P. 1
Tabela Rosca Macho Dormer

Tabela Rosca Macho Dormer

|Views: 546|Likes:
Publicado porLeandro Santana

More info:

Published by: Leandro Santana on Feb 06, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/25/2014

pdf

text

original

Rosqueamento com machos

NOMENCLATURA
A B C D E F G H I J K L M N O P Q Quadrado Diâmetro da haste Diâmetro Rebaixado Canal Passo Centro Externo (Macho) Diâmetro da Rosca (Externo) Comprimento de Guia Chanfrado Comprimento da Rosca Comprimento da haste rebaixada Comprimento da haste Comprimento do quadrado Comprimento total Ângulo da hélice Comprimento da ponta helicoidal Ângulo da ponta helicoidal Ângulo de guia chanfrado

1 2. 3 4
64

Largura do campo Ângulo da aresta de corte Diâmetro do núcleo Alívio radial da rosca

Rosqueamento com machos
DICAS GERAIS SOBRE ROSQUEAMENTO
O sucesso de qualquer operação de rosqueamento depende de diversos fatores, todos afetam a qualidade do produto acabado. 1. Selecionar a geometria correta do macho para o material componente e o tipo do furo, por exemplo, passante ou cego, através da tabela de Aplicações por Grupos de Material. Verificar que o componente esteja firmemente fixado – o movimento lateral poderá causar a quebra do macho ou roscas de baixa qualidade. Selecionar a dimensão correta da broca nas tabelas de brocas para rosqueamento (ver páginas 76 - 79). As dimensões corretas da broca também são mostradas nas páginas dos machos no catálogo. Lembrar que as dimensões das brocas para machos laminadores são diferentes. Cuidar sempre que seja mantido no mínimo o endurecimento do material componente, ver parte referente a aços inoxidáveis na seção de Informações Gerais. Selecionar a velocidade de corte correta conforme mostrada no Índice Visual no Catálogo e no Selector. Utilizar o fluido de corte adequado para uma correta aplicação. Nas aplicações NC (Controle Numérico) verificar que o valor do avanço escolhido para o programa esteja correto. Quando for utilizado um dispositivo para rosquear, recomenda-se de 95% a 97% do passo para permitir que o macho produza seu próprio passo. Quando possível, fixar o macho num dispositivo de rosqueamento de boa qualidade com limitação do torque, que assegure o movimento axial livre do macho e que o apresente corretamente com relação ao furo. Isto também protege o macho de uma quebra se atingir acidentalmente o fundo de um furo cego. Controlar a entrada suave do macho no furo, pois um avanço desigual poderá causar um alargamento da rosca.

2. 3.

4. 5. 6.

7.

8.

65

Cavacos Machos com rosca interrompida A rosca interrompida proporciona menor atrito e assim menor resistência. o que é particularmente importante quando do rosqueamento de material que é elástico e difícil de usinar (p.ex. 66 . Este tipo de macho é recomendado para rosqueamento de furos passantes. principalmente em aços e ferro fundido de cavacos curtos.Rosqueamento com machos GEOMETRIAS DOS MACHOS E PROCESSO DE ROSQUEAMENTO Tipo Variantes Processo Descrição Machos com canais retos Os tipos de machos utilizados mais freqüentemente são os de canais retos. e formam a base do programa. É também mais favorável para a penetração do lubrificante até as arestas cortantes. Também agem permitindo que o lubrificante chegue às arestas cortantes. auxiliando na diminuição do torque gerado. A ponta deste tipo é projetada para impulsionar os cavacos para frente. Machos com ponta helicoidal O macho tem canais retos relativamente rasos e freqüentemente é denominado de macho com ponta de bala ou ponta helicoidal. alumínio. bronze). São adequados para utilização na maioria dos materiais. Os canais relativamente rasos asseguram que a rigidez do núcleo seja maximizada.

são adequados para usinagem normal e são especialmente utilizados quando do rosqueamento vertical de furos cegos. assim evitando compactar os cavacos nos canais ou no fundo de furo. Isto significa que não é produzido qualquer cavaco mediante sua ação. O canal helicoidal transporta os cavacos para trás afastando-os das arestas cortantes e para fora do furo. Machos laminadores Os machos para deformação a frio diferenciam-se dos machos de corte em que a rosca é produzida pela deformação plástica do material do componente em vez da ação de corte tradicional. Essa geometria é extremamente rígida. sem canais. A faixa de aplicações é em materiais com boa capacidade de serem formados. Porém.Rosqueamento com machos Tipo Variantes Processo Descrição Machos com entrada somente no chanfro de guia Cavacos A parte cortante do macho é formada por uma nariz tipo bala na mesma maneira que para o macho de ponta helicoidal. o que proporciona bons resultados de usinagem.5 x Ø. a função é de impulsionar o cavaco para frente afastando-se das arestas cortantes. 67 . Machos com canal helicoidal Os machos com canal helicoidal destinam-se principalmente para roscas em furos cegos. Também disponíveis machos com refrigeração interna. Desta maneira minimizase o perigo de quebrar o macho ou de danificar a rosca. o curto comprimento da entrada limita sua aplicação a uma profundidade de furo menor que aproximadamente 1. A resistência à tração (Rm) não deverá exceder 1200 N/mm2 e o fator de alongamento (A5 ) não deverá ser menor de 10%. Os machos para laminação a frio.

