Você está na página 1de 16

Contextualização

histórica e
literária

Unidade 3

Fernando Pessoa
Mensagem
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

“Desejo ser um criador de mitos, que é o


mistério mais alto que pode obrar
alguém da humanidade.”

Fernando Pessoa,
Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação

Retrato de Fernando Pessoa,


Almada Negreiros
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Contexto político
A escrita dos poemas da Mensagem ocupou quase toda a vida literária de
Fernando Pessoa: de 1913 a 1934, período de crescente crise nacional.

 1928: António de Oliveira Salazar é chamado ao poder, na qualidade de


ministro das Finanças.

 1932: Salazar torna-se presidente do Conselho.

 1933: inicia-se o Estado Novo, regime autoritário caracterizado pela


repressão e restrição das liberdades fundamentais.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Mensagem

 Coletânea de 44 poemas de caráter nacionalista alimentados pelo mito


sebastianista numa perspetiva épico-lírica.

 O assunto da obra não são tanto os portugueses e os seus feitos gloriosos


ou os acontecimentos históricos mais significativos, mas a essência de
Portugal e a sua missão a cumprir.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Mensagem

 Conhecendo a importância e singularidade da poesia de Fernando


Pessoa, António Ferro, seu amigo desde os tempos de estudante, convence o
poeta a preparar para publicação esse conjunto de poemas a que Pessoa
chamava Portugal.

 Os poemas, reunidos num livro que passou a intitular-se Mensagem, são


publicados, muito intencional e simbolicamente, no dia 1 de dezembro de
1934, aniversário da restauração da independência.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

 Capa da primeira edição da


Mensagem, impressa em outubro de
1934 e lançada a público no dia 1 de
dezembro do mesmo ano.

 Mensagem é a única obra, em


português, publicada em vida do
escritor.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Mensagem

 Quando, nesse ano, o Secretariado de Propaganda Nacional atribui


pela primeira vez os Prémios Literários, Fernando Pessoa, por insistência
de António Ferro, candidata-se ao Prémio Antero de Quental, na categoria
de “melhor livro de versos” com a sua Mensagem.

 O regulamento pedia que os poemas fossem de “inspiração bem


portuguesa, tendo, mesmo, de preferência, um alto sentido de exaltação
nacionalista”. Exigia-se também às obras concorrentes terem o número
mínimo de 100 páginas.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Mensagem

 Os nomes dos vencedores foram divulgados no dia 1 de janeiro de


1935. Fernando Pessoa recebeu o “prémio de segunda categoria”, devido
à reduzida extensão do livro (apesar das suas 102 páginas, só 55 tinham
poemas). 

 Por discordar frontalmente da política salazarista, Fernando Pessoa não


compareceu à entrega do prémio, mas não o recusou.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Mensagem
Obra composta por 44 poemas
agrupados em três partes

Parte I Parte II Parte III

Brasão Mar Português O Encoberto

Bellum Sine Bello Possessio Maris Pax In Excelsis


(guerra sem guerra) (a posse do mar) (paz nas alturas)
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Parte I - BRASÃO

 Conjunto de poemas onde desfilam


figuras históricas até D. Sebastião,
identificadas nos elementos dos brasões e
que estão associadas ao nascimento e à
construção da pátria.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Parte I - BRASÃO

Subpartes Poemas Subpartes Poemas


I. Primeiro – “O DOS CASTELOS” Primeira – “D. DUARTE, REI DE PORTUGAL”
Os Campos Segundo – “O DAS QUINAS” Segunda – “D. FERNANDO, INFANTE DE
PORTUGAL”
Primeiro – “ULISSES” III.
Terceira – “D. PEDRO, REGENTE DE
Segundo – “VIRIATO” As Quinas PORTUGAL”
Terceiro – “O CONDE D. Quarta – “D. JOÃO, INFANTE DE PORTUGAL”
HENRIQUE” Quinta – “D. SEBASTIÃO, REI DE PORTUGAL”
II. Quarto – “D. TAREJA”
Os Castelos Quinto – “D. AFONSO HENRIQUES” IV.
“NUN’ ÁLVARES PEREIRA”
Sexto – “D. DINIS” A Coroa
Sétimo I – “D. JOÃO O PRIMEIRO”
A Cabeça do Grifo – “O INFANTE D.
Sétimo II – “D. FILIPA DE
HENRIQUE”
LENCASTRE” V.
Uma Asa do Grifo – “D. JOÃO O SEGUNDO”
O Timbre Outra Asa do Grifo – “AFONSO DE
ALBUQUERQUE”
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Parte II – MAR PORTUGUÊS

 Poemas inspirados no sonho marítimo e


na obra das descobertas. Referem
personalidades e acontecimentos dos
Descobrimentos que exigiram uma luta
contra o desconhecido e os elementos
naturais.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Parte II – MAR PORTUGUÊS

Poemas

I. “O INFANTE” VII. “OCIDENTE”


II. “HORIZONTE” VIII. “FERNÃO DE MAGALHÃES”
III. “PADRÃO” IX. “ASCENSÃO DE VASCO DA
IV. “O MOSTRENGO” GAMA”
V. “EPITÁFIO DE BARTOLOMEU X. “MAR PORTUGUÊS”
DIAS” XI. “A ÚLTIMA NAU”
VI. “OS COLOMBOS” XII. “PRECE”
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Parte III – O ENCOBERTO

 Poemas que apresentam a imagem do


Império moribundo, com a esperança de
que a morte tenha o poder da regeneração,
capaz de provocar o nascimento de um
novo império civilizacional, que se encontra
para além do material.
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

Parte III – O ENCOBERTO

Subpartes Poemas Subpartes Poemas

Primeiro – “D. SEBASTIÃO” Primeiro – “NOITE”


Segundo – “O QUINTO IMPÉRIO” Segundo – “TORMENTA”
III.
I. Terceiro – “O DESEJADO” Terceiro – “CALMA”
Quarto – “AS ILHAS Os Tempos Quarto – “ANTEMANHÔ
Os Símbolos
AFORTUNADAS” Quinto – “NEVOEIRO”
Quinto – “O ENCOBERTO”

Primeiro – “O BANDARRA”
II. Segundo – “ANTÓNIO VIEIRA”
Os Avisos Terceiro – [SCREVO MEU LIVRO À
BEIRA-MÁGOA]
Contextualização histórica e literária
Fernando Pessoa, Mensagem

“E a nossa grande Raça partirá em busca de uma Índia


nova, que não existe no espaço, em naus que são construídas
«daquilo que os sonhos são feitos». E o seu verdadeiro e
supremo destino, de que a obra dos navegadores foi o obscuro
e carnal anterremedo, realizar-se-á divinamente”.
Fernando Pessoa, in A Águia