Você está na página 1de 18

1ªDinastia Afonsina ou

Borgonha
( o primeiro rei foi D. Afonso Henriques, filho de D Henrique de Borgonha)
Prosseguiu a sua reconquista com o objetivo de
lutar contra os mouros e conquistou as cidades:

1147- Santarém; Lisboa; Almada e Palmela


1158- Alcácer do Sal
1165 – Évora

D. Afonso Henriques morre a 6 de dezembro de


1185, aos 74 anos na cidade de Coimbra

O Conquistador
Após a morte de D. Afonso
Henriques sucedeu-lhe o seu filho
D. Sancho I.
Foi um grande administrador,
tendo acumulado no reino um
verdadeiro tesouro.
Uma das suas maiores
preocupações foi o povoamento
das terras , nas quais criou
concelhos e industrias.

Durante o seu reinado conquistou


a cidade de Silves. Passou a titular-
se rei de Portugal e dos Algarves.
Numa das muitas lutas perdeu
Silves e os mouros reconquistaram
Alcácer , Palmela e Almada,
ficando apenas Évora nas mãos
dos portugueses.

Durante o reinado de D. Sancho I

O Povoador houve um grande conflito com o


clero o qual se reconcilia por
altura da sua morte.
Este monarca sempre que precisava de
tomar decisões convocava as Cortes de
Coimbra (reuniões dos representantes da
nação Clero e Nobreza que
aconselhavam acerca das decisões
importantes a tomar. Isto porque a sua
grande preocupação foi a administração
do reino.

No seu reinado foi reconquistado Alcácer


do Sal que tinha sido perdida no reinado
de seu pai.

O Gordo
Fez várias conquistas
como Elvas, Moura,
Serpa, Aljustrel, Mértola
e uma parte
Do Algarve.
D. Sancho II é acusado
pelo Clero de
administrar mal o reino.
Perante esta acusação
o Papa Inocêncio IV
destitui-o e entregou o
governo ao seu irmão
Afonso, o Conde de
Bolonha.

O Capelo
D. Afonso III foi notável administrador,
fundou povoações restaurou, repovoou a
cultivou lugares arruinados e concedeu
numerosos forais.
No seu reinado o Algarve foi conquistado
definitivamente.
Após este grande feito, quer este rei , quer
os restantes que lhe sucederam passaram
a usar o nome “ Rei de Portugal e dos
Algarves”.

Foi no reinado de D. Afonso que se


reuniram pela primeira vez as cortes em
Leiria, tendo a sua representação
,também pela primeira vez o Povo ( os
representantes eram escolhidos entre os
administradores dos concelhos).

O Bolonhês
Em 1267 estabeleceu-se o Tratado de
Badajoz entre o Rei de Portugal e o Rei de
Castela que determinou os limites das
fronteiras de Portugal.
Este rei desenvolveu a agricultura e tomar medidas para tornar
as terras mais produtivas.
Durante o seu reinado:
Mandou semear os pinhais de Azambuja e de Leiria;
Mandou enxugar terras pantanosas como Salvaterra de
Magos, Muge e Valada;
Mandou construir vários castelos como por exemplo:Leiria,
Beja,Castelo de Vide;
Criou e desenvolveu feiras e mercados;
Criou as feiras francas onde os comparadores e vendedores
podiam comercializar sem pagar impostos e não podiam ser
presos;
Desenvolveu a indústria da pesca; minas de ouro, prata, ferro e
cobre;
Mandou construir novos barcos para o transporte de
mercadorias e para a pesca.
Criou a Bolsa de Mercadores que protegia os mercadores caso
fossem assaltados por piratas ou sua embarcação naufragasse;
Apoio os estudantes, criando a primeira universidade

O Lavrador chamada Estudo Geral;


