Você está na página 1de 84

Conceitos Básicos

de Saúde

Newton Miguel Moraes Richa


Médico do Trabalho
1
A INDÚSTRIA
MODERNA NÃO É
SUSTENTÁVEL.

2
O DESAFIO DA POLUIÇÃO QUÍMICA

> 10.000.000 SUBSTÂNCIAS


IDENTIFICADAS
PRODUÇÃO ANUAL > 400 MILHÕES TON

ESCALA IND. > 100.000 SUBSTÂNCIAS


3.000 SUBSTÂNCIAS AVALIADAS
EFEITOS DAS MISTURAS ?
SOCIEDADE DESINFORMADA
3
DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO
TOXICOLÓGICA DISPONÍVEL:

• Especialistas em
Toxicologia;
• Outros profissionais do

campo das Ciências da Saúde.

4
INICIATIVA DA UNIVERSIDADE DO
ARIZONA
•Treinamento de profissionais
de diferentes áreas em
Toxicologia Ambiental.

Prioridade: Engenheiros.

www.superfund.pharmacy.arizona.edu/toxamb
5
A RÁPIDA INDUSTRIALIZAÇÃO
BRASILEIRA
INTRODUÇÃO DE TECNOLOGIAS
DESENVOLVIDAS NO EXTERIOR

TREINAMENTO DO COMO FAZER


DISSOCIADO DO COMO PROTEGER

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE
OPERAÇÃO INADEQUADOS

ALTOS ÍNDICES DE ACIDENTES E DOENÇAS


6
DO TRABALHO E DANOS AMBIENTAIS.
A FACE OCULTA DO TRABALHO
AS DOENÇAS OCUPACIONAIS

7 55
O GLOBO - 07/05/2002

Warren Buffett, presidente do conglomerado Berkshire


Hathaway realiza um balanço anual, conhecido como “o
Woodstock dos capitalistas” e apresenta o chamado
“Oráculo de Omaha”.

Suas palavras sobre asbestos:

“Ameaça mesmo vem das ações contra as empresas ligadas


direta ou indiretamente à produção de asbesto, um produto
químico altamente cancerígeno.” Ele alertou que todas as
empresas ligadas ao produto vão sofrer ações na Justiça e a
situação vai ficar pior nos próximos cinco anos.

8
UMA ESTRANHA DOENÇA
H.G., 45 anos, inglês (Londres).

Ajudante de manutenção elétrica por 20 anos no mesmo


posto de trabalho.

Irritabilidade, agressividade e tremor nas mãos.

Consulta médica: tranqüilizantes.

Piora progressiva do quadro clínico.

9
UMA ESTRANHA DOENÇA ll
Consulta a neurologista: hipótese diagnóstica de
esclerose múltipla.

Piora progressiva do quadro clínico. Correio rejeita


assinatura.

Trabalhador leu no jornal relato de caso semelhante ao seu.

Consulta médica, avaliação clínica e toxicológica:

Hidrargirismo = Intoxicação crônica causada 10


pelo mercúrio.
Lições a serem aprendidas
1- O médico fora da empresa dificilmente reconhece a
doença ocupacional.

2- A doença ocupacional geralmente não tem


características específicas.

3- A importância da comunicação dos riscos aos


empregados.

4- O médico do trabalho na empresa ocupa posição


estratégica para reconhecer e prevenir doenças
ocupacionais.
11
Razões para a gestão
integrada de SMS

12
IMPACTOS DO PROCESSO PRODUTIVO
NAS ÁREAS DE SMS
MATÉRIAS PROCESSO PRODUTIVO PRODUTOS
PRIMAS

MATERIAIS E ENERGIAS

INSTALAÇÕES E PESSOAS: MEIO AMBIENTE


EQUIPAMENTOS EMPREGADOS
VIZINHOS
CONSUMIDORES 13
Estrutura Básica dos Sistemas de Gestão
Integrada
MELHORIA CONTÍNUA
POLÍTICA

PLANEJAMENTO
• Identificação de aspectos, impactos e
ANÁLISE CRÍTICA perigos e avaliação e controle de riscos
PELA ADMINISTRAÇÃO • Requisitos legais e outros requisitos
• Objetivos
• Programa(s) de gestão

IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO
VERIFICAÇÃO E • Estrutura e Responsabilidade
AÇÃO CORRETIVA • Treinamento, conscientização e competência
• Comunicação
• Monitoramento e medição do • Documentação
desempenho • Controle da documentos e de dados
• Acidentes, incidentes, não-conformidades • Controle Operacional
e ações corretivas e preventivas • Preparação e atendimento a
• Registros e gestão de registros Emergências
• Auditoria

14
ACIDENTES COM GUINDASTES
 Empresa observa aumento de acidentes com
guindastes na área offshore;

 Durante treinamento de Segurança, médico do


trabalho observa dificuldade para leitura em alguns
trabalhadores;

 Exame oftalmológico evidencia vários


trabalhadores com deficiência visual sem correção.

