Você está na página 1de 3

Nunca a teoria administrativa se tornou tão imprescindível para o sucesso do

administrador e das organizações. A constante necessidade de inovação e renovação, a


busca de flexibilidade e agilidade para proporcionar mudança e transformação, a adoção
de novas idéias. Além do mais, é oportuno salientar que a teoria administrativa formula
suas proposições em função de duas condicionantes básicas: o tempo (história) e o
espaço (distância). É esta a preocupação deste livro: oferecer uma visão das
organizações e do seu contexto.
O que muda nesta Sétima Edição? Em primeiro lugar, uma atualização completa do
texto, trazendo ao leitor as últimas novidades da teoria administrativa, bem como
indicações das tendências do moderno mundo organizacional. A idéia é manter o ITGA
como a bíblia do administrador em um mundo em constante mudança e inovação. Como
a TGA é ampla e mutável, as teorias tradicionais estão cedendo gradativamente mais
espaço no livro para as teorias mais recentes e modernas.

Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas de gestão para que alcance
seus objetivos de forma eficiente, eficaz e com responsabilidade social e ambiental.

Lacombe (2003, p.4) diz que a essência do trabalho do administrador é obter resultados
por meio das pessoas que ele coordena.

A partir desse raciocínio de Lacombe, temos o papel do "Gestor Administrativo" que


com sua capacidade de gestão com as pessoas, consegue obter os resultados esperados.

Drucker (1998, p. 2) diz que administrar é manter as organizações coesas, fazendo-as


funcionar.

As principais funções administrativas são:

• Fixar objetivos (planejar)


• Analisar: conhecer os problemas.
• Solucionar problemas
• Organizar e alocar recursos (recursos financeiros e tecnológicos e as pessoas).
• Comunicar, dirigir e motivar as pessoas (liderar)
• Negociar
• Tomar as decisões.
• Mensurar e avaliar (controlar).

Fayol foi o primeiro a definir as funções básicas do Administrador: Planejar, Organizar,


Controlar, Coordenar e Comandar - POCCC. Destas funções a que sofreu maior
evolução foi o "comandar" que hoje chamamos de Liderança.

Habilidades do Administrador

• Habilidades Técnicas: Saber utilizar princípios, técnicas e ferramentas


administrativas. Saber decidir e solucionar problemas.
• Habilidades Humanas: Saber lidar com pessoas, comunicando-se eficientemente,
negociando, conduzindo mudanças, obtendo cooperação e solucionando
conflitos.

• Habilidades Conceituais: Ter Visão sistêmica. Qualquer organização, é algo


complexo, pois envolve pessoas, equipamentos, construções, tecnologia,
produção e outras coisas. Esta capacidade de compreender toda a empresa, de ter
uma visão geral sobre ela, é que se caracteriza como habilidade conceitual

[editar] Atitudes do Administrador

Proativo, ousado, criativo, bom exemplo, cumpridor das promessas, saber utilizar seus
princípios, ser cooperativo e ser um bom líder ajudando os funcionarios para que eles
possam crescer junto com a empresa,sempre age com ética acumula conhecimento
científico suficiente para gerir com responsabilidade e profissionalismo.

A teoria geral da administração começou com a ênfase nas tarefas, com a


administração científica de Taylor. A seguir, a preocupação básica passou para a
ênfase na estrutura com a teoria clássica de Fayol e com a teoria burocrática de Max
Weber, seguindo-se mais tarde a teoria estruturalista. A reação humanística surgiu
com a ênfase nas pessoas, por meio da teoria comportamental e pela teoria do
desenvolvimento organizacional. A ênfase no ambiente surgiu com a Teoria dos
Sistemas, sendo completada pela teoria da contingência. Esta, posteriormente,
desenvolveu a ênfase na tecnologia. Cada uma dessas cinco variáveis - tarefas,
estrutura, pessoas, ambiente e tecnologia - provocou a seu tempo uma diferente teoria
administrativa, marcando um gradativo passo no desenvolvimento da TGA. Cada teoria
administrativa procurou privilegiar ou enfatizar uma dessas cinco variáveis, omitindo
ou relegando a um plano secundário todas as demais.

Em sentido geral organização é o modo como se organiza um sistema. É a forma


escolhida para arranjar, dispor ou classificar objetos, documentos e informações.

Em Administração organização tem dois sentidos:

1. Grupo de indivíduos associados com um objetivo comum. Exemplo: empresas,


associações, órgãos do governo, ou seja, qualquer entidade pública ou privada. As
organizações são compostas de estrutura física, tecnológica e pessoas.

2. Modo como foi estruturado, dividido e sequenciado o trabalho.

Segundo Montana (2003, p. 170) organizar é o processo de reunir recursos físicos e


humanos essenciais à consecução dos objetivos de uma empresa.

A estrutura de uma organização é representada através do seu organograma.


Segundo Maximiano(1992)uma organização é uma combinação de esforços individuais
que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Por meio de uma organização
torna-se possível perseguir e alcançar objetivos que seriam inatingíveis para uma
pessoa. Uma grande empresa ou uma pequena oficina, um laboratório ou o corpo de
bombeiros, um hospital ou uma escola são todos exemplos de organizações.

Uma organização é formada pela soma de pessoas, máquinas e outros equipamentos,


recursos financeiros e outros.A organização então é o resultado da combinação de todos
estes elementos orientados a um objetivo comum.

Organizar compreende atribuir responsabilidades às pessoas e atividades aos órgãos


(unidades administrativas). A forma de organizar estes orgãos chama-se de
departamentalização.

Do grego "organon", organização significa instrumento, utensílio. De acordo com o


Prof. João Bilhim "a organização é uma entidade social, conscientemente coordenada,
gozando de fronteiras delimitadas que funcionam numa base relativamente contínua,
tendo em vista a realização de objectivos comuns". Sobrevivência e crescimento (metas
e objectivos) é o que a maioria ambiciona. Objectivos que exigem grupos de duas ou
mais pessoas, que estabelecem entre eles relações de cooperação, acções formalmente
coordenadas e funções diferenciadas, hierarquicamente hierárquica.