Você está na página 1de 5

QUADRO DE INSUFICIÊNCIA RENAL ASSOCIADO À INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

CONGESTIVA EM UM CANINO

TILLMANN, Mariana Teixeira1; SOUZA, Juliana Graciela Machado1 ; SILVA, Patrícia


Lisiane Santos da1;MUELLER, Eduardo Negri 1 ; XAVIER, Fernanda da Silva1;
GUIM, Thomas Normanton 2; ANTUNES, Tatiana de Ávila 2; NOBRE, Márcia de
Oliveira1

1- Departamento de Clinicas Veterinária - FV/ UFPEL


2- Programa de Pós-Graduação em Veterinária – FV/UFPel
UFPel, Campus Universitário, Depto de Clínicas Veterinária,marianatillmann@yahoo.com.br

1- Introdução

Os rins tem como função a excreção de metabólitos tóxicos ao organismo


através da depuração sangüínea, reabsorção de fluidos e alguns processos endócrinos
como a produção de hormônios como a eritropoetina, que estimula a medula óssea na
produção dos glóbulos vermelhos [6].
A insuficiência renal (IR) é caracterizada pela incapacidade dos rins em manter
as funções de conservação, excreção e produção de hormônios deles exigida. Os
resultados são retenção de solutos nitrogenados, distúrbios do equilíbrio hidroeletrolitico
e ácido-básico, entre outras manifestações extra-renais. O resultado da insuficiência
renal é uma intoxicação denominada uremia [5]. Esta pode afetar cães de qualquer
raça, sexo e idade, porém a maior incidência ocorre em cães de raças definidas e
idosos [2].
As doenças renais estão entre as causas mais significativas de morte e
incapacidade em cães. Algumas raças são predispostas devido à nefropatias
congênitas, porém a maior parte dos pacientes apresentam doença renal adquirida.
Também podem ocorrer após danos glomerulares e túbulo intersticiais, através de
enfermidades que cursam com distúrbios infecciosos, inflamatórios, neoplasmas renais
e pela utilização de substâncias nefrotóxicas [4].
A IR ocorre quando 75% ou mais dos néfrons, de ambos os rins, estão
afuncionais, prejudicando assim a capacidade do rim de realizar suas funções [4].
Os principais sinais clínicos dessa afecção são hiperazotemia, hiperfosfatemia,
isostenúria, anemia não regenerativa, prostração, desidratação, poliúria, polidipsia,,
anorexia e emese [2]. Essas alterações ocorrem como tentativa do organismo de
compensar a perda das funções renais, eliminando resíduos que se acumularam na
corrente sanguínea [6].
O objetivo deste trabalho é relatar as alterações em um canino com IR e discutir
as possíveis etiologias.

2- Material e Métodos

Foi atendido no Hospital de Clínicas Veterinária da Universidade Federal de


Pelotas (HCV- UFPEL) em junho de 2006, um canino, macho da raça Basset Hound
com sete anos de idade, que apresentava Insuficiência Cardíaca Congestiva grau II já
diagnosticada em consulta anterior.
Na anamnese o proprietário relatou que o animal apresentava intensa dor
abdominal, apatia, anorexia, anúria, impossibilidade de se levantar e caminhar, gemidos
e agressividade em função da dor.
Ao exame físico verificou-se taquicardia e temperatura retal de 39,9ºC. À
palpação observou-se espessamento da bexiga e rins, e próstata com aumento de
volume. Dor muita intensa suspeitando-se de o animal estar com um alto grau de
uremia devido à anúria. O paciente foi internado e para a realização do diagnóstico foi
requisitado hemograma, bioquímica sérica, radiografia e ultra-sonografia abdominal.

