Você está na página 1de 19

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

FACULDADE DE AGRONOMIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA
FIT00035 - FITOBACTERIOLOGIA

PECTINAS

Biól. M.Sc. Rita de Cássia Madail Santin


Estudante de doutorado

Pectinas
1
A pectina é um termo genérico para um grupo de
polissacarídeos presentes nas paredes celulares de
plantas que produzem sementes. Esses
polissacarídeos funcionam em combinação com
celulose e hemicelulose, como material de
cimentação intercelular.

Pectinas
2
Camada central

Camada interna
Parede secundária
Deposição de microfibrilas:
Camada externa
Parede primária
Parede primária Camada externa
Camada central
Camada interna
Lamela média

Figura 1. Diagrama da estrutura em camadas da parede.

Pectinas
3
secundaria
Parede primária

Parede
Membrana de pontuação Canal de pontuação

Parede primária Abertura de pontuação

Lamela média Membrana de pontuação


Abertura de pontuação

Pontuação simples Pontuação areolada Parede


secundária

Figura 2. Diagrama de pares de pontuações em vista tridimensional.

Pectinas
4
Componentes da Parede

P Lamela
E Média
I C
N T
H Parede
T E I
L Primária
E M
N
I C
R I C A E
I G E
S L
L
O N U U
R I L L Parede
N O O
S Secundária
S
A E
E

Membrana
Celular

Pectinas
5
Oligossacarinas: fragmentos de pectinas e hemiceluloses
que compõem a parede celular vegetal.

Caráter ácido: ácido galacturônico


Invasão/tecidos
Patógenos Parede Celular

Enzimas

Pectina Oligossacarinas ácidas

Oligogalacturonídeos

Pectinas
6
Oligômeros da pectina
Figura 1: Estrutura do oligogalacturonídeo, derivado
de parede celular de plantas.

Pectinas
7
Figura 2: Polissacarídeo ácido componente das pectinas da parede celular vegetal e cujos
fragmentos são denominados oligogalacturonídeos.

Pectinas
8
Pectina da lamela média
Parede celular

Lamela média Pectina

Parede primária

Celulose
Membrana plamática
Hemicelulose

Fonte: http://quark.qmc.ufsc.br/~minatti/aulas/qmc5225/aula_20_organica_sacarideos_nucleotideos/sld006.htm

Pectinas
9
Podridão Mole
(Um processo enzimático)

Pectinas

Erwinia

Enzimas

Tecido Sadio Tecido Doente

Pectinas
10
Podridão-mole e canela-preta (Pectobacterium spp.)

B
Figura 3. Na planta, o caule apodrecido fica
normalmente escuro, daí o nome canela-preta (A).
A podridão mole se desenvolve no tubérculo
infectado (B).
Fonte: http://www.batata.net/doencas/pmole.asp

Pectinas
11
Detecção, quantificação e caracterização de
Erwinia carotovora ssp. carotovora
contaminando sementes de pimentão.

R. Hadas T, G. Kritzman, T. Gefen e S. Manulis


Plant Pathology v. 50, 117-123p, 2001.

Pectinas
12
A B

Sintomas causados por Erwinia carotovora subsp. carotovora em plantas de pimentão.

Pectinas
13
Presença de erwinias pectolíticas e porcentagem de germinação de sementes
e doença em sementes em lotes de sementes de pimentão.
Não germinação de
Erwinia pectolítica Germinação Doença sementes com
Lote -1
(CFU ) sementes (%) sementes(%) erwinias pectolíticas
(%)
1A 611-3 75.6±2.0 16.4±2.1 9-4
2A 0 84.3±2.5 0±0 0
3A 68-0 82.3±1.5 0.5±0.5 0
4A 205-3 65.7±5.8 6.8±1.0 21-3
1B 1281-0 52.6±5.8 21.4±4.1 30-2
2B 0 90.6±2.0 0±0 Não determinado
3B 22-3 88.0±1.0 0±0 Não determinado
1C 12544-3 33.4±5.0 40.6±2.5 Não determinado
2C 8-3 78.3±2.0 0±0 Não determinado
3C 0 87.0±5.0 0±0 Não determinado
1D 2994-6 44.0±5.0 32.3±4.0 Não determinado

Pectinas
14
Germinação de sementes (%)
Doença de sementes

Correlação entre a população de erwinias pectolíticas em sementes de pimentão e


porcentagem de germinação das sementes (A) porcentagem de doença das sementes (B).

Pectinas
15
Caracterização enzimática das celulases XF-810, XF-818E,
XF-2708 de Xylella fastidiosa e purificação parcial da
proteína XF-818, expressas em Escherichia coli .

Nelson Arno Wullf/2002.


tese doutorado

Pectinas
16
A bactéria X. fastidiosa causa a clorose variegada dos citros,
amarelinho.

Genes clonados em vetores de expressão e as respectivas


proteínas foram produzidas em E. Coli ;

Identificação de genes com similaridade de seqüência a genes de


celulases, xilanases, pectinases e proteases, visando caracterizar
os genes XF-810, XF-818E, XF-2708 similares a endoglicanases;

Pectinas
17
Hidrolisam a celulase amolecida com ácido

Os genes de X. fastidiosa XF-810, XF-818 e XF-2708


apresentaram similaridade a genes de endoglicanase.

Celulases de mecanismo endoglicolítico


que atacam moléculas de celulase

Bucephalogonia xanthophis
Acrogonia sp.

Dilobopterus costalima Plesiommata corniculata


Folhas com sintomas da CVC

Macugonalia leucomelas
Oncometopia facialis

Pectinas
18
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Bergamin Filho, A.; Kimati, H. & Amorim, L. (ed.) 1995. Manual de Fitopatologia. 3 ed. São
Paulo, Ceres.

Carboidratos XIX: Pectina. Disponível em:


<http://www.geocities.com/bioquimicaplicada/resumocarboidrato5j.htm> Acesso em: 19. abril.
2005.

Clorose variegada dos citrus (CVC). Disponível em: http://www.agrobyte.com.br/c v. htm>


Acesso em: 26.abri.2005.

Parede celular. (Definição retirada da obra Glossário de Biotecnologia, edição 2005).


Disponível em: <http://www.cib.org.br/glossario.php> Acesso em: 19.abril. 2005.

Oligossacarinas. Disponível em:


<http://br.wrs.yahoo.com/;_ylt=AgRlUdlVL6WhvRKVQaE9WHT.6Qt.;_ylu=X3oDMTA4NDgyNWN
0BHNlYwNwcm9m/SIG=134468h04/EXP=1114519505/**http%3A%2F%2Fwww.fisiologiavegetal.
bio.br%2Foligossacarinas%2FOLIGOSSACARINAS.html> Acesso em: 19.abril.2005.

Pectinas
19