão da existência de estrelas com movimento próprio.

Essas descobertas foram feitas nos séculos 12 a 17, mas mais tarde suas duplicatas foram datadas
no passado devido à cronologia incorreta. Não houve grandes "regressões" na história da ciência e
da cultura.

43
23. Ill g geocentrismo ou sistema ptolomaico ou
e o sistema eelliio ocentrico por Tycho Brahe (e Co opperdiz).

nddo Tycho Brahe é mostrado em F.


O sistema mundial de acordo com Figura 90. No centro
do mundo é a Terra em torno da qual o Sol gira. No entanto, o resto dos planetas já estavam
girando Orrno, o Sol. Esta é a razão pela qual o sistema hoje
Tycho Brahe (Tychon o) é chamado geo-heliocêntrico
Niicco o [395], p.132. É
PERFECTLY OV VVVIO, QUANTO DIFERE D DO “SISTEMA DE
COPERNICO "APENAS OU PARA A ESCOLHA DO OU OURIGINE DE
COORDENADAS. Isso é tudo ou!! Por que, como somos informados abaixo ola mude
a origem não altera o sistema de corpos em movimento. Camb biiaa apenas o sistema de
coordenadas, o ponto onde o observador está posicionado. Mude a imagem, mas não o cerne da
questão [[3v1], cap.11.

Figura 9900. Aqui está o sistema heliocêntrico de Tycho Brahe [395] ,, p p.132.

Do ponto de vista da cinemática, o sistema de Tycho Brah hee (Hipparchus) é muito


heliocêntrico. Apenas o centro o do sistema de coordenadas é po ossificado na Terra.
Afinal, o centro das coordenadas pode ser conectado ou para qualquer corpo
astronômico do sistema .. SE CAMINHAMOS PARA ASSIM OLLE O PONTO DE

44
INÍCIO DO SISTEMA DE REFERÊNCIA NA TABELA TYCHO BRAHE, PODEMOS OBTER O
SISTEMA “COPERNICANO” SEM MUDAR SUBSTANCIALMENTE NADA. A Terra começaria a girar
em torno do Sol em um sistema onde, de acordo com Tycho Brahe, todos os outros planetas já giram
em torno do Sol. Tudo o que falta para completar o quadro de Kepler é apenas uma ligeira elipticidade
das órbitas. As órbitas planetárias de Brahe ainda são circulares. Entre outras coisas, o mesmo se
aplica a Copérnico. No entanto, este é um efeito de "segunda taxa". É por isso que o sistema de
Tycho Brahe é realmente tão bom quanto o de Copérnico. Ele apenas tem um ponto de partida
diferente do quadro de referência. O observador é colocado na Terra e não mais no Sol.

É claro que a ideia de Tycho Brahe (Hipparchus) precedeu ou coexistiu com a de Copérnico. O "sistema
copernicano" segue evolutivamente o sistema de Tycho Brahe ou é contemporâneo a ele, mas não o
precede de forma alguma. O "modelo" final do sistema heliocêntrico foi provavelmente sugerido APÓS
TYCHO BRAHE, na época de seu aluno Giovanni Kepler. Copérnico do século XV-XVI recebeu o crédito
de invenção post factum. Portanto, a verdadeira ordem cronológica do "sistema mundial" é a seguinte.

Primeiro: o sistema geocêntrico de Ptolomeu. Seu modelo complexo de epiciclos foi provavelmente
formado nos séculos XV-XVI. A Terra foi colocada no centro do universo. Partindo da ideia dos epiciclos
e afirmando que a Terra era um ponto fixo, foi necessário criar um modelo complexo de epiciclos para
explicar o movimento dos planetas visíveis da Terra. Este sistema mundial foi baseado no catálogo de
estrelas "reais" do século 12. A sua criação está ligada ao nascimento de Jesus Cristo no século 12 e à
explosão da supernova por volta de 1152, ou seja, a estrela de Belém. É possível que os primeiros
astrônomos tenham criado o catálogo de estrelas em homenagem a Jesus, daí a origem da grande
autoridade do catálogo. Existiu em sua forma mais ou menos inalterada até o século XVI.

O catálogo de estrelas incluído por Copérnico em seu livro é chamado Catálogo de estrelas de
Copernicus, É NA VERDADE O MESMO CATÁLOGO ESTELAR DE Ptolomeu, Embora
MODIFICADO PARA OUTRA VEZ, ESCOLHENDO UM PONTO DE REFERÊNCIA DE
LONGITUDE DIFERENTE. Os historiadores da astronomia aprenderam sobre esse fato há muito
tempo [395], p.109. Isso indica que os astrônomos medievais continuaram a variar a longitude zero,
mudando, por uma razão ou outra, a "data de catálogo compatível com a precessão" para a época
exigida. Nos séculos 15 a 16, os astrônomos deram mais um passo e começaram a desenvolver a
teoria do movimento dos planetas, a Terra e o Sol. O "sistema ptolomaico" apareceu. Historiadores
da astronomia observam que "de acordo com sua composição, o livro de Copérnico PARECE
ÓTIMO para Almagest "[395], p. 105. Está tudo correto. Foi no século 16-17 que a edição final do Almagest.

1) Ao mesmo tempo que o conceito de Ptolomeu, na segunda metade do século 16 apareceu o


sistema de Tycho Brahe = “o antigo Hiparco”. É
45
praticamente heliocêntrico. Além da Lua, o movimento dos planetas é circular com o Sol no centro. A
origem das coordenadas está conectada à Terra.

2) E por último, o sistema heliocêntrico com a origem das coordenadas no Sol. Aqui está uma
ideia nova, que nada tem a ver com o cerne da questão. A ideia é que não seja necessário
colocar a origem das coordenadas no mesmo local do observador, ou seja, na Terra. Pode
ser o sol. Para a educação pública e escolar a "imagem" foi simplificada.

Este sistema provavelmente entrou nas práticas astronômicas no século 17, na época de Kepler. Foi
atribuído post factum ao astrônomo do século XV-XVI que era chamado de Copérnico. Muito
provavelmente ele foi um astrônomo extraordinário que poderia ter sido o primeiro a expressar a ideia
heliocêntrica em sua forma "bruta" com o ponto zero no Sol e não na Terra. No entanto, hoje é muito
difícil ter certeza do que exatamente ele estava fazendo. A única coisa que passa pela vida e obra de
Copérnico são os textos do século 17, ou seja, aqueles escritos 60-100 anos após sua morte.

Muito provavelmente, os dois sistemas, o de Claudius Ptolomeu e o de Tycho Brahe, pertencem à


mesma época. Os sistemas competiam entre si e foram debatidos pelos astrônomos até que eles
finalmente perceberam que o sistema heliocêntrico de Tycho Brahe era o único correto. No entanto,
os historiadores sem cerimônia pegaram essa descoberta fundamental de Tycho Brahe e
atribuíram-na a Copérnico.

24. No século 14 ao 16, a respeitosa Europa "admirou"


os distantes czar-khans da Horda.

Fomos ensinados que nos alegados séculos 14 a 16, como sempre, a Europa Ocidental olhou para a
Rússia com condescendência e presumivelmente com merecimento. De fato, no Ocidente havia
civilização e cultura, enquanto a Rússia era um país atrasado e ignorante, que saiu com grande
dificuldade do jugo tártaro e mongol. Claro, havia muito mel, pão, bacon e maconha. É por isso que às
vezes conseguiam atrair alguns artesãos qualificados do exterior, para que pudessem ceder e
misericordiosamente construir algo extraordinário nesta Rússia atrasada e sombria. As catedrais, os
palácios, as fábricas e os navios. Os russos ingenuamente se maravilharam com o domínio dos
estrangeiros, percebendo que nunca seriam capazes de atingir alturas vertiginosas nessas habilidades.
Só depois de Pedro I (o Grande) as artes mecânicas e industriais russas finalmente começaram a se
desenvolver, embora permanecessem de segunda categoria. Sem mencionar o fato de que as cortes
reais ocidentais olhavam com condescendência para o czar de Moscou, o bárbaro da Ásia que ocupava
o trono.

46
Porém, era mais ou menos o contrário. Nos séculos XIV a XVI nasceu o Império "Mongol" que
incluía, em particular, todos os territórios da Europa Ocidental. Os governantes locais eram vassalos
do czar-khan da Horda. Traços de seu estado de subjugação sobrevivem nos testemunhos de seus
contemporâneos [6v3], cap.1: 16, apesar de terem sofrido mudanças tendenciosas nos séculos
XVII-XVIII.

As regiões remotas do Império estavam em uma situação diferente da metrópole, a saber, a Rus 'da
Horda e o Império Otomano. O centro do Império era geralmente ocupado com assuntos militares e
com o desenvolvimento das capacidades militares necessárias para manter os vastos territórios sob
controle. Era necessário suprimir, apaziguar e arbitrar. Um grande exército era necessário para isso.
Muita energia foi necessária para manter as vias de comunicação. Ele foi obrigado a coletar impostos
para regular o comércio entre os territórios imperiais. É por isso que a metrópole geralmente precisava
do exército, funcionários públicos e um grande aparato administrativo.

A vida nas províncias remotas era diferente. O czar-cã da Horda estava longe. Os governadores os
administraram como seus representantes. Guarnições cossacas estavam localizadas nas proximidades para
manter a ordem. O foco não estava apenas nas questões locais, mas também na necessidade de conquistar
o favor da metrópole. Muito dependia disso. Por exemplo, a superioridade sobre uma província vizinha
poderia ser alcançada não apenas esmagando seu destacamento militar, mas também enviando bons
presentes para a Horda. Se os presentes fossem bem, o czar-Khan poderia gentilmente ter permitido a
conquista das terras vizinhas, especialmente se o cã “mongol” não gostasse. Por exemplo, se ele não pagou
seus impostos regularmente, ou se os presentes que ele enviou não foram satisfatórios.

A Europa Ocidental estava desenvolvendo as artes e as ciências, incluindo aquelas destinadas ao


entretenimento. Esta indústria foi criada principalmente nas províncias turísticas do Império, onde o clima era
favorável, como na Itália, França e Espanha. Na Itália, a arquitetura, a literatura, a história e a música se
desenvolveram. Na construção naval na Inglaterra. Na França, a paleta de cores. E assim por diante...

A corte ordiana do czar cã considerava todos eles como seus e à disposição deles. Havendo necessidade de
construção de nova frota, o pedido foi encaminhado à Inglaterra. De lá, os melhores construtores de navios
foram enviados para a Rússia, ou os navios imperiais foram construídos inteiramente na Inglaterra. Se um
médico qualificado fosse necessário, ele era chamado, por exemplo, de francês. Se havia uma necessidade
urgente de construir uma catedral em Moscou, foram solicitados arquitetos da Itália, como foi feito durante a
construção do Kremlin de Moscou. Os arquitetos chegaram imediatamente. A recusa não era uma opção. Após
receberem a ordem imperial, eles responderam “Sim, senhor!”, Cumpriram a ordem e enviaram os
especialistas para a metrópole da Itália, França, Espanha, Alemanha, Inglaterra, África, Ásia.

Na corte do czar-khan de Yaroslavl e mais tarde em Moscou, provavelmente havia grupos de


representantes de várias províncias: ingleses, franceses, alemães ...

47
pelo direito de ser o primeiro a ganhar contratos lucrativos, garantindo ao grande Khan e sua
administração que seus especialistas eram os melhores. A festa vencedora estava comemorando,
pois o significado daquela província aos olhos da administração do Khan aumentava.

Após a cisão do Grande Império, quando os territórios ocidentais se declararam independentes, os


esforços dos governadores locais visaram "provar" que "sempre foi como é hoje". Eles
argumentaram que os governantes ocidentais sempre foram independentes. Queriam apagar a
memória da revolta, quanto ao fato de terem chegado ao poder por meios ilegais do ponto de vista
da ideologia da época. Eles inventaram uma falsa cronologia que lançou no passado a conquista
"Mongol" sob o nome de Grande Migração dos Povos, a conquista eslava da Europa do suposto
século IV-V. A Europa recente foi rapidamente varrida do mapa mundial. Eles se apropriaram da
história da dinastia "Mongol" do século XIVXVI e a transformaram na dos "Habsburgos da Europa
Ocidental" [7v2], cap. 3 - É aqui que nossos ex-imperadores estão. Nunca estivemos sob a
autoridade de Moscou. Uma ideia tão absurda e politicamente prejudicial não deveria nem mesmo
entrar na cabeça de uma única pessoa.

