O Turismo na Economia

Indicadores de Actividade Turística e Económica em Portugal

O Turismo na Economia

1.

INTRODUÇÃO

·

03

Índice
2. CONSUMO TURÍSTICO INTERIOR Evolução e componentes Peso no PIB e taxa de variação do consumo v.s. PIB VALOR ACRESCENTADO GERADO PELO TURISMO (VAGT) Evolução e peso no VAB da Economia Taxa de variação do VAGT v.s. VAB da economia VAGT v.s. VAB das actividades do turismo VAGT v.s. VAB de outros sectores de actividade EMPREGO NAS ACTIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO Evolução e peso do emprego turístico no total do emprego Taxa de variação do emprego turístico v.s. total do emprego COMPORTAMENTO DA BALANÇA TURÍSTICA NA BALANÇA CORRENTE RECEITAS TURÍSTICAS Peso e posicionamento na balança corrente, nas receitas externas e no PIB ANEXOS Actividade Turística na Economia Nacional Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo e Sectores Actividade Receitas Turísticas na Balança Corrente Conceitos Nota Metodológica 04 06

3.

08 10 11 12

4.

13 15 16

5. 6.

17

7.

21 23 25 27 28
2

Conta Satélite do Turismo
O Turismo na Economia

Introdução
O Turismo é uma actividade complexa. Congrega em si um alargado conjunto de actividades e produtos de diversa natureza, envolve uma multiplicidade de agentes económicos e os seus impactos fazem-se sentir transversalmente por toda a economia. A crescente relevância do Turismo, enquanto actividade económica, requer a quantificação dos seus efeitos directos, indirectos ou induzidos em termos de criação de valor acrescentado, emprego ou receitas. Dada a multidimensionalidade da actividade, a determinação da sua importância económica não constitui um exercício simples, Turismo. A Conta Satélite do Turismo de Portugal (CSTP), instrumento desenvolvido com base na metodologia do Eurostat, afere a importância económica do Turismo. exigindo o desenvolvimento de metodologias específicas que permitam avaliar as diferentes dimensões do

A CSTP não considera o turismo como um sector na sua terminologia tradicional, mas como uma actividade transversal a toda a economia, pelos seus efeitos directos e indirectos nas outras actividades. Esta conta consiste num sistema de informação integrada, que tem como objectivo principal apresentar as actividades e produtos relacionados, directa ou indirectamente, com o Turismo, permitindo medir e comparar o turismo com outros sectores da economia, assim como garantir a sua comparabilidade com outras economias nacionais.

3

726 12. em particular.2 mil milhões €. A evolução do Consumo Turístico não foi uniforme ao longo do período em análise.513 17. ao contrário dos últimos dois anos.000 15. em 2008.000 13. Depois de um comportamento oscilante entre 2000 e 2003.7%).7%.577 13. mais 435 milhões € que no ano anterior (crescimento de 2.000 Podemos concluir que.4%) e em 2007 (+12.149 ( D ) : D ad o s d ef i ni t ivo s. aferida pelo Consumo Turístico Interior em Portugal. correspondendo no final do período a mais 5.078 16.5%.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 4 .000 14. o ano de 2008 deverá caracterizar-se por uma desaceleração da actividade turística. o Consumo Turístico aumentou 6.450 13.969 15.000 17.milhões de € 18.307 12. atingiu os 17. quer como reflexo do efeito de base dos resultados anteriores. em 2006 (+8.878 12. ( P) : D ad o s Pr eli minar es. que se traduziu num crescimento médio anual de 0. Entre 2000 e 2008. tendência que foi sustentado nos anos seguintes.5%).9% no ano do Euro’2004. em que a actividade turística atingiu ritmos de crescimento nominal elevados.000 12. quer da consequência da menor performance económica da actual conjuntura económica mundial.000 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D 2004 D 2005 D C onsumo Turístico Interior 2006 D 2007 P 2008 E 12. ( E) : D ad o s Est imad o s F O N T E: I N E . Evolução do consumo turístico interior . comparativamente a 2000. superiores aos da economia. 17. o Consumo Turístico Interior teve um crescimento médio anual de 4.5 mil milhões €.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Consumo Turístico Interior – evolução A procura turística.

