Diário da Justiça Eletrônico

Poder Judiciário de Pernambuco

Ano III Edição Nº 184/2011

Recife-PE, terça-feira, 04 de outubro de 2011

Disponibilização: 03/10/2011
Presidente: Des. José Fernandes de Lemos Vice-Presidente: Des. Jovaldo Nunes Gomes Corregedor Geral da Justiça: Des. Bartolomeu Bueno de Freitas Morais

Publicação: 04/10/2011

Composição do TJPE
Jones Figueirêdo Alves Fernando Eduardo de Miranda Ferreira Frederico Ricardo de Almeida Neves Eduardo Augusto Paurá Peres Leopoldo de Arruda Raposo Silvio de Arruda Beltrão Alderita Ramos de Oliveira Marco Antônio Cabral Maggi Roberto Ferreira Lins Adalberto de Oliveira Melo Antônio Fernando Araújo Martins Luiz Carlos de Barros Figueiredo Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes Alberto Nogueira Virgínio Romero de Oliveira Andrade Ricardo de Oliveira Paes Barreto Fernando Cerqueira Norberto dos Santos Gustavo Augusto Rodrigues de Lima Antônio de Melo e Lima Francisco José dos Anjos Bandeira de Mello Antenor Cardoso Soares Júnior José Carlos Patriota Malta Alexandre Guedes Alcoforado Assunção Eurico de Barros Correia Filho Mauro Alencar de Barros Fausto de Castro Campos Francisco Manoel Tenório dos Santos Cláudio Jean Nogueira Virgínio Nivaldo Mulatinho de Medeiros Correia Filho Antônio Carlos Alves da Silva Francisco Eduardo Gonçalves Sertório Canto José Ivo de Paula Guimarães Josué Antônio Fonseca de Sena Agenor Ferreira de Lima Filho Itabira de Brito Filho Alfredo Sérgio Magalhães Jambo
Coordenação e Gerenciamento: Ângela Carolina Porto Ribeiro Carlos Gonçalves da Silva Diretoria de Documentação Judiciária: Maria José Alves Gerência de Jurisprudência e Publicações: Rogério Martins dos Santos Chefia da Unidade de Diário de Justiça Eletrônico: Cláudia Simone Barros de Queiroz Produção e Editoração: Aderivaldo Silva Araújo Rômulo Bernardo da Silva

Endereço: Palácio da Justiça – Praça da República, s/n Santo Antônio – Recife – PE CEP: 50010-040 Telefones: (81) 3419.3311 Site: www.tjpe.jus.br

Dúvidas / Sugestões: diario.eletronico@tjpe.jus.br Telefone: (81) 3419.3487

____________________________________________________________________________________
Diário da Justiça Eletrônico – Poder Judiciário de Pernambuco. Documento assinado digitalmente conforme MP n. 2.200-2/2001 de 24.8.2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, podendo ser acessado através do endereço eletrônico http://www.tjpe.jus.br

DIÁRIO DA JUSTIÇA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO
Edição nº 184/2011 Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

SUMÁRIO
PRESIDÊNCIA .......................................................................................................................................................................................................... 4 VICE-PRESIDÊNCIA ............................................................................................................................................................................................... 51 CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA ................................................................................................................................................................ 93 Corregedoria Auxiliar - 3ª Entrância ....................................................................................................................................................................95 DIRETORIA GERAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ................................................................................................................................................. 96 SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO ..................................................................................................................................................................... 99 Comissão Permanente de Licitação/OSE ......................................................................................................................................................... 101 SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS .......................................................................................................................................................... 102 DIRETORIA DE DOCUMENTAÇÃO JUDICIÁRIA ................................................................................................................................................ 104 DIRETORIA CÍVEL ................................................................................................................................................................................................ 155 1º Grupo de Câmaras Cíveis ............................................................................................................................................................................ 182 1ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 187 2ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 202 3ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 218 4ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 264 5ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 269 6ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 295 7ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 312 8ª Câmara Cível ................................................................................................................................................................................................ 418 DIRETORIA CRIMINAL ......................................................................................................................................................................................... 465 1ª Câmara Criminal ........................................................................................................................................................................................... 466 2ª Câmara Criminal ........................................................................................................................................................................................... 468 3ª Câmara Criminal ........................................................................................................................................................................................... 486 4ª Câmara Criminal ........................................................................................................................................................................................... 495 Seção Criminal .................................................................................................................................................................................................. 502 COORDENADORIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS ............................................................................................................................................... 503 Colégio Recursal Criminal - Capital .................................................................................................................................................................. 503 COORDENADORIA GERAL DAS CENTRAIS E CÂMARAS DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM .............................................. 510 Central de Conciliação e Mediação do Tribunal de Justiça .............................................................................................................................. 510 Caruaru - Central de Conciliação, Mediação e Arbitragem .............................................................................................................................. 515 DIRETORIA DO FORO DA CAPITAL ....................................................................................................................................................................531 CAPITAL ................................................................................................................................................................................................................ 532 Capital - 3ª Vara Cível ....................................................................................................................................................................................... 532 Capital - 4ª Vara Cível ....................................................................................................................................................................................... 539 Capital - 7ª Vara Cível ....................................................................................................................................................................................... 542 Capital - 8ª Vara Cível ....................................................................................................................................................................................... 551 Capital - 9ª Vara Cível ....................................................................................................................................................................................... 553 Capital - 12ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 556 Capital - 13ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 565 Capital - 16ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 567 Capital - 17ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 573 Capital - 18ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 577 Capital - 19ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 582 Capital - 20ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 586 Capital - 21ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 587 Capital - 22ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 596 Capital - 23ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 605 Capital - 24ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 631 Capital - 25ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 633 Capital - 26ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 635 Capital - 28ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 638 Capital - 29ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 642 Capital - 30ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 644 Capital - 31ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 646 Capital - 32ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 649 Capital - 1ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 666 Capital - 2ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 668 Capital - 4ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 669 Capital - 5ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 670 Capital - 6ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 671 Capital - 7ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 672 Capital - 9ª Vara Criminal .................................................................................................................................................................................. 673 Capital - 10ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................ 677 Capital - 11ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................ 680 Capital - 12ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................ 681 Capital - 1ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................................................... 684 Capital - 4ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................................................... 690 Capital - 5ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................................................... 697 Capital - 6ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................................................... 704 Capital - 7ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................................................... 720 Capital - 1ª Vara dos Executivos Fiscais Estaduais .......................................................................................................................................... 723 1

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Capital - 2ª Vara dos Executivos Fiscais Estaduais .......................................................................................................................................... 732 Capital - 1ª Vara dos Executivos Fiscais Municipais .........................................................................................................................................733 Capital - 1ª Vara da Infância e da Juventude .................................................................................................................................................... 736 Capital - 1ª Vara de Sucessões e Registros Públicos .......................................................................................................................................740 Capital - 2ª Vara de Sucessões e Registros Públicos .......................................................................................................................................753 Capital - 3ª Vara de Sucessões e Registros Públicos .......................................................................................................................................759 Capital - 5ª Vara de Sucessões e Registros Públicos .......................................................................................................................................764 Capital - 4ª Vara de Família e Registro Civil ..................................................................................................................................................... 781 Capital - 5ª Vara de Família e Registro Civil ..................................................................................................................................................... 786 Capital - 6ª Vara de Família e Registro Civil ..................................................................................................................................................... 787 Capital - 7ª Vara de Família e Registro Civil ..................................................................................................................................................... 790 Capital - 9ª Vara de Família e Registro Civil ..................................................................................................................................................... 796 Capital - 10ª Vara de Família e Registro Civil ................................................................................................................................................... 798 Capital - 11ª Vara de Família e Registro Civil ................................................................................................................................................... 804 Capital - 1ª Vara do Tribunal do Júri ................................................................................................................................................................. 808 Capital - 2ª Vara do Tribunal do Júri ................................................................................................................................................................. 811 Capital - 4ª Vara do Tribunal do Júri ................................................................................................................................................................. 812 Capital - 2ª Vara dos Crimes Contra Criança e Adolescente ............................................................................................................................ 817 Capital - Vara de Acidentes do Trabalho .......................................................................................................................................................... 818 Capital - Vara de Execução de Penas Alternativas .......................................................................................................................................... 825 Capital - Vara dos Crimes Contra a Administração Pública e a Ordem Tributária ........................................................................................... 826 Capital - 2ª Vara de Entorpecentes ................................................................................................................................................................... 834 INTERIOR ............................................................................................................................................................................................................. 835 Abreu e Lima - 1ª Vara ...................................................................................................................................................................................... 835 Abreu e Lima - 2ª Vara ...................................................................................................................................................................................... 836 Afogados da Ingazeira - 1ª Vara Cível .............................................................................................................................................................. 837 Afogados da Ingazeira - 2ª Vara Cível .............................................................................................................................................................. 842 Agrestina - Vara Única ...................................................................................................................................................................................... 847 Água Preta - 2ª Vara ......................................................................................................................................................................................... 853 Alagoinha - Vara Única ..................................................................................................................................................................................... 854 Aliança - Vara Única ..........................................................................................................................................................................................855 Araripina - 2ª Vara ............................................................................................................................................................................................. 856 Arcoverde - 1ª Vara ........................................................................................................................................................................................... 857 Arcoverde - 2ª Vara ........................................................................................................................................................................................... 859 Belém de Maria - Vara Única ............................................................................................................................................................................ 864 Bezerros - 1ª Vara ............................................................................................................................................................................................. 865 Bom Jardim - Vara Única .................................................................................................................................................................................. 866 Buenos Aires - Vara Única ................................................................................................................................................................................ 870 Buíque - Vara Única .......................................................................................................................................................................................... 871 Cabo de Santo Agostinho - 2ª Vara Cível ......................................................................................................................................................... 880 Cabo de Santo Agostinho - 5ª Vara Cível ......................................................................................................................................................... 881 Camaragibe - 3ª Vara Cível .............................................................................................................................................................................. 885 Camaragibe - 1ª Vara Criminal ......................................................................................................................................................................... 889 Camaragibe - 2ª Vara Criminal ......................................................................................................................................................................... 892 Camocim de São Félix - Vara Única ................................................................................................................................................................. 894 Carnaíba - Vara Única .......................................................................................................................................................................................895 Carpina - 1ª Vara ............................................................................................................................................................................................... 898 Caruaru - 1ª Vara de Família e Registro Civil ................................................................................................................................................... 899 Caruaru - 2ª Vara de Família e Registro Civil ................................................................................................................................................... 902 Caruaru - Vara Privativa do Tribunal do Júri ..................................................................................................................................................... 903 Caruaru - 3ª Vara Cível ..................................................................................................................................................................................... 906 Caruaru - 3ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................ 939 Caruaru - 4ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................ 940 Catende - Vara Única ........................................................................................................................................................................................ 941 Condado - Vara Única ....................................................................................................................................................................................... 942 Cumaru - Vara Única .........................................................................................................................................................................................945 Escada - Vara Única ......................................................................................................................................................................................... 951 Ferreiros - Vara Única ....................................................................................................................................................................................... 956 Flores - Vara Única ........................................................................................................................................................................................... 957 Gameleira - Vara Única ..................................................................................................................................................................................... 959 Garanhuns -1ª Vara Cível ................................................................................................................................................................................. 961 Garanhuns - 3ª Vara Cível ................................................................................................................................................................................ 965 Glória do Goitá - Vara Única ............................................................................................................................................................................. 968 Gravatá - 1ª Vara .............................................................................................................................................................................................. 972 Gravatá - 2ª Vara .............................................................................................................................................................................................. 973 Ibimirim - Vara Única ......................................................................................................................................................................................... 974 Ibirajuba - Vara Única ........................................................................................................................................................................................975 Igarassu - 1ª Vara Cível .................................................................................................................................................................................... 976 Inajá - Vara Única .............................................................................................................................................................................................. 986 Ipojuca - Vara Criminal ...................................................................................................................................................................................... 990 Ipubi - Vara Única .............................................................................................................................................................................................. 991 Itapetim - Vara Única .........................................................................................................................................................................................994 Jaboatão dos Guararapes - 1ª Vara Cível ...................................................................................................................................................... 1000 Jaboatão dos Guararapes - 2ª Vara Cível ...................................................................................................................................................... 1006 Jaboatão dos Guararapes - 3ª Vara Cível ...................................................................................................................................................... 1011 Jaboatão dos Guararapes - 5ª Vara Cível ...................................................................................................................................................... 1017 Jaboatão dos Guararapes - 2ª Vara Criminal ................................................................................................................................................. 1020 2

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Jaboatão dos Guararapes - Vara Privativa do Tribunal do Júri ...................................................................................................................... 1023 Jaboatão dos Guararapes - Vara de Sucessões e Registros Públicos .......................................................................................................... 1025 Jaboatão dos Guararapes - 2ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................... 1031 Jaboatão dos Guararapes - 3ª Vara da Fazenda Pública ............................................................................................................................... 1033 Jaboatão dos Guararapes - 3ª Vara de Família e Registro Civil .................................................................................................................... 1035 Jaboatão dos Guararapes - 4ª Vara de Família e Registro Civil .................................................................................................................... 1037 Jataúba - Vara Única .......................................................................................................................................................................................1038 Lagoa de Itaenga - Vara Única ....................................................................................................................................................................... 1039 Lagoa do Ouro - Vara Única ........................................................................................................................................................................... 1040 Macaparana - Vara Única ............................................................................................................................................................................... 1044 Moreno - Vara Única ....................................................................................................................................................................................... 1046 Olinda - 1ª Vara Cível ...................................................................................................................................................................................... 1053 Olinda - 3ª Vara Cível ...................................................................................................................................................................................... 1068 Olinda - 4ª Vara Cível ...................................................................................................................................................................................... 1069 Olinda - 5ª Vara Cível ...................................................................................................................................................................................... 1078 Olinda - 1ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................. 1083 Olinda - 2ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................. 1087 Olinda - 3ª Vara Criminal ................................................................................................................................................................................. 1089 Olinda - 2ª Vara de Família e Registro Civil .................................................................................................................................................... 1090 Olinda - 3ª Vara de Família e Registro Civil .................................................................................................................................................... 1097 Olinda - Vara de Sucessões e Registros Públicos .......................................................................................................................................... 1102 Olinda - Vara do Tribunal do Júri .................................................................................................................................................................... 1107 Ouricuri - 1ª Vara ............................................................................................................................................................................................. 1110 Palmares - 1ª Vara Cível ................................................................................................................................................................................. 1115 Palmares - 2ª Vara Cível ................................................................................................................................................................................. 1117 Palmares - Vara Criminal ................................................................................................................................................................................ 1119 Paulista - 1ª Vara Cível ................................................................................................................................................................................... 1120 Paulista - 2ª Vara Criminal .............................................................................................................................................................................. 1121 Paulista - 2ª Vara de Família e Registro Civil ................................................................................................................................................. 1123 Pedra - Vara Única .......................................................................................................................................................................................... 1125 Pesqueira - 1ª Vara ......................................................................................................................................................................................... 1128 Petrolina - Central de Mandados .................................................................................................................................................................... 1130 Petrolina - 1ª Vara Cível .................................................................................................................................................................................. 1132 Petrolina - 4ª Vara Cível .................................................................................................................................................................................. 1142 Petrolina - 5ª Vara Cível .................................................................................................................................................................................. 1164 Petrolina - 1ª Vara Criminal ............................................................................................................................................................................. 1175 Petrolina - Vara da Infância e da Juventude ................................................................................................................................................... 1177 Poção - Vara Única ......................................................................................................................................................................................... 1178 Ribeirão - Vara Única ...................................................................................................................................................................................... 1179 Rio Formoso - Vara Única ............................................................................................................................................................................... 1181 Santa Cruz do Capibaribe - Vara Criminal ...................................................................................................................................................... 1183 Santa Maria da Boa Vista - Vara Única ...........................................................................................................................................................1184 Serra Talhada - 1ª Vara Cível .......................................................................................................................................................................... 1185 Serra Talhada - 2ª Vara Cível .......................................................................................................................................................................... 1200 Serra Talhada - Vara Criminal ......................................................................................................................................................................... 1201 Sertânia - Vara Única ...................................................................................................................................................................................... 1203 Surubim - 1ª Vara ............................................................................................................................................................................................ 1204 Surubim - 2ª Vara ............................................................................................................................................................................................ 1205 Tacaratu - Vara Única ......................................................................................................................................................................................1206 Tamandaré - Vara Única ................................................................................................................................................................................. 1211 Timbaúba - 1ª Vara ......................................................................................................................................................................................... 1212 Toritama - Vara Única ......................................................................................................................................................................................1221 Vertentes - Vara Única .................................................................................................................................................................................... 1222

3

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

PRESIDÊNCIA
DESPACHO - PRESIDÊNCIA

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14239 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Cláudio Sérgio Dantas de O. Lima Ydigoras Ribeiro de Albuquerque

Ordem Processo 001 0230063-0 001 0230063-0

O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0230063-0 Comarca Vara Reqte. Advog Reqdo. Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução

Suspensão de Liminar ou Antecipação de Tutela : Itapissuma : Vara Única : Município de Itapissuma - Estado de Pernambuco : Ydigoras Ribeiro de Albuquerque : CÂMARA MUNICIPAL DE ITAPISSUMA : Cláudio Sérgio Dantas de O. Lima : Presidência : Des. Presidente : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 16:27 Local: Diretoria Cível

Pedido de Suspensão de Liminar nº 0230063-0 NPU 0022733-63.2010.8.17.0000 Requerente: Município de Itapissuma-PE Requerido: Câmara Municipal de Itapissuma-PE

DESPACHO A CÂMARA MUNICIPAL DE ITAPISSUMA, através da petição de fls. 76/78, requer que esta Presidência julgue prejudicado o presente incidente processual de suspensão, com a consequente revogação da decisão suspensiva deferida nos autos, sob o argumento de que, com o julgamento do Agravo de Instrumento nº 228911-0, manejado, supostamente, contra a mesma liminar cujos efeitos foram aqui suspensos, teria havido o deslocamento da competência, para análise e julgamento do pedido de suspensão, da Presidência deste Tribunal para a Presidência do Supremo Tribunal Federal, uma vez que a decisão liminar de primeira instância teria sido mantida na sua integralidade pela 8ª Câmara Cível quando do julgamento do mencionado recurso. De logo, entendo que não assiste razão à peticionante. Com efeito, a literalidade do §9º, do art. 4º, da Lei 8.437/92, que disciplina de forma geral os incidentes de suspensão e deve ser aplicada supletivamente aos pedidos de suspensão de liminar em Mandado de Segurança, dispõe que "a suspensão deferida pelo Presidente do Tribunal vigorará até o trânsito em julgado da decisão de mérito na ação principal". Já o art. 15, da Lei 12.016/2009, em seu §3º, estabelece que "a interposição de agravo de instrumento contra liminar concedida nas ações movidas contra o poder público e seus agentes não prejudica nem condiciona o julgamento do pedido de suspensão a que se refere este artigo". À luz de tais dispositivos, deve ser reconhecida a ultra-atividade das decisões proferidas no âmbito do incidente de suspensão de liminares. É que a suspensão de um provimento não é ilidida automaticamente pelo acórdão que julgar recursos interpostos no curso da relação jurídica processual e, conforme o próprio STF já decidiu, "o fato de o Tribunal local ter concedido a ordem em nada influencia o mérito do incidente de contracautela, na medida em que distintos os fundamentos da impetração e do pedido de suspensão de segurança" (SS 2446 AgR, j. 16/03/2007). Assim, por expressa disposição legal, admitindo-se que as decisões de suspensão vigoram até o trânsito em julgado da decisão da demanda principal, o presente requerimento deve ser indeferido. Para muito mais além disso, extrai-se dos autos que a Câmara Municipal de Itapissuma pretende ver prejudicado o presente incidente de suspensão com base no julgamento de Agravo de Instrumento tirado contra uma liminar concedida nos autos do MS nº 0000300-23.2010.8.17.0790, quando, na verdade, a própria sentença concessiva da segurança já estava com os seus efeitos suspensos. Ora, eventual provimento de recurso que mantenha inalterado os termos de uma liminar concedida no curso da demanda, à toda evidência, não se sobrepõe à decisão que suspendeu os efeitos da própria sentença de mérito de 1º grau. 4

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Ademais, ao que parece, o agravo de instrumento invocado pela requerente impugna liminar que fora objeto do primeiro pedido de suspensão apresentado pelo Município de Itapissuma, o de nº 0223050-2; enquanto que o presente pedido suspensivo, de nº 0230063-0, diz respeito à decisão diversa da tratada no incidente anterior, obtendo, inclusive, decisão da Corte Especial, no agravo regimental nº 0230063-0/02, pela manutenção da suspensão concedida por esta Presidência. Desse modo, indefiro o presente requerimento para não revogar ou julgar prejudicada a suspensão deferida nestes autos. Publique-se. Intimem-se. Cumpra-se. Recife, 27 de setembro de 2011.

Desembargador JOSÉ FERNANDES DE LEMOS Presidente

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Gabinete da presidência

DESPACHO - PRESIDÊNCIA

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14255 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Taney Farias e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 001 0238974-0 001 0238974-0

O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0238974-0 Autor Advog Advog Réu Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência

Intervenção em Município : Usina Santa Tereza - Companhia Agro Industrial de Goiana : Taney Farias : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Estado de Pernambuco : Presidência : Des. Presidente : Despacho : 30/09/2011 16:19 Local: Diretoria Cível

PEDIDO DE INTERVENÇÃO FEDERAL (RP Nº 35997/2011) REQUERENTE REQUERIDO : USINA SANTA TEREZA - CIA AGRO INDUSTRIAL DE GOIANA : ESTADO DE PERNAMBUCO

5

Edição nº 184/2011 DESPACHO Vistos etc.

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

1. A USINA SANTA TEREZA - COMPANHIA AGRO INDUSTRIAL DE GOIANA formula representação para intervenção federal no ESTADO DE PERNAMBUCO sob o fundamento objetivo de que o Poder Executivo do Estado, sem causa de justificação, tem retardado o cumprimento de decisão judicial proferida em sede de ação de reintegração de posse de imóvel rural e transitada em julgado desde 24 de julho de 1998.

2. O Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado - RITJPE (Resolução nº 84, de 24 de janeiro de 1996), ao disciplinar o procedimento do pedido de intervenção, estabelece, no parágrafo único do seu art. 148, que o Presidente do Tribunal, ao receber a representação ou o requerimento, assim procederá:

I - se evidente a falta de fundamento, determinará o arquivamento; II - se manifesta a sua procedência, providenciará administrativamente para remover a causa; III - se não for alcançada a solução por via administrativa, enviará o processo à distribuição; IV - o relator solicitará informações à autoridade indicada como responsável, concedendo-lhe o prazo improrrogável de cinco dias para prestá-las.

Nesse ser assim, esta Presidência, em decisão proferida à fl. 1.127, assinalando a impossibilidade de remoção, na via administrativa ou extrajudicial, da causa motivadora do pedido de intervenção, determinou a remessa dos autos ao Núcleo de Autuação e Distribuição Processual deste Tribunal para distribuição aleatória do feito entre os desembargadores integrantes da Corte Especial, na conformidade da regra inscrita no inciso III do citado art. 148 do RITJPE.

3. O relator sorteado, contudo, ao receber o encadernado processual, determinou o seu retorno a esta Presidência, à consideração de "que houve um equívoco na autuação do presente feito, pois não se trata de intervenção em município, mas sim de representação para intervenção federal no Estado", consignando, para além disso, que "não foi observado pela Distribuição Processual o procedimento previsto no RITJPE para os pedidos de intervenção federal (artigos 146/151)."

4. A decisão originária desta Presidência (fl. 1.127) está lançada nos seguintes termos, in verbis:

"1. Em juízo de cognição sumaríssima, observo que a petição inicial apresenta-se em ordem reunindo, em tese, todas as condições de procedibilidade (condições da ação e pressupostos processuais). 2. Por um lado, não se afigura manifesta a improcedência, tampouco a procedência, do pedido de intervenção federal no Estado de Pernambuco, afastando-se, portanto, a aplicação dos incisos I e II do artigo 148 da Resolução TJPE nº 84, de 24 de janeiro de 1996 (RITJPE). 3. Lado outro, tomando em consideração o espectro constitucional-administrativo de atribuições desta Presidência, não se mostra viável, no plano da eficácia, o implemento de gestões extrajudiciais aptas a remover a causa motivadora do pedido de intervenção. 4. Bem por isso, na conformidade do disposto no artigo 148, inciso III, do RITJPE, determino a autuação e distribuição aleatória deste Pedido de Intervenção Federal a um dos membros da Corte Especial do Tribunal de Justiça do Estado. Recife, 6 de abril de 2011. Desembargador José Fernandes de Lemos Presidente"

Vê-se, pois, com limpidez, que esta Presidência somente determinou a distribuição aleatória do feito para um dos integrantes da Corte Especial deste Tribunal após superar, por intermédio de decisão fundamentada, as hipóteses normativas elencadas nos incisos I e II do parágrafo único do art. 148 do RITJPE; sublinhando, com especial relevância, que não há como obrigar o Chefe do Poder Executivo do Estado, na delimitada seara administrativa, a cumprir ou a fazer cumprir uma decisão judicial (reintegração de posse de propriedade rural objeto de invasão coletiva).

Esse poder-dever é próprio do Estado-Juiz, e não do Estado-Administração; daí por que a solução da controvérsia, a toda evidência, é inalcançável na órbita exclusivamente administrativa ou extrajudicial.

5. Acresça-se, de outra banda, quanto à circunstância de a causa versar sobre pedido de intervenção federal no Estado e não de pedido de intervenção em município, que o RITJPE, ao regulamentar os pedidos da espécie, dispõe, em seu art. 150: "Art. 150. A decisão que admitir o pedido de intervenção será encaminhada, com brevidade, ao Presidente do Supremo Tribunal Federal ou ao Procurador Geral da República, conforme o caso; se, em município, a intervenção será imediatamente requisitada pelo Presidente do Tribunal ao Governador do Estado."

6

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Logo, mesmo em se tratando de pedido de intervenção federal no Estado, o procedimento, em suas fases instrutória e decisória, é o mesmo, sem qualquer diferenciação; sabido que, após instruído, com a apresentação de informações pela autoridade (inciso IV do parágrafo único do art. 148), o processo desenvolver-se-á com observância do disposto nos arts. 102 a 104 do RITJPE.

6. Isso posto, determino o reenvio dos autos ao eminente Desembargador Relator.

Publique-se. Cumpra-se.

Recife, 29 de setembro de 2011.

Desembargador JOSÉ FERNANDES DE LEMOS Presidente

O DESEMBARGADOR JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EXAROU EM DATA DE 29/09/2011, OS SEGUINTES DESPACHOS:

Processo nº 340/2011 - CJ (R.P. nº 18054/2011) - Interessado: Exmo. Sr. Dr. Saulo Sebastião de Oliveira Freire - ref. Apresentação de Reclamação em face da Ordem da Lista de Antiguidade dos Magistrados. DESPACHO - Vistos etc.

Trata-se de reclamação, apresentada tempestivamente, pelo Drº Saulo Sebastião de Oliveira Freire, Juiz de Direito Substituto de 3ª Entrância, tendo por objeto solicitação de correção da composição da Lista de Antiguidade dos juízes de 3ª Entrância, publicada em 02/02/2011, com fundamento no art. 130 c/c o art. 129 do Código de Organização Judiciária - COJE. Cumpre informar que o reclamante ocupa a 52ª posição na atual Lista de Antiguidade. Em suas razões alega que, inexplicavelmente, houve a inversão indevida das posições dos magistrados colocados entre a 47ª e a 51ª posição na lista atual, quais sejam: Antônio Francisco Cintra, Jorge Luiz dos Santos Henriques, Andréa Epaminondas Tenório de Brito, Isaías Andrade Lins Neto, Carlos Magno Cysneiros Sampaio, passando o reclamante a figurar depois de todos os outros magistrados acima mencionados. Nesse contexto, abram-se vistas, na Secretaria Judiciária, pelo prazo de 10(dez) dias, para que falem os que se julgarem com interesse na Reclamação em epígrafe, em cumprimento aos termos do art. 249 da Resolução nº 84/96 - RITJPE. Publique-se. Recife, 29 de setembro de 2011. Desembargador JOSÉ FERNANDES DE LEMOS - PRESIDENTE

Recife, 03 de outubro de 2011.

Carlos Gonçalves da Silva Secretário Judiciário

O DESEMBARGADOR JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EXAROU EM DATA DE 29/09/2011, OS SEGUINTES DESPACHOS:

Petição - (129546/2011) - Exmo. Sr. Des. Bartolomeu Bueno, Corregedor Geral da Justiça, ref. férias adiamento de férias: "Autorizo. Anote-se."

Ofício nº 2533/2011 - (117349/2011 - 112387/11 - 112907/2011) - Exmo. Sr. Dr. Teodomiro Noronha Cardozo, ref. designação da Juíza do Jaboatão para atuar na Comarca do Paulista: " Aguarde-se oportunidade."

Recife, 03 de outubro de 2011.

Carlos Gonçalves da Silva 7

Edição nº 184/2011 Secretário Judiciário

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

O EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EXAROU OS SEGUINTES DESPACHOS:

Processo: 9909908-4 Precatório Ref. a Natureza Não Alimentícia Protocolo: 2006.00042832 Comarca: Olinda Vara: Vara da Fazenda Pública Ação Originária: 04/0007252-7 - Execução Autor: Benjamim Manoel de Lima Advog: José Maria Barros de Melo - PE005963 Réu: Município de Olinda Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente DESPACHO Intime-se o autor, por seu advogado, para que comprove a qualidade de idoso, mediante a juntada de documento oficial, no prazo de cinco dias. Publique-se. Intime-se. Recife, 30/09/2011 Des.José Fernandes de Lemos Presidente

Processo: 9910174-5 Precatório Ref. a Natureza Alimentícia Protocolo: 2007.00115314 Comarca: Recife Vara: 1ª Vara da Fazenda Pública Ação Originária: 96/0120867-9 - Ação Ordinária Autor: Evaneide Nunes Leite Rodrigues Advog: Ricardo Estevão de Oliveira - PE008991 Advog: Manoel Mattos - PE014901 Advog: e Outros Réu: Instituto de Recursos Humanos do Estado de Pernambuco - IRH, atual denominação do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Pernambuco - IPSEP Procdor: Luciana Rorfe de Vasconcelos Procdor: Flávia Tavares Dantas Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente DESPACHO Expeça-se o competente alvará relativo aos honorários advocatícios sucumbenciais em nome de Frederico Benevides Rosendo, conforme pedido de fl. 129, com base no substabelecimento de fl. 107. Publique-se. Cumpra-se. Recife, 29/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

Processo: 9908943-9 Precatório Ref. a Natureza Alimentícia Protocolo: 2000.00009288 Comarca: Olinda 8

Edição nº 184/2011 Vara: Vara da Fazenda Pública Ação Originária: 00/0002972-8 - Embargos A Execução Autor: Município de Olinda Advog: Izael Nóbrega da Cunha - PE007397 Advog: Gilson Barbosa de Souza - PE018931 Advog: Ricardo Campos Bezerra - PE009011 Advog: Beatriz Mascarenhas Vasconcelos - PE004999 Advog: Ricardo José Cavalcanti do Amaral - PE007426 Advog: Ricardo Antonio de Barros Leite - PE007458 Advog: Walfredo Uchoa Cavalcanti - PE012009 Advog: Petrônio José de Souza Oliveira - PE013365 Advog: Ayanna Darlla de Lima Araújo Botelho Advog: José Pedro Gomes da Silva - PE015787 Advog: Cristiana Gesteira Costa - PE017523 Advog: José Carlos Farias de Arruda Advog: Mônica Maria Batista Pereira - PE016004 Advog: Sheila Maria Gomes de Freitas - PE004726 Advog: André Cândido de Souza - PE017760 Advog: César André Pereira da Silva - PE019825 Advog: Diva Goncalves - PE010734 Advog: Fábio Luciano C. de Oliveira - PE016610 Advog: Clóvis da Silva Bastos Júnior - PE016412 Advog: Pérola Maria de Siqueira Santos - PE017396 Advog: Jose Marcionilo de Barros Lins Filho - PE002578 Advog: Aldenir José Lopes Alheiros - PE009416 Advog: Estevão de Britto Ramos - PE012192 Advog: Francesco A. Caminha Borsellino - PE012388 Advog: Maria do Carmo Batista Barbosa - PE014306 Advog: José Humberto Alves de Lima - PE014513 Advog: Darcylene Maria Albuquerque Freire - PE013193 Advog: Josenildo Vieira Da Silva - PE005443 Advog: Álder Júlio Parayba Araújo Advog: Geraldina Andrade Cunha Advog: Niédja Bernardo de Oliveira Advog: Cleonice Rufino da Silva - PE008970 Advog: Silvia de Sales Menezes - PE010101 Advog: Antonio Carlos Saldanha Azevedo - PE012944 Advog: Maria Helena Andrade Costa - PE010725 Advog: José Carlos Farias de Arruda Advog: Ana Paula Harchambois Assuncao de Melo - PE014926 Advog: Marta Maria Rabelo Pimentel Beleza - PE014963 Advog: Rosete De Oliveira Rodrigues Soares - PE013154 Advog: Norma Farias de Melo - PE004693 Advog: Hélvio Polito Lopes Filho Advog: Oscar Vilaça Melo Filho Réu: Consulte Engenharia Ltda. Advog: Bruno Afonso Ribeiro do Valle Bezerra - PE026707

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

9

Edição nº 184/2011 Advog: Ellen Christina Lima Soares Leão - PE021054 Advog: Tiago Carneiro Lima - PE010422 Advog: Amílcar Bastos Falcão - PE010128 Advog: Fábio Henrique de Araújo Urbano - PE015473 Advog: Paulo Gomes Pimentel Junior - PE015407 Advog: Bruna Bezerra Cavalcanti Fernandes - PE021023 Advog: Diego Ramos Medeiros - PE029389 Advog: e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente Decisão.

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

1. Cuidando da expedição do alvará relativo aos honorários advocatícios, a Presidência determinou que os causídicos apresentassem os termos de sua partilha (fl. 166). 2. Os advogados, em seguida, peticionam alegando que a titularidade do crédito é da sociedade de advogados "Lima e Falcão Advogados", pois " toda a atuação de qualquer advogado no presente caso se deu na qualidade de integrante do corpo técnico de causídicos que integram Lima e Falcão Advogados". 3. Acrescentam que na procuração foi indicado o endereço da sociedade e as petições foram apresentadas em papel com o seu timbre. 4. Por fim, pedem que novo cálculo seja elaborado, com a incidência da alíquota de imposto de renda devida por pessoa jurídica e a expedição de alvará em nome da sociedade de advogados. Decido. 5. Compulsando-se os autos que instruem o presente precatório constata-se: a) Ação Ordinária de Cobrança (Proc. nº 13081/96) : Procuração outorgada por Consulte Engenharia LTDA aos advogados Tiago Carneiro Lima e Amilcar Bastos Falcão (fl. 07); b) Embargos de Declaração (Proc. nº 9908943-9/02 : Substabelecimento outorgado pelo Dr. Tiago Carneiro Lima aos advogados Aline Arroxelas Galvão de Lima, Renata Vasconcelos Cabral, Filipe Andrade Lima As de Melo, Roberta de Andrade Lima, Renata Liliane Tyrrasch de Almeida, Flavia Nunes Alves, Rodrigo de Miranda Azevedo, Juliana Pereira Coutinho, Fernando Ferreira Rebelo de Andrade, Éricka Moura de Gouveia, Maria Eduardo Ledebour; c) Embargos à execução (Proc. nº 226.200.00.2972-8) : Procuração outorgada por Consulte Engenharia Ltda a Tiago Carneiro Lima, Amílcar Bastos Falcão, Catarina Guedes Alcoforado Rego, Bruno Ribeiro de Azevedo e Brivaldo Pereira dos Santos Júnior. 6. Como bem se verifica, nenhuma das procurações foi outorgada por Consulte Engenharia Ltda a "Lima e Falcão Advogados". No processo de conhecimento a procuração foi firmada outorgando poderes individualmente aos advogados Tiago Carneiro Lima e Amílcar Bastos Falcão; já nos embargos á execução a procuração foi firmada em favor de diversos advogados individualmente nomeados. 7. A outorga de poderes à sociedade de advogados possui regra específica, dispondo a Lei 8906/94 : Art. 15, § 3º. As procurações devem ser outorgadas individualmente aos advogados e indicar a sociedade de que façam parte. 8. Como já antes afirmado, no caso concreto nenhuma dos instrumentos de mandato indicou a sociedade de advogados, razão pela qual, a teor do art. 15, § 3º, da Lei 8906/94, não se pode considerar que o mandante tenha constituído "Lima e Falcão Advogados" seu mandatário. 9. No seio do STJ, a matéria é pacífica, tendo a Corte Especial daquele tribunal manifestado entendimento no sentido de que os serviços advocatícios somente serão considerados prestados pela sociedade de advogado, quando a procuração a ela faz referência. Vejamos AgRg nos EREsp 1114785 / SP AGRAVO REGIMENTAL NOS EMBARGOS DE DIVERGENCIA EM RECURSO ESPECIAL 2010/0141720-2 Relator(a) Ministro LUIZ FUX (1122) Órgão Julgador CE - CORTE ESPECIAL Data do Julgamento 03/11/2010 Data da Publicação/Fonte DJe 19/11/2010 Ementa : PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. SOCIEDADE DE ADVOGADOS. MANDATO OUTORGADO AO ADVOGADO. ALVARÁ DE LEVANTAMENTO EM NOME DA SOCIEDADE. IMPOSSIBILIDADE. LEI 8.906/94, ARTIGO 15, § 3º, DA LEI 8.906/94. NOVEL ENTENDIMENTO FIRMADO PELA CORTE ESPECIAL SÚMULA 168/STJ. 1. Os serviços advocatícios não se consideram prestados pela sociedade na hipótese em que a procuração não contém qualquer referência à mesma, impedindo, portanto, que o levantamento da verba honorária seja feito em nome da pessoa jurídica com seus efeitos tributários 10

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

diversos daqueles que operam quando o quantum é percebido uti singuli pelo advogado. Precedentes do STJ: AgRg no Prc 769/DF, CORTE ESPECIAL, DJe 23/03/2009; AgRg no Ag 1252853/DF, PRIMEIRA TURMA, DJe 15/06/2010; e AgRg no REsp 918.642/SP, SEXTA TURMA, DJe 31/08/2009. 2. O artigo 15, § 3º, da Lei 8.906/94 (Estatuto da Advocacia), determina que, no caso de serviços advocatícios prestados por sociedade de advogados, as procurações devem ser outorgadas individualmente aos causídicos e indicar a sociedade de que façam parte. 3. Os serviços advocatícios prestados por sociedade de advogados pressupõe que, nas procurações outorgadas individualmente aos causídicos deve constar a pessoa jurídica integrada pelos referidos profissionais porquanto, assim não ocorrendo, torna-se impossível se aferir se os serviços foram prestados pela sociedade ou individualmente, pelo profissional que dela faça parte. 4. A consonância do entendimento adotado no acórdão embargado com a orientação desta Corte, atrai a incidência do teor da Súmula 168/ STJ:"Não cabem embargos de divergência, quando a jurisprudência do Tribunal se firmou no mesmo sentido do acórdão embargado". 5. Embargos de Divergência parcialmente indeferidos, determinando-se a remessa dos autos à Primeira Seção para a análise da divergência instaurada entre os julgados emanados da 1ª e 2ª Turmas. 6. Agravo Regimental desprovido. 10. Por todo o exposto, indefiro o pedido do peticionante, concedendo-lhe 10 dias para indicar os termos da partilha dos honorários entre os advogados constituídos, determinando, ainda, a incidência da alíquota de imposto de renda de pessoa física. Intimem-se. Recife, 30 de setembro de 2011. Des. Jose Fernandes de Lemos

O DESEMBARGADOR JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EXAROU OS SEGUINTES DESPACHOS:

9910990-9 Precatório Ref. a Natureza Alimentícia Protocolo: 2008.00116719 Comarca: Recife Vara: 3ª Vara da Fazenda Pública Ação Originária: 001.1996.0068760-7 - Ação Ordinária Autor: Amara Soares dos Santos Autor: Evalda Barreto do Rego Barros Autor: Ivone Bastos Castro Barroca Autor: Maria do Socorro da Silva Autor: Wanda Cavalcanti Batista de Nazare Advog: Cristiana Pragana Dantas - PE014378 Advog: Ivon D'Almeida Pires - PE000941 Advog: Sandra Pires Barbosa - PE002063 Advog: Misael de Albuquerque Montenegro Filho - PE014026 Advog: Flavia Carolina De Souza Reis - PE014389 Estag.: Paula Verônica de Menezes Pacheco Réu: Instituto de Recursos Humanos - IRH - (antes IPSEP) Procdor: Antiógenes Viana de Sena Júnior Procdor: Roberto Pimentel Teixeira Procdor: Luciana Rorfe de Vasconcelos Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente

DESPACHO Considerando a petição e documentos acostados aos autos de fls. 113/124, indefiro o pedido de levantamento do crédito do herdeiro da de cujus Wanda Cavalcanti Batista de Nazaré, por não constar nos autos alvará judicial do Juízo de Sucessões autorizando à liberação do crédito, assim sendo, intime-se o causídico para apresentar alvará judicial expedido pelo Juízo de Direito da 2ª Vara de Sucessões e Registro Públicos da Capital, autorizando o levantamento do crédito em nome do herdeiro ou, caso assim determine o douto juízo, em nome do espólio. Publique-se. Recife, 30/09/2011

11

Edição nº 184/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

0228088-6 Precatório Protocolo: 2010.00052474 Comarca: Condado Vara: Vara Única Ação Originária: 0000046-66.2000.8.17 Autor: Severino Ramos de Oliveira Advog: Severino Ramos de Oliveira - PE008195 Réu: MUNICÍPIO DE CONDADO Advog: Gilberto Vieira de Lima - PE004877 Órgão Julgador: Presidência Relator: Des. Presidente

DESPACHO Retornem-se os presentes autos ao Juízo de origem, a fim de que seja regularizado o

requisitório de pagamento de forma compatível com as contas apresentadas, atentando, por sua vez, para as observações da certidão de fl. 31 do setor de cálculo. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

9911206-6 Precatório Alimentar Protocolo: 2008.00040330 Comarca: Iati Vara: Vara Única Ação Originária: 08.000536 - Ação Ordinária Autor: Francisco de Assis de Oliveira Advog: Rosângela Maria Barbosa de Matos Barros - PE008079 Réu: Município de Iati Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente

DESPACHO Considerando a petição de fl. 54 da Municipalidade, intime-se a parte credora, através de seu patrono, para se pronunciar a respeito da audiência de conciliação proposta. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

9911205-9 Precatório Alimentar Protocolo: 2008.00040331 Comarca: Iati Vara: Vara Única 12

Edição nº 184/2011 Ação Originária: 08.000536 - Ação Ordinária Autor: José Souza de Barros Advog: Rosângela Maria Barbosa de Matos Barros - PE008079 Réu: Município de Iati Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DESPACHO Considerando a petição de fl. 52/53 da Municipalidade, intime-se a parte credora, através de seu patrono, para se pronunciar a respeito da audiência de conciliação proposta. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

9911204-2 Precatório Alimentar Protocolo: 2008.00040332 Comarca: Iati Vara: Vara Única Ação Originária: 07.000350 - Ação Ordinária Autor: Maria Madalena Ferro dos Santos Advog: Rosângela Maria Barbosa de Matos Barros - PE008079 Réu: Município de Iati Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente

DESPACHO Considerando a petição de fl. 52 da Municipalidade, intime-se a parte credora, através de seu patrono, para se pronunciar a respeito, no prazo de 05 (cinco) dias. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

9910895-9 Precatório Ref. a Natureza Alimentícia Protocolo: 2008.00115815 Comarca: Recife Vara: 4ª Vara da Fazenda Pública Ação Originária: 0036757-16.1998.8.17 - Ação Ordinária Autor: Dâmocles Virgínio Leite do Amaral Autor: João Gomes dos Passos Autor: Antônio de Jesus Chaves Advog: José Machado de Azevedo - PE015688 Advog: Eridete da Costa Azevêdo - PE007322 Advog: Carolina Marques Duarte - PE017199 Réu: Estado de Pernambuco Procdor: Antiógenes Viana de Sena Júnior Procdor: Rui Veloso Bessa

13

Edição nº 184/2011 Procdor: Inês Almeida Martins Canavello Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DESPACHO 1. Expeça-se alvará em favor de Alcione Perazzo Valadares do Amaral, nos termos do alvará de fls. 217. Recife, 30 de setembro de 2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

0248584-9 Requisição de Pequeno Valor Protocolo: 2011.00029855 Comarca: Recife Vara: 2ª Vara de Acidentes do Tabalho da Capital Ação Originária: 0114943-67.2009.8.17 Autor: JOSE AUGUSTO FRANCISCO DOS SANTOS Advog: Helenita Leoni Soares - PE000424B Réu: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Procdor: Antonio Fernando Dias Carneiro Órgão Julgador: Presidência Relator: Des. Presidente

DESPACHO Intime-se a parte devedora para disponibilizar no prazo de até 60 (sessenta) dias, devidamente atualizado, o crédito de R$ 1.000,00 (um mil reais), referente ao requisitório de pequeno valor, em favor do credor acima identificado, conforme dispõe o art. 17 da Lei 10.259/2001. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

0247722-5 Precatório Alimentar Protocolo: 2011.00027897 Comarca: Recife Vara: 1ª Vara de Acidentes do Trabalho da Capital Ação Originária: 0014013-51.2003.8.17 Autor: Cristina Maria Lins Braga Advog: Alberto Alves Camello Neto - PE015653 Réu: INSS - Instituto Nacional do Seguro Social Procdor: Adriana Alves Gondim Órgão Julgador: Presidência Relator: Des. Presidente

DESPACHO Tendo em vista a petição de fl. 65 do patrono da parte credora, defiro o pleito, concedendo um prazo de 15 (quinze) dias para as providências cabíveis. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos

14

Edição nº 184/2011 Presidente

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

9909479-8 Precatório Ref. a Desapropriação Protocolo: 2004.00119705 Comarca: Vitória de Santo Antão Vara: 2ª Vara Cível Ação Originária: 81/0000001-5 - Desapropriação Autor: Ivo Queiroz Costa Autor: Maria do Socorro Álvares Queiroz Advog: Severino da Costa Gomes Neto - PE008111 Réu: Município de Vitória de Santo Antão Advog: Washington Luís Macêdo de Amorim - PE013102 Órgão Julgador: Precatório Relator: Des. Presidente

DESPACHO Considerando a petição e documentos acostados aos autos de fls. 552/562, intime-se o Município de Vitória de Santo Antão para se pronunciar a respeito. Publique-se. Recife, 30/09/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO GABINETE DA PRESIDÊNCIA

ATO Nº 3618/11 - SGP

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES, CONFERIDAS PELO ART. 38, XI, DA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 24/01/1996 (REGIMENTO INTERNO DO TJPE):

CONSIDERANDO a recomendação do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, relativa à necessidade de declinar a faixa salarial no ato aposentatório do servidor ANTÔNIO PAES DE ANDRADE FREIRE;

CONSIDERANDO que o Ato nº 2963/2011, publicado no Diário de Justiça Eletrônico em 24.10.07, aposentou o servidor, por invalidez, com fundamento no art. 40, § 1º, inciso I, c/c art. 6º da Emenda Constitucional nº 41/03, com integralidade e paridade;

CONSIDERANDO, afinal, que a retificação do ato aposentatório se apresenta em conformidade com a Emenda Constitucional nº 47/2005, por haver o servidor incorporado o seu patrimônio jurídico aos ditames do art. 3º da mencionada Emenda Constitucional,

RESOLVE:

RETIFICAR o Ato nº 2963/11, publicado no Diário de Justiça Eletrônico de 19.07.11, para aposentar o servidor ANTONIO PAES DE ANDRADE, no cargo de Técnico Judiciário, Referência TPJ, Grau "M", matrícula nº 153.842-0, a partir de 19.07.2011, data da publicação da invalidez permanente, com fundamento no artigo 3º da Emenda Constitucional n° 47/2005, com proventos mensais integrais e paritários, considerando que implementou os requisitos para tal enquadramento, em 15/05/2009.

Recife, 03 de outubro de 2011

15

Edição nº 184/2011 DES. JOSE FERNANDES DE LEMOS PRESIDENTE

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO, DES. JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, EXAROU EM DATA DE 30/09/2011 A SEGUINTE DECISÃO:

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1875/2011 (RP Nº 097668/2011) PREGÃO PRESENCIAL Nº 18/2011-CPL/OSE OBJETO: Recurso Administrativo interposto pela empresa RODOLFO M. B. FERREIRA ME (Pregão Presencial para eventual contratação de empresa de produção de vídeos para divulgação da estrutura e serviços oferecidos na central de juizados cíveis da capital, que funcionará na Avenida Mascarenhas de Morais, 1919, Imbiribeira bem como para o fornecimento de sistemas para implantação de TV Corporativa, no qual serão veiculados os vídeos produzidos, além de conteúdo produzido em outras mídias).

DECISÃO

Vistos etc.1. Trata-se de Recurso Administrativo interposto pela empresa RODOLFO M. B. FERREIRA ME , contra a decisão da Comissão Permanente de Licitação - CPL que a considerou inabilitada a prosseguir no certame licitatório instaurado na modalidade de Pregão Presencial nº 18/2011 - CPL, cujo o objeto é a contratação de empresa de produção de vídeos para divulgação da estrutura e serviços oferecidos na Central de Juizados Cíveis da Capital, que funcionará na Avenida Mascarenhas de Morais, 1919, Imbiribeira bem como para fornecimento de sistema para implantação de TV corporativa, no qual serão veiculados vídeos produzidos, além de conteúdo produzido em outras mídias. 2. Os autos me vieram conclusos para o seu desenlace, em obediência às formalidades que à espécie se impõem, com fundamento na legislação pertinente. 3. A recorrente manifesta irresignação diante do resultado do julgamento que a excluiu do certame, por descumprimento ao subitem 7.1.3 do edital, sustentando, em síntese, a falta de clareza do edital, por não mencionar a necessidade de apresentação de valores em separado ou por item, requerendo, ao final, a reforma da decisão questionada, a fim de que seja classificada com propostas de preços ofertada. 4. A matéria questionada já foi objeto de análise pela Assessoria de Comunicação - ASCOM, deste tribunal de justiça, em resposta da Comissão Permanente de Licitação - CPL, apresentando Parecer Técnico adiante parcialmente exposto: "... é de necessidade primordial que os vídeos sejam cotados pelo valor unitário de modo que se possa individualizar cada produção e os instrumentais necessários a implantação da TV Corporativa, sejam cotados pelos seus valores unitários de implantação, manutenção e outros serviços afetos a instalação do mencionado sistema. Ocorre que proposta apresentada pela empresa recorrente, não atende ao que foi solicitado no que originou o pregão presencial objeto do recurso interposto. Não há no mencionado documento (proposta) a individualização dos valores dos itens. Desta forma, existe uma dificuldade que causa óbice a uma avaliação mais objetiva de cada serviço, ensejando na ausência de requisito importante da prestação do serviço, não se tratando de mera exigência formalista desprovida de utilidade. Trata-se de exigência de lei e assim foi inserida no termo de referência e edital, tendo sido observada pelo os demais licitantes..." . 5. A Presidência da Comissão Permanente de Licitação, Pregoeira/CPL, manteve integralmente a decisão recorrida, e, via de conseqüência, a desclassificação da recorrente, por entender não atendidos o subitem 7.1.3 do edital. É o relatório. Passo a decidir . 6. Em que pese a tempestividade e a legalidade da peça recursal, nos termos do art. 4º, inciso XVII e XX da Lei nº 10.520/2002, verifica-se, preliminarmente, que a empresa decorrente decaiu no seu direito de impugnar o edital, tendo em vista que não apresentou, oportunamente, seu inconformismo no prazo de dois dias úteis que antecedem à sessão pública, conforme estipulado na legislação (§ 2º do art. 41 da Lei nº 8.666/93 c/c com art.10 da Resolução nº 185/2006 do TJPE), bem como no Edital (item 11.1). 7. Inobstante a decadência do direito de impugnar os termos do edital, adentrando no mérito da questão sob apreciação, constata-se que o recurso não merece acolhida. 8. Foi exigido nos subitens 7.1.3 do edital, como requisito para constar na proposta, especificações claras e detalhadas do objeto ofertado, contendo preços unitários e global do lote. Tal exigência, sustentada pelo órgão técnico deste Tribunal como importante e necessária, e dessa forma não parece desarrazoada, pois constitui requisito de indispensável para a lisura da competitividade do objeto a ser contratado. Portanto, é inconcebível qualquer interpretação que pretenda relativizar a exigência do Edital. 9. Demais disso, vale salientar que o edital vincula os licitantes e a Administração, significando que faz lei entre as partes. O fato de a licitação buscar a proposta mais vantajosa não autoriza que a Administração possa violar a essência da regras editalícias. 10. Aplicando-se subsidiariamente o disposto no art. 41 da Lei 8.666/93, a Administração encontra-se estritamente vinculada ao edital de licitação, não podendo descumprir as normas e condições dele constantes. É o instrumento convocatório que dá validade aos atos administrativos praticados no curso da licitação, de modo que o descumprimento às suas regras deverá ser reprimido. 11. No tocante à alegação da recorrente de que o valor total ofertado foi inferior aos demais licitantes, e, por conseguinte atende satisfatoriamente ao princípio da supremacia do interesse público, há que se ponderar. É certo que a Administração preza pela proposta mais vantajosa, mas esse critério não é o único e decisivo como pretende a recorrente. 12. Impende ressaltar, ainda que, apesar do recurso ser interposto contra a decisão de habilitação, seu conteúdo relaciona-se a impugnação de clausula editalícia, ressuscitando matéria já decidida e denegada, configurando-se, neste contexto, intempestivo, posto que o prazo legal de 02 (dois) dias úteis antes da abertura da sessão pública para insurgir-se contra os termos do edital, não foi respeitado pelo recorrente. 13. Forte nisso, indefiro o pleito da empresa RODOLFO M. B. FERREIRA ME, ratificando os termos da decisão proferida pela Pregoeira da Comissão Permanente de Licitação - CPL, mantendo a recorrente na condição de desclassificada, com fundamento nos dispositivos invocados, bem como no Parecer nº 2236/2011 da Consultoria Jurídica, determinando o prosseguimento do certame licitatório. Publique-se. Cumpra-se. Dê-se ciência à recorrente.

Des. José Fernandes de Lemos Presidente

16

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO, DES. JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, EXAROU EM DATA DE 29/09/2011 O SEGUINTE DESPACHO:

PROCESSO 1844/2011-CJ - (RP Nº 105130/2011) - JOSÉ EDUARDO FERREIRA ALVES - REF. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ: "A Senhora Valéria Cristina Monteiro de Brito, Chefe da Unidade de Aposentadorias, considerando a conclusão dos membros da Junta Médica Oficial, datada de 08.08.2011, referente ao servidor JOSÉ EDUARDO FERREIRA ALVES, conforme CI Nº 02/2011-SPM, do Centro de Saúde Des. Ângelo Jordão Filho/TJPE, encaminhou os autos à Consultoria Jurídica para fins de análise acerca da aposentadoria por invalidez do servidor em apreço.Aquele órgão consultivo opinou pela concessão da aposentadoria por invalidez, com proventos proporcionais, pois que, no Laudo Pericial, o servidor não se enquadra no parágrafo 5º, do art. 34, da Lei Complementar nº 28/2000 (redação dada pela Lei Complementar nº 79/2005), que permite a aposentadoria por invalidez permanente, com a percepção dos proventos a serem calculados de forma integral sobre a média das contribuições, nos termos da Lei Federal nº 10887, de 18.06.04. Assim, a aposentadoria do servidor deverá ser concedida com 40, § 1º, I, da Constituição Federal, ressaltando que os proventos, deverão ser calculados levando-se em consideração o tempo de 21 (vinte e um) anos e 40 dias de serviço, contados até a data da certidão presente na fl. 14 dos autos - 17.08.2011, acrescidos dos dias até a publicação do ato de inativação. Do exposto, defiro a concessão da aposentadoria por invalidez permanente, com proventos proporcionais, ao servidor JOSÉ EDUARDO FERREIRA ALVES, Técnico judiciário, TPJ, com fundamento no art. 40, § 1º, inciso I, da Constituição Federal (com redação dada pela Emenda Constitucional nº 41, de 19/12/2003), bem como no Parecer nº 2248/2011 da Consultoria Jurídica."

Des. José Fernandes de Lemos Presidente

O DESEMBARGADOR JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EXAROU EM DATA DE 30.09.2011, OS SEGUINTES DESPACHOS: Petição (130663/2011) - Exmo. Sr. Dr. Airton Mozart Valadares Vieira Pires - Juiz de Direito da 8ª Vara da Fazenda Pública da Capital - ref. adiamento de férias: "Autorizo. Anote-se". Oficio s/nº (130671/2011) - Exmo. Sr. Dr. Demócrito Ramos Reinaldo Filho - Juiz de Direito da 32ª Vara Cível da Capital - ref. adiamento de férias: "Autorizo. Anote-se".

Recife, 03 de outubro de 2011.

CARLOS GONÇALVES DA SILVA Secretário Judiciário

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO, DES. JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, EXAROU EM DATAS DE 29 E 30/09/2011 AS SEGUINTES DECISÕES:

PROCESSO Nº 1957/2011 - CJ (R.P. nº 118335/2011) Interessada: Eduardo Lins Azevedo Assunto: Parcelamento de Débito.

DECISÃO

Vistos etc. 1. Trata-se de procedimento administrativo pelo qual o requerente, Eduardo Lins Azevedo, ex-servidor, nomeado para exercer o cargo em comissão de Agente de Transporte e Segurança, PJC-IV, pelo Ato nº 3.072, de 26/11/2010, tendo tomado posse e assumido o exercício em 29/11/2010, matrícula nº 183.827-0, solicita parcelamento de débito existente com o erário, no valor de R$ 1.781,60 (um mil, setecentos e oitenta e um reais e sessenta centavos) (fl. 02). 2. Nesse contexto, a Consultoria Jurídica exarou o Parecer nº 2252/2011 - CJ (às fls.15/17), o qual foi ratificado pelo Consultor Jurídico, opinando pelo parcelamento do referido débito, em 12 (doze) parcelas iguais e sucessivas, com fundamento no princípio da eficiência, previsto no art. 37, caput , da Constituição Federal, bem como nos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, nos 17

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

termos do art. 2º da Lei Estadual nº 11.781/2000. 3. Em sucessivo, vieram conclusos os presentes autos. É o relatório. Passo a decidir . 4. Não obstante o fato de o princípio da legalidade nortear e pautar toda atuação da Administração Pública (art. 37, caput , da CF), existem, ainda, na atual sistemática jurídica, outros princípios, expressos ou implícitos no texto constitucional, a exemplo dos princípios da eficiência, proporcionalidade e razoabilidade, mas também de observância obrigatória no ordenamento jurídico como um todo. 5. Nesse trilhar, ponderando-se os aludidos princípios, evidencia-se ser mais eficaz e eficiente proceder ao recebimento do débito, no valor de R$ 1.781,60 (um mil, setecentos e oitenta e um reais e sessenta centavos), mesmo que de forma parcelada, tornando-se desnecessário o encaminhamento dos autos à Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco, apenas no caso de quitação integral, com base na Instrução Normativa TJPE nº 08, de 30/11/2005. 6. Isso exposto, DEFIRO o pedido de fracionamento da dívida, mediante formalização de Termo de Confissão e Parcelamento de Débito. 7. Publique-se. Após, à Diretoria Financeira para proceder à baixa do registro contábil, e à Secretaria de Gestão de Pessoas para registros e acompanhamento dos pagamentos.

Processo nº 2060/2011 - CJ (RP n. 113909/2011) Interessado: Diretoria de Engenharia e Arquitetura - DEA Assunto: Autorização para Adesão à Ata de Registro de Preço nº 04/2010 da Advocacia-Geral da União - AGU

HOMOLOGAÇÃO

HOMOLOGO a adesão à Ata de Registro de Preços nº 04/2010 , vinculada ao Pregão Eletrônico para Registro de Preços nº 16/2010 , com vigência até 27.12.2011 , oriunda da Advocacia-Geral da União (fls. 63/75), mediante as razões do Parecer nº 2247/2011 da Consultoria Jurídica, para adjudicar e contratar a empresa MARELLI MOVEIS PARA ESCRITÓRIO LTDA. , objetivando a aquisição de 550 (quinhentas e cinqüenta) cadeiras fixas com braços (item 22 da Ata), 60 (sessenta) Poltronas giratórias Espaldar alto com braços - tipo Presidente (Item 20 da Ata), no valor global de R$ 224.064,90 (duzentos e vinte e quatro mil, sessenta e quatro reais e noventa centavos), com fundamento no artigo 15, inciso II, da Lei nº 8.666/93 c/c a Resolução nº 229/07 do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Publique-se.

PROCESSO Nº 1.967/2011 - CJ - RP nº 115281/2011 Interessado: Silvana Pacheco Lucena Assunto: Concessão de abono de permanência.

DECISÃO

Vistos etc. 1. Trata-se de procedimento administrativo pelo qual a requerente, Analista Judiciário - APJ, matrícula nº 1661361, solicita concessão de abono de permanência (fl. 02). 2. Nesse contexto, a Consultoria Jurídica exarou o Parecer nº 2241/2011 - CJ, o qual foi ratificado pelo Consultor Jurídico, opinando pela deferimento da concessão do abono de permanência, porquanto perfez todos os requisitos constitucionais para tanto. 3. Em sucessivo, vieram conclusos os presentes autos. É o relatório. Passo a decidir . 4. O abono de permanência foi instituído pela Emenda Constitucional nº 41 de 19/12/2003, e consiste no pagamento do valor equivalente ao da contribuição do servidor para a previdência, a fim de neutralizá-la. O servidor que tenha completado os requisitos para aposentadoria voluntária e que opte em permanecer em atividade fará jus a um abono permanência equivalente ao valor de sua contribuição previdenciária até completar as exigências para aposentadoria compulsória. 5. A matéria em debate encontra-se disciplinada na Emenda Constitucional nº 41/2003, bem como no art. 40 da Constituição Federal de 1988. 6. Depreende-se, então, a par dos preceitos constitucionais apresentados e da análise dos documentos que instruem este processo, que a requerente fez jus ao abono em epígrafe desde 24.08.2011, referente à regra do art. 40, § 19 da Constituição Federal, posto que preencheu todos os requisitos para obter sua aposentadoria voluntária por tempo de contribuição. 7. Isto exposto, DEFIRO o pedido de concessão de abono de permanência, cujo pagamento deverá ficar condicionado à disponibilidade orçamentária e financeira deste Tribunal.

Des. José Fernandes de Lemos Presidente

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO, DES. JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, EXAROU EM DATA DE 30/09/2011 A SEGUINTE DECISÃO:

Processo Administrativo nº 2061/2011 (RP Nº 111758/2011)

Objeto: Adesão à Ata de Registro de Preços nº 027/2010 (Pregão Eletrônico nº 041/2010) Ministério Público do Estado do Espírito Santo Procuradoria Geral de Justiça, para contratação de empresa especializada na prestação de serviços de consultoria em Plano Diretor de Tecnologia da Informação, Gestão de Serviços Públicos por indicadores de risco, Gestão de Continuidade de negócios, Política de Segurança da Informação, Treinamento, Testes de Invasão e Fornecimento de Sistema de Gestão.

18

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

HOMOLOGAÇÃO

HOMOLOGO a adesão à Ata de Registro de Preços nº 027/2010, oriunda de Pregão Eletrônico nº 041/2010, do Ministério Público do Estado do Espírito Santo - Procuradoria Geral de Justiça, mediante as razões do Parecer nº 2245/2011, da Consultoria Jurídica, para contratar a empresa MÓDULO SECURITY SOLUTIONS S/A, objetivando a aquisição dos itens abaixo especificados, no valor total de R$ 1.248.800,00 (um milhão duzentos e quarenta e oito mil e oitocentos reais) com fulcro no artigo 15, II, da Lei 8.666/93 e alterações, c/c a Resolução nº 229/2007 do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.

Item 3

4

5

6

11

12

13

14

TOTAL Publique-se.

Produtos e/ou Serviços Definição e implantação de modelo de organização de Segurança da Informação, em conformidade com as práticas do PMI (Project Management Institute) e com a norma NBR ISO/IEC 27002:2006; Gestão de Continuidade de Negócios, incluindo elaboração de sistema de gestão e dos planos necessários à garantia da continuidade operacional da organização, em conformidade com a norma BS 25999-1:2006, para até 5 (cinco) processos da administração pública; Análise de Conformidade de processos da área de Tecnologia da Informação com o CobIT em uma área/organização de TI da administração pública Elaboração de Planejamento Estratégico de Segurança, em Estratégico de Segurança, em conformidade com os princípios da norma NBR ISO/IEC 27002:2006 para um órgão da administração pública; Realização de Análise de Riscos em ativos tecnológicos e não tecnológicos (pessoas, processos e ambientes) 12.1 - Fornecimento e Implantação de sistema automatizado de Gestão de Riscos e Gestão de Continuidade de Negócios 12.2 - Manutenção e Suporte de sistema automatizado de Gestão de Riscos e Gestão de Continuidade de Negócios Banco de horas de consultoria de até 6.000 (seis mil) horas, para apoio à implementação de recomendações de segurança da informação e gestão de risco: a) Consultor A b) Consultor B Treinamento e Capacitação de profissionais: a) Turma de até 16 (dezesseis) profissionais em Gestão da Segurança da Informação b) Turma de até 16 (dezesseis) profissionais em Gestão de Riscos c) Turma de até 16 (dezesseis)profissionais em Gestão de Continuidade de Negócios d) Turma de até 16 (dezesseis) profissionais em Análise Forense Computacional e) Turma de até 16 (dezesseis) profissionais em Desenvolvimento de Aplicações Seguras 1.248.800,00

Unidade Hora/homem

Qtd 613

Valor Unitário 140,00

Valor Total 85.820,00

Hora/homem

1093

180,00

196.740,00

hora/homem

660

180,00

118.800,00

hora/homem

440

160,00

70.400,00

Hora/homem

853

160,00

136.480,00

01

320.000,00

320.000,00

01

64.000,00

64.000,00

Hora/homem Hora/homem

200 400

180,00 150,00

36.000,00 60.000,00

turma

01

35.000,00

35.000,00

turma turma

01 01

30.000,00 30.000,00

30.000,00 30.000,00

turma

01

33.560,00

33.560,00

turma

01

32.000,00

32.000,00

19

Edição nº 184/2011 Des. José Fernandes de Lemos Presidente

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

CONCURSO PÚBLICO

EDITAL N° 01/2011 DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES

O Desembargador JOSÉ FERNANDES DE LEMOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, tendo em vista o contrato celebrado com a FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS, faz saber que será realizado em locais, datas e horários a serem oportunamente divulgados, Concurso Público destinado ao provimento de cargos vagos e à formação de cadastro reserva para cargos efetivos do quadro de Pessoal do Tribunal, o qual se regerá de acordo com as Instruções Especiais estabelecidas neste Edital.

INSTRUÇÕES ESPECIAIS

I. 1.

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O Concurso Público realizar-se-á sob a responsabilidade da Fundação Carlos Chagas, obedecidas às normas deste Edital.

2. O Concurso destina-se ao provimento de cargos vagos do Quadro de Pessoal do Tribunal de Justiça de Pernambuco e para os cargos que vierem a vagar ou forem criados durante o prazo de validade deste Concurso, relativos aos cargos constantes no Anexo I deste Edital. 3. Os candidatos nomeados estarão subordinados ao Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Estado de Pernambuco (Lei nº 6.123, de 20 de julho de 1968 e suas alterações). 4. Os Cargos/Especialidades, a escolaridade/pré-requisitos e os vencimentos são os estabelecidos no Capítulo II deste Edital.

5. Os códigos de opção de Cargo/Especialidade/Polo de Classificação e a respectiva Cidade de Realização de Prova constam do Anexo I deste Edital. 6. 7. A descrição das atribuições básicas dos Cargos/Especialidades consta do Anexo II deste Edital. O conteúdo programático consta do Anexo III deste Edital.

II. 1.

DOS CARGOS Os Cargos/Especialidades, a escolaridade/pré-requisitos e os vencimentos são os estabelecidos a seguir.

NÍVEL MÉDIO COMPLETO

CARGOS ESPECIALIDADE EFETIVOS Técnico Judiciário/ Judiciária e Administrativa TPJ

Técnico TPJ

Judiciário/ Programador Computador

Técnico TPJ

Judiciário/ Suporte Técnico

PRÉ-REQUISITOS (a serem comprovados no ato da posse) Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso de Ensino Médio, ou equivalente, expedido por Instituição de Ensino reconhecida pelo Ministério da Educação. de Certificado de Nível Médio de Técnico em Informática ou de Técnico em Informática para Internet, emitido por instituição de ensino reconhecida por Conselho Estadual de Educação, ou por Conselho Nacional de Educação. O curso em questão deverá estar em conformidade com o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos de Nível Médio publicado e mantido pelo MEC no sítio http://catalogonct.mec.gov.br/index.php, atendendo a Resolução 03/2008 CNE/MEC. Certificado de Nível Médio de Técnico em Redes de Computadores, ou de Técnicos em Manutenção e Suporte em Informática, ou de Técnico em Sistemas de Computação, ou de Técnico em Telecomunicações, ou de Técnico em Sistemas de Transmissão emitido por instituição de ensino reconhecida por Conselho Estadual de Educação, ou por Conselho Nacional de Educação. O curso em questão deverá estar em conformidade com o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos de Nível Médio publicado e mantido pelo MEC no sítio http://catalogonct.mec.gov.br/index.php, atendendo a Resolução 03/2008 CNE/MEC.

VENCIMENTOS R$ 2.595,39*

R$ 2.595,39*

R$ 2.595,39*

20

Edição nº 184/2011 Técnico TPJ Judiciário/ Técnico em Enfermagem

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011 Certificado de Conclusão do Curso Técnico em R$ 2.595,39* Enfermagem, expedido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação. Inscrição no Conselho Regional de Enfermagem, apresentando a certidão negativa de débitos com o referido Conselho.

Legenda: * Total bruto de vencimentos, formados por: Vencimento Base: R$ 811,06; Gratificação de Exercício: R$ 811,06; Gratificação de Incentivo à Produtividade: R$ 973,27. Obs: Somam-se ao total de vencimentos as gratificações de caráter indenizatório: Auxílio Alimentação: R$ 504,60; Auxílio Saúde: R$ 232,54; Auxílio Transporte: R$ 123,20.

NÍVEL SUPERIOR COMPLETO CARGOS EFETIVOS ESPECIALIDADE PRÉ-REQUISITOS (a serem comprovados no ato da posse) Diploma ou Certificado devidamente registrado, de conclusão de curso superior em qualquer área, fornecido por Instituição de Ensino Superior reconhecida pelo Ministério da Educação. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior: Bacharelado e/ ou Licenciatura Plena em Educação Física, expedido por instituição de ensino superior, reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando a certidão negativa de débito com o referido Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Serviço Social, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Psicologia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Pedagogia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação. VENCIMENTOS

Analista Judiciário/APJ

Judiciária e Administrativa

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Educador Físico

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Assistente Social/APJ

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Psicólogo

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Pedagogo

R$ 3.452,45*

21

Edição nº 184/2011 Analista Judiciário/APJ Bibliotecário Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Bibllioteconomia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Fisioterapia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Nutrição, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior na área de Informática ou curso superior nas áreas de Engenharia, Física ou Matemática, acrescido de Pós-Graduação na área de Informática, com carga horária mínima de 360 (trezentas e sessenta) horas-aula, expedidos por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior na área de Informática ou curso superior nas áreas de Engenharia, Física ou Matemática, acrescido de Pós-Graduação na área de Informática, com carga horária mínima de 360 (trezentas e sessenta) horas-aula, expedidos por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Odontologia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho.

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011 R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Fisioterapeuta

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Nutricionista

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Analista de Sistemas

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Analista de Suporte

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Odontólogo

R$ 3.452,45*

22

Edição nº 184/2011 Analista Judiciário/APJ Médico Cardiologista Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Medicina - especialidade Cardiologia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Medicina - especialidade Clínica Geral, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Medicina - especialidade Ginecologia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Medicina - especialidade Neurologia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Medicina - especialidade Psiquiatria, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Diploma ou Certificado, devidamente registrado, de conclusão de curso superior em Medicina - especialidade Reumatologia, expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.Registro no Conselho de Classe correspondente, apresentando certidão negativa de débito com o Conselho.

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011 R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Médico Clínico Geral

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Médico Ginecologista

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Médico Neurologista

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Médico Psiquiatra

R$ 3.452,45*

Analista Judiciário/APJ

Médico Reumatologista

R$ 3.452,45*

23

436.078. Gratificação de Incentivo à Produtividade: R$ 1. fornecido por Instituição de Ensino Superior reconhecida pelo Ministério da Educação. expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação.especialidade Traumatologia.60.89.452. artigo 12. apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. Gratificação de Exercício: R$ 1. devidamente registrado. comprovadas por junta médica. 4 de outubro de 2011 R$ 3. g) h) i) ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo.45* Analista Judiciário/APJ Contador R$ 3. Auxílio Saúde: R$ 232. apresentar declaração de não ter sido.45* Legenda: * Total bruto de vencimentos. de conclusão de curso superior em Direito. Diploma ou Certificado devidamente registrado. apresentando certidão negativa de débito com o Conselho.Registro no Conselho de Classe correspondente. O candidato aprovado no Concurso. Risco de Vida: R$ 382. Auxílio Transporte: R$ 123. apresentando certidão negativa de débito com o Conselho. formados por: Vencimento Base: R$ 1.60.54. parágrafo 1º. devidamente registrado. de conclusão de curso superior em Medicina .Registro no Conselho de Classe correspondente. para os candidatos do sexo masculino. de que trata este Edital. de 18 de abril de 1972. OBS 2: Somam-se ao total de vencimentos do cargo de Oficial de Justiça as Gratificações de caráter indenizatório: Auxílio Alimentação: R$ 504.070.078. de conclusão de curso superior em Medicina . cumprir as determinações do Edital. será investido no Cargo/Especialidade se atender às seguintes exigências na data da posse: a) ter nacionalidade brasileira ou gozar das prerrogativas previstas nos Decretos nº 70. Diploma ou Certificado.89. OBS 1: Somam-se ao total de vencimentos as Gratificações de caráter indenizatório: Auxílio Alimentação: R$ 504. estar em dia com as obrigações eleitorais. expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação. de conclusão de curso superior em Ciências Contábeis. III.452. Diploma ou Certificado.especialidade Oftalmologia. expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação. Auxílio Saúde: R$ 232.452. DOS REQUISITOS PARA A INVESTIDURA NOS CARGOS/ESPECIALIDADE 1. devidamente registrado.294. de 12 de abril de 1972. e nº 70. e na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. estar em dia com os deveres do Serviço Militar.33.PE.391.20 (exceto para o cargo de Oficial de Justiça). terça-feira.Edição nº 184/2011 Analista Judiciário/APJ Médico Traumatologista Diploma ou Certificado.54. Recife .54. nos últimos 5 (cinco) anos: 24 . encontrar-se no pleno gozo dos direitos políticos.89.45* Analista Judiciário/APJ Médico Oftalmologista R$ 3.452. b) c) d) e) ter idade mínima de 18 (dezoito) anos. f) possuir os documentos comprobatórios da escolaridade e pré-requisitos previstos no Capítulo II e os documentos constantes do item 2 do Capítulo XII deste Edital.Registro no Conselho de Classe correspondente. Indenização de Transporte: R$ 1.45* Oficial de Justiça/OPJ Judiciária e Administrativa R$ 3.

PE. conforme tabela constante do Anexo I deste Edital e da barra de opções do formulário de Inscrição. DAS INSCRIÇÕES 1. para todos os efeitos legais.1 5. 4. transmitir os dados pela Internet e imprimir o comprovante de inscrição finalizada. o candidato estará indicando.concursosfcc.2 5. cujo objetivo é subsidiar a implantação de projetos que valorizem o corpo funcional do TJPE.00 (cinquenta e oito reais). considerar-se-á automaticamente sem efeito a inscrição. 4.429. das 10 às 16 horas (horário de Brasília).concursosfcc. a critério do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e da Fundação Carlos Chagas. por Conselho de Contas do Município. 4.2 A prorrogação de que trata o item anterior poderá ser feita sem prévio aviso. do Tribunal de Contas do Estado. observado o disposto no item 4 deste Capítulo. o candidato deverá acessar o endereço eletrônico www. O candidato que. 5. IV. 4. o candidato. não reunir os requisitos enumerados no item 1 deste Capítulo perderá o direito à investidura no Cargo/Especialidade ao qual foi nomeado.1 O boleto bancário. em relação às quais não poderá alegar desconhecimento. no caso da não observância ao item 4. A partir de 19/10/2011 o candidato poderá conferir no endereço eletrônico da Fundação Carlos Chagas se os dados da inscrição foram recebidos e o valor da inscrição foi pago. úteis.3 Ao inscrever-se. além do fornecimento dos dados cadastrais.1 Ler e aceitar o Requerimento de Inscrição. para verificar o ocorrido.SAC da Fundação Carlos Chagas. Para o cargo de Técnico Judiciário (todas as Especialidades): R$ 58. 4 de outubro de 2011 i.1 Será de inteira responsabilidade do candidato a viabilidade de apresentar-se nos locais e horários determinados para realização das provas. ou. 1.br. O pagamento efetuado por meio de cheque somente será considerado quitado após a respectiva compensação. i. de segunda a sexta-feira.3 condenado em processo judicial por prática de crimes contra a Administração Pública ou Ato de Improbidade. disponível no endereço eletrônico www.2 O candidato que tiver interesse em concorrer para dois Cargos/Especialidades. 3. bastando. terça-feira. bem como em eventuais aditamentos. constante no Planejamento Estratégico decenal 2010/2019. 3.2 O pagamento do valor da inscrição poderá ser efetuado em dinheiro ou cheque do próprio candidato.2 deste Capítulo.Edição nº 184/2011 Recife . de 2 de junho de 1992. deverá ser impresso para o pagamento do valor da inscrição. a cidade onde realizará as provas.2. Em caso negativo. As inscrições para o Concurso serão realizadas. qualquer que seja o motivo. pelo telefone (0XX11) 3723-4388. por necessidade de ordem técnica e/ou operacional.1 Objetivando evitar ônus desnecessário. 2. exclusivamente pela Internet. deverá responder ao questionário relativo ao "banco de talentos" do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. 3.br. 25 . ainda.3 Em caso de feriado ou evento que acarrete o fechamento de agências bancárias na localidade em que se encontra o candidato. conforme tabela constante do Anexo I deste Edital e da barra de opções do formulário de Inscrição. O candidato deverá efetuar o pagamento da importância referente à inscrição por meio de boleto bancário ou débito em conta corrente de banco(s) conveniado(s).com. bem como o Polo de Classificação ao qual deseja concorrer. i. 5. de acordo com as instruções constantes no endereço eletrônico da página de inscrições. no período das 10 horas do dia 17/10/2011 às 14 horas do dia 11/11/2011 (horário de Brasília). 6. o candidato deverá entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Candidato . o candidato deverá orientar-se no sentido de recolher o valor de inscrição somente após tomar conhecimento de todos os requisitos e condições exigidos para o Concurso. é recomendado ao candidato observar atentamente as informações sobre a aplicação das provas (Capítulo VII.1 O candidato que efetivar mais de uma inscrição para o mesmo período de aplicação das provas terá confirmada apenas a última inscrição. 3. sendo as demais canceladas. Não sendo possível identificar a última inscrição efetivada.2 não haver sofrido sanção impeditiva do exercício de cargo público.1 O período de inscrições poderá ser prorrogado por até 2 dias úteis.concursosfcc. até a data limite para encerramento das inscrições (11/11/2011): a) b) Para os cargos de Analista Judiciário (todas as Especialidades) e Oficial de Justiça: R$ 78. após conclusão do preenchimento do Formulário de Inscrição via Internet. capitulados nos Títulos II e XI da Parte Especial do Código Penal Brasileiro e na Lei nº 8. Em caso de devolução do cheque.com. o boleto deverá ser pago antecipadamente. 5. cuja cidade de realização de provas seja a mesma para ambos. Ao inscrever-se no Concurso. comunicados e instruções específicas para a realização do certame. deverá optar por Polos de Classificação. automaticamente. a comunicação feita no endereço eletrônico www. no valor correspondente à opção de Cargo/Especialidade. por meio do link referente ao Concurso Público do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.com. em qualquer banco do sistema de compensação bancária. 2. na data da posse. 5. Para inscrever-se. preencher o Formulário de Inscrição.4 Ao indicar o Polo de Classificação. item 1 e subitens) uma vez que só poderá concorrer a um Cargo/Especialidade por período de aplicação das provas. 2. todas poderão ser canceladas.00 (setenta e oito reais). 2. tais como se acham estabelecidas neste Edital.2.2. As inscrições somente serão confirmadas após a comprovação do pagamento do valor da inscrição.br durante o período das inscrições e. A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a aceitação tácita das normas e condições do Concurso. o candidato deverá indicar no Formulário de Inscrição o código de opção do Cargo/Especialidade. de acordo com o item 3 deste Capítulo. efetuar sua inscrição conforme os procedimentos estabelecidos a seguir: 3. 7.2 No ato da inscrição.1 responsável por atos julgados irregulares por decisão definitiva do Tribunal de Contas da União.

deferindo-se ou não seu pedido. a relação dos requerimentos deferidos e indeferidos. de 6 de setembro de 1979. O descumprimento das instruções para inscrição implicará sua não efetivação. conforme Decreto Federal nº 6. A qualquer tempo poderão ser realizadas diligências relativas à situação declarada pelo candidato.Edição nº 184/2011 Recife .concursosfcc. o recebimento de inscrição que não atenda a todos os requisitos fixados neste Edital. Ao candidato será atribuída total responsabilidade pelo correto preenchimento do Formulário de Inscrição. aplicando-se. Serão canceladas as inscrições com pagamento efetuado por um valor menor do que o estabelecido e as solicitações de inscrição cujos pagamentos forem efetuados após a data de encerramento das inscrições.br) os resultados da análise dos requerimentos de isenção do pagamento da inscrição.com.1 Após a análise dos recursos será divulgada. Os Requerimentos de Isenção do pagamento de que trata o item anterior somente serão realizados via Internet. ainda. será consultada junto ao órgão gestor do CadÚnico. Os candidatos que tiverem seus pedidos de isenção do valor de inscrição indeferidos e que queiram participar do certame deverão efetuar sua inscrição no site da Fundação Carlos Chagas até a data limite de 11/11/2011. reservando-se ao Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e à Fundação Carlos Chagas o direito de excluir do Concurso Público aquele que não preencher o respectivo documento de forma completa e correta e/ou fornecer dados inverídicos ou falsos. será excluído do Concurso. para este efeito. no Requerimento de Isenção. O candidato inscrito não deverá enviar cópia do documento de identidade.br).936. será ela Não serão aceitas as solicitações de inscrição que não atenderem rigorosamente ao estabelecido neste Edital. 11. 13.NIS. 20. 15. 26. Não serão aceitas inscrições por depósito em caixa eletrônico. As informações prestadas no Requerimento de Isenção serão de inteira responsabilidade do candidato.1 cancelada. 17. vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 27.2 O candidato que não efetivar a sua inscrição. congestionamento das linhas de comunicação. A veracidade das informações prestadas pelo candidato. falhas de comunicação. bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados. DOC.135/2007. no site da Fundação Carlos Chagas (www. via Sedex ou Aviso de Recebimento (AR). 21. via postal. automaticamente. A comprovação de inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais será feita através da indicação do Número de Identificação Social .com. a data da postagem. sendo de sua exclusiva responsabilidade a informação dos dados cadastrais no ato de inscrição. Considera-se renda familiar a soma dos rendimentos brutos auferidos por todos os membros da família e renda familiar per capita a divisão da renda familiar pelo total de indivíduos da família. 30. 26. de acordo com o item 3 deste capítulo. terça-feira. 27. A partir do dia 19/10/2011. A declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei. que comprove estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal . 10. O candidato sem deficiência que necessitar de condição especial para realização da prova deverá solicitá-la até o término das inscrições. a) b) Não será concedida isenção de pagamento do valor de inscrição ao candidato que: deixar de efetuar o requerimento de isenção pela Internet. devolução da importância paga. o disposto no parágrafo único do art. 23. A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco não se responsabilizam por solicitações de inscrição não recebidas por motivo de ordem técnica dos computadores. após a análise dos pedidos de isenção do pagamento. 4 de outubro de 2011 8. a qualquer tempo. 32. respondendo civil e criminalmente pelo teor das afirmativas. 14. 22. Não serão aceitos pedidos de isenção do pagamento do valor da inscrição. 18. 24. observados os motivos de indeferimento. O Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e a Fundação Carlos Chagas eximem-se das despesas com viagens e estada dos candidatos para prestar as provas do Concurso.CadÚnico e renda familiar mensal igual ou inferior a três salários mínimos ou renda familiar per capita de até meio salário mínimo mensal. ainda que superior ou em duplicidade. no período das 10h do dia 10/10/2011 às 14h do dia 13/10/2011 (horário de Brasília). da relação de inscrições indeferidas. 9. sob as penas da lei. As informações prestadas no Formulário de Inscrição serão de inteira responsabilidade do candidato. que o seu requerimento de isenção do pagamento da inscrição foi deferido. 28. O candidato que tiver seu requerimento de isenção de pagamento do valor da inscrição indeferido poderá apresentar recurso no prazo de dois dias úteis após a divulgação no site da Fundação Carlos Chagas. 29. com exceção ao cidadão amparado pela Lei Estadual nº 14. 31. em hipótese alguma. 25. ordem de pagamento. omitir informações e/ou torná-las inverídicas. 26. 16. à Fundação Carlos Chagas 26 . transferência ou depósito em conta corrente.016/2010. considerando. fac-símile (fax). além dos dados solicitados no Requerimento de Isenção via Internet. 29.1 Ao acessar o site da Fundação Carlos Chagas. Verificado. 10 do Decreto Federal nº 83. 19. condicionais e/ou extemporâneas ou por qualquer outra via que não as especificadas neste Edital. 12.concursosfcc. O candidato que tiver seu requerimento de isenção de pagamento do valor da inscrição deferido deverá retornar ao site da Fundação Carlos Chagas para efetuar sua inscrição até a data limite de 11/11/2011. o sistema de inscrição informará ao candidato. não gerando boleto para pagamento da inscrição. Efetivada a inscrição não serão aceitos pedidos para alteração da Opção de Cargo/Especialidade/Polo de Classificação e/ou de Cidade de Realização de Prova. bem como não haverá.PE. o candidato deverá verificar no endereço eletrônico da Fundação Carlos Chagas (www. Não será aceito pedido de devolução do valor da inscrição.

Laudo Médico (original ou cópia autenticada) atualizado que justifique o atendimento especial solicitado.296.Edição nº 184/2011 Recife . Jardim Guedala . informando. à Fundação Carlos Chagas (Departamento de Execução de Projetos . considerando. com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença .1 A candidata lactante deverá encaminhar sua solicitação. 2. até o término das inscrições.: Solicitação/Tribunal de Justiça/Pernambuco .Ref.Ref. a confecção de prova especial em Braile ou Ampliada. A candidata lactante que necessitar amamentar durante a realização das provas poderá fazê-lo em sala reservada. 33. de 20 de dezembro de 1999 e no Decreto nº 5. 1565. via SEDEX ou Aviso de Recebimento (AR). horário e local de aplicação das provas. enquanto os demais candidatos com deficiência classificados serão convocados para ocupar a 22ª. Em obediência ao disposto no Decreto Federal nº 3. Prof. constantes da listagem geral. ao dia. até o término das inscrições. por escrito. não impede a convocação de candidatos classificados. 1565. deverá encaminhar. Francisco Morato.: Solicitação/ Tribunal de Justiça/Pernambuco . O laudo médico e/ou as solicitações. para este efeito. relativamente à criação de novas vagas. por escrito. 33.1 O candidato deverá encaminhar. de 2 de dezembro de 2004. e à nota mínima exigida para aprovação.CEP 05513-900). §§ 1º e 2º. também. e indicando que deseja concorrer às vagas reservadas.São Paulo .: Laudo Médico .298/99 e suas alterações. para este efeito. Às pessoas com deficiência que pretendam fazer uso das prerrogativas que lhes são facultadas no inciso VIII do artigo 37 da Constituição Federal e na Lei nº 7. à avaliação e aos critérios de aprovação. o seu nome. para preenchê-las. 33. previstas nos itens 32 e 33 deste Capítulo.1. além do envio da documentação indicada na letra "a" deste item.3 A reserva de vagas para candidatos com deficiência. durante o período das inscrições. especificando o tipo de deficiência. a data da postagem.PE. documento de identidade (RG). d) O candidato com deficiência que necessitar de tempo adicional para realização das provas.CID. até o término das inscrições.SP . Para tanto. via Sedex ou Aviso de Recebimento (AR). quando da inscrição. O candidato deverá declarar.Ref. 33. poderá não ter a condição especial atendida. e na Súmula 377 do Superior Tribunal de Justiça . Prof. e enviar a documentação indicada na letra "a" deste item. e assim sucessivamente. de adulto responsável por sua guarda (familiar ou terceiro indicado pela candidata). a data da postagem. São Paulo . deverá solicitar. observando os procedimentos constantes a seguir. cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência que possuem.2 Não haverá compensação do tempo de amamentação em favor da candidata.Av. Jardim Guedala. ser-lhes-á reservado o percentual de 5% (cinco por cento) das vagas existentes. anexo à sua solicitação de condição especial. desde que o requeira. deverá encaminhar solicitação. b) O candidato com deficiência visual. Consideram-se pessoas com deficiência aquelas que se enquadram nas categorias discriminadas no artigo 4º do Decreto Federal nº 3. até que ocorra o esgotamento da listagem respectiva. DOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA 1. considerando. para adoção das providências necessárias. deverão ser encaminhados até o término das inscrições (11/11/2011). seja qual for o motivo alegado. sendo vedada a permanência de babás ou quaisquer outras pessoas que tenham grau de parentesco ou de amizade com a candidata. mencionada no item 2. As pessoas com deficiência. 32. deverá solicitar o atendimento do Intérprete de Língua Brasileira de Sinais. acompanhada de uma fiscal. candidatos da listagem geral. terça-feira. inclusive para assegurar previsão de adaptação da sua prova. c) O candidato com deficiência auditiva.298/99. para este efeito. à Fundação Carlos Chagas. até o término das inscrições. a criança e uma fiscal. 2.CEP 05513-900). a necessidade da leitura de sua prova.1 O primeiro candidato com deficiência classificado no Concurso será convocado para ocupar a 2ª vaga aberta. resguardadas as condições especiais previstas no Decreto Federal nº 3. 33. 4 de outubro de 2011 (Departamento de Execução de Projetos . atestando a espécie e o grau ou nível de deficiência. V. 33. quando passarão a ser convocados. a data da postagem. observada a ordem de classificação. ou ainda. que necessitar. para este efeito. no que se refere ao conteúdo das provas.STJ. número do CPF e opção de Cargo/Especialidade. Francisco Morato. à Fundação Carlos Chagas (Departamento de Execução de Projetos .São Paulo .CEP 05513-900). considerando. bem como a provável causa da deficiência. deverão ser requeridos por escrito. Jardim Guedala . 1565. os documentos a seguir: a) Laudo Médico (original ou cópia autenticada) expedido no prazo máximo de 12 (doze) meses antes do término das inscrições. a data da postagem. via SEDEX ou Aviso de Recebimento (AR). participarão do Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos.2 O candidato que não o fizer até o término das inscrições. 2. por escrito. particularmente em seu artigo 40. 4.2 Para o preenchimento das vagas mencionadas no item 2. durante o prazo de validade do Concurso. para ocupação das vagas subsequentes àquelas reservadas. para realização da prova.298.Av.3 O atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise de viabilidade e razoabilidade do pedido. que vierem a surgir ou forem criadas no prazo de validade do Concurso.Concurso Público do Tribunal de Justiça/ Pernambuco . Professor Francisco Morato.Av.3 A criança deverá ser acompanhada. 27 . 32. ter deficiência. 2. Os benefícios previstos no referido artigo.SP . em ambiente reservado para este fim.853/89 é assegurado o direito de inscrição para os cargos em Concurso Público.1 serão convocados exclusivamente candidatos com deficiência classificados. durante o período de inscrições.SP . para todos os Cargos/Especialidades/Polo de Classificação.4 Nos horários previstos para amamentação. 42ª e a 62ª vagas. com justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da área de sua deficiência. 34. além do envio da documentação indicada na letra "a" deste item. a candidata lactante poderá ausentar-se temporariamente da sala de prova. 32. especificando-a no Formulário de Inscrição via Internet. 5. considerando. 3. relativa ao Cargo/ Especialidade/Polo de Classificação para o qual concorreu.5 Na sala reservada para amamentação ficarão somente a candidata lactante.

PE. utilizar-se de soroban. depois de nomeado. para fins de habilitação durante o estágio probatório. de qualquer das disposições deste Capítulo implicará a perda do direito a ser nomeado para as vagas reservadas aos candidatos com deficiência. 14. 5.2.3 Verificada a incompatibilidade entre a deficiência e as atribuições do Cargo/Especialidade. devendo o mesmo permanecer apenas na lista de classificação geral. 24 ou 28. o Decreto nº 5. 11.1 Aos deficientes visuais (cegos) que solicitarem prova especial em Braile serão oferecidas provas nesse sistema e suas respostas deverão ser transcritas também em Braile. ainda. Os candidatos que. O laudo médico apresentado terá validade somente para este Concurso Público e não será devolvido. terá seu nome constante da lista específica de candidatos com deficiência. Não havendo indicação de tamanho de fonte. de acordo com o artigo 43. 15.1 5. na forma do contido no item 2.1 No ato da inscrição o candidato com deficiência deverá: Declarar conhecer o Decreto nº 3. além de figurar na lista de classificação geral.3. a prova será confeccionada em fonte 24.4 Será eliminado da lista de candidatos com deficiência. se classificado na forma deste Edital. 10. Jaws (Leitor de Tela). A não observância. que solicitarem prova especial por meio da utilização de software. não atenderem aos dispositivos mencionados no item 5 e seus subitens serão considerados como pessoas sem deficiência e não terão a prova e/ou condições especiais atendidas. dentro do período das inscrições. Será exonerado o candidato com deficiência que.Edição nº 184/2011 Recife .3 Dos Vox (sintetizador de voz). no caso de vir a exercê-lo. 7. 16. 12.3 Informar se deseja concorrer às vagas reservadas aos candidatos com deficiência. seja qual for o motivo alegado.1 O candidato deverá indicar o tamanho da fonte de sua prova Ampliada.2 Declarar estar ciente das atribuições do Cargo/Especialidade pretendido e que. e na Súmula 377 do Superior Tribunal de Justiça (STJ). entre 18. alínea II. DAS PROVAS 1.296/2004. 10.298/99 e suas alterações. por Cargo/Especialidade. 10. no decorrer do estágio probatório.2 Aos deficientes visuais (baixa visão) que solicitarem prova especial Ampliada serão oferecidas provas nesse sistema. O candidato com deficiência.298/99 e suas alterações.2 5. terça-feira. 7.298/99. munido de documento de identidade original. questões. 5. será realizada por equipe prevista pelo artigo 43 do Decreto Federal nº 3. submeter-se à avaliação a ser realizada por equipe multiprofissional indicada pela Fundação Carlos Chagas. O candidato com deficiência que não realizar a inscrição conforme instruções constantes deste Capítulo não poderá impetrar recurso administrativo em favor de sua condição. 8. O concurso constará de cargos/especialidades. o candidato cuja deficiência assinalada no Formulário de Inscrição não se fizer constatada na forma do artigo 4º e seus incisos do Decreto Federal nº 3. o candidato será eliminado do certame. 9. deverão indicar um dos relacionados a seguir: 5. a deficiência não poderá ser arguida para justificar a concessão de readaptação ou aposentadoria por invalidez. 6. do Decreto Federal nº 3. § 1º. será acompanhado por Equipe Multiprofissional. que avaliará a compatibilidade entre as atribuições do cargo e a sua deficiência durante o estágio probatório. Os referidos candidatos deverão levar para esse fim. 5. 7. seja qual for o motivo alegado para justificar o atraso ou a ausência do candidato com deficiência à avaliação de que trata o item 10. estará sujeito à avaliação pelo desempenho dessas atribuições.3.298/99 e suas alterações. objetivando verificar se a deficiência se enquadra na previsão do artigo 4º e seus incisos do Decreto Federal nº 3. ZoomText (Ampliação ou Leitura). deverá. serão preenchidas pelos demais candidatos com estrita observância à ordem classificatória.2 Não haverá segunda chamada.3. quando convocado. 10. 7. de caráter terminativo. tiver verificada a incompatibilidade de sua deficiência com as atribuições do Cargo/Especialidade. As vagas definidas no item 2 deste Capítulo que não forem providas por falta de candidatos com deficiência ou por reprovação no Concurso ou na perícia médica. reglete e punção podendo. 13.1 A avaliação de que trata este item. esgotada a listagem especial.3 Os deficientes visuais (cegos ou baixa visão).3 deste Capítulo. pesos e duração conforme quadro a seguir: ENSINO MÉDIO CARGO/ESPECIALIDADE PROVA Nº DE QUESTÕES PESO DURAÇÃO PROVA DA 28 . no dia da aplicação da prova. provas. O candidato com deficiência. VI. Após a investidura do candidato. observadas as seguintes disposições: 10. 4 de outubro de 2011 5. pelo candidato. nos termos dos artigos 37 e 43 do referido Decreto. caso obtenha a pontuação necessária para tanto. e na Súmula 377 do Superior Tribunal de Justiça (STJ).298/99. O candidato com deficiência aprovado no Concurso.

Médico Psiquiatra. 2. GeraisConhecimentos Assistente Social. Educador Físico. 1.APJ Analista Judiciário . 3. sendo de sua exclusiva responsabilidade a manutenção/atualização de seu correio eletrônico. As Provas Objetivas de Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos Específicos.2 Cada item das provas objetivas poderá contemplar mais de um objeto de avaliação.Edição nº 184/2011 Técnico Judiciário . terça-feira. Pedagogo.1 O candidato receberá o Cartão Informativo por e-mail. Havendo alteração da data prevista.concursosfcc. Médico Oftalmologista. A confirmação da data e as informações sobre horários e locais serão divulgadas oportunamente por meio de Edital de Convocação para as Provas a ser publicado no Diário da Justiça Eletrônico. aplicação dos conhecimentos. de caráter habilitatório e classificatório.4 1. as provas objetivas de Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos Específicos constarão de questões objetivas de múltipla escolha (com cinco alternativas cada questão) e versarão sobre assuntos constantes do Conteúdo Programático do Anexo III. Médico Clínico Geral. Os conhecimentos serão avaliados em diferentes níveis de complexidade.OPJ PROVA Judiciária Administrativa Nº DE QUESTÕES PESO 3030 Analista Judiciário . síntese e avaliação.TPJ Suporte Técnico Técnico em Conhecimentos Enfermagem GeraisConhecimentos Específicos 3030 12 3 horas ENSINO SUPERIOR CARGO/ESPECIALIDADE Oficial de Justiça . 2. No período da TARDE: para os cargos de Analista Judiciário (todas as Especialidades). nas cidades constantes do Anexo I deste Edital. Médico Reumatologista.PE. é fundamental que o endereço eletrônico constante no Formulário de Inscrição esteja completo e correto. no endereço eletrônico informado no ato da inscrição. A aplicação das Provas Objetivas está prevista para o dia 15/01/2012. valorizando a capacidade de raciocínio. 29 . DA PRESTAÇÃO DAS PROVAS 1. 3. Médico Ginecologista. Para tanto.APJ e Conhecimentos GeraisConhecimentos Específicos Analista de Sistemas Conhecimentos GeraisConhecimentos Específicos Analista de Suporte Judiciária e Conhecimentos Administrativa. Psicólogo. a Fundação Carlos Chagas poderá alocá-los em cidades próximas.5 A aplicação das provas na data prevista dependerá da disponibilidade de locais adequados à realização das mesmas. Para todos os Cargos/Especialidades. no endereço (www. análise. não assumindo qualquer responsabilidade quanto ao transporte e alojamento desses candidatos. as provas poderão ocorrer em domingos ou feriados. Fisioterapeuta. Nutricionista. VII.TPJ 2040 13 3 horas Técnico Judiciário .com.br) e por meio de Cartões Informativos que serão encaminhados aos candidatos por correio eletrônico (e-mail). 1. 4 de outubro de 2011 3030 12 3 horas Técnico Judiciário .TPJ Judiciária Administrativa Programador Computador e Conhecimentos GeraisConhecimentos Específicos de Conhecimentos GeraisConhecimentos Específicos Recife . Médico Neurologista. de acordo com opção de Polo de Classificação feita pelo candidato no ato da inscrição e acontecerá nos seguintes períodos: 1. avaliarão habilidades que vão além do mero conhecimento memorizado. Médico Traumatologista. Médico Cardiologista.1 3.1 1. Odontólogo e Contador DURAÇÃO PROVA 12 DA 3 horas 2040 13 3 horas 3030 12 3 horas 2. Específicos Bibliotecário.2 No período da MANHÃ: para os cargos de Técnico Judiciário (todas as Especialidades) e Oficial de Justiça.3 Caso o número de candidatos inscritos exceda a oferta de lugares adequados existentes nos colégios localizados nas Cidades de realização de prova. abrangendo compreensão.

número de documento de identidade. 9. não for possível a autenticação digital. horário de Brasília).2 Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar. 2. exclusivamente.br). 6.1 Não haverá segunda chamada ou repetição de prova.1. 5. filtros anti-spam. no mínimo. será solicitado aos candidatos.2 O candidato que não entrar em contato com o SAC no prazo mencionado será o exclusivo responsável pelas consequências advindas de sua omissão.1 Não será admitida troca de opção de Cargo/Especialidade/Polo de Classificação/Cidade de Realização de Prova. em campo específico. a autenticação digital das Folhas de Respostas personalizadas. local e horários constantes no Cartão Informativo e no site da Fundação Carlos Chagas. roubo ou furto. sexo. de forma a permitir. O candidato deverá acompanhar no Diário da Justiça Eletrônico. 7. documento de identidade original. o candidato deverá apor sua assinatura.1. CRC etc. pelo Ministério das Relações Exteriores. compreendendo coleta de dados. CREA. sendo. com as consequências advindas de sua omissão. pois qualquer marca poderá ser lida pelas leitoras óticas. valem como documento de identidade. caracterizará desistência do candidato e resultará em sua eliminação do Concurso Público. não desobriga o candidato do dever de consultar o Edital de Convocação para Provas. Cédula de Identidade para Estrangeiros.concursosfcc. a publicação do Edital de Convocação para Provas. Os eventuais erros de digitação verificados no Cartão Informativo enviado ao candidato. de assinaturas e de impressão digital em formulário próprio. do candidato cujo documento de identificação gere dúvidas quanto à fisionomia. terça-feira. 7. também.3 A identificação especial será exigida.2 O não comparecimento às provas. O candidato que não receber o Cartão Informativo até o 3º (terceiro) dia que antecede a aplicação das provas ou em havendo dúvidas quanto ao local. submetido a identificação especial. qualquer que seja o motivo. 10. 8. pela Polícia Militar. Certificado de Reservista. prejudicando o desempenho do candidato.com. CRM. a identificação do candidato. 9. de acordo com as instruções constantes da página do Concurso.2 Não deverá ser feita nenhuma marca fora do campo reservado às respostas ou à assinatura.Edição nº 184/2011 Recife . entregues ao candidato no dia da realização das provas. incompletas ou por falha na entrega de mensagens eletrônicas causada por endereço eletrônico incorreto ou por problemas no provedor de acesso do candidato tais como: caixa de correio eletrônico cheia. Objetivando garantir a lisura e a idoneidade do Concurso Público .1 O candidato que não solicitar as correções dos dados pessoais nos termos do item 5 deverá arcar. o candidato deverá entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Candidato . deverá entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Candidato . das 10 às 16 horas (horário de Brasília). deste Edital.SAC da Fundação Carlos Chagas. o candidato deverá assinalar as respostas na Folha de Respostas personalizada. 4. ou consultar o site da Fundação Carlos Chagas (www. em especial.1 Se. 10.2 A autenticação digital (ou assinaturas) dos candidatos na Folha de Respostas visa a atender o disposto no item 4 do Capítulo XII. 2. 8.br). deverão ser corrigidos por meio do site da Fundação Carlos Chagas (www. O preenchimento da Folha de Respostas será de inteira responsabilidade do candidato. Em hipótese alguma haverá substituição da Folha de Respostas por erro do candidato.1 Não serão encaminhados Cartões Informativos de candidatos cujo endereço eletrônico informado no Formulário de Inscrição esteja incompleto ou incorreto.SAC da Fundação Carlos Chagas com. 3. ainda que extraviada ou por qualquer motivo não recebida. Caso haja inexatidão na informação relativa à opção de Cargo/Especialidade/Polo de Classificação/Cidade de Realização de Prova e/ ou à condição de pessoa com deficiência. de segunda a sexta-feira. 6. que deverá proceder em conformidade com as instruções específicas contidas na capa do Caderno de Questões personalizado. como por exemplo. bem como Carteira Nacional de Habilitação (com fotografia. quanto a nome. as da OAB. em especial seu nome.2. úteis. no dia de realização das provas. 9. 7.com. Carteira de Trabalho e Previdência Social. Somente será admitido à sala de provas o candidato que estiver portando documento de identidade original que bem o identifique. data e horários de realização das provas. eventuais truncamentos ou qualquer outro problema de ordem técnica. à assinatura ou à condição de conservação do documento. até o terceiro dia útil após a aplicação das Provas. ou erros observados nos documentos impressos. 2. 30 . por três vezes. como: Carteiras e/ou Cédulas de Identidade expedidas pelas Secretarias de Segurança Pública. na forma da Lei nº 9. 7. com clareza.1 Os documentos deverão estar em perfeitas condições. dos próprios candidatos .1 O envio de comunicação pessoal dirigida ao candidato. pelo telefone (0XX11) 3723-4388.503/97). pelas Forças Armadas. 6.1 O candidato deverá conferir os seus dados pessoais impressos na Folha de Respostas. 4 de outubro de 2011 2.PE. expedido há. número do documento de identidade e sua opção de Cargo/Especialidade. por motivo de perda. então. número de inscrição. no máximo 30 (trinta) dias. pelo telefone (0XX11) 3723-4388 (de segunda a sexta-feira. Passaporte. quando da aplicação das provas. O candidato não poderá alegar quaisquer desconhecimentos sobre a realização da prova como justificativa de sua ausência. Cédulas de Identidade fornecidas por Órgãos Públicos ou Conselhos de Classe que.2 A comunicação feita por e-mail é meramente informativa.o que é de interesse público e. data de nascimento e endereço.2 A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco não se responsabilizam por informações de endereço incorretas. por qualquer motivo. Ao candidato só será permitida a realização das provas na respectiva data.bem como sua autenticidade. úteis. Nas Provas Objetivas. 10. 48 (quarenta e oito) horas de antecedência da data de realização das provas. deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial.. por força de Lei Federal.concursosfcc. 5. das 10 às 16 horas. sendo aconselhável sempre consultar o site da Fundação Carlos Chagas para verificar as informações que lhe são pertinentes. 8. que será o único documento válido para a correção da prova.

17. após o Coordenador do Colégio consultar o Plantão da Fundação Carlos Chagas. ao terminar a prova. 12. bem como o tratamento indevido e descortês a qualquer pessoa envolvida na aplicação das provas. independentemente de qualquer formalidade. agenda eletrônica. nem por danos neles causados. Distribuídos os Cadernos de Questões aos candidatos e. um Caderno de Questões completo. 17. h) i) j) k) ausentar-se da sala de provas levando Folha de Respostas. 11. deverão acondicioná-los em embalagem específica a ser fornecida pela Fundação Carlos Chagas exclusivamente para tal fim. ainda que legível. na hipótese de serem verificadas falhas de impressão. c) estabelecer. 17. 31 . na hipótese de o nome do candidato não constar nas listagens oficiais relativas aos locais de prova estabelecidos no Edital de Convocação. Motivarão a eliminação do candidato do Concurso Público. impresso não permitido ou máquina calculadora ou similar. diligenciará no sentido de: a) substituir os Cadernos de Questões defeituosos. a leitura dos itens onde ocorreram falhas. g) fizer anotação de informações relativas às suas respostas no comprovante de inscrição ou em qualquer outro meio. relógios digitais. bonés. lápis preto nº 2 e borracha. considerados nulos todos os atos dela decorrentes. Durante a realização das Provas não será permitida nenhuma espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos.Edição nº 184/2011 10. Caderno de Questões ou outros materiais não permitidos. inclusive relógio digital. 14. em não havendo número suficiente de Cadernos para a devida substituição. gravador. seja qual for o motivo alegado. com o intuito de verificar a pertinência da referida inscrição. com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou reforçá-los com grafite na cor preta. a) b) c) d) e) f) Poderá ser excluído do Concurso Público o candidato que: apresentar-se após o horário estabelecido. estiver portando armas. não comparecer às provas. ausentar-se do local de provas antes de decorrida uma hora do início das provas. incorrendo em comportamento indevido. usando. manuais. que não o autorizado pela Fundação Carlos Chagas no dia da aplicação das provas.3 10. mediante preenchimento de formulário específico. antes do início da prova. receptor. notebook. não devolver integralmente o material recebido. 19. de qualquer modo. ausentar-se da sala de provas sem o acompanhamento do fiscal. telefone celular. às Instruções ao Candidato ou às Instruções constantes da prova. 18. se a ocorrência verificar-se após o início da prova. l) for surpreendido em comunicação com outras pessoas ou utilizando-se de livro. aos comunicados. lançar mão de meios ilícitos para a execução das provas.4 Recife . Os aparelhos eletrônicos deverão ser desligados antes de embalados e assim permanecer até a saída do candidato do local de 17. apresentar-se em local diferente da convocação oficial. nem a utilização de livros. impressos ou quaisquer anotações. 16. não apresentar documento que bem o identifique. anotação. na fase do Julgamento das Provas Objetivas. Os candidatos que estiverem portando óculos escuros. a ordem dos trabalhos. a mesma será automaticamente cancelada sem direito a reclamação. a burla ou a tentativa de burla a quaisquer das normas definidas neste Edital ou a outras relativas ao Concurso. para tanto. não se admitindo qualquer tolerância. à observação dos fiscais de sala. se necessário. prazo para compensação do tempo usado para regularização do Caderno. bem como protetores auriculares. walkman. entregará ao fiscal da sala o Caderno de Questões e a Folha de Respostas personalizada. m) estiver fazendo uso de qualquer tipo de aparelho eletrônico ou de comunicação (bip. 13. 18. a Fundação Carlos Chagas procederá a inclusão do candidato.3 A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco não se responsabilizarão por perda ou extravio de documentos. protetores auriculares e/ou qualquer tipo de aparelho eletrônico. mesmo que possua o respectivo porte. códigos. objetos ou equipamentos eletrônicos ocorridos no local de realização das provas. desde que apresente o boleto bancário com comprovação de pagamento ou o comprovante de débito em conta. 11.PE. observado o item 23 deste Capítulo. 18. n) perturbar.2 Constatada a improcedência da inscrição. na Folha de Respostas da Prova Objetiva. b) proceder. 15.1 O candidato deverá preencher os alvéolos. o Coordenador do Colégio. O candidato. smartphone ou outros equipamentos similares). Não serão computadas questões não assinaladas ou que contenham mais de uma resposta. sem prejuízo das sanções penais cabíveis. emenda ou rasura.2 Os pertences pessoais dos candidatos deverão ser acomodados em local a ser indicado pelos fiscais de sala de prova. Por medida de segurança os candidatos deverão deixar as orelhas totalmente descobertas. onde deverão ficar durante todo o período de permanência dos candidatos na sala de prova.1 prova. durante a realização das provas. O candidato deverá comparecer ao local de realização das provas munido de caneta esferográfica de material transparente de tinta preta. 4 de outubro de 2011 Os prejuízos advindos de marcações feitas incorretamente na Folha de Respostas serão de inteira responsabilidade do candidato.1 A inclusão de que trata o item 18 será realizada de forma condicional e será analisada pela Fundação Carlos Chagas. palmtop. No dia da realização das provas. terça-feira.

o total de pontos de cada candidato. Em hipótese nenhuma será realizada qualquer prova fora do local. Oficial de Justiça . de acordo com a fórmula: Fórmula utilizada: _ A-x NP = ----------. para isso calcula-se a diferença entre o total de acertos do candidato na prova (A) e a média de acertos do grupo da prova ( ). Para os cargos de Analista Judiciário .OPJ . considerar-se-á habilitado o candidato que obtiver total de pontos igual ou superior a 200 (duzentos). 4. multiplica-se o resultado por 10 (dez) e soma-se 50 (cinquenta). 5. Pedagogo. sua prova será anulada e o candidato será automaticamente eliminado do Concurso.Especialidade Judiciária e Administrativa e Técnico Judiciário . Educador Físico. por qualquer motivo. deverá consultar o site www. sucessivamente.concursosfcc. 3. Bibliotecário. Na hipótese de igualdade de nota final terá preferência.br para tomar conhecimento da(s) data(s) previstas para divulgação dos gabaritos e das questões das Provas. e) são somadas as notas padronizadas (já multiplicadas pelos pesos respectivos) de cada prova. são calculadas a média e o desvio padrão dos acertos de todos os candidatos em cada prova. 2. estatístico. Os candidatos habilitados serão classificados em ordem decrescente da nota final. IX. Médico Traumatologista. Assistente Social. Contador. 4 de outubro de 2011 20. terça-feira.com.concursosfcc.117/2010.TPJ . DA CLASSIFICAÇÃO FINAL DOS CANDIDATOS A nota final dos candidatos. Considera-se grupo o total de candidatos presentes a cada uma das provas do respectivo polo de classificação/cargo/especialidade. Fisioterapeuta.Especialidades: Programador de Computador e Suporte Técnico. Médico Clínico Geral. Esta padronização das notas de cada prova tem por finalidade avaliar o desempenho do candidato em relação aos demais. os candidatos poderão levar seu Caderno Personalizado somente após transcorridas 2 (duas) horas do início da prova.APJ . 3. Na avaliação de cada prova será utilizado o escore padronizado. de acordo com o desempenho do grupo a elas submetido.2 O candidato.Especialidades: Judiciária e Administrativa. 23. obtendo-se. Médico Psiquiatra. Em hipótese alguma o candidato poderá levar o Caderno de Questões Personalizado antes do horário permitido. para todos os cargos será igual ao total de pontos obtido nas Provas Objetivas. divide-se essa diferença pelo desvio padrão (s) do grupo da prova . 1. 8. ter o candidato utilizado processos ilícitos.APJ .com. for constatado. Da publicação no Diário da Justiça do Estado de Pernambuco constarão somente os candidatos habilitados.3 As questões das Provas Objetivas ficarão disponíveis pelo prazo de 7 (sete) dias a contar da data de divulgação no site www. 6. Em atendimento a Lei Estadual nº 14. c) é transformado o total de acertos de cada candidato em nota padronizada (NP). 7. 23.Especialidades: Judiciária e Administrativa e Técnico em Enfermagem considerar-se-á habilitado o candidato que obtiver total de pontos igual ou superior a 150 (cento e cinquenta). 1. a) b) é contado o total de acertos de cada candidato em cada prova. Quando.1 O candidato que terminar sua prova e entregar o Caderno de Provas antes do tempo determinado no item 23. 22. no primeiro dia útil subsequente a aplicação das provas. Médico Neurologista. após a prova. Médico Reumatologista. 21. por meio eletrônico. Médico Cardiologista. grafológico ou por investigação policial.x 10 + 50 S NP = Nota Padronizada A = Número de acertos dos candidatos _ x = Média de acertos do grupo s = Desvio padrão d) é multiplicada a nota padronizada do candidato em cada prova pelo respectivo peso. Os candidatos não habilitados nas Provas Objetivas serão excluídos do Concurso. em listas de classificação por polo de classificação/ cargo/especialidade. o candidato que: 32 . 23. Para os cargos de Analista Judiciário .PE. Não haverá. Médico Oftalmologista. Nutricionista.br. visual. data e horário determinados. 23. assim.Especialidades: Analista de Sistemas e Analista de Suporte e Técnico Judiciário . Psicólogo. VIII. Médico Ginecologista. não poderá retornar à sala de prova para retirar seu Caderno Personalizado.TPJ . com média igual a 50 (cinquenta) e desvio padrão igual a 10 (dez). Odontólogo.Edição nº 184/2011 Recife . prorrogação do tempo previsto para a aplicação das provas em razão de afastamento do candidato da sala de prova. 2. DO JULGAMENTO DAS PROVAS OBJETIVAS PARA TODOS OS CARGOS/ESPECIALIDADES As provas objetivas serão estatisticamente avaliadas. permitindo que a posição relativa de cada candidato reflita sua classificação em cada prova. Na avaliação das provas do Concurso.