Essa atividade coincidiu com o desejo dos Romanovs pró-Ocidente que chegaram ao poder na Rússia. É
por isso que as ações dos Romanov foram coordenadas com as dos novos governantes da Europa. Contra
o Império Otomano que dificultou esse processo de civilização, foi necessário organizar a cruzada usando
mãos russas e sangue russo.

Foi realizada a revisão dos textos, crônicas e memórias. Nos séculos 14 a 16, muitos estrangeiros visitaram a
Rússia; é por isso que muitos documentos originais ainda permaneciam na Europa Ocidental. Eles foram
procurados, apenas para serem destruídos ou modificados. Depois disso, eles foram impressos. As "datas
antigas" foram escritas para reivindicar a nova perspectiva.

No entanto, muitas coisas sobreviveram, inúmeros detalhes que escaparam à atenção dos editores. Nem todos
entenderam bem a tarefa e nem todos foram astutos. Na verdade, as próprias percepções de como a história
deveria ter aparecido "na realidade" foram gradualmente desenvolvidas pelos falsificadores. É por isso que
grande parte do material que acabou nas mãos de historiadores do século 19 ao 20 foi decididamente derivado
de um antigo documento que foi perdido pelos editores anteriores do século 17 ao 18. O que eles realmente
fizeram!

É por isso que algumas das obras dos europeus ocidentais do século XVI sobre a Rússia parecem um tanto
estranhas para nós hoje. Mesmo depois de modificados, eles não se encaixavam nas ideias que foram
instiladas em nós. Como o famoso Notas sobre a Rússia por Jerome Horsey. Veja detalhes em [6v3], cap. 1

48
25. O que eram e onde estavam localizadas as Sete
Maravilhas do Mundo Antigo?

Freqüentemente ouvimos sobre as famosas sete maravilhas do mundo. Estamos convencidos de que, com exceção
das pirâmides egípcias, elas foram destruídas na Idade Média. "As Sete Maravilhas" são [572], p.135:

1) As Pirâmides do Egito: sobrevivendo.


2) Os Jardins Suspensos de Semiramis ou os Jardins Suspensos da Babilônia: destruídos.
3) O Templo de Artemis em Éfeso: destruído.
4) A estátua de Zeus em Olímpia: destruída.
5) O Mausoléu de Halicarnasso: destruído.
6) O Colosso de Rodes: destruído.
7) O Farol de Alexandria em Pharos: destruído.

De que maravilhas do mundo falaram os autores da antiguidade clássica? Pelo que entendemos, eles os
descreveram nos séculos 16 a 17. Conseguimos identificar as "sete maravilhas" com alguns edifícios da
Idade Média. Por exemplo, os Jardins Suspensos de Semiramis, criados em Moscou no século XVI, já
existiam no século XVII-XVIII [6v2], cap.2: 4.14. Parece que as "maravilhas do mundo" restantes ainda
existem hoje ou foram destruídas recentemente. Portanto:

1) AS PIRÂMIDES DO EGITO.

Quanto às pirâmides egípcias, nada temos a dizer sobre a versão de Scaliger. Exceto
namoro, é claro. Essas construções gigantescas foram corretamente colocadas no topo da
lista das "Sete Maravilhas do Mundo Antigo".

2) OS JARDINS PENDURADOS DA SEMIRAMIDA.

Já falamos dos Jardins de Semiramis ou dos Jardins Suspensos da Babilônia, em [6v2], cap. 10:
4.14. Estes são os FAMOSOS JARDINS REAIS DISPONIBILIZADOS NO TELHADO DO PALAZZO
DEL KREMLINO EM MOSCOVO (século XVI-XVIII). Até hoje, historiadores e arqueólogos não foram
capazes de nos apresentar quaisquer vestígios dos Jardins Suspensos de Semiramis, na Ásia, onde
a terra da Babilônia mencionada na Bíblia foi colocada por engano. Eles foram revistados por muito
tempo e duramente, mas em vão. Chegando paralisados, eles afirmaram que algumas trincheiras de
terra semicobertas perto de uma pequena cidade no atual Iraque eram os restos dos Jardins de
Semiramis [572], p.41. A propósito, o que os Jardins Suspensos têm a ver com trincheiras? Os
Jardins de Semiramis foram "suspensos no ar", eles não cresceram do chão!

3) O TEMPLO DE ARTEMIS EM EPHESUS.

Acredita-se que este enorme templo, cuja glória ecoou por todo o mundo antigo, foi construído em
Éfeso, uma cidade da Ásia Menor. No entanto, essa suposição é

49
errado. Não é por acaso que historiadores e arqueólogos são incapazes de mostrar qualquer
traço distintivo do famoso templo na parte sul da Turquia, que no século 19 foi declarado
apressadamente como o "grande e antigo Éfeso" [572], p. 58. Por fim, não encontrando os
restos do templo de Artemis projetados acima da superfície do solo, os arqueólogos
começaram a escavar.

Francamente, eles não encontraram muito em sete anos. Eles escreveram: “OS RESTOS
DO MELHOR EDIFÍCIO DE ÉFESO, A ARTEMISÃO, PARECIA SER INSIGNIFICAMENTE
MINÚSCULA ... Nem mesmo a estátua da deusa sobreviveu; o seu aspecto foi reconstruído
a partir da imagem em moeda e a partir de uma cópia encontrada em 1956. Arqueólogos e
arquitectos recriaram com certeza apenas a planta do famoso templo ”[572], p.59.

A ideia vem à mente ao procurar o famoso templo de Artemis em um lugar diferente. Ainda
pode existir? Assim como a grande cidade comercial de Éfeso, o TEMPLO DE ARTEMIS é
provavelmente o famoso TEMPLO GIGANTE DE SÃO SÓFIA EM ISTAMBUL. Como já
explicamos acima, esta magnífica construção foi a primeira experiência para a construção
de um grande templo. A enorme construção do Sofia, que provavelmente ocorreu nos
séculos XV-XVI, impressionou fortemente os contemporâneos da época [6v]. A
magnificência do templo ainda hoje consegue surpreender. É possível que, se lido ao
contrário, o nome EFESO contenha o som do nome SOFIA: EFESO - SOFIA.

Existe outra possibilidade de determinar a localização do Templo de Artemis em Éfeso, que também
era chamado de Templo de DIANA. É o cabo Fiolent perto de Sevastopol. As lendas circularam pelo
templo de Diana na Crimeia. No início do século 19, AP Pushkin estava procurando por seus
vestígios e os encontrou perto do mosteiro de São Jorge em Cabo Fiolent. Como descobrimos, a
verdadeira Gruta da Natividade fica lá [XP]. Em 1152 Cristo nasceu lá. Obviamente, Pushkin não
sabia nada sobre isso. Mas foi perto do mosteiro de San Giorgio que ele encontrou os restos de um
grande templo "pagão" e sugeriu que fosse o templo de Diana. À luz de nossa descoberta, a hipótese
de Pushkin é ainda mais plausível. É precisamente aqui, no local de nascimento de Cristo, que o
majestoso templo da Bem-Aventurada Virgem Maria deveria ter se erguido. É altamente improvável
que os deuses czar do Grande Império, parentes de Cristo, não tenham erguido um templo
apropriado para Diana, a Mãe de Deus, perto da Gruta da Natividade. Só para lembrar a você, Diana
era um dos nomes da Mãe de Deus na época do "verdadeiro" Cristianismo.

Hoje em dia, os restos do templo de Diana não foram encontrados perto do Mosteiro de San
Giorgio. Restam apenas as lendas de que era uma vez o Templo de Diana e também sua caverna.
Deve-se notar que a caverna de Diana realmente existe. É a Gruta da Natividade, onde deu à luz a
Cristo. Na caverna hoje
50
ali está a Igreja da Natividade. Segundo a lenda, seu altar foi ali colocado pelo apóstolo André, o
Primeiro Chamado (Sant'Andrea Apostolo), ou seja, pelo próprio Cristo. [TSR].

4) A ESTÁTUA DE ZEUS NA OLIMPIA.

Em [4v2] cap. 2:22, discutimos o que é o Olimpo e que tipo de divindades habitava lá. "Os deuses do
Olimpo" são os czares do Império "Mongol" = a Assíria bíblica = Israel. Em províncias remotas, os
povos inventavam lendas sobre seus governantes distantes e misteriosos. Aqui nasceram os
"antigos" mitos gregos sobre os deuses do Olimpo.

A antiga cidade grega de Olímpia é Velikij Novgorod = Yaroslavl do século XIV-XVI. Portanto, a
"estátua de Zeus" em Olímpia é um objeto sagrado localizado em Yaroslavl ou nas
proximidades. As lendas sobre essa "estátua" provavelmente se originaram das histórias de
mercadores e viajantes ocidentais que iam às feiras em Veliky Novgorod.

Pensa-se que a "principal relíquia de Olímpia era o lendário Templo de Zeus, com a estátua do
deus supremo criada por um dos mais brilhantes escultores gregos, Fídias (isto é, um certo
Feodor, Fédya - o autor)" [572], p. .62. Gostaríamos de chamar a atenção para o fato de que a
“estátua” estava localizada dentro do templo. Isso simplifica a resposta ao enigma. A decoração
interior das igrejas russas na verdade continha um objeto conhecido apenas na Rússia e que
tornava as catedrais russas diferentes de todas as outras. É a iconostase. Em uma grande
catedral, é uma construção enorme. É alto em direção às abóbadas da catedral. A iconostase
separa o altar, cerca de um terço do comprimento da catedral, do resto do edifício. Algumas
iconóstases russas eram muito exuberantes. A superfície do iconostase desprovida de ícones, era
recoberta por uma gravura dourada, uma folha de ouro sobre madeira. Nas principais catedrais
russas, as fileiras inferiores de ícones tinham um ícone dourado folheado a pedras preciosas, prata
trabalhada, filigrana, ouro e esmalte.

Noutros países, as paredes do coro não foram construídas de todo, ou, como na Grécia por
exemplo, foi a iconostase que serviu de parede do coro, com uma parede bastante baixa ou
uma simples TELA (ZAVESA em russo). Existem portas sagradas feitas com uma
iconostase equipada com uma TELA (ZAVESA). Portanto, toda a iconostase poderia ter sido
percebida como uma TELA PERMANENTE (ZAVESA) OU UMA ESTÁTUA ZAVESA, que
poderia facilmente ter contado as lendas que se transformaram na ESTÁTUA DE ZEVESA,
ou ESTÁTUA DE ZEUS.

Os historiadores levantaram a hipótese de que "a antiga Olímpia estava localizada na Grécia". No
entanto, “os restos da lendária estátua de Zeus não foram encontrados entre as inúmeras peças
arquitetônicas e escultóricas de Olímpia. Nem poderiam ter sido encontrados, pois se sabe que a
estátua de Zeus ficou totalmente destruída no incêndio ”[572], p.64.

51
Mas se a estátua foi completamente destruída no incêndio, isso significa que provavelmente era feita
de madeira. Tudo está correto. As iconóstases eram feitas de madeira coberta com folha de ouro.
Durante o incêndio, a iconostase pode ter se transformado completamente em cinzas.

5) O MAUSOLÉU DE ALICARNASSUS.

