Você está na página 1de 3

Carlos Daniel Barros de Araújo – 5° Período – Noturno

Faculdade Lions

Exercício:

1. Gerson está sendo executado judicialmente por Francisco, tendo sido penhorado
um imóvel de sua propriedade. Helena, esposa de Gerson, casada pelo regime da
separação total de bens, pretende a aquisição do bem penhorado, sem que o imóvel
seja submeti do à hasta pública. É juridicamente possível esta pretensão? Em caso
negativo, fundamente sua resposta. Em caso positivo, identifique os requisitos
exigidos pela lei para que o ato judicial seja considerado perfeito e acabado.
Considere que não há outros pretendentes ao bem penhorado.

Trata-se do instituto da Adjudicação, previsto no CPC, no artigo 685-A. Helena pode


adjudicar o imóvel penhorado, o que é fundamentado no § 2º do artigo 685-A. Para que
o ato judicial seja perfeito e acabado, necessário a lavratura e assinatura do auto pelo
juiz, pelo adjudicante, pelo escrivão e pelo executado, expedindo-se a respectiva carta,
que conterá a descrição do imóvel, com remissão à matrícula e registros, acompanhada
de cópia do auto de adjudicação e a prova de quitação do imposto de transmissão, na
forma do artigo 685-B e seu parágrafo único.

Incorretas as respostas que apontaram a alternativa da alienação por iniciativa do


particular, na forma do Art. 685-C, ou mesmo a alienação antecipada do bem
penhorado, com base no Art. 670, incisos I e II.

De igual modo, a menção a possibilidade de alienação de bens entre cônjuges, em


razão do regime de bens, sem levar em consideração a existência da penhora e de suas
restrições, não conduz à resposta adequada, por não enfrentar o cerne da controvérsia.
Inadequado, ainda, o uso de embargos de terceiro ou de meios de intervenção de
terceiros, por inadequação aos termos do enunciado.

Importante ressaltar que com a revogação do instituto da Remição (antes


regulamentada pelos artigos 787 a 790 do CPC), com o advento da Lei nº 11.382/06, a
matéria passou a ser regulamentada pelo Art. 685-A, § 2º.
Ressalta-se que a simples referência a dispositivos legais, sem indicação dos
fundamentos teóricos e legais que embasam o raciocínio não é suficiente para viabilizar
a conquista dos pontos da questão, até mesmo porque, em uma prova discursiva, é
preciso examinar a capacidade de raciocínio jurídico do candidato, bem como sua
capacidade de compreensão do problema e de apresentação de soluções viáveis e
razoáveis.
2. O Banco Dinheiro a Todo Instante S.A. propõe ação de execução baseada em título
executivo extrajudicial em face de José Raimundo dos Santos, no valor de R$
15.000,00 (quinze mil reais), distribuída em 16.07.2015. O executado possuía alguns
bens, entre eles dois automóveis, uma pequena lancha, um único imóvel, além de
investimentos financeiros. Prosseguindo na execução, a instituição financeira pleiteia
ao magistrado, nos termos do art. 854 do CPC, a penhora on-line dos ativos
financeiros existentes em nome do executado. O juiz, por sua vez, negou o pedido
afirmando que, de acordo com o princípio do menor sacrifício do executado,
disposto no art. 805 do CPC, devem ser esgotados todos os meios possíveis e lícitos
para que sejam nomeados à penhora outros bens que garantam o processo de
execução. Irresignada, a instituição agrava da decisão, e o desembargador relator,
em decisão monocrática, mantém a posição do juízo de primeiro grau. Um agravo
interno é interposto, e a decisão é novamente mantida pelo órgão colegiado. Diante
do caso concreto responda fundamentadamente: a) assiste razão à instituição
bancária? É possível, portanto, realizar a penhora on-line no caso concreto? h)
admitindo que não haja obscuridade, contradição ou omissão no acórdão, e que
existam precedentes em sentido contrário em outro tribunal do país, qual seria o
recurso cabível? Fundamente indicando o dispositivo legal pertinente.

a) Sim, é cabível imediatamente a penhora on-line de valores disponíveis em contas


bancárias, por meio, portanto, do sistema BACEN-JUD sem necessidade de
comprovação de esgotamento de outras vias, após a vigência da Lei 11382/06.

h) Sim, recurso especial para o STJ na forma do artigo 105, III, "a", da CRFB, alegando
violação aos artigos 655 e 655-A do CPC.

3. (Exame Unificado VI) Frederico propôs ação de restituição de indébito em face da


sociedade de telecomunicações X sob o rito ordinário. Na peça inaugural expôs os
elementos que entendia serem autorizadores da concessão antecipada dos efeitos da
tutela, requerendo a concessão da medida inaudita altera para fim de que se cessasse
a cobrança indevida. No despacho liminar, o juiz determinou apenas a citação do réu. Na
réplica, foi reiterado o pedido de antecipação de tutela. Por se tratar de questão
meramente de direito e estando a causa madura, o juiz julgou antecipadamente a lide,
julgando procedente o pedido. Com base em tal situação, responda aos itens a seguir,
empregando os argumentos jurídicos apropriados e a fundamentação legal pertinente
ao caso. a) considerando que o juiz deixou de apreciar o pedido de antecipação de
tutela, explique fundamentadamente qual medida deve ser tomada para que haja
manifestação sobre a antecipação de tutela na sentença. b) na hipótese do enunciado,
considere ser você o (a) advogado (a) da ré, que, tempestivamente, requereu a produção
de provas em audiência, o que foi negado pelo julgador antes da aplicação do art. 330, I,
do CPC. Aponte qual medida jurídica deve ser tomada a fim de questionar tal negativa,
descrevendo o prazo para ajuizá-la.

a) O examinando deverá identificar que o pedido de antecipação de tutela poderá ser


apreciado mesmo na sentença e isso é de suma importância para fins de efeitos de
eventual interposição recursal, nos termos do art. 520, VII, do CPC. Assim, deverá
informar que ingressará com EMBARGOS DE DECLARAÇÃO POR OMISSÃO, com
fundamento no art. 535, II, do CPC, por meio do qual requererá que o Juízo se
manifeste expressamente sobre o pedido requerido na inicial e reiterado na réplica.

b) O remédio jurídico hábil a atacar a sentença é a apelação, nos termos do art. 513 do
CPC.
Por ter havido error in procedendo, o candidato deverá alegar cerceamento de defesa,
com base no art. 5º. LV da CRFB/88 e requerer que a sentença seja anulada, retornando
os autos a instância inferior para que o Juízo prolate sentença de mérito observando
todo lastro probatório pleiteado pela ré.