6. As decisões dos recursos serão dadas a conhecer aos candidatos por meio do site da Fundação Carlos Chagas (www. para esse fim. O candidato deverá ser claro. X. de acordo com as instruções constantes na página do Concurso Público.Edição nº 184/2011 Recife . conforme estabelece a Lei no 10. 4. falha de comunicação. tiver maior idade. Na ocorrência do disposto nos itens 9 e 10. ao resultado das provas. sendo soberana em suas decisões. congestionamento das linhas de comunicação. falta de energia elétrica.PE. telegrama ou outro meio que não seja o especificado neste Os recursos interpostos em desacordo com as especificações contidas neste Capítulo não serão avaliados. XI. poderá ocorrer a desclassificação do candidato que não obtiver a nota mínima exigida para a prova. às questões das provas e gabaritos preliminares. e-mail. a) Serão preliminarmente indeferidos os recursos: cujo teor desrespeite a Banca Examinadora. 2. c) sem fundamentação ou com fundamentação inconsistente ou incoerente. consistente e objetivo em seu pleito.br e www. Não serão aceitos recursos interpostos por fac-símile (fax). ainda. não tendo caráter didático. bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados. 8. 4 de outubro de 2011 3.com. poderá haver. 14. 4. a data limite para correção de dados cadastrais estabelecida no item 5. e ficarão disponibilizadas pelo prazo de 7 (sete) dias. 4.689/08 e a data de término das inscrições.2 3.br).3 3. em função dos recursos interpostos. sendo considerada.com. terça-feira.concursosfcc.1 Somente serão apreciados os recursos interpostos e transmitidos conforme as instruções contidas neste Edital e no site da Fundação Carlos Chagas. 7. Não serão aceitos os recursos interpostos em prazo destinado a evento diverso do questionado.br). à aplicação das provas. 3. 5.concursosfcc. 9. eventualmente. por polo de classificação/cargo/especialidade. b) que estejam em desacordo com as especificações contidas neste Capítulo e com as instruções disponibilizadas no site da Fundação Carlos Chagas. O gabarito divulgado poderá ser alterado. A Banca Examinadora constitui a última instância para os recursos.br será feita em 2 (duas) listas: a) a primeira lista contendo a classificação de todos os candidatos. 10. DA HOMOLOGAÇÃO 33 . 11. A publicação do resultado do Concurso Público. O prazo para interposição dos recursos será de 2 (dois) dias úteis após a concretização do evento que lhes disser respeito nos termos do item 1 deste Capítulo.tjpe. Admitir-se-á um único recurso por candidato para cada evento referido no item 1 deste Capítulo. 1. obtiver maior nota na prova de Conhecimentos Específicos. a) b) c) d) DOS RECURSOS Será admitido recurso quanto: ao indeferimento do pedido de isenção do valor da inscrição.5 comprovar ter exercido efetivamente a função de jurado no período entre a data da publicação da Lei nº 11. 3. incluindo os inscritos como candidatos com deficiência.org. devidamente fundamentado. no Diário da Justiça Eletrônico e nos sites www. Capítulo VII deste Edital. alteração da classificação inicial obtida para uma classificação superior ou inferior ou. 2. Edital.jus. Os recursos deverão ser interpostos exclusivamente por meio do site da Fundação Carlos Chagas (www. sendo desconsiderado recurso de igual teor.741/03 (Lei do Idoso). telex. 4. b) a segunda lista contendo somente a classificação dos inscritos como candidatos com deficiência por polo de classificação/cargo/ especialidade.1 tiver idade igual ou superior a 60 anos. razão pela qual não caberão recursos adicionais. O(s) ponto(s) relativo(s) à(s) questão(ões) eventualmente anulada(s) será(ão) atribuído(s) a todos os candidatos presentes à prova. 3. independentemente de formulação de recurso. obtiver maior número de acertos em Língua Portuguesa.4. 12. tendo como termo inicial o 1º dia útil subsequente à data do evento a ser recorrido. 13.1 Somente serão considerados os recursos interpostos no prazo estipulado para a fase a que se referem.2 A Fundação Carlos Chagas e o Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco não se responsabilizam por recursos não recebidos por motivo de ordem técnica dos computadores. a contar da data de sua divulgação. e as provas serão corrigidas de acordo com o gabarito oficial definitivo.concursosfcc.

será homologado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e publicado no Diário da Justiça Eletrônico do Estado de Pernambuco. ao exclusivo interesse e conveniência do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. O resultado final do Concurso. legais e normativos a ela posteriores não serão objeto de avaliação nas provas do Concurso. Título de eleitor. bem como as alterações em dispositivos constitucionais. será publicado o decurso de prazo para posse e convocado o candidato subsequente. A legislação com vigência após a data de publicação deste Edital. as seguintes declarações. A falta de comprovação de quaisquer dos requisitos para investidura até a data da posse ou a prática de falsidade ideológica em prova documental tornará sem efeito o respectivo ato de nomeação do candidato. ficando este ato condicionado à observância das disposições legais pertinentes (ainda que supervenientes). 1. A inscrição do candidato implicará o conhecimento das presentes instruções e a aceitação das condições do Concurso. 3. acerca das quais não poderá alegar desconhecimento.2 Não serão aceitos protocolos dos documentos exigidos. Cadastro de Pessoa Física . Além da apresentação dos documentos relacionados no item 2 deste Capítulo. com as respectivas averbações. na sequência. Deverá entregar.2 Dado o seu caráter eliminatório. afixará 1 (uma) foto 3x4 do candidato no Cartão de Autenticação Digital . 2. nem fotocópias não autenticadas. XIII. Declaração de acumulação de cargo ou função pública. 4. constantes no sistema de cadastro do TJPE: Declaração de bens e valores.1 O candidato habilitado no concurso poderá ser nomeado em qualquer sede de Comarca do Polo de Classificação para o qual se inscreveu. 4 de outubro de 2011 1. m) Declaração de que está ciente das atribuições do Cargo/Especialidade para o qual foi nomeado e será empossado e se compromete a exercê-las. 4. 34 . conforme item 3. que expedirá laudo médico comprovando a sanidade física e mental do candidato. Certificado de Reservista ou de Dispensa de Incorporação. a contar da data da publicação da homologação do resultado final. 1. Comprovação dos requisitos enumerados no item 1 do Capítulo III.2 Caso o candidato nomeado não tome posse no prazo de 30 (trinta) dias. podendo ser prorrogado por igual período. Todos os cálculos descritos neste Edital. ou sua negativa. Certidão de nascimento ou casamento. 3. tais como se acham estabelecidas neste Edital e nas normas legais pertinentes. 5. O provimento dos cargos ficará a critério da Administração do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e obedecerá. O Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco no momento do recebimento dos documentos para a posse. na qual permanecerá por. arredondando-se para cima sempre que a terceira casa decimal for maior ou igual a cinco.1 Os candidatos habilitados para vagas reservadas às pessoas com deficiência também deverão cumprir o disposto no item 3. Documento de inscrição no PIS ou PASEP. 3. para os candidatos do sexo masculino. a posse do candidato ficará condicionada à realização de inspeção médica pela Junta Médica Oficial do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco ou por profissional por ela credenciado. Três fotos 3X4 recentes.CPF. bem como em eventuais aditamentos e instruções específicas para a realização do certame. quando for o caso. com certidão de quitação eleitoral. a) b) c) d) e) f) g) h) i) j) 2. se houver. XII.CAD e. 6. no mínimo 3 (três) anos em exercício.1 k) l) O candidato nomeado deverá apresentar cópia dos seguintes documentos para fins de posse: Comprovação de Escolaridade/Pré-Requisitos constantes do Capítulo II deste Edital. Comprovação de ter exercido efetivamente a função de jurado. rigorosamente. DO PROVIMENTO DOS CARGOS 1. 2. a critério do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. à rigorosa ordem de classificação das duas listagens e ao prazo de validade do Concurso. sem prejuízo das exigências estabelecidas no Capítulo V deste Edital. 5.5 do Capítulo IX. após decididos todos os recursos interpostos. à ordem de classificação por Cargo/Especialidade/Polo de Classificação. A aprovação e classificação no Concurso geram para o candidato apenas expectativa de direito à nomeação. serão realizados com duas casas decimais. coletará a assinatura do candidato e procederá à autenticação digital no Cartão para confirmação dos dados digitais e/ou assinaturas solicitadas no dia da realização das Provas. de frente e iguais.429/92. se for o caso. O Tribunal poderá homologar por atos diferentes e em épocas distintas o resultado final do Concurso relativo aos Cargos/ Especialidades. nos termos da Lei nº 8. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 1. terça-feira. de acordo com a necessidade do Tribunal. relativos aos resultados das provas. sem prejuízo das sanções legais cabíveis. 2. 3. Cédula de Identidade.PE. entre outras. O Concurso Público terá validade de 2 (dois) anos.Edição nº 184/2011 Recife . o não comparecimento do candidato à inspeção médica na data e horário agendados pela Administração do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco implicará a sua eliminação do Concurso.

br). a ser publicado no Diário de Justiça Eletrônico.SAC .: Atualização de Dados Cadastrais/TJ . O não atendimento pelo candidato das condições estabelecidas neste Edital. em data a ser determinada no Edital de Resultado. apostilas e outras publicações referentes a este Concurso.br) e do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (www. no que a cada um couber. 17. prova e/ou tornar sem efeito a nomeação do candidato. em todos os atos relacionados ao Concurso.) constantes no Formulário de Inscrição. CEP: 50010-240 (anexar cópia de documento de identificação). conforme estabelecido no item 5 do Capítulo VII deste Edital. quando for nomeado. A Fundação Carlos Chagas não fornecerá atestados. à Fundação Carlos Chagas (Serviço de Atendimento ao Candidato .1 até a homologação dos Resultados. para viabilizar os contatos necessários. A qualquer tempo poder-se-á anular a inscrição. por fazer parte do critério de desempate dos candidatos.4 As alterações nos dados pessoais quanto ao critério de desempate estabelecido nos subitens 3. por meio do site www. textos. sob pena de. 11. As ocorrências não previstas neste Edital. Rua Moacir Baracho. pelo Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e pela Fundação Carlos Chagas. implicará sua eliminação do Concurso Público. 8. 12.concursosfcc.jus.tjpe. 3.br).PE. circunstância que será mencionada em Edital ou aviso a ser publicado.1 deste Capítulo. e divulgados nos sites da Fundação Carlos Chagas (www. sexo.concursosfcc. Santo Antonio. 12.5 do Capítulo IX deste Edital. Francisco Morato. atualizações ou acréscimos enquanto não consumada a providência ou evento que lhes disser respeito. 15. terça-feira. Em caso de alteração/correção dos dados pessoais (nome.CEP 05513-900). avisos e comunicados referentes ao Concurso Público é de responsabilidade exclusiva do candidato. somente serão consideradas quando solicitadas no prazo estabelecido no item 12.Av.1 Efetuar a atualização dos dados pessoais até o terceiro dia útil após a aplicação das provas.São Paulo . 9. declarações.com.Edição nº 184/2011 Recife . Jardim Guedala . os casos omissos e os casos duvidosos serão resolvidos. 18. a qualquer tempo. 12. endereço de difícil acesso. de acordo com a disponibilidade orçamentária e o número de vagas existentes. Prof. correspondência recebida por terceiros. telefone para contato.1. Desembargador JOSÉ FERNANDES DE LEMOS Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco 35 . 12. avisos e comunicados serão publicados no Diário de Justiça Eletrônico. Não serão prestadas por telefone informações relativas ao resultado do Concurso Público. É de responsabilidade do candidato manter seu endereço (inclusive eletrônico) e telefone atualizados. Ficará disponível o boletim de desempenho do candidato para consulta por meio do CPF e do número de inscrição do candidato. Os itens deste Edital poderão sofrer eventuais alterações. 4 de outubro de 2011 7. Todos os atos relativos ao presente Concurso. O Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e a Fundação Carlos Chagas não se responsabilizam por eventuais prejuízos ao candidato decorrentes de: a) b) c) d) e) endereço eletrônico errado ou não atualizado. Recife/PE. até a data da convocação dos candidatos para as Provas correspondentes. 20. e a publicação do Resultado Final e homologação no Diário de Justiça Eletrônico. decorrentes de informação errônea de endereço por parte do candidato. nº 207. 14. endereço residencial errado ou não atualizado. declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita.Ref. As despesas relativas à participação do candidato no Concurso e à sua apresentação para posse e exercício correrão às expensas do próprio candidato. O acompanhamento das publicações. O Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco e a Fundação Carlos Chagas não se responsabilizam por quaisquer cursos. quando constatada a omissão. o candidato estará sujeito a responder por Falsidade Ideológica de acordo com o artigo 299 do Código Penal. 15.Pernambuco . no endereço eletrônico da Fundação Carlos Chagas (www. 13. 19. Recife.4 e 3. encaminhar via Sedex ou Aviso de Recebimento (AR).2 Após o prazo estabelecido no item 12. 16. conforme item 9 deste Capítulo. 1565. 1º andar. 3 de outubro de 2011.com.com. endereço. com a finalidade de prejudicar direito ou criar obrigação.SP . até que se expire o prazo de validade do Concurso. data de nascimento etc. certificados ou certidões relativos à habilitação.br. O Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco reserva-se o direito de proceder às nomeações em número que atenda ao interesse e às necessidades do serviço. correspondência devolvida pela ECT por razões diversas. caso não seja localizado. valendo para tal fim o boletim de desempenho disponível no endereço eletrônico da Fundação Carlos Chagas. em caráter irrecorrível. perder o prazo para tomar posse. 10. editais.concursosfcc. classificação ou nota de candidatos.3 Após a homologação do Resultado Final do Concurso: ao Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.1 Comprovada a inexatidão ou irregularidades descritas no item 15 deste Capítulo. convocações. o candidato deverá: 12.

APJ .Assistente Social Analista Judiciário .APJ .Contador Oficial de Justiça .TPJ Judiciária e Administrativa Técnico Judiciário .Médico Psiquiatra Analista Judiciário .APJ .TPJ Programador de Computador Técnico Judiciário TPJ .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ -Educador Físico Analista Judiciário APJ . Pólo de Classificação 01 .Bibliotecário Analista Judiciário APJ .Psicólogo Analista Judiciário .TJP Técnico em Enfermagem Analista Judiciário .APJ . terça-feira.APJ . NÚMERO DE VAGAS* E CIDADES DE REALIZAÇÃO DE PROVA *Obs.Médico Ginecologista Analista Judiciário .Região Metropolitana I Comarcas Código de Opção Cargos/Especialidades Nº de Vagas* Cidade de Realização de Prova 36 .APJ .APJ .APJ .Médico Neurologista Analista Judiciário APJ . CÓDIGO DE OPÇÃO DE CARGO/ ESPECIALIDADE.APJ .Odontólogo Analista Judiciário .Pedagogo Analista Judiciário APJ .: Total de vagas.Recife Comarca Capital Código de Opção TA01 TB01 TC01 TD01 AA01 AB01 AC01 AD01 AF01 AG01 AH01 AI01 AJ01 AK01 AM01 AN01 AO01 AP01 AQ01 AR01 AS01 AT01 AU01 AX01 OA01 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário .PE.Nutricionista Analista Judiciário .APJ .Médico Traumatologista Analista Judiciário . incluída a reserva para candidatos com deficiência.Suporte Técnico Técnico Judiciário .Médico Reumatologista Analista Judiciário .Analista de Sistemas Analista Judiciário .Médico Cardiologista Analista Judiciário .APJ .APJ .Analista de Suporte Analista Judiciário .APJ .Médico Clínico Geral Analista Judiciário . de acordo com Capítulo V. 4 de outubro de 2011 ANEXO I PÓLO DE CLASSIFICAÇÃO/COMARCAS.PE Pólo de Classificação 02 .Médico Oftalmologista Analista Judiciário .Edição nº 184/2011 Recife .Fisioterapeuta Analista Judiciário APJ .OPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 35 C/R C/R C/R 14 C/R 04 04 04 C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R C/R 14 Cidade de Realização de Prova Recife . item 2 e subitens deste Edital.

PE AA05 AC05 Analista Judiciário . Sirinhaém e Tamandaré Código de Opção TA04 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário .Psicólogo Analista Judiciário .TPJ Judiciária e Administrativa 06 Recife . Barreiros. Ribeirão. Primavera e Vitória de Santo Antão Código de Opção TA05 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Igarassu.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Vitória de Santo Antão . Itamaracá. Palmares.Edição nº 184/2011 Abreu e Lima. Paulista e São Lourenço da Mata TA02 Técnico Judiciário . Maraial.PE.Assistente Social 01 C/R 37 . Belém de Maria. terça-feira. Escada. São José da Coroa Grande. Catende. Quipapá.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 06 Cidade de Realização de Prova Jaboatão dos Guararapes .Assistente Social Analista Judiciário .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .Psicólogo Analista Judiciário .OPJ Judiciária e Administrativa 03 01 01 01 03 Pólo de Classificação 04 .APJ .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . Itapissuma.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 06 Cidade de Realização de Prova Garanhuns .APJ .Pedagogo Oficial de Justiça .APJ .PE AA03 AC03 AD03 AF03 OA03 Analista Judiciário . Joaquim Nabuco.Assistente Social Analista Judiciário .OPJ Judiciária e Administrativa 03 C/R C/R C/R 03 Pólo de Classificação 05 . Jaboatão dos Guararapes.Pedagogo Oficial de Justiça .Assistente Social Analista Judiciário . Gameleira.Mata Sul I Comarcas Água Preta.Região Metropolitana II Comarcas Cabo de Santo Agostinho. Olinda.APJ .OPJ Judiciária e Administrativa 03 01 01 01 03 Pólo de Classificação 03 .PE AA04 AC04 AD04 AF04 OA04 Analista Judiciário .Pedagogo Oficial de Justiça . Rio Formoso. Camaragibe.Psicólogo Analista Judiciário . Cortês.Mata Sul II Comarcas Amaraji. Moreno e Ipojuca Código de Opção TA03 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Chã Grande. Pombos.APJ . 4 de outubro de 2011 Recife .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .PE AA02 AC02 AD02 AF02 OA02 Analista Judiciário .APJ .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .

Jataúba. Glória do Goitá.Psicólogo Analista Judiciário .TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 06 Cidade de Realização de Prova Caruaru . São Caetano e São Joaquim do Monte Código de Opção TA08 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário .APJ .TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 06 Cidade de Realização de Prova Limoeiro . Toritama e Vertentes Código de Opção TA07 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Timbaúba.APJ .Agreste Setentrional Comarcas Bom Jardim.PE.Edição nº 184/2011 AD05 AF05 OA05 Analista Judiciário . Sairé.APJ . Tracunhaém e Vicência Código de Opção TA06 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Santa Cruz do Capibaribe.Assistente Social Analista Judiciário . Itaquitinga.OPJ Judiciária e Administrativa 01 C/R C/R C/R 01 Pólo de Classificação 07 . Camocim de São Félix. Passira. Feira Nova. Buenos Aires. São Vicente Férrer. Surubim. Bezerros. Taquaritinga do Norte.APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . Gravatá. Orobó.Pedagogo Oficial de Justiça .PE AA07 AC07 AD07 AF07 OA07 Analista Judiciário . Nazaré da Mata.Psicólogo Analista Judiciário . Bonito.PE TC08 Técnico Judiciário TPJ . Limoeiro. João Alfredo. terça-feira.OPJ Judiciária e Administrativa C/R C/R 02 Recife . Itambé. Carpina.Pedagogo Oficial de Justiça . Riacho das Almas.Assistente Social Analista Judiciário . Lagoa do Itaenga.APJ . Cumaru.APJ . 4 de outubro de 2011 Pólo de Classificação 06 . Condado. Macaparana.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Carpina .Agreste Central I Comarcas Agrestina.PE AA06 AC06 AD06 AF06 OA06 Analista Judiciário .Mata Norte Comarcas Aliança.APJ . Caruaru.Pedagogo Oficial de Justiça . Paudalho.OPJ Judiciária e Administrativa 03 C/R C/R C/R 01 Pólo de Classificação 08 . Brejo da Madre de Deus.Suporte Técnico C/R 38 . Goiana.APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . Ferreiros.Psicólogo Analista Judiciário . Santa Maria do Cambucá.

Itaíba.Pedagogo Oficial de Justiça . Angelim.Assistente Social Analista Judiciário .PE 39 . Belo Jardim. Belém de São Francisco.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Caruaru . Lajedo.Agreste Meridional Comarcas Águas Belas. Calçado. Cupira. 4 de outubro de 2011 Pólo de Classificação 09 .Suporte Técnico Analista Judiciário . Bom Conselho. Correntes. Iati.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de Vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Garanhuns .Assistente Social Analista Judiciário . São Bento do Una e Tacaimbó Código de Opção TA09 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Garanhuns. Lagoa dos Gatos. Palmeirina. Ibimirim. Altinho. Sanharó. Petrolândia e Tacaratu Código de Opção TA11 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Capoeiras. Buíque. Sertânia.Pedagogo Oficial de Justiça .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .APJ . Lagoa do Ouro.PE TC10 AA10 AC10 AD10 AF10 OA10 Técnico Judiciário TPJ . Cachoeirinha.PE.Psicólogo Analista Judiciário .PE AA09 AC09 AD09 AF09 OA09 Analista Judiciário .APJ . Custódia.APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . terça-feira.Edição nº 184/2011 AA08 AC08 AD08 AF08 OA08 Analista Judiciário .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .Psicólogo Analista Judiciário .APJ .Pedagogo Oficial de Justiça .OPJ Judiciária e Administrativa 01 C/R C/R C/R 01 Pólo de Classificação 10 . Betânia.APJ . Brejão. Canhotinho.Psicólogo Analista Judiciário .APJ .TPJ Judiciária e Administrativa Nº de vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Arcoverde . São João e Venturosa Código de Opção TA10 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário .OPJ Judiciária e Administrativa C/R 01 01 01 01 03 Pólo de Classificação 11. Ibirajuba.APJ . Pedra.Assistente Social Analista Judiciário . Jupi. Caetés. Panelas. Saloá. Pesqueira.OPJ Judiciária e Administrativa 03 01 01 01 03 Recife . Floresta.Agreste Central II Comarcas Alagoinha. Jurema. Poção. Inajá.Sertão do Moxotó e Itaparica Comarcas Arcoverde.

Pedagogo Oficial de Justiça . São José do Belmonte. Salgueiro.Psicólogo Analista Judiciário .PE TC14 AA14 AC14 AD14 AF14 Técnico Judiciário TPJ .Pedagogo C/R 01 C/R C/R C/R 40 . Flores.Pedagogo Oficial de Justiça .Pedagogo Oficial de Justiça .APJ . Terra Nova e Verdejante Código de Opção TA13 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário .Assistente Social Analista Judiciário . Ipubi.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Araripina .Sertão do Araripe Comarcas Araripina. Exu.APJ . terça-feira.APJ .PE. Carnaíba.Psicólogo Analista Judiciário .OPJ Judiciária e Administrativa C/R 01 C/R C/R C/R 01 Pólo de Classificação 13 . Serra Talhada.APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . Itapetim. Serrita.APJ .APJ .TPJ Judiciária e Administrativa Nº de vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Salgueiro .OPJ Judiciária e Administrativa 01 C/R C/R C/R 01 Pólo de Classificação 14 .APJ .Psicólogo Analista Judiciário .Assistente Social Analista Judiciário .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .Psicólogo Analista Judiciário .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . Ouricuri e Trindade Código de Opção TA14 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . Moreilândia. 4 de outubro de 2011 Pólo de Classificação 12 .PE AA13 AC13 AD13 AF13 OA13 Analista Judiciário .APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ .Sertão do Pajeú Comarcas Afogados da Ingazeira.TPJ Judiciária e Administrativa Nº de vagas* 03 Cidade de Realização de Prova Serra Talhada .Suporte Técnico Analista Judiciário .PE TC12 AA12 AC12 AD12 AF12 OA12 Técnico Judiciário TPJ .APJ . Triunfo e Tuparatema Código de Opção TA12 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário .APJ .Sertão Central Comarcas Mirandiba. Tabira.Assistente Social Analista Judiciário .Suporte Técnico Analista Judiciário .Assistente Social Analista Judiciário . Bodocó. São José do Egito.OPJ Judiciária e Administrativa 01 C/R C/R C/R 01 Recife . Parnamirim.Edição nº 184/2011 AA11 AC11 AD11 AF11 OA11 Analista Judiciário .

Administrativa. Executar outras atividades da mesma natureza e grau de complexidade. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . fiscalizar e desempenhar atividades técnicas na sua área de competência e em suas especializações. fiscalizar e desempenhar atividades técnicas na sua área de competência e em suas especializações.OPJ Judiciária e Administrativa 01 Recife . ministrar e avaliar programas de atividades físicas. desenvolver atividades de natureza técnica e grau de complexidade.Psicólogo: Assessoramento Técnico. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . favorecendo o exercício da função judicante pelos magistrados e/ou órgãos julgadores e o exercício das funções necessárias ao adequado funcionamento das áreas do Poder Judiciário: Judiciária.Assistente Social Analista Judiciário . Acompanhar as diversas fases dos processos e atendimento ao público. 4 de outubro de 2011 Pólo de Classificação 15 . prestar serviços de consultoria na sua especialidade. esporte. Gestão Administrativa.Judiciária e Administrativa: Realizar atividades de apoio técnico e administrativo.APJ . na forma de Ginástica Laboral e de programas de exercícios físicos.Assistente Social/APJ: Assessoramento Técnico.APJ Judiciária e Administrativa Analista Judiciário APJ . prestar cuidados de higiene e conforto ao paciente desenvolver outras atividades de natureza técnica e grau de complexidade. observar. TÉCNICO JUDICIÁRIO/TPJ . executar ações de tratamento simples. TI e Comunicação.Pedagogo Oficial de Justiça .TPJ Judiciária e Administrativa Nº de vagas* 06 Cidade de Realização de Prova Petrolina . judiciais ou não. digitar sentenças e outros documentos.PE.PE TC15 AA15 AC15 AD15 AF15 OA15 Técnico Judiciário TPJ . terça-feira. judiciais ou não. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ .Programador de Computador: Desenvolver e implantar projetos e testes em sua área de especialização. TÉCNICO JUDICIÁRIO/TPJ . Corregedoria. favorecendo o exercício da função judicante pelos magistrados e/ou órgãos julgadores. recreação e lazer. Desenvolver outras atividades correlatas. Cabrobó. Consultoria e Assessoramento. supervisionar. Executar outras atividades da mesma natureza e grau de complexidade.Suporte Técnico: Desenvolver e implantar projetos e testes em sua área de especialização. particularmente. e elaborar projetos e pareceres. Orocó. Consultoria e Assessoramento. dirigir. Petrolina e Santa Maria da Boa Vista Código de Opção TA15 Cargos/Especialidades Técnico Judiciário . desenvolver atividades de natureza técnica e grau de complexidade. Desenvolver atividades nas áreas: Judicial. supervisionar. Atuar nas audiências.OPJ Judiciária e Administrativa ANEXO II C/R 03 01 01 01 03 DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES BÁSICAS DOS CARGOS/ÁREAS/ESPECIALIDADES TÉCNICO JUDICIÁRIO/TPJ .Suporte Técnico Analista Judiciário . Executar outras atividades da mesma natureza e grau de complexidade.Educador Físico: Planejar. reconhecer e descrever sinais e sintomas. TÉCNICO JUDICIÁRIO/TPJ . Gestão de Pessoas e Judicial. Corregedoria. Lagoa Grande. organizar. TI e Comunicação. desenvolver.Técnico em Enfermagem: Participar da orientação e supervisão do trabalho de Enfermagem em grau auxiliar.Sertão do São Francisco Comarcas Afrânio.Judiciária e Administrativa: Desenvolver atividades a fim de fornecer apoio técnico (jurídico e administrativo). realizar perícias.Edição nº 184/2011 OA14 Oficial de Justiça . Gestão de Pessoas. acompanhar as diversas fases dos processos e atendimento ao público. prestar serviços de consultoria na sua especialidade. realizar perícias. e elaborar projetos e pareceres sobre matéria de sua área de competência.APJ .Psicólogo Analista Judiciário . ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . Gestão Judiciária. 41 .

executar outras tarefas correlatas.Médico . exames laboratoriais. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . prestar assistência médica de urgência. solicitar exames complementares para acompanhamento da evolução nutricional do cliente.Fisioterapeuta: Prestar assistência fisioterapêutica ambulatorial. anamnese alimentar e exames antropométricos. realizar perícias. 4 de outubro de 2011 ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . judiciais ou não. aplicar procedimentos educativos.PE. prescrever receitas médicas.. estabelecer a dieta do cliente. prestar assessoramento em sua área de especialidade. prescrever receitas médicas. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . judiciais ou não. prescrever receitas médicas. organização de congresso. concursos e exposições relativas à biblioteconomia. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . cursos.Clínico Geral: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. quando necessário. prestar serviços de consultoria na sua especialidade. supervisionar. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . executar outras tarefas correlatas. prescrever complementos nutricionais.Analista de Sistemas: Assessoramento Técnico.Odontólogo: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da odontologia. elaborar o Diagnóstico Cinesiológico Funcional.Médico Psiquiatra: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . executar outras tarefas correlatas. prestar assessoramento em sua área de especialidade. supervisionar e avaliar os projetos fisioterapêuticos. executar outras tarefas correlatas. prestar serviços de consultoria na sua especialidade. prestar assistência odontológica de urgência.Médico Neurologista: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. serviços de documentação. prestar assistência médica de urgência. prestar assistência médica de urgência. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . realizar perícias. a partir do diagnóstico clínico. fazendo as adequações necessárias. e elaborar projetos e pareceres sobre matéria de sua área de competência.Médico Reumatologista: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. a sua eficácia. prestar assistência médica de urgência. prescrever receitas médicas.Analista de Suporte Assessoramento Técnico. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . desenvolver atividades estabelecidas para a Área de Nutrição Clínica e outras atividades correlatas e da mesma natureza. prestar assessoramento em sua área de especialidade. a sua resolutividade prestar assessoramento em sua área de especialidade. seminários. e elaborar projetos e pareceres sobre matéria de sua área de competência. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . prescrever receitas médicas. prestar assessoramento em sua área de especialidade. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ .Edição nº 184/2011 Recife .Pedagogo: Assessoramento Técnico.Nutricionista: Avaliar o estado nutricional do cliente. prescrever receitas médicas.Médico Traumatologista: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. prestar assistência médica de urgência. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. prescrever receitas odontológicas. controlar e executar políticas.Médico Ginecologista: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. terça-feira.Bibliotecário: Administrar e dirigir bibliotecas. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . 42 . pesquisas ou eventos. prestar assessoramento em sua área de especialidade. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . e elaborar projetos e pareceres sobre matéria de sua área de competência. analisar. executar outras tarefas correlatas. fiscalizar e desempenhar atividades técnicas na sua área de competência e em suas especializações. prestar assessoramento em sua área de especialidade. Planejar difusão cultural. prestar assistência médica de urgência. supervisionar. planejar. Executar outras tarefas correlatas e da mesma natureza. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade.Médico Cardiologista: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. executar outras tarefas correlatas. ordenar. preventivos e terapêuticos. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . executar outras tarefas correlatas. de mapotecas. prestar assessoramento em sua área de especialidade. de publicações oficiais e seriadas. supervisionar. à sua área de atuação. prestar serviços de consultoria na sua especialidade. implementar. prescrever. de bibliografia e referência. executar outras tarefas correlatas. programas. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. judiciais ou não. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. desenvolver estudos e pesquisas relacionadas à sua área de atuação. para devolver ao dente sua integridade fisiológica. fiscalizar e desempenhar atividades técnicas na sua área de competência e em suas especializações. fiscalizar e desempenhar atividades técnicas na sua área de competência e em suas especializações. realizar perícias. elaborar e/ou controlar programas e projetos específicos de assistência alimentar a grupos vulneráveis. prestar assessoramento em sua área de especialidade. Executar serviços de classificação e catalogação de manuscritos e de livros raros e preciosos. participar de equipes multidisciplinares destinadas a planejar. referente a serviços de bibliotecas. prescrever receitas médicas. prestar assistência médica de urgência.

prestar assistência médica de urgência. Carreiras e Vencimentos dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Pernambuco (Lei Estadual nº 13. sentenças e acórdãos.Judiciária e Administrativa: Executar ordens judiciais e diligências externas relacionadas com a prática de atos de comunicação processual e de execução de decisões. executar outras tarefas correlatas. relacionadas ao universo contábil com enfoque patrimonial. PSICÓLOGO. Regência nominal e verbal. bem como realizar estudo e pesquisa que envolvam matéria pertinente à área de atuação. MÉDICO NEUROLOGISTA. ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . ASSISTENTE SOCIAL. tipos de arquivos. PEDAGOGO. CONTADOR. lugares. ODONTÓLOGO.ESPECIALIDADE JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA.TPJ .TPJ . Legislação Aplicada Organização Judiciária do Estado de Pernambuco (Lei Complementar nº 100. relatórios e pareceres.APJ . 4 de outubro de 2011 ANALISTA JUDICIÁRIO/APJ . BIBLIOTECÁRIO. ANALISTA DE SUPORTE.NAS ESPECIALIDADES: JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA E TÉCNICO EM ENFERMAGEM Noções de Informática Noções de hardware: Microcomputadores e periféricos de entrada e saída. NUTRICIONISTA. MÉDICO CLÍNICO GERAL. Exercer outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade. realizar inspeções relacionadas à proteção e recuperação da saúde no seu campo de especialidade. Emprego de tempos e modos verbais. Incompatibilidades e Suspeições Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado de Pernambuco (Lei nº 6. MÉDICO REUMATOLOGISTA. Dos Direitos e Deveres dos Serventuários.Contador: Realizar atividades de nível superior. Redação e correspondências oficiais. Órgãos do Poder Judiciário. utilizando as funções intelectuais: raciocínio verbal. conduz. MÉDICO GINECOLOGISTA. 680 c/c o art. raciocínio matemático. e alterações posteriores). elaborar demonstrativos. Compreensão e interpretação de textos. Conceitos de organização de arquivos (pastas e diretórios). PARA OS CARGOS DE: ANALISTA JUDICIÁRIO . de forma válida.123. Corregedoria Geral da Justiça: composição. MÉDICO OFTALMOLOGISTA. de natureza técnica. PSICÓLOGO. discriminação de elementos. de 21/11/2007. ODONTÓLOGO.OPJ . Conceitos de Internet. objetos ou eventos fictícios. Pontuação. MÉDICO GINECOLOGISTA.332. Dos Serviços Auxiliares da Justiça. ASSISTENTE SOCIAL. EDUCADOR FÍSICO. FISIOTERAPEUTA. Vozes do verbo. as questões da prova destinamse a medir a capacidade de compreender o processo lógico que. ambos do Código de Processo Civil. prestar assessoramento em sua área de especialidade. ANALISTA JUDICIÁRIO . MÉDICO NEUROLOGISTA. Excel). MÉDICO TRAUMATOLOGISTA. Raciocínio Lógico Esta prova visa avaliar a habilidade do candidato em entender a estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas. PEDAGOGO. a partir de um conjunto de hipóteses.PE. Intranet. contemplando aspectos orçamentário e financeiro. e alterações posteriores). de 20/07/1968. Emprego do sinal indicativo de crase.APJ . terça-feira. Os estímulos visuais utilizados na prova. e alterações posteriores): Divisão Judiciária.Edição nº 184/2011 Recife . a conclusões determinadas. Internet Explorer e correio eletrônico. EDUCADOR FÍSICO E CONTADOR. colocação e formas de tratamento. prescrever receitas médicas. funcionamento e atribuições. 652. de 07/11/2007. MÉDICO REUMATOLOGISTA. Sintaxe da oração e do período.NAS 43 . BIBLIOTECÁRIO. MÉDICO CARDIOLOGISTA. ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Observação: Considerar-se-á a legislação vigente até a data da publicação do Edital de Abertura de Inscrições CONHECIMENTOS GERAIS PARA TODOS OS CARGOS/ESPECIALIDADES Língua Portuguesa Ortografia oficial. MÉDICO CLÍNICO GERAL. MÉDICO CARDIOLOGISTA. além daquelas previstas na legislação processual e decorrentes do cumprimento de decisões administrativas e jurisdicionais. OFICIAL DE JUSTIÇA/OPJ . MÉDICO PSIQUIATRA. formação de conceitos. Pronomes: emprego. orientação espacial e temporal. Conceitos de proteção e segurança. raciocínio seqüencial. PARA OS CARGOS DE: OFICIAL DE JUSTIÇA .ESPECIALIDADES: ANALISTA DE SISTEMAS. FISIOTERAPEUTA. Flexão nominal e verbal. Em síntese. Concordância nominal e verbal.NAS ESPECIALIDADES: JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA. E TÉCNICO JUDICIÁRIO . TÉCNICO JUDICIÁRIO . NUTRICIONISTA. nos termos do art. Acentuação gráfica. emitir informações. visam a analisar as habilidades dos candidatos para compreender e elaborar a lógica de uma situação. MÉDICO OFTALMOLOGISTA. MÉDICO TRAUMATOLOGISTA. constituídos de elementos conhecidos e significativos. Composição do Tribunal de Justiça e funcionamento e atribuições. Plano de Cargos. inclusive avaliação de bens penhorados. Sistema Operacional MS Windows. MÉDICO PSIQUIATRA. executar outras tarefas correlatas.Médico Oftalmologista: Executar todos os atos de sua especialidade no campo da medicina. deduzir novas informações das relações fornecidas e avaliar as condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas relações. Pacote de aplicativos MS Office (word.

EJB3. Cliente/Servidor duas camadas e multicamadas. JEE. terça-feira. Do processo de execução em geral: Das disposições gerais. Domicílio Civil. autoridades administrativas. projetos e a organização. Conceitos básicos. Causas de exclusão de culpabilidade.PMBOK 4ª edição.ESPECIALIDADE PROGRAMADOR DE COMPUTADOR Gestão e Governança de TI: Gerenciamento de projetos . Criptografia e infraestrutrura de chave pública. Engenharia de Software: Ciclo de vida do software. Técnicas de análise de desempenho e otimização de consultas SQL. Conceitos básicos e objetivos. efeitos civis da sentença penal. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Sistema de arquivos: comandos para manipulação de arquivos e diretórios. CNA (Converged Network Adapter). TÉCNICO EM ENFERMAGEM. DMA). Banco de Dados: Fundamentos. Noções de Direito Constitucional: Princípios Fundamentais. Espécies. Modo de Atuação. DNS. EEPROM. Do Processo e do Procedimento: das disposições gerais. Dos atos processuais. Pessoas Jurídicas: Pessoas jurídicas de direito público e de direito privado. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO JUDICIÁRIO . Metodologias de desenvolvimento de software. Análise de requisitos de usabilidade. Linguagens de orquestração de serviços BPEL. Segurança no Desenvolvimento de Software: Práticas de programação segura e revisão de código. JCA. Governança de TI . Efeitos da condenação penal. desenho. grupos de processo e áreas de conhecimento. modelos de entrada e saída (mapeada em memória. Linguagem de Programação Java: Projeto de Sistemas em Java. Aritmética computacional. UML: visão geral. Servidores Públicos. Recursos de tecnologia da informação. Órgão e Agentes. RAID. Memória RAM. threads.COBIT 4. Contratos. XSD. Conceitos básicos. papéis e atividades. disciplinar.ITIL v3. Direitos Sociais. Schema Policy. Requisitos da informação. Ação penal pública: titularidade. XP). processos e objetivos de controle. SAN e NAS. BPMN 2. Noções de Direito Administrativo: Administração Pública: Características. Erro. Projeto e execução de testes. processos e objetivos de controle.ESPECIALIDADE SUPORTE TÉCNICO Gestão e Governança de TI: Gestão de Segurança da Informação. Domínios. comunicações seguras entre clientes e servidores Windows. Responsabilidade Civil. Teste de Software. Conceitos básicos e objetivos.PE. JBoss e Weblogic: configuração. de 10 de abril de 1950 e Decreto-lei nº 201/67). ciclo de vida de projeto e de produto. Registradores. Processos e funções de estratégia. Noções de Direito Processual Penal: Sujeitos da relação processual. Fundamentos. Serviços Públicos. Responsabilidade. Critérios. ciclo de vida de projeto e de produto. pipeline. Compiladores e interpretadores. Padrões: XML. PROGRAMADOR DE COMPUTADOR E SUPORTE TÉCNICO. Richfaces. segmentação). Arquitetura Orientada a Serviços (SOA). Clustering. Níveis de capacidade e maturidade. Ambiente Operacional Corporativo: Ambiente Windows 2008 TCP/IP. convenção de nomes.079. Ação penal: conceito. Atos de improbidade praticados por agentes públicos e sanções aplicáveis. Linguagens SQL e PL/SQL. escalonamento de processos. Tunning e performance. Da resposta do Réu. Gerenciamento de serviços . Dos recursos: modalidades e princípios da fungibilidade. regulamentar e de polícia. tags. Facelets. geração de builds e pacotes de liberação. Lucene. Da sentença: requisitos. Segurança em Redes Windows: Autenticação. Sistemas de numeração e representação de dados. Da revelia. Qualidade de software.PMBOK 4ª edição. estrutura e objetivos. Do Juiz. utilização de LVM. Utilização de kerberos e LDAP para autenticação. Replicações síncronas e assíncronas. Dos Auxiliares da Justiça. Programação em bash shell para HP-UX e Linux. Administração de contas de usuários e grupos. processos. RESTful Web services e Composição de Serviços (SCA). Controle da Administração. Processo unificado (RUP): disciplinas. Relação de causalidade. ISO/IEC 15408 TÉCNICO JUDICIÁRIO . Princípios de Design. WS-Secutiry. fases.Arquitetura de Software: Arquitetura de Sistemas. Conceitos básicos e objetivos. grupos de processo e áreas de conhecimento.ITIL v3. Processos e funções de estratégia. Crime tentado e crime consumado. discricionariedade e vinculação. Conceitos básicos. Comandos para gerenciamento de processos. Dos Fatos Jurídicos: Requisitos de validade do fato jurídico. projetos e a organização. HTML. Log4j. Prescrição e Decadência. Direitos e Deveres Individuais e Coletivos. Desenvolvimento Corporativo em Java. Conceitos básicos e objetivos. Automação de testes. Gerência de Configuração de Software. functions e packages. NAT. Webservices. Dolo e Culpa. Linguagem de programação. Sistemas Computacionais: Organização e Arquitetura de Computadores.COBIT 4. sistemas de arquivos. Interoperabilidade de sistemas. Normas NBR ISO/IEC 27001 e 27002. atribuições administrativas. WSPolicy. Requisitos da informação. Ambiente Unix HP-UX/Linux Conceitos de kernel e Shell. Domínios. recomendações e guias de estilo. Dos recursos. Sistemas operacionais. desenho. Fundamentos. Ação penal privada: titularidade. Projeto OWASP (Open Web Application Security Project). Das nulidades. UDDI. Análise e projeto orientados a objetos. Padrões de projeto. requisitos. Engenharia de usabilidade. Métodos para avaliação de usabilidade. cache L1/L2. Governança de TI . publicação e intimação. Conceitos de cópias de segurança 44 . Triggers. gerenciamento de memória (paginação. Dispositivos de E/S. tipos de testes. Gerenciamento de projetos . Das partes e dos procuradores. Conceitos básicos. condições. Java Server Faces (JSF).TPJ . Obediência hierárquica. Arquitetura orientada a serviços. condições de procedibilidade. Padrão MVC. Arquitetura e padrões de projeto J2EE e J2SE. Metodologias ágeis (SCRUM.CMMI. Controles e testes de segurança para aplicações web. Conceitos básicos. Noções de Direito Penal: Crime e contravenção. Extinção da punibilidade. lugar e tempo dos atos processuais. Organização Político-Administrativa. Do Ministério Público. FCoE (FiberChannel over Ethernet). JBoss Seam. Java Persistent API (JPA). Arquitetura em três camadas. Coação irresistível. Classificação. Barramento de Serviços Corporativos (ESB). desenvolvimento e uso. procedures. Crimes de responsabilidade (Lei nº 1. transição e operação de serviços. Versionamento. Forma. Qualidade de software . Normas SSE-CMM. Group Policy. Padrões de Autenticação e Autorização. atributos. Ciclo de execução de instrução. Elementos do crime. modelos e diagramas. Componentes de uma rede SAN. permissão e acesso a arquivos. Disciplinas e formas de representação. pressupostos processuais. Crimes contra a Administração Pública.Edição nº 184/2011 Recife . Atos Administrativos: Conceitos. Diretório de Serviços Active Directory. Poderes Administrativos: vinculados. Noções de Direito Processual Civil: Código de Processo Civil: Noções de jurisdição e da ação. Armazenamento de dados e cópias de segurança Conceitos de DAS. Componentes de um computador: CPU.1.0. WSDL.ESPECIALIDADE JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA Noções de Direito Civil: Código Civil: Das pessoas: Pessoas Naturais. SOAP. Processos e categorias de processos. Conceitos de Fibre Channel. Da sentença e a coisa julgada. unidades organizacionais. Gerenciamento de serviços . Memória. Servidores de Aplicação. Personalidade Jurídica do Estado. redirecionamento de entrada e saída. Recursos de tecnologia da informação. hierárquico. Flash. classificação. Nacionalidade e Direitos Políticos. branches. Administração Pública. Conceitos e arquitetura de um SGBD.TPJ . domínios. Do processo e do julgamento dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos. Da antecipação dos efeitos da tutela de mérito.1. Modelagem de Dados.TPJ . DHCP. Permissões. Anulação e revogação. Poder Judiciário. CSS e JavaScript. TÉCNICO JUDICIÁRIO . estrutura e objetivos. barramento. planejamento. Hibernate. Desenvolvimento Web em Java. AJAX. Padrões de Projeto SOA. Funções Essenciais à Justiça: Ministério Público. transição e operação de serviços. discricionário. trunk. XSLT. processos. Conceitos básicos e objetivos. Do Procedimento ordinário: Da petição inicial. 4 de outubro de 2011 ESPECIALIDADES: JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA.

Redes MPLS. RIP. VTL (Virtual Tape Library). roteadores. Spoofing. Atuação em programas de prevenção e tratamento: Uso do álcool. worms. Gerência de Rede. Desduplicação.TPJ . trabalho com grupos. codificação de voz. Instrumental de pesquisa em processos de investigação social: elaboração de projetos. no espaço e em relação às pessoas. Métodos de Ataque. pressupostos processuais. Dolo e Culpa. Saúde e Qualidade de Vida. Protocolo Ethernet (CSMA/CD). regulamentar e de polícia. Dos atos processuais. Da sentença e a coisa julgada. Das partes e dos procuradores. Avaliação de programas e políticas sociais. 4 de outubro de 2011 Lan free e Server free. Firewalls e regras de isolamento e proteção de redes. Higiene e profilaxia. VRRP. TÉCNICO JUDICIÁRIO . Spanning tree protocol (IEEE 802. Funções Essenciais à Justiça: Ministério Público. SnapShot. Controladores e Access Points. Promoção da biossegurança em saúde. Jogos pré-desportivos. 3DES. Malwares: vírus de computador.ESPECIALIDADE EDUCADOR FÍSICO Conceitos. estudo de caso. Medidas da atividade física. Dispositivos de Segurança. switches. OSPF. Código Civil: Das Pessoas: Pessoas Naturais. condições. Dos recursos. Financeira e Orçamentária. Fiscalização Contábil. CSMA/CA. técnicas e entrevistas utilizadas na prática do Serviço Social.666. topologias ponto a ponto e multiponto. distance vector. Redação e correspondências oficiais: laudo e parecer (sociais e psicossociais). Noções de Direito Penal: Crime e contravenção. Condicionamento físico. finalidades e objetivos da Educação Física. Da antecipação dos efeitos da tutela de mérito. jitter. backdoors. Modo de Atuação. Organização e Planejamento de Projetos esportivos. princípios. Estratégias. Da revelia. Ato Nulo e Ato anulável. instrumentos e técnicas de intervenção: sindicância. latência. Licitações e Contratos Administrativos: Lei nº 8. Conceitos: anatomia. AES. CIDR. bridges. protocolos e implantação. sub-camada de acesso ao meio (MAC). Do Proce3sso e do Procedimento: das disposições gerais. de 10 de abril de 1950 e Decreto-lei nº 201/67).PE. NAT e VPN. Controle de fluxo. social 45 . Dos auxiliares da Justiça. Espécies. Atividade Física. Classificação. Conceitos básicos e aplicações. Noções de farmacologia. ameaças e riscos de ataques a sistemas computacionais. Noções de toxicologia. buffer overflow. Ação penal pública: titularidade. Fibras ópticas multimodo e monomodo. requisitos. Ação penal privada: titularidade. Operação em frame-mode e cell-mode. Prestação de primeiros socorros. EIGRP. Atos Administrativos: Conceitos.079.11g/n Wireless LAN. redes locais. Medidas de avaliação física. Roteamento de pacotes. largura de banda. Servidores Radius e Integração com Serviço de NAC. flood. Noções de Direito Processual Civil: Código de Processo Civil: Noções de Jurisdição e da ação. video streaming e dados. Algoritmos de controle de congestionamento. Do Juiz. Enfermagem médica. VolP e Telefonia IP. Qualidade de Serviço (QoS). Cabeamento Estruturado. abordagem individual. DHCP. Estabelecimento e liberação de conexão. Responsabilidade. Do Ministério Público. ginástica olímpica (artística). Congresso Nacional. Proposta de intervenção na área social: planejamento estratégico.1X. Crimes contra a Administração Pública. perda de pacote e disponibilidade para voz. Poder Judiciário. Cópias totais. regras equipamentos e instalações utilizadas nos esportes: atletismo. Microbiologia e parasitologia. Redes geograficamente distribuídas. Tipo de serviço (ToS). projetos e atividade de trabalho. atuação na equipe interprofissional (relacionamento e competências). A Instituição e as Organizações Sociais. Protocolos de roteamento: menor caminho. de 10 de outubro de 2000). Dos Fatos Jurídicos: Do negócio Jurídico: Requisitos de validade do negócio Jurídico: Dos atos jurídicos: lícitos e dos atos ilícitos. Elementos do crime. Anulação e revogação. ANALISTA JUDICIÁRIO . Anatomia e fisiologia. Nacionalidade e Direitos Políticos. Firewall. Análise e fundamentação das relações sociais no âmbito das Instituições. Ginástica Laboral. Efeitos da condenação penal. controle de erro. tabaco e outras drogas: questão cultural. futebol e voleibol. Camadas de Rede e de Transporte. Noções de Direito Administrativo: Administração Pública: Características. biomecânica. Vulnerabilidades. grupos e seguimentos populacionais.028. Obediência hierárquica. biometria. incrementais e diferenciais. Classe de serviço (CoS) IEEE-802. Servidores Públicos. Serviços Públicos. Sujeitos da relação processual. SNMP. Erro. TCP. redes adhoc. Redes sem fio. Fast ethernet. Trap. lugar e tempo dos atos processuais. atributos. Do processo de execução em geral: Das disposições gerais. UDP. de 21/06/1993 e alterações posteriores. RMON. protocolos de janela deslizante. Tape Library. vídeo interativo. PKCS#7. Controle da Administração. Extinção da punibilidade. Criptografia. Prática Profissional x Prática Social x Prática Institucional. IPv6. Camadas Física e de Enlace. Algoritmos e protocolos de criptografia: RSA. largura de banda. O protocolo IP: endereçamento IPv4. DoS. Crime tentado e crime consumado. técnicas de entrevista. handebol. Uso de recursos institucionais e comunitários. flooding. Quadro.1d). programas. A prática profissional do Assistente Social na Instituição: possibilidades e limites.ESPECIALIDADE JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA Noções de Direito Constitucional: Princípios Fundamentais. Da formação. cirúrgica. Recreação: Jogos espontâneos e dirigidos. IDS. neuropsiquiátrica e em saúde pública. Relação de causalidade. Arquitetura. Domicílio Civil. Segurança da Informação: Fundamentos. DES. Métodos de desinfecção e esterilização de materiais e equipamentos de saúde. Poderes Administrativos: vinculados. controle de fluxo. ANALISTA JUDICIÁRIO . Autenticação 802. Conceitos. abordagem coletiva. Poder Legislativo. requisitos para a convergência de voz e dados.ESPECIALIDADE TÉCNICO EM ENFERMAGEM Psicologia e ética. SHA 1. Da prescrição e decadência. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Atos de improbidade praticados por agentes públicos e sanções aplicáveis. Estratégias de trabalho institucional: Conceitos de Instituição. jitter. Crime de responsabilidade fiscal (Lei nº 10. Assinatura e certificação digital. disciplinar.APJ . perda de pacotes. Causas de exclusão de culpabilidade. hubs. Comutação (switching) na camada de enlace de dados.APJ . em redes e com famílias. métodos e técnicas qualitativas e quantitativas. Poder Executivo. Topologias full-meshed e hub-and-spoke. Regime Jurídico. Técnicas de obtenção de qualidade de serviço. Nutrição e dietética.Edição nº 184/2011 Recife . cavalo de tróia. Personalidade Jurídica do Estado. basquetebol. Pessoas Jurídicas: Pessoas Jurídicas de direito público e de direito privado. keylogger. spyware. Metodologia do Serviço Social: métodos utilizados na ação direta com indivíduos. Forma. informação e avaliação social. Coação irresistível. Requisitos de validade do ato jurídico. Noções de administração de unidades de enfermagem. Serviços integrados. discricionário. legislação. detecção e correção de erros. gateways. Prevenção e tratamento de incidentes. da suspensão e da extinção do processo. terça-feira. phishing. Diagnóstico. Conceitos. Patologia. Direitos e Deveres Individuais e Coletivos. metodologia. Repetidores. Fundamentos. Noções de Direito Civil: Doutrina: conceito de lei: vigência e aplicação da lei no tempo e no espaço. métodos gímnicos. condições de procedibilidade. integração e interpretação da lei.ESPECIALIDADE ASSISTENTE SOCIAL Ambiente de atuação do assistente social. Do julgamento conforme o estado do processo. planos. Processo Legislativo. Administração Pública. organização e pedagogia.APJ . Direitos Sociais. Serviços diferenciados. Presidente e Vice-Presidente da República. Órgão e Agentes. Requisitos de latência. IPS. Padrão IEEE 802. VLAN (IEEE 802. padrões G711 e G729-A do ITU-T. Responsabilidade Civil. BGP. Redes de Computadores: Tipos e topologia de redes. alocação de rótulos e distribuição. hijacking. Organização Político-Administrativa. Ação penal: conceito. fisiologia do esforço e socorros de urgência. hierárquico. ANALISTA JUDICIÁRIO . Criptografia simétrica e assimétrica. Business Copy. Noções de Direito Processual Penal: Aplicação da lei processual no tempo. Do processo e do julgamento dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos. Do Procedimento ordinário: Da petição inicial. Gigabit ethernet. DDoS.1 Q/p. Crimes de responsabilidade (Lei nº 1. discricionariedade e vinculação. Da resposta do réu. Proxy.1Q). Estrutura brasileira de recursos sociais.

Doenças sexualmente transmissíveis. Ordenação vertical e horizontal. Políticas de Saúde Brasileira. diretrizes. a instituição e técnicas de pesquisas. terça-feira. Conceito. Política Social e Planejamento: a questão social e a conjuntura brasileira. Processos e técnicas: seleção. diretórios.Edição nº 184/2011 Recife . psicologia do crime e do criminoso.PE. Sinais e símbolos utilizados na CDU. Políticas Sociais: Relação Estado/Sociedade. Instrumentos da documentação: tipos de documentos. ANALISTA JUDICIÁRIO . Consciência Profissional: legislação. terapêuticas. históricos. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional . da criança e do adolescente: Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).LDB (Lei nº 9. neurológico. Parâmetros Curriculares Nacionais. ANALISTA JUDICIÁRIO . Indexação e resumo: noções básicas.ESPECIALIDADE NUTRICIONISTA Dietética . O papel dos conselhos. Programas de entrada: autoria individual e múltipla. Processamento Técnico de Informação: Classificação: classificação decimal universal: histórico. Estudo do usuário. processo jurídico e atuação do psicólogo. hábitos alimentares. doenças sexualmente transmissíveis. habitação. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. redes de assistência e famílias de alto risco.princípios gerais. atuação em programa de prevenção e tratamento à dissolução da sociedade conjugal. entidades coletivas. organismos de classe. Psicologia do desenvolvimento. criança/adolescente. A construção do conhecimento e a relação ensino-aprendizagem. informação e avaliação psicológica. técnicas psicoterápicas. áreas e limites de atuação do profissional de Serviço Social. mecanismos de integração e participação de todos os membros do grupo. ANALISTA JUDICIÁRIO . Legislação de Serviço Social: Níveis. enciclopédia. Processo grupal: relações interpessoais. A adoção e a guarda: normas. armazenagem e recuperação) e disseminação. Informática: noções básicas. alimentação normal para diferentes grupos etários e específicos para dietética e nutrição infantil e estados fisiológicos. projetos e programas em Serviço Social. ECA . prática e desenvolvimento organizacional. a prestação de serviços e a assistência pública.ESPECIALIDADE FISIOTERAPEUTA Fisioterapia em: pneumologia. seleção.APJ . geriatria. bibliografias. Atendimento a pesquisas e consultas. Aids. Alternativas para resolução de conflitos: conciliação e mediação.Código de Catalogação Anglo-Americano. saúde. capacitação. trabalho. do psicólogo e da justiça. bases fisiológicas 46 . separação e divórcio. geriátricas e traumato-ortopédicas. Funcionamento e desenvolvimento organizacional da escola. O Serviço Social na Instituição: característica e fundamentos. A participação da comunidade escolar. Atendimento às vítimas. respiratório. Utilização de fontes gerais e jurídicas de informação. Gestão democrática. penas alternativas e ressocialização. assistência pública. metodologia e avaliação.APJ . estratégia de atendimento e acompanhamento. cardiologia. Sistemática de acompanhamento e avaliação do trabalho escolar e do trabalho técnico e administrativo inerentes à área de atuação. Organização do trabalho escolar: fundamentos sócio-político-culturais. A normalização e as linguagens documentárias. Sistemas de Avaliação do ensino no Brasil. Técnicas de elaboração de descritores. referenciação de artigos de periódicos.agosto/2002. psicodiagnóstico. A defesa de direitos da criança e do adolescente. vocabulário controlado. 4 de outubro de 2011 e psicológica. ética profissional e na justiça.CEE/PE. A função social da escola. Técnicas de busca: intercâmbio. Sala de aula: pluralidade e diversidade cultural. Dimensão sócio-político-cultural.ESPECIALIDADE PEDAGOGO Fundamentos filosóficos. Bibliografia: ABNT . Conhecimentos de clínica relacionados às patologias cardiorrespiratórias. Estatuto da Criança e do Adolescente. adoção e guarda. Política Social e Planejamento: a questão social e a conjuntura brasileira. Planejamento Participativo. pediatria e neurologia. documentos legais (legislação e jurisprudência). Política Nacional do Idoso. Relação professor-aluno. Sistema Único de Saúde (SUS) e agências reguladoras. ações e desafios na área da família. Legislação Nacional: Constituição Federal de 1988. didática e prática de ensino. Avaliação: dimensão sócio-política. Organização e Administração de Bibliotecas: Princípios básicos de OAB. trajetória delinqüências e o papel da família. Planejamento bibliotecário. estrutura. ANALISTA JUDICIÁRIO . a Instituição e o Estado.ESPECIALIDADE PSICÓLOGO Psicologia Clínica: relações humanas. Tecnologia e Meio Ambiente .SECTMA. traumato-ortopedia. Secretaria de Educação . elaboração.APJ . Lei Orgânica de Assistência Social (LOA). Catalogação: AACR 2 . História da Educação: concepção e tendências pedagógicas. Políticas. redação e correspondência oficiais: laudo e parecer (psicológicos e psicossociais). estudo de caso. O Serviço Social e a administração de benefícios. publicações periódicas. Contexto atual e o neoliberalismo. desenvolvimento e estrutura da documentação geral e jurídica. Legislação Estadual que regulamenta a Oferta de Ensino pelo Sistema Estadual de Pernambuco: Instruções e Resoluções do Conselho Estadual de Educação . Nutrição normal. suplementos). Políticas de Seguridade e Previdência Social. Currículo: concepção e organização do conhecimento.394/96). trabalho em equipe inter-profissional: relacionamento e competências. Referência: Conceituação do serviço de referência. estratégias de trabalho da instituição. ética. Catalogação descritiva. cabeçalhos de assuntos. novas modalidades de família: diagnóstico. O papel da ação supervisora: concepção. psicopatologia. operacionalização e avaliação. Concepção de planejamento.ESPECIALIDADE BIBLIOTECÁRIO Documentação e Informação. Balanço Social. pediátricas. Metodologia. sociológicos e econômicos da educação. Dimensão sócio-político-cultural. Principais sistemas de informação automatizados: nacionais e internacionais. alternativa para a resolução de conflitos: conciliação e mediação. aperfeiçoamento e desenvolvimento funcional nas áreas técnicas e administrativas. processo jurídico e psicossocial. Administração e Serviço Social: concepção burocrática. abordagem sistêmica e estratégias de atendimento e acompanhamento. conservação e preparo dos alimentos. ANALISTA JUDICIÁRIO . O Projeto Político Pedagógico da Escola: fundamentos e concepções. planejamento. Fontes institucionais: centros. Referenciação de livros e publicações no todo e em parte (números especiais. vitimologia: estratégia de diagnóstico. planejamento de cardápios. O direito à educação e as funções da escola. Novas modalidades de família: diagnóstico. Mecanização e automação de serviços bibliotecários.SEDUC e Secretaria de Ciências. ementários. utilização de recursos institucionais e comunitários.NBR 6023 . Planos e Projetos: fundamentos. Conhecimentos de anatomia e fisiologia dos sistemas: cardiovascular. Tendências atuais da gestão escolar. centros de defesa e delegacias.APJ . interdição. Políticas da Assistência Brasileira. Ética profissional. neurológicas. Uso das tabelas auxiliares. uso de drogas lícitas e ilícitas. Pesquisa em Serviço Social do Trabalho: metodologias aplicadas e técnicas de pesquisas. psicologia da criança e do adolescente. Princípios e eixos norteadores. A formação continuada e o compromisso com a qualidade da ação educativa. tratamento (análise.Estatuto da Criança e do Adolescente. adoção à brasileira e adoção internacional. serviços e sistemas de documentação. Referências bibliográficas. abordagem sistêmica em situações de conflito na família. áreas de atuação do psicólogo jurídico: conceitos de instituição. questões de abandono e delinqüência infanto-juvenil.APJ . curatela. Serviços de alerta e disseminação da informação. Formação profissional: treinamento. teorias da personalidade. violência doméstica e urbana. dicionários. A organização curricular por projetos. movimentos sociais. Teorias de aprendizagem. renal e endócrino.

Business Copy. perda de pacotes. Business Inteligence (BI) Conceitos e estratégias de implantação.Edição nº 184/2011 Recife .ITIL v3. Sistemas de gerenciamento de processos (BPMS). Ambiente Unix HP-UX/Linux Conceitos de kernel e Shell. Deployment (instalação) de aplicação Java: JAR. gerência de portfólio. Processo unificado (RUP): disciplinas. Arquitetura e padrões de projeto J2EE e J2SE. 4 de outubro de 2011 de bioquímica. Topologia típica de ambientes com alta disponibilidade e escalabilidade. Webservices. Camadas Física e de Enlace. Protocolo Ethernet (CSMA/CD). Conceitos e arquitetura de um SGBD. Data Mart. estrutura e objetivos. recomendações e guias de estilo. TCP. Metodologias de desenvolvimento de software. Requisitos da informação.1d). implementação. Serviços integrados. Técnicas de análise de desempenho e otimização de consultas SQL. terça-feira. Processos e funções de estratégia. Serviços diferenciados. CNA (Converged Network Adapter). controle de fluxo. do MPOG/SLTI.ITIL v3. Arquitetura em três camadas. tipos de atividades. Papéis do gerenciamento de processos. Protocolos de roteamento: menor caminho. NAT. redes locais. Requisitos da informação. WSDL. XP). configuração. Dietoterapia: noções gerais. Arquitetura. OSPF. Tunning e performance. Redes geograficamente distribuídas. Técnicas de validação de requisitos. Técnicas para detecção de problemas e otimização de desempenho. ciclo de vida BPM. Servidores de Aplicação. TomCat. WS-Secutiry. BPMN 2.CMMI. Padrões de Projeto SOA. DHCP. AJAX. Segurança no Desenvolvimento de Software: Práticas de programação segura e revisão de código. fail-over e replicação de estado. performance e detecção de problemas. tipos de testes. Estabelecimento e liberação de conexão. jitter. Controle de fluxo. Camadas de Rede e de Transporte. VRRP. grupos de processo e áreas de conhecimento. Controladores e Access 47 . largura de banda. análise do processo e desenho do processo. Projeto OWASP (Open Web Application Security Project).2009. JEE6: container EJB3. estrutura e objetivos.ESPECIALIDADE ANALISTA DE SISTEMAS Gestão e Governança de TI: Gestão Estratégica. WAR. Gerência de Configuração de Software. desenho. Gestão de Segurança da Informação. Gerenciamento e especificação de requisitos. BAM (Monitoramento). Conceitos básicos. Instrução Normativa nº 4/2008 e sua revisão em 2010. convenção de nomes. Classe de serviço (CoS) IEEE-802. Conceitos básicos. Utilização de kerberos e LDAP para autenticação. Componentes de uma rede SAN. Facelets. Modelagem multidimensional. Lucene. processos. Conceitos básicos e objetivos. Recursos de tecnologia da informação. Notação para representação de processos. SnapShot. Projeto e execução de testes. gerência de portfólio. Padrões de projeto. Contratação de Bens e Serviços de TI: Aspectos específicos da contratação de bens e serviços de TI.2. perda de pacote e disponibilidade para voz. Princípios de Design. Controles e testes de segurança para aplicações web. DHCP.PMBOK 4ª edição. recomendações nutricionais. papéis e atividades. Elaboração de projetos básicos para contratação de bens e serviços de TI. processos. modelos e diagramas.PE. Gerenciamento de serviços . protocolos de janela deslizante. desenho. EAR. Normas SSE-CMM. geração de builds e pacotes de liberação. Gestão por Processos: BPM CBOK 2ª Edição . Arquitetura Orientada a Serviços (SOA).1Q). Requisitos de latência. Versionamento. Clustering. Apache. tipos de atividades. Java Persistent API (JPA). Redes de Computadores: Tipos e topologia de redes. Conceitos básicos. bridges. Níveis de capacidade e maturidade. JBoss Seam. Segurança em Redes Windows: Autenticação. Análise de requisitos de usabilidade. requisitos para a convergência de voz e dados. XSLT. FCoE (FiberChannel over Ethernet). Repetidores. flooding. implantação e gestão de políticas de segurança e auditoria. Engenharia de software: Engenharia de requisitos. Teste de Software. Qualidade de software . Group Policy. switches. nutrientes essenciais e não essenciais. vídeo interativo. Administração de contas de usuários e grupos. Hibernate. Comutação (switching) na camada de enlace de dados. Fundamentos. Padrão MVC. RIP. Prototipação.COBIT 4. Data Mining. bases fisiopatológicas. Desduplicação. hubs. planejamento. Governança de TI . Recursos de tecnologia da informação. alocação de rótulos e distribuição. Disciplinas e formas de representação. Interoperabilidade de sistemas. Permissões. projetos e a organização. Replicações síncronas e assíncronas. autoridades administrativas. UDDI. desenvolvimento e uso. Armazenamento de dados e cópias de segurança Conceitos de DAS. ciclo de vida de projeto e de produto. Log4j. CSS e JavaScript. Conceitos de cópias de segurança Lan free e Server free. Qualidade de Serviço (QoS). Legislação relativa à segurança dos sistemas de informação. ECM/GED. BRMS (Business Rules). Ciclo de vida do software. Diretório de Serviços Active Directory.PMBOK 4ª edição. Tape Library. aplicação. Ambiente Operacional Corporativo: Ambiente Windows 2008 TCP/IP.APJ . Instrução Normativa nº 4/2008 e sua revisão em 2010. ANALISTA JUDICIÁRIO . Conceitos. Engenharia de usabilidade. Linguagem Java. IIS: fundamentos. Conceitos básicos. Cabeamento Estruturado. Infraestrutura de Aplicação Java: Servidores de Aplicação. BPMN v-1. Técnicas de obtenção de qualidade de serviço. Conceitos básicos e objetivos. tags. JBoss e Weblogic: configuração. BSC (Balanced Scored Card). UDP. Gerenciamento de serviços . Conceitos básicos. VLAN (IEEE 802. functions e packages. video streaming e dados. UML: visão geral. Richfaces.COBIT 4. ciclo de vida de projeto e de produto. EIGRP. Gestão de Segurança da Informação. Nesma e uso de deflatores. JBoss e Weblogic: instalação. controle de erro. Critérios. Gerenciamento de projetos . topologias ponto a ponto e multiponto. Modelagem de Dados. Conceitos básicos e objetivos. Gestão por Processos: BPM CBOK 2ª Edição . Cliente/Servidor duas camadas e multicamadas. Programação em bash shell para HP-UX e Linux. Análise e projeto orientados a objetos. incrementais e diferenciais. fases.1 Q/p.2009. utilização de LVM. detecção e correção de erros. CIDR. branches. Fast ethernet. Elaboração de projetos básicos para contratação de bens e serviços de TI. Conceitos de Fibre Channel. latência.11g/n Wireless LAN. Arquitetura orientada a serviços. SOAP. Algoritmos de controle de congestionamento.1. CSMA/CA. Conceitos básicos. comunicações seguras entre clientes e servidores Windows. Contratação de Bens e Serviços de TI: Aspectos específicos da contratação de bens e serviços de TI. VTL (Virtual Tape Library). Modelagem do processo. Notação para representação de processos. BGP. processos e objetivos de controle. Contagem em projetos de desenvolvimento: IFPUG e Nesma. Domínios. configuração. largura de banda. ISO/IEC 15408. Quadro. planejamento estratégico.2. trunk. Conceitos básicos.ESPECIALIDADE ANALISTA DE SUPORTE Gestão e Governança de TI: Gestão Estratégica. Conceitos básicos. administração e uso. administração. Domínios. Balanceamento de carga. Planejamento e administração da Unidade de Nutrição e Dietética. Definição. distance vector. Conceitos. IPv6. Padrão IEEE 802. redirecionamento de entrada e saída. Conceitos básicos e objetivos. planejamento estratégico. Análise por pontos de função. Métodos para avaliação de usabilidade. Processos e categorias de processos. Operação em frame-mode e cell-mode. redes adhoc. O protocolo IP: endereçamento IPv4. Técnicas de elicitação de requisitos. Cópias totais. projetos e a organização. domínios. Conceitos básicos. sub-camada de acesso ao meio (MAC). Conceitos básicos. Barramento de Serviços Corporativos (ESB). HTML. permissão e acesso a arquivos. BPMA (Modelagem e Análise). RESTful Web services e Composição de Serviços (SCA). Spanning tree protocol (IEEE 802. transição e operação de serviços. Redes MPLS. DNS. Linguagens SQL e PL/SQL. Automação de testes. Desenvolvimento Web em Java. análise do processo e desenho do processo. Conceitos básicos e objetivos. Padrões: XML. Linguagens de orquestração de serviços BPEL.1. Higiene e microbiologia dos alimentos. Sistema de arquivos: comandos para manipulação de arquivos e diretórios. tipos de processos. Processos e funções de estratégia. Gigabit ethernet. atribuições administrativas. Governança de TI . Avaliação nutricional. Arquitetura de Software: Arquitetura de Sistemas.meshed e hub-and-spoke. Tipo de serviço (ToS). JCA. Triggers. Gerenciamento de projetos . Desenvolvimento Corporativo em Java. Schema Policy. Redes sem fio. Metodologias ágeis (SCRUM. RAID. Banco de Dados: Fundamentos. Padrões de Autenticação e Autorização. Fibras ópticas multimodo e monomodo. codificação de voz. gateways. Criptografia e infraestrutrura de chave pública. processos e objetivos de controle. unidades organizacionais. tipos de processos. grupos de processo e áreas de conhecimento. Contagem em projetos de manutenção: IFPUG. padrões G711 e G729-A do ITU-T. OLAP. Conceitos básicos e aplicações. VolP e Telefonia IP. Normas NBR ISO/IEC 27001 e 27002. Servidores WEB. Modelagem do processo. ciclo de vida BPM. Roteamento de pacotes. BSC (Balanced Scored Card).APJ . jitter. do MPOG/SLTI. Java Server Faces (JSF). XSD. Qualidade de software. ANALISTA JUDICIÁRIO . Topologias full. WS-Policy. SAN e NAS. Data Warehouse. JEE. roteadores. Normas NBR ISO/IEC 27001 e 27002. EJB3. procedures.0. Comandos para gerenciamento de processos. transição e operação de serviços. Contratos. Linguagem de Programação Java: Projeto de Sistemas em Java. BPMN v1.

mamografia e dosagens hormonais. Acidente vascular cerebral. Classificação. Prevenção e tratamento de incidentes. aspectos clínicos e tratamento. Doenças vasculares do sistema nervoso. Insuficiência renal aguda.ESPECIALIDADE MÉDICO PSIQUIATRA 48 . procedures. worms. ANALISTA JUDICIÁRIO . IDS. Hematológicas. 4 de outubro de 2011 Points. Lesões agudas da mucosa gastroduodenal. cárie. Técnicas para detecção de problemas e otimização de desempenho. ANALISTA JUDICIÁRIO . Intoxicações agudas. Gestante. Tumores do sistema nervoso. Topologia típica de ambientes com alta disponibilidade e escalabilidade. Infarto agudo do miocárdio. Insuficiência respiratória. Manifestações neurológicas e das doenças sistêmicas. Exames complementares em ginecologia: colpocitologia oncótica e hormonal. ANALISTA JUDICIÁRIO . fisiopatologia do sistema nervoso. cefaléias. Endometriose. Métodos de Ataque. Cirurgia oral menor. Meningites. demências e distúrbios da atividade nervosa superior. quadro clínico e tratamento. Submetido a radiação ionizante e quimioterápicos. Traumatismos em dentes anteriores. Medicação e antibioticoterapia sistêmica. Algoritmos e protocolos de criptografia: RSA. Trap. Doenças tóxicas e metabólicas. Cardiopatias secundárias. Diabético. Imunizações. Doenças do pericárdio: quadro clínico e tratamento. Síndrome do climatério. Concussão. Puberdade normal e patológica. aspectos clínicos e conduta terapêutica. Doenças da aorta e artérias periféricas: quadro clínico e tratamento. Neuropatologia básica. Dentição permanente . hematúria e infecções. aspectos clínicos e tratamento.1X.APJ . Emergências médicas em odontologia. Incontinência urinária de esforço. Parada cardíaca e ressuscitação. IPS. hijacking. cavalo de troia. Malwares: vírus de computador. Miocardiopatias agudas e crônicas: classificação. flood. Reanimação cardiorrespiratória cerebral. urgência em neurologia ANALISTA JUDICIÁRIO . Endodontia. naturais e DIU. diagnósticos e tratamento. fisiopatologia e tratamento. Exame clínico em ginecologia. Proteção do complexo dentina-polpa.Edição nº 184/2011 Recife . Biossegurança na prática odontológica. Pneumonias. Assinatura e certificação digital. Fratura de coroa e raiz. Descompensações no paciente diabético. eletroneuromiografia. Noções básicas de urgência/emergência na prática médica. DES. Criptografia. Edema agudo de pulmão. Fisiologia menstrual.tratamento e diagnóstico. Imunodeprimido. tratamento. Princípios básicos do atendimento em odontopediatria. Terapêutica de emergência/urgência em odontologia. Princípios gerais do preparo cavitário. NAT e VPN. protocolos e implantação. Doença inflamatória pélvica. Ações de vigilância epidemiológica e imunização. Embolia pulmonar. Fratura complicada da coroa. Conceitos.ESPECIALIDADE MÉDICO CARDIOLOGISTA Insuficiência cardíaca: fisiopatologia. Técnicas radiográficas intra e extra-orais. Lesões dos tecidos periodontais. A doença do Pulmão e das artérias pulmonares: etiopatogenia.APJ . Prolapso genital. RMON. Endocardite bacteriana: quadro clínico e tratamento. Neurológicas. Arterioesclerose. fisiologia. fisiopatologia. Provas de Esforço. radiologia ginecológica. Proxy. Fratura não complicada da coroa. Firewall. Neurologia do trauma. diagnóstico. 3DES. Cardiopatias valvares adquiridas: etiopatogenia.ESPECIALIDADE ODONTÓLOGO Diagnóstico bucal: patologia dos tecidos moles e duros da cavidade oral. do Sistema Digestivo. fisiopatologia e tratamento. Hemorragia digestiva. Luxação. Renais.ESPECIALIDADE MÉDICO GINECOLOGISTA Anamnese ginecológica: noções básicas da anatomia dos órgãos genitais e da mama. Infecciosas e Transmissíveis. quadro clínico e tratamento.T. Holter e Mapeamento. aspectos clínicos. Traumatismo torácico. Trinca do esmalte. Criptografia simétrica e assimétrica. Doenças sexualmente transmissíveis/AIDS. AIDS. Dispositivos de Segurança.APJ . Princípios de ginecologia preventiva. ANALISTA JUDICIÁRIO . AES. Estado epilético. Epidemiologia. keylogger. Hepatites virais. Pulmonares. Técnicas de anestesia intra-oral. Fatores de risco em oncologia ginecológica. fisiologia. phishing. Arritmias cardíacas paroxísticas. terça-feira. Patologias urogenitais e enterogenitais mais freqüentes. Uso de barreiras protetoras. Spoofing. Patologias tumorais benignas do trato genital.PE.APJ .M. endócrinas e nutricionais: quadro clínico e tratamento. Triggers. Balanceamento de carga. Ética médica e Bioética. Métodos de prevenção da cárie e da doença periodontal. Linguagens SQL e PL/SQL. Conceitos básicos e aplicações. patogenia. Semiologia neurológica. equipamentos e superfícies. Distúrbios do sono.tratamento e prognóstico. Traumatismo cranioencefálico. clínica. doenças do sistema nervoso periférico. Terapêutica medicamentosa na rotina de tratamento das principais infecções bucais e estruturas anexas. fail-over e replicação de estado. Imunológicas. DoS. Flúor.ESPECIALIDADE MÉDICO CLÍNICO GERAL Conceitos fundamentais das diversas especialidades clínicas. backdoors. Doenças cardíacas congênitas: classificação e conduta de tratamento. Banco de Dados: Conceitos e arquitetura de um SGBD. Indicações e interpretações de: eletroencefalograma. Vulvovaginites específicas e inespecíficas. Epilepsias. DDoS. Patologia tumoral benigna e maligna das mamas. Cardiopatias secundárias e doenças metabólicas. retenção urinária. Doenças reumática: etiopatogenia. Fisiopatologia da mastigação e A. prognóstico e prevenção de doenças: Cardiovasculares. Doenças infectocontagiosas incluindo dengue/vigilância em Saúde. Avulsão Dentária. Profilaxia de raiva e tétano. Reumáticas. Disgenesias do sistema nervoso. Arritmias cardíacas: classificação. Hipertensão arterial sistêmica: fisiopatologia. Planejamento familiar: métodos cirúrgicos. Problemas éticos em ginecologia. Metabólicas e do Sistema Endócrino. Traumatismo abdominal. Colecistite aguda. Exame clínico e radiográfico. buffer overflow. ameaças e riscos de ataques a sistemas computacionais. Atendimento ao Paciente de Risco. potências evocados. Subluxação. metrorragias. Servidores Radius e Integração com Serviço de NAC. Efeitos biológicos dos raios X e interpretações radiográficas. Infertilidade conjugal. Propedêutica cardiológica não invasiva: Ecocardiografia. ultra-sonografia. Emergência hipertensiva. Insuficiência cardíaca. líquido cefalorraqueano. Doenças dos músculos e placa degenerativa. Gerência de Rede.APJ . spyware. PKCS#7. Doença coronária Isquêmica aguda e crônica: fisiopatologia. anatomia patológica. amenorréia. SNMP. de barreira. ANALISTA JUDICIÁRIO . Descarte de lixo e de material perfurocortante. Acidentes por animais peçonhentos. colposcopia. neuroimagem.APJ . distúrbios do estado de consciência e distúrbios do movimento. Vulnerabilidades. Choque.ESPECIALIDADE MÉDICO NEUROLOGISTA Neuroanatomia. hormonais. Enterocolopatias. functions e packages. Cardiopata e Hipertenso. Malformações genitais mais freqüentes. SHA 1. Dentição decídua . Conduta frente a acidentes de trabalho. Segurança da Informação: Fundamentos. Distúrbios da menstruação: hemorragia uterina disfuncional. Autenticação 802. Lesões das estruturas dentárias mineralizadas e da polpa. Cuidados com instrumental. placa bacteriana e doença periodontal. Septicemias. Emergências urológicas: cólica nefrética. Firewalls e regras de isolamento e proteção de redes. Materiais restauradores.

Latrogenia Ocular. A história da Psiquiatria e principais concorrentes. puberdade. manifestações clínicas.NBC T 16 do Conselho Federal de Contabilidade. Distúrbios do ajustamento e do controle dos impulsos. vida adulta. diagnóstico e tratamento. tratamento e profilaxia. gota. Organização Político-Administrativa. Da impenhorabilidade do Bem de Família (Lei no 8. Psiquiatria geriátrica. Matemática Financeira: Juros simples e juros compostos. Dos Auxiliares da Justiça. O Orçamento na Constituição Federal de 1988: Plano Plurianual.APJ . Direitos e Deveres Individuais e Coletivos. especificamente Parte I . endoftalmites.ESPECIALIDADE CONTADOR Orçamento Público: Conceito. Presidente e Vice-Presidente da República. aspectos gerais. Pessoas Jurídicas: Pessoas Jurídicas de direito público e de direito privado. classificação. Licitações e Contratos Administrativos: Lei no 8. Artrites crônicas da infância. O desenvolvimento da personalidade: infância. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Epidemiologia. Doenças difusas do tecido conjuntivo: lúpus eritematoso sistêmico. ceratites não supurativas. ANALISTA JUDICIÁRIO . Coação irresistível. Do Procedimento ordinário: Da petição inicial.MÉDICO TRAUMATOLOGISTA Anatomia do aparelho locomotor. O eletroencefalograma. Doenças inflamatórias da córnea. Psicoses funcionais e orgânicas. Efeitos da condenação penal. Blefarites e ceratoconjuntivites. Parte II . Fraturas e luxações . reavaliação. celulite orbitária. Ambliopia. de 20/06/2011.666. Poder Executivo. úlceras de córneas não infecciosas. efetiva. Artrite gonocócica. Do Ministério Público. Distúrbios psicossomáticos. Afecções Inflamatórias e infecciosas de ossos e articulações. União. A família. ativo intangível. Estrabismo. Servidores Públicos. Lei de Responsabilidade Fiscal e alterações (Lei Complementar nº 101/00). Distúrbios infecciosos.ESPECIALIDADE MÉDICO OFTALMOLOGISTA Higiene visual. Lei nº 8. Esquizofrenias. Órgãos e Agentes. Desconto. polimiosites e dermatopolimiosites. Perícia psiquiátrica. Portaria nº 406.Plano de Contas Aplicado ao Setor Público . individual e grupal. redução ao valor recuperável. Intervenção hospitalar. despesa orçamentária: conceito. espondiloartropatias.APJ . diagnósticos: específico e diferencial. do sono e das disfunções sexuais. Crise vital. Responsabilidade Civil. atributos. Reabilitação. vasculites sistêmicas. Congresso Nacional. de 10 de outubro de 2000). diagnóstico específico e diferencial.OPJ . receita orçamentária: conceito. classificação e reconhecimento. ANALISTA JUDICIÁRIO . diagnóstico específico e diferencial. Funções Essenciais à Justiça: Ministério Público. Exames subsidiários. Ato Nulo e Ato anulável. Exame físico do aparelho locomotor. síndrome de Sjogren. sistema de custos. Obediência hierárquica. restos a pagar. Epidemiologia psiquiátrica. seu objeto. Terapêuticas biológicas.ESPECIALIDADE MÉDICO REUMATOLOGISTA Osteoartrite. tratamento e profilaxia. créditos orçamentários adicionais. Traumatismo de mão. O exame do estado psíquico.princípios orçamentários. disciplinar. Personalidade Jurídica do Estado. manifestações clínicas. Personalidades psicopáticas. Regime Jurídico. manifestações clínicas. hormonais e suas manifestações psiquiátricas. Direito Processual Civil: Código de Processo Civil: Noções de jurisdição e da ação. Direito Administrativo: Administração Pública: Características. Reumatismo de partes moles. tratamento e complicações. Manifestações oculares da Aids: epidemiologia.APJ . Causas de exclusão de culpabilidade.plano de contas. Glaucoma e hipertensão intraocular. Atos Administrativos: Conceitos. Prevenção de moléstias oculares. Mecanismos de defesa. Retinopatia diabética.classificação. Transtornos alimentares. 4 de outubro de 2011 Psiquiatria Geral: Conceito de Psiquiatria. manifestações clínicas. diagnóstico específico e diferencial. regulamentar e de polícia. vigência e aplicação da lei no tempo e no espaço. Atos de improbidade praticados por agentes públicos e sanções aplicáveis. Modo de Atuação. diagnósticos específico e diferencial. Tuberculose osteoarticular. fonte/destinação de recurso.Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público. velhice. discricionário. Psicoterapias breve e focal. Domicílio Civil.princípios de contabilidade. Código Civil: Das Pessoas: Pessoas Naturais. Classificação. Psiquiatria infantil. bursites. Malformações congênitas. Conflitos.ESPECIALIDADE JUDICIÁRIA E ADMINISTRATIVA Direito Constitucional: Princípios Fundamentais. Epilepsias. Direitos Sociais. Lentes corretoras: diagnóstico e tratamento. Da sentença e a coisa julgada. Espécies. O exame: a entrevista em Psiquiatria. Elementos do crime. Dolo e Culpa. Fribromialgia. Traumatismos oculares: epidemiologia. Episclerites e esclerites: epidemiologia. Requisitos de validade do ato jurídico. Parte IV . Crimes contra a Administração Pública. A relação psiquiatra-paciente. Imobilizações provisórias e definitivas. dacriocistite crônica e aguda: epidemiologia. Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público . ANALISTA JUDICIÁRIO . Problemas ortopédicos do recém-nascido. Modalidades. aprovação. doença óssea de Paget. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público . Alcoolismo e toxicomanias. Controle da Administração. Administração Pública. requisitos. Direito Civil: Doutrina: conceito de lei. Anulação e revogação.028. Febre reumática.666/93 e alterações posteriores . Vícios de refração.Procedimentos Contábeis Patrimoniais . Perturbações psicossexuais. tratamento e profilaxia. Da revelia.PE. manifestações clínicas. Infecções corneanas: epidemiologia.079. Psicose Maníaco-Depressiva. ativo imobilizado.Procedimentos Contábeis Orçamentários . Nacionalidade e Direitos Políticos.Portaria-Conjunta nº 1. discricionariedade e vinculação. execução e avaliação. campo e método de estudo. Relação de causalidade. tendinites e tenosinovites. reconhecimento. despesas de exercícios anteriores e suprimentos de fundos. Tratamento e profilaxia. sistema e registro contábil Parte V . Dos atos processuais. manifestações clínicas. Da antecipação dos efeitos da tutela de mérito. depreciação e amortização. de 21/06/1993 e alterações posteriores. artigos 70 a 75. Artrites sépticas e bacterianas. diagnóstico diferencial e tratamento. Direito Penal: Crime e contravenção. diagnóstico. Os testes em Psiquiatria. Crime tentado e crime consumado. Emergências psiquiátricas. ANALISTA JUDICIÁRIO . Ciclo Orçamentário: elaboração. Afecções traumáticas dos nervos periféricos. manifestações clínicas. orçamentária e financeira .Licitações: princípios. Da prescrição e decadência. Tratamento e profilaxia. Crime de responsabilidade fiscal (Lei nº 10. Erro. Doenças ósseas metabólicas: osteoporose. artrite reumatóide. Catarata: epidemiologia. composição do patrimônio público. tratamento e profilaxia. uveítes. Do processo de execução em geral: Das disposições gerais. Serviços Públicos. equivalente e aparente. Crimes de responsabilidade (Lei nº 1. Astenopia. Da resposta do réu. Artrite psoriásica. variações patrimoniais. O tratamento. Funções do Ego. hierárquico. dispensa e inexigibilidade. Do Juiz. Tumores ósseos e de tecidos moles.Constituição Federal de 1988. OFICIAL DE JUSTIÇA . diagnóstico específico e diferencial. Poderes Administrativos: vinculado. Responsabilidade. Psicopatologia das funções psíquicas. Poder Legislativo. Poder Judiciário. Neuroses. Psicofarmacologia. Orçamento programa. Da fiscalização contábil. de 10 de abril de 1950 e Decreto-lei 49 .009/1990).Edição nº 184/2011 Recife . Artrites reativas. terça-feira. Reações à doença física e à hospitalização. Valor Presente. Valor Futuro e Montante. Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. Oligofrenias. de 20/06/2011. Taxas de juros: nominal. Demências. Epidemiologia: manifestações clínicas. A doença mental. O stress. Das partes e dos procuradores. Dos Fatos Jurídicos: Do negocio Jurídico: Requisitos de validade do negocio Jurídico: Dos atos jurídicos: lícitos e dos atos ilícitos. o meio e a doença mental.APJ . real. Lombalgia. integração e interpretação da lei. Do Processo e do Procedimento: das disposições gerais.

Do processo e do julgamento dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos.PE. pressupostos processuais. Forma. terça-feira. Sujeitos da relação processual. condições de procedibilidade. lugar e tempo dos atos processuais. Direito Processual Penal: Aplicação da lei processual no tempo. 50 . condições. Ação penal pública: titularidade. no espaço e em relação às pessoas.Edição nº 184/2011 Recife . Ação penal: conceito. Ação penal privada: titularidade. 4 de outubro de 2011 nº 201/67). Extinção da punibilidade.

PE. contra a decisão de fls. T. a.Capitalize Fomento Comercial Ltda. alíneas "a" e "c".conforme Regimento I. Está assim vazado o acórdão exarado no referido apelo: 51 . Recorrido(s) .conforme Regimento I. III e Outro(s) . 2011. Apelado Advog Orgao Julgador Relator Revisor Revisor Convocado Despacho Última Devolução Apelação : Jaboatão dos Guararapes : 1ª Vara Cível : 00050614720048170810 Ação Monitoria Ação Monitoria : Capitalize Fomento Comercial Ltda : Manuela Beatriz Pontes Maciel : Luiz José de França : Amanda Mascarenhas Barbosa : Refripet Indústria e Comércio e Representações de Embalagens Plásticas Ltda : André Luiz Lins de Carvalho : 6ª Câmara Cível : Des. terça-feira. interpôs Recurso Especial (fls.Refripet Indústria e Comércio e Representações de Embalagens Plásticas Ltda. Eduardo Augusto Paura Peres : Juiz Heriberto Carvalho Galvão : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:17 Local: Diretoria Cível Recurso Especial na Apelação Cível n. T. III e Outro(s) . T. Dornelas de Souza Júnior e Outro(s) . José Carlos Patriota Malta : Des. na apelação cível acima mencionada. III e Outros Ordem Processo 005 0242967-4/01 001 0184988-1 005 0242967-4/01 005 0242967-4/01 003 0238880-3/02 001 0184988-1 004 0239842-7/01 001 0184988-1 003 0238880-3/02 003 0238880-3/02 002 0214693-8/01 003 0238880-3/02 004 0239842-7/01 005 0242967-4/01 002 0214693-8/01 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. 4 de outubro de 2011 VICE-PRESIDÊNCIA DESPACHOS/DECISÕES VICE-PRESIDÊNCIA SETOR DE RECURSOS Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. proferida pela 6ª Câmara Cível deste Tribunal.14204 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Andrea Christina Portela Gouveia Manço André Luiz Lins de Carvalho André de Vasconcelos Aristides Joaquim Félix Júnior Eduardo Bitencourt de Barros Luiz José de França Luiz Otávio Laranjeiras Lins Manuela Beatriz Pontes Maciel Mauricio Miranda Saullo Veras Meireles Ulisses N. a.Edição nº 184/2011 Recife . DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Capitalize Fomento Comercial Ltda. 224/232) com fundamento no artigo 105. a. III. 0184988-1 Comarca Vara Acao Originaria Apelante Advog Advog Estag.conforme Regimento I. 184988-1 Recorrente(s) . 208/209 e 212. da Constituição da República.

sob pena de não admissão do recurso.Recurso especial não provido". como também pretende o recorrente. nos termos dos votos da turma'.Julg.º 07/STJ impossibilita a verificação. por analogia. fazer juízo sobre os fatos da causa. o que atrai a incidência. CIVIL. 5.CONTRATO DE FACTORING . bem como em que medida teria o acórdão recorrido afrontado cada um dos artigos atacados ou a eles dado interpretação divergente da adotada por outro tribunal. 7 do STJ. em sede de recurso especial. tem-se a hipótese de fundamentação deficiente. julgou improcedente o pedido formulado na Ação Monitória que ajuizou contra a recorrida. 263/271.AÇÃO MONITÓRIA .. IMPOSSIBILIDADE DE REEXAME POR ESTA CORTE ESPECIAL. assim como a análise das disposições do contrato de fls. Ministro HONILDO AMARAL DE MELLO CASTRO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/AP). ACÓRDÃO: Vistos. do enunciado da Súmula 284 do STF.INEXISTÊNCIA DO DIREITO DE REGRESSO . Tudo de acordo com o relatório. observa-se que a recorrente não indicou expressamente qual ou quais dispositivos de lei federal entende como violado(s). 1 . Falta de indicação de dispositivo legal (Súmula 284 do STF).REsp 725. Contrarrazões às fls." Sem apontar violação a qualquer dispositivo de Lei Federal. a instância especial recebe a situação fática da causa tal como a retrata a decisão recorrida. (STJ . 4 de outubro de 2011 "EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL .PE.. impõe-se a aplicabilidade das Súmulas n. (. em recurso especial. Por outro lado. 17/29 dos autos. sobre responsabilidade contratual assumida pelos contraentes..IMPOSSIBILIDADE DE ANÁLISE DO RECURSO ESPECIAL . Se a violação da lei federal. que possuem. com a fundamentação suficiente para o deslinde da controvérsia.2ª Turma . e o termo de julgamento. pela parte recorrente.COM BASE EM LEI ESPECIAL . § 2º.APELO IMPROVIDO . In casu. Dessa forma. acompanhando integralmente o voto do relator. os seguintes enunciados: "A simples interpretação de clausula contratual não enseja recurso especial" e "A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial".RISCO DE DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO . o que não se divisa na espécie.RECURSO ESPECIAL . 227). notadamente quanto as disposições atinentes a cessão de crédito e sobre os próprios títulos de crédito em geral" (fl. de forma que não há que se falar em responsabilidade do outro contratante (apelado) pelos riscos do negócio" (fl. levados em expressa e clara consideração pelo Tribunal de origem para chegar à conclusão tida por insatisfatória pela recorrente. mormente quando o STJ entende não ser admissível a análise do recurso especial para verificar a responsabilidade contratual assumida pelos contratantes.101/RS ." (AgRg no Ag 1283352/SC. 208) Como se sabe. atrai.LEI 7357/85 . A ENSEJAR A APLICAÇÃO DA MULTA PREVISTA NO ARTIGO 557. de dispositivo específico de Lei Federal. Mauro Campbell Marques . Concluir contrariamente aos fatos consignados no acórdão recorrido demandaria reexame de todo o conjunto probatório.RECURSO ESPECIAL NÃO PROVIDO. nos termos em que invocada no recurso especial. inviabilizando a exata compreensão da controvérsia. relatados e discutidos estes autos da Apelação Cível nº 0184988-1. sobre a interpretação do contrato ou sobre a prova dos autos.DECISÃO UNÂNIME.. alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto na jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça.SENTENÇA MANTIDA . pressupõe o revolvimento do conjunto fático probatório. Enfim. RECURSO INADMISSÍVEL.ENUNCIADO SUMULAR Nº 284 DO STF . Reexame do conjunto fático-probatório e de cláusula contratual (Súmulas 5 e 7 do STJ). Agravo regimental a que se nega provimento.DÉBITO TRIBUTÁRIO . 1.APÓLICE DA DÍVIDA PÚBLICA . 4. 22/09/2009). A deficiência na fundamentação do recurso. respectivamente.APLICAÇÃO POR ANALOGIA . SÚMULA 7/STJ.A admissibilidade do recurso especial exige a clara indicação dos dispositivos supostamente violados. observem-se as seguintes orientações do STJ: "AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. Rel. os votos. A interposição de agravo manifestamente inadmissível enseja aplicação da multa prevista no artigo 557 § 2º do Código de Processo Civil. negou-se provimento ao apelo. o que é vedado na via especial. pela decisão recorrida. quando a deficiência na sua fundamentação não permitir a exata compreensão da controvérsia". portanto. DJe 18/05/2010) (grifei) 52 . contra a decisão da 6ª Câmara Cível deste tribunal que entendeu que no contrato de factoring inexiste o direito de regresso contra o faturizado. Nesse sentido. em consequência.).Edição nº 184/2011 Recife . Min.) 3 . os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: 'À unanimidade. DECIDO: O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. QUARTA TURMA. ENUNCIADO 83/STJ. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. de que os créditos não foram adimplidos oportunamente por nulidade ou vício. limitando-se a apenas afirmar que com base em títulos de créditos não honrados por seus respectivos titulares "a RECORRENTE MANEJOU . na medida em que manteve a sentença do 1º grau que julgou procedentes os embargos monitórios e. terça-feira. A Súmula n.Rel. pelas quais a parte recorrida pugnou pela inadmissibilidade do apelo. (. julgado em 27/04/2010. "não existe comprovação. a Súmula nº 284 do STF. (grifei) 2. a mesma tem prevalência sobre as normas e regramentos contidos no CC 2002. No recurso especial deve a parte recorrente apontar a violação. DO CPC. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. Nesse sentido. RECURSO ESPECIAL. 3. bem como que no presente caso. 1. ENTENDIMENTO DO TRIBUNAL DE ORIGEM EM CONSONÂNCIA COM A JURISPRUDÊNCIA DESTA CORTE.PRESCRIÇÃO .a monitória posto que em se tratando de LEI ESPECIAL. em caso de insolvência dos títulos de crédito transferidos. não cabe.DECRETOS-LEI Nº 263/67 E 396/68 . em verdade. 5 e n. observe-se a orientação do STJ: "PROCESSUAL CIVIL . uma vez que se insurge. e como Apelada REFRIPET INDÚSTRIA E COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES DE EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Revisão em mesa. que tem a seguinte redação: "É inadmissível o recurso extraordinário. em que figuram como Apelante CAPITALIZE FOMENTO COMERCIAL LTDA. também deve ser ressaltado que pretende a parte recorrente o reexame da matéria fático-probatória e a obtenção de um novo julgamento da demanda.ALEGAÇÃO GENÉRICA DE VIOLAÇÃO À LEGISLAÇÃO FEDERAL .

NÃODEMONSTRAÇÃO DA DIVERGÊNCIA. 0214693-8/01 Comarca Vara Agravte Advog Agravdo Procdor Agravte Agravte Advog Advog Agravo Regimental : Recife : 4ª Vara da Fazenda Pública : FERNANDO MARTINS DE ALBUQUERQUE ROCHA e outro e outro : Ulisses N. RECURSO ESPECIAL. 535 DO CPC NÃO CONFIGURADA. 255 do RI/STJ) impede o conhecimento do Recurso Especial. TÍTULO DE CRÉDITO. do CPC. cujo valor foi pago pela devedora diretamente à sacadoraendossante.SP.). atraindo a incidência das Súmulas ns. DEMORA NA CITAÇÃO. e art. DJe 24. a pacífica jurisprudência do STJ: "PROCESSUAL CIVIL. cabendo a quem recorre demonstrar as circunstâncias que identificam ou assemelham os casos confrontados.. AgRg no Ag 1222961 . posto que o alegado dissídio aborda a mesma tese que amparou o recurso pela alínea 'a' do permissivo constitucional. 22 de setembro de 2011. a obrigação de a emitente das cártulas e endossante notificar a devedora sacada sobre a transferência da titularidade. ALÍNEA 'C'. [. Dornelas de Souza Júnior : e Outros 53 . DJe 05/04/2010) (grifei) Além disso. não sendo suficiente a mera transcrição de ementas ou a breve menção apenas sobre aspectos do acórdão indicado como paradigma e a decisão guerreada.. 282 e 356 do C. de modo a eximir a devedora de pagar novamente o débito. II. 5 e 7 do STJ. SÚMULA 106/STJ. com indicação da similitude fática e jurídica entre eles. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA. e que tal não aconteceu. REEXAME DE PROVA E INTERPRETAÇÃO DE CLÁUSULA. nos moldes exigidos pelo art. DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. CONTRATO QUE ESTABELECIA OBRIGAÇÃO À ENDOSSANTE DE PRÉVIA COMUNICAÇÃO DA CESSÃO À DEVEDORA. julgado em 16/03/2010. IV. A divergência jurisprudencial deve ser comprovada. INEXISTÊNCIA. p. e cujo julgamento esbarrou no óbice do Enunciado nº 7 da Súmula deste Superior Tribunal de Justiça.522/RS. 1." (EDcl no Ag 984. AUSÊNCIA.. O desrespeito a esses requisitos legais e regimentais (art. REEXAME DE MATÉRIA FÁTICA. Recife. SÚMULA 284/STF.. observe-se a seguinte orientação do STJ: "EMBARGOS DE DECLARAÇÃO RECEBIDOS COMO AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. a respeito. PREQUESTIONAMENTO DEFICIENTE. de revisão impossível em face das Súmulas ns. STF. SÚMULA 7/STJ. DUPLICATA ACEITA E ENDOSSADA TRANSLATIVAMENTE A EMPRESA DE 'FACTORING' EM DESCONTO. 5. SÚMULA 211/STJ. 255 do RI/STJ. OFENSA AO ART. eis que baseada a decisão do acórdão estadual. Agravo regimental improvido. IMPOSSIBILIDADE.] 3.2ª T. [. realizando-se o cotejo analítico entre ambos. III. Dissídio jurisprudencial não configurado. posto que já adimplido o seu ônus. POSSIBILIDADE. 4. INDICAÇÃO DO DISPOSITIVO LEGAL VIOLADO. Intimações necessárias.901/SP. DJ 19/08/2002. com demonstração do cotejo analítico. Por fim. com o intuito de bem caracterizar a interpretação legal divergente. a recorrente não procedeu ao necessário cotejo analítico. no entendimento de que o instrumento representativo da cessão de crédito mediante endosso de duplicatas aceitas previa. (STJ . do CPC e art. Veja-se. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE OBRIGAÇÃO DE PAGAR CUMULADA COM PEDIDO LIMINAR INCIDENTAL DE CANCELAMENTO DE PROTESTO. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 002.Edição nº 184/2011 Recife .. 166) (grifei) 3. SEXTA TURMA. soberano na interpretação do contrato e no exame da prova. expressamente. LOCAÇÃO E PROCESSO CIVIL. ante a não admissão do recurso especial pela impossibilidade de se realizar o reexame do conjunto fático-probatório (Súmula 7 do STJ). com base na alínea 'c' do inciso III do art. QUARTA TURMA. Relator Ministro Herman Benjamin. CIVIL E PROCESSUAL.02. faz-se mister que sejam apresentados julgados com entendimentos diversos daquele esposado no acórdão recorrido. É certo que. Rel. IMPOSSIBILIDADE. tem-se que a análise da divergência jurisprudencial apontada pela recorrente se encontra prejudicada.. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL. 541. INOVAÇÃO. sem qualquer referência aos respectivos relatórios. Análise da divergência jurisprudencial . parágrafo único. I. Está prejudicada a análise da alegada divergência jurisprudencial.. NOTIFICAÇÃO INEXISTENTE. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR. OMISSÃO. Ausência de prequestionamento das questões federais alusivas ao mérito. SÚMULAS NS. Não é imprópria a cumulação. 4. em ação ordinária declaratória. a fim de que se possa identificar a existência de similitude dos casos confrontados. e ainda comprove a similitude fático-jurídica entre as decisões. 40 DA LEI 6. terça-feira. ainda que não restasse prejudicada a análise da alegada divergência jurisprudencial. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. Recurso especial não conhecido. com a postulação cautelar incidental de cancelamento de protesto das mesmas cártulas. 09. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL NÃO CARACTERIZADO. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. ART.PE. RECURSO ESPECIAL. Rel. PREJUDICADA. 541.] ".02.2010. Des." (REsp 100. j. 4 de outubro de 2011 "COMERCIAL. Nesse sentido. pois o suposto dissídio aborda a mesma tese que amparou o recurso pela alínea 'a' do permissivo legal. Indispensável a transcrição de trechos do relatório e do voto dos acórdãos recorrido e paradigma.830/1980.cotejo analítico prejudicado.2010) (grifei) Ante as razões expostas INADMITO a manifestação recursal. (. julgado em 07/05/2002. para restar caracterizada a divergência jurisprudencial. parágrafo único. 105 da Constituição Federal. do pedido de reconhecimento de inexistência da dívida representada por duplicatas endossadas a empresa de 'factoring'. 5 E 7-STJ. INOBSERVÂNCIA. Dornelas de Souza Júnior : Município do Recife : Gustavo Machado Tavares : FERNANDO MARTINS DE ALBUQUERQUE ROCHA : Ricardo Ribeiro Peixoto : Ulisses N.

na medida em que deveria ser concedida aos recorrentes a medida liminar de reintegração de posse no imóvel objeto da controvérsia. 4. 25/29. contra o acórdão de fls. 5°. Relatado. LIV e LV. cuja decisão já transitou em julgado em 07/02/2011 (certidão de fl. da ementa e da resenha de julgamento em anexo. não sendo possível. Não age de forma ilegal a municipalidade que. 49). terça-feira. Com efeito. julgado em 20/04/2010.. 31/42). Contrarrazões às fls. Ricardo de Oliveira Paes Barreto : 0007866-65. relatados e discutidos os presentes autos do agravo regimental nº 214693-8-01. Contudo.17. EMBARGOS INFRINGENTES. nos termos do voto. ACÓRDÃO os Desembargadores integrantes da 8ª Câmara Cível deste Tribunal de Justiça. processo nº 214693-8/02) idêntico ao presente.. Da inadmissibilidade do recurso. 22/26 proferido pela Egrégia 8ª Câmara Cível. Nesse sentido é a jurisprudência do STJ: "RECURSO ESPECIAL.. Despacho Última Devolução : Município do Recife : Herman Milanez Dantas Neto : Bruno Barros de Assunção : 8ª Câmara Cível : Des. Rel. portanto.2011. ACÓRDÃO NÃO UNÂNIME. cumprindo mandado de imissão provisória na posse.2010.] 4. Há de prevalecer o interesse público. RECURSO ESPECIAL. não sendo possível o conhecimento do recurso especial. por sua vez. 4 de outubro de 2011 Recurso Especial no Agravo Regimental (01). em negar-lhe provimento. [. confirmando.[ 2. DJe 29/04/2010)" 54 . 1. com fundamento no artigo 105. no sentido de indeferir a liminar pretendida pelos recorrentes. Agravo regimental improvido à unanimidade. 52/54 nas quais a parte recorrida pugna pela inadmissibilidade do apelo. da Lei nº 3365/1941. acórdão exarado no Agravo Regimental: "EMENTA: CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. na Decisão Terminativa no Agravo de Instrumento nº 214693-8 Recorrentes: Fernando Martins de Albuquerque e outro Recorrido: Município do Recife NPU: 0007714-80. O princípio da singularidade ou unicidade recursal expressa que cada provimento deve ser atacado por um recurso previsto como o adequado pela lei de regência. compulsando os autos. que visava à reintegração de posse aos ora recorrentes. interposto outro recurso especial (fls. Ministro CASTRO MEIRA. imite-se em imóvel tal qual descrito no decreto expropriatório que lhe deu ensejo. Está assim lavrado o r. em sessão realizada nesta data. o qual confirmou as decisões anteriores. Recurso especial não conhecido".. cada decisão deverá ser atacada por um único recurso adequado.8. acima referenciado. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO. e à unanimidade. com o mesmo objetivo do atual apelo (a concessão da medida liminar de reintegração de posse) e que já fora realizado o juízo de admissibilidade no primeiro apelo (fls. DECRETO EXPROPRIATÓRIO QUE NÃO INDICA IMÓVEL DIVERSO DO PERTENCENTE AOS AGRAVANTES. Julgamento de mérito do Agravo de Instrumento Trata-se de recurso especial interposto contra o acórdão prolatado em agravo regimental.17.. anteriormente. nos processos acima mencionados. 2.UNIRRECORRIBILIDADE. segundo o princípio da unicidade recursal. o qual. Não restou vulnerado o art. Princípio da unicidade recursal.PE. SENTENÇA DE MÉRITO. 45/47. O recurso é tempestivo e está preparado. (REsp 1114682/ PR. NÃO CABIMENTO. constato que os recorrentes já haviam. que sejam interpostos dois recursos especiais pela mesma parte. decido. Em síntese. 3. foi interposto em face de decisão monocrática (proferida em agravo de instrumento) que negou a atribuição de efeito substitutivo ativo ao referido recurso. a decisão do juízo de 1º grau que indeferiu o pedido liminar.0000 (214693-8) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:23 Local: Diretoria Cível Recife ... da Constituição Federal.Edição nº 184/2011 Agravdo Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. da CF/88. DECISÃO UNÂNIME. [. portanto. alínea "a". o presente recurso especial também visa combater o acórdão proferido no agravo regimental. CONFIRMAÇÃO.. de modo que eventuais diferenças indenizatórias deverão ser apuradas em fase pericial própria do procedimento.0000 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA FERNANDO MARTINS DE ALBUQUERQUE E OUTRO interpuseram recurso especial (fls.. DESAPROPRIAÇÃO. ACÓRDÃO Vistos.8. processo nº 214693-8/02). que fazem parte integrante do julgado" Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto nos artigos 927 do Código Civil e 6º. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento a fim de reformar a decisão recorrida. SEGUNDA TURMA.. 1. inciso III. Orig.

os termos da decisão terminativa que confirmou as decisões anteriores. ao tempo em que autorizo a remessa destes autos ao juízo de origem para que sejam apensados ao processo principal até que sobrevenha decisão final. III : FLÁVIO DANIEL DE ALMEIDA BATISTA (TRADIÇÃO MÓVEIS E DECORAÇÃO) : Mauricio Miranda : 2ª Câmara Cível : Des. Orig. Vice-Presidente 004. 26/35. será apreciada a sua admissibilidade. confirmando-se. 0238880-3/02 Comarca Vara Agravte Advog Advog Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc.66. caso em que. Jovaldo Nunes Gomes Des.CELPE e outro e outro : Eduardo Bitencourt de Barros : Saullo Veras Meireles : e Outro(s) . Des. processo nº 238880-3/02). terça-feira.8. ora recorrido. 0239842-7/01 Comarca Agravo : Recife 55 . na Decisão Terminativa Monocrática. para determinar que a CELPE se abstenha de efetuar o corte de energia elétrica do autor.0000 (238880-3) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:26 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (02). importa ressaltar que o mérito do agravo de instrumento foi julgado em 09/06/2011 (publicação em 20/06/2011). Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : 0005570-36. interposto pela ora recorrente contra acórdão que negou provimento ao recurso de agravo. Recife. o recurso pretende atacar decisão interlocutória. III : Mauricio Miranda : COMPANHIA ENERGETICA DE PERNAMBUCO .2011. Intimações necessárias.Edição nº 184/2011 Recife . Ante o exposto. interposto contra decisão em agravo de instrumento. 23 de Setembro de 2011. no sentido de indeferir a liminar pretendida pelos recorrentes.17. manejado em face de decisão interlocutória. assim.CELPE : Saullo Veras Meireles : e Outro(s) . verifica-se que até o presente momento não houve interposição de recurso.66. Contra esse decisum. tendo em vista que já houve o julgamento definitivo do mérito do recurso principal (agravo de instrumento). Recife/PE. razão pela qual se aplica a regra inscrita no artigo 542. 4 de outubro de 2011 Para além disso.conforme Regimento Interno TJPE art. do Código de Processo Civil.CELPE Recorrido: Flávio Daniel de Almeida Batista (Tradição Móveis e Decoração) DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Cuida-se de recurso especial (fls. no Recurso de Agravo (01). Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Recife : 25ª Vara Cível : COMPANHIA ENERGETICA DE PERNAMBUCO . INADMITO a manifestação recursal.PE. Intimações necessárias. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 003. Como se observa. no Agravo de Instrumento nº 238880-3 Recorrente: Companhia Energética de Pernambuco . havendo reiteração. a qual deferiu o pedido de antecipação de tutela. Assim. § 3º. tendo o mesmo sido improvido. 22 de Setembro de 2011.conforme Regimento Interno TJPE art. pelo que determino a retenção deste recurso. referente a conta objeto da presente lide. também por isso resta prejudicada a análise do presente apelo excepcional.

Despacho Última Devolução : 18ª Vara Cível : BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S. (REsp 555360/RJ. Precedentes. Rel. acordam os Desembargadores componentes da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Recurso conhecido e provido. SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. . ABANDONO DE CAUSA.conforme Regimento Interno TJPE art. DJe 29/06/2009)" 56 . Frederico Ricardo de Almeida Neves : 0021234-22. em negar provimento ao recurso" Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto nos artigos 612. 898. 47). relatados e discutidos estes autos de Recurso de Agravo Regimental 239842-7/01. 4 de outubro de 2011 Recurso Especial no Recurso de Agravo (01). Orig. REQUERIMENTO DO DEVEDOR. ACÓRDÃO Vistos. acórdão exarado no Recurso de Agravo: "EMENTA: CIVIL E PROCESSUAL CIVIL.8. na medida em que deveria ter havido o prosseguimento da pretensão executiva. porquanto a paralisação do feito não teria decorrido da inércia ou ausência de interesse do exequente/recorrente. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento a fim de reformar a decisão recorrida. decido. POSSIBILIDADE. VIOLAÇÃO AO ART. nos termos do art.conforme Regimento Interno TJPE art. NÃO OCORRÊNCIA. 267. DJe 01. Decisão em consonância com a jurisprudência do STJ.17. EXTINÇÃO DO PROCESSO. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR.Edição nº 184/2011 Vara Apelante Advog Advog Estag.17. quando. "À luz do princípio pas des nullité sans grief. 591 e 791. sendo inaplicável. O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. do CPC. II.PE. na conformidade da ata de julgamento. na espécie. 22/26 proferido pela Egrégia 1ª Câmara Cível. Ministro Arnaldo Esteves Lima.8. da Constituição Federal. JULGAMENTO UNÂNIME. III. 1. : Luiz Otávio Laranjeiras Lins : e Outro(s) . Apelado Agravte Advog Advog Agravdo Agravdo Orgao Julgador Relator Proc. alínea "a". Sem Contrarrazões (certidão de fl. I. a parte.A. III : Daniel Brennand : CYNTHIA ROBERTA DE OLIVEIRA COSTA e outro e outro : BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.. a Súmula 240 do Colendo Superior Tribunal de Justiça. DO CPC. terça-feira. . DESNECESSIDADE.2008). DO CPC.2002. Súmula 83 do STJ Verifica-se que a decisão recorrida está em consonância com a jurisprudência do STJ.2011. à unanimidade de votos. todos do CPC. nos processos acima mencionados. com fundamento no artigo 105. SÚMULA 240 DO STJ. O comparecimento espontâneo do réu. II. QUARTA TURMA. 214. Rel. § 1º. supre a falta de citação. não cuida de atender a determinação judicial. 42 DO CPC.12.66. Está assim lavrado o r. INAPLICABILIDADE.. contra o acórdão de fls.0001 (239842-7) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:26 Local: Diretoria Cível Recife . passados mais de quatro anos de paralisação do feito. III. Relatado. 535.0000 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A interpôs recurso especial (fls. : Luiz Otávio Laranjeiras Lins : e Outro(s) . não se decreta a nulidade da citação quando não estiver concretamente demonstrado o prejuízo" (REsp n. III.É flagrante o abandono de causa. na Decisão Terminativa na Apelação Cível nº 239842-7 Recorrente: Banco do Nordeste do Brasil S/A Recorridos: Cynthia Roberta de Oliveira e outro NPU: 0007714-80.O devedor que deixar de embargar a execução não tem motivo para opor-se à extinção do processo. COMPARECIMENTO ESPONTÂNEO DO RÉU.. EXECUÇÃO NÃO EMBARGADA.66. III : CYNTHIA ROBERTA DE OLIVEIRA COSTA : Eulina Feitosa de Oliveira : 1ª Câmara Cível : Des. inciso III. julgado em 04/06/2009. ART. 37/46).A. INFRINGÊNCIA AO ART.167/SP. RECURSO ESPECIAL. 5ª Turma. no sentido de considerar que não houve prejuízo no tocante à conversão da ação de busca e apreensão em depósito sem a citação do recorrente. RECURSO DESPROVIDO. devidamente intimada. Vejamos: "DIREITO CIVIL E PROCESSUAL.

INADMITO a manifestação recursal. e incidirá sobre base de cálculo de pequena expressão econômica (a condenação). Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 005. in casu¸ o teor do disposto na Súmula 83 do STJ. 170/173 (processo nº 242967-4). exclusivamente. arbitrada em harmonia com o juízo equitativo a que se reporta o art. 5. evidencia-se que o Município de Vitória de Santo Antão promoveu. conforme já decidido pelo STJ (AgRg no Ag 1196256 / SP. manteve-se a verba honorária fixada em primeiro grau. 19/26). com fundamento no artigo 105. APELO IMPROVIDO. daí resultando valores módicos. De proêmio. também se aplica às hipóteses de violação à Lei Federal (alínea "a" do retromencionado dispositivo constitucional). Relator Min. III : Darllyane Jackeline da Silva Souza : Aristides Joaquim Félix Júnior : 8ª Câmara Cível : Des. Recife/PE. uma vez que a servidora contratada contribuía regularmente para com o Regime Geral de Previdência Social (RGPS). 1. 3. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida". Francisco José dos Anjos Bandeira de Mello : 0000832-22. no processo acima mencionado. 105 da CF/88). o percentual aplicado é baixo (5%). A fim de aferir a correção da condenação do Município de Vitória de Santo Antão ao pagamento de verbas relacionadas ao direito de férias e à percepção do 13º salário pelo trabalhador. Precedentes deste TJPE. Deveras. cuja eventual redução implicaria em montante irrisório. CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO. julgado em 17/11/2009. Finalmente. contra o acórdão de fls. Humberto Martins. Apelo improvido. rejeitou-se a alegação de ilegitimidade passiva arguida pelo Município apelante. os servidores efetivos).PE : André de Vasconcelos : Darllyane Jackeline da Silva Souza : Aristides Joaquim Félix Júnior : Munícipio da Vitória de Santo Antão .conforme Regimento Interno TJPE art.PE : Andrea Christina Portela Gouveia Manço : e Outro(s) . 20. 23 de Setembro de 2011. 16/27).1590 (242967-4) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:27 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (01) na Apelação Cível nº 242967-4 Recorrente: Município de Vitória de Santo Antão Recorrida: Darllyane Jackeline da Silva Souza DECISÃO INTERLOCUTÓRIA MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO interpôs recurso especial (fls. relatados e discutidos os presentes autos da Apelação Cível nº 57 .66. 0242967-4/01 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. Intimações necessárias.8. LEGITIMIDADE PASSIVA DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO. III.PE. DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS INDEVIDOS. Registre-se que a referida súmula. Está assim vazado o acórdão exarado no Recurso de Apelação: "EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL EM AÇÃO DE COBRANÇA C/C REPETIÇÃO DE INDÉBITO. que dispõe: Recife . DJe 25/11/2009) Ante o exposto. Des.Edição nº 184/2011 Incide. do CPC. revela-se despiciendo o debate suscitado pela parte apelante no sentido de questionar a natureza da relação jurídica havida entre a pessoa jurídica de direito público e a servidora contratada. que a princípio aparenta ser aplicável apenas aos casos de interposição de Recurso Especial por dissídio jurisprudencial (alínea "c" do inciso III do art. "a". Orig.2010. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Vitória de Santo Antão : 2ª Vara Cível : Munícipio da Vitória de Santo Antão . a título de contribuição à VITÓRIAPREV (autarquia municipal responsável pelo sistema previdenciário ao qual se submetem. fls. ACÓRDÃO Vistos. 4. descontos previdenciários indevidos. § 4º. De fato. Com efeito. 4 de outubro de 2011 "Não se conhece do Recurso Especial pela divergência. DIREITO À PERCEPÇÃO DE 13º SALÁRIO E À COMPENSAÇÃO PECUNIÁRIA POR FÉRIAS NÃO GOZADAS.17. 2. Segunda Turma. da análise das fichas financeiras trazidas aos autos (cf. da Constituição Federal. proferido pela 8ª Câmara Cível deste Egrégio Tribunal. a questão acima referida não obsta o direito da servidora ao recebimento das verbas pleiteadas em razão dos serviços efetivamente prestados. terça-feira.

aplicável por analogia ao recurso especial. que integra o acórdão". a apreciação da tese recursal da forma como colocada exigiria. haja vista o óbice constante da Súmula nº 280 do Supremo Tribunal Federal. é inadmissível o recurso especial quando o seu julgamento. verifica-se que não foi realizado o necessário cotejo analítico afim de identificar a presença da similitude fática. No tocante ao dissídio jurisprudencial. 3º do CPC.. porquanto o recorrente é beneficiário da justiça gratuita. VIOLAÇÃO A DISPOSITIVO DO CPC. para se chegar a conclusão diversa da convicção firmada pela Corte a quo seria necessário o reexame do conjunto fático-probatório. necessariamente. inclusive se repassou todos os valores à referida autarquia previdenciária municipal. NÃO CONHECIMENTO. é premente. acima referenciada. na espécie. julgado em 16/09/2008. nos termos do voto do relator. 1. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. 4 de outubro de 2011 0242967-4. Da necessidade da análise de dispositivos de legislações locais. os servidores efetivos do Município. Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto no art. LEGITIMIDADE. sob o argumento de que o pólo passivo da demanda deveria ser ocupado pela autarquia municipal Vitória Prev. principalmente a fim de verificar se existe. Decido: O recurso é tempestivo e não está preparado. Recife. Em sintonia com este fundamento. No entanto. ILEGITIMIDADE PASSIVA. Para além disso. a fim de que seja reconhecida sua ilegitimidade passiva. Como se observa nas razões recursais sustenta o recorrente ser parte ilegítima para figurar no presente feito. exclusivamente. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL NÃO CARACTERIZADO. na hipótese dos autos. ESPÓLIO. REDUÇÃO.. Ademais. a solução da controvérsia teve por base a legislação local. POSSIBILIDADE. Por conseguinte. Ministro Carlos Fernando Mathias (Juiz Federal convocado do TRF 1ª Região). o que é inviável nesta sede recursal. vez que o autor já contribuía perante o INSS (Regime Geral de Previdência Social) e. DJe 06/10/2008) Ante as razões expostas. 2. que dispõe: "A pretensão de simples reexame de prova não enseja Recurso Especial". também seria necessário verificar se o Município foi o responsável pelo lançamento indevido do desconto previdenciário na folha de pagamento. Quanto à ilegitimidade passiva da recorrente. pela Instância Superior. a teor do enunciado da Súmula n° 7 do Superior Tribunal de Justiça. nessa extensão. Da necessidade do reexame fático-probatório (Súmula 7 do STJ). Rel. SÚMULA 211/STJ. que dispõe: "Por ofensa a direito local não cabe recurso extraordinário"." (REsp 913131/BA. posto que a ação deveria ser proposta apenas contra a autarquia previdenciária municipal -Vitória Prev.188/2006. Intimações necessárias. No entanto. parcialmente provido. Contrarrazões às fls. PUBLICAÇÃO DE FOTO EM PERIÓDICO. acordam os Desembargadores integrantes da 8ª Câmara Cível deste Tribunal de Justiça em negar provimento ao apelo. depende do exame da lei local para se concluir ou não pela contrariedade à Lei. 1. nas quais a parte pugna pela inadmissibilidade do apelo. 2.) 12. Jovaldo Nunes Gomes 58 . sendo assim. o acórdão atacado decidiu no sentido de que a recorrida não estava sujeita ao Regime Próprio de Previdência dos servidores públicos e de que era obrigação do município recorrente efetuar o pagamento das verbas trabalhistas pleiteadas na inicial. o reexame de questões de conteúdo fático-probatório. Relatado. Recurso especial conhecido em parte e. terça-feira. A necessidade de revolvimento fático-probatório.PE. não poderia contribuir com o VITORIAPREV (Regime Próprio de Previdência Social). destinado a segurar. 30/44. 22 de Setembro de 2011. veja-se a seguinte orientação: "PROCESSUAL CIVIL. nos termos da Lei Municipal 3. SUMULA 7/STJ. o que encontra óbice na Súmula 07/STJ. DANO MORAL. Quarta Turma. INADMITO a manifestação recursal. INDENIZAÇÃO. na medida em que é parte ilegítima para figurar no feito. (. Dessa forma. ou não. demonstração nos autos de que o Município tem a obrigação de reparar os débitos relativos ao Vitória Prev. ILEGITIMIDADE. VALOR EXORBITANTE. Opostos Embargos de Declaração. HERDEIROS. além do que o próprio recorrente invoca dispositivos de lei municipal para fundamentar suas alegações.Edição nº 184/2011 Recife . QUANTUM DA INDENIZAÇÃO. incide. foram eles rejeitados. a Súmula 280 do STF. por parte da Corte Superior.

2011. 160767-0. Vice-Presidente : 0037164-41. terça-feira.8. Vice-Presidente DESPACHOS/DECISÕES VICE-PRESIDÊNCIA SETOR DE RECURSOS Recife .14211 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Antônio Eduardo Simões Neto Elizabeth de Carvalho Simplício Homero Sávio Mendes Correia de Araújo João André Sales Rodrigues Luciana Dias de Albuquerque Perman Luiz Ricardo de Castro Guerra Magna Barbosa da Silva Pauliana Oliveira de Souza Dantas Paulo Roberto de Freitas Araújo RAPHAEL FAUSTINO DE OLIVEIRA Tomaz Domingues de Oliveira E. Apdo Procdor Agravte Advog Advog Agravdo Agravdo Agravdo Procdor Procdor Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. a. Alcoforado e Outro(s) .0001 (160767-0) : Despacho : 29/09/2011 11:17 Local: Diretoria Cível Agravo de Instrumento em Recurso Extraordinário na Apelação Cível n. Orig. Agravante(s) .conforme Regimento I.PE.Fundo Financeiro de Aposentadorias e Pensões do Estado de Pernambuco : Maria Raquel Santos : Luciana Roffé de Vasconcelos : Alexandre Auto de Alencar : Leônidas Siqueira Filho : Vice-Presidência : Des. T.Estado de Pernambuco DESPACHO 59 .conforme Regimento I.Fundação de Aposentadorias e Pensões do Estado de Pernambuco : Funafin . 0160767-0/02 Comarca Vara Apte Advog Advog Estag. III e Outro(s) . III e Outros Ordem Processo 002 0233538-4 001 0160767-0/02 001 0160767-0/02 002 0233538-4 002 0233538-4 002 0233538-4 003 0237065-2/02 003 0237065-2/02 002 0233538-4 002 0233538-4 002 0233538-4 002 0233538-4 003 0237065-2/02 001 0160767-0/02 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.17.2006.José Dias Simões Agravado(s) . T. a.Edição nº 184/2011 Des. 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. Despacho Última Devolução Agravo de Instrumento em Recurso Extraordinário : Recife : 2ª Vara da Fazenda Pública : José Dias Simões : Elizabeth de Carvalho Simplício : Homero Sávio Mendes Correia de Araújo : Holanda Karla Mendes do Bonfim : Estado de Pernambuco e outros e outros : Maria Raquel Santos e outros e outros : José Dias Simões : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outros : Estado de Pernambuco : Funape .