295 6.375 3. o Consumo Turístico Receptor situou-se nos 8. foi suportado.049 3.000 4. Em particular.624 4. Componentes do consumo turístico interior .6%.250 2.000 2. respectivamente.0%. e a Outras Componentes do Consumo Turístico uma quota de 31%.506 3.componentes Em 2007. ( P) : D ad o s Pr eliminar es F ON T E: IN E .000 16. fundamentalmente. No período em referência.0% face ao ano anterior). valor que representa cerca de 50% do total do Consumo Turístico Interior.3 mil milhões € que em 2006).milhões de € 18. num aumento do Consumo Receptor (+18.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Consumo Turístico Interior .144 2.874 2.993 Outras componentes do consumo turístico C onsumo turístico interno C onsumo turístico receptor 6.6%.719 3. o Consumo Turístico Interno 4.794 2.000 0 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D 2004 D 2005 D 2006 D 2007 P Leg end a: ( D ) : D ad o s d ef init ivo s.806 4.682 6. a taxa de crescimento do Consumo Turístico Interno e de Outras Componentes do Consumo Turístico registaram valores na ordem de 8.139 6.000 14.477 6.742 2.483 3.813 2. enquanto as Outras Componentes do Consumo Turístico situaram-se nos 3.000 12.470 4.6% e 7.794 7.0%.8 mil milhões € (mais 1.000 6.Inst it ut o N acio nal d e Est at í st ica 5.779 5 . A quota do Consumo Receptor tem-se mantido praticamente inalterada desde 2000.521 6. a boa performance do Consumo Turístico em 2007. o Consumo Turístico Receptor teve um crescimento médio anual de 4. competindo ao Consumo Turístico Interno cerca de 19%.369 2.438 8. Nesse ano.000 10.000 8.

ou seja.000 40.0% 10.1%) no período em referência. Desde 2004.5% do PIB na economia nacional.000 20.4 p.000 100.p.5% 10.5% 9. estima-se que o Consumo Turístico Interior totalize 10.4% 9.7% 10. registando um peso similar ao de 2007.1% 9.p. Consumo turístico interior no PIBpm 180. No período em análise.000 80. depois de um crescimento de +0.3% 9.1% 10.0% 8.5% 10.8 p.000 60.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 6 . ano em que o peso do Consumo Turístico na economia atingiu o seu valor mais baixo (9. observa-se o relançamento do Consumo Turístico.000 120. um ganho de +1. o melhor resultado de sempre foi Observa-se um período de quebra.5% do PIB. sobretudo impulsionado pelo Consumo Receptor.000 160.0% 9.0% 9.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Consumo Turístico Interior – peso no PIB Em 2008. traduzido num aumento do peso no PIB da economia a preços de mercado. onde o Consumo Turístico atingiu os 10. entre 2001 e 2003. no período 2003-2008.000 0 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D C onsumo Turístico Interior 2004 D 2005 D 2006 D 2007 P 2008 E PIBpm Importância C TI no PIB 10. ( P) : D ad o s Pr el imi nar es F O N T E: I N E .7%). obtido nos dois últimos anos.0% Leg end a: ( D ) : D ad o s d ef i ni t i vo s.4% 9.000 140. comparativamente a 2006 (9.5% 11.5% 8.

7% v. O “gap” dos níveis de crescimento foi mais evidente em 2006 e 2007.0% 4.5% v.8%.0% 0.0% 2. ano após ano. 1. Tx Consumo Turístico face Tx 2001 D 2002 D PIB 2003 D 2004 D 2005 D 2006 D 2007 P 12.s.4% v. situação inversa à verificada entre 2000 e 2003. avaliada a preços de mercado.0% 6.2% e de 12.0% 10. 5.9% 2. o Consumo Turístico Interior cresceu a um ritmo superior ao registo pela economia nacional. um ritmo de crescimento mais elevado que o da economia nacional. ( P) : D ad o s Pr el i mi nar es.4% 6.6% 3. Após 2003.s.2% C onsumo Turístico Tx do PIB da Economia Leg end a: ( D ) : D ad o s D ef i ni t i vo s.0% -2.2% Tx F O N T E: I N E .9% 4.7% 2008 E 14. constata-se que o Consumo Turístico tem registado.s. nomeadamente 2.5% -1.0% -1.0% 8. PIB Em 2008.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 8.0%.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Consumo Turístico Interior – taxa de variação do consumo v. respectivamente. ( E) D ad o s Est i mad o s 7 .0% 12. anos em que se registam variações de 8. 4.s.

apresentando um comportamento similar no período em referência.105 7.4%. O crescimento do VAGT foi particularmente expressivo em 2007.500 5. o Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo (VAGT) ultrapassou os 7. seguindo a tendência registada pelo Consumo Turístico Interior.443 4. traduzindo-se em mais 628 milhões € relativamente a 2006 (+11.500 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D 2004 D 2005 D VAB Turístico 2006 D 2007 P 2008 E Leg end a: ( D ) : D ad o s D ef i ni t i vo s. após um acréscimo absoluto significativo ocorrido em 2007. o VAGT cresceu a uma média anual de 4.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 8 .Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo – O Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo deverá crescer a uma taxa nominal de 1.484 5.787 5.186 6.2 milhões € relativamente a 2007.500 5. VAB Turístico .054 5.500 7.1 mil milhões €.378 5.4%). em consequência da menor performance económica resultante da conjuntura internacional.1% em 2008. Entre 2000 e 2008. correspondendo a mais 82.Milhões de € 7.900 6. evolução Em 2008. ( P) : D ad o s Pr el i mi nar es.333 5. ( E) D ad o s Est i mad o s F O N T E: I N E .

