Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS


CURSO DE ADMINISTRAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO
PROFESSOR WILLIAM JOBIM

TIPOS DE PROCESSO

Vilson Fontenele; Cód 0522219


Salomão Souza; Cód 0522229

Trabalho para substituição da


1º avaliação referente ao
turno noturno – entrega até
dia 24/03 às 20h

SÃO LUÍS – 2008


UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS
CURSO DE ADMINISTRAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO
PROFESSOR WILLIAM JOBIM

TIPOS DE PROCESSO

SÃO LUÍS – 2008


1 Tipos de Processos

Quando se fala de objetivos de desempenho tem que se identificar os


stakeholders da operação. Onde os stakeholders são as pessoas ou grupo de pessoas que
possuem interesse na operação, e que podem ser influenciadas ou influenciar as
atividades da operação produtiva, isso a nível estratégico. Entretanto , a nível
operacional, é necessário um grupo de objetivos bem mais definidos, chamados de os
cinco desempenhos básicos. Os quais visão as vantagens da qualidade, rapidez,
confiabilidade, flexibilidade e de custo.

Analisando mais detalhadamente, os objetivos têm suas características, como o


objetivo da qualidade, que significa “fazer da forma mais adequada”, sendo a parte mais
visível de uma operação, trazendo satisfação para o cliente, reduzindo custos e
aumentado a confiabilidade. Outro objetivo da rapidez, que mede o tempo em que
recebe o serviço ou produto, auxiliando na operação interna com tomadas de decisões
mais rápidas, na redução de estoques e movimentação de materiais e informação;
reduzindo os riscos por prevenir eventos. Outro é o objetivo da confiabilidade, o qual
visa fazer as coisas em tempo para o consumidor receber seus bens ou serviços
prometidos, dando economia de tempo, dinheiro e maior estabilidade. Também o
objetivo da flexibilidade, o qual significa a capacidade de mudança, que devem atender
a quatro tipos de exigências: flexibilidade do produto ou Serviço; do composto (mix);
do volume e da entrega, tendo como vantagens a agilidade nas respostas, economia de
tempo e confiança. E finalmente o objetivo do custo, que tem a finalidade de reduzir os
gastos, tendo como em vista os custos dos funcionários, tecnologia instalações,
equipamentos e materiais. Todos os outros objetivos influenciam o custo, os quais
causam diminuição de desperdício e nos custos indiretos, aumentando a confiabilidade e
adaptação mais rápida das circunstancias.

Contudo o gerenciamento do processo, que é a seleção de insumos, das


operações, dos fluxos de trabalho, e dos métodos que transformam insumos em
resultados, envolvem decisões que afetam diretamente o processo em si, por isso a
decisão sobre qual deles vai ser utilizado é fundamental. Aquele que for utilizar os
processos terá cinco escolhas, os quais formam um continuum: eles são os Processos de
Projeto, que é caracterizado pela customização das tarefas , o qual o grande ápice é a
liberação de recursos após o termino do projeto; Processo por Tarefa, que flexibiliza um
pouco mais a variedade de produtos e serviços; Processo por Lote, onde os volumes são
maiores que o anterior, pois os produtos similares são fornecidos rapidamente; Processo
em Linha, em que os volumes são elevados, os produtos são padronizados, permitindo
que os recursos sejam organizados em torno dos mesmos; e Processo Contínuo, onde
existe uma padronização com fluxo de linhas rígido, sendo de capital intensivo e
operado por 24 horas por dia.

1.2 Analisando na Prática

1.2.1 Tipo de processo e os objetivos de desempenho

No contexto de uma empresa de transporte e logística de materiais, que é


responsável pela gestão de armazém de uma mineradora de grande porte, temos as
seguintes atividades envolvidas: recebimento de cargas, inspeção, preservação de
embalagens, estoque de materiais, separação de pedidos, entrega e processamento de
requisições. Contudo é observado a utilização do processo em linha devido a seqüência
do processo e a rotina de trabalho onde a variação do produto não altera a realização das
tarefas.

