Você está na página 1de 20

Edmar Freitas

Ilustrações Eduardo Azevedo

Fortaleza ● Ceará
Copyright © 2018 Edmar Freitas
Copyright © 2018 Eduardo Azevedo

Governador Coordenação Editorial,


Camilo Sobreira de Santana Preparação de Originais e Revisão
Kelsen Bravos
Vice-Governadora
Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Projeto e Coordenação Gráfica
Daniel Dias
Secretário da Educação
Rogers Vasconcelos Mendes Design Gráfico
Emanuel Oliveira
Secretária-Executiva da Educação Eduardo Azevedo
Rita de Cássia Tavares Colares
Revisão Final
Coordenador de Cooperação Marta Maria Braide Lima
com os Municípios (COPEM) Sammya Santos Araújo
Márcio Pereira de Brito
Conselho Editorial
Orientadora da Célula Maria Fabiana Skeff de Paula Miranda
de Apoio à Gestão Municipal Sammya Santos Araújo
Gilgleane Silva do Carmo Antônio Élder Monteiro de Sales
Orientador da Célula Sandra Maria Silva Leite
de Fortalecimento da Aprendizagem Antônia Varele da Silva Gama
Idelson de Almeida Paiva Júnior Catalogação e Normalização
Orientadora da Célula Gabriela Alves Gomes
do Ensino Fundamental II
Ana Gardennya Linard Sírio Oliveira

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

F853j Freitas, Edmar.


Que jovem sou eu? / Edmar Freitas; ilustrações de Eduardo Azeve-
do. - Fortaleza: SEDUC, 2018
20p. il.
ISBN 978-85-8171-237-6
1. Literatura infantojuvenil. I. Azevedo, Eduardo. II. Título.
CDU 028.5

SEDUC - Secretaria da Educação do Estado do Ceará


Av. Gen. Afonso Albuquerque Lima, s/n - Cambeba
Fortaleza - Ceará | CEP: 60.822-325
(Todos os Direitos Reservados)
Para os meus filhos:
Felipe Neto, Edmara,
Edmar Filho e Fabrício
Que jovem sou eu
Nesse mundo louco,
Onde o tempo é pouco
E os problemas muitos?

Serei eu, na vida,


Um espaço em branco,
Um cavalo manco
Que perdeu seu dom?

5
Que jovem sou eu
Nessa estrada turva,
Serei eu a curva
Pra lugar nenhum?

Ou serei uma vírgula


Depois da oração,
Serei eu um peão
No jogo da vida?

6
Que jovem sou eu,
Um herdeiro da fome
Ou apenas um nome
Num papel carbono?

Serei eu um palhaço
De cara pintada,
Que dobra a risada,
Mas por dentro chora?

9
Que jovem sou eu
Que sonha e almeja
E tanto peleja
Pra ser alguém bom?

Terei eu o destino
De um mero espantalho,
Serei eu retalho
De um tecido estranho?

10
Que jovem sou eu,
Um móvel esquecido,
Um prego batido
No leilão do mundo?

Ou serei um vaqueiro
Num cavalo alado,
Mantendo guardado
Os sonhos da infância?

11
Que jovem sou eu,
Uma alma completa,
Serei eu um poeta
Nas noites de insônia?

Como serei eu
Quando for adulto?
Serei eu o fruto
Do qual fui gerado?

Ou serei alguém
Tal como um soldado,
Fundido e forjado
Às grandes batalhas?

12
Que jovem sou eu
Que não gosta de ler,
Pouco sabe escrever
E vive sem graça?

Serei eu um jovem
Sem obra e sem uso,
Serei eu o fuso
Que torce a mordaça?

Ou serei um jovem
Que olha as estrelas,
Sentado nas telhas
De antigas casas?

14
Que jovem sou eu,
Um mero instrumento
Que serve de intento
Aos que têm poder?

Ou serei um jovem
Pronto pra viver
E com o tempo aprender
As lições da vida?

17
Que jovem sou eu,
Um ser digitado
E talvez deletado
Ao entardecer?

Ou serei a chama
Que acende as manhãs?
Serei eu as maçãs
Que alimentam o mundo?

Que jovem sou eu?


Que sonha e que sente.
Serei eu a semente
De um novo amanhã?

19
Edmar Freitas
Oi. Sou o poeta Edmar Freitas. Nasci em
Limoeiro do Norte - Ceará.
Aos quinze anos, vim morar em Messejana, Terra
mãe de José de Alencar.
Como escritor já publiquei várias obras,
incluindo livros de poemas, infantojuvenis e
sobre a história de Messejana.
Sou um escritor e por isso afirmo: ler é também
uma forma de se conectar.

Eduardo Azevedo
Nasci e moro em Fortaleza. Sou graduado em
Geografia pela Universidade Estadual do Ceará.
Sou professor da rede municipal de ensino
de Fortaleza, como também sou ilustrador de
livros por vocação. Comecei minha carreira
artística no início dos anos 2000, desenhando
capas de folhetos de literatura de cordel para
a editora Tupynanquim, onde ilustrei meus
primeiros livros. Mas foi em 2006 que decidi me
tornar ilustrador profissional quando ilustrei
os livros de literatura infantil “A Branca de
Neve em Cordel” e o “Sapo com medo d’água”.
Fui vencedor do Prêmio Luís Sá na categoria
Quadrinhos do Edital da SECULT de 2011, com
a obra “A Batalha de Oliveiros com Ferrabrás”,
também pela Tupynanquim editora. Coordenei
o 3º Festival de Ilustração de Fortaleza que
ocorreu durante a XII edição da Bienal
Internacional do Livro do Ceará. Participo,
ainda, das coleções do Paic, Prosa e Poesia
desde o começo.