Você está na página 1de 36

HISTÓRIAS DE VIDA E SEXO

UFABC 2011

História de Vida do Salmão
Nasce na água doce, migra para o oceano (onde se torna sexualmente maduro), retorna para a água doce para reproduzir e morre depois da desova (milhares de ovos). Viaja cerca de 1.400 km do oceano até o local da desova (água doce), sendo 2.100 m de subida rio-acima

História de Vida do Elefante
Produz um único descendente a intervalos de vários anos Dedicando cuidados intensos ao seu filhote (cuidado parental) até a vida adulta deste

ainda que as mulheres interrompam seu período fértil na metade deste tempo de vida . ainda que o desmame seja mais cedo do que na maioria dos grandes primatas temos o maior tempo de vida dentre os mamíferos terrestres. mas nossa fertilidade pode ser maior nossas crianças dependem dos outros para subsistência (cuidado parental) por muito mais tempo do que a prole de outros mamíferos.História de Vida do homem a idade da primeira reprodução é muito maior do que dos outros grandes primatas.

História de vida: parâmetros Idade da 1ª reprodução (maturidade) No de eventos reprodutivos ao longo da vida No de filhotes até o fim da vida do organismo Alocação de energia para reprodução e cuidado parental Expectativa de vida .

História de Vida: Definição Fenômenos complexos. suprimento de alimentos. influenciados por: fatores ambientais estrutura geral do corpo e estilo de vida dos organismos respostas individuais dos organismos às condições físicas. predadores e outros aspectos do ambiente .

História de vida Fatores que influenciam: tamanho do corpo modo de vida Respostas evolutivas a vários fatores: condições físicas disponibilidade alimentar predadores fatores bióticos (competição) .

História da Vida Reprodução bem-sucedida envolve a escolha dentre muitas opções: Quando começar a reproduzir Quantos filhotes ter de cada vez Quanto cuidado dedicar a eles .

tartarugas) .Muitos filhotes pequenos ou Poucos filhotes grandes O número de filhotes afeta o investimento parental que cada jovem recebe Muitos filhotes significa pouco investimento parental para cada um (ou pequeno estoque de nutrientes em sementes): organismos que habitam locais perturbados ou imprevisíveis usam essa estratégia para aumentar as chances de sobrevivência e maturidade ao menos algum dos filhotes (ex.

Estratégia: Muitos filhotes Poucos sobrevivem até a fase reprodutiva muitos predadores: siris. aves. tubarões .

Estratégia: Poucos filhotes Investimento Parental .

História da Vida É governada pelo conjunto de regras e opções que influenciam a sobrevivência e a reprodução (aptidão) de um indivíduo em cada faixa etária .

de filhotes/episódio Envelhecimento: fim da idade reprodutiva .História de Vida: Etapas Maturidade: idade da 1ª reprodução Parição: número de episódios reprodutivos Fecundidade: no.

Uma história de vida é um conjunto de regras e escolhas que influenciam a sobrevivência e a reprodução .

Idade da Primeira Reprodução (Maturidade) A cada idade. organismo decide entre reproduzir ou não. A escolha positiva gera benefícios: Aumento da fecundidade naquela idade A escolha positiva gera custos : Sobrevida reduzida Fecundidade posterior reduzida .

Idade da maturidade que maximiza a reprodução ao longo da vida varia na proporção direta da expectativa de vida .

portanto.Crescimento X Fecundidade Fecundidade relacionada ao tamanho corporal durante o desenvolvimento do organismo Em organismos que continuam crescendo por toda a vida adulta (plantas. répteis). o aumento da fecundidade num ano reduz crescimento e. fecundidade em ano posterior Organismos de vida curta: estratégia ótima prioriza fecundidade sobre crescimento Organismos de vida longa: estratégia ótima prioriza crescimento sobre fecundidade .

mosca.As histórias de vida variam ao longo de um contínuo lento-rápido e variam entre espécies Extremo lento (k) (ex. carvalho) alta lento tardia elevado baixa Extremo rápido (r) (ex. rato. tartaruga Longevidade Desenvolvimento Maturidade Investimento parental Fecundidade gigante. gramíneas) baixa rápido precoce baixo alta . elefante.