Acredita-se que este enorme mausoléu tenha sido construído na cidade de Halicarnasso,
na costa da Ásia Menor, como o necrotério da família para o rei Mausolo e sua esposa
Artemísia. “Mausolus acumulou grande riqueza. Essa superabundância permitiu-lhe
construir um templo sepulcral para si mesmo. Foi tão magnífico que sobreviveu na memória
do povo até os dias de hoje como UM EXEMPLO INCRÍVEL DE ARQUITETURA
FUNERAL. Sua fama era tão grande que os antigos romanos deram o nome de "mausoléu"
a todas as grandiosas construções monumentais ... Como imaginavam os arquitetos, a
tumba funerária do rei Mausolo ERA A ESTRUTURA MAIS LUXUOSA E IMPORTANTE DE
ALICARNASSO, PELA QUAL TINHA QUE ESTAR NO CENTRO DA CIDADE E SEU
MONUMENTO PRINCIPAL "[572], P.78-

79

Pensa-se que o Mausoléu de Halicarnasso foi destruído e a própria “bela e rica cidade” se
tinha transformado num deserto [572], p.77. Mais tarde, “no lugar do antigo Halicarnasso e do
castelo-fortaleza medieval de São Pedro, surgiu a fortaleza turca de Bodrum” [572], p. 85

Portanto, no século 18, os historiadores sugeriram que o "antigo Halicarnasso" estava em


algum lugar da Ásia Menor. Sua pesquisa começou. Existem muitas ruínas "clássicas
antigas". Eles alegaram que um desses lugares, a saber, Bodrum, na Turquia, era "tudo o
que restou do antigo Halicarnasso". Sem muita sorte, eles começaram a "cavar em busca de
evidências".

Pode ser que o Mausoléu de Halicarnasso seja a gigantesca relíquia do templo dos Reis
Magos, a Catedral de Colônia na cidade alemã de mesmo nome [6v1], cap. 3? Foi construído
como mausoléu de Baldassarre, Melchiorre e Gaspare. Os dois primeiros eram dos Três Reis,
enquanto Gaspar era, por assim dizer, de categoria inferior. Será que Belsazar e Melchior
foram os personagens do Rei Mausolo e Artemísia dos escritores dos "clássicos antigos"?
Entre outras coisas, o nome ALICARNASSO ou ALICALNASSO (o R e L eram conversíveis) é
muito semelhante a ALI-COLONIA. Poderia significar COLÔNIA SANTA = COLÔNIA SANTA
ou COLÔNIA CLARA = COLÔNIA DE LUZ, como em alemão “Heilig” significa Sagrada e
“Inferno” luz, clara, luminosa. Alternativamente, ALI-COLOGNE pode significar GALLIC
COLOGNE ou GALLIC COLOGNE.

Também é inteiramente possível que o mausoléu de Ali-CARNASSO seja o colossal antigo templo
egípcio de KARNAK [6v3], cap. 1. O templo consiste em três partes,
52
metade dos quais ocupa uma área de cerca de 30 hectares! É talvez o maior templo do
mundo. De acordo com nossas descobertas, o Templo de Karnak foi o TEMPLO FUNERAL
PRINCIPAL DO GRANDE IMPÉRIO [6v3]. É por isso que merecia totalmente ser chamado
de maravilha do mundo. O próprio nome ALICARNASSO ou ALI-CARNASSO pode
significar “Solare Karnak”. Para esclarecer, ALI = ELIOS é o nome do deus sol. O nome
CARNASSO pode se tornar KARNAK devido à ambigüidade da letra C, que pode ser
pronunciada como S, K ou Ts.

6) O COLOSSUS DE RODES.

De acordo com as descrições dos "antigos", o Colosso de Rodes era uma estrutura gigantesca fundida
em bronze. A palavra COLOSSAL, ou seja, muito grande, originou-se da palavra COLOSSUS.

O Colossus foi construído desta forma. Inicialmente, um grande molde de argila foi
preparado em um PIT DENTRO DO SOLO. “A criação das estátuas fundidas em bronze foi
um processo muito trabalhoso que exigiu grande maestria e habilidade técnica. No início, o
escultor modelou a argila ... a cópia exata de sua estátua de bronze. A figura de barro era
uma espécie de núcleo, cuja base era coberta por uma camada de cera que deve ter a
espessura que o escultor desejava que o bronze tivesse ... Quando a superfície de cera ficou
pronta, foi novamente coberta com argila de forma que a camada superior aderisse
firmemente à cera e correspondesse exatamente ao núcleo interno ... Em seguida, o molde
foi aquecido, deixando a cera sair pelas bocas deixadas abertas ... O bronze escoou para o
dentro da argila, preenchendo o espaço livre da cera e envolvendo uniformemente o núcleo
da argila ... Foram necessários 500 talentos de bronze e 300 talentos de ferro, ou cerca de
13 toneladas de bronze e 7,8 toneladas de ferro para fazer o Colosso ” [572], pp. 94-95, 101.

Nossa opinião é muito simples. “O Colosso de Rodes” é o RADNY BELL (RADA), ou LA


BELL VECHE. A palavra RADA = montar é igual a VECHE = montar. Os "clássicos antigos"
transformaram a palavra Rada em Rodes. Todos os detalhes da fusão Colossus combinam
perfeitamente com a tecnologia de fusão de sino. Na verdade, a palavra "COLOSSUS" em
si é provavelmente uma versão ligeiramente distorcida da palavra russa KOLOKOL (O
COLOCOL) (que em russo significa SINO conhecido pelo tradutor), já que a letra latina C
era pronunciada tanto como K quanto como Ts, S.

É compreensível que o enorme sino veche ( sino do relógio, sino


radny) surpreendeu os estrangeiros. Localizava-se na Rússia, na metrópole do Império,
onde os maiores sinos do mundo foram fundidos. É claro por que o "antigo" Filo de
Bizâncio, que provavelmente escreveu suas obras no século XVI-XVII, prestou atenção
especial à instalação de um

53
gigante de bronze. É muito difícil remover um grande sino de um buraco e erguê-lo alto. Por
exemplo, eles não conseguiram montar o gigantesco sino do czar no Kremlin de Moscou,
embora o processo de fusão tenha sido bem-sucedido. No entanto, os outros sinos enormes
foram levantados e instalados sem problemas.

7) O FAROL DA ALEXANDRIA EM FAROS.

A sétima maravilha do mundo é o farol na ilha de Pharos, provavelmente não muito longe
de Alexandria, no Egito. Pensa-se que foi construída sob os reis ptolomaicos e
posteriormente destruída. “O farol era também uma fortaleza na mesma época, onde havia
uma grande guarnição militar. Uma enorme cisterna com água potável foi instalada na parte
subterrânea da torre em caso de cerco. O farol também serviu de ponto de observação,
pois o engenhoso sistema de espelhos de metal possibilitou monitorar o espaço oceânico
desde o ápice da torre e detectar navios inimigos muito antes de eles surgirem nas
proximidades da cidade. A torre octogonal era adornada com estátuas de bronze (sinos? - o
autor) ...

Como já dissemos antes, o famoso farol “clássico antigo” é o famoso Torre do Sino de Ivan,
o Grande, em Moscou [RI], cap. 7. Portanto, esta maravilha do mundo realmente existe
hoje. A torre do sino de Ivan, o Grande, em Moscou, foi descrita pelos "clássicos antigos",
assim como a "Antiga" Coluna Militar Romana e a famosa Torre de Babel.

26. O subterrâneo e a superfície voam


nos dias dos Romanov.

As ruínas da vasta cidade abaixo, chamada de "Moscou subterrânea", ainda existem hoje. Durante vários séculos,
esta construção foi cercada de lendas. Numerosos corredores subterrâneos, túneis, grandes câmaras, instalações de
armazenamento, poços, escadas, passagens de conexão, esconderijos, câmaras escavadas na rocha, portas
muradas, passagens inundadas
. . . Muitos deles eram revestidos de pedra branca. Acredita-se que a famosa biblioteca de Ivan, o Terrível,
esteja escondida em algum lugar aqui e que ao longo dos túneis subterrâneos sob Moscou é possível viajar
longas distâncias e que após entrar no subterrâneo

54
do centro da cidade, era possível sair longe de Moscou. Existe uma ocupação especializada - as escavadeiras de
Moscou. Eles têm explorado a cidade subterrânea por muitos anos.

HOJE AS VELHAS PLANTAS E CARTÕES DA MOSCA SUBTERRÂNEA NÃO SÃO MAIS


ENCONTRADOS. Mais importante, mesmo os Romanov não os tinham. Parece que os primeiros
Romanov TIVERAM UMA IDEIA MUITO Vaga SOBRE O ENORME TAMANHO DA CIDADE
SUBTERRÂNEA [851: 1]. Só mais tarde começaram as explorações e escavações especulativas, na
esperança de encontrar tesouros enterrados, arquivos reais ou a biblioteca de Ivan, o Terrível. A
história da Moscou subterrânea é descrita no livro de IY Stelletsky [815: 1].

De acordo com nossa pesquisa, os czar-khans russos dos séculos 14 a 16 foram os faraós egípcios da
Bíblia. A capital de Ivan, o Terrível, em Alexandrovskaya Sloboda, era presumivelmente chamada de
Alexandria do Egito. É por isso que informações sobre a famosa biblioteca "clássico antigo"
(Alexandriiskaya) de Alexandria podem ter sido associadas a ela. Quer dizer, na amplamente conhecida
biblioteca de Ivan, o Terrível, que provavelmente foi mantida por um certo período de tempo em
Alexandrovskaya Sloboda [6v]. Nesse caso, o incêndio da biblioteca "antiga clássica" de Alexandria
poderia refletir o verdadeiro evento da destruição de Alexandrovskaya Sloboda na era Romanov do
século XVII. Muito provavelmente, a biblioteca de Ivan, o Terrível, foi destruída e queimada durante o
governo dos Romanov.

A construção de Moscou como a nova capital da Rus 'da Horda começou apenas no século 16, sob o
governo de Ivan, o Terrível. Antes disso, havia apenas um pequeno povoado que surgiu no local da Batalha
de Kulikovo [4v1], cap.6. O local da batalha foi considerado sagrado. Aqui, perto das valas comuns dos
guerreiros, mosteiros e igrejas provavelmente começaram a ser construídos para comemorar a batalha. As
pessoas vinham aqui para adorar. O assentamento não se desenvolveu muito e demorou muito para que se
tornasse a capital. Com o tempo, muitas cidades fizeram o mesmo.

A capital imperial foi transferida para cá de Yaroslavl (Novgorod, a Nínive bíblica) ou de Suzdal (a Susa
bíblica) em meados do século 16 devido à profunda divisão dentro da classe dominante do Império
[6v1], cap. 6 - 7 A escolha da posição não foi acidental. Como o local da Batalha de Kulikovo era
considerado sagrado, eles decidiram construir a nova e poderosa capital da Terceira Roma = Israel
aqui mesmo, "sobre o sangue derramado", na margem do rio Moskva.

Muito provavelmente eles começaram a usar mineração a céu aberto ou métodos de corte e cobertura, por meio
dos quais cavaram túneis profundos, galerias, áreas de serviço, câmaras, poços, etc ... A construção foi ótima.
Quando uma grande quantidade de terreno foi removida, eles começaram a construir as fundações. Eles cobriram
as paredes dos poços de construção, as futuras instalações, com pedra branca. Os tetos foram erguidos sobre o
piso de pedra. Acima deles, o próximo andar subterrâneo foi construído com os quartos e alojamentos. E assim por
diante. O formigueiro subterrâneo começou a crescer. Seu "teto" subia gradualmente até atingir o nível do solo.

55
Em primeiro lugar, os construtores perseguiram objetivos defensivos. Era possível se esconder na cidade
subterrânea durante uma guerra ou um cerco. Como os inimigos não conheciam as saídas das passagens
subterrâneas, a aparição dos Ordianos "de baixo da terra" foi completamente inesperada. O sistema de
caminho subterrâneo era provavelmente muito secreto. Os arquitetos-criadores desapareceram "no ar", então
nem disseram uma palavra. Os planos e mapas da cidade subterrânea eram um segredo de estado. Durante
a ascensão ao poder dos Romanovs pró-ocidentais, as plantas desapareceram no período dos Turbídeos, ou
os Ordianos as destruíram para não deixar vantagens para o inimigo. No século 17, a Moscou subterrânea
estava envolta em trevas e esquecimento. Depois de chegar ao poder, os primeiros Romanov tinham apenas
uma vaga idéia da Moscou subterrânea. A descoberta acidental de uma parte dos arquivos da Horda
ofereceu uma revelação extraordinária.

