Você está na página 1de 5

O QUE É UM LUCIFERIANO E QUEM É LÚCIFER?

(Archon Jeremy Crow)

Como você se torna um Luciferiano?

Comece com a obtenção de uma cópia da "Sabedoria de Eósforo - A Filosofia Luciferiana",


de Michael W. Ford, Jeremy Crow, Jacob No and Hope Marie. Este pequeno livro é a base
filosófica do Luciferianismo e um trabalho passo-a-passo, como um guia para se tornar um
Luciferiano. Quando você aplica os 11 pontos Luciferianos de Poder em sua vida, vai
perceber e reconhecer o início da auto-transformação, e todo o caminho que implica a sua
consciência de possibilidades que venham a ser apresentadas. Quando você aplicar em
algum nível, os 11 pontos, princípios fundamentais do Luciferiano, você poderá se exaltar
como à própria luz que emergiu de Lúcifer.

Uma vez que você ler "A sabedoria de Eósforo", poderá perceber que tem sido Luciferiano
por algum tempo. Nós não criamos um novo conceito de filosofia; nós simplesmente
apresentamos as antigas correntes de sabedoria e conhecimento arcano, em uma filosofia
lógica, vital. Luciferianos procuram equilibrar a escuridão e a luz; a sombra que representa
o instinto primal e os nossos desejos carnais; a luz sendo a tocha da consciência divina e
uma mente intelectual, forte. Isso é fundamental, porque Luciferianos tendem a ser muito
auto-deterministas (auto-impulsionados). Observe a formulação específica. Ela não diz que
todo o Luciferiano valoriza o auto-determinismo, não há generalização. Ou seja, não há um
conjunto de crenças dogmáticas para o Luciferianismo.

Cada Luciferiano forja sua própria teoria e prática pessoal e cada um é único. No entanto,
existem certas tendências que podem ser detectadas na comunidade. Provavelmente, a
tendência mais comum seria encontrar inspiração em várias mitologias mundiais -
especialmente aqueles que lidam com a rebeldia cósmica e a recepção de conhecimento
proibido. Prometheus é um exemplo excelente e tem um monte de paralelos com o mito
judaico-cristão da serpente do Éden.

Luciferianos no GCOL tem que praticar Magia?

Luciferinos definir Magia como causar a mudança interna e externamente, de acordo com
a vontade; isto começa no nível de pensamento e percepção. Quanto mais você se
concentrar em algo, maior é a energia é que você se concentrar nele. Há uma combinação
de Vontade, Desejo e Crença em círculos iniciáticos que compõe o triângulo de poder. O
indivíduo pode utilizar as ferramentas de meditação, visualização e utilização de
pensamentos, palavras e ações, para causar mudanças de acordo com a sua vontade.
Luciferianos podem praticar magia ritual, se optar por isso ou simplesmente se concentrar
em seus pensamentos e meditações. Não há tradição ou cultura designado em
Luciferianismo. Michael W. Ford e Jeremy Crow são dois autores que apresentaram
numerosas tradições das quais Luciferianismo é apresentado. Não se preocupe com
cerimônia ou ritual, se você não está interessado; use a mente, o corpo e as ações para
gerar as mudança em seu mundo interior e exterior.

Lúcifer é o Diabo?

Para responder a isso, você deve entender as antigas religiões, mitos e símbolos que
existiam em harmonia com a natureza muito antes do cristianismo. O diabo é um símbolo
dos instintos carnais humanos, os desejos e o espírito rebelde que questionam e
desafiam pensamentos dogmáticos e a religião. Lúcifer é representado como Vênus,
como estrela de manhã e da noite; um símbolo perfeito de equilíbrio entre a
escuridão e a luz.
Uma Exploração de Lúcifer e o Demônio na Mitologia Cristã

A palavra "Lucifer" antecede o cristianismo. Originalmente era um termo usado pelos


romanos para se referir ao planeta Vênus, quando visto sendo a última "estrela" visível no
céu quando o sol nasce. Outro termo para isso, que é ainda mais velho é "A Estrela da
Manhã", que simbolicamente anuncia o nascer do Sol - um pouco parecido com o
simbolismo de um galo. Na verdade, há muito tempo o termo Lúcifer foi frequentemente
utilizado por cristãos para se referir a Cristo. Um exemplo disso direto pela Bíblia, veja
Apocalipse 22:16, onde o Cristo renascido e triunfante, refere-se a si mesmo como a
Estrela da Manhã. Havia até mesmo um primitivo Padre da Igreja, que assumiu o nome
eclesiástico de Lúcifer, quando ele se tornou um bispo, e ninguém naquela época teria
considerado que era uma referência ao diabo.