3- Resultados e Discussão

Na avaliação do hemograma foi constatado através da série branca que o animal


estava com uma infecção severa, pois apresentava uma leucocitose (30.900
leucócitos/mm3 ) com desvio à esquerda regenerativo muito acima dos padrões
fisiológicos. Também foi verificado um pequeno grau de anemia normocítica
normocrômica. Na bioquímica sérica o animal estava apresentando uma hipoglicemia
devido ao jejum alimentar, e na urinálise havia presença de bacteriúria moderada, a
urina estava com aspecto turvo e com elevado número de leucócitos. A infecção do
trato urinário (ITU) pode ser confirmada pela presença de células epiteliais e hemácias
que indicam que estava ocorrendo uma possível lesão renal. A densidade da urina
estava um pouco abaixo dos padrões fisiológicos devido à proteinúria que também
indica alteração renal. A anemia normocítica normocrônica pode ser ocasionada por
uma disfunção renal, pois há uma diminuição da síntese de eritropoetina[1].
Após análise dos exames laboratoriais foi utilizado como terapia medicamentosa
antibioticoterapia e analgésicos. Como o animal não se alimentava foi estipulado como
terapia de suporte fluidoterapia com solução de ringer lactato, intercalado com solução
fisiológica (0,9% NaCl). Este procedimento foi realizado com o intuito de manter o
paciente hidratado e estimular a função renal. Devido à presença de uma ITU e do
quadro de anúria o paciente foi mantido com sonda uretral com o propósito de controlar
a produção de urina e evitar a retenção de urina.
No exame radiológico, simples e contrastado, foi constatado hipofuncionalidade
dos rins, bexiga com espessamento da parede e aumento da próstata . No diagnóstico
ultra-sonográfico verificou-se que o rim direito media aproximadamente 8,9cm e o
esquerdo 6,8-7,0cm em seu eixo maior, com dilatação de pelve e perda da arquitetura
característica do órgão. Na vesícula urinária observou-se importante espessamento
generalizado das paredes e mucosa irregular, medindo aproximadamente de 0,4cm até
0,6cm e presença de conteúdo anecogênico com grande quantidade de pontos
ecogênicos em suspensão (celularidade/cristais). No aparelho reprodutor a próstata
mediu aproximadamente 3,0cm de diâmetro, com parênquima homogêneo, aspecto
bilobado mantido e o testículo apresentava arquitetura preservada e aspecto normal. A
interpretação dos exames realizados indicou que o animal apresentava cistite crônica e
disfunção renal.
O tratamento estipulado após a realização do diagnóstico presuntivo foi
antibioticoterapia a base de ampicilina por via sub-cutânea, na dose de 20mg/kg de 8
em 8 horas associado a 5mg/kg de enrofloxacina 10% de 12 em 12 horas. Como
analgésico foi utilizado cloritrado de tramadol, por via intra muscular na dose de
2,5mg/kg, duas vezes ao dia. O animal foi mantido sondado e com fluidoterapia durante
14 dias, sem alimentação por via oral. A antibioticoterapia foi administrada em altas
dosagens e com a utilização de associação de princípios ativos com o objetivo de
manter altas concentrações no organismo para combater o microorganismo agressor.
Para o acompanhamento do quadro clinico foi realizado hemograma completo,
urinálise e bioquímica sérica. Na bioquímica foi constatado que a uréia estava a
119mg/dl e a creatinina estava a 1,07U/L, sendo que durante os 22 dias de tratamento
estes valores foram reduzidos a 37mg/dl e a 0,61 U/L, respectivamente.
Após 14 dias de tratamento houve uma significante melhora do quadro clínico,
pois o animal iniciou a ser alimentando por via oral, ingerir água, urinar sem o auxilio da
sonda e caminhar. Devido a isto, foi adotada uma dieta alimentar com ração especifica
para pacientes com disfunções renais Royal Canin Renal® e a sua terapia
medicamentosa se restringiu a antibioticoterapia.
O paciente recebeu alta sendo prescrito antibioticoterapia por via oral
(enrofloxacina 50mg, 2 comprimidos de 8 em 8 horas) e maleato de enalapril (0,5mg/kg
de 12 em 12 horas por via oral) devido a cardiopatia existente. Como terapia dietética
foi mantido a ração especifica para pacientes com disfunções renais, pois estas tem
uma menor concentração de fósforo e outras substâncias que auxiliam na depuração
sangüínea e dessa maneira diminuem a sobrecarga dos rins.
É necessário tratamento prolongado (4 a 6 semanas) com antibiótico para
pacientes com infecções complicadas do trato urinário e exames de acompanhamento
cuidadosos devem ser feitos nesses animais [1]. Por isso foi realizado hemograma
completo, bioquímica sérica e urinálise, após o paciente ter recebido alta.
Após 28 dias foi realizado novos exames complementares, sendo revelado no
hemograma leucocitose (15.600 leucócitos/mm3) devido a uma linfocitose e eosinofilia
sendo observado uma redução da contagem de leucócitos totais. Na série vermelha foi
constatado uma melhora da anemia. Na urinálise observou-se um aumento do número
de leucócitos e hemácias demonstrando uma alteração renal e na bioquímica sérica
houve um aumento do nível de uréia. A análise dos exames realizados demonstraram
recidiva do quadro clínico devido a azotemia e as alterações do exame de urina.
Após um mês de seu quadro clinico ter melhorado o canino retornou ao HCV
com queixa de tosse e angústia respiratória progredindo para morte súbita, sendo
encaminhado para o Laboratório Regional de Diagnóstico da UFPel para a realização
de necropsia.
Macroscopicamente foi observado espessamento das válvulas atrioventriculares
do coração esquerdo e presença de trombos calcificados aderidos às mesmas.
Provavelmente houve um quadro de endocardiose seguido por uma endocardite. Os
rins apresentavam coloração levemente pálida, com áreas de depressão e aderência da
cápsula de Bowman, superfície de corte revelando lesões em forma de cunha e
coloração esbranquiçada, identificadas microscopicamente como infartos. Além disso,
pode-se constatar histologicamente uma glomerulonefrite membranosa e
glomeruloesclerose, indicando estágio renal terminal. O fígado apresentava-se
congesto, com aumento do padrão lobular e com múltiplos pontos esbranquiçados
distribuídos pela cápsula, podendo estas lesões estarem associadas com o quadro de
insuficiência cardíaca congestiva que acometia o animal.
As lesões renais, neste caso, podem ou não estarem associadas com as lesões
cardíacas. Provavelmente houve um desprendimento de microtrombos ou êmbolos das
válvulas cardíacas com posterior alojamento na vascularização capilar renal,
interrompendo o fluxo sanguíneo local e produzindo isquemia, seguido por áreas de
necrose tecidual. Entretanto, além das áreas de infarto, foi observado lesões
glomerulares do tipo membranosa, que estão associadas com a deposição de
imunocomplexos. A glomerulonefrite por imunocomplexos ocorre associada a infecções
persistentes ou outras doenças que apresentam antigenemia prolongada [7]. Neste
caso, não foi possível identificar precisamente a causa da formação de
imunocomplexos, mas esta pode estar associada com a endocardite valvular que
acometia o paciente.

