Você está na página 1de 7

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ – UESPI


CAMPUS PICOS - PI
CURSO: DIREITO
BLOCO: II
DISC.: DIREITO CONSTITUCIONAL I
Tema: CONSTITUCIONALISMO
Prof . Ms. Emmanuel Rocha Reis

emmanuelrocha@pcs.uespi.br
Constitucionalismo popular

 1.O PERSPECTIVAS
 “Judicial Review”
 Dificuldade contramajoritária: dificuldade de se justificar e aceitar o modelo de revisão
judicial pelo qual se invalida a vontade do povo materializada no trabalho legislativo
fruto da atuação do parlamento.
 tensão entre supremacia judicial e “constitucionalismo popular” (Sarmento, 2012).
 constitucionalismo popular pode ser definido sob a perspectiva de que o povo — e não
os juízes — seriam melhores e mais adequados intérpretes da Constituição
 O Constitucionalismo Popular é uma teoria constitucional norte-americana,
que surgiu como resposta ao ativismo conservador da Suprema Corte;

 Em traços gerais, avalia criticamente a supremacia judicial na prerrogativa de


interpretar a Constituição e ressalta a importância dos movimentos sociais
como criadores de sentido constitucional (Niembro, 2013, pp. 192/193).

 Constitucionalismo Popular revigora valores essenciais ao constitucionalismo.


Fundamenta-se na efetividade do poder exercido pelo povo, como premissa do
regime democrático, inclusive no desempenho do papel de atribuir sentido às
normas constitucionais instituídas.
 O Constitucionalismo Popular é uma teoria constitucional que recusa a
premissa de que o judiciário é ou deve ser a autoridade que dá a palavra final
sobre o sentido da Constituição. Assevera que há interpretação da Constituição
fora das cortes e a supremacia judicial tem comprometido essa percepção e,
consequentemente, o pleno exercício da cidadania (Cerqueira Neto, 2015, p.
02).
2. Supremacia judicial x soberania
judicial
 Negativa absoluta do judicial review e o diálogo constitucional.
 Larry Kramer:
 Última palavra x única palavra
 Supremacia judicial é aceita diante de resoluções de certas questões constitucionais.
 Contudo: isso não significa que a Corte deva exercer a sua autoridade sobre todas as
questões ou que, quando exerce a sua função, a Corte possa desprezar ou
rapidamente substituir os pontos de vista de outras instituições mais democráticas.
3. Papéis das Supremas Cortes;
Tribunais Constitucionais
 a) papel contramajoritário
 b) papel representativo:
 Muito embora os juízes não sejam eleitos pelo povo, em algumas situações, a
decisão da Corte estará muito mais na linha da vontade popular do que a lei ou
ato normativo editado pelo Parlamento, que, como se sabe, representa a
vontade popular
 C) papel iluminista:
 o termo iluminista está sendo empregado para identificar decisão que não
corresponde à vontade do Congresso Nacional nem ao sentimento majoritário
da sociedade, mas ainda assim é vista como correta, justa e legítima
ITENS

 O CONSTITUCIONALISMO: CONCEITO
 O CONSTITUCIONALISMO: EVOLUÇÃO HISTÓRICA.
 O DIREITO CONSTITUCIONAL: NATUREZA E CONCEITO