Depois de concluir o labirinto subterrâneo, os construtores começaram a construção da mosca


"visível" da superfície. No centro estava o Kremlin de pedra cercado pela poderosa fileira tripla de
paredes (hoje apenas uma sobreviveu). A alguma distância dele, ao redor do Kremlin, ficava a
segunda fileira das poderosas fortificações de Kitay Gorod. A terceira fila é conhecida como Bely
Gorod (a Cidade Branca), onde em seu lugar está a Bulvarnoye Koltso (a Avenida Circular). Em
seguida, as fortificações de Zemlyanoy Gorod (a Cidade dos Embankments) foram criadas, incluindo
todos os itens acima. Nada sobreviveu das paredes de Zemlyanoy Gorod; hoje em seu lugar está o
Sadovoye Koltso (o Jardim Circular) [6v3], cap. 3 -

Hoje, a cidade de Moscou, visível na superfície, mudou muito em relação ao que era nos séculos
XVI-XVIII. O sistema de construções defensivas circulares foi completamente arrasado. Apenas seus
nomes e mapas antigos permanecem.

Nada assim foi feito antes. A capital do Grande Império que incluía a Eurásia, a África e a América
estava em construção. A capital que foi descrita na Bíblia como a Nova Jerusalém, que foi
restaurada após a destruição da primeira Jerusalém mencionada nos Evangelhos [6v2], cap. 2

27. A Moscou subterrânea do século dezesseis é o famoso labirinto


egípcio mencionado por Heródoto e Estrabão.

A intrincada construção subterrânea de Moscou foi claramente percebida pelos contemporâneos como um
labirinto milagroso e misterioso e que, uma vez lá dentro, era impossível sair. Era perigoso caminhar pelas
passagens subterrâneas sem algum tipo de mapa. As lendas sobre essas construções se espalharam pelo
mundo naquela época. A Moscou subterrânea foi descrita pelos autores "antigos" como o "Labirinto
egípcio" [6v3], cap. 3. Lembramos que o Egito bíblico é a Rus 'da Horda do século XIV-XVI [6v1], cap. 4

56
O antigo Heródoto considerava o Labirinto a construção mais majestosa do Egito e até ultrapassou as
pirâmides. Como estamos começando a entender, ele estava certo. Heródoto descreveu a Moscou
subterrânea e de superfície do século XVI. Seu tamanho excedia tudo o que havia sido construído
anteriormente no Império. [6v3], cap. 3 -

Posteriormente, algumas regiões remotas do Império "Mongol" começaram a construir seus "pequenos
labirintos", imitando a metrópole imperial. Os governantes da Horda poderiam ter pedido a seus
construtores que criassem algo semelhante ao Labirinto Principal do Império. No [6v3] capítulo 3,
falamos sobre tal imitação no Egito africano. É possível que nos séculos 17 a 18 eles realmente
construíram algo "semelhante ao Labirinto Principal". No entanto, ele não tinha uma semelhança muito
forte.

Outra imitação foi construída na ilha de Creta. Hoje pensa-se que o antigo palácio da cidade de Knossos foi
construído "à semelhança do labirinto". Deve-se notar que os gregos o chamam precisamente de "Labirinto".
Os historiadores traçam sua construção até a mais profunda antiguidade: o século 21 aC Não há nada que
se pareça com as vastas construções subterrâneas de Moscou. Na verdade, havia menos dinheiro nas
províncias do Império do que na metrópole e, de qualquer modo, não é correto construir algo mais
extraordinário nos subúrbios do que na capital. O cã pode ter ficado muito surpreso com o orgulho
provinciano pomposo. Portanto, os governadores "mongóis" preferiram permanecer cautelosos.

Houve também outras imitações de labirintos nas províncias do Império "Mongol". Por exemplo, o
labirinto egípcio perto de Faiyum no norte do Egito, o labirinto de Samos, o labirinto italiano (cuniculi)
na cidade de Clusium (hoje Chiusi). Estrabão também menciona outros labirintos: "Perto de Nafplio
havia cavernas com LABIRINTOS construídos dentro delas e que eram chamadas de Ciclopia" [819],
viii: 6: 2,
p.351.

Todos foram construídos como pálidas imitações que não se comparavam ao Labirinto Principal da
capital.

28. O que é a "construção da Torre de Babel" descrita na


Bíblia?

Este tópico "complexo" é conciso e geralmente de caráter simbólico. Portanto, daremos a você apenas
uma hipótese.

A lenda bíblica sobre a construção da Torre de Babel é conhecida de todos. Os historiadores remontam à
"antiguidade" mais profunda. Nos livros [2v1], cap. 5 e [6v2], cap. 1: 10,

57
Cap. 3: 5, mostramos que os eventos medievais refletidos nesta lenda são parciais. No livro do
Gênesis, ele está entrelaçado com um "nó".

• Reflete principalmente a Guerra de Tróia do século 12.

• Em segundo lugar, é uma reminiscência da conquista mundial "mongol" do século XIV e da


segunda conquista otomana da Terra Prometida no século XV.

• Em terceiro lugar, refere-se aos eventos da Reforma dos séculos 16 a 17, o período
conturbado na Rússia e a divisão do Império “Mongol”.

No história de Scaligerus do século XVIII-XIX, a bíblica Babilônia (Babel)


"Desaparecido". Eles escreveram o seguinte: “No início do século décimo (presumivelmente o autor), para os
geógrafos árabes ... Babilônia era conhecida APENAS COMO UM PEQUENO povoado que surgiu no lugar da
magnífica capital. Para os estudiosos, Babilônia tornou-se simplesmente um nome, uma espécie de símbolo da
localização da qual, ao que parece, eles tinham apenas uma ideia muito vaga ”[391: 1], p.29.

Na Nova Cronologia, depois de ter identificado a bíblica “Torre de Babel” com a pirâmide de Quéops no Egito
e o Labirinto de Moscou, apresentamos as maiores construções da Idade Média que existem hoje.
Obviamente, eles estão parcialmente danificados.

29. O livro de Daniel nos fala sobre a “História de Ester” na Rus 'da
Horda do século dezesseis.

Aparentemente, o rei babilônico Nabucodonosor sob o qual viveu o profeta Daniel é o czar-khan Ivan IV,
chamado de Terrível. Portanto, o livro de Daniel nos dá um relato dos acontecimentos turbulentos do século
dezesseis na Rússia da Horda, a metrópole do Império. O famoso eclipse solar descrito no Livro de Daniel,
que anunciou a morte do rei da Babilônia Baltassar (também conhecido como Belsazar), é o cometa que
aparece antes da morte de Ivan, o Terrível, em 1584.

Parece que todas as pinturas, afrescos e miniaturas sobre o tema do Livro de Daniel foram criadas
não antes da segunda metade do século XVI. Por exemplo, o
Crônica do Mundo por Hartmann Shedel do alegado 1493 [1396: 1]. Mostra três jovens judeus
queimando em uma fornalha e o profeta Daniel [1396: 1] lista LV, atrás. Conseqüentemente, a crônica
não foi escrita até o século XVI.

A famosa escrita na parede (citada no Livro de Daniel): "Mene, Mene, Tekel, Upharsin", que
anunciou a morte de Baltassar, é provavelmente a expressão eslava distorcida "Znameniye
Gorysheye P-Rusinam". Aqui, a palavra principal é ZNAMENIYE (que significa sinal do que está por
vir, presságio em russo) (Mene, Mene). As letras "Z" e "M" diferem apenas para o posicionamento
na linha: ZNA-

58
MENIYE = Mene-Mene. É especificado que o sinal está queimando (fakel, que significa tocha em russo,
significa Tekel) e foi dado a P-rusinam (Upharsin). A cometafora que estava "queimando" apareceu aos
russos. Sobrevivem algumas representações nas quais o signo é reproduzido de forma abreviada: “Mene,
Mene”. Por exemplo, em uma pintura alemã do alegado início do século 16 [6v3], cap. 4

Parece que o pintor alemão do século XVI que pintou a palavra eslava ZNAMENIYE com a forma
ligeiramente distorcida MENE, MENE, conhecia o eslavo. Portanto, a língua eslava também foi
entendida pelos espectadores, aqueles que conheciam sua arte. Será que a maioria do público em
geral falava eslavo? Do ponto de vista da história de Scaliger, é um tanto estranho, enquanto de
acordo com a nova cronologia é simplesmente óbvio. Na Europa Ocidental dos séculos 14 a 16, a
língua eslava era a língua oficial do Império.

Mais tarde, Baltassar ordenou que os vasos de ouro que haviam sido tirados do templo por Nabucodonosor
em Jerusalém fossem trazidos para o banquete (para que pudessem ser enchidos com vinho para mil
senhores em seu serviço beberem). A ordem foi cumprida e as relíquias sagradas expostas a todos. Nesse
ponto, Deus ficou furioso e puniu Baltassar com a morte. Assim, os tesouros de Jerusalém de Nabucodonosor
são os mais ricos tesouros de Ivan IV, o Terrível, que ele exibiu aos seus convidados e ao público antes de
sua morte [6v3], cap. 4

O confronto dos sacerdotes babilônios com o profeta Daniel e seus partidários é a luta da Igreja
Ortodoxa Russa com a heresia dos judaizantes sob Ivan IV = III, o Terrível.

O livro de Daniel também menciona a “História de Ester”, que é a heresia que se espalhou na corte da Rus 'da
Horda no século XVI. No livro de Daniele está a “História de Susanna”.

Só para lembrá-lo, a esposa do filho do czar acabou por ser um judeu secreto e astrólogo. O próprio
czar-cã gostava muito dela. Um conflito familiar estourou. O czar mandou sua primeira esposa
embora. Seu lugar foi ocupado por Esther, aliás Elena Voloshanka, aliás Elena Glinskaya, aliás a
bíblica Judith, aliás a bíblica Jael. O filho do czar morreu. O trono foi cercado pelo círculo fechado de
partidários de Ester: os judaizantes, os protestantes, os "latinos". O czar ficou do lado dos hereges. A
Igreja Ortodoxa Russa se opôs fortemente. O conflito religioso aumentou e se transformou em uma
revolta estadual. Em segundo lugar no estado, ao lado do czar-khan apareceram os hereges. Uma
divisão surgiu na empresa. Era a famosa Oprichnina do século XVI. O czar foi forçado a deixar a
antiga capital da Rus 'da Horda e transferi-la para um novo lugar. A cidade de Moscou foi construída,
que é descrita na Bíblia como a Nova Jerusalém (nos livros de Esdras e Neemias).

Desfrutando do apoio do czar-khan, os hereges derrotaram seus inimigos, que na Bíblia são chamados de
persas, ou seja, P-russos, russos brancos. Em homenagem a sua vitória, a famosa celebração judaica de
Purim foi estabelecida. Mais tarde, o czar-khan se arrependeu. O Concílio da Igreja foi realizado onde a
heresia foi condenada. Os principais hereges foram capturados e queimados ou exilados. A corte do cã
voltou
59
do lado da ortodoxia russa. No entanto, houve sérias consequências após o golpe na corte do czar cã.
No início do século XVII, na Rus 'da Horda, começou o período das Perturbações. A Horda perdeu o
controle sobre os protestantes, "latinos" e a Europa Ocidental. No centro do Império, os Romanov
pró-Ocidente estavam ansiosos para derrubar o poder. O Império se desfez. A dinastia Rus da Horda
foi bastante reduzida. Na Europa, Ásia, África, América do Norte e América do Sul, eclodiram ferozes
rixas internas entre os governadores imperiais e os fragmentos do Império "Mongol".

