Você está na página 1de 4

RESSURREIÇÃO

A doutrina da ressurreição é ensinada tanto no Antigo quanto


no Novo Testamento (Jó 19:26 I Coríntios 15:13 e 14) é uma
doutrina de esperança, para o homem redimido, que está em
Cristo e coloca NELE a sua esperança, o cristão enfrentará a
ultima batalha, o ultimo inimigo a ser vencido é a morte, e a
morte será vencida pela ressurreição em um corpo glorioso
conforme o corpo de Cristo, esse corpo será distinto do corpo
dos ressuscitados para a condenação, (Daniel 12:2) pois haverá
uma ressurreição universal, porem a salvação será somente dos
redimidos através da obra consumada e perfeita de Cristo na
cruz. e só os salvos possuirão corpos glorificados para viverem
eternamente no novos céus e na nova terra.

O assunto da ressurreição é pertinente a imortalidade


abençoada, a bem aventurança da visão beatifica na sua
plenitude experimentará somente o salvo, aquele que foi
redimido pelo sangue de Cristo. Daniel fala sobre a ressurreição
de salvos e perdidos (Daniel 12:2) Cristo reitera a doutrina
(João 5:28 e 29) Paulo coloca as coisas em ordem: Os que
morreram em Cristo, primeiro (I Tessalonicenses 4:16) e o livro
de Apocalipse 20 estabelece a doutrina da ressurreição em duas
fases, uma para os salvos e uma para os perdidos. Podemos
negar esses pormenores, mas eles estão nas Escrituras, e
seguem o progresso da revelação. Hoje em dia, a questão da
importância da ressurreição e do corpo glorificado é ignorada
até pela maioria dos conservadores e ortodoxos. Influenciados
pela filosofia grega e pelo gnosticismo que via a matéria e o
corpo com essencialmente mal, e que a morte com a separação
alma e corpo seria uma libertação. Veja que atualmente as
experiências espiritualistas de quase morte e as descrições ede
almas entrando em lugares celestiais, soam muito próximo com
as experiências de viagens astrais e bilocação. Os que
experimentaram EQMs (Experiências de quase morte) sempre
aludem a entrada da alma numa bem aventurança, um método
de dizer “não precisamos de ressurreição” a morte é a
libertação do sofrimento de corpo que carrega uma alma com
centelha divina. Também em muitos círculos cristãos não se dá
ênfase ao retorno da alma ao corpo glorificado como um
estado final de vida eterna. Paulo em I Coríntios 15 fala sobre
as três características do corpo glorificado para habitar no novo
céu e na nova terra, ele foi semeado em corrupção mas
ressuscitará em incorrupção, foi semeado em ignomínia mas
ressuscitará em glória, foi semeado em fraqueza mas
ressuscitará em vigor, então será um corpo incorruptível,
glorioso e poderoso. A vida eterna do salvo tem esses aspectos
fundamentais, embora a alma esteja em um estagio de espera,
não é pois a morada nem um estado definitivo, ambos salvos e
perdidos viverão a eternidade com corpos ressuscitados,
embora diferem absolutamente nos aspectos qualificativos
desses corpos, pois só o redimido terá um corpo incorruptível,
glorioso e poderoso.

Da mesma forma a heresia mais terrível de nossos dias é a


crença de que o homem pode alcançar a imortalidade por si
mesmo. O movimento transhumanista tem crescido muito nos
últimos anos, a fé na ciência como um modelo criativo que
pode conquistar a imortalidade pelo preço do conhecimento
tecnológico tem sido defendido por muitos acadêmicos, assim o
humanismo Poe a honra no mérito do conhecimento como uma
resposta para o dilema da morte e ignora completamente a
verdade, a única que transcende a morte: Jesus Cristo, Ele
ressuscitou da morte e só Ele tem o poder de conceder a vida,
Jesus disse ser a ressurreição e a vida, por esse motivo, homem
algum pode alcançar verdadeira imortalidade num corpo
glorificado para viver uma vida eterna. O que oferecem os
transhumanistas é uma imortalidade robótica, a fusão da carne
corrompida com uma maquinaria sofisticada, criando uma
espécie de criatura bizarra e futurista. Não há no homem o
gérmen da ressurreição, ele inventa meios de fugir do plano
divino, e cai no mesmo erro do principio, pois o jogo diabólico
da queda era propor uma imortalidade independente de Deus,
então hoje em dia, se defende uma idéia muito similar com a
proposta da antiga serpente ao homem “certamente não
morrereis” é irônico como os intelectuais defensores da heresia
transhumanista rejeitem Gênesis como lenda e ao mesmo
tempo caem na mesma armadilha proposta pelo diabo á Eva.

O homem corrompido não pode alcançar a imortalidade pelos


esforços próprios, esse tipo de salvação é um engano, só Cristo
pode dar ao homem vida eterna, ele afirmou ser o caminho a
verdade e a vida e só através dele, pela ressurreição dos
mortos, homens redimidos podem alcançar essa ressurreição e
receber um corpo glorioso poderoso e incorruptível, esse corpo
não é uma maquinaria com softwares junto a um aglomerado
de carnes, mas um corpo criado pelo próprio Criador, não é
uma, invenção da inteligência humana, mas do poder de Deus,
não é fruto da engenharia genética de homens adâmicos, mas
do Senhor que é o autor e sustentador da vida. “Disse Jesus: Eu
sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja
morto viverá”(João 11:25) Essa nova metafísica transhumanista
é uma oposição a proposta e promessas de Cristo com relação
ao assunto da imortalidade num corpo ressuscitado e
glorificado. Só quando alguém está em Cristo, torna-se nova
criatura para poder desfrutar de todas essas promessas
maravilhosas do Evangelho, sei que a morte é a geradora da
grande crise existencial do homem moderno, o ultimo inimigo a
ser vencido, mas não é a engenharia genética e muito menos a
robótica quem dará o golpe fatal na morte. É Cristo quem dará
esse golpe fatal nela e não o movimento transhumanista.

Além disso, a vida imoral num corpo ressuscitado só é cheia de


significados plenos quando tem um adendo escatológico de
plenitude “Bem aventurado os puros de coração porque verão
a Deus” (Mateus 5:8) essa visão beatifica é a consumação da
felicidade mais plena, pois alcança o propósito pelo qual o
homem foi criado, e porquanto o transhumanismo e o
espiritualismo apenas glorificam as criaturas objetivando a
crença de homens falidos em outros homens falidos, a visão
beatifica é a essência fundamental da vida cheia de gozo e
felicidade que uma pessoa no seu mais completo significado do
ser alcançará vivendo no novo céu e na nova terra em um corpo
glorificado, incorruptível e glorioso

Clavio J. Jacinto