Você está na página 1de 5

ARTIGO ORIGINAL

EXERCÍCIO FÍSICO E HIPERTENSÃO: UMA RELAÇÃO ENTRE A CARGA E SEU


EFEITO HIPOTENSOR EM HIPERTENSOS
PHYSICAL EXERCISE: A RELATIONSHIP BETWEEN THE LOAD AND EFFECT HYPOTENSOR IN
HYPERTENSIVES

MARLON DANIEL DE OLIVEIRA


KLEILSSON RICARDO ALBUQUERQUE
HEBERT THYERES OLIVEIRA DE MACEDO
Pós Graduação em Educação Física - UGF

RESUMO

FINALIDADE: Através de um estudo de revisão, discutimos e apresentamos a utilização de


exercícios físicos, enquanto parte de tratamento não – farmacológico da hipertensão arterial, bem como
clarificamos possíveis duvidas a respeito da sua aplicabilidade.
A hipertensão hoje em dia é observada como um dos principais fatores de risco de morbidade e
mortalidade cardiovasculares, é responsável por cerca de 40% das aposentadorias precoces e
absenteísmo no trabalho. Como forma de tratamento não farmacológico, o exercício físico vem sendo
estudado na redução da hipertensão arterial. Estudos recentes mostram que a resposta hipotensora após o
exercício é verificada em indivíduos hipertensos. Um estudo realizado com idosos de idade variando entre
60 e 81 anos, mostrou que ao final de 25 semanas realizando um programa de exercícios físicos,
observaram considerável redução da pressão sistólica (7,7 mmHg) e diastólica (4,2 mmHg). O treinamento
físico de baixa intensidade é observado como um fator hipotensor com elevada expressividade em
detrimento das atividades de maior intensidade. Uma atividade moderada entre 40 – 70% do VO2máx., com 3
a 5 sessões semanais, e com duração de 15 a 60min., parecem conseguir melhores efeitos para redução da
HA.
CONCLUSÕES: O exercício físico de baixa e moderada intensidade, e a aplicação de sessões mais
prolongadas, mostraram resultados hipotensores em indivíduos apresentando uma hipertensão leve ou
moderada.

Palavras-chaves: exercício, treinamento e tratamento

ABSTRACT

PURPOSE: through a revision study, we discussed and presented the use of physical exercises,
while part of treatment no-pharmacological of the arterial hypertension, as well as we clarified possibles
doubts the regard its applicability. The hypertension nowadays is observed as one of the main factors of
morbosity risk and cardiovascular mortality, it is responsible for about 40% of the precocious retirements and
absence in the work. As treatment form no pharmacological, the physical exercise has been studied in the
reduction of the arterial hypertension. Recent studies show that the answer hypotensor after the exercise is
verified in individuals hipertensos. A study accomplished with seniors of age varying between 60 and 81
years, it showed that at the end of 25 weeks accomplishing a program of physical exercises, they observed
considerable reduction of the systolic pressure (7,7 mmHg) and diastolic (4,2 mmHg). The physical training
of low intensity is observed as a factor hypotensor with high expressiveness to the detriment of the activities
of larger intensity. A moderate activity among 40-70% of VO2máx., with 3 to 5 weekly sessions, and with
duration from 15 to 60min., they seem to get better effects for reduction of the HA.
CONCLUSIONS: The physical exercise of low and moderate intensity, and the application of more
lingering sessions, they showed resulted hypotensors in individuals presenting a light or moderate
hypertension.