2% 4.6% 4.6% 4. ( P) : D ad o s Pr el i mi nar es.1% para o VAB da economia.2% 5.0% 4.) e 2003-2008 (+0. decorrente dos ataques terroristas de 11 de Setembro e da situação económica internacional.1 p.).1% 5.000 80.6% 4.000 100. Com efeito.6 p. que no ano do Euro 2004).0% 5.4% 4. A relação entre o VAGT e o VAB da economia permite-nos medir a importância da riqueza gerada pelo turismo no conjunto da riqueza nacional.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca VAB da Economia Importância do VAT no VAB Leg end a: ( D ) : D ad o s D ef i ni t i vo s.p.p.4% 4. verificaram-se anos de decréscimo após 2001.000 40. ano em que atingiu o melhor resultado de sempre (+0.000 60. 5.2 p.000 20.p. VAGT no VAB da Economia 140. 2001-2003 (-0.6% 4.5 p.8% 4.p. que em 2008 e +0. o Turismo contribuiu em 5.8% 4.9% Em 2007.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo – peso do VAGT no VAB da economia Desde 2000 registam-se três ciclos de evolução com sinais contrários na representatividade do VAGT no VAB da economia: 2000-2001 (+0.7% 4.5 p.000 120. ( E) D ad o s Est i mad o s 9 .).0% 2004 D 2005 D 2006 D 2007 P 2008 E Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo (VAT) F O N T E: I N E .p. valor que se situa nos 5% em 2008.000 0 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D 4.

0% -4. Também em 2006 e 2007 o VAGT atingiu taxas de crescimento nominal significativamente acima das observadas para o VAB da economia. Em 2004 a situação inverteu-se.5% para o VAB da economia).0% 0. mais do dobro do crescimento do VAB.5%.1% 8. respectivamente.1% Leg end a: ( D ) : D ad o s D ef ini t i vo s. onde a taxa de crescimento do Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo atingiu os 8.1% para o VAGT e +2.7% -2.4%. com efeitos substanciais na actividade turística. com +8.5%.0% 2003(D) 2004(D) 2005(D) Tx do VAB do Turismo Tx 2006(D) 2007(P) do VAB da Economia 2008(E) 2.I nst it ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 10 .0% 8.0% 1. para 2008 as perspectivas apontam para uma nova inversão da tendência (+1.4% 14.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo – taxa de variação do VAGT v.0% 10. ou seja.5% 8. com o VAGT a crescer 8. em resultado do 11 de Setembro e do abrandamento económico mundial. ( P) : D ad o s Pr el i mi nar es.s.0% -2.0% 2001(D) 2002(D) -0. ( E) D ad o s Est i mad o s F O N T E: I N E .0% 6.5% 8. Tx Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo face Tx VAB da Economia 11. contudo.0% 4.0% 2. impulsionada pelo Euro’2004. VAB da economia Após os bons resultados obtidos em 2001. seguiram-se anos de recessão (taxas de variação negativas).0% 12.1% e +11.

denominadas na rubrica “Outras”.000 0 Alojamento Restauração Transporte de Passageiros VAGT F O N T E: I N E . ultrapassando.s. etc Serviços Culturais Outras VAB Actividades do Turismo 11 .000 2.000 6. No conjunto. No total.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo – VAGT v. esta proporção foi de 51% para as actividades de “Transporte de Passageiros” e de 29% para o sector da “Restauração e Bebidas”. estas três actividades representaram mais de 80% do VAB gerado pelo turismo. os 2. mais de 3 mil milhões € em 2007.6% do VAGT teve origem nas actividades características do turismo. Em 2007. VAGT versus VAB das Actividades do Turismo 2007 . competindo os remanescentes 10. cerca de 97% do VAB registado pelas actividades de “Alojamento” e “Agências de Viagens” foi gerado pelo turismo. A “Restauração e Bebidas” e o “Transporte de Passageiros” geraram. 89. em 2007. VAB das actividades do turismo O “Alojamento” é a actividade que gera maior volume do Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo (VAGT).4% a actividades não características (conexas e não específicas do turismo). No mesmo ano.000 4. no conjunto.5 mil milhões de euros (inclui Residências Secundárias).I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca Agências de Viagens.milhões de € 8.