Rosqueamento com machos Tipo Variantes Processo Descrição Machos com furo de refrigeração interna Cavacos O desempenho dos machos com furos de refrigeração é mais elevado que os mesmos machos utilizados com lubrificação externa. 68 . O desgaste das arestas cortantes é reduzido. Podem operar em aço e aço inoxidável. Machos para porca Estes machos são utilizados geralmente para rosqueamento de porcas. Exige-se uma pressão de trabalho mínima de 15 bar. pois o efeito de resfriamento na zona de corte é mais elevado que a geração de calor. porém podem ser obtidos bons resultados com uma lubrificação mínima. Este tipo de machos permitem uma melhor evacuação dos cavacos que são afastados da própria área de corte. emulsão ou ar comprimido com névoa de óleo. O primeiro macho da série tem um chanfro muito comprido a fim de distribuir a carga de corte sobre aproximadamente dois terços do comprimento da rosca. Estes machos têm um diâmetro de haste menor que o nominal e um comprimento total maior. São utilizados em máquinas especiais projetadas para o rosqueamento de enormes quantidades de porcas. pois a sua função é de acumular porcas. A lubrificação pode ser mediante óleo. porém também podem ser utilizados para furos passantes profundos.

4 2. 2 2. 2 2. comparados com fios obtidos mediante corte (até 100% mais fortes). • São garantidas roscas com as tolerâncias corretas. • Fios de rosca mais fortes (mais resistentes). • Os machos laminadores freqüentemente possuem uma vida útil mais longa. • Menor rugosidade superficial nas roscas obtidas por laminação do que por corte. 3 3 1 1 1. Segue uma tabela mostrando as pontas e chanfros que geralmente são utilizadas em produtos da Dormer. • É imperativa uma boa lubrificação. 69 . Requisitos para uma utilização eficiente: • Suficiente alongamento do material A5>10 % • Furo preparado com diâmetro exato. 2 1. 4 2. • Não há cavacos. 3 3 Tampão 1 1. 2. • É um tipo de ferramenta que pode ser usado em materiais diferentes e para furos tanto passantes quanto cegos. 3 3 GEOMETRIAS E PROCESSOS DE ROSQUEAMENTO (OU LAMINAÇÃO) A FRIO Vantagens comparadas com machos de corte • A laminação a frio é mais rápida que o rosqueamento habitual por corte. • Os machos laminadores têm uma geometria estável que proporciona um risco de quebra mais baixo. 3 3 Para fundo 1 1 1. Tipo de Ponta 1 2 3 4 Ponta completa Ponta reduzida Ponta interna Forma do chanfro Ponta removida Macho ∅ mm ≤5 >5 ≤6 >6 ≤10 >10 ≤12 >12 ANSI 1 1 1.Rosqueamento com machos TABELA DE PONTAS / CHANFROS O tipo de ponta dos machos deve ser escolhido pelo usuário. 3 3 Cônica 1 1 1 2. classificados conforme o diâmetro do macho.

pois exige um torque mais elevado. das condições de corte escolhidas e das condições do equipamento que está sendo usado. selecionar uma broca com diâmetro ligeiramente maior. Vc 30 m/min. Se o material é forçado para acima na entrada da rosca do macho. o perfil da rosca formada for insuficiente. por outro lado. e/ou se a vida do macho for curta demais. escolher um diâmetro ligeiramente menor da broca. Se.Rosqueamento com machos FLUXO DO MATERIAL NA FORMAÇÃO DE UMA ROSCA A dimensão de um furo rosqueado depende do material sendo furado. comparados com um macho cortante da mesma dimensão. Furo preparado para um macho cortante Furo preparado para um macho de formação a frio Corte de rosca obtida através de macho laminador em aço C45 Os machos laminadores exigem maior potência no fuso. 70 . Furo cego M6. 90 SFM Formar Espiral cortante Comparação de torque entre machos laminadores e machos de corte em diversos grupos de material.

3 AMG 2.4 71 .1 – AMG 1.3 AMG 3.5 – 1.4 – 1.2 – 4.1 – 5.1 – 7.Rosqueamento com machos ANÉIS COLORIDOS DOS MACHOS DE APLICAÇÃO ESPECÍFICA VANGARD/SHARK Cor Material AMG 1.4 Tipos de ferramentas disponíveis AMG 1.1 – AMG 3.1 – 1.6 AMG 1.3 AMG 7.5 AMG 1.1 – AMG 2.6 AMG 4.4 AMG 5.

613343 P H/8 = 0.Rosqueamento com machos PERFIS DE ROSCAS Roscas ISO Roscas Métricas.86603 P Hm = 5/8H = 0.14434P Whitworth W (BSW) BSF.96049 P H = 2/3H = 0. Conicidade 1:16 H H R = = = 0.21651 P R = H/6 = 0.4767 P 0. Conicidade 1:16 H H H/24 = = = 0. G. UN H = 0.13728 P Rosca unificada cônica para tubos NPT. Rp.59588 P 0.96024 P 2/3H = 0. Latão 1/4 BS Conduíte.107 P 72 .13733 P Roscas Whitworth cônicas para tubos Rc (BSPT).16008 P R = 0. ADMF.54127 P Hs = 17/24H = 0.033 P (valor min.64033 P 0. M Roscas unificadas.64033 P H/6 = 0.800 P 0.8668 P 0. ME H = 0.) Roscas para conduíte de Aço PG (Pr) H H R = = = 0.10825 P H/4 = 0.