O Livro de Judith narra os mesmos eventos, mas através dos olhos dos governadores "mongóis" ocidentais.
As tropas punitivas do rei assírio lideradas por Holofernes invadem o Ocidente para conter a agitação. A
judia chamada Judith (ou simplesmente “a judia”) chega ao acampamento assírio. Ele entra na tenda de
Holofernes e depois de o ter nocauteado por engano, o decapita. O exército assírio está desmoralizado e é
derrotado. Os países ocidentais estão seguros. Quase a mesma coisa é contada no capítulo 4 do Livro dos
Juízes, na história do Comandante Sísera (ou seja, o Czar e Jael (ou seja, Helen), a mulher que o matou
traiçoeiramente [6v1], capítulo 8: 13.

O livro de Daniel também descreve a história de Ester (com a história de Susanna). Em outras palavras, de um
ponto de vista eclesiástico e religioso podemos dizer que o Livro de Daniel é um livro "eclesiástico", o Livro de
Ester é um livro "cortesão" e o Livro de Judite é um livro "militar". Eles descrevem o mesmo evento de
excepcional importância, mas de diferentes pontos de vista.

Parece que DANIEL, o Metropolita de Moscou e de toda a Rússia, é apresentado aqui sob o nome
de Daniel. Compreensivelmente, o livro do Antigo Testamento dá grande atenção ao chefe da
Igreja Ortodoxa Russa, pois o conflito religião-igreja estava na base dos eventos. O papel da
mulher herege foi abafado.

Uma das histórias famosas do livro de Daniel é a tentativa de queimar três jovens judeus na "fornalha ardente"
dos babilônios. A que evento da história da Rússia isso pode se referir? Aparentemente, ele se refere aos três
principais hereges queimados em uma gaiola em Moscou na era da luta contra a heresia dos judaizantes. Com
uma mudança de cerca de cem anos, esses eventos do século dezesseis "se espalharam" artificialmente por todo
o século dezesseis e chegaram até mesmo ao final do século quinze [6v1], cap. 7

A queima de três pessoas por causa de sua fé e em particular em uma "fornalha" foi um dos eventos mais famosos
da história da Rússia do século 15 ao 16 sob Ivan, o Terrível.

O ponto culminante da luta entre a Igreja Ortodoxa Russa e a heresia foi o Sobor (conselho da igreja) de
1504. “O principal acusador dos judaizantes foi Joseph (Volotsky - o autor). OS LÍDERES DOS
CULPADOS, Feodor Kuritsyn diak (secretário) Volk Kuritsyn, Dmitry Konoplev e Ivan Maksimov, foram
levados a julgamento em um tribunal civil PARA DEPOIS SER QUEIMADOS EM UMA GAIOLA em 28 de
dezembro em Moscou ”[578], livro 2, v. 3, p.211.

60
A queima dos TRÊS HERETICS NA GAIOLA também se reflete no Livro de Daniel com a “queima
na fornalha ardente dos três JOVENS” (OTROK em russo HERETICS?).

Além da aposta principal dos três líderes da heresia em 1504, também ocorreram as outras execuções dos
membros menores, que no entanto foram menos surpreendentes. “O golpe contra a heresia dado pelo concílio
da igreja em 1504 foi muito forte, mas mesmo assim não a erradicou definitivamente” [578], livro 2, v.3, p. 211.

Descrevendo a queima dos três judeus, o livro de Daniel insiste que, presumivelmente, todos os
três sobreviveram milagrosamente. As chamas não os tocaram, embora o fogo estivesse
queimando ao redor deles. Então, como isso foi possível? Será que os autores bíblicos, que se
compadeceram dos três jovens, representaram simbolicamente o assunto como se Deus os
ajudasse? No entanto, é muito provável que dois eventos na história russa do século 16 estivessem
entrelaçados aqui. Já falamos sobre um. Para esclarecer qual é o outro evento mencionado na
Bíblia, temos que voltar um pouco, ao final do suposto século XV.

O venerável São José Volotsky (José de Volokolamsk) e o metropolita Gennadius de Novgorod se


opuseram à heresia emergente dos judaizantes. Dito isso, Ivan III o Terrível e parte de sua corte
praticamente sabotaram a luta contra a heresia ao dificultar a investigação. No entanto, sob pressão
da Igreja Ortodoxa Russa, embora com grande dificuldade, a investigação ainda avançou.

“Depois de tanto barulho que surgiu em torno da história da heresia revelada, o promotor e seus
investigadores conseguiram capturar APENAS NOVE PESSOAS em Novgorod e Moscou”, v.1,
p.496.

O veredicto do Sobor (Conselho) foi considerado estranhamente brando. O próprio czar interveio em
nome dos hereges. Em vez de exibir os culpados, eles organizaram uma espécie de apresentação
teatral. Desta vez, ninguém foi queimado. Apenas os "chapéus dos hereges" foram simbolicamente
queimados em suas cabeças. Provavelmente, eles fizeram o possível para garantir que ninguém se
machucasse. Não é difícil, pois os chapéus eram feitos de casca de bétula. A casca de bétula queima
rapidamente. Basta umedecer os cabelos ou colocar algum tipo de touca sob o chapéu de casca de
bétula, e a cabeça permanece ilesa.

O mesmo espetáculo deu origem a uma série de descrições literárias muito coloridas. Um deles
está no livro bíblico de Daniel. Os chapéus em chamas se transformaram em uma "fornalha
ardente" (colando esta trama na próxima, ou seja, o fogo real dos três hereges na gaiola). Feito
isso, foi afirmado com razão que o fogo ardeu EM TODOS OS CONDENADOS. Na verdade, a
casca de bétula queimava ao redor da cabeça. Algum tipo de fogo realmente cercou aquelas
pessoas. Além disso, eles "entraram sem serem queimados". A imagem literária foi posteriormente
acentuada. Eles alegaram que o fogo em torno dos jovens queimou as "pessoas más", isto é, os
babilônios que tinham

61
definir as chamas, aqueles que se opuseram à heresia. Isso é o que a Bíblia também diz.

A benevolência do livro de Daniel para com o profeta e seus apoiadores está em contraste com a
posição negativa da Igreja Ortodoxa Russa em relação à heresia dos judaizantes. É possível que o
livro de Daniel tenha sido criado pelos hereges que cercaram o trono do czar-khan da Horda que
apoiou os hereges por muito tempo? Para resumir, "o livro de Daniel" foi escrito em russo pelos
judeus no século XVI.

Como já dissemos, sob o nome de Daniel foi descrito Daniel, o metropolita de Moscou e toda a
Rússia. Ele ocupou o lugar mais alto na hierarquia da igreja imperial e, por assim dizer, o segundo
lugar depois do czar-khan. As atividades do metropolita Daniel correspondem bem às descrições
contidas na Bíblia [6v3], cap. 4

"The Story of Esther", 1553-1584, foi transportado para o passado como um reflexo fantasma. Suas
duplicatas principais são: a época de Ivan III, o Terrível (e Elena Voloshanka) 1462-1505 e a época de
Basílio III (e Elena Glinskaya) 1505-1533. As atividades do metropolita Daniel caem exatamente na época
de Basílio III.

Falamos da “história de Susanna” presente no Livro de Daniel. Este livro é eclesiástico e descreve a
luta da Igreja Ortodoxa Russa com a heresia dos judaizantes no século XVI. A parte canônica do Livro
de Daniel não diz nada sobre Esther = Elena Voloshanka = Elena Glinskaya. Não há narrativa de
natureza sexual nos doze capítulos "oficiais" do livro de Daniel. Parece que os autores eclesiásticos
consideravam a "trama feminina" uma trama cortesã, doméstica, que dizia respeito apenas à vida
privada do czar-khan da Horda. No entanto, o traço da "mulher chamada Ester" no livro de Daniel
ainda está presente. O décimo terceiro capítulo que fala de Susana e que não foi considerado cânone
foi incluído no final do livro [936], v.1,

p.461. À primeira vista, não tem nada a ver com o tema principal do livro. Seja como for, embora de uma
forma distorcida, uma parte da história de Esther é contada aqui, na qual o enredo tem uma ênfase
distintamente sexual.

Susanna recusou-se a satisfazer os desejos eróticos dos dois antigos juízes. Como vingança, eles
tentaram manchar sua reputação na frente do povo e alegadamente declararam que “um jovem foi até
ela ... e deitou-se com ela. Estávamos em um canto do jardim ... e os vimos deitados juntos ”(Daniel 13:
37-39). No entanto, o jovem Daniel interveio em nome de Susanna para defender sua honra e descobriu
as tramas secretas e as mentiras dos antigos juízes. Ambos os juízes corruptos foram condenados e
executados.

Assim, mesmo que de forma muito vaga, “o aspecto feminino da história de Ester” se reflete no livro de
Daniel. No entanto, uma das principais tramas do drama familiar do século 16 é apresentada aqui na
corte do czar-khan da Horda e seu filho que era seu co-regente. A cena de sexo aconteceu nos
aposentos privados e em ambos

62
governantes viram-se no quarto da jovem em uma situação ambígua e na tentativa de possuí-la.

A atenção especial dos comentaristas da Bíblia para com Susanna é bastante estranha. O que poderia haver
de tão atraente nessa história? Os dois juízes soberanos queriam uma jovem. Eles se esgueiraram para sua
cama e, em seguida, atacaram sua reputação, pelo que foram punidos com justiça. No entanto, há outras
histórias muito mais importantes na Bíblia que, no entanto, não promoveram tanta atenção por parte dos
artistas e autores dos séculos XVII e XVIII. Por algum motivo, eles amaram a história de Susanna. Agora está
claro por quê. Fazia parte da "história de Ester" famosa em alguns círculos e que desempenhou um papel
importante na divisão do Império "Mongol". Conseqüentemente, os artistas da Europa Ocidental pintaram a
"nobre Susanna" enquanto ela lutava com os dois velhos juízes "muito ruins". Inicialmente, os comentaristas
se lembraram do verdadeiro significado da história. Então ele foi esquecido, mas por obediência eles
continuaram a elogiar Susanna com a força do hábito. A congregação foi levada a esquecer que na imagem
de Susanna estava a famosa herege Esther, também conhecida como judia Elena Voloshanka.

Os historiadores Scaliger dataram o livro bíblico de Daniel em 605-536 AC [936], v.1,


p.461. Eles se fundiram por cerca de 2100 anos. A data correta é o final do século XVI.

Portanto, os eventos da Rus 'da Horda no século dezesseis estão na base do livro de Daniel do Antigo
Testamento. Isso é consistente com o fato de que no século 16 a Igreja Ortodoxa Russa introduziu pela
primeira vez o rito cerimonial da "peshnyie deistva", uma produção teatral espetacular que foi realizada na
igreja para celebrar a salvação milagrosa dos três jovens judeus da fornalha ardente. .

Agora está tudo bem. Como já dissemos, os três principais hereges judaizantes foram queimados na fogueira em 27 (28) de
dezembro do alegado 1504 [372], v. 1, pág. 500. Por isso a Igreja relacionou o drama teatral da "queima dos três jovens" com o
Natal de Cristo celebrado em DEZEMBRO. O fato de os shows “peshnyie” (devoções de fantasias) terem se originado exatamente
no século 16 também pode ser explicado muito bem. Foi o momento em que aconteceu a "história de Ester" e a luta da Igreja
Ortodoxa Russa contra a heresia. A Igreja decidiu comemorar os ritos “peshnyie deistva” (a devoção fantasiada da fornalha de fogo
antes da liturgia de Natal na Igreja Ortodoxa Russa). Originalmente, o significado dessas representações era austeramente
instrutivo. Por eles, no século 16 a Igreja Ortodoxa Russa, que venceu temporariamente, alertou sua congregação em todas as
igrejas do Império contra o ressurgimento da heresia. Eles mostraram a punição para a rebelião do estado e a derrogação da
ortodoxia. O castigo foi a estaca na jaula! Mais tarde, porém, quando os Romanov usurparam o trono, o significado de "peshnyie
deistva" foi invertido. A representação permaneceu, mas agora eles começaram a destacar o elemento milagroso da salvação dos
jovens judeus do fogo, pois o próprio Deus estava do lado deles. O preto ficou branco. O castigo foi a estaca na jaula! Mais tarde,
porém, quando os Romanov usurparam o trono, o significado de "peshnyie deistva" foi invertido. A representação permaneceu, mas
agora eles começaram a destacar o elemento milagroso da salvação dos jovens judeus do fogo, já que o próprio Deus estava do
lado deles. O preto ficou branco. O castigo foi a estaca na jaula! Mais tarde, porém, quando os Romanov usurparam o trono, o
significado de "peshnyie deistva" foi invertido. A representação permaneceu, mas agora eles começaram a destacar o elemento
milagroso da salvação dos jovens judeus do fogo, pois o próprio Deus estava do lado deles. O preto ficou branco.