Tempo de Geração Alguns organismos apresentam várias ou muitas gerações no período de um ano Outros apresentam apenas uma geração por ano: espécies anuais Outros tem um ciclo de vida que ultrapassa vários anos: espécies perenes ou plurianuais .

Ciclos de Vida mais longos Iterópara sazonal Iterópara contínua Semélpara .

Ex.Iteroparidade e Semelparidade Espécies iteróparas: reproduzem repetidamente. sobrevivendo para eventos reprodutivos futuros. assim a reprodução é seguida pela morte . seres humanos Espécies semélparas: apresentam apenas um episódio reprodutivo em suas vidas. devotando alguns de seus recursos durante um evento reprodutivo. não alocando recursos para sobrevivência futura.

Sexo: Questões para debate • • • Reproduções Sexuada e Assexuada: Vantagens e Desvantagens Promiscuidade: Poligamia x Monogamia Seleção Sexual e Dimorfismo Sexual .

Reprodução Sexuada X Reprodução Assexuada Qual a vantagem de uma estratégia em relação a outra? .

prole potencialmente mais adaptada a mudanças Maior custo Assexuada Menor custo energético. prole potencialmente mais numerosa Menor variabilidade genética (filhotes idênticos. brotos) Vantagem Desvantagem energético com a produção de ovos e gametas .Reprodução Sexuada X Reprodução Assexuada Sexuada Maior variabilidade genética.

Reprodução Sexuada x Assexuada Contribui com todos os genes Contribui com metade dos genes .

assim como animais hermafroditas) • .Reprodução Sexuada • • Mistura o material genético de dois indivíduos Ocorre em muitos animais e plantas dióicas (dois sexos separados) e indivíduos que possuem ambos os órgãos sexuais masculino e feminino (hermafroditas e plantas monóicas) Em plantas monóicas. podem evitar a autofertilização com a assincronia de maturação do pólen e óvulos (separação no tempo.

Plantas dióicas têm dois sexos separados macho fêmea .

Plantas monóicas (mais comuns): possuem tanto os órgãos sexuais femininos quantos os masculinos .

estabelecendo uma nova população sozinha . onde uma única planta hermafrodita fertilizada pode colonizar um novo habitat e reproduzir.Hermafroditas: vantagem? • • Hermafroditas: possuem ambos os sexos Maior sucesso reprodutivo no processo de colonização.

características secundárias para atrair parceiros). o custo para manter dois órgãos é alto demais • .Hermafroditas: desvantagem • Quando o custo de manter dois órgãos sexuais não compensa os benefícios de ser um colonizador eficiente Em animais e plantas que possuem órgãos sexuais especializados (gônadas. dutos para transmitir os gametas.

Especialização Sexual • A especialização mais complexa dos órgãos sexuais representa um custo energético mais alto para o desenvolvimento desses órgãos Para compensar esse gasto e transmitir seus genes com maior eficiência. os indivíduos com sexo separado (dióicos) desenvolvem estratégias para atrair parceiros e cuidado parental • .

Monogamia x Poligamia • • Indivíduos tem como objetivo transmitir seus genes para a próxima geração. Estratégias possíveis para indivíduos dióicos (sexos separados): – Poligamia (promiscuidade) – Monogamia: associada ao cuidado parental .

Os elefantesmarinhos são poligênicos: machos bemsucedidos possuem harém e o defendem de outros machos .

quando os machos competem por ou atraem as fêmeas – .Poligamia x Monogamia • • A promiscuidade é mais comum O sucesso de acasalamento do macho: – É aleatório quando os óvulos e espermatozóides são lançados na água ou quando o pólen é disperso pelo vento Depende do tamanho do corpo e da qualidade do comportamento de corte.

aves. através do cuidado parental Monogamia mais comum entre espécies com filhotes dependentes que podem ser cuidados igualmente bem por qualquer um dos sexos. Ex.Poligamia x Monogamia • Monogamia é favorecida quando os machos podem contribuir substancialmente para o número e a sobrevivência dos filhotes. sendo incomum em mamíferos • .

(Capítulos 2 e 5) . Porto Alegre. Artmed. Guanabara. Rio de Janeiro. (Capítulos 10.Bibliografia Livro-texto: • Ricklefs RE 2003 A Economia da Natureza 5ª ed. 11 e 12) Livro de apoio: • Townsend CR. Begon M & Harper JL 2006 Fundamentos em Ecologia 2ª ed.