Você está na página 1de 5

Publicado em thebereancall.org ( https://www.thebereancall.

org )
Home > Eventos do Fim do Tempo

artigo de destaque

Já entramos na última década do segundo milênio desde o nascimento de Cristo. Alguém é


tentado a clamar: Será que nosso Senhor algum dia voltará para reinar pessoalmente na terra e
inaugurar o Milênio ? Por que Ele esperou tanto? Não devemos esquecer que a volta de Cristo
está intimamente ligada à vinda do Anticristo [1] - que só pode ser revelado em seu tempo ( 2 Ts:
2: 6-8)

Lembro-me, quando menino no final da década de 1930, ouvindo com especial interesse sempre
que pregadores apresentavam escrituras familiares os "sinais" profetizados que anunciariam a
aproximação da segunda vinda de Cristo. Houve muita especulação sobre os desenvolvimentos
atuais: Qual foi o significado da Grande Depressão? Onde se encaixava o New Deal do
presidente Roosevelt, com suas medidas econômicas e bancárias inovadoras? E quanto a Hitler
- ele poderia ser o profetizado Anticristo [1] ? Ele certamente era o principal suspeito!

Mesmo naquela época, havia um consenso muito firme em pelo menos dois pontos: Israel [3]
teria que retornar à sua própria terra na descrença , tornando-se uma nação lá mais uma vez; e o
Império Romano deve ser revivido. Essas condenações foram mantidas apesar de todas as
indicações em contrário. Só a confiança na Bíblia nos levou a acreditar que o que na época
parecia absurdo realmente aconteceria - talvez até durante a nossa vida.

É claro que aplicar profecia ao mundo atual teve suas dificuldades. Por exemplo, desde os dias
em que fazia parte do Império Romano, a Grã-Bretanha havia adquirido um império mundial
próprio, no qual "o sol nunca se punha". Isso tudo faria parte do Império Romano "revivido"? Mais
uma vez, havia a firme convicção de que a Grã-Bretanha teria de perder suas extensas colônias
para ser incluída na nova união da Europa Ocidental. Impensável naqueles dias em que
"Britannia governava as ondas"! Mesmo assim, aceitamos essas "impossibilidades" pela simples
fé na Palavra profética de Deus.

Muito do que aprendi como profecia em minha juventude se tornou história . O aparentemente
impossível aconteceu, incluindo o surpreendente renascimento da nação de Israel [3] . Em grande
parte, ela permanece em descrença e rebelião contra Aquele que, no entanto, ainda se chama "o
Deus de Abraão, Isaque e Jacó". Não se engane, os israelitas estão cumprindo as promessas de
Deus e sob Sua proteção. Jeremias 30-32 é suficiente (e existem muitas outras escrituras
semelhantes) para esclarecer qualquer dúvida sobre este assunto. Inclui:

O Israel [3] ... eu sou contigo, diz o Senhor, para te salvar; porquanto eu fazer uma final
cheia de todas as nações para onde os tiver espalhados ti, mas eu não vou fazer uma
final cheia de ti : mas eu vou corrige-te na medida ....

Todos os que te devoram serão devorados ... Ouvi a palavra do Senhor, ó nações ...
Aquele que espalhou Israel [3] o ajuntará e o guardará, como o pastor faz o seu
rebanho ... e eles não sofrerão mais em absoluto ....

Assim diz o Senhor, que dá o sol como luz de dia e as ordenanças da lua e das
estrelas ... Se essas ordenanças se afastarem de mim ... então a descendência de
Israel [3] também cessará sendo uma nação ... Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que
... [Jerusalém] não será mais arrancada, nem derrubada, para sempre.

E o renascimento do Império Romano? Esse evento surpreendente agora surge no horizonte. Em


1992, a Comunidade Econômica Européia se tornará oficialmente uma grande entidade com o
poder de dominar o mundo. E agora que o Muro de Berlim ruiu e toda a Cortina de Ferro está
sendo destruída, o sonho de paz e prosperidade em todo o mundo parece ao nosso alcance. No
entanto, há um elemento essencial sobre o qual não me lembro de ter ouvido falar na minha
juventude. Nem é geralmente mencionado hoje. O antigo Império Romano era uma entidade
religiosa pagã chefiada por um imperador que era adorado como Deus - e esse aspecto também
deve ser revivido ( 2 Ts: 2: 4; Rev: 13: 4, 8)!

Muito se falou do "Império Romano revivido" como uma potência política, econômica e militar .
Aparentemente esquecido está o papel essencial que a religião desempenhou no mundo da
Roma Antiga. Como Gorbachev hoje, Constantino compreendeu. Um brilhante comandante
militar, ele também teve o gênio para reconhecer a necessidade de uma união entre o
paganismo e o cristianismo. Ao dar a este último status oficial, ele trouxe paz interna ao
Império. Além do título Pontifex Maximus , que os imperadores carregavam como chefes do
sacerdócio pagão, Constantino, como o autodesignado chefe civil da Igreja, ficou conhecido
também como Vigário de Cristo e Bispo dos Bispos.Esses três títulos os papas, como seus
sucessores, mantêm até hoje.

A preocupação com a unidade religiosa do Império levou Constantino a convocar o primeiro


Concílio da Igreja ecumênica - em Nicéia. Lá, esse pagão "pai do ecumenismo", o "primeiro
papa", fez o discurso de abertura e reforçou a unidade entre os bispos em disputa. Quando o
Império mais tarde se desintegrou politicamente sob o ataque dos Bárbaros, foi mantido unido
religiosamente pela presença onipresente do Católico Romano [6]Igreja, com sua engenhosa
mistura ecumênica de paganismo e cristianismo ainda sediada em Roma. Assim, foi para os
papas, sucessores dos imperadores pagãos, que o mundo da Idade Média buscou a liderança
no almejado renascimento do Império Romano - sem saber que foi profetizado na Bíblia como
algo maligno sobre o qual o julgamento de Deus cairia.

Na esperança de inaugurar aquele evento tão esperado, o Papa Leão III, que teve sua língua e
olhos arrancados por uma multidão em busca de vingança por sua insuportável tirania e
maldade, tateou seu caminho para o lado de Carlos Magno, colocado em sua cabeça a coroa e o
declarou "Imperador"! Era o dia de Natal de 800 dC. O rei estava assistindo à missa na Basílica
de São Pedro em Roma. Abjetamente jurando lealdade, o Papa se ajoelhou diante de Carlos
Magno, de cuja proteção ele precisava desesperadamente. No entanto, Leão também reafirmou
habilmente a reivindicação tradicional dos papas à autoridade para instalar ou excomungar e
destronar reis e imperadores. (Ver Apocalipse 17: 9, 18 "... aquela grande cidade ... sobre sete
montanhas ... que reina sobre os reis da terra.")

Se a CEE deve cumprir o renascimento do Império Romano profetizado nos últimos dias, ela
deve incluir estes dois elementos: Um novo "imperador" pagão que será adorado como Deus (ou
seja, o Anticristo [1] ); e a restauração de uma autoridade religiosa concomitante. Deve haver uma
parceria entre o Anticristo [1] e o chefe da igreja mundial, identificada em Apocalipse 17 como
"Mistério da Babilônia". Mesmo Católica [6] apologista Karl Keating admite que Babylon significa
Roma. O atual papa, João Paulo II, está trabalhando arduamente para fundir todas as religiões.
Ele obviamente entende que não apenas protestantes e católicos, mas toda a humanidade deve
se unir em uma nova religião mundial.

Dando grandes passos nessa direção, a igreja evangélica professa está constantemente
rendendo tudo o que ganhou na Reforma em sua acomodação ao catolicismo romano [6] e a seu
parente próximo, o paganismo da Nova Era. Muitas das formas chocantes em que até crianças e
jovens estão sendo atraídos para o último são reveladas por Johanna Michaelsen em Like
Lambs to the Slaughter. Claro que as escolas públicas têm desempenhado um papel
fundamental no processo de sedução. Uma das principais preocupações dos pais cristãos, que
levou ao crescimento do movimento do ensino doméstico, foi a imposição do humanismo
secular aos alunos pelo sistema de escolas públicas. No entanto, algo ainda mais sutil e mortal
está sendo desenvolvido para conduzir os jovens à religião mundial que está por vir.
Surpreendentemente, isso envolverá ensino sobre religião em escolas públicas - em nome da
liberdade religiosa!

Após a decisão da Suprema Corte de 1963 de proibir a oração nas escolas públicas, qualquer
menção à religião desapareceu quase completamente das salas de aula. Ainda assim, nessa
decisão, o tribunal encorajou a discussão religiosa, declarando que "a educação de uma pessoa
não está completa sem um estudo de religião comparada". Para preencher o vácuo que eles
próprios criaram, educadores públicos são subitamente exibindo o Conselho Nacional de
Religião e Educação Pública presidente Charles Haynes chama de "explosão interesse em
ensino sobre religião."

Dirigindo esse novo movimento está a Williamsburg Charter Foundation, "um grupo educacional
privado ... comprometido em produzir materiais didáticos reais até 1990 ..." Os currículos já
estão sendo testados em escolas públicas. A Carta de Williamsburg é apoiada por um verdadeiro
Quem é Quem dos principais líderes da América. Seu apoio uniu em um propósito comum
pessoas e organizações diversas como o Mórmon [8]Igreja e Conselho Nacional de Igrejas, com
a Associação Nacional de Evangélicos; a Comunidade Muçulmana Americana, com o Comitê
Judaico Americano; Molly Yard da NOW, com Beverly LaHaye e Phyllis Schlafly; Pessoas pelo
Norman Lear do American Way, com James Dobson e Chuck Colson. Billy Graham deu o
discurso de abertura na impressionante cerimônia de assinatura em 25 de junho de 1988. Ela
contou com a presença de observadores internacionais como Feodor Burlatskij, presidente da
Comissão Soviética de Direitos Humanos.

Em seus encontros recentes com João Paulo II, Gorbachev reconheceu a importância vital da
religião e prometeu liberdade religiosa e uma restauração das relações com o Vaticano. Ele e o
papa foram descritos pelo Los Angeles Times de 2 de dezembro como "Duas das figuras mais
atraentes no cenário mundial hoje". É tudo uma reminiscência assombrosa das realizações
ecumênicas de Constantino!

O objetivo da Carta (que foi ecoado por Gorbachev e pelo Papa) parece louvável: "... nós que
assinamos esta Carta, pessoas de muitas e várias crenças, nos comprometemos com os
preceitos duradouros da Primeira Emenda ... nos comprometemos falar, escrever e agir de
acordo com essa visão e ... exortar nossos concidadãos a fazerem o mesmo. " A Carta
reconhece e parece condenar "o semi-estabelecimento de fato de uma compreensão totalmente
secular da origem, natureza e destino da humanidade" e promete promover a liberdade religiosa
para todos. Ao mesmo tempo, porém, são expressas idéias que significam problemas para os
cristãos.

Os signatários da Carta podem ter a melhor das intenções, mas, na prática, é impossível ensinar
sobre religião sem fazer pronunciamentos que são, na melhor das hipóteses, superficiais e, na
pior, imprecisos. Por exemplo, a descrição do currículo do Islã [9] (talvez por medo de, como
Salman Rushdie, ter um preço pela cabeça), omite o fato de que matar não-muçulmanos e
apóstatas é o caminho mais curto para o paraíso e que o os versículos mais importantes
espalhados por todo o Alcorão defendem tais assassinatos. Uma comparação entre Jesus, que
disse que devemos amar nossos inimigos, e Muhammad, que ensinou e praticou a matançaeles,
seria instrutivo, mas é evitado. Nem há qualquer menção de que um muçulmano pode se casar
com quatro esposas, espancá-las se elas o desagradarem e divorciar-se delas quando ele
quiser. No entanto, como alguém pode realmente ensinar sobre o Islã [9] ou qualquer outra
religião sem revelar toda a verdade e fazer comparações?

Previsivelmente, os males do "Cristianismo" são expostos, sem nenhuma menção de que tais
práticas são contrárias à Bíblia. O próprio uso do termo "cristão", sem esclarecimento, é
consistentemente enganoso. Para os judeus, Hitler era um "cristão" e, de fato, declarou que "o
nacional-socialismo é o cristianismo positivo" uma mentira monstruosa. Os católicos [6]
executores da Inquisição Espanhola, na qual judeus foram massacrados, "convertidos" sob
ameaça de morte e forçados a fugir do país são descritos como "cristãos" no currículo. Sugere-
se então que o Vaticano II transformou o católico [6]Igreja como campeã da liberdade religiosa.
Isso é falso, mas que criança saberia a verdade de que a promessa de liberdade religiosa do
Papa é tão hipócrita e traiçoeira quanto a de Gorbachev?

O cristianismo bíblico será a vítima inevitável de tal desinformação. Ele oferece salvação [10] pela
graça por meio da fé em Cristo e Seu sacrifício pelos nossos pecados - enquanto a salvação [10]
pelas obras é oferecida em várias formas por todas as outras religiões. Um dos principais
objetivos da Carta é dissipar "a divisão espiritual , nascida dos credos". Os alunos aprenderão
que é indelicado e irrelevante sugerir que qualquer religião está certa. Essa abertura é muito
atraente, especialmente para as crianças. Assim, a principal lição aprendida será que os cristãos
são fanáticos e que as diferenças nas crenças religiosas são muito menos importantes do que a
"paz mundial".

A Carta declara claramente: "Temores justificáveis são levantados por aqueles que defendem a
teocracia ou o poder coercitivo da lei para estabelecer uma" América cristã "(p. 15). Que os
fundamentalistas cristãos são uma ameaça à paz e pretendem dominar o mundo há muito
tempo tem sido a contenção de ateus, humanistas e organizações como People for the
American Way. Dificilmente podemos negar essa acusação em vista das declarações da
Reconstrução / Reino / Dominionistas. Paul Crouch, por exemplo, em uma transmissão recente,
declarou com raiva e determinação em sua voz: "Somos bem capazes de possuir a terra. Vamos
ficar violentos; e se necessário vamos levar essas ondas de ar e essas estações para Deus à
força! "

Um ensino de religião imparcial e não religioso é impossível. Os alunos aprenderão a ver a


religião como um meio funcional para um fim, sendo esse fim uma tolerância gorbacheviana de
todas as crenças no interesse da paz mundial. Assim, o fundamento será lançado para uma
nova religião mundial que vê a "verdade" como menos importante do que a realização humana
nesta terra e, por fim, diviniza o homem. Você pode querer apontar isso para os líderes cristãos
que atualmente apoiam a Carta Magna . TBC

Blog
Casa
URL da fonte: https://www.thebereancall.org/content/end-time-events

Links:
[1] https://www.thebereancall.org/taxonomy/term/2/antichrist
[2] https://www.thebereancall.org/bible/1/2TS/2/6-8#v6
[3 ] https://www.thebereancall.org/taxonomy/term/51/israel
[4] https://www.thebereancall.org/bible/1/2TS/2/4#v4
[5] https: // www .thebereancall.org / bible / 1 / REV / 13/4 # v4
[6] https://www.thebereancall.org/taxonomy/term/5/catholicism
[7] https://www.thebereancall.org/bible / 1 / REV / 17/9 # v9
[8] https://www.thebereancall.org/taxonomy/term/52/mormonism
[9] https://www.thebereancall.org/taxonomy/term/50/islam
[10] https://www.thebereancall.org/taxonomy/term/57/salvation