Você está na página 1de 19

ITBI

 É o imposto sobre transmissão “inter vivos” por ato oneroso de bens


imóveis ou direitos reais a eles relativos. 
  
Panorama Legal
 ITBI – CONSTITUIÇÃO FEDERAL
O imposto de transmissão de bens imóveis inter vivos, tem sua fonte na
Constituição, no art. 156 inciso II, e § 2º incisos I e II.

 ITBI - CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL


A Lei Complementar que trata do ITBI, por recepção, o Código Tributário Nacional,
que regula este tributo em seus artigos 35 a 42.

 ITBI - LEGISLAÇÃO ORDINÁRIA


No município de Campo Grande, a legislação básica é a Lei Municipal 2.592, DE 27
DE JANEIRO DE 1989
ITBI - Princípios

PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE (art. PRINCÍPIO DA NOVENTENA (art. 150, III,


150, III, “b” – CF) “c” – CF)
 É o princípio de Direito Tributário que  É o princípio que estabelece que a lei que
estabelece que não haverá cobrança de institui ou majora tributo não pode surtir
tributo no mesmo exercício fiscal da lei efeitos antes de decorridos 90 dias da sua
que o instituiu. publicação.
Aspecto Material - Fato Gerador
 Como a própria denominação do imposto estabelece, seu fato gerador é,
genericamente, a transmissão, por ato oneroso, de bens imóveis, excluindo-se a
sucessão (causa mortis).
 A Lei Municipal 2.592 de Campo Grande prever ter o ITBI os seguintes fatos
geradores:
 Art. 1º I - a transmissão onerosa a qualquer título, de propriedade ou de domínio
útil de bens imóveis por natureza ou por acessão física, conforme definido no
Código Civil; 
 II - a transmissão onerosa, a qualquer título, de direitos reais sobre imóveis,
exceto os direitos reais de garantia; 
 III - a cessão onerosa de direitos relativos às transmissões referidas nos incisos
anteriores.
Aspecto Temporal – Quando ocorre?

 Pelas regras de Direito Civil vigentes, a propriedade imobiliária transmite-se com


o respectivo registro no Cartório de Registro de Imóveis competente.

 Assim já decidiu o STJ: O registro imobiliário é o fato gerador do Imposto de


Transmissão de Bens Imóveis. Assim, a pretensão de cobrar o ITBI antes do
registro imobiliário contraria o Ordenamento Jurídico" (STJ - REsp 12.546 - RJ -
1º T - Rei. Min. Gomes de Barros -DJU 30.11.92, in RJ 184/87).
Aspecto Espacial – O local da ocorrência

 Sendo o imposto da competência dos municípios, o local da ocorrência do fato


gerador é o do município onde se localiza o imóvel objeto de transmissão, ou ao
qual está ligada a cessão de direitos.
Aspecto Pessoal

Sujeito Ativo Sujeito Passivo


 É aquele que tem direito a receber o  é aquele que tem o dever de pagar o ITBI.
ITBI.  No município de Campo Grande, a Lei
 Nesse caso o município. Municipal 2.592/89, em seu art. 9º, prevê
como sendo contribuintes (sujeitos
passivos diretos):
 I - o adquirente ou cessionário dos bens
ou direitos transmitidos ou cedidos;
 II - nas permutas, cada um dos
permutantes.
Aspecto Quantitativo – Base de Cálculo
 A base de cálculo do ITBI é o valor venal dos bens ou direitos transmitidos. (CTN, art.
38 e LM 2.592/89 art. 10 §§).

 Valor venal é "o valor de venda ou seja o valor de mercado" (Tenório e Maia,
Dicionário..., p. 276).

 Quantos por cento do valor do imóvel o contribuinte paga de ITBI? A alíquota do


ITBI é calculada em 2% sobre o valor do imóvel, ou seja, das transações realizadas em
geral.

 A atribuição do valor do imóvel, para efeitos fiscais, far-se-á no ato da apresentação da


guia de recolhimento ou no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas.
A alíquota do ITBI

 Em Direito tributário, alíquota é o percentual ou valor fixo que será aplicado para o


cálculo do valor de um tributo. 
 Conforme a Lei Lei 2592/89: As alíquotas do Imposto são as seguintes: 
 Nas transmissões compreendidas no Sistema Financeiro da Habitação (SFH):
sobre o valor efetivamente financiado - meio por cento; 
sobre o que exceder - dois por cento; 
 nas demais transmissões, cessões, alienações - dois por cento; 
ITBI - IMUNIDADES

 Conforme a Lei Lei 2592/89 o ITBI não incide em:


·Imóveis pertencentes à União, Distrito Federal e Município;

·Imóveis pertencentes a templos de qualquer culto;

·Imóveis pertencentes a partidos políticos, inclusive suas fundações; entidades


sindicais dos trabalhadores;

·das instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos. 