63
(A palavra juventude em russo é Otrok e se assemelha à palavra russa Eretik, que significa herege -
nota do tradutor). Sob os Romanovs, o livro de Daniel, que acabara de ser escrito, era considerado o
relato dos eventos da Rus 'da Horda que praticamente trouxe a nova dinastia ao poder. Ou seja, os
eventos favoráveis aos Romanov. No século 17, o Livro de Daniel foi escrito, na versão exigida,
como importante material de propaganda que deveria ser impresso na mente da congregação. A
avaliação dos eventos do século dezesseis mudou completamente. Os hereges foram declarados
bons e os representantes da Igreja Ortodoxa Imperial que estavam lutando contra a heresia dos
judaizantes foram maltratados.

Com o passar do tempo, nos séculos XVIII e XIX a relevância da história desapareceu. A "história de Ester"
tornou-se uma coisa do passado, esquecida. Hoje os “peshnyie deistva” não são mais executados na igreja
ortodoxa, enquanto o quadro instrutivo e as ilustrações bíblicas sobre o tema da “fornalha ardente” foram
pintados até o final do século XIX.

30. As catedrais góticas,


as mesquitas e templos da Horda.

Figura 91. A Igreja da Natividade da Virgem Maria e a Catedral de San Nicola


em Ladoga no antigo estilo "mongol" [80: 1], t.1, p.648.

64
Em [4v2], cap. 2: 47 parliaam moou como o estilo dos templos que sou hoje são conhecidos como
"Gótico" foi baseado no arco arquitetura das antigas catedrais de Ruuss 'dell'Orda do XIV-
Século XVI, que mais tarde ou foi formado na Europa Ocidental. Lá F. Figura 91 mostra o
Igreja da Natividade do B Bem-aventurada Virgem Maria e a Catedral de São Nicolau em Ladoga.
Podemos ver que a tradição ordiana de construir catedrais no antigo estilo "mongol", ou seja,
orrm
mas de um longo edifício com um telhado de duas águas de um lado
dos quais está uma torre, permaneceu vivo na Rússia por mais um momuito tempo. Alguns
Mesquitas islâmicas eu venho ainda não foi construído neste estilo, por exemplo, no Tartaristão.
em
Bem como aqueles em “go ottiicco ”ocidental, que é a Cathedrraalli gótica. Eles vieram
modelado nas catedrais da metrópole, ou melhor, da Rus 'dellll''O Horda. No entanto, depois
a ascensão ao poder do Romaan nov, o estilo das igrejas russas foi substituído por um novo: lo
estilo abobadado, que Ven niivva chamada "estilo gótico antigo" .. M Enquanto na europa
O estilo ocidental sobreviveu ao antigo estilo da Horda com o nome de "Antigo Gótico". Portanto, suas origens
"mongóis" foram obscurecidas. Em continuação ou na divisão de
Cristianismo em diferentes ramas mi, esses estilos arquitetônicos começaram ou ser considerado
independente. Não é verdade Todos
o .. R eles voltam à fonte comum do O Horda.

31. Ainda em Heródoto.

Figura 92. As cinco épocas que são d distinguir na história europeia do Império Orrd dea [GR], Introdução.

Aqui está uma conclusão iim importante que chegamos ao analisar o "antigo"
Crônicas gregas e principalmente as famosas Histórias de Heródoto. Acontece que lá encontramos um
reflexo pálido das épocas numeradas 1, 2, 33, 5 na Figura 92
[GR].

1. O tempo de Andron Niicco-Cristo no final do século XII.


65
2. O período depois de Cristo, quando a Rus 'da Horda e as regiões do Império Romano se aliaram a
ela e se vingaram do Czar Grad = Jerusalém e seus habitantes = os residentes da Judéia, pela
crucificação de Cristo em 1185. Esta é a era das Cruzadas do início do século 13, seguida pela
última conquista "Mongol"
XIII, início do século XIV.

3. Época do segundo Batismo da Rus 'da Horda e de todo o Império “Mongol” no final do século XIV, após
a batalha de Kulikovo. Nessa batalha, o cristianismo apostólico liderado por Demetrius del Don,
também conhecido como Imperador Constantino I, o Grande, celebrou a vitória sobre o cristianismo
real e ancestral liderado pelo khan Mamaj, também conhecido como Ivan Venyaminov ou Velyaminov.

4. A conquista otomana refletiu-se excepcionalmente moderadamente nas fontes "antigas".

5. A era da Reforma no final do século dezesseis, início do século dezessete, quando a divisão do
Grande Império começou. O fracasso da guerra da Livônia; o golpe de estado na capital do
Império, ou a história de Esther e Judith; a separação da Europa Ocidental da metrópole do
Império.

No Figura 92, entre as idades de 3 e 5 anos existe a 4, ou conquista otomana. O curioso é que os
"antigos" autores gregos Tucídides, Heródoto, Plutarco e alguns outros o esqueceram. Raramente e "com
os dentes cerrados" falaram da segunda conquista da Europa pelo Império Otomano e pela Rússia, a
saber, a conquista bíblica da Terra Prometida. Autores ocidentais, que mais tarde foram chamados de
gregos "antigos", não gostavam de se lembrar de eventos que eram dolorosos demais para eles.

Essas cinco eras cobrem a principal história escrita da parte europeia do Império da Horda, dos séculos XII
ao XVII. As épocas 1, 2, 3 e 5 foram descritas em detalhes pelos "antigos" gregos. Eles foram mais
reticentes por volta da quarta época. No entanto, os autores dos "clássicos antigos" falavam muito da
quinta época da Reforma e da cisão do Império, a começar pela vitória sobre os "bárbaros orientais", dos
quais ficaram muito felizes. É exatamente assim que Tucídides, Heródoto e os outros "autores clássicos"
chamaram os persas (P-russos): BARBARI.

No Figura 61, 62 é 63 ( Capítulo 6) mostra os principais paralelos entre o "clássico antigo" e a história
medieval. Na coluna da direita todos os capítulos do Histórias de Heródoto. À esquerda, estão
registrados alguns dos vários eventos importantes dos séculos 11 a 17. As setas mostram em quais
livros de Heródoto eles foram descritos.

As descrições de Heródoto sobre a profanação das múmias de reis egípcios pelo rei Cambises
também indicam a origem mais recente do texto. A questão a que nos referimos é a era da Reforma.
O Império estava entrando no Tempo das Perturbações. O enfraquecimento da autoridade central
levou ao início da desintegração da moralidade e dos costumes tradicionais entre os oficiais do clero
e funcionários da necrópole real no Egito, muito longe da metrópole. A antiga reverência do

66
múmias dos grandes cãs e seus governantes começaram a dar lugar a uma atitude de desprezo. O
enfraquecimento do medo disciplinar que emanava da metrópole levou à profanação das criptas mortuárias
reais. Os imensos tesouros foram procurados e encontrados: ouro, prata e pedras preciosas. Os restos
sagrados foram brutalmente descartados enquanto vasculhavam os sarcófagos e mortalhas. Isso aconteceu
já no século XVIIXVIII, quando a Europa rompeu com o Império e os governadores rebeldes, ao chegarem
ao Egito, zombaram deliberadamente das múmias reais para apagar da memória do povo a memória do
Império "Mongol".

Autores da Europa Ocidental dos séculos 16 a 17 e os Romanov atribuíram muitas atrocidades a


Ivan, o "Terrível". A verdadeira imagem dos eventos era dramaticamente diferente. Obviamente, é
difícil compreender totalmente o emaranhado sangrento da história de Ester, Opichnina e o
massacre noturno de San Bartolomeo em meados do século XVI. Verdade e mentira estão
entrelaçadas na furiosa luta durante a dissolução do Império. O Império tentou abafar a revolta.
Mais tarde, porém, durante a era da Reforma, os vencedores, incluindo os Romanov, transferiram
todas as atrocidades para os derrotados. Eles argumentaram que a culpa era dos ordianos e do
czar-khan, o "Terrível" (que, segundo Heródoto, era Cambises). Eles declararam que o Rus 'da
Horda era o império do mal e o atacaram com outros nomes negativos.

Por exemplo, bastará mencionar o trabalho de A. Schlichting Um breve conto sobre o


Caráter e governo cruel do tirano de Moscou Vasilyevich [ ZA], cap. 5. Cinqüenta
páginas cheias de abominações que presumivelmente aconteceram sob Ivan, o Terrível. Os detalhes da tortura e
das execuções foram altamente considerados. Eles criaram uma "história do homem negro para adultos".
Histórias de horror semelhantes foram contadas por Heródoto quando escreveu sobre Ivan, o Terrível, e o
chamou de Cambises persas: "E em outra ocasião ele ordenou sem razão o sequestro de doze dos mais nobres
persas e os enterrou vivos" [163], p. .149.

A vitória temporária dos "bons gregos" sobre o bárbaro Xerxes (Ivan, o Terrível) foi saudada pelo
europeu ocidental Heródoto e seus colegas, os autores dos "antigos clássicos". Em suas obras, a
Europa Ocidental foi descrita positivamente como a "bela Hélade", enquanto a Rus 'da Horda foi a
"Bárbara Pérsia". A atitude do cronista também pode ser percebida na escolha da terminologia. De
um lado, estão os gregos helênicos, galantes e sofisticados, mas extremamente pobres. Por outro
lado, existem os selvagens e rudes, mas muito ricos persas. No entanto, a modesta nobreza do
primeiro derrotou a ferocidade magnífica do último! Os "antigos" autores clássicos queriam
escrever continuamente sobre este assunto. Já tendo falado, em seus livros anteriores, da alegria
de Histórias.

Encontramos uma boa combinação entre a famosa e "antiga" batalha das Termópilas entre os espartanos e os
persas em supostamente 480 aC e a batalha entre os russos e os

67
Alemães em 1560 durante a Guerra da Livônia, na cidade de Fellin. Os historiadores erraram por
dois mil anos ao datar este famoso evento [GR].

Portanto, os historiadores se enganaram ao apresentar uma ravina na Grécia como as famosas "Termópilas
dos anais". Esta passagem foi denominada "Termópilas" mais tarde, no século XVII-XVIII, após ter transferido
para aqui (apenas no papel) os acontecimentos da "antiga" guerra contra o Rei Xerxes = Czar Cossaco =
Kaiser. Os numerosos turistas que desejavam se curvar à memória dos lendários 300 espartanos não
deveriam ter sido levados para a Grécia moderna, mas para a cidade alemã de Fellin ou a cidade de Wenden
na Livônia.

Nas obras de Heródoto, encontramos vestígios da famosa correspondência entre o príncipe Kurbsky e Ivan, o
Terrível. Só para lembrar, depois que o príncipe fugiu para a Lituânia, eles trocaram várias cartas que foram
pesquisadas por muito tempo. Como mostramos, essa correspondência também se reflete no Antigo
Testamento, no Livro de Judite, que também fornece um relato da Guerra da Livônia no século 16 [6v1],
capítulo 8.

Assim, Heródoto começou a escrever sobre o imperador Andrônico-Cristo e continuou a narração até o início
do século XVII, após falar do período dos conturbados, do impostor Demétrio e do Czar Vasilij Shuisky.
Tínhamos diante de nós a história da Horda (ou seja, o Império dos séculos XIII-XVII). O próprio nome
“Heródoto” provavelmente deriva da palavra HORDE na pronúncia da Europa Ocidental: HORDE - Heródoto.