O termo inicial dos juros moratórios tem origem na data do evento danoso. MANUTENÇÃO DO VALOR ARBITRADO." Alegou a parte recorrente que a decisão impugnada contrariou o disposto nos artigos 884 e 944. 309/331. na espécie. III : SEBASTIÃO AMARO DOS SANTOS : Paulo Roberto de Freitas Araújo : Antônio Eduardo Simões Neto : RAPHAEL FAUSTINO DE OLIVEIRA : 4ª Câmara Cível : Des. do Código Civil. 407 e 436/438. verbis: 'Os juros moratórios fluem a partir do evento danoso. o Supremo Tribunal Federal determinou a aplicação da regra do art.66. o motorista de ônibus desviou do trajeto regular da linha com o intuito de chegar mais cedo ao terminal.APELAÇÕES CÍVEIS. do CPC.Não há como afastar o comportamento imprudente da vítima. em caso de responsabilidade extracontratual'. III : Nobre Seguradora do Brasil S/A : Tomaz Domingues de Oliveira Emerenciano Alcoforado : Luiz Ricardo de Castro Guerra : João André Sales Rodrigues : e Outro(s) .. 233538-4. Junte-se cópia deste despacho nos autos da Apelação Cível n. bem como que a Diretoria Cível realize o apensamento dos presentes autos aos da Apelação Cível n. na medida em que negou provimento ao recurso de apelação que interpôs e manteve a sentença do 1º grau na parte em que lhe condenou a pagar ao recorrido a quantia de R$ 30. MOTORISTA DE ÔNIBUS QUE DESVIA DO TRAJETO SEM AUTORIZAÇÃO PARA TANTO. da Constituição Federal. 160767-0. 60 . Note-se que o caso em tela restou DEVIDAMENTE COMPROVADA A PARCELA DE CULPA DA VÍTIMA. IMPRUDÊNCIA. INCIDÊNCIA DOS JUROS MORATÓRIOS A PARTIR DA DATA DO EVENTO DANOSO. Intimações necessárias. . 543-B. ainda. Eurico de Barros Correia Filho : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:17 Local: Diretoria Cível Recurso Especial na Apelação Cível n. 19 de setembro de 2011.Sebastião Amaro dos Santos DECISÃO INTERLOCUTÓRIA A Empresa Rodoviária Caxangá S/A e outro interpuseram recurso especial (fls. CAUSOU O ACIDENTE OBJETO DA LIDE" (fl. Por outro lado. 343/347. a fim de que aguardar o pronunciamento definitivo daquela Corte sobre a matéria. os parâmetros indenizatórios do dano moral diuturnamente considerados na jurisprudência não foram observados pelo Acórdão impugnado que às escancaras fixou valor exorbitante ao praticado ordinariamente. Recorrente(s) . Des. terça-feira. para que o recurso extraordinário cuja cópia se encontra às fls. alíneas "a" e "c".66. que trafegava pela contramão. 0233538-4 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelante Advog Advog Advog Advog Apelado Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução Apelação : Olinda : 2ª Vara Cível : Empresa Rodoviária Caxangá S/A : Luciana Dias de Albuquerque Perman : e Outro(s) . a título de indenização por danos morais.Manutenção do valor fixado a título de danos morais e materiais. 363). que ".Edição nº 184/2011 Recife . o que indica a pressa do motorista e a falta de diligência. contra a decisão de fls. Assim sendo.00 (trinta mil reais). A REALIDADE. seja sobrestado.conforme Regimento Interno TJPE art. Aduziu. por não se verificar excesso. e na jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça. . Está assim vazado o acórdão exarado na apelação: "EMENTA . . ambas da lavra do Ministro Gilmar Mendes. 353/373).Empresa Rodoviária Caxangá S/A e outro Recorrido(s) . RESPONSABILIDADE CIVIL EM ACIDENTE DE TRÂNSITO. Recife.conforme Regimento Interno TJPE art.PE. 4 de outubro de 2011 Conforme decisões fls. proferida pela 4ª Câmara Cível deste Tribunal. com fundamento no art.000. 105. conforme dispõe a súmula nº 54. 160767-0. ATROPELAMENTO DE CICLISTA COM MORTE DA VÍTIMA. determino o sobrestamento do referido recurso extraordinário.. no processo acima mencionado. bem como deu provimento parcial ao apelo da parte contrária para fixar o termo inicial da incidência dos juros moratórios a partir da data do acidente de trânsito que ensejou a presente demanda. DANOS MORAIS E MATERIAIS CONFIGURADOS. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 002. CULPA CONCORRENTE. III. O QUE.

458. veja-se a seguinte orientação: "CIVIL E PROCESSUAL. ante a não admissão do recurso especial pela impossibilidade de se realizar o reexame do conjunto fático-probatório (Súmula 7 do STJ). excepcionalmente. 1. III. razão pela qual não há que se falar em violação aos dispositivos legais indicados pelos recorrentes. III. 105. 7-STJ. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL. Por outro lado. vejam-se as seguintes orientações: "AGRAVO REGIMENTAL. Rel. CRFB/88). CRFB/88). c. Contrarrazões às fls. Implica em reexame fático.. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR. Admite a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. todavia. IV. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. I e II. Relator Min. julgado em 17/11/2009. 4. 83 daquela Corte. 3. AGRAVO DE INSTRUMENTO. também se aplica às hipóteses de violação à Lei Federal (art. Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STJ (Súmula 83). FUNDAMENTAÇÃO SUFICIENTE. do CPC. em que o valor foi estabelecido na instância ordinária. (. 4. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. que aparenta ser aplicável apenas aos casos de interposição de recurso especial por dissídio jurisprudencial (art.688/SP.PE. Por fim. quando ínfimo ou exagerado. nem a suposta nulidade alegada pela parte.. No caso dos autos. PREJUDICADA. Hipótese. o que atrai a incidência da Súmula n. LOCAÇÃO E PROCESSO CIVIL. II. Do reexame do conjunto fático-probatório (Súmula 7 do STJ)." (REsp 1011769/RJ. Nesse diapasão. e 535. JULGADO ESTADUAL. a. DJe 25/11/2009). não se vislumbra violação aos arts.000. Se a violação da lei federal. 7 do STJ. DECIDO. Como se sabe. 3. SÚMULA 284/STF. REEXAME. encontra-se em absoluta consonância com a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. DEVER DE FISCALIZAR DO EMPREGADOR PELO TRANSPORTE FORNECIDO A FUNCIONÁRIOS. obstado pela Súmula n. Análise da divergência jurisprudencial . posto que o alegado dissídio aborda a mesma tese que amparou o recurso pela alínea 'a' do permissivo constitucional. fixada a título de danos morais está em sintonia com os princípios constitucionais da proporcionalidade e da razoabilidade. III. terça-feira.cotejo analítico prejudicado. MATÉRIA DE FATO. julgado em 26/04/2011. OMISSÃO NÃO CONFIGURADA. tem-se que a análise da divergência jurisprudencial apontada pelos recorrentes se encontra prejudicada. não cabe. que concluíram pela culpa do motorista no acidente. a decisão recorrida está de acordo com a jurisprudência do STJ. II. com a seguinte redação: "Não se conhece do recurso especial pela divergência. NÃO OCORRÊNCIA. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO." Registre-se que a Súmula 83 do STJ." (AgRg no AgRg no Ag 796. Não é inepta a inicial que descreve os fatos e os fundamentos do pedido. Humberto Martins. Contudo. II. em recurso especial. julgado em 14/10/2008. ACIDENTE DE TRÂNSITO. a instância especial recebe a situação fática da causa tal como a retrata a decisão recorrida. I. pressupõe o revolvimento do conjunto fático probatório. possibilitando ao réu exercitar sua defesa. QUARTA TURMA. Concluir contrariamente aos fatos consignados no acórdão recorrido demandaria reexame de todo o conjunto probatório. Constatada a suficiente fundamentação do aresto estadual.. INÉPCIA DA INICIAL. reexaminar o valor fixado a título de indenização por danos morais. cujo teor é o seguinte: "A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial". a reapreciação da prova interpretada pelas instâncias ordinárias. a apreciação do mérito recursal implicaria necessariamente o reexame das provas. VIOLAÇÃO AO ART. 105.. em recurso especial. levado em expressa e clara consideração pelo Tribunal de origem para chegar à conclusão tida por insatisfatória pelo recorrente. DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. DANOS MORAIS. 7 do STJ. 1. INDICAÇÃO DO DISPOSITIVO LEGAL VIOLADO. Rel. AFASTAMENTO.00 (trinta mil reais). Agravo regimental a que se nega provimento.Edição nº 184/2011 Recife . atendendo às circunstâncias de fato da causa. QUARTA TURMA. Segunda Turma. (grifei) Como visto. AUSÊNCIA.000. 4 de outubro de 2011 Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. 1. nas quais a parte recorrida pugna pela inadmissibilidade do apelo. conforme já decidido pelo STJ (AgRg no Ag 1196256 / SP. A esse respeito. pois o suposto dissídio aborda a mesma tese que amparou o recurso pela alínea 'a' do permissivo 61 . conforme alegou o recorrente. REEXAME DE MATÉRIA FÁTICA. nos termos em que invocada no recurso especial. 535. SÚMULA 7/STJ. IMPRUDÊNCIA DO CONDUTOR DO VEÍCULO. impõe-se a aplicabilidade da Súmula n. 382/391. fazer juízo sobre os fatos da causa ou sobre a sua prova. Indenização por dano moral fixada em R$30. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI. AGRAVO REGIMENTAL. Está prejudicada a análise da alegada divergência jurisprudencial. especificamente no que concerne a apreciar se a quantia fixada a título de danos morais é suficiente para compensar o abalo suportado pela parte recorrida ou se o valor fixado é exagerado e deve ser reduzido em razão da culpa da vítima.). que apenas teve seus interesses contrariados. DJe 04/05/2011). IMPOSSIBILIDADE.00 (trinta mil reais). (. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida.). A esse respeito. ACIDENTE DE TRÂNSITO. quando do julgamento do recurso de apelação. DO CPC. de forma condizente com os princípios da proporcionalidade e razoabilidade. que entende que em casos semelhantes de acidente de trânsito a quantia de R$ 30. Recurso especial não conhecido. DJe 24/11/2008) (grifei) 2. observe-se a seguinte orientação do STJ: "EMBARGOS DE DECLARAÇÃO RECEBIDOS COMO AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. observa-se que o entendimento adotado por este Tribunal de Justiça. O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. SÚMULA N.

(b) da citação de repositório oficial." (EDcl no Ag 984.Luciana Severina Marques 62 .2010. (.PE. INEXISTÊNCIA. 0237065-2/02 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Embargante Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Proc. os seguintes julgados do STJ sobre a matéria: "PROCESSUAL CIVIL. IMPOSSIBILIDADE. Des. [. com indicação da similitude fática e jurídica entre eles. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 003.0000 (237065-2/1) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 11:17 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (02). a respeito. AGRAVO NÃO PROVIDO. 541. ainda que não restasse prejudicada a análise da alegada divergência jurisprudencial. e ainda comprove a similitude fático-jurídica entre as decisões.2ª T.901/SP. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. cabendo a quem recorre demonstrar as circunstâncias que identificam ou assemelham os casos confrontados. Indispensável a transcrição de trechos do relatório e do voto dos acórdãos recorrido e paradigma. 105 da Constituição Federal. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO. 1.Edição nº 184/2011 Recife . julgado em 16/03/2010. 4. III : Luciana Severina Marques : Magna Barbosa da Silva : Munícipio da Vitória de Santo Antão . É inviável a apreciação de recurso especial fundado em divergência jurisprudencial quando o recorrente não logra demonstrar o suposto dissídio pretoriano por meio: (a) da juntada dos acórdãos paradigmas.2011." (EDcl nos EDcl no REsp 1105006/SP.66. José Ivo de Paula Guimarães : 0005938-45. do CPC. realizando-se o cotejo analítico entre ambos. a fim de que se possa identificar a existência de similitude dos casos confrontados. PRIMEIRA TURMA. SÚMULA 106/STJ. e art. a mera transcrição da ementa e de trechos do voto condutor do acórdão paradigma. no Agravo (01). Intimações necessárias. na Apelação Cível n. parágrafo único. 3. (c) do cotejo analítico. 2. Agravo regimental improvido. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Vitória de Santo Antão : 2ª Vara Cível : Munícipio da Vitória de Santo Antão . (STJ . ao qual se nega provimento.SP. autorizado ou credenciado.). Orig. com a transcrição dos trechos dos acórdãos em que se funda a divergência.. PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE RECURSAL. DJe 24. Rel.. AgRg no Ag 1222961 . não bastando. 255 do RI/STJ. terça-feira.02. 535 DO CPC NÃO CONFIGURADA. INADMITO a manifestação recursal. do CPC e art.] ". 4 de outubro de 2011 legal. em que o acórdão divergente foi publicado. DJe 03/03/2011) (grifei) Ante as razões expostas. e cujo julgamento esbarrou no óbice do Enunciado nº 7 da Súmula deste Superior Tribunal de Justiça.).. SÚMULA 211/STJ. com o intuito de bem caracterizar a interpretação legal divergente. (. OFENSA AO ART. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA.. PROCESSUAL CIVIL. além da demonstração das circunstâncias que identificam ou assemelham os casos confrontados. 237065-2.. julgado em 15/02/2011. DJe 05/04/2010) (grifei) Além disso. 541. parágrafo único. ALÍNEA 'C'. 40 DA LEI 6. ART. para tanto. RECEBIDOS COMO AGRAVO REGIMENTAL. sem qualquer referência aos respectivos relatórios.8. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO RECURSO ESPECIAL.PE : Pauliana Oliveira de Souza Dantas : e Outro(s) . AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. a parte recorrente não procedeu ao necessário cotejo analítico. NÃODEMONSTRAÇÃO DA DIVERGÊNCIA. 09. [. Rel.Município de Vitória de Santo Antão Recorrido(s) . 5. faz-se mister que sejam apresentados julgados com entendimentos diversos daquele esposado no acórdão recorrido. RECURSO ESPECIAL.] 3. j. com base na alínea 'c' do inciso III do art.conforme Regimento Interno TJPE art. Recorrente(s) . Recife. 255 do RI/STJ) impede o conhecimento do Recurso Especial. 4. Vejam-se. Fernando Cerqueira : Des. INOVAÇÃO... O desrespeito a esses requisitos legais e regimentais (art.2010) (grifei) "TRIBUTÁRIO. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA. para restar caracterizada a divergência jurisprudencial. OMISSÃO. INOBSERVÂNCIA.17. Embargos de declaração admitidos como agravo regimental. É certo que. não sendo suficiente a mera transcrição de ementas ou a breve menção apenas sobre aspectos do acórdão indicado como paradigma e a decisão guerreada. 22 de setembro de 2011.830/1980. SEXTA TURMA. com demonstração do cotejo analítico. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL..PE : Pauliana Oliveira de Souza Dantas : Luciana Severina Marques : Magna Barbosa da Silva : 7ª Câmara Cível : Des. nos moldes exigidos pelo art. Relator Ministro Herman Benjamin. DEMORA NA CITAÇÃO. A divergência jurisprudencial deve ser comprovada..02. APLICAÇÃO.

parágrafo único. da Constituição Federal. 26). Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. ainda. a incidência da Súmula 280 do STF. Se a violação da lei federal. Isso porque a controvérsia também foi decidida com base na Lei Municipal n. 2. na medida em que deverá ser analisado se efetivamente a recorrente é parte ilegítima para figurar no polo passivo da demanda. como pretende o recorrente. depender do exame de lei local. 3. O recurso é tempestivo e o preparo é dispensado (art. levado em expressa e clara consideração pelo Tribunal de origem para chegar à conclusão tida por insatisfatória pelo recorrente. Por ofensa a direito local não cabe Recurso Extraordinário".188/2006. conforme certificado às fls. Do reexame da matéria fático-probatória (Súmula 7 do STJ). conforme afirmou a recorrente às fl. 1. existe responsabilidade solidária entre a autarquia previdenciária e o ente político que a instituiu. 2 . III. como dito. foram eles rejeitados.PE. DECIDO. Impõe-se o pagamento das verbas.Vitória Prev" que possui personalidade jurídica própria. da sua própria torpeza de não realizar concurso público.869/73 (Código de Processo Civil). a supramencionada entidade deverá responder em nome próprio e através do patrimônio que lhe é peculiar. CONVÊNIO. Não pode a precariedade do vínculo funcional freqüentemente prorrogado servir de pretexto ao Município. acrescida de um terço. 7º. Nesse sentido. novecentos e sessenta e cinco reais e cinquenta e cinco centavos). INTERPRETAÇÃO CONTRATUAL. Alegou a parte recorrente que a decisão impugnada contrariou o disposto no artigo 3º. assim. (AgRg no Ag 1072247/SP. da Constituição) e constituem direitos sociais intangíveis dos trabalhadores urbanos e rurais. 13º integral e proporcional). do CPC." (destaques no original) Opostos embargos de declaração. SEGUNDA TURMA. Está assim vazado o acórdão exarado no referido agravo: "EMENTA: TRIBUTÁRIO E ADMINISTRATIVO. 255 do RISTJ e art. Aduziu. 4. a instância especial recebe a situação fática da causa tal como a retrata a decisão recorrida. 280 do Supremo Tribunal Federal. AÇÃO ORDINÁRIA DE COBRANÇA C/C REPETIÇÃO DE INDÉBITO. 1 .965. ressalte-se que é inadmissível o recurso especial quando o seu julgamento. 511. pressupõe o revolvimento do conjunto fático probatório. 63 .Consoante precedentes deste Tribunal de Justiça. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL NÃO-DEMONSTRADA. "a". Rel. Como se sabe. que possui a seguinte redação: "A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial". Divergência jurisprudencial não-demonstrada nos moldes do § 2º do art. sob a denominação de Vitória Prev.866/95) e interpretação de contrato firmado entre a municipalidade e o particular. da Lei n. quanto o direito ao décimo terceiro salário possuem sede constitucional (art.Tanto o direito à indenização por férias não gozadas. consoante pacífica jurisprudência. pelo fato de que "após o repasse. locupletando-se. de forma que qualquer exegese que se faça acerca do dispositivo indicado pelo recorrente passa. pela Instância Superior. inexoravelmente. 7 do STJ. 541. que possui a seguinte redação: "Súmula n. Tal medida encontra óbice na Súmula n. Rejeita-se preliminar de ilegitimidade do Município para restituir indébito oriundo de contribuições sociais descontadas em folha de pagamento. para que deixe de conceder ao contratado férias e décimo terceiro salário. que "O VITÓRIA PREV que é uma autarquia municipal instituída pela lei 3188/2006 e que integra a Administração indireta. SUCESSIVA PRORROGAÇÃO. 19/26. 3 . Inicialmente. Agravo regimental não-provido. o ganho financeiro da verba debitada em folha foi da autarquia . impõe-se a aplicabilidade da Súmula n. DIREITO LOCAL. pela interpretação conferida àquela lei local. veja-se a seguinte orientação: "PROCESSUAL CIVIL. Com efeito. 105. implicará na reapreciação do acervo fático-probatório contido nos autos. 4 . 30. com fundamento no art. bem como condenou a recorrente a restituir os valores indevidamente descontados na folha de pagamento da recorrida. 4 de outubro de 2011 O Município de Vitória de Santo Antão interpôs recurso especial (fls.Edição nº 184/2011 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Recife . terça-feira. § 1º. proferida pela 7ª Câmara Cível deste Tribunal. aplicável à presente hipótese. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE DE PARTE NÃO ACOLHIDA. CPC). 11. tem-se que a sucessiva renovação do contrato não pode significar a perda em benefício da Administração de direitos sociais garantidos ao trabalhador pelo Texto Maior. o presente recurso encontra empecilho na Súmula n. a título de direitos trabalhistas (férias integrais e proporcionais. DJe 25/03/2009) (grifei) 2. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA ENTRE O MUNICÍPIO E A AUTARQUIA PREVIDENCIÁRIA LOCAL. Não cabimento do recurso especial por violação a lei local. 26. referentes aos períodos indicados na sentença. 237065-2/01. SÚMULA 280/STF.55 (três mil. corrigidos monetariamente pela tabela do ENCOGE/TJPE. Incidência das Súmulas 280/STF e 5/ STJ. 23/27). Por outro lado. ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM DO MUNICÍPIO. VIII e XVII.No mérito. 5. nos termos em que invocada no recurso especial. Sem contrarrazões. DIREITO À INDENIZAÇÃO POR FÉRIAS NÃO GOZADAS E DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO. AÇÃO DE COBRANÇA. na qual a recorrente foi condenada a pagar à parte adversa a quantia de R$ 3. o que atrai. ora recorrente. 280. eis que a reforma da decisão impugnada. SÚMULA 5/STJ. CONTRATO TEMPORÁRIO. julgado em 19/02/2009.Recurso de Agravo não provido. contra a decisão de fls. sendo portadora de personalidade jurídica própria em relação ao Município de Vitória de Santo Antão. na medida em que manteve a sentença do 1º grau que julgou parcialmente procedente o pedido formulado na Ação de Cobrança de Direitos Trabalhistas ajuizada pela recorrida. no Agravo n. 7 do STJ. A controvérsia relativa à ilegitimidade do Município de São Paulo para figurar no pólo passivo da ação foi dirimida à luz da interpretação de lei local (Lei Municipal n. 1. tendo em vista sua autonomia administrativa e financeira" (fl. RECURSO DE AGRAVO NÃO PROVIDO.

20/21): RECURSO DE AGRAVO. Des. 25/05/2011)" (grifei) Assim.. Recife. 4. também se aplica às hipóteses de violação à Lei Federal (alínea "a" do retromencionado dispositivo constitucional).. DJe 23/06/2010) (grifei) 3.Edição nº 184/2011 Recife . AUSÊNCIA DE PAGAMENTO. pela prestação de serviço público em contrato temporário.. destinado a segurar. sendo assim. POR ANALOGIA. CONHEÇO do agravo para NEGAR SEGUIMENTO ao recurso especial. 280 do STF. Com essas considerações. bem como a cobrança de descontos previdenciários efetuados indevidamente.). INTERESSE DO AUTOR DE AGIR. (. incidindo. por desbordar da competência estabelecida para esta Corte na Constituição da República. O recurso especial foi interposto com fulcro na alínea 'a' do permissivo constitucional. não poderia contribuir com o VITORIAPREV (Regime Próprio de Previdência Social). descabe. tanto a FUNAPE quanto o Estado de pernambuco. uma vez que a autora já contribuía perante o INSS (Regime Geral de Previdência Social) e. quanto às atribuições do ente municipal para realizar os descontos. OFENSA À LEI MUNICIPAL. Segunda Turma. seria a parte legítima para figurar no pólo passivo da presente demanda. A respeito. DESCONTO PREVIDENCIÁRIO INDEVIDO. Publique-se. assim ementado (fls. o Município foi o responsável pelo lançamento indevido do desconto previdenciário na folha de pagamento.. É descabido o exame de alegação relativa à ofensa ou negativa de vigência à legislação municipal ou estadual . pela prestação de serviço público em contrato temporário. que entendeu que "o Município foi o responsável pelo lançamento indevido do desconto previdenciário na folha de pagamento. De início. não cabe.). que a princípio aparenta ser aplicável apenas aos casos de interposição de Recurso Especial por dissídio jurisprudencial (alínea "c" do inciso III do art." Registre-se que a referida súmula. DIREITOS FUNDAMENTAIS A QUE TODO TRABALHADOR FAZ JUS. sob o argumento de que o VITORIA PREV (autarquia municipal). sendo assim. CONTRATO TEMPORÁRIO. aplicando as Súmulas 282 e 356 do STF. o teor da Súmula 83: "Não se conhece do Recurso Especial pela divergência. LEGITIMIDADE PASSIVA. Por outra via. PEDIDO DE PERCEPÇÃO DE 13º SALÁRIO E FÉRIAS NÃO GOZADAS. (. AÇÃO DE COBRANÇA. sendo assim. Intimações necessárias. 7 DO STJ. MANDADO DE SEGURANÇA." (REsp 1155741/ES. Preliminar rejeitada. 2. Recurso especial não conhecido. os servidores efetivos do Município.Versa a lide em apreço sobre a percepção de 13º salário e férias. em recurso especial. exclusivamente.PE (2011/0092537-7) RELATOR: MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA INACOLHIDA. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente DESPACHOS/DECISÕES VICE-PRESIDÊNCIA 64 . Rel. O Tribunal de origem. 280 DO STF. 23 de maio de 2011.399/97 -. (. 3 . terça-feira. MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES .. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES. bem como a cobrança de descontos previdenciários efetuados indevidamente. não poderia contribuir com o VITORIAPREV (Regime Próprio de Previdência Social).O Município foi o responsável pelo lançamento indevido do desconto previdenciário na folha de pagamento.in casu. uma vez que o acórdão recorrido está em consonância com o posicionamento adotado pelo STJ. É o relatório..Em casos análogos. 2 . Ora. 4 . DECISÃO: Trata-se de agravo interposto pelo MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO contra decisão que inadmitiu recurso especial por entender que o dispositivo tido como violado não restou prequestionado. conforme já decidido pelo STJ (AgRg no Ag 1196256 / SP. 7 desta Corte. seria a parte legítima para figurar no pólo passivo da presente demanda. 4. Ante as razões expostas. Veja-se: "AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 9. de invocar. os servidores efetivos do Município. exclusivamente. não há que se falar em violação ao dispositivo apontado. INADMITO a manifestação recursal. julgado em 17/11/2009. em sede de recurso especial. 1. RECURSO DE AGRAVO A QUE SE NEGA PROVIMENTO À UNANIMIDADE. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 283-STF.. sob o argumento de que a VITÓRIA PREV (autarquia municipal). vez que a autora já contribuía perante o INSS (Regime Geral de Previdência Social) e. RECURSO QUE DEIXA DE IMPUGNAR OS FUNDAMENTOS DO ACÓRDÃO RECORRIDO. julgado em 15/06/2010. DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS EFETUADOS INDEVIDAMENTE.). Relator Min. Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STJ (Súmula 83). uma vez que a autora já contribuía perante o INSS (Regime Geral de Previdência Social) e. podem responder pelas causas que dizem respeito a descontos previdenciários. revolver o conjunto fático-probatório dos autos para confrontar a premissa fática estabelecida pela Corte de origem. destinado a segurar. PLEITO DE REFORMA DE DECISÃO MONOCRÁTICA QUE NEGOU SEGUIMENTO À APELAÇÃO.PE. destinado a segurar. nesta instância. SEGUNDA TURMA. também. PROCESSUAL CIVIL. DEVOLUÇÃO. Intimem-se. fazer juízo sobre os fatos da causa ou sobre a sua prova. 22/23): Versa a lide em apreço sobre percepção de 13º salário e férias..Relator (Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES. RECURSO ESPECIAL. ATRIBUIÇÕES. ao analisar a controvérsia. vejam-se os seguintes arestos: "PROCESSUAL CIVIL. LEGITIMIDADE DO MUNICÍPIO. (. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. restrita à uniformização da legislação infraconstitucional federal (Súmula n. consignou (fls. tem-se que a matéria constante da decisão recorrida já foi recentemente enfrentada no âmbito do Colendo STJ.preliminar de ilegitimidade passiva do Município argüida no presente recurso. DJe 25/11/2009). exclusivamente. Humberto Martins. portanto. Brasília (DF).714 . CONTRATO TEMPORÁRIO. não poderia contribuir com o VITORIAPREV (Regime Próprio de Previdência Social). SÚMULA N.). as razões da Súmula n. na esfera estadual. pois. Passo a decidir. AGRAVO CONHECIDO PARA NEGAR SEGUIMENTO AO RECURSO ESPECIAL. em face de acórdão do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Concluir contrariamente aos fatos consignados no acórdão recorrido demandaria reexame de todo o conjunto probatório. passo à análise do recurso especial. AUTARQUIA. Por derradeiro. Preenchidos os requisitos de admissibilidade do agravo. 211 DO STJ. os servidores efetivos do Município". tenho que tecer considerações acerca da preliminar de ilegitimidade passiva do Município argüida no presente recurso. É caso. 22 de setembro de 2011. AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO. 1 . SÚMULA N. REEXAME DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO. a Lei Municipal n. por analogia). PREFEITO MUNICIPAL. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. 4 de outubro de 2011 Enfim. 105 da CF/88). A irresignação não merece prosperar. 3. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE PROVENTOS DE SERVIDORES INATIVOS. SÚMULA N.

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. a.conforme Regimento I. 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. DÍVIDA UNILATERALMENTE ARBITRADA PELA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. T. INTERRUPÇÃO.14219 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Elizabeth de Carvalho Simplício Erik Limongi Sial Erik Limongi Sial Fábio Rigueira Siqueira Marcos Antônio Inácio da Silva Paula Franssinetti Feitosa Valgueiro Pio Alves Queiroz e Outro(s) .CELPE : Erik Limongi Sial : e Outros : Osmar do Nascimento Paes Barreto : Pio Alves Queiroz : 4ª Câmara Cível : Des.1370 (198999-3) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 16:33 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (01). contra decisão de fls. deste Egrégio Tribunal. Jones Figueirêdo : 0000187-17.CELPE interpôs Recurso Especial. Orig. proferida pela 4ª Câmara Cível. III e Outros e Outros Ordem Processo 002 0200957-8/02 001 0198999-3/01 003 0211217-6/03 003 0211217-6/03 004 0225408-6/02 004 0225408-6/02 001 0198999-3/01 003 0211217-6/03 004 0225408-6/02 001 0198999-3/01 002 0200957-8/02 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.conforme Regimento I. é de ser deferida a inversão do ônus da prova.Edição nº 184/2011 SETOR DE RECURSOS Recife . na Apelação Cível n.17. DECISÃO UNÂNIME. quando verificada a verossimilhança das alegações do autor ou quando for este hipossuficiente. a. 65 . 1. PROVIMENTO PARCIAL DO APELO.PE. Por se tratar de matéria consumerista. 198999-3 Recorrente: Companhia Energética de Pernambuco . com fundamento no artigo 105. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Serra Talhada : 1ª Vara Cível : Companhia Energetica de Pernambuco . Está assim vazado o acórdão exarado na apelação: "EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO CUMULADA COM DANOS MORAIS.8. 13/15. da Constituição Federal. 2011. OFENSA À RESOLUÇÃO 456/2000 DA ANEEL E À SÚMULA 13/TJPE. QUANTUM INDENIZATÓRIO. T. III.CELPE : Erik Limongi Sial : e Outros : Osmar do Nascimento Paes Barreto : Pio Alves Queiroz : Companhia Energetica de Pernambuco . III e Outro(s) . "a" e "c".2006. irrefutável a existência de uma relação de consumo entre as empresas concessionárias de serviço público e seus usuários. EXAGERO. 0198999-3/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. FRAUDE NO MEDIDOR. AUSÊNCIA DO CONTRADITÓRIO. sendo ainda.CELPE Recorrido: Osmar do Nascimento Paes Barreto DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Companhia Energética de Pernambuco . no processo acima mencionado. terça-feira.

90 e 91 da Resolução nº 456 da ANEEL. Reexame da questão fático-probatória (Súmula 07 do STJ)." (AgRg no REsp 945. nos termos em que é invocada no recurso especial. SEGUNDA TURMA.(. impõe-se à aplicação do enunciado da Súmula 7 do STJ. DISPOSITIVO INSERTO EM RESOLUÇÃO. LUIZ FUX. incisos II.. AGRAVO REGIMENTAL." 4. pois. posto que com a atitude abusiva de interromper o fornecimento de energia elétrica do apelado. Agravo regimental não-provido. não se faz possível a admissão do recurso. INDENIZAÇÃO. Min. encontra-se pacificada na jurisprudência do STJ a orientação de que é abusivo o corte no fornecimento de energia elétrica por cobrança de fatura de consumo pretérito. apurada unilateralmente pela concessionária. mesmo de ordem extrapatrimonial. inciso III. I. LEI FEDERAL. a apelante. Inteligência da Súmula nº 13 do TJPE: "É abusiva a suspensão do fornecimento de energia elétrica.. É ilegítimo o corte no fornecimento de energia elétrica se o débito decorrer de suposta fraude no medidor de consumo de energia. por parte da Corte Superior. observe-se o seguinte julgado: 66 . a instância especial recebe a situação fática da causa tal como a retrata a decisão recorrida. a qual se configurou no caso em tela. no caso. de modo que foi indevida a declaração da inexistência do débito e a condenação da recorrente ao pagamento de danos morais. certo que é incabível a indicação de ofensa a dispositivo inserto em resolução. da Carta Magna. Rel. a concessionária suspendeu o fornecimento de energia do autor. NÃO-CARACTERIZAÇÃO. SUSPENSÃO INDEVIDA NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. haja vista a pretensão da recorrente. O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. Verifica-se que a apreciação da tese recursal colocada exigiria. Rel. Os argumentos da ora agravante notadamente os de que o corte ocorreu por inadimplência do usuário . Para além disso. 91.00 (dez mil reais)". Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. julgado em 28/10/2008. 5º. Dessa forma. ressarcir os danos morais reconhecidos. Como se sabe. observe-se: "ADMINISTRATIVO. 105. 1. veja-se a seguinte orientação: "SUSPENSÃO DO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. e não sobre resolução. a ré/apelante assumiu o risco de causar lesão à parte autora. pressupõe o revolvimento do conjunto fáticoprobatório.624/MG. no caso. I . TEORI ALBINO ZAVASCKI. DANO MORAL. 2. necessariamente. Valor da indenização por danos morais redimensionado para atender aos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade (art. não se inserindo no disposto do art. À unanimidade de votos. Dentre outros. 3. quando motivada pelo inadimplemento de débito unilateralmente arbitrado pela concessionária. DJe 25/11/2008) (grifei) 3. DJ de 28/09/06.436/RS. SÚMULA 7/STJ. levado em expressa e clara consideração pelo Tribunal de origem para chegar à conclusão tida por insatisfatória pelo recorrente.987/95 e 17 da Lei nº 9. com a seguinte redação: "A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial". mesmo com o pagamento da conta. Sem contrarrazões. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES. pelo critério de estimativa de carga.Edição nº 184/2011 Recife . III. o reexame do conjunto fáticoprobatório. após a constatação de suspeita de fraude. I e na jurisprudência dominante nos tribunais.PE. parágrafo único. sem que haja comprovação nos autos da fraude no medidor.Quanto à ofensa aos arts. Ministro Francisco Falcão. 5. FALTA DE PREQUESTIONAMENTO. na medida em que os referidos dispositivos legais autorizam a interrupção no serviço de fornecimento de energia em caso de inadimplência do usuário. alínea "a". presumido unilateralmente pela concessionária e oriundo de inspeção unilateral. 6. da Lei nº 8. II. 4 de outubro de 2011 2. da CF.) III .000. sem motivação ou aviso prévio. I.508/RJ. II . 1. 944 e seguintes. 17 da Lei nº 9.427/96. devendo. Rel. § 3º. Nesse sentido.987/95 (Lei de Concessões e Serviços Públicos). 72. V e X da Constituição Federal e art. no sentido de demonstrar a licitude do corte no fornecimento de energia elétrica. 91. no efeito de reduzir o valor da condenação por danos morais para a quantia de R$ 10. não há como se admitir o presente recurso. a exigência de afronta ou interpretação divergente deve ser ao texto de lei infraconstitucional. DJe 29/10/2008) 2. Rel. Se a violação aos artigos 6º. 105. RESPONSABILIDADE CIVIL. conforme certidão de fl. deu-se provimento parcial ao recurso de apelação. 175. SÚMULAS Nºs 282 E 356/STF. No que se refere à alegação de violação ao art. da Resolução 456/2000 da ANEEL. julgado em 14/10/2008. ante a inadimplência do usuário. No ponto. porquanto tal regramento não se caracteriza como "lei federal". terça-feira. Incontroversa a reparação pelo corte indevido. como se sabe. 86.Agravo regimental improvido. . Primeira Turma. DECIDO. Alegou a parte recorrente que a decisão contrariou o disposto nos artigos 6º. 78. daí ensejando o dever de indenizar. decorrente da prática de conduta ilícita. do CC). FRAUDE NO SISTEMA DE MEDIÇÃO. alíneas "a". II. Análise do recurso especial em caso de violação à Resolução da ANEEL. § 3º. da Lei nº 8. conforme dispõe o art. Min. O Tribunal de origem consignou que. Precedentes: REsp nº 855.427/96. DJ de 28/09/06 e AgRg no Ag nº 737. Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência (Súmula 83 do STJ). 186 do Código Civil." (AgRg no REsp 1070922/SP. a fim de que seja revista a condenação em indenização por danos morais. da Resolução 456/2000 da ANEEL. na forma do art.esbarram na Súmula 7/STJ.

2. DJ 19. nos processos acima mencionados. O STJ tem entendimento firmado de que 'a revisão do arbitramento da reparação de danos morais e materiais somente é admissível nas hipóteses de determinação de montante exorbitante ou irrisório' (REsp 564673 / RJ. Des. da Constituição Federal. Está assim vazado o acórdão exarado no recurso de agravo: "EMENTA: DIREITO CONSTITUCIONAL. DANO MORAL. DJe 02/02/2011) Assim. IMPOSSIBILIDADE. 27 de setembro de 2011." (EDcl no REsp 1195349/MT. SÚMULA 7/STJ. Adotar posicionamento distinto do proferido pelo acórdão recorrido. João Otávio de Noronha. Embargos de Declaração com pedido de efeitos infringentes recebidos como Agravo Regimental. Luiz Carlos Figueirêdo : 0014828-07. COINCIDÊNCIA EVENTUAL DE PADRÕES DE REMUNERAÇÃO. INTERRUPÇÃO. AGRAVO REGIMENTAL. 1. 4 de outubro de 2011 "PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. conforme determinado por sua Súmula 7. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Recife : 4ª Vara da Fazenda Pública : Myckon Werico Freitas Macedo e outro e outro : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outros : Estado de Pernambuco : Henrique Luiz de Lucena Moura e outros e outros : Myckon Werico Freitas Macedo : Enivaldo do Nascimento Muniz : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outros : Estado de Pernambuco : Henrique Luiz de Lucena Moura : Luciana Roffé de Vasconcelos : Flávia Tavares Dantas : Maria Cláudia Junqueira : 7ª Câmara Cível : Des. alínea "a". Ministro HERMAN BENJAMIN. implica reexame da matéria fático-probatória. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. 4. INADMITO a manifestação recursal. Aplicação do princípio da fungibilidade recursal. 5. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida". a modificação do quantum indenizatório. com arrimo no artigo 105. Min. Orig.12. DÍVIDAS PRETÉRITAS. incide a Súmula 83.Edição nº 184/2011 Recife . PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE. Rel.8. 49/54.17. julgado em 04/11/2010. o que não se verifica in casu. Intimações necessárias. Ante as razões expostas. Recife. 3. FERIMENTO À ISONOMIA. qual seja.PE. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é no sentido da impossibilidade de suspensão de serviços essenciais. nos autos do recurso de agravo nº 200957-8.2010. EQUIPARAÇÃO DE CARGOS. MATÉRIA RESERVADA À LEI. OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO DA SEPARAÇÃO DE PODERES. contra decisão de fls. RECURSO CONHECIDO 67 . na Decisão Terminativa Monocrática. IMPOSSIBILIDADE. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 002. EFEITOS INFRINGENTES. em função da cobrança de débitos pretéritos. deste Egrégio Tribunal. SEGUNDA TURMA. no Recurso de Agravo (01). cujo enunciado é o seguinte: "Não se conhece do recurso especial pela divergência. Agravo Regimental não provido. OPÇÃO POLÍTICA INATACÁVEL PELA VIA JURISDICIONAL. ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS DE INVESTIDURA DISTINTOS. tais como o fornecimento de energia elétrica e água. proferida pela 7ª Câmara Cível. Rel. terça-feira. RECEBIMENTO COMO AGRAVO REGIMENTAL.0000 (200957-8/1) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 16:33 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (02). 364). estando a decisão guerreada em conformidade com a jurisprudência do STJ.2006 p. SERVIDORES PÚBLICOS DO PODER JUDICIÁRIO. 0200957-8/02 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Procdor Embargante Embargante Advog Advog Embargado Procdor Procdor Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. o que é obstado ao STJ. FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. III. na Apelação Cível nº 200957-8 Recorrente: Myckon Werico Freitas Macedo e outros Recorrido: Estado de Pernambuco DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Myckon Werico Freitas Macedo e outros interpuseram Recurso Especial.

do Supremo Tribunal Federal. a esse propósito. que impõe a fixação de padrões de vencimentos condizentes com os seguintes parâmetros: "I . a Justiça acaba sendo válvula de escape para as legítimas pretensões de melhoria salarial e de qualidade de vida do funcionalismo. no qual a Administração não consegue dar respostas aos anseios de dignidade de seus cidadãos. a Lei de nº 12. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. não está obrigado a responder todas as alegações das partes. todos da CF. mas uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a norma da Lei nº 12. Nisso. §1º. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica. O cerne da controvérsia é a extensão. em igualdade de condições. atuais Auxiliares Judiciários . a qualificação exigida para seu exercício . se não decorre da literalidade da Lei nº 12. uma vulneração do princípio isonômico. É sabido que. 535 do CPC. que. de tal sorte que a insatisfação quanto ao deslinde da causa não oportuniza a oposição de embargos de declaração. para as autoridades públicas. retirou as distinções das atribuições das respectivas funções." 68 . Por sua vez. Grupo Judiciário Referência PJ-II. ademais disso. sem que presente alguma das hipóteses do art. no caso." Tais critérios servem para atender à máxima isonômica de tratar igualmente aqueles que se encontrem em situações análogas. sob o argumento de ferimento aos princípios da isonomia e da separação dos poderes.643/2004. Em um Estado engessado como o brasileiro. II .O fato de o Tribunal de origem não ter se manifestado expressamente sobre os artigos de lei que a parte alega incidir à espécie não leva à conclusão de que ofendido o art.ref. Argumenta os apelantes que a equiparação salarial. 8. Ainda que se admitisse que a majoração da remuneração dos Técnicos Judiciários de 3ª Entrância fosse um privilégio. para eliminar o reajuste indevido. que alterou a redação do artigo 27. Tal realocação provém do artigo 1º da Lei Estadual nº 12. 6. demonstrada por prova inequívoca carreada aos autos. no caso. para o Estado. do reenquadramento financeiro franqueado ao cargo de Técnico Judiciário . consignado no artigo 37.. aumentar vencimentos de servidores públicos sob fundamento de isonomia". 535. a começar por aqueles que trabalham para o próprio Poder Público. é tratar exclusivamente esta categoria dessa forma.ref. consignadas no art.as peculiaridades dos cargos. as de formular a política remuneratória de seus quadros). pormenorizadamente. 7. considerando as peculiaridades de suas atribuições e. portanto. sempre na mesma data e sem distinção de índices" Inexiste aos servidores públicos. (. 535 CPC. caput. Em hipótese alguma. Contrarrazões às fls. dividindo o exercício do poder.643/2004. conforme vasta jurisprudência pátria. direito adquirido a regime jurídico único. conforme. jamais poderia ser uma ação como a presente. Pelo princípio democrático da tripartição de poderes.. que também dispôs sobre modificações no Plano de Cargos. Grupo Judiciário. com atribuições e requisitos distintos dos Auxiliares Judiciários. 1. não se pode arguir isto para defender uma promiscuidade daquelas com a função jurisdicional. o exercício de suas funções é norteado pelo princípio da liberdade positiva. Conquanto o Poder Judiciário. terça-feira.DENÚNCIA ESPONTÂNEA . indubitável. veja-se: "PROCESSUAL CIVIL . à míngua das hipóteses do art. que não as torna ontologicamente equivalentes. 535 do CPC. inclusive. decorrem mais ofensas à ordem constitucional vigente. da Carta Magna: (. da Constituição).MANDADO DE SEGURANÇA . aliás. foram eles unanimemente rejeitados.850/2005.PE. 5. O recurso é tempestivo e a parte é isenta do pagamento de custas por ser beneficiário da gratuidade da justiça. sobretudo. 1. De conformidade com a Lei nº 11. possua funções administrativas e legislativas (entre as quais.CND. razão não assiste aos recorrentes. Opostos embargos de declaração. uma vez que. cada um dos fundamentos por elas apresentados.a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. restringindo-a.AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL . muito embora fuja à alçada jurisdicional se imiscuir na conveniência e oportunidade da Administração e da legislatura em melhorar o padrão remuneratório das carreiras públicas. PJ II.. mas. como pacificamente reconhece a jurisprudência. a decisão embargada contém todos os fundamentos suficientes e o órgão julgador não está obrigado a responder todas as alegações das partes nem a averiguar. inspirando o artigo 39. ela representa o alcance de suas possibilidades de ação.nível médio completo. buscou-se. para a sociedade civil. 535 do CPC. em ofensa ao artigo 2º da CF/1988.850/2005. da Carta Magna.. secundariamente. Carreiras e Vencimentos dos Servidores do Poder Judiciário Local. em cotejo com a situação de ambos os cargos. 3. 5 . pois só lhes é dado fazer aquilo que a lei autoriza (princípio da legalidade. que dispôs sobre as modificações no Plano de Cargos. ambas as carreiras terem coincidido em referências salariais foi um evento meramente circunstancial. a ater-se aos fundamentos por elas apresentados nem a rebater um a um todos os argumentos levantados. seria um imperativo isonômico. rejeitarem-se os embargos de declaração nos quais se pretende a manifestação da Corte de origem sobre teses ou dispositivos legais que não foram abordados pelo acórdão recorrido não enseja o entendimento de que houve violação ao art. isto é.O simples fato de. caput. nas quais a parte recorrida pugna pela inadmissibilidade do apelo. percebemos as disparidades de atribuições de cada cargo. 158/165. Aliás.a natureza. O exercício da jurisdição não deve servir para sobrepujar a função legiferante. a mens legis. referência PJ-II. que não tem função legislativa. 37. Com base nessas balizas. a lei é um limitador da liberdade. dos servidores aludidos no artigo 27 da Lei 12. os recorrentes alegam que foram afrontados os artigos 535. caput. assegurada revisão geral anual.Edição nº 184/2011 Recife . 2. DECIDO. 535 do CPC. inciso I.) X .os requisitos para a investidura. todavia. na medida em que não concedeu aos auxiliares judiciários de 1ª e 2ª Entrância. Princípio da tripartição de poderes. pois o julgador. observada a iniciativa privativa em cada caso. desde que fundamente suficientemente sua decisão. VIOLAÇÃO E/OU NEGATIVA DE VIGÊNCIA AO ART. Tal inovação legislativa beneficiou a categoria dos Atendentes Judiciários de 3ª entrância.AUSÊNCIA DO PAGAMENTO INTEGRAL ÓBICE À EXPEDIÇÃO DE CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITO . III . a Lei nº 12. reside outro deslize do acórdão rescindendo. 37. poderse-ia pleitear a majoração de vencimentos pelo Poder Judiciário.ART. enquanto. a separação é um imperativo de especialização e otimização do trabalho de cada função do Estado: a jurisdição. O fato de. por isonomia. apenas o fez dos Atendentes Judiciários de Terceira Entrância.850/2005. a legislatura e a administração. invadiu competências do Poder Legislativo. 138 DO CTN . pela via jurisdicional. o princípio da igualdade tem vez dentro do arcabouço normativo de Direito Constitucional Administrativo. de forma a judicializar a política administrativa e remuneratória do Estado. o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carreira. ao promover o reenquadramento para a carreira de Técnico Judiciário. 4 de outubro de 2011 E DESPROVIDO.643/2004. Em suas razões. incisos II e XV. já decidiu o STJ. inciso II. pois. em um momento anterior. Carreiras e Vencimentos dos Servidores deste Poder. X.) 4 . limitá-lo. VII. 4. consistente no Anexo III da Lei nº 12.DÍVIDA TRIBUTÁRIA CONSTITUÍDA POR MEIO DE DCTF . não-exigido para a investidura no cargo dos apelantes que é nível fundamental completo. o reenquadramento na carreira de Técnico Judiciário.643/2004.TRIBUTÁRIO . do CPC. da Lei Estadual nº 12. bem como 5º. Com relação à alegada violação/negativa de vigência ao art. com graus de responsabilidade e de complexidade distintas. que cristalizou esse entendimento por meio da Súmula nº 339: "Não cabe ao Poder Judiciário. aos apelantes antigos Auxiliares Judiciários de 2ª Entrância. PJ I. o caminho para corrigir esse descompasso. do CPC.195/94 os auxiliares de 1ª e 2ª Entrância não exerciam as mesmas funções dos atendentes da 3ª Entrância. ao qual se chegaria por interpretação sistemática com a Constituição Federal.850/2005.

09/02/2010). LEI Nº 9. Esta Corte não se presta a analisar violação a dispositivo constitucional. Ministra LAURITA VAZ. para justificar a afronta à Constituição. MULTA.058/RS (ART.607/98. SÚMULA 339/STF. CIDE. a alegação de omissão do acórdão reflete mero inconformismo com os termos da decisão. tece considerações a respeito da não-observância das Leis Estaduais n° 11. Agravo regimental desprovido. Rel. INCIDÊNCIA DA SÚMULA N. 4. sendo inviável o exame da sua aplicação em sede de recurso especial. 1°. DJ 02/02/2004.746/DF. destaquei) Aplicável. O pedido de extensão da FC-06 aos Oficiais de Gabinete do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios implica aumento de vencimentos sob o fundamento de isonomia. III e 37. DO CPC. julgado em 11/05/2010.Rel. sempre na mesma data e sem distinção de índices. VÍCIO DE OMISSÃO. Rel. posto que houve emissão de juízo acerca das matérias que eram necessárias ao deslinde da controvérsia.AgRg no REsp 1. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. p. ISONOMIA. 343) Consequentemente. Veja-se: "PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. INCRA. EXIGIBILIDADE RECONHECIDA NO RECURSO REPETITIVO N. § 2º. CONSTITUCIONAL. Des. DECISÃO RECORRIDA EM CONSONÂNCIA COM A JURISPRUDÊNCIA DO STJ (SÚMULA 83). sob pena de usurpar-se da competência do Supremo Tribunal Federal. Min. 12. 5. não podendo ser estendida aos Oficiais de Gabinete de outros Tribunais. 2. DJ 17/12/2007.º 280 DA SUPREMA CORTE. ADMINISTRATIVO. REENQUADRAMENTO. 2. VIOLAÇÃO A DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS. nem mesmo para fins de prequestionamento. 4 de outubro de 2011 (STJ . Para além disso. Enunciado nº 339).º 8. II e XV da Constituição Federal. (..146. DJe 31/05/2010). RECURSO MANIFESTAMENTE INFUNDADO. FUNÇÃO COMISSIONADA. ressalte-se que no âmbito do recurso especial o STJ não possui competência para a sua análise. 8/2008). REAJUSTE. Relator Ministro Vicente Leal e RMS 11.) 4. ao fundamentar seu recurso. Rel. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. terça-feira. SEGUNDA TURMA. Rel. Diante do exposto.Julg. SEXTA TURMA. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES.Edição nº 184/2011 Recife . II do CPC. RESERVA LEGAL. 1. ART.632/DF. ACÓRDÃO FUNDAMENTADO EM NORMA LOCAL. No ponto. observe-se: "ADMINISTRATIVO." (RMS 11." 4. VIOLAÇÃO A DISPOSITIVO CONSTITUCIONAL." Registre-se que a incidência da referida Súmula é aplicável ao recurso especial também pela alínea "a" do art. Assim. que não possui função legiferante (Súmula do Supremo Tribunal Federal. Recife. julgado em 23/11/2010. Ministro HAMILTON CARVALHIDO. Intimações necessárias. QUARTA TURMA.850/05 e 12. INTERPRETAÇÃO DE LEI INFRACONSTITUCIONAL LOCAL (SÚMULA 280/STF).213/91. EXTINÇÃO. assegurada revisão geral anual. REENQUADRAMENTO. a decisão recorrida se encontra de acordo com o entendimento do STJ: "RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. aplica-se apenas no âmbito daquela Corte. Aliás. julgado em 25/11/2003. 3.112/90. 138 DA LEI N. julgado em 29/11/2007. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR. o que é vedado ao Poder Judiciário. 543-C DO CPC E RES. QUINTA TURMA. arts.721/DF. VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA UNICIDADE RECURSAL. 1.º 197/91. inciso X.º 280 da Súmula da Suprema Corte.. JOVALDO NUNES GOMES Vice-Presidente 69 .PE." (artigo 37. Relator Ministro José Arnaldo da Fonseca).195/94. Precedentes (RMS 11. 105 da CF (AgRg no Ag 643. 535. relativamente ao art.112/90.989/DF. A Lei nº 9. "A remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. Recurso improvido. o teor da Súmula 83 daquela Corte: "Não se conhece do recurso especial pela divergência. 2. STJ N. CONTRIBUIÇÃO. p. reveste-se de natureza local. 8. portanto." (AgRg no REsp 1116257/PR.607/98. CONTRIBUIÇÃO AO FUNRURAL. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica.1ª Turma . o que impede o processamento do recurso extraordinário nos termos do enunciado da Súmula 280/STF: "Por ofensa a direito local não cabe recurso extraordinário. da Constituição Federal).438/ RS. 20 de Setembro de 2011. ALEGAÇÃO EM AGRAVO REGIMENTAL. o próprio recorrente.o 8. No tocante à alegada violação aos arts. não restando caracterizado o vício apontado. Benedito Gonçalves . LEI N. inciso X. por força da Lei Distrital n. COMPETÊNCIA DO STF. em razão do óbice do enunciado n. quando aplicada aos servidores públicos do Distrito Federal.818/SC . DJe 06/12/2010). Ocorre que o acórdão recorrido decidiu a controvérsia com base na legislação infraconstitucional local e na prova acostada aos autos. 557." 3." (AgRg no REsp 984. 977. ART. Precedentes. observada a iniciativa privativa em cada caso. INADMITO a manifestação recursal. por força do artigo 37. Sustentam os recorrentes que o acórdão atacado violou os mencionados dispositivos da legislação federal infraconstitucional.643/04. da Constituição Federal. que fixou a função comissionada FC-06 para os Oficiais de Gabinete do Supremo Tribunal Federal. 360. a matéria suscitada pelos recorrentes demanda a apreciação da legislação estadual. mediante resolução. A Lei n.

OPÇÃO POLÍTICA INATACÁVEL PELA VIA JURISDICIONAL. poderse-ia pleitear a majoração de vencimentos pelo Poder Judiciário.nível médio completo. limitá-lo. Argumenta os apelantes que a equiparação salarial. AGRAVO REGIMENTAL. OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO DA SEPARAÇÃO DE PODERES. a separação é um imperativo de especialização e otimização do trabalho de cada função do Estado: a jurisdição. dos servidores aludidos no artigo 27 da Lei 12. assegurada revisão geral anual.PE. incisos II e XV. 2. ao promover o reenquadramento para a carreira de Técnico Judiciário." Tais critérios servem para atender à máxima isonômica de tratar igualmente aqueles que se encontrem em situações análogas. invadiu competências do Poder Legislativo. todavia. Princípio da tripartição de poderes. pela via jurisdicional. portanto. da Carta Magna: (.. caput. Pelo princípio democrático da tripartição de poderes. na medida em que não concedeu aos auxiliares judiciários de 1ª e 2ª Entrância.643/2004.a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art.195/94 os auxiliares de 1ª e 2ª Entrância não exerciam as mesmas funções dos atendentes da 3ª Entrância. 167/182. para eliminar o reajuste indevido. mas uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a norma da Lei nº 12. do Supremo Tribunal Federal. no caso.Edição nº 184/2011 Recife . §1º. para o Estado. da Lei Estadual nº 12. uma vulneração do princípio isonômico. como pacificamente reconhece a jurisprudência. 70 . nos autos do recurso de agravo nº 200957-8. III . a qualificação exigida para seu exercício . 37. em cotejo com a situação de ambos os cargos. Com base nessas balizas. Conquanto o Poder Judiciário. observada a iniciativa privativa em cada caso. do reenquadramento financeiro franqueado ao cargo de Técnico Judiciário . Carreiras e Vencimentos dos Servidores deste Poder. a legislatura e a administração. sempre na mesma data e sem distinção de índices" Inexiste aos servidores públicos.850/2005. referência PJ-II. mas. o reenquadramento na carreira de Técnico Judiciário. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STF dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida.ref. Tal realocação provém do artigo 1º da Lei Estadual nº 12. aumentar vencimentos de servidores públicos sob fundamento de isonomia". contra decisão de fls. considerando as peculiaridades de suas atribuições e. Ainda que se admitisse que a majoração da remuneração dos Técnicos Judiciários de 3ª Entrância fosse um privilégio. com arrimo no artigo 102. ATRIBUIÇÕES E REQUISITOS DE INVESTIDURA DISTINTOS. pois só lhes é dado fazer aquilo que a lei autoriza (princípio da legalidade. buscou-se.643/2004. consignadas no art.850/2005. a Lei de nº 12. Em hipótese alguma. na Apelação Cível nº 200957-8 Recorrente: Myckon Werico Freitas Macedo e outros Recorrido: Estado de Pernambuco DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Myckon Werico Freitas Macedo e outros interpuseram Recurso Extraordinário. 37. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. a Justiça acaba sendo válvula de escape para as legítimas pretensões de melhoria salarial e de qualidade de vida do funcionalismo. Grupo Judiciário. Carreiras e Vencimentos dos Servidores do Poder Judiciário Local. restringindo-a. PJ II. o princípio da igualdade tem vez dentro do arcabouço normativo de Direito Constitucional Administrativo. enquanto. II . direito adquirido a regime jurídico único. Alega a parte recorrida que a decisão recorrida contrariou o disposto nos artigos 5º. não se pode arguir isto para defender uma promiscuidade daquelas com a função jurisdicional. 4.. muito embora fuja à alçada jurisdicional se imiscuir na conveniência e oportunidade da Administração e da legislatura em melhorar o padrão remuneratório das carreiras públicas. consistente no Anexo III da Lei nº 12. X. com atribuições e requisitos distintos dos Auxiliares Judiciários. que cristalizou esse entendimento por meio da Súmula nº 339: "Não cabe ao Poder Judiciário. no Recurso de Agravo (01). a esse propósito. Opostos embargos de declaração. a lei é um limitador da liberdade. foram eles rejeitados. deste Egrégio Tribunal. que impõe a fixação de padrões de vencimentos condizentes com os seguintes parâmetros: "I .as peculiaridades dos cargos. ambas as carreiras terem coincidido em referências salariais foi um evento meramente circunstancial. atuais Auxiliares Judiciários . IMPOSSIBILIDADE. nas quais a parte recorrida pugna pela inadmissibilidade do apelo. em ofensa ao artigo 2º da CF/1988. de forma a judicializar a política administrativa e remuneratória do Estado. caput. que não as torna ontologicamente equivalentes. a começar por aqueles que trabalham para o próprio Poder Público. Contrarrazões às fls. que. em um momento anterior. sobretudo. O exercício da jurisdição não deve servir para sobrepujar a função legiferante. III. que também dispôs sobre modificações no Plano de Cargos. Grupo Judiciário Referência PJ-II. 49/54. O fato de. 3. Aliás. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO. isto é. ela representa o alcance de suas possibilidades de ação. ademais disso. MATÉRIA RESERVADA À LEI. o caminho para corrigir esse descompasso. para as autoridades públicas. todos da CF. inspirando o artigo 39.850/2005. para a sociedade civil. inclusive. caput. Por sua vez. FERIMENTO À ISONOMIA. 8. O cerne da controvérsia é a extensão. no qual a Administração não consegue dar respostas aos anseios de dignidade de seus cidadãos. apenas o fez dos Atendentes Judiciários de Terceira Entrância. nos processos acima mencionados. dividindo o exercício do poder. ao qual se chegaria por interpretação sistemática com a Constituição Federal. conforme vasta jurisprudência pátria. alínea "a". por isonomia. pois. PJ I. secundariamente. é tratar exclusivamente esta categoria dessa forma. indubitável. terça-feira. SERVIDORES PÚBLICOS DO PODER JUDICIÁRIO. Nisso. DECIDO. que alterou a redação do artigo 27. e inciso I. que dispôs sobre as modificações no Plano de Cargos. em igualdade de condições. do STF. com graus de responsabilidade e de complexidade distintas. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica. o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carreira. não-exigido para a investidura no cargo dos apelantes que é nível fundamental completo. sob o argumento de ferimento aos princípios da isonomia e da separação dos poderes. VII. proferida pela 7ª Câmara Cível. 1. o exercício de suas funções é norteado pelo princípio da liberdade positiva. aos apelantes antigos Auxiliares Judiciários de 2ª Entrância. De conformidade com a Lei nº 11. seria um imperativo isonômico. se não decorre da literalidade da Lei nº 12. percebemos as disparidades de atribuições de cada cargo. a mens legis. possua funções administrativas e legislativas (entre as quais. É sabido que. da Carta Magna.) X . as de formular a política remuneratória de seus quadros). 6. Tal inovação legislativa beneficiou a categoria dos Atendentes Judiciários de 3ª entrância. consignado no artigo 37. da Constituição).850/2005. da Constituição Federal. demonstrada por prova inequívoca carreada aos autos. a Lei nº 12. decorrem mais ofensas à ordem constitucional vigente. 4 de outubro de 2011 Recurso Extraordinário nos Embargos de Declaração (02). COINCIDÊNCIA EVENTUAL DE PADRÕES DE REMUNERAÇÃO.643/2004. Em um Estado engessado como o brasileiro. 5. 7. na Decisão Terminativa Monocrática. Está assim vazado o acórdão exarado no recurso de agravo: "EMENTA: DIREITO CONSTITUCIONAL.os requisitos para a investidura. EQUIPARAÇÃO DE CARGOS. jamais poderia ser uma ação como a presente.643/2004. reside outro deslize do acórdão rescindendo.ref. bem como na Súmula 339.a natureza. que não tem função legislativa. retirou as distinções das atribuições das respectivas funções.

9. desenvolveu fundamentação especificamente voltada para a demonstração. outros valores conectados a Texto Constitucional que se alberguem debaixo da expressão repercussão social' (Arruda Alvim. com a devida fundamentação.PE. para justificar a afronta à Constituição. 5. São Paulo. III. 448. Ofensa a direito local. em relação a decisão que contrarie decisão do STF.. à federação. Se. 4 de outubro de 2011 O recurso é tempestivo e a parte é isenta do pagamento de custas por ser beneficiário da gratuidade da justiça. 65 do dia 06/04/2011) 2. o seguinte ensinamento de Nelson Nery Junior: "Repercussão geral é conceito legal indeterminado. frontal. De início.08. 2010). Serão de repercussão geral para os efeitos da CF 102 § 3º. 979.643/04. de demonstrar a afronta à legislação infraconstitucional. social ou jurídica". DJe de 27. 1. Relator o Ministro EROS GRAU. 408. Editora Revista dos Tribunais. DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. é importante frisar que "inclui-se no âmbito do juízo de admissibilidade . política etc. 606. é a ofensa direta. da existência de repercussão geral" (STF. tem-se. OFENSA INDIRETA. 12.. Ocorre que o acórdão recorrido decidiu a controvérsia com base na legislação infraconstitucional local e na prova acostada aos autos. política. Discussão acerca de eventual direito adquirido 71 . se inexiste questão constitucional. em que pese constar da peça recursal preliminar de repercussão geral. e não a indireta. AI n.069/95. Sustentam os recorrentes que o acórdão atacado violou os mencionados dispositivos da Constituição Federal. tece considerações a respeito da não-observância das Leis Estaduais n° 11. para demonstrar a contrariedade à Constituição.12. DJ de 3. 1. ART. Relator o Ministro DIAS TOFFOLI. (Nelson Nery Junior. além de envolver o reexame do conjunto fático-probatório. valendo salientar que a controvertida é de natureza infraconstitucional local. Reforma do Judiciário. Precedentes. (Precedentes: RE n.10. em preliminar do recurso extraordinário. Na referida preliminar arguida. DJe de 25. DEFICIÊNCIA NA FUNDAMENTAÇÃO DA PRELIMINAR DE REPERCUSSÃO GERAL. 102.seja na origem. RE n. AUSÊNCIA DE QUESTÃO CONSTITUCIONAL. a inadmissão do recurso extraordinário se impõe. Código de Processo Civil Comentado. o referido autor assim discorre a respeito das questões relevantes para fins de verificação da repercussão geral: "O conceito fornecido pela nova norma é aberto. DJ n. ART. questões atinentes aos direitos humanos (CF 5º). Relator Ministro Luiz Fux. 323 do RISTF). da CF). todavia. na realidade. 1. RE n. 231. observe-se: "EMENTA Agravo regimental no recurso extraordinário. à invocação do princípio da proporcionalidade (em relação à aplicação do texto constitucional) etc. no caso concreto.850/05 e 12.99) (. LEIS FEDERAIS NS. por exemplo. ou. § 3º.) 4. (.567/RS. 2ª Turma. sobre o instituto. a razão de a matéria discutida nos autos extrapolar os interesses subjetivos da causa. o próprio recorrente. Incidência da Súmula nº 280 desta Corte. como parâmetro mínimo para a determinação do que seja 'questão relevante'. INTERPRETAÇÃO DE LEI INFRACONSTITUCIONAL LOCAL (SÚMULA 280/STF). deve a parte recorrente demonstrar que a controvérsia discutida nos autos possui repercussão geral. Relator o Ministro CELSO DE MELLO. p. nos termos da jurisprudência do STF. social ou jurídico. social. Essa situação metaindividual pode ser de natureza econômica. político. o que se vê é um esforço apenas genérico dos recorrentes em comprovar a rígida exigência da repercussão geral da matéria constitucional.991/73 E 9.8.379/96 do Estado do Amazonas. 1ª Turma. Não se abre a via do recurso extraordinário para o reexame de matéria ínsita ao plano normativo local. A repercussão geral pressupõe recurso admissível sob o crivo dos demais requisitos constitucionais e processuais de admissibilidade (art. p. pois. Súmula nº 280/STF. nacionalidade e direitos políticos. RECURSO EXTRAORDINÁRIO. Relator o Ministro NÉRI DA SILVEIRA. cuja concretitude deve ser dada em razão a algo 'que diga respeito a um grande espectro de pessoas ou a um largo segmento social.verificar se o recorrente. Em seguida. é esta que conta para a admissibilidade do recurso. Consectariamente. ser firmado por meio da jurisprudência do STF. ao fundamentar seu recurso. reflexa.747-AgR. Sepúlveda Pertence. não há como se pretender seja reconhecida "a repercussão geral das questões constitucionais discutidas no caso" (art. que autoriza admissão do recurso extraordinário. A EC n... III. que diga respeito à vida. DJe de 19. 45 e o instituto da repercussão geral. Rel. antes. 323 DO RISTF C. in Wambier.RECURSO EXTRAORDINÁRIO. econômica. § 3º. dignidade da pessoa humana (CF 1º III). à liberdade. Essa repercussão geral pode ser jurídica. terça-feira.C.) (RE/615990 . pode-se tomar a provável interferência da decisão do feito para além da esfera jurídica das partes ('interesses subjetivos da causa'). os recorrentes não demonstraram. cidadania.081-AgR.10.836-AgR. uma decisão sobre assunto constitucional impactante.. INVIABILIDADE DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. Portanto. REPERCUSSÃO GERAL NÃO EXAMINADA.195/94. COMERCIALIZAÇÃO DE DROGAS E MEDICAMENTOS FARMACÊUTICOS.Edição nº 184/2011 Recife . soberania nacional. 11ª edição. ainda. MEDIDA PROVISÓRIA 542/94. A ofensa à Constituição. inexistente a devida fundamentação relacionada com a repercussão geral. ordem econômica etc". Veja-se: "PROCESSUAL CIVIL.10. Controvérsia resolvida com base no disposto na Lei nº 2. Aliás. Consequentemente. CONTROVÉRSIA INFRACONSTITUCIONAL. 2. conforme será adiante demonstrado. 2. No ponto. AI 664. SUPERMERCADOS. DJ 06/09/2007). 102. cultura e símbolos nacionais. devendo. valendo destacar. No caso presente. 2ª Turma. Min. 63). seja no Supremo Tribunal . Reenquadramento de servidor público.389-AgR. possuindo relevância do ponto de vista econômico. na mesma obra. sobre tema constitucional muito controvertido. 2ª Turma.

INADMITO a manifestação recursal. quando a orientação do Plenário do Supremo Tribunal Federal já se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida.PE. (RE 424323 AgR. II . ISONOMIA. que diz respeito à impossibilidade do Poder judiciário promover a equiparação de cargos. JOVALDO NUNES GOMES Vice-Presidente 003.O agravo de instrumento deve ser instruído com as peças obrigatórias e também com as necessárias ao exato conhecimento das questões discutidas. seria indireta. 4 de outubro de 2011 ao pretendido enquadramento que não se reveste de índole constitucional. SÚMULA 339 DO STF." Acerca do tema.0000 (211217-6/2) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 16:33 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (03). se ocorrente. Incabível.2011. 20 de Setembro de 2011. Ademais. portanto.66. julgado em 02/12/2010. no Recurso de Agravo (02). que não tem função legislativa." (AI 693769 AgR. Primeira Turma. no caso. julgado em 03/03/2009.Não cabe ao Poder Judiciário. verifica-se que a decisão combatida. sob pena de ofensa ao princípio da isonomia. Intimações necessárias. Orig. DECISÃO RECORRIDA EM CONFORMIDADE COM A JURISPRUDÊNCIA DO STF.66. o que impede o processamento do recurso extraordinário nos termos do enunciado da Súmula 280/STF: "Por ofensa a direito local não cabe recurso extraordinário. AUSÊNCIA DE PEÇA ESSENCIAL. Agravo regimental não provido.conforme Regimento Interno TJPE art.17. IV . está em consonância com jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. veja a orientação adotada pelo STF: "EMENTA: ADMINISTRATIVO.CELPE : Erik Limongi Sial : e Outro(s) . ANÁLISE DE NORMAS INFRACONSTITUCIONAIS. Recife.CELPE : Erik Limongi Sial : e Outro(s) . AGRAVO IMPROVIDO. DJe-059 DIVULG 26-03-2009 PUBLIC 27-03-2009 EMENT VOL-02354-07 PP-01431. III : Josefa Maria da Conceição e outros e outros : Fábio Rigueira Siqueira : Companhia Energética de Pernambuco. III .Edição nº 184/2011 Recife . Agostinho : 3ª Vara Cível : Companhia Energética de Pernambuco. aplicável à espécie o enunciado da Súmula 286 do STF: "Não se conhece do Recurso Extraordinário fundado em divergência jurisprudencial. AUMENTO DE VENCIMENTOS. Des. terça-feira. A afronta à Constituição. Relator(a): Min. na Apelação Cível nº 211217-6 Recorrente: CELPE Recorridos: Josefa Maria da Conceição e Outros DECISÃO INTERLOCUTÓRIA 72 . I . Precedentes." 3. Relator(a): Min. aumentar vencimentos de servidores públicos sob fundamento de isonomia (Súmula 339 do STF).A apreciação dos temas constitucionais. Sílvio de Arruda Beltrão : 0000753-26.8. o recurso extraordinário. a matéria suscitada pelos recorrentes demanda a apreciação da legislação estadual.Agravo regimental improvido. RICARDO LEWANDOWSKI. depende do prévio exame de normas infraconstitucionais. DJe-058 DIVULG 28-03-2011 PUBLIC 29-03-2011 EMENT VOL-02491-01 PP-00217) Consequentemente. Primeira Turma. DIAS TOFFOLI. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Cabo de Sto.É dever processual do agravante zelar pela correta formação do instrumento. no Recurso de Agravo (01). III : Josefa Maria da Conceição : Fábio Francisco Pereira : Frabrício Francisco Pereira : Antônio Cassiano Pereira Neto : Fraqueneli Francisco Pereira : Fábio Rigueira Siqueira : 3ª Câmara Cível : Des. V . 0211217-6/03 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Embargante Advog Advog Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. 3. Incidência da Súmula 288 do STF. destaquei) Ante as razões expostas. SÚMULA 288 DO STF.conforme Regimento Interno TJPE art.

DESCABIMENTO. DECIDO: O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. RECURSO ESPECIAL NÃO CONHECIDO. equivalente a 2/3 do salário mínimo. Contrarrazões às fls. na quantia arbitrada em R$ 139. INVIAVEL NO RECURSO ESPECIAL O MERO REEXAME DA MATERIA PROBATORIA (SUMULA N. terça-feira. julgado em 16/03/1992. MENOR VITIMA DE ELETROPLESSÃO.00 (duzentos e setenta e nove mil reais) para cada ofendido. p. CUJA PERDA AUTORIZA A REPARAÇÃO. DESPROPORÇÃO DO DANO EM RELAÇÃO AO SOFRIMENTO. DJe 27/05/2011).PE. a matéria de fato já analisada na sentença e no julgamento do recurso. IV. MORTE DE MÃE E FILHA POR CHOQUE. inciso III. Opostos embargos declaratórios foram eles rejeitados. mesmo após o funcionário da recorrente ter advertido que o local era perigoso. A FIXAÇÃO DAS DESPESAS PESSOAIS DA VITIMA DEPENDE DA SITUAÇÃO DE FATO PECULIAR POR ELA OSTENTADA EM CADA CASO.Edição nº 184/2011 Recife . culpa exclusiva da vítima ou fato exclusivo de terceiro e analisando os autos depreende-se que o acidente ocorreu por culpa exclusiva da vítima. NAS FAMILIAS DE BAIXA RENDA. pressupõe o revolvimento do conjunto fático-probatório. A COLABORAÇÃO DOS FILHOS MENORES DA-SE BEM CEDO. e. percebe-se. nos limites da apólice de seguro. Recurso dos familiares supérstites provido.O julgamento monocrático foi feito de modo legítimo. 5888) 2. Dessa forma. nas quais a parte recorrida pugna pela inadmissibilidade do apelo.Precedentes do TJPE e do STJ. Precedentes. CORREÇÃO MONETÁRIA. Em se tratando de indenização decorrente de responsabilidade civil extracontratual. Rel. QUARTA TURMA. impõe-se à aplicação do enunciado da Súmula 7 do STJ. I e II do Código de Processo Civil e art. 1. força maior. . vedado pela Súmula 7/STJ. MAJORAÇÃO NECESSÁRIA. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS. (REsp 1171826/RS. a instância especial recebe a situação fática da causa tal como a retrata a decisão recorrida. . RECURSO ESPECIAL. TERMO INICIAL.Danos materiais 73 .00. alíneas "a" da Carta Magna. Nesse sentido. PENSIONAMENTO: QUANTUM E PERIODO DE ABRANGENCIA. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. Ministro BARROS MONTEIRO. da leitura das razões recursais. bem como das custas processuais e da verba honorária em 15% da condenação. 105. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. Quando a função punitiva dos danos morais não é respeitada e o valor arbitrado está em desproporcionalidade com o sofrimento experimentado. DIREITO CIVIL. . JULGAMENTO MONOCRÁTICO DA APELAÇÃO. levado em expressa e clara consideração pelo Tribunal de origem para chegar à conclusão tida por insatisfatória pelo recorrente. mostra-se necessário majorar o quantum da compensação. Como se sabe. ANTES DA EPOCA EM QUE PODERIAM LEGALMENTE EXERCER O TRABALHO REMUNERADO.Agravo improvido à unanimidade". I . Registre-se que a decisão recorrida está convergente com a orientação do STJ sobre a matéria. CULPABILIDADE. Está assim vazado o acórdão exarado no recurso de agravo: "EMENTA: AGRAVO. CONSTITUEM ELES FATOR ECONOMICO. REEXAME DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO. na medida em que deverá ser analisado se a vítima deu causa. nos autos do processo acima mencionado. "AGRAVO REGIMENTAL. a ainda que seja a responsabilidade objetiva. parágrafo. vindo assim a afastar a responsabilidade civil da recorrente. . ao pagamento de pensão mensal à Josefa Maria da Conceição (então companheira do falecido). que a pretensão da parte recorrente é rediscutir. DJ 04/05/1992. 3. CONCESSIONÁRIA. 44/48. 186. parágrafo único do Código Civil.500. Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto nos arts. Com efeito. quando a mesma estava encostada no carro da CELPE vindo a ser tocado por fio de alta tensão partido. será excluída sempre que verificado o caso fortuito. 4 de outubro de 2011 A Celpe interpôs Recurso Especial com fundamento no art. observe-se: "CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. no caso.Segundo a Constituição Federal (art. PRECEDENTES DO TJPE e do STJ. até a data em que Francisco Cassiano Pereira completaria 65 anos de idade.7 DO STJ). ou não ao acidente fatal. proferida pela 3ª Câmara Cível. AGRAVO IMPROVIDO À UNANIMIDADE. VALOR INSUFICIENTE PARA COIBIR NOVAS FALHAS NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO. Rel. 83/92. 3. 2. QUEDA DE FIO ELÉTRICO. na medida em que. ônus de que se desincumbiu. no tocante a discussão sobre a responsabilidade civil por morte causada por choque em razão da queda de fio elétrico e o quantum arbitrado.Cabe à CELPE demonstrar a existência de culpa exclusiva da vítima. FIXAÇÃO SOBRE O VALOR DA CONDENAÇÃO. 10. é objetiva. . 1. CHOQUE ELÉTRICO. na lide secundária. veja-se o seguinte julgado: "RESPONSABILIDADE CIVIL. contra decisão às fls. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. não se faz possível a admissão do recurso. da Resolução nº 61/2004 da ANNEL. 131. 393. nos termos em que é invocada no recurso especial. REDUÇÃO DO QUANTUM. 37. por via transversa. PRECEDENTES DO STF E DO STJ. deste Egrégio Tribunal. 4. § 6º). 2. DANO MORAL DEVIDO AO IRMÃO E ESPOSO SUPÉRSTITES. Se a violação e /ou a negativa de vigência da Lei Federal. julgado em 17/05/2011. concessionária de serviço público. condenou o Itaú Seguros S/A ao pagamento da indenização a cargo da segurada. com a seguinte redação:"A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial". os juros de mora incidem a contar da data do evento danoso (Súmula 54/STJ). TERCEIRA TURMA. A recorrente foi condenada a indenizar os suplicantes.333. a responsabilidade da empresa de energia elétrica.000. Tanto a averiguação de caso fortuito como da força maior dependem de reexame de fatos e provas. RESPONSABILIDADE CIVIL. MORTE DE FILHO MENOR. FORÇA MAIOR OU CASO FORTUITO. Na verdade.090/PR. majorando-se a indenização a R$ 279. apesar de apontar violação de Lei Federal. por dano moral. 927. Ministra NANCY ANDRIGHI. PENSIONAMENTO. DECISÃO RECORRIDA EM CONSONÂNCIA COM A JURISPRUDÊNCIA DO STJ (SÚMULA 83). claramente. FALTA DE PREQUESTIONAMENTO." (REsp 6. Recurso da empresa concessionária conhecido parcialmente e negado provimento. 1.

0000 (225408-6/1) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 16:33 Local: Diretoria Cível Recurso Especial no Recurso de Agravo (02).conforme Regimento Interno TJPE art.66. está em consonância com o posicionamento adotado pelo STJ.conforme Regimento Interno TJPE art.8. Segunda Turma. da Constituição Federal.. (AgRg no REsp 734. Rel." Registre-se que a referida súmula.17.Havendo condenação em importância certa. II . 105. julgado em 17/11/2009. IV [. "a". Pública : Município de Petrolina : Paula Franssinetti Feitosa Valgueiro : e Outro(s) . Segunda Turma. Recife. os honorários advocatícios devem ser fixados.Edição nº 184/2011 Recife . 21 de setembro de 2011. III : Município de Petrolina : Paula Franssinetti Feitosa Valgueiro : e Outro(s) . contra a decisão de fls. uma vez que o acórdão recorrido. em 2/3 do salário mínimo a partir da data em que o menor teria idade para o trabalho (14 anos) até a data em que ele completaria 25 anos. Precedentes. nos processos acima mencionados.Dano moral devido como compensação pela dor da perda de filho menor de idade. até os 65 anos. inciso III. não há que se falar em violação ao dispositivo apontado. art. julgado em 27/10/2009. Ministro SIDNEI BENETI. conforme já decidido pelo STJ (AgRg no Ag 1196256 / SP. preferida pela 8ª Câmara Cível. Relator Min. Agravo Regimental improvido".conforme Regimento Interno TJPE art. uma vez que somente é possível interpor recurso especial contra violação à Lei Federal.66. § 3º). Por outro lado. DJe 20/08/2010). na Decisão Terminativa Monocrática. III : GEANA CRISTINA NOGUEIRA LUNA : Marcos Antônio Inácio da Silva : e Outro(s) . que a princípio aparenta ser aplicável apenas aos casos de interposição de Recurso Especial por dissídio jurisprudencial (alínea "c" do inciso III do art.2011. Está assim vazado o acórdão exarado no recurso de agravo: 74 . Publique-se. José Ivo de Paula Guimarães : 0005076-74. reduzida para 1/3 a partir de então.conforme Regimento Interno TJPE art. incidindo. DJe 25/11/2009). III : GEANA CRISTINA NOGUEIRA LUNA : Marcos Antônio Inácio da Silva : e Outro(s) . também se aplica às hipóteses de violação à Lei Federal (alínea "a" do retromencionado dispositivo constitucional). na esteira de precedentes jurisprudenciais. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 004. a teor do que dispõe o art.987/CE. Despacho Última Devolução Agravo Regimental : Petrolina : Vara da Faz.] .. Des. julgado em 10/08/2010.PE. em regra.66. 2. com fundamento no artigo 105. da Constituição Federal (AgRg no AgRg no Ag 1273926/RS. terça-feira. III : 8ª Câmara Cível : Des. condizente com a gravidade do dano. no ponto. Orig.66. INADMITO a manifestação recursal. 20. Ante as razões expostas. EXAME SOBRE A OFENSA DA RESOLUÇÃO DA ANEEL Nº 61/04. DJe 29/10/2009) Assim. 105 da CF/88). TERCEIRA TURMA. o teor da Súmula 83: "Não se conhece do Recurso Especial pela divergência. na Apelação Cível nº 225408-6. 18/33. 4 de outubro de 2011 devidos. Ministra Eliana Calmon. alíneas "a" e "c". o presente recurso também é inviável com base em violação ao dispositivo indicado da Resolução da ANEEL. 0225408-6/02 Comarca Vara Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Rel. nos Embargos de Declaração (01). Recorrente: Município de Petrolina Recorrida: Geana Cristina Nogueira Luna DECISÃO INTERLOCUTÓRIA O Município de Petrolina interpôs Recurso Especial. sobre o valor da condenação (CPC. deste Egrégio Tribunal. III . portanto. Humberto Martins. no equivalente a 500 (quinhentos) salários mínimos.

977. MANUTENÇÃO DA DECISÃO RECORRIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. a Processo Seletivo Público que é requisito necessário estipulado pela Lei Municipal em acordo com a EC 51/2006. Sem contrarrazões. AGRAVO REGIMENTAL RECEBIDO COMO RECURSO DE AGRAVO. da CF.818/SC. onde comprova. CONTRIBUIÇÃO. aliás. conforme certidão de fl.Não há que se falar em inconstitucionalidade da Lei Nº 1. ainda.AUSÊNCIA DO PAGAMENTO INTEGRAL ÓBICE À EXPEDIÇÃO DE CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITO . EXIGIBILIDADE RECONHECIDA NO RECURSO REPETITIVO N. II do CPC.981/2007. RECLAMAÇÃO TRABALHISTA (COBRANÇA DE PARCELAS NÃO PAGAS). Exame da violação ao art.918/2007 e seus reflexos no pleito formulado pelos Agentes Comunitários de Saúde. § 1º. bem como a decretação da inconstitucionalidade da lei municipal nº. do CPC. II. 2º. 4º (. pois o julgador. Com relação à alegada violação ao art. 535.MANDADO DE SEGURANÇA . incisos I e II. não restando caracterizado o vício apontado. pois a própria Lei Municipal toma por base requisito constitucional inserido pela EC 51/2006. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 51/06. Julg. a decisão recorrida contém todos os fundamentos suficientes e o órgão julgador não está obrigado a responder todas as alegações das partes nem a averiguar. 204/206 da apelação nº 225408-6) No caso. 37. no parágrafo único do art. . VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA UNICIDADE RECURSAL. como versa o seu art. 511. . posto que houve emissão de juízo acerca das matérias que eram necessárias ao deslinde da controvérsia. terça-feira. O juízo de primeiro grau arguiu vício de inconstitucionalidade na Lei Municipal supra citada. CONTRATAÇÃO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE.CND. 535 do CPC. Assim. PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE. INCRA.. assim. 75 . à míngua das hipóteses do art. O recurso é tempestivo e o preparo é dispensado (art. Benedito Gonçalves. DECIDO. ainda que sem aprovação em concurso público.. que o inconformismo do Apelante reside na sentença lavrada nos autos que julgou improcedente os pleitos autorais. veja-se: "PROCESSUAL CIVIL . 1.TRIBUTÁRIO . 4 de outubro de 2011 "MENTA: CONSTITUCIONAL.O simples fato de. 1. VÍCIO DE OMISSÃO. cada um dos fundamentos por elas apresentados. Veja-se: "PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. . 535. 138 DO CTN . foram eles rejeitados.981/2007) admite esse enquadramento desde que os servidores mantivessem vínculo com a Administração Municipal. 535 CPC." Opostos embargos de declaração. II.. não está obrigado a responder todas as alegações das partes. o que no caso em tela ocorreu. II e 60). Ocorre que na própria Lei Municipal (nº 1.) As fls. que a mesma foi submetida. 5 . 535 do CPC. razão não assiste ao recorrente. desde que fundamente suficientemente sua decisão. a ater-se aos fundamentos por elas apresentados nem a rebater um a um todos os argumentos levantados." (AgRg no REsp 1. da CF/88. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL.Edição nº 184/2011 Recife . do CPC. e os considerou sob o pálio do regime estatutário.O fato de o Tribunal de origem não ter se manifestado expressamente sobre os artigos de lei que a parte alega incidir à espécie não leva à conclusão de que ofendido o art.AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL . CONTRATO TEMPORÁRIO. no caso em tela.146. Observe trecho do voto do relator: "Observe-se.058/RS (ART. apenas foi cumprido o que era legalmente determinado.DENÚNCIA ESPONTÂNEA .) No caso. não há que se falar em inconstitucionalidade." (fls. por força de contratação temporária. A referida Emenda Constitucional.É devido. No tocante à alegada violação aos dispositivos da Constituição Federal (artigos 37.Recurso a que se nega provimento..A Emenda Constitucional é clara ao especificar a necessidade de processo seletivo público para ingresso ao cargo de Agente de Saúde. pois a própria Lei Municipal toma por base requisito constitucional inserido pela EC 51/2006. EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO. 2. Pugnou pela admissão do recurso afim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. conforme. o pagamento de verbas de natureza trabalhista. ALEGAÇÃO EM AGRAVO REGIMENTAL. já decidiu o STJ. pois esta passou a aplicar o regime estatutário a agentes admitidos mediante simples processo seletivo e não como determina o art. a alegação de omissão do acórdão reflete mero inconformismo com os termos da decisão. rejeitarem-se os embargos de declaração nos quais se pretende a manifestação da Corte de origem sobre teses ou dispositivos legais que não foram abordados pelo acórdão recorrido não enseja o entendimento de que houve violação ao art. pormenorizadamente. 22 dos autos consta o nome da Apelante. Análise do Recurso Especial em caso de violação a dispositivos constitucionais. 37.DÍVIDA TRIBUTÁRIA CONSTITUÍDA POR MEIO DE DCTF . disciplina a questão desse enquadramento do servidor sem a necessidade de nova seleção pública. 535 do CPC. . CPC). CIDE. de tal sorte que a insatisfação quanto ao deslinde da causa não oportuniza a oposição de embargos de declaração.] 4 . relativamente ao art. Rel.. tendo por fim extinguindo o processo com resolução do mérito.PE. desde que já tenha se submetido à outra anterior e ainda mantenha esse vínculo a época de sua promulgação (.. o que vem a comprovar que a mesma concorreu à seleção. 68.ART. Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto nos artigos 535. 535 do CPC. 09/02/2010). na medida em que desconsiderou a inconstitucionalidade da Lei Municipal nº 1.981/2007. 1ª Turma. II e 60. sem que presente alguma das hipóteses do art. ressalte-se que no âmbito do recurso especial o STJ não possui competência para a sua análise. [. Min.

[.2010 e CC 105. A Terceira Seção desta Corte. de relatoria do Ministro Arnaldo Esteves Lima. DJe 23. o que no caso em tela ocorreu. QUARTA TURMA. DJe 17/11/2010) Registre-se que a incidência da referida Súmula é aplicável ao recurso especial também pela alínea "a" do art. 8.144/ MG. pois a própria Lei Municipal toma por base requisito constitucional inserido pela EC 51/2006. Ministro Castro Meira. PRIMEIRA SEÇÃO. AÇÃO INDENIZATÓRIA. reformulou seu entendimento para fixar a competência da Justiça comum para processar e julgar demandas como a presente. 4 de outubro de 2011 543-C DO CPC E RES.2010."(AgRg no CC 111. RECURSO MANIFESTAMENTE INFUNDADO." (AgRg no REsp 1116257/PR.Edição nº 184/2011 Recife . mediante contrato temporário. Ministro Jorge Mussi. 3. AGRAVO REGIMENTAL NO CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. julgado em 11/05/2010. verifica-se que o acórdão recorrido. Rel. com fundamento no artigo 102. CC 110.." 76 . 8/2008). na Apelação Cível nº 225408-6.A Emenda Constitucional é clara ao especificar a necessidade de processo seletivo público para ingresso ao cargo de Agente de Saúde.] 2. INADMITO a manifestação recursal.. Dje 4. Recife. ART. sob pena de usurpar-se da competência do Supremo Tribunal Federal. mostra-se em consonância com a jurisprudência do STJ. Rel. CONTRATO TEMPORÁRIO. o que atrai a incidência do seguinte enunciado da Súmula 83 daquela Corte: "Não se conhece do recurso especial pela divergência. nem mesmo para fins de prequestionamento. . STJ N. salário de dezembro de 2007. JUSTIÇA ESTADUAL E JUSTIÇA ESPECIALIZADA. o pagamento de verbas de natureza trabalhista. PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE. em face de necessidade temporária de excepcional interesse público. deste Egrégio Tribunal. AGRAVO REGIMENTAL RECEBIDO COMO RECURSO DE AGRAVO. Recorrente: Município de Petrolina Recorrida: Geana Cristina Nogueira Luna DECISÃO INTERLOCUTÓRIA O Município de Petrolina interpôs Recurso Extraordinário. firmou orientação no sentido de que é da justiça comum a competência para processar e julgar as ações cujo objeto é a relação jurídica estabelecida entre o poder público e seus servidores contratados por prazo determinado. em face de necessidade temporária de excepcional interesse público.981/2007. da Constituição Federal. DO CPC. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente Recurso Extraordinário no Recurso de Agravo (02).2. . SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL. VIOLAÇÃO A DISPOSITIVO CONSTITUCIONAL. No caso dos autos. Agravo regimental não provido. Rel. Dje 10. Ministra Maria Thereza de Assis Moura.É devido. na Decisão Terminativa Monocrática. adotando a recente posição do Supremo Tribunal Federal. que diz respeito à competência da justiça comum para processar e julgar a relação jurídica estabelecida entre o poder público e seus servidores contratados por prazo determinado. 4. EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO.358/MG. Rel. preferida pela 8ª Câmara Cível. nos processos acima mencionados.271/PE. RECLAMAÇÃO TRABALHISTA (COBRANÇA DE PARCELAS NÃO PAGAS)..5.202/AM. 105 da CF (AgRg no Ag 643. 557. MANUTENÇÃO DO VÍNCULO ADMINISTRATIVO. CONTRIBUIÇÃO AO FUNRURAL.8. Rel. No referido julgado.Não há que se falar em inconstitucionalidade da Lei Nº 1. dentre outros. o STF deixou assente que as prorrogações do prazo de vigência do contrato temporário não alteram a natureza do vínculo jurídicoadministrativo originalmente estabelecido entre as partes. 138 DA LEI N.438/ RS. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 51/06. Precedentes. nos Embargos de Declaração (01).) 4. O Supremo Tribunal Federal. VERBAS TRABALHISTAS. SEM APROVAÇÃO EM CONCURSO PÚBLICO. Ministro BENEDITO GONÇALVES. 18/33. dentre outras.Recurso a que se nega provimento.071/MG. SEGUNDA TURMA. Intimações necessárias.213/91. Está assim vazado o acórdão exarado no recurso de agravo: "MENTA: CONSTITUCIONAL. . Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR. (. DJe 31/05/2010) 3. alínea "c". ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. ART. Ante as razões expostas.175/BA. inciso III.2007 e dispensado em maio de 2008. MANUTENÇÃO DA DECISÃO RECORRIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. EXTINÇÃO.3. na ocasião do julgamento do RE 573. COMPETÊNCIA DO STF. Esta Corte não se presta a analisar violação a dispositivo constitucional. observe-se o seguinte julgado: "ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. 20 de setembro de 2011. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. saldo de salários do ano de 2008. Des. Para além disso.. contra a decisão de fls. RECENTE MANIFESTAÇÃO DA CORTE SUPREMA. terça-feira. Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STJ (Súmula 83). § 2º. MULTA. o autor foi admitido como docente no serviço público municipal. Reclama verbas rescisórias referentes a férias não gozadas. Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES.2009." Neste sentido. .2. na ocasião do julgamento do CC 100. em 1º. DJe 06/12/2010). Decisões monocráticas com igual entendimento: CC 110. julgado em 23/11/2010. julgado em 10/11/2010. no caso em tela. CONTRATAÇÃO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE.PE.

soberania nacional.. à federação. todavia. p. ordem econômica etc". econômica. Rel. Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto nos artigos 37. em relação a decisão que contrarie decisão do STF. a razão de a matéria discutida nos autos extrapolar os interesses subjetivos da causa. § 2º. ou. que ultrapassem os interesses subjetivos das partes.918/2007 e seus reflexos no pleito formulado pelos Agentes Comunitários de Saúde. A EC n. o que se vê é um esforço apenas genérico do recorrente em comprovar a rígida exigência da repercussão geral da matéria constitucional. in Wambier. II e 60. DECIDO. AI 664. valendo salientar que a simples afirmação de que o acórdão recorrido "atinge uma grande número de servidores desta edilidade" não é suficiente para demonstrar a presença da citada repercussão. DJ 06/09/2007). Consequentemente. Precedente. Pugnou pela admissão do recurso afim de que o STF dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. à invocação do princípio da proporcionalidade (em relação à aplicação do texto constitucional) etc. p. ainda.seja na origem. No caso presente. sobre o instituto. Sem contrarrazões. questões atinentes aos direitos humanos (CF 5º). 3 . Essa repercussão geral pode ser jurídica. político. os cargos de Agentes Comunitários de Saúde. social ou jurídico. como parâmetro mínimo para a determinação do que seja 'questão relevante'. Editora Revista dos Tribunais. com a devida fundamentação. foram eles rejeitados. 2010). social ou jurídico. o processamento do recurso extraordinário. liminarmente. Essa situação metaindividual pode ser de natureza econômica. o recorrente não demonstrou. o que reforça a deficiência na fundamentação deste recurso no tocante à repercussão geral. em tópico destacado na petição de recurso extraordinário. inexistindo a devida fundamentação da preliminar de repercussão geral.A ausência dessa preliminar permite que a Presidência do Supremo Tribunal Federal negue. já demonstra. a relevância desta discussão. na forma do parágrafo único do artigo 2º da EC nº 51/2006. § 1º. na medida em que desconsiderou a inconstitucionalidade da Lei Municipal nº 1. CPC). por exemplo. Portanto.Edição nº 184/2011 Recife . seja no Supremo Tribunal .Embargos de declaração recebidos como agravo regimental.É imprescindível a observância desse requisito formal mesmo nas hipóteses de presunção de existência da repercussão geral prevista no art. pois. na realidade. ainda que sem aprovação em concurso público. verifica-se que a parte recorrida não pretende a efetivação em cargo público. outros valores conectados a Texto Constitucional que se alberguem debaixo da expressão repercussão social' (Arruda Alvim. sobre tema constitucional muito controvertido. no âmbito dessa municipalidade. é importante frisar que "inclui-se no âmbito do juízo de admissibilidade .567/RS. Código de Processo Civil Comentado. Serão de repercussão geral para os efeitos da CF 102 § 3º. Importante salientar que o recorrente. 4 . à liberdade. Sepúlveda Pertence. 68. significando a demonstração da existência de questões constitucionais relevantes sob o ponto de vista econômico. político. Inicialmente. 45 e o instituto da repercussão geral. 4 de outubro de 2011 Opostos embargos de declaração. 511. cuja concretitude deve ser dada em razão a algo 'que diga respeito a um grande espectro de pessoas ou a um largo segmento social. o referido autor assim discorre a respeito das questões relevantes para fins de verificação da repercussão geral: "O conceito fornecido pela nova norma é aberto. afirma que a discussão acerca da inconstitucionalidade da Lei Municipal 41. O recurso é tempestivo e o preparo é dispensado (art. terça-feira. e os considerou sob o pálio do regime estatutário. (Nelson Nery Junior. No entanto. política. 63). cultura e símbolos nacionais. 1. sem aprovação em concurso público. ela pleiteia tão somente o adimplemento das verbas indenizatórias pelo serviço prestado à municipalidade. Na referida preliminar arguida. uma decisão sobre assunto constitucional impactante. da CF. social ou jurídica". 2 .PE. social. 323. política etc. que exige a apresentação de preliminar formal e fundamentada sobre a repercussão geral. nacionalidade e direitos políticos. 979. do RISTF.981/2007. impõe-se a inadmissão do recurso extraordinário. cidadania.verificar se o recorrente. pode-se tomar a provável interferência da decisão do feito para além da esfera jurídica das partes ('interesses subjetivos da causa'). em preliminar do recurso extraordinário. na mesma obra. que criou. no caso concreto.Inobservância ao que disposto no artigo 543-A. do compulsar dos autos. ao fundamentar a existência de repercussão geral. § 1º. conforme certidão de fl. da existência de repercussão geral" (STF. em que pese constar da peça recursal preliminar de repercussão geral. bem como do agravo de instrumento 77 . desenvolveu fundamentação especificamente voltada para a demonstração. deve a parte recorrente demonstrar que a controvérsia discutida nos autos possui repercussão geral. São Paulo. devendo. do Código de Processo Civil. dignidade da pessoa humana (CF 1º III). o seguinte ensinamento de Nelson Nery Junior: "Repercussão geral é conceito legal indeterminado. Deficiência de fundamentação da Preliminar de Repercussão Geral. que diga respeito à vida. possuindo relevância do ponto de vista econômico. consoante entendimento exposto no seguinte julgado do STF: "1 . por si só. 11ª edição. Em seguida. Reforma do Judiciário. ser firmado por meio da jurisprudência do STF. valendo destacar. Min.

Observem-se as seguintes orientações do Supremo Tribunal Federal: "EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL.14228 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO 78 . IX. COMPETÊNCIA. quando não ventilada. observe-se: "É inadmissível o recurso extraordinário. em face de necessidade temporária de excepcional interesse público. e mesmo tendo se valido de embargos declaratórios. DJe-097 DIVULG 23-05-2011 PUBLIC 24-05-2011 EMENT VOL-02528-02 PP-00417) "EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. 4 de outubro de 2011 interposto contra a decisão que o inadmitiu na origem (13. a decisão recorrida julgou em conformidade com o entendimento pacífico do STF no sentido de que é competência da justiça comum processar e julgar a relação jurídica estabelecida entre o poder público e seus servidores contratados por prazo determinado. c. sobre o qual não foram opostos embargos declaratórios. Relator(a): Min. 16/04/2008). da Constituição Federal. Para que se configure o pressuposto do prequestionamento. o que atrai a incidência das Súmulas 282 e 356 do STF. incide o teor da Súmula 286: "Não se conhece do recurso extraordinário fundado em divergência jurisprudencial. 5 Agravo regimental desprovido". 37. Ausência de Prequestionamento quanto à violação ao artigo 60. não se vê no acórdão mencionado. DA CONSTITUIÇÃO." 3. julgado em 15/02/2011. Relator(a): Min.PE. caput e § 1º. 2. aresto recorrido. e 327.Edição nº 184/2011 Recife . V. 2011. a CLT. PRECEDENTE. da Constituição. Ellen Gracie . julgado em 10/05/2011. 60 da CF não mereceu qualquer interpretação por parte do v. Tribunal Pleno. Segunda Turma. diga-se. DJ 05." Ante as razões expostas. compete à Justiça comum estadual o julgamento de causas que digam respeito a contratos temporários celebrados pela Administração Pública municipal. Agravo regimental a que se nega provimento." (AI 791065 AgR. não pode ser objeto de recurso extraordinário. por faltar o requisito do prequestionamento. Ricardo Lewandowski. Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STF (Súmula 286/STF). nos termos do artigo 37. no caso. Min. Des. rel. na decisão recorrida. quando a orientação do plenário do Supremo Tribunal Federal já se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. Recife. Primeira Turma.2008. DJe-056 DIVULG 24-03-2011 PUBLIC 25-03-2011 EMENT VOL-02489-03 PP-00570) Assim." "O ponto omisso da decisão.Rel. INADMITO a manifestação recursal. REGIME JURÍDICO-ADMINISTRATIVO. que se restringiu à análise da legislação infraconstitucional.Trib. JUSTIÇA COMUM ESTADUAL. PROCESSUAL CIVIL. Intimações necessárias. CONTRATO TEMPORÁRIO. INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO PARA EXAMINAR EVENTUAL NULIDADE DA CONTRATAÇÃO. JOAQUIM BARBOSA. min. a questão federal suscitada. terça-feira. Pleno . IX. AGRAVO REGIMENTAL AO QUAL SE NEGA PROVIMENTO.400/MG . é preciso que o tribunal de origem haja debatido e decidido a questão constitucional controvertida. estando o acórdão recorrido em consonância com o posicionamento adotado pelo STF.Julg. 20 de setembro de 2011.12. ART. Para além disso. SERVIDOR PÚBLICO. do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal). CÁRMEN LÚCIA. (grifei). persistindo o não prequestionamento da matéria. porquanto o tema referente à alegada violação ao art. o que." (AI 784188 AgR.ED no AI 692. não houve pronunciamento do tribunal local acerca do dispositivo legal em foco. DESIGNAÇÃO TEMPORÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE FUNÇÃO PÚBLICA. Conforme o julgamento proferido no RE 573202. (STF . JOVALDO NUNES GOMES Vice-Presidente DESPACHOS/DECISÕES VICE-PRESIDÊNCIA SETOR DE RECURSOS Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No.

III : Estado de Pernambuco : Dr. 0199199-7/06 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Procdor Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Advog Advog Embargado Procdor Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. III Ordem Processo 005 0240466-4/01 002 0221043-9 002 0221043-9 001 0199199-7/06 003 0237805-6 003 0237805-6 005 0240466-4/01 004 0238456-7/02 001 0199199-7/06 003 0237805-6 004 0238456-7/02 005 0240466-4/01 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. Francisco Tadeu Barbosa de Alencar e outros e outros : Manoel Batista Fragoso : Marcelo Alexandre Ferreira : Ielinaldo Pereira de França : Abel Pereira da Silva : Antônio Ferreira da Cruz : Clovis Vidal de Barros : Luiz Nunes dos Santos : Rinaldo José dos Santos (Idoso) (Idoso) : Inaldo Gomes da Silva : Severino Lopes Ferreira : Jarbas Fernandes da Cunha Filho : e Outro(s) . com a interposição do agravo de instrumento. T.conforme Regimento I.conforme Regimento I.0000 (199199-7/5) : Decisão Terminativa : 29/09/2011 14:37 Local: Diretoria Cível Embargos de Declaração (06) no Agravo de Instrumento em Recurso Extraordinário nº 199199-7/05 (na Apelação Cível nº 199199-7) Embargante: Manoel Batista Fragoso e outros Embargado: Estado de Pernambuco DECISÃO TERMINATIVA Manoel Batista Fragoso e outros interpuseram estes embargos declaratórios contra a decisão de fl.66.conforme Regimento Interno TJPE art. Vice-Presidente : 0022646-10. pela aplicação da tabela de escalonamento vertical que integra a estrutura de remuneração dos militares". sem enganos ou margem a dúvidas.VBR.216/95. Orig. terça-feira. III e Outro(s) .conforme Regimento I.00.conforme Regimento I. desta Vice-Presidência.PE. omissão e obscuridade na medida em que o paradigma representativo da controvérsia aplicado (RE 570177) não se enquadra ao caso dos autos. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Recife : 5ª Vara da Fazenda Pública : Manoel Batista Fragoso e outros e outros : Jarbas Fernandes da Cunha Filho : e Outro(s) . servindo ele para determinação das demais faixas de remuneração. T. 115/117 (do AI no RE 199199-7/05). Argumentaram ainda que. pretendem "ver cumprido os artigos 11 e 12 da Lei 11. a partir de 1º de maio de 1995. declarou prejudicado o agravo de instrumento interposto e determinou a remessa dos autos ao juízo de origem. T.conforme Regimento Interno TJPE art. T. que. 4 de outubro de 2011 Advogado Alaíde Torres Aladim de Araújo Aníbal Cícero de Barros Velloso Dane Maria de Oliveira Feltes Jarbas Fernandes da Cunha Filho Liliane Rendall dos Santos Marco Antônio Valença Meira Ricardo José Vieira Cunha Rodolfo Domingos de Souza e Outro(s) . III e Outro(s) . a. a.66. a.17.Edição nº 184/2011 Recife .111-v).8. Alegaram que o deciso embargado contém contradição. o valor do menor soldo devido aos militares a título de vencimento básico de referência . III e Outro(s) .2010. em obediência à decisão do STF (fls. que. III : Estado de Pernambuco : Dr. 79 . Pugnou pelo acolhimento do recurso para o fim de sanar o defeito apontado. Francisco Tadeu Barbosa de Alencar : Maria Claúdia Junqueira : Jayme Jemil Asfora Filho : Vice-Presidência : Des. a. fixa em R$ 130.

O regime a que submetem os militares não se confunde com aquele aplicável aos servidores civis. visto que têm direitos. garantias. UMA VEZ QUE ESTA SERIA ILÍQUIDA. 4 de outubro de 2011 Inicialmente. 0221043-9 Comarca Vara Agravte Advog Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução Agravo de Instrumento : Recife : 25ª Vara Cível : Rozangela Amorim Santos : Aníbal Cícero de Barros Velloso : REFER . I) PRELIMINAR DE NÃO CONHECIMENTO DO AGRAVO DE INSTRUMENTO: REQUER A AGRAVADA O NÃO CONHECIMENTO DO AGRAVO. da Constituição Federal. esclareça-se que o STF não conheceu do agravo de instrumento interposto pelos embargantes e determinou a aplicação do seguinte paradigma: EMENTA: CONSTITUCIONAL. PELA QUAL SE ACOLHEU IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. alíneas "a" e "c". 1º. renovo a determinação de remessa dos autos ao juízo de origem para os devidos fins. terça-feira. prerrogativas e impedimentos próprios. não conheço os presentes Embargos de Declaração e.Edição nº 184/2011 Relatado. proferida pela 6ª Câmara Cível.PE. JOVALDO NUNES GOMES Vice-Presidente 002. 5º.A obrigação do Estado quanto aos conscritos limita-se a fornecer-lhes as condições materiais para a adequada prestação do serviço militar obrigatório nas Forças Armadas. UMA VEZ QUE A DECISÃO ATACADA TERIA CONTEÚDO E FINALIDADE DE SENTENÇA E.Os cidadãos que prestam serviço militar obrigatório exercem um múnus público relacionado com a defesa da soberania da pátria. Está assim vazado o acórdão exarado no agravo de instrumento: "EMENTA: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL . Assim. VIOLAÇÃO AOS ARTS. ante o trânsito em julgado da decisão. INOCORRÊNCIA. 26 de setembro de 2011. 105. tão somente. TENDO APENAS DETERMINADO QUE ESTA FOSSE PROCESSADA TOMANDO-SE POR BASE OS VALORES APRESENTADOS PELA DEVEDORA. 244/252. OCORRE QUE A INTERLOCUTÓRIA ATACADA NÃO EXTINGUIU A EXECUÇÃO. DO CPC. RICARDO LEWANDOWSKI. CAPUT. § 3º. ACRESCIDOS DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS DA RESERVA DE POUPANÇA. SERIA IMPUGNÁVEL SOMENTE PELO RECURSO DE APELAÇÃO.Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social Recorrido: Rozangela Amorim Santos DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social . IV. PELO QUE DEVERIA TER SIDO PRECEDIDA DE LIQUIDAÇÃO. III . INCISO VI. PROFERIDA NOS AUTOS DE AÇÃO ORDINÁRIA DE DEVOLUÇÃO DOS DESCONTOS SECURITÁRIOS E DIFERENÇAS. II . DA CF.REFER interpôs Recurso Especial. EM ASSIM SENDO. Intimações necessárias. ao mesmo tempo. CONSOANTE DETERMINA O ARTIGO 475-M. julgado em 30/04/2008. contra a decisão de fls. DIANTE DO QUE DISPÕE O ARTIGO 267. IV . 111-v). V . VALOR INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO. Eduardo Augusto Paura Peres : Juiz Heriberto Carvalho Galvão : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 14:37 Local: Diretoria Cível Recurso Especial no Agravo de Instrumento n. caberia à parte embargante recorrer da decisão do STF que determinou a aplicação do paradigma e não opor embargos de declaração contra a decisão desta Vice-Presidência que. deste Egrégio Tribunal. SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO. com fundamento no art. BEM COMO PORQUE A CREDORA TERIA INCORRIDO EM EXCESSO DE EXECUÇÃO. decido: Recife . Diante do exposto.AGRAVO DE INSTRUMENTO INTERPOSTO EM FACE DE DECISÃO INTERLOCUTÓRIA. cumpriu o determinado pela Corte Suprema. E 7º. inciso III. I . Recife. como o fez para outras categorias de trabalhadores.MÉRITO DJe-117 DIVULG 26-06-2008 PUBLIC 27-06-2008 EMENT VOL-02325-09 PP-01737) Razão não assiste ao embargante.Recurso extraordinário desprovido. (RE 570177. Relator(a): Min. SOLDO. Des. DECISÃO INDISCREPANTE.Fundação da Rede Ferroviaria de Seguridade Social : Dane Maria de Oliveira Feltes : 6ª Câmara Cível : Des. 80 . RE DESPROVIDO. REPERCUSSÃO GERAL . III. nos processos acima mencionados. PRELIMINAR REJEITADA.A Constituição Federal não estendeu aos militares a garantia de remuneração não inferior ao salário mínimo. Tribunal Pleno. DO CPC. O supracitado paradigma foi aplicado ao caso por expressa determinação do STF (fls. 221043-9 Recorrente: REFER .

na medida em que o recurso cabível contra a decisão que julga extinta a pretensão executiva em fase de cumprimento de sentença é a apelação. 177 DO CÓDIGO CIVIL DE 1916. Com efeito.232/2005 . Acerca do tema.Edição nº 184/2011 Recife . Ministro MASSAMI UYEDA. destaquei) Assim. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. INOCORRÊNCIA. FALTA DE INDICAÇÃO DE DISPOSITIVOS NO ACÓRDÃO RECORRIDO. REMETIDOS AO ILMO. IMPÕE-SE A ADOÇÃO DO PROCEDIMENTO DESCRITO NOS PARÁGRAFOS 3º E 4º DO ARTIGO 475-B DO CPC. do CPC. DIREITO PESSOAL. em afronta ao princípio da celeridade e economia processual. para refazimento dos cálculos em discussão. terça-feira. AO REVÉS. não podendo ser tratada em sede de recurso especial. incidindo.DECISÃO QUE JULGA IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DE SENTENÇA APRESENTADA APÓS A VIGÊNCIA DA LEI N. SR. 542. e não o agravo de instrumento. CAPUT E PARÁGRAFOS TERCEIRO E QUARTO. PELO QUE. no ponto.INEXISTÊNCIA . 4 de outubro de 2011 II) PRELIMINAR DE NEGATIVA DE SEGUIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO: APONTA A RECORRIDA QUE HAVERIA. o recurso cabível é o agravo de instrumento. Agravos Regimentais improvidos. III) MÉRITO: ESTANDO PATENTE QUE GRASSA SEVERA E FUNDADA DISCORDÂNCIA ENTRE AS PARTES ACERCA DO CÁLCULO DOS VALORES ATUALIZADOS DO DÉBITO EXEQÜENDO. 315. o presente recurso não ficará retido por não se enquadrar em nenhuma das hipóteses previstas no art. VALOR PATRIMONIAL DA AÇÃO. DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (CPC). 1..(. TERCEIRA TURMA. da CF). PRELIMINAR NÃO ACOLHIDA.. NOS TERMOS DO QUE PRECEITUA O ARTIGO 475-B.(. Rel.AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO .. A competência desta Corte restringe-se à interpretação e uniformização do direito infraconstitucional federal. Não há contrarrazões. § 3º.. a matéria constante da decisão recorrida já foi enfrentada no âmbito do Colendo STJ. PRESCRIÇÃO TRIENAL.INCIDÊNCIA DA SÚMULA 211/STJ AGRAVO IMPROVIDO. uma vez que o acórdão recorrido. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. UNIFORMIZAÇÃO JURISPRUDENCIAL PELA SEGUNDA SEÇÃO. ART. uma vez que tal matéria é restrita à análise da Corte Suprema. BRASIL TELECOM. 3ª Turma... DECISÃO UNIFORME. 83/STJ).) II. da Constituição Federal. veja o posicionamento do STJ: "AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO . 5º. haja vista que a determinação de remessa dos autos à Contadoria Judicial para novo cálculo do valor executado configura dilação indevida. 535 DO CPC . I. V.PRESCRIÇÃO E NULIDADE .(. não há que se falar em violação ao dispositivo apontado.) IV. III. NO CASO CONCRETO.. DJe 28/06/2010) 2.) VI. conforme se vê do seguinte julgado: "AGRAVOS REGIMENTAIS. DEVER-SE-IA NEGAR SEGUIMENTO AO RECURSO.PE. § 3º.OFENSA AO ART. JURISPRUDÊNCIA ASSENTE QUE ADMITE O PREQUESTIONAMENTO IMPLÍCITO.(. Impossibilidade de alegação de afronta a dispositivos constitucionais (artigo 5º. SUBSTITUIÇÃO DO ART. BALANCETE MENSAL.) V. portanto. DJe 10/11/2010.RECURSO CABÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO . DECISÃO UNÂNIME. quando a decisão resolve a impugnação ao cumprimento de sentença. Decisão em consonância com a jurisprudência (Súm. Relator Ministro Sidnei Beneti. LXXVIII. IMPROVIMENTO. CONTADOR DO JUÍZO PARA QUE AQUELE PROFISSIONAL ELABORE OS CÁLCULOS DO QUANTUM EXEQÜENDO NOS EXATOS MOLDES INDICADOS NA SENTENÇA. 205 DO CÓDIGO CIVIL VIGENTE.IMPOSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE . do CPC e na jurisprudência dominante nos Tribunais. 11. inciso LXXVIII. PARA QUE SEJAM OS AUTOS DA AÇÃO ORIGINÁRIA. AGRAVO PROVIDO. § 3º. COM BASE NO ARTIGO 557 DO CPC. CONTADOR DO JUÍZO POSSA REALIZAR A PERÍCIA PRETENDIDA. Afigura-se impossível a admissibilidade deste recurso sob o argumento de ofensa ao referido dispositivo constitucional. está em consonância com o posicionamento adotado pelo STJ. EXAME DE MATÉRIA CONSTITUCIONAL. julgado em 22/06/2010. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. DECIDO: O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. ENCONTRAM-SE NOS AUTOS TODAS AS PEÇAS IMPRESCINDÍVEIS PARA QUE O ILMO." (AgRg no Ag 1194205/PA. o teor da Súmula 83: "Não se conhece do Recurso Especial pela divergência. 475-M. julgado em 21/10/2010. DO CÓDIGO CIVIL. Embora interposto contra decisão proferida em agravo de instrumento. OCORRE QUE. 206.CONTROVÉRSIA PACIFICADA PELA CORTE ESPECIAL . conforme certificado à fl." Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contrariou o disposto no art. não extinguindo o feito. daí o entendimento do relator no tocante à possibilidade de remeter os autos ao contador do juízo." (AgRg nos EDcl no REsp 1060966/RS.. que decidiu no sentido de que. "AUSÊNCIA DE PEÇA ESSENCIAL À COMPREENSÃO DA CONTROVÉRSIA"." 81 . SÚMULA STJ/371. restando impossibilitado o exame de eventual violação a dispositivos e princípios constitucionais sob pena de usurpação da competência atribuída ao Supremo Tribunal Federal. e o disposto no art. APLICAÇÃO DO PRAZO PREVISTO NO ART.

627/RS . (. de modo que. III : ADAUTO RIBEIRO DE CASTRO : SHEILA MELO DE CASTRO SANTOS : Liliane Rendall dos Santos : 6ª Câmara Cível : Des.) 7 . 218/225). Exame da divergência jurisprudencial. Afinal. (STJ . deste Egrégio Tribunal. Ante as razões expostas.MÉRITO . nos termos do art. na falta dessa autenticação. a seguinte orientação do STJ: "AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL . ao contrário do que ocorreu com os paradigmas. da Constituição Federal. Recife .. uma vez que não há identidade fática entre a decisão recorrida e os paradigmas citados pela recorrente. terça-feira. no processo acima mencionado. (c) do cotejo analítico.66. com a transcrição dos trechos dos acórdãos em que se funda a divergência.É inviável a apreciação de recurso especial fundado em divergência jurisprudencial quando o recorrente não demonstra o suposto dissídio pretoriano por meio: (a) da juntada de certidão ou de cópia autenticada do acórdão paradigma.ATUAÇÃO NEGLIGENTE EM ATIVIDADE EMPRESARIAL .AGRAVO DESPROVIDO. nome de fantasia da São Jorge Veículos Ltda interpôs recurso especial (fls. de forma analítica. 15/12/2009)..conforme Regimento Interno TJPE art. alínea "a" e "c". proferida pela 6ª Câmara Cível.1ª Turma . do CPC. para tanto. 207/209. 21 de setembro de 2011. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 003. 541. o acórdão atacado apreciou decisão que apenas fixou o valor da execução sem extinguila. para a sua apreciação e comprovação. contra decisão de fls.Julg. Está assim vazado o acórdão exarado no Recurso de Apelação: "EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL . parágrafo único. A decisão impugnada condenou o recorrente ao pagamento de R$ 10. INADMITO a manifestação recursal. nome de fantasia da São Jorge Veículos Ltda Recorrida: Adauto Ribeiro de Castro e Outro DECISÃO INTERLOCUTÓRIA JS Veículos. No caso presente.DECISÃO UNÂNIME.000. com fundamento no artigo 105.AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS . inciso III. não bastando. Eduardo Augusto Paura Peres : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 14:37 Local: Diretoria Cível Recurso Especial na Apelação Cível nº 237805-6 Recorrente: JS Veículos.FIES RECURSO INCAPAZ DE INFIRMAR OS FUNDAMENTOS DA DECISÃO AGRAVADA . sobre o tema. autorizado ou credenciado em que o acórdão divergente foi publicado. essa condição não restou preenchida. Publique-se.APELO PARCIALMENTE PROVIDO . que sejam mencionadas e expostas as circunstâncias que identificam ou assemelham os casos confrontados. contudo.DANO MORAL .PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA NÃO CONHECIDA DECISÃO UNÂNIME .Edição nº 184/2011 3. José Carlos Patriota Malta : Des. Min. Denise Arruda .ADMINISTRATIVO .CORREÇÃO MONETÁRIA DEVE INCIDIR A PARTIR DA PUBLICAÇÃO DA SENTENÇA . deve o advogado certificar a veracidade da referida cópia. Observe-se.AgRg no REsp 1.PROCESSUAL CIVIL .00 (dez mil reais).090.PE. Recife. 0237805-6 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Apelado Advog Orgao Julgador Relator Revisor Despacho Última Devolução Apelação : São Lourenço da Mata : 1ª Vara Cível : JS VEÍCULOS : Marco Antônio Valença Meira : e Outro(s) . a título de danos morais. 4 de outubro de 2011 Quanto à alegada divergência jurisprudencial. exige-se.Rel.INDENIZAÇÃO FIXADA EM PATAMAR RAZOÁVEL . a mera transcrição da ementa e de trechos do voto condutor do acórdão paradigma". Des. que apreciaram decisões de extinção da execução." 82 . além da demonstração das circunstâncias que identificam ou assemelham os casos confrontados.CONTRATO DE FINANCIAMENTO . (b) da citação de repositório oficial.

DEMORA SUPERIOR A QUATRO ANOS. porquanto o recorrente fundamenta que houve afronta à lei alegando unicamente matéria de fato. Agravo regimental a que se nega provimento. de outro. Des. O recurso é tempestivo.Edição nº 184/2011 Recife . consideradas as suas peculiaridades. a revisão da indenização por dano moral apenas é possível quando o valor fixado nas instâncias originárias for ínfimo." (AgRg no Ag 1107374/RS. no presente caso não ocorreu. Conforme certidão de fls. DECIDO. QUANTUM. TERCEIRA TURMA. estando a decisão guerreada em conformidade com a jurisprudência do STJ. afigura-se inteiramente razoável o quantum arbitrado por este Tribunal de Justiça (R$ 10. uma vez que tais excessos configuram flagrante violação dos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade. 1. da forma como os dispositivos legais foram.PE. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente 83 . Preparo efetuado corretamente às fls. §1º do Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9. Recife. não dá ensejo ao conhecimento do recurso pela alínea "a" do permissivo constitucional. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO. sem indicação. Ministro VASCO DELLA GIUSTINA (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/RS). DISSÍDIO NÃO DEMONSTRADO 1. levado em expressa e clara consideração pelo Tribunal de origem para chegar à conclusão tida por insatisfatória pelo recorrente. além do que. terça-feira. STJ). AGRAVO DE INSTRUMENTO. No caso.) 5. importa em reexame de provas a reversão do julgado. Rel. RAZOABILIDADE. Como se sabe. ou visivelmente exorbitante. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida".. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. Se a violação da lei federal. (. cujo enunciado é o seguinte: "Não se conhece do recurso especial pela divergência. Segundo entendimento pacificado desta Corte. em razão da não ocorrência de caso fortuito. A alteração do entendimento exarado pelo Tribunal de origem no sentido da ocorrência do ato ilícito e da emergência dos danos morais. compete ser destacado que é pacífico no STJ que. REGULARIZAÇÃO DA TRANSFERÊNCIA JUNTO AO DETRAN. esbarra na censura da Súmula nº 07/STJ. julgado em 01/09/2009. 241/251. o valor fixado a título de danos morais foi exorbitante e desproporcional. de um lado. pressupõe o revolvimento do conjunto fático probatório. as partes são legítimas e está presente o interesse recursal. 4 de outubro de 2011 Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida contraria o disposto no art. DJe 13/09/2011) Portanto. CONFIGURAÇÃO DO ATO LESIVO. ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. 4. a qual tem a seguinte redação: "Súmula 7/STJ: A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial". TERCEIRA TURMA. a instância especial recebe a situação fática tal como retrata a decisão recorrida.. o que implica na incidência da Súmula 83. em sede de recurso especial.00 (sete mil reais). 2. julgado em 01/09/2011. RESPONSABILIDADE CIVIL. 1. 3.00). Tendo a Corte de origem considerado comprovado o dever de indenizar. REEXAME DE PROVA. DANO MORAL. SÚMULA 07/STJ. diga-se. em que. VEÍCULO. A alegação genérica de violação à legislação federal. 233/235. violados pelo acórdão recorrido.000. INADMITO a manifestação recursal. Intimações necessárias.RESPONSABILIDADE CIVIL DA EMPRESA PELOS ATOS ILÍCITOS DE SEUS PREPOSTOS. porquanto não prescinde do revolvimento do conjunto fático-probatório dos autos. A propósito. clara e precisa. in casu. o que é vedado pela Súmula 07 desta Corte. o que não ocorre no caso em tela. 26 de setembro de 2011. o acesso ao apelo excepcional. uma vez que ele demorou a efetuar a transferência do veículo. Rel. não houve contrarrazões.000. vejamos os seguintes julgados: "AGRAVO REGIMENTAL. nos termos em que invocada no recurso especial. SÚMULA 7/STJ. Afigura-se incabível. o que. como é cediço. arbitrado no patamar de R$ 7. a seu sentir. DJe 17/09/2009) 2 .Da impossibilidade de revisão do valor dos danos morais: decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STJ (Súmula 83). o que. Nesse diapasão merece destaque o seguinte julgado: "AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. DANO MORAL. 123. posto que o Superior Tribunal de Justiça tem fixado indenização por danos morais em valores aproximados aos adotado na hipótese. Ante as razões expostas. Para além disso. inexiste qualquer contrariedade aos artigos apontados pelo recorrente. na medida em que o dano suportado pelo recorrido é decorrente de sua culpa exclusiva na demora em efetuar a transferência do veículo. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO" (AgRg no Ag 1147743/RJ. CULPA IN ELIGENDO. ante a flagrante deficiência recursal (súmula 284/STF). NÃO OCORRÊNCIA DE CASO FORTUITO.503/97). qual seja ausência de responsabilidade em razão do suposto dano ocasionado ser decorrente da culpa exclusiva do recorrido. impõe-se a aplicabilidade da Súmula nº 7 do STJ. Do reexame da questão fático-probatória (Súmula 07. CULPA DA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. o valor da indenização por dano moral somente pode ser alterado na instância especial quando ínfimo ou exagerado. primacialmente delimitados na instância de origem.

art. 40. não merece prosperar a pretensão de reforma da decisão." Opostos embargos de declaração. terça-feira. conforme certidão de fl. art.conforme Regimento Interno TJPE art. cujos termos foram ratificados pela 10. Da leitura dos dispositivos normativos da Lei 6. razão não assiste ao recorrente. inciso II. no caso.conforme Regimento Interno TJPE art. a teor do que dispõem o art. inciso II. APOSENTADORIA DE MILITAR. 0238456-7/02 Comarca Vara Agravte Procdor Agravdo Advog Advog Embargante Embargante Procdor Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. a decisão embargada contém a necessária motivação. Tribunal. 1. depreende-se que para a percepção do valor referente ao cargo hierarquicamente superior é pressuposto a invalidez em caráter definitivo para o exercício de atividade. APELAÇÃO CÍVEL IMPROVIDA.66. 535. 1. 2. DECIDO. DECISÃO UNÂNIME.2011. entendimento desta Câmara. §3º.426/1990. §1º. §2º. 83. III : 7ª Câmara Cível : Des.8. §2º.783/74. no Recurso de Agravo (01). III. na Decisão terminativa Monocrática. Ausência de violação ao artigo 535.17. II do CPC. do CPC. Em que pese o argumento aventado pelo Estado de Pernambuco nas razões do recurso. Decisão Unânime. 4 de outubro de 2011 Embargos de Declaração : Recife : 6ª Vara da Fazenda Pública : Estado de Pernambuco e outro e outro : Maria Claudia Junqueira e outro e outro : JOSE DERIVAN RIBEIRO : Rodolfo Domingos de Souza : e Outro(s) . da Constituição Federal. § 1º da LICC.426/90. Dispõe a lei 6. 57. todos da CF.426/1990. III : Estado de Pernambuco : FUNAPE . PROVENTOS DO POSTO CORRESPONDENTE AO GRAU HIERÁRQUICO SUPERIOR AO QUE POSSÚIA QUANDO NA ATIVA. 2º. 98. Acerca do assunto (cálculo dos proventos do recorrido com base no soldo correspondente ao grau hierárquico de 3º SARGENTO).66. contra decisão proferida pela 7ª Câmara Cível deste E. inciso XXXVI. c. Está assim vazado o acórdão no recurso de agravo: "EMENTA: PREVIDENCIÁRIO.783/74. na Apelação Cível nº 238456-7. Com relação à alegada violação ao art. Recurso de agravo conhecido e improvido. RECURSO DE AGRAVO IMPROVIDO. 25. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STJ dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. Sem contrarrazões.Edição nº 184/2011 004. Recorrente: Estado de Pernambuco Recorrido: José Derivan Ribeiro DECISÃO INTERLOCUTÓRIA O ESTADO DE PERNAMBUCO interpôs recurso especial. foram eles rejeitados. JULGADO INCAPAZ DEFINITIVAMENTE PARA O SERVIÇO MILITAR. 42. em razão de ter sido julgado incapaz definitivamente para o serviço militar. 4. em seu art. 83: 84 . 98. alínea "a". da Lei 6. Despacho Última Devolução Recife . e 6º. LEI Nº 10. Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida violou o artigo 535.3º Sargento. Os proventos deveriam ter sido fixados com base no soldo da graduação imediata superior . 3.426/90 e o art. do CPC. em seu art. Fernando Cerqueira : 0007670-61. no Apelo nº157084-1. 5º. cujos termos foram ratificados pela 10. na medida em que não se pronunciou acerca de questões constitucionais e infraconstitucionais suscitadas nas razões recursais. 18. tais como.Fundação de Aposentadoria e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco : José Carlos Arruda Dantas : JOSE DERIVAN RIBEIRO : Rodolfo Domingos de Souza : e Outro(s) .0000 (238456-7/1) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 14:37 Local: Diretoria Cível Recurso Especial nos Embargos de Declaração (02). uma vez que. nos processos acima mencionados. Orig. com fundamento no artigo 105. 83. inciso I da Lei 10.PE. vejamos trecho colhido do julgado: "A irresignação tem por fundamento a tese de que o recorrido não faz jus à reforma com os proventos calculados com base no soldo correspondente ao grau hierárquico. 98.783/74. O recurso é tempestivo e a parte é isenta de preparo. III.

decide de modo integral a controvérsia posta (cf. não estando obrigado a analisar todos os pontos suscitados.179/SP. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR. Min. Ademais. DJ 21/05/2007. em ações ou operações de manutenção da ordem pública ou de defesa civil. como ocorreu no caso.. Art. com fundamentação suficiente.. para Cabo PM e Soldado PM.426/90. o acórdão recorrido contém a precisa fundamentação. grau hierárquico imediato: a) (. III. 21/22." Neste sentido. através da portaria-DPE nº 1916/2003. (. por incapacidade física definitiva. nos termos da lei 6.783/74. MILITAR.. o acórdão recorrido. vez que grau hierárquico imediato para os postos de Cabo e Soldado da PM. aos proventos calculados com base no soldo correspondente ao grau hierárquico imediato ao que possuía na ativa.) § 1º . 105 da CF (AgRg no Ag 643.. for reformado por ter sido julgado incapaz definitivamente..Edição nº 184/2011 Recife . Rel. PORTADOR DO VÍRUS HIV. ainda que não exatamente a invocada pelas partes. depreende-se que para a percepção do valor referente ao cargo hierarquicamente superior à pressuposto a invalidez em caráter definitivo para o exercício de atividade. o que atrai a incidência do seguinte enunciado da Súmula 83 daquela Corte: "Não se conhece do recurso especial pela divergência.2007: AgRg no Ag 776. § 1º . foi aposentado em 27/08/2003. PROVENTOS NO GRAU IMEDIATO.2ª Turma. terça-feira. na forma da legislação em vigor. Há de se compreender que "o julgador não está obrigado a aplicar as normas legais deduzidas pelas partes. vez que grau hierárquico imediato para os postos de Cabo e Soldado PM é o de Terceiro Sargento. for considerado imediato ao que possuía na ativa. não se divisa. p. dentre outros. O militar portador do vírus HIV. correspondente ao posto de 3º Sargento da PM. com remuneração calculada com base no soldo correspondente ao grau hierárquico imediato ao que possuir na ativa. quando: I ." (EREsp 670. REFORMA EX OFFICIO POR INCAPACIDADE DEFINITIVA. não se podendo falar em omissão do acórdão ou em afronta ao art. 543. 2. Nessa linha argumentativa. impossibilitado total e permanentemente para qualquer trabalho.) c) o de Terceiro-Sargento PM.) Da leitura de tais dispositivos normativos. afronta ao 535. Ante a razão acima exposta. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA. Min. dentre outros). REJEIÇÃO. que na forma da lei. II do CPC. Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STJ (Súmula 83). julgado em 23/11/2010.ferimento recebido em luta contra malfeitores. DJ 18/03/08).2007.Aplica-se o disposto neste artigo aos casos previstos nos itens II.. DJ de 14. for policial-militar considerado inválido. para efeito deste artigo. no caso concreto.1. de acidentes em serviço. e que. muito embora fazendo jus. 96. deste artigo: (.. bastando que decida a causa de forma fundamentada e completa. José Delgado. além das vantagens a que fizer jus. 4 de outubro de 2011 Art. ou de moléstia ou doença decorrentes de qualquer destes fatos. que determinou a aposentadoria do servidor militar com proventos fixados no soldo referente ao posto imediatamente superior. julgado em 09/05/2007. pronunciando-se explicitamente sobre todas as questões relevantes para o deslinde da ação. tem direito à concessão da reforma ex officio por incapacidade definitiva. EDcl no AgRg no Ag 492. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. 2.02. Rel.O policial-militar da ativa. observo que o apelante. DJ de 12. INADMITO a manifestação recursal. observe-se o seguinte julgado: "ADMINISTRATIVO. mostra-se em consonância com o posicionamento do STJ. será reformado com a remuneração calculada com base no soldo correspondente ao grau hierárquico imediato ao que possuir na ativa. Recife. isto é. Embargos de divergência rejeitados. É entendimento sedimentado o de não haver omissão no acórdão que. 85 . do recurso de agravo nº 238456-7/01) Assim.969/RS. terá os seus proventos calculados de acordo com os parágrafos deste artigo quando a incapacidade resultar dos seguintes motivos: I . Herman Benjamin. 83 da Lei Estadual nº 10.744/RJ. na espécie.438/ RS. DJe 06/12/2010). independentemente do grau de desenvolvimento da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS/SIDA). pois cabe a ele apreciar a lide de acordo com o seu livre convencimento. embora não acolhidos os embargos de declaração.PE. 98 .02. CABIMENTO. servidor militar da graduação de Soldado da PM.Considera-se." (fl. julgado incapaz definitivamente por um dos motivos constantes do item I do art.) b) (. § 2º ... Com efeito. 1ª t. EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RECURSO ESPECIAL. IV. destaquei) Registre-se que a incidência da referida Súmula é aplicável ao recurso especial também pela alínea "a" do art. 535 do CPC" (STJ . Rel. 83 . nos termos do art.incapacitado pelos motivos constantes do inciso I do "caput". Min. TERCEIRA SEÇÃO.O servidor militar terá os seus proventos calculados com base no soldo correspondente ao grau hierárquico.o servidor militar que. QUARTA TURMA. 21 de setembro de 2011. Castro Meira. (Grifo nosso). Resp nº 968570/SP. na graduação de Soldado PM. 2ª T. Intimações necessárias.

que os proventos do ora recorrido deveriam ser fixados com base no soldo da graduação imediata superior . §3º. 98. AI 664. Rel. entendimento desta Câmara. na medida em que determinou.PE. na Apelação Cível nº 238456-7. Min. A EC n. DECIDO. PROVENTOS DO POSTO CORRESPONDENTE AO GRAU HIERÁRQUICO SUPERIOR AO QUE POSSÚIA QUANDO NA ATIVA. Está assim vazado o acórdão no recurso de agravo: "EMENTA: PREVIDENCIÁRIO. 40. nos processos acima mencionados. c. 83. na Decisão terminativa Monocrática. III. APOSENTADORIA DE MILITAR. ou. é importante frisar que "inclui-se no âmbito do juízo de admissibilidade . 4 de outubro de 2011 Recurso Extraordinário nos Embargos de Declaração (02). conforme certidão de fl. Os proventos deveriam ter sido fixados com base no soldo da graduação imediata superior .3º Sargento. 2. uma decisão sobre assunto constitucional impactante. 18. a teor do que dispõem o art. 63). o referido autor assim discorre a respeito das questões relevantes para fins de verificação da repercussão geral: 86 . sobre o instituto. por exemplo. outros valores conectados a Texto Constitucional que se alberguem debaixo da expressão repercussão social' (Arruda Alvim. Reforma do Judiciário.783/74 e 10. seja no Supremo Tribunal . §2º. econômica. 1. o seguinte ensinamento de Nelson Nery Junior: "Repercussão geral é conceito legal indeterminado. com fundamento no artigo 102. cujos termos foram ratificados pela 10. III. da Lei 6. Alegou a parte recorrente que a decisão recorrida violou os artigos 5º. Em seguida.783/74. in Wambier.426/90. Sepúlveda Pertence. De início. LEI Nº 10. da Constituição Federal. Tribunal. cuja concretitude deve ser dada em razão a algo 'que diga respeito a um grande espectro de pessoas ou a um largo segmento social. deve a parte recorrente demonstrar que a controvérsia discutida nos autos possui repercussão geral.783/74. a qual modificou as leis estaduais nº 6. cidadania.426/1990. no Apelo nº157084-1. DJ 06/09/2007). 45 e o instituto da repercussão geral. JOVALDO NUNES GOMES Vice-Presidente Recife . Da leitura dos dispositivos normativos da Lei 6.Edição nº 184/2011 Des. 3. Súmula Vinculante nº 10. §1º e 97. 57. alínea "a". da existência de repercussão geral" (STF. à liberdade. terça-feira. soberania nacional. 25. com base na Emenda Constitucional Estadual 16/99. p. valendo destacar. do STF. 83. que diga respeito à vida. cultura e símbolos nacionais. Serão de repercussão geral para os efeitos da CF 102 § 3º. ordem econômica etc". 98. Pugnou pela admissão do recurso a fim de que o STF dele tome conhecimento e lhe dê provimento para reformar a decisão recorrida. 42. à federação. e não no cargo de CABO PM. art. Sem contrarrazões. questões atinentes aos direitos humanos (CF 5º).3º Sargento. §2º. DEFICIÊNCIA NA FUNDAMENTAÇÃO DA PRELIMINAR DE REPERCUSSÃO GERAL. 1. e 6º. foram eles rejeitados.. sobre tema constitucional muito controvertido. Essa repercussão geral pode ser jurídica.seja na origem. XXXVI (ato jurídico perfeito). RECURSO DE AGRAVO IMPROVIDO." Opostos embargos de declaração. Portanto. APELAÇÃO CÍVEL IMPROVIDA. inciso I da Lei 10.567/RS. ainda. em razão de ter sido julgado incapaz definitivamente para o serviço militar. no caso concreto. em relação a decisão que contrarie decisão do STF. social.426/90. todos da Constituição Federal.verificar se o recorrente. em preliminar do recurso extraordinário. depreende-se que para a percepção do valor referente ao cargo hierarquicamente superior é pressuposto a invalidez em caráter definitivo para o exercício de atividade. da LICC. Decisão Unânime. nacionalidade e direitos políticos. JULGADO INCAPAZ DEFINITIVAMENTE PARA O SERVIÇO MILITAR. em seu art. 4. à invocação do princípio da proporcionalidade (em relação à aplicação do texto constitucional) etc. Recorrente: Estado de Pernambuco Recorrido: José Derivan Ribeiro DECISÃO INTERLOCUTÓRIA O ESTADO DE PERNAMBUCO interpôs recurso extraordinário. O recurso é tempestivo e a parte é isenta de preparo. no Recurso de Agravo (01). na mesma obra.426/90 e o art. desenvolveu fundamentação especificamente voltada para a demonstração. e 2º. §1º. DECISÃO UNÂNIME. política etc. Recurso de agravo conhecido e improvido. dignidade da pessoa humana (CF 1º III). contra decisão proferida pela 7ª Câmara Cível deste E.

o reexame de legislação local (Lei 11. Para além disso. que tem o seguinte teor: "Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário. (Precedentes: RE n. No caso presente. não há como se pretender seja reconhecida "a repercussão geral das questões constitucionais discutidas no caso" (art." 3. o que impede o processamento do recurso extraordinário nos termos do enunciado da Súmula 280/STF: "Por ofensa a direito local não cabe recurso extraordinário. Para se concluir. social ou jurídico. 11ª edição. INVIABILIDADE DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. de forma que qualquer exegese que se faça acerca do dispositivo constitucional indicado pela recorrente passa. 98. Se. INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÃO A PROVENTOS DE POLICIAL MILITAR. como pretende a parte agravante. REEXAME DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO (SÚMULA 279 DO STF). se inexiste questão constitucional. 1. mais precisamente as Leis Estaduais nº 10. § 1º e nº 6. não se vislumbra a hipótese de admissão de recurso extraordinário.. que a pretensão da parte recorrente é rediscutir. Relator o Ministro NÉRI DA SILVEIRA.C. PRETENSÃO DE REFORMA DO JULGADO. uma vez que almeja demonstrar que as pensões (baseadas no soldo) deveriam ter valores inferiores ao que é atualmente percebido.081-AgR. por via transversa. Os embargos de declaração não constituem meio processual cabível para reforma do julgado. Precedentes. o que se vê é um esforço apenas genérico do recorrente em comprovar a rígida exigência da repercussão geral da matéria constitucional. em que pese constar da peça recursal preliminar de repercussão geral.12. Relatora Min. § 2º "c" e Lei Complementar Estadual nº 59/2004. ELLEN GRACIE. reflexa. devendo. § 3º. A ofensa à Constituição. da leitura das razões recursais.216/95. ALEGADA OFENSA AO ART.RECURSO EXTRAORDINÁRIO.. DJe de 19.991/73 E 9. para demonstrar a contrariedade à Constituição. São Paulo. 5.) 4. como parâmetro mínimo para a determinação do que seja 'questão relevante'. p. nos termos da jurisprudência do STF. no presente caso.08. INTERPRETAÇÃO DE LEI INFRACONSTITUCIONAL LOCAL (SÚMULA 280/STF). Ocorre que o acórdão recorrido decidiu a controvérsia com base na prova acostada aos autos e na legislação infraconstitucional local. sem qualquer repercussão sobre âmbito normativo da Constituição Federal. 1. NECESSIDADE DA ANÁLISE DO CONJUNTO FÁTICOPROBATÓRIO E DE LEGISLAÇÃO LOCAL. claramente. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO.389AgR. Veja-se: "ADMINISTRATIVO. político. 2. é a ofensa direta. LEIS FEDERAIS NS.VBR. Sustenta o recorrente que o acórdão atacado violou os mencionados dispositivos da Constituição Federal.10. além de envolver o reexame do conjunto fático-probatório. ART. CONTROVÉRSIA INFRACONSTITUCIONAL. Relator o Ministro CELSO DE MELLO. 448. LEI 11. da CF). art. RECURSO EXTRAORDINÁRIO.216/95). o recorrente não demonstrou. QUESTÃO SUFICIENTEMENTE APRECIADA. inexistente a devida fundamentação relacionada com a repercussão geral.747-AgR.)" (RE/615990 . o Supremo Tribunal Federal já decidiu por reiteradas vezes que se o exame da matéria controvertida passa pela análise da legislação infraconstitucional local. antes. AUSÊNCIA DE QUESTÃO CONSTITUCIONAL. DJe de 25. terça-feira. 979. seria necessário. DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. art.783/74. 323 do RISTF). No ponto. a razão de a matéria discutida nos autos extrapolar os interesses subjetivos da causa. na realidade. possuindo relevância do ponto de vista econômico. tem-se. Código de Processo Civil Comentado. Relator o Ministro DIAS TOFFOLI. Editora Revista dos Tribunais. inclusive para reexaminar o conjunto fáticoprobatório. percebe-se.9. INTERPRETAÇÃO DA LEGISLAÇÃO ESTADUAL. Consectariamente. DJ de 3.. IV. SÚMULA STF 280. Consequentemente. que autoriza admissão do recurso extraordinário. a pretensão do recorrente encontra óbice na Súmula nº 279 do STF. A repercussão geral pressupõe recurso admissível sob o crivo dos demais requisitos constitucionais e processuais de admissibilidade (art. Dessa forma.PE.069/95. é esta que conta para a admissibilidade do recurso." Observe-se a seguinte orientação do Supremo Tribunal Federal: CONSTITUCIONAL. 2ª Turma. § 3º.99) (. valendo salientar que a controvertida é de natureza infraconstitucional local.836-AgR. (Nelson Nery Junior. SUPERMERCADOS. AI n. 1ª Turma. o que é defeso nesta via extraordinária (Súmula STF 280). frontal. III. DJe de 27. política. RE n. 2ª Turma. DJ n. pela interpretação das referidas normas. COMERCIALIZAÇÃO DE DROGAS E MEDICAMENTOS FARMACÊUTICOS. Relator Ministro Luiz Fux. 1. a matéria suscitada pelos recorrentes demanda a apreciação da legislação estadual. social ou jurídica".Edição nº 184/2011 Recife .8. pois. ART. 4 de outubro de 2011 "O conceito fornecido pela nova norma é aberto. a matéria de fato já analisada na sentença e no julgamento do recurso. (. 323 DO RISTF C. julgado em 06/04/2010. 2010). 408. ADMINISTRATIVO. ser firmado por meio da jurisprudência do STF. a inadmissão do recurso extraordinário se impõe. SOLDO. DA CF. inexoravelmente. 65 do dia 06/04/2011) 2.10. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. Na referida preliminar arguida. Essa situação metaindividual pode ser de natureza econômica. Veja-se: "PROCESSUAL CIVIL.. IMPOSSIBILIDADE. 606. Segunda Turma) Consequentemente. com a devida fundamentação. OFENSA INDIRETA.10. não sendo possível atribuir87 . (AI 461855 AgR/PE.426/90. pela impossibilidade de vinculação do soldo ao salário mínimo. 2ª Turma. conforme será adiante demonstrado. de demonstrar a afronta à legislação infraconstitucional. Agravo regimental improvido". Relator o Ministro EROS GRAU. e não a indireta. VALOR BÁSICO DE REFERÊNCIA . 7º. apesar de apontar violação a dispositivos constitucionais. III. MEDIDA PROVISÓRIA 542/94. RE n. pode-se tomar a provável interferência da decisão do feito para além da esfera jurídica das partes ('interesses subjetivos da causa'). 102. REPERCUSSÃO GERAL NÃO EXAMINADA. SERVIDOR PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO. todavia. 2. 231. 83. 102.

Decisão recorrida em consonância com a jurisprudência do STJ (súmula 83) 88 . RECURSO IMPROVIDO.Mesmo sendo o único bem de propriedade do Agravante. Segunda Turma.Tratase de Recurso de Agravo. o recorrente alega dissídio jurisprudencial com relação aos arts. nos autos do processo acima mencionado.PE.. Está assim vazado o acórdão exarado no recurso de agravo: "CIVIL E PROCESSO CIVIL. JOVALDO NUNES GOMES Vice-Presidente 005.2011. ELLEN GRACIE.66. O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. Embargos de declaração rejeitados. Em suas razões. Intimações necessárias. V e 5º. da Lei 8. IMPOSSIBILIDADE. INADMITO a manifestação recursal. A discussão referente à incorporação de gratificação a proventos de policial militar requer o reexame do conjunto fático-probatório (Súmula STF 279). contra decisão proferida pela 5ª Câmara Cível.17. 21 de Setembro de 2011.. Inexistência de omissão a sanar. Sem contrarrazões. bem como o ofereceu em garantia real em contrato de empréstimo. 0240466-4/01 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc.0000 (240466-4) : Decisão Interlocutória : 29/09/2011 14:36 Local: Diretoria Cível Recurso Especial no Recurso de Agravo (01) na Decisão Terminativa no Agravo de Instrumento 0240466-4 Recorrente: José Heleno de Oliveira Recorrido: Banco do Nordeste do Brasil DECISÃO INTERLOCUTÓRIA José Heleno de Oliveira interpôs Recurso Especial.66. BEM IMÓVEL PENHORÁVEL EM RAZÃO DE GARANTIA OFERECIDA POR FIADOR EM CONTRATO DE EMPRÉSTIMO.66. alínea "c" da Carta Magna. com fundamento no art. 2. no qual figurou como fiador. 4 de outubro de 2011 lhes efeitos infringentes. Des. deste Egrégio Tribunal. (AI 752679 AgR-ED.Penhorabilidade do bem oferecido em garantia real em contrato de empréstimo por ocasião de fiança prestada pelo Agravante em respeito aos princípios da boa-fé e pacta sunt servanda.conforme Regimento Interno TJPE art. 1.66. FALTA DE REQUISITOS. no qual figurou como fiador. este há mais de vinte anos não reside no imóvel. Recife. Orig. III : BANCO DO NORDESTE DE BRASIL S/A : Alaíde Torres Aladim de Araújo : e Outro(s) . III : José Heleno de Oliveira : Ricardo José Vieira Cunha : e Outro(s) . Decido. bem como a análise de legislação local (Súmula STF 280). Despacho Última Devolução Agravo : Pesqueira : Primeira Vara Cível da Comarca de Pesqueira : José Heleno de Oliveira : Ricardo José Vieira Cunha : e Outro(s) . 3. 3. inciso III. b) que o bem foi dado em garantia real em razão de empréstimo bancário e c) que o recorrente não respeitou o princípio da boa-fé na relação contratual. julgado em 07/06/2011.Edição nº 184/2011 Recife . Itabira de Brito Filho : 0006587-10. onde o Agravante pugna pelo reconhecimento da condição de bem de família a imóvel dado em garantia por ocasião de contrato de empréstimo. sob o argumento de que a decisão recorrida não reconheceu que o imóvel penhorado ostenta a condição de bem de família ao se basear nos seguintes fundamentos: a) que o recorrente há mais de vinte anos não reside no imóvel. Tais situações elidem que seja reconhecida a condição de bem de família ao imóvel. salvo em situações excepcionais.Recurso improvido à unanimidade". terça-feira. 1º.009/90.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art. III : BANCO DO NORDESTE DE BRASIL S/A : Alaíde Torres Aladim de Araújo : e Outro(s) . . Relator(a): Min.. RECONHECIMENTO DE BEM DE FAMÍLIA. DJe-121 DIVULG 24-06-2011 PUBLIC 27-06-2011 EMENT VOL-02551-02 PP-00356) Diante do exposto. III : 5ª Câmara Cível : Des. 105.8.conforme Regimento Interno TJPE art.

DJe 18/05/2009) CIVIL. julgado em 28/06/2011. AGRAVO NA MEDIDA CAUTELAR. a sua pretensão visa. III. SÚMULAS 7 DO STJ. Incide a Súmula n. QUARTA TURMA. é necessária a demonstração da similitude de panorama de fato e da divergência na interpretação do direito entre os acórdãos confrontados. ciente de que o ato implica renúncia à impenhorabilidade. o devedor use esse fato como subterfúgio para livrar o imóvel da penhora. RECURSO ESPECIAL. Rel. AUSÊNCIA DE PRESSUPOSTOS. 4 de outubro de 2011 A decisão recorrida entendeu desconsiderar a natureza do imóvel como bem de família. está em consonância com o posicionamento adotado pelo STJ. DJe 03/08/2011) Diante do exposto. 1. RECURSO ESPECIAL.A impenhorabilidade não é oponível sobre bem oferecido como garantia real. nitidamente. V." Nesse sentido merece destaque o seguinte precedente: EMBARGOS DECLARATÓRIOS. Recurso especial a que se nega provimento. TERCEIRA TURMA. apesar do recorrente fundamentar que houve interpretação divergente das norma antes mencionadas. LEI N. 4. EXEGESE DO ART. (EDcl no Ag 1321256/SP. no ponto. parágrafo único. EFEITO SUSPENSIVO. uma vez que o acórdão recorrido. 122). LEI N. o teor da Súmula 83: "Não se conhece do Recurso Especial pela divergência. desde o início.) 3. 497 do CPC é abrandada apenas quando verificados (i) a possibilidade de êxito do recurso interposto e (ii) a existência de dano de difícil ou incerta reparação. Rel. quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida". 237). portanto. 3º. DJe 01/08/2011) PROCESSUAL CIVIL. 7/STJ na hipótese em que o recurso reclama a análise de elementos fático-probatórios colhidos ao longo da demanda. I. EFEITO SUSPENSIVO. Rel. V. Assim. Recife. BEM DE FAMÍLIA. da Lei 8009/90.. bem assim que nele reside um irmão do recorrente. do Código de Processo Civil e 255. Rel. Para além disso. sob os seguintes fundamentos: a) o recorrente há mais de vinte anos não reside no imóvel. AGRAVO NA MEDIDA CAUTELAR. SÚMULA N. julgado em 09/11/2010. segundo certidão da Oficiala de Justiça (fl.009/90. ou. . TERCEIRA TURMA.A regra do art. Embargos de declaração recebidos como agravo regimental a que se nega provimento.7/STJ.Edição nº 184/2011 Recife . BENEFÍCIO DA ENTIDADE FAMILIAR.009/90. incidindo. não se mostra razoável que depois. 8. CONSTRIÇÃO. DA LEI 8009/90. . EFEITO INFRINGENTE. Ministra NANCY ANDRIGHI. (. PENHORA DE IMÓVEL. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente DESPACHOS/DECISÕES 89 . DIVERGÊNCIA NÃO CONFIGURADA. reprimindo-se quaisquer atos praticados no intuito de fraudar credores ou retardar o trâmite dos processos de cobrança. RESIDÊNCIA DA DEVEDORA FIXADA EM OUTRO IMÓVEL. veja-se a orientação do Superior Tribunal de Justiça: PROCESSUAL CIVIL. 8. julgado em 16/04/2009. IMÓVEL DADO EM HIPOTECA PARA GARANTIA DA DÍVIDA SUB JUDICE. considerando cada um dos motivos acima mencionados. Pode ser objeto de penhora o único bem imóvel do devedor não destinado à sua residência. RECURSO ESPECIAL. (AgRg na MC 16.553/SC. PENHORA DE IMÓVEL. O fato de o imóvel dado em garantia ser o único bem da família certamente é sopesado ao oferecê-lo em hipoteca. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR. que o imóvel dado em garantia real não é utilizado como residência da sua família (fl. tem-se por não comprovada a divergência jurisprudencial. A atitude contraria a boa-fé ínsita às relações negociais. OFERECIMENTO EM GARANTIA HIPOTECÁRIA. do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça. 2. advindo de eventual demora na definição da lide. Assim. BEM DE FAMÍLIA. RECURSO NÃO CONHECIDO. Ministra NANCY ANDRIGHI. . constata-se dos autos que a decisão recorrida levou em conta cláusula contratual na qual o recorrente declara. o reexame do conjunto fático. BEM DE FAMÍLIA. divergência jurisprudencial. Ausente a similitude fática entre os arestos paradigmágticos. 3. Tanto a aparência de direito quanto o perigo de demora na decisão devem ser analisados com as vistas voltadas ao conteúdo do recurso. Des. esvaziandoa por completo. IMÓVEL DADO EM HIPOTECA PROCESSUAL CIVIL. é necessário avaliar a extensão dos efeitos que o eventual provimento do recurso atingirá. terça-feira. 27 de setembro de 2011. sabia ser inexequível. AUSÊNCIA DE PRESSUPOSTOS. b) o bem foi dado em garantia real em razão de empréstimo bancário e. RECEBIMENTO COMO AGRAVO REGIMENTAL. que tem o seguinte teor: "A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial. ante à sua inadimplência. AGRAVO DE INSTRUMENTO.probatório da decisão recorrida. POSSIBILIDADE. Pode ser objeto de penhora o único bem imóvel do devedor não destinado à sua residência e nem locado com a finalidade de complementar a renda familiar. A boa-fé do devedor é determinante para que possa se socorrer do favor legal. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL NÃO DEMONSTRADO. II. . Intimem-se. parágrafos 1º e 2º. RESIDÊNCIA DO DEVEDOR EM OUTRO IMÓVEL.. nos termos dos artigos 541.PE. (REsp 1141732/SP.Para deferimento de medida liminar conferindo efeito suspensivo a recurso especial. c) o recorrente não respeitou o princípio da boa-fé na relação contratual. RENÚNCIA À IMPENHORABILIDADE. nos termos do art. OCORRÊNCIA DE REEXAME DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO. pois equivaleria à entrega de uma garantia que o devedor. QUARTA TURMA. não há que se falar em violação de norma infraconstitucional. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI. (REsp 1035248/GO. 2. não admito a manifestação recursal. CONSTRIÇÃO. DJe 22/11/2010) Com efeito. o que encontra óbice na Súmula nº 7 do STJ. 4. Recurso não conhecido. À caracterização do dissídio jurisprudencial. julgado em 28/06/2011. POSSIBILIDADE. 3º. Sobre o tema. ARGUIÇÃO DE IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMÍLIA. no ato do contrato. RECURSO ESPECIAL.Agravo não provido.

Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 0001964-68. 2011. RECLAMAÇÃO.Edição nº 184/2011 VICE-PRESIDÊNCIA SETOR DE RECURSOS Recife . DECISÃO REFERENDADA PELO STF. inciso III. no processo acima mencionado. QUESTÕES DE ORDEM. ANULAÇÃO DO ARREDONDAMENTO DE NOTAS PELO CNJ. JUIZ SUBSTITUTO. PRELIMINARES DE FALTA DE PRESSUPOSTO PROCESSUAL E DE INVASÃO DA COMPETÊNCIA DO STF. terça-feira. REJEITOU-SE A PRELIMINAR DE EXTINÇÃO DO FEITO POR FALTA DE PRESSUPOSTO PROCESSUAL. III Ordem Processo 001 0182572-5/01 001 0182572-5/01 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. IMPROCEDÊNCIA DA RECLAMAÇÃO. ACOLHEU-SE A QUESTÃO 90 . REALIZAÇÃO DA REVISÃO. POR MAIORIA DE VOTOS.66. AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE NO TRABALHO DA COMISSÃO REVISORA. III : Presidente da Comissão Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para Provimento do Cargo de Juiz Substituto de Primeira Entrância da Carreira da Magistratura do Estado de Pernambuco : Thiago Arraes De Alencar Noroes .conforme Regimento Interno TJPE art. INACOLHEU-SE A QUESTÃO DE ORDEM RELATIVA À PERMISSÃO DO VOTO DA PRESIDÊNCIA NO PRESENTE FEITO. REJEITOU-SE A PRELIMINAR DE INVASÃO DA COMPETÊNCIA DO STF. REJEITOU-SE A QUESTÃO DE ORDEM REFERENTE AO INCABIMENTO DA RECLAMAÇÃO POR SE TRATAR DE DESCUMPRIMENTO DE UMA DECISÃO PELO PRÓPRIO ÓRGÃO.0000 (182572-5) : 03/10/2011 12:22 Local: Diretoria Cível Embargante Embargante Embargante Embargante Advog Advog Embargado Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. Está assim vazado o acórdão exarado na reclamação: "EMENTA: ADMINISTRATIVO. a. 0182572-5/01#Embargos de Declaração Comarca#: Recife Reclamte Advog Reclamdo : Antônio de Alencar Araripe Neto e outros e outros : Paulo César Maia Porto : Presidente da Comissão Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para Provimento do Cargo de Juiz Substituto de Primeira Entrância da Carreira da Magistratura do Estado de Pernambuco : Antônio de Alencar Araripe Neto : Augusto Fonseca Veloso : Rosinete de Santana Barbosa : Sandro Marzo de Lucena Aragão : Paulo César Maia Porto : e Outro(s) . AINDA POR MAIORIA DE VOTOS. COM A REALIZAÇÃO DE UMA OUTRA. REVISÃO DE PROVA. PEDIDO DE ARREDONDAMENTO DA NOTA OU DE ANULAÇÃO DA REVISÃO. INADMISSIBILIDADE DA RECLAMAÇÃO. CONCURSO PÚBLICO. IMPEDIMENTO DOS DESEMBARGADORES QUE INTEGRARAM A COMISSÃO REVISORA DO CONCURSO. T. TOMADA DO VOTO DO PRESIDENTE. INACOLHIMENTO. Jovaldo Nunes Gomes DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Antônio de Alencar Araripe Neto E OUTROS. .17. AINDA POR MAIORIA DE VOTOS. REJEITADAS. Última Devolução Recurso Especial nos Embargos Declaratórios nº 182572-5/01 na Reclamação nº 182572-5 Recorrente: Antônio de Alencar Araripe Neto E OUTROS Recorrido: Presidente da Comissão Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para Provimento do Cargo de Juiz Substituto de Primeira Entrância da Carreira da Magistratura do Estado de Pernambuco Vice-Presidente : Des. MÉRITO. alínea "a" da Constituição Federal. DEVIDO CUMPRIMENTO DA DECISÃO.conforme Regimento I.14254 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Paulo César Maia Porto e Outro(s) . contra acórdão proferido pela Egrégia Corte Especial deste Tribunal.À UNANIMIDADE DE VOTOS. Orig.Procurador : Lia Sampaio Silva : Corte Especial : Des. CONSTITUCIONAL E PROCESSUAL CIVIL.2009. POR MAIORIA DE VOTOS.PE. TAL COMO DETERMINADA PELO TJPE. interpuseram recurso especial com fundamento no artigo 105.8.

não houve negligência por transcurso de prazo para a interposição da presente reclamação. neste. busca-se a preservação da competência e garantia das decisões deste TJPE. direta ou indiretamente. O presente recurso merece admissão pela fundamentação adiante exposta. a decisão tomada no mandado de segurança nº 73442-1. decidiu pela competência da comissão do concurso público para realizar a revisão das provas. INOCORRÊNCIA. Deve ser afastada a alegação de inadmissibilidade da reclamação por ter sido dirigida contra uma decisão do próprio Tribunal. mesmo após a interposição dos embargos de declaração opostos. in casu. pela douta comissão revisora." 91 . tão somente obrigação funcional administrativa de exercer naquele momento o munus e. Na forma regimental. por não ter havido pronunciamento expresso sobre o artigo 50 da Lei 9. ATRAVÉS DA REDISCUSSÃO DO MÉRITO DE RECURSO JÁ JULGADO. os recorrentes aduzem que houve violação ao artigo 535 do CPC em face da ocorrência de omissão no acórdão recorrido. 3. há de ser tida como improcedente a presente reclamação. 2. QUESTÕES AVENTADAS NO ARESTO EMBARGADO.784/99. fazendo a revisão das provas e dando nova nota aos candidatos que mereceram a alteração. Aduzem os recorrentes. os quais substancialmente se prestam a desfazer obscuridades ou ambigüidades. As questões suscitadas pelos embargantes foram. o acórdão impugnado se limitou a asseverar que: "Considerando que a comissão revisora procedeu de acordo com a decisão desta Corte de Justiça. terça-feira. que trata do princípio da motivação dos atos administrativos.Edição nº 184/2011 Recife . II. os recorrentes defendem que a comissão de revisão de provas simplesmente manteve as notas dos requerentes sem apresentar qualquer motivação para tanto. a lisura. 5. considerando que o teratológico arredondamento de notas foi fruto de absurdo. 1. a revisão das provas mediante critérios mínimos de transparência e ampla defesa. os quais foram rejeitados nos seguintes termos: "EMENTA: ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. A preliminar suscitada pelo então Presidente do TJPE. considerando que foi fiel e devidamente cumprida. . 1. 535 DO CPC. Decido.POR UNANIMIDADE. pois não há interesse pessoal para o deslinde da questão. NO SENTIDO DE AGUARDAR O RETORNO DOS DESEMBARGADORES PATRIOTA MALTA E FREDERICO NEVES PARA COLETA DE SEUS VOTOS. Como relatado. bem como a constatação de que inexiste. JULGOU-SE IMPROCEDENTE A RECLAMAÇÃO. esta egrégia Corte de Justiça. na presente reclamação. Outrossim. pela douta comissão revisora. em discussão de matéria judicial não há manifestação do Desembargador Presidente. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. que deu cumprimento à mencionada decisão do TJPE. o que não se admite por meio de embargos declaratórios. há de ser rejeitado o pedido de extinção da ação sem julgamento de mérito. que as decisões proferidas na reclamação e nos embargos declaratórios não fizeram qualquer referência quanto à violação ao supramencionado artigo 50 da Lei 9." Foram interpostos embargos declaratórios.PE. a afastar contradições e a suprir omissões que eventualmente se registrem no aresto. os embargantes pretendem. neste caso. O recurso é tempestivo e está devidamente preparado. Assim. 4. que preconiza a necessidade de motivação expressa dos atos administrativos. considerando que foi fiel e devidamente cumprida. 6. finalmente. pelo que não se pode dizer que o ato ora impugnado tenha sido praticado pelo Pleno deste Tribunal. considerando ainda que a decisão do CNJ foi referendada pelo STF. pelo que não merece acolhida a alegação de omissão no aresto. 120/142. Considerando que a comissão revisora procedeu de acordo com a decisão desta Corte de Justiça. 2. 4 de outubro de 2011 DE ORDEM SUSCITADA PELO DES. na verdade. na medida em que coincide com o pedido de avaliação da existência ou não de tal descumprimento. qualquer exorbitância ao julgado desta Corte. considerando. No que concerne ao mérito da reclamação. em suma. 1. no mandado de segurança 73442-1. por parte da honrada comissão revisora. FORAM REJEITADOS OS EMBARGOS DECLARATÓRIOS. INTERPOSIÇÃO COM O PROPÓSITO EVIDENTE DE MODIFICAR A DECISÃO ATACADA. modificar a decisão atacada através de rediscussão de mérito. a decisão tomada no mandado de segurança nº 73442-1. EXAME DA VIOLAÇÃO AO ART. considerando que tal arredondamento administrativo teve sua apreciação pelo competente órgão de controle. o CNJ. Não há que se falar em invasão da competência do STF na apreciação da presente reclamação. de aplicar o direito. salvo em caso de empate. que se restringe à análise da invalidade do arredondamento de notas sem critérios legítimos. OMISSÃO. que denegou mandado de segurança impetrado pelos reclamantes. A despeito de suscitar omissão no acórdão. Não deve prosperar a alegação de impedimento dos membros da comissão examinadora do concurso público para julgar a presente demanda. confundese com o mérito da ação. no sentido de que a reclamação não conteria os pressupostos de constituição válida e regular do processo devido a ausência de descumprimento de decisão judicial por parte da comissão revisora do concurso público. mantendo-se íntegro o ato da comissão revisora. NO MÉRITO.784/99. arbitrário e lamentável equívoco do TJPE. No caso dos autos. que o anulou. PRESIDENTE. aventadas no acórdão embargado. a correção e o acerto dos trabalhos de revisão das provas. vez que o objeto desta é mais amplo do que o da ação administrativa interposta pela Associação dos Magistrados de Pernambuco perante o CNJ. enquanto que. do CPC. Na verdade. INADMISSIBILIDADE. Contrarrazões às fls. fazendo a revisão das provas e dando nova nota aos candidatos que mereceram a alteração." Os recorrentes alegam que a decisão recorrida violou o artigo 535. POR MAIORIA DE VOTOS.

verificase a presença da violação apontada. lacônica e estereotipada abordagem feita na revisão das provas. 5. e 3o. Afirmativas que não traduzem reexame do material fático.PE. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO. (. a. entretanto. 1. 50 DA LEI 9..Edição nº 184/2011 Recife . e ordeno a remessa dos presentes autos ao Superior Tribunal de Justiça. Des. Nesse sentido: "ADMINISTRATIVO. julgado em 28/09/2010. nos termos do que dispõe o art. na verdade. os quais substancialmente se prestam a desfazer obscuridades ou ambigüidades. CONCURSO PÚBLICO PARA DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL. QUINTA TURMA. somente a existência de omissão relevante à solução da controvérsia. (AgRg no REsp 1062902/DF. 2. é obrigatória e irrecusável. admito o presente recurso especial. Diante do exposto. PROCESSUAL CIVIL. caracteriza a violação do art. AUSÊNCIA DE MOTIVAÇÃO DA BANCA EXAMINADORA ACERCA DOS RECURSOS ADMINISTRATIVOS CONTRA REFERIDA PROVA. DJe 03/08/2009)" Assim. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO. 3. mas sim valoração do conjunto probatório trazido aos autos quando da impetração do Mandado de Segurança.784/99. 4. discricionariedade alguma por parte da Administração." Vê-se. questão que por si só. a jurisprudência do STJ é uníssona no sentido de que a motivação.784/99. externadas pelos ilustres relator e revisor do feito em segundo grau. Rel.784/99. é capaz de ensejar o julgamento procedente da reclamação. não tendo sido apresentadas. cotejando a decisão recorrida com o citado dispositivo legal (art. constata-se a ausência de qualquer elemento que pudesse ter o condão de indicar os critérios utilizados pelo examinador para aferição das notas na prova subjetiva. 50 da Lei 9. NEGATIVA DE ACESSO AOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA CORREÇÃO DA PROVA SUBJETIVA. 4 de outubro de 2011 Já no julgamento dos embargos declaratórios. MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRADO NA CORTE DE ORIGEM. o que de fato ocorreu na hipótese em apreço. 06 de setembro de 2011. Jovaldo Nunes Gomes Vice-Presidente REPUBLICADO POR TER SAÍDO COM INCORREÇÕES 92 . Com relação ao Impetrante JOÃO GUILHERME MEDEIROS CARVALHO salta aos olhos a total ausência de motivação na correção das provas discursivas e nos respectivos recursos administrativos. DJe 13/10/2010)" 2. PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS. Quanto aos demais litisconsortes (JANE KLÉBIA DO NASCIMENTO SILVA PAIXÃO E OUTROS). 535 do CPC. Recife. Publique-se. os embargantes pretendem. Ministro HUMBERTO MARTINS. 50. terça-feira. §§ 1o. restará caracterizada a ofensa ao artigo 535 do CPC. Nesse sentido: "TRIBUTÁRIO.) (AgRg no REsp 1197757/ES. Agravo Regimental desprovido. é obrigatória e irrecusável. I. não existindo. modificar a decisão atacada através de rediscussão de mérito. neste ponto. DECISÃO EM CONFRONTO COM A JURISPRUDÊNCIA DO STJ Para além disso. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA.784/99. Apesar do órgão julgador não estar obrigado a analisar ponto a ponto todas as alegações dos recorrentes. VIOLAÇÃO AO ART. havendo omissão no julgado sobre ponto relevante para a solução da controvérsia. SEGUNDA TURMA. não sanada pelo acórdão recorrido. Com efeito. 1. A motivação. pelo artigo 105. da Lei 9. A teor da jurisprudência desta Corte. OMISSÃO EXISTENTE. da Lei 9. nos recursos administrativos referentes a concursos públicos. no caso em tela a alegação de ausência de motivação é o ponto central da reclamação proposta. nos recursos administrativos referentes a concursos públicos. da CF. III e V.784/99) e a interpretação que lhe é dada pelo STJ. o que não se admite por meio de embargos declaratórios. portanto. da Lei 9.. que em nenhum momento o acórdão recorrido se manifestou expressamente sobre a alegação do recorrente de ofensa ao princípio da motivação dos atos administrativos. 50. presentes os demais requisitos. RETORNO DOS AUTOS. julgado em 09/06/2009. III. motivações idôneas e circunstanciadas. RECURSOS ESPECIAIS PROVIDOS. esta Corte Estadual apenas decidiu genericamente que: "A despeito de suscitar omissão no acórdão. nos termos do art. nos moldes preconizados pelo já mencionado art. Rel. bem como a sucinta. VIOLAÇÃO DO ART. de que os apelos administrativos do Impetrante foram examinados e devidamente motivados. 535 DO CPC. REEMBOLSO POR USO DE VEÍCULO PRÓPRIO. a afastar contradições e a suprir omissões que eventualmente se registrem no aresto. 50. Há apenas suposições. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL.

da Lei Orgânica da Magistratura Nacional. dentre outros prescritos no artigo 37 da Constituição Federal. caput. Considerando que em qualquer hipótese de afastamento de Magistrado. 4 de outubro de 2011 CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PORTARIA Nº311/2011 -JD Ementa: Estabelece o prazo de 15 dias para Magistrado apresentar defesa prévia. homologado pelo Plenário do Conselho Nacional de Justiça nos Procedimentos de Controle Administrativo nº (.1º. da Constituição Federal. 03 de outubro de 2011. em 02 de setembro de 2011. 93 ... Considerando que o Conselho da Magistratura decidiu.) e (. quando for o caso. O Desembargador BARTOLOMEU BUENO DE FREITAS.. do mencionado Provimento. nos moldes estabelecidos pelo Art 3º do referido Provimento. pelo Ministro Cezar Peluso..). terça-feira. do Provimento nº04/2009-CM. inclusive. Considerando o prosseguimento deste procedimento prévio. eficiência. determinar a instauração de procedimento administrativo prévio para apurar eventual responsabilidade do Magistrado (. do Provimento nº04/2008. revogando a liminar concedida em favor do Magistrado (. caput. considerar não justificada a ausência. e Art. razão pela qual não tinha como a Administração ter ciência prévia do afastamento. na medida que não houve anterior comunicação do CNJ a este Tribunal. ambos do Conselho da Magistratura.1º. requisitar a comprovação das circunstâncias motivadoras do afastamento. consta que a comunicação não exonera o Magistrado de eventual responsabilidade funcional decorrente da ausência. bem como às prescrições legais constantes dos artigos 35.).).. Considerando que o Conselho da Magistratura reputou como não justificada a ausência em função do compromisso junto à AMB. com fundamento no artigo 14 da Resolução n°135/2011 do Conselho Nacional de Justiça. Considerando que na impossibilidade de prévia comunicação. com a supressão do nome da Comarca e dos envolvidos. e §3º.. ambos do Conselho da Magistratura.. I e VI da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Lei Complementar n° 35/1979) e dos Art. nos termos do §3º do Art. o Magistrado deverá comunicar ao Conselho da Magistratura o afastamento nas 48 (quarenta e oito) horas seguintes à cessação do impedimento. tendo em vista a decisão proferida no bojo da Reclamação para Garantia das Decisões nº (. nos termos do Art. somente comunicou a sua ausência no dia 21/02/2011. havendo indício de abuso. 37. inclusive. além de que sua ausência constituiu em prejuízo à prestação jurisdicional. no uso de suas atribuições legais e regimentais. no prazo de 06 (seis) meses. Juiz de Direito da (. e. determina a instauração de sindicância ou procedimento administrativo disciplinar. qualquer justificativa quanto à impossibilidade de comunicação prévia de sua ausência. para apresentar a defesa prévia que julgar cabível no prazo de quinze dias. Considerando que a possível omissão ou inadequação no cumprimento dos deveres funcionais do Magistrado sem justificativa razoável pode configurar a hipótese prevista no artigo 35. 1º. Considerando que no art. porque a despeito do Magistrado ter sido convidado em data de 02/02/2011.).Edição nº 184/2011 Recife . 1º. assim. sob o fundamento de que os critérios estabelecidos no acordo. § 3º. a Corregedoria Geral da Justiça poderá. a contar de seu início. parágrafo 4º. todos do Provimento nº 04/2008. dispõe: " o afastamento do expediente forense deverá ser objeto de comunicação prévia e fundamentada ao Conselho da Magistratura. Assim. não apresentando. R E S O L V E: Com fundamento no Art. em desobediência ao previsto no Art... 8º da Resolução n° 135/2011 do Conselho Nacional de Justiça. derivada de suposta desobediência aos deveres constitucionais consagrados no Art.. observado o prazo de 15 (quinze) dias de antecedência".). CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO. e: Considerando que a Administração Pública é regida pelos princípios da legalidade.1º do supracitado Provimento. foram devidamente incorporados ao Provimento nº04/2009. Publique-se. moralidade administrativa. do Conselho da Magistratura.5º. alterado pelo Provimento nº 4/2009. Considerando queoart. determino a notificação do Magistrado acima referido. com redação alterada pelo Provimento nº 04/2009. 14 da Resolução nº 135/2011 do Conselho Nacional de Justiça. Recife. I e VI.PE... à unanimidade.

Publique-se Recife.CGJ .Tabelião do Cartório de Registro de Imóveis de Flores/PE. Analisando os presentes autos. Ante o exposto. nem tão-pouco de inquérito policial sobre os fatos da presente reclamação. o reclamado que o aludido crime realizado pelos familiares dos Reclamantes chocou e revoltou a comarca de Flores/PE.PE. bem como informou que já fora ameaçado por integrantes das famílias marques e Patriota. por suposta ameaça de vida pratica por aquele. motivo pelo qual não se pode tão-somente nos depoimentos dos mesmos ensejar em abertura de procedimentos administrativo disciplinar. constata-se que os Reclamantes informam que o Reclamado realizou ameaças de vida aos seus familiares. 4 de outubro de 2011 Desembargador Bartolomeu Bueno Corregedor-Geral da Justiça Processo: nº 532/2011 . alegou o Reclamado que alguns dos Representantes da presente reclamação promovida em face do mesmo respondem a processo de natureza criminal. DECISÃO Trata-se de reclamação feita por Claudivania Rodrigues Patriota e outros. entretanto inexiste ação criminal. Por fim. bem como da análise dos documentos acostados aos autos. momento em que reagindo a tal investida criminosa. conforme antecedentes de fl. entretanto em face do mesmo exercer uma função pública delegatária deve manter conduta ilibada e compatível seguindo os ditames legais da Lei 8. nem tão-pouco inquérito policial competente que indiquem um lastro probatório mínimo do fato denunciado. não possuindo nenhum grau de parentesco com vítima. fatos estranhos a sua atividade cartorária. alegou primeiramente que o fato reportado pelos reclamantes como legítima defesa realizado pelos familiares dos mesmos de nome Luciolo Marques de Souza e Michel Santana Marques. conforme consta em antecedentes criminais de fls. tanto que. tendo em vista que os mesmos foram indiciados por homicídio triplamente qualificado. entre outros fatos. conforme consta em ofício de fls. 94 . Gerson Souza Santana .0610 (fls. fazendo-se necessário outros elementos probatórios que inexistem nos autos. informou que o Reclamado em face do fato supra-mencionado está ameaçando de morte todos os membros da família dos Reclamantes. repito. em desfavor da Sr. sobre o fato objeto da presente tão-somente existem depoimentos dos reclamantes que possuem de alguma forma motivos pessoais para acusar o reclamado. informou o Reclamado que as denuncias dos reclamantes são vazias. Alegam os Reclamantes que um membro de sua família sofreu uma tentativa de homicídio. Na presente hipótese. inclusive o mesmo informou ao Juízo da Comarca Flores sobre ameaças que vem sofrendo por parte de familiares dos Reclamantes. e anexou várias assinaturas atestando sua boa conduta(fls. antes dos mesmos apresentarem a presente reclamação que fora realizada em 13/06/2011. em desfavor do Sr.2011. Cuida-se de representação administrativa. declarou o reclamado que fora ouvido como testemunha no inquérito policial que ensejou processo acima aludido. inexistindo lastro probatório mínimo que permita a continuidade da apuração disciplinar.41. 45. 27 de setembro de 2011. não havendo existência de provas.8.Edição nº 184/2011 Recife . Outrossim. bem como em que pese à notória truculência dos membros das famílias Marques e Patriota jamais realizou ameaças aos membros da família do reclamante. fatos já denunciado às autoridades. outrossim. Conforme esclareceu o Reclamado. esse testemunhou no processo em que os familiares dos Reclamantes são Réus.41. determino o ARQUIVAMENTO da presente reclamação ante a ausência de lastro probatório mínimo. inclusive relatou o reclamante pelo fato realizado testemunho no processo em que familiares dos reclamados são Réus vem sofrendo denúncias absurdas. 61-74). inclusive nunca respondeu a nenhuma procedimentos criminal.Tabelião do Cartório de Registro de Imóveis de Flores/PE. terça-feira. 47/50). o Reclamado.Tabelião do Cartório de Registro de Imóveis de Flores/PE. fora esse o motivo pelo qual fora determinado que aquele prestasse esclarecimento a este órgão fiscalizador. Reclamado Gerson Souza Santana . Ademais. conseguiu atingir o criminoso com sua própria arma o que lhe levou a óbito.Tramitação nº 00889/2011 que fora arquivada pela Corregedoria Geral da Justiça por falta de lastro probatório mínimo. em 07/03/2011. bem como foram denunciados pelo Ministério Público por pratica de crime de homicídio triplamente qualificado na ação penal nº 229-42.17. divergem da conclusão do inquérito. onde foram acusados por homicídio triplamente qualificado.CGJ . Gerson Souza Santana . Decido. até porque tais fatos são concernentes a matéria criminal. Ademais. onde o mesmo informou a existência práticas delituosas realizadas por familiares dos reclamantes. Notificado a prestar esclarecimentos. o Reclamado negou veementemente que tenha realizado qualquer ameaça aos reclamantes. ao enterro da vítima compareceram cerca de três mil pessoas. conforme consta fls. (42/43). Aduziu. Em seguida. não há comprovação ação criminal instaurado em face do mesmo. inclusive uma delas fora realizada por uma pessoa que estava morta. diante das informações acima descritas.935/1994.Tramitação nº 01343/2011 Reclamante: Claudivania Rodrigues Patriota e outros. em sinal de protesto à atitude violenta de integrantes das famílias Marques e Patriota que rotineiramente se envolvem em agressões de natureza violenta. É o relatório. Processo: nº 239/2011 .

SR. Rodolfo Aureliano .Joana Bezerra) Gabinete do Juiz Corregedor Auxiliar da 3ª Entrância . terça-feira.Recife . Ilha do Leite . permanece em caráter provisório em funcionamento na Diretoria do Foro da Capital (1º andar) do Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano. 4 de outubro de 2011 Corregedoria Auxiliar . Juiz Corregedor Auxiliar da 3ª Entrância. AVISA aos Excelentíssimos (a) Senhores Magistrados e Senhoras Magistradas da 3ª Entrância. aos servidores desse Poder Judiciário e ao Público em Geral. Recife.GJCA .3ª Entrância CORREGEDORIA AUXILIAR DA 3ª ENTRÂNCIA Av. 5º andar. em virtude da interdição das dependências do 5º Andar do Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano (Fórum do Recife) ala oeste. DR: SÉRGIO PAULO RIBEIRO DA SILVA.3ª Entrância AVISO O EXMO. SÉRGIO PAULO RIBEIRO DA SILVA JUIZ CORREGEDOR AUXILIAR DA 3ª ENTRÂNCIA 95 .PE. Des. 03 de outubro de 2011.PE (Fórum Des. que a CORREGEDORIA AUXILIAR DA 3ª ENTRÂNCIA. Guerra Barreto.Edição nº 184/2011 DESESEMBARGADOR BARTOLOMEU BUENO CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA Recife . Publique-se. até ulterior deliberação.

moralidade e eficiência. no caput do art. EM EXERCÍCIO. CONSIDERANDO que referida unidade judicial possui um acervo processual de 3.056 (um mil e cinquenta e seis) processos pendentes de distribuição. Instituir Grupo Especial de Trabalho para a Vara Única da Comarca de Tabira . 322 (trezentos e vinte e dois) processos afetos às Metas 2/2009 e 2/2010.Edição nº 184/2011 Recife . NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS. 1º desta Portaria. 5º Esta Portaria produzirá seus efeitos a partir de 03 de outubro de 2011. 1. Art. terça-feira. Des. Diretor-Geral. RESOLVE: 96 .PE. Recife. acolheu integralmente a proposição apresentada pelo Exmo. 4 de outubro de 2011 DIRETORIA GERAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Portaria nº 28/2011 .838. Ficam designados os servidores abaixo para integrarem o Grupo Especial de Trabalho da unidade judiciária supracitada: Nome Cargo Matrícula Maria Sueli de Almeida Menezes servidora à disposição 177. O Grupo Especial de Trabalho será coordenado pelo Juiz José Carvalho de Aragão Neto . todos aguardando apreciação judicial. por tempo determinado.DG O Doutor Leovegildo Lopes da Mota . VICTOR REITHLER MARROQUIM. cento e sessenta e cinco) processos. o qual controlará a frequência dos integrantes. 2º. em caso de acúmulo ou volume excessivo de serviços e processos. dentre outros explícitos e implícitos na Constituição Federal. 4º Aos servidores designados para o Grupo Especial de Trabalho será atribuída. em obediência ao disposto no § 1º. 3º. 03 de outubro de 2011 Leovegildo Lopes da Mota Diretor-Geral do TJPE PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO ATO DO DIA 29 DE SETEMBRO DE 2011. Art.613-4 Maria das Dores Barros da Silva servidora à disposição 183. a qual só será implantada em folha de pagamento após a confirmação da entrega dos relatórios mensais das atividades realizadas à COPLAN.743-6 § 1º Os servidores acima designados terão exercício das 15 h às 18h .165 (três mil. a Função Gerencial Judiciária . Sr. CONSIDERANDO que a gestão da coisa pública é regida pelos princípios da legalidade. setecentos e setenta e um) processos conclusos. do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. ainda. nos termos do artigo 2º. de segunda a sexta-feira e atuarão no período de 03/10/2011 a 31/01/2012. da Lei nº 13. Art. Corregedor Geral da Justiça no sentido de declarar a Vara Única da Comarca de Tabira em regime especial pelo prazo de 180 (cento e oitenta dias). dos quais. O DIRETOR GERAL. com o objetivo de atender a decisão do Conselho da Magistratura que instalou regime especial. CONSIDERANDO que a Lei Complementar nº 100. observado o disposto nos artigos 3º e 4º.771 (um mil. do Art. do referido dispositivo legal. 1º. e. que o Conselho da Magistratura declare qualquer comarca ou vara em regime especial. RESOLVE: Art.FGJ-3. 34 autoriza. de 07/08/2009. CONSIDERANDO a decisão do Conselho da Magistratura que. no uso dos poderes conferidos por delegação da Presidência. 1. prorrogáveis por igual prazo. de 21 de novembro de 2007 (Código de Organização Judiciária do Estado de Pernambuco). Art. DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO.

Matrícula Nº 175.385-1. Gestora e Suplente dos Contratos Nº 072/11 da SBS ENGENHARIA CONSTRUÇÃO E COMÉRCIO LTDA e Nº 073/11 da CONSTRUTORA MILÃO E EMPREENDIMENTOS LTDA. Gestor e Suplente do Convênio Nº 041/11 da AGÊNCIA ESTADUAL DE PLANEJAMENTO E PESQUISAS DE PERNAMBUCO-CONDEPE/FIDEM.Designar o Sr. Nº 379 /11 DG .Designar os servidores ANAPAULA PINTO DE OLIVEIRA.Designar os servidores GLEANE MARIA RODRIGUES GONÇALVES. Gestora e Suplente do Contrato Nº 010/11 da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL.Designar as servidoras MARIA JOSÉ MARINHO BATISTA BARBALHO.870-0 e DANIELA GUEDES ALMINO PESSOA.195-5 e AMAURI LEÃO BRASIL. Matrícula Nº 157.189-8. 4 de outubro de 2011 Nº 378/11 DG .822-6. Nº 382/11 DG . Dra.641-6 e DIONE CARNEIRO DA CUNHA OLIVEIRA.680-9 e ILDEFONSO LUIZ ANDRADE DE ALMEIDA. do Fórum da Comarca de Rio Formoso. FERNANDA PESSOA CHUAHY DE PAULA . da Secretaria de Gestão de Pessoas.Designar a servidora IZABEL CRISTINA DE FREITAS FLORÊNCIO.398-2 e MARIANA INOJOSA MEDEIROS DE ARAÚJO LIMA.477-6. Matrícula Nº 180. Nº 389/11 DG . Matrícula Nº 184. Matrícula Nº 180. Nº 383 /11 DG . Matrícula Nº 178. Matrícula Nº 177.636-9 e EDSON SANTOS AGRA. Matrícula Nº 178. PAULO EMÍLIO TAVARES PESSOA DE MELO. Nº 384/11 DG . Nº 388/11 DG . da Diretoria de Infraestrutura. Matrícula Nº 175.461-1.Designar as servidoras SUZANA AZOUBEL. da Assessoria de Comunicação. Matrícula Nº 176.411-3. terça-feira. Matrícula Nº 178. Gestora e Suplente do Convênio Nº 028/11 do MUNICÍPIO DE PESQUEIRA. Matrícula Nº 177.Designar as servidoras ANA LUIZA FERREIRA CORREIA. ISABELLA AUGUSTA P. da Secretaria de Gestão de Pessoas. Gestor e Suplente do Contrato Nº 122/11 da DAFONTE RENOVADORA DE PNEUS LTDA.Designar as servidoras TIZIANA TAVARES ALVES. da Diretoria de Engenharia e Arquitetura. Gestor e Suplente do Contrato Nº 124/11 da ELEVADORES ATLAS SCHINDLER S/A.647-9 e MARCELO SALES CARDOSO DA SILVA Matrícula Nº 184. Matrícula Nº 183. da Diretoria de Infraestrutura.da Coordenadoria do Planejamento.Edição nº 184/2011 Recife .002-7 e MANOEL OLÍMPIO DA SILVA. Nº 385/11 DG . do Fórum da Comarca de Serrita.581-7. Gestor e Suplente do Contrato Nº 128/11 da ABSOLUTE ESCRITÓRIOS INTELIGENTES LTDA.613-9. Matrícula Nº 184.742-9. Nº 386 /11 DG . Matrícula Nº 183.853-7 e MARCOS ANTÔNIO ALMEIDA DA SILVA. da designação de Suplente dos Convênios Nº 089/10 do MUNICÍPIO DE SERRITA e Nº 131/10 do MUNICÍPIO DE CORRENTES. da Coordenação Geral dos Juizados Especiais. Matrícula Nº 184. Nº 380/11 DG .Dispensar o servidor FAUSTER BARBOSA FERREIRA. da Diretoria de Infraestrutura.Designar o servidor FRANCISCO THIAGO ALVES.578-5 e a servidora SANDRA MAIA MENDES DE LIMA. Suplente do Convênio Nº 010/10 do MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DA COROA GRANDE.965-2 e JOSÉ ROBERTO PEREIRA DA SILVA. da Diretoria de Infraestrutura. Matrícula Nº 184. Matrícula Nº 176. do Fórum da Comarca de Correntes.Designar os servidores MARIA JULIANA GUSMÃO BARBOSA LEMOS DE ALMEIDA.Designar a servidora IRACI MORAES GUEIROS.022-5. Suplente do Convênio Nº 131/10 do MUNICÍPIO DE CORRENTES. Matrícula Nº 184.Designar os servidores RICARDO ALBUQUERQUE VASCONCELOS. Nº 391/11 DG . Gestor e Suplente do Contrato Nº 117/11 da PREVENÇÃO INDUSTRIAL LTDA-EPP. Nº 390/11 DG . G. Gestora e Suplente do Contrato Nº 013/11 do TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO.Designar os servidores REGINALDO PEREIRA DA COSTA. Matrícula Nº 176. Matrícula Nº 183. Suplente do Convênio Nº 089/10 do MUNICÍPIO DE SERRITA. MAGALHÃES. Gestora e Suplente do Contrato Nº 085/11 da ELEVADORES ATLAS SCHINDLER.122-7 e a Exma. Nº 392/11 DG .333-8.022-8. do Fórum da Comarca de Pesqueira. Matrícula Nº 177.015-0. Matrícula Nº 169.PE. Matrícula Nº 179. Matrícula Nº 177. Nº 381/11 DG . da Diretoria de Engenharia e Arquitetura.355-0. do Fórum da Comarca de São José da Coroa Grande. Matrícula Nº 176. Gestora e Suplente do Contrato Nº 125/11 da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Nº 393/11 DG .Designar os servidores ÂNGELO FÁBIO DA SILVA.684-6.Designar a Dra.632-1 e. Matrícula Nº 184. Gestora e Suplente do Contrato Nº 127/11 de ANTÔNIO RODRIGO MOREIRA ARAÚJO FILMAGEM E VÍDEOS. Nº 387/11 DG . 97 .

Matrícula Nº 182. Matrícula Nº 182. PAULO EMÍLIO TAVARES PESSOA DE MELO. 4 de outubro de 2011 Nº 394/11 DG . PAULO EMÍLIO TAVARES PESSOA DE MELO.Designar o Sr. leia-se:".855-0 e KLEBER ALVES LEAL.128-8.249-7 Gestor e Suplente do Contrato Nº 114/11 da UNITECH RIO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA.Retificar Ato Nº 226/11-DG. Gestora e Suplente do Convênio Nº 029/11 do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PESQUEIRA .237-8.684-6.398-2. do Fórum Rodolfo Aureliano.PE.831-2 e FERNANDA CARLA DE MELO BARBOSA. Matrícula Nº 183. Nº 395/11 DG . do Fórum da Comarca de Pesqueira. Matrícula Nº 182. Matrícula Nº 137. de 27/05/11.Edição nº 184/2011 Recife . Matrícula Nº 181. HUMBERTO COSTA VASCONCELOS JÚNIOR. Nº 398/11 DG .Designar as servidoras ALEXANDRA FLÁVIA SIQUEIRA. Bel. e ANA LUIZA FERREIRA CORREIA. Matrícula Nº 171. F. Nº 396/11 DG .ISEP.Designar os servidores LAERT DE MENEZES SILVA. EM EXERCÍCIO 98 . Gestor e Suplente do Termo de Cessão de Uso Nº 009/11 da V. Gestor do Convênio Nº 026/09 do MINISTÉRIO DA JUSTIÇA". publicado no DJE do dia 31/05/11. Gestor do Convênio Nº 026/09 do MINISTÉRIO DA JUSTIÇA". Dr. Gestora e Suplente do Contrato Nº 120/11 do INSTITUTO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO.578-5.882-7. onde se lê: "Designar o Sr. Nº 397/11 DG . Matrícula Nº 183.Designar as servidoras MARIANA INOJOSA MEDEIROS DE ARAÚJO LIMA. Matrícula Nº 171. Matrícula Nº 184.109-6 e a servidora JOSELMA MARIA SANTANA CORREIA DE SOUZA. VICTOR REITHLER MARROQUIM DIRETOR GERAL DO TJPE.Designar o Exmo. da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação. da Secretaria de Gestão de Pessoas. COMÉRCIO DE EQUIPAMENTO REPROGRÁFICOS E SERVIÇOS LTDA. terça-feira.

prorrogável por iguais e sucessíveis períodos de acordo com a Portaria nº 32 de 01 de setembro de 2011. TERCEIRO TERMO ADITIVO AO TERMO DE CONTRATO Nº 074/2009. Dotação orçamentária: programa de trabalho: 0206105782772. Processo Administrativo RP nº027481/2011 (2102/11-CJ) . 37. árbitros e juízes. com divisórias de isolamento acústico. Centro-Sertânea. CONTRATO Nº 138/2011.00299192-09. em instalações da própria Instituição conveniada de. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 65732/11 (1033/11-CJ). exclusivamente. em instalações da própria Instituição conveniada de. Objeto: Prorrogação até 31 de julho de 2012. 01(um) espaço de apoio e espera para conciliadores.09. para implantação de uma CÂMARA DE CONCILIAÇÃO. a partir de 04 de outubro de 2011.42% (quinze vírgula quarenta e dois por cento) ao valor inicialmente fixado na concessão. s/nº. As despesas neste exercício correrão por conta da dotação orçamentária: programa de trabalho 0212605782775. e pela Portaria Nº 01/2008 de 01. neste último caso. parágrafo único da Lei Complementar do Estado de Pernambuco no tocante a elaboração de convênios de colaboração. mediadores. mediadores. segundo técnicas apropriadas e procedimentos estabelecidos pela Resolução nº 222/2001 de 04.2007TJPE. 4 de outubro de 2011 SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EXTRATOS DE CONTRATOS E CONVENIOS CONTRATO DE CESSÃO SOB REGIME DE UTILIZAÇÃO GRATUITA Nº 137/2011.164. mediação ou arbitragem. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 060106/11 (1386/11-CJ). com estantes para guarda e conservação dos procedimentos e almoxarifado. Fica prorrogado por 12(doze) meses. 02(dois) espaços. O referido convênio não contempla repasse de recursos financeiros de uma a outra parte. terça-feira. PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 093/2010. Objeto: Ajustar.11. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 059808/11 (984/11-CJ). neste último caso. do prazo de entrega dos livros "Memória Judiciária de Pernambuco" e "relatório de Atividades do Poder Judiciário Estadual. Objeto: Formalizar a cooperação e a ação conjunta entre as partes.11. natureza da despesa: 339039. com divisórias de isolamento acústico.00 m² e benfeitorias de 366. MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM. fonte: 104. 01(um) espaço de apoio e espera para conciliadores. NE nº 2913 de 15.09. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 101029/11 (1642/11-CJ). Base Legal: Processo Administrativo RP nº 099732/11 (1721/11-CJ). devendo cada um dos convenentes arcar com as despesas necessárias ao cumprimento de suas obrigações com dotação orçamentária própria. Objeto: Reforma do Fórum da Comarca de Sertânia/PE. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 65750/11 (1032/11-CJ). TJPE/ESTADO DE PERNAMBUCO/SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO. com franquia de 8.2008 da Coordenadoria Geral das Centrais de Conciliação. com divisórias de isolamento acústico. entre si. para a realização de sessões de conciliação.Edição nº 184/2011 Recife . Convite nº 006/2011-CPL/OSE. o qual se regerá pela legislação de direito administrativo e pela Lei nº 8. bem 99 .666/93. para a realização de sessões de conciliação. ainda assegurado o respeito ao art.07.56 a partir de 1º de agosto de 2011. 102525/11 e 46051/10 (1141/11-CJ). a vigência a partir de 1º setembro de 2011. O referido convênio não contempla repasse de recursos financeiros de uma a outra parte. Prazo de vigência: 02(dois) anos. e pelo menos. exclusivamente. no mínimo: 01(um) espaço adequado para recepção e espera. Objeto: Formalizar a cooperação e a ação conjunta entre as partes. PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO TERMO DE CONCESSÃO DE USO Nº 007/2011. laboratório de informática e arquivo morto. para implantação de uma CÂMARA DE CONCILIAÇÃO.86.2008 da Coordenadoria Geral das Centrais de Conciliação. independentemente de limite de valor. NE nº 2753 de 30. com estantes para guarda e conservação dos procedimentos e almoxarifado. natureza da despesa: 339037. neste último caso. correspondente a 9. bem como o prazo de execução. relativamente à cessão de servidores. Objeto: Formalizar a Cooperação Técnica e Administrativa de ação conjunta dos convenentes. TJPE/SOCIEDADE AMIGOS DA INSTRUÇÃO DO JATINÁSAIJ/ FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E EXATAS DO SERTÃO DO SÃO FRANCISCO-FACESF. CONVENIO Nº 046/2011. devendo cada um dos convenentes arcar com as despesas necessárias ao cumprimento de suas obrigações com dotação orçamentária própria. MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM.PE. a celebração do presente termo aditivo ao convenio nº 213/2010. mediação ou arbitragem.09. TJPE/CONSTRUTORA DELFOR LTDA. com fundamento no art. Objeto: Supressão de 15. 01(um) espaço para secretaria da Câmara. ambos da Constituição Federal.09. a partir de 16. a partir de 22. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 088652/11 (2336/10-CJ). fonte 101. 01(um) espaço para secretaria da Câmara. CONVENIO Nº 045/2011.11 no valor de R$ 402. Prazo de vigência: 02(dois) anos.60. em conflitos em que a lei admita acordo ou transação. 02(dois) espaços.07. TJPE/SOCIEDADE PERNAMBUCANA DE ENSINO SUPERIOR-SOPES/FACULDADE INTEGRADA DE PERNAMBUCO-FACIPE.2008 da Coordenadoria Geral das Centrais de Conciliação.11 Base Legal: Processo Administrativo RP nº 47488/11 (0680/11-CJ). segundo técnicas apropriadas e procedimentos estabelecidos pela Resolução nº 222/2001 de 04. no mínimo: 01(um) espaço adequado para recepção e espera. Objeto: Formalizar a cooperação e a ação conjunta entre as partes. com estantes para guarda e conservação dos procedimentos e almoxarifado. a serem utilizadas. a serem utilizadas. Prazo de vigência: 20 (vinte) anos.2007TJPE. Mediação e Arbitragem. Mediação e Arbitragem.04.07. para a realização de sessões de conciliação. caput c/c art. no que diz respeito à composição ou reparação civil do dano. no que couber. árbitros e juízes. Prazo de vigência: 02(dois) anos. com banheiros para o público masculino e feminino. TJPE/WELLPARK ESTACIONAMENTO E SERVIÇOS LTDA. NONO TERMO ADITIVO AO CONVENIO Nº 021/2009. localizado na Praça Padre Atanázio. TJPE/MUNICIPIO DO IPOJUCA. 01(um) espaço de apoio e espera para conciliadores. em instalações da própria Instituição conveniada de. Base Legal: Processo nº 10480. Estado de Pernambuco. nº 549. CONVENIO Nº 047/2011. mediadores.04. passando a corresponder a 181(cento e oitenta e uma) vagas. inclusive de família e criminais. Prazo de vigência: 120(cento e vinte) dias consecutivos contados a partir de 28. com área de 188. no mínimo: 01(um) espaço adequado para recepção e espera. segundo técnicas apropriadas e procedimentos estabelecidos pela Resolução nº 222/2001 de 04.Biênio 2008/2010".249. no que diz respeito à composição ou reparação civil do dano. com o valor mensal de R$ 11.16 m². O referido convênio não contempla repasse de recursos financeiros de uma a outra parte. Mediação e Arbitragem.380. com banheiros para o público masculino e feminino.000(oito mil) chamados. CONVENIO Nº 043/2011.09. a serem utilizadas. árbitros e juízes. e pela Portaria Nº 01/2008 de 01.000(nove mil) chamados mensais. independentemente de limite de valor. e pelo menos. 01(um) espaço para secretaria da Câmara. PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONVENIO Nº 213/2010. Valor total: R$ 19. Prazo de vigência: 24(vinte e quatro) meses.09. TJPE/SECRETARIA DO PATRIMONIO DA UNIÃO/ GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO.08. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 058723/11.11. inclusive de família e criminais. mediação ou arbitragem. exclusivamente. com banheiros para o público masculino e feminino. 21. devendo cada um dos convenentes arcar com as despesas necessárias ao cumprimento de suas obrigações com dotação orçamentária própria. TJPE/NET SERVICE LTDA. município de Petrolina. do prazo da clausula sexta. para implantação de uma CÂMARA DE CONCILIAÇÃO. Objeto: Prorrogação em 12(doze) meses. 241. a partir de 15. TJPE/MUNICIPIO DE PALMEIRINA.11. e pelo menos. TJPE/SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE SERRA TALHADA-SESST/FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO-FIS. em conflitos em que a lei admita acordo ou transação. no que diz respeito à composição ou reparação civil do dano.11. com validade e eficácia legal após a publicação do extrato no DJE. inclusive de família e criminais.2007-TJPE. Objeto: Cessão sob a forma de utilização do imóvel localizado na Rua São Francisco. TJPE/CCS GRÁFICA E EDITORA COMERCIO E REPRESENTAÇÃO LTDA. para implantação à instalação e funcionamento da Vara Cível na Comarca. a partir de 19. bairro Atrás da Banca. Objeto: Supressão de 25% (vinte e cinco por cento) do valor original. MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM. independentemente de limite de valor. 02(dois) espaços.04. e pela Portaria Nº 01/2008 de 01. em conflitos em que a lei admita acordo ou transação.

00. Objeto: Prorrogar o prazo de vigência. a partir de 21. 03) e Proposta Comercial (fl. do prazo de vigência. a partir de 04. apontados no Parecer nº 021/2011-CAB/TJPE como absoletos antieconômicos e inservíveis ao TJPE. natureza da despesa 339033.Edição nº 184/2011 Recife .419. TERMO DE CONCESSÃO DE USO DE BEM PÚBLICO Nº 015/2011. consoante Termo de Referência (fl. Valor total: R$ 43. As despesas do exercício subseqüente correrão à conta da dotação orçamentária a ser consignada com o advento da LOA/2012. bem como alteração da clausula segunda e terceira com efeitos a partir de 27.11 com validade e eficácia legal após a publicação do extrato no DJE. 03 de Outubro de 2011. PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 073/2011.PE. TJPE/UNIÃO/MINISTÉRIO DA JUSTIÇA/SECRETARIA DE REFORMA DO JUDICIÁRIO. Mary Anne Briano Nunes Secretária de Administração Adjunta em Exercício PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO A SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO ADJUNTA EM EXERCÍCIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO. NE nº 2969 no valor de R$ 20.800. Revista Brasileira de Direito Público e Revista de Direito Administrativo e Constitucional" .-ME. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 102165/11 (1643/11-CJ).00. Objeto: Doação de bens móveis. TERMO DE APOSTILAMENTO Nº 037/2011. TERMO DE DOAÇÃO DE BENS MÓVEIS Nº 021/2011.700. Dotação (orçamentária: a) natureza da despesa: 339092. com participação de servidores.09. situado na Avenida Senador Salgado Filho. fonte: 104. Mary Anne Briano Nunes Secretária de Administração Adjunta em Exercício 100 .00. ação 2772. PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONVENIO Nº 028/2010. Objeto: Solução de pendências financeiras relativamente à prestação do curso de "Pós-Graduação em Medicina do Trabalho". TERCEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 146/2009. a partir de 26.719.02. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 111334/11 (2031/11-CJ). NE nº 2907 de 14. por mais 12(doze) meses.09. por mais 12(doze) meses. de 30 de julho de 2011 até 30 de julho de 2012. Objeto: Fica apostilada ao contrato de Prestação de Serviços nº 129/2011. NE nº 2624 de 19.00 já incluso a taxa de energia elétrica e água inclusive nos períodos de recesso forenses. Recife.11.10. TJPE/MUNICIPIO DE CACHOEIRINHA. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 100918/11 (1600/11CJ).09. TJPE/ CONSTRUTORA MILÃO E EMPREENDIMENTOS LTDA.769. TJPE/TRANS-SERV .00 (quatro mil. SEGUNDO TERMO ADITIVO AO CONVENIO Nº 074/2008. para contratar a empresa EDITORA FÓRUM LTDA . Base Legal: Processo Administrativo RP nº 052866/2009(1578/2009-CJ). NE nº 2625 de 19.00 totalizando R$ 29. argumentos que se fundamentam no art. As despesas correrão à conta da dotação orçamentária: projeto 5941.508.666/93 e alterações posteriores. "Fórum de Direito Urbano e Ambiental.11 no valor de R$ 27.11 no valor de R$ 3.00.11 nos valores R $ 8. TJPE/WD SERVIÇOS COMÉRCIO DE PLACAS LTDA-EPP. fonte: 104. b) natureza da despesa: 339039.11. Objeto: Prorrogação. TJPE/CCS GRÁFICA EDITORA COMÉRCIO E REP. Objeto: Prorrogação.TRANSPORTES E SERVIÇOS LTDA.NÚCLEO DE ESPECIALIZAÇÃO E EVENTOS LTDA. PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 115/2010. terça-feira. com valor total da proposta de R$ 4.08. EXAROU EM DATA DE 30/09/2011 A SEGUINTE DECISÃO: PROCESSO ADMINISTRATIVO RP Nº 123917/2011 OPINATIVO Nº 104/2011 . TJPE/PORTAL F.102.803/0001-92 . s/nº Centro. fonte: 101. da Lei nº 8.2011.398.Base Legal: Processo Administrativo RP nº 106096/11 (1899/11-CJ). quinhentos e oito reais).646. Prazo de vigência: 24(vinte e quatro) meses. com efeito. fonte 104. natureza da despesa 339039.11. natureza da despesa 449052. NE nºs 2986 e 2987 de 23. programa de trabalho: 0212805782773. em 24(vinte e quatro) meses. 04).00. natureza da despesa 339030.11 no valor de R$ 15.08. objetivando a renovação da assinatura dos periódicos. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 088145/2011 (1569/11-CJ).CPL/OSE INEXIGIBILIDADE Nº 79/2011-CPL/OSE RATIFICAÇÃO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO Reconheço e ratifico a Inexigibilidade de Licitação mediante as razões do Opinativo nº 104/2011-CPL/OSE e Parecer nº 2249/2011-CJ. e programa de trabalho 0206105772781. As despesas correrão à conta da dotação orçamentária: projeto de trabalho 0212205782770.CNPJ Nº 41. inciso I. programa de trabalho: 0212805782773. 4 de outubro de 2011 como alteração da clausula segunda e terceira. Paulista/PE.00 e R$ 21. MARY ANNE BRIANO NUNES. do espaço reservado no Fórum de Paulista. O valor mensal da concessão é de R$ 350. do prazo de vigência. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 119379//11 (2068/11-CJ). Objeto: Acrescer em 5%(cinco por cento) o valor inicial do Contrato para execução de serviços de adaptação e recuperação do imóvel para instalação da Central de Juizados. Pregão Presencial nº 014/2011-CPL/OSE.28. Base Legal: Processo Administrativo nº 1586/2011-CJ. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 068290/11 (2038/11-CJ). bem como Reformular o Plano de Trabalho elaborado pelo convenente e aprovado pela concedente. 25. TERMO DE AJUSTE DE CONTAS Nº 007/2011. com área aproximadamente de 12m² para instalação de lanchonete destinada à comercialização de refeições e lanches para os usuários e operadores da Justiça de conformidade com as especificações e exigências do edital e anexo. fonte: 104. as informações orçamentárias: programa de trabalho 0206105772781. Base Legal: Processo Administrativo RP nº 083948/11 (1761/11-CJ). LTDA. TJPE/MARIA DO BOM PARTO DE ARAÚJO SILVA Objeto: Concessão de uso de bem público. fonte 101. Objeto: Prorrogação. TJPE/SECRETARIA DE DEFESA SOCIAL DE PERNAMBUCO /SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO INTEGRADA.500.

Solicitação s/nº .Edição nº 184/2011 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Recife .Ref. PARTICIPAR DE REUNIÃO A RESPEITO DE DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA A 6ª EDIÇÃO DA SEMANA NACIONAL DE CONCILIAÇÃO. com o valor unitário de R$ 800.JUÍZO DE DIREITO DA COMARCA DE AGRESTINA . MARY ANNE BRIANO NUNES. terça-feira. 12 À 13/09/2011: "Autorizo". 03 de outubro de 2011. RECIFE. Suprimento em favor de BRUNO JOSÉ ACIOLY GALVÃO COSTA: "Autorizo". 4º. Mary Anne Briano Nunes Secretária de Administração Adjunta em exercício Comissão Permanente de Licitação/OSE RESULTADO DE PREGÃO PREGÃO PRESENCIAL nº 15/2011-CPL/OSE Objeto: Contratação de empresa para publicação de avisos e editais de licitação e outros afins de interesse do Tribunal de Justiça em jornal de grande circulação na cidade do Recife. 1ª colocada do Lote Único. Diárias em favor do Dr.520/02.PE.JUÍZO DE DIREITO DA COMARCA DE PALMARES . RECIFE. SEBASTIÃO DE SIQUEIRA. 28 À 29/09/2011: "Autorizo". nos termos do art. PARTICIPAR DE REUNIÃO NORMATIVA. Recife.Ref.00 (oitocentos reais). QUE TERÁ FINALIDADE DE EQUALIZAR AS NORMAS E ATIVIDADES PERTINENTES À APLICAÇÃO DAS PROVAS DA SELEÇÃO PÚBLICA DO SERVIÇO VOLUNTÁRIO PJPE. EXAROU EM DATAS DE 12/09 À 03/10/2011 OS SEGUINTES DESPACHOS: Solicitação s/nº . Maria Celeste Pereira Pregoeira. XV. da Lei 10.JUÍZO DE DIREITO DA COMARCA DE BOM JARDIM . 4 de outubro de 2011 A SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO ADJUNTA EM EXERCÍCIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO. Solicitação s/nº . A pregoeira declara vencedora a empresa NAE-NORDESTE ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA EPP.Ref. Diárias em favor de SIMONE KARINA BEZERRA DUARTE. AUXILIAR JUDICIÁRIO. JUIZ DE DIREITO. 101 .

09.Iati.11. MARIA VALÉRIA PRAGANA DE OLIVEIRA DIAS. LINK CAPACITAÇÃO. Lagoa dos Gatos. Calçado. NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES. na 2ª Vara do Tribunal do Júri da Capital. Caetés.11. ESTARÃO ABERTAS DO DIA 04 ATÉ 14/10 ATRAVÉS DA INTRANET DO TJPE. AS INSCRIÇÕES PARA MAGISTRADOS. Catende. Palmeirina.07. Canhotinho.lotar SANDRA EVANGELISTA DE SOUZA. São João. HELIÓPOLIS OFICINA DE BRAILLE Mês Outubro Dias 17. Nº 1164/11 .11. a partir de 22. matrícula 1820990. Angelim. Lagoa de Ouro. matrícula 1846876. Correntes.18 e 19 Carga horária 12h Turno Tarde 14 às 18 horas Nº Participantes 40 COMARCAS PARTICIPANTES:Garanhuns. Gravatá. Bom Conselho. PORTARIAS DO DIA 03 DE OUTUBRO DE 2011. a partir de 12. 479. na Diretoria do Fórum da Comarca de Ipojuca. Técnico Judiciário TPJ. RESOLVE: Nº 1162/11 . Quipapá. 18 e 19 Carga horária 12h Turno Manhã 08 às 12 horas Nº Participantes 40 OFICINA DE LIBRAS Mês Outubro Dias 17. MINISTRO ERALDO GUEIROSN LEITE – AV. Nº 1163/11 . servidor à disposição. Lajedo. RUI BARBOSA. A SECRETÁRIA DE GESTÃO DE PESSOAS DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO. na Vara Única da Comarca de Santa Maria da Boa Vista. Cupira.10. a partir de 01. Brejão. Jurema. 4 de outubro de 2011 SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DIRETORA: CLAUDIA MARIA LAGRECA LEAL MIRANDA OFICINAS DE LIBRAS E BRAILLE ENCONTRAM-SE ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA AS OFICINAS DE BRAILLE E LIBRAS QUE SERÃO REALIZADAS NO AUDITÓRIO DO TRIBUNAL DO JÚRI DE GARANHUNS.lotar SANDRA MARIA VASCONCELOS.lotar FERNANDA CARLA DE ARAGÃO SOARES. servidor à disposição. terça-feira. Palmares. SERVIDORES EFETIVOS E À DISPOSIÇÃO.Edição nº 184/2011 Recife . 102 . Jupi. Saloá.PE. Águas Belas. matrícula 1846884. FORUM DR.

09. e de consequência.332/2007. Isto posto. que emitiu a Cota de fl.Edição nº 184/2011 MARIA VALÉRIA PRAGANA DE OLIVEIRA DIAS Secretária de Gestão de Pessoas Recife . 27 de setembro de 2011. o expediente foi objeto de análise pela Consultoria Jurídica. 16. indefiro o pedido formulado no processo abaixo especificado. opinando pelo indeferimento e. da Diretoria de Desenvolvimento Humano da Secretaria de Gestão de Pessoas. consequentemente. nos termos do art. PROCESSO 1680/2011 REQUERENTE NADJA ALVES DA SILVA Recife. pela alteração do despacho de fl. especificamente em relação à servidora NADJA ALVES DA SILVA. com fundamento no art. 10. razão pela qual não pode ser considerada novamente para efeito de concessão da Gratificação requerida. regulamentada pela Resolução nº 252/2009 deste Tribunal. 11 da Resolução em questão. PARECER CONS. JOSÉ FERNANDES DE LEMOS PRESIDENTE 103 . e 11 dos autos.PE. terça-feira. 4 de outubro de 2011 DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DIRETORA: CLAUDIA MARIA LAGRECA LEAL MIRANDA DESPACHO A requerente pleiteia o pagamento de Gratificação de Incentivo à Qualificação Funcional. Ato contínuo. 03. conforme art. 4º da Lei Estadual nº 10. o pleito foi analisado pela Diretoria de Desenvolvimento Humano da Secretaria de Gestão de Pessoas. Instrui o pedido com o documento de fl. 09v. uma vez que a graduação apresentada já era pré-requisito para ingresso no cargo da servidora. que entende necessário e suficiente para colmatar as exigências preconizadas na lei e na norma infralegal. Cumprindo o rito constante do art. II.173/1988. torno sem efeito o Despacho de fl. bem como no Parecer da Consultoria Jurídica e na Cota de fls. criada pela Lei nº 13. 10. com base nas informações contidas nos documentos de fls. uma vez que o curso apresentado constituiu requisito para nomeação para o antigo cargo de Escrevente (atual cargo de Analista Judiciário).332/2007 c/c o artigo 3º. da Resolução nº 252/2009.GIQF.JURÍDICA 2206/2011 DES. 09. II da Lei Estadual nº 13. bem como no Edital do Concurso Público nº 01/1989. 3º. II da Resolução nº 252/2009. que também entendeu pela impossibilidade de concessão da Gratificação de Incentivo à Qualificação Funcional .

Recife. 3. 2. 27 de setembro de 2011. DECISÃO UNÂNIME. em CONCEDER A SEGURANÇA para anular o ato eliminatório. terça-feira. NOMEAÇÃO PARA O CARGO DE SOLDADO DA POLÍCIA MILITAR ESTADUAL. 2011. ANTECEDENTE POLICIAL NÃO INFORMADO. Decisão unânime ACÓRDÃO Vistos. CONCESSÃO DE SEGURANÇA DEFERIDA.Edição nº 184/2011 Recife . 1. restabelecendo a nomeação do impetrante no cargo de Soldado da Polícia Militar Estadual. A validade dos atos administrativos está vinculada à motivação apresentada pela Administração Pública. 0236460-3 Impte. deve o ato ser considerado nulo. CONCURSO PÚBLICO.14280 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado FERNANDO ANTONIO BATISTA FERREIRA 001. à unanimidade. salvo prova em contrário. deve prevalecer a presunção de que o fato era desconhecido. Jones Figueirêdo : Juiz Paulo Torres P. JUSTIÇA GRATUITA. Foge aos padrões da razoabilidade exigir do candidato que informe sobre a existência de um fato que desconhece. enquanto isso não ocorre. da Silva : 21/09/2011 Ordem Processo 001 0236460-3 EMENTA: MANDADO DE SEGURANÇA. Juiz Paulo Torres Relator Substituto ACÓRDÃOS 104 . Tudo conforme a ementa. Advog Impdo. Secretário de Defesa Social do Estado de Pernambuco. NULIDADE DO ATO DE ELIMINAÇÃO DO CONCURSO. Segurança concedida. 3. Procdor Procdor Procdor Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Mandado de Segurança : Francisco Jorge Ramos Pena e Sousa : FERNANDO ANTONIO BATISTA FERREIRA : Secretário de Defesa Social : Luciana Rorfe de Vasconcelos : Gilson Silvestre da Silva : Antônio Figueirêdo Guerra Baltrão : Aguinaldo Fenelon de Barros : 2º Grupo de Câmaras Cíveis : Des. 4 de outubro de 2011 DIRETORIA DE DOCUMENTAÇÃO JUDICIÁRIA Diretoria de Documentação Judiciária Gerência de Jurisprudência e Publicações A Diretora da DIDOC informa a quem interessar possa que foram publicados nesta data os seguintes feitos: ACÓRDÃOS 2º Grupo de Câmaras Cíveis Emitida em 03/10/2011 Relação No. AUSÊNCIA DE PROVA DE CONHECIMENTO DO FATO. e os votos que fazem parte integrante da presente decisão. ACORDAM os Desembargadores integrantes da Quarta Câmara Cível. Sendo a citação o ato processual através do qual a parte ré toma conhecimento da existência de processo contra sua pessoa.PE. Sr. de modo que não sendo provado o motivo determinante. relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 236460-3 em que figuram como Impetrante Francisco Jorge Ramos Pena e Souza e como Impetrado Exmo.

conforme Regimento I.66. impondo-se o decreto da extinção da demanda com fulcro no inciso IV do artigo 267 do Código de Processo Civil. 1) Caberia à parte autora requerer o chamamento editalício e viabilizar. DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. ACÓRDÃO Vistos. pois a falta de citação obsta a angularização do processo. INCISO IV. relatados e discutidos estes autos do Agravo 0232618-3/01. 2) Diante desse cenário. III : REAL HOSPITAL PORTUGUÊS DE BENEFICÊNCIA EM PERNAMBUCO : ROSEMARY GOMES ASFORA : e Outro(s) . III : CLAUDIA MARIA SILVA DE AQUINO : Rômulo Nei Barbosa de Freitas Filho : e Outro(s) . por óbvio. III : SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE OLINDA . DO CPC SEM A DEVIDA INTIMAÇÃO PESSOAL DA PARTE AUTORA CONSTITUI CERCEAMENTO DE DEFESA. III : CLAUDIA MARIA SILVA DE AQUINO : Rômulo Nei Barbosa de Freitas Filho : e Outro(s) . DECISÃO TERMINATIVA EM APELAÇÃO. nos termos do voto do Des.557. à unanimidade de votos. 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Relação No.66.conforme Regimento Interno TJPE art. ALEGAÇÃO DE QUE A EXTINÇÃO BASEADA NO ARTIGO 267. a inação do recorrente dá ensejo à ausência de pressuposto processual. APLICÁVEL A REGRA DO ARTIGO 267.66. a. Orig. do Código de Processo Civil.17.SISMO : Cláudio Itanagé Souza : e Outro(s) . III : 1ª Câmara Cível : Des. Des. T.66. DECISÃO UNÂNIME. Frederico Ricardo de Almeida Neves : 0021104-61. AGRAVO CONHECIDO. ART.0001 (232618-3) : 20/09/2011 EMENTA RECURSO DE AGRAVO. III 001. na conformidade da ata de julgamento. as publicações dos editais. 0232618-3/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Apelado Advog Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Relator. Julgado em Ordem Processo 001 0232618-3/01 001 0232618-3/01 001 0232618-3/01 001 0232618-3/01 001 0232618-3/01 Agravo : Recife : 30º Vara Cível : REAL HOSPITAL PORTUGUÊS DE BENEFICÊNCIA EM PERNAMBUCO : Ubirajara Emanuel Tavares de Melo : e Outro(s) . PORÉM IMPROVIDO. III.66. acordam os Desembargadores componentes da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. III : SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE OLINDA . CPC. Recife. Frederico Ricardo de Almeida Neves 105 .2004.66.conforme Regimento Interno TJPE art.SISMO : Cláudio Itanagé Souza : e Outro(s) .PE.conforme Regimento Interno TJPE art. inciso II. em negar provimento ao agravo. terça-feira.conforme Regimento Interno TJPE art. CABÍVEL O CHAMAMENTO EDITALÍCIO. com base no artigo 231.Edição nº 184/2011 1ª Câmara Cível Recife . o que impede a formação e desenvolvimento regular deste.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art.14279 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Cláudio Itanagé Souza ROSEMARY GOMES ASFORA Rômulo Nei Barbosa de Freitas Filho Ubirajara Emanuel Tavares de Melo e Outro(s) . MANIFESTAÇÃO EXPRESSA ACERCA DO ANDAMENTO DO FEITO. 26 de setembro de 2011.8. AUSÊNCIA DE INDICAÇÃO DO ENDEREÇO DA RÉ. 2011.

as qualidades e condições econômicas dos litigantes. acusa consumidor de furtar/desviar energia elétrica. a. 106 . Alberto Nogueira Virgínio : 0001091-74. T. considerando o abalo moral sofrido pelo usuário dos serviços. 4. RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE. Mérito. É parte legítima a concessionária de energia elétrica que. os danos morais e sendo cabível. T.PE. MANUTENÇÃO DO QUANTUM INDENIZATÓRIO. motivo pelo qual não há o que se falar em ilegitimidade passiva ad causam. III : DELISAMA DO CARMO VIEIRA : Célio José Ferreira : 2ª Câmara Cível : Des.RECURSO DE AGRAVO EM APELAÇÃO CÍVEL.0420 (246535-8) : 21/09/2011 EMENTA . negou-se provimento ao recurso de agravo.66. a honra da parte apelada foi atingida pelas acusações de fraude no medidor de energia elétrica. Preliminar de ilegitimidade passiva ad causam rejeitada. da atitude dos prepostos da concessionária de energia elétrica. 2011. III e Outro(s) . bem como a culpabilidade da concessionária ofensora e.8.14276 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Anna Manuella da Silva Melo Clávio de Melo Valença Filho Célio José Ferreira Erik Limongi Sial Marcos André Barbosa Campello Mirella Soares de Matos Lira Norma Leite Soares Paulo Henrique Magalhães Barros Thiago Falcão Peixoto Wamberto Balbino Sales e Outro(s) .66.000.Edição nº 184/2011 Relator Recife . a prova testemunhal demonstra cabalmente que. 3. III e Outro(s) . III : DELISAMA DO CARMO VIEIRA : Célio José Ferreira : Companhia Energética de Pernambuco .CELPE : Erik Limongi Sial : Anna Manuella da Silva Melo : e Outro(s) .CELPE : Erik Limongi Sial : e Outro(s) . terça-feira. MÉRITO. a. T. a. por corolário lógico. 1. O valor indenizatório arbitrado em R$ 8.00 (oito mil reais) atende aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade. Julgado em Ordem Processo 001 0246535-8/01 002 0247125-6 001 0246535-8/01 001 0246535-8/01 004 0195335-7/01 003 0210729-7/01 004 0195335-7/01 003 0210729-7/01 003 0210729-7/01 002 0247125-6 001 0246535-8/01 002 0247125-6 003 0210729-7/01 003 0210729-7/01 004 0195335-7/01 Agravo : Camaragibe : Primeira Vara Cível da Comarca de Camaragibe : Companhia Energética de Pernambuco . 4 de outubro de 2011 ACORDÃOS 2ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. 2.conforme Regimento Interno TJPE art. No mérito. III e Outros e Outros 001. REJEITADA.conforme Regimento I. No caso dos autos.conforme Regimento I.conforme Regimento I. FRAUDE NO MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. indenização a fim de repará-los. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. ainda. restando configurado. 0246535-8/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Agravte Advog Advog Advog Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Proc. PROVA TESTEMUNHAL. DANO MORAL. CABIMENTO.2006. através de seus prepostos e juntamente com policiais civis. Orig.conforme Regimento Interno TJPE art.17. portanto.

945/2009. bem como. A definição da norma legal incidente às cobranças securitárias de DPVAT se dá pela data em que o sinistro ocorreu. 3. é estipulado em 40 (quarenta) vezes o valor do maior salário mínimo vigente no País. Alberto Nogueira Virgínio : 21/09/2011 EMENTA .194/74. 1. havendo prova nos autos do grau de parentesco.conforme Regimento Interno TJPE art. na conformidade do voto do relator e do termo de julgamento que integram o presente aresto. acordam os Desembargadores que compõem a Segunda Câmara Cível deste Tribunal. para fins de aferição da indenização. MORTE. III : 2ª Câmara Cível : Des. LEI Nº 6. como o acidente foi no ano de 1990.66. 2.482/2007 e 11. portanto. INCIDÊNCIA. 1. à unanimidade. relatados e discutidos estes autos de Recurso de Agravo nº 0246535-8/01. Possuem legitimidade para a propositura de ação de cobrança securitária (DPVAT). 0210729-7/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Agravte Advog Advog Agravo : Recife : 1ª Vara Cível : Seguradora Líder dos Consórcios do seguro DPVAT S/A : Mirella Soares de Matos Lira : e Outros : André Luiz Peixoto de Albuquerque : Thiago Falcão Peixoto : Seguradora Líder dos Consórcios do seguro DPVAT S/A : Paulo Henrique Magalhães Barros : e Outro(s) .APELAÇÃO CÍVEL. No caso dos autos.PE. AÇÃO DE COBRANÇA SECURITÁRIA (DPVAT). cujo montante. Agostinho : 4ª Vara Cível : Gercina Ferreira da Silva : Wamberto Balbino Sales : UNIBANCO AIG SEGUROS S/A : Clávio de Melo Valença Filho : e Outro(s) . a cobertura do DPVAT. 4 de outubro de 2011 ACÓRDÃO Vistos. 21 de setembro de 2011. inviável exigir da parte a demonstração da inexistência de outros herdeiros que lhe precedem. deve ser a utilizada a redação original da Lei nº 6. Gabinete do Desembargador Alberto Nogueira Virgínio 003. as novas disposições inseridas pelas Leis nºs 11.603 do CC/1916). Inaplicáveis. Recife.66. ACÓRDÃO Vistos. portanto. Recurso de apelação provido para reforma da sentença monocrática e condenação da seguradora ao pagamento de indenização de 40 (quarenta) salários mínimos vigentes à data do evento danoso. os irmãos da vítima de acidente de trânsito (Art. rejeitar a preliminar de ilegitimidade passiva ad causam. Gabinete do Desembargador Alberto Nogueira Virgínio 002. à unanimidade. LEGITIMIDADE DOS IRMÃOS DA VÍTIMA. sendo aplicável. negar provimento ao recurso. na conformidade do voto do relator e do termo de julgamento que integram o presente aresto. dar provimento ao recurso. acordam os Desembargadores que compõem a Segunda Câmara Cível deste Tribunal. na qualidade de parentes colaterais. 0247125-6 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Julgado em Apelação : Cabo de Sto.194/74. 21 de setembro de 2011. relatados e discutidos estes autos da Apelação Cível nº 0247125-6. INDENIZAÇÃO. III 107 . para as hipóteses em que a vítima faleceu.Edição nº 184/2011 Recife . no mérito. Assim. em que são partes as acima nominadas. em que são partes as acima nominadas.conforme Regimento Interno TJPE art. terça-feira. Recife.

da Lei nº 6. REDUÇÃO DO PERCENTUAL. na conformidade do voto do relator e do termo de julgamento que integram o presente aresto. 4 de outubro de 2011 EMENTA .RECURSO DE AGRAVO. 1.8. Julgado em : André Luiz Peixoto de Albuquerque : Thiago Falcão Peixoto : 2ª Câmara Cível : Des. 004. OCORRÊNCIA. INTEMPESTIVIDADE. NÃO CABIMENTO. Alberto Nogueira Virgínio : 0010981-31. Alberto Nogueira Virgínio : 0110288-52. SUSPENSÃO OU INTERRUPÇÃO DO PRAZO RECURSAL. em que são partes as acima nominadas. 21 de setembro de 2011 Alberto Nogueira Virgínio Desembargador Relator .2009. AÇÃO DE COBRANÇA SECURITÁRIA (DPVAT). o pedido de reconsideração não interrompe nem suspende o prazo para a interposição do competente recurso. INDENIZAÇÃO PROPORCIONAL AO GRAU DE INVALIDEZ. 4. pela segunda vez. ACÓRDÃO Vistos. 3º. portanto. porquanto a decisão terminativa fundou-se nas provas trazidas aos autos quanto ao grau da invalidez apurada.eis que o magistrado manteve. transcorrer in albis o prazo recursal. a parte agravante interpôs o agravo de instrumento somente após intimada da decisão da negativa de reconsideração . Por unanimidade de votos negou-se provimento ao recurso de agravo.Edição nº 184/2011 Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Proc. à unanimidade.PE.AGRAVO REGIMENTAL.0001 (210729-7) : 14/09/2011 Recife . 3.2009. em negar provimento ao recurso. No caso dos autos. Em grau de recurso apelatório. a decisão ora vergastada -. a indenização pela invalidez decorrente de acidente de trânsito foi definida em 70% (setenta por cento) sobre o limite definido em lei (Art. acordam os Desembargadores que compõem a Segunda Câmara Cível deste Tribunal. IMPOSSIBILIDADE. 3. relatados e discutidos estes autos de Recurso de Agravo nº 0210729-7/01. 2. 1. PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO. Orig. De acordo com o entendimento jurisprudencial do STJ e a teor do que dispõe a Súmula nº 33 desta Egrégia Corte. razão pela qual resta configurada a preclusão consumativa. NEGATIVA DE SEGUIMENTO A AGRAVO DE INSTRUMENTO. deixando. 108 .0000 (195335-7) : 21/09/2011 EMENTA . Recife. 0195335-7/01 Comarca Vara Acao Originaria Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Julgado em Agravo Regimental : Recife : 27ª Vara Cìvel : 01953357 Agravo de Instrumento Agravo de Instrumento : Atento Terceirização de Serviços Especiais Ltda.8. : Norma Leite Soares : e Outros : Atento Terceirização de Serviços Especiais Ltda.194/74). Agravo Regimental improvido. : Marcos André Barbosa Campello : e Outros : Hospital Nelson Chaves Ltda. : Norma Leite Soares : e Outros : 2ª Câmara Cível : Des. Descabida a redução ao percentual de 25% (vinte e cinco) por cento sobre o patamar legal. PRECLUSÃO TEMPORAL. terça-feira. : Marcos André Barbosa Campello : e Outros : Hospital Nelson Chaves Ltda.17. Orig. O prazo de 10 (dez) dias para a interposição do agravo de instrumento deve ser computado a partir da intimação da decisão judicial que se pronunciou pela primeira vez sobre a questão impugnada e não do decisório que manteve o indeferimento do pleito após o pedido de reconsideração formulado pela parte.17. 2. II.

o julgador não está obrigado a responder a todas as questões e teses jurídicas levantadas pela parte se. 3. em negar provimento ao presente recurso.14277 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Aderbal Queiroz Monteiro Junior E Outros Erik Limongi Sial Erik Limongi Sial Gilson Pereira Leite Kilma Cavalcanti de Melo e Outro(s) . ACÓRDÃO Vistos. 2. 4 de outubro de 2011 Vistos. ACÓRDÃOS 3ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. Agenor Ferreira de Lima Filho : 0007097-57. Agenor Ferreira de Lima Filho 109 . Recife. Inocorrente as hipóteses previstas em lei. acordam os Desembargadores que compõem a Segunda Câmara Cível deste Tribunal.conforme Regimento I. a. 1.Edição nº 184/2011 ACÓRDÃO Recife .PE. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. de de Des.8. EMBARGOS IMPROVIDOS.2010. não há como prosperar o inconformismo. T. terça-feira. Orig.conforme Regimento I.PROCESSO CIVIL. cujo intento é a reforma da decisão embargada. acordam os Excelentíssimos Desembargadores integrantes da Quinta Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. CONTRADIÇÃO OU OBSCURIDADE. tudo nos termos do voto do Relator e Notas Taquigráficas.66. encontrou razões suficientes para formar a sua convicção. à unanimidade de votos. da análise que fez dos autos. negar provimento ao recurso. 2011.17.conforme Regimento Interno TJPE art. III e Outros 001. que passam a fazer parte integrante do presente aresto. Recife. INEXISTÊNCIA DE OMISSÃO. relatados e discutidos o presente recurso. Embargos de declaração não providos. Consoante pacífica jurisprudência. III e Outro(s) . na conformidade do voto do relator e do termo de julgamento que integram o presente aresto. 21 de setembro de 2011. a. relatados e discutidos estes autos do Agravo Regimental nº 0195335-7/01. Julgado em Ordem Processo 001 0179599-1/04 002 0182786-9/01 001 0179599-1/04 002 0182786-9/01 002 0182786-9/01 002 0182786-9/01 001 0179599-1/04 002 0182786-9/01 001 0179599-1/04 Embargos de Declaração : Recife : 15ª Vara Cível : Ângela Maria Fonseca dos reis : Aderbal Queiroz Monteiro Junior : TNL PCS S/A (Oi Móvel) : Erik Limongi Sial : e Outros : Ângela Maria Fonseca dos reis : Aderbal Queiroz Monteiro Junior : TNL PCS S/A (Oi Móvel) : Erik Limongi Sial : e Outro(s) . III : 3ª Câmara Cível : Des.0000 (179599-1/3) : 21/07/2011 EMENTA . T. em que são partes as acima nominadas. 0179599-1/04 Comarca Vara Agravte Advog Agravdo Advog Advog Embargante Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. à unanimidade.

1. consistente na abordagem. 4. tendo sido deduzida pelas partes. pelo Tribunal local da tese jurídica. de Alcantara Andreia Carolline Ferreira de Souza Andreia Dantas Lima Lacerda Antonio Ricardo Accioly Campos Carlos Eduardo Mendes Albuquerque Carlos Henrique Luz Claudia Regina de Souza Ramos Silva Cláudio Emerson Cumarú Ordem Processo 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 002 0251158-4/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 002 0251158-4/01 110 .conforme Regimento Interno TJPE art. Acórdão Vistos. a lei exige que o julgador fundamente a decisão. acordam os Excelentíssimos Senhores Desembargadores da Terceira Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.Companhia Energética de Pernambuco : Erik Limongi Sial : e Outro(s) . 22/09/2011. relatados e discutidos os presentes autos. 2. apresentando os elementos que serviram de base à formação do seu convencimento. 4 de outubro de 2011 002. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : 0000143-66. foi mal aclarada pelo respectivo Tribunal.PE. Embargos rejeitados. Embargos de declaração. Embargos rejeitados. 3. na forma do relatório e votos constantes das notas taquigráficas a seguir. assistida por sua genitora Edna Cássia do Nascimento Oliveira : Gilson Pereira Leite : CELPE . Na realidade. terça-feira. em negar provimento aos embargos de declaração.14270 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Adhemar Ievolino Andre Gustavo V.8.2004. 0182786-9/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. Contudo.66. Orig. assistida por sua genitora Edna Cássia do Nascimento Oliveira : Gilson Pereira Leite : 3ª Câmara Cível : Des.1370 (182786-9) : 22/09/2011 EMENTA: Direito Processual Civil. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator ACÓRDÃOS 4ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. inexiste causa para a interposição dos aclaratórios. não se faz necessária aludir a cada expressão utilizada pelas partes.17. Recife. menor. Tendo o magistrado encontrado lastro jurídico suficiente a formular o juízo decisório.Companhia Energética de Pernambuco : Kilma Cavalcanti de Melo : E Outros : Evelyne Carla do Nascimento Oliveira. Rediscussão de questões já decididas e devidamente fundamentadas. A finalidade do prequestionamento é dar cognoscibilidade futura à matéria que. em que figuram as partes acima relacionadas. A teor da decisão embargada. III : Evelyne Carla do Nascimento Oliveira. 5. Julgado em Embargos de Declaração : Serra Talhada : 2ª Vara Cível : CELPE . desde que sejam estes suficientes ao deslinde da controvérsia. ________________________________ Des. Ausência de omissão.Edição nº 184/2011 Relator Recife . menor. O órgão judicial não pode ser compelido a fazer considerações a respeito de todos os pontos arguidos pelas partes. Prequestionamento que se deve prender a uma das causas de embargabilidade. o STJ tem aceitado o prequestionamento implícito. 2011. O descontentamento do embargante com o decidido no acórdão não se afeiçoa com a finalidade esclarecedora ou integrativa dos embargos de declaração. unanimemente. pois a matéria recorrida encontra-se explícita e bem delineada. sem explicitação do artigo de lei sobre o qual está o embasamento jurídico.

0136394-2/01 Comarca Vara Apte Advog Advog Advog Advog Advog Apdo Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Embargos de Declaração : Recife : 7ª Vara Cível : Guararapes Diesel Ltda. III e Outros Ângelo Henrique Gouveia Pereira 001.conforme Regimento I. T.Edição nº 184/2011 Cristiane Maia Lustosa Douglas Henrique da Silva Durvalino Rene Ramos Eduardo Hilario Bonadiman Erica Aparecida Gimenes Farias Fabiana Matos Dantas da Silva Flavio Eduardo da Silva Geovana Antunes de Andrade Guilherme Marques Assumpção Henrique Fonseca Hulener Júnior Hernani Lopes de Sá Neto Horácio dos Santos Monteiro Júnior Idalina Izabel de Souza Isabela Sandroni Izabella Lins Pinto Costa Joelma Aparecida Rodrigues dos Santos José Edgard da Cunha Bueno Filho Lauro Avellar Machado Filho Laysa Leite Luciano Rangel de Aguiar Lusinete Barbosa Botelho do Nascimento Marcele Ornelas Rodrigues de Assunção Marcella Bisetto D'Angelo Marco Antônio de Souza Campos Maria Catarina B. terça-feira. 4 de outubro de 2011 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 003 0227392-1/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 003 0227392-1/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 002 0251158-4/01 003 0227392-1/01 001 0136394-2/01 001 0136394-2/01 111 .PE. a. T.conforme Regimento I. Vasconcelos Maria Irinéa Soares de Aguiar Marlete Singh Pereira da Cunha Miyeko Matsuyoshi Monica Rosa Gimenes Lima Paulo Alfredo Paulini Raimundo Eufrásio dos Santos Júnior Rebeca Lydia Pernambuco Lins Renata Oliveira Lanza Costa Renato Tadeu Somima Ricardo Iazaby Lumbambo Rita Maria Andrade Henriques Robson Gonçalves Othero Rogério Fernenda Sandra Regina Rossi Shimizu Sandro José Passos Silvana Maria Pucci Stella Marília Fenile de Carvalho Syrlene do Rosário Mancine Cortucci Sérgio Souza Cavalcante Sõnia Maria da Conceição Tatiana Pires Moreira Esteves Telma Maria Rodrigues De Almeida Wanderley Honorato Wanderley Pereira dos Santos Wilson Sales Belchior e Outro(s) . : Ricardo Iazaby Lumbambo : Antonio Ricardo Accioly Campos : Andreia Dantas Lima Lacerda : Cristiane Maia Lustosa : Izabella Lins Pinto Costa : Banco Bandeirantes S/A : Adhemar Ievolino : Ângelo Henrique Gouveia Pereira : Horácio dos Santos Monteiro Júnior : Idalina Izabel de Souza : Joelma Aparecida Rodrigues dos Santos : Durvalino Rene Ramos : Claudia Regina de Souza Ramos Silva : Wanderley Pereira dos Santos Recife . de A. a. III e Outro(s) .

OMISSÃO NÃO CARACTERIZADA. acordam os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível. Julgado em : Robson Gonçalves Othero : Eduardo Hilario Bonadiman : Erica Aparecida Gimenes Farias : Monica Rosa Gimenes Lima : Claudia Regina de Souza Ramos Silva : Flavio Eduardo da Silva : Miyeko Matsuyoshi : Isabela Sandroni : Geovana Antunes de Andrade : Hernani Lopes de Sá Neto : Sandro José Passos : Carlos Henrique Luz : Marcele Ornelas Rodrigues de Assunção : Fabiana Matos Dantas da Silva : Carlos Eduardo Mendes Albuquerque : Rebeca Lydia Pernambuco Lins : Douglas Henrique da Silva : Lauro Avellar Machado Filho : Marcella Bisetto D'Angelo : Marco Antônio de Souza Campos : Marlete Singh Pereira da Cunha : Paulo Alfredo Paulini : Renata Oliveira Lanza Costa : Rita Maria Andrade Henriques : Rogério Fernenda : Sandra Regina Rossi Shimizu : Silvana Maria Pucci : Sõnia Maria da Conceição : Stella Marília Fenile de Carvalho : Syrlene do Rosário Mancine Cortucci : Tatiana Pires Moreira Esteves : Wanderley Honorato : Guilherme Marques Assumpção : Ana Cristina Panelli e outros e outros : Guilherme Marques Assumpção : Henrique Fonseca Hulener Júnior : Renato Tadeu Somima : Sérgio Souza Cavalcante : Luciano Rangel de Aguiar : Maria Irinéa Soares de Aguiar : Lusinete Barbosa Botelho do Nascimento : Telma Maria Rodrigues De Almeida : Andre Gustavo V. 4 de outubro de 2011 EMENTA. em que é embargante Guararapes Diesel Ltda. Orig. : Raimundo Eufrásio dos Santos Júnior : e Outros : Banco Bandeirantes S/A : Wilson Sales Belchior : Laysa Leite : Horácio dos Santos Monteiro Júnior : e Outros : 4ª Câmara Cível : Des. tudo de acordo com o voto e demais peças processuais. terça-feira. de Alcantara : Guararapes Diesel Ltda. Recife. 2. A interposição de embargos em duplicidade implica na extinção de um deles. uma vez que têm o mesmo objeto. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. e embargado Banco Bandeirantes S/A.PE. 112 .. rejeitar os aclaratórios. INTERPOSIÇÃO COM DUPLICIDADE. Os embargos de declaração não são meios próprios para rediscutir a matéria de mérito já apreciada. PERDA DO OBJETO DE UM DELES. à unanimidade. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc.Edição nº 184/2011 Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Estag. ALEGAÇÃO DE OMISSÃO. pela perda do objeto. bem como declarar extintos os segundos aclaratórios. 1. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0136394-2/01. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 136394-2 : 21/07/2011 Recife . à míngua de omissão. ACÓRDÃO Vistos. Embargos Rejeitados.

UNANIMIDADE. 0251158-4/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Proc. 0227392-1/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Agravo : Recife : 11ª Vara Cível : Ednaldo Costa Barros Carvalho : Maria Catarina B. Tenório dos Santos Relator Recife . mantendo integralmente a decisão impugnada.Cooperativa de Trabalho Médico : Andreia Carolline Ferreira de Souza : e Outro(s) .66. TRATAMENTO COMPLEMENTAR.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art. IMPROVIMENTO.conforme Regimento Interno TJPE art. RAZOABILIDADE. Caracteriza-se como abusiva a negativa da cobertura securitária reclamada.8. 4. de A. à unanimidade. Recife.ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDITO : José Edgard da Cunha Bueno Filho 113 . regra normatizada com o advento do CDC e que impõe aos contratantes proceder com lealdade em seus negócios jurídicos. já que com o advento da Lei 9656/98 não é passível de exclusão. Se a colocação de próteses é inerente ao ato cirúrgico deve ser custeada pela operadora de plano de saúde. DANO MORAL. pois arbitrada segundo os princípios da razoabilidade e proporcionalidade. 1.17. 2.PE. ACORDAM os Desembargadores integrantes da Quarta Câmara Cível.66. vez que tal limitação viola a cláusula geral de boa-fé objetiva. Dano moral caracterizado. 5. Jones Figueirêdo : Juiz Paulo Torres P. 3. Desobstrução da pauta nos Tribunais.2007.Edição nº 184/2011 Des. PROPORCIONALIDADE. relatados e discutidos estes autos do Recurso de Agravo nº 0251158-4/01 em que figuram como Agravante UNIMED CARUARUCOOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO e Agravado MARIA JOSÉ BARBOSA MASCARENHAS. 51. LEI 9656/1998. Verba indenizatória mantida. 557 do CPC objetivando o enfrentamento do mérito recursal.66. Julgado em Agravo : Caruaru : 5ª Vara Cível : Unimed Caruaru . da Silva : 0008475-68. ACÓRDÃO Vistos. e os votos que fazem parte integrante da presente decisão.Cooperativa de Trabalho Médico : Andreia Carolline Ferreira de Souza : e Outro(s) . negou-se provimento ao Agravo Legal. CONFIGURAÇÃO. Por unanimidade. 4 de outubro de 2011 002. Tudo conforme a ementa. Utilização do art. do CDC. atendido o binômio reparação/prevenção.0480 (251158-4) : 22/09/2011 EMENTA: AGRAVO LEGAL CONTRA DECISÃO TERMINATIVA. PLANO DE SAÚDE. Orig. em NEGAR PROVIMENTO ao recurso. III : MARIA JOSÉ BARBOSA MASCARENHAS : Cláudio Emerson Cumarú : 4ª Câmara Cível : Des. ABUSIVIDADE. celeridade do julgamento. 22 de setembro de 2011 Juiz Paulo Torres Relator substituto 003. III : CREDICARD S/A . TRATAMENTO ODONTOLÓGICO E DERMATOLÓGICO. CLÁUSULA EXCLUDENTE. IV. terça-feira. III : MARIA JOSÉ BARBOSA MASCARENHAS : Cláudio Emerson Cumarú : Unimed Caruaru . Inteligência do art. Vasconcelos : e Outro(s) . PRÓTESE RELACIONADA AO PROCEDIMENTO CIRÚRGICO. Súmula 35 do TJPE.

conforme Regimento Interno TJPE art.8. VÍCIOS DE CONSENTIMENTO NÃO DEMONSTARADOS. 2.ACORDO CELEBRADO NA VI EXTRAJUDICIAL . Não tendo sido demonstrado.2003.17.PE. 2011.Edição nº 184/2011 Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Des. à unanimidade. Tenório dos Santos ACÓRDÃOS 4ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. 557 DO CPC. em que é agravante Ednaldo Costa Barros Carvalho. tudo nos termos da ata de julgamento e demais peças processuais que passam a integrar este julgado. Recife. Precedentes. e agravado. relatados e discutidos estes autos de Agravo Legal nº 0227392-1/01. 1. terça-feira. qe à época do ato jurídico acordo . não há como anular o ato jurídico. de A. Segundo entendimento pacificado no Colendo STJ.14271 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Aline Ramos Lima Amanda Beatriz Figueirôa Costa Ana Luiza Duarte Pires de Castro Ana Vanessa Ferreira de Assis Andreza Maria Florêncio de Melo e Lima Bruno Bezerra de Souza Bárbara Bandeira de Luna Brennand Cláudia Regina Borba Souto Clávio de Melo Valença Clávio de Melo Valença Filho Débora Resende de Lamare Biolchini Eduardo Justino Brandão Euripedis Tavares de Melo Filho Filipe Ferreira Soares Lobato Carvalho Francisco José Galvão Vaz Guilherme Osvaldo Crisanto Tavares de Melo Hugo Metzer Pessanha Henriques Juliana Veras Gonçalves Juliana de Almeida e Silva Kyara Amorim Maia Mendes Luiz Henrique Barros de Arruda Ordem Processo 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 001 0149979-0 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 114 . Vasconcelos : e Outro(s) . com prova inequívoca. NÃO OCORRÊNCIA. 4 de outubro de 2011 : e Outro(s) .DIREITO CIVIL E PROCESSUAL. III : 4ª Câmara Cível : Des. Acórdão Vistos. DECISÃO TERMINATIVA. Recurso Improvido. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 0053272-53. III : Ednaldo Costa Barros Carvalho : Maria Catarina B. AÇÃO DE NULIDADE DE NEGÓCIO JURÍDICO . Orig.Administradora de Cartões de Crédito.conforme Regimento Interno TJPE art.o agravante não detinha discernimento psíquico. CREDICARD S/A .0001 (227392-1) : 22/09/2011 EMENTA: RECURSO DE AGRAVO INTERNO. 557 do CPC pelo julgamento colegiado do agravo contra decisão monocrática do relator. resta superada eventual ofensa ao art.66.66.66. Julgado em Recife .conforme Regimento Interno TJPE art. acordam os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível.ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDITO : José Edgard da Cunha Bueno Filho : e Outro(s) . III : CREDICARD S/A . ALEGAÇÃO DE OFENSA AO ART. em negar provimento ao presente recurso.

ACÓRDÃO Vistos. 4. Recursos de apelação improvidos. Impossibilidade de anulação de sentença para realização de chamamento ao processo. em que figuram como Apelantes MOTURISMO . INDEFERIMENTO DE PROVAS REDIGIDAS EM LÍNGUA ESTRANGEIRA SEM TRADUÇÃO NOS TERMOS DO ART. Danos materiais comprovados.MOTE AGÊNCIA DE VIAGENS LTDA. 0149979-0 Comarca Vara Acao Originaria Apelante Advog Apelante Advog Advog Estag. RELAÇÃO DE CONSUMO. Indeferimento das provas documentais redigidas em idioma estrangeiro sem versão em vernáculo por tradutor juramentado. Estag.Mote Agência de Viagens Ltda : Severino Rivaldo Farias Barros Júnior : Myres Maria de Torres Raposo : Bruno Bezerra de Souza : Rodrigo Mendonça Paes Barreto : Thiago Mendonça Paes Barreto : Hugo Souto Maior da Fonseca : Marília Monteiro de Lima : Myres Maria de Torres Raposo : Bruno Bezerra de Souza : Rodrigo Mendonça Paes Barreto : Thiago Mendonça Paes Barreto : Hugo Souto Maior da Fonseca : Marília Monteiro de Lima : Moturismo . Chamamento ao processo nas relações de consumo restrita à hipótese do art. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA POR VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES. 3. Estag. 2. Ausência de comprovação da notificação específica da necessidade de visto de trânsito australiano. Quantum indenizatório mantido. HIPÓTESE PREVISTA NO ART.conforme Regimento I.Mote Agência de Viagens Ltda : Severino Rivaldo Farias Barros Júnior : 4ª Câmara Cível : Des. Apelado Advog Advog Estag. 4 de outubro de 2011 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 002 0251082-5/01 003 0159358-4/01 001 0149979-0 002 0251082-5/01 001 0149979-0 003 0159358-4/01 002 0251082-5/01 003 0159358-4/01 003 0159358-4/01 EMENTA: DIREITO DO CONSUMIDOR. a. relatados e discutidos estes autos do Recurso de Apelação nº 0149979-0. 101. CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. a. VIII do CDC. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DE NOTIFICAÇÃO ESPECÍFICA DA NECESSIDADE DE VISTO DE TRÂNSITO AUSTRALIANO. T. CPC. Inexistência de prejuízo à apreciação jurisdicional em razão de erro material na sentença a quo. 6º. Jones Figueirêdo : Des. IMPOSSIBILIDADE DE CHAMAMENTO AO PROCESSO. 6. CPC. DANOS MATERIAIS COMPROVADOS. Responsabilidade solidária da agência de viagens.PE. CDC NÃO VERIFICADA. 1. ERRO MATERIAL NA SENTENÇA A QUO. 101. Apelado Advog Orgao Julgador Relator Revisor Julgado em Apelação : Recife : 7ª Vara Cível : 0200220244 Indenização Indenização : Moturismo . Eurico de Barros Correia Filho : 01/09/2011 Recife .Edição nº 184/2011 Marcelo Lopes da Silva Maria Alicia Lorenzo Porto Marina Duarte Camelo de Sena Patrícia Oki Patrícia Santa Cruz de Oliveira RHUDÁ CÉSAR DE ALBUQUERQUE TAVARES Raphael Carneiro da Rocha Filho Rodrigo Mendonça Paes Barreto SAMUEL GOUVEIA RODRIGUES Severino Rivaldo Farias Barros Júnior Vinícius Britto Mendes e Outro(s) . Inversão do ônus probatório. Estag. CDC. SENTENÇA JÁ PROFERIDA. À UNANIMIDADE. Ausência de inovação no contexto probatório. AÇÃO INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS. Desconsideração do texto equivocado. 7. PRELIMINARES DE CERCEAMENTO DE DEFESA NÃO CONFIGURADAS. PREJUÍZO NÃO VERIFICADO. Sistema protetivo do consumidor. Inexistência de cerceamento de defesa pela aceitabilidade de prova documental na parte escrita em vernáculo. RECURSO DA DEMANDANTE PROVIDO. II. inc. Art. Art. RESPONSABILIDADE DA AGÊNCIA DE VIAGENS. 157. II. ENTENDIMENTO DO STJ. Decisão unânime. e MYRES MARIA DE TORRES RAPOSO e Apelados OS MESMOS. III Érika Valverde Pontes 001. RECURSO DA DEMANDADA IMPROVIDO. MAJORAÇÃO DO QUANTUM INDENIZATÓRIO. 157. III e Outro(s) . Estag. DANOS MORAIS EXISTENTES. 5. T. Verossimilhança das alegações do consumidor. terça-feira. Jurisprudência do STJ. ACORDAM os Desembargadores integrantes 115 .conforme Regimento I. Configuração dos danos morais.

NEGAR PROVIMENTO ao Agravo Regimental. à unanimidade. III : OTHAYR DIOGENES CORREIA DE MELO : RHUDÁ CÉSAR DE ALBUQUERQUE TAVARES : Sociedade Capibaribe de Educação e Cultura . Tenório dos Santos Relator 003. 0159358-4/01 Comarca Vara Apte Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Embargos de Declaração : Recife : 33ª Vara Cível : Sul América Aetna Seguros e Previdência S. Des. Recife. Agravo Regimental Improvido. acordam os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível. III : OTHAYR DIOGENES CORREIA DE MELO : RHUDÁ CÉSAR DE ALBUQUERQUE TAVARES : 4ª Câmara Cível : Des.PE.Edição nº 184/2011 Recife . ACÓRDÃO Vistos. Des. AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO. : SAMUEL GOUVEIA RODRIGUES : e Outro(s) . Julgado em Agravo Regimental : Olinda : 1ª Vara Cível : SOCEC .A. ao final do semestre letivo quando a instituição adotar o regime didático semestral 2.Sociedade Capibaribe de Educação e Cultura Ltda.SOCEC : SAMUEL GOUVEIA RODRIGUES : e Outro(s) . Ata de Julgamento e demais peças processuais que passam a integrar este julgado. 1. 4 de outubro de 2011 da Quarta Câmara Cível.66. Recife.8.2011. 01 de setembro de 2011. 0251082-5/01 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Agravte Advog Advog Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Proc.17. em NEGAR PROVIMENTO aos presentes recursos de apelação nos termos da ementa. DIREITO DO CONSUMIDOR.Sociedade Capibaribe de Educação Cultura LTDA e como Agravado Othayr Diógenes Correia de Melo. à unanimidade. no ensino superior.0000 (251082-5) : 22/09/2011 EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL CONTRA DECISÃO INTERLOCUTÓRIA EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. relatados e discutidos estes Autos de Agravo Regimental.conforme Regimento Interno TJPE art.66. do voto e das notas taquigráficas que fazem parte integrante da presente decisão. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 0013797-15.conforme Regimento Interno TJPE art. Orig. RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA. tudo de conformidade com o Voto. O desligamento do aluno por inadimplência somente poderá ocorrer ao final do ano letivo ou. terça-feira. MENSALIDADE ESCOLAR. : Luiz Henrique Barros de Arruda : Raphael Carneiro da Rocha Filho : Patrícia Oki : Marcelo Lopes da Silva : Débora Resende de Lamare Biolchini : Vinícius Britto Mendes : Eduardo Justino Brandão : Hugo Metzer Pessanha Henriques : Maria Alicia Lorenzo Porto : Clávio de Melo Valença : Clávio de Melo Valença Filho : Patrícia Santa Cruz de Oliveira : Ana Luiza Duarte Pires de Castro 116 . Jones Figueirêdo Alves Relator 002. em que figuram como Agravante SOCEC .

porém rejeitá-los.66. Os Embargos de Declaração não constituem instrumento adequado para a rediscussão da matéria de mérito consubstanciada na decisão recorrida. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 159358-4 : 15/09/2011 Recife . obscuridade ou contradição (STJ. EDcl no AgRg no REsp 666.conforme Regimento Interno TJPE art. INEXISTÊNCIA DE VÍCIOS. conhecer os presentes aclaratórios. A parte que discorda dos fundamentos adotados no julgado deve lançar mão de recurso próprio.conforme Regimento Interno TJPE art. relatados e discutidos estes autos de embargos de declaração nº 0159358-4/01. DJe 25/05/2009).Edição nº 184/2011 Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Estag. Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. III : Mariana Netto de Mendonça Paes e outros e outros : Eunice Ferreira de Aquino : Euripedis Tavares de Melo Filho : Guilherme Osvaldo Crisanto Tavares de Melo : Abner Waldivino de Araújo Filho : Sul América Seguro Saúde S/A : Filipe Ferreira Soares Lobato Carvalho : e Outro(s) . 2011. 3. 1. Apdo Advog Advog Estag. não sendo os embargos declaratórios via correta para tal fim.14272 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Alberto Roberto da Costa Flores Andreia Carolline Ferreira de Souza Charlston Ricardo Vasconcelos dos Santos Geraldo Durães de Carvalho Geraldo Durães de Carvalho Gilson Moraes Ordem Processo 002 0174240-3/01 001 0194680-3 003 0215510-8/02 004 0233241-6/01 005 0233241-6 002 0174240-3/01 117 . Des. porém rejeitados.650/RS. ainda que não conste texto dos artigos supostamente violados. Vistos.66. eis que se admite o prequestionamento implícito.PE. quando não presentes os vícios de omissão. III : 4ª Câmara Cível : Des. tudo de conformidade com as Notas Taquigráficas. IMPOSSIBILIDADE EM SEDE DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. PRETENSÃO DE REDISCUTIR O MÉRITO DA CAUSA. RECURSO CONHECIDO E REJEITADO. ACORDAM os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível. 2. em que é embargante Sul América Seguro Saúde S/ A e embargado Eunice Ferreira de Aquino. terça-feira. Satisfaz o requisito do prequestionamento o efetivo debate no Tribunal das questões alegadas. 4 de outubro de 2011 EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM FACE DE ACÓRDÃO PROFERIDO EM SEDE DE APELAÇÃO. Julgado em : Kyara Amorim Maia Mendes : Andreza Maria Florêncio de Melo e Lima : Amanda Beatriz Figueirôa Costa : Francisco José Galvão Vaz : Aline Ramos Lima : Cláudia Regina Borba Souto : Érika Valverde Pontes : Marina Duarte Camelo de Sena : Juliana de Almeida e Silva : Ana Vanessa Ferreira de Assis : Juliana Veras Gonçalves : Bárbara Bandeira de Luna Brennand : e Outro(s) . Recife.conforme Regimento Interno TJPE art.66. Voto e demais peças processuais que passam a integrar este julgado. Orig. Embargos declaratórios conhecidos. à unanimidade. 4. III : Eunice Ferreira de Aquino : Euripedis Tavares de Melo Filho : e Outro(s) . Tenório dos Santos Relator ACÓRDÃOS 4ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No.

vez que. PRELIMINAR.Edição nº 184/2011 Giovanni Raniere Timoteo Florentino Hermenegildo Pinheiro Josélia Ventura de Moura Monica Maria Pimentel Canuto Monica Maria Pimentel Canuto Paulo Alves da Silva Renata Soares de Almeida Thiago Santos de Araújo Thiago Santos de Araújo e Outro(s) . Prejudicada a apreciação dos documentos que o acompanham. III e Outro(s) . iniciando-se o prazo para o oferecimento dos embargos do devedor a partir de sua juntada. INEXISTÊNCIA DE CRÉDITO.conforme Regimento I. III e Outro(s) . 3. Agravo Retido provido. a servir de elemento adicional de informação. devidamente revistos e rubricados. é da parte autora. : Josélia Ventura de Moura : 4ª Câmara Cível : Des. T. dar provimento ao agravo retido para reconhecer intempestivos os embargos monitórios e. 2. QUITAÇÃO DADA SEM RESSALVAS. relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº 194680-3. geral e irrevogável dada pelo sócio (de cujus) no instrumento de Alteração Contratual que formalizou a sua retirada da sociedade. III e Outros e Outros 001. Recife.conforme Regimento I. Compete ao patrono agir com diligência para constatar se a informação colhida por meios eletrônicos reportam a realidade dos autos. III e Outro(s) . RECURSO PROVIDO. INTEMPESTIVIDADE DOS EMBARGOS À MONITÓRIA. não há como reconhecer-se crédito em favor do espólio do "de cujus". visando facilitar o acompanhamento da tramitação dos processos. em que figuram como apelante. 118 . aliás. declarando-se. amparado em lei. 0194680-3 Comarca Vara Acao Originaria Apelante Advog Advog Apelado Advog Orgao Julgador Relator Revisor Julgado em Recife . por maioria de votos. O veículo através do qual se dá publicidade aos atos judiciais é a imprensa oficial. DECLARAÇÃO.conforme Regimento I. 5. dispensável no presente caso. Presta-se. Eurico de Barros Correia Filho : 11/08/2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. do CPC. A quitação plena. A prova da intimação é o próprio mandado de pagamento. por maioria de votos. o Espólio de Antônio Luiz de Andrade Peixoto e como apelada. Na conformidade do relatório e voto. a. T. contados da juntada do mandado de pagamento. 1.PE. cuida-se de hipótese regida pelo art. I. que.conforme Regimento I. inciso II. 16 de setembro de 2011. 6. T. a Clínica Nefrológica de Caruaru Ltda. possui o condão de afastar o direito creditício do Espólio. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores integrantes da Egrégia 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. de conseqüência. a. a prova de fato constitutivo de seu direito. ACÓRDÃO Vistos. a. A sua apresentação fora do prazo de 15 dias. terça-feira. à unanimidade. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. À luz do art. de conseguinte. passam a integrar este aresto. T. do CPC. pois o site do TJPE. constituído o título executivo judicial apto a aparelhar a execução. não é veículo oficial. para dar publicidade aos atos judiciais. 333. a. 4. Jones Figueirêdo : Des. 4 de outubro de 2011 002 0174240-3/01 002 0174240-3/01 001 0194680-3 004 0233241-6/01 005 0233241-6 002 0174240-3/01 002 0174240-3/01 004 0233241-6/01 005 0233241-6 002 0174240-3/01 003 0215510-8/02 004 0233241-6/01 005 0233241-6 001 0194680-3 003 0215510-8/02 Apelação : Caruaru : 1ª Vara Cível : 00007834720098170480 Ação Monitoria Ação Monitoria : Espólio de Antonio Luiz de Andrade Peixoto : Andreia Carolline Ferreira de Souza : e Outros : Clínica Nefrológica de Caruaru Ltda. AÇÃO MONITÓRIA. implica na sua intempestividade. dar provimento à apelação reformando-se a sentença. 241. AGRAVO RETIDO. Diante da inexistência de ressalva ou particularização da quitação ao valor das cotas. Recurso de Apelação provido. tão somente.

8.conforme Regimento Interno TJPE art.A Decisão Terminativa ora atacada não se encontra eivada da omissão apontada. estando tudo de acordo com as notas taquigráficas. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0174240-3/01. AÇÃO REVISIONAL. ACÓRDÃO Vistos. acordam os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 0000248-52.17.Edição nº 184/2011 Des. A jurisprudência no âmbito do Superior Tribunal de Justiça já se pacificou no sentido de que. a simples propositura da ação de revisão de contrato não inibe a caracterização da mora do autor.17.Não há que se falar em repartição do ônus da sucumbência. 0215510-8/02 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Agravte Agravte Advog Advog Agravdo Orgao Julgador Relator Proc. Jones Figueiredo Alves Relator Recife .PE. Julgado em Embargos de Declaração : Ipojuca : Vara Cível de Ipojuca : Banco do Brasil S/A : Giovanni Raniere Timoteo Florentino : Alberto Roberto da Costa Flores : Paulo Alves da Silva : Renata Soares de Almeida : Heleno Caetano da Silva : Gilson Moraes : Banco do Brasil S/A : Hermenegildo Pinheiro : e Outro(s) . Orig. .Embargos Declaratórios rejeitados.O embargado decaiu de parte mínima do pedido. Recife. à unanimidade. em conhecer porém negar provimento aos embargos declaratórios. PROCESSSUAL CIVIL. em que é embargante a Banco do Brasil S/A e embargado Heleno Caetano da Silva. 1. INEXISTÊNCIA. DES.2010. portanto. ÔNUS SUCUMBÊNCIAIS. Nos termos da Súmula 380 do Superior Tribunal de Justiça. para se impedir o registro do nome do devedor 119 . 2. terça-feira.TENÓRIO DOS SANTOS Relator 003.conforme Regimento Interno TJPE art. III : BANCO ITAU S/A : 4ª Câmara Cível : Des.0730 (174240-3) : 03/06/2011 EMENTA . Orig. ser aplicado o disposto no Parágrafo Único. votos e demais peças processuais que passam a integrar este julgado. do artigo 21 do CPC. ALEGAÇÃO DE OMISSÃO. POSSIBILIDADE. .8. DIREITO DO CONSUMIDOR. CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO. .2006. 4 de outubro de 2011 002. 0174240-3/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Advog Advog Apelado Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. PARÁGRAFO ÚNICO DO CPC.0000 (215510-8) : 22/09/2011 EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL CONTRA DECISÃO TERMINATIVA EM AGRAVO DE INSTRUMENTO.66. À unanimidade. III : Heleno Caetano da Silva : Gilson Moraes : 4ª Câmara Cível : Des. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO.66. ARTIGO 21. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS E CUSTAS PROCESSUAIS MANTIDAS. Julgado em Agravo Regimental : Recife : 6ª Vara Cível : ADRIANA DOS SANTOS BARBOSA e outro e outro : Charlston Ricardo Vasconcelos dos Santos : e Outros : BANCO ITAU S/A : ADRIANA DOS SANTOS BARBOSA : ADRIANA DOS SANTOS BARBOSA MORAES : Charlston Ricardo Vasconcelos dos Santos : e Outro(s) . Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 0008679-92. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REJEITADOS. . REGISTRO NO CADASTRO DE INADIMPLENTES.CIVIL. devendo.

66.66. M. ACÓRDÃO Vistos.2011. E. à unanimidade. P. M. (Menor) (Menor) : M. Decisão unânime. 120 . III : R. MODIFICAÇÃO IMPOSSIBILIDADE. D. ESCOLHA LIVRE E CONSCIENTE. portanto. tudo de conformidade com o Voto.S. REFORMA DA DECISÃO À UNANIMIDADE DE VOTOS. III : 4ª Câmara Cível : Des. Jones Figueirêdo : Juiz Virginio Marques Carneiro Leao : 0001746-69. E.B. M. D. ao prudente arbítrio do magistrado. M.8. D. M. fixou como regra o regime da comunhão parcial de bens.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art. : Geraldo Durães de Carvalho : Monica Maria Pimentel Canuto : e Outro(s) . relatados e discutidos estes Autos de Agravo Regimental. 2. mas concedeu liberdade para que os conviventes disponham de modo diverso.Edição nº 184/2011 Recife . S.0000 (233241-6) : 05/08/2011 EMENTA: DIREITO DE FAMÍLIA. Ata de Julgamento e demais peças processuais que passam a integrar este julgado. em DAR PROVIMENTO ao recurso. ACÓRDÃO Vistos.conforme Regimento Interno TJPE art.278/96. e outros e outros : S. P. 3. 0233241-6/01 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Reprte Agravdo Reprte Advog Advog Advog Agravte Agravte Agravte Reprte Agravte Reprte Advog Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Proc. não obsta a constituição de nova vida em comum. (Menor) (Menor) : M. : S. 4 de outubro de 2011 nos cadastros restritivos de crédito deve-se ter. G. G. e como Agravados: R. S.M e outros ACORDAM os Desembargadores integrantes da Quarta Câmara Cível. para reformar a decisão impugnada. P. ressalvado o direito de terceiros. VÍCIO NÃO COMPROVADO. sendo a contestação apenas de parte do débito. B. M. : J. M. ao disciplinar a relação patrimonial entre os conviventes. Recife. Julgado em Agravo Regimental : Vicência : Vara Única : Z. : Thiago Santos de Araújo : e Outro(s) . M. necessária e concomitantemente. b) que haja efetiva demonstração de que a contestação da cobrança indevida se funda na aparência do bom direito e em jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça. M.conforme Regimento Interno TJPE art. Tudo conforme a ementa e os votos que fazem parte integrante da presente decisão. em que figuram como Agravantes Adriana dos Santos Barbosa e Outro e como Agravado Banco Itaú S/A. A Lei nº 9. Des. a presença desses três elementos: a) que haja ação proposta pelo devedor contestando a existência integral ou parcial do débito. III : Z. REGIME DE COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS.66. : V. P. terça-feira. B. mantendo-se inalterado o regime de bens escolhido pelas partes no contrato de união estável objeto da demanda. A.A. NEGAR PROVIMENTO ao Agravo Regimental. 1. Orig. : M.M. : Thiago Santos de Araújo : e Outro(s) . a escolha do regime de comunhão universal de bens. M. acordam os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível. Prejudicado o exame do Recurso de Agravo nº 233241-6/01. ou preste caução idônea. 3. O vínculo matrimonial anterior. G. Recurso provido. deposite o valor referente à parte tida por incontroversa.G. A. III : R.PE. desde que haja separação de fato. F.17. Tenório dos Santos Relator 004. D. à unanimidade. M. D. : Geraldo Durães de Carvalho : Monica Maria Pimentel Canuto : e Outro(s) . relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 233241-6 em que figura como Agravante: Z. CONTRATO DE UNIÃO ESTÁVEL CELEBRADO NA VIGÊNCIA DO CÓDIGO CIVIL DE 1916. c) que. sendo possível. M.66. Agravo Regimental Improvido. : J. D. J.

05/08/2011 Juiz Virgínio Marques Carneiro Leão Relator Substituto 005. D. : Thiago Santos de Araújo : e Outro(s) . REFORMA DA DECISÃO À UNANIMIDADE DE VOTOS. M. M. M. Prejudicado o exame do Recurso de Agravo nº 233241-6/01. M.S.Edição nº 184/2011 Recife . M. ACÓRDÃO Vistos.B. à unanimidade. portanto. O vínculo matrimonial anterior. E. relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 233241-6 em que figura como Agravante: Z. P. : J. M. CONTRATO DE UNIÃO ESTÁVEL CELEBRADO NA VIGÊNCIA DO CÓDIGO CIVIL DE 1916. mantendo-se inalterado o regime de bens escolhido pelas partes no contrato de união estável objeto da demanda. a escolha do regime de comunhão universal de bens. Jones Figueirêdo : Juiz Virginio Marques Carneiro Leao : 05/08/2011 EMENTA: DIREITO DE FAMÍLIA. ressalvado o direito de terceiros.66. B. para reformar a decisão impugnada. desde que haja separação de fato. (Menor) (Menor) : M. : Geraldo Durães de Carvalho : Monica Maria Pimentel Canuto : e Outro(s) . A. : M.A. REGIME DE COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS. A Lei nº 9. e como Agravados: R. III : Ana Queiroz Santos : 4ª Câmara Cível : Des. ESCOLHA LIVRE E CONSCIENTE. Recife.conforme Regimento Interno TJPE art. D.66. não obsta a constituição de nova vida em comum. D. fixou como regra o regime da comunhão parcial de bens. terça-feira. 4 de outubro de 2011 Recife.278/96. : V. III : R. 2. 1.PE. P. em DAR PROVIMENTO ao recurso.conforme Regimento Interno TJPE art. F.M. MODIFICAÇÃO IMPOSSIBILIDADE. J. Recurso provido. 2011. 3. Tudo conforme a ementa e os votos que fazem parte integrante da presente decisão. 05/08/2011 Juiz Virgínio Marques Carneiro Leão Relator Substituto ACÓRDÃOS 6ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No.M e outros ACORDAM os Desembargadores integrantes da Quarta Câmara Cível. S. 0233241-6 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Agravdo Agravdo Reprte Agravdo Reprte Advog Advog Advog Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Agravo de Instrumento : Vicência : Vara Única : Z. VÍCIO NÃO COMPROVADO. mas concedeu liberdade para que os conviventes disponham de modo diverso. sendo possível.14265 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Ordem Processo 121 . G. G.G. Decisão unânime. ao disciplinar a relação patrimonial entre os conviventes. M. : S.

os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: "À unanimidade. Simone Santos Neves : Simone Santos Neves : e Outro(s) . T.conforme Regimento Interno TJPE art. Julgado em Embargos de Declaração : Recife : 27ª Vara Cìvel : SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE : Clávio de Melo Valença Filho : e Outro(s) . 23 de setembro de 2011.OBJETIVO DE PREQUESTIONAMENTOMATÉRIA AMPLAMENTE DISSECADA E DEBATIDA EM TODOS OS SEUS ASPECTOS . Tudo de acordo com o relatório. III : SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE : Clávio de Melo Valença Filho : e Outro(s) .0001 (230303-9) : 20/09/2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL .ALEGAÇÃO DE OMISSÃO .66. III : Simone Santos Neves e outro e outro : Simone Santos Neves : Josemar de Oliveira Santos Neves : e Outro(s) . N. terça-feira. representado por sua genitora. III e Outros e Outros Recife .66.66. em que figuram como embargante SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE e como embargada SIMONE SANTOS NEVES E OUTRO. III e Outro(s) .EMBARGOS REJEITADOS .8. Recife. III : Simone Santos Neves : G.conforme Regimento Interno TJPE art.2010.conforme Regimento I.EMBARGOS DE DECLARAÇÃO . Orig.66. 0245918-3 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Apelação : Recife : 16ª Vara Cível : SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S. José Carlos Patriota Malta : 0002522-03.conforme Regimento Interno TJPE art. foram os aclaratórios rejeitados. José Carlos Patriota Malta Relator 002. T. o voto. : Samuel Marques Custódio de Albuquerque : JOSIAS ARAUJO FERREIRA : Thiago Falcão Peixoto 122 . III : 6ª Câmara Cível : Des.A. 0230303-9/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. e o termo de julgamento. a.conforme Regimento I. ACÓRDÃO: Vistos.17.DECISÃO UNÂNIME ACLARATÓRIOS CONHECIDOS APENAS PARA FINS DE PREQUESTIONAMENTO . III e Outro(s) . Des. T.PE.Edição nº 184/2011 Adriana França de Souza Freire Alexandre Carneiro Gomes Carlos Eduardo Carneiro Guedes Alcoforado Carlos Eduardo Jar e Silva Clávio de Melo Valença Filho Clávio de Melo Valença Filho Frederico de Morais Montenegro Josemar de Oliveira Santos Neves Karina Vasconcelos Martins de Carvalho Leonardo Machado Dias Ramalho Luz MANOELA TRIGUEIRO CAROCA CAVALCANTI Pollyanna Tenório Veríssimo de Q. 4 de outubro de 2011 004 0186546-1/01 004 0186546-1/01 004 0186546-1/01 004 0186546-1/01 001 0230303-9/01 004 0186546-1/01 003 0188478-6/01 001 0230303-9/01 004 0186546-1/01 005 0245294-8 004 0186546-1/01 003 0188478-6/01 004 0186546-1/01 002 0245918-3 001 0230303-9/01 002 0245918-3 003 0188478-6/01 001 0230303-9/01 004 0186546-1/01 005 0245294-8 003 0188478-6/01 004 0186546-1/01 001.DECISÃO UNÂNIME.conforme Regimento Interno TJPE art. a. a. F. R. Amaral Renata Carneiro Guedes Alcoforado Samuel Marques Custódio de Albuquerque Simone Santos Neves Thiago Falcão Peixoto Urbano Vitalino de Melo Neto e Outro(s) . relatados e discutidos estes autos dos EMBARGOS DE DECLARAÇÃO Nº 0230303-9/01.conforme Regimento I. nos termos do voto do Relator".

A.0000(0188478-6/01). à unanimidade deu-se parcial provimento à apelação. e como embargado Geraldo Carneiro da Silva.PE. AGRAVO DE INSTRUMENTO. os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco.8. Julgado em Embargos de Declaração : Paulista : 2ª Vara Cível : Financeira Alfa S/A . e o termo de julgamento. os votos. José Carlos Patriota Malta Relator 003.Crédito. José Carlos Patriota Malta : 0006465-65. 23 de setembro de 2011.COMPLEMENTAÇÃO DEVIDA .MÉRITO .Crédito. ACÓRDÃO: Vistos. Des.2011. rejeitou-se a preliminar de carência de ação. Des.APELO PARCIALMENTE PROVIDO . Orig. AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATO DE FINANCIAMENTO IMPEDIMENTO DE INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO. Recife. acordam o seguinte: "À unanimidade de votos. José Carlos Patriota Malta : 20/09/2011 Recife . tudo de acordo com o relatório. relatados e discutidos estes autos da Apelação Cível Nº 0245918-3.INVALIDEZ PERMANENTE . DECISÃO UNÂNIME. Os Desembargadores do Egrégio Tribunal de Justiça de Pernambuco que compõem a Sexta Câmara Cível.. e como Apelado JOSIAS ARAÚJO FERREIRA.8.17. Financiamento e Investimentos : Urbano Vitalino de Melo Neto : e Outros : Geraldo Carneiro da Silva : Frederico de Morais Montenegro : e Outros : Financeira Alfa S/A . e o termo de julgamento que ficam fazendo parte integrante deste julgado.AÇÃO DE COBRANÇA DE COMPLEMENTO DO SEGURO DPVAT . Financiamento e Investimentos : Pollyanna Tenório Veríssimo de Queiroz Amaral : e Outros : Geraldo Carneiro da Silva : Frederico de Morais Montenegro : e Outros : 6ª Câmara Cível : Des. EMBARGOS CONHECIDOS E REJEITADOS. em que figura como embargante Financeira Alfa S/A Crédito. 4 de outubro de 2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL .17. terça-feira. ACÓRDÃO: Vistos.Edição nº 184/2011 Orgao Julgador Relator Julgado em : 6ª Câmara Cível : Des.0000 (188478-6) : 20/09/2011 EMENTA .APLICAÇÃO DA LEI 11.PRELIMINAR DE CARÊNCIA DO DIREITO DE AÇÃO REJEITADA À UNANIMIDADE . EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. Financiamento e Investimento.2009. nos termos do voto do Relator".DECISÃO UNÂNIME. foram rejeitados os embargos de declaração nos termos do voto do relator". relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração de nº 0014405-13. 0188478-6/01 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. acordam o seguinte: À unanimidade. Tudo de acordo com o relatório. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. José Carlos Patriota Malta Relator 004. No mérito. 23 de setembro de 2011. o voto. Recife. em que figuram como Apelante SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S. 0186546-1/01 Comarca Vara Apelante Advog Embargos de Declaração : Recife : 34ª Vara Cível : SUL AMÉRICA SEGURO SAÚDE S/A : Carlos Eduardo Jar e Silva 123 . .482/2007 .DIREITO PROCESSUAL CIVIL.

conforme Regimento Interno TJPE art. os votos. ACÓRDÃO: Vistos. terça-feira.conforme Regimento Interno TJPE art. José Carlos Patriota Malta : 0067697-46. em que figuram como embargante SUL AMÉRICA SEGURO SAÚDE S/A e como embargada ESCOLA AMERICANA DO RECIFE E OUTROS. Julgado em : Clávio de Melo Valença Filho : Karina Vasconcelos Martins de Carvalho : e Outros : Escola Americana do Recife e outros e outros : Alexandre Carneiro Gomes : Renata Carneiro Guedes Alcoforado : Carlos Eduardo Carneiro Guedes Alcoforado : Adriana França de Souza Freire : e Outro(s) .MATÉRIA AMPLAMENTE DISSECADA E DEBATIDA EM TODOS OS SEUS ASPECTOS . os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: "À unanimidade. Tudo de acordo com o relatório.66. 4 de outubro de 2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL .66. José Carlos Patriota Malta Relator 005.DECISÃO UNÂNIME. III : Fernando Antonio Cardoso Lucena : 6ª Câmara Cível : Des. 0245294-8 Comarca Vara Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Advog Advog Apelado Orgao Julgador Relator Revisor Julgado em Apelação : Recife : 33ª Vara Cível : Afranio Roberto Ferreira Lopes : Antonio José Dias de Oliveira Peixoto : Eduardo Turton Ferreira Lopes : Ana Paula Cardoso Carneiro : Miguel Cardoso Carneiro : Nara Maria Ferreira Lopes : Roberto Afrânio Ferreira Lopes : Sérgio Cardoso Lucena : Walter Turton Ferreira Lopes : Leonardo Machado Dias Ramalho Luz : e Outro(s) .17.EMBARGOS CONHECIDOS APENAS PARA FINS DE PREQUESTIONAMENTO .0001 (186546-1) : 20/09/2011 Recife .ALEGAÇÃO DE OMISSÃO . 23 de setembro de 2011. José Carlos Patriota Malta : 13/09/2011 124 . nos termos do voto do Relator".PE.EMBARGOS DE DECLARAÇÃO COM EFEITOS INFRINGENTES . relatados e discutidos estes autos dos EMBARGOS DE DECLARAÇÃO Nº 0186546-1/01. foram os embargos aclaratórios rejeitados. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. Antônio Fernando de Araújo Martins : Des.8. Recife.2007. III : SUL AMÉRICA SEGURO SAÚDE S/A : MANOELA TRIGUEIRO CAROCA CAVALCANTI : Carlos Eduardo Jar e Silva : Clávio de Melo Valença Filho : Karina Vasconcelos Martins de Carvalho : e Outros : Escola Americana do Recife : Martha Ellen Luhrs Viegas : Ana Maria dos Santos Diniz : Otávio Genuíno Cavalcanti : Sérgio Peres Ramos da Silva : Elizabeth Mauney Assis : Joanne Jones Curtis : George Gabriel Takacs : Carlos Enrique Rivera Vargas : Katherine Agnes Haun : Kátia Genuíno da Silva Cunha : Francisca Elizabette Vieira Cavalcanti : Alexandre Carneiro Gomes : Renata Carneiro Guedes Alcoforado : Carlos Eduardo Carneiro Guedes Alcoforado : 6ª Câmara Cível : Des. e o termo de julgamento.Edição nº 184/2011 Advog Advog Advog Apelado Advog Advog Advog Advog Advog Embargante Advog Advog Advog Advog Advog Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig. Des.OBJETIVO DE PREQUESTIONAR A MATÉRIA .

terça-feira. 0194479-0/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. cabível é a execução provisória.EXECUÇÃO PROVISÓRIA .conforme Regimento I. ACÓRDÃO Vistos. ART. AÇÃO ANULATÓRIA DE TÍTULO DE CRÉDITO.2003. PERDAS E DANOS.8. nos termos do voto do relator.PE. 125 . do CPC.ART. EMBARGOS CONHECIDOS E REJEITADOS.DIREITO PROCESSUAL CIVIL.PROVIMENTO AO APELO . DECISÃO UNÂNIME.VII CPC. tutelar o direito à prestação de declaração de vontade.17. 520. AGRAVO DE INSTRUMENTO. em anexo. 466-A. que fica fazendo parte integrante do presente julgado. emitir declaração de vontade. PROVIMENTO AO APELO . Acordam os Desembargadores que compõem a Sexta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco. a. em que são partes as acima indicadas. Des. Fernando Martins RELATOR ACÓRDÃOS 6ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. à unanimidade de votos em DAR PROVIMENTO a apelação. 2011.0001 (194479-0) : 20/09/2011 Ordem Processo 002 0182977-0/02 002 0182977-0/02 001 0194479-0/01 001 0194479-0/01 003 0238364-4 002 0182977-0/02 003 0238364-4 002 0182977-0/02 001 0194479-0/01 EMENTA . como in casu. relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível em epígrafe.DECISÃO UNÂNIME. O fato de o art. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. não é óbice para o processamento da execução provisória.14268 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado André Luiz de Castro Fernandes Carlos Frederico de Albuquerque Vital Francisco Adriano Bezerra de Menezes Gisela Vieira de Melo Monteiro Kildare José Marinho Soares Nielson Moreira Dias Júnior Teófilo César Soares da Silva e Outro(s) . III e Outros 001. Orig. quando mesmo por imposição legal.DECISÃO UNÂNIME. José Carlos Patriota Malta : 0023046-65. 475-I CPC . de de 2011.Diagnóstico por Imagem Ltda : Gisela Vieira de Melo Monteiro : e Outros : Napoleão de Souza Interaminense : Francisco Adriano Bezerra de Menezes : e Outros : 6ª Câmara Cível : Des.CIVIL E PROCESSUAL CIVIL .RECEBIMENTO DA APELAÇÃO APENAS NO EFEITO DEVOLUTIVO. Das decisões que condena o réu a obrigação de fazer.POSSIBILIDADE .Diagnóstico por Imagem Ltda : Gisela Vieira de Melo Monteiro : e Outros : Napoleão de Souza Interaminense : Francisco Adriano Bezerra de Menezes : e Outros : Maximagem . T. antes do trânsito em julgado da sentença. 4 de outubro de 2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL . Julgado em Embargos de Declaração : Recife : 29º Vara Cível : Maximagem . a parte não o faz. CANCELAMENTO DE PROTESTO.Edição nº 184/2011 Recife . Recife.

Recife.8.66. 535 DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. 0238364-4 Comarca Vara Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelação : Orocó : Vara Única : Francisco Teodorio da Silva : Clara Maria da Silva : Adalva Albertina de Jesus : Maria de Lourdes dos Santos : Agemiro Pereira da Silva : Maria Anunciada da Silva : Maria Barbara dos Santos : José Afonso Simão : José Manoel Lourenço 126 . José Carlos Patriota Malta Relator 003.INOCORRÊNCIA . A. de votos.17. o seguinte: "À unanimidade.INOCORRÊNCIA DOS PRESSUPOSTOS LEGAIS DE EMBARGABILIDADE ELENCADOS NO ART.conforme Regimento Interno TJPE art. e o termo de julgamento que ficam fazendo parte integrante deste julgado. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0182977-0/02. 23 de setembro de 2011.EMBARGOS DE DECLARAÇÃO . José Carlos Patriota Malta : 0002225-62.VÍCIO DE OMISSÃO . AINDA QUE A PRETEXTO DE PREQUESTIONAMENTO . foram rejeitados os embargos de declaração nos termos do voto do relator". acordam o seguinte: À unanimidade. À UNANIMIDADE. DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL .PE. acordam os Senhores Desembargadores componentes da 6º Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco.conforme Regimento Interno TJPE art.ACÓRDÃO EMBARGADO QUE MANTEM DECISÃO TERMINATIVA PROFERIDA COM FUNDAMENTO NO DESCUMPRIMENTO DO ART.17. 23 de setembro de 2011. em que figura como embargante MAXIMAGEM.66. José Carlos Patriota Malta Relator 002. nos termos do voto do Relator" e do Termo de Julgamento que fica fazendo parte deste julgado. Recife. e como Embargado TECNOLOGIA INDÚSTRIA DE FORROS LTDA. III : Tecnologia Indústria de Forros Ltda e outros e outros : Carlos Frederico de Albuquerque Vital : e Outro(s) .0000 (182977-0/1) : 20/09/2011 EMENTA: CIVIL E PROCESSUAL CIVIL . tudo de acordo com o relatório. 4 de outubro de 2011 ACÓRDÃO: Vistos. III : Tecnologia Indústria de Forros Ltda : Raul Cardozo : Maria Salete Mueller Cardozo : Pedro Joaquim Moreto : Maria Salete Muller Cardozo : Carlos Frederico de Albuquerque Vital : e Outro(s) .66.A : André Luiz de Castro Fernandes : Nielson Moreira Dias Júnior : e Outro(s) .Diagnóstico por imagem Ltda. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração de nº 0014408-65. 526. em que figuram como Embargante BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.2011. III : Banco do Nordeste do Brasil S. Orig. Des.0000(0194479-0/01).A : André Luiz de Castro Fernandes : Nielson Moreira Dias Júnior : e Outro(s) . e como embargado Napoleão de Souza Interaminense. Os Desembargadores do Egrégio Tribunal de Justiça de Pernambuco que compõem a Sexta Câmara Cível.Edição nº 184/2011 Recife .conforme Regimento Interno TJPE art.. ACÓRDÃO: Vistos. foram os embargos de declaração rejeitados. PORÉM REJEITADOS. o voto. terça-feira. E OUTROS.8.conforme Regimento Interno TJPE art.2011.EMBARGOS DE DECLARAÇÃO CONHECIDOS. III : 6ª Câmara Cível : Des. 0182977-0/02 Comarca Vara Agravte Advog Advog Advog Agravdo Advog Advog Embargante Advog Advog Advog Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Julgado em Embargos de Declaração : Recife : 9ª Vara Cível : Banco do Nordeste do Brasil S. Des.66.

Acordam os Desembargadores que compõem a Sexta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco.PE. 4 de outubro de 2011 : Lindaura Jacinta da Silva : Geraldo Antônio Barbosa : IZABEL SÉRGIA DE SOUZA BARBOSA : IZAIAS ULISSES FAUSTO CAMPOS : SEVERINA TEREZA CAMPOS : Francisco Manoel Diniz : JUDITE JOSEFA DE CARVALHO : MANOEL SALVADOR DOS SANTOS : MARIA DAS DORES SILVA SANTOS : MANOEL JOSÉ FERREIRA : MARTA LUIZA FERREIRA : Antônio Araújo Meira : MARIA DAS DORES PEREIRA MEIRA : FRANCIVALDO FRANCISCO DA SILVA : FRANCISCA MARIA SIPRIANO DO AMARAL SILVA : SEBASTIÃO ESPEDITO DOS SANTOS : DAMIANA SIPRIANO DO AMARAL SANTOS : MARIA FRANCISCA DA CONCEIÇÃO : JOÃO JOSÉ BATISTA : MARIA AUXILIADORA DA SILVA BATISTA : JOSÉ ALVES SOBRINHO : MARIA ROSALINA CAMPOS ALVES : GERALDO DA SILVA BARROS : CARMEM LÚCIA ANA BARROS : Teófilo César Soares da Silva : CHESF. Antônio Fernando de Araújo Martins : Des. Fernando Martins RELATOR ACÓRDÃOS 6ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. nos termos do voto do relator. tal pretensão não prosperaria em razão de que não foi vislumbrada ocorrência de vícios no acordo de 1991.NEGADO PROVIMENTO . José Carlos Patriota Malta : 20/09/2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL .COMPANHIA HIDROELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO : Kildare José Marinho Soares : 6ª Câmara Cível : Des. à unanimidade de votos em NEGAR PROVIMENTO ao apelo. Recife. somente propuseram ação já decorridos bem mais do que o prazo prescricional.14269 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Antonio Braz da Silva Antônio Henrique Cavalcanti Wanderley Aramis Francisco Trindade De Souza Carlos Antônio Harten Filho Emília Moreira Belo Ordem Processo 002 0239654-7/01 003 0231904-0/02 002 0239654-7/01 001 0182288-8/01 001 0182288-8/01 127 . não tivesse sido atingida pela prescrição. 2011.Edição nº 184/2011 Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Advog Apelado Advog Orgao Julgador Relator Revisor Julgado em Recife . relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº 238364-4. de de 2011. da Comarca de Orocó.PRETENSÃO DE TORNAR NULO O ACORDO QUE ALTEROU ACORDO ORIGINAL SOB ALEGAÇÃO DE ILEGITIMIDADE DE PARTE . ACÓRDÃO Vistos. terça-feira. Des. Ainda que a pretensão autoral.PRETENSÃO DO DIREITO AUTORAL ATINGIDO PELA PRESCRIÇÃO DECISÃO A QUO MANTIDA . posto que foram subscritos pelos mesmos representantes do Pólo Sindical que subscreveram o acordo inicial de 1986. em anexo. ora apelantes. NEGADO PROVIMENTO À UNANIMIDADE DE VOTOS PARA MANTER A SENTENÇA.CIVIL E PROCESSUAL CIVIL . O Código de 16 estabelece prazo prescricional de 04(quatro) anos e os autores.DECISÃO UNÂNIME. em que são partes as acima indicadas.

66. III 128 .conforme Regimento Interno TJPE art. 0239654-7/01 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Advog Apelado Advog Advog Agravte Advog Agravdo Advog Advog Agravo : Recife : 33ª Vara Cível : LUCIA SANTIAGO BARBOSA PONTES : Aramis Francisco Trindade De Souza : BANDEPREV BANDEPE PREVIDENCIA SOCIAL : Reinaldo de Oliveira Rossister : e Outro(s) . 4 de outubro de 2011 003 0231904-0/02 001 0182288-8/01 001 0182288-8/01 001 0182288-8/01 002 0239654-7/01 001 0182288-8/01 002 0239654-7/01 003 0231904-0/02 Embargos de Declaração : Recife : 14ª Vara Cível : Usina Pumaty S/A e outro e outro : Carlos Antônio Harten Filho : Francisco de Assis Lelis de Moura Júnior : CALYON : Guilherme P. Patriota Malta 002. DO CPC INOCORRÊNCIA .0000 (182288-8) : 20/09/2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL . Orig. III e Outro(s) .EMBARGOS CONHECIDOS E REJEITADOS . os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: "À unanimidade.66. a. III 001. Julgado em Recife . III e Outro(s) . LIVRE DE QUALQUER DIFICULDADE DE COMPREENSÃO E ANÁLISE EFEITOS INFRINGENTES . relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0182288-8/01. Sertório Canto Manuela Motta Moura Reinaldo de Oliveira Rossister e Outro(s) . em que figuram como Embargante USINA PUMATY S/A. 23 de setembro de 2011. Sertório Canto : 6ª Câmara Cível : Des. tudo de acordo com o relatório. L.conforme Regimento I.PE. a. T. Sertório Canto : Usina Pumaty S/A : Manuela Motta Moura : Emília Moreira Belo : e Outro(s) . III : BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A . o voto e o termo de julgamento.conforme Regimento I. III : CALYON : Guilherme P.OBJETIVO DE PREQUESTIONAR A MATÉRIA AINDA NA FASE ORDINATÓRIA . e como Embargado CALYON.8. III : LUCIA SANTIAGO BARBOSA PONTES : Aramis Francisco Trindade De Souza : BANDEPREV BANDEPE PREVIDENCIA SOCIAL : Reinaldo de Oliveira Rossister : e Outro(s) . T. Recife.17. que ficam fazendo parte integrante deste julgado.conforme Regimento Interno TJPE art. 0182288-8/01 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Embargante Advog Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc.66. L. ACÓRDÃO: Vistos.EMBARGOS DE DECLARAÇÃO .66. foram os embargos conhecidos e rejeitados. José Carlos Patriota Malta : 0001701-36.ALEGAÇÃO DE OMISSÃO E CONTRADIÇÃO EM ACÓRDÃO QUE NEGOU PROVIMENTO AO RECURSO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO .DECISÃO COLEGIADA EXAUSTIVA DO TEMA.conforme Regimento Interno TJPE art.APRECIAÇÃO DOS REQUISITOS DO ART.Edição nº 184/2011 Fernando Pereira Neto de Castro Montenegro Francisco de Assis Lelis de Moura Júnior Guilherme P. sucessor por incorporação do BANCO ABN AMRO REAL S/A : Antonio Braz da Silva : e Outro(s) .conforme Regimento I. terça-feira. T.IMPOSSIBILIDADE DE REVISITAR QUESTÕES APRECIADAS E DECIDIDAS .conforme Regimento Interno TJPE art. 739-A. nos termos do voto do Relator". Des.2009. §1º.DECISÃO UNÂNIME. a. L. José Carlos Patriota Malta Relator PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Gabinete do Des.

129 .8. ACÓRDÃO: Vistos. Nos termos do art. Recife. em que figuram como Autor LUCIA SANTIAGO BARBOSA PONTES e como Réu BANDEPREV . ACÓRDÃO Vistos. Orig.66. Julgado em Recife .0000 (0239654-7/01).PE. III : Delfina de Jesus Gonçalves Moura : Antônio Henrique Cavalcanti Wanderley : e Outro(s) .66. AMBAS DO STJ . CONTRADIÇÃO NÃO CONFIGURADA 1.PRESCRIÇÃO QUINQUENAL . Des. Julgado em Embargos de Declaração : Panelas : Vara Única : Helmiton Vieira de Moura e outros e outros : Fernando Pereira Neto de Castro Montenegro : e Outro(s) . como Embargada.RECURSO DE AGRAVO NÃO PROVIDO .DECISÃO TERMINATIVA EM AGRAVO DE INSTRUMENTO . III : 6ª Câmara Cível : Des. não fazem coisa julgada os motivos. os votos e o termo de julgamento. nos termos do voto do Relator". 0231904-0/02 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc.17. 23 de setembro de 2011.2009. Orig. acordam os Desembargadores que compõem a 4ª Câmara Cível.0000 (231904-0) : 22/09/2011 EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. 4 de outubro de 2011 : BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A .2011. III : Delfina de Jesus Gonçalves Moura : Antônio Henrique Cavalcanti Wanderley : e Outro(s) . AÇÃO DE NULIDADE DE NEGÓCIO JURÍDICO. José Carlos Patriota Malta Relator 003. III : 4ª Câmara Cível : Des. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. relatados e discutidos estes Autos de Embargos de Declaração. Recife.conforme Regimento Interno TJPE art. tudo de conformidade com o Voto. Os Embargantes não provaram satisfatoriamente que o interditado firmou os contratos impugnados sem o necessário discernimento para a prática de atos da vida civil.Edição nº 184/2011 Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc.conforme Regimento Interno TJPE art. III : Helmiton Vieira de Moura : Yolanda Maria Vieira de Moura : Rafael Vieira de Moura : Yale Maria Vieira de Moura : Ethienne Maria Vieira de Moura : Ângela Cristina Vieira de Moura Melo : Patricia Vieira de Moura : Fernando Pereira Neto de Castro Montenegro : e Outro(s) . 469 do Código de Processo Civil. Ata de Julgamento e demais peças processuais que passam a integrar este julgado.66. Embargos de Declaração Conhecidos e Improvidos. nem a verdade dos fatos estabelecida como fundamento da sentença. terça-feira.8.RECURSO DE AGRAVO . José Carlos Patriota Malta : 0115078-79.BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL e OUTRO.66. DESTITUIÇÃO DE CURADORA NOMEADA EM OBSERVÂNCIA DOS REQUISITOS LEGAIS. NEGAR PROVIMENTO aos Aclaratórios. tudo de acordo com o relatório.8.MANUTENÇÃO DA TERMINATIVA ATACADA .APLICAÇÃO DAS SÚMULAS Nº 291 E 427.66.2011. acordam: "Por unanimidade. ainda que importantes para determinar o alcance da parte dispositiva da sentença. sucessor por incorporação do BANCO ABN AMRO REAL S/A : Antonio Braz da Silva : e Outro(s) . os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 0000358-34.17. 2.DEVOLUÇÃO DOS VALORES ADIMPLIDOS À TÍTULO DE FORMAÇÃO DE RESERVA DE POUPANÇA PREVIDENCIÁRIA PRIVADA .17. negou-se provimento ao recurso de agravo. em que figuram como Embargantes Helmilton Vieira de Moura e Outros e.conforme Regimento Interno TJPE art.DECISÃO UNÂNIME.conforme Regimento Interno TJPE art. Delfina de Jesus Gonçalves Moura.conforme Regimento Interno TJPE art. 4. IMPOSSBILIDADE. à unanimidade. relatados e discutidos estes autos do Recurso de Agravo nº 0007539-86.0001 (239654-7) : 20/09/2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL .

2011. ao cumprimento e proteção de um comando judicial revestido de definitividade e cuja própria parte agravante ora se apega para tentar fazer prevalecer a sua tese jurídica recursal.De fato. 5 . : Selmo Leandro dos Santos : Município de Petrolina : CAMILA ABREU TEIXEIRA CRUZ : 7ª Câmara Cível : Des.Com efeito. com isso. perante o juízo 'a quo'. 32/87). é de se reconhecer que a atuação fiscalizatória ora controvertida do Poder Público Municipal encontra respaldo no exercício do seu poder de polícia. AGRAVO DE INSTRUMENTO QUE SE NEGA PROVIMENTO. além das que já foram determinadas pelo comando judicial. aqui destinado. e não obstante a ausência de contrarrazões ao presente recurso. Emmanuel Egberto de Araújo e esposa (Fazenda Primavera . firma-se a convicção de que a análise do pedido meritório deste agravo de instrumento deve perpassar. EQUÍVOCO/INCOMPLETUDE NA ADOÇÃO DA TESE JURÍDICA PELO AGRAVANTE. sob pena. III 001. permanecendo as famílias já instaladas na posse de seus respectivos lotes de terrenos. vê-se que as partes ora litigantes aparentemente convergem (ao menos neste tema em particular) quanto à aplicação da supracitada decisão judicial no caso em apreço. não se afigura merecedora de guarida. Pública : SELMO LEANDRO DOS SANTOS. 3 . a quem a solução desta controvérsia merece respeito. tem-se que dita pretensão.14262 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado CAMILA ABREU TEIXEIRA CRUZ Elizabeth de Carvalho Simplício Patrícia Martins Nunes Selmo Leandro dos Santos e Outro(s) .conforme Regimento I. AGRAVO DE INSTRUMENTO. e em primeiro plano. o pedido liminar veiculado pela parte ora agravante em sua Ação de Interdito Proibitório. arcar com as despesas (de indenização) relativas a outras áreas. a. aparentemente. TERRENO CONTROVERTIDO INSERIDO EM ÁREA OBJETO DE PRÉVIA AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE TRAVADA ENTRE TERCEIRO E MUNICÍPIO DE PETROLINA. AÇÃO DE INTERDITO PROIBITÓRIO. RESPEITO À COISA JULGADA. em 20 de dezembro de 1984. 96) citada na decisão ora vergastada com as demais provas documentais carreadas aos autos originários . ainda assim. em sua essência. T. Emmanuel Egberto de Araújo e esposa contra o Município de Petrolina (vide fls. em que pese cada parte defenda sua aplicação de acordo. 130 . 31/87) . tem-se como fato aparentemente incontroverso nos autos que o terreno ora objeto de controvérsia está inserido na área cuja propriedade houve reconhecida judicialmente em nome do Sr. do acórdão e do respectivo trânsito em julgado da Ação de Reintegração de Posse que houve travada entre o Sr. naturalmente. 1 . 4 . em que pese a premissa adotada pelo juízo de 1º grau acerca do terreno em questão estar situado em área pública não resista. defender a legalidade no exercício daquele seu poder de polícia como destinado a fazer cumprir a condenação que ali lhe foi imposta. enquanto o particular/agravante cita esse 'decisum' para fazer prova de que o terreno ora objeto de controvérsia seria de propriedade privada (e não uma área pública).Edição nº 184/2011 Recife .Sítio Espinho. Luiz Carlos Figueirêdo : 13/09/2011 Ordem Processo 001 0243265-9 002 0236190-6/01 002 0236190-6/01 001 0243265-9 002 0236190-6/01 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL.Nesse sentido. cujo desfecho restou favorável aos particulares. com seus próprios interesses.Do compulsar dos autos. 0243265-9 Comarca Vara Agravte Advog Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Julgado em Agravo de Instrumento : Petrolina : Vara da Faz. 92).Diante de tais razões. 2 . necessariamente. e de acordo com as próprias razões do Município de Petrolina contidas em sua petição de impugnação ao pedido liminar veiculada ainda na 1º instância (cópia às fls. PODER DE POLÍCIA. justamente.para efeito de se examinar. ao cotejo com as demais provas colacionadas na ação originária e reproduzidas neste recurso (vide fls. Tenório dos Santos Relator ACÓRDÃOS 7ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. LIMITES DA DECISÃO.notadamente a cópia da sentença. pelo exame da decisão judicial suso mencionada. terça-feira. DECISÃO UNÂNIME. "evitando. 4 de outubro de 2011 Des. 90/93). ATUAÇÃO FISCALIZATÓRIA DO PODER PÚBLICO MUNICIPAL.Sítio Espinho e (b) lhes ser devolvida a área que não foi objeto de ocupação. Nesse sentido. o Município de Petrolina utiliza daquele mesmo 'decisum' para. com mais profundidade. de aparente ofensa ao princípio da coisa julgada. atualmente em fase de liquidação" (fl. conquanto se possa admitir o sopesar da Notificação Administrativa nº 12651 (cópia à fl. onde está situado o Loteamento José e Maria ao qual se insere o terreno em questão) nos autos da Ação de Reintegração de Posse por si movida contra a Municipalidade.PE. no sentido de: (a) serem indenizados pela área até então esbulhada correspondente à parte de terra pertencente à Granja Primavera .

e.66. ser devolvido aos seus proprietários . e independente de sua (in)validade. Avelar José de Araújo. nesta sessão de julgamento. RECURSO DE AGRAVO CONTRA DECISÃO MONOCRÁTICA.66. tudo conforme relatório e votos em anexo que. LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL 131 . Luiz Carlos de Barros Figueirêdo Relator 002. 0236190-6/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Advog Estag.e aqui se vislumbra o aparente equívoco (na verdade. ou permuta de novos lotes que porventura surgirem na área objeto da lide" (fl. é de se negar provimento ao presente agravo instrumentalizado. doação. III : Wagner José da Silva : Estado de Pernambuco : Leônidas Siqueira Filho e outro e outro : Cícero Edu Alves de Oliveira : ANTONIO MENDES PEREIRA : Rogério Ferreira de Arruda : JARBAS FERREIRA DE ARRUDA FILHO : MAURICIO NUNES DE MATOS : José Antonio Belarmino dos Santos Silva : VALDEMIR VIEIRA DE SOUZA : GEORGE DENES BARROS SILVA : Sandro Luiz Albuquerque Moura : GENERINO JOSE DA SILVA : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outro(s) . todo o mais. Julgado em Agravo : Recife : 7ª Vara da Fazenda Pública : Cícero Edu Alves de Oliveira e outros e outros : Elizabeth de Carvalho Simplício : Patrícia Martins Nunes : e Outro(s) . devendo.PE. terça-feira. DEVENDO AS FAMÍLIAS QUE ESTÃO JÁ ALI INSTALADAS PERMANECEREM NA POSSE DE SEUS RESPECTIVOS LOTES DE TERRENOS" (grifos no original). matrículas. 8 . Apelado Procdor Agravte Agravte Agravte Agravte Agravte Agravte Agravte Agravte Agravte Agravte Advog Advog Agravdo Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc.2009. cujas famílias já tenham se instalado ao tempo da sentença. Recife. Município de Petrolina ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores integrantes. pela parte interessada .0001 (236190-6) : 27/09/2011 EMENTA ADMINISTRATIVO. ACÓRDÃO Vistos. o que repercute na negativa de provimento ao presente recurso. relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 243265-9. 9 . circunstância que desautoriza a concessão do mandado proibitório aqui postulado. dentre as condenações que ali foram impostas ao Município de Petrolina se encontra a ordem para "devolver aos mesmos autores a área NÃO OCUPADA. .216/95. é que devem permanecer em suas respectivas posses.conforme Regimento Interno TJPE art. PERCEPÇAO DE SOLDO EM VALOR INFERIOR AO PATAMAR MINIMO (VBR) INSTITUIDO PELOS ARTS 11 E 12 DA LEI 11. pelo qual houve ordenado ao Oficial do Cartório de Imóveis daquela Comarca que "não mais proceda a registros. quais sejam.'In casu'. não o fez em relação à inclusão desse terreno dentre aqueles cuja posse pelas famílias ali já instaladas houve mantida/protegida pela sentença exarada naquela Ação de Reintegração de Posse.de que esse terreno seria um daqueles cuja ocupação mediante instalação familiar teve a sua posse mantida pela sentença (datada de dezembro/1984) da famigerada Ação de Reintegração de Posse movida pelo Sr.Nesse sentido. Emmanuel Egberto de Araújo e esposa contra o Município de Petrolina. inscrições ou averbações de venda. à unanimidade de votos. 4 de outubro de 2011 6 .POLICIAL MILITAR. e não sendo razoável adotar um juízo de presunção contrário ao conjunto probatório dos autos.8. basta uma simples leitura da "declaração particular de compra e venda" (fls. em negar provimento ao Agravo de Instrumento.Edição nº 184/2011 Recife .Nesse sentido. travada em julho/2004 com o Sr.Agravo de Instrumento que se nega provimento à unanimidade de votos. 13 de setembro de 2011. III : Estado de Pernambuco : Leônidas Siqueira Filho : Inês Almeida Martins Canavello : 7ª Câmara Cível : Des. 18/19) para se constatar que dita negociação. incompletude) da tese jurídica adotada pelo agravante com base nos comandos judiciais exarados na pré-falada Ação de Reintegração de Posse -. da Comarca de Petrolina. Ausente tal prova.17. Des. passam a integrar este julgado.conforme Regimento Interno TJPE art. Antenor Cardoso Soares Junior : 0145390-38. envolveu apenas um terreno não edificado no Loteamento José e Maria.raciocínio esse que se reforça com a leitura do item "c" da parte dispositiva da referida sentença. em que figuram como Agravante Selmo Leandro dos Santos. e seguindo a linha de raciocínio adotada pelo próprio agravante em suas razões recursais. devidamente revistos e rubricados. 7 . da Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. conquanto a parte ora agravante tenha feito prova de que o terreno em questão seria de propriedade privada (e não uma área pública). sem que haja prova nos autos . 57). Orig.ou mesmo alegação. como Agravado. donde se interpreta que somente aqueles lotes de terrenos efetivamente ocupados.

SUPERVENIÊNCIA DE UMA NOVA FORMA DE REMUNERAÇÃO.8. 3. 2.A partir de abril de 2001 passa a viger. ACÓRDÃO Vistos. na existência de seus direitos. por aplicação do artigo 1º do Decreto 20.216/95. 4 de outubro de 2011 Nº 32/01 .De fato. DO INÍCIO DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 11.Recurso de agravo improvido. deixando então de viger o VBR como parâmetro para a remuneração dos militares. de de 2011 Des Antenor Cardoso Soares Junior Relator ACÓRDÃOS 7ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. a LC nº 32/01. terça-feira. Decisão unânime. soldos e gratificações em valores inferiores aos que lhes eram devidos. III 001. T.216/95 assegurou-lhes o direito a perceber soldo no valor mínimo de R$ 130. 6.216/95 ATÉ O ADVENTO DA LCE Nº 32/01. na conformidade do voto do Relator.conforme Regimento I.0000 (0236190-6/01). já tendo sido fulminada pela prescrição a pretensão dos agravantes. desde 1995. 1.Somente em 2009 os agravantes interpuseram ação judicial na busca de reparar a alegada lesão sofrida. T.Edição nº 184/2011 Recife . unanimemente.17. III e Outro(s) .conforme Regimento I. que devidamente revisto e rubricado. e portanto. houve efetivamente irregularidade no pagamento dos soldos dos apelantes por inaplicabilidade da Lei nº 11. obedecida a tabela de escalonamento vertical.Os agravantes fundamentam o pedido. tomando-se a data de propositura da ação originária. basicamente. a LC nº 32/01 é uma lei de efeitos concretos e o marco inicial para a contagem do prazo prescricional se dá a partir desta lei que por último regulamentou sobre a remuneração dos militares. em conhecer. 2011. negar provimento ao recurso. porém. que fixou valores nominais para os soldos dos diversos postos da escala hierárquica dos servidores militares. a. no período compreendido entre 1995 a 2001. LIMITE AO DIREITO À REVISÃO DOS VALORES DO SOLDO COM BASE NO VBR.PE.2011.910/32.216/95. 4. regendo a matéria.14176 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Elizabeth de Carvalho Simplício Elizabeth de Carvalho Simplício e Outro(s) . em que figuram como agravantes CICERO EDU ALVES DE OLIVEIRA E OUTROS e como agravado o ESTADO DE PERNAMBUCO. 0247151-6/05 Comarca Vara Agravte Procdor Agravdo Ordem Processo 001 0247151-6/05 002 0247151-6/04 001 0247151-6/05 002 0247151-6/04 Embargos de Declaração : Recife : 5ª Vara da Fazenda Pública : Estado de Pernambuco : Inês Almeida Martins Canavello e outro e outro : HIDERALDO DE SOUZA e outros e outros 132 . direito que não foi cumprido pelo agravado porque os recorrentes vinham percebendo.00. Recife. relatados e discutidos estes autos do Agravo nº 0013949-63. em razão de que a lei 11. passa a integrar este julgado. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores integrantes da 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.Assim como a Lei nº 11. a. 5. DECISÃO UNÂNIME. PRESCRIÇÃO DO DIREITO AGRAVO IMPROVIDO.

Julgado em : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outro(s) . com base nas hipóteses previstas no art.Edição nº 184/2011 Advog Advog Embargante Procdor Procdor Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. em que figuram. é integrativa. como Embargante. Hideraldo de Souza e OUTROS. cuja natureza. Embargos Declaratórios conhecidos. III : Estado de Pernambuco : Inês Almeida Martins Canavello : Djalma Alexandre Galindo : HIDERALDO DE SOUZA : HELIO DANTAS LIRA : HUMBERTO TIAGO DE OLIVEIRA : HERLY CARVALHO NEVES : HILDEBRANDO JOSE DE PAULA : HUGO ADRIANO COSTA DA SILVA : HERMENEGILDO ALVES DE LIMA FILHO : ICARO ALVES DE OLIVEIRA : ISRAEL FERREIRA DAMASCENO : ISRAEL PEREIRA DE ALBUQUERQUE : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outro(s) . Orig. Luiz Carlos Figueirêdo : 0011599-05.2011. que passam a integrar este julgado. não se deve confundir omissões e/ou contradições com inconformismo. 0247151-6/04 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Procdor Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Embargante Advog Advog Embargado Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. por essência. IMPOSSIBILIDADE. como Embargado. Des. OMISSÃO.66.conforme Regimento Interno TJPE art. terça-feira. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores integrantes da Egrégia Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. 4 de outubro de 2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. ACÓRDÃO Vistos. Luiz Carlos de Barros Figueirêdo Relator 002. Julgado em Embargos de Declaração : Recife : 5ª Vara da Fazenda Pública : HIDERALDO DE SOUZA e outros e outros : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outro(s) .PE. à unanimidade de votos. conforme relatório e votos em anexo. REDISCUSSÃO DO JULGADO.17. 20 de setembro 2011. VIA ELEITA INADEQUADA. e não se valer dos presentes aclaratórios. CPC.conforme Regimento Interno TJPE art. da Comarca de Recife. porém rejeitados à unanimidade de votos.66. mas sim à mera integração do julgado. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0247151-6/05. devidamente revistos e rubricados.66. III : Estado de Pernambuco : Gilson Silvestre da Silva : Luciana Roffé de Vasconcelos : 7ª Câmara Cível : Des. Estado de Pernambuco. devia a parte interessada manejar o recurso adequado ao seu desafio. Os embargos declaratórios não se prestam à rediscussão da causa. EMBARGOS DECLARATÓRIOS REJEITADOS À UNANIMIDADE DE VOTOS.0000 (247151-6/3) : 13/09/2011 133 .2011. em negar provimento aos Embargos de Declaração opostos pelo embargante. Nesse sentido. 535.8. III : 7ª Câmara Cível : Des.8. Recife.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art. e. Orig.17. III : Estado de Pernambuco : Gilson Silvestre da Silva e outro e outro : HIDERALDO DE SOUZA : HELIO DANTAS LIRA : HUMBERTO TIAGO DE OLIVEIRA : HERLY CARVALHO NEVES : HILDEBRANDO JOSE DE PAULA : HUGO ADRIANO COSTA DA SILVA : HERMENEGILDO ALVES DE LIMA FILHO : ICARO ALVES DE OLIVEIRA : ISRAEL FERREIRA DAMASCENO : ISRAEL PEREIRA DE ALBUQUERQUE : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outro(s) . Luiz Carlos Figueirêdo : 0013409-15.0000 (247151-6/2) : 20/09/2011 Recife . Uma vez irresignada com o julgado.66.

0243471-7 Comarca Vara Agravte Procdor Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Julgado em Ordem Processo 002 0114889-2 002 0114889-2 002 0114889-2 003 0248128-1/01 003 0248128-1/01 001 0243471-7 Agravo de Instrumento : São José do Egito : Vara Única : DETRAN-PE . Recife. José Ivo de Paula Guimarães : 22/09/2011 EMENTA: ADMINISTRATIVO. em negar provimento aos Embargos de Declaração opostos pelo embargante. Uma vez irresignada com o julgado. OMISSÃO. neste instante. devia a parte interessada manejar o recurso adequado ao seu desafio.Decisão Unânime. conforme relatório e votos em anexo.DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE PERNAMBUCO : Aldo Bernardo da Silva Júnior : EVALDO TELMO LIBERAL LEITE : Ânderson André de Almeida Lopes : 8ª Câmara Cível : Des. Embargos Declaratórios conhecidos. PRESENÇA DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS À CONCESSÃO DA MEDIDA POSTULADA. deixando . CPC. cuja natureza. Estado de Pernambuco.quanto ao risco de dano irreparável ou de difícil reparação. Hideraldo de Souza e OUTROS.Edição nº 184/2011 Recife . serão solidários o proprietário e o terceiro adquirente na responsabilização quanto às penalidades impostas e suas reincidências. DECISÃO UNÂNIME. anoto que a Autarquia Administrativa Estadual . SOLIDARIEDADE ENTRE O PROPRIETÁRIO E O TERCEIRO ADQUIRENTE. e. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores integrantes da Egrégia Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. a. por essência. não pode ser prejudicada. IMPOSSIBILIDADE.CTB.Agravo de Instrumento Provido. já que não havia comunicação de transferência da propriedade do veículo. ACÓRDÃO Vistos. 134 do Código de Trânsito Brasileiro . 2 . ACÓRDÃO 134 . Nesse sentido. como Embargado. à unanimidade de votos. 535. III Ânderson André de Almeida Lopes 001. 3 . 2011. E. e não se valer dos presentes aclaratórios. 1 . EMBARGOS DECLARATÓRIOS REJEITADOS À UNANIMIDADE DE VOTOS.inclusive . que passam a integrar este julgado. estabelece que até a data da comunicação ao Órgão Administrativo acerca da transferência de veículo. porém rejeitados à unanimidade de votos. Des. como Embargante. não se deve confundir omissões e/ou contradições com inconformismo. AGRAVO DE INSTRUMENTO PROVIDO. 13 de setembro 2011. ao que parece. com base nas hipóteses previstas no art. em que figuram. é integrativa. T. da Comarca de Recife.o art.PE. mas sim à mera integração do julgado.conforme Regimento I.de compor sua receita patrimonial e aplicar as sanções devidas.DETRAN.14263 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Gláucio Manoel de Lima Barbosa Ivo de Lima Barboza Nívea Bezerra Cavalcanti Boeckmann Rodrigo Salman Asfora e Outro(s) . relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0247151-6/04. VIA ELEITA INADEQUADA. 4 de outubro de 2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. Luiz Carlos de Barros Figueirêdo Relator ACÓRDÃOS 8ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. MULTA E TRÂNSITO. devolvendo às ruas condutores infratores que podem colocar em risco outros bens jurídico-sociais. devidamente revistos e rubricados. terça-feira. Os embargos declaratórios não se prestam à rediscussão da causa. autuou o proprietário. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. tomou todas as medidas conforme o que determina a lei. 4 . REDISCUSSÃO DO JULGADO.

na origem. : Ivo de Lima Barboza : Nívea Bezerra Cavalcanti Boeckmann : Gláucio Manoel de Lima Barbosa : Bruno Marcelo C.diferencial de alíquota sobre operações interestaduais de aquisição de veículos. de outro.2011. em que figura como agravante DETRAN . relatados e discutidos os presentes autos de Agravo de instrumento nº 0008017-94. nem por isso a impetrante deixaria der ser contribuinte de ICMS. Estag. sendo ela responsável. de se adotar a premissa de que os ônibus adquiridos pela impetrante destinar-se-iam exclusivamente ao transporte municipal de passageiros. 0114889-2 Comarca Vara Acao Originaria Apte Advog Advog Advog Estag.PE. 2. De qualquer sorte.8. terça-feira. Francisco José dos Anjos Bandeira de Mello : 03/09/2004 : 03/09/2004 : 26/05/2011 EMENTA: RECURSO DE APELAÇÃO. Recife. 135 . não se visualizam nos autos prova conclusiva no sentido de os ônibus em tela se prestam apenas a transporte intramunicipal. o transporte intermunicipal também é sujeito à incidência de ICMS.0000(0243471-7). 3. porquanto público e notório.PE e como agravado Evaldo Telmo Liberal Leite. de um lado. Ademais. especficamente) sejam destinados à realização de transporte urbano. em conhecerem do recurso acima descrito. em negar provimento ao recurso. e a transporte municipal e intermunicipal. Observa-se. à unanimidade de votos. 4 de outubro de 2011 Vistos. a qual. de de 2011 (data do julgamento). Pode-se admitir. Acordam os Desembargadores que integram a Oitava Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco. acima referenciada.17. e recorrendo ao senso comum. portanto. pelo diferencial de alíquota. 7. 9. que o transporte intermunicipal no âmbito da zona metropolitana do Recife é realizado por ônibus característicos de transporte urbano. 1. Ademais. Marina Gadelha Simas Accetti Resende : 8ª Câmara Cível : Des. 4. tudo na conformidade dos votos e do Relatório proferidos neste julgamento. em sede de mandado de segurança. 8. Ausência de direito líquido e certo à impetração. peças e insumos. Estag. ad argumentadum. 6.e como tal responsável pelo pagamento da diferença de alíquota. acordam os Desembargadores integrantes da 8ª Câmara Cível deste Tribunal de Justiça. Bezerra : Ivo de Oliveira Lima : Roberto da Gama Serpa Filho : Thiago César Torres Leite : Diretor de Administração Tributária da Secretaria da Fazenda do Estado de Pernambuco : Dra. Recurso de Apelação improvido. Contudo. ACÓRDÃO Vistos. de mandado de segurança preventivo com o objetivo de suspender a exigibilidade de supostos créditos tributários atinentes à cobrança de ICMS complementar . Trata-se. ainda que os ônibus em foco (estes veículos. que integra o acórdão. 3° andar. essa qualidade de contribuinte do ICMS foi afirmada pela própria impetrante no exato momento em que adquiriu ditos veículos com incidência da alíquota interestadual.040 . 5. Recife/PE CEP: 50.Edição nº 184/2011 Recife . Des. José Ivo de Paula Guimarães Relator 1 02 Praça da República S/N. ICMS. a inviabilidade. 22/09/2011. na qualidade de sociedade empresária que também atua no ramo de transporte intermunicipal e interestadual (ainda que para tanto utilize veículos outros) . de primeiro. MANDADO DE SEGURANÇA PREVENTIVO. Apdo Procurador Orgao Julgador Relator Data Cad.010. Recife.Fone: (081) 3419-3201 002. F. pela sessão de julgamento realizada no dia 22/09/2011. relatados e discutidos os presentes autos da Apelação Cível nº 0114889-2. na forma da regra geral. Santo Antônio. Estag. sendo certo. só é utilizada quando o adquirente é contribuinte de ICMS. como cediço. DIFERENÇA DE ALÍQUOTA EM OPERAÇÕES INTERESTADUAIS DE AQUISIÇÃO DE CHASSIS E CARROCERIAS DE ÔNIBUS. Trata-se de circunstância a ser aferida in concreto e pro futuro. nos termos do voto do relator. . que existam diferenças estruturais entre ônibus destinados a transporte interestadual. para dar provimento ao mesmo. Protocolo Data Envio Protocolo Julgado em Apelação Cível : Recife : 2ª Vara da Fazenda Pública : 0109900288 Mandado de Segurança Mandado de Segurança : Rodoviária Metropolitana Ltda.

Julgado em Agravo : Recife : 5ª Vara da Fazenda Pública : Estado de Pernambuco : Luciane Barros de Andrade Melo e outro e outro : Rejane Mércia Nunes de Souza : Rodrigo Salman Asfora : e Outro(s) . Recife. tendo em vista que ele não encontrará maiores óbices em aplicar a penalidade por ele imputada ao agravado. 2. impossível se falar em falta de utilidade do mecanismo processual. 4 de outubro de 2011 Des.2011.Edição nº 184/2011 Recife . Objetivou o legislador ordinário. em conhecerem o recurso acima descrito. DECISÃO UNÂNIME. terça-feira. III : Estado de Pernambuco : Detran . FRANCISCO BANDEIRA DE MELLO 8ª CÂMARA CÍVEL 1 AC 0114889-2 003.conforme Regimento Interno TJPE art. no sentido de sobrestar os efeitos do auto de infração nº D002249727 que resultou na aplicação de multa no valor de R$ 957.8. pois a lei N° 11. não se verificou a existência de dano grave e de difícil reparação em desfavor do Estado agravante. 0248128-1/01 Comarca Vara Agravte Procdor Agravdo Advog Advog Agravte Agravte Procdor Procdor Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc.187/2005 tem uma importância simbólica.Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco : Ana Cristina Cavalcanti de Albuquerque : Inês Almeida Martins Canavello : Rejane Mércia Nunes de Souza : Rodrigo Salman Asfora : e Outro(s) . após a devida autorização judicial. permitiu-se um trâmite processual mais célere com a possibilidade de conhecimento do agravo a posteriori.conforme Regimento Interno TJPE art. ACÓRDÃO Vistos. Ademais. pressupostos exigidos pelo artigo 558 do CPC para que se pudesse suspender o cumprimento da decisão que concedeu a tutela antecipada em favor da parte agravada. que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.66. GARANTIA.PE. 15/09/2011.0000 (248128-1) : 15/09/2011 EMENTA: RECURSO DE AGRAVO. Inclusive porque. Recurso de Agravo não provido por unanimidade dos votos. acordam os Desembargadores que integram a Oitava Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco. para negar-lhe provimento. III : 8ª Câmara Cível : Des. mas.I. RECURSO IMPROVIDO. em razão dela ter se recusado a se submeter ao teste de alcoolemianão se verificou em desfavor do agravante a possibilidade de ocorrência de 3. desafogar o Poder Judiciário. não se inviabilizou apreciação do agravo retido. Francisco Bandeira de Mello Relator PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DES. razão pela qual. P. In casu. 1. a tutela antecipada ora combatida poderá ser perfeitamente revertida caso o agravante obtenha êxito quando da análise definitiva da controvérsia. Orig. CELERIDADE PROCESSUAL.69 (novecentos e cinquenta e sete reais e sessenta e nove centavos) e apreendeu sua carteira de habilitação. José Ivo de Paula Guimarães : 0010789-30. tão-somente. à unanimidade de votos. POSSIBILIDADE. conforme relatório e voto constantes dos autos. 136 . 4.17.R. na sessão realizada no dia 15/09/2011. Foi um primeiro passo na busca de um Judiciário mais ágil e de uma Justiça mais eficaz. CONVERSÃO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RETIDO.66. relatados e discutidos os presentes autos do Recurso de Agravo nº 0248128-1/01.

terça-feira. 0245957-0 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Orgao Julgador Relator Julgado em Ordem Processo 002 0237625-8/02 001 0245957-0 001 0245957-0 003 0239261-2 004 0232481-6/03 005 0232481-6 002 0237625-8/02 004 0232481-6/03 005 0232481-6 Apelação : Lagoa Grande : Vara única da Comarca de Lagoa Grande : Município de Lagoa Grande .conforme Regimento I. em ordem a excluir da condenação imposta em primeiro grau o pagamento das diferenças de FGTS do período trabalhado. fixada com base no art. tratando-se de hipótese relacionada a servidor contratado temporariamente pela Administração Pública. José Delgado. sem o que dar-seia o locupletamento da administração. bem como afastar a condenação no art. T. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL.Edição nº 184/2011 Recife . do CPC.conforme Regimento I.conforme Regimento I. EMBARGOS DECLARATÓRIOS OPOSTOS CONTRA A SENTENÇA. cujos contratos de trabalho sejam declarados nulos. T. não devem ser deferidos os benefícios previstos apenas na Consolidação das Leis do Trabalho (precedentes). 4 de outubro de 2011 Des. 137 . CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE SERVIDOR POR EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO. CONSTITUCIONAL. 3. PARÁGRAFO ÚNICO. a. T. 2011. acima referenciada. 538. acordam os Desembargadores integrantes da 8ª Câmara Cível deste Tribunal de Justiça em dar provimento ao apelo. a. porquanto revestidos de natureza jurídico-administrativa. por ser o contrato nulo. 2. Recife. que integra o acórdão. 538. Entendeu-se desarrazoada a condenação do Município na multa de 1% sobre o valor atribuído à causa. DO CPC. DJU de 04/03/2002).970) 6. Apelo provido. III e Outro(s) .PE : Wellington Cordeiro Lima : GUALBERTO SILVA ALENCAR : José Sales Roberto de Góis : 8ª Câmara Cível : Des. 538. Compete à Justiça comum estadual processar e julgar as causas decorrentes de contratos temporários de trabalho celebrados pela Administração Pública. é a de que os efeitos da nulidade não são retroativos. pois. Min. do CPC reserva-se a hipóteses em que se faz evidente o abuso" (Resp n. relatados e discutidos os presentes autos da Apelação Cível nº 0245957-0. 5. a. 538. CARÁTER PROTELATÓRIO NÃO EVIDENCIADO. do CPC. que a um só tempo deu causa à nulidade e dela se beneficiou. A multa cominada no art. pela apropriação do trabalho prestado pelo servidor. tendo o empregado direito à percepção dos salários atrasados. de de 2011 (data do julgamento). 1ª Turma. RELAÇÃO JURÍDICO-ADMINISTRATIVA. nos termos do voto do relator. No entanto. III e Outro(s) . devem ser afastadas as rubricas próprias do regime celetista. José Ivo de Paula Guimarães Relator ACÓRDÃOS 8ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No. visto que a orientação do Superior Tribunal de Justiça. 1. a eventual nulidade do ato admissional do apelado não implica na inexistência de direito à percepção da remuneração devida em contrapartida ao fato em si do trabalho prestado. quanto aos servidores contratados sem concurso público. 8. parágrafo único. com base no princípio da boa-fé e da primazia da realidade (RESP 326676/GO. parágrafo único. ACÓRDÃO Vistos.PE. Rel.14264 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Adolfo Henrique Nunes Monteiro José Sales Roberto de Góis Wellington Cordeiro Lima Wendell Siqueira Ferraz Wendell Siqueira Ferraz Wendell Siqueira Ferraz e Outro(s) . ainda que irregular a contratação. dele não se originariam direitos. 4. parágrafo único. INVIABILIDADE DA FRUIÇÃO DE BENEFÍCIOS PREVISTOS APENAS NA CLT. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM ESTADUAL. III 001. Francisco José dos Anjos Bandeira de Mello : 01/09/2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. APELO PROVIDO. AFASTADA A MULTA DO ART. Dessa forma. Não procede a alegação do Município de que. eis que "os embargos declaratórios devem ser encarados como instrumento de aperfeiçoamento da prestação jurisdicional.

enfocando os aspectos pertinentes que julgar necessário ao deslinde da causa. não indo de encontro com a Lei. 138 .2011. Francisco Bandeira de Mello Relator Recife . 535 do CPC. Os Embargos de declaração constituem recurso de extremados requisitos objetivos. à unanimidade de votos. 22/09/2011. pontos e argumentos levantados pelas partes. III : 8ª Câmara Cível : Des. também reconhecido em união estável.0000 (237625-8/1) : 15/09/2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. P. se inserindo nas disposições do artigo 27.66.Edição nº 184/2011 Des.conforme Regimento Interno TJPE art. ACORDAM os Desembargadores que integram a Oitava Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco. para confirmar o acórdão vergastado. Recife. terça-feira. EMBARGOS REJEITADOS DE FORMA INDISCREPANTE. Com efeito. de acordo com seu livre convencimento. 3. FRANCISCO BANDEIRA DE MELLO 8ª CÂMARA CÍVEL 1 AC 0245957-0 002. conforme normatização imersa no artigo 535 do Código de Processo Civil. § 2º da Lei Complementar nº 28/2000. III : FUNAPE . não está o Julgador obrigado a enfrentar todas as regras jurídicas. que trouxe questões alheias às hipóteses elencadas no art. contudo de maneira contrária à parte ora embargante. 0237625-8/02 Comarca Vara Agravte Procdor Agravdo Advog Advog Embargante Procdor Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. devendo esta ser dividida entre à agravada e sua filha. no caso concreto. com redação alterada pela Lei Complementar n°56/2003. A matéria posta em debate restou absolutamente enfrentada no aresto embargado.R. em rejeitarem o recurso acima descrito. ALEGAÇÃO DE OMISSÃO. e a dizer o direito conforme a legislação que entender aplicável ao caso concreto. 2.8. ACÓRDÃO Vistos. o acórdão embargado foi bastante claro ao destacar os motivos que o levaram a reconhecer o direito da parte embargada em receber a pensão por morte do ex-segurado falecido em concomitância com a filha que teve em conjunto com o de cujus. mas a julgar a questão posta em exame de acordo com as provas produzidas nos autos. em sessão realizada no dia 15/09/2011. I. que foi fato da mesma ter comprovado que manteve uma relação duradoura com mesmo durante dezessete anos. Aclaratórios conhecidos tão-somente para fins de prequestionamento. pois a própria Norma Fundamental do Estado Federativo tem dentre os seus pilares o Princípio da Dignidade Humana.conforme Regimento Interno TJPE art. 4. relatados e discutidos os presentes autos dos Embargos Declaratórios nº 0237625-8/02. Orig.66. tudo na conformidade dos votos e do Relatório proferidos neste julgamento. Notadamente.Fundação de Aposentadoria e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco : Cristiany Gonçalves Sampaio Coelho e outro e outro : IRACEMA MARIA DE JESUS : Adolfo Henrique Nunes Monteiro : e Outro(s) . através da pensão por morte. 1.FUNDACAO DE APOSENTADORIAS E PENSOES DOS SERVIDORES DO ESTADO DE PERNAMBUCO : Cristiany Gonçalves Sampaio Coelho : IRACEMA MARIA DE JESUS : Adolfo Henrique Nunes Monteiro : e Outro(s) . INOCORRÊNCIA. porém não providos de forma unânime. exigindo-se. que estejam presentes os pressupostos legais de cabimento. 4 de outubro de 2011 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DES. e nada mais digno do que amparar quem vivia amparada pelo ex-segurado. Julgado em Embargos de Declaração : Recife : 1ª Vara da Fazenda Pública : FUNAPE . José Ivo de Paula Guimarães : 0009704-09.PE. julgando improvido o pedido.I.17. 5. EMBARGOS DECLARATÓRIOS. com o nítido propósito de rediscutir matéria já decidida. 6. para seu acolhimento. O concubinato impuro de longa duração deve ser.

APELAÇÃO CÍVEL. Inexistindo legislação específica municipal voltada a regulamentar as competências listadas nos sobreditos artigos. mas tão somente a desistência do recurso.66. Fora suscitada questão prejudicial envolvendo pedido de desistência da ação formulado pelo impetrante/apelante. relatados e discutidos os presentes autos da Apelação Cível nº 239261-2. 1. não se admite acolher a demanda de desistência da ação mandamental. 08 de setembro de 2011 Des. Nesta toada. 120 e 130 disciplinam o registro dos veículos automotores. 24. Assim sendo. à unanimidade de votos. MOTOQUEIROS. 2. 24. em dar-lhe provimento. licenciar. XVII. ATO DA DIRETORA DE OPERAÇÕES DO DETRAN/ PE POR MEIO DO QUAL RESTOU DEFLAGRADA OPERAÇÃO COM O ESCOPO DE FISCALIZAR. 24. o licenciamento e a fiscalização dos ciclomotores após o advento da lei municipal de que tratam os arts. em sessão realizada no dia 08 de setembro de 2011. à unanimidade de votos. José Ivo de Paula Guimarães : 08/09/2011 EMENTA: DIREITO ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. Mérito. a municipalidade somente poderá utilizar-se da estrutura física e operacional do DETRAN para o fim de efetuar o emplacamento. dispõe sobre a competência para licenciar e registrar veículos ciclomotores. 5. 6.PE. 501 do CPC. a saber. sob o fundamento de que. cabe ressaltar que a existência de Convênio de Cooperação Técnica firmado entre o Município do Recife e o DETRAN/PE não é capaz de suprir a ausência de prévia legislação regulamentadora editada pelo ente competente. além de não ser possível distinguir como norma geral e específica dois dispositivos pertencentes ao mesmo diploma legal. MOTOBOYS.DETRAN . restando prejudicados Agravo de Instrumento nº 232481-6 e os Embargos de Declaração nº 232481-6/03. AUTUAR E APREENDER VEÍCULOS CICLOMOTORES NÃO LICENCIADOS PERANTE A ALUDIDA AUTARQUIA ESTADUAL. por possuírem caráter geral.I. a competência para registrar. nos termos do art. dúvida não há de que carecem de respaldo legal as operações do DETRAN/PE voltadas à fiscalização dos veículos ciclomotores. terça-feira.DETRAN/PE : Ana Cristina Cavalcante de Albuquerque e outros e outros : SINDICATO DOS TRABALHADORES DE MOTO. RECURSO PROVIDO À UNANIMIDADE DE VOTOS. 0239261-2 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Procdor Procdor Procdor Procurador Orgao Julgador Relator Julgado em Apelação : Recife : 1ª Vara da Fazenda Pública : SINDICATO DOS TRABALHADORES DE MOTO. e 129. enquanto os arts. Recife. os aludidos artigos tratam de matérias completamente diversas. 3. 120 e 130 do CTB. III : DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE PERNAMBUCO . P. após a prolação de sentença de mérito. autuar e fiscalizar veículos ciclomotores é privativa dos Municípios. À unanimidade de votos.PE : Luciane Barros de Andrade Melo : Ana Cristina Cavalcanti de Albuquerque : Antiógenes Viana de Sena Júnior : Deluse Amaral Rolim Florentino : 8ª Câmara Cível : Des. PREJUDICIAL DE DESISTÊNCIA DA AÇÃO MANDAMENTAL REJEITADA DE FORMA INDISCREPANTE. tendo este colegiado entendido por afastá-la. o art. 2. 4. MOTOBOYS. XVII.R. E 129 DO CTB. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. ambos do Código de Trânsito Brasileiro. MOTOMENS E AFINS DO ESTADO DE PERNAMBUCO : Wendell Siqueira Ferraz : Departamento Estadual de Trânsito do Estado de Pernambuco . José Ivo de Paula Guimarães Relator 004. XVII. em ordem a reformar a sentença para conceder a segurança postulada.Edição nº 184/2011 Recife . do CTB. MOTOMENS E AFINS DO ESTADO DE PERNAMBUCO : Wendell Siqueira Ferraz : e Outro(s) . 0232481-6/03 Comarca Vara Embargante Procdor Embargado Advog Advog Embargante Procdor Embargos de Declaração : Recife : 1ª Vara da Fazenda Pública : DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE PERNAMBUCO . 24. deu-se provimento à Apelação Cível. e 129. do CTB. ACORDAM os Desembargadores integrantes da Oitava Câmara Cível deste Tribunal de Justiça. INTELIGÊNCIA DOS ARTS.DETRAN/PE : Ana Cristina Cavalcante de Albuquerque 139 .conforme Regimento Interno TJPE art. isto porque. ACÓRDÃO Vistos. XVII. nos termos do relatório e voto constantes dos autos. Consoante previsão contida nos arts. deveriam incidir na hipótese em detrimento da norma específica de eficácia limitada contida no art. Afigura-se descabido o entendimento segundo o qual os comandos contidos nos arts. 4 de outubro de 2011 Des. MOTOQUEIROS. 24. XVII. José Ivo de Paula Guimarães Relator 003. INCOMPETÊNCIA.

Consoante previsão contida nos arts. PREJUDICIAL DE DESISTÊNCIA DA AÇÃO MANDAMENTAL REJEITADA DE FORMA INDISCREPANTE. 24. do CTB. à unanimidade de votos. dispõe sobre a competência para licenciar e registrar veículos ciclomotores. o art. relatados e discutidos os presentes autos da Apelação Cível nº 239261-2. em ordem a reformar a sentença para conceder a segurança postulada.conforme Regimento Interno TJPE art.R. XVII.2011. 120 e 140 . do CTB. MOTOQUEIROS. À unanimidade de votos. Inexistindo legislação específica municipal voltada a regulamentar as competências listadas nos sobreditos artigos. P.PE. após a prolação de sentença de mérito. MOTOMENS E AFINS DO ESTADO DE PERNAMBUCO : Wendell Siqueira Ferraz : e Outro(s) . MOTOQUEIROS. 24. XVII. nos termos do relatório e voto constantes dos autos. ambos do Código de Trânsito Brasileiro. E 129 DO CTB. Inexistindo legislação específica municipal voltada a regulamentar as competências listadas nos sobreditos artigos. José Ivo de Paula Guimarães Relator 005. Afigura-se descabido o entendimento segundo o qual os comandos contidos nos arts. além de não ser possível distinguir como norma geral e específica dois dispositivos pertencentes ao mesmo diploma legal. 501 do CPC. restando prejudicados Agravo de Instrumento nº 232481-6 e os Embargos de Declaração nº 232481-6/03. 120 e 130 do CTB. isto porque. XVII.0000 (232481-6/2) : 08/09/2011 EMENTA: DIREITO ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. terça-feira. 4 de outubro de 2011 : SINDICATO DOS TRABALHADORES DE MOTO. INTELIGÊNCIA DOS ARTS.DETRAN/PE : José Galdino da Silva Filho : Maria Claúdia Junqueira : Ana Cristina Cavalcanti de Albuquerque : 8ª Câmara Cível : Des. a competência para registrar. José Ivo de Paula Guimarães : 08/09/2011 EMENTA: DIREITO ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PREJUDICIAL DE DESISTÊNCIA DA AÇÃO MANDAMENTAL REJEITADA DE FORMA INDISCREPANTE. os aludidos artigos tratam de matérias completamente diversas. Julgado em Recife . 24. Fora suscitada questão prejudicial envolvendo pedido de desistência da ação formulado pelo impetrante/apelante. 1. Fora suscitada questão prejudicial envolvendo pedido de desistência da ação formulado pelo impetrante/apelante. Nesta toada. Orig. E 129 DO CTB.Edição nº 184/2011 Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. 24. a competência para registrar. ATO DA DIRETORA DE OPERAÇÕES DO DETRAN/ PE POR MEIO DO QUAL RESTOU DEFLAGRADA OPERAÇÃO COM O ESCOPO DE FISCALIZAR. 24. 4. 501 do CPC. sob o fundamento de que.I. Mérito. tendo este colegiado entendido por afastá-la. AUTUAR E APREENDER VEÍCULOS CICLOMOTORES NÃO LICENCIADOS PERANTE A ALUDIDA AUTARQUIA ESTADUAL. e 129. APELAÇÃO CÍVEL. e 129. 3. em sessão realizada no dia 08 de setembro de 2011. Recife. 3. nos termos do art. INCOMPETÊNCIA. XVII. ATO DA DIRETORA DE OPERAÇÕES DO DETRAN/ PE POR MEIO DO QUAL RESTOU DEFLAGRADA OPERAÇÃO COM O ESCOPO DE FISCALIZAR. sob o fundamento de que. em dar-lhe provimento. 0232481-6 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Procdor Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Julgado em Agravo de Instrumento : Recife : 1ª Vara da Fazenda Pública : SINDICATO DOS TRABALHADORES DE MOTO.66. à unanimidade de votos. 2. INTELIGÊNCIA DOS ARTS. 2. MOTOMENS E AFINS DO ESTADO DE PERNAMBUCO : Wendell Siqueira Ferraz : e Outro(s) . a saber. o licenciamento e a fiscalização dos ciclomotores após o advento da lei municipal de que tratam os arts. dúvida não há de que carecem de respaldo legal as operações do DETRAN/PE voltadas à fiscalização dos veículos ciclomotores. mas tão somente a desistência do recurso. MOTOBOYS. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. RECURSO PROVIDO À UNANIMIDADE DE VOTOS. dúvida não há de que carecem de respaldo legal as operações do DETRAN/PE voltadas à fiscalização dos veículos ciclomotores. autuar e fiscalizar veículos ciclomotores é privativa dos Municípios. 08 de setembro de 2011 Des.17.8. licenciar. Afigura-se descabido o entendimento segundo o qual os comandos contidos nos arts. por possuírem caráter geral. deu-se provimento à Apelação Cível. autuar e fiscalizar veículos ciclomotores é privativa dos Municípios. enquanto os arts. APELAÇÃO CÍVEL. 5. não se admite acolher a demanda de desistência da ação mandamental. nos termos do art. III : 8ª Câmara Cível : Des. e 129. Consoante previsão contida nos arts. INCOMPETÊNCIA. 24. MOTOBOYS.66. após a prolação de sentença de mérito. XVII.conforme Regimento Interno TJPE art. ambos do Código de Trânsito Brasileiro. 1. 120 e 130 disciplinam o registro dos veículos automotores. RECURSO PROVIDO À UNANIMIDADE DE VOTOS. à unanimidade de votos. III : DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE PERNAMBUCO . 2. Assim sendo. 2. ACÓRDÃO Vistos. mas tão somente a desistência do recurso. 6. Mérito. licenciar. José Ivo de Paula Guimarães : 0005868-28. XVII. ACORDAM os Desembargadores integrantes da Oitava Câmara Cível deste Tribunal de Justiça. não se admite acolher a demanda de desistência da ação mandamental. tendo este colegiado entendido por afastá-la. XVII. AUTUAR E APREENDER VEÍCULOS CICLOMOTORES NÃO LICENCIADOS PERANTE A ALUDIDA AUTARQUIA ESTADUAL. 24. deveriam incidir na hipótese em detrimento da norma específica de eficácia limitada contida no art. cabe ressaltar que a existência de Convênio de Cooperação Técnica firmado entre o Município do Recife e o DETRAN/PE não é capaz de suprir a ausência de prévia legislação regulamentadora editada pelo ente competente. a municipalidade somente poderá utilizar-se da estrutura física e operacional do DETRAN para o fim de efetuar o emplacamento.

cabe ressaltar que a existência de Convênio de Cooperação Técnica firmado entre o Município do Recife e o DETRAN/PE não é capaz de suprir a ausência de prévia legislação regulamentadora editada pelo ente competente. tornarem estreme de dúvidas a configuração de um crime impossível. José Ivo de Paula Guimarães Relator ACÓRDÃOS 3ª Câmara Criminal Emitida em 03/10/2011 Relação No. 0249217-7 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Julgado em Habeas Corpus : Timbaúba : 1ª Vara : Paulo dos Santos Tavares : Wellington Felix da Silva : Juízo de Direito da primeira Vara da Comarca de Timbaúba : Eva Regina de A. deu-se provimento à Apelação Cível. XVII. 4 de outubro de 2011 130 do CTB. e ainda mais em sede de habeas corpus. do CTB. II . XVII. 24.Habeas corpus denegado. do CTB. ALEGAÇÃO DE CRIME IMPOSSÍVEL. por possuírem caráter geral. HABEAS CORPUS. Assim sendo. relatados e discutidos os presentes autos da Apelação Cível nº 239261-2. NECESSIDADE DE COTEJO COM AS DEMAIS PROVAS DOS AUTOS. isto porque. em sessão realizada no dia 08 de setembro de 2011. haja vista o amplo efeito devolutivo dessa espécie recursal. DECISÃO UNÂNIME. Decisão unânime. razão pela qual as declarações dessa única testemunha não podem ser elevadas a um patamar tal a ponto de. pois este é somente um dentre tantos outros elementos probatórios que constam dos autos originários e que motivaram a autoridade dita coatora a proferir sentença condenatória. 6. em dar-lhe provimento. e 129.Edição nº 184/2011 Recife . à unanimidade de votos. em ordem a reformar a sentença para conceder a segurança postulada. o licenciamento e a fiscalização dos ciclomotores após o advento da lei municipal de que tratam os arts. I . ACÓRDÃO Vistos. ACÓRDÃO 141 . terça-feira. XVII. o qual poderá ter lugar quando do julgamento da apelação já interposta pela defesa do Paciente.PE. 120 e 130 disciplinam o registro dos veículos automotores. ACORDAM os Desembargadores integrantes da Oitava Câmara Cível deste Tribunal de Justiça. restando prejudicados Agravo de Instrumento nº 232481-6 e os Embargos de Declaração nº 232481-6/03. Recife. que ficam fazendo parte integrante deste julgado.I. nos termos do relatório e voto constantes dos autos. enquanto os arts. Nesta toada. VIA ESTREITA DO WRIT. deveriam incidir na hipótese em detrimento da norma específica de eficácia limitada contida no art. 24.R. A prosperidade da pretensão do Impetrante depende de um cotejo entre as declarações desse agente policial e as demais provas dos autos. TRÁFICO DE DROGAS. por si sós. a saber. 08 de setembro de 2011 Des. À unanimidade de votos. 5. 2011. Brasil : 3ª Câmara Criminal : Des. 24. a municipalidade somente poderá utilizar-se da estrutura física e operacional do DETRAN para o fim de efetuar o emplacamento. PREPARAÇÃO DO FLAGRANTE SUPOSTAMENTE EVIDENCIADA PELO DEPOIMENTO DE UM POLICIAL. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : 21/09/2011 EMENTA: PROCESSO PENAL. o art.14281 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Diniz Baptista de Pontes Eugênio Eudes de Souza Ordem Processo 003 0183747-6 002 0228094-4 001. os aludidos artigos tratam de matérias completamente diversas. P. dispõe sobre a competência para licenciar e registrar veículos ciclomotores.Não há como se reconhecer o caráter preparado de um flagrante com base apenas no depoimento de um policial. além de não ser possível distinguir como norma geral e específica dois dispositivos pertencentes ao mesmo diploma legal. 4. HABEAS CORPUS DENEGADO.

Edição nº 184/2011 Recife . Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : Des. do CPP. encontrando-se os dois recorrentes incursos nas penas do Art. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Público Apelado Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Revisor Julgado em Apelação : Caruaru : 4ª Vara Criminal de Caruaru : MAURICIO LINS DA SILVA : Eugênio Eudes de Souza : JOSÉ ADRIANO FERREIRA DA SILVA : Marianna Granja de Oliveira Lima : MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO : Maria Francisca de Mendonça Silva : 3ª Câmara Criminal : Des. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima 142 . e o segundo apelante também nas penas do Art. PRONÚNCIA. III . votos anexos e notas taquigráficas. preexistente à conduta do agente. do Código Penal. COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI (ART.17. VEDAÇÃO DE EVENTUAL CONDENAÇÃO PELO JÚRI COM PENA MAIOR DO QUE A ANTERIORMENTE IMPOSTA. pronunciando-os. no qual figura como partes as acimas nomeadas. do CP. 383. DESCLASSIFICAÇÃO DE LATROCÍNIO PARA HOMICÍDIO QUALIFICADO E FURTO MAJORADO. terça-feira. Des. INTELIGÊNCIA DO ART. que exige para sua consumação. à unanimidade em dar provimento parcial aos recursos. eis que se trata de recurso exclusivo da defesa. 155. além do animus necandi. II . 121.O latrocínio é um crime complexo. do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.2011.Provimento parcial dos dois Recursos.8. 383. tudo de conformidade com o relatório e votos constantes das notas taquigráficas anexas. relatados e discutidos os autos do Habeas Corpus nº 0011929-02. a teor do art. desclassificando a conduta delitiva para a prevista no Art. I . em relação a ambos e a um deles. Alderita Ramos de Oliveira : 19/09/2011 EMENTA: PENAL E PROCESSUAL PENAL. 413. 0183747-6 Comarca Vara Acao Originaria Apelante Apelante Apelante Advog Apelado Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Apelação : Macaparana : Vara Única : 00001801620088170930 Ação Penal Ação Penal : José Marcos Ribeiro de Andrade : Moisés de Freitas Souza : Marcone Pedroza da Silva : Diniz Baptista de Pontes : Ministério Público do Estado de Pernambuco : Maria Francisca de Mendonça Silva : 3ª Câmara Criminal : Des. Recife. por unanimidade de votos. CAPUT E § 2º.Considerando a vedação da reformatio in pejus. § 1º. II e IV.Ante a ausência de provas de que os acusados pretendiam roubar a vítima ou garantir a consumação do delito contra o patrimônio com a morte do ofendido. CF). a fim de serem submetidos a julgamento pelo Tribunal do Júri. em concurso material.0000 (0249217-7). Des. 121. ou seja. Cláudio Jean Nogueira Virgínio Relator 002. Recife/PE. 19 de setembro de 2011 . em denegar o presente habeas corpus. impõe-se desclassificação. § 1º. XXXVIII.8. em que figuram como partes as retromencionadas. 5º. que passam a integrar este julgado. a fim de serem submetidos a julgamento pelo Tribunal do Júri. a contida no Art. Nivaldo Mulatinho de Medeiros Correia Filho : Des. eventual condenação pelo tribunal do júri não poderá implicar em pena superior à anteriormente imposta. 0228094-4 Comarca Vara Apelante Advog Apelante Def. IV . também. DO CPP. a teor do Art. nos termos do relatório. submetendo os Apelantes a julgamento pelo Tribunal do Júri. II e IV. Nivaldo Mulatinho Filho Relator 003. caput e § 2º. relatados e discutidos o presente pedido de APELAÇÃO CRIMINAL n° 0009363-03.2008. RECURSOS DE APELAÇÃO CRIMINAL. 4 de outubro de 2011 Vistos. ACÓRDÃO Vistos. devidamente rubricadas. Nivaldo Mulatinho de Medeiros Correia Filho : Des. devidamente assinado. Decisão unânime.17. que passam a integrar o presente aresto. pelo que foram pronunciados nesta instância. do CP. § 2º. 617 do CPP. § 2º. do CP. 21 de setembro de 2011. nos termos do Art.0480 (0228094-4).PE. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal. 155. do CPP. o animus furandi antecedente.

TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES. 11.PE. DECISÃO UNÂNIME. 158 e 159 do CPP). relatados e discutidos estes autos da Apelação Criminal nº 0183747-6.343/2006. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. no qual figuram como partes as retronominadas. Recife. Des. se era possível sua realização. no tocante aos delitos de tráfico ilícito de entorpecentes. ACÓRDÃO Vistos. DA LEI 11. de ofício. em dar provimento parcial ao Apelo. Portanto. DECISÃO UNÂNIME. APELAÇÃO CRIMINAL. 35 DA LEI DE DROGAS. Decisão unânime. Nivaldo Mulatinho Filho . Alderita Ramos de Oliveira : 21/09/2011 Recife . cuja validade não pode ser elidida. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : Des. ACÓRDÃO Vistos. 4 de outubro de 2011 EMENTA: PENAL E PROCESSUAL PENAL. Des. que passam a integrar este aresto. DESCABIMENTO.A interposição de recurso. à unanimidade de votos. I . Recife. sendo absolvidos os três Apelantes do delito previsto no art. O exame de corpo de delito direto. II. não está sujeita à deserção por falta de preparo. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO. CONDENAÇÃO DE DOIS DOS CORRÉUS PELO CRIME DE TRÁFICO. em dar provimento ao recurso. Nivaldo Mulatinho de Medeiros Correia Filho : Des. 0197193-7 Comarca Vara Acao Originaria Apelante Def. desclassificando. Nivaldo Mulatinho Filho Relator 004. 11. da Lei n. por expressa determinação legal. DESCLASSIFICAÇÃO DO MESMO CRIME PARA O DELITO TIPIFICADO NO ART.Relator ACÓRDÃOS 3ª Câmara Criminal 143 . I. Alderita Ramos de Oliveira : 20/09/2011 EMENTA: PENAL E PROCESSO PENAL. a prova testemunhal não supre sua ausência.21 de setembro de 2011. III . Precedentes do STJ.Recurso provido em parte. à luz dos princípios constitucionais da não-culpabilidade e da ampla defesa. DESCLASSIFICAÇÃO PARA FURTO SIMPLES. mormente por não existir conhecimento prévio ou inimizade (Súmula 075-TJPE). notadamente o depoimento judicial dos Policiais Militares. é indispensável nas infrações que deixam vestígios. 28. absolvendo os Apelantes do crime de associação para o tráfico. ante a ausência nos autos de motivos para sua suspeição.343/2006. por unanimidade.343/2006. que passam a integrar este aresto. de ofício. nos termos do relatório e votos anexos. NEGATIVA DE AUTORIA. ROMPIMENTO DE OBSTÁCULO À SUBTRAÇÃO DA COISA. relatados e discutidos os presentes autos de Apelação Criminal n° 0197193-7. Desclassificação. NECESSIDADE DE LAUDO PERICIAL. da aludida legislação.Edição nº 184/2011 Revisor Julgado em : Des.Em face do conjunto probatório. tudo nos termos do relatório e votos anexos. a imputação penal de um dos réus para o delito previsto no Art. e esta não ocorreu de acordo com as normas pertinentes (arts. ABSOLVIÇÃO DOS TRÊS RÉUS APELANTES DO DELITO PREVISTO NO ART. PROVIMENTO PARCIAL DO RECURSO. restou configurada a autoria de dois dos Recorrentes. II . Público Apelado Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Revisor Julgado em Apelação : Moreno : Vara Única : 00015799120078170970 Ação Penal Ação Penal : Cleiton Manoel da Silva Sabino : Joaquim Fernandes Pereira da Silva : Ministério Público do Estado de Pernambuco : Maria Francisca de Mendonça Silva : 3ª Câmara Criminal : Des. no qual figuram como partes as retronominadas. terça-feira. FURTO QUALIFICADO. PRELIMINAR MINISTERIAL DE DESERÇÃO. 20 de setembro de 2011. Decisão Unânime. nas Ações Penais Públicas. PARA UM DOS APELANTES. 28 da Lei n. de um dos corréus para o tipo previsto no Art. podendo apenas supletivamente ser suprido pela prova testemunhal quando os vestígios tenham desaparecido. Recurso provido. 35. 28.

em acolher as preliminares suscitadas de ofício. 0252025-4 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Habeas Corpus : Gravatá : Vara criminal da Comarca de Gravatá : Hugo Márcio da Silva Santos : Eduardo Guilhermino de Araújo : Juízo de Direito da Vara Criminal da Comarca de Gravatá . sob pena de nulidade por manifesta ausência de fundamentação. HABEAS CORPUS. nos termos do relatório e votos anexos. Advog Reqdo. I . Alexandre Guedes Alcoforado Assunção Relator designado para lavrar o acórdão 002. LIBERDADE PROVISÓRIA. Recife. 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Relação No.PE. que passam a integrar este aresto. de de 2011. à unanimidade de votos. Procurador Orgao Julgador Relator Julgado em EMENTA: Recurso em Sentido Estrito : Recife : 4ª Vara do Trbunal do Júri : Edvaldo Santiago de Azevedo : Antonio Pedro da Silva : Renato Godoy Inácio de Oliveira : Ministério Público do Estado de Pernambuco : Eleonora de Souza Luna : 3ª Câmara Criminal : Des. no qual figuram como partes as retronominadas. terça-feira. II . 112 e 252. relatados e discutidos estes autos de Recurso em Sentido Estrito nº 0240922-7. VEDAÇÃO LEGAL EXPRESSA.O magistrado sumariante ao exercer o juízo de admissibilidade.Preliminares acolhidas. para anular a sentença de pronúncia por manifesta ausência de fundamentação. Cavalcanti : 3ª Câmara Criminal : Des.Encontra-se impedido para participar de julgamento em 2º grau. NATUREZA E QUANTIDADE DA DROGA. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : 10/08/2011 Ordem Processo 001 0240922-7 PENAL E PROCESSUAL PENAL. PRELIMINARES DE OFÍCIO. Reqte. ambos do Código de Processo Penal. IMPEDIMENTO DE DESEMBARGADOR QUE INSTRUI O PROCESSO EM 1ª INSTÂNCIA. TENTATIVA DE HOMICÍDIO DUPLAMENTE QUALIFICADO. Des. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : Des. 0240922-7 Comarca Vara Reqte. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO DA SENTENÇA DE PRONÚNCIA. ACORDAM os Desembargadores componentes da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. 2011. IRRELEVÂNCIA. deve se pronunciar sobre a materialidade do delito. nos termos dos arts. da Constituição Federal. 93. 44 DA LEI Nº 11. ATRIBUTOS FAVORÁVEIS. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 14/09/2011 EMENTA: PROCESSO PENAL. DECISÃO UNÂNIME. nos termos a que alude o art. Desembargador que participou da instrução do processo em 1ª instância. Mérito prejudicado. os indícios de autoria e as qualificadoras do homicídio. Antonio Carlos De O. inciso IX. ENVOLVIMENTO DE UM 144 . ART. MÉRITO PREJUDICADO. III .PE : Dr. OCORRÊNCIA. PRELIMINARES ACOLHIDAS. ACÓRDÃO Vistos. TRÁFICO DE DROGAS. Decisão unânime.Edição nº 184/2011 Recife . inciso II.14282 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Renato Godoy Inácio de Oliveira 001.343/2006. julgando prejudicado o mérito recursal. por ocasião da sentença de pronúncia.

RECONHECIMENTO PELA VÍTIMA LOGO APÓS O DELITO. DEMORA ATRIBUÍDA À DEFESA. ACÓRDÃO 145 . portanto. DECISÃO UNÂNIME. terça-feira. contando com 5 (cinco) réus. Eventual ausência dos requisitos da medida de exceção não pode ser analisado. não havendo. tornase incabível. visto que requer produção de provas. I . Recife. visto que o Paciente foi preso logo após o cometimento do crime. assim como o envolvimento de um adolescente de 17 (dezessete) anos de idade. diante da demora dos corréus em apresentarem a sua defesa recaindo. Assim. por si só. igualmente. 24 (vinte) pedras de crack. In casu.2011. IMPROPRIEDADE DO HABEAS CORPUS. GRAVIDADE DA CONDUTA. o que na presente via do habeas corpus. VIA INCABÍVEL. trata-se de processo complexo. 5) As condições subjetivas favoráveis não elidem por si sós. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. 1) NEGATIVA DE AUTORIA. injustificado. Pedido não conhecido.Edição nº 184/2011 Recife .8. advogados distintos. do CPP. DEMANDA ANÁLISE APROFUNDADA DAS PROVAS. por unanimidade de votos. 0247644-6 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Habeas Corpus : Santa Cruz do Capibaribe : Vara Criminal : LAÍS DIANE SILVA PINTO : Rubens César da Silva : Juízo de Direito da Vara Criminal da Comarca de Santa Cruz do Capibaribe : Maria Francisca de Mendonça Silva : 3ª Câmara Criminal : Des. NECESSIDADE DE GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA.A vedação da liberdade provisória prevista no art. Precedentes do STJ. 7) Ordem denegada. ROUBO MAJORADO. enseja revolvimento de provas. 3) NOTÍCIA DE TORTURA POR POLICIAIS. IV . residência fixa e profissão definida. 6) EXCESSO DE PRAZO. 302. 4) AUSÊNCIA DOS REQUISITOS DA PRISÃO PREVENTIVA. Decisão unânime. em que figuram como partes as retromencionadas. INEXISTÊNCIA DE COAÇÃO ILEGAL. previsto no art. diante da falta da decisão constritiva. a saber. INCISO III DO CPP.Ordem denegada. devidamente assinado. sendo indicado pelo corréu e reconhecido pela vítima demonstrando indícios de autoria do crime. devidamente rubricadas. 5) CONDIÇÕES SUBJETIVAS FAVORÁVEIS. 2) Verifica-se que não há que se falar em flagrante inexistente. 6) O excesso de prazo somente provoca constrangimento ilegal quando é concreto. OBSERVADO O PREVISTO NO ART. que se falar em qualquer constrangimento ilegal à liberdade do Paciente. 302. Des. motivo bastante para a manutenção da custódia cautelar imposta aos presos em flagrante pela prática do crime de tráfico de drogas. que passam a integrar o presente aresto. a custódia cautelar.Vedada legalmente a liberdade provisória. tudo de conformidade com o relatório e votos constantes das notas taquigráficas anexas. NÃO VERIFICADO. com necessidade de expedição de inúmeras cartas precatórias. na Súmula nº 64 do STJ. NÃO CONHECIMENTO. Precedentes: STJ. 3) Quanto à notícia de eventual tortura sofrida pelo Paciente. a periculosidade do Paciente. ORDEM DENEGADA À UNANIMIDADE. 14 de setembro de 2011. não importando. FALTA DE DOCUMENTO HÁBIL A COMPROVAR O ALEGADO. considerando circunstâncias excepcionais que venham a retardar a instrução criminal. relatados e discutidos os autos do Habeas Corpus nº 0014695-28. PERICULOSIDADE CONCRETA. AUSÊNCIA DE CONSTRANGIMENTO ILEGAL. III . Trata-se de flagrante impróprio. droga de alta nocividade e cujo consumo pessoal é calculado em menos de 01 (um) grama. assim. quando necessária a medida preventiva. Gustavo Augusto Rodrigues de Lima Relator Substituto 003. inciso III. 4) O habeas corpus deve vir instruído com todos os documentos aptos a comprovar o alegado. II . 4 de outubro de 2011 MENOR.17. a natureza e a quantidade da droga apreendida. principalmente. IRRELEVÂNCIA. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 14/09/2011 EMENTA: PROCESSO PENAL . Decisão unânime. em denegar a ordem. de sorte que sua custódia cautelar também se justifica para garantir a ordem pública. observa-se que a defesa contribui para a morosidade do feito originário. tornam-se irrelevantes atributos favoráveis como primariedade. devendo ser aferido dentro dos limites da razoabilidade. real e. Pedido não conhecido.0000 (0252025-4). ORDEM DENEGADA.HABEAS CORPUS LIBERATÓRIO. REVOLVIMENTO DO CONJUNTO PROBATÓRIO. visto que o Paciente e demais denunciados estão presos em comarca diversa.Não bastante.PE. Coação inexistente. 1) Inviável na presente via de habeas corpus a análise quanto à autoria do delito. não ficou demonstrada qualquer irregularidade a ser sanada. Aliado a isso. 2) FLAGRANTE INEXISTENTE.343/2006 é. portanto. 44 da Lei nº 11. bem revelam a gravidade concreta do delito e. INCIDÊNCIA DA SÚMULA Nº 64/STJ. PROCESSO COMPLEXO. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : Des. a presença dos requisitos da prisão preventiva. ACÓRDÃO Vistos. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE.

relatados e discutidos os autos do Habeas Corpus nº 0010232-43.2011-8-17-0000 (0247644-6). AUSÊNCIA DE DESÍDIA. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 14/09/2011 EMENTA: PENAL E PROCESSO PENAL. Além disso. COAÇÃO INEXISTENTE. HABEAS CORPUS. 0250326-8 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Habeas Corpus : Serra Talhada : Vara Criminal : Nidreyjeane Gomes Magalhães : NYKOLLY DAYANNY DE MELO TORRES : Juízo de Direito da Vara Criminal da Comarca de Serra Talhada : Eleonora de Souza Luna : 3ª Câmara Criminal : Des.2011. à unanimidade de votos. I .8. HABEAS CORPUS CONHECIDO PARCIALMENTE E. Recife.0000 (0250326-8). O.Coação inexistente. o que evidencia a sua periculosidade social concreta. II . V. PRESENÇA DE INDÍCIOS SUFICIENTES. relatados e discutidos os autos do Habeas Corpus nº 0012978-78. G.1370. Gustavo Augusto Rodrigues de Lima Relator Substituto 005. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : Des. DECISÃO UNÂNIME. GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA. ACÓRDÃO Vistos. Ordem denegada por decisão unânime. Recife. ESTUPRO. HOMICÍDIO. que passam a integrar este aresto. HABEAS CORPUS. ALEGAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE INDÍCIOS DE AUTORIA. 312 DO CPP. pelo fato de a Paciente ser contumaz na prática de crimes dolosos contra a vida. S. NESSA EXTENSÃO. nos termos do relatório e votos anexos. DEFICIÊNCIA INSTRUTÓRIA. ALEGAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DOS FUNDAMENTOS DA PRISÃO PREVENTIVA.8. que passam a integrar este aresto.PE.2011. IMPROCEDÊNCIA. Des. EXCESSO DE PRAZO. INTELIGÊNCIA DO ART.17. NOTÍCIAS DE TEMOR EXERCIDO NAS TESTEMUNHAS DOS AUTOS. em denegar a ordem. PERICULOSIDADE EVIDENCIADA. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal deste Tribunal de Justiça de Pernambuco. : J. necessária a sua segregação por conveniência da instrução criminal. no qual figuram como partes as retromencionadas. NÃO COMPROVAÇÃO. D. G. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE. AUSÊNCIA DO DECRETO PRISIONAL. em denegar a ordem. ante o temor que exerce nas testemunhas dos autos. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal deste Tribunal de Justiça de Pernambuco. NÃO CONHECIMENTO. DENEGADA A ORDEM. nos termos do relatório e votos anexos. terça-feira. CONSTRANGIMENTO ILEGAL INEXISTENTE. S. no qual figuram como partes as retromencionadas. CONTUMÁCIA NA PRÁTICA DE CRIMES DOLOSOS CONTRA A VIDA. Precedentes do STJ. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 14/09/2011 EMENTA: PROCESSO PENAL. 4 de outubro de 2011 Vistos. 146 . : F. 14 de setembro de 2011.Decreto de prisão preventiva que se justifica para garantir a ordem pública. respondendo além desse processo o de nº 0002060-76. C. IMPROCEDÊNCIA.Edição nº 184/2011 Recife . C. 0249935-0 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Habeas Corpus : Olinda : 3ª Vara Criminal : F. por delito da mesma natureza. : Eleonora de Souza Luna : 3ª Câmara Criminal : Des. CURSO REGULAR DO FEITO. à unanimidade de votos. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : Des. Des. Gustavo Augusto Rodrigues de Lima Relator Substituto 004. 14 de setembro de 2011. DECRETO PREVENTIVO CARENTE DE FUNDAMENTAÇÃO. 3. ORDEM DENEGADA POR DECISÃO UNÂNIME.17. CONVENIÊNCIA DA INSTRUÇÃO CRIMINAL. CONDIÇÕES PESSOAIS FAVORÁVEIS.

2011. Recife/PE. PORTE DE ARMA DE FOGO DE USO PERMITIDO. por si sós. II . sem qualquer desídia da autoridade indigitada coatora. III .Pagamento de fiança e assinatura do Termo de Compromisso. denegada a ordem. devendo ser analisadas as circunstâncias do caso concreto. nessa extensão.Edição nº 184/2011 Recife . ACÓRDÃO Vistos. Decisão unânime. 0248166-1 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Habeas Corpus : Olinda : 1ª Vara Criminal : Dário Pessoa de Barros : WALMIR PAIVA MUNIZ BORGES : Juiz de Direito da 1ª Vara Criminal da Comarca de Olinda/PE : Eva Regina de A. em conhecer parcialmente do presente habeas corpus e. I.0000 (0249935-0). Se o feito originário tem seguido seu curso natural. Gustavo Augusto Rodrigues de Lima Relator Substituto 006. do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. relatados e discutidos os autos do Habeas Corpus nº 0012541-37. a custódia cautelar. 14 de setembro de 2011. Nivaldo Mulatinho de Medeiros Correia Filho : Des. II. fica autorizada a manutenção da custódia cautelar. ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Desembargadores da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. e. por unanimidade de votos. NOVEL LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL. Des.PE. não há justa fundamentação para manutenção da prisão cautelar do paciente. servindo para agravar a situação do Paciente o fato de elas sequer terem sido comprovadas nos autos. terça-feira. devidamente rubricadas. sob pena de não conhecimento do mandamus. em sede de sentença. relatados e discutidos nos presentes autos de Habeas Corpus n° 0248166-1. Recife.O habeas corpus não comporta dilação probatória nem maiores diligências. que passam a integrar este julgado. havendo imperiosa necessidade de que o impetrante junte à petição inicial os documentos tendentes a convencer o órgão jurisdicional da procedência de seu pedido. 312 do CPP. MANUTENÇÃO. não elidem. Decisão unânime. nos termos do relatório e votos anexos. em consonância com o princípio da razoabilidade. CPP. devidamente assinado. Nivaldo Mulatinho Filho Relator 147 .O prazo para a formação da culpa não é a mera soma aritmética dos prazos de cada ato processual. nessa extensão.17.Condições pessoais favoráveis como primariedade. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 21/09/2011 EMENTA: PENAL E PROCESSUAL PENAL. tudo de conformidade com o relatório e votos constantes das notas taquigráficas anexas. que passam a integrar o presente aresto.Habeas corpus conhecido parcialmente e. HABEAS CORPUS. mormente o inciso I do Art. à unanimidade. sendo certo que a comprovação ou não da suposta autoria ou participação somente poderá ter lugar após o andamento regular da instrução. V . em conceder a ordem. FALTA DE FUNDAMENTAÇÃO PARA SEGREGAÇÃO CAUTELAR. ocasião em que toda a matéria fático-probatória poderá ser minuciosamente analisada. profissão definida e residência fixa. em que figuram como partes as retromencionadas. não pode ser conhecida a alegação de inexistência dos fundamentos da custódia cautelar se não foi juntado aos autos o decreto prisional. inexiste constrangimento ilegal por excesso de prazo. dentro do possível. denegar a ordem. 4 de outubro de 2011 I . levando-se em consideração também a presença das condições pessoais favoráveis à concessão da Liberdade Provisória.8.Tendo em vista a vigência da Lei 12.Ordem concedida. bons antecedentes. ACÓRDÃO Vistos. 313. Des. IV . Sendo assim. III. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal. CONCESSÃO LIMINAR DO WRIT MEDIANTE PAGAMENTO DE FIANÇA E ASSINATURA DE TERMO DE COMPROMISSO. no qual figura como parte a acima nomeada.Havendo indícios suficientes da autoria imputada ao Paciente. quando presente ao menos um dos fundamentos previstos no art. Brasil : 3ª Câmara Criminal : Des.403/11. 21 de setembro de 2011.

nos termos do relatório e votos anexos. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal deste Tribunal de Justiça de Pernambuco. sem qualquer acusação formal em seu desfavor. Vistos. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : 21/09/2011 EMENTA: HABEAS CORPUS. PREJUDICADA. com isso. a teor do disposto no artigo 42 da Lei nº 11. II . INSUFICIÊNCIA DE PROVAS. PROCESSUAL PENAL. II . DA LEI 11. § 4º. da Lei de Drogas. sentença que o condenou em harmonia com as provas carreadas aos autos.A substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direito não é possível no caso em apreço. RECEPTAÇÃO. 0250777-5 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Julgado em Habeas Corpus : Recife : 12ª Vara Criminal : Danielle Monteiro de Lima Correia . § 4º.8. Cláudio Jean Nogueira Virgínio : 20/09/2011 PENAL E PROCESSUAL PENAL.Resta patente o constrangimento ilegal por excesso de prazo. Desª Alderita Ramos de Oliveira 008. do CPP.Constrangimento ilegal configurado. AUSÊNCIA DE AÇÃO PENAL. uma vez que se trata de Paciente preso há mais de 1 (um) ano. FALTA DE FUNDAMENTO. Ordem concedida à unanimidade. no qual figuram como partes as retronominadas. expedindo-se o competente alvará de soltura clausulado em favor de Maurílio Wagner Batista 148 . no qual figuram como partes as retromencionadas. IV . Alderita Ramos de Oliveira : Des. SUBSTITUIÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE POR PENA RESTRITIVA DE DIREITO. 33. Público Apelado Procurador Orgao Julgador Relator Revisor Julgado em EMENTA: Apelação : Recife : 2ª Vara Criminal dos Feitos relativos a Entorpecentes : Silvia Santos da Costa : Cristiana Maria Magalhães Pessoa de Melo : Ministério Público do Estado de Pernambuco : Eleonora de Souza Luna : 3ª Câmara Criminal : Des.Apelação a que se nega provimento. I . ATRASO INJUSTIFICADO. ORDEM CONCEDIDA. III . que passam a integrar este aresto. terça-feira.0000 (0250777-5).A quantidade e a natureza da droga podem ser consideradas na aferição do quantum de diminuição a ser aplicado.PE. INOCORRÊNCIA. TRÁFICO ILÍCITO DE ENTORPECENTES. PROCEDÊNCIA. CONCESSÃO DE FRAÇÃO MAIOR DO BENEFÍCIO PREVISTO NO ART. que determina ser de 05 (cinco) dias. e consequente absolvição do réu.17.Edição nº 184/2011 Recife . 1ª parte. relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0013511-37. à unanimidade de votos. Recife.343/06. prevista no artigo 33.Não merece reforma. EXCESSO DE PRAZO. PERÍODO DE PRISÃO CAUTELAR DESPROPORCIONAL E IRRAZOÁVEL.343/06. aguardando o cumprimento de diligência requerida pelo membro do parquet. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. 46. em conceder a ordem. Decisão unânime. IMPOSSIBILIDADE. 20 de setembro de 2011. do Código Penal. ACÓRDÃO Vistos. APELAÇÃO CRIMINAL. em negar provimento ao recurso. I e III. 4 de outubro de 2011 007. o preceito contido no art. pois não se verificam presentes os requisitos do artigo 44.2011. o prazo para o oferecimento da denúncia. I . relatados e discutidos estes autos da Apelação Criminal nº 0231634-3. INQUÉRITO POLICIAL.PE : Laíse Tarcila Rosa de Queiroz : 3ª Câmara Criminal : Des. 0231634-3 Comarca Vara Apelante Def. ACÓRDÃO. INOCORRÊNCIA. DECISÃO UNÂNIME. Ferindo.Defensora Pública : MAURÍLIO WAGNER BATISTA DA MOTA : Juiz(a) de Direito da 12ª Vara Criminal da Comarca do Recife . estando o réu preso. PENA BASE ACIMA DO MÍMINO LEGAL. à unanimidade de votos.

relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0009820-15. à unanimidade de votos. relaciona-se a mesma situação fática já anteriormente processada e julgada perante o 1º Juizado Especial Criminal da Capital-PE. 10. Recife.Edição nº 184/2011 Recife . não resta dúvida sobre a ocorrência da ofensa à coisa julgada. DA LEI 9. 4 de outubro de 2011 da Mota. OFENSA À COISA JULGADA. 0246973-8 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Procurador Orgao Julgador Relator Relator Convocado Julgado em Habeas Corpus : Recife : 7ª Vara Criminal : RIVALDO RAMALHO JUNIOR : DJALMA OLIVEIRA DO AMARAL : Juízo de Direito da Sétima Vara Criminal da Comarca de Recife . Nivaldo Mulatinho Filho Relator ACÓRDÃOS 3ª Câmara Criminal Emitida em 03/10/2011 Relação No. ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. em ação que já se encontra arquivada desde 03/05/2006. na modalidade de ceder ou emprestar arma de fogo de uso permitido. PRINCÍPIO DO NE BIS IN IDEM. em conceder a ordem pleiteada.0000 (0246973-8) no qual figuram como partes as retronominadas. nos termos do relatório e votos anexos. Des. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 21/09/2011 EMENTA: PENAL. 21 de setembro de 2011. I .2007. Nivaldo Mulatinho de Medeiros Correia Filho : Des.NA MODALIDADE DE CEDER OU EMPRESTAR (PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO DE USO PERMITIDO). fato este também narrado na Denúncia que ensejou a Ação impugnada. Des. 2011.17. que passam a integrar este aresto.8. que passam a integrar este aresto. ACÓRDÃO Vistos. da Lei nº 9437/97. Decisão unânime. II .PE : Laíse Tarcila Rosa de Queiroz : 3ª Câmara Criminal : Des. sob pena de revogação do benefício. anterior a propositura da Ação impugnada. § 4º. HABEAS CORPUS. OCORRÊNCIA.Pelos documentos colacionados aos autos.17.Ordem concedida.14266 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Douglas Lins de Morais Erik Limongi Sial Ordem Processo 003 0245521-0 005 0225586-5/01 149 . Cláudio Jean Nogueira Virgínio Relator 009. DELITO DO ART.437/97 . ora impugnada. 10.PE.8.0001. Recife. 27). o Paciente já cumpriu sua pena em decorrência do delito do Art. terça-feira. 21 de setembro de 2011. III . mediante termo de comparecimento a todos os atos do processo.2011. uma vez que a Ação Penal nº 0025107-54. portanto.Como destacado na Declaração de Cumprimento de Medida (fls. nos termos do relatório e votos anexos. § 4º. se por outro motivo não estiver preso. PROCESSUAL PENAL.

ACORDAM os Desembargadores componentes da Terceira Câmara Criminal deste Tribunal de Justiça. na verdade.8. Gustavo Augusto Lima Relator 002. ACÓRDÃO Vistos. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 0010338-39. T.17. III : JOSE RICARDO BRITO DE FREITAS : 6ª Câmara Cível : Des. José Carlos Patriota Malta : 20/09/2011 150 . C. R.conforme Regimento Interno TJPE art. relativa à sua inocência e conseqüente falta de justa causa para a ação penal. D. K. : J. T.Edição nº 184/2011 Erik Limongi Sial Josemar Mendes Rocha Neto José Fabiano da Silva Neto José Fabiano da Silva Neto João Humberto Martorelli Leonardo Antônio Batista Filho Paulo Henrique Magalhães Barros Paulo Roberto Leite Dias Rafael Sindoni Feliciano e Outro(s) . : G. 2. à unanimidade de votos.conforme Regimento I. embora sua efetiva apreciação tenha sido afastada.PE. C. QUESTÃO AVENTADA NO ACÓRDÃO IMPUGNADO. FORAM REJEITADOS OS ACLARATÓRIOS.2010.66. 14 de setembro de 2011. modificar a decisão atacada através do exame de matéria cuja admissibilidade foi expressamente afastada por ocasião do julgamento do habeas corpus. nos termos do voto do Desembargador Relator. Assim. III e Outro(s) . O. S. K. .2010. o que não se admite por meio de embargos declaratórios. T. A questão suscitada pelo embargante em sede de habeas corpus. Des. em que são partes as acima nominadas. Não obstante suscitar a existência de vício no aresto. 1. não há que se falar em omissão no aresto embargado. C. C. INTERPOSIÇÃO COM O PROPÓSITO EVIDENTE DE MODIFICAR A DECISÃO ATACADA.17.ARRENDAMENTO MERCANTIL : Josemar Mendes Rocha Neto : e Outro(s) .À UNANIMIDADE DE VOTOS. 0245655-1 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Orgao Julgador Relator Julgado em Apelação : Jaboatão dos Guararapes : 5ª Vara Cível : DIBENS LEASING S/A . o embargante pretende. Julgado em Embargos de Declaração : Olinda : 2ª Vara Criminal : P. INADMISSIBILIDADE. P. L. D. a. S. 4 de outubro de 2011 006 0225581-0/01 002 0245655-1 005 0225586-5/01 006 0225581-0/01 003 0245521-0 004 0192036-7 003 0245521-0 001 0217417-0/01 004 0192036-7 002 0245655-1 003 0245521-0 004 0192036-7 005 0225586-5/01 006 0225581-0/01 EMENTA: PENAL E PROCESSUAL PENAL.conforme Regimento I. POR SER INCABÍVEL EM SEDE DE HABEAS CORPUS. D. : G. EMBORA SUA EFETIVA APRECIAÇÃO TENHA SIDO AFASTADA.0000 (0217417-0/01). V. III e Outros e Outros e Outros 001. por se mostrar inadmissível.0000 (217417-0) : 14/09/2011 Recife . 1. OMISSÃO. P. foi expressamente aventada no acórdão impugnado. a. em rejeitar os embargos declaratórios. INOCORRÊNCIA. relatados e discutidos estes autos dos Embargos de Declaração nº 0017301-63. terça-feira. : Paulo Roberto Leite Dias : 3.8. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. Recife. 0217417-0/01 Comarca Vara Impetrante Paciente AutoridCoatora Embargante Advog Embargado Orgao Julgador Relator Proc. : 3ª Câmara Criminal : Des. ALEGAÇÃO DE INOCÊNCIA DO RÉU E DE CONSEQÜENTE FALTA DE JUSTA CAUSA PARA A AÇÃO PENAL. Orig.

acordam o seguinte: "À unanimidade de votos.INDENIZAÇÃO LEGAL SENTENÇA PRESERVADA . Os Desembargadores do Egrégio Tribunal de Justiça de Pernambuco que 151 .DECISÃO UNÂNIME. deu-se provimento ao recurso de apelação.PE. José Carlos Patriota Malta Relator 004. relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento de nº 0192.conforme Regimento Interno TJPE art. José Carlos Patriota Malta : 20/09/2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL . relatados e discutidos estes autos da Apelação Cível Nº 0245521-0. os votos. nos temos do voto do Relator.66. Des. Recife. SEM REFORMA.INEXISTÊNCIA DE IRREGULARIDADE NA NOTIFICAÇÃO . III : 6ª Câmara Cível : Des. 23 de setembro de 2011. 23 de setembro de 2011. José Carlos Patriota Malta Relator 003. Des. relatados e discutidos estes autos da APELAÇÃO CÍVEL nº 0245655-1. terça-feira.APELO IMPROVIDO . acompanhando integralmente o voto do Relator. ACÓRDÃO: Vistos. os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco. Tudo de acordo com o relatório. AGRAVO DE INSTRUMENTO. Tudo de acordo com o relatório. José Carlos Patriota Malta : 20/09/2011 EMENTA . em que figuram como Apelante BRADESCO SEGUROS S.NÃO EXIGÊNCIA DE QUE O CARTÓRIO SEJA DA MESMA JURISDIÇÃO TERRITORIAL DO DESTINATÁRIO .036-7 em que figuram como Agravante João Dilson Pinheiro da Silveira e como Agravado Raimundo Nonato Gabriel. que ficam fazendo parte integrante deste julgado.66. ACÓRDÃO: Vistos.DECISÃO UNÂNIME. negou-se provimento ao apelo.OBEDIÊNCIA A CLÁUSULA CONTRATUAL.ÓBITO .AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE . Revisão em mesa.APELO PROVIDO .".SENTENÇA ANULADA .ARRENDAMENTO MERCANTIL e como Apelada JOSÉ RICARDO BRITO DE FREITAS. MULTA 475-J CPC DEVIDA. Recife. ACÓRDÃO: Vistos.AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO DPVAT .A. em que figuram como Apelante DIBENS LEASING S/ A . nos termos dos votos da turma".194/74 .ART. o voto.conforme Regimento Interno TJPE art.CONSTITUIÇÃO EM MORA DO DEVEDOR . 0192036-7 Comarca Vara Acao Originaria Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Julgado em Agravo de Instrumento : Recife : 4ª Vara Cível : 06139813619998170001 Impugnação Impugnação : João Dilson Pinheiro da Silveira : Rafael Sindoni Feliciano : e Outros : Raimundo Nonato Gabriel : Leonardo Antônio Batista Filho : e Outros : 6ª Câmara Cível : Des. AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO À EXECUÇÃO.Edição nº 184/2011 Recife . que ficam fazendo parte integrante deste julgado. DECISÃO UNÂNIME. CONTRATO DE LOCAÇÃO. III : Maria Aparecida da Silva : Douglas Lins de Morais : e Outro(s) . e o termo de julgamento. ENCARGOS DO IMÓVEL LOCADO RESPONSABILIDADE DO INQUILINO . e como Apelado MARIA APARECIDA DA SILVA. 0245521-0 Comarca Vara Apelante Advog Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Julgado em Apelação : Garanhuns : 3ª Vara Cível : Bradesco Seguros S/A : Paulo Henrique Magalhães Barros : João Humberto Martorelli : e Outro(s) .DIREITO PROCESSUAL CIVIL. os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: "À unanimidade de votos. e o termo de julgamento.. 5º DA LEI 6. 4 de outubro de 2011 EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL .

14 de setembro de 2011. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0225586-5/01. 0225581-0/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig.PE.0220 (225586-5) : 06/09/2011 EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO -ALEGAÇÃO DE OMISSÃO .POSSIBILIDADE .. Recife.2005. em que figuram como Embargante CELPE . José Carlos Patriota Malta Relator 005. José Carlos Patriota Malta : 0001635-17.DECISÃO UNÂNIME. tudo de acordo com o relatório. o voto e o termo de julgamento. terça-feira. e como parte Embargada RÁDIO DIFUSORA CARDEAL ARCOVERDE LTDA os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: "Por unanimidade.EMBARGOS CONHECIDOS TÃO SOMENTE PARA FINS DE PREQUESTIONAMENTO E JULGADOS IMPROCEDENTES .0220 (225581-0) : 13/09/2011 152 . e o termo de julgamento que ficam fazendo parte integrante deste julgado. Des. Julgado em Embargos de Declaração : Arcoverde : Primeira Vara Cível da Comarca de Arcoverde : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO . que ficam fazendo parte integrante deste julgado. 0225586-5/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc.2005. negou-se provimento ao agravo de instrumento nos termos do voto de Relator". foram os embargos conhecidos tão somente para fins de prequestionamento e rejeitados. Recife.CELPE : Erik Limongi Sial : e Outros : Rádio Difusora Cardeal Arcoverde Ltda : José Fabiano da Silva Neto : e Outros : 6ª Câmara Cível : Des. ACÓRDÃO: Vistos. 4 de outubro de 2011 compõem a Sexta Câmara Cível.17.COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO.8. José Carlos Patriota Malta Relator 006.CELPE : Erik Limongi Sial : e Outros : Rádio Difusora Cardeal Arcoverde Ltda : José Fabiano da Silva Neto : e Outros : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO .17. Orig.CELPE : Erik Limongi Sial : e Outros : Rádio Difusora Cardeal Arcoverde Ltda : José Fabiano da Silva Neto : e Outros : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO .OBJETIVO DE PREQUESTIONAR A MATÉRIA . 23 de setembro de 2011. acordam o seguinte: "À unanimidade de votos.Edição nº 184/2011 Recife . Des. nos termos do voto do Relator".CELPE : Erik Limongi Sial : e Outros : Rádio Difusora Cardeal Arcoverde Ltda : José Fabiano da Silva Neto : e Outros : 6ª Câmara Cível : Des. Julgado em Embargos de Declaração : Arcoverde : Primeira Vara Cível da Comarca de Arcoverde : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO . o voto.8. José Carlos Patriota Malta : 0000835-86. Tudo de acordo com o relatório.

EMBARGOS CONHECIDOS TÃO SOMENTE PARA FINS DE PREQUESTIONAMENTO E JULGADOS IMPROCEDENTES .17. PROVA DÚBIA QUANTO A INOCÊNCIA DO RECORRENTE. Gustavo Augusto Rodrigues De Lima : 23/09/2011 EMENTA: RECURSO EM SENTIDO ESTRITO.OBJETIVO DE PREQUESTIONAR A MATÉRIA . José Carlos Patriota Malta Relator ACÓRDÃOS 4ª Câmara Criminal Emitida em 03/10/2011 Relação No. foram os embargos conhecidos tão somente para fins de prequestionamento e rejeitados. Conforme pacífico entendimento. Recurso que se nega provimento. nos termos do voto do Des. relatados e discutidos estes autos de Embargos de Declaração nº 0225581-0/01. onde figura como recorrente JAILTON CABRAL DA SILVA. 4 de outubro de 2011 EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO -ALEGAÇÃO DE OMISSÃO . NÃO PROVIMENTO. ACORDAM os Desembargadores componentes da Quarta Câmara Criminal deste Tribunal de Justiça de Pernambuco. relatados e discutidos estes autos do Recurso em Sentido Estrito nº 0001993-50. e como parte Embargada RÁDIO DIFUSORA CARDEAL ARCOVERDE LTDA os Senhores Desembargadores componentes da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco acordam o seguinte: "Por unanimidade. Recife. 3.0000 (0233488-9). 14 de setembro de 2011. Os elementos probatórios que integram estes autos são plenamente aptos a ensejar a decisão de pronúncia ora vergastada.DECISÃO UNÂNIME. Tudo de acordo com o relatório. Unanimidade.PE.COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO. Recife. 2011. em que figuram como Embargante CELPE . Advog Estag. ACÓRDÃO Vistos. quanto à autoria delitiva. 2. o voto e o termo de julgamento. UNÂNIMIDADE. Adriana Fontes : 4ª Câmara Criminal : Des. é desnecessário que a prova seja inequívoca. nos termos do voto do Relator".8. à unanimidade de votos. ACÓRDÃO: Vistos. PLEITO DE ABSOLVIÇÃO OU IMPRONÚNCIA. Relator. _23__ de __setembro___________ de 2011. bastando que esta leve o Magistrado a concluir pela plausibilidade da acusação ministerial para que o feito seja submetido ao crivo do Júri Popular. Gustavo Augusto Lima Desembargador Relator 153 . Reqdo.14284 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado João Tavares da Costa Neto 001. 1. terça-feira.Edição nº 184/2011 Recife . Procurador Orgao Julgador Relator Julgado em Ordem Processo 001 0233488-9 Recurso em Sentido Estrito : Paulista : 1ª Vara Criminal : 23120090042066 Autos Investigação Criminal Autos Investigação Criminal : Jailton Cabral da Silva : João Tavares da Costa Neto : Paulo André do Nascimento Duda : Ministério Público do Estado de Pernambuco : Dra. que ficam fazendo parte integrante deste julgado. Des.POSSIBILIDADE . 0233488-9 Comarca Vara Autos Complementares Reqte. negar provimento ao recurso.

de ação cautelar que busca o bloqueio do valor de título extrajudicial. CESSÃO DE DIREITOS. tendo como suscitante o JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DO RECIFE e suscitado o JUÍZO DE DIREITO DA 25ª VARA CÍVEL DA COMARCA DO RECIFE. Recife. verbis: "A conexão não determina a reunião dos processos. constituído de um contrato de cessão de direitos de honorários advocatícios. DECISÃO: "À UNANIMIDADE DE VOTOS CONHECEU E DEU PROVIMENTO AO CONFLITO DE COMPETÊNCIA. terça-feira. AÇÃO CAUTELAR INOMINADA. ACÓRDÃO Vistos. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. nos termos do voto do relator. definitivamente julgada. ACORDAM os Excelentíssimos Desembargadores integrantes da Segunda Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. se um deles já foi julgado". AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS. Adalberto de Oliveira Melo Desembargador Relator 154 . DETERMINANDO O JUÍZO DA 25ª VARA CÍVEL DA CAPITAL PARA JULGAR O FEITO. TÍTULO EXTRAJUDICIAL. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. Susdo. à unanimidade de votos. Adalberto de Oliveira Melo : 14/09/2011 EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. determinando o Juízo da 25ª Vara Cível da Capital para julgar o feito. 0249259-5 Comarca Vara Suste. relatados e discutidos os presentes autos do Conflito de Competência nº 0249259-5. 4 de outubro de 2011 ACÓRDÃOS 2ª Câmara Cível Emitida em 03/10/2011 Relação No.PE. NOS TERMOS DO VOTO DO RELATOR". Incidência da Súmula 235. 2011. INEXISTÊNCIA DE CONEXÃO. É descabida a distribuição por dependência. CONTRATO. 28 de setembro de 2011. conhecer e dar provimento ao Conflito de Competência. do STJ.14291 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Ordem Processo 001. DATA DO JULGAMENTO: 14 de setembro de 2011. Procurador Orgao Julgador Relator Julgado em Conflito de competência : Recife : 1ª Vara Cível : Juízo de Direito da 1ª Vara Cível da Capital : Juízo de Direito da 25ª Vara Cível da Capital : maria betânia silva : 2ª Câmara Cível : Des.Edição nº 184/2011 Recife . para o juízo onde foi processada a ação de prestação de contas.

4 de outubro de 2011 DIRETORIA CÍVEL SETOR DE RECURSOS CÍVEIS VISTAS AOS ADVOGADOS Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. Vilela Alexandre Roberto Castelano Alexandre de Toledo Ana Beatriz Cesarino Junqueira Ana Beatriz Nones Siqueira Ana Beatriz Pereira do Amaral Vinhas Ana Leopoldina Lustosa Ramos Cavalcanti Ana Maria de Assunção Calado Novaes Ana Paula Albuquerque de Melo Ana Valéria de Lima Leite Andrea Couto Rolim Andréa Batista do Rego Barros Andréa Borba Zaidan Santos Anna Carmem Medeiros Cavalcanti Anna Carolina Fortunato e Otaviani Antonia Lopes da Silva Antonio Afonso da Silva Freitas Segundo Aristides José Cavicchioli Filho Arnaldo Bonoldi Dutra Arnaldo Penteado Laudísio Breno Amorim da Silva Freitas Bruna Bezerra Cavalcanti Fernandes Bruno Lucas Bacelar Carlos Alessandro Santos Silva Carlos Antônio Harten Filho Carlos Pela Carolina Gomes Cavalcanti Caroline Andressa Coelho Nunes Catarina Guedes Alcoforado Rego Celso Marcon Cibele Rapis Cintia Camerin Cleide Esther Maria Campos Cristiane Leite Calixto Cristiani Mendes Gonçalves Daniel Sales de Souza Costa 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 001 0128143-0/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 003 0234184-0/02 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 155 .PE. 2011.14198 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Thiago Afonso Barbosa de Azevedo Gomes Adriana Dal Secco Cordeiro Adriana Veras Sobral Adriana de Sixto Adryana Carla de Mesquita Lemos. Ainá Franco de Andrade Alan Soler Marques Alceu Malossi Júnior Aldem Johnston Barbosa Araújo Alessandro Luis Couto Rodrigues Alexandra de Santana C.Edição nº 184/2011 Recife . terça-feira.

4 de outubro de 2011 156 . terça-feira. Barros Jorge Chagas Rosa Joseane Freitas Pereira Joselma Ferreira Borba Josymilson Batista de Moraes Ferreira José Edgard da Cunha Bueno Filho José Ricardo Pereira João Gilberto Lunardi João Paulo de Freitas Rodrigues Juliana Varela Antunes Correia Juliana Vasconcelos Torres Juliana Visconte Marteli Juliano de Souza Pompeo Keila Soares Rodrigues Kátia Monteiro e Silva Laura Lícia de Mendonça Vicente Laureci Aparecida Santos Lopes Lemerson Arantes Valério Leonardo Nascimento Gonçalves Drumond Leticia Cristina Leal Ligia Maisano Kaseker Lourenço Gomes Gadelha de Moura Luciana Montesanti 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 003 0234184-0/02 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 003 0234184-0/02 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 Recife .PE.Edição nº 184/2011 Daniel Sircilli Motta Daniela Nalio Sigliano Daniele de Araújo Brito Daniele de Nardi Danielle Torres Silva Davy José Nunes de Oliveira Deise Garcia Dias Tomao Demétrio Oliveira de Paula Diego de Arribas Barbosa Diogo de Albuquerque Santos Edmilson Batista Ferreira Edmilson Damasceno dos Santos Eduardo José Ramponi Elizabeth Cristine Gambarotto Elizeu Amaral Camargo Ellen Christina Lima Soares Leão Eraldo Monteiro Michiles Júnior Esdras Melo Paes Barreto Evaldo Solano de Andrade Filho Fabiana Cristina de Lima Moreira Fabiana Vanessa da Silva Bezerra Fabrício Ribeiro Fernandes Felipe Lopes de Azevedo Fernando Coimbra Júnior Fernando da Gama Silveiro Filomena Ramos Flávia Nunes Alves Flávio Eduardo Revorêdo Rabelo Ferreira Francisco Roberto Baccelli Fábio Ricardo Carneiro Monteiro Gabriela Haddad Soares Germano Pereira Giancarlo Barbosa Giulliano Cecílio Caitano Siqueira Glaucya Ferreira de Araújo Guilherme Palmeira Gustavo Gesteira Costa Haroldo Wilson Martinez de Souza Júnior Heloisa Helena Leal Moreira da Silva Heloisa Scarpelli Horácio Neves Baptista Hugo Neves de Moraes Andrade Ivan Marcelino do Carmo Janice de Sá Garay Joelson Albino de Bulhões Johannes Adrianus Harten Velho B.

4 de outubro de 2011 157 .Edição nº 184/2011 Luciana Virgínia da Costa Correia Barros Luciana da Fonseca Lima Brasileiro Luiz Felipe de Siqueira Galambra Luiz Fernando Triviño Luiz Otávio Pedrosa Luís Felipe de Souza Rebêlo Marcelo Bruto da Costa Correia Marcelo Garzersi Asselta Marcelo Luiz Martins Balau Marcelo de Oliveira Sampaio Gomes Marcos Luís Guedes Maria Aparecida Mozart da Silva Maria Del Carmen Sanches da Silva Maria Eduarda Victor Montezuma Maria Eunice Gonzalez Bruder Alberti Maria Neide Diniz Cavalcanti Maria Silvia Stefanini Maria Tereza Dalla Nora Mariana de Oliveira Silva Mariane Torreão Dantas Marina Bastos Xavier de Oliveira Maristela de Melo Rodrigues Dias Maritizza Fabiane Lima Martizez de Souza Mark Sander de A. de Almeida Renata Oliveira de Rezende Renata Siciliano Quartim Barbosa Ricardo Coelho Nery da Fonseca Ricardo José Lucas Pragana Filho Ricardo Luis de Andrade Nunes Roberta Ferreira Araújo Roberta de Andrade Lima Roberto Cordeiro Pereira Rego Júnior Roberto Dantas de Carvalho Vaz Guimarães Roberto Nussinkis Mac Cracken Robson Fábio Brito da Silva Rodrigo Benkard Lilla Rodrigo de Figueiredo Tavares de Araújo Rodrigo de Miranda Azevedo Rommel F.PE. Falcão Maurício Torres da Silva Mirela Xavier de Oliveira Morgana Braz de Siqueira Nair Lúcia Lopes Pereira de Oliveira Nalu Cristiane Varela Sartal Nara Cristina Takeda Neusa Lima Brochado Patricia Maira dos Passos Cirelli Paula Corina Santone Carajelescov Paulo Sergio Biamino Pedro Gustavo Pimentel Priscila Elia Martins Toledo Raphael Aguiar Mendes de Holanda Renata Cristina Cordeiro dos Santos Renata Liliane T. Mergulhão Rosana Cristina Torchetti Rossana Lizabeth Durso Teixeira Rossana Maria Cavalcanti Cardoso de Lima Rozimeri Barbosa de Souza Salim Jorge Curiati Samuel Amoroso Damiani Selma Salmeron Silvia Regina Ferri 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 001 0128143-0/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 002 0169917-6/01 Recife . terça-feira.

Embargante#: DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE PERNAMBUCO . III e Outro(s) .DETRAN/PE Procdor#: Ana Cristina Cavalcante de Albuquerque Procdor#: INÊS ALMEIDA MARTINS CANAVELHO Embargado#: Edes Amorim Ribeiro Advog#: Mark Sander de A. T.conforme Regimento 003 0234184-0/02 I. III e Outros 001 0128143-0/01 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. Falcão (PE014444 ) 002. Falcão Advog#: Ana Leopoldina Lustosa Ramos Cavalcanti Observacao#: Assunto CNJ: 10022. 4 de outubro de 2011 Solange Porphirio da Silva 002 0169917-6/01 Certain Stênio José de Lima 002 0169917-6/01 Sylvia Helena Hoffmann Miranda 002 0169917-6/01 Sávio Danillo Calado Neves 002 0169917-6/01 Sérgio Ricardo Bezerra de Caldas 002 0169917-6/01 Sílvio Neves Baptista 002 0169917-6/01 Sílvio Neves Baptista Filho 002 0169917-6/01 Telma de Paiva Mortari 002 0169917-6/01 Tiago Carneiro Lima 002 0169917-6/01 Valéria Paulino Korte 002 0169917-6/01 Vaninne Arnaud de Medeiros 002 0169917-6/01 Verônica Machado Cativo 002 0169917-6/01 Viviane Marracini Nogueira da 002 0169917-6/01 Cunha Viviane Miyata 002 0169917-6/01 Wellington Jose de Melo Vieira 002 0169917-6/01 e Outro(s) .Edição nº 184/2011 Recife . José Ivo de Paula Guimarães . a. Encaminhar ao Des. Falcão Advog#: e Outros Orgao Julgador#: 8ª Câmara Cível Relator#: Des. José Ivo de Paula Guimarães Proc. T. Pública Apte#: Departamento De Trânsito Do Estado Do Para Detran/pe Procdor#: Renata Sousa de Siqueira Campos e outro e outro Apdo#: Edes Amorim Ribeiro Advog#: Mark Sander de A.8ª Câmara Cível. a.#: 128143-0 Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo Vista Advogado#: Mark Sander de A.PE. terça-feira. Advogados cadastrados conforme Res. Orig. 0169917-6/01#Agravo Protocolo#: 2011/106998 Comarca#: Olinda Vara#: 4ª Vara Cível Apelante#: Banco Santander Banespa S/A e outros e outros Advog#: José Edgard da Cunha Bueno Filho Advog#: Raphael Aguiar Mendes de Holanda Advog#: Daniel Sircilli Motta Advog#: Adriana Veras Sobral 158 .conforme Regimento 002 0169917-6/01 I. 251/2009 do TJPE. 0128143-0/01#Embargos de Declaração Protocolo#: 2010/132225 Comarca#: Petrolina Vara#: Vara da Faz.

Advog#: Aldem Johnston Barbosa Araújo Advog#: Ana Paula Albuquerque de Melo Advog#: Andréa Batista do Rego Barros Advog#: Anna Carmem Medeiros Cavalcanti Advog#: Ana Valéria de Lima Leite Advog#: Antonio Afonso da Silva Freitas Segundo Advog#: Alexandra de Santana C. Vilela Advog#: Bruna Bezerra Cavalcanti Fernandes Advog#: Bruno Lucas Bacelar Advog#: Carolina Gomes Cavalcanti Advog#: Breno Amorim da Silva Freitas Advog#: Caroline Andressa Coelho Nunes Advog#: Daniel Sales de Souza Costa Advog#: Daniele de Araújo Brito Advog#: Diogo de Albuquerque Santos Advog#: Edmilson Batista Ferreira Advog#: Ellen Christina Lima Soares Leão Advog#: Fábio Ricardo Carneiro Monteiro Advog#: Esdras Melo Paes Barreto Advog#: Evaldo Solano de Andrade Filho Advog#: Fabiana Cristina de Lima Moreira Advog#: Fabiana Vanessa da Silva Bezerra Advog#: Flávia Nunes Alves Advog#: Flávio Eduardo Revorêdo Rabelo Ferreira Advog#: Giancarlo Barbosa Advog#: Gustavo Gesteira Costa Advog#: Johannes Adrianus Harten Velho Barretto Barros Advog#: Maurício Torres da Silva Advog#: Joseane Freitas Pereira Advog#: Josymilson Batista de Moraes Ferreira Advog#: José Ricardo Pereira Advog#: Joelson Albino de Bulhões Advog#: Juliana Vasconcelos Torres Advog#: Kátia Monteiro e Silva Advog#: Laura Lícia de Mendonça Vicente Advog#: Luciana Virgínia da Costa Correia Barros Advog#: Luiz Felipe de Siqueira Galambra Advog#: Marcelo Bruto da Costa Correia Advog#: Marcelo de Oliveira Sampaio Gomes Advog#: Marcelo Luiz Martins Balau Advog#: Maria Eduarda Victor Montezuma Advog#: Maria Neide Diniz Cavalcanti Advog#: Marina Bastos Xavier de Oliveira Advog#: Maristela de Melo Rodrigues Dias Advog#: Mirela Xavier de Oliveira Advog#: Nair Lúcia Lopes Pereira de Oliveira Recife .Edição nº 184/2011 Advog#: Adryana Carla de Mesquita Lemos. terça-feira.PE. 4 de outubro de 2011 159 .

de Almeida Advog#: Ricardo José Lucas Pragana Filho Advog#: Ricardo Luis de Andrade Nunes Advog#: Roberta de Andrade Lima Advog#: Robson Fábio Brito da Silva Advog#: Rodrigo de Figueiredo Tavares de Araújo Advog#: Rodrigo Benkard Lilla Advog#: Rodrigo de Miranda Azevedo Advog#: Rommel F. terça-feira. Mergulhão Advog#: Sérgio Ricardo Bezerra de Caldas Advog#: Stênio José de Lima Advog#: Thiago Afonso Barbosa de Azevedo Gomes Advog#: Tiago Carneiro Lima Advog#: Vaninne Arnaud de Medeiros Advog#: Adriana Dal Secco Cordeiro Advog#: Ainá Franco de Andrade Advog#: Alan Soler Marques Advog#: Alceu Malossi Júnior Advog#: Alexandre de Toledo Advog#: Alexandre Roberto Castelano Advog#: Ana Beatriz Cesarino Junqueira Advog#: Ana Beatriz Nones Siqueira Advog#: Ana Beatriz Pereira do Amaral Vinhas Advog#: Anna Carolina Fortunato e Otaviani Advog#: Andréa Borba Zaidan Santos Advog#: Andrea Couto Rolim Advog#: Adriana de Sixto Advog#: Antonia Lopes da Silva Advog#: Aristides José Cavicchioli Filho Advog#: Arnaldo Bonoldi Dutra Advog#: Arnaldo Penteado Laudísio Advog#: Guilherme Palmeira Advog#: Luiz Otávio Pedrosa Advog#: Fernando Coimbra Júnior Advog#: Joselma Ferreira Borba Advog#: Eraldo Monteiro Michiles Júnior Advog#: Ricardo Coelho Nery da Fonseca Advog#: Hugo Neves de Moraes Andrade Advog#: Juliana Varela Antunes Correia Advog#: Felipe Lopes de Azevedo Advog#: Mariane Torreão Dantas Advog#: Glaucya Ferreira de Araújo Advog#: Davy José Nunes de Oliveira Advog#: Sávio Danillo Calado Neves Advog#: Diego de Arribas Barbosa Advog#: Alessandro Luis Couto Rodrigues Recife .Edição nº 184/2011 Advog#: Raphael Aguiar Mendes de Holanda Advog#: Renata Liliane T.PE. 4 de outubro de 2011 160 .

4 de outubro de 2011 161 .Edição nº 184/2011 Advog#: Ana Maria de Assunção Calado Novaes Advog#: Carlos Pela Advog#: Cibele Rapis Advog#: Carlos Alessandro Santos Silva Advog#: Celso Marcon Advog#: Cintia Camerin Advog#: Cleide Esther Maria Campos Advog#: Cristiane Leite Calixto Advog#: Cristiani Mendes Gonçalves Advog#: Daniela Nalio Sigliano Advog#: Daniele de Nardi Advog#: Deise Garcia Dias Tomao Advog#: Demétrio Oliveira de Paula Advog#: Edmilson Damasceno dos Santos Advog#: Eduardo José Ramponi Advog#: Elizabeth Cristine Gambarotto Advog#: Elizeu Amaral Camargo Advog#: Fabrício Ribeiro Fernandes Advog#: Fernando da Gama Silveiro Advog#: Filomena Ramos Advog#: Francisco Roberto Baccelli Advog#: Gabriela Haddad Soares Advog#: Germano Pereira Advog#: Heloisa Helena Leal Moreira da Silva Advog#: Heloisa Scarpelli Advog#: Ivan Marcelino do Carmo Advog#: Janice de Sá Garay Advog#: João Gilberto Lunardi Advog#: Jorge Chagas Rosa Advog#: Juliana Visconte Marteli Advog#: Juliano de Souza Pompeo Advog#: Laureci Aparecida Santos Lopes Advog#: Lemerson Arantes Valério Advog#: Leticia Cristina Leal Advog#: Ligia Maisano Kaseker Advog#: Luciana Montesanti Advog#: Luiz Fernando Triviño Advog#: Marcelo Garzersi Asselta Advog#: Marcos Luís Guedes Advog#: Mariana de Oliveira Silva Advog#: Maria Aparecida Mozart da Silva Advog#: Maria Del Carmen Sanches da Silva Advog#: Maria Eunice Gonzalez Bruder Alberti Advog#: Maria Silvia Stefanini Advog#: Morgana Braz de Siqueira Advog#: Nalu Cristiane Varela Sartal Advog#: Nara Cristina Takeda Recife . terça-feira.PE.

PE. terça-feira. 4 de outubro de 2011 162 .#: Carolina Miranda Martiniano Lins e outros e outros Apelado#: Petrúcio Antônio de Amorim Advog#: Catarina Guedes Alcoforado Rego Advog#: Luís Felipe de Souza Rebêlo Advog#: Maria Tereza Dalla Nora Estag.#: Felix Fausto Furtado de Mendonça Neto e outro e outro Agravte#: Banco Santander (BRASIL) S/A (Atual denominação do Banco Santander S/A) Recife .Edição nº 184/2011 Advog#: Neusa Lima Brochado Advog#: Patricia Maira dos Passos Cirelli Advog#: Paula Corina Santone Carajelescov Advog#: Paulo Sergio Biamino Advog#: Pedro Gustavo Pimentel Advog#: Priscila Elia Martins Toledo Advog#: Renata Cristina Cordeiro dos Santos Advog#: Renata Oliveira de Rezende Advog#: Renata Siciliano Quartim Barbosa Advog#: Roberta Ferreira Araújo Advog#: Roberto Dantas de Carvalho Vaz Guimarães Advog#: Roberto Nussinkis Mac Cracken Advog#: Rosana Cristina Torchetti Advog#: Rossana Lizabeth Durso Teixeira Advog#: Rozimeri Barbosa de Souza Advog#: Salim Jorge Curiati Advog#: Samuel Amoroso Damiani Advog#: Selma Salmeron Advog#: Silvia Regina Ferri Advog#: Sylvia Helena Hoffmann Miranda Advog#: Solange Porphirio da Silva Certain Advog#: Telma de Paiva Mortari Advog#: Valéria Paulino Korte Advog#: Verônica Machado Cativo Advog#: Viviane Marracini Nogueira da Cunha Advog#: Viviane Miyata Advog#: Wellington Jose de Melo Vieira Advog#: Arnaldo Penteado Laudísio Advog#: Maritizza Fabiane Lima Martizez de Souza Advog#: Leonardo Nascimento Gonçalves Drumond Advog#: Haroldo Wilson Martinez de Souza Júnior Advog#: Lourenço Gomes Gadelha de Moura Advog#: Giulliano Cecílio Caitano Siqueira Advog#: Rossana Maria Cavalcanti Cardoso de Lima Advog#: Roberto Cordeiro Pereira Rego Júnior Advog#: Sílvio Neves Baptista Advog#: Sílvio Neves Baptista Filho Advog#: Horácio Neves Baptista Advog#: Keila Soares Rodrigues Advog#: Luciana da Fonseca Lima Brasileiro Estag.

2006. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Proc.66. Orig.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art. Frederico Ricardo de Almeida Neves Proc.66.66.0000 (234184-0/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo Vista Advogado#: Danielle Torres Silva (PE018393 ) Vista Advogado#: João Paulo de Freitas Rodrigues (PE029463 ) VISTAS AO ADVOGADO/SETOR DE RECURSO 163 .8. III Embargado#: Amélia Barreto de Sousa Embargado#: LUCIANA CAZUZA ZAMORANO Embargado#: MARIA CLEONICE DOS SANTOS Embargado#: Regina Gomes dos Santos Embargado#: MARIA GIZELDA BATISTA Embargado#: JOSÉ TRIBUTINO DA SILVA Embargado#: TERESITA JOSEFA DA SILVA Embargado#: JOSEFA NUNES DE OLIVEIRA Embargado#: SÔNIA MARIA GONÇALVES Embargado#: CARMELITA CLEMENTINA DA SILVA Embargado#: SEVERINO LOURENÇO DA SILVA Advog#: Danielle Torres Silva Advog#: João Paulo de Freitas Rodrigues Advog#: e Outro(s) . III Embargante#: CAIXA SEGURADORA S.conforme Regimento Interno TJPE art.#: 0007934-91.66.conforme Regimento Interno TJPE art. III Agravdo#: Amélia Barreto de Sousa e outros e outros Advog#: Danielle Torres Silva Advog#: e Outro(s) .Edição nº 184/2011 Advog#: José Edgard da Cunha Bueno Filho Advog#: e Outro(s) .66.17.A Advog#: Carlos Antônio Harten Filho Advog#: e Outro(s) .A Advog#: Carlos Antônio Harten Filho Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art.0990 (169917-6) Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo Vista Advogado#: Catarina Guedes Alcoforado Rego (PE017201 ) Recife . Orig. terça-feira.8. 0234184-0/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/105123 Comarca#: Paulista Vara#: 3ª Vara Cível Agravte#: CAIXA SEGURADORA S.66. III Orgao Julgador#: 1ª Câmara Cível Relator#: Des.2011. III Agravdo#: Petrúcio Antônio de Amorim Advog#: Catarina Guedes Alcoforado Rego Advog#: e Outro(s) . 4 de outubro de 2011 003.17. III Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des.#: 0004308-51.PE.

0480 (203324-1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: Teresa de Jesus Silva Pinto (PE022450 ) 002.14189 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado André Tavares de Barros Paiva Bruno Fonseca de Albuquerque Lima Elizabeth de Carvalho Simplício François Mitterrand Cabral da Silva Isabela Guedes Ferreira Lima Ivonaldo de Albuquerque Porto Rafael Amorim Sarubbi Sandra Flávia Barbosa Sales Teresa de Jesus Silva Pinto e Outro(s) . terça-feira.conforme Regimento I.17. Silvio de Arruda Beltrão na 3ª C. 0210901-9/04#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/107233 Comarca#: Recife Vara#: 4ª Vara da Fazenda Pública 164 . T. Orig. 0203324-1/03#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/110624 Comarca#: Caruaru Vara#: 2ª Vara Cível Apelante#: Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil . III e Outro(s) .PE. T.Cassi Advog#: François Mitterrand Cabral da Silva Advog#: e Outros Embargado#: Indira Maria Alencar Braga Florêncio Advog#: Teresa de Jesus Silva Pinto Advog#: e Outros Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des. a. Sílvio de Arruda Beltrão Proc. III e Outros e Outros 003 0223876-6/02 004 0240953-2/02 002 0210901-9/04 001 0203324-1/03 001 0203324-1/03 003 0223876-6/02 003 0223876-6/02 005 0240954-9/01 001 0203324-1/03 003 0223876-6/02 004 0240953-2/02 001 0203324-1/03 003 0223876-6/02 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.Cível.2009. a.conforme Regimento I.#: 0001661-69. Embargante#: Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil .Cassi Advog#: Isabela Guedes Ferreira Lima Advog#: e Outros Apelado#: Indira Maria Alencar Braga Florêncio Advog#: Teresa de Jesus Silva Pinto Advog#: e Outros Observacao#: ASS.Edição nº 184/2011 Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Recife . Encaminhar ao Des. 2011.8. CNJ: 6233. 4 de outubro de 2011 Relação No.

2010.0000 (210901-9/2) Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo Vista Advogado#: Elizabeth de Carvalho Simplício (PE017009 ) 003. José Ivo de Paula Guimarães Proc.8. Orig. Embargante#: Fundação de Aposentadorias e Pensões do Servidores do Estado de Pernambuco . Pet.Edição nº 184/2011 Recife . Fernando Cerqueira Relator Convocado#: Des. Alt.7º câmara cível.#: 0018681-24. terça-feira.#: 0005984-34. 2011/921085.2011. Eduardo Sertório. Embargante#: TAM LINHAS AEREAS S/A Advog#: André Tavares de Barros Paiva Advog#: e Outro(s) . Terceira Câmara Cível.8. conf. Orig. 0240953-2/02#Agravo Protocolo#: 2011/112909 Comarca#: Recife Vara#: 2ª Vara dos Executivos Fiscais Municipais Apelante#: MUNICIPIO DO RECIFE 165 .0000 (223876-6/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo Vista Advogado#: Ivonaldo de Albuquerque Porto (PE023372 ) 004.FUNAPE e outro e outro Procdor#: Bianca Teixeira Avallone e outro e outro Agravdo#: FABIANO MORAIS DE HOLANDA BELTRÃO e outros e outros Advog#: Elizabeth de Carvalho Simplício Observacao#: Encaminhar Des. 0223876-6/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/103562 Comarca#: Água Preta Vara#: 1ª Vara Agravte#: TAM LINHAS AEREAS S/A Advog#: Rafael Amorim Sarubbi Advog#: e Outros Agravdo#: IVONALDO DE ALBUQUERQUE PORTO Advog#: Ivonaldo de Albuquerque Porto Observacao#: Assunto CNJ: 7698.#: Wagner José da Silva Orgao Julgador#: 7ª Câmara Cível Relator#: Des.66.17. III Embargado#: IVONALDO DE ALBUQUERQUE PORTO Advog#: Ivonaldo de Albuquerque Porto Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des. Encaminhar ao Des.PE. Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto Relator Convocado#: Juiz José Henrique Coelho Dias da Silva Proc. Fernando Cerqueira .FUNAPE Embargante#: Instituto de Recuros Humanos de Pernambuco .IRH/PE Procdor#: Bianca Teixeira Avallone Procdor#: Rosana Wanderley Campos Procdor#: Érika Gomes Lacet Embargado#: FABIANO MORAIS DE HOLANDA BELTRÃO Embargado#: MAGDA CHRISTINA CAVALCANTI LEAL Embargado#: ROSA MARIA CORIOLANO TORRES Advog#: Elizabeth de Carvalho Simplício Estag.17. 4 de outubro de 2011 Agravte#: Fundação de Aposentadorias e Pensões do Servidores do Estado de Pernambuco .conforme Regimento Interno TJPE art.

8.8. Encaminhar ao Des. Encaminhar para o Des. Ass. Agravte#: Fazenda do Município do Recife Procdor#: Clênio Nogueira de Carvalho Procdor#: Ricardo Sampaio Ferreira da Silva Agravdo#: Aurita Santos Xavier Advog#: Bruno Fonseca de Albuquerque Lima Advog#: e Outro(s) . Orig.conforme Regimento Interno TJPE art. 2011.66.17.conforme Regimento Interno TJPE art. terça-feira. 4 de outubro de 2011 Observacao#: 1. CNJ 6017.PE. 2. III Recife .14191 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Anna Claudia de Oliveira Leite Celso Luiz de Oliveira Cláudia Rodrigues Tunger 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 166 . III Orgao Julgador#: 7ª Câmara Cível Relator#: Des.0620 (240954-9) Observação#: PROCURADOR GERAL DO ESTADO DE PE Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial VISTAS AO ADVOGADO/SETOR DE RECURSO Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No.#: 0057750-80.Edição nº 184/2011 Procdor#: Ricardo Sampaio Ferreira da Silva e outro e outro Apelado#: Aurita Santos Xavier Advog#: Bruno Fonseca de Albuquerque Lima Advog#: e Outro(s) .66.0001 (240953-2) Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: Bruno Fonseca de Albuquerque Lima (PE023036 ) 005. Agravte#: Jaci Ferraz de Sá Mercadinho Advog#: Sandra Flávia Barbosa Sales Agravdo#: Estado de Pernambuco Procdor#: Ingrid Patrícia Felix da Cruz Orgao Julgador#: 8ª Câmara Cível Relator#: Des. Luiz Carlos Figueirêdo Proc.#: 0000014-22.1998. Ricardo de Oliveira Paes Barreto Proc. Luiz Carlos de Barros Figueirêdo da 7ª Câmara Cìvel. Orig. Ricardo Paes Barreto. 0240954-9/01#Agravo Protocolo#: 2011/108023 Comarca#: Floresta Vara#: Vara Única Apelante#: Estado de Pernambuco Procdor#: Ingrid Patrícia Felix da Cruz Apelado#: Jaci Ferraz de Sá Mercadinho Advog#: Sandra Flávia Barbosa Sales Observacao#: Assunto CNJ: 10546.2000. Oitava Câmara Cível.17.

Edição nº 184/2011 Cristiana Correia de Araújo Cabral Demócrito Ramos Reinaldo Ellen Christina Lima Soares Leão Francisco Monteiro da Rocha Igor Garcez Alves João Ricardo Barone Carlos de Mendonça Mariza Góes Pinheiro de Carvalho Klaus Marta Maria Barreto Vieira Guimarães Milita Ferreira Lima de Vasconcelos Paulo Roberto de Carvalho Maciel Pedro Henrique Nogueira Libonati Renato Santos Pinheiro Filho Sérgio Machado da Costa Sérgio Ricardo Bezerra de Caldas e Outro(s) .#: Roberto Xavier de Oliveira Apdo#: ABA Serviços e Comércio Ltda.conforme Regimento I. Leopoldo de Arruda Raposo. a. Embargante#: Peugeot Citroën do Brasil Automóveis Ltda.PE. T. T. 0152778-8/01#Embargos de Declaração Protocolo#: 2010/122955 Comarca#: Recife Vara#: 14ª Vara Cível Apte#: Carlos Henrique Ferraz Advog#: Pedro Henrique Nogueira Libonati Advog#: Ellen Christina Lima Soares Leão Advog#: Sérgio Ricardo Bezerra de Caldas Estag. Quinta Câmara Cível. 4 de outubro de 2011 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. Advog#: Paulo Roberto de Carvalho Maciel Advog#: e Outros Embargado#: Carlos Henrique Ferraz Advog#: Pedro Henrique Nogueira Libonati Advog#: e Outros 167 . a. Advog#: Milita Ferreira Lima de Vasconcelos Advog#: Renato Santos Pinheiro Filho Advog#: Mariza Góes Pinheiro de Carvalho Klaus Advog#: Igor Garcez Alves Advog#: João Ricardo Barone Carlos de Mendonça Apdo#: Peugeot Citroën do Brasil Automóveis Ltda. terça-feira. Advog#: Paulo Roberto de Carvalho Maciel Advog#: Demócrito Ramos Reinaldo Advog#: Cristiana Correia de Araújo Cabral Estag.conforme Regimento I. III e Outro(s) .#: Bruno Pimentel Belleza Camarotti e outro e outro Advog#: Celso Luiz de Oliveira Advog#: Anna Claudia de Oliveira Leite Advog#: Cláudia Rodrigues Tunger Observacao#: Encamimhar ao Des. III e Outros 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 002 0230923-1/02 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 003 0243811-1/01 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 001 0152778-8/01 002 0230923-1/02 001 0152778-8/01 002 0230923-1/02 003 0243811-1/01 001 0152778-8/01 Recife .

66.PE. Antenor Cardoso Soares Junior Proc. terça-feira.0000 (230923-1/1) Observação#: Vista ao advogado: Sérgio Machado da Costa OAB/PE000214B Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial 003.conforme Regimento Interno TJPE art. José Ivo de Paula Guimarães .66. Cível.8ª C. Sílvio de Arruda Beltrão Proc. III Apelado#: Estado de Pernambuco Procdor#: Cristiany Gonçalves Sampaio Coelho e outro e outro Observacao#: Assunto CNJ: 10671.conforme Regimento Interno TJPE art.#: 152778-8 Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: Pedro Henrique Nogueira Libonati (PE015868 ) 002. Orig.2011.Edição nº 184/2011 Orgao Julgador#: 5ª Câmara Cível Relator#: Des. Encaminhar ao Des.conforme Regimento Interno TJPE art. 0243811-1/01#Agravo Regimental Protocolo#: 2011/111376 Comarca#: Recife Vara#: 6ª Vara da Fazenda Pública Apelante#: ELOI PAULO DA SILVA e outros e outros Advog#: Marta Maria Barreto Vieira Guimarães Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art.66. III Embargado#: WHITE MARTINS GASES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S/A Advog#: Sérgio Machado da Costa Advog#: e Outro(s) .17. III Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des. Embargante#: Clínica Santa Cecília Ltda Advog#: Francisco Monteiro da Rocha Advog#: e Outro(s) . 4 de outubro de 2011 Observacao#: ASS CNJ:9149. Agravte#: ELOI PAULO DA SILVA Agravte#: JOSÉ OTÁVIO DE SANTANA Agravte#: JOÃO CARLOS DIAS GOMES Agravte#: Jeconias Pereira de Souza Agravte#: JUAREZ FERREIRA DA SILVA Agravte#: OSÉAS CORREIA DA SILVA JUNIOR Agravte#: JOSÉ ROBÉRIO PASSOS LIRA Agravte#: RODOLFO LINO CHAVES NETO Agravte#: MAURICIO SEBASTIÃO DE SOUZA Agravte#: EDSON GOMES DA SILVA Advog#: Marta Maria Barreto Vieira Guimarães 168 .66. Orig. III Recife .#: 0002494-04. 0230923-1/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/110898 Comarca#: Paulista Vara#: 2ª Vara Cível Agravte#: Clínica Santa Cecília Ltda Advog#: Francisco Monteiro da Rocha Agravdo#: WHITE MARTINS GASES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S/A Advog#: Sérgio Machado da Costa Advog#: e Outro(s) .ENCAMINHAR AO DES SILVIO DE ARRUDA BELTRÃO NA 3ª C CIVEL.8.

a. T. T. 4 de outubro de 2011 VISTAS AO ADVOGADO/SETOR DE RECURSO Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. III e Outro(s) .17. a. Silvestre Petrônio Monteiro de Menezes Rodolfo Domingos de Souza e Outro(s) . T. a. III e Outro(s) .PE.8.#: 0025123-03. Orig.conforme Regimento I. III e Outros e Outros e Outros 001 0209849-7/01 003 0221756-1/03 001 0209849-7/01 004 0226400-4/02 002 0220329-0 002 0220329-0 004 0226400-4/02 003 0221756-1/03 001 0209849-7/01 001 0209849-7/01 001 0209849-7/01 005 0246277-1/02 003 0221756-1/03 004 0226400-4/02 005 0246277-1/02 001 0209849-7/01 002 0220329-0 004 0226400-4/02 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. 0209849-7/01#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/918491 Comarca#: Jaboatão dos Guararapes Vara#: 2ª Vara Cível Apelante#: Valdenice Correia da Paz Advog#: Petrônio Monteiro de Menezes Advog#: e Outros Apelado#: Espólio de Dinaldo Isaac de Macedo Advog#: Luís Felipe Paganella Cescani 169 .Edição nº 184/2011 Advog#: e Outro(s) . José Ivo de Paula Guimarães Proc. 2011.2010.conforme Regimento Interno TJPE art. III Agravdo#: Estado de Pernambuco Procdor#: Cristiany Gonçalves Sampaio Coelho Procdor#: Luciana Roffe de Vascocelos Orgao Julgador#: 8ª Câmara Cível Relator#: Des.0001 (243811-1) Observação#: PROCURADOR GERAL DO ESTADO DE PE Motivo#: apresentar contrarrazões aos recursos especial e extraordinário Recife .66. terça-feira.conforme Regimento I.conforme Regimento I.14197 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado ANA PAULA MARQUES PESSOA André Gustavo de Campos Wanderley Antonio Carlos Priori Campello Elizabeth de Carvalho Simplício Erivaldo José Coutinho dos Santos Gustavo de Sá Barretto Filho Homero Sávio Mendes Correia de Araújo José Rodolfo Revoredo Luís Felipe Paganella Cescani Maria do Socorro P.

Orig. 0220329-0#Apelação Protocolo#: 2010/30254 Comarca#: Recife Vara#: 31ª Vara Cível Observacao#: Assunto CNJ: 7775.PE. Alberto Nogueira Virgínio Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: Erivaldo José Coutinho dos Santos (PE012590 ) 003. Silvestre Advog#: e Outros Apelado#: Marina dos Mares Ltda.8. Embargante#: Valdenice Correia da Paz Advog#: ANA PAULA MARQUES PESSOA Advog#: e Outros Embargado#: Espólio de Dinaldo Isaac de Macedo Advog#: Luís Felipe Paganella Cescani Embargado#: Dijelson Isaac de Macedo Advog#: Maria do Socorro P. Advog#: Antonio Carlos Priori Campello Advog#: e Outros Orgao Julgador#: 2ª Câmara Cível Relator#: Juiz Virginio Marques Carneiro Leao Proc. 2. Silvestre Advog#: e Outros Embargado#: Marina dos Mares Ltda. 0221756-1/03#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/103375 Comarca#: Paulista Vara#: 1ª Vara Cível Agravte#: Super Varejão Socilar Ltda 170 .251/09.ENCAMINHAR AO RELATOR SUBSTITUTO. Advs cadastrados conforme Res.0810 (209849-7) Motivo#: apresentarem contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: Luís Felipe Paganella Cescani (PE019596 ) Vista Advogado#: Maria do Socorro P. terça-feira. Apelante#: CENOR .Edição nº 184/2011 Apelado#: Dijelson Isaac de Macedo Advog#: Maria do Socorro P. CÍV. NA 2ª C.17.Centro de Olhos do Recife Advog#: Gustavo de Sá Barretto Filho Advog#: e Outros Apelado#: Espólio Diógenes Marcelo Cavalcanti Wanderley Advog#: Erivaldo José Coutinho dos Santos Advog#: e Outros Orgao Julgador#: 2ª Câmara Cível Relator#: Des. Advog#: Antonio Carlos Priori Campello Advog#: e Outros Recife . JUIZ: VIRGÍNIO MARQUES CARNEIRO LEÃO.1999. CNJ:10433. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes Relator Convocado#: Juiz Virginio Marques Carneiro Leao Revisor#: Des. Silvestre (PE011773 ) Vista Advogado#: Antonio Carlos Priori Campello (PE013577 ) 002. 4 de outubro de 2011 Observacao#: 1-ASS.#: 0075778-60.

#: 0003567-11. José Ivo de Paula Guimarães.17. III Embargado#: Estado de Pernambuco Procdor#: Emmanuel Becker Torres Procdor#: Maria Claudia Junqueira Orgao Julgador#: 8ª Câmara Cível Relator#: Des. 0226400-4/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/111370 Comarca#: Recife Vara#: 8ª Vara da Fazenda Pública Agravte#: Dinack David da Silva Advog#: Homero Sávio Mendes Correia de Araújo Advog#: Elizabeth de Carvalho Simplício Advog#: e Outros Estag. 4 de outubro de 2011 Observacao#: Assunto CNJ: 7704.8.conforme Regimento Interno TJPE art.PE.8.0000 (226400-4/1) Observação#: PROCURADOR GERAL DO ESTADO DE PE Motivo#: apresentar contrarrazões aos recursos especial e extraordinário 005.conforme Regimento Interno TJPE art.#: Wagner José da Silva Agravdo#: Estado de Pernambuco Procdor#: Emmanuel Becker Torres e outro e outro Observacao#: Assunto CNJ: 10432.2010.#: 0023146-76.66.2011. Silvio de Arruda Beltrão. Encaminhar ao Des. José Ivo de Paula Guimarães Proc. III Agravdo#: Taurus Administração e Consultoria Ltda Advog#: José Rodolfo Revoredo Recife .66. III 171 .Edição nº 184/2011 Advog#: André Gustavo de Campos Wanderley Advog#: e Outro(s) . Oitava Câmara Cível. terça-feira. Embargante#: Dinack David da Silva Advog#: Elizabeth de Carvalho Simplício Advog#: e Outro(s) .0000 (221756-1/2) Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: José Rodolfo Revoredo (PE015075 ) 004. Embargante#: Super Varejão Socilar Ltda Advog#: André Gustavo de Campos Wanderley Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art. Terceira Câmara Cível.66. Encaminhar ao Des. Sílvio de Arruda Beltrão Proc. Orig. 0246277-1/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/112039 Comarca#: Recife Vara#: 5ª Vara da Fazenda Pública Agravte#: Estado de Pernambuco Procdor#: MARCOS JOSÉ SANTOS MEIRA e outro e outro Agravdo#: José Renato da Silva e outros e outros Advog#: Rodolfo Domingos de Souza Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art. III Embargado#: Taurus Administração e Consultoria Ltda Advog#: José Rodolfo Revoredo Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des.17. Orig.66.

T.conforme Regimento Interno TJPE art.Edição nº 184/2011 Observacao#: ASS.17.conforme Regimento I. a. 4 de outubro de 2011 VISTAS AO ADVOGADO/SETOR DE RECURSO Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No.2011. III e Outro(s) .conforme Regimento I.conforme Regimento I.0000 (246277-1/1) Motivo#: apresentar contrarrazões aos recursos especial e extraordinário Vista Advogado#: Rodolfo Domingos de Souza (PE013208 ) Recife . a.14221 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Augusto Carpeggiani Buarque Pereira Bruna Bezerra Cavalcanti Fernandes Bruna Brigido de Oliveiras e Silva Diego Ramos Medeiros Edson Genival Gomes de Macêdo Erik Limongi Sial Frank Suend Aráujo dos Santos José Edgard da Cunha Bueno Filho Maria Fernanda Freitas Cavalcanti Marina Bastos da Porciuncula Benghi Modesto Tadeu O. Encaminhar ao Embargante#: Estado de Pernambuco Procdor#: Jayme Jemil Asfora Filho Embargado#: José Renato da Silva Embargado#: Clicia Andrade de Oliveira Embargado#: MARIA SOLANGE BARBOSA DA SILVA Embargado#: WLASTER GOUDMAN BARBOSA DA SILVA Embargado#: Helton Andrade da Silva Embargado#: Helson Andrade da Silva Advog#: Rodolfo Domingos de Souza Advog#: e Outro(s) . a. terça-feira. a. de Aguiar Patrícia Freire de Paiva Carvalho Paulo Roberto de Freitas Araújo Tiago Carneiro Lima Tiago Carneiro Lima e Outro(s) . Orig.PE. III e Outro(s) . III Orgao Julgador#: 7ª Câmara Cível Relator#: Des. T. T. 2011.conforme Regimento I. T.8. III e Outro(s) . CNJ: 10288. III e Outros e Outros e Outros 001 0215867-2/02 003 0224767-6/02 001 0215867-2/02 003 0224767-6/02 005 0236748-2/01 004 0229694-8/02 004 0229694-8/02 005 0236748-2/01 001 0215867-2/02 002 0224389-2/01 001 0215867-2/02 002 0224389-2/01 002 0224389-2/01 002 0224389-2/01 003 0224767-6/02 001 0215867-2/02 002 0224389-2/01 003 0224767-6/02 004 0229694-8/02 005 0236748-2/01 001 0215867-2/02 002 0224389-2/01 003 0224767-6/02 172 . a. T.conforme Regimento I. Fernando Cerqueira Proc.#: 0010775-46.66. III e Outro(s) .

Fernando Cerqueira Proc. 0215867-2/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2010/135730 Comarca#: Recife Vara#: 3ª Vara da Fazenda Pública Autor#: EMLURB . Orig.8.#: RAPHAEL FAUSTINO DE OLIVEIRA 173 . Alt. Encaminar ao Des.Edição nº 184/2011 Álvaro Gonçalves Duarte 003 0224767-6/02 Recife . Fernando Cerqueira . 2011/907021. Embargante#: EMLURB .conforme Regimento Interno TJPE art.66. 0224389-2/01#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/103138 Comarca#: Recife Vara#: 24ª Vara Cível Apelante#: Trópicos Engenharia e Comércio Ltda Advog#: Marina Bastos da Porciuncula Benghi Advog#: Tiago Carneiro Lima Advog#: e Outros Apelado#: Maria das Graças Gonçalves Jovino Advog#: Paulo Roberto de Freitas Araújo Advog#: e Outros Observacao#: Alterado conforme petição nº 2011.conforme Regimento Interno TJPE art.PE.Cível TJPE. III Orgao Julgador#: 7ª Câmara Cível Relator#: Des. III Estag.0001 (215867-2) Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo Vista Advogado#: Maria Fernanda Freitas Cavalcanti (PE011281 ) 002. terça-feira.EMPRESA DE MANUTENÇÃO E LIMPEZA URBANA Advog#: Modesto Tadeu O.2001.#: 0038781-12. III Embargado#: Maria das Graças Gonçalves Jovino Advog#: Paulo Roberto de Freitas Araújo Advog#: e Outro(s) .66.910596 Embargante#: Trópicos Engenharia e Comércio Ltda Advog#: Patrícia Freire de Paiva Carvalho Advog#: e Outro(s) . conf. Pet. 4 de outubro de 2011 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.EMPRESA DE MANUTENÇÃO E LIMPEZA URBANA Advog#: Augusto Carpeggiani Buarque Pereira Advog#: e Outros Autor#: Município do Recife Procdor#: Gilvan Rufino de Freitas Réu#: CARLOS ANTONIO DA SILVA e outro e outro Advog#: Maria Fernanda Freitas Cavalcanti Advog#: e Outros Observacao#: Assunto CNJ 7779 .17.7ª C.66. de Aguiar Embargado#: CARLOS ANTONIO DA SILVA Embargado#: LUCIENE MARIA DO NASCIMENTO Advog#: Bruna Brigido de Oliveiras e Silva Advog#: Maria Fernanda Freitas Cavalcanti Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art.

0001 (224389-2) Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo Vista Advogado#: Paulo Roberto de Freitas Araújo (PE004200 ) 003.COMPANHIA DE ELETRICIDADE DE PERNAMBUCO Advog#: Erik Limongi Sial Advog#: e Outro(s) . Orig.#: 0005763-51.COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO Advog#: Erik Limongi Sial Advog#: e Outro(s) .66. José Ivo de Paula Guimarães Proc. FERNANDO CERQUEIRA NORBERTO DOS SANTOS .6ª C.2011. Encaminhar ao Des.Edição nº 184/2011 Orgao Julgador#: 2ª Câmara Cível Relator#: Des.#: Bruna de Cássia Miranda Bezerra Leite Embargado#: Município do Recife Procdor#: Bruno Barros de Assunção Orgao Julgador#: 7ª Câmara Cível Relator#: Des.conforme Regimento Interno TJPE art.0000 (224767-6/1) Observação#: PROCURADOR GERAL DO MUNICÍPIO DO RECIFE-PE Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo 004. 0229694-8/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/103921 Comarca#: Petrolina Vara#: 1ª Vara Cível Agravte#: CELPE .66. Encaminhar ao DES. III Observacao#: Assunto CNJ: 7779. III Agravdo#: Bonzão Comércio e Indústria de Alimentos Ltda Advog#: Frank Suend Aráujo dos Santos Advog#: e Outro(s) . 0224767-6/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/107119 Comarca#: Recife Vara#: 2ª Vara da Fazenda Pública Agravte#: Cotonifício Othon Bezerra de Mello S/A Advog#: Bruna Bezerra Cavalcanti Fernandes Advog#: e Outros Agravdo#: Município do Recife e outro e outro Recife . terça-feira.conforme Regimento Interno TJPE art. Embargante#: Cotonifício Othon Bezerra de Mello S/A Advog#: Tiago Carneiro Lima Advog#: Diego Ramos Medeiros Advog#: Álvaro Gonçalves Duarte Advog#: Bruna Bezerra Cavalcanti Fernandes Advog#: e Outro(s) .8.7ª C.conforme Regimento Interno TJPE art. Orig. 2011/924708. conf. 4 de outubro de 2011 Observacao#: Assunto CNJ: 10123. III Embargado#: Bonzão Comércio e Indústria de Alimentos Ltda Advog#: Frank Suend Aráujo dos Santos Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art. Eduardo Augusto Paurá Peres . Pet.17. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes Proc.#: 0122798-39.66.66.PE. Fernando Cerqueira Relator Convocado#: Des. Alt.2005. III Orgao Julgador#: 6ª Câmara Cível 174 . III Estag.17. Cível.conforme Regimento Interno TJPE art.8. Embargante#: CELPE . Cível.66.

III e Outros 002 0224082-8/01 003 0247133-8/02 003 0247133-8/02 001 0186847-3/05 001 0186847-3/05 003 0247133-8/02 001 0186847-3/05 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. Eduardo Augusto Paura Peres Proc.#: 0001694-73.conforme Regimento I. III e Outro(s) . T.conforme Regimento Interno TJPE art.8. Agravte#: Banco Bradesco S/A Advog#: José Edgard da Cunha Bueno Filho Advog#: e Outro(s) . Itabira de Brito Filho . III Apelado#: Erinaldo Pires de Araújo Advog#: Edson Genival Gomes de Macêdo Recife .17. Orig.conforme Regimento Interno TJPE art. III Agravdo#: Erinaldo Pires de Araújo Advog#: Edson Genival Gomes de Macêdo Orgao Julgador#: 5ª Câmara Cível Relator#: Des.66. a.66.17.0640 (236748-2) Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo Vista Advogado#: Edson Genival Gomes de Macêdo (PE019481 ) VISTAS AO ADVOGADO/SETOR DE RECURSO Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No.14241 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado José Foerster Júnior Luiz Cláudio Farina Ventrilho Maria Socorro Bezerra Chaves Sérgio Higino Dias dos Santos Filho e Outro(s) . 0236748-2/01#Agravo Protocolo#: 2011/104913 Comarca#: Garanhuns Vara#: 2ª Vara Cível Apelante#: Banco Bradesco S/A Advog#: José Edgard da Cunha Bueno Filho Advog#: e Outro(s) . terça-feira. T. Orig.8.Edição nº 184/2011 Relator#: Des. 2011.conforme Regimento I. 4 de outubro de 2011 Observacao#: Assunto CNJ: 8961 e 10433. 0186847-3/05#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/109308 Comarca#: Recife 175 .2009.0000 (229694-8/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo Vista Advogado#: Frank Suend Aráujo dos Santos (BA027410 ) 005.#: 0002128-53. Itabira de Brito Filho Proc.2011. Encaminhar ao Des.PE.5ª Câmara Cível. a.

Encaminhar ao gabinete do Des. 0224082-8/01#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/101081 Comarca#: Recife Vara#: 7ª Vara da Fazenda Pública Agravte#: Estado de Pernambuco Procdor#: Marcos José Santos Meira e outro e outro Agravdo#: ANDRE LUIS VASCONCELOS DA SILVA e outros e outros Advog#: José Foerster Júnior Observacao#: 1-CNJ: 10337. Luiz Carlos Figueirêdo Proc.0000 (224082-8) Observação#: PROCURADOR GERAL DO ESTADO DE PE 176 .PE. III Orgao Julgador#: 7ª Câmara Cível Relator#: Des.8.17.#: 0017050-45. Embargante#: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Procdor#: Izabel Cristina de Novaes de Souza Santos Embargado#: ANDRE LUIS VASCONCELOS DA SILVA Embargado#: FLAVIO EMANUEL GONZAGA SOBRINHO Embargado#: INALDO JERFSON SOBREIRA DA SILVA Embargado#: LEANDRO LUIZ DOS ANJOS SILVA Embargado#: LIVIA MARIA GOMES LEITE MARTINS Embargado#: MARCOS ANDRE NUNES HERCULANO Embargado#: PATRICIA MARIA SALES DE SOUZA CAMPOS Embargado#: SANDRA REGINA DA SILVA Embargado#: TATIANA DE OLIVEIRA LIMA Embargado#: WALTER PEREIRA CABRAL Advog#: José Foerster Júnior Embargado#: Estado de Pernambuco Procdor#: Marcos José Santos Meira Procdor#: Inês Almeida Martins Canavello Orgao Julgador#: 8ª Câmara Cível Relator#: Des. terça-feira. 2.#: 0008731-88.2010.0000 (186847-3/4) Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso extraordinário Vista Advogado#: Sérgio Higino Dias dos Santos Filho (PE003234 ) 002.FUNAPE Procdor#: Emmanuel Becker Torres e outro e outro Agravdo#: Adenilda Maria Rosendo de Carvalho e outros e outros Advog#: Sérgio Higino Dias dos Santos Filho Advog#: e Outros Observacao#: Assunto CNJ: 10338.Edição nº 184/2011 Vara#: 8ª Vara da Fazenda Pública Recife .FUNAPE Procdor#: José Carlos Arruda Dantas Procdor#: Maria Raquel Santos Pires Embargado#: Adenilda Maria Rosendo de Carvalho Advog#: Sérgio Higino Dias dos Santos Filho Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art. Orig.2010. Luiz Carlos de Barros Figueirêdo.Civ. Francisco José dos Anjos Bandeira de Mello Proc. Encaminhar ao Des.66. Francisco Bandeira de Mello na 8ª C. Sétima Câmara Cível. Orig.17. Embargante#: Fundação de Aposentadorias e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco .8. 4 de outubro de 2011 Agravte#: Fundação de Aposentadorias e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco .

2011. T.14251 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado André Berardo Carneiro da Cunha Elizabeth de Carvalho Simplício Erik Limongi Sial Hermenegildo Pinheiro Hélio Marinho Fernandes Júnior Ivan Barreto de Lima Rocha João Bosco Luiz Bezerra Maria das Graças Magno da Silva Paulo Alves da Silva e Outro(s) . III e Outros 002 0231772-8/02 004 0240210-2/01 003 0232055-6/02 002 0231772-8/02 002 0231772-8/02 001 0203610-2/02 003 0232055-6/02 001 0203610-2/02 002 0231772-8/02 001 0203610-2/02 002 0231772-8/02 003 0232055-6/02 004 0240210-2/01 001 0203610-2/02 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 177 . 0247133-8/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/112949 Comarca#: Caruaru Vara#: 2ª Vara Cível Agravte#: COMPANHIA PERNAMBUCANA DE SANEAMENTO S/A .conforme Regimento Interno TJPE art. a. 2-Encaminhar ao gabinete do Des.#: 0011736-84.COMPESA Advog#: Luiz Cláudio Farina Ventrilho Advog#: e Outro(s) . Embargante#: COMPANHIA PERNAMBUCANA DE SANEAMENTO S/A . a. 2011.66. T.COMPESA Advog#: Luiz Cláudio Farina Ventrilho Advog#: e Outro(s) . III Agravdo#: MARLENE MARIA MONTEIRO DA SILVA Advog#: Maria Socorro Bezerra Chaves Recife .conforme Regimento I.conforme Regimento I. III e Outro(s) .conforme Regimento I.conforme Regimento Interno TJPE art.CNJ:10433 -8961.66. 4 de outubro de 2011 Observacao#: 1. Orig. III e Outro(s) .Edição nº 184/2011 Motivo#: apresentar contrarrazões ao agravo 003. III e Outro(s) . T. Josué Antônio Fonseca de Sena Relator Convocado#: Juiz Heriberto Carvalho Galvão Proc. T. a.0000 (247133-8/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao recurso especial Vista Advogado#: Maria Socorro Bezerra Chaves (PE002992 ) SETOR DE RECURSOS CÍVEIS VISTAS AOS ADVOGADOS Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. III Embargado#: MARLENE MARIA MONTEIRO DA SILVA Advog#: Maria Socorro Bezerra Chaves Orgao Julgador#: 1ª Câmara Cível Relator#: Des.Civ.conforme Regimento I.Josué Antônio Fonseca de Sena na 1ª C.8.17. terça-feira.PE. a.

2011/917170.66. III Observacao#: Assunto CNJ: 9607.66. Antônio Carlos Alves da Silva .66.conforme Regimento Interno TJPE art.8.PE. Encaminhar ao Des. Embargante#: Golden Cross Assistência Internacional de Saúde Ltda Advog#: Ivan Barreto de Lima Rocha Advog#: e Outro(s) .66.17.0000 (203610-2/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo Vista Advogado#: Maria das Graças Magno da Silva (PE016847 ) 002.Edição nº 184/2011 Recife . Alfredo Sérgio Magalhães Jambo. 4 de outubro de 2011 001.66. Alt. terça-feira.conforme Regimento Interno TJPE art. 0231772-8/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/106506 Comarca#: Recife Vara#: 9ª Vara Cível Agravte#: Banco do Brasil S/A Advog#: Hélio Marinho Fernandes Júnior Advog#: e Outro(s) . Encaminhar ao Des. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Proc. Orig.2011. Orig.#: 0001872-22. Pet. III Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des. III Estag. Terceira Câmara Cível.17.#: Valdilene Luiza da Silva Embargado#: Transmeca Transportes e Mecanizacao Agrícola Ltda Advog#: André Berardo Carneiro da Cunha Advog#: e Outro(s) .0000 (231772-8/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo Vista Advogado#: André Berardo Carneiro da Cunha (PE021335 ) 178 .8. Embargante#: Banco do Brasil S/A Advog#: Hermenegildo Pinheiro Advog#: Paulo Alves da Silva Advog#: e Outro(s) . Itabira de Brito Filho Proc. III Agravdo#: Transmeca Transportes e Mecanizacao Agrícola Ltda Advog#: André Berardo Carneiro da Cunha Advog#: e Outro(s) .2010.#: 0017977-11.conforme Regimento Interno TJPE art.5ª Câmara Cível.conforme Regimento Interno TJPE art. 0203610-2/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2010/133957 Comarca#: Recife Vara#: 26ª Vara Cível Agravte#: Golden Cross Assistência Internacional de Saúde Ltda Advog#: Ivan Barreto de Lima Rocha Advog#: e Outros Agravdo#: Maria das Graças Magno da Silva Advog#: Maria das Graças Magno da Silva Observacao#: Assunto CNJ: 6233. conf. III Embargado#: Maria das Graças Magno da Silva Advog#: Maria das Graças Magno da Silva Orgao Julgador#: 5ª Câmara Cível Relator#: Des.conforme Regimento Interno TJPE art.

ASS.8.CELPE Advog#: Erik Limongi Sial Advog#: e Outro(s) . 0240210-2/01#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/109229 Comarca#: Recife Vara#: 4ª Vara da Fazenda Pública Apelante#: EUZEBIO MARQUES DE SOUZA Advog#: Elizabeth de Carvalho Simplício Advog#: e Outro(s) .2007.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art.ENCAMINHAR AO DES. JOSUÉ ANTONIO FONSECA DE SENA NA 1ª C. III Estag. Orig. CÍV.conforme Regimento Interno TJPE art.66. III Estag. 0232055-6/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2011/103482 Comarca#: Pesqueira Vara#: Segunda Vara Cível da Comarca de Pesqueira Agravte#: Companhia Energética de Pernambuco . Francisco José dos Anjos Bandeira de Mello Proc. Embargante#: Companhia Energética de Pernambuco .CELPE Advog#: Erik Limongi Sial Advog#: e Outro(s) .#: Wagner José da Silva Embargado#: Estado de Pernambuco Procdor#: José Carlos Arruda Dantas Procdor#: Luciana Roffé de Vasconcelos Procdor#: Felipe Vilar de Albuquerque Orgao Julgador#: 8ª Câmara Cível Relator#: Des.17.#: Wagner José da Silva Apelado#: Estado de Pernambuco Procdor#: José Carlos Arruda Dantas e outro e outro Observacao#: ASS CNJ:10338.Edição nº 184/2011 003. 2. CNJ:7779. III Agravdo#: Leopoldo Francisco da Silva Advog#: João Bosco Luiz Bezerra Recife . 4 de outubro de 2011 Observacao#: 1. ENCAMINHAR AO DES FRANCISCO DOS ANJOS BANDEIRA DE MELLO NA 8ª C CIVEL.66. Josué Antônio Fonseca de Sena Proc.0000 (232055-6/1) Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo Vista Advogado#: João Bosco Luiz Bezerra (PE008653 ) 004.66.#: 0019174-03.17. Orig. Embargante#: EUZEBIO MARQUES DE SOUZA Advog#: Elizabeth de Carvalho Simplício Advog#: e Outro(s) .#: 0001837-62. III Embargado#: Leopoldo Francisco da Silva Advog#: João Bosco Luiz Bezerra Orgao Julgador#: 1ª Câmara Cível Relator#: Des.66. terça-feira.PE.2011.0001 (240210-2) Observação#: PROCURADOR GERAL ESTADO DE PE Motivo#: apresentar contrarrazões ao Agravo SETOR DE RECURSOS CÍVEIS 179 .conforme Regimento Interno TJPE art.8.

T. III Agravdo#: Agro-Industrial Cochoeira Ltda.Reflorestadora Vale Verde S/A e outros e outros Advog#: Gustavo Henrique de Brito Albuquerque Cunha Advog#: e Outro(s) . III e Outro(s) . a. Encaminhar ao DEs. T.14261 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Aluísio José de Vasconcelos Xavier Fernando Elysio Galvão Wanderley George Cláudio Cavalcanti Mariano Gustavo Henrique de Brito Albuquerque Cunha João André Sales Rodrigues João Humberto Martorelli Luiz Ricardo de Castro Guerra Marcia Rino Martins Paula Rodrigues da Silva Paulo Emanuel Perazzo Dias Rayana Arraes Belém de Alencar F. Rocha e Outro(s) . 0198152-0/02#Embargos de Declaração Protocolo#: 2010/137374 Comarca#: Recife Vara#: 3ª Vara Cível Agravte#: Revale . Cadastro das partes rés conforme processo originário.conforme Regimento Interno TJPE art. Embargante#: Revale .Edição nº 184/2011 VISTAS AOS ADVOGADOS Recife .3ª Câmara Cível.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento I.conforme Regimento I. III Agravdo#: Manoel Otaviano Colaço Dias Advog#: Aluísio José de Vasconcelos Xavier Agravdo#: Cia Agro Industrial Nossa Senhora do Carmo e outros e outros Advog#: Fernando Elysio Galvão Wanderley Advog#: e Outro(s) . e outro e outro Advog#: Marcia Rino Martins Advog#: e Outro(s) . a.Reflorestadora Vale Verde S/A Embargante#: João Bastos Colaço Dias Embargante#: Guilherme Bastos Colaço Dias Advog#: Gustavo Henrique de Brito Albuquerque Cunha 180 . III Agravdo#: José Aristophanes Pereira e outro e outro Observacao#: Assunto CNJ: 10582.PE. 2011.66. EDUARDO SERTÓRIO . III 001 0198152-0/02 001 0198152-0/02 002 0237790-0/01 001 0198152-0/02 002 0237790-0/01 002 0237790-0/01 002 0237790-0/01 001 0198152-0/02 002 0237790-0/01 002 0237790-0/01 002 0237790-0/01 001 0198152-0/02 002 0237790-0/01 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. terça-feira.66.66.conforme Regimento Interno TJPE art.

8. 0237790-0/01#Agravo Protocolo#: 2011/107387 Comarca#: Recife Vara#: 25ª Vara Cível Apelante#: Zuleica Mesquita Guerra Apelante#: Wilma Leite da Silva e outros e outros Advog#: Paulo Emanuel Perazzo Dias Advog#: e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art. Encaminhar ao Des.1ª C. III Apelado#: Previ Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil Advog#: Luiz Ricardo de Castro Guerra Advog#: João André Sales Rodrigues Advog#: e Outro(s) . III Embargado#: Agro-Industrial Cochoeira Ltda.17. Cível. 4 de outubro de 2011 002.66.66. III Apelado#: Banco JP Morgan S/A e outro e outro Advog#: João Humberto Martorelli Advog#: Rayana Arraes Belém de Alencar Ferreira Rocha Advog#: George Cláudio Cavalcanti Mariano Advog#: e Outro(s) . Agravte#: Zuleica Mesquita Guerra Agravte#: Wilma Leite da Silva Agravte#: WILSON DE LIMA FERREIRA 181 .#: Marília Lira de Farias Observacao#: Assunto CNJ: 7698.conforme Regimento Interno TJPE art.66.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento Interno TJPE art. III Estag. III Embargado#: Manoel Otaviano Colaço Dias Advog#: Aluísio José de Vasconcelos Xavier Embargado#: Cia Agro Industrial Nossa Senhora do Carmo Embargado#: Fernando José Falcão Lacerda Embargado#: Fernando Luiz de Oliveira Advog#: Fernando Elysio Galvão Wanderley Advog#: e Outro(s) .66.2010.conforme Regimento Interno TJPE art.66.conforme Regimento Interno TJPE art.PE.conforme Regimento Interno TJPE art.66.#: 0021097-62. III Apelado#: BB BANCO DE INVESTIMENTO S/A Advog#: Paula Rodrigues da Silva Advog#: e Outro(s) . Josué Antônio Fonseca de Sena .66. III Embargado#: José Aristophanes Pereira Embargado#: Espólio de Hendrik da Costa Oliveira Orgao Julgador#: 3ª Câmara Cível Relator#: Des. terça-feira.Edição nº 184/2011 Advog#: e Outro(s) .0000 (198152-0/1) Motivo: apresentar contrarrazões aos Agravos Vista Advogado: Marcia Rino Martins (PE012923 ) Vista Advogado: Fernando Elysio Galvão Wanderley (PE002586 ) Vista Advogado: Aluísio José de Vasconcelos Xavier (PE004662 ) Recife . Embargado#: Laerte Pedrosa de Melo Advog#: Marcia Rino Martins Advog#: e Outro(s) . Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto Proc. Orig.

66. Público Impdo. 0249097-5/01 Impte. Procdor Agravo Regimental : Maria Juliana Carneiro Leão Wallach : Cristina Sakaki .Defensora Pública : Secretário de Saude do Estado de Pernambuco : Thiago Arraes de Alencar Norões e outro e outro 182 .conforme Regimento Interno TJPE art.0001 (237790-0) Motivo: apresentar contrarrazões aos Agravos Vista Advogado: João Humberto Martorelli (PE007489 ) Vista Advogado: Paula Rodrigues da Silva (PE001192A) Vista Advogado: Luiz Ricardo de Castro Guerra (PE017598 ) Vista Advogado: George Cláudio Cavalcanti Mariano (PE014825 ) Recife . 4 de outubro de 2011 1º Grupo de Câmaras Cíveis TERMINATIVA-1ºGCC Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. Josué Antônio Fonseca de Sena Relator Convocado#: Juiz Marcio Fernando De Aguiar Silva Proc.conforme Regimento Interno TJPE art.PE. III Agravdo#: Previ Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil Advog#: Luiz Ricardo de Castro Guerra Advog#: João André Sales Rodrigues Advog#: e Outro(s) .2003.8. III Agravdo#: BB BANCO DE INVESTIMENTO S/A Advog#: Paula Rodrigues da Silva Advog#: e Outro(s) . 2011.66. III Orgao Julgador#: 1ª Câmara Cível Relator#: Des. terça-feira. Orig.14247 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Ordem Processo O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.conforme Regimento Interno TJPE art. Def. III Agravdo#: Banco JP Morgan S/A Agravdo#: Rinaldo Lira Advog#: João Humberto Martorelli Advog#: George Cláudio Cavalcanti Mariano Advog#: e Outro(s) .17.66.conforme Regimento Interno TJPE art.#: 0093523-16.Edição nº 184/2011 Agravte#: Tânia Maria Cavalcanti Borges Agravte#: Sueli Gonçalves Correia Agravte#: Severino José Ferreira Agravte#: Severino Serafim de Santana Agravte#: ANTONIO ERNANI DE MOURA Advog#: Paulo Emanuel Perazzo Dias Advog#: e Outro(s) .66.

Fernando Cerqueira Relator Substituto: Des. estabelece. que objetiva o fornecimento pelo Poder Público do medicamento Insulinas Lantus e Novarapid. não havendo nos autos elementos que infirmem a hipossuficiência da requerente. Rel. GRATUIDADE DE JUSTIÇA.PE. Despacho Última Devolução 1º Grupo de Câmaras Cíveis NPU: 0013599-75. em acréscimo. Conforme anotado no decisório recorrido e em consonância com a Súmula nº 18 desta Egrégia Corte: "É dever do Estado-membro fornecer ao cidadão carente. 15 do writ em apenso). Público Agravdo Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Relator Convocado Proc. na própria petição inicial. Ademais. "Este Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento de que a declaração feita pelo interessado. sustenta que não ter condições de financeiras de arcar com o custo das medicações que lhe seriam necessárias. Agravo regimental a que se nega provimento. SEXTA TURMA.8. 4º A parte gozará dos benefícios da assistência judiciária. COMPROVAÇÃO DA HIPOSSUFICIÊNCIA. entendo que a decisão deve ser reformada.2011. Requer que seja exercido o juízo de retratação. prestada na forma da lei (acostada às fls.060/50. julgado em 08/06/2010. a simples declaração é suficiente para a concessão do benefício da gratuidade. de que sua situação econômica não permite vir a juízo sem prejuízo de seu sustento e de sua família é suficiente para a concessão dos benefícios da gratuidade de justiça. Com a devida vênia.0000 Agravo Regimental nº 0249097-5/01 Agravante: Maria Juliana Carneiro Leão Wallach Agravado: Estado de Pernambuco Relator: Des. INDEFERIMENTO PELO TRIBUNAL A QUO. pautou-se no argumento que a parte impetrante. não poderia ser considerada hipossuficiente. é acometida de grave patologia. LXXIV. ou que o presente recurso seja julgado pelo Órgão Colegiado. não carecendo tal declaração de maior dilação comprobatória. que tem assento constitucional segundo a regra estampada no art. que indeferiu o pleito liminar. posto ter a agravante pleiteado a concessão da gratuidade da justiça e se encontrar assistida pela Defensoria Pública. mediante simples afirmação.Edição nº 184/2011 Agravte Def. DECIDO.060/50. Dje 02/08/2010)(Grifei). a Impetrante. julgado em 27/5/08. Conforme se observa expressamente. estar-se-á violando a garantia constitucional do direito à vida e à saúde. ainda que não previsto em lista oficial". apresentando comprometimento ocular e renal decorrentes da patologia.0000 (249097-5) : Outros : 23/09/2011 16:35 Local: Diretoria Cível Recife . A decisão agravada. PEDIDO FORMULADO PELA PARTE. com base nos documentos acostados. A agravante reitera os argumentos aventados no mandado de segurança. segundo os quais o Estado tem o dever de custear o tratamento de saúde dos cidadãos carentes e." (AgRg no Ag 1. a presunção juris tantum de necessidade que somente será elidida por prova em contrário. sem ônus para este. Rel. resta patente que o periculum in mora e fumus boni juris militam em favor da Impetrante. Tenório dos Santos DECISÃO DE RETRATAÇÃO : Maria Juliana Carneiro Leão Wallach : Leonardo Alexandre Alves de Carvalho : Estado de Pernambuco : Thiago Arraes de Alencar Norões : Rosana Lowenstein Feitosa : 1º Grupo de Câmaras Cíveis : Des.8. terça-feira. em não se concedendo a liminar pleiteada.009. Min. (AgRg no Ag 1253967/RS.060/50. Sobre a matéria. após anos de tratamento. verifico a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça: AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. 5º. A declaração de miserabilidade. nos termos do artigo 4º da Lei 1.17. é permitir o acesso à Justiça daqueles que não têm condições financeiras para arcar com o ônus dos custos de uma demanda judicial. da Carta Magna. OG FERNANDES. 1.17. 2. segundo narrado na inicial do mandamus. posto que. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : 0011757-60. indispensáveis ao tratamento de moléstia da qual está acometida a impetrante. necessitando. REQUISITO NÃO EXIGIDO PELA LEI 1. Segundo inteligência da Lei Federal nº 1. em favor da requerente. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA. 4 de outubro de 2011 Cuida-se de Agravo Regimental interposto em face da decisão interlocutória que indeferiu o pleito liminar da ação mandamental em apenso. Fernando Cerqueira : Des. No caso. que estabelece normas para concessão da assistência judiciária aos necessitados: Art. medicamento essencial ao tratamento de moléstia grave. de que não está em condições de pagara as custas do processo e os honorários de advogado sem prejuízo próprio ou de sua família. dando-se provimento para reformar a decisão agravada. SEXTA TURMA.703/RS. O objetivo da Assistência Judiciária. É o relatório.2011. Diabetes Mellitus Insulino (CID10 E10) há mais de 40 anos. DJe 16/6/08). do medicamento pleiteado. Orig. 183 . ora agravante. PROCESSO CIVIL.

Edição nº 184/2011 Recife . O direito líquido e certo do Impetrante consiste no direito fundamental à saúde. encontro na situação exposta que a Impetrante corre. 26/27 do Mandado de Segurança nº 0249097-5. Recife. na quantidade e periodicidade prescrita pelos profissionais médicos. Relator Desembargador Agenor Ferreira de Lima Filho. 18/19) em que se observa com clareza. acaso não se consolide o tratamento mencionado na exordial. visando. Destaco ainda que é neste mesmo sentido que se consolidou a jurisprudência desta Egrégia Corte: ADMINISTRATIVO. podendo o Secretário de Estado da Saúde figurar no pólo passivo de ação mandamental objetivando o fornecimento de medicamento 5. Nº 15/2011 ESTADO DE PERNAMBUCO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete Des. A proteção ao direito à saúde da Impetrante depende de atuação positiva do Estado. a consistência da narrativa constante no bojo dos autos. FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO. ante a comprovação de não ter condições financeiras de arcar com as custas sem o prejuízo de seu sustento. assim. 4. Nº 15/2011 184 . em face do perigo de prejuízo irreparável.Fone: 3419. posto que a medicação atualmente utilizada mostra-se insuficiente no adequado controle glicêmico. exercendo o juízo de retratação.'fumus boni iuris'. pois não existem razões que indiquem que não se trata de um medicamento adequado. Nos termos do art. 18/19. § 1º. no prazo de 72 (setenta e duas) horas. Isto posto. TRATAMENTO DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA. 2. em apenso. HIPOSSUFICIÊNCIA. Tenório dos Santos Relator Substituto ESTADO DE PERNAMBUCO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete Des. para determinar ao SECRETÁRIO DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO. com base na Lei Federal nº 1. CONSTITUCIONAL. violado por ato omissivo do Secretário de Saúde do Estado de Pernambuco. DJ de 22. Tenório dos Santos Agravo Regimental nº 0249097-5/01 5 Fórum Thomaz de Aquino. 22/9/11 Des. restou comprovada a necessidade de tratamento da doença com o medicamento prescrito às fls. 557. do CPC. agravamentos da doença.3721.Consoante entendimento pacífico do STJ.09. O Poder Público deve atuar sempre com intuito de atender e concretizar o disposto na Constituição.3721. o fornecimento gratuito de medicamento. conforme laudo de fls. sob pena de multa diária no valor de R$ 200. aí residindo o 'periculum in mora'. POSSIBILIDADE. sito à Av. LEGITIMIDADE PASSIVA. a saber. No caso dos autos. 18/19 do mandamus em apenso.MS nº 147398-7. os riscos propagados. Segurança concedida. nº593 -Bairro de Santo Antonio . Tenório dos Santos Fórum Thomaz de Aquino. Martins de Barros. 2º andar. 'evitar o agravamento dos comprometimentos de que já é portadora e o aparecimento de outros. sito à Av. terça-feira. enquanto perdurar seu tratamento.060/50. PREVENÇÃO DE CRISES A PACIENTE. havendo. 3. 18). Publique-se. REVOGO a Decisão Interlocutória de fls. em verdade. Intimem-se.00 (duzentos reais). o que lhe poderá trazer risco de vida' (fls. Notifique-se a autoridade apontada como coatora para conhecimento da medida concessiva e cumprimento imediato. que forneça. 1º Grupo de Câmaras Cíveis. e CONDCEDO a liminar perseguida. 4 de outubro de 2011 Com efeito. caracterizado pelo não fornecimento de medicamento essencial ao seu tratamento contra doença obstrutiva pulmonar crônica.2010). a proteção do bem jurídico tutelado não pode ser afastada por questões meramente formais. Martins de Barros. Junte-se cópia da presente decisão aos Autos do Mandado de Segurança em apenso. DIREITO FUNDAMENTAL À SAÚDE. 1. Cumpra-se.CEP:50010-230 Recife PE .Fone: 3419. CONCEDO à Impetrante. não restando dúvida quanto à existência de um bom direito que merece a guarda tutelar jurisdicional . Ressalto que a inicial veio acompanhada de prescrição médica (fls. até ulterior deliberação deste 1º Grupo de Câmaras Cíveis. nº593 -Bairro de Santo Antonio . O atestado médico subscrito por um especialista é hábil a respaldar o pedido de concessão da segurança. (TJPE . MANDADO DE SEGURANÇA. a medicação Insulina Lantus e Insulina Novorapid.PE. à Impetrante Maria Juliana Carneiro Leão Wallach. o que reclama um pronunciamento judicial rápido e eficaz. declaração de hipossuficiência da Impetrante. SECRETÁRIO DE SAÚDE. os benefícios da Justiça Gratuita. também.CEP:50010-230 Recife PE . positivado na Constituição Federal. 2º andar.

referente ao Recurso De Agravo114871-0/01. IX do CPC. 0114871-0/03 Comarca Vara Apte Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Advog Apdo Procdor Autor Advog Advog Réu Procdor Procdor Orgao Julgador Relator Proc. T. 2011. (fls. sob a égide do artigo 485.ESTADO DE PERNAMBUCO COMARCA DE RECIFE RELATOR CONVOCADO: JUIZ HERIBERTO CARVALHO GALVÃO DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Cuida-se de Ação Rescisória.JERDRIAN CARLOS CARNEIRO DE LIMA RÉUS. inc. e fundamentada em necessidade de rescisão de acórdão oriundo da 8ª Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Despacho Última Devolução Ação Rescisória : Recife : 2ª Vara da Fazenda Pública : Jerdrian Carlos Carneiro de Lima : Bedoni Ribeiro de Oliveira : Hamilton Pinto R. III : Estado de Pernambuco : Larissa Medeiros Santos : Maria Cláudia Junqueira : 1º Grupo de Câmaras Cíveis : Des. 02 e seg. Josué Antônio Fonseca de Sena : 114871-0 : Decisão Interlocutória : 30/09/2011 18:42 Local: Diretoria Cível 1º GRUPO DE CÂMARAS CÍVEIS AÇÃO RESCISÓRIA Nº 0114871-0 /03 AUTOR.66.PE. III Ordem Processo 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 001 0114871-0/03 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.) 185 .Edição nº 184/2011 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA 1ºGrupo de Câmaras Cíveis (1ªCC) Recife .conforme Regimento I. Orig. a. de Moura Farias João Ferreira de Almeida Kátia Suzana Leal Paes Barreto Ricardo de Melo Cabral Rousiane Gomes de Araújo e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art.14289 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Bedoni Ribeiro de Oliveira Elizabeth de Carvalho Simplício Flávia Barbosa Lebre Hamilton Pinto R. de Moura Farias : Kátia Suzana Leal Paes Barreto : Kátia Suzana Leal Paes Barreto : Rousiane Gomes de Araújo : Ricardo de Melo Cabral : João Ferreira de Almeida : Flávia Barbosa Lebre : O Estado de Pernambuco : Larissa Medeiros Santos e outro e outro : Jerdrian Carlos Carneiro de Lima : Elizabeth de Carvalho Simplício : e Outro(s) . 4 de outubro de 2011 Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. terça-feira.

REL. Juiz Heriberto Carvalho Galvão Relator convocado 186 .060/50. HIPÓTESES DE DEFERIMENTO. NÃO SE PODE ESTABELECER UMA PRESUNÇÃO EM SENTIDO CONTRÁRIO AO SEU DEFERIMENTO. de que sua situação econômica não lhe permite ir a Juízo sem prejudicar sua manutenção ou de sua família.Agravo regimental improvido. Rel. A parte gozará dos benefícios da assistência judiciária. colaciono julgados do STF e STJ a seguir elencados: CONSTITUCIONAL. Precedentes. Findo o prazo. PEDIDO PERANTE O TRIBUNAL. PROCESSO CIVIL. exigindo apenas a mera afirmação na petição inicial da necessidade de tal benefício. Dje 02/05/2006). mas tãosomente à mera afirmação desse estado. I. sem prejuízo próprio ou de sua família". ESTADO DE POBREZA. ainda. I . 2008. É admissível. Precedentes. TERCEIRA TURMA. Ministra NANCY ANDRIGHI. DJE 23/03/2009). Requer. Negado provimento ao agravo. terça-feira. Relator(a): Min. PROCESSUAL CIVIL. PELO REQUERENTE. querendo. II. argüindo não possuir condições financeiras de arcar com as custas e honorários advocatícios. julgado em 02/09/2008. PRECEDENTES. A JURISPRUDÊNCIA DESTA CORTE SUPERIOR ADMITE A CONCESSÃO DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA MEDIANTE A SIMPLES DECLARAÇÃO. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. remetam-se os autos à Douta Procuradoria de Justiça. Impende destacar. POSSIBILIDADE. deve o Juízo conceder tal benefício. que o art. a situação fática examinada autoriza a concessão do benefício. APRESENTADO O PEDIDO. AGRAVO NOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. RICARDO LEWANDOWSKI.SP. com ou sem resposta. 97. PRECEDENTES. Por fim. (AgRg nos EDcl no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 728. in verbis: "Art. Defiro. AGRAVO IMPROVIDO. MAS SIM A SEU FAVOR. 4º da Lei 1.411/RJ. DESNECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO. (STF . não podendo condicionar o deferimento da justiça gratuita a exigências não contempladas na Lei nº 1. Primeira Turma. a formulação do pedido de gratuidade da justiça em qualquer fase do processo. Dessa forma. feita pelo próprio interessado. basta a declaração. sendo irrelevante o fato de o pedido haver sido formulado na petição inicial ou no curso do processo. PROVA.AI 649283 AgR. mediante simples afirmação. Decido. . o benefício da assistência judiciária.A concessão dos benefícios da assistência judiciária gratuita não se condiciona à prova do estado de pobreza do requerente. publicado no Boletim Geral de 06/Maio/2002 objetivando retornar as fileiras da Polícia Militar de Pernambuco. É o breve relato do Processo.060/50 não exige maiores formalidades para a concessão do benefício da justiça gratuita. AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO.Edição nº 184/2011 Recife . DESERÇÃO. julgado em 06/04/2006. DJe-177 DIVULG 18-09-2008 PUBLIC 19-09-2008 EMENT VOL-02333-08 PP-01673 RT v. nas instâncias de origem. Recife. a parte demandante o deferimento do benefício da gratuidade da justiça. 4º. nesse sentido. na própria petição inicial. _30__ de _setembro_________ de 2011. BENEFÍCIO JUSTIÇA GRATUITA. DE QUE NÃO PODE CUSTEAR A DEMANDA SEM PREJUÍZO DA SUA PRÓPRIA MANUTENÇÃO E DA SUA FAMÍLIA.657 . PREJUDICIALIDADE AFASTADA. nos termos do artigo 491 do CPC determino a citação do requerido. DESNECESSIDADE. 137-138). nos exatos moldes da Lei 1.É pacífico o entendimento da Corte de que para a obtenção de assistência jurídica gratuita. pois. sem prejuízo do sustento próprio ou da família. JULGADO EM 19/02/2009. MINISTRO SIDNEI BENETI. JUSTIÇA GRATUITA. apresentar defesa em 15 dias. primeiramente. n.PE. O entendimento contrário seria restringir em demasia o acesso à justiça da parte hipossuficiente e. DECISÃO IMPLÍCITA. (AGRG NO RESP 925. p. havendo a afirmação da hipossuficiência da parte e não existindo nos autos evidências de que esta assertiva seja falsa. E NÃO HAVENDO INDEFERIMENTO EXPRESSO. pois demonstrada a impossibilidade da parte suportar as despesas do processo sem prejuízo de seu sustento e de sua família.060/50. 4 de outubro de 2011 Em breve síntese pretende o autor a anulação do ato de licenciamento ex-officio aplicado pelo Comandante da Polícia Militar de Pernambuco. de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado. 878. Desta feita. II . para.

T. terça-feira. III e Outro(s) .594-9 Apelante: Clóvis Pereira dos Santos Apelado: Espólio de Cussy de Almeida Netto Relator: Des. 4 de outubro de 2011 1ª Câmara Cível DECISÕES TERMINATIVAS 1ªCC Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No.conforme Regimento Interno TJPE art.conforme Regimento I. III : 1ª Câmara Cível : Des. a.conforme Regimento I.66.14287 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Aramis Francisco Trindade De Souza Arnaldo José De Barros E Silva Jorge Wellington Lima de Matos José Edgard da Cunha Bueno Filho Marcelo Gama Alves Múcio Sátyro Filho Patricia Helena Ferreira Gaião Roberta Silva Melo Fernandes Thiago Carlos de Lima e Outro(s) . 2011.conforme Regimento I. III Ordem Processo 004 0255002-3 001 0244594-9 002 0253004-9 004 0255002-3 001 0244594-9 002 0253004-9 003 0254915-1 001 0244594-9 003 0254915-1 001 0244594-9 002 0253004-9 003 0254915-1 004 0255002-3 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. Frederico Ricardo de Almeida Neves : Decisão Terminativa : 30/09/2011 17:31 Local: Diretoria Cível Tribunal de Justiça de Pernambuco Gabinete do Des. 0244594-9 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO Apelação : Recife : 27ª Vara Cìvel : CLÓVIS PEREIRA DOS SANTOS : Arnaldo José De Barros E Silva : e Outro(s) . III e Outro(s) .66. III e Outro(s) .Edição nº 184/2011 Recife . a.conforme Regimento I. T.PE. T. Frederico Ricardo de Almeida Neves Primeira Câmara Cível Apelação Cível nº 0244. a.conforme Regimento Interno TJPE art. Frederico Ricardo de Almeida Neves DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA 187 . a. T. III : ESPÓLIO DE CUSSY DE ALMEIDA NETTO : Roberta Silva Melo Fernandes : Marcelo Gama Alves : e Outro(s) .

Publique-se. é inegável a competência da instância recursal para examinar a pretensão calcada em fato superveniente. 2.PE. o acertamento amigável apresentado pelos litigantes (artigos 125. acrescendo-se à quota parte dos outros a quota daquele que eventualmente vier a falecer ou completar 21 anos de idade antes do termo final de seu pensionamento. 188 . determinando. até que eles completem 21 anos de idade. Posto isso. acompanhada por seu procurador (Dr Arnaldo José de Barros e Silva . 4 de outubro de 2011 1. bem assim como ao pagamento de pensão mensal no valor de1 salário mínimo aos filhos da vítima.conforme Regimento Interno TJPE art. Por outro lado. Cuida-se de Apelação Cível. 269.conforme Regimento Interno TJPE art. Clóvis Pereira dos Santos. Após. tudo de conformidade com os instrumento procuratórios de fls. que têm poderes específicos para tal. devendo incidir correção monetária e juros de mora sobre esta verba a partir do fato(marco inicial: 12/03/2008). no caso. representado por sua inventariante Suzana Gomes Costa.OAB/PE nº 2. fl.000. 132/135.756-D).998-D) e a parte demandada. as partes celebraram a transação consubstanciada às fls. do RITJPE. inciso XIII. IV. do CPC). julgou parcialmente procedente o pleito autoral. o objeto é lícito. levando-se em conta a culpa concorrente da vítima. Josué Antônio Fonseca de Sena : Decisão Terminativa : 30/09/2011 18:18 Local: Diretoria Cível APELANTE: ATACADÃO DE ESTIVAS E CEREAIS DO RIO DO PEIXE LTDA APELADO: ALEANDRO DE MELO SANTOS E OUTROS RELATOR CONVOCADO: JUIZ HERIBERTO CARVALHO GALVÃO DECISÃO TERMINATIVA ATACADÃO DE ESTIVAS E CEREAIS DO RIO DO PEIXE LTDA interpôs Recurso de Apelação contra sentença exarada pelo douto Juiz de Direito da Vara Única da Comarca de São Bento do Una que. sendo certo que. em grau de recurso de apelação.112). 30/09/2011. A transação é instituto de direito material através do qual as partes visam evitar ou terminar litígios. Recife. terça-feira. 0253004-9 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Apelado Apelado Apelado Reprte Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução 1ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 0253004-9 Apelação : São Bento do Una : Vara Única : ATACADÃO DE ESTIVAS E CEREAIS DO RIO DO PEIXE LTDA : Múcio Sátyro Filho : e Outro(s) .66. Intimem-se. envolvendo o objeto da demanda. homologo a transação de fls. para condenar a apelante ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$60. o que faço com fundamento no artigo 74. III : ALEANDRO DE MELO SANTOS : LEANDRA DE MELO SANTOS : DAYANE PEREIRA DE MELO SANTOS : AMANDA JOICE DE MELO SANTOS : IVONEIDE PEREIRA DE MELO SANTOS : Jorge Wellington Lima de Matos : e Outro(s) . III : 1ª Câmara Cível : Des. III. No caso sob análise. não há qualquer indício de vício na manifestação da vontade.Edição nº 184/2011 Recife .00. Frederico Ricardo de Almeida Neves Desembargador Relator 002. a ser dividido entre eles.66. acompanhada de seu procurador (Dr. 3. corrigindo-se monetariamente e incidindo juros de 12% ao ano. MARCELO Gama Alves . e os subscritores da peça transacional são a parte autora (Espólio de Cussy de Almeida Netto. tudo conforme "Termo de Sessão de Mediação/Conciliação".OAB/PE nº 23. nos autos da Ação Sumária de Indenização por delito de trânsito. 137 e 59. 132/135. e sem mais delongas. como. baixem-se os autos ao Juízo de origem.

Compulsando detidamente os autos. basta a comprovação do fato. As lesões morais são aquelas indeléveis. por ser objetiva sua responsabilidade. 25 anos. Posto isso. Em sequência. o apelante levanta a preliminar de inadmissibilidade.00 aos autores. ora apelados. O caso concreto versa em torno de acidente de trânsito. aduzindo que não houve sucumbência recíproca. restou incontroverso que o pai dos apelados foi vítima de acidente de trânsito. material ou pensionamento. acaso mantida a indenização por danos morais. 25 anos. como a vítima. Cinge-se a presente discussão na análise da responsabilidade civil pelo acidente e o cabimento ou não dos danos morais face aos supostos dissabores e contratempos enfrentados pelos apelados em decorrência do referido atropelamento que ocasionou o óbito do pai dos apelados. Condenou. assim como que seja deduzida a parcela da indenização fixada na sentença na hipótese de os autores terem recebido o seguro DPVAT. portanto. eventualmente.da dignidade humana. Nas suas razões recursais. para o desenrolar trágico do acidente. contribuíram de forma concorrente. Por outro lado. psicológica ou da afeição moral e/ou social do ofendido.PE. MORTE DE PASSAGEIROS. bem como que os juros de mora e a correção monetária devem incidir a partir do evento danoso. No mérito. levandoo à óbito. Entende a jurisprudência: CIVIL. ao se transportar dependurada no caminhão graneleiro. da integridade física. Eventualmente. requer a manutenção da sentença. pode-se concluir que a colisão decorreu de excesso de velocidade por parte do motorista do caminhão. embora seja inegável que esta tenha concorrido para o evento. Pelo exposto. na condução de um veículo. sustenta o apelante que a culpa é exclusiva da vítima. o motivo de sua queda foi a colisão do veículo da empresa apelante contra a traseira do caminhão graneleiro. e considerando os parâmetros desta Câmara. em 16/02/2004.000. Logo. a Bradesco Seguros S/A ao pagamento de R$ 30. A conduta da vítima em ter o costume de andar dependurado nos caminhões era imprudente. pois apesar de ser uma rodovia. da situação econômica do ofensor e do ofendido. Atribuindo-se culpa concorrente aos envolvidos no acidente. determinou que o apelante e a seguradora arcarão em 50% dos honorários advocatícios. pugna pela redução do quantum arbitrado. No entanto.Edição nº 184/2011 Recife . É o relatório. No caso em exame. pugnam no sentido de que seja admitido o prazo de pensionamento até a idade universitária ou seja. além do pleito por danos materiais. Pode-se inferir através dos depoimentos testemunhais que o motorista do caminhão conduzia o veículo com velocidade incompatível para o local. FAMÍLIA DE BAIXA RENDA. ACIDENTE RODOVIÁRIO. dos danos e do nexo causal. mas também o abalo . e que. sem dúvida nenhuma. tal circunstância causa abalo moral indenizável. No tocante à alegação constante do recurso adesivo. afirma o não cabimento da indenização por danos morais e materiais. QUEDA DE COLETIVO EM RIO MARGINAL À ESTRADA. além de que não há se falar em dano moral. PENSIONAMENTO DEVIDO. bem como do princípio da proporcionalidade. vez que não foi feita perícia pela polícia rodoviária. De outra forma. Interposto recurso adesivo pelos apelados. o dano moral não abrange apenas a dor e o sofrimento. passo à análise do mérito. tudo conforme doutrina e jurisprudência. 602 do CPC. por isso mesmo. essa compensação serve também como punição do ofensor. requisito este essencial para o conhecimento do recurso.de alguma forma significativo . arriscada e. devem ser compensadas. E. 189 . aduzem que não há se falar em dedução do referido valor do seguro obrigatório DPVAT sobre o montante da indenização. Para a quantificação da verba reparatória. Por fim. DISPENSA DE CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL. pela existência de nexo causal entre o acidente e o dano sofrido. a fim de amenizar o abalo sofrido pelos filhos da vítima. Diante de tais circunstâncias. para que se imponha o dever de indenizar. Diante disso. Apresentadas as contrarrazões pela seguradora ao recurso adesivo interposto. CAUÇÃO FACULTADA. verifico que a prova dos autos praticamente se resume às declarações da companheira da vítima e o depoimento de uma testemunha que presenciou o acidente. VALOR. pugna para que seja dado provimento ao apelo para determinar a dedução automática da quota dos filhos que forem completando 21 anos. a obrigação de constituir capital cuja renda assegure o cabal cumprimento das obrigações acima. 4 de outubro de 2011 ainda. do grau de culpa (ou responsabilidade) do causador do dano. em que o veículo de propriedade da apelante atropelou o pai dos apelados. conforme determina o art. além de que devem incidir as verbas de 13º salário e férias. imperiosa a apreciação das consequências do sinistro. assim como que sejam fixados os honorários advocatícios em 70% a ser suportado pelos vencidos. desestimulando-o para outras condutas de mesma natureza. era previsível que se envolvesse em um acidente. que o levou a óbito. pela doutrina moderna. forçoso concluir-se que tanto o condutor do veículo. a velocidade incompatível de tráfego para o local foi a causa principal da colisão e da morte da vítima. sendo assim. o dever de indenizar deve ser proporcional às ações dos causadores do acidente. O confronto dos documentos permite concluir. AÇÃO INDENIZATÓRIA. merece prosperar a tese dos apelados no sentido de que seja admitido o prazo de pensionamento até a idade universitária ou seja. FATOR DE REDUÇÃO E DURAÇÃO. vai mantida a verba reparatória estabelecida na sentença. Passo a decidir. quantia esta que deve ser deduzida do valor arbitrado como indenização moral. Outra prova contra o referido motorista é que somente não houve choque do caminhão contra uma casa edificada às margens da estrada devido à existência de um barranco que lhe impediu a passagem. apesar da conduta arriscada da vítima. pugnam os apelados pela manutenção da sentença. na escolha de seus prepostos. Por ser evidente. Nas contrarrazões ao recurso adesivo interposto. e não havendo preliminares a serem discutidas. ainda. mesmo que pela simples tomada de postura mais diligente na realização de seu ofício. tratava-se de perímetro urbano e ponteado de quebra-molas. terça-feira. Nas contrarrazões. Preenchidos os requisitos de admissibilidade recursal.

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

I. Configurada a responsabilidade civil da empresa transportadora decorrente de ato ilícito culposo no transporte de passageiros falecidos em acidente de ônibus, torna-se devido o pensionamento ao esposo e pai das vítimas, independentemente da prova do exercício de atividade profissional, eis que, em tais circunstâncias, a contribuição para o núcleo familiar também acontece através do exercício ou auxílio em atividades domésticas, fato concreto no caso da cônjuge varoa e presumível quanto ao menor extinto. II. Pensão fixada, na esteira de precedentes jurisprudenciais, em 2/3 do salário mínimo em relação à esposa, e, no tocante ao filho menor do autor, até a idade em que o de cujus completaria 25 anos, reduzida para 1/3 a partir de então, em face da suposição de que constituiria família, aumentando suas despesas pessoais com o novo núcleo formado, extinguindo-se a obrigação, em ambos os casos, após os 65 anos de longevidade presumível das vítimas, se a tanto sobreviver o recorrente. Exclusão do cálculo do 13o salário e FGTS, por inexistente trabalho assalariado.(...) (REsp 20187 / RJ RECURSO ESPECIAL Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR T4 24/05/2000 ) (grifos nossos) APELAÇÕES CÍVEIS. RESPONSABILIDADE CIVIL. MUNICÍPIO. DERRUBADA DE ÁRVORES POR TRATOR DE ENTE PÚBLICO PARA ALARGAMENTO DE VIA. MORTE DE MUNÍCIPE DESALOJADO DA POSSE POR ORDEM JUDICIAL. DANOS MORAIS E MATERIAIS E PENSIONAMENTO. 1. A Administração Pública tem responsabilidade de ordem objetiva pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, no termos do § 6º, do art. 37 da CF, o que dispensaria a parte prejudicada de provar a culpa do Poder Público para que ocorra a reparação, bastando demonstrar a relação de causalidade entre a ação ou omissão administrativa e o dano sofrido. Culpa da vítima não comprovada. 2. Danos materiais consistentes no reembolso de despesas comprovadas, inclusive do funeral, reconhecidos. 3. Pensionamento devido ao filho e à companheira, apenas, e não ao pai. Pensão mensal estabelecida em consonância com os rendimentos comprovados do de cujus. O termo inicial é a data do falecimento. O termo final, para o filho, é a data em que completar 25 anos, com direito de acrescer à viúva, até a data em que o extinto completaria 72 anos, conforme postulado, ou, então, caso venha a convolar novas núpcias ou união estável, bem assim se sobrevier o seu falecimento. As parcelas vencidas deverão ser corrigidas monetariamente pelo IGP-M e acrescidas de juros de mora de 1% ao mês, desde a data em que deveriam ter sido pagas. 4. É devida indenização pelos danos morais advindos da perda repentina e precoce do ente querido, pai e esposo, também reconhecido o direito de reparação a esse título à irmã e ao pai, em montantes diferenciados, mas inferior aos buscados na inicial. Apelos parcialmente providos. (AC Nº 70039093976, 9ª CC, T J-RS, Relator: Marilene Bonzanini Bernardi, 25/05/2011)

RESPONSABILIDADE CIVIL. LINHA FÉRREA. ACIDENTE ENTRE COMPOSIÇÃO FERROVIÁRIA E AUTOMÓVEL. SINALIZAÇÃO. RESPONSABILIDADE DACONCESSIONÁRIA DE SERVIÇOS FERROVIÁRIOS. CULPA CONCORRENTE. LUTO.COMPROVAÇÃO. DESNECESSIDADE. FIXAÇÃO EM PARÂMETRO COMPATÍVEL. JUROSDE MORA. TERMO INICIAL. SÚMULA N. 54 DO STJ. 13º SALÁRIO. EXERCÍCIODE ATIVIDADE REMUNERADA. PENSIONAMENTO. MORTE DE FILHO (A) DECOMPANHEIRO (A) E DE GENITOR (A). CABIMENTO DESDE A DATA DO ÓBITO.JUROS COMPOSTOS. VEDAÇÃO. VALOR DO DANO MORAL. SÚMULA N. 7 DO STJ.CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL. POSSIBILIDADE. 1. Colisão entre trem e automóvel em passagem de nível que, emboraocasionada por imprudência do motorista do automóvel, poderia tersido evitada se no local houvesse sinalização adequada, impõe tambémà concessionária de transporte ferroviário a responsabilidade civilperante terceiro prejudicado, uma vez que a sinalização de ferroviasrelaciona-se com o negócio de exploração de transporte ferroviário.2. A ocorrência de culpa concorrente conduz à fixação dasindenizações por danos materiais e morais de forma proporcional.3. Cabível a indenização por luto, que dispensa comprovação dasdespesas, quando fixada em parâmetro compatível.4. Em caso de responsabilidade extracontratual, os juros moratóriosfluem a partir do evento danoso (Súmula n. 54 do STJ).5. Possível o pagamento do 13º salário apenas quando comprovado quea vítima exercia atividade remunerada. 6. A jurisprudência do STJ entende que: a) no caso de morte defilho (a) menor, pensão aos pais de 2/3 do salário percebido (ou osalário mínimo caso não exerça trabalho remunerado) até 25 (vinte ecinco) anos e, a partir daí, reduzida para 1/3 do salário até aidade em que a vítima completaria 65 (sessenta e cinco) anos; b) nocaso de morte de companheiro (a), pensão ao companheiro sobreviventede 2/3 do salário percebido (ou o salário mínimo caso não exerçatrabalho remunerado) até a idade em que a vítima completaria 65 (sessenta e cinco) anos; c) no caso de morte de genitor (a), pensãoaos filhos de 2/3 do salário percebido (ou o salário mínimo caso nãoexerça trabalho remunerado) até que estes completem 24 anos deidade.7. A pensão por morte é devida desde a data do óbito.8. Inviável a cobrança de juros compostos quando a obrigação deindenizar resultar de ilícito de natureza eminentemente civil.9. A revisão de indenização por danos morais só é possível emrecurso especial quando o valor fixado nas instâncias locais forexorbitante ou ínfimo a ponto de maltratar o art. 159 do CódigoCivil de 1916. Fora essas hipóteses, incide a Súmula n. 7 do STJ, aimpedir o conhecimento do recurso.10. Cabível a constituição de capital ou caução fidejussória comoprevisto na Súmula n. 313 do STJ: "Em ação de indenização,procedente o pedido, é necessária a constituição de capital oucaução fidejussória para a garantia de pagamento da pensão,independentemente da situação financeira do demandado".11. Recurso especial conhecido em parte e provido. (Processo: REsp 853921 RJ 2006/0134068-8 Relator(a): Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA Julgamento: 16/03/2010 Órgão Julgador: T4 - QUARTA TURMA Publicação: DJe 24/05/2010)

Desta feita, ante o exposto, se infere que a fundamentação apresentada pelos Apelantes como suporte para seu inconformismo revela-se manifestamente improcedente e em confronto com jurisprudência deste tribunal e de tribunal superior. Neste sentido, não vislumbrando a necessidade de levar a julgamento à câmara cível assim, NEGO SEGUIMENTO ao recurso apelatório mantendo incólume a sentença recorrida, nos termos do artigo 557, caput, c/c artigo 74, VIII do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Ato contínuo, com base no art. 557, §1º-A, do CPC, dou provimento ao recurso adesivo interposto, no sentido de reformar a sentença para que seja admitido o prazo de pensionamento até a idade universitária ou seja, 25 anos, mantendo, no mais, o disposto no comando sentencial. Decorrido o prazo recursal in albis, ao juízo de origem para as providencias de praxe. Intime-se. Publique-se. Recife, 30___ de setembro de 2011.

Juiz Heriberto Carvalho Galvão Relator convocado

003. 0254915-1 Comarca

Apelação : Recife 190

Edição nº 184/2011 Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução 1ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 0254915-1 VARA DE ORIGEM: 18ª VARA CÍVEL DA CAPITAL APELANTE: BÁRBARA BACHMANN MARANHÃO APELADA: SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE RELATOR CONVOCADO: JUIZ HERIBERTO CARVALHO GALVÃO : 18ª Vara Cível : Bárbara Bachmann Maranhão : Patricia Helena Ferreira Gaião : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Sul América Companhia de Seguro Saúde : Thiago Carlos de Lima : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 1ª Câmara Cível : Des. Josué Antônio Fonseca de Sena : Juiz Heriberto Carvalho Galvão : Decisão Terminativa : 30/09/2011 18:18 Local: Diretoria Cível

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DECISÃO TERMINATIVA BÁRBARA BACHMANN MARANHÃO interpôs o presente recurso de Apelação em face de sentença que julgou parcialmente procedentes os pedidos formulados pela Autora/Apelante na Ação de Obrigação de Fazer c/c Ação de Indenização por Danos Morais e Materiais com Pedido de Tutela Específica, para condenar a apelada ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil) reais e indenização por danos materiais no valor de R$ 537,76 (quinhentos e trinta e sete reais e setenta e seis centavos). Por força da sucumbência, condenou, também, a parte vencida (apelada) em custas processuais e honorários advocatícios, estes arbitrados em 10% do valor da condenação. Inconformada, recorreu a apelante (fls. 243/252), postulando a reforma da sentença, alegando que a mesma deixou de condenar a apelada ao pagamento de indenização pelos danos materiais sofridos em virtude da contratação de advogado, no valor de R$ 1.800,00 (mil e oitocentos reais). Insurge-se, a apelante, que a indenização é devida pelo fato de que houve prejuízo ao contratar advogado para ingressar com ação no Judiciário, a fim de obter liminar para realização de tratamento emergencial, por negativa da apelada. Alega que os documentos comprovando a contratação e pagamento ao advogado foram juntados posteriormente pelo fato de que, no ato da proposição da ação, ainda não havia pago os honorários contratuais por força do contrato firmado entre eles, o qual determina que o pagamento é devido apenas com a concessão da liminar, da sentença e do acórdão favoráveis a mesma. Ou seja, a comprovação dos honorários só seria juntada futuramente. Sendo assim, requer o provimento do presente recurso para reformar a sentença e condenar a apelada a pagar a indenização por danos materiais devidos pela contratação de advogada, devendo o valor de tais danos materiais ser o valor pactuado no contrato de honorário, juntado às fls. 208/226. Contrarrazões, às fls. 260/264. Vieram os autos conclusos. É o relatório. DECIDO. Regularmente constituído o feito e presentes os pressupostos processuais subjetivos e objetivos, recebo o presente apelo e passo a apreciá-lo. Trata-se de recurso de apelação interposto por Bárbara Bachmann Maranhão na tentativa de promover a reforma parcial da sentença de fls. 229/230. Pleiteia a apelante a condenação da apelada (parte vencida) ao pagamento das suas despesas despendidas com a contratação de advogado, no importe de R$ 1.800,00 (mil e oitocentos reais), conforme cópias de cheques e nota fiscal de serviço juntados às fls. 213/124 e 216. Examinando detidamente os autos, tenho que razão não assiste a ora apelante. Em que pese seja evidente a contratação de profissional da advocacia para a defesa de seus interesses na ação ajuizada, não há qualquer responsabilidade da apelada pelo ressarcimento de tais valores. Ora, na sentença de primeiro grau a apelada foi condenada ao pagamento das custas e honorários advocatícios, correspondentes à verba de sucumbência. De tal modo, caso o apelo seja provido, o pedido de ressarcimento da verba despendida com o advogado torna-se exagerado. Isto

191

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

porque, a parte vencida em uma ação judicial não pode ser responsabilizada, além dos honorários de sucumbência, também pelos valores que a parte adversa despendeu em contrato particular de honorários advocatícios. Ademais, a representação em juízo por advogado é exigência legal e não pode ser atribuída à parte adversa a consequência consubstanciada no pagamento dos honorários contratuais. Com efeito, as verbas relativas aos serviços do advogado confundem-se com aquelas que decorrerão da sucumbência da demandada em virtude do processo. Sendo assim, adotar a tese suscitada pela apelante significaria compelir a apelada ao pagamento de duas verbas de idêntica natureza, oriundas de um mesmo fato, o que é inadmissível. Ou seja, não se constitui obrigação da parte contrária arcar com tais despesas, sob pena de bis in idem, uma vez que já sofre condenação ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios. Além disso, a contratação de advogado é faculdade do interessado, não se mostrando medida impositiva. Isso também, pelo fato da parte, caso não queira contratar um procurador, ter a opção da Defensoria Pública, órgão este responsável pela defesa dos necessitados, que foi tratada no Capitulo IV da Constituição Federal. Sobre esse tema o legislador constituinte pátrio previu em seu artigo 134: Art. 134. A Defensoria Pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art. 5.º, LXXIV. De resto, não é possível indenizar a autora a respeito da quantia que disse ter sido cobrada por seu procurador, tendo em vista que o trabalho do advogado que atuou na ação em questão se refere a despesas extrajudiciais e deve ser valorado pelo juízo, como foi feito, com base no princípio da sucumbência, previsto no art. 20, §3°, do CPC. Sobre o tema, colaciono algumas jurisprudências de Tribunais Pátrios: RECURSO INOMINADO. RESPONSABILIDADE CIVIL. CONSUMIDOR. PRETENSÃO DO AUTOR AO RESSARCIMENTO DOS VALORES DESPENDIDOS NA CONTRATAÇÃO DE ADVOGADO PARA AJUIZAR AÇÃO DE RITO ORDINÁRIO. AUSÊNCIA DE FUNDAMENTO LEGAL. DANOS MATERIAIS INOCORRENTES. DANOS MORAIS EM RAZÃO DA NEGATIVA DE COBERTURA QUE NÃO OCORRERAM NO CASO CONCRETO. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA MANTIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. RECURSO IMPROVIDO. (Recurso Cível Nº 71003077898, Terceira Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Fabio Vieira Heerdt, Julgado em 28/07/2011).

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO CUMULADA COM INDENIZAÇÃO POR DANO MATERIAL E MORAL. PARCIAL PROCEDÊNCIA. A existência de outra dívida que continuaria a restringir o crédito do devedor perante as entidades cadastrais afasta a configuração do dano moral e o dever de indenizar. Incidência da Súmula nº. 385 do STJ. Devedor obstinado não sofre abalo de crédito. Como corolário, não tem como exigir dano moral. Incabível a pretensão de reparação por danos materiais, no que respeita às despesas com a contratação de advogado que atuou na causa, pois não configura verba indenizável decorrente de ato ilícito. Manutenção dos honorários advocatícios sucumbenciais arbitrados em favor do patrono do autor. Determinada a compensação de honorários advocatícios sucumbenciais, por se tratar de sucumbência recíproca. Negaram provimento ao recurso do autor e deram provimento ao recurso da ré. Unânime. (Apelação Cível Nº 70044402030, Décima Oitava Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Nelson José Gonzaga, Julgado em 15/09/2011). SEGURO DE AUTOMÓVEL - PERDA DE DIREITOS - ALEGAÇÃO DE EMBRIAGUEZ - AGRAVAMENTO DO RISCO CONTRATADO - NÃO COMPROVAÇÃO - INDENIZAÇÃO SECURITÁRIA DEVIDA - DANOS MATERIAIS - DESPESA COM CONTRATAÇÃO DE ADVOGADO - PEDIDO IMPROCEDENTE - RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO.(Apelação Cível nº 2.0000.00.250232-1/000, Tribunal de Justiça de MG, Relator Des. Armando Freire, j. 22/05/2003). Ante as constatações acima expostas, entendo ser o caso de negativa de seguimento ao recurso, uma vez que, como já exposto, a parte vencida não pode pagar duas vezes por verbas de idêntica natureza.

Posto isso, ante a manifesta improcedência do apelo, NEGO SEGUIMENTO ao recurso de apelação, com fulcro no art. 557, caput, do CPC c/ c o art. 74, VIII, do Regimento Interno do TJPE. Publique-se. Intime-se. Recife, _30___ de __setembro__ de 2011.

Juiz Heriberto Carvalho Galvão Relator Convocado

004. 0255002-3 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado

Apelação : Recife : 26ª Vara Cível : ALDO JOSE DO NASCIMENTO CAMPOS : Aramis Francisco Trindade De Souza : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. 192

Edição nº 184/2011 Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução 1ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 0255002-3 APELANTE: ALDO JOSÉ DO NASCIMENTO CAMPOS APELADO: BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. RELATOR CONVOCADO: JUIZ HERIBERTO CARVALHO GALVÃO : José Edgard da Cunha Bueno Filho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 1ª Câmara Cível : Des. Josué Antônio Fonseca de Sena : Juiz Heriberto Carvalho Galvão : Decisão Terminativa : 30/09/2011 18:42 Local: Diretoria Cível

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DECISÃO TERMINATIVA ALDO JOSÉ DO NASCIMENTO CAMPOS interpõe o presente recurso de Apelação em face de sentença que julgou extinto o feito com resolução do mérito, fundamentado no art. 269, IV, do Código de Processo Civil, em virtude da decretação de prescrição da pretensão, nos autos da ação ordinária, por ele proposto em desfavor do BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., processo que teve curso perante a 26ª Vara Cível da Comarca da Capital.

Por força da sucumbência, o eminente magistrado de base condenou o Autor, ora Apelante, ao pagamento de honorários advocatícios arbitrados em R$ 500,00 (quinhentos reais), ex vi do art. 20, § 4º, do CPC. Ademais, sendo o Apelante beneficiário da justiça gratuita, consigna a sentença que a decisão seja cumprida observando os termos do art. 12, da Lei n.º 1.060/50. Irresignado, insurge-se o Recorrente, às fls. 314/335, contra o r. decisum, alegando que houve equívoco da d. Juíza sentenciante ao aplicar a prescrição quinquenal, quando, no caso dos autos, adequado seria o manejo da regra constante do art. 177, do Código Civil de 1916, a qual prevê prescrição vintenária. Assim, convicto da impertinência da aplicação da prescrição qüinqüenal na espécie, requer a devolução dos autos ao Juízo de origem, a fim de determinar o prosseguimento regular do feito, até o julgamento do mérito da demanda. Contrarrazões, às fls. 340/347. É o suscinto relatório. DECIDO. Trata-se de recurso de apelação interposto pelo Autor, às fls. 314/335, inconformado com a sentença de fls. 309/311, que julgou extinto o processo com resolução do mérito, amparada no art. 269, IV, do CPC, em razão do reconhecimento da prescrição da pretensão autoral de 05 (cinco) anos, condenando, via de consequência, a parte vencida, a pagar honorários advocatícios no valor fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), determinando que seja cumprida a r. decisão nos termos do art. 12, da Lei n.º 1.060/50, por causa da concessão dos benefícios da justiça gratuita. A controvérsia na origem versa sobre cobrança de diferença de valores vinculados a conta tipo poupança previdenciária de titularidade do Apelante junto ao banco apelado, decorrentes da aplicação dos índices do mês de junho de 1987, janeiro e fevereiro de 1989, e março e abril de 1990. Ocorre que, consoante acertadamente consta da sentença hostilizada, o Apelante teve o contrato de trabalho rescindido no dia 1º/12/1999, momento em que cancelou a sua inscrição perante a entidade de previdência privada (fl. 153). Dos autos, verifica-se que o termo a quo, para fins da contagem do prazo de prescrição, se deu em 22/12/1999 (fl. 154). Todavia, observa-se que a demanda só foi ajuizada em 1º/04/2009. Analisando com afinco os dados temporais acima, entendo que realmente a pretensão autoral está prescrita. A controvérsia recursal é de simples solução. Para dirimir a questão prescricional, necessário se faz examinar atentamente o disposto no art. 2.028, do Código Civil de 2002. Esclareça-se, a propósito, que tal dispositivo cuida de regra de transição da aplicação do Código Civil de 1916 e do novo Código Civil brasileiro. Nesse diapasão, convém transcrever o dispositivo, in verbis: Art. 2.028. Serão os da lei anterior os prazos, quando reduzidos por este Código, e se, na data de sua entrada em vigor, já houver transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada. Sobre a regra de transição do prazo do Código Civil de 1916 para o novel Código Civil, impende destacar o comentário abaixo (in Nery Júnior, Nelson, Código civil comentado. 8. ed. - São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 2011, nota 3, p. 1392):

193

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

"Quando tiver decorrido menos da metade do prazo de prescrição regulado pelo CC/1916 (ou por lei extravagante) e esse mesmo prazo tiver sido diminuído pela lei nova (CC/2002), aplica-se a regra da lei nova, a partir de sua vigência (12.1.2003), desprezando-se o tempo que já tinha fluído sob a égide da lei revogada. Nesse sentido. Jeová. Dir. intertemporal, n. 28, p. 108." Com efeito, considerando os parâmetros de transição acima traçados, fácil perceber que, iniciada a contagem do prazo prescricional em 22/12/1999 e sendo proposta a demanda em 1º/04/2009, evidentemente decorreu menos da metade do prazo estipulado no art. 177, Código Civil revogado, o qual previa prescrição vintenária. Desse modo, aplica-se a regra do Código Civil de 2002, tratando-se na hipótese de prescrição quiquenal. Aliás, irresignação não prospera, pois a sentença coaduna-se com o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, firmado nos moldes do art. 543-C, do CPC, consoante se infere dos arestos a seguir transcritos:

RECURSO REPETITIVO. PREVIDÊNCIA PRIVADA. RESTITUIÇÃO DE RESERVA DE POUPANÇA. COBRANÇA DE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. SÚMULA DO STJ/291. APLICAÇÃO ANALÓGICA. A prescrição qüinqüenal prevista na Súmula do STJ/291 incide não apenas na cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria, mas, também, por aplicação analógica, na pretensão a diferenças de correção monetária incidentes sobre restituição da reserva de poupança, cujo termo inicial é a data em que houver a devolução a menor das contribuições pessoais recolhidas pelo associado ao plano previdenciário. Recurso Especial provido (REsp 1.111.973/SP, Rel. Min. Sidnei Beneti, DJe 06/11/2009)

PREVIDÊNCIA PRIVADA. AGRAVO REGIMENTAL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. PRESCRIÇÃO QUINQUENAL. SÚMULA 291/STJ. 1 - "A prescrição qüinqüenal prevista na Súmula do STJ/291 incide não apenas na cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria, mas, também, por aplicação analógica, na pretensão a diferenças de correção monetária incidentes sobre restituição da reserva de poupança, cujo termo inicial é a data em que houver a devolução a menor das contribuições pessoais recolhidas pelo associado ao plano previdenciário". Entendimento consolidado no REsp 1111973/SP, submetido ao rito dos recursos repetitivos (CPC, art. 543-C). 2 - Agravo regimental ao qual se nega provimento (AgRg no Ag 1.085.827/DF, Rel. Min. Maria Isabel Gallotti, DJe 22/03/2011) Este e. Tribunal de Justiça já se pronunciou também nesse sentido, conforme denota o julgado abaixo: AÇÃO DE COBRANÇA. DIREITO CIVIL, PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL. PREVIDÊNCIA PRIVADA. PRELIMINARES. INÉPCIA DA INICIAL. REJEITADA. NULIDADE POR CERCEAMENTO DE DEFESA. NECESSIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVA PERICIAL. REJEITADA. PRESCRIÇÃO. SÚMULA DO STJ/291. AFASTADA. RESTITUIÇÃO DE RESERVA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. INCLUSÃO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. SÚMULA 289/STJ. APELO IMPROVIDO. 1. Inépcia da Inicial. Demonstrados na exordial a causa de pedir e o pedido da ação, que se mostra juridicamente possível, havendo congruência lógica entre os fatos e fundamentos jurídicos propostos, não há que se falar em inépcia da inicial. Preliminar Rejeitada. 2.Nulidade por Cerceamento de Defesa - da Necessidade de Produção de Prova Pericial. Versando a lide exclusivamente sobre matéria de direito, desnecessária realização da prova pericial, não ocorrendo cerceamento de defesa, sendo plenamente cabível o seu julgamento antecipado. Preliminar Rejeitada por Unanimidade. 3. Prescrição. O termo inicial da prescrição quinquenal, prevista na Súmula do 291/STJ, é a data em que houver a devolução a menor das contribuições pessoais recolhidas pelo associado ao plano previdenciário. Prescrição afastada. 4.Restituição da reserva de poupança. Correção monetária. O STJ já pacificou o entendimento de que, quando do desligamento do associado do plano de previdência privada, tem ele direito à restituição integral das parcelas pagas a título de reserva de poupança, com correção monetária plena, conforme Súmula 289/STJ. 5. Expurgos inflacionários. O STJ tem entendimento assente no sentido de que, no cálculo da correção monetária dos valores resgatados pelos associados a plano de previdência privada, incluemse os denominados 'expurgos inflacionários', ainda que o estatuto da entidade disponha de forma diversa. 6. Apelo Improvido. (Apelação n.º 0005386-63.2000.8.17.0001 (175315-9), Rel. Des. Francisco Manoel Tenório dos Santos, 4ª Câmara Cível, Data do julgamento: 6/5/2010)

A matéria em debate encontra-se sedimentada na Corte Superior de Justiça, nos termos da Súmula 291, in litteris: "A ação de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada prescreve em cinco anos" Da jurisprudência acima, depreende-se que o termo inicial para a contagem do prazo quinquenal é a data do recebimento a menor dos valores que, no caso, ocorreu em 22/12/1999. Outra ilação possível é que - segundo orientação do STJ, baseada na Súmula 291/STJ - a prescrição é quinquenal e aplica-se à hipótese de requerimento de cobrança de diferenças de correção monetária sobre saldo de conta poupança previdenciária. Nesse diapasão, afigura-se acertada a decisão do Juízo primevo em reconhecer a prescrição da pretensão autoral, com as consequências ali consignadas. Portanto, não prospera o recurso de apelação. Posto isso, ante o manifesto confronto com a jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça e súmula desta Corte Superior, bem assim com o entendimento deste Tribunal de Justiça de Pernambuco, NEGO SEGUIMENTO ao apelo em tela, com fulcro no art. 557, do CPC c/c o art. 74, VIII, do Regimento Interno do TJPE. Publique-se. Intime-se. Decorrido o prazo recursal, baixem-se os autos ao juízo de origem mediante as anotações de praxe. Cumpra-se. Recife, 30 de setembro de 2011. 194

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Juiz Heriberto Carvalho Galvão Relator Convocado

DECISÕES TERMINATIVAS 1ªCC

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14290 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Ana Glória Feitosa De Lima Antonio Braz da Silva Carlos Antônio Harten Filho Danielle Torres Silva Eveline Guedes Ferreira Lima Flávia Siqueira Duarte Teixeira Geórgia Barboza Crescêncio Isabela Guedes Ferreira Lima João Gabriel de Albuquerque Baracho Laís Portela Câmara Nara Lígia Leal de Farias e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 002 0255184-0 002 0255184-0 004 0255447-2 004 0255447-2 003 0255431-4 001 0250636-9/02 002 0255184-0 001 0250636-9/02 001 0250636-9/02 002 0255184-0 003 0255431-4 001 0250636-9/02 002 0255184-0 003 0255431-4 004 0255447-2

O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0250636-9/02 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig. Despacho Última Devolução

Embargos de Declaração : Recife : 19ª Vara Cível : CBTU-STU-REC - METROREC : Isabela Guedes Ferreira Lima : João Gabriel de Albuquerque Baracho : Franceilton Edmundo Gondim : Flávia Siqueira Duarte Teixeira : CBTU - COMPANHIA BRASILEIRA DE TRENS URBANOS : Isabela Guedes Ferreira Lima : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Franceilton Edmundo Gondim : Flávia Siqueira Duarte Teixeira : 1ª Câmara Cível : Des. Frederico Ricardo de Almeida Neves : 0053118-88.2010.8.17.0001 (250636-9) : Decisão Terminativa : 30/09/2011 17:31 Local: Diretoria Cível

DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA

1. Trata-se de Embargos Declaratórios interpostos contra Decisão Terminativa de fl. 18, da minha lavra, assim sumariada: "-Decisão Terminativa Monocrática - Cuida-se de agravo interposto na forma do art.557, §1º, do CPC, em face de decisão monocrática terminativa exarada nos autos da apelação cível nº 250636-9, a qual negou seguimento ao recurso (v. fls. 136/142, apenso). Da análise dos autos, verifica-se que a recorrente distribuiu o presente recurso desacompanhado de instrumento de mandato. Tal circunstância evidencia a ausência de pressuposto processual, que impede o conhecimento do recurso. Publique-se. Intime-se. 195

Edição nº 184/2011 Recife, 12 de setembro de 2011. Des. Frederico Ricardo de Almeida Neves -Relator".

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Procura a embargante, em suas razões recursais: (a) Demonstrar o desacerto da veneranda decisão embargada, tendo em vista que: "deveria ter sido (...) intimada para suprir a omissão, preenchendo, então, os requisitos necessários ao conhecimento de sua peca recursal, posto que por tal engano não pode ser penalizada por um puro formalismo processual"; (b) Prequestionar as questões constitucional e federal invocadas, com o objetivo de que seja emitido juízo explícito acerca dos artigos: - 5º, inciso II; 37, inciso IV; e 71, inciso III; da Constituição Federal de 1988; - 19 e 22 da Lei de Responsabilidade Fiscal; 2. Nada a aclarar no Acórdão embargado, não passando o presente recurso de tentativa inútil de modificar a decisão alcançada; daí o seu caráter infringente. A peça de interposição do Agravo Legal não trouxe a procuração do advogado da Agravante, como anotado na Decisão Terminativa Monocrática de fl. 18, senão observe: "Da análise dos autos, verifica-se que a recorrente distribuiu o presente recurso desacompanhado de instrumento de mandato. Tal circunstância evidencia a ausência de pressuposto processual, que impede o conhecimento do recurso".

Logo, não merece acolhida o argumento de que: "a Agravante foi revel à audiência inicial no presente processo, portanto, no momento oportuno não houve juntada de instrumento de procuração e substabelecimentos, como de praxe", pela simples razão de que foi Recurso de Agravo que não foi conhecido por ter sido distribuído desacompanhado de instrumento de mandato. Observe que a decisão embargada não faz menção à ausência da documentação no momento da audiência, mas sim na distribuição do recurso de Agravo.

Como se vê, não há vício a ser sanado por intermédio dos presentes aclaratórios.

Em verdade, pretende a embargante instaurar uma nova discussão da matéria para obter uma modificação na decisão, o que é incabível em sede de embargos declaratórios.

Se houve erro no julgamento ou conclusão equivocada à luz dos documentos e fatos trazidos, não se está frente à omissão, obscuridade ou contradição, mas frente à hipótese de revisão de julgamento, o que por óbvio deve ser veiculado de forma outra, porquanto, "os embargos de declaração não se prestam à correção de erro de julgamento" (RTJ 158/270).

Destarte, não havendo qualquer omissão, obscuridade ou contradição no acórdão, não há falar em prequestionamento, visto que os embargos, mesmo quando buscam este fim, devem se embasar em uma das hipóteses do art. 535 do CPC.

No particular, é de ser chamado a depor o escólio de Egas Dirceu Moniz de Aragão, para quem: "...tem-se admitido como tacitamente préquestionado tema cujo respeito o Tribunal emitira julgamento, embora sem referir a norma legal incidente. Mas parece que em tais casos o problema nem se apresenta, pois, se alguma questão fora julgada, mesmo que não seja mencionada a regra da lei a que está sujeita, é óbvio que se trata de matéria 'questionada' e isso é o quanto basta" (Pré-questionamento, Revista Forense, v.328, pág. 43).

A jurisprudência do STJ não dissente desse entendimento, bastando atentar para o seguinte aresto:

"AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO A QUE FOI NEGADO SEGUIMENTO. AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS. ACIDENTE DE TRÂNSITO COM MORTE. ALEGAÇÃO DE DESNECESSIDADE DE PREQUESTIONAMENTO EXPLÍCITO. JURISPRUDÊNCIA UNÍSSONA DO STJ EM ADMITIR O PREQUESTIONAMENTO IMPLÍCITO. DANO MORAL. VERBA REPARATÓRIA QUE ATENTE AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO CONCRETO, O PRINCÍPIO DO RAZOÁVEL E OS PARÂMETROS DESTA EGRÉGIA CORTE. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 7 DESTA CORTE SUPERIOR. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL NÃO DEMONSTRADO. DECISÃO AGRAVADA DEVE SER MANTIDA PELOS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO. (AgRg no Ag 968.859/SP, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 06/08/2009, DJe 24/08/2009)".

O Supremo Tribunal Federal, em sucessivos e recentes julgamentos, vem decidindo que "Os embargos de declaração destinam-se, precipuamente, a desfazer obscuridades, a afastar contradições e a suprir omissões que eventualmente se registrem no Acórdão proferido pelo Tribunal", revelando-se incabíveis "quando, inexistentes os vícios que caracterizam os pressupostos legais de embargabilidade (CPC, art. 535), vem tal recurso com desvio de sua específica função jurídico-processual, a ser utilizado com a finalidade de instaurar, indevidamente, uma nova discussão sobre a controvérsia jurídica já apreciada pelo Tribunal..." (RTJ 173/29, junho/2000).

Por outro lado, conforme adverte MÁRIO GUIMARÃES "não precisa o juiz reportar-se a todos os argumentos trazidos pelas partes. Claro que, se o juiz acolhe um argumento bastante para sua conclusão, não precisará dizer se os outros, que objetivam o mesmo fim, são procedentes ou 196

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

não" (V. O JUIZ E A FUNÇÃO JURISDICIONAL, 1ª Ed. Forense, 1.958, parágrafo 208, p. 350), secundando-se que não se exige do Juiz "que rastreie e acompanhe pontualmente toda a argumentação dos pleiteantes, mormente se um motivo fundamental é poderoso a apagar todos os aspectos da controvérsia." (RT 413/325).

Nestas condições, o E. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, até com maior minudência, já decidiu no sentido de que não está o Tribunal obrigado a "ater-se aos fundamentos indicados pela parte e tampouco a responder um a um todos os seus argumentos. Os requisitos da decisão judicial não estão subordinados a quesitos. A motivação da decisão, observada a "res in judicium deducta", pode ter fundamento jurídico e legal diverso do suscitado." (cf. RJTJSP 111/114)." 3. Ante o exposto, de acordo com o artigo 557, Caput, do CPC, no exercício isolado de minha competência, rejeito os presentes Embargos.

Publique-se. Intime-se.

Recife, 30 de setembro de 2011

FREDERICO RICARDO DE ALMEIDA NEVES RELATOR

002. 0255184-0 Comarca Vara Agravte Advog Advog Advog Agravdo Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução

Agravo de Instrumento : Recife : 26ª Vara Cível : BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A, SUCESSOR POR INCORPORAÇÃO DO BANCO ABN AMRO REAL : Antonio Braz da Silva : Geórgia Barboza Crescêncio : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : A J QUEIROZ E CIA LTDA : Laís Portela Câmara : Ana Glória Feitosa De Lima : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 1ª Câmara Cível : Des. Frederico Ricardo de Almeida Neves : Decisão Terminativa : 30/09/2011 17:24 Local: Diretoria Cível

DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA

1. Cuida-se de agravo de instrumento tirado de decisão interlocutória que declarou deserto o recurso de apelação interposto pelo ora agravante, que, intimado para complementar as custas recursais, interpôs embargos de declaração.

Sustenta o agravante, em resumo, que o recurso não é deserto, pois, ao contrário do entendimento da Juíza a quo, as custas recursais devem ser calculadas sobre o valor atribuído a causa, e não com base no valor da condenação.

Vieram-me conclusos em 26/09/2011. Decido.

2. O recurso reúne condições de êxito.

Com efeito, conforme disposto no artigo 1º da Lei Estadual nº 11.404/96, "as custas devidas nos processos judiciais e os emolumentos cobrados pelos Serviços Notarial e de Registro são fixados na proporção do valor da causa, segundo a natureza do feito ou de acordo com a espécie de recurso ou do ato praticado, conforme tabela fixada nos termos da legislação estadual em vigor".

O ato nº 894/2010 do Presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco não diverge da referida Lei, dispondo, na "Tabela 'A'", que, em causa com valor declarado, acima de R$ 1.000,00, as custas recursais serão de R$ 103,03 mais 0,8% do valor declarado.

Convém reter que, conforme disposto na própria tabela, ela deve ser interpretada e aplicada como parte integrante da Lei de Custas (Lei nº 11.404/96). Dessa forma, os limites previstos ("5% do valor atribuído à causa ou à condenação, prevalecendo, para este efeito, a importância de maior valor, respeitado o valor máximo" e R$ 390,07, "nas causas sem conteúdo econômico ou onde não haja condenação") não podem levar à conclusão de que a custas devem ser calculadas com base no valor da condenação, contrariando o disposto no artigo 1º da Lei nº 11.404/96, que, como demonstrado, prevê que as custas devem ser fixadas na proporção do valor da causa. 197

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Por derradeiro, é de se ressaltar a pacífica jurisprudência deste Egrégio Tribunal, no sentido de que as custas recursais devem ser calculadas com base no valor atribuído à causa:

EMENTA: RESPONSABILIDADE CIVIL. CDC. PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO POR DANO EXTRAPATRIMONIAL. NEGATIVAÇÃO INDEVIDA DO NOME DO CONSUMIDOR EM CADASTRO DE INADIMPLENTES. PRELIMINAR. DESERÇÃO. REJEIÇÃO. UNANIMIDADE. PREPARO. CUSTAS RECOLHIDAS SOBRE O VALOR DA CAUSA. PRECEDENTES DO TJPE. DANO MORAL. CONFIGURAÇÃO. DESNECESSIDADE DE PROVA DE PREJUIZO. PRECEDENTES DOS TRIBUNAIS. CULPA CONCORRENTE DA VÍTIMA. REDUÇÃO DA QUANTIA ARBITRADA A TÍTULO DE INDENIZAÇÃO PARA R$ 5.000,00 (CINCO MIL REAIS). PROVIMENTO EM PARTE DO APELO. MAIORIA. As custas recursais devem ser recolhidas sobre o valor atualizado da causa, e não sobre o valor da condenação, como pretende a apelante. Precedentes deste Tribunal. (...) A despeito do CDC falar em responsabilidade objetiva do prestador de serviços, o que, em tese, excluiria a concorrência de culpas, o Superior Tribunal de Justiça tem admitido que, em algumas hipóteses que tais, o consumidor pode, sim, concorrer com culpa para o evento danoso. Assim, se podendo tomar medidas simples para evitar o sinistro, fornecendo informação ao órgão cobrador da quitação do débito, seja através de simples ligação telefônica, ou mesmo pelo envio, por meio de carta, de cópia de recibo, o consumidor prefere omitir-se, contribuindo de forma consistente para o desenrolar do equívoco, demonstra-se razoável a pretensão de revisão para menor do valor da indenização, com base na concorrência de culpas. Precedentes do STJ. (Apelação 113157-1, Rel. Desembargador FERNANDO FERREIRA, PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL, julgado em 07/10/2009)

EMENTA: Direito Civil, Processual Civil e do Consumidor. Apelação Cível. Ação de Indenização. I) Preliminar de Intempestividade do Recurso afastada. Correto o recolhimento das custas com base no valor da causa. (...) III) Apelação cível a que se dá provimento parcial tão-somente em relação à minoração do valor da reparação por danos morais. (Apelação 160685-3, Rel. Desembargador ANTÔNIO CARLOS ALVES DA SILVA, QUINTA CÂMARA CÍVEL, julgado em 14/10/2009)

EMENTA - APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. PRELIMINAR DE DESERÇÃO. REJEITADA. DANO MORAL. CONFIGURADO. INSCRIÇÃO EM CADASTRO NEGATIVO DE CRÉDITO. QUANTUM PRUDENTEMENTE ARBITRADO. INCIDÊNCIA JUROS DE MORA: EVENTO DANOSO. INCIDÊNCIA CORREÇÃO MONETÁRIA: DO ARBITRAMENTO DA INDENIZAÇÃO. 1) Preliminar de deserção. O valor do preparo é com base no valor atribuído à causa e não ao valor da condenação. Preliminar rejeitada. (...) 4) "Os juros moratórios fluem a partir do evento danoso, em caso de responsabilidade extracontratual" (Súmula 54/STJ). A correção monetária incide a partir da data em que foi fixado o seu valor (sentença). (Apelação 144169-1, Rel. Desembargador FRANCISCO JULIÃO DE OLIVEIRA SOBRINHO, QUARTA CÂMARA CÍVEL, julgado em 19/12/2007)

3. Diante do exposto, dou provimento ao agravo de instrumento, o que faço monocraticamente, na forma do art. 557 do Código de Processo Civil, para reconhecer o acerto do recolhimento do preparo do recurso interposto pelo ora agravante, determinando o recebimento da apelação, caso tenham sido cumpridos os demais requisitos de admissibilidade. Recife, 30/09/2011

Frederico Ricardo de Almeida Neves Desembargador Relator

003. 0255431-4 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução

Agravo de Instrumento : Recife : 26ª Vara Cível : Empresa Borborema Imperial Transportes Ltda : Eveline Guedes Ferreira Lima : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Edinalda Cipriana dos Santos : Nara Lígia Leal de Farias : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 1ª Câmara Cível : Des. Frederico Ricardo de Almeida Neves : Decisão Terminativa : 30/09/2011 17:24 Local: Diretoria Cível

198

Edição nº 184/2011 DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

1. Cuida-se de agravo de instrumento tirado de pronunciamento judicial que, em sede de ação de indenização, decorrente de acidente de trânsito, indeferiu o pleito de chamamento ao processo da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano e do Município do Recife.

Irresignada, a parte agravante pugna pela reforma da decisão, aduzindo que "a colisão se deu não só em decorrência da conduta imprudente e irresponsável do condutor do veículo em que se encontravam os filhos da Agravada, como também face ao não funcionamento regular do semáforo nº 39, o qual deveria orientar o tráfego das vias em que se encontravam os dois veículos acidentados". Segundo alega, "o referido semáforo, no momento do infortúnio, encontrava-se em alerta intermitente, não havendo dúvidas, portanto, de que os prepostos da CTTU foram omissos quanto ao dever de prestar o serviço público necessário, haja vista, repise-se, o fato de que o semáforo 039 encontrava-se quebrado, restando clara a negligência do poder público quanto à segurança do trânsito de veículos e pedestres que é inegavelmente intenso naquela localidade" (fl. 09), pelo que devem ser chamados à lide a CTTU e o Município do Recife.

Vieram-me conclusos em 29/09/2011. Decido.

2. O recurso em tela não merece ser provido, devendo ter seu seguimento obstado com espeque no art. 557 do CPC, por ser clara e manifestamente improcedente.

Com efeito, a perícia de fls. 144/151 mostra claramente que, ao contrário do alegado pela agravante, o semáforo em questão não estava quebrado, mas, simplesmente, em alerta intermitente, o que é comum para o horário em que ocorreu o acidente, depois das 23:30 da noite (v. fls. 19, 60, 64 e 144), tendo em vista o reduzido fluxo de veículos.

Além disso, de acordo com a mesma perícia, a pista de rolamento estava em bom estado de conservação e devidamente iluminada (v. fl. 145).

Diante disso, percebe-se que a responsabilidade do acidente não pode, de forma alguma, ser atribuída à CTTU e ao Município do Recife, pelo que se mostra despiciendo o chamamento desses entes à lide.

3. Diante do exposto, nego seguimento ao agravo de instrumento, por ser manifestamente improcedente, o que faço monocraticamente, na forma do art. 557, do CPC.

Recife, 30/09/2011

Frederico Ricardo de Almeida Neves Desembargador Relator

004. 0255447-2 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho

Agravo de Instrumento : Paulista : 2ª Vara Cível : CAIXA SEGURADORA S.A. : Carlos Antônio Harten Filho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : José Otaciano de Albuquerque : Eliú da Silva Ferreira : Maria Betânia Silva de Oliveira : VALDEMAR FARIAS DE SOUZA : Isaura Maria Peixoto : Antonia Alves dos Santos : DULCE MARIA DA SILVA : Maria Joaquina da Conceição Rodrigues : Cleto Correia Lima : Maria das Graças Silva de Oliveira : Nadja Soriano de Santana : Genival Fernandes de Araújo : Rosalvo Martins dos Santos : José Severino do Nascimento : Quitéria Maria da Silva : Danielle Torres Silva : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 1ª Câmara Cível : Des. Frederico Ricardo de Almeida Neves : Decisão Terminativa 199

Edição nº 184/2011 Última Devolução : 30/09/2011 17:24 Local: Diretoria Cível

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA

1. Cuida-se de agravo de instrumento tirado de pronunciamento judicial que, em sede de execução provisória, indeferiu o pleito de remessa dos autos à Justiça Federal.

Irresignada, a parte agravante pugna pela reforma da decisão, aduzindo que os autos devem ser remetidos à Justiça Federal, tendo em vista que o feito interessa ao FCVS, que é administrado pela Caixa Econômica Federal.

Segundo alega, a Lei nº 12.409/2011 institui que "é o Fundo de Compensação de Variações Salariais - FCVS quem assume diretamente os direitos e obrigações relativos ao Seguro Habitacional do Sistema Financeiro de Habitação - SH/SFH, bem como poderá oferecer cobertura direta a contratos de financiamento habitacional averbados a Apólice do SH/SFH, através da Caixa Administradora do FCVS - CEF" (fl. 10).

Vieram-me conclusos em 28/09/2011. Decido.

2. O recurso em tela não merece ser provido, devendo ter seu seguimento obstado com espeque no art. 557 do CPC, por ser clara e manifestamente improcedente.

Com efeito, assim dispõe a Lei nº 12.409/2011, em seus artigos 1º e 2º: Art. 1º Fica o Fundo de Compensação de Variações Salariais - FCVS autorizado, na forma disciplinada em ato do Conselho Curador do Fundo de Compensação de Variações Salariais - CCFCVS, a: I - assumir os direitos e obrigações do Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação - SH/SFH, que contava com garantia de equilíbrio permanente e em âmbito nacional do Fundo em 31 de dezembro de 2009; II - oferecer cobertura direta aos contratos de financiamento habitacional averbados na extinta Apólice do SH/SFH; e III - remunerar a Caixa Econômica Federal, na qualidade de administradora do FCVS, pelas atribuições decorrentes do disposto neste artigo. Parágrafo único. A cobertura direta de que trata o inciso II do caput poderá cobrir: I - o saldo devedor de financiamento habitacional, em caso de morte ou invalidez permanente do mutuário; e II - as despesas relacionadas à cobertura de danos físicos ao imóvel e à responsabilidade civil do construtor. Art. 2º Fica autorizado o parcelamento de dívidas vencidas até 26 de novembro de 2010, data de edição da Medida Provisória no 513, de 2010, das instituições financeiras com o FCVS, decorrentes da assunção de que trata o inciso I do caput do art. 1o, em forma a ser definida pelo CCFCVS. Parágrafo único. No âmbito do parcelamento de que trata o caput, fica a Caixa Econômica Federal, na qualidade de administradora do FCVS, autorizada a promover o encontro de contas entre créditos e débitos das instituições financeiras com aquele Fundo.

Da simples leitura dos dispositivos, percebe-se que o que a Lei nº 11.409/2011 confere ao FCVS é uma autorização para que, na forma disciplinada pelo Conselho Curador do Fundo, assuma os direitos e obrigações do Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação e ofereça cobertura direta aos contratos de financiamento habitacional averbados na extinta apólice do SH/SFH.

No presente recurso não se mostra a existência do ato do CCFCVS que discipline a autorização, o que inviabilizaria a intervenção do FCVS no presente feito. Ademais, ainda que exista o referido ato, isso não importa a remessa imediata do feito à Justiça Federal, pois cabe ao FCVS se pronunciar, afirmando que intervirá no processo.

A referida Lei, em verdade, apenas regula as relações entre as seguradoras do SFH e o FCVS. No caso, como a demanda se dá entre uma seguradora e terceiros, não há que se falar em competência da Justiça Federal, conforme entendimento compartilhado pelo Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo:

AGRAVO DE INSTRUMENTO - Indenização Securitária - Seguro Habitacional - Danos físicos no imóvel- Sistema Financeiro da Habitação (SFH). 1. Ilegitimidade passiva bem afastada. 1.1- substituição da agravante pela Caixa Econômica Federal, administradora do FCVS - Inadmissibilidade - Lei nº 12.409/2011, que recepcionou a Medida Provisória nº 513/2010 - Inaplicabilidade à hipótese em julgamento - Dispositivos legais que não tratam da intervenção judicial em casos dessa natureza por parte dos entes públicos, visando tão-somente regularizar questão contábil administrativa entre o FCVS e os agentes financeiros que operam no âmbito do SFH, como forma de proteção aos mutuários - Demanda entre mutuários e seguradora - Eventual interesse da CEF é de natureza econômica e não jurídica - Ausência de litisconsórcio passivo necessário com a CEF. - Competência que no caso é afeta à Justiça Estadual.

200

Edição nº 184/2011 (...)

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

5. Prescrição - Contrato de trato sucessivo, recebendo a seguradora mensalmente o prêmio do seguro. Ademais, necessária a instrução do processo para que se possa pesquisar a respeito da ciência inequívoca da ocorrência do sinistro. Decisão mantida. Recurso improvido. (TJSP. Agravo de Instrumento nº 0080316-20.2011.8.26.0000, Rel. Desembargador EGIDIO GIACOIA, 3ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO, julgado em 14/06/2011 - grifos acrescidos)

AGRAVO DE INSTRUMENTO - ILEGITIMIDADE PASSIVA - SEGURO HABITACIONAL - Agravante que, por força da Lei 12.409/11, que recepcionou a Medida provisória 513/2010, pretende o reconhecimento de sua ilegitimidade passiva, assumindo-a, a União e a Caixa Económica Federal. Descabimento. Demanda entre mutuários e seguradora. Competência afeta à Justiça Estadual. Decisão mantida. (TJSP. Agravo de Instrumento nº 0168186-06.2011.8.26.0000, Rel. Desembargador PERCIVAL NOGUEIRA, 6ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO, julgado em 11/08/2011 - grifos acrescidos)

Agravo retido. Advento da Lei n.º 12.409/2011 que não afasta a competência da Justiça Comum para a prestação jurisdicional. Ausência de interesse da CEF, pois a lide diz respeito a contrato de seguro adjeto a contrato de mútuo. Discussão que se restringe à seguradora e ao mutuário. Agravo retido desprovido. (TJSP. Apelação nº 0006671-11.2009.8.26.0071, Rel. Desembargador NATAN ZELINSCHI DE ARRUDA, 4ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO, julgado em 09/06/2011 - grifos acrescidos)

Assim, resta evidente que não há nada que imponha a participação da Caixa Econômica Federal no presente feito, sendo despicienda a remessa à Justiça Federal.

3. Diante do exposto, nego seguimento ao agravo de instrumento, por ser manifestamente improcedente, o que faço monocraticamente, na forma do art. 557, do CPC.

Recife, 30 de setembro de 2011

Frederico Ricardo de Almeida Neves Desembargador Relator

201

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

2ª Câmara Cível
INTERLOCUTÓRIAS 2ª CAMARA CÍVEL Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14194 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Celso David Antunes Frederico José Lorega de Barros Luis Carlos Monteiro Laurenço Madia Fahi Sousa Coelho Paulo Emanuel Perazzo Dias Ricardo Jorge Rabelo Pimentel Beleza Ricardo Jorge Rabelo Pimentel Beleza e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 003 0255611-2 001 0255460-5 003 0255611-2 003 0255611-2 002 0255519-3 001 0255460-5 002 0255519-3 001 0255460-5 002 0255519-3 003 0255611-2

A Diretora informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0255460-5 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução

Apelação : Recife : 15ª Vara Cível : BANCO SANTANDER BRASIL S/A., nova demoninação do BANCO ABN AMRO REAL S/A. : Ricardo Jorge Rabelo Pimentel Beleza : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : ANA CARLA DE FREITAS CALDAS DA FONTE : Frederico José Lorega de Barros : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Juiz Demócrito Ramos Reinaldo Filho : Decisão Interlocutória : 30/09/2011 12:41 Local: Diretoria Cível

DECISÃOINTERLOCUTÓRIA

Trata-se de recurso em ação para ressarcimento das perdas com os expurgos inflacionários dos planos econômicos de 1987 a 1991, os quais teriam repercussão sobre as aplicações bancárias, notadamente a caderneta de poupança. O enorme alcance social da matéria, aliado à proximidade da prescrição vintenária, fizeram afluir ao Judiciário um expressivo número de demandas desse jaez. Consabido, as últimas mudanças no cenário processual consagram o sistema de precedentes judiciais como meio de garantir a uniformidade na aplicação do direito e a duração razoável do processo1 - princípio de estatura constitucional. Este desiderato é alcançado mediante a seleção de feitos representativos de controvérsia pelo Tribunal de origem, os quais são encaminhados à mais alta Corte, para pronunciamento definitivo. Neste toar, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a repercussão geral do tema em comento nos Recursos Extraordinários 626.307/SP e 591.797/SP, sob a Relatoria do Min. Dias Toffoli, e do Agravo de Instrumento 754.745/SP convertido no RE 632.212/SP, ambos relatados pelo Min. Gilmar Mendes. Por decisão proferida nesses autos, foram suspensos os julgamentos de mérito nas demandas referentes aos indexadores da atualização monetária das cadernetas de poupança introduzidos pelos Planos Bresser, Verão, Collor I e II. Isto posto, o curso do presente processo permanece sobrestado nos termos do art. 543-B, §1°, do CPC2, até a prolação do acórdão-paradigma.

202

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Com remessa à Diretoria Cível, para guarda dos autos e acompanhamento do caso na instância máxima. Publique-se. Intimem-se. Recife,

Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator 1 Constituição Federal: "Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) "LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) (g.n.)". 2 Código de Processo Civil: "Art. 543-B. Quando houver multiplicidade de recursos com fundamento em idêntica controvérsia, a análise da repercussão geral será processada nos termos do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal, observado o disposto neste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.418, de 2006). "§ 1.º Caberá ao Tribunal de origem selecionar um ou mais recursos representativos da controvérsia e encaminhá-los ao Supremo Tribunal Federal, sobrestando os demais até o pronunciamento definitivo da Corte. (Incluído pela Lei nº 11.418, de 2006)" (g.n.).

002. 0255519-3 Comarca Vara Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Apelante Advog Advog Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução

Apelação : Recife : 24ª Vara Cível : Cleide de Sousa Nunes : José Lourenço Alves Neto : SILVIO JOSE DOS SANTOS : RIVONETE MARINHO PRESBITERO : MARIA MADALENA DAMASCENA DE ALBERTIM : IVOLEIDE DE BARROS SILVA : JOÃO ROBERVAL DA SILVA : João Nunes de Siqueira Melo : Paulo Emanuel Perazzo Dias : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Banco Santander Brasil S/A- nova denominação do Banco ABN Amro Real S/A : Ricardo Jorge Rabelo Pimentel Beleza : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Banco Santander Brasil S/A- nova denominação do Banco ABN Amro Real S/A : Ricardo Jorge Rabelo Pimentel Beleza : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Cleide de Sousa Nunes : José Lourenço Alves Neto : SILVIO JOSE DOS SANTOS : RIVONETE MARINHO PRESBITERO : MARIA MADALENA DAMASCENA DE ALBERTIM : IVOLEIDE DE BARROS SILVA : JOÃO ROBERVAL DA SILVA : João Nunes de Siqueira Melo : Paulo Emanuel Perazzo Dias : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Juiz Demócrito Ramos Reinaldo Filho : Decisão Interlocutória : 30/09/2011 12:41 Local: Diretoria Cível

DECISÃOINTERLOCUTÓRIA

Trata-se de recurso em ação para ressarcimento das perdas com os expurgos inflacionários dos planos econômicos de 1987 a 1991, os quais teriam repercussão sobre as aplicações bancárias, notadamente a caderneta de poupança. O enorme alcance social da matéria, aliado à proximidade da prescrição vintenária, fizeram afluir ao Judiciário um expressivo número de demandas desse jaez. Consabido, as últimas mudanças no cenário processual consagram o sistema de precedentes judiciais como meio de garantir a uniformidade na aplicação do direito e a duração razoável do processo1 - princípio de estatura constitucional. Este desiderato é alcançado mediante a seleção de feitos representativos de controvérsia pelo Tribunal de origem, os quais são encaminhados à mais alta Corte, para pronunciamento definitivo. 203

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Neste toar, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a repercussão geral do tema em comento nos Recursos Extraordinários 626.307/SP e 591.797/SP, sob a Relatoria do Min. Dias Toffoli, e do Agravo de Instrumento 754.745/SP convertido no RE 632.212/SP, ambos relatados pelo Min. Gilmar Mendes. Por decisão proferida nesses autos, foram suspensos os julgamentos de mérito nas demandas referentes aos indexadores da atualização monetária das cadernetas de poupança introduzidos pelos Planos Bresser, Verão, Collor I e II. Isto posto, o curso do presente processo permanece sobrestado nos termos do art. 543-B, §1°, do CPC2, até a prolação do acórdão-paradigma. Com remessa à Diretoria Cível, para guarda dos autos e acompanhamento do caso na instância máxima. Publique-se. Intimem-se. Recife, Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

1 Constituição Federal: "Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) "LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) (g.n.)". 2 Código de Processo Civil: "Art. 543-B. Quando houver multiplicidade de recursos com fundamento em idêntica controvérsia, a análise da repercussão geral será processada nos termos do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal, observado o disposto neste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.418, de 2006). "§ 1.º Caberá ao Tribunal de origem selecionar um ou mais recursos representativos da controvérsia e encaminhá-los ao Supremo Tribunal Federal, sobrestando os demais até o pronunciamento definitivo da Corte. (Incluído pela Lei nº 11.418, de 2006)" (g.n.).

003. 0255611-2 Comarca Vara Apelante Advog Advog Advog Apelado Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução

Apelação : Olinda : 5ª Vara Cível : BANCO DO BRASIL S.A : Luis Carlos Monteiro Laurenço : Celso David Antunes : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : MARIA DAS GRAÇAS ANDRADE SILVA : FRANCISCO FELIX LINS : Madia Fahi Sousa Coelho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Juiz Demócrito Ramos Reinaldo Filho : Decisão Interlocutória : 30/09/2011 12:41 Local: Diretoria Cível

DECISÃOINTERLOCUTÓRIA

Trata-se de recurso em ação para ressarcimento das perdas com os expurgos inflacionários dos planos econômicos de 1987 a 1991, os quais teriam repercussão sobre as aplicações bancárias, notadamente a caderneta de poupança. O enorme alcance social da matéria, aliado à proximidade da prescrição vintenária, fizeram afluir ao Judiciário um expressivo número de demandas desse jaez. Conforme é consabido, as últimas mudanças no cenário processual consagram o sistema de precedentes judiciais como meio de garantir a uniformidade na aplicação do direito e a duração razoável do processo1 - princípio de estatura constitucional. Este desiderato é alcançado mediante a seleção de feitos representativos de controvérsia pelo Tribunal de origem, os quais são encaminhados à mais alta Corte, para pronunciamento definitivo. Neste toar, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a repercussão geral do tema em comento nos Recursos Extraordinários 626.307/SP e 591.797/SP, sob a Relatoria do Min. Dias Toffoli, e no Agravo de Instrumento 754.745/SP, convertido no RE 632.212/SP, ambos relatados pelo Min. Gilmar Mendes. Por decisão proferida nesses autos, foram suspensos os julgamentos de mérito nas demandas referentes aos indexadores da atualização monetária das cadernetas de poupança introduzidos pelos Planos Bresser, Verão e Collor I e II. Isto posto, o curso do presente processo deve permanecer sobrestado nos termos do art. 543-B, § 1.°, do CPC2, até a prolação do acórdãoparadigma. Com remessa à Diretoria Cível, para guarda dos autos e acompanhamento do caso na instância máxima. 204

Edição nº 184/2011 Publique-se. Intimem-se. Recife,

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

1 Constituição Federal: "Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) LXXVIII- a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)". 2 Art. 543-B. Quando houver multiplicidade de recursos com fundamento em idêntica controvérsia, a análise da repercussão geral será processada nos termos do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal, observado o disposto neste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.418, de 2006). § 1.º Caberá ao Tribunal de origem selecionar um ou mais recursos representativos da controvérsia e encaminhá-los ao Supremo Tribunal Federal, sobrestando os demais até o pronunciamento definitivo da Corte. (Incluído pela Lei nº 11.418, de 2006).

DESPACHOS 2ª CAMARA CÍVEL Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14202 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado ALYSSON EMANUEL DE CARVALHO FIGUEIREDO Augusto Carpeggiani Buarque Pereira Clávio de Melo Valença Filho Elizabeth Leal Veras Josefa Renê Patriota Luiz Cláudio Farina Ventrilho Márcia Cavalcanti de Brito e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outros e Outros

Ordem Processo 004 0246055-5 001 0191170-0 003 0233372-6 002 0219208-9/01 003 0233372-6 004 0246055-5 002 0219208-9/01 002 0219208-9/01 003 0233372-6 004 0246055-5 001 0191170-0 002 0219208-9/01

A Diretora informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0191170-0 Comarca Vara Acao Originaria Agravte Advog Advog Agravdo Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução DESPACHO

Agravo de Instrumento : Recife : 13ª Vara Cível : 01019473720098170001 Ação de Obrigação de Fazer Ação de Obrigação de Fazer : Maria do Socorro Lima lapenda : Augusto Carpeggiani Buarque Pereira : e Outros : Sul América Seguro e Saúde S/A : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Despacho : 29/09/2011 14:39 Local: Diretoria Cível

Intime-se a agravada para apresentar contrarrazões através de carta com aviso de recebimento (AR), no endereço declinado pela parte adversa à fl. 198.

205

Edição nº 184/2011 Decorrido o prazo, com ou sem resposta, voltem-me os autos conclusos. P. I.

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Recife,

Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

002. 0219208-9/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig. Despacho Última Devolução DESPACHO

Embargos de Declaração : Recife : 29º Vara Cível : Gebens Gerenciamento de Bens e Condominios Ltda : Márcia Cavalcanti de Brito : e Outros : BCP - TELECOMUNICAÇÕES (BSE S.A) : Elizabeth Leal Veras : e Outros : Gebens Gerenciamento de Bens e Condominios Ltda : Márcia Cavalcanti de Brito : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : BCP - TELECOMUNICAÇÕES (BSE S.A) : Elizabeth Leal Veras : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : 0023423-36.2003.8.17.0001 (219208-9) : Despacho : 06/09/2011 16:07 Local: Diretoria Cível

Considerando a possibilidade de atribuição de efeitos infringentes, intime-se a Embargada para impugnar o presente recurso no prazo de 05 (cinco) dias. Recife, 01 de setembro de 2011.

Des. Cândido J F Saraiva de Moraes Relator

003. 0233372-6 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

Apelação : Recife : 25ª Vara Cível : SUL AMERICA SEGURO SAUDE S/A : Clávio de Melo Valença Filho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Jennie Silberstein Fernandes : Josefa Renê Patriota : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Alberto Nogueira Virgínio : Despacho : 30/09/2011 18:09 Local: Diretoria Cível

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0233372-6 - RECIFE-PE APELANTE: SUL AMÉRICA SEGURO SAÚDE S/A APELADO: JENNIE SILBERSTEIN FERNANDES RELATOR:

206

Edição nº 184/2011 DES. ALBERTO NOGUEIRA VIRGÍNIO RELATOR SUBSTITUTO: JUIZ PAULO TORRES PEREIRA DA SILVA

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DESPACHO

Defiro o pedido formulado pela parte apelante no petitório de fl. 255, e, por conseguinte, concedo "vista" dos autos, pelo prazo de 05 (cinco) dias, observadas as cautelas de estilo. Publique-se. Cumpra-se.

Recife, 29 de setembro de 2011.

Paulo Torres Pereira da Silva Relator Substituto

004. 0246055-5 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução DESPACHO

Apelação : Caruaru : 2ª Vara Cível : Companhia Pernambucana de Saneamento - COMPESA : Luiz Cláudio Farina Ventrilho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : SOCIEDADE BR CRED FINANCEIRA LTDA ME : ALYSSON EMANUEL DE CARVALHO FIGUEIREDO : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Despacho : 30/09/2011 15:29 Local: Diretoria Cível

Compulsando os autos, verifico que a COMPESA não foi intimada para apresentar contrarrazões ao recurso adesivo interposto pelo autor (fls. 114/121). Assim sendo, e tendo em vista o disposto no art. 515, §4º, do CPC1, intime-se a COMPESA para apresentar contrarrazões ao recurso adesivo, no prazo de 15 (quinze) dias. Cumpra-se. Recife, 30 de setembro de 2011. Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

1 Art. 515. (...) §4º. Constatando a ocorrência de nulidade sanável, o tribunal poderá determinar a realização ou renovação do ato processual, intimadas as partes; cumprida a diligência, sempre que possível prosseguirá o julgamento da apelação.

TERMINATIVAS 2ª CAMARA CÍVEL Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14206 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

207

Edição nº 184/2011 Advogado Antonio Braz da Silva Aníbal Cícero de Barros Velloso Aníbal Cícero de Barros Velloso Dane Maria de Oliveira Feltes Dane Maria de Oliveira Feltes Yuri Guimarães de Souza e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011 Ordem Processo 001 0254832-7 002 0255027-0 003 0255404-7 002 0255027-0 003 0255404-7 001 0254832-7 001 0254832-7 002 0255027-0 003 0255404-7

O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0254832-7 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução

Apelação : Petrolina : 2ª Vara Cível : BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. : Antonio Braz da Silva : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : ORIETA DA SILVA MENEZES : Yuri Guimarães de Souza : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Decisão Terminativa : 30/09/2011 12:40 Local: Diretoria Cível

DECISÃOTERMINATIVA

Trata-se de apelação interposta contra sentença (fls. 62/62v) que julgou parcialmente procedente ação cautelar ajuizada pela ora apelada, objetivando a exibição por parte do réu dos extratos bancários da sua conta de caderneta de poupança (nos períodos de junho/1987, janeiro/1989 e março/1990), para possibilitar o ajuizamento posterior de ação de cobrança referente aos expurgos inflacionários decorrentes dos planos econômicos denominados Bresser, Verão e Collor. Na sentença objurgada, o i. Juiz de 1º Grau entendeu que, ao limitar-se em sua peça contestatória a requerer dilação de prazo para apresentar os documentos, o apelado "acabou por admitir a sua existência, restando tal fato incontroverso", declarando existir a conta mantida pela apelada na instituição financeira, condenando-a em custas e honorários advocatícios, estes fixados em R$1.000,00 (mil reais), nos termos do art. 20, §§3º e 4º, do CPC. Nas razões recursais (fls. 65/72), o apelante aduz a impossibilidade de aplicação do art. 359 do CPC ao caso em tela, tendo em vista a inexistência de presunção de veracidade no processo cautelar de exibição de documentos. Argúi, ainda, i) a ausência de obrigação de manter tais documentos por um prazo superior a 05 (cinco) anos, por força da Resolução BACEN 2.078/94; ii) a impossibilidade de inversão do ônus da prova e; iii) a necessidade de declaração de ineficácia da cautelar, pela falta de propositura da ação no prazo de 30 (trinta) dias, nos termos do art. 808 do CPC. Nas contrarrazões (fls. 93/98), a apelada rebate os argumentos da parte adversa, pugnando pela manutenção da sentença É o breve relatório. Passo a decidir. Desde logo, esclareço que a decisão proferida pelo E. STF nos Recursos Extraordinários nº 626.307/SP e nº 591.797/SP não obsta a análise do presente recurso, pois nestes autos se discute apenas a responsabilidade do apelante pela exibição de extratos bancários, não havendo debate acerca dos índices de correção monetária incidentes no período dos Planos Bresser, Verão e Collor. Assim, mostra-se viável a apreciação deste recurso, como se vê do julgado abaixo transcrito, com grifos nossos: .......... PROCESSO CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS. SUSPENSÃO DO PROCESSO. ATOS INSTRUTÓRIOS. APRESENTAÇÃO DE EXTRATOS BANCÁRIOS. 1. A discussão, cujo julgamento encontra-se pendente pelo Supremo, versa sobre pagamento de correção monetária dos depósitos em cadernetas de poupança, durante os Planos Econômicos Collor I, Bresser e Verão. 2. As decisões do STF nos Recursos Extraordinários n° 626.307 e 591.797 ressalvaram expressamente que a suspensão nelas determinada não impede a prática de atos instrutórios e nem se aplica aos processos de execução definitiva. Dessa forma, não há obstáculo ao prosseguimento de recurso em que se discute a responsabilidade pela apresentação de extratos bancários. 3. Agravo regimental a que se nega provimento. (AgRg no Ag 1243131/SP, Rel. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, QUARTA TURMA, julgado em 03/03/2011, DJe 10/03/2011). ..........

208

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Em relação ao mérito, não conheço das alegações contidas no presente recurso em relação i) à suposta ausência de obrigação de manter os documentos por um prazo superior a 05 (cinco) anos, e ii) à impossibilidade de inversão do ônus da prova. Isto porque, de acordo com o princípio da concentração da defesa, todas as matérias de defesa devem ser trazidas no momento de apresentação da contestação sob pena de preclusão. Dessa forma, as teses suscitadas após a prolação da sentença não podem ser consideradas como fundamento para sua modificação, na medida em que não foram objeto de apreciação pelo juiz primevo. Trata-se, portanto, de inovação recursal incabível no presente momento processual, diante da preclusão consumativa, por não haver sido suscitada no momento próprio, como exige o art. 300 do CPC1. Neste sentido, já se posicionou o Col. Superior Tribunal de Justiça em diversos precedentes, verbis: .......... DIREITO ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. DISPOSITIVO CONSTITUCIONAL. AFRONTA. AFERIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. COMPETÊNCIA RESERVADA AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. ARTS. 131, 333, I, E 475, I, DO CPC. VIOLAÇÃO GENÉRICA. DEFICIÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO. SÚMULA 284/STF. MATÉRIA DE DEFESA ALEGADA APENAS NAS CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO. CONHECIMENTO. IMPOSSIBILIDADE. PRECLUSÃO CONSUMATIVA. OCORRÊNCIA. OFENSA AOS ART. 535, I e II, DO CPC. NÃO-OCORRÊNCIA. MILITAR. INCAPACIDADE TEMPORÁRIA. REEXAME. IMPOSSIBILIDADE. SÚMULA 7/STJ. REINTEGRAÇÃO AO SERVIÇO ATIVO PARA TRATAMENTO MÉDICO. POSSIBILIDADE. RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO. 1. O recurso especial, voltado para a uniformização de matéria legal infraconstitucional, não se presta ao exame de suposta afronta a dispositivo constitucional, por se tratar de competência reservada ao Supremo Tribunal Federal, nos termos do art. 102, III, da Constituição da República. 2. É deficiente o recurso especial que se limita a alegar violação genérica aos arts. 131, 333, I, e 475, I, do CPC, sem apontar, de forma clara e precisa, em que consistiria tal afronta. Súmula 284/STF. 3. Tendo o Tribunal de origem se pronunciado de forma clara e precisa sobre as questões postas nos autos, assentando-se em fundamentos suficientes para embasar a decisão, não há falar em afronta ao art. 535, I e II, do CPC. 4. Compete ao réu alegar, na contestação, toda a matéria de defesa, expondo as razões de fato e de direito, com que impugna o pedido do autor, sob pena de preclusão consumativa. Inteligência do art. 300 do CPC. Precedente do STJ. 5. Os militares do serviço ativo das Forças Armadas, mesmo os pertencentes ao Quadro Temporário, têm direito a tratamento médico adequado para prevenção, conservação ou recuperação de sua saúde, ainda que, para tanto, necessitem ser afastados de suas atividades normais. Inteligência dos arts. 50, IV, "e", c.c 67, § 1º, "d", 80, 82, I, § 1º, e 84 da Lei 6.880/80. 6. Tendo o Tribunal de origem firmado a compreensão no sentido de que o recorrido se encontra temporariamente incapacitado para o serviço militar, necessitando receber tratamento médico adequado para a recuperação de sua higidez física, rever tal entendimento demandaria o reexame de matéria fático-probatória. Súmula 7/STJ. 7. Recurso especial conhecido e improvido. (REsp 1055755/RS, Rel. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA, QUINTA TURMA, julgado em 19/11/2009, DJe 14/12/2009) .......... PROCESSO CIVIL. CORREÇÃO MONETÁRIA. ÍNDICE. OMISSÃO DA SENTENÇA. FIXAÇÃO NA EXECUÇÃO. POSSIBILIDADE. EMBARGOS À EXECUÇÃO. PRINCÍPIO DA EVENTUALIDADE. CONCENTRAÇÃO DA DEFESA. PRECLUSÃO CONSUMATIVA. INCIDÊNCIA. - É legítima a correção monetária dos débitos decorrentes de sentença judicial, nada impedindo que, no silêncio da sentença, os respectivos índices sejam fixados no processo de execução. - Nos termos do art. 300 do CPC, "compete ao réu alegar, na contestação, toda a matéria de defesa, expondo as razões de fato e de direito, com que impugna o pedido do autor". - Nos embargos à execução incide o princípio da eventualidade, com concentração da defesa do devedor. Precedentes. Agravo a que se nega provimento. (AgRg na MC 14.046/RJ, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 24/06/2008, DJe 05/08/2008) .......... Quanto à inexistência da presunção de veracidade na cautelar de exibição de documentos, embora reconheça o acerto dos precedentes do STJ em relação à sua inaplicabilidade nas cautelares de exibição de documentos, o caso concreto exige análise por outro ângulo, sendo o argumento da instituição financeira manifestamente improcedente. Apesar da menção ao art. 359, II, do CPC na sentença, tal fato, por si só, não é suficiente para caracterizar que tenha sido aplicada a presunção de veracidade pelo MM Juiz a quo. Em verdade, não se trata de presunção, mas sim de verdadeira confissão da apelante em relação à existência das cadernetas de poupança que a parte adversa assevera existirem, tendo em vista que, em sua contestação, o banco limitou-se a requerer dilação de prazo para apresentar os documentos, afirmando expressamente que "todos os extratos foram-lhe devidamente encaminhados [à apelada], razão pela qual o ajuizamento da presente demanda é totalmente descabido, pois o que se pretende é que o requerido cumpra novamente uma obrigação a qual já fora satisfeita" (fls. 19). Trata-se de clara hipótese de aplicação do art. 334, III, do CPC2, pois se houve admissão expressa, o fato da conta existir tornou-se incontroverso. Portanto, bem fundamentou o d. togado monocrático a sentença ao ressaltar que "como o objeto da lide era apenas a exibição dos extratos, e

209

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

o banco réu não impugnou a existência da referida conta, cabe a autora buscar na via ordinária a discussão quanto aos valores que na conta existiam, e se os mesmos são passíveis de sofrerem os reajustes previstos" (fls. 62v). Ressaltou apenas, como se vê, que a procedência da ação cautelar seria um elemento a ser levado em conta no momento da formação da convicção do Juiz condutor do processo principal. Nesse diapasão, o Juiz condutor da demanda principal permanecerá livre para fundamentar a sua decisão, não sendo necessária a reforma da sentença recorrida.

Por fim, manifestamente improcedente o pedido de declaração de ineficácia da cautelar, pela falta de propositura da ação no prazo de 30 (trinta) dias, nos termos do art. 808 do CPC. Como bem apontado pela apelada, tal prazo sequer teve seu termo inicial "se a presente cautelar ainda não conseguiu chegar a seu objetivo final", pois aquele se conta a partir da data da efetivação da medida. Neste sentido, é pacífica a jurisprudência do Col. STJ, a exemplo dos seguintes julgados: REsp 669.353/AP, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, DJe 16/04/2009; REsp 687208/RJ, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, DJ 16/10/2006; REsp 129.908/SP; REsp 225.907/SP, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, DJ 24/10/2005; REsp 431.418/MG, Rel. Min. SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA, DJ de 19.12.2003; REsp 583.345/ RJ, Rel. Min. ELIANA CALMON, DJ de 13.12.2004; e REsp 692.781/ES, Rel. Min. CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO, DJ de 17.09.2007. Ora, o art. 557, caput, do CPC3 atribui competência ao Relator para negar seguimento monocraticamente a recurso manifestamente improcedente ou em evidente confronto com jurisprudência dominante de Tribunal Superior, como se constitui a hipótese dos autos. Vê-se, portanto, preenchido o requisito insculpido no artigo supramencionado para envidar o exercício da competência monocrática, motivo pelo qual NEGO SEGUIMENTO ao apelo, mantendo a sentença vergastada em todos os seus termos. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Recife, Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

1 Art. 300. Compete ao réu alegar, na contestação, toda a matéria de defesa, expondo as razões de fato e de direito, com que impugna o pedido do autor e especificando as provas que pretende produzir. 2 Art. 334. Não dependem de prova os fatos: (...) III - admitidos, no processo, como incontroversos; (...) 3 Art. 557 - O relator negará seguimento a recurso manifestamente inadmissível, improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Superior Tribunal de Justiça, ou de Tribunal Superior.

002. 0255027-0 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução

Apelação : Recife : 22º Vara Cível : Manoel Teixeira Sobrinho : Aníbal Cícero de Barros Velloso : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social (REFER) : Dane Maria de Oliveira Feltes : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Juiz Demócrito Ramos Reinaldo Filho : Decisão Terminativa : 30/09/2011 12:40 Local: Diretoria Cível

DECISÃOTERMINATIVA

Trata-se de apelo interposto contra sentença (fls. 36/37) extinguindo com resolução meritória, com fulcro no art. 285-A, caput, do CPC1, demanda onde se postulava restituição de expurgos inflacionários sobre contribuições pagas ao plano de previdência privada, reconhecendo a incidência de prescrição quinquenal, conforme jurisprudência do STJ. Tais contribuições foram pagas pelo autor/apelante, na qualidade de beneficiário aposentado da Rede Ferroviária Federal S/A - RFFSA, instituidora da Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social - REFER, entidade fechada de previdência complementar.

210

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Em sua peça recursal (fls. 38/46), o recorrente basicamente reitera os argumentos (não analisados pelo MM. Juiz a quo em face do reconhecimento da prescrição) expendidos na vestibular, alegando ainda inexistir previsão de prazo prescricional no Estatuto do Plano, pugnando pelo provimento do recurso, e pela impossibilidade de condenação em honorários advocatícios, pois é beneficiário da gratuidade de justiça. Contrarrazões ofertadas às fls. 51/67, onde a recorrida suscita preliminar de não conhecimento do recurso, pois o mesmo seria mera cópia da petição inicial. No mérito, defende a aplicação da prescrição quinquenal ao caso, pugnando pela manutenção do julgado, e pela aplicação por pena de litigância de má-fé à parte adversa. Feito o breve relatório, passo a decidir. i) Preliminar de não conhecimento do recurso. A presente preliminar de não conhecimento do recurso foi suscitada pela apelada sob o argumento da parte adversa não ter preenchido os requisitos do art. 514, II, do CPC2, na medida em que teria deixado de atacar os fundamentos de fato e de direito da sentença, limitando-se a repetir os argumentos da exordial. Todavia, apesar de haver coincidência de argumentos entre a petição inicial (fls. 02/11) e a apelação (fls. 38/46), tal fato não ofende o mencionado dispositivo, pois apesar de não ser um primor de rigorismo técnico, a peça ataca especificamente a sentença, quando alega que a prescrição não pode ser reconhecida por não haver previsão no regulamento da entidade - tese a ser analisada no mérito. Isto posto, sendo manifestamente improcedente, REJEITO A PRELIMINAR.

ii) Mérito. Tratando-se a matéria fática de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada, cumpre analisar quando ocorreu o termo a quo da contagem do prazo, devendo-se levar em conta a data da restituição feita ao empregado demissionário, momento no qual surgiu o seu direito de pleitear eventuais diferenças por conta do possível recebimento a menor. Tal matéria, a propósito, é de ordem pública e independe de previsão em estatuto ou regulamento da entidade, como aduz o apelante, em face de previsão legal contida no Código Civil. Neste caso, o apelante requisitou a reserva de poupança em 04.03.1998 (fls. 101), com o respectivo recebimento em 04.06.1998 (fls. 103) mas manejou a ação apenas em 12.12.2006 (fls. 01), quando há muito escoado o prazo quinquenal insculpido na Súmula nº 291 do C. STJ, assim redigida:

.......... A ação de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada prescreve em cinco anos. ........... Esclareça-se que o entendimento é aplicável tanto à devolução das parcelas quanto aos respectivos expurgos inflacionários, como se observa das decisões do Col. Superior Tribunal de Justiça confirmando a incidência da Súmula 291/STJ em casos análogos, senão vejamos (grifei):

.......... AGRAVO INTERNO. PREVIDÊNCIA PRIVADA. RESTITUIÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES PESSOAIS. PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. Assente a jurisprudência desta Corte no sentido de ser aplicável o lapso prescricional qüinqüenal às ações de cobrança de diferenças de correção monetária incidentes sobre valores recolhidos a fundo de previdência privada (Súmula 291/STJ). Agravo improvido. (AgRg no REsp 903.092/MG, Rel. Min. Sidnei Beneti, 3ª Turma, DJe 03/10/2008) .......... AGRAVO REGIMENTAL - PREVIDÊNCIA PRIVADA - RESTITUIÇÃO DE VALORES REFERENTES A CONTRIBUIÇÕES PAGAS À ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL - INTELIGÊNCIA DA SÚMULA N. 291/STJ - AGRAVO IMPROVIDO. 1. Consoante a Súmula n. 291/STJ, é de cinco anos o prazo prescricional para a cobrança de eventuais diferenças entre o valor devolvido pela entidade de previdência privada por ocasião do rompimento do contrato de trabalho e o montante efetivamente devido com a inclusão dos expurgos inflacionários. 2. Agravo regimental improvido. (AgRg no REsp 1039941/MG, Rel. Min. Massami Uyeda, 3ª Turma, DJe 22/08/2008) .......... AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. CIVIL. PREVIDÊNCIA PRIVADA. DESLIGAMENTO. COBRANÇA. EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. PRESCRIÇÃO. 1 - É de cinco anos e não de dez (CC/2002) ou de vinte (CC/16) o prazo prescricional para cobrar expurgos inflacionários decorrentes da devolução de contribuições vertidas pelo empregado a plano de previdência complementar em face do seu desligamento. Precedentes da Segunda Seção. 2 - Agravo regimental desprovido. (AgRg no REsp 827.807/MG, Rel. Min. Fernando Gonçalves, 4ª Turma, DJe 03/03/2008) .......... Em relação à suposta impossibilidade de condenação em honorários advocatícios, como defendido pelo apelante, esclareço que se aplica o art. 12 da Lei nº 1.060/503, o qual determina estar suspensa por 05 (cinco) anos tal exigibilidade, contanto que não haja mudança da situação fática até o término de tal prazo, quando prescreverá. Por fim, deixo de condenar o recorrente por litigância de má-fé, como requer o apelado, tendo em vista não vislumbrar hipótese prevista no art. 17 do CPC, tratando-se a lide de mera pretensão atingida pelo manto da prescrição.

211

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Ora, o art. 557, caput, do CPC4, atribui competência ao Relator para negar seguimento monocraticamente a recurso em manifesto confronto com súmula de Tribunal Superior, como se constitui a hipótese dos autos, pois o Enunciado da Súmula 291/STJ, como já visto, agasalha o entendimento adotado na sentença guerreada. Vê-se, portanto, preenchido o requisito insculpido no artigo supramencionado para envidar o exercício da competência monocrática, motivo pelo qual NEGO SEGUIMENTO ao presente apelo, mantendo a sentença vergastada em todos os seus termos, registrando apenas que, sendo o apelante beneficiário da justiça gratuita, aplica-se o art. 12 da Lei nº 1.060/50, suspendendo-se por 05 (cinco) anos a exigibilidade dos honorários advocatícios e custas processuais que lhe tocariam em decorrência da condenação. P. R. I. Recife, Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

1 Art. 285-A. Quando a matéria controvertida for unicamente de direito e no juízo já houver sido proferida sentença de total improcedência em outros casos idênticos, poderá ser dispensada a citação e proferida sentença, reproduzindo-se o teor da anteriormente prolatada. 2 Art. 514 - A apelação, interposta por petição dirigida ao juiz, conterá: (...) II - os fundamentos de fato e de direito; (...) 3 Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família, se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita. 4 Art. 557. O relator negará seguimento a recurso manifestamente inadmissível, improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Superior Tribunal de Justiça, ou de Tribunal Superior. -

003. 0255404-7 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução

Apelação : Recife : 22º Vara Cível : Alzira Bertulina da Silva : Aníbal Cícero de Barros Velloso : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social ("REFER") : Dane Maria de Oliveira Feltes : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Juiz Demócrito Ramos Reinaldo Filho : Decisão Terminativa : 30/09/2011 12:40 Local: Diretoria Cível

DECISÃOTERMINATIVA

Trata-se de apelo interposto contra sentença (fls. 34/35) extinguindo com resolução meritória, com fulcro no art. 285-A, caput, do CPC1, demanda onde se postulava restituição de expurgos inflacionários sobre contribuições pagas ao plano de previdência privada, reconhecendo a incidência de prescrição quinquenal, conforme jurisprudência do STJ. Tais contribuições foram pagas pela autora/apelante, na qualidade de beneficiária aposentada da Rede Ferroviária Federal S/A - RFFSA, instituidora da Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social - REFER, entidade fechada de previdência complementar. Em sua peça recursal (fls. 37/45), a recorrente basicamente reitera os argumentos (não analisados pelo MM. Juiz a quo em face do reconhecimento da prescrição) expendidos na vestibular, alegando ainda inexistir previsão de prazo prescricional no Estatuto do Plano, pugnando pelo provimento do recurso, e pela impossibilidade de condenação em honorários advocatícios, pois é beneficiária da gratuidade de justiça. Contrarrazões ofertadas às fls. 50/66, onde a recorrida suscita preliminar de não conhecimento do recurso, pois o mesmo seria mera cópia da petição inicial. No mérito, defende a aplicação da prescrição quinquenal ao caso, pugnando pela manutenção do julgado, e pela aplicação por pena de litigância de má-fé à parte adversa. Feito o breve relatório, passo a decidir. i) Preliminar de não conhecimento do recurso. A presente preliminar de não conhecimento do recurso foi suscitada pela apelada sob o argumento da parte adversa não ter preenchido os requisitos do art. 514, II, do CPC2, na medida em que teria deixado de atacar os fundamentos de fato e de direito da sentença, limitando-se a repetir os argumentos da exordial. 212

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Todavia, apesar de haver coincidência de argumentos entre a petição inicial (fls. 02/11) e a apelação (fls. 37/45), tal fato não ofende o mencionado dispositivo, pois apesar de não ser um primor de rigorismo técnico, a peça ataca especificamente a sentença, quando alega que a prescrição não pode ser reconhecida por não haver previsão no regulamento da entidade - tese a ser analisada no mérito. Isto posto, sendo manifestamente improcedente, REJEITO A PRELIMINAR.

ii) Mérito. Tratando-se a matéria fática de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada, cumpre analisar quando ocorreu o termo a quo da contagem do prazo, devendo-se levar em conta a data da restituição feita ao empregado demissionário, momento no qual surgiu o seu direito de pleitear eventuais diferenças por conta do possível recebimento a menor. Tal matéria, a propósito, é de ordem pública e independe de previsão em estatuto ou regulamento da entidade, como aduz o apelante, em face de previsão legal contida no Código Civil. Neste caso, a apelante requisitou a reserva de poupança em 12.05.1997 (fls. 100), com o respectivo recebimento em 12.06.1997 (fls. 103) mas manejou a ação apenas em 22.09.2006 (fls. 01), quando há muito escoado o prazo quinquenal insculpido na Súmula nº 291 do C. STJ, assim redigida:

.......... A ação de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada prescreve em cinco anos. ........... Esclareça-se que o entendimento é aplicável tanto à devolução das parcelas quanto aos respectivos expurgos inflacionários, como se observa das decisões do Col. Superior Tribunal de Justiça confirmando a incidência da Súmula 291/STJ em casos análogos, senão vejamos (grifei):

.......... AGRAVO INTERNO. PREVIDÊNCIA PRIVADA. RESTITUIÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES PESSOAIS. PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL. Assente a jurisprudência desta Corte no sentido de ser aplicável o lapso prescricional qüinqüenal às ações de cobrança de diferenças de correção monetária incidentes sobre valores recolhidos a fundo de previdência privada (Súmula 291/STJ). Agravo improvido. (AgRg no REsp 903.092/MG, Rel. Min. Sidnei Beneti, 3ª Turma, DJe 03/10/2008) .......... AGRAVO REGIMENTAL - PREVIDÊNCIA PRIVADA - RESTITUIÇÃO DE VALORES REFERENTES A CONTRIBUIÇÕES PAGAS À ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - PRESCRIÇÃO QÜINQÜENAL - INTELIGÊNCIA DA SÚMULA N. 291/STJ - AGRAVO IMPROVIDO. 1. Consoante a Súmula n. 291/STJ, é de cinco anos o prazo prescricional para a cobrança de eventuais diferenças entre o valor devolvido pela entidade de previdência privada por ocasião do rompimento do contrato de trabalho e o montante efetivamente devido com a inclusão dos expurgos inflacionários. 2. Agravo regimental improvido. (AgRg no REsp 1039941/MG, Rel. Min. Massami Uyeda, 3ª Turma, DJe 22/08/2008) .......... AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. CIVIL. PREVIDÊNCIA PRIVADA. DESLIGAMENTO. COBRANÇA. EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. PRESCRIÇÃO. 1 - É de cinco anos e não de dez (CC/2002) ou de vinte (CC/16) o prazo prescricional para cobrar expurgos inflacionários decorrentes da devolução de contribuições vertidas pelo empregado a plano de previdência complementar em face do seu desligamento. Precedentes da Segunda Seção. 2 - Agravo regimental desprovido. (AgRg no REsp 827.807/MG, Rel. Min. Fernando Gonçalves, 4ª Turma, DJe 03/03/2008) .......... Em relação à suposta impossibilidade de condenação em honorários advocatícios, como defendido pela apelante, esclareço que se aplica o art. 12 da Lei nº 1.060/503, o qual determina estar suspensa por 05 (cinco) anos tal exigibilidade, contanto que não haja mudança da situação fática até o término de tal prazo, quando prescreverá. Por fim, deixo de condenar a recorrente por litigância de má-fé, como requer o apelado, tendo em vista não vislumbrar hipótese prevista no art. 17 do CPC, tratando-se a lide de mera pretensão atingida pelo manto da prescrição. Ora, o art. 557, caput, do CPC4, atribui competência ao Relator para negar seguimento monocraticamente a recurso em manifesto confronto com súmula de Tribunal Superior, como se constitui a hipótese dos autos, pois o Enunciado da Súmula 291/STJ, como já visto, agasalha o entendimento adotado na sentença guerreada. Vê-se, portanto, preenchido o requisito insculpido no artigo supramencionado para envidar o exercício da competência monocrática, motivo pelo qual NEGO SEGUIMENTO ao presente apelo, mantendo a sentença vergastada em todos os seus termos, registrando apenas que, sendo a apelante beneficiária da justiça gratuita, aplica-se o art. 12 da Lei nº 1.060/50, suspendendo-se por 05 (cinco) anos a exigibilidade dos honorários advocatícios e custas processuais que lhe tocariam em decorrência da condenação. P. R. I. Recife, Demócrito Reinaldo Filho Juiz Convocado - Relator

213

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

1 Art. 285-A. Quando a matéria controvertida for unicamente de direito e no juízo já houver sido proferida sentença de total improcedência em outros casos idênticos, poderá ser dispensada a citação e proferida sentença, reproduzindo-se o teor da anteriormente prolatada. 2 Art. 514 - A apelação, interposta por petição dirigida ao juiz, conterá: (...) II - os fundamentos de fato e de direito; (...) 3 Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família, se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita. 4 Art. 557. O relator negará seguimento a recurso manifestamente inadmissível, improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Superior Tribunal de Justiça, ou de Tribunal Superior.

TERMINATIVAS 2ª CAMARA CIVEL Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14208 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Cláudio Emerson Cumarú Dina Apostolakis Malfatti Elizabeth Leal Veras George Cláudio Cavalcanti Mariano João Humberto Martorelli e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 001 0220477-1 002 0237419-0 001 0220477-1 002 0237419-0 002 0237419-0 002 0237419-0

A Diretora informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0220477-1 Comarca Vara Agravte Advog Agravdo Agravdo Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução

Agravo de Instrumento : Caruaru : 1ª Vara Cível : CLARO S.A : Elizabeth Leal Veras : JOSÉ MANOEL FELICIANO NETO : CARMEN LÚCIA LEAL FELICIANO : Cláudio Emerson Cumarú : 2ª Câmara Cível : Des. Adalberto de Oliveira Melo : Des. Francisco Manoel Tenorio dos Santos : Decisão Terminativa : 30/09/2011 17:41 Local: Diretoria Cível

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0220477-1 CARUARU/ PE AGRAVANTE: CLARO S/A ADVOGADO: ELIZABETH LEAL VERAS AGRAVADO: JOSÉ MANOEL FELICIANO NETO E OUTRO ADVOGADO: CLÁUDIO EMERSON CUMARÚ RELATOR: DES. ADALBERTO DE OLIVEIRA MELO SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

DECISÃO TERMINATIVA Trata-se de Agravo de Instrumento interposto pela CLARO S/A contra decisão do Juiz de Direito da 2ª Vara Cível da Comarca de Caruaru/ PE que majorou a multa diária decorrente de descumprimento de obrigação de fazer. Aduz que já cumprira a determinação judicial, restando prejudicada, desarrazoadamente, pedindo a reforma do decisum.

214

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

O Juiz a quo prestou informações através do Ofício n° 2011.0710.003461 (fs. 156), noticiando a prolação de sentença de mérito, na qual reduziu o valor da multa, objeto deste recurso. Em face do exposto, declaro a perda de objeto do presente Agravo de Instrumento n° 0220477-1, via de conseqüência, prejudicado, pelo que lhe nego seguimento com amparo nos art. 557, caput, do CPC, c/c art. 74, inciso VIII, do Regimento interno deste Tribunal. Cumpra-se, publique-se e intime-se. Recife, 26 de setembro de 2011.

Des. Adalberto de Oliveira Melo RELATOR

002. 0237419-0 Comarca Vara Apelante Advog Advog Advog Apelado Advog Advog Apelado Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução

Apelação : Recife : 18ª Vara Cível : José Romualdo Maranhão Neto : João Humberto Martorelli : George Cláudio Cavalcanti Mariano : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Serasa ou Serasa : Dina Apostolakis Malfatti : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : BANCO BAMERINDUS DO BRASIL S/A. em liquidação extra-judicial : 2ª Câmara Cível : Des. Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes : Decisão Terminativa : 19/09/2011 15:43 Local: Diretoria Cível

DECISÃOTERMINATIVA

Trata-se de Apelações interpostas contra sentença que julgou improcedente a ação principal e extinguiu a cautelar sem resolução de mérito (fls. 193/195, da AC 237401-8 e 188/190 da AC 237419-0), condenando o autor, ora apelante, nos ônus sucumbenciais, com honorários advocatícios arbitrados em R$ 1.000,00 (mil reais). O Apelante manejou Ação Cautelar Inominada (fls. 02/18, AC. 237419-0), requerendo a exclusão do seu nome do banco de dados do SERASA. Esclarece que a anotação se deu em virtude de se apresentar como devedor solidário de 4 (quatro) contratos de financiamento de capital de movimento ou abertura de crédito e financiamento para aquisição de bens móveis, ou crédito pessoal, ou prestação de serviços e outras avenças, nos valores de R$ 350.000,00; R$ 750.000,00; R$ 400.000,00 e R$ 800.000,00. Noticia, ainda, a existência de ações propostas pela devedora principal (USINA MATARY) questionando a liquidez da dívida e as diversas irregularidades e ilegalidades dos contratos em questão. O MM juiz, alicerçado na argumentação do ora Apelante, concedeu a liminar perseguida (fls. 76, AC 237419-0). Na ação principal (fls. 02/22, AC. 237401-8), o ora Apelante pleiteou, além da abstenção de incluir seu nome nos cadastros de maus pagadores, indenização por perdas e danos. Em sua defesa, a SERASA argúi ilegitimidade para figurar no pólo passivo, alegando ter procedido com a anotação no exercício regular de sua atividade, provinda da confirmação do débito pelo associado Banco Bamerindus do Brasil. A instituição financeira, por sua vez, sustenta que a inscrição cadastral ocorreu pela efetiva existência de débitos por parte do Autor (ora Apelante), não havendo como considerá-la ilícita, de modo a não ensejar reparação indenizatória, posto que praticado em exercício regular do direito (fls. 166, AC. 237401-8). Informa, ainda, a existência de Execução (autos do processo nº 198002957-1, 20ª Vara Cível do Recife), em face da inadimplência dos contratos objetos desta lide, a qual encontra-se suspensa por força de acordo promovido entre as partes. No aludido acordo, o ora Apelante e o devedor principal confessam e reconhecem a dívida (fls. 171, AC. 237401-8). Em sentença de mérito de única (fls. 193/195, AC. 237401-8 e 188/190, AC. 237419-0), o douto juiz de 1º grau acolheu a preliminar de ilegitimidade passiva, extinguindo o feito sem resolução de mérito em relação ao SERASA, excluindo-o da lide. O MM Juiz asseverou "ser o órgão de proteção ao crédito parte ilegítima para figurar no pólo passivo da ação de indenização por suposta inscrição indevida, quando obedecer ao procedimento regular de inscrição, vide súmula 3591 do STJ". No mérito, pontuou: ...... A questão meritória cinge-se em saber se a discussão judicial sobre o débito impossibilita a inscrição do nome do devedor nos órgãos de proteção ao crédito. Convém ressaltar que a discussão judicial não inibe a execução, nos termos do art. 585, §1º, CPC (...) Do mesmo modo, não pode impedir a inscrição do nome do devedor nos órgãos de proteção ao crédito, o qual se perfaz apenas um exercício regular do direito do credor. 215

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Ademais, o autor/devedor, além de afirmar a existência do débito, assinou uma confissão de dívida nos autos do processo de nº 001.1998.002957-1, em trâmite na 20ª Vara Cível da Capital, trazida aos autos pelo banco réu às fls. 181/188. Frisa-se que esse documento trazido pelo réu não foi impugnado pelo autor, apesar de intimado. Desse modo, presume-se verdadeiro os fatos articulados pelo réu e os documentos colacionados aos autos. ...... Em seu arrazoado recursal (fls. 200/211, AC. 237401-8 e fls. 195/206, AC. 237419-0), o Autor/Apelante sustenta a plena legitimidade passiva do SERASA, por ser este órgão o responsável por manter os registros dos inadimplentes, e, por conseguinte, pelos danos decorrentes de suas inscrições. Sem razão o Apelante. O próprio julgado colacionado aos autos pelo Apelante evidencia o entendimento pacífico2 de somente ensejar pretensão indenizatória quando o órgão de proteção ao crédito negativar sem prévia comunicação. Neste sentido, rejeito a referida preliminar. No mérito, o Apelante pretende reformar a sentença e obter o cancelamento da inscrição no cadastro de inadimplentes do SERASA, alegando o decurso de mais de 5 (cinco) anos de sua data. Para tanto, suscita o Enunciado da Súmula 3233 do STJ, buscando, ainda, o reconhecimento da pretensão indenizatória. Com efeito, não se pode manter cadastro negativo de devedor por mais de 5 (cinco) anos. É o que diz a legislação consumerista4 corroborada pelo entendimento já sumulado no STJ. Todavia, a presente lide versa sobre "ação declaratória de direito à não inclusão do nome do Apelante no cadastro do SERASA". Ou seja, inicialmente pleiteia-se uma obrigação de não fazer, tendo como causa de pedir o fato de haver uma demanda judicial discutindo a iliquidez da dívida. Sendo assim, o Apelante ofende o disposto no art. 2645 do CPC, ao modificar substancialmente a causa de pedir. Ora, na época da inclusão no cadastro negativo, o SERASA e o BAMERINDUS, como bem anotou o juiz de 1º grau, agiram no exercício regular de suas atividades, diante da confirmação da dívida. Desta maneira, o provimento do recurso importaria no reconhecimento da ilicitude praticada pelos Recorridos, o que não ocorreu, e na admissão de modificação superveniente da causa. Pois bem, o argumento do decurso dos 5 (cinco) anos trata-se também de uma inovação recursal e acolhê-lo configuraria supressão de instância, decorrente do conhecimento, pelo Tribunal, de matéria não suscitada no primeiro grau e/ou apreciada pelo juízo singular. Assim sendo, deve o Apelante procurar sua pretensão jurisdicional pela via ordinária. Nessa ordem de idéias, ressalto a impossibilidade de conhecimento do recurso, porque a pretensão nele contida ainda não foi objeto de deliberação pelo MM Juiz a quo. Adotar outro posicionamento acarretaria a supressão de instância. Com exceção das matérias de ordem pública, que devem ser examinadas ex officio em qualquer tempo e grau de jurisdição, os tribunais não podem apreciar, por primeiro, pedidos que devam ser examinados na instância inferior ou que nesta justificadamente ainda não o foram, sob pena de caracterizar supressão de instância e usurpação de competência. O raciocínio, evidentemente, prejudica a pretensão indenizatória. Desta feita, se infere que o recurso é manifestamente inadmissível, motivo pelo qual NEGO-LHE SEGUIMENTO, nos termos do caput do artigo 557, caput, do CPC6. Após o trânsito em julgado desta decisão, remeta-se, para processamento regular, o feito à Vara de origem. Publique-se. Intimem-se. Recife,

Des. Cândido J F Saraiva de Moraes Relator

1 Súmula 359 - STJ. Cabe ao órgão mantenedor do Cadastro de Proteção ao Crédito a notificação do devedor antes de proceder à inscrição. 2 SÚMULA 359 - STJ; REsp 59170 SC 2003/0171312-0 (STJ); Rcl 4598 SC 2010/0145842-5 (STJ); REsp 532947 SC 2003/0051953-6 (STJ). 3 SÚMULA 323 - STJ. A inscrição de inadimplente pode ser mantida nos serviços de proteção ao crédito por, no máximo, cinco anos. 4 CDC. Art. 43 (...) § 1º.Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações negativas referentes a período superior a cinco anos. 5 Art. 264. Feita a citação, é defeso ao autor modificar o pedido ou a causa de pedir, sem o consentimento do réu, mantendo-se as mesmas partes, salvo as substituições permitidas por lei. Parágrafo único. A alteração do pedido ou da causa de pedir em nenhuma hipótese será permitida após o saneamento do processo.

216

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

6 Art. 557. O relator negará seguimento a recurso manifestamente inadmissível, improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior.

217

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

3ª Câmara Cível
TERMINATIVAS - 3ª CC

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14210 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Adele Silvério Borba Carlos Antônio Harten Filho Danielle Torres Silva João Paulo Bruno de Assis e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 001 0251209-6/01 001 0251209-6/01 001 0251209-6/01 001 0251209-6/01 001 0251209-6/01

A Diretora informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0251209-6/01 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Advog Agravte Advog Advog Advog Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Agravdo Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig. Despacho Última Devolução DECISÃO TERMINATIVA

Agravo : Paulista : 1ª Vara Cível : Caixa Seguradora S/A : Carlos Antônio Harten Filho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Djalma Moreira da Silva e outros e outros : João Paulo Bruno de Assis : Danielle Torres Silva : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Caixa Seguradora S/A : Carlos Antônio Harten Filho : Adele Silvério Borba : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Djalma Moreira da Silva : Jerônimo Reis Pasini : Maria Severina de Andrade : José Arnaldo da Silva : Josefa Félix de Souza : Sebastião Domício Gomes : Emiliana Monteiro de Paula : Creuza Gonçalves Firmino : Ailton Inacio Borges : Severino Leopoldino da Silva : Severina Soares Terto da Silva : João Paulo Bruno de Assis : Danielle Torres Silva : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 3ª Câmara Cível : Des. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : 0013911-51.2011.8.17.0000 (251209-6) : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:04 Local: Diretoria Cível

Trata-se de Recurso de Agravo interposto pela CAIXA SEGURADORA S/A contra a decisão proferida, monocraticamente, nos autos do Agravo de Instrumento nº 0251209-6, que negou seguimento ao mesmo, tendo em vista que a apelação não pode ser recebida em seu duplo efeito, conforme a legislação processual civil.

Irresignada, assevera a agravante que a decisão não deve ser mantida em virtude de a sentença não ter confirmado unicamente a concessão da tutela antecipada. Aduz que a apelação deveria ser recebida em seu duplo efeito, salvo a parte que se refere à tutela, consoante o artigo 520 do Código de Processo Civil. Requer apenas o efeito suspensivo no que se refere ao restante da sentença. 218

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Requer, por derradeiro, o exercício do juízo de retratação, e não sendo este o entendimento, que seja o presente recurso enviado à câmara, a fim de modificar a decisão ora agravada.

Eis o breve relato.

Como facultado pelo artigo 557, §1º, do Código de Processo Civil, esta Relatoria se retrata da decisão anteriormente lançada no Agravo de Instrumento, dando-lhe, com isso, provimento. Justifico.

A discussão cinge-se à questão dos efeitos em que a apelação deveria ser recebida, tendo em vista que a sentença confirmou os efeitos da tutela antecipada proferida anteriormente, além de outras condenações.

Diante do juízo de admissibilidade da apelação, que recebeu o recurso apenas no seu efeito devolutivo, houve a interposição de agravo de instrumento, no qual foi lançada decisão terminativa desta Relatoria, uma vez que o despacho ora atacado estaria de acordo com as normas processuais.

Todavia, analisando melhor o caderno processual, entendo que o agravo de instrumento merece ter seguimento, uma vez que tão somente o capítulo da sentença referente à confirmação dos efeitos da tutela antecipada é que deve ser recebido apenas no efeito devolutivo, e o restante da sentença nos efeitos devolutivo e suspensivo.

No caso de recurso de apelação lançado contra sentença que ratifica os efeitos da tutela antecipada deve ser, nessa parte, somente no efeito devolutivo e no duplo efeito no que diz respeito ao demais pontos do decisum.

Apenas para efeito de registro, confira-se o que determinou a sentença (fls.770/773):

"julgo procedentes os pedidos e condeno a Suplicada ao pagamento aos Suplicantes, a título de ressarcimento do sinistro, do valor equivalente ao necessário à recuperação do imóvel, de acordo com a planilha de fls. 1.058, elaborada pelo Perito nomeado por este Juízo - mais juros de 12% a.a., estes calculados desde a data da citação (CC-405), atualização monetária, calculada a partir do ajuizamento da ação, e, ainda, ao pagamento da multa na forma acima determinada.(...)

Confirmo a decisão que concedeu a tutela antecipada em todos os seus termos. Condeno a suplicada, ainda, nas custas processuais, nos honorários advocatícios, estes no equivalente a 20% do valor apurado da condenação, e nas despesas dos suplicantes relativas aos honorários dos seu assistente técnico, de acordo contrato de fls 1203."

Nas linhas de Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery, nos comentários ao artigo 520 do Código de Processo Civil, afirma-se que:

Quando a sentença confirmar a tutela antecipada, concedida no curso do processo, a apelação interposta contra ela será recebida no efeito apenas devolutivo, quanto à parte que confirmar a tutela antecipada e no duplo efeito quanto aos mais. (in Código de Processo Civil Comentado e Legislação Extravagante, 9ª edição, Editora RT, nota 17 ao artigo 520, p. 752).

Neste caminhar, confiram-se os julgados:

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECEBIMENTO DA APELAÇÃO NO EFEITO APENAS DEVOLUTIVO.SENTENÇA QUE CONFIRMOU OS TERMOS DA ANTECIPAÇÃO DA TUTELA E CONDENOU A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. AO RECURSO DE APELAÇÃO DEVERÁ SER ATRIBUÍDO EFEITO DEVOLUTIVO REFERENTE À PARTE DA SENTENÇA QUE CONFIRMOU A ANTECIPAÇÃO DA TUTELA E EFEITO SUSPENSIVO REFERENTE À PARTE DA SENTENÇA QUE CONDENOU AO PAGAMENTO DE INDENIZAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO PARCIALMENTE PROVIDO À UNANIMIDADE.1.A apelação deverá ser recebida no efeito devolutivo referente à parte que confirmou os termos da tutela antecipada nos termos do artigo 520, inciso VII,do CPC.CPC2.No que se refere à parte da sentença que condenou a agravante ao pagamento de indenização, a apelação deverá ser recebida no seu efeito suspensivo,vez que tal aspecto da condenação não se encontra no provimento antecipatório deferido.3.Recurso parcialmente provido à unanimidade.(1507886320098170001 PE 0024198-10.2010.8.17.0000, Relator: Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto, Data de Julgamento: 28/07/2011, 3ª Câmara Cível, Data de Publicação: 143, undefined)

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECEBIMENTO DO RECURSO DE APELAÇÃO NO EFEITO DEVOLUTIVO EM RELAÇÃO À PARCELA DA SENTENÇA CONFIRMADORA DA ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. ART. 520, VII, DO CPC. REGRA GERAL DO DUPLO EFEITO NO TOCANTE AOS DEMAIS ITENS NÃO ABRANGIDOS PELA ANTECIPAÇÃO. RECURSO PROVIDO.520VIICPCNecessidade de aplicação do duplo efeito à apelação em relação aos pedidos julgados procedentes não abrangidos pela concessão de tutela antecipada. Possibilidade de desmembramento dos comandos da sentença.- Atribuição de duplo efeito à Apelação interposta pela Agravante no processo originário, unicamente em relação à parte em que foi condenada ao pagamento de indenização por danos morais, correção 219

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

monetária, juros legais, custas e honorários advocatícios, eis que tal condenação não fora objeto da interlocutória concessiva da tutela antecipada.Recurso provido.(1207320098170650 PE 0012323-43.2010.8.17.0000, Relator: Cândido José da Fonte Saraiva de Moraes, Data de Julgamento: 12/01/2011, 2ª Câmara Cível, Data de Publicação: 16, undefined)

Ante o exposto, DOU PROVIMENTO ao presente Recurso de Agravo, para exercer o juízo de retratação previsto no artigo 557, §1º, do Código de Processo Civil, de modo que a Apelação deverá ser recebida no efeito meramente devolutivo tão somente no que se refere à parte que confirma a antecipação da tutela, e em ambos os efeitos quanto ao restante da sentença. Publique-se. Intimem-se. Cumpra-se.

Recife, 30 de setembro de 2011.

Desembargador Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator

TERMINATIVAS - 3ª CC

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14216 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado FLÁVIA SOARES MENESES Rosângela Guerreiro e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 001 0255150-4 001 0255150-4 001 0255150-4

A Diretora informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0255150-4 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado

Apelação : Paulista : 3ª Vara Cível : Sul América Companhia Nacional de Seguros : Rosângela Guerreiro : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Jane Kett Florêncio de Carvalho : Marta Maria Mateus Melo Barbosa : Maria da Paz da Silva Arruda : Eraldo Pereira da Silva : Thais Sally Ramos : José Vadério Batista dos Santos : Maria Lucemar Alves do Nascimento : Thais Pereira do Nascimento Ventura : José Ricardo Felipe da Silva : José Vicente Ribeiro da Silva : José Gomes da Silva Filho : Marleide Fragoso de Souza : Josefa Regina Conceição dos Santos : Alex das Neves Barbosa : Risomar Pereira dos Santos : Elisabeth Maria do Nascimento : Maria José Sena do Nascimento : LÚCIA DE OLIVEIRA ALBUQUERQUE : LUIZ CLÁUDIO DA SILVA : JOSÉ LENIVALDO TEIXEIRA DE ARAUJO : Amarides Galdino da Silva Pereira : Antonio Carneiro Pessoa : Júnia Maria da Trindade Freitas : Ana Cristina Fernandes de Oliveira 220

Edição nº 184/2011 Apelado Apelado Apelado Apelado Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução APELAÇÃO CÍVEL Nº 255150-4 APELANTE: SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS S/A : Evandro Danilo Lopes : Rosiana Dantas Ribeiro e Silva : Maria das Graças Morato Leal : Lenivaldo Januário da Silva : Eliza Maria de Moraes Ferreira : FLÁVIA SOARES MENESES : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 3ª Câmara Cível : Des. Sílvio de Arruda Beltrão : Juiz José Henrique Coelho Dias da Silva : Decisão Terminativa : 30/09/2011 18:44 Local: Diretoria Cível

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

APELADO: JANE KETT FLORÊNCIO E OUTROS

RELATOR: DES. SILVIO DE ARRUDA BELTRÃO

RELATOR CONVOCADO: JUIZ JOSÉ HENRIQUE COELHO DIAS DA SILVA

Terceira Câmara Cível

DECISÃO TERMINATIVA:

Trata-se de Ação Ordinária de Indenização Securitária promovida por Jane Kett Florêncio e outros contra a Sul América Companhia Nacional de Seguros S/A, alegando a existência de vício de construção nos imóveis de diversos blocos do Conjunto Habitacional Arthur Lundgren II, Paulista/PE e aduzindo que têm direito a cobertura prevista na Apólice do Sistema Financeiro de Habitação, posto que tal seguro é de adesão e obrigatório,fls.02/36.

Ao final requereram a condenação do seguro réu ao pagamento da indenização no valor correspondente ao conserto integral do prédio, na proporção da cota parte de cada autor; ao pagamento da multa decendial; dos juros, e correção monetária; ao pagamento das custas processuais, honorários do perito assistente, despesas com estudos e projetos de engenharia e honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento).

Juntaram farta documentação, fls. 39/350. Contestação às fls. 376/415, suscitando as preliminares de vicio de citação; inépcia da inicial por falta de aviso de sinistro; ilegitimidade ativa da parte autora por não comprovar vínculo contratual; ilegitimidade ativa dos autores que possuem contrato

de gaveta; carência de ação por falta de interesse de agir daqueles que já tem contratos já quitados; litisconsórcio passivo necessário com Caixa Econômica Federal; Competência da Justiça Federal e Prescrição. No mérito alega a impossibilidade de cobertura contratual para vícios de construção; a inaplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor. Requer seja julgada improcedente a demanda. Réplica às fls. 432/462.

Perícia fls. 541/594.

Laudo de Estimativa de Custo para recuperação dos imóveis, fls. 668/674.

Sentença às fls. 683/696, afastando as preliminares argüidas julgou procedente o pedido para condenar a seguradora ré a pagar a cada um dos autores os valores apontados no laudo de fls. 668/674, valores estes devidamente corrigidos pela Tabela do ENCOGE, a contar do 30º dia após o aviso de sinistro apresentado pelos autores, acrescidos de juros de 1% a.m(hum por cento ao mês), desde a data da citação até a data do efetivo pagamento. Condenou, ainda, o réu ao pagamento da multa decendial, custas processuais, honorários do perito assistente, sendo estes fixados em metade do valor arbitrado ao perito do juízo e honorários advocatícios arbitrados em 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Apela a seguradora requerendo o conhecimento do agravo retido e argüindo as preliminares de incidência da Medida Provisória 513/2010; de ilegitimidade ativa dos que tem o contrato de financiamento já quitado e de Prescrição Anua. No mérito, requer a reforma da sentença alegando inexistência de cobertura securitária para os vícios de construção; do descabimento da multa decendial, da não incidência do CDC, fls.702/717. 221

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Contra-razões às fls. 742/777, pugnando pela manutenção da sentença.

Presentes os requisitos de admissibilidade.

É o Relatório. Decido.

DO AGRAVO RETIDO: Apesar de ter sido requerido a apreciação do agravo retido, compulsando os autos verifica-se a inexistência do referido recurso. Portanto, prejudicada tal preliminar.

Quanto a Incidência da MP 513/2010, convertida na Lei 12.409/2011, que coloca a Caixa Econômica Federal com administradora do FCVS, assumindo direitos e obrigações do Seguro Habitacional e, consequentemente, a competência para apreciar a causa seria da Justiça Federal.

Não se pode esquecer que vigora neste país o Principio da Irretroatividade das Leis, conforme o Art. 6ª da Lei de Introdução do CC. A aplicação dessa lei, deve ser da sua publicação para frente, e não retroagir para alcançar contratos pretéritos, celebrados sob os auspícios de legislação que estabelecia outras competências.

Aliás, o STJ afastou a substituição processual requerida pela Caixa Econômica nos assuntos afetos à responsabilidade obrigacional decorrente de danos físicos nos imóveis construídos pelo Sistema Financeiro de Habitação.

Entendo pertinente colocar que a ação versa sobre seguro habitacional, que é um contrato de natureza privada, celebrado entre mutuário e seguradora, não se justificando a substituição do pólo passivo pela Caixa Econômica Federal.

A jurisprudência do STJ já havia sido pacificada quanto essa discussão, que o contrato de seguro não afetando o FCVS, inexistente é o interesse da Caixa Econômica. Isso foi tão solidificado que se fez essa lei para que o FCVS fosse o responsável pelos seguros. No entanto, só aos contratos celebrados após a publicação da lei, não podendo retroagir aos casos antigos.

Pelo exposto, rejeito a preliminar.

Da ilegitimidade passiva dos autores que possuem contratos de financiamento já quitado.

Alega o recorrente que contrato firmado já fora liquidado, conseqüentemente, deve o contrato de seguro, acessório do contrato de mútuo, seguir o principal e ser também extinto.

No entanto, essa discussão já está pacificada em nossos Tribunais, pois ao contrário dos arestos colacionados pela Caixa Seguradora, o posicionamento recente é de que tendo os danos ocorrido no período do financiamento, vício de construção, a quitação do contrato de financiamento após os sinistros não afasta o dever de indenizar.

Trago ao ensejo julgados do Tribunal de Justiça de Santa Catarina: "(...)Argúi a seguradora a ilegitimidade ativa dos autores, sob o argumento de que o seguro habitacional possui vigência somente durante o prazo de o financiamento do imóvel, logo, fornecido o termo de quitação da dívida, não incidem mais sobre os imóveis as coberturas previstas na apólice. Todavia, tal alegação não merece ser acolhida. Isso porque, o fato do imóvel já estar quitado não implica em perda da qualidade de segurado, haja vista que os danos existentes nos imóveis ocorreram no período de vigência do financiamento, de maneira tal que a quitação do

contrato de financiamento após os sinistros não afasta o dever de indenizar, caso fique comprovado que o sinistro se enquadra nas hipóteses acobertadas pela apólice(...)(Apelação Cível nº 2008. 033891-0, Relator: Des. Mazoni Ferreira, Data da Publicação: 05.11.2008). "(...)A posterior quitação do CONTRATO de mútuo habitacional não extingue o dever de reparar os prejuízos decorrentes de vícios construtivos, posto possuirem natureza progressiva e incidência desde a construção(..)(Apelação Cível nº 2007.059713-3, Relator: Des. Fernando Carioni, Data da Publicação: 19.03.2008) Da mesma forma os julgados do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul: "(...). A quitação do contrato de financiamento não exime a seguradora do dever de indenizar, uma vez comprovado os vícios na construção do imóvel adquirido através do Sistema Financeiro da Habitação. Verificado os vícios na construção na vigência do contrato de seguro, a seguradora

222

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

é parte legítima para figurar no pólo passivo da demanda.(...). (Agravo de Instrumento Nº 70029240579, Quinta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Gelson Rolim Stocker, Julgado em 27/03/2009) "(...) Quando há alegação de que os danos físicos nos imóveis se materializaram ainda quando vigente o contrato de seguro, a posterior quitação do pacto não tem o condão de extinguir eventual dever de reparar os prejuízos advindos no período em que este vigorava.(...)". (Agravo de Instrumento Nº 70025536665, Quinta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge Luiz Lopes do Canto, Julgado em 25/08/2008)

E, finalmente o entendimento do STJ traduzido no julgado abaixo:"SEGURO. Apuração do sinistro após cancelado o contrato. Responsabilidade da seguradora por fato ocorrido na vigência do contrato. Recurso conhecido e provido." (STJ - REsp n. 193.595/SP, Quarta Turma, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, j. 2-2-99). Pelo exposto, rejeito esta preliminar. Da Prescrição Ânua Não há como acolher a alegação de prescrição. O STJ já decidiu que não há como aplicar a prescrição anua, visto que em casos que se pleiteia a cobrança da indenização securitária por vícios de construção, sendo impossível de fixar a data do início do sinistro, não incide a prescrição suscita. Assim são os arestos colacionados: "AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO ORDINÁRIA DE RESPONSABILIDADE OBRIGACIONAL SECURITÁRIA - SFH - PRESCRIÇÃO ÂNUA - INAPLICABILIDADE - SEGURO HABITACIONAL OBRIGATÓRIO - RESPONSABILIDADE DA SEGURADORA - RECONHECIMENTO PRECEDENTES - RECURSO IMPROVIDO".( AgRg no Ag 1127448 / RS, Relator: Min. Massami Uyeda, Órgão Julgador: Terceira Turma, Data da Publicação/Fonte: DJe 16/03/2011).

"RECURSOS ESPECIAIS - PROCESSUAL CIVIL - SEGURO HABITACIONAL - OMISSÕES - INEXISTÊNCIA - PRESCRIÇÃO - INOCORRÊNCIA - MUTUÁRIOS-SEGURADOS - LEGITIMIDADE ATIVA - MULTA DECENDIAL - LEGALIDADE DE SUA COBRANÇA QUANDO PREVISTA NO CONTRATO - LIMITAÇÃO PELO VALOR DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL - ART. 920 DO CÓDIGO CIVIL DE 1916 - RECURSO PROVIDO. I. Embora rejeitando os embargos de declaração, o acórdão recorrido examinou, motivadamente, todas as questões pertinentes, logo, não há que se falar em ofensa ao art. 535 do Código de Processo Civil. II. Considerando a explicitação do Acórdão recorrido diante da impossibilidade de ser detectável de pronto o sinistro, não há como reconhecer a prescrição pleiteada. III. Os mutuários-segurados são legítimos a pleitearem o recebimento da multa junto com o adimplemento da obrigação, quando presentes vícios decorrentes da construção.

IV. É devida a multa decendial, pactuada entre as partes para o caso de atraso do pagamento da indenização, limitada ao valor da obrigação principal (art. 920 do Código Civil de 1916). Recurso especial de SEBASTIÃO DONIZETE DE SOUZA E OUTROS provido, em parte, e Recurso especial de CAIXA SEGURADORA S/A não conhecido".(grifo nosso) (REsp 1044539 / SP, Relator: Min. Sidnei Benetti, Órgão Julgador: Terceira Câmara, Data da Publicação/Fonte: DJe 25/03/2009)

Assim rejeito a preliminar. DO MÉRITO: No mais a sentença deve ser mantida in totum. Com base na prova produzida, principalmente nos laudos periciais, ficou constatada a existência do vício de construção, sendo assim o julgado vergastado, corretamente, entendeu pelo dever da seguradora apelante arcar com o pagamento da indenização, pois tal dever está prescrito na apólice de seguro ao qual aderiu os mutuários do sistema financeiro de habitação, além de estar em consonância com a jurisprudência desta Corte e do Superior Tribunal de Justiça. Aliás, incide sobre o caso a Súmula 58/TJPE: " A existência de vício de construção não afasta a cobertura securitária decorrente de contrato de seguro habitacional". Nada há para reformar na decisão, primeiro porque a demanda trata de cumprimento de obrigação securitária, não se discutindo qualquer outra relação. Segundo, por estar em harmonia com a jurisprudência dos nossos Tribunais:

"Seguro habitacional. Responsabilidade da seguradora. Multa decendial. 1.A seguradora é responsável quando presentes vícios decorrentes da construção, não havendo como se sustentar o entendimento de que assim examinada a questão haveria negativa de vigência do art. 1.460 do antigo Código Civil.

2. O pagamento da multa decendial deve ser feito ao mutuário. Vencido, nessa parte, o Relator.3. Recurso especial conhecido e provido, em parte".( Resp 813898, Relator: Min. Carlos Alberto Menezes Direito, Terceira Turma, Data da Publicação: 28.05.2007, p.331) "(...)Por isso, cabe à seguradora efetuar a fiscalização das obras do loteamento em exame, no qual os citados autores possuem seus imóveis, sendo lícito seu acionamento pelos requerentes, pois a responsabilidade pelos danos também é responsabilidade da requerida, mormente quando a seguradora, durante a construção dos imóveis, não os fiscaliza(...)".( TJ/SC, Apelação Cível nº 2007.023497-0, Relator: Des. Monteiro Rocha, Data da Publicação: 19.08.2009).

223

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Portanto, é a seguradora a responsável pela cobertura dos riscos apontados na apólice, cabendo-lhe proceder ao pagamento das indenizações em casos de sinistro, pois o contrato de seguro habitacional, objeto da lide, se dá em nome e para o benefício do mutuário. Em relação a incidência da multa decendial, está prevista na cláusula 17, subitem 17.3 do contrato de seguro, que estabelece em caso de atraso no pagamento da indenização, a multa de 2% por cada decêndio ou fração, sem prejuízo da correção monetária.

Aliás, este é o entendimento deste Tribunal sedimentado através da Súmula 101:

"É válida a multa decendial prevista no contrato de seguro habitacional para o atraso do pagamento da indenização, limitada ao valor da obrigação principal".

Entendimento este alinhado com a jurisprudência do STJ:

"Seguro habitacional. Responsabilidade da seguradora. Multa decendial.

1. A seguradora é responsável quando presentes vícios decorrentes da construção, não havendo como se sustentar o entendimento de que assim examinada a questão haveria negativa de vigência do art. 1.460 do antigo Código Civil. 2. O pagamento da multa decendial deve ser feito ao mutuário. Vencido, nessa parte, o Relator. 3. Recurso especial conhecido e provido, em parte".( REsp 813898 / SP, Relator: Carlos Alberto Menezes Direito, Órgão Julgador: Terceira Turma, data da publicação: 28/05/2007)

"RECURSOS ESPECAIS. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. OMISSÃO NO ACÓRDÃO. IMPRESCINDÍVEL A OPOSIÇÃO DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO, A FIM DE SANAR EVENTUAIS VÍCIOS. SEGURO HABITACIONAL. ALCANCE DA COBERTURA. MATÉRIA DECIDIDA COM BASE NAS PROVAS DOS AUTOS

E INTERPRETAÇÃO DE CLÁUSULA CONTRATUAL. SUMULAS 5 E 7/STJ. A MULTA DECENDIAL LIMITA-SE AO VALOR DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL. 1. À falta do prequestionamento, não há como analisar as assertivas de violação dos arts. 178, § 6º, II, do CPC; 1.062, 1457 e 1460 do CC/16. Imprescindível, no caso, a oposição dos embargos de declaração, para suprir as omissões do acórdão. 2. Havendo as instâncias ordinárias interpretado as cláusulas contratuais e as provas dos autos para concluir pela existência da cobertura dos vícios de construção, não há como infirmar tais fundamentos sem incorrer nas vedações contidas nos enunciados nºs 5 e 7/STJ. 3. 3. De todo modo, é orientação pacífica nesta Corte que a seguradora é responsável quando presentes vícios decorrentes da construção, não havendo como se sustentar o entendimento de que assim examinada a questão haveria negativa de vigência do art. 1.460 do antigo Código Civil. 4 . A multa decendial pactuada para o atraso do pagamento da indenização limita-se ao valor da obrigação principal. Recurso conhecido, em parte, e provido".( REsp 186571 / SC, Relator: Luis Felipe Salomão, Órgão Julgador: Quarta Turma, Data do julgamento: 01/12/2008).

Por tudo o exposto, e com fulcro no Art. 557 de CPC, nego seguimento ao recurso interposto pela Caixa Seguradora S/A, por estar o mesmo em confronto com a jurisprudência dominante deste Tribunal e do Superior Tribunal de Justiça.

Publique-se.

Recife, 30/09/2011

Juiz José Henrique Coelho Dias da Silva Relator Convocado

EDITAL DE CITAÇÃO nº 002/201 1 - 3ª CC/DC( CORTE ESPECIAL) Prazo - 30 (trinta) dias

O Exmo. Des. Antonio de Lima e Melo, integrante d a Corte Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, em virtude da Lei, etc... F A Z S A B E R a RIVADÁVIA OLÍMPIO DA ROCHA , sem qualificação nos autos, ou a quem interessar possa, que por parte do ESTADO DE PERNAMBUCO foi interposta Ação Rescisória , Proc. nº. 78899-0. Em sendo assim, fica CITADO o Sr. 224

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

RIVADÁVIA OLÍMPIO DA ROCHA , para CONTESTAR a presente ação, no prazo de 30 (trinta) dias , contados a partir do término do prazo do presente Edital, que será afixado no local de costume e publicado no Diário da Justiça, a fim de que chegue ao conhecimento de todos. DADO E PASSADO nesta Comarca do Recife, Capital do Estado de Pernambuco, aos 22 dias do mês de setembro do ano de dois mil e onze (2011). Eu, ____________________ , Diretor Adjunto, subscrevo.

Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator Substituto

DESPACHOS - 3ª CC

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14199 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Ana Paula Barbosa da Silva Antonio Almir do Vale Reis Clávio de Melo Valença Filho Félix Santos Ivaldo Nunes de Moura Jose Severino da Silva Júnior José Pessoa Lins Júnior Luís Vital do Carmo Filho Monica Lucia G.de Lima Walber Fernandes de Souza Ribeiro e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outros

Ordem Processo 003 0233626-9/01 001 0010786-8 004 0240281-1/02 001 0010786-8 001 0010786-8 002 0196484-9/01 003 0233626-9/01 002 0196484-9/01 001 0010786-8 004 0240281-1/02 003 0233626-9/01 004 0240281-1/02 002 0196484-9/01

A Diretora informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. 0010786-8 Comarca Autor Advog Advog Advog Estag. Estag. Réu Advog Procurador Orgao Julgador Relator Revisor Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DO DESEMBARGADOR EDUARDO SERTÓRIO 3ª CÂMARA CÍVEL Ação Rescisória : Recife : Maria Madalena Mota Maranhao : Ivaldo Nunes de Moura : Monica Lucia G.de Lima : Félix Santos : José Felix de Lima Santos Filho : Poliana de Cássia Lucas Ferraz : Espolio De Manoel Francisco Nunes,representado P/maria José Nunes : Antonio Almir do Vale Reis : Dra. Nelma Ramos Maciel Quaiotti : 3ª Câmara Cível : Des. Milton José Neves : Des. Sílvio de Arruda Beltrão : Despacho : 30/09/2011 13:16 Local: Diretoria Cível

Ação Rescisória: nº. 10786-8 Autor: Maria Madalena Mota Maranhão Réu: Espólio de Manoel Francisco Nunes 225

Edição nº 184/2011 Relator: Des. Eduardo Sertório

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

DESPACHO

Tendo em vista a petição de folha 230 do Espólio de Manoel Francisco Nunes, requerendo a reconsideração da decisão que indeferiu o pedido de levantamento da caução (folha 227), concedo o prazo de trinta dias ao réu para apresentar a concordância dos herdeiros em relação ao pleiteado levantamento.

Publique-se.

Recife, 30/9/2011

EDUARDO SERTÓRIO Desembargador Relator

1 5 - Ação Rescisória nº 10786-8

002. 0196484-9/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig. Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO

Embargos de Declaração : Recife : 29º Vara Cível : Emanuel Carlos Cardoso Diniz : Luís Vital do Carmo Filho : e Outros : Aurimenes dos Albuquerque Dias : Jose Severino da Silva Júnior : e Outros : Emanuel Carlos Cardoso Diniz : Luís Vital do Carmo Filho : e Outros : Aurimenes dos Albuquerque Dias : Jose Severino da Silva Júnior : e Outros : 3ª Câmara Cível : Des. Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto : 0016528-88.2005.8.17.0001 (196484-9) : Despacho : 30/09/2011 15:54 Local: Diretoria Cível

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DO DESEMBARGADOR EDUARDO SERTÓRIO 3ª CÂMARA CÍVEL

Embargos de Declaração: nº 196484-9/01

DESPACHO Considerando a possibilidade dos presentes embargos de declaração promoverem a integralização da decisão recorrida, e, em respeito ao princípio do contraditório e ao entendimento pacífico no STJ (REsp 520.467/SP, RHC 90532), intime-se a parte embargada para, querendo, apresentar as contrarrazões, no prazo de 05 (cinco) dias.

Após o decurso do prazo, voltem-me conclusos.

Publique-se. Cumpra-se.

226

Edição nº 184/2011 Recife, 29/9/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

EDUARDO SERTÓRIO Desembargador Relator

21 (25) - ED 196484-9/01

003. 0233626-9/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Advog Embargante Advog Advog Embargado Advog Advog Orgao Julgador Relator Proc. Orig. Despacho Última Devolução DESPACHO

Embargos de Declaração : Olinda : 5ª Vara Cível : SANDRA MARIA DA SILVA : José Pessoa Lins Júnior : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : BANCO GMAC S/A : Ana Paula Barbosa da Silva : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : SANDRA MARIA DA SILVA : José Pessoa Lins Júnior : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : BANCO GMAC S/A : Ana Paula Barbosa da Silva : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 3ª Câmara Cível : Des. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : 0008069-69.2007.8.17.0990 (233626-9) : Despacho : 30/09/2011 15:04 Local: Diretoria Cível

Tratam-se de Embargos Declaratórios, sob efeitos infringentes. Sendo assim, em respeito ao princípio do contraditório insculpido no Art. 5º, LV, da CF/88, bem como para evitar futuras alegações de cerceamento dessa garantia constitucional, intime-se o Embargado, para querendo, oferecer contra-razões no prazo legal.

À Diretoria Cível.

Após, retornem-me os autos conclusos.

Publique-se. Intime-se. Cumpra-se.

Recife, 30 de setembro de 2011.

Des. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator

004. 0240281-1/02 Comarca Vara Apelante Advog Advog Advog Embargante Advog Embargado Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator

Embargos de Declaração : Recife : 27ª Vara Cìvel : Danise Siqueira da Cunha e outro e outro : Walber Fernandes de Souza Ribeiro : Clávio de Melo Valença Filho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Danise Siqueira da Cunha : Walber Fernandes de Souza Ribeiro : Sul América Seguros de Vida e Previdência S/A : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : Clávio de Melo Valença Filho : e Outro(s) - conforme Regimento Interno TJPE art.66, III : 3ª Câmara Cível : Des. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo 227

Edição nº 184/2011 Proc. Orig. Despacho Última Devolução DESPACHO Intime-se a parte embargada para, querendo, manifestar-se sobre o recurso. Após, retornem-me os autos conclusos. Intime-se. : 0042135-98.2008.8.17.0001 (240281-1) : Despacho : 30/09/2011 15:04 Local: Diretoria Cível

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Recife, 30 de setembro de 2011.

Des. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator

DECISÃO TERMINATIVA 5ª CC

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14244 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado André Ricardo Passos de Souza Bruno Moreira Victor Bruére Daniel Hazin Pires Daniel Nunes Cordeiro de Assunção Felipe Tenório Bezerra Francisco Geraldo de H. Pereira Guilherme Freire de Moraes Guerra Juliane Deó da Silva Vinicius Magalhães de Sales

Ordem Processo 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5 001 0250365-5

O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0250365-5 Comarca Vara Agravte Advog Advog Advog Agravdo Advog Agravdo Advog Advog Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho

Agravo de Instrumento : Ipojuca : Vara Cível de Ipojuca : DESTILARIA TABU S/A : Guilherme Freire de Moraes Guerra : Daniel Nunes Cordeiro de Assunção : Daniel Hazin Pires : ALCOTRA DO BRASIL S/A : André Ricardo Passos de Souza : ULTRACARGO TEQUIMAR : Francisco Geraldo de H. Pereira : Vinicius Magalhães de Sales : Bruno Moreira Victor Bruére : Juliane Deó da Silva : Felipe Tenório Bezerra : 3ª Câmara Cível : Des. Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto : Decisão Terminativa 228

Edição nº 184/2011 Última Devolução PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DO DESEMBARGADOR EDUARDO SERTÓRIO 3ª CÂMARA CÍVEL : 30/09/2011 13:16 Local: Diretoria Cível

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Agravo de Instrumento: Nº. 250365-5 - Ipojuca -Vara Cível Agravante: Destilaria Tabu S/A Agravadas: Alcotra do Brasil S/A e Ultracargo Tequimar Relator: Des. Eduardo Sertório

DECISÃO TERMINATIVA

Cuido de agravo de instrumento interposto pela Destilaria Tabu S/A contra decisão do juiz da Vara Cível de Ipojuca que indeferiu pedido liminar em ação cautelar movida contra a Alcotra do Brasil S/A e Ultracargo Tequimar, ora agravadas.

A Destilaria Tabu ajuizou medida cautelar inominada (fls. 60/86) contra as agravadas alegando existir a celebração de um contrato de parceria (joint venture) com a Alcotra, com o objetivo de importar álcool dos Estados Unidos para comercialização na região nordeste do Brasil. A referida parceria não se desenvolveu regularmente por vários descumprimentos contratuais pela Alcotra, dentre outros, a não entrega do produto no prazo pré-ajustado com as distribuidoras. Defende ter celebrado contrato de venda de álcool para a Petrobrás Distribuidora, todavia, a agravada não libera o álcool estocado no Porto de Suape. Diante de tal situação, formula pedidos liminares objetivando: a) liberação de 3.840 metros cúbicos de álcool combustível armazenado na Tequimar e retido pela Alcotra; b) manutenção do roll over autorizado e posteriormente desautorizado pela primeira agravada; c) juntada de notas fiscais e conhecimentos de cargas referentes ao produto objeto do pleito liminar; d) abstenção de praticar quaisquer atos de bloqueio relativos ao álcool objeto da liminar pretentida.

Na decisão agravada às fls. 53/55, a juíza singular indeferiu os pedidos liminares devido a ausência da prova inequívoca sobre a verossimilhança da alegação. Isso porque, a ora Agravante não teria provado a existência de um contrato de relação permanente com a agravada. Caberia a ela a mediação entre possíveis compradores do álcool, todavia, não existe o valor de sua remuneração na referida operação. O álcool é de propriedade da primeira agravada e mesmo existindo o descumprimento das condições de trabalho entre ambas, não há prova da existência de negociação com a Petrobrás, motivo pelo qual, não há razão para o álcool ser liberado.

Contra tal decisão a Destilaria Tabu interpôs o presente agravo de instrumento requerendo a concessão de efeito ativo e no mérito a reforma da decisão recorrida, para atender os pedidos liminares negados pelo togado monocrático.

No despacho de fls. 285, reservei-me a apreciar o pedido de tutela antecipada recursal após a intimação das agravadas para apresentarem contrarrazões.

A primeira agravada, Alcotra do Brasil Exportação e Importação Ltda. apresentou contrarrazões (fls. 295/318) alegando as seguintes preliminares: a) ilegitimidade passiva e b) incompetência absoluta do juízo devido a cláusula compromissória de arbitragem. No mérito, alega jamais ter existido um contrato de joint venture mas tão somente compra e venda de álcool combustível, onde restou contratado que a Agravante pagaria à Agravada uma parcela à vista de 10% (dez por cento) e o restante deveria ser pago e retirado do terminal portuário no prazo máximo de 60 (sessenta) dias contados do descarregamento do produto no terminal portuário. Todavia, a Agravante não efetuou o pagamento do valor acordado, motivo pelo qual não liberou o álcool.

A segunda agravada Terminal Químico de Aratu S/A - Tequimar, apresentou contrarrazões às fls. 490/497 alegando ilegitimidade passiva não possuindo qualquer relação contratual com a Agravante, sendo, tão somente contratada pela primeira agravada para estocar álcool de propriedade desta última.

É o relatório. Decido.

A questão objeto de apreciação no julgamento do presente recurso diz respeito tão somente a medida liminar indeferida pelo juízo monocrático.

Esta ressalva faz-se importante diante das questões preliminares arguidas pela primeira agravada em suas contrarrazões no que diz respeito a irregularidade do polo passivo, bem como, a existência de cláusula compromissória de arbitragem, retirando a competência da atividade jurisdicional prestada pelo Estado.

229

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Tais questões não serão objeto de apreciação neste momento recursal, visto que, a relação processual no primeiro grau não foi angularizada. A intimação das agravadas para apresentarem contrarrazões neste momento, deu-se, por extrema cautela, tão somente sobre o pedido de antecipação de tutela em grau recursal.

As matérias processuais arguidas pela primeira agravada, ainda não foram apreciadas pela instância monocrática, portanto, não podem ser enfrentadas nesta Corte, sob pena de supressão de instâncias.

Feito tal esclarecimento, passa-se ao enfrentamento do objeto litigioso, qual seja, o contrato envolvendo os litigantes e as decorrências das tratativas inexitosas.

A Agravante em suas razões recursais alega ter celebrado com a primeira agravada um contrato de joint venture, no objetivo de constituir uma parceria objetivando a importação de álcool dos Estados Unidos da América para comercializá-lo na região nordeste do Brasil.

Alega que para suprir o déficit de álcool na região (estimado aproximadamente em 1,2 milhões de metros cúbicos), discutiu de forma detalhada com a Alcotra, a necessidade de importação mensal de 10.000 a 15.000 metros cúbicos.

E o primeiro desafio da parceria seria o suprimento do produto nos meses de abril e maio deste ano, cujo volume previsto era de 26.000 metros cúbicos de álcool.

Dentre os compromissos firmados pela parceria, assevera que era obrigação da Alcotra adquirir o produto no mercado americano, organizar a embarcação de Houston para Suape, nos prazos acordados, remeter à Agravante as respectivas invoices (notas fiscais) e bills of landing (notas de embarque) e financiar a operação concedendo rolls over que são linhas de crédito fornecidas pela primeira Agravada para garantir a entrega do produto.

Por outro lado, caberia à agravante identificar compradores e de posse das invoices (notas fiscais) e bill of landing (notas de embarque), providenciar o desembaraço aduaneiro, recolhendo os respectivos tributos e efetuando as respectivas despesas para entregar o produto aos compradores.

Alega que os problemas surgiram desde o primeiro negócio firmado pela parceria. Isto porque, segundo suas alegações, a Alcotra não cumpriu o compromisso de entrega do produto, no prazo pré-ajustado com as distribuidoras, fato este inaceitável no ramo do comércio de combustíveis e que feriu de morte a imagem e a credibilidade da agravante.

Tal conduta seguiu-se nos demais contratos celebrados, ocorrendo diversos reagendamentos e renomeações de navios, comprometendo a parceria, bem como, levando as distribuidoras a buscarem outros fornecedores.

Relata ainda que, após atraso bastante significatico, conseguiu viabilizar a entrega de pequena parte, encontrando-se, a maior parte, ainda estocada na Tequimar, em montante correspondente a 3.840 metros cúbicos, quantidade esta já vendida à Distribuidoras, mas pendente de entrega.

E esta pendência, visualiza-se em mais um descumprimento da Alcotra pois, a) desautorizou o roll over de valor equivalente a US$ 4.000.000,00 (quatro milhões de dólares americanos) anteriormente autorizados e b) determinou o bloqueio junto à segunda agravada, da entrega do produto vendido às Distribuidoras, produto este que, não mais lhe pertencia.

A Alcotra do Brasil Exportação e Importação Ltda. em suas contrarrazões rebate as afirmações da agravante.

Inicialmente rebate a celebração de contrato de joint venture. Os contratos nominados V11/35, V11/39, V11/53 e V11/65 dizem respeito a compra e venda de álcool etílico anidro líquido, padrão ANP (Agência Nacional do Petróleo).

Assevera que os quatro contratos celebrados dizem respeito a mesma coisa, qual seja, a compra e venda de volumes do produto. No entanto, o volume, preço e formas de pagamento e liberação do produto foram modificadas no decorrer do tempo.

O preço para aquisição dos volumes do produto encontram-se dispostos da seguinte forma: a) Contract V11/035 = US$ 760/m3; b) Contract V11/39 = US$ 760/m3; c) Contract V11/053 = US$ 850m3.

No tocante ao contract V11/65 restou acordado o seguine: a) o preço base seria US$ 720m3; b) a Agravante venderia o produto no mercado interno pelo melhor preço, medidante aprovação prévia da Alcotra S/A e por escrito; c) o montante do lucro obtido com a negociação seria

230

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

dividido em partes iguais entre as partes e d) independente dos valores finais das vendas no mercado interno, a Agravante garantiu à Agravada, contratualmente, um preço mínimo de US$ 850/m3.

No tocante à forma de pagamento, restou assim acordado:

Contract V11/35: a) a agravante efetuaria o pagamento de uma parcela à vista, de 10% quando do recebimento das invoices(notas fiscais); b) o produto seria armazenado no Terminal Portuário e liberado gradativamente em lotes de, no mínimo, 1.000m3; c) o volume das retiradas nunca poderia exceder o limite rotativo de crédito de US$ 2.000.000,00 (dois milhões de dólares norte-americanos); d) o montante total devido pela Agravante à Agravada nunca poderia exceder a US$ 2.000.000,00; e) o restante do preço (90%), correspondente ao total do volume gradativamente liberado, deveria ser pago e retirado do terminal portuário no prazo máximo de 60 (sessenta dias) contados do descarregamento do produto no terminal portuário e f) para os primeiros 30 dias nenhum encargos será cobrado e para os demais haverá acrescido juros pro rata temporis de 6% ao ano.

Contract V11/39, V11/053, V11/65: a forma de pagamento fora mantida, somente sendo excluída a cobrança da parcela de 10% à vista quando do recebimento das invoices, sendo devido o pagamento da totalidade do produto liberado e retirado do terminal portário no prazo máximo de 60 dias, contados do correspondente descarregamento, conforme previsão contida na cláusula 10 dos aludidos contratos.

Em todos os contratos consta expressamente o valor máximo do limite rotativo de crédito, cumulativo a todos os contratos celebrados, qual seja, US$ 2.000.000; bem como a totalidade do volume liberado deveria ser pago e retirado do terminal portuário pela Agravante, impreterivelmente, até 60(sessenta) dias contados de cada descarregamento.

Conclui que não há fornecimento de uma "linha de crédito", mas tão somente um "limite rotativo de crédito", permanecendo a obrigação contratual da Agravante no pagamento do preço do volume contratado nos prazos acordados, prazo este à vista. Assim, este "limite rotativo de crédito" seria tão somente um prazo concedido para pagamento pela aquisição do produto. Em outras palavras: a Alcotra permitia que a Agravante retirasse o produto até o limite de US$ 2.000.000,00 sem o imediato pagamento, dando para a Agravante, um prazo de 60 dias para o pagamento.

Ressalva existir um valor máximo onde a agravante poderia deixar em aberto em decorrência do produto liberado, cumulativamente nos quatro contratos, todavia, jamais poderia exceder o limite rotativo de crédito US$ 2.000.000,00.

Na ótica da ALCOTRA, a agravante descumpriu os prazos estabelecidos nos contratos, encontrando-se em débito, vez que, não efetuou o pagamento dos valores correspondentes ao total do produto liberado nos prazos estipulados nos contratos, inclusive, o prazo máximo de 60 (sessenta dias) para a liquidação final de todos os pagamentos devidos e retirada do produto do terminal portuário.

Alega que em momento algum houve descumprimento em relação ao reagendamento dos navios e destinando os produtos contratados para a Região Centro-Sul. Aduz não existir nos autos qualquer documento que comprove tal alegação, bem como a Agravante não especificou quais os carregamentos que foram desviados e os volumes dos produtos que não lhes foram entregues.

Em relação a desautorização do roll over para o limite rotativo de US$ 4.000.000,00, a ALCOTRA esclarece que em 12 de julho de 2011 foi procurada pela Agravante alegando que não poderia perder a oportunidade de vender um volume de 20.000m3 ao preço unitário de R$1.500m3 para a Petrobrás, contudo seria necessária a concordância do aumento do limite rotativo de crédito para US$ 4.000.000,00. Existiu a concordância da ALCOTRA com o aumento do limite solicitado, todavia, condicionado à Agravante comprovar a referida venda, ao menos, troca de e-mails com o fechamento do negócio, comprovação esta que jamais foi apresentada à Agravada, daí o motivo da recusa.

Revela que a Agravante continuava insistindo no aumento do limite de crédito, todavia, a sua dívida junto a ALCOTRA ostenta a cifra de US$ 5.122.793,37, da seguinte forma:

a) US$ 2.497.825,88 - volumes do produto recebidos e não pagos do Contrat V11/035; b) US$ 1.771.702,08 - volumes do produto recebidos e não pagos do contract V11/039; c) US$ 621.226,91 - volumes do produto recebidos e não pagos do contract V11/053 d) US$ 306.423,27 - juros, custos de armazenagem e sobrestadia.

Caso houvesse a quitação de tal débito, a parceria seria retomada, conforme correspondência enviada por e-mail em 18 de julho de 2011. Inexistindo o pagamento, não há mais como liberar qualquer mercadoria diante da quebra da confiança na relação contratual.

Exposta toda a problemática fática, passa-se a análise do direito.

231

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

De início, nunca é demais salientar que a problemática envolvida do presente litígio deve ser solucionada de acordo com a situação processual apresentada, qual seja, análise de uma decisão liminar, de cognição provisória. O feito sequer foi angularizado na primeira instância. Devido a cautela tomada nesta instância, ambas as agravadas foram intimadas para se pronunciarem sobre o pedido liminar denegado. É neste quadro processual, de cognição precária, a análise da pretensão da agravante.

Independentemente da natureza contratual celebrada entre as partes, se contrato de joint-venture ou compra e venda, pela leitura dos instrumentos anexados pela Alcotra, extrai-se das cláusulas contratuais o seguinte: a) trata-se de relação contratual onde a Destilaria Tabu adquire da Alcotra álcool etílico anidro líquido , padrão ANP para venda nomercado interno; b) os preços variaram de acordo com cada contrato; c) é obrigação da Alcotra entregar à Tabu o álcool contratado no Porto (terminal alfandegado) e d) é obrigação da Tabu pagar por este álcool de acordo com a regra estipulada em cada contrato.

No contrato V11/035 o pagamento se dá conforme previsão contida na cláusula 10, abaixo transcrita (fls. 395/396):

10. PAGAMENTO Entrada. Os COMPRADORES pagarão antecipadamente aos vendedores uma entrada de 10% (dez por cento) do valor do contrato (US$ 380.000 - trezentos e oitenta mil dólares estadunidenses), no dia 5 de abril de 2011, perante fatura dos VENDEDORES. Saldo de Pagamento. O pagamento dos 90% restantes (noventa por cento) será efetuado, em dólares estadunidenses, CAD (contra apresentação de documento), pelos COMPRADORES aos VENDEDORES, em conta aberta a ser deliberado pelos VENDEDORES, como a seguir: 1) O produto será entregue pelos VENDEDORES no Terminal do Porto de Suape e o Terminal reterá o produto em nome dos VENDEDORES/ Banco dos VENDEDORES, a ser nomeado pelos VENDEDORES, com a emissão de Certificado de Retenção/Garantia, a favor do VENDEDORES/Banco dos VENDEDORES, de modo aceitável pelos VENDEDORES. Portanto, neste ato, fica acordado que o terminal contratado será um Terminal Alfandegado e consignado à Alcotra do Brasil Exp. E Imp. Ltda. O produto será nacionalizado, somente após o pagamento do saldo de 90% do preço. 2) OS COMPRADORES pagarão e retirarão o volume contratado do Terminal no prazo máximo de 60 (sessenta) dias após a data da descarregamento no Porto de Suape, Brasil. Não haverá cobranças adicionais nos primeiros 30 (trinta) dias, entretanto, nos 30 (trinta) dias subsequentes, os COMPRADORES pagarão aos VENDEDORES juros na ordem de 6% (seis por cento) ao ano, calculados pro rata temporis. 3) OS VENDEDORES/Banco dos VENDEDORES autorizarão o Terminal a liberar o produto aos COMPRADORES, somente, em lotes de no mínimo, 1.000 CBM a 20ºC (um mil metros cúbicos a vinte graus Celsius) e mediante pagamento do saldo de 90% do Preço. Cada uma das partes pagará os seus próprios custos bancários. (grifos acrescidos)

No contato V11/039 a cláusula 10 (fls. 407/408), recebe a seguinte redação: 10. Pagamento. O pagamento será efetuado em dólares norte-americanos, CAD (documento contra apresentação), pelos COMPRADORES aos VENDEDORES, em uma conta aberta a ser informada pelos VENDEDORES como segue: Os VENDEDORES armazenarão o produto em Terminal Alfandegado em Cabedelo, Brasil e liberarão o produto gradualmente. Os COMPRADORES podem retirar até USD 2.000.000 (dois milhões de dólares norte-americanos) do valor do produto (valor total incluindo os trêscontratos V11/035, V11/039 e V11/053), pagando aos VENDEDORES à vista após a liberação do produto. 2) O valor cumulativo total devido pelos COMPRADORES aos VENDEDORES não podem exceder 2(dois milhões de dólares). Este é um crédito rotativo e a qualquer hora que os COMPRADORES pagarem qualquer quantia aos VENDEDORES, eles estarão autorizados a retirarem a mesma quantia de produtos. 3) O produto será entregue pelos VENDEDORES no Terminal em Cabedelo, Brasil e o Terminal reterá o produto em nome dos VENDEDORES/ Banco dos VENDEDORES, de modo aceitável pelos VENDEDORES. Portanto, neste ato, fica acordado que o Terminal contratados será um terminal alfandegado, e que o produto, durante o armazenamento, será alfandegado e consignado à Alcotra do Brasil Exp. e Imp. Ltda. O produto será nacionalizado, somente, após o pagamento. 4) OS COMPRADORES pagarão e retirarão o volume contratado do Terminal no prazo máximo de 60 (sessenta) dias após a data do descarregamento em Cabeledo, Brasil. Não haverá cobranças adicionais nos primeiros 30 (trinta) dias, entretanto, nos 30 (trinta) dias subsequentes, os COMPRADORES pagarão aos VENDEDORES juros da ordem de 6% (seis por cento) ao ano, calculados pro rata temporis. 5) OS VENDEDORES/Banco dos VENDEDORES autorizarão o Terminal a liberar o produto aos COMPRADORES, somente, em lotes de no mínimo, 1.000 CBM a 20º C (um mil metros cúbicos a vinte graus Celsius). Cada uma das Partes pagará aos seus próprios custos bancários.

A condição de pagamento acima transcrita praticamente se repete nos contratos V11/053(fls. 417/418) e V11/065 (fls. 427/428).

232

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Pela leitura das cláusulas contratuais acima referidas extrai-se duas premissas básicas: uma, o álcool é de propriedade da ALCOTRA; duas, a liberação do álcool só se faz mediante pagamento. Tal obviedade leva a conclusão que: não haveria qualquer interesse da ALCOTRA reter álcool em tanques de armazenamento no porto, quando o mercado interno encontra-se desabastecido, conforme afirmado pelo próprio agravante.

Assim, deve existir uma razão muito forte para não entregar este álcool à Agravante, pois ambos encontram-se no prejuízo. E tal razão, qual seja, o inadimplemento da Tabu para com a Alcotra encontra-se incontroversa nos autos.

Na correspondência anexada às fls. 466/468, bem com vários e-mails trocados entre os litigantes (fls. 449/460 e 474/476), há menção sobre débitos relativos ao álcool já entregue. Destaca-se o e-mail contante às fls. 459 onde o Sr. Jorge Jafet, representante da Alcotra, pede confirmação do pagamento de US$ 3.040.000,00 referentes a 4.000m3 já liberados, existindo por parte do Sr. Anderson Cunha, representante da TABU, a confirmação que fará o pagamento no prazo acordado, todavia, não há nenhuma prova nos autos sobre a sua realização.

No e-mail às fls. 457, o representante da TABU assevera expressamente que irá realizar o pagamento de US$ 1.763.000,00 e de igual modo, não há nos autos qualquer prova do aludido pagamento.

No e-mail constante às fls. 454/455 há expressa confissão de débitos pelo Sr. Anderson Cunha, representante da TABU, cujo trecho ora se transcreve:

"(...) Portanto, vamos definir a próxima liberação conforme o contrato: (...) 3. O valor total que a Tabu deve pagar é 2.202.920, incluindo a nova liberação solicitada.

Resumindo, peço que libere os 1.267.000 litros de álcool restantes na TECAB até o final da manhã de amanhã para que a Tabu possa transferir o valor de US$ 2.209.920 para a conta bancária da Alcotra amanhã à tarde. (grifos acrescidos)

A situação é de fácil identificação. Existe uma situação de débito da Agravante para com a Agravada e aquela insiste na liberação de mais mercadoria, inclusive aumento da linha de crédito.

Na visão perfunctória que exige o presente momento contratual, não se enxerga qualquer óbice da Agravada ALCOTRA no tocante a liberação da mercadoria, caso houvesse o pagamento por parte da Agravante. Esta é exatamente a forma que ambas litigantes têm para ver concretizada a parceria que celebraram e obviamente obter os frutos desejados.

Agora, exigir-se a continuação de uma linha de crédito, sem o devido pagamento, faz gerar a manutenção de uma situação de inadimplência sem fim.

Pelo que consta nos autos, é incontroverso a existência de um débito que já ostenta a casa dos US$ 2.000.000,00, embora a Alcotra sustente que tal débito já ultrapassou US$ 5.000.000,00. De uma forma ou de outra, apresenta-se totalmente desarrazoado liberar mais álcool de propridade da Alcotra, contra sua vontade, sem a respectiva contraprestação.

Mesmo confirmando-se a tese sustentada pela Agravante no tocante aos atrasos e desvios dos navios prometidos pela Alcotra conforme correspondência de fls. 164/169, é incontroverso que o álcool, atrasado ou não, foi recebido pela Agravante e não houve o pagamento do mesmo, pelo menos não existe nenhuma comprovação até então.

Um erro não justifica o outro. Se a Alcotra não cumpriu com sua obrigação de entregar o álcool no prazo estipulado, caberia à Agravante tomar as providências indenizatórias cabíveis. Todavia, se retirou a mercadoria e revendeu ao mercado, deve pagar à Agravada na forma contratada. Inexistindo o pagamento, cai por terra a tese sustentada pela Agravante.

Incidível, in casu, a regra da exceção do contrato não cumprido prevista no art. 476 do CC.

Por tais razões, não há como atender a pretensão da Agravante na totalidade dos pedidos formulados em sua tese recursal.

Com efeito, em toda a documentação anexada pela Agravante (fls. 21/278) não se encontra um único comprovante de pagamento da mercadoria retirada.

233

Edição nº 184/2011

Recife - PE, terça-feira, 4 de outubro de 2011

Em relação aos documentos anexados, registre-se ser objeto de apreciação tão somente aqueles nos moldes estabelecidos no art. 156 do CPC. Com efeito, os documentos em língua estrangeira não serão foram objeto de apreciação pois deveriam ser apresentados nos moldes estabelecidos no art. 157 do CPC.

De igual modo, a pretensão recursal deve ser indeferida no tocante ao aumento do crédito rotativo de US$ 2.000.000,00 para US$ 4.000.000,00.

Isso porque, por expressa previsão contratual, para a concessão da linha de crédito, faz-se necessário a existência do pagamento das mercadorias recebidas, o que não há comprovação, conforme acima mencionado.

Demais disso, nos e-mails trocados entre os representantes de ambas as litigantes às fls. 449/454, há expressa menção da concordância sobre o aumento do crédito, e tal situação é admitida pela Agravad anas suas razões recursais, todavia, condicionado ao pagamento do débito existente e comprovação pelo menos através de e-mail das tratativas da TABU e da Petrobras sobre o negócio e os termos convencionados. Nem uma coisa nem outra foi feita. Pelo menos é o que denuncia os autos até o presente momento.

A decisão do juízo monocrático deve ser mantida em todos os seus termos.

Por tais razões, NEGO SEGUIMENTO ao presente agravo, diante da sua manifesta improcedência.

Recife, 30/9/2011

EDUARDO SERTÓRIO Desembargador Relator

4 - AI 250365-5

DECISÃO TERMINATIVA 3ª CC

Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível

Relação No. 2011.14248 de Publicação (Analítica)

ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO

Advogado Ana Patrícia Vieira de Almeida Aníbal Cícero de Barros Velloso Dane Maria de Oliveira Feltes Estácio Lobo da Silva Guimarães Neto Fernando Antônio Cavalcanti de A. Maranhão Karla Wanessa Bezerra Guerra Luiz Cláudio Farina Ventrilho Marília Ferreira Silva Velozo Thiago Carlos de Lima e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III e Outro(s) - conforme Regimento I. T. a. III

Ordem Processo 004 0254829-0 005 0255228-7 005 0255228-7 002 0253806-3 001 0237681-6 003 0254152-4 002 0253806-3 005 0255228-7 001 0237681-6 001 0237681-6 002 0253806-3 003 0254152-4 004 0254829-0

O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos:

001. 0237681-6 Comarca Vara

Apelação : Recife : 31ª Vara Cível 234

em parte. e não apenas que conste tal previsão no contrato.000.um plano de saúde pode sofrer. certidão de fls. Por fim. 198). Sílvio de Arruda Beltrão : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:40 Local: Diretoria Cível TERCEIRA CÂMARA CÍVEL RECIFE . a pretensão autoral. reajuste por variação de custos. já que o próprio Código de Defesa do Consumidor só prevê a punição da repetição de indébito no caso da existência de má fé ou culpa do credor. 27 de agosto de 2010. Assim. como se sabe. do Contrato Individual de Seguro Saúde. terça-feira. Recife.172): "Diante do exposto. Defiro.66.175/191). Transcorrido in albis o prazo recursal. Pede o provimento do apelo para reformar a sentença e julgar totalmente improcedente a demanda. Declaro extinta a obrigação relativa aos depósitos judiciais efetuados. X da Lei 8078/90. exige-se autorização da ANS. por conseguinte.R. 4 de outubro de 2011 DECISÃO TERMINATIVA: Cuido de recurso de apelação interposto por SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE.I. defende a empresa apelante a existência de cláusulas contratuais que permitem o reajuste das mensalidades.E da Lei 9656/98: 235 . Ação de Consignação em Pagamento cumulada com Declaração Incidente para Acertamento de Contas e Danos Morais. reconhecendo a nulidade das cláusulas relativas aos reajustes. inclusive.. o que faço com esteio no art. 51. em parte. Não houve registro de contra-razões (cf. reconhecendo a nulidade das cláusulas relativas aos reajustes. III : Antonio Américo de Miranda : Fernando Antônio Cavalcanti de Albuquerque Maranhão : 3ª Câmara Cível : Des. respeitado o prazo de 1 ano da prescrição. JULGO PROCEDENTE. o pedido de antecipação dos efeitos da tutela. Cátia Luciene Laranjeira de Sá . o reajuste aplicado pela demandada.57% diante de tudo o que foi exposto anteriormente. Enfrento peça recursal que se põe contra a sentença que julgou procedente. sendo o prêmio reajustado de acordo com o instrumento contratual. ficando o consignado autorizado a efetuar o levantamento de toda a quantia depositada judicialmente.00 (mil reais). arquive-se. pela mudança da faixa etária. a qual possui a seguinte parte dispositiva: (fls." Noutro passo. condeno a ré ao pagamento das custas e honorários advocatícios que arbitro em R$ 1. P.Edição nº 184/2011 Apelante Advog Advog Apelado Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução ÓRGÃO JULGADOR: COMARCA: TIPO: PROCESSO Nº: APELANTE(S): APELADO(S): RELATOR: : SUL AMERICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE : Thiago Carlos de Lima : e Outro(s) ." Ao contrário do que afirma a empresa apelante em seu arrazoado. visando à reforma da sentença que julgou procedente. determinando a restituição dos valores pagos indevidamente pelo autor.Juíza de Direito.681-6 SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE ANTÔNIO AMÉRICO DE MIRANDA Desembargador SILVIO DE ARRUDA BELTRÃO Recife .31ª VARA CÍVEL APELAÇÃO 237. num só ano. em parte.conforme Regimento Interno TJPE art.PE.. para o aumento na mensalidade de segurados acima de 60 anos. não pode o autor querer apenas a aplicação do reajuste de 11. Na síntese do recurso (fls. DECIDO. defende inexistir cobrança ilícita a ponto de permitir o reembolso de valor pago. os pedidos contidos na Ação de Consignação em Pagamento cumulada com Declaração Incidente para Acertamento de Contas e Danos Morais proposta ANTÔNIO AMÉRICO DE MIRANDA. uma vez que restou demonstrado a licitude do reajuste etário do contrato. para que a ré se abstenha de suspender a prestação dos serviços para o autor e seus dependentes. por variação de faixa etária e por revisão técnica. tudo referente ao reajuste do Plano de Saúde mantido entre as partes. ". na conformidade do que consta do artigo 35 . 16 e 17. desconstituindo. o que não ocorreu. na conformidade do que expressa às cláusulas 15. além do que. ainda. É o importante a ser relatado.

º 9. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça. com amparo no Artigo 557. Deve ser declarada a abusividade e consequente nulidade de cláusula contratual que prevê reajuste de mensalidade de plano de saúde calcada exclusivamente na mudança de faixa etária. o que o qualifica como idoso. Relator: Min. PLANO DE SAÚDE. 4 de outubro de 2011 "Art. "AGRAVO REGIMENTAL.º 9. o que. Vasco Della Giustina. Destarte.º 9. RECURSO DESPROVIDO. 15. conforme normas expedidas pela ANS.Edição nº 184/2011 Recife .qualquer variação na contraprestação pecuniária para consumidores com mais de sessenta anos de idade estará sujeita à autorização prévia da ANS. Assim posta. 15 da Lei n. na forma prevista no artigo 557. o que impede especificamente o reajuste das mensalidades dos planos de saúde que se derem por mudança de faixa etária. 1. "AGRAVO REGIMENTAL. Relator: Min. a sua discriminação. O art. Agravo regimental desprovido". I. Sidnei Beneti.( AgRg no AgRg no REsp 533539 / RS. Data da Publicação/Fonte: Dje 06/05/2011). nos termos do art. vê-se que a insurgência aqui manifestada não encontra guarida em nossos Tribunais e. o próprio parágrafo único do aludido dispositivo legal veda tal variação para consumidores com idade superior a 60 anos. REAJUSTE DE MENSALIDADES EM RAZÃO DE MUDANÇA DE FAIXA ETÁRIA. REAJUSTE EM DECORRÊNCIA DE MUDANÇA DE FAIXA ETÁRIA. A jurisprudência deste Tribunal Superior consagrou o entendimento de ser abusiva a cláusula contratual que prevê o reajuste da mensalidade de plano de saúde com base exclusivamente em mudança de faixa etária. II. VEDADA A DISCRIMINAÇÃO EM RAZÃO DA IDADE. VEDAÇÃO. Data do Publicação/Fonte: DJe 16/12/2010). do Código de Processo Civil. A Agravante não trouxe qualquer argumento capaz de modificar a conclusão alvitrada. Publique-se. 1. mediante decisão terminativa de mérito. para manter íntegra a sentença proferida pelo juízo a quo. RECURSO ESPECIAL. fica estabelecido para os contratos celebrados anteriormente à data de vigência desta Lei que: I . 28/09/2011 Juiz JOSÉ HENRIQUE COELHO DIAS DA SILVA Relator Substituto 236 . PLANO DE SAÚDE. está em manifesto confronto com a jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça. do Código de Processo Civil. Fernando Gonçalves. Agravo regimental a que se nega provimento".E mesmo para os contratos celebrados anteriormente à vigência da Lei n. PRECEDENTES. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CIVIL. OCORRÊNCIA DE DISCRIMINAÇÃO E DE ABUSIVIDADE. do Estatuto do Idoso. Órgão Julgador: Quarta Turma. atraindo os recursos contra ele cabíveis. Pelos exemplos jurisprudenciais transcritos entendo. No entanto. REAJUSTE DE MENSALIDADE EM RAZÃO DE MUDANÇA DE FAIXA ETÁRIA (IDOSO). Agravo Regimental improvido". a qual se mantém por seus próprios fundamentos. 35-E da Lei n.656/98 faculta a variação das contraprestações pecuniárias estabelecidas nos contratos de planos de saúde em razão da idade do consumidor. Da leitura das razões expendidas na petição de agravo regimental não se extrai argumentação relevante apta a afastar os fundamentos do julgado ora recorrido. Órgão Julgador: Terceira Turma. § 3º.656/98." No mais. A partir de 5 de junho de 1998. 3. . qualquer variação na contrapestação contraprestação pecuniária para consumidores com mais de 60 anos de idade está sujeita à autorização prévia da ANS (art.( AgRg no REsp 325593 / RJ.( AgRg nos Edcl nos Edcl no Ag. INADMISSIBILIDADE. mormente se for consumidor que atingir a idade de 60 anos. sendo vedada. muito ao revés. III. Órgão Julgador: Terceira Turma. deve a decisão ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos. 2. 35-E. a sentença vergastada está em harmonia com a jurisprudência do STJ: "DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE.PE. caput.656/98). portanto. À luz das razões expostas e tendo em vista que o recurso manejado está em desarmonia com o entendimento do Superior Tribunal de Justiça. amparada pelos efeitos de acórdão. terça-feira. DECISÃO AGRAVADA MANTIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS. ESTATUTO DO IDOSO. Recife. 819369/RJ. Relator: Min. caput. autoriza o relator a exercer o juízo de mérito do recurso. Dada da Publicação/Fonte: Dje 08/03/2010). 2. na condição de órgão fracionário do Tribunal. desde que estejam previstas no contrato inicial as faixas etárias e os percentuais de reajuste incidentes em cada uma delas. sem mais delongas. que o recurso manejado não merece agasalho. Veda-se a discriminação do idoso em razão da idade. nego seguimento ao recurso de apelação interposto por SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE. RECURSO ESPECIAL.

237 . AÇÃO DE COBRANÇA. por meio de prova inequívoca. AUSÊNCIA DA VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES.e o "fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação".conforme Regimento Interno TJPE art. o agravante pleiteia a antecipação dos efeitos da tutela no sentido de ser excluído seu nome do SERASA e de todo e qualquer cadastro de inadimplentes. O receio de dano irreparável acha-se demonstrado à vista da inscrição do nome do agravante no SERASA. Contudo. de modo que não se reveste do atributo da "prova inequívoca". Analisando a documentação carreada aos autos. 25).por meio de prova inequívoca . até ulterior deliberação desse Juízo.COMPANHIA PERNAMBUCANA DE SANEAMENTO : Luiz Cláudio Farina Ventrilho : e Outro(s) . proferida nos autos da ação declaratória de inexistência de dívida c/c pedido de indenização por danos morais e com pedido de antecipação parcial da tutela.PE. solicitando a aplicação de multa diária. No caso dos autos. capaz de demonstrar a "verossimilhança das alegações". caput e inc. em virtude de suposto débito com a agravada. Segue argumentando que não reside no endereço onde houve o consumo de água que deu ensejo à emissão das faturas não pagas. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:04 Local: Diretoria Cível DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA Trata-se de agravo de instrumento interposto por Valmir João de Oliveira de decisão. O único comprovante de residência que instrui o feito é datado de 04 de abril de 2011 (fl. terça-feira. Assim. verifico que as cobranças de débito referem-se a período anterior ao acima referido. o que ensejou o presente agravo de instrumento. afirmando que se alguém está consumindo ou utilizando serviço da agravada é terceira pessoa. com fundamento na ausência da verossimilhança das alegações e prova inequívoca. em análise perfunctória. faz-se necessário a demonstração da verossimilhança das alegações. confira-se precedentes dessa Egrégia Corte acerca da impossibilidade da concessão da tutela antecipada quando ausentes os requisitos: Ementa PROCESSUAL CIVIL. que indeferiu o pedido de antecipação dos efeitos da tutela. são dos anos de 2009 e 2010 (fls. Conclui. 273. tal pleito não foi acatado. De seu turno. entendo que tal requisito não resta demonstrado. para a concessão da antecipação dos efeitos da tutela. nos termos do art. III : 3ª Câmara Cível : Des. 0253806-3 Comarca Vara Agravte Advog Agravdo Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução Recife . No ponto. relativamente aos débitos que reputa indevidos. Como esclarecido. Destarte. sem a demonstração dos requisitos legais. no início. 26/29). I do CPC vigente. verifico que o agravante argumenta ter sido surpreendido com a inscrição de seu nome no cadastro negativo do SERASA. É sabido que. mais precisamente. alguns resquisitos devem ser devidamente demonstrados. É o relatório. Compulsando os autos. não se admite a concessão da antecipação dos efeitos da tutela.Edição nº 184/2011 002. senão vejamos. vejo que os pressupostos seriam a demonstração da "verossimilhança das alegações" . Também requer que a agravada se abstenha de realizar nova inscrição negativa de seu nome em cadastros de inadimplentes ou de dar qualquer informação negativa a seu respeito.66. sem a autorização do agravante. 4 de outubro de 2011 Agravo de Instrumento : Recife : 2ª Vara Cível : VALMIR JOÃO DE OLIVEIRA : Estácio Lobo da Silva Guimarães Neto : COMPESA . proposta contra COMPESA. AGRAVO DE INSTRUMENTO À UNANIMIDADE IMPROVIDO. eis que reside na cidade de São Paulo. entendo que o único documento apresentado pelo agravante para tentar demonstrar que não foi responsável pelos supostos débitos junto à agravada revela-se frágil. Nesse contexto fático. como reconhecido pela agravada nas contra razões do recurso e documentos apensados.

NO SENTIDO DE SUSPENDER OS EFEITOS DA TUTELA ANTECIPADA . Número de Origem Ricardo de Oliveira Paes Barreto. CIVIL. 3. em favor do IRH. sob alegação de abusividade e anatocismo. Número de Origem: 01987506. REQUISITOS NÃO CONFIGURADOS. Ante o exposto. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:04 Local: Diretoria Cível 238 .2009. Rel.Decisão unânime. Para a concessão da tutela antecipada incumbe ao requerente demonstrar a presença dos requisitos autorizadores descritos no art. mormente quando há afirmação da recorrente no sentido de que. Na espécie.DECISÃO DE 1º GRAU QUE DEFERIU A TUTELA ANTECIPADA.AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS C/C PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA DECORRENTE DE ÓBITO DE PACIENTE EM UNIDADE HOSPITALAR . DEIXANDO ASSIM DE PREENCHER OS REQUISITOS ELENCADOS NO ART. NEGO seguimento ao presente agravo de instrumento por estar em confronto com jurisprudência dominante desse Egrégio Tribunal. Comarca: Recife.conforme Regimento Interno TJPE art. quais sejam.0000 (194097-8). Intime-se. PRECEDENTES DO STJ. nos termos dos precedentes do STJ. Data de Julgamento: 3/12/2009). AUSÊNCIA DE DEPÓSITO.MODIFICAÇÃO DA DECISÃO QUE SE IMPÕE. Relator: Sílvio de Arruda Beltrão.8. ANATOCISMO.8. Tão logo a presente decisão esteja albergada pelo manto da coisa julgada. III : BRADESCO SAÚDE S/A : 3ª Câmara Cível : Des. DEU-SE PROVIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO. (Original sem grifos) 5.AGRAVO DE INSTRUMENTO . quando forem inquiridas todas as testemunhas. (Original sem grifos) (Agravo de Instrumento: 0008179-70.PROVA DOCUMENTAL QUE ISOLADAMENTE NÃO AUTORIZA A ANTECIPAÇÃO DA TUTELA DE MÉRITO. CONTRATOS.0000 (198750-6/01).: Ementa: PROCESSO CIVIL.PE. a existência de prova inequívoca que convença da verossimilhança das alegações e o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Comarca: Olinda. VALOR INCONTROVERSO. 01127395020098170001. toda e qualquer dúvida sobre a suposta falta de pagamento do agravado pelos serviços por ela prestados. À unanimidade.2009. TUTELA ANTECIPADA.66.SUSPEITA QUANTO AOS EFEITOS DO USO DO SORO RINGER LACTATO EM RELAÇÃO AO FALECIMENTO DO PACIENTE . DESCONTO EM FOLHA. (Original sem grifos) (Agravo Regimental: 0016462-72. SOBRETUDO QUANDO NÃO SE PODE VISLUMBRAR A VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES. afirmando ter recebido as importâncias relacionadas à prestação de serviço médico a seus funcionários e dependentes. A antecipação de tutela deve ser concedida quando houver preenchimento dos requisitos. 273 DO ESTATUTO PROCESSUAL CIVIL . remetam-se os presentes autos ao Juízo da causa.Agravo de instrumento improvido. 0254152-4 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução Agravo de Instrumento : Recife : 31ª Vara Cível : MARIA DA CONCEICAO AURELIANO : Karla Wanessa Bezerra Guerra : e Outro(s) .: Leopoldo de Arruda Raposo.17. 30 de setembro de 2011. negou-se provimento ao recurso de agravo. AGRAVO NÃO PROVIDO.À UNANIMIDADE DE VOTOS. À vista da documentação colacionada aos autos instrumentais. Publique-se. Ausência de verossimilhança.2003. com fundamento no artigo 557. Órgão Julgador: 8ª Câmara Cível. terça-feira.17. Recife.Edição nº 184/2011 Recife . mostra-se ausente a verossimilhança de suas alegações. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator 003.0000 (103289-5). será sanada. Órgão Julgador: 3ª Câmara Cível. abuso de defesa ou propósito protelatório. Ementa: PROCESSUAL CIVIL . Órgão Julgador: 5ª Câmara Cível. CARTÃO DE CRÉDITO. 273 do CPC. (Agravo de Instrumento: 0010122-15. FINANCIAMENTO DE SALDO REMANESCENTE. revisão de cláusula contratual. Data de Julgamento: 21/9/2009). Des. NO SENTIDO DE FIXAR VERBA ALIMENTÍCIA DA ORDEM DE DOIS (02) SALÁRIOS MÍNIMOS EM FAVOR DOS FAMILIARES . 4. Agravante que emitiu recibos. Data de Julgamento: 29/4/2010). Rel. 2. sem ao menos efetuar o depósito da quantia incontroversa.8. mantendo a decisão fustigada em todos os seus termos. Cumpra-se. caput do CPC. 4 de outubro de 2011 1. não pode ser sucedâneo para resguardar direito de devedor.17. após a instrução probatória.

o pedido de liminar fora inaudita altera pars".295-AgAr .PE. deverá juntar Certidão. dada pela Lei 9139/95. verifico que o recurso não reúne condições de trânsito. No presente caso. uma vez que. pela inteligência do já citado artigo 525. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. Entretanto. antes da formação da relação processual.139/95. Nívio Gonçalves. sob pena de não conhecimento do recurso. deixou para apreciar o pedido de antecipação de tutela formulado pela autora agravante "noutro momento processual (fl. (TJDF. além de informar tal fato nos autos do agravo. alega que "Deixa de juntar cópia da cópia da procuração outorgada aos advogadas da Agravada. Senão vejamos. DJU 23/08/2005) 239 . a exata disposição literal constante no citado inciso. 2. requerer que seja concedida a medida liminar substitutiva. tal fato. pois se encontra com insuficiência de fundos para dar continuidade ao tratamento. j. mediante certidão expedida pela secretaria do Tribunal a quo". no sentido de que o agravado seja compelido a custear as sessões de fisioterapia motora e respiratória. em razão da ausência de determinada peça nos autos originários. por qualquer motivo. a ausência de qualquer das peças elencadas no inciso I. é de juntada obrigatória. inclusive no nosso Pretório Excelso. não se poderá exigir cópia da mesma (da procuração) na formação do instrumento. como ocorreu no presente caso. mas. do CPC. Isso. No exercício do Juízo de admissibilidade. cópia da Procuração outorgada ao(s) advogado(s) da parte ora agravada e. expedida pela Secretaria da Vara onde tramita o feito. do CPC. esta circunstância deve ser comprovada pelo recorrente desde logo. do CPC. a Agravante não juntou aos autos. RECURSO IMPROVIDO. Outro não é o entendimento jurisprudencial pátrio. 1ª Turma Cível. em face da decisão ter sido proferida ab initio lites. tão somente.1ª Turma . Rel.Edição nº 184/2011 DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA Recife .RECURSO IMPROVIDO. AUSÊNCIA DE PROCURAÇÃO DO AGRAVADO. do artigo 525. Moreira Alves.Agravo de Instrumento nº 184.19)". Dessa forma. não há procuração ao advogado do recorrido. com o advento da Lei nº 9. a parte agravante. Passo a decidir. DJU 07/02/97).(STF . não cabendo ao Relator determinar diligências no sentido de sanar defeito(s) nele contido(s). 3. NÃO HÁ COMO SER ACEITO O RECURSO. STJ PROCESSUAL CIVIL. I. STF "Se nos autos principais. em sede de ação ordinária de obrigação de fazer e nulidade de cláusula contratual. a parte agravante. 05/11/96. não basta a simples alegação da parte agravante de que não pôde atender às exigências legais na formação do instrumento. 03).AReg/AI 20050020042486. quando. uma vez que. a negativa de seguimento do agravo. do artigo 525. que não tenha dado causa a parte agravante. se na data da interposição do agravo de instrumento. Em outras palavras. devem instruir a petição de interposição do agravo de instrumento. 4 de outubro de 2011 Cuida-se de Agravo de Instrumento interposto contra decisão que. a parte demandada ainda não tinha procuração nos autos da ação originária. certificando a ausência da procuração e as razões de tal fato. pode e deve ser certificado pelo Chefe da respectiva Secretaria. A AUSÊNCIA DE PROCURAÇÃO OUTORGADA AO ADVOGADO DO AGRAVADO É DEFICIÊNCIA INSUPRÍVEL NA FORMAÇÃO DO INSTRUMENTO. 1. Saliente-se que a expressão OBRIGATORIAMENTE. ACARRETANDO O SEU NÃO CONHECIMENTO.Rel. porque a mais recente redação do inciso I. Insatisfeita. É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DO AGRAVANTE A INSTRUÇÃO DO SEU PEDIDO COM TODAS AS PEÇAS NECESSÁRIAS OU INDISPENSÁVEIS PARA A DEMONSTRAÇÃO DOS PRESSUPOSTOS DE ADMISSIBILIDADE. terça-feira. tem como conseqüência. em tais casos. (Original sem grifos). 4. Min. vem a Agravante. É certo que. SE A CERTIDÃO QUE COMPROVA A INEXISTÊNCIA DE PROCURAÇÃO DO AGRAVADO NOS AUTOS PRINCIPAIS NÃO FOI JUNTADA AO AGRAVO DE INSTRUMENTO NO MOMENTO DEVIDO. tal peça. não é interpretação deste julgador. estabelece os documentos que. Em suas razões de recurso (fls. "obrigatoriamente". é ônus processual da parte agravante a regular instrução do agravo de instrumento. por meio deste recurso.

557. do CPC. a alegação de extravio. porque a mais recente redação do inciso I. não cabendo ao Relator determinar diligências no sentido de sanar defeito(s) nele contido(s). ART. Passo a decidir.conforme Regimento Interno TJPE art. terça-feira.AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO .66. (Grifo acrescido) 2.Rel Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA (1123) . estabelece os documentos que. Tão logo a presente decisão esteja albergada pelo manto da coisa julgada.2008/0027119-0 . com o advento da Lei nº 9. sob pena de não conhecimento do recurso. 4. é ônus processual da parte agravante a regular instrução do agravo de instrumento. Insatisfeito. 1) Nesta Egrégia Corte. Agravo regimental desprovido. "obrigatoriamente". como precedentes exemplificamos os Agravos de Instrumento nº 0170114-2 e 207843-7. pois tal procedimento não supre a irregularidade decorrente da não-adoção da providência em tempo apropriado. DO CPC. mas. A correta instrução do processo do agravo de instrumento é ônus da parte.2008 p. 1. Isso. 3. (STJ . a ausência de qualquer das peças elencadas no inciso I. AGRAVO DE INSTRUMENTO. verifico que o recurso não reúne condições de trânsito. (Grifo acrescido). 30 de setembro de 2011. requerer que seja concedida a liminar inaudita altera pars.PE. em sede de ação ordinária com pedido de tutela antecipada. não bastando. para justificar a sua falta. § 1º. III : SUPERINTENDENCIA DE TRENS URBANOS DO RECIFE METROREC : 3ª Câmara Cível : Des. por meio deste recurso. Recife. CÓPIA DA PROCURAÇÃO OUTORGADA AO ADVOGADO SUBSCRITOR DAS CONTRA-RAZÕES AO RECURSO ESPECIAL.AgRg no Ag 1011283 / RS . Dessa forma. caput. Posto isso. que deve fiscalizar sua formação e o seu processamento.QUARTA TURMA . 0254829-0 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução Agravo de Instrumento : Recife : 12ª Vara Cível : Bete Ezel Jorge da Silva : Ana Patrícia Vieira de Almeida : e Outro(s) . A ausência de cópia da procuração outorgada ao advogado subscritor das contra-razões ao recurso especial acarreta o não-conhecimento do apelo. uma vez que. No exercício do Juízo de admissibilidade.05. encaminhem-se os presentes autos ao Juízo da causa. 4 de outubro de 2011 AGRAVO REGIMENTAL. 3.Edição nº 184/2011 Recife .DJ 05. em face da sua inadmissibilidade. nego seguimento ao presente recurso de Agravo de Instrumento. do CPC. tem como conseqüência. a negativa de seguimento do agravo. não é interpretação deste julgador. indeferiu a concessão da medida liminar. do CPC. É inviável a juntada de qualquer documento na oportunidade da interposição do agravo regimental. do artigo 525. do artigo 525. tão somente. AUSÊNCIA DE PEÇA OBRIGATÓRIA. Saliente-se que a expressão OBRIGATORIAMENTE. pela falta de requisito legal (artigo 525. 544. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Desembargador 004. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:04 Local: Diretoria Cível DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA Cuida-se de Agravo de Instrumento interposto contra decisão que. a exata disposição literal constante no citado inciso. Afigura-se necessário providenciar certidão que ateste a falta de peça.139/95. devem instruir a petição de interposição do agravo de instrumento. com fundamento no art. I). vem o Agravante. dada pela Lei 9139/95. 240 .

não há procuração ao advogado do recorrido. apesar de o Agravante afirmar que juntou todas as peças obrigatórias exigidas no art. Entretanto.2008/0027119-0 . pela falta de requisito legal (artigo 525. como precedentes exemplificamos os Agravos de Instrumento nº 0170114-2 e 207843-7. A ausência de cópia da procuração outorgada ao advogado subscritor das contra-razões ao recurso especial acarreta o não-conhecimento do apelo. AUSÊNCIA DE PEÇA OBRIGATÓRIA. inc I e II do CPC. Nívio Gonçalves. sendo tal peça de juntada obrigatória. encaminhem-se os presentes autos ao Juízo da causa. ACARRETANDO O SEU NÃO CONHECIMENTO.05. Posto isso. a parte demandada ainda não tinha procuração nos autos da ação originária. esta circunstância deve ser comprovada pelo recorrente desde logo. 05/11/96. 4 de outubro de 2011 No presente caso. Moreira Alves.DJ 05. 1. A correta instrução do processo do agravo de instrumento é ônus da parte. É inviável a juntada de qualquer documento na oportunidade da interposição do agravo regimental.Agravo de Instrumento nº 184. expedida pela Secretaria da Vara onde tramita o feito. Tão logo a presente decisão esteja albergada pelo manto da coisa julgada.295-AgAr . não se poderá exigir cópia da mesma (da procuração) na formação do instrumento.1ª Turma .(STF . a parte agravante. terça-feira. em tais casos. por qualquer motivo. Min. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo 241 . (Grifo acrescido) 2. não consta nos autos cópia da Procuração outorgada ao(s) advogado(s) da parte ora agravada. 30 de setembro de 2011. Afigura-se necessário providenciar certidão que ateste a falta de peça.PE. 1ª Turma Cível. 3. CÓPIA DA PROCURAÇÃO OUTORGADA AO ADVOGADO SUBSCRITOR DAS CONTRA-RAZÕES AO RECURSO ESPECIAL. SE A CERTIDÃO QUE COMPROVA A INEXISTÊNCIA DE PROCURAÇÃO DO AGRAVADO NOS AUTOS PRINCIPAIS NÃO FOI JUNTADA AO AGRAVO DE INSTRUMENTO NO MOMENTO DEVIDO. 544. 4. DJU 07/02/97).RECURSO IMPROVIDO. não bastando. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. NÃO HÁ COMO SER ACEITO O RECURSO.Edição nº 184/2011 Recife .QUARTA TURMA . Outro não é o entendimento jurisprudencial pátrio.AReg/AI 20050020042486. se na data da interposição do agravo de instrumento. Rel. É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DO AGRAVANTE A INSTRUÇÃO DO SEU PEDIDO COM TODAS AS PEÇAS NECESSÁRIAS OU INDISPENSÁVEIS PARA A DEMONSTRAÇÃO DOS PRESSUPOSTOS DE ADMISSIBILIDADE. Agravo regimental desprovido.AgRg no Ag 1011283 / RS . além de informar tal fato nos autos do agravo. § 1º. deverá juntar Certidão.Rel Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA (1123) . certificando a ausência da procuração e as razões de tal fato. AGRAVO DE INSTRUMENTO. (Grifo acrescido). A AUSÊNCIA DE PROCURAÇÃO OUTORGADA AO ADVOGADO DO AGRAVADO É DEFICIÊNCIA INSUPRÍVEL NA FORMAÇÃO DO INSTRUMENTO. 4. I). 557. DO CPC. 1. STJ PROCESSUAL CIVIL. É certo que. STF "Se nos autos principais. com fundamento no art. DJU 23/08/2005) AGRAVO REGIMENTAL. (STJ . mediante certidão expedida pela secretaria do Tribunal a quo".AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO . Recife. RECURSO IMPROVIDO. a alegação de extravio. 3. em face da sua inadmissibilidade. inclusive no nosso Pretório Excelso.525. caput.Rel. que não tenha dado causa a parte agravante. (Original sem grifos). j. Senão vejamos. pois tal procedimento não supre a irregularidade decorrente da não-adoção da providência em tempo apropriado.2008 p. para justificar a sua falta. (TJDF. AUSÊNCIA DE PROCURAÇÃO DO AGRAVADO. 1) Nesta Egrégia Corte. ART. 3. nego seguimento ao presente recurso de Agravo de Instrumento. do CPC. 2. que deve fiscalizar sua formação e o seu processamento.

PE. requerendo que seja aplicado ao saldo de sua reserva de poupança o índice de correção monetária (IPC). proposta por Manoel Catarina contra a REFER . que trata da prescrição para ação de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada: Súmula 291: A ação de cobrança de parcelas de complementação de aposentadoria pela previdência privada prescreve em cinco anos. 242 . março. 4 de outubro de 2011 005. 29/30. Sílvio de Arruda Beltrão : Juiz José Henrique Coelho Dias da Silva : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:40 Local: Diretoria Cível Apelante: MANOEL CATARINA Apelado: REFER . dispensado o preparado. Contrarrazões apresentadas às fls. Recurso bem processado.FUNDAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA DE SEGURIDADE SOCIAL Relator : DES.Fundação da Rede Ferroviária de Seguridade Social.(fls. em razão do benefício da gratuidade da justiça. Apela o autor buscando a reforma do julgado por entender se aplicar ao caso a prescrição vintenária. Deixou de condenar o autor nas custas processuais e honorários advocatícios. pugnando pela manutenção da sentença. fls. 44/60.Fundação da Rede Ferroviaria de Seguridade Social : Dane Maria de Oliveira Feltes : Marília Ferreira Silva Velozo : 3ª Câmara Cível : Des. janeiro de 1989. todos com acréscimos dos respectivos juros e atualização monetária. com relação aos planos econômicos nos meses de junho de 1987. Juiz de Direito da 22º Vara Cível da Capital. reconheceu a prescrição qüinqüenal e extinguiu o processo com a resolução do mérito na forma do art. A sentença recorrida está em harmonia com o entendimento do STJ.Edição nº 184/2011 Desembargador Recife .02/11. O MM. 0255228-7 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Advog Orgao Julgador Relator Relator Convocado Despacho Última Devolução APELAÇÃO CÍVEL N. SILVIO DE ARRUDA BELTRÃO Relator Convocado: JUIZ JOSÉ HENRIQUE COELHO DIAS DA SILVA TERCEIRA CÂMARA CÍVEL DECISÃO TERMINATIVA: Trata-se de Ação Ordinária de Devolução de Descontos Securitários com Correção Monetária e diferenças. acrescidos dos Expurgos Inflacionários e da reserva de poupança. fls. 285-A do CPC. que uniformizando sua Jurisprudência editou a Súmula 291. Decido. terça-feira. abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991.31/39). É o Relatório.º 255228-7 Apelação : Recife : 22º Vara Cível : Manoel Catarina : Aníbal Cícero de Barros Velloso : REFER .

Ora. mesmo os expurgos inflacionários. por estar o mesmo em confronto com a jurisprudência do STJ e deste Tribunal de Justiça. Juiz José Henrique Coelho Dias da Silva Relator Convocado PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Gabinete do Desembargador Silvio de Arruda Beltrão Terceira Câmara Cível apm 3 DECISÃO TERMINATIVA 3ª CC Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. Por tudo o exposto. apesar de entender que percebeu a menos do que deveria. Observando o que foi trazido aos autos. 2011.conforme Regimento I. aplicando-se a prescrição qüinqüenal o prazo para requerer qualquer diferença. III e Outro(s) . III e Outro(s) . T. 557 do CPC.02. III Ordem Processo 005 0249730-5 005 0249730-5 003 0228241-3 004 0229869-5/01 003 0228241-3 001 0194412-5 002 0194412-5/01 004 0229869-5/01 003 0228241-3 005 0249730-5 004 0229869-5/01 002 0194412-5/01 003 0228241-3 004 0229869-5/01 243 . 4 de outubro de 2011 E para reforçar seu entendimento quanto a prescrição de ação de cobrança referente a complementação de aposentadoria pela previdência privada.Edição nº 184/2011 Recife . e recebeu a reserva de poupança. No entanto. recentemente editou a Súmula 427: Súmula 427: A ação de cobrança de diferenças de valores de complementação de aposentadoria prescreve em cinco anos contados da data do pagamento. T. Recife. restando ao julgador o reconhecimento da prescrição.conforme Regimento I. na peça atrial o autor. afirma que foi demitido em 29 de fevereiro de 1996. 28 de setembro de 2011. a. Publique-se.2007. nego seguimento ao recurso com fulcro no Art. Pimentel Ricardo Uchôa Cavalcanti Filho e Outro(s) . T.conforme Regimento I.03.PE. a presente ação só foi proposta em 23. findou em fevereiro de 2001. a. ora apelante. fls.14253 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Antônio Eduardo de França Ferraz Benoni Menelau Lins Neto Carlos Gustavo Rodrigues de Matos Fábio Augusto Cucci Giulliano Cecílio Caitano Siqueira Hélio Francisco dos Santos Hélio Francisco dos Santos José Edgard da Cunha Bueno Filho Leonardo Nascimento Gonçalves Drumond Pedro Rosado H. terça-feira. a.

marca VW. Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:57 Local: Diretoria Cível Apelação Cível nº.00. Eduardo Sertório DECISÃO TERMINATIVA Ação originária nº. terça-feira. Ao final. 2/37): Jair José Araújo Ferreira ajuizou "ação revisional de prestação" contra o Banco ABN Amro Real S/A visando revisar cláusulas de contrato de financiamento de um veículo tipo caminhão. em caráter de antecipação parcial dos efeitos da tutela que seja mantido na posse do carro. T. para apenas R$600. 53/54): O Juízo a quo proferiu sentença nos seguintes termos: "(. mas apenas concernentes à redução do valor da prestação mensal.2009.conforme Regimento I. modelo 7. ainda.. Pretende. 194412-5 Consignação em Pagamento nº. mas apenas e tão somente a diminuição da prestação mensal. não tendo sequer apresentado eventuais cálculos ou argumentos jurídicos que justifiquem ou demonstrem a razão de se proceder com tal redução. durante a tramitação do presente feito.243.098495-2 (fls. que o autor quer reduzir a prestação mensal na forma adrede citada aleatoriamente. 194412-5/01 Apelante/autor: Jair José Araújo Ferreira Apelado/réu: Banco ABN Amro Real S/A Relator: Des. nem constituiu advogado nos autos. para utilizar como instrumento de trabalho. Contestação: Devidamente intimado. o Banco réu não apresentou contestação. 001.243. placa LWH 8035. constata-se que a presente lide foi intentada com o escopo único de ser procedida com a redução do valor das prestações mensais do financiamento.Edição nº 184/2011 e Outro(s) .PE. logo de início. sob a assertiva principal de que tal quantia é a que pode ser suportada pelo consumidor em seu orçamento atual.75.110. alega a teoria da imprevisão e a existência de cláusulas contratuais abusivas. importando em diminuição no patamar de 50%.75 para R$ 600. Para isso. 0194412-5 Comarca Vara Acao Originaria Apelante Advog Advog Apelado Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DO DESEMBARGADOR EDUARDO SERTÓRIO 3º CÂMARA CÍVEL Apelação : Recife : 34ª Vara Cível : 00984951920098170001 Ação Revisional Ação Revisional : Jair José Araújo Ferreira : Hélio Francisco dos Santos : e Outros : Banco ABN Amro Real S/A : 3ª Câmara Cível : Des. ano de fabricação/modelo 2003. bem como que seja o banco obstado de proceder com a inserção do seu nome no cadastro de inadimplentes dos órgãos de proteção ao crédito. 244 .75 mensais. o autor afirma claramente não pretender a modificação do contrato no que tange às suas cláusulas contratuais tidas como abusivas.243. É de se destacar. obter uma prestação jurisdicional para o fim de reduzir as mensalidades de R$ 1. a priori.00.) Na verdade. III e Outros e Outros Recife . Note-se que em nenhum momento pretende a revisão de cláusulas. Assim. 4 de outubro de 2011 005 0249730-5 001 0194412-5 002 0194412-5/01 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. a. a ser pago em 60 meses em prestações fixas no valor de R$ 1. inclusive a que estipulou os juros remuneratórios mensais e anuais. já que a redução pretendida é de R$1.. Sentença (fls.

cito os seguintes precedentes: 245 . requer a reforma do julgado. como juridicamente impossível. em síntese. Não há como o autor alegar teoria da imprevisão. Desta maneira. o processo deve ser extinto sem julgamento do mérito em razão do art. I. a hipótese é de incongruência lógica entre a narração dos fatos e o pedido feito. e. O Juízo a quo extingiu a ação sem julgamento de mérito. sem qualquer apresentação de fundamento fático/jurídico. por impossibilidade jurídica da pretensão da forma como posta em pretório e ante os argumentos suscitados para dar-lhe amparo. todos do Código de Processo Civil. O autor visa modificar a prestação mensal de seu financiamento ao patamar de R$ 600. com taxa pré-fixada de juros remuneratórios. com arrimo no art. 267.PE. parágrafo único. sem. Esta. Para corroborar o entendimento aqui exposto. Assim. não resta outro caminho senão o indeferimento da petição inicial. Contrarrazões: Sem contrarrazões. c/c 295. sem apreciação meritória. Dessa forma. do CPC). requerer a redução da parcela a ser paga. 52 dos autos. haja vista a revelia do Banco certificada à fl. 267. ou quando o ordenamento contemplar norma proibitiva do seu deferimento. Complementando tal dispositivo. bem como a redução da parcela do financiamento a patamares suportados pelos seus atuais rendimentos. e. É o relatório. no caso dos autos. alega a em sua apelação a teoria da imprevisão. inciso II. recebi os autos da apelação cível em 13 de julho de 2010. a extinção do feito. Segundo o inciso I do art.00. inciso I c/c parágrafo único. pedir claramente para não modificar qualquer cláusulas contratual. INDEFIRO a petição inicial.Edição nº 184/2011 Recife . À vista do exposto. considerando-se as particularidades apresentadas (art. deve ser acolhida quando o pedido não se encontrar previsto no ordenamento jurídico. inciso III. Em virtude de aposentadoria do desembargador então relator. qual seja R$ 600. diante das particularidades emanadas do caso concreto. o autor propôs um incidente consignatório contra o Banco réu. nos termos do art. reputa-se que a parte autora formula pedido que se afigura. terça-feira. ao final. 194412-5/01 (em apenso): Ainda pendente de julgamento a apelação cível citada acima. 4 de outubro de 2011 Não há esteio para formulação da pretensão de diminuição dos valores das prestações do financiamento. Contudo. por impossibilidade jurídica do pedido da forma como apresentado e ante os argumentos suscitados para dar-lhe amparo. Ação de consignação em pagamento nº. por conseguinte. alterando apenas o fundamento da extinção do processo sem julgamento de mérito. a fim de obrigar o credor a receber importância distinta daquela que foi previamente contratada. em conseqüência. sem apreciação meritória. 295 do CPC. acarretando carência de ação. inciso I. diante das dificuldades enfrentadas pelo ramo de transporte de cargas. o parágrafo único do mesmo artigo estabelece que considera-se inepta a petição inicial quando "da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão1. no valor de R$ 600. contudo. bem como seja concedida liminar. não poder pagar as prestações do parcelamento em razão da teoria da imprevisibilidade. o autor interpôs apelação cível alegando. modificar qualquer cláusula contratual. I. do mesmo diploma legal. requerendo seja deferida a efetivação do depósito. ante a sua inépcia. 295. resta-me apenas manter a sentença exarada pelo Juízo a quo. impondo-se. O valor da parcela a ser paga no contrato = amortização do empréstimo + juros + demais encargos. Para isso. e parágrafo único. passo a decidir. Assim: A+B+C = Valor da parcela. como poderia ser alterado o valor das parcelas a serem pagas? A questão é somente de decorrência lógica-matemática." Apelação Cível (fls. Neste sentido. 56/62): Não satisfeito. 295. e. do mais que dos autos consta. Desta forma. inciso III. Não sendo modificada qualquer cláusula contratual (A+B+C). em virtude da impossibilidade jurídica do pedido. a petição inicial será indeferida quando for inepta.00. com redução drástica.00. JULGO EXTINTO o presente feito.

de modo a enquadrar os fundamentos jurídicos ao menos em tese. Diante do exposto. ser conhecidos os pedidos compatíveis com o procedimento aplicável a tal ação. DE OFÍCIO. julgado em 06/04/2010. APROVEITAMENTO DOS PEDIDOS COMPATÍVEIS COM A AÇÃO AJUIZADA. I. este restou prejudicado pela perda do objeto. Rel. Considera-se inepta a petição inicial quando: I . do CPC.Ihe faltar pedido ou causa de pedir.No particular. II. apontando o fato proveniente desse direito. REQUISITOS. 515. § 3º. em princípio. Inépcia da inicial.Trata-se de ação de compensação por danos morais em que o recorrente não descreveu. a parte estabelece confusão acerca da condição em que litiga no processo. Tribunal de Justiça do RS. caput.De acordo com o art. INÉPCIA. 194412-5/01. 4 de outubro de 2011 Superior Tribunal de Justiça: Processual Civil. 267.. SEM RESOLUÇÃO DE MÉRITO. Publique-se. 282. se como proprietária do imóvel ou credora hipotecária dos executados. os fatos ocorridos. PROCESSO EXTINTO. DJe 13/05/2010) E também: DIREITO PROCESSUAL CIVIL. NEGO SEGUIMENTO à apelação cível. DJe 22/04/2010) Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul: APELAÇÃO CÍVEL.. caracteriza a inépcia da petição inicial. Ação de compensação por danos morais. terça-feira. A petição inicial é inepta quando da narração dos fatos não decorre logicamente a conclusão. Ministra NANCY ANDRIGHI. Essa confusão. bem como julgo extinto por sua manifesta improcedência. TERCEIRA TURMA. diante do julgamento da apelação cível. Extinção do processo sem a resolução do mérito.) . PETIÇÃO INICIAL. poderiam.. do CPC. nos termos do artigo 557. Recurso Especial. do CPC. tampouco uniu esses fatos ao nexo causal capaz de justificar o pedido compensatório. (. com fulcro no art. INDEFERIMENTO DA PETIÇÃO INICIAL. Quanto ao incidente consignatório nº. Ministra NANCY ANDRIGHI. Recurso especial a que se nega provimento. nos termos do art. Inaplicabilidade do art.535/PR. 295. TERCEIRA TURMA.PE. do CPC.) (REsp 1074066/PR. Relator: Marco Antonio Angelo. CUMULAÇÃO. do CPC. compete ao autor indicar na inicial o direito que pretende exercer contra o réu. A narração dos fatos deve ser inteligível. não deve prosperar os argumentos do autor/apelante. nos termos do inciso II do parágrafo único do artigo 295 do CPC.. na petição inicial. . Recife. A circunstância de não ter o juiz indeferido liminarmente a inicial não o impede de extinguir posteriormente o processo. Todavia. (Apelação Cível Nº 70042942425. APELAÇÃO PREJUDICADA. é de se declarar a sua inépcia. nos termos do art. PROCEDIMENTOS DISTINTOS. e não de forma vaga ou abstrata. Incidência da Súmula 7/STJ . julgado em 04/05/2010. Revisão do valor fixado a título de honorários advocatícios. Rel.Ausente na petição inicial a indicação dos fatos e dos fundamentos jurídicos do pedido. CONVERSÃO PARA O RITO ORDINÁRIO. 30/9/2011 Eduardo Sertório Desembargador relator 1 Parágrafo único. Julgado em 29/06/2011) Sendo assim. (. III. tendo a parte feito uso dos embargos de terceiro. Impossibilidade de emenda após a contestação. PEDIDOS. PEDIDO SEM NEXO LÓGICO COM A NARRATIVA DOS FATOS. . INÉPCIA DA PETIAÇÃO INICIAL. 246 . a ensejar a extinção da ação sem o julgamento do mérito. I. que impede o estabelecimento de uma ligação lógica e coerente entre a narrativa dos fatos e os pedidos formulados. Segunda Câmara Especial Cível. (REsp 993.Edição nº 184/2011 Recife . 295. parágrafo único.

Contestação: Devidamente intimado. 194412-5 Consignação em Pagamento nº.098495-2 (fls.) Na verdade. obter uma prestação jurisdicional para o fim de reduzir as mensalidades de R$ 1.75 para R$ 600. o autor afirma claramente não pretender a modificação do contrato no que tange às suas cláusulas contratuais tidas como abusivas. Para isso.243. " Recife .Edição nº 184/2011 II .PE. Pretende. Ao final. sob a assertiva principal de que tal quantia é a que pode ser suportada pelo consumidor em seu orçamento atual. 4 de outubro de 2011 20 . ainda. modelo 7. terça-feira.o pedido for juridicamente impossível. 0194412-5/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Autor Advog Advog Réu Orgao Julgador Relator Proc.00. durante a tramitação do presente feito. Eduardo Sertório DECISÃO TERMINATIVA Ação originária nº.da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão. Orig. em caráter de antecipação parcial dos efeitos da tutela que seja mantido na posse do carro. bem como que seja o banco obstado de proceder com a inserção do seu nome no cadastro de inadimplentes dos órgãos de proteção ao crédito. placa LWH 8035. nem constituiu advogado nos autos.75 mensais. para utilizar como instrumento de trabalho.243. alega a teoria da imprevisão e a existência de cláusulas contratuais abusivas.17. ano de fabricação/modelo 2003.8. 2/37): Jair José Araújo Ferreira ajuizou "ação revisional de prestação" contra o Banco ABN Amro Real S/A visando revisar cláusulas de contrato de financiamento de um veículo tipo caminhão. III : Banco ABN Amro Real S/A : 3ª Câmara Cível : Des. para apenas R$600. 001. constata-se que a presente lide foi intentada com o escopo único de ser procedida com a redução do valor das prestações mensais do financiamento.75. marca VW.110. 53/54): O Juízo a quo proferiu sentença nos seguintes termos: "(. 247 .AC 192412-5 e CP 194412-5/01 002.243. Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO Consignação em Pagamento : Recife : 34ª Vara Cível : Jair José Araújo Ferreira : Hélio Francisco dos Santos : e Outros : Banco ABN Amro Real S/A : Jair José Araújo Ferreira : Hélio Francisco dos Santos : e Outro(s) .0001 (194412-5) : Decisão Terminativa : 30/09/2011 15:57 Local: Diretoria Cível TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DO DESEMBARGADOR EDUARDO SERTÓRIO 3º CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. o Banco réu não apresentou contestação. importando em diminuição no patamar de 50%.2009.00..66. já que a redução pretendida é de R$1.2009. Sentença (fls. logo de início. Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto : 0098495-19. Assim.conforme Regimento Interno TJPE art. III .. 194412-5/01 Apelante/autor: Jair José Araújo Ferreira Apelado/réu: Banco ABN Amro Real S/A Relator: Des. a ser pago em 60 meses em prestações fixas no valor de R$ 1. mas apenas concernentes à redução do valor da prestação mensal.

INDEFIRO a petição inicial. 295 do CPC. o autor interpôs apelação cível alegando. e. e. e parágrafo único. por impossibilidade jurídica da pretensão da forma como posta em pretório e ante os argumentos suscitados para dar-lhe amparo. À vista do exposto. parágrafo único. Não sendo modificada qualquer cláusula contratual (A+B+C). JULGO EXTINTO o presente feito. não tendo sequer apresentado eventuais cálculos ou argumentos jurídicos que justifiquem ou demonstrem a razão de se proceder com tal redução. bem como seja concedida liminar. e. 295. diante das particularidades emanadas do caso concreto. por impossibilidade jurídica do pedido da forma como apresentado e ante os argumentos suscitados para dar-lhe amparo. inciso III. Não há como o autor alegar teoria da imprevisão. inciso III. no caso dos autos. do mais que dos autos consta. terça-feira. 4 de outubro de 2011 É de se destacar. requerer a redução da parcela a ser paga. a hipótese é de incongruência lógica entre a narração dos fatos e o pedido feito. Não há esteio para formulação da pretensão de diminuição dos valores das prestações do financiamento. inclusive a que estipulou os juros remuneratórios mensais e anuais. no valor de R$ 600. em conseqüência. requerendo seja deferida a efetivação do depósito. Esta. do CPC). Ação de consignação em pagamento nº.Edição nº 184/2011 Recife .00. Assim: A+B+C = Valor da parcela. a priori. diante das dificuldades enfrentadas pelo ramo de transporte de cargas. sem apreciação meritória. deve ser acolhida quando o pedido não se encontrar previsto no ordenamento jurídico. pedir claramente para não modificar qualquer cláusulas contratual." Apelação Cível (fls. Segundo o inciso I do art. Desta maneira. O autor visa modificar a prestação mensal de seu financiamento ao patamar de R$ 600. alega a em sua apelação a teoria da imprevisão. com taxa pré-fixada de juros remuneratórios. sem apreciação meritória. Para isso. não poder pagar as prestações do parcelamento em razão da teoria da imprevisibilidade. em síntese. c/c 295. a petição inicial será indeferida quando for inepta. por conseguinte. 248 . que o autor quer reduzir a prestação mensal na forma adrede citada aleatoriamente. Note-se que em nenhum momento pretende a revisão de cláusulas. Contrarrazões: Sem contrarrazões. reputa-se que a parte autora formula pedido que se afigura. nos termos do art. como juridicamente impossível.00. O valor da parcela a ser paga no contrato = amortização do empréstimo + juros + demais encargos. bem como a redução da parcela do financiamento a patamares suportados pelos seus atuais rendimentos. I. Complementando tal dispositivo. 267. contudo. É o relatório. a fim de obrigar o credor a receber importância distinta daquela que foi previamente contratada. considerando-se as particularidades apresentadas (art. como poderia ser alterado o valor das parcelas a serem pagas? A questão é somente de decorrência lógica-matemática.00. sem qualquer apresentação de fundamento fático/jurídico. 56/62): Não satisfeito. Em virtude de aposentadoria do desembargador então relator. do mesmo diploma legal. ao final. sem. Contudo. com arrimo no art. o parágrafo único do mesmo artigo estabelece que considera-se inepta a petição inicial quando "da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão1. inciso I. o autor propôs um incidente consignatório contra o Banco réu. passo a decidir. 52 dos autos. I.PE. acarretando carência de ação. requer a reforma do julgado. ante a sua inépcia. recebi os autos da apelação cível em 13 de julho de 2010. ou quando o ordenamento contemplar norma proibitiva do seu deferimento. modificar qualquer cláusula contratual. haja vista a revelia do Banco certificada à fl. todos do Código de Processo Civil. com redução drástica. Desta forma. em virtude da impossibilidade jurídica do pedido. não resta outro caminho senão o indeferimento da petição inicial. mas apenas e tão somente a diminuição da prestação mensal. a extinção do feito. Assim. 194412-5/01 (em apenso): Ainda pendente de julgamento a apelação cível citada acima. impondo-se. qual seja R$ 600. 267. O Juízo a quo extingiu a ação sem julgamento de mérito.

III. com fulcro no art.Edição nº 184/2011 Recife . e não de forma vaga ou abstrata. do CPC. julgado em 04/05/2010. de modo a enquadrar os fundamentos jurídicos ao menos em tese. ser conhecidos os pedidos compatíveis com o procedimento aplicável a tal ação. § 3º. julgado em 06/04/2010. 295. 515. TERCEIRA TURMA. parágrafo único. II. PEDIDOS. diante do julgamento da apelação cível. poderiam. (. A circunstância de não ter o juiz indeferido liminarmente a inicial não o impede de extinguir posteriormente o processo. caput. A narração dos fatos deve ser inteligível. Impossibilidade de emenda após a contestação. (. NEGO SEGUIMENTO à apelação cível. PEDIDO SEM NEXO LÓGICO COM A NARRATIVA DOS FATOS. . do CPC. apontando o fato proveniente desse direito. Dessa forma. Inaplicabilidade do art. nos termos do art. Recurso especial a que se nega provimento. bem como julgo extinto por sua manifesta improcedência. Essa confusão. Para corroborar o entendimento aqui exposto. Segunda Câmara Especial Cível. Publique-se. DJe 22/04/2010) Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul: APELAÇÃO CÍVEL.De acordo com o art. Inépcia da inicial. que impede o estabelecimento de uma ligação lógica e coerente entre a narrativa dos fatos e os pedidos formulados. SEM RESOLUÇÃO DE MÉRITO. I. Ação de compensação por danos morais. não deve prosperar os argumentos do autor/apelante.PE. compete ao autor indicar na inicial o direito que pretende exercer contra o réu. Julgado em 29/06/2011) Sendo assim. (REsp 993. (Apelação Cível Nº 70042942425. em princípio. INÉPCIA DA PETIAÇÃO INICIAL. Relator: Marco Antonio Angelo. a ensejar a extinção da ação sem o julgamento do mérito.Ausente na petição inicial a indicação dos fatos e dos fundamentos jurídicos do pedido. do CPC. inciso I c/c parágrafo único. INDEFERIMENTO DA PETIÇÃO INICIAL.. do CPC. terça-feira. caracteriza a inépcia da petição inicial. Ministra NANCY ANDRIGHI. PROCESSO EXTINTO. se como proprietária do imóvel ou credora hipotecária dos executados. Recife. 30/9/2011 249 . resta-me apenas manter a sentença exarada pelo Juízo a quo. CUMULAÇÃO.. Revisão do valor fixado a título de honorários advocatícios. Quanto ao incidente consignatório nº.No particular. do CPC. DE OFÍCIO. REQUISITOS. . A petição inicial é inepta quando da narração dos fatos não decorre logicamente a conclusão. os fatos ocorridos. CONVERSÃO PARA O RITO ORDINÁRIO. 194412-5/01. 282. tendo a parte feito uso dos embargos de terceiro. Ministra NANCY ANDRIGHI.Trata-se de ação de compensação por danos morais em que o recorrente não descreveu.. é de se declarar a sua inépcia. 295. Diante do exposto.) (REsp 1074066/PR. nos termos do inciso II do parágrafo único do artigo 295 do CPC. alterando apenas o fundamento da extinção do processo sem julgamento de mérito.) . Tribunal de Justiça do RS. o processo deve ser extinto sem julgamento do mérito em razão do art. APROVEITAMENTO DOS PEDIDOS COMPATÍVEIS COM A AÇÃO AJUIZADA. DJe 13/05/2010) E também: DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Rel. nos termos do artigo 557. 4 de outubro de 2011 Neste sentido. 295. cito os seguintes precedentes: Superior Tribunal de Justiça: Processual Civil. inciso II. APELAÇÃO PREJUDICADA..535/PR. PETIÇÃO INICIAL. Extinção do processo sem a resolução do mérito. Incidência da Súmula 7/STJ . 267. Recurso Especial. Rel. Todavia. I. tampouco uniu esses fatos ao nexo causal capaz de justificar o pedido compensatório. TERCEIRA TURMA. PROCEDIMENTOS DISTINTOS. este restou prejudicado pela perda do objeto. na petição inicial. a parte estabelece confusão acerca da condição em que litiga no processo. INÉPCIA. nos termos do art.

requer o provimento do recurso a fim de que seja determinada a intimação do agravado para prestar as contas na forma do citado dispositivo legal. 0228241-3 Comarca Vara Agravte Advog Advog Agravdo Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução DECISÃO TERMINATIVA Agravo de Instrumento : Recife : 9ª Vara Cível : Posto Netuno Ltda. é imperiosa a sua extinção. em face da perda superveniente do seu objeto. Nº 0032880-48. aduz. inciso VIII. em síntese.o pedido for juridicamente impossível. não há mais sentido a pretensão recursal no sentido de ser reduzido o prazo para a prestação de contas. do CPC. coligidas às fls. supervenientemente. III : BANCO RURAL S. afirma que as contas já foram prestadas no juízo de origem. requer o não provimento do recurso. nos autos da execução provisória de sentença. de um prazo anteriormente fixado de 48 (quarenta e oito) horas. Considera-se inepta a petição inicial quando: I . Sob tal fundamento.66.Ihe faltar pedido ou causa de pedir. do artigo 915. 4 de outubro de 2011 1 Parágrafo único. Nas razões deste recurso.17.A : Leonardo Nascimento Gonçalves Drumond : Giulliano Cecílio Caitano Siqueira : e Outro(s) .Edição nº 184/2011 Eduardo Sertório Desembargador relator Recife . Posto isso. dentro do prazo por ele deferido. oriunda da ação de prestação de contas. Intimado. : Carlos Gustavo Rodrigues de Matos : e Outro(s) . III : 3ª Câmara Cível : Des.da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão. que a decisão recorrida afronta o § 2º.PE.conforme Regimento Interno TJPE art. Em suas contra-razões (fls.8. Passo a decidir.66. II . 36/39) o Banco agravado informa que já efetuou a prestação de contas em questão.0001. III . razão pela qual não há mais sentido o pleito recursal. 250 . c/c o artigo 267. A veracidade de tal informação foi constatada através de pesquisa realizada no "site" deste tribunal. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : Decisão Terminativa : 30/09/2011 11:23 Local: Diretoria Cível Trata-se de agravo de instrumento interposto à iniciativa do Posto Netuno LTDA contra decisão proferida pelo Exmo. terça-feira. Nesse andar.AC 192412-5 e CP 194412-5/01 003. Restando esvaziado. para 30 (trinta) dias. extingo o presente recurso. do CPC. " 20 . e em consonância com o que edita o artigo 74. 02/15. Juiz de Direito da 9ª Vara Cível da Comarca da Capital.conforme Regimento Interno TJPE art.2010. sem resolução do mérito. o Banco agravado contra-razoando (fls. conforme cópia anexa que passa a integrar a presente decisão. do Regimento interno do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. Assim. Tal decisão deferiu a dilação. o objeto do presente recurso. 36/39). VI.

Considerando a publicação no dia 30/08/2011. os aclaratórios foram opostos em 06/09/2011. Orig.Edição nº 184/2011 Recife . Publique-se. 648 e 7 do STJ e artigo 5º.A e manteve a sentença monocrática. 5º da MP 2170-36. III : Moacir Carneiro Leão : GLÓRIA MARIA CARNEIRO LEÃO : Ricardo Uchôa Cavalcanti Filho : 3ª Câmara Cível : Des. VIII do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco. 313 na Apelação Cível nº 229869-5. Compulsando os autos. Nos embargos declaratórios. III : Moacir Carneiro Leão e outro e outro : Ricardo Uchôa Cavalcanti Filho : Banco Citibank S/A : José Edgard da Cunha Bueno Filho : Fábio Augusto Cucci : e Outro(s) .conforme Regimento Interno TJPE art. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : 0001242-75. Posto isso. o prazo findava em 04/09/2011. em razão da sua intempestividade.17. o recorrente pugna pela emissão de juízo explícito dos artigos 192.66. Cumpra-se. Tão logo a presente decisão esteja albergada pelo manto da coisa julgada. 29/09/2011. NEGO seguimento aos presentes aclaratórios. Despacho Última Devolução Embargos de Declaração : Recife : 20ª Vara Cível : Banco Citibank S/A : José Edgard da Cunha Bueno Filho : e Outro(s) . determino a remessa dos autos ao Juízo da causa. 4 de outubro de 2011 Tão logo esta decisão esteja albergada pela coisa julgada. às fls. além do Decreto 22. remetam-se os presentes autos ao Juízo da causa. Recife. terça-feira. Publique-se. Inicialmente.Desembargador Relator - 004. que por recair em um domingo é prorrogado para a segunda feira dia 05/09/2011. verifico que o referido acórdão foi publicado em 30/08/2011. 0229869-5/01 Comarca Vara Apelante Advog Advog Apelado Advog Embargante Advog Advog Advog Embargado Embargado Advog Orgao Julgador Relator Proc. no Diário da Justiça Eletrônico nº 160.2002.PE. artigo 104 do Código Civil e Súmulas 596. inciso XXXVI da Constituição Federal. com fundamento no art. Conforme o artigo 536 do CPC o prazo para a interposição dos embargos declaratórios é de 5 dias. decorrido o prazo legal. ou seja. Intime-se. ALFREDO SÉRGIO MAGALHÃES JAMBO .626/33.conforme Regimento Interno TJPE art. cumpre fazer o juízo de admissibilidade do presente recurso. Lei 4595/64. um dia após o fim do prazo. 74. que negou provimento ao recurso de apelação do Banco Citibank S.8. Ocorre que.66. 02 do autos dos presentes embargos de declaração. 251 . Intime-se. conforme certidão de fls. § 3º da EC 40/2003 e art.0001 (229869-5) : Decisão Terminativa : 30/09/2011 11:24 Local: Diretoria Cível DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA Trata-se de embargos de declaração em face do acórdão proferido nos autos da apelação cível nº 0229869-5. conforme protocolo da Distribuição de 2º Grau. o que caracteriza sua intempestividade.

condenou o apelante ao pagamento dos ônus sucumbenciais. 4 de outubro de 2011 Des. o recorrente havia apontado a existência de abusividades no contrato firmado entre as partes. impõe-se a manutenção da improcedência do pedido de busca e apreensão. terça-feira.758. 1. Rel. ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. 22. Evidenciada a abusividade de encargos contratuais questionados e afastada a mora do devedor fiduciante. Ademais. existência de juros capitalizados. AFASTAMENTO DA MORA. Corroborando a tese acima. AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. 1. Min. 252 . A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça decidiu que é "possível a discussão sobre a legalidade de cláusulas contratuais como matéria de defesa na ação de busca e apreensão" (REsp 267. DISCUSSÃO ACERCA DA LEGALIDADE DE CLÁUSULAS CONTRATUAIS NO ÂMBITO DA DEFESA. entendo que alguns aspectos de índole processual devem ser verificados. vejo que a sentença fustigada. Na contestação. Antes de analisarmos o mérito propriamente dito da contenda.A : Benoni Menelau Lins Neto : Pedro Rosado H. AGRAVO REGIMENTAL. ENCARGOS ABUSIVOS. VEDAÇÃO. MG. AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO. 4. INOVAÇÃO RECURSAL. III : 3ª Câmara Cível : Des. em momento algum. rechaçou a matéria em alusão (fls. 0249730-5 Comarca Vara Apelante Advog Apelado Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução Apelação : Recife : 31ª Vara Cível : Ivanildo João dos Anjos : Antônio Eduardo de França Ferraz : BANCO BMG S. 29 de setembro de 2011. p/ ac. 76 e verso). é cabível a discussão acerca da legalidade das cláusulas contratuais como matéria de defesa. DJ. sendo incabível a busca e apreensão.conforme Regimento Interno TJPE art. como inovação recursal. É inviável a análise de matéria não suscitada no recurso especial e trazida posteriormente. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA. Pimentel : e Outro(s) . 2. De seu turno. facultando-lhe a venda do bem. julgado em 09/08/2011. 46/59). MATÉRIA DE DEFESA. AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO. DJe 19/08/2011) PROCESSO CIVIL. QUARTA TURMA. DESCARACTERIZAÇÃO DA MORA. o recorrente ataca o decisum fustigado.2005). Em ação de busca e apreensão. Por oportuno. JUROS REMUNERATÓRIOS ABUSIVOS. bem como volta a atacar a existência de abusibidades/ilegalidades no pacto contratual. 2. Agravo regimental desprovido. Nas razões do apelo. cumulação de comissão de permanência com juros remuneratórios e correção monetária e adoção de taxa de comissão de permanência em valor superior à taxa de mercado (fls.06. Aldir Passarinho Junior. tais como.PE. PRESSUPOSTO EVIDENCIADO. 3. (AgRg no REsp 1170182/RS. Rel. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : Decisão Terminativa : 30/09/2011 11:24 Local: Diretoria Cível DECISÃO TERMINATIVA MONOCRÁTICA Cuida-se de apelação cível de sentença prolatada nos autos da ação de busca e apreensão que julgou procedente o pedido contido na exordial para consolidar a propriedade do veículo em nome do apelado. apontando a existência de vícios formais na condução do processo. cito os precedentes abaixo: CONTRATO BANCÁRIO. A exigência de encargos abusivos no período da normalidade descaracteriza a mora do devedor. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator 005. Recife . POSSIBILIDADE.66. registre-se a possibilidade de ser aventada nessa espécie de ação a existência de cláusulas e encargos abusivos no contrato.Edição nº 184/2011 Recife.

Ministro MASSAMI UYEDA.O Superior Tribunal de Justiça já se manifestou no sentido de que não é possível interpretar-se extensivamente a regra contida no art. § 3º. § 3º. sendo que a extinção do processo sem o julgamento do mérito é requisito essencial à aplicação do referido dispositivo pelos Tribunais. I . acórdão hostilizado entendido que a sentença de primeiro grau afrontou aos princípios do contraditório e da ampla defesa ao omitirse na análise das matérias alegadas em sede de contestação à ação de busca e apreensão. Ministro VASCO DELLA GIUSTINA (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/RS). II .DESCABIMENTO . mas apenas esclarecendo que o órgão julgador deve analisar os pedidos formulados . formar seu convencimento. Tão logo este pronunciamento esteja acobertado pelo manto da coisa julgada. Intime-se.AFASTAMENTO . devendo ser prolatado novo decisum. Rel. 4 de outubro de 2011 (AgRg no REsp 923. Posto isso. TERCEIRA TURMA.OBSERVÂNCIA DO PRINCÍPIO DO DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO .ART. afronta os princípios do contraditório e da ampla defesa. suprir tais omissões e aplicar o direito à espécie. frise-se que não se está aqui analisando o mérito da causa. Dessa forma. tendo em conta que a decisão recorrida se encontra em confronto com a jurisprudência dominante do Egrégio STJ. DJe 08/10/2008) Finalmente. DO CPC .NECESSIDADE . Recife. de modo que a sentença fustigada deve ser anulada para tal desiderato.Recurso Especial provido. mas simplesmente declarar a nulidade da sentença e determinar o retorno dos autos à origem para a apreciação das matérias suscitadas na contestação. não caberia ao Tribunal de origem. confira-se: RECURSO ESPECIAL . em consonância com o que edita o artigo 557. Rel.para. 515. além de caracterizar omissão no julgado.PRECEDENTE DESTA CORTE. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo Relator DECISÃO INTERLOCUTÓRIA 1º GRUPO / 3ª CC Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. julgado em 20/05/2008. 515. o fato de o Juízo a quo não analisar a matéria trazida na defesa.não só na exordial.Edição nº 184/2011 3. Des. Publique-se. terça-feira.INTUITO DE PREQUESTIONAMENTO FIXAÇÃO DE MULTA . 29 de setembro de 2011.INCIDÊNCIA DO ENUNCIADO N. III . TERCEIRA TURMA. determino a remessa dos autos ao Juízo da causa. DJe 10/05/2011) Em meu sentir. 98 DA SÚMULA/STJ .AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO .EMBARGOS DE DECLARAÇÃO . entendo que devem ser apreciadas as supostas abusividades mencionadas na defesa. observando os argumentos e pedidos contidos na exordial e também na contestação. §1º-A do CPC vigente. por conta do princípio do duplo grau de jurisdição.612/MG. no caso de sentença que julga o mérito da demanda. Agravo regimental a que se nega provimento. 2011. mas também na contestação . Recife . em conjunto com os demais elementos contidos nos autos. do Código de Processo Civil.14190 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Ordem Processo 253 .699/RS. julgado em 03/05/2011. No ponto.INAPLICABILIDADE PERANTE OS TRIBUNAIS EM CASO DE SENTENÇA DE EXTINÇÃO DO PROCESSO COM JULGAMENTO DE MÉRITO . DOU PROVIMENTO ao presente recurso para declarar a nulidade da sentença.PE.Tendo o v. (REsp 877.

3). Eduardo Sertório DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Cuido de mandado de segurança.Defensora pública : Secretário de Saúde do Estado de Pernambuco : Thiago Arraes de Alencar Norões : 1º Grupo de Câmaras Cíveis : Des. Francisco Eduardo Goncalves Sertorio Canto : Decisão Interlocutória : 30/09/2011 15:54 Local: Diretoria Cível TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO GABINETE DO DESEMBARGADOR EDUARDO SERTÓRIO 1ª GRUPO DE CÂMARA CÍVEL Mandado de Segurança nº 255571-3 Impetrante: Severina Maria da Silva Impetrado: Secretário de Saúde do Estado de Pernambuco Relator: Des. Pede. tutela jurisdicional. É o relatório. Tal médico prescreveu o medicamento Ranibizumabe (Lucentis(r)) para o tratamento da impetrante.630. impetrado em 28 de setembro de 2011. Severina demonstrou ser portadora de Degeneração Macular Relacionada à Idade (CID10:H35. A questão versa sobre direito fundamental social à saúde. ambos da Constituição Federal1. CRM-PE nº. por Severina Maria da Silva contra ato do Secretário de Saúde do Estado de Pernambuco.Edição nº 184/2011 Recife . no qual se requer o fornecimento do medicamento Ranibizumabe (Lucentis(r)). devendo ser aplicada uma ampola por mês. terça-feira. 6º e 198. Público Impdo. Requereu a concessão de medida liminar para determinar à autoridade coatora o fornecimento do medicamento Ranibizumabe (Lucentis(r)). Esclarece ainda tratar-se do "único tratamento que tem concretas possibilidades de manter ou melhorar a visão comprometida pela doença supracitada" (folha 17). no prazo de 48h e aplicação de multa diária em caso de descumprimento de decisão judicial. Def. pois. Além disso. Passo à análise do pedido liminar. 16. Felipe Patriota.3) através da juntada de relatório de médico vinculado à Fundação Altino Ventura (folha 17). 4 de outubro de 2011 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001. Procdor Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução PODER JUDICIÁRIO Mandado de Segurança : Severina Maria da Silva : Cristina Sakaki . na dosagem de 6 ampolas. oftalmologista da Fundação Altino Ventura. Severina acosta aos autos declaração de pobreza (folha 14).PE. com pedido de liminar e de deferimento de justiça gratuita. 0255571-3 Impte. com uso por seis meses. comprovante de residência no Estado de Pernambuco (folha 16) e prescrição médica do medicamento (folha 17). acostou declaração de pobreza (folha 14) e comprovante de residência no Estado de Pernambuco (folha 16). conforme atestado pelo médico Dr. sendo uma ampola do remédio por mês. 254 . Não há referência à solicitação do medicamento para a Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco. O direito à saúde está consagrado nos arts. Severina é portadora de patologia denominada de Degeneração Macular Relacionada à Idade (CID10:H35.

6º da Constituição Federal diz quais são os direitos sociais. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA. 535 DO CPC. a liminar pretendida. 12. para determinar ao Secretário de Saúde do Estado de Pernambuco que forneça seis ampolas do medicamento Ranibizumabe (Lucentis(r)) ou genérico para o tratamento da impetrante. impõem ao Estado uma prestação positiva. no sentido de fazer algo de social em favor do homem3. necessitando urgentemente do medicamento pleiteado . ARTS. Municípios e DF). o art. ainda que não previsto em lista oficial"..Ranibizumabe (Lucentis) 4. assegurando-lhes situação de vantagem. com uso por seis meses. e um dever. Assim. independentemente de constar o material farmacêutico da lista de programas terapêuticos gerenciados pelo Estado. Direito líquido e certo. Por tais fundamentos e verificando a presença do fumus boni iuris e do periculum in mora do direito alegado pela impetrante. sendo uma ampola do remédio por mês. ainda que não previsto em lista oficial.016/09. 255 . medicamento essencial ao tratamento de moléstia grave. 6. medicamento essencial ao tratamento de moléstia grave. É incontroverso que a impetrante/embargada é acometida pela enfermidade conhecida como Membrana Neovascular Subretiniana por Degeneração Macular relacionada à idade (CID 10: H 35. em 22/12/10. PACIENTE HIPOSSUFICIENTE. Os direitos fundamentais sociais. inaudita altera parte. ao determinar o fornecimento de medicamento gratuito. promoção e recuperação da saúde. a atividade judicial cinge-se a determinar a observância da Constituição mediante a determinação de cumprimento das políticas públicas de saúde. Súmula 18 do TJPE: "É dever do Estado-membro fornecer ao cidadão carente. Relator: Eurico de Barros Correia Filho) Haja vista os documentos acostados aos autos e a gravidade do estado de saúde da impetrante. Por sua vez. MODIFICAÇÃO DO JULGADO. Nesse sentido.CF/88. FORNECIMENTO GRATUITO DE MEDICAMENTO. A jurisprudência deste Tribunal é pacífica no sentido de garantir aos mais carentes o acesso a medicamentos de alto custo. Está apenas determinando o cumprimento das políticas já existentes. dispõe a súmula nº. Tratando-se de responsabilidade solidária.PE. REEXAME DA MATÉRIA. INEXISTÊNCIA. proteção ou recuperação da saúde. 7. dentre eles o direito fundamental à saúde.Edição nº 184/2011 Recife . (. 196 da Constituição estabelece um direito. nega-se os embargos declaratórios intentados com objetivo de inverter o mérito do julgado e realizar prequestionamento. proteção. sem ônus para este. (ED nº 0201340-7/02. Decisão à unanimidade de votos. 18 do TJPE: É dever do Estado-membro fornecer ao cidadão carente. Inexistentes as mazelas imprecadas contra o aresto embargado. "CAPUT". ALTO CUSTO. Este órgão jurisdicional tem precedente sobre a matéria. o dever de prestação de saúde por parte do Estado (União. IMPOSSIBILIDADE. caso deferido ao final. DOS ESTADOS E DO MUNICÍPIO. A finalidade dos direitos sociais "é beneficiar os hipossuficientes. a partir da realização da igualdade real"2. nos termos do art. 5º. in verbis: EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. Estados. Julgado no 2º Grupo de Câmaras. podendo direcioná-lo àqueles que lhe convier.) 3. 5. sem ônus para este. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DA UNIÃO. a parte necessitada não é obrigada a dirigir seu pleito a todos os entes da federação.. 7º da Lei nº. VICIOS DO ART. 4 de outubro de 2011 O art. o direito à saúde. IRRESIGNAÇÃO. O Poder Judiciário. E 196. terça-feira. portadora de Degeneração Macular relacionada à idade. concedo. DEVER CONSTITUCIONAL DO ESTADO . direta ou indireta. O dever do Estado se consubstancia na formulação e implementação de políticas sociais e econômicas que visem à redução. assim como os demais de segunda geração. não está formulando tampouco criando políticas públicas voltadas à promoção.3). demonstrada está a relevância do fundamento e a ineficácia do provimento. APLICAÇÃO DA SÚMULA 18 DESTE COLENDO TRIBUNAL. Necessidade imediata do medicamento.

5 . Encaminhe-se o ofício inclusive via fax. ingressar no feito. Curso de Direito Constitucional.MS nº 255571-3 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA 3ª CC Emitida em 03/10/2011 Diretoria Cível Relação No. terça-feira. Notifique-se a autoridade impetrada do conteúdo da petição inicial e. 3 Ibidem. a saúde. DOS S.PE. p. com ou sem informações. garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção. querendo. conforme carta circular aos usuários do SUS remetida pela própria Fundação (folha 18).016/09. Tal medida tem o intuito de evitar o desperdício do medicamento e sua correta aplicação. [. mais uma vez. proteção e recuperação. 403.14227 de Publicação (Analítica) ÍNDICE DE PUBLICAÇÃO Advogado Carlos Frederico de Albuquerque Vital DENIZE CAVALCANTE M. 619. 30/9/2011 EDUARDO SERTÓRIO Desembargador Relator 1Art. Oficie-se à autoridade coatora para dar cumprimento à presente decisão. 4 de outubro de 2011 Ademais. o trabalho. a assistência aos desamparados.Edição nº 184/2011 Recife . a fim de que no prazo de dez dias preste as informações que achar necessárias. em nome da impetrante. p. Intime-se. A saúde é direito de todos e dever do Estado. FILHA Flavio Marques Koury Henrich Kelsen Pereira de Cordeiro Ferreira Jefferson Danilo Barbosa Luiz Aureliano de Siqueira Sousa Júnior Marco Aurélio Freire Ordem Processo 004 0254634-1 003 0253778-4 004 0254634-1 003 0253778-4 001 0250381-9 001 0250381-9 004 0254634-1 256 . com envio de cópia da prescrição de medicamento (folha 17). 2007. São Paulo: Saraiva. 2011. 6o São direitos sociais a educação. Recife. com envio de cópia da prescrição de medicamento (folha 17)...] Art. 196. a proteção à maternidade e à infância. o lazer. determino a remessa e a aplicação do medicamento diretamente pela Fundação Altino Ventura. Publique-se. a segurança. conforme dispõe o artigo 12 da Lei nº 12. remetam-se os autos ao Ministério Público para opinar no feito no prazo de dez dias. Dê-se ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada (Procuradoria do Estado de Pernambuco). na forma desta Constituição. Após o prazo para manifestação da autoridade coatora. a moradia. Uadi Lammêgo. Defiro o pedido de justiça gratuita. enviando-lhe cópia da inicial sem documentos. 2 BULOS. para. a previdência social.

522 DO CPC . III 004 0254634-1 004 0254634-1 005 0254935-3 002 0252261-0 005 0254935-3 001 0250381-9 001 0250381-9 001 0250381-9 002 0252261-0 003 0253778-4 004 0254634-1 Recife . Na referida decisão o juízo a quo concedeu a liminar pleiteada no sentido de deferir o depósito em juízo da quantia de R$ 289.conforme Regimento Interno TJPE art. Presentes os requisitos de admissibilidade. Lima Rômulo Pedrosa Saraiva Filho Telma Mariza Cunha Maciel Thiago Arôxa Castro Campos Thiago Cantarelli de Andrade L.66. PROCESSUAL CIVIL . a. T. a. em face a suposto desvio de energia apurado por estimativa elaborada unilateralmente pela recorrente. como regra. III e Outro(s) . a. do estabelecimento comercial de propriedade do agravado. excluindo-se da mesma a cobrança da parcela 1/72 de parcelamento no valor de R$ 205. III : José Ricardo de Aguiar : Thiago Cantarelli de Andrade Lima Albuquerque : Thiago Arôxa Castro Campos : e Outro(s) .conforme Regimento I.AUSÊNCIA DE POTENCIAL LESIVO CONVERSÃO DO INSTRUMENTAL EM AGRAVO RETIDO . T.2011.17. ainda está seguindo seu curso com a instrução. terça-feira. Ao contrário do alegado. 4 de outubro de 2011 O Diretor informa a quem interessar possa que se encontram nesta diretoria os seguintes feitos: 001.0001. inserida após inspeção em estabelecimento comercial de propriedade do agravado e mediante a justificatica de ocorrência desvio de energia no período de agosto/2007 a julho/2010 (total parcelamento: R$ 14. tenha que não há urgência que justifique o seu acatamento. Isto caberá ao juízo processante. III : 3ª Câmara Cível : Des.conforme Regimento Interno TJPE art. A empresa agravante requer a concessão de efeito suspensivo à decisão de 1º grau que deferiu a consignação do valor referente à conta de energia elétrica com vencimento em 22/06/2011. face aos aparelhos elétricos constantes do estabelecimento. em tramitação pela 8ª Vara Cível da Capital. Como o caso. III e Outro(s) .As decisões interlocutórias exaradas em primeiro grau e desprovidas de potencial lesivo são incapazes de ensejar a interposição de agravo na modalidade instrumental. em que é autor o agravado. a. ocorreu desvio de energia. o perigo da demora milita em favor da parte agravada. T. No tocante à medida interposta.conforme Regimento I. 0250381-9 Comarca Vara Agravte Advog Advog Advog Agravdo Advog Advog Advog Orgao Julgador Relator Despacho Última Devolução Agravo de Instrumento : Recife : 8ª Vara Cível : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO-CELPE : Jefferson Danilo Barbosa : Luiz Aureliano de Siqueira Sousa Júnior : e Outro(s) .NÃO PROVIMENTO . sendo indicado o questionamento da decisão através do recurso de agravo retido. não há como aferir da licitude dessa cobrança ou se ela é devida ou não. setecentos e oitenta e seis reais e oitenta e oito centavos)). que pode restar bastante prejudicada com o pagamento de tal parcelamento.INTELIGÊNCIA DO ART.88 (catorze mil. pertinente à fatura de energia elétrica com vencimento em 22/06/2011.13 (duzentos e oitenta e nove reais e treze centavos). T. no que importa. Alfredo Sérgio Magalhães Jambo : Decisão Interlocutória : 30/09/2011 17:18 Local: Diretoria Cível DECISÃO INTERLOCUTÓRIA MONOCRÁTICA Trata-se de agravo de instrumento impetrado pela COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO . todavia. nos termos do inciso II do artigo 527 do Digesto Processual.Edição nº 184/2011 Paulo Artur Monteiro Renata dos Santos Fernandes Ronaldo F.conforme Regimento I.POSSIBILIDADE .CELPE com o intuito de ver reformada a decisão proferida nos autos da ação de consignação em pagamento c/c nulidade do ato administrativo e inexistência de débito com pedido l