2 t= Au Au = noll 73 .Rosqueamento com machos TOLERÂNCIAS Rosca interna Au D D1 D2 H P Td1 Td2 α Desvio básico Diâmetro maior básico Diâmetro menor básico Diâmetro básico do passo Altura do triângulo fundamental Passo Tolerância para D1 Tolerância para D2 Ângulo do perfil TOLERÂNCIA DE ROSCAS PARA MACHOS COM PERFIL DE ROSCA 60°. 5) A = 0. ISO MÉTRICO (M+UN) Macho d dmin d2 d2max d2min E1 Es E1d P R Td2 Tα2 α α/2 Diâmetro básico principal (=D) Diâmetro mínimo principal Diâmetro básico do passo Diâmetro Max do passo Diâmetro Mín do passo Desvios inferiores sobre d2 Desvios superiores sobre d2 Desvios inferiores sobre d Passo Raio da raiz do macho Tolerância sobre o diâmetro do passo Tolerância do meio ângulo do perfil Ângulo do perfil Meio ângulo do perfil α α α/2 Rosca interna Macho TOLERÂNCIAS USUAIS PARA MACHOS E ROSCAS INTERNAS Tolerância classe H Rosca Interna (Porca) Tolerância do macho Tolerância classe G Rosca Interna (Porca) t = TD2 (Qual.

Isto se refere ao “ajuste médio” BS 84. NPT e NPSM conforme ANSI B1. e classes A e B para roscas externas (cossinetes). É utilizado no caso de uma porca que posteriormente será revestida ou se for preferido um ajuste solto. por exemplo. PG conforme DIN 40 430. Uma classe para rosca interna (macho). que gera um ajuste de qualidade média entre parafuso e porca. o fabricante produz machos com tolerâncias 6HX e 6GX. com grande folga.Rosqueamento com machos TABELA DE TOLERÂNCIAS DE MACHOS VS TOLERÂNCIAS DE ROSCAS INTERNAS (PORCAS) Classe de Tolerância. Entre as tolerâncias 6H (ISO2) e 6G (ISO3). As roscas para tubos com o índice de tolerância “normal” referem-se às seguintes normas: Roscas G conforme ISO 228-1. A tolerância mais elevada (ISO 3) gera um ajuste grosseiro. A tolerância mais baixa (ISO 1) gera um ajuste fino sem uma folga nos flancos entre parafuso e porca. A largura da tolerância é igual entre. de modo que podem ser utilizadas tolerâncias mais elevadas a fim de aumentar a vida das ferramentas. Estes materiais não provocam problemas de medidas maiores. Rc e R conforme ISO 7-1.20. “X” significa que a tolerância está fora de padrão e que é utilizada para machos trabalhando materiais de elevada resistência ou material abrasivo tal como ferro fundido.20. assim como entre 6G e 7G. 6H e 6HX. Tolerância normal é ISO 2 (6H) para machos. Roscas R. O índice de tolerância para BSW e BSF é médio.1. Os machos laminadores geralmente são produzidos com tolerâncias 6HX ou 6GX. 74 .3. macho ISO ISO 1 ISO 2 ISO 3 DIN 4H 6H 6G 7G ANSI BS 3B 2B 1B 4H 4G Tolerância de Rosca Interna (porca) 5H 5G 6H 6G 7H 7G 8H 8G Aplicação Ajuste sem folga Ajuste Normal Ajuste com folga grande Ajuste solto para tratamento ou revestimento a seguir As tolerâncias de roscas para machos encontram-se reunídas na norma DIN 13. NPTF e NPSF conforme ANSI B1.

5 (forma B) Inclui machos Nº Desbaste(No. 7 No. comparados com o completo e chanfro mais longo. 4 = No. No. No. 6) . 5 + No. 6 No. 1. 8 No. 9 DIN Inclui machos Nº No.4 (forma A) + No. 3 = No.3 (forma C) + No. 5 = 6-8 x P 4-6 x P 2-3 x P 6-8 x P 3. 5) inclui machos com perfil incompleto de rosca. Estes têm o diâmetro externo menor. 4 + No. 8 No. 1 = No. Após usar estes. 3) inclui machos com perfil completo de rosca e a diferença está no comprimento do chanfro. de acabamento. 3.3 (forma C) + No. 1 + No.3) 75 ANSI Número de código do jogo Macho manual (No.5-5 x P ø<=M10 ISO Número de código do jogo No.5 (forma B) No.Rosqueamento com machos COMPRIMENTO DOS CHANFROS E MACHOS SERIADOS O primeiro grupo (No.2) + Acabamento(No. 9 No. No. 3 ø>=M12 Número de código do jogo Inclui machos Nº No. 2 = No. O segundo grupo (No. 3 No. 2. 3 No. 2 + No.1) + Desbaste(No. No. deve-se usar um macho No. 2 + No. 3 No. 4. 5 + No.