5-Conclusão

Quadros de insuficiência renal são comumente encontrados em cães. Neste


caso houve um agravamento das manifestações clínicas renais em função da disfunção
cardíaca que acometia o animal, gerando quadro sintomatológico atípico, confundindo o
clínico no estabelecimento de um diagnóstico preciso. Ressalta-se a importância da
utilização dos meios auxiliares de diagnóstico e da avaliação anatomo-patológica post-
mortem para uma melhor compreensão da patogenia destas duas síndromes
frequentemente encontradas na rotina clínica de animais de companhia.
6 – Referências Bibliográficas

[1] Nelson,R.W.;Couto,C.G.Medicina Interna de pequenos Animais. Editora


Guanabara Koogan, 2001,segunda Edição, p.1162
[2] Coelho;B., Ikesaki;J., Simões;D., Kanayama;L.,Kosika; M. Insuficiência renal
cônica em cães jovens: estudo clínico de 25 casos. Revista Clínica
Veterinária, n 33, p.52-6, 2001
[3] Maciel;R, Thomé;S. Insuficiência Renal Crônica em Caninos. Produção
Cientifica dos Docentes da ULBRA 2004
[4] Sella;A., Weber; D., Bronzato; M., Seopel; P., Mostardeiro;P., Gianotti; M.,
Teixeira; F., Baptista; N. Relatório de Caso Clinico: Insuficiência Renal
Crônica. Universidade Federal do Rio grande do Sul 2001
[5] Cunnigham; J. Tratado de Fisiologia Veterinária. Editora Guanabara Koogan,
2004, 3 ed, p. 443-450
[6] Confer, A.W.; Panciera, R.J. Sistema Urinário In: Carlton, W.W.; McGavin,
M.D. Patología Veterinária Especial de Thompson, Art Méd, 1998, 2ed., p.228-

Quadros de insuficiência renal são comumente encontrados em cães. Neste


caso houve um agravamento das manifestações clínicas renais em função da
disfunção cardíaca que acometia o animal, gerando quadro sintomatológico
atípico, confundindo o clínico no estabelecimento de um diagnóstico preciso.
Ressalta-se a importância da utilização dos meios auxiliares de diagnóstico e da
avaliação anatomo-patológica post-mortem para uma melhor compreensão da
patogenia destas duas síndromes frequentemente encontradas na rotina clínica
de animais de companhia260