Key words: exercise, training and treatment


1

INTRODUÇÃO leve a moderada com duração de 30 - 45 min. com


uma freqüência de 3 a 4 vezes por semana 18.
O objetivo fundamental deste pequeno
estudo de revisão foi discutir a utilização do 1- Efeito Agudo do Exercício na Pressão Arterial
exercício físico, enquanto parte da terapia não- em Hipertensos
farmacológica da hipertensão bem como clarificar
possíveis dúvidas a respeito da sua aplicabilidade. Em meados dos anos 80, já haviam sido
Os mecanismos responsáveis pela hipotensão, feitas críticas aos estudos relacionados ao exercício
resultante do treinamento físico, ainda não são como fator hipotensor. Estas críticas recaiam
consensuais e a razão pela qual alguns destes diretamente sobre os métodos de estudo, sujeitos, o
fazerem parte deste estudo foi unicamente para tamanho das amostras etc. Neste mesmo período, o
ressaltar o fato de que este é um campo fértil para exercício foi estudado e já era utilizado até como
futuras investigações. terapia não - farmacológica para o tratamento de
6-8
A hipertensão é um dos principais fatores de hipertensos .
risco de morbidade e mortalidade cardiovasculares Estudos mais recentes mostram que a
e, ainda, é responsável por cerca de 40% das resposta hipotensora pós- exercício tem sido
aposentadorias precoces e de absenteísmo no verificada com base em sujeitos hipertensos 1-2-9.
18
trabalho . A magnitude do problema tem levado Alguns desses estudos têm demonstrado
muitos estudiosos a pesquisar todo o complexo de que os níveis pressóricos de um indivíduo
fatores relacionados à hipertensão, desde sua hipertenso podem ser reduzidos significativamente
origem até as formas de tratamento. com apenas uma sessão de exercício físico e essa
Já a algum tempo, o exercício tem sido redução pode alcançar valores mais evidentes e
estudado com a finalidade de incluí-lo como parte mais duradouros se o estímulo ( exercício ) for mais
do tratamento não - farmacológico de sujeitos prolongado 1-2.
hipertensos e os resultados destes estudos foram
em alguns momentos contestados devido às falhas 2- Efeito do Treinamento Físico na Pressão
metodológicas. Arterial
Todavia estudos mais recentes têm
confirmado o efeito hipotensor do exercício O estilo de vida sedentário é um fator
principalmente em sujeitos com hipertensão no preponderante para o desenvolvimento da
15
estágio I . hipertensão arterial (HA), onde é considerado como
Vários estudos utilizaram protocolos fator de risco para o desenvolvimento de doenças
diferentes, com intensidades diferentes no sentido cardiovasculares. O sedentarismo isolado é
de estabelecer um padrão de procedimentos, e responsável por cerca de 25% das mortes,
apesar de algumas variações parece haver um enquanto que a HA fica com cerca de 70%. Outros
consenso das seguintes caraterísticas do exercício fatores são as dislipidemias (30%), obesidade (31%)
para este fim. Para que o exercício seja eficaz e e tabagismo (76%) 12.
seguro ele deve ser cíclico como: andar, pedalar, Inúmeras pesquisas realizadas em ratos e
correr ou nadar, com uma intensidade que varia de em seres humanos verificaram uma atenuação da
11
hipertensão em hipertensos e normotensos .
2

Um estudo realizado com idosos de 60-81 influencia no padrão da curva tensional


anos de idade que cumpriram 25 semanas de um principalmente nos negros quando comparados com
programa de exercícios obtiveram redução da os de mesma idade brancos, estes não
pressão sistólica em torno de 7,7 mmHg e 4,2 apresentaram, no estudo, diferenças de PA durante
21 13
mmHg da pressão diastólica . 24h em virtude do condicionamento físico . Em
MECANISMOS adultos com hipertensão leve, o exercício físico
AÇÃO
BÁSICOS aeróbio tem demonstrado bastante efetividade na
Constrição dos vasos e redução da PA desses indivíduos, todavia quando
bombeamento. estes apresentam graus de HA mais elevados o
*efeitos simpáticos da
efeito do exercício já não é mais tão evidente.
circulação;
MECANISMO De qualquer maneira Whelton 22, publicou o
*efeitos parassimpáticos
NEURAL resultado de uma meta- análise concluindo que o
sobre o coração;
*tônus vasomotor;
exercício aeróbio reduz a PA de hipertensos e de

*barorreceptores para o normotensos. Seu estudo envolveu 54 experimentos


controle da PA. e 2.419 sujeitos
Volume sangüíneo ( nível
MECANISMO DE capilar ) 3- Mecanismos Relacionados com a
TROCAS LÍQUIDAS *saída de líquido para o Hipotensão
intersticial.
Volume sangüíneo e
MECANISMO DE Antes de verificar os mecanismos acionados
angiotensina II
EXCREÇÃO RENAL pelo exercício na alteração da pressão arterial se
*secreção de urina;
faz necessária uma breve revisão sobre os
*vasoconstrição.
Constrição e volume
mecanismos básicos que influenciam a pressão