5 34.210 19.153 20.5 45X2 45X3 48X1.3 7 8 9.5 5 5 Broca Diâm.5 10.210 31.75 2 2 2.45 1.1/4 1.75 8x1 9x1 10x0.5 5 5.5 23 24.00 2.35 0.210 47.3 3.210 15.5 26 28.5 25 26.5 43 42 46.00 1.35 4x0.35 3.686 48.6 1.40 4.676 13.5 13 12.75 7x0.210 Broca Diâm.6 1.5 4. mm 1.521 1.10 6.210 45.210 28.5 17 16.153 6.25 12x1.5 22 Broca Diâm.3 6.5 46 45 48.676 25.8 2 2.P Diâm.599 4.099 5.5 20 23 22.5 14 13. Interno Máx.010 3.270 35. As brocas modernas.210 30.5 5x0.912 8.5 48X2 48X3 50X1.441 12.210 26.679 1.5 2.5 5 6 7 8 9 10 11 12 14 16 18 20 22 24 27 30 33 36 39 42 45 48 52 DIÂMETROS RECOMENDADOS PARA AS BROCAS DORMER ADX E CDX Estas tabelas para diâmetros de brocas referem-se a brocas comuns standard.Rosqueamento com machos DIÂMETROS DAS BROCAS PARA MACHOS DE CORTE – TABELAS DE RECOMENDAÇÕES Os Diâmetros das brocas podem ser calculados : D = Dnom.5 3 3. mm 24 23.2 2. polgada 3/64 54 1/16 50 46 40 33 30 27 19 9 15/64 H 5/16 Q 3/8 Y 15/32 35/64 39/64 11/16 49/64 53/64 61/64 1.771 29.676 10.676 22.378 7. mm 1.25 14x1.5 39x3 40x1.5 4 4.676 36. o que faz necessário aumentar o diâmetro da broca a fim de evitar a quebra do macho.5 36 38.252 Broca Diâm.378 6.676 28.25 76 .5 24X2 MF 25X1 25X1.153 9.912 10.75 2.3 12 14 15.153 14. mm 2.05 2.65 3.912 7.676 15.8 4.676 34.5 38 37 40.5 16x1 16x1.8 12.5 3 3 3.25 14.5 29.3 7.321 1.5 3.75 10x1 10x1.599 3.5 22X2 24X1 24X1.70 10.5 42x2 42x3 45x1.50 1. polgada 37 1/8 29 16 9 5 D 9/32 J O U T 11/32 X 7/16 27/64 Z 17/32 1/2 31/64 35/64 17/32 19/32 9/16 43/64 41/64 5/8 3/4 47/64 45/64 53/64 13/16 25/32 29/32 7/8 55/64 Macho M 1.5 40x2 40x3 42x1.334 5.35 0.5 50X2 50X3 Diâm. mm 8.270 37.599 5.25 Broca Diâm.153 23.210 33.5x0.210 33.771 32.422 3.5 32x2 33x2 35x1.5 18X1 18X1.676 38.5 9.210 23.833 2.5 27x2 28x1.676 17.5 28x2 30x1.252 40.153 18.5 36x2 36x3 38x1.5 30x2 32x1.799 40.25 11x1 12x1 12x1.676 18.5 14x1 14x1.153 22.40 12. Interno Máx.676 16.5 25x2 26x1.252 26. mm 3.8 10.210 24.5 15x1 15x1.2 4.676 25.912 12.912 10.297 D = Diâmetro da broca (mm) Dnom = Diâmetro nominal do macho (mm) P = Passo do macho (mm) ROSCA MÉTRICA FINA ISO ROSCA MÉTRICA GROSSA ISO Macho Passo mm 0.252 43.676 43.676 14.75 8x0.210 21.8 10 11 10.5 2.45 0.30 5.5 4 4 4.721 3.45 0.25 1. MF 3x0.5 25.378 9.210 14.2 48 47 ROSCA MÉTRICA GROSSA ISO PARA ADX /CDX Macho M 4 5 6 8 Passo mm 0. mm 24. É favor ver a pequena tabela à direita.252 38.5 19.153 16.8 7.5 0.7 0.3/8 Macho Diâm.5 20X2 22X1 22X1.676 20.153 6.70 0.153 11.676 9.252 36.252 46.3 9 8.5 43 47 Broca Diâm.744 17.5 34 33 36.210 39.25 1.138 2.153 8.252 48.210 37.221 3.5 27x1.5 16 19 18.5/32 1.297 47.744 21.2 3.676 46.799 43.153 10.676 23.5 28 30.5 15 14.252 24.75 2.378 7.5 5.75 0.5 30 31 33. mm 2.676 34.00 Broca Diâm.5 32 35 37.8 8.8 1 1 1.5 1.5x0.3/64 1.5 18X2 20X1 20X1.25 1.153 13.5 21 24 26.5 40.5 40 39 43.153 8.2 5 6 6.5 1.5 17.676 26.5 36x1. tais como as Dormer ADX e CDX produzem um furo menor e mais preciso.153 12.210 45.50 6x0.676 40.5 2.9 3.878 4.744 19.90 Macho M 10 12 14 16 Passo mm 1. Interno Máx.5 18 21 20.676 30.80 1.4 0.6 0.

