Você está na página 1de 23

6214 – SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO

25 Horas
CONTABILÍSTICA
FORMADORA: CARINA REIS
NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE
RELATO FINANCEIRO PARA PEQUENAS
ENTIDADES - "NCRF-PE
• Não existem matérias tratadas contabilisticamente de modo
diferente do que ocorre nas NCRF de base.
• As políticas e critérios de reconhecimento e mensuração são
iguais aos NCRF, embora redigidos com menor
desenvolvimento, no caso do anexo, a uma extensão foi
reduzida.

Formadora: Carina Reis 2


NCRF-PE

• Trata-se de uma “NCRF resumo” (que exclui certas matérias),


esta não se pode considerar um referencial contabilístico
autónomo.

Formadora: Carina Reis 3


NCRF-PE

• A adoção das NCRF-PE não é uma imposição, mas uma


opção, para as entidades que não ultrapassarem dois dos três
limites seguintes, durante 2 anos seguintes:
• Total de balanço: € 1 500 000;

• Total de vendas líquidas e outros rendimentos: € 3 000 000;

• Número de trabalhadores empregados em média durante o exercício:


20.

Formadora: Carina Reis 4


VANTAGENS NCRF-PE VS NCRF

• Balanço reduzido;

• Demonstração de Resultados reduzida;

• Anexo Reduzido.

Formadora: Carina Reis 5


NORMAS INTERPRETATIVAS (NI)

• Sempre que as circunstancias o justificarem e para esclarecimento e


ou/orientação sobre o conteúdo dos restantes instrumentos que integram o
SNC serão produzidas Normas Interpretativas (NI).
• As NI são propostas pela Comissão de Normalização Contabilística (CNC)
e publicadas como aviso no DR, sendo de aplicação obrigatória a partir da
data de eficácia indicada em cada uma delas.

Formadora: Carina Reis 6


NI

Normas Interpretativas

NI 1 Consolidação — Entidades de Finalidades Especiais

NI 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Formadora: Carina Reis 7


ESTRUTURA CONCEPTUAL

• Documento autónomo do SNC publicado pelo Aviso n.º 15652/2009, do


Diário da República N.º 173, Série II, de 7 de Setembro de 2009 alterado
pelo aviso 8254/2015 de 29 de julho, que tem por base a Estrutura
Conceptual do "International Accounting Standards Board" (IASB).
• Não é uma norma, nem define normas para qualquer mensuração particular
ou divulgação e estabelece os conceitos subjacentes à preparação e
apresentação das demonstrações financeiras para utentes externos.

Formadora: Carina Reis 8


ESTRUTURA CONCEPTUAL

• Auxilia os preparadores das demonstrações financeiras na aplicação das


normas e os utentes na interpretação da informação que delas deriva, bem
como a formar opinião sobre a sua conformidade às Normas
Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF).
• Em caso de conflito entre a Estrutura Conceptual e uma qualquer NCRF,
os requisitos da última prevalecem face aos da Estrutura Conceptual.

Formadora: Carina Reis 9


PATRIMÓNIO

Formadora: Carina Reis 10


INVENTÁRIO – NCRF 18

• São activos:
• (a) detidos para venda no decurso ordinário da atividade empresarial;

• (b) no processo de produção para tal venda; ou

• (c) na forma de materiais ou consumíveis a serem aplicados no processo


de produção ou na prestação de serviços

Formadora: Carina Reis 11


Formadora: Carina Reis 12
INVENTÁRIO

• Matérias-Primas: bens que não se destinam à venda mas a


serem incorporados diretamente em novos produtos.
• Matérias Subsidiárias: bens que sendo incorporados
diretamente num determinado produto, concorrem direta ou
indiretamente para a sua produção.

Formadora: Carina Reis 13


INVENTÁRIO

• Produtos em Curso: aqueles que se encontram numa fase do processo


produtivo sem, no entanto, terem atingido a fase final de fabrico, ou seja,
estarem aptos para venda.
• Subprodutos e Resíduos: são produtos secundários resultantes da
produção de um principal, com baixo valor comercial (normalmente) e não
utilizáveis no processo produtivo da empresa. São vendidos, geralmente, à
medida que se vão acumulando.

Formadora: Carina Reis 14


INVENTÁRIO

• Produtos Acabados: são os bens resultantes do processo produtivo da


empresa que, tendo atingido a sua fase final, estão aptos para serem
vendidos.
• Mercadorias: bens adquiridos para posterior venda, não estando sujeitos a
qualquer transformação dentro da empresa.

Formadora: Carina Reis 15


TIPOS DE INVENTÁRIO

• Intermitente;

• Permanente.

Formadora: Carina Reis 16


INVENTÁRIO INTERMITENTE

• Utilizado em microempresas, com processos manuais ou sistemas


informáticos simplificados, este método condiciona o apuramento do custo
de venda ao inventário físico das mercadorias em armazém.
• A empresa não consegue aceder de imediato ao valor em inventário,
estando a fiabilidade dessa informação pendente da periodicidade
estabelecida entre inventários (mensal, trimestral, semestral, anual).

Formadora: Carina Reis 17


INVENTÁRIO PERMANENTE

• A obrigação de adoção do sistema de inventário permanente


na contabilização dos inventários encontra-se prevista no
artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho.

Formadora: Carina Reis 18


INVENTÁRIO PERMANENTE

• Realizando contagens físicas dos inventários com referência ao final do


período, ou, ao longo do período, de forma rotativa, de modo a que cada
bem seja contado, pelo menos, uma vez em cada período;
• Identificando os bens quanto à sua natureza, quantidade e custos unitários
e globais, de forma a permitir a verificação da correspondência entre as
contagens físicas e os respetivos registos contabilísticos.

Formadora: Carina Reis 19


DISPENSA DO INVENTÁRIO
PERMANENTE

• As microentidades de balanço inferior a 350.000 euros, com um volume de


negócios inferior a 700.000 euros e menos de 10 empregados.
• As entidades com as atividades de agricultura, produção animal, apicultura e caça;
silvicultura e exploração florestal; indústria piscatória e aquacultura; pontos de
vendas a retalho que, no seu conjunto, não apresentem, no período de um exercício,
vendas superiores a 300.000 euros nem a 10 % das vendas globais da respetiva
entidade.

Formadora: Carina Reis 20


DISPENSA DO INVENTÁRIO
PERMANENTE

• As microentidades de balanço inferior a 350.000 euros, com um volume


de negócios inferior a 700.000 euros e menos de 10 empregados.
• As entidades com as atividades de agricultura, produção animal,
apicultura e caça; silvicultura e exploração florestal; indústria piscatória e
aquacultura; pontos de vendas a retalho que, no seu conjunto, não
apresentem, no período de um exercício, vendas superiores a 300.000
euros nem a 10 % das vendas globais da respetiva entidade.

Formadora: Carina Reis 21


DISPENSA DO INVENTÁRIO
PERMANENTE

• As entidades de atividade predominante na prestação de serviços (com


um custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas inferior a
300.000 euros e 20 % dos custos operacionais respetivos).

Formadora: Carina Reis 22


Formadora: Carina Reis 23