Nada disso existia até o ano de 1611, quando a Bíblia do Rei Jaime foi publicada, e a
palavra Lúcifer começou a se tornar sinônimo de Satanás. Isso decorre diretamente da
escolha de palavras usadas na versão em Inglês de Isaías 14: 12-15, que eu acho que
vale a pena citar:

"Como caíste do céu, ó Lúcifer, filho da manhã! Como foste jogado por terra, tu que
debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: ´Eu subirei ao céu, vou exaltar o meu
trono acima das estrelas de Deus: Eu vou sentar também sobre o monte da congregação,
nos lados do norte: Subirei acima das alturas das nuvens: serei semelhante ao Altíssimo.´
Contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo abismo" .

Se lido no seu contexto, isto é simplesmente uma denúncia ao rei da Babilônia, que está
sendo comparado ao planeta Vênus no céu ainda brilhando sua luz depois de todas as
outras estrelas terem se esvanecido, mas em última análise, sendo vencido pela luz do
Sol. É uma analogia usada para condenar a arrogância do rei por comparar Vênus como
um familiar (diariamente por cerca de metade do ano) fenômeno celestial. Este é o tipo de
coisa que vemos em muitos exemplos quando lemos os mitos gregos, mas por alguma
razão são negligenciados quando encontrados na Bíblia.

Este livro da Bíblia (Isaías), foi escrito originalmente em hebraico, então, de onde é que
esta palavra latina vem? Você pode estar se perguntando. O original hebraico usa a
terminologia de "estrela da manhã" (se traduzido diretamente para o Inglês), que foi o seu
termo para o aparecimento do planeta Vênus de manhã. Eventualmente, isso foi traduzido
na versão Latim Vulgata da bíblia, onde a palavra Lúcifer foi usada (como era na citação
do Apocalipse referindo-se a Cristo, e em outros lugares, como a segunda Epístola de
Pedro, etc ... Imagine ler a versão latina a Bíblia e vendo Cristo referindo a si mesmo como
Lúcifer? Está feito lá em Apocalipse 22, se você ler a Vulgata!) Todos os outros usos da
palavra Lúcifer foram traduzidos para o Inglês como Estrela da Manhã ou Radiante, exceto
esta passagem de Isaías. Alguns alegam que a escolha das palavras pode realmente ter
sido uma campanha de difamação política contra Bispo Lúcifer. O termo Lúcifer tornou-se
especificamente associado com o diabo e Satanás, quando os cristãos posteriormente
conectaram essa história com a profecia de uma guerra no céu, descrito em Apocalipse
12: 7-9.

"E houve uma guerra no céu: Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão; E o dragão
batalhou com os anjos, e não prevaleceu; nem o seu lugar foi mais encontrado no céu. E o
grande dragão foi expulso, como a antiga serpente, chamada de Diabo, Satanás, que
engana todo o mundo: Ele foi expulso para a terra, e os seus anjos foram lançados com
ele."
Mesmo que este texto seja usualmente considerado pelos Cristãos como uma visão de
eventos futuros, que acontecerão como um apocalipse, as pessoas passaram a acreditar
(provavelmente a partir da influência de Milton [ver o livro Paraíso Perdido de John Milton])
que essa parte específica da visão retrata eventos que já tinham acontecido antes de Adão
e Eva, que foram expulsos do Éden. Portanto, esta é a forma como a palavra latina Lúcifer
tornou-se associada na mente dos cristãos como a serpente do Éden, assim como com
Satanás.