418 30.295 39.3 G 1/8 1/4 3/8 1/2 5/8 3/4 7/8 1 1.823 Broca Diâm.4 10 11.5 45 51 57 63 72.9 9.9 14.15 2.19/64 1.724 5.485 51.5 UNC nr 2-56 nr 3-48 nr 4-40 nr 5-40 nr 6-32 nr 8-32 nr 10-24 nr 12-24 1/4-20 5/16-18 3/8-16 7/16-14 1/2-13 9/16-12 5/8-11 3/4-10 7/8-9 1-8 1.75 24.5 16.216 85.5 29.580 7.084 14.890 15.164 9.1/2 1.5 39 41.7/64 1.5 22.5 16.3/8-6 1.5 32.1/2-12 BSW 3/32 1/8 5/32 3/16 7/32 1/4 5/16 3/8 7/16 1/2 9/16 5/8 3/4 7/8 1 1.538 19.3/4 2 2. mm 1.75 28 30.744 4.4 2.5/8 1.566 Broca Diâm. 28 19 19 14 14 14 14 11 11 11 11 11 11 11 11 11 Diâm.5 33.3/4-5 2-41/2 UNF nr 2-64 nr 3-56 nr 4-48 nr 5-44 nr 6-40 nr 8-36 nr 10-32 nr 12-28 1/4-28 5/16-24 3/8-24 7/16-20 1/2-20 9/16-18 5/8-18 3/4-16 7/8-14 1-12 1.411 22.814 45.094 36.11/32 1.3/64 1.1 2.296 63.5 35.7 5.5 7.618 13.9 2.1/2 2.65 2.176 13.689 20.185 24.872 2.7 13.5 12.658 28.3 8.25/32 ROSCA UNIFICADA AMERICANA FINA Diâm.962 4.2 10.1/4 2.013 12.85 2.1/2 1.224 6.610 12.607 4.913 2.744 29.8 6.054 30.910 2. Interno Máx.Rosqueamento com machos DIÂMETROS DAS BROCAS PARA MACHOS DE CORTE – TABELAS DE RECOMENDAÇÕES ROSCA UNIFICADA AMERICANA GROSSA Macho Diâm.128 24.5 5. Interno Máx.75 20.2 5.6 8 9. mm 8.7 4.5 9. mm 1.671 17.598 25.730 35.25 25 28 30.7 4.75 39.590 3.25 19 21 24.052 9.648 44.35 2.5 4 5 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 EG UNC nr 2-56 nr 3-48 nr 4-40 nr 5-40 nr 6-32 nr 8-32 nr 10-24 nr 12-24 1/4-20 5/16-18 3/8-16 7/16-14 1/2-13 77 .538 5. mm 8.6 3.1/4 1.734 8.7 2.75 36 Broca Diâm.5 79 85.931 39.921 39.4 23.75 22.8 12.748 22.5 ROSCA MÉTRICA ISO GROSSA PARA INSERTOS Macho Broca Diâm mm 2.25 30. mm 1.524 31.5 45 Diâm.7 4.697 2.1/4-12 1. mm 1.5 19.1/4-7 1.5 44.661 8.598 16.9 8.1/4 1.5 16.8 11.866 79.592 45.595 Broca Broca Macho Diâm.4 10.349 28.211 3. Interno Máx.385 2.172 21.5 17.3/4 1.3 2.1/8 1.5 19.9/16 1.3/4 3 EG M 2.197 2. Interno Máx.9 4.428 57.379 10.5 5.95 3.1/2 4.5 4.833 19.55 3.1 6.27/64 ROSCA WHITWORTH GROSSA Macho Número de dentes por pol.5 28.146 2.4 10.5 12 13.25 22 24.663 23.1 6.513 3.120 34.4 3.85 3.1/8-12 1.023 3.5 6. polgada 50 45 42 37 33 29 21 14 3 I Q 25/64 29/64 33/64 37/64 11/16 13/16 59/64 1.7/32 1.550 11.868 16.5 3 3. mm 2. mm 1.896 3.626 10.3/8-12 1.5 14.569 26.269 Broca Diâm.1 5.1/8-7 1.7 3 3.098 41.5 3.75 ROSCA UNIFICADA ISO GROSSA PARA INSERTOS Macho Broca Diâm. mm 1.3/8 1.1/2 Diâm.2 3.5 20. 48 40 32 24 24 20 18 16 14 12 12 11 10 9 8 7 7 6 6 5 5 4.7/8 2 ROSCA CILÍNDRICA WHITWORTH PARA TUBOS Macho Número de dentes por pol.741 3.1/2-6 1.030 11.848 11.268 6.9 11.5 18.85 2.459 2.1 4.879 28.2 3.4 5.456 13. polgada 50 47 43 38 36 29 25 16 7 F 5/16 U 27/64 31/64 17/32 21/32 49/64 7/8 63/64 1.342 72.25 26.038 8.395 19.11/64 1.555 33.5 12.7 8.2 13.8 15.75 34 39.166 4.597 5.919 33.2 6.