4% 17. enquanto a Agricultura contribuiu apenas com 2.4%.I nst i t ut o N acio nal d e Est at í st i ca 2000 3.8% 15.s. No mesmo ano.5% 33.8% 100.4% 17.6% 2008 2. com ganho de quota entre 2000 e 2008 (+0.9% 14. A Indústria. Em 2008.8% 2.5% 6.6%).8% 100. O VAGT registou um comportamento positivo.8% 30.7% 2004 3.0% 4.0% 5.0% 12 .6% 6.0% 4. Restaurante e Hotéis Transportes e Comunicações Actividades Financeira e Imobiliária Outros Serviços VAB Total VAGT (Turismo) F O N T E: I N E . Construção.p. Silvicultura e Pesca Electricidade.6%).5%) e o da Indústria (14. os Serviços representavam cerca de 73. Gás e Água Indústria Construção Comércio.7% 15.1% 14.2% 2.5% 7. seguido das Actividades Financeiras e Imobiliária (15.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo – VAGT v.5% 7.1% 17. Restaurantes e Hotéis (17. Energia e Água representam cerca de 23. o sector de actividade com maior quota de mercado foi o do Comércio.3 p.1% 32. ganho de quota para as Actividades Financeiras e perda de quota na Indústria.4% 3.9% do VAB.6% 17. Restaurantes e Hotéis.7% do VAB.). embora registem comportamentos diferentes desde 2000: estagnação de quota para o Comércio. VAB de outros sectores de actividade Portugal tem desenvolvido uma economia cada vez mais baseada nos serviços. Representatividade do Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo versus Sectores de Actividade Sector da Actividade Agricultura.6% 13.7% 100.7% 6.6% 6.

Emprego nas actividades características do Turismo .373 F O N T E: I N E .8 mil postos de trabalho face ao ano anterior (crescimento de 2. Destaque para o comportamento positivo deste agregado desde 2000.000 370.560 444. o Emprego nas Actividades Características do Turismo situou-se nos 444. apenas menos acentuado em 2002.000 390. registou crescimento correspondendo no final do período a mais 56.526 421.000 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D 2004 D 2005 P Emprego nas actividades características do Turismo 2006 P 398.329 409. Características do Turismo.000 420. mais 11. aferido em postos de trabalho.5 mil postos de trabalho.000 430. Por sua vez.2% no período em análise.7%). o total do emprego apresentou um crescimento médio anual de 0.000 380.I nst i t ut o N acio nal d e Est at í st i ca 13 .000 440.3%.4 mil postos de trabalho. ou seja.807 387.660 432.milhões de € 450.000 400.000 410. Turismo .evolução Em 2006.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Emprego nas Actividades Características do Entre 2000 um e 2006. comparativamente a 2000. o Emprego médio nas anual Actividades de 2.865 399.

1% 7.000 3.8% 7.0% em 2006 (+0.6% 14 .2 p.4% 7.2% 7.000.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Emprego nas Actividades Características Turismo – peso do emprego turístico no total do emprego O peso do Emprego nas Actividades Características do Turismo no total do emprego tem vindo a crescer. Em 2006.0% 7.000 1.000.2% 8. Peso do emprego nas actividades características do Turismo no Emprego e na Economia 6.000.0% 6.000 2. depois de um ganho de quota similar em 2005 (+0.000 5.4% 8.6% 7. tendo atingido os 8.0% 7.I nst it ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 8.1% 7.000 4.6% 7.8% 7.p.2% 7.).000.2 p.000 0 2000 D 2001 D 2002 D 2003 D 2004 D 2005 D 2006 D Emprego nas actividades características do Turismo Emprego na Economia Importância do emprego das actividades características do Turismo no emprego Leg end a: ( D ) : D ad o s D ef init i vo s F O N T E: I N E .000. excepto em 2002. 56% do total do Emprego nas Actividades Características do Turismo reporta-se às actividades de “Restauração e Bebidas”.000.p).8% 6.

Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Emprego nas Actividades Características Turismo – taxa de variação do emprego turístico v. Esta tendência é particularmente notória em 2006 (dados mais recentes da CST).0% 5.0% 7. desde 2003.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 15 .0% 2.6% 2.0% 0.0% 1.0% 3.0% 2. Tx Consumo Turístico face Tx PIB 8. total do emprego Nos últimos anos.6% 3. enquanto que o emprego na economia tem vindo a registar ligeiras reduções (-0.8% 0.0% -1.7% em 2006 face a 2005).0% 4.7% 2001 D Leg end a: ( D ) : D ad o s D ef init i vo s 2002 D 2003 D Tx da emprego no Turismo 2004 D 2005 D Tx do emprego na Economia 2006 D F O N T E: I N E .s. as Actividades Características do Turismo têm contribuído positivamente para o emprego na economia.0% 6.1% no mesmo período).1% 2.0% -2.0% 2. excepto em 2002. O Emprego nas Actividades Características do Turismo registou. uma vez que têm apresentado taxas de crescimento superiores às da economia. uma evolução mais favorável que o da economia (+2.