Foi também no seu reinado que o português foi reconhecido
como língua oficial.
Casou com D.Isabel de Aragão que foi
considerada Rainha Santa pelo povo devido a
vários milagres que sendo o mais conhecido
“Milagre das Rosas”
Depois da morte do rei, a rainha recolheu-se no
Convento de Santa Clara , em Coimbra.
O Bravo
Era um rei que adorava a justiça e e muito amigo de
fazer tudo direito.
Era muito generoso e partilhava a sua mesa com todos.
O povo adorava-o.
Emprenhou-se para que Portugal fosse prospero e foi um
bom administrador.
Casou com D.Constança e com D.Inês de Castro

O Justiceiro
Inês de Castro: Veio para Portugal como dama de companhia
de D. Constança, mulher de D. Pedro, o herdeiro do
Trono , e por quem este se apaixonou e com quem queria casa.
D. Afonso IV, instigado pelos seus conselheiros a considerar esse
casamento prejudicial aos interesses da Nação, consentiu a
condenação à morte de D. Inês de Castro . Foi executada nos
paços de Santa Clara em Coimbra, em 1355, por Álvaro
Gonçalves, Pêro Coelho e Diogo Lopes Pacheco.

O príncipe D. Pedro, desesperado, revoltou-se contra o pai.


Interveio a rainha D.Beatriz, a mãe de D.Pedro, que
estabeleceu a paz.
Quando D.Pedro subiu
ao trono vingou-se da
morte de D.Inês punindo
severamente os
assassinos.
Casou com D. Leonor Teles.
Travou várias guerras com o Rei de Castela, pois achava-se
com direito ao trono de Castela.
Para combater o êxodo rural ( abandono do meio rural)
implementou a Lei das Sesmarias que obrigava os
desleixados, os mendigos e os vadios a cultivar as terras. Esta
medida foi uma forma de proteger a agricultura.
Transferiu a universidade de Coimbra para Lisboa.
Fundou povoações, reparou castelos e protegeu as cidades
de Lisboa e Porto com fortes muralhas.
Com o desenvolvimento da comércio interno e marítimo
apareceram mercadores ricos que deram origem a uma
classe social: Burguesia.

Quando morreu, deixou uma única filha D. Beatriz , casada

O Formoso
com D. João I, rei de Castela.
O problema de sucessão por morte de D. Fernando
Contrato de casamento: o trono só poderia ser ocupado por um filho de D. Beatriz quando atingisse
14 anos
Até isso acontecer quem governava seria D. Leonor Teles

? Como D. Beatriz não tinha filhos, D.Leonor


assumiu a regência do reino e proclamou
D.Beatriz “rainha de Portugal”

O povo ficou descontente porque esta medida


podia conduzir Portugal à perca da
independência de Portugal e povo também
não gostou de ter D. Leonor no governo do país

D.Leonor Teles D.Beatriz

Organiza-se uma revolta chefiada por D. João, Mestre de Avis, para afastar
D.Leonor e também o seu Conselheiro galego Conde de Andeiro
Foram ao Paço Real e o Mestre de Avis matou o Conde de Andeiro .
D.Leonor Teles foge e pede ajuda ao Rei de Castela para invadir Portugal

O povo de Lisboa ao saber da morte do Conde vem para a rua e


aclama D. João, Mestre de Avis , “ Regedor e Defensor do Reino.
D. João, Mestre de Avis , toma conta do
governo do país mas sente dificuldade. Não
tinha exército, nem dinheiro. A maioria da
nobreza apoiava D. Leonor e o povo e a
burguesia apoiava D.João.

D. João marcha sobre Lisboa. Uma


esquadra sobe o Tejo e ataca em
frente da cidade. A cidade está
cercada pelo exército castelhano. Os
combates sucedem-se. O cerco dura
5 meses. Os portugueses lutam e
resistem. O exército castelhano é
atacado pela peste negra que os
mata em massa e por isso o Rei de
Castela manda retirar o cerco.
D.João , Mestre de Avis é ajudado por D. Nunes Álvares
Pereira numa atalha contra os castelhanos e ganha-a em
Atoleiros .
Como Portugal não tinha rei
que governasse, foram
convocadas as Cortes de
Coimbra em 1385.

Quem foi proclamado rei foi .


João, Mestre de Avis com o
nome de D.João I, apesar da
oposição dos Nobres.