Você está na página 1de 1

Em toda a minha pequena vida, nunca vi uma história se quer de uma pessoa normal que vivia uma vida

qualquer. porque afinal quem compraria um livro sobre uma pes soa qualquer que não tem história, mas sim paredes em cinza. Porem vejo que ate uma vida qualquer de uma pessoa qualquer tem sua obra, seu drama e sua história. Mesmo uma lesma verde e sem graça tem sua borboleta interior. Imagine um predio qualquer, de uma bairro residencial que não chamava muita atenção n en por sua arquitetura nen por sua localização, este predio tinha as janelas alinhad as e com cortinas pouco coloridas que passavam despercebidas de olhares curiosos . Porém a vida não é feita de paredes em cinza e sim por pensamentos revolucionários. os moradores eram cidadãos comuns diga-se de passagem, mas no meio de tanta mesmissi e exista alguem que , A . A tinha cabelos cor de terra molhada e seu jeito desaj eitado, uma menina que que tinha muito sal e faltava-lhe um poco de açúcar, sua vida se resumia a ela mesma, não que fosse uma pessoa egoísta ou cheia de si, mas sim po rque as oportunidades não lhe surgiam.Porem o que a fazia mais que diferente era o que ela pensava, como ela conseguia ver o mundo em uma azeitona, unica coisa qu e lhe fazia feliz olhar atraves de sua janela. A como era bom olhar e sentir o v ento, observar o tempo e surfar em pensamentos. Sua casa não lhe favorecia momento s de liberdade, talvez porque a mae era um pouco fria e seu pai, na verdade padr asto não era uma pessoa muito convidativa a conversas, então passar o tempo com seus pensamentos era tão bom quando sorvete, ou frio de montanha. era como se o mundo não fisesse diferença, oque ela sentia era so dela e de mais ninguem. Seu bairro não e ra muito cheio de pessoas, mas ela acha incrivel ver o contexto de vida de cada uma delas, como o professor Carlos um homem sempre estava com muita pressa, gera lmente deixava alguma coisa cair pelo caminho, ele saia cedo e geralmente pareci a que ele tinha muitas coisas a fazer, ou se não Fátima, uma mulher que estava sempr e com cara de cansada, ela tinha dois filhos e que A não sabia bem o nome porque não era muito de sair de casa,via que fátima geralmente andava felize que nada seria capaz de lhe deixar pra baixo, assim ela passava algum tempo pensando olhando as folhas que caiam de uma arvore que ficava em sua calçada, pensava em como seria s ua vida e como ela poderia deixar de ser tão sem sal,ela amava os dias chuvosos, c omo as pessoas se escondiam da chuva e como a chuva escorria pela janela ela cri ava sinfonias com o barulho que a chuva fazia e aproveitava o tempo para ler, co mo era bom, ela gostava de ver quando fatima saia de casa ela parecia uma das pe ssoas mas corajosas que A ja viu, e ela via tantas coisas e pensava em tantas ou tras que não caberia aqui,nen em outro lugar porque não cabiam nen mesmo na cabeça daq uela menina. Mas o sonho acabava no momento em que saía de sua janela, ela se via entre parede s cinza e uma realidade que a levava a escola e a pessoas que não a entendiam, não q ue ela não gostasse de estudar na verdade ela amava, gostava tanto que quando não es tava lendo ou em sua janela ela estudava, mesmo que ela não precisasse, sempre tir ava notas boas.porem isto parecia não fazer muita diferença em sua casa, ela continu ava entre suas grandes e duras paredes cinza. Os dias de A passavam normalmente, sem grades incidentes ou grandes acontecimen tos, a não ser quando se atrasava para ir para o colégio ou não fazia suas tarefas em casa,oque deixava sua mae um tanto quanto... nervosa. A janela de A era tão incrivel que ela sabia cada detalhe que la tinha, sabia os passaros que geralmente rondavam as redondezas, sabia qualdo o sol batia em sua janela e quando parava de bater, sabia cada detalhe por mais pequeno que fosse.

Interesses relacionados