o saldo da Balança Turística tem contribuído positivamente para a diminuição do défice da Balança Corrente (bens e serviços).000 -10.000 5.000 -20. taxas de crescimento expressivas. No período em análise.000 0 -5. em consequência do crescimento significativo das receitas do Balança Turística na Balança Corrente . registando.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Comportamento da Balança Turística na Balança Corrente Ano após ano.5 mil milhões €.B anco d e Po r t ug al 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Saldo da Balança C orrente (sem Turismo) 16 .milhões de € 2000 10.000 Saldo da Balança Turística Saldo da Balança C orrente F O N T E: B P . o saldo da Balança Turística tem apresentado turismo. em 2008. um valor de 4.000 -15.000 -25.

no período 2000 a 2008. 16.8 12.3 100.p. ou seja. -16.3% -16.8 p.4 11.6% 19. Componente da Balança Corrente .0% 41.8 p. com um aumento de 11.0 8.p.5 p. resultante de um crescimento relativo superior das outras rubricas de receitas da Balança Corrente-Serviços.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca Peso 2000 Quota 08/00 0.0% 100. a variação média anual das Exportações de Serviços foi de 7.8 3.p.0 10.0 2.3% anual. taxas de crescimento superiores à média anual das Receitas Turísticas no período em referência (3.9% 10. Com efeito.0 4. Expo rtação de Serviço s Viagens e Turismo Serviço s de Transpo rte Outro s serviço s fo rnecido s po r empresas Outro s TC MA 08/00 F O N T E: IN E . ou seja.0 p.3 7..% 16.5% 26.0 6.3 p.0 p. e Outros Serviços fornecidos por empresas. com +14. dos quais se destacam os Serviços de Transporte.0 12.Serviços Peso 2008 Exportação de Serviços Viagens e Turismo Serviços de Transporte Outros Serviços fornecidos por empresas Outros F O N T E: I N E . Taxa crescimento média anual relativa às principais componentes da exportação de serviços .Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Receitas Turísticas – peso na Balança Corrente (Serviços) As Receitas Turísticas constituem a principal rubrica da Balança Corrente–Serviços.3%).5% do total das Receitas da Balança Corrente.0 0.0 14.Inst it ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 17 .0% 31.8% ao ano.3% registados em 2000. 4. Em 2008 representaram 41.1%. face aos 58.p.p.7% 10.9% 58.1% 14.p. 21.0 14. na componente serviços.

Inst it ut o N acio nal d e Est at í st i ca 18 .000.000 25.000 5.02 vezes superior ao sector das “Máquinas e Aparelhos” e. verifica-se que o Turismo foi.000 15.000. Ranking Receitas turísticas Máquinas e aparelhos Veículos. considerada a maior empresa exportadora do país. Outros Materiais de Transporte”. Em relação aos restantes sectores de exportação.000.000 20.000.000. 1. constatamos que este agregado é superior a qualquer dos restantes. outro mat.I nst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca 2000 2004 2008 1º 2º 3º 5º 4º 6º 1º 2º 3º 4º 5º 6º 1º 2º 3º 4º 5º 6º Comparação sectorial receitas turísticas/Top 5 receitas externas milhões de € 30.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Receitas Turísticas – posicionamento nas principais Receitas Externas Comparando o Turismo com os principais sectores Comparando as Receitas Turísticas com os outros principais sectores exportadores. aferido pela geração de receitas externas. outro mat. Transporte Vestuário F O N T E: IN E . 1. transporte Metais comuns Vestuário Plásticos e borracha F O N T E: I N E .000 10. ano em que foi superado pelo sector das “Máquinas e Aparelhos”. o Turismo é em média 2 a 3 vezes superior em termos de volume de receitas externas geradas. excepto em 2007.60 superior ao sector dos “Veículos. onde se inclui a Autoeuropa.000. em 2008. exportadores nacionais.000 0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Máquinas e aparelhos Metais comuns Plásticos e borracha Receitas turísticas Veículos.

verifica-se que as Receitas do Turismo.000 7.000 5.440 4. Nesse ano.2% 4.B anco d e Po r t ug al 19 .6% 4.8% 4. após um crescimento superior a dois dígitos em 2007 (10.195 6.7%.7% 4.199 6. passando de 4. ascenderam a 4.5% 4. B P .402 7.4% 4.9%).7% em 2000 para 4. em mais 1.094 5. que se traduziu. representando um crescimento de mais 0.Inst i t ut o N aci o nal d e Est at í st i ca. em termos absolutos. Importância das receitas turísticas no PIB .p.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Receitas Turísticas – peso no PIB Analisando o lado da procura turística por parte dos visitantes não residentes.). o peso das Receitas do Turismo no PIB tem vindo a descer ligeiramente.1% 4.3% 4. e num crescimento médio anual de 3. De 2000 a 2008 as Receitas do Turismo apresentaram um crescimento significativo.9% F ON T E: I N E .5% em 2008 (-0.000 0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Receitas do turismo Peso das receitas do turismo no PIB 6.0% 3.2 p.000 3.672 7.000 1.000 4. as Receitas Turísticas atingiram o valor de 7.849 6.5% relativamente ao ano anterior.5% do PIB pm.7 mil milhões de euros.393 7.000 2.milhões de € 8.000 6. em 2008. No entanto.440 milhões de euros. com base na balança de pagamentos do Banco de Portugal.125 6.

Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexos .

n.7% 4.I nst i t ut o N acio nal d e Est at í st i ca .3% 6.878 10.5% 2.2 0 0 8 21 .4% 2.0% 4.2% 2.5% 7.526 421.442.4% -2.9% 5.não d i sp o ni vel F O N T E: I N E .5% 5.3 5.786.373 Peso do emprego nas actividades características do turismo no emprego na economia Tx do emprego do turimo 7.9% 5.1% 2001 12.8 4.660 432.726 12. 2008 (**) 17.2% Contribuição do turismo para o VAB da Economia (10 Euros) Peso do turismo no VAB Tx.2% 9.329 409.d.332.7% 8.0% 2006 15.d.378. 12.149 9.577 9.513 10.6% -0.2 0 0 4 . n.2 0 0 2 .1 4.7% Leg end a: ( * ) O s d ad o s d a C o nt a Sat él i t e d o T ur ismo p ar a 2 0 0 7 são p reli mi nar es ( * * ) Pr i mei r as est imat i vas d o ano ( co m b ase na inf o r mação d i sp o ní vel at é O ut ub r o d e 2 0 0 8 ) ( * * * ) númer o d e p o st o s d e t r ab al ho n.1% 7.d. n.1% 7.7 4.6% 8.6% 7.483.8% 2.5 5.9% 8.4% n.1% -1.5 4.6% 8.1% n.0% 2.4% 6.185.d. n.6% 2.6% 2002 2003 2004 13.C o nt a Sat éli t e d o T ur i smo 2 0 0 0 .0 4. 2 0 0 5.105.0% 7.078 10.6 5.7% 7.450 9.2 0 0 7 e 2 0 0 6 .307 10.900. d . 5.865 398.d.8% 7.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexo 1 Actividade Turística na Economia Nacional Indicadores Consumo turístico interior (10 Euros) Peso do consumo turístico no PIB Tx.0% 1. .5% 2005 13.4% -1.8% 8.0% do Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo (VAGT) Emprego nas actividades características do turismo (***) 387.560 444. 2 0 0 3 .4% 3. do consumo turístico 6 6 2000 12.969 9.6 4.807 399.1% 11.053.d.6% 3.5% 12.1% 2007 (*) 17.1% 0.7% 5.

2 0 0 8 22 .0% 2003 120.310 4.446 4. 2008 143. De variação do VAB da economia PIB pm (10 Euros) Tx.2 0 0 4 .d. Tx do PIB da economia do emprego na economia Emprego na economia (*) 6 6 2000 106.622 Leg end a: ( * ) númer o d e p o st o s d e t r ab al ho n.3% 2002 117.2 0 0 2 .3% 138. 5.2% 0.465 2. .128 4.0% 2007 139.d.054 3.7% 155. 2 0 0 5. 2 0 0 3 .582 2.411 5.0% -0.551.551.0% 144.I nst i t ut o N acio nal d e Est at í st i ca .201 5.047 5.434 4.500.825 5.363 2.270 2001 112.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexo 2 Actividade Económica Indicadores VAB da economia (10 Euros) Tx.4% 149.238 5.128 1.569. d .d.2% 2005 128.751 4.não d i sp o ni vel F O N T E: I N E .360 5.9% 129.C o nt a Sat éli t e d o T ur i smo 2 0 0 0 .570.5% 166. n.545 122.d.7% 7.1% 2006 133.5% -0.123 3.0% n.308 5.8% n.683 5.3% -0.559.466 2.817 5.610.2 0 0 7 e 2 0 0 6 .8% 1. n.2% 163.925 5.7% 2004 125.4% 135.

612 34.276 48.756 3.394 8.879 9.186 23 .499 4.850 18.998 8.801 106.230 9.316 9.944 20.274 117.103 18.997 44.143 8.477 43.665 21. Restaurante e Hotéis Transportes e Comunicações Actividades Financeira e Imobiliária Outros Serviços VAB Total VAGT (Turismo) F O N T E: I N E .545 5.500 20.787 2005 3.724 19.751 5.781 112.846 19.875 7.230 37.861 22.296 8.604 18.995 125.441 20.789 23.026 16.272 38.642 3.825 139. Gás e Água Indústria Construção Comércio.310 5.668 17.223 17.105 2008 3.495 19.466 7.336 19.677 8.910 3.795 22.037 14.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexo 3 Valor acrescentado gerado pelo turismo/Sectores de actividade .611 7.I nst i t ut o N acio nal d e Est at í st i ca 2000 4.817 5.767 8.686 32.909 2.344 19.465 5. Silvicultura e Pesca Electricidade.861 9.056 2.067 24.971 3.392 46.026 2.510 128.363 5.746 19.300 20.055 6.378 2007 3.300 8.359 8.059 9.307 19.333 2004 3.955 120.677 22.727 15.054 2001 4.milhões de € Sector da Actividade Agricultura.719 40.926 19.443 2003 3.925 7.675 8.157 25.379 4.427 143.458 8.900 2006 3.657 8.484 2002 3.607 133.