25 27 35.75 66.1/2 11.4 11.7/32 2.1/2 57. Interno Min.75 27.9 17.1/2” Rc 1/8 1/4 3/8 1/2 5/8 3/4 7/8 1 1.01 17.783 3”-8 84.50 19.607 69.5 78 84 NPSF 1/8”-27 1/4”-18 3/8”-18 1/2”-14 3/4”-14 1”-11.50 45. Interno Máx.21 21.166 Broca Diâm.684 Diâm.50 57. mm 8. mm 8.506 1.30 14. 9/16 1.232 14.13/64 1.5 45.50 69.73 52. mm 11.4 13.70 11.379 2.75 55.5 82. 1/4 2.41 19.1/2 11.339 2”-11.333 1”-11. mm 9.1/4 1.5 58 NPT 1/16 1/8 1/4 3/8 1/2 3/4 1 1. 28 19 19 14 14 14 14 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 Broca Diâm. Interno Máx.1/2 2 2.1/4”-.1/2 3 NPTF 1/8 1/4 3/8 1/2 3/4 1 1.5 52.118 23.246 12. Recom. 27 18 18 14 14 11.759 39.5/32 1.671 18.03 Broca Diâm.268 1.DIÂMETROS DAS BROCAS PARA MACHOS DE CORTE – TABELAS DE RECOMENDAÇÕES ROSCA STANDARD AMERICANA PARA UNIÕES MECÂNICAS Macho Diâm.1/4 Macho ROSCA PARA TUBO BLINDADO Broca Número de dentes por pol.1/4 1.465 29.1/2 30.2 14.1/2 8 8 Diâm.5/8 3.1/2 1.1/4 2.5 16 21 29 36 42 48 78 .50 29.47/64 2.75 23 29 37. polgada 23/64 15/32 39/64 3/4 31/32 1.73 58.50 39.3 8. NPSM mm 1/8”-27 9.638 303.1/2 2 2.1/2 3 PG 7 9 11 13.5 11 14.25 19 21.1/2 2.23/32 3.75 18.568 57.25 23. 27 27 18 18 14 14 14 11.4 10. polgada D R 7/16 37/64 23/32 59/64 1.5 18 23 29 38 44 56 67 83 Broca Diâm. Recom.217 15.279 24.1/2”-8 68.1/2 1.1/2”-.1/8 1.10 12.039 1/4”-18 11.1/2 11.5 Macho ROSCA PARA TUBO DE ARMA Número de dentes por pol.03 35.00 24.3/4 2 2.75 43.25 20.50 ROSCA CÔNICA WHITWORTH PARA TUBOS Macho Número de dentes por pol.11.3/8 Rosqueamento com machos ROSCA STANDARD AMERICANA INTERNA PARA TUBOS Macho Diâm.75 18. Recom.1/4 1. mm 8.5 41 44.1/2 11.545 19.974 3/4”-14 24.11.5 38.31 27. mm 9.464 Broca Diâm.3/4 3 ROSCA STANDARD AMERICANA PARA TUBO CÔNICO Macho Número de dentes por pol.45 14.497 45.651 11. Interno Diâm. mm 8. 20 18 18 18 18 16 16 16 16 16 Diâm.5 30 34.5 50 56 62 71.887 3/8”-18 15.25 23.316 1/2”-14 18.3/8 1.73 45.1/2 39.1/2 11.266 85. mm 11.51/64 2.00 85.00 Broca Diâm.50 30.00 15.9 14.1/2 8 8 Broca Diâm.1/2 45.25 17. mm 6.

7 7.8 2.50 5x0.7 7.3 11.0 15.441 12.459 2.1 10.3 13. Interno Máx.153 12.3 15.9 4.25 ROSCA UNIFICADA Macho Diâm.2 3.626 10.268 6. Interno Máx.7 2.293 Z .912 8. mm 1.153 6.0 2.1 Broca Diâm.913 2.164 9.0068 * P * 65 ROSCA MÉTRICA Macho Diâm.7 2 2.2 3.25 14x1.618 Broca Diâm.676 13. mm 3.550 11.676 15.4 9.912 11.8 3.50 14x1. Interno Máx.9 3.9912 10.896 3.75 8x1. mm 1.513 3.2 13.210 Broca Diâm mm 1.158 9.582 1.8 4.476 79 .148 2.3 2.25 12x1.679 2.734 8.010 3.4 11.5 9.5 9.210 14.75 8x0. mm 1.5 4 5 6 8 10 12 14 16 35 30 14 7/32 7/16 MF 4x0.138 2.3 2.5 9.6 12.5 3 3. polgada 51 47 39 33 1/8 25 11/64 9 Macho ROSCA UNIFICADA FINA Diâm.5 7.724 5.697 2.DIÂMETROS DAS BROCAS PARA MACHOS DE LAMINADORES – TABELAS DE RECOMENDAÇÕES Os Diâmetros das brocas podem ser calculados : Rosqueamento com machos D = Diâmetro da broca (mm) Dnom = Diâmetro nominal do macho (mm) P = Passo do macho (mm) Na fórmula 65 significa a altura desejada do fio de rosca em % ROSCA MÉTRICA FINA D = Dnom.038 8.912 12.00 12x1. Interno Máx.597 5.8 4.741 3.00 10x1.013 Broca Diâm.599 4.1 6 7.7 4.4 13.613 1.153 8.25 12x1. mm 1.023 3.4 11.153 14. mm 1.8 7.676 Broca Diâm mm 3.6 2.153 10.8 5.9 3.463 UNF nr 1-72 nr 2-64 nr 3-56 nr 4-48 nr 5-44 nr 6-10 nr 8-36 nr 10-32 nr 12-28 1/4-28 5/16-24 3/8-24 7/16-20 1/2-20 37 33 1/8 24 16 7 A .2 3.5 11.00 10x1.334 5.962 4.3 8.50 Diâm.588 7.3 2.197 2.6 5.6 2.50 6x0.00 16x1.378 7.378 7.676 10.3 11.0.9 Broca Diâm. polgada 51 UNC nr 1-64 nr 2-56 nr 3-48 nr 4-40 nr 5-40 nr 6-32 nr 8-32 nr 10-24 nr 12-24 1/4-20 5/16-18 3/8-16 7/16-14 1/2-13 11/32 Y .607 4.0 Broca Diâm polgada Macho M 2 2.166 4.599 3.8 10.5 15.385 2.422 4.4 5 5.599 5.5 5.5 13.50 16x1.872 2.00 14x1.030 11.

