Você está na página 1de 25

DIREITO DO CONSUMIDOR

PRINCÍPIOS

“[...] os princípios seriam como pilares de um


edifício, os quais servem como bases de
qualquer sistema, atuando, neste mister,
como diretrizes orientadoras para a
consecução dos objetivos maiores deste
mesmo sistema.” (BONATO e MORAES)
1
PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS
APLICÁVEIS AO DIREITO DO
CONSUMIDOR

2
1) Princípio da Dignidade da Pessoa
Humana
➢ Art. 1º, III da CF/88 – uma das chaves de
interpretação de todo o ordenamento jurídico
vigente.
➢ Art. 170, caput da CF/88 – princípio a ser
observado pela ordem econômica.

➢ Sua consagração se dá com o


RECONHECIMENTO de que a ordem jurídica existe
para a pessoa humana, para sua defesa e
desenvolvimento
3
1) Princípio da Dignidade da Pessoa
Humana
➢ Segundo Sarlet: “Assim sendo, temos por dignidade
da pessoa humana a qualidade intrínseca e dostintiva de
cada ser humano que o faz merecedor do mesmo
respeito e consideração por parte do Estado e da
comunidade, implicando, neste sentido, um complexo de
direitos e deveres fundamentais que assegurem à
pessoa tanto contra todo e qualquer ato de cunho
degradante e desumano, como venham a lhe garantir as
condições existenciais mínimas para uma vida saudável,
além de propiciar e promover sua participação ativa e co-
responsável nos destinos da própria existência e da vida
em comunhão com os demais seres humanos.” 4
1) Princípio da Dignidade da Pessoa
Humana

➢ Esse princípio estabelece um grau de proteção e


autonomia da pessoa humana frente ao Estado e às
demais pessoas humanas ou pessoas jurídicas
públicas ou privadas, além de impor a satisfação de
condições mínimas de existência (liberdade, trabalho,
moradia, educação, saúde) capazes de tornar capaz
ao ser humano realmente viver e não só sobreviver.

5
2) Princípio da Igualdade (não-
discriminação)
➢ Previsto, de forma geral, no preâmbulo da
CF/88.
➢ Art. 3º, IV da CF/88.
➢ Art. 5º, caput da CF/88.

➢ Baliza de forma singular o Estado Democrático de


Direito e expressa uma aspiração do ser humano,
qual seja, a de ser tratado com igualdade.

6
3) Princípio da Autonomia Privada
(liberdade)
➢ Apresenta-se como princípio geral fundamental na
compreensão do Direito do Consumidor.

➢ A autonomia privada consiste no poder conferido


aos privados para regularem as suas relações
jurídicas.

➢Tendo como pressuposto a liberdade, a autonomia


privada tem como sua expressão a livre iniciativa,
prevista como valor social – Art. 1º, IV e Art. 170,
caput, ambos da CF/88.
7
3) Princípio da Autonomia Privada
(liberdade)
➢ Importante ressaltar que autonomia privada é
diferente de autonomia contratual.

➢ No campo do Direito do Consumidor, existem


fortes restrições à autonomia privada, tendo em vista
a flagrante diferença de poder (econômico, social,
técnico e jurídico) entre fornecedores e
consumidores. Sendo assim, a plena liberdade
contratual estabeleceria uma sujeição intolerável dos
interesses de um dos sujeitos frente ao outro.
8
4) Princípio da Justiça Contratual

➢ Previsto, de forma geral, no preâmbulo da


CF/88; Art. 3º, I da CF/88; Art. 170, caput da CF/88.
➢ No âmbito contratual, o princípio da justiça se
expressa através da justiça contratual, que têm
íntima ligação com o princípio da igualdade.
➢ A justiça se apresenta como preocupação de
garantir às partes a igualdade no processo de
contratação, bem como assegurar o equilíbrio entre
benefícios e encargos para as partes contratantes,
com uma distribuição equivalente dos ônus, riscos,
benefícios e vantagens.
9
5) Princípio da Função Social do
Contrato
➢ Só merece ser tutelado o contrato que guardar a
sua função social.
➢ Delgado afirma que a função social do contrato se
concretiza, diante do comportamento contratual das
partes, quando são observados os valores e
principios fundamentais como a solidariedade social,
justica social, livre iniciativa, dignidade humana e
respeito aos valores ambientais, sendo uma clausula
geral que faculta ao juiz varias possibilidades de
correcao da atuacao contratual, observado o
equilibrio entre os contratantes.
10
5) Princípio da Função Social do
Contrato

