Você está na página 1de 15

Fluidos

Fluidos

Propriedades básicas

Densidade ou massa específica

Consideremos um corpo homogêneo de massa m e volume V. A densidade ρ do corpo é definida por:

ρ =

m

V

.

No Sistema Internacional a unidade de densidade é :

kg / m 3 Outras unidades frequentes:

g / cm 3 kg / L

Exemplo:

Um corpo em forma de cubo de aresta a = 2,0 m tem massa m = 40 kg distribuída de maneira uniforme. Qual a massa específica do corpo?

de maneira uniforme. Qual a massa específica do corpo? O volume do corpo é: V =

O volume do corpo é:

V = a 3 = (2 0 m) 3 = 8 0 m 3 Como a massa é m = 40 kg, a densidade do corpo é:

,

,

ρ =

m

V

ρ = 40/8,0

ρ = 5,0 kg/ m 3

Densidade dos fluidos

A massa específica de um fluido depende das condições de temperatura e pressão.

Substância

Massa específica (g/cm 3 )

Água

(0 o C e 1 atm)

1,0

Água

(100 o C e 1 atm)

0,958

Ar

(0 o C e 1 atm)

0,0013

Ar (0 o C e 50 atm)

0,0065

LÍQUIDOS: há pouca variação da densidade com a temperatura e pressão. GASES: a densidade é muito sensível às variações de temperatura e pressão.

Densidade relativa

A razão entre a massa específica de uma substância e a da água é chamada de densidade relativa. Exemplos:

Alumínio:

ρ Al = 2,7 g/cm 3

densidade relativa =

ρ Al

ρ água

Mercúrio:

ρ Hg = 13,6 g/cm 3

ρ

Hg

densidade relativa =

ρ água

=

2,7

g

/

cm

3

1,0

g

/

cm

3

=

13,6

g

/

cm

3

1,0

g

/

cm

3

= 2 7

,

= 13,6

Pressão

Suponhamos que sobre uma superfície plana de área A, atuem forças perpendiculares (Fig.1) cuja resultante é (Fig.2).

forças perpendiculares (Fig.1) cuja resultante é (Fig.2). Fig. 1 Fig. 2 Definimos a pressão média P

Fig. 1

perpendiculares (Fig.1) cuja resultante é (Fig.2). Fig. 1 Fig. 2 Definimos a pressão média P m

Fig. 2

Definimos a pressão média P m sobre a superfície por:

Unidade (SI): Pascal (Pa);

1 Pa = 1 N/m 2

P m =

F

A

Outras unidades: 1 atm = 101,325 kPa; 1 mmHg = 133,32 Pa, 1 bar = 100 kPa.

Obs.: Quando a força se distribui uniformemente sobre a superfície , a pressão é a mesma em todos os pontos e coincide com a pressão média.

Exemplo:

Sobre uma mesa está apoiado um bloco de massa m = 3,2 kg e que tem a forma de um cubo de aresta a = 20 cm. Calcule a pressão exercida pelo bloco sobre a mesa.

20 cm . Calcule a pressão exercida pelo bloco sobre a mesa. Força = peso do

Força = peso do bloco: F = mg F=3,2×9,81=31,4 N

Área: A = a 2 = 0,2×0,2 = 0,04 m 2

Pressão:

P = 31,4 N/0,04 m 2 = 785 Pa

Lei de Stevin

Consideremos um fluido incompressível (com densidade constante ρ), em equilíbrio sob a ação da gravidade.

constante ρ ) , em equilíbrio sob a ação da gravidade. Coluna de líquido Se a

Coluna de

líquido

Se a coluna de líquido está em equilíbrio a resultante das forças na vertical deve ser zero:

PA

PA
P A

P A

P

P

0

P A

0

P A

0

mg

= 0,

Ahg

ρ

= 0,

ρ

gh

= 0.

P = P + ρgh

0

A pressão é a mesma

em todos os pontos de mesma profundidade.

Aplicação da lei de Stevin

Consequência da lei de Stevin: a pressão não depende da forma do recipiente.

de Stevin: a pressão não depende da forma do recipiente. P x = P y Dois

P x = P y

a pressão não depende da forma do recipiente. P x = P y Dois líquidos imiscíveis:

Dois líquidos imiscíveis: A

e B.

a pressão não depende da forma do recipiente. P x = P y Dois líquidos imiscíveis:

P (1) = P (2)

Variação de pressão em um gás

Variação de pressão em um gás Elemento de volume de um fluido compressível em repouso. •

Elemento de volume de um fluido compressível em repouso.

A componente horizontal das forças no elemento de fluido é zero. Devido à simetria, a pressão deve ser a mesma em todos os pontos do plano horizontal. Na direção vertical, a condição de equilíbrio impõe que:

P(y+y) A + ρ A y g = P(y) A

Variação de pressão em um gás

P

(

y

+ ∆

y

)

P

(

y

)

y

= −ρ g

Tomando o limite quando y 0,

dP dy = −ρ g

(1)

“A pressão diminui com a altura”!

Caso particular: Gás ideal e temperatura constante.

P = ρRT,

(2)

Substituindo (2) em (1), podemos resolver a equação diferencial (1):

P

=

P e

0

g

y

RT

Princípio de Pascal

“A pressão aplicada a um fluido (confinado em um recipiente) é transmitida integralmente a todos os pontos do fluido e às paredes do recipiente”.

a todos os pontos do fluido e às paredes do recipiente”. Prensa hidráulica A pressão gerada

Prensa hidráulica

A pressão gerada pela força F 1 no pistão de área A 1 se transmite integralmente pelo líquido até o pistão de área A 2 .

F

1

=

A 1

F

2

A

2

Princípio de Arquimedes

Quando um corpo está total ou parcialmente imerso em um fluido em equilíbrio, este exerce sobre o corpo uma força, denominada EMPUXO, que tem as seguintes características:

1. Sentido oposto ao peso do corpo ;

2. Intensidade dada por E = P F , onde P F é o peso do fluido deslocado.

Por fluido deslocado, entendemos o fluido que preenche o volume ocupado pelo corpo, abaixo da superfície livre do fluido.

Princípio de Arquimedes

Princípio de Arquimedes Caso (A) : o volume de líquido deslocado é o volume da região

Caso (A): o volume de líquido deslocado é o volume da região hachurada. Caso (B): o volume de líquido deslocado é igual ao volume do corpo.

E

=

E

P

F

=

m

= ρ

F

V

F

F

g ,

g .

ρ F : densidade do fluido.

V F : volume de fluido deslocado.

g : aceleração da gravidade.

Princípio de Arquimedes

Exercício 1: Um corpo de densidade ρ C é submerso em um fluido de densidade ρ F . Quais são as condições (após retirada a mão) para que o corpo (a) flutue, (b) afunde ou (c) permaneça em equilíbrio dentro do fluido?

afunde ou (c) permaneça em equilíbrio dentro do fluido? Exercício 2 : Um bloco de um

Exercício 2: Um bloco de um material desconhecido pesa 3 N e tem um peso aparente de 1,89 N quando submerso em água. Qual o material do bloco?