8 No.6 M1.2 M1.24 2.30 7.50 2.00 5.5 M4 M4.00 22.00 16.00 4.2 M2.00 22.00 18.00 16.80 3.00 18.15 3.50 14.40 M3 M3.40 25.80 3. No.00 11.30 7.00 11. No. No.00 ISO 529 Métrico M1 M1.00 8.00 28. 0 1 2 3 4 5 6 2.60 6. No.10 8.00 2.00 10.5 M5 M5.00 9.55 4.50 5.20 12.10 8.00 9.60 6.Rosqueamento com machos DESCRIÇÃO DA HASTE ISO – DIMENSÕES DE HASTE E QUADRADO Diâmetro Quadrado da Haste mm mm 2. No. 12 7/32 1⁄4 9/32 5/16 3/8 7/16 1⁄2 9/16 5/8 11/16 3⁄4 7/8 1” 1 1/8 1 1⁄4 1 3/8 1 1⁄2 M14 M16 M18 M20 M22 M24 M27 M30 G 3/8 Rc 3/8 G 5/8 G 3⁄4 G 7/8 G 1” Rc 5/8 Rc 3⁄4 Rc 7/8 Rc 1” 80 .00 10.50 2.5 M6 M7 M8 M9 M10 M11 M12 M14 M16 M18 M20 M22 M24 M27 M30 M33 M36 M39 M42 ISO 529 UNC/UNF BSW/BSF ISO2283 Métrico ISO2284 G ISO2284 Rc No.20 12.50 5. No.00 4.15 3.5 M3 M3. 10 3/16 No.55 4.00 20.00 20.30 7.4 M1.00 6.10 9.50 14.0 5.8 M2 M2.5 M4 M5 M6 M7 M8 M10 M12 G 1/8 G 1⁄4 Rc 1/8 Rc 1⁄4 No.

00 3.00 M36 M36 32.00 5.2 M3.1 M1.50 M10 M10 8.5 M3.00 20.00 8.8 2.00 29.00 M39 M39 M42 M42 36.90 M5 M6 M5 M6 M8 M8 7.00 39.00 M16 M16 14.4 M1.5 M6 M8 M9 M10 M12 M14 M16 M18 M20 M22 M24 M27 M28 M30 M33 M36 M39 M42 M45 M48 1/8 5/32 3/16 1⁄4 5/16 3/8 1⁄4 5/16 3/8 7/16 1⁄2 9/16 5/8 3⁄4 7/8 1” 1 1/8 1 1⁄4 1 3/8 1 1⁄2 1 5/8 1 3⁄4 1 7/8 2 G 1/8 G 1⁄4 G 3/8 G 1⁄2 G 5/8 G 3⁄4 G 7/8 G 1” G 1 1/8 G 1 1⁄4 G 1 1⁄2 G 1 3⁄4 G 2” G 2 1⁄4 G 2 1⁄2 G 2 3⁄4 G 3” 81 .6 M1.1 M1.8 M1.00 M45 M45 M48 M48 40.1 M1 M1 M1.00 M52 M52 45.00 M14 M14 12.50 3.2 M4 M2.00 9.00 DIN 374 DIN 2182 DIN 2183 DIN 353 DIN 374 M3.5 2.50 2.2 M1.00 7.2 M2.00 M10 11.00 35.00 18.00 9.00 6.40 M4 M4 M6 6.5 M2.00 M12 M12 10.00 M18 M18 16.Rosqueamento com machos DIN – DIMENSÕES DE HASTE E QUADRADO Diâmetro da Quadrado DIN 352 DIN 371 DIN 376 Haste mm mm 2.5 3.5 4.20 M8 9.00 14.00 M27 M27 22.5 1/16 M4 3/32 5/32 3/16 M5 M5.4 3.50 M22 M24 M22 M24 20.00 32.00 M3.00 22.20 2.00 12.00 M33 M33 28.6 M1.4 M1.00 24.8 2.00 4.00 11.00 16.00 M20 M20 18.5 M1.1 M2 M2 M2.00 50.70 M3 M3 M5 4.00 M30 M30 25.

141 0.152 No 10 0.323 0.305 1.8 0.165 No 12 0.194 0.644 82 0.59 0.36 0.831 0.131 No 8 0.57 0.238 0.22 0. Pol.542 0.6 M 1.652 0.442 0.9 Dimensões métricas M 1.233 1.11 No 0 No 1 No 2 No 3 No 4 No 5 No 6 0.76 0.925 0.191 0.168 0.697 0.896 1.Rosqueamento com machos ANSI – DIMENSÕES DE HASTE E QUADRADO Diâmetro da Quadrado ASME B94.072 1.108 1.322 0.489 0.979 1. parafusos para máquina 0.766 0.406 0.255 0.381 0.523 0.275 0.672 0.5 M4 M5 1⁄4 5/16 3/8 7/16 1⁄2 9/16 5/8 11/16 3⁄4 13/16 7/8 15/16 1 1 1/16 1 1/8 1 3/16 1 1⁄4 1 5/16 1 3/8 1 7/16 1 1⁄2 1 5/8 1 3⁄4 1 7/8 2 M6 M7 M8 M 10 M 12 M14 M16 M18 M20 M22 M24 M 25 M27 M30 M33 M36 M39 M42 M48 .233 ASME B94.367 0.9 Haste Dimensões dos Pol.318 0.139 1.429 0.43 1.286 0.6 0.9 Dimensões fracionárias ASME B94.242 0.021 1.5 M3 M 3.8 M2 M 2.48 0.519 1.