A própria palavra Lúcifer significa literalmente "portador de luz" no latim original. Luz e
Escuridão sempre têm sido usados como analogia para o conhecimento e a ignorância
(respectivamente), o termo portador da luz, portanto, refere-se à instauração de
conhecimento. Existem inegáveis paralelos entre este conceito e a figura grega helenística
de Prometeu, que rebelde e heroicamente trouxe o fogo proibido dos deuses do Olimpo
para a humanidade e lhes ensinou como aproveitá-lo para todos os tipos de artes e
ciências. Antes disso, os seres humanos eram ignorantes, escravos animalescos aos
deuses, principalmente Zeus (Júpiter no panteão romano pagão de deuses), que era o rei
dos deuses. Zeus preferia ter mantido os seres humanos ignorantes e obedientes a ele, de
modo a ter se irritado com Prometheus, ligando-o a uma rocha ou montanha
(essencialmente uma grande massa de terra) e cuidando para que ele seja torturado.
Prometheus, eventualmente, escapa esta punição com a ajuda de Heracles (Hércules nos
mitos romanos.)

Isso é quase a mesma história da tentação de Eva pela serpente no Éden. Deus proíbe a
humanidade de comer do fruto do conhecimento, preferindo mantê-los servos ignorantes
para cuidar de seu jardim. A serpente mostra isso para Eva e ela come do fruto. Deus se
irrita que seu pedido foi perturbado e torna-se temeroso de que os seres humanos também
vão participar da Árvore da Vida. Se isso viesse a acontecer, Adão e Eva não só teriam o
conhecimento dos deuses, mas também seriam imortais. Para evitar que isso
acontecesse, Deus os expulsa do Éden. Ele também retira os membros da serpente, de
modo que esta tenha que rastejar com sua barriga sobre a sujeira (outro símbolo de ser
limitado a Terra, assim como Prometheus). No livro bíblico de Apocalipse, o diabo ou
dragão, eventualmente, irrompe surgindo a partir do Abismo, embora na história cristã isso
é apenas temporário.

Colocando tudo isso junto, incluindo não só o uso do termo antes do cristianismo, durante
o início (antes do ano 1611 dC) cristianismo, bem como os novos desenvolvimentos
folclóricos após a Bíblia na versão do Rei Jaime ser publicada, tudo aponta para a mesma
força de iluminação e emancipação da escravidão cósmica através do conhecimento. Uma
análise mais aprofundada, de não apenas essas histórias, mas histórias encontradas em
toda a Bíblia (Abraão sendo ordenado a sacrificar seu próprio filho, Moisés sendo
condenado a cometer genocídio contra os cananeus, a fim de estabelecer Sião/Israel, e
até mesmo Jesus se permitindo ser crucificado) pintam um quadro muito claro que as
unidades físicas naturais que todos nós possuímos (os muito caluniado "impulsos
animais"), bem como o desejo de verdade e conhecimento são demonizados, a fim de
fornecer um conjunto insidioso de controles para as autoridades temporais explorarem em
sua busca de poder sobre os outros. Este sistema de controle é inerente na Bíblia, e não
simplesmente alguma interpretação torcida (embora isso também possa ocorrer.)

A própria Bíblia, no entanto, contém as sementes de sua própria destruição. Tente estudar
este assunto com objetivo de compreender o efeito que se pretende em cima dos
leitores/crentes. Você vai descobrir que uma religião melhor seria difícil de criar, se o seu
objetivo é manter um grande número de escravos sob seu controle. Islam, com base no
mesmo material/escrituras como núcleo, é também uma religião de escravidão eficaz. A
palavra Islã em si significa submissão à vontade de Deus, que é revelada nos textos, e
interpretada pela classe sacerdotal (é claro). Já notou como políticos e líderes religiosos,
muitas vezes oferecem serviços em torno de palavras que levam ao cristianismo,
islamismo ou qualquer outra religião pública geral, mas em seguida, vai e fazem o que eles
querem de qualquer maneira? É porque eles querem governar pela crença. Isso faz com
que esses crentes, sejam mais complacentes sobre o seu papel como gado humano. Nós
poderíamos usar a analogia real que é dada a nós através das escrituras dos seguidores,
como "ovelhas", que exige um "pastor", que, naturalmente, são os membros da classe
sacerdotal.

