Você está na página 1de 83

 Texto I

 A característica da oralidade radiofônica, então, seria aquela que propõe o diálogo


com o ouvinte: a simplicidade, no sentido da escolha lexical; a concisão e coerência,
que se traduzem em um texto curto, em linguagem coloquial e com organização
direta; e o ritmo, marcado pelo locutor, que deve ser o mais natural (do diálogo). É
esta organização que vai “reger” a veiculação da mensagem, seja ela interpretada ou
de improviso, com objetivo de dar melodia à transmissão oral, dar emoção,
personalidade ao relato de fato.
 VELHO, A. P. M. A linguagem do rádio multimídia. Disponível em:
www.bocc.ubi.pt. Acesso em: 27 fev. 2012.
 Texto 2.

 Já houve 29 sequestros no Estado de São Paulo neste ano, número que supera a
soma de todos os casos registrados nos cinco anos anteriores. Em média, a cada 35
horas alguém é levado para cativeiro. No ano passado, a proporção era de uma
ocorrência desse crime a cada seis dias. (Folha de São Paulo, 11/11/2001).
 Princípio da polidez: Introduzido por Brown e Levinson (1987), derivado dos
trabalhos de E. Goffman (1967) sobre face e do princípio de cooperação de Grice
(1975).
 Como as pessoas se relacionam entre si?

 As pessoas cooperam umas com as outras?

 Evitam conflitos?

 São solidárias?

 Quais regras (princípios de comportamento) regulam a interação humana?


 Como manter a solidariedade recíproca em uma interação?

 Em que consistem essas regras e princípios?

 O que as pessoas fazem em suas ações diárias na interação?


 A) Saia já daqui!

 B) Saia já daqui, por favor.

 C) Você poderia sair daqui?

 D) Será que você poderia sair daqui, por favor?


 Recurso de elaboração de face (autoimagem positiva dos indivíduos).

Erving Goffman

Trabalhos sobre a face

Recursos de dissimulação do afeto do tipo negativo.


 “a polidez é, de algum modo, organização de defesa ante a sociedade. Detém-se na
parte exterior, epidérmica do indivíduo, podendo mesmo servir, quando necessário,
de peça de resistência. Equivale a um disfarce que permitirá a cada qual preservar
inatas suas sensibilidades e emoções”. (1995, P. 177)
 Estudiosos da polidez: as pessoas tendem a cooperar entre si para manter a face
na interação.
 Deve-se assegurar a autoimagem de todos os participantes.
 Tentativa de formulação de regras de conduta de base de acordo com o tipo de
interação e cultura.
 Busca de hipóteses de investigação das razões pelas quais as pessoas produzem
estratégias (em princípio, universais, e também próprias a cada cultura) para a
interação verbal.
 Papel central no desenvolvimento dos estudos pragmáticos.

 1950: Estudo de natureza sociológica sobre os elementos rituais da interação.

 Introdução da noção de face.


 Valor social positivo que uma pessoa reclama para si mesma através daquilo que
os outros presumem ser a linha por ela tomada durante um contato específico.

 “é uma imagem do self definida em termos de atributos sociais aprovados”


(GOFFMAN, 1980, p. 77).
 Construída pelo indivíduo.

 Associadaàs situações sociais e interacionais nas quais se manifestam


determinadas condutas como polidez, tato, diplomacia.
 Princípio autorregulador: equilíbrio social: processos corretivos.
 Evitadas ou contornadas para que as pessoas atinjam seus objetivos, mesmo que
motivadas por interesses distintos.
Face defensiva Face protetora

 Prática defensiva que procura salvar  Visa salvar a face do outro por meio
a própria face. do respeito, discrição e cortesia.
Preocupação com a própria face e
com a face do outro.
 Orgulho, honra, dignidade.
 Gafes,

 Insultos maliciosos,

 Ofensas
 SOCIAL E NÃO INDIVIDUAL

 Associada a regras de convenção da sociedade.

 Ex: “Você poderia me informar as horas?


 Que horas são, por favor?
 Ameaças a face (invasão de privacidade).

 Pedido feito afim de que se atenue o grau de ameaça, imposição.


 Rodeios, Circunlóquios, a fim de se obter os objetivos.

“Marina, eu vou viajar na semana que vem e sei que você tem uma máquina digital.
Você poderia me emprestá-la?”
Três regras de polidez
 Polidez positiva/ proximidade/ distanciamento

 Respeito a individualidade do outro;

 Dependendo do contexto (graus de maior formalidade) cabe ao interlocutor


assumir uma atitude pouco ou não impositiva com o outro.

 Não impedir a pessoa a agir como deseja


 “Como vai? Como te enviei um e-mail, mas não sei se você recebeu, envio outro,
morrendo de vergonha e me desculpando de antemão pela invasão e insistência. Eu
gostaria realmente de poder dar início ao meu trabalho, por isso, preciso da sua
resposta. Não quero te incomodar ou ser chata. Além disso, eu gostei tanto de
trabalhar com vocês aí! Foi um momento de muito encontro e de muita importância
para mim”.
 Redator do e-mail:

1. Atitude o menos impositiva possível com o seu interlocutor de maneira a


resguardá-lo de uma possível situação de constrangimento ou ameaça;

2. Preocupação com a face negativa do outro.

3. Respeito à distância social e as relações de poder.


 Implica em dar possibilidade ao interlocutor aceitar ou não a proposta que lhe é
apresentada, entretanto, sem constrange-lo.
 Deixar o interlocutor livre para tomar posições.

 Evitar ser assertivo, categórico.


 “Enfim, querida amiga, cá estou, livre, leve e solto. Ao menos nessas duas semanas de
férias. Nosso lanche, quem sabe, é possível? Como estão seus dias. Engraçado, tanto
trabalho me dá urgência... E você é uma delas... Beijo, J”.

 Apesar da intimidade a estratégia de polidez funciona de modo o minimizar o


custo para o interlocutor, com o objetivo de deixa-lo a vontade para responder e
quem sabe aceitar o convite.
 Polidez necessária mesmo em contextos de maior intimidade.
 Regra da camaradagem, o outro é tratado como igual, a depender do contexto.

“Bom-dia! Já aqui estou, agarrada no computador, insone e arrombada. Acordei às 4.


Fazer o quê? Se ao menos a inspiração passasse por aqui... Já abri a janela, e tudo o
que entrou foram dois gatos. Mó. Te mando então Aline, Tão piedosa. Beijos matinais
e ainda reumáticos.”
 Face positiva: (autoimagem positiva incluindo o desejo de ser apreciado e
aprovado);

 Face negativa: reinvindicação básica para a privacidade e preservação pessoal.


 Preservação da face.
 Atos que ameaçam a face positiva do locutor : atos que repre
sentam auto -humilhação como o reconhecimento da própria
fraqueza, da incompetência, das limitações pessoais (o que
envolve pedido de desculpas, a admissão de um erro) etc.
 ·Atos que ameaçam a face negativa do locutor : a promessa,
por exemplo, compromete o sujeito a realizar atos que exigirão
dele o cumprimento da palavra empenhada, atos de avaliação
de competências alheias, julgamentos, aplicação de feedback,
agradecimentos, aceitação de favor, etc.
 Atos que ameaçam a face positiva do interlocutor : receber crítica, insulto,
desaprovação etc.
 Atos que ameaçam a face negativa do interlocutor : atos que ameaçam a
liberdade de ação do interlocutor, perguntas diretas sem demonstrar cortesia,
perguntas indiscretas, conselhos não solicitados, ordens, cobrança de
favorecimento anterior , etc.
 Manifeste atenção ao interlocutor
 · Exagere na aprovação e simpatia pelo interlocutor
 · Manifeste interesse pelo interlocutor
 · Mostre que você entende o que ele diz
 · Evite discordância
 · Dê ou peça razões, justifique -se
 Seja convencionalmente indireto
 · Seja evasivo, não se comprometa
 · Seja pessimista
 · Mostre deferência
 · Peça desculpas
 · Impessoalize locutor e interlocutor para indicar que o locutor não quer impingir
 algo ao interlocutor
 Ofereça compensações. http://www.diritto.it/archivio/1/20656.pdf
 1) Máxima de tato:
a) Minimize o custo do outro;
b) Maximize o benefício do outro.

Preciso te pedir um favor, mas já te adianto que não é nada demais, nada que vá tomar
seu tempo. É o seguinte...

Cliente para o garçom: Esta mesa está um pouco suja.


 2) Máxima de generosidade:

a) Minimize o benefício de si próprio;

b) Maximize o custo a si próprio.

Posso, sim, vou trocar o presente para você.


 3) Máxima de aprovação:
a) Minimize a aprovação do outro;
b) Maximize a honra do outro.

Se Zico não foi campeão do mundo, azar da Copa do Mundo.


 4) Máxima da modéstia:

a) Minimize seu orgulho, sua vaidade;


b) Maximize sua modéstia.

A: Você está tão bem hoje.


B: O que é isso?! São teus olhos.
 5) Máxima da concordância

a) Minimize a desavença entre as pessoas;


b) Maximize a concordância entre as pessoas.
Prezado Senhor.
O Itaú tem uma relação de total transparência com seus clientes. Por isso, queremos
manter você sempre bem informado sobre os assuntos relacionados à sua conta. Assim,
estamos informando que o seu LIS, o cheque especial do Itaú, está suspenso desde
12/06/2006.
O seu limite, porém, pode ser disponibilizado automaticamente após o
reestabelecimento de suas condições de crédito.
 6) Máxima de simpatia
a) Minimize a antipatia;
b) Maximize a simpatia.
Oi, L.
Desculpe-me pela demora na resposta! Estou com um semestre muitíssimo atribulado.
Estive em São Paulo, voltei anteontem da Argentina, onde fui para um congresso e viajo
domingo para uma reunião em Brasília, que vai até quarta a noite. No dia 15 começa
outra aventura! Uma loucura! E ainda como estou dando aula, orientando, indo para
reuniões... Desculpe-me mesmo. Um beijo grande, A.
 Leech: Princípio da polidez voltado em direção ao bem estar do outro.
 Wilson, V. Motivações pragmáticas.

 Pereira, J.S.L. Poder e polidez nos quadrinhos. Uma analise pragmática do


personagem Jandira. In. Cadernos do CNLF, série X. n. 11.

 Aguiar, A.E. A interação face a face: a preservação da ameaça às faces e a


estratégia de polidez em entrevistas da playboy.