 O ITBI também não incide quando:

 transfere para incorporação ao patrimônio de pessoa jurídica em realização de


capital; 

 decorrente de fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoa jurídica; 

 efetuada aos mesmos alienantes, em decorrência de sua desincorporação do


patrimônio da pessoa jurídica a que foram conferidos; 

 decorrentes de extinção de usufruto; 

 decorrente de reserva de usufruto;


ITBI - ISENÇÕES
 Conforme a Lei Lei 2592/89 são isentos do Imposto:

 a aquisição de moradia realizada por ex-combatente que tenha efetivamente


participado de operações bélicas durante a 2ª Guerra Mundial,  por sua viúva, por
sua companheira que por seus dependentes, quando o valor do imóvel ultrapassar
o limite de 2.500 (duas mil e quinhentas) UFICs .

 as aquisições efetuadas por colonos de terras públicas, de imóvel rural destinada


exploração agropecuária de até 15 (quinze) hectares;
 as transferências de imóveis desapropriados para fins da reforma agrária.

 as aquisições de imóveis efetuados por pessoas físicas em programas


habitacionais destinados à população de baixa renda.
ITBI - MAJORAÇÃO

Conforme o Código Tributário Nacional em seu art. 97, somente a lei pode
estabelecer:
 a majoração de tributos, ou sua redução;
 a fixação de alíquota do tributo e da sua base de cálculo;
 Equipara-se à majoração do tributo a modificação da sua base de cálculo, que
importe em torná-lo mais oneroso.
 Não constitui majoração de tributo a atualização do valor monetário da respectiva
base de cálculo.
JULGADOS RECENTES DO TJMS –
ITBI
 E M E N T A - MANDADO DE SEGURANÇA – EMISSÃO DE GUIA DE PAGAMENTO
DE ITBI – BASE DE CÁLCULO VALOR VENAL DO IMÓVEL – IMPOSSIBILIDADE DE
SE ADOTAR UM VALOR VENAL PARA O CÁLCULO DO IPTU E OUTRO DISTINTO
PARA CÁLCULO DO ITBI – SEGURANÇA CONCEDIDA – SENTENÇA MANTIDA EM
REEXAME NECESSÁRIO, COM O PARECER. O artigo 38, do Código Tributário
Nacional, estabelece que a base de cálculo do ITBI é o valor venal dos bens ou direitos
transmitidos, e que o referido imposto e o IPTU têm a mesma base de cálculo. Não parece
razoável que um mesmo imóvel apresente valores venais distintos, segundo se trate de
lançamento de ITBI ou de IPTU. Ora, por vezes, o valor venal constante como base de
cálculo do IPTU representa, efetivamente, o preço que o imóvel atinge no mercado, sendo
exatamente esse valor que a legislação estipula como sendo a base de cálculo do ITBI.
(TJMS. Remessa Necessária n. 0802817-86.2017.8.12.0005,  Aquidauana,  3ª Câmara Cível,
Relator (a):  Des. Marco André Nogueira Hanson, j: 15/10/2018, p:  16/10/2018)
E M E N T A – APELAÇÃO CÍVEL – MANDADO DE SEGURANÇA – ITBI – PRELIMINAR
NULIDADE DA SENTENÇA – AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO – NÃO VERIFICADA – MÉRITO –
INEXIGIBILIDADE DO CRÉDITO AFASTADA – FATO GERADOR – NÃO OCORRÊNCIA – PRAZO
DECADENCIAL NÃO INICIADO – SENTENÇA MANTIDA – COM O PARECER, RECURSO
CONHECIDO E NÃO PROVIDO. I- A alegação de ausência de fundamentação na decisão não merece
prosperar, porquanto a explanação do juízo a quo foi suficiente para a resolução das questões submetidas à
apreciação, inexistindo violação ao que preceitua o art. 93, inciso IX, da Constituição Federal e o art. 489 do
CPC/2015. II- O ITBI é exigido no momento da transmissão da propriedade imobiliária, que ocorre
quando o ato é levado a registro, concluindo-se que, antes da transcrição, não há transmissão. III-
Tratando-se "de imposto não pago", cuja hipótese de incidência é aquela prevista no artigo 35 e respectivos
incisos do CTN, o prazo prescricional terá início a partir do registro da transmissão no Cartório de Registro
de Imóveis. A pretensão dos impetrantes para que seja reconhecido que diante da ausência de pagamento do
crédito respectivo, lhe seja reconhecida a decadência do direito de constituição do crédito tributário pelo
Fisco, na linha do art. 150, §4º, do CTN, é raciocínio que não se demonstra compatível com a jurisprudência
deste Tribunal e de Corte Superior. (TJMS. Apelação n. 0801456-95.2017.8.12.0017,  Nova Andradina,  3ª
Câmara Cível, Relator (a):  Des. Marco André Nogueira Hanson, j: 03/04/2018, p:  12/04/2018)
Imóvel de propriedade de sócio da empresa Alfa Corretora e
Administradora de Imóveis Ltda. que se dedica à atividade de compra,
venda e locação de imóveis, é incorporado ao patrimônio desta para
integralização do capital social. Nessa hipótese: (ND - 2007 - OAB-SC - Exame de Ordem - 1
- Primeira Fase)

a) Incidirá Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), por tratar-se de


transmissão não onerosa à propriedade.
b) Incidirá Imposto de Transmissão Inter Vivos (ITBI), de competência do Município da
situação do Imóvel.
c) Não haverá incidência de qualquer imposto de transmissão, por tratar-se de imunidade
constitucional.
d) Incidirá imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), por tratar-se de
operação normalmente exercida pela sociedade como atividade empresarial.
OBRIGADO!