É possível que Heródoto tenha vivido no sul da Europa ou no Mediterrâneo, pois nunca tinha visto
uma nevasca e não sabia o que era. Ao falar da Cítia, isto é, a Rus 'da Horda, Heródoto diz: “Visto
que a extensão de suas terras (Cítia) é muito grande (de acordo com os citas), Colaxais deu a cada
um de seus três filhos um reino separado, um dos que tinha dimensões maiores do que as outras
duas: o ouro foi preservado nesta. Acima, ao norte dos habitantes mais distantes da Cítia, é dito
que o país foi OCULTO DA VISTA E IMPOSSÍVEL DE CRUZAR POR CAUSA DAS TANTAS
PENAS QUE SE PERDERAM EM TODA PARTE. A TERRA E O AR SEMPRE ESTÃO CHEIOS
DELE E FOI POR ISSO QUE FOI IMPOSSÍVEL OBSERVAR A PAISAGEM DA REGIÃO ”. [163],
P.188-189.

É óbvio que o assunto de que estamos falando é uma tempestade de neve. Tudo está nublado por
tempestades de neve. Você não consegue ver nada nem de perto. Uma pessoa que nunca tinha
visto uma tempestade de neve e usado apenas as notas de viagem de outras pessoas, pode ter
decidido dizer que os flocos de neve voando por toda parte eram penas brancas de pássaros, ou ele
pode ter confundido as palavras. Russo PURGA (SNOW STORM, TORMENTA - em russo) e
PERYA (PENAS - em russo).

68
32. Quando viveram os grandes artistas italianos do Renascimento?

Em [1v] e [2v] citamos inúmeros relatos sobre as datas de vida de vários pintores famosos da
Renascença, que na verdade estão mais próximos de nós por cerca de 100-150 anos. Estamos
falando em particular de Leonardo da Vinci: o alegado 1452-1519, Michelangelo: o alegado
1475-1564, A. Dürer: o alegado 1471-1528. A mesma conclusão vem de razões completamente
diferentes: astronômicas. Em [GR], na introdução, mostramos que o zodíaco no teto da Sala dos
Pontífices do Vaticano foi criado em 1670. Ou seja, 150 anos depois do que fomos levados a crer.
Dizem que o afresco foi criado em 1520-1521 pelos artistas Pierino del Vaga e Giovanni da Udine.
Em particular, estes artistas são famosos não só pelas suas obras, mas também por estarem
relacionados com outros pintores famosos do suposto final do século XIV / início do século XV.

Muito provavelmente, artistas muito famosos como Raphael, Pinturicchio, Signorelli, Botticelli e muitos
outros não viveram nos séculos XV-XVI, mas nos séculos XVI-XVII e alguns até no século XVIII.

Datas como "ano 1520" que encontramos em antigas obras de arte podem ser lidas da seguinte forma.
Conforme mostrado em [1v], o número (dígito) 1 anteriormente significava a letra I, a primeira letra do
nome IISUS (JESUS em russo). Em outras palavras, a data 1520 anteriormente significava "ano 520
de Jesus (DC)". No entanto, Jesus Cristo nasceu em 1152. Adicionando 520 ao ano 1152 dá o ano de
1672. Portanto, em alguns documentos as datas como "ano 1520" podem ter se referido à segunda
metade do século 18, e não ao século 16 como é pense hoje.

33. Sobre o que Shakespeare realmente escreveu?

No livro [SAK], mostramos que as extraordinárias comédias de Shakespeare como


Hamlet, Rei Lear, Macbeth, Elmo de Atenas, Henrique VIII, Titus Andronicus ( cujo período
está agora erroneamente datado em um passado distante e colocado nas regiões geográficas erradas),
de fato, eles fornecem um relato de eventos reais e importantes dos séculos 12 a 16, que ocorreram
principalmente na metrópole do Grande Império. Aqui também fomos guiados por outras fontes originais
que nos contaram os mesmos eventos de Shakespeare. Em particular, as crônicas de Godfrey de
Monmouth, Saxo Grammaticus e Raphael Holinshed. Como resultado, surgiu o seguinte:

O príncipe Hamlet parece ser um reflexo de Andronicus-Christ (Andreij Bogolyubsky) e João


Batista do século 12.

O rei Lear é um reflexo do cã Ivan, o Terrível, do século 16.

69
O Rei Macbeth é um reflexo do Rei Herodes bíblico do século 12. Helm of

Athens é o reflexo de Judas Iscariotes do século XII.

O governante inglês Henrique VIII é outro reflexo de Ivan, o Terrível.

A rainha inglesa Catarina de Aragão é o reflexo da czarina Sofia Paleologa, esposa de Ivan III =
IV, o Terrível.

A rainha inglesa Anna Bolena é o reflexo de Elena Voloshanka = a Ester bíblica do século
XVI.

O imperador Andrônico-Cristo (Andreij Bogolyubskij) é refletido nas páginas de Shakespeare com os


seguintes nomes: Príncipe Hamlet (em Aldeia), Macduff (em
Macbeth), o filósofo Apemanto (em Elmo de Atenas) e Titus Andronicus (em Tito
Andronicus).

Tudo isso pode parecer incrível. Se você tentar pensar nos eventos descritos por Shakespeare, não
parecerá encontrar nada semelhante à história de Cristo ou de Ivan, o Terrível. Com efeito, depois de ir ao
teatro ou ao cinema moderno para ouvir com atenção uma tragédia representada por atores ilustres, é
difícil imaginar que na realidade eles, por não saberem, estejam contando acontecimentos de um passado
não tão distante e de heróis famosos, cuja conexão com os escritos de Shakespeare foi aparentemente
esquecida há muito tempo.

A razão para essa névoa psicológica é clara. Freqüentemente, não percebemos o quanto a
interpretação literária pode se distanciar do original (puramente na superfície). Um dramaturgo e um
poeta acrescentam alguns detalhes inventados à crônica antiga e conseguem encher de emoções um
enredo pobre. As emoções literárias ocupam o centro do palco e escondem a verdadeira essência que
é coberta por uma densa poeira. É necessária uma análise bastante complexa para poder “remover a
poeira”. É preciso se comportar como os criminologistas que solucionam homicídios. Além disso, sem
um guia objetivo para os marcos, a Nova Cronologia, muitas vezes é impossível entender em que e
onde procurar o original.

34. A data do calendário astronômico do primeiro Concílio


de Nicéia e da Natividade de Cristo.

A DETERMINAÇÃO DO CÁLCULO (O CÁLCULO DE EASTER).

Relatamos o resumo das pesquisas de GV Nosovskiy [6v3], cap. 2. Estamos falando de dois
marcos principais da cronologia tradicional: a Natividade de Cristo e o Primeiro Concílio Ecumênico
de Nicéia, freqüentemente chamado de Concílio de Nicéia. A versão de Scaliger é amplamente
baseada nessas datas. O fato é que Scaligero construiu sua cronologia principalmente como a da
história de

70
Igreja. A cronologia secular foi apresentada em suas obras como secundária e baseada nos sincronismos dos
acontecimentos eclesiásticos.

Aparentemente, ambas as datas, a da Natividade de Cristo e a do Concílio de Nicéia, foram


datadas por Scaliger de maneira absolutamente errada.

Em [6v3], cap. 2 descreve a maneira exata como essas datas foram calculadas por
cronologistas medievais e quais erros foram cometidos. O mais interessante é: QUAIS FORAM
OS DETALHES, SE OS ERROS FORAM CONSIDERADOS CORRETOS. Ele também fornece
um relato do verdadeiro motivo da famosa reforma do calendário gregoriano do século 16, após
a qual dois estilos foram desenvolvidos em nosso calendário: o "antigo" e o "novo".

Pensa-se que o calendário da igreja foi estabelecido, compilado e aprovado no Primeiro


Concílio Ecumênico de Nicéia em 325. A igreja cristã sempre defendeu que este calendário,
chamado CALENDÁRIO DE PÁSCOA, era de grande importância. O cálculo do calendário
pascal da Igreja compõe-se de duas partes: a imóvel e a móvel.

A PARTE IMÓVEL é um calendário civil chamado Calendário Juliano, pois sua compilação
está associada a Júlio César. Nele, o ano é composto por 12 meses. Um dia adicional é
adicionado a cada quatro anos, 29 de fevereiro. O calendário juliano está intimamente
ligado à liturgia cristã. Os feriados cristãos "imóveis" são atribuídos de acordo com as datas
do calendário juliano. Cada ano eles caem no mesmo dia do mesmo mês no calendário
juliano.

A PARTE MÓVEL do calendário da igreja determina as datas para a observância da


Páscoa e alguns outros dias sagrados que são calculados em relação a ela. A Páscoa cristã
e os feriados por ela calculados são chamados de MÓVEIS, pois seu lugar no calendário
juliano muda de ano para ano, mudando de acordo com a data da Páscoa cristã. O dia da
Páscoa se move dentro das datas do calendário juliano de acordo com uma regra definida.
Esta regra chamada "Computação" é bastante complicada e está ligada a conceitos
astronômicos.

A combinação das partes imóveis e móveis do calendário da igreja é chamada de calendário


da Páscoa ou simplesmente Paschalia.

Portanto, ambas as partes do cálculo do calendário pascal determinam a ordem do serviço


eclesial para cada dia de cada ano. É por isso que a canonização do cálculo do calendário
pascal teve um significado fundamental para a Igreja. Foi o Computo que uniformizou o
serviço eclesial em muitos lugares. Todos os problemas cronológicos relacionados com a
datação da Natividade de Cristo e a história do calendário da igreja desempenham um papel
importante não apenas para a nossa percepção da história da igreja, mas também para a de
toda a Eurásia medieval.

71
Os dois principais cânones apostólicos da Páscoa são os seguintes:

1) Não celebre a Páscoa com os israelitas.

2) Comemore a Páscoa somente após o equinócio da primavera.

Então, durante a compilação da Páscoa, os santos Padres do Concílio de Nicéia que a instituíram,
acrescentaram mais dois cânones. O fato é que os dois primeiros cânones apostólicos ainda não
determinam clara e inequivocamente o dia da Páscoa. Os dois novos cânones são:

3) Celebrar a Páscoa somente após a primeira lua cheia da primavera, ou seja, após a
Páscoa, que na literatura patrística cristã às vezes era chamada de "Lei da Páscoa",
isto é, a Páscoa de acordo com a Lei de Moisés, e às vezes de acordo com o "14º mês
lunar de Nisan".

4) Além disso, celebre a Páscoa não em nenhum dia da semana, mas no primeiro domingo
seguinte ao da lua cheia definida, ou seja, após a Páscoa (Pessach).

PRIMEIRA DECLARAÇÃO. O Concílio que instituiu a Páscoa (que se pensa ser o Concílio
de Nicéia) não poderia ter ocorrido antes de 784 porque, devido à lenta mudança
astronômica das fases lunares, somente a partir deste ano as coincidências do calendário
determinadas pelo Páscoa cristã oriental e Páscoa judaica ligada à lua cheia. Essa
concomitância ocorreu pela última vez em 784, após o que as datas da Páscoa cristã e da
Páscoa mudaram para sempre. Portanto, a priori o Concílio de Nicéia não poderia ter
canonizado o calendário pascal no século IV, quando o calendário da Páscoa cristã
coincidia com o da Páscoa judaica oito (!) Tempos: nos anos 316, 319, 323, 343, 347, 367,
374 e

394, e por cinco (!) Vezes, cairia até dois dias antes (o que é explicitamente proibido pelo IV
cânone da Páscoa, ou seja, nos anos 306 e 326 (ou seja, presumivelmente um ano após o
Concílio de Nicéia!) e também nos anos 46, 350 e 370.