Entre estas possibilidades cita: reduzir o


percentual de juros estipulados na relacao contratual;
declarar a inexistencia do contrato por falta de objeto;
decretar a nulidade contratual por fraude a lei
imperativa; convalidar o negocio anulavel; reduzir a
prestacao de uma das partes quando, pela alteracao
da situacao economica, estiver exagerada ou
desproporcional e determinar a resolucao do contrato
por excessiva onerosidade.
11
5) Princípio da Função Social do
Contrato

 Este principio e reciprocamente complementar ao


principio da boa-fe objetiva, embora cada um tenha
determinado papel a desempenhar. Ambos sao
padroes eticos para o direito, pontes entre o direito e
a etica, demonstrado o carater relativamente aberto
ao sistema juridico, alem da co-implicacao entre
sistema e realidade social em sua diferenca-
indivisibilidade.

12
6) Princípio da Boa-Fe Objetiva
 Um dos mais importantes principios do Direito do
Consumidor.

Relacao contratual – as partes devem agir com


lealdade, confianca, transparencia e cooperacao.

 Norma de conduta que esta presente nas relacoes de


direito e que determina que as partes tenham em suas
relacoes respeito, lealdade, cooperacao com a outra
parte do vinculo obrigacional ou do mero contato social, o
que acarreta o aumento de direitos e deveres de ambas
as partes que se acham em relacao.
13
7) Princípio da Razoabilidade
 A ideia de razoabilidade carrega a nocao de limites
alem dos quais se torna insustentavel, irracional,
imoderada, ilegitima a adocao de uma determinada
medida, tendo em vista os valores vigentes em uma
determinada sociedade, que tornem a medida
inaceitavel.

 Esse principio sustenta a impossibilidade de


absurdos, de atitudes abusivas, que nao guardem um
minimo de racionalidade aceitavel segundo os
padroes de uma determinada comunidade social e
juridica. 14
8) Princípio da Proporcionalidade
 A proporcionalidade se apresenta como criterio
inerente para a solucao dos casos conflituosos em
nivel de principios e direitos fundamentais.

 Deve-se observar a presenca de tres elementos


parciais: a adequacao, a necessidade e a
proporcionalidade em sentido estrito.

Adequacao: significa averiguar se os meios


utlizados para atingir determinada finalidade
apresentam as condicoes necessarias para tanto.
15
8) Princípio da Proporcionalidade
 Necessidade: deve-se verificar se a medida
escolhida para atingir a finalidade se apresenta como
indispensavel, ou seja, se nao existe uma medida
igualmente efetiva e que cause menores danos ou
restricoes ao direito.

Proporcionalidade em sentido estrito: a


ponderacao se as vantagens obtidas com a limitacao
ou restricao do principio ou direito serao superiores
as desvantagens, levando em consideracao os
interesses que estao em jogo, havendo razoabilidade
e justica em que um dos bens ou interesses preceda 16
ao outro.
9) Princípio da Substituicao Automatica
das Clausulas Contratuais

 Principio geral aplicavel nao somente ao Direito


do Consumidor, mas tambem em outros ramos
do Direito onde normas de ordem publica e
interesse social tem eficacia imediata,
principalmente em contratos de trato sucessivo,
substituindo as clausulas contratuais que lhes
sejam contrarias.

17
PRINCÍPIOS DO CODIGO DE DEFESA
DO CONSUMIDOR

18
1) Princípios da Vulnerabilidade e da
Protecao
 Vulnerabilidade - Art. 4°, I do CDC

 Existe grande discussao sobre a propria definicao


do que seja vulnerabilidade, entendendo alguns que
esta nocao e de direito material, alcancando todos os
consumidores sem excecao, enquanto a nocao de
hipossuficiencia seria uma nocao de direito
processual, que demonstraria a fraqueza processual
de certos consumidores, o que possibilitaria
determinadas medidas de protecao contratual.