7% 0.5% -0.1% 07/06 -6.2% 11.8% 6.4% 2.5% 1.4% 4.5% 02/01 -3. Gás e Água Indústria Construção Comércio.2% 4.0% 2.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexo 4 Tx variação do Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo face Tx variação dos Sectores de Actividade Sector da Actividade Agricultura.0% 1.5% 6.5% 5.1% 3.3% 6.1% 15.3% 7.4% 2.0% 5.6% 5.0% 5. Silvicultura e Pesca Electricidade.3% 1.4% 08/07 -3.3% -4.0% 06/05 3.2% 5.4% 2.2% 4.8% 11.6% 5.1% 1.9% 4.5% 3.I nst i t ut o N acio nal d e Est at í st i ca 01/00 0.8% 9.1% 2.9% 8.7% 4.1% 4.9% 6.2% 2.6% 8.0% 8.3% -2.0% 5.1% 24 .8% 0.0% -1.8% 4.5% -0.3% 0.4% 7.0% 5.1% 4.9% -5.4% 2.5% -0.6% 3.0% 3.5% 2.8% 6.4% -0.7% 1.0% 13.1% 3.4% 3.5% 3.2% 5.7% 03/02 0.1% 3.3% 6.0% 04/03 1.1% 2.5% 3.7% 8. Restaurante e Hotéis Transportes e Comunicações Actividades Financeira e Imobiliária Outros Serviços VAB Total VAGT (Turismo) F O N T E: I N E .0% 7.6% 7.1% 2.5% 05/04 -8.3% 4.

072.377 196.314 Export 2006 6.794 97.398 80.105 4.458 14.582.928.666 9.811 146.775 156.910.124.063 293.584.219 234.037 16.252 81.635.762 1.618 318.948 30.697 10.337 78.939.774.823 Export 2004 6.838 Export 2008 7.447 261.496.981 116.546 348.912.758 67.927 2.796 92.998 1.410 Export 2002 6.413 110.312 171.659 1.542 265.450 163.167 202.198.216 1.255.939 157.496 224.785 Export 2007 7.444.758 1.587 493.852. Balança corrente .739. cultural e recreativa Operações governamentais (n.536 2.624 3.630 388.586 17.692 102.837.834 171.357 143.574 187.440.322.477 118.966 1.B anco d e Po r t ug al Export 2000 5.034 28.399.464 82.033 31.000 571.939 654.819.i.871 48.195.740 159.700 70.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexo 5 Receitas turísticas vs.319.) Seguros Direitos de actualização F O N T E: B P .073 32.693 82.321 10.568 155.528 217.671.879 462.882 235.r.020 621.469 2.093.979.995.907 155.407 1.552 273.584.136 214.630 428.811 31.289 166.606 10.635.028 245.719.402.184 131.458 Export 2001 6.293 64.100 4.522.719 118.Componentes serviços .milhares de € Sector da Actividade Serviços Total Viagens e Turismo Transportes Outros serviços fornecidos por empresas Serviços de construção Serviços de comunicação Serviços de informação e de informática Serviços financeiros Serviços de natureza pessoal.535 122.839 12.600 187.690 604.844 Export 2005 6.745 Export 2003 5.411 96.949 54.859 11.114.599 2.954 172.097 132.n.868 121.783 67.767.581 203.848.001 25 .935 3.468 146.272 148.246 1.819 1.948 3.203 141.281 190.903 64.024 171.265 269.772.

3% 2005 42.961 17.440 13.6% 19.928 7.6% 2008 55.393 15.710 12. globais Peso das receitas turísticas sobre Exp.402 13.B anco d e Po r t ug al 2001 37.3% 22.308 27.7% 43.5% 21.965 30.195 15.635 7.980 7.125 16.9% 20.I nst it ut o N aci o nal d e Est at í st ica.199 14.0% 21.199 26.9% 22.820 6.1% 2002 38.1% 56.005 28.6% 2003 39.255 6.4% 2006 49.379 9.672 15. serviços F O N T E: I N E .7% 54.849 15.889 37.8% 2004 41.5% 36.9% 23.5% 2007 54.092 10.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Anexo 6 Representatividade das Receitas Turísticas na Balança Corrente .3% 53.723 29.569 37.2% 62.415 26.913 6.4% 26 .497 6.398 10.870 11.918 10.589 16.4% 50.146 34.910 5.milhões de € 2000 Exportações globais Exportações bens Exportaçãoes serviços Receitas turísticas Peso das receitas turísticas sobre Exp.3% 19.6% 58.853 6.6% 41.3% 21.511 14.8% 52.094 16. B P . bens Peso das receitas turísticas sobre Exp.

