Você está na página 1de 39

ESPELHOS ESFÉRICOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA

Calota esférica

Face côncav Face conve


a xa

1
ELEMENTOS GEOMÉTRICOS
A
ÓPTICA GEOMÉTRICA


 
Eixo
Princi
C V

B
C = centro de curvatura
V = vértice ( é o pólo da calota esférica )
R = raio de curvatura ( é o raio da esfera )
α = ângulo de abertura

2
RAIOS NOTÁVEIS
Todo raio de luz que incide paralelamente ao eixo principal reflete-se nu
ma direção que passa pelo foco .
ÓPTICA GEOMÉTRICA

C F V V F C

3
RAIOS NOTÁVEIS
Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo foco reflete
-se paralelamente ao eixo principal.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

C F V V F C

4
RAIOS NOTÁVEIS
Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo centro de curv
tura reflete-se sobre si mesmo.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

C F V V F C

5
RAIOS NOTÁVEIS
Todo raio de luz que incide no vértice do espelho reflete-se simet
ricamente em relação ao eixo principal.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

 
C F  V  V F C

6
Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

1º caso : objeto além do centro de curvatura C


Real
Menor
Invertida

C F V

7
Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

2º caso : objeto no centro de curvatura C

Real
Igual
Invertida

C F V

8
Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

3º caso : objeto entre o centro de curvatura C e o foco F

Real
Maior
Invertida

C F V

9
Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

4º caso : objeto no foco F

Imprópria

θ
C F θ V

10
Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

5º caso : objeto entre o foco F e o vértice V

Virtual
Maior
Direita

θ
C F θ V

11
Construção geométrica das imagens
ESPELHO CONVEXO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Virtual
Menor
Direita

V F C

12
APLICAÇÕES PRÁTICAS
Espelhos convexos (divergentes)
são geralmente utilizados por am
ÓPTICA GEOMÉTRICA

pliarem o campo visual.

13
APLICAÇÕES PRÁTICAS
Espelhos Côncavos (convergentes) são geralmente utilizados por
concentrarem os raios luminosos ou mesmo por formarem imagen
ÓPTICA GEOMÉTRICA

s ampliadas

14
Lentes esféricas
Um sistema óptico homogêneo e transparente que possua du
as superfícies de separação onde pelo menos uma superfície
ÓPTICA GEOMÉTRICA

é esférica, é chamado de lente esférica.


Lentes de bordas finas

Lentes de bordas grossas

 Importante: O comportamento
óptico de uma lente dependerá d
o meio no qual ela é colocada.

15
Lentes esféricas
Lentes de borda fina ou delgada
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Biconvexa Côncavo - convexa Plano - Convexa

Lentes de borda grossa ou espessa

Bicôncava Plano - Côncava Convexo - côncava

16
Comportamento óptico
Lente mais refringente que o meio (nL nM)
ÓPTICA GEOMÉTRICA



Lente Lente
Convergente Divergente

 

Lente menos refringente que o meio (nL nM)


 

Lente Lente
Divergente Convergente
 

17
Lentes Esféricas
Resumo: Lente de borda fina Lente de borda grossa
ÓPTICA GEOMÉTRICA

nlente  nmeio Convergente Divergente

nlente  nmeio Divergente Convergente

Representação esquemática das lentes


Lente Convergente Lente Divergente

Ao Fo O Fi Ai Ai Fi O Fo Ao

18
Raios Notáveis
Todo raio que incide paralelamente ao eixo principal emerge na direç
ão do foco imagem
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Ao Fo C Fi Ai Ai Fi C Fo Ao

19
Raios Notáveis
Todo raio que incide na direção do foco objeto emerge paralelamente
ao eixo principal.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Ao Fo C Fi Ai Ai Fi C Fo Ao

20
Raios Notáveis
Todo raio que incide na direção do ponto antiprincipal objeto emerge
na direção do outro antiprincipal imagem.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Ao Fo C Fi Ai Ai Fi C Fo Ao

21
Raios Notáveis
Todo raio que incide no centro óptico da lente emerge sem sofrer de
svio.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Ao Fo C Fi Ai Ai Fi C Fo Ao