Utilizar macho com ângulo de incidência maior. Verificar posição axial e reduzir o erro axial da ponta do macho no centro do furo. especialmente em materiais com baixa tendência a super-dimensão. Utilizar ferramenta revestida para evitar as arestas postiças. Ver Seção de Lubrificantes. Ver Tabelas das Brocas para Rosqueamento. Utilizar ponta helicoidal para furo passante ou canal helicoidal para furo cego. Ver Tabelas de Brocas para rosqueamento. 83 InfraDimensão Tolerância incorreta Lubrificante incorreto ou falta do mesmo Furo pequeno demais para o macho O material “fecha-se” após o rosqueamento Escamação Tipo errado de macho para a aplicação Lubrificação incorreta ou falta da mesma Os machos batem no fundo do furo Superfície endurecida pelo trabalho Cavacos presos na reversão O chanfro bate na entrada do furo Furo pequeno demais para o macho . Escolher um macho com tolerância mais elevada. Escolher um macho com chanfro mais longo. utilizar ferramenta com cobertura. Utilizar uma boa lubrificação a fim de evitar a formação de aresta postiça. Verificar Catálogo ou Selector para alternativa correta de ferramenta. Reduzir velocidade. Utilizar ponta helicoidal para furo passante ou canal helicoidal para furo cego. Utilizar ferramenta com cobertura para evitar as arestas postiças. Ver Seção de Lubrificantes. a fim de evitar bloqueio dos cavacos. Utilizar machos com ponta helicoidal para furo passante e canais helicoidal para furos cegos. Utilizar boa lubrificação a fim de evitar aresta postiça. Ver recomendações no Catálogo / Selector para alternativa correta de ferramenta. aço inoxidável. Utilizar uma boa lubrificação a fim de evitar o bloqueio dos cavacos dentro do furo.SOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ROSQUEAMENTO Problema Causa SuperDimensão Tolerância Incorreta Taxa de avanço axial incorreta Tipo errado de macho para a aplicação Macho não centralizado no furo Falta de lubrificação Velocidade do macho baixa demais Tipo errado de macho para a aplicação Rosqueamento com machos Solução Escolher um macho com tolerância de rosca mais baixa. Escolher um macho com menor ângulo de incidência. Verificar Catálogo ou Selector para alternativa correta de ferramenta. Seguir as recomendações no Catálogo / Selector. Aumentar o diâmetro da broca até o valor máximo. Ver Seção Lubrificantes. tais como ferro fundido. Aumentar o diâmetro da broca para o valor máximo. Ver Seção para usinagem de aços inoxidáveis. Evitar retorno repentino do macho no movimento de reversão. Verificar o porta-macho e posicionar o centro do macho no furo. Verificar Catálogo ou Selector para alternativa correta de ferramenta. Aumentar profundidade de furação ou diminuir profundidade de rosqueamento. Reduzir a taxa de avanço em 5-10% ou aumentar a pressão no porta-macho. utilizar boa lubrificação.

Aresta postiça Tipo errado de macho para a Utilizar macho com menor ângulo de aplicação incidência e maior alívio. Verificar Catálogo ou Selector para alternativa correta da ferramenta. Ver Seção Lubrificação. Verificar Catálogo ou Selector para alternativa correta da ferramenta. Torque elevado demais Utilizar dispositivo de rosqueamento com embreagem de reajuste do torque. Seguir as elevada recomendações de Catálogo/Selector.Rosqueamento com machos Problema Quebra do macho Usar um macho novo ou reafiar o que está usando. Utilizar ferramenta revestida. Utilizar boa lubrificação. Ver Seção Lubrificação. Velocidade do macho alta demais Reduzir velocidade de corte. Falta de lubrificante Utilizar uma boa lubrificação a fim de evitar aresta postiça. Velocidade do macho baixa demais Seguir recomendações do Catálogo/ Selector. Superfície endurecida pelo trabalho Reduzir velocidade. Seguir recomendações no Catálogo/Selector. Falta de lubrificante Utilizar uma boa lubrificação a fim de evitar aresta postiça e bloqueio de cavacos. Tratamento da superfície não é Ver Seção de Tratamentos Superficiais adequado para recomendações. Causa Macho desgastado Solução 84 . Velocidade do macho muito Reduzir a velocidade do macho. Furo a ser rosqueado pequeno Aumentar o diâmetro da broca até o valor demais máximo. Falta de lubrificante Utilizar uma boa lubrificação a fim de evitar aresta postiça. Ver Seção para Usinagem de Aços Inoxidáveis. Desgaste Tipo errado de macho para a Utilizar macho com menor ângulo de rápido aplicação incidência e maior alívio. Ver Tabelas de Brocas para Rosqueamento. Ver Seção Lubrificação O macho bate no fundo do furo Aumentar a profundidade da furação ou diminuir a profundidade do rosqueamento. O material se contrai após o Ver recomendações no Catálogo/ Seletor rosqueamento de Produto para a alternativa correta da ferramenta.

85 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->