SEGUNDA DECLARAÇÃO. A coincidência razoável (em uma estimativa de 24 horas) do


calendário da Páscoa das Luas Cheias desenvolvido no Concílio de Nicéia, com a
observação astronômica das luas cheias, existiu apenas durante o período de cerca de 700 a
cerca de 1000 . No período anterior ao ano 700 as luas cheias calculadas sempre ocorreram
depois das pascais, enquanto depois do ano 1000 foi o contrário, calculadas as luas cheias
de primavera, ou seja, os dias da Páscoa judaica de acordo com a determinação dos cálculos
pascais, verificado primeiro. O início da 13ª Grande Indição (877) caiu EXATAMENTE NO
MOMENTO DAS COINCIDÊNCIAS IDEAIS DA PÁSCOA E DA LUA CHEIA ASTRONÔMICA.

72
Isso significa que o cálculo só poderia ter sido compilado durante o período do sétimo ao
décimo primeiro século DC. Portanto, a datação do Concílio de Nicéia que determinou o
calendário da Páscoa só pode ser rastreada até o século 7 a 11 e a datação mais provável é
o século 10 a 11, após o ano
877.

O RESULTADO DAS DATAS DO CONSELHO DE NICEA.

Em [6v3] cap. 2, mostramos que o cálculo poderia ter sido compilado:

- Não antes do ano 784, por definição da Páscoa cristã;

- Não antes do ano 700, de acordo com a coincidência da Páscoa cheia com as luas
astronômicas;

- Não antes de 700, segundo a "palma de Damasco", ou a mão de João de Damasco;

- Não antes de 743, segundo Mateus Vlastar (que viveu no século XIV) e, portanto,
segundo a tradição eclesiástica da Igreja Ortodoxa e de toda a tradição
Russo-Bizantina, cuja voz era a de Vlastar.

Portanto, a Páscoa não foi definida antes da segunda metade do século VIII e, portanto, não
na segunda metade do século V, como nos dizem. À luz da nova cronologia, torna-se claro
que a canonização da Páscoa no Concílio de Nicéia remonta ao século XI-XIV. O calendário
da Páscoa poderia facilmente ter incluído algumas formulações astronômicas antigas dos
séculos 7 a 11, que, no entanto, faziam parte da tradição eclesiástica daquela época.

PRINCIPAIS CONCLUSÕES.

- O calendário pascal baseado em eventos de natureza astronômica "contém" a data


de sua compilação, ou seja, permite uma datação objetiva e independente.

- Esta data parece estar significativamente à frente do que se acreditava anteriormente.


Passaram-se pelo menos alguns séculos do ano scaligeriano de 325.

- É esta data particular e não a aceita hoje (325), que era conhecida por Mateus
Vlastar no século XIV e que, portanto, fazia parte da antiga tradição da Igreja
Ortodoxa.

A NATIVIDADE DE CRISTO NO INÍCIO DA ERA ATUAL (AD)

Sabe-se que desde o início do Anno Domini ou "época depois de Cristo", não havia cálculo anual
contínuo até o ano corrente. O primeiro ano "DC" como o ano da Natividade de Cristo, foi calculado
muito mais tarde. É amplamente aceito que

73
originalmente, este ano foi calculado pelo monge romano Dionísio, o Pequeno, no século VI, ou
seja, mais de 500 anos após o evento por ele datado. Portanto, Dionísio inicialmente calculou a
data da ressurreição de Cristo e então usou a lenda eclesiástica de que Cristo foi crucificado no
31º ano de vida. A data da ressurreição de acordo com Dionísio é 25 de março de 5539 por
Adão, enquanto o ano da Natividade de Cristo é, conseqüentemente, 5508 por Adão (de acordo
com a era bizantina).

Os cálculos de Dionísio foram controversos no Ocidente até o século 15 e por Bizâncio eles nunca
foram canonizados.

A HIPÓTESE DO CALENDÁRIO DA RESSURREIÇÃO.

As tradições eclesiásticas segundo os Evangelhos afirmam que Cristo ressuscitou no domingo,


25 de março, um dia após a Páscoa, que, consequentemente, naquela ocasião foi no sábado,
24 de março. Estas foram precisamente as "condições pascais" astronômicas que chamamos
de "condições da ressurreição", que Dionísio tinha em mente ao calcular as datas da
ressurreição e do nascimento de Cristo. O conjunto completo de condições de calendário
associadas à Ressurreição de Cristo é encontrado em Coleção das Regras do Santo Padre por
Matthew Vlastar (século 14). Fornece os seguintes regulamentos de calendário para o ano da
ressurreição de Cristo:

1) ciclo solar 23,

2) ciclo lunar 10,

3) no dia anterior, 24 de março, ocorreu a Páscoa judaica, que é celebrada no 14º dia
da Lua (ou seja, a Lua Cheia).

4) A Páscoa judaica ocorreu no sábado e Cristo ressuscitou no domingo.

A combinação desses quatro pontos chamaremos de calendário das "condições da


Ressurreição". Pergunta: É possível redefinir a data de ressurreição usando as datas
acima? Resposta: sim, é.

A DATA DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO SEGUNDO O NÚMERO TOTAL DAS


“CONDIÇÕES DE RESSURREIÇÃO”.

GG Nosovskiy conduziu os cálculos computadorizados de cada ano para o período de 100


aC ao ano 1700 dC O dia da lua cheia da primavera (14ª lua (nisã) ou Páscoa judaica) é
calculado de acordo com o algoritmo de Gauss, enquanto a Páscoa cristã, o ciclo Solar e o
ciclo Lunar, de acordo com o Compute. Como Dionísio e Mateus Vlastar, presumimos que o
dia da Ressurreição foi a Páscoa de acordo com o conde.

TERCEIRA DECLARAÇÃO. O calendário das "condições 1-4 da ressurreição", associado à


tradição eclesial consistente do século XIV com a data das paixões e ressurreição de Cristo,
ocorreu SÓ UMA VEZ: em 1095.

74
O próprio fato da existência da solução exata é absolutamente crucial. Se as condições listadas
fossem resultado de pura fantasia, provavelmente não teríamos sido capazes de encontrar uma
solução exata ao longo da era histórica.

CONCLUSÃO. A Natividade de Cristo (de acordo com as tradições errôneas dos cronologistas
do século 14) foi datada por volta de 1064, 31 anos antes
1095.

A data de 1095 corresponde à datação da vida do "Papa Ildebrando" (Papa Gregório VII,
nascido Ildebrando di Sovana, o reflexo fantasma de Cristo do século XII). Esta datação (o
resultado de cálculos medievais errados) foi restaurada originalmente, com métodos
completamente diferentes, por AT Fomenko em [1v] e [2v1], cap. 4. Assim, descobrimos a
tradição medieval de datar erroneamente a vida de Cristo no século XI. A datação final da
Natividade de Cristo a que chegamos em [TsRS] nos dá a metade do século 12, ou seja,
um século depois. Ao correlacionar esta data com a datação do Conde, podemos ver que o
Conde foi compilado, pelo menos em sua versão original, muito antes de Cristo. É
contraditório com a história e lenda eclesiástica? Parece ser uma pergunta difícil. No antigo
texto da igreja, você encontra os argumentos "a favor" e "contra". A contradição absoluta
ocorre apenas com aquela visão da história da Igreja que se concretizou não antes do
século XVI-XVII, ou seja, por estar sob a influência da cronologia scaligeriana.

É por isso que é improvável que as datas da Ressurreição e Natividade de Cristo tenham sido
calculadas no século 6 com base na situação do calendário do ano.
563. Além disso, como mostrado em [6v3], cap. 2, o cálculo que foi usado pelo próprio Dionísio, foi
compilado não antes do século 18 e foi canonizado apenas no século 9.

Portanto, os cálculos de Dionísio, o Pequeno, ou talvez aqueles atribuídos a ele, não foram realizados
antes do século X. Portanto, o próprio Dionísio, o Pequeno, não poderia ter vivido antes do século 10.

No capítulo de Coleção das Regras do Santo Padre de Mateus Vlastar relativo à Páscoa (Páscoa),
afirma-se que o equinócio "atual" cai em 18 de março [6v3], cap. 2. Na verdade, o equinócio da
primavera na época de Vlastar no século XIV caiu em 12 de março. Caiu em 18 de março do
século VI.

Isso significa que, quando datamos os textos de Vlastar de acordo com o equinócio vernal,
chegamos ao século 6 por padrão! Parece que o mesmo texto medieval tardio foi incluído nas
"Regras" de Mateus Vlastar e nos escritos de Dionísio, o Pequeno. É possível que este texto
tenha sido escrito pelo próprio Vlastar ou por algum de seus predecessores imediatos nos
séculos XIII-XIV. Inclui a data da ressurreição de Cristo, mas nada é dito sobre a data da
Natividade. Pode ser que tenha sido o texto de Vlastar que "Dionísio, o Pequeno" usou
imediatamente após deduzir 31 anos a partir da data da ressurreição de

75
Cristo, chegando à data da "Natividade de Cristo" e apresentando assim sua nova era. Se tivesse
ocorrido no século XIV, seria então compreensível o início do uso sistemático desta época em
particular a partir do século XV (a partir de 1431) no Ocidente. Posteriormente, provavelmente no
século XVII, o texto de Dionísio foi datado com o equinócio para o século VI e saiu a reconstrução de
seus cálculos acima mencionados. O próprio nome de Dionísio, o Pequeno (Piccolo = Exiguus em
latim), de acordo com a hipótese expressa por AT Fomenko no [1v] capítulo 6:

17, é simplesmente o nome do cronólogo setecentista Dionigi Petavio, que completou a


construção da cronologia scaligeriana. Scaligero e seus alunos viveram na França. Lá o nome
"Piccolo" é traduzido como "petit", que mais tarde se tornou "Petavio".

35. As datas astronômicas da nova cronologia.

1) (1638) O ZODÍACO ROMANO DO LOUVRE. "Roma Antiga", a alegada "antiguidade". Na verdade:


12 a 17 de junho de 1638 de acordo com o calendário juliano [DZEE].

2) (1661) O ZODÍACO FS NA CÂMARA DE SCITA DO DUQUE D'ESTE. Afresco na parede do


palácio do duque (Palazzo Schifanoia) Itália, Ferrara, alegado século XV. Na verdade: 24 de junho
de 1661 de acordo com o calendário juliano [GRK], cap. 4

3) (1664) O ZODIAC ROMANO RZ SOBRE A GEMA DE “MARCO AURELIO”. Jaspe vermelho em


relevo. Europa, a suposta Roma "Antiga". Na verdade: 8-9 de dezembro de 1664 de acordo com o
calendário juliano [DZEE].

4) (1667 ou 1227) ZODIAC P1 DO TÚMULO DE PETOSIRIS, CÂMARA EXTERNA. Imagem colorida


no teto da tumba. Egito “antigo”, oásis de Dakhla, a suposta “antiguidade”. Na realidade, primeira
solução: 5 de agosto de 1227; segunda solução: 2 de agosto de 1667 de acordo com o calendário
juliano [NKhE].

5) (1670) O ZODÍACO ZP NO SALÃO DO PONTIFF. Os grandes afrescos cobriam inteiramente o


teto da grande sala em um dos castelos do Vaticano. Itália, Vaticano, supostamente 1520-1521.
Na verdade: 24-30 de junho de 1670 de acordo com o calendário juliano [GR], Introdução.

6) (1680) O ZODÍACO FR NA CÂMARA DE SCITA DO DUQUE D'ESTE. Afresco na parede do castelo do


duque. Itália, Ferrara, o presumido 1468-1469. Na realidade: 19 de maio de 1680 de acordo com o
calendário juliano [GRK], cap. 4

7) (1682) THE ZODIAC OF BRUGSCH, horóscopo de post scripts demóticos (adscripts) BR1.
Representado na superfície interna da tampa do caixão de madeira. Egito "antigo", a suposta
antiguidade. Na verdade: 17 de novembro de 1682

76
de acordo com o calendário Juliano ou 18 de novembro de 1861 de acordo com o calendário Juliano [NKhE].

8) (1686) O ZODÍACO FT NA CÂMARA DE SCITA DO DUQUE D'ESTE. Retratado no afresco da


Virgem Maria na parede do castelo do duque. Itália, Ferrara, o alegado século XV. Na verdade:
15 de outubro de 1686 de acordo com o calendário juliano [ERIZ].

77