22
CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DA
S IMAGENS
LENTE CONVERGENTE
ÓPTICA GEOMÉTRICA

1º caso : objeto colocado além do ponto antiprincipal objeto

Real
Menor
Invertida

Ao Fo C Fi Ai

23
CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DA
S IMAGENS
LENTE CONVERGENTE
ÓPTICA GEOMÉTRICA

2º caso : objeto sobre o ponto antiprincipal objeto

Real
Igual
Invertida

Ao Fo C Fi Ai

24
CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DA
S IMAGENS
LENTE CONVERGENTE
ÓPTICA GEOMÉTRICA

3º caso : objeto colocado entre o antiprincipal objeto e o foco o


bjeto

Ao Fo C Fi Ai

Real
Maior
Invertida

25
CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DA
S IMAGENS
LENTE CONVERGENTE
ÓPTICA GEOMÉTRICA

4º caso : objeto colocado sobre o foco objeto

Imprópria

Ao Fo C Fi Ai

26
CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DA
S IMAGENS
LENTE CONVERGENTE
ÓPTICA GEOMÉTRICA

5º caso : objeto colocado entre o foco objeto e o centro óptico


da lente
Virtual
Maior
Direita

Ao Fo C Fi Ai

27
CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DA
S IMAGENS
LENTE DIVERGENTE
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Virtual
Menor
Direita

Ai Fi C Fo Ao

28
OLHO HUMANO
ÓPTICA GEOMÉTRICA

29
DEFEITOS VISUAIS: Miopia
Olho Normal Olho Míope
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Características do míope:
Não enxerga com nitidez objetos impróprios, ou seja , objetos no “infinito”
Seu ponto remoto ( Pr ) é limitado
Seu globo ocular é alongado
A imagem é formada antes da retina
A correção é feita mediante o uso de lentes divergentes

30
DEFEITOS VISUAIS: Hipermetropia
Olho Normal Olho Hipermétrope
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Características do hipermétrope:
Não enxerga com nitidez objetos mais próximos dos olhos
Seu ponto próximo (Pp) situa-se mais distante do olho que o normal (25cm)
Seu globo ocular é curto
A imagem é formada depois da retina
A correção é feita mediante o uso de lentes convergentes

31
Correção : Miopia
ÓPTICA GEOMÉTRICA

A lente de um míope (lente divergente) forma imagens men


ores e por isso podemos afirmar que o Sr. A é míope.

32 .
Correção: Hipermetropia
ÓPTICA GEOMÉTRICA

A lente de um hipermétrope (lente convergente) forma ima


gens maiores e por isso podemos afirmar que o Sr. B é hiper
métrope.

33
Defeitos visuais: Presbiopia
O presbita apresenta como defeito o endurecimento do cristalino e, por
conseguinte, a perda da capacidade de acomodação visual.
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Características do presbita:
É comum às pessoas com idade superior a 40 anos.
Tem dificuldades em “ver de longe” e também “de perto”.
A correção é feita mediante o uso de lentes bifocais, que têm uma reg
ião destinada à visão de objetos longínquos e outra destinada à visão de
objetos próximos.

34
Defeitos visuais: Presbiopia
ÓPTICA GEOMÉTRICA

Visão normal 1º sintoma

Uso de lentes Uso de lentes


para leitura bifocais

35
Defeitos visuais: Astigmatismo
O astigmatismo é uma deficiência visual, causada pelo formato irre
gular da córnea formando uma imagem em vários focos que se encontr
ÓPTICA GEOMÉTRICA

am em eixos diferenciados. Uma córnea normal é redonda e lisa. Nos c


asos de astigmatismo, a curvatura da córnea é mais ovalada. Este desa
juste faz com que a luz se refrate por vários pontos da retina em vez de
se focar em apenas um.
A correção do astigmatismo é feita
com o uso de lentes cilíndricas.

36
Defeitos visuais: Estrabismo
É quando há perda do paralelismo entre os olhos. Popularmente as
pessoas com estrabismo são chamadas de "vesgas". Embora a forma
mais comum seja o desvio convergente (desvio de um dos olhos para
ÓPTICA GEOMÉTRICA

dentro), podem ser divergentes (desvio para fora) ou verticais (um olh
o fica mais alto ou mais baixo do que o outro).

Estrabismo Convergente Estrabismo Divergente


Endotropia Exotropia

O estrabismo é corrigido com us


o de lentes prismáticas.

37
Estudo analítico
ÓPTICA GEOMÉTRICA

38
Estudo analítico lentes
Vergência de uma lente
ÓPTICA GEOMÉTRICA

V=1/f

Unidade:
f→m

V → 1/m = di(dioptrias)

f > 0 → V > 0 → lente convergente


f < 0 → V < 0 → lente divergente

39