Observamos quanto aos objetivos de desempenho que: - para alcançar o objetivo


de qualidade a empresa desenvolveu manuais de procedimentos, treinou os
colaboradores a consciência de preservação do estoque, investiu em tecnologia na
operação para evitar divergências no estoque e mantém um setor de inspeção que dá
garantia e confiabilidade aos produtos armazenados; - visando à rapidez estudou sobre
rotas, localizou os setores internos em linha, investiu em tecnologia de comunicação e
centralizou o processamento de requisições; - em se tratando de confiabilidade temos a
fixação de algumas metas por setores baseadas em tempo e recusa de materiais, ou seja,
quando menor for o tempo da atividade realizada e menor for à recusa dos materiais por
parte do cliente maior será o faturamento da operadora logística; - por flexibilidade são
poucos os aspectos observáveis o principal é a utilização de dois armazéns para
atendimentos em locais e com materiais diferentes; - para os objetivos de custos,
tratando-se da realização de serviços terceirizados onde a modificação de vários
aspectos não depende da própria empresa, observamos apenas a racionalização de
energia (trabalho), ou seja, reformulação de rotas e verticalização dos armazéns para
melhor utilização das máquinas.

1.2.2 Contribuição da produção à estratégia organizacional

A empresa de logística citada utiliza um Sistema de Administração da Produção


para desenvolver sua estratégia organizacional. Os Sistemas de Administração da
Produção (SAP) são o centro dos processos produtivos. Eles têm o objetivo básico de
planejar e controlar o processo de manufatura em todos seus níveis, incluindo materiais,
equipamentos, pessoas, fornecedores e distribuidores.É através dos SAP que a
organização garante que suas decisões operacionais sobre o que, quando, quanto e com
o que produzir e com quem comprar sejam adequadas às suas necessidades estratégicas,
que por sua vez são ditadas por seus objetivos e seu mercado.

É observado então que o processo produtivo (as instalações, os equipamentos e


as pessoas) e seus sistemas de administração são alinhados e configurados de forma a
explorar o máximo do seu potencial no atendimento das necessidades do cliente, a
mineradora.

Devido à restrição da terceirizada o sistema é utilizado apenas para auxiliar em


algumas situações como: - programar atividades de produção, de forma que as pessoas e
os equipamentos envolvidos no processo estejam, em cada momento, trabalhando nas
coisas certas e prioritárias, evitando, assim, dispersão desnecessária de esforços; - ser
capaz de reagir eficazmente, reprogramando atividades bem e rápido, quando algo
correr mal no processo ou quando situações ambientais inesperadas ocorrerem; - ser
capaz de prometer prazos com precisão aos clientes e, depois, cumpri-los, mesmo
em situações ambientais dinâmicas e, muitas vezes, difíceis de prever. Por tanto, estas
implicações estratégicas, afetam os níveis de desempenho do sistema de produção, em
termos de custo, qualidade, velocidade, confiabilidade e flexibilidade.

Dentre as decisões a serem tomadas com auxilio do SAP temos:


- Quais equipamentos e sistemas, com que grau de automação e flexibilidade,
como atualizá-la e disseminá-la;
- Qual a estrutura organizacional, nível de centralização, formas de
comunicação e controles das atividades;
- Como recrutar, selecionar, contratar, desenvolver, avaliar, motivar e
remunerar a mão-de-obra;
- Atribuição de responsabilidades, que controles, normas e ferramentas de
decisões empregar, quais os padrões e formas de comparação.

2. Conclusão

No âmbito da administração é necessário que os administradores possuam


ferramentas e conhecimentos para checar como alcançar seus objetivos, adequando a
produção às estratégias organizacionais e estas à seu tipo de processo produtivo.
Contudo a evolução das tecnologias e dos sistemas de produção auxiliam aos
administradores nesta tarefa proporcionando que as decisões tomadas facilitem no
alcance dos objetos devido menores probabilidades de erros.

3. Referencias
SLACK, Nigel e Outros. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 1997.