15
CONCLUSÃO:

SEM ADEQUADO CONTROLE DA


SAÚDE NÃO HÁ SEGURANÇA

16
SAÚDE X SEGURANÇA

20 a 25% das pessoas


sofrem de insônia.

17
SAÚDE X SEGURANÇA
Portadores de apnéia do sono:
obesidade, álcool e sedativos
13 vezes mais probabilidade de
sofrerem acidente de trânsito

Sonolência Acidentes
18
SAÚDE X SEGURANÇA

20 % dos caminhoneiros
examinados nos Programas de
Promoção da Saúde apresentam
deficiência visual.
19
TRIÂNGULO DE HEINRICH

1 lesão grave 1500 Empresas


EUA - 1931

29 lesões leves

300 acidentes sem lesão

20
TRIÂNGULO DE BIRD

1 lesão grave 297 Empresas


EUA - 1969

10 lesões leves

300 acidentes com perdas


materiais

600 incidentes
21
EXPERIÊNCIA DA DUPONT

1 lesão grave

30 lesões leves

300 perdas materiais e


danos ambientais

3000 incidentes

30000 desvios
22
Gravidade

Morte

Incapacidade
permanente.

Incapacidade
temporária.

Doenças não causadoras de absentismo.

Alterações de exames complementares. Estilos de


vida e determinantes de risco à saúde. Exposição a
agentes físicos, químicos, biológicos e ergonômicos.

23
População trabalhadora
Acidente em uma planta química

Operador sofre queda andando


próximo à unidade de processo.

Causa do acidente: ato inseguro

Alguns dias após outro operador


sofre queda em local próximo.
24
Acidente em uma planta química ll
Causas do segundo acidente:
Falta de comunicação de mudança
no processo.
Investigação superficial do 1º
acidente.

25
SAÚDE X MEIO AMBIENTE
Para sobreviver, o corpo humano precisa retirar
do ambiente ar, água e alimentos continuamente.
de modo que, se a qualidade do ambiente está
alterada, poluentes presentes no ar, na água e
nos alimentos irão prejudicar nossa saúde.

Por causa disso, os impactos ambientais podem


afetar a saúde dos trabalhadores e das
comunidades vizinhas às instalações.
26
27
ACIDENTES E DOENÇAS DO
TRABALHO

i LESÃO
SUBSTÂNCIAS
AGENTES
ENERGIAS

DOENÇA

28 t
NÍVEIS DE RESPONSABILIDADE

 GOVERNAMENTAL
INSTITUCIONAL
GERENCIAL
INDIVIDUAL

29
Saúde X Doença

30
Saúde Doença
Bem estar Dor/Sofrimento
Capacidade Limitação
Produtividade Absentismo

31
SAÚDE

Estado de bem estar e plena


capacidade de usufruir
uma vida social e
economicamente
produtiva.
32
DETERMINANTES DO
ESTADO DE SAÚDE
Biologia humana

Ambiente

Estilo de vida

 Organização dos Serviços de


Saúde
33
Estilo de vida Fatores
Biológicos

53%
17%

10%
20% Meio
Ambiente Organização dos
Serviços de Saúde

34
SAÚDE
LEI 8080/90
•Art. 3º - A saúde tem como fatores
determinantes e condicionantes a
alimentação, a moradia, o saneamento
básico, o meio ambiente, o trabalho, a
renda, a educação, o transporte, o lazer e o
acesso aos bens e serviços essenciais.

•Os níveis de saúde da população


expressam a organização social e econômica
35
do país.
NÍVEIS DE ATUAÇÃO EM SAÚDE

 Promoção da saúde
 Proteção específica

 Diagnóstico precoce e pronto


tratamento
 Limitação do dano

 Reabilitação
36
 Promoção da saúde

Compreende medidas para aumentar o bem-


estar e melhorar os níveis de saúde como, por
exemplo, assegurar condições adequadas de
saneamento básico, nutrição, moradia, trabalho,
transporte, recreação, educação e
aconselhamento em saúde.

37
 Proteção Específica

Corresponde a medidas aplicáveis a uma doença


ou grupo de doenças específicas, visando
eliminar suas causas antes que atinjam o
organismo, como, por exemplo, a vacinação
antitetânica, o enclausuramento de uma fonte de
ruído, a blindagem de uma fonte radioativa e o
uso do EPI.

38
As ações de Promoção da Saúde e Proteção
Específica são estabelecidas antes da
ocorrência das doenças. A ênfase nessas ações
é essencial para a melhoria dos níveis de saúde
da coletividade, porque eliminam ou reduzem os
fatores de risco (causas) das doenças.