19
1) Princípios da Vulnerabilidade e da
Protecao
 Seguem alguns posicionamentos de Benjamim:

“O consumidor e, reconhecidamente, um ser


vulneravel no mercado de consumo (art. 4°, I). So
que, entre todos que sao vulneraveis, ha outros
cuja vulnerabilidade e superior a media. Sao os
consumidores ignorantes e de pouco
conhecimento, de idade pequena ou avancada, de
saude fragil, bem como aqueles cuja posicao
social nao lhes permite avaliar com adequacao o
produto ou servico que estao adquirindo.”
20
1) Princípios da Vulnerabilidade e da
Protecao
“A vulnerabilidade e um traco universal de todos os
consumidores, ricos ou pobres, educados ou
ignorantes, credulos ou espertos. Ja a
hipossuficiencia e marca pessoal, limitada a alguns –
ate mesmo a uma coletividade – mas nunca a todos
os consumidores.”

“A vulnerabilidade do consumidor justifica a


existencia do Codigo. A hipossuficiencia, por seu
turno, legitima alguns tratamentos diferenciados no
interior do proprio Codigo, como, exemplo, a
previsao de inversao do onus da prova (art. 6°, VIII).”
21
1) Princípios da Vulnerabilidade e da
Protecao

A partir da constatacao da vulnerabilidade do


consumidor e que se provem a necessidade de sua
protecao, como direito fundamental que deve ser
efetivado em normas de ordem publica e interesse
social, como bem afirma o art. 1° do CDC.

22
2) Princípio da Repressao Eficiente aos
Abusos
 No mercado, o consumidor esta exposto a varias
praticas abusivas, que passam pela publicidade, oferta,
as chamadas praticas abusivas, as clausulas abusivas,
as varias obrigacoes impostas nos contratos de adesao e
nas condicoes gerais dos contratos.

 Para a repressao eficiente dos abusos esta prevista


toda uma normativa que passa tanto pela protecao
administrativa, legislativa e judicial, englobando as areas
de medidas de policia administrativa, de punicao penal e
responsabilidade civil, inclusive com a possibilidade de
ingresso de acoes individuais e coletivas para a
repressao desses abusos. 23
3) Princípio da Harmonia do Mercado de
Consumo
 Tal principio pode ser concretizado a partir do
reconhecimento da unidade da ordem juridica, bem como
do fato de que os principios nao sao exclusivos e aplicados
na dimensao do tudo ou nada, mas sim na dimensao do
peso, atuando muitas vezes em conjunto com a finalidade
de dar o melhor cumprimento a ordem juridica vigente.

Deve-se buscar o maximo equilibrio nas relacoes de


consumo a fim de que os interesses envolvidos nestas
relacoes sejam ao mesmo tempo protegidos, desde que
merecedores de tutela, nao podendo haver a
desconsideracao pelos interesses legitimos envolvidos no
processo. 24
Referenciais Bibliograficas
ALMEIDA, Joao Batista de. Manual de Direito do Consumidor. Sao Paulo:
Editora Saraiva, 2003.

BENJAMIN, Antonio Herman de Vasconcellos e. Codigo Brasileiro de


Defesa do Consumidor – Comentado pelos Autores de Anteprojeto. Rio de
Janeiro: Forense Universitaria, 2004.

BONATTO, Claudio; MORAES, Paulo Valerio Dal Pai. Questoes


controvertidas no Codigo de Defesa do Consumidor. Porto Alegre: Livraria
do Advogado Editora, 2003.

DELGADO, Jose Augusto. O Contrato no Codigo Civil e a sua Funcao


Social. Revista Juridica n. 322. Porto Alegre: Notadez, 2004.

SARLET, Ingo Wofgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos


Fundamentais na Constituicao Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria do
Advogado, 2001.
25