Você está na página 1de 2

Mineiro desafia gravidade e paga R$

10 mil se estiver errado


Cético da teoria de Isaac Newton, engenheiro desenvolveu nova explicação para a
força
Por LITZA MATTOS
13/05/15 - 03h00

Presença. Walter Lukschal diz que o desequilíbrio térmico influencia qualquer corpo, planeta, cometa e estrela. “Está em todo
universo”

Foto: FERNANDA CARVALHO

Tudo o que vemos na Terra está sujeito aos efeitos da gravidade. A teoria que foi primeiramente
identificada pelo cientista britânico Isaac Newton, com a clássica história da maçã que caiu na
sua cabeça, foi posteriormente explicada pelo físico alemão Albert Einstein. Ambos entendem a
gravidade como uma força que depende principalmente da massa dos corpos, e essas são, até
então, as únicas explicações conhecidas e o que aprendemos nas aulas de física.
Mas invertendo a lógica de mais de 300 anos de ciência, o engenheiro civil mineiro Walter
Lukschal contesta essa teoria e propõe a rediscussão do fenômeno. Para ele, a força da gravidade
é, na realidade, ocasionada pela temperatura produzida pela massa. “O que move toda nossa
atmosfera é a diferença de temperatura entre as massas de ar quente e frio. A gravidade é
basicamente o desequilibro térmico entre a massa do corpo (quente) e o espaço (frio) que a
rodeia”, diz.

Explicações matemáticas, observações astronômicas, ensaios feitos em laboratório e até


descobertas recentes da ciência que corroboram a tese do engenheiro estão reunidas no livro
“Com Ciência de Deus”. Lukschal conta que chegou à “verdadeira natureza da gravidade” por
acaso. “Em 2005, fazendo pesquisas particulares em astrofísica, eu peguei alguns números que
ainda não tinha visto comparações. Vi, por exemplo, que a gravidade e a superfície do Sol são
28 vezes maior do que a gravidade e superfície da Terra. Quando vi essa relação achei muito
pouco e comecei a fazer as pesquisas até chegar à fórmula matemática que mostra a importância
da temperatura”, explica.

Para o engenheiro, apesar de Newton e Einstein, a ciência ainda hoje não está satisfeita com o
que se sabe sobre a gravidade, e, por isso, durante esses dez anos ele vem buscando
reconhecimento da sua teoria, sem sucesso. “Imagine que você descubra alguma coisa que só
você sabe, mas ninguém o escuta. Durante esse tempo venho fazendo estudos para ver se a
teoria tem furos. Eu sou o meu maior advogado do diabo”, diz.

Incomodado com a falta de interesse do meio acadêmico, Lukschal propõe agora pagar R$ 10
mil a quem primeiro conseguir derrubar a sua tese. No caso de alguém conseguir comprovar sua
teoria no meio acadêmico, ele oferece “10% do prêmio Nobel” que prevê ganhar.

Não é o único
Ciência. Professor do Instituto de Física Teórica da Universidade de Amsterdam, Eric Verlinde,
também propõe nova teoria. “Sabemos que a gravidade não existe. É hora de gritarmos sobre
isso”, diz.
Acessado em 03/06/2019
Disponível em https://www.otempo.com.br/interessa/mineiro-desafia-gravidade-e-paga-r-10-mil-se-estiver-
errado-1.1037710

Contato em lukschal@gmail.com

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www.otempo.com.br/interessa/mineiro-


desafia-gravidade-e-paga-r-10-mil-se-estiver-errado-1.1037710 ou as ferramentas oferecidas na página.