MECANISMO sangüíneo arterial. Para faze-lo com bastante brevidade foi


HORMONAL *secreção da aldosterona. construído um quadro baseado em dados de
Guyton 20 .
O exercício físico aeróbio como meio
terapêutico isolado ou associado ao tratamento Já em se tratando do exercício, a literatura
farmacológico, é um dos principais fatores na relata alguns mecanismos responsáveis pela
redução dos níveis tensionais em indivíduos diminuição da PA, onde esses interagem em
3-14-17
hipertensos . O efeito hipotensor da atividade conjunto, e por diversos caminhos. Dentre as
física pode ser atribuído diretamente a mecanismos principais alterações hemodinâmicas, estão a
hemodinâmicos ou, indiretamente, através de diminuição do débito cardíaco (DC) e a resistência
modificações nutricionais, metabólicas e vascular periférica (RVP), em conseqüência a uma
13
comportamentais . Já em outro estudo se afirma redução do volume plasmático 3-11-12.
que o decréscimo da pressão arterial independe da Uma diminuição da atividade nervosa
perda de peso e oscila entre 0-20 mmHg para simpática, parece ser fator importante na redução
12
sistólica e 2,5-12 mmHg para a diastólica . da PA19, uma vez que, é responsável por baixar os
Um outro aspecto interessante é o fato de níveis de norepinefrina (NE) circulante11. Em
que o condicionamento físico em adolescentes, conseqüência ocorre um aumento na secreção
3

urinária e conseqüente redução da renina hipotensor mais duradouro, em hipertensos, quando


2-12
plasmática . Podemos ainda destacar a comparado com 50% do VO2máx. 5.
importância dos níveis de catecolaminas para a O treinamento com as intensidades
redução da PA, pois indivíduos hipertensos com controladas pela freqüência cardíaca de reserva (
nível plasmático de NE elevado, apresentaram Karvonen ), entre 65% a 85% e a escala subjetiva
redução na PA sangüínea após treinamento físico de esforço (Borg) já fora utilizado com resultados
11
. Esse comportamento pode ser explicado pelo significativos na redução da pressão arterial em
2-11
aumento da concentração de prostaglandina E , deficientes físicos utilizando cicloergômetro
16
aumento sérico de taurina e diminuição endógena adaptado para membros inferiores .
3-11
no plasma de substância ouabaína endógena .
Ainda merece destaque ação do endotélio 5- CONCLUSÃO
vascular, pois esse é responsável pelo controle do
tônus muscular arterial. Fatores relaxantes Teoricamente, e de acordo com o que foi
derivados do endotélio, interagem com o músculo exposto nos últimos parágrafos, uma sessão mais
liso vascular, atenuando o efeito constritor direto prolongada e com uma intensidade um pouco mais
das catecolaminas, esse mecanismo reduz a PA, elevada traria uma maior e mais duradoura redução
graças ao óxido nítrico (NO), que assume grande da PA, porém isso é apenas uma mera associação
12-17
importância na diminuição da RVP . de resultados e deve ser estudado com maior
propriedade.
4- Características do Exercício Parece então que o exercício físico regular,
pode ser uma alternativa importante no tratamento
Estudos recentes mostraram que exercícios não farmacológico da HA, desde que atentemos
2
isométricos com cargas elevadas aumentam a PA . para o tipo de exercício, a sua freqüência, a
Em contra partida, exercícios dinâmicos que intensidade e duração desse exercício.
provocam leve aumento da PA e uma queda
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
expressiva da RVP são bem indicados.
O treinamento físico de baixa intensidade 1- Forjaz CLM, Santaella DF, Rezende, Barreto
ACP, Negrão CE. A Duração do exercício
exerce um fator hipotensor mais pronunciado que o
determina a magnitude e a duração da
de alta intensidade 2. Uma atividade moderada entre hipotensão pós- exercício. Arq Bras Cardiol
1998; 70 ( 2 ): 99-104.
40-70% do VO2máx., com 3 a 5 sessões por semana,
com duração de 15 a 60 min., parecem conseguir 2- Negrão CE, Forjaz CLM, Brum PC. Exercício
físico e hipertensão arterial. Hiperativo, 1 ( 1 ),
melhores efeitos para uma redução da hipertensão
1994. São Paulo.
2-4
arterial . As intensidades do exercício
3- Hagberg JM, Graves JE, Limacher M, Woods
recomendadas de 40 - 70% do VO2máx. têm sido
DR, Leggette SH, Cononie C, Gruber JJ, Pollock
bastante utilizadas em programas de treinamento e ML. Cardiovascular responses of 70-to 79-yr-old
men and women to exercise training. J Appl
estudos relacionados com hipertensos 3-4 . Todavia,
Physiol, 1989 Jun; 66 ( 6 ) : 2589-94.
parece não haver problemas em se utilizar 75% do
4- American College of Spots Medicine-
VO2máx. como intensidade do exercício, pois esta
Guidelines for testing and prescription. Sixth
intensidade já demonstrou produzir um efeito edition, 206-15.
4

5- Quin TJ. Twenty-four hour, ambulatory blood


pressure responses following acute exercise: 18- III Consenso Brasileiro de Hipertensão. 1998,
impact of exercise intensity. J Hum Hipertens; Campos do Jordão SP.
2000 Jun 14 ( 9 ): 547-53.
19- Amodeo C. Como eu trato: hipertensão som o
6- Hagberg JM, Seals DR. Exercise training and uso de medicamentos. Rev Soc Cardiol ESP
hypertension. Acta Med Scand Suppl; 1986; 1993; ( 4 ): 16-9.
711: 131-6.
20- Guyton AC. Fisiologia Humana. 6ª ed.
7- Lima EG, Marsaro EA, Vasquez EC. O Teste GUANABARA/KOOGAN, 1988.
ergométrico na hipertensão arterial. Hiperativo,
1996 jan/mar; 3 ( 1 ): 24-9. 21- Ohkubo T, Hozawa A, Nagatome R, Fugita K,
Sauvaget C, Watanabe Y, et al. Effects of
8- Bjüntorp P. Effects of physical training on blood Exercise Training on Home Blood Pressure
pressure in hypertension. Eur Heart J; 8 Suppl Values in Older Adults: a randomized contrlled
1987 May ( Suppl ): 71-6. trial. J Hipertens, 2001 Jun 19 ( 6 ): 1045-52.

9- Thompson PD; Crouse SF; Goodpaster B; 22- Whelton SP, Chin A, Xin X, He J. Effect of
Kelley D; Moyna N, Pescatello L. The Acute Aerobic Exercise on Blood Pressure: a meta-
versus the chronic response to exercise. Med. analysis of randomized, controlled trials. Ann
Sci. Sports Exerc 2001 Jun 33 (6 Suppl): S 438- Intern Med, 2002 Apr 136 ( 7 ): 493-503.
45; discussion S 452-3.

10- Fagart RH. Exercise characteristics and the


blood pressure response to dynamic physical
training. Med. Sci. Sport Exerc 2001 Jun 33 ( 6
Suppl ):S484-92.

11- Aracawa K. Hypertension and Exercise. Clin


Exp Hypertens 1993 Nov 15 ( 6 ): 1171-9.

12- Waib PH, Burini RC. Efeitos do


Condicionamento Físico Aeróbio no Controle da
Pressão Arterial. Arq Bras Cardiol 1995; 64 ( 3 ):
243-45.

13- Lima EG, Marsaro EA, Vasquez EC. Efeito do


Condicionamento Físico sobre a Monitorização
Ambulatorial da Pressão Arterial em
Normotensos e Hipertensos. Arq Bras Cardiol
1996; 67 ( 3 ).

14- Mughal MA, Alvi IA, Akhund IA & Ansari AK. The
Effect of Aerobic Exercise Training on Resting
Blood Pressure in Hypertensive Patients. J. Pak.
Med. Assoc.2001 Jun 51 ( 6 ): 222-6.

15- Ehsani AA. Exercise in Patients With


Hypertension. Am. J. Geriatr. Cardiol. 2001
Sep/Oct 10 (5): 253-9, 273.

16- Haddad S, Silva PRS, Barretto ACP, Ferraretto


I. Efeito do Treinamento Físico de Membros
Superiores Aeróbio de Curta Duração o
Deficiente Físico com Hipertensão Leve. Arq
Bras Cardiol, 1997; 69( 3 ), 169-173.

17- Powers SK, Howley ET. Fisiologia do Exercício:


teoria e aplicação ao condicionamento e ao
desempenho. 3º ed, Manole, 2000.