Aos olhos da maioria dos cristãos tradicionais, Lúcifer é atualmente considerado um nome
de Satanás ou o diabo. Há um elemento de interpretações gnósticas do cristianismo, da
forma mais auto-descrita como Luciferianos, considerar o termo Lúcifer, mas muitos usam
o termo exclusivamente ou, pelo menos, principalmente no âmbito pré-cristão, e às vezes
os antigos cristãos usavam o termo como indicação de conhecimento libertador ou a força
de iluminação. O termo Promethiano é uma alternativa adequada para Luciferiano, se você
não quer fazer referência a um conceito que tem sido influenciado pelo pensamento de
Abraão. Esta é a rota tomada por Percey Shelley. No entanto, muitos ainda preferem o
mais reconhecível e, para ser franco, o termo mais provocante "Luciferiano(a)".

São Luciferianos parte de uma conspiração global?

Não podemos falar por todos Luciferianos, mas a grande maioria dos Luciferianos, não
estão interessados em forçar suas crenças sobre qualquer outra pessoa. Isso vale
especialmente para a Igreja Maior de Lúcifer. Tem-se dito em alguns lugares que se
através de suas explorações, decidir escolher qualquer um dos, que são muitas vezes
referidos como Caminho da Mão Direita, sendo o lugar onde você é atraído, é encorajado
que explore isso totalmente. Nesta mesma nota, deve-se mencionar que os originais
Illuminati eram contra entrincheirados sistemas de controle, especialmente a Monarquia e
o Sacerdócio. Eles eram a favor da democracia.

Se você tem um background de teoria da conspiração, onde são incentivados a pesquisar


a história por si mesmo e tirar suas próprias conclusões. Luciferianos, como Portadores de
Luz, são inerentemente interessados em expor a verdade a qualquer custo. Essas "elites
globais" de que falam tão frequentemente, é tudo sobre esconder informações. Pela
própria definição, este não é um comportamento Luciferiano genuíno. Nas palavras
imortais de Timothy Leary, você precisa pensar por si mesmos e ser uma autoridade em
questionar.

Luciferianos adoram ou fazem culto à Satanás?

Luciferianos não reconhecem poder maior fora de si mesmo! O caráter Luciferiano


reconhece os traços heróicos do "Satanás" de Milton "Paraíso Perdido", uma obra mítica
moderna, assim como as antigas lendas de deuses antigos e os Vigilantes do Livro de
Enoque. Estes são símbolos do caráter do Luciferiano, não uma crença literal em um
"mundo dos mortos" de seres conscientes.

Luciferianos preferem tratá-lo como um símbolo, uma inspiração, um aliado ou um guia


dependendo de como eles percebem o mundo e espiritualidade pessoal.

Luciferianos devem reconhecer o mito da realidade, símbolo e significado, quando


estiverem falando para não-Luciferianos, com base na lógica da nossa filosofia!

Independentemente da postura cristã dominante sobre as identidades de Lúcifer e


Satanás, a maioria dos Luciferianos considerá-os como entidades separadas. Mesmo
aqueles Luciferianos que os iguala normalmente vão diferenciá-los entre os dois termos de
alguma forma. Lúcifer é uma palavra latina que significa portador da Luz. Isso
normalmente é interpretado como representando a força de iluminação e iniciação, sendo
claro um símbolo universal da consciência e da Verdade. Satanás é uma palavra hebraica
que significa adversário. Isto é interpretado de algumas maneiras diferentes. Um dos mais
comum na comunidade é usar Satanás para representar uma entidade que é um
adversário para si mesmo, tentando mantê-lo ignorante e escravizados. Este significado é
muitas vezes ligado com o Demiurgo gnóstico. O outro uso principal do termo Satanás
envolve ver esta entidade como um adversário de Deus ou da moralidade no geral. Este
segundo ponto de vista de Satanás conecta com carnalidade e com o hedonismo. Estes
Luciferianos que foram antigos satanistas tendem a esta definição carnal de Satanás.