Inclui ainda as despesas de consumo efectuadas em Portugal. por motivos de lazer. 27 . no âmbito de uma deslocação para fora do seu ambiente habitual. em Portugal. Inclui ainda as despesas efectuadas por outras entidades em nome desses visitantes. no âmbito de uma viagem turística a Portugal. bem como a “valorização” das residências secundárias utilizadas para fins turísticos.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Conceitos Consumo Turístico Interior Consumo em turismo efectuado pelos residentes e não residentes. por visitantes residentes. Consumo Turístico Interno Despesas de consumo efectuadas por visitantes residentes no âmbito de uma viagem turística no interior de Portugal. no âmbito do Turismo de Negócios. a saber: Consumo Turístico Receptor Despesas de consumo turístico efectuadas por visitantes do estrangeiro. no âmbito de uma deslocação para fora de Portugal. antes de partir e depois de regressar dessa viagem (componente de Consumo Interno do Turismo Emissor). Outras Componentes do Consumo Turístico Despesas efectuadas. pelos visitantes residentes e não residentes. negócios e/ou outros e que não dê lugar a qualquer remuneração no destino. O Consumo Turístico Interior subdivide-se em três componentes. Também inclui a parcela turística de Consumo Final das Administrações Públicas e das Instituições sem Fins Lucrativos ao Serviço das Famílias (ISFLSF).

Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Actividades Específicas: Classificam-se como Características e Conexas Actividades Características do Turismo: São actividades produtivas cuja produção principal foi identificada como sendo característica do Turismo e que servem os visitantes. Restauração. Serviços culturais e Recreação e lazer. Transportes de passageiros. Aluguer de equipamento de transporte de passageiros. residências secundárias utilizadas para fins turísticos por conta própria ou gratuitas). Actividades Conexas: São actividades produtivas cuja produção principal foi identificada como sendo de bens e serviços conexos do Turismo (transportes ferroviários suburbanos. operadores turísticos e guias turísticos. admitindo-se uma relação directa do fornecedor com o consumidor. sejam residentes no país ou não. VAGT (Valor Acrescentado Gerado pelo Turismo): Corresponde à parcela do VAB que é gerada na prestação de serviços aos visitantes em Portugal. 28 . serviços fotográficos) Actividades Não Específicas do Turismo: Correspondem às actividades produtivas cuja produção principal foi identificada como sendo produtos não específicos do Turismo. Este valor pode ser considerado como a contribuição da actividade turística para o VAB da economia. VAB (Valor Acrescentado Bruto): Diferença entre o valor da produção e o valor dos consumos em bens e serviços necessários para essa produção. as actividades: Alojamento (hotéis e similares. Agências de viagens. neste grupo. Incluemse. Serviços auxiliares aos transportes de passageiros.

assegurando a coerência da CSTP com o Subsistema de Informação Estatística do Turismo. do Eurostat e o documento “Conta Satélite do Turismo: Quadro de referência metodológica”. e um a vez que a CSTP é um projecto coerente com o Sistema de Contas Nacionais. 2007 e 2008. a nível de conceitos e definições. das Nações Unidas. 29 . A CSTP tem como principais quadros metodológicos de referência o Manual de Implementação da Conta Satélite do Turismo. Por outro lado.Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Nota Metodológica Esta apresentação pretende divulgar os dados disponibilizados mais recentemente relativos à Conta Satélite do Turismo de Portugal (CSTP) para os anos de: 2005. sendo que a informação disponibilizada para 2007 e 2008 reporta-se a dados preliminares. Os dados apresentados de 2000 a 2006 são definitivos. constituem a principal referência conceptual do Turismo Internacional. 2006. sendo observadas as suas referências metodológicas. como a Balança de Pagamentos. As Recomendações das Estatísticas do Turismo. assim como com outros subsistemas. o recurso aos conceitos e nomenclaturas deste último afigura-se imprescindível. nomeadamente o Sistema de Contas Nacionais das Nações Unidas (SCN93) e o Sistema Europeu de Contas (SEC95). das Nações Unidas.

Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia Ficha Técnica © Turismo de Portugal. António Mello e Dra. IP Título: Conta Satélite do Turismo O Turismo na Economia – Indicadores de Actividade Turística e Económica em Portugal Direcção de Estudos e Planeamento Estratégico/ Departamento de Informação Estatística Equipa técnica: Dr.turismodeportugal. Cristina Curto (webdesign e tratamento de imagem) Edição: Julho de 2009 Documento publicado no em www. António Mello (pesquisa e texto) Dr.pt 30 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful