Você está na página 1de 46

LASER

Profa. Silmara
LASER
Light Amplification of Stimulated Emissions
of Radiation.

Traduzindo...
Amplificação da luz por estimulação da
emissão de radiação.
 Einstein (1916): “princípios físicos da emissão
estimulada” – fenômeno onde está apoiado o laser.
 1950: construção do 1º oscilador de ondas
milimétricas:MASERs (amplificação de microondas
por estimulação da emissão de radiação) por Townes,
Gordon e Zeiger.
 1960: 1º maser óptico construído (a rubi) por
Maiman.
 1961: 1ª cirurgia (TU retina) – Hosp Presbiteriano de
NY
 1962: 1º laser semicondutor
 1964: laser a gás e dióxido de carbono
Sinclair e Knoll adaptam o laser a pratica
terapêutica
 1965: O termo “maser óptico” foi substituído por
LASER.

 O laser passou por enormes avanços e apresenta


inúmeras aplicações do dia-a-dia.
- Discos de áudio
- Leitura ótica de supermercado
- Telecomunicações
- Medicina.
 LUZ energia eletromagnética

 Comprimento de onda entre 100 e 10.000


nanômetros.

 Luz visível 400 (violeta) a 700 nm


TEORIA DOS FÓTONS (EINSTEIN)

 Efeito fotoelétrico: certos corpos emitem e- qdo


atingidos pela luz
 A energia luminosa é transmitida no espaço
como ondas que contém pequenos “pacotes
de energia”
 Os fótons contém uma quantidade definida de
energia, dependendo do seu comprimento de
onda
PRINCÍPIOS DA GERAÇÃO DO LASER
 Átomo: nêutrons
prótons
elétrons
 Nêutrons + prótons = núcleo do átomo
(carga positiva)

 Elétrons = giram em órbita ao redor do núcleo


(carga negativa)
 Os elétrons não absorvem nem irradiam
energia desde que sejam mantidos nas suas
órbitas (estado fundamental).
Elétron ganha ou perde uma quantidade de
energia

Muda de órbita

 Um fóton colide com o elétron de um átomo,


ele faz o elétron mudar de nível.
 Quando isso ocorre o átomo fica em um estado
excitado.

 Ele permanece nesse estado apenas


momentaneamente e libera um fóton (nível de
energia) idêntico ao que ele absorveu, que o
faz retornar ao seu estado fundamental.

 Esse processo é denominado de emissão


espontânea.
EMISSÕES ESTIMULADAS

 Este conceito foi postulado por Einstein e é


essencial ao princípio de funcionamento do
laser.

 Um fóton liberado estimularia outro átomo


igualmente excitado a se desexcitar, liberando
fóton idêntico.
 O fóton desencadeante continuaria a sua
trajetória inalterado.
 Esses dois fótons promoveriam a liberação de
fótons adicionais idênticos desde que
estivessem presentes outros átomos excitados.
 Para isso é necessário um ambiente com
número ilimitado de átomos excitados, que é
chamado de inversão de população (mais
átomos em estado excitado do que em estado
fundamental).
 Para ocorrer a inversão de população é
necessário uma aplicação de uma fonte de
força externa ao meio produtor de laser.

 Os fótons liberados são idênticos em fase,


direção e freqüência.

 Para contê-los e gerar mais fótons, são


colocados espelhos nas terminações da
câmara.
Os fótons são refletidos na câmara , que
amplifica a luz e estimula a emissão de
outros fótons a partir dos átomos excitados.
 São tantos fótons estimulados que a câmara
não pode conter a energia.

 Quando se atinge um nível específico de


energia, fótons de um comprimento de onda
particular são ejetados pelo espelho
semipermeável.

 Assim, é produzida uma luz amplificada por


meio de estimulação de emissões (LASER).
 A luz laser é emitida de modo organizado e
apresenta 3 propriedades que o distingue das
fontes de luz incandescente e fluorescente:

- COERÊNCIA

- MONOCROMATICIDADE

- COLIMAÇÃO
COERÊNCIA

 Significaque todos os fótons de luz


emitidos a partir de moléculas individuais
de gás têm o mesmo comprimento de
onda e estão em fase uma com a outra.
MONOCROMATICIDADE

 Significa a especificidade da luz de um


único comprimento de onda definido. Se
a especificidade está no espectro da luz
visível, ela tem apenas uma cor.
COLIMAÇÃO

 Háuma divergência mínima dos fótons.


Os fótons se movem de forma paralela,
concentrando o feixe de luz.
TIPOS DE LASERS

 São classificados de acordo com a


natureza do material colocado entre as
duas superfícies refletoras.

 Existem milhares de tipos diferentes de


laser, cada um com comprimento de onda
específico e características únicas,
dependendo do meio condutor.
Os meios de produção de laser podem ser:

 Cristale vidro (estado sólido)


 Gás (HeNe)

 Semicondutor

 Corante líquido e químico

 Diodo (GaAs)
 Lasers podem ser: alta e baixa potência

Alta potência: apresentam respostas


térmicas. São usados para:
 Cortes cirúrgicos e coagulação
 Oftalmologia
 Dermatologia
 Oncologia
 Cirurgia vascular
Baixa potência: atérmicos. São usados
para:
 Cicatrização de ferimentos

 Manuseio da dor

 Produzem efeitos fotoquímicos em vez de


térmicos.
LASERS MAIS COMUNS

 GaAs (904 nm) – arsenieto de gálio

 GaAlAs (830 nm) – arsenieto de gálio e alumínio

 AlGaInP (660 nm) – alumínio, gálio, índio e fósforo

 HeNe (632,8 nm) – hélio e neônio


MODOS DE EMISSÃO

 Contínuo e pulsado

 Caneta Laser 660 nm e 830nn: operam no


modo contínuo e pulsado (50%) com
possibilidade de escolha de 10 freqüências:
2,5 Hz, 5 Hz, 10 Hz, 20 Hz, 75 Hz, 150 Hz, 300
Hz, 700 Hz, 1 KHz e 2KHz
 Estas
freqüências servem para proporcionar
analgesia por diferentes vias fisiológicas.

 2,5Hz – para lesões agudas


 20 Hz – para cura de feridas
 150 Hz – para alívio da dor
 2 KHz – para lesões crônicas e feridas que
não fecham
 Caneta
laser 904 nm: opera somente no
modo pulsado a 9500 Hz.
AÇÃO FISIOLÓGICA
 ↑ de fibroblastos
 ↑de fibras colágenas
 ↑de corpúsculos intracelulares do tipo lisossoma
 ↑vesículas intracelulares
 ↑atividade da succinildesidrogenase das células
epiteliais basais*
 ↑atividade da lactodesidrogenase e esterases não -
especificas dos fibroblastos.*

* Experimento em ratos
AÇÃO E EFEITO
1 – Efeitos primários ou diretos:
 Efeito bioquímico
1. Histamina, serotonina e bradicinina - liberação
do contingente já produzido
2. Modificação nas reações enzimáticas.
 Efeito bioelétrico:Potencializa a bomba de Na/K
1. Modo direto = atua sobre a mobilidade iônica
2. Modo indireto = ↑ qti// ATP produzido
 Efeito bioenergético:Potencial de membrana
1. Estimula em todos os níveis normalizando a
eficiência e equilibrando desigualdades
AÇÃO E EFEITO
2 – Efeitos secundário:
 Estímulo a microcirculação: Esfincteres pré-capilares
1. Histamina inibe esfíncteres = ↑ fluxo sg
2. Laser regula a função
 Estímulo trófico celular: ↑ processo de reparação
1. ↑ velocidade de regeneração das ff nnsa traumatizadas
2. ↑ reparação em tecido ósseo
3. Estimulo geral sobre a hematopoese na medula
4. ↑ trofismo da pele
5. Ativação do bulbo piloso
6. Incidência de desaparecimento das calcificações (escapulo-
umerais)
3 – Efeitos terapêuticos:
 Aumento do ATP intracelular

 Analgésico

 Anti-inflamatório, anti-edematoso e
normalizador circulatório
 Efeito estimulante do trofismo dos tecidos

 Estimulador dos pontos de acupuntura


ANALGÉSICO

 ↓ inflamação, ↑ reabsorção de exsudato e


favorece a eliminação de substancias
alógenas.
 ↑ microcirculação

 Evita a despolarização da fibra de dor

 ↑ liberação de β endorfina

 Evita a redução do limiar de excitabilidade dos


receptores dolorosos
 Normaliza e equilibra a região da lesão
ANTIINFLAMATÓRIO

 Interfere na síntese de prostaglandinas.


 Estimula a microcirculação garantindo aporte
de elementos nutricionais e defensivos para a
area lesada
 É atermico = lesões agudas
ANTIEDEMATOSO
 Estimula a microcirculação
 Ação fibrinolitica

CICATRIZANTE
 ↑ produção de ATP
 Estimula a microcirculação
 Estimula angiogênese
 Reflexão:ocorre na superfície de cada extrato
 Difusão: ocorre com moléculas, fibras, organelas... entre os
extratos que absorvem a energia
 Absorção: moléculas, fibras, organelas que absorvem a energia
que provoca um processo bioquímico e um bioelétrico,
dissipando esta energia em forma de calor
 Transmissão: o raio incidente transpõe as difrentes camadas
da pele.
DOSES

 Efeito analgésico: 2 a 4 J/cm2

 Efeito anti-inflamatório: 1 a 3 J/cm2

 Efeito regenerativo: 3 a 6 J/cm2

 Efeito circulatório: 1 a 3 J/cm2


DOSES
 Fase aguda ________ doses baixas (1 – 3 J/cm2)
 Fase sub-aguda ____ doses médias (3 – 4 J/cm2)
 Fase crônica _______ doses altas (5 – 7 J/cm2)

 Inibitório ________ doses acima de 8 J/cm2


 Estimulatorio ____ doses abaixo de 8 J/cm2

 A terapia não deve ultrapassar 40 a 45 minutos


 Intercalar as aplicações com intervalo de tempo de
24h no mínimo.
INDICAÇÕES CONTRA INDICAÇÕES

 Cicatrizes  Irradiação direta sobre a


 Tendinites retina
 Neuralgias  Irradiação em focos
 Ferimentos bacterianos agudos.
 Hematomas  Tumores
 Úlceras
 Queimaduras
 Dor localizada
PRECAUÇÕES
 Os lasers fornecem radiação não-ionizante. Isso
significa que não foram observados efeitos
mutagênicos sobre o DNA e nenhum dano às células
ou membranas celulares.
 Indivíduos de pele escura tem necessidade de doses
menores do que sujeitos de pele clara.
 Indivíduos nutridos tem necessidade de doses
menores do que sujeitos desnutridos.
 Pele mais espessa, maior a dose.
PRECAUÇÕES
- é melhor exposição menor do que superexposição.
- desaconselhável o tratamento na gravidez.
- arritmia cardíaca, disfunções tireóideas, marca
passos, pacientes em tratamento come esteróides ou
fármacos fotossensibilizantes.
MODO DE FAZER!!!

Técnicas de aplicação
1 – Pontual

2 – Por zona ou região

3 - Varredura
PONTUAL POR ZONA OU REGIÃO
 Marcar pontos na  É necessário fazer o
área a ser tratada de cálculo da área e do
1 em 1 cm. tempo de aplicação.
 Aplicar o laser em  Utiliza-se uma lente
cada ponto divergente para divergir os
feixes e pegar toda a área.
 Colocar a intensidade no
free.

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO
VARREDURA

É necessário fazer o cálculo da área e do


tempo de aplicação.
 Colocar a intensidade no free.

 Fazer a aplicação “varrendo” a área a ser


tratada.
CÁLCULO DA ÁREA

R = 2 cm

2 cm (b)

2 cm (h)

A = π R2
A=bxh π = 3,14
A = 3 x 22
A=2x2 A = 12 cm2
A = 4 cm2