Essas ações transcendem a competência dos


profissionais de saúde e exigem a participação
de outros profissionais tais como engenheiros,
químicos, físicos, arquitetos, economistas,
administradores e outros profissionais para seu
planejamento e execução. 39
 Diagnóstico Precoce e Pronto Tratamento

Abrangem medidas utilizadas para diagnosticar a


doença na fase mais precoce possível e evitar
seu agravamento; para evitar contaminação de
terceiros, se a doença for transmissível; e para
restabelecer, no prazo mais curto possível, as
condições de saúde e capacidade de trabalho.
Exemplo: Exame médico periódico.

40
 Limitação do Dano

Consiste no tratamento clínico ou cirúrgico para


evitar o agravamento de lesões e de doenças
para estágios avançados, bem como na
aplicação de primeiros socorros para
manutenção da vida e prevenção de
complicações nas emergências médicas.

41
Primeiros Socorros

Um produto químico irritante atinge os olhos


de um trabalhador. Qual a primeira ação a
ser tomada?

42
Primeiros Socorros

Lavar os olhos da vítima com água corrente,


em abundância, por pelo menos 15 minutos.

Tais situações exigem muita rapidez no


primeiro socorro, para evitar danos
definitivos. O jato de água utilizado deve
fornecer água em abundância e sob baixa
pressão para não machucar os olhos.

43
 Reabilitação

Visa à reintegração do trabalhador ao efetivo


produtivo da empresa. É executada após a
estabilização das alterações anatômicas e
fisiológicas decorrentes da doença ou lesão que
provocou incapacidade permanente.

44
A BOA NOTÍCIA NO CAMPO
DA NUTRIÇÃO
Isoladas cerca de 10 mil
substâncias em frutas,
legumes e verduras, que
protegem contra o
desenvolvimento de câncer.
45
Nutracêuticos
Substâncias alimentares com capacidade
de proporcionar benefícios à saúde na
prevenção e no tratamento de doenças.

• Amora preta - carotenóides.


• Tomate - licopeno (prevenção do
câncer de próstata).
• Alho, cebola, cebolinha verde, nozes e
cereais integrais.
46
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

Reabilitação

47
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

Limitação do dano

Primeiros socorros

Transporte adequado

Internação hospitalar

Acompanhamento
48
Queimadura por ácido sulfúrico - evolução
49 de 7 dias.
Queimadura por ácido sulfúrico - após505 semanas.
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL
Diagnóstico Precoce e Pronto Tratamento

Exames médicos ocupacionais

51
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL
Proteção Específica
Ordem e limpeza
Manutenção de equipamentos

Equipamentos de proteção
individual

52
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

Promoção da saúde

Educação em saúde

 Controle de riscos na fase de


projeto

Inspeções e auditorias de SMS


53
Os níveis de saúde das
populações só se elevam na
medida em que se reduz, em
massa, o risco de doenças e
lesões.

54
Levantamento manual de cargas

55
Levantamento manual de cargas

Para levantar e carregar objetos de maneira correta:

• aproximar-se do objeto que vai ser levantado;


• manter os pés separados na largura dos ombros para
melhor sustentação;
• dobrar os joelhos, mantendo a coluna reta e a
musculatura do abdome contraída;
• levantar o objeto e mantê-lo junto ao tronco, apoiando-se
nos músculos das pernas com os joelhos levemente
dobrados;
• evitar torcer o corpo durante o deslocamento
56 do objeto;
GINÁSTICA LABORAL EM ESTALEIRO

57
NÍVEIS DE ATUAÇÃO EM SAÚDE

Dois novos níveis sugeridos pela


evolução da Epidemiologia:
 Prevenção Primordial

 Cuidados Paliativos

58
NÍVEIS DE ATUAÇÃO EM SAÚDE
 Prevenção Primordial

Deve vir antes da Promoção da Saúde


Corresponde à prevenção de fatores
de risco geralmente provenientes do
ambiente e sob a responsabilidade de
outros setores.

59
NÍVEIS DE ATUAÇÃO EM SAÚDE
 Cuidados Paliativos

Deve vir depois da Reabilitação.

Nível de grande importância social e


humanitária que deve integrar qualquer
plano estratégico na área de saúde.

60
PROMOÇÃO DA SAÚDE
1- ELIMINAR OU REDUZIR FATORES DE RISCO
DE DOENÇAS

2 - ÊNFASE NA EDUCAÇÃO EM SAÚDE

3 - PARTICIPAÇÃO DOS USUÁRIOS NA


IMPLEMENTAÇÃO
4 - CONSTRUÇÃO DE PARCERIAS
5 - RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL

61
Epidemiologia

Ramo das ciências da saúde que trata


dos fatores ambientais, pessoais e
outros fatores que influenciam a
incidência dos acidentes e doenças e
sua distribuição na população.

