Você está na página 1de 12

Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de

Relatório – FASHT

Representação gráfica

Profª Cesaltina Pires


cpires@uevora.pt

Plano da Apresentação

? Dados qualitativos
Gráficos de barras
?
? Gráficos circulares
? Diagrama de Pareto
? Dados quantitativos
? Histograma
? Polígono de frequências
? Polígono de frequências acumuladas
? Dados quantitativos – séries temporais
? Gráficos de linhas
? Diagrama de dispersão

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 2

1
Representação gráfica

? Dados qualitativos
? Gráficos de barras
? Gráficos circulares
? Diagrama de Pareto

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 3

Gráficos de dados qualitativos

Para fazer gráfico seleccionar dados (incluindo nomes das


4
categorias) e clicar na barra de ferramentas nos gráficos

2
Gráficos de barras

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 5

Gráficos de barras

Pensionistas com incapacidade permanente

Não codificado

Outras

Surdez Prof.

Pneumatoses

Intoxicações

Dermatoses

Ac. Trab.

0 2000 4000 6000 8000 10000 12000

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 6

3
Gráficos de barras – alterações

Clicando no lado direito do


rato, aparece menu para
fazer alterações no gráfico.

Formatar área de desenho,


podemos mudar cor de fundo

Nas opções do gráfico


podemos mudar títulos,
legendas, rótulos,…

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 7

Gráficos de barras – alterações

Clicando no lado direito do rato, em cima da barra, podemos alterar a


formatação da série de dados (alterar cores das barras, por efeitos
preenchimento,…)
Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 8

4
Gráfico de Pareto

? Podemos estar interessados em saber quais as categorias com


maior peso

? Quando há muitas categorias pode ser útil dispor as categorias por


ordem decrescente e fazer depois o gráfico de barras

Gráfico de Pareto

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 9

Gráfico de Pareto

Não codificado

Intoxicações

Outras

Ac. Trab.

Dermatoses

Surdez Prof.

Pneumatoses

0 2000 4000 6000 8000 10000 12000

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 10

5
Gráfico circular

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 11

Gráfico circular

Pensionistas com incapacidade permanente

1%
3%
2% 6%
1%
21%

Ac. Trab.
Dermatoses
Intoxicações
Pneumatoses
Surdez Prof.
Outras
Não codificado

66%

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 12

6
Representação gráfica

? Dados quantitativos (variável discreta)


? Diagrama de barras
? Gráfico de frequência acumulada

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 13

Gráficos de dados quantitativos discretos

? Se a variável for discreta é costume usar diagrama de barras (como


para variáveis qualitativas). Tipicamente
? Barras são horizontais para variáveis qualitativas
? Barras são verticais para variáveis quantitativas
? Tanto se pode fazer o diagrama de barras usando frequências
absolutas, como frequências relativas, como percentagens
? Para as variáveis quantitativas discretas (ou qualitativas com escala
ordinal) faz sentido calcular as frequências acumuladas e podem
representar-se usando diagrama de dispersão:
? Eixo dos X’s pomos variável
? Eixo dos Y’s pomos frequência acumulada

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 14

7
Gráficos de dados quantitativos

Nº Frequência Frequênci Frequênci Frequência Percent. Percent.


pessoas no absoluta a absoluta a relativa Relativa Acumulada
agregado acumulada fi acumulada
familiar Fi

1 1138 1138 0.118 0.118 11.8 11.8


2 2748 3886 0.285 0.403 28.5 40.3
3 2304 6190 0.239 0.642 23.9 64.2
4 2082 8272 0.216 0.858 21.6 85.8
5 848 9120 0.088 0.946 8.8 94.6
6 520 9640 0.054 1 5.4 100.0
Total 9640 1 100
Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 15

Gráfico de barras para variáveis discretas

3000

2500

2000

1500

1000

500

0
1 2 3 4 5 6

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 16

8
Variáveis discretas – gráfico de frequência acumulada

Frequência acumulada

1,2

0,8

0,6

0,4

0,2

0
0 1 2 3 4 5 6 7

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 17

Representação gráfica

? Dados quantitativos (variável contínua)


? Histograma
? Polígonos de frequência
? Polígonos de frequência acumulada

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 18

9
Histograma – idade

45 120,00%
40
100,00%
35
30 80,00%
25
60,00%
20
15 40,00%
10
20,00%
5
0 ,00%
16-20 21-25 26-30 31-35 36-40
Frequência
% acumulada

Podemos usar a Ferramenta do Excel: Análise de Dados, Histograma.


Alternativamente podemos pegar nos dados agrupados e usar o Assistente
de gráficos do Excel.
19

Polígono de frequências – idades


Cada classe é representada pelo seu ponto médio. Unindo os pontos
obtemos o polígono de frequências.

Polígono de frequências

0,4
0,35
0,3
Frequência relativa

0,25
0,2
0,15
0,1
0,05
0
0 10 20 30 40 50
Idade

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 20

10
Representação de séries temporais

? Uma série temporal é um conjunto de observações feitas em


períodos sucessivos de tempo
? Exemplo: nº acidentes por ano, com observações desde 1990 a
1996

? As séries temporais podem representar-se:


? Usando gráfico de linhas
? Usando diagrama de dispersão (eixo do X’s - tempo, eixo dos
Y’s – série da variável em análise)
? Diagrama de dispersão é melhor porque fica logo com os
períodos
Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 21

Representação de séries temporais

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 22

11
Representação de séries temporais
Evolução do nº de acidentes

350000

300000

250000

200000

Série1

150000

100000

50000

1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 23

Relação entre 2 variáveis – diagrama de dispersão

Escolaridade versus Idade

18

16

14

12

10

0
0 5 10 15 20 25 30 35 40 45

Idade

Metodologias de Diagnóstico Profª Cesaltina Pires 24

12