62
63
64
65
66
ITÁLIA - 1930
Fabricação de rayon
Trabalhadores atiravam-se de andares
altos.
Colocação de grades

Causa: exposição ao dissulfeto de


carbono.
67
ITÁLIA - 1930
Fabricação de rayon
Trabalhadores atiravam-se de andares
altos.
Colocação de grades

Causa: exposição ao dissulfeto de


carbono.
68
VIGILÂNCIA SANITÁRIA
Conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou
prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas
sanitários decorrentes do meio ambiente, da
produção e circulação de bens e da prestação de
serviços de interesse da saúde, abrangendo:
I - o controle de bens de consumo que, direta ou
indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas
todas as etapas e processos, da produção ao consumo; e

II - o controle da prestação de serviços que se relacionam


direta ou indiretamente com a saúde.

69
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Conjunto de ações que proporcionam o


conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer
mudança nos fatores determinantes e condicionantes de
saúde individual ou coletiva, com a finalidade de
recomendar e adotar as medidas de prevenção e
controle das doenças.

70
Saúde do Trabalhador

Conjunto de atividades que se destina, através das


ações de vigilância epidemiológica e vigilância sanitária,
à promoção e proteção da saúde dos trabalhadores,
assim como visa à recuperação e reabilitação da saúde
dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos
advindos das condições de trabalho, abrangendo:

71
Saúde do Trabalhador

I - assistência ao trabalhador vítima de acidente de


trabalho ou portador de doença profissional e do
trabalho;

II - participação, no âmbito de competência do SUS, em


estudos, pesquisas, avaliação e controle dos riscos e
agravos potenciais à saúde existentes no processo de
trabalho;

72
Saúde do Trabalhador

III - participação, no âmbito de competência do SUS, da


normalização, fiscalização e controle das condições de
produção, extração, armazenamento, transporte,
distribuição e manuseio de substâncias, de produtos, de
máquinas e de equipamentos que apresentam riscos à
saúde do trabalhador;

IV - avaliação do impacto que as tecnologias provocam


à saúde;
73
Saúde do Trabalhador

V - informação ao trabalhador e à sua respectiva


entidade sindical e às empresas sobre os riscos de
acidente de trabalho, doença profissional e do trabalho,
bem como os resultados de fiscalizações, avaliações
ambientais e exames de saúde, de admissão,
periódicos e de demissão, respeitados os preceitos da
ética profissional;

74
Saúde do Trabalhador

VI - participação na normalização, fiscalização e


controle dos serviços de saúde do trabalhador nas
instituições e empresas públicas e privadas;

VII - revisão periódica da listagem oficial de doenças


originadas no processo de trabalho, tendo na sua
elaboração a colaboração das entidades sindicais; e

75
Saúde do Trabalhador

VIII - a garantia ao sindicato dos trabalhadores de


requerer ao órgão competente a interdição de máquina,
de setor de serviço ou de todo o ambiente de trabalho,
quando houver exposição a risco iminente para a vida
ou saúde dos trabalhadores.

76
Importância estratégica da Saúde
do Trabalhador

Visa proteger a população


economicamente ativa.

77
Saúde Pública

Arte e ciência de prevenir as doenças e os


acidentes, prolongar a vida produtiva das
pessoas e promover a saúde e a eficiência,
mediante o esforço organizado da sociedade.

78
Saúde Pública

Engloba as atividades educativas em saúde, o


saneamento do ambiente, as medidas
preventivas de doenças e lesões, o controle das
doenças transmissíveis, a organização dos
serviços de saúde, em suma , todos os recursos
dirigidos à preservação e à recuperação da
saúde em termos coletivos.
79
PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO -
IBGE 2000

Cada R$1,00 investido em


SANEAMENTO BÁSICO
economiza-se R$ 4,00 no
tratamento de doenças.

80
COMPLEXIDADE E
TRANSDISCIPLINARIDADE

UMA ABORDAGEM
MULTIDIMENSIONAL DO
SETOR SAÚDE

Professor Mario M. Chaves -


UFRJ 81
A MAIS COMPLEXA E INTELIGENTE MÁQUINA:

O CORPO HUMANO

Homeostasia = Auto-regulação

 Temperatura corporal
 Equilíbrio hidro-eletrolítico
 pH do sangue

82
São as forças naturais
dentro de nós que
verdadeiramente curam as
doenças.

Hipócrates

83
Competitividade
Garantia da fatia do mercado
(market share)

Produtos e serviços em conformidade


com as necessidades e exigências dos
clientes externos

Otimização de projetos e aumento da


produtividade

Necessidades